Você está na página 1de 214

FACULDADES INTEGRADAS ESPÍRITA

CURSO SUPERIOR DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM NATUROTERAPIA,


ÊNFASE EM TERAPIAS ORIENTAIS – CURSO SEQUENCIAL

PAOLA ROTTSCHAEFER

COMPÊNDIO FITOTERÁPICO
SISTEMA RESPIRATÓRIO

CURITIBA
2011
SISTEMA RESPIRATÓRIO

1. ABACATEIRO é é é

Binômio científico: Laurus americana Mill, syn, Laurus persea L.


Origem: América Central, mas cultivada em todo o Brasil
Partes utilizadas: folhas, óleo e sementes
Constituintes químicos:
- flavonóides (principal)
- óleo essencial (óleo fixo, com maior concentração nas sementes do que nas folhas)

Indicações terapêuticas principais


- Balsâmico: alivia a irritação da mucosa (folhas)
- Relaxa a musculatura lisa brônquica, facilitando a expectoração (folha)

Posologia

Extrato seco 1g/dia


Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
50g de folha/L
Infuso ou decocto
Tomar 1 xíc. 3 a 4 vezes/dia

- 50g = 5 colheres de sopa da folha seca


- 500 mg/cápsula > 2 cápsulas/dia
- 1 ml = 20 gotas
Sempre que passar de 3ml (60 gotas), deve-se usar copinho medida e diluir em água para ingerir
- Posologia para indivíduos de 70kg
- Trabalhar sempre com doses médias inicialmente
- Quando o sistema hepático não puder ser sobrecarregado deve-se optar pelo infuso ou extrato
fluido

Precauções
- Emenagoga: pode provocar a menstruação, aborto ou adiantar o parto. Assim, deve ser
evitada por mulheres grávidas e por aquelas que tem o fluxo menstrual intenso.
- Colagogo e colerítico: produz ácidos biliares, os quais servem para emulsificar gordura.
Pessoas que retiraram a vesícula biliar não devem utilizar a planta.
- O uso de suas folhas frescas poderá provocar arritmia cardíaca, pois é cardiotônica.

Efeitos colaterais
-

Observações
- O óleo é mais antiinflamatório.
- As folhas devem ser usadas quando o muco estiver fluidificado. Caso esteja viscoso deve ser
associada uma segunda planta para fluidificá-lo.
- O óleo encontrado na polpa é inviável terapeuticamente, pois seria necessário a ingestão de 2 a
3 abacates por dia para que o óleo tivesse efeito no organismo.
- Planta ééé porque não fluidifica o muco. Mas pode ser usada a noite pois não ocasiona
tosse, apenas relaxa a musculatura. Como antiinflamatório articular é ééééé.
SISTEMA RESPIRATÓRIO

2. ABACAXI é é é é

Binômio científico: Ananás sativus


Origem: Brasil
Partes utilizadas: caule e fruto (principal)
Constituintes químicos:
- Ácidos orgânicos, sais minerais e enzimas proteolíticas (bromelina)

Indicações terapêuticas principais


- Expectorante, pois fluidifica o muco;
- Antiinfeccioso sobre as doenças respiratórias, bronquite e afecções na garganta;
- Rica em vitamina c, melhorando o sistema imunológico.
- A bromelina tem a capacidade de fazer quebra de enzimas (proteína), facilitando por isso
a digestão.

Posologia

Pó (caule) 0,7 a 1,4g/dia


*Fruto 500g/dia

- 500g de fruto têm um alto índice glicêmico, podendo gerar oscilações nas taxas glicêmicas.
- Poderá ser usado na forma desidratada, cerca de 200g ao dia em aproximadamente 600ml de
água, na forma de chá.

Precauções
- Por sua acidez, pode provocar afta, esofagite, gastrite, etc.

Efeitos colaterais
-

Observações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

3. ALCAÇUZ é é é

Binômio científico: Glycyrrhiza glabra L


Origem: Europa meridional e Ásia ocidental
Partes utilizadas: raiz e rizoma
Constituintes químicos:
- Glicirrizina (saponina), flavonóides, ácido glabrínico, heterosídeos, estrogênios...

Indicações terapêuticas principais


- O seu rizoma tonifica o baço;
- Béquica: faz parar de tossir. Usar para tosse não produtiva;
- Peitoral: aquece a região do peito;
- Emoliente nas afecções das vias respiratórias: hidrata a mucosa.

Posologia

Extrato seco 0,7 a 1,4/dia


Tintura 20% 20 a40 ml/dia
Extrato fluido 5 a 20 ml/dia
20g de folha/L
Infuso ou decocto
Tomar 1 xíc. 4 a 5 vezes/dia

- Extrato fluido: 20g = 11/2 col. Sopa para 1L d'agua


- 0,7 a 1,4g = 1 a 3 cápsulas
- O extrato seco não é muito utilizado no Brasil, pois vem da China num custo elevado

Precauções
- Pode gerar hipertensão, por fazer vasoconstrição dos vasos sanguíneos;
- Pode interferir na medicação para controle da hipertensão;
- Reduz o teor de potássio no sangue, podendo provocar caimbra;
- Para quem faz uso de medicação cardiotônica, perdendo potássio entrará muito sódio,
provocando arritmia cardíaca.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Os chineses a utilizam para tratar distúrbios do fígado como hepatite, icterícia, além de
estômago
dilatado, enjôos e vômitos.
- Bastante doce, com teor de dulçor de 10x mais que o açúcar, sem contudo, aumentar o índice
glicêmico.
- Planta 5é para tratamento do baço.
SISTEMA RESPIRATÓRIO

4. ALECRIM é

Binômio científico: Rosmarinus officinalis


Origem:
Partes utilizadas: folhas e sumidades floridas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, cânfora, diterpenos, saponinas, princípios amargos e taninos, flavonóides...

Indicações terapêuticas principais


- Ação antimicrobiana contra Staphylococus e Monilia;
- Ação anti-séptica sobre afecções do pulmão, boca e garganta;
- Béquico.
- Segundo a MTC, retira o frio e a umidade do corpo.

Posologia

Extrato seco 2/dia


Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5g de folha/L

- 5g = 10 colheres de sopa (a folha é muito leve).


Utilizar proporcional por xícaras: 2 col/xíc, 4 xíc ao dia.
- Pode ser utilizado em gargarejo, chás e anti-séptico.
- O infuso, além de ter odor forte, pode provocar náuseas.
Deve ser tomado logo após ao preparo, pois contém óleo essencial.

Precauções
- Hipertensos: atua na parede dos vasos, aumentando a irrigação periférica e a pressão arterial.
- Gestantes: pode ser abortiva em altas doses.
- Doses elevadas podem provocar gastrite, interite, nefrite (até sangue na urina).
- Estimulante do SNC: pode provocar perda de sono.
- No escalda-pés, é recomendado abafar para que a pessoa não inale o vapor e sinta a
propriedade estimulante antes de dormir.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Por conter óleo essencial, o local de armazenamento interfere na sua qualidade.

Interações
- Alecrim + aveia + cola + verbena: nas depressões.
- Alecrim + sálvia + gelsemiun + valeriana: nas dores de cabeça.
SISTEMA RESPIRATÓRIO

5. ALHO é é é é é é

Binômio científico: Allium sativum


Origem: cresce espontaneamente na Sicilia, em muitos pontos da Europa e Brasil
Partes utilizadas: bulbo
Constituintes químicos:
- Alicina...

Indicações terapêuticas principais


- Comprovados efeitos bactericidas e bacteriostáticos sobre diversas bactérias, inclusive
Escherichia coli.
- Ação antifúngica: Candida albicans. ( O antifúngico mais seguro de uso oral).
- Ação antiprotozoária.
- Atividade antiviral e moduladora do sistema imunológico.
- Usado na incidência de ca, principalmente de estômago, próstata e colo-retal.
- Expectorante, anti-séptico pulmonar, analgésico, antiinflamatório, tônico, febrífugo. Diminui a
febre porque aumenta a sudorese.
- Pneumonias, bronquites, sinusites, gripes, asma, tosse e rouquidão.
- Anticoagulante.
- Hipotensor.

Posologia

Alho fresco 4g/dia


Bulbo seco 2 a 4g/dia
Tintura 20% 2 a 4 ml/dia
Óleo alho 0,03 a 0,12 ml, 3x ao dia
2 a 3 dentes amassados por xícara
Infuso ou decocto
Tomar por 3 semanas

- 4g = 3 dentes
- Para a ingestão do óleo é indicado começar o tratamento com 2 cápsulas ao dia (dose
intermediária).
- Infuso (+/- 90°): amassar o alho em um recipiente, liberando mais óleo, e verter a água quente
sobre ele.
- Crianças devem utilizar somente doses pequenas e diluídas.

Precauções
- Anticoagulante: cuidado com pessoas que sofrem de hemorragias, antes da menstruação, antes
de ir ao dentista, hemorróidas superficial...
- Compostos sulfídricos: derivados do enxofre, são substâncias que provocam a formação de
gases, além de serem irritantes das paredes gastrointestinais.
- Pessoas com hemorragia ou recém operadas do trato digestório devem evitar.
- Passa pelo leite materno.
- Uso crônico e doses excessivas podem ocasionar diminuição da produção de hemoglobina e lise
dos erirócitos.
- Potencializa os efeitos dos anticoagulantes e agentes anti-plaquetários.
Efeitos colaterais
-

Observações
- Temperaturas altas (>60°) degradam os princípios ativos.

Interações
- Alho + Lobélia: para tratar bronquite e asma.
- Alho + Equinácea: Para combater atividade viral.
SISTEMA RESPIRATÓRIO

6. ANGICO é é é

Binômio científico: Piptadenia colubrina


Origem:
Partes utilizadas: casca e goma
Constituintes químicos:
- Casca: alcalóide, esteróides, flavonóides, taninos, triterpeno e componentes fenólicos.

Indicações terapêuticas principais


- Broncodilatador: indicado para falta de ar em resfriados, bronquites e pneumonias.
- Emoliente peitoral, empregado nas afecções catarrais das vias respiratórias, tosses, asma,
faringite.
- Gera uma sensação de calor na região peitoral, facilitando a expectoração.

Posologia

Pó 5g/dia
Tintura 20% 2 a 50 ml/dia
Extrato fluido 1 a 10ml/dia
Decocção 5g/dia

- 1ml = 20 gotas
- 25ml/dia é a dose máxima recomendada para crianças.
- Tomar a tintura ou o extrato e depois ingerir bastante água, pois amarra a boca.
- Não usar via oral em pó, pois pela grande presença de taninos, amarrm a boca.

Precauções
- Anêmicos: devido à presença de cumarinas, diminui o número de glóbulos vermelhos.
- Diarréico: possui muito tanino, podendo causar também adstringência.
- As sementes são tóxicas, causando parada cardíaca e respiratória.

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

7. ASSA-PEIXE é é é é é

Binômio científico: Boehmeria arborences


Origem: Brasil
Partes utilizadas: folhas e raízes
Constituintes químicos:
- Alcalóides, glicosídeos, flavonóides e óleos essenciais.

Indicações terapêuticas principais


- Hemostático: aumenta a coagulação sanguínea, cicatriza as micro lesões;
- Broncodilatador: combate com eficiência a bronquite asmática;
- Indicado para gripe, bronquite e tosses rebeldes;
- Muito seguro para tratar asma e bronquite em crianças.

Posologia

Pó das folhas 5g/dia


Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Infuso ou decocto 5g/dia
Xarope 10ml, 3x ao dia

- 5g = 3 colheres de sopa
- Pode ser preparado para o dia todo, pois não sofre oxidação.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

8. AVENCA é é

Binômio científico: Adiantum veneris


Origem: Inglaterra, Europa central e meridional
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Compostos fenólicos, mucilagens, taninos, açúcares, carboidratos, diversos princípios amargos,
capilarina, pouco óleo essencial.

Indicações terapêuticas principais


- Experctorante suave;
- Béquica;
- Uso para tosse, catarro, asma e bronquite.
- Mucilagens: tem ação protetora sobre mucosas inflamadas e vias respiratórias.
- Taninos: formam revestimentos protetores de mucosas, apresentando propriedades
adstringentes.

Posologia

Tintura 20% 10 a 50 ml/dia


Extrato fluido 2 a 10ml/dia
50 q 60g de folha seca para 1 L
Infuso
Tomar 3 xícaras ao dia

Precauções
- Crianças: metabolizam seus princípios ativos no sistema hepático de forma lenta, por isso a
dose deve ser de 1/6 da dose para adultos.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Mais encontrada como planta ornamental, por esse motivo é difícil encontrá-la seca para infuso.

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

9. CAMBARÁ é é é

Binômio científico: Lantana câmara


Origem:
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Lantanina (alcalóide), terpenos, mucilagens, óleo essencial e pectina.

Indicações terapêuticas principais


- Para falta de ar (principal ação);
- Emoliente: tosses e rouquidão. Em caso de rouquidão deve ser utilizado na forma de gargarejo;
- Expectorante;
- Sudorífero para febres iniciais: faz suar para ocorrer perda de calor, fazendo baixar a
temperatura;
- Bronquite.

Posologia

Tintura 20% 5 a 10 ml/dia


Extrato fluido 1 a 5ml/dia
Infuso Até 5g/dia

Precauções
- A ingestão excessiva poderá causar vômitos, diarréia, midríase e, em casos extremos, coma.

Efeitos colaterais
-

Observações
- O tempo médio viável para tratamento a longo prazo é de 3 meses. Mas do que isso é crônico e
foge da nossa alçada.
- O ideal é que o tratamento dure de 7 a 10 dias.

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

10. CANELA é é é é é

Binômio científico: Cinnamomum zeylanicum Ness


Origem: Sri-Lanka e do sudeste da Índia. Possivelmente alcançou o Egito e Europa no séc V a.C.
Partes utilizadas: córtex
Constituintes químicos:
- Óleos essenciais, açúcares, taninos, mucilagens, oxalato de cálcio, goma e resina.

Indicações terapêuticas principais


- Bactericida: age sobre o Staphylococcus; Streptococcus e Pneumococcus;
- Indicada para tosses, bronquites e febres;
- Hipertensora (com um chá, em +/- 20 minutos a pressão sobe). Atua no centro vaso motor
responsável pela vasoconstrição;
- Segundo a MTC, retira o frio e a umidade do corpo (ex: escalda pés);
- Estimula o trabalho cardíaco e aumenta a tensão sanguínea;
- Hemostático (aumenta a coagulação sanguínea): para hemorragias, sobretudo pós-parto;
- A sua essência é um excitante do aparelho gastrointestinal e do útero;
- Excelente adstringente.

Posologia

Canela em pó 0,5 até 1g/dia. Tomar 3x ao dia


Óleo essencial 1 a 3 gotas por dia
Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Tintura mãe 8 a 40 ml/dia
Tintura 20% 4 a 20 ml/dia
5g/100ml
Decocção
Tomar de 50 a 200ml/dia

- 0,5g = 1/2 colher de café


- O óleo essencial é indicado apenas para uso externo, em escalda-pés ou massagem na região
peitoral. Para uso interno poderá subr muito a pressão.

Precauções
- No escalda-pés, é recomendado abafar para que a pessoa não inale o vapor e sinta a
propriedade estimulante antes de dormir.
- Grávidas: provoca contração da musculatura lisa do útero. É hemenagoga.
- Hipertensos: faz vaso constrição.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Não é sudorífica.

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

11. CARQUEJA é é é é

Binômio científico: Bacharis trimera Less ou Bacharis genistelloides Person


Origem: América do Sul
Partes utilizadas: planta toda, principalmente partes aéreas
Constituintes químicos:
- Óleos essenciais, lactonas diterpênicas, flavonóides, resina, saponinas, baccharonina,
vitaminas.

Indicações terapêuticas principais


- A única planta conhecida que é capaz de aumentar a capacidade respiratória, ação importante
para o asmático ofegante (com capacidade respiratória curta) e para a prática de atividade física
(atinge o pico em 1h após a ingesta e não é pega em exame anti dopping);
- Tônico do sistema respiratório, principalmente quando a afecção é causada por umidade e frio;
- Ação diurética: pode ser usada para acelerar a eliminação em gripes ou afecções, fazendo com
que os fluídos descam pela urina;
- Ação moluscocida contra o Biomphalaria glabrata, hospedeiro intermediário do verme
Schistosoma mansoni e anti-Typanosoma cruzi (causador da moléstia de Chagas);

Posologia

Pós Até 0,5g/dia


Tintura mãe 5 a 25 ml/dia
Tintura 20% 1 a 10 ml/dia
Extrato fluido 1 a 5ml/dia
2,5g/100ml
Infuso ou decocto
Tomar de 50 a 200ml/dia

- 5g = 2 colheres de sopa
- No caso de infusão ou decocção, o ideal é tomar logo após o preparo e de preferência a noite.

Precauções
- Hipocalemia (perda excessiva de potássio): um atleta desidratado pode ter caimbras e formação
de ácido lático, devido a sua ação diurética.
- Tomar por 3 meses e então dar um intervalo de 15 dias para retomar o tratamento.
- Devido à ação diurética pode diminuir a pressão.

Efeitos colaterais
-

Observações
éééé: Perde para a canela pelo fato de existirem mais casos envolvendo bactérias do que
vírus.

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

12. CEBOLA é é é é

Binômio científico: Alium cepa


Origem: a maioria dos botânicos aponta a Ásia central
Partes utilizadas: bulbos
Constituintes químicos:
- Flavonóides...

Indicações terapêuticas principais


- Excelente anti-viral (tanto quanto o alho);
- Usada em bronquites, asma, tosses e febres.

Posologia

Extrato seco 0,6 a 1,2g/dia


Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Infuso Até 5g/dia

- Difícil de se encontrar em cápsulas;


- Seu chá não é bem aceito pela população.

Precauções
- Em altas doses poderá agravar a hipercloridria (excesso de ácido clorídrico no estômago) e
gases intestinais.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Pouco utilizada para o sistema respiratório, devido à dificuldade de encontrá-la em cápsulas, ao
contrário do alho.

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

13. COPAÍBA é é é é é é

Binômio científico: Copaífera sp


Origem: México, Antilhas, África tropical e Brasil (Copaífera officinalis). As outras no Brasil.
Partes utilizadas: resina extraída do caule
Constituintes químicos:
- Ácido copaiferólico, óleo essencial rico em terpenos... Presentes no material resinoso extraído
do caule.

Indicações terapêuticas principais


- Planta número 1 para bronquite e para qualquer tipo de infecção (tosses, bronquites,
pneumonia, sinusite, rinites);
- Aumenta o ácido hialurônico, o qual aumenta a permeabilidade da membrana celular;
- Restabelece as funções das membranas da mucosa, modificando as secreções e acelerando
a cicatrização;
- Anticancerígeno, antifúngico, bactericida e imunoestimulante sobre diversas infecções;
- Atividade efetiva contra Staphylococcus aureus, Bacillu subtilis e Scherichia coli;
- Ótimo anti-séptico tópico e interno;
- Antibiótico natural mais potente e com amplo espectro.

Posologia

5 a 6 gotas/dia - adulto
Óleo
1 a 2 gotas/dia - criança
Cápsulas Máximo 2/dia (adulto)

- Deve-se pingar as gotas em água para então ingerí-las. Elas não vão diluir, ficando
sobrenadantes.
- Uso tópico para unhas: 1 gota 1x ao dia.

Precauções
- Em altas doses poderá provocar intoxicação, com náuseas, vômitos e quadros diarréicos.
- A resina poderá desenvolver alergia em certas pessoas.
- Pequeno efeito laxativo.
- Rinite: usar apenas quando a pessoas não está em crise.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Existem estudos sobre a sua ação sobre infecções fúngicas, com uso interno (ação bem rara de
ser encontrada).
- Não é mais encontrada em cápsulas, pois houve desconfiança pela Anvisa de que a resina não
era colocada dentro delas.
- Para sinusite pode ser usada durante a crise, pois normalmente tem infecção bacteriana.

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

14. CORDÃO DE FRADE é é

Binômio científico: Leonotis nepetaefolia R. Br


Origem: África e Índias Orientais
Partes utilizadas: planta florida (na épca da floração qualquer parte) e talo
Constituintes químicos:
- Diterpenos, cumarina, lactonas sesquiterpênicas (no óleo essencial), flavonóides, glicosídeos,
triterpenóides e cafeína.

Indicações terapêuticas principais


- Cardiotônico: aumenta a força de contração no músculo cardíaco;
- Ação sobre edemas: facilita a reabsorção do líquido extravasado para dentro da célula;
- Atividade antimicrobiana sobre Bacillus subtilis e Staphylococcus aureus;
- Broncodilatador. Mas não faz vaso constrição, relaxa os vasos;
- Infecções das vias respiratórias, pulmões e brônquios (asma e tosse);
- Expectorante suave;
- Indicado para caso de pessoas asmáticas e hipertensas.

Posologia

Tintura 20% 1 a 5ml/dia


5g/L
Infuso
Tomar 4 a 5 xícaras por dia

- Usado mais na forma de tintura

Precauções
- Não deve ser usado para quem faz uso de anticoagulante.
- Deve-se evitar o tratamqneto prolongado pois pode causar hemorragia devido ás cumarinas, as
quais interferem na agregação plaquetária.

Efeitos colaterais
-

Observações

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

15. EQUINÁCEA é é é é é

Binômio científico: Equinacea angustifólia DC


Origem: Estados Unidos (não tem no Brasil)
Partes utilizadas: raiz (mais usada), folhas, hastes e flores
Constituintes químicos:
- Alcaminas, glicoproteínas, ácido caféico, echinosídeos e polissacarídeos (principal:
arbinogalactana). Ainda, óleo essencial, ácidos graxos, taninos, proteínas, vitaminas...

Indicações terapêuticas principais


- Imunoestimulante: pode ser usada para qualquer patologia oportunista, decorrente da
deficiência do sistema imunológico.
- Bactericida e bacteriostática, por inibir a ação da hialuronidase (enzima que lesa as células
sadias) e estimular a produção de properdina (proteína do soro capaz de neutralizar bactérias e
vírus);
- Infecção generalizada (virais e bacterianas), artrite reumática, alergias, inflamações, servindo
também como cicatrizante;
- Para inflamações com dor intensa;
- Para gripes e certos tipos de asma (aquelas ocasionadas por infecções);
- Inibe a degradação do ácido hialurônico, aumentando a permeabilidade da célula (troca entre
vaso e célula);
- Aumenta a fagocitose por parte dos leucócitos, estimula o sistema imune por aumentar o
número de células na circulação e estimula a produção de interferon e fator de necrose tumoral;

Posologia

Extrato seco 260mg/dia > adulto de 70kg


Tintura 20% 2 a 5ml/dia
Extrato fluido 1 a 2ml/dia
1g/100ml.
Infuso
Tomar 3x ao dia.

- Não precisa ser fracionada durante o dia pois sua ação é lenta.

- Período de tratamento:
- Tônica: 9 meses > pacientes debilitados (quimioterapia, AIDS...)
* Depois de 9 meses só retoma se a pessoa tiver recaída. Se ficar boa antes de 9 meses,
pára o tratamento.
- Manutenção: 2 meses > pacientes com recaídas frequentes
- Proteção anual para pessoas saudáveis, com períodos de declínio leve do sistema imunológico:
10 dias sim, 4 dias não (ciclo a ser repetido 3x)
* O tratamento deve ser intervalado, pois senão a fagocitose ficará muito aumentada, gerando
muitos radicais livres.

Precauções
- Não deve ser usada em pessoas com doenças auto-imunes, como lúpus e psoríase.
Efeitos colaterais
-

Observações
- Potencializa a ação de qualquer antibiótico;
- Estimula a atividade da supra-renal, a qual libera hormônios corticóides.

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

16. EUCALIPTO é é é

Binômio científico: Eucalyptus glóbulos L


Origem: Tasmânia
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Terpenos, cetonas, aldeídos, taninos

Indicações terapêuticas principais


- Anti-séptico das vias respiratórias áereas, matando germes e bactérias;
- Fluidifica o muco: secreções bronquicas, bronquites;
- Excelente descongestinante nasal;
- Óleo para massagem peitoral, mas não para pingar no nariz;

Posologia

Tintura 20% 5 a 25ml/dia


Extrato fluido 1 a 5ml/dia
Infuso ou dedocto 2,5g/dia (mínimo 500ml de água)
Óleo essencial 3 gotas/10ml de óleo fixo
Pó-máximo 6g/dia

- A tintura ou extrato fluido podem ser usados para inalação


1/5 tintura + 4/5 soro fisiológico (em aparelho ou manual) > dissolvido por causa do álcool
- Para uso externo não é preciso diluir;
- Banho de assento: a água não pode passar de 45°, pois liberará muito eugenol, irritando a
mucosa genital. > 3 gotas/5 litros, por 20 minutos.

Precauções
- Em altas doses pode causar náuseas, vômitos e quadros diarréicos.
- Em casos extremos, pode levar à colvulsão e morte;
- Gestantes não devem fazer uso interno.
- Uso máximo de 1 mês para modo interno e contínuo.

Efeitos colaterais
-

Observações
ééééé: antiséptico e descongestinante
é: uso externo

- Grande parte de seus efeitos terapêuticos está nos óleos essenciais, por isso o consumo
deve ser imediato.
- Não fazer uso interno de eucaliptos comuns, pois são hepatotóxicicos.

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

17. GENGIBRE é é é

Binômio científico: Zenziber officinalis


Origem: Índia, aclimatada no Brasil
Partes utilizadas: rizoma
Constituintes químicos:
- Óleo essencial rico em terpenos, fenóis, ácidos orgânicos e resina.

Indicações terapêuticas principais


- Emoliência e aquecimento na região peitoral;
- Tosses (irritação das mucosas), bonquite, gripe, catarro crônico, perda de voz crônica
ou aguda;
- Ação antiinflamatória presente no seu óleo, possivelmente por inibir a síntese de certas
prostaglandinas;
- Estimula o centro vasomotor e respiratório;
- Estimula a produção de bile e, consequentemente, de cálculos biliares;
- Anti-hemético: evita náuseas e vômitos;
- Emenagogo.

Posologia

Tintura 20% 3 a 12ml/dia


Extrato fluido 1 a 3ml/dia
Infuso ou dedocto até 2g/dia
Rizoma desidratado 0,25 a 1g/dia

- 2g = 1 colher de sobremesa de gengibre fresco ralado


= 1 pedaço de 3cm² do gengibre fresco
= 1 pedaço de 6cm² do gengibre seco

Precauções
- Não recomendado para enjôos gestacionais, pois possui ação emenagoga.
- Seu uso prolongado ou excessivo pode irritar as mucosas (efeito contrário da
emoliência);
- Em caso de gastrite o consumo deve ser baixo e apenas com o estômago cheio.

Efeitos colaterais
- Potente estimulante do sistema gastrointestinal, podendo gerar cólicas biliares e
irritação nas mucosas.

Observações
-

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

18. GUAÇATONGA ou CHÁ DE BUGRE é é é é é

Binômio científico: Casearia sylvestris


Origem: América tropical
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, taninos, terpenos, diterpenos, flavonídes, saponinas, ácidos graxos,
antocianosídeos.

Indicações terapêuticas principais


- Anti-séptico, cicatrizante, atividade bactericida e anti-viral (gripes e resfriados), alergias
respiratórias (sinusite, rinite), fungicida;
- Boa para infecções que não se sabe o caso, levando de 3 a 5 dias para apresentar efeito;
- Indicada para quem tem problemas gástricos;
- Cicatrizante da mucosa gástrica (diferente do alho, que irrita, porém com efeito menor);
- Para infecções dérmicas;
- Por conter taninos, forma revestimento protetor na pele e nas mucosas, dificultando infecções.

Posologia

Tintura 20% 5 a 20ml/dia


Extrato fluido 1 a 4ml/dia
Extrato seco 57,5 mg/kg ao dia
5g/L
Infuso
Tomar 1 xícara, 2x ao dia

- Recomenda-se o uso mínimo de 30 dias e máximo de 100 dias (interno e contínuo).

Precauções
- Em altas doses pode causar vômitos e quadros diarréicos.

Efeitos colaterais
- Pode tornar a urina viscosa e adocicada, com odor característico e rico em sedimentos.
- Os sintomas desaparecem ao final do tratamento.

Observações
- A folha seca não causa urticária ou alergias. A folha verde sim.
- Pesquisas constataram que o processo de cicatrização interno ou externo evolui 7 vezes mais
rápido.

Interações
- Guaçatonga + Tília: potencializa os efeitos nas afecções respiratórias
- Guaçatonga + Confrei + Romã: potencializa o poder cicatrizante
SISTEMA RESPIRATÓRIO

19. GUACO é é é

Binômio científico: Mikania glomerata S.


Origem: América do sul
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Flavonóides, cumarinas, terpenos, guacina, glicosídeos, resinas e taninos.

Indicações terapêuticas principais


- Fluidificante do muco;
- Sudorífico;
- Expectorante: por fluidificar o muco e pelas cumarinas que irritam a mucosa respiratória,
estimulando a expectoração através da tosse;
- Bronquites, tosses rebeldes, tosses com secreção (não seca), asma, rouquidão, febres,
inflamação da garganta;
- Fumantes podem usar 2 a 3x por semana para impedir que as substâncias tóxicas do cigarro
fiquem presas no muco.

Posologia

Tintura 20% 5 a 20ml/dia


Extrato fluido 1 a 4ml/dia
Extrato seco 57,5 mg/kg ao dia
2g/100 ml
Infuso
Tomar 50 a 200ml/dia

- Recomenda-se uso máximo por 100 dias (interno e contínuo).


- A folha seca tem normalmente 50% menos água que a folha fresca, assim: 2g folha seca ou
4g folha fresca (1 folha de tamanho médio)
- Para irritação da garganta, sem tosse, deve-se fazer gargarejo (uso interno vai gerar tosse)

20ml de mel + 80ml de tintura > fumantes


40ml de mel + 60ml de tintura > infecções respiratórias
Melito: 20% mel (mínimo para ter efeito bactericida) + 80ml tintura

Precauções
- Em altas doses pode causar vômitos e quadros diarréicos.
- Uso prolongado pode causar acidentes hemorrágicos e perda de sono.
- Gestantes: uso moderado devido às cumarinas, que irritam a mucosa.

Efeitos colaterais
-

Observações
ééééé: expectorante
SISTEMA RESPIRATÓRIO

20. JATOBÁ é é

Binômio científico: Hymenaea courbaril


Origem: Brasil
Partes utilizadas: casca, resina e seiva
Constituintes químicos:
- Casca: óleo essencial, tanino, saponinas...
- Resina: óleo essencial...
- Seiva: os mesmos proncípios em dosagens menores

Indicações terapêuticas principais


- Expectorante, podendo ser substituto do Guaco em gestantes ou pessoas que façam uso de
anticoagulante;
- Bactericida suave;
- Ação leve sobre laringite e faringite;
- Emolítico pela presença de saponinas (diferente das cumarinas que são hemorrágicas);
- Tosse, bronquite, asma;
- Saponina: boa para reduzir o colesterol.

Posologia

Tintura 20% 5 a 10ml/dia


Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Pó 0,5 a 2g/dia
2,5g/dia
Infuso ou decocto
mínimo 700ml de água

- 2,5g = 2 colheres de chá da casca (pesada)


- Com pouca água fará espuma demais no processo de decocção, deixando um gosto
saponáceo. Por isso é recomendada a quantidade de 700ml de água.

Precauções
-

Efeitos colaterais
- Leve aumento da pressão arterial.

Observações
-

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

21.LOBÉLIA é é

Binômio científico: Lobelia inflatal


Origem:
Partes utilizadas: folhas e sumidades floridas
Constituintes químicos:
- Alcalóides, lobelina, lobelacrina, inflatina, ácido lobélico, óleo essencial, matérias resinosas,
gordurosas.

Indicações terapêuticas principais


- A única planta utilizada para asma cardíaca, causada por insuficiência cardíaca congestiva.
Estimula a contração do músculo cardíaco.
- É a única planta que consegue diminuir o vício do tabaco. A lobelina, seu principal alcalóide, é
semelhante à nicotina tanto na forma estrutural quanto na ação farmacológica.
- Expectorante, sudorífico, falta de ar em geral, tosses espasmódicas e nervosas, bronquites,
anginas, debilidades do centro respiratório em geral.
- Lobelina: em pequenas doses estimula a respiração e, em grandes doses, produz
relaxamento da musculatura esquelética, levando o indivíduo à astenia.
- Lobelina: aumenta a secreção de ácido gástrico e o tônus e a mobilidade do trato
gastrointestinal, sendo metabolizada pelo fígado, rins e pulmões e rapidamente eliminada pelos
rins.

Posologia

Tintura mãe 1 a 3ml/dia


Xarope a 1% máx. 10ml/dia (adulto)
Infuso máx. 200mg/10ml por dia

- A tintura mãe é o meio mais utilizado, pela dificuldade de medição dos outros em casa.
- 1 a 3ml/dia = 20 a 60 gotas/dia (dose máxima)

Precauções
- Gestantes: os alcalóides ultrapassam a barreira placentária e a hematoencefálica.
- Sensibilidade do trato gastrointestinal.
- Em grande quantidade causa excesso de contrações no músculo cardíaco;
- Dependendo do receptor, a lobelina pode causar aumento da pressão arterial.
- Seu uso incorreto pode levar à convulsões, depressão e parada respiratória, além de risco
severo de morte.

Efeitos colaterais
-

Observações
- A planta ganha éé pois tem efeito considerável apenas para o cigarro, lembrando ainda que
o risco de intoxicação é alto.

Interações
-
Tratamento para fumantes

Deve-se levar em consideração os seguintes fatores:


- Tempo de fumante: quanto maio tiver sido, mais tempo levará o tratamento;
- Número de cigarros fumados por dia: uanto maior, maior será a dose inicial;
- Porcentagem de redução do número de cigarros.

20 gotas de lobélia = nicotina de 10 cigarros


40 gotas de lobélia = nicotina de 20 cigarros > 1 cigarro = 2 gotas de lobélia
60 gotas de lobélia = nicotina de 30 cigarros

Ex: Paciente que fuma 20 cigarros/dia e se propõe a começar reduzindo à 15 cigarros/dia.

15 cigarros > reduz 5 cigarros = 10 gotas de lobélia (2 gotas x 5 cigarros) ou 2 gotas/5x ao dia
12 cigarros > reduz 8 cigarros = 16 gotas de lobélia (2 gotas x 8 cigarros) ou 2 gotas/8x ao dia
10 cigarros > reduz 10 cigarros = 20 gotas de lobélia (2 gotas x 10 cigarros) ou 2 gotas/10x ao dia
8 cigarros > reduz 12 cigarros = 24 gotas de lobélia (2 gotas x 12 cigarros) ou 2 gotas/12x ao dia
...
0 cigarros > reduz 20cigarros = 40 gotas de lobélia (2 gotas x 20 cigarros) ou 2 gotas/20x ao dia

* O cigarro que era um vício da nicotina, alcatrão e de outras substâncias tóxicas, foi reduzido a apenas o
vício nicotínico que a Lobélia supriu.
* Usando-se a quantidade de gotas de lobélia indicada para o dia de uma vez só poderá causar uma
intoxicação aguda de nicotina. Deve-se manter os horários do cigarro fumado normalmente.
* O paciente só deve reduzir o número de cigarros a medida que se sente confortável para isso.

* A 2ª etapa é trabalhar o vício na Lobélia (nicotínico):

2 gotas/20x ao dia > 2 gotas/18x ao dia > 2 gotas/16x ao dia > ... > 2 gotas/2x ao dia > 0 gotas

* Nem sempre a Lobélia vai resolver o problema, principalmente quando o paciente fuma apenas
quando ingere álcool.
SISTEMA RESPIRATÓRIO

22.MALVA é é é é é

Binômio científico: Malva sylvestris L.


Origem: dispersa no continente europeu, africano e americano
Partes utilizadas: folhas, flores e raízes
Constituintes químicos:
- Antocianinas, flavonóides, mucilagens (6 a 8% na planta fresca e 16% na planta seca), ácidos
fenólicos, taninos...

Indicações terapêuticas principais


- Peitoral, emoliente (devido à mucilagem), usada nas afecções catarrais respiratórias, bronquites,
tosses, laringites, nas inflamações da boca e garganta.
- Mucilagens: protege os tecidos inflamados e irritados, favorece a cicatrização e recuperação das
lesões nas mucosas. Gera preenchimento gástrico.
- Óleo: antiinflamatório e antiséptico (infusão).
- Ação lenitiva sobre as mucosas brônquicas, auxiliando na eliminação da tosse e do catarro.
- Anti-séptica: usada na forma de gargarejo, diminui problemas inflamatórios na boca e garganta.

Posologia

Tintura 20% 10 a 30ml/dia


Extrato fluido 2 a 6ml/dia
Pó 0,6 a 1,2g/dia
15 a 30g/L
Infuso
Tomar 1 xícara, 2x ao dia

- 15 a 30g = 3 a 6 colheres da planta seca rasurada


- Utilizar até desaparecerem os sintomas.
- Recomenda-se extrair as mucilagens a frio, na forma de maceração (colocar água aos poucos
sobre a planta e macerá-la, tomando esse líquido).
- Para afecções da garganta e trato respiratório superior faz um chá por infusão e depois utiliza
na forma de gargarejo.
- Para mucosa estomacal e brônquios deve-se ingerir.

Precauções
- Tomar entre as refeições, com o estômago vazio. Inclusive porque tem mucilagem, a qual,
se ingerida com o estômago cheio poderá causar distensão e desconforto gástrico.
- Se a garganta estiver muito inflamada, deve-se esperar o infuso esfriar (tampado para não
perder o óleo essencial). Caso contrário, o calor fará vasodilatação e aumentará o processo
inflamatório.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Da malva silvestre pode-se fazer uso interno. No entanto, existem diversas plantas chamadas
popularmente "Malva" e que são hepatotóxicas.
- Mesmo que se faça maceração sairá óleo e mesmo que se faça infuso sairá mucilagem.
As proporções é que mudam.
- Mesmo que se faça maceração sairá óleo e mesmo que se faça infuso sairá mucilagem.
As proporções é que mudam.
SISTEMA RESPIRATÓRIO

23. MELÃO DE SÃO CAETANO é é é é é

Binômio científico: Momordica charantia L.


Origem: asiática, trazida da África pelos escravos
Partes utilizadas: partes aéreas (folhas, caules e frutos)
Constituintes químicos:
- Tricosantina, momordicina e triterpenos, esteróides, saponinas e alto teor de ferro assimilável.

Indicações terapêuticas principais


- Imonurreguladora: se o sistema imunológico estiver bom, não fará nada; se estiver alto,
abaixará. Ótima para rinite (pode ser usada durante a crise). NÃO MODULA O SISTEMA
IMUNOLÓGICO PARA CIMA.
- Hipoglicemiante: baixa a glicemia apenas quando ela está alta, funcionando para o Diabete tipo
II. Não funciona para o Diabete tipo I pois o mecanismo de ação é o estímulo da produção de
insulina, e neste tipo o pâncreas não produz mais a insulina.
- Antiviral, febrífugo, atua sobre infecções do trato respiratório.

Posologia

Tintura 20% 10 a 50ml/dia


Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Infuso ou decocto 5g/dia para 200ml de água

- 5g = 3 colheres de sopa
- Para meninos menores de 14 anos pode-se utilizar 1ml de tintura officinalis para 100ml de soro
fisiológico, devendo-se utilizar na forma de inalação ou pingar 2 gotas em cada narina, de 3
a 4 vezes por dia.
- O descongestionante também pode ser feito com a infusão (20% tintura + 80% água). No
entanto este modo possibilita a criação de fungos.
- Diferente de outros descongestionantes, ele não causa aumento da pressão arterial.
- Para o tratamento com o fruto, o consumo deve ser de 2 por dia.

Precauções
- Gestação e infância de meninos: Meninos devem evitar o consumo da planta, inclusive in natura.
Quando utilizada durante a gestação de meninos, impede o desenvolvimento dos órgãos sexuais
masculinos. Depois do maturamento sexual não vai mais interferir, nem causar disfunção erétil.
- Doses excessivas podem causar dores de cabeça, salivação, rubor facial, midríase, vômitos,
diarréia, fraqueza muscular, quadro hipoglicêmico e disturbios neurológicos. Por isso deve-se
começar com doses menores ou intermediárias.

Efeitos colaterais
-

Observações
- O fruto é muito rico em ferro.
ééééé: é o único fitoterápico para uso em crise de rinite.
SISTEMA RESPIRATÓRIO

24. MIL EM RAMA é é

Binômio científico: Achillea millefolium


Origem:
Partes utilizadas: partes aéreas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial contendo cineol e proazuleno, flavonóides, aminoácidos, açúcares, taninos,
mucilagens, resinas, fitosterol, alcalóides, cumarinas...

Indicações terapêuticas principais


- Excelente febrífugo e contra infecções das vias aéreas superiores, como pneumonia, bronquite e
broncopneumonia.
- Antiséptica: ação realizada pelo cineol.
- Adstringente: ação realizada pelo proazuleno e pelos taninos.
- Antiinflamatório e cicatrizante: ação realizada pelo azuleno.

Posologia

Tintura 20% 2 a 6ml/dia


Extrato fluido 1 a 3ml/dia
10 a 15g/L
Infuso
Tomar 1 xícara, 3x ao dia

- 10 a 15g = 2 a 3 colheres e folhas


- Normalmente encontram-se todas as partes aéreas misturadas, sendo que o ideal é separá-las
para preparar a infusão. (infusão ≠ decocção)
- A infusão é o método mais utilizado.

Precauções
- O uso abusivo pode tornar a pele sensível à luz. Por isso, em caso de tratamento prolongado, é
recomendado o uso de protetor solar.

Efeitos colaterais
- O uso contínuo pode causar reações alérgicas, tais como irritação dérmica e ocular, dores de cabeça
e vertigem.

Observações
- Planta bastante utilizada na MTC.
- Por não trabalhar muco, em alguns casos deverá ser associada a outra planta.
SISTEMA RESPIRATÓRIO

25.MULUNGU é é

Binômio científico: Erytrina mulungu


Origem: Brasil
Partes utilizadas: casca
Constituintes químicos:
- Alcalóides, glicosídeos e esteróides.

Indicações terapêuticas principais


- Asma, bronquite, coqueluche e tosses de origem nervosa.
- Depressor do SNC: seus alcalóides atuam no sistema nervoso central, causando bloqueio neuro
muscular e relaxamento dos músculos lisos das vias aéreas, facilitando a respiração.
- Sono: não inicia a sonolência, mas aumenta o sono REM.
- Sedativo e tranquilizante, devendo ser preferencialmente utilizado no período noturno.

Posologia

Tintura 20% 10 a 20ml/dia


Extrato seco 300 a 500mg/dia
Extrato fluido 1 a 4ml/dia
2g/100ml
Infuso
Tomar 1 a 2 xícaras ao dia

Precauções
- As sementes da planta são tóxicas.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Mulungu: aumenta o sono REM
- Valeriana: falicita o início do sono
SISTEMA RESPIRATÓRIO

26.NOGUEIRA é é é

Binômio científico: Juglans regia L.


Origem: Ásia ocidental, sudeste da Europa, China e Himalaia
Partes utilizadas: folha, fruto, córtex e óleo
Constituintes químicos:
- A folha e o córtex contêm as mesmas substâncias, ainda que em porcentagens diferentes:
juglona, glicosídeo, vitamina c, tanino, ácidos cítricos, 3 flavonóides...

Indicações terapêuticas principais


- Reequilibrante e fortalecedora do organismo e do sistema respiratório: devido a grande
quantidade de vitamina C, além de outras pequenas quantidades de vitaminas do complexo B,
carotenos e sais minerais.
- Ação no raquitismo, anemis, bronquite e tosses.
- Escurecedora de fios de cabelo.

Posologia

Tintura 20% 10 a 50ml/dia


Extrato seco 0,5 a 2g/dia
Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Infuso ou decocto 5g/dia

- Extrato seco para adulto.


- Tintura ou cápsula para criança.

Precauções

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
- Pode ser associada com a Clorella, a qual tem menos sais minerais, porém tem todos os
aminoácidos essenciais e não essenciais. > 3 cápsulas de Clorella + 1 cápsula de Nogueira
SISTEMA RESPIRATÓRIO

27.PAU-FERRO é é é é

Binômio científico: Caesalpinia ferrea L.


Origem: Brasil
Partes utilizadas: raiz e cascas
Constituintes químicos:
- Sitosterol, ácidos graxos, ácido gálico, ácido elágico, galato de etila e taninos.

Indicações terapêuticas principais


- Expectorante: atua removendo o muco do aparelho respiratório, principalmente nas afecções
catarrais (atuação provável dos taninos);
- Anti-histamínico: desenvolve uma diminuição do processo inflamatório, onde há o envolvimento
de mediadores de histamina, por atuar bloqueando os receptores H1 e H2.
- Bronquites, asma, tosses, rinite;
- Desobstrução de vias respiratórias: atuação provável dos alcalóides.

Posologia

Tintura 20% 10 a 20ml/dia


Extrato fluido 0,5 a 4ml/dia
Infuso ou decocto 5g/dia

- Ainda não existe o seu extrato seco padronizado.


- Normalmente usa-se a casca.

Precauções
- Por causar sonolência, deve ser evitada a prescrição durante o dia para determinados
profissionais (ex: vigia noturno)

Efeitos colaterais
- Causa sonolência.

Observações
- Pode ser usado por meninos que ainda não passaram pela maturação sexual.
- Para ser indicada a noite, deve ser associada com um anti-tussígeno (ex: assa peixe); durante
o dia deve ser associada com um expectorante (ex: guaco).

Interações
- Quando o Melão de São Caetano não estiver funcionando sozinho, poderá ser associado com o
Pau-ferro.
SISTEMA RESPIRATÓRIO

28.QUINA é é é é é
é é
Binômio científico: Chinchona sp
Origem: cordilheira dos Andes
Partes utilizadas: cascas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, alcalóides, triterpenos, saponinas, resinas, taninos, ácidos fenólicos, ácidos
caféico e quínico, sais minerais, quinina...

Indicações terapêuticas principais


- Antifebril potente usado em febres de afecções de grande porte, como as intestinais,
pulmonares, etc, e com sucesso no quadro febril da malária;
- Antimalárico: faz a reversão do quadro.

Posologia

Pó 1 a 2g/dia
Tintura 20% 5 a 20ml/dia
Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Infuso ou decocto 4g/dia

- Devido aos possíveis efeitos colaterais, deve-se começar pela posologia mínima.
- 1 a 2g = 1 colher de chá do pó da casca = 2 a 4 cápsulas/dia
- 5 a 20ml = 100 a 400 gotas (pedir copo medida)
- O extrato fluido deve ser utilizado apenas em tratamentos curtos, devido a sua grande
quantidade de álcool (60%).

Precauções
- Gravidez: ultrapassa a barreira placentária;
- Não tomar em doses elevadas devido aos possíveis efeitos colaterais.

Efeitos colaterais
- Doses elevadas podem causar vômito, excitação, transtornos auditivos e da visão (têm
propriedades alucinógenas), podem levar à perda de consciência e morte.

Observações
ééééé: como febrífuga e antimalárica
éé: para o sistema respiratório em geral, pois só funciona para febre

Interações
- Se a infecção for por bactéria, não é recomendado trancar o intestino (ação dos taninos). Assim,
a Quina deverá ser associada com outra planta capaz de matar a bactéria.
SISTEMA RESPIRATÓRIO

29. SABUGUEIRO é é é

Binômio científico: Sambucus nigra


Origem: Europa, África setentrional e Ásia ocidental
Partes utilizadas: cascas, folhas, raíz e flores
Constituintes químicos:
- Terpenos, esteróides, flavonóides, antocianos, glicosídeos, alcalóides, ácidos graxos, vitamina
C, taninos, mucilagens...

Indicações terapêuticas principais


- Antifebril, sudorífica, aperiente (abre o apetite), antimicrobiana, antiviral, depurativa;
- As folhas têm ação cicatrizante, emoliente e diurética;
- Promovedora da produção de leite em matrizes;
- As flores são expectorantes e usadas para febre, bronquite, asma, tosses, gripes, resfriados,
rinites e sinusites (são difíceis de encontrar);
- Combate o catarro das vias respiratórias superiores, desobstruindo as vias aéreas e reduzindo o
muco;
- Emoliente e demulcente: protegem o tecido inflamado e irritado (ação das mucilagens);

Posologia

Tintura 20% 2 a 4ml/dia


Extrato fluido 1 a 2ml/dia
Infuso ou decocto 2g/dia

- 2 a 4ml/dia: 40 a 80 gotas/dia

Precauções
- Deve ser ingerida de estômago cheio, para causar menos irritação.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Só não é usado o lenho da planta, pois é a parte que ainda está em desenvolvimento.
- Apesar de ser popularmente bastante utilizada para gripes e resfriados, não é o melhor antiviral
e antibacteriano.

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

30.TANCHAGEM é é é

Binômio científico: Plantago major


Origem: Europa, mas vegeta espontaneamente no Brasil
Partes utilizadas: parte aérea e sementes
Constituintes químicos:
- Taninos, mucilagens, ácidos orgânicos, ácido sílicico, glucosídeos, óleo essencial, alcalóides,
heterosídeos, ácido cumarínico, sais de potássio, vitamina C...

Indicações terapêuticas principais


- Mucilagem: faz proteção de feridas abertas ou expostas, forma película;
- Diminui a inflamação e protege mucosas do trato respiratório de infecções e viroses;
- Úlceras gástricas, estomacais, infecções intestinais, aftas, gengivites, garganta inflamada;
- Antitussígena, se a tosse for causada por irritação.

Posologia

Tintura 20% 10 a 20ml/dia


Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Infuso ou decocto 5g/dia

- 5g = 8 colheres de sopa de folha ou 3 colheres de sopa de semente


- No caso de de feridas abertas pode-se fazer infusão e aplicar na forma de cataplasma.
- Tintura e fluido não são a melhor forma de trabalhar, pois o álcool interfere na mucilagem.

Precauções
- Não usar a raiz.
- Parte aérea: tendência a gerar constipação.
- Sementes: tendência a efeito laxativo.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Planta muito segura de trabalhar, não existindo relatos de quadros de intoxicação ou efeitos
colaterais.

Interações
-
SISTEMA RESPIRATÓRIO

31.TILIA é é

Binômio científico: Tilia cordata


Origem:
Partes utilizadas: inflorescências novas (com menos de 1 ano)
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, flavonóides, mucilagens, sais de magnésio, taninos, acúcares, cumarinas,
hesperidina, ácidos fenólicos, saponinas, vitamina C.

Indicações terapêuticas principais


- Lenitiva: deixa a pessoa em estado letárgico, "mole", devagar, relaxando a musculatura e
causando até uma baixa na pressão arterial. Porém não altera o sono e nem atua no SNC;
- Descongestionante: quando não tem fundo alérgico;
- Expectorante, béquica e antiinflamatória.
- Sudorífica: as glucosídeos agem sobre as glândulas sudoríferas aumentando a secreção das
mesmas, o que leva à sudorese, auxiliando na melhora de estados febris.
- Emoliente: graças às mucilagens, é capaz de reduzir irritações e proteger mucosas.

Posologia

Tintura 20% 1 a 2ml/dia


Extrato fluido 0,5 a 1ml/dia
2 a 4 g/L
Infuso ou decocto
Tomar 4x/dia

Precauções
- Cardíacos e pacientes com arritmia: altera o fluxo sanguíneo e os batimentos cardíacos.
- Usar de 15 em 15 dias, pois tende a acumular-se no organismo.

Efeitos colaterais
- Sudorese.

Observações
- As inflorescências mais velhas tem um potencial de toxicidade maior.
- A tintura e o extrato fluido vem padronizado, sendo então possível garantir que foram feitos com
inflorescências novas.
éé: para hiperatividade, pois existem plantas melhores

Interações
- Tilia + Sabugueiro: tratamento de resfriados e febres, pois potencializa o efeito sudorífico.
- Tilia + Macela (Unha de Gato, Garra do Diabo): efeito analgésico, sendo muito bom para
fibromialgia
SISTEMA RESPIRATÓRIO

32.UNHA DE GATO é é é

Binômio científico: Uncaria tomentosa (Willd) DC.


Origem:
Partes utilizadas: casca e folhas
Constituintes químicos:
- Folhas: alcalóides
- Casca: alcalóides, composto isopentano

Indicações terapêuticas principais


- Imonumoduladora: pode aumentar ou diminuir o sistema imunológico;
- Adaptogênica: ajuda a pessoa a se adaptar ao ritmo de vida;
- Aumenta tanto o yin como o yang do rim;
- Segundo a MTC, preserva a energia vital da pessoa;
- Um dos melhores antiinflamatórios que existe;
- Antiviral, antimutagênico (protetor celular), anticancerígeno, antiúlcera.
- Auxiliar no tratamento do câncer, pois reduz os efeitos da quimioterapia e repara danos
causados às células);

- Eficaz em patologias como gripe, herpes ( é 7x mais potente que os outros remédios para gripe).

Posologia

Tintura 20% 1 a 2ml/dia


Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Infuso ou decocto 2g/dia
Extrato seco 300 a 600mg/dia (1 cápsula)

- 2g = 1 colher de sopa
- Deve-se trabalhar mais com as folhas do que com as cascas.
- Ingerir com o estômago cheio.

Precauções
- Não usar antiácidos, pois interferem na solubilidade dos alcalóides. Ou utilizar com um intervalo
de no mínimo 2 horas entre os dois.
- Gravidez e lactação.

Efeitos colaterais
- Altas doses provocam efeito contraceptivo.
- Há relatos de alteração pancreática e no nervo óptico com o uso desta planta.

Observações
- Alcalóides: pequenas doses e grandes efeitos.
ééé: ótima para sistema imunológico
ééééé: antiinflamatório

Interações
SISTEMA DERMATOLÓGICO

1. ABACATEIRO é é é é

Binômio científico: Laurus americana Mill, syn, Laurus persea L.


Origem: América Central, mas cultivada em todo o Brasil
Partes utilizadas: folhas, óleo e sementes
Constituintes químicos:
- flavonóides (principal)
- óleo essencial (óleo fixo, com maior concentração nas sementes do que nas folhas)

Indicações terapêuticas principais


- Emoliente (não deixa sair a água do corpo) e suavizante, rico em vitaminas A, B, D e E;
- Óleo não secativo, indicado para pele e cabelos ressecados;
- Ação antiinflamatória e antimicrobiana no uso externo;
- Coadjuvante nos tratamentos de eczema e dermatite;
- Substituto do óleo mineral em muitas formulações;
- Óleo comedogênico: aumenta muito a secreção sebácea

Posologia

Cremes, loções, composições de óleos diversos, xampus, etc. 0,1 a 5 %

- É possível comprar um creme base para misturar o óleo, com a seguinte formulação:
Tintura vegetal: 15%
Creme base: qsp 100g
- Deve-se friccionar bastante quando for aplicado na pele, até aquecer, para ser bem absorvido.

Precauções
- Emenagoga: pode provocar a menstruação, aborto ou adiantar o parto. Assim, deve ser
evitada por mulheres grávidas e por aquelas que tem o fluxo menstrual intenso.
- Colagogo e colerético: produz ácidos biliares, os quais servem para emulsificar gordura.
Pessoas que retiraram a vesícula biliar não devem utilizar a planta.
- O uso de suas folhas frescas poderá provocar arritmia cardíaca, pois é cardiotônica.

Efeitos colaterais
-

Observações
- O óleo é mais antiinflamatório.
SISTEMA DERMATOLÓGICO

2. AGRIÃO é é

Binômio científico: Nasturtium officinale R.BR


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Indicado para afecções de pele como acne, eczema e erupções;
- Indicado para prevenção do avermelhamento da pele devido ao sol ou ao frio;
- Indicado como fitocosmético no tratamento de caspa e queda do cabelo;
- Faz vasoconstrição arterial;
- Diminui a circulação superficial da face (o sol e o frio causam uma inflamação superficial da
face, por isso a circulação aumenta);
- Indicado para caspa (não por fungo, mas pelo ressecamento excessivo e desnutrição, faz com
que o cabelo "desarme") e para queda do cabelo;

Posologia

Loção Misturar 50g de suco de agrião e 10g de essência de amêndoas amargas


Cataplasmas Aplicar sobre a pele para previnir avermelhamento
Loções Desinfetantes para pele acneica, cremes para peles oleosas, xampus
Sabonetes 2a3%
Loções tônicas 2a5%

- O cataplasma pode ser preparado macerando-se algumas folhas com água em temperatura
ambiente, aplicando sobre a pele por uns 15 minutos.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

3. ALECRIM é é é é

Binômio científico: Rosmarinus officinalis


Origem:
Partes utilizadas: folhas e sumidades floridas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, cânfora, diterpenos, saponinas, princípios amargos e taninos, flavonóides...

Indicações terapêuticas principais


- Externamente estimula a circulação local e alivia dores;
- Ação antiséptica na boca e garganta;
- No couro cabeludo melhora a nutrição e a oxigenação e diminui a oleosidade excessiva, sendo
indicado para estimular a circulação e o crescimento dos cabelos, no tratamento de dermatites
seborréicas, caspa, queda do cabelo, além de fornecer brilho intenso;
- Indicado para inchaço dos olhos, pele desvitalizada, edemas;
- Propriedade anti-séptica, antimicótico, antioxidante e cicatrizante.

Posologia

Cremes, loções, géis, etc. 5 % de extrato glicólico


Loções capilares e dentifrícios 3 % de extrato glicólico
Banhos estimulantes 10 % de óleo essencial

- A infusão pode ser aplicada no último enxágue do cabelo;


- Para inchaço nos olhos pode ser colocado creme para a área dos olhos ou faz uma infusão e
aplica com algodão nos olhos fechados.
- Para pele desvitalizada é bom usar extrato glicólico (glicerina e álcool também causam
resseca,mento);

Precauções
- Banho estimulante pode elevar a pressão arterial;
- Gestantes: pode ser abortiva em altas doses.
- Doses elevadas podem provocar gastrite, enterite, nefrite (até sangue na urina).
- Estimulante do SNC: pode provocar perda de sono.
- No escalda-pés, é recomendado abafar para que a pessoa não inale o vapor e sinta a
propriedade estimulante antes de dormir.
- A essência de alecrim pode ser irritante para a pele.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Por conter óleo essencial, o local de armazenamento interfere na sua qualidade.
- O efeito é bom, mas o número de hipertensos é muito maior que dos hipotensos.
- É antidepressivo por aumentar os neurotransmissores excitatórios, mas não é a melhor forma
para tratar depressão.

Interações
SISTEMA DERMATOLÓGICO

4. ALFAZEMA (Lavanda) é é é

Binômio científico: Lavandula officinalis


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Externamente, os óleos essenciais possuem ação anti-séptica, estimulante da circulação
periférica e refrescante;
- Indicado como linimento nas dores de reumatismo, para diminuir inchaços, como purificante
para pele com acne, em xampus para cabelos oleosos, na acne e foliculite (inflamação do folículo
piloso), olhos cansados e congestionados, mau hálito, pernas inchadas, bolhas nos pés e mãos,
edemas, reações alérgicas na pele, coceira causada por picadas de insetos;
- Utilizada na elaboração de perfumes, sabonetes, talcos e óleos para massagem do corpo (ajuda
a relaxar e aliviar dor, inclusive pode ser colocada na água da banheira do bebê).

Posologia

Óleo essencial tônicos até 3%


Produtos para banhos, xampus, até 10%
sabonetes, géis, máscaras, loções

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Para pesoa depressiva o Alecrim é mais indicado.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

5. ANDIROBA é é é é é

Binômio científico: Carapa guianensis Aubl.


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Atua na pele regenerando e estimulando o tecido epitelial (favorece a multiplicação celular no
tecido), sendo indicada no caso de escaras, por exemplo;
- Antiinflamatória: alivia e acalma a dor nos tecidos inflamados;
- As folhas frescas contribuem para cicatrização de feridas e contusões;
- O óleo amacia a pele, regenera o tecido e apresenta ótimo efeito sobre inflamações;
- Indicada para psoríase capilar (não a psoríase em si), melhorando a cicatrização;
- Ação miorrelaxante e antiinflamatória (rica em salicilato de metila, componente do gelol).

Posologia

Xampus, condicionadores, cremes, 2 a 5%


loções

- Óleo puro sobre picadas de insetos, feridas e pontos doloridos.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

6. AVEIA é é é é

Binômio científico: Avena sativa


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Rica em proteínas, exerce potente hidratação quando adicionada em formulações para pele e
cabelos;
- Rica em mucilagem, por isso retém água. Por isso deve ser usada em extrato glicólico (não se
deve usar álcool ou tintura, pois resseca);

Posologia

Géis-cremes, loções corporais, 1a 5% (podendo chegar à quantidades maiores se


tônicos, xampus, etc. necessário)

- Melhor forma: extrato glicólico.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Não possui propriedades terapêuticas sozinha, mas é um excelente hidratante para peles
desidratadas e desnutridas.
- Pode ser usada em peles oleosas.

Interações
+ Aloe vera: em protetor solar e loção pós sol
SISTEMA DERMATOLÓGICO

7. BABOSA é é é é é

Binômio científico: Aloe vera L.


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Usada na acne, psoríase (melhora o aspecto), coceiras, queimadras, eczemas, erisipela,
reumatismo, hemorróidas, cicatrizante de pequenas feridas, como calmante em picada de
insetos, alopécia seborréica (queda de cabelo por excesso de oleosidade);
- Fitocosmético: desodorante, fortalecedor do couro cabeludo e tratamento da alopecia
seborréica;
- Aplicada em loções pós barba, produtos para peles flácidas, condicionadores capilares, como
preventivo de rugas, produtos para peles secas e cabelos secos ou com caspa;
- Gel fresco contra queimaduras, abrasões, irritações da pele, pequenos ferimentos;
- Sabonetes, cremes, loções faciais, máscara de beleza, bronzeadores, produtos pós-sol;

Posologia

Para o corpo, lábios, olhos e mãos, até 30% de gel fresco ou


produtos infantis 5 a 10% de extrato glicólico

- Para se obter o gel, corta-se a planta e utiliza-se na hora.

Precauções
- Não fazer uso interno da folha.

Efeitos colaterais
-

Observações
- A folha verde tem antraquinona e furanocumarina, causando irritação intestinal. Por isso só é
utilizada a goma.
SISTEMA DERMATOLÓGICO

8. BARDANA é é é é

Binômio científico: Arctium lappa L.


Origem:
Partes utilizadas: planta inteira
Constituintes químicos:
- Taninos, mucilagens, glicosídeos, vitaminas do complexo B, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Indicada em doenças crônicas de pele (eczema e psoríase), acne, crosta láctea de recém-
nascidos (usar na água do banho para tratar), como cicatrizante de feridas e ulcerações;
- Ação fungicida;
- Possui ação de neutralizar venenos, sendo indicada para picadas de insetos e aranhas;
- No couro cabeludo age nos casos de caspa, seborréia e queda de cabelo;
- O uso contínuo faz escurecer os cabelos;
- Nas furunculoses, por ser depurativa, diminui o tamanho dos furúnculos, ajudando a drenar.
Quando vem a furo, rompe o vaso sanguíneo a a bactéria entra em contato com o sangue,
podendo espalhar pela corrente sanguínea. A espinha é mais superficial, já o furúnculo mais
profundo, normalmente é toxina sanguínea.

Posologia

Xampus, tônicos capilares, cremes, 1 a 5% de extrato glicólico ou tintura


loções

- Nos dez primeiros dias vai sair mais acne e depois sairá pelo sistema linfático.
- Seu infuso pode ser misturado com argila.

Precauções
- Contra-indicada para crianças (até 12 anos ou 40kg) pois pode sobrecarregar o sistema
linfático.
- Altas doses podem gerar midríase (dilatação pupilar) e boca seca (diminuição salivar).

Efeitos colaterais
-Irritação dérmica e ocular;

Observações
- Segundo a MTC, a Bardana resfria o sangue, ou seja, faz depuração, diminuindo toxinas.
- A boca seca pode interferir num diagnóstico pela MTC.
- Pode ser usado de forma contínua, até ocorrer a limpeza.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

9. BENJOIM é é é

Binômio científico: Styrax benjoim Dry


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Uso no combate à escaras de pessoas acamadas e em rachaduras nos seios (lavar bastante
antes de dar de mamar);
- Protege a pele contra fungos, no tratamento de frieiras e pés de atleta;
- Ajuda a aumentar a elasticidade de peles oleosas, a cicatrizar rachaduras na pele;
- Usado em cremes esfoliadores (seca tanto que ajuda a retirar células mortas por abrasão);
- Muito utilizada na fabricação de perfumes, ajudando a fixar os aromas;

Posologia

Cremes, loções, pomadas até 5% da resina

- A tintura resseca muito a pele.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Na auriculo, pode-se utilizar tintura de Benjoim nas peles muito oleosas, mantendo inclusive por
mais tempo o micropore (não faz ação anti-séptica).

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

10. CALÊNDULA é é é é é

Binômio científico: Calendula officinalis


Origem: Europa meridional
Partes utilizadas: flor
Constituintes químicos:
- Triterpenóides, glicosídeos do ácido oleânico, luteína, carotenos, esteróis, ácidos graxos,
calendulina (goma), polissacarídeos.

Indicações terapêuticas principais


- Indicada em casos de inflamações de pele e da membrana mucosa, queimaduras suaves,
queimaduras de sol, escaras, avermelhamento de peles sensíveis e delicadas;
- Cicatrizante, antialérgica, suavizante, antiflogística, antiinflamatória, bactericida, antifúngica;
- Utilizada no tratamento de acne, eczema, abscessos, impetigo e assaduras;
- Protetora dos raios UVA e UVB (tanto em creme, quanto gel ou loção);
- Planta de escolha como cicatrizante de pele;

Posologia

Cremes e loções para peles sensíveis, pomadas cicatrizantes,


produtos pós-barba e pós-depilação, xampus, condicionadores, 5 a 10%
sabonetes, dentifrícios

- 15% de tintura na formulação = FPS 8

Precauções
- Gestantes: os triterpenóides terão ação abortiva. É ocitotóxica, ou seja, tóxica para células
embrionárias. Mas não é teratógena.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Planta muito utilizada dermatologicamente, pois resolve a maioria dos problemas de pele.
- Para cistite pode ser usada em banho de assento.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

11. CAMOMILA é é é é é

Binômio científico: Matricaria chamomila ou Chamomilla recutita


Origem: Europa e algumas regiões da Ásia
Partes utilizadas: capítulos florais
Constituintes químicos:
- Cicloeteracetileno, glicosídeos flavônicos, cumarinas, colina, terpenos, ácidos graxos,
matricarina, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Propriedades antiinflamatória, bactericida, antimicótica e protetora de úlceras (efeito do alfa-
bisabolol);
- As mucilagens retém água, formando película protetora sobre peles secas e delicadas;
- Usada em casos de eczemas, úlceras das pernas, dermatite e afecções da pele;
- Como preventivo de rachaduras de peles sensíveis e secas;
- Para clarear os cabelos e pêlos do braço e do corpo. Os flavonóides fazem oxidação do fio de
cabelo, deixando-o mais amarelado. Deixarão mais hidratado também;
- Protetora de ulcerações;
- Ação antiinflamatória.

Posologia

Xampus, sabonetes, banhos 2 a 5%


Produtos para clarear os cabelos 5 a 12%
Dentifrícios e produtos de higiene bucal 3 a 5%

- Pode ser usada na forma de cremes, loções, géis, produtos infantis, protetores solares, loções
pós-barba e pós-sol.
- 50 g = 1 pacote
- A tintura é encontrada pronta em várias farmácias.
- Xampu de camomila não clareia os fios, a não ser que deixe resíduos. Para clarear deve-se
colocar a infusão e expor o cabelo ao sol.

Precauções
- Em uso contínuo ou em doses elevadas pode causar enjôo, excitação e insônia.
- Emenagogo suave.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Recomendado para uso descontínuo: até 15 dias. Suspender por pelo menos 5 dias.
- A quantidade tóxica é improvável devido à dose diária.
- A única ação exclusiva é a reposição da flora bacteriana.

Interações
- Manteiga de cacau + Calêndula ou camomila.
SISTEMA DERMATOLÓGICO

12. CAVALINHA é é é

Binômio científico: Equisetum arvense


Origem: Europa
Partes utilizadas: partes aéreas
Constituintes químicos:
- Ácido sílico e compostos hidrossolúveis de silica, taninos, saponinas, flavonóides, vitamina C,
alcalóides, compostos inorgânicos, ácidos orgânicos, substâncias amargas, triglicerídeos, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Tonificante, revitalizante e remineralizante, sebostática (impede a formação de sebo), secativa,
antiinflamatória, antiacne, cicatrizante.
- Atua na flacidez dos seios;
- Por conter silício, tem ação abrasiva, porém suave: não por ação física, mas por ação irritativa;
- Antirrugas natural: o silício puxa água por adsorção e preenche os espaços. O efeito dura por 4h
se o rosto não for enaguado;

Posologia

Xampus e espuma para barba 3%


Dentifrícios e produtos de higiene bucal 3 a 5%

- Em creme: tintura.
- Em gel: extrato glicólico (pode ser usado com Calêndula para atuar como protetor solar)
- Em espuma para barba deve-se colocar extrato de cavalinha ou infusão a fim de deixar o pêlo
mais duro, facilitando o corte da barba.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Menos cicatrizante que a Centella e a Camomila.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

13. CENTELLA é é é é

Binômio científico: Centella asiatica L.


Origem:
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Ácido asiático, tânico e medecássico, saponídeos triterpênicos, velarina, óleo essencial.

Indicações terapêuticas principais


- Estimula a lipólise;
- Uso externo como calmante, cicatrizante, antiirritante, refrescante, ativador de micro-circulação,
hidratante no tratamento de gordura localizada e celulite (elimina toxinas);
- Ação antiinflamatória, antibiótica e cicatrizante de feridas na pele;
- Como anti-rugas faz duas ações:
* diminui a degradação de colágeno e elastina
* estimula a formação de colágeno e elastina (estimula a aenzima que produz).

Posologia

Cremes e loções adstringentes 6 a 10%

- Pode ser usado como xampus, loções capilares antiqueda, creme para celulite e estrias.

Precauções
- Evitar o uso durante o verão, devido às furanocumarinas, pois poderá causar manchas cutâneas
com exposição ao sol. Poderá então ser substituída pela Castanha da Índia)

Efeitos colaterais
-

Observações
- Interromper o tratamento 1 semana antes de se expor ao sol.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

14. CONFREI é

Binômio científico: Symphytum officinale, syn


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Proliferativo celular e cicatrizante em feridas, ulcerações de difícil cicatrização e rejuvenescedor
e vitalizador de células como cicatrizante em: queimaduras, flebites, hematomas, conusões,
luxações, fissuras, feridas de diabéticos e picadas de insetos;

Posologia

Cremes, loções, xampus, géis, etc. até 15%

Precauções
- Seu uso prolongado não é recomendado por sua ação proliferativa celular.
- Só deve ser usado externamente.
- Não utilizar em pacientes com risco de formação de quelóide, o qual já é resultado de uma
proliferação excessiva). USAR APENAS EM FERIDAS QUE NÃO CICATRIZAM DE JEITO
NENHUM.

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

15. COPAÍBA é é é

Binômio científico: Copaífera sp


Origem: México, Antilhas, África tropical e Brasil (Copaífera officinalis). As outras no Brasil.
Partes utilizadas: resina extraída do caule
Constituintes químicos:
- Ácido copaiferólico, óleo essencial rico em terpenos... Presentes no material resinoso extraído
do caule.

Indicações terapêuticas principais


- O óleo essencial é fixador de perfumes;
- Anti-séptico em feridas, eczemas, psoríase, urticária, cicatrizante de pequenas irritações no
couro cabeludo;
- Auxiliar no tratamento de caspa e acne;
- Psoríase que se manifesta no couro cabeludo (loção capilar);
- Antifúngico e bactericida.

Posologia

Xampus e loções capilares 2 a 7% do óleo


Géis, sabonetes, espumas de banho, cremes, loções para o corpo 1 a 5% do óleo
Fixador de perfumes 2%

- Não é óleo essencial, é uma resina.

Precauções

- A resina poderá desenvolver alergia em certas pessoas.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Existem estudos sobre a sua ação sobre infecções fúngicas, com uso interno (ação bem rara de
ser encontrada).

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

16. FUCUS é é é

Binômio científico: Fucus vesiculosos L.


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Ação estimulante, hemostática, com atividade no combate à celulite e gordura localizada;
- Sua maior ação é na obesidade: estimulante suave, tônico do organismo;
- Topicamente estimula lipólise;
- Uso interno: excelente fonte de iodo (precursor de T3 e T4);

Posologia

Géis, cremes, etc. 2 a 5%

Precauções
- Não deve ser usado em casos de hipertireoidismo ou em quem tem hipo mas já toma hormônio
sintético.
- Quem tem a tireóide normal também não deve fazer uso, pois fará com que ela precise de iodo
ou entre em hipotireoidismo.
- Pessoas com alergia ao iodo.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Conhecida como alga marinha.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

17. GINKGO BILOBA é é é é

Binômio científico: Ginkgo biloba


Origem:
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Vários glicosídeos flavonólicos e flavônicos, terpenos, diterpenos, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Ação anti-radicais livres, inibe a destruição do colágeno (como a Centella), ativador da micro-
circulação, amaciante e atua na profilaxia do envelhecimento da pele;
- Exerce efeito relaxante sobre os vasos sanguíneos, estimulando a circulação;
- Adstringente, antifúngico e bactericida;
- Utilizado em casos de varizes, úlceras varicozas e hemorróidas;

Posologia

Cremes, loções, sabonetes, máscaras, etc. 5 a 10%

Precauções
-

Efeitos colaterais
- Aumenta o rosado da pele por fazer vasodilatação da microcirculação periférica;

Observações
- Planta muito utilizada pela MTC, pois fornece grande vitalidade ao organismo.
- Não forma colágeno, nem preenche rugas.

Interações
- Utilizar primeiro uma máscara com Ginkgo, depois uma máscara nutritiva.
SISTEMA DERMATOLÓGICO

18. GUAÇATONGA ou CHÁ DE BUGRE é é é é

Binômio científico: Casearia sylvestris


Origem: América tropical
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, taninos, terpenos, diterpenos, flavonídes, saponinas, ácidos graxos,
antocianosídeos.

Indicações terapêuticas principais


- Ação antimicrobiana, fungicida, antiséptica;
- Para feridas, eczemas, coceiras, picadas de isetos, ulcerações, aftas, herpes;
- Ação antiofídica: neutraliza o veneno de insetos e de cobra;
- Cicatrizante como repitalizante, não como regenerador de células;

Posologia

Cremes, loções, pomadas, xampus, etc 5 a 20%

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Não forma quelóide.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

19. GUANXUMA é é é

Binômio científico: Sida spinosa L.


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:
- Tanino

Indicações terapêuticas principais


- Por conter muito tanino, retira quase que totalmente a oleosidade, sendo indicado, por exemplo,
para queda de cabelo por excesso de oleosidade, que obstrui o folículo piloso;
- Tira tanto a oleosidade que aumenta muito o volume do cabelo, mas deixando macio;
- Faz adstringência e limpeza de pele;

Posologia

Xampus, cremes, loções, sabonetes, etc. 5 a 10%

- Para peles muito oleosas, deve-se trabalhar perto da concentração máxima.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Não se deve retirar toda a oleosidade, pois ela é protetora de peles sensíveis. Depois deve-se
hidratar com produto adequado à pele.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

20. HAMAMELIS é é é é

Binômio científico: Hamamelis virginiana L.


Origem:
Partes utilizadas: cascas e folhas
Constituintes químicos:
- Hamamelitanino, ácido gálico, flobafenos, flavonóides, mucilagens, óleo essencial, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Rica em tanino, forma revestimento protetor sobre a pele, diminui secreções e protege das
infecções;
- Possui propriedade hemostática nas hemorragias (protege das infecções) , excelente nas
queimaduras, descongestionante, cicatrizante;
- Usado em acne, furunculose, hemorróidas, flebite e, no couro cabeludo, em produtos para
caspa e oleosidade excessiva;

Posologia

Loções tônicas, loções pós-barba, géis refrescantes e secativos, 5 a 10%


cremes e loções para pele
Xampu para cabelos oleosos 2 a 5%

Precauções
- Pelo conteúdo de taninos não é recomendada durante a gestação.
- O uso tópico é apenas secativo.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Substituta da Guanxuma, porém com maior indicação para pele normal.
- Para furunculose, primeiro deve-se fazer limpeza interna (com bardana, por exemplo).

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

21. HENA é é

Binômio científico: Lawsonia inermis L.


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Colorante, adstringente, anticaspa, antifúngica, bactericida, protetora solar;
- usada em dermatologia em compressas frias em febres, dores nas articulações, picadas de
insetos, irritações de pele;
- Tingimento de cabelos, unhas e pele;
- Fornece brilho aos cabelos castanhos, condiciona, dá volume, fortalece, diminui a caspa e a
queda de cabelo;
- Como protetor solar tem fator 12 FPS, mas pode manchar.

Posologia

Xampus, condicionadores, loções tônicas 5 a 10%

- O tingimento é feito com o pó das folhas.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Seu uso é um tanto restrito por ser encontrado mais o pó, que é colorante, do que as folhas.
- A Hena é castanha. Se for preta é porque tem tingimento e até chumbo.
- A duração máxima sobre a pele é de 28 dias.
- É 2é pois apenas pessoas com cabelo castanho podem usar.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

22. HIPÉRICO é é

Binômio científico: Hypericum perforatum L.


Origem:
Partes utilizadas: folhas, flores
Constituintes químicos:
- Hipericina, flavonóides, catequinas, fitosteróis, vitaminas C e P, óleo essencial, taninos, resinas,
pectinas, carotenos, saponinas, princípios amargos.

Indicações terapêuticas principais


- Em dermatologia é usado no tratamento de feridas, queimaduras e úlceras;
- Em cosmetologia é usado em produtos para retirar a oleosidade excessiva da pele e cabelos,
em banhos relaxantes e calmantes para a pele;
- Cicatrizante, inclusive de queimaduras (depois que já lesionou);
- Pode ser aplicado sobre manchas de vitiligo para estimular os melanócitos a produzirem
melanina;

Posologia

Xampus, cremes, loções, gel, banhos 5%

- Sobre úlceras e queimaduras ou fricções para gota e reumatismo deve ser usado o óleo puro.
- No caso de vitiligo, o creme deve ser aplicado com cotonete exatamente sobre a área da
mancha. O paciente deve então se expor ao sol por 20 a 30 minutos. Depois deve-se lavar o local
e passar protetor solar para não tomar sol na área afetada.

Precauções
- Devido à presença das furanocumarinas, pode causar fotossensibilidade e hepatotoxicidade.

Efeitos colaterais
-

Observações
- No caso do vitiligo, demora de 6 meses a 1 ano para recuperar os melanócitos. É a única planta
que faz isso.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

23. JABORANDI é é é

Binômio científico: Pilocarpus jaborandi H.


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Adstringente, anti-séptica, antioleosidade, desodorizante, estimulante capilar (a pilocarpina
estimula os folículos pilosos).

Posologia

Loções capilares, xampus, condicionadores até 10%

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Sobre a pele não tem muita função.

Interações
- Pode substituir o Alecrim ou ser usado em conjunto com ele.
SISTEMA DERMATOLÓGICO

24. JOJOBA é é é

Binômio científico: Simmondsia chinensis


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Retira o excesso de oleosidade do couro cabeludo, estimulando o crescimento e regulando as
secreções glandulares;
- Fornece brilho aos cabelos, atua no crescimento e na caspa;
- Excelente para peles secas;
- Utilizada na acne, psoríase, queimadura de pele, problemas de pele e retira vermelhidão de
escaras;
- Regula as secreções das glândulas sudoríparas;
- Seu óleo é rico em vitamina E.

Posologia

Xampus para cabelos secos, condicionadores, tônicos capilares, 2 a 10%


cremes, loções, máscaras, etc.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

25. MALVA é é é

Binômio científico: Malva sylvestris L.


Origem: dispersa no continente europeu, africano e americano
Partes utilizadas: folhas, flores e raízes
Constituintes químicos:
- Antocianinas, flavonóides, mucilagens (6 a 8% na planta fresca e 16% na planta seca), ácidos
fenólicos, taninos...

Indicações terapêuticas principais


- Ação antiinflamatória, emoliente, adstringente, amaciante e condicionadora;
- Hidrata, protege e suaviza a pele (mucilagem);
- Usada em casos de úlceras e erupções cutâneas, dermatoses, furunculoses, abscessos, aftas e
picadas de insetos;

Posologia

Cremes, pomadas, loções, etc. 5 a 10%


Compressas Planta toda

- Para feridas de difícil cicatrização pode ser utilizada na forma de cataplasma, sempre com uma
gase entre a planta e a ferida.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Da malva silvestre pode-se fazer uso interno. No entanto, existem diversas plantas chamadas
popularmente "Malva" e que são hepatotóxicas.
- Mesmo que se faça maceração sairá óleo e mesmo que se faça infuso sairá mucilagem.
As proporções é que mudam.
- Por ser de origem mediterrânea, no Brasil só é encontrada a planta seca, a qual deverá ser
hidratada.
SISTEMA DERMATOLÓGICO

26. MACELA é é

Binômio científico: Achyrodine satureoides L


Origem: América do sul, cresce em todo Brasil, exceto na região Amazônica
Partes utilizadas: inflorescências
Constituintes químicos:
- Flavonóides, óleo essencial, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Contém flavonóides que atuam aumentando a circulação sanguínea periférica, atuando na
queda do cabelo. Porém se o cabelo já caiu não fará efeito algum;
- Clareador de cabelos;

Posologia

Xampus, sabonetes, etc. 2 a 5% de extrato ou tintura

- Para clarear os cabelos pode ser usado o infuso como água de enxágue e depois a exposição
ao sol.
- O infuso deve ser tomado logo após o preparo, devido ao óleo essencial.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

27. MELALEUCA é é é é é

Binômio científico: Melaleuca alternifolia


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Usada em queimaduras, acne, herpes, furunculose, pé de atleta, picadas de inseto, gengivite,
eczema, psoríase;
- Atua na caspa;
- É o maior antifúngico fitoterápico conhecido (sendo para isso 5é). Indicado para tratamento de
Tinea;
- Fungicida, bactericida e antiviral.

Posologia

Cremes, loções, xampus, etc. 10% de extrato ou tintura


Géis até 5%

- O óeo deve ser aplicado sobre a parte afetada.


- A forma que ele chega no mercado é como óleo fixo, o qual não deixa a pele oleosa.

Precauções
- Hepatotóxica, não podendo ser usada internamente.
- Não deve ser aplicado sobre feridas espostas, pois arde muito.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Existem duas espécies de Melaleuca, ambas com ação terapeutica. Portanto: Melaleuca sp
- Conhecida como Tea tree.
- Na furunculose ela matará as bactérias. Mas se a causa dela for toxinas, não fará efeito.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

28. MUTAMBA é é

Binômio científico: Guazuma ulmifolia


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Cicatrizante de feridas e úlceras, em dermatoses;
- Atua na caspa, seborréia, queda de cabelo e em afecções parasitárias do couro cabeludo
(piolhos, lendias, etc);
- Escurece os cabelos.

Posologia

Fitocosmético Até 10%


Banhos ou loções capilares Decocto

- Para o decocto pode-se usar um punhado da planta para 1 litro d'água (a planta toda).

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- O único fitoterápico conhecido para afecções parasitárias do couro cabeludo.
- 2é por ser muito específica.
- Não tem efeito tóxico.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

29. NOGUEIRA é é é

Binômio científico: Juglans regia L.


Origem: Ásia ocidental, sudeste da Europa, China e Himalaia
Partes utilizadas: folha, fruto, córtex e óleo
Constituintes químicos:
- A folha e o córtex contêm as mesmas substâncias, ainda que em porcentagens diferentes:
juglona, glicosídeo, vitamina c, tanino, ácidos cítricos, 3 flavonóides...

Indicações terapêuticas principais


- Afecções cutâneas como eczemas, acne, herpes e danos causados pelo frio, a fim de melhorar
a regeneração da pele;
- Anticaspa, antiqueda e como tintura para escurecer os cabelos, já que estimula a pigmentação.
Reverte inclusive fios brancos.

Posologia

Extrato ou tintura como fitocosmético 1 a 7%

- Para banhos e escurecimento dos cabelos deve-se usar o infuco.


- Formulação para cabelos:
15ml de tintura officinalis
10ml de propileno glicol
75ml de solução hidroalcoólica ou álcool 70%

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Para uso nos cabelos, não sofre alteração no sol.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

30. ROSA MOSQUETA é é é é é

Binômio científico: Rosa canina


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- O óleo possui ação regeneradora dos tecidos, cicatrizante e emoliente;
- Usada em cicatrizes antigas, queimaduras, sardas (diminui a pigmentação), manchas de pele,
prevenção de estrias, alterações da pele pela radioterapia e tratamento de envelhecimento
precoce (ação antioxidante pelos flavonóides);
- Ajuda a melhorar o aspecto de quelóides;

Posologia

Óleo em fitocosmética até 10%

- O óleo deve ser passao sobre a região afetada.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Pode ser usada antes ou depois da radioterapia.
- O óleo é bem caro, cerca de R$70,00 cada 30ml. Por isso, normalmente colaca-se o óleo em
creme base.

Interações
-
SISTEMA DERMATOLÓGICO

31. SÁLVIA é é é é

Binômio científico: Salvia officinalis L.


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Usada como desodorante e antiperspirante pela capacidade de fechar poros dilatados,
reduzindo a transpiração e o excesso de oleosidade. Diminui a produção de suor, sem obstruir a
glândula sudorípara;
- Antioxidante, emoliente e aromática;
- Uso em produtos de higiene bucal, auxiliando em estomatite, gengivite, afta e mau hálito;
- Usada em cremes e loções para pele oleosa e com acne, sendo adjuvante no tratamento de
rugas;
- Fixador de perfumes.

Posologia

Fitocosmético até 10%


Produtos de higiene bucal 2 a 5%

- Para quem tem hiperhidrose pode ser utilizada como água de enxague de banho.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

1. ABACATEIRO é é é é Renal
é é Digestório
Binômio científico: Laurus americana Mill, syn, Laurus persea L.
Origem: América Central, mas cultivada em todo o Brasil
Partes utilizadas: folhas, óleo e sementes
Constituintes químicos:
- flavonóides (principal)
- óleo essencial (óleo fixo, com maior concentração nas sementes do que nas folhas)

Indicações terapêuticas principais


- Balsâmico: alivia a irritação da mucosa (folhas);
- Potencial antiinflamatório;
Sist. Renal
- Diurético (tanto quanto o chá verde). No entanto não faz hipotensão, pois não diminui o volume
de plasma nos vasos. Ele atua aumentando a produção da urina sem obrigatoriamente tirar
líquido dos vasos;
- Combate o artritismo e a gota, calmante de dores, elimina urina, cálculo renal, melhora o
funcionamento dos rins e bexiga;
Sist. Digestório
- Estomáquico e hepatoprotetor;
- Atua estimulando a secreção biliar e evitando a formação de gases estomacais e intestinais
(emulsifica gordura);
- Existem citações do uso da casca como anti-helmíntica e das sementes no combate à teníase e
verminoses;
- Colagogo e colerético muito suave, com capacidade pequena de diminuir colesterol;

Posologia

Extrato seco 1g/dia


Tintura mãe 20 a 100 ml/dia
Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
50g de folha/L
Infuso ou decocto
Tomar 1 xíc. 3 a 4 vezes/dia

- 50g = 5 colheres de sopa da folha seca


- 500 mg/cápsula > 2 cápsulas/dia
- 1 ml = 20 gotas
Sempre que passar de 3ml (60 gotas), deve-se usar copinho medida e diluir em água para ingerir.
- Posologia para indivíduos de 70kg.
- Trabalhar sempre com doses médias inicialmente.
- Quando o sistema hepático não puder ser sobrecarregado deve-se optar pelo infuso ou extrato .
fluido

Precauções
- Emenagoga: pode provocar a menstruação, aborto ou adiantar o parto. Assim, deve ser
evitada por mulheres grávidas e por aquelas que tem o fluxo menstrual intenso.
- Pessoas que retiraram a vesícula biliar não devem utilizar a planta.
- O uso de suas folhas frescas poderá provocar arritmia cardíaca, pois é cardiotônica.
- Por ter potencial antiinflamatório irrita as mucosas, devendo ser consumido de estômago cheio.

Efeitos colaterais
- Faz depleção de potássio.

Observações
- O óleo é mais antiinflamatório.
- O óleo encontrado na polpa é inviável terapeuticamente, pois seria necessário a ingestão de 2 a
3 abacates por dia para que o óleo tivesse efeito no organismo.
- 2é sistema digestório: estomáquicoco, colagogo e colerético.
- 4é sistema renal: aumenta a urina sem baixar a pressão. Só não é 5é por fazer depleção de
potássio.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

2. ABUTUA é é

Binômio científico: Cissampelos pareira L.


Origem:
Partes utilizadas: raiz
Constituintes químicos:
- Saponinas, esteróis, triterpenos, óleos essenciais, politerpenos e polifenóis, alcalóides.

Indicações terapêuticas principais


Sist. Renal
- Diurética, estimulante do funcionamento dos rins;
- Antiinflamatória e antiséptica do trato urinário, indicada em irritações das vias urinárias (cistites e
prostatites), cálculos renais, hidropsia;
Sist. Digestório
- Indicada para má digestão, problemas do fígado e vesícula;
- Colagoga e colerética.

Posologia

Extrato seco 0,2 a 1g/dia


Tintura mãe 10 a 50 ml/dia
Tintura 20% 5 a 25 ml/dia
Extrato fluido 1 a 5 ml/dia
Infuso ou decocto 2,5 g/dia

- A forma mais comum de utilização é o extrato seco e cápsula. A infusão da raiz não é muito
bem vista pelos pacientes.

Precauções
- Hemenagoga e abortiva em altas dosagens.

Efeitos colaterais
-

Observações
- O excesso de diurese pode movimentar cálculos renais existentes, gerando dor. Assim, o ideal é
primeiro utilizar uma planta para dissolver o cálculo.
éé Por ser pouco conhecida. Na região norte e centro-oeste, por ser mais conhecida, é 5é

Interações
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

3. ALCACHOFRA é é é é é

Binômio científico: Cynara scolymus


Origem: Provavelmente originária da região do Mediterâneo, hoje cultivada nas regiões Atlânticas
Partes utilizadas: folhas colhidas antes da floração
Constituintes químicos:
- Cinarina, taninos, sais de potássio, magnésio, cálcio, sódio, etc.

Indicações terapêuticas principais


Sist. Renal
- Diurética;
- Auxilia na eliminação de uréia e de substâncias tóxicas decorrentes do metabolismo celular;
Sist. Digestório
- Colerética e colagoga (cizarina), sendo ativadora da secreção biliar, funcionando então como
redutora de colesterol;
- Aumenta a secreção gástrica e sua acidez, o que pode gerar sensação de fome e gastrite.
Assim, deve ser administrada após as refeições principais. E, no intervalo das refeições, deve ser
utilizada uma planta com mucilagem, para proteger a mucosa;
- Protetor e estimulante do fígado. Promove ação regeneradora dos hepatócitos que estimulam
as enzimas do metabolismo hepático (insuficiência hepática);
- Diminui as cólicas dos pacientes com cálculos biliares, pois é antiespasmódica,
diminuindo a contração da musculatura das vísceras e também a motilidade intestinal.

Posologia

Extrato seco 0,2 a 1g/dia


Tintura mãe 10 a 50 ml/dia
Tintura 20% 5 a 25 ml/dia
Extrato fluido 1 a 5 ml/dia
10 g/L
Infuso ou decocto
1 xíc após as refeições

- 50 ml = 500 gotas > dificulta o uso


- No caso da infusão, é difícil manter um uso contínuo
- Pó (planta moída e pulverizada): difícil garantir a existência de princípios ativos, pois não é
época durante todo o ano.
- Extrato seco (extração dos princípios e pulverização): garante os princípios ativos

Precauções
- Interfere no hormônio prolactina, diminuindo a secreção de leite em mulheres que estão
amamentando. A cinarazina tende a coagular o leite produzido (empedrar). (Muito utilizada,
erroneamente, para parar a produção de leite).

Efeitos colaterais
- Pode ocasionar aumento de apetite.
- Altas doses podem causar diurese e diarréia.

Observações
- As folhas colhidas antes da floração tem maior concentração de princípios ativos.
- A flor também tem alguns princípios ativos, mas para obtê-los seria necessário comer 3 folhas
ao dia.
- O paciente não pode aumentar a ingesta de colesterol, pois então a planta não fará efeito.
- Estimula todos os sistemas enzimáticos, mas principalmente o Citocromo P-450, o qual
comanda a metabolização dos medicamentos. Consequência disso é que os medicamentos terão
efeitos por menor tempo.

Interações
- O uso da lecitina de soja antes das refeições é recomendado: substância anfótera que se une
ao colesterol e faz com que ele seja carregado para o hepatócito mais rapidamente.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

4. ALCAÇUZ é é é é é

Binômio científico: Glycyrrhiza glabra L


Origem: Europa meridional e Ásia ocidental
Partes utilizadas: raiz e rizoma
Constituintes químicos:
- Glicirrizina (saponina), flavonóides, ácido glabrínico, heterosídeos, estrogênios...

Indicações terapêuticas principais


- O seu rizoma tonifica o baço;
Sist. Renal
- Aumenta a pressão arterial, por isso deve ser associado a um diurético (ex: carqueja, cavalinha)
ou a um vasodilatador;
Sist. Digestório
- Tratamento de úlceras gastroduodenais, cicatrizar mucosas do intestino: ele age aumentando o
PH do intestino. No entanto, ele também poderá agir no PH do estômago. Assim, deverá ser
ingerido de estômago vazio para que passe rapidamente por ele chegue ao intestino para nele
atuar;

Posologia

Extrato seco 0,7 a 1,4/dia


Tintura 20% 20 a40 ml/dia
Extrato fluido 5 a 20 ml/dia
20 g /L
Decocção
Tomar 1 xíc. 4 a 5 vezes/dia

- Extrato fluido: 20g = 11/2 col. Sopa para 1L d'agua


- 0,7 a 1,4g = 1 a 3 cápsulas
- O extrato seco não é muito utilizado no Brasil, pois vem da China num custo elevado

Precauções
- Pode caudar hipertensão.
- Para quem faz uso de medicação cardiotônica, perdendo potássio entrará muito sódio,
provocando arritmia cardíaca.

Efeitos colaterais
- Faz depleção de potássio.

Observações
- Os chineses a utilizam para tratar distúrbios do fígado como hepatite, icterícia, além de
estômago dilatado, enjôos e vômitos.
- Bastante doce, com teor de dulçor de 10x mais que o açúcar, sem contudo, aumentar o índice
glicêmico.
- Planta 5é para tratamento do baço.

Interações
- Alcaçuz de estômago vazio:
+ mucilagem entre as refeições para proteger mucosas;
+ alho após a refeição por irritar a mucosa;
+ cavalinha (só por 7 dias) ou dente de leão como remineralizante.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

5. ALECRIM é é é

Binômio científico: Rosmarinus officinalis


Origem:
Partes utilizadas: folhas e sumidades floridas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, cânfora, diterpenos, saponinas, princípios amargos e taninos, flavonóides...

Indicações terapêuticas principais


- Estimulante do SNC;
- Aumenta a irrigação periférica e a pressão arterial (hipertensor);
Sist. Renal
- Ligeiramente diurético, o que nem chega a ocorrer em todos os pacientes;
Sist. Digestório
- Atua sobre secreção biliar, agindo como colagogo e colerético, mas não é planta de escolha
para baixar colesterol e triglicéris;
- Estomáquico e digestivo: aumenta a quantidade de ácido clorídrico, mas não de forma
exagerada, apenas o suficiente para a digestão ocorrer. Assim, o uso pode ser crônico sem afetar
a mucosa;
- Diminui a formação excessiva dos gases e digere gorduras;
- Usado na atonia estomacal, falta de apetite e nos distúrbios intestinais.

Posologia

Extrato seco 2/dia


Tintura mãe 20 a 100 ml/dia
Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5g de folha/L

- 5g = 10 colheres de sopa (a folha é muito leve).


Utilizar proporcional por xícaras: 2 col/xíc, 4 xíc ao dia.
- Pode ser utilizado em gargarejo, chás e anti-séptico.
- O infuso, além de ter odor forte, pode provocar náuseas.
Deve ser tomado logo após ao preparo, pois contém óleo essencial.

Precauções
- Hipertensos: atua na parede dos vasos, aumentando a irrigação periférica e a pressão arterial.
- Gestantes: pode ser abortiva em altas doses.
- Doses elevadas podem provocar gastrite, interite, nefrite (até sangue na urina).
- Estimulante do SNC: pode provocar perda de sono.
- No escalda-pés, é recomendado abafar para que a pessoa não inale o vapor e sinta a
propriedade estimulante antes de dormir.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Por conter óleo essencial, o local de armazenamento interfere na sua qualidade.
- O efeito é bom, mas o número de hipertensos é muito maior que dos hipotensos.

Interações
- Alecrim + aveia + cola + verbena: nas depressões.
- Alecrim + sálvia + gelsemiun + valeriana: nas dores de cabeça.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

6. ALFAVACA (ou manjericão) é é é

Binômio científico: Ocimun basilicum L.


Origem: Ásia tropical
Partes utilizadas: planta inteira, preferencialmente fresca (pelo óleo essencial)
Constituintes químicos:
- Taninos, flavonóides, saponinas, cânfora, óleo essencial.

Indicações terapêuticas principais


Sist. Renal
- Diurético e redutor de cálculos renais (mas não é o mais potente);
Sist. Digestório
- Reduz cólica e formação de gases estomacais e intestinais durante os processos fermentativos
(diminui a tensão superficial dos gases);
- Potente vermífugo, principalmente para Oxiúros;
- Efetico contra infecções intestinais.

Posologia

Extrato seco 2g/dia


Tintura mãe 30 a 90 ml/dia
Tintura 20% 15 a 45 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
20 g/L
Infuso ou decocto
3 xíc. ao dia

- 20g = 4 colheres de sopa da planta rasurada por litro (3 xícaras por dia = 600 ml)

Precauções
- Gestantes: o aumento da prolactina pode induzir ao parto.

Efeitos colaterais
- Possui ação galactógena, aumentando a secreção láctea.
- Diminui testosterona, podendo causar disfunção sexual, diminuição de pêlos. Na mulher só age
quando os níveis desse hormônio estão muito elevados.

Observações
- Como vermífugo deve ser tomada 1 dose semanal, durante 3 meses - junho, julho e agosto -
meses em que os vermes põe suas larvas. Dessa forma, os vermes serão eliminados por mais
tempo, já que elimina larvas e a forma adulta.
- Os vermifugos alopáticos tem o uso prolongado contra indicado, por diminuirem a absorção de
vitaminas.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

7. ANGICO é é

Binômio científico: Piptadenia colubrina


Origem:
Partes utilizadas: casca e goma
Constituintes químicos:
- Casca: alcalóide, esteróides, flavonóides, taninos, triterpeno e componentes fenólicos.

Indicações terapêuticas principais


Sist. Renal
- Indicada para casos de infecções urinárias, cistites e prostatites: impede que a bactéria chegue
nesse sitema;
Sist. Digestório
- Pela presença de taninos impermeabiliza mucosa, tendo ação anti-diarréica;
- Aumenta o ácido clorídrico, melhorando a digestão sem irritar a mucosa;
- Indicado como tônico amargo, depurativo, para falta de apetite e disenterias.

Posologia

Pó 5 g/dia
Tintura mãe 5 a 100 ml/dia
Tintura 20% 2 a 50 ml/dia
Extrato fluido 1 a 10ml/dia
Decocção 5 g/dia

- 1ml = 20 gotas
- 25ml/dia é a dose máxima recomendada para crianças.
- Tomar a tintura ou o extrato e depois ingerir bastante água, pois amarra a boca.
- Não usar via oral em pó, pois pela grande presença de taninos, amarram a boca.

Precauções
- Anêmicos: devido à presença de cumarinas, diminui o número de glóbulos vermelhos.
- Diarréico: possui muito tanino, podendo causar também adstringência.
- As sementes são tóxicas, causando parada cardíaca e respiratória.
- Para hemorróidas o tratamento não pode ser oral, pois o tanino causa constipação, exigindo
ainda mais força ao evacuar. O tratamento deve ser local.
- Pela presença de taninos é contra-indicado em casos de constipação.

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

8. AVENCA é

Binômio científico: Adiantum cappilus veneris L.


Origem: Inglaterra, Europa central e meridional
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Compostos fenólicos, mucilagens, taninos, açúcares, carboidratos, diversos princípios amargos,
capilarina, pouco óleo essencial.

Indicações terapêuticas principais


- Taninos: formam revestimentos protetores de mucosas, apresentando propriedades
adstringentes;
Sist. Renal
- Indicada como diurética e nas inflamações urinárias;
Sist. Digestório
- Em doses baixas ativa o sistema hepático a trabalhar mais;
- Indicada para insuficiência hepática e má digestão.

Posologia

Tintura mãe 5 a 100 ml/dia


Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10ml/dia
50 a 60 g de folha seca para 1 L
Infuso
Tomar 3 xícaras ao dia

Precauções
- Tóxica para crianças: metabolizam seus princípios ativos no sistema hepático de forma lenta,
por isso a dose deve ser de 1/6 da dose para adultos.
- Em doses baixas ativa o sistema hepático a trabalhar mais. Mas em doses elevadas causa
toxicidade nas células hepáticas.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Mais encontrada como planta ornamental, por esse motivo é difícil encontrá-la seca para infuso.
- Diferente do Brasil, é muito estudada e utilizada na Europa.

Interações
- Sinergismo com hera terrestre e Verônica.
- Polígala, alcaçuz e lobélia: expectorante.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

9. BARDANA é é é é é

Binômio científico: Arctium lappa


Origem:
Partes utilizadas: planta inteira
Constituintes químicos:
- Taninos, mucilagens, glicosídeos, vitaminas do complexo B, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Ação sobre estreptococos e estafilococos e ação bactericida sobre diversos agentes
patogênicos;
- Depuradora do sangue, promovendo uma limpeza sanguínea, principalmente por ativar o
sistema linfático;
- Associada ao tratamento de patologias graves que requerem maiores cuidados, como câncer,
HIV, etc.
Sist. Renal
- Propriedades diuréticas e sudoríferas, auxiliando em processos reumáticos e gotosos e na
eliminação de ácido úrico e cálculos renais;
- Auxilia na eliminação de toxinas pela urina e pelo suor, através da linfa, da pele, etc, sendo
indicado para acne e furúnculo também;
Sist. Digestório
- Aumenta a secreção biliar e hepática através da ação colerética (ação menor que da
alcachofra);
- Laxativa suave, estomáquica e depurativa;
- Auxiliar na diabete por possuir efeito hipoglicemiante.

Posologia

Extrato seco 0,6 a 1,6 g/dia


Tintura mãe 20 a 80 ml/dia
Tintura 20% 10 a 40 ml/dia
Extrato fluido 2 a 8 ml/dia
40 g/L
Infuso ou decocto
2 a 3 xíc. ao dia

- A forma mais indicada de uso é a infusão.


- 40g = 2 punhados de mão cheia da folha seca.
- Tintura: quantidade muito grande.
- Extrato seco e pó: a fibra expande dentro da cápsula e ela se abre, por isso muitas farmácias
não manipulam.

Precauções
- Contra-indicada para crianças (até 12 anos ou 40kg) pois pode sobrecarregar o sistema
linfático.
- Altas doses podem gerar midríase (dilatação pupilar) e boca seca (diminuição salivar).

Efeitos colaterais
-Irritação dérmica e ocular;
Observações
- Segundo a MTC, a Bardana resfria o sangue, ou seja, faz depuração, diminuindo toxinas.
- A boca seca pode interferir num diagnóstico pela MTC.
- Pode ser usado de forma contínua, até ocorrer a limpeza.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

10. BOLDO é é é é

Binômio científico: Pneumus boldus M.


Origem: Andes chilenos
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Óleos voláteis, alcalóides (entre eles a boldina), taninos, terpenos, glicosídeos flavônicos.

Indicações terapêuticas principais


- Amargo e aromático, com propriedades estimulantes e tônicas;
- Ação anti-inflamatória e febrífuga (secundária);
- Alivia casos de stress e depressão, devido à presença de um óleo estimulante do SNC;
- Possui efeito analgésico e tônico para o organismo em geral;
Sist. Digestório
- Ação colagoga e colerética imediata encontrada no extrato das folhas;
- Estimulante da digestão, protetor do estômago e fígado, carminativo, laxante suave, vermífugo;
- Ação hepática, sendo indicado para afecções hepáticas, litíase biliar e até hepatite aguda e
crônica;
- Ativador da secreção salivar e do suco gástrico, sendo indicado em casos de hipoacidez e
dispepsias;
- A boldina (alcalóide) produz um aumento gradual no fluxo da bile, assim como um aumento dos
sólidos totais na bile excretada.

Posologia

Extrato seco 50 mg/dose até 3x ao dia


Tintura mãe 5 a 10 ml/dia
Tintura 20% 2 a 5 ml/dia
Extrato fluido 1 a 3 ml/dia
2 g/xícara
Infuso ou decocto
Tomar 2x ao dia

- 2g = 1 colher de chá.
- A infusão libera o óleo que age sobre o SNC. Assim, se o efeito estimulante não for desejado,
deverá ser feita maceração a frio, a qual extrairá mais substâncias amargas (boldina).
- Para se obter o efeito estimulante (óleo) deve-se preparar a infusão e tomá-la em seguida.
- Para efeito digestivo a infusão poderá ser preparada uma única vez e ser tomado ao longo do
dia.

Precauções
- Não indicado em gestação e lactação.
- Oclusão das vias biliares e hepatopatias graves.
- Não é indicado para uso contínuo, superior a três meses.
- 150 mg em uma única dose ultrapassa a dose máxima de uma vez só (100 mg), a qual pode
provocar alucinações cromáticas e auditivas, tonturas, vômitos, diarréia e até convulsões.
- Abortiva.

Efeitos colaterais
-

Observações
- A ação antineoplásica foi verificada em estudos "in vitro", não em pessoas. Portanto são
resultados promissores, mas ainda não comprovados.
- O único boldo que está em uma farmacopéia oficial é o do Chile.
- Todos os boldos tem ação digestiva, mas apenas o boldo do Chile tem ação sobre o SNC.
- Só não é 5é pela dificuldade em encontrar o verdadeiro boldo do Chile.

Interações
- Potencializa a ação de anticoagulantes.
+ Alecrim: diminuir a dose dos dois. Para o preparo de tintura deverão ser independentes, pois as
doses são diferentes.
+ Alcachofra: diminuir a dose para ter ação colerética e colagoga.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

11. CALÊNDULA é é é é

Binômio científico: Calendula officinalis


Origem: Europa meridional
Partes utilizadas: flor
Constituintes químicos:
- Triterpenóides, glicosídeos do ácido oleânico, luteína, carotenos, esteróis, ácidos graxos,
calendulina (goma), polissacarídeos.

Indicações terapêuticas principais


- Suas mucilagens tem ação sobre o sistema respiratório e digestório;
- Um dos melhores antialérgicos tópicos que existe;
Sist. Digestório
- Indicada para tratamento de inflamações de mucosas, agindo como cicatrizante em úlceras e
gastrites. O ácido oleanóico favorece a regeneração de tecidos danificados;
- Estimulante apenas da vesícula biliar, estimulando a liberação da bile apenas quando for
necessário. Por não estimular o fígado não causa efeito diarréico;
- Diminui o volume de ácido gástrico produzido. No entanto, não dificulta a digestão, pois não
interfere no PH deste ácido. Além disso, não alterará os ácidos daqueles que tem seus níveis
dentro do normal. (A Espinheira Santa baixa a quantidade de ácido e altera PH);

Posologia

Extrato seco 50 mg/dose até 3x ao dia


Tintura mãe 5 a 10 ml/dia
Tintura 20% 2 a 5 ml/dia
Extrato fluido 1 a 3 ml/dia
2 g/xícara
Infuso ou decocto
Tomar 2x ao dia

- A flor seca poderá ser consumida até como salada: 1 a 4g = 1 punhado.


- A flor é bem leve: 10 a 15 g dá cerca de um saquinho. Assim, não dá para encapsular e para
infuso vai muita flor.

Precauções
- Gestantes: os triterpenóides terão ação abortiva. É ocitotóxica, ou seja, tóxica para células
embrionárias. Mas não é teratógena.

Efeitos colaterais
-

Observações
- A ação citotóxica e anticancerígena foi verificada em estudos "in vitro", não em pessoas.
Portanto são resultados promissores, mas ainda não comprovados.
- Os estudos mais recentes comprovam que a Calêndula não tem ação colerética.
- 4é por sua ação cicatrizante.

Interações
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

12. CAMOMILA é é é é

Binômio científico: Matricaria chamomila ou Chamomilla recutita


Origem: Europa e algumas regiões da Ásia
Partes utilizadas: capítulos florais
Constituintes químicos:
- Cicloeteracetileno, glicosídeos flavônicos, cumarinas, colina, terpenos, ácidos graxos,
matricarina, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Extrato aquoso, flavonóides e cumarinas: espasmolíticos;
- Extrato alcoólico: antiflogístico (inflamação de órgãos e vísceras);
- Camazuleno e alfa bisabolol: antiinflamatórios;
Sist. Digestório
- Antiespasmódica, antiflogística, carminativa, cicatrizante em úlceras, tônica, antialérgica,
antiinflamatória;
- Atua nas afecções agudas e crônicas da mucosa intestinal, sendo usada em colite, cólicas
bibliares, gases e como reconstituinte da flora bacteriana (uma das poucas plantas pré-bióticas);
- Indicada para Doença de Crown e síndrome do intestino irritável, por ser antiinflamatória e
cicatrizante.

Posologia

Extrato seco 50 mg/dose até 3x ao dia


Tintura mãe 5 a 10 ml/dia
Tintura 20% 2 a 5 ml/dia
Extrato fluido 1 a 3 ml/dia
2 g/xícara
Infuso ou decocto
Tomar 2x ao dia

- 50 g = 1 pacote
- A tintura é encontrada pronta em várias farmácias.
- Os capítulos florais não cabem em cápsulas. Utiliza-se o pó, inclusive para ser pulverizado sobre
os alientos.
- A forma mais utilizada é o infuso. No entanto a quantidade de planta também é grande, devido
aos princípios ativos estarem contidos principalmente no óleo essencial.
- O pré-biótico deve ser ingerido 2h antes da planta antibiótica (bactericida). O processo contrário
levará mais tempo para recompor a flora, pois não sobrarão muitas células para iniciar a
recomposição.

Precauções
- Em uso contínuo ou em doses elevadas pode causar enjôo, excitação e insônia.
- Emenagogo suave.

Efeitos colaterais
- Em pequenas doses e por curto período ela tem ação calmante, depressora do SNC. Porém, em
uso contínuo, pode ser excitante do SNC.
Observações
- Recomendado para uso descontínuo: até 15 dias. Suspender por pelo menos 5 dias.
- A quantidade tóxica é improvável devido à dose diária.
- A única ação exclusiva é a reposição da flora bacteriana.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

13. CANA DO BREJO é

Binômio científico: Costus spicatus


Origem:
Partes utilizadas: toda a planta
Constituintes químicos:
- Taninos, saponinas, mucilagens e pectinas.

Indicações terapêuticas principais


Sist. Renal
- Poderoso diurético, indicado para quem tem dificuldade de urinar. No entanto, em primeiro lugar
deve-se procurar um nefrologista, a fim de verificar a existência de cálculo, inflamação ou
obstrução do canal.
- Usado popularmente em nefrites, cálculos renais, no catarro de bexiga e inflamações na uretra.

Posologia

Tintura 20% 10 a 50 ml/dia


Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

Precauções
- Diurético muito usado popularmente. No entanto, é importantíssimo verificar a causa da
dificuldade de urinar antes de iniciar o tratamento.

Efeitos colaterais
- Depleção de potássio.

Observações
-

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

14. CAPIM LIMÃO é é é

Binômio científico: Cymbopogon citratus


Origem: Índia
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial (citral, geranial e neral), aldeídos (como a citronela), cetonas, terpenos, etc. Nas
partes aéreas existem flavonóides e substâncias alcalóides.

Indicações terapêuticas principais


- Bloqueia as ações do sistema nervoso parassimpático, por bloquear os receptores de
acetilcolina.
- Depressor do SNC, induzindo ao sono.
Sist. Renal
- Forte ação diurética;
Sist. Digestório
- O citral tem efeito antiespasmódico no tecido uterino e no intestinal, atuando sobre cólicas,
dores intestinais e gases (faz bloqueio da ação da acetilcolina).

Posologia

Tintura mãe 20 a 100 ml/dia


Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
20g/L
Infuso Tomar 4 a 5 xíc ao dia

- 5g = 1 folha (comprida)
- A infusão é a forma mais indicada, pois a quantidade de tintura é muito grande.

Precauções
- Doses elevadas desta planta podem provocar hipocinesia, ataxia, bradipnéia, perda de postura,
sedação e diarréia (efeito do hidrolato).

Efeitos colaterais
- Estimulante da produção de leite. Porém, mesmo assim pode ser usado durante a gestação, por
ter ação lenta e não acelerar o parto.

Observações
- Ervas cidreiras: capim limão, lipia e melissa.
- Planta 3é, pois existem outras plantas que atuam sobre gases e cólicas intestinais.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

15. CARDO SANTO ou CARDO MARIANO é é é é é

Binômio científico: Cnicus benedictus L. ou Cnicus marianum


Origem: Índia
Partes utilizadas: parte aérea e sementes (não se utiliza a raiz)
Constituintes químicos:
- Lactonas sesquiterpênicas, cnicina e salonitenolina, taninos, mucilagens e óleo essencial.

Indicações terapêuticas principais


- "In vitro" já mostrou ação anticancerígena no fígado. Mas por enquanto é utilizado apenas como
hepatoprotetor, e não anticancerígeno.
-Óleo essencial: atividade bacteriana sobre Bacillus subtilis, Brucella abortus, Brucella
bronchoseptica, Escherichia coli, espécies proteus, Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus
aureus e Streptococcus faecalis;
- Muito útil nas doenças crônicas de origem nervosa;
Sist. Renal
- Incrementa a secreção e a eliminação de urina, explicando sua aplicação em casos de
reumatismo e gota.
Sist. Digestório
- Tônico digestivo, amargo, usado para falta de apetite, problemas gástricos e hepáticos,
dispepsia, gases e diarréia;
- Estimula a secreção do suco gástrico e incrementa a produção e facilita o fluxo da bile;
- Indicado no casos de diarréia, pela presença de taninos.
- Hepato estimulante e hepatoprotetor, por estimular o sistema enzimático hepático
(hepatotônica). Dessa forma ajuda a metabolizar e eliminar mais rápido todas as substâncias.
Indicado para quando o fígado não trabalha sozinho, como nos casos de hepatite, por exemplo.

Posologia

Pó da parte aérea 1,5 a 3g - 3x ao dia


Tintura mãe 2 a 6 ml/dia
Tintura 20% 1 a 3 ml/dia
Até 1,5 a 2g por xícara
Infuso ou decocto 3 xíc /dia, após as refeições

Precauções
- Gravidez: existem relatos de quadros alergênicos ao Cardo durante a gestação.
- Doses excessivas podem causar queimaduras na boca e esôfago, vômitos e diarréia.

Efeitos colaterais
-

Observações
- A diferença dos Cardos e da Alcachofra é que ele impede a entrada de toxinas nos hepatócitos.
Dessa forma, pode ser usado até para aquele que ingeriu álcool em excesso não ter ressaca.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

16. CARQUEJA é é é é é

Binômio científico: Bacharis trimera Less ou Bacharis genistelloides Person


Origem: América do Sul
Partes utilizadas: planta toda, principalmente partes aéreas
Constituintes químicos:
- Óleos essenciais, lactonas diterpênicas, flavonóides, resina, saponinas, baccharonina,
vitaminas.

Indicações terapêuticas principais


- Hipoglicemiante, redutora de colesterol e triglicérides;
- Coadjuvante na hipertensão por sua propriedade diurética;
Sist. Renal
- Forte diurético;
- Purifica e elimina as toxinas do sangue;
- Indicada em doenças da bexiga, rins e na prevenção da formação de cálculos renais;
Sist. Digestório
- Hepatoprotetora: desobstruente do fígado e vesícula;
- Digestiva e vermífuga;
- Seus princípios amargos atuam de modo benéfico sobre o fígado e intestino, auxiliando seu
funcionamento;
- Ação colerética e colagoga (aumenta a produção de ácidos biliares no fígado e a eliminação
desses ácidos armazenados na vesícula biliar ) e aumento do ácido clorídrico.

Posologia

Pós Até 0,5g/dia


Tintura mãe 5 a 25 ml/dia
Tintura 20% 1 a 10 ml/dia
Extrato fluido 1 a 5ml/dia
2,5g/100ml
Infuso ou decocto
Tomar de 50 a 200ml/dia

- 5g = 2 colheres de sopa
- No caso de infusão ou decocção, o ideal é tomar logo após o preparo e de preferência a noite.

Precauções
- Hipocalemia (perda excessiva de potássio): um atleta desidratado pode ter caimbras e formação
de ácido lático, devido a sua ação diurética.
- Tomar por 3 meses e então dar um intervalo de 15 dias para retomar o tratamento.
- Devido à ação diurética pode diminuir a pressão.
- Para quem não tem a vesícula poderá causar diarréia, pois todo o ácido biliar produzido será
lançado diretamente no duodeno.
- Em caso de gastrite deverá ser utilizada após a refeição.

Efeitos colaterais
- Faz depleção de potássio.
Observações
- Para tratamento do colesterol pode substituir a Alcachofra.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

17. CASCA D'ANTA é é

Binômio científico: Drimys interi


Origem:
Partes utilizadas: casca
Constituintes químicos:
-Taninos, vários sesquiterpenóides.

Indicações terapêuticas principais


- Indicada em estados anêmicos e fraqueza geral;
- A raiz com sal é usada na veterinária para carrapatos e pragas;
Sist. Digestório
- Indicada para febre de causa digestória;
- Indicada em desarranjos estomacais, má digestão, falta de apetite, gases, dores no estômago,
para eliminar mucos do intestino, disenterias, vômitos rebeldes e cólicas.
- Indicado no casos de diarréia, pela presença de taninos.

Posologia

Tintura mãe 5 a 10 ml/dia


Tintura 20% 1 a 5 ml/dia
Infuso ou decocto 3 g/dia

Precauções
- Deve ser utilizado apenas quando não há presença de bactérias: diarréia sem febre, sem
espuma...

Efeitos colaterais
-

Observações
- Planta pouco difundida em Curitiba, sendo mais empregada na região centro-oeste. Comum no
cerrado.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

18. CÁSCARA SAGRADA é é

Binômio científico: Rhamnus purshiana DC


Origem: montanhas rochosas do Oregon
Partes utilizadas: cascas envelhecidas (as novas não liberam princípio ativo)
Constituintes químicos:
- Antraquinonas, lipídeos, resinas, taninos, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Propriedades laxativas (em baixas doses) e purgativas (em altas doses): estimula a peristalse e
puxa água para a luz intestinal;
Sist. Digestório
- Indicada para um uso breve em casos de constipação intestinal decorrente de inércia intestinal
temporária;
- Indicada para situações que exigem defecação ou fezez macias como fissuras anais,
hemorróidas, tratamento pré e pós operatório de cirurgias retro-anais e na limpeza intestinal
prévia às explorações clínicas e cirúrgicas;
- Estimula a produção de bile, colaborando para a redução do colesterol e auxiliando em
processos de emagrecimento;

Posologia

0,25 a 1 g/dia: laxativo


Extrato seco
3 a 5 g/dia: purgativo
1 a 10 ml/dia: laxativo
Tintura 20%
10 a 20 ml/dia: purgativo
0,25 a 1 ml/dia: laxativo
Extrato fluido
1 a 3 ml/dia: purgativo
1 g/dia: laxativo
Decocto
3 g/dia: purgativo

Precauções
- Utilizar por no máximo 10 a 15 dias.
- Gravidez: ao mesmo tempo que estimula a contração intestinal, pode estimular a contração
uterina.
- Crianças menores de 12 anos ou 40 kg.
- Amamentação.
- Alergia à planta.
- Obstrução e estreitamento intestinais, Doença de Crohn, inflamação intestinal aguda, apendicite,
colite ulcerosa, diarréias.
- Dor abdominal de origem desconhecida.
- Estados de desidratação.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Planta muito irritativa para mucosas, podendo piorar inflamações existentes.
- Ao mesmo tempo que limpa o conteúdo intestinal, também destrói as microvilosidades das
paredes, podendo deixar o intestino preguiçoso (enrijece as paredes e pode causar manchas
escuras nas mucosas).
- Toda planta que contém antraquinonas tem período de latência de 6 a 8 horas para fazer efeito.
Assim, deve ser verificada a possibilidade do paciente utilizar o banheiro após esse período.
- Para acelerar seu efeito deve ser associada à maior ingesta de água e fibras.

Interações
- Com o abuso ou uso crônico, a perda de potássio consequente pode causar potencialização dos
glicosídeos cardíacos, de diuréticos do tipo tiazida, corticosteróides e raiz de Alcaçus.
- Pode interagir com quinidina e com drogas antiarrítmicas.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

19. CAVALINHA é é é é

Binômio científico: Equisetum arvense


Origem: Europa
Partes utilizadas: partes aéreas
Constituintes químicos:
- Ácido sílico e compostos hidrossolúveis de silica, taninos, saponinas, flavonóides, vitamina C,
alcalóides, compostos inorgânicos, ácidos orgânicos, substâncias amargas, triglicerídeos, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Remineralizante e revitalizante: apesar de promover a perda de potássio, ela tem potássio na
sua composição;
- Em uso tópico gera sobre a pele ação tensora, como um "lifting" natural. No entanto, ele não
será absorvido pela pele e assim, para manter o efeito, deve ser passado com uma compressa de
algodão e depois não lavar o rosto.
Sist. Renal
- Diurética, antiinflamatória, vulnerária, cicatrizante, adstringente;
- Os glicosídeos flavônicos, saponinas, ácido gálico, potássio e sílica promovem a atividade
diurética e remineralizante, com a eliminação de substâncias tóxicas;
- Ação reguladora e adstringente do trato genito urinário, útil na incontinência urinária noturna das
crianças;
- Antiinflamatória nos casos de inchaço e inflamação da próstata;
- Indicada também para enfermidades renais e das vias urinárias.

Posologia

2 g/dia: remineralizante
Pós
2 a 5 g/dia: hemostático
Tintura mãe 2 a 100 ml/dia
Tintura 20% 1 a 50 ml/dia
Extrato fluido 0,2 a 5 ml/dia
5 g/100 ml
Infuso 1 xic/dia: diurético
até 2 xic/dia: hemostático

- 5g = 1 colher de sopa
- A sua forma de uso mais utilizada é a infusão.

Precauções
- Possui sílico em sua composição, o qual acaba sendo acumulado no organismo com o uso
contínuo. Isso gera duas consequências:
* Impede a absorção de vitaminas do complexo B pelo TGI, pois elas grudam no sílico,
causando apatia, fraqueza muscular, ataxia, perda de apetite e depressão.
* Inflamação do rim.
No primeiro momento, até 1 semana de uso, ele fará uma limpeza no organismo, pois todas as
substâncias ruins "grudarão" nele. Depois deverá ter o uso intervalado por pelo menos três dias,
período necessário para ele ser eliminado pela urina.
- Intercalar com outro diurético.

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

20. COPAÍBA é é é é

Binômio científico: Copaífera sp


Origem: México, Antilhas, África tropical e Brasil (Copaífera officinalis). As outras no Brasil.
Partes utilizadas: resina extraída do caule
Constituintes químicos:
- Ácido copaiferólico, óleo essencial rico em terpenos... Presentes no material resinoso extraído
do caule.

Indicações terapêuticas principais


- Planta número 1 para bronquite e para qualquer tipo de infecção (tosses, bronquites,
pneumonia, sinusite, rinites);
- Aumenta o ácido hialurônico, o qual aumenta a permeabilidade da membrana celular;
- Restabelece as funções das membranas da mucosa, modificando as secreções e acelerando
a cicatrização;
- Anticancerígeno, antifúngico, bactericida e imunoestimulante sobre diversas infecções;
- Atividade efetiva contra Staphylococcus aureus, Bacillu subtilis e Scherichia coli;
- Ótimo anti-séptico tópico e interno;
- Antibiótico natural mais potente e com amplo espectro;
Sist. Renal
- Indicada para infecções do sistema urinário como prostatite, cistite e corrimentos;
* corrimento claro: infecção fúngica (candida) > PH básico
* corrimento amarelo escuro ou esverdeado: infecção bacteriana > PH ácido
Sist. Digestório
- Apesar de não ser protetora de mucosa poderá ser indicada para úlcera se esta for causada por
bactéria (não úlcera nervosa);
- Não é anti-diarréica, mas mata bactérias se estas estiverem causando a diarréia;. Por isso é
indicada em infecções intestinais como diarréia, disenteria e febres.

Posologia

5 a 6 gotas/dia - adulto
Óleo
1 a 2 gotas/dia - criança
Cápsulas Máximo 2/dia (adulto)

- Deve-se pingar as gotas em água para então ingerí-las. Elas não vão diluir, ficando
sobrenadantes.
- Uso tópico para unhas: 1 gota 1x ao dia.
- Para infecções que não se sabe a origem deve-se utilizá-la por 21 dias, afim de matar as
bactérias e os fungos mais resistentes.
- Ingerir após as refeições.

Precauções
- A Copaíba mata primeiro o que está em excesso e depois vai matando de forma equilibrada,
podendo diminuir até a flora normal do organismo com o uso prolongado.
- Em altas doses poderá provocar intoxicação, com náuseas, vômitos e quadros diarréicos.
- A resina poderá desenvolver alergia em certas pessoas.
- Pequeno efeito laxativo.
- Rinite: usar apenas quando a pessoas não está em crise.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Existem estudos sobre a sua ação sobre infecções fúngicas, com uso interno (ação bem rara de
ser encontrada).
- Não é mais encontrada em cápsulas, pois houve desconfiança pela Anvisa de que a resina não
era colocada dentro delas.
- Para sinusite pode ser usada durante a crise, pois normalmente tem infecção bacteriana.
- Para sistema imune pode ser usada por 14 dias. Se continuar baixo recomenda-se a Equinácea.

Interações
- Para uso prolongado poderá ser intercalada com o Alho.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

21. DENTE DE LEÃO é é é é

Binômio científico: Taraxacum officinale Weber


Origem: Europa, preferencialmente locais úmidos
Partes utilizadas: folha e raiz
Constituintes químicos:
- Esteróides, ácido caféico, mucilagens, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Remineralizante (como a cavalinha) e coadjuvante no tratamento da obesidade por trabalhar
sobre o colesterol circulante;
- Potente antiinflamatório, principalmente para dores articulares, as quais podem ser resultantes
do acúmulo de ácido úrico, ou seja, processos gotosos. Para este tipo de situação, o Dente de
leão é planta de escolha.
Sist. Renal
- Diurético, antiinflamatório, antireumático;
- Estimula a função renal, sendo fonte de potássio para o organismo;
- Os flavonóides são responsáveis pelo aumento da diurese;
Sist. Digestório
- Ação colagoga e colerética: verificar se não há oclusão do ducto biliar;
- Indicado para problemas hepáticos (cirrose, icterícia, litíase biliar), hipoacidez gástrica e
dispepsia;
- Os compostos amargos estimulam a digestão e o alto teor de zinco protege as células hepáticas
de danos indiretos.

Posologia

Pó 1 a 4 g/dia
Tintura mãe 10 a 20 ml/dia
Tintura 20% 5 a 10 ml/dia
Extrato fluido 1 a 5 ml/dia
10 g/L
Infuso ou decocto
3 xíc ao dia

- Muito usado em infusão e tintura.


- A folha é saborosa como salada, devendo consumir de 5 a 6 folhas ao dia.

Precauções
- Em casos de oclusão do ducto biliar.
- Não se deve usar o talo fresco. Se ingeridos em grandes quantidades por crianças podem
causar intoxicação.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Não é emagrecedor, pois não trabalha sobre o tecido adiposo.
- Cuidar para não haver desidratação excessiva, poia a água é veículo de reações enzimáticas.
Além disso, a desidratação gera envelhecimento precoce.
- O Dente de leão é menos analgésico que a Unha de gato. Mas a ação antiinflamatória é boa em
ambos.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

22. ERVA TOSTÃO é é

Binômio científico: Boerhavia diffusa L


Origem:
Partes utilizadas: raiz
Constituintes químicos:
- Boerhaavina (alcalóide), ácido boerhaavico, amido, oxalato de cálcio e substâncias resinosas,
pécticas, gomosas, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Mostrou atividade contra amebas, hemostática e anti-hemorrágica;
Sist. Renal
- Forte diurético, usado em casos de hipertensão aguda, pois seu efeito tem curta duração, 1 a 2
horas;
- Depurativo em casos de inflamação da bexiga e dos rins, onde a limpeza ajudará na diminuição
da inflamação;
- Também undicado para casos de retenção de líquido e cálculos renais;
Sist. Digestório
- Tem atividade anti-hepatotóxica e protege o fígado de diversas toxinas introduzidas;
- Colerético;
- Indicado para congestão do fígado, cirrose, icterícia, hepatite e cálculos biliares.

Posologia

Tintura mãe 20 a 40 ml/dia


Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

- O decocto é a forma mais adequada de uso.

Precauções
- Acima de 300 mg/kg (cerca de 20-21 g/70 kg), perde a ação diurética e passa a fazer retenção
urinária.
- Em altas doses passa a ser tóxica.

Efeitos colaterais
- Faz depleção de potássio.

Observações
- Não é muito utilizada por não existirem muitos estudos sobre a sua ação mais importante: a
hepatoproteção (como os cardos). Por isso recebe 2é.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

23. ESPINHEIRA SANTA é é é é é

Binômio científico: Maytenus ilicifolia Reissek


Origem:
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Cafeína, terpenos, flavonóides, taninos, resinas, mucilagens e açúcares.

Indicações terapêuticas principais


- Tônica, cicatrizante, levemente diurética e laxativa;
- Estudos demonstram atividade antitumoral e antileucêmica, sendo usada em cânceres do trato
gastrointestinal e de pele;
Sist. Renal
- Levemente diurética;
Sist. Digestório
- Propriedade laxativa suave, devido às antraquinonas da planta verde, onde o princípio ativo
ainda não sofreu oxidação. (A planta seca não apresentará esta ação). Usar não mais que duas
vezes por semana, para evitar que o intestino fique preguiçoso;
- Normalizador das funções intestinais, especialmente como protetor contra úlcera gástrica;
- Eleva o PH do estômago e o volume do ácido, ou seja, estimula a liberação de mais ácido, num
PH mais básico. Assim, é indicada para casos de má digestão e gastrite;
- Planta pré-biótica, ou seja, estimula a reprodução de bactérias da flora intestinal;
- Usada em casos de dispepsia, dores no estômago, na recomposição da flora intestinal, úlcera
gástrica, gastrite e gases intestinais.

Posologia

Pó 400 mg, 2x ao dia


Tintura mãe 5 a 100 ml/dia
Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
20 g/L
Decocto
3 a 4 xíc ao dia

- 2 a 3 folhas por xícara de folha verde


- 20 g = 3 colheres de sopa
- A tintura é pouco usada, ainda mais que o álcool causa irritação de mucosa, piorando a gastrite.
- O decocto pode ser preparado um única vez para o dia todo.

Precauções
- Crianças e nutrizes.

Efeitos colaterais
- Diminui a secreção láctea. Mas, diferente da Alcachofra, não empedra o leite. Ela age
diminuindo a prolactina, hormônio que estimula a produção de leite.

Observações
- Pode fazer uso contínuo por pelo menos três meses.
- Por não ter ação antiespasmódica, não impedirá o refluxo.

Interações
- Pode ser associada com a camomila, fazendo-se o decocto da Espinheira santa e jogando-o
sobre a camomila.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

24. EUCALIPTO é é é

Binômio científico: Eucalyptus glóbulos L


Origem: Tasmânia
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Terpenos, cetonas, aldeídos, taninos

Indicações terapêuticas principais


Sist. Renal
- Antiséptico das vias urinárias (banho de assento): cistities e uretrites;
Sist. Digestório
- Hipoglicemiante: a ação inicia 2 horas pós a ingesta e dura 6 horas. Indicado para uso na
Diabetes Mellitus;

Posologia

Tintura mãe 10 a 50 ml/dia


Tintura 20% 5 a 25 ml/dia
Extrato fluido 1 a 5 ml/dia
Infuso ou dedocto 2,5 g/dia (mínimo 500ml de água)
Óleo essencial 3 gotas/10ml de óleo fixo
Pós Máximo 6 g/dia

- A tintura ou extrato fluido podem ser usados para inalação


1/5 tintura + 4/5 soro fisiológico (em aparelho ou manual) > dissolvido por causa do álcool
- Para uso externo não é preciso diluir;
- Banho de assento: a água não pode passar de 45°, pois liberará muito eugenol, irritando a
mucosa genital. > 3 gotas/5 litros, por 20 minutos.

Precauções
- Em altas doses pode causar náuseas, vômitos e quadros diarréicos.
- Em casos extremos, pode levar à colvulsão e morte;
- Gestantes não devem fazer uso interno.
- Uso máximo de 1 mês para modo interno e contínuo.

Efeitos colaterais
-

Observações
- NÃO FAZER USO INTERNO DE EUCALIPTOS COMUNS, POIS SÃO HEPATOTÓXICICOS.
- Grande parte de seus efeitos terapêuticos está nos óleos essenciais, por isso o consumo
deve ser imediato.
- Através da inalação ele não tem efeito hipoglicemiante.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

25. GUAÇATONGA ou CHÁ DE BUGRE é é é é

Binômio científico: Casearia sylvestris


Origem: América tropical
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, taninos, terpenos, diterpenos, flavonídes, saponinas, ácidos graxos,
antocianosídeos.

Indicações terapêuticas principais


- Anti-séptico, fungicida, atividade bactericida e anti-viral, sendo indicada para gripes, resfriados e
até herpes bucal, diminuindo inclusive a frequência com que ela aparece;
- Boa para infecções que não se sabe o caso, levando de 3 a 5 dias para apresentar efeito;
- Por conter taninos, forma revestimento protetor na pele e nas mucosas, dificultando infecções;
- Para infecções dérmicas;
Sist. Renal
- Diurético moderado, usado em casos de hidropsia e edema geral ou de membros inferiores;
Sist. Digestório
- Aumenta o PH do estômago e reduz a produção de ácido clorídrico, sendo então indicada para o
tratamento de úlceras e gastrite;
- Ação antiinflamatória, indicada para casos de colite;
- Cicatrizante da mucosa gástrica (diferente do alho, que irrita, porém com efeito menor), devido à
presença de mucilagens;
- Não interfere na digestão dos alimentos e nem na absorção de proteínas, pois só atua quando
está em excesso;

Posologia

Tintura 20% 5 a 20 ml/dia


Extrato fluido 1 a 4 ml/dia
Extrato seco 57,5 mg/kg ao dia
5 g/L
Infuso
Tomar 1 xícara, 2x ao dia

- Recomenda-se o uso mínimo de 30 dias e máximo de 100 dias (interno e contínuo).

Precauções
- Em altas doses pode causar vômitos e quadros diarréicos.

Efeitos colaterais
- Pode tornar a urina viscosa e adocicada, com odor característico e rico em sedimentos.
- Os sintomas desaparecem ao final do tratamento.

Observações
- A folha seca não causa urticária ou alergias. A folha verde sim.
- Pesquisas constataram que o processo de cicatrização interno ou externo evolui 7 vezes mais
rápido.
- Substituta da Espinheira Santa e da Calêncula.

Interações
- Guaçatonga + Tília: potencializa os efeitos nas afecções respiratórias (uso interno).
- Guaçatonga + Confrei + Romã: potencializa o poder cicatrizante (uso externo).
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

26. HORTELÃ é é é

Binômio científico: Menta pipirita


Origem:
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


Sist. Digestório
- Antiespasmódica, tônico digestivo e refrescante (ao contrário dos outros digestivos que são mais
quentes ou mornos);
- Usada nas cólicas estomacais e intestinais, na falta de apetite e gases;
- Indicada para pessoa que não tem dispepsia, ou seja, que não tem problema na produção de
ácido clorídrico, mas se alimentou em excesso. Outra planta faria a digestão e prolongaria o calor
estomacal por irritar a mucosa);
- Os flavonóides e óleos essenciais agem sobre as mucosas intestinais e estomacais, tonificando-
as, produzindo também ação antiespasmódica;
- Vermífuga.

Posologia

Tintura 20% 3 a 10 ml/dia


2 g/dia ou 1 g/xíc
Infuso
Tomar 4x/dia

- 1 g = 2 a 3 folhas.
- Não tem extrato seco por ser óleo essencial.
- Para a ação vermífuga deverão ser tomadas 3 xícaras de chá ao dia, por 1 semana.

Precauções
-

Efeitos colaterais
- Diminui a produção de hormônio sexual masculino, diminuindo pêlos, libido, etc. No entanto,
como o homem tem muita testosterona, não causará impotência.

Observações
-

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

27. JAMBOLÃO é é é

Binômio científico: Syzygium jambolanum


Origem:
Partes utilizadas: fruto, casca e semente
Constituintes químicos:
- Taninos, resinas, terpenos, ácidos, esteróis, glicosídeos saponínicos e flavonóides.

Indicações terapêuticas principais


- Tem propriedades antimicrobianas evidenciadas;
Sist. Digestório
- Excelente anti-diarréico, devido à grande presença de taninos;
- Ação colerética e colagoga, auxiliando na redução de colesterol e triglicéris;
- Hipoglicemiante: aumenta a captação de glicose na periferia. Usado por 1 semana reduz cerca
de 50 pontos. Só abaixa a glicemia de diabetes tipo II, na qual o paciente ainda produz insulina.

Posologia

Pó 2 a 10 g/dia
Tintura mãe 20 a 40 ml/dia
Tintura 20% 5 a 10 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

- A melhor forma de uso é tintura.

Precauções
- Diabetes gestacional: poderá baixar a glicemia do feto também, já que medicamentos
hipoglicemiantes ultrapassam a barreira placentária.

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

28. JATOBÁ é é

Binômio científico: Hymenaea courbaril


Origem: Brasil
Partes utilizadas: casca, resina e seiva
Constituintes químicos:
- Casca: óleo essencial, tanino, saponinas...
- Resina: óleo essencial...
- Seiva: os mesmos proncípios em dosagens menores

Indicações terapêuticas principais


- Propriedade antibiótica;
Sist. Renal
- Como antibiótico em prostatites e blenorragias (= hematúria, sangue na urina), cistites e
uretrites;
Sist. Digestório
- Pela grande quantidade de taninos tem ação anti-diarréica;
- Tônico estomacal e, por aumentar a quantidade de ácido clorídrico, aumenta o apetite (usar
antes da refeição);

Posologia

Pó 0,5 a 2g/dia
Tintua mãe 10 a 20 ml/dia
Tintura 20% 5 a 10ml/dia
Extrato fluido 2 a 10ml/dia
2,5g/dia
Infuso ou decocto
mínimo 700ml de água

- 2,5g = 2 colheres de chá da casca (pesada)


- Com pouca água fará espuma demais no processo de decocção, deixando um gosto
saponáceo. Por isso é recomendada a quantidade de 700ml de água.

Precauções
-

Efeitos colaterais
- Leve aumento da pressão arterial.

Observações
- O melhor método de tratamento para plantas com tanino é na forma de tintura ou cápsulas.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

29. JURUBEBA é é é é é Renal


é é é Digestório
Binômio científico: Solanum paniculatum L.
Origem:
Partes utilizadas: folhas, frutos e raízes
Constituintes químicos:
- Alcalóides, saponinas, mucilagens, ceras, ácidos orgânicos, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Possui leve potencial estimulante, devido à presença de alcalóides;
- Aumenta hormônio sexual feminino, devido à presença de esteróides;
Sist. Renal

- Possui alguns esteróis capazes de diminuir o tamanho do cálculo renal, sendo uma planta de
escolha para isso. Pode ser usada para diminui tamanhos de cálculos para que estes possam ser
expelidos. No entanto, por ser uma planta diurética, vai estimular a liberação do cálculo. Assim,
deverá ser utilizada em associação com uma planta anti-espasmódica.
- Combate a hidropsia, ou seja, edema de membros inferiores;
Sist. Digestório
- Poderoso descongestionante do trato digestivo, atuando de modo particular sobre o fígado e
vesícula, estimulando seu funcionamento;
- Usado contra afecções do baço e estômago, hepatite, cálculos biliares, intestino preso, gases,
falta de apetite e fraqueza geral;
- Ação hipoglicemiante, usada na diabetes mellitus. No entanto, menor que do Jambolão,
devendo ser usada por cerca de 3 meses para ter efeito;

Posologia

Extrato seco 200 a 800 mg/dia


2 a 4 g/dia da raiz
Pó 5 a 8 g/dia da folha
3 a 6 g/dia do fruto
Tintura mãe 10 a 20 ml/dia
Tintura 20% 1 a 10 ml/dia
Extrato fluido 1 a 4 ml/dia
20 g/L
Infuso ou decocto
3 a 4 xíc ao dia

- 20 g = 3 a 4 colheres de sopa.
- A melhor forma de uso é como tintura.

Precauções
- Devido ao alto teor de alcalóides e esteróides, o uso prolongado ou em doses excessivas pode
causar intoxicação.
- Utilizar por 45 dias pelo menos antes de estimular a eliminação do cálculo e repetir exame para
verificar o tamanho deste.

Efeitos colaterais
-
Observações
-

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

30. LIPIA é é é

Binômio científico: Lippia alba


Origem: Chile e Argentina
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Ácido valeriânico, sesquiterpenos, óleo essencial, etc.

Indicações terapêuticas principais


Sist. Digestório
- Diminui fome excessiva em caso de depressão (não de ansiedade). A serotonina atua no centro
da fome e dá a sensação de bem estar;
- Estimulante da digestão, utilizado na flatulência e sensação de estômago pesado
(empachamento);
- Diminui cólicas intestinais;

Posologia

Óleo essencial Máx. 3 gts/3x ao dia


Tintura mãe 10 a 100 ml/dia
Tintura 20% 5 a 50 ml/dia
5 a 20 g/L
Infuso ou decocto
3 xíc ao dia, após refeições

- Cápsula não é a melhor forma de uso, pois em pó perde-se mais rapidamente o óleo essencial.
- O infuso deve ser tomado logo após o preparo, devido ao óleo essencial.
- O tempo de ação é de 6 horas, demorando em torno de 15 minutos para ter efeito do óleo
essencial.

Precauções
- Doses elevadas podem causar bradicardia, hipotensão e irritação gástrica.
- Não existem estudos contra-indicando o uso contínuo, a não ser a acomodação com a dose.
Assim, pode-se usá-lo por três meses e dar um intervalo.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Ervas cidreiras: capim limão, lipia e melissa.
- A lipia é antidepressiva, enquanto o capim limão e a melissa são depressores do SNC.
- O seu princípio está contido no óleo, podendo ser usado até como desodorizador de ambiente.
- Possui flores de cor lilás.

Interações
- Pode ser usada conjuntamente com antidepressivo alopático. Nenhum outra planta pode ser
usada assim, pois gera síndrome serotoninérgica (excesso de serotonina).
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

31. MACELA é é é é

Binômio científico: Achyrodine satureoides L


Origem: América do sul, cresce em todo Brasil, exceto na região Amazônica
Partes utilizadas: inflorescências
Constituintes químicos:
- Flavonóides, óleo essencial, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Fibromialgia: planta de escolha junto com mulungu, por serem depressores do SNC.
Macela=miorelaxante, Mulungu=analgésico;
Sist. Digestório
- Corrige problemas digestivos como vômito, diarréia, azia, associados ao nervosismo;
- Tônico hepático e digestivo;
- Calmante do SNC, diminuindo movimentos musculares e, consequentemente, cólicas
abdominais;
- Anti-hemética: diminui náusea, mais de enjôos alimentares do que de movimento;
- Pode ser utilizada para controlar fome por ansiedade;
- Indicada para gases, má digestão, cistite, diarréia, cólicas abdominais, azia.

Posologia

Tintura mãe 2 a 8 ml/dia


Tintura 20% 1 a 4 ml/dia
10 g/L
Infuso ou decocto
3 a 4 xíc ao dia

- 10 g = 5 colheres de sopa
- Não dá para encapsular porque o volume é muito grande.
- O infuso deve ser tomado logo após o preparo, devido ao óleo essencial.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Pode ser orientada para enjôos de gestante, diferentemente do gengibre.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

32.MALVA é é é é

Binômio científico: Malva sylvestris L.


Origem: dispersa no continente europeu, africano e americano
Partes utilizadas: folhas, flores e raízes
Constituintes químicos:
- Antocianinas, flavonóides, mucilagens (6 a 8% na planta fresca e 16% na planta seca), ácidos
fenólicos, taninos...

Indicações terapêuticas principais


- Óleo: antiinflamatório e antiséptico (infusão);
- Anti-séptica: usada na forma de gargarejo, diminui problemas inflamatórios na boca e garganta;
Sist. Digestório
- Cicatrizante em irritações do trato digestivo: devido às mucilagens protege os tecidos inflamados
e irritados, favorece a cicatrização e recuperação das lesões nas mucosas, sendo indicada no
tratamento de gastrites e úlceras. Além disso, gera preenchimento gástrico;

Posologia

Pó 0,6 a 1,2g/dia
Tintura mãe 20 a 60 ml/dia
Tintura 20% 10 a 30ml/dia
Extrato fluido 2 a 6 ml/dia
15 a 30g/L
Infuso
Tomar 1 xícara, 2x ao dia

- 15 a 30g = 3 a 6 colheres da planta seca rasurada


- Utilizar até desaparecerem os sintomas.
- Recomenda-se extrair as mucilagens a frio, na forma de maceração (colocar água aos poucos
sobre a planta e macerá-la, tomando esse líquido).
- Para afecções da garganta e trato respiratório superior faz um chá por infusão e depois utiliza
na forma de gargarejo.
- Para mucosa estomacal e brônquios deve-se ingerir.

Precauções
- Tomar entre as refeições, com o estômago vazio. Inclusive porque tem mucilagem, a qual,
se ingerida com o estômago cheio poderá causar distensão e desconforto gástrico. 1 hora antes
da refeição poderá diminuir o apetite.
- Se a garganta estiver muito inflamada, deve-se esperar o infuso esfriar (tampado para não
perder o óleo essencial). Caso contrário, o calor fará vasodilatação e aumentará o processo
inflamatório.

Efeitos colaterais
-

Observações
- A mucilagem não afeta a produção de ácido.
- Da Malva silvestre pode-se fazer uso interno. No entanto, existem diversas plantas chamadas
popularmente "Malva" e que são hepatotóxicas.
- Da Malva silvestre pode-se fazer uso interno. No entanto, existem diversas plantas chamadas
popularmente "Malva" e que são hepatotóxicas.
- Mesmo que se faça maceração sairá óleo e mesmo que se faça infuso sairá mucilagem.
As proporções é que mudam.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

33. MELISSA é é é é é

Binômio científico: Melissa officinalis


Origem: Europa e Ásia
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, álcoois, sesquiterpenos, ácidos fenólicos, taninos, glicosídeos flavônicos e
matérias resinosas.

Indicações terapêuticas principais


- Calmante, causa sonolência (mas a pessoa fica despertável);
- Na MTC é tida como planta feminina, aflorando as emoções com muita facilidade. Libera
opressão no peito através do choro. Trabalha a criança interior, trazendo alegria de viver. A
pessoa se acalma, externando as emoções;
Sist. Digestório
- Possui ácido rosmarínico, o qual estimula a liberação da bile para o duodeno, sem atuar no
fígado, apenas na vesícula. Assim, não causa diarréia;
- Regulariza hipersecreção gástrica, diminuindo o volume do ácido no estômago;
- Diurética, estomáquica, antiespasmódica, carminativa, colerética, tônica;
- Indicada na indigestão, gases, enjôos, perturbações gástricas, dores de cabeça, problemas
hepáticos e biliares;
- Atua em casos de fome e problemas digestivos associados à ansiedade e dores de cabeça de
fundo alimentar.

Posologia

Pó 0,6 a 1,2 g/dia


Tintura mãe 4 a 10 ml/dia
Tintura 20% 2 a 5 ml/dia
Extrato fluido 1 a 6 ml/dia
2g /xíc
Infuso ou decocto
2 a 4 xíc ao dia

- 2 g = 1 colher de chá da folha seca ou 4 folhas frescas

Precauções
- Doses elevadas podem causar entorpecimento, hipotensão e bloqueio respiratório.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Ervas cidreiras: capim limão, lipia e melissa.
- Flor amarela ou esbranquiçada.
Menos sedativa que o capim limão, porém é mais hipnótica. Induz ao sono, mas a pessoa fica
despertável.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

34. MIL EM RAMA é é é

Binômio científico: Achillea millefolium


Origem:
Partes utilizadas: partes aéreas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial contendo cineol e proazuleno, flavonóides, aminoácidos, açúcares, taninos,
mucilagens, resinas, fitosterol, alcalóides, cumarinas...

Indicações terapêuticas principais


- Adstringente (fecha porosidades), hemostática, anti-hemorrágica;
- Tosses, catarros, diarréia com sangue, amenorréia, espasmos gastrintestinais e uterinos
relacionados à distúrbios circulatórios.
- Na MTC é empregada para o controle de fluxo mestrual (metrorragia);
- Utilizada em supositórios anti-hemorroidais;
Sist. Digestório
- Ação antiséptica (cineol);
- Ação adstringente (proazuleno e taninos);
- Ação antiinflamatória e cicatrizante (azuleno);
- Estanca hemorragias.

Posologia

Tintura mãe 5 a 10 ml/dia


Tintura 20% 2 a 6 ml/dia
Extrato fluido 1 a 3 ml/dia
10 a 15g/L
Infuso
Tomar 1 xícara, 3x ao dia

- 10 a 15g = 2 a 3 colheres e folhas


- Normalmente encontram-se todas as partes aéreas misturadas, sendo que o ideal é separá-las
para preparar a infusão. (infusão ≠ decocção)
- A infusão é o método mais utilizado.

Precauções
- O uso abusivo pode tornar a pele sensível à luz. Por isso, em caso de tratamento prolongado, é
recomendado o uso de protetor solar.

Efeitos colaterais
- O uso contínuo pode causar reações alérgicas, tais como irritação dérmica e ocular, dores de
cabeça e vertigem.

Observações
- Planta bastante utilizada na MTC.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

35. PATA DE VACA é é é

Binômio científico: Bauhinia fortificata


Origem: Ásia
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Taninos, esteróides, flavonóides, glicosídeos, mucilagens, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Auxilia no tratamento da diabete, como hipoglicemiante, e no do colesterol elevado;
- Planta tônica;
Sist. Renal
- Indicada para urina solta e para o excesso de urina;
- Planta renal, depurativa, levando a um aumento de açúcar também na urina ( o que pode
interferir em análise laboratorial, devendo-se suspender o uso de 7 a 10 dias antes);
- Atua sobre a elefantíase;

Posologia

Tintura mãe 20 a 100 ml/dia


Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
20 g/L
Infuso ou decocto
Até 6 xíc ao dia

- Efeito hipoglicemiante: 6 xíc/dia (alguns casos ocorre com menos, mas não é o normal)
- Efeito depurativo: 3 xíc/dia
- 20 g = 4 colheres de sopa

Precauções
- Evitar gestação, mas não há estudos nesse grupo.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Depurativo substituto da Bardana.
- Pode ser usado em Diabete tipo I e II.

Interações
- Não deve ser associada com hipoglicemiante alopático que esteja fazendo efeito, pois a dose do
fito teria que ser muito grande para fazer essa substituição.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

36. PAU-FERRO é é

Binômio científico: Caesalpinia ferrea L.


Origem: Brasil
Partes utilizadas: raiz e cascas
Constituintes químicos:
- Sitosterol, ácidos graxos, ácido gálico, ácido elágico, galato de etila e taninos.

Indicações terapêuticas principais


- Cicatrizante, hemostático em hemorragias, contusões;
Sist. Digestório
- Hipoglicemiante, cicatrizante, antiinflamatório e antimicrobiano no trato digestivo;
- Indicado para gastrite, úlceras gastroduodenais, diarréias, disenteria, formação de gases,
hemorragias, diabetes e infecções;
- Possui notável ação sobre verminoses (helmintos) por inibir a embriogênese da larva, ou seja,
mata adultos e as larvas. Todo vermífugo repõe vitaminas.

Posologia

Tintura mãe 10 a 40 ml/dia


Tintura 20% 5 a 20 ml/dia
Extrato fluido 0,5 a 4 ml/dia
20 g/L
Decocto
Tomar até 4 xíc ao dia

- A melhor forma de uso é a tintura.


- Ainda não existe o seu extrato seco padronizado.
- Normalmente usa-se a casca.

Precauções
- Por causar sonolência, deve ser evitada a prescrição durante o dia para determinados
profissionais (ex: vigia noturno).
- A experiência tem mostrado que os anti-histamínicos (depressores do SNC, causam bradicardia)
passam no leite, mas os estudos ainda não comprovaram.

Efeitos colaterais
- Causa sonolência.

Observações
- Todas as suas ações são leves, não sendo planta de escolha para nenhuma delas, exceto para
processos alérgicos e verminoses.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

37. PFFAFIA ou GINSENG NACIONAL é é é

Binômio científico: Pfaffia paniculata


Origem:
Partes utilizadas: raiz
Constituintes químicos:
- Vitaminas A, B, C, D, E, F, K, sais minerais, ácido pfáfico, mucilagens, saponinas, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Uma das poucas plantas que estimulam o sistema linfático, eliminando toxinas crônicas
acumuladas (ex: celulite), pois promove uma limpeza;
- Imunoestimulante leve em uso crônico;
- Tônico para o organismo em geral, mas sem alterar o sono. Aumenta a disposição física sem
gerar insônia ou hipertensão;
Sist. Digestório
- Hipoglicêmico, potencializando a ação da insulina: recomendado para maior vitalizade dos
pacientes que já tem hipoglicemia apenas com complementação do açúcar;

Posologia

Extrato seco 2 g/dia


Pó 5 a 10 g/dia 20 a 100 ml/dia
Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
5 g/500ml
Decocto
Tomar esta dose ao dia

- Melhor forma de uso é o extrato seco.

Precauções
- Não se recomenda usar com alimentos ricos em ferro, pois impedirá a sua absorção. Ou ingere-
se 1 hora antes ou 2 horas depois.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Podem ser usadas outras espécies de Pffafia que também atuam no sistema digestório.
- 5é para sistema geral, como adaptogênico.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

38. PICÃO é é é é

Binômio científico: Bidens pilosa


Origem:
Partes utilizadas: toda a planta
Constituintes químicos:
- Terpenos, carotenóides, glicosídeos, fitoesteróis, poliacetilenos e ácido nicotínico.

Indicações terapêuticas principais


Sist. Renal
- Planta antimicrobiana e diurética, indicada para infecções do trato urinário;
Sist. Digestório
- Popularmente é conhecido como regenerador hepático, mas essa ação não é comprovada (os
Cardos são mais estudados);
- Cicatrizante da mucosa gástrica, sendo indicada para estomatite e afta;
- Indicado na hepatite, icterícia (banho ou uso interno), diabete mellitus, disenteria;
- Planta vermífuga, para tratamento de 10 dias consecutivos;

Posologia

Tintura mãe 10 a 100 ml/dia


Tintura 20% 5 a 50 ml/dia
Extrato fluido 1 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto Até 5 g/dia

- A melhor forma de uso é a infusão.


- 5g = 2 colheres de sopa.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Planta que gruda na calça.

Interações
-
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

39. QUEBRA-PEDRA é é é

Binômio científico: Phyllantus niruri


Origem: América
Partes utilizadas: toda a planta (parte aérea com flor)
Constituintes químicos:
- Compostos fenólicos, glicosídeos, flavonóides, alcalóides, vitamina C, sal monossódico,
estradiol, taninos, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Ação antiviral muito potente (inclusive sobre HIV e hepatite B);
- Considerada anticancerígena sobre tumores hepáticos;
Sist. Renal
- Dilata o ureter, o que facilita a eliminação do cálculo, machucando menos o canal;
- Diurética, bactericida, antidiabética;
- Indicada para diminuir cólicas renais e diminuir o ácido úrico, na nefrite, cistite e edemas de toda
ordem;
Sist. Digestório
- Hepatoprotetor;
- Usada na Hepatite B, para previnir câncer do fígado e para dissolver cálculos biliares.

Posologia

Tintura mãe 5 a 100 ml/dia


Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

- Melhor forma de uso é a infusão, inclusive para aumentar a quantidade urinária.


- 5 g = 1 colher de sopa.

Precauções
- Gestantes: passa a barreira placentária.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Apesar do nome, não quebra a pedra, não dissolve cálculos renais.

Interações
- Pedras acima de 6mm passarão rasgando o canal. Por isso, deve-se utilizar primeiramente a
Jurubeba por no mínimo 45 dias para dissolver o cálculo.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

40. QUINA é é é é

Binômio científico: Chinchona sp


Origem: cordilheira dos Andes
Partes utilizadas: cascas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, alcalóides, triterpenos, saponinas, resinas, taninos, ácidos fenólicos, ácidos
caféico e quínico, sais minerais, quinina...

Indicações terapêuticas principais


- Antifebril potente usado em febres de afecções de grande porte, como as intestinais,
pulmonares, etc, e com sucesso no quadro febril da malária;
- Antimalárico: faz a reversão do quadro;
Sist. Digestório
-- Digestiva,
Normaliza colagoga,
as funçõescolerética,
digestivas,hepato tônica;
atuando como estimulante da secreção biliar e pancreática,
vermífugo (menos que o Manjericão e o Pau-ferro), febrífugo, anti-séptico e estimulante do
apetite;
- Eficaz em infecções do trato gastrointestinal, principalmente se associada à febre;
- Única planta conhecida que aumenta a função do pâncreas, o qual libera insulina
(hipoglicemiante leve).

Posologia

Pó 1 a 4 g/dia
Tintura mãe 10 a 40 ml/dia
Tintura 20% 5 a 20 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
20 g/L
Decocto
50 a 200 ml/dia

- Devido aos possíveis efeitos colaterais, deve-se começar pela posologia mínima.
- 1 a 2 g = 1 colher de chá do pó da casca = 2 a 4 cápsulas/dia
- 5 a 20 ml = 100 a 400 gotas (pedir copo medida)
- O extrato fluido deve ser utilizado apenas em tratamentos curtos, devido a sua grande
quantidade de álcool (60%).

Precauções
- Gravidez: ultrapassa a barreira placentária e em altas dosagens é abortiva;
- Não tomar em doses elevadas devido aos possíveis efeitos colaterais.

Efeitos colaterais
- Doses elevadas podem causar vômito, excitação, transtornos auditivos e da visão (têm
propriedades alucinógenas), podem levar à perda de consciência e morte por parada cardíaca e
respiratória.

Observações
- Kit anti-ressaca: Cardo Santo antes e Quina depois (ajuda a metabolizar o acúcar do álcool).
Interações
- Se a infecção for por bactéria, não é recomendado trancar o intestino (ação dos taninos). Assim,
a Quina deverá ser associada com outra planta capaz de matar a bactéria.
- Pode potencializar a ação de anticoagulantes quando administrados concomitantemente.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

41.TANCHAGEM é é é é

Binômio científico: Plantago major


Origem: Europa, mas vegeta espontaneamente no Brasil
Partes utilizadas: parte aérea e sementes
Constituintes químicos:
- Taninos, mucilagens, ácidos orgânicos, ácido sílicico, glucosídeos, óleo essencial, alcalóides,
heterosídeos, ácido cumarínico, sais de potássio, vitamina C...

Indicações terapêuticas principais


- Adstringente: os taninos formam revestimentos protetores, atenuando a sensibilidade e
dificultando infecções;
- Hemostático: protege as mucosas inflamadas e das vias respiratórias, impedindo a atividade de
substâncias irritantes e promovendo a diminuição do processo inflamatório.
Sist. Digestório
- Cicatrizante, antiácido e analgésico sobre o trato digestivo;
- Indicado no tratamento de úlceras gástricas e estomacais, infecções intestinais, diarréias
(propriedade das folhas), laxativo (propriedade das sementes), aftas e gengivites;
- As sementes possuem mais mucilagem e as folhas, mais taninos. Ambas protegem mucosa
gástrica.

Posologia

Tintura mãe 20 a 40 ml/dia


Tintura 20% 10 a 20 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
30 g/L
Infuso ou decocto
3 a 4 xíc ao dia

- 5g = 8 colheres de sopa de folha ou 3 colheres de sopa de semente


- No caso de de feridas abertas pode-se fazer infusão e aplicar na forma de cataplasma.
- Tintura e fluido não são a melhor forma de trabalhar, pois o álcool interfere na mucilagem.

Precauções
- Não usar a raiz.
- Parte aérea: tendência a gerar constipação.
- Sementes: tendência a efeito laxativo.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Planta muito segura de trabalhar, não existindo relatos de quadros de intoxicação ou efeitos
colaterais.

Interações
- Para potencializar o efeito expectorante pode ser associado com Bériberi, Sabugueiro e
Eufrásia.
- Para potencializar o efeito expectorante pode ser associado com Bériberi, Sabugueiro e
Eufrásia.
SISTEMAS DIGESTÓRIO E RENAL

42.TILIA é é é

Binômio científico: Tilia cordata


Origem:
Partes utilizadas: inflorescências novas (com menos de 1 ano)
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, flavonóides, mucilagens, sais de magnésio, taninos, acúcares, cumarinas,
hesperidina, ácidos fenólicos, saponinas, vitamina C.

Indicações terapêuticas principais


- Lenitiva: deixa a pessoa em estado letárgico, "mole", devagar, relaxando a musculatura e
causando até uma baixa na pressão arterial. Porém não altera o sono e nem atua no SNC;
- Expectorante, béquica e antiinflamatória.
- Sudorífica: os glucosídeos agem sobre as glândulas sudoríferas aumentando a secreção das
mesmas, o que leva à sudorese, auxiliando na melhora de estados febris.
- Emoliente: graças às mucilagens, é capaz de reduzir irritações e proteger mucosas.
Sist. Digestório
- Antiespasmódica, tônico digestivo e refrescante (ao contrário dos outros digestivos que são mais
quentes ou mornos);
- Usada nas cólicas estomacais e intestinais, na falta de apetite e gases;
- Indicada para pessoa que não tem dispepsia, ou seja, que não tem problema na produção de
ácido clorídrico, mas se alimentou em excesso. Outra planta faria a digestão e prolongaria o calor
estomacal por irritar a mucosa);
- Os flavonóides e óleos essenciais agem sobre as mucosas intestinais e estomacais, tonificando-
as, produzindo também ação antiespasmódica.

Posologia

Tintura mãe 2 a 4 ml/dia


Tintura 20% 1 a 2 ml/dia
Extrato fluido 0,5 a 1 ml/dia
2 a 4 g/L
Infuso ou decocto
Tomar 4x/dia

Precauções
- Cardíacos e pacientes com arritmia não devem fazer uso constante dessa planta: altera o fluxo
sanguíneo e os batimentos cardíacos.
- Usar de 15 em 15 dias, pois tende a acumular-se no organismo.
- Altas doses podem provocar náuseas.

Efeitos colaterais
- Sudorese.

Observações
- As inflorescências mais velhas tem um potencial de toxicidade maior, provocando sintomas
como irritação dérmica e ocular).
- A tintura e o extrato fluido vem padronizado, sendo então possível garantir que foram feitos com
inflorescências novas.
- As folhas da Tilia platyphyllos S. possui as mesmas propriedades da Tilia cordata.

Interações
- Tilia + Sabugueiro: tratamento de resfriados e febres, pois potencializa o efeito sudorífico.
- Tilia + Macela (Unha de Gato, Garra do Diabo): efeito analgésico, sendo muito bom para
fibromialgia
SISTEMA HORMONAL

1.ANGÉLICA (Dong Quai) é é é é é

Binômio científico: Angelica sinensis


Origem:
Partes utilizadas: raiz
Constituintes químicos:
- Raiz contém óleo essencial, ácido angélicos e cumarinas;
- Semente: óleo essencial, óleo graxo, cumarinas, furocumarinas, princípios amargos.

Indicações terapêuticas principais


- Propriedades antiespasmódicas e vasodilatadoras (furanocumarinas);
- Previne espasmos, reduz a formação de coágulos e relaxa os vasos sanguíneos periféricos,
mas não chega a causar hipotensão (ácido ferúlico);
- Reguladora de estrogênio: regula a produção endógena do estrogênio (ao invés de se ligar aos
receptores de estrogênio, como faz a Isoflavona). Assim, é indicada para regular ciclo menstrual
insuficiente devido à endometriose ou ovário policístico, os quais impedem que o ovário produza
estrogênio suficiente para liberar o óvulo.
- Indicada para mulheres que ainda tem o fluxo menstrual normal, mas que já possuem sintomas
do climatério. (Caso os sintomas nesse caso não desapareçam em cerca de 15 dias, deve-se
alterar o tratamento - Maca, Cimicifuga, Isoflavona...)
- Atua como tônico especialmente do aparelho reprodutivo feminino e do fígado, impedindo a
redução do glicogênio hepático;
- Laxante suave, sedativo e analgésico, com alguma atividade bactericida (ativo sobre
Mycobacterium avium);
- Em ratos, estudos mostraram atividade antitumoral e inibição da atividade plaquetária.

Posologia

Extrato seco 250 à 500 mg, 2x ao dia

Precauções

- Mulheres com fluxo menstrual excessivo não devem usar pois o sangramento pode aumentar, já
que a Angélica fará o sangue "afinar". A única excessão é quando a metrorragia é devida à
irregulariade menstrual, onde a mulher passa meses sem menstruar e aí o volume aumentará
quando a menstruação descer.
- Alguns autores não recomendam o seu uso por conter furanocumarinas, compostos
fototóxicos e mutagênicos.
- O manuseio das folhas verdes pode causar dermatite de contato.
- Gestantes, pessoas que tomam agentes anti-espessantes do sangue, diarréia ou inchaço
abdominal.
- Pela presença de furanocumarinas é indicado o uso de protetor solar.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Na MTC é empregada pelos mesmos motivos que na fito ocidental.
- É a 3ª planta mais utilizada pela MTC, perdendo apenas para o Ginkgo e Ginseng.
- Não existem estudos sobre o período máximo de uso nem sobre efeitos colaterais. Apenas,
deve-se avaliar o fígado, pela presença de furanocumarinas.

Interações
-
SISTEMA HORMONAL

2. BORRAGEM é é é

Binômio científico: Borago officinalis


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:
- Mucilagens, ácido gama linoléico ou omega-3 (precursor da protaglandina E1)

Indicações terapêuticas principais


- Atividade vasodilatadora, antiagregante plaquetário e antiinflamatório, desempenhando papel
protetor da mucosa gástrica;
- Trata as inflamações causadas pelas microlesões que ocorrem na menstruação;
- Melhora os sintomas da TPM, como mastalgia (dor nos seios), depressão e irritabilidade. A
prostaglandina diminui a "montanha-russa" hormonal;
- Indicado no tratamento de tensão pré-menstrual, mastalgia e alterações fibrocísticas da mama,
artrite reumatóide, excesso de lipídeos na corrente sanguínea, redução de PA originada por
estress, eczema atópico e auxiliando na prevenção de doenças cardiovasculares.

Posologia

500 a 1500 mg/dia


Óleo fixo
= 1 a 3 cápsulas/dia

- Duas formas de uso:


* Tomar o mês todo;
* Tomar 14 dias a partir do 14º dia do ciclo > sintomas leves

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Seu custo é muito alto (15 cápsulas custam cerca de R$ 38,00 atualmente).

Interações
-
SISTEMA HORMONAL

3. CIMICIFUGA é é é

Binômio científico: Cimicifuga racemosa (e outros nomes Remidamin/Black cohosh)


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:
- Substâncias triterpênicas, cimicifugina

Indicações terapêuticas principais


- Adstringente, expectorante, diurética, emenagoga, antiinflamatória e antibacteriana (só a
racemosa faz);
- Indicada no alívio dos sintomas da menopausa e TPM (não faz reposição hormonal);

- Possui substâncias triterpênicas que agem diminuindo as concentrações séricas do hormônio


luteinizante (LH) e a habilidade deste em se ligar aos receptores hipotalâmicos. Com isso,
consegue diminuir as ondas de calor, que são consequência do excesso desse hormônio em
relação ao estrogênio, o qual está em baixa na menopausa. É o equilíbrio destes dois hormônios
que mantém a temperatura corporal mais baixa na mulher;
- Ação anti-hipertensiva e antiinflamatória, vasodilatador e hipotensor;
- Indicada em casos de artrite reumatóide, tumores estrógenos-dependentes e tosses.

Posologia

Extrato seco 20 mg, 1 a 2x ao dia

- Para TPM deve ser usada 1 semana antes da menstruação, que é quando o estrogênio começa
a baixar. A cimicifuga se ligará a ele (fracamente), impedindo um declínio muito grande. A
Cimicifuga não impedirá a menstruação de descer, só os sintomas serão menores.

Precauções
- Deve-se seguir corretamente a posologia, pois o excesso pode gerar problemas hormonais.
- Contra-indicado para gestantes.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Pode ser usada por quem utiliza medicamento para endometriose;
- A única planta que diminui o hormônio luteinizante.

Interações
-
SISTEMA HORMONAL

4. ISOFLAVONAS 40% é é é é é

Binômio científico: Isoflavonas


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:
- Genisteína, dadzeína e gliciteína.

Indicações terapêuticas principais


- É o grupo mais potente de fitoestrógenos, apresentando maior atividade estrogênica e
antioxidante (maior que a Cimicifuga e menor que os sintéticos);
- Por possuírem uma estrutura molecular semelhante à do estradiol, as isoflavonas se comportam
como estrogênios fracos, minimizando seus efeitos colaterais;
- Alivia sintomas da menopausa e mantém uma ação estrogênica positiva sobre o metabolismo
ósseo, o sistema cerebral e o complexo cardíaco e lipídico;
- Exerce efeito cardioprotetor ao reduzir os níveis séricos de colesterol LDL;
- Promove a formação óssea (quanto menos estrogênio, maior a descalcificação);

Posologia

Extrato seco 40 mg/dia

- Por período não inferior à 15 dias, tempo necessário para aumentar a concentração de
estrogênio.
- Existem pessoas que fazem uso por um tempo e conseguem retirá-lo, pois o corpo conseguiu se
reequilibrar, melhorando os calorões, insônia, etc (cerca de 2 a 3 meses).
- O ideal é tomar na pré-menopausa, se houverem indícios desta. Com o passar do tempo, os
receptores de estrogênio podem diminuir demais. O quadro ainda poderá ser revertido, mas
levará muito mais tempo para os sintomas diminuírem.
- Pode ser utilizado por anos.

Precauções
- Contra-indicado para quem tem intolerância à soja.

Efeitos colaterais
-

Observações
- A Isoflavona isolada não é considerada um produto fitoterápico. Por isso é feita uma combinação
de Glicine max (soja) + 40% de Isoflavona.
- A soja transgênica tem apenas 15% de Isoflavona. As propriedades nutricionais são as mesmas,
mas os princípios ativos não.
- O estrogênio é produzido com colesterol sanguíneo, sendo então necessário na mulher um
mínimo de gordura no corpo para manter seus níveis equilibrados e também para menstruar, ter
traços femininos, engravidar, etc.

Interações
SISTEMA HORMONAL

5. MACA é é é é é

Binômio científico: Lepidium meyenii


Origem: Peruana (dos Andes)
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:
- Alcalóides (macaenos e macamídeos), lisina e arginina

Indicações terapêuticas principais


- Os alcalóides desta raíz estimulam o sistema reprodutivo de ambos os sexos, pois ativam a
calcitonina e o paratormônio, substâncias relacionadas com a regulação do metabolismo do cálcio
e fósforo;
- Exerce ação sobre o hipotálamo e glândula pituitária, responsáveis pela regulação do
funcionamento de todas as glândulas endócrinas, como adrenais, tireóide e ovários, promovendo
liberação das substâncias precursoras dos hormônios;
- A grande quantidade de lisina e arginina presentes regula a fertilidade de homens e mulheres,
uma vez que a arginina está presente em 80% das células reprodutoras masculinas. A baixa de
arginina causa diminuição de libido. Além disso ela melhora a motilidade dos espermatozóides. Já
a lisina, potencializa a ação estrogênica;
- Aumenta a fertilidade em mulheres e alivia os sintomas da menopausa (esteróis associados à
lisina);
- Ação benéfica em processos reprodutivos hormonais (glicosinolatos);
- Fornece energia extra por conter frutose, monossacarídeo recomendado em casos de estresse
físico e sendo utilizado pelo plasma do sêmen para fornecer energia aos espermatozóides.
- Energético e restaurador físico e psicológico, melhora a memória e a concentração;
- Fortalece o sistema imunológico;
- Regula o ciclo menstrual e aumenta a fertilidade, reduz os sintomas da TPM e da menopausa,
aumenta a espermatogênese e a potência sexual;
- Planta adaptogênica, ou seja, restaura o equilíbrio (homeostase) do corpo e pode ser usada
como alternativa aos esteróides anabolizantes, pois é rica em esteróis;
- Indicada também para casos de desnutrição, descalcificação, depressão e osteoporose.

Posologia

Extrato seco 1 ou 2 cápsulas de 500 mg, 2 a 3x/dia


Pó 5 a 20 g/dia

- Busca por vitalidade: dose menor


- Problemas de infertilidade ou TPM: dose máxima
- Uso mínimo de 60 dias e máximo de 1 ano.
- O pó possui gosto amargo, mas pode ser adicionado à líquidos ou alimentos.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-
Observações
- Não possui efeito estrógeno.
- A experiência mostra que no início do tratamento (+/- 45 dias) o peso corporal aumenta,
provavelmente devido ao aumento da massa muscular.
- Sua raíz é consumida como alimento do Peru.

Interações
- Quem usa estrogênio sintético pode fazer uso.
+ Salsa parrilha + Tribulus terrestris + exercício físico = Previne a perda e aumenta a massa
muscular
SISTEMA HORMONAL

6. PRÍMULA é é é

Binômio científico: Oenothera biennis L


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Mantém a elasticidade e controla a oleosidade da pele, intervém nos mecanismos
vasodilatadores e inibe a agregação plaquetária;
- Por cobrir a deficiência dos precursores de protaglandinas no organismo, corrige distúrbios
como envelhecimento ou ressecamento da pele, distúrbios cardiovasculares, hipertensão e
excesso de colesterol;
- Reduz a perda de água através da pele, aumenta a tolerância à exposição dos raios ultravioleta,
melhorando a integridade, elasticidade e flexibilidade das membranas celulares;
- Indicada para tratamento de afecções de pele (acne, eczema, psoríase), carência de ácidos
graxos insaturados, TPM, hiperatividade infantil, danos causados pelo álcool, esclerose múltipla
(pela ação antiinflamatória, já que ocorrem inflamações na bainha de mielina), hipertensão e
mastalgia.

Posologia

Óleo 1,5 a 4 g/dia

- Seu óleo possui ômega 3 e 6, mas em concentração menor, o que faz subir a dosagem em
relação à da Borragem.

Precauções
- Não se sabe exatamente o porquê, mas pacientes com esquizofrenia ou que fazem uso do
medicamento Idantal (Princípio Fenotiazina), podem vir a ter crises convulsivas.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Planta rica em ácido gama linolêico, um ácido graxo essencial da série ômega-6 e não
produzido pelo nosso organismo, sendo responsável por várias funções no organismo,
principalmente a de precursores das prostaglandinas, sendo um dos intermediários que regulam
os hormônios sexuais femininos.
- Seu custo é bem menor que o da Borragem.

Interações
-
SISTEMA HORMONAL

7. SAW PALMETO é é

Binômio científico: Serenoa repens


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:
- Fitoesteróis, ácidos graxos

Indicações terapêuticas principais


- Efeito antiandrogênico;
- Os ácidos graxos livres são responsáveis pela inibição da 5-alfa-redutase, enzima que interfere
na redução de testosterona para diidrotestosterona. Os fitoesteróis interferem ativamente nessa
redução da testosterona.
- Possui efeito imonurregulador e antiinflamatório, além de uma ação antiflogística, gerada pelos
polissacarídeos ácidos;
- Indicada para hipertrofia prostática benigna (o aumento da testosterona pode vir a causá-la) e
inflamação de próstata;
- Indicada paradesordens do trato urinário, noctúria, enurese, impotência, baixa libido, atrofia dos
testículos, infertilidade nas mulheres (que produzem muito hormônio androgênico), aumento da
lactação;
- Tônico para a função ovariana, tônico nutricional geral, tônico para as mucosas, expectorante,
inalante, bronquite, asma e catarro, gripes, sedativo suave para o sistema nervoso,
antiinflamatório, estimulante do apetite, digestivo, para deficiência da tireóide;
- Indicada para tratamento de calvice, visto que o aumento de testosterona, causa aumento da
atrofia do folículo capilar, que gera a calvice.

Posologia

Extrato seco 640 ou 1280 mg/dia

- 640mg: para diminuição dos efeitos androgênicos, como a calvice.


- 1280 mg: para hiperplasia prostática benigna.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Pode substituir a finasterida (tratamento de calvice).
- No homem baixa a libido, mas pode melhorar a impotência se esta for causada pela hiperplasia
da próstata.

Interações
-
SISTEMA HORMONAL

8. TRIBULIS TERRESTRIS é é é

Binômio científico: Tribulis terrestris


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:
- Saponinas

Indicações terapêuticas principais


- Melhora função erétil e aumenta libido (inclusive pós-menopausa);
- Aumenta os níveis do hormônio luteinizante, responsável por colaborar no desprendimento do
endométrio na menstruação, diminuindo cólicas;
- Aumento da mobilidade e número de espermatozóides, aumento dos níveis corporais de
testosterona;
- Nas mulheres, melhora o desempenho sexual, estimula a ovogênese e apresenta benefícios na
síndrome pós-menopausa e esterilidade endócrina;
- Hepatoprotetor, estimulante do crescimento de melanócitos e alivia espasmos da musculatura
lisa (ações do extrato);
- Para o tratamento de vitiligo, com uso tópico.

Posologia

Extrato seco 220 a 660 mg/dia

- Para diminuição de cólicas, usar apenas próximo da menstruação.


- Pode ser usado por até 6 meses consecutivos.

Precauções
- Gestantes.
- Contra-indicado para quem usa contraceptivo hormonal, pois estimula a ovogênese, diferente do
contraceptivo.

Efeitos colaterais
-

Observações
- 5é para os pacientes, pelos seus efeitos.

Interações
-
SISTEMA HORMONAL

9. VITEX AGNUS CASTUS é é

Binômio científico: Chaste Tree Berry extract


Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Atua na regulação da função hormonal, modula a lactação e alivia espasmos e dores e
desconforto da TPM;

- Alivia a insuficiência do corpus luteum (defeito na fase lútea), que ocorre quando a secreção de
progesterona está anormalmente baixa, restaurando a concentração normal. Alguns dos sintomas
incluem menstruação frequente ou abundante, ausência de ovulação, cistos ovarianos e, as
vezes, ausência de menstruação. Assim, estimula a produção do hormônio luteinizante, o que
proporciona aumento da produção de progesterona, mimetizando a função do corpus luteum;
- Inibe a liberação de prolactina, promovendo uma ação corretiva para seu excesso de produção.
Quando os níveis de prolactina estão altos, a mulher pode, ou não, produzir leite, o que faz o
corpo entender que não deve ovular, podendo gerar infertilidade momentânea;

- Indicada para problemas menstruais e da menopausa, menstruação com coágulos, mastalgia


(dor nos seios), início de menstruação com dor, para alívio de cólicas uterinas, ejaculação
involuntária do leite materno, redução do excesso de prolactina, para aliviar os sintomas da TPM
com defeito na fase lútea.

Posologia

Extrato seco 40 a 150 mg/dia

- O ideal é consumir 7 dias antes da menstruação, quando o estrogênio começa a diminuir e o


hormônio luteinizante aumentar. Interromper o tratamento quando a menstruação terminar.

Precauções
- O excesso (+/- 500 mg para pessoas de 70 kg) causa formigamento, coceira, exantema
(formação de bolinhas de água na pele), problemas gástricos e atraso na menstruação.
- Gestantes e nutrizes;
- Contra-indicado em casos de reposição hormonal conjunta ou para mulheres que tomam pílula.

Efeitos colaterais
-

Observações
- A alteração nos níveis de prolactina é comum em casos de endometriose e cistos no ovário.
- Para menstruação irregular deve-se, em primeiro lugar, nivelar os níveis de estrogênio.
- 2é: usado quando exames mostram níveis de prolactina alto ou quando tem TPM fisiológica.

Interações
-
SISTEMA HORMONAL

10. YAM MEXICANO é é é

Binômio científico: Dioscorea vilosa L.


Origem:
Partes utilizadas: raiz
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Efeito antiinflamatório, colagogo, anti-espasmódico, estimulante da vesícula, vasodilatador,
suavemente diaforético;
- Indicado em condições reumáticas, artrite, problemas da vesícula biliar, dismenorréia, colites,
diverticulites, cólicas menstruais, menstruação dolorosa, dores nos ovários, bronquite, muco
excessivo, asma e tosse, irritação estomacal, gastrite, enjôo matinal e doença de Crohn;
- Creme: indicado para nutrir as células da derme com estrogênio, o qual estimula a formação de
colágeno e elastina.

Posologia

Extrato seco 500 a 1000 mg/dia, 2x ao dia

- Para dores nos ovários no período fértil: 1 a 2 g/dia


- Para dismenorréia (dor na menstruação): 500 a 1000 mg/dia divididos em 2 doses diárias, nos
últimos 7 dias do ciclo.
- Mínimo 6 meses de tratamento, a fim de tentar regularizar os níveis hormonais.
- Se em 2 meses não huover resposta, deve-se trocar o medicamento.
- Externamente, de 2 a 5% em cremes não iônicos.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Inhame mexicano, parente do nosso Inhame, do qual não se sabe qual é a concentração dos
ativos, sabe-se apenas que ele tamém os possui.
- A Dioscorea é usada como fonte de diosgenina para anticoncepcionais.
- Contém progesterona e um componente cuja estrutura é quase idêntica a do precursor
hormonal DHEA, que atua como estímulo ao aumento do hormônio no organismo.
- Não cria um efeito estrogênico excessivo.
- O extrato é só da raiz. Comendo o Inhame ele será absorvido.
- Para funcionar como repositor hormonal a dose deverá ser muito maior. No entanto, existem
outras plantas que trabalham melhor nesse caso, especificamente com o estrogênio.

Interações
-
INFLAMAÇÃO E DOR

1. ABACATEIRO é é é é

Binômio científico: Laurus americana Mill, syn, Laurus persea L.


Origem: América Central, mas cultivada em todo o Brasil
Partes utilizadas: folhas, óleo e sementes
Constituintes químicos:
- flavonóides (principal)
- óleo essencial (óleo fixo, com maior concentração nas sementes do que nas folhas)

Indicações terapêuticas principais


- Ação antiinflamatória e antimicrobiana no uso externo;
- Indicado para massagens faciais em pele seca;
- Contém lecitina, a qual é coadjuvante nos tratamentos de eczema e dermatite;
- Substituto do óleo mineral em muitas formulações;
- A semente demonstrou atividade antiinflamatória e analgésica sobre dores, pancadas e
contusões, inclusive com corte, por ser antimicrobiana (não tem grande ação para tirar o
arroxeado da pele);
- Indicado para dores articulares, estimulando a formação da cartilagem que protege a articulação
(possui condroitina, que junto com a glucosamina reforça as cartilagens);
- Uso muito bom no tratamento da artrite (uso interno).

Posologia

Extrato seco 1g/dia


Tintura mãe 20 a 40 ml/dia
Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

- 50g = 5 colheres de sopa da folha seca


- 500 mg/cápsula > 2 cápsulas/dia
- 1 ml = 20 gotas
Sempre que passar de 3ml (60 gotas), deve-se usar copinho medida e diluir em água para ingerir.
- Posologia para indivíduos de 70kg.
- Trabalhar sempre com doses médias inicialmente.
- Quando o sistema hepático não puder ser sobrecarregado deve-se optar pelo infuso ou extrato .
fluido
- Do fruto fresco deve-se consumir 1 abacate ao dia ou 1/4 da semente ralada.

Precauções
- Emenagoga: pode provocar a menstruação, aborto ou adiantar o parto. Assim, deve ser
evitada por mulheres grávidas e por aquelas que tem o fluxo menstrual intenso.
- Pessoas que retiraram a vesícula biliar não devem utilizar a planta.
- O uso de suas folhas frescas poderá provocar arritmia cardíaca, pois é cardiotônica.
- Por ter potencial antiinflamatório irrita as mucosas, devendo ser consumido de estômago cheio.
- Ao comprar o produto pronto para uso interno deve-se verificar a composição, pois as vezes ele
vem junto com óleo de amêndoa, o qual não pode ser ingerido.
Efeitos colaterais
- Faz depleção de potássio.

Observações
- O óleo é mais antiinflamatório.
- O óleo encontrado na polpa é inviável terapeuticamente, pois seria necessário a ingestão de 2 a
3 abacates por dia para que o óleo tivesse efeito no organismo.

Interações
-
INFLAMAÇÃO E DOR

2. ANDIROBA é é é é é

Binômio científico: Carapa guianensis Aubl


Origem:
Partes utilizadas: óleo
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Antiinflamatório, anti-reumático e mio-relaxante;
- Atua na pele regenerando e estimulando o tecido epitelial;
- Alivia e acalma a dor nos tecidos inflamados;
- As folhas frescas contribuem para a cicatrização de feridas e contusões;
- O óleo amacia a pele, regenera o tecido e apresenta ótimo efeito sobre inflamações;
- Indicado para dor, inflamação muscular (distensão, contratura) e fibromialgia;

Posologia

Óleo Externo / cosmético

Precauções
- Gravidez: pode ser abortiva.
- Não usar durante a lactação.
- Não pode ser usado internamento, pois o salicilato de metila é tóxico com o acúmulo, pois não é
metabolizado pelo fígado.

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
INFLAMAÇÃO E DOR

3. ARNICA é é é

Binômio científico: Arnica montana L.


Origem:
Partes utilizadas: rizomas e flores
Constituintes químicos:
- Glicosídeos flavonóides, polissacarídeos, óleos voláteis, taninos e resinas.

Indicações terapêuticas principais


- Indicada em casos de contusões, machucaduras, pancadas, quedas, torceduras, calos
machucados, frieiras pruriginosas, reumatismo pelo frio e umidade, rachaduras do bico do seio e
da sola do pé;
- Antiinflamatória, analgésica e anti-reumática;
- Diminui hematomas, pois dissolve as células sanguíneas que ficam no tecido;

Posologia

Tintura mãe 5 a 10ml/dia


Infuso ou decocto 5g/dia

- 5g de flor = 3 colheres de sopa


- 5g de rizoma = 1 colher de sopa
- A tintura officinalis não é indicada, sendo a grande causadora das contra-indicações.
- Da tintura mãe pode-se fazer uso interno, pois é bem diluída, com diluição homeopática. Não
precisa ser retirada antes de cirurgia.
- Infuso ou decocto: umedecer um algodão ou algo semelhante para fazer uso.

Precauções
- No uso como cicatrizante do bico do seio deve-se atentar para a higienização do seio antes do
bebê mamar.
- O uso em excesso (+ 10 dias) poderá causar eritema e queimação (tópico), além de náuseas,
vômitos, taquicardia, hepatotoxidez e depressão (interno).
- No pós cirúrgico deve-se esperar pelo menos três dias para usá-la, pois antes pode dificultar a
cicatrização, já que inibe o fator de agregação plaquetária (ação de todo antiinflamatório).
- O uso durante período cirúrgico pode causar hemorragia.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Arnica montana: quase não tem no Brasil; utilizam-se flores e rizomas.
- Arnica do mato: utilizam-se as folhas.
- O USO INTERNO É INDICADO APENAS NA FORMA HOMEOPÁTICA.

Interações
-
INFLAMAÇÃO E DOR

4. CALÊNDULA é é é é é

Binômio científico: Calendula officinalis


Origem: Europa meridional
Partes utilizadas: flor
Constituintes químicos:
- Triterpenóides, glicosídeos do ácido oleânico, luteína, carotenos, esteróis, ácidos graxos,
calendulina (goma), polissacarídeos.

Indicações terapêuticas principais


- Indicada em casos de inflamação da pele e da membrana mucosa, queimaduras suaves,
queimaduras do sol, escaras, avermelhamento de peles sensíveis e delicadas, gengivite e
amigdalite;
- Cicatrizante, antialérgica, suavizante, antiflogística, antiinflamatória, bactericida, antifúngica,
protetora de mucosas.

Posologia

Extrato seco 2 g/dia


Tintura mãe 10 a 20 ml/dia
Tintura 20% 5 a 10 ml/dia
Extrato fluido 1 a 5 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

- Pode ser usada também na forma de gargarejo.


- Indicada para uso interno e externo.

Precauções
- Gestantes e nutrizes: os triterpenóides terão ação abortiva. É ocitotóxica, ou seja, tóxica para
células embrionárias. Mas não é teratógena.

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
INFLAMAÇÃO E DOR

5. DENTE DE LEÃO é é é

Binômio científico: Taraxacum officinale Weber


Origem: Europa, preferencialmente locais úmidos
Partes utilizadas: folha e raiz
Constituintes químicos:
- Esteróides, ácido caféico, mucilagens, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Analgésico em dores reumaticas e articulares (não refaz a cápsula articular, mas é mais
antiinflamatório que o Abacate).

Posologia

Pó 4 g/dia
Tintura mãe 10 a 20 ml/dia
Tintura 20% 5 a 10 ml/dia
Extrato fluido 1 a 5 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

- Muito usado em infusão e tintura.


- A folha é saborosa como salada, devendo consumir de 5 a 6 folhas ao dia.

Precauções
- Em casos de oclusão do ducto biliar.
- Não se deve usar o talo fresco. Se ingeridos em grandes quantidades por crianças podem
causar intoxicação.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Cuidar para não haver desidratação excessiva, poia a água é veículo de reações enzimáticas.
Além disso, a desidratação gera envelhecimento precoce.
- O Dente de leão é menos analgésico que a Unha de gato. Mas a ação antiinflamatória é boa em
ambos. É o 3º antiinflamatório mais potente.
- Só não é 4é por não refazer a cápsula articular.

Interações
-
INFLAMAÇÃO E DOR

6. GARRA DO DIABO é é é é

Binômio científico: Harpagophytum procumbens


Origem:
Partes utilizadas: Tubérculos
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Analgésica, antiinflamatória e antiespasmódica;
- Indicado em casos de doenças reumáticas, artrose, gota, artrite, reumatismo, inflamações
articulares e, principalmente, para processos inflamatórios de tendão;

Posologia

Pós máx. 1 g/dia


Tintura mãe 2 a 6 ml/dia
Tintura 20% 1 a 3 ml/dia
Extrato fluido 0,5 a 1 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

- Demora cerca de 30 minutos para começar a fazer efeito e este dura de 8 a 12 horas.
- Nos casos de bursite deve ser administrado por 2 a 3 meses, suspender por 1 mês, e voltar o
tratamento.

Precauções
- O uso prolongado pode gerar dispepsia.
- Contra-indicado para gestantes e portadores de úlcera gástrica.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Melhor analgésico fitoterápico encontrado.
- Antiinflamatório tão bom quanto o Dente de leão.
- O paciente deve ser lembrado que quando a dor for embora não significa que a inflamação
também tenha ido, por isso deve-se manter os cuidados.

Interações
- Pode ser administrado juntamente com corticóides ("zona). No entanto, com outros não
esteroidais (cataflan, aspirina, dipirona) não pode.
INFLAMAÇÃO E DOR

7. SUCUPIRA é é é

Binômio científico: Pterodon emarginatus Vogel


Origem:
Partes utilizadas: sementes
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Seu óleo é muito eficaz contra o reumatismo, inflamações articulares e artrose;
- Usada em casos de inflamação geral, garganta e cistite;
- Energética.

Posologia

Extrato seco 2g/dia


Tintura mãe 15 a 30 ml/dia
Tintura 20% 7 a 15 ml/dia
Extrato fluido 1 a 3 ml/dia
Decocto 5 g/dia

- A melhor forma de uso é a tintura.


- Em decocção a propriedade antiinflamatória se perde.

Precauções
- Contra-indicado para gestantes e portadores de úlcera gástrica.

Efeitos colaterais
- O uso prolongado pode causar dispepsia, por inibir a bomba de prótons.

Observações
- A semente deve ser moída e na presença de solução hidroalcoóluca para liberar o princípio ativo
que é um óleo.

Interações
-
INFLAMAÇÃO E DOR

8. TAIUIÁ é é é

Binômio científico: Cayaponia tayuya Vell


Origem:
Partes utilizadas: casca e caule
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Indicada para casos de reumatismo, artrite, artrose, nevralgias diversas e cefaléias;
- Ação antiinflamatória e analgésica de grande intensidade.
- Mais indicada para nevralgia (inflamações de nervos), como ciatalgia, trigeminalgia, etc.

Posologia

Pós 1 g/dia
Tintura mãe 5 a 10 ml/dia
Tintura 20% 3 a 5 ml/dia
Extrato fluido 0,5 a 1 ml/dia
Decocto 3 g/dia

- Melhor usado como pó encapsulado ou tintura 20%.

Precauções
- Contra-indicado para gestantes e portadores de úlcera gástrica.

Efeitos colaterais
- O uso prolongado pode causar dispepsia, por inibir a bomba de prótons.

Observações
- É o 2º analgésico fitoterápico mais potente.

Interações
-
INFLAMAÇÃO E DOR

9. TANACETO é é é é

Binômio científico: Tanacetum parthenium L.


Origem:
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Ação antiinflamatória, anti-histamínico, analgésica e emenagoga;
- Favorece a digestão e combate o enjôo;
- Indicado em casos de enxaqueca e cefaléia;
- Bons efeitos para crise alérgica.

Posologia

Pós 800 mg/dia


Tintura mãe 2 a 8 ml/dia
Tintura 20% 1 a 5 ml/dia
Extrato fluido 0,2 a 1 ml/dia
Decocto 2 g/dia

- A melhor forma de uso é tintura a 20%. Devem ser tomadas 20 gotas a cada 6 horas. Mas só
deve ser tomada enquanto houver dor.
- Para enxaqueca crônica deve ser administrado 1 ml/dia como preventivo, podendo ser tomado
até 3 meses consecutivos.

Precauções
- Pode causar hepatotoxicidade.
- Contra-indicado para gestantes, portadores de úlcera gástrica e pacientes com problemas
hepáticos.

Efeitos colaterais
- O uso prolongado pode causar dispepsia.

Observações
-

Interações
-
INFLAMAÇÃO E DOR

10.Unha de Gato é é é é é

Binômio científico: Uncaria tomentosa (Willd) DC.


Origem:
Partes utilizadas: casca e folhas
Constituintes químicos:
- Folhas: alcalóides
- Casca: alcalóides, composto isopentano

Indicações terapêuticas principais


- Antiinflamatória, podendo ser usada em casos reumáticos e processos dolorosos em geral;
- Imunoestimulante em quadros de baixa de sistema imunológico, sendo apoio em casos de
câncer, Aids e patologias que envolvem o sistema imunológico;
- Indicada em casos de problemas renais e urinários com dor e inflamação, cistites, uretrites, etc.
- Para tratamento de garganta inflamada e sinusites.

Posologia

Tintura mãe 4 a 8 ml/dia


Tintura 20% 1 a 2ml/dia
Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Infuso ou decocto 2g/dia
Extrato seco 300 a 600mg/dia (1 cápsula)

- 2g = 1 colher de sopa
- Deve-se trabalhar mais com as folhas do que com as cascas.
- Ingerir com o estômago cheio.

Precauções
- Não usar antiácidos, pois interferem na solubilidade dos alcalóides. Ou utilizar com um intervalo
de no mínimo 2 horas entre os dois.
- Gravidez e lactação.
- Nunca utilizar em pacientes transplantados, pois ativa o sistema imune, ou ainda em quem usa
imunossupressores (principalmente ciclosporina).
- Altas doses provocam efeito contraceptivo.

Efeitos colaterais
- Altas doses provocam efeito contraceptivo.
- Há relatos de alteração pancreática e no nervo óptico com o uso desta planta.

Observações
- Alcalóides: pequenas doses e grandes efeitos.
- O 1º antiinflamatório fitoterápico.
- O 3º analgésico fitoterápico.
- Há relatos de alteração pancreática e no nervo óptico com o uso desta planta.

Interações
- Para associar com a Garra do diabo deve-se usar a dose mínima de ambos.
NEOPLASIA

1. ALFAZEMA (Lavanda) é

Binômio científico: Lavandula officinalis


Origem:
Partes utilizadas: copas floridas e talos
Constituintes químicos:
- Óleo essencial constituído de cariofileno, dos alcoóis geraniol, furfurol, linalol e seus ésteres e
cumarinas, taninos, saponinas, fitosteróis, cânfora e princípios amargos.

Indicações terapêuticas principais


- Age impedindo a multiplicação celular fazendo com que a célula acabe morrendo sem se dividir;
- Tem apresentado ação antineoplásica sobre tumores mamários, ovarianos e de próstata.

Posologia

1 a 4 gotas/dia
Óleo essencial
máx. 2 gotas/dose
Tintura mãe 5 a 10 ml/dia
Tintura 20% 1 a 5 ml/dia
Pós 0,7 a 1,4 g/dia
Infuso ou decocto máx. 2,5 g/dia

Precauções
- Planta com forte efeito depressor sobre o SNC (tipo narcótico).
- Doses elevadas podem causar cefaléia, constipação ou náuseas e vômitos. Sobre o SNC pode
causar euforia, embotamento, confusão mental e depressão respiratória.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Os antineoplásicos sintéticos impedem também a multiplicação das células saudáveis. Mas
como a reprodução destas é mais lenta do que das células tumorais, elas morrem em menor
quantidade. Em contrapartida, a quimioterapia deve ser espaçada, para não comprometer em
demasia o organismo.
- A AÇÃO ANTI-NEOPLÁSICA AINDA ESTÁ SENDO ESTUDADA, PORTANTO SEU USO
NESSE SENTIDO AINDA NÃO É RECOMENDADO.

Interações
- Potencializa os sedativos do SNC (benzodiazepínicos, álcool, narcóticos).
NEOPLASIA

2. ALHO é é é

Binômio científico: Allium sativum


Origem: cresce espontaneamente na Sicilia, em muitos pontos da Europa e do Brasil
Partes utilizadas: bulbo
Constituintes químicos:
- Alicina...

Indicações terapêuticas principais


- O uso do alho reduz a incidência de casos de câncer, principalmente do estômago, próstata e
colo-retal.

Posologia

Extrato seco 2 g/dia


Tintura mãe 5 a 15 ml/dia
Tintura 20% 2 a 5 ml/dia
Óleo alho (250mg) 1 a 3 cápsulas/dia
Infuso ou decocto 2 g/dia

- 4g = 3 dentes
- Para a ingestão do óleo é indicado começar o tratamento com 2 cápsulas ao dia (dose
intermediária).
- Infuso (+/- 90°): amassar o alho em um recipiente, liberando mais óleo, e verter a água quente
sobre ele.
- Crianças devem utilizar somente doses pequenas e diluídas.

Precauções
- Anticoagulante: cuidado com pessoas que sofrem de hemorragias, antes da menstruação, antes
de ir ao dentista, hemorróidas superficial...
- Compostos sulfídricos: derivados do enxofre, são substâncias que provocam a formação de
gases, além de serem irritantes das paredes gastrointestinais.
- Pessoas com hemorragia ou recém operadas do trato digestório devem evitar.
- Passa pelo leite materno.
- Uso crônico e doses excessivas podem ocasionar diminuição da produção de hemoglobina e lise
dos erirócitos.
- Potencializa os efeitos dos anticoagulantes e agentes anti-plaquetários.
- Ingerir após alimentação a fim de evitar irritação gástrica.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Temperaturas altas (>60°) degradam os princípios ativos.
- NÃO É ANTINEOPLÁSICO, MAS REDUZ A INCIDÊNCIA, É PREVENTIVO.
- Não reverte quadros.

Interações
- Alho + Lobélia: para tratar bronquite e asma.
- Alho + Equinácea: Para combater atividade viral.
NEOPLASIA

3. CHÁ VERDE é é

Binômio científico: Camelia (Thea) sinensis


Origem:
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Flavonóides...

Indicações terapêuticas principais


- Estudos em animais mostraram atividades inibitórias contra carcin[ogenos do pulmão, esôfago,
intestinos, pele e fígado;
- Antioxidante.

Posologia

Pós 2 a 4 g/dia
Tintura 20% 10 a 50ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia
Extrato seco 400 a 800 mg/dia

Precauções
- Deve ser tomado pelo menos 2 horas longe das refeições com ingestão de ferro ou ainda, ser
evitado por pessoas que sofrem de anemia ferropriva, pois as galatocatequinas podem diminuir a
absorção de ferro.

Efeitos colaterais
-

Observações
- AINDA ESTÁ EM PESQUISA, MAS A CHANCE DE SER MEDICAMENTO É GRANDE.

Interações
-
NEOPLASIA

4. CELIDÔNIA é é é é

Binômio científico: Chellidonium majus


Origem:
Partes utilizadas: folhas, seivas e raízes
Constituintes químicos:
- Contém mais de 30 alcalóides, ácido celidônico, rutina, histamina, flavonóides, ácido caféico,
etc.

Indicações terapêuticas principais


- Planta com atividade imunorreguladora (para cima ou para baixo) inespecífica e com atividade
antineoplásica sobre alguns tipos de câncer, sendo considerada tóxica para as células doentes
sem afetar as normais;
- Indicada em tratamentos de papilomas, condilomas (estruturas de crescimento ósseo) e
nódulos;
- Uso autorizado na Europa, com o nome de Ukrain, sendo aplicado em pacientes com AIDS e em
vários tipos de câncer: mama, colorretal, cervical, testicular, esofágico, uretral e ovariano,
melanoma maligno, astrocistoma do nervo ótico, sarcoma de kaposi.

Posologia

Tintura mãe 5 a 10 ml/dia (com a folha)


Tintura a 20% 1 a 5 ml/dia
Infuso ou decocto 1 g /dia

- 1g = 2 colheres de chá da folha seca.


- O pó e o extrato seco raramente são encontrados no Brasil.
- O infuso pode ser feito com a folha seca rasurada.

Precauções
- Uso máximo: 6 meses consecutivos.
- Quem está saudável não deve usar. Não é prevetivo.

Efeitos colaterais
- Altas dosagens poderão causar sensação de queimação na boca e garganta, vômitos, diarréia,
narcose (processos alucinógenos) e, em casos extremos, coma.

Observações
- ÚNICA PLANTA AUTORIZADA NA EUROPA COM ATIVIDADE ANTINEOPLÁSICA.
- AS PESQUISAS TÊM DEMONSTRADO POTENCIAL NEOPLÁSICO EFETIVO.
- O princípio ativo responsável pela ação antineoplásica ainda não é conhecido.

Interações
- Pode ser empregada junto com outros tratamentos antineoplásicos (antes, durante e depois).
NEOPLASIA

5. COPAÍBA é é é

Binômio científico: Copaífera sp


Origem: México, Antilhas, África tropical e Brasil (Copaífera officinalis). As outras no Brasil.
Partes utilizadas: resina extraída do caule
Constituintes químicos:
- Ácido copaiferólico, óleo essencial rico em terpenos... Presentes no material resinoso extraído
do caule.

Indicações terapêuticas principais


- Preventiva e atuante como antineoplásica.

Posologia

5 a 6 gotas/dia - adulto
Óleo
1 a 2 gotas/dia - criança
Cápsulas 250 mg Máximo 3/dia (adulto)

- Deve-se pingar as gotas em água para então ingerí-las. Elas não vão diluir, ficando
sobrenadantes.
- Uso tópico para unhas: 1 gota 1x ao dia.
- Para infecções que não se sabe a origem deve-se utilizá-la por 21 dias, afim de matar as
bactérias e os fungos mais resistentes.
- Ingerir após as refeições.

Precauções
- A Copaíba mata primeiro o que está em excesso e depois vai matando de forma equilibrada,
podendo diminuir até a flora normal do organismo com o uso prolongado.
- Em altas doses poderá provocar intoxicação, com náuseas, vômitos e quadros diarréicos.
- A resina poderá desenvolver alergia em certas pessoas.
- Pequeno efeito laxativo.
- Deve-se cuidar com o uso preventivo para não criar uma resistência bacteriana.

Efeitos colaterais
-

Observações
- PLANTA AINDA EM ESTUDO, COM GRANDE POTENCIAL.
- Não é mais encontrada em cápsulas, pois houve desconfiança pela Anvisa de que a resina não
era colocada dentro delas.
- Para sinusite pode ser usada durante a crise, pois normalmente tem infecção bacteriana.
- Para sistema imune pode ser usada por 14 dias. Se continuar baixo recomenda-se a Equinácea.

Interações
- Para uso prolongado poderá ser intercalada com o Alho.
NEOPLASIA

6. GARCÍNEA é

Binômio científico: Garcinia mangostana


Origem:
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Ação contra o câncer.

Posologia

- A posologia recomendada ainda não é conhecida.

Precauções
- Possui enorme efeito de citotoxicidade, mas não só para as células cancerígenas, para as
saudáveis também. POR ISSO AINDA NÃO É USADA.
- Altas dosagens poderão causar vômitos, diarréia e coma.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Comparada com outras drogas, é o maior potencial contra o câncer do estômago, sendo melhor
que Methrothrexate, Vincristine, 5-Fu e cisplatin, as drogas mais aplicadas em quimioterapia.
Perde apenas para o Tachol, componente químico presente no Teixo.
- É o segundo agente tóxico antineoplásico.
- Existem duas espécies de Garcínea. A camboja, diferente desta, reduz a vontade de comer
doces.

Interações
-
NEOPLASIA

7. GINSENG COREANO é é é

Binômio científico: Pfaffia paniculata


Origem: Coréia
Partes utilizadas: raiz
Constituintes químicos:
- Vitaminas A, B, C, D, E, F, K, ácido pantotênico, sais minerais como ferro, cálcio, zinco,
potássio, aminoácidos, mucilagens, saponinas, etc.

Indicações terapêuticas principais


- O uso diário reduz significativamente o fator de risco de câncer;
- Diminuiu a incidência de câncer hepático e edemas;
- O Ginseng e seus derivados inibiram o desenvolvimento dos tumores mámario, cerebral e
medula espinhal, cervical e vaginal;
- Indicado em casos de retirada de tumor por cirurgia, para que ele não evolua e assim, a área a
de extração seja menor.

Posologia

Extrato seco 1 g/dia


Pó 2 a 5 g/dia
Tintura 20% 5 a 10 ml/dia
Extrato fluido 1 a 2 ml/dia
Infuso ou decocto 3 g/dia

Precauções
- Não se recomenda usar com alimentos ricos em ferro, pois impedirá a sua absorção. Ou ingere-
se 1 hora antes ou 2 horas depois.
- Altas dosagens poderão causar vômitos, diarréia e coma.

Efeitos colaterais
- Nas doses recomendadas não causa aumento da pressão arterial. Mas em doses muito baixas
sim.

Observações
- Semelhante à Pffafia, com diferença na concetração dos ativos.
- O custo do Ginseng coreano ainda é muito alto no Brasil. Por isso a Pffafia é mais utilizada.
- PLANTA PREVENTIVA.

Interações
- Pode ser utilizado com outros tratamentos antineoplásicos.
- Para tumor instalado: Celidônia + Ginseng.
NEOPLASIA

8. IPÊ ROXO é é

Binômio científico: Tabebuia sp.


Origem:
Partes utilizadas: folhas e cascas
Constituintes químicos:
- Lapachol (mais importante), saponinas, resinas, minerais, vitaminas, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Ação anti-tumoral em tratamento de diversas neoplasias, com ação redutora comprovada. Essa
ação é feita pelo Lapachol, o qual diminui a multiplicação d=celular, mas que possui toxicidade;
- Diminui a dor causada por tumores, pela sua ação analgésica;
- Indicado em casos de câncer de fígado, mama, próstata, sarcoma de Walker, carcinoma de
Yoshida, leucemias e tumores de gânglios linfáticos.

Posologia

Pós 0,7 a 1,4 g/dia


Tintura mãe 20 a 40 ml/dia
Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 4 ml/dia
Infuso ou decocto 1,5 g/dia

Precauções
- Contra-indicado para gestantes.
- O lapachol produz abortamento e malformação em ratos.

Efeitos colaterais
- QUANTO MAIS EFETIVO FOR O LAPACHOL CONTRA O CÂNCER, MAIS TÓXICO SERÁ
PARA O PACIENTE.

Observações
-

Interações
- Não pode ser administrado durante o tratamento de quimio ou radioterapia. Só poderá ser
utilizado nos intervalos das seções, mesmo que este seja de 1 ou 2 dias. Caso contrário o
organismo sofrerá muito com o excesso de ação sobre as células saudáveis.
NEOPLASIA

9. TEIXO é

Binômio científico: Taxus brevifolia


Origem:
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- O Taxol (nome comercial) inibe a divisão celular ao interferir na formação dos microtúbulos, os
quais são necessários para a divisão normal da informação genética celular;
- Indicado para câncer de ovário metastático, após fracasso da quimioterapia com produtos
químicos;
- Numerosos estudos documentaram sua efetividade contra o câncer de ovário e de mama.

Posologia

- SEU USO NÃO É RECOMENDADO.

Precauções
-

Efeitos colaterais
- HEPATOTOXICIDADE GRAVE.

Observações
- No Teixo, além do Taxol, existem outras substâncias hepatotóxicas. Por isso a planta toda não
pode ser utilizada. O Taxol isolado é utilizado.

Interações
-
NEOPLASIA

10. VISCO é é

Binômio científico: Viscum album e Viscum abietis


Origem:
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- As foratoxinas, as viscotoxinas e as várias lectinas apresentam atividade citotóxica;
- As lectinas aumentam a secreção de algumas interleucinas e do fator de necrose tumoral, que
faz com que a célula se "suicide" antes de se dividir;
- Produziu ligeira melhora em pacientes com neoplasias do cólon e prolongou a sobrevida em um
paciente com carcinoma do pulmão;
- Tem sido considerado benéfico no tratamento de neoplasias malignas;
- Deixa o organismo mais preparado para matar células tumorais.

Posologia

Pós 3 g/dia
Tintura 20% 3 a 6 ml/dia
Infuso ou decocto 1 g, 3x ao dia

Precauções
- Altas dosagens poderão causar vômitos, diarréia e coma.
- Não pode ser usado simultanemente com a quimioterapia, seja qual for fase do tratamento com
ela. Isso porque a quimio bloqueia o fator de necrose tumoral.

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
- Pode ser usado como auxiliar de cirurgia e radioterapia.
SISTEMA NERVOSO

1. ALECRIM é é

Binômio científico: Rosmarinus officinalis


Origem:
Partes utilizadas: folhas e sumidades floridas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, cânfora, diterpenos, saponinas, princípios amargos e taninos, flavonóides...

Indicações terapêuticas principais


- Planta estimulante geral: aumenta a produção dos neurotransmissores escitatórios (dopamina,
noradrenalina e serotonina). A reserva destes dentro das vesículas fica maior e quando ocorre o
estímulo são liberados em maior quantidade;
- Aumenta a irrigação periférica e a contração dos vasos sanguíneos, aumentando a pressão
arterial;
- Utilizado com sucesso em casos de falta de ânimo e memória, stress forte e depressão;

Posologia

Extrato seco 2 g/dia


Tintura mãe 50 a 100 ml/dia
Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g de folha/L

- 5g = 10 colheres de sopa (a folha é muito leve).


Utilizar proporcional por xícaras: 2 col/xíc, 4 xíc ao dia.
- Pode ser utilizado em gargarejo, chás e anti-séptico.
- O infuso, além de ter odor forte, pode provocar náuseas. Deve ser tomado logo após ao
preparo, pois contém óleo essencial.

Precauções
- Hipertensos: atua na parede dos vasos, aumentando a irrigação periférica e a pressão arterial.
- Gestantes: pode ser abortiva em altas doses.
- Doses elevadas podem provocar gastrite, enterite, nefrite (até sangue na urina).
- Estimulante do SNC: pode provocar perda de sono.
- No escalda-pés, é recomendado abafar para que a pessoa não inale o vapor e sinta a
propriedade estimulante antes de dormir.
- A essência de alecrim pode ser irritante para a pele.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Por conter óleo essencial, o local de armazenamento interfere na sua qualidade.
- O efeito é bom, mas o número de hipertensos é muito maior que dos hipotensos.
- É antidepressivo por aumentar os neurotransmissores excitatórios, mas não é a melhor forma para tratar
depressão.
Interações
- Alecrim + aveia + cola + verbena: nas depressões.
- Alecrim + sálvia + gelsemiun + valeriana: nas dores de cabeça.
SISTEMA NERVOSO

2. ALFAVACA (ou manjericão) é é é

Binômio científico: Ocimun basilicum L.


Origem: Ásia tropical
Partes utilizadas: planta inteira, preferencialmente fresca (pelo óleo essencial)
Constituintes químicos:
- Taninos, flavonóides, saponinas, cânfora, óleo essencial.

Indicações terapêuticas principais


- Redutor de stress, insônia, ansiedade nervosa, tônico nervoso em casos de estafa mental,
intelectual e nervosa, má digestão por nervosismo;

Posologia

Extrato seco 2g/dia


Tintura mãe 30 a 90 ml/dia
Tintura 20% 15 a 45 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
20 g/L
Infuso ou decocto
3 xíc. ao dia

- 20g = 4 colheres de sopa da planta rasurada por litro (3 xícaras por dia = 600 ml)
- A dose para planta fresca deve ser o dobro da dose para planta seca.

Precauções
- Gestantes: o aumento da prolactina pode induzir ao parto.

Efeitos colaterais
- Possui ação galactógena, aumentando a secreção láctea e os níveis de prolactina.
- Diminui testosterona, podendo causar disfunção sexual, diminuição de pêlos. Na mulher só age
quando os níveis desse hormônio estão muito elevados.

Observações
- Seu mecanismo é desconhecido, não se sabe se ela reduz os neurotransmissores excitatórios
ou aumenta os inibitórios.
- Não causa sedação ou sonolência excessiva.

Interações
-
SISTEMAS NERVOSO

3. BOLDO é é é é

Binômio científico: Pneumus boldus M.


Origem: Andes chilenos
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Óleos voláteis, alcalóides (entre eles a boldina), taninos, terpenos, glicosídeos flavônicos.

Indicações terapêuticas principais


- Alivia casos de stress e depressão, devido à presença de um óleo estimulante do SNC, dando
disposição à pessoa;
- Melhora as funções do cérebro, contribuindo para maior clareza de pensamentos. Inclusive
segundo a MTC, ele trabalha o fígado, trabalhando o poder de decisão e a clareza dos
pensamentos;
- Atua como estimulante, porém não promove contração da musculatura esquelética excessiva,
tendo então efeito relaxante na musculatura.

Posologia

Extrato seco 50 mg/dose até 3x ao dia


Tintura mãe 5 a 10 ml/dia
Tintura 20% 2 a 5 ml/dia
Extrato fluido 1 a 3 ml/dia
2 g/xícara
Infuso ou decocto
Tomar 2x ao dia

- 2g = 1 colher de chá.
- A infusão libera o óleo que age sobre o SNC. Assim, se o efeito estimulante não for desejado,
deverá ser feita maceração a frio, a qual extrairá mais substâncias amargas (boldina).
- Para se obter o efeito estimulante (óleo) deve-se preparar a infusão e tomá-la em seguida.
- Para efeito digestivo a infusão poderá ser preparada uma única vez e ser tomado ao longo do
dia.

Precauções
- Não indicado em gestação e lactação.
- Oclusão das vias biliares e hepatopatias graves.
- Não é indicado para uso contínuo, superior a três meses.
- 150 mg em uma única dose ultrapassa a dose máxima de uma vez só (100 mg), a qual pode
provocar alucinações cromáticas e auditivas, tonturas, vômitos, diarréia e até convulsões.
- Abortiva em altas doses.

Efeitos colaterais
- Pode causar insônia.

Observações
- Não provica crise de hipertensão como outros estimulantes.
- O único boldo que está em uma farmacopéia oficial é o do Chile.
- Todos os boldos tem ação digestiva, mas apenas o boldo do Chile tem ação sobre o SNC.
Interações
- Potencializa a ação de anticoagulantes.
+ Alecrim: diminuir a dose dos dois. Para o preparo de tintura deverão ser independentes, pois as
doses são diferentes.
+ Alcachofra: diminuir a dose para ter ação colerética e colagoga.
SISTEMA NERVOSO

4. CAMOMILA é é é

Binômio científico: Matricaria chamomila ou Chamomilla recutita


Origem: Europa e algumas regiões da Ásia
Partes utilizadas: capítulos florais
Constituintes químicos:
- Cicloeteracetileno, glicosídeos flavônicos, cumarinas, colina, terpenos, ácidos graxos,
matricarina, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Indicada em casos de ansiedade nervosa e insônia;
- Depressora do SNC (ação do óleo essencial);
- Planta ansiolítica que não induz ao sono, pois diminuis os neurotransmissores excitatórios.

Posologia

Pó 2 a 8 g, 3x ao dia
Tintura 20% 1 a 5 ml/dia
Extrato fluido 1 ml/dia
50 g/L
Infuso ou decocto
2 a 3 xíc/dia, entre as refeições

- 50 g = 1 pacote
- A tintura é encontrada pronta em várias farmácias.
- Os capítulos florais não cabem em cápsulas. Utiliza-se o pó, inclusive para ser pulverizado sobre
os alientos.
- A forma mais utilizada é o infuso. No entanto a quantidade de planta também é grande, devido
aos princípios ativos estarem contidos principalmente no óleo essencial.

Precauções
- Em uso contínuo ou em doses elevadas pode causar enjôo, excitação e insônia.
- Emenagogo suave.

Efeitos colaterais
- Em pequenas doses e por curto período ela tem ação calmante, depressora do SNC. Porém, em
uso contínuo, pode ser excitante do SNC.

Observações
- Recomendado para uso descontínuo: até 15 dias. Suspender por pelo menos 5 dias.
- A quantidade tóxica é improvável devido à dose diária.
- O uso prolongado faz efeito estimulante no SNC. Isso porque a quantidade de alcalóides é
pequena e em poucas doses seus efeitos não são sentidos.

Interações
-
SISTEMA NERVOSO

5. CAPIM LIMÃO é é é é é

Binômio científico: Cymbopogon citratus


Origem: Índia
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial (citral, geranial e neral), aldeídos (como a citronela), cetonas, terpenos, etc. Nas
partes aéreas existem flavonóides e substâncias alcalóides.

Indicações terapêuticas principais


- Depressor do SNC,aumentando o tempo de sono;
- É um forte sedativo, sendo que a pessoa não é facilmente despertável. Essa ação é feita pelo
Mirceno, um analgésico e potencializador do neurotransmissor gaba-A, que combate também o
histerismo e outras afecções nervosas;
- Causa diminuição da atividade da musculatura esquelética, ou seja, da atividade motora;
- É um regulador vaso simpático;

Posologia

Tintura mãe 20 a 100 ml/dia


Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
20g/L
Infuso Tomar 4 a 5 xíc ao dia

- 5g = 1 folha fresca (comprida)


- A infusão é a forma mais indicada, pois a quantidade de tintura é muito grande.

Precauções
- Doses elevadas desta planta podem provocar hipocinesia, ataxia, bradipnéia, perda de postura,
sedação e diarréia (efeito do hidrolato).

Efeitos colaterais
- Estimulante da produção de leite. Porém, mesmo assim pode ser usado durante a gestação, por
ter ação lenta e não acelerar o parto.

Observações
- Ervas cidreiras: capim limão, lipia e melissa.
- Por ter forte poder diurético e causar sedação é difícil de trabalhar em idosos, por terem maior
dificuldade de controlar a micção.

Interações
-
SISTEMA NERVOSO

6. CATUABA é é é Sistema Nervoso


é é é é é Impotência
Binômio científico: Erythrocylom catuaba
Origem:
Partes utilizadas: cascas
Constituintes químicos:
- Catuabina (substância amarga - alcalóide), matérias aromáticas, tânicas, resinosas, gordurosas
e alcalóides.

Indicações terapêuticas principais


- Estimulante a afrodisíaco, melhorando o desejo sexual. A ação é comprovada sobre impotência,
(e não sobre o aumento da libido), aumentando a vaso dilatação nos corpos cavernosos do pênis;
- Ação na hipocondria, neurastenia, insônia de origem nervosa;
- Atua como fortificante do sistema nervoso;
- Indicado para o sono agitado por cansaço, nervosismo, instabilidade emocional, na
convalescência de moléstias graves, dificuldade de raciocínio e concentração (melhora a
irrigação);

Posologia

Extrato seco 0,4 a 2 g/dia


Pós 2 a 10 g/dia
Tintura mãe 5 a 100 ml/dia
Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

- Sob a forma de tintura e em doses muito altas, o efeito sedativo do álcool pode diminuir o efeito
estimulante da planta.

Precauções
- NÃO PODE SER USADA POR HIPERTENSOS.

- Doses elevadas levam à paralisia das fibras musculares lisas das pupilas, causando sua
dilatação (midríase), devido à presença de um alcalóide com efeitos semelhantes aos da atropina.
- Não recomendada para uso contínuo, o qual pode gerar, além de midríase, fotossensibilidade,
cefaléia e crise de enxaqueca (devido ao alcalóide).

Efeitos colaterais
-

Observações
- No sul do Brasil é encontrada principalmente na forma de pó.

Interações
- Catuaba (dia) +Tilia (a noite)
SISTEMA NERVOSO

7. GINSENG COREANO é é é é é

Binômio científico: Pfaffia paniculata


Origem: Coréia
Partes utilizadas: raiz
Constituintes químicos:
- Vitaminas A, B, C, D, E, F, K, ácido pantotênico, sais minerais como ferro, cálcio, zinco,
potássio, aminoácidos, mucilagens, saponinas, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Estimula e tonifica o organismo, eliminando a fadiga física e mental, aliviando estados de stress
e depressão;
- Melhora as funções do cérebro, contribuindo para a memória e maior clareza de pensamentos;
- Tônico para o organismo em geral, mas sem alterar o sono. Aumenta a disposição física sem
gerar insônia ou hipertensão;
- Indicada para estados de apatia, astenia;

Posologia

Extrato seco 1 g/dia


Pó 2 a 5 g/dia
Tintura 20% 5 a 10 ml/dia
Extrato fluido 1 a 2 ml/dia
Infuso ou decocto 3 g/dia

Precauções
- Não se recomenda usar com alimentos ricos em ferro, pois impedirá a sua absorção. Ou ingere-
se 1 hora antes ou 2 horas depois.

Efeitos colaterais
- Nas doses recomendadas não causa aumento da pressão arterial. Mas em doses muito baixas
sim.

Observações
- Semelhante à Pffafia, com diferença na concetração dos ativos.
- O custo do Ginseng coreano ainda é muito alto no Brasil. Por isso a Pffafia é mais utilizada.

Interações
-
SISTEMA NERVOSO

8. GUARANÁ é é

Binômio científico: Paullinia cupana


Origem: Região amazônica
Partes utilizadas: semente
Constituintes químicos:

Indicações terapêuticas principais


- Estimulante, energético, afrodisíaco, tônico;
- Indicado em casos de esgotamento, astenia, depressão nervosa, favorecendo a atividade
intelectual e combatendo a enxaqueca (cafeína);

Posologia

Extrato seco

Tintura 20%
Extrato fluido
Infuso ou decocto

- A semente é usada em forma de pó.


- Não possui doses terapêuticas por que ainda é considerado um produto alimentar, e não um
fitoterápico. Sabe-se, no entanto, que mais de 2g já é dose terapêutica.
- 2g = 1 colher de chá do pó
- Difícil encontrá-lo em tintura e extrato seco.

Precauções
-

Efeitos colaterais
- Aumenta a pressão arterial.
- Doses elevadas causam irritação gástrica e diarréia. Mas essa dose varia de pessoa para
pessoa.

Observações
- Atuação da cafeína: num processo inflamatório ocorre a diminuição do limiar de dor, pois são
necessárias mais células de defesa no local. Ocorre uma vasodilatação local juntamente com
uma pulsação local. A cafeína atuará fazendo vasoconstrição, diminuindo a dor pulsante. Deverá
ser indicado também um analgésico, a fim de diminuir o processo inflamatório.
- Com exceção do Ginseng e da Pffafia, todos os estimulantes tendem a subir a pressão arterial,
por fazerem vasoconstrição.
- Para combater enxaqueca, o medicamento tem que ter cafeína na composição, pois ela
ultrapassa rapidamente a barreira hematoencefálica.

Interações
-
SISTEMA NERVOSO

9. HIPÉRICO é é é

Binômio científico: Hypericum perforatum L.


Origem:
Partes utilizadas: folhas, flores
Constituintes químicos:
- Hipericina, flavonóides, catequinas, fitosteróis, vitaminas C e P, óleo essencial, taninos, resinas,
pectinas, carotenos, saponinas, princípios amargos.

Indicações terapêuticas principais


- Antidepressivo, confuncido como calmante do SNC*;
- Usado em tratamento da depressão leve a moderadamente grave;
- Indicado na ansiedade, tensão nervosa, menopausa e ciática;
- Propriedade analgésica: ansiedade excessiva causa dor;

Posologia

Extrato seco 300 a 900 mg/dia


Pó 2 a 4 g/dia
Tintura 20% 10 a 20 ml/dia
Extrato fluido 1 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 2 a 4 ml/dia

Precauções
- A tolerância à dosagem é maior que a dependência, o que pode fazer com que as dosagens
sejam aumentadas rapidamente.
- Devido à presença das furanocumarinas, pode causar fotossensibilidade e hepatotoxicidade.
- Não pode ser usado para depressão pós-parto, pois as furanocumarinas passam através do
leite.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Um dos mais potentes antidepressivos.
- Conhecido como Erva de São João.
- Vendido sob "orientação médica".
- * Existem pessoas depressivas que ficam apáticas e outras ficam nervosas. No último caso, ao
tratar a depressão ocorrerá melhora também da irritação, dando a falsa impressão que o
medicamento é calmante. Ao contrário, se o paciente for agitado e não tiver depressão, este
medicamento pode piorar o quadro.

- Tratamento médio: 6 meses.


A longo prazo poderá causar dependência.
O tratamento precisa de pelo menos 3 meses para ser retirado (inclusive se causar efeitos
indesejados), o que pode ser feito de dois modos: diminuindo a dose progressivamente ou
alternando os dias e diminuindo progressivamente.
- 3é: por ter um uso bem específico.
- Mostrou atividade como inibidor da MAO.

Interações
-
SISTEMA NERVOSO

10. KAWA-KAWA é

Binômio científico: Piper methysticum


Origem:
Partes utilizadas: planta toda
Constituintes químicos:
- Cavalactonas

Indicações terapêuticas principais


- Indicada nos estados de ansiedade leve, devido a várias causas, mesmo que desconhecidas
(ação inibitória);
- Para casos de tensão e agitação;
- Possui propriedades relaxantes e atenuantes do stress;
- Auxiliar nos casos de insônia e tensão muscular;
- Bloqueia a MAO (monoaminaoxidase, enzima que faz degradação sobre os neurotransmissores
excitatórios);

Posologia

Extrato seco 250 mg a 1 g/dia


Pó 2 a 5 g/dia
Tintura 20% 20 a 60 ml/dia
Extrato fluido 5 a 10 ml/dia

- SEU USO TERAPÊUTICO NÃO É INDICADO.

Precauções
- Por ter ação inibitória e estimulante pode causar muita oscilação no paciente. Por essa razão é
indicada apenas para diminuir os sintomas da crise de abstinência em dependes químicos de
drogas excitatórias: oscila entre a diminuição do excitatório e a atuação sobre irritação e
agressividade.
- Planta muito hepatotóxica: tratamento máximo de 40 dias (período que trata os sintomas da
abstinência, mas não trata a depressão).

Efeitos colaterais
-

Observações
- Estudos indicam que ele ação anticancerígena e outros que tem potencial cancerígeno.
- Não se sabe o que o uso desorientado pode gerar, sendo o risco muito alto.
- Nunca usar com álcool, pois serão dois agentes inibitórios.

Interações
-
SISTEMA NERVOSO

11. LIPIA é é é é é

Binômio científico: Lippia alba


Origem: Chile e Argentina
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Ácido valeriânico, sesquiterpenos, óleo essencial, etc.

Indicações terapêuticas principais

- Estimulante e antidepressiva nos casos de depressão e angústia, inclusive depressão pós-parto;


- Tem citral (hipotensor), mas tem também um flavonóide que aumenta a liberação de serotonina,
o qual não tem no Capim limão e na Melissa;

Posologia

Óleo essencial Máx. 3 gts/3x ao dia


Tintura mãe 10 a 100 ml/dia
Tintura 20% 5 a 50 ml/dia
5 a 20 g/L
Infuso ou decocto
3 xíc ao dia, após refeições

- Cápsula não é a melhor forma de uso, pois em pó perde-se mais rapidamente o óleo essencial.
- O infuso deve ser tomado logo após o preparo, devido ao óleo essencial.
- O tempo de ação é de 6 horas, demorando em torno de 15 minutos para ter efeito do óleo
essencial.

Precauções
- Doses elevadas podem causar bradicardia, hipotensão e irritação gástrica.
- Não existem estudos contra-indicando o uso contínuo, a não ser a acomodação com a dose.
Assim, pode-se usá-lo por três meses e dar um intervalo. Mas é, possivelmente, a planta
antidepressiva que cause menos dependência.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Ervas cidreiras: capim limão, lipia e melissa.
- A lipia é antidepressiva, enquanto o capim limão e a melissa são depressores do SNC.
- O seu princípio está contido no óleo, podendo ser usado até como desodorizador de ambiente.
- Possui flores de cor lilás.

Interações
- Pode ser usada conjuntamente com antidepressivo alopático. Nenhum outra planta pode ser
usada assim, pois gera síndrome serotoninérgica (excesso de serotonina).
SISTEMA NERVOSO

12. MACELA é é é é é Fibromialgia


é é é Insônia e SNC
Binômio científico: Achyrodine satureoides L
Origem: América do sul, cresce em todo Brasil, exceto na região Amazônica
Partes utilizadas: inflorescências
Constituintes químicos:
- Flavonóides, óleo essencial, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Relaxante muscular e sedativo do SNC, por potencializar os neurotransmissores inibitórios;
- Propriedades colinolíticas e miorrelaxantes: é anti-colinérgica, ou seja, bloqueia a ação das
colinas, sendo então relaxante;

- No sistema osteomuscular atua como relaxante muscular, sendo o melhor entre os fitoterápicos;

Posologia

Tintura mãe 2 a 8 ml/dia


Tintura 20% 1 a 4 ml/dia
10 g/L
Infuso ou decocto
3 a 4 xíc ao dia

- 10 g = 5 colheres de sopa
- Não dá para encapsular porque o volume é muito grande.
- O infuso deve ser tomado logo após o preparo, devido ao óleo essencial.
- Durante o dia, para não gerar sonolência excessiva, trabalha-se com pequenas doses de tintura
ao longo do dia (1 ml pela manhã e 1 ml depois do almoço). A noite pode-se trabalhar com uma
dose maior, como 2 ml.
- No caso de interação com um fitoterápico analgésico, pode-se aumentar a dose deste durante o
dia e reduzir a noite.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Pode ser orientada para enjôos de gestante, diferentemente do gengibre.

Interações
- Fibromialgia: planta de escolha junto com mulungu, por serem depressores do SNC.
Macela=miorelaxante, Mulungu=analgésico;
SISTEMA NERVOSO

13. MARACUJÁ / PASSIFLORA é é é é

Binômio científico: Passiflora quadranguares


Origem:
Partes utilizadas: planta toda
Constituintes químicos:
- Alcalóides indólicos (passiflorina entre outros), glicosídeos cianogênicos, álcoois, ácidos, gomas,
resinas e taninos.

Indicações terapêuticas principais


- Forte depressor do SNC, resultando em uma ação sedativa, tranquilizante e antiespasmódica
sobre os órgãos de musculatura lisa;
- Possui efeito analgésico, sendo empregado em nevralgias;

- Indicado em casos de neurastenia, neuroses devido a excesso de trabalho, perturbações


neurovegetativas da meno e andropausa, ansiedade proveniente de alterações hormonais,
histeria, nevralgias, insônia, palpitações e taquicardia, no esgotamento, stress, ataxia locomotora,
impotência sexual, depressão nervosa;
- Pode ser usada para tratar ansiedade em crianças.

Posologia

Pó 1 a 2g/dia - Máx. 500 mg/dose


Tintura mãe 10 a 20 ml/dia
Tintura 20% 2 a 10 ml/dia
Extrato fluido 0,5 a 2 ml/dia
Infuso ou decocto 2 g/dia

- A concentração de princípios nas folhas chega a ser 10x menor que na polpa. Assim, o suco
poderá ser usado para crianças (2x ao dia), mas para adultos não.
- Acima de 500 mg/dose poderá causar sedação excessiva durante o dia. A noite, no entanto,
pode chegar até 1g a dose.
O infuso não é recomendado, pois com o aquecimento liberará ácido cianídrico, o qual impede a
entrada de O2 na mitocôndria, gerando toxicidade celular, por acumularem CO2).
- Na decocção o ácido cianídrico evapora completamente. No entanto, em altas temperatura os
flavonóides oxidam, diminuindo muito os efeitos terapêuticos.
- Melhor forma de uso: tintura e pó.
Fruto: adulto > 4 a 5 / crianças > 1 a 2.

Precauções
- Os flavonóides causam vaso dilatação, podendo gerar quadros de hipotensão e sono.
- Em doses altas, a raíz, que contém altos índices de passiflorina, poderá levar à quadros de
vômitos, convulsão e morte.

Efeitos colaterais
-

Observações
- De todos os depressores, é o único que não causa dependência física, nem psíquica.
- Passiflora alata (azedo): o qual deve ser colocado na prescrição
- Passiflora incarnata (doce): farmacopéia americana
- Passiflora quadrangulares: não tem no Brasil

Interações
-
SISTEMA NERVOSO

14. MARAPUAMA é é é

Binômio científico: Ptychopetalum olacoides B.


Origem: amazônica
Partes utilizadas: raízes
Constituintes químicos:
- Alcalóide marapuamina 0,05%, matérias resinosas ricas em ácidos orgânicos e taninos, traços
de óleo essencial, esteróis, álcool triterpênico e lupeol.

Indicações terapêuticas principais


Sistema nervoso
- Estimulante suave ou tônica do sistema nervoso;
- Usada na depressão nervosa e esgotamento físico e mental;
- Faz liberação de noradrenalina, sendo planta de escolha para paralisias faciais devido à stress;
Sistema osteomuscular
- Tônico muscular de uso nas paralisias parciais, fraqueza de movimentos, ataxia locomotora;

Posologia

Extrato seco até 200 mg/dia em dose máx de 50 mg


Pó até 2 g/dia em dose máx. de 0,5 g
Tintura 20% até 10 ml em doses máx. de 2,5 ml/dia
Extrato fluido até 2 ml em doses máx. de 0,5 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

Precauções
- Hipertensos: indicada para pacientes que tiveram AVC, mas que tem a pressão controlada,
ajudando inclusive como estimulador da contração da musculatura (mesmo em casos crônicos).

Efeitos colaterais
- Aumenta pressão arterial.

Observações
-

Interações
-
SISTEMA NERVOSO

15. MELISSA é é é é

Binômio científico: Melissa officinalis


Origem: Europa e Ásia
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, álcoois, sesquiterpenos, ácidos fenólicos, taninos, glicosídeos flavônicos e
matérias resinosas.

Indicações terapêuticas principais


- Calmante (através do citral), causa sonolência (mas a pessoa fica despertável);
-Equilibra as emoções e o sistema nervoso;
- Tranquilizante e sonífero;
- Analgésica;
- Indicada em nevralgias, crises nervosas, melancolia, histerismo, depressão, dores de cabeça,
taquicardia e hipertensão de origem nervosa;
- Na MTC é tida como planta feminina, aflorando as emoções com muita facilidade. Libera
opressão no peito através do choro. Trabalha a criança interior, trazendo alegria de viver. A
pessoa se acalma, externando as emoções;

Posologia

Pó 0,6 a 1,2 g/dia


Tintura mãe 4 a 10 ml/dia
Tintura 20% 2 a 5 ml/dia
Extrato fluido 1 a 6 ml/dia
2g /xíc
Infuso ou decocto
2 a 4 xíc ao dia

- 2 g = 1 colher de chá da folha seca ou 4 folhas frescas

Precauções
- Doses elevadas podem causar entorpecimento, hipotensão e bloqueio respiratório.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Ervas cidreiras: capim limão, lipia e melissa.
- Flor amarela ou esbranquiçada.
- Menos sedativa que o capim limão, porém é mais hipnótica. Induz ao sono, mas a pessoa fica
despertável.

Interações
-
SISTEMA NERVOSO

16.MULUNGU é é é é é

Binômio científico: Erytrina mulungu


Origem: Brasil
Partes utilizadas: casca
Constituintes químicos:
- Alcalóides, glicosídeos e esteróides.

Indicações terapêuticas principais


- Asma, bronquite, coqueluche e tosses de origem nervosa.
- Depressor do SNC: seus alcalóides atuam no sistema nervoso central, causando bloqueio neuro
muscular e relaxamento dos músculos lisos das vias aéreas, facilitando a respiração.
- Não induz ao sono. Potencializa glicina, responsável pela manutenção do sono REM. Assim é
indicado para quem tem dificuldade em manter o sono, e não para quem tem dificuldade em
iniciá-lo;
- Sedativo e tranquilizante, devendo ser preferencialmente utilizado no período noturno.

Posologia

Tintura 20% 10 a 20 ml/dia


Extrato seco 300 a 500mg/dia
Extrato fluido 1 a 4ml/dia
2 g/100ml
Infuso
Tomar 1 a 2 xícaras ao dia

- 2 g = 1 colher de chá
- 1/2 dose de Mulungu durante o dia equivale à dose máxima de Passiflora.
- Para hiperatividade infantil poderão ser usadas dosagens menores.

Precauções
- As sementes da planta são tóxicas.
- Uso: 3 a 6 meses.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Sua ação dura aproximadamente 6 horas, demorando 1 hora para iniciar seu efeito.
- Não causa sonolência ao longo do dia pois não induz ao sono.

Interações
- Fibromialgia: planta de escolha junto com mulungu, por serem depressores do SNC.
Macela=miorelaxante, Mulungu=analgésico;
(Plantas miorelaxantes: Macela, Lípia, Tília)
(Plantas analgésicas: Mulungu, Garra do diabo, Unha de gato)
SISTEMA NERVOSO

17. NOZ DE COLA é

Binômio científico: Cola nitida (Vent.) A. Chev syn. Cola Vera K. Schum
Origem:
Partes utilizadas:
Constituintes químicos:
- Cafeína

Indicações terapêuticas principais


- Tônico e estimulante do SNC (cafeína);
- Promove um aumento da capacidade física e intelectual;
- Indicada nos casos de suprimento energético, decorrente de desgaste físico e mental provocado
pelo stress, excesso de trabalho e todas as situações de grande gasto de energia;

Posologia

Extrato seco

Tintura 20%
Extrato fluido
Infuso ou decocto

- SEU USO TERAPÊUTICO NÃO É INDICADO.

Precauções
- Altas doses podem causar excitação exacerbada do SNC, diarréia e depressão posterior ao
quadro de excitação nervosa.
- Em pequenas doses causa constipação (taninos).

Efeitos colaterais
-

Observações
- Diurético.
- A coca-cola é feita do extrato de Noz de cola;
- Cafeína + ácido clorídrico melhoram a digestão.

Interações
-
SISTEMA NERVOSO

18. PFFAFIA ou GINSENG NACIONAL é é é é é

Binômio científico: Pfaffia paniculata


Origem:
Partes utilizadas: raiz
Constituintes químicos:
- Vitaminas A, B, C, D, E, F, K, sais minerais como ferro, cálcio, zinco, potássio, aminoácidos,
ácido pfáfico, mucilagens, saponinas, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Estimula e tonifica o organismo, eliminando a fadiga física e mental, aliviando estados de stress
e depressão (inclusive depressão pós-parto;
- Melhora as funções do cérebro, contribuindo para a memória e maior clareza de pensamentos;
- Tônico para o organismo em geral, mas sem alterar o sono. Aumenta a disposição física sem
gerar insônia ou hipertensão;
- Indicada para estados de apatia, astenia;
- Indicada para regularizar o ciclo biológico, devendo para isso ser administrada durante o dia,
pois a noite tira o sono.

Posologia

Extrato seco 2 g/dia


Pó 5 a 10 g/dia
Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
5 g/500ml
Decocto
Tomar esta dose ao dia

- Melhor forma de uso é o extrato seco.

Precauções
- Não se recomenda usar com alimentos ricos em ferro, pois impedirá a sua absorção. Ou ingere-
se 1 hora antes ou 2 horas depois.

Efeitos colaterais
- Nas doses recomendadas não causa aumento da pressão arterial. Mas em doses muito baixas
sim.

Observações
- Podem ser usadas outras espécies de Pffafia que também atuam no sistema digestório.
- O custo do Ginseng coreano ainda é muito alto no Brasil. Por isso a Pffafia é mais utilizada.

Interações
-
SISTEMA NERVOSO

19.TILIA é é é

Binômio científico: Tilia cordata


Origem:
Partes utilizadas: inflorescências novas (com menos de 1 ano)
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, flavonóides, mucilagens, sais de magnésio, taninos, acúcares, cumarinas,
hesperidina, ácidos fenólicos, saponinas, vitamina C.

Indicações terapêuticas principais


- Sedativa do SNC (Potencializa Gaba-A), relaxante muscular, tranquilizante em casos de
agitação nervosa, melancolia e cansaço;
- Lenitiva: deixa a pessoa em estado letárgico, "mole", devagar, relaxando a musculatura e
causando até uma baixa na pressão arterial. Porém não altera o sono;
- Indicada para os casos em que o cansaço é tão grande que a pessoa não consegue dormir;

Posologia

Tintura mãe 2 a 4 ml/dia


Tintura 20% 1 a 2 ml/dia
Extrato fluido 0,5 a 1 ml/dia
2 a 44 g/L
Infuso ou decocto
Tomar 4x/dia

Precauções
- Cardíacos e pacientes com arritmia não devem fazer uso constante dessa planta: altera o fluxo
sanguíneo e os batimentos cardíacos.
- Usar de 15 em 15 dias, pois tende a acumular-se no organismo.
- Altas doses podem provocar náuseas.

Efeitos colaterais
- Sudorese.

Observações
- Menos sedativa que o Capim limão e a Macela.
- As inflorescências mais velhas tem um potencial de toxicidade maior, provocando sintomas
como irritação dérmica e ocular).
- A tintura e o extrato fluido vem padronizado, sendo então possível garantir que foram feitos com
inflorescências novas.
- As folhas da Tilia platyphyllos S. possui as mesmas propriedades da Tilia cordata.

Interações
- Tilia + Macela (Unha de Gato, Garra do Diabo): efeito analgésico, sendo muito bom para
fibromialgia
SISTEMA NERVOSO

20. VALERIANA é é é é é

Binômio científico: Valeriana officinalis


Origem:
Partes utilizadas: raízes e rizomas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, valeranona, alcalóides, valerina, ácido valeriânico, ácido málico, taninos,
enzimas, matérias resinosas, ácidos graxos (palmítico, oléico, linoléico, linolênico), etc.

Indicações terapêuticas principais


- Sedativa e depressora do SNC, onde atenua a irritabilidade nervosa, melhora a coordenação e
reduz ansiedade;
- Indicada em casos de insônia severa, stress forte, depressão e patologias que causam dor,
cansaço e esgotamento;
- Antiespasmódica e anestésica;
- Potencializa Gaba-A;
- Atua no início do sono;

Posologia

Pó 2 a 10 g/dia > 500 mg/dose


Tintura mãe 20 a 40 ml/dia
Tintura 20% 10 a 20 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

- O ácido valeriânico tem odor desagradável, sendo a melhor forma de uso em cápsula.
- 2 cápsulas devem ser tomadas com intervalo mínimo de duas horas.

Precauções
- Em altas doses ou uso prolongado pode deprimir demais o SNC, podendo causar parada
respiratória.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Tem potencial para substituir medicamentos como Frontal e Rivotril.

- Gaba atua no início do sono. Glicina atua no sono REM. Não existe planta que atue nos dois,
mas estimulando-se muito o Gaba, o sono ficará mais prolongado e a pessoa acordará sonolenta.

Interações
- Por atuar no início do sono pode ser associada ao Mulungu, devendo ser tomada 1h antes de
dormir.
SISTEMA CIRCULATÓRIO

1. ABACAXI é é é

Binômio científico: Ananás sativus


Origem: Brasil
Partes utilizadas: caule e fruto (principal)
Constituintes químicos:
- Ácidos orgânicos, sais minerais e enzimas proteolíticas (bromelina)

Indicações terapêuticas principais


- Antioxidante: por conter vitamina C. Previne o envelhecimento celular, o qual prejudica o corpo
todo, mas principalmente o sistema circulatório, podendo gerar até hipertensão;
- Redutor de colesterol (atua reduzindo a agregação plaquetária). Ele não fica sobre a parede do vaso,
mas dentro dela, diminuindo a luz do vaso. O sangue então passa por ali e detecta a área reduzida
como um defeito na parede do vaso, estimulando a agragação plaquetária como um processo de
cicatrização no local.

Posologia

Pó (caule) 0,7 a 1,4g/dia


*Fruto 500g/dia

- 500g de fruto têm um alto índice glicêmico, podendo gerar oscilações nas taxas glicêmicas.
- Poderá ser usado na forma desidratada, cerca de 200g ao dia em aproximadamente 600ml de água, na
forma de chá.

Precauções
- Por sua acidez, pode provocar afta, esofagite, gastrite, etc.
- Desaconselhável durante a gravidez e doenças de pele como psoríase e eczema.

Efeitos colaterais
-

Observações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

2. ALECRIM é é é

Binômio científico: Rosmarinus officinalis


Origem:
Partes utilizadas: folhas e sumidades floridas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial, cânfora, diterpenos, saponinas, princípios amargos e taninos, flavonóides...

Indicações terapêuticas principais


- Tônico geral da circulação sanguínea e do SNC;
- Aumenta a irrigação periférica e a pressão arterial (hipertensor);
- Estimula a circulação local, facilitando inclusive a absorção de outros ativos, como de cremes
sobre a pele, e alivia dores;

Posologia

Extrato seco 2/dia


Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5g de folha/L

- 5g = 10 colheres de sopa (a folha é muito leve).


Utilizar proporcional por xícaras: 2 col/xíc, 4 xíc ao dia.
- Pode ser utilizado em gargarejo, chás e anti-séptico.
- O infuso, além de ter odor forte, pode provocar náuseas.
Deve ser tomado logo após ao preparo, pois contém óleo essencial.

Precauções
- Hipertensos: atua na parede dos vasos, aumentando a irrigação periférica e a pressão arterial.
- Gestantes: pode ser abortiva em altas doses.
- Doses elevadas podem provocar gastrite, enterite, nefrite (até sangue na urina).
- Estimulante do SNC: pode provocar perda de sono.
- No escalda-pés, é recomendado abafar para que a pessoa não inale o vapor e sinta a propriedade
estimulante antes de dormir.

Efeitos colaterais
- Pode causar hiperemia local, resultante do aumento da circulação local.

Observações
- Por conter óleo essencial, o local de armazenamento interfere na sua qualidade.
- O efeito é bom, mas o número de hipertensos é muito maior que dos hipotensos.

Interações
- Alecrim + aveia + cola + verbena: nas depressões.
- Alecrim + sálvia + gelsemiun + valeriana: nas dores de cabeça.
SISTEMA CIRCULATÓRIO

3. ALHO é é é é é

Binômio científico: Allium sativum


Origem: cresce espontaneamente na Sicilia, em muitos pontos da Europa e do Brasil
Partes utilizadas: bulbo
Constituintes químicos:
- Alicina...

Indicações terapêuticas principais


- Hipotensor e diminuidor da agregação plaquetária (muito mais potente que o abacaxi);
- Antioxidante;
- Redutor de colesterol e glicemia.

Posologia

Alho fresco 4g/dia


Bulbo seco 2 a 4g/dia
Tintura 20% 2 a 4 ml/dia
Óleo alho 0,03 a 0,12 ml, 3x ao dia
2 a 3 dentes amassados por xícara
Infuso ou decocto
Tomar por 3 semanas

- 4g = 3 dentes
- Para a ingestão do óleo é indicado começar o tratamento com 2 cápsulas ao dia (dose
intermediária).
- Infuso (+/- 90°): amassar o alho em um recipiente, liberando mais óleo, e verter a água quente
sobre ele.
- Crianças devem utilizar somente doses pequenas e diluídas.

Precauções
- Anticoagulante: cuidado com pessoas que sofrem de hemorragias, antes da menstruação, antes de ir
ao dentista, hemorróidas superficial...
- Compostos sulfídricos: derivados do enxofre, são substâncias que provocam a formação de gases,
além de serem irritantes das paredes gastrointestinais.
- Pessoas com hemorragia ou recém operadas do trato digestório devem evitar.
- Passa pelo leite materno.
- Uso crônico e doses excessivas podem ocasionar diminuição da produção de hemoglobina e lise dos
erirócitos.
- Potencializa os efeitos dos anticoagulantes e agentes anti-plaquetários.
- Ingerir após alimentação a fim de evitar irritação gástrica.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Temperaturas altas (>60°) degradam os princípios ativos.

Interações
- Alho + Lobélia: para tratar bronquite e asma.
- Alho + Equinácea: Para combater atividade viral.
SISTEMA CIRCULATÓRIO

4. ANGÉLICA é é é é

Binômio científico: Angelica sinensis


Origem:
Partes utilizadas: raiz
Constituintes químicos:
- Raiz contém óleo essencial, ácido angélicos e cumarinas;
- Semente: óleo essencial, óleo graxo, cumarinas, furocumarinas, princípios amrgos.

Indicações terapêuticas principais


- Previne espasmos (contração involuntária, fora do ritmo), diminuindo a entreda de cálcio nas células.
Indicado para cólicas, arritmias cardíacas;
- Reduz a formação de coágulos, mas não dissolve os já formados. O bom é que não corre o risco de
deslocar algum existente, pois não aumenta o fluxo sanguíneo.
- Relaxa os vasos sanguíneos periféricos (vasodilatação), reduzindo a pressão nos vasos;
- Regulador do ritmo cardíaco, indicado paa vertigens, onde há dificuldade de irrigação cerebral.

Posologia

Extrato seco Até 1g/dia (2 cápsulas/dia)


Pós Até 4g/dia
Tintura mãe 5 a 10ml/dia
Tintura a 20% Até 5m/dia
Infuso ou decocto 5g/dia

- Extrato seco ou tintura a 20% são os meios mais comuns de utilização.


- 5g = 1 colher de sobremesa

Precauções
- Alguns autores não recomendam o seu uso por conter furanocumarinas, compostos
fototóxicos e mutagênicos.
- O manuseio das folhas verdes pode causar dermatite de contato.
- Pela presença de furanocumarinas é indicado o uso de protetor solar.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Ação hormonal: regula os níveis de estrogênio no organismo, sendo indicado para endometriose,
ovário policístico, pré-menopausa.
- É a 3ª planta mais utilizada pela MTC, perdendo apenas para o Ginkgo e Ginseng.

Interações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

5. ANGICO é é

Binômio científico: Piptadenia colubrina


Origem:
Partes utilizadas: casca e goma
Constituintes químicos:
- Casca: alcalóide, esteróides, flavonóides, taninos, triterpeno e componentes fenólicos.

Indicações terapêuticas principais


- Cicatrizante por potencial hemostático (cortes são portas de entrada para microorganismos, ex:
hemorróidas);
- Forte ação hemostática nas hemorragias uterinas, dismenorréia, metrorragias e hemorragias em geral.
Taninos tendem a precipitar macromoléculas, o que faz aumentar a coagulação (diminuindo a
hemorragia).

Posologia

Pó 5g/dia
Tintura 20% 2 a 50 ml/dia
Extrato fluido 1 a 10ml/dia
Decocção 5g/dia

- 1ml = 20 gotas
- 25ml/dia é a dose máxima recomendada para crianças.
- Tomar a tintura ou o extrato e depois ingerir bastante água, pois amarra a boca.
- Não usar via oral em pó, pois pela grande presença de taninos, amarram a boca.

Precauções
- Anêmicos: devido à presença de cumarinas, diminui o número de glóbulos vermelhos.
- Diarréico: possui muito tanino, podendo causar também adstringência.
- As sementes são tóxicas, causando parada cardíaca e respiratória.
- Para hemorróidas o tratamento não pode ser oral, pois o tanino causa constipação, exigindo ainda
mais força ao evacuar. O tratamento deve ser local.

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

6. ARNICA é é é

Binômio científico: Arnica montana L.


Origem:
Partes utilizadas: rizomas e flores
Constituintes químicos:
- Glicosídeos flavonóides, polissacarídeos, óleos voláteis, taninos e resinas.

Indicações terapêuticas principais


- Antiinflamatória e antiinfecciosa (para bactérias e fungos);
- Indicada para contusões, machucaduras, pancadas, quedas, torceduras, calos machucados, frieiras
pruriginosas, reumatimo pelo frio e umidade, rachaduras do bico do seio.

Posologia

Tintura mãe 5 a 10ml/dia


Infuso ou decocto 5g/dia

- 5g de flor = 3 colheres de sopa


- 5g de rizoma = 1 colher de sopa
- A tintura officinalis não é indicada, sendo a grande causadora das contra-indicações.
- Da tintura mãe pode-se fazer uso interno, pois é bem diluída, com diluição homeopática. Não precisa
ser retirada antes de cirurgia.
- Infuso ou decocto: umedecer um algodão ou algo semelhante para fazer uso.

Precauções
- No uso como cicatrizante do bico do seio deve-se atentar para a higienização do seio antes
do bebê mamar.
- O uso em excesso (+ 10 dias) poderá causar eritema e queimação (tópico), além de
náuseas, vômitos, taquicardia, hepatotoxidez e depressão (interno).

Efeitos colaterais
-

Observações
- Arnica montana: quase não tem no Brasil; utilizam-se flores e rizomas.
- Arnica do mato: utilizam-se as folhas.

Interações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

7. CACTUS (FLOR DA NOITE) é é é

Binômio científico: Cactus grandiflorum L.


Origem:
Partes utilizadas: flores
Constituintes químicos:
- Glicosídeo semelhante ao digital cactina ou hordenalina, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Cardiotônico: aumenta a força de contração do músculo cardíaco, sendo indicado para quadros de
angina ou congestão cardíaca. Ele dá conta de um volume maior do sangue, mesmo sem aumentar a
frequência dos batimentos;
- Não se acumula no organismo, sendo indicado nas perturbações cardíacas consequentes
do abuso do álcool, café, chá, fumo (substâncias que podem causar vasoconstrição;
- Em perturbações cardíacas tem efeito análogo ao da digitalis (medicamentos digitálicos >
digoxina > cardiotônico alopático);
- Indicado nas perturbações circulatórias e da menopausa. Nos distúrbios do climatério, no
entanto, atua apenas nos sintomas. Por isso é indicada para aquelas que já fazem reposição hormonal e
mesmo assim continuam com os "calorões".

Posologia

Extrato seco 500 mg/dia


Tintura mãe 2 a 10 ml/dia
Tintura a 20% 1 a 5 ml/dia
Extrato fluido 1 a 2 ml/dia
Infuso ou decocto 0,5% /dia

Precauções
- Evitar na gestação e amamentação, pois ultrapassa a barreira placentária.

Efeitos colaterais
- Faz subir a pressão arterial.
- O uso em excesso do cardiotônico pode fazer o coração contrair e não relaxar mais.

Observações
-

Interações
- Pode potencializar medicamentos digitálicos.
SISTEMA CIRCULATÓRIO

8. CARQUEJA é é é é

Binômio científico: Bacharis trimera Less ou Bacharis genistelloides Person


Origem: América do Sul
Partes utilizadas: planta toda, principalmente partes aéreas
Constituintes químicos:

- Óleos essenciais, lactonas diterpênicas, flavonóides, resina, saponinas, baccharonina, vitaminas.

Indicações terapêuticas principais


- Hipoglicemiante, redutora de colesterol e triglicérides;
- Coadjuvante na hipertensão por sua propriedade diurética;
- Ação colagoga: aumenta a produção de ácidos biliares no fígado;
- Ação colerética: aumenta a eliminação dos ácidos biliares armazenados na vesícula biliar
para o duodeno;

Posologia

Pós Até 0,5g/dia


Tintura mãe 5 a 25 ml/dia
Tintura 20% 1 a 10 ml/dia
Extrato fluido 1 a 5ml/dia
2,5g/100ml
Infuso ou decocto
Tomar de 50 a 200ml/dia

- 5g = 2 colheres de sopa
- No caso de infusão ou decocção, o ideal é tomar logo após o preparo e de preferência a noite.

Precauções
- Hipocalemia (perda excessiva de potássio): um atleta desidratado pode ter caimbras e formação de
ácido lático, devido a sua ação diurética.
- Tomar por 3 meses e então dar um intervalo de 15 dias para retomar o tratamento.
- Devido à ação diurética pode diminuir a pressão.
- Para quem não tem a vesícula poderá causar diarréia, pois todo o ácido biliar produzido será lançado
diretamente no duodeno.
- Em caso de gastrite deverá ser utilizada após a refeição.

Efeitos colaterais
-

Observações

Interações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

9.CASTANHA DA ÍNDIA é é é é é

Binômio científico: Aesculus hippocastanum L.


Origem:
Partes utilizadas: sementes
Constituintes químicos:
- Saponinas triterpênicas, flavonóides, heterosídeos cumarínicos, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Tratamento da insuficiência venosa, e não arterial, sendo indicada para caimbras dos membros
inferiores, sensação de peso, inchaço, dores, coçeiras;
- Útil no tratamento das varizes (varicozes, dilatação de vaso arterial, linfático ou venoso), fragilidade
capilar, hemorragias nasais, manchas hemorrágicas e hemorragias;
- Saponinas: irritante da mucosa, podendo gerar a formação de muco para proteger o local;
- Estimula os linfonodos a eliminarem toxinas dos canais linfáticos, podendo então ser
considerada um descongestionante do sistema linfático, o que consequentemente melhora a imunidade
do organismo;

- Flebite (inflamação da parede vascular): uso tópico para melhorar a circulação local. O uso interno é
proibido nesse caso pois poderá aumentar a pressão interna do vaso e ele romper no local da lesão;
- Varicozes: aumenta a tonicidade das veias, diminuindo o aparecimento de varicozes;
- Edemas pós-operatório: acúmulo de sangue venoso;
- Hemorróidas: aumenta a resistência das veias anais;
- Antiespasmódica: indicada para cólicas.

Posologia

Extrato seco 100 a 400 mg/dia


Tintura mãe 5 a 10 ml/dia
Tintura a 20% 1 a 5 ml/dia
Extrato fluido 1,5 a 2 ml/dia
Infuso ou decocto 5g /dia

- Para o tratamento de insuficiência venosa deve ser utilizada de 15 a 30 dias. Com a melhora, deve-se
substituir o uso do medicamento por ações de mudança de hábito como exercício físico, manter as
pernas levantadas sempre que possível, etc.
- Pela ação das saponinas o decocto fica com gosto de sabão.
- O extrato seco é o mais utilizado, mas a tintura também é possível.

Precauções
- A saponina aumenta a produção de ácido clorídrico e por isso a castanha da Índia deverá
ser consumida com o estômago cheio.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Sua maior ação é no sistema cardiovascular.
- O surgimento de varicozes pode ser um sinal de dificuldade venosa, pois são novos capilares surgindo
para melhorar a circulação.

Interações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

10. CEBOLA é é é é

Binômio científico: Alium cepa


Origem: a maioria dos botânicos aponta a Ásia central
Partes utilizadas: bulbos
Constituintes químicos:
- Flavonóides...

Indicações terapêuticas principais


- Hipotensora (faz vaso dilatação) e diurética;
- Diminui a agregação plaquetária nas artérias e diminui a formação de trombos nas veias;
- Reduz o colesterol.

Posologia

Extrato seco 0,6 a 1,2g/dia


Tintura 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Infuso Até 5g/dia

- Difícil de se encontrar em cápsulas;


- Seu chá não é bem aceito pela população.

Precauções
- Em altas doses poderá agravar a hipercloridria (excesso de ácido clorídrico no estômago) e gases
intestinais.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Difícil de ser encontrada em cápsulas, ao contrário do alho.
- É mais hipotensora que o alho. No entanto só é encontrada na forma de chá.
- As válvulas frouxas as vezes são entendidas pelo corpo como "defeitos" e então o sangue coagula
neste local para fazer a cicatrização.

Interações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

11. CELIDÔNIA é é

Binômio científico: Chellidonium majus


Origem:
Partes utilizadas: folhas, seivas e raízes
Constituintes químicos:

- Contém mais de 30 alcalóides, ácido celidônico, rutina, histamina, flavonóides, ácido caféico, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Regulador e normalizador do colesterol e circulação: não reduz, mas impede que aumente;
- Hipotensor leve;
- Atividade imunorreguladora, no entanto ainda não são conhecidos os mecanismos desta ação;
- Atividade antineuplásica sobre alguns tipos de CA;

Posologia

Tintura mãe 5 a 10 ml/dia (com a folha)


Tintura a 20% 1 a 5 ml/dia
Infuso ou decocto 1g /dia

- 1g = 2 colheres de chá da folha seca.


- O pó e o extrato seco raramente são encontrados no Brasil.
- O infuso pode ser feito com a folha seca rasurada.

Precauções
-

Efeitos colaterais
- Altas dosagens poderão causar sensação de queimação na boca e garganta, vômitos,
diarréia, narcose (processos alucinógenos) e, em casos extremos, coma.

Observações
- Única planta que tem autorização na Europa para atividade antineuplásica.

Interações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

12. CENTELLA é é é é é

Binômio científico: Centella asiatica L.


Origem:
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Ácido asiático, tânico e medecássico, saponídeos triterpênicos, velarina, óleo essencial.

Indicações terapêuticas principais


- Estimula a lipólise, além de ter uma substância pré-formadora de colágeno e elastina, estimulando
então a formação de ambos;
- Ação antiinflamatória (maior que a da castanha da Índia, porém menor que a da Unha de Gato);
- Melhora a circulação de retorno venoso e diminui o edema nos membros inferiores;
- Aumento do tonus venoso (ação dos flavonóides).

Posologia

Pós 0,7 a 1,4 g/dia


Tintura mãe 5 a 10 ml/dia
Tintura a 20% 1 a 5 ml/dia
Infuso ou decocto máximo 2 g /dia
Extrato seco 300 a 700 mg/dia

- 2g = 1 colher de chá

- Para varicoze é possível o uso tópico, para evitar as contra-indicações. A porcentagem de 15% nos
cremes não atingirá vasos grandes, impedindo o efeito sistêmico (aumento de glicemia e colesterol).

Precauções
- Evitar o uso durante o verão, devido às furanocumarinas, pois poderá causar manchas cutâneas com
exposição ao sol. Poderá então ser substituída pela Castanha da Índia)

Efeitos colaterais
- O uso prolongado (superior à 180 dias) pode aumentar a glicemia e o colesterol circulante, pois reduz o
metabolismo hepático.
- Por atuar no sistema venoso, atuará indiretamente no sistema arterial. Dessa forma, tem como efeito
secundário a melhora da oxigenação no cérebro, o que pode causar até vertigem. Mas para quem tem
labirintite, por falta de circulação, terá um efeito positivo.

Observações
- Estudos indicam ação anti-depressiva.

Interações

- Pode ser usada conjugada ou em alternância com a Castanha da Índia (3 meses cada). Alternar as
plantas é recomendado até mesmo para que o organismo não se acostume com a terapêutica.
- Para pessoas bem magras pode-se fazer 250 mg de Centella + 250 mg de Castanha da Índia (= 1
cápsula)
- Para pessoas bem magras pode-se fazer 250 mg de Centella + 250 mg de Castanha da Índia (= 1
cápsula)
SISTEMA CIRCULATÓRIO

13. CRATAEGUS é é é é é

Binômio científico: Crataegus oxyacantha L.


Origem:
Partes utilizadas: flores
Constituintes químicos:
- Flavonóides, esteróis, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Uso para todos os distúrbios funcionais e doenças do coração, inclusive para ansiedade e opressão no
peito;
- Aumenta o fluxo coronário, melhorando o aporte de sangue e oxigênio que nutre o coração;

- Aumenta a amplitude das contrações cardíacas, fazendo com que o coração precise bater menos para
mandar sangue para o corpo. (lembrando que músculo que trabalha menos, envelhe menos também);
- Regula a atividade cardíaca, age sobre os distúrbios do ritmo cardíaco, diminui a velocidade de
pulsação e reestabelece o equilíbrio da pressão arterial;
- É considerado um excelente cardiotônico fisiológico de manutenção, um cardioregulador e ainda um
espasmolítico (ajuda a formar contrações de musculatura lisa) e sedativo nervoso;
- Possui ligeira ação vasodilatadora;
- Reguladora da pressão arterial: se for baixa, não abaixará mais. Regula muito mais o fluxo que a
vasodilatação ou vasoconstrição;

- Insuficiência cardíaca leve a moderada (com falta de ar e dores no peito), angina pectoris moderada,
arritmia cardíaca, hipertensão arterial leve, colesterol e triglicéris elevados (não altera os níveis destes,
mas melhora os efeitos que eles causam no coração), transtornos da menopausa (ansiedade, angústia,
aflição no peito).

Posologia

Pós 0,6 a 1,6 g/dia


Tintura mãe 2 a 4 ml/dia
Tintura a 20% 1 a 5 ml/dia
Extrato fluido 0,5 ml

- A flor possui 100% dos ativos. Já as folhas, apenas 50%. No entanto as flores são difíceis de serem
encontradas. Dessa forma, deve-se dobrar a dosagem das folhas para conseguir o efeito desejado.

- Não há restrições quanto ao tempo de uso.

- É uma planta de ação lenta, podendo ser necessário 1 a 2 meses para obtenção dos resultados.

Precauções
-

Efeitos colaterais
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

14. EMBAÚBA é é

Binômio científico: Cecropia pachystachya Trécul.


Origem:
Partes utilizadas: brotos
Constituintes químicos:
- Flavonóides, alcalóide (cecropina), ácido gálico, glicosídeos (ambaína) e cumarinas.

Indicações terapêuticas principais


- Anti-hemorrágica, hipotensora e cardiotônica (aumenta o trabalho dos músculos cardíacos sem
aumentar o ritmo);
- Usada nas patologias que requerem ação hemostática, como hemorragias uterinas, nasais e
pulmonares.

Posologia

Tintura mãe 25 a 50 ml/dia


Tintura a 20% 5 a 25 ml/dia
Extrato fluido 1 a 5 ml/dia
Infuso ou decocto 2,5 g/dia

Precauções
-

Efeitos colaterais
-

Observações
- Existem poucos estudos científicos a respeito.
- Modo de atuação: vasodilatação > PA cai > aumenta a contração

Interações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

15. ERVA de BICHO é

Binômio científico: Polygonum hydropiper L.


Origem:
Partes utilizadas: parte aérea
Constituintes químicos:
- Tanino, ácido valerianico, flavonóides, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Acelera a coagulação e aumenta a viscosidade do sangue (se ele é mais denso a sua velocidade de
fluxo diminui);
- Estimula a circulação e diminui a fragilidade capilar, tendo efeito hemostático, útil no caso de
hemorróidas, hemorragias, varizes, varicozes e flebites.
- Hipertensora e vasoconstritora.

Posologia

Tintura a 20% 10 a 50 ml/dia


Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

Precauções
- Seu uso interno é abortivo.
- Flebite: uso externo para que a cicatrização ocorra sobre a ferida.

- Varizes: uso interno. Como aumenta a viscosidade do sangue poderá criar coágulos nas varizes.
Assim, deve ser usado apenas em casos iniciais destas, quando a veia não perdeu totalmente o tonus.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Está no compêndio brasileiro.
- Devido às contra indicações é mais indicada para hemorróidas.

Interações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

16. GENGIBRE é é

Binômio científico: Zenziber officinalis


Origem: Índia, aclimatada no Brasil
Partes utilizadas: rizoma
Constituintes químicos:
- Óleo essencial rico em terpenos, fenóis, ácidos orgânicos e resina.

Indicações terapêuticas principais


- Reduz o colesterol;
- Inibe a agregação plaquetária (melhor que o alho e a cebola);
- Hipertensor.

Posologia

Tintura 20% 3 a 12ml/dia


Extrato fluido 1 a 3ml/dia
Infuso ou dedocto até 2g/dia
Rizoma desidratado 0,25 a 1g/dia

- 2g = 1 colher de sobremesa de gengibre fresco ralado


= 1 pedaço de 3cm² do gengibre fresco
= 1 pedaço de 6cm² do gengibre seco

Precauções
- Não recomendado para enjôos gestacionais, pois possui ação emenagoga.

- Seu uso prolongado ou excessivo pode irritar as mucosas (efeito contrário da emoliência);
- Em caso de gastrite o consumo deve ser baixo e apenas com o estômago cheio.
- Para quem tem propensão a formar trombos, previnirá a formação de novos. No entanto,
quando já existe um trombo instalado, o aumento do fluxo venoso poderá deslocá-lo. Um
angiologista deverá ser consultado para a avaliação.

- Qualquer agente antiplaquetário deve ser vetado para quem tem trombo ou suspeita de ter.

Efeitos colaterais
- Potente estimulante do sistema gastrointestinal, podendo gerar cólicas biliares e
irritação nas mucosas.

Observações
2é: pelo risco que oferece à pacientes com trombo ou propensão à formá-lo.

Interações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

17. GINKGO BILOBA é é é é é

Binômio científico: Ginkgo biloba


Origem:
Partes utilizadas: folhas
Constituintes químicos:
- Vários glicosídeos flavonólicos e flavônicos, terpenos, diterpenos, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Diminui a agregação das hemácias e a agregação de plaquetas, bem como a lise dos eritrócitos. Ou
seja, deixa o sangue mais fluido ( permitindo que o oxigênio saia mais fácil das células), facilitando sua
circulação por pequenos vasos e ainda ativa as células de defesa;
- Aumenta a irrigação dos tecidos;
- Diminui o risco de acidentes circulatórios, ativa a oxigenação, a nutrição e o metabolismo energético
celular;
- Leve hipotensor, possuindo propriedades cardioativas e diuréticas;
- Ação antioxidante pelos flavonóides;
- Indicado para vertigens: por fluidificar o sangue, tem efeito vasodilatador, melhorando casos de
vertigens. Em alguns casos pode causar cefaléia, sendo então recomendado diminuir a dose;
- Comprovações científicas: aumento de tolerância à hipoxia, inibição do desenvolvimento de edema
cerebral, redução de edema e lesões na retina, melhora a memória e o aprendizado, age como neuro
protetor e inibe a ativação das plaquetas;
- Promove a captação de colina e impede a redução de receptores adrenérgicos e muscarínicos,
causando então relaxamento da musculatura lisa e vasodilatação.

Posologia

Tintura a 20% 10 a 50 ml/dia


Extrato fluido 2 a 10 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

- Pode usar por 6 meses e intervalar;


- Para pessoas idosas pode ser receitado com uso contínuo muitas vezes.

Precauções
- Não utilizar simultaneamente com outro anticoagulante, pois o sangue ficará muito fino e terá
facilidade de ocorrer extravasamento dos vasos. AS não é considerado anticoagulante.

Efeitos colaterais
-

Observações
- Planta muito utilizada pela MTC, pois fornece grande vitalidade ao organismo.
- Planta específica do sistema circulatório.

- Não aumenta o fluxo menstrual, pelo contrário, diminui o fluxo e cólicas, pois relaxa a musculatura.
SISTEMA CIRCULATÓRIO

18. HAMAMELIS

Binômio científico: Hamamelis virginiana


Origem:
Partes utilizadas: cascas e folhas
Constituintes químicos:
- Hamamelitanino, ácido gálico, flobafenos, flavonóides, mucilagens, óleo essencial, etc.

Indicações terapêuticas principais


- Adstringente, analgésico, hemostático, anti-hemorrágico, vasoconstritor;
- Favorece a circulação de retorno e restabelece o equilíbrio entre a circulação arterial e venosa;
- Uso em quase todas as enfermidades do sistema venoso: hemorróidas, flebites, varizes, etc.

Posologia

Extrato seco 0,5 a 2 g/dia


Pós 2 a 6 g/dia
Tintura mãe 5 a 100 ml/dia
Tintura a 20% 10 a 50 ml/dia
Extrato fluido 1 a 5 ml/dia
Infuso ou decocto 5 g/dia

Precauções
- Pelo conteúdo de taninos não é recomendada durante a gestação.

Efeitos colaterais
-

Observações
-

Interações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

19. JATOBÁ é é

Binômio científico: Hymenaea courbaril


Origem: Brasil
Partes utilizadas: casca, resina e seiva
Constituintes químicos:
- Casca: óleo essencial, tanino, saponinas...
- Resina: óleo essencial...
- Seiva: os mesmos proncípios em dosagens menores

Indicações terapêuticas principais


- Ação hemostática, sendo recomendado para casos de hemoptise (escarro/secreção com sangue) e
hematúria (urina com sangue). Nesses casos um médico deverá ser procurado para verificar a causa do
sangramento (hemorróidas, ca de cólon...);

Posologia

Tintura 20% 5 a 10ml/dia


Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Pó 0,5 a 2g/dia
2,5g/dia
Infuso ou decocto
mínimo 700ml de água

- 2,5g = 2 colheres de chá da casca (pesada)


- Com pouca água fará espuma demais no processo de decocção, deixando um gosto saponáceo. Por
isso é recomendada a quantidade de 700ml de água.

Precauções
-

Efeitos colaterais
- Leve aumento da pressão arterial.

Observações
- O melhor método de tratamento para plantas com tanino é na forma de tintura ou cápsulas.

Interações
-
SISTEMA CIRCULATÓRIO

20. MIL EM RAMA é é é

Binômio científico: Achillea millefolium


Origem:
Partes utilizadas: partes aéreas
Constituintes químicos:
- Óleo essencial contendo cineol e proazuleno, flavonóides, aminoácidos, açúcares, taninos, mucilagens,
resinas, fitosterol, alcalóides, cumarinas...

Indicações terapêuticas principais


- Adstringente (fecha porosidades), hemostática, anti-hemorrágica;
- Tosses, catarros, diarréia com sangue, amenorréia, espasmos gastrintestinais e uterinos relacionados
à distúrbios circulatórios.
- Na MTC é empregada para o controle de fluxo mestrual (metrorragia);
- Utilizada em supositórios anti-hemorroidais;

Posologia

Tintura 20% 2 a 6ml/dia


Extrato fluido 1 a 3ml/dia
10 a 15g/L
Infuso
Tomar 1 xícara, 3x ao dia

- '- 10 a 15g = 2 a 3 colheres e folhas


- Normalmente encontram-se todas as partes aéreas misturadas, sendo que o ideal é separá-las
para preparar a infusão. (infusão ≠ decocção)
- A infusão é o método mais utilizado.

Precauções
- O uso abusivo pode tornar a pele sensível à luz. Por isso, em caso de tratamento prolongado, é
recomendado o uso de protetor solar.

Efeitos colaterais
- O uso contínuo pode causar reações alérgicas, tais como irritação dérmica e ocular, dores de cabeça e
vertigem.

Observações
- Planta bastante utilizada na MTC.
- Por não trabalhar muco, em alguns casos deverá ser associada a outra planta.
- Em caso de mioma, este deverá ser tratado normalmente, sendo que a Mil em Rama tratará apenas os
sintomas.
- Poderá ser utilizada como tratamento AUXILIAR de tuberculose, pois os antibióticos deverão
ser utilizados.
3é: pela frequencia em se encontrar hemorragias.
SISTEMA CIRCULATÓRIO

21. PAU-FERRO é é é

Binômio científico: Caesalpinia ferrea L.


Origem: Brasil
Partes utilizadas: raiz e cascas
Constituintes químicos:
- Sitosterol, ácidos graxos, ácido gálico, ácido elágico, galato de etila e taninos.

Indicações terapêuticas principais


- Cicatrizante, hemostático em hemorragias, contusões.

Posologia

Tintura 20% 10 a 20ml/dia


Extrato fluido 0,5 a 4ml/dia
Infuso ou decocto 5g/dia

- Ainda não existe o seu extrato seco padronizado.


- Normalmente usa-se a casca.

Precauções
- Por causar sonolência, deve ser evitada a prescrição durante o dia para determinados profissionais (ex:
vigia noturno)

Efeitos colaterais
- Causa sonolência.

Observações
- Pode ser usado por meninos que ainda não passaram pela maturação sexual.
- Para ser indicada a noite, deve ser associada com um anti-tussígeno (ex: assa peixe); durante
o dia deve ser associada com um expectorante (ex: guaco).

Interações
- Quando o Melão de São Caetano não estiver funcionando sozinho, poderá ser associado com o Pau-
ferro.
SISTEMA CIRCULATÓRIO

22.TANCHAGEM é

Binômio científico: Plantago major


Origem: Europa, mas vegeta espontaneamente no Brasil
Partes utilizadas: parte aérea e sementes
Constituintes químicos:
- Taninos, mucilagens, ácidos orgânicos, ácido sílicico, glucosídeos, óleo essencial, alcalóides,
heterosídeos, ácido cumarínico, sais de potássio, vitamina C...

Indicações terapêuticas principais


- Adstringente: os taninos formam revestimentos protetores, atenuando a sensibilidade e dificultando
infecções;
- Hemostático: protege as mucosas inflamadas e das vias respiratórias, impedindo a atividade de
substâncias irritantes e promovendo a diminuição do processo inflamatório.
- Hemorróidas e sangramento de nariz.

Posologia

Tintura 20% 10 a 20ml/dia


Extrato fluido 2 a 10ml/dia
Infuso ou decocto 5g/dia

- 5g = 8 colheres de sopa de folha ou 3 colheres de sopa de semente


- No caso de de feridas abertas pode-se fazer infusão e aplicar na forma de cataplasma.
- Tintura e fluido não são a melhor forma de trabalhar, pois o álcool interfere na mucilagem.

Precauções
- Não usar a raiz.
- Parte aérea: tendência a gerar constipação.
- Sementes: tendência a efeito laxativo.

Efeitos colaterais
-

Observações

- Planta muito segura de trabalhar, não existindo relatos de quadros de intoxicação ou efeitos colaterais.

Interações
-