Você está na página 1de 43

TIRO FINAL

PCDF
Érico Palazzo
1) (CESPE - 2013 - PC-DF - Agente de Polícia)

Alex agrediu fisicamente seu desafeto Lúcio, causando-lhe vários ferimentos, e,


durante a briga, decidiu matá-lo, efetuando um disparo com sua arma de fogo,
sem, contudo, acertá-lo. Nessa situação hipotética, Alex responderá pelos crimes
de lesão corporal em concurso material com tentativa de homicídio.
2) (FGV - 2012 - PC-MA - Delegado de Polícia) Juca, transtornado, após ter flagrado seu pai praticando
violência sexual com sua irmã de apenas 05 anos de idade, que vem a falecer em razão da violência
praticada, desfere uma facada contra a cabeça do seu genitor que também vem a falecer. Após desferir
o golpe contra seu pai, e certificar-se da morte deste, Juca foge levando o relógio que a vítima usava na
ocasião. O agressor sexual era solteiro e possuía somente estes dois filhos. Mais tarde, com a prisão de
Juca, o fato foi levado ao conhecimento da autoridade policial. Com base no exposto, assinale a
alternativa que apresenta a tipificação correta.
a) Juca deverá responder por homicídio qualificado pelo meio cruel (Art. 121, § 2º, III, do CP) e por
furto simples (Art. 155, do CP).
b) Juca deverá responder por homicídio privilegiado (Art. 121, § 1º, do CP) e por furto simples (Art.
155, do CP).
c) Juca não deverá responder por qualquer crime por ter agido escorado pela excludente de ilicitude
da legítima defesa de terceiro.
d) Juca deverá responder por homicídio privilegiado (Art. 121, § 1º, do CP).
e) Juca deverá responder por homicídio privilegiado (Art. 121, § 1º, do CP) e por roubo simples (Art.
157, do CP).
3) (CESPE - 2018 - DPE-PE - Defensor Público)

Ocorre o feminicídio quando o homicídio é praticado contra a mulher por


razões da condição de sexo feminino, como quando o crime envolve a violência
doméstica e familiar ou o menosprezo ou a discriminação à condição de
mulher.
4) (CESPE - 2018 - DPE-PE - Defensor Público)

A pena do feminicídio poderá ser aumentada se o crime for praticado durante a


gestação ou nos seis meses posteriores ao parto.
Código Penal
Art. 121, § 7o A pena do feminicídio é aumentada de 1/3 (um terço) até a metade
se o crime for praticado:
I - durante a gestação ou nos 3 (três) meses posteriores ao parto;
II - contra pessoa menor de 14 (catorze) anos, maior de 60 (sessenta) anos, com
deficiência ou portadora de doenças degenerativas que acarretem condição
limitante ou de vulnerabilidade física ou mental;
III - na presença física ou virtual de descendente ou de ascendente da vítima;
IV - em descumprimento das medidas protetivas de urgência previstas nos incisos
I, II e III do caput do art. 22 da Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006.
5) (CESPE - 2019 - TJ-PR - Juiz Substituto) A respeito de crimes contra a pessoa, é
correto afirmar que

a) responderá pela prática de crime contra a vida o agente que anuncia produtos
ou métodos abortivos.
b) responderá por homicídio qualificado o agente que matar para assegurar a
execução, ocultação, impunidade ou vantagem de uma contravenção penal.
c) o crime de homicídio admite interpretação analógica no que diz respeito à
qualificadora que indica meios e modos de execução desse crime.
d) o agente que matar sua empregadora por ter sido dispensado sem justa causa
responderá por feminicídio, haja vista a vítima ser mulher.
6) (CESPE - 2018 - MPU - Analista do MPU – Direito)

Situação hipotética: João, penalmente imputável, dominado por violenta emoção


após injusta provocação de José, ateou fogo nas vestes do provocador, que veio a
falecer em decorrência das graves queimaduras sofridas. Assertiva: Nessa situação,
João responderá por homicídio na forma privilegiada-qualificada, sendo possível a
concorrência de circunstâncias que, ao mesmo tempo, atenuam e agravam a pena.
Código Penal
Art. 121, § 2° Se o homicídio é cometido:
I - mediante paga ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe;
II - por motivo fútil;
III - com emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia, tortura ou outro meio insidioso ou cruel, ou de
que possa resultar perigo comum;
IV - à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne
impossível a defesa do ofendido;
V - para assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou vantagem de outro crime:
Pena - reclusão, de doze a trinta anos.
VI - contra a mulher por razões da condição de sexo feminino:
VII – contra autoridade ou agente descrito nos arts. 142 e 144 da Constituição Federal, integrantes
do sistema prisional e da Força Nacional de Segurança Pública, no exercício da função ou em
decorrência dela, ou contra seu cônjuge, companheiro ou parente consanguíneo até terceiro grau,
em razão dessa condição:
7) (CESPE - 2015 - STJ - Analista Judiciário – Administrativa)

Situação hipotética: Telma, sabendo que sua genitora, Júlia, apresentava sérios
problemas mentais, que retiravam dela a capacidade de discernimento, e com o
intuito de receber a herança decorrente de sua morte, induziu-a a cometer suicídio.
Em decorrência da conduta de sua filha, Júlia cortou os próprios pulsos, mas,
apesar das lesões corporais graves sofridas, ela não faleceu. Assertiva: Nessa
situação, Telma cometeu o crime de induzimento, instigação ou auxílio a suicídio,
na forma consumada.
8) (CESPE - 2014 - Câmara dos Deputados - Consultor Legislativo) Julgue o item
subsequente, a respeito dos crimes militares e dos delitos em espécie previstos na
parte especial do Código Penal.

Se um fanático religioso conclamar, em TV aberta, que todos os espectadores


cometam suicídio para salvar-se do juízo final, e se, estimuladas pelo entusiasmo
do orador, várias pessoas cometerem suicídio, ter-se-á, nessa hipótese, a
tipificação da prática, pelo fanático orador, do crime de induzimento ou instigação
ao suicídio.
9) (CESPE - 2009 - PC-ES - Agente de Polícia)

Francisco, imputável e legalmente habilitado, ao conduzir imprudentemente um


veículo automotor, deu causa a acidente de trânsito com vítima, produzindo lesões
corporais em João, um dos ocupantes do veículo. Nessa situação, Francisco será
indiciado em inquérito policial por lesão corporal culposa leve, grave ou gravíssima,
dependendo da intensidade da lesão experimentada pela vítima e aferida em laudo
pericial.
10) (CESPE - 2015 - TJ-PB – Juiz)

O crime de lesão corporal praticado por um indivíduo contra seu irmão, no âmbito
doméstico, configura apenas o crime de lesão corporal simples, dada a
inaplicabilidade da Lei Maria da Penha em casos em que a vítima seja do sexo
masculino.
Código Penal
Art. 129, § 9o Se a lesão for praticada contra ascendente, descendente, irmão,
cônjuge ou companheiro, ou com quem conviva ou tenha convivido, ou, ainda,
prevalecendo-se o agente das relações domésticas, de coabitação ou de
hospitalidade:
Pena - detenção, de 3 (três) meses a 3 (três) anos.

§ 10. Nos casos previstos nos §§ 1o a 3o deste artigo, se as circunstâncias são as


indicadas no § 9o deste artigo, aumenta-se a pena em 1/3 (um terço).
11) (CESPE - 2010 - DPU - Defensor Público Federal)

Para a configuração da agravante da lesão corporal de natureza grave em face da


incapacidade para as ocupações habituais por mais de trinta dias, não é necessário
que a ocupação habitual seja laborativa, podendo ser assim compreendida
qualquer atividade regularmente desempenhada pela vítima.
12) (CESPE - 2016 - POLÍCIA CIENTÍFICA – PE) Em relação aos crimes contra a
pessoa, assinale a opção correta

a) A conduta de quem, por meio de relações sexuais, expõe outra pessoa a


contágio de moléstia venérea de que sabe ou deveria saber estar contaminado
é crime se o agente pratica o fato com a intenção de transmitir a moléstia; não
havendo essa finalidade específica, a conduta é atípica.
b) O infanticídio configura-se na situação em que a mãe mata o próprio filho,
durante o parto, sob a influência do estado puerperal, o que exclui a ocorrência
do fato logo após o nascimento, que caracterizaria o tipo penal de homicídio
doloso.
12) (CESPE - 2016 - POLÍCIA CIENTÍFICA – PE) Cont.
c) O emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia ou tortura, em crimes de
homicídio, é recurso que dificulta a defesa da vítima e, portanto, caracteriza
causa de aumento de pena.
d) A inobservância de regra técnica de profissão, arte ou ofício por parte do autor
do fato integra o tipo penal do homicídio culposo.
e) O crime de lesão corporal de natureza grave é caracterizado se da conduta do
agente resulta incapacidade da vítima para as ocupações habituais por mais de
trinta dias; perigo de vida; debilidade permanente de membro, sentido ou
função; ou aceleração de parto.
13) (CESPE - 2017 - TRE-TO - Analista Judiciário - Área Judiciária) Chegando ao local de onde
partira pedido de socorro de uma mulher, os policiais encontraram o ex-marido tentando
arrombar a porta da casa e ameaçando-a de morte caso ela não abrisse a porta. Revistado
o agressor, os policiais encontraram com ele um revólver calibre 38, municiado, que
portava sem autorização. Ele disse que a arma era de um amigo, que havia lhe emprestado
pouco antes, sem mencionar a intenção exclusiva de matar a ex-mulher. Vizinhos viram os
policiais prendendo o agressor que gritava, exaltado, palavras ofensivas e injuriosas aos
policiais. Com relação à conduta do agressor nessa situação hipotética, julgue os seguintes
itens, de acordo com a legislação pertinente e o entendimento dos tribunais superiores.
I Configuraram-se os crimes de ameaça, tentativa de invasão de domicílio, porte de arma
de fogo e desacato.
II Configuraram-se os crimes de ameaça, tentativa de homicídio, porte de arma de fogo e
de desacato.
13) (CESPE - 2017 - TRE-TO - Analista Judiciário - Área Judiciária) Cont.
III Ao injuriar os policiais, o agente apenas manifestou a sua liberdade de expressão, assegurada
pela convenção americana sobre direitos humanos, não se configurando o desacato.
IV Se fosse consumado o intuito de matar, o delito de porte de arma poderia ser absorvido pelo
homicídio, de acordo com a teoria da consunção.
Estão certos apenas os itens
a) I e IV.
b) II e III.
c) II e IV.
d) I, II e III.
e) I, III e IV.
14) (CESPE - 2016 - PC-PE - Agente de Polícia) Acerca dos crimes contra a pessoa, assinale
a opção correta.

a) Quando o homicídio for praticado por motivo fútil, haverá causa de diminuição de
pena.
b) Sempre que um agente mata uma vítima mulher, tem-se um caso de feminicídio.
c) O homicídio e o aborto são os únicos tipos penais constantes no capítulo que trata
de crimes contra a vida.
d) O aborto provocado é considerado crime pelo direito brasileiro, não existindo
hipóteses de exclusão da ilicitude.
e) O aborto provocado será permitido quando for praticado para salvar a vida da
gestante ou quando se tratar de gravidez decorrente de estupro.
15) (CESPE - 2015 - STJ - Analista Judiciário – Administrativa) A respeito dos
crimes contra a pessoa e o patrimônio, julgue o item que se segue.

A coautoria é obrigatória no caso do crime de rixa, pois a norma incriminadora


reclama como condição obrigatória do tipo a existência de, pelo menos, três
pessoas, considerando irrelevante que um deles seja inimputável.
16) (CESPE - 2013 - PC-BA - Investigador de Polícia)

Nos crimes contra a honra — calúnia, difamação e injúria —, o Código Penal admite
a retratação como causa extintiva de punibilidade, desde que ocorra antes da
sentença penal, seja cabal e abarque tudo o que o agente imputou à vítima.
17) (CESPE - 2012 - PC-AL - Escrivão de Polícia)

Se o agente é primário e a coisa furtada é de pequeno valor, há furto privilegiado, caso


em que o juiz pode substituir a pena de reclusão pela de detenção, diminuir a pena de
um a dois terços ou aplicar somente a pena de multa.
18) (CESPE - MPU – Analista Processual – Direito - 2018) Cada um do item a seguir
apresenta uma situação hipotética seguida de uma assertiva a ser julgada, a respeito da
aplicação e da interpretação da lei penal, do concurso de pessoas e da culpabilidade.

Um indivíduo, penalmente imputável, em continuidade delitiva, foi flagrado por


autoridade policial no decorrer da prática criminosa de furtar sinal de TV a cabo. Nessa
situação, de acordo com o atual entendimento do Supremo Tribunal Federal, aplica-se a
analogia ao caso concreto, no sentido de imputar ao agente a conduta típica do crime
de furto de energia elétrica.
19) (CESPE - 2019 - DPE-DF - Defensor Público) Com relação aos delitos tipificados na
parte especial do Código Penal, julgue o item subsecutivo.

Situação hipotética: Pedro, réu primário, valendo-se da confiança que lhe depositava o
seu empregador, subtraiu para si mercadoria de pequeno valor do estabelecimento
comercial em que trabalhava. Assertiva: Nessa situação, apesar de configurar a prática
de furto qualificado pelo abuso de confiança, o juiz poderá reconhecer o privilégio.
SÚMULA 511 STJ
É possível o reconhecimento do privilégio previsto no § 2º do art. 155 do CP nos
casos de crime de furto qualificado, se estiverem presentes a primariedade do
agente, o pequeno valor da coisa e a qualificadora for de ordem objetiva.
Código Penal
Art. 155 (...)
§ 2º - Se o criminoso é primário, e é de pequeno valor a coisa furtada, o juiz pode
substituir a pena de reclusão pela de detenção, diminuí-la de um a dois terços, ou
aplicar somente a pena de multa.
(...)
Furto qualificado
§ 4º - A pena é de reclusão de dois a oito anos, e multa, se o crime é cometido:
I - com destruição ou rompimento de obstáculo à subtração da coisa;
II - com abuso de confiança, ou mediante fraude, escalada ou destreza;
III - com emprego de chave falsa;
IV - mediante concurso de duas ou mais pessoas.
20) (By professor)

A adulteração de medidor de energia elétrica, com a finalidade de contabilizar


menos do que a efetivamente consumida, configura o crime de furto.
21) (CESPE – DPE-PE – Defensor Público - 2015)

Aquele que vender a terceiro de boa-fé coisa que tenha furtado praticará os crimes de
furto e estelionato, já que lesionará bens jurídico-penais de pessoas distintas.
22) (CESPE - 2012 - DPE-RO - Defensor Público) Assinale a opção correta com
relação aos crimes contra o patrimônio.
a) Considera-se chave falsa qualquer instrumento que, sob a forma de chave,
possa ser utilizado como dispositivo para abrir fechadura, incluindo-se mixas.
b) Para a incidência da causa especial de aumento de pena para o crime previsto
no art. 155 do CP, é suficiente que a infração ocorra durante o repouso noturno,
período de maior vulnerabilidade para as residências, lojas e veículos;
entretanto, se o furto for praticado em estabelecimento comercial que se
encontre fechado, segundo o STJ, a qualificadora do repouso noturno não pode
ser reconhecida, por estar ausente maior grau de reprovabilidade da conduta.
c) De acordo com a jurisprudência do STJ, não é possível o reconhecimento da
figura do furto qualificado-privilegiado, ainda que exista compatibilidade entre
as qualificadoras e o privilégio.
22) (CESPE - 2012 - DPE-RO - Defensor Público) Cont
d) No furto com fraude, o comportamento ardiloso, insidioso do agente é utilizado
para facilitar a subtração dos bens pertencentes à vítima; no crime de
estelionato, o artifício, o ardil, o engodo são utilizados pelo agente para que,
induzida ou mantida em erro, a própria vítima possa entregar-lhe a vantagem
ilícita. Há, portanto, dissenso da vítima no primeiro caso e consenso, no
segundo.
e) A vigilância exercida no interior de estabelecimento comercial, seja por
seguranças, seja pela existência de circuito interno de monitoramento, afasta a
potencialidade lesiva de condutas que visem à subtração ou dano do
patrimônio de estabelecimentos com esta característica, o que possibilita o
reconhecimento da figura relativa ao crime impossível nesses casos.
23) (CESPE - 2019 - TJ-SC - Juiz Substituto)

Situação hipotética: Um homem, em 31/12/2018, por volta das cinco horas da


madrugada, com a intenção de obter vantagem pecuniária, explodiu um caixa
eletrônico situado em um posto de combustível. Assertiva: De acordo com o STJ,
ele responderá criminalmente por furto qualificado em concurso formal impróprio
com o crime de explosão majorada.
.

Subtração com destruição ou Subtração das substâncias explosivas


rompimento de obstáculo mediante ou acessórios
o emprego de explosivo ou de
artefato análogo
Art. 155, §4º-A (HEDIONDO) Art. 155, § 7º
Furto Qualificadora Qualificadora
Pena: 4 a 10 anos Pena: 4 a 10 anos

Art. 157, §2º-A, II Art. 157, §2º, VI


Roubo Majorante Majorante
Pena: 4 a 10 anos + 2/3 Pena: 4 a 10 anos + 1/3 a 1/2
24) (CESPE - 2013 - PC-BA - Delegado de Polícia)da parte geral do direito penal e
seus Institutos, julgue o item seguinte.

Considere que Marcos, penalmente imputável, subtraia de seu genitor de sessenta


e oito anos de idade, um relógio de alto valor. Nessa situação, o autor não pode
beneficiar-se da escusa penal absolutória, em razão da idade da vítima.
Código Penal
CAPÍTULO VIII- DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 181 - É isento de pena quem comete qualquer dos crimes previstos neste título,
em prejuízo:
I - do cônjuge, na constância da sociedade conjugal;
II - de ascendente ou descendente, seja o parentesco legítimo ou ilegítimo, seja civil
ou natural.
Código Penal
CAPÍTULO VIII- DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 182 - Somente se procede mediante representação, se o crime previsto neste
título é cometido em prejuízo:

I - do cônjuge desquitado ou judicialmente separado;

II - de irmão, legítimo ou ilegítimo;

III - de tio ou sobrinho, com quem o agente coabita.


Código Penal
CAPÍTULO VIII- DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 183 - Não se aplica o disposto nos dois artigos anteriores:
I - se o crime é de roubo ou de extorsão, ou, em geral, quando haja emprego de grave
ameaça ou violência à pessoa;

II - ao estranho que participa do crime.

III – se o crime é praticado contra pessoa com idade igual ou superior a 60 (sessenta)
anos.
25) (CESPE - 2015 - STJ - Analista Judiciário – Administrativa)

Situação hipotética: Paulo tinha a intenção de praticar a subtração do automóvel de


Tiago sem uso de violência. No entanto, durante a execução do crime, estando
Paulo já dentro do veículo, Tiago apareceu e correu em direção ao veículo. Paulo,
para assegurar a detenção do carro, ameaçou Tiago gravemente, conseguindo,
assim, cessar a ação da vítima e fugir com o automóvel. Assertiva: Nessa situação,
Paulo responderá pelos crimes de ameaça e furto, em concurso material.
Código Penal
Art. 157 - Subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave
ameaça ou violência a pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à
impossibilidade de resistência:
Pena - reclusão, de quatro a dez anos, e multa.

§ 1º - Na mesma pena incorre quem, logo depois de subtraída a coisa, emprega


violência contra pessoa ou grave ameaça, a fim de assegurar a impunidade do
crime ou a detenção da coisa para si ou para terceiro.

Você também pode gostar