Você está na página 1de 13

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

Capitulo I

Denominação, fins, sede e símbolos

Artº1

O SFC - Seia Futebol Clube , que abreviadamente se designa por SFC. é um grupo
desportivo, cultural e recreativo, que adquiriu personalidade jurídica desde 13 de Agosto
de 2008, e se rege pelo presente regulamento.
Artº2
O S.F.C., pela sua secção desportiva, tem por fins desenvolver a educação física e o
desporto, promovendo a sua prática e expansão, especialmente entre os seus
associados, proporcionando-lhes ainda meios de cultura e recreio.
Artº3
São interditos ao clube qualquer actividade de carácter político ou religioso.
Artº4
O S.F.C. tem a sede na cidade de Seia, podendo ocupar ou possuir instalações em
qualquer outro local.
Artº5
1-O Seia Futebol Clube adopta como símbolo, uma bandeira com as cores da cidade de
Seia e ao centro o emblema constante neste regulamento.

2-Constituem também símbolos do clube, o emblema, os galhardetes, os guiões e os


equipamentos ( à excepção dos alternativos ), que terão a forma e a composição
descritas no artigo anterior .
Capitulo II
Sócios
Secção I

Admissão, classificação, exoneração e readmissão

Artº6

1-Podem solicitar a sua admissão como sócio do S.F.C., todas as pessoas singulares e
colectivas desde que maiores e devidamente registadas, respectivamente.
Artº7

Os sócios classificam-se em fundadores, efectivos, empresas e honorários.


Artº8

1-São sócios fundadores todos aqueles se inscreveram até á data da realização da 1ª


assembleia-geral
2-São sócios efectivos os sócios maiores ou emancipados e empresas que solicitarem a
sua admissão para gozarem de todos os direitos e se sujeitarem a todos os deveres
estatutários, e que nessas condições foram admitidos.
Artº9

1-São sócios honorários desde que os serviços prestados ao clube sejam reputados como
excepcionalmente relevantes.
2-Aos sócios honorários são aplicável o disposto no art.º anterior.
Artº10

1-Os sócios que tenham pedido a exoneração, bem como os eliminados ou expulsos,
podem solicitar a sua readmissão.
2-O número de ordem dos sócios readmitidos é o correspondente ao da data da sua
readmissão.
3-A nenhum sócio é concedida mais do que uma readmissão.
Secção II
Direitos e Deveres
Artº11

1-São Direitos dos sócios:


a) Frequentar a sede e as instalações sociais e desportivas do clube nas condições
regulamentares.
b) Representar o clube na prática da educação física e dos desportos, em actividades
culturais e recreativas, e praticar as referidas actividades nas instalações do clube ainda
que sem carácter de competição.
c) Tomar parte nas Assembleias-gerais, votar, eleger, e ser eleito.
d) Apresentar listas para a eleição dos Órgãos Sociais.
e) Requerer a convocação de Assembleias-gerais Extraordinárias.
f) Examinar as contas, os documentos e os livros relativos às actividades do clube nos
oito dias que precedem a Assembleia-geral Ordinária convocada para efeito do disposto
na alínea 2 do artº16.
g) Solicitar aos Órgãos Sociais as informações e esclarecimentos, ou apresentar
sugestões de utilidade para o clube.
h) Propor a admissão de sócios e recorrer das decisões da Direcção que tenham rejeitado
ou anulado.
i) Solicitar à Direcção a suspensão do pagamento de quotas.
2-Os direitos constantes nas alíneas c), g), e h) do número anterior, são privativos dos
sócios efectivos.
Artº12
1-São Deveres dos sócios:
a) Defender o prestígio e a dignidade do clube dentro das normas do civismo e da ética
desportiva.
b) Cumprir os Estatutos, Regulamentos e deliberações dos Órgãos Sociais.
c) Aceitar, salvo motivo ponderoso, o exercício de cargos para que tenha sido eleito ou
designado, desempenhando-os com probidade e zelo.
d) Efectuar pontualmente o pagamento de quotas e outras contribuições obrigatórias.
2-O Dever constante na alínea c) do número anterior respeita apenas aos sócios
efectivos.
Capítulo III
Assembleia-geral e Órgãos Sociais.
Secção I
Disposições Gerais
Artº13
O S.F.C. prossegue os seus fins através da Assembleia-geral e dos Órgãos Sociais, que
são a Mesa da Assembleia-geral, o Conselho Fiscal e a Direcção.
Artº14
1-A eleição dos Órgãos Sociais será trienal, por listas que incluem a totalidade ou parte
dos Órgãos Sociais, sendo apenas elegíveis os sócios efectivos no pleno gozo dos seus
direitos estatutários.
Artº15
É permitida a reeleição dos membros dos Órgãos Sociais.
Artº16
1-O ano desportivo inicia-se em 1 de Agosto e termina em 31 de Maio
2-Os Órgãos Sociais serão eleitos em cada triénio no mês de Julho e assumem
imediatamente as suas funções.
Artº17
1-Perdem a qualidade de membros dos Órgãos Sociais aqueles que:
a) Peçam a demissão e esta seja aceite.
b) Sejam punidos com algumas das penas referidas nas alíneas d) e) e f) do Artº49.
c) Sejam punidos com prisão maior por crime doloso.
Art.º 18
1-Os membros de cada um dos Órgãos Sociais são solidários e colectivamente
responsáveis pelos actos praticados pelo respectivo Órgão no exercício do mandato para
que são eleitos, salvo quando hajam feito declaração de voto de discordância, registada
na acta da sessão em que a deliberação foi tomada.
2-A responsabilidade a que alude o nº anterior extingue-se logo que em Assembleia-geral
sejam aprovados os actos da Gerência, excepto se anteriormente se verificar terem sido
praticados com dolo ou fraude.
3-Cada membro dos Órgãos Sociais pode requerer certidão da acta na parte de que
conste a sua declaração de voto e a descrição do tema a que se refere.

Artº19
1-Os Órgãos Sociais só podem deliberar desde que esteja presente a maioria dos seus
membros em exercício.
2-As deliberações tomam-se pela maioria dos votos, tendo o presidente voto de
qualidade.

ACTIVIDADE ECONÓMICO-FINANCEIRA

Art.º 20

O exercício económico do Clube será de Janeiro a Dezembro

Artº 21
O relatório e contas, referentes a cada exercício económico deverão ser elaborados nos
trinta dias seguintes à data do respectivo encerramento, sendo presentes à Assembleia
Geral, acompanhados do relatório do Conselho Fiscal e Disciplina., nos trinta dias
seguintes á sua elaboração.

Artº 22
O plano de Actividades e o orçamento para cada exercício desportivo deverão ser
presentes à apreciação da Assembleia no mês de Julho exercício anterior

Secção II
Assembleia Geral
Subsecção I
Constituição
Artº23
1-A Assembleia-geral é constituída por todos os sócios efectivos no gozo dos seus direitos
estatutários.
2-A reunião dos membros da Assembleia-geral efectua-se obrigatoriamente por anúncio
publicado num dos jornais mais lidos da região e através de afixação de editais em três
lugares públicos.
3-A publicação do anúncio e editais a que se refere o número anterior devem efectuar-se
com a antecedência mínima de quinze dias, relativamente à data da realização da
Assembleia.
Artº24
A convocatória da Assembleia-geral deve ser subscrita pelo presidente ou por quem o
substitua e conter, com precisão, a respectiva ordem de trabalhos.

Artº25
1-Considera-se validamente constituída a Assembleia-geral quando à hora marcada para
a sua realização estiverem presentes mais de metade dos sócios.
2-Decorrida meia hora sobre a hora marcada, a Assembleia poderá efectuar-se com
qualquer número de sócios presentes.
3-Não terá lugar a Assembleia-geral requerida nos termos da alínea e) do Artº11, se,
após espaço de tempo a que se refere o número anterior, não estiver presente a
totalidade dos sócios requerentes.

Subsecção II
Competência
Artº26
A Assembleia-geral detém a plenitude de poder do S.F.C., é soberana nas suas decisões
dentro dos limites da Lei e dos Estatutos, pertencendo-lhe apreciar e decidir sobre todos
os assuntos de interesse para o clube, designadamente:
a) Eleger os membros dos Órgãos Sociais.
b) Apreciar e votar o relatório e contas de gerência, bem como o parecer do Conselho
Fiscal relativos a cada ano económico , bem como apreciar e votar o plano de actividades
e orçamento para cada exercício desportivo.
c) Fixar ou alterar as importâncias da jóia na admissão de sócios, das quotas e de
qualquer outra contribuição obrigatória.
d) Apreciar e votar estatutos do clube e velar pelo seu cumprimento, interpretá-los, alterá-
los ou revogá-los bem como integrar as suas lacunas.
e) Autorizar a Direcção a realizar empréstimos de médio e longo prazo. , após parecer do
Conselho Fiscal
f) Decidir da alienação de bens imóveis e das garantias a prestar pelo clube que onerem
bens imóveis ou consignem qualquer rendimento.
g) Conceder nos termos do nº1 do Artº9, a qualidade de sócio honorário.
h) Apreciar e julgar os recursos por ela interpostos.
i) Decidir sobre a readmissão de sócios que tenham sido expulsos.
j) Alterar as suas próprias deliberações.
k) Aplicar as penas referidas nas alíneas d) a f) do nº1 do Artº49.

Subsecção III
Funcionamento
Artº27
A Assembleia-geral é dirigida pelo presidente, coadjuvado pelo vice-presidente e pelo
secretário, que com ele constituem a mesa,
Artº28
1-Ao presidente da Assembleia-geral compete ainda:
a) Assinar as actas da Assembleia-geral
b) Lavrar os termos de abertura e de encerramento e rubricar os livros de actas da
Assembleia-geral.
c) Dar posse aos membros dos Órgãos Sociais.
2-Ao secretário compete ainda:
a) Redigir e assinar as actas da Assembleia
b) Executar o expediente relativo à Assembleia
Artº29
1-As reuniões da Assembleia-geral são ordinárias e extraordinárias.
2-Considerando o disposto do nrº2 do art.º 23,a Assembleia-geral ordinária reunirá com a
seguinte periodicidade:
a)A cada triénio desportivo no mês de Julho, para o efeito do referido no nrº 2 do artigo
16 e do artigo 22.
b)A cada ano desportivo no mês de Julho, para o efeito do referido no artigo 22
c) Em cada exercício económico, no mês de Fevereiro, para o efeito do referido no artigo
21.
4- As Assembleias-gerais Extraordinárias têm lugar:
a) Por iniciativa do seu presidente
b) A requerimento do conselho Fiscal ou da Direcção
c) A requerimento de pelo menos 20 sócios efectivos.
Artº30
1-Nas Assembleias Gerais Ordinárias é reservado um período de meia hora antes da
ordem de trabalho para discussão de assuntos de interesse para o clube.
2-Por deliberação da Assembleia, o período referido no número anterior pode ser
excepcionalmente prorrogado por mais meia hora.
Artº31
1-As deliberações da Assembleia-geral são tomadas pela maioria de votos dos sócios
presentes.
2-As deliberações para eleição dos membros dos Órgãos Sociais são tomadas num só
escrutínio, designando-se vencedora a lista que maior número de votos receber.
3-As deliberações só podem recair sobre os assuntos constantes da convocatória, ou os
constantes em requerimento apresentado à mesa, a anteceder o início dos trabalhos,
Outros assuntos fora do âmbito agora referido são consideradas nulas e de nenhum
efeito.
4-A cada sócio corresponde um voto, não podendo votar componentes da Mesa da
Assembleia-geral e os membros dos demais Órgãos Sociais, quando estejam em
apreciação os seus actos.
Secção III
Conselho Fiscal
Subsecção I
Constituição
Artº32
1-O conselho fiscal é constituído por três membros efectivos.
2-São membros efectivos do Conselho Fiscal o Presidente, o Secretário, e o relator. O
Secretário poderá substituir o presidente nas suas faltas ou impedimentos.
3-O cargo de relator deve ser preenchido de preferência por indivíduos com preparação
adequada à função que vai desempenhar.
Subsecção II
Competência
Artº33
1-Ao conselho Fiscal compete:
a) Fiscalizar e dar parecer sobre todos os actos administrativos e financeiros da Direcção,
projectos de empréstimos e outras operações de crédito.
b) Dar parecer sobre o relatório das actividades do clube e contas da Direcção, relativas
ao ano social.
c) Dar parecer sobre a fixação ou alteração de quotas e outras contribuições obrigatórias
a apresentar pela Direcção à Assembleia-geral.
d) Dar parecer sobre a suspensão do pagamento de jóia na admissão de sócios, proposta
pela Direcção.
e) Dar parecer sobre a interpretação dos Estatutos e Regulamentos, sobre a aplicação
das sanções disciplinares das alíneas d) a f) do nº1 do Artº 49, sobre os recursos em
matérias disciplinares e ainda instruir os processos de inquérito, de sindicância e
disciplinares que lhe sejam confiados.
f) Dar parecer sobre a restante actividade do clube, sempre que para tal seja solicitado.
2-Os membros do Conselho Fiscal podem assistir, sem direito de voto, ás reuniões da
Direcção.
Subsecção III
Funcionamento
Artº34
1-O Conselho Fiscal reúne, pelo menos, uma vez por trimestre.
2-As deliberações são tomadas à pluralidade de votos, tendo o presidente voto de
qualidade.

Secção IV
Direcção
Subsecção I
Constituição
Artº35
1-O S.F.C. é dirigido e administrado por uma Direcção, composta por três membros sendo
um presidente, e dois vice-presidentes.
2- Haverá ainda dois directores suplentes.
3-Qualquer alteração à estrutura referida no ponto anterior, deverá ser posta à
consideração da Assembleia Geral, após requerimento à Mesa .
Subsecção II
Competência
Artº36
À Direcção compete prestigiar o clube, zelar pelos seus interesses, impulsionar o
progresso das suas actividades, designadamente:
a) Aprovar, rejeitar ou anular a admissão e readmissão de sócios
b) Propor à Assembleia-geral, com prévio parecer do Conselho Fiscal a suspensão do
pagamento de jóia na admissão de sócios, pelo período que julgue conveniente.
c) Aplicar as penas referidas no Artº49.
d) Propor à Assembleia-geral o reconhecimento como sócio honorário.
e)Colaborar com os poderes públicos e, em especial, com os Órgãos do poder local, em
tudo quanto contribua para atingir e desenvolver os fins do clube.
f)Decidir sobre reclamações a entidades oficiais, representações, protestos de jogos,
recursos e outros actos de contencioso administrativo e desportivo.
g)Participar nas reuniões e Assembleias dos organismos desportivos, culturais e
recreativos.
h)Dispensar os sócios do pagamento de quotas e de outras contribuições obrigatórias, ou
suspender aquelas obrigações, nos termos regulamentares.
i)Comparecer a todas as reuniões da Assembleia-geral para prestar esclarecimentos e
fornecer elementos inerentes à sua actividade.
j)A Direcção é colectivamente responsável pelos actos da sua administração, até à
aprovação do relatório e contas pela Assembleia Geral .
l)A Direcção não pode deixar dívidas de curto prazo para a Direcção seguinte , a não ser
que estejam devidamente provisionadas , comprovadas e bem reflectidas nas contas
finais.
m)Se houver qualquer dívida de Gestão Corrente não prevista no artigo anterior, no fim de
cada exercício, esta será solidariamente liquidada antecipadamente por todos os
membros da Direcção.

Artº 37

Compete ao Presidente da Direcção:

1-Convocar as reuniões;
2-Dirigir os trabalhos das reuniões;
3-Ser responsável pela área financeira
4-Arrecadar as receitas e satisfazer as despesas devidamente autorizadas;
5-Assinar recibos, movimentar e controlar as contas bancárias e o caixa;
6-Elaborar balancetes;
7-Responder por todos os valores à sua guarda.

Artº 38

Compete ao vice-presidente desportivo

1-Substituir o Presidente nas suas ausências e impedimentos;


2-Coordenar as actividades da sua área de actuação e manter actualizados todos os
registos respectivos às mesmas.
3-Contratar ou despedir o pessoal da sua área

Artº 39

Compete ao vice-presidente administrativo e do património

1-Organizar e montar todos os serviços de secretaria e do património, assinando o


expediente e mantendo actualizado o ficheiro de sócios, bem como a sua quotização;
2-Elaborar as actas das reuniões;
3-Elaborar processos disciplinares.
Artº40
Se as circunstâncias o justificarem, a Direcção poderá contratar secretários e adjuntos
remunerados, de preferência sócios do clube, para os serviços administrativos e para as
actividades desportivas.

Subsecção III
Funcionamento
Artº41
A Direcção é presidida pelo presidente, que é substituído nas sua faltas ou impedimentos
pelo vice-presidente desportivo.
Artº42
1-A Direcção reunir-se-á ordinariamente uma vez por semana em dia e hora
estabelecidas na primeira reunião posterior à tomada de posse. e extraordinariamente
sempre que o entender, tendo por obrigatoriedade a elaboração das respectivas actas.

2-No caso de renúncia das funções para que foi eleito, um elemento poderá ser
substituído por outro, desde que integre a última lista eleita.
3-As decisões são tomadas à pluralidade de votos, tendo o presidente voto de qualidade.
Artº43
Nos oito dias que antecederem à Assembleia-geral a que se refere a alínea c) do Artº29, a
Direcção porá à disposição dos sócios, na sede do clube, o relatório de actividades e
contas de gerência, bem como os livros e demais documentos necessários à sua
apresentação.

Capítulo IV
Actividades do clube
Secção I
Actividade Desportiva
Artº44
A actividade desportiva abrange todas as modalidades destinadas à prática
da educação e do desporto .
Artº45
1-Será definido um organigrama de toda a estrutura desportiva do clube
Artº46
1-A exibição e competição desportivas, em representação do S.F.C. em provas oficiais e
particulares são confiadas a atletas inscritos ou contratados pelo clube, nos termos que a
Direcção decidir.
2-Para a orientação dos atletas, a Direcção pode contratar ou designar os técnicos que
julgue adequados.
Secção II
Actividade Cultural e Recreativa
Artº47
A actividade cultural e recreativa do S.F.C.abrange as modalidades que a Direcção
considerar mais convenientes à satisfação das actividades culturais e recreativas dos
sócios.
Capítulo V
Disciplina e Recursos
Secção I
Disciplina
Artº48
Todos os sócios do S.F.C. estão sujeitos ao poder disciplinar do clube.
Artº49
1-As infracções disciplinares consistem na violação culposa dos deveres estatutários e
regulamentares do clube, e são punidos consoante a sua gravidade, com as seguintes
penas:
a) Admoestação
b) Repreensão registada
c) Suspensão até 30 dias.
d) Suspensão de 30 dias a 1 ano.
e) Suspensão de 1 a 3 anos.
f) Expulsão
2-A aplicação das penas disciplinares, que não sejam as das alíneas a) e b) do nº
anterior, depende da prévia instauração de processos disciplinares, aos quais são
aplicáveis os princípios gerais do direito disciplinar.
3-A aplicação de qualquer pena disciplinar não isenta o infractor do pagamento da
indemnização devida pelos prejuízos causados ao clube.
4-São circunstâncias atenuantes:
a) O registo disciplinar isento de qualquer pena
b) Os serviços relevantes prestados ao clube.
c) Em geral, qualquer facto que diminua a responsabilidade do infractor.
5-São circunstâncias agravantes unicamente as seguintes:
a) A qualidade de membro do Órgãos Sociais.
b) A reincidência.
c) A acumulação de infracções.
d) O desprestígio público que resultar da infracção.
Artº50
A disciplina dos Técnicos, atletas ou empregados do clube, constará nos respectivos
Regulamentos de Procedimento Interno, contratos e leis aplicáveis.
Secção II
Recursos
Artº51
1-Admitem recurso para a Assembleia-geral as decisões:
a) Da Direcção, quando recaiam sobre as matérias disciplinares
b) De qualquer dos Órgãos Sociais que, violando os Estatutos ou Regulamentos, ofendam
direitos dos sócios.
2-Os recursos devem ser interpostos para a Assembleia-geral, através do seu presidente,
no prazo de quinze dias a contar da notificação da decisão, e tem efeito suspensivo.
Capítulo VI
Disposições Finais
Artº52
1-As disposições regulamentares consideram-se provisoriamente em vigor desde a data
neles fixada, tornando-se definitiva a sua vigência a partir da ratificação pela primeira
Assembleia-geral que posteriormente se realizar.
2-Qualquer assunto omisso ou que ocasione dúvidas, será resolvido pela Direcção.
Artº53
1-O S.F.C. poderá ser dissolvido por motivos de tal forma graves e insuperáveis que
tornem impossível a realização dos seus fins, em Assembleia-geral, especificamente
convocada para esse efeito, por decisão de quatro quintos dos sócios efectivos
existentes, em primeira convocação, ou, em segunda convocação, por quatro quintos dos
sócios presentes à reunião.
2-A Assembleia-geral referida no nº anterior, no caso de decidir a dissolução do clube,
estabelecerá as disposições necessárias à distribuição do património líquido social, se o
houver.
Artº54
Estes Regulamentos podem ser alterados ou revogados em Assembleia-geral convocada
para esse fim.

Seia , 13 de Agosto de 2008

Você também pode gostar