Você está na página 1de 11

MARÇO / 2010

40 TARDE

TÉCNICO(A) DE OPERAÇÃO JÚNIOR


CONHECIMENT
CONHECIMENTOS OS ESPECÍFICOS
LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.
01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material:
a) este caderno, com os enunciados das 50 questões objetivas, sem repetição ou falha, com a seguinte distribuição:

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
Questões Pontos Questões Pontos Questões Pontos
1 a 10 1,0 21 a 30 2,0 41 a 50 3,0
11 a 20 1,5 31 a 40 2,5 - -

b) 1 CARTÃO-RESPOSTA destinado às respostas às questões objetivas formuladas nas provas.


02 - Verifique se este material está em ordem e se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem no CARTÃO-
RESPOSTA. Caso contrário, notifique IMEDIATAMENTE o fiscal.
03 - Após a conferência, o candidato deverá assinar no espaço próprio do CARTÃO-RESPOSTA, a caneta esferográ-
fica transparente de tinta na cor preta.
04 - No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo a letra e
preenchendo todo o espaço compreendido pelos círculos, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta,
de forma contínua e densa. A LEITORA ÓTICA é sensível a marcas escuras; portanto, preencha os campos de
marcação completamente, sem deixar claros.

Exemplo: A C D E

05 - Tenha muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR.
O CARTÃO-RESPOSTA SOMENTE poderá ser substituído caso esteja danificado em suas margens superior ou inferior -
BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA.
06 - Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E);
só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em
mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA.
07 - As questões objetivas são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado.
08 - SERÁ ELIMINADO do Processo Seletivo Público o candidato que:
a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores,
headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie;
b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA;
c) se recusar a entregar o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA quando terminar o tempo estabelecido.
09 - Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no
Caderno de Questões NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA.
10 - Quando terminar, entregue ao fiscal O CADERNO DE QUESTÕES E O CARTÃO-RESPOSTA e ASSINE A LISTA DE
PRESENÇA.
Obs. O candidato só poderá se ausentar do recinto das provas após 1 (uma) hora contada a partir do efetivo início das
mesmas. Por motivos de segurança, o candidato NÃO PODERÁ LEVAR O CADERNO DE QUESTÕES, a qualquer momento.
11 - O TEMPO DISPONÍVEL PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETIVAS É DE 3 (TRÊS) HORAS e
30 (TRINTA) MINUTOS, findo o qual o candidato deverá, obrigatoriamente, entregar o CARTÃO-RESPOSTA.
12 - As questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no primeiro dia útil após a realização das
mesmas, no endereço eletrônico da FUNDAÇÃO CESGRANRIO (http://www.cesgranrio.org.br).
1 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 18
IA Com massas atômicas referidas ao isótopo 12 do carbono VIIIA
1 2

2 13 14 15 16 17
HÉLIO

1 H He

HIDROGÊNIO
1,0079 IIA IIIA IVA VA VIA VIIA 4,0026
3 4 5 6 7 8 9 10

LÍTIO
2 Li Be

BORO
B C N O F Ne
FLÚOR
NEÔNIO

BERÍLIO
OXIGÊNIO

CARBONO
NITROGÊNIO
10,811(5) 12,011 14,007 15,999 18,998 20,180

TÉCNICO(A) DE OPERAÇÃO JÚNIOR


6,941(2) 9,0122

11 12 13 14 15 16 17 18
Na 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

SÓDIO
3 Mg Al Si P S Cl Ar

SILÍCIO
CLORO
ARGÔNIO

MAGNÉSIO
FÓSFORO

ALUMÍNIO
ENXOFRE

22,990 24,305 IIIB IVB VB VIB VIIB VIII VIII VIII IB IIB 26,982 28,086 30,974 32,066(6) 35,453 39,948
19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36

GÁLIO
K Ca Sc Ti V Cr Mn Fe Co Ni Cu Zn Ga Ge As Se Br Kr

ZINCO
BROMO

NÍQUEL

FERRO
4

COBRE

CÁLCIO
SELÊNIO

CRÔMIO

TITÂNIO
ARSÊNIO

VANÁDIO
COBALTO
GERMÂNIO

POTÁSSIO
ESCÂNDIO
CRIPTÔNIO

MANGANÊS
39,098 40,078(4) 44,956 47,867 50,942 51,996 54,938 55,845(2) 58,933 58,693 63,546(3) 65,39(2) 69,723 72,61(2) 74,922 78,96(3) 79,904 83,80

37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54

ÍTRIO
IODO

ÍNDIO

PRATA
5 Pd I

NIÓBIO
Sr Sn

RUBÍDIO
Rb Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Ag Cd In Sb Te Xe

RÓDIO
TELÚRIO

PALÁDIO
CÁDMIO

RUTÊNIO
ESTANHO
XENÔNIO

ZIRCÔNIO
TECNÉCIO
ANTIMÔNIO

ESTRÔNCIO
MOLIBDÊNIO
85,468 87,62 88,906 91,224(2) 92,906 95,94 98,906 101,07(2) 102,91 106,42 107,87 112,41 114,82 118,71 121,76 127,60(3) 126,90 131,29(2)

2
55 56 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86
57 a 71
TÁLIO

OURO
Cs

CÉSIO
IRÍDIO
Ba Pt

BÁRIO
Hg Bi At Rn

ÓSMIO
Ta Re Os Po

HÁFNIO
6 Hf W Ir Au Tl

RÊNIO
Pb
ASTATO

CHUMBO
RADÔNIO

PLATINA

TÂNTALO
POLÔNIO

BISMUTO

MERCÚRIO

TUNGSTÊNIO
132,91 137,33
La-Lu 178,49(2) 180,95 183,84 186,21 190,23(3) 192,22 195,08(3) 196,97 200,59(2) 204,38 207,2 208,98 209,98 209,99 222,02
87 88 104 105 106 107 108 109 110 111 112
89 a 103
Fr Ra Rf Db Sg Bh Hs Mt Uun Uuu Uub

RÁDIO
7

HASSIO

FRÂNCIO
DÚBNIO
BÓHRIO
UNUNILIO
UNÚNBIO

UNUNÚNIO

MEITNÉRIO

SEABÓRGIO
223,02 226,03
Ac-Lr 261 262

RUTHERFÓRDIO
Série dos Lantanídios
57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71
Número Atômico

CÉRIO
La Ce Pr Nd Pm Sm Eu Gd Tb Dy Ho Er Tm Yb Lu
TÚLIO

ÉRBIO

6
TÉRBIO
ITÉRBIO

HÓLMIO
LUTÉCIO

EURÓPIO

LANTÂNIO
SAMÁRIO

NEODÍMIO
PROMÉCIO
DISPRÓSIO

GADOLÍNIO

138,91 140,91 146,92 151,96

PRASEODÍMIO
140,12 144,24(3) 150,36(3) 157,25(3) 158,93 162,50(3) 164,93 167,26(3) 168,93 173,04(3) 174,97

Símbolo
Série dos Actinídios
89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103
Massa Atômica
Ac Th Pa U Np Pu Am Cm Bk Cf Es Fm Md No Lr

NOME DO ELEMENTO
7

TÓRIO
CÚRIO

URÂNIO

ACTÍNIO
FÉRMIO

NETÚNIO
NOBÉLIO

AMERÍCIO

PLUTÔNIO
EINSTÊINIO

BERQUÉLIO
LAURÊNCIO

CALIFÓRNIO
MENDELÉVIO

PROTACTÍNIO
227,03 232,04 231,04 238,03 237,05 239,05 241,06 244,06 249,08 252,08 252,08 257,10 258,10 259,10 262,11

Massa atômica relativa. A incerteza


no último dígito é ± 1, exceto quando
indicado entre parênteses.
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 4
A água oxigenada ou peróxido de hidrogênio (H2O2) pode
1 atuar tanto como oxidante quanto como redutor, depen-
O metano (CH4) é o principal constituinte do gás natural, dendo do meio em que se encontra, como pode ser visto
um dos combustíveis mais utilizados atualmente. Em nas seguintes reações:
condições normais de temperatura e pressão, a massa H2O2 + H2 SO4 + KMnO4 ® K2 SO4 + MnSO4 + H2O + O2
de gás carbônico (CO2), em toneladas, produzida pela
combustão completa de 200 toneladas de CH4 é H2O2 + KCA ® CA2 + KOH
Essa característica pode ser atribuída, principalmente, ao
Dados: C (12u); H (1u); O (16u) fato de o oxigênio, nesse composto, possuir estado de
oxidação igual a
(A) 220 (A) −2
(B) 275 (B) −1
(C) 0
(C) 440
(D) +1
(D) 550 (E) +2
(E) 825
5
2 A célula a combustível de hidrogênio funciona pela reação
Considere volumes iguais para soluções aquosas 0,1 mol/L
de combustão entre o hidrogênio e o oxigênio, produzindo
dos ácidos junto às suas respectivas constantes de
ionização (Ka), apresentados na tabela abaixo. água. Como eletrólito, emprega-se uma solução aquosa
concentrada de KOH. A reação global do processo é
Ácidos Ka
representada pela equação H2 + ½ O2 ® H2O. Essa equa-
−4
HF 6,8 .10 ção é obtida por meio das semirreações que ocorrem nos
HNO2 4,7 .10−4 eletrodos da célula. No catodo, a equação da semirreação
é ½ O2 + H2 O + 2 e− ® 2 OH− e, no anodo, a equação é
CH2ClCOOH 1,4 .10−3
(A) ½ H2 + OH− ® H2O + e−
Se a condutibilidade elétrica dessas soluções for compa- (B) ½ H2 + OH− + 2 e− ® H2O
rada, a ordem decrescente entre elas será: (C) H2 + 2 OH− ® 2 H2O + 2 e−
(A) HF > HNO2 > CH2ClCOOH (D) H2 + 2 OH− + 2 e− ® 2 H2O
(B) HNO2 > HF > CH2ClCOOH
(E) 2 H2O + e− ® H2 + 2 OH−
(C) HF > CH2ClCOOH > HNO2
(D) CH2ClCOOH > HF > HNO2
6
(E) CH2ClCOOH > HNO2 > HF A expressão da constante de equilíbrio, em termos de
concentração de produtos e reagentes, de uma das etapas
3 para a obtenção industrial do ácido sulfúrico é dada por
Considere a equação balanceada para a seguinte reação
de oxirredução: [SO3 ]2
Kc =
[SO2 ]2 [O2 ]
10 FeSO4 + 2 KMnO4 + 8 H2SO4 ® 5 Fe(SO4)3 + K2SO4 +
2 MnSO4 + 8 H2O A equação da reação química representada pela expressão
dessa constante de equilíbrio é
O agente redutor na reação é (A) 2 SO2 (g) + O2 (g) 2 SO3 (g)
(A) K+ (B) SO2 (g) + 2 O2 (g) SO3 (g)
(B) H+
(C) 2 SO3 (g) 2 SO2 (g) + O2 (g)
(C) Fe2+
(D) SO42− (D) SO3 (g) SO2 (g) + 2 O2 (g)
(E) MnO4− (E) 2 SO2 (g) + 2 O2 (g) 2 SO3 (g)

3
TÉCNICO(A) DE OPERAÇÃO JÚNIOR
7 10
Dutos e tanques enterrados podem sofrer corrosão O monóxido de carbono reage com a água produzindo
eletrolítica ocasionada por correntes elétricas de interferên- hidrogênio, em condições industrialmente apropriadas,
cia, denominadas correntes de fuga. Esse é um processo numa reação reversível, conhecida como reação de
não espontâneo de corrosão, onde a corrente elétrica dei- deslocamento. Observe a equação abaixo que representa
xa o seu circuito normal para fluir pelo solo, atinge a estru- o sistema em equilíbrio.
tura metálica, forçando-a a agir como um anodo ativo e, em
seguida, a abandona para retornar ao circuito original. A CO (g) + H2O (g) CO2 (g) + H2 (g) DH = − 42.3 kJ/mol
região onde a corrente elétrica deixa o solo e entra na es-
trutura caracteriza-se como a área catódica e a região pela No sistema em equilíbrio, para aumentar a produção de
qual a corrente abandona a estrutura e entra no solo, como hidrogênio (H2), deve-se
a área anódica. Assim, de acordo com a descrição do pro- (A) diminuir a pressão.
cesso, os danos causados à estrutura metálica são obser- (B) diminuir a concentração de CO.
vados por reações de oxidação que ocorrem (C) diminuir a temperatura.
(A) na área anódica, no ponto em que a corrente elétrica (D) introduzir um gás inerte a volume constante.
deixa a estrutura metálica, em função da formação de (E) adicionar um catalisador ao meio reacional.
cátions do metal nessa região.
(B) na área catódica, no ponto em que a corrente elétrica
11
entra na estrutura metálica, em função da recepção de
Uma solução de salmoura foi preparada em um tanque
elétrons pelos íons e moléculas do solo.
(C) entre a área anódica e a área catódica, em função do misturando-se 600 L de HCA 0,2 M com 400 L de NaOH
fluxo de elétrons entre as duas regiões. 0,3 M. Desprezando-se o volume de água formado na
(D) entre a área anódica e a área catódica, em função da reação, a concentração, em molaridade (M), da solução
difusão de ânions e cátions entre a estrutura e o solo. final em relação ao sal formado foi
(E) ao longo de toda a estrutura, com a passagem da (A) 0,12 (B) 0,16
corrente elétrica no sentido contrário ao do fluxo de (C) 0,24 (D) 0,32
elétrons. (E) 0,40

8 12
A presença de tensoativos naturais no petróleo, como As reações apresentadas a seguir são provenientes da
asfaltenos, resinas, ácidos naftênicos, entre outros, presença do sulfeto de hidrogênio (H 2 S) em alguns
propicia a formação de emulsões contendo gotas de água processos industriais.
dispersas no óleo. Esses tensoativos, também chamados
de surfactantes, migram para a interface óleo-água, I - 2 NaOH + H2S ® Na2S + 2 H2O
atuando como agentes II - H2S + 3/2 O2 ® SO2 + H2O
(A) oxidantes.
III - FeCA2 + H2S ® 2 HCA + FeS
(B) dispersantes.
(C) catalisadores. IV - Fe + H2S ® FeS + H2
(D) hidrolisantes.
(E) emulsificantes. Apresentam processos de oxirredução,ou seja, transferên-
cias de elétrons, APENAS as reações
(A) I e II. (B) I e III.
9
(C) II e III. (D) II e IV.
O gás clorídrico (HCA) é uma substância gasosa formada
(E) III e IV.
por moléculas polares. A formação de uma solução aquosa
desse gás ocorre pela ionização de suas moléculas, por
meio de uma reação com a água, provocando a formação 13
O óxido de cálcio reage com água formando a cal hidratada,
dos íons H3O+ e CA−. Dentre as substâncias relacionadas,
de acordo com a seguinte reação:
a que passa pelo mesmo processo de dissolução que o
HCA para formar uma solução aquosa é
(A) NaCA. CaO + H2O ® Ca(OH)2 + 63.7 kJ/mol de CaO
(B) NaOH.
(C) NH3. Essa característica de reagir com a água formando uma
base também é apresentada por
(D) CH4.
(E) KOH. (A) SO2 (B) N2O3 (C) CO (D) P2O5 (E) K2O

4
TÉCNICO(A) DE OPERAÇÃO JÚNIOR
14 17
A temperatura de ebulição de um composto orgânico Os polímeros vinílicos são polímeros de adição, cujos
depende, fundamentalmente, da massa molecular de suas monômeros apresentam o grupamento vinila [CH2 = CH –]
moléculas e das forças intermoleculares existentes entre em sua composição. Um desses polímeros é o poliestireno,
elas. Nos alcanos de cadeia normal, as temperaturas de
utilizado na fabricação de embalagens, pratos, copos, etc.
ebulição aumentam, gradativamente, com o aumento de
Dentre as estruturas moleculares relacionadas, a que apre-
suas massas moleculares. No entanto, entre alcanos de
igual massa molecular, o ponto de ebulição, em geral, senta o monômero do poliestireno é
diminui com o aumento de ramificações. Isso acontece (A) (B)
porque as ramificações dificultam a atração recíproca entre
as moléculas desses compostos, que são promovidas por
(A) ligações covalentes polares.
(B) forças iônicas. (C) (D)
(C) forças de Van der Waals.
(D) forças dipolo-dipolo.
(E) pontes de hidrogênio.
(E)
15
Uma corrente de água residuária, em sua fase final de
tratamento, apresentava pH igual a 3,6. Para que pudesse
ser disposta no ambiente de forma adequada, essa
corrente passou por uma etapa de correção de seu pH,
que foi para 6,7. Após a correção do pH, a [H+] na água 18
residuária Em uma unidade de refino, operações que envolvem a
(A) diminuiu cerca de 100 vezes. quebra de emulsões de óleo disperso em água e de água
(B) diminuiu cerca de 1.000 vezes. dispersa em óleo são empregadas, respectivamente, em
(C) permaneceu inalterada. processos de
(D) aumentou cerca de 100 vezes. (A) tratamento de efluentes hídricos e dessalgação.
(E) aumentou cerca de 1.000 vezes. (B) tratamento de água e destilação.
(C) coqueamento e hidrotratamento.
16 (D) resfriamento e captação de água.
Um fator a ser considerado na escolha de uma substância (E) craqueamento e geração de vapor.
a ser usada como combustível nas indústrias é o seu
poder calorífico, ou seja, a quantidade de calor que essa 19
substância é capaz de liberar. As equações para as A reforma catalítica é um importante processo industrial
reações de combustão do etanol e do metano (principal usado para aumentar o número de octanagem da gasolina
constituinte do gás natural) são, respectivamente, as e produzir aromáticos por meio de aquecimento e
seguintes: catalisadores apropriados. O benzeno, por exemplo, pode
C2H5OH (A) + 3 O2 ® 2 CO2 (g) + 3 H2O (A) DH = − 1368 kJ /mol ser obtido a partir do n-hexano por meio da seguinte
reação:
CH4 (g) + 2 O2 (g) ® CO2 (g) + 2 H2O (g) DH = − 804 kJ /mol
CH3-CH2- CH2- CH2- CH2- CH3 + 3H2
A comparação do poder calorífico do etanol e do metano, Catalisadores
ambos medidos em kJ / kg, permite concluir que o poder
calorífico do metano é
Nesse processo, átomos de hidrogênio são retirados da
Dados: C = 12 u.; H = 1 u.; O = 16 u. molécula do n-hexano para a formação do anel benzênico,
caracterizando uma reação de eliminação conhecida como
(A) cerca de 3,4 vezes menor que o do etanol. (A) hidrogenação catalítica.
(B) cerca de 1,7 vezes menor que o do etanol. (B) hidrogenólise.
(C) aproximadamente igual ao do etanol. (C) desidratação.
(D) cerca de 1,7 vezes maior que o do etanol. (D) desidrogenação.
(E) cerca de 3,4 vezes maior que o do etanol. (E) desidro-halogenação.

5
TÉCNICO(A) DE OPERAÇÃO JÚNIOR
20 24
A hidrólise salina é um processo em que íons provenientes Um bloco de peso P está suspenso, em repouso, por um
de um sal reagem com a água, podendo gerar uma solução sistema de roldanas, conforme mostrado na figura abaixo.
ácida, básica ou neutra. Assim, uma solução aquosa ácida
será obtida quando se dissolve em água
(A) KCL
(B) NH4CL
(C) CH3COONa
(D) NaSO4
(E) NH4CN

21
As mudanças de estado de agregação da matéria são
quase sempre acompanhadas por liberação ou por absor-
ção de calor. Assim, são considerados como exotérmicos
SOMENTE os processos de
(A) fusão e vaporização.
(B) condensação e solidificação. F
(C) sublimação e solidificação.
(D) condensação e fusão.
(E) vaporização e sublimação.
A força F que uma pessoa deve exercer no cabo, para man-
22 ter o bloco em equilíbrio é dada por
Na gaseificação de carvão, ocorrem duas reações principais: (A) 8 P
(B) 4 P
I - C + H2O ® CO + H2 DH = + 118,5 kJ/mol (C) 2 P
II - CO + H2O CO2 + H2 DH = − 42,3 kJ/mol (D) P
(E) P/4
Analisando as equações termoquímicas para as reações
I e II, verifica-se que a reação 25
(A) I é endotérmica, liberando 118,5 kJ por mol de C Dois corpos de massa m = 2,0 kg estão ligados por um fio
consumido. inextensível de massa desprezível e uma polia de massa
(B) I é exotérmica, liberando 118,5 kJ por mol de H 2 também desprezível. Os dois blocos se movimentam com
produzido. a mesma aceleração “a”.
(C) II é endotérmica, consumindo 42,3 kJ por mol de H2
produzido.
(D) II é exotérmica, liberando 42,3 kJ por mol de H 2
produzido.
(E) II é exotérmica, consumindo 42,3 kJ por mol de CO
consumido.

23
Considere a reação a seguir.

H2SO4 + 2 KOH ® K2SO4 + 2 H2O


Considere g = 10 m/s2 e despreze a força de atrito e a
Para que ocorra a neutralização total do ácido e da base, resistência do ar.
é necessário que, no final da reação, exista a seguinte Qual é o valor, em N, da tensão no cabo?
condição: (A) 10
(B) 50
(A) [SO4−2] = [OH−] (B) [H+] = [H2O]
(C) 100
(C) [OH-] = [H2O] (D) [H+] = [OH−] (D) 500
(E) [K+] = [H+] (E) 1.000

6
TÉCNICO(A) DE OPERAÇÃO JÚNIOR
26 29
Um bloco de massa m = 2,0 kg está em repouso suspenso Um gás utilizado numa máquina térmica executa o ciclo
por 3 cabos. Os cabos A e B fazem um ângulo de 30° com termodinâmico ABCDA mostrado no gráfico pressão x volume
o teto. abaixo.
2
P(N/m )
30º 30º A B
A B 6.000

2.000
D C

1,0 3,0 V(m3)


Qual o valor, em N, da tensão nos cabos A e B, conside-
rando que ambos têm o mesmo módulo? Qual o trabalho, em J, realizado pelo gás durante o ciclo?
Dado: sen 30° = 0,5 (A) 80 (B) 160
(A) 200 (C) 800 (D) 1.600
(B) 40 (E) 8.000
(C) 20
(D) 4,0 30
(E) 2,0 Um corpo sólido de massa m = 1,5 kg e volume V = 2,0 x 10−4 m3
se encontra submerso em um recipiente com água e
27 preso por um cabo. A massa específica da água é
Um corpo é solto de uma altura h partindo do repouso,
kg
podendo percorrer quatro possíveis trajetórias até atingir o m água= 1,0 x 103 e g = 10 m/s2.
piso horizontal. m3

I II III IV

h
VB

Desprezando o atrito e a resistência do ar, afirma-se, com


relação à velocidade alcançada no ponto B, que ela será Considerando que o corpo está em equilíbrio, qual o valor,
(A) igual nas quatro trajetórias. em N, da tensão no cabo?
(B) maior, se o corpo percorrer a trajetória I. (A) 300 (B) 150
(C) maior, se o corpo percorrer a trajetória II. (C) 30 (D) 13
(D) maior, se o corpo percorrer a trajetória III (E) 1,5
(E) maior, se o corpo percorrer a trajetória IV.
31
28 Um gás ideal, a uma temperatura inicial T0 , recebe calor
Um fluido é transportado por uma tubulação cuja área no interior de um reservatório a volume constante, dobran-
da seção transversal é de 2,0 m2. A velocidade média do do a sua temperatura de T0 para 2 T0. Qual a pressão final
fluido através da tubulação é de 10 m/s. Qual é, em m3/s, a do gás em termos da pressão inicial P0?
vazão desse escoamento?
(A) 4 P0 (B) 2 P0
(A) 2,0 (B) 20
(C) 100 (D) 200 (C) P0 (D) P0/2
(E) 1.000 (E) P0/4

7
TÉCNICO(A) DE OPERAÇÃO JÚNIOR
32 35
Considere uma máquina térmica cujo fluido termodinâmico Três lâmpadas idênticas de resistência igual a 6,0 W estão
é um gás ideal que absorve 100 kcal de calor de uma fonte ligadas, conforme mostrado na figura abaixo.
quente e rejeita 60 kcal de calor, por ciclo, para uma fonte
L1
fria. Qual a eficiência dessa máquina?
(A) 0,4%
(B) 4%
(C) 8%
(D) 40%
(E) 80%

33 L2

A B C L3

QA=Q QB=O QC= - Q


ε=90 V

O conjunto de duas lâmpadas em paralelo L1 e L2, ligadas


em série com a terceira L3, está conectado a uma bateria
de tensão e = 90 V. Qual é a intensidade, em A, da corrente
elétrica na lâmpada L1?
A B B C (A) 5 (B) 10
(C) 15 (D) 20
Três esferas metálicas condutoras e idênticas possuem (E) 50
cargas elétricas de QA = +Q; QB = 0 e QC= −Q, respectiva-
mente. Primeiramente, faz-se o contato das esferas A e B 36
e, logo em seguida, o contato somente da esfera B com a Uma partícula de carga positiva + q é lançada no interior
esfera C. Qual é a carga final da esfera B? de uma região onde existe um Campo Elétrico e um Cam-
(A) − Q/8 po Magnético, ambos uniformes. A direção do Campo Mag-
(B) − Q/4 nético é perpendicular à velocidade e saindo do papel e a
(C) − Q/2 direção do Campo Elétrico está mostrada na figura abaixo.
(D) Q/2
(E) 2Q

34
A pressão máxima que o corpo humano pode suportar E V
de maneira segura, sem graves danos à saúde, é de
Pmax = 4,0 x 105 N/m2. Sabendo-se que a densidade da B
água é dada por m água = 1.000 kg/m3 e g = 10 m/s2, qual é
a máxima profundidade, em m, que um mergulhador
pode alcançar de forma segura ? Considere que a Qual deve ser a relação entre os módulos do Campo
pressão atmosférica é Po = 1,0 x 105 N/m2. Elétrico e do Campo Magnético, para que as Forças
(A) 3 Elétrica e Magnética que atuam na partícula se anulem?
(B) 30
(A) E = v3B (B) E = v2B
(C) 40
(D) 50 (C) E = v.B (D) E = B
(E) 300 (E) E = B/v

8
TÉCNICO(A) DE OPERAÇÃO JÚNIOR
37 40
Considere uma escala de temperatura denominada Escala Observe um determinado trecho de um circuito elétrico re-
Brasil. Nessa escala, são adotados dois pontos fixos: a presentado abaixo, em que há quatro resistores idênticos
fusão do gelo a 20 °B (0 °C na escala Celsius) e o ponto de de resistência igual a 4,0 W cada um. Três deles estão
ebulição da água a 220 °B e que na escala Celsius ligados em série e esse conjunto, em paralelo com o quarto.
corresponde a 100 °C. 4,0 W

100 ºC 220 ºB

50 ºC TB 4,0 W 4,0 W 4,0 W

Qual o valor, em W , da resistência equivalente dessa as-


sociação de resistores?
20 ºB (A) 3,0 (B) 4,0
0 ºC
(C) 6,0 (D) 12,0
(E) 16,0

A que valor corresponderia, na Escala Brasil, uma tempe- 41


ratura de 50 °C? Dentre os instrumentos de medida mais importantes,
(A) 60 (B) 80 situam-se os transmissores. Trata-se de um dispositivo que,
(C) 100 (D) 120 após realizar medidas da variável de processo, transmite
(E) 220 os dados para um receptor localizado a distância. Quais
são os principais tipos de sinais utilizados na transmissão
38 desses dados?
Um gás ideal sofre uma expansão isotérmica, triplicando (A) Térmicos, magnéticos e luminosos.
o volume inicial. Considerando que a pressão inicial é P0 , (B) Luminosos, eletrônicos e volumétricos.
(C) Volumétricos, sonoros e hidráulicos.
qual é o valor da pressão final do gás após a expansão ?
(D) Pneumáticos, eletrônicos e hidráulicos.
(A) 2P0 (B) P0 (E) Sonoros, magnéticos e pneumáticos.

(C) P0/3 (D) P0/6 42


Para realizar a medida do tempo de queda livre de um cor-
(E) P0/9 po, repetimos o processo 4 vezes, obtendo os seguintes
valores: 2,13 s, 2,20 s, 2,22 s e 2,25 s. Qual é o valor expe-
39 rimental dessa medida, em s?
Com relação à Radiação Eletromagnética, considere as (A) 2,20 ± 0,3 s (B) 2,0 ± 5,0 s
afirmativas abaixo.
(C) 2,20 ± 3,5 s (D) 2,20 ± 0,035 s
I - São ondas eletromagnéticas produzidas por cargas
elétricas aceleradas e classificadas por ordem (E) 2,20 ± 35 s
crescente de frequência.
II - São ondas longitudinais que necessitam de um meio 43
material para se propagar. Os transmissores pneumáticos produzem sinais que são
III - Transportam energia e quantidade de movimento e enviados para um dispositivo receptor remoto. Qual a pro-
se deslocam, no vácuo, a uma velocidade aproxi- priedade física do ar que permite o funcionamento desse
mada de 300.000 km/s, independente da frequência. equipamento?
(A) Compressibilidade.
É(São) correta(s) APENAS a(s) afirmativa(s) (B) Isolante térmico.
(A) I. (B) II. (C) Condutividade elétrica.
(C) III. (D) I e II. (D) Alta rigidez dielétrica.
(E) I e III. (E) Permeabilidade magnética.

9
TÉCNICO(A) DE OPERAÇÃO JÚNIOR
44 47
Considere as seguintes conexões a serem utilizadas em Considere o esquema abaixo de transporte de um derivado
tubulações de igual diâmetro: de petróleo do tanque (T1) para o tanque (T2).

I - T unilateral II - luva T2

T1

III - curva 90o IV - joelho 90o Qual das seguintes ações reduziria a possibilidade de
cavitação?
A ordem, em função crescente, da perda de carga provocada é (A) Aumento da temperatura do fluido bombeado.
(A) I < II < III < IV (B) Substituição do derivado bombeado por outra fração
(B) II < III < IV < I mais leve.
(C) II < I < IV < III (C) Redução da cota de instalação da bomba (Z).
(D) III < II < I < IV (D) Redução do diâmetro de sucção.
(E) IV < III < II < I (E) Fechamento parcial da válvula (V).

45 48
Qual das seguintes operações unitárias contempla as Quanto à operação de um trocador de calor, considerando
operações que têm como princípio de separação a capacidade calorífica como o produto vazão mássica x calor
diferença de solubilidade? específico, analise as afirmações a seguir.
(A) Fluidização
(B) Adsorção I - Quando a capacidade calorífica do fluido frio é muito
(C) Destilação superior à do fluido quente, pode-se admitir que a
(D) Elutriação temperatura do fluido frio é praticamente constante.
(E) Absorção II - Quando a capacidade calorífica dos fluidos frio e
quente são iguais e a operação em contracorrente,
46 a diferença de temperatura entre os fluidos ao longo
do trocador é constante.
Um tanque, com uma constante de tempo de 10 minutos,
III - As incrustações, em virtude das impurezas presen-
encontra-se operando em regime estacionário com um nivel
tes nos fluidos, diminuem bastante a resistência à
de água de 1 metro. Subitamente, a sua vazão de entrada
transferência de calor entre os mesmos.
é aumentada para um valor que elevará o nivel de água,
IV - A variação da temperatura de operação influencia o
no novo regime estacionário, para 2 metros. Qual deverá fator de incrustação.
ser o nível de água depois de decorridos 10 minutos do
instante em que ocorrer o aumento da vazão? São corretas APENAS as afirmações
(A) 1,051 (A) I e II.
(B) 1,253 (B) III e IV.
(C) 1,422 (C) I, II e III.
(D) 1,632 (D) I, II e IV.
(E) 1,845 (E) II, III e IV.

10
TÉCNICO(A) DE OPERAÇÃO JÚNIOR
49
As unidades de refino envolvem diversas etapas de
processamento desde a entrada do petróleo cru na
refinaria até a saída dos produtos finais.
Relacione as etapas de diferentes processamentos
apresentadas na 1 a coluna com os seus respectivos
resultados, na coluna à direita.

1 – Alquilação ( ) Separação que evita


2 – Craqueamento decomposição de hidro-
3 – Dessalgação carbonetos e formação
4 – Destilação a vácuo de coque
5 – Destilação atmosférica ( ) Operação que converte
gasóleo pesado em gaso-
lina e diesel
( ) Separação que produz
querosene, nafta e gás de
refinaria, por exemplo
( ) Processo que produz ga-
solina de alto índice de
octanagem e com baixo
teor de contaminantes

A ordem dos números da coluna da direita, de cima para


baixo, é:
(A) 5 – 3 – 1 – 2
(B) 2 – 1 – 5 – 3
(C) 3 – 2 – 4 – 1
(D) 1 – 4 – 3 – 5
(E) 4 – 2 – 5 – 1

50
A chuva ácida, que ocorre especialmente nas imediações
das grandes cidades ou locais muito industrializados, traz
prejuízos à saúde dos homens e dos animais, assim como
à qualidade do solo e das águas e provoca eventuais da-
nos a edificações e equipamentos.
Os principais ácidos gerados por emissões provenientes
de refinarias de petróleo são:
(A) HF e HCl
(B) HCl e HNO3
(C) H2CO3 e HF
(D) H2SO4 e HCl
(E) H2SO4 e HNO3

11
TÉCNICO(A) DE OPERAÇÃO JÚNIOR