Você está na página 1de 4

Estudo comparativo sobre os problemas contemporâneo da educação: qualidade da

educação em Moçambique e Brasil, 2017-2018.

3° Termo de comparação: Países da CPLP.

Objectos de estudo

Objecto 1: os problemas contemporâneos da educação: qualidade dos professores primários em


Moçambique.

Objecto 2: os problemas contemporâneos da educação: qualidade do ensino primário em Brasil.

Pergunta de partida: saber, ate que ponto a qualidade da educação está sendo alcançado
segundo os objectivos traçados pelos governos de ambos países.

Forma de comparação: separada

Dimensão da comparação: temporal sincrónica

Fase da comparação: prospectiva

Função da comparação: melhorista

Metodologia da comparação:

Definição de indicadores da qualidade da educação

 Redução do número de alunos por sala de aula;


 Contratação de professores formados e qualificados;
 Aumento do tempo em que o aluno fica na escola;
 Aumento dos recursos para a educação;
 As condições de funcionamento das escolas;
 Turmas superlotadas, professores mal qualificados e escolas mal equipadas com parcos
materiais de aprendizagem continuam situações muito familiares em ambos países.

Método bereday

Descrição dos objectos


Objecto 1: qualidade dos professores primários em Moçambique.

Segundo Juran (1990:12), define a qualidade como "adequação ao uso". Juran (1992) ou seja, a
qualidade deve ser conceituada a partir do usuário, e deve ser vista de maneira global e holística
em todos os aspectos do gerenciamento em uma organização.

Para CARLOS ALBERTO (2018), professor é uma pessoa que por conhecimento adquirido ou
experiencias de vida, pode ser mentor, espelho e ou norte para outros que desconhecem factos ou
acontecimentos.

Formação de professores define-se como “processo de aquisição, assimilação, reconstrução e


construção de conhecimentos científicos, desenvolvimento de habilidades, hábitos, convicções,
atitudes, comportamentos, em suma, a competência que dá ao futuro professor o domínio de
“bem-fazer” o seu trabalho” FABRE e ALIN (1995).

A literatura indica que a formação docente deve ser pensada como um aprendizado profissional
ao longo da vida, envolvendo profissionalmente os docentes, pois, ao se conhecer melhor e
compreender o seu trabalho possibilita a descoberta de caminhos eficazes para alcançar o ensino
de qualidade e reverter numa aprendizagem significativa para os alunos (LÜCK, 2009;
FONTANIVE; KLEIN, 2010; ANDRÉ, 2010).

A presença do professor representa o elo entre a escola e a sociedade, destacando-se assim, a


importância do papel deste profissional como propulsor para responder a procura de novas
concepções de educação. Uma vez citada, a falta de preparo dos professores é apontada em
vários documentos como uma das causas que mais contribui para o insucesso escolar dos alunos
(MICHELS, 2006).

A qualidade da educação baseia-se nas competências dos seus profissionais e que,


consequentemente, oferecem aos seus alunos e à sociedade em geral experiências educacionais
formativas, capazes de promover o desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e atitudes,
factores esses necessários para enfrentar os desafios vivenciados em um mundo globalizado,
tecnológico, orientado por um acervo cada vez maior e complexo de informações e pela procura
de qualidade em todas as áreas de actuação (LÜCK, 2009).
A partir desse contexto, define-se competência como um conjunto de conhecimentos, habilidades
e atitudes que justificam um alto desempenho fundamentado na inteligência e personalidade das
pessoas, como também designada pela capacidade de mobilizar vários recursos cognitivos para
enfrentar um tipo de situação. Para os profissionais, a competência deve ser percebida no saber
agir de forma responsável e reconhecida, que mobiliza, integra, transfere conhecimentos,
recursos e habilidades, que agreguem valor económico à organização e valor social ao indivíduo
(BOYATZIS, 1982; PERRENOUD, 2000; FLEURY; FLEURY, 2001).

A capacidade contínua de desenvolver a competência profissional constitui uma condição


fundamental da qualidade de ensino (LÜCK, 2009).

Objecto 2: qualidade do ensino primário em Brasil.

Interpretação dos objectos

Semelhanças dos objectos

Diferenças dos objectos

Comparação aditiva

Conclusão

Sugestões

Tornou-se evidente que para se atingir uma boa qualidade da educação aspecto como formação
dos professores ao longo da vida deve estar presente. Nesse sentido, sugerimos o seguinte:
 Melhorar as condições de trabalho dos profissionais de educação;
 Reforçar a formação inicial e em serviço, numa perspectiva de formação contínua do
pessoal docente;
 Garantir o cumprimento da supervisão pedagógica;
 Sensibilizar cada vez mais a participação dos pais e encarregados de educação e a
comunidade em geral na vida da escola e fazer conhecer seus direitos e obrigações;
 Desenvolver mecanismos nas escolas que sejam eficazes, voltados para avaliação interna
de qualidade da educação, processo que pode ser holístico e ampliar os estudos sobre a
qualidade da educação no país, a fim de se identificarem as estratégias mais adequadas
para a redefinição dos currículos de formação de professores.

Você também pode gostar