Você está na página 1de 12

ESTUDO DE COORDENAÇÃO E SELETIVIDADE

CLIENTE:
Petpack Indústria de Plásticos Ltda. – EPP
CNPJ: 06.274.562/0001-00
ENDEREÇO – Estrada José Zingamo, 705 – Distrito Industrial - Cachoeirinha – RS
ATIVIDADE: 287066839

CONCESSIONÁRIA:
RGE Sul

RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO ESTUDO:


Engº Eletricista
CREA-RS:
ART nº:

Data da execução: maio / 2018

1
OBJETIVO

O presente Estudo de Coordenação e Seletividade tem por objetivo calcular a


regulagem da proteção geral da cabine de entrada de média tensão – MT na unidade
industrial da empresa Petpack Indústria de Plásticos Ltda. - EPP, inscrita no CNPJ sob
nº 06.274.562/0001-00, situada à estrada José Zingamo, 705, Distrito Industrial, na
cidade de Cachoeirinha – RS, código de Atividade 287066839.
Trata-se de uma subestação transformadora de 2x300 kVA, com os dois
transformadores instalados em plataformas aéreas ao tempo, e com cabine de medição
e proteção geral de MT abrigada, com entrada e saída de energia subterrânea.
O estudo de coordenação e seletividade proposto faz-se necessário para definir os
ajustes da proteção da entrada do cliente, para permitir a operação sem desligamentos
intempestivos, e ao mesmo tempo verificar a coordenação e seletividade com a
proteção da Concessionária, garantindo-se a continuidade do fornecimento de energia.
A unidade é alimentada em MT pelo alimentador de 23,1 kV da Concessionária,
através de derivação no ponto definido pelo equipamento de referência FU 694989,
com proteção à montante por meio de relés AL, fabricação SEL, tipo SEL 451-5. As
curvas de proteção de fase e neutro do alimentador informadas pela Concessionária
estão plotadas nos gráficos de coordenação em anexo.
O disjuntor de MT a ser utilizado é da marca Beghim, tem capacidade de interrupção
de 25 kA em 23,1 kV, corrente nominal de 630 A, classe 25 kV, isolação PVO.
O relé de proteção secundária de MT a ser utilizado é o modelo Pextron URPE 6104.
Estão apresentados a seguir no presente estudo os seguintes cálculos:
 Cálculo dos níveis de curto-circuito no ponto de entrega;
 Dimensionamento dos TC’s de proteção, com cálculo de saturação;
 Ajustes das proteções de fase de MT na entrada do cliente;
 Ajustes das proteções de neutro de MT na entrada do cliente;
 Gráficos de Coordenação e Seletividade de Fase e Neutro;
 Verificação do atendimento das premissas básicas de coordenação, e proposição de
outras providências;
 Cálculo da corrente de Inrush na energização da instalação;

Passamos a seguir aos cálculos do estudo de coordenação e seletividade.

2
DADOS BÁSICOS

Impedâncias da rede no ponto de entrega fornecidos pela Concessionária

Z1 =Z 2=0,2784+ j 0,4594 pu=0,5372∨58,784 ° pu


Z 0=0,6307+ j1,0968 pu=1,9501∨60,100° pu
Z contato=40 ohms
V BASE =23,1kV =1∨0° pu
S BASE =100 MVA=1 pu
100.000 kVA
I BASE = =2.499,35 A=1 pu
√ 3 × 23,1kV
23,1 kV 2
Z BASE = =5,3361ohm=1 pu
100 MVA

Níveis de curto-circuito no ponto de entrega

Os níveis de curto-circuito no ponto de entrega, informados pela Concessionária são:


Curto-circuito Trifásico: ICC3 F =4.653 A
Curto-circuito Trifásico Assimétrico: ICC3 F =4.885 A
Curto-circuito Dupla-Fase: ICC 2 F=4.029 A
Curto-circuito Dupla Fase-Terra: ICC2 F−T =4.233 A
Curto-circuito Fase-Terra: ICC 1 F=3.205 A
Curto-circuito Fase-Terra mínimo: ICC1 F− MIN=315,5 A (para Z G=40 ohms)

Regulagem das proteções do alimentador da Concessionária

Circuito: KCA75 - Relé SEL 451-5 – Fabricante SEL


Proteçã Ipart.(A) Dial Temporização Instant. (A) (50)
o
Fase 400 0,17 Standard Inverse (SI) Bloqueado
Neutro 88 0,50 Standard Inverse (SI) Bloqueado

Potência de Transformação a ser instalada no Cliente

Qtde X/R
Potência do TR Pot. Total Z%
.
300 kVA 2 600 kVA 3,5 % 3,5

3
Potência Total 600 kVA

4
CÁLCULOS DOS AJUSTES DAS PROTEÇÕES DO CLIENTE

Dimensionamento dos TC’s de proteção

Temos que obedecer a dois critérios básicos:


(a) TC deve funcionar adequadamente em condição normal de operação (corrente de
longa duração)
I PRI M ≥ k × I N(instalação )
TC

onde k é um fator de sobrecarga.


Para esta instalação dimensionamos k = 2,00
Corrente primária nominal da instalação do cliente:
600 kVA
I N (instalação)= =14,996 A
√ 3 ×23,1 kV
I PRI M ≥ 2,00 ×14,996 A=29,992 A
TC

e
(b) TC não deve saturar sob condições de falta máxima
I CCM Á X 4.885
I PRI M > = =271,38 A
TC
18 18
Dimensionamos, a princípio, os TC’s de proteção com a seguinte característica:
I PRI M =300 A I SEC =5 A RTC =60
TC TC

Fator térmico =1,2Classe :10 B 50

Verificação da saturação dos TC’s

As impedâncias dos TC’s são dadas pela fórmula:


ZTC =0,00234 x RTC +0,0262
300
ZTC =0,00234 x +0,0262=0,1666
5
As cargas que cada TC’s terá são:
Impedância da fiação (5 m de cabo 4 mm²):
ohm
Z FIAÇÃO =Z CABO [ ]× L[km]
km
Z FIAÇÃO =5,52× 0,005=0,0276 ohms
Cargas do relé digital: (PEXTRON URPE 6104)
Z RELÉ =0,008 ohm Z RELÉ
FASE NEUTRO
=0,016 ohm

5
Impedância total de fase e de neutro:
Z FASE =Z TC + Z FIAÇÃO + Z RELÉ FASE

Z FASE =0,1666+0,0276+ 0,008=0,2022 ohm


Z NEUTRO =Z FIAÇÃO + Z RELÉ NEUTRO

Z NEUTRO =0,0276+0,016=0,0436 ohm


A saturação não ocorrerá se a relação abaixo for satisfeita, para cada tipo de curto-
circuito (trifásico, bifásico com contato à terra, e fase-terra):
V S > Z FASE × I FASE + Z NEUTRO × I NEUTRO
SEC SEC

Onde:
VS = Tensão de Saturação = 50 V
ICC FASE ICC NEUTRO
I FASE = e I NEUTRO =
SEC
RTC RTC
SEC

Os valores calculados das tensões no secundário para cada caso estão calculadas no
formulário do Anexo 2 (valores salientados em verde), e estão planilhados abaixo:

Tensão total no secundário dos TC’s de


proteção em caso de curto-circuito da
Tipo de Curto-Circuito
instalação
VA (V) VB (V) VC (V)
Trifásico 15,6799 15,6799 15,6799
Bifásico 0,0000 13,5792 13,5792
Bifásico com contato à terra 1,7762 14,7008 14,9056
Fase−terra franco 13,1303 2,3291 2,3291

Como a máxima tensão no secundário dos TC’s (15,6799 V) é inferior à tensão de


saturação (50 V), os TC’s de proteção acima dimensionados poderão ser utilizados
sem saturação até a máxima corrente de curto-circuito estimada na instalação.
Portanto, os TC’s de proteção a instalar terão a seguinte especificação:

I PRI M =300 A I SEC =5 A RTC =60


TC TC

Fator térmico =1,2Classe :10 B 50

6
Ajustes das Proteções de BT do Cliente

Ajuste dos Disjuntores nos secundários dos Transformadores

Corrente nominal no secundário (TR de 300 kVA):


300 kVA
I NSec (TR 300kVA )= =455,8 A
√3 × 0,38 kV
Impedâncias do TR de 300 kVA:
Z TR ( % ) 3,5
Z1 TR ( pu )= = =11,6667 pu
PTR ( MVA ) 0,30
Z1 TR ( pu) 11,6667
R1 TR ( pu )= = 2
=3,2051 pu
X
2
√ 1+ (3,5 )
√ 1+ ( )
R

X 1 TR ( pu )=R 1TR ( pu ) × ( XR )=3,2051×3,5=11,2178 pu


Para o cálculo da corrente de curto-circuito no QGBT do TR de 300 kVA,
consideraremos somente as impedâncias da rede da concessionária e do TR:
Z1 EQ=Z 1 REDE + Z 1 TR
Z1 EQ=( 0,2784 + j 0,4594 ) + ( 3,2051+ j11,2178 )=3,4835+ j 11,6772
Z1 EQ=12,1857∨73,389° pu
Curto-circuito trifásico transitório simétrico no QGBT
E 1∨0 °
ICC 3 F ( pu ) = = =0,0821∨−73,389 ° pu
¿
Z 1 EQ 12,1857∨73,389 °
ICC 3 F ( A )=ICC3 F ( pu ) × I BASE
¿ ¿ BT

100.000 kVA
ICC3 F ( A )=0,0821 × =12.468 A=12,468 kA
¿
√3 × 0,38 kV
Para circuito solidamente aterrado na BT, podemos considerar a corrente de curto-
circuito fase-terra franco na BT igual à corrente de curto-circuito trifásica:
ICC 1 F ≅ ICC 3 F
BT Assi mBT
≅ 12,468 kA
Ajuste da corrente de trip de tempo longo do disjuntor de BT:
I LTD ≅ I NSec=455,8 A=¿> 450 A
Ajuste do dial de tempo longo do disjuntor de BT
T LTD =1,0 s

7
Ajuste da corrente de trip de tempo curto do disjuntor de BT, que deve ficar abaixo da
corrente de “arcing fault”, que será estimada em 38% do curto-circuito fase-terra franco:
I STD ≤ 0,38 × ICC1 F =0,38 ×12,468 kA=4,738 kA
BT

4.738 A
TAPE STD ≤ =10,52=¿>TAPE STD =5
450 A
I STD =5 ×450=2.250 A

Ajuste do dial de tempo curto será fixada em 0,2 s.

O relé instantâneo do disjuntor de BT deverá ser bloqueado, pois é de secundário de


transformador, e consequentemente de entrada de painel.

Em resumo, temos os seguintes ajustes para os disjuntores de BT dos TR’s de 300


kVA:
Regulagem Corrente referida à
Parâmetro do disjuntor de BT
Proposta
dos TR’s de 300 kVA
(BT) MT=23,1 kV
I LTD =Corrente de trip de tempo longo 450 A 7,40 A
T LTD =Dial de tempo longo 1,0 s -
I STD =Corrente de trip tempo curto 2.250 A 37,01 A
T STD =Tempo definido de curto retardo 0,2 s -
I INS =Corrente de trip instantâneo Bloqueado -

A curva de atuação da proteção de BT pode ser visualizada pelas duas linhas paralelas
azuis no gráfico de coordenação de fase em anexo.

8
Ajustes da Proteção de MT da entrada do Cliente

Cálculo do TAPE de fase da unidade temporizada (51F)

O ajuste da proteção será para a capacidade total de transformação da subestação


transformadora, que é de 600 kVA, e consideraremos ainda um fator de sobrecarga
máximo de 20%.
600 kVA
I MÁX =FSc × I N =1,2 × =17,995 A
√ 3× 23,1 kV
I M Á X 17,995
TAPE FASE ≥ = =0,299 A
RTC 60
Valor adotado:
TAPE FASE =0,30 A
Desta forma:
I TRIP =RTC × TAPE(FASE )=60 ×0,30=18,0 A
FASE

Cálculo do Dial de tempo de fase da unidade temporizada (51F)

A seletividade será considerada entre a proteção da entrada geral de MT do cliente e o


equipamento de proteção a montante do alimentador da Concessionária. Desta forma,
a proteção geral de MT (relé secundário) deverá ser mais rápida do que a proteção do
alimentador da Concessionária, com intervalo de coordenação mínimo de 300 ms,
evitando desligamentos intempestivos do alimentador da Concessionária devido a
faltas na instalação do cliente.
Verificamos graficamente que devemos ajustar a curva do disjuntor de MT para passar
aproximadamente pelo ponto (150 A x 0,5s).
Curva de proteção escolhida:
Temporização = EI  α = 2 K=80
t ATUA ÇÃ O
Dial FASE ≅
( M80−1 )
2

Corrente( A) 150
M= = =8,3333
RTC × TAPE 60 ×0,30
0,5 s
Dial FASE ≅ ≅ 0,427 s
80
( 8,33332−1 )
Valor adotado:
Dial FASE =0,45 s

9
Corrente de Trip de fase da unidade instantânea (50F)

O ajuste da unidade instantânea deverá ser acima da corrente de Inrush: (Cálculo na


planilha do Anexo I)
Ajust e INST > I INRUSH =145,28 A
FASE

145,28 145,28
TAPE INST > = =2,42
FASE
RTC 60

Valor adotado:
TAPE INST =2,5 FASE

Ajust e INST =2,5 ×60=150 A


FASE

Para a corrente de 150 A (ponto de atuação da proteção instantânea de fase do


Cliente), o intervalo de coordenação com a proteção da Concessionária é infinito, pois
a corrente de partida da proteção de fase do alimentador da Concessionária é de 400
A.
Em relação à proteção de BT dos TR’s de 300 kVA, o intervalo de coordenação é um
pouco superior a 300 ms no ponto de atuação da proteção de MT instantânea de fase
do cliente. Portanto curto-circuitos na BT dos TR’s não deverão causar desligamento
intempestivo na proteção de MT da entrada do cliente, mas somente causar o
desligamento da proteção de BT do respectivo TR onde ocorreu a falta.

Cálculo do TAPE de neutro da unidade temporizada (51N)

O ajuste do pick-up de neutro será feito em aproximadamente 50% do ajuste de fase,


uma vez que os primários dos transformadores são em delta não aterrado.
Logo, escolhemos:
TAPE NEUTRO =0,15 ( valor mínimo permitido no relé para RTC =60 )
I TRI P =0,15× 60=9,0 A
NEUTRO

Cálculo do Dial de tempo de neutro da unidade temporizada (51N)

A curva de operação de neutro deve passar em 0,15 s para a corrente:


1,4 × I N =1,4 × 14,996 A=20,99 A
Curva de proteção escolhida:
Temporização = EI  α = 2 K=80

10
t ATUA ÇÃ O
Dial NEUTRO ≅
80
( M 2 −1 )
Corrente( A) 20,99
M= = =2,33
RTC × TAPE 9,0
0,15
Dial NEUTRO ≅ ≅ 0,0083 s
80
( 2,332−1 )
Valor adotado:
Dial NEUTRO =0,10 s(mínimo do relé )

Corrente de Trip de neutro da unidade instantânea (50N)

Devemos respeitar a seguinte relação:

Ajust e INST NEUTRO


≅ 1,1× 1,4 × I N =1,54 × 14,996=23,094 A

O ajuste deverá também ser abaixo da corrente de curto-circuito fase-terra mínimo:

Ajust e INST NEUTRO


< ICC 1 F− MIN =315,5 A

Valor adotado:
TAPE INST NEUTRO
=0,50
Ajust e INST NEUTRO
=0,50× 60=30 A

Quadro Resumo dos ajustes propostos das proteções do Cliente

Corrente
Regulagem
Unidade Parâmetro para
Proposta
RTC=60
Curva IEC-C3 (EI)
Temporizada de Fase TAPE FASE 0,30 A 18,0 A
Função ANSI 51F
Dial FASE 0,45 s
Instantânea de Fase TAPE INST 2,5 A 150 A
Função ANSI 50F FASE

Curva IEC-C3 (EI)


Temporizada de Neutro TAPE NEUTRO 0,15 A 9,0 A
Função ANSI 51N
Dial NEUTRO 0,10 s
Instantânea de Neutro TAPE INST 0,50 A 30 A
Função ANSI 50N NEUTRO

11
VERIFICAÇÃO GRÁFICA DA COORDENAÇÃO DAS PROTEÇÕES

Para completar a verificação da coordenação e seletividade da proteção, serão


traçados os gráficos de corrente x tempo de atuação das proteções de fase e de
neutro, do alimentador da concessionária e da unidade consumidora, para constatar
que as proteções irão funcionar de forma devida, e verificar-se o risco de reflexos no
alimentador da concessionária em caso de faltas na instalação a sistema a ser
protegido.
Analisando-se os gráficos de seletividade para os ajustes propostos na proteção de MT
do cliente, verificam-se as seguintes situações:
 O ajuste proposto é seletivo com as proteções de fase e neutro do alimentador da
Concessionária, em todas as faixas de correntes de falta possíveis;
 O ajuste proposto está acima da corrente de Inrush dos dois transformadores de
300 kVA a instalar, portanto é adequado;
 O ajuste proposto está abaixo do ponto de suportabilidade térmica dos
transformadores. Mesmo assim deverão ser tomados cuidados especiais na
proteção de BT e no sistema de supervisão de temperatura de operação do TR,
visando danos por sobrecargas prolongadas;
 O ajuste proposto é seletivo com as proteções de BT dos TR’s do cliente, em todas
as faixas de correntes de falta possíveis nas instalações de BT;
 O ajuste da proteção de neutro do cliente está abaixo da corrente de curto-circuito
de fase-terra mínimo do alimentador da Concessionária;

Conclusão
 Os ajustes propostos para a proteção do cliente enquadram-se nos requisitos de
seletividade e coordenação exigidos pela Concessionária.

12