Você está na página 1de 6

Tema C Organização Dos as Animais

1º ESTRUTURA E FUNÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TECIDOS DE


ANIMAIS

Os animais, seres multicelulares são constituídos por diferentes conjuntos de células


especializadas em determinadas funções - tecidos.

Podem considerar-se os seguintes tipos básicos de tecidos

 Tecidos epitelias
 Tecidos Conjuntivos
 Tecidos Nervoso
 Tecidos Musculares

Qualquer órgão é constituído por uma diversidade de tecidos que funcionam com
cooperação. Consideremos, por exemplo o caso da pele.

A pele forma à superfície externa do organismo, e tem a função de proteger contra


agentes agressivos. Alem desta importante função, a pele é também o principal órgão de
regulação da temperatura do corpo e ainda da sensibilidade.

Na estrutura da pele pode distinguir-se uma zona superficial, a epiderme, e uma mais
profunda, a derme.

A epiderme é constituída por tecido epitelias e a derme por tecido conjuntivo.

A pele possui vários anexos nervosos como os pêlos e unhas, glândulas sudoriparas e
glândulas sebáceas para alem destes existem também receptores nervosos variados
relacionados com o tacto, pressão, dor e temperatura.

Tecidos epitelias
As células dos tecidos epitelias são geralmente poliédricas e estão justapostas, havendo
grande coesão entre elas.

De acordo com a função que desempenham no organismo eles classificam-se em três


conjuntos:

1. Tecidos epitelias de revestimento


2. Tecidos epitelias glandulares
3. Neuroepitélios
Tecidos epitelias de revestimento
Os epitelios de revestimento apresentam células com diferentes formas e diferentes
disposições, estes revestem a superfície externa do organismo, constituindo a epiderme,
assim como cavidades internas do tubo digestivo, vias respiratórias e vasos sanguíneos.

Os epitelios de revestimentos desempenham uma função de protecção e são


classificados geralmente atendendo dois critérios: O nº de camadas celulares
constituintes e a forma das células da assentada mais superficial.

Tecidos epitelias glandulares


Em certos casos, as células epitelias adquirem a capacidade de produzir substâncias que
segregam para o exterior que são as glândulas.

 Glândulas endócrinas – os produtos de secreção designam-se por hormonas e


são lançados nos vasos capilares envolventes como é o caso da glândula da
tiróide e da hipófise
 Glândulas exócrinas – os produtos de secreção são lançados para o exterior
através de canais externos como é o caso das glândulas sudoriparas da pele.

Neuroepitélios
Os Neuroepitélios são constituídos por células receptoras de estímulos.

Tecidos Conjuntivos
Os tecidos conjuntivos são de origem mesodérmica e muito diversificados cuja a função
inclui armazenamento de substâncias (tecido adiposo), mecânica (tecido ósseo),
protecção (tecido de cicatrização) e defesa imunitária (glóbulos brancos ).

Os tecidos conjuntivos dividem-se em:

 Tecidos cartilaginosos
 Tecido ósseo
 Sangue
 Tecido adiposo
 Tecido linfático
 Tecido conjuntivo propriamente dito

Todos os tecidos conjuntivos apresentam os mesmos componentes básicos: Células,


fibras e substância fundamental ou matriz. Estes materiais extra celulares são
responsáveis pelas propriedades físicas dos tecidos conjuntivos e a sua presença e a
principais características deste tipo de tecido.

Nas células – Dos tecidos conjuntivos surgem vários tipos de células, cada um com
funções próprias. Os fibroblastos são células com prolongamentos irregulares, que lhe
conferem por vezes um aspecto estrelado e que são responsáveis pela produção e
manutenção dos componentes extra celulares, fibras e substâncias fundamentais. Os
fibroblastos quando completamente diferenciados apresentam forma fusiforme e
designam-se por fibrócitos. Além destas células, existem outras como por exemplo os
macrófagos que são células grandes e imóveis, possuindo capacidade de fagocitose.

Matriz ou substância fundamental -- E um material incolor, transparente, homogéneo,


decomposição química variada onde abundam proteínas.

Fibras – São formação longas e finas formadas por proteína de vários tipos que
conferem diferentes propriedades ao tecido. Umas são muito elásticas e outras são
muito resistentes à tracção.

Conforme predomínio relativos de alguns dos constituintes, as referidas células e


diferentes tipos de fibras consideram-se diversas variedades de tecido conjuntivo
propriamente dito.

Tecido conjuntivo laxo – Contém todas as células de diferentes fibras, sem predomínio
de qualquer uma delas.

Tecido conjuntivo denso – Com predominância acentuada de fibras resistentes à


tracção.

Tecido conjuntivo elástico – Com predominância de fibras elásticas.

TECIDOS CONJUNTIVOS ESPECIALIZADOS

Tecidos cartilaginosos

O tecido cartilaginoso é formado por células de forma, quase simples, arredondada ou


oval.

As células do tecido cartilaginoso são designadas por condroblastos e estam encerradas


em cavidades regulares chamadas condroplasto, em volta dos quais a substância
intersticial se diferencia formando uma membrana espessa a que se dá o nome de
cápsula.

A substância intersticial é resistente e elástica, formada por água, sais de sódio e de uma
matéria albuminóide que é comparável a gelatina endurecida.

O tecido cartilaginoso no homem forma a parte salienta do nariz, as laminas que ligam
as costelas ao externo, o lóbulo da orelha, os discos intervertebrais e a traqueia, que
consiste num tubo cartilaginoso e membranoso.
TECIDO OSSÉO

No caso deste tipo de tecido conjuntivo, a matriz e a rede densa de fibra estão
impregnadas com sais minerais (principalmente fósforo e cálcio), formando a chamada
matriz óssea ou osseína. Este tecido ocorre apenas nos peixes ósseos e tetrapodes,
diferindo os esqueletos calcários dos invertebrados.

As células que compõem o tecido ósseo são de três tipos principais:

OSTEOBLASTO – Estas células apenas são activas durante cercas de 8 dias, tempo
durante o qual produzem a matriz e as fibras. Após esse tempo ficam incluídas no tecido
ósseo, passando a designar-se osteócitos;

ESTEÓCITOS – Células fusiformes e com numerosos prolongamentos citoplasmaticos


que atravessam canais no osso, ligando as diversas células entre si e aos vasos
sanguíneos que as alimentam cada célula localiza-se numa cavidade na osseína
designada osteoplasto;

OSTEOCLASTOS -- Estas células apenas vivem cerca de 2 dias, são grandes e


multinucleadas. Apresentam uma zona com velocidades que se encontra em contacto
com osso formado, o qual destroem para retirar fósforo e cálcio.

Dispostas concentricamente em redor do canal de Havers estão as lamelas ósseas, onde


se encontram os osteócitos dentro de osteoplasto, comunicando entre si por canaliculos
radiais.

Os ossos então envolvidos por uma membrana dupla designada Perióstiu. Esta
membrana tem uma camada externa fibrosa, muito rica em fibroblastos e fibras de
colagenio, e uma camada interna esteogenica, contendo células mesenquimatoza
percursoras dos osteoblastos.

Algumas variedades do tecido ósseo as lamela estão afastadas uma das outras, fazendo
lembrar, pelo seu aspecto, uma esponja. O tecido neste caso chama-se tecido ósseo
esponjoso.

SANGUE – O sangue é um tecido com características especiais, e o conjunto de células


suspensas no plasma, ou seja, neste caso a matriz é líquida. Esta matriz transporta gases,
nutrientes, produtos de excreção, células e hormonas por todo organismo.

Os elementos celulares do sangue podem ser separados do plasma por centrifugação. As


células depositam-se no fundo do tubo da centrífuga e o plasma, mais claro, na parte
superior.

ELEMENTOS CELULARES DO SANGUE

PLAQUETAS – São corpúsculos celulares anucleados e muito pequenos,


responsáveis pela coagulação do sangue.
 GLOBULOS VERMELHOS OU ERITROCITOS – Nos mamíferos são células
redondas bicôncavas, anucleadas e contendo hemoglobina, o pigmento
responsável pelo transporte dos gases respiratórios. Nos restantes vertebrados,
no entanto, são células nucleadas, biconvexas e ovais.

 GLOBULOS BRANCOS OU LEOCOCITOS – Células nucleadas de vario


tipos, responsáveis pela defesa imunitária e presente em todos animais que
contem líquidos circulantes.
 GRANULARES – Células com núcleo multilobado e granulo citoplasmaticos
especifico que permite identifica-los em:

Basófilos –Células produtoras de mediadores químicos de reacções inflamatória;

Eusinófilos – Células que participam na modulação de processos inflamatório;

Neutrófilos – Células muito activa que «patrulham» o corpo, fagocitando


bactérias e outros corpos estranhos.

 AGRANULARES– Células com o núcleo grande, mais ou menos esférico ou


em forma de rim, e sem grânulos no citoplasma. Podem ser classificados em:

Linfócitos – Existem dois tipos destas células, os linfocítos B e T, que produzem


hemoglobina e matam células infectadas por vírus, respectivamente;

Monócitos – Realizam a fagocitose de protozoários, vírus e células em


degenerescência, tendo a capacidade de abandonar os vasos sanguíneos – diapedise.

ELEMENTOS CÉLULARES

HEMÁCIAS – Funções e características: transporte de oxigénio e dióxido de


carbono, forma de disco bicôncavo, não têm núcleos nem organelos citoplasmaticos,
contem hemoglobina responsáveis pelo transporte de gases respiratórios e a cor
vermelha do sangue.

LEOCÓCITOS GRANULARES – Funções e características: com o núcleo


multilobado e grânulos citoplasmaticos específicos.

LEOCÓCITOS AGRANULARES – Funções e características: não se observam


grânulos no citoplasma com as tradicionais técnicas de microscópio.

São todos de origem da medula vermelha dos ossos.

PLASMA – E essencialmente uma solução aquosa de proteínas, glicose, hormonas e


sais. Nos vertebrados é uma solução incolor, mais pode ser azulado ou vermelho em
alguns invertebrados por conter pigmentos respiratórios em solução (emocianina ou
hemoglobina, respectivamente)
COMPONENTES DO PLASMA – Agua: Função: mantêm o volume do sangue e
transporta as moléculas e iões a; A sua origem é absorção no intestino.

PROTEINAS (Albubina, fibrinogênio, globulina) – Função: Mantém o volume


e a pressão do sangue, coagulação, defesa do organismo. De origem do Fígado.

SAIS – Função: mantém a pressão e o PH. Origem absorção no intestino.

GASES (Oxigénio e dióxido de carbono) – Função: respiração celular, produto


final da respiração. Origem pulmões, tecidos.

Lipidos, glícidos e aminoácidos – Função: Nutrientes para as células. Origem


absorção no intestino.

UREIA – Função: resíduo azotado. Origem Fígado

HORMONAS, VITAMINAS – Função: Intervêm no metabolismo. Origem


variada.

O plasma transporta diversas substâncias, como por exemplo, nutrientes, dióxido de


carbono, oxigénio (pequena quantidade) e produtos resultantes do metabolismo.