Você está na página 1de 374

OverlorD 11 O Artesão

dos Dwarfs
オーバーロード Ilustrado por so-bin
Aviso Legal:
A tradução de OVERLORD — para inglês e português — é feita e revisada de fã para fã,
não monetizem em cima da obra e não compactuem com quem o faz. Se quiserem e pu-
derem contribuir com o autor, comprem o livro ou ebook (japonês, inglês ou português)
em sua livraria de preferência.

Sobre:
A obra faz uso de muitos anglicismos, ainda mais por se basear em RPGS, então há mui-
tos termos em inglês e tentei preservar vários desses aspectos em alguns termos, nomes
de armas, itens, raças e coisas do tipo.
Claro, algumas coisas precisam ser adaptadas, outras é preciso generalizar. Dito isto,
àqueles que são adeptos do Dia do Saci em vez do Halloween podem não gostar. Estejam
avisados.

Tentei remover o máximo possível de erros de português e concordância. Mas somos


apenas pessoas com boa vontade e não especialistas da língua portuguesa.
Quando encontrarem algum erro, sintam-se à vontade para entrarem em contato atra-
vés do e-mail disponível no blog :)

Bem. Talvez se pergunte o motivo de eu estar usando Dwarf em vez de Anão e o motivo é simples! Veja:
“Dwarf” vem do inglês médio “Dwerf”, que por sua vez vem do inglês antigo “Dweorg”. Que é uma variação de outras
línguas de origens germânicas. O que incluir o nórdico antigo onde a palavra é “Dvergr” e no proto- germânico é
“đwerȝaz”.
Veja que apesar das diferentes grafias, as palavras soam de forma parecida?
E a etimologia da palavra leva diretamente a mitologia antiga de uma raça com determinadas características.
Já a palavra “Anão” que é comumente usada em PT-BR vem do latim, a etimologia é “a-” +latim “nanu”. Ou seja, baixa
estatura, nada relacionado à mitologia.
Justamente por isso que não usei “Anão”, pois é genérico, tem uma etimologia totalmente diferente da proposta.
Aliás, em JP é usado “ドワーフ|Dowāfu” em vez de algum sinônimo vindo de “朱儒” ou “侏儒”. Um outro termo
também referente aos mesmos é “小人|Kobito” e é usado apenas no título do livro e partes especificas.
Mas aí pode se perguntar, “Tá, mas por que Dwarf e não Dwarven?”, simples! “Dwarven” é a grafia empregada pelo J.
R. R. Tolkien e alguns outros escritores para se referirem uma raça com determinadas características. Porém, Dwar-
ven também pode ser um Adjetivo de Dwarf e até mesmo um coletivo. Mas para simplificar, deixarei como Dwarf e
Dwarfs (adotando o ‘S’ como plural no lugar de ‘ven’) apenas. Sem falar que evita confusão com pessoas com nanismo.
Então é isso, espero que entendam esse meu lado chato 😊.

Créditos:
CRÉDITOS PT-BR:
ainzooalgown-br.blogspot.com
CRÉDITOS EN-US:
overlordvolume10.blogspot.com
REFERÊNCIA DE NOMES:
overlordmaruyama.wikia.com

Atenção: Se baixou este arquivo de outro link que não o oficial do blog. Ou se tem muito
tempo que baixou e deixou guardado, que tal dar uma conferida no blog? Talvez esta seja
uma versão desatualizada :)
Revisão: 5.1 | Versão: 4.5
Sumário
Prólogo .......................................................................................................................................................... 5
Capítulo 01: Preparando-se Para a Terra Desconhecida .............................................. 15
Parte 1 ................................................................................................................................................................................... 16
Parte 2 ................................................................................................................................................................................... 37
Parte 3 ................................................................................................................................................................................... 53
Capítulo 02: Em Busca da Terra dos Dwarfs ..................................................................... 67
Parte 1 ................................................................................................................................................................................... 68
Parte 2 ................................................................................................................................................................................... 96
Parte 3 ................................................................................................................................................................................ 118
Interlúdio................................................................................................................................................ 129
Capítulo 03: A Crise Iminente................................................................................................. 133
Parte 1 ................................................................................................................................................................................ 134
Parte 2 ................................................................................................................................................................................ 142
Parte 3 ................................................................................................................................................................................ 154
Capítulo 04: O Artesão e a Negociação ............................................................................ 172
Parte 1 ................................................................................................................................................................................ 173
Parte 2 ................................................................................................................................................................................ 200
Parte 3 ................................................................................................................................................................................ 206
Capítulo 05: Frost Dragonlord .................................................................................................. 221
Parte 1 ................................................................................................................................................................................ 222
Parte 2 ................................................................................................................................................................................ 241
Parte 3 ................................................................................................................................................................................ 267
Parte 4 ................................................................................................................................................................................ 293
Parte 5 ................................................................................................................................................................................ 311
Epílogo .................................................................................................................................................... 332
Posfácio .................................................................................................................................................. 342
Ilustrações .............................................................................................................................................. 345
Glossário ................................................................................................................................................ 367
OverlorD
オーバーロード
-Volume 11-
O Artesão dos Dwarfs

Autor:

Maruyama Kugane
Ilustrador:

so-bin
Prólogo
ondo Firebeard trocou sua roupa de trabalho.

G Eram um conjunto de macacões de aparência grosseira, um costurado de


tecidos resistentes. Não era flexível e nem ficava confortável quando des-
gastado. Eles eram uma má escolha para o uso diário. No entanto, eram ex-
cepcionalmente adequados para trabalhar nos túneis das minas, onde as condições eram
precárias. Vestir isso pode não ter parecido grande coisa, mas ser capaz de usar tais
equipamentos foi revolucionário quando olhava para a história do povo Dwarf e como
eles já trabalharam nos túneis praticamente nus exceto por alguns farrapos.

Depois disso, ele colocou um capacete de metal, do tipo que uma infantaria leve usaria.
O interior das minas era muito úmido, e usá-lo diretamente contra a pele seria descon-
fortável devido ao calor e ao escorrimento do suor. Assim, os mineiros enchiam o inte-
rior de seus capacetes com toalhas grossas.

Finalmente, ele colocou um conjunto de placas de identificação em volta do pescoço. O


número 5 estava inscrito na placa de metal. Implicava que ele estava no último dia de
seu regime de 5 dias de trabalho e 5 dias de folga. Em outras palavras, Gondo breve-
mente estaria de folga a partir de amanhã.

Depois que os preparativos foram concluídos, Gondo saiu do vestiário e foi direto para
o lugar de sempre, a sala de espera.

Gondo se espremeu entre vários Dwarfs e imediatamente selecionou seu nome no qua-
dro de mensagens. Havia quatro outros nomes na mesma linha que os dele, e eles seriam
os colegas de turno de Gondo — seus colegas de trabalho para hoje.

Encontrar os colegas, pessoas com quem ele compartilharia sua labuta, era uma coisa
boa nessa sala de espera apertada. Parece que Gondo foi o último a chegar, porque seus
amigos já o haviam notado antes que ele pudesse se apressar.

“Ohhh! Gondo! Há quanto tempo!”

“Ho! Gagaiz! Tirei a sorte grande de você ser o líder de turno. Vai ser bom trabalhar com
você. O mesmo vale para os outros!”

“Ho, Gondo! Vamos fazer o nosso melhor hoje!”

“Mm, mm. Hoje é o quinto dia! O último dia. Eu vou dar tudo o que tenho!”

“Ha~ eu me sinto afrouxando já!”

Eles conversavam assim enquanto saíam da sala de espera e selecionavam picaretas,


pás e outras ferramentas de mineração. Então, eles tiraram rações e bebidas — lanchei-
ras e 2 litros de água, armazenados em um item mágico que mantinha uma temperatura
constante.

Prólogo
6
No entanto, não havia sinal da amada bebida dos Dwarfs, cerveja. Não havia como estar
lá. Embora fosse verdade que os Dwarfs eram altamente resistentes ao álcool e não fica-
riam intoxicados com apenas algumas bebidas, mas nenhum chefe de mineração jamais
permitiria que seus valorizados trabalhadores sequer tocassem na bebida demoníaca
enquanto trabalhavam nos perigosos túneis.

Dito isto—

Um dos Dwarfs tomou um gole de um cantil na cintura, um que não haviam lhe dado.

“Puhaa~”

O ar que ele exalava estava cheirando a álcool.

Ele não foi o único a fazê-lo. Gondo também tinha vários recipientes assim.

Claro, ele não tinha álcool com ele. No entanto, ele tinha cantis de água, sopa, cinco pa-
litos de doces cozidos e pão-de-dwarf para suplementar suas provisões.

O interior dos túneis era quente e úmido, de modo que, além de consumir calorias adi-
cionais, eles precisavam tomar mais água também. O fato era que suas rações eram o
mínimo necessário para eles. Seus chefes eram do tipo que cortavam custos sempre que
podiam.

Depois de terminar todos os preparativos, eles se aproximaram do Dwarf que estava


encarregado do túnel de mineração estatal.

Ele estava sentado do outro lado de um balcão, um Dwarf assustador e sinistro de ócu-
los. Ele levantou uma sobrancelha e olhou para Gondo e companhia.

Ele murmurou baixinho quando chegou ao Dwarf que fedia a álcool, mas no final não
disse nada. Ele poderia ser o gerente, mas ele ainda era um Dwarf, e entendia essas coi-
sas. Ou melhor, foi porque Gagaiz deu o primeiro passo e falou.

“Eu sou Gagaiz. Onde vamos escavar hoje?”

O Dwarf de aparência arrepiante bufou e depois moveu sua atenção do grupo para o
mapa que estava vistoriando. Embora a visão deles estivesse bloqueada pelo contador,
era razoável supor que era um gráfico que mantinha as atribuições de todas as áreas de
escavação.

“O setor de vocês será; oito, oito, dois, um.”

“Oito, oito, dois, um... thermósrochas, então?”


Thermósrochas eram coisas muito importantes para os Dwarfs.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


7
Dwarfs eram uma raça da terra. A maior parte deles viviam no subsolo. Portanto,
quando usavam carvão ou lenha para produzir o calor necessário para se aquecer, cozi-
nhar e forjar, o ar ficava poluído e tornava a vida difícil para eles.

Claro, havia itens mágicos que poderiam limpar o ar. Mas esses itens exigiam poderes
druídicos para serem feitos, que eram lamentavelmente raros entre os Dwarfs. Assim,
eles não poderiam produzir itens mágicos em massa.

Portanto, eles usaram o metal chamado “thermósrochas” como um substituto para uma
fonte de calor.

Thermósrochas eram um tipo especial de metal. Se alguém as atingisse com um metal


muito duro — mythril, no mínimo — elas produziriam calor intenso. Os Dwarfs usavam
esse curioso metal como “carvão”, e suas refinarias e ferrarias consumiam grandes quan-
tidades deles. Assim, pode-se dizer que as thermósrochas eram uma parte central da
vida dos Dwarfs.

Aliás, lenha e similares eram raros neste lugar.

Um conjunto de placas de metal bateu no balcão; eram autorizações que permitiam a


entrada e a saída dos túneis. Gagaiz enfiou-os no colar com uma destreza que ninguém
esperaria de seus dedos grossos.

Depois disso, ele estudou a folha de papel que lhe foi passada. Ele deixou os outros le-
rem também depois de ter verificado o conteúdo.

Logo, o papel chegou às mãos de Gondo. Como sempre, ele continha a rota que levava
ao seu local de escavação. Gondo gravou a localização de várias junções críticas em sua
mente. Elas seriam úteis se tivessem que fugir devido a uma emergência. Afinal, mons-
tros podem aparecer até mesmo em uma mina, então prestar atenção a essas coisas era
essencial.

“Use o carrinho de mineração no terceiro cruzamento.”

“Certo. Então vamos!”

Eles lubrificaram o carrinho de mineração operado manualmente no terceiro cruza-


mento e depois o empurraram para frente de acordo com as instruções de Gagaiz. O in-
terior dos túneis era iluminado por lanternas contendo óleo naturalmente incandes-
cente. No entanto, essas lanternas estavam muito distanciadas, por isso, às vezes, seções
inteiras do túnel estavam envoltas em escuridão. Dito isto, todos os Dwarfs possuíam
visão no escuro, o que poderia facilmente superar a escuridão. Claro, essa visão no es-
curo não tinha alcance ilimitado, mas era o suficiente para navegarem de lanterna a lan-
terna.

Prólogo
8
Talvez as raças do mundo exterior não pudessem suportar a sensação de opressão que
os túneis impunham a seus ocupantes. No entanto, não tinha efeito algum sobre os
Dwarfs, residentes no subterrâneo. Os túneis pareciam estreitos, mas eram bastante es-
paçosos para sua estatura. Dado que a altura média de um Dwarf era cerca de 130 cen-
tímetros, já um túnel tinha cerca de 180 centímetros de diâmetro, portanto era amplo o
suficiente para eles.

Em pouco tempo, o som de passos veio da frente.

Se fossem mineradores como Gondo e os outros, deveriam ter ouvido o som de um car-
rinho de mineração também. No entanto, não havia nada do tipo. O que foi isso então?
Se fosse o som de pés descalços no chão, teriam jogado tudo pelos ares e fugido de volta
para o lugar de onde vieram. Entretanto, não foi o caso; os passos soaram como se tives-
sem sido feitos com botas.

Eles tinham uma idéia de quem poderia estar fazendo esses sons.

Logo, eles viram um esquadrão de Dwarfs.

Gondo e os outros se apertaram para os lados das paredes para não impedir o progresso
de seus compatriotas. Bem, eles fizeram isso, mas o carrinho de mineração ainda ocu-
pava espaço no meio do túnel, então dizer que estavam tentando se manter fora do seu
caminho era apenas uma ilusão por parte de Gondo e dos outros.

“—Vão lá? Não há nada lá agora, mas tenha cuidado mesmo assim.”

“Ah, agradeço a preocupação. Estamos muito gratos pela sua ajuda.”

Depois dessa breve permuta de palavras, eles se separaram da equipe de Gondo. O


Dwarf à sua frente era um Médico de Túnel, um magic caster de um sistema alternativo.

Seu trabalho era lançar magias que reforçassem o teto e evitassem que pedaços caíssem,
impedindo que os mineiros fossem feridos por arestas afiadas nas pedras que estavam
escavando, e assim por diante.

Era crítico escorar os túneis devido ao constante perigo de seu colapso, mas a madeira
— o material mais comumente utilizado para esse reforço — era difícil de encontrar no
Reino Dwarf. Assim, os Médicos de Túneis usavam sua magia para fortalecer as paredes
dos túneis.

Além disso, eles poderiam dizer se estavam cavando muito perto de água ou gás. Com
eles ao redor, os mineiros poderiam trabalhar em paz, sem ter que se preocupar com o
colapso e coisas do tipo.

Atrás do Médico de Túnel — que tinha muitos trabalhos importantes para realizar —
havia guerreiros Dwarfs levemente equipados.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


9
Os Médicos de Túneis não eram comuns, e por isso eram escoltados por quatro solda-
dos.

Depois que o grupo passou por eles, o som de seus passos desapareceu ao longe.

Assim como outras cidades Dwarfs, a cidade de Feoh Jēra estava no coração de vários
veios de minério ainda em funcionamento. Apenas o oeste permaneceu inexplorado por
algum motivo. Ficava sob a terra, sob as íngremes encostas de vários picos escarpados.

Em contraste com suas atitudes descontraídas, os Dwarfs eram excelentes matemáticos.


Os muitos túneis que irradiavam da cidade como vasos sanguíneos de um coração eram
o produto de cálculos complexos, e formavam obras geométricas de arte uma vez que
fossem escavados. Os caminhos foram colocados nos túneis principais maiores para os
carrinhos de mineração, já os elevadores movidos à mão serviam os poços que foram
cavados para a mineração vertical. Além disso, havia os inúmeros túneis menores que
enraizavam a partir deles. Quando somados, a distância desses túneis ultrapassava fa-
cilmente várias centenas de quilômetros.

Devido ao seu tamanho, não havia como manejá-los totalmente com guardas. Mesmo
guardando cada turno de mineiros já era algo que demandava enorme trabalho. Por-
tanto, se um monstro aparecesse, os mineiros não tinham escolha a não ser largar tudo
e fugir de volta para o ponto crítico mais próximo, onde os guardas ficariam a postos.

Infelizmente, como as pessoas na superfície sabiam bem, todos os Dwarfs tinham per-
nas curtas. Seria preciso um milagre para cada um deles escapar com suas vidas.

Gondo e os outros pararam o carrinho no meio da passagem e ativaram suas lanternas


mágicas. Eles então seguiram para uma passagem lateral com suas ferramentas de mi-
neração em mãos. O destino deles estava no final do túnel à frente — o local de escavação
do dia.

Gagaiz deu suas ordens e os mineiros mudaram para suas posições sem queixas. Um
para manusear a picareta e cavar, um para dividir o leito rochoso com cunhas, um para
cavar a terra e balançar em um cesto, um para levar o cesto até o carrinho, um para em-
purrar o carrinho de mineração até a pilha de espólios—

“Tudo bem, vamos começar.”

E com isso, o trabalho do dia começou.

♦♦♦

Apesar de seus músculos desenvolvidos, as incontáveis repetições mecânicas de seu


trabalho significavam que seus corpos ansiavam descansar no momento em que seus
trabalhos cessassem.

Prólogo
1 0
Eles tiraram suas roupas de trabalho e se dirigiram para a casa de banho só para minei-
ros.

Esta casa de banhos fugia da tremenda quantidade de calor emitida pelos gigantescos
crisóis das fundições nacionais. Embora a água não estivesse muito quente, era a tempe-
ratura perfeita para dissipar a fadiga acumulada pelos corpos cansados.

Gondo encheu uma concha com água quente e acastanhada de uma bacia e despejou-a
sem frescuras.

Parece que havia algum tipo de teor férrico na água e, de fato, alguém poderia sentir o
gosto se bebesse.

Esta água quente limpou o corpo de Gondo da sujeira impregnada em seu corpo.

Ele esfregou com força a barba e o cabelo. Um Dwarf que não cuidasse e nem limpasse
a barba dificilmente poderia ser considerado um adulto.

“Ei, Gondo! Que tal uma bebidinha depois disso!”

—Gritou Gagaiz enquanto se esfregava com uma toalha de um banquinho em frente a


ele.

Gondo jogou mais água quente na cabeça e se acomodou na banheira antes de gritar de
volta:

“Vou ter que recusar! Tenho que trabalhar mais tarde, não posso adiar! Outra hora, tal-
vez!”

“É mesmo!? Que pena! Se mudar de idéia, vá até o Pavilhão da Cerveja Branca e tome
uma caneca ou duas com a gente!”

“Oh! Pode deixar que vou considerar sim!”

Gagaiz, em seguida, se moveu para conversar com seus outros amigos, e antes que al-
guém pudesse convidá-lo para sair, Gondo se levantou da banheira com um:

“—Vou indo!”

E se afastou.

Depois de secar-se e vestir as roupas limpas do dia a dia, Gondo foi até o balcão com o
sinistro gerente Dwarf. Ele tirou o colar que estava usando e o entregou.

O gerente examinou, depois disso colocou uma algibeira sobre o balcão.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


1 1
Foram cinco dias de salário. Devido à taxa de mortalidade razoavelmente alta nas minas,
os salários eram calculados semanalmente. Aparentemente, eles pagaram uma taxa diá-
ria no passado, mas isso levou a situações em que os trabalhadores não tinham o sufici-
ente para beber nas tavernas. Pode-se dizer que o sistema atual foi projetado para aten-
der a esse triste estado das coisas. Já a algibeira diante dele continha uma quantia con-
siderável, Gagaiz e os outros provavelmente gastariam metade disso em cerveja.

“...Gondo, com isso é um mês, se você contar hoje. Vou te examinar agora.”

“Estou bem. Minha respiração tá boa.”

“Quem decide isso sou eu, não você.”

Ele pegou uma lanterna do balcão e apontou para Gondo. Gondo não ficou feliz com a
luz ofuscante, mas continuou olhando para frente.

A inalação de partículas de pó por longos períodos degradava a capacidade funcional


dos pulmões. Isso fazia com que a pele se tornasse gradualmente pálida. Tal condição se
chamava Doença da Neve Branca, e esse exame era para ver se ele estava mostrando
algum sinal disso.

“...Hmph, parece bem.”

“A doença causa sons estranhos enquanto respira. Mas se não tem sons, tudo bem, né?”

“...Sim. Na verdade, antigamente era assim que eu descobria os sintomas. Mas examinar
o rosto é mais preciso do que ouvir os pulmões. Ou tá fazendo pouco caso da minha ex-
periência?”

“Você tá vendo fogo onde não tem. A experiência é vital.”

“Então, pare de ficar reclamando. Isso não ajuda ninguém. Além disso, Gondo. Você não
considerou uma posição permanente aqui? Poderia ser um líder de equipe. Afinal, você
é bastante experiente nesse campo.”

“Permita-me negar, pois não posso... vou precisar sair depois disso, e já acumulei os
fundos para minhas viagens.”

Gondo tinha poupado na medida em que as pessoas o consideravam antissocial, mas na


verdade era tudo para comprar os itens necessários para viajar.

“...E para onde você vai agora?”

“Eu pretendo vasculhar a cidade abandonada, Feoh Raiđō, no sul, e ir cavar lá.”

Prólogo
1 2
Os olhos do gerente sinistro se arregalaram ao ouvir isso.

“Quê!? ...Eu sei que é redundante falar isso, mas você sabe que o lugar é uma região
perigosa, não sabe? E com quem vai viajar?”

“Para a primeira questão: estou ciente disso. Para esta última, minha resposta é: nin-
guém.”

Quanto mais pessoas procuram, maiores são as chances de descoberta. Uma vez que
acham, alguns ou todos poderiam morrer. Em vez de arriscar isso, seria melhor ir sozi-
nho e diminuir as chances de ser morto.

“...Esqueceu algo lá e quer pegar?”

“Não. Eu te disse, não é? Pretendo ir cavar.”

“É a natureza dessa escavação que me deixa perplexo. Já não cava o suficiente aqui?”

“Hmph! Meu trabalho aqui não vem ao caso... bem, há subsídios para a quantia que mo-
vemos, mas isso é apenas uma quantia fixa. A verdade é que trabalhar aqui simplesmente
não paga o suficiente.”

“Mas paga melhor do que um trabalho comum.”

O gerente diante dele estava certo. Gondo escolheu trabalhar aqui porque precisava le-
vantar fundos em um curto período de tempo.

“Não o bastante para meus objetivos. É por isso que pretendo escavar a cidade abando-
nada. Ninguém pode negar minha reivindicação, não importa que tipo de metal eu esca-
var.”

O gerente franziu as sobrancelhas em uma carranca. As palavras de Gondo podem ter


sido bastante extremas, mas ele também estava correto.

“Então, tá procurando o White-iron?”

“Sim, isso mesmo. Afinal, ninguém vai discutir comigo se eu o recuperar de lá.”

O fato fundamental foi que todas essas minas foram nacionalizadas. Assim, alguém teria
que pagar um preço apropriado — apropriadamente alto se quisesse o White-iron. No
entanto, qualquer coisa que se extraísse de uma mina abandonada era essencialmente
dos detentores das descobertas. Entretanto, se algo acontecesse com eles lá, o país não
forneceria nenhuma assistência, é claro.

“...Venderia pra mim? Eu vou pagar bem, é claro.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


1 3
Eles ainda não haviam desenterrado White-iron dos veios minerais perto da cidade.
Assim, uma vez que os minérios acabassem, o preço do metal subiria assintoticamente.

No entanto, Gondo sabia que o Dwarf diante dele não estava fazendo essa proposta por
interesse próprio. Ele estava fazendo isso simplesmente pela bondade de seu coração.

Provavelmente pretendia negociar com Gondo com um preço mais alto do que o inter-
mediário cobrava. No entanto, Gondo não estava procurando o White-iron para vendê-
lo — em outras palavras, ele não estava procurando lucro.

“Como direi isto... Eu pretendo usar em algo. Tudo será para a minha pesquisa.”

Uma sombra caiu sobre o rosto do Dwarf de aparência sinistra.

“Você ainda diz essas coisas... Bem, eu não posso dizer que não entendo como se sente,
mas não é melhor encarar a realidade e se estabelecer aqui como um líder de equipe? O
que seu pai pensaria?”

Naquele momento, a raiva explodiu no coração de Gondo. No entanto, ele abaixou o


rosto para esconder a raiva, fazendo-a retroceder antes que pudesse aparecer. Afinal, o
Dwarf diante dele havia ajudado o pai de Gondo muitas vezes antes. Foi por isso que ele
estava tão preocupado com Gondo, filho de seu amigo, mergulhando em uma pesquisa
praticamente dada como infrutífera.

Mesmo o outro homem dizendo aquilo por boa vontade, Gondo não conseguiu aceitar
essas palavras.

“Eu encaro a realidade todos os dias. Meu pai não trilhou nenhum caminho falso. Eu vou
reviver as artes que foram perdidas!”

No final, ele não pôde conter completamente sua ira.

Enquanto desabafava o rancor com aquelas palavras, Gondo se virou e se afastou sem
olhar para trás.

Ele se sentia culpado por fazer as pessoas se preocuparem com ele, mas foi anulado
pela paixão que sentia pelo que tinha que fazer, não importava o custo.

Sim.

Era para isso que ele vivia, como um alguém que não poderia ser comparado ao seu
excepcional pai.

Gondo mordeu o lábio e olhou para a frente.

Prólogo
1 4
Capítulo 01: Preparando-se Para a Terra Desconhecida

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


1 5
Parte 1

epois de voltar do Império, Ainz sentou-se à sua mesa em E-Rantel e se in-

D
clinou pesadamente contra as costas da cadeira.

Como já tinha começado a recrutar para a recém-fundada Guilda dos


Aventureiros do Reino Feiticeiro, levaria algum tempo antes que os resul-
tados pudessem ser vistos. Até lá, vários preparativos eram necessários.

Sua principal prioridade era montar uma escola para treinar os aventureiros, mas se as
circunstâncias permitissem, ele poderia usar a própria Guilda dos Aventureiros. Prova-
velmente seria um sinal de hospitalidade preparar um albergue para os voluntários que
viajaram uma longa distância para se inscrever. Seus instrutores seriam aqueles aven-
tureiros que escolheram permanecer no Reino Feiticeiro.

Eu provavelmente deveria perguntar a Albedo e aos outros sobre como administrar os


territórios... mas antes disso... por que ele levantou a questão da vassalagem... isso vai dar
problemas para a Albedo e Demiurge, certo? ...?

Ainz não tinha idéia do que Jircniv estava pensando. Nem sabia como explicar a situação
para aqueles dois indivíduos sagazes. Por que Jircniv fez uma proposta como aquela? Até
onde sabia, Demiurge poderia estar trabalhando nos bastidores e ter feito isso acontecer.

Eu deveria ter discutido tudo isso de antemão com o Demiurge. Ah, mas ele foi para um
lugar distante, e agora tudo que eu posso fazer é pensar em como cuidar disso entre a Al-
bedo e eu... como eu pensei, é impossível, huh...

Haaa~

Ele suspirou internamente. O desconforto e confusão fizeram seu estômago inexistente


doer. E então, quando ele pensou sobre o que aconteceria quando voltassem, a dor se
intensificou.

Ainz balançou a cabeça, e então considerou a informação que tinha aprendido no Impé-
rio, como se para evitar pensar sobre o emaranhado de problemas que ele teria que lidar.

“...Runas, huh.”

Bits e pedaços de conhecimento de YGGDRASIL foram espalhados por todo este miste-
rioso novo mundo, como estrelas brilhando na noite. Ele havia encontrado traços de ou-
tros jogadores, a existência de itens World-Class e assim por diante.

Ele agora poderia adicionar a existência de runas — uma forma de escrita do mundo de
Suzuki Satoru — a essa lista.

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


1 6
A razão pela qual o povo da Teocracia poderia convocar anjos das religiões do mundo
de Suzuki Satoru foi provavelmente devido à magia proveniente de YGGDRASIL.

Então, e essas runas? Como elas vieram a existir neste mundo? As runas neste mundo
eram as mesmas do mundo de Suzuki Satoru? Ou elas eram simplesmente uma forma de
escrita mágica semelhante, e assim o termo tinha sido traduzido automaticamente como
“runas”?

...O Reino dos Dwarfs está localizado nas proximidades da Cordilheira Azerlisiana. Preciso
investigar isso completamente. Como eu pensei... não posso evitar ir lá, posso?

Naturalmente, Ainz perguntou a Fluder sobre runas antes de retornar para E-Rantel.

No entanto, tudo o que sabia era que um Rei Dwarf proveniente da Cordilheira Azerli-
siana visitou o Império em tempos passados, por sinal era um forjador de runas, e que o
Império comprou armas e armaduras do Reino Dwarf. No entanto, há cerca de 100 anos,
todos os vestígios de itens mágicos esculpidos em runas foram perdidos.

Embora essa informação fosse muito valiosa para Ainz, não era o que ele realmente
queria saber.

Não havia a profissão de “Forjador de Runas” em YGGDRASIL. Se essa é uma profissão que
é exclusiva deste mundo, existe a chance de que a tecnologia dos dois mundos seja combi-
nada em uma só. É... preciso investigar esse assunto com mais detalhes. Mas quem devo
enviar para lá?

Tudo o que ele queria era visitar o Reino dos Dwarfs e perguntar sobre runas e coisas
do gênero. Quanto à profissão de Forjador de Runas— bem, era uma questão técnica e
um potencial segredo de estado. Na pior das hipóteses, ele poderia fazê-los falar usando
magia de charme e afins se eles decidissem manter a boca fechada sobre isso.

Se fosse simplesmente uma questão de usar charme ou magia de dominação, ou seques-


trar pessoas com magia de teletransporte, então qualquer um poderia fazer. Mas e se
houvesse um jogador por trás dessas runas? Por tudo o que sabia, a pessoa que fizera
lavagem cerebral em Shalltear poderia estar escondida lá.

Eu quero aprender mais antes de entrar lá, mas não será fácil descobrir algo que nem o
Fluder sabe.

Ainz levantou-se lentamente de seu assento.

Em um instante, a mulher ao lado dele entrou em ação. Ela tinha um olhar energético
no rosto que combinava com o corte de seu cabelo pueril. Era Decrement, a empregada
a serviço de Ainz no dia de hoje.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


1 7
Ainz estendeu a mão para parar Decrement, e então começou a andar devagar em seu
escritório.

Enquanto Ainz considerava logicamente o potencial lucro e a perda desse empreendi-


mento, antigas lembranças surgiam de forma automática nas lacunas entre os números.
Ele recordou os perigos que encontrara em regiões inexploradas, a alegria de descobrir
coisas novas, a tristeza de fracassar em uma missão, e as expressões e palavras dos ca-
maradas com quem ele compartilhara essas experiências. Eram apenas memórias, mas
até mesmo suas lembranças de dizimar grupos inimigos foram transmutadas em um bri-
lho radiante que iluminava o crânio vazio de Ainz.

Depois que ele lentamente guardou essas dolorosas reminiscências em seu coração, os
pensamentos de Ainz finalmente tomaram forma.

...Eu acho que vou ter que ir, mesmo sabendo que pode ser perigoso.

A guilda chamada Ainz Ooal Gown foi uma organização fundada sobre esses princípios.

Naturalmente, algumas pessoas podem ridicularizar a idéia de comparar jogos — que


não representavam perigo para seus jogadores — à realidade. Ainda assim, a hesitação
pode custar a chance de adquirir novos conhecimentos e resultar na perda da iniciativa.
Quem poderia dizer que não era possível?

Depois que ele decidiu investigar as runas do Reino Dwarf, uma pergunta apareceu na
mente de Ainz.

Essa seria a escolha dos membros do grupo.

Quem seria o melhor candidato para enviar para lá?

Devo pedir a opinião do Demiurge e Albedo? Não, se eu fizer isso, não serei capaz de enviar
o lutador mais capaz de todos.

Essa pessoa era o próprio Ainz.

Ainz poderia dizer sem qualquer falso orgulho que não havia ninguém na Grande
Tumba de Nazarick que fosse melhor que ele em se adaptar a fenômenos desconhecidos
e magia. Simplificando, o curso de ação mais eficiente seria que Ainz prosseguisse sozi-
nho. No entanto, se realmente houvesse um jogador inimigo, também seria a jogada mais
tola que ele poderia fazer.

...Se houver poucos de nós, posso pelo menos levá-los comigo quando eu fugir. Isso significa
que eu deveria escolher aqueles que possam me comprar tempo enquanto me preparo para
escapar.

As primeiras pessoas a aparecer em sua mente foram os Guardiões de Andar.

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


1 8
Por serem NPCs de nível 100, eles poderiam ganhar tempo para Ainz escapar, mesmo
contra outros jogadores. Dito isso, ele poderia realmente usar os NPCs, os amados filhos
de seus antigos amigos, de tal maneira?
[Tenente Morto-Vivo]
E se eu usasse vassalos de alto nível liderados por um Undead Lieutenant? Não, a flexibi-
lidade deles é muito baixa, comparada aos NPCs que foram construídos do zero.

Os vassalos tinham o mérito de serem muito mais facilmente descartáveis, ao contrário


dos NPCs. Mas, ao mesmo tempo, suas habilidades não tinham amplitude e, portanto,
sua falta de adaptabilidade era uma fraqueza.

Quando ele excluiu o lado emocional da questão de suas considerações, os NPCs eram
a escolha ideal. Ainz, como jogador, não realizou experimentos nesse sentido, e assim ele
não podia ter certeza se ele poderia ser ressuscitado. No entanto, não havia esta dúvida
em relação aos NPCs, pois já havia realizado este feito em Shalltear.

Ainz se sentou em sua cadeira mais uma vez.

“Hmm...”

Ainz juntou os dedos na frente do rosto e pensou na melhor escolha a ser feita.

Mas no final, ele ainda não conseguiu chegar a uma conclusão.

Será que os idiotas não conseguem encontrar a resposta, não importa o quanto pensem?

Com um sorriso autodepreciativo, Ainz olhou para Decrement.

“Você estaria disposta a morrer por mim?”

“Claro, Ainz-sama. Apenas dê a ordem e eu vou jogar minha vida fora pelo senhor.”

Decrement respondeu, sem um momento de hesitação.

“As outras pensam da mesma maneira? Elas pensariam em mim como um mestre cruel?”

“Acredito que todas as outras aceitariam a morte sem pensar duas vezes. Ninguém pen-
saria em recusar. Fomos feitas pelos Seres Supremos e, portanto, existimos apenas para
os Seres Supremos. Não há maior alegria para nós do que cumprir qualquer ordem que
derem a nós.”

“Compreendo... Só estava perguntando por curiosidade. Não há significado mais pro-


fundo para a minha pergunta. Tire isso da mente.”

Quando Decrement se curvou, Ainz se decidiu.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


1 9
—Ele usaria os NPCs.

Ainz abriu um mapa da área circundante.

Este mapa foi compilado a partir das descobertas das explorações de Aura. Em particu-
lar, Ainz tinha certeza de que não havia outro mapa que cobrisse as profundezas da
Grande Floresta de Tob com mais detalhes. Infelizmente, ele não podia ter certeza da
exatidão da escala e, portanto, não pôde concluir que se tratava de um mapa perfeito.
Mas com isso em mãos, era muito menos provável que ele se perdesse.

Ainz colocou um dedo em E-Rantel e, em seguida, traçou lentamente uma linha ao norte,
passando pela Grande Floresta. Não houve problema até este ponto. A maior parte da
floresta estava agora sob o controle de Nazarick. Depois de eliminar os monstros e feras
com baixa inteligência, eles assumiram o controle de vários assentamentos demi-huma-
nos e heteromorfos. Havia uma grande caverna subterrânea, mas ele não tinha intenção
de mexer com ela por enquanto. Claro, ele poderia assumir o controle se isso fosse pro-
veitoso para ele.

Seu dedo alcançou o lago em forma de cabaça na ponta norte da floresta.

Mais ao norte de lá estava a Cordilheira Azerlisiana. Era um território desconhecido.

“Uma região desconhecida, huh...”

Hmph~

Ainz sorriu.

Ele havia acabado de impressionar os aventureiros sobre a importância de explorar o


desconhecido. Praticar o que ele pregava seria uma boa publicidade.

“Venha se aventurar no Reino dos Dwarfs da Cordilheira Azerlisiana.”

Soava como um slogan que se ouvia nos programas de TV.

Ele afastou o sorriso que veio naturalmente e começou sua contemplação a sério.

Ele considerou as vantagens que viriam ao ir pessoalmente para um lugar onde poderia
haver outros jogadores.

Obviamente, ter o Rei Feiticeiro aparecendo em pessoa era um sinal claro de sua since-
ridade.

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


2 0
Era como se o chefe de uma empresa fosse pessoalmente em outra empresa para con-
duzir as negociações. Na experiência de Suzuki Satoru, os efeitos disso seriam imediata-
mente evidentes.

Além disso, sua perspectiva era diferente de seus subordinados, que tendiam a ver os
que estavam fora de Nazarick como formas de vida inferiores. Ainz qualificava-se como
um ser moderado entre os membros de Nazarick. Como resultado, ele sentiu que não era
uma má escolha quando se tratava de negociar com o Reino dos Dwarfs — ou uma esco-
lha um tanto covarde, se ele quisesse ser honesto consigo mesmo.

Além disso, enviar Pandora’s Actor sempre era uma opção viável.

Ele seria a escolha ideal, seja em termos de inteligência, adaptabilidade ou outras áreas.

Contudo—

Quem administrará o país nesse meio tempo?

Alguém mais deveria responder a essa pergunta.

Essa pessoa naturalmente seria Ainz Ooal Gown.

Eu não posso fazer isso.

Ainz gritou internamente repetidas vezes.

Se ele tivesse que escolher um dos dois cursos de ações, ele preferiria ir ao Reino dos
Dwarfs.

Mais ao ponto, tudo o que ele precisava fazer era visitar o local uma vez e ele seria capaz
de se teletransportar para lá no futuro. Se algum problema surgisse, tudo o que ele tinha
que fazer era jogar seu trunfo de “Eu considerarei isso em maiores detalhes quando voltar
para casa”. Mesmo que a outra parte respondesse com “Esperamos que você decida ime-
diatamente”, ele poderia simplesmente falar outra desculpa na hora.

Ainz sabia muitas técnicas para escapar de uma situação como essa.

Eu tive o Ainzach por perto da última vez, mas agora eu que vou fazer o papel do vendedor
de porta em porta com os meus produtos. Não é como se eu precisasse fechar uma venda,
então deve ser fácil.

Ainz sorriu quando assumiu a expressão de Suzuki Satoru, um vendedor. Então, o con-
texto de seu sorriso mudou.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


2 1
E... com o passar do tempo, eu poderei ser capaz de entregar a vassalização do Império ao
Demiurge e a Albedo, e deixá-los elaborar os planos para isso. Sim! Não posso evitar. Não
é como se eu quisesse fugir do meu trabalho ou algo assim!

Enquanto ele fervorosamente pedia desculpas por seu comportamento, Ainz começou
a pensar no próximo problema:

Quem ele levaria nesta expedição?

Ainz cruzou os braços com um olhar confuso no rosto.

Por hora, ele não gostaria de envolver Albedo ou Demiurge, pois eles tinham coisas mais
importantes para fazer e também eram líderes de projetos. Se ele levasse qualquer um
deles, então surgiriam problemas nos projetos particulares de cada um.

Aura e Mare eram escolhas muito boas, especialmente por serem humanoides como os
Dwarfs. Assim, suas contrapartes não seriam muito cautelosas com eles.

Cocytus seria complicado. Claro, ele era uma boa escolha para visitar uma região fria e
montanhosa, mas ele agora estava no comando da Grande Floresta de Tob, que também
fez dele um tipo de líder de projeto. Ainz esperava poder concentrar suas energias nessa
tarefa. Além disso, sua aparência incomum — combinada com a de Ainz — provavel-
mente deixaria a outra parte desnecessariamente nervosa.

Sebas também seria uma boa escolha.

Ele estava atualmente fornecendo apoio administrativo em E-Rantel, com Tsuareninya


como sua assistente. Deveria ser bom levá-los para fora já que Pandora’s Actor estava
por perto, mas Ainz tinha algumas dúvidas sobre a capacidade de luta.

Gargantua e Victim estavam fora de questão, é claro. As imagens de vários outros NPCs
apareceram na mente de Ainz, mas a maioria deles era inadequada para seguir Ainz
como guarda-costas.

Se for esse o caso, então terá que ser a Aura e— Shalltear.

Aura — e os monstros que ela comandava — poderiam ser considerados uma escolha
ideal para o papel de um tanque. Na pior das hipóteses, ele poderia sacrificar as feras e
escapar com Aura. E depois havia Shalltear, a melhor lutadora de um contra um. Ela po-
deria servir como um trunfo contra um inimigo forte. Além disso, havia outro motivo
pelo qual ele queria usar a Shalltear.

Ele deveria ter levado Mare, considerando que ele poderia estar enfrentando um exér-
cito. No entanto, se eles encontrassem um jogador, sua prioridade seria recuar e não
exterminar o inimigo. Assim, ele deixaria Mare de fora desta vez.

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


2 2
Se for esse o caso...

Assim que Ainz estava prestes a fazer um movimento, o som de uma 「Message」 soou
dentro de sua cabeça.

『—Ainz-sama.』

“Oh, Entoma.”

『—Sim. Atualmente estou viajando com a Shalltear-sama e chegamos à aldeia dos Li-
zardmen. Cocytus-sama deseja enviar um Lizardman com um relatório sobre o status da
aldeia e pede sua permissão para abrir um 「Gate」. O que deve ser feito, Ainz-sama?』

Cocytus ocasionalmente enviava relatórios sobre a aldeia, algo do qual ele foi encarre-
gado de executar.

Ainz realmente não sabia o quão bem Cocytus tinha executado a tarefa, então ele cos-
tumava dar uma rápida olhada nesses relatórios e responder com um “Bom trabalho”.
Houve momentos em que ele queria dizer: “Você não precisa mais fazer isso”, mas repor-
tar-se aos superiores era a atitude adequada a ter e, por sua vez, ele tinha que cumprir
suas responsabilidades como superior de Cocytus.

“Então abra o 「Gate」 no lugar de costume... ah, espere, a magia defensiva ainda deve
estar ativa. Espere uma hora antes—”

Ainz tirou uma folha com itinerários e verificou a hora.

“—Lance a magia às treze horas e quarenta e seis minutos. Eu baixarei as defesas por
cerca de dois minutos quando chegar o momento.”

Mesmo este edifício não sendo pertencente a Nazarick, ainda assim estava envolto em
campos de força mágicos que impediam o teletransporte e afins, mantido pelo MP de
vassalos de alto nível. Esses campos de força eram fortes o suficiente para impedir ma-
gias razoavelmente altas, mas drenavam os vassalos até o ponto em que precisavam tro-
car de turnos várias vezes ao dia. Além disso, também impediam o teletransporte aliado.

Isso foi por causa do efeito de fogo amigo, que não existia em YGGDRASIL.

Assim, houve ocasiões em que ele precisava desarmar brevemente a grade de defesa
para permitir o teletransporte direto para este lugar. Claro, abaixar as defesas signifi-
cava que os inimigos poderiam se teletransportar também. A fim de evitar que eles fos-
sem atingidos por uma “explobomba” — como chamavam na gíria de YGGDRASIL —
Ainz decidiu limitar essas breves aberturas a horários predeterminados.

『—Entendido. Eu transmitirei sua mensagem para a Shalltear-sama.』

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


2 3
Ainz respondeu:

“Ótimo!”

E então encerrou a 「Message」 e levantou-se.

“...Deixarei a escolha da minha roupa para você. Um Lizardman está vindo como um
emissário de Cocytus. Escolha algo que não me envergonhe.”

“Sim senhor!”

Um fogo apaixonado brilhou nos olhos de Decrement.

Ela também?

Ainz pensou, mas não deu voz a essas palavras. Um homem sem confiança em seu senso
de estilo não poderia dizer tais coisas.

Com Decrement o seguindo, Ainz andou enquanto dava ordens a um undead voador
que ele havia criado. Ditas ordens eram para informar os undeads que guardavam o
grande salão desta mansão sobre a chegada de um Lizardman via 「Gate」.

Enquanto o observava desaparecer ao longe, Ainz contemplou o uso efetivo dos unde-
ads que havia criado.

Se um undead de Ainz pudesse se reportar a ele, ele poderia colocá-los em todo o


mundo e criar uma rede de inteligência de undeads. Infelizmente, isso seria muito difícil
de realizar. Mesmo que Ainz desse um comando, os undeads só poderiam dar respostas
vagas. Além disso, era muito difícil para Ainz gerenciar o aumento maciço do número
que ele já havia criado. Sempre havia o risco de que ele pudesse se descuidar e dar uma
ordem completamente não relacionada a um lacaio undead e causar algum acidente.

No futuro, ele poderia ser capaz de criar algum tipo de sistema para resolver esse pro-
blema, mas isso era impossível, dadas as circunstâncias atuais.

Talvez eu possa deixar o Pandora’s Actor lidar com esse tipo de coisa no meu lugar. Mas
então eu teria que lidar com o problema de todos os undeads ficarem paralisados quando
ele não está na minha forma.

Ele teria que considerar o assunto com seriedade depois de procurar as opiniões de
Albedo e Demiurge. Enquanto ponderava sobre este problema, Ainz chegou ao seu ca-
marim.

Como de costume, as duas fileiras de empregadas o saudaram com os olhos radiantes.


Em particular, os olhos de Decrement — como empregada a serviço de Ainz — estavam
praticamente avermelhados.

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


2 4
Ainz permitiu que as empregadas o ajudassem a trocar de roupa enquanto perguntava
sobre a localização de Aura.

Hoje, ele usaria algo em branco puro.

Parecia muito chamativo para alguém como Ainz, que estava acostumado a usar roupas
escuras.

Além disso, as empregadas o adornavam com um colar gigantesco feito de ouro e outros
metais. Isso o fez se preocupar que os corvos tentassem roubá-lo por causa de seu brilho.
Mas a parte da roupa que não fazia o menor sentido eram as penas que se projetavam
de suas costas.

Eu sou um pavão ou algo assim?

Ainz queria dizer, mas quando ele olhou ao redor, viu um olhar compartilhado de orgu-
lho e satisfação nos rostos das empregadas. Nenhuma delas parecia preocupada, ou ti-
nha qualquer expressão que pudesse ser considerada em qualquer lugar perto de nega-
tivo. Todas tinham o mesmo olhar de medo e nervosismo em seus rostos, suas bochechas
estavam rosadas.

Elas eram como um grupo de fãs diante de uma Idol que tanto amavam.

Isso é mesmo certo? É realmente tão atraente para as mulheres...? É, parece que não tenho
nenhum senso de moda mesmo....

Enquanto Ainz encerava a melancolia dentro de sua alma, as empregadas terminaram


de vesti-lo.

Do espelho, ele notou que havia penas brotando debaixo de seu braço, o que fez Ainz
pensar em um monstro de YGGDRASIL.

Era um Archaeopteryx ou algo assim? ...Se não me engano, eram dinossauros de estimação
para druidas.

Eles ficavam com as penas eriçadas quando alguém cruzava os braços na frente deles,
o que foi bastante irritante.

Mas o que elas diriam se ele dissesse: “Essa roupa não servirá”? Elas responderiam com
algo do tipo “Como isso é inadequado? Por favor, diga-nos quais roupas devemos escolher
no futuro.”.

“Tudo certo!”

No final, Ainz decidiu deixar essas coisas incômodas de lado.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


2 5
“Vamos!”

♦♦♦

Quando a hora marcada chegou, Ainz sentiu um portal mágico — um 「Gate」— aberto
no grande salão.

Ele já havia dissipado o campo mágico em torno deste edifício, a pessoa que passava
pelo 「Gate」 não apareceu imediatamente, graças à magia 「Delay Teleportation」
que ele havia lançado. Esta foi a mesma magia que ele usou durante a batalha com Shall-
tear.

「Delay Teleportation」 dificultava brevemente os efeitos de teletransporte que ti-


nham seu destino perto de quem a conjurava, comprando-lhes vários segundos de
tempo, que poderia ser usado para fugir ou preparar um ataque. Além disso, a magia
também informava a quem conjurava quantos seres seriam teleportados para os arre-
dores.

Assim, Ainz sabia que apenas uma pessoa havia se teletransportado para cá.

Entoma pode não ter vindo aqui com Shalltear, mas ela provavelmente chegaria em
breve.

「Delay Teleportation」 apenas atrasava o teleporte. Não foi possível cancelar comple-
tamente. Assim, algum tempo depois, uma meia esfera negra apareceu dentro da área da
magia 「Delay Teleportation」.

Logo depois disso, a cabeça de um Lizardman cheia de medo foi vista.

Quando ele — deve ser um macho, né? — olhou ao redor, sua linha de visão encontrou
a de Ainz, que estava sentado no trono simples no meio do grande salão.

“Vos-Vossa Majestade, Ainz Ooal Gown. Perdoe a grosseria do seu servo diante de ti.”

Ainz não conseguiu esconder totalmente sua consternação no discurso fluente do Li-
zardman. Mesmo Zaryusu sendo um tipo acima do resto de sua tribo, a dicção deste Li-
zardman soava polida e natural.

Isso é o resultado do treinamento do Cocytus?

A pergunta percorreu sua mente, mas havia algo a fazer antes disso.

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


2 6
A magia de Ainz 「Delay Teleportation」 já havia dito que apenas uma pessoa viria.
[Cavaleiro d a M o r t e ]
Uma vez certo de que mais ninguém estava vindo, ele ordenou que um Death Knight per-
manecesse à margem para reativar o item mágico de defesa. O Death Knight balançou a
cabeça em reconhecimento e caminhou para frente, e então Ainz voltou seu olhar para o
Lizardman ajoelhado.

Ao mesmo tempo, Decrement — que estava ao lado de Ainz — entrou em ação com o
timing perfeito.

“Lizardman, a você foi concedida uma audiência.”

Isso fôra completamente diferente de como ela tinha sido quando escolheu roupas para
Ainz.

Ela irradiava o ar de uma princesa capaz de atitudes frias.

Em circunstâncias normais, a maioria das pessoas ficaria ofendida com uma empregada
em um palácio (ou em um local semelhante), falando com esse tom. O suplicante poderia
muito bem sorrir quando notasse que o governante estava acompanhado por apenas
uma única empregada. Alternadamente, poderia ter pena do Reino Feiticeiro por ter tão
pouca força de trabalho ao ponto que uma empregada tinha que executar tais deveres.

No entanto, esses Lizardmen foram treinados por Cocytus, e eles entenderam comple-
tamente que qualquer um dos NPCs era muito superior a eles. Portanto, não questiona-
riam a atitude de Decrement.

Ah, que saco. Por que não param de cerimônia e falem normalmente? Bem, por mim seria
assim, mas como dizem, quando em Roma, faça como os romanos.

Ainz Ooal Gown foi brevemente incomodado pelos resquícios da personalidade que
pertencia à Suzuki Satoru, um mero assalariado, mas não pôde evitar.

O Lizardman levantou-se, inconsciente do tumulto interno de Ainz. Na verdade, Ainz


não podia dizer a diferença entre um Lizardman e outro. Se suas escamas tivessem uma
cor diferente, ou se tivessem características distintivas óbvias — por exemplo, marcas
ou um braço anormalmente grande — poderia ter sido possível, mas ele não poderia
dizer como o Lizardman diante dele diferia de qualquer outro.

Em todo caso, Ainz tinha Decrement para comandar o Lizardman para se identificar.

“Ainz-sama graciosamente permite que diga seu nome.”

“Entendido! Eu agradeço à sua magnanimidade! O ser que vos fala é Kyuku Zuzu, ex-
chefe da tribo Razor Tail.”

Ainz nunca tinha ouvido esse nome antes.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


2 7
Deveria exibir abertamente sua ignorância ou fingir que sabia? Ainz não escolheu ne-
nhum desses, mas escolheu uma terceira opção — em outras palavras, ele acenou com a
cabeça para continuar o fluxo da conversa. Afinal, Cocytus poderia ter mencionado isso
durante um relatório anterior.

Depois disso, Ainz ordenou a Decrement para que o Lizardman lhe dissesse o porquê
ele tinha vindo aqui.

Que saco!

Isso era basicamente como as coisas aconteciam sempre que ele se encontrava com um
subordinado — seus servos.

Se eu não estivesse preocupado em como as pessoas veem o Reino Feiticeiro, eu teria su-
gerido acabar com essa chatice...

Assim que Ainz suspirou internamente, Decrement deu ao Lizardman um comando.

“Em sua misericórdia, Ainz-sama permite que você indique a razão para qual busca uma
audiência com ele.”

“Entendido! Cocytus-sama, o governante de nossas aldeias e o mestre do lago, deseja


apresentar algo a Vossa Majestade, o Rei Feiticeiro Ainz Ooal Gown, Overlord Supremo
e governante da Grande Tumba de Nazarick, bem como o suserano de Cocytus-sama.”

Ainz ficou surpreso com quantos títulos o Lizardman conseguiu emendar, mas ele não
mostrou em seu rosto. Em vez disso, inclinou a cabeça para Decrement, que se adiantou
e recebeu um pergaminho do Lizardman. Então, Ainz teve que esperar por Decrement
retornar e apresentá-lo a ele antes que ele pudesse finalmente lê-lo.

Estava coberto de um roteiro escrito por Cocytus. Havia tantos números gravados que
levaria um bom tempo para lê-lo aqui.

Portanto, Ainz enrolou o pergaminho de volta e deu a um Death Knight que estava por
perto. Só então ele poderia finalmente abordar o Lizardman diretamente.

“Ótimo trabalho.”

“Às suas ordens, Vossa Majestade!”

Mesmo isso sendo tudo o que Ainz poderia dizer, ele não pretendia terminar a conversa
lá.

Ainz se levantou de seu trono e falou com o Lizardman.

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


2 8
“Então, eu lhe farei uma pergunta, não em minha capacidade como o Rei Feiticeiro, mas
como o mestre do Cocytus. Afinal, eles dizem que falar diretamente com os vassalos irá
aprofundar a compreensão mútua.”

O Lizardman parecia vagamente confuso. Isso porque ele não tinha idéia de como lidar
com o fato de ser questionado diretamente. Pelo menos, isso era o que ele achava que
estava acontecendo, apesar da dificuldade de ler as expressões de um Lizardman.

“Relaxe. Não é nada oficial. Depois de sair deste lugar, nenhum vestígio dos eventos aqui
permanecerá nos pensamentos ou memórias de alguém. Nem vou censurá-lo por qual-
quer falta de respeito em seu comportamento.”

Essas palavras foram dirigidas a Decrement e os Death Knights ao redor e também ao


Lizardman diante dele.

“Vejamos... então, como está o Zaryusu? Eu entendo que ele permaneceu dentro da
Grande Tumba de Nazarick, mas e ultimamente?”

“De fato! Pela graça de Vossa Majestade, ele está em boas condições. Ele é o pai de uma
criança saudável, ele e a esposa parecem muito felizes.”

“Oh, é assim! Eu permiti que ele voltasse porque o filho estava prestes a nascer, e agora
aconteceu. Entendo, entendo. Bem, é bom que o casal feliz esteja se dando bem.”

Havia pessoas casadas dentro da guilda Ainz Ooal Gown. Ainz não pôde deixar de lem-
brar deles. “Minha esposa está de mau humor...” tornou-se uma palavra mágica que per-
mitia a qualquer um se desconectar no meio de um jogo, e ninguém seria capaz de culpá-
los por causa disso.

Sorrindo das memórias do passado — embora sua expressão não tenha mudado — Ainz
continuou fazendo perguntas.

“A criança também nasceu branca?”

A esposa de Zaryusu era uma Lizardman albina. Por possuir uma mutação muito rara
entre os Lizardman, ela despertou o espírito de colecionador dentro de Ainz, então se
tornou facilmente distinguível.

“Sim, Vossa Majestade. É como Vossa Majestade supôs. Embora a criança seja segura-
mente um indivíduo superior, independentemente da linhagem sanguínea que herda,
parece que a criança tendeu para os ancestrais da mãe, as escamas são brancas como a
neve.”

“Oh, então só há—”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


2 9
Ainz fechou a boca antes que ele pudesse deixar escapar “um filhote”. Referindo-se a
eles como pessoas provavelmente seria mais prudente. Embora nenhum deles expres-
sasse realmente descontentamento com a escolha de palavras, isso não significava que
Ainz pudesse casualmente cometer erros. Se suas palavras mal escolhidas levassem a
problemas na liderança de Cocytus, Ainz não saberia por onde começar a se desculpar.

“...Só uma criança, então?”

“Sim Vossa Majestade. Apenas uma.”

“Ah, entendo. Então, apenas uma...”

Parece que diferiam dos répteis, que tinham grandes ninhadas. Ainda assim, contanto
que o casal tivesse um bom relacionamento, eles poderiam ter mais filhos no futuro.

Ainz sentiu o sangue do colecionador se agitar dentro dele. Ele meio que queria saber
se ele poderia ter um deles para brincar, mas separar a força uma criança de seus pais
era algo ruim de se fazer.

No entanto, ele tinha ouvido falar que os Lizardmen tinham uma tradição de se autode-
finirem antes de viajar em longas jornadas. Se o filho de Zaryusu escolher esse caminho,
ele poderá treiná-lo como um aventureiro.

A Guilda de Aventureiros que Ainz imaginava era uma organização composta de muitas
espécies. Se ele conseguisse um Lizardman raro para lá, isso poderia acabar sendo bom
para publicidade, como uma idol se matriculando em uma escola.

“Como estão mãe e filho? Eles estão sendo bem alimentados?”

“Sim Vossa Majestade. Muito obrigado pela sua gentil preocupação. A mãe e a criança
estão com boa saúde e a criança parece que vai crescer excepcionalmente saudável.”

“Se é assim, perfeito. Isto é certamente motivo de celebração. Então, para comemorar o
nascimento de uma criança com um futuro glorioso à sua frente, permita-me apresentar
um presente. No entanto, não estou totalmente ciente das complexidades dos presentes
de nascimento dentro da cultura Lizardman. Compartilhe sua opinião comigo, diga; qual
seria um bom presente?”

Seria terrivelmente chato dar peixe ou algo no lugar de um bolo de aniversário. Ele pre-
feriria dar-lhes algo mais tangível e permanente.

“Compreendo. Minha tribo não tem a prática de dar presentes para comemorar os nas-
cimentos... Mas eu sinto que o Zaryusu ficaria feliz em receber armas e armaduras.”

“Panóplia de guerra, então...? Unhun.”

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


3 0
Se possível, ele teria gostado de dar algo que agradaria a esposa também, mas como a
armadura protegeria a vida do marido, poder-se-ia dizer que indiretamente isso a faria
feliz.

Só então, Kyuku falou com medo.

“—Seu, seu servo pode arriscar uma pergunta, Vossa Majestade?”

“O que seria?”

“Por que o Zaryusu é digno de grandes louvores?”

Ele é o marido de uma lizardman rara e é pai de um lizardman raro, nada mais... O fato
era que Ainz não tinha intenção de elogiar Zaryusu. Ainda assim, ele não podia dizer isso,
então ele vasculhou seu cérebro para dar uma desculpa.

“...Ele é um homem excepcional. Na verdade, ouvi dizer que o treinamento dele em Na-
zarick demonstrou resultados admiráveis. Como tal, recompensarei a lealdade e a exce-
lência com generosidade correspondente.”

“Eu sou eternamente grato por suas amáveis palavras, Vossa Majestade. Nós nos esfor-
çaremos para mostrar maior lealdade e devoção no futuro.”

“Mm. Agarre-se a essa determinação.”

Depois de assentir de maneira magnânima, Ainz considerou se havia algo mais que ele
queria perguntar. Um soberano verdadeiramente excelente provavelmente gostaria de
ouvir sobre o status das aldeias dos Lizardmen e compará-lo aos relatórios de Cocytus,
e, como tal, ele teria imediatamente perguntas mais detalhadas a serem feitas. No en-
tanto, Ainz não poderia fazer isso.

Assim que Ainz estava prestes a dispensá-lo, algo veio à mente.

“Isso pode não ser da sua aldeia, mas o que você sabe sobre os Dwarfs da Cordilheira
Azerlisiana?”

A aldeia dos Lizardmen estava localizada na base da Cordilheira Azerlisiana.

“Vossa Majestade, eu ouvi sobre eles antes.”

Ainz não esperava uma resposta para sua pergunta feita casualmente. Ainz ordenou ao
Lizardman que lhe dissesse sobre os Dwarfs enquanto ele se alegrava dentro de seu co-
ração.

“Com o maior respeito, seu servo alega que o seguinte foi apenas ouvido de um conhe-
cido. Os Dwarfs são uma espécie que constroem cidades em minas produtivas e usam os

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


3 1
minérios extraídos para fabricar todo tipo de equipamento de guerra. Entre eles estão
armas e armaduras feitas de metais muito raros.”

“Metais muito raros?”

Por um momento, Ainz pensou que ele engoliu em surpresa.

Essas palavras eram extremamente tentadoras para um jogador que adorava colecio-
nar itens raros.

“Você sabe como esses metais são chamados?”

“Infelizmente, seu servo não sabe, Vossa Majestade. Meu entendimento não chega tão
longe.”

Desapontamento se formou em Ainz, e ele se repreendeu por suas tolas expectativas.

Enquanto se aventurava como Momon, ele aprendera sobre metais, mas não havia no-
tícias sobre algo mais duro que o adamantite. Neste mundo, até orichalcum e adamantite
são qualificados como metais ultra-raros. Era difícil imaginar os metais exóticos que o
Lizardman descrevera como sendo algo mais que isso.

Mesmo assim, Ainz não pôde reprimir a ansiedade crescente dentro dele.

Se eles fossem uma raça que vivesse dentro da terra, teriam acesso a metais que eram
raros até mesmo pelos padrões de Ainz?

Se... sim, apenas se for o caso. E se este mundo possuir os minérios prismáticos de YGGDRA-
SIL e os Dwarfs os estiverem minando? Claro, partindo do princípio que existem minérios
prismáticos neste mundo, mas se esse fosse realmente o caso, seria possível que eles produ-
zissem uma Caloric Stone — um dos itens ocultos de YGGDRASIL?

A Caloric Stone era um item World-Class. E só poderia ser obtida reunindo grandes
quantidades de minérios prismáticos, depois disso, uma certa quantidade deles seria
consumida e gerando assim, um item World-Class. Normalmente, isso implicaria em um
processo extremamente difícil, mas Ainz Ooal Gown havia conseguido isso uma vez.

Eles haviam encontrado uma mina, até então não descoberta, de Celestial Uranium, um
dos sete minérios prismáticos e um elemento crítico para a Caloric Stone.

Em circunstâncias normais, uma guilda que encontrasse uma nova mina a exploraria
completamente antes de vender seus minérios no mercado. Isso porque as minas esca-
vadas em YGGDRASIL se recuperariam lentamente e estariam prontas para novas co-
lheitas. Ainz Ooal Gown planejava fazer exatamente isso.

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


3 2
Dito isto, a razão pela qual eles conseguiram obter esse item World-Class foi inteira-
mente devido a um extraordinário golpe de sorte.

No início, eles deixaram uma pequena quantidade dos minérios prismáticos entrarem
no mercado, na esperança de aumentar o preço devido à sua raridade. E então, os gran-
des estoques de minério prismático na Grande Tumba de Nazarick sofreram uma reação
espontânea.

Ainz ainda podia recordar vivamente o bizarro humor no ar, gerado por todos quando
perceberam que quase todos os minérios prismáticos tinham desaparecido, e em seu
lugar havia um item que rolara no chão. Deveríamos estar felizes por isso, né? eles se per-
guntaram enquanto olhavam um para o outro, um vago olhar de vazio em seus rostos.

Depois disso, eles usaram a Caloric Stone quando souberam que poderiam obter esse
Item World-Class descartável da mesma maneira que antes. Então, eles tentaram pro-
duzi-la novamente, mas, infelizmente, a mina de Celestial Uranium foi tirada deles, e esse
sonho foi por água abaixo.

Quando Ainz e os outros viram o Celestial Uranium sendo vendido a um preço alto, eles
ficaram em partes iguais felizes e descontentes. Dado o modo como estava sendo ofere-
cido, não havia maneira de produzir um Item World-Class.

Um sorriso perverso apareceu no rosto de Ainz enquanto ele se aquecia em suas me-
mórias, e zombava delas em seu coração.

Idiotas. Todo o objetivo de monopolizá-lo é acumular a quantidade necessária. Nunca vão


conseguir uma se venderem. A menos que—

Ainz lembrou as palavras de Punitto Moe:

“Deve haver outras fontes de Celestial Uranium além daquela que a Ainz Ooal Gown —
nós — descobrimos. Por tudo o que sabemos, eles realmente têm outras minas para isso, e
tomaram a nossa para mantê-la escondida de forasteiros.”

No entanto, ele rapidamente refutou essa própria dedução. Isso porque ele soube que
a guilda em questão havia usado o Item World-Class Ouroboros para banir a Ainz Ooal
Gown daquela mina. “Mesmo que eles quisessem a capacidade de monopolizar a Caloric
Stone, valeria a pena gastar um dos itens World-Class conhecido como Os Vinte?, Ele ima-
ginou.

Ainz balançou a cabeça, afastando as memórias do passado de sua mente. Mesmo assim,
ele não conseguiu eliminar totalmente a idéia que lhe veio à mente.

...Mesmo que não haja minério prismático lá, os Dwarfs podem saber sobre outros metais.
E se houvesse conhecimento lá que não se espalhou para o mundo exterior? Se eu usar uma
magia de charme ou algo assim— oh, estou sendo muito apressado. Eu não deveria deixar

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


3 3
minha imaginação correr solta. Ainda assim, isso também envolve as runas. Como eu pen-
sei, esta é uma prioridade e deve ser tratada imediatamente.

Só então, Ainz notou o Lizardman observando-o. Aparentemente, Ainz estava perdido


em um mundo próprio.

“...Parece que eu estava perdido em minha contemplação. Diga-me, quem lhe contou
sobre os Dwarfs?”

“Vossa Majestade, seria Zenberu, um ex-líder de tribo como eu.”

“Hoh! Zenberu, hm? ...Você está dizendo que a Frost Pain também foi uma criação dos
Dwarfs? Foi um presente que o Zenberu deu a Zaryusu como sinal de amizade?”

Ele tinha ouvido falar sobre as origens do sai de Zaryusu. No entanto, seria sensato per-
guntar a outras pessoas sobre isso também.

“Aquilo foi uma herança de dias passados, e não veio do Zenberu.”

“Este é o caso...”

Foi exatamente como ele ouviu. No entanto, pode haver algo que os Lizardmen não co-
nheciam.

Existem muitas armas neste mundo que não poderiam ser feitas em YGGDRASIL. Por
exemplo, existe essa arma com a capacidade passiva de cortar as defesas...

As armas mágicas deste mundo foram feitas com um magic caster que encanta uma
arma produzida por um ferreiro. Em outras palavras, um habilidoso magic caster era
mais importante do que um ferreiro habilidoso quando se tratava de fazer uma poderosa
arma mágica.

No entanto, havia exceções a essa regra. Fluder poderia recriar os stilettos que Clemen-
tine usava através de seu conhecimento mágico, mas o mesmo não poderia ser dito para
a espada de Gazef.

“Talvez...”

Fluder começou dizendo:

“A espada de Gazef foi espontaneamente criada pela absorção natural de mana, ou talvez
pela magia dos Dragões.”

Ainda assim, não posso confiar cegamente nisso. Há muitas coisas que o próprio Fluder
não entende. Os Dwarfs poderiam fazer uma arma assim também? Já que não sei, minha
ansiedade por isso aumentou um pouco demais...

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


3 4
As armas de YGGDRASIL — exceto Armas da Guilda e algumas outras — possuíam uma
capacidade de dados que era determinada pelo valor dos materiais usados em sua cons-
trução e pela habilidade de seu criador. Essa capacidade de dados limitava o número de
cristais de dados que poderiam ser adicionados a elas. Assim, metais mais raros permi-
tiram a criação de uma arma correspondentemente mais poderosa.

O ferreiro também foi uma parte fundamental da equação. Assim como neste mundo,
os humanoides chamados Dwarfs em YGGDRASIL tinham bônus para profissões do tipo
Artesão. Portanto, Dwarfs eram muito populares entre aqueles que queriam jogar de ar-
meiros ou de armadureiros.

Sendo esse o caso, possuiriam conhecimento de fabricação de armas que Fluder não
possuía?

Isso significa que runas são parte disso? Mm. Tomando o controle dos Dwarfs... Nada mal.
O Bibliotecário Chefe e o Demiurge estão realizando experimentos com pergaminhos.
Nfirea está trabalhando em poções. Fluder está manipulando itens mágicos. Então deixarei
que os Dwarfs se encarreguem da fabricação de armas.

Todos os tipos de experimentos para fortalecer Nazarick estavam acontecendo ao


mesmo tempo. Ainz sorriu em satisfação enquanto pensava sobre eles. E então, ele per-
cebeu que se os Seis Grandes Deuses realmente fossem jogadores, então Ainz poderia
muito bem estar 600 anos atrasado tecnologicamente se comparado a eles.

Talvez precisemos passar os próximos anos, não, nas próximas décadas, no desenvolvi-
mento tecnológico. Não podemos ser descuidados aqui.

Por tudo o que ele sabia, outros podem ter notado aquelas coisas que ele mesmo havia
aprendido. Como líder, ele precisava eliminar a noção infundada de que ele era especial
ou único.

Se alguém estivesse no mesmo raciocino que o meu, então haveria uma chance maior de
descobrir algo útil entre os Dwarfs. Outros jogadores poderiam ter pedido aos Dwarfs para
ajudar a desenvolver tecnologias ou comissioná-los, e no processo teriam aprendido sobre
a aplicação de runas... Devo ouvir a opinião da Albedo e Demiurge sobre isso e preparar
nossas forças para uma operação em grande escala?

Uma hora atrás, ele ainda estava pensando em visitar o Reino Dwarf apenas com ele e
Aura como companhia. No entanto, dado que o Reino Dwarf tinha acabado de subir em
prioridade, o plano para essa excursão precisou ser refeito.

Ele precisava aprender sobre o Reino dos Dwarfs e assegurar que algum espião pudesse
coletar informações de maneira clandestina. Ao mesmo tempo, evitar a vigilância mágica
era muito importante.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


3 5
O problema agora era quanto tempo isso levaria.

Se o jogador que fez lavagem cerebral em Shalltear estivesse escondido lá, seria extre-
mamente perigoso dar muito tempo à oposição. Se ele assumisse uma postura passiva,
o inimigo poderia escolher o momento mais oportuno para lançar um ataque. Para evitar
isso, eles precisavam tomar a iniciativa e dar o primeiro passo.

...Então isso vai ser uma aposta, afinal. Um grupo de embaixadores, hm. Estabeleceremos
relações diplomáticas com o Reino Dwarf. Se um jogador lançar um ataque, será um casus
belli para nós montarmos uma invasão. Podemos então extrair as informações necessárias
dos detritos.

Ainz enumerou as coisas que ele deveria fazer depois de se encontrar com os Dwarfs.

• 1 - Verificar a presença ou ausência de jogadores;


• 2 - Investigar as runas e suas origens;
• 3 - Obter informações e amostras de sua metalurgia e minérios.

Algo assim.

No entanto, dificilmente diriam tudo isso para Ainz logo no primeiro encontro. Era na-
tural esconder a proeza tecnológica de uma pessoa. A informação seria mais valiosa
quanto mais secreta fosse.

Se houvesse jogadores de YGGDRASIL que deixassem seu conhecimento vazar por todo
o lugar, Punitto Moe certamente daria a eles uma bronca violenta.

...Além disso, e se eu conseguisse que eles exportassem armas para o Reino Feiticeiro, en-
tão nossos aventureiros poderiam adquiri-las por um preço menor? Seria muito atraente,
não? Mas para que isso aconteça, terei que estar em bons termos com os Dwarfs. Embora
eu possa tomá-los como escravos em Nazarick, mas só em último caso. Eu gostaria de tor-
nar as palavras que disse para o Ainzach muito mais convincentes.

Ainda assim, tudo isso acabou sendo apenas uma conjectura.

“...Diga, Lizardman. Zenberu sabe sobre a cidade Dwarf?”

“Sim. Ele me disse que morou em uma cidade Dwarf por algum tempo.”

“Certo. Você acha que Zenberu me levaria lá?”

O Lizardman caiu em pensamento e, em seguida, inclinou a cabeça.

“Minhas mais profundas desculpas, mas seu servo não pode responder a essa pergunta.
É claro que tenho certeza de que, se Vossa Majestade ordena algo, Zenberu se esforçará

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


3 6
ansiosamente para cumprir. No entanto, tem sido vários invernos desde que ele retor-
nou da cidade Dwarf, então eu não tenho certeza de quanto ele ainda se lembra...”

“Compreendo... Bem, se esse é o caso, eu posso lidar com isso usando magia. Tudo vai
ficar bem.”

「Control Amnesia」 pode muito bem ser capaz de esclarecer as coisas.

Depois de rezar para que Ainzach ou Fluder soubessem algo sobre isso, Ainz permitiu
que o Lizardman saísse.

Parte 2

Duas horas depois de se encontrar com o Lizardman, Ainz suspirou baixinho em seu
escritório.

Isso porque ele acabara de se comunicar com Fluder e Ainzach via 「Message」.

Por que eu tenho que me teletransportar pessoalmente pra provar minha identidade? Es-
pecialmente para o Fluder. Achava que ele já estivesse acostumado com isso, mas acho que
me enganei.

Quando usava 「Message」, nenhum deles acreditava que ele era Ainz, então ele não
teve escolha senão teleportar para onde estavam e falar com eles pessoalmente.

A maneira pela qual eles pediram desculpas pelo inconveniente da mesma maneira e
pediram a Ainz para usar apenas 「Message」 em tempos de emergência, fez com que
Ainz sentisse que eles haviam planejado isso de antemão.

Sem contar com o Ainzach, pensei que o Fluder não desejaria perder tempo com outros
assuntos, considerando o livro que eu dei a ele.

Claro, Ainz foi sábio o suficiente para permanecer em silêncio.

A propósito, ele já tinha ouvido falar das tragédias causadas pelo uso da 「Message」
no passado, era difícil para ele entender o porquê não podiam colocar sua fé na magia
até agora. Dito isto, provavelmente não era algo que eles pudessem aceitar tão facil-
mente. Além disso, seria muito prejudicial se eles, como seus colaboradores, fossem en-
ganados dessa maneira. Nesse caso, tudo o que ele podia fazer era respirar fundo e acei-
tar que o gasto de MP para a magia de teletransporte como uma despesa necessária.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


3 7
Seu abatimento também estava relacionado aos resultados de suas conversas com os
dois. O uso de teletransporte só seria aplicável se tivessem produzido boas informações.
Infelizmente, não foi esse o caso.

Ainzach sabia que havia um Reino Dwarf na Cordilheira Azerlisiana, mas não tinha cer-
teza de sua localização. O Reino não tentou forjar qualquer laço de nível nacional com os
Dwarfs. Mesmo que tivessem, provavelmente estariam limitados a pequenos negócios
dentro da cidade mineradora de Re-Bluemalashull. Laços como esses estariam intima-
mente ligados aos lucros da cidade e seria difícil tentar cortá-los.

Fluder também sentia o mesmo.

Embora ele tivesse ouvido falar da cultura dos Dwarfs e do seu governo, o fato era que
ele não sabia quase nada sobre eles. Havia algo sobre como um poderoso Dragão havia
causado grandes danos a uma cidade de Dwarfs, mas ele não sabia o nome da cidade,
nem o nome e as habilidades do Dragão.

Parece que Fluder não investigou o assunto porque não lhe interessava. No entanto,
eles provavelmente poderiam começar a pesquisá-lo através da inteligência do Império
depois disso. Pelo menos, foi isso que Fluder sugeriu, mas Ainz ignorou essa sugestão.
Levaria muito tempo, e ter um traidor já exposto como ele a encargo da pesquisa poderia
levar à problemas.

No final, a única pessoa com quem ele podia contar seria Zenberu, o Lizardman.

Já era hora de eu mandar uma 「Message」 para aqueles dois e contar sobre os Dwarfs.

“Vou entrar em contato com a Shalltear primeiro. Hm... a pessoa certa para o trabalho?”

Isso foi um grande elogio e uma crítica cruel ao mesmo tempo.

Ainz fechou os olhos — embora ele não tivesse olhos — e pensou sobre o assunto por
alguns minutos. Então, abriu os olhos e lançou a magia 「Message」.

“—Shalltear Bloodfallen.”

『É, é o senhor, Ainz-sama? Onde o senhor precisa que eu abra um 「Gate」 no mo-
mento ~arinsu?』

Shalltear, a mais forte dos Guardiões de Andar, e a única a administrar vários andares.
O fato de que a primeira coisa que ela perguntou foi onde abrir um 「Gate」 foi algo
terrivelmente triste. Ao mesmo tempo, Ainz se sentiu um pouco culpado por atribuir
essa tarefa a ela.

“Não. Desta vez, vou confiar uma grande tarefa a você.”

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


3 8
『Uma, uma grande tarefa ~arinsu?』

“Uhum. Você deve me acompanhar em minhas viagens e garantir minha segurança.”

O silêncio durou vários segundos.

Não me diga que ela não ouviu isso...? O que está acontecendo?

Assim que Ainz começou a se perguntar se algo estava errado, a voz de Shalltear — fora
de tom, provavelmente por excesso de excitação — ecoou em sua cabeça.

『Sua serva cumprirá essa tarefa, mesmo que eu me desfaça em pó no processo!』

“U-uhun. Então explicarei com mais detalhes. Venha para os meus aposentos em E-Ran-
tel.”

Se ele não especificasse isso, era bem provável que ela se teletransportasse para o
quarto de Ainz em Nazarick. No entanto, isso aconteceu, mas apenas uma vez. Ele havia
enviado uma 「Message」 para Narberal dizendo-lhe para ir aos seus aposentos, e de-
pois de esperar e esperar mais um pouco, ela não havia chegado. Foi só depois que ele
enviou outra 「Message」 para ela, e descobriu que ela estava esperando em seu quarto
em Nazarick.

Ainz refletiu sobre isso e percebeu que a falha estava na ordem que ele havia dado. As-
sim, ele resolveu nunca cometer esse erro novamente.

『Entendido!! Sua serva comparecerá imediatamente!!!』

“Além disso, diga ao Mare que a tarefa de manter vigilância sobre a Grande Tumba de
Nazarick passa para ele. Informe-o sobre o que ele precisará saber quando entregar seus
deveres a ele. Considerando o tempo necessário para isso... Venha quando resolver tudo
isso. Eu não tenho compromissos que me levem para longe dos meus aposentos, então
vou esperar até você chegar.”

『Sim!! Eu, Shalltear Bloodfallen, cumprirei suas ordens fielmente e sem demora!!』

“Entregar e assumir funções é muito importante. Não se apresse e nem faça uma ba-
gunça só porque estou te esperando, entendeu? Ordenarei que o Mare prossiga para
seus aposentos, a Abóboda Funerária de Adipocere.”

『Entendido!! Então eu vou escrever as tarefas que eu irei entregar em um periódico!!』

“Além disso, eu confio que eu não preciso dizer isso, mas você deve dar o seu anel para
o Mare.”

『Claro!! Eu entendo que terei que me afastar dele por um curto tempo!!』

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


3 9
Era muito perigoso trazer aquele anel para fora de Nazarick. Por outro lado, enquanto
ele e o Cajado de Ainz Ooal Gown não fossem levados, haveria tempo suficiente para
todos os Guardiões se reunirem. Portanto, os anéis estavam escondidos dentro das pi-
lhas de ouro dentro da Tesouraria, claro, isso sem contar o que Ainz usava e os que foram
emitidos para certos indivíduos em Nazarick.

A razão pela qual Ainz usou o anel apesar de saber do perigo foi porque seria impossível
entrar em Nazarick se ninguém mais o usasse e o inimigo bloqueasse a entrada de Naza-
rick.

“Muito bem. Então comece seus preparativos.”

『Sim!! Então, há algo que eu deveria levar para os seus aposentos, Ainz-sama ~arinsu?』

“Uma pergunta razoável, mas não há nada que você precise trazer. Vou explicar meu
plano para você quando chegar a hora, e então darei tempo para se preparar.”

『Entendido!!』

A resposta apaixonada de Shalltear desapareceu quando a magia terminou.

Então, ele conjurou outra 「Message」, mas desta vez para Mare. Havia pouca dife-
rença no conteúdo de sua conversa, exceto que ele disse a ele para tomar o lugar de
Shalltear como o protetor da Grande Tumba de Nazarick.

Depois de ouvir a voz baixa, mas ainda nítida de Mare, Ainz encerrou a 「Message」.

E finalmente, Ainz enviou uma mensagem a Aura.

“Aura, sou eu.”

『Siim, Ainz-sama! O que precisa que eu faça?』

“Uhum. Eu gostaria que você me acompanhasse ao Reino dos Dwarfs.”

『Deixa comigo!』

“Primeiro, espero que você me encontre em meus aposentos em E-Rantel, enquanto


isso, esperamos pela Shalltear—”

『SHALLTEAR!!?』

O grito de descrença que se seguiu deixou Ainz grato por não precisar de tímpanos para
ouvir.

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


4 0
“Aura, abaixe sua voz.”

『EU, EU SINTO MUITO, AINZ-SAMA!』

Como eu disse, abaixe sua voz...

Ainz pensou isso, mas não o disse.

『Ah, vamos destruir o Reino Dwarf?』

“Não. De onde tirou esse pensamento? Eu só quero conduzir algumas negociações ami-
gáveis.”

『Ah, entendi! Então quer dizer que já sabe como as coisas vão acontecer?』

“Aura, sua—”

『Ainz-sama, estou aqui!』

“O quê? Quer dizer que você já chegou aqui?”

『Sim, isso aí!』

Uma batida veio da porta quando ela disse isso.

Ainz sorriu amargamente enquanto observava Decrement ir respondê-la.

“Ainz-sama, Aura-sama pede permissão para entrar.”

Ainz gesticulou em aprovação, e Decrement deu um passo para longe da porta.

“『Perdão por te incomodar, Ainz-sama!』”

A voz de Aura se sobrepôs à da magia 「Message」 quando a Elfa Negra o cumprimen-


tou.

“Tudo bem. Sente-se e vamos conversar.”

Ainz indicou um par de sofás, um em frente ao outro, e então olhou para Decrement.

“Prepare refrescos para a Aura.”

“Sim, Ainz-sama. Temos suco de maçã, suco de laranja, limonada, chá e café disponíveis
no momento.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


4 1
Decrement colocou o suco de maçã que Aura solicitou na pequena mesa entre os dois
sofás. Quando Aura começou a beber, Ainz começou sua explicação.

“Primeiro, deixe-me explicar sua questão sobre a “destruição do Reino Dwarf”. Levar a
Shalltear junto cumpre um requisito para a força de combate, mas há outra razão para
isso.”

“Eh!?”

Os olhos de Aura se arregalaram. Dada a atitude dela, ficou claro que ela considerava
Shalltear como alguém limitado. Ainda assim — Ainz achou difícil segurar o calor que
surgia em seu peito.

Isso o lembrou do relacionamento entre Bukubukuchagama e Peroroncino.

De vez em quando, Bukubukuchagama perguntava: “Meu irmãozinho retardado lhe deu


algum problema?”

Quando as pessoas respondiam com um “Uhh, acho que não...?”, ela imediatamente res-
pondia usando o mesmo tom de Aura, mas com um “Tem certeza!?”.

Era difícil para Ainz se conter quando percebeu que Aura e Shalltear estavam mantendo
o mesmo relacionamento. As lembranças caíam como uma neve fina, enchendo seu co-
ração de felicidade. Sua alegria brotou e, quando ele estava prestes a rir— sua supressão
de emoção foi ativada.

“...Merda.”

Ainz silenciosamente amaldiçoou quando seu momento de felicidade foi arruinado por
sua supressão emocional. Isso o ajudou muitas vezes no passado, mas ele achava extre-
mamente cansativo quando o atrapalhava. Ainz sabia que ele estava sendo egoísta e hi-
pócrita, mas ainda achava difícil aceitar essa interrupção das memórias de seus velhos
amigos.

“Ah, er... Ainz-sama? O que está errado?”

No entanto, seu descontentamento desapareceu como fumaça ao vento quando ele ou-
viu a voz trêmula da garota. Ele não podia se permitir expressar essas emoções negativas
de um modo que até uma criança podia ver. Ainz respirou fundo e sorriu para Aura.

“Não, me desculpe. Não é nada. Como eu estava dizendo anteriormente, levarei a Shall-
tear nesta expedição para investigar a capacidade de adaptabilidade dela. Ela foi criada
para ser a Guardiã mais forte. Naquela época, se ela tivesse lutado corretamente, nem
mesmo eu poderia ter conseguido vencê-la.”

“Bem, se é para algo assim—”

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


4 2
“—Não, não é bem assim. Se eu fosse a Shalltear, eu teria convocado o 「Einherjar」
imediatamente e então me preparado para a batalha enquanto minava meu inimigo, logo
depois atacaria com magia enquanto meu MP permitisse, seguido pelo uso de minhas
habilidades. Com isso, eu teria ativado o Blood Frenzy de alguma forma e assim acertaria
a mim, quero dizer, Ainz, com a Spuit Lance enquanto gradativamente aumentaria meu
poder de ataque.”

Ainz sorriu, um pouco desconfortável.

“Se isso tivesse acontecido, eu teria fugido sem pensar duas vezes.”

Sua habilidade como jogador à parte, o personagem de Ainz só poderia ser considerado
em um nível superior entre os jogadores intermediários de nível 100. A build do perso-
nagem de Shalltear e o equipamento a classificavam na parte inferior dentre os jogado-
res de nível 100 de classificação superior. Se ela estivesse totalmente equipada — com
itens Divine-Class — ela estaria na parte intermediária do nível superior. Se ela pudesse
mudar seu equipamento para neutralizar seu oponente, ela poderia lutar em condições
parecidas com os escalões superiores do nível superior.

“No entanto, a reputação como A Mais Forte Guardiã, prejudicou o crescimento da Shall-
tear.”

“Eh?”

“O uso mais efetivo da Shalltear é em esgotar os recursos do inimigo, então ela precisa
ser disparada como uma flecha. Uma vez que for atirada, ela precisará ser deixada, para
que percorra as linhas inimigas. No entanto— isso é realmente a coisa certa a fazer?
Pode ser a melhor maneira de utilizar plenamente a força dela, mas podemos realmente
dizer que esse é o método mais adequado para usar?”

“Eu não entendo muito disso aí... mas se acha que está certo, então deve estar correto,
Ainz-sama.”

Esse tipo de resposta realmente dificulta a continuidade da conversa.

O que Ainz realmente queria ouvir agora era uma resposta cuidadosamente fundamen-
tada abordando os prós e contras da declaração de Ainz, que era o que um adulto ade-
quado teria dito. Afinal de contas, ainda assim ele esperava que as crianças fossem fran-
cas.

“É, é mesmo? Mas não acho que seja esse o caso. Quando eu disse que era o melhor
caminho, era apenas em termos de utilizar plenamente os pontos fortes. No entanto,
pode não ser o melhor caminho, uma vez que a Shalltear comece a acumular experiência.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


4 3
Ainz estava progredindo como guerreiro. Não, seria melhor dizer que ele aprendeu a
usar todas as habilidades básicas de um. Mesmo que suas habilidades físicas não tenham
melhorado, outras partes dele ainda estavam evoluindo.

Ao contrário de como eles eram quando eram apenas dados, os NPCs agora tinham
mentes e capacidade de pensamento independente. O mesmo se aplica a Shalltear. A
Shalltear de amanhã seria diferente da Shalltear de hoje.

“Fazer com que ela faça coisas diferentes, em vez de repetir as mesmas tarefas antigas,
pode ajudá-la a crescer... Claro, ela pode falhar, embora eu não deseje isso. Ainda assim,
mesmo que ela falhe em tudo, tudo o que precisamos fazer é ter alguém ao lado dela para
ajudar. É precisamente por isso que te chamei, Aura.”

O relacionamento de Aura com Shalltear de certo modo era melhor do que com Mare.
Ainz selecionou a irmã mais velha dos gêmeos, pois ela poderia manter Shalltear na linha.

Tendo ouvido tudo isso atentamente, Aura balançou a cabeça em sinal de reconheci-
mento.

“...Ainda assim, mesmo eu dizendo que desejo que ela acumule várias experiências, isso
poderia violar o contrato social e causaria problemas para a empresa — para o grupo.”

“Eh? Como assim?”

“...Pense desta maneira. Não seria bom forçar a Shalltear a fazer coisas que ela não quer
fazer.”

“Mas te obedecer é o que devemos fazer, Ainz-sama!”

“...Você não acha que seria errado forçá-la a algo que vai contra os desejos do Peroron-
cino-san? Se minhas ordens conflitassem com os desejos da Bukubukuchagama-san,
como você se sentiria em obedecê-las, Aura?”

“Ngh! Bem, eu, ah, eu faria...”

Aura abaixou a cabeça nervosamente e murmurou algo ao longo das palavras:

“É difícil dizer.”

“Tudo bem, não se preocupe com isso. Foi apenas uma comparação. Minha razão para
escolher a Shalltear desta vez foi para desafiá-la e ver se ela cresceu.”

“Entendo! É assim que o Ainz-sama é, suas percepções complexas são muito profundas!”

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


4 4
Um superior precisa deixar seus subordinados enfrentarem desafios para que eles cres-
cessem. Esse era um dos segredos que ele havia coletado de um livro que lera pouco
tempo depois de vir a este mundo.

A razão pela qual ele não dera Shalltear uma oportunidade como esta até agora era por-
que a situação tinha sido muito perigosa, e também porque não havia tempo para tais
coisas. Agora, no entanto... não, não haveria melhor momento do que este.

“Eu vou te contar o resto quando a Shalltear chegar. Dessa forma, não precisarei me
explicar duas vezes.”

Assim que Ainz disse, as batidas vieram da porta, seguidas por Decrement indo para
verificar o visitante.

“É Shalltear-sama.”

A pessoa que ele estava esperando havia chegado. Ainz indicou que Decrement deveria
deixá-la entrar.

Quando a porta se abriu, ele viu alguém na porta.

“Shalltear Bloodfallen se apresentando e pronta para partir!!”

Ainz — que estava preparado para agradecê-la por ter vindo até aqui — congelou por
um momento, e demorou um pouco até que ele pudesse se recompor e falar.

“Por que... por que você está totalmente equipada?”

Não só ela estava em sua armadura completa, mas ela estava segurando a Spuit Lance.

“Sim!!! Estou totalmente preparada para te proteger, Ainz-sama!!!! Eu vou exterminar


qualquer um que se atreva a se opor ao senhor, Ainz-sama!!!!!”

Ainz olhou para Shalltear ofegante e com os olhos bem abertos. Então, ele olhou para
Aura, como se dissesse: O que devo fazer sobre isso? Não era como se ele pudesse dizer
que Shalltear teve a idéia errada.

“Haaa~ você tá sendo muito apressada. Que tal agir depois que o Ainz-sama terminar
de falar?”

Shalltear amuou quando Aura deu uma espetada nela. Antes que as duas pudessem co-
meçar a brigar, Ainz levantou a mão para chamar a atenção de ambas.

“Shalltear. Você pode ter a idéia certa, mas as coisas são diferentes desta vez. Perdoe-
me por não explicar direito.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


4 5
Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida
4 6
Ainz apressadamente explicou os objetivos desta operação para Shalltear — e seus pla-
nos para forjar relações amigáveis com o Reino dos Dwarfs.

Um olhar confuso apareceu no rosto de Shalltear depois que ela assimilou tudo.

“Se, se é isso que o senhor quer, está tudo bem em me levar junto ~arinsu?”

“...Tenho muitas razões para te escolher. Ter você me protegendo é uma delas. Mas a
maior razão, é para que você possa ganhar experiência. É minha opinião egoísta que faz
você se considerar inadequada para essa tarefa devido ao seu Blood Frenzy. Talvez de-
pois deste experimento, você descubra que é surpreendentemente adequada para esse
tipo de coisa.”

Os olhos de Shalltear se arregalaram.

“Eu entendo, Ainz-sama!! Vou me certificar de que não se arrependa de sua decisão
~arin-su!”

“...Uhum. Então, Shalltear, eu vou colocá-la sob o comando de Aura para esta jornada. Já
que a Aura está encarregada de você, espero que você a obedeça.”

“Entendido!!”

Shalltear se curvou para ele.

Ainz se perguntou se a resposta dela foi muito tensa, mas era melhor que uma resposta
desanimada. Ainda assim, seria problemático se tudo isso acabasse sendo em vão.

“Eu aprecio seu engajamento, mas você deveria se acalmar, Shalltear... Então, vamos
considerar a questão dos seguidores. Quem mais deveríamos levar?”

“Ainz-sama— posso ter permissão para falar?”

Ainz ficou um pouco assustado porque a pergunta veio de um canto inesperado do cô-
modo, mas ele se virou calmamente para encarar Decrement.

“O que seria? Algum problema?”

“Ah, eu estava pensando como o senhor se sentiria em levar algumas de nós, emprega-
das, para servir como suas assistentes durante sua viajem ao Reino dos Dwarfs. Tradici-
onalmente, aqueles que estão no poder sempre levaram seguidores para lidar com di-
versas tarefas. Eu sinto que o Reino do Dwarf poderia pensar no senhor como indigno
se não levar empregadas com o senhor, Ainz-sama.”

“Entendo... Faz bastante sentido.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


4 7
Quando espiava Jircniv, ele notou que o homem saia escoltado por várias carruagens, e
algumas delas continham damas bem vestidas. Eles devem ser as pessoas que espera-
vam por ele. Se ele tivesse ficado em Nazarick naquela época, Ainz teria observado ele
com mais cuidado, mas lamentavelmente ele não o fez, o que era uma pena.

Não, o fato foi que Jircniv percorrera um longo caminho para visitar Ainz, e Ainz fôra
terrivelmente grosseiro com Jircniv por não insistir para que ele passasse a noite. Com
certeza, o homem recusara com firmeza todas as ofertas de hospedagem que Ainz fizera,
mas talvez a coisa certa a fazer fosse fazê-lo mudar de idéia.

Talvez se tivessem estabelecido boas relações na época, talvez a questão da vassalagem


não tivesse aparecido na arena.

Oops, estou viajando novamente... A Decrement tem razão, mas—

Ainz considerou os dados dela. As 41 empregadas regulares podem parecer diferentes,


mas seus equipamentos e estatísticas são idênticos.

As espécies heteromórficas conhecidas como Homunculi não eram particularmente no-


táveis, e eram muito fracas, sendo apenas de nível 1. Embora ainda fossem superiores
aos seres humanos de nível 1 em termos de estatísticas, mas se uma luta entrasse na
equação, uma Homunculus só teria 60% de chance de vitória.

Os uniformes de empregada que elas usavam forneciam-lhes uma medida de força de-
fensiva, mas isso estava apenas no nível de um item High-Class. Eles podem parecer in-
crivelmente resistentes aos habitantes deste mundo, mas não eram nada mais do que
pedaços de papel para um jogador de YGGDRASIL.

Francamente falando, não havia como levá-las para o Reino do Dwarf, já que ele não
sabia quase nada sobre o local. Havia uma chance de um jogador estar esperando com
suas forças posicionadas e prontas para a batalha.

“Ainda assim... Infelizmente, não posso fazer isso. Se for o caso de usarmos seguidores
— Shalltear, pode trazer suas Vampire Brides conosco?”

“Não há necessidade de perguntar ~arinsu. Todos em Nazarick servem a ti. O senhor


tem apenas que nos pedir.”

“Certo — Decrement, sua proposta é muito razoável. No entanto, ela contém um pro-
blema, por serem fracas, eu ficaria desconfortável com a sua segurança em uma viagem
para terras desconhecidas.”

“Estamos todas preparadas para enfrentar qualquer forma de perigo!”

Ainz levantou a mão para acalmar Decrement.

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


4 8
“Estou satisfeito com a lealdade que você— que todas vocês demonstram. Portanto,
uma vez que eu tiver certeza que o Reino dos Dwarfs está seguro, enviarei você usando
teletransporte. Até lá, o que acha de deixar este assunto para as Vampire Brides?”

A boca de Decrement se moveu várias vezes, mas nenhuma palavra saiu. Eventual-
mente, ela inclinou a cabeça. Ainz esperava que ela não estivesse concordando apenas
porque ele havia ordenado que ela o fizesse, mas esse provavelmente não era o caso.

Já que não tinha mais nada para persuadi-la, e ele não mudaria de idéia, não importasse
o que ela dissesse, Ainz desviou seus olhos de Decrement.

Ressuscitar NPCs de nível 1 era barato, mas esse não era o problema aqui.

Ninguém levaria os filhos de seus amigos para um lugar perigoso.

“Então, Shalltear, traga— vejamos... seis Vampire Brides. E então adicione mais trinta
cavaleiros montados nesse amonte. Cinco deles serão Hanzos que foram conjurados re-
centemente.”

Não havia um significado particular por trás do número 30. Era simplesmente que ele
achava que esse número seria o suficiente. Talvez fosse porque esta era a quantidade de
jogadores permitidos em um grupo de ataque?

“Entrarei em contato com o Cocytus enquanto espero que todos sejam reunidos. Certo,
provavelmente terminarei primeiro. Quando todos estiverem reunidos, vocês duas via-
jarão para a aldeia Lizardman através do 「Gate」 de Shalltear. Depois disso, iremos
para o norte e descobriremos onde fica o Reino dos Dwarfs. O que me dizem?”

“Entendido!”

“Sim, vamos fazer isso ~arin-su.”

As duas Guardiãs responderam afirmativamente. Elas não sugeriram uma idéia melhor,
que Ainz esperava. Já que as duas dificilmente sairiam do papel de mulheres submissas,
o fato de terem dito exatamente isso em resposta à sua sugestão fez Ainz se sentir um
pouco desconfortável. Isso porque Ainz não tinha muita confiança em sua própria idéia.

“Então, vocês têm alguma sugestão sobre quem os outros seguidores deveriam ser?”

“Minhas feras mágicas—”

“Meus undeads—”

As duas falaram ao mesmo tempo, e então se encararam. Assim que ele pensou que elas
começariam a discutir, Shalltear desviou o olhar primeiro.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


4 9
“Faça as honras.”

“...Que foi? Tá doente ou algo assim?”

“É apenas porque fui ordenada a obedecê-la ~arinsu.”

“...Essa sensação é muito esquisita.”

A sobrancelha de Shalltear se contraiu, mas ela não disse nada.

“Nesse caso, que tal ter vinte e cinco de seus undeads montando em minhas feras má-
gicas?”

“Eu não me importo—”

Shalltear disse e olhou para Ainz:

“—Mas isso seria mais do que o número que o senhor mencionou, Ainz-sama. Estaria
tudo bem ~arinsu?”

“Está bem.”

“Nós vamos fazer isso, então.”

Já que as duas pareciam ter chegado a um consenso, Ainz continuou falando.

“Então, vamos começar a trabalhar em nossos afazeres. Vocês têm duas horas para que
selecionem seu pessoal. Tenham em mente que podem não ser capazes de retornar por
um tempo depois que partirmos, e não pensem que vocês poderão se teletransportar de
volta para Nazarick com magia de teletransporte. Aura, você precisa ser particularmente
cuidadosa, já que não é uma undead. Se isso é tudo, hora de nos separarmos. Eu tenho
muitas coisas para discutir com o Pandora’s Actor.”

Ao mesmo tempo, ele fez uma anotação mental para informar a Albedo usando 「Mes-
sage」.

♦♦♦

“Finalmente! Finalmente chegou a hora!”

Depois que ela estava suficientemente longe do quarto do Ser Supremo, onde sua voz
não o alcançaria, Shalltear cerrou os punhos e gritou de alegria.

“Já faz tanto tempo... mas, finalmente, posso compensar meu fracasso passado e deixar
todos saberem que Shalltear Bloodfallen pode ser útil!! Demorou tanto tempo...”

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


5 0
Shalltear olhou ao longe.

Aura estava bastante consciente dos sentimentos que a voz de Shalltear continha, o que
era incomum para ela. Embora Shalltear já tivesse sido punida por seus erros e Ainz lhes
tivesse dito pessoalmente que ela não era culpada por nada, Shalltear ainda queria apa-
gar os erros que havia cometido. Como uma colega Guardiã de Andar, Aura podia enten-
der muito bem seus sentimentos. Ainda assim — ela estava um pouco inquieta.

“Já faz muito tempo... Todo o trabalho que recebi até agora foi tão fácil que qualquer um
poderia fazê-lo ~arinsu. No entanto... No entanto...”

“Ah~ eu sinto que o trabalho que o Ainz-sama te deu foi muito importante, Shalltear.”

“Bem, é como diz, até certo ponto ~arinsu. Ainda assim, aquele trabalho era realmente
importante ~arinsu?”

“Proteger Nazarick é muito importante, não? Afinal, ser a primeira linha de defesa con-
tra qualquer invasor é uma tarefa que se daria a Guardiões confiáveis, não acha?”

“Nngg!”

Shalltear não podia negar isso. Então, ela nervosamente pressionou as pontas dos de-
dos e os separou novamente.

“Ainz-sama realmente pensa assim ~arinsu?”

“Mm~ bem provável. Ainz-sama disse que você é muito forte, Shalltear.”

Shalltear sorriu amplamente. Essa resposta deixou Aura suspirar de alívio. Se ela ti-
vesse deixado Shalltear continuar assim, certamente ela teria tido muito trabalho por
nada e isso só incomodaria Ainz. Se isso acontecesse, ela não tinha idéia de como iria se
desculpar com ele por isso. Além disso, ela sentia pena de Shalltear.

“Mas quando eu estava na cidade humana, Demiurge me deixou de fora. Ele deve ter
sentido que eu era inútil. Se isso era o que o Demiurge — a maior mente de Nazarick —
pensava sobre mim, então os outros, especialmente o Ainz-sama — cuja sabedoria su-
pera a de Demiurge — sentem o mesmo ~arinsu?”

“Hm, não pode dizer uma coisa dessa. Talvez seja porque o Ainz-sama é mais inteligente
do que o Demiurge, que se sentiu assim em relação a você.”

Naquele momento, Shalltear gemeu de prazer soltando um “Ho...”.

“Como esperado de Ainz-sama...”

“...Haah.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


5 1
Aura estava começando a ficar um pouco cansada. No entanto, ela tinha a sensação de
que ser direta com Shalltear não funcionaria, então talvez um método indireto seria mais
eficaz.

“Ainda assim, isso significa que os outros se sentem da mesma maneira que o Demiurge
~arin...su.”

“...Eu não posso negar isso.”

Ou melhor, esse era definitivamente o caso. Aura falou antes que Shalltear de olhos ar-
regalados pudesse continuar.

“Ainz-sama quer testar sua flexibilidade te expondo a várias situações, então acho que
enfrentar dificuldades não é uma coisa ruim. Até lá, se você fizer anotações e prestar
bastante atenção nos detalhes, você poderá impressionar o Ainz-sama e os outros.”

“Então eu deveria estudar antes disso ~arinsu?”

“Isso mesmo. Pense bem, você está viajando com a melhor pessoa de Nazarick, não?
Isso não significa que você pode aprender algo com o Ainz-sama?”

“Entendo! ...Mas, o que devo fazer ~arinsu?”

“Shalltear, é aí que o aprendizado começa.”

“Isso! isso mesmo ~arinsu!”

Sem palavras, Aura havia simplesmente devolvido à pergunta a ela.

Só não faça nada sem noção, por favor....

Um lampejo de mal-estar passou pelo coração de Aura. Ainda assim, a bola estava nas
mãos de Shalltear agora, e não havia mais nada que ela pudesse fazer.

Ela vai se comportar...

Aura ofereceu uma oração a Bukubukuchagama, a Ser Suprema que também era sua
deusa:

Bukubukuchagama-sama, por favor cuide da Shalltear, que foi feita pelo seu irmãozinho
o Peroroncino-sama!

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


5 2
Parte 3

Ainz viajou para a aldeia Lizardman através de um 「Gate」.

Ele foi escoltado por Hanzos como guarda-costas. Dos cinco Hanzos, um tinha um pano
vermelho amarrado ao braço direito.

Não havia nenhum tipo de encantamento; apenas indicava que ele era o líder.

No começo, ele simplesmente achava que isso facilitaria o gerenciamento deles. No en-
tanto, o recém-nomeado líder ficou feliz em ser escolhido, e Ainz poderia dizer que ele
estava sorrindo sob sua máscara.

Francamente falando, Ainz se sentia um pouco culpado. Afinal, ele simplesmente havia
lhe dado um pedaço de pano.

Defendido por seus vassalos, Ainz agora podia ver a estátua de si mesmo.

Ainz já havia estado aqui várias vezes antes, já que era um destino de teleporte pré-
determinado. Ainda assim, isso o envergonhava profundamente.

Havia estátuas de figuras históricas e assim por diante no mundo de Suzuki Satoru, mas
certamente alguém teria vergonha de testemunhar um monumento para si enquanto
ainda estava vivo.

O que realmente o perturbou foi o fato de os ossos faciais serem ligeiramente diferentes
dos dele. Parece que eles estavam tentando embelezá-lo.

As maçãs do rosto parecem mais bonitas quando são assim? Eu não entendo nada disso.
Que tipo de sentido estético poderia ter criado essa coisa?

Enquanto Ainz contemplava o assunto, ele se virou e notou Cocytus e seus Lizardmen
que genuflectiram diante dele.

Ele estava acostumado a essa genuflexão agora que tinha mais experiência em desem-
penhar o papel de um governante. Ainda assim, não agradava a Suzuki Satoru, um mero
assalariado. Dito isto, ele entendeu que era um sinal de lealdade, então não pediu para
eles pararem.

“—Levantem a cabeça.”

Depois que a permissão — dada com sentimentos contraditórios — foi concedida, os


Lizardmen olharam para cima, como se tivessem voltado à vida.

“Obrigado. Por. Fazer. Toda. Essa. Jornada. Até. Aqui, Ainz-sama.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


5 3
Ainz indicou a Cocytus ainda ajoelhado que ele deveria se levantar.

“Uhum. Obrigado a você por trabalhar com tanto afinco. Eu recebi o seu relatório sobre
a aldeia. Embora eu apenas tenha dado uma lida rápida, não vi nenhum problema, o que
é bom. Suas realizações aqui são dignas de louvor.”

“Muito. Obrigado! Tudo. Isso. Foi. Realizado. Graças. Ao. Senhor, Ainz-sama.”

Mas eu não fiz nada...

Ainz queria dizer. Em vez disso, ele aceitou o elogio leal de Cocytus com dignidade. Afi-
nal de contas, se ele tivesse dito mais alguma coisa, teria se transformado em um loop
infinito de “Não fiz nada”, “Como eu disse, realmente não fiz nada”, “Não fiz nada, é sério.”
e assim por diante. Ainz estava bem certo disso.

“...Dito isto, os excelentes resultados que você mostrou merecem ser recompensados.”

A propósito, Albedo e Mare já haviam recebido um Anel de Ainz Ooal Gown, Aura rece-
beu um relógio com a voz de Bukubukuchagama, Shalltear recebeu a Enciclopédia de
Peroroncino e Demiurge — ele deu a Demiurge aquela estátua demoníaca feita por Ul-
bert.

Seu presente para Cocytus foi a vida desses Lizardmen, mas provavelmente era hora de
alguma outra recompensa.

“Talvez você possa dizer que não é necessário, mas é natural que recompensas e puni-
ções sejam dadas quando forem consideradas necessárias. ...Diga-me, Cocytus, o que
você deseja?”

“M-Mas— Ainz-sama. Eu. Não. Desejo. Nenhuma. Recompensa. Senão. Servir-te. Leal-
mente.”

Embora o pedido de Solution por “humanos inocentes” fosse bastante perturbador,


esse tipo de resposta de Cocytus também era bastante difícil de aceitar.

Um dos membros da guilda reclamava de um certo tipo muito chato de mulher, do tipo
que dizia: “O que você escolher está bem...” quando você perguntava “Onde vamos almoçar
hoje?”, e então quando finalmente chegava à algum restaurante ela dizia: “Deveríamos
ter ido a um restaurante italiano.”. Ainz sentia o mesmo. Era 100x mais fácil se dar bem
com alguém que declarasse claramente algo que desejasse.

“...Cocytus. A falta de desejo às vezes pode ser mais preocupante do que a ganância. Eu
agora te ordeno — diga-me o que você quer, tem uma semana para pensar, limitado a
objetos materiais. Você entendeu?”

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


5 4
Um olhar angustiado apareceu no rosto de Cocytus. Ainz não prestou atenção.

Mas Ainz repetiu:

“Você entendeu?”

“Se. É. Isso. Que. Deseja, Ainz-sama.”

“Uhum. Essa é a minha vontade. Tudo certo. Cocytus, é hora de abordar a razão pela
qual eu vim à aldeia. Eu gostaria de falar com o Zenberu.”

“Entendido! Eu. Já. O. Trouxe. De. Antemão, Por. Favor. Venha. Por. Este. Caminho. Ainz-
sama.”

Cocytus se moveu para trás e para o lado de Ainz, e então se dirigiu ao Lizardman ajoe-
lhado.

“Zenberu... Responda. As. Questões. De. Ainz-sama. —Tem. Permissão. Para. Falar. Com.
Ele. Diretamente.”

Zenberu levantou a cabeça com um “Sim—”, mas havia confusão em sua voz.

“Então, vou logo ao ponto. Eu gostaria de visitar o Reino dos Dwarfs. Assim, desejo con-
tratar você como um guia. Você pode me levar lá?”

Parecia que o Lizardman havia estreitado os olhos.

Ele não entendia as expressões dos Lizardmen e não sabia dizer que tipo de expressão
tinha no rosto, mas não parecia ser uma boa expressão.

“Peço que me perdoe, Vossa Majestade, mas posso perguntar o que deseja fazer no
Reino dos Dwarfs?”

Quando ele terminou de falar essas palavras, um estalido de mandíbulas saiu de trás de
Ainz.

“—Zenberu... Buscar. Conhecer. As. Intenções. Por. Trás. Das. Decisões. Do. Ainz-sama.
É. Um. Grande. Desrespeito. —Tudo. O. que. Precisa. Fazer. É. Responder. A. Pergunta.
Com. Sinceridade.”

Cocytus usava o mesmo tom que sempre fazia, mas havia distinto desprazer em suas
palavras.

Ainz queria se afastar da voz claramente infeliz vinda de trás dele.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


5 5
Ainda assim, enquanto Ainz se sentia assim, mesmo não sendo alvo do desprazer de
Cocytus, Zenberu permaneceu em silêncio. Ele observou a reação de Ainz, com seu olhar
inabalável.

A tensão enchia o ar em meio ao temível silêncio, interrompido apenas pelos sons ame-
açadores de Cocytus.

Parece que o tempo parou um pouco.

Ainz pensou. Quando de repente percebeu que Cocytus estava prestes a fazer um mo-
vimento e entrou para bloqueá-lo. Se o permitisse terminar, seria perigoso.

“Tudo bem, Cocytus. Zenberu não me mostrou nenhum desrespeito.”

“Mas. Ainz-sama—”

“Está bem. Então, expresse suas dúvidas, Zenberu. O que deu origem ao equívoco que
você tem?”

A reação de Zenberu foi natural, considerando o que ele havia feito a essa aldeia. Ainda
assim, Ainz não deixou esses pensamentos aparecerem em seu rosto. Se Ainz quisesse,
então nenhuma culpa poderia ser atribuída aos servos de Nazarick por suas ações. Agir
de outra forma diante de seus subordinados pode fazê-los duvidar de si mesmos e afetar
suas atividades futuras.

“Zenberu. Eu não tenho intenção de prejudicar os Dwarfs. Eu vim pessoalmente porque


desejo formar um relacionamento amigável com eles.”

“É sério?”

“Você. Se—”

Ainz se virou para Cocytus.

“Cocytus. Sua lealdade me agrada. Mas eu já disse que está tudo bem. Não dê atenção
ao que o Zenberu diz aqui, apenas releve.”

“Entendido!”

Seria realmente o caso de “Fale francamente o que pensa”? Pois se um CEO pedir “Fale
francamente o que pensa”, isso com certeza seria uma armadilha.

Ainz voltou sua atenção para Zenberu.

“De fato, é isso, Zenberu. Eu jurarei em meu nome se for necessário. Desejo forjar um
relacionamento amigável com os Dwarfs. No entanto, também é possível que o uso da

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


5 6
força seja necessário como garantia. Você consegue entender que tal curso de ação pode
ser inevitável?”

“Naturalmente. Faz todo o sentido. Neste mundo, o forte se faz certo. Mesmo assim,
como direi isso... não quero retribuir a bondade com malícia.”

Zenberu fez uma pausa para respirar calmamente. Ainz se lembrou de como os guer-
reiros respiravam quando estavam prestes a lançar um ataque.

“Além disso, se o senhor lançar um ataque surpresa e começar o extermínio deles de-
pois que eu te levar lá, eu oro para que me perdoe, mas eu ficarei do lado deles.”

Um rangido silencioso veio de trás dele, e Ainz disse: “Tudo bem” para Cocytus.

Mesmo sem checar, ele já sabia que era o som de Cocytus apertando suas armas.

O que devo fazer com você...?

Pensou Ainz, enquanto olhava com altivez para Zenberu. Parece que o treinamento em
frente ao espelho valeu a pena, porque o corpo de Zenberu estava congelado de terror.

“Bem, se isso acontecer, eu simplesmente terei que destruir você também. Não que eu
me importe... Mas isso é uma coisa muito corajosa para dizer. Você já considerou o fato
de que sua traição pode acabar destruindo todos os Lizardmen na aldeia também?”

“...Eu confio que o senhor realmente não faria isso, Vossa Majestade. Estou errado?”

Enquanto Zenberu olhava fixamente para ele, Ainz segurou o queixo com o polegar e o
indicador. Então, ele fez um anúncio.

“Parece que você está enganado. Eu considero questões em termos de benefícios e obri-
gações. Embora eu provavelmente não destrua o grupo inteiro pela traição de um ho-
mem, caso traições semelhantes possam ocorrer no futuro, e que as desvantagens supe-
rem os benefícios de deixá-los vivos, você não acha que eu vou exterminá-los todos sem
demora? Ou acha que eu sou um ser descerebrado cheio de amor para dar?”

A expressão de Zenberu mudou.

No entanto, Ainz não sabia o que tal expressão significava.

Parecia estranho dizer isso sendo um undead, mas ele achava que os Lizardmen eram
astutos.

Não havia necessidade de entender as expressões de outras raças. Afinal, ele era apenas
um undead com as memórias e experiências do ser humano chamado Suzuki Satoru.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


5 7
Como parecia que Zenberu não falaria mais nada, Ainz continuou:

“Ah, não se preocupe. Eu não vou destruir esta aldeia, mesmo que você me traia. Afinal,
não seria uma rebelião organizada, e sua reação é bastante compreensível, dada à sua
personalidade e passado. Eles são seus velhos amigos — seus benfeitores? Eu entendo o
porquê ficaria do lado deles. No entanto, permita-me repetir: Não destruirei o Reino dos
Dwarfs se eu não tiver motivo para isso.”

Independentemente de os jogadores estarem presentes ou não, Ainz não queria lançar-


se diretamente às hostilidades sem antes dialogar.

Afinal, as coisas não estavam progredindo muito bem com os países vizinhos.

Agora que eles tinham que vassalizar o país com o qual pareciam ter tido as melhores
relações, seu nome viveria na infâmia se terminassem em guerra contra os Dwarfs tam-
bém.

Portanto, eles tinham que fazer o melhor para assinar um tratado de amizade com os
Dwarfs. Dessa forma, eles poderiam mostrar aos países vizinhos que o Reino Feiticeiro
era uma entidade que poderia aceitar pactos e acordos. Isso também daria a eles o moral
elevado e permitiria que limitassem as ações que poderiam ser tomadas por qualquer
jogador escondido mundo afora.

O que os jogadores fariam se fossem cautelosos com o Reino Feiticeiro?

O resultado mais provável era que eles considerariam o Reino Feiticeiro um império do
mal e usariam isso como um grito de guerra para organizar uma guerra contra eles.

Por outro lado, o que eles fariam se soubessem que o Reino Feiticeiro havia assinado
um tratado de amizade com o Reino dos Dwarfs, do modo que uma nação decente e apro-
priada faria?

Algumas pessoas podem pensar que foi assinado sob coação ou que foi uma diplomacia
das canhoneiras. No entanto, na superfície, pareceria ser um tratado justo e normal.

Hipoteticamente falando, se um jogador decidisse travar uma guerra no Reino Feiti-


ceiro, esse jogador certamente convidaria entidades do seu nível — provavelmente ou-
tros jogadores — a se juntarem a ele nessa cruzada. No entanto, algumas dessas pessoas
podem pensar no Reino Feiticeiro como uma nação decente. Essas pessoas avessas à
guerra podem citar o tratado do povo Dwarf como uma razão para ficar fora do conflito.

Com certeza, esta era uma conjectura presunçosa, mas ele poderia até ser capaz de ata-
car enquanto o inimigo estivesse em desunião e assim derrotá-los, e então a bomba de
“É por isso que eu não queria guerrear” explodiria no inimigo.

Esta foi a razão pela qual ele queria se colocar em um terreno de moral elevado.

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


5 8
Afinal, a única coisa que Ainz temia era um grupo de jogadores, não apenas um ou dois
jogadores.

Era verdade que jogadores com Itens World-Class eram algo para se ter medo, assim
como jogadores com profissões muito poderosas, como “Campeão Mundial”. Dito isto, se
eles estivessem sozinhos, eles não seriam capazes de derrotar Nazarick sem usar Um dos
Vinte.

“Então pode relaxar.”

“—Eu entendo isso agora.”

“Uhum. Assim é bem melhor. Posso confiar essa tarefa a você, Zenberu?”

“Eu entendo, Vossa Majestade. Vou levá-lo para a cidade das cavernas dos Dwarfs, onde
residi pouco tempo.”

Ainz assentiu em satisfação e então se virou para Zaryusu.

“Bom, vou abordar o Zaryusu agora. Por favor, aceite minhas felicitações sobre o au-
mento de sua família. Mãe e filho estão bem?”

Zaryusu nervosamente, aparentemente, respondeu:

“Sim, Vossa Majestade. Eles estão bem. Parece que meu filho está prestes a começar a
andar.”

“Nossa, bem rápido!”

Dito isso, suas investigações revelaram que as crianças humanas neste mundo se de-
senvolviam mais rapidamente do que as do mundo de Suzuki Satoru em todos os aspec-
tos, seja em termos de dentição, falar ou caminhar por conta própria. Claro, isso era ape-
nas algo que ele havia inventado depois de comparar suas observações com suas lem-
branças que Touch Me dissera no passado.

“Mesmo? Eu sinto que é normal...”

“A-ah, entendo. Parece que considerei isso do ponto de vista de um humano. Crianças...
hm. Atualmente, estou no processo de construir uma nação composta de seres de várias
espécies trabalhando juntas. Se eu lhe pedisse para viver em uma nação de humanos sob
minha regência com o propósito de acelerar essa agenda, você aceitaria?”

“Eu não posso recusar as ordens de Vossa Majestade.”

“Oh, não seja assim.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


5 9
Embora Zaryusu não tenha pretendido isso, pareceu um tom de zombaria.

A mesma coisa aconteceu com o Ainzach antes, Ainz refletiu enquanto continuava fa-
lando.

“Eu gostaria de ouvir sua opinião sobre o assunto. Tendo deixado os Lizardmen como
um Viajante, você deve ter experiência com esse tipo de coisa, estou errado? Em outras
palavras, você deve ser capaz de pensar de maneiras diferentes dos Lizardmen comuns.
Por causa disso, gostaria de ouvir o que pensa, e sente, sobre o mundo em constante
mudança que está à sua frente.”

“Meu tornei um Viajante porque senti que as coisas não poderiam continuar como antes.
Eu fui forçado a fazer isso pelas minhas circunstâncias.”

“Mesmo se fosse esse o caso, sua perspectiva deve ter sido ampliada ao ver o mundo.
Se possível, por que não se coloca no lugar de um Lizardman comum e, assim, avalie os
méritos dos Lizardmen viajando para uma nação humana?”

“Sim...”

Depois de pensar brevemente, Zaryusu falou mais uma vez.

“Pessoalmente falando, eu não gostaria de viajar para uma cidade humana. Eu me sen-
tiria desconfortável fazer isso e ter minha esposa e filho sujeitos a isso também. Mesmo
sendo um país governado por Vossa Majestade... seria muito difícil.”

Ter que abandonar o ambiente familiar e viajar para um ambiente completamente di-
ferente era profundamente angustiante. Era natural que se quisesse preservar o ambi-
ente ao qual eles estavam acostumados. Isso foi especialmente verdadeiro para Zaryusu,
que era um homem que tinha que arcar com o fardo de uma família.

Alguns podem chamar de vida na defensiva, mas Ainz achava que as pessoas que não
podiam aceitar proteção mesmo quando precisavam, essas sim eram fracas. O mesmo
valia para PKs ou PKKs.

“Entendo. Então... É possível que as crianças se acostumem com esse tipo de coisa?”

“Isso significa que o senhor só pretende levar as crianças, Vossa Majestade?”

Ainz sentiu uma leve crítica dentro dessas palavras.

Zaryusu deve ter pensado que Ainz forçosamente separaria as crianças de seus pais.

“Não tire conclusões precipitadas. Eu pretendo construir uma nação onde diferentes
raças possam coexistir em harmonia. O primeiro passo disso é criar um lugar onde os

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


6 0
filhos dos Lizardmen, humanos, Goblins e outros possam se reunir e brincar alegre-
mente. É só isso... Ainda assim, confio que todos vocês não pretendem viver e morrer
neste pequeno mundo que se resume em um lago, mas sim planejar entrar no mundo
como um todo, não é mesmo?”

Os rostos dos Lizardmen estavam preenchidos com expressões complexas.

“O senhor quer dizer... o senhor quer mais pessoas se tornando Viajantes?”

“Eu sei que ser um Viajante não é muito glamoroso entre os Lizardmen, estou errado?
Eu estou simplesmente dizendo que deveriam ampliar suas mentes... Não fui bem claro
sobre isso, mas será que você e sua esposa não pretendem dar ao seu filho uma visão
mais ampla do mundo?”

Um estranho olhar cruzou o rosto de Zaryusu.

“Isso é difícil de dizer. Eu gostaria que nossas crianças vivessem em uma aldeia segura,
já que temos muita comida, mas os tempos são diferentes agora.”

Ele deve ter falado em sua capacidade como pai. Isso foi um pouco diferente de como
Ainz queria que os NPCs vivessem em felicidade. Enquanto ele refletia sobre isso, Ainz
começou a sentir uma certa afinidade com Zaryusu.

“Eu entendo como se sente. Não se pode esperar mudanças daqueles que já decidiram
qual caminho seguir. Quanto mais rápida a mudança surgir, mais a geração mais velha
choramingará e a rejeitará.”

Ainz deu de ombros enquanto Zaryusu e Zenberu sorriam.

“É como Vossa Majestade diz... Os anciãos ainda se queixam de vez em quando.”

Respondeu Zaryusu.

“Isso não significa que você é um desses velhos, Zaryusu?”

Zaryusu olhou para Zenberu, perplexo, até mesmo Ainz conseguiu perceber isso.

“Porque sou pai? —Bem, pode ser que sim.”

Ainz olhou com carinho para Cocytus, que estava ao seu lado.

“Bem, parece que vou ter que deixar isso claro. Cocytus, vou agora dar-lhe uma ordem.”

“Entendido!”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


6 1
“Mesmo que Zenberu escolha se opor a mim, você está proibido de prejudicar qualquer
um de seus amigos aqui.”

“Eu. Ouço. E. Obedeço. Oh. Supremo!”

Ainz assentiu em satisfação a Cocytus que se curvava profundamente, e então olhou de


volta para Zenberu.

“Então, Zenberu. Eu gostaria de saber tudo o que sabe. Diga-me onde você conheceu os
Dwarfs, que tipo de vida teve com eles, que tipo de presentes os agradam e assim por
diante. Conte-me tudo.”

“Pode crer, Vossa Majestade.”

“Que. Grosseria—”

“Tudo bem, Cocytus. Ele perderia a cabeça por algo assim em circunstâncias oficiais—”

Ainz olhou em volta.

“No entanto, isso dificilmente é um cenário formal. Vou permitir que isso fique impune.
Creio que posso perdoar tal ato.”

Ainz riu e Cocytus falou novamente, confuso.

“Ai-Ainz-sama...”

Ainz estendeu a mão para interromper Cocytus e depois encarou friamente Zenberu.
Então, ele usou um movimento que ele havia praticado inúmeras vezes diante do espe-
lho.

“No entanto, Zenberu, há uma coisa que você não deve esquecer. Cocytus vai se sentir
culpado por causa do tom vergonhoso que você se dirigiu a mim.”

O corpo de Zenberu estremeceu, possivelmente por medo.

São esses os tremores pré-batalha?

“...Minhas mais sinceras desculpas, Vossa Majestade. Seu servo ultrapassou os limites.”

“—Tudo bem, você deveria ser grato ao Cocytus, o administrador desta aldeia. Por
causa dele, eu não vou prejudicá-lo diretamente... hm, sem mais delongas com essa con-
versa sem sentido. Vamos começar a discutir o Reino dos Dwarfs?”

“Antes. Disso. Por. Que. Não. Se. Senta. Ainz-sama?”

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


6 2
Ainz ficou levemente incomodado com a sugestão de Cocytus.

Ainz não sentia fadiga, então não precisava se sentar. No entanto, ele não podia sim-
plesmente ignorar uma sugestão valiosa como essa.

“De fato. Deixe-nos fazer isso. Cocytus, não use algo muito luxurioso. Qualquer coisa
que eu possa sentar já estará de bom tamanho.”

“Entendido! Então. Por. Favor. Com. Licença.”

Cocytus ficou de quatro, prostrando-se no chão.

A imagem de Shalltear se sobrepôs à Cocytus dentro da memória de Ainz.

“...Eu acho que sei o que está acontecendo, mas talvez seja melhor perguntar, apenas no
caso. O que você está fazendo?”

“Eu. Ouvi. Dizer. Que. A. Shalltear. Uma. Vez. Fez. Isso, E. Assim. Sendo, Eu. Pretendi.
Imitá-la.”

“Aquilo foi um castigo para ela. Não há necessidade de fazer o mesmo.”

“Mas. Os. Lizardmen. Sob. Meu. Comando. Falaram. Desrespeitosamente. Com. O. Se-
nhor, Ainz-sama—”

“Não há necessidade de reviver o passado. Eu já disse que não teve importância. Você
não me ouviu?”

“Isso. É. Verdade. Mas—”

Haa—

Ainz tentou falar com ele, mas Cocytus estava provando ser inesperadamente teimoso.
Apesar do fato de que os undeads não se cansaram, a fadiga encheu a alma de Ainz. Sen-
tindo a dificuldade ao redor dele, Ainz decidiu abandonar sua resistência e fez um pro-
nunciamento.

“—Ah, basta. Então, vou me sentar, Cocytus.”

“Entendido!”

Sua resposta foi bastante contundente.

Sentado assim na frente dos outros era muito — bem, até certo ponto, era embaraçoso.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


6 3
Ainda assim, os outros achariam estranho se ele hesitasse aqui. O que ele deveria ter
feito era adotar o ar de um soberano absoluto e sentar-se com naturalidade no corpo de
seu vassalo.

Ainz se inclinou na cintura. Na verdade, era muito desconfortável. Mais precisamente,


era muito desigual e, estava muito frio.

Além disso, Cocytus parecia estar ofegando e bufando de excitação, vazando uma névoa
branca cada vez mais espessa, parecia que alguém havia borrifado água quente no gelo
seco e os vapores se espalhavam entre as pernas de Ainz. Parecia algum efeito especial
usado para fazer alguém parecer mais impressionante, e isso o fazia sentir como se esti-
vesse sentado em uma cama de pregos.

“Isso. Te. Agrada. Ainz-sama?”

Não...

Ele não podia ser honesto aqui.

Uma parte estranhamente curiosa dele queria saber o que aconteceria se ele falasse o
que pensava, mas só de pensar na reação de Cocytus já era assustadora por si só.

“Mm, não é ruim...”

Eu vou parecer um pervertido se eu disser isso...

Ainz pensou freneticamente. No entanto, ele não conseguia pensar em mais nada para
dizer.

“Então. Eu. Posso. Saber. Entre. Eu. E. Shalltear, Qual. De. Nós. O. Senhor. Prefere?”

“...”

Ainz ficou mudo. Como ele deveria responder?

“Eh... Por-por que quer saber?”

“Sim! Eu. Sinto. Que. Devo. Praticar. Isso. Para. Aqueles. Que Cavalgarão. Em. Minhas.
Costas. Algum. Dia.”

“...Eh!?”

De onde ele tirou essa maluquice?

Cocytus era uma espécie que permitia a fêmea montá-los durante a reprodução? Ou ele
era apenas um masoquista sexual?

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


6 4
Takemikazuchi-saaan!

Não, ele foi um homem mais decente do que isso. Ele poderia ser um apaixonado por
lutas, mas deve ter sido um bom homem que raramente dava problemas às pessoas.

Mas por que Cocytus acabou assim? Ainz foi abalado até o núcleo, como se tivesse des-
coberto o fetiche secreto de outra pessoa.

“En-então é por isso? Excelente.”

Embora Ainz não soubesse se era de fato algo excelente.

“Sim! Mesmo. Que. Eu. Possa. Estar. Abusando. Ao. Esperar. Por. Uma. Resposta... Quem.
É. O. Vencedor, Ainz-sama?”

“É um pouco irregular, mas não ao ponto que me incomode a sentar. Nesse sentido, a
Shalltear é um pouco melhor.”

“Então. É. Assim...”

“Ngh! Não, quero dizer, você tem suas vantagens também. Ah, como vou colocar isso, é
geladinho... sim, essa sensação fria seria melhor nos dias de verão.”

Ainz não pôde deixar de se perguntar o porquê estava tão desesperado para consolar
Cocytus.

“Eu. Entendo! No. Entanto... Mm.”

Enquanto silenciosamente regozijando-se por Cocytus ter ficado em silêncio para pen-
sar, Ainz se dirigiu ao Lizardman.

“Então! Não dê atenção ao que está acontecendo aqui. Vamos, Zenberu, conte-me.”

“Ah, sim.”

De acordo com Zenberu, ele havia subido e descido encostas e picos para encontrar os
Dwarfs, passando um mês em uma busca infrutífera. Foi só quando ele estava prestes a
desistir que ele encontrou um Dwarf que saiu para explorar a superfície. Depois disso,
várias coisas aconteceram e ele ganhou a confiança dos Dwarfs e foi levado para a cidade.

Dada a sua aparência, eles ficaram meio receosos a princípio, mas aparentemente ga-
nhou sua confiança depois de “mostrar” seu coração a eles.

Depois disso, ele treinou Artes Marciais na cidade Dwarf. Ele saiu uma vez que ele ga-
nhou confiança suficiente em si mesmo e retornou para a aldeia Lizardman.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


6 5
O mais importante de tudo isso era se Zenberu poderia ou não liderar Ainz e seu grupo
para a cidade Dwarf.

Zenberu parecia um pouco desconfortável, mas no final ele respondeu que provavel-
mente poderia fazê-lo.

A cidade Dwarf era subterrânea, nas profundezas de uma caverna, então ele deveria ser
capaz de levá-lo até lá, desde que o terreno da montanha não mudasse. Quando ele ouviu
isso, Ainz se lembrou das cidades subterrâneas em YGGDRASIL, e ele não pôde deixar de
ficar entusiasmado.

A última coisa que ele perguntou foi a distância até a cidade Dwarf.

Zenberu respondeu que a viagem de volta do Reino dos Dwarfs levara cerca de uma
semana ao longo das trilhas nas montanhas. Isso o levava para a ponta mais setentrional
do lago.

Dado que os Lizardmen não estavam acostumados a andar em terra, uma jornada de
uma semana a pé, aproximadamente, seria equivalente a cerca de 100 quilômetros.

Infelizmente, eles precisavam confiar nas memórias de Zenberu, de modo que não con-
seguiam traçar o percurso mais curto em um mapa.

Eu devo me preparar para algum imprevisto.

Isso o fez pensar em suas aventuras em YGGDRASIL, e Ainz sorriu amplamente.

“...Esta informação é útil para o senhor, Vossa Majestade?”

“Claro. Expedições no escuro com apenas uma lanterna fraca para iluminar o caminho
é bem-vinda. Isso é o que eles chamam de excitação, não?”

Talvez achassem que Ainz estava fazendo uma piada, mas risadas silenciosas vinham
dos outros Lizardmen. Ainz não pretendia corrigir o erro. Pessoas que não conheciam
YGGDRASIL achariam difícil de entender.

“Então, nomearei Zenberu como meu guia, e nos prepararemos de acordo com o que
ele me disse. Aura e Shalltear chegarão em breve com seus respectivos seguidores, então
você deve se preparar também.”

“Eu ouço e obedeço, Vossa Majestade.”

Ainz assentiu graciosamente para ele, e então se levantou do corpo de Cocytus.

Ele não prestou atenção ao murmúrio triste de baixo dele.

Capítulo 1 Preparando-se Para a Terra Desconhecida


6 6
Capítulo 02: Em Busca da Terra dos Dwarfs

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


6 7
Parte 1

halltear e Aura se reuniram na beira do lago perto da aldeia Lizardman,

S
acompanhadas por seus seguidores escolhidos a dedo.

Sob o comando de Shalltear haviam 25 undeads, cada um em torno do ní-


vel 80 ou mais. Aura havia escolhido 30 feras mágicas. Havia 6 Vampire
Brides que eram subordinadas de Shalltear, Aura e Ainz. Então, havia os 5 Hanzos que
Ainz trouxera consigo. Além disso, havia 5 feras mágicas para levar a carga, semelhantes
à mamutes, que haviam sido conjuradas com a moeda do jogo. Esses animais tinham
arreios de carga em ambos os lados, do tipo que era comumente utilizado em YGGDRA-
SIL.

Eles poderiam ser considerados os seres mais fracos do grupo, dado que eram apenas
de nível 40. Ainda assim, suas capacidades de transporte de carga eram bastante impres-
sionantes, e sua resistência ao frio e ao fogo significava que eles poderiam se mover fa-
cilmente através da tundra congelada ou perto de crateras cheias de lava borbulhante.
A coisa mais importante era que ao contrário do que as aparências indicavam, possuíam
incrível mobilidade e capacidade de operar por longos períodos sem comer ou beber.

Ainz ordenou que Cocytus ficasse atrás dele e então chamou Zenberu, pedindo que ele
se aproximasse.

“O que deseja de mim, Vossa Majestade?”

Zenberu se afastou de Zaryusu e Crusch — Ainz lembrou de seus nomes — e veio diante
dele. Ainz não pôde deixar de olhar para o pequeno Lizardman branco que Crusch estava
aninando.

Talvez Crusch sentisse o espírito de colecionador de Ainz, mas ela instintivamente agiu
para proteger seu filho.

Não é como se eu fosse roubar seu filho...

Sentindo-se um pouco deprimido, Ainz entregou a Zenberu três itens.

“Aceite-os. Este anel elimina a necessidade de dormir, comer ou beber. Este anel ga-
rante resistência ao frio. E este colar garante a habilidade de usar a magia 「Fly」. Eu
vou te ensinar como usá-lo mais tarde. É para caso você caia em um penhasco.”

“Muito obrigado, Vossa Majestade.”

Este foi o equipamento básico de montanhismo que ele usou durante seus dias em
YGGDRASIL. Ele poderia trocar de equipamento em resposta a qualquer efeito único de
área que encontrasse na Cordilheira Azerlisiana.

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


6 8
“Desculpe por interromper seus preparativos. Era apenas isso que queria te entregar.
Pode voltar.”

Zenberu assentiu e retornou em silêncio.

“Cocytus. Parece que as crianças são muito curiosas.”

As crianças não fugiram, mas mantiveram distância, olhando para Ainz e os outros com
olhos, provavelmente, brilhantes.

Mm. As crianças seriam capazes de se adaptar se eu as levasse para uma cidade humana?
Não, e se eu fizesse o contrário e trouxesse crianças humanas para cá? Talvez eu pudesse
construir um acampamento nas proximidades e levar os filhos dos Lizardmen para lá.

Ainz imaginou uma cena de crianças humanas, Lizardmen e Goblins brincando juntas.
Então ele adicionou Aura e Mare, as crianças Elfos Negros. E então ele decidiu colocar
Shalltear também.

Ele colocou Shalltear porque a viu fazendo preparações ao lado de Aura, os undeads e
as feras mágicas. Não havia nenhum significado especial para isso.

Eu gosto dessa imagem. Talvez eu deva sugerir isso para a Albedo e o Demiurge...

“Se. Eles. O. Desagradarem, Devo. Ordenar. Para. Que. Saiam. Imediatamente?”

“Não foi isso que eu quis dizer... Não acha que as crianças podem se dar bem, mesmo
que sejam de raças diferentes? Você não acha que crianças humanas poderiam andar de
mãos dadas com crianças Lizardman?”

“Eu. Não. Tenho. Certeza, Mas. Se. Esta. É. Vossa. Vontade, Então. Tenho. Certeza. Que.
Eles. Andariam. De. Mãos. Dadas, Ainz-sama.”

...Isso não tem nada a ver com minha vontade ou ordens, é só uma questão de fazer com
que pessoas de diferentes espécies trabalhem juntas. Acho que não posso fazer essa suges-
tão devido à minha posição como Rei...

As idéias de Ainz seriam todas interpretadas como ordens absolutas. Assim, conside-
rando este ponto, foi bastante assustador.

“...Claro. Então, é hora de partirmos— Aura, Shalltear! Estão prontas?”

As duas responderam quase instantaneamente.

“Sim! Estamos prontas!”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


6 9
“Igualmente ~arinsu. Se o senhor der o comando, podemos sair a qualquer momento,
Ainz-sama.”

“Zenberu!”

“Sem problemas aqui!”

“Tudo bem, então vamos!”

“Ainz-sama. Tenha. Cuidado! Se. Qualquer. Coisa. Acontecer, Eu. Posso. Mobilizar. Mi-
nhas. Tropas. A. Qualquer. Momento.”

Cocytus abordou algo importante. Se houvesse jogadores inimigos por perto, as coisas
poderiam se transformar em uma batalha em grande escala, e isso exigiria o uso da força
militar. Contudo—

“—Isso pode acontecer eventualmente. Mas iremos mais como uma força de reconhe-
cimento. Se encontrarmos alguém forte, recuaremos depois de coletar informações su-
ficientes. Se isso acontecer, estaremos ansiosos por suas realizações no campo de bata-
lha.”

“Entendido!”

♦♦♦

O plano era seguir para o norte e subir as montanhas, guiado pelas memórias de Zen-
beru.

Os undeads montados nas feras e agindo como sua vanguarda exibiam orgulhosamente
a bandeira do Reino Feiticeiro.

Todos os seres inteligentes que viviam perto do lago estavam sob a bandeira de Cocytus.
Assim, levantar a bandeira significava que eles não precisavam temer nenhum ataque.
Mesmo assim, isso se aplica apenas a criaturas inteligentes — aquelas que entendiam o
conceito de ser governado. Não significava nada para criaturas de baixa inteligência,
como meros animais, por exemplo. Pelo contrário, isso aumentava as chances de que tais
criaturas os atacassem. Ainda assim, não havia monstros nesta floresta que Ainz e seu
grupo não pudessem lidar.

Shalltear parecia estar procurando por seres tolos a este ponto, mas ela não conseguia
encontrar nem um único monstro. No final, eles chegaram ao extremo norte do lago.

Seus olhos seguiram o curso de um pequeno riacho que alimentava o lago, e à frente
deles ficavam os picos dentados da Cordilheira Azerlisiana. Sob um céu azul claro e
tempo ensolarado, era uma visão bastante majestosa, e isso provocou uma emoção fraca
dentro do coração de Ainz.

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


7 0
Só então, Zenberu se aproximou de Ainz e fez uma sugestão:

“Eu poderia ter permissão pra andar na frente do senhor? Acho que olhar para o cenário
ao redor pode me ajudar a lembrar de alguma coisa.”

Naturalmente, não houve objeções.

“Tudo bem. Vá para a liderança. Mas não vá sozinho. Leve um dos meus com você. Se
algo atacar, use-o como cobertura e recue. Você é um membro muito valioso desta expe-
dição.”

“Meus mais profundos agradecimentos.”

Depois de comandar — ou melhor, pedir — a fera mágica que ele montava, a criatura
obedeceu e começou a se mover. Como Zenberu não tinha experiência em equitação,
Ainz o colocou em uma das feras mágicas de Aura, que podia ser controlada pela fala e
não pela técnica.

Havia uma grande diferença entre a velocidade nas montanhas e a velocidade enquanto
viajavam pela margem do lago.

Em outras palavras, eles se moviam muito devagar.

No início, eles simplesmente seguiram o fluxo para o norte, mas diminuíram a veloci-
dade depois de se desviarem para evitar uma cachoeira.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


7 1
Zenberu fez o possível para lembrar-se da rota que havia tomado, mas era muito difícil
refazer os passos que havia feito apenas uma vez há vários anos atrás, ainda mais en-
quanto seguia na direção oposta. Além disso, estavam em uma elevação muito baixa, de
modo que as árvores altas bloqueavam sua linha de visão.

Mesmo que a forma da terra não tivesse mudado, as árvores ainda cresciam com o pas-
sar do tempo.

Zenberu continuou em frente enquanto se esforçava para refrescar sua memória.

A maioria dos membros do grupo não precisava de descanso, mas Zenberu — o mem-
bro mais importante — estava entre as poucas exceções a isso. Assim, eles tiveram que
parar várias vezes para fazer uma pausa antes de continuarem em silêncio.

Eles vislumbraram o que pareciam ser monstros ao longe, mas não pareciam querer se
aproximar. Talvez o grupo de Ainz fosse muito numeroso, ou talvez os monstros já não
estivessem com fome. Ainz pensava que capturar um monstro desconhecido para brin-
car poderia ser divertido, mas ele decidiu desistir dessa idéia desta vez.

Seu objetivo atual era alcançar o Reino dos Dwarfs.

Ainz sabia muito bem que um caçador que perseguisse dois coelhos não pegaria ne-
nhum.

Com uma leve pontada de arrependimento, Ainz escolheu se apressar na jornada atual.

Quando o grupo se aproximou da borda da floresta, as árvores gradualmente ficaram


mais curtas, e o sol começou a cair atrás da montanha.

O céu azul estava tingido de vermelho, e depois passou para a noite. A silhueta das mon-
tanhas contra um mar infinito de estrelas só poderia ser descrita como majestosa. O co-
nhecimento de que mesmo essa vista magnífica era apenas uma fração deste mundo fez
Ainz sentir como se a própria natureza estivesse engolindo o seu ser.

Suas cavidades nasais pinicaram e ele absorveu o ar fresco e perfumado.

Por que ele poderia fazer isso — ou melhor, se ele pudesse fazer isso, por que ele não
poderia dizer como a comida cheirava? Ainz afastou esses pensamentos de sua mente, e
preferiu saborear esse ar, que não podia ser encontrado em Nazarick ou nos arredores
de E-Rantel.

Em YGGDRASIL, ele não teria sido capaz de experimentar a grandeza da natureza dessa
maneira.

Ele sentiu uma sensação de satisfação, assim como quando ganhou novas experiências
enquanto se aventurava como Momon, e o coração de Ainz se encheu de satisfação. Com

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


7 2
toda a honestidade, eles poderiam voltar agora sem jamais encontrar o Reino dos Dwarfs
e ele definitivamente não se importaria.

Não é— não é este o tipo de cenário que os aventureiros deveriam ver?

Ainz riu e depois falou com as pessoas atrás dele.

“Então, nós acamparemos aqui para passar a noite.”

Depois que todos responderam afirmativamente, Shalltear perguntou a Ainz:

“Ainz-sama, devemos retornar à Grande Tumba de Nazarick ~arinsu?”

Na verdade, a coisa mais sensata a fazer seria fazer uma marcação aqui e então tele-
transportar todos de volta para um lugar seguro para passar a noite. No entanto, por
algum motivo, ele não sentia que seria o ideal. Não se tratava dos méritos ou deméritos
da situação, mas de uma questão puramente emocional.

“Não há necessidade disso. Montaremos acampamento aqui.”

“Mas Ainz-sama, fazer o senhor acampar em um lugar como esse...”

Um rápido olhar ao redor revelaria apenas rochas limpas, e os frios ventos da montanha
— claro, não tinham nenhum efeito sobre Ainz, que era imune ao frio — roubando o
calor do corpo. Qualquer pessoa sem resistência ao frio ou roupas grossas de lã sentiria
como se estivessem sendo picado por agulhas. Isso provavelmente acontecia porque os
ventos que sopravam sobre pilhas de neve traziam o ar frio pelas encostas das monta-
nhas.

Ainz sorriu enquanto seu respeito pela grandeza da natureza se tornava cada vez mais
profundo.

Em YGGDRASIL, havia guildas que exploravam e se aventuravam a transformar o des-


conhecido no conhecido. Eles viajavam em uma jornada sem fim com esses sentimentos
em seus corações.

Poderiam ser fracas em batalhas de guildas, mas como poucas, se lançaram de forma
solitária nos confins desconhecidos do mundo. Naquela época, ele não entendia o que
estavam pensando. No entanto, depois de encontrar um mundo magnífico como este, ele
começou a ver o que estavam buscando.

Enquanto ele tinha sido Momon, ele também tinha se entretido com o pensamento de
deixar tudo e ir viajar pelo mundo—

“—Ainz-sama?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


7 3
Os pensamentos que começaram a flutuar em sua cabeça foram repentinamente dis-
persos.

“O que foi, Shalltear?”

“Eh, ah, Ainz-sama, perdoe-me por interromper sua contemplação ~arinsu.”

“Aah, não, tudo bem. Não estava pensando em nada importante.”

“Mesmo ~arinsu? Ainda bem ~arinsu...”

“Então, qual é o problema? Ah, você está falando sobre acampar aqui?”

“Sim. Por favor, aceite minhas mais sinceras desculpas por não preparar uma tenda
adequada, apesar de saber que o senhor pode querer ficar aqui, Ainz-sama ~arinsu. De-
sejo pegar uma de Nazarick. Posso usar o 「Gate」?”

“Não há necessidade disso. Não foi que você esqueceu a tenda, mas eu não a anotei na
lista porque não era necessário. Sabe que o Mare pode fazer um abrigo com magia?”

Shalltear assentiu.

“Entendo. Então, você deve saber que eu também posso fazer isso. Eu poderia usar um
item mágico como a Green Secret House, mas isso pode ser um pouco apertado demais
para os nossos números. Agora observe isso.”

Ainz procurou por um local adequado. Poderia ser inclinado, mas o importante era que
tinha que estar aberto e livre de pedras.

Ele encontrou um quase imediatamente, e então Ainz lançou sua magia. Foi uma magia
de 10º nível.

“「Create Fortress」!”

Quando a magia entrou em vigor, uma torre poderosa apareceu onde antes não havia
nada. Era uma torre que tinha mais de 30 metros de altura, erigida radiando orgulho,
como se engolisse o céu estrelado.

As portas duplas maciças pareciam fortes o suficiente para suportar o impacto de aríe-
tes. As paredes estavam repletas de incontáveis cravos afiados para impedir que alguém
as escalasse. Quatro estátuas demoníacas adornavam os cantos da parte mais alta da
torre. Passavam uma sensação de serem pesadas e opressivas, mesmo se olhasse rapi-
damente para elas.

Essa fortificação robusta, semelhante a uma fortaleza, era a encarnação física da pala-
vra: “Imponente”.

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


7 4
“Então, vamos.”

Quando Ainz se aproximou da porta tomando a frente de seu grupo, as portas de ferro
se abriram. Ele esperaria lá para que todos entrassem. Em YGGDRASIL, qualquer pessoa
da mesma equipe poderia abrir as portas com um toque. Ao contrário dos outros que só
poderiam ganhar a entrada destruindo a porta. Ele se perguntou como as portas neste
mundo fariam esse julgamento.

Ainz deixou dois undeads do lado de fora e ordenou que abrissem as portas depois que
elas se fechassem. As portas permaneciam fechadas.

Ele esperou um pouco mais, mas não havia sinal de que as portas se abririam.

“...Será que só eu posso abri-las? Aura, vá e toque nas portas.”

Com um “Siiim!” Aura tocou as portas experimentalmente, mas elas não pareciam que-
rer abrir.

Parece que apenas Ainz poderia abrir as portas. Ele mentalmente franziu as sobrance-
lhas.

O fogo amigo é um saco...

Se outros jogadores existissem neste mundo, pequenas mudanças como essa poderiam
acabar afetando os outros, e na pior das hipóteses ele poderia acabar matando alguém
por acidente.

Já faz quase um ano... E ainda tenho que ter cuidado ao usar meu poder. Seria trágico se
alguém fosse pego em nossos ataques de efeito em área. Devo colocar isso em evidência
para os seres mais fortes? Mare, especialmente ele... embora eles possam se ressentir de
mim por importuná-los sobre isso, ainda mais se já perceberam... Eu acho que vou tentar
abordar isso como uma observação ou algo assim.

Lembrar as pessoas de forma sutil era inesperadamente difícil. Era completamente di-
ferente de apenas chegar e repreendê-los. Ainz tornou-se completamente familiarizado
com esse fato durante seu tempo no mundo corporativo.

Enquanto seu coração ficava pesado, Ainz decidiu terminar seu experimento e abrir o
portão para deixar os dois undeads do lado de fora entrarem. Ele fechou os portões mais
uma vez depois de garantir que todos estavam dentro, e então avançou.

Duas portas duplas estavam de frente para a entrada e uma passagem se estendia além
delas. No final da passagem havia outro conjunto de portas duplas. O caminho estava
iluminado por luzes mágicas, então não havia problemas em viajar ao longo dele.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


7 5
No instante em que ele abriu as portas internas, uma luz ofuscante brilhou acima deles.

Diante deles havia um corredor redondo. O chão era branco como a neve e o teto bem
alto. Uma escada espiral subia do centro da sala e conectava-se aos níveis superiores.

“Então... nós passaremos a noite aqui. Qualquer um que precise descansar pode fazê-lo.
Qualquer um que não... bem, ficar de pé aqui também não é muito bom. Todos, aguardem
em seus quartos.”

Ainz indicou dez portas usando seus dedos. Aliás, o espaço aqui era expandido, então a
fortaleza era maior do lado de dentro do que do lado de fora.

“Há mais cômodos como estes no segundo e terceiro andar, vão em frente e use-os. Aura,
Shalltear, Zenberu, vocês três fiquem aqui. Eu quero traçar nossa rota futura baseado
com o que aprendemos hoje. Ah, sim, vamos nos reunir no sofá ali. Os demais estão dis-
pensados.”

“Ainz-sama, o que faremos com as Vampire Brides?”

“Uhum...”

Ainz não conseguiu responder imediatamente à pergunta de Aura. Afinal de contas,


trazê-las foi idéia de Decrement, e ele poderia ter feito tudo perfeitamente bem sem elas.
Ainz fez uma breve pausa para pensar antes de dizer:

“Eu lhes darei ordens mais tarde. Por enquanto, peça-lhes que esperem em seus quar-
tos.”

Assim, ele entregou o problema ao seu eu futuro.

Ainz foi para o sofá e sentou-se. Logo depois, os três mencionados anteriormente sen-
taram-se também, ele começou a falar.

“Vamos começar registrando nossas viagens durante o dia. Aura, faça as honras.”

“Sim, Ainz-sama.”

Aura abriu um bloco de anotações, segurando-o com uma mão e desenhando um mapa
com a outra.

“Eu não estou muito confiante em alguns dos detalhes menores, mas deve ser mais ou
menos assim.”

“Uhum. Obrigado Aura.”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


7 6
Era um mapa bastante grosseiro, mas eles podiam verificar distâncias e similaridades
usando visão aérea.

“Vejamos.... sei que você está cansado, Zenberu, mas gostaria de pedir sua colaboração.
Mesmo que seja algo que o desagrade.”

“...O que o senhor quer dizer, Vossa Majestade?”

Ainz sorriu para Zenberu que apresentava algum tipo de nervosismo.

“Em outras palavras, eu gostaria de olhar através de suas memórias.”

“O-o que isso significa?”

“...Eu acho que me expressar assim me fez parecer vilãnesco. Eu posso controlar as me-
mórias dos outros com magia, mas essa mesma magia pode navegar pelas memórias dos
outros. Sinceramente, é algo que drena muita mana e eu prefiro não a usar se for evitável,
mas confiar em suas memórias nebulosas por si só é um pouco preocupante.”

“E, e não terá efeitos colaterais, não é?”

“Vai ficar bem. Graças à ajuda de um certo clérigo, posso dizer com segurança que sou
um especialista nisso. Não haverá problemas, desde que eu não faça coisas estranhas. Na
verdade, eu fiz o mesmo procedimento em uma de minhas empregadas e também não
houve problemas.”

“Fala da Shizu?”

“Exatamente, Aura. Mas a magia não é tão poderosa assim. Se a pessoa quase esqueceu
um acontecimento, só posso obter detalhes grosseiros. Há também outras coisas que
complicam o uso da magia. Por exemplo, as memórias podem não residir dentro do cé-
rebro, mas acessadas a partir de uma fonte mais primordial—”

Ainz deixou os ombros caírem quando percebeu que tinha saído do assunto:

“Bem, algo assim. Enfim, gostaria de investigar suas memórias.”

“Entendi... Só por precaução, sabe... gostaria de perguntar de novo, mas será que vai
ficar tudo bem mesmo?”

“Imagino como se sente. Não se preocupe, Zenberu. Eu não vou alterar suas memórias.
Juro isso pelo meu nome.”

“Então— o que eu devo fazer?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


7 7
“Humm. Sente-se lá e relaxe. Não vai doer. Só preciso confirmar alguns detalhes com
você antes de conjurar a magia. Coisas como, quantos meses e anos atrás e onde essas
memórias ocorreram, e assim por diante.”

Depois de ouvir as explicações de Zenberu, Ainz conjurou a magia.

Tendo lançado essa magia muitas vezes antes, Ainz tinha a confiança de um especialista,
mas ainda assim, usá-la era extremamente difícil.

Como quaisquer mudanças nas memórias permaneceriam para sempre, manipulá-las


incorretamente pode levar a uma situação irrecuperável. Foi como tentar formatar um
computador sem fazer nenhum backup dos dados. Pode-se dizer que era uma excelente
magia para fazer pessoas entrarem em estado vegetativo.

Mais importante, a magia gastava uma grande quantidade de mana enquanto estava em
vigor. Isso era o que mais dificultava a usabilidade.

Ainz sentiu sua mana drenar em torrentes depois de navegar brevemente nas memó-
rias de Zenberu.

O plano original de Ainz era encontrar as memórias desejadas e, em seguida, navegar


por bel-prazer. No entanto, ele estimou que seu MP iria secar antes disso. Além disso, o
problema com essa magia era que mesmo que ele quisesse esperar até o dia seguinte
para recuperar sua mana para então conjurar a magia novamente, ele teria que começar
desde o começo.

Como resultado, outras magias seriam mais eficazes na coleta de informações.

Depois de resmungar em seu coração, ele viu o que parecia ser uma montanha. Assim
que ele encontrou o lugar que procurava, sua mana já estava praticamente esgotada.

Examinar memórias do passado é o mais cansativo. É muito mais fácil visualizar as me-
mórias recentes...

Como ele esperava, as lembranças que encontrou estavam embaçadas, como se estives-
sem envoltas em névoa. Ele viu os rostos de Dwarfs, mas todos pareciam iguais para ele.
Ele não sabia se isso era culpa de Zenberu, mas não podia distingui-los. Todos os rostos
eram simplesmente faces barbadas que gritavam em tons grosseiros enquanto bebiam
cerveja.

Isso não é bom. Eu usei aquele clérigo como uma cobaia, e funcionou bem na Shizu. Mas
eu sinto que ainda não posso usá-la bem o suficiente... Eu não posso me dar ao luxo de
cometer erros com coisas delicadas como as memórias. Eu queria continuar experimen-
tando com aquele clérigo, mas ele mal consegue falar agora... Bem, reescrever memórias
funciona se eu me limitar aos últimos anos. Acho que devo realizar uma experiência sobre
o que acontecerá se eu limpar as memórias de uma pessoa...

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


7 8
Talvez eu deva selecionar algumas pessoas condenadas à morte por E-Rantel e usá-las
para experimentos...

Com esse pensamento em mente, Ainz terminou sua magia.

“Como está se sentindo, Zenberu? Algum desconforto?”

“Eh? Eu me sinto bem, mas estranho...”

Ainz sorriu.

“Eu apenas olhei através de suas memórias. Seria inusitado se estivesse sofrendo algum
efeito colateral, dado que não fiz mudanças. Provavelmente é um efeito placebo de algum
tipo; creio que desaparecerá em breve.”

Zenberu balançou a cabeça com força. Ainz não lhe deu atenção, e olhou atentamente
para o mapa.

Mesmo depois de olhar as memórias de Zenberu, ele ainda não compreendia bem.

Não havia características distintivas, e como ele poderia confirmar sua posição no ce-
nário confuso das montanhas? Além disso, as lembranças de se esconder de monstros
tinham sido muito mais vivas do que as demais.

O fato era que, mesmo que sua mana fosse recuperada até amanhã, ele não obteria in-
formações que valessem o gasto maciço de poder mágico.

“Então, vamos nos ater ao plano e ter o Zenberu nos guiando para o norte. Além do mais,
eu não vi nada útil em suas memórias.”

Não era como se ele tivesse idéias melhores.

Despachar tropas só serviria ao propósito de massacrar os monstros que aparecessem


em seu caminho.

“Estão todos dispensados. Descansem... bem, parece que ninguém precisa descansar
além do Zenberu. Pois bem, preparem-se para amanhã.”

♦♦♦

Enquanto observava seu mestre retornar ao seu quarto, Aura se virou para Shalltear,
que estava sentada ao lado dela:

“Há quartos à esquerda e à direita do próprio quarto de Ainz-sama. Qual você quer?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


7 9
Aura tinha um item mágico que lhe permitia ficar sem dormir, e Shalltear era uma
undead. Estritamente falando, nenhuma delas precisava de um quarto. No entanto, seria
rude não usar os quartos que foram fornecidos para elas, e seria ruim para a segurança
se elas estivessem muito longe de seu mestre.

“Hm~ bem, eu acho que ambos os lados estariam bem, você não acha ~arinsu?”

“Bem, acho que tem razão... Mas e aí, o que é isso que tá fazendo?”

Aura olhou para Shalltear depois de ouvir sua resposta distraída. Foi quando ela perce-
beu que Shalltear estava escrevendo algo em um bloco de anotações.

“Hm, Ainz-sama disse aquilo, check. Eu estou tomando notas, claro. Eu não quero es-
quecer as palavras de Ainz-sama ~arinsu.”

“Hmmm~ isso parece bem trabalhoso vindo de você. Deixa eu dar uma olhada.”

Aura fez uma pausa para espiar e viu que o bloco de anotações estava coberto por um
roteiro denso, com quase nenhum espaço em branco entre as letras.

Depois de uma rápida olhada, ela descobriu que Shalltear havia gravado as palavras de
seu mestre detalhadamente, assim como as ações que ele tomava.

Isto... como direi isto? Claro, faz sentido preservar as palavras do Ainz-sama para a pos-
teridade, mas duvido que a Shalltear as esteja escrevendo pra isso...

Shalltear deveria ter registrado os pontos-chaves da sabedoria de seu mestre e depois


aprendido com eles. No entanto, essa situação estava começando a deixá-la desconfor-
tável.

“Ah, sabe como é. Isso que tá fazendo é uma boa idéia, mas não deveria ser apenas em
coisas importantes, não acha?”

Shalltear olhou para ela com uma expressão perplexa no rosto.

“Só agora que percebeu? Anotar cada palavrinha pode parecer que fez um bom trabalho.
Mas o que você deve fazer é registrar as coisas importantes e usá-las para aprender por
contra própria a como lidar com situações semelhantes, não é? E aí, ainda acha certo
fazer anotações assim?”

“A meu ver, sim...”

“Bem, melhor assim. Só por segurança, leia novamente quando voltar pro seu quarto.
Tente pensar sobre o que o Ainz-sama tinha em mente e depois se coloque no lugar dele
e imagine o que faria no lugar dele.”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


8 0
“Sério ~arinsu?”

“Sério ~arinsu.”

Depois de dizer isso, Aura de repente se perguntou o porquê ela estava dizendo esse
tipo de coisa para Shalltear. E então, por algum motivo, ela sentiu que orientá-la dessa
maneira era muito natural.

Haaa~ Por alguma razão, sinto que tenho uma irmãzinha retardada... Pode ser um pouco
desrespeitoso, mas será que a Bukubukuchagama-sama se sentia assim também?

♦♦♦

Eles se prepararam para partir em uma manhã particularmente brilhante. Dito isto,
seus preparativos não eram nada mais do que sair da torre criada magicamente e se
formar em uma coluna. Ainz achava que isso era muito menos agradável em comparação
com os preparativos de viagem de seu tempo como Momon.

Depois disso, continuaram a busca, mas seus esforços do amanhecer ao anoitecer não
renderam frutos.

Quando o sol afundou abaixo das encostas das montanhas, Ainz estreitou os olhos.

Eles viajaram mais de 100 quilômetros nos lombos de suas feras mágicas — em outras
palavras, eles haviam excedido a distância que Ainz estimara até a cidade Dwarf. No en-
tanto, não encontraram nada. Em outras palavras, eles teriam que começar a demorada
tarefa de passar um pente fino na região.

Ainz usou magia para criar um lugar de descanso como antes, e então, chegou o dia
seguinte — em outras palavras, o terceiro dia.

De repente, Zenberu exclamou em uma voz estranha.

“Por aqui! Lembro que já estive aqui!”

Não havia mais árvores à vista, apenas um campo de rochas. A voz de Zenberu ecoou
excepcionalmente alto neste lugar.

“Vossa Majestade! Devemos estar perto!”

“Mesmo!? Atenção, prossigam com cautela!”

De acordo com as ordens de Ainz, o grupo se formou em uma coluna organizada orde-
nadamente.

“Zenberu, deixo essa tarefa em suas mãos.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


8 1
“Pode contar comigo, Vossa Majestade!”

O grupo avançou, liderado por Zenberu.

Finalmente, eles viram algo que parecia mais uma rachadura na montanha do que uma
caverna.

Ainz tinha visto algo semelhante nas memórias de Zenberu, mas ele achava que deveria
ter sido maior. Ainda assim, este era provavelmente o lugar certo, dada a reação de Zen-
beru.

Afinal, as lembranças eram de Zenberu; a perspectiva do Lizardman deveria ser mais


confiável do que os vislumbres fragmentários de Ainz.

Ainz alisou seu robe amassado e gesticulou para Aura.

Agindo como haviam planejado antes, Aura conduziu sua montaria até a fissura.

“Reino Dwarfs! Sua Majestade Ainz Ooal Gown, Rei do recém-fundado Reino Feiticeiro
de Ainz Ooal Gown ao sul, veio visitá-los! Não vão mandar alguém para recebê-lo!?”

A voz de Aura, a arauta, ecoou pela fissura.

No entanto, não houve resposta.

Aura olhou para Ainz com uma expressão que dizia: “O que devo fazer agora?”

Ainz indicou que ela deveria anunciá-los novamente.

E assim, Aura gritou com o tom mais alto de sua voz mais uma vez.

No entanto, ainda não houve resposta. Não havia sinal de alguém aparecer, mesmo de-
pois de esperar um pouco.

Zenberu havia dito que deveria haver guardas vigiando essa saída para evitar intrusos
do lado de fora. Se este fosse o caso, alguém deveria ter ouvido a voz de Aura.

Eles estavam evitando a Elfa Negra?

Ainz chamou Aura de volta, e então convocou Zenberu.

“Agora é sua vez. Vá e grite um pouco, vejamos o que acontece.”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


8 2
Ainz conjurou várias magias de buff em Zenberu. Embora não garantisse sua segurança
por qualquer meio, reduzia muito o perigo que poderia enfrentar em comparação a ser
enviado sem essas magias.

Zenberu se aproximou da caverna e gritou. Ainda assim, não houve resposta.

“...Hanzos.”

“Nos apresentamos, Mestre.”

Os ninjas saíram da sombra de Shalltear. Os outros Hanzos se organizaram atrás do


Hanzo líder.

“—Infiltrem-se no interior e verifiquem a situação. Não sejam vistos.”

“Assim será feito. Posso perguntar até onde devemos investigar? Dizem que a cidade
Dwarf está repleta de túneis de mineração. Investigar completamente a intrincada teia
desses túneis levará muito tempo.”

“Faça uma inspeção superficial. Concentre-se na região central e nas áreas administra-
tivas da cidade. Poderão investigar o interior do túnel mais tarde.”

“Entendido.”

Os Hanzos partiram em uma arrancada, seguindo seu líder. A maneira como corriam,
deixando rastros fantasma de sua imagem por onde passavam, era um movimento único
para os monstros de alto nível do tipo ninja.

Ainz indicou que Zenberu deveria retornar ao centro do grupo — permitindo que ele
esperasse em um lugar seguro. Ele poderia ser muito útil ao negociar com os Dwarfs.

“—Shalltear, não diminua a segurança.”

“Entendido!”

Depois de usar uma habilidade, Shalltear estava totalmente armada e armadurada em


um instante. Ela examinou o ambiente com cuidado, não deixando nem um único detalhe
escapar dela.

Agora que Shalltear — a mais forte Guardiã de Nazarick — estava pronta para a batalha,
nenhum adversário, por mais forte que fosse, poderia matá-la instantaneamente com
um único combo. Dito isto, a experiência era o mais importante quando se lutava contra
jogadores, e dar essa tarefa a inexperiente Shalltear era bastante perigoso.

Em outras palavras, o experiente Ainz pode ainda precisar agir como um modelo para
ela.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


8 3
Ainz observava cuidadosamente seu entorno também. Logo, os Hanzos retornaram.
Eles demoraram mais do que o esperado, provavelmente porque haviam percorrido um
longo caminho.

Os Hanzos se alinharam diante de Ainz e genuflectiram. Naturalmente, o líder falou por


eles.

“—Ainz-sama, descobrimos o que pode ser uma área residencial. Nós procuramos, mas
não encontramos sinais de vida.”

“—O que aconteceu?”

“Não investigamos completamente, mas não havia cadáveres ou qualquer sinal de pro-
dutos domésticos dentro das casas. Nem havia sinais de batalha.”

“Parece que os Dwarfs abandonaram esta cidade por vontade própria.”

Ele olhou para Zenberu, que também parecia muito chocado. Ele só poderia tê-lo co-
nhecido por um curto período de tempo, mas ele tinha ganhado um pouco de discerni-
mento sobre a personalidade de Zenberu, e isso não parecia uma atuação.

“—Tudo bem então. Nos guie ao distrito residencial.”

“Sim senhor!”

Ainz seguiu atrás dos Hanzos. Este era um território desconhecido e ele não poderia ser
descuidado aqui. Shalltear, Aura e Zenberu também foram escoltados por undeads e fe-
ras mágicas de alto nível.

As únicas deixadas de fora foram as Vampire Brides de baixo nível e as feras mágicas
parecidas com mamutes.

Isso foi feito para definir uma armadilha. Qualquer ser desconhecido que os visse como
inimigos certamente começaria a reduzir a força de combate da parte de suas forças das
quais eles estavam confiantes em derrotar. Além disso, eram táticas básicas para come-
çar a atacar as linhas de suprimento na esperança de aprender alguma coisa com os ob-
jetos que eles deixassem cair.

Assim, ele não as deixou sozinhas. Ele também havia posicionado um Hanzo camuflado
por perto.

Aquele Hanzo não estava lá para resgatá-las.

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


8 4
Em vez disso, estava lá para observar o inimigo e aprender sobre os atacantes. Depois
disso, ser capaz de aprender qual local retornariam — ou melhor ainda, sua base — seria
um bônus inesperado.

A razão pela qual não retornaram para Nazarick em nenhum momento durante a jor-
nada, foi também para evitar que a oposição soubesse que eles poderiam reabastecer
suas forças infinitamente usando a magia 「Gate」. Isso os faria pensar que Ainz e com-
panhia poderiam ter as forças desgastadas com o tempo.

Bem, mesmo que o inimigo apareça, seria bom se as Vampire Brides ficassem em segu-
rança.

Ainz não queria que as Vampires Brides morressem. Claro, não que ele se importava
em sacrificar monstros POP para obter informações sobre o inimigo.

Talvez seja um pouco cruel...

Pensou Ainz quando entrou na caverna.

Não havia luz do lado de fora na caverna e logo eles foram imersos em completa escu-
ridão. No entanto, não apresentava problemas para Ainz, que tinha visão no escuro.
Shalltear, Aura, os outros undeads e as feras mágicas também possuíam essa habilidade.
No nível deles, a mera escuridão não era uma desvantagem para nenhum dos aqui pre-
sentes.

Zenberu, por outro lado, estava sendo carregado como uma princesa por um dos unde-
ads.

Dado o fato de que todas as estalactites e estalagmites da área haviam sido removidas,
e o fato de a área ter sido terraplanada e fácil de atravessar, não havia dúvida de que
aquele lugar era uma cidade Dwarf.

Os Hanzos os conduziram adiante. Havia muitos caminhos e bifurcações ao longo do


caminho, todos os quais levavam rapidamente a becos sem saída, de acordo com os Han-
zos que os guiavam. Eles provavelmente tinham sido cavados para confundir intrusos e
ganhar tempo, ou talvez para ajudar a montar um contra-ataque.

Havia magias que Ainz poderia usar nessas circunstâncias, mas os Hanzos não tinham
essas habilidades. Fazia sentido o tempo que levaram para retornar, considerando que
tiveram que investigar todos esses possíveis caminhos.

Enquanto pensava nisso, um dos Hanzos se virou para encará-lo.

“Ainz-sama, falta pouco para chegarmos ao distrito residencial.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


8 5
“Perfeito... Há algum tipo de iluminação tênue à distância, Hanzo. Você não disse que
não havia Dwarfs aqui?”

“Sim, não há nenhum. Esta luz está sendo emitida por um mineral cristalino.”

Um vasto espaço aberto se estendia à frente deles.

Enquanto procurava a fonte da iluminação, viu vários pilares robustos sustentando o


teto. Objetos semelhantes à cristais estavam incrustados do teto e irradiavam a luz da
qual os Hanzos haviam falado.

Não havia outras fontes de luz — pelo menos nenhuma feita manualmente — até onde
Ainz podia ver.

Como os Hanzos descreveram, este lugar parecia um distrito residencial. Certamente


parecia uma cidade, com longas filas de edifícios genéricos, com aproximadamente dois
andares de altura.

Talvez fosse porque os construtores eram de uma raça de baixa estatura, mas suas es-
truturas eram todas menores do que as construções arquitetadas por humanos. Mesmo
assim, as edificações ainda eram mais altas que Ainz, e ele não podia dizer o tamanho da
cidade por causa de sua linha de visão ser obstruída pelos edifícios. No entanto, o grande
número de edifícios aqui o fez sentir que contá-los era um exercício de futilidade.

“Hmm...”

Enquanto Ainz inspecionava a cidade, a chama de esperança em seu coração apagou


com um “chu~”, como se extinta por uma bacia de água fria.

Estava muito desapontado.

As histórias que ouvira da cidade Dwarf evocavam uma imagem mental de um lugar
brilhante, intrincado e digno, mas não havia sinal disso aqui. Não havia vestígios de
YGGDRASIL — nem da presença de um jogador — aqui também.

Ainz se adiantou e empurrou a porta de uma das edificações.

Como os Hanzos haviam dito, ele foi recebido por um espaço vazio.

Ele não conseguia ver nenhum móvel de onde ele estava, na entrada. As únicas coisas
que restavam eram prateleiras que haviam sido instaladas nas paredes e outras coisas
que não podiam ser movidas. Poeira branca cobria o chão. Parece que ninguém esteve
aqui por algum tempo.

“—Zenberu! Chame e veja se tem alguém aí!”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


8 6
Depois de ouvir a ordem de Ainz, Zenberu gritou o nome do Dwarf que cuidara dele no
passado.

O fato de que não houve eco de retorno demonstrava claramente a profundidade mas-
siva da caverna.

Zenberu gritou várias vezes mais, mas, como antes, não havia sinais de alguém emergir
em resposta.

“—Hanzos. Vasculhe os túneis fora da cidade por qualquer coisa que possa servir como
pista. Encontre o motivo pelo qual esta cidade foi abandonada. Como não sabemos nada
sobre a extensão da rede de túneis, retornem se concluírem que se afastaram muito.”

“Entendido!”

Embora pudesse ter sido mais rápido ter todos saindo por conta própria e procurando,
Ainz não era tão estúpido o suficiente para dividir o grupo nessas circunstâncias, onde
ele não sabia o que estava acontecendo. Ele ordenou que todos se reunissem e conduzis-
sem uma pequena investigação. Enquanto Ainz esperava, eles abriram as portas de uma
edificação após a outra.

Todas eram iguais a anterior.

Algumas continham móveis abandonados, mas não passava de uma estante aqui e uma
mesa ali. Ele não havia encontrado uma residência com a mobília completa.

Verificar todas as casas como essas levaria muito tempo.

“Aura, você tem os sentidos mais aguçados dentre nós. Conseguiu encontrar alguma
pista?”

“Nadinha. Não sinto ninguém por perto.”

“Se é o caso... Então, vamos nos dividir em duas equipes para facilitar a busca. Shalltear,
assuma o comando dos undead, façam com que sejam nossos vigias. Aura, vá em frente
para a casa onde Zenberu ficou a última vez que esteve aqui. Procure na cidade a razão
pela qual os Dwarfs não estão mais por perto, mas tome cuidado para não ir muito longe.”

As duas Guardiãs responderam afirmativamente, e então ele viu Zenberu se curvando


em gratidão.

Depois de acenar magnanimamente, Ainz conjurou 「Fly」.

Ele lentamente flutuou para cima.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


8 7
Este seria um curso de ação perigoso se alguém estivesse esperando em uma embos-
cada, mas por algum motivo, Ainz tinha a sensação de que não havia ninguém por perto.

“Ainz-sama—!”

Shalltear voou em pânico:

“É perigoso! Por favor, desça!”

“Se for para pensar sobre isso, você está certa. Parece que fui descuidado.”

Era natural que Shalltear estivesse zangada. Afinal, ele tinha voado — onde qualquer
um poderia traçar uma linha de fogo para ele — puramente porque ele estava agindo em
um instinto sem base.

“Ainda assim, o fato de não ter sido atacado é mais uma prova de que não há ninguém
aqui. Além disso, há uma chance de que qualquer um que tenha me visto queira se apro-
ximar para saber mais, então deixarei a segurança do perímetro para você.”

“Por favor, não se use para atrair o inimigo para uma armadilha ~arinsu.”

Punitto-san tinha razão; dependendo das circunstâncias, um líder pode ter que se usar
como isca... Ainda assim, acho que é difícil para alguém como a Shalltear entender isso, já
que ela não foi um dos meus camaradas, mas sim minha protetora.

“Perdoe-me.”

Ainz disse para Shalltear antes de olhar para baixo.

Esta era uma cidade, cheia de muitos edifícios idênticos, tão bem organizada quanto
uma prancha.

“—Há um edifício de aparência impressionante ali, e lá e ali.”

Embora a maioria dos edifícios parecesse terem sido moldados do mesmo molde, havia
poucos que pareciam maiores que os outros:

“Vamos ir dar uma olhada?”

“...Vamos chamar a Aura de volta primeiro ~arinsu? Parece que as coisas podem se tor-
nar muito problemáticas se houver uma emboscada lá.”

Tudo o que Shalltear havia dito desde então tinha razão.

“Ainz-sama!”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


8 8
Só então, a voz de Aura veio de baixo. Olhando para baixo, viu Aura e Zenberu acenando
para Ainz, e, dado o modo como o faziam, pareceria que algo fora do comum acontecera.

“Parece que eles encontraram alguma coisa.”

“Parece que sim ~arinsu.”

Os dois trocaram olhares antes de aterrissar ao lado de Aura, seguidos logo pelos unde-
ads se apressando para chegar em formação.

“Vem ver isso, Ainz-sama!”

Aura levou-os para uma das casas que ela abriu.

Ainz deu uma olhada no lugar, mas não conseguiu detectar nenhuma diferença das ou-
tras edificações, e não encontrou nada especial dentro dela.

“Esta é a casa onde Zenberu se hospedou?”

“Não, não é isso. Quando a gente tava indo para a casa do Dwarf que cuidou do Zenberu,
encontramos vários edifícios abertos. Depois de dar uma olhada neles, encontrei pega-
das no chão, e essas podem não ser pegadas de Dwarfs. Aqui, dê uma olhada. Hey Zen-
beru, Dwarfs não andam descalços, né?”

“Ahh, claro que não. Todos usam sapatos e não os tiram nem dentro de casa. Eu sempre
via eles com botas resistentes de sola de metal.”

“Isso significa que estas pegadas claramente não são de Dwarfs.”

“Quanto pode aprender com isso?”

“Hmm, vamos ver...”

Aura inclinou a cabeça em contemplação.

“Parecem ter sido feitas por um bípede, e as marcas de arrasto entre as pegadas es-
querda e direita sugerem uma espécie de cauda.”

“Seria algo parecido com um Lizardman ~arinsu?”

Shalltear virou-se para olhar para Zenberu.

“Nãão, não é. A cauda é magra, não é grossa como a do Zenberu. Além disso, as pegadas
foram cobertas pelo pó, então já deve ter um tempinho desde que foram deixadas aqui.
Quem as deixou não veio aqui com frequência. Olhe isso, parece que uma pessoa que

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


8 9
entrou aqui saiu imediatamente após entrar... Será que vieram porque estavam interes-
sados em uma cidade Dwarf?”

Aura desviou o olhar da casa para a estrada do lado de fora.

“E não foi apenas um... eram muitos, pelo menos uns dez.”

“Até onde pode seguir essa trilha? Esta é a nossa única pista, afinal, eu gostaria de seguir
o máximo possível.”

“Pode deixar. Então, pode vir atrás de mim?”

Não havia razão possível para recusar.

Todos ficaram atrás de Aura, Shalltear estava logo atrás de Aura para protegê-la.

O dono das pegadas moveu-se como Aura havia previsto — aparentemente tinha o
mesmo objetivo que Ainz, vagando ao redor e olhando para os edifícios Dwarfs.

Na metade da trilha, Aura parou de repente e olhou para a estrada à frente. Ela estava
olhando para um dos enormes edifícios que Ainz tinha visto de cima.

“Há muitas pegadas idênticas aqui. Parece que um esquadrão deles veio de lá. O que
deveríamos fazer? Devemos investigar esse esquadrão?”

“...Não, pode ser melhor encontrar quem é o dono daquelas pegadas. Nós investigare-
mos o outro grupo depois.”

“Tá bom!”

Aura começou a se mover novamente. No final, eles chegaram a uma edificação que es-
tava fundida nas paredes e parecia abranger toda a cidade.

Parecia um bangalô, mas era enorme.

“...Não deve haver ninguém dentro, mas por segurança, vou usar magia. As magias de-
fensivas do inimigo podem ter efeito centrados em mim, então todos devem manter dis-
tância.”

Quem usa magia do tipo adivinhação corre o risco de ser alvo de contra-ataques. No
entanto, o único entre eles que pode realmente ser morto por tal reação era Zenberu,
não havia razão para esgotar desnecessariamente o HP de seus subordinados.

“Ainz-sama, por favor, permita-me proteger sua pessoa.”

“Eh? Então eu vou também.”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


9 0
“Não, vocês precisam ficar onde não serão afetados e ficar de olho nos arredores
~arinsu.”

Depois de ser repreendida por Shalltear, Aura olhou suplicante para Ainz, mas neste
caso, Ainz compartilhou a opinião de Shalltear.

“De fato. Suas habilidades sensoriais são as melhores entre nós, Aura. Embora não pa-
reça provável, se realmente houver uma emboscada, você pode acabar sendo a primeira
a lidar com isso.”

Depois de ouvir isso de seu mestre, Aura não tinha mais nada a dizer. Tudo o que ela
podia fazer era relutantemente expressar seu reconhecimento.

Ainz conjurou um sensor mágico e enviou-o para dentro da edificação.

Como esperado, não havia sinal de alguém se escondendo por dentro, e assim o apro-
fundou ainda mais no interior.

Para que usavam isso aqui? Um contador e— isso são armários? Parece uma casa de ba-
nho, mas não há separação para os sexos... isso é um edifício apenas para um Dwarf?

Enquanto Ainz observava os interiores de várias salas, ele encontrou um lugar que pa-
recia com os túneis pelos quais ele e os outros haviam passado antes.

Poderia este edifício ser um posto de controle ou base de algum tipo? Talvez fosse para
impedir que o inimigo viesse das profundezas desse túnel. Isso significa que o túnel leva a
outro lugar?

Uma rápida pesquisa no interior do edifício não revelou nenhum traço do inimigo. Ele
rapidamente resumiu o estado do interior da edificação e depois deixou Aura entrar, a
fim de verificar se as pegadas terminavam dentro daquele túnel.

Depois disso, Ainz, Shalltear e Zenberu seguiram. Ele deixou as feras mágicas e os unde-
ads esperando do lado de fora, para o caso de os Hanzos retornarem nesse meio tempo.

Enquanto seguiam atrás de Aura, Ainz sussurrou para Zenberu:

“O que você sabe sobre este edifício?”

“Desculpe, Vossa Majestade, mas eu não sei muito. Tudo o que sei é que o gigantesco
edifício que nosso grupo viu agora a pouco — o que fica na frente da edificação onde
pegamos a trilha das pegadas — aparentemente era usado para tarefas administrativas.
Além disso, os outros grandes edifícios que vislumbramos de tempos em tempos costu-
mavam abrigar tavernas ou ferreiros e afins. Até mesmo os chefes Dwarfs — não, seus
responsáveis — não vivem em grandes casas. Eu não sei o motivo disso...”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


9 1
Concluiu Zenberu.

Nesse momento, Aura parou na entrada do túnel.

“As pegadas vieram daqui. Vamos continuar?”

Ainz ficou brevemente frustrado por não saber como responder à pergunta de Aura,
mas logo passou.

“Não, não vamos. Há outros lugares para investigar na cidade. Deixaremos este lugar
para depois. Além disso, seria melhor ter os Hanzos por perto.”

Pode-se dizer também que os túneis eram muito extensos, considerando que os Hanzos
ainda não haviam retornado.

Assim que saíram, Ainz ativou 「Message」 para falar com o Líder dos Hanzos.

“Há algum problema, Hanzos? Não encontraram nada ainda?”

『Nossas mais profundas desculpas por demorar tanto tempo. Porém, por favor, nos
perdoe; Embora tenhamos demorado algum tempo, finalmente encontramos um rastro
da presença de alguém.』

“Sério? O que foi? Descobriu alguma evidência sobre o desaparecimento dos Dwarfs?”

『Não é uma evidência concreta, mas parece haver algo — um som vindo das profun-
dezas deste túnel.』

“Não é um som natural, então isso significa?”

『Como presume! Parece que alguém está cavando um veio de minério. O que devería-
mos fazer? Seria melhor se investigássemos?』

“Não, esqueça. Antes de fazer isso, leve-nos até lá. Nossa localização atual é—”

Pensando bem, ele provavelmente não poderia passar a mensagem claramente usando
apenas a fala.

“—Ah, sim. Vamos usar uma tocha como um sinal.”

『Entendido!』

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


9 2
Depois de encerrar a 「Message」, Ainz pegou uma tocha. Era do tipo que acendia au-
tomaticamente, e ele entregou a um dos undeads esperando nas proximidades. A cria-
tura undead acenou de um lado para o outro, sinalizando para os Hanzos, cuja localiza-
ção era desconhecida.

Claro, isso não era uma tocha comum. Era um item Artifact-class vendido em lojas; ele
fazia o dobro do dano se comparado as tochas normais, isso quando pressionadas contra
os corpos de monstros do tipo Slime.

Isso foi um certo desperdício, mas Ainz não tinha nenhuma tocha comum com ele.

De tanto encarar a tocha, ela parecia traçar uma faixa de luz vermelha na visão de Ainz,
até que finalmente os Hanzos apareceram diante dele.

“Perdoe nosso atraso, Mestre.”

“Dispense com as formalidades, tempo é dinheiro. Leve-nos até lá imediatamente.”

“Entendido!”

Ainz montou em cima de uma fera mágica e seguiu atrás dos ninjas que correram túnel
adentro.

Eventualmente, eles passaram diante de uma edificação parecida com o que encontra-
ram enquanto seguiam as pegadas. Os Hanzos pararam aqui, então esse provavelmente
era o destino final.

Depois de desmontar de sua fera, Ainz ouviu a explicação dos Hanzos sobre a situação.

“Há um túnel escondido dentro dessa edificação. A entidade em questão está dentro
daquele túnel.”

“Ainz-sama, há um novo conjunto de pegadas aqui. Não parece que saiu do túnel, e só
levam para dentro. A pessoa que as fez usava botas e, dado o seu tamanho, eu estimo que
tenha mais ou menos a altura da Shalltear. E parece que é só um.”

Ainz acenou para Aura, que estava olhando para o chão em frente a edificação.

“...Vamos tentar começar com um diálogo amigável com essa pessoa. Mesmo se eles ata-
carem, vocês só podem se defender. Sob nenhuma circunstância devemos dar o primeiro
passo. Entenderam? Para evitar alarmar a outra parte, Aura tentará falar com eles e en-
tão—”

Ainz tocou seu rosto desprovido de pele e carne.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


9 3
Os humanos eram as únicas espécies que evitavam os undeads? Ou foi um fato imutável
deste mundo?

Em todo caso, seus subordinados ainda estavam à frente de um exército de undeads.


Sendo assim, ele poderia causar uma boa impressão ao expor seu rosto e não esconder
sua identidade.

“Tudo bem, Hanzos. Leve-nos para onde ouviram esse som.”

Os Hanzos os conduziram pela edificação e entraram no túnel.

O teto era bastante baixo, então deveria ter sido escavado por Dwarfs. Em YGGDRASIL,
Dwarfs eram universalmente baixos em estatura.

Se eles tivessem cavado este túnel, provavelmente seria em torno desta altura.

As orelhas de Aura se contraíam enquanto moviam-se pelo túnel. Isso confirmou a pre-
cisão do relatório dos Hanzos.

Ainz se esforçou para ouvir, mas não conseguiu captar o som que Aura ouvira.

“Será isso? ...Está próximo?”

“É difícil dizer. Eu não posso julgar a distância com precisão por causa dos ecos.”

“Humm. Se estiver em linha reta, um olho arcano seria capaz de revelar a identidade do
outro lado...”

Alguém sem audição aguçada de Aura — derivada de classes raciais ou profissionais—


não seria capaz de ouvir nada devido à distância entre eles. No entanto, se eles se apro-
ximassem, a outra parte poderia perceber a presença de uma longa procissão em movi-
mento.

Se alguém ouvisse um grupo desconhecido se aproximando deles, seu primeiro instinto


provavelmente seria fugir para sua própria segurança. Claro, ter Aura por perto signifi-
cava que eles não seriam capazes de escapar, mas a oposição ainda poderia se esquivar
dela se eles pudessem usar 「Teleportation」 ou se eles tivessem habilidades que per-
mitissem que eles se fundissem na terra.

A decisão mais sábia seria enviar Aura e os Hanzos, ou até mesmo o próprio Ainz ir, já
que ele poderia ficar invisível.

“Atenção, vamos enviar as pessoas com capacidade de furtividade a partir de agora.


Aura e os Hanzos, vocês vão primeiro. Eu irei atrás de vocês. Shalltear, você deve esperar
aqui.”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


9 4
“Como desejar.”

“...Não, seria uma má idéia esperar aqui?”

Ainz olhou para o teto. Parecia um firme leito de rocha, mas não poderia confiar demais
nisso.

“Pensando melhor. Volte para a edificação de antes e nos espere lá... Não, se eu fizer isso,
os Hanzos também farão... Aura, você acha que as pegadas levam à fonte do som?”

“Sim, elas tão indo pra lá. A pessoa que as fez é provavelmente a fonte do som.”

“Ótimo. Então, pode me levar até lá?”

Aura assentiu.

“Nós dois vamos em frente primeiro. Todos, exceto Aura e eu, seguirão para a edificação
na entrada do túnel. Se algo desagradável acontecer, particularmente a aparição de seres
poderosos do nosso nível, recuem imediatamente. Nesse caso, faremos nossa própria
fuga, por isso não se preocupem. O destino de qualquer 「Gate」 será a construção que
a Aura fez na floresta.”

“Entendido! Mas os dois ficarão bem sozinhos ~arinsu?”

“Não tenho certeza. Bem, eu gostaria de pensar que ficaremos bem.”

Pode-se considerar falhas durante todo o dia e acabar chegando a lugar nenhum. Tudo
o que ele podia fazer era aceitar que ele estava comprometendo sua segurança até certo
ponto enquanto agiam. Isso foi algo que Ainz aprendeu recentemente.

Shalltear não disse nada que o fez querer mudar de idéia. Ou melhor, pode ser que as
ordens de Ainz não deixassem espaço para objeção, então tudo que ela podia fazer era
obedecer graciosamente.

Ainz partiu com Aura. Ele não usou magia já que ainda estavam a alguma distância.

Os dois caminharam em silêncio por algum tempo, e então o som alcançou os ouvidos
de Ainz.

“...Parece que quem está fazendo isso, está fazendo o possível para minimizar a quanti-
dade de ruído.”

Ainz não sabia o porquê esse tópico surgiu, mas como Aura mencionou isso, provavel-
mente deveria estar correto.

“Isso significa que podemos assumir que o outro lado está em alerta também?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


9 5
“Então devemos começar fazendo a captura?”

“Só se tentar fugir. Afinal, se nosso primeiro contato for violento, pode ser muito difícil
ter relações amigáveis no futuro.”

“Entendi. Então, eu vou indo na frente, vou tentar conversar com normalidade.”

“Prossiga. Vou me tornar invisível — não, por segurança, eu vou seguir atrás de você
enquanto eu estiver invisível, Aura. Se a outra parte entrar em fuga, não teremos outra
escolha a não ser a captura.”

Parte 2

Após uma breve discussão, os dois se prepararam e se dirigiram para a origem do som.

Havia uma criatura em forma de um Dwarf nas profundezas do túnel. Neste mundo ne-
gro, tudo o que viram foi ele diligentemente cavando nas paredes do túnel com sua pi-
careta.

Como estão um pouco distantes, então não podiam ter certeza, mas o ser parecia ter
cerca de 140 centímetros de altura. Seu corpo tinha a forma de um barril de cerveja e
suas pernas não eram compridas. De fato, ficou instantaneamente claro que as pernas
eram curtas.

Ele usava uma capa marrom, e os itens expostos nas proximidades também deveriam
ter sido propriedade dele. Entre os itens havia uma lanterna apagada e um frasco de
água.

O que um mineiro faz sozinho numa cidade abandonada? Isto é estranho. Melhor pergun-
tar a ele e resolver o mistério.

Aura silenciosamente se aproximou do mineiro.

Em contraste, Ainz não parecia se importar.

「Perfect Unknowable」 apagava os traços e sons de alguém, tornando o conjurador


muito difícil de detectar se alguém não tivesse profissões de alto nível como Ladino.
Mesmo alguém do nível de Aura teria dificuldade em identificá-lo. Ainz aparecia nos sen-
tidos dela como uma vaga presença.

Uma vez que ela estava perto o suficiente do mineiro, Aura gritou para ele.

“Ooi~. O que está fazendo?”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


9 6
“Hiiieeee!”

O mineiro choramingou como se estivesse prestes a morrer quando se virou para ela.

Sua barba era comprida — não havia dúvida de que ele pertencia à raça dos Dwarfs.

O homem de olhos arregalados puxou a capa marrom e a enrolou ao redor de si.

Mas isso foi tudo. O homem ainda estava lá. No entanto, parece que Ainz foi o único que
pensou dessa forma.

“Hmph! Invisibilidade, huh—”

A voz de Aura fez Ainz — que podia ver através da invisibilidade — olhar com cuidado
na direção do Dwarf. Assim como Aura havia dito, a imagem do Dwarf parecia um pouco
mais fraca.

A capa deve ser um item mágico, e isso provavelmente ativa seu poder de invisibilidade?
Parece praticamente igual ao da Shizu...

“Hei, hei, não pretendo te machucar, entendeu, Dwarf-san? Eu sei que você está aí. Não
se acanhe.”

O tom adorável e comovente de Aura deve ter tido um grande impacto no coração do
Dwarf.

Ele abriu a capa ligeiramente e espiou Aura através da fenda.

“V-você é um Elfo Negro? O que está fazendo aqui?”

“Hm? Quando cheguei à cidade Dwarf, percebi que estava vazia, então decidi descobrir
o porquê não havia ninguém por perto. Dei uma olhadinha por aí e te achei.”

“En-entendi...”

“Dwarfs moravam aqui até cinco anos atrás. Sabe onde eles estão? Aconteceu alguma
coisa? E por falar nisso, por que não me deixa dar uma olhada em você?”

O Dwarf se mexeu devagar, mas Aura o seguiu com os olhos.

“Com certeza. Parece que você realmente pode me ver.”

O Dwarf dobrou a capa. Isso provavelmente encerrava os efeitos da magia. Tudo parecia
bastante cômico para Ainz, dado que nada havia mudado de sua perspectiva.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


9 7
“Então, vamos começar de novo. Como vai? Eu sou Aura Bella Fiora, do Reino Feiticeiro
de Ainz Ooal Gown.”

“O Reino Feiticeiro? Perdoe-me por minha ignorância, mas isso é um Reino de Elfos
Negro? Algo parecido? Oh, perdão. Eu sou Gondo Firebeard do Reino dos Dwarfs. Prazer
em conhecê-lo.”

Aura estendeu a mão. Gondo pareceu perceber o significado do gesto e limpou a própria
mão manchada de sujeira antes de apertar a mão de Aura.

As coisas parecem estar progredindo bem.

Ainz assentiu enquanto observava os procedimentos, ainda sustentando sua magia de


incognoscibilidade.

“Bem, acho que não precisamos ser tão formais, né? Que tal falar normalmente?”

“Ohhh! Eu estava prestes a perguntar isso a mim mesmo. Eu sou um mero plebeu. Mas
se você fosse uma figura importante, tudo o que eu posso fazer é ficar quieto.”

Aura viu o sorriso de Gondo e por sua vez sorriu em resposta.

“Então, o que eu perguntei. Havia Dwarfs morando aqui cinco anos atrás. Onde é que
eles foram?”

“Mm, todos se mudaram para outra cidade há três anos. Algum problema?”

“Sim, quer dizer, mais ou menos. Eu vim aqui com um Lizardman, ele disse que ficou
aqui por um tempo. Foi ele que me contou sobre esse lugar.”

“Um Lizardman? Cinco anos atrás?”

Gondo pensou brevemente e depois bateu na palma da mão.

“Ohhh! Eu mesmo não o vi, mas sei que isso aconteceu. Foi a primeira vez que um Li-
zardman nos visitou, na época todo mundo só falava disso. Se me lembro bem, era um
sujeito com o braço bem parrudo, não é?”

“Isso mesmo! É ele.”

Gondo murmurou “Entendo, entendo” para si mesmo uma e outra vez. Um olhar em
seus olhos sugeriu que ele baixou a guarda.

“O pessoal que foi gentil com ele parece que se mudou também. Por acaso sabe pra onde
foram?”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


9 8
“Bem, acho que te contar não trará problemas... Mas eu ouvi dizer que Elfos Negros não
moram debaixo da terra, é verdade? Mesmo se soubesse o caminho subterrâneo, poderia
alcançá-lo com segurança?”

“Bem, acho que não vai ter problema, mas, se possível, seria bom conhecer a rota acima
também.”

Gondo franziu o rosto barbado.

“Oh, me desculpa então. Eu raramente viajo pela superfície, não tenho confiança em
descrever a rota para Feoh Jēra — isto é, a cidade para a qual eles se mudaram. Tudo o
que posso dar são direções aproximadas, seguir tantos e tantos quilômetros ao norte, e
assim por diante.”

“Por mim, tudo bem. Na verdade, eu queria te pedir para liderar o caminho... E se eu te
contratar? Você será pago, é claro...”

“É uma proposta atraente. Ainda assim, você— não, você mencionou o Lizardman agora
a pouco, só vocês dois vieram sozinhos até aqui? Você ainda não é adulto, não é? Quantas
pessoas vieram com vocês?”

“Só um pouquinho. Se viesse muita gente, isso causaria problemas, então eu os fiz es-
perar na entrada do túnel.”

“Entrada? ...Hm?”

Gondo caiu em pensamentos, como se tivesse acabado de se lembrar de algo. Ainda as-
sim, isso foi apenas por um instante. Decidiu deixar isso de lado e continuou falando.

“Bem, isso é um alívio. Andar sozinho num túnel desses... isso não é uma boa idéia. Você
não é nativo do subsolo, então provavelmente não sabe, mas alguns monstros podem
nadar livremente pela terra. Não é um lugar onde alguém pode ir sozinho, entendeu?
Bem, se você tivesse o meu equipamento mágico, poderia fazer algo sobre isso...”

Ele olhou repetidamente para a roupa de Aura para ver se ela tinha algum item mágico.

“Bem, vou ter que dar umas broncas nos seus companheiros. Mandar uma criança sozi-
nha é uma terrível desgraça para os adultos.”

Gondo virou as costas para Aura e jogou um pedaço de rocha em um saco que havia sido
colocado ao lado.

O saco não inchou. Deve ter sido um item mágico também. Então, ele pegou a lanterna
próxima e puxou uma persiana.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


9 9
Um surpreendente brilho azul — um brilho mágico — iluminou o túnel. Até agora, os
dois conversavam na completa escuridão.

“Então vamos. Parece que pode enxergar na escuridão também, mas um pouco de luz
ajudaria, certo? ...Bem, isso aumenta as chances de ser visto por monstros, então eu não
recomendo. Você tem um meio de fugir se um monstro atacar? Eles não são muito co-
muns aqui, mas como dizem, o seguro morreu de velho.”

Ainz assentiu. O Dwarf não conhecia o poder de Aura, por isso foi muito admirável que
ele tomasse essa atitude madura com ela. No entanto, Ainz sentiu que a cautela de Gondo
não foi o bastante. Ele deveria ter levado várias possibilidades em consideração antes de
aconselhá-la.

“Não se preocupe. Eu posso escapar por conta própria, e também tem gente comigo.”

Aura olhou para Ainz. No entanto, sua linha de visão parecia estar um pouco desali-
nhada da de Aura.

“Hm? É mesmo? Eu tenho um manto de invisibilidade, então você pode me abandonar


e fugir. Fique atento, os monstros que atravessam a terra podem sentir a localização de
seus oponentes através de vibrações no solo. Portanto, eu queria te avisar pra não se
mover de forma descuidada.”

Com um grunhido, Gondo colocou a mochila nos ombros e levantou-se.

“Vamos então.”

Gondo se adiantou. Aura e o ainda desconhecido Ainz, o seguiram de perto.

“A propósito, você mencionou que aqui não era seguro, mas anteriormente não era uma
cidade Dwarf? O que a tornou tão perigosa a ponto de evacuar?”

“Bem, não esta cidade, mas nossa capital atual, Feoh Jēra. Encontra-se à nordeste. Nós
nos deparamos com os Quagoa por perto. Seria uma tragédia se nossas cidades fossem
destruídas aos poucos, então decidimos abandonar temporariamente esta cidade —
Feoh Raiđō.”

“Quagoa? É uma raça?”

“Unhum. Eles são moradores do submundo como nós somos... mas eles são problemá-
ticos. Nossa relação é muito ruim, basicamente matamos uns aos outros assim que nos
vemos.”

Gondo falou sobre os Quagoas enquanto caminhava pelo túnel. Isso provavelmente era
para manter Aura na trilha também.

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


100
À primeira vista, eles eram demi-humanos bípedes que pareciam toupeiras. Eles tinham
cerca de 140cm de altura, pesavam cerca de 70kg em média e tinham compleição atar-
racadas, mas bem forte.

Eles eram predominantemente marrom-escuros, com preto e marrom sendo menos co-
muns. Cores especiais como azul ou rubro aparentemente denotavam um indivíduo com
algum poder.

Eles viviam em lugares onde a luz não podia penetrar, mas sua visão era mais aguçada
do que a dos seres humanos.

Seu nível de tecnologia era baixo, aparentemente não era inferior ao dos Lizardmen.
Eles não podiam fabricar armaduras ou armas, provavelmente porque seus próprios
corpos — suas garras e pêlos — eram superiores aos equipamentos de guerra abaixo da
média.

O pêlo que cobria seus corpos inteiros era tão duro quanto uma armadura de metal, e
podia defletir golpes de armas de metal. A pele ficava mais dura se eles se alimentassem
de metais raros em sua juventude. Pode-se dizer sua resistência a danos pela cor do pêlo.

Do ponto de vista de um jogador de YGGDRASIL, pode-se dizer que eles provavelmente


possuíam uma habilidade racial relacionada à resistência a danos — neste caso, o dano
de armas de metal. A questão agora era o quão resistente às armas de metal eles eram.
Era improvável que sua resistência à danos fosse quebrada ao ponto de imunidade com-
pleta, mas ainda assim uma investigação seria justificável.

Então havia suas garras — como as de tatús e tamanduás — que podiam até perfurar
aço.

“Esses caras, huh... acho que encontramos vestígios deles na cidade.”

Gondo parou de repente e virou-se para encarar Aura.

“Quê!? Será que montaram um ninho aqui? Vai ficar igual aquele lugar!”

“Aquele lugar...? Bem, não parecia que tinham ninho lá. Eu acho que mandaram alguns
batedores pra vistoriar. Ainda assim, já que abandonaram a cidade, por que não destru-
íram tudo?”

“Tem razão, mas não pretendemos abandonar este lugar para sempre. Uma vez que
nossos exércitos estejam prontos, pretendemos conquistá-la de volta. Como pode ver,
há muito minério aqui, como no lugar onde eu estava cavando agora a pouco.”

“Hm~”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


101
Os dois caminharam em silêncio. As lacunas nas conversas eram comuns e, se não pre-
enchessem rapidamente o espaço com um novo tópico, o diálogo terminaria. Ainz julgou
que eles haviam perguntado tudo o que poderia ser perguntado, e decidiu se mostrar.
Talvez seja melhor contar a Gondo sobre ele antes de sair dos túneis e ver os undeads.

“Então, é hora de me apresentar.”

Ainz disse isso, mas graças à magia 「Perfect Unknowable」 que ainda estava em vigor,
sua voz não alcançou os dois.

Sentindo-se um pouco envergonhado, Ainz dissipou a magia.

Talvez Gondo sentisse a presença de Ainz atrás de Aura, mas ele se virou e seus olhos
se arregalaram em pires. Sua expressão sofreu uma surpreendente e complexa série de
mudanças. Perplexidade, choque, terror, confusão e então—

“—GEEHHHHHHG!”

Ainz se perguntou se ele havia feito um som que poderia tê-lo perturbado, mas Gondo
agarrou a mão de Aura com força.

“Ummon, um mons—! Fuh, fuja! Rápido, fuja pra longe!!”

No entanto, Aura conhecia a pessoa que aparecera e não tinha motivos para correr.

“O-o que tá esperando!!!?”

Gondo não conseguia se mexer, como se tivesse sido acorrentado a uma grande pedra.

“Me, me sinto tão pesado! O que é isso!? Aconteceu alguma coisa comigo!?”

“Não tenha medo... Gondo.”

Quando Ainz falou, o rosto assustado de Gondo se contraiu.

“C-como, como sabe meu nome!? Você leu minha mente!!? Foi magia!!!?”

Eu deveria ter usado aquela máscara...

Pensou Ainz. Então, ele falou com calma, para não deixar Gondo ainda mais agitado.

“Acalme-se. Eu simplesmente ouvi sua conversa. Eu sou o Rei Feiticeiro Ainz Ooal Gown,
governante do Reino Feiticeiro.”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


102
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
103
O rosto de Gondo sofreu outra série de mudanças, e desta vez os olhos de Gondo cinti-
laram entre Aura e Ainz.

“O Reino Feiticeiro? O Reino Feiticeiro não é uma nação de Elfos Negros?”

“Não. É um país de várias espécies que me reconhecem como Rei.”

“...Eh? Sério?”

Havia apenas desconfiança e suspeita nos olhos de Gondo, seu tom era tenso e cheio de
apreensão.

“Um dos undeads, huh... Então isso não é uma máscara? Eh? Quer dizer aqueles unde-
ads? Aqueles seres que odeiam e abatem os vivos?”

“Ei, é exatamente como o Ainz-sama disse. Ele não estava mentindo. Eu sou uma Elfa
Negra e a história sobre o Lizardman vindo para cá também foi verdade. Ainz-sama está
comigo desde que te conheci, sabia? Como eu disse, eu não vim sozinha.”

“Eh? Eu pensei que meus ouvidos me enganaram. Mas...”

Gondo resmungou para si mesmo e depois respirou fundo várias vezes antes de colocar
uma expressão determinada no rosto e perguntar:

“Poderia ser que Vossa Majestade — posso usar esse termo? Ah, Vossa Majestade ante-
riormente era um Elfo Negro?”

Essa foi uma pergunta inesperada. A resposta correta era que provavelmente ele era
um undead de origem humana. Ainz fez uma breve pausa para considerar sua resposta
e então respondeu de acordo com suas previsões:

“Não, eu sou uma criatura undead nascida naturalmente... embora eu não saiba se esse
é o termo certo para usar. —Bem, não há necessidade de ter medo. Humanos, Dwarfs e
Elfos todos têm bons e maus membros de suas espécies, não é mesmo? Da mesma forma,
há undeads que odeiam os vivos e aqueles que procuram relações amigáveis com eles.
Naturalmente, eu pertenço ao último grupo.”

“Mas, mas amigáveis, isso é tão impensável quanto demônios compassivos...”

Não posso negar que faz sentido...

Ainz pensou enquanto dava de ombros.

“Mesmo? Eu sei de um anjo que caiu na escuridão e um demônio que aspirava à luz...”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


104
O demônio em questão era um NPC em YGGDRASIL, chamado Mephistopheles. Ele era
um personagem que era famoso por jorrar frases tsunderes para seres de alinhamento
positivo. Ele parecia assustador, mas era surpreendentemente amigável e lógico, e ele
distribuía missões que variavam de trivial a alto nível, o que o tornava quase tão popular
quanto as Crias Negras.

“Pensar que essas coisas realmente existiram...”

Ainz encolheu os ombros para Gondo agora em choque.

“Eu entendo sua cautela. No entanto, só peço que se lembre disso. Eu não tenho inten-
ção de prejudicar você. Solte-o, Aura.”

“Sim, Ainz-sama.”

No meio dessa apresentação, quem segurava a mão um do outro havia mudado de


Gondo para Aura e, naturalmente, suas intenções para isso eram exatamente opostas
uma à outra.

Gondo recuou a certa distância, uma vez que Aura o soltou, mas ele não parecia querer
fugir.

Um movimento muito racional.

Ainz refletiu. Um passo em falso poderia ter levado Gondo a fazer a escolha emocional
de fugir. Isso não teria terminado bem para ele. No entanto, no estado atual de Gondo,
ele agora estava qualificado como alguém aberto a negociações.

“Então, que tal começar de novo? Eu entendo sua cautela, mas eu— nós não temos in-
tenção de prejudicá-lo. Em vez disso, gostaríamos de ser seus amigos.”

Gondo não respondeu. Como esperado, ele ainda estava espiando Ainz com a dúvida
escrita em todo o seu rosto.

“Em particular, minha nação gostaria de assinar um tratado de amizade com o Reino
dos Dwarfs. Portanto, não temos intenção de prejudicar seus cidadãos.”

“E o que quer dizer com um tratado de amizade?”

“...Perdoe-me. É melhor não mencionar os problemas de nível nacional para um indiví-


duo que não pode representar uma nação, não acha?”

“Mm. Isso mesmo— ah, perdão, quero dizer, é como o senhor diz—”

“—Não se preocupe. Estou bem com o uso de ambas as frases. Lidar com alguém que
tropeça em suas palavras é cansativo.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


105
A resposta relaxada de Ainz atraiu o primeiro sorriso amargo de Gondo desde que se
conheceram.

“Muito obrigado — Vossa Majestade. E se as palavras desta meni— desta jovem dama
forem verdade, então posso dizer que veio a esta cidade para esse propósito?”

“De fato, exatamente como diz. Mas Gondo, por que não saímos do túnel primeiro? Con-
versar com o Lizardman que veio conosco pode ser uma boa idéia. Já ouviu falar dele
antes, não é? Além disso, gostaria de discutir a questão dos Quagoas com você.”

“Hmm...”

Gondo estreitou os olhos para Aura.

Aura sorriu, como se quisesse dizer “Que foi?”.

“Bem. Parece que esta jovem dama tem muita confiança em você. E está claro que você
não é um undead comum.”

Gondo caminhou diante deles, enquanto Aura e Ainz o seguiram pelo túnel.

“Isso mesmo, posso fazer uma pergunta?”

“Qual?”

Respondeu Gondo, olhando para Ainz.

“Eu gostaria de saber alguns caracteres rúnicos e o ofício relacionado a eles.”

A testa de Gondo ficou enrugada, as sobrancelhas se franzindo em declives íngremes.

“O que quer saber sobre elas?”

A infelicidade era claramente audível na voz de Gondo.

Até recentemente Ainz podia sentir confusão e medo enquanto falava com ele, mas não
havia raiva. Em outras palavras, o rancor de Gondo foi inteiramente devido a essa per-
gunta simples. Ele se lembrava de uma lembrança ruim sobre runas, ou isso era algum
tipo de segredo que não poderia ser revelado a não-Dwarfs?

Ainz hesitou:

Eu deveria continuar perguntando?

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


106
Gondo foi o primeiro Dwarf que ele encontrou. Incomodá-lo não era sábio. No entanto,
se ele pudesse aprender a fonte da raiva, isso poderia ser benéfico ao negociar com o
Reino Dwarfs.

É claro que isso pressupunha que a raiva de Gondo não provinha de uma razão pessoal.

Ainz considerou calmamente se ele precisaria eliminar Gondo ao compartilhar o que


sabia sobre as runas. Com certeza, a maior parte deste conhecimento veio das tagarelices
de Tabula Smaragdina.

A verdade é que ele não sabia muito. Ele sabia quantos caracteres diferentes havia e
que eles eram uma forma de escrever, mas apenas isso.

Ele mal se lembrava dos significados individuais de cada caractere, então ele teve que
fazer uma descrição rasa.

Em contraste a isso, uma mudança dramática ocorreu em Gondo.

Ele parou no meio do caminho e se virou.

Seu rosto estava retorcido em uma emoção completamente diferente. Ele estava trans-
bordando de excitação.

“Você... quem é o senhor... não... o Rei Feiticeiro... um ser que não envelhece, um undead
que é eterno... conhecimento perdido...”

Ele podia ouvir Gondo resmungando para si mesmo. Não havia sentido em suas pala-
vras. Parecia ser uma resposta inconsciente.

Ainz estendeu a mão para parar Aura, que estava ansiosa e estava se preparando para
fazer um movimento já que Gondo não respondeu imediatamente. Seria melhor deixar
que ele pensasse primeiro.

Depois que Gondo voltou a si, ele estudou Ainz atentamente. Sua atitude ainda demos-
trava cautela em relação a Ainz, mas parecia ter sido suplantada por alguma outra emo-
ção.

“Eu conheço muito mais que alguns. Existem cinquenta runas menores, vinte e cinco
runas médias, dez runas superiores e cinco runas grandes, num total de noventa. Dito
isto, muitas delas foram perdidas e apenas algumas restaram. Exatamente quantas runas
secretas e divine-class existem é apenas material das lendas.”

“Realmente... pode haver algumas diferenças, mas as runas que eu conheço são assim.
Você reconhece essa?”

Ainz traçou uma runa de sua memória no chão.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


107
“Ho! Esta é uma das runas médias, se chama Laguz.”

Embora Ainz não soubesse o porquê havia tantas delas, era certo o suficiente que algu-
mas delas correspondiam àquelas que Gondo conhecia.

“Compreendo. Então, por favor, continue me contando sobre as runas.”

O que Ainz realmente queria saber era quem ensinou esse conhecimento e informações
relacionadas a outros jogadores. No entanto, essa questão seria melhor endereçada a um
historiador. Por enquanto, ele construiria uma base de conhecimento com outras infor-
mações relacionadas.

“Cerca de cem anos atrás, os Dwarfs exportavam armas mágicas esculpidas em runas
para uma nação humana à leste dessas montanhas — o Império. Mas o fluxo de tais ar-
mas parou depois disso. Qual é a razão disso?”

O que ele realmente queria saber era se um jogador morrera há 100 anos, mas pressi-
onar muito ansiosamente por tal informação poderia acabar expondo-o. Ainz vinha con-
templando essa questão já há algum tempo, era uma pergunta sutil, mas importante, já
que não dava margem a vazamentos de seus conhecimentos.

O rosto de Gondo ficou sombrio. Ele fez uma breve pausa e continuou andando.

“Vai demorar um pouco para explicar. Vamos conversar enquanto andamos, Vossa Ma-
jestade.”

“Uhum...”

Por um tempo, o único som audível no túnel foram os passos dos três.

Provavelmente está em silêncio porque está abrandando a tristeza em seu coração.

“Antes de tudo, meus amigos me conhecem como o Desenvolvedor de runas.”

Isso significa que ele deu a si mesmo esse título?

Gondo continuou falando sem esperar que Ainz respondesse.

“Itens mágicos Dwarfs sempre foram feitos com runas. Mas há duzentos anos, fomos
atacados pelos Deuses Demônios, e os últimos membros da realeza deixaram nosso
Reino para se juntar à luta contra eles. A tecnologia do exterior fluiu pra nós e, como
resultado, as runas foram consideradas obsoletas.”

Gondo produziu uma espada de sua mochila e deu a Ainz. Havia um caractere rúnico no
corpo da lâmina.

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


108
“Esta aqui é Kaunan, uma runa menor que significa “agudeza”. Quando cuidadosamente
gravada, ela cria uma espada mágica. Seu efeito é aumentar o fio da arma e torna mais
fácil infligir feridas profundas no inimigo.”

“É um efeito muito básico em armas mágicas, não? O tempo que leva para inscrever
uma runa depende da quantidade de dano adicional que a runa adiciona. Dito isso, ouvi
dizer que não deve demorar muito para concluir uma arma de baixo custo, estou cor-
reto?”

“É exatamente por isso que o ofício rúnico ficou obsoleto, Vossa Majestade. O mesmo
item demora três vezes mais para ficar pronto quando feito no ofício rúnico em compa-
ração com outros métodos. Do ponto de vista da produção em massa, não está nem no
mesmo nível dos encantamentos utilizados por humanos.”

Gondo suspirou profundamente.

“Graças à tecnologia superior de fora, o número de ferreiros rúnicos que podiam ins-
crever runas gradualmente diminuiu. Isso porque todos sentiam que era melhor se tor-
nar um magic caster capaz de realizar encantamentos.”

Foi provavelmente por isso que o fluxo de armas para o Império havia parado. Ainz
entendeu até aí. Em outras palavras, as antigas tradições e ofícios haviam desaparecido.

Gondo estreitou os olhos.

“Ainda assim, abandonar nossas técnicas, a tradição dos Dwarfs, foi uma completa to-
lice! Veja, o ofício rúnico também tem seus méritos! Por exemplo, não precisa gastar di-
nheiro nele!”

A voz de Gondo ecoou pelo túnel. Depois de perceber o quão perigoso seria perder o
controle em um lugar como esse, ele respirou fundo. Isso, por sua vez, o permitiu falar
com mais calma.

“Já fez as contas, Vossa Majestade? Um encantamento simples custa muito em reagentes
e suprimentos.”

Isso estava correto. Ainz ouvira uma vez que metade dos custos do mercado dos itens
mágicos vinha dos ingredientes.

Embora o custo de produção de itens mágicos fosse anormalmente alto, era possível
ignorar as margens de lucro de fornecedores e varejistas ao calcular seu preço. Isso por-
que a Guilda dos Magistas não cobrava taxas administrativas — provavelmente porque
eles sentiam que isto estava incluído em suas cotas anuais — e, portanto, os magic cas-
ters podiam vender diretamente, sem custo adicional, ou mesmo negociar diretamente
com seus clientes.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


109
Portanto, quando alguém as vendesse através de um varejista de itens mágicos, o preço
subiria.

“Em contraste, os itens com a magia rúnica dificilmente têm qualquer custo material.”

“Fantástico!”

Ainz de repente se inclinou para frente.

Ele havia se agoniado com despesas muitas vezes, tanto como o aventureiro Momon e
como o governante de Nazarick. Portanto, a idéia maravilhosa de algo ser “quase de
graça” era muito tentadora para o coração de Ainz.

Por isso ele não conseguia entender. Na verdade, Ainz nunca teria permitido que tal
técnica se extinguisse.

“...Devem haver mais pontos negativos, não é?”

“Ah, existem. O principal é que são difíceis de produzir. Leva muito tempo pra conseguir
fazer uma funcional, mas há poucas pessoas que são adequadas para se tornarem ferrei-
ros rúnicos. De acordo com o pessoal do Império, há menos deles do que aqueles que
podem se tornar magic casters.”

“Hm. Mais uma pergunta. Já que você disse que as runas saíram de moda há duzentos
anos, por que o título de “Desenvolvedor de runas” ainda existe? Não é tarde demais para
esse tipo de coisa? Ou isso é normal dado a longevidade Dwarf?”

Gondo não respondeu, então Ainz fez outra pergunta.

“Que tipo de ofício rúnico você está desenvolvendo agora?”

Ainz deu vários passos à frente, chegando ao lado de Gondo.

O rosto de Gondo estava fixo para a frente, sem nenhuma de suas paixões anteriores.
Ele simplesmente respondeu à pergunta de Ainz com outra pergunta.

“Por que você deseja saber sobre o ofício rúnico?”

Responder a uma pergunta com outra pergunta implicava que ele não queria dar uma
resposta adequada. Se ele pudesse responder o que Gondo queria ouvir, ele deveria ser
capaz de descobrir o que ele escondia. Afinal, ele passou a se dirigir ele de “Vossa Majes-
tade” para “você”. Esta certamente deve ser uma questão importante.

No entanto, eles não estavam perto o suficiente para que pudessem abrir seus corações
um para o outro. E mais importante—

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


110
Por que ele está falando sobre todo esse conhecimento? É uma armadilha? Ou ele não sabe
a importância da informação que possui? ...Se realmente é uma arte secreta, ele deveria
entender o que isso significa, não?

Era um tanto confuso, mas, por enquanto, Ainz lhe daria a explicação de seus motivos
que ele havia preparado de antemão.

“É porque essas runas diferem ligeiramente das que eu conheço. Você entende como é
se interessar pelo histórico e pela disseminação do ofício rúnico, não? Se assim for, es-
pero que possa responder minha pergunta.”

Gondo desviou o olhar e caiu em contemplação. Eles continuaram andando em silêncio


por um tempo.

Assim que Ainz estava começando a ficar inquieto, Gondo finalmente o respondeu.

“Estou fazendo testes, quero ver se é possível reduzir o tempo necessário para a reali-
zação de encantamentos rúnicos, bem como uma maneira de produzi-los em massa. Mas
isso é apenas um meio para um fim. Meu objetivo final é desenvolver técnicas que tor-
nem as runas essenciais. Em outras palavras, eu quero fazer ofícios rúnicos singulares e
capazes de resistir ao teste do tempo.”

Em outras palavras, ele queria agregar valor às runas. O chefe de qualquer empresa
entenderia essa motivação. Ao desenvolver um produto, era bastante comum que esse
ponto fosse repetidamente enfatizado, até o ponto de gerar repulsa.

“Hoho. É uma pesquisa incrível, não é? Como está progredindo?”

Ele não achava que ele realmente conseguiria uma resposta, mas Ainz fez essa pergunta
mesmo assim, pois algo ainda era confuso. Ou seja, qualquer um que estivesse desenvol-
vendo uma nova tecnologia como essa deveria ser um VIP no Reino dos Dwarfs.

Não tenho idéia do porquê ele está aqui sozinho, coletando amostras em um lugar tão
perigoso. Alguém como ele não deveria ser bem mais protegido?

A pergunta de Ainz foi imediatamente respondida.

“Nem tanto. E não houve nenhum progresso...”

Gondo murmurou em um tom deprimido e continuou:

“Pessoas que usam ofícios rúnicos para fazer itens mágicos são chamadas de ferreiros
rúnicos, mas eu não estou nem perto de ser incrível o suficiente para ser abordado por
esse título. Eu não posso nem fazer o que um aprendiz deveria ser capaz.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


111
Eh?

A boca de Ainz caiu em surpresa. Então isso significa que alguém que não poderia se-
quer aplicar as runas adequadamente estava tentando fazer avanços no campo do ofício
rúnico? Esta era uma situação totalmente ridícula.

Será que ele pode mesmo fazer algum avanço, ou isso é muito normal na raça Dwarf?

Não, isso não poderia ser normal. Se fosse normal, Gondo não estaria tão deprimido.
Em outras palavras, ele também deveria estar sentido que estava apenas passando ver-
gonha.

Na verdade, Ainz estava em um grande dilema. Ele não tinha idéia de como usar Gondo.

“Eu não sou talentoso. Eu posso esculpir runas, mas demora muito pra eu fazer isso...
embora, dizem que todos os ferreiros rúnicos tenham que passar por essa fase antes que
possam crescer. Mas outros ferreiros rúnicos avançaram em vez de ficarem presos e sem
progredir como eu.”

Gondo abaixou a cabeça sem força.

“Eu não sou bom como um ferreiro rúnico. Eu sou apenas um descendente inútil que
meu grande pai deixou para trás.”

Entendo...

Ainz meditou:

Então, o problema dele é simplesmente a falta de talento.

Depois de considerar o conhecimento deste mundo e o de YGGDRASIL, ele tinha certeza


de que era esse o caso.

Alguém precisaria de 10 níveis em outras profissões antes de poder ter níveis em Fer-
reiro Rúnico. No entanto, se o seu limite máximo de níveis fosse 11, então ele não seria
capaz de ganhar níveis adicionais de Ferreiro Rúnico. E se ele tivesse apenas 1 nível
como Ferreiro Rúnico, ele só seria capaz de aprender técnicas sem grande importância.

Não havia nada que Ainz pudesse fazer para ajudar Gondo, então ele não disse mais
nada.

Havia momentos em que confortar alguém poderia salvá-los, mas também havia mo-
mentos em que tudo que poderia ser feito era desistir.

Se Ainz estivesse na mesma situação de Gondo, ele também não desejaria alguém co-
nhecido a pouco tempo tentando confortá-lo.

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


112
“...Então é isso. Falando nisso, todos os Dwarfs têm o objetivo de avançar o ofício rúnico
e desenvolver novas técnicas para isso?”

“Não, só tem eu.”

Gondo respondeu, com uma risada terrivelmente solitária e:

“Todos os ferreiros rúnicos desistiram de seu ofício. Não sobrou ninguém que queira
libertar o ofício rúnico dessa triste condição e desenvolver novas tecnologias. Todos eles
acham que não há problema em abandoná-lo.”

“Entendo... Então, há algo que eu gostaria de saber. O que você fará depois de desenvol-
ver novas técnicas para o ofício rúnico?”

“O que farei? Eu só quero usar o ofício rúnico para encantar as coisas e aumentar o
número de ferreiros rúnicos. Runas são uma tecnologia incrível. Seria um desperdício
terrível deixá-las morrer.”

“Alguém está te ajudando nisso?”

“Não. Como eu disse, quase todos os ferreiros rúnicos desistiram de suas habilidades e
passaram os dias bebendo e amaldiçoando amargamente sobre como isso vai acabar
com a geração deles. Eu até tentei conversar com eles, mas todos me rejeitaram.”

“...Hm. Bem, os fracos perecem. É natural que a tecnologia inútil desapareça.”

Gondo de repente olhou para Ainz, mas seu olhar perdeu sua força dentro de instantes.

Enquanto observava Gondo abaixar a cabeça e seguir em frente, Ainz contemplou o va-
lor das runas.

Francamente falando, ele não tinha interesse nelas além de seu envolvimento histórico
com os jogadores.

No entanto, as artes abandonadas podem ser desenvolvidas a baixo custo e um breve


investimento pode não ser uma má idéia. O conceito de não ter que gastar dinheiro tam-
bém era muito atraente. Além disso, ele queria coletar tecnologias raras.

Além disso, se outros jogadores aparecessem, alguém poderia usar seu interesse em
runas como um modo de seduzi-los.

“...Eu tenho uma, talvez duas, perguntas. Qual base você usa para que tais técnicas como
as que mencionou anteriormente possam ser desenvolvidas? O que eu ouvi agora soa
como fantasias vazias pensadas por alguém que não sabe nada sobre este ofício.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


113
“Não! Bem, é verdade que eu não tenho talento para ser um verdadeiro ferreiro rúnico.
Mas meu pai, e o pai de meu pai — meu avô — foram os melhores ferreiros rúnicos deste
país, e serviram a última realeza — o Rei Ferreiro Rúnico — como sua mão direita e
esquerda. Eu vi com meus próprios olhos. Eu li a literatura e as teses que meu pai e meu
avô deixaram para trás. Tenho certeza que é possível! Meu pai confirmou minhas teorias
enquanto ainda vivo em seu leito. Ele me disse que era difícil, mas não impossível!”

Gondo parecia que ia cuspir sangue com suas palavras, e as lágrimas brotavam das bor-
das de seus olhos.

Os sentimentos e pensamentos que ele manteve por muito tempo dentro dele final-
mente explodiram.

Embora aquela torrente de emoção colidisse contra ele, Ainz permaneceu impassível.
Mesmo que as palavras de Gondo o fez esperar que a pesquisa do Dwarf fosse dar frutos,
o fato era que Ainz queria apenas acesso as técnicas raras que poderiam ter sido perdi-
das. Se Gondo não pudesse entregar resultados concretos, Ainz desistiria dele.

“É verdade que sou inútil como filho! Ainda assim, eu não quero deixar a arte que herdei
de meus antepassados morrer! Eu não vou deixar o nome glorioso do meu pai desapa-
recer dos livros de história, não importa o que eu tenha que fazer!”

E então, essas palavras tocaram um acorde com Ainz.

Ele também queria preservar todas as coisas deixadas por seus companheiros da guilda
Ainz Ooal Gown. Ele queria que essas coisas durassem pela eternidade.

Naquele instante, Ainz podia entender os sentimentos de Gondo até a parte mais pro-
fundamente da medula de seus ossos.

Seu medidor de afeição chegou ao máximo em um instante.

Ao mesmo tempo, ele entendeu o porquê Gondo continuava falando sobre o ofício rú-
nico.

Para ele, o ofício rúnico estava morto, ou moribundo. Assim, ele não tinha motivos para
esconder nada. Até onde Ainz sabia, talvez fosse o desejo dele deixar que se espalhasse
o mais longe possível, para que pudesse sobreviver de uma forma ou de outra. Claro, ele
não sabia se de fato era o caso.

“...Me perdoe. Isso pode te irritar, mas espero que me permita dizer isso. Do meu ponto
de vista, você é você, você não é seu pai ou mesmo seu avô. Estou errado?”

Uma mistura inexplicável de emoções apareceu no rosto de Gondo. Era difícil dizer se
ele estava bravo, magoado ou tocado. Mas acabou desvanecendo-se em desânimo.

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


114
“—Vossa Majestade, estou muitíssimo grato. Mas já decidi meu motivo de viver.”

“Então, permita-me— não, permita que o Reino Feiticeiro forneça assistência financeira
para seus esforços. Permita-me tornar-me seu patrono e ajudá-lo no avanço do ofício
rúnico.”

Os olhos de Gondo se arregalaram e ele exclamou em choque:

“Tá falando sério? Isso é uma boa sorte indescritível... é inacreditável!”

Deve haver alguma pegadinha para esta oferta inimaginavelmente tentadora. Qualquer
um pensaria dessa maneira. Ainz entendeu como Gondo estava se sentido.

“Bem, tudo o que posso dizer é que espero que você possa acreditar em mim. No en-
tanto, alguém como você, que não é um ferreiro rúnico, provavelmente não conseguirá
desenvolver as técnicas sobre as quais estava falando, não é mesmo?”

A boca de Gondo ficou reta em uma linha e ele ficou em silêncio.

“Portanto, desejo recrutar todos os ferreiros rúnicos do Reino dos Dwarfs para o meu
país, para trabalhar no desenvolvimento de técnicas do ofício rúnico sob seu comando.”

“O que, o que isso significa?”

“Significa exatamente o que eu disse. Vou reunir todos os ferreiros rúnicos e comparar
seus conhecimentos para servir como protótipos para novas técnicas. Por essa razão...
espero que você possa me ajudar a recrutá-los. Ou isso é impossível?”

Gondo considerou, e então respondeu:

“Não, pode dar certo. Quase todos os ferreiros rúnicos desistiram de seu ofício, mas
deve haver muitos deles esperando por uma chance de brilhar.”

“Será você que moverá seus corações... então, Gondo. O que me diz? Você vai me ajudar?
Vai entregar sua alma para mim? Até onde você está disposto a ir por mim?”

“O quê?”

“Será muito difícil reviver uma arte quase perdida se você não conseguir que todos os
ferreiros rúnicos trabalhem em um único objetivo. É por isso que você não pode ser
frouxo com o recrutamento de talentos. Eu quero trazer todos os ferreiros rúnicos para
o meu país. Assim, é bem provável que eu tenha que empregar certos métodos desagra-
dáveis. Isso pode levar meus colaboradores a realizar ações que podem ser chamadas de
traição a esse país.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


115
“Oh, era isso? A resposta é simples. Se quer minha alma, então pegue, pode pegar tudo.
É um pequeno preço a pagar para que o ofício rúnico viva para sempre.”

Gondo estendeu a mão.

E Ainz apertou.

“Eu sou undead. Como se sente em relação a isso?”

Gondo riu das palavras de Ainz.

“Desde que consiga realizar o meu sonho, não me importo se Vossa Majestade é undead
[Dragões G é l i d o s ]
ou o temível Rei dos Frost Dragons.”

“Para começar nosso trato, pode nos levar para o Reino dos Dwarfs? Eu pretendo assi-
nar um tratado de amizade com o Rei Dwarf para recrutar ferreiros rúnicos para o meu
país. Afinal, seria difícil recrutar pessoas se nossos países não tiverem uma relação que
permita isso. Além disso, acredito que o Reino Dwarf tem controles rígidos sobre a ex-
portação de tecnologia, correto?”

“Isso não deve criar problemas. Não há praticamente nenhuma demanda por ofícios
rúnicos. Ah, mais uma coisa, o Reino dos Dwarfs não tem mais um rei. O país é governado
por um conselho regente regido por vários líderes.”

“Humm. Eu gostaria de ouvir sobre isso. Você pode falar enquanto andamos? Eu gosta-
ria de ouvir um resumo se possível.”

Enquanto Gondo falava com ele, a saída para o túnel finalmente apareceu diante de seus
olhos.

Depois que os três emergiram, foram recebidos por Shalltear, assim como os outros.
Naturalmente, Zenberu estava lá também.

Embora Gondo estivesse esperando uma massa de undeads, ele não pôde deixar de as-
sumir uma postura defensiva ao ver as feras mágicas também. O fato de que “Não há
Elfos Negros” já havia lhe dado um golpe, mas agora seu resmungo alcançou os ouvidos
de Ainz.

Shalltear calmamente adiantou-se e curvou-se.

“Ainz-sama. Perdoe-me por incomodá-lo já que acabou de retornar, mas há um pequeno


problema ~arinsu.”

“...Onde estão o resto dos Hanzos? O que aconteceu?”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


116
“Sim! Na verdade, alguém entrou nessa caverna, através do túnel na edificação a qual
Aura o guiou. Minhas mais profundas desculpas por dizer isso agora, mas eu já enviei
alguns dos Hanzos para investigar ~arinsu.”

“Não há necessidade de se desculpar, Shalltear. Você escolheu sabiamente. Esperare-


mos que os Hanzos retornem, analisem seus relatórios e decidam o que fazer. Então—”

Ele fez uma pausa, depois olhou para o Dwarf que uma vez ficara ali. O Dwarf não estava
prestando atenção aos eventos deste lado. Em vez disso, ele estava envolvido em uma
conversa animada com Zenberu. Ao ouvir atentamente, parecia se referir ao Dwarf que
salvara Zenberu.

“—Gondo. Me dê licença por um momento, mas parece que alguém se infiltrou na ci-
dade. Existe a possibilidade de que o uso da força seja feito. Quando chegar a hora, es-
pero que sirva de testemunha à sua nação, afirmando que esse curso de ação não pôde
ser evitado.”

“Claro. Deixe isso comigo. Embora, espero que limite qualquer dano causado ao mí-
nimo.”

Ainz assentiu. Era natural evitar obstáculos que afetariam futuras negociações.

“Shalltear, como é o nosso perímetro?”

“Eu já dispersei as feras da Aura nas proximidades... O que me diz, Aura ~arinsu?”

“Deve funcionar. Mesmo que o inimigo se torne invisível, minhas feras ainda podem
farejar eles.”

“Entendo. Então vamos esperar que os Hanzos voltem.”

Depois de um tempo, eles finalmente retornaram.

Segundo eles, a oposição parecia ser os Quagoas. Havia mais de 100 deles. Gondo ouvia
do lado e parecia bastante chocado. Isso era muito além de uma mera força de reconhe-
cimento; Com toda a probabilidade, este era um grupo de combate ou uma tribo em mi-
gração.

Havia apenas um curso de ação que Ainz poderia tomar.

“...Shalltear. Capture todos eles. Pode fazer isso?”

“Ouço e obedeço.”

“Então eu ordeno que faça isso. Você entende o porquê eu quero que os capture?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


117
“É para questioná-los e impedir que a informação sobre nós vaze ~arinsu.”

Ainz assentiu grandiosamente.

“Correto. Se capturarmos apenas um deles vivos, só poderemos interrogar um deles.


Isso aumenta a chance de estarmos comprometidos e podermos acabar aprendendo in-
formações falsas. Além disso, devemos considerar que podemos precisar fazer deles um
exemplo.”

Havia mais uma coisa que Ainz não mencionou, isso porque Gondo estava lá — que
simplesmente acreditar em apenas um lado da história poderia acabar criando proble-
mas para ele. Quem sabe, pode ser melhor fazer um acordo com os Quagoas do que com
os Dwarfs.

“Então vá, Shalltear. Aguardo boas notícias de você.”

Parte 3

Shalltear e seus subordinados aceleraram o ritmo enquanto se dirigiam para o local dos
Quagoas. Eles saltaram de telhado em telhado a velocidades alucinantes. Já que ela já
estava de armadura, não precisava mais se preocupar com as várias camadas de enchi-
mento de peito dentro de sua roupa.

Ela olhou de volta para Aura, que estava a seguindo por trás.

O fato de que estava sendo seguida por uma Guardiã — que deveria permanecer ao lado
de seu Mestre — era a prova de que Ainz ainda não confiava nela.

Isso foi apenas natural.

Ela poderia não se lembrar de seu fracasso, mas ouviu os detalhes dos outros.

Embora seu compassivo Mestre dissesse “Shalltear, você não fez nada errado”, algo as-
sim não poderia ser verdade. Assim, ela estava esperando por uma chance de limpar o
fedor do fracasso de si mesma, mas infelizmente essa chance não havia chegado.

Aura poderia tê-la consolado, mas não era isso que Shalltear queria.

Shalltear olhou para frente, seu olhar estava cheio de determinação. Ela não se permi-
tiria cometer erros nessa jornada.

Em pouco tempo, chegaram a uma edificação perto de seu objetivo. De um telhado,


Shalltear olhou para baixo vendo os Quagoas.

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


118
Havia muitas silhuetas visíveis, do tipo que os Hanzos haviam descrito.

“E agora — o que devo fazer...”

Shalltear ponderou o assunto.

Aura provavelmente ouviu o que ela disse, mas simplesmente cruzou os braços, com a
intenção de permanecer em silêncio. Isso também era esperado. Antes de Aura ter vindo
aqui, seu mestre lhe deu uma ordem: “Fique de olho nos movimentos da Shalltear. Se ela
parecer que está prestes a massacrá-los, faça-a parar de qualquer maneira, mesmo que
você tenha que bater nela. Além disso, você não deve interferir nos planos de batalha da
Shalltear.”.

Shalltear também tinha sido informada de que Aura apenas observaria por trás, e ela
não deveria ser usada em nenhuma operação de combate. Em outras palavras, toda a
operação, do planejamento à execução, era de responsabilidade exclusiva de Shalltear.

Em primeiro lugar, ela deveria cumprir as ordens de seu Mestre de forma perfeita e
elegante.

Ela abriu os punhos.

“—Hanzos.”

“Sim!”

Os lacaios com roupas de ninja se reuniram diante dela.

“Eu quero ter certeza de que nenhum deles escape. Podem verificar se não há mais nin-
guém no túnel ~arinsu?”

“Certamente. Aguardamos o seu comando.”

Como esperado dos servos de seu Mestre. Seu inimigo não teria meios de recuar agora.
A próxima coisa que ela precisava se preocupar era se o inimigo estivesse espalhado pela
cidade. Claro, ela poderia levar algum tempo para caçar e reunir todos eles, mas ela que-
ria evitar perder tempo. Já que seu Mestre não lhe deu um limite de tempo, desperdiçar
muito tempo seria uma prova de incompetência.

“Ótimo, vão.”

Shalltear retransmitiu os detalhes do plano que havia pensado no caminho até aqui.

Ela cercaria o inimigo e debilitaria todos dentro do perímetro.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


119
Em outras palavras, ela usaria os Hanzos para impedir a retirada, depois os compactaria
em uma massa antes de eliminá-los de uma só vez.

Claro, este plano era um pouco perigoso, dado que ela não conhecia as habilidades da
oposição. No entanto, se o inimigo tivesse o poder de matar Shalltear e os Hanzos, o
Reino dos Dwarfs não poderia ter sobrevivido por tanto tempo.

Bem, a menos que Gondo fosse particularmente fraco demais.

Depois de despachar os Hanzos, Shalltear contou três minutos. Ela tinha que fazer isso
pois não tinha meios de se comunicar com os Hanzos.

Felizmente, os Quagoas pareciam ter se estabelecido perto de seu comboio, ao redor da


edificação, sem intenção de se dispersar.

“Vamos começar ~arinsu. Comecem como ordenado; evitem que eles escapem para a
área circundante.”

Depois de dar ordens aos undeads que ela trouxera, Shalltear correu pelos telhados e
pulou em frente aos Quagoas. Ao mesmo tempo, seus undeads pousaram ao redor deles.

Eles tinham tomado o controle de todas as principais vias de comunicação ao redor da


edificação. As rotas de retirada dos Quagoas foram quase completamente cortadas.

Shalltear sentiu a confusão deles, e ela lançou uma magia antes que pudessem se recu-
perar.

“「Mass Hold Species」.”

Como já esperava, eles não eram adversários de alto nível. Muitos dos Quagoa pararam
de se mover, como se estivessem congelados.

Aqueles Quagoas que não entraram na área de efeito da magia conseguiram se recupe-
rar de sua confusão, mas nenhum deles tentou atacar Shalltear. Ela apareceu do nada e
usou uma magia que nunca tinham visto antes para prender seus camaradas. Até mesmo
escolher entre lutar ou fugir deve ter sido muito difícil para eles.

Shalltear sorriu fracamente.

Parecia que a conclusão a que ela chegara ao observá-los, a de centrar a magia em um


Quagoa de excelente aparência — de agora em diante conhecido como comandante —
valera a pena.

“「Mass Hold Species」.”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


120
Ela lançou a mesma magia novamente, e agora até mesmo os Quagoas em fuga foram
neutralizados.

“Fechar área!”

Em resposta às ordens gritadas de Shalltear, os undeads circundantes diminuíram o


perímetro.

O Quagoa dentro da edificação ouviu Shalltear gritar e sentiu a anormalidade em seus


companheiros, mas era tarde demais para eles.

Shalltear sorriso sadicamente, mas logo bateu em suas bochechas. Ela não podia ser
descuidada. Seu fracasso no passado foi provavelmente devido a isso.

Depois de recuperar a compostura com uma expressão apropriada, Shalltear invadiu a


edificação. Atravessar a janela lhe garantiria o elemento de surpresa, mas ao considerar
o esforço de atravessar ela decidiu ir direto para a porta, usando-se como isca.

O Quagoa, que a esperava, bateu as garras em Shalltear repetidamente.

Três bem aqui, quatro no fundo, ninguém que se parece com um comandante. Eu deveria
receber seus ataques e verificar quão forte são.

Shalltear não evitou seus ataques, mas suportou a intensidade da ofensiva Quagoa.

Como esperado, ela não estava ferida.

Apenas armas de prata mágicas poderiam feri-la. Alguns monstros de alto nível tinham
ataques naturais que contavam como ataques mágicos, enquanto outros tinham ataques
que contavam como dano de prata, mas era algo muito raro em monstros de baixo nível.

Enquanto ela parecia esperar por isso, os Quagoas ficaram surpresos. Como se não acre-
ditasse no que estava vendo, o Quagoa ao redor tentou um golpe com as garras, mas sem
sucesso.

“Tudo bem, o experimento acabou ~arinsu. Vamos acabar aqui? 「Mass Hold Spe-
cies」.”

Quando a magia foi lançada, todos os Quagoas presentes pararam de se mover.

“Então, vejamos.”

Shalltear olhou em volta e viu um Quagoa no cômodo ao lado, através dos restos de uma
porta quebrada. Seus olhos arregalados continham a emoção que ela mais amava —
medo.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


121
Enquanto Shalltear caminhava com longos passos para frente, os Quagoas sem saída
tentaram fugir.

No entanto, eram demasiadamente lentos. Para Shalltear, eles eram lentos como lesmas.
Ela resistiu ao impulso de dar voz a risada zombeteira, e em vez disso lançou uma magia
em suas costas.

Não haveria escapatória.

Shalltear não toleraria qualquer deslize.

Agora que todos os Quagoas dentro da edificação haviam sido capturados, ela entrou
no túnel e encontrou seis Quagoas aos pés dos Hanzos. Dado os movimentos fracos de
seus corpos, parece que eles ainda estavam vivos. Shalltear então perguntou aos Hanzos:

“Então, esses são os Quagoas que tentaram fugir ~arinsu?”

“Sim. Ninguém mais conseguiu escapar por aqui.”

Como Shalltear não deixou ninguém escapar, podia-se considerar que sua missão foi
executada perfeitamente.

“Apenas por precaução, certifiquem-se que não haja mais ninguém à espreita dentro da
edificação ~arinsu. Depois disso, façam com que os undeads lá presentes levem os Qua-
goas para fora. Podem ordenar aos meus undeads para amarrá-los com cordas, enten-
deram? Vou esperar aqui até que terminem sua busca no interior, confirmando que nin-
guém mais está tentando fugir.”

Depois de receber as ordens de Shalltear, os Hanzos pegaram os Quagoas no chão e


foram para a edificação. Eles voltaram para Shalltear depois que dois minutos se passa-
ram.

Tendo completado sua tarefa com perfeição, Shalltear emergiu da edificação, onde viu
muitos Quagoas amarrados e as formas de Ainz, Aura, Hanzos, um Dwarf e Zenberu.

“Bom trabalho, Shalltear. Parece que você cumpriu sua missão e não deixou ninguém
escapar.”

“Sim! Muito obrigada Ainz-sama!!”

“Então, Shalltear, eu lhe darei sua próxima missão. Interrogue-os, mas faça o melhor
para não os machucar.”

“Entendido ~arinsu.”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


122
Para começar, ela ordenou que os undeads arrastassem um dos Quagoas que haviam
sido capturados com magia — em outras palavras, um dos primeiros cativos.

“Hiiiiiiiie! Me salve!”

“Fufu, bem, se você for honesto, eu não vou te matar. Isso se você for honesto. Partindo
do princípio, quem de vocês aqui é o maioral ~arinsu?”

“Ele, aquele com as listras de cor azul no pêlo.”

“Filho da puta! Você me vendeu!”

Aquele que gritava em resposta parecia ter um leve indício de azul na pelagem.

“Certo, certo, não lutem ~arinsu. Então, pode trazê-lo para mim? Envie este de volta.”

Eles trouxeram o Quagoa mais forte diante dela.

“Hmph! Você deve ser uma amiga dos Dwarfs! Não vou te contar nada! Eu apostarei o
orgulho da minha tribo nisso!”

“Perfeito. Tudo bem então ~arinsu. 「Charm Species」. Pronto, você pode responder
minhas perguntas?”

“Ahh, claro! O que deseja saber?”

Os Quagoas atrás dele não puderam deixar de ofegar à sua seriedade.

Magias de 「Charm」 faziam com que o alvo considerasse o conjurador como um


amigo ou colega de confiança. No entanto, amigos não diziam aos amigos para se matar
ou se machucar, os alvos não obedeceriam a ordens que resultasse em tais desfechos.
Além disso, o termo “amigo” também era um tipo de gargalo; havia segredos que as pes-
soas mantinham até mesmo de seus amigos, então essa magia seria ineficaz em sobres-
crever essa lógica. Se fosse esse o caso, magias de controle mental mais poderosas se-
riam necessárias. No entanto, tais medidas não parecem ser necessárias desta vez, um
fato pelo qual Shalltear agradeceu à sua sorte.

“Primeiramente, você é realmente o melhor dentre todos eles ~arinsu?”

“Ahhh, fui nomeado como o líder do grupo. Ei, fiquem quietos aí, ela é uma amiga, então
não tem problema em contar. Ah, poderia manter isso em segredo?”

“Claro. Somos amigos, não somos ~arinsu?”

“Ahhh, somos sim. Então eu vou confiar em você. Ainda assim, esses caras... Especial-
mente aquele lá, ele é um undead?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


123
O Quagoa encarou o glorioso mestre de Shalltear. Isso a incomodou, mas ela teve que
suportar isso para extrair informações dele.

“Está tudo bem. Nós somos amigos, então você vai acreditar em mim, certo ~arinsu?”

“Você controla aquela coisa?”

Eu vou matar esse desgraçado—, Shalltear quase disse. No entanto, ela engoliu essas
palavras. Isso porque seu mestre falou antes que ela realmente fizesse.

“Está certo. Ela é minha mestra.”

“Ohh. Viram só? Minha amiga é incrível!”

“Obr-obrigada.”

Shalltear agonizou sobre esses sentimentos complexos, que ela não conseguia expres-
sar em palavras. Embora quisesse rolar no chão, não podia desperdiçar a amorosa assis-
tência que seu Mestre lhe dera.

O comandante dos Quagoas mergulhou em pensamentos profundos, e os Quagoas atrás


dele disseram: “O que aconteceu?” “O que está acontecendo?” “Somos os únicos que não
sabem que ela é uma amiga?” E assim por diante. No entanto, o comandante dos Quagoas
os ignorou, e um olhar retorcido apareceu em seu rosto, que provavelmente era um sor-
riso.

“Tudo bem. Já que disse, eu vou acreditar em você. Afinal de contas, somos camaradas
unidos por um firme vínculo de amizade, não somos?”

Shalltear bufou.

“Então, poderia falar alto o suficiente para que as pessoas atrás de mim possam ouvir
~arinsu? Quem são vocês? O que estão fazendo nesta cidade?”

Normalmente falando, eles deveriam ter suspeitado por ela ser “amiga” deles e não sa-
ber disso. No entanto, esta era a grandeza da magia. O comandante dos Quagoas respon-
deu sem levantar dúvidas.

“Somos uma tropa destacada da tropa invasora. Viemos aqui para matar os Dwarfs que
poderiam ter fugido para esta cidade.”

“O que disse!?”

O Dwarf exclamou em choque e continuou:

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


124
“O que, o que isso significa?”

“Cale a boca, Dwarf. Raças imundas como a sua deveriam ser exterminadas.”

“Tudo bem, tudo bem, isso é o suficiente ~arinsu. Você estava dizendo algo sobre uma
tropa de invasão?”

“Ahhh, desculpe, parece que me excedi um pouco. Há uma cidade Dwarf ao norte daqui.
A tropa de invasão foi criada para destruir a cidade. O problema é que a ponte suspensa
sobre a Grande Fenda é protegida por uma fortaleza, então nossos ataques sempre fo-
ram derrotados. Mas acontece que encontramos um atalho que ultrapassa a Fenda e leva
ao lado da fortaleza, por isso planejamos usá-lo para exterminar esses nanicos de vez.”

Shalltear estreitou os olhos para o Dwarf. Ele parecia terrivelmente pálido. Aparente-
mente isso foi uma péssima notícia.

“Quando o ataque acontecerá ~arinsu?”

“Somos uma tropa destacada, nos separamos do corpo principal, então não sabemos a
hora exata. Mas acho que deve ser hoje, ou talvez amanhã.”

Shalltear ouviu a conversa entre seu Mestre e o Dwarf.

“Dito isto, a cidade realmente cairá se a ponte suspensa for tomada ~arinsu?”

“Não tenho certeza, só ouvi dizer que, como o inimigo precisa usar a ponte, só poderão
atacar um ponto. Então só precisamos usar os itens mágicos dentro da fortaleza para
repelir eles. Mas se a fortaleza for tomada, o inimigo terá um caminho direto rumo à
cidade, vai ser bem difícil impedir o avanço de um grande exército. Se isso acontecer,
talvez tenhamos que abandonar a cidade e fugir pra cá, mas se formos emboscados aqui,
a raça dos Dwarfs poderá ser eliminada.”

O comandante dos Quagoa riu maliciosamente com um “Kuh Kuh Kuh” enquanto ouvia
a conversa.

“Então este é o grupo que se separou ~arinsu?”

“Somos os únicos que foram enviados para cá. Nós não sabemos o quão forte é a cidade
Dwarf ou quantos soldados precisaremos, então a maioria das nossas tropas está lá.”

“Ain—eh, ah, então, então, há alguma coisa que deseja perguntar ~arinsu?”

Eu não posso chamá-lo de Ainz-sama...

Shalltear se irritou enquanto tentava juntar as próximas palavras.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


125
“...Creio que não há muito mais a saber. Estritamente falando, precisamos apenas saber
como nos comunicar com o corpo principal ou algo similar.”

Depois que Shalltear repetiu a pergunta do Mestre, o comandante encantado balbuciou


como um riacho.

“Não, nossa missão nem é de grande importância. No final, nosso trabalho era apenas
caçar quem fugiu.”

Shalltear olhou de volta para seu Mestre, que acenou para ela.

“Como devemos lidar com eles?”

“...Gondo, me desculpe por isso, mas você pode se preparar para viajar?”

O Lizardman e o Dwarf entenderam o significado por trás dessas palavras, então eles
se viraram e saíram em silêncio. Ainz observou-os sair e deu a Shalltear suas próximas
ordens.

“...Então vamos. Shalltear, envie todos de volta para Nazarick. Eles devem ser observa-
dos. Se devem ser mortos ou poupados depende do tipo de relacionamento que forjamos
com os Quagoas. Não os mate até que sejam totalmente hostis a nós. No entanto, solicite
que alguns experimentos leves sejam conduzidos. A dureza de suas garras, a resistência
física e mágica de seus corpos, esse tipo de coisa. Embora, alguns deles possam morrer
como resultado... Ordene-os a minimizar o número de mortes.”

“Entendido ~arinsu.”

Shalltear imediatamente conjurou 「Gate」, abrindo um portal para a superfície de Na-


zarick.

“Venham, vocês aí entrem aqui.”

Liderados pelo comandante dos Quagoa, os outros o seguiram um depois do outro. Al-
guns dos Quagoa ficaram no lugar, congelados pelo medo, mas Shalltear simplesmente
os pegou e atirou através do 「Gate」.

Depois de enviá-los, Shalltear retornou brevemente a Nazarick também. Ela repetiu as


[Guarda V e l h a ]
ordens de seu mestre para os Old Guarder de Nazarick parados ali, e então retornou
através do 「Gate」 ainda aberto.

No meio de tudo isso estava o Mestre de Shalltear. Seus braços estavam cruzados e ele
parecia estar esperando por ela.

“Sua coleta de informações foi muito completa, Shalltear.”

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


126
A primeira coisa que ele disse foi elogiá-la. O peito reto de Shalltear inflou com o calor.

“S-Sim!”

Shalltear reflexivamente genuflectiu. Essa foi a única posição apropriada a ser tomada
em resposta ao elogio de seu Mestre.

“—Mm, uhum. Estou ansioso para ter mais de seus leais serviços no futuro.”

“Como desejar! Ainz-sama!!”

“Não fique assim. Levante-se. Precisamos discutir as coisas com o Gondo... Esta é uma
chance para que eles nos devam um grande favor.”

“Que fortuno ~arinsu. Ainz-sama, suas ações parecem ser abençoadas.”

Seus olhares se encontraram e eles sorriram.

Claro, o rosto de seu Mestre não se moveu, mas Shalltear estava absolutamente certa
de que ele estava sorrindo.

“Então, vamos.”

“Sim!”

Mmmm~ Isso é ótimo! Nós dois, andando lado a lado... Haaa, estou muito feliz ~arinsu.

Shalltear saiu da edificação enquanto saboreava o gosto da felicidade.

“Gondo, desculpe por te fazer esperar. Quais são seus planos?”

“O que posso fazer...? Bem, leva cerca de seis dias de viagem até a cidade. É muito para
uma informação crucial que nem essa.”

O rosto levemente desajeitado de Shalltear ficou tenso, e quando ela trocou olhares com
Aura, seu Mestre e o Dwarf começaram a discussão. Ela se esforçou para memorizar tudo,
assim poderia escrever em seu bloco de anotações.

Já que ele era seu glorioso mestre, ele provavelmente pretendia esmagar o coração do
Dwarf em total submissão. Ou isso, ou ele prenderia uma algema pesada no pescoço e
garantiria que ele nunca o traísse. Algo parecido.

“Mesmo? Bem, como você não consegue chegar a tempo, o que há para ser feito? Se esse
é o caso, por que não vem ao meu país? Você não será capaz de fazer nada se for, não é?”

“Mm... uhum.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


127
“Porém, eu gostaria de salvar os ferreiros rúnicos... mas mesmo se nós corremos para
ajudá-los, poderíamos manter uma posição vantajosa durante as negociações? Os
Dwarfs são uma espécie que aprecia a gentileza mostrada a eles?”

“Uhum, pode confiar nisso. Se salvar os Dwarfs da ameaça dos Quagoas, tenho certeza
de que as negociações vão correr bem.”

“Se for esse o caso, precisamos escolher o momento certo para entrar.”

Depois que seu mestre fez sua declaração experimental, o Dwarf deu de ombros, como
se dissesse que estava bem com qualquer curso de ação.

“Vou apoiar qualquer decisão que você— que Vossa Majestade tome.”

Shalltear não tinha idéia do que aquelas palavras significavam, mas por algum motivo,
ela sabia que o Dwarf havia escolhido seu amado mestre em vez da própria raça.

Shalltear ficou ao mesmo tempo assombrada e assustada com o fato de seu Mestre ter
conseguido dominar completamente a alma desse Dwarf durante o breve período em
que entrara no túnel.

Deve ter sido esse carisma que lhe permitiu liderar e coordenar os Seres Supremos.

“...Bem, acho que devemos nos apressar então. Afinal de contas, queremos evitar a
morte dos ferreiros rúnicos, e não há como dizer o que acontecerá se formos pelo sub-
terrâneo, portanto, procederemos do lado de fora. Posso confiar em você para nos guiar?”

“Eu não estou muito confiante, mas farei o meu melhor.”

“Tudo bem, então prepare-se para sair!

Capítulo 2 Em Busca da Terra dos Dwarfs


128
Interlúdio

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


129
le caminhou até a varanda, com um copo de líquido âmbar na mão.

E A varanda estava localizada no edifício mais alto da cidade. Daqui, ele po-
dia ver a cidade que governava.

Seu povo vivia entre a miríade de pontos de luz abaixo.

Ele sorriu enquanto olhava a paisagem, e pressionou o copo nos lábios.

A sensação quente e esfumaçada se espalhou por seu corpo através de sua barriga. O
vento estava bastante confortável. Agora que ele estava de bom humor, ele perguntou a
fracote que se ajoelhava em seu quarto:

“—Que foi?”

A fracote começou a ofegar, mas ele não tinha interesse nisso. Tudo o que sentiu foi o
desprazer em não receber uma resposta imediata à sua pergunta. No entanto, ele não
estava com raiva o suficiente para matar alguém ainda, então não fez uso de seu poder.

Ele era um rei misericordioso.

Além disso, o cheiro de sangue ficaria impregnado no ambiente. Mesmo se tivesse al-
guém para limpá-lo, o fedor ainda o incomodaria por um tempo.

Sendo esse o caso, a maneira mais limpa de fazê-lo seria arremessar a fracote pela va-
randa. O mais importante, talvez as circunstâncias extremas da queda pudessem desper-
tar o poder da fracote.

Ele queria dizer que seria uma boa idéia, mas, infelizmente, a fracote abriu a boca antes
que pudesse fazê-lo.

“A Teocracia está construindo um acampamento de campo nas proximidades. Se isso


continuar, eles atacarão nossa Capital Real nos próximos anos.”

“E daí?”

“...Se isso continuar, todos nós seremos destruídos. Por favor, peço a Vossa Majestade
que use seu poder—”

“Não vale a pena.”

Ele — o Rei — riu.

“Por que eu deveria usar meu poder em nome de fracotes como vocês?”

Interlúdio
130
Se ele virasse a cabeça por cima do ombro para olhar, ele veria uma cidadã de seu país
ajoelhada ali — uma Elfa.

Quão estúpida ela parecia.

Ela era fraca, sem habilidades especiais e, portanto, totalmente sem valor. Por causa
disso, ela não conseguia entender quão maravilhosa era a invasão da Teocracia.

“...Não seja idiota. Você não tem a vontade de reunir forças para defender seu próprio
país? Ou espera que eu te salve de qualquer dificuldade que surja?”

“Mas, mas a Teocracia é muito forte e apenas nossa força...”

Havia uma diferença distinta entre o poder da Teocracia e o dessa nação.

Seja na quantidade de itens mágicos, a habilidade de suas tropas, os recursos que eles
poderiam alocar, táticas — tudo.

A única razão pela qual os Elfos ainda podiam manter a linha em face do poder esma-
gador da Teocracia era devido às suas táticas de guerrilha — o único campo em que ul-
trapassaram a Teocracia — e ao fato de que a Teocracia temia perder tropas para os
monstros da Grande Floresta de Evasha. Assim, eles haviam retardado seu avanço.

No entanto, a Teocracia tinha recentemente cometido a Escritura do Holocausto — que


até então havia sido atribuída à defesa de sua nação natal — para a briga. Eles eram
especialistas em assassinatos, guerrilhas e contraterrorismo, e assim o avanço da Teo-
cracia havia acelerado imensamente.

“...Quão surpreendente. Você está no seu juízo final porque todos são fracos? Este é ver-
dadeiramente um país de idiotas. Todas as crianças que eu criei acabaram sendo inúteis.”

As pessoas nascidas em tempos de guerra eram mais fortes do que as que nasceram em
paz. Sendo esse o caso, a guerra era uma oportunidade para despertar o poder latente
em todas as coisas vivas. No entanto, ele não tinha ouvido falar de ninguém cujo poder
havia despertado até agora.

Ainda assim, ele não deve responsabilizar apenas seu povo. Seus muitos filhos acaba-
ram assim também. A quantidade não significava nada para ele, então ele não prestava
atenção; por acaso alguém contava todo o lixo que produzia? Provavelmente foi porque
puxaram mais suas mães. Nenhum dos descendentes que ele criara possuía sequer uma
fração de seu poder.

“Sai da minha frente. Você é repugnante aos meus olhos. Faça algo de útil, vá e treine as
crianças que você gerou para mim.”

A mulher fez uma reverência profunda e saiu.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


131
Ele terminou o vinho em um único gole.

Os filhos nascidos de fracos apenas continuariam sendo fracos. Assim, ele precisava de
mães fortes.

Foi por isso que ele enviou as mulheres para as linhas de frente durante a invasão da
Teocracia. Esta guerra poderia ter permitido que essas fracotes evoluíssem.

“E elas ficaram aquém das minhas expectativas.”

No entanto, ninguém se tornou tão forte quanto ele. Ou melhor, crianças assim só nas-
ceriam depois.

“...Devo ir investir em humanas? Eu posso me reproduzir com elas, afinal de contas.”

Humanoides e demi-humanos não podiam produzir descendentes, mas os acasalamen-


tos entre humanoides podiam dar frutos.

De repente, ele olhou para o horizonte e as lembranças do passado vieram à tona.

“Bem, no fim, ela ficou grávida.”

No passado, ele enganara a mulher que fôra conhecida como o trunfo da Teocracia, e
depois a fez sua cativa. Ele a acorrentou e estuprou, e até que por fim, ela engravidou.
No entanto, ela fôra roubada pela Escritura Preta antes que pudesse dar à luz.

Ele estalou a língua.

Aquela criança era dele desde que nasceu, eles deviam devolvê-la.

“...Se este país cair, talvez eu vá pessoalmente à Teocracia e pegue a criança de volta.”

Isso não era gentileza em nenhum sentido da palavra. Afinal de contas, essa criança era
o resultado de si mesmo e daquela poderosa mulher, por isso a criança tinha o potencial
de se tornar ainda mais poderosa.

“Eu espero ansiosamente por isso.”

Algum dia, ele usaria um exército de seus poderosos filhos para dominar o mundo.

Ele voltou para a sala, imaginando o glorioso futuro que certamente viria. De frente
para ele, havia um espelho de corpo inteiro que refletia sua imagem.

Era de um Elfo cujos olhos tinham cores diferentes.

Interlúdio
132
Capítulo 03: A Crise Iminente

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


133
Parte 1

Grande Fenda.

A Referia-se ao enorme abismo que corria ao longo do lado ocidental da Ca-


pital Dwarf, Feoh Jēra.

Era uma fenda maciça, com mais de 60 km de comprimento e 120 metros de diâmetro
no seu ponto mais estreito. Sua profundidade era desconhecida. Ninguém sabia o que
estava esperando nas profundezas, e claro, ninguém voltou vivo das duas expedições
que foram enviadas para investigá-la.

Por muito tempo, essa barreira natural protegeu Feoh Jēra de todos os tipos de ataques
monstruosos. Eles poderiam frustrar quaisquer monstros do oeste que tentassem inva-
dir, desde que defendessem a ponte suspensa sobre a Grande Fenda.

Mas hoje, a guarnição de Feoh Jēra — a base militar que ficava entre a Grande Fenda e
Feoh Jēra — estava em um turbilhão de gritos e confusão.

“O que está acontecendo? Alguém me diga exatamente o que está acontecendo!”

Esse grito veio do Comandante-Chefe do Exército Dwarf, um veterano com mais de 10


anos de serviço.

As informações que chegavam eram confusas e contraditórias, ninguém tinha idéia do


que estava acontecendo. A única coisa que ele podia ter certeza era que algo havia acon-
tecido na fortaleza que defendia a Grande Fenda.

“A informação mais recente que temos diz que os Quagoas estão atacando!”

Disse um dos comandantes do pelotão, repetindo um relatório vindo da fortaleza.

Notícias assim dificilmente eram incomuns. Os Quagoas e os Dwarfs eram inimigos


mortais e frequentemente atacavam em grupos de centenas. Houve mais ataques du-
rante os dez anos de serviço do Comandante-Chefe do que ele podia lembrar, mas até
agora todos eles haviam sido anulados perante a fortaleza. Nenhum deles conseguiu se
aproximar da guarnição, muito menos de Feoh Jēra.

Isso porque os Quagoas eram uma raça forte contra os ataques de armas, mas muito
fraca contra os ataques elétricos. Sabendo disso, eles tinham abastecido a fortaleza com
itens mágicos que poderiam produzir 「Lightning」 e efeitos semelhantes.

A magia 「Lightning」 perfurava o inimigo em uma linha reta e, portanto, extrema-


mente eficaz contra um inimigo que se alinhava para atacar uma ponte. Poderia acabar
com uma onda inteira de Quagoas em um único disparo, e além disso, os Dwarfs que

Capítulo 3 A Crise Iminente


134
guardavam aquele lugar estavam armados com balestras encantadas com a habilidade
de infligir dano elétrico adicional.

Em contraste, os Dwarfs na guarnição eram inferiores em ambos os equipamentos e


números. No entanto, não foi porque eles não desejavam alocar o poder militar para uma
base importante, mas porque o exército dos Dwarfs sempre tinha falta de mão de obra.
Assim, a fortaleza teve que atrair seus defensores de seu parco estoque de tropas, e eles
tiveram que fazê-lo em números que não convidavam à reprimenda.

Apesar de toda essa especialização contra os ataques dos Quagoas, a fortaleza estava
agora em um estado onde nem mesmo tinham pessoas para pedir ajuda. O que isso sig-
nificava?

“Não me diga que foram atacados por tantos inimigos que nem deu para lutar! Houve
alguma outra mensagem da fortaleza?”

“Até agora nada.”

O suor frio escorreu pelas costas do Comandante-Chefe.

As palavras “grande invasão” apareceram diante de seus olhos. Houve rumores de tal
coisa há vários anos, mas mesmo assim, ele estava tentando o seu melhor para enganar
a si mesmo, dizendo que não existia tal coisa. No entanto, estava se desdobrando diante
de seus olhos.

O Comandante-Chefe se recompôs. Agora não era a hora de contemplar possibilidades


tão medonhas.

Qual seria a coisa certa a se fazer?

Um túnel levemente inclinado em forma de espiral conectava essa guarnição até a for-
taleza, e à frente deles ficava a capital Feoh Jēra. A caverna onde a guarnição estava lo-
calizada era sua linha defensiva final e, além disso, eles tinham portões de mythril e uma
liga de orichalcum. Eles poderiam resistir a um ataque inimigo do túnel se eles fechas-
sem os portões.

Mas deveriam fechar os portões?

Se o fizessem, não seriam capazes de enviar reforços daqui. Em outras palavras, esta-
riam abandonando seus companheiros, que poderiam estar lutando por suas vidas na
fortaleza.

Ainda assim, a hesitação durou apenas um momento.

Havia menos de 20 pessoas na fortaleza. Havia mais de 100.000 Dwarfs em Feoh Jēra.
Poderia haver apenas uma resposta quando se pensasse em qual lado tinha prioridade.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


135
“Feche os portões!”

“Retransmitindo as ordens! Feche os portões!”

Antes que os ecos desaparecessem do ar, um som estrondoso veio da terra. Lentamente,
os portões fecharam a entrada. Esses portões, que não haviam sido tocados, exceto du-
rante o treinamento, agora estavam sendo usados para seu verdadeiro propósito.

“Senhor! São os Quagoas!”

“Quê!?”

Depois de ouvir o grito dos soldados que guardavam a entrada do túnel, o Comandante-
Chefe se virou para olhar. Ele viu a forma repugnante de um demi-humano, espumando
pela boca, com os olhos vermelhos.

Sem armas encantadas por efeitos elétricos, mesmo um deles seria um inimigo formi-
dável. E agora, havia uma horda de Quagoas, eram tantos que não podiam contar com as
duas mãos e estavam vindo na direção deles.

Como a situação ficou assim? A fortaleza tinha realmente caído? Quantos soldados os
Quagoas trouxeram consigo? Eles poderiam resistir contra eles mesmo se fechassem os
portões?

O Comandante-Chefe tinha essas e muitas outras perguntas em seu coração, mas no


final ele balançou a cabeça.

“Não os deixe entrar! Lanceiros, avancem!”

Com gritos altos, os soldados formaram uma linha de lanças.

Mesmo vendo isso não diminuiu a velocidade da investida Quagoa. Isso porque eles
confiavam em suas pelagens e couro para protegê-los do metal.

O Comandante-Chefe estalou sua língua. Os Quagoas fizeram uma escolha sábia. Sua
pelagem era de tal dureza que virotes de balestras podiam ricochetear quando dispara-
dos contra eles. A única coisa que uma linha de lanças poderia fazer era mantê-los afas-
tados. No entanto, as pessoas aqui haviam antecipado que os Quagoas tentariam algo
assim, e eles naturalmente haviam tomado medidas contra isso.

“Magos! Blitzkrieg!”

Uma magia de área de 3º nível 「 Thunderball 」 e duas magias de 2º nível


「Thunderlances」, vieram da sacada com vista para os lanceiros, em um ângulo que
não os atingiria.

Capítulo 3 A Crise Iminente


136
Os conjuradores dessa magia eram os três magos mais poderosos do exército.

O grupo que corria à frente da horda foi morto instantaneamente pela 「Thunderball」,
como esperado da perdição dos Quagoas. Os Quagoas atrás deles pararam para evitarem
serem atingidos pelo ataque.

Foi apenas por um curto período, mas deu-lhes espaço para respirar.

Os portões se fecharam com um grande clangor. Os sons de martelar e bater se filtraram


do outro lado das portas resistentes.

A atmosfera tensa no ar diminuiu um pouco. No entanto, o Comandante-Chefe, os sol-


dados ao redor dele, e todos aqui sabiam que isso ainda não acabara.

Os portões eram muito duros. Os dentes e garras dos Quagoas comuns não seriam ca-
pazes de danificá-los. No entanto, alguns Quagoas tinham dentes que diziam rivalizar
com a dureza do mythril. Embora estes fossem seres com nível de um líder, não seria
incomum encontrar tais entidades participando de um ataque como este. Não havia
como descartar nenhum problema.

“Droga! Se o portão estivesse eletrificado!”

Essa foi uma sugestão que o Comandante-Chefe fez quando assumiu essa posição pela
primeira vez. Afinal, apenas os portões não eram confiáveis o suficiente como linha final
de defesa. Claro, havia várias razões pelas quais eles não podiam encantar os portões,
como a falta de poder nacional, mas uma grande parte disso tinha sido porque a fortaleza
sempre conseguiu impedir qualquer invasão inimiga. Assim, os superiores tinham a ati-
tude de que “enquanto a fortaleza se mantiver, tudo ficará bem”.

Olhando em volta, ele viu expressões severas e sombrias no rosto de todos.

Isso foi ruim. Se perdessem a esperança para o futuro, acabariam perdendo quando a
luta se tornasse desesperadora.

O Comandante-Chefe decidiu reverter a situação e gritou:

“Ótimo trabalho! Garantimos a segurança da cidade! Mas não durará para sempre! Co-
mecem a criar barricadas para caso o inimigo rompa os portões! Rápido!”

A determinação encheu os rostos dos soldados Dwarfs uma vez mais. O conhecimento
de que ainda havia algo que eles poderiam fazer reacendeu sua motivação. Até mesmo
uma frágil esperança era melhor do que nenhuma.

O Chefe de Equipe ficou ao lado do Comandante-Chefe, sussurrou em seu ouvido:

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


137
“Senhor, devemos enterrar o portão com areia e terra?”

O Comandante-Chefe ponderou as palavras do outro Dwarf.

Se eles o lacrassem completamente, muitos Dwarfs expressariam desaprovação.

“Eles não têm idéia do que está acontecendo.”

O Comandante-Chefe notou a expressão de seu Chefe de Equipe. Ele provavelmente as-


sumiu a declaração do Comandante-Chefe como resposta à sua pergunta.

“Desculpe, eu não quis dizer que seria você. Me referi aquele pessoal — o Conselho Re-
gente.”

“Você é um deles também, não é, Comandante-Chefe? Então essa é a resposta deles para
um bloqueio completo? Sendo honesto, não acho que lacrar tudo seja suficiente. Deve-
mos abandonar Feoh Jēra.”

O Comandante-Chefe estreitou os olhos e arrastou o Chefe de Equipe pela mão até um


lugar onde os outros não os ouviam.

Ele não queria que a conversa deles fosse ouvida por ninguém.

“Você também pensa assim?”

Eles não tinham idéia de quantos Quagoas estavam do outro lado daquele portão.

O ataque inimigo tinha sido muito rápido e eles foram forçados a bater em retirada.
Assim, eles perderam muitas oportunidades de aprender sobre o inimigo. O que eles es-
tavam fazendo agora era como se isolar em seu próprio mundo com os olhos fechados.

O único dado sólido que eles tinham, era que o inimigo tinha poder de combate sufici-
ente para derrubar a fortaleza até então inexpugnável, e eles tinham que pensar em uma
maneira de lidar com isso.

Nestas circunstâncias, e depois de levar em consideração o poder de combate inimigo,


seria extremamente difícil para os Dwarfs abrirem os portões e derrotarem o inimigo. A
melhor solução pode ser abandonar sua capital.

“Então, enterrar o portão com areia e terra comprará quanto tempo?”

“Se colapsarmos a caverna, poderemos comprar muito tempo, mas se usarmos apenas
areia e terra, ganharemos apenas alguns dias no máximo.”

“Quais perigos um colapso representaria?”

Capítulo 3 A Crise Iminente


138
“Como sabe, não estamos longe de Feoh Jēra. Embora eu não possa realmente ter cer-
teza sem ter a verificação de um Médico de Túnel, há uma chance de que isso possa afetar
a cidade também. O pior cenário é que um atalho se abra para além dos portões e os
Quagoas passem por ele, com isso, terão acesso à Feoh Jēra...”

“Ou seja, precisamos descobrir agora. Então, próxima pergunta. Acha que a fortaleza
caiu sob o peso dos números? Por que não nos informaram mais cedo?”

“Pensei em algumas possibilidades. Pessoalmente, a opção mais provável é que os Qua-


goas tenham contado com a ajuda de outra espécie.”

“Será que são os Frost Dragons?”

O Quagoa havia conquistado a antiga Capital Dwarf de Feoh Berkanan, e tinha tomado
como sua casa. No entanto, o Palácio Real no coração da cidade era governado por um
Frost Dragon.

Ambas as partes não tinham um relacionamento perfeitamente cooperativo, mas já que


viviam juntas, elas poderiam ajudar umas às outras.

O rosto do Comandante-Chefe empalideceu. Os Frost Dragons eram essencialmente de-


sastres naturais quando atingiam uma certa idade.

Originalmente havia quatro cidades Dwarfs.

Feoh Berkanan, que havia sido abandonada durante o ataque dos Deuses Demônios há
200 anos.

Feoh Jēra do leste, que era a capital atual deles.

Feoh Raiđo ao sul, que também havia sido abandonada há vários anos.

E finalmente, Feoh Tïwaz, à oeste.

Esta cidade ocidental foi destruída durante uma batalha entre dois Frost Dragons —
Olasird’arc=Haylilyal e Munuinia=Ilyslym, e era pouco mais do que ruínas tombadas.

“Sinto que é bem provável. Só não sei o que fizeram para induzir aqueles arrogantes a
agir, a outra alternativa é que eles mesmos fizeram isso; ou que inventaram algum tipo
de magia, ou encontraram uma rota que contorna a Grande Fenda.”

“Mesmo nós, Dwarfs, não encontramos uma maneira de contornar a Grande Fenda.”

“Sim, mas quantos anos atrás foi isso? Talvez os Quagoas tenham cavado um túnel ou
algo assim enquanto outros monstros se moviam, ou a crosta terrestre se deslocou e lhes
deu um desvio. Se pensar nas possibilidades, eles podem ter ido além do solo também.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


139
“Quagoas na superfície?”

“Pode ter nascido um indivíduo com essa habilidade.”

Os Quagoas ficavam completamente cegos sob o sol, então era impossível para os Qua-
goas moverem suas tropas na superfície.

No entanto, não era um fato, mas sim um desejo que isso se mantivesse imutável.

Não, era tarde demais para se arrepender agora. Era preciso levar isso em consideração
ao planejar estratégias futuras.

“Chefe de Equipe, precisamos considerar que eles podem ser capazes de viajar pela su-
perfície e melhorar nossas defesas de superfície de acordo com isso. Envie algumas pes-
soas sem comprometer nossa defesa aqui. Também precisamos conversar com o Conse-
lho e evacuá-los para o sul.”

Em conjunto com essa guarnição havia a fortaleza em frente à Grande Fenda e a Câmara
do Conselho na própria cidade, havia mais uma base militar na cidade Dwarf de Feoh
Jēra.

Era uma fortaleza erguida para o benefício daqueles com estaturas mais altas que os
Dwarfs — por exemplo, humanos — na saída que leva à superfície. O Comandante-Chefe
deu a ordem para reforçar essa área e ficar alerta para qualquer ataque na superfície.

“Entendido!”

“Além disso, peça aos soldados que se preparem para enterrar o portão. Se precisarmos
da permissão do Conselho, encontrarei uma maneira de convencê-los.”

“E se o Conselho tomar seu tempo de propósito?”

“Faça o seu melhor. Pois eu farei o meu melhor também.”

Isso foi tudo que ele conseguiu dizer. É claro que o plano dele era pressionar o máximo
possível, em sua posição como um dos oito conselheiros, mas se os outros o vetassem,
tudo o que ele podia fazer era tentar o máximo que pudesse por conta própria.

“Relatório! Relatório! Eu tenho um relatório! Onde está o Comandante-Chefe!?”

Olhando em direção à fonte daquela voz, o Comandante-Chefe viu um soldado Dwarf


montado em um Lagarto Equino.

Capítulo 3 A Crise Iminente


140
Lagarto Equino eram uma espécie de lagarto gigante. Eles eram grandes répteis que
mediam três metros da cabeça à cauda. Eles não eram muito numerosos, então os Dwarfs
os criaram como montarias e os usaram como feras de carga para o trabalho cotidiano.

No entanto, a maioria dos mensageiros não os utilizaria para transmitir uma mensagem.
Eles eram empregados apenas em circunstâncias calamitosas — quando precisavam
deixar a guarnição ou saber sobre as condições na linha de frente.

O mal-estar encheu o coração do Comandante-Chefe.

“De onde é este homem?”

“Creio que foi enviado para a fortaleza na entrada da superfície esta semana.”

Isso validou o sentimento de medo no coração do Comandante-Chefe. Não, dada a ex-


pressão do homem e seu tom quase ensandecido, era óbvio. Perguntar isso foi simples-
mente porque ele não queria reconhecer a realidade diante de seus olhos.

“Estou aqui! O que é?”

O mensageiro correu em direção ao Comandante-Chefe a toda velocidade. Não pode-


riam adiar. Isso era algo que precisava ser ouvido imediatamente para que um curso de
ação pudesse ser rapidamente determinado.

O mensageiro pulou das costas do Lagarto e gritou enquanto tentava desesperada-


mente se endireitar.

“Comandante-Chefe! Há uma emergência! Mons-monstros! Há monstros!”

Ele esperava que fosse sobre os Quagoas, mas rapidamente descartou isso. O homem
não usaria essas palavras para descrever um Quagoa.

“Acalme-se homem! Não dá para entender o que diz! O que aconteceu? Todo mundo
está bem?”

“S-Sim! Há monstros assustadores na entrada! Eles dizem que querem falar sobre o
exército Quagoa que está vindo para nós!”

“Queeeeeê!?”

O timing deles foi perfeito até demais. Ele não podia imaginar que os dois eventos esti-
vessem desconectados. Seriam eles os chefes dos Quagoas, talvez aqueles que os ajuda-
ram a cruzar a Grande Fenda?

“Quem, quem são eles? Como se parecem!? Chefe de Equipe! Reúna todo homem que
possa se mover agora mesmo!”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


141
“Entendido!”

O Comandante-Chefe nem sequer teve tempo de assistir seu subordinado sair em pâ-
nico.

“Quantos desses monstros estão lá!? Quais foram suas perdas!?”

“Sim! Há cerca de trinta deles. Mas não parecem querer lutar! Eles até disseram que
queriam fazer um acordo conosco, mas pareciam muito malignos, então eu não acho que
essa é real intenção deles. Deve haver algum tipo de esquema em funcionamento!”

Como exatamente eles se qualificaram como malignos? Mais importante, esse homem
ainda não os descreveu. Depois de ser interrogado novamente, o soldado engoliu e ex-
plicou:

“Eles são undeads temíveis, cercados por uma aura de aparência não auspiciosa!”

“O quê!? São undeads!?”

Seres que odiavam os vivos, que semeavam a morte, os inimigos de tudo que vivia.

Várias imagens apareceram na mente do Comandante-Chefe quando ele ouviu a palavra


[ Z u m b i s Congelantes] [O s s o s Gélidos]
“undead”. Por exemplo, Freezing Zombies, Frost Bones e afins. No entanto, nenhum des-
ses undeads eram adversários poderosos. Este homem deveria saber disso. Nesse caso,
por que ele estava com tanto medo?

Além disso, por que os undeads vieram para cá? Eles estavam aqui para se deliciar com
o massacre mútuo dos Dwarfs e Quagoas, ambos seres vivos?

“Chefe de Equipe, já está pronto!? Saia quando terminar! Não sabemos que tipo de
undead estão por aí, mas não os subestimem! E não deixe que eles nos subestimem! Eles
podem não estar agindo com altivez, mas se eles nos virem com desprezo, estaremos em
perigo!!”

Parte 2

O grupo avançou, Gondo estava os liderando.

Como Gondo costumava viajar no subsolo, ele não estava muito familiarizado com a
superfície. Portanto, ele teve que confiar em seu senso de direção sobre o terreno
quando se tratava de avançar. Inicialmente, Ainz estava preocupado com isso. Mas de-
pois de ver Gondo avançar sem hesitar, ele começou a confiar no homem. Agora, ele con-
fiara totalmente a tarefa de orientação a ele.
Capítulo 3 A Crise Iminente
142
O fato era que Gondo não tinha motivos para deliberadamente fazer Ainz se perder,
ainda mais agora que os Quagoas estavam atacando a capital Dwarf. Sendo esse o caso,
não deve haver nenhum problema em deixá-lo liderar o caminho.

Sob a liderança de Gondo, as feras mágicas de Aura se moviam pela neve como se fosse
uma planície gramada.

Elas possuíam alta destreza e grande resistência, como esperado de feras mágicas de
alto nível. Mesmo no ar rarefeito das montanhas cobertas de neve e carregando Ainz e
os outros em suas costas, a velocidade delas não diminuiu nem um pouco. O grupo se
dirigia para o norte a velocidades de mais de 100 km/h.

Eles haviam avistado vários monstros voadores durante sua jornada, mas só bastou al-
guns rosnados ameaçadores das feras mágicas que todos se assustaram. Graças a isso,
seu tempo de viagem fôra reduzido ao mínimo.

Em menos de um dia, eles haviam alcançado a única cidade Dwarf remanescente, Feoh
Jēra.

Ainz guiou sua fera até Gondo e fez uma pergunta.

“...E então, Gondo. A cidade sulista de Feoh Raiđo foi acessada através de uma fissura
na montanha. Feoh Jēra também tem algo assim?”

Se fosse esse o caso, eles precisariam procurar um caminho. Gondo — inicialmente ti-
nha ficado assustado com a fera mágica que lhe foi cedida, mas agora estava acostumado
a montá-la — respondeu:

“Humm. A maioria das cidades onde os Dwarfs vivem é assim. Mas Feoh Jēra foi proje-
tada com considerações para o comércio em larga escala com humanos, então é um
pouco diferente de Feoh Raiđo. Em primeiro lugar, é fácil para os humanos encontrarem
e, para minimizar qualquer desconforto para os visitantes, eles construíram uma
enorme fortaleza no lado de fora. Vai saber quando a vir.”

Ainz olhou nos arredores depois de ouvir isso, mas ainda não conseguiu encontrar ne-
nhum traço de estrutura.

“Não será visível a menos que vá mais para o nordeste.”

As palavras de Gondo estavam cheias de confiança. Parece que ele tinha certeza de onde
seu destino estava. Já que ele era o único que poderia liderá-los, não havia nada que Ainz
pudesse fazer se ele estivesse errado, então só restara confiar nele.

Enquanto dizia “É mesmo...”, Ainz conjurou uma 「Message」.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


143
Os Quagoas capturados foram levados para Nazarick. Lá, eles foram questionados, e as-
sim, usaram o conhecimento adquirido para suplementar o relatório de Gondo.

Os Quagoas eram uma raça que se submetia aos fortes, mas os Quagoas da Cordilheira
Azerlisiana estavam divididos em oito clãs, todos eles unidos sob o Rei dos Clãs. Eles
somavam 80.000 no total.

Depois de analisar esta informação, Ainz carimbou-os como uma raça que não tinha
nenhum apelo para ele.

Se tivesse que escolher entre ajudar os Dwarfs ou os Quagoas, Ainz escolheria o pri-
meiro sem hesitação.

No entanto, ele soube que os metais que os Quagoa comiam quando jovens determina-
vam sua força quando adultos. Então se ele os deixasse comer os metais de Nazarick,
poderia dar origem a um indivíduo poderoso?

Então, ele pensou sobre os minérios prismáticos no Reino Dwarf.

Mesmo se ele não tivesse comido um dos minérios prismáticos, talvez esse Rei dos Clãs
tivesse alcançado sua posição comendo um dos metais raros de YGGDRASIL.

Se ele fosse forte o suficiente, valeria a pena capturá-lo e conduzir investigações.

Melhor considerá-los também, já que são propícios a obedecer ao Reino Feiticeiro, mesmo
que eu não esteja confiante em alimentar oitenta mil bocas. Mas bem, esse é o tipo de país
que eu quero.

O país que Ainz queria.

Era uma nação onde muitas raças viviam em harmonia sob o seu governo. Era uma na-
ção que reproduzia a imagem que ele e seus companheiros tinham da guilda Ainz Ooal
Gown.

Era uma nação onde seus amigos, onde quer que estivessem, poderiam viver e sorrir.

Sendo esse o caso, ele deveria mostrar a estes Quagoas alguma misericórdia.

Ainda assim, se eles jurarem lealdade a mim, onde devo colocá-los? Esta montanha é um
pouco escassa... Que tal a cordilheira ao sul de E-Rantel? Mas pode haver moradores lá
também... Hummm, que saco. Os Lizardmen têm o mesmo nível de tecnologia que eles. Tal-
vez minha experiência em os governar possa ser usada. Pode ser uma boa idéia deixar o
Cocytus lidar com eles também.

Depois de pensar até aqui, Ainz considerou o lado oposto da moeda.

Capítulo 3 A Crise Iminente


144
E se não se submeterem a mim? Devo eu governá-los pela força? Devo exterminá-los? Ou
devo matar todos os adultos e usar as crianças para experimentos? Forçá-los em um clã e,
em seguida, dominá-los da melhor maneira?

Enquanto ele considerava vários assuntos, o grito de Gondo interrompeu a linha de


pensamento de Ainz.

“É lá!”

Ainz olhou para onde Gondo estava apontando, e com certeza, havia algo que parecia
uma fortaleza construída contra a encosta da montanha.

O grupo foi direto para lá. Embora houvessem muitas maneiras de se esconder, não
havia sentido em fazê-lo e, portanto, procederam em frente sem qualquer cautela.

Ao se aproximarem da fortaleza, os defensores que lá estavam os avistaram e as senti-


nelas entraram em alerta.

Muito parecido com o que faria antes de um discurso de vendas, Ainz inspecionou suas
roupas e certificou-se de que seu manto estava limpo e sem amassados. Claro, era um
item mágico e não podia ser rasgado ou enrugado, mas suas memórias como Suzuki
Satoru lhe diziam que ele deveria checar mesmo assim.

Assim que se aproximaram da fortaleza, os Dwarfs ergueram as balestras e miraram


dos balestreiros.

As únicas pessoas que poderiam ser letalmente feridas pelos virotes eram Gondo e Zen-
beru.

Enquanto pensava em deixar que eles dois negociassem, provando assim que não ti-
nham intenções hostis, isso poderia resultar que fossem atingidos por disparos se as
coisas dessem errado, então ele abandonou essa idéia. Em vez disso, Ainz procederia
primeiro, enquanto Gondo e Zenberu apareceriam mais tarde.

Ele parou sua fera fora do alcance efetivo das balestras e depois desmontou. Por ainda
estarem dentro do alcance máximo das balestras, ele ordenou que Shalltear e Aura ficas-
sem e protegessem Gondo e Zenberu.

Depois disso, tudo o que restou foram estratégias anti-jogador.

Se houvesse algum jogador, ele tomaria imediatamente uma postura defensiva e recu-
aria. Embora ele não pudesse confirmar a presença ou ausência de jogadores durante
suas conversas com Gondo na estrada até aqui, era mais provável que não existissem.
No entanto, se ele fosse descuidado, poderia acabar perdendo os NPCs (os filhos) e Ainz
não queria experimentar isso pela segunda vez.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


145
Todos os Dwarfs que o observavam tinham a mesma expressão rígida em seus rostos.
Graças a suas barbas bagunçadas, Ainz não conseguia diferenciar um do outro, se fosse
para definir — eles pareciam cômicos.

Suprimindo o desejo de rir, Ainz se adiantou, fingindo um ar de calma.

Ele levantou as mãos, para mostrar que ele não tinha intenção hostil.

Quando ele se aproximou da fortaleza—

“Fique parado onde está!”

—Um grito de aviso soou. Parecia que seu dono estava apreensivo. Claro, ele era undead,
mas Ainz não podia deixar de suspirar internamente, ele pensou:

Isso é uma péssima recepção para alguém que não está mostrando sinais de hostilidade.

“Por que veio aqui, undead!?”

Ainz acariciou seu brilhante zigomático.

“Eu sou o Rei Feiticeiro Ainz Ooal Gown do Reino Feiticeiro, e eu vim para forjar um
relacionamento amigável com a nação dos Dwarfs. Não atacaremos vocês se não nos ata-
car, então por favor abaixem suas armas.”

Confusão apareceu nos olhos dos Dwarfs que assistiam tudo das janelas e balestreiros.
Ainz aproveitou a chance para continuar falando:

“Depois de capturar os Quagoas que invadiram Feoh Raiđō, fiquei sabendo de seus pla-
nos de atacar este lugar. Se não tem fé nas tropas do exército de vocês, então eu — meu
Reino — prestarei assistência de bom grado. Sim, isso mesmo— será uma boa amostra
de amizade.”

Ele sorriu, mas como não tinha pele, a benevolência de seu gesto não foi transferida
para o lado oposto.

“E aquele dos nossos atrás de você? Ele é um refém?”

Parece que os Dwarfs ainda estavam cautelosos com ele.

“Que rude. Eu sou um Rei, sabe? Isso é maneira de falar com um rei?”

Os Dwarf se entreolharam e então um deles respondeu:

“Não, não... espere, mostre-nos uma prova de que você é realmente um rei!”

Capítulo 3 A Crise Iminente


146
“—Entendo. Isso faz sentido.”

Ainz concordou:

“Então, permita-me apresentá-lo. Ele é um de vocês, Gondo, o ferreiro, eu o conheci em


Feoh Raiđō.”

Ainz mostrou os movimentos dignos de um rei que ele teve muito trabalho para prati-
car.

Com o ar de um líder nascido e criado no berço da realeza, ele gesticulou para seu su-
bordinado dar um passo à frente.

Um profundo sentimento de satisfação encheu Ainz quando ele ouviu os suspiros sufo-
cados de reverência vindo dos Dwarfs. Parece que suas longas horas de prática não fo-
ram desperdiçadas.

Agora que Gondo estava aqui, Ainz — que estava de bom humor — mostrou outra pose
de um rei gracioso e cedeu o palco para ele.

“Desculpe, mas poderia entrar na fortaleza e explicar a situação para eles em detalhes?”

“Uhum, pode deixar comigo.”

Gondo avançou para os portões da fortaleza e pediu permissão para entrar, mas os por-
tões não abriram.

“...Qual problema?”

“Eu não sei. Talvez algo tenha acontecido?”

“...É, é realmente ele!? Esse é realmente o Gondo, O Esquisitão? Talvez alguém tenha
usado magia para roubar o rosto dele!”

Ainz franziu a testa enquanto ouvia as vozes dos Dwarfs. Ficar alerta era muito impor-
tante, e até Ainz aprovava isso. Ainda assim, eles não seriam capazes de progredir se
ninguém confiasse neles.

No entanto, ele tinha ouvido algo sobre a possibilidade de encontrar um conhecido aqui.
Se esse fosse o caso, eles seriam muito afortunados.

“Gondo, você pode provar seu conhecimento desta cidade? Dizer coisas como: onde
mora, algo que só uma pessoa que viveu nesta cidade saberia?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


147
“Ah, ohhh, sim... mais tarde vou até te contar uns segredos da esposa dele. Ah, tem um
restaurante chamado Pavilhão da Barba de Ouro Preto! A gerente de lá tem uma cara
que parece uma bigorna. A comida é horrível, mas o guisado até que é bom!”

Os Dwarfs ficaram em silêncio. Ainz olhou para Gondo, que parecia sem palavras. Mas
parecia que ele estava se esforçando.

“Mas você é um idiota! Aquele lugar não é pra comer, é pra beber! Os sabores das cer-
vejas stouts de lá são os melhores!”

“Mentiroso! A cerveja de cogumelo vermelho que é a mais deliciosa!”

“Você não sabe o que diz, o vinho turvo deles é o melhor! Imagine aquela fragrância
borbulhante!”
“Nenhum de vocês tem bom gosto! O melhor lugar pra beber é na Dama Barbuda!”

Ainz fez uma anotação mental de que os Dwarfs gostavam muito da cerveja e então
respondeu:

“E então? Aceitam que este é o verdadeiro Gondo? A propósito, tudo o que viemos fazer
aqui, é informá-los de que os Quagoas estão tentando contornar a Grande Fenda e atacar
essa cidade. Tudo o que precisa fazer é enviar nossa advertência para os responsáveis
em comando. Desta forma, nosso país terá cumprido nosso dever, mesmo que o ataque
dos Quagoas seja brutal. Seria muito perturbador se nos acusasse por não os avisar.”

Vários Dwarfs voltaram para dentro da fortaleza.

Algum tempo passou. Parece que várias pessoas estavam tendo uma discussão.

“Espere aí! Enviaremos um relatório ao nosso Comandante-Chefe!”

De acordo com Gondo, essa pessoa era a mais condecorada e de mais alta patente nas
forças armadas desse país.

Parece que eles perceberam que isso tinha que ir para a sua mais alta autoridade.

“Kukuku~”

Ainz não reprimiu sua risada.

Houve um ruído barulhento, e quando Ainz olhou para sua fonte, ele viu que os Dwarfs
tinham apontado suas balestras sobre ele mais uma vez. A respiração deles estava irre-
gular; eles pareciam estar sobre a influência de emoções poderosas.

Merda. Eles estão com raiva porque eu ri?

Capítulo 3 A Crise Iminente


148
“Me perdoe. Enfim, tudo bem se apenas o Gondo entrar? Ele provou suas origens, não
é?”

“Não, ele não pode, não, não foi permitido, fique aí! Espere aí!”

Ele não estava rindo deles, mas parece que ele os aborreceu do mesmo jeito.

As fortes emoções de Ainz foram suprimidas, mas pequenas ondas emocionais ainda
poderiam passar despercebidas.

Como uma empresa reagiria se um vendedor a quem nunca haviam encontrado antes
sorrira para eles como se escondesse algo? Ainz estava irritado consigo mesmo por não
pensar nisso. O que resultou em atrito desnecessário.

Eu deveria ter mais cuidado...

Ainz pensou enquanto se afastava com Gondo.

E assim eles ficaram lá por algum tempo.

Quando o Jircniv veio me visitar, providenciei refrescos, mobília e fiz todos os tipos de pre-
parativos para recebê-los. Esses Dwarfs não fazem coisas assim? ...Não é isso, as circuns-
tâncias agora são diferentes daquela época.

Em contraste com a visita predeterminada de Jircniv, Ainz era essencialmente um ven-


dedor de porta em porta. Ele deveria ser grato que eles não o expulsaram no local.

Além disso, ele não seria capaz de desfrutar de qualquer bebida que eles lhe dessem,
considerando seu corpo.

Ainda assim, nós demos aos Dwarfs informações muito valiosas. Esperando pelo menos
por uma resposta apropriada. Bem, eu posso usar isso como base para negociação durante
as relações diplomáticas oficiais. Por hora é melhor me contentar com essa situação.

Ainda assim, provavelmente seria melhor mudar as coisas e evitar ofendê-los.

Primeiro, ele pegou uma versão falsa do Cajado de Ainz Ooal Gown. Era uma cópia es-
teticamente perfeita, até no metal usado em sua construção. No entanto, era apenas isso;
não possuía nem um décimo do poder do original, e era simplesmente uma amálgama
com joias que tinham a mesma cor do original.

Ainz imbuiu o cajado com um brilho vermelho, que rapidamente escureceu. Por que ele
deu essa função de ajuste? A obsessão de seus companheiros passados o encheu de irri-
tação.

Não parecia estar ligado à sua própria aura.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


149
Ainz irradiava um halo negro atrás dele, mas, como esperado, a aura do cajado não mu-
dou.

É apenas um efeito visual?

Houve um barulho repentino, que tirou Ainz de seus pensamentos. Quando ele se virou
para olhar a fonte do som, ele viu três Dwarfs sentados no chão.

Eles se pareciam com os Dwarfs que geriam a fortaleza, mas ao mesmo tempo pareciam
mais impressionantes. Na verdade, dois deles estavam mais bem vestidos do que o outro.
Provavelmente era um soldado da fortaleza e os outros dois seriam seus superiores.

...Por que os três estão sentados lá? Ficar sentado pra falar é a etiqueta adequada entre
os Dwarfs? ...Eles estão olhando para mim com os olhos bem abertos. Seria chato se fosse
uma expressão só de Dwarfs.

Suas bocas estavam escondidas por suas barbas, por isso era difícil ver a aparência que
eles tinham em seus rostos.

Ainz, confuso, estendeu a mão para os Dwarfs lá sentados.

Pode-se tomar isso como a intenção de ajudá-los, ou que ele queria apertar as mãos.
Mas, na verdade, ele queria dizer-lhes que preferia conversar em pé.

Era difícil se adaptar à diferentes culturas. Se ele lidasse mal com isso, o outro lado po-
deria se ofender.

Se eles o atacassem com a represália de “Você deveria ter feito alguma pesquisa sobre os
costumes do nosso país desde que deseja formar um relacionamento conosco”, ele não teria
nada a dizer em resposta.

Embora estivesse muito desconfortável com isso, Ainz agradeceu ao seu rosto imóvel e
manteve a mão estendida.

Os Dwarfs olhavam para frente e para trás entre o rosto e as mãos de Ainz, um olhar
preocupado em seus rostos.

Hm? Será que estão com medo de mim? ...Bem, dado que eu pareço assim... não é algo que
posso evitar, não é? Reações como essa são esperadas de sociedades humanoides...

Embora também o tenham temido em E-Rantel, eles não reagiram dessa maneira. Por-
tanto, pode ser que estender a mão de uma pessoa de alta patente fosse indelicado nessa
sociedade.

No final, o preocupado Ainz decidiu saudá-los pela mão.

Capítulo 3 A Crise Iminente


150
Já que eles têm tempo a perder com essa inutilidade, é provável que os Quagoas ainda não
atacaram. Se atacassem, talvez seja possível fazer com que nos devam um grande favor,
mas apenas avisá-los sobre isso já contaria como um pequeno favor, melhor aguentar por
enquanto. Ahh, que pena. Mas qual deles será o líder?

“Olá, eu sou o Rei Feiticeiro Ainz Ooal Gown. Vocês são os cavalheiros que estão encar-
regados de me receber?”

Ele não sabia qual dos superiores era de maior hierarquia, então ele os abordou sem se
comprometer. Então um dos Dwarfs assentiu com força, como se estivesse tentando ti-
rar algo do rosto.

“Ghrum! Eu sou o homem encarregado dos militares—”

“Militares— Entendi.”

Então esse era o Comandante-Chefe? Ainz ficou surpreso. Ele não esperava que o melhor
homem deles viesse pessoalmente.

Será que esse país já ouviu falar do Reino Feiticeiro antes? Ou melhor... foi porque eu
trouxe notícias em um momento muito oportuno?

“—Suponho que a questão dos Quagoas ainda persiste? Eu peço desculpas por fazer
você descer pessoalmente durante este momento inoportuno, Comandante-Chefe.”

Os olhos do Comandante-Chefe se arregalaram.

“Entendo... então, já sabe por que eu vim?”

Do que diabos ele está falando...?

Ainz pensou. Naturalmente, ele não disse isso.

“—Claro. Está correto.”

Ele acenou magnanimamente, da maneira régia que ele havia praticado muitas vezes
antes.

“...Entendo. Bem, como sabe, de alguma forma paramos o avanço dos Quagoas por en-
quanto— não, estamos tentando pará-los no momento.”

“Ho. Hoho — E...?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


151
Ainz queria perguntar ao Dwarf até onde ele pensava que ele (Ainz) sabia sobre a situ-
ação, mas como já havia fingido que estava bem informado, essa abordagem estava fora
de cogitação.

Mas alguma coisa sobre minha pessoa vazou?

Tudo o que ele podia fazer era se agarrar a esse pensamento enquanto aguardava a
resposta.

“Antes disso, ouvi de meus homens que obteve suas informações depois de questionar
alguns Quagoas capturados em Feoh Raiđō. Tem alguma evidência que comprove sua
afirmação?”

“Há Gondo, um cidadão deste país—”

“—Evidência material.”

“Hm, então quer ver os Quagoas que capturei, é isso? Eu posso trazer vários deles e
pode perguntar a eles pessoalmente.”

“Uma resposta imediata... Então parece que vou ter que ser franco... Nesse ritmo, uma
evacuação para Feoh Raiđō será muito difícil.”

“Comandante...!”

Julgando pelo tom de reprovação do homem ao lado do Comandante-Chefe, Ainz ima-


ginou que o Comandante-Chefe estava falando sobre segredos militares na sua frente.
Contudo o Comandante-Chefe calmamente continuou:

“Sua Majestade já sabe tudo. É como ele disse — o fato de que alguém que deveria estar
comandando na linha de frente está aqui, é um sinal mais que claro de um impasse. Como
ele já sabe disso, também deve ser fácil imaginar o que nossas tropas — que não podem
esperar por reforços — pretendem fazer.”

Não, eu estava apenas perguntando por educação...

No entanto, Ainz não podia falar a verdade e, em vez disso, assentiu, da maneira prati-
cada de um verdadeiro governante.

O Comandante-Chefe descreveu o terrível estado em que estavam.

A fortaleza que defendia a Grande Fenda havia caído e eles haviam sido forçados de
volta à sua linha defensiva final. Apenas um portão ficava entre eles e o inimigo, e se
caísse, o inimigo entraria na cidade e muitos Dwarfs morreriam. Enquanto original-
mente planejavam comprar algum tempo para as pessoas fugirem para Feoh Raiđō, ficou

Capítulo 3 A Crise Iminente


152
claro que a sobrevivência de toda a espécie estaria incerta se o plano não fosse radical-
mente alterado.

Depois que Ainz soube das dificuldades que os Dwarfs enfrentavam, ele sorriu em seu
coração. Tudo estava se desenvolvendo em uma direção favorável para ele.

“Que tal isso? Eu vou te emprestar o uso de minhas forças para derrotar os Quagoas por
enquanto. O que me diz?”

O comandante estreitou os olhos, como se quisesse esconder a emoção dentro deles.

“Pode mesmo fazer isso? Mas...”

Tradicionalmente falando, seria necessário colocar os termos de uma transação por es-
crito antes que um contrato pudesse ser assinado. Havia muitas vantagens em lidar com
as coisas dessa maneira. No entanto, se ele livremente emprestasse sua força, ganharia
a gratidão de todos os presentes. Pode-se obter ganhos com um empréstimo que não se
poderia com um acordo por escrito, e Ainz estava mirando nisso.

Entre o tangível e o intangível, o intangível era geralmente mais problemático. Era como
almoçar em um restaurante e pagar quanto seu coração desejar. Havia a chance de pa-
garem um preço muito acima do valor necessário.

A generosidade é muitas vezes semelhante à ganância, hm? Punitto Moe-san disse isso?

“Depois de vir todo esse caminho e me esforçar tanto para encontrá-lo, seria muito pro-
blemático para mim se o país com o qual desejo fazer amizade seja destruído. Não pre-
tende aceitar minha ajuda?”

“...Mas se não tivermos a aprovação do Conselho...”

“Bem, desde que haja tempo suficiente, tudo estará bem. Isto é simplesmente uma
oferta de ajuda da minha parte. A decisão final é sua. É claro que o Conselho deve resol-
ver coisas importantes em uma sessão... mas deve saber como esse tipo de coisa geral-
mente acaba. Reuniões que vão do amanhecer ao anoitecer e, no fim, não dão em nada.
Embora seja uma pena deixar que minha jornada até aqui seja desperdiçada, é algo que
não dará para evitar.”

“...Vossa Majestade, o senhor está confiante em sua capacidade de repelir os Quagoas?”

“Se eles são apenas do calibre que vimos em Feoh Raiđō, então será bem fácil.”

“Mm!”

Ao lado dele, Gondo acenou com a cabeça.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


153
“Claro, aquilo foi antes dos Quagoas invadirem a cidade. Em meio ao caos, é dificil man-
ter as baixas apenas nos inimigos. Eu acredito que não desejaria ficar de mãos atadas
enquanto invadem sua cidade, estou errado? Me corrija se eu estiver errado, mas essa
pequena lacuna de tempo é sua última chance, não é?”

Uma expressão amarga apareceu no rosto do Comandante-Chefe—

“—Quanto mais você tem? Quantos dias mais o portão aguentará?”

As repetidas incisões de Ainz sobre o assunto pareciam ter deixado a mente do Coman-
dante-Chefe ser manuseável à sua vontade.

“...Compreendo. Vossa Majestade, eu rezo para que o senhor nos empreste a força de
sua nação.”

“Comandante-Chefe!”

Outro soldado gritou em voz de pânico, e o Comandante-Chefe olhou-o fixamente.

Então, o Comandante-Chefe pediu uma breve licença a Ainz antes de levar o outro ho-
mem à alguma distância, para que ele não pudesse os ouvir.

Então eles conversaram.

Ele podia ouvir fragmentos de conversas, como “isso é ruim”, “un—”, “Quagoas”, “nós
ainda”, “crise iminente”, “de todo modo” e assim por diante.

A idéia geral parecia ser que seria difícil para eles lidarem sozinhos com os Quagoas,
então deveriam aproveitar essa oportunidade e apostar nela.

Parece que chegou a hora de um último empurrão.

Infundindo força em sua voz, Ainz gritou:

“Ainda não decidiu o futuro da sua nação?”

Parte 3

Havia oito clãs de Quagoas vivendo na Cordilheira Azerlisiana.

Eles eram o clã Pu-Rimidol, o clã Pu-Randel, o clã Pu-Surix, o clã Po-Ram, o clã Po-Shyu-
nem, o clã Po-Guzua, o clã Zu-Aygen e o clã Zu-Riyushuk.

Capítulo 3 A Crise Iminente


154
Os filhos de Pu — um herói da antiguidade — formaram três clãs que levaram seu nome,
e eles rivalizaram com os clãs que se chamavam Po e Zu. Havia pequenas diferenças en-
tre cada clã individual, mas no todo cada um era composto por cerca de 10.000 Quagoa,
totalizando 80.000 Quagoas distribuídos por toda a Cordilheira Azerlisiana.

Agora, se alguém quisesse saber se o povo Quagoa era forte, a resposta era que; eles
não eram.

Mesmo que um clã tivesse 10.000 membros, os Quagoas tinham pouco em termos de
tecnologia ou civilização e estavam classificados entre as raças mais fracas das monta-
nhas. Eles eram pouco mais que alimento para as mais fortes.

Agora, se alguém perguntasse quem era o maior inimigo da raça Quagoa, a resposta
seria os membros dos clãs de sua própria raça. Não, às vezes até os integrantes de seus
próprios clãs poderiam se tornar seus inimigos. Outros monstros viam os Quagoas como
pouco mais que comida. Eles não odiavam os Quagoas, nem competiam com eles. No
entanto, a individualidade Quagoa pensava diferente.

Isso foi devido à maneira como os Quagoas cresciam.

Os minérios e rochas que os Quagoas comiam em tenra idade determinavam suas habi-
lidades na vida adulta. Em outras palavras, desde cedo eles competiam com seu próprio
povo por minérios e metais raros para fortalecer sua linhagem. Assim, os membros de
um mesmo clã eram seus inimigos, mas era natural que o inimigo próximo fosse mais
problemático do que um inimigo distante.

Da mesma forma, os Dwarfs que lutavam contra eles por minérios também eram inimi-
gos, mas era mais provável que os Dwarfs os expulsassem com suas armas encantadas
por efeitos elétricos.

No entanto, em algum momento, um herói de lendas — aquele que superou Pu, o herói
do passado — nasceu.

Ele era o Rei dos Clãs, Pe Riyuro.

Sua força superava em muito a de Quagoas Azuis ou Rubros. Seu poder esmagador per-
mitiu que ele unisse os clãs.

A revolução de Riyuro não parou por aí.

Depois de descobrir uma cidade Dwarf abandonada, ele reuniu os clãs e formou grupos
de combate a monstros. Usaram os Dwarf prisioneiros para desenvolver a agricultura e
a pecuária.

Isso não foi tudo. Normalmente, quando um novo líder de clã nascia, ele exterminaria a
linhagem do líder do clã anterior. Esse era o meio comumente aceito pelo qual o poder

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


155
era trocado dentro do povo Quagoa. No entanto, Riyuro não fez isso. Em vez disso, ele
escolheu deixar os líderes dos vários clãs se governarem. No entanto, Riyuro ordenou
que todos os minérios fossem trazidos para ele. Aqueles que obedecessem a Riyuro e
tivessem um bom desempenho, receberiam minérios raros, independentemente de seu
status.

Por exemplo, os clãs que derrotaram invasões de monstros seriam conhecidos como
corajosos, enquanto os clãs que encontrassem mais ouro ou pedras preciosas ganhariam
mais favorecimento e mais membros. E minérios apropriados seriam a recompensa de
trabalhos bem executados.

A competição contra o seu Rei se transformou em competição entre si. Assim, a vaga de
Rei estava segura.

Ele havia feito todas essas coisas com as quais os Quagoas nem sonhavam para expandir
sua influência e pôr em ação um certo plano.

Esse plano era atacar a cidade Dwarf.

Os clãs reuniram seus melhores guerreiros em resposta ao chamado de seu Rei. Eles
enviaram 2.000 soldados por clã, com uma força total de combate de 16.000 Quagoas.

Este foi um exército nunca antes visto na história. No entanto, mesmo com muita mão
de obra, um ataque direto através da ponte suspensa levaria a baixas horrendas. Isso
não apenas derrotaria o propósito de reunir tais números, mas corria o risco de ser der-
rotado sem ser capaz de derrubar a fortaleza.

Assim, Riyuro ordenou que eles encontrassem uma maneira de contornar a fortaleza.

Embora várias das equipes de reconhecimento não tenham voltado, mas no fim, eles
conseguiram encontrar uma rota para contornar a Grande Fenda. Depois disso, suas tro-
pas se dividiram em três para realizar tarefas.

Um grupo foi designado para encontrar e capturar os Dwarfs em fuga. Essa tarefa foi
dividida entre muitos esquadrões menores.

Um grupo foi designado como a força principal. Eles deveriam conquistar e saquear a
cidade Dwarf. Se o grupo de elite demorasse demais para derrubar a fortaleza, eles in-
terviriam para ajudar.

O último grupo foi preenchido com a elite Quagoa, que derrubaria a fortaleza dos
Dwarfs. Este grupo iria se mover à frente da tropa principal, derrubando a fortaleza e
eles também poderiam ser usados para conquistar a cidade.

O terceiro grupo, a vanguarda, era liderado por um Quagoa chamado Yozu.

Capítulo 3 A Crise Iminente


156
Ele era um dos melhores soldados de Riyuro, um excepcional Quagoa Rubro. Sua mente
era afiada, ele era um lutador capaz e um dos principais candidatos para o lugar de líder
dentro de seu próprio clã.

Mesmo assim, não foi fácil para alguém como ele comandar seu grupo de batalha com
tantos indivíduos de clãs diferentes.

Afinal, as elites dos vários clãs mantinham ressentimentos profundamente enraizados


uns contra os outros. No entanto, mesmo Yozu conseguiu fazer uso disso.

Ao abanar as chamas da competição entre os clãs, ele derrubou a fortaleza.

Sua vitória foi assegurada tomando o caminho de flanco e depois a fortaleza, mas,
mesmo assim, ninguém podia duvidar de sua extraordinária habilidade de comando.

Na verdade, ninguém mais entre os Quagoas poderia igualar sua habilidade como co-
mandante.

E agora, os Quagoas estavam se preparando para dar xeque-mate aos Dwarfs.

♦♦♦

Os primeiros Quagoas entre a vanguarda que atacaram a fortaleza foram as tropas de


assalto compostas dos melhores dos melhores. Esses Quagoas agarraram-se com selva-
geria ao odioso portão, mas não conseguiram rompê-lo.

Mais um passo. Apenas mais um passo e eles poderiam atravessar aquela porta e atro-
pelar seus odiados inimigos, os Dwarfs. Mais um passo, e eles poderiam pegar todo o
domínio por conta própria. Eles estariam classificados em primeiro lugar por suas con-
quistas e, como recompensa, receberiam minério suficiente para que qualquer gula seja
saciada.

No entanto, essa chance foi negada e selada pelo frio portão diante deles.

Os Quagoas tinham um ditado; O verme que se esconde fica maior.

Um dos Quagoas estava com tanta raiva de estar tão perto, mas tão longe que ele tentou
morder o portão. Naturalmente, ele não fez nada além de arranhar a superfície.

Ao vê-lo, vários outros tentaram a mesma coisa.

No entanto, um Quagoa comum não poderia prejudicá-lo em nada. Eles poderiam tentar
por 100 anos e ainda assim não chegariam à lugar algum.

Mesmo quando pensavam em cavar a rocha e contornar o portão, descobriram que as


paredes eram reforçadas por treliças do mesmo metal que compunham o portão.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


157
Os Quagoas comuns não poderiam violar esse portão. As raras elites, como os Quagoas
Azuis ou Rubros, eram mantidas na reserva como uma arma secreta e não seriam atri-
buídos a essas equipes de assalto. Em outras palavras, seu avanço foi brevemente inter-
rompido aqui.

Qualquer um ficaria frustrado ao ser negado sua glória no último momento. No entanto,
eles não estavam ansiosos. Isso porque já haviam reportado isso ao comandante da van-
guarda. Se o Grande Yozu estivesse aqui, ele certamente pensaria em uma maneira que
eles sequer imaginariam.

Mesmo assim, se formaram em clãs para descansar, pois não sabiam quanto tempo le-
varia.

Se fossem tropas regulares, eles poderiam se incomodar e fugir do estresse, ou começar


a lutar com outros clãs. Mas todos aqui eram os melhores dos melhores. Eles descansa-
vam quando chegava a hora de descansar, guardando sua raiva e força para a próxima
batalha.

E então, depois de descansar por algum tempo, os Quagoas de repente olharam para
cima, como se suas cabeças estivessem montadas em molas.

Houve um baixo rangido que soou como se viesse das profundezas da terra, e os portões
começaram a se abrir lentamente.

As tropas de assalto dos Quagoas olharam umas para as outras.

Os Dwarfs selaram os portões em pânico. Por que o abriram de novo? Eles queriam se
render? Havia muitos Quagoas que pensavam dessa maneira e riam ironicamente en-
quanto mostravam os dentes.

Como se eles aceitassem uma rendição.

O plano da raça Quagoa era exterminar os Dwarfs. Eles não dariam aos Dwarfs o tempo
de pronunciar palavras inúteis.

Eles inundariam como uma avalanche pelos portões abertos e matariam brutalmente
todos que encontrassem em seu caminho. Depois disso, eles pisoteariam a cidade sob os
pés e a massacrariam com todas as suas forças.

Uma lacuna se abriu lentamente diante dos Quagoas sedentos de sangue. Ainda era
muito pequeno para passar. Um dos Quagoas assassinos enfiou o braço naquela lacuna.

Ele arriscou suas garras afiadas, tentando matar qualquer Dwarf que estivesse do outro
lado.

Capítulo 3 A Crise Iminente


158
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
159
E então—

“Gyaaaaaaaaah!”

O Quagoa que queria ser o número um gritou e pulou para trás. O braço que ele enfiou
na lacuna desapareceu, onde antes havia um braço agora só restava uma fonte de sangue
fresco.

O choque deles nesse desenvolvimento foi como jogar água fria na chama de sua sede
de sangue.

Era fácil imaginar o que aconteceu.

Com toda a probabilidade, alguém havia cortado o braço com algum tipo de arma, mas
isso era possível?

A habilidade especial dos Quagoas era que eles eram extremamente resistentes às ar-
mas que os Dwarfs normalmente usavam. Durante o ataque surpresa à fortaleza, alguns
deles foram feridos, mas nenhum morreu. Então isso prevaleceria, contanto que eles não
fossem atingidos por ataques elétricos.

Mas então, por que o braço de seu camarada foi cortado?

Havia apenas uma razão para isso.

E essa seria a existência de um espadachim extraordinário, que poderia facilmente cor-


tar o braço de um Quagoa, um membro de uma raça cuja pele e pelagem repeliam todas
as lâminas.

Em outras palavras, havia um guerreiro inimaginavelmente poderoso atrás do portão


que se abria lentamente.

O Quagoa deu um passo para trás, tomado por uma emoção que ainda não sentira na-
quela batalha — medo. Durante esse tempo, a abertura do portão continuou a aumentar.

“Quem te permitiu recuar!?”

Soou de uma voz poderosa da retaguarda da equipe de assalto.

“Não há covardes entre o Clã Pu-Rimidol!”

“Ohhhhh!”

Esse grito de concordância deve ter vindo dos membros do Clã Pu-Rimidol que haviam
sido escolhidos para essa equipe de assalto. Em pânico, aqueles dos outros clãs também
gritaram, proclamando sua força.

Capítulo 3 A Crise Iminente


160
“O Clã Po-Guzua também não conhece covardes!”

“Ninguém do Clã Zu-Aygen perderá para o Pu ou o Po! Como podemos deixar nossos
ancestrais rirem de nós da Terra de Derey?”

Para os Quagoas, os mortos valorosos assistiriam seus filhos prosperarem da Terra de


Derey. Diziam que os ancestrais zombariam daqueles que envergonhavam a si mesmo.

Essas palavras foram o gatilho que reacendeu o espírito de luta dos Quagoas.

Eles arrastaram o Quagoa desmembrado para a parede. As equipes de assalto mantive-


ram distância e tomaram uma formação próxima, pronta para abater esse poderoso es-
padachim.

“Investida! Não importa o quão forte seja, o inimigo tem apenas uma espada! Vamos
bater nele com mais do que ele pode lidar.”

Disse alguém.

“Não, só precisamos esperar o portão se abrir. Quando arrombarmos aquilo, vamos pas-
sar por cima de tudo. Saqueamos a cidade até não restar nada.”

“Então, eu assumo a liderança!”

Havia um mineral chamado Nuran que era esmagado em pó e misturado em tinta. Os


corajosos pegavam essa tinta e desenhavam duas listras na pele como prova de sua bra-
vura.

Os Quagoas reuniram-se atrás de uma dessas corajosas almas. Se ele fosse atingido por
aquela espada, eles ainda poderiam empurrá-lo para dentro.

A abertura no portão era agora grande o suficiente para que um único Quagoa passasse.
Por ainda estarem muito apertados, se irrompessem perderiam soldados por nada se os
Dwarfs os acertassem da entrada com a magias elétricas de agora em diante e fechassem
as portas novamente.

“INVESTIDA!”

Com um grito valoroso, mais de 10 Quagoas começaram a se mover.

O corajoso Quagoa na liderança enrijeceu. Os soldados que o empurravam por trás o


sentiam morto pelo espadachim. No entanto, eles não podiam parar. Se parassem agora,
estariam insultando a coragem de seu camarada.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


161
Por causa disso, os Quagoas de trás avançaram com intensidade obstinada, com a in-
tenção de deixar seu ímpeto levá-los para a cidade dos Dwarfs para saquear e pilhar...

—E então eles pararam.

Não importa o quanto eles pressionassem, eles não conseguiam continuar. Era como se
uma parede espessa e maciça estivesse bloqueando-os.

Um dos Quagoas levantou a cabeça e olhou para a frente.

Era natural se perguntar se os Dwarfs tinham feito uma parede.

Porque, de fato, havia uma parede negra lá.

Todos os olhos deles podiam ver era a parede. E então a parede começou a se mover.

“OHHHHHHHHHHHHHHHH!”

Foi um grito poderoso que fez o ar tremer.

O que eles pensavam ser uma parede era na verdade um escudo gigantesco.

Os Quagoas não tinham histórico do uso de armas ou de armaduras, mas eles tinham
visto os Dwarfs usá-las antes. No entanto, nunca tinham visto nada tão grande. Diante
deles havia um escudo que poderia ser confundido com uma parede.

Quando os Quagoas ficaram perplexos com esse desenvolvimento, a criatura repug-


nante atrás do escudo se revelou.

Era uma criatura embainhada em armadura preta cheia de placas, seus olhos vermelhos
brilhavam de ódio.

Até um Quagoa ignorante podia entender que era maligno, violento — era a própria
morte.

Um som de *Pyun!* soou.

Naquele instante, as cabeças de três Quagoas voaram ao mesmo tempo.

“UUUOOOOHHHHHHHH!!”

O rugido atingiu os corpos dos Quagoas.

O impacto arrepiante fez com que os Quagoas quisessem fugir com toda a força de seus
corações.

Capítulo 3 A Crise Iminente


162
Dentro de suas tribos, eles se consideravam guerreiros corajosos que não temiam a
morte. No entanto, eles nunca haviam imaginado um ser assim em seus sonhos mais
loucos. O monstro diante deles obliterou sua coragem.

E já que era assim, por que eles não fugiram imediatamente?

Isso porque eles não tinham a força para fazê-lo. Seus instintos disseram-lhes que, se
corressem, seriam mortos em um único golpe por trás. Mesmo assim, os olhos daquele
ser negro lembraram os Quagoas de seu desejo de viver.

“OHHHHHHHHHHHHHHHH!”

Esse rugido parecia vir das profundezas da terra. Um Quagoa choramingava em res-
posta e deu vários passos para trás.

E então, como se quisesse aproveitar a oportunidade que se apresentara, outra criatura


idêntica a ele apareceu. E então—

“Hiiiiaaa!”

Um dos Quagoas gritou.

Enquanto olhavam para o dono daquela voz, viram o companheiro que perdera a ca-
beça.

Ele estava morto. Não havia nenhuma dúvida sobre isso. No entanto, seus braços come-
çaram a se mover, como se quisessem algo. Não era um espasmo ou algo assim.

A única conclusão que eles conseguiram foi que o cadáver estava se movendo.

Como se presos em um pesadelo, os Quagoas ainda vivos encontravam-se aprisionados


em uma jaula de medo.

Um clangor duplo veio da armadura maciça, e então saíram duas espadas idênticas e
bizarras; flamígeras.

♦♦♦

“Então, de acordo com o relatório da equipe de assalto, eles ainda não encontraram uma
maneira de derrubar o portão, correto?”

“Sim!”

O Quagoa, cuja pele estava manchada de rubro, franziu a testa enquanto ouvia o relató-
rio de seu subordinado.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


163
Era Yozu, comandante da vanguarda Quagoa. Sua pelagem que era tão resistente
quanto o orichalcum e sua resistência às armas de metal era ainda maior do que a de um
Quagoa normal. Ele era um membro superior de sua espécie, um Quagoa Rubro.

Yozu desviou os olhos de seu subordinado para a fortaleza do outro lado da ponte sus-
pensa. Além da fortaleza havia um túnel e, depois do túnel, a cidade Dwarf.

Depois de conquistá-la, eles teriam uma boa localização para uma base e toda a compe-
tição por minérios também seria eliminada ao mesmo tempo.

A combinação de território expandido e uma quantidade sem precedentes de minérios


e minerais tornariam os Quagoas fortes.

Uma vez que isso acontecesse, os Quagoas algum dia viriam a governar toda a cordi-
lheira.

“Se ao menos pudéssemos derrotar aqueles Dragões...”

Yozu olhou em volta preocupado depois de acidentalmente deixar escapar seus verda-
deiros pensamentos.

Se alguém reagisse, eles não dariam absolutamente nenhum sinal.

Isso deixou Yozu pouco à vontade.

Os Quagoas tinham tomado a antiga capital Dwarf como sua base.


[Soberano
O Palácio Real ainda dava orgulho à cidade, mas agora era o domínio do White
Dragão Branco]
Dragonlord. Ele era um Frost Dragon, que por sua vez, possuía o sopro congelante.

Os Quagoas forjaram uma aliança com os Frost Dragons. No entanto, qualquer um que
soubesse um pouco sobre a verdade, saberia que isso não era nada parecido com um
relacionamento igualitário. O Rei dos Clãs poderia ter feito um elogio dizendo que era
para prosperidade mútua e tudo mais, mas nem mesmo o próprio Rei acreditava no que
estava dizendo.

A verdade era que os Dragões eram fortes e seus servos, os Quagoas, eram fracos.

Para os Dragões, os Quagoa eram pouco mais que rações de emergência ou peões con-
venientes.

Yozu uma vez conheceu os Dragões na presença do Rei dos Clãs, e essa foi a impressão
que ele teve depois de ouvir a voz poderosa que emanava de sua enorme mandíbula. Ele
também ficou chocado com a visão de seu Rei rastejando diante dos Dragões.

Capítulo 3 A Crise Iminente


164
Ele não queria ver um grande herói reduzido àquele estado, mas Yozu não era estúpido.
Ele entendia profundamente a diferença insuperável entre a força dos Dragões e os Qua-
goas.

Mesmo assim, ele não podia permitir que os Dragões os tratassem como idiotas.

...Não podemos fazer nada sobre isso agora. Se lutarmos contra aquele Dragonlord, a raça
Quagoa sofrerá danos irrecuperáveis, mesmo se vencermos. Mas... algum dia.

Ele não era o único segurando esse desejo em seu coração. Todos os Quagoas que co-
nheceram os Dragões — em outras palavras, todos os Quagoas pertencentes à alta hie-
rarquia — tinham o mesmo desejo.

Para começar, eles precisavam encontrar uma maneira de se tornarem imunes ao sopro
congelante. Se Quagoas assim não nascessem, eles sofreriam perdas terríveis.

A busca por esse caminho levaria muito tempo.

Yozu varreu suas emoções sombrias. Agora, ele tinha que destruir os Dwarfs. Isso não
havia sido feito ainda. Seria tolice deixar que a preocupação com o futuro afetasse o que
ele poderia fazer no presente.

Yozu convocou seus subordinados.

“Ei, destrua a fortaleza e veja se podemos ampliar as paredes do túnel para deixar mais
dos nossos entrarem. Precisamos nos preparar o máximo possível antes que a tropa
principal—”

De repente, as orelhas de Yozu se levantaram. Ele pensou ter ouvido um grito de algum
lugar.

Não, aquilo não poderia ser um grito. Talvez seja um barulho ameaçador feito por um
monstro. O problema de estar no subsolo era que era muito difícil dizer de onde os sons
vinham.

Desta vez, no entanto, ele soube instantaneamente.

Isso porque ele viu os Quagoas da tropa de assalto fugindo da fortaleza enquanto grita-
vam a plenos pulmões.

Um burburinho veio do Quagoa ao redor de Yozu.

Dado o estado dos Quagoas que haviam retornado, ficou muito claro que estavam ater-
rorizados e confusos. Vários Quagoas até empurraram seus companheiros por trás, e o
último caiu na Grande Fenda.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


165
“O que está errado? Uma emergência?”

Um dos subordinados de Yozu respondeu:

“Não temos certeza. Poderia ser um contra-ataque dos Dwarfs?”

Isso não era possível. Um contra-ataque estava bem dentro da faixa esperada de res-
postas. Não faria com que as equipes de assalto fugissem em pânico.

Deve ter sido algum tipo de ataque especial. Yozu ouvira uma vez que o óleo fervente
era muito doloroso.

“Reúna os soldados e descubra o que está acontecendo. Se for um contra-ataque dos


Dwarfs, continue o avanço. Não devemos deixá-los tomar a fortaleza de volta.”

Os soldados de Yozu formaram um grupo seguindo suas instruções e começaram a atra-


vessar a ponte.

Os gritos continuaram durante esse tempo, e a equipe de assalto continuou fugindo.

Do que eles estavam fugindo? Seria o resultado do misterioso poder chamado magia?

Enquanto Yozu pensava sobre o assunto, um par de silhuetas apareceu no portão da


fortaleza.

Eles eram grandes, negros... eram coisas.

“—O que são eles? Dwarfs Gigantes? Dwarfslords?”

Yozu nunca tinha visto tais seres antes. Embora ele soubesse que os Dwarfs usavam
armaduras como parte de seus equipamentos, e que alguns conjuntos de armaduras co-
briam todo o corpo, o que ele via agora era completamente diferente do que havia visto
no passado.

Nas mãos direitas, eles carregavam grandes espadas onduladas, enquanto na esquerda
tinham escudos enormes.

Dado que o Rei dos Clãs era um pouco diferente de um Quagoa comum na aparência,
um Dwarflord provavelmente parecia diferentes de Dwarfs comuns.

Yozu não conhecia a verdadeira identidade dos seres que se encontravam na entrada
da fortaleza, como as estátuas de Niō. No entanto, seus instintos animais os diziam que
eram entidades perigosas.
Ele também entendia o porquê as equipes de assalto haviam fugido daqueles monstros
com todas as suas forças.

Capítulo 3 A Crise Iminente


166
Seus subordinados ao seu redor estavam todos congelados em choque, assim como ele
estava. Os únicos seres que ainda se moviam eram os Quagoas correndo da fortaleza.
Eles não olharam para trás; suas energias estavam totalmente focadas em cruzar a ponte
suspensa.

Os seres trajando armaduras negras rugiram.

Mesmo a uma distância tão grande, o grito rasgou o ar e fez o pêlo ficar arrepiado. As
entranhas de Yozu se aglutinaram e ficaram frias. Foi como sentir o rugido de um Dragão
em todo o seu corpo.

Como se esperando por esse sentimento, ele viu os Quagoas se levantarem lentamente
ao lado das armaduras negras.

Eles escaparam? Será que nos traíram? Não, isso não é—

Os olhos de Yozu se arregalaram.

Um dos Quagoa que ele viu estava sem a cabeça.

Ele apertou os olhos para tentar aguçar sua visão, e viu que vários Quagoa estavam com
suas entranhas expostas, enquanto outros pareciam estar cambaleando de uma maneira
descoordenada, as metades esquerda e direita de seus corpos saindo de sincronia, como
se tivessem sido cortadas ao meio.

Seres que se moviam mesmo quando não podiam estar vivos.

Magia! Magia que controla os mortos!

“Essa é a arma secreta dos Dwarfs?”

Yozu concordou com o que seu subordinado dissera.

Eles tinham um ás na manga além de armas encantadas com efeitos elétricos?

“...Serão Golems?”

Foi dito que quando o Dragão tomou posse do Palácio Real, ele lutou contra monstros
com esse nome. Aparentemente, pareciam estátuas blindadas.

“Aqueles são o que os Dwarfs chamavam de Golems?”

Yozu balançou a cabeça com a pergunta do subordinado.

“Não, Golems são monstros. Os Dwarfs provavelmente criaram aqueles.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


167
“Igual os Nuks que domamos?”

Nuks eram feras mágicas.

Os machos tinham 3,5 metros de comprimento e pesavam 1200kg. Eram herbívoros


peludos quadrúpedes que podiam sobreviver mesmo se alimentando uma pequena
quantia de algas. Eles eram fortes o suficiente para sobreviver em nevascas pesadas, en-
tão muitos monstros na Cordilheira Azerlisiana alimentavam-se deles.

De todo modo, não havia como dizer o quanto aqueles Golems negros poderiam lutar,
mas considerando os Quagoas em fuga e o número reduzido de equipes de assalto— não,
mais do que isso, os arrepios de Yozu e seu suor frio já lhe diziam tudo que precisava.

Derrotá-los não seria fácil, mas felizmente eles pareciam estar observando-os de longe
e sem tentar atravessar a ponte.

“Parece que vieram para recuperar a fortaleza.”

“S-sim, isso mesmo. Tudo bem, formem-se novamente enquanto ainda estiverem para-
dos. Quando o fizerem, vamos nos preparar para— eles estão se movendo!”

Os seres trajando armaduras negras começaram a correr, fazendo uma investida e atra-
vessando a ponte suspensa.

“Quem foi que veio com aquela idéia!? Quem disse que estavam lá para recuperar a for-
taleza?”

“Comandante! Agora não é a hora para isso! O que vamos fazer!?”

O Quagoa que o Yozu havia enviado mostrou suas garras, estava pronto para a batalha.

Os seres trajando armaduras negras se protegeram com os escudos e foram através dos
caminhos que fizeram contato com os Quagoas.

Arremessados ao ar pelo poder esmagador, muitos Quagoa caíram da ponte suspensa.


Os seres trajando armaduras negras não pararam. Embora diminuíssem um pouco a ve-
locidade, continuaram a investida com escudos levantados, como paredes enlouqueci-
das.

Se isso continuasse, eles logo atravessariam a ponte completamente e alcançariam a


base.

E então, quando isso acontecesse... o que aconteceria? Percebendo o perigo mortal que
o esperava, Yozu gritou.

“Cortem, CORTEM A PONTE!”

Capítulo 3 A Crise Iminente


168
Se destruíssem a ponte, a força principal só seria capaz de usar a rota de flanco, e isso
desperdiçaria muito tempo. Os Dwarfs provavelmente fortaleceriam sua defesa no ínte-
rim. Assim, pode-se considerar seu primeiro objetivo de levar a fortaleza tendo fracas-
sado.

Após a perda de mão de obra e recursos durante esta operação, a falha não seria uma
questão que poderia ser simplesmente dispensada por uma repreensão. No entanto,
tudo isso empalidecia em comparação com o perigo de deixar aqueles seres trajando
armaduras negras atravessarem a ponte.

Se eles chegassem na base de comando, todos aqui morreriam. Este era o perigo que os
seres trajando armaduras negras representavam.

“EU JÁ NÃO DISSE!? CORTEM A PONTE!”

O Quagoa não pôde deixar de ver os seres trajando armaduras negras esmagando seus
soldados com seu poder inimaginável. No segundo grito, eles finalmente conseguiram se
mover. No entanto, quase todos os Quagoas que haviam sido enviados pela retaguarda
foram jogados voando para o abismo, e restaram apenas alguns Quagoas na ponte para
enfrentar estes inimigos temíveis.

Todos aqueles Quagoas mordiam e arranhavam desesperadamente os cabos de aço que


sustentavam a ponte.

“Coloque uma das equipes de assalto para estancar seu avanço!”

Serem ordenados a parar os Golems logo depois de ouvir o comando para destruir a
ponte não soava diferente de uma missão suicida. Mesmo assim, um esquadrão suicida
se reuniu imediatamente e saiu corajosamente.

Como esperado, o esquadrão suicida ricocheteou nos escudos, mas alguns deles conse-
guiram passar e atiraram-se sobre os seres trajando armaduras negras. No entanto, es-
tes seres não davam atenção a isso. A mordida não parecia machucá-los, e eles continu-
aram seu avanço.

A ponte ainda não caíra.

Se isso continuasse, os seres trajando armaduras negras atravessariam tudo.

Quando Yozu percebeu isso, seu corpo começou a se mover por conta própria. Ele sal-
tou do seu posto de comando bem acima, e usou a força de seu pouso e a agudez de suas
garras para soltar os cabos de aço da ponte.

Um grande clangor de *ping* atravessou o ar.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


169
A ponte suspensa subiu como uma onda gigantesca e então, caiu e se despedaçou.

Yozu não conseguiu manter o equilíbrio durante o estrondoso ricochete proveniente da


ponte suspensa e foi atirado ao ar. No entanto, ele conseguiu pegar um cabo que dançava
no ar antes de ser engolido pela escuridão que se abria debaixo dele. Como Yozu não
conseguia controlar seus movimentos no ar, isso fôra um golpe de sorte inimaginável
para ele. Ele puxou-se ao longo do cabo enquanto seu corpo balançava no ar, e conseguiu
fazer contato com a borda do penhasco.

Mas nem sequer teve tempo para recuperar o fôlego. Um frio malévolo encheu seu
corpo. Yozu ouviu seus instintos e se jogou de bruços.

Naquele instante, um objeto gritando varreu o pelo nas costas de Yozu. Inacreditavel-
mente, esse objeto era um Quagoa voador. Sob essas circunstâncias terríveis, os seres
trajando armaduras negras tinham conseguido arremessar um dos membros do esqua-
drão suicida em Yozu com sua ridícula força muscular.

O Quagoa arremessado por eles atingiu um dos soldados de Yozu, que ainda estava con-
gelado em estado de choque. Os dois se desintegraram em pedaços de carne sangrenta
com um grito breve e agonizante de “Pigya!”.

No entanto, isso foi tudo, porque o esquadrão suicida e os seres trajando armaduras
negras desapareceram na Grande Fenda.

O silêncio encheu o ar.

Yozu olhou devagar para a escuridão da Grande Fenda. Ele não foi o único a fazê-lo.
Todos os sobreviventes olharam para a escuridão que havia engolido tudo. Todos eles
sabiam que não havia sobreviventes àquela queda; mesmo assim, eles não podiam apa-
gar o medo de imaginar que os seres trajando armaduras negras viessem subindo pelos
lados do abismo.

Depois do que pareceu uma eternidade, Yozu finalmente suspirou de alívio.

Parecia que não retornariam.

Olhando em volta, viu que havia poucos, e preciosos, soldados que sobreviveram.

Mesmo assim, o fato de terem sobrevivido contra os seres trajando armaduras negras
era digno de elogios.

“Vamos bater em retirada!”

Se não relatassem sobre aqueles Golems para aqueles no topo, as coisas seriam muito
ruins para eles.

Capítulo 3 A Crise Iminente


170
Se aquelas coisas fossem produzidas em massa, seriam os Quagoas quem seriam ani-
quilados. Yozu não achava que houvesse apenas dois deles.

“...Quão temíveis esses Dwarfs são.”

Yozu lamentou profundamente por subestimá-los. Por não pensar que eles sabiam
como produzir tais monstros—

“Rápido, precisamos informar o corpo principal sobre isso. Mensageiros!”

Os soldados que vieram correndo em resposta ao chamado de Yozu foram a Cavalaria


dos Quagoas, que ultrapassaram em muito um Quagoa mediano em mobilidade. Eles
possuíam uma habilidade especial que os tornava imunes à fadiga causada pela corrida
prolongada.

A razão pela qual ele chamou tantos foi porque mover-se em pequeno número incorria
no risco de todo o grupo ser eliminado por uma emboscada de monstros. Isso não quer
dizer que mover em grupos garantisse a segurança, mas não importava quantos morres-
sem, o importante era que ao menos um deles sobrevivesse para passar sua mensagem
para o quartel-general.

“Rápido! Vão! Não se esqueçam, sua missão é muito importante!”

Yozu deu outra ordem enquanto os assistia sair.

Escusado será dizer que era para eles retornarem imediatamente e se reunirem com o
Rei dos Clãs.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


171
Capítulo 04: O Artesão e a Negociação

Capítulo 3 A Crise Iminente


172
Parte 1

s dois Death Knights conjurados desapareceram do outro lado dos portões.

O Eles rugiram em antecipação ao alegre massacre e os gritos dos agonizados


ecoavam. Quando os portões se fecharam devagar, a espessura das portas
duplas fez com que os sons de carnificina do outro lado se tornassem pouco
mais que cócegas nos tímpanos.

“As coisas devem ficar bem por enquanto.”

Havia um limite de tempo para os Death Knights que não fossem feitos com cadáveres.
Mesmo assim, se as estimativas da força de combate dos Quagoas cativos fossem preci-
sas, eles deveriam ser capazes de derrotar uma porção considerável da oposição, mesmo
sem saber o número de seus oponentes. Se o inimigo não fosse incompetente, eles cer-
tamente recuariam para se reagrupar depois de sofrerem perdas significativas.

Espero que eles não recuem. Se construíram um acampamento, então o perigo ainda é
bem tangível. Dessa forma, a nação dos Dwarfs terá que trabalhar conosco. Eu devo orde-
nar que os Death Knights se segurem por agora... é irritante ganhar por uma margem
muito grande.

Enquanto Ainz contemplava esses detalhes em silêncio, ele olhou para o Comandante-
Chefe, que estava olhando para ele com um sorriso no rosto. Ainz não tinha idéia do por-
quê ele tinha aquele sorriso nascido de terror em seu rosto — e naquele momento uma
lâmpada imaginária acendeu acima da cabeça de Ainz.

Ele já deve ter se acostumado com a minha aparência, provavelmente é por causa dos
Quagoas gritando lá fora. Bem, é verdade que o lamento dos moribundos pode ser um
pouco perturbador.

Sendo assim, Ainz sentiu que não deveria se importar tanto com os gritos do inimigo.
Já que, ele não seria humano — muito menos um Dwarf — caso não pensasse assim.

Mas como alguém assim pode ser um comandante de guerreiros? Isso é um pouco preocu-
pante.

Ele sabia que estava pensando muito sobre isso, mas Ainz continuou olhando para o
Comandante-Chefe. Neste momento, Gondo se aproximou dele.

“Então, Vossa Majestade. Eu devo retornar para casa um pouco.”

“Ahh. Então, você vai me ajudar a resolver as coisas quando terminar seus afazeres?”

“Claro. Adiantarei as coisas e enviarei as respostas. Se eu não terminar à tempo, será


muito problemático? Posso contar com suas magias se algo acontecer?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


173
Ainz estendeu o punho fechado e cumprimentou Gondo. Eles conversaram sobre mui-
tas coisas antes de vir para cá, e parece que foi eficaz.

Gondo... você realmente fala demais...

Ele tendia a monopolizar a conversa e falava com tanta frequência que parecia intermi-
nável. Isso deve ter sido o resultado de estar obcecado com a arte quase perdida do ofício
rúnico, ainda mais por ter sido ostracizado. Foi por isso que ele continuou falando sobre
o assunto para Ainz — que tinha interesse no assunto — como uma represa explodindo.

Ainz podia entender como ele se sentia, porque havia momentos em que Ainz também
queria conversar com pessoas que compartilhavam seus interesses. No entanto, Ainz
não estava acompanhando este longo monólogo pela gentileza de seu coração.

Gondo bateu levemente na mochila mágica e começou a se afastar.

O Comandante-Chefe parecia ter algo a dizer a Gondo, que já estava se retirando, mas
ele não o chamou.

“Então, o que devemos fazer agora? Devemos esperar um pouco antes de abrir o portão
e inspecionar os resultados da batalha?”

O Comandante-Chefe deve ter antecipado a pergunta de Ainz. E respondeu instantane-


amente, como se já tivesse preparado a resposta de antemão.

“É profundamente desrespeitoso ter o soberano de uma nação esperando aqui. Sinto


que devemos seguir para a Câmara do Conselho e apresentar sua sugestão a todos.”

“Por que não dar uma olhada nos resultados?”

“Eu acho que a introdução de Vossa Majestade é mais importante. Enviei uma mensa-
gem ao Conselho enquanto os Quagoa estavam atacando. Eles provavelmente ainda es-
tão se atrapalhando com alguma forma de lidar com a situação agora. Eu sinto que de-
vemos nos apresentar com novas informações antes que entrem em pânico e distribuam
ordens ruins.”

“Entendo. Nesse caso, não tenho objeções. Por favor, continue.”

“Entendido. No entanto, as feras mágicas de Vossa Majestade certamente aterrorizarão


o povo comum. Me envergonha perguntar algo assim, mas você poderia mantê-las por
aqui? Nós cuidaremos delas da melhor maneira possível se nos informar o essencial...”

Ainz olhou para Aura, que assentiu.

“Entendo. Então elas vão esperar aqui.”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


174
Ainz indicou a um canto da guarnição com um dedo ossudo, e o comandante concordou
com a cabeça.

“Além disso, não há necessidade de cuidado algum. Meu pessoal cuidará. Apenas três
dos meus seguidores me acompanharão.”

Ainz selecionou Shalltear, Aura e Zenberu. Ele ordenou que os demais esperassem aqui.

O Comandante-Chefe pareceu um pouco aliviado. Parece que ele não queria que os
undeads caminhassem pelas ruas.

“Então, vamos?”

“Ah, por favor.”

Ainz e companhia caminhavam orgulhosamente pela cidade Dwarf, liderados pelo Co-
mandante-Chefe. Uma quantidade quase dolorosa de olhares curiosos se concentrou
nele, já quando as mães Dwarfs viram Ainz, elas esconderam seus filhos dentro de casa.
Isso o deixou um pouco desapontado.

Claro, ele poderia ter sido menos óbvio se quisesse.

Se ele tivesse colocado uma máscara, menos pessoas teriam olhado para ele. Dito isto,
havia uma razão pela qual ele não escolheu cobrir o rosto.

Foi porque ele quis anunciar sua chegada na cidade Dwarf. Não era muito provável que
houvesse um jogador nas nações Dwarfs já que precisaram procurar ajuda externa con-
tra uma invasão como essa. No entanto, pode haver jogadores de baixo nível aqui ou
itens que eles deixaram para trás.

Como aquele cristal de selagem de magia.

Para evitar ser atacado por esses itens, ele teria que evidenciar sua visita de uma ma-
neira franca. Desta forma, eles não seriam capazes de resolver as coisas clandestina-
mente.

Além disso, embora ainda não tivesse decidido que tipo de partido embaixador ele en-
viaria, era bem provável que acabasse usando seres undeads para esse propósito. Por-
tanto, ele queria deixá-los se acostumar com isso.

“Ainda assim, ninguém parece preocupado, apesar da extensão da invasão Quagoa.”

Ainz fez este comentário ao Comandante-Chefe depois de ver dois Dwarf ruivos cam-
baleando para fora de uma taverna, os braços em volta dos ombros um do outro.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


175
O cheiro inconfundível de álcool os cercava.

“Isso é porque as pessoas não sabem que os Quagoas atacaram.”

“E... por que isto?”

O senso de autopreservação deles parecia ser terminalmente defeituoso.

O Comandante-Chefe parecia ter lido a mente de Ainz e ele respondeu:

“Os Quagoas avançaram muito rápido, então a informação não se espalhou. Depen-
dendo da decisão do Conselho, deve começar a se espalhar dentro de uma hora.”

“Hm. Bem, eu ordenei aos meus subordinados que retomassem a ponte, então, uma vez
que façam isso, a cidade estará segura por enquanto, não? Este é um fator muito impor-
tante para quando começarmos o comércio com este país.”

“Isso é difícil de dizer. Dado o tamanho da força inimiga, não sabemos quando a oposi-
ção começará avançar com seriedade. Assim que retomarmos a ponte, precisaremos so-
lidificar nossas defesas, investigar as rotas de flanco e planejar uma estratégia contra
eles.”

Ainz sorriu maldosamente dentro de seu coração.

Parecia que haveria muitas chances de vender favores neste país no futuro. Sendo esse
o caso, pode ser melhor não mudar as ordens de seus Death Knights para retomar a
ponte.

“—Quê!?”

A voz de Ainz fez os ombros do Comandante-Chefe tremerem.

“Hiiiee! O que, o que é, Vossa Majestade!?”

“Não é nada. Apenas pensei alto. Não há necessidade de se preocupar. Não há necessi-
dade de perguntar mais nada.”

Ainz enfatizou essas palavras em tons de ferro para encerrar as perguntas do outro
homem.

Essa reação — que era bem diferente de Ainz — foi porque ele havia perdido a compos-
tura.

Não houve resposta dos dois Death Knights que ele havia feito, que deveriam estar nas
proximidades de Feoh Jēra.

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


176
Havia apenas uma conclusão que ele poderia tirar dessa conclusão chocante.

Os Death Knights foram derrotados.

Hoh!

Os Death Knights eram bastante fracos para Ainz. No entanto, pelos padrões deste
mundo, eles eram oponentes formidáveis até mesmo para os membros mais poderosos
de uma nação. Qualquer um que pudesse derrotar dois temíveis cavaleiros como aqueles
deve ser muito poderoso.

Além disso, seus sinais de presença haviam desaparecido quase ao mesmo tempo.

Teriam eles sido destruídos simultaneamente como parte de um plano cuidadosamente


planejado?

Alguém tinha acabado com uma magia de efeito de área?

Um indivíduo poderoso simplesmente os obliterou de uma só vez?

Qualquer que seja a resposta, havia certamente outro ser poderoso presente, claro, sem
contar a bizarra magic caster mascarada que ele havia encontrado na Capital Real.

Alguém que pudesse derrotar os Death Knights, ordenados a se defender, provavel-


mente estaria acima do nível 45.

“Isso significa que eu fui descoberto?”

O Comandante-Chefe olhou para Ainz em resposta a seus resmungos, mas Ainz não teve
tempo para se preocupar com ele.

Um ser desconhecido e poderoso... era mais provável que fosse um jogador. Se um ini-
migo do nível de Ainz tivesse chegado a este mundo, míseros dois Death Knights seriam
brincadeira de criança.

Se há uma entidade relacionada aos jogadores aqui e que não está conectada aos Dwarfs,
isso significa que eles estão do lado dos Quagoas? Será que estão relacionados com as pes-
soas que fizeram lavagem cerebral na Shalltear?

Fogo ardente queimava em seu peito.

Até então, as brasas ardiam em um furioso inferno, como se alguém tivesse derramado
gasolina sobre elas. No entanto, foram rapidamente suprimidas.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


177
“Não, não é possível. Se eles tivessem um vínculo, a essa cidade já teria caído há muito
tempo. É mais provável que seja uma pessoa poderosa deste mundo. Mas ainda é cedo
para tirar conclusões. Sendo esse o caso, preciso alterar meus planos.”

Ainz originalmente esperava que a guerra entre os Quagoas e os Dwarfs continuasse.

Com os seus inimigos, os Quagoas, diante deles, os Dwarfs podem muito bem escolher
se juntar à bandeira de Ainz. No entanto, deixar os Quagoas agirem por conta própria —
dando-lhes muito tempo — seria muito perigoso.

Se eles fossem uma raça que habitualmente gerava indivíduos poderosos, então, no mo-
mento eles poderiam ser capazes de ter matado os Death Knights, mas quem sabe quais
outros seres eles destruiriam no futuro? Agora — enquanto ele ainda pode lidar com
eles — a melhor coisa seria escravizá-los ou aniquilá-los completamente.

Este último pode ser o melhor curso de ação.

Idealmente, agindo nas sombras eu seria capaz de subjugar os Quagoas e fazê-lo ameaçar
os Dwarfs, mas... Um único passo em falso poderia levar a um erro fatal. Seria mais seguro
não fazer isso.

“Vossa Majestade, a Câmara do Conselho está logo ali.”

Quando ele se virou para olhar na direção em que o Comandante-Chefe estava apon-
tando, um prédio grande — certamente grande para um Dwarf, mas considerável até
mesmo para os padrões de Ainz — apareceu.

O comandante falou brevemente com os guardas na porta e deixaram Ainz e os outros


passarem sem inspeção.

A razão pela qual eles renunciaram à inspeção para Ainz e companhia enquanto ainda
olhavam descaradamente para Ainz, era certamente porque o comandante havia exer-
cido sua autoridade.

“Então, Vossa Majestade, farei um relatório completo ao Conselho. Posso incomodá-lo


para esperar aqui por um tempo?”

Não havia motivo para se opor. Mais ao ponto, pode ser problemático se ele não explicar
a contribuição de Ainz para esta nação.

“Onde vamos esperar, então?”

O Comandante-Chefe olhou para um dos guardas Dwarfs e o homem deu um passo à


frente.

“A-a sala de espera é por aqui. Per-permita-me acompanhá-lo até lá.”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


178
“Perfeito. Eu contarei com você.”

O Dwarf — que tremia tanto no corpo como na voz — levou-os a uma sala um pouco
apertada. Novamente, provavelmente não teria sido apertado para um Dwarf. Era ade-
quada para o tamanho de Aura e Shalltear. No entanto, Zenberu estava junto, que logi-
camente era de grande estatura. Ficar apenas esperando na sala parecia muito claustro-
fóbico para ele.

Dado que o soldado tinha dado uma olhada em Zenberu antes de trazê-lo aqui, esta deve
ter sido a maior e mais luxuosa sala VIP neste prédio. Com certeza, os ornamentos em
torno dela foram todos primorosamente trabalhados e parecia que poderiam realmente
se mover de tão realistas.

Ainz já havia feito Avataras de seus companheiros passados, então as apreciava profun-
damente dada dificuldade de fazer estatuárias tão intricadas. Era possível que algo pa-
recesse bonito de perfil, mas fosse feio quando visto de frente.

Ainz pegou uma estatueta — um Dwarf montado nas costas de um lagarto.

É óbvio que os Dwarfs têm uma habilidade excepcional. Eu gostaria de ter essas habilida-
des... Será que eu poderia refazer os Avataras? Se eu pudesse, seria capaz de fazer algo
melhor depois de praticar? —Enfim.

Ainz decidiu se dirigir a Zenberu, que parecia nitidamente fora de lugar aqui.

“Zenberu, continue conosco por um pouco mais de tempo.”

“Ah, Vossa Majestade, eu gostaria de ficar aqui, se me permitir. Sendo sincero, fico até
com dor de cabeça ao conversar com pessoas importantes.”

Uma estranha reviravolta. Era diferente de como ele tinha estado durante a viagem até
agora. Talvez ele tivesse mudado seu tom porque chegara ao Reino dos Dwarfs.

“...Você é o supervisor de uma tribo, estou correta ~arinsu?”

“Shalltear-sama, alguém pode ser bom ou ruim em várias coisas, sabe como é— quero
dizer, a senhora certamente está ciente disso. Além disso, eu me sentiria mal se eu inco-
modasse Sua Majestade.”

Ainz entendeu as intenções de Zenberu, mas ele balançou a cabeça em negação.

“Não, eu vou levar você junto. Se algo acontecer, não poderei protegê-lo se estiver muito
longe. Eu não acho que realmente haverá algum perigo, mas o descuido é para os tolos.
Pelo que sabemos, podemos estar dentro da palma do inimigo. Lembrem-se disso em
todos os momentos.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


179
“Sim! Eu gravarei isso a ferro quente no meu coração ~arinsu!”

Apesar de Ainz não sentir que os Dwarfs prejudicariam alguém que salvou seu país, ele
repetiu por segurança.

O que é isso? Shalltear está respondendo muito bem hoje. Aconteceu alguma coisa?

“Ah, então, Vossa Majestade... O que devo fazer?”

“Hm? Apenas fique lá e nos escute, Zenberu. Não importa o que aconteça, não se envolva
em nenhuma luta.”

Ainz assentiu quando Zenberu indicou que entendeu.

“Muito bom. Agora, — Aura, Shalltear, podem inspecionar minhas roupas e verificar se
estão amarrotadas?”

O soldado Dwarf que veio mostrar o caminho chegara logo depois que as duas termina-
ram de inspecionar os trajes de seu mestre.

♦♦♦

Ainz foi levado a uma sala onde os Dwarfs esperavam.

Resplandecente em sua panóplia completa, Ainz avançou de peito empinado. Suas cos-
tas estavam retas, cabeça erguida e seu porte era o de um rei. O brilho obsidiana da aura
atrás dele brilhava suavemente, algo como um perfume. Certamente ninguém iria des-
prezá-lo depois de todos esses preparativos.

Ele manteve a varinha — que substituiu o cetro real — em sua cintura. Foi infundida
com uma magia de 1º nível, mas como ele não tinha intenção de ativá-la, não deveria
causar nenhum problema.

Depois de olhar para si mesmo de cima a baixo, ele sentiu que essa indumentária estava
um pouco em desacordo com o objetivo de buscar relações amistosas, mas Aura e Shall-
tear aprovaram fortemente isso.

O problema era que as duas tinham grande consideração por Ainz, então ele se sentiu
desconfortável em confiar em suas opiniões.

Assim, ele perguntou Zenberu qual opinião ele tinha sobre isso.

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


180
Depois de alguma inquietação — de ser questionado sobre algo que estava fora de seu
campo de expertise — Zenberu finalmente disse algo como “Seu traje certamente inspi-
raria admiração em qualquer um que o ver”. Ainz considerou essas palavras e veio para
cá.

No entanto, os Dwarfs que encontrou ficaram pálidos, suas posturas estavam inquietas
com nervosismo. Claro, isso também foi uma reação apropriada a um rei.

“Anunciando a chegada de Sua Majestade, o Rei Feiticeiro!”

Ele podia ouvir um Dwarf anunciador do outro lado da porta.

Quando a porta se abriu, Ainz entrou na câmara.

Parecia uma sala de reuniões e havia oito Dwarf ali.

Aliás, ele havia aprendido seus nomes, seus postos, sua aparência e características atra-
vés do Comandante-Chefe.

Havia o Sumo Sacerdote da Terra, que governava tudo relacionado à magia. Ele domi-
nava os magic caster divinos e até os magic caster arcanos.

Havia o Forjador Mestre, que controlava toda a produção que derivava das forjas.

Havia o Comandante-Chefe que os trouxera para cá. Ele era responsável por todas as
questões de segurança e militares. Certa vez, ele comandara muitos soldados Dwarfs,
mas o fato de ter apenas menos de cem homens tornava o título uma piada.

Havia o Diretor de Produção Alimentícia, que administrava a produção de alimentos e


outras indústrias que não diziam respeito às forjas.

Havia o Secretário do Gabinete, que estava encarregado de tudo o que estava fora da
jurisdição dos outros líderes aqui.

Havia o Mestre Cervejeiro, que estava neste Conselho porque tinha que haver uma po-
sição de liderança para o passatempo favorito do povo Dwarf, o álcool.

Havia o Mestre das Cavernas e Minas, que tinha muito poder nesta cidade devido à sua
influência sobre a esfera de mineração e extração de recursos.

Uma vez, houvera uma organização chamada de Guilda Mercantil, mas devido à falta de
comerciantes e do comércio em geral, o título Mestre da Guilda Mercantil era agora uma
posição vazia encarregada dos assuntos estrangeiros.

E esses foram os oito deles.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


181
Ainz lentamente passou seu olhar através de todos. Sete deles ficaram olhando para ele.
O último — o Comandante-Chefe — tinha uma expressão de fadiga no rosto e seus olhos
se encontraram com os de Ainz.

Ainz estava fingindo ser a imagem da tranquilidade, mas seu coração estava no caos.

Ei! Eu não consigo nem diferenciar um do outro! Talvez alguns deles tenham barbas mais
curtas do que os outros, mas eles não são todos do mesmo tamanho? Será que mentiu pra
mim? Não, deve ter sido assim que ele via isso. O que eu faço agora?

As memórias de Zenberu tinham representado todos eles com rostos idênticos, e a prin-
cípio Ainz pensou que era simplesmente porque o Lizardman via todos os Dwarfs como
idênticos. Ele até sentira que a capacidade de Zenberu de reconhecer rostos precisava
ser melhorada. Entretanto, não foi o caso.

Me perdoe Zenberu, eu duvidei de você. Todo o tempo estava me dizendo a verdade.

Neste mundo, não havia prática de troca de cartões de visita em uma reunião, um fato
que ele lamentava há muito tempo. Ainz se sentia da mesma maneira hoje, e então ele
reuniu sua força em sua barriga.

Em seguida, uma apresentação que ele já havia feito várias vezes. É digno de nota o fato
de ele ter duas Guardiãs atrás dele e um subordinado de seu subordinado. Ele não podia
permitir que eles o vissem ridicularizado.

...Se ao menos eu não tivesse trazido esses três...

Mas esses arrependimentos eram irrelevantes. Afinal, a sorte está lançada.

Ainda assim — enquanto ele se empolgava com isso, não havia um único traço do diá-
logo sendo trocado. O silêncio permaneceu ininterrupto por um minuto inteiro depois
de sua chegada.

O que está acontecendo? A prática padrão para uma empresa seria começar pelo apre-
sentador apresentando sua equipe, não? O Comandante-Chefe não deve nos apresen-
tar? ...Ou sou eu que devo dar o primeiro passo? Não sou tão versado em etiqueta assim,
não quero parecer grosseiro.

Segundo a etiqueta cortês, os inferiores não podiam dirigir-se diretamente ao rei. A in-
teração direta exigia uma permissão de algum tipo. Em outras palavras, o rei era um ser
intocável. Portanto, se Ainz iniciasse o diálogo, os Dwarfs o menosprezariam?

Depois de olhar para os Dwarfs, a resposta para isso foi sim ou não?

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


182
Bem, duvido que alguém me despreze, dada a situação do país e as ações que tomei. Se
isso realmente acontecer, então posso dizer que não vou negociar com um bando de bufões
como eles.

Tendo se decidido, Ainz decidiu fazer o seu discurso.

“Eu sou o governante do Reino Feiticeiro, o Rei Feiticeiro Ainz Ooal Gown.”

Os Dwarfs começarem a se mover, como se fossem reconectados a uma fonte de energia.

“Nós, nós lhes oferecemos boas-vindas, soberano do Reino Feiticeiro, Vossa Majestade
Ainz Ooal Gown. Podemos oferecer-lhe um lugar? Há lugares para seus estimados segui-
dores bem ali.”

Ainz assentiu, e então foi levado para o que ele chamava de lugar do aniversariante.
Sentou-se com desenvoltura majestosa, usando movimentos que praticara repetidas ve-
zes. Shalltear, Aura e Zenberu estavam sentados atrás de Ainz.

“Então, nós nos apresentaremos. Em primeiro lugar, neste país eu sou o—”

E assim, os Dwarfs deram seus nomes.

A apresentação parecia ter passado sem problemas, mas Ainz não conseguiu conter
suas preocupações.

Apenas manter seus respectivos nomes em mente já era difícil. Ter que associar cada
um desses nomes e títulos a um rosto estava se mostrando um grande desafio.

Os nomes eram fáceis de lembrar, mas acrescentar o título no meio disso o deixava des-
confortável. Coisas como “Mestre de Cavernas e Minas” ou “Mestre de Minas e Cavernas”
só pioraram as coisas.

Dito isso, Ainz conseguiu se lembrar deles. Ele não teria sido capaz de fazer isso se não
tivesse perguntado sobre eles com o Comandante-Chefe.

“Por favor, permita-nos agradecer em nome deste país. Sem Vossa Majestade, este país
teria sido destruído.”

Essas palavras foram ditas pelo Mestre das Cavernas e Minas. Todos os Dwarfs presen-
tes assentiram em resposta.

Os membros do Conselho aparentemente se revezavam na liderança, então o líder desta


vez era o Mestre das Cavernas e Minas.

“Não é nada de mais. Salvar alguém em apuros é senso comum.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


183
“Vossa Majestade é uma pessoa verdadeiramente magnânima. Nós certamente o ajuda-
remos da melhor maneira possível se algum problema o incomodar. Dito isso, temo que
não possamos fazer muito para ajudar sua admirável pessoa, que comanda as tropas que
salvaram nossa nação da extinção com apenas dois deles.”

“Não é para tanto. Meu país é realmente poderoso no sentido militar. No entanto, exis-
tem algumas inadequações quando se trata de outros campos. Eu ficaria muito grato se
pudesse me ajudar nesses aspectos.”

“Entendo. Ficaríamos contentes em servir a Vossa Majestade — ao Reino Feiticeiro. No


entanto, antes disso, oramos para que Vossa Majestade nos informe o motivo de vossa
visita ao nosso país, se for conveniente. O Comandante-Chefe já nos disse, mas gostaría-
mos de ouvir diretamente da sua pessoa.”

O Mestre das Cavernas e Minas estreitou os olhos ligeiramente.

Nós veremos através de qualquer mentira. Essa determinação inflexível era palpável.

Não posso esperar que todos se sintam bem em relação a mim... Bem, dada a diferença de
poder entre nossas nações, qualquer um seria cauteloso.

O mesmo valia para Ainz. Se a guilda mais bem classificada de YGGDRASIL — Seraphim
— oferecesse um Item World-class e pedisse para negociar, Ainz também suspeitaria de
algum tipo de armadilha.

Portanto, ele não estava descontente com a reação dos Dwarfs.

“Em primeiro lugar, gostaria de iniciar relações amistosas entre nossas nações. Então,
gostaria de me envolver no comércio.”

“—Então é isso.”

“Eu ouvi de um de seus compatriotas a alimentação base de seu povo são cogumelos e
carne, estou errado? Lembro-me de algo sobre fazendas no sopé da montanha, onde pro-
duzem legumes frescos, mas aparentemente são poucas em número e sua variedade é
bastante pobre. Minha nação pode fornecer legumes frescos e — os destilados alcoólicos
de reinos humanos e do Reino Feiticeiro têm algum interesse para você?”

O tema envolvendo álcool fez os olhos dos Dwarfs brilharem. Essa foi uma reação muito
franca.

“Eu também ouvi dizer que este país negocia com a nação humana à leste, mas não em
grande escala.”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


184
“De fato. Nosso tráfego tem o valor de mercadoria de apenas vinte Dwarfs. Atualmente,
estamos desenvolvendo itens mágicos que podem conter um suprimento ilimitado de
mercadorias.”

O Mestre da Guilda Mercantil deu essa resposta.

“Entendo. É verdade que há poucas caravanas comerciais Dwarfs devido às perigosas


estradas de montanha?”

“Certamente é por isso.”

Outro Dwarf forneceu essa resposta.

“Não podemos carregar muitos bens devido aos declives e ao perigo dos caminhos da
montanha. Além disso, mover-se em grupos chama a atenção dos monstros. Existem
muitos monstros que atacarão, independentemente do número de suas presas. Em par-
ticular, as emboscadas aéreas são difíceis de lidar.”

Era verdade que os métodos convencionais de negociação exigiriam grande esforço. O


Império só se envolveu em comércio limitado com os Dwarfs devido à falta de lucro em
fazê-lo. No entanto, foi precisamente essa razão que os tornou um parceiro comercial
muito lucrativo para o Reino Feiticeiro.

Infelizmente, a única exportação notável que o Reino Feiticeiro poderia ostentar era
seus undeads. No entanto, para a nação Dwarfs, mesmo os alimentos comuns venderiam
bem.

Que parceiro comercial maravilhoso.

Ainz sorriu maldosamente em seu coração quando ele fez sua pergunta.

“Se esse é o caso, então devo recomendar ainda mais as relações nacionais comigo —
com o Reino Feiticeiro, para que possamos exportar alimentos.”

“...Ainda não perguntamos sobre a localização precisa do Reino Feiticeiro. Podemos


transportar nossos bens comerciais lá por nós mesmos?”

“Fazer com que as pessoas do seu país movam a carga por si mesmas ainda seria bas-
tante perigoso. Eu sinto que a minha nação deve assumir a liderança no estabelecimento
de uma rota comercial adequada para que o pessoal da sua nação possa transportar seus
produtos com segurança. Quando isso acontecer, vagões e carruagens serão capazes de
mover-se tranquilamente. Claro, eles não serão movidos por nada tão frágil como cava-
los, mas por outras feras de carga.”

“E tais feras seriam... undeads?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


185
Um dos Dwarfs, com o rosto cheio de repugnância, fez essa pergunta.

Ainz lembrou que ele aparentemente era o Forjador Mestre.

“Precisamente. Eu proponho o uso de vagões de carga undeads, que possuem o poder


de se defender e nunca se cansarão. Eles certamente contribuirão como excelentes fer-
ramentas de transporte. Na verdade, nossa nação já fez uso deles, e a resposta dos cida-
dãos é muito boa. Além disso, há outras vantagens em usá-los—”

Assim que Ainz estava prestes a iniciar uma apresentação entusiasmada, o Forjador
Mestre o interrompeu.

“—Não é verdade que os undeads atacarão os vivos?”

Ainz amuou internamente, mas ele respondeu com suprema confiança.

“É verdade que muitas pessoas pensariam dessa maneira por ser um estereótipo da
raça. E para ser justo, é verdade. Os undeads são seres que odeiam e atacam os vivos.
Contudo!”

Ainz colocou ênfase particular nessa palavra.

“Sob minha autoridade absoluta, os undeads do Reino Feiticeiro não apresentarão ne-
nhum problema para vocês. Pode ficar tranquilo quanto a isso.”

A boca do Forjador Mestre apertou em forma de へ. Ele não parecia acreditar em Ainz.

Ele deve ter tido uma experiência ruim onde algum undead matou sua família, ou algo
assim.

Quando Ainz contemplou essa possibilidade e jogou um dos seus trunfos:

“Além disso, minha nação pode fornecer mão de obra.”

“Mão de obra?”

“Durante minha jornada até aqui, falei com um de seus compatriotas que salvei dos
Quagoas—”

Ainz não tinha feito isso de propósito, mas não foi um acidente, então ele decidiu ex-
pressá-lo como se tivesse feito um favor a eles.

“E ouvi falar do trabalho que acontece nas minas de seu país. Mesmo sendo um trabalho
para os mineiros de seu povo, os undeads podem lidar com isso para vocês.”

“Como? Eles podem mesmo fazer isso?”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


186
Os olhos do Mestre das Cavernas e Minas se alargaram, parece que mordeu a isca.

“Claro. Eu conduzi este experimento em nações humanas, e foi realizado com perfeição.
Na verdade, o dono das minas que alugou eles até pediu que eu fornecesse mineradores
adicionais.”

Ele tinha ouvido falar disso de Albedo quando ela lhe enviou uma mensagem preocu-
pada, então não era mentira.

“Então já fez esse tipo de coisa em nações humanas...”

O Mestre das Cavernas e Minas murmurou como se maravilhado.

“Parece que o seu país está familiarizado com as características especiais dos undeads...”

“Bem, nós sabemos sobre seus traços mais comuns...”

Ainz levantou a voz para se dirigir ao Sumo Sacerdote da Terra.

“Então, confio que não preciso elaborar os motivos dos undeads serem excelentes tra-
balhadores?”

Os Dwarfs trocaram olhares e começaram a falar um após o outro.

“As palavras de Vossa Majestade são compreensíveis. Se pudéssemos controlar com se-
gurança os undeads...”

“Ser capaz de realocar a mão de obra atribuída à mineração é uma proposta muito atra-
ente.”

“Contudo...”

Esse “Contudo...” provavelmente seria seguido por dúvidas sobre se eles realmente po-
deriam confiar nos undeads. Era natural que eles se sentissem em conflito sobre um mé-
todo que era diferente de como eles tinham feito as coisas até agora.

Em última análise, isso era apenas publicidade para os produtos de sua empresa e não
uma tentativa séria de fechar uma venda. Claro, se eles pudessem aceitar o trabalho dos
undeads, isso certamente o deleitaria.

“Bem, eu apenas pretendia dizer que eu poderia fornecer tais trabalhadores. Eu en-
tendo seu mal-estar em relação aos undeads—”

“—Vossa Majestade, antes disso, gostaria de fazer uma pergunta sobre os undeads. Po-
deríamos comprá-los como uma força defensiva?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


187
A pergunta do Comandante-Chefe causou distúrbios através dos Dwarfs.

“Comandante-Chefe, é muito arriscado confiar no poder militar de outras nações para


manter a paz!”

“Estou ciente disso. Mas os undeads do Reino Feiticeiro são extremamente poderosos.
Com eles por aí, não precisamos temer nenhum ataque dos Quagoas. Há muitos benefí-
cios em comprá-los como uma linha defensiva final. A coisa mais importante, a coisa que
todos devemos considerar, é a segurança de nossa nação. Agora que perdemos nossa
fortaleza, o poder é mais necessário do que qualquer outra coisa.”

“Ainda assim, não vê que é muito mais perigoso ter as mãos de outra nação ao redor de
nossas gargantas!?”

“Já disse meus motivos, agora não é hora de falar sobre esse tipo de coisa!”

O Forjador Mestre e o Comandante-Chefe se encararam.

“...Vamos deixar assim. Deixem essas palavras para discussões em particular. Isso não
é algo que deveríamos dizer diante de Sua Majestade, que teve o trabalho de se deslocar
até aqui. Perdoe essa gafe, Vossa Majestade. Esse conflito foi causado pela natureza atra-
ente das propostas de Vossa Majestade, e ficaríamos muito gratos se permitisse que pas-
sasse despercebido. —Então, posso saber o que Vossa Majestade deseja deste país? Eu
sinto que não temos praticamente nada a oferecer.”

“Certamente não é o caso. Primeiro, desejo minério. Os estoques do meu país são limi-
tados.”

“Entendo...”

O Mestre da Guilda Mercantil sorriu e completou:

“Então é por isso que sugeriu que empregássemos undeads. Se pudéssemos escavar
minérios em grandes quantidades, haveria um superavit suficiente. Em outras palavras,
deseja manter o preço de minério baixo. É isso?”

Ainz não tinha pensado tão longe, mas Ainz assentiu e fingiu que era o caso.

“Certamente é como diz. Você viu através de mim.”

Não é de se admirar...

Os Dwarfs pensaram que o entendimento estava claro para eles.

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


188
“Além disso, eu gostaria das armas e armaduras feitas nas forjas de sua nação. Ouvi
dizer que o equipamento de batalha de seu povo é de qualidade exemplar.”

Todas as pessoas a quem Ainz havia perguntado sobre esse tópico concordaram que
esse era um fato inegável.

No entanto, armas e armaduras de qualidade feitas em grade escala eram mais caras.
Se eles comprassem dos Dwarfs, então haveria menos armeiros e armadureiros no Reino
Feiticeiro. Se houvesse uma clara diferença tecnológica entre os dois países, seria melhor
melhorar a tecnologia da própria nação do que tomar a atitude tola de comprar grandes
quantidades de armas e armaduras de qualidade superior.

No entanto, se não houvesse competição, os ferreiros do Reino Feiticeiro não aperfei-


çoariam suas habilidades. As armas e armaduras compradas dos Dwarfs podem servir
como um estímulo positivo.

Naturalmente, havia muitas maneiras de lidar com isso, como a cobrança de tarifas e
coisas do gênero. Era preciso garantir que ele pudesse lucrar com os Dwarfs sem ficar
constantemente importando, entre outras dores de cabeça.

A resposta simples seria entregar tudo isso a Albedo e Demiurge. No entanto, Ainz tam-
bém tinha suas próprias considerações.

Seu plano era limitar as vendas a recém-fundada nova Guilda dos Aventureiros ou
alugá-las para aventureiros.

Os preços baixos eram muito atrativos para os aventureiros, e mantê-los vivos também
beneficiaria o Reino Feiticeiro. Se eles pudessem vender produtos antigos a preços bai-
xos, isso contribuiria para aumentar as taxas de sobrevivência de aventureiros.

“Embora não tenhamos agradecido a Vossa Majestade por compartilhar tudo isso co-
nosco, essas são questões que não podem ser respondidas imediatamente, em particular
o que é relativo ao equipamento de guerra. Poderia nos dar um tempo para discutir isso?”

“Claro. Discutam até chegar a uma conclusão. Eu não ficarei chateado, mesmo se não
pudermos iniciar o comércio imediatamente. Meus próprios subordinados já estão equi-
pados com equipamentos de ponta. Eu apenas desejo adquirir armas e armaduras para
o meu povo.”

Tudo bem.

Ainz pensou.

Agora era o momento crucial. Era hora de completar seu objetivo de vir a esta cidade.

“Em relação a questão dos Quagoas, vamos discutir?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


189
A tensão imediatamente encheu o ar.

“A reação à invasão Quagoa foi apenas uma decisão pessoal. Isso é correto, Coman-
dante-Chefe?”

“De fato.”

“No entanto, o que teria acontecido se eu não estivesse por perto?”

“Se Sua Majestade não estivesse por perto, teríamos que confiar em um único portão
para bloquear o avanço inimigo. Uma vez que o portão fosse violado, precisaríamos mo-
bilizar os cidadãos para uma batalha decisiva dentro da cidade, a fim de ganhar tempo
para as crianças fugirem. Eu imagino que teria sido o caso.”

Todos os Dwarfs tinham expressões amargas em seus rostos.

Talvez tenha sido devido ao relatório anterior do Comandante-Chefe, mas a total au-
sência de objeções ou contra-argumentos expressou a sua superioridade a todos.

Não havia ninguém presente que fosse motivado por idealismo, emoção ou ganho pes-
soal. Se houvesse alguém assim aqui, particularmente se possuíssem autoridade ou in-
fluência, então perderiam tempo inutilmente antes mesmo que o básico fosse comple-
tado, tagarelando até a reunião ser concluída. Por isso o fato de não haver ninguém assim
aqui era digno de elogios.

“Então, por favor, explique-me mais detalhadamente. O que essa batalha decisiva im-
plicaria?”

“É difícil responder porque não sabemos a total força de batalha do inimigo. No entanto
— supondo que houvessem mil Quagoas — estaríamos em uma situação complicada.
Repeli-los seria muito difícil, e tudo o que conseguiríamos seria enfraquecer nossa nação
devido à perda de recursos e mão de obra.”

“Por que acabou assim...”

O Comandante-Chefe murmurou.

“Foi provavelmente porque a fortaleza na Grande Fenda era muito forte. Os Dwarfs se
tornaram arrogantes, acreditando que “tudo vai ficar bem contanto que ela exista”.”

Ainz também se sentia assim.

Ele havia provado o fruto amargo do descuido na forma de Shalltear.

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


190
“Se temos apenas um ás na manga e quando for derrotado, será nosso fim. Assim, sinto
que precisamos de outro trunfo, no caso, o poder de Vossa Majestade.”

Ainz levantou a mão para silenciar os Dwarfs, que pareciam prestes a falar. O Coman-
dante-Chefe poderia ter tomado as rédeas da conversa, mas Ainz ainda não terminou de
falar.

“Os Quagoas foram repelidos por enquanto, mas Feoh Jēra ainda não está em paz. Essa
é a minha opinião.”

As expressões nos rostos dos Dwarfs eram universalmente azedas.

Depois de certificar-se de que todos estavam plenamente conscientes da questão levan-


tada anteriormente, Ainz decidiu aproveitar o momento e falar.

“Sem mim, será muito difícil repelir a próxima invasão dos Quagoas. Mesmo para al-
guém como eu, a destruição de uma nação com a qual estou prestes a começar a negociar
seria bastante problemático. O que vocês acham? Não vão fazer uso da minha força?
Dado o poder da minha nação, posso garantir que sua nação não será atacada por um
tempo... Sim. Por exemplo, eu creio que poderia ajudar a recuperar o local que hoje é um
ninho de Quagoas, a antiga capital de seu povo.”

O ar pareceu estremecer.

Esta foi uma reação inteiramente nova.

O Mestre das Cavernas e Minas lambeu os lábios.

“Vossa Majestade, então quer dizer que tal coisa seria possível?”

“Se eu me preparar para isso, sim.”

O Forjador Mestre cruzou os braços diante dele e olhou para Ainz.

“...Isso parece idealista demais. Por que está nos dando tanta ajuda? O que quer de nós?”

“Ei, olha como fala.”

O Forjador Mestre bufou nas palavras de seu colega.

“É como acenar uma garrafa de bom vinho na frente de um estranho. Você realmente
acha que não há algo por trás?”

“Ngg!”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


191
“Uma pergunta razoável. Então deixe-me ser franco com você. Uma das razões é porque
acredito que é melhor estabelecer relações diplomáticas com o seu país do que com os
Quagoas. Acredito que vocês, senhores deste belo país entendem os conceitos de bom
senso e endividamento e que me devem uma certa dívida de gratidão. Agora — consi-
dere um lado que está prestes a vencer e um lado que está prestes a perder. Quem será
mais grato se eu emprestar minha força?”

“Mm. Esse é o caso.”

“Além disso, gostaria que essa dívida fosse paga não em palavras, mas de maneira ma-
terial. Isso leva a outro motivo.”

“Entendo, então é sobre o pagamento. Então deseja ouro, metais raros, ou minérios exó-
ticos? Ou deseja direitos de mineração também?”

Claro.

Ainz queria dizer isso, mas engoliu essas palavras e resistiu ao impulso de falar.

“Não, eu quero algo diferente. Eu quero recrutar os ferreiros rúnicos deste país para a
minha nação.”

Os Dwarfs piscaram como um só.

“Como? E por que desejaria isso?”

O Forjador Mestre franziu a testa mais profundamente que os outros.

“...É porque armas e armaduras rúnicas são muito raras nas nações que cercam o Reino
Feiticeiro. Eu acho que são artigos muito valiosos. Em outras palavras, elas são muito
valiosas. Por isso, pensei em recrutar os ferreiros rúnicos e fazer com que produzam
equipamento de guerra em minha nação.”

“E vai levá-los como escravos?”

Ainz suspirou com o tom exagerado do Forjador Mestre.

“Eu não farei nada do tipo. Não escutou o que eu disse? Eu disse que queria abrir laços
internacionais e começar o comércio, não é? Você realmente acha que eu levaria as pes-
soas de tal nação parceira como escravos? Francamente... estou um pouco desapontado.
Tudo o que eu tenho em mente é recrutar os ferreiros rúnicos e fazer com que produzam
equipamentos rúnicos no meu país.”

“Nesse caso, e se lhe dermos prioridade máxima nas vendas de equipamentos rúnicos?”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


192
“...Não. Não valeria a pena o investimento. Se desejam usar minha força, então devem
deixar os ferreiros rúnicos trabalharem no Reino Feiticeiro e nos permitir formar um
monopólio na venda dos produtos derivados do trabalho deles. Isso é o que minha nação
quer e é o preço de recuperar sua antiga capital. Quando podem me dar uma resposta?”

Os Dwarfs se entreolharam.

“Entendo. Talvez amanhã—”

“Isso pode ser um pouco problemático...”

Interveio o Comandante-Chefe:

“Não esqueça que esta cidade ainda corre o risco de ser atacada pelos Quagoas. Mesmo
que Sua Majestade aceite a tarefa de derrotar os Quagoas, levará tempo para ele reunir
suas tropas. Com esse ponto em mente, não podemos esperar até amanhã. Devemos dar-
lhe uma resposta imediatamente.”

Ainz olhou para os Dwarfs.

“Não é minha vez de falar aqui. No entanto, se estão verdadeiramente em uma posição
tão miserável, então ter cumprido minhas promessas anteriores também será bastante
problemático. Se a situação piorar, então terei que adicionar várias outras condições.
Afinal, é preciso esperar pagar caro pelo trabalho feito de última hora.”

“Mm. O Comandante-Chefe está certo, e as palavras de Vossa Majestade também são


muito sensatas. Então, Vossa Majestade, nós pedimos desculpas pela imposição, mas po-
deria esperar por nós na sala de antes? Gostaríamos de chegar a uma conclusão o mais
rápido possível.”

“Não tenho objeções a isso. Vou esperar lá então.”

Com isso, Ainz se levantou e saiu da sala na companhia de seus subordinados.

♦♦♦

A sala ainda estava velada em silêncio, mesmo depois da partida do Rei Feiticeiro.
Pouco depois, alguém exalou e isso dispersou a tensão que pairava no ar.

“Mas, mas que diabos foi isso!?”

“Aquele cara é um monstro sem igual! Comandante-Chefe, aquele monstro fez meu ca-
belo ficar em pé. Não há dúvidas sobre o medo que ele comanda.”

“Eu quase pensei que mijaria nas calças!”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


193
Todos os Dwarfs começaram a gritar. Eles despejaram todas as coisas que seus nervos
tensos estavam segurando em cheque.

“O que a gente faz agora? Ele é o mal encarnado. Se um por cento do que ele diz é ver-
dade já me deixou assim, imagina se for cem por cento.”

“Como alguém que irradia aquela aura maligna pode ser benevolente? Olhe para ele,
quantos dos vivos você acha que ele matou até agora?”

“Mmm. Ele deve ter levado tantas vidas que nem consegue se lembrar de todas. E pen-
sar que o rosto arrepiante poderia realmente expressar palavras tão normais.”

“Ele deve estar reunindo equipamentos para uma grande invasão. Por seu exército das
trevas!”

“Se não bastasse tudo, eu odeio como ele é tão fácil de entender e concordar. A sensação
que ele passa é exatamente como aqueles demônios que roubam almas com contratos.”

Eles foram unânimes em rejeitar a proposta do Rei Feiticeiro. Muitos concordaram que
as palavras dos undeads não poderiam ser confiáveis.

“No entanto, a proposta de Sua Majestade é muito atraente para o nosso país. Em pri-
meiro lugar, nosso país será destruído se não fizermos algo sobre os Quagoas. Além disso,
o Rei Feiticeiro é a única pessoa que pode nos salvar.”

O Comandante-Chefe foi a única voz da oposição.

Suas palavras fizeram os outros Dwarfs parecerem ter mastigado um verme amargo.

“Vamos tirar essa pedra do sapato de uma vez por todas. Não há como lidar com os
Quagoas apenas com a nossa força?”

“Não tem jeito. Com a ajuda do Rei Feiticeiro, poderemos recuperar a fortaleza, mas há
muitas coisas que precisamos fazer. Agora, tudo o que podemos esperar é recuperar a
fortaleza. Se Sua Majestade não viesse aqui, os Quagoas poderiam estar inundando a ci-
dade neste exato momento.”

“Se o Rei Feiticeiro falou a verdade, então também houve avistamentos de Quagoa em
Feoh Raiđō.”

Os Dwarfs apertavam suas cabeças.

“...E se simplesmente pegássemos emprestado o poder do Rei Feiticeiro e fingíssemos


que não sabíamos nada sobre isso?”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


194
“Isso só nos afundaria ainda mais. Mesmo eu ficaria infeliz com isso. Afinal de contas,
nossa fama seria de que somos traiçoeiros, mesquinhos, de que tudo que fazemos é para
nosso bem.”

“Ainda assim, isso tudo acontecer ao mesmo tempo é muita coincidência. Será que o Rei
Feiticeiro está manipulando as coisas?”

“É bem provável, mas não temos provas. Tudo o que podemos fazer é supor.”

“O importante aqui é, o Rei Feiticeiro escolheu a nós e não os Quagoas. Se o desagradar-


mos, será o mesmo que colocar uma corda em volta de nossos próprios pescoços. Tentar
investigá-lo também é muito perigoso.”

“...Será que o Rei Feiticeiro bebe?”

“E acha que ele pode? ...Bem, eu acho que não dá para confiar em um cara que não bebe.”

“Sim, mas...”

Aqui, o Mestre da Guilda Mercantil, até então silencioso, falou.

“Acredito que todos podemos aceitar o que o Rei Feiticeiro está dizendo. Pois faz todo
o sentido. Eu faria o mesmo na posição dele, ao escolher os Dwarfs no lugar dos Quagoas.”

Se ele comandasse um exército que poderia facilmente aniquilar os Quagoas, então aju-
dar os Quagoa a matar os Dwarfs não lhe ofereceria muitos benefícios.

“Ele disse que queria emprestar trabalhadores undeads para nós. Conduzir as minas
por conta própria será mais lucrativo, não?”

“Bem, não haveria sentido em nos levar como escravos. Além disso, nós conhecemos a
montanha, não é?”

“Uhum. Isso é muito provável. Ele sente que explorar as minas por si só seria muito
problemático, então nos deixará escavar os minérios. Resumindo, ele vai nos dar uma
linda coleira para nos agradar, então?”

“...Apesar de tudo isso, depois de conversar com o Rei Feiticeiro, tenho a impressão de
que tudo ficará bem, desde que negociemos com ele. Ou seja, ele não pretende nos ex-
plorar com acordos comerciais irregulares?”

“Se for assim, posso entender o porquê ele está oferecendo termos tão generosos. E
então, não seria certo concordar com a proposta dele?”

“Por que diz isso?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


195
“Porque isso ajudará nosso povo. Enquanto o Rei Feiticeiro quiser, ele nos protegerá.
Podemos pensar no Rei Feiticeiro como um mercenário com um enorme apetite por vi-
nho, algo assim.”

A opinião geral mudou de “lidar com ele é perigoso” para “estaremos a salvo enquanto
tivermos valor”. No entanto, durante o curso dessa mudança, um Dwarf falou friamente.

“...Vocês todos pretendem ser os lacaios daquela criatura undead?”

Todos os olhos se voltaram para o homem que se opusera firmemente a Ainz desde o
começo — o Forjador Mestre.

“Não é uma questão de bem ou mal. Neste momento, nosso país está em crise de sobre-
vivência. Se não fizermos algo sobre os Quagoas, NÓS seremos destruídos.”

“...E a nossa força sozinha não pode derrotar os Quagoas.”

“E se pedirmos ajuda ao Império? Nós tivemos relações com eles por muitos anos. Não
seria mais seguro? Não sabemos nada sobre o Reino Feiticeiro, ou você sabe...?”

“Mesmo se pedirmos ajuda ao Império, eles não teriam chance contra os Quagoas. Eles
são inimigos muito difíceis para quem usa uma arma. O mais importante é que os huma-
nos não podem ver no escuro e não são adequados para combate subterrâneo. Até po-
deriam ter uma chance, se pudéssemos atraí-los para a superfície, mas não temos como
fazê-lo.”

“Então parece que lidar com o Reino Feiticeiro é nossa única opção. Em todo caso, co-
meçaremos pedindo ajuda e deixaremos as negociações depois que virmos o Reino Fei-
ticeiro. O que acha?”

“Essa pode ser a maneira mais segura de fazer isso. Ainda assim, estamos fazendo ne-
gócios com eles para derrotarem os Quagoas, não? Então, se não fizermos um acordo
com eles, precisaremos pagar pelos serviços prestados, não é? ...Eu nem quero pensar
em que tipo de preço se pode colocar em salvar um país.”

Os Dwarfs estavam todos com a consternação estampada em seus rostos.

“Eu acho que a única maneira de salvar o país é aceitar a proposta dele. Isso significa
que teremos que confiar na força do Rei Feiticeiro pelas próximas décadas.”

Rodeado por murmúrios de concordância, o Mestre das Cavernas e Minas murmurou


algo ao longo das palavras de, “Usando os trabalhadores undeads significa que eles podem
continuar por todas essas décadas”, mas ninguém prestou muita atenção. Isso porque
houve outro pronunciamento que dragou seu foco.

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


196
“Você parece ter esquecido algo importante. Eu me oponho a isso. Eu nunca deixarei
nosso povo ir e ser seus escravos!”

“Escravos?”

“Os ferreiros rúnicos!”

“O Rei Feiticeiro já disse que eles não seriam escravos, não?”

“É mesmo!? Você realmente acredita no que ele diz!?”

Assim repreendido, o Dwarf que perguntou abaixou a cabeça.

“Ei, olhe. Não podemos descartar isso.”

Mesmo que tudo o que o Rei Feiticeiro afirmasse fosse verdade, qualquer um que co-
nhecesse os undeads e seu ódio pelos vivos, não seria capaz de acreditar.

“Reféns, então?”

“Não. Não haveria necessidade dele especificar os ferreiros rúnicos, nesse caso. Ele po-
deria facilmente ter afirmado demandas para os membros da nossa família.”

“Então, podemos recusar a questão dos ferreiros rúnicos, mas perguntar se mais al-
guma coisa serviria como pagamento?”

“...Há algum tesouro que possa fazer ele mudar de opinião?”

“Não. Embora, se tomarmos de volta a capital e se o tesouro estiver intacto, poderemos


pagá-lo com os conteúdos de lá.”

“Não, ele não vai aceitar. Vamos precisar da força dele para recuperar nossa Capital
Real, certo? Se dermos isso como pretexto, o que diremos quando ele nos perguntar:
“Vocês pegaram esses tesouros dos cofres da cidade que eu recuperei?” se estivesse no lu-
gar dele, acha que seria um bom negócio?”

“...Sendo honesto, acho que a melhor coisa a se fazer é apenas aceitar todos os termos
que ele impor.”

O Forjador Mestre olhou para o Mestre da Guilda Mercantil.

“—Escravos!!”

“Essa é apenas sua opinião! O Rei Feiticeiro já disse que não os pegará como escravos!
Tudo o que precisamos fazer é enviar as pessoas para ter certeza disso, certo? E o mais

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


197
importante... Embora isso possa parecer um pouco demais... O ofício rúnico é uma tec-
nologia ultrapassada. E pode desaparecer a qualquer momento, não acho que será um
problema entregá-la. É um preço muito barato para o que estamos recebendo, não acha?”

“Mas vamos perder todo esse ramo do nosso ofício, você não acha?”

“Pense bem, agora é a melhor época para vendê-lo, não?”

“Eu me oponho!!”

Bolhas se formaram na borda da boca do Forjador Mestre enquanto ele gritava.

“Isso é o resultado da lógica e não das emoções? Não olhe assim para mim.”

“Eu não tenho idéia do porquê vocês têm tanta confiança no Rei Feiticeiro!!”

Nesse ponto, o Comandante-Chefe falou em tons gélidos. Tendo enfrentado os Quagoas


em batalha, ele conhecia a situação desta cidade melhor que qualquer outra pessoa. Por-
tanto, ele não queria desperdiçar palavras em conversas inúteis e tinha se afastado como
observador, mas finalmente chegara ao seu limite.

“Isso não tem nada a ver com confiança, pois esta cidade certamente será destruída se
não tomarmos emprestado a força do Rei Feiticeiro. O que você está fazendo é deixar de
lado o único lugar que ainda temos para viver.”

“O que disse, seu fedelho!?”

“Eu estou no comando das forças armadas desta cidade. E eu digo que a única maneira
de proteger a cidade é com o poder de Sua Majestade! Você quer destruir esta cidade?
Caso contrário, me dê uma maneira de vencer os Quagoas sem a força dele! Relíquia ve-
lha!”

“Seu—! Você tem chamado aquele monstro de Sua Majestade desde que entrou nesta
sala! Já traiu nosso país, ou o quê!?”

O Forjador Mestre agarrou o Comandante-Chefe pelas lapelas.

“Que besteira é essa!? Velho bêbado! Quer brigar, é!? É natural referir-se a alguém com
tal poder com termos de respeito! Vocês são aqueles que não podem ser confiáveis! Ele
poderia facilmente aniquilar este país, sabia disso? Se diz que eu sou o traidor da nação,
você é o assassino de todo nosso povo!”

O Comandante-Chefe também agarrou o Forjador Mestre pelo colarinho e suas testas


colidiram.

“Ei! Tudo bem discordar, mas não briguem!”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


198
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
199
Os outros Dwarfs se apressaram em separar o par.

No entanto, os dois ainda se encararam, como se estivessem se preparando para a se-


gunda rodada.

“Enfim, vamos votar. Se alguém discordar, discutiremos mais tarde. Vai ser mais cons-
trutivo do que socarem um ao outro.”

“E sobre o que será a votação?”

“Primeiro, se vamos deixar os ferreiros rúnicos irem para o Reino Feiticeiro, a fim de
fazer uso do poder do Rei Feiticeiro. Todos a favor, levantem a mão.”

Todos, exceto o Forjador Mestre, levantaram as mãos.

“Mm. Então, o próximo item. Queremos forjar relações com o Reino Feiticeiro e começar
o comércio? Todos a favor, levantem a mão.”

O resultado foi o mesmo de antes.

“Entendo. Então, a votação sobre o Rei Feiticeiro — Sua Majestade foi decidida. Des-
culpe, Comandante-Chefe, mas pode chamar Sua Majestade de volta agora.”

Parte 2

Ainz e companhia foram mais uma vez convidados para a Câmara do Conselho. Depois
de entrar, eles viram um único Dwarf descontente, já os outros estavam cheios de posi-
tividade. O Comandante-Chefe também parecia bastante à vontade.

Em outras palavras, tudo se desenvolveu como ele esperava. Ainz sorriu por dentro.

“Por favor, aceite nossas sinceras desculpas por fazê-lo ir e vir constantemente. Após
nossas discussões, decidimos proceder como Vossa Majestade deseja. Para começar, nos
jogaremos sobre a compaixão de Vossa Majestade em relação à questão do posiciona-
mento das tropas. Depois disso, abriremos relações diplomáticas e começaremos a ne-
gociar com a nação de Vossa Majestade. Dito isso, a natureza dos bens comerciais e os
métodos da transação exigirão mais negociação para resolver os detalhes minuciosos.”

“Naturalmente. De todo modo, eu prontamente lhe darei a forças de combate necessária


para retomar a fortaleza, assim como impedir qualquer invasão dos Quagoas. Eu envia-
rei um representante para lidar com os pontos mais delicados das relações internacio-
nais em poucos dias, com o qual você poderá discutir o assunto por completo.”

Ainz soltou um suspiro de alívio.

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


200
Ele tinha que entregar tarefas como esta — que requeriam conhecimento relevante —
para Albedo. Felizmente, eles não insistiram em prolongar as coisas por aqui.

“Então, há a questão do pagamento de Vossa Majestade para a recuperação da Capital


Real; o envio dos nossos ferreiros rúnicos para o Reino Feiticeiro. Nós nos compromete-
mos com isso. Mas gostaríamos de enviar um grupo de inspetores ao Reino Feiticeiro
para ver como nossos irmãos estão sendo tratados e para garantir o bem-estar deles.
Podemos ter sua permissão para fazer isso?”

“Claro. O Reino Feiticeiro aceitará os inspetores sem quaisquer censuras.”

Os Dwarfs pareciam muito mais aliviados agora.

Eles pretendiam realizar uma inspeção no local de trabalho? Parecia mais provável que
eles quisessem ver se o Reino Feiticeiro estava aderindo ao seu lado do acordo traba-
lhista entre as duas nações.

Se bem me lembro, os contratos trabalhistas nunca são honrados. Mas eu juro que não
vou deixar ninguém ficar como o Herohero-san. Preciso elaborar um contrato com termos
que os Dwarfs vão respeitar, permitir que os ferreiros rúnicos se concentrem no desenvol-
vimento e afins, entre outras coisas.

Ainz acenou com a cabeça para os Dwarfs e sua preocupação pelos colegas.

Não, tudo isso graças aos Quagoas. Essa situação aconteceu porque eles conquistaram a
fortaleza. Se não tivessem escolhido esse tempo para atacar a nação Dwarf, os eventos não
teriam se desenrolado tão suavemente. Criar um espetáculo de recrutamento para os fer-
reiros rúnicos teria gastado muito tempo e recursos. Agora eu quase sinto pena por exter-
minar os Quagoas...

Afinal, um favor deveria ser pago com outro.

“Então, quando Vossa Majestade pretende começar a retomada do Reino Dwarf?”

“Humm... Mais breve possível.”

Embora fosse improvável que os Quagoas houvessem derrotado os Death Knights, mas
sim um jogador, ele não podia descartar uma conexão inteiramente. Era preciso verificar
isso o mais rápido possível.

“Então, nos colocaremos em sua liderança. Para nós, Dwarfs, sermos capazes de recu-
perar Feoh Berkanan é como um sonho que se torna realidade. Tenho certeza de que as
pessoas vão se alegrar com o poder incomparável de Vossa Majestade. Pode parecer for-
çado, mas este sentimento virá de seus corações.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


201
Em outras palavras, se eu não recuperar de volta a capital, as relações internacionais se-
rão muito complicadas. Não é como se eles estivessem tentando impor isso, mas soa muito
egoísta.

“Entendo. Então, eu devo me preparar rapidamente.”

Ainz assentiu. Então, pensou em algo e compartilhou com eles:

“Oh sim, eu tenho um pedido. Não sei se estão dispostos.”

“O que, que tipo de pedido seria, Vossa Majestade?”

Os Dwarfs fizeram essa pergunta nervosamente. Ainz estava confuso por essa atitude
de medo. Ele não disse nada que deveria assustá-los. Ainda preocupado com o fato de
ter feito algo estranho, ele perguntou:

“Eu pretendo presentear um Lizardman que conheço... e eu gostaria de recorrer à ex-


cepcional habilidade do seu povo para agraciá-lo com um conjunto adequado de arma-
dura.”

Houve uma forte inspiração por trás dele.

“Isso mesmo, Zenberu.”

Ainz se virou, olhando para onde o som tinha vindo, para o Lizardman que estava pren-
dendo a respiração.

“É para o Zaryusu. Considere um presente para celebrar o nascimento do filho dele.”

Ainz falou disso pois pretendia preservar a vida de Zaryusu. Ele certamente seria pai
de muitos Lizardmen raros no futuro. Assim, presenteá-lo com essa excelente armadura
era algo bem lógico.

A atenção dos Dwarfs se voltou para o Forjador Mestre.

Que logo cruzou os braços, ainda franzindo a testa para Ainz. Ele não parecia aprovar
nada.

“Que tal isso? Consegues fazê-las?”

Depois de ser questionado novamente e cutucado pelas pessoas ao lado dele, o Forjador
Mestre finalmente assentiu, a má vontade estava escrita em todo o seu rosto.

“Quais são as medidas? O preço será por nossa conta.”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


202
“A armadura mágica deveria se redimensionar para se adequar ao seu usuário. Pode
encantá-la dessa maneira aqui?”

“Eu não tenho confiança em assuntos mágicos. Então terá que perguntar ao Sumo Sa-
cerdote sobre isso.”

“Se estiver bem com um encantamento de baixo nível, então não deve haver nenhum
problema. Isso não te incomoda, Vossa Majestade? Eu acredito que deveria ter melhores
encantadores dentro do seu domínio...”

Na verdade, havia poucos encantadores habilidosos no Reino Feiticeiro. Encantadores


eram essencialmente magic caster especializados, e eles eram originalmente afiliados à
Guilda dos Magistas. No entanto, a Guilda dos Magistas do Reino Feiticeiro foi basica-
mente dissolvida.

Além disso, Nazarick usava um processo de encantamento diferente, ou seja, cristais de


dados. Ele queria preservá-los o máximo possível, dado que não poderia obter cristais
de dados neste mundo. Naturalmente, ninguém em Nazarick poderia realizar os encan-
tamentos deste mundo.

Em outras palavras, o Reino Feiticeiro não tinha capacidade de encantar itens mágicos.
Mas é claro que não havia necessidade de deixá-los saber sobre isso.

“Se houver necessidade, tudo o que tenho a fazer é reforçar o encantamento existente.
Mas enfim, eu gostaria de uma armadura feita aqui. Isso também servirá como publici-
dade para os armadureiros Dwarfs.”

“Ho...”

Os olhos do Forjador Mestre se estreitaram:

“Deve estar pronto dentro de uma semana.”

“Perfeito. Isso seria maravilhoso. Até lá, estarei empenhado em recuperar a capital. Bem,
se a batalha acabar antes de terminar, posso acabar esperando nesta cidade até que fique
pronta.”

“Hmph. Então, trabalharei mais rápido.”

Ficou claro que ele não quis dizer “seria uma pena mantê-lo esperando”. Era mais como
“eu terminarei rápido, então você não demorará passeando por esta cidade”.

Por que ele me odeia tanto? Eu deveria ser um herói para este país, não? Ou o libertador
que reivindicou sua Capital Real, que tal? Eu não me lembro de fazer nada para merecer
tal ressentimento... é isso não? Ele é realmente apenas um idiota teimoso?

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


203
“Quanto ao pagamento—”

“Como eu disse antes, não há cobrança.”

“Isso resolve o preço desse artigo em particular. Quando falo de pagamento, refiro-me
ao fato de que é um produto final e uma amostra. Eu preciso que você me diga quanto
custa para que eu possa estimar o quanto é preciso para produzir esse tipo de coisa.”

“...Eu não decido os preços. Ei, Mestre da Guilda Mercantil, você é o responsável por
isso.”

“...Para começar, teríamos que considerar o material usado em tal armadura. Isso cer-
tamente afetaria a faixa de preço...”

“Ah, então é assim...”

Respondeu Ainz, tentando não demonstrar isso em sua postura:

“...Então me diga, qual é o metal de maior qualidade nesta cidade?”

Se os nomes de um dos minérios prismáticos surgissem, Ainz poderia abandonar suas


negociações presentes e subjugar os Dwarfs à força.

No entanto, suas preocupações foram infundadas.

O metal em questão era o adamantite.

“Adamantite, hm? Não há nada mais duro do que isso aqui? Não, mesmo um metal le-
vemente mais macio serviria como uma raridade nesta cordilheira.”

Eles não poderiam responder a essa pergunta também.

Havia a possibilidade de que esta informação fosse confidencial e eles não pudessem
falar abertamente dela com Ainz. No entanto, o questionamento direto não ajudaria.
Usar magias de charme para fazê-los falar deixaria lembranças de serem controlados,
então, se ele não pudesse eliminá-los depois, não seria uma opção. Infelizmente, ele não
tinha outra maneira de perguntar.

Como Gondo também não sabia, ele só podia depositar suas esperanças nos ferreiros
rúnicos mais experientes.

Quando Ainz escondeu sua decepção, ele tirou um lingote de baixo de suas vestes.

“Então, nós forneceremos o metal. Apenas me diga a taxa de processamento.”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


204
Este era um metal de nível 45. Não era particularmente forte, mas era muito mais duro
que adamantite.

As habilidades defensivas de Zaryusu aumentariam se ele usasse uma armadura feita


com esse material. Seria o suficiente para protegê-lo da vasta maioria dos inimigos neste
mundo.

“E isso é...”

Julgando pela expressão no rosto do Forjador Mestre enquanto ele examinava o lingote,
Ainz tinha certeza de que este minério não poderia ser escavado em nenhum lugar perto
daqui.

“É sem...”

Ainz fechou a boca antes de poder dizer “sem valor”. Afinal, essa era a matéria-prima
para uma armadura que ele estava dando a Zaryusu. Ele não podia dizer esse tipo de
coisa na frente do ferreiro que estaria assumindo a tarefa.

“É um metal aproveitável. Eu tenho algumas armas feitas do mesmo material. Um mo-


mento por favor.”

Ainz se levantou e saiu da sala antes de olhar através de seu inventário.

Depois de alguma pesquisa, ele retirou uma estranha espada curta — uma das armas
em YGGDRASIL que tinha sido projetada com forma sobrepujando a função. Então ele
voltou para a sala. Assustado pelo fato de que Ainz estava segurando uma espada curta,
os Dwarfs se mexeram desconfortavelmente em seus assentos. Ainz colocou a espada
curta na mesa e a deslizou para eles.

Felizmente, parou em frente ao Forjador Mestre.

Ele não pegou a espada curta que deslizou diante dele, mas sim a estudou com um olhar
assustador no rosto. Deve tê-lo incomodado de alguma forma.

“Esta aqui. Já que é uma espada curta, não sei se pode usá-la como referência para ar-
maduras... Mas que tal? Pode fazer isso?”

Por alguma razão, essas palavras fizeram o Forjador Mestre ficar vermelho.

“Eu vou fazer isso e mostrar a você!”

Sentindo a poderosa determinação na voz do Forjador Mestre, Ainz assentiu.

“Uhum. Estou ansioso pelos seus serviços. Eu gostaria de uma armadura de cota de ma-
lha, se possível. Vou te emprestar a espada curta também; se precisar de mais alguma

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


205
coisa, sinta-se à vontade para me avisar. Zenberu, você deve estar mais familiarizado
com o Zaryusu. Responda-lhe sobre o tamanho do seu corpo, formato e tudo mais.”

“Como quiser, Vossa Majestade.”

“Então... isso é tudo para o meu pedido. Se estiver tudo bem com você, vou me retirar.”

“Vossa Majestade, posso perguntar onde o senhor está indo?”

“Ahh, Comandante-Chefe. Havia um Dwarf da cidade do sul que eu salvei, não? Fui con-
vidado para a casa dele e serei um hóspede lá hoje... Vamos deixar a recepção de boas-
vindas para mais tarde.”

Ou melhor, Ainz não queria passar vergonha, então queria evitar tal cerimônia. Claro,
ele não disse isso.

O Comandante-Chefe parecia um pouco desconfortável.

“Eu entendo os desejos de Vossa Majestade. No entanto, seria um pouco angustiante se


saísse a notícia de que o salvador de nossa nação precisou ir pessoalmente procurar por
acomodações. Já preparamos um quarto de luxo; o senhor consideraria descansar lá por
um dia?”

Ainz considerou a proposta. As palavras do Comandante-Chefe eram aceitáveis e não


havia motivo para recusar.

“Então vamos fazer assim. Vou visitar o Gondo — o Dwarf que me trouxe até aqui — e
pedirei desculpas por mantê-lo esperando.”

Tomara que não tente ficar me impedindo.

Parece que o Comandante-Chefe e os outros não tinham objeções também.

Parte 3

Um outro Dwarf entrou. Ele era um ferreiro rúnico. Nos tempos atuais, havia poucas
pessoas nesta cidade que chamava a si mesma de ferreiro rúnico, e ele era uma dessas
pessoas.

O Rei Feiticeiro dera alguma coisa a Gondo, que ele, por sua vez, passara para todos os
ferreiros rúnicos que conhecia. Os resultados foram excelentes. Mesmo antes da hora
marcada, 90% dos ferreiros rúnicos que ele havia abordado já estavam em seu ateliê e
no laboratório de pesquisas. Não havia dúvida de que o resto também chegaria cedo.

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


206
“Por aqui!”

“Oh! Gondo! Já terminei!”

Antecipação estava escrita em todo o rosto do Dwarf que se aproximou.

“Ótimo, agora dê pra mim como combinado!”

Quantas vezes essas palavras foram repetidas até agora? Mesmo Gondo achando isso
irritante, ele o racionalizava como uma forma de trabalho, e ele deu ao Dwarf a mesma
resposta que ele deu a todos os outros:

“O Rei Feiticeiro tem algo para dizer a todos. Você vai receber mais depois disso.”

“O quê?”

“Eu te disse, não é? Antes de te dar aquela garrafinha. Sua Majestade tem algo a dizer e,
depois de ouvir até o final, você receberá um garrafão.”

“Hm, bem, isso parece meio familiar...”

“Tudo bem, se entendeu, então sente-se ali.”

“Uhum... Além disso, ah, Gondo. Sobre isso...”

Gondo sabia o que estava vindo, mesmo antes dele dizer. Todos os ferreiros que tinham
vindo disseram a mesma coisa.

“Ninguém além de Sua Majestade tem desse vinho. Entende? Esse vinho só pode ser
encontrado no país dele.”

“Mm, mhm. Isso é verdade. Esse gosto, é como alegria se espalhando pela boca... Ele
desliza pela garganta, mas queima no estômago...”

“Mhm. Tudo bem, se você entendeu, então sente-se ali.”

Gondo empurrou o ferreiro — que imaginava deleites invisíveis — na direção apropri-


ada.

“Vamos lá, não seja assim. Você já provou antes, não é? Então entende como me sinto?”

“Não cheguei nem a provar. Eu não sou fã de bebidas.”

“Oh, que desperdício! Gondo, isso é como perder quatro quintos da vida!”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


207
“Tá, ta, ta, só senta ali, rápido. Olha lá, aqueles caras já beberam tudo, deveria discutir
isso com eles.”

“Ohhh! Sério!?”

O ferreiro animado começou a correr e então parou de repente. Então, ele se virou para
olhar para Gondo. Muitos dos ferreiros aqui tinham feito isso também.

“E você, Gondo?”

“Estou bem. Não se preocupe comigo.”

“Mesmo? Mas...”

“Está bem. É por isso...”

“...Se diz. Mas há uma coisa que você deve lembrar. Pode me pedir ajuda a qualquer
momento se precisar.”

Depois de dizer isso, o ferreiro se moveu para sentar-se com os outros. Então, ele se
juntou à discussão entusiasmada sobre as alegrias do álcool.

Gondo suspirou, seu coração doía fracamente.

O Rei Feiticeiro Ainz Ooal Gown havia dado a Gondo um certo item para reunir os fer-
reiros rúnicos.

Aquele item foi vinho.

Gondo não o bebeu, mas nenhum Dwarf resistiria ao sabor do delicioso vinho. Assim,
aguçando seus apetites com uma pequena amostra de álcool exótico e prometendo-lhes
uma grande garrafa depois, eles devem ser capazes de reunir cerca de metade dos fer-
reiros. Isso foi o que o Rei Feiticeiro disse. Contudo—

Cada assento aqui parecia estar cheio.

Gondo suspirou novamente. Pessoalmente falando, ele não queria reuni-los com tru-
ques tão baratos. Em vez disso, ele queria inflamar seu orgulho como artesãos e fazer
com que eles se recuperassem.

Ou melhor, esse foi apenas o desejo egoísta de Gondo.

O Rei Feiticeiro usara o método mais rápido e eficaz para reunir os ferreiros. Confiar
em seu orgulho para uni-los teria desperdiçado muito tempo valioso.

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


208
Os ferreiros rúnicos estavam moribundos em seu ofício. Eles haviam perdido a prova
de que eles e seus ancestrais haviam existido, tudo o que havia pela frente era a escuri-
dão. Atolados em negatividade, não era de admirar que muitos deles tivessem desistido
de si mesmos. Pouquíssimos Dwarfs ainda chamavam a si mesmo de ferreiros rúnicos e
praticavam este ofício. A maioria deles havia retirado as telhas de suas oficinas e sim-
plesmente vivido dia após dia de uma existência sem esperanças e sem sonhos.

Ele poderia ter reacendido o fogo em corações assim?

Gondo esperava ansiosamente por Ainz e pelo que aconteceria em seguida.

Na hora marcada, Gondo verificou o número de Dwarfs que haviam aparecido. Cada um
estava presente.

“Tudo bem aí? Ainz-sama perguntou já pode começar.”

A garota que correu até Gondo era uma das ajudantes de confiança do Rei Feiticeiro,
Aura.

“Oh, pode dizer a Sua Majestade que todos se reuniram?”

“Táá~”

A garota correu. Enquanto ele a observava sair, Gondo inclinou a cabeça.

Ele não tinha certeza do que exatamente aquela garota era. Por que aquele undead
quase onipotente depositou tanta confiança nela? Ela era a prova de sua amizade com
os Elfos Negros?

Enquanto Gondo ponderava sobre isso, Ainz Ooal Gown se adiantou em uma plataforma
elevada. Ao lado dele estava a outra fêmea que servia como ajudante.

“Ohhhhhhh!”

“É o undead!”

“Um inimigo!?”

Os Dwarfs foram jogados no caos. Isso era apenas esperado. Os undeads eram os inimi-
gos de todos que viviam.

“Isso—”

“—Silêncio ~arinsu.”

A fêmea — Shalltear Bloodfallen — levantou a garrafa em sua mão.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


209
Os olhos de todos puderam captar o brilho âmbar de seu interior. Eles eram homens
intensamente práticos, então a atenção deles foi para a garrafa ao invés do rosto de ossos
de Ainz, e eles ficaram em silêncio.

“Ainz-sama, deseja mais alguma coisa ~arinsu?”

“Não, assim está bom. Obrigado pelo seu árduo trabalho, Shalltear. Tudo bem, obrigado
a todos por virem. Há vinho suficiente para todos, então depois disso, basta levar uma
garrafa com vocês. Até lá, espero que fiquem quietos e me escutem. É claro que, se acha-
rem que minhas palavras não valem a pena, vocês são livres para sair do local. É claro
que quem o fizer não receberá a garrafa desse vinho.”

O Rei Feiticeiro passou seu olhar através dos Dwarfs.

Cada fibra do seu ser — da sua atitude à sua dicção e muitas outras coisas — era prova
certa do seu poder esmagador. Então, houve seu arrogante e majestoso porte que os ins-
tintivamente fazia se acovardarem diante dele. Era como se cada articulação de seus de-
dos estivesse impregnada de poder.

“Então... eu confio que não há objeções se eu começar a falar, correto?”

Os Dwarfs assentiram em silêncio.

“Em primeiro lugar, eu sou o Rei Feiticeiro Ainz Ooal Gown. O domínio ao sul desta
cordilheira, além da Grande Floresta de Tob, pertence a mim. Ser capaz de conhecê-los,
estimados ferreiros rúnicos, me encanta do fundo do meu coração. Dito isso; minhas pa-
lavras são uma proposta muito simples, assim como uma solicitação. Venham para meu
país. Eu quero usar o seu ofício rúnico para começar uma revolução no encantamento
de itens mágicos.”

Quando ele ouviu as palavras do Rei Feiticeiro, um pico de dor — nascido de decepção
e desespero — perfurou o coração de Gondo.

Gondo sacudiu a cabeça.

Ele descartou a questão do pai e do avô e olhou para os rostos dos ferreiros ao lado.
Todos eles tinham expressões amargas em seus rostos. Essa resposta não parecia posi-
tiva.

“Me perdoe, mas tenho uma pergunta que gostaria de fazer.”

O Dwarf que levantou a mão olhou para Gondo.

“Por que deseja nosso ofício? Sendo sincero, é praticamente uma arte em extinção neste
país também.”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


210
O Dwarf que falou era um dos ferreiros mais antigos aqui presentes.

“...Simples. Quero que redescubram os segredos perdidos de sua arte.”

“Perdido?”

Sob os olhos dos Ferreiros rúnicos, o Rei Feiticeiro produziu uma espada de sua dimen-
são de bolso.

Os Dwarfs ofegaram em uníssono.

Foi um choque ver o nascimento de uma espada sendo arrancada do ar. Havia também
terror na visão do rei esquelético, envolto em luz profana, segurando uma lâmina.

Mas a razão pela qual Gondo exclamou mesmo sendo ele, foi o mesmo espanto que pre-
encheu todas as outras pessoas aqui. Era uma espada de lâmina preta de extraordinária
qualidade. O gume era inacreditavelmente fino, praticamente brilhava com brilho má-
gico.

“Tal... tal espada é incrível...”

“Incrível... eu nunca vi nada assim na minha vida...”

“Esta é a espada da mitologia dos Dwarfs?”

“Ohhh! Que-que bela visão é essa...”

O Rei Feiticeiro ergueu a espada, como se para mostrá-la aos Dwarfs. Os olhos de Gondo
instintivamente seguiram seu brilho também.

“Tudo bem, senhores, por favor, prestem atenção no corpo da espada.”

Gondo seguiu para onde o Rei Feiticeiro estava apontando e gritou. O mesmo aconteceu
com os outros ferreiros.

Havia 20 runas roxas esculpidas sobre a lâmina.

No entanto, apenas Gondo notou que uma das runas da espada era a mesma que a que
o Rei Feiticeiro descrevera durante o encontro no túnel.

Entendo. Então é por isso que ele sabia tanto sobre runas.

Ele deve ter adquirido esse conhecimento pelo estudo cuidadoso daquela espada.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


211
“Então, gostaria de lhes perguntar, senhores. Há vinte runas nesta espada; É possível
uma coisa dessas?”

A resposta foi óbvia — era impossível. Ninguém aqui poderia fazer isso, independente-
mente do quanto tentassem. E então, havia essa espada, que parecia existir apenas para
zombar de suas incapacidades de ferreiros.

Os ferreiros se levantaram de seus assentos, cada um com uma fúria infernal em seus
olhos. Havia uma paixão ali que não estava lá quando eles estavam falando sobre bebidas.
Então, a multidão avançou como uma horda de Zombies atacando os vivos, aos pés do
Rei Feiticeiro.

“Deixe-me ver!”

“Por favor! Só quero tocá-la!”

“Eu posso aprender alguma coisa! Eu te imploro!”

“Insolentes ~ari-nsu!”

A garota de cabelo platinados olhou para os Dwarfs invasores com um olhar assustador
em seus olhos. Os Dwarfs congelaram por um instante, como se estivessem empalados
por um medo tão afiado quanto lâminas de gelo. E então—

“—Vocês estão sendo muito barulhentos. Acalmem-se.”

Não havia dúvida de que eles estavam na presença de um verdadeiro governante.

Sua aura era a de um líder que estava totalmente confiante em sua posição. Mas nova-
mente, pode ter sido porque ele era um mestre inigualável da morte.

Gondo sabia disso desde que encontrara Ainz naquele túnel, mas Ainz não revelara esse
lado daquela vez. Deve ter sido uma atuação para impedir que Gondo se encolhesse de
medo. Esta deve ser a verdadeira natureza do Rei Feiticeiro.

Eu não posso dizer sua expressão, mas ele parece satisfeito. Deve ser porque todo mundo
está se movendo como ele planejou.

“Um momento, ilustres ferreiros. Por favor, ouçam-me até o fim. Depois disso, vocês
poderão tocá-la diretamente. Eu não continuarei até que estejam sentados, ou nenhum
dos senhores poderá tocar a espada.”

Abatidos — intimidado por seu ar de poder soberano —, os ferreiros retornaram aos


seus lugares.

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


212
“Obrigado. Então, vou continuar de onde parei. Minha pergunta ainda permanece —
uma espada com vinte runas gravadas nela está dentro de suas habilidades?”

Todos olhavam para os mais antigos e experientes dos ferreiros. Ele balançou a cabeça
impotente e respondeu:

“Não é. Pelo que sei, eu só ouvi falar de seis.”

Uma torrente de perguntas irrompeu.

“Quê!? Seis? Eu só ouvi falar de cinco!”

“...É assim que é. Parece que poucos sabem disso, mas duzentos anos atrás, o martelo
que o rei possuía tinha seis runas gravadas nele. Esse foi o tesouro secreto da arte do
ofício rúnico.”

Gondo lembrou de seu avô.

Ele pensou no rosto de um ferreiro rúnico de 200 anos atrás, um homem que era um
forjador de armas veterano.

“Ohhhh! Fala do martelo de guerra que poderia fazer a terra tremer? Eu acho que ouvi
isso em uma música uma vez...”

“Isso. Mesmo os ferreiros rúnicos — aclamados como gênios e prodígios — daquela


época não poderiam produzir uma arma com vinte runas...”

“Entendo. Então esta arma deve ter sido feita com técnicas perdidas.”

“Hm? Vossa Majestade também não sabe?”

“Não sei como essa espada foi feita. Com toda honestidade, é apenas um item que pos-
suo. E... seus criadores não estão mais neste mundo.”

“Com isso quer dizer... Mais técnicas valiosas foram perdidas, então?”

A dor encheu os rostos dos ferreiros. Gondo também sentia o mesmo.

“É justamente por isso—”

Todos olharam para as palavras do Rei Feiticeiro.

“Justamente por isso que quero reviver essas técnicas. Por isso, preciso da sua força. Eu
quero que os senhores façam algo parecido com essa espada, não importa o custo.”

O silêncio tomou conta.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


213
Escusado será dizer que foi porque todos estavam cientes de quão perto do impossível
está tarefa estava.

Mesmo os mais habilidosos ferreiros rúnicos presentes tinham se esforçado para escul-
pir quatro runas de uma só vez. O Rei Feiticeiro pedia cinco vezes essa quantia. No en-
tanto, nenhum deles disse “É impossível”. Eles tinham seu orgulho como artesãos e, de-
pois de verem as obras-primas de um artífice anterior, não conseguiam negar.

Essa espada é como um desafio dos ferreiros antigos para os ferreiros de hoje.

Gondo pensou.

“Eu quero fazer isso.”

Alguém sussurrou essas palavras. Logo, essa voz não estava sozinha.

“Eu também.”

“Eu quero tentar isso.”

“Quero mostrar ao mundo como é uma verdadeira lenda.”

“Não, eu serei aquele que será saudado como uma lenda.”

“Não falem bobagens! Eu sou o único que vai suportar esse fardo pesado.”

O som de um aplauso soou pelo ar. Sua fonte era o Rei Feiticeiro em seu palco. Embora
eles não soubessem como ele tinha feito com suas mãos ossudas, dizia-se que todas as
coisas eram possíveis para um magic caster.

“Maravilhoso. Mas será mesmo que podem fazer isso por si mesmo? Podem levantar
suas vozes e desafiar uma lenda? Isso pode ser possível. Ou não. Assim, espero que ve-
nham ao meu país e dediquem suas vidas à criação de novas técnicas.”

O silêncio tomou conta mais uma vez.

Gondo estava muito ciente de seus sentimentos.

O Rei Feiticeiro estava oferecendo para essas pessoas — que estavam certos de que sua
arte estava praticamente extinta na nação Dwarf — uma oportunidade brilhante na
palma de sua mão estendida.

Eles não deveriam apostar suas vidas neste desafio?

“Então tudo bem, vou confiar esta espada ao senhor.”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


214
O Rei Feiticeiro desceu do palco, apresentando o punho da espada a um dos ferreiros
idosos. Talvez tenha sido coincidência, ou talvez ele tenha pesquisado de antemão, mas
o homem a quem ele apresentou foi considerado um gênio segundo o falecido pai de
Gondo, e sua voz carregava muito peso entre os ferreiros rúnicos.

Ele não procurou por isso.

Era natural ficar confuso quando apresentado a uma lâmina tão poderosa.

“Está tudo bem? Está tudo bem em entregar uma arma tão poderosa — uma arma que
eu nunca mais veria em toda a minha vida para alguém como eu?”

“Neste momento, os senhores não são Dwarfs tentados pelo vinho, mas sim ferreiros
rúnicos que desejam aceitar um desafio. Eu posso colocar minha confiança nisso. Além
disso, deixarei esta cidade por um tempo. Então, considere com um empréstimo de curto
prazo.”

O Dwarf se endireitou.

“...Entendo. Então, por favor, permita-me pedi-la emprestada, Vossa Majestade.”

Ele se curvou profundamente e recebeu a espada com o maior respeito.

“Ainda assim, devo dizer que não entendo muito bem as técnicas de ofício rúnico. É
possível esculpir runas em uma lâmina e depois encantá-la com magia?”

“Não funciona assim, Vossa Majestade. Runas são caracteres imbuídos de mana. Assim,
runas esculpidas e encantamentos são mutuamente repulsivos. Se um poderoso magic
caster tentar um encantamento, as runas irão se distorcer.”

“Então é assim...”

“Por acaso, quando diz que vai deixar Feoh Jēra, para onde vai?”

“Ah, eu vou para a sua antiga Capital Real.”

Os Dwarfs gemeram ao mesmo tempo.

Ele podia ouvi-los dizer coisas como: “Aquelas ruínas—”, “Para um lugar tão perigoso—
“, “Onde os Quagoas ainda governam—”.

Gondo entendia tudo isso, mas houve algo que ele não pôde ignorar.

“Eles dizem que há três provações aguardando aqueles que desejam ir para lá a partir
deste lugar. Vai ficar tudo bem?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


215
“As três provações, dizem ser intransponíveis. Mesmo que passe pela primeira... o La-
birinto da Morte é certamente intransponível.”

Todos os oradores eram Dwarfs anciões. Como esperado daqueles que eram velhos e
cheios de vivência, parece que eles sabiam que até Gondo não sabia. Talvez seja melhor
perguntar sobre isso e informar o Rei Feiticeiro.

O ferreiro rúnico que se endireitou deu seu conselho ao Rei Feiticeiro.

“Vossa Majestade, aquele lugar provavelmente é o lar de um gigantesco Dragão. Aquele


Rei dos Frost Dragons, o White Dragonlord, talvez possa estar em casa. Ele foi o motivo
da destruição de Feoh Tïwaz. Eu sei que Vossa Majestade é possuidor de grande poder,
mas na minha humilde opinião, aquele Dragonlord é igualmente poderoso. Eu rezo para
que tome cuidado.”

“...Um Dragão, então. De fato, seria um adversário muito interessante. Então vou proce-
der com a maior cautela e lidar com isso com cuidado.”

Depois disso, houve várias perguntas mais simples e a reunião foi dissolvida. Isso por-
que todos perceberam que quanto mais cedo terminasse, mais tempo o Rei Feiticeiro
teria para recuperar sua capital.

Eles não suportam atrapalhar essas questões.

Gondo pensou.

Ou talvez quisessem inspecionar a espada que haviam recebido.

Gondo não sabia qual resposta estava correta, mas, dado a fúria bárbara nos olhos dos
Dwarfs artífices, era provavelmente o último.

♦♦♦

O desejo de gritar “Yahoo!” encheu Ainz.

Ele se sentia assim desde que terminara sua apresentação. Não foi diferente de quando
ele tinha sido Suzuki Satoru. Se ele teve sucesso ou não, ele queria gritar enquanto ele se
deliciava com o sentimento de libertação e alívio.

“Isso foi incrível, Ainz-sama! Você realmente ficou muito empolgado!”

“Isso foi realmente incrível ~arinsu. A única pessoa em Nazarick que poderia fazer isso
é o senhor, Ainz-sama ~arinsu!”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


216
Ainz resistiu à vontade de responder com “Ah, não foi nada disso~” em constrangi-
mento quando Aura e Shalltear o elogiaram. Talvez se fosse Demiurge ou Albedo, ele
poderia espiá-los enquanto se perguntava se estavam zombando dele. Mas já que era
Aura e Shalltear, ele podia tomar suas palavras pelo valor aparente. Talvez se ele fosse
Suzuki Satoru, ele poderia até dizer: “Estou exausto, querem uma bebida?” e ir em direção
a uma máquina de venda automática, mas o homem que governava Nazarick e o Reino
Feiticeiro não poderia dizer tais coisas.

“—Hm, bem, não foi nada de mais. Tenho certeza de que o Demiurge ou a Albedo pode-
riam fazer um trabalho melhor.”

“Certamente não ~arin-su!”

“Unhum, sim! Mesmo aqueles dois não poderiam manipular esse Dwarfs tão bem!”

Ainz não se sentia assim, mas ele não esperava que a situação se desenvolvesse bem. E
então, o sentimento arrepiante de culpa sobre se esse sucesso era uma coisa boa come-
çou a se aproximar dele.

Naturalmente, a espada que ele mostrara aos Dwarfs era um item de YGGDRASIL.

YGGDRASIL não tinha um sistema de runas. Mas novamente, pode ter existido nos da-
dos do jogo, só que não foi descoberto por ninguém até o final. Portanto, as runas escul-
pidas naquela espada eram meramente cosméticas — para decoração.

A princípio, ele pensou; talvez eles pudessem se interessar se vissem essa espada. Mas
havia sido pego completamente desprevenido pela intensidade de suas reações, ao
ponto de se arrepender de dizer que queria que eles fizessem uma espada assim.

No entanto, Ainz reprimiu esse sentimento.

Ele precisava fortalecer a Grande Tumba de Nazarick. Como um inimigo com um Item
World-class que pode aparecer no futuro, além de poder haver jogadores ocultos lu-
tando contra ele, ele precisava aumentar sua força de combate.

Ainz olhou para Shalltear.

Uma Vampira que parecia estar corada de vergonha — o que era realmente surpreen-
dente quando ele pensava sobre isso. Uma semente que Peroroncino deixara para trás.
E ela foi a primeira NPC que ele não teve escolha senão matar com suas próprias mãos.

Sua supressão de emoções anulou a onda de ódio que se seguiu, mas, mesmo assim, ele
não podia esquecer. Não podia esquecer a sombra do portador do item World-Class que
o forçara a fazer isso.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


217
Para alcançar seu objetivo, até mesmo tornar as pessoas infelizes com mentiras dificil-
mente o incomodaria. A coisa mais importante neste mundo era os moradores de Naza-
rick. Todas as outras vidas estavam dois ou três degraus abaixo deles.

A igualdade de vidas nada mais era do que os delírios de um louco.

Se toda a vida fosse igual, então ele gostaria de colocar um homem que torturasse pes-
soas até a morte em uma cadeira elétrica e um defensor da dita igualdade em outra, e
então fizesse o último decidir qual deles deveria morrer. Qualquer um que pudesse re-
almente dizer que poderia confiar seu destino a uma rolada de dados, esse certamente
era um verdadeiro crente.

No entanto, Ainz mataria o primeiro sem hesitação. Isso porque Ainz sabia que as vidas
não eram iguais. Não havia como comparar as vidas dos NPCs dentro de Nazarick com
as vidas das pessoas de fora.

“Esse é o nosso Ainz-sama!”

“Isso mesmo ~arinsu!”

Antes que ele pudesse terminar sua linha de pensamentos, o elogio de Aura e Shalltear
apunhalou seu coração. De todo modo—

“Não diga que eles foram “manipulados”. Eu apenas disse a verdade.”

Ele havia dito isso a elas por causa de Gondo, que deveria estar atrás dele.

No entanto, quando não houve resposta vinda de trás, Ainz, um tanto intrigado se virou.

Gondo se aproximou, se preparando para despedir-se de Ainz.

“...O que é, Gondo?”

Ao ser abordado, Gondo levantou a cabeça.

“...Vossa Majestade. Já que disse tudo isso a eles, devo aceitar que o Conselho aprovou
o envio dos ferreiros rúnicos?”

“Exato. Eles disseram que também enviariam uma equipe de inspeção no futuro, para
ver se estavam sendo tratados como escravos, mas fundamentalmente concordaram em
fazê-lo.”

“Mesmo... Então aquelas pessoas realmente sentiram que o ofício rúnico não era mais
necessário?”

As lágrimas de Gondo correram pelas suas bochechas.

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


218
Ainz ficou chocado. Fora da infância, as lágrimas de um homem eram raras.

Essas lágrimas devem ter sido derramadas porque ele aprendeu que a arte que ele ad-
mirava e da qual ele se orgulhava fôra julgada sem valor e abandonada por seu país.

Mas foi praticamente isso mesmo.

Pensou Ainz. Dadas as circunstâncias da nação dos Dwarfs, seria muito difícil para eles
recusarem o pedido de uma nação que se comprometeu a enviar-lhes reforços.

As necessidades dos muitos superam as necessidades de poucos. Uma regra não escrita
entre as nações.

Até Ainz mataria centenas de milhões de pessoas por Nazarick.

Ainda assim, não havia necessidade de contar nada disso para Gondo.

“De fato, Gondo. Este país parece ver os ferreiros rúnicos como descartáveis. Eles os
entregaram com quase nenhuma resistência quando fiz meu pedido.”

Gondo, assim como os ferreiros rúnicos que poderiam ouvir isso dele, deveriam aban-
donar seu país até certo ponto. Embora fosse muito difícil abandonar completamente a
terra natal, ainda era um passo necessário para que eles dedicassem sua grande lealdade
ao Reino Feiticeiro.

Ainz gentilmente deu um tapinha no ombro de Gondo.

“Mas eu não penso assim. Sinto potencial latente dos ferreiros rúnicos.”

Mesmo que os sonhos de Gondo não pudessem ser realizados, monopolizar essas pes-
soas qualificadas e usar suas pesquisas poderia permitir que ele desenvolvesse uma con-
tramedida contra inimigos com armas rúnicas.

Conhecimento era poder.

“...Mesmo se você for descartado por um país, não estará mais contanto que outro pre-
cise de você, não acha?”

Ainz deu um tapinha no ombro de Gondo várias vezes. Gondo limpou o rosto desajeita-
damente.

“...Muito obrigado, Vossa Majestade. Por favor, permita-me satisfazer suas expectativas
com todas as minhas forças.”

“Uhum, uhum. Esperarei ansiosamente por isso.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


219
Ainz sorriu — embora seu rosto não se movesse — como se dissesse: “Eu confio em
você”.

Então, novamente, Ainz teve que ponderar sobre.

Seria bom se ele pudesse aprender sobre a Capital Dwarf. Ele provavelmente precisaria
que Gondo fizesse algum trabalho para obter mais informações. E então, ele precisaria
falar com o Comandante-Chefe.

Dragões em YGGDRASIL poderiam viver eternamente. Não seria estranho que eles fossem
indivíduos de poder inimaginável. Então é certo que haverá um Frost Dragon esperando
por mim...

De repente, o rosto de um rapaz— não, uma moça apareceu de dentro de suas memó-
rias.

“Pensando nisso, ela me disse que queria me ajudar a aprender mais sobre eles... Que
pena.”

Capítulo 4 O Artesão e a Negociação


220
Capítulo 05: Frost Dragonlord

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


221
Parte 1

oi na manhã seguinte. Ainz decidira sair cedo para recuperar a antiga capi-

F tal Dwarf, Feoh Berkanan, mas, quando estava prestes a sair, um rosto fa-
miliar apareceu na porta.

Era Gondo.

Ainz inclinou a cabeça. Ele não tinha idéia do porquê ele viera.

“—Está aqui para se despedir?”

“Não, eu vim para liderar o caminho.”

Ainz piscou. Claro, ele mencionou que precisaria de um Dwarf para lhe mostrar o cami-
nho. Ainz supôs que a missão do Dwarf escolhido seria ficar de olho nele e, concluiu que
poderiam selecionar um Dwarf sem vínculos prévios com ele.

“Depois de me despedir ontem, ouvi muitas coisas dos outros ferreiros rúnicos. Eu sinto
que conheço o caminho para a Capital Real melhor do que qualquer outro Dwarf.”

“Então, você pode encontrar uma rota alternativa se o túnel para a Capital entrar em
colapso? Você pode precisar se adaptar às mudanças na situação conforme elas surgirem.
Está bem com isso?”

“Eu estudei o máximo que pude sobre eles. Por favor, permita-me guiá-lo.”

“Humm.”

Ainz começou a pensar.

Em sua concepção, havia mais deméritos do que méritos em levar Gondo. No entanto,
se o Conselho tivesse aprovado, então, se Ainz fosse o único que desaprovasse e solici-
tasse uma mudança, as chances de conseguir outra pessoa como guia seriam muito bai-
xas.

“...Você trilhou os caminhos de um guerreiro, ou tem algum jeito de lutar?”

“Não, de modo algum. Não tenho confiança em minhas habilidades relativas a essa área.
Mas estou preparado para enfrentar qualquer perigo, prometo que ninguém te culpará
se eu morrer. Além disso, tenho a capa do meu pai. Creio que seja por isso que me esco-
lheram.”

Ter um manto de invisibilidade dava muito peso ao seu argumento.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


222
Mesmo que Ainz planejasse proteger seu guia, ele se sentia desconfortável em trazer
um Dwarf sem habilidade de combate. E mesmo que ainda pudesse ressuscitá-lo com
magia caso morresse (desde que tivesse níveis suficientes), Gondo poderia ter a menta-
lidade de “está tudo acabado” se ele morresse.

“Você precisa verificar se eu afastei todos os Quagoas da Capital Real? Se morrer ao


longo do caminho, isso tornará as coisas muito difíceis para mim... e ainda há a questão
dos ferreiros rúnicos. Eu preferiria que você ficasse aqui.”

Gondo se aproximou lentamente de Ainz e disse baixinho:

“A Capital Real tem um vasto tesouro. Se ainda não foi saqueado, conterá muitos tesou-
ros Dwarfs. Também deve haver algumas armas de meu pai e técnicas manuscritas da
família real por lá. Quem sabe, pode até haver manuais secretos deixados pelos ferreiros
rúnicos do passado.”

“Hoh...”

Com essa resposta, Ainz indicou que Gondo deveria continuar.

“Eu gostaria de obtê-los secretamente... Eu sei que é indelicado perguntar isso a Vossa
Majestade, posso te pedir para deixar isso passar despercebido quando retomar a Capi-
tal?”

“...Antes disso, você tem alguma maneira de abrir o Tesouro?”

“Não. Mas... eu acredito que Vossa Majestade deve ser capaz de fazer algo sobre isso,
certo?”

Ele realmente acha que eu posso fazer alguma coisa?

“Então você quer que eu me torne cúmplice de um ladrãozinho?”

“Creio o modo correto de ver isso, é que Vossa Majestade desejava ver se o Tesouro
tinha sido furtado e, assim, abriu para verificar. Então, por acaso, ficou brevemente dis-
traído por tempo suficiente. Eu seria apenas o ladrão mesquinho, sem qualquer relação
com Vossa Majestade.”

“...A linhagem da realeza dos Dwarf foi cortada. Isso está correto? Existe um livro regis-
trando os tesouros que deveriam estar dentro dos cofres?”

“Receio que não exista nenhum.”

“É muito importante ter certeza disso. Seria muito perigoso se houvesse um registro,
sabe? Eu não posso aprovar isso. Mais importante ainda, esse tesouro não pertence ao
seu país? Não te envergonha roubar isso?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


223
Gondo riu desdenhoso.

“Bem, esses manuais não significam nada para um país que abriu mão de nós e dos fer-
reiros rúnicos, o senhor não acha?”

É traição, então?

Embora esse pensamento passasse pela cabeça de Ainz, a verdade era que não lhe cau-
sava dano algum. Pelo contrário, deixar esses livros definharem na nação Dwarf seria
um desperdício.

Mais precisamente, o roubo de Gondo quebraria completamente seus laços com o Reino
Dwarf. O Reino Dwarf não toleraria um criminoso que havia saqueado seu tesouro. Este
assunto poderia ser usado como uma forma de chantagem, e isso se tornaria um grilhão
que tornaria Gondo completamente incapaz de trair o Reino Feiticeiro.

No entanto, ele também pode ser usado contra o Ainz de maneira semelhante.

“...Realmente. Não faz sentido deixar que as pessoas que não precisam o tenham. De
fato, pode ser que meus olhos possam vir a falhar quando tal momento chegar. Bem,
como mencionei anteriormente, você precisa pesquisar todos os catálogos dos tesouros.
Eu gostaria de evitar qualquer disputa futura.”

“Entendido. Eu farei como Vossa Majestade ordena.”

“Então, vamos encerrar este assunto no momento.”

Mesmo que tenham andado um pouco longe para discutir isso, alguém com audição
aguçada poderia estar espionando-os.

“Vamos mudar o assunto. Conte-me sobre os perigos que podemos enfrentar antes de
chegar à Capital Dwarf. Apenas superficialmente, sem grandes detalhes.”

“Uma boa pergunta. Todos os que desejam alcançar a Capital Dwarf devem passar por
três provações.”

“Provações? Interessante. Resuma-as.”

“Mm, a primeira provação é a Grande Fenda. Há uma encosta na frente do portão que
leva à fortaleza. Após a fortaleza é a Grande Fenda que divide a terra. Agora que a ponte
suspensa foi amarrada, dificilmente se qualifica como uma provação. Mas ao atravessá-
lo, é preciso preparar-se para receber ataques concentrados do inimigo.”

“Os Quagoas usam armas de longo alcance?”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


224
“Humm, nunca ouvi falar disso antes. Mas pode ser perigoso supor que não, não é?”

Isso fazia muito sentido. Também existia a possibilidade de que eles pudessem usar as
armas mágicas da fortaleza.

“Então, a próxima provação é uma área de lava. Até mesmo o ar quente de lá é fatal. É
preciso atravessá-la por um caminho estreito de rocha lisa. E às vezes avistaram um
monstro enorme lá.”

“Um monstro enorme?”

A forma de Guren, Guardião de Área do 7º Andar, veio à mente de Ainz.

Se o monstro fosse semelhante a ele, as coisas seriam realmente muito problemáticas.

...Por sinal, Slimes e a sociedade humana estão intimamente ligados. É o caso neste país
também? Se eles têm Slimes raros aqui, eu gostaria de levá-los para casa.

Assim que Ainz pensou nos Slimes que viviam perto dos filtros de esgoto, Gondo conti-
nuou para a última provação.

“A provação final é o Labirinto da Morte. É uma caverna com inúmeras ramificações,


cheias de vapores venenosos. Se alguém inala esses vapores, os membros ficarão para-
lisados e o coração parará de bater.”

Gondo olhou para Aura e Shalltear.

Esse gesto parecia estar dizendo que Ainz poderia estar bem, mas as duas estariam com
problemas.

Elas vão ficar bem... Bem, eu acho que posso dizer a ele quando chegarmos lá.

“E qual é o caminho certo através das cavernas?”

“Infelizmente, eu não sei. Conversei com todas as minhas conexões, mas até os anciãos
não sabiam. Nem os membros do Conselho. Talvez possa estar gravado em um docu-
mento...”

“Mas você também não achou, não é? Bem, duvido que possa localizar facilmente um
documento que é tão importante para a segurança nacional. Reuniremos informações
quando chegar a hora e nos adaptaremos à situação.”

Ainz memorizou as informações sobre essas provações e fez um gesto para os outros.

“Então, vamos.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


225
Ainz, Shalltear e Aura assumiram a liderança. Gondo fez fila com dez ou mais soldados
assim como seu comandante em seu caminho para retomar a fortaleza, e então os por-
tões se abriram lentamente. O fedor da morte filtrou através da abertura, então eles ti-
nham uma idéia do que esperar, mas então uma cena horrível revelou-se a todos os pre-
sentes.

O túnel que descia era largo e fôra nivelado para facilitar a passagem. No entanto, as
paredes e o chão estavam cobertos de sangue, tripas e pedaços de carne. Cadáveres Qua-
goas cobriam o chão.

“Urk!”

O fedor de sangue, e carne putrefata tomou conta do ambiente. Foi demais para Gondo,
que não tinha experiência como guerreiro, e começou a vomitar. Os rostos dos soldados
Dwarfs ficaram verdes, e não foi por causa de algum truque da luz.

O corpo de Ainz não tinha noção de náusea, por isso não causou nenhum problema. No
entanto, ele não gostou desse cheiro.

Um ruído húmido veio de debaixo dos pés. Parece que ele havia pisado nas entranhas
que haviam caído de um Quagoa bissectado.

Ainz suspirou e depois lançou 「Mass Fly」, permitindo que todos voassem.

Parece que os Death Knights haviam se divertido em sua carnificina aqui. Qualquer um
que escorregasse e caísse naquele túnel de sangue certamente perderia sua força para a
sujeira e o fedor. Mais importante, a visão de alguém cambaleando ao lado deles en-
quanto coberto de sangue era horrível.

O grupo desceu a passagem inclinada, não houve problemas devido à magia de voo.

Graças às rochas fracamente incandescentes incrustadas ao longo do caminho, ainda


havia alguma luz visível. No entanto, o espaçamento entre cada rocha estava cheio de
escuridão. Claro, Ainz possuía visão no escuro, e isso não representava problema para
ele.

Depois de descer a encosta — uma distância de cerca de 100 metros — eles puderam
ver a entrada da fortaleza diante deles. Não, seria mais correto dizer que era a porta dos
fundos da fortaleza.

Uma vez que atravessassem as portas abertas para a fortaleza, poderiam ir além da for-
taleza e cruzar a ponte suspensa à frente. Depois de viajar para o oeste de lá por vários
dias, eles poderão ver a antiga Capital Dwarf.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


226
A entrada da fortaleza estava cheia de cadáveres de Quagoas. Alguns deles pareciam
não ter sido mortos pelos Death Knights, mas sim roídos. Essas devem ter sido as vítimas
dos Squire Zombies dos Death Knights.

A detecção de undead de Ainz não captou nenhum indivíduo. Foi provavelmente por-
que os Zombies tinham voltado a ser cadáveres comuns depois que os Death Knights
foram destruídos.

Ainz olhou em volta. Não havia detecção alguma agora, mas se ele os deixasse assim, as
coisas podem se tornar perigosas, dadas as características de surgimento de undeads
deste mundo.

“É comumente aceito que deixar cadáveres ao léu resultará no nascimento de undeads.


O que vocês planejam fazer?”

Ainz perguntou aos soldados que os seguiam.

“Sim senhor. Vamos limpar o local.”

Respondeu o comandante e continuo:

“Bem, nós dizemos limpar, mas é mais como jogá-los na Grande Fenda, um lugar onde
isso não importará, mesmo se um monstro nascer naquelas profundezas.”

“E também precisarão consertar a fortaleza e descobrir como os Quagoas atacaram?


Parece que vocês têm muito trabalho pela frente.”

Eles se separariam aqui. As únicas pessoas que participariam da recuperação da Capital


Dwarf seriam Ainz, Aura, Shalltear e Gondo. Bem, os Hanzos também estavam por perto,
mas eles não precisavam saber disso.

Os Dwarfs sorriam amargamente. Embora fosse verdade que as investigações fossem


arriscadas — afinal, corriam o risco de encontrar Quagoas — não era nada comparado à
tarefa de Ainz de atacar o assentamento principal dos Quagoas. Isso foi provavelmente
o que eles queriam dizer.

“Então, vamos entrar na fortaleza. Nós iremos primeiro para garantir que é seguro, en-
tão espere do lado de fora. Por estarem no lado seguro, você poderia proteger o Gondo?”

Depois que o comandante respondeu afirmativamente, Ainz passou pela porta aberta.

Enquanto estava no centro da tragédia, Ainz perguntou a Aura (que estava de pé atrás
dele):

“Aura, pode sentir alguém usando uma habilidade furtiva para se esconder aqui?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


227
“Nadinha. Não há nada vivo nessa fortaleza.”

Aura colocou a mão em sua longa orelha e fez um gesto de escutar enquanto respondia.
Se Aura, a Ranger, disse isso, então não haveria nada dentro dessa fortaleza.

Ainda assim, eles não podiam baixar a guarda.

A pessoa que derrotou os Death Knights de Ainz deveria ter passado por aqui. Se essa
pessoa tivesse um monte de profissões especializadas em furtividade, ela poderia enga-
nar as habilidades perceptivas de Aura.

Ainda assim, alguém assim geralmente teria baixo poder de ataque, e seriam fáceis de
lidar, mesmo se lançassem uma emboscada.

Havia muitos cadáveres dentro da fortaleza, mas ao contrário da passagem inclinada


de antes, havia cadáveres Dwarfs por toda parte.

Ainz passou pela fortaleza em direção ao portão que estava em frente ao que eles ha-
viam entrado. Depois de abrir o portão, ele viu a Grande Fenda se abrir diante dele, e
nem mesmo a visão de Ainz pôde ver o que havia no fundo.

Como não havia Quagoa nos arredores, concluiu-se que haviam recuado sem estabele-
cer uma base de operações aqui.

“Esta deve ser a Grande Fenda...”

Ainz virou-se para olhar da esquerda para a direita.

“Mas não parece haver nada como uma ponte suspensa aqui... não, isso é uma coluna de
ponte? Se isso está aí, então significa...”

“Pode ser que o inimigo tenha destruído a ponte durante a retirada deles ~arinsu.”

Disse Shalltear ao lado de Ainz.

“Hm...”

Se o inimigo deles fosse um ser poderoso que poderia facilmente derrotar um Death
Knight, haveria necessidade de destruir a ponte? Se isso resultasse em bloquear o ataque
deles, isso significava que eles não estavam confiantes em sua força— não.

Ainz balançou a cabeça em negação.

Os Death Knights eram raros neste mundo. Assim, o inimigo deve ter imaginado que
havia uma entidade poderosa controlando os dois Death Knights. Sendo esse o caso, per-
der a ponte não seria uma grande perda.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


228
“Nada mal... Diga aos Dwarfs que o caminho é seguro.”

“Entendido ~arin-su!”

Enquanto observava Shalltear indo em direção aos Dwarfs, ele viu Aura se agachando.
Ele queria perguntar o que ela estava fazendo, mas, dada sua expressão diligente, seria
melhor não interromper sua concentração.

Ainz virou-se para olhar para a Grande Fenda, depois pegou uma pedra e jogou-a dentro.
Não havia nenhum significado em particular; ele tinha feito isso por um capricho. Ainda
assim, não podia ouvir a pedra batendo no fundo.

“A profundidade é desconhecida, Vossa Majestade.”

Disse o comandante que Shalltear trouxera consigo. Ele deve ter visto o que Ainz estava
fazendo:

“Enviamos duas expedições para investigar, mas nenhuma voltou.”

“Entendo. Deve haver monstros lá... Alguma coisa já saiu disso?”

“Senhor, não houve nada parecido até hoje. Portanto, decidimos não enviar expedições.
Sondar muito fundo seria imprudente.”

“Bem, faz sentido.”

Ainz poderia fazer undeads incorpóreos como fantasmas, e usando magia para compar-
tilhar seus sentidos, ele seria capaz de montar uma investigação completa. No entanto,
agora não era a hora para esse tipo de coisa.

Dadas as circunstâncias atuais, investigar a Grande Fenda era uma prioridade baixa.
Ainda assim, tinha que ser feito. Em YGGDRASIL, lugares como este frequentemente
ocultam itens valiosos ou dungeons.

Se aqueles desenvolvedores merda estivessem envolvidos na criação disso, eles esconde-


riam um túnel na parte inferior da Grande Fenda, e haveria minérios raros dentro de um
túnel assim. Não, eles definitivamente fariam isso. Na verdade, isso já aconteceu antes.

“Vamos atravessar para o outro lado, perseguir os Quagoas em fuga, e pressioná-los de


volta à Capital Real.”

A magia de voo ainda estava em vigor, então isso não era um problema em si. No en-
tanto, o que preocupava Ainz era se algo sairia da escuridão ou não.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


229
Foi um incidente de YGGDRASIL, mas Ainz não pôde deixar de recordar o tempo em que
ele estava atravessando um lago e avistou um monstro gigante parecido com uma ser-
pente nadando abaixo. Não era uma lembrança agradável, mas essa experiência foi posta
em uso na criação do 5º Andar—

Depois de se despedirem do comandante, os quatro alçaram voo, com Shalltear e Aura


olhando abaixo deles. Suas preocupações a partir de agora eram infundadas, e chegaram
ao outro lado sem ver nada mais abaixo.

Dito isso, ele soltou um suspiro de alívio quando seus pés mais uma vez pisaram firme-
mente em terra firme. Claro, ele tinha que manter isso em segredo dos outros.

Ainz examinou os arredores.

Havia apenas quatro cadáveres inimigos aqui, o que significava que os Death Knights
haviam sido derrotados naquele lugar.

“Shalltear, há algumas coisas que eu preciso te dizer agora.”

Depois de chamar Shalltear para perto, Ainz olhou para Aura e a viu inspecionando o
chão.

Talvez seja melhor chamar a Aura também.

Ele pensou nisso, mas então achou melhor que Shalltear assumisse a liderança desta
vez. Ele poderia explicar uma versão simplificada para Aura depois.

“Um momento, Ainz-sama ~arinsu!”

Shalltear tirou um caderno e abriu.

“Por favor continue ~arinsu.”

“Oh. Humm. Um caderno, huh... Muito atencioso da sua parte. Ghrum! Er— estamos
prestes a entrar em uma área muito perigosa. Quanto ao porquê é perigoso, é porque
existe um ser que pôde derrotar dois dos meus Death Knights. Sei que comparar os De-
ath Knights a você é uma espécie de insulto—”

“—Não é nada disso, Ainz-sama. Vou usar toda a minha força para lutar contra qualquer
ser poderoso que possa derrotar os Death Knights que o senhor criou ~arinsu.”

“Não, você não deve usar toda a sua força.”

“Por-por que isso ~arinsu? Se o inimigo é forte, não devo atacar seriamente — perdoe-
me por te questionar, Ainz-sama!”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


230
“De modo algum. Sua pergunta é muito sensata.”

Ainz colocou as mãos atrás de suas costas e depois lhe disse como lidar com um inimigo
desconhecido.

“Então, você deve estar ciente de como a oposição espera que ajamos. O que o inimigo
mais quer é informação — ou seja, nossa capacidade de lutar. Eles podem usar tropas de
emboscada descartáveis e similares para avaliar nossa força de combate. Em outras pa-
lavras, irão verificar nossas habilidades e quando sentirem que podem alcançar a vitória,
eles nos atacarão de tal maneira que não podem perder e nós não poderemos fugir.”

“E pensar que eles realmente farão isso ~arinsu...”

“Sim, não sabemos se o inimigo irá tão longe—”

“Ah... Ainz-sama...”

Aura gritou para ele em um tom nervoso, algo que era muito incomum para ela. Em
circunstâncias normais, ele pararia sua explicação para Shalltear e ouviria Aura.

No entanto, ele estava de muito bom humor, pois era uma chance de falar longamente
sobre uma de suas especialidades.

Portanto, Ainz se virou para Aura e colocou o dedo indicador na boca.

“A-ah, sim!”

A compreensão surgiu em Aura. Ainz estava dando uma palestra séria, então ele queria
que ela ficasse quieta. Ela entendeu o que Ainz estava tentando dizer.

“Como eu estava dizendo, Shalltear. Eu faria o mesmo se estivesse lutando com um ini-
migo forte. Ou melhor, meus amigos fariam o mesmo também.”

“Os Seres Supremos fariam isso também ~arinsu? Mas, comparando este inimigo com
os Seres Supremos é um pouco...”

“Acha mesmo? Você deve assumir que o inimigo pode fazer tudo que eu posso fazer.
Apenas um tolo pensa em si mesmo como alguém especial e se vangloria disso. Perma-
neça sempre cautelosa. De todo modo, não quero deixar o inimigo ver nossa força total
de luta.”

Manter os Hanzos escondidos também deveria atrapalhar os esquemas do inimigo.

“Portanto, Shalltear, vou estabelecer várias restrições sobre você quando estiver via-
jando comigo para a Capital Dwarf — antes de chegarmos à sede do inimigo.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


231
“Sim! Quais restrições seriam ~arinsu?”

“Uhum. No que diz respeito a magia... eu permito que você use magias de até o décimo
nível, mas não deve usar uma variedade muito grande. No máximo, uma ou duas.”

“...Entendo, isso é para enganar o inimigo e torná-lo excessivamente confiante, e então


derrotá-lo com um contra-ataque ~arinsu. Sendo esse o caso... por que não me limitar as
magias de quinto nível e inferiores?”

“Não, o inimigo não será ninado em uma falsa sensação de confiança dessa maneira. No
momento em que o inimigo pensar que tem a medida de nossa verdadeira força e pro-
cura destruir-nos totalmente, teremos a chance de dar um golpe fatal. No meu caso, se
eu visse o inimigo me atacando com apenas algumas técnicas e sem magias além do
quinto nível, eu imediatamente concluiria que o inimigo estava tentando manter suas
habilidades em segredo.”

“Nesse tipo de situação, o que o senhor faria contra esse tipo de inimigo ~arinsu?”

“Eu pensaria em como aprender mais sobre ele. Por exemplo, abandonaria brevemente
uma base descartável. Então, eu lentamente recolheria informações. Uma vez que o ini-
migo ganha uma base, ele sentirá o desejo de se agarrar a ela. Esse tipo de atitude limi-
tará as ações do inimigo e invariavelmente revelará suas verdadeiras intenções.”

“Existe a necessidade de ser tão cauteloso ~arinsu?”

Em um jogo ainda é possível se recuperar de uma perda. No entanto, neste mundo, ha-
via a chance de que eles não seriam capazes de se recuperar. Isso foi especialmente ver-
dadeiro quando se tratava de Ainz, que ainda não havia terminado seus experimentos
sobre mortes e ressurreição de jogadores.

“Isso tudo são coisas que você faz em resposta às circunstâncias. Shalltear, você precisa
pensar, não?”

De qualquer forma, ele deveria deixar as coisas assim. Ainz se virou para Aura.

“Então, Aura, o que é?”

“Não, nada não.”

Os olhos de Aura estavam brilhando.

Ele não tinha idéia do que havia feito isso, mas talvez ela se sentisse impressionada com
as táticas que ele havia explicado para Shalltear.

Hm~ pode ser o básico absoluto, mas eu acho que devo dar alguma orientação a Aura
também, não? Devo emprestar o livro de táticas PK? Mas essa é a única coisa que tenho

Capítulo 5 Frost Dragonlord


232
que me dá vantagem sobre os NPCs... O que devo fazer? Além disso, deixar a informação se
espalhar muito não é bom, alguém me disse isso antes...

Assim que Ainz caiu em pensamento, Gondo falou:

“Ah, desculpe te interromper enquanto está discutindo a estratégia, mas não devemos
avançar? Se o caminho entrar em colapso, teremos que encontrar outra rota.”

“Isso é verdade... Vamos viajar em uma fera mágica?”

“Pode ser melhor não fazer isso. Podemos encontrar pequenas passagens ao longo do
caminho e, se estivermos montados, teremos que deixar as feras lá.”

Ele tinha pensado em usar uma criatura undead como um Soul Eater. Ele poderia sim-
plesmente recriá-lo se houvesse algum problema. No entanto, seria mais sensato ouvir
as palavras do seu guia.

“Compreendo. Então, vamos em frente.”

♦♦♦

“Sua Majestade partiu!”

Quando ouviram isso, seis dos Conselheiros Dwarfs — o Sumo Sacerdote da Terra, o
Diretor de Produção Alimentícia, o Secretário do Gabinete, o Mestre Cervejeiro, o Mestre
das Cavernas e Minas e o Mestre da Guilda Mercantil — estremeceram de prazer.

Era verdade que o Rei Feiticeiro não havia feito nada até agora. Ainda assim, eles não
podiam descansar quando um ser — pincipalmente de uma raça que odiava os vivos —
tão poderoso andava pelas ruas.

As pessoas aqui reunidas precisavam garantir a segurança da cidade e do seu povo. As-
sim, eles tiveram que considerar os piores cenários possíveis que poderiam acontecer
antes de se comprometer com um curso de ação. Por exemplo, o Rei Feiticeiro poderia
ter se tornado violento de repente e iniciado um massacre de crianças. Essas preocupa-
ções os incomodaram por todo o dia e consideraram várias contramedidas e propostas
úteis.

Agora que o objeto de sua discussão sussurrada não estava mais aqui, o que havia de
errado em saborear a doce liberação de seus fardos?

“Traga o vinho! Traga o vinho!”

Assim como a terra ressecada ansiava pela chuva, o álcool era essencial para que os
corações exaustos se curassem.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


233
Ninguém poderia opor-se a isso.

“Ainda assim, ele voltará cedo ou tarde, não?”

O ar ficou estagnado de repente, e uma escuridão se instalou em todos eles.

Seus punhos fechados abaixaram sem forças.

“Devemos fugir?”

“E para onde? Se fugirmos agora que assinamos esse pacto com ele... Além disso, pedi-
mos que tomasse nossa Capital Real, não é? Se estivéssemos no lugar dele, tenho certeza
que ficaríamos com raiva.”

“Bem, ele pode ficar com raiva... mas eu não teria confiança para assumir uma postura
radical contra um ser assim.”

“Ah. Sim, entendo como se sente.”

“...Tem certeza? O que aconteceu com o seu orgulho, Mestre da Guilda Mercantil?”

“Ah, não é como se pudéssemos fazer um acordo justo com uma coisa dessas, ou pode-
mos? A lógica é que os negócios só podem ser feitos entre duas partes iguais em circuns-
tâncias iguais, certo? Portanto, é impossível fazer um acordo adequado com alguém
muito mais poderoso que você.”

Os Dwarfs suspiraram como um.

Ninguém aqui sentiu que o Rei Feiticeiro deixaria de recuperar a Capital Real. Isso era
óbvio apenas olhando para as feras mágicas que ele deixou para trás. Pois ele era um ser
que tinha o luxo de deixar monstros como aqueles quando ele sabia que havia um Dragão
esperando por ele.

“Vamos mudar de assunto. Alguém pode estimar quando ele vai voltar?”

“Como vamos saber? Não é como se pudéssemos perguntar ao próprio homem. Se en-
trar aqui rindo e dizendo “agora mesmo”, tenho certeza que eu mijaria de medo.”

Essas foram palavras vergonhosas, mas nenhum dos Dwarfs riu delas.

“...Não podemos fazer nada. Se ele fizesse isso comigo, eu também ficaria todo mijado.”

“O mesmo aqui. Eu acho que posso ater ficar todo cagado.”

Eles se entreolharam enquanto pronunciavam essas indelicadezas.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


234
“Aprendemos algo novo? Sabemos alguma coisa sobre esse tal de Gondo?”

“Nada, só que ele reuniu os ferreiros rúnicos.”

“Os ferreiros rúnicos? Foi para ir ao Reino Feiticeiro?”

“Quem sabe? Por que não convocamos um deles e perguntamos pessoalmente sobre
isso?”

“É uma boa idéia, mas vai nos deixar de mãos atadas a Sua Majestade, não? É muito
perigoso agir precipitadamente. Afinal, só um idiota tocaria num crisol incandescente.”

“Se esse é o caso, teremos que dizer aos ferreiros rúnicos que queremos que eles se
mudem para o Reino Feiticeiro. Aí poderemos perguntar isso mais casualmente. O que
me dizem?”

“...Não estou confiante em minha capacidade de fazer isso.”

Os Dwarfs murmuraram: “Eu também” em resposta.

“Tudo bem, melhor esquecer de perguntar algo. Seria tolice cavar buracos desnecessá-
rios e acabar encontrando a morte em algum.”

Todos aqui concordaram com isso. Se eles irritassem Ainz por serem curiosos demais,
muitas vidas poderiam se perder.

“Certo, vamos informar aos dois que não estão aqui sobre os negócios de amanhã, sobre
não interferir com os ferreiros. Ouvi dizer que o Comandante-Chefe virá para cá depois,
mas e o Forjador Mestre?”

“Eu aviso ele.”

Disse o Secretário do Gabinete e completou:

“Estou interessado no tipo de obra-prima que ele produzirá. Além disso, estou curioso
sobre o metal que o Rei Feiticeiro deu a ele.”

“Ele só disse que era um metal raro, mas não pode ser mais raro do que adamantite, não
é?”

“Então seria mais como orichalcum, então?”

Os Dwarfs eram uma raça subterrânea. Mesmo que o trabalho deles não tivesse nada a
ver com metalurgia, eles estariam muito interessados em um metal que nunca tinham
visto antes.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


235
“Se ao menos pudéssemos manuseá-lo e fazê-lo mostrar a nós. Ele tem estado muito
ocupado ultimamente, não é?”

Depois de receber o metal do Rei Feiticeiro, o Forjador Mestre retornou apressada-


mente para sua oficina. Todos sabiam o motivo de sua pressa e, portanto, não o impedi-
ram.

“Bem, a metalurgia deve estar indo no caminho certo, considerando que é ele. Sempre
sobra alguns elos extras ao fazer uma cota de malha, então talvez possamos pegar alguns
emprestados.”

Depois de um coro de aprovações, a sessão do Conselho se dissolveu.

E assim, seus corpos cansados ansiavam pelo descanso, mas os Dwarfs eram uma raça
que sediava festas de bebedeira, mesmo quando falavam em fazer uma pausa.

“O vinho parece ficar ainda melhor no local de trabalho”, disseram enquanto bebiam
destilados especiais, só de Dwarfs, com alto teor alcoólico. Em meio a tudo isso, o Secre-
tário do Gabinete de repente pensou em algo e saiu da sala de reuniões, que agora era
uma cervejaria.

Escusado será dizer que ele se encontraria com o Forjador Mestre.

A oficina do Forjador Mestre era enorme, como convinha a um homem que era respon-
sável pelas forjas em um país. Com toda a probabilidade, era um dos maiores edifícios
em Feoh Jēra. Empregava muitos Dwarfs artífices assim como seu calor — que podia
derreter adamantite — e as batidas de seus martelos nas bigornas que nunca antes havia
parado.

No entanto, ficou em silêncio hoje — uma ocorrência que fez os cabelos do Secretário
do Gabinete ficarem em pé.

Ele tinha certeza de que os crisóis estavam sendo aquecidos.

Isso foi porque a temperatura subiu quando ele se aproximou deles.

Nesse caso, qual foi a razão desse silêncio?

O Secretário do Gabinete acelerou o passo, como se impelido pelo mal-estar que tomava
conta do seu ser.

Ele tinha vindo aqui antes, então não havia hesitação enquanto ele mergulhava em di-
reção ao crisol onde os ferreiros deveriam estar trabalhando.

Ele viu os ferreiros, todos os quais eram rostos familiares.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


236
Incapaz de evitar, ele suspirou de alívio. No entanto, quando percebeu os olhares preo-
cupados nos rostos dos ferreiros e a direção para onde todos estavam olhando, o mal-
estar que tomou seu coração parecia voltar à vida.

“O que está errado?”

Enquanto ele perguntava, os olhos dos ferreiros se acenderam, como se o salvador deles
tivesse chegado.

“Ele se trancou lá e se recusa a sair.”

Além de seus crisóis gigantescos, esta fundição também continha uma oficina para o
uso pessoal do Forjador Mestre, embora estivesse mais perto de uma fundição em mini-
atura por si só. O Forjador Mestre era um profissional dedicado e, ao lidar com projetos
importantes, muitas vezes ele se trancava por dentro e não aparecia por vários dias.

Essa foi uma ocorrência bastante comum. Os discípulos do Forjador Mestre e os outros
ferreiros não deveriam ter aquele olhar angustiado em seus rostos.

“...Isso é corriqueiro, não?”

“É verdade que ele se tranca com bastante frequência... mas não há som de martelar. Já
faz metade de um dia— não, quase um dia inteiro.”

“...Então, talvez ele esteja apenas preparando os planos para o projeto?”

“Isso nunca aconteceu antes.”

O Secretário do Gabinete acariciou a barba.

Ele não achava isso particularmente surpreendente. No entanto, se todos os forjadores


se sentissem da mesma forma, provavelmente deveria ser uma emergência.

“Então por que não abriram a porta? Está trancada?”

“Não, não está trancada. Mas sempre que o Forjador Mestre se retira para aquela sala,
ele odeia pessoas abrindo aquela porta.”

“Entendi... Então quer que eu abra, é isso?”

Seria difícil para os discípulos do Forjador Mestre. Mas alguém de nível equivalente
pode ter uma chance melhor de não incorrer na ira do Forjador Mestre.

Parece que fui azarado. Bem, agora não dá para voltar atrás.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


237
“Compreendo. Então, deixe-me fazer isso. Mas vá primeiro. Apenas aja como se eu in-
sistisse que fossem, assim menos da ira respigará em vocês.”

Depois que os ferreiros lhe agradeceram, o Secretário do Gabinete se aproximou e ba-


teu na porta.

No entanto, não houve resposta, independentemente de quantas vezes ele bateu.

Temendo o pior, ele abriu a porta na base da força.

Era a mesma sala familiar. Surpreendentemente, não havia calor, embora ela fosse ape-
nas uma porta removida do enorme crisol. Isso foi devido ao ar condicionado mágico.
Quando ele desviou o olhar, viu uma chama carmesim ardendo nas profundezas do crisol.

E então, ele viu alguém de frente para o fogo.

O quê? Ele está lá... é ele, não é?

Assim que o Secretário do Gabinete estava prestes a suspirar de alívio, ele mais uma
vez prendeu a respiração.

Isso porque ele podia sentir algo estranho e inexplicável no ar. Por que o Forjador Mes-
tre estava em silêncio? De acordo com os ferreiros do lado de fora, ele deveria ter reagido
imediatamente à invasão.

“Ei.”

Aquelas palavras eram pouco mais que um suspiro exalado, mas o homem deveria ter
ouvido. No entanto, não houve resposta do Forjador Mestre.

“Ei!”

O Secretário estava nervoso agora e ele gritou, mas, como esperado, o Forjador Mestre
não reagiu.

Ofegante, ele avançou para o lado do Forjador Mestre.

“—Hey!”

“O quê?”

Finalmente houve uma resposta. O Secretário do Gabinete quase desmoronou por causa
da força que fugia de seus membros.

“O quê? O quê? Não me faça—”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


238
As palavras do Secretário do Gabinete sumiram.

Por que o Forjador Mestre não se virou para olhá-lo?

Preocupado com seu amigo, o Secretário do Gabinete deu a volta para olhar seu rosto.

Ele parecia diferente do habitual — como se ele fosse um animal acuado. Mais impor-
tante que isso, ele tinha uma expressão horrível no rosto, como se estivesse pronto para
massacrar seu próprio povo.

“...O que aconteceu?”

O rosto do Forjador Mestre finalmente se moveu em resposta às palavras que foram


ditas sem querer. Não, apenas seus olhos se moveram, virando-se para olhar o rosto do
Secretário do Gabinete.

“O que aconteceu? O que... aconteceu!? Hmph!”

A mão do Forjador Mestre se mexeu. Pegou a pinça, tirou o lingote de metal quente do
fogo do crisol e jogou no Secretário.

“Uwaaaaah!”

O Secretário retirou desesperadamente, e o lingote caiu no chão com um baque surdo.

“Seu desgraçado! Está tentando me matar!?”

Ele não podia tolerar isso, nem mesmo de um amigo.

No entanto, o Forjador Mestre sorriu friamente.

“Te matar? Bem, se é assim que pensa.”

Então, ele estendeu a mão e pegou o lingote. Ferreiros normalmente usavam luvas re-
sistentes ao calor, mas o mais chocante era que o Forjador Mestre não. Ele também não
usava nenhum item mágico que desse tal efeito.

Ele havia agarrado o lingote de metal quente com a mão sem nenhum tipo de proteção.

Tão imprudente e ridículo era aquele movimento que o Secretário imaginou que podia
cheirar e ouvir a carne do Forjador Mestre chiando. O Forjador Mestre praticamente
cuspiu suas palavras para o Secretário do Gabinete de olhos arregalados.

“Isso não esquenta!”

“O que, como assim?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


239
“Essa maldita coisa não esquenta de jeito nenhum!”

Antes que ele percebesse, o Secretário do Gabinete pegou o lingote jogado em sua dire-
ção. Por um momento, ele imaginou que estava emitindo um calor escaldante, mas não
estava nem um pouco quente. Na verdade, era surpreendentemente frio.

“Mas, mas o que diabo é isso?”

Essa foi uma pergunta inútil. Em todo o conhecimento que o Secretário do Gabinete
tinha, havia apenas uma coisa que correspondia à descrição de um metal que não es-
quentava mesmo quando aquecido. Assim, a questão era apenas uma formalidade.

De fato, as próximas palavras do Forjador Mestre confirmaram suas suspeitas.

“É o lingote que aquele maldito me deu! Eu o aqueci por um dia inteiro e não esquenta!
Eu o martelei e não amassa! Eu não consigo nem sequer deixar um arranhão! Como dia-
bos eu devo fazer uma armadura com isso!?”

“Vo-você não acha que ele te deu um metal, que mesmo ele não poderia trabalhá-lo?”

“Eu gostaria de pensar assim também. Mas olha, tem uma espada curta feita do mesmo
metal! Só com ela que consigo fazer alguma marca no lingote! Mas que porra que o “ar-
tesão mais experiente” significa!? Eu não sou nada mais do que um idiota que só pode
ficar encarando um pedaço de metal desconhecido!”

O Secretário do Gabinete lutou para pensar em como confortar o Forjador Mestre.

“Então, e se perguntasse a ele como trabalhá-lo—”

“Aqueles que perguntam quando não sabem são mais espertos do que aqueles que não
perguntam quando não sabem? O ditado é esse, não é? Enfim. Os Dwarfs dos dias passa-
dos tinham razão. Mas — para que minha experiência serve? Olhe para estas mãos.”

Com vigor, ele mostrou as mãos. Eram um par de mãos de artesão; grossas, pesadas e
marcadas por velhas queimaduras. Qualquer artífice poderia se orgulhar de tais mãos.

“Eu manuseio metais desde que eu era um discípulo estúpido. Até então, eu fiz isso mais
do que qualquer outra pessoa. Por causa disso, foi natural eu ser elogiado como o mais
notável artífice entre meus colegas. E a razão para isso é porque trabalhei mais do que
qualquer outra pessoa!”

O rosto do Forjador Mestre estava torcido de rugas.

“Eu dediquei a minha vida para ser um ferreiro. Eu não acho que nada é impossível, e
eu sempre acreditei que qualquer metal pode ter a forma desejada. —Eu sou uma piada

Capítulo 5 Frost Dragonlord


240
mesmo! Haha! O que eu estava usando para me enganar? Eu não sou nada mais que um
pequeno sapo no fundo do poço! E pensar que me atrevi a me chamar de gênio. Eu fui
tão idiota.”

“Calma, tudo o que precisa fazer agora é começar a aprender de novo, não acha?”

“Isso mesmo. Sim, você está certo. Embora me machuque ouvir isso...”

O Forjador Mestre apertou firmemente o lingote na mão.

O fato do rosto do Forjador Mestre ter ficado completamente pálido preocupou o Se-
cretário do Gabinete.

“Está bem. Você tem razão. Tudo o que preciso fazer é começar a aprender novamente.
Então, o que veio fazer aqui?”

“O que eu... seu id... Ah, esqueça. Aquele rei undead deixou esta cidade. Nós realizaremos
uma reunião do Conselho amanhã, e eu vim buscá-lo. Além disso, não interfira com os
ferreiros rúnicos.”

“É isso... eu entendo. Então, nos vemos amanhã.”

O Secretário do Gabinete ainda se sentia desconfortável, mas não conseguiu mostrar


isso.

Fadiga do corpo traduzia a fadiga do espírito. O Forjador Mestre provavelmente se re-


cuperaria depois de uma boa noite de descanso. Depois de se forçar a aceitar essa expli-
cação, o Secretário do Gabinete voltou para casa.

No entanto, no dia seguinte, ele descobriu que o Forjador Mestre havia desaparecido
com o lingote.

Parte 2

Foi dito que havia três provações ao longo do caminho até a antiga Capital Real dos
Dwarfs.

A primeira foi a Grande Fenda.

Escusado será dizer que não se podia atravessá-la a pé. Claro, também se poderia pro-
curar uma maneira de contorná-la, mas isso aumentaria as chances de encontrar mons-
tros. Os monstros que esperavam em tal terreno eram uma terrível ameaça para os
Dwarfs.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


241
Era muito difícil evitar uma emboscada lançada por monstros que podiam sentir os
passos de seus alvos e atacar do subsolo. Um movimento em falso os levaria a serem
engolidos e digeridos. Além disso, havia monstros que poderiam lançar ataques psíqui-
cos e disferir golpes letais, enquanto as mentes de suas vítimas ainda estavam confusas.

Em lugares como estes, humanoides como humanos, Dwarfs e Elfos eram pouco mais
que presas.

Embora o caminho mais seguro fosse seguir a rota terrestre que cortava a cordilheira,
esse caminho ainda era perigoso, mesmo para os habitantes da superfície. Era preciso
se preocupar em ser atacado por criaturas como Perytons, Harpys, Itsumades, Águias
Gigantes e outros monstros, além de grandes animais voadores. Como os humanos ti-
nham pequenos ângulos de visão acima e abaixo deles, o descuido — mesmo que por um
momento — poderia resultar em emboscada, o que por sua vez continha o risco de ser
morto em um só golpe.

Assim, apenas cruzar a Grande Fenda foi uma provação em si.

Por causa disso, os Dwarfs construíram uma cidade próxima e ergueram uma ponte
suspensa. E quando a ponte caísse, ninguém seria capaz de atravessar, e a Grande Fenda
serviria como uma barreira intransponível para proteger a cidade.

E já que a ponte suspensa havia sido cortada pelos Quagoas, a Grande Fenda era um
desafio imponente.

Contudo—

Não incomodou Ainz e sua companhia. Afinal, o uso da magia 「Fly」 tornou-a um
obstáculo trivial.

Então, havia a segunda provação — a região do magma derretido.

Este mar de calor escaldante brilhava com radiância cegante. Era uma região extrema-
mente perigosa, onde a inalação de uma única rajada de ar abrasador podia torrar os
pulmões.

A razão pela qual a lava podia fluir a quilômetros abaixo da terra era mais provável
porque esse mundo era mágico. Havia portais criados naturalmente que estavam perto
de magias semelhantes à 「Gates」 em nível de poder, e isso unificou os fluxos de
magma desta região com os de regiões mais distante.

Ao longo desse oceano abrasador, havia a razão pela qual esse lugar era considerado
uma provação.

Esse seria o monstro que nadava preguiçosamente pelo mar escaldante.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


242
Era um monstro gigantesco com mais de 50 metros de comprimento, que lembrava a
imagem de um peixe. Para ser preciso, assemelhava-se a um tamboril. No entanto, não
tinha uma isca na cabeça, mas um tentáculo que substituía as nadadeiras. Eles poderiam
capturar um inimigo distante e depositá-lo nas enormes mandíbulas do monstro.

Sua pele era dura e resistente, e crescia como um peixe normal, mas sua resistência
superava em muito a do orichalcum.

Muitos monstros cresceram muito poderosos porque viveram muito tempo. Esses in-
divíduos eram famosos como espécimes superiores e, em muitos casos, estariam classi-
ficados como um tipo diferente de criatura originada de sua raça parental. Este monstro
completou uma forma especializada de evolução, e se tornou um ser único, não encon-
trado em nenhum outro lugar do mundo.

E assim, nasceram os três governantes do Monte Rappaslea, como se reunidos pelo


「Gate」—
[Soberana Fênix]
O Phoenixlord, que governava o céu;
[Dragão da C h a m a A n t i g a ]
O Ancient Flame Dragon, que governava a terra;

E a La-Angler Lava Lord, que governava o mar subterrâneo do magma.

Se classificados pelas estimativas de dificuldade dos aventureiros, o mestre do oceano


de magma ganharia cerca de 140. Com toda probabilidade, alguém não sobreviveria ao
combate com ele.

Felizmente, para ele era difícil mirar em alvos terrestres. Ninguém seria atacado se per-
manecesse fora do magma. No entanto, o caminho para a Capital Real passava ao longo
de um caminho estreito e instável que era apenas um pouco mais alto do que o mar de
rocha derretida abaixo dela.

Um grande número de Quagoas haviam caído no magma durante a invasão. Incapazes


de suportar o ar superaquecido que soprava de baixo, seus corpos tremiam, o que os fez
mergulhar no mar de rocha derretida.

Contudo—

A travessia não apresentava problemas para os viajantes preparados com imunidade


contra o fogo e magia de voo. Eles voaram pelo ar, muito acima do alcance da La-Angler
Lava Lord, e nenhuma das partes percebeu a presença uma da outra.

Assim Ainz e sua companhia cruzaram o mar de magma.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


243
As provações até agora foram facilmente superadas com magia de voo, por isso era di-
fícil considerá-los provações. No entanto, a provação final era um desafio no sentido
mais verdadeiro da palavra, sendo uma série de cavernas longas, tortuosas e ramificadas.

Certamente qualificava-se para o título de “Labirinto da Morte”.

Ainda assim, só isso seria muito fácil contar como uma provação. Não havia monstros
nessa área, portanto, desde que se gastasse tempo fazendo um mapa, poderia eventual-
mente superá-lo. E se isso fosse tudo, então só se qualificaria como uma provação para
aqueles que não tinham comida e água — ou, em outras palavras, aqueles com tempo
limitado.

Sim, havia outro motivo pelo qual esse lugar era considerado uma provação.

Esta área estava cheia de aberturas que expeliam plumas de gases vulcânicos em inter-
valos regulares, e havia lugares onde os gases formavam bolsões. Em outras palavras,
era uma área infernal de veneno fatal e invisível, açoitada por ventos fortes.

Havia várias rotas que levavam à saída, mas havia apenas uma que o fazia e também
evitava o gás. Mesmo esse caminho poderia acabar sendo preenchido com gás se não for
percorrido rapidamente.

Até mesmo o uso da magia 「Fly」 — que superou todos os desafios até agora — só
permitiria que eles passassem raspando a cabeça ao longo do teto. O gás pulverizado
encheria até o ar com veneno também. No máximo, tudo o que a magia faria seria per-
mitir que se evitasse as áreas onde o gás havia se instalado e formado bolsões.

Contudo—

Ainz e as Guardiãs tinham contramedidas adequadas contra os ataques de gás, por isso
não representava problemas para eles. Pelo contrário, o único que pode ser afetado por
ataques gasosos foi Gondo. Os undeads tinham suas imunidades, e gases que não infli-
giam dano de ácido ou dano de fogo não os prejudicariam de maneira alguma. Aura tinha
um item mágico que criava uma bolha de ar fresco, então o mero gás não faria nada con-
tra ela.

Em outras palavras, enquanto Gondo fosse protegido por magia, ele poderia caminhar
com segurança pelos vapores ondulantes da morte.

E assim, as três provações — perigos do terreno que foram considerados intransponí-


veis para aqueles sem preparação ou conhecimento prévio — foram facilmente conquis-
tados por Ainz e companhia.

A magia de Ainz — 「Bless of Titania」, que dizia qual o melhor caminho através de
uma dungeon — lentamente desapareceu. Isso era um sinal de que sua duração havia
expirado ou que seu propósito havia terminado.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


244
“...Hm. Parece que há um cadáver fresco de Quagoa dentro dessa caverna. Mas ainda
não alcançamos o grupo deles. Eu acho que um dia de vantagem faz uma diferença
enorme.”

“Mesmo assim, diminuímos bastante a distância. Estamos quase alcançando eles.”

Disse Aura depois de inspecionar as pegadas no chão.

“...Excelente. Então, vamos discutir o que faremos a seguir... Gondo, alcançaremos a Ca-
pital Real em breve, não é?”

“Sim. Eu só ouvi falar disso em lendas, mas se essas cavernas foram o lendário Labirinto
da Morte, então em breve estaremos lá.”

Uma expressão amarga surgiu no rosto de Gondo.

“Isso era realmente um Labirinto da Morte, no entanto... As lendas disseram que aque-
les que não conheciam o caminho só encontrariam a morte no final da jornada...”

Ainz não conseguiu responder a essa pergunta. Afinal, foi uma provação muito simples.
Talvez fosse apenas um truque, projetado para enganar a oposição, fazendo-os pensar
que a haviam superado, só então, a verdadeira armadilha seria lançada. Isso não estava
totalmente fora de questão.

“...Quando isso acontecer, tudo o que precisamos fazer é romper quaisquer armadilhas
que nos aguardem. É bom lembrar que, entrar em uma armadilha predefinida é o auge
da insensatez. Vamos desacelerar o passo e avançar enquanto estivermos alertas.”

Eles estavam se movendo em grande velocidade para alcançar o inimigo. No entanto,


eles não os alcançaram ainda, mesmo depois de chegarem até aqui. Eles deveriam re-
pensar sua estratégia enquanto operam sob a suposição de que o inimigo já havia retor-
nado à sua base.

“Então, vamos considerar o que iremos fazer depois de chegar ao quartel general ini-
migo.”

Depois de verificar que todos concordaram, Ainz se virou para Gondo.

“Para começar, Gondo e eu vamos enfrentar os perigos do Palácio Real. Eu vou lidar
com o Dragão que lá vive.”

Nem as Guardiãs nem Gondo se opuseram.

Os Dragões mais bem classificados foram alguns dos adversários mais fortes em
YGGDRASIL. Era muito perigoso mover-se separadamente das Guardiãs enquanto não

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


245
conheciam a força do inimigo. No entanto, Ainz possuía um item World-class. Ele possuía
muitos poderes, e um deles era muito eficaz contra Dragões. Portanto, mesmo no pior
dos cenários, ele deveria ser capaz de escapar.

Em contraste, se ele levasse as Guardiãs com ele e o inimigo fosse mais poderoso do que
o esperado, ele teria muito mais trabalho para conseguir escapar.

Com Gondo por perto, o pior que poderia acontecer era que Ainz teria que abandoná-
lo. No entanto, ele não podia abandonar a vida das filhas de seus amigos. Então a melhor
solução foi não as ter por perto.

Dragões, huh...? Isso vai ser divertido.

Em YGGDRASIL, os Dragões eram poderosos inimigos e também havia uma recompensa


com as riquezas.

Eles dropavam bons cristais de dados e tiveram uma chance maior de soltar artefatos
do que os monstros normais. Pode-se utilizar a pele, carne, sangue, presas, garras, globos
oculares, escamas e outras partes do corpo para vários usos.

Costumavam ser chamados de inimigos deliciosos.

Saber que ele logo encontraria seu primeiro Dragão neste mundo encheu seu coração
com uma mistura de desconforto, antecipação e desejo. Ainz ficou tão feliz que mal con-
seguiu se conter.

De acordo com os Dwarfs, o poderoso Frost Dragon que havia devastado a cidade no
oeste poderia estar lá. Se as coisas corressem mal, ele poderia enfrentar outra batalha
com chances duvidosas de vitória, muito parecido quando enfrentou Shalltear.

Poderia o Dragão ter derrotado os Death Knights? Posso dar conta se for a mesma enti-
dade, mas será problemático se houver outra. Será melhor permanecer escondido e levar
todos exceto os Hanzos? Não, do jeito que está agora é o melhor.

“—Ainz-sama?”

“Hm? Ah, Shalltear. Perdoe-me, eu estava perdido em meus pensamentos. Então, eu


também darei ordens a vocês. Aura e Shalltear, vocês devem enfrentar os Quagoas e sub-
metê-los à minha regência. Se eles se atreverem a recusar, mostre-lhes o poder de Naza-
rick!”

As duas Guardiãs responderam com afirmações contundentes.

O olhar de Ainz mudou para Gondo. Ele não parecia ter algo a dizer. Essa atitude parecia
implicar que ele concordaria com qualquer decisão tomada por Ainz.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


246
Mesmo Ainz tendo concordado em remover os Quagoas, Ainz não tinha a intenção de
exterminá-los completamente. Ele simplesmente sentiu que o genocídio de uma raça que
não existia em YGGDRASIL era um desperdício. De fato, matar todos pode eliminar essa
raça do mundo. Não, mesmo que esse não fosse o caso, eles poderiam ser benéficos para
Nazarick no futuro.

Claro, eles também podem ser prejudiciais para Nazarick. Mas exterminá-los antes de
verificar isso seria um desperdício.

Matar é fácil, mas reviver é difícil. Assim, há apenas um caminho que posso seguir. E além
do mais—

“Se forem tolos e não jurarem lealdade a mim, reduza seus números para cerca de dez
mil ou algo assim. Tente e mantenha os fortes vivos. E depois de considerar problemas
futuros, não os selecione puramente com base na força. Você deve se certificar de que
um número igual deles seja do sexo feminino. Além disso, não deve deixar nenhum deles
escapar, entendido? Especialmente o que for equivalente a um rei.”

“Mas... Ainz-sama...”

Ainz persuadiu Aura — que parecia deprimida — para que expressasse sua dúvida.

“Não sabemos exatamente qual o tamanho da capital dos Dwarf, mas parece uma área
bem grande. Vai ser meio dificil se só tiver nós duas pra impedir que escapem de um
lugar tão grande. O que a gente vai fazer?”

“Hm. Uma pergunta razoável. Por causa disso— Aura, é hora de você brilhar. Use o item
World-class que lhe dei anteriormente.”

“Po-posso mesmo usar?”

“Uhum. É um bom momento para colocá-lo em uso.”

“Eu, eu entendo!”

A tensão estava escrita em todos os rostos deles.

“Embora não haja limites de uso para esse item World-class, se o inimigo cumprir de-
terminadas condições e fugir, a propriedade do Item mudará automaticamente para ele.
Esse é o pior cenário e deve ser evitado a todo custo.”

Ainz relembrou o incidente em que a Ainz Ooal Gown se apoderou do dito item.

Quantos e-mails o inimigo mandou implorando-lhes “Devolve pra nós por favor!”?

Ainz bufou.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


247
“Se vocês não quisessem ter perdido, era só não ter usado”, foi a resposta prática. Nada
era mais estúpido do que uma guilda que não aceitava essa conclusão racional. Se não
quisessem que fosse tomado, deveriam tê-lo escondido em um tesouro e nunca o reti-
rado. Portanto, Ainz continuou insistindo, embora sentisse que não haveria problemas
com seu uso.

“Além disso, você deve ser cautelosa com os inimigos que vai trancafiar ou não, porque
tais inimigos podem possuir Itens World-class também.”

“Isso significa que você não poderá entrar, não é, Ainz-sama?”

“Enquanto estiver aberto, não. Mas existem maneiras de entrar se optar por fazê-lo.
Você precisa prestar atenção ao intervalo de tempo quando isso acontecer... Tudo bem,
vamos lá, então.”

Liderado por Aura, o grupo seguiu adiante.

Talvez eles estivessem perto da antiga Capital Real dos Dwarfs, mas até as cavernas
naturalmente formadas eram fáceis de atravessar. Todas as estalactites e estalagmites
foram cortadas, provavelmente por conveniência da travessia. Eles caminharam por um
tempo, estavam cercados pelo que outrora abrigou mão de obra dos Dwarfs.

Aura — que andava à frente deles — parou de repente. Então ela colocou a mão fazendo
um formato de concha em uma de suas longas orelhas, ficou ouvindo atentamente.

Ainz e os outros ficaram quietos, esperando que Aura liberasse o caminho.

“Ainz-sama, posso ouvir muitos seres vivos à frente, são centenas. Não consigo medir a
distância exata, mas acho que faremos contato com eles em questão de minutos.”

“Hoh... nós alcançamos eles?”

“Não, eles não parecem estar se movendo. Parece que estão esperando...”

“Entendi. Será que sentiram que estamos os perseguindo? Ou são tropas de emboscada?”

Se fosse esse o caso, eles provavelmente haviam usado algum tipo de magia de adivi-
nhação para espionar Ainz e os outros.

Ainz sorriu timidamente.

Até agora, ele não permitira o inimigo observar seu poder. Por causa disso, eles queriam
jogar seu grupo contra Ainz e observar suas habilidades.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


248
A partir da conclusão e das ações do inimigo, ele podia sentir sua ansiedade e vontade
de sacrificar vidas para aprender sobre eles. Isso fez Ainz sentir que ele havia vencido
sua batalha contra seu oponente.

“Ainz-sama, devemos capturá-los?”

“Hm, falando nisso, nós ainda não mostramos muito das nossas habilidades para o ini-
migo. Portanto, vamos recolher algumas informações antes de passarmos pelo quartel
general como um furacão mortífero.”

“Entendido!”

Além disso, mesmo que aprendessem sobre eles, não poderiam conceber uma contra-
estratégia tão facilmente.

Havia dois tipos principais de personagens em YGGDRASIL.

Havia aqueles que se especializavam em um determinado campo e aqueles cujas habi-


lidades eram distribuídas uniformemente.

No primeiro caso, mesmo que se soubesse sobre um inimigo, eles teriam dificuldade
em lidar com eles se as informações não pertencessem à sua especialização. No último
caso, eles podem ser capazes de lidar com eles, mas, dada a distribuição uniforme das
habilidades de seus oponentes, as contramedidas contra eles não seriam infalíveis.

Claro, pode haver pessoas como Ainz que conheciam muitas magias e que possuíam
muitos itens deixados para trás por seus companheiros, e assim conseguiram se adaptar
a muitas circunstâncias, ou alguém como Touch Me com atributos base muito altos, mas
essas eram exceções à regra. Portanto, havia apenas uma coisa que eles precisavam se
preocupar.

...O número de entidades poderosas. O fato de eu não conhecer essa figura me assusta um
pouco. Como não consigo verificar totalmente esse ponto em particular, provavelmente
devo ter em mente a idéia de retirada — hm. Bem, em todo caso, não podemos prosseguir
sem socá-los para ver o que o inimigo tem na manga. Oh, o espírito da Yamaiko-san está
me possuindo...

“Shalltear. Você não vai ficar sem controle desta vez, entendeu?”

“Claro ~ari-nsu!”

Shalltear aprontou sua Spuit Lance.

“Ótimo. O correto é evitar revelar o fato de que possuímos itens Divine-class para o
inimigo. No entanto, se não tiverem boas habilidades de detecção, não vão perceber nada.
Tudo bem, vão.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


249
“Entendido!”

♦♦♦

Em Feoh Berkanan — a imponente e majestosa antiga Capital Real dos Dwarfs, cons-
truída durante a flor de sua civilização — o maior edifício além do Palácio Real era o da
Guilda Mercantil, porque continha muitas salas usadas durante reuniões e cofres tem-
porários usados para armazenar brevemente recursos.

Este edifício fôra muito usado pelo Dwarfs, e era maior do que qualquer outra estrutura
na cidade. No entanto, era agora a residência do Rei dos Clãs Quagoas, Pe Riyuro.

Quando Yozu retornou, Riyuro estava sentado — quase desmaiando de fadiga — em


uma grande e macia almofada. Sua atitude era como se nada estivesse acontecendo, sem
alimentar a possibilidade de raiva ou ansiedade, mesmo depois de ouvir sobre o fracasso
de Yozu.

Yozu fez uma reverência e descreveu o que havia acontecido.

Os detalhes importantes já haviam sido entregues por mensageiros, ele estava aqui
para explicar os detalhes. Em particular, ele precisava elaborar detalhadamente o trunfo
do Reino Dwarf, os seres trajando armaduras negras que ele havia visto com seus pró-
prios olhos.

Riyuro escutou em silêncio, e então ele moveu lentamente a mão, alcançando uma gai-
ola ao lado dele. Ele retirou um lagarto guinchando; um lagarto gordo, redondo e sucu-
lento, um lanche digno de um rei.

Riyuro estendeu a mão segurando o lagarto em direção a Yozu.

“Quer uma mordida?”

“Não, não, obrigado.”

“Que pena...”

Murmurou Riyuro. Então ele esmagou a cabeça do lagarto entre seus dentes, e Yozu
sentiu o cheiro fraco de sangue e entranhas.

Todos os 20 centímetros do lagarto desapareceram na boca do Riyuro dentro de três


mordidas.

Riyuro limpou as mãos manchadas de sangue e a boca com uma toalha que estava perto
dele.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


250
“E então você recuou. E os perseguidores?”

“Não temos certeza disso. Mas—”

Como a ponte suspensa havia caído, ele não achava que o inimigo continuaria a perse-
guição. E francamente falando, eles tinham os Dwarfs na palma da mão. Tudo o que os
Dwarfs podiam fazer era reforçar as defesas, encontrar e selar a rota de flanco, e então
talvez pudessem montar um contra-ataque neste lugar.

A razão pela qual eles tinham engajado apenas aqueles dois seres trajando armaduras
negras era porque eles eram tolos o suficiente para dividir suas forças ou porque essa
era a soma de seu poder militar.

Essa foi a opinião de Yozu, da qual ele compartilhou com Riyuro.

“Não seria estranho se houvesse mais um ou dois deles.”

Riyuro parecia ter percebido a demonstração inconsciente de surpresa de Yozu. Ele cu-
tucou repetidamente os lagartos na gaiola enquanto explicava preguiçosamente seu sig-
nificado.

Os Dwarfs estavam confiantes na defesa de sua fortaleza. Se fosse derrubada, eles sen-
tiriam que as chances de sua cidade ser conquistada eram muito altas. Portanto, não era
errado supor que os seres trajando armaduras negras eram uma parte significativa do
número total que possuíam.

No entanto, como eles não sabiam exatamente como a fortaleza havia sido conquistada,
comprometer todas as suas forças na linha de frente era uma aposta perigosa. Se hou-
vesse várias vias de infiltração, elas deixariam suas tropas muito dispersas.

Embora não fosse uma situação em que eles pudessem distribuir sua força de luta
pouco a pouco, eles não tinham a informação para comprometer toda a sua força em um
contra-ataque.

Portanto, mesmo que houvesse mais, haveria apenas um, talvez mais dois. Essa foi a
conclusão que chegou.

Yozu sentiu que era exatamente como o Rei havia dito e ficou maravilhado com a sabe-
doria de seu Rei.

“Então, quem você acha que pode derrotar esses Golems?”

“Estou certo de que poderia derrotá-lo, Milorde!”

Riyuro era o mais poderoso entre os oito clãs dos Quagoas. De fato, sua capacidade de
lutar era exemplar.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


251
Ele poderia lutar contra toda a raça Quagoa e sair vitorioso. Nunca houve alguém tão
poderoso quanto ele na história dos Quagoas.

Yozu lembrou a visão de Riyuro lutando contra um monstro no passado. Ele estava ab-
solutamente confiante de que o poder de Riyuro era superior ao dos Golems.

“Dispensá-los com jocosidade. Você realmente pensa assim?”

“Sim! Eu acho que sim!”

Riyuro riu amargamente, mas a resposta de Yozu foi séria. Ele não tinha resposta além
disso.

“...Em que Clã você nasceu?”

Uma pergunta surpreendente. Depois que Yozu declarou seu clã de nascimento, Riyuro
caiu no pensamento mais uma vez.

“Entendi... Nesse caso, você deve realmente pensar que eu posso ganhar, então?”

“O que, o que quer dizer?”

“Eu simplesmente suspeitei que você poderia considerar isso como uma chance de me
eliminar. É verdade que sou mais forte do que qualquer outro da nossa espécie. Por
causa disso, você pode desejar que eu lute contra os Golems se eu for induzido a subes-
timá-los. Então, os Golems me matariam. Bem, se fizesse isso, então ninguém seria capaz
de derrotar os Golems... mas eles seriam danificados durante essa batalha comigo, e en-
tão você poderia ser capaz de sobrepujá-los usando os números ao seu favor.”

Embora o Rei a quem ele havia prometido sua lealdade lançasse suas suspeitas sobre
ele, o coração de Yozu estava cheio de nada além de respeito.

Se ele estivesse no lugar de Riyuro, ele poderia não ter pensado tão profundamente na
questão.

Yozu acreditava firmemente que Riyuro era o verdadeiro Rei dos Quagoas, e sua leal-
dade se aprofundou ainda mais.

Riyuro não entendeu muito bem o homem diante dele e fez uma pergunta a Yozu.

“...Por que você não respondeu imediatamente que não tinha tais intenções?”

“Sim! Minhas mais profundas desculpas! Eu estava meramente fascinado por suas pro-
fundas percepções, Milorde! Como disse, eu não possuo tais intenções!”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


252
Riyuro deu uma grande risada.

“Que sujeito interessante você é! ...Os soldados que lhe concedi foram perdidos por nada,
então deve haver uma punição por isso. Mas eu não vou infligir feridas em você, isso
poderia afetar seu desenvolvimento futuro. Na verdade, você aprendeu sobre os Golems
e voltou aqui depois de perceber que era uma informação importante. Além disso, sua
antecipação da perseguição inimiga e a alocação de parte de suas tropas para a defesa
da cidade mostra o quão afiado é seu pensamento.”

“Muito obrigado!”

Yozu se curvou profundamente.

“Agora, tenho uma pergunta para um excelente líder como você. Como devemos reunir
mais informações sobre esses Golems?”

“Atacando a nação daqueles nanicos.”

“Essa é uma maneira de fazer isso. Se fizer isso, poderemos saber se realmente existem
Golems guardados na reserva.”

“Sim! Se não houver mais, então devemos conquistar a cidade o mais rápido possível,
não importando as perdas que sofremos.”

“Umu...”

Riyuro assentiu.

Se fosse uma questão de vidas, então seria necessário muito tempo para dar suporte e
criá-los. No entanto, Golems só precisavam ser construídos. O tempo não estava do lado
deles, mas do inimigo.

“Quais outros métodos existem?”

“Perdoe-me, mas não consigo pensar em nenhum no momento.”

Riyuro enfiou a mão na gaiola cheia de lagartos e retirou outro lagarto.

“...Você gostaria de um?”

Eu pareço com fome?

Era verdade que ele tinha fugido de volta para cá com todas as suas forças, e ele nem
sequer tinha comido ou descansado adequadamente até agora. No entanto, ele não es-
tava com sede ou com fome o suficiente para implorar por algo da mesa do rei.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


253
“Não, obrigado.”

“Que pena...”

Respondeu Riyuro. Então, ele mastigou a cabeça do lagarto e fez o mesmo que antes.
Depois de devorar como antes, Yozu fez uma pergunta a Riyuro.

“Então, Milorde. Já pensou em algum outro método?”

“Ah, sim. Podemos perguntar àquele sujeito. A sabedoria dele está muito além da mi-
nha... O problema é pagamento que ele exige, que é igualmente além do que espero.”

“Por pagamento, então quer dizer... poderia ser!”

Yozu adivinhou imediatamente a partir dessas palavras.

“Correto. Precisamos entregar aos Dragões—”

Assim que Riyuro estava prestes a falar, houve uma perturbação do lado de fora, e então
as portas se abriram com um grande estrondo.

“Rei dos Clãs!”

Foi um dos guardas.

“Parece urgente, o que aconteceu?”

“Sim! Parece que alguém está vindo para à cidade!”

“De onde eles estão vindo?”

Segundo o guarda, eles vieram do flanco onde Yozu havia posicionado suas tropas. Em
outras palavras, eles vieram da nação dos Dwarfs.

“Então eles enviaram tropas de perseguição... Eu subestimei os nanicos.”

Com isso, Riyuro levantou-se.

Os olhos de Yozu pareciam perguntar aonde ele estava indo. Riyuro sentiu isso e res-
pondeu:

“Parece que fomos salvos de muitas tomadas de decisões. Preciso ir me encontrar com
os Dragões agora.”

“O senhor pergunta sobre os Golems?”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


254
“Não. Eu vou convencê-los a lidar com os nanicos que se aproximam. Já que são os na-
nicos, eles terão seus Golems vindo atrás deles. Então, devemos fazê-los lutar contra os
Dragões e enfraquecer os dois lados... Hmph. Pode ser muito bom deixá-los ganhar sua
própria refeição.”

O Rei dos Clãs estava profundamente furioso sobre como os Dragões haviam tomado o
melhor lugar da cidade — o Palácio Real — para si mesmos. Isso era algo que apenas
seus confidentes mais confiáveis sabiam, de como o Rei dos Clãs havia engolido o orgu-
lho e se curvado aos Dragões.

Havia uma diferença esmagadora entre o poder dos Dragões e dos Quagoas.

Portanto, eles tinham que fingir um ar de servidão até que pudessem reduzir a força
dos Dragões. No entanto, haviam pouquíssimos seres que podiam lutar em igualdade
com os Dragões na cordilheira. Com uma exceção notável à parte, esses provavelmente
[Gigantes G é l i d o s ]
seriam os Frost Giants.

Mas agora mais uma chance chegou. Riyuro disse o que pensava mais uma vez:

“Yozu, não é muito provável, mas apenas por precaução, comece a se mover em direção
ao distrito das ruínas. Eu não quero que você se envolva nas batalhas dos Dragões.”

Um distrito da Capital Real dos Dwarfs tinha sido completamente destruído antes que
os Quagoas assumissem o controle. Os Quagoas não haviam reconstruído esta área, a fim
de usá-la como um palco para reunir um vasto exército. Mas parece que finalmente seria
posto em uso.

“Entendido.”

“Então... você pode me ajudar a preparar algumas ofertas para o encontro com os Dra-
gões? Eles gostam de joias, então prepare algumas. Eu acredito que você também saiba
que eles são muito gananciosos e não concordarão com o pagamento logo de cara. Eles
certamente aumentarão seu preço. Tenha isso em mente e prepare alguns itens de me-
nor valor também.”

Depois de acenar a cabeça para Riyuro mostrando que entendia, Yozu imediatamente
começou os preparativos.

♦♦♦

As espécies mais poderosas neste mundo eram os Dragões. Havia raças que poderiam
se adaptar às terras difíceis onde a humanidade não poderia alcançar. A Cordilheira
Azerlisiana não era exceção, e os Dragões dominaram até as raízes aqui.

Esses Dragões eram conhecidos como Frost Dragons.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


255
Normalmente, os Dragões tinham corpos delgados. Sua aparência não era como a de
lagartos rastejantes, mas lembrava, de certo modo, a dos gatos. Entre eles, os Frost Dra-
gons eram ainda mais magros, eram mais serpentários.

Suas escamas a princípio eram branca-azuladas, mas à medida que envelheciam se


transformavam em branco-neve. Tendo adaptado ao seu ambiente, eles possuíam imu-
nidade ao frio, mas em contraste, eram vulneráveis ao fogo.

Além disso, havia o trunfo das raças dracônicas. Eles possuíam o temível poder do sopro
congelante.

O Rei desses Frost Dragons, Olasird’arc=Haylilyal, enrolou-se em torno de seu trono,


olhando para o Quagoa que ansiava por uma audiência com ele.

“Sim, eu estou profundamente honrado por receber uma audiência com o poderoso
White Dragonlord, Olasird’arc=Haylilyal—”

“—Dispense suas formalidades. Vá direto ao ponto.”

Ao dizer isso, os olhos de Olasird’arc se estreitaram ligeiramente.

Ser um Dragonlord tinha um significado especial entre os Dragões. Era um título dado
somente aos que haviam atingido a mais alta categoria de idade (Antigo) entre os Dra-
gões, ou poderosos Dragões que possuíam poderes especiais, ou aqueles Dragões que
podiam usar magia exótica. Esses incríveis Dragões receberam o título de Dragonlord.

Ser endereçado por um título tão glorioso era bastante agradável.

“Sim! Em primeiro lugar, desejo agradecer por conceder uma audiência.”

O Quagoa que esperava atrás do Rei Quagoa mostrou um saco surrado.

“Então você veio. O que quer?”

Eles abriram e, como esperado, o brilho de ouro foi visto.

Não era o suficiente para satisfazê-lo, mas essa soma deveria ter sido tudo o que o Qua-
goa conseguiu, então teve que se contentar com isso.

“Tudo bem, então o que deseja?”

“Sim! Na verdade, há alguns convidados indesejados que mancham nossas casas, então
eu estava imaginando se poderíamos invocar seu poder incomparável, White Dragon-
lord-sama.”

“Hm...”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


256
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
257
Para Olasird’arc, os Quagoas eram uma espécie inferior. Eram seres que deveriam re-
verenciar os poderosos Dragões e, de certo modo, eram comparáveis às suas posses. Foi
um pouco agravante permitir que fossem mortos à vontade. No entanto, era igualmente
enfurecedor para ele ter que agir em nome de tais formas de vida inferiores.

O olhar de Olasird’arc caiu sobre o seu trono brilhante — uma pequena montanha de
ouro e pedras preciosas.

Um hábito que unia todos os Dragões era o amor por metais preciosos, joias, itens má-
gicos e riqueza equivalentes. Olasird’arc não era exceção.

No entanto, embora ele pudesse escavar túneis e escavar metais preciosos ou pedras
preciosas, ele não poderia processá-las. Além disso, os poderosos jamais deveriam fazer
tais coisas. Era para isso que os escravos serviam.

Ainda assim, não importou se era o caso de agir e trabalhar em favor de seus escravos.
Seu coração palpitou com sentimentos generosos.

“E quem são tais pessoas?”

“Não temos certeza. Ainda não compreendemos sua verdadeira identidade. No entanto,
eles devem ser Dwarfs.”

“Dwarfs... Humm.”

Olasird’arc olhou para a grande porta atrás dele.

Atrás daquela porta estava o antigo tesouro da Cidade Dwarf.

Independentemente quantas vezes Olasird'arc tivesse atacado, não havia sido aberto
ou destruído. A magia protetora feita pelos ferreiros rúnicos Dwarfs tinha defendido
seus tesouros de todos os ataques que ele havia feito.

Sua obsessão pelo conteúdo do cofre havia desaparecido há muito tempo, e aquela
porta era pouco mais do que um arranhador para suas garras. No entanto, quando ele
ouviu sobre os Dwarfs, as brasas ardentes em seu coração se acenderam mais uma vez.

Se esses Dwarfs conseguissem chegar aqui, talvez pudessem abrir um caminho para
abrir esse cofre.

É hora de abandonar os Quagoas? Os Dwarfs são mais úteis, de várias maneiras.

Enquanto Olasird’arc contemplava esses assuntos, ele olhou calmamente para o Qua-
goa abaixo dele, e os pedidos do Quagoalord finalmente chegaram ao fim.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


258
“Tenho certeza de que o senhor será capaz de derrotá-los com uma facilidade desde-
nhosa, White Dragonlord-sama. Por favor, empreste sua força para nós! Claro que,
quando forem derrotados, ofereceremos o dobro da soma de agora— não, mais do que
isso!”

Sua ganância o fez sentir cócegas com essa última frase, o rosto de Olasird’arc se con-
traiu.

“...Entendo. Considerarei sua oferta.”

“Por favor, espere! White Dragonlord-sama, o inimigo está perto! E os Dwarfs procuram
meios de retomar a cidade!”

Olasird’arc voltou seu olhar atento para o Quagoa.

“O que queres dizer com isso? Ousa insinuar que aqueles Dwarfs desprezíveis podem
expulsar-me de meu ninho?”

“Eu não disse isso! Mas não há como dizer o que os Dwarfs pretendem fazer! Pelo que
sabemos, eles podem ter um jeito de destruir esta cidade!”

“E não acha que já teriam feito isso se fosse como diz?”

“É muito provável que eles pretendam destruir a cidade por dentro!”

Hm...

Pensou Olasird'arc. Parecia um pouco forçado, mas não podia ser totalmente descar-
tado.

Este lugar era absolutamente necessário para a criação de um Império Dracônico.

Depois de reivindicar o Palácio Real dos Dwarfs, ele ordenou que suas esposas puses-
sem seus ovos aqui e depois criasse seus filhos enquanto cresciam.

No passado, eles tinham aleatoriamente encontrado um lugar para botar ovos e os dei-
xaram lá, ou os expulsaram do ninho um ano ou dois depois que nasceram. Isso não for-
taleceria sua raça.

Preciso aumentar o número de meus filhos e subjugar os Frost Giants. Então, eu poderei
dominar completamente esta cordilheira.

Pensou Olasird’arc.

Os Frost Giants e os Frost Dragons eram os maiores predadores desta cordilheira. Por-
tanto, eles lutaram por um longo tempo para determinar quem era o maioral.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


259
Os Frost Giants possuíam imunidade ao frio, o resultado disso era que o trunfo do Frost
Dragons, seu sopro congelante, não poderia prejudicá-los. O poder das armas massivas
que os Frost Giants exerciam não podia ser ignorado, nem mesmo pelos Dragões. Se eles
viessem em números, os Dragões poderiam ser derrotados. De fato, havia Frost Dragons
que haviam perdido para os Frost Giants e que foram subjugados a se tornarem cães de
caça.

Naturalmente, os Frost Dragons também sabiam disso. Se Olasird’arc fosse um deles,


ele não perderia a chance de destruir um poderoso inimigo antes que o número deles
aumentasse. Se ele tivesse que abandonar este território, então as tribos Frost Giants
certamente se uniriam para atacá-los antes que ele pudesse tomar um novo quartel ge-
neral.

Olasird’arc olhou para suas concubinas, deitadas preguiçosamente ao longo desta


grande área.

Eram três Dragoas.

Havia a mais jovem delas, com um único chifre de alabastro, Mianatalon=Fuviness.

Aquela que lutou com Olasird’arc por território muitas vezes, Munuinia=Ilyslym.

E então havia a única Dragoa em residência aqui que poderia usar magia divina (em-
bora somente de 1º nível), Kilistran=Denshusha.

“O que pensa disso?”

“...Por que não os ajudar? Afinal de contas, míseros Dwarfs não são inimigos temíveis.”

“Concordo. Para ser honesta, eu não me importo com o que eles dizem. Mas se os Dwarfs
atacarem, sabendo que estamos aqui, isso equivaleria a nos desprezar. Devemos esculpir
o medo nos corações dessas criaturinhas arrogantes.”

Ele desviou o olhar de Munuinia — que estava arranhando o chão com uma garra afiada
— e na direção de Kilistran.

“E você, o que pensa?”

Depois de se dirigir a Kilistran, ela inclinou a cabeça.

“Eu me oponho e aprovo. Eu me oponho porque não podemos ter certeza de que esses
atacantes realmente são Dwarfs. Além disso, se estão atacando enquanto estão cientes
de nossa presença, eles certamente devem ter levado nosso poder em consideração. No
entanto, a própria idéia de destruir a cidade é absurda, um mecanismo capaz de fazê-lo
não está fora do alcance da tecnologia Dwarf. Seria tolice não responder a isso.”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


260
Olasird’arc sorriu amargamente. Ela tinha uma personalidade muito distorcida. Por
isso ele gostava dela.

“Então, votação encerrada. —Bem. Quagoas, aceito o pedido de sua raça inferior.”

“Sim! O senhor tem nossos mais sinceros agradecimentos!”

Enquanto Olasird’arc olhava friamente para o Quagoa que se prostrava diante dele, ele
fez um pronunciamento.

“No entanto, como tributo, devem oferecer dez vezes a quantia anterior.”

“Dez! Dez vezes!?”

Olasird’arc bufou para o Quagoalord, que levantara a cabeça.

“Nem mesmo sabem quem os ataca. É um valor justo... Então, o que fará? Se não podes
produzir a quantidade necessária, lide com isso sozinho.”

“Por favor, por favor espere! Vamos oferecer o tributo! Por favor, deixe-nos oferecer
um tributo!”

De repente, Olasird’arc pensou em alguma coisa.

Poderiam os Quagoas realmente pagarem tanto ouro? Ou foi porque os Dwarfs eram
inimigos inimaginavelmente poderosos, e foi por isso que eles estavam tentando o seu
melhor para fazê-lo se comprometer, não importando o quanto tivessem que pagar?

Bem, isso não importa. Se não puderem pagar, então, como a Munuinia disse, eu irei es-
culpir um terror indelével nos corações desses fracos Quagoas.

“Então, suma daqui.”

“Sim! Mas... quando podemos esperar sua chegada?”

“Em breve. Até lá, espere.”

“Sim!”

Quando Olasird'arc assistiu os Quagoas partirem, Mianatalon perguntou:

“Vai pessoalmente?”

“Até parece. Claro que não.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


261
Olasird’arc era o Dragão mais poderoso aqui. Sendo esse o caso, seria tolice ele real-
mente lutar em nome de seus escravos, mesmo que ele fosse pago. E sendo assim—

“Quem devo mandar... De quem seria a melhor criança?”

Eram todos seus filhos. Cada Dragão aqui, com exceção de suas concubinas, estava li-
gado a Olasird’arc por sangue.

“Nesse caso, envie meu filho.”

“Seu? Qual?”

Kilistran deu à luz quatro filhos para Olasird’arc, e cada um deles era um Dragão de
mais de um século de idade. E obviamente eram muito mais poderosos que um Quagoa.

“O mais velho, é claro.”

“O Hejinmal?”

Olasird’arc franziu a testa.

“Ele pode ser daquele jeito, mas ele é bem sagaz e vai ver a oposição pelo que realmente
são. E se realmente forem Dwarfs, você não acha que ele conseguirá uma negociação
mais agradável? Você deve estar começando a se cansar de ter os Quagoas como escra-
vos, não?”

“Ele pode fazer tudo isso? As outras crianças podem fazer isso, não?”

Olasird’arc concordou com o que Munuinia disse.

“Melhor que o Torangealit, pelo menos.”

“...Kilistran. O mais importante para os Dragões é o poder de seus corpos. Não se pode
derrotar o poder e velocidade apenas usando o raciocínio. Olasird’arc me derrotou por-
que seu corpo era mais forte que o meu. Lembre-se disso. O corpo superior de Torange-
alit é muito melhor que o de Hejinmal!”

Torangealit era uma das crianças de Olasird’arc e Munuinia. Em termos de força bruta,
ele era o melhor entre seus filhos.

“Mas as coisas acabarão mal se ele for incapaz de pensar. Se você mandar seu filho —
que pode matar o Quagoa sem motivo — quem sabe o que ele vai acabar fazendo?”

“Basta.”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


262
Olasird’arc deteve Munuinia, que estava prestes a dizer algo, e depois olhou para o rosto
de Mianatalon. Ela parecia achar toda essa briguinha terrivelmente chata.

“Vamos com a idéia da Kilistran, delegarei isso para o Hejinmal.”

“Não adianta. Ele não virá.”

Olasird’arc sentiu seu plano desmoronando antes mesmo de começar.

Munuinia riu, um som fino e infeliz. Seria problemático se eles discutissem de novo, e
Olasird’arc levantou a voz.

“Apenas arrombe a porta ou algo assim e arraste-o para fora.”

“Ara~ eu não destruí sua fortaleza porque você me pediu para não fazer. Quer dizer que
está me dando permissão? Pense bem, não será apenas uma porta que pode ser destru-
ída.”

De fato, ele se lembrou de dizer aquelas palavras antes. Mesmo os Dragões sendo habi-
lidosos, eles não podiam reconstruir uma porta uma vez que fosse destruída, nenhum
dos presentes conhecia alguma magia que poderia fazer isso. Portanto, se destruíssem
alguma coisa, eles a deixariam onde estava.

Sendo o White Dragonlord, seria uma pena viver em um castelo cheio de buracos. Por-
tanto, ele exigiu que suas concubinas e seus descendentes aderissem a essa regra.

Embora suas concubinas provavelmente fizessem tudo que pedisse—

“Não dá para evitar. Eu mesmo irei.”

“Faça as honras.”

Olasird’arc olhou para Kilistran com uma expressão indescritível no rosto.

O fato de ele ter que ir pessoalmente, apesar de ser um Dragonlord, não combinava bem
com ele. Em resposta a isso, ele deveria permitir que alguns Quagoas vivessem aqui e
assim trabalhassem para ele?

No entanto, Olasird'arc abandonou as muitas possibilidades que apareceram em sua


mente.

Ele não suportava a idéia de ter formas de vida inferiores, como os Quagoas correndo
ao redor de sua fortaleza. Algum dia, quando derrotasse os Frost Giants, ele os faria tra-
balhar para ele como escravos.

Até este dia chegar, ele teria que se contentar com a situação de agora.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


263
♦♦♦

Quando se considerava a altura dos Dwarfs, o seu Palácio Real era de um tamanho im-
pressionante. Justamente por ser tão grande que os Dragões podiam viver aqui, e a uma
longa distância entre cada um.

Olasird’arc subiu e subiu até alcançar a porta no nível mais alto.

Então gritou:

“Sou eu, abra a porta.”

Ele esperou por um tempo, mas não houve movimento do outro lado da porta.

Era impossível quem alguém de dentro não tivesse ouvido. O filho que vivia neste
quarto era um hikikomori. Ele não se lembrava de ver seu filho saindo do quarto. Até
mesmo suas refeições eram enviadas a ele por seus irmãos.
Era profundamente agravante que ele ousasse fingir que não estava, ainda mais na pre-
sença de seu próprio pai, um Dragonlord.

“Não me faça repetir. Sou eu. Abra.”

Dragões tinham sentidos muito aguçados. Dada a maneira como ele estava gritando,
alguém dentro deveria ter ouvido, e teria acordado mesmo se estivesse dormindo.

No entanto — a porta não abriu.

A raiva tomou conta e se transformou em movimento.

Ele atacou a porta com uma rabada.

Atingida por um rabo que era do tamanho de um cepo e embainhado com escamas que
eram mais duras que o aço, a porta rangeu e foi retorcida. Os Dwarfs que construíram
essa porta provavelmente não esperavam que aguentasse um golpe desses.

Havia sinais de movimento dentro, mas isso não foi suficiente para acabar com a raiva
de Olasird'arc. Ele bateu a porta novamente, quebrando-a pela metade. Pedras estilha-
çadas voaram para dentro como balas de chumbo.

Um desagradável “Hieeeeee” veio de dentro.

“Saia, agora mesmo!”

Em resposta ao grito de raiva, um Dragão surgiu.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


264
Os Frost Dragons tinham corpos esguios, mas não este. Indo direto ao ponto, parecia
obeso.

Tinha um par de óculos minúsculos no nariz e olhava Olasird’arc da cabeça aos pés com
um olhar nervoso nos olhos.

Podia ser seu filho, mas essa aparência vergonhosa fez Olasird’arc suspirar.

Bem, dado que ele estava em frente a um governante como ele, encolhendo-se e con-
traindo-se assim era inevitável. Ainda assim, ele esperava ver alguma força nos olhos do
próprio filho.

E então havia aquele corpo gordo e asqueroso. Parecia mais com um porco do que com
um Dragão.

Na verdade, ter que mandar uma criança assim para lutar em seu nome poderia preju-
dicar sua reputação.

Enquanto Olasird’arc contemplava essa coisa, seu filho — que parecia ter medo do jeito
que seu pai olhava para ele — arriscou uma pergunta.

“P-pai, o que, o que o senhor deseja de mim?”

Dito isto, ele pode não agir como um Dragão, mas ainda era um Dragão. Dragões ficam
mais poderosos com a idade. Com isso em mente, talvez até mesmo aquele corpanzil
flácido ainda pudesse ser útil.

“Eu tenho um trabalho para você, Hejinmal.”

“Um, um trabalho?”

“Ahh. Os Quagoas parecem ter sido invadidos pelos Dwarfs ou algo assim. Vá repeli-los.”

“Hieee.”

“O que é Hieee?”

“N-nada. Não é nada, pai. A-apenas, eu, eu estou, er, como eu vou colocar isso, eu estou
er.... não muito confiante na minha força...”

“Então em que você tem confiança? Acha que pode derrotar o inimigo com magia?”

Os Dragões lentamente ganhavam a habilidade de usar magia arcana durante sua ma-
turação, mas eram pouco mais que habilidades inatas. Não podiam ser comparadas as
dos magic casters. Claro, havia alguns Dragões que aprenderam a usar magia de verdade.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


265
Por exemplo, havia uma das concubinas de Olasird’arc, Kilistran=Denshusha. Havia
[Soberano Dragão d o C é u A z u l ]
também o do Conselho Estadual, o Blue Sky Dragonlord, Suveria=Myronsilk, que tinha
os poderes de druídicos e podia usar magia divina. Também era dito que no extremo
leste havia Dragões que conseguiram ser paladinos, o que os proporcionou a usar siste-
mas mágicos de outras vertentes.

“...Bem, quanto a isso. Tive que aprender sozinho, pois não tive um mentor para me
ensinar...”

“Então o que tem feito aqui todo esse tempo?”

Houve um brilho forte nos olhos de Hejinmal.

“Estudando. Eu tenho reunido conhecimento.”

“...O quê? Conhecimento? Não estava aprendendo a usar magia arcana?”

“N-não é isso, Pai. O conhecimento que busquei não foi usar magia, mas sim aprofundar
meus estudos, aprender como esta cidade foi construída, quais tipos de raça vivem neste
mundo e assim por diante. Eu estava aprendendo sobre esse tipo de coisa.”

“...Não tenho a menor idéia do que está falando. Aprender essas coisas te fortalece?
Nada disso importará se não se tornar poderoso.”

Não havia nada mais importante neste mundo do que se tornar mais forte. Como este
era um mundo onde só os fortes sobreviviam, era preciso crescer mais forte para conti-
nuar vivo. Em contraste, pode-se dizer que não querer se tornar forte era essencialmente
rejeitar a vida.

Só então, ele viu. Hejinmal tentou encobri-lo, mas viu que seu filho fizera alguma coisa,
como um gesto sem palavras.

“O que é? Desembucha.”

Seu filho permaneceu em silêncio. Aquela atitude vergonhosa fez Olasird’arc se irritar
novamente.

Assim que estava prestes a começar a gritar novamente, ele pensou no motivo de ter
vindo.

Mesmo ele não se importando com o que acontecia com os Quagoas, as dívidas tinham
que ser pagas.

“Não importa se você se tranca no seu quarto até perder a agilidade, mas não faz sentido
afundar-se nos livros. Se quer adquirir conhecimento, deixe este lugar e viaje pelo
mundo.”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


266
Olasird’arc já havia começado a perder o interesse em Hejinmal. Afinal, ele abandonou
seu corpo em troca de algo totalmente inútil. Não havia mais nada que ele pudesse dizer
sobre isso, e ele perdera qualquer semblante de preocupação por seu próprio filho.

“E-eu estava me preparando para isso. Se eu não sei que tipo de pessoas existem no
mundo, posso morrer antes de conseguir descobrir.”

“Então por que você não morre? —Você é um grande tolo. Por que não buscar o poder
desde o começo? Quando estiver forte, você será temido mesmo quando sair desse lugar,
não? Assim como eu.”

“Mas, Pai. Saber que tipo de seres poderosos existem no mundo também é muito im-
portante. É o mesmo com você, não é, Pai? Os Frost Giants são fortes, não? Se o senhor
lutar contra eles sem saber nada—”

“—Eu não tenho medo daqueles Frost Giants.”

“M-me perdoe, Pai.”

Enquanto olhava para Hejinmal, que tinha a cabeça colada ao chão, Olasird'arc abaixou
os ombros.

“Já chega. Eu ordeno que você complete essa tarefa. Então, vou te expulsar depois de
um mês. Assim poderá viver como quiser.”

Parte 3

“Haa~”

Hejinmal estava atualmente em um túnel que levava à Capital Real. Ele suspirou, do
mesmo modo que seu pai fazia.

“Eu não sou bom em lutar...”

“Não ser bom” não fazia jus. Sendo bem honesto, ele era tão fraco que se fosse lutar
contra seus irmãos mais novos, ele poderia acabar perdendo para eles. Assim, ele ficou
desconfortável, o que resultou em resmungos para si mesmo.

“O inimigo... espero que eles fiquem com medo da minha aparência e fujam.”

Hejinmal inalou com força, fazendo sua pança saliente parecer menor. Então ele espal-
mou suas garras e abriu sua boca. Dessa forma, ele se pareceria mais com um Dragão.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


267
“Oh, quase me esqueci.”

Hejinmal cuidadosamente removeu os óculos em seu nariz. Não eram um item mágico,
mas se quebrassem, não haveria substitutos para eles. Assim, ele precisava tratá-los com
cuidado.

“Haaa... Escamas de Dragão fazem uma armadura forte... mas tudo que posso fazer é
rezar para que os Dwarfs não sejam selvagens...”

Mas e se fossem?

Não, era quase certo que fosse o caso. Isso porque as bibliotecas dos Dwarfs eram a
fonte de muitas informações sobre materiais Dracônicos.

Hejinmal se obrigou a parar de tremer.

Ele sabia que todos os Quagoas na Capital Real estavam o observando. Se possível, ele
teria preferido lutar em um túnel mais profundo, onde ele não teria audiência alguma.
No entanto, se esse fosse o caso, os Quagoas não seriam capazes de vê-lo lutar, então seu
pai o proibiu.

Seu pai lhe dissera para investigar o inimigo com o melhor de seu intelecto e subjugá-
los como servos, se possível. Mas isso não foi um sinal de amizade. Em vez disso, foi uma
ordem para mostrar sua força e dominar os fracos como um dos fortes.

Portanto, a derrota igualava-se à morte. Ele morreria se fosse derrotado em batalha.


Mesmo que ele sobrevivesse a uma derrota, os Quagoas perderiam o respeito pelo seu
pai. Isso o desagradaria, e então Hejinmal seria morto pelo seu pai de uma forma ou de
outra.

Então, que tal fugir imediatamente? Afinal, ele seria exilado em um mês, não impor-
tando o que fizesse.

Foi uma boa idéia, mas ele precisava de um mês para se preparar para isso.

Hejinmal expeliu o fôlego preso.

O suspiro super-resfriado congelou uma parede inteira em uma extensão de branco só-
lido.

“Ótimo! Meu sopro é normal e tem poder consistente com a minha idade.”

Este era um dos trunfos de um Dragão — a respiração dracônica. Os Frost Dragons pos-
suíam o sopro congelante e seu poder aumentava com a idade. A respiração de Hejinmal
estava bastante desenvolvida e era mais confiável do que sua própria força física.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


268
“...Ainda assim.”

A respiração dracônica era uma coisa assustadora. Qualquer um que conhecesse um


pouco sobre os Dragões estava ciente disso. Afinal, esta era uma habilidade inata a todos
os Dragões.

Na verdade, as bibliotecas dos Dwarfs disseram exatamente isso. Não havia como os
Dwarfs virem em um lugar assim e não estarem preparados para isso.

Hejinmal afundou ainda mais no desespero.

Embora o pai já tivesse dito isso, se ele pudesse realmente usar magia ou algo assim, as
coisas certamente seriam diferentes—

“Eu sou apenas um peão de sacrifício.”

Seus irmãos obedeciam fielmente ao seu pai de maneira muito dracônica. O fato dessa
tarefa não ser delegada a eles, mas a Hejinmal, era um sinal de que ele não se importava
se o hikikomori de sua família morresse.

Ele não se ressentiu de seu destino.

Se ele não tivesse encontrado livros, se não tivesse conhecido a satisfação de buscar
conhecimento, não seria o que era hoje. Não havia sentido lamentar isso agora.

De repente, o nariz de Hejinmal se contraiu.

Ele virou o ouvido para ouvir e pegou vários passos se aproximando de dentro do túnel.

Aqueles não eram os sons dos pés de um Quagoa, pois tais passos estavam claramente
usando sapatos.

São os Dwarfs, não são!? Há apenas alguns deles, o que significa... Eles estão muito confi-
antes na vitória apenas com esses números? Ou são um grupo de reconhecimento avan-
çado? Então, se eu os derrotar, o trabalho está feito e não haverá problema se eu voltar?

Estritamente falando, ele teria cumprido suas ordens mesmo se apenas derrotasse
aquele grupo de reconhecimento. A questão agora era se uma desculpa como essa seria
aceita.

Iluminados por pedras brilhantes, quatro silhuetas — embora ele não pudesse ter cer-
teza de que ainda estavam longe — emergiram da caverna.

Os menores são três Dwarfs? Então o que é aquele maior? Mesmo as sub-raças dos Dwarfs
não devem ser tão grandes. Então, os Dwarfs imploraram a ajuda de algo com a forma
maior, assim como os Quagoas fizeram com o pai?

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


269
Tendo os Dwarfs solicitado ajuda ou não, ele tinha que ter cuidado com a forma maior.

Ainda assim, embora fosse uma silhueta grande, ainda era muito menor que um Dragão.

Será que eu devo atacar primeiro com a minha respiração?

Hejinmal imediatamente descartou essa idéia.

Não, eu deveria perguntar o que eles querem e tentar completar essa tarefa através da
negociação.

Dragões comuns imediatamente se jogariam em uma briga. No entanto, Hejinmal não


tinha confiança em si mesmo e não queria que esse encontro terminasse em tragédia.
Portanto, ele procurou uma maneira segura de resolver essa situação.

Finalmente, sua aguçada visão dracônica — embora a de Hejinmal fosse um tanto limi-
tada para sua espécie — finalmente verificou que aquele que andava à frente do grupo
não era um Dwarf.

Já não li sobre isso antes? Não é um dos Elfos Negros, que vive nas profundezas das flores-
tas?

Era impossível algum deles estar aqui.

No entanto era muito baixo se comparado aos Elfos Negros dos livros. Poderia ser uma
criança mestiça entre um Elfo Negro e um Dwarf? Ou é apenas um Elfo Negro criança?

Enquanto Hejinmal refletia sobre essas coisas e muitas outras, ele desviou o olhar para
a enorme sombra atrás do Elfo Negro, e então seus olhos se arregalaram.

Haaah!? Um Elder Lich!? O que isso tá fazendo aqui? Que droga. Eles são imunes ao sopro
congelante e podem conjurar 「Fireballs」.

O fogo era a fraqueza dos Frost Dragons. Em outras palavras, seu ataque mais poderoso
seria inútil contra este Elder Lich, e seu oponente poderia feri-lo gravemente.

E o que é isso? Parece um robe muito caro...

Os Dragões tinham um olfato aguçado para o tesouro. Eles poderiam farejar o valor
aproximado de qualquer item, independentemente do quão valiosos sejam. Agora, seu
nariz estava dizendo a ele que o Elder Lich diante dele estava usando um conjunto ini-
maginavelmente caro de vestes mágicas.

...Não, o mesmo vale para as roupas do Elfo Negro que está à frente deles. Eu nunca vi algo
tão valioso quanto isso antes...

Capítulo 5 Frost Dragonlord


270
Hejinmal era um hikikomori, então a única coisa que ele podia avaliar eram as bibliote-
cas dos Dwarfs. Assim, seu nariz poderia ter perdido sua maestria para grandes tesouros.
Pode ter sido uma habilidade natural, mas ainda se atrofiaria se não fosse usada. No en-
tanto, ele não achou que fosse o caso.

E então, aquela sombra parece ser feminina... Isso não é uma Dwarf também? Não é uma
Elfa Negra, e nem é uma Elder Lich. Então... uma Elfa? Ou uma humana? Eu não entendo.
Ainda assim, ela parece estar usando roupas muito caras também... Hm, meu nariz não é
mais sensível? Mas se esse não é o caso...

Finalmente, ele viu o Dwarf na parte de trás do grupo, e Hejinmal ficou aliviado.

Apenas um Dwarf normal, não está usando nada valioso.

Então, Hejinmal sacudiu a cabeça.

Isso é ser ingênuo, certo? As três pessoas à sua frente são tudo menos normais. Talvez este
Dwarf seja algo especial também. Ser descuidado é perigoso.

Depois disso, o Elfo Negro apontou para ele, como se dissesse a todos que ele estava lá.

Embora achasse que poderia ser subitamente atacado — por uma 「Fireball」, seu pior
pesadelo — a oposição simplesmente fez uma pausa para conferir, e logo eles começa-
ram a avançar para Hejinmal novamente.

...Devo me preparar para o pior?

Se eles tivessem atacado imediatamente, ele teria ficado em guarda. Mas esse não foi o
caso. O que ele deveria fazer agora?

Ngggh— meu estômago dói. Espero que seja apenas um Elder Lich de bom coração que
veio negociar!

Ele poderia ser morto. Para Hejinmal — que viveu em segurança durante toda a sua
vida — o tempo até o grupo parar foi um tormento interminável.

O grupo finalmente chegou na área perto de Hejinmal.

Hejinmal respirou fundo e depois — com cuidado para não parecer imponente — falou.

Eles eram um grupo que havia se aproximado de Hejinmal, um Dragão, sem qualquer
hesitação. Portanto, Hejinmal percebeu que tentar parecer ameaçador seria muito peri-
goso.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


271
“A área deste lugar pertence aos Quagoa e a nós, Dragões. Por que— Grhum! Posso per-
guntar a você quais razões os trazem aqui?”

O Elfo Negro em pé na frente do grupo trocou de lugar com o Elder Lich. Naquele mo-
mento, ele percebeu quem era o líder do grupo.

“Hm? Estamos prestes a lançar um ataque e há apenas um Dragão aqui? Os Dragões que
conheço crescem mais fortes com a idade — ou seja, ficam maiores e mais poderosos.
Mas vendo o seu tamanho, você não parece nada forte... Qual é o significado disso?”

O que ele quis dizer com “Qual é o significado disso”? Hejinmal não fazia idéia. No en-
tanto, parece que o Elder Lich não estava desconfiado de um Dragão como ele.

Ah, isso... isso é muito ruim. É tão ruim que nem consigo descrever.

“De todo modo, duvido que só enviaram um Dragão para coletar informações sobre
nós... Isso é uma estratégia do inimigo, ou eu estou sendo paranoico? Dadas as informa-
ções que recebemos dos Quagoas que capturamos, provavelmente é o último.”

Para começo de conversa, ele não tinha idéia do que o Elder Lich estava falando. Não
parecia que o Elder Lich quisesse esclarecer para Hejinmal também. Em outras palavras,
ele provavelmente estava falando sozinho, mas por que ele sentiu tanto medo?

“...Pensar muito sobre isso é irritante. Vamos ver que tipo de Dragão você é.”

Uma emoção de terror atravessou o corpo de Hejinmal.

Ele estava relaxado demais. Ele estava falando como se tivesse pegando uma pedra do
chão. Era um tom que demonstrava a confiança em um poder de fazer o que ele falou.

E então, no momento em que ele viu o Elder Lich levantar a mão.

“「Gr—”

“ESPERE!!”

Depois do rugido ensurdecedor, Hejinmal encostou a cabeça no chão.

Este era o maior grau de respeito que um Dragão poderia mostrar — a postura de ser-
vidão.

“—asp—. Como assim, o que é isso?”

Hejinmal implorou desesperadamente ao Elder Lich, cuja mão parou de se mover.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


272
“Por favor, espere! Meu nome é Hejinmal! Posso, por favor, perguntar sobre o seu po-
deroso nome?”

Olhando em volta, ele viu o queixo do Dwarf cair em estado de choque. No entanto, o
Elfo Negro e a humana parecida com uma Elfa não pareciam surpresos. Em outras pala-
vras, isso foi uma ocorrência natural para eles.

Hejinmal tinha certeza de que seu julgamento estava correto.

“...Meu nome é Ainz Ooal Gown... qual é o significado de ficar nessa posição?”

“Sim!! Eu acredito que esta é a forma correta que os humanos usam para se endereçar
quando sabem os nomes um do outro, Gown-sama! Essa postura é o maior sinal de res-
peito que nós Dragões podemos mostrar!”

“Er... Então, por que você está fazendo isso?”

“N-Naturalmente, é porque imediatamente percebi que o senhor é uma pessoa extraor-


dinária, Gown-sama. Eu poderia tomar qualquer outra posição diante de um ser pode-
roso como o senhor? Não, eu não posso!”

Esta foi uma aposta enorme. Ele apostou tudo nisso.

Os Dwarfs usavam “aço aquecido” para descrever a sensação de queimação ao apostar,


mas o que Hejinmal sentia agora era um calafrio que o congelava até sua alma.

O tempo pareceu congelar por vários segundos, mas finalmente, o Elder Lich disse:

“Hum... Então, você pretende se submeter a mim, é isso?”

“Sim! Se me permitir, Gown-sama!”

Ele espiou novamente, e como esperado, o Elfo Negro e a Elfa pareceram pensar que
tudo isso era normal.

“...Há muitos usos para carne de Dragão, pele, dentes, escamas e coisas do gênero. Hm,
você... levante a cabeça.”

A atitude do Elder Lich era aquela de alguém que estava acostumado a dar ordens, en-
tão ele deve ter achado natural que até alguém como Hejinmal tivesse se submetido tão
prontamente a ele. Claramente, o Elder Lich não considerou Hejinmal digno de menção.

Os Dragões eram a raça mais forte, mas não eram invencíveis. Muitos seres poderiam
matar um Dragão. Os Frost Giants eram um bom exemplo disso.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


273
No entanto, se compararmos as duas espécies, no final, os Dragões provavelmente
ainda eram mais fortes.

A razão para isso foi o crescimento deles. Os Dragões continuaram crescendo com o
passar do tempo, e um dia eles se tornariam as entidades mais fortes de todas. Eles eram
uma espécie de vida muito longa, e o fato de poderem continuar crescendo ao longo
disso tudo era uma força por si só.

Desse ponto de vista, os undeads podem ser ainda mais fortes que os Dragões. Undeads
de alto nível não cresceriam em força corporal, mas podiam acumular conhecimento e
experiência.

Além disso, Hejinmal lera sobre undeads lendários de seus livros.


[Devoradores d e A l m a ] [Pestilência C o n t o r c i d a ]
S o u l Eaters, que devoraram as almas dos vivos. Wriggle Pestilences, que espalham
doenças. Cabalas de Magos que reuniam undeads em torno do núcleo de Elder Liches.
Guphandera=Argoros, o Dragão undead o que se escondia na Montanha dos Mortos e
[Estripadores A s t r a i s ]
usava magias do tipo psíquica. Astral Rippers, massas de sombras que espreitavam o
Vale das Sombras, e assim por diante.

Este Elder Lich certamente deve ser uma criatura undead lendária cujo nome havia fi-
cado nos livros de história. No entanto, parece que as bibliotecas dos Dwarfs não o ha-
viam registrado.

Hejinmal lentamente foi ficando mais inseguro.

Ele sentiu como o Elder Lich estava avaliando seu corpo. Ele estava envergonhado por
seu corpanzil decididamente não ser muito dracônico.

“Entendo. Então os dragões que vivem nesses ambientes frios armazenam gordura sob
sua pele. Eu pensava que os Frost Dragons eram imunes ao frio... Ou será que você está
armazenando alimento no caso de você não conseguir obter comida?”

“Não, não é bem assim. Eu sou o único que é assim...”

“Hooh... Quer dizer que você é um espécime raro, então? É isso?”

Hejinmal não tinha certeza se tinha algum valor por ser raro, mas não havia mais nin-
guém em sua família como ele. Portanto, foi uma afirmação correta.

“Pode ser algo assim, Gown-sama.”

“Surpreendente.”

O Elder Lich disse. Então ele continuou em um tom mais baixo:

Capítulo 5 Frost Dragonlord


274
“Te matar seria um desperdício.”

A aguçada audição dracônica de Hejinmal captou essas palavras.

Ele lutou desesperadamente para manter sua respiração sob controle. Parece que fez
outra escolha correta, a que lhe permitiria viver.

“Existem outros dragões?”

“S-Sim, existem. Há quatro dragões mais velhos que eu, seis mais ou menos da mesma
idade que eu e nove que são mais novos que eu.”

“Hoh!”

O Elder Lich parecia muito feliz, mas Hejinmal tinha certeza de que ele tinha algum tipo
de esquema maligno em mente.

“Quantos deles são mais fortes que você?”

“Os quatro que são mais velhos que eu são todos mais fortes que eu. Os Dragões da
minha idade também são mais fortes que eu.”

Eu posso até perder para meus irmãos mais novos.

Hejinmal não podia dizer isso. Afinal, se seu valor cair nos olhos do Elder Lich, ele po-
deria ser morto no local.

“Entendo. Então, qual o nível de magia que esses Dragões mais velhos podem usar? Eles
só são capazes de usar magias arcanas?”

“O mais forte deles pode usar magia até o terceiro nível. E como disse, é uma magia
arcana.”

À medida que os Dragões cresciam, eles naturalmente adquiriam a habilidade de usar


magias arcanas, mesmo sem se dedicar a aprendê-las. No entanto, eles só poderiam lan-
çar algumas magias. Até o pai de Hejinmal só podia usar três magias do 3º nível.

“O quê? Só possuem magias de terceiro nível?”

O Elder Lich parecia desinteressado, mas depois se animou como se tivesse notado al-
guma coisa.

“Não, isso é algo que devo perguntar. E se isso for apenas um truque? Dizem que uma
poderosa águia esconde suas garras. É possível que o Dragão mais forte possa usar ma-
gias de oitavo nível?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


275
“Não, é impossível. Ou melhor—”

Além disso, magias de oitavo nível não poderiam existir. Seria melhor dizer isso a ele?

Não, ele não podia. A verdade às vezes doía mais do que mentiras. Se ofendesse esse
magic caster undead, não haveria futuro para ele.

“—Não. Ele não pode usar magias de um nível tão alto. Mas o ouvi dizer que havia
aprendido uma magia de resistência de chamas de terceiro nível.”

Ele deveria mesmo dizer isso? Seu pai não era um inimigo que deveria ser subestimado.

“Uhum — entendi. Bem, é natural que alguém queira encobrir os pontos fracos.”

Esse tom indiferente fez Hejinmal se sentir desconfortável.

“Aura.”

“Sim, Ainz-sama.”

Parece que o Elfo Negro se chamava Aura. A julgar pelo cheiro, não seria um Elfo Negro,
mas sim uma Elfa Negra.

A outra que parecia uma Elfa não tinha fragrância feminina exalando de sua pele. Na
verdade, ela não tinha cheiro algum, semelhante ao Elder Lich.

“Eu vou dar esse Dragão a você. Se bem me lembro, disse que queria um, não é?”

“Muito obrigada. Mas esse cara pode voar?”

Dois pares de olhos olharam para ele, um cheio de dúvida, um aparentemente dizendo:
“Essa é uma boa pergunta”.

“Eu, eu provavelmente posso voar.”

Mesmo sendo um hikikomori, ele, provavelmente, deveria ser capaz de voar. Voar era
o mesmo que andar para os Dragões. Não havia como esquecer como fazer isso. Hejinmal
deu essa resposta, lamentando o fato de não ter testado isso antes de vir.

“Então, eu vou ficar com ele, Ainz-sama. Preciso mostrar a ele quem é que manda por
aqui, vou fazer ele me obedecer.”

Antes que Hejinmal pudesse imaginar o que exatamente ela faria, ele sentiu milhares
de lâminas de gelo cortá-lo.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


276
Eu vou morrer. Tenho certeza que vou morrer. O medo que informou seus instintos desse
fato tornou-se lâminas invisíveis que perfuraram todo o seu corpo.

Em um instante, sua mente ficou em branco. Em seu estado diminuído de consciência,


ele claramente sentiu seu coração parar de bater.

“Uwaaaaah—!”

Enquanto ele gritava, o frio negro que esmagava seu corpo inteiro foi banido.

Seu coração lentamente começou a bater novamente. Seus membros tremeram, e seus
pulmões lutaram para puxar oxigênio.

Ele recordou algo assim de um livro em algum lugar. Era chamado de “intenção assas-
sina”. Em outras palavras, a Elfa Negra que seria sua mestra era um ser que podia irra-
diar uma intenção assassina poderosa o suficiente para colocar instantaneamente um
Frost Dragon em um estado quase catatônico.

Nesse caso, que tipo de ser era o Elder Lich a quem ela respeitava como um mestre?

Não havia nenhuma dúvida sobre isso. Ele estava além da imaginação de Hejinmal.

Ele era um ser de poder absoluto — um Overlord.

Ele fizera a escolha certa.

Quando Hejinmal caiu em si, ele descobriu que o grupo recuou, com expressão de sur-
presa em seus rostos.

Assim que ele estava se perguntando o que estava acontecendo, ele percebeu a sensa-
ção repugnante abaixo de sua cintura. Quando ele olhou para os pés, Hejinmal ficou cho-
cado.

Parece que a bexiga dele ficou frouxa e ele se molhou. Uma poça se espalhou abaixo dele
como um lago.

“Urg...”

O que ele deveria dizer agora? Era possível que ele os tivesse desagradado e ele fosse
morto.

“Eu, eu fiquei tão feliz que eu acabei me mijando!”

Ele abandonou todas as ilusões de controle. Embora tivesse a sensação de que não acre-
ditariam nele, era melhor do que dizer que se mijara por medo.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


277
“A partir de hoje, este humilde servo dará tudo de si para servir Aura-sama, e oferecerá
a maior devoção e lealdade para com ela!”

“Ehhhh...”

A expressão dela era de absoluta repugnância.

Isso foi ruim. Se ela sentisse que ele não tinha valor, ele poderia ser descartado como
um pedaço de lixo. Os poderosos poderiam fazer isso. De fato, seu pai não havia feito a
mesma coisa? No entanto, a ajuda veio de um lugar improvável.

“Entendo... Bem, creio que não dá para evitar.”

“Eh? Sério mesmo, Ainz-sama?”

“Mm. Certa vez ouvi sobre algo assim de uma das minhas amigas — Ankoro Mocchi
Mochi-san. Uma vez ela me contou sobre como ela ficou chateada quando o cachorrinho
dela fez xixi alegria. Parece que esse tipo de coisa acontece quando ficam muito excita-
dos.”

“A Ankoro Mocchi Mochi-sama disse isso? Sério? Quando o Fen e outras criaturas má-
gicas marcam o território deles tem a ver com isso?”

“Pode ser algo assim. Não sou muito versado sobre biologia dracônica. Mas essa foi pro-
vavelmente a razão pela qual esse sujeito fez isso.”

O ser que poderia ou não ser uma Elfa estava ouvindo silenciosamente todo esse tempo.
Ela inclinou a cabeça e perguntou ao Elder Lich:

“Ainz-sama, seria melhor se nós fizéssemos isso também ~arinsu?”

“Shalltear. Isso lá é hora e lugar pra dizer algo assim?”

“Mm. Como a Aura disse, não seria bom se fizesse algo assim, entraria em colapso em
estado catatônico. Esse tipo de coisa é fofa apenas em pequenos animais de estimação...
Bem, a Ankoro Mocchi Mochi-san estava preocupada pois cachorrinho dela estava fi-
cando velho. Ela disse algo sobre não o deixar muito animado... ah, aqueles foram bons
dias.”

O ar ao redor deles mudou, para algo que era o oposto polar da intenção assassina de
antes.

De todo modo, Hejinmal moveu-se para limpar a parte encharcada de seu corpo em
uma parede próxima e roçou na parede até secar a mancha.

“Mas então... O que faremos agora?”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


278
O Dwarf — que estivera observando toda essa conjuntura em silêncio — finalmente
falou. Hejinmal percebeu que esse Dwarf era diferente de seus três acompanhantes, pois
não era forte.

Os Dwarfs os contrataram como mercenários e enviaram este Dwarf para ficar de olho
neles? Se esse fosse o caso, Hejinmal teria que mostrar também esse respeito ao Dwarf.
Ainda assim, onde ele se classificava como subordinado? Que tipo de ordens ele recebe-
ria a partir de agora? Essas perguntas desconfortáveis passaram por sua mente.

“Boa pergunta. Bem, vamos deixar os Quagoas para a Aura e Shalltear. Eu irei com este
Dragão e eliminarei todos os Dragões que se oporem a nós.”

O corpo de Hejinmal estremeceu novamente.

Ele falou em um tom casual. Dragões eram seres que ele poderia levar a ânimos leves.
Essa era a atitude de alguém poderoso.

Hejinmal hesitou sobre o que fazer. Provavelmente seria sábio implorar pelas vidas dos
outros Dragões. Depois de firmar-se, ele falou:

“...Gown-sama, Aura-sama, poderia este que vos fala ter a permissão de falar!?”

“Tudo bem. Fale.”

“Entendido! Um pensamento ocorreu a mente do seu servo. Os seres que vivem daqui
não conhecem vossa grandeza, Gown-sama. O senhor estaria disposto a estender sua
misericórdia àqueles tolos? Em outras palavras, os outros Dragões deveriam saber da
glória de Gown-sama!”

“Humm... o que vocês duas acham disso?”

“Se assim o senhor desejar, Ainz-sama ~arinsu.”

“Isso aí. Não vamos nos opor a qualquer decisão que você tome, Ainz-sama.”

“Mesmo assim, tudo o que precisamos fazer é expulsá-los do Palácio Real, não? Ghrum.
Dragão, posso te fazer uma pergunta?”

O orador era o Dwarf.

Hejinmal olhou para os rostos de seus mestres. Com toda a honestidade, ele não tinha
idéia de que tipo de atitude ele precisava fazer para esse Dwarf. Dito isto, agir de forma
arrogante seria muito perigoso. No entanto, um servo que se curvava diante de qualquer
um iria desvalorizar seu mestre.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


279
“Por favor, faça.”

Depois de hesitar, Hejinmal escolheu uma resposta curta para evitar ofender os dois
lados.

“Umu... Ainda assim, eu não esperava que pudesse dominar completamente um Dragão...
Não, depois de ver esse seu poder, pode ser natural. Desculpe. Há outros Dragões por
perto além dos que estão nesse lugar?”

“Pode haver.”

“Pode haver, huh. Então, se houvesse, você poderia ordenar algo a esses Dragões tam-
bém?”

“Eu não posso. Eles pertencem a uma tribo diferente.”

“Humm — Então devemos cumprir o pedido de expulsar os Dragões primeiro. Depois


disso, diremos a eles que existem outras tribos de Dragões por perto. Aí eles terão que
contar com a força de Vossa Majestade para proteger a Capital Real que será recuperada.
Certamente não iriam facilmente entregar essa terra que demoraram tanto pra reaver.
Assim será mais lucrativo, não acha?”

Havia uma palavra ali que ele não podia ignorar.

Parece que o Elder Lich era um rei de algum tipo, e seus súditos talvez fossem a Elfa
Negra e a Elfa.

“Tem certeza que quer ver sua raça sendo usada assim?”

Do que está falando...? O encolher de ombros do Dwarf parecia dizer isso.

“Vossa Majestade escolheu a mim— nós. Não é natural que eu escolha o lado dele em
qualquer disputa?”

“Obrigado por suas considerações, Gondo.”

“Por favor, não diga isso. Eu sou aquele quem deveria estar agradecendo. A dor que me
atormentou todo esse tempo foi varrida pelos poucos dias que passei com Vossa Majes-
tade. De todo meu coração, o senhor é meu salvador.”

“Estou satisfeito por termos forjado um relacionamento mutuamente benéfico.”

“Embora eu não sinta que Vossa Majestade possa se beneficiar disso, eu certamente
pagarei a gentileza que me mostrou.”

Mesmo Hejinmal sendo o estranho aqui, ele podia entender esse relacionamento.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


280
O Dwarf estava profundamente em dívida com o Elder Lich. Era uma dívida que ele pa-
garia mesmo se tivesse que trair sua raça.

“...Já que é assim que se sente, então eu não me importo...”

O Elder Lich balançou os ombros e virou-se para Hejinmal.

“Bem. Então, leve-me aos Dragões que diz serem mais fortes que você. Além disso, onde
está o tesouro da antiga Capital Real dos Dwarfs?”

Hejinmal sabia onde ficava o tesouro e assentiu com confiança.

“Seu humilde servo acha essa pergunta bastante fortuita, pois os dois estão no mesmo
lugar.”

♦♦♦

Com seu Mestre e o Dwarf nas costas, Hejinmal foi para a localização de seu pai. Seu
corpo pode ter ficado muito tempo sem se exercitar, mas ainda era um corpo de Dragão,
e transportar duas pessoas não representava problemas para ele.

Ele ouvia Sua Majestade falar enquanto andava e, ao fazê-lo, estava certo de que seus
conhecimentos e instintos foram a coisa mais valiosa do mundo.

Se ele tivesse mostrado a arrogância típica de um Dragão quando se conheceram, ele


teria sido morto. Ou melhor, se ele não proclamasse em voz alta sua lealdade e ganhasse
seu interesse, ele teria morrido sem sequer saber o que tinha acontecido.

Foi basicamente como passar um camelo pelo buraco de uma agulha.

Hejinmal contraiu a bexiga.

Se ele fizesse xixi de novo, a opinião deles sobre ele não cairia apenas no fundo do poço,
seria como se ele pegasse uma pá e continuasse cavando até o limbo.

Felizmente, eles não encontraram nenhum outro Dragão ao longo do caminho. Assim,
eles seguiram diretamente para onde seu pai estava — ou melhor, a sala do trono e o
tesouro.

Hejinmal respirou fundo.

“Seu servo deseja informar a Vossa Grandiosa Majestade que, além de meu pai, há três
Dragoas que o servem como concubinas. Pretende levar esse Dwarf até lá com o senhor?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


281
Se eles fossem atacados pelo sopro congelante de quatro Frost Dragons ao mesmo
tempo, ele temia que o Dwarf fosse morto.

“Há algum problema?”

“Não, não mesmo. Se Vossa Grandiosa Majestade sente que está bem, então natural-
mente o seu servo não tem objeções.”

“Eu o concedi imunidade ao frio, tudo deve ficar bem. No entanto, pode ser um pouco
problemático se estivermos sujeitos a numerosas magias de efeito de área de outros ele-
mentos.”

“Seu servo sente que não será um problema, Vossa Grandiosa Majestade. O sopro é a
arma de ataque favoritas dos Dragões, e é natural que eles iniciem o combate usando o
sopro. Eles não considerariam o uso de magias arcanas, já que são muito mais fracas.”

“Então não haverá problema.”

“Ah, Vossa Majestade. Posso dizer uma coisa? Certamente, não há como apenas quatro
Dragões começarem a se opor a Vossa Majestade. Mas é provável que a mãe de seu servo
esteja lá. O senhor poderia poupá-la?”

“Hm...”

Hejinmal inclinou o pescoço e esperou o julgamento do seu Mestre.

Hejinmal não pretendia ir tão longe a ponto de implorar que sua mãe fosse poupada.
Seria bom se ela pudesse ser salva assim como ele, mas ele não queria apostar sua vida
nisso. Não era que ele a odiasse, mas simplesmente que os laços de parentesco familiar
não eram muito fortes entre os Dragões.

Depois de deixar o ninho, até seus próprios irmãos se tornariam rivais por território.
Além disso, era comum os Dragões apaixonados por tesouros lutarem quando viam os
tesouros uns dos outros.

Era bem raro que muitos dragões — particularmente aqueles que tinham saído do ni-
nho — morassem juntos em um só lugar. Isso nunca aconteceria sem um Dragão incri-
velmente poderoso para reuni-los.

Nesse sentido, seu pai Olasird'arc — que uniu a todos como uma família contra inimigos
externos — era uma anomalia. Pode-se até chamá-lo de sábio.

“Fazer o que, não é? Vou tentar deixar sua mãe sobreviver.”

“Muito obrigado, Vossa Grandiosa Majestade.”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


282
As palavras de elogio imediatamente saíram de sua boca, afinal, ele não queria desagra-
dar a pessoa que lhe mostrava tamanha generosidade. Além disso, ele pensou que, se
sua mãe sobrevivesse, seu fardo poderia diminuir no futuro. Porém, por outro lado, se
houvesse mais Dragões, sua própria raridade diminuiria. Portanto, para fazer sua vida
valer a pena, ele teria que fazer tudo o que pudesse para agradá-los.

“Ainda assim, Vossa Grandiosa Majestade parece um pouco exagerado... eh. De agora em
diante, você pode se dirigir a mim como o Rei Feiticeiro ou Ainz.”

Foi uma armadilha ou foi um teste? Sem hesitar, Hejinmal falou as palavras que ele
achava corretas:

“Entendido, Vossa Majestade, o Rei Feiticeiro!”

Como ele poderia omitir os termos de respeito que Ainz deveria ter?

“Mm, vamos lá.”

“Entendido!”

Ele cuidadosamente escondeu seu suspiro de alívio.

Era um teste, afinal. Se ele tivesse sido descuidado e não lhe tivesse prestado o devido
respeito, certamente teria sido punido apropriadamente. Por tudo o que sabia, ele pode-
ria ter sido morto e dissecado.

Se havia uma coisa que Hejinmal gravara em seu coração, era que ele nunca deveria ser
arrogante.

Logo, eles alcançaram as portas que levavam ao seu destino.

Eram um conjunto de portas duplas que pareciam precisar da força de um Dragão para
abrir. Aparentemente, os Dwarfs usavam um conjunto de portas menores ao lado para
entrar ou sair. As enormes portas eram usadas apenas para cerimônias e coisas do tipo.

Hejinmal pressionou o ombro contra as portas e aplicou força — consciente para não
desalojar seu Mestre de suas costas — e abriu as portas.

Ele viu seu pai — Olasird’arc — enrolado no Trono de Ouro. Sua mãe Kilistran e as ou-
tras duas concubinas — Munuinia e Mianatalon — também estavam presentes.

Três pares de olhos confusos se fixaram em Hejinmal. Mais um par olhou em uma dire-
ção diferente — para as pessoas montadas em suas costas. Esse último par pertencia à
sua mãe, Kilistran.

Antes que alguém pudesse falar, Hejinmal gritou:

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


283
“Quem senta em minhas costas é o Feiticeiro Rei Ainz Ooal Gown! Ele é o Rei que go-
vernará esta terra e nós, Dragões!”

Estritamente falando, ele era o servo de Aura, a Elfa Negra. No entanto, seria mais fácil
para eles entender isso e, de todo modo, ele havia feito essa declaração depois de pedir
e receber permissão para fazê-lo.

O silêncio encheu a sala enquanto as palavras se desvaneciam. Demorou algum tempo


para os outros Dragões analisarem as palavras que Hejinmal acabara de dizer.

“Ficou louco, garoto!?”

Em um instante, a raiva de seu pai transbordou.

Isso foi apenas natural. Seu pai era o dono desta terra— Não. Antigo dono, mesmo que
ainda não se desse conta, então foi uma reação natural para ele.

Ele levantou-se de sua posição enrolada e assumiu uma postura de luta que lhe permi-
tiria atacar imediatamente.

Hiiiieee!

Na verdade, foi muito assustador.

Entre ele e Olasird'arc, não havia dúvida de que seu pai era mais forte. Não era simples-
mente uma questão de poder e resistência, mas também havia uma grande diferença em
termos de experiência de batalha. Além disso, o corpo de Olasird’arc também era mais
enxuto e mais convencional, em comparação com o de Hejinmal.

Dizer que Hejinmal não tinha chance de vitória era como afirmar o óbvio.

No entanto, ele não teve escolha senão fazer essa declaração. De acordo com os livros
de Hejinmal, nenhum seguidor faria seu mestre ter que declarar sua identidade.

Portanto, ele secretamente olhou para o pai com uma expressão que dizia: “Não foi idéia
minha”. No entanto, foi completamente ignorado. O olhar furioso foi direcionado a ape-
nas Hejinmal. Aos olhos de seu pai, que acreditava que os Dragões eram a raça mais forte
de todas, pessoas como seu Mestre e os Dwarfs não mereciam serem dignas de conside-
ração.

“—Rei dos Dragões. Você vai se submeter a mim em troca de sua vida?”

“O que você falou!? Skeleton desgraçado!”

Como ele poderia ser um mero Skeleton!

Capítulo 5 Frost Dragonlord


284
Hejinmal gritou internamente.

Ao mesmo tempo, havia certa indignação, pelo fato de ele não ter captado os tesouros
que seu Mestre usava. Talvez ele estivesse tão zangado que nem notou.

Se eu não tivesse provocado ele, talvez não tivesse acabado assim...?

Não, isso era impossível. Por tudo o que ele sabia, poderia ter sido ainda pior. Enquanto
a mente de Hejinmal desvanecia com delírios, um olhar de surpresa apareceu no rosto
de seu pai.

“...Não, um momento. O que são essas roupas que está usando?”

Talvez depois de se acalmar um pouco, seu nariz dracônico para o tesouro havia en-
trado em ação.

Hejinmal achou que isso era muito ruim e procurou ajuda. No entanto, todas as concu-
binas tinham o mesmo olhar de excitação em seus rostos, uma fome bestial de tesouro
em seus olhos. Apenas sua mãe estava tentando sair clandestinamente desse lugar, mas
ela não tinha intenção de ajudar o filho.

“Esta é a primeira vez que vejo esse tesouro. Se quer que eu perdoe sua tolice, então me
ofereça suas vestes, Skeleton.”

“Humm... lidar com tolos é realmente cansativo.”

Uma voz fria foi ouvida.

Por que os instintos de seu pai, como um dos vivos, não lhe diziam que a Morte o espe-
rava? Deve ter sido sua avareza dracônica em ação aqui.

“Seu idiota! Acabou de jogar fora a única chance que teve para sobreviver! Não, eu de-
veria matar você—”

“—「Grasp Heart」.”

E com isso, o corpo de seu pai caiu impotente no chão.

Os olhos de todos foram guiados para onde jazia o corpo do Dragão mais forte aqui.

A maneira como ele não se mexia parecia que ele estava dormindo. Claro, definitiva-
mente não era esse o caso.

O ar na sala ficou frio e o Ser Supremo falou.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


285
“Perdi o interesse nas últimas palavras. Então, Hejinmal, qual delas é sua mãe? Eu mos-
trarei misericórdia e pouparei a vida dela. Quanto as outras, bem, tenho certeza de que
haverá vários usos para elas depois que os separarmos.”

“Sou eu!”

“Sou eu!”

“Sou eu!”

Três vozes soaram ao mesmo tempo. Por um momento, Hejinmal quase disse “Sou eu!”
Também.

“...Mas como assim? Não me diga que tem a mãe que te concebeu, a mãe que criou você
e a mãe que cuidou de você?”

Hejinmal olhou para as duas Dragoas que não estavam ligadas a ele por sangue.

As duas foram tomadas pelo medo.

Seus olhos estavam turvos de terror. Isso também era natural; depois que o mais pode-
roso Dragão aqui presente acabou de ser morto em um instante.

Elas não pensaram em lutar, fugir ou seja lá o que fosse. Elas se agarraram com a única
chance de sobrevivência que se apresentou. Muito parecido com ele, elas tinham feito a
escolha mais correta para viver.

Seus olhos cheios de medo olharam para Hejinmal, tentando insinuar algo para ele.
Como elas reagiriam se ele dissesse: “Não, eu só tenho uma mãe”? Seu mestre absoluto
certamente mataria as outras duas sem qualquer hesitação.

Atualmente, o poder da vida e da morte sobre as outras duas Dragoas repousavam nas
mãos de Hejinmal. No entanto, ele não podia se deliciar com isso. Tudo o que ele sentia
era uma tremenda simpatia pelas outras na mesma situação que ele. Ao mesmo tempo,
ele planejou que suas “mães” lhe devessem favores por muito tempo.

“É como diz, Vossa Majestade. Eu tenho três mães!”

“É mesmo? Que pena. Bem, promessas devem ser compridas. Tudo bem, vou poupá-
las... Ainda assim, há apenas um cadáver de Dragão? Dragões são muito úteis. Não parece
ser suficiente... Que pena.”

Depois de espreitar ao redor, as três concubinas se curvaram diante de Ainz na pose de


submissão.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


286
“Saiam daqui e reúnam todos os Dragões que aqui vivem. Então, informe-os que estão
agora sob minha regência... Se alguém se recusar a aceitar isso, então eu vou lidar com
eles pessoalmente. Agora vão.”

As concubinas começaram a se mover e correram à toda velocidade. Foi uma velocidade


que inspirou admiração nos espectadores ou assustou-os deixando sem palavras.

Hejinmal não pensou por um momento que elas poderiam tentar escapar. Em face deste
poderoso magic caster, suas chances de escapar eram quase nulas. Elas deveriam ter
percebido isso também. Não, para Hejinmal, não fazia diferença, mesmo que escapassem.
Afinal, se fizessem isso, ele saberia como o Rei Feiticeiro iria encontrá-las e lidar com
elas.

*Toc*. Alguém bateu de leve na cabeça de Hejinmal. Virando-se, viu os olhos de seu
Mestre olhando para ele.

“Eu tenho outro pedido para você. É uma ordem muito importante. Reúna todos os li-
vros dos Dwarfs que possui, incluindo aqueles que ainda não terminou, assim como to-
dos os outros livros fora de seu quarto, e traga-os para mim.”

“Sim! Compreendo! Farei isso imediatamente!”

Depois de descer os dois nervosamente, Hejinmal correu com todas as suas forças.

♦♦♦

“Então, eles foram embora.”

Ainz assistiu enquanto Hejinmal desaparecia ao longe. Ele havia perguntado a ele sobre
quantos Dragões viviam aqui. Portanto, se os números não fossem somados, ainda assim
seria benéfico para ele.

Havia apenas um cadáver de Dragão. Depois de pensar em todos os usos que ele tinha
para isso, ele queria mais. No entanto, punir indivíduos recém-subjugados, que não fize-
ram nada de errado, com o propósito de gerar cadáveres, violaria seus ideais de recom-
pensa justa e punição.

Kuku~

Ainz riu.

Se eles fugissem, ele os caçaria, mataria e pegaria os cadáveres. Enquanto ponderava


sobre como usar os cadáveres, Ainz voltou seu olhar para a brilhante pilha de ouro sobre
a qual o Dragão diante dele estava deitado.

“Isso sim é algo digno de um Dragão. É uma verdadeira montanha de tesouros.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


287
Não era nada comparado à Tesouraria de Nazarick, mas ainda era a maior pilha de ri-
queza que ele tinha visto desde que chegara a este mundo.

Havia moedas de ouro, mas estavam em menor número do que os minérios de ouro e
do que pareciam ser pedras preciosas.

Havia uma corrente de ouro com mais de cinco metros de comprimento, uma pele de
algum animal, luvas douradas cravejadas de joias, um cajado simples que parecia má-
gico... de onde ele tirara todas essas coisas?

Talvez apenas o Dragão que se tornou um cadáver soubesse.

“Umu, difícil ver qualquer bronze ou ouro-dos-tolos. Então, a maior parte disso é ouro
natural? O olfato de um Dragão funciona mesmo...”

Gondo murmurou tudo isso para si mesmo enquanto estudava os minérios cintilantes.

Então aqueles diferem de ouro...

Pensou Ainz, e ele resolveu avaliá-los corretamente quando chegasse em casa.

“Eu confio que não há problemas em exercer os meus direitos de vencedor sobre o te-
souro do Dragão?”

“Esses por direitos são seus, é claro. No entanto, que tal tentar abrir isso enquanto nin-
guém está por perto?”

“Huhu. Você parece bem vilãozinho, hein.”

“É puramente para pesquisa, é claro. Me diga se há alguma coisa que deseja, Vossa Ma-
jestade. De acordo com aquele Dragão, não há livros de tesouro nem nada, mas pode não
ser bom levar algum tesouro Dwarf que seja famoso demais.”

“Por que não dizer que o Dragão pegou?”

“Se isso acontecer, eles podem pedir que Vossa Majestade recupere o tesouro dos Dra-
gões, não? Mesmo eu não achando que o Conselho vai dizer nada a Vossa Majestade,
seria melhor não semear as sementes de conflitos futuros, não acha?”

“Tem razão. Então, vou abrir a porta que guarda o tesouro. É melhor que menos pessoas
saibam o que vai acontecer.”

“Faça as honras, Vossa Majestade.”

Ainz e Gondo realizaram seus respectivos negócios.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


288
[Assassinos dos O i t o - G u m e s ]
Primeiro, Ainz usou 「Gate」 para trazer seus Eight - Edge Assassins.

“—Eu tenho um pedido a vocês. Procurem neste palácio, cômodos ocultos podem exis-
tir, e tragam todos os livros que encontrarem para este lugar. Se encontrarem algum
Dragão, diga-os que vocês são meus subordinados. Se forem atacados, podem matá-los.
No entanto, evitem fazer o primeiro movimento. Além disso... mesmo que eu duvide que
haja alguém por perto, pode haver seres poderosos presentes, então movam-se em gru-
pos. Se encontrarem alguma dessas entidades, deem prioridade em trazerem essas in-
formações de volta para mim.”

Já que os livros foram escritos na língua dos Dwarf, apenas Gondo poderia entendê-los,
então Ainz não teve escolha senão deixá-lo lê-los.

Enquanto observava seus subordinados se dispersarem através do Palácio Real, Ainz


jogou o cadáver do Dragão através do 「Gate」.

Primeiro, vou colher todos os materiais e depois processá-los. E então, se o Dragão estiver
disposto a aceitar a ressurreição, terei outro lote à mão. Embora duvide que seja assim...

Quando Yuri Alpha das Pleiades o encarou através do portal, ele ordenou que ela guar-
dasse o cadáver no 5º Andar. Para não deixar o cadáver apodrecer, a ordenou que o co-
locasse no gelo.

“Vossa Majestade! Não há sinais de que tenha sido aberto. Parece que os tesouros ainda
devem estar no lugar.”

“Perfeito. Então vou abri-lo.”

Despediu-se de Yuri e, depois que as grandes portas se fecharam, Ainz estava de pé


diante da entrada do Tesouro.

Quando ele se lembrava de seus dias em YGGDRASIL, a alegria aumentou no peito de


Ainz. Sempre foi uma experiência emocionante encontrar um drop em forma de baú de
tesouro. Mesmo se houvesse apenas um único cristal de dados dentro, não se saberia
antes de abri-lo. Ele sentia a mesma excitação agora.

No entanto — foi forçosamente negado.

Toda vez que suas emoções alegres eram canceladas, dava-se certa medida de despra-
zer. Mesmo assim, isso ainda o animou um pouco.

Ainz tirou um item mágico que parecia um tabuleiro.

Era um item Artifact-class: Ebynogoi – O Destruidor dos Sete Portões.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


289
Era um item mágico que só podia ser usado sete vezes, mas possuía as habilidades de
abertura de um ladino de nível 90.

Era muito valioso, e ele não queria usá-lo, se possível, mas ele não convocara nenhum
vassalo com habilidades de alto nível de abertura de fechaduras. Os Eight-Edge Assas-
sins eram especializados em combate furtivo e tinham habilidades de abertura de fecha-
duras muito precárias.

“Não dá para evitar.”

Ainz — que muito raramente usava qualquer item raro que obtivesse — decidiu usá-lo
depois de pensar um pouco. Parece que ele estava ansioso para os tesouros dentro.

Ele tocou o artefato na porta do Tesouro e ativou seu poder.

Enquanto espiavam através da fenda da porta que se abria, Ainz e Gondo cerraram os
punhos.

Nenhum deles disse nada, mas suas expressões diziam tudo.

O brilho de ouro era pouco mais que um truque da luz. Sem luz alguma, não brilharia.
No entanto, o que eles viram foi uma enorme pilha de tesouros que parecia ter brilho
próprio. Infelizmente, a palavra “organizado” não pôde ser aplicada a ele.

“...Surpreendente.”

Muito parecido com o tesouro do Dragão, o tesouro dos Dwarfs não podia ser compa-
rado ao de Nazarick, mas para Ainz também era uma quantia louvável.

Ainz pegou uma moeda de ouro. Ele nunca tinha visto moedas assim antes, e não se
parecia com as peças de ouro usadas para comércio hoje em dia. No entanto, não parecia
que fosse feito pelos Dwarfs, simplesmente por causa do perfil de um humano esculpido
em sua superfície.

“Dizem que, no passado, os Dwarfs negociavam com a enorme nação humana que go-
vernava a área em torno dessa cordilheira. Este deve ser um retrato do governante da-
quela nação. Os ferreiros rúnicos floresceram então; foi a era de ouro deles.”

“Humm.”

Arremessando a moeda, Ainz atirou a moeda na pilha de tesouros. O ouro tilintou con-
tra o ouro, produzindo um som límpido que agradava os ouvidos.

“Então, por favor, me dê licença por um momento enquanto eu procuro manuais técni-
cos e quaisquer itens feitos por estudiosos do ofício rúnico, e assim por diante.”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


290
“Faça isso. Eu vou dar uma olhada por conta própria.”

O Pandora’s Actor provavelmente ficaria muito feliz em ver isso.

Enquanto se lembrava de sua atitude bizarra, mentalmente Ainz se certificou de que a


porta da Tesouraria estava devidamente trancada.

Ele viu armaduras e armas aparentemente enterradas por peças de ouro. Isso não as
prejudicaria? Ou será que não se importam que sejam danificadas?

Entendo, se fosse limpo e organizado, então qualquer ladrão que entrasse poderia rapi-
damente encontrar o tesouro que eles estavam procurando. Então, em vez disso, eles ba-
gunçaram tudo? Se for esse o caso, então eles podem usar aquele velho truque também...

“Gondo, tenho algo para lhe perguntar. É possível que haja uma porta secreta sob esta
montanha de tesouros?”

Gondo olhou para trás, surpreso.

“Entendo! ...Não é impossível, mas mesmo se houvesse, seria muito difícil encontrar.
Afinal, teríamos que tirar todo esse tesouro daqui.”

No mínimo, precisariam mover as moedas de ouro.

“Então, poderíamos estimar a distância deste nível para o abaixo, e se houver uma dis-
crepância de altura, então essa suposição estaria correta?”

“Eu sinto que mesmo se alguém quisesse colocar uma câmara secreta neste lugar, não
seria nada mais do que uma porta secreta para esconder vários tesouros. Medir a espes-
sura também seria bastante difícil. Além disso, como este é o Tesouro, as paredes e o
piso seriam naturalmente mais espessos.”

O olhar de Gondo parecia estar perguntando o que deveriam fazer em seguida, mas Ainz
balançou a cabeça. Francamente falando, pegar os itens daqui o fazia sentir como se re-
cebesse um presente de cortesia. Parecia um desperdício fazer muito esforço por isso.

“Não viemos aqui por isso e não sabemos se realmente existe. Gastar muito tempo e
esforço é tolice. De todo modo, uma vez que os Dwarfs vierem reaver sua cidade, nós os
teremos como testemunhas e compraremos esses itens pelo preço adequado.”

“Compreendo. Então eu irei e ver se nosso objetivo está neste lugar.”

Gondo começou a procurar novamente, e Ainz escolheu vários itens que pareciam mais
mágicos do que outros.

“Hm? Isto é...?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


291
Entre esses itens, Ainz achou uma espada.

Pode muito bem ser o item mais mágico entre todos aqui.

“Hmm... A julgar por níveis, seria em torno do nível cinquenta, então?”

Era comprida o suficiente para ser considerado uma espada longa e estava intrincada-
mente decorada.

Ele não tinha certeza se isso fôra feito em YGGDRASIL. Mas se fosse um item deste
mundo, então seu poder mágico seria bom demais para ser verdade. Ainz sentiu o corpo
da espada. Era suave e uniforme.

“Que espada linda e requintada. Mas não há runas esculpidas nela. Por que seria assim?”

Ainz agarrou o punho. Nesse instante, a espada vibrou. Parecia que mana estava fluindo
através dela.

“Isso é... algo que eu posso usar?”

Ainz não podia usar espadas longas devido a restrições de classe das profissões. No en-
tanto, parece que esta espada foi imbuída de algum tipo de magia que renunciava a essa
restrição.

“Interessante.”

Depois de balançá-la várias vezes, Ainz a cutucou casualmente em sua mão.

Não houve dor. Parece que a imunidade de Ainz aos ataques abaixo do nível 60 ainda
estava em vigor. Não tinha a magia especial que estava imbuída na espada de Gazef.

Tendo perdido algum do seu interesse, Ainz conjurou uma magia.

“「Greater Magic Item—”

“Vossa Majestade! Como vai a busca? Achou alguma coisa interessante?”

“—Vários artigos, mas decidirei qual deles eu quero levar depois.”

“Mesmo? Então vou deixar o senhor mesmo cuidar disso, então!”

Agora que o chamado de Gondo havia interrompido a magia, Ainz jogou a espada de
volta na pilha.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


292
Mesmo que uma espada que ele pudesse usar sendo bastante interessante, dadas as
circunstâncias atuais, não era nada mais que isso. Qualquer item que Ainz tirasse daqui
teria que ser mais especial e benéfico.

Esse é o calibre dos itens mágicos aqui? Que pena. Bem, eu acho que eu não deveria estar
esperando por um item World-Class ou algo assim.

Ainz continuou procurando, e um item chamou sua atenção.

“Gondo, já selecionei alguns itens. Eu não tenho certeza se isso é um tesouro nacional,
mas você poderia vir e me ajudar a dar uma olhada?”

Parte 4

“Então, vamos começar.”

Depois de dizer isso a Shalltear, que estava de pé ao lado dela, Aura desenrolou o per-
gaminho — o item World-class que trouxera consigo — e ativou seu poder.
[ R e p r e s e n t aç ã o d a N a t u r e z a e Sociedade]
Depiction of Nature and Society.

Simplificando, este item confinava os alvos em um espaço fechado. Para ser mais pre-
ciso, ele trocava uma paisagem pintada pelo mundo real, e então convertia o mundo real
em uma paisagem pintada.

A definição de “alvos” neste caso era a mesma que a magia de Super-aba 「Creation」,
e se referia a uma área específica. Nada dentro dessa área — animada ou inanimada —
poderia resistir a seus efeitos.

Desta vez, ela iria prender tudo dentro dessa caverna gigantesca no outro mundo criado
pelo Depiction of Nature and Society.

Shalltear e Ainz estavam protegidos por Itens World-Class, então não seriam presos
dentro do outro mundo. Em vez disso, apareceriam na paisagem pintada que substituía
a região da realidade devorada. No entanto, como usuária do item, Aura seria sugada
automaticamente para dentro.

Este mundo pintado era quase o mesmo que o mundo real, sem nada estranho ou notá-
vel que fosse perceptível. No entanto, era fundamentalmente uma ilusão. Sem o poder
do Depiction of Nature and Society, uma vez que alguém saísse da área alvo, tudo desa-
pareceria como uma névoa. Em outras palavras, qualquer tesouro obtido dentro do
mundo pintado também se dissolveria em névoa.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


293
Naturalmente, as duas haviam entrado nesse segmento da realidade por vontade pró-
pria. Normalmente, os Itens World-Class não poderiam afetar os detentores de outros
Itens World-class, mas seria diferente se esses detentores aceitassem essa influência.
Tudo isso graças a um patch que os desenvolvedores aplicaram.

E pode-se escolher entre 100 outros mundos para sobrepor aos alvos dessa troca de
realidade.

Por exemplo, havia terras de lava letais que causavam danos contínuos, paisagens bo-
reais que causavam danos causados pelo frio, planícies de trovões que chovia em inter-
valos periódicos, regiões de monção onde a visibilidade era praticamente nula ou mun-
dos envoltos em neblina, como opções básicas.

O estranho era que também havia campos de batalha que podiam ser sobrepostos. De-
pois de um certo período de tempo, um número considerável de reforços apareceria
para atacar o inimigo. No entanto, essas tropas teriam apenas cerca de 60% da força de
seus oponentes, de modo que geralmente se limitavam a esgotar os recursos do inimigo.

Se os confrontos cara a cara fossem desejados, poder-se-ia enfrentar o inimigo com um


número igual de entidades mais fortes, cada uma com 80% do poder do usuário. Devido
a essa habilidade, era bastante útil se o adversário fosse derrotar o inimigo.

O aspecto mais temível desse item não era atrair pessoas para um outro mundo, mas
permitir que o usuário escolhesse quais alvos sofreriam seus efeitos. O usuário também
pode escolher esses efeitos. Em outras palavras, mesmo se o usuário criasse uma região
de lava derretida, eles poderiam isentar as pessoas escolhidas do dano infligido por fogo.

No entanto, tinha suas fraquezas.

A menos que outros mundos específicos fossem usados, uma das 40 rotas de fuga seria
escolhida aleatoriamente durante cada ativação, e se o inimigo conseguisse escapar atra-
vés daquela rota, a propriedade do item seria transferida para o inimigo. É claro que
nenhuma dessas rotas de fuga era simples, mas o fato de que alguém pudesse apreender
o item sem derrotar seu detentor significava que obtê-lo era mais fácil do que a maioria
dos outros itens World-Class.

Desta vez, Aura escolheu um desses outros mundos específicos, uma região simples de
espaço fechado.

Além de estar preso, o inimigo não sofreria nenhuma consequência deletéria. Ainda as-
sim, havia apenas uma maneira específica de escapar desse lugar.

“Tudo bem, Hanzo, eu quero que bloqueie a rota de fuga deste mundo. Vai ser uma dor
de cabeça se alguém fugir. Já ficou demais nas sombras.”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


294
O Hanzo se inclinou do esconderijo nas sombras e prestou muita atenção à explicação
de Aura sobre a rota de fuga.

Embora Aura não tivesse detectado nenhum invasor nas proximidades, ter cuidado era
essencial.

“Então, Aura. Quantos mais entraram neste mundo ~arinsu?”

“Hm? Apenas dois.”

Essa resposta significava que o inimigo não possuía itens world-class. Elas soltaram um
suspiro de alívio.

Shalltear olhou em volta das residências da antiga Capital Real. Era uma grande cidade,
mas estava quieta, como se todos os cidadãos tivessem fugido.

Elas precisavam capturar rapidamente o Rei dos Clãs, o governante dos Quagoas, e
transmitir as palavras do Ser Supremo para ele. No entanto, a visibilidade foi impedida
pelas casas e elas não conseguiram encontrar o lugar onde ele estava hospedado.

“Poderia desintegrar só as casas ~arinsu?”

“Hm? Não. Mas posso criar um ambiente perigoso para causar danos ao longo do tempo.
Por exemplo, se tivesse casas de madeira, eu poderia criar uma região de lava e queimar
tudo até virar cinzas.”

“Isso pode matar todos eles, então não pode fazer isso ~arinsu.”

“Uhum. Mas ainda dá pra ativar rapidinho e depois lidar com os que sobrevivessem...
mas seria uma pena se seus minérios derretessem.”

Os Quagoas alimentavam seus filhos com metais e coisas do gênero, então deveria ha-
ver grandes quantidades de metais ou minérios brutos por aí. Destruí-los seria um des-
perdício, e Shalltear concordou.

“E também, o Ainz-sama disse que era pra ver se estavam dispostos a servir sua regên-
cia.”

“E então ele disse que, se eles se recusassem, nós os separaríamos em uma quantia es-
pecífica ~arinsu.”

“...Shalltear.”

Depois de ver Aura estreitar os olhos, Shalltear percebeu o que ela estava fazendo.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


295
“Vai ficar tudo bem ~arin-su! Eu Juro ~arin-su! Eu ab-so-lu-ta-men-te não quero estra-
gar os planos ~arin-su!”

“Já que jura, né...”

“Acho que entendeu agora ~arinsu. É preciso pensar passos à frente. Já é hora de ir?”

“Mm, vamos lá. Então, posso deixar que lide com eles?”

“Acho que sou mais adequada para essa tarefa. Você está bem com isso ~arinsu?”

A força de Aura estava ligada a suas feras mágicas, então ela não era tão boa nesse tipo
de coisa.

“Sim, né.... Se o Mare estivesse aqui, ele acionaria um terremoto e acabaria com um
monte deles.”

“Aquele garoto tem os ataques de área mais fortes de Nazarick ~arinsu. Tenho orgulho
do meu poder também, mas é um tanto limitado em um lugar assim.”

A propósito, usar um terremoto para obliterá-los não cumpriria o comando de seu mes-
tre para “selecioná-los”. Pois se esse fosse o objetivo, então poderia simplesmente con-
jurar seus familiares para realizar um massacre indiscriminado.

“Deve ser por isso que recebeu ordens assim, não? Todas essas tarefas foram para você
aprender, Shalltear.”

Aura repetiu as ordens que seu mestre havia transmitido muitas vezes.

“Isso... é verdade...”

Shalltear respondeu, e então ela mencionou algo que ela estava pensando por um
tempo:

“A julgar pela força dos inimigos que encontramos até agora, não parece que há alguém
aqui que possa derrotar um Death Knight ~arinsu. Será que foram derrotados por acaso?
É mais provável que eles usaram um item ou os derrotaram com uma conjuração tem-
porária... É muito raro que as previsões do Ainz-sama estejam erradas ~arinsu.”

Shalltear percebeu que Aura estava olhando para ela. Ela não queria perguntar o por-
quê ela estava fazendo isso.

“O quê? Esqueci de algo ~arinsu?”

“Não é isso... hm... ahhhh, que bobona~”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


296
Um olhar de desagrado cruzou o rosto de Shalltear.

Se ela tivesse esquecido alguma coisa, então por que não contar diretamente a ela? Foi
um tempo antes que Aura entregasse sua resposta.

“Presta atenção... como o Ainz-sama poderia cometer esse tipo de erro?”

“E se ter os Death Knights derrotados for parte do plano do Ainz-sama ~arinsu? É ver-
dade que os Death Knights feitos pelo Ainz-sama têm atributos muito altos. Ninguém
que tenhamos encontrado até agora deveria ter sido capaz de derrotá-los...”

Aura bateu com o punho na mão.

“Oh, será que é possível?”

Ela falou perguntando a si mesma:

“Faz sentido. Então é possível deixou a oposição matar os Death Knights de propósito.
Não pensei tão à frente assim, mas até que cheguei perto. Os Death Knights caíram junto
com a ponte, só que acho que morreram na queda. Suas pegadas estavam lá quando pas-
samos por aquela fortaleza, mas não do outro lado. Ou seja, eles foram derrotados no
meio do caminho. Então só há uma razão para terem morrido.”

“Se for isso, então excedeu as previsões do Ainz-sama ~arinsu?”

“Como eu já disse, não é bem assim. Olha, se o Ainz-sama estivesse falando sério àquela
hora, aí você teria razão, Shalltear.”

“Como assim ~arinsu?”

Shalltear tricotou as sobrancelhas, incapaz de entender. Aura fez “Ahggh!” e deu uma
pisada no pé de Shalltear.

“O que quer dizer com “como assim”? Eu já não te disse? Ainz-sama já sabia que os Death
Knights morreram por cair na Grande Fenda.”

“Ehhh!?”

“Haaa... por que não pensa no que aconteceu naquela hora? Lembra quando o Ainz-
sama estava explicando as coisas pra você e eu queria perguntar se os Death Knights
tinham sido empurrados da ponte? Nessa hora o Ainz-sama olhou direto pra mim e or-
denou que eu ficasse quieta. Não percebeu? Foi no momento em que ele deu as instru-
ções.”

Shalltear piscou de surpresa. Ela viu seu mestre fazer aquele gesto. No começo, ela pen-
sou que era porque ele queria que Aura ficasse quieta pois estava dizendo alguma coisa.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


297
No entanto, esse Ser Supremo era um estrategista gênio, então a explicação de Aura era
mais provável em oposição à sua leitura potencialmente falha da situação.

Ainda assim, se esse era o caso, por que ele explicara tudo isso a ela?

“Que tipo de careta é essa? Pense um pouco e vai saber.”

As palavras distraídas de Aura fizeram o coração de Shalltear encolher como se esti-


vesse sido jogado em um redemoinho.

“Será que foi... por mim? Ele fez isso de propósito para me treinar? É isso que quer dizer
~arinsu?”

“...E o que mais seria? Ao longo do caminho, você disse que poderia ter um inimigo forte
e perguntou ao Ainz-sama um monte de coisas. Se soubesse que eles haviam caído na
Grande Fenda, você teria perguntado tanto? Ah, mas pode manter isso em segredo? Só
te contei porque tava duvidando do Ainz-sama...”

“Eu duvidando da inteligência do Ainz-sama ~arinsu? Nunca faria isso!”

Shalltear esperava que ela pudesse ficar quieta sobre esse assunto de não confiar na
proeza de um Ser Supremo.

“Enfim, só mantenha isso em segredo. Do mesmo modo que o Ainz-sama queria que eu
guardasse isso, você tem que manter sua boca fechada também.”

“Claro ~arinsu.”

Quando alguém refletia calmamente sobre isso, Aura havia cometido um pecado mortal,
o de ignorar as ordens de um Ser Supremo. No entanto, isso foi porque ela sentiu que
Shalltear mostrou desrespeito ao Supremo...

Então fui eu ou a Aura que foi rude com os Seres Supremos ~arinsu? Ou nenhuma de nós?
Hm—

A cabeça de Shalltear doía, e ela decidiu parar de discutir e não se preocupar com a
questão de guardar segredos.

...Ainda assim, isso não é um sinal de desrespeito em si ~arinsu? Hm...

“...Hm — a propósito, se eles não se submeterem ao Ainz-sama, ele disse algo sobre
reduzir os números para dez mil. Lembro que era pra poupar algumas das fêmeas, mas
e as crianças?”

“Ele especificou para deixar uma certa quantidade viva ~arinsu?”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


298
“Eles ficam mais fortes comendo metais quando crianças, não? E se vamos governá-los,
as crianças não seriam mais fáceis de fazer lavagem cerebral? Shalltear—”

Nesse momento, um sorriso maligno apareceu no rosto de Aura.

“Se o Ainz-sama não deixou nenhuma instrução, significa que... é um teste, né? A gente
até podia enviar os Hanzos pra pedir orientações, mas Ainz-sama deixou nos seus om-
bros? Então eu acho que ele quer te testar, pra ver como se sai... Como será que minha
Guardiã vai cuidar disso? Entendeu?”

Shalltear sorriu fracamente em resposta. Ela estava pensando nisso desde que recebera
suas ordens.

“Quatro mil machos, quatro mil fêmeas e duas mil crianças devem ser suficientes
~arinsu.”

“Hm? Hm — acho que sim. Você parece até bem à vontade com isso— huh?”

Aura ficou em silêncio e colocou a mão na orelha. Shalltear sabia o que ela estava fa-
zendo e se manteve o mais silenciosa possível. No final, ela sorriu de orelha a orelha.

“Ah, escutei o que parece ser um grande grupo de Quagoas se movendo.”

“Eles estão fugindo, ou estão implantando suas tropas ~arinsu?”

“Não sei bem, porque eu estou me guiando pelo som, mas não parecem estar fugindo. É
mais como se eles estivessem se dispersando fora da cidade.”

Aparentemente, havia 80.000 Quagoas aqui. Demi-humanos eram do tipo que ficavam
mais fortes com a idade. Em outras palavras, todos poderiam ser soldados. Se eles mo-
bilizassem mais de 10.000 e implantassem-nos na cidade, sua vantagem numérica seria
reduzida pela metade.

Mesmo que os intrusos fossem tão poucos que não se qualificavam como exército, eles
possuíam um incrível poder de luta. A questão do Dragão já deveria ter se espalhado por
todos os Quagoas. Se fosse esse o caso, os mais inteligentes levariam os outros para fora
da cidade para evacuar, enquanto se preparavam em uma formação para atrair o inimigo
para a cidade e ganhar tempo com uma luta. Se um pequeno número de inimigos se mo-
vesse para a cidade, os Quagoas poderiam cercar a cidade e montar ondas de ataques
para exauri-los antes de dar o golpe final com uma equipe de guerreiros de elite. Essa
parecia ser a estratégia de batalha mais apropriada.

Em qualquer caso, era necessário um espaço amplo e aberto para implantar uma
grande força.

Shalltear esperava apenas isso.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


299
“Eles estão ali. Então, devemos começar as negociações agora.”

“Claro. Precisamos nos esforçar muito para não manter o Ainz-sama esperando
~arinsu.”

♦♦♦

Mais de 60.000 Quagoas capazes de lutar estavam em formação e esperando pelo ini-
migo.

Quagoas fêmeas, que não estavam grávidas ou tinham filhos, eram tão boas em lutar
quanto os machos, e foi assim que conseguiram mobilizar esses números. Ainda assim,
apesar de reunir uma força maior do que qualquer outra registrada na história, o Rei dos
Clãs, Pe Riyuro, não ficou nada feliz.

Isso era estranho demais. A caverna que continha a Capital Real de repente estava co-
berta de névoa.

Mas que droga é essa?

As tropas prontas para a batalha começaram a se alinhar, de frente para a Capital Real.
Se o inimigo temesse seus números e não aparecesse, então seria o melhor caso. Por-
tanto, eles levaram as provisões mínimas e deixaram seus tesouros Dwarfs para trás. Se
o inimigo não fosse estúpido, eles veriam que não adiantava lutar.

No entanto, duas formas emergiram-se da Capital Real.

Uma das formas estava vestida com uma armadura vermelha, e a outra forma era de
alguém baixo e de pele escura que não era um Dwarf.

De acordo com os que assistiram ao encontro com o Dragão do lado de fora da Capital
Real, deveria haver mais dois, mas eles não os viram. Deviam estar pegando tesouros,
enquanto esses dois estavam ganhando tempo para eles.

“Só para ter certeza, só para confirmar, isso não é um Golem, né?”

“Sim, não é um Golem.”

Segundo Yozu, os Golems eram altos em estatura e usavam armadura negra. Então
aquele de armadura vermelha era outra coisa. No entanto—

Talvez seja um tipo de Golem. Melhor pensar dessa maneira. Mas por que diabos eles vie-
ram enfrentar um exército de dezenas de milhares? Será que estão confiantes em matar
todos nós— Nem pensar, não pode ser. Isso é impossível.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


300
Riyuro balançou a cabeça para dispersar a imagem horrível que havia pensado.

Ele podia adivinhar que a oposição possuía um poder inimaginável, dado que eles cria-
ram essa dimensão bizarra. O fato de que eles poderiam fazer um Dragão se prostrar
diante deles sem lutar também sugeriu que eles eram muito fortes.

Ainda assim, o seu lado contava com mais de 60.000. Era completamente incomparável
ter apenas centenas ou milhares de pessoas. Não havia como lutar contra tantos adver-
sários.

No entanto, se fossem Golems, então era compreensível.

Os Golems não se cansavam como seres vivos. Eles poderiam lutar para sempre, e se
eles fossem fortes o suficiente para derrotar Riyuro, então, teoricamente, poderiam ma-
tar todos aqui.

Ainda assim, isso era meramente teórico.

Mesmo se apenas um dos vários Quagoas causasse dano com um golpe de sorte, ao
longo de milhares de turnos de combates, os danos acumulados resultariam em ferimen-
tos que poderiam tirar o inimigo da jogada.

Os números eram fortes. Com seu exército de 60.000, enquanto lutassem em terra firme,
eles deveriam ser capazes de matar pelo menos um Dragonlord.

“—Eu vou ir falar com eles. Vocês esperem aqui. Se eu for morto... Bem, façam o que
quiserem.”

“É muito arriscado!”

Disse um de seus assessores, afirmando o óbvio.

“...Se não der para falar com os Golems, então falarei com aquilo ao lado dele. Seria ruim
se não descobríssemos o objetivo deles, pelo menos isso.”

Em todo caso, Riyuro estava determinado a tentar um diálogo.

O inimigo deve ser forte. Sendo esse o caso, ele perguntaria a eles seu objetivo. Se pu-
dessem raciocinar, ele não se importaria de pagar um certo preço. Se pudessem expulsar
o Dragonlord, então reconhecê-los como seus novos mestres também estaria bem.
Mesmo que isso fosse impossível, ele poderia pagar mais do que os Dwarfs pagaram.

“Ninguém deve me seguir. Se muitos de nós vierem imediatamente, isso pode desenca-
dear hostilidades.”

Sem dizer mais nada aos seus auxiliares, Riyuro deu um passo à frente.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


301
Suas tropas se separaram em ambos os lados dele, e a oposição parecia ter notado que
alguém estava vindo. Ele podia ver que o inimigo havia parado para observar seus mo-
vimentos.

“Desculpe pela espera.”

Riyuro foi o primeiro a falar, e sua voz fez os inimigos se olharem.

Ele olhou ao redor. Como esperado, não havia mais ninguém por perto. Havia duas ou-
tras pessoas daquela disputa com o Dragão — o Dwarf e o sujeito com um elmo de ca-
veira — nenhum dos dois estava aqui.

“Hm? Quem é você?”

O baixinho de pele escura respondeu.

Parece que o de armadura vermelha era um Golem. Parecia bem pálido e mais alto que
o humanoide ao lado dele. Ainda assim, de relance, não havia como dizer que era um ser
artificial — parecia muito realista.

“Eu sou Pe Riyuro, Rei dos Clãs Quagoas que moram neste lugar. E quem diab— quem
são vocês?”

“Estamos sob ordens do Supremo Overlord que veio a esta terra para governar vocês
~arinsu.”

Essa coisa fala!?

O ser de armadura vermelha falou. Desde sempre ele ouviu falar que os Golems não
podiam falar, obviamente não era um Golem.

Tentando esconder sua consternação, Riyuro respondeu:

“Governar?”

“Correto. Nosso Senhor veio para subjugar vocês. Ajoelhem-se diante dele ~arinsu.”

Então o que eu devo fazer?

Riyuro pensou rápido.

Ele não se importava em se curvar e dar as boas-vindas a um novo governante. Tudo o


que eles precisavam fazer era crescer forte sob aquele governante e depois derrubá-los.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


302
O problema era que eles não podiam se submeter à oposição sem conhecer seu poder.
Eles poderiam ter feito o Dragão se ajoelhar diante deles, mas aquele Dragão não era um
Dragonlord. Por tudo que ele sabia, depois de dobrar o joelho, eles poderiam ser usados
para lutar contra o Dragonlord.

“...Ouvi falar que há mais dois de vocês. O que aconteceu com eles?”

“Você não precisa saber. Só tem permissão para dizer se aceita nossa governança ou
não ~arinsu.”

Esses seres não estavam revelando nada para ele. Isso significaria que investigar as in-
tenções do inimigo — se eles realmente queriam lutar seriamente — era muito impor-
tante.

“...Diz que quer nos governar. Mas é muito difícil aceitarmos sua proposta sem saber
sua força. Isso faz sentido?”

Em outras palavras, ele estava insinuando que “Se me mostrar o quanto é forte, não me
importo de ser governado por você”. No entanto, os dois seres simplesmente se entreo-
lharam e deram de ombros.

“Mesmo ~arinsu? Nossas ordens dizem que, se vocês não aceitarem nossa governança,
devemos reduzir seus números até que sejam forçados a se ajoelharem. Depois disso,
deveremos matar até que restem apenas quatro mil machos, quatro mil fêmeas e duas
mil crianças. Você é capaz de diferenciar os mais valiosos, correto?”

“Então, quando restarem apenas dez mil de vocês, a gente vai levar vocês ao nosso país,
o Reino Feiticeiro, onde vocês serão colocados pra trabalhar.”

O medo percorreu o Rei dos Clãs por um instante.

Não foi por causa do conteúdo cruel da mensagem. Foi porque estes serem entregaram
em um tom de fato que era completamente desprovido de arrogância.

Ele sentiu que estes dois humanoides poderiam realmente fazer isso.

Sim.

Sim, apenas esses dois humanoides poderiam matar um exército de mais de 60.000.

São um bando de malucos? Ou muito confiantes? Ou—

Essa atitude inacreditável deixou Riyuro sem saber o que fazer a seguir.

Eles não podiam escutar tais ordens insanas sem sequer lutar.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


303
Talvez tivessem percebido a intenção hostil do seu lado, mas os dois seres se entreo-
lharam e seus rostos se contorceram em sorrisos.

Os Dwarfs eram cabeludos, então ele podia entendê-los ao observar os pêlos. Já esses
dois seres não tinham cabelo, exceto no topo de suas cabeças, então ele não conseguia
ler suas expressões. Tal era o abismo entre duas espécies diferentes.

“E-espera—”

Ele não conseguiu terminar seu pedido para que esperassem.

“—Então, vou começar a reduzir seus números a um nível aceitável. Sendo esse o caso,
não dê suas roupas para mais ninguém.”

Normalmente os Quagoas não usavam roupas. Afinal, eles estavam cobertos de pêlos
da cabeça aos pés.

No entanto, um rei precisava mostrar sua autoridade e, portanto, precisava de algo para
diferenciar-se facilmente dos outros. Foi por isso que ele usava roupas e uma coroa feita
por Dwarfs, com o brasão do Rei dos Clãs. Ao mesmo tempo, ele poderia deixar os outros
usá-los para servir como um dublê para ele, a fim de enganar os inimigos de outras raças.

Essas coisas tinham visto através desse plano e assim tentado cortá-lo no meio do ca-
minho?

Tirar a liderança inimiga para enfraquecer o exército inimigo era a condição de vitória
mais óbvia. No entanto, por que não fizeram isso?

Não, não é isso. Há outro motivo... Será que... Deve ser isso. Essas coisas não estão tentando
me matar, mas sim estão tentando não me matar por acidente!

As diferenças entre as espécies eram muito profundas. No entanto, enquanto ele usasse
suas roupas, estes seres poderiam dizer quem era o Rei dos Clãs e, assim, poupariam-no.
Esse foi o significado daquela declaração arrogante.

“Então, não é hora de você voltar? Vamos começar assim que o seu lado se mover para
nós. Eu ficaria feliz se você escolhesse aqueles que deseja que sobrevivam antes disso
~arinsu.”

“Se apresse aí, vai.”

Os seres acenaram para ele, indicando que ele deveria retornar. Em outras palavras,
não havia necessidade de negociar mais.

Isso foi muito diferente de suas expectativas.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


304
Eu disse que estava disposto a dobrar o joelho, por que não podem fazer uma pequena
concessão? Se não estão mesmo dispostos a fazer isso... isso realmente significa que estes
seres veem nossas vidas como algo sem valor...?

Diante dessa arrogância, o Rei dos Clãs lutou para reprimir o terror transbordando
deste coração.

Mesmo assim... eles não podem reduzir nossos números de sessenta mil para dez mil... Sim.
Deve ser isso. Devem ter ficado malucos depois de ver nossas tropas!

Em circunstâncias normais, esse tipo de pensamento estaria correto. Mesmo os Dra-


gões não conseguiram reduzir seus números em quantidades tão grandes.

Naquele momento, o Rei dos Clãs percebeu algo.

Será que pretendem montar ataques aéreos de atacar e fugir?

Se eles lutassem como Dragões, então as coisas seriam muito complicadas.

Implantar soldados em uma área aberta como esta seria prejudicial.

Então, ele deveria trazer suas forças para o bairro residencial?

Entretanto, isso seria muito perigoso. Se o inimigo pudesse destruir edifícios, causaria
grandes danos a suas casas. No final, esse era o único lugar onde eles poderiam lutar.

Depois de retornar às suas tropas, o Rei dos Clãs reuniu seus assessores.

“Aquilo era um Golem? ...O que aconteceu? O senhor parece muito desconfortável.”

Sua expressão deve ter assustado os outros dois. O Rei dos Clãs deu uma leve bofetada
no rosto e deu suas ordens.

“Ahh... Não importa, junte os Quagoas Azuis e Rubros.”

“Eles serão guarda-costas pessoais?”

“Não apenas eles. Reúna todos os indivíduos excepcionais de cada Clã.”

♦♦♦

Riyuro deu voz a um grito poderoso. Foi um grito infundido com a habilidade que ele
obteve quando ascendeu à posição de Rei dos Clãs. Quando ele viu seu exército de mais
de 10.000 atacar o inimigo em resposta ao grito, ele até se sentiu um pouco satisfeito.
No entanto, os resultados dessa investida eram horríveis demais para serem vistos.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


305
Como um fluxo de água batendo em uma parede, os soldados que atacavam atacaram
uma barreira invisível e eram enviados aos ares.

O que espirrou em toda parte não era água espumosa, mas Quagoas — ou melhor,
aquilo que costumava ser um Quagoa. Talvez uma visão como essa fosse apropriada para
Dragões ou Gigantes, mas seus oponentes eram criaturas menores que Quagoas.

“Eles estão voando...”

Um de seus assessores murmurou mudo para si mesmo.

Isso não foi uma metáfora. A investida dos Quagoa estava literalmente voando pelos
ares. Não era feito um por um. Várias dúzias deles eram enviadas voando de uma só vez.

Seus cadáveres pulverizados tornaram-se uma chuva de pedaços de carne que choviam
sobre seus companheiros.

As tropas cheias de entranhas continuaram a sua investida, e após isso, uma vez mais,
se tornavam pedaços de carne que uma vez mais caíram em seus companheiros. Uma
cena digna de um pesadelo.

Por alguma razão, o fato de não conseguirem mais ver sangue jorrando tornou a visão
ainda mais surreal.

“Mas, mas que merda, mas que merda é essa!?”

Riyuro nem sequer teve forças para responder ao grito triste de seu orientador. Seus
pensamentos apenas vazaram pela boca em forma de palavras.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


306
“Essas coisas...”

“Rei dos Clãs! Que coisa é aquela!? Não é nada como os Golems que vimos antes!”

Cada Quagoa que fazia alguma investida era morto em um único golpe. Isso não era
mais uma batalha. Não foi nem mesmo um massacre. Foi simplesmente eliminação. Os
companheiros que ele reunira para aumentar sua influência agora estavam sendo muti-
lados em grandes quantidades como se fossem apenas lixo.

“Nós, nós temos que fugir!”

“E PARA ONDE!?”

Ele gritou para seus assessores em pânico.

“Onde você pode correr nesta dimensão bizarra!? Aqueles humanoides disseram que
vão nos matar até restarem apenas dez mil de nós!”

Seus assessores não tinham nada a dizer.

Depois de ver essa esmagadora — essa força monstruosa, eles entenderam que suas
ameaças não eram uma piada. Embora fosse difícil acreditar, eles não tinham escolha
senão acreditar. De sua população de 80.000, apenas 10.000 teriam permissão para so-
breviver.

Embora ele quisesse pedir perdão agora, não havia calor nos olhos daqueles dois seres.
Mesmo os olhos do Dragonlord tinham mais compaixão.

Aqueles seres não têm intenção de mudar sua declaração, vão nos reduzir a dez mil.

“Isso é impossível! Rei dos Clãs! O que diabos eles são? O que os Dwarfs trouxeram
aqui!?”

“Por que esses humanoides tão pequenos são tão poderosos...?”

Ao ouvir seus conselheiros, outro lampejo de inspiração atingiu Riyuro.

“Poderia ser aquele ser de armadura vermelha também é uma arma dos Dwarfs? Eles
enviaram algo mais forte porque sabiam que os Golems foram destruídos?”

“...Então, se o derrotarmos, eles enviarão algo ainda mais forte do que isso?”

Os gritos de seus homens ecoaram por todo lado. Apenas a região ao redor de Riyuro
ficou em silêncio.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


307
“Vamos chamar nossos soldados de volta—”

“Pare! Eles precisam lutar! Não há outra saída para nós! Por mais forte que seja, acabará
se cansando! Quando isso acontecer, esperaremos até que ele não consiga mais balançar
a arma e forçá-los a negociar e exigir concessões deles!”

“Eu, eu entendo... mas... aquilo realmente pode se cansar?”

Ele mencionou algo em que Riyuro havia pensado no canto de sua mente. No entanto—

“De qualquer modo, enquanto algo for vivo, deveria ficar cansado. Pode ter mais resis-
tência do que nós, mas definitivamente ficará cansado. Até lá, faça-o continuar balan-
çando sua arma! ...Mesmo que não se canse fisicamente, quando se cansar de matar, po-
deremos discutir algo.”

O Rei dos Clãs relutou em falar as palavras que vieram em seguida, mas elas tinham que
ser ditas:

“Além disso, não podemos vencer mesmo se lutarmos contra aquilo! Não contra um
monstro desses.”

Suas tropas não seriam desmoralizadas ao ponto de fugir. O grito que Riyuro costumava
fazer soar a investida transformava seus homens em guerreiros que não conheciam o
medo. Muito parecido com o estado enlouquecido dos Berserkers, aumentava sua força
de ataque, mas reduzia sua defesa. Mais importante, eles eram imunes a todos os efeitos
relacionados ao medo. Mas o fato de não recusariam as ordens do Rei dos Clãs, por mais
perigosa que fosse, poderia ser considerado uma faca de dois gumes.

A grande massa de soldados continuou avançando sem olhar para trás, e eles foram
reduzidos à metade de seu número anterior com tanta rapidez que quase ninguém pôde
acreditar.

Nesse momento, ninguém tinha forças para falar.

O fato de que esta tragédia estava se desenrolando diante deles sendo feito por apenas
um ser, traumatizou seus corações.

Todos, exceto por um.

A exceção — Riyuro — estava agarrado à última gota de sua coragem.

“Vocês são heróis escolhidos a dedo!”

Ele não conseguia aumentar o tom da voz.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


308
Riyuro viu os Quagoas Rubros e Azuis diante dele, assim como os outros Quagoas com
habilidades especiais, todos os quais tinham sido alinhados nas unidades de combate
mais fortes dos clãs.

A razão pela qual nenhum deles respondeu ao grito de Riyuro foi porque estavam todos
vendo aquela armadura vermelha com desespero em seus olhos.

Eles também devem ter sentido que não tinham esperança de vitória. Quando foram
reunidos pela primeira vez, seus olhos brilharam, mas agora não havia luz em seus olhos,
como se estivessem mortos.

Ele havia escolhido não os deixar frenéticos para preservar sua força defensiva, mas
fôra a decisão errada.

O Rei dos Clãs levantou a voz para tentar colocá-los em movimento.

“Vocês são nosso trunfo! O inimigo matou muitos dos nossos companheiros, por isso
deve estar cansado! Vocês serão capazes de fazê-lo sofrer!”

Deve estar cansado — ele disse, mas não havia sinal disso. Aquela armadura vermelha
não mostrava sinais de parar enquanto cortava cada Quagoa que atacava em pedaços e
mandava os pedaços voando no ar, manejando e perfurando com sua estranha arma se-
melhante a uma lança sem o menor indício de parar.

“Isso mesmo! Não importa o que seja, aquilo está vivo, então vai ficar cansado! Vocês
conseguem! Vão! Nossos heróis!”

Com uma oração em seu coração, Riyuro enviou esses heróis.

Ele deu ordens a seus homens para limpar o caminho para a armadura vermelha. Então,
os heróis atacariam a armadura vermelha—

—Riyuro fechou os olhos.

“Mi, Milorde... o mais forte Rei dos Clãs...”

Depois de ouvir as vozes trêmulas de seus ajudantes, ele lentamente abriu os olhos.

“Vocês... vocês não precisam dizer nada. Eu sei. Eu também vi...”

Nada havia mudado. Isso estava certo. Não havia feito diferença.

Assim como os soldados comuns, os heróis escolhidos foram cortados em carne moída
e enviados aos ares como pedaços de carne. E tudo aconteceu em um instante. Eles ti-
nham encontrado o mesmo fim que os soldados comuns.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


309
“...Então... então...”

Riyuro não pôde dizer mais nada. Embora ele não soubesse o que era aquela armadura
vermelha, era algo que era, sem dúvida, mais forte que um Dragão.

Riyuro não podia mais sentir nada. Ele simplesmente esperou em silêncio pelo passar
do tempo, o resultado seria como o inimigo desejava.

“...Disseram que queriam duas mil crianças. Separem essa quantia.”

“Milorde...”

“...Não há mais nada que possamos fazer. Mesmo que haja apenas dez mil de nós, con-
tanto que sobrevivamos, algum dia... algum dia, poderemos tornar os Quagoas grandes
novamente...”

Ninguém poderia dizer nada em face das palavras de Riyuro. Isso foi porque todos en-
tenderam claramente em seus corações.

Eles entenderam que não havia mais nada que pudessem fazer.

A cabeça de Riyuro abaixou sem forças. Era como se ele estivesse andando em um lugar
seguro e, de repente, emboscado por um monstro.

“A propósito, onde é esse tal Reino Feiticeiro? Tem alguma coisa a ver com os Dwarfs?
Alguém por favor me diga...”

Seu murmúrio veio direto do coração.

Por mais que ele tentasse negar, a carnificina diante de seus olhos lhe dava a sensação
de que uma tragédia ainda maior viria em breve.

De repente, ele viu seus servos Quagoas segurando gaiolas. Essas eram as gaiolas usa-
das para armazenar lagartos de comida. Riyuro sabia que agora não era a hora para isso,
mas o estresse sobre ele fez com que ele alcançasse a jaula. Ele agarrou um lagarto vivo,
mas quando estava prestes a morder sua cabeça, uma dor intensa percorreu sua barriga,
dobrando seu corpo em forma de ㄑ.

Não havia como derrotar o governante absoluto que logo subjugaria sua raça. A idéia
de florescer novamente era tão estranha que até ele não tinha nada a dizer em sua defesa.
Não importa quantas gerações passassem, eles nunca seriam capazes de se rebelarem.
Os Quagoas da Cordilheira Azerlisiana para sempre usariam coleiras e prestariam ser-
viço a seu temível mestre.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


310
O lagarto descontroladamente escorregou das mãos de Riyuro e desapareceu entre as
pernas de seus homens. Riyuro disse “ahh” no que foi mais um suspiro do que um grito,
e então ele caiu em soluços silenciosos de pura miséria.

“Já que era tão forte, deveria ter dito isso em primeiro lugar! Por que, por que não me
disseram?”

O choramingar do Quagoalord, saudado por seu povo como o maior governante da his-
tória, misturou-se com os gritos das crianças enquanto seus próprios soldados as mas-
sacravam.

Parte 5

Ainz e Gondo deixaram o Tesouro ao mesmo tempo. Houve um relance de Dragões in-
clinando suas cabeças diante deles. Havia 19 deles no total, incluindo Hejinmal.

Em outras palavras, todos os Dragões que Hejinmal havia mencionado estavam aqui.
Agora não haveria necessidade de caçá-los.

...É bom que eles estejam sendo obedientes, mas é uma pena que não tenha mais cadáveres
de Dragão... Devo encontrar alguma desculpa pra matar mais alguns? Não, isso seria ruim.
E se eu deixar que se reproduzam e depois— hm? Não é a mesma coisa?

“—Vossa Majestade, O Grandioso Rei Feiticeiro. Seus servos fiéis se reuniram diante de
ti.”

Hejinmal falou enquanto Ainz estava pensando. Deixando de lado suas contemplações
no momento, Ainz respondeu:

“Levantem a cabeça.”

Os Dragões ajoelhados levantaram suas cabeças como um só.

Devido ao enorme tamanho de seus corpos, eles eram muito mais altos que Ainz quando
eles se levantaram, mas não havia nenhum senso de superioridade quando olhavam
para ele.

No entanto, houve alguns olhares surpresos.

Eles tinham ouvido falar sobre isso, mas ainda era difícil acreditar que Ainz havia ma-
tado o Dragonlord, seu pai. Ou melhor, até Ainz pensaria a mesma coisa se estivesse no
lugar deles. Havia muitas coisas que tinham que ser vistas para serem acreditadas.

Assim que Ainz estava pensando, um dos Dragões rugiu.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


311
“Jamais aceitarei isso! Qual de vocês matou nosso pai?”

Ainz caminhou em frente ao Dragão rugindo. Então ele sorriu e acenou com a mão,
como se dissesse: “Vem com tudo”.

O Dragão bateu suas garras em Ainz.

Elas foram rápidas, mas não tão rápidas quanto os ataques do Troll com qual ele tinha
lutado recentemente.

Ainz não as evitou. Ele recebeu o ataque do Dragão de frente. O Dragão — que achava
que Ainz não podia fugir a tempo — sorriu largamente, mas quando percebeu que Ainz
não tinha necessidade de se esquivar, aquele sorriso congelou em seu rosto. Depois de
se certificar de que o Dragão sabia disso, Ainz lançou uma magia.

“「Grasp Heart」.”

O olhar de Ainz se moveu do Dragão que desmoronou como seu pai, e se virou para os
outros.

“Alguém mais?”

Depois dessa pergunta silenciosa, os Dragões se curvaram ainda mais do que antes,
como se estivessem tentando se deitar no chão. Ninguém aqui duvidou mais do poder
de Ainz.

Ainz abriu um 「Gate」 e atirou o cadáver do Dragão através dele. Então ele pegou
Gondo e o colocou nas costas de Hejinmal.

Do ponto de vista técnico de Hejinmal, as costas de sua mãe eram maiores, então montá-
la seria mais adequado para um governante.

No entanto, Ainz já tinha percorrido todo o caminho até aqui montado em Hejinmal,
então ele também poderia montá-lo o resto do caminho.

“Deixem esta cidade. Meus subordinados estão os esperando do lado de fora.”

Se preparando para o voo, os Dragões bateram asas ao mesmo tempo, e os Hanzos os


conduziram a um lugar onde muitos Quagoas estavam de joelhos.

A visão de inúmeros Quagoas em prostração silenciosa foi bastante bizarra, e como


Gondo viu isso, ele coaxou com voz rouca.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


312
Ainz estava prestes a fazer o mesmo barulho, mas ele não podia fazer tal coisa na frente
de suas Guardiãs, cujos rostos brilhantemente sorridentes pareciam dizer: “Veja o bom
trabalho que fizemos!”

“Ainz-sama! Como o senhor pediu, terminamos a seleção dos Quagoas. Existem quatro
mil machos, quatro mil fêmeas e duas mil crianças ~arinsu. O resto são todos cadáveres.
Além disso, permitimos que eles recuperassem os corpos intactos e os colocassem em
outro lugar.”

“Entendo. Então eles rejeitaram minha compaixão, mas agora eles se apegam desespe-
radamente à sua chance final de sobrevivência. Quão tolos.”

O Quagoa com roupa ajoelhado diante de todos os outros estremeceu visivelmente.

“Então, onde está o rei deles?”

“Bem ali.”

Apontou Shalltear. Como esperado, era um Quagoa trêmulo. Antes de Ainz convocá-lo,
ele ativou seu halo de brilho de obsidiana. De acordo com sua pesquisa, esse efeito me-
lhor se adequava a um regente.

Enquanto ouvia os murmúrios e sussurros do voo dos Dragões, ele chamou o Quagoa-
lord.

“Rei dos Quagoas, levante a cabeça.”

“Sim, senhor!”

O corpo do Quagoalord tremeu violentamente quando ele levantou a cabeça. Então,


seus olhos se arregalaram e ele ficou imóvel, como se tivesse sido congelado.

Ainz podia claramente ouvi-lo dizer “Hiiiiiiiieee...”.

“...Sou conhecido como um rei misericordioso. O pecado de não aceitar imediatamente


a minha proposta fôra perdoado pelo sangue de seu povo. Se você jurar sua vida e sua
lealdade a mim, garanto que serão prósperos.”

“Entendido!! Nós somos seus servos, e todos os nossos filhos e os filhos de nossos filhos
devem se esmerar ao serviço de Vossa Majestade!!!”

“Uma boa resposta. Isso me agrada.”

“Sim!! Muito obrigado!!!”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


313
Como se para terminar a conversa, Ainz acenou com a mão, como se quisesse indicar
que o Quagoalord poderia retomar sua postura submissa.

Excelente! Parece que praticar isso valeu a pena.

A repetição interminável de frases e poses diante do espelho finalmente deu frutos. De-
pois de golpear uma pose de vitória em seu coração, Ainz se voltou para suas duas Guar-
diãs, que haviam cumprido com perfeição seus deveres.

“Vocês fizeram muito bem. Estou muito orgulhoso de vocês duas.”

“Muito obrigada!”

“Suas palavras limparam meu coração da vergonha do meu erro anterior, e agradeço
do fundo do meu coração ~arinsu.”

“Hm, hm...”

Depois de ver o deleite de Shalltear, Ainz tinha certeza de que ele havia usado as pala-
vras certas.

“Então, esta quantia está boa? Se for demais, podemos abatê-los novamente até que os
números o agradem, Ainz-sama.”

“Não, não há necessidade disso... esses números estão bons. Falando nisso, algum deles
pode se tornar forte? Não pelos nossos padrões, é claro, mas pelos das pessoas deste
mundo.”

“Minhas mais profundas desculpas ~arinsu. Mas não vi—”

“Não, não é isso. O Rei dos Clãs a quem você falou era considerado bastante forte, em-
bora nunca tenhamos visto sua força.”

“Mesmo...”

Embora ele não tivesse certeza de como os Death Knights haviam sido derrotados, era
mais provável que fosse uma coincidência. Por tudo que ele sabia—

Eles podem ter caído na Grande Fenda...

Enquanto pensava nisso, Ainz sentiu-se profundamente envergonhado. Percebendo


que ele havia se enganado depois de ensinar Shalltear de forma tão apaixonada fez seu
rosto parecer prestes a irromper em chamas — e então, a vergonha se foi. Em seu lugar
havia uma latente depressão. E então, enquanto pensava sobre como Shalltear tomara
notas de suas palavras, ele se aprofundou — e então ele voltou ao normal.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


314
Ele deveria tentar blefar com isso?

No entanto, se ele deixasse ainda mais evidente seu erro, elas poderiam dizer aos ou-
tros: “Ainz-sama disse isso, mas na verdade~” e assim por diante.

Que problema! Isso é muito ruim! Eu não deveria ter me empolgado e as instruí daquele
jeito! Eu sinto vontade de chorar agora.

Ainz suspirou profundamente.

Mas pensando bem, até que não é uma boa chance de dizer aos Guardiões que eu posso
cometer erros também, não? A partir daí, posso passar da posição de um governante incri-
velmente sábio para um governante comum, e isso pode me libertar do meu tormento emo-
cional. E se eu fizer isso, os Guardiões podem notar meus erros e me avisar sobre eles.

Ele ordenou que os Dragões saíssem, porque sabia que eles tinham os sentidos muito
aguçados. Então, ele percebeu o movimento dos Quagoas à alguma distância. Gondo pa-
recia muito solitário sozinho, mas ele apenas teria que suportar isso.

Uma vez que os três estavam sozinhos, Ainz engoliu em seco.

O que ele faria a seguir poderia mandar todo o seu árduo trabalho pelo ralo. Ainz se
sentiu desconfortável com a maneira como a situação mudaria e o que poderia acontecer
no futuro. Seu corpo — que não conhecia o medo — começou a sentir medo. Apesar
disso, ele reuniu coragem para falar.

“Ah, vocês duas, escutem bem... Vocês se lembram do que eu disse sobre a possibilidade
de um ser neste lugar que poderia facilmente derrotar os Death Knights?”

As duas se entreolharam e seus rostos sugeriram que haviam percebido alguma coisa.

“Sim, isso. Parece que eu estava enganado. Talvez o Dragão que eu matei pudesse ter
destruído os Death Knights, mas não parece que qualquer outra pessoa poderia.”

“Eu entendo, Ainz-sama ~arinsu. Suas palavras foram destinadas a me fazer aprender.
Pensar que o senhor teve que se rebaixar por causa da minha inexperiência... Eu, Shall-
tear Bloodfallen, ofereço minha maior gratidão para com suas considerações misericor-
diosas ~arin-su!”

“...Eh?”

Para surpresa de Ainz, elas estavam olhando para ele com respeito em seus olhos. Em
particular, o rosto de Shalltear estava vermelho, seus olhos estavam úmidos, seus lábios
estavam apertados e sua boca tremia como se estivesse à beira das lágrimas.

Que parte disso merecia respeito?

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


315
Ainz ficou confuso. Ele tocou seus corações de alguma forma?

Além disso, devo negar o que a Shalltear disse...? Ah... melhor não, a Shalltear aprendeu
muito nessa jornada. Então eu vou colocar minha fé em você, Shalltear!

“Parece que você percebeu, Shalltear.”

“Sim!!”

Seus olhos pareciam brilhar ainda mais.

Como assim—?

Ainz pensou isso, mas ele ainda tinha que se esclarecer.

“Ainda assim, até eu posso falhar e posso cometer erros. Espero que vocês mantenham
esse fato em seus corações.”

“Sim! Mesmo eu não achando que é possível para o nosso grande governante cometer
um erro, eu entendo, Ainz-sama ~arin-su!”

Shalltear parecia ter alcançado os limites de sua resistência. Ela caiu de joelhos e come-
çou a soluçar. Enquanto cerrava os dentes e chorava copiosamente, Aura pôs a mão nos
ombros de Shalltear, com os próprios olhos cheios de lágrimas. Poderia ser uma cena
tocante que ilustrava sua amizade, mas Ainz não tinha idéia do que estava acontecendo,
e tudo o que ele conseguia pensar era onde Shalltear — como uma criatura undead —
estava segregando suas lágrimas, saliva e outros fluidos corporais. Assim, ele se refugiou
da realidade pensando em biologia.

Enquanto Ainz não tinha idéia de como tudo tinha ficado assim, ele decidiu deixar as
coisas como estavam por enquanto. Sim, havia muitas coisas neste mundo que desafia-
vam a compreensão, ou melhor, eram situações em que ele tinha que fingir a compreen-
são. Foi assim que ele se sentia quando ouvia seu CEO explicar casos importantes.

Ainz sentiu que isso era apenas chutar uma pedra no caminho, mas ao mesmo tempo,
ele sentiu que seu futuro eu, que encontraria o problema novamente, seria uma pessoa
melhor. Assim, Ainz fez a única coisa que seu eu presente poderia fazer agora.

Depois de se ajoelhar na frente de Shalltear, ele enxugou as lágrimas, como um pai faria
por sua filha.

E então, naquele momento, ainda mais lágrimas correram pelas suas bochechas.

“Ainzsh-shama...”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


316
“Tudo bem, tudo bem. Não chore, Shalltear. Eu te disse a mesma coisa naquela época,
não é? Você não pode desperdiçar seu belo rosto em lágrimas.”

“Eu fue útyl bara o shenhor?”

“Sim. Você fez muito bem. Você é tudo que eu esperei de uma de minhas Guardiãs.”

“Ainzsh-shamaaa—”

Shalltear apertou o material das vestes de Ainz.

“Er, erm. Tudo bem, já é hora de você parar de chorar.”

“T-tudo bem...”

Shalltear olhou para Ainz enquanto respirava pelo nariz e tentava enxugar as lágrimas.

“Muito obrigada por toda a bondade que o senhor me mostrou!”

“Mm, hm. Tudo bem, então devemos seguir em frente agora. Ainda há muito a ser feito,
não?”

♦♦♦

A Câmara do Conselho fôra barulhenta durante toda a manhã, mas depois de receber a
última notícia — ficou em silêncio.

Se eles não estavam abraçando a cabeça, eles estavam as coçando. Nem um único Dwarf
na sala poderia ficar calmo.

E então, alguém falou.

“...Ele voltou.”

“...Bem, isso... isso foi rápido. Ele realmente... realmente tomou de volta a Capital Real?”

“...Por acaso está tentando encontrar falhas nele?”

“Que homem corajoso você é, colocando-se em desacordo com um monstro — não, o


ser poderoso — que retornou depois de tomar o controle do ninho de Dragões de um
Palácio Real. Eu diria que você é tão corajoso quanto o herói-rei das lendas... A propósito,
por favor, diga a ele que todos nós acreditamos em Sua Majestade desde o começo.”

De acordo com o mensageiro, ele parecia ter retornado montado em um Dragão.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


317
Os Dragões eram muito fortes e, portanto, eram muito orgulhosos. Eles ficaram muito
interessados em como alguém poderia ter realizado o feito chocante de subjugar tal ser.

A explicação óbvia era que ele usara magia para forçar sua conformidade. No entanto,
quando eles levaram em consideração o poder incomparável do Rei Feiticeiro, era igual-
mente plausível que ele pudesse ter intimidado um Dragão a ser subjugado apenas
usando força bruta.

Não, este último era mais provável. Não parecia que o Rei Feiticeiro precisasse de al-
guma magia para governar os Dragões. A imagem mental absurda de um Dragão ajoe-
lhado diante dele em submissão passou pela mente dele.

O Diretor de Produção Alimentícia suspirou profundamente e depois dirigiu um firme


e severo olhar a todos os outros.

“Então, o que devemos fazer? Estamos sem tempo, não estamos? Sua Majestade retor-
nou. Se não o encontrarmos imediatamente podemos criar problemas. Isso significa que
temos que tomar uma decisão imediatamente, sobre isso — sobre o Forjador Mestre!”

O Forjador Mestre tinha fugido do país com o lingote de metal que o Rei Feiticeiro havia
confiado a ele. Escusado dizer que o ato de fugir com um item que outro país lhes havia
dado com o propósito de fazer algo era imperdoável.

Essa marca negra seria visível para todos verem quando as nações Dwarfs fizessem
acordos com outras nações.

Foi um golpe fatal para um país que negociou as habilidades de seus ferreiros.

Quem comissionaria qualquer trabalho de um país com uma má reputação? Pior ainda,
não era um ferreiro mediano que tinha fugido com o item, mas sim um membro da lide-
rança da nação. Pode muito bem ser interpretado como toda a nação puxando cordas
nos bastidores.

Enquanto imaginavam o futuro que poderia resultar disso, começaram a procurar, o


tempo todo discutindo o que deveriam fazer se não conseguissem encontrá-lo.

No entanto, nenhum deles poderia encontrar uma resposta que resultasse no Rei Feiti-
ceiro concedendo-lhes o seu perdão.

“...Eu ainda não posso acreditar que ele realmente fugiu com o lingote...”

O Secretário do Gabinete murmurou, mas aquelas palavras não tinham significado aqui.
Eles foram muito além do ponto de sentir qualquer coisa por eles.

O Comandante-Chefe olhou friamente para o Secretário do Gabinete.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


318
“Então, o que devemos fazer? Não há dúvida de que ele fugiu com o lingote. Também
recebemos relatos de testemunhas oculares do Forjador Mestre saindo.”

“...Ele poderia ter sido controlado pela magia do Rei Feiticeiro?”

A sala voltou a silenciar em um instante.

Ninguém aqui na verdade expressou sua concordância com a declaração, mas sim, o
Comandante-Chefe ficou cada vez mais descontente.

“Mesmo que você não queira reconhecer esse crime cometido por um colega, por um
de nós, qualquer um que diga isso sobre a pessoa que reivindicou a Capital Real da qual
nós não pudemos... Não há escolha senão considerar aquela pessoa como a escória da
nossa raça.”

“—Não seja assim, Comandante-Chefe. Você deveria saber também; Ele procurou o
mais teimoso entre todos nós, o mais atarefado.”

“Eu não acho que o problema pode ser explicado simplesmente dizendo que ele estava
de cabeça cheia...”

“Bem, vamos deixar uma conversa não construtiva assim para mais tarde, Comandante-
Chefe. Precisamos tomar uma decisão sobre assuntos mais importantes agora. Devemos
informar Sua Majestade imediatamente? Eu sinto que pode ser melhor tentar atrasar as
coisas e usar o tempo para continuar procurando por ele. O que acha disso?”

O Mestre da Guilda Mercantil balançou a cabeça.

“É uma má jogada. Isso levará ao problema de encobrirmos as coisas. Podemos muito


bem ser sinceros e pedir perdão. Além disso, já o encontramos? Pelo que sabemos, ele
pode estar na barriga de uma fera mágica agora. Se ao menos pudéssemos recuperar o
lingote... aquele idiota.”

Isso não era algo que eles deveriam estar dizendo sobre um amigo, mas ninguém se
pronunciaria contra as pessoas repreendendo o Forjador Mestre por causar um pro-
blema tão grande. Pelo contrário, o Comandante-Chefe até assentiu em aprovação.

“Pelo menos ele não pegou a espada curta. Mas, ah, bem, se nos desculparmos... seremos
perdoados? ...Bem, não é como se pudéssemos fazer mais do que pedir desculpas.”

“É importante pedir desculpas, mas é ainda mais importante afirmar a verdade. E de-
pois disso, tudo o que podemos fazer é aceitar quaisquer termos que ele determine.”

Todos concordaram com isso.

“Então, o que ele vai exigir de nós?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


319
Os Dwarfs não sabiam de qual metal aquele lingote que havia sido levado era feito, de
modo que não podiam estimar seu valor. Por isso, eles não poderiam sugerir pagamento
em termos de dinheiro. Se eles subestimassem o valor do item, eles podem acabar irri-
tando o Rei Feiticeiro além das esperanças de que sua relação diplomática pudesse ser
recuperada.

Portanto, eles tinham que deixar o Rei Feiticeiro nomear seu preço. Ainda assim, ele
realmente pediria dinheiro? Eles imaginavam que ele pediria algo mais, mas nem mesmo
eles poderiam imaginar o que exatamente ele pediria.

“Eu não consigo pensar em nada. Vamos deixar isso por agora — com o que podemos
concordar? Não... quais pedidos devemos negar a ele?”

“E podemos negar? Seria difícil, não acha? Esta cidade pode ter valor histórico, mas não
temos nenhum tesouro nacional de natureza física ou mágica.”

Quando os Deuses Demônios invadiram a Capital Real, apenas um membro da família


real dos Dwarfs havia sobrevivido. Ele foi o último Rei dos Dwarfs, conhecido como o
“Rei Ferreiro Rúnico”, e depois de levar consigo itens mágicos poderosos em sua jornada,
não havia nada deixado para trás que pudesse ser considerado um tesouro nacional.

“...Oh! Talvez aquilo sirva! E quanto ao Tesouro dentro da Capital Real?”

“Conversamos sobre isso antes, não? Dizer esse tipo de coisa para quem reivindicou a
Capital Real é passar dos limites... Ainda assim, também é verdade que não há mais nada
a oferecer.”

Olhando em volta, todos assentiram em sinal de concordância.

“...Espero que os Dragões não tenham o destruído.”

“Não diga uma coisa dessas... Então, vamos convidar o Rei Feiticeiro a entrar sozinho
desta vez.”

♦♦♦

Hm? Falta uma pessoa. O que aconteceu?

Havia uma expressão estranha nos rostos de todos os Dwarfs quando Ainz entrou na
sala.

Aquele que falou por eles foi— bem, todos pareciam iguais aos olhos de Ainz, então ele
não tinha idéia de quem era. Tudo o que ele sabia era que certamente não era o Coman-
dante-Chefe. Ele começou com “Agradeço por recuperar a Capital Real” e lançou uma
longa série de agradecimentos, o que fez Ainz se sentir cansado. Então, uma vez que ele

Capítulo 5 Frost Dragonlord


320
tinha esquecido o que eles estavam falando inicialmente, o humor do Comandante-Chefe
mudou.

“Há também outro assunto que devemos oferecer nossas sinceras desculpas, Vossa Ma-
jestade. O lingote que Vossa Majestade confiou a nós foi roubado pelo Forjador Mestre,
que fugiu da nação com ele. No momento, estamos procurando por ele, mas não tivemos
sorte em encontrá-lo... Vossa Majestade nos deu aquele lingote e sua confiança, mas
ainda assim um incidente como esse ocorreu da nossa parte. Não sabemos por onde co-
meçar a pedir desculpas.”

Os Dwarfs se curvaram como um só.

Francamente falando, Ainz não tinha idéia do que estava acontecendo. Por isso ele per-
guntou:

“Por que ele faria algo assim?”

Fugir com o lingote significava que poderia vendê-lo para alguém? Era tão valioso assim
para perder sua posição como um dos conselheiros da nação dos Dwarfs?

Por um momento, Ainz quis dizer que havia um jogador envolvido, movendo seus peões
secretos na nação Dwarf. No entanto, um jogador não precisaria de um lingote como
aquele. Não era valioso o suficiente para fazer as pessoas abandonarem sua posição,
mesmo para jogadores de nível muito baixo. Sendo esse o caso, teria sido mais vantajoso
manter seus subordinados escondidos e em uma posição de poder.

“Não sabemos. Honestamente não sabemos. Nenhum de nós faz idéia do porquê ele fa-
ria um ato tão precipitado.”

“...Então, minha próxima pergunta: E a armadura que eu encomendei?”

Os Dwarfs trocaram olhares.

“...Não podemos nos desculpar o suficiente por isso. Mesmo ele tendo deixado a espada
curta, ele pegou o lingote e não podemos devolvê-lo ao senhor. Nós já enviamos grupos
de busca e nós iremos devolvê-lo assim que o encontrarmos. Então, se permitir, permita-
nos oferecer um substituto para a armadura. Embora não seja nada comparado ao lin-
gote que o senhor nos confiou, é o maior empenho que podemos fazer.”

“Planejamos preparar três conjuntos de cota de malha de adamantite e depois encantá-


las com o melhor de nossa capacidade.”

“Se— se deseja um escudo, podemos criar um para o senhor que não seja orichalcum.”

“Humm...”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


321
Agora, se ele fosse um cliente mal-intencionado com uma reclamação, agora seria a me-
lhor hora para fazer uma ceninha de drama. No entanto, Ainz não queria ser um cliente
assim.

Ainda assim, a perda do ling—

—Será que é um problema? Não é raro; Eu tenho muitos mais como aquele... E eu sei que
o metal não é encontrado aqui, mas talvez em outras em outras regiões seja comum. Sendo
esse o caso, será melhor ter mais armaduras, não? Até porque vão encantá-las também...
Além disso, mesmo que encontrem o lingote, não vão pedir de volta os itens que já criaram,
né? Isso tornaria isso um bom negócio...

“...Se você não tiver, então não há nada a ser feito. Então, vamos deixar as coisas nisso.
Discuta isso com o Zenberu mais tarde e prepare o que ele desejar.”

Os Dwarfs suspiraram de alívio.

Ele deveria ter dado uma de difícil? Ainda assim, seria ruim se as pessoas duvidassem
de sua soberba devido à sua mesquinhez. Nesse caso, talvez aceitar sua oferta permitiria
que outros o vissem como uma pessoa generosa.

Ainda assim, acho que posso pedir mais umas coisinhas.

“...Então, posso adicionar outro pedido a isso?”

“...O que seria, Vossa Majestade?”

Suas vozes implícitas indicavam que todos estavam de guarda contra ele.

“Não há necessidade de ficarem tão tensos. Não é um grande problema, afinal. Eu sim-
plesmente desejo o apoio do seu país para o recrutamento de ferreiros rúnicos.”

“O que, o que o senhor quer dizer com isso?”

“Poderia realizar uma cerimônia neste país e fazer um anúncio público sobre eles tra-
balhando em minha nação? Isso certamente os faria felizes.”

Os Dwarfs se entreolharam e assentiram instantaneamente.

“Perfeito. Então, por favor, permita que meu país cuide da questão do serviço de bufê.
Se preparar para isso vai levar algum tempo, então eu espero que não se importem se
eu ficar mais um pouco.”

Não houve objeções dos Dwarfs.

Ainz sorriu em seu coração. Agora ele não precisaria voltar para E-Rantel.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


322
No começo, ele achava que teria que gastar mais tempo com tudo isso, mas no fim ele
havia recuperado a Capital Real em um piscar de olhos. Isso foi ruim.

A primeira razão foi porque ele queria informar a Albedo sobre o pedido de vassalagem
do Império usando 「Message」, para que ela pudesse planejá-lo com Demiurge. As coi-
sas seriam muito ruins se ele estivesse presente. Portanto, Ainz precisava de um motivo
para não voltar.

Além disso, ele queria melhorar seu relacionamento amigável com os Dwarfs, que tam-
bém era uma razão muito compreensível.

Ainz também queria aprender três informações da cidade dos Dwarfs:

• 1 - A presença ou ausência de jogadores. Se não houvesse nenhum agora, ainda


poderia haver algum no passado.

• 2 - Investigações adicionais de runas e informações relacionadas. Ele não sabia o


suficiente sobre esse assunto. Ele já havia aprendido bastante com os ferreiros
rúnicos; runas existiam há muito tempo, mas não estava claro quando exata-
mente elas apareceram e quem as apresentou. Parte da razão foi o caos do ataque
dos Deuses Demônios, mas os livros de Hejinmal não continham nenhuma infor-
mação sobre isso, e nem o Tesouro.

• 3 - Conhecimento sobre metalurgia e minérios. Agora que ele tinha recrutado os


ferreiros rúnicos para sua causa, tudo o que ele tinha que fazer era lentamente
fazê-los vazar essas informações. No entanto, não parece haver nenhum dos mi-
nérios prismáticos aqui, como esperado.

Quanto ao segundo ponto, Ainz pretendia fazer com que os Dwarfs descobrissem mais
quando voltassem à Capital Real no futuro, razão pela qual ele precisava de uma amizade
firme com eles.

♦♦♦

As longas filas de mesas tinham muitos pratos, cada uma delas carregada com uma
sumptuosa variedade de pratos.

A comida quente exalava um aroma encantador que chegava até Ainz.

Sendo um undead, Ainz não tinha desejo de comida, mas os remanescentes de Suzuki
Satoru sim. Seu desejo de experimentar um pouco juntamente com sua curiosidade so-
bre como seria o gosto o atormentaram.

Este corpo tem seus pontos fortes e fracos...

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


323
Ele poderia conter sua fome, mas não sua curiosidade. Afinal, sua curiosidade era parte
de sua mente, que não foi afetada por seu corpo.

Talvez, se os pratos à sua frente fossem feitos pelos chefs de E-Rantel ou Nazarick, tal-
vez não despertasse sua curiosidade, mas estes eram feitos por Dwarfs.

Pois os ferreiros rúnicos levariam suas famílias inteiras para o Reino Feiticeiro, eles
tinham suas esposas, mães, filhas e outras parentes do sexo feminino para cozinhar para
o evento. É claro que a maioria das 2.000 porções de alimentos aqui foram fornecidas
por Ainz — por Nazarick.

Claro, Ainz não era uma pessoa que usaria itens perdulariamente, então a maioria deles
era essencialmente a culinária de E-Rantel. A carne havia sido coletada pelos Dragões da
cordilheira, enquanto o vinho tinha sido originado do Reino e do Império pelos comer-
ciantes que permaneceram em E-Rantel.

As mesas gemiam com pratos de comida, mas mesmo agora as damas ainda serviam a
comida que haviam feito.

Havia pouca diferença na aparência externa de homens e mulheres Dwarfs. A maior


diferença estava nas barbas. As barbas masculinas eram muito longas, e elas eram tipi-
camente tecidas em três tranças, enquanto as barbas femininas eram mais escassas. Dito
isso, “escassas” ainda significava que suas barbas se pareciam com as dos homens hu-
manos. Curiosamente, as damas pareciam ter o hábito de aparar os bigodes sob os nari-
zes.

Não entendo muito bem esses hábitos... Bem, um pouco de cultura não faz mal. O Reino
Feiticeiro reuniu todos os tipos de humanoides. Se eu perguntar demais posso causar pro-
blemas no futuro.

Ainz desviou o olhar das damas que ainda serviam comida. Seus olhos cruzaram as inú-
meras cabeças Dwarfs diante dele e descansaram na plataforma elevada à sua frente.

Alguns dos ferreiros ligados ao Reino Feiticeiro estavam com os membros do Conselho.
E então, o Conselho informou-os sobre a migração para o Reino Feiticeiro.

“Começou.”

“Assim parece.”

A resposta veio de Gondo, que ficou do lado de Ainz.

“...Você é o representante deles. Tudo bem se não se destacar na frente deles?”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


324
“Sem essa, Vossa Majestade. Eu sou quase inútil como um ferreiro rúnico. Seria uma
pena deixar alguém como eu representá-los... e o senhor, não seria uma escolha melhor,
Vossa Majestade?”

Ainz e Gondo se encaram por um momento, e então eles riram.

Naturalmente, Ainz simplesmente não queria ficar no palco para conhecer e cumpri-
mentar as pessoas. Suas palavras anteriores eram simplesmente algo que ele havia fa-
lado por falar.

“Ainda assim...”

O rosto de Gondo ficou sério e ele falou:

“Eu não posso te agradecer o suficiente, Vossa Majestade.”

“Por que isso?”

“Esta festa de despedida. Veja o olhar das pessoas.”

Ainz olhou para o palco mais uma vez. Eles não paravam de falar, e isso foi tudo o que
me veio à mente. No entanto, seria um pouco insensível dizer que ele não notou nada
depois de Gondo ter levantado o assunto.

“Uhum. entendo...”

No final, ele simplesmente usou a resposta apropriada como uma cortina de fumaça.

“É como Sua Majestade pressupõe. Os olhos de todos são diferentes agora.”

“De fato, parece ser assim.”

Ainz respondeu sem pensar, embora ele ainda não tivesse idéia do que estava aconte-
cendo, e completou:

“Mas por que isso tudo?”

Gondo riu, como se achasse divertido.

“É a alegria de sentir olhares de admiração sobre eles mais uma vez. A cerimônia de
hoje — com pratos feitos com ingredientes que ninguém aqui já viu, assim como todos
os tipos de bebidas alcoólicas — foi para deixar os ferreiros rúnicos perceberem que eles
não estavam sendo vendidos, mas sendo contratados pelo Reino Feiticeiro.”

“Eu vou esperar grandes coisas deles, sabe disso, não é?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


325
“Mm. Pelo que me lembre, disse que pagaria a bondade de Vossa Majestade. Isso se
aplica também aos outros. Muito obrigado. Opa, parece que já tá na hora, Vossa Majes-
tade.”

Depois de pegar uma grande caneca de cerveja de Gondo, ele bateu contra a mesa como
os outros estavam fazendo. Ainz, em seguida, levantou uma pequena xícara de licor em
um brinde, e depois devolveu a Gondo, pois ele não podia beber.

Os Dwarfs — que estavam se segurando por todo esse tempo — entraram em atividade.
Muitos Dwarfs se aglomeravam em direção à comida, engolindo a saliva sem parar ao
ver os pratos em exibição.

“O que é isso? É bom demais! Tem certeza que foi sua esposa que fez?”

“Mm. Sua Majestade forneceu os ingredientes. Tivemos muitos fracassos enquanto ten-
távamos.”

“Mhm. É bom, isso é um fato. Mas para um velho rabugento como eu, poderia ser um
pouco mais suave.”

“Você deveria comer bebendo vinho.”

“O quê? Vou tentar... Ohoh! Agora sim! O sabor tá certo agora!”

“Esse vinho é muito bom. Será que minha esposa consegue cozinhar isso também?”

“Parece que o Reino Feiticeiro nos enviará comida por algum tempo. Acho que vamos
comer bem por um tempo.”

“Eu prefiro ter só o vinho. Isto é do Reino Feiticeiro? Vou juntar dinheiro só pra isso!”

Eles conversaram no topo de suas vozes enquanto comiam. E então—

“Eu invejo esses ferreiros rúnicos. Vão comer esse tipo de coisa sempre que quiserem?”

“Duvido, imagina o preço que seria?”

“Será? Fiquei sabendo que os vegetais são baratos em nações humanas. Parece ser o
mesmo para o Reino Feiticeiro também.”

“Mm, eles têm é muita sorte. E eu só obtive um pouco, é impressão minha, ou o vinho
do Reino Feiticeiro é de primeira qualidade?”

“Umu. Eu só tomei um gole. Ahhhh, aquilo foi delicioso. Esse vinho de uva é bom; não é
tão forte, mas é bom.”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


326
“É uma boa ração pra visitar o Reino Feiticeiro, o que acha?”

“Ouvi uns boatos que estão planejando deixar os cidadãos de nossas nações transitarem
livremente entre si.”

“Ei ei, todo mundo aqui é de alto escalão, não deveria ter cuidado ao falar uma coisa
dessas?”

“Não, parece que eles vão fazer um anúncio público. Nosso país será muito ativo no
futuro... e, mesmo que seja apenas um boato, ouvi dizer também que reouveram a Capital
Real.”

“...E olha que tinha rumores que lá era um ninho de Dragões. O Reino Feiticeiro é real-
mente incrível.”

Naturalmente, Ainz também escutou essas palavras.

Em vez de elogiar Ainz diretamente, a opinião deles sobre o Reino Feiticeiro parecia ter
subido. Isso provavelmente significava que poderiam continuar sendo amigos no futuro.

Ainz sorriu de satisfação e se virou para Gondo novamente.

“Vá falar com eles, Gondo. Eu posso não voltar por um tempo.”

“Então é isso... Então eu vou falar com os caras das minas.”

Gondo estava olhando para um Dwarf com um olhar maligno em seus olhos.

“E o que fará, Vossa Majestade?”

“...Um mensageiro do meu país chegou. Eu preciso encontrá-lo. Então, vejo você depois.”

Ainz levantou a mão em despedida e foi embora.

Ele estava originalmente parado em um canto de uma sala vasta e espaçosa. Ele abriu a
porta para sair e se dirigiu para uma sala de recepção de hóspedes.

Era uma sala luxuosamente mobiliada, com mesas, cadeiras, armários e coisas do gê-
nero. Demiurge estava parado ali.

“Perdoe-me por fazer você vir até aqui.”

“Certamente não. Sua localização é onde eu devo estar, Ainz-sama.”

Ainz atravessou a sala e sentou em uma cadeira. Então ele pediu que Demiurge tomasse
um assento também.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


327
“...Eu vi os relatórios. Mas como estive trabalhando aqui, peço desculpas pelo tempo
despendido em tê-los transcrito ao invés de apenas entregá-los oralmente.”

Os relatórios em questão detalhavam os preparativos e atividades de Demiurge no


Reino Sacro. Claro, se ele os ouvisse do próprio Demiurge, isso poderia danificar o dis-
farce de Ainz. Isso também foi levado em consideração.

“...Mesmo assim, você fez bem como eu esperava, Demiurge. Suas realizações só podem
ser descritas como excelentes.”

“Muito obrigado, Ainz-sama.”

Demiurge se curvou.

“Ainda assim, eu não poderia esperar igualar seus feitos, Ainz-sama... O senhor garantiu
um profundo lugar nos corações dos Dwarfs.”

Ainz pensou que ele certamente deveria estar se referindo à recuperação da Capital
Real, ou ao recrutamento dos ferreiros rúnicos. No entanto, foi realmente esse o caso?

“...Hm, parece que já percebeu, Demiurge. Você acha que os Dwarfs notaram?”

“Em vez de notar, acho que eles não têm outra alternativa.”

Por que não há mais ninguém aqui? Se ao menos houvesse, poderia usar minha tática de
sempre. Enquanto Ainz estudava Demiurge em detalhes, ele notou um sorriso no rosto.

...O que é tão engraçado!?

O sorriso de Demiurge fez uma dor no inexistente estômago de Ainz. O sorriso de Al-
bedo era igualmente assustador. A idéia de que eles poderiam ter visto através de sua
atuação fez seu coração inexistente bater mais rápido.

“Se... se os Dwarfs enxergarem através disso, o que você acha que eu deveria fazer?”

“Eu duvido que isso seja um grande problema. Afinal, o senhor forneceu refeições para
a festa de despedida dos ferreiros rúnicos. Com isso, o senhor pode se livrar de qualquer
coisa que os Dwarfs digam.”

...Do que está falando?

“Eu confio que não é importante, então.”

Agora que suas tentativas de sondar Demiurge falharam, Ainz decidiu deixar por isso
mesmo. Perguntar muito para uma pessoa inteligente como ele seria muito perigoso.

Capítulo 5 Frost Dragonlord


328
“Então, como vai a vassalização do Império?”

“Sim. Albedo e eu discutimos o assunto e elaboramos um esboço. Depois disso, espera-


mos que o senhor examine e compartilhe suas opiniões conosco.”

Se o Demiurge e a Albedo terminarem juntos, então eu não precisarei me envolver.

Ainz pensou isso, mas não disse.

“...Você deu ao Império benefícios suficientes? O suficiente para que os países vizinhos
olhem para o Império e pensem: “A vida será boa para nós quando nos tornarmos vassalos
do Reino Feiticeiro”, ou algo nesse sentido?”

“Vai tudo ficar bem.”

Ainz murmurou “Ótimo” em seu coração. Nesse caso, ele poderia aprovar sem sequer
olhar para o rascunho.

“Ainda assim, Ainz-sama. Suas conquistas no Reino Dwarf e no Império foram real-
mente de tirar o fôlego. Acredito que o termo “sabedoria insondável” exista para des-
crevê-lo, Ainz-sama.”

“Certamente não. Estou confiante de que você poderia ter feito isso facilmente, Demi-
urge.”

Demiurge revelou uma expressão rara — um sorriso amargo. Então, ele balançou a ca-
beça.

“De fato, se fosse apenas isso. Mesmo assim, até onde o senhor previu o curso do Reino
Feiticeiro?”

Nem sei o que será dele amanhã.

Mas claro, ele não podia dizer isso.

Ainz se perguntou que tipo de resposta se encaixaria no estilo de um regente. Só então,


ele se lembrou de um nome de guilda de YGGDRASIL.

Era chamada de Reino Millenium.

Se realmente o Reino Feiticeiro puder durar milhares de anos.

Talvez tenha sido por causa desse pensamento, mas uma memória relevante veio à sua
mente.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


329
Ele não tinha idéia do motivo pelo qual o emblema da guilda era o de um grou, e por
isso Ainz perguntou a Yamaiko sobre isso. Depois disso, ela disse a ele que era porque
um Grou-da-Manchúria vivia por mil anos de acordo com a mitologia. Da mesma forma,
as tartarugas viveriam por—

“—Dez mil anos.”

Ainz franziu a testa quando as palavras saíram. Ele acidentalmente exagerou a escala.
Assim que Ainz apressadamente olhou para Demiurge, com a intenção de se corrigir, ele
percebeu que já era tarde demais.

“E-e pensar que seus planos eram de um alcance tão grande...”

Os olhos de Demiurge se arregalaram, e suas pupilas parecidas com joias brilhavam


ainda mais.

Ah, merda.

“Eu fiz uma p—”

“—Sendo esse o caso, coisas como espalhar os undeads devem certamente encorajar as
outras nações a confiar no senhor em vez de ver nossas tropas com elementos perigosos,
Ainz-sama. Essa deve ser a resposta certa para alguém que vê o mundo de um ângulo tão
amplo. Ainda assim... a transcendência de seus pensamentos são...”

Ainz não sabia o que estava dizendo, mas sabia que só havia uma coisa que ele poderia
fazer. “Muito bem, Demiurge, você antecipou completamente meus planos, como eu espe-
rava.” No entanto, ele não podia usar essa tática o tempo todo. Portanto, desta vez, ele
diria—

“Fufufu~ eu não pensei muito longe, Demiurge.”

“...Mesmo assim. Como desejar. Eu irei esculpir esse assunto em meu coração.”

Ao ver o sorriso gentil de Demiurge, o coração de Ainz transbordou de suor frio.

Eh? Mas o quê? O que está acontecendo? ...Eu não tenho idéia, mas minha situação agora
é ainda mais precária?

No entanto, Ainz não havia pensado em nenhuma solução. Então, ele teria que lidar com
isso com um sorriso falso.

“Fufufu~ ...Deixarei isso em suas mãos, Demiurge.”

“Fufufu~... Entendido, Ainz-sama.”

Capítulo 5 Frost Dragonlord


330
Em contraste, o sorriso de Demiurge brilhou ainda mais do que antes.

Mesmo que ele quisesse chorar, Ainz conseguiu se recompor o suficiente para fazer
uma pergunta em uma voz trêmula.

“...Então, Demiurge. Sobre o relatório que você enviou... quando acha que acontecerá?”

“Começará no outono, mas terei que incomodá-lo no inverno, Ainz-sama. O começo


deve ser bom, mas, assim que a oposição fizer o mesmo movimento, pode haver algumas
discrepâncias, mesmo que consigamos manipulá-las.”

“Bem, afinal, foi você quem planejou isso, Demiurge. Eu posso deixar que lide com isso
sem me preocupar.”

“Muito obrigado, Ainz-sama. Quanto à questão da vassalização do Império—”

“—Eu escutarei em detalhes quando retornar. Você pode me dar uma cópia do plano
primeiro?”

“Entendido.”

“...Então, estou ansioso para saber como este seu projeto se desdobrará, Demiurge.”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


331
Epílogo

Capítulo 5 Frost Dragonlord


332
ra de manhã quando Enri acordou. Ela calmamente deixou a cama, para

E não acordar o marido que ainda estava dormindo ao lado dela. O ar lá fora
estava muito frio, e isso a fez querer voltar para a cama que ainda estava
quente pelo calor de seus corpos.

A cama rangeu quando ela se levantou, mas seu marido, com quem estava casada há
meio ano, estava cansado demais para reagir. Ele dormia como uma marionete cujos
cordéis haviam sido cortados.

Agora que Enri administrava sua vida, ele manteve um horário mais regular de sono.
Assim, seu sono profundo era simplesmente porque era assim que ele era.

...Antes ele não costumava ser assim.

Quando eles acabaram de se casar, o sono era bem pouco.

Acho que ele ficava ansioso... Mas agora já se acostumou, então tudo bem.

Enri bocejou e se espreguiçou.

Seus seios nus balançaram levemente.

O rosto de Enri ficou vermelho e ela pegou uma peça de roupa.

Claro, apenas Enri e seu marido viviam nesta casa, mas isso dificilmente era apresentá-
vel.

Se sua irmãzinha Nemu estivesse aqui, ela definitivamente não estaria vestida assim.
No entanto, Nemu não acordava aqui — na casa dos Emmot — mas na casa dos Bareare.

Não vamos incomodar os recém-casados, sua sogra Lizzie dissera. Nemu concordou, e
decidiram não reconstruir as casas Emmot ou Bareare. E assim, isso aconteceu.

Fazia dois anos desde o incidente em que haviam perdido ambos os pais. Dito isto,
Nemu ainda estava marcada pelo incidente e não estava disposta a deixar sua irmã mais
velha durante a noite. Foi apenas pela graça de algum instinto incognoscível que ela con-
seguiu aceitar o novo arranjo.

Como Enri vivia em um vilarejo agrícola, ela frequentemente via animais participando
dessas atividades. Ela também pode ter ouvido sobre o que jovens casais fizeram quando
eles desapareceriam na floresta depois de deixar as cirandas de dança nas noites de fes-
tival da colheita. Antes que ela percebesse, ela também havia aprendido o que maridos
e esposas faziam na noite.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


333
No entanto, ninguém havia explicado a ela em detalhes anteriormente. Enri e Nemu não
tinham idade suficiente para ouvir tais coisas. Ainda assim, alguém precisava ensiná-la
o que fazer, mas o conhecimento era tanto um veneno quanto uma cura.

Lupusregina-san diz um monte de coisas estranhas...

Todos no vilarejo tratavam a assessora do governante da nação com respeito. Enri era
uma dessas pessoas também. No entanto, eles não podiam aceitar plenamente todos os
aspectos de sua personalidade. Durante o longo período em que se conheceram, Enri
percebeu uma coisa: Lupusregina era do tipo que se deleitava com as reações das pes-
soas a seus crimes, e era do tipo que podia ver alguém cair em uma armadilha com um
sorriso no rosto.

Enri teve a sensação de que se ela não dissesse: “Por favor, me ensine a sério”, Lupus-
regina não lhe ensinaria nada de concreto.

Por outro lado, se não ficasse de olho em Nemu antes de falar com Lupusregina, Enri
tinha a sensação de que Lupusregina descreveria todos os tipos de coisas para Nemu em
detalhes de arrepiar os cabelos.

Eu posso te ensinar qualquer coisa adulta quando quiser, é só pedir. Enri não havia es-
quecido aquelas palavras de Lupusregina.

Depois de tomar a decisão de encontrar Lupusregina, Enri pegou as roupas que haviam
caído no chão e as vestiu.

Depois disso, ela foi para a cozinha e ligou a torneira.

Ela coletou a água que fluía em um pequeno recipiente. Ela virou a torneira na direção
oposta, uma vez que estava cheia, e a água parou de fluir.

No passado, ela acordara cedo para tirar água do poço. Agora, ela poderia usar este item
mágico para obter água fresca. Sua temperatura permanecia a mesma mesmo em esta-
ções congeladas ou quentes.
[ T o r n e i r a d a Á g u a d e Nascente]
Este item mágico, a Faucet of Spring Water, poderia produzir 200 litros de água por dia.
Aparentemente, foi projetado pelo sábio de um determinado país.

Este não era um item comum mesmo nas grandes cidades. Ela ouvira dizer que havia
certos lugares em que versões gigantescas desse item serviam como suprimento de água
da cidade.

Enri se limpou com uma toalha úmida.

“Uuuu, que frio.”

Epílogo
334
Mesmo a temperatura da água sendo fixa, a pessoa ainda perderia muito calor da pele
molhada se o ar estivesse frio. No entanto, Enri cerrou os dentes e aguentou, depois es-
fregou a toalha em todo seu corpo. Ela tinha feito isso antes de dormir, mas ainda assim
fez de novo.

Enri ainda se lembrava de um incidente — quando Lupusregina ficou fungando seu


corpo e rindo com malícia — e jurou que nunca mais baixaria a guarda.

Esses itens mágicos são realmente bons.

Enri pensara isso inúmeras vezes.

O Vilarejo Carne tinha muitos moradores agora.

Mais de 90% deles pertenciam ao Exército Goblin que Enri havia convocado, e este vi-
larejo não podia suportar todos.

O primeiro problema foi a acomodação.

Os Goblins haviam resolvido isso cortando troncos da Grande Floresta de Tob e cons-
truindo casas simples. No entanto, os problemas de comida e água insuficientes eram
mais difíceis de lidar.

Sua solução inicial para a falta de comida foi extrair da floresta, mas eles não conse-
guiam suprimentos o suficiente para sustentar todos os Goblins. Por isso, pediram ajuda
a Lupusregina e, em troca, receberam ajuda alimentar. É claro que essa comida só era
emprestada e teria de ser paga de volta, embora felizmente não houvesse prazo fixado.

O próximo problema foi a falta de água. No passado, o vilarejo tinha o suficiente, dado
que não havia tantos moradores. Mas agora que a quantidade de moradores aumentou
tão drasticamente, eles tiveram que montar uma lista de serviço para tirar água o dia
todo.

Mesmo assim, não podiam coletar água suficiente, então tiveram que cavar novos poços
com grandes distâncias entre um e outro. Se os cavassem nas proximidades, estariam
batendo na mesma fonte de água e não havia como saber se os poços secariam.

Felizmente, os Dwarfs que se mudaram para este vilarejo resolveram esse problema.

Eles vieram no verão e, durante o outono e o inverno, tornaram-se amigos íntimos.

Será que estão criando mais itens mágicos?

Até cerca de dois meses atrás, o som de explosões cegantes de luz tinha sido uma ocor-
rência comum, mas agora tudo tinha se acalmado. No máximo, alguns beberiam lá fora
e brigariam, mas isso era tudo.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


335
A existência dos Dwarfs era agora parte integrante do funcionamento do vilarejo.

No passado, não havia ferreiros no vilarejo de Enri. Assim, ela teve que ir à cidade para
comprar ferramentas, ou implorar aos raros ferreiros viajantes para fazê-las por ela.

Havia um ferreiro no Exército Goblin que ela convocara, mas tê-lo carregando o fardo
pesado do trabalho de reparo do vilarejo certamente levaria a problemas. E então, os
Dwarfs apareceram e eles aceitaram o trabalho.

O mais importante era que a lealdade deles ao Rei Feiticeiro rivalizava com a dos hu-
manos do Vilarejo Carne. Este vilarejo foi salvo várias vezes pelo magic caster que se
tornou o Rei Feiticeiro, Ainz Ooal Gown. Qualquer um que ouvisse alguém falando mal
de Sua Majestade imediatamente se levantaria e golpearia o ofensor com cascudos.

Os Dwarfs pareciam se sentir da mesma maneira, e eles costumavam dizer coisas como:
“Aquela comemoração me fez sentir orgulho de mim mesmo de novo.” “Você viu como eles
estavam com ciúmes?” “Hora de beber!” E assim por diante enquanto bebiam. Enri não
entendeu muito bem do que eles estavam falando, mas eles podiam sentir sua gratidão
para com o Rei Feiticeiro, então os aldeões abriram o coração para eles.

Depois que ela terminou, Enri vestiu suas roupas.

Seu marido não parecia ter acordado ainda, então ela decidiu fazer as tarefas.

Até recentemente, seu marido lidava com a tarefa de fazer poções. Mas, ultimamente,
ele parou de trabalhar nessas tarefas. Em vez disso, ele estava envolvido no armazena-
mento e preservação de ervas, o que seria importante no futuro, agora que a população
do vilarejo havia aumentado. Além disso, ele também ajudou no trabalho de Enri como
chefe do vilarejo. Ele trabalhou arduamente para o vilarejo, então ela teve que trabalhar
arduamente para ele também.

Depois de sair para o lado de fora, surgiu a paisagem familiar — do sempre em cresci-
mento Vilarejo Carne. O vilarejo Carne agora era maior do que um vilarejo comum, por-
que os Goblins que Enri convocara tinham acrescentado seu próprio alojamento a ele.

“E agora...”

Enri cerrou o punho.

Para fazer o café da manhã, ela teve que tirar os ingredientes do armazém.

“Bom dia, General-kakka.”

A forma de um Goblin vestido de preto surgiu de uma sombra escura.

Epílogo
336
Isso era algo que ela via todas as manhãs, então Enri respondeu sem qualquer surpresa:

“Bom Dia. O tempo parece estar bom.”

“É como diz, General-kakka. De acordo com o Goblin da Previsão do Tempo, parece que
vai ficar ensolarado o dia todo.”

“Sério mesmo?”

Enri há muito abandonara qualquer resistência a ser chamada de General.

Ela havia dito a eles inúmeras vezes que não era uma General, mas a mensagem não
havia decido na garganta de seus subordinados. Neste ponto, ser a Chefe do Vilarejo era
praticamente o mesmo que ser a General, então ela decidiu aceitar.

Aliás, havia uma unidade chamada Tropa Goblin de Suporte & Echelon. Foi povoada por
pessoas com vocações raras. Além do Goblin da Previsão do Tempo, havia também o
Goblin Estrategista, o Goblin Ferreiro e assim por diante, para um total de 12 profissões
especializadas diferentes.

“Oh, General-kakka, parece que seu guarda-costas chegou. Com sua licença, aqui me
despeço.”

O Goblin vestido de preto desbotou de volta para as sombras, e o familiar Redcap tomou
seu lugar ao lado de Enri.

A princípio, Enri não gostou dos Redcaps. Eles tinham um olhar maligno em seus rostos;
Em suma, eram muito assustadores.

No passado, Jugem a acompanhara, mas como o ex-líder de tropas, ele era agora um dos
muitos gerentes das tropas Goblins grandemente expandida.

Na verdade, o dever de escoltá-la deveria ter sido atribuído aos Goblins de armadura
de prata após sua partida, mas, por várias razões, os Redcaps acabaram preenchendo
esse papel.

É sério... Não tem nem motivo pra me protegerem aqui...

Ela não achava que alguém pudesse fugir dos olhos dos Goblins e alcançar o coração do
vilarejo, mas ela não podia ignorar completamente suas preocupações.

Seguida pelo Redcap, ela se dirigiu para o armazém ao lado de sua casa.

Ela abriu a porta e viu um lugar apertado cheio de barris e garrafas, com muitos frascos
de vidro nas prateleiras. Em suas profundezas havia uma pequena montanha de grãos,
e pendurados nas vigas havia fardos de ervas e carne seca.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


337
A razão pela qual eles tinham tanta comida era porque os Goblins tinham se esforçado
muito para abrir caminho e abrir novos campos.

Atualmente, havia muitos novos campos de cultivo ao redor do vilarejo em um raio


grande. Embora o pagamento da comida que haviam emprestado fosse difícil, eles eram
pelo menos autossuficientes para este ano. Além disso, eles haviam capturado monstros
parecidos com galinhas e tentaram criá-los. Se tudo corresse bem, eles seriam capazes
de pagar integralmente a comida que haviam emprestado.

Depois de selecionar os ingredientes para a refeição de hoje, Enri se virou para o lado
de fora.

Havia uma parede enorme no canto da visão dela.

Até poderia ser algo construído dentro do vilarejo, mas a parede não era feita de ma-
deira. Protegia as oficinas dos Dwarfs e, dentro dela, estava o Death Knight que matara
os cavaleiros que aterrorizaram o Vilarejo Carne no passado.

O muro que cercava os ateliês dos Dwarfs tinha sido levantado pessoalmente pelo go-
vernante da nação e pelo salvador desse vilarejo, o Rei Feiticeiro Ainz Ooal Gown. “Sua
finalidade é minimizar os danos causados aos arredores do vilarejo quando seus experi-
mentos falharem”, ele disse.

Ela se perguntou se não poderiam simplesmente construí-lo fora do vilarejo, mas obvi-
amente ela não podia dizer tal coisa a Sua Majestade.

“Queria saber quais itens mágicos os Dwarfs estão trabalhando agora...”

“Vamos investigar?”

“Eu já te disse antes, é proibido.”

Mesmo ninguém lhes dizendo no que os Dwarfs estavam trabalhando em suas oficinas,
ela estava confiante de que isso não prejudicaria o vilarejo. Enri poderia aceitar isso.

Ela deveria tentar coletar furtivamente informações sobre eles? Os Goblins haviam su-
gerido isso várias vezes no passado, mas Enri sempre havia negado essas sugestões em
ferrenha determinação

O salvador do Vilarejo Carne, Ainz Ooal Gown disse que queria que o vilarejo aceitasse
esses Dwarfs. Ao mesmo tempo, ele disse a eles que trabalhariam em algo altamente
secreto.

Epílogo
338
Mesmo que ele fosse um ser undead que odiava os vivos, ele ainda era o magic caster
que salvara o vilarejo várias vezes, e então eles confiavam nele mais do que em qualquer
pessoa viva.

Só então, o Redcap deslizou na frente de Enri. Eles só faziam isso sob certas circunstân-
cias.

Enri mudou sua linha de visão e viu a forma familiar de uma linda mulher, que estava
cercada por quatro Redcaps.

“Eai, En-chan. Como você tá ~su?”

“Ah, bom dia, Lupusregina-san.”

As coisas tinham sido assim desde que a pessoa chamada Lupusregina conheceu os
Goblins. Os Redcaps eram poucos em número, mas sempre que Lupusregina aparecia,
eles apareciam em grupos. Além disso, manejavam armas que normalmente não carre-
gariam por aí.

Diziam que havia outros Goblins presentes na vizinhança além dos Redcaps, mas Enri
nunca os havia visto antes.

Até mesmo Enri poderia dizer que a razão pela qual tinham ido tão longe era porque os
Redcaps— não, os Goblins eram cautelosos com Lupusregina. Dito isso, Lupusregina
pode ser um mistério, mas Enri não achava que ela faria qualquer coisa em um vilarejo
que abrigasse uma estátua de bronze de seu mestre. Além disso, ela salvou a vida de Enri
e Nfirea no passado.

O que realmente preocupava Enri, era se essas ações incomodariam Lupusregina.

Ela falara com o Goblin Estrategista e ele dissera que teria uma conversa com eles sobre
isso, mas parece que até agora não havia ocorrido.

O seu único alívio foi que, quando contara isso a Lupusregina, ela disse não se impor-
tava com isso.

“Eles vêm correndo assim que eu apareço, né! Tadinha de mim ~su.”

“Chegando dessa maneira, o que você espera que façamos? Já deveria saber disso.”

A resposta veio de um dos Redcaps em torno de Lupusregina.

Sua voz era calma, mas havia uma clara sensação de cautela em sua voz.

“A-ahh!”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


339
Enri levantou a voz ao considerar que a situação estava se desenvolvendo em uma di-
reção ruim e trouxe algo para discutirem:

“Como exatamente você veio aqui, afinal?”

“Hm? Eu peguei as Linhas Aéreas da Vampira Sempeito Frosdra Zero Cinco, de Nazarick
para o Vilarejo Carne ~su.”

“Eh? Linhas Aéreas da Vampira Sempeito?”

“Unhun. É a responsável por essas coisas de transporte no ar ~su.”

“Vampira Sempeito-san, então?”

“Sim. Muito bem ~su. Oh, e se você a conhecer pessoalmente, diga que foi eu quem te
contei. Ou melhor, você tem que dizer meu nome. Caso contrário, quem sabe o que vai
acontecer com você ~su”

Quando ela olhou para o rosto confuso de Enri, Lupusregina abriu um sorriso.

“En-chan, você é tão engraçada ~su... Realmente, você é bem interessante...”

Os olhos de Lupusregina se estreitaram em um instante.

“Realmente ~su.”

A língua vermelha brilhante de Lupusregina apareceu de sua boca ligeiramente aberta


e lambeu os lábios.

Não foi um gesto sedutor. No entanto, Enri sentiu um calafrio na espinha.

Naquele momento, o Redcap em pé ao lado dela entrou em ação.

Ele puxou Enri de volta e deslizou para a abertura — na frente de Lupusregina — que
havia aparecido.

Nesta atmosfera altamente tensa, Lupusregina encolheu os ombros, usando seu rosto
sério e raramente visto.

“...Eu não vou fazer nada com ela. Satisfeito agora? Se você não acredita em mim, por
que todos vocês não vêm de uma vez, já que querem tanto assim? Bom que lido com
vocês de uma vez sem me segurar.”

O Redcap abaixou a cabeça e retornou à sua posição original.

“—É assim que eu gosto. A propósito, Frosdra é o abreviado de Frost Dragons ~su.”

Epílogo
340
“Frost—Dragon!? Frost Dragon, fala daqueles Dragões da lenda? Que incrível! Esses
Dragões são servos do Gown-sama também?”

“Sim. O transporte aéreo está florescendo no Reino Feiticeiro ~su.”

“Isso é incrível!”

Os olhos de Enri estavam brilhando.

Os Dragões em questão eram monstros incrivelmente poderosos cantados em lendas.


Qualquer um que pudesse subjugá-los não era um magic caster comum.

“Gown-sama é realmente incrível!”

“...Bem, isso é verdade...”

Uma expressão preocupada surgiu no rosto de Lupusregina.

“Um dragão daqueles... hm~ alguém como eu... Bem, tanto faz ~su.”

Havia algumas coisas que Enri queria perguntar, mas desde que ela parecia ter aceitado
as coisas, estava tudo bem. Provavelmente.

“Ah, por que veio hoje?”

“Ah sim, sim. Hm... É que, vou ter que ficar um tempinho fora. Vim pra te avisar que
fique atenta ~su.”

Elas se conheciam há mais de um ano, mas esta foi a primeira vez que ela disse tal coisa.

“O que aconteceu?”

“Hm~ Acho que num tem problema se eu te contar, né, En-chan? Na verdade, parece
que o Ainz-sama foi derrotado em batalha e morreu ~su.”

Enri ponderou sobre o significado daquelas palavras, até que finalmente entendeu.

Sua resposta foi obviamente o esperado.

“EHHHHHH!?”

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


341
Posfácio

Epílogo
342
Este é o volume 11, o mais longo de todos. E aí, gostaram?

É ruim carregar livros pesados e eu gostaria de evitar isso... mas então, por que ficou
tão grande? Se eu fosse cortar páginas, onde eu deveria cortar?

Enfim, o número de páginas já foi muito reduzido da revisão original. Parece que havia
pelo menos mais seis páginas antes... Hm. Ah é... não fez muita diferença.

Bem, me perdoe e pense nisso como uma forma de economizar, então. Eu acho que no
futuro, os volumes terão apenas 300 páginas.

Quando isso acontecer, não pense “Nossa, que fino.”, mas considere que o amonte de
páginas já foi todo usado neste. Afinal de contas, ainda será bastante espesso se calcular
a média de todos os livros.

Mudando de assunto— estou escrevendo isso em um dia quente de verão. O AC no meu


quarto está trabalhando a todo vapor e me salvando das chamas escaldantes do inferno.

Eu odeio o verão. Quando eu ando até o escritório, não há nada que eu odeie mais do
que encostar em outras pessoas com meu corpo suado. “Eu não vou encostar em você,
então não encoste em mim!”, eu grito internamente. A única coisa boa, é que a diminuição
dos estudantes significa que os metrôs não ficam tão lotados.

Inversamente a isso, os invernos são ótimos! Eu quero dormir debaixo do cobertor e


nunca sair! ...Bem, as pessoas em Hokkaido e Tohoku podem não pensar assim, mas este
Maruyama aqui ainda quer dizer; O INVERNO É MUITO MELHOR!

Parece que o filme de OVERLORD será feito na melhor temporada! Por alguma razão,
parece que eu tenho que trabalhar ainda mais... vou trabalhar ferrenhamente. E é isso aí.

Deverá haver mais novidades no futuro e eu ficaria feliz se pudesse esperar por isso.

Eu também causei muito trabalho a muitas pessoas. So-bin-sama, eu te fiz redesenhar


as imagens de inserção várias vezes, muito obrigado. Para meu editor Ohaku-sama, vou
reduzir o número de páginas na próxima vez, eu prometo! E obrigado por fazer o design
para o pacote de edição de luxo desta vez, Chord Design Studio-sama. A Ashina-san e a
equipe; basta entregar as piadas pra eles e tudo ficará bem.

(Por favor, assista à edição de luxo se você a comprou)

F-da-sama, vamos nos encontrar para discutir como reduzir a contagem de páginas. E
um grande obrigado aos meus leitores que terminaram esta light novel (Que de “Light”
não teve muita coisa)!

Maruyama Kugane

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


343
Ilustrações

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


345
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
347
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
349
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
351
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
353
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
3 5 5
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
357
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
359
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
361
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
363
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
365
Glossário

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


367
Glossário

-Magias, Habilidades & Passivas- culto específico ao deus Odin. Eles despertavam em uma
Tradução livre de seus nomes fúria incontrolável antes de qualquer batalha.
Blitzkrieg:Vem do alemão, basicamente é um ataque rá-
Bless of Titania: ....................................... Benção de Titânia. pido e surpresa. No Brasil, parte da palavra ainda é utili-
Blood Frenzy: .......................................... Frenesi de Sangue. zada, ex: “Blitz de trânsito”.
Charm: ............................................................................Charme. Buff: ............... Efeitos Positivos que aprimoram o jogador.
Charm Species: ........................................ Encantar Espécies. Celestial Uranium: ..................................... Urânio Celestial.
Control Amnesia:................................... Controlar Amnésia. Chu~:É uma referência ao rakugo chamado お七の十, lá
Create Fortress: ............................................ Criar Fortaleza. conta a história de Yaoya Oshichi (八百屋お七), era uma
Creation: ........................................................................ Criação. filha do verdureiro que viveu no bairro de Hongo nas vi-
Delay Teleportation: ...................... Atraso Teletransporte. zinhanças de Edo, no início do período Edo. Ela foi quei-
Fireball: ............................................................... Bola de Fogo. mada na fogueira por tentar cometer incêndio criminoso.
Fly: ........................................................................................ Voar. Rakugo vem de 落語 (palavras caídas), é uma forma de
Gate: ................................................................................... Portal. entretenimento verbal.
Grasp Heart: ................................................ Agarrar Coração. Contador:Versão do cabinet em Portugal no século XVII,
Lightning: ............................................................... Relâmpago. em que as gavetas estão à vista. Exemplares de grande
Mass Fly: .......................................................... Voar em Massa. qualidade no estilo indo-português.
Mass Hold Species: ............... Segurar Espécies em Massa. Diplomacia das Canhoneiras:Em política internacional,
Message: .................................................................. Mensagem. diplomacia das canhoneiras refere-se à busca de resulta-
Perfect Unknowable: .....................Incognoscível Perfeito. dos em política externa com a ajuda de exibições conspí-
Teleportation: ............................................... Teletransporte. cuas de poderio militar — implicando ou constituindo
Thunderball: .............................................. Esfera de Trovão. numa ameaça direta de guerra, se os termos não forem do
Thunderlances: .......................................... Lança de Trovão. agrado da força superior.
Dungeon:O termo é usado em jogos de RPG para desig-
nar cavernas ou labirintos repletos de monstros, armadi-
-Itens- lhas e tesouros. Uma Dungeon normalmente é composta
Tradução livre & Curiosidades por salas e corredores que as conectam, podendo haver
também passagens secretas. Com etimologia na palavra
Caloric Stone: .................................................. Pedra Calórica. francesa donjon. Substantivo significando calabouço ou
Depiction of Nature and Society:Representação da Na- masmorra.
tureza e Sociedade - refere-se a uma lenda chinesa de um Echelon:É uma rede de vigilância global e de espionagem
homem que entra em uma pintura para morar lá. para a coleta e análise de sinais de inteligência.
Ebynogoi:Apesar de sua pronúncia エビノゴイ, na ver- Grou-da-Manchúria:“Grou” também conhecido como
dade é escrito como 七門の粉砕者, ou seja, O Destruidor “Tsuru”, famoso em origamis.
dos Sete Portões, que explica que só pode ser usado sete Hikikomori:引 き 篭 り ”, significa literalmente “isolado
vezes. em casa”.
Faucet of Spring Water: .......Torneira de Água Nascente. Idol:É o nome dado para um grupo musical geralmente
Green Secret House: .............................Casa Secreta Verde. de meninas.
Ouroboros:Ou oroboro (ou ainda uróboro) é um con- Niō:São deuses japoneses da guerra que defendem o
ceito representado pelo símbolo de uma serpente, ou um Buda. Como o Myō-ō, eles são ferozes na aparência.
dragão, que morde a própria cauda. O nome vem do grego Patch:Termo da língua inglesa que significa, literalmente,
antigo: οὐρά (oura) significa “cauda” e βόρος (boros), que "remendo", é um programa de computador criado para
significa “devora”. Assim, a palavra designa “aquele que atualizar ou corrigir um software de forma a melhorar
devora a própria cauda”. sua usabilidade ou performance.
Spuit Lance:Lança Pipeta - “Spuit” é o holandês para se- Ranger:Em RPGs, é uma classe de personagens com perí-
ringa/pipeta. cia a coisas relacionadas à floresta, rastreamento e caça,
além de proficiências com arcos, geralmente é traduzido
como Patrulheiro, Guarda Florestal.
-Termos & Terminologias- Razor Tail: ...................................................... Cauda Navalha.
Sai:(釵) é uma arma tradicional usada em Okinawa. A
Bangalô: Ou bangaló, é um tipo de construção de um só forma básica da arma é a de um bastão de metal embo-
andar, muito popular na América do Norte. A palavra de- tado e em forma cônica, com dois “dentes” curvos (yoku)
riva do guzerate baṅglo, que por sua vez vem do hindi projetando-se do cabo (tsuka). Existem muitos tipos dife-
baṅglā. Significa "bengali", no sentido de "casa no estilo rentes de sai com vários pinos para trapping e bloqueio.
de Bengala". Essas casas eram tradicionalmente peque- Superavit:É um termo econômico com aplicações em di-
nas, de um só andar e tinham uma varanda. versas ciências e áreas. Significando excedente.
Berserk:Expressão ficar berserk, significa ficar violento, Tamboril:É o nome vulgar dos peixes lophiiformes per-
enlouquecido, incontrolável. Na mitologia nórdica, foram tencentes aos géneros Lophius e Lophiodes. O tamboril é
guerreiros nórdicos ferozes, que estão relacionado a um um peixe bentónico, que vive junto do fundo, que pode ser

Glossário
368
encontrado desde a zona de maré até aos 600 metros de Homunculus: Em latim, homunculus, "homenzinho",
profundidade. O tamboril é caracterizado pela cabeça (plural homunculi) tem sido aplicado em várias áreas do
desproporcionalmente grande, com boca semicircular conhecimento humano. Na mitologia são humanoides fei-
munida de dentes pontiagudos. tos através da alquimia.
Thermósrocha:Thermós vem do grego “θερμός” signi- Itsumade:以津真天 - é yōkai retratado no Konjaku Gazu
fica ‘quente, ardente’. Zoku Hyakki, uma coleção de arte publicada em 1779 por
Tsundere:É um termo japonês para uma personalidade Toriyama Sekien. Itsumade aparece originalmente no
que é inicialmente agressiva, que alterna com uma outra épico histórico japonês Taiheiki vol. 12 como um pássaro
mais amável. Tsundere é uma combinação de duas pala- ameaçador sem nome distinto.
vras, tsuntsun e deredere Tsuntsun é a onomatopeia para La-Angler Lava Lord:.......... La-Angler, O Senhor da Lava.
“frio, brusco”, e deredere significa “tornar-se amá- Lizardman: .................................................. Homem-Lagarto.
vel/amoroso”. Old Guarder: ..................................................... Guarda Velha.
Vinho Turvo:Uma adaptação em inglês de 濁り酒 | nigo- Peryton:Um animal mitológico híbrido que parece ser o
rizake. cruzamento de uma águia gigante com um cervo de apa-
White-iron: ........................................................ Ferro-branco. rência demoníaca.
Phoenixlord:Soberana Fênix - Na mitologia, Fênix vem
do grego clássico: ϕοῖνιξ, um pássaro da mitologia grega
que, quando morria, entrava em autocombustão e, pas-
-Nomes- sado algum tempo, ressurgia das próprias cinzas.
Quagoa:土掘獣人- Os kanjis de seu nome podem ser li-
Blue Sky Dragonlord:Soberano Dragão do Céu Azul. Os
dos como “Besta Escavadora”.
kanjis de seu nome abaixo do furigana são de 青空 (Ao- Quagoalord:............................................... Soberano Quagoa.
zora), significa “Céu Azul”. Redcap:Também conhecidos como “Barrete vermelho”
Guren:É japonês para 'lótus vermelho'. Guren-jigoku, um são uma variação malévola dos Goblins.
dos oito infernos frios nos ensinamentos budistas, faz Skeleton:....................................................................Esqueleto.
com que a carne de alguém se separe da temperatura e Soul Eater: ............................................... Devorador de Alma.
forme a semelhança de um lótus vermelho. Squire Zombie: .......................................... Zumbi Escudeiro.
Mephistopheles:É o nome de um demônio do folclore Undead: ................................................................... Morto-Vivo.
alemão que aconselha o erudito Fausto de vender sua Undead Lieutenant: ........................... Tenente Morto-Vivo.
alma ao diabo. Vampire Bride: .............................................. Noiva Vampira.
White Dragonlord:Soberano Dragão Branco. Os kanjis Wriggle Pestilence: ........................ Pestilência Contorcida.
de seu nome abaixo do furigana são de 白き (Shiroki), sig-
nifica “O Branco”.
-Honoríficos & Tratamentos-

-Raças & Monstros- Chan:ちゃ ん - O sufixo “chan” é um termo carinhoso


usado geralmente para crianças ou pessoas que temos
Ancient Flame Dragon: ............ Dragão da Chama Antiga. muita intimidade. O “chan” é usado após o nome inteiro
Archaeopteryx:Do grego: ἀρχαῖος (archaios), “antigo”, + ou abreviado.
πτέρυξ (pteryx), significa “asa antiga” é um pássaro pré- Kakka:閣下 - É um adereçamento militar a pessoas en-
histórico, que data de cerca de 150 milhões de anos atrás, volvidas com governo. O caractere kanji 閣 ("kak (u)")
durante o período Jurássico, quando muitos dinossauros significa "gabinete / prédio / palácio do governo" e 下
viveram. ("ka") significa "abaixo/sob". Colocado em conjunto, 閣下
Astral Ripper: ............................................ Estripador Astral.
é usado para se referir indiretamente a alguém sob o Ga-
Death Knight: .......................................... Cavaleiro da Morte.
binete (teto do edifício), equivalente à Sua Excelência.
Dwarf: ..................................................................................Anão.
Sama:様 | さま- O sufixo “Sama” é uma versão mais res-
Dwarflord: ...................................................... Soberano Anão.
Eight-Edge Assassin: .............. Assassino dos Oito-Gumes. peitosa e formal de “san”. A tradução mais próxima do
Elder Lich: ..............................................................Lich Ancião. termo “sama” para o português seria “Vossa Senhoria”.
Freezing Zombie: ................................... Zumbi Congelante. No Japão, é importante referir-se a pessoas importantes
Frost Bone: ........................................................... Osso Gélido. ou a alguém que admira e é muito importante, no império
Frost Dragon: ................................................... Dragão Gélido. antigo era muito usado para se referir a rainhas.
Frost Giant: ...................................................... Gigante Gélido. San:さん - O sufixo “San” é um honorífico que pode ser
Golem:No folclore judaico, o golem (‫ )גולם‬é um ser ani- usado em praticamente todas as situações, independente
mado que é feito de material inanimado, muitas vezes do sexo da pessoa. Normalmente é usado para pessoas
visto como um gigante de pedra. que temos pouca ou nenhuma intimidade. Também usado
Harpy:Harpia (em grego, αρπυια) - são criaturas da mi- quando a pessoa considera o interlocutor como um de
tologia grega, frequentemente representadas como aves igual hierarquia.
de rapina com rosto de mulher e seios.

OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs


369
Notas de Tradução:
Ofício Rúnico. Em japonês é algo como Tecnologia Rúnica, Tecnologia de Runas.
Thérmosrocha. Em japonês era rocha quente/pedra quente, mas para manter em uma
palavra só, peguei o Thérmos (grego para quente) e juntei com rocha.
La-Angler Lava Lord. Como o nome do monstro está em inglês, pois em japonês é “ラ
ーアングラー・ラヴァロード | Rāangurā Ravu~arōdo” esse detalhe pode passar des-
percebido. Mas “Angler” é o nome em inglês do peixe Tamboril. Link para tirinha que
traduzi anos atrás que resume algumas curiosidades desses peixes: Imagem.
A Sorte está lançada. Essa sentença na página 182 (PDF) é uma referência à “Alea jacta
est” (Grafia medieval) ou “Alea iacta est” (Grafia clássica) significa, em português, “O
dado está lançado”, mas é traduzido comumente como “A sorte está lançada”.
Gondo encontrando a Aura. Por Aura ser praticamente uma Tomboy, sempre que um
desconhecido a conhece, o tratamento obvio é partir do princípio que ela é um menino.
Gondo Minerador. No literal, sua ocupação pode ser de “Arbeiter” (sim, em alemão),
no Brasil seria equivalente a colarinho azul/peão de empresa.

Curiosidades Rúnicas:
Os nomes da Cidades Dwarfs têm correlação direta com as Runas do nosso mundo. Os
nomes usam dois sistemas diferentes de runas. A primeira parte do nome, “Feoh”, vem
do sistema Anglo-Saxão, seu caractere rúnico é este “ᚠ” e significa: riqueza, prosperi-
dade, fartura. Já a segunda parte do nome vem do sistema Futhark Antigo, o significado
é basicamente o mesmo do Anglo-Saxão, o que muda é a grafia. Veja os nomes e as runas
correspondentes, assim como o significado de cada uma:
• ᛃ
Jēra = >> Ano, Colheita;
• Berkanan = ᛒ >> Bétula (Árvore), Sustento, Fertilidade;
• Raiđō = ᚱ >> Passeio, Jornada, Trabalho, Crescimento;
• Tïwaz = ᛏ >> O deus Týr; Vitória, Honra.
Os nomes foram um pouco alterados em ralação à wikia de OVERLORD:
• Feo Jera >> Feoh Jēra
• Feo Berkana >> Feoh Berkanan
• Feo Raizo >> Feoh Raiđō
• Feo Teiwaz >> Feoh Tïwaz
Portanto, se desejar procurar informações na wikia, use a grafia da esquerda.
Para quem quiser a referência, poderão encontrar nos seguintes links:
-Anglo-Saxão
-Futhark Antigo
Quanto as outras runas citadas:
• Laguz = ᛚ >> Lago, Falta de Forma, Caos, Potencialidade, O Desconhecido;

• Kaunan = >> Úlcera, Mortalidade, Dor.

Glossário
370
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
371
Glossário
372
OVERLORD 11 O Artesão dos Dwarfs
373
Ainz Ooal Gown se dirige para o Reino dos Dwarfs junto com Shalltear Blo-
odfallen e Aura Bella Fiora em busca da magia perdida das runas.

Na chegada, Ainz encontra o país sendo ameaçado por uma invasão imi-
nente pela raça demi-humana chamada Quagoa.

Os Ferreiros Rúnicos Dwarfs prometem futuros empreendimentos com o


Reino Feiticeiro se Ainz os ajudar a retomar a capital.

O que os espera lá não são apenas os Quagoas, mas também a raça mais
forte da Cordilheira Azerlisiana, Frost Dragons.

ISBN 978-4047342309

Glossário
374

Você também pode gostar