Você está na página 1de 424

O que torna você tão especial?

Muitas coisas. Descubra, neste livro, quão


maravilhoso e criativo Deus o fez. Nas
próximas páginas aprenderá se você é:

• Um espontâneo, animado e alegre


sanguíneo

• Um pensativo, leal e persistente


melancólico

• Um aventureiro, persuasivo e confiante


colérico

• Um amigável, paciente e satisfeito


fleumático

Ou uma combinação deles. Você também


aprenderá como usar corretamente essa
técnica única, habilidades dadas por Deus
para proporcionar harmonia em todos os seus
relacionamentos. Florence Littauer explica:
“Quando sabemos quem somos e por que
agimos da maneira que agimos, podemos
começar a entender nosso íntimo, melhorar
nossas personalidades e aprender a se
relacionar com os outros.”

Assim que você entender como trazer à


tona o melhor de si, descobrirá que os outros
parecem ser melhores também. Descubra a
pessoa que você sempre desejou ser em
Personality Plus.
Conteúdo

Um Agradecimento Especial

PARTE I Perfil de Personalidade:


Um Método Rápido de Auto-
avaliação
1 Você é Único no Universo
2 Seu Perfil de Personalidade

PARTE II Potencial de
Personalidade:
Uma Avaliação do Nosso
Balancete Pessoal
3 Vamos nos Divertir com o
Popular Sanguíneo
4 Vamos nos Organizar com o
Perfeito Melancólico
5 Vamos Examinar Nossas
Emoções
6 Vamos nos Mexer com o Forte
Colérico
7 Vamos Relaxar com o Sereno
Fleumático

PARTE III Plano para a


Personalidade:
Um Modo de Superar Nossas
Fraquezas Pessoais
Introdução: Os Pontos
Positivos levados ao extremo
tornam-se Negativos
8 Vamos Organizar o Popular
Sanguíneo
9 Vamos Alegrar o Perfeito
Melancólico
10 Vamos Abrandar o Forte
Colérico
11 Vamos Motivar o Sereno
Fleumático

PARTE IV Princípios da
Personalidade:
Um Caminho para Melhorar
o Relacionamento com os
Outros
12 Cada Pessoa É um Conjunto
Único
13 Não Gostamos de Ser
Encaixotados
14 Os Opostos se Atraem
15 Podemos Reconhecer
Diferenças nos Outros
16 Como nos Relacionarmos
Bem Com os Outros

PARTE V Poder da Personalidade:


Uma Fonte de Poder para
Conquistar
Nosso Potencial
17 O Poder da Personalidade
Plena Produz Pessoas Positivas!
Apêndice: Definições das
Palavras do Teste de
Personalidade
Um Agradecimento Especial

Há quinze anos um amigo me deu um


exemplar do livro Spirit Controlled
Temperament de Tim LaHaye e pediu-me que
o lesse. Fiquei fascinada instantaneamente
pelos quatro temperamentos, cujo
conhecimento se originou com Hipócrates no
quarto século antes de Cristo. A medida que
ia lendo ia descobrindo a descrição de alguém
tão parecido comigo e outro tão semelhante a
Fred, que achei que o autor devia ter-nos
conhecido secretamente. Embora nunca
tivesse me encontrado com Tim LaHaye,
fiquei ansiosa para conversar com um homem
de tamanha percepção. Dentro de um ano
nossos caminhos se cruzaram quando ambos
atuamos como conferencistas no mesmo
seminário. Tim era tão dinâmico e excitante
quanto eu imaginara, e me encorajou a
estudar mais profundamente os
temperamentos.
Depois de todos esses anos de ensino e
aconselhamento, reuni os meus achados neste
livro sobre os temperamentos, Personality
Plus, e o dedico a Tim LaHaye, quem
primeiro me inspirou. Concordo com o que
ele me disse numa carta:

Estou mais convencido agora do que quando escrevi o


livro, que a teoria
dos quatro temperamentos e a melhor explicação que há
sobre o comportamento humano.

Obrigada, Tim LaHaye, pelo seu


encorajamento.

FLORENCE LITTAUER

NOTA DA TRADUTORA
Hipócrates ensinava que os temperamentos
provinham de quatro "humores" ou fluidos do
corpo: o sangue, o bílis amarelo, o bílis preto e o
fleuma. É desse ensino que se tiram as designações
dos temperamentos.
PARTE I

Perfil de Personalidade

Um Método Rápido de
Auto-Avaliação
CAPÍTULO 1

Você é Único no Universo

Todo mundo quer uma personalidade melhor.


Sonhamos estar na Ilha da Fantasia onde, ao
soar dos sinos, nós nos transformamos em
aristocratas, pessoas elegantes, charmosas e
extrovertidas. Não tropeçamos, nem nos
atrapalhamos, nem derramamos coisas, nem
titubeamos. Conversamos, cativamos,
transpiramos charme e inspiramos. Contudo,
ao voltarmos para a realidade, os sonhos se
desligam e caímos na rotina de sempre.
Olhamos a tela vazia e nos perguntamos por
que a nossa "fantasia” foi tão abruptamente
desligada, por que fomos substituídos por
outras estrelas que desempenham os seus
papéis com confiança - por que sempre
parecemos estar fora do lugar?
Corremos atrás de cursos sobre
personalidade que prometem transformar-nos
em pessoas brilhantes e espirituosas em vinte
e quatro horas; fazemos experiências de auto-
avaliação que vão nos tornar minideuses com
superpoderes; ou frequentamos sessões de
sensibilidade, em que nos sentiremos
penetrando num futuro fantástico. Fazemos
tudo isso na expectativa de um grande
milagre transformador em nossas vidas, e nos
desiludimos. Reconhecemos, finalmente, que
não nos encaixamos nesse modelo
padronizado de todos serem excitantes,
transbordantes de vitalidade e potencial. Na
realidade, temos habilidades e personalidades
diferentes — e não podemos ser tratados
como iguais.

Ninguém é Igual
Se fôssemos ovos idênticos numa caixa, uma
galinha poderia nos chocar e nos transformar
em belos pintos da noite para o dia; mas
somos todos diferentes. Nascemos com os
nossos próprios conjuntos de qualidades e
fraquezas e nenhuma fórmula pode operar,
num toque mágico, milagres em nós. Até que
reconheçamos a nossa singularidade, não
conseguiremos entender como as pessoas
podem assistir ao mesmo curso, com o
mesmo conferencista, durante o mesmo
espaço de tempo e, no entanto, o
aproveitamento ser tão diferente.
Personality Plus olha para cada um de nós
como uma combinação única dos quatro
temperamentos básicos e nos encoraja a
conhecer o verdadeiro eu interior antes de
tentar mudar o que se vê na superfície.

O Importante é o Íntimo
Quando Michelangelo estava preparado para
esculpir a estátua de Davi, passou muito
tempo escolhendo o mármore, porque sabia
que a qualidade do produto bruto ia
determinar a beleza da arte final. Sabia muito
bem que poderia mudar a forma da pedra,
mas era completamente impotente para
transformar seu ingrediente básico.
Todas as obras que ele fez foram únicas em
sua singularidade, porque, mesmo que
quisesse, não poderia ter encontrado dois
blocos de mármore idênticos. Embora fossem
tirados da mesma pedreira, não teriam sido
exatamente iguais. Semelhantes, sim, mas
iguais nunca.

Cada Pessoa é Única


Iniciamos nossa vida com uma combinação
de ingredientes que nos tornam diferentes de
nossos irmãos e irmãs. Com o passar do
tempo as pessoas vão-nos esculpindo,
cortando, martelando, lixando, polindo e,
quando pensamos que somos produtos finais,
alguém começa de novo a nos modificar.
Pode ter havido um dia, em nossas vidas, em
que todo mundo nos deu carinho, atenção e
elogiou o que fizemos, porém houve vezes
em que fomos postos ao ridículo, criticados,
desprezados ou simplesmente ignorados.
Todos nascemos com os nossos próprios
traços de temperamento, a nossa matéria-
prima, o nosso próprio tipo de pedra. Alguns
de nós são granito; outros, mármore; outros,
alabastro; e ainda outros, arenito. O nosso
tipo de pedra não muda, mas as formas
podem ser alteradas. Assim ocorre também
com as nossas personalidades. Nascemos com
os nossos próprios traços. Algumas
características são lindas, traçadas em ouro.
Outras são manchadas com falhas cinzentas.
As circunstancias, o Q.I., a nacionalidade, a
situação financeira, o meio ambiente e as
influências familiares podem moldar a
personalidade, mas a matéria-prima é a
mesma.
O meu temperamento é o meu eu
verdadeiro, a minha personalidade é a
roupagem que uso. Posso me olhar no
espelho, de manhã, e ver um rosto comum,
cabelos sem vida e um corpo bem diferente
do padrão hollywoodiano. É o meu eu
verdadeiro. Felizmente, dentro de uma hora,
posso fazer uma maquiagem, pôr um tom
bronzeado no rosto; ir a um salão e dar um
“tchan” nos cabelos; tomar um “banho de
loja” e usar uma roupa toda especial para
disfarçar meu corpo. Arrumei por fora o eu
verdadeiro, mas não mudei de forma alguma
o que está por dentro.
Se, pelo menos, pudéssemos:

Saber DE QUE somos feitos,


Saber QUEM somos realmente,
Saber POR QUE reagimos do modo como
reagimos,
Conhecer nossas FORÇAS e como ampliá-
las,
Conhecer nossas FRAQUEZAS e como
superá-las. Enfim, se pudéssemos nos
entender.

Podemos! Personality Plus mostrará como


nos analisar, como polir as nossas forças c
como minimizar as nossas fraquezas. Quando
soubermos quem somos e por que reagimos
de certa maneira, poderemos começar a
entender o nosso eu interior, melhorar a nossa
personalidade e aprender como nos relacionar
com os outros. Não vamos tentar imitar outra
pessoa, colocando um vestido mais alegre ou
uma gravata nova, ou chorar por causa da
matéria-prima de que somos feitos. Vamos
fazer o melhor que pudermos com a matéria-
prima existente.
Recentemente, fabricantes de arte
descobriram como duplicar obras-primas e,
em muitas lojas de presentes, passou-se a
encontrar dezenas de estátuas de Davi, cópias
dos quadros de Leonardo da Vinci, réplicas
dos profetas de Aleijadinho, cópias perfeitas
de pergaminhos antigos e muitas coisas
parecidíssimas com os originais, entretanto,
pura imitação. Existem muitas imitações, mas
há somente um original: VOCÊ.

Onde começar?
Quantos de vocês têm complexo de
Michelangelo? Quantos olham os outros
como matéria-prima, pronta para ser
esculpida por suas mãos habilidosas?
Quantos podem lembrar-se pelo menos de
uma pessoa que adoraria endireitar, se ela
escutasse suas palavras de sabedoria? Qual é
a disposição dela para ouvi-los?
Se fosse possível refazer outras pessoas, eu
e meu marido Fred seríamos perfeitos, porque
começamos a tentar refazer um ao outro
desde o começo. Eu sabia que, se ele se
soltasse e se divertisse, teríamos um
casamento bom. Mas ele também queria me
endireitar e me organizar. Em nossa lua-de-
mel, descobri que Fred e eu não
concordávamos sequer sobre como comer
uvas!
Eu gostava de me sentar com um prato
cheio de uvas grandes e verdes ao meu lado e
de tirar qualquer uma que quisesse. Até casar
Com Fred, não sabia que havia a “Regra das
Uvas". Nem suspeitava que para cada simples
prazer na vida houvesse uma regra, um certo
modo de fazer, uma técnica. Fred mostrou-me
a “Regra das Uvas" quando estava sentada no
terraço da nossa casinha em Cambridge
Beaches, em Bermudas, olhando o mar e
comendo uvas de um grande e apetitoso
cacho. Não percebi que Fred analisava a
minha maneira desorganizada de comer as
frutas até que disse:”
— Você gosta de uvas?
— Oh, adoro uvas — respondi,
— Então, acho que você gostaria de saber
como se comem uvas corretamente.
Nesse momento saí do meu devaneio e fiz
uma pergunta que se tornaria parte de uma
rotina:
— O que eu fiz de errado?
— Não é o que você está fazendo errado, e
sim o que não está fazendo certo.
Eu não via muita diferença, mas usei a
frase dele.
— O que é que não estou fazendo certo?
— Todo mundo sabe que, para comer uvas
corretamente, deve-se primeiramente cortar
cachinhos, assim.
Fred tirou do bolso o canivete e cortou um
cachinho de uvas que pôs na minha frente.
Enquanto ficou ali, olhando-me de um jeito
convencido, perguntei:
— Isso melhora o gosto das; uvas?
— Não é pelo gosto. É para que o cacho
inteiro mantenha a sua aparência por mais
tempo. Do jeito que você as come — pegando
uma e outra — o cacho fica uma lástima.
Olhe o que você fez! Veja esses galhinhos
saindo por todos os cantos! Estragam o
formato do cacho.
Eu olhei ao redor, no terraço isolado, para
ver se havia algum grupo de juízes de uvas
esperando para analisar o meu cacho num
concurso, mas não vendo ninguém, perguntei:
— E quem se importa?
Ainda não havia aprendido que “E quem se
importa?” não era uma frase que se pudesse
dizer ao Fred, porque enrubesceu e suspirou
de desespero:
— Eu me importo, e isto devia ser o
bastante.
Fred realmente se importava com todos os
detalhes da vida, e a minha presença na
família parecia estragar o formato do cacho
inteiro. Para me ajudar, Fred tentava
diligentemente me moldar. Em vez de
agradecer a sua sabedoria, eu tentava sabotar
sua estratégia e mudá-lo sutilmente para ser
mais parecido comigo. Durante anos Fred
martelava os meus defeitos e me esculpia —
e eu lixava constantemente as suas falhas — e
nenhum dos dois melhorava.
Somente quando lemos Spirit Controlled
Temperament de Tim LaHaye, que abrimos
nossos olhos para o que estávamos fazendo.
Cada um de nós tentava refazer o outro. Não
percebíamos que alguém podia ser diferente e
não estar errado. Descobri que eu era uma
Popular Sanguínea que adora diversão e
emoção; enquanto Fred, um Perfeito
Melancólico, que deseja a vida Séria e
Organizada.
À medida que começamos a ler e a estudar
mais os nossos temperamentos, descobrimos
que também tínhamos um pouco de Fortes
Coléricos, o tipo que está sempre certo e sabe
tudo. Não era de admirar que não nos
déssemos bem! Não somente éramos opostos
em personalidades e interesses, mas cada um
sabia que era o único certo na relação. Pode-
se imaginar um casamento assim?
Foi um alívio descobrir que havia
esperança para nós! Poderíamos entender o
temperamento um do outro e aceitar sua
personalidade. Enquanto nossas vidas
mudavam, começamos a ensinar, pesquisar e
escrever sobre os temperamentos. Personality
Plus é o fruto da experiência de vinte e cinco
anos de estudos apresentados em
conferências, aconselhamento sobre
personalidades e observação diária do
temperamento das pessoas. Este livro é uma
lição rápida de psicologia em termos fáceis e
agradáveis para que possamos:

1. Analisar as nossas forças e fraquezas, e


aprender como
acentuar os pontos positivos e eliminar
os negativos.
2. Entender outras pessoas e perceber que,
só por alguém
ser diferente, não quer dizer que esteja
errado.

Para conhecer nossa matéria-prima e entender


nossas naturezas básicas, examinaremos a
classificação de temperamentos estabelecida
primeiro por Hipócrates, há dois mil e
quatrocentos anos. Vamos nos divertir com
os Populares Sanguíneos (que esbanjam
entusiasmo), tornar-nos sérios com os
Perfeitos Melancólicos (que procuram sempre
a perfeição), avançar com os Fortes Coléricos
(que são líderes natos) e relaxar com os
Serenos Fleumáticos (que aceitam
alegremente a vida). Não importa quem
somos, temos algo a aprender de cada uma
dessas personalidades.
À medida que cada um se esforçar para
aprimorar a personalidade, esperamos que
mostre o fruto do Espírito em suas vidas.
Seu Perfil de Personalidade

INSTRUÇÕES — Em cada linha de quatro


palavras, marque um X antes daquela palavra
que melhor descreva você. Continue por
todas as linhas. Assegure-se de que cada
número tenha um X. Se você não tiver
certeza de qual palavra mais se aplica a você,
pergunte a sua esposa/marido ou a um amigo
e pense qual teria sido a sua resposta quando
era criança. As definições completas das
palavras abaixo estão na página 174.

FORÇAS
FRAQUEZAS
FOLHA DE PONTO
Agora transfira todos os seus (X) à folha de
pontos e some os totais. Por exemplo, se você
assinalou a palavra animado no Perfil,
assinale-a nesta Folha de Pontos.
(Observação: as palavras estão em ordens
diferentes no Perfil e na Folha de Pontos.)
Forças
Totais das Forças

Fraquezas
Totais das Fraquezas

Total Geral

Este Perfil de Personalidade foi extraído do


livroAfter Every Wedding Comes a Marriage
de Florence Littauer. Copyright © 1981,
Harvest House Publishers.

Este teste é muito fácil de ser interpretado.


Uma vez que você transferir suas respostas
para a Folha de Pontos, colocar o número
total de respostas em cada coluna, acrescentar
os totais das duas colunas de forças e
fraquezas, você conhecerá seu tipo de
personalidade dominante. Também saberá
que tipo de combinação você é. Se, por
exemplo, sua pontuação for 15 nas colunas de
forças e fraquezas Forte Colérico não há
dúvida. Você é praticamente um Forte
Colérico. Entretanto, se sua pontuação for,
por exemplo, 8 em Popular Sanguíneo, 6 em
perfeito melancólico e 2 em cada uma das
outras personalidades, você é um Popular
Sanguíneo aliado a traços marcantes do
perfeito melancólico. Você também
descobrirá, naturalmente, seu tipo menos
dominante.
Enquanto estiver lendo as páginas a seguir
e trabalhando com o material deste livro,
você aprenderá como fazer com que suas
forças trabalhem a seu favor, como
compensar as fraquezas de seu tipo
dominante e como entender as torças e
fraquezas dos outros tipos.
PARTE II

Potencial de
Personalidade

Uma Avaliação do nosso


Balancete Pessoal
Você fez o teste. Agora sabe a que
temperamento ou combinação pertence. A
seguir você tem um resumo das qualidades de
cada tipo. Aposto que não sabia que tinha
tantas qualidades! Agora que fez o seu
balancete pessoal — faça-as trabalhar a seu
favor.

A Personalidade do Popular
Sanguíneo
O Extrovertido • O Falador • O Otimista

FORÇAS

AS EMOÇÕES DO
POPULAR SANGUÍNEO

Personalidade cativante
Falador, contador de histórias
Alma da festa
Bom humor
Boa memória para cores
Segura fisicamente um ouvinte
Emotivo e demonstrativo
Entusiasta e expressivo
Alegre e efervescente
Curioso
Tem boa presença no palco
Inocente
Vive no presente
Disposição variável
Sincero de coração
Sempre uma criança

O POPULAR SANGUÍNEO COMO PAI

Toma divertido o lar


É apreciado pelos amigos dos filhos
Vê o lado engraçado das crises
É o mestre de cerimônias

O POPULAR SANGUÍNEO NO
TRABALHO

Oferece-se para tarefas


Cria novas atividades
Boa pessoa, aparentemente
Criativo e colorido
Energético e entusiasmado
Começa com brilhantismo
Estimula os outros ao trabalho
Inspira os outros a participar

O POPULAR SANGUÍNEO COMO


AMIGO

Faz amizades com facilidade


Ama as pessoas
Floresce com elogios
Parece excitante
Invejado pelos outros
Não guarda ressentimentos
Desculpa-se facilmente
Evita momentos de tédio
Gosta de atividades espontâneas

A Personalidade do Perfeito
Melancólico
O Introvertido • o Pensador • o Pessimista

FORÇAS
AS EMOÇÕES DO
PERFEITO MELANCÓLICO

Profundo e pensativo
Analítico
Sério e cheio de propósitos
Pode ser um gênio
Talentoso e criativo
Artístico e músico
Filosófico e poético
Apreciador da beleza
Sensível aos outros
Abnegado
Cuidadoso
Idealista

PERFEITO MELANCÓLICO
COMO PAI

Tem padrões altos


Quer tudo feito corretamente
Mantém a casa em ordem
Arruma a desordem dos filhos
Sacrifica-se pelos outros
Incentiva estudos e talento
O PERFEITO MEIANCÓUCO NO
TRABALHO

Orientado por horário


Perfeccionista, altos padrões
Detalhista
Persistente e minucioso
Ordeiro e organizado
Arrumado
Econômico
Vê os problemas
Encontra soluções criativas
Precisa terminar o que começou
Gosta de gráficos, tabelas, listas

O PERFEITO MELANCÓLICO
COMO AMIGO

Faz amizades com cuidado


Fica contente em ficar no anonimato
Evita chamar a atenção
Fiel e devotado
Ouve reclamações
Resolve os problemas dos outros
Cuidado profundo com os outros
Chora de compaixão
Procura o parceira ideal

A Personalidade do Forte Colérico


O Extrovertido • O Fazedor • O Otimista

FORÇAS

AS EMOÇÕES DO
FORTE COLÉRICO

Líder nato
Dinâmico e ativo
Necessidade compulsiva de mudanças
Precisa corrigir erros
Vontade própria forte e decisiva
Sem emoção
Não se abate facilmente
Independente e autossuficiente
Esbanja confiança
Pode fazer funcionar qualquer coisa

O FORTE COLÉRICO
COMO PAI
Exerce liderança sólida
Estabelece metas
Motiva a família à ação
Sempre tem a resposta certa
Organiza o lar

O FORTE COLÉRICO NO TRABALHO

Orientado por metas


Tem uma visão global
Organiza bem o trabalho
Procura soluções práticas
Agiliza-se rapidamente
Delega tarefas
Insiste na produção
Estimula atividades
Prospera debaixo de oposição
Realiza as metas

O FORTE COLÉRICO
COMO AMIGO

Quase não precisa de amigos


Trabalha para uma atividade de grupo
Lidera e organiza
Geralmente está certo
Sobressai-se nas emergências

A Personalidade do Sereno
Fleugmático
O Introvertido • O Observador • O Pessimista

FORÇAS

AS EMOÇÕES DO
SERENO FLEUGMÁTICO

Personalidade apagada
Acomodado e relaxado
Calmo
Paciente, equilibrado
Vida coerente
Quieto mas engraçado
Compassivo e bom
Mantém as emoções sob controle
De bem com a vida
Pessoa de todas as horas

O SERENO FLEUGMÁTICO
COMO PAI

É um bom pai
Reserva tempo para os filhos
Não tem pressa
Aceita tanto o ruim como o bom
Não se agita facilmente

O SERENO FLEUGMÁTICO
NO TRABALHO

Competente e estável
Pacífico e amável
Habilidade administrativa
Medeia problemas
Evita conflitos
Bom sob pressão
Encontra a maneira fácil

O SERENO FLEUGMÁTICO
COMO AMIGO

De fácil convivência
Agradável
Inofensivo
Bom ouvinte
Senso de humor irônico
Gosta de observar as pessoas
Tem muitos amigos
Tem compaixão e cuidado
CAPÍTULO 3

Vamos nos Divertir com o


Popular Sanguíneo

Oh, como este mundo precisa do popular


sanguíneo!

O auge da alegria em tempos de


dificuldade.
O toque de inocência numa era cansada.
Uma palavra espirituosa na hora mais
difícil.
O auge do humor nas tribulações.
O raio de esperança para afugentar nuvens
negras.
O entusiasmo e a energia para recomeçar,
várias vezes.
A criatividade e o charme para colorir um
dia incolor.
A simplicidade de uma criança em
situações complexas.

O popular sanguíneo balança-se numa estrela,


apanhando raios de lua para levar para casa.
O popular sanguíneo adora as fantasias da
vida e quer que tudo termine bem.
Os Populares Sanguíneos típicos são
emotivos e espontâneos, fazem brincadeira no
trabalho e adoram estar com outras pessoas.
Os Populares Sanguíneos veem animação em
cada experiência, narram essas experiências
com descrições coloridas e são também
extrovertidos e otimistas.
Certa vez, dirigindo na estrada com meu
filho Fred, um perfeito melancólico, notei que
as margens da estrada estavam repletas de
margaridas. “Veja aquelas lindas flores” —
exclamei. Quando Fred olhou, o seu olhar
recaiu sobre uma erva daninha e suspirou:
“Sim, mas veja aquele mato.” Pensou um
momento e depois perguntou: “Por que é que
a senhora sempre vê as flores e eu, o mato?”
O temperamento Popular Sanguíneo sempre
vê as flores. Os Populares Sanguíneos sempre
esperam o melhor.

Crianças de Temperamento
Popular Sanguíneo
Como nascemos com os nossos padrões de
temperamento, as características de cada um
mostram-se desde muito cedo. Por natureza,
os Populares Sanguíneos procuram diversão e
brincadeiras e, desde pequenos, são curiosos
e alegres. O nenê popular sanguíneo brinca
com tudo o que vem à mão, ri e faz sons de
contentamento e adora estar com pessoas.
A nossa filha Marita é um Popular
Sanguíneo e sempre teve senso de humor
encantador. Seus olhos grandes brilharam na
primeira vez que abriram. Recentemente,
revimos retratos antigos e pudemos ver
aquele olhar travesso, um olhar que muitas
vezes provocou encrencas, mas que sempre
fez de Marita um amor de pessoa. Sua boca
estava sempre funcionando e apresentava
talento criativo em abundância. Coloria tudo
o que encontrava, inclusive as paredes.
Quando mudamos de Connecticut, eu queria
trazer a parede do porão comigo, pois estava
decorada com muitas marcas azuis de
mãozinha que Marita fizera depois de
derramar um pote de tinta no chão.
Atualmente, Marita é consultora de cores e
uma preletora eletrizante.

Personalidade Atraente
Os Populares Sanguíneos podem não ter mais
talento ou oportunidade que outros
temperamentos, mas sempre parecem
divertir-se mais. A sua personalidade
efervescente e seu carisma nato atraem as
pessoas. Crianças populares sanguíneas têm
muitos seguidores porque querem estar onde
há atividade. Quando criança, Marita sempre
estava fazendo alguma coisa criativa.
Enquanto os outros brincavam com os
carrinhos, ela construía uma cidade inteira na
ladeira de nosso quintal. Sob sua direção, os
amigos construíram ruas e aplanaram
terrenos. O seu primeiro prédio foi um banco
repleto de dinheiro de brincadeira. Para
brincar, cada criança tinha de dar um dólar
verdadeiro para comprar ações do banco e
receber dinheiro de brincadeira. Com o
dinheiro verdadeiro, ela comprou blocos de
plástico e equipamentos e vendeu-os aos
outros para construir as casas. Cada terreno
tinha um preço diferente, conforme o local na
cidade, e as crianças com mais dinheiro
tinham os melhores lotes.
Havia crianças no quintal gritando o tempo
todo. Eu não sabia que dinheiro verdadeiro
estava envolvido, até que Fred, de cinco anos,
tentou vender-me um buquê de flores
silvestres para ganhar o dinheiro para
participar. Havia morros nos outros quintais
onde cada criança poderia construir a sua
própria cidade, mas Marita havia proclamado
esta ladeira “propriedade de primeira” e era
aquele o único lugar para morar.
A medida que os Populares Sanguíneos
crescem, continuam a atrair atenção. Tornam-
se animadores de torcidas, em dramatizações
desempenham os papéis principais e são
votados como os mais populares. Em
escritórios atraem atenção, planejam festas e
fazem a decoração para o Natal. Quando a
vida parece monótona, providenciam
agitação.
Como mães, os Populares Sanguíneos
agitam o lar e atraem os filhos como o
Flautista de Hamelin. Como os Populares
Sanguíneos brilham de acordo com o
tamanho do grupo, tendem a guardar o
melhor de si para as maiores audiências.
Muitos preferem ler uma história
gesticulando para uma sala cheia de crianças
a compartilhá-la somente com os próprios
filhos.
Num seminário, uma senhora chamada
Mary Alice contou-me que se tornou, de fato,
a estrela da vizinhança — e da cidade —
quando descobriu que por cinquenta e dois
dólares ela poderia comprar 400 balões e um
tanque de gás hélio. Durante a festa de
aniversário do filho, as crianças se revezaram
enchendo os balões e soltando-os no ar.
Quando os 400 balões flutuavam sobre a
cidade, o nome dela estava na boca do povo.
Às vezes, as atividades dos Populares
Sanguíneos excedem os limites. Certa mãe
criativa contou-me que era popular com as
crianças da vizinhança porque sempre havia
alguma coisa nova acontecendo em sua casa.
Um dia, ela contou aos visitantes que havia
um bando de elefantes no quintal e que
deveriam esconder-se. A campainha tocou e
ela atendeu de joelhos. Uma menina
perguntou-lhe por que estava arrastando-se
assim e ela contou que era por causa dos
elefantes no quintal. As crianças ficaram
quietinhas, enquanto a mãe espiava o quintal
de vez em quando. As cinco horas da tarde,
ela disse que podiam ir para casa porque os
elefantes tinham ido embora.
Mais tarde, soube que uma menina, em
casa, contara à mãe que ela se arrastara pela
casa, a tarde toda, porque havia elefantes no
quintal. A mãe castigou-a por mentir.
Cuidado, Populares Sanguíneos, para as
suas diversões e brincadeiras não irem longe
demais!

Tagarela, contador de histórias


A maneira óbvia de descobrir um Popular
Sanguíneo é escutar qualquer conversa em
grupo e notar a pessoa que fala mais e mais
alto. Enquanto os outros temperamentos
conversam, o Popular Sanguíneo conta
histórias.
Quando morávamos em New Haven,
Connecticut, a prefeitura construiu um
estacionamento coberto com sete andares.
Um dia antes do Natal, estacionei o carro
nesse prédio de concreto cinzento, que mais
parecia uma penitenciária aberta, e saí para
fazer compras - Populares Sanguíneos, por
possuírem curta memória, tem dificuldade em
encontrar coisas perdidas como carros, por
exemplo. Quando saí da loja Macy’s e
enfrentei aquela fortaleza, não fazia a mínima
ideia do lugar em que havia deixado meu
carro!
Uma coisa boa sobre a mulher Popular
Sanguínea é que ela tem um olhar indefeso e
geralmente atrai a atenção. Seguindo à risca o
padrão, fiquei em pé olhando os sete andares,
imaginando por onde começar. Um rapaz
muito bonito ia passando e vendo que estava
perplexa, segurando muitos pacotes,
perguntou:
— Qual o problema, amor?
— Perdi o meu carro neste estacionamento.
— Que tipo de carro é?
— Bem, isso é parte do problema. Não sei.
— Você não sabe que tipo de carro tem?
— perguntou num tom de descrédito.
— Bem, possuímos dois, e eu não sei qual
deles eu estava dirigindo hoje.
Ele pensou um momento e depois disse:
— Deixe-me ver suas chaves e talvez eu
possa descobrir de que tipo é.
Esse pedido não foi fácil de atender,
porque eu tinha de colocar todos os pacotes
no chão e esvaziar a minha bolsa na calçada,
antes de achar os dois molhos de chaves.
Nesse intervalo, um outro homem, vendo-me
de joelhos na calçada, perguntou:
— Qual é o problema?
O primeiro homem disse:
— Ela perdeu o carro aqui neste
estacionamento.
Ele fez a mesma pergunta que o outro:
— Que tipo de carro é?
— Ela não sabe.
— Ela não sabe? Então como é que vamos
encontrá-lo?
Eu expliquei antes de os dois desistirem:
— Ou é um conversível amarelo com
estofamento preto e controles vermelhos, ou
um carro azul-marinho grande com assentos
de veludo no mesmo tom.
Ambos balançaram as cabeças, apanharam
os meus pacotes e me levaram até o
estacionamento. Enquanto vasculhávamos os
sete andares, outras pessoas que queriam
ajudar se juntaram a nós e fizemos amizade.
Quando finalmente encontramos o
conversível amarelo com a placa FLO,
éramos tão bons amigos que desejei fundar
um clube e ser a presidente.
Voltei depressa para casa querendo contar
ao Fred cada pormenor dos meus momentos
maravilhosos de esconde-esconde na
garagem. Quando terminei, após 15 minutos,
esperava que ele dissesse: "Foi maravilhoso
como todos aqueles homens ajudaram a
minha mulherzinha.” Mas não. Ele sacudiu a
cabeça seriamente e suspirou: “Tenho
vergonha de ser casado com uma mulher tão
distraída que consegue perder o carro numa
garagem.”
Logo aprendi a guardar as minhas histórias
para contar àqueles que apreciariam meu
senso de humor.

A Alma da Festa
Os Populares Sanguíneos têm o desejo
inerente de ser o centro das atenções e este
traço, aliado às suas histórias animadas, faz
deles a “alma” de qualquer festa. Quando
meu irmão, Ron, era adolescente e eu sua
professora de teatro, planejávamos pequenas
peças para as festas do colégio. Eu lhe dava
resumos de acontecimentos atuais e ele criava
as piadas ou peças adequadas. Quando o
assunto surgia numa conversa, estávamos
prontos com o nosso humor “espontâneo”. A
medida que a nossa fama se espalhava (mas
não o nosso segredo), as pessoas nos
subornavam — e até nos pagavam — para
irmos às suas festas.
Recentemente, no jornal Los Angeles
Times um artigo intitulado “Aluga-se um
convidado” contava sobre pessoas charmosas
e bem-humoradas que eram pagas para irem
às festas assegurarem o sucesso das mesmas.
Que ocupação para um Popular Sanguíneo:
frequentar festas todas as noites e ser pago
para isso!
Se você não pode se dar ao luxo de alugar
um Popular Sanguíneo, cultive então a
amizade de alguns e sempre convide pelo
menos dois para seus jantares. Não deixe,
entretanto, os dois se sentarem juntos para
que os outros convidados não se sintam
rejeitados. Coloque-os nas extremidades
opostas da mesa para que não passem a noite
se divertindo juntos.
Memória para Cores
Apesar de os Populares Sanguíneos não terem
facilidade para decorar nomes, datas, lugares
e fatos, têm uma habilidade excepcional para
lembrar os pormenores da vida. Embora não
se lembrem do “miolo” do discurso, saberão
que a preletora estava usando um vestido
roxo, estampado com pavões na frente e uma
lua dourada surgindo sobre um seio. Talvez
nem lembrem se estiveram numa igreja ou
num salão, mas podem dar a descrição da
regente do coral que se esqueceu de usar uma
anágua e ficou, inconvenientemente, de
pernas afastadas na frente das luzes,
mostrando a transparência de sua roupa.
Eu nunca tive muita memória para nomes,
mas posso me lembrar de detalhes sobre as
ocupações das pessoas. Quando nossa filha
Lauren era jovem e trazia vários namorados à
nossa casa, criei uma maneira de me lembrar
deles ao fazer da ocupação de cada um o seu
sobrenome. Começou com um David que era
dono de uma loja de bicicletas e tinha um
nome bem comprido com um Z no meio. Até
hoje não consigo pronunciar seu nome, por
isso apelidei-o de “David Bicicleta”,
distinguindo-o de “David Câmera”, que era
fotógrafo. “Dee Avião” era piloto, e você
pode imaginar o “Don Força Aérea”. “Bob
Águas” trabalhava na companhia de
abastecimento de água, “Ron Empréstimo”
no banco e “Jeffrey Desempregado" não
trabalhava. A Lauren casou-se com “Randy
Moeda”, um numismata, e agora tem
“moedinhas”.
Com Marita segui o mesmo padrão: ela
trouxe, do supermercado para casa, o “Jimmy
Verdura”, seguido por "Paul Polícia”, “Peter
Pintor”, dono de uma firma de tintas, e
“Manny Dinheiro” que era rico.
Só os Populares Sanguíneos conseguem
pegara fraqueza da memória curta e
transformá-la em tradição familiar.

Segura o Ouvinte
Como os Populares Sanguíneos são pessoas
calorosas, tendem a abraçar, beijar, dar
tapinhas e afagar os amigos. Esse contato é
tão natural para eles que nem veem os
Perfeitos Melancólicos se escondendo pelos
cantos, quando se aproximam de braços
abertos.
Eu e minha filha, Marita, somos Populares
Sanguíneos, e adoramos abraçar-nos. Como
trabalhamos juntas, vemo-nos sempre no
escritório e apreciamos esse contato
constante. Um dia, Marita saiu para almoçar
com uma amiga e fazer compras numa loja de
departamentos. No meio da tarde eu fui à loja
e vi Marita no balcão de cosméticos. Minha
reação instintiva foi chamar: “Marita, meu
amor!” Ela correu ao meu encontro, dizendo
“Mãezinha”. Abraçamo-nos como amigas
que há muitos anos não se viam e nos
beijamos sobre um tabuleiro de talco. A
balconista aguardava imóvel quando Marita
explicou: “Esta é minha mãe.”
— Logo vi — disse ela. Desde quando não
se veem?
Eu e Marita respondemos, juntas:
— Há duas horas.
— Puxa — disse ela ofegante. Pensei que
fizesse pelo menos um ano.
Os Populares Sanguíneos não só gostam de
abraçar, mas também de segurar as pessoas
com quem conversam, para terem um contato
cordial e assegurar que seu ouvinte não
escape. Não há nada mais prejudicial
psicologicamente para o Popular Sanguíneo
do que perder a audiência antes do clímax.

Bom no Palco
À medida que começar a entender os
temperamentos, você vai notá-los em todas as
áreas da vida. O uso correto deste
conhecimento vai ajudá-lo a evitar erros e vai
lhe dar um instrumento para identificar as
pessoas devidamente. O Popular Sanguíneo
tem um senso nato do dramático e uma
atração magnética pelo palco e a lente de uma
câmera. Procuram animação e se tornam mais
criativos se a festa parecer estar morrendo.
Os Populares Sanguíneos atuam bem como
recepcionistas, mestres de cerimônia,
anfitriões e presidentes de clubes. Podem ser
hilariantes e estimulam entusiasmo na
maioria dos corações. Dar uma plateia ao
Popular Sanguíneo é a oportunidade que ele
precisa para produzir um roteiro!

Olhos Arregalados e Inocente


O Popular Sanguíneo é o único temperamento
que sempre parece ser inocente, de olhos
arregalados para o mundo. Os Populares
Sanguíneos são ingênuos e mantem uma
simplicidade infantil até a velhice. Não são
menos inteligentes que os outros
temperamentos; só que às vezes parecem
assim.
Uma amiga minha, Paty, é um exemplo
perfeito. Ela tem grandes olhos castanhos e,
para destacá-los ainda mais, usa cílios
postiços, que fazem com que pareçam estar
sempre debaixo de um par de toldos.
Qualquer coisa que você diga a Paty, ela
pisca e responde: “Puxa, nunca pensei nisso
antes!”
Um dia meu marido me perguntou: “Será
que a Paty nunca ouviu falar a respeito de
nada?” Para o Popular Sanguíneo, tudo é
novo.

Entusiástico e Expressivo
Os Populares Sanguíneos são pessoas
emotivas e demonstram seu otimismo e
entusiasmo sobre quase tudo. O que você
mencionar querem fazer e, para onde você
quiser ir, também querem ir. Mexem-se,
pulam, balançam e esperneiam. Um
conhecido pastor Popular Sanguíneo fica tão
empolgado com os seus sermões que acha
ruim segurar a Bíblia com uma das mãos,
sobrando-lhe apenas uma para gesticular. O
que ele faz? Balança-se na ponta dos pés e dá
chutes no ar. Se o assunto não for de seu
agrado, você pode-se entreter com a dança
dele, imaginando quando irá cair.
Uma moça descreveu sua família Popular
Sanguínea com esta frase: “Crescemos num
lar onde as emoções pingavam das paredes.”
Uma amiga minha, Connie, é dona de
vários salões de beleza, e me contou que
gosta de contratar cabeleireiras de
temperamento Popular Sanguíneo porque são
as únicas pessoas que podem manter o
entusiasmo o dia todo, apesar de escutarem
todos os problemas das clientes: “À tarde as
suas áreas de trabalho estão uma bagunça, os
objetos espalhados pelo chão, e tomam
emprestados os pentes umas das outras. Mas
chegam sãs c salvas ao fim do dia, e eu tenho
uma faxineira que vem todas as noites para
arrumar a desorganização delas.”
A palavra extraordinário deve ter sido
criada para descrever Populares Sanguíneos,
porque todos os seus pensamentos e palavras
ficam além do ordinário, definitivamente
extra. Miss Piggy (uma personagem de
programa infantil) acertou uma verdade
Popular Sanguínea quando disse certa vez:
“Demais nunca é o bastante.”

Curioso
Os Populares Sanguíneos são curiosos a
respeito de tudo, não querem perder nada.
Nas festas, se um está conversando em um
canto e ouve o seu nome em outra conversa, é
capaz de parar no meio da frase e virar-se na
direção da outra Voz. Muitas vezes o Popular
Sanguíneo é como um rádio do qual alguém
está girando o botão bem depressa de uma
estação para outra. A mente do Popular
Sanguíneo voa de uma conversa para outra
para não perder nenhum pormenor.
Sempre querem saber de tudo. Segredos
levam-nos à loucura. Procuram os presentes
de Natal e sempre descobrem festas-surpresa.
O Popular Sanguíneo sempre quer
investigar tudo sobre aquilo que desconhece.
Uma senhora me contou que havia mandado
colocar um novo telhado na casa dela e, por
não saber como era feito, resolveu subir até
lá. Imagine a surpresa dos operários quando
ela surgiu no telhado e se arrastou até a
chaminé. Tentaram convencê-la a descer
antes que caísse, mas ela disse que queria
saber como faziam o serviço. Um homem
ajudou-a a sentar-se na bota da chaminé de
onde poderia ver. Ela ficou perguntando e
gesticulando com tanto entusiasmo que caiu
para trás, dentro da chaminé. Gritou e os
homens tentaram tirá-la. Foram necessários
quatro homens para retirá-la. Esfolou as
costas nos tijolos e sua, calça branca ficou
preta de fuligem. Enquanto os homens
ajudavam-na a descer a escada, um deles
disse: “Não precisamos de sua cena de Mary
Poppins aqui em cima.”

Sempre uma Criança


Os Populares Sanguíneos mantêm o seu jeito
infantil porque foram crianças adoráveis.
Receberam muita atenção por parte dos país e
professores e não querem perder a posição de
“centro das atenções”. Outra razão é que
realmente não querem amadurecer. Enquanto
outros temperamentos desejam deixar para
trás a criancice, o Popular Sanguíneo gosta da
vida de faz-de-conta. Todas as meninas são
Cinderelas e os meninos são Príncipes
Encantados. Nas histórias, os Príncipes
Encantados nunca trabalham. Somem nos
seus cavalos brancos com o pôr-do-sol, mas
nunca precisam procurar emprego. A idade
traz responsabilidades, e os Populares
Sanguíneos instintivamente preferem evitaras
responsabilidades até não poderem mais.

Oferece-se para Serviços


Como os Populares Sanguíneos querem
ajudar e ser benquistos, oferecem-se para
fazer coisas sem pensar nas consequências.
Uma noite, duas senhoras, Linda e Vonice,
estavam conversando sobre o problema de
encontrar com quem deixar as crianças
quando queriam sair. Linda precisava de
sugestões para encontrar alguém que ficasse,
à noite, com os cinco filhos. Vonice, Popular
Sanguínea, disse: “Não se preocupe, Linda,
encontraremos alguém.” No momento de
necessidade, Linda ligou para Vonice para
que ela a ajudasse e descobriu que Vonice
havia viajado para passar um mês de férias na
Europa.
Não conte com a nossa ajuda, Populares
Sanguíneos, porque nós podemos não nos
lembrar do que nos oferecemos para fazer.
Uma noite, quando eu e Fred estávamos
ensinando sobre os temperamentos a um
grupo em Nova Iorque, mencionei como os
Populares Sanguíneos se oferecem para
ajudar e não se lembram disso depois. Por
exemplo, eu disse: “Se um Popular
Sanguíneo tivesse se oferecido para preparar
o café para nosso lanche de hoje à noite,
descobriríamos que ele havia se esquecido de
acender o fogo.” Nesse momento, uma moça
adorável, bem na fileira da frente, gritou,
correu lá para trás e entrou na cozinha. Era
um Popular Sanguíneo, havia-se oferecido
para preparar o café e havia esquecido de
acender o fogo. Não tomamos café naquela
noite. Os Populares Sanguíneos adoram
oferecer-se para serviços, e são sinceros, mas,
se você quiser o café, é melhor você mesma ir
acender o fogo!

Criativo e Colorido
A mente do Popular Sanguíneo está sempre
tendo novas e emocionantes ideias. Cada
novo dia traz diferentes desafios para serem
enfrentados. Em qualquer reunião de comitê,
é o Popular Sanguíneo que tem as ideias, vê
como decorar o salão e escolhe um tema
original e emocionante para o projeto.
Quando Lauren estava no segundo grau,
disse à professora: “A minha mãe sempre faz
coisas especiais para festas.” E escolheram-
me como “Mãe da turma”. Meu primeiro
grande projeto foi a Festa do Dia das Bruxas,
e Lauren ficou me lembrando de que havia
prometido que eu faria algo muito diferente.
Essa confiança infantil estimulou minha
criatividade e comecei a planejar uma festa
de que os alunos do segundo grau jamais se
esqueceriam. Lauren ria das mães que
traziam refresco e copos descartáveis, então,
planejei colocar suco de laranja em um
grande recipiente de vidro e servi-lo em
pequenas xícaras de cristal. Visualizei a cena:
flutuando no suco haveria um anel de gelo
com doces em formato de abóboras
congeladas dentro. No dia da festa, fui à
confeitaria pegar a encomenda dos bolinhos
com gatinhos pretos, os guardanapos
especiais e os chapeuzinhos para cada criança
usar. Preparei doze litros de suco de laranja e
coloquei o anel de gelo em cima. Os bolinhos
estavam de um lado e o suco do outro lado do
carro.
Sendo popular sanguínea, naturalmente
estava atrasada. Vesti-me com a roupa
alaranjada que fizera para a festa e dei ré.
Quando entrei de ré na rua, outro carro
passou voando e freei. Ouvi como se fossem
as ondas do mar, e sabia que a festa das
crianças tinha acabado. Olhei para trás e vi
um mar de suco de laranja no qual vinte e
oito gatinhos pretos em seus bolinhos
tentavam não se afogar.
Os Populares Sanguíneos sempre podem
ter ideias criativas e coloridas, mas precisam
de amigos racionais para ajudarem a executá-
las.

Inspira e Encanta os Outros


Devido à abundância de energia e
entusiasmo, os Populares Sanguíneos tendem
a atrair e inspirar os outros. Harry Truman
(um ex-presidente dos Estados Unidos) certa
vez disse que “liderança é a habilidade de
motivar os outros a trabalhar e de fazer com
que gostem do trabalho.” Essa declaração
resume a natureza dos Populares Sanguíneos
e demonstra o seu jeito sutil de liderança. O
Popular Sanguíneo eficiente encanta os
outros com suas ideias a ponto de fazer com
que eles as concluam produtivamente. A
medida que o Popular Sanguíneo começa a se
entender, ele percebe que é um iniciador, mas
precisa de amigos que sejam os finalizadores.
Políticos Populares Sanguíneos têm o dom
de inspirar a confiança dos seus constituintes
a ponto de fazerem o trabalho por eles. Um
Popular Sanguíneo bem astuto pode ter
pessoas pedindo para trabalharem de graça
para ele. Meu irmão, Ron, tinha esse dom
desde pequeno, e eu reconheci sua habilidade
de encantar e motivar, muito antes de ouvir
falar sobre Populares Sanguíneos. Ron usava
seu humor e encanto para se esquivar do
trabalho sempre que possível. Durante a
Guerra da Coréia, Ron alistou-se no exército
e foi mandado à Coréia num enorme navio de
tropas. Na sua primeira noite a bordo ouviu o
anúncio: “Amanhã de manhã todos se reúnam
no convés para receber as tarefas que cada
um deverá executar até o final da viagem”.
Como os Populares Sanguíneos evitam o
trabalho a todo custo, Ron começou a
imaginar um meio de escapar do trabalho de
lavar o convés. Na manhã seguinte, quando
as tropas foram chamadas, Ron pegou uma
prancheta com papel e caneta e ficou ao lado
do sargento que estava dando as ordens. A
medida que o sargento lia os nomes e tarefas,
“Vocês dez para os banheiros, vocês vinte
para raspar tinta”, Ron o encorajava e fazia
anotações. Depois que todos os homens, com
exceção de Ron, foram divididos em equipes
de trabalho, o sargento perguntou-lhe: Qual o
seu trabalho aqui?”
— Estou à frente do “Show de Talentos”
— respondeu com voz de autoridade.
— Não sabia que havia um “show”
programado — disse o sargento, espantado.
— Oh, sim — assegurou Ron — Teremos
um “show’ emocionante na última noite,
antes de atracarmos. Vai levar a viagem
inteira para planejá-lo. Por falar nisso, o
senhor fez um ótimo trabalho em organizar as
tarefas. Até logo.
Com essas palavras positivas, Ron afastou-
se para começar quinze dias de férias
agradáveis. Enquanto andava pelo convés,
vendo os outros a rasparem tinta, perguntava
aos homens se tinham talento. É
impressionante como homens que não
conseguem cantar em terra tornam-se
cantores no mar, e Ron anotou uma lista de
participantes na prancheta. Ele os convocou
na última tarde para um ensaie e desenvolveu
a sua própria apresentação humorística.
Naquela noite, todo mundo assistiu de bom
grado. Nunca ninguém questionou sua
designação e o “show” foi o clímax hilariante
de uma viagem tediosa. Poucas semanas
depois, Ron recebeu do governo um
pergaminho, reconhecendo-o como o homem,
no navio, que mais levantou o moral das
tropas.
Somente um Popular Sanguíneo poderia
passar duas semanas sem fazer nada e ainda
receber uma menção por isso.

Faz Amizades com Facilidade


Não há estranhos para o Popular Sanguíneo,
porque este, ao cumprimentar alguém, torna-
se seu amigo. Enquanto outros hesitam ou os
evitam, o Popular Sanguíneo puxa conversa
com qualquer pessoa disponível. Enquanto
estou na fila do supermercado, sempre
começo a falar com alguém, só preciso olhar
o carrinho de outra pessoa e tenho assunto.
Um dia, quando estava na fila com meu
filho Perfeito Melancólico, notei que a
senhora à minha frente tinha o carrinho cheio
de pães. Achei fora do normal e logo
perguntei por que comprara tanto pão. Ela me
contou que ia a um jantar da igreja e fora
designada para levar o pão. Perguntei qual
igreja ela frequentava, e logo estávamos num
debate profundo sobre religião. Ambas
achamos proveitoso o debate e nos
despedimos como amigas. A caminho do
carro, meu filho Fred disse:
— É tão embaraçoso ir ao supermercado
com a senhora!
Bem inocente, perguntei:
— O que você quer dizer?
— Você perguntou àquela senhora porque
tinha comprado tanto pão. Não é da sua conta
porque alguém compra pão. Não quero mais
ficar em filas com você.
Embora O Popular Sanguíneo ache
vantajosa sua natureza amigável, alguém de
outro temperamento pode não concordar com
isso. Uma noite, Fred e eu saímos para jantar
fora com outro casal. Tive de ir ao banheiro.
Quando estava lavando as mãos, notei uma
moça sentada sozinha no sofazinho.
— Está tudo bem? — perguntei.
Ela deu um suspiro e começou a soluçar.
Então, sentei-me a seu lado. Era uma recém-
casada e tivera uma briga com o esposo. Eu
analisei o problema, disse como fazer as
pazes, e mandei-a de volta ao marido.
Quando voltei para minha mesa, Fred
perguntou por que demorara e eu expliquei
como fizera amizade com aquela nova amiga
que precisava de ajuda. A senhora que estava
conosco me olhou com olhos cheios de horror
e perguntou: Não é perigoso fazer amizades
no banheiro?"
Pode ser para outros temperamentos, mas
um Popular Sanguíneo faz amizades
facilmente em qualquer lugar, até no
banheiro.

Parece Animado
Os Populares Sanguíneos têm a habilidade de
fazer as coisas com elegância; por isso
parecem estar vivendo vidas mais excitantes
do que seus amigos. Não que seja tão
diferente o que fazem, mas o seu jeito de
contar as experiências acrescenta brilho aos
fatos.
Certa vez um Popular Sanguíneo sentou-se
ao meu lado num avião e começou a falar
sobre algumas estrelas de Hollywood, dando
a impressão de ser íntimo de todas elas.
— Não foi horrível o que aconteceu com a
Joan Crawford? Aquela, sim, era uma dama.
Que vazio a morte dela deixou na cidade!
Quando perdemos Susan Hayward, sabia que
Hollywood estava morta. A última vez que
estive no aeroporto com ela, estava linda. Eu
a segui no detector de metais e não consegui
tirar os olhos de seu cabelo ruivo. Andava
como uma rainha. Quando perdermos Bette
Davis, saberemos então que tudo acabou!
Quando ele parou para respirar, perguntei
se era um produtor de Hollywood e ele
respondeu:
— Oh, não, queria ser; mas vejo muito as
estrelas porque sou balconista da American
Airlines.
Aqui um Popular Sanguíneo estava me
fazendo declarações pessoais sobre as rainhas
de Hollywood, vistas da sua posição de
balconista. As coisas que os Populares
Sanguíneos fazem sempre parecem
emocionantes e invejáveis, quando, na
realidade, eles podem ter menos experiências
excitantes do que quem está ouvindo.
O Popular Sanguíneo tem a habilidade
instintiva de transformar qualquer simples
tarefa em um grande evento. Uma noite,
quando toda a família estava reunida na casa
da minha filha Lauren, Marita decidiu
preparar pipocas. Ela foi para a cozinha,
seguida pelo sobrinho, Randy, de quatro
anos. Depois de dez minutos, Randy voltou à
sala com os alhos enormes, brilhando como
faróis, e disse:
— Venham ver a pipoca. Está pipocando
por todos os lados!
Corremos até a cozinha onde vimos as
pipocas explodindo na panela como mísseis
de algodão. Cada um de nós pegou uma tigela
e tentamos pegar as pipocas que pulavam por
toda a cozinha. Marita havia colocado milho
demais na panela, ligado o fogo e ido ao
banheiro, deixando Randy tomando coma. O
erro virou uma festa gostosa com todos
correndo atrás das pipocas que voavam em
todas as direções. Até hoje Randy acha que a
pipoca da tia Marita é o único tipo a ser feito!

O coração alegre serve de bom remédio...


Provérbios 17:22
CAPÍTULO 4

Vamos nos Organizar


com o Perfeito Melancólico

Oh, como o mundo precisa do Perfeito


Melancólico!

Profundidade para ver dentro do coração e


do ânimo da vida.
Natureza artística para apreciar a beleza do
mundo.
Talento para criar uma obra-prima onde
nada existia antes.
Habilidade para analisar e chegar à solução
adequada.
“Olho clínico” para detalhes enquanto
outros fazem trabalho inferior.
Objetivo para terminar o que outros
começaram.
Voto de “Se vale a pena fazer, então vale a
pena fazer direito”.
Desejo para “fazer tudo com decência e
ordem”.

Antes de eu entender os temperamentos, não


apreciava as pessoas diferentes de mim.
Queria uma vida de divertimentos e
preocupava-me demais comigo mesma para
perceber as minhas próprias deficiências ou
querer ajuda. À medida que comecei a
analisar-me, percebi que sou “boa em
começar”, mas não tenho muita perseverança.
Comecei a apreciar a profundidade de Fred,
sua sensatez, sua organização e suas listas.
Pude ver, então, como precisava de um
marido como ele e de amigos Perfeitos
Melancólicos que pudessem ver abaixo da
superfície da vida.
Mesmo quando criança, o Perfeito
Melancólico parece estar ponderando coisas.
É quieto, acomodado e gosta de ficar sozinho.
Segue horários desde o começo e responde
melhor a um pai bem organizado. Não gosta
de barulho e confusão, nem de ser carregado
para lá e para cá e não se adapta bem a
alterações em sua rotina.
Quando adotamos nosso filho, Fred, nada
sabíamos sobre temperamentos e não
reconhecíamos a sua natureza Perfeita
Melancólica. A assistente social disse-nos
que ele era um nenê sério, que nunca sorria e
que, aos três meses, parecia estar analisando
todos os que passavam. Esses traços se
mantiveram constantes em sua vida. Como
adolescente, ele é sério e responsável, e
muitas vezes fica aborrecido com a atitude
frívola de Marita. Ele acha a vida pouco
divertida e impossível sorrir pela manhã.
Ainda é introspectivo e analítico e, mesmo
vivendo numa família de extrovertidos fortes,
o seu temperamento não mudou.
Como adulto, o Perfeito Melancólico é o
pensador. É o homem ou a mulher de
propósitos sérios, dedicado à ordem e
organização, apreciador da beleza e da
inteligência. Não corre atrás de diversão, mas
analisa o melhor plano para a sua vida. Sem o
perfeito melancólico, teríamos pouca poesia,
arte, literatura, filosofia ou sinfonias. Iriam
faltar-nos cultura, refinamento, bom gosto e o
talento tão enraizados em suas naturezas.
Teríamos menos engenheiros, inventores,
cientistas; os livros-caixa estariam perdidos e
as contas, incorretas.
Os Perfeitos Melancólicos são a alma, a
mente, o espírito, o coração da humanidade.
Oh, como o mundo precisa do Perfeito
Melancólico

Profundo, Pensativo, Analítico


Nas áreas em que o Popular Sanguíneo é
extrovertido, o Perfeito Melancólico é
introvertido. Enquanto o Popular Sanguíneo
quer conversar e expor tudo, o Perfeito
Melancólico é profundo, quieto e pensativo.
O Popular Sanguíneo vê o mundo através de
óculos cor-de-rosa enquanto o Perfeito
Melancólico nasceu com uma natureza
pessimista, que faz com que veja problemas
antes de acontecerem e some o custo antes de
construir. O Perfeito Melancólico sempre
quer ir fundo, ao miolo do assunto. Não
aceita as coisas à primeira vista, mas vai atrás
da verdade escondida.
Enquanto o Popular Sanguíneo está
conversando, o Forte Colérico fazendo e o
Sereno Fleugmático assistindo, o Perfeito
Melancólico está pensando, planejando,
criando e inventando. Os Perfeitos
Melancólicos sacrificam-se numa rotina
monótona se podem ver um resultado no
futuro. A criança de temperamento Perfeito
Melancólico pode sentar hora após hora ao
piano treinando escalas, aperfeiçoando a
técnica, enquanto o Popular Sanguíneo
ensaiaria “O Pastorínho” duas vezes e iria
brincar.
O mecanismo interno da mente é
importante para o Perfeito Melancólico.
Começam do berço a observar a vida ao seu
redor. Como crianças, têm brinquedos para
serem examinados e jogos a serem
analisados. Precisam trabalhar com as mãos,
chegar a soluções de problemas complicados
e planejar lazer sério, com algum objetivo.
No colégio, os Perfeitos Melancólicos
gostam das redações, de pesquisas e preferem
trabalhar sozinhos porque a conversa só
atrasa o progresso. Gostam de assuntos que
supõem nunca terem sido investigados a
fundo, e reagem bem a um professor
organizado que dirige as atividades do dia de
uma maneira lógica.
Quando criança, meu marido, Fred, era o
único de sua família que gostava de lavar a
louça. Gostava de analisar o método para
poder melhorar cada vez. Quando nos
encontramos pela primeira vez, ele estava
treinando para ser gerente dos Restaurantes
Stouffer’s em Nova Iorque, e utilizando ao
máximo os seus dons de análise. Ainda
gostava de lavar a louça e era o único do seu
grupo de treinamento a esperar com gosto o
treinamento na lavanderia. Gostava de entrar
no caos da lavanderia na hora do almoço,
organizar tudo e incentivar os empregados à
vitória!
Às vezes exagerava esse talento. Numa
ocasião, logo depois de nos casarmos, ele me
observava a lavar a louça e fez este
comentário: “Você gastou quarenta e dois
movimentos desnecessários.” Provavelmente
eu tinha gasto, mas certamente não queria
ouvir falar sobre eles!
Um dos talentos de Fred de que o
Stouffer’s mais gostava era sua habilidade de
analisar problemas no restaurante e resolvê-
los discretamente. Como executivo aspirante,
orgulhava-se de poder ficar numa
extremidade da sala de jantar e ver o laço da
garçonete que precisava ser recomposto, o
quadro que estava fora de nível, o saleiro fora
do centro da mesa, a cadeira fora do lugar.
Depois viria para casa com aquele olhar —
você sabe o resto.
Geralmente Perfeitos Melancólicos
encontram ocupações e carreiras em que seus
talentos se destacam. Analisam os problemas
existenciais e lotam grupos de pesquisa.
Essas mentes profundas, pensativas, e as
naturezas analíticas são traços positivos, mas,
quando lavados ao extremo, fazem o Perfeito
Melancólico ponderar sobre problemas e
estar avaliando sempre a atuação de todo
mundo. Sob o olhar atento do Perfeito
Melancólico, outros poderiam ficar nervosos
e agitados.

Sério e Cheio de Propósito


Os Perfeitos Melancólicos são pessoas sérias
que traçam planos a longo prazo e querem
fazer somente as coisas com resultados
eternos. Infelizmente, em geral, casam-se
com pessoas que gostam de diversão e ficam
deprimidos com as trivialidades que atraem
os seus cônjuges.
Logo que nossa filha Lauren casou, eu e
ela saímos à procura de uma casa. Não
estávamos procurando uma para ocupação
imediata; foi divertido olhar as casas. Cada
uma apresentava falhas e, no meio da tarde,
fui ao escritório do Fred para contar-lhe sobre
as terríveis estruturas que vimos. Sentei-me e
comecei a contar todos os pormenores
fascinantes do episódio. Fred ouviu um pouco
e fez aquela pergunta para chegar ao âmago
da questão e me calar:
— A Lauren comprou uma casa?
Eu não queria responder, porque não
poderia continuar a minha narrativa.
— Bem...
— Compraram uma casa?
— Não, mas...
— Não, nada de “mas”. Estou ocupado
demais para escutar descrições prolongadas
de casas que eles não compraram.
Voltei para casa, percebendo que um
Perfeito Melancólico não precisa ouvir uma
hora de trivialidades quando a verdade
simples é não.

Gênio — intelecto
Aristóteles disse: “Todos os gênios são do
temperamento melancólico.” Geralmente os
escritores, artistas e músicos são Perfeitos
Melancólicos porque nasceram com o
potencial de gênio que, motivado e cultivado
corretamente, produzirá gigantes.
Michelangelo era, sem dúvida, um Perfeito
Melancólico, embora não esteja mais vivo
para fazer o teste.
Antes de esculpir as estátuas de Moisés, de
Davi e da Pietà, fez um estudo exaustivo do
corpo humano. Foi ao necrotério e dissecou
os cadáveres pessoalmente, para estudar os
músculos e tendões humanos. Por ter
penetrado mais a fundo no coração do
homem que outros escultores da sua época,
suas criações têm sido respeitadas até hoje.
Se eu fosse esculpir uma estátua, teria
atacado o mármore com vigor e tirado tudo o
que não parecesse com Davi. Com um pouco
de sorte, a minha criação poderia preencher
uma vaga temporária em frente a algum
correio no sertão do Ceará, mas a Pietà hoje
enfeita a Basílica de São Pedro.
Michelangelo era também arquiteto,
escrevia poesia, e é mais conhecido pelos
afrescos no teto da Capela Sistina no
Vaticano em Roma. Deitado de costas a trinta
metros do chão, ele levou quatro anos (de
1508 a 1512) para completar essas cenas do
livro de Gênesis.
Você pode imaginar o que teria acontecido
se Michelangelo fosse um Popular
Sanguíneo? Não teria feito um plano e
começaria em um canto, simplesmente
pintando o que lhe desse na cabeça no
momento. Depois de subir no andaime, teria
descoberto que se esquecera da tinta
vermelha, e descido novamente. E depois de
ficar lá em cima sozinho por vários dias, teria
perdido o interesse no projeto e desistido,
deixando o Adão sem as suas folhas de
parreira. Mas Michelangelo era Perfeito
Melancólico e é lembrado como um dos
gênios criativos de todos os tempos.
Se você é um Perfeito Melancólico, está
fazendo o melhor que pode para desenvolver
as suas habilidades natas?

Talentoso e Criativo
Os Perfeitos Melancólicos são os mais
talentosos e criativos entre todos. Podem ser
artistas, músicos, filósofos, poetas e literatos.
Apreciam pessoas talentosas, admiram gênios
e admitem uma lágrima ocasional de emoção.
Em qualquer modalidade, a grandeza
comove-os, e extasiam-se diante das
maravilhas da natureza. Aprofundam-se em
sinfonias. Quanto mais Perfeitos
Melancólicos são, de mais componentes de
som estéreo necessitam.
Em um seminário recente, ao dividir as
pessoas em grupos conforme os
temperamentos, Fred decidiu ver quantos do
grupo Perfeito Melancólico eram musicais.
Pediu ao líder para contar as pessoas musicais
na sala e dar-nos o resultado depois. Quando
o líder voltou, disse:

O nosso primeiro problema foi definir "Musical".


Alguns de nós pensávamos que significasse ter
talento musical e outros pensavam que deveriam
incluir os que apreciavam música. Analisamos um
pouco e decidimos votar duas vezes: uma por
apreciação e outra por talento. Perguntei quantos
gostavam de música e dezoito levantaram as mãos.
Quando ia anotar, um rapaz perguntou: “Você precisa
apreciar música clássica ou pode ser música
contemporânea?.” Não havia consenso, então
votamos mais duas vezes: quem apreciava música
clássica e quem gostava de qualquer tipo.
Quando voltamos à outra parte, perguntei quantos
tinham talento musical. Quinze levantaram as mãos,
mas fomos interrompidos por uma mulher que
perguntou: “Precisa tocar um instrumento
atualmente? Eu tocava clarinete no colégio”. Um
debate intenso seguiu-se enquanto tentávamos
determinar a resposta certa. Mal acabamos de fazer
outro levantamento, sobre quem tocava e quem toca
atualmente, quando um homem perguntou: “E se
você vai iniciar aulas de piano amanhã?” Nesse
momento acabou o nosso tempo e eu desisti!

Se tivéssemos dado esse projeto a um grupo


de Populares Sanguíneos, teriam esquecido a
pergunta. Um líder Forte Colérico teria
perguntado “Quantos de vocês são
musicais?” e contado as mãos. O Sereno
Fleugmático teria perguntado: “Que diferença
faz?” Somente os Perfeitos Melancólicos
levariam quinze minutos definindo música e
apresentando um papel dividida em cinco
partes.

Gosta de Listas, Tabelas,


Gráficos e Números
Todos nós fazemos lista, de vez em quando,
mas para o Perfeito Melancólico o uso de
listas, tabelas e gráficos é uma parte
necessária da vida. A mente Perfeita
Melancólica pensa com tanta organização que
vê números onde o Popular Sanguíneo vê
pessoas; pensa em colunas quando o Popular
Sanguíneo pensa em acontecimentos.
Vivian me disse que gosta de tabelas e
gráficos e pensa que todo mundo também
gostaria, se os entendesse. Ela passa um bom
tempo explicando às pessoas a teoria por trás
deles e não entende por que algumas não se
interessam. (Quando leu sobre os
temperamentos, começou a entender por que
75% das pessoas não se interessam pelo
melhor dos gráficos ou pela mais colorida das
tabelas.
Enquanto a organização apenas contribui
para que todo mundo alcance um nível
superior, para o Perfeito Melancólico ela, a
organização, é a essência da vida. Para se
organizar, Fred carrega no bolso da camisa
um pacote de fichas 5 em x 7 em. Também
carrega, na mesmo bolso, seis tipos diferentes
de canetas. No bolso do paletó leva três lápis
e uma caneta com uma lanterninha, uma
utilidade para ler cardápios em restaurantes
de pouca iluminação ou encontrar objetos
caídos em teatros escuros. No bolso direito da
calça, sempre tem um canivete e alguns
trocados e, no outro, um cortador de unhas. O
lenço fica no bolso traseiro direito e a carteira
no esquerdo. Quando sai de manhã está
preparado, embora desarrumado.
Barbara, de Detroit, contou-me que
organizou um "perfeito casamento caseiro"
para a filha. Ela levou meses planejando tudo
e datilografou instruções para cada membro
da família, explicando as responsabilidades
individuais. Desligou a campainha para que
ninguém pudesse tocá-la, e colocou um cartaz
na porta: "Celebrando Casamento". Desligou
todos os telefones e pregou na parede uma
tabela de horários para o introdutor principal.
Entre outras responsabilidades, ele precisaria
desligar os condicionadores de ar na primeira
nota da marcha nupcial, para que os
ventiladores não fizessem barulho e
distraíssem os convidados. Na curva do alto
da escadaria, Bárbara fixou a última instrução
para a noiva, um cartaz grande que dizia
"SORRIA!"

Minucioso
Muitas das coisas miúdas da vida, que eu
nem noto, são muito importantes para os
Perfeitos Melancólicos. É o caso do papel
higiênico, por exemplo. Antigamente eu
colocava o rolo de qualquer jeito, até Fred me
avisar que estava fazendo de maneira errada.
“O que você quer dizer com errado?"
Perguntei: "Fica no lugar, não fica?"
Ele suspirou: “Sim, fica, mas está colocado
errado. Está invertido."
Mesmo de olhos arregalados, não
conseguia ver como o papel higiênico podia
estar invertido, mas ele me mostrou que o
papel deveria cair da frente do rolo — não
encostado na parede onde você precisava
procurar. Eu não achava que precisasse
procurar muito, mas concordei em lazer do
jeito dele e me esforçava para lembrar.
Anos depois, quando o papel decorado foi
lançado, Fred ficou empolgado em me
mostrar como as florzinhas apareciam
direitinhas se o rolo estivesse colocado
corretamente, mas ficariam de cara com o
azulejo se estivesse invertido. Tive de
concordar que tinha razão e ele se sentiu
aliviado. Agora, quando visito uma casa e o
papel está invertido, sinto-me impelida a
acertá-lo.
Quando Fred compartilha esse exemplo em
nossos seminários, sempre fico admirada com
o número de Perfeitos Melancólicos que se
aproximam para agradecer-lhe por esclarecer
aos cônjuges que há somente uma maneira
correta de colocar o papel higiênico.
Os Perfeitos Melancólicos são peritos em
se lembrar de detalhes, por isso são
companheiros ideais para Populares
Sanguíneos, porque conseguem guardar os
bilhetes, não perdem a bagagem e até
lembram o número do portão que o homem
indicou.
Os Perfeitos Melancólicos são valiosos em
comitês porque fazem perguntas sobre os
detalhes esquecidos pelos Populares
Sanguíneos, tais como: “Temos dinheiro para
este projeto? Quanto vai custar o aluguel do
salão? Quantas pessoas você acha que
virão? Quanto você vai cobrar? Há uma
demanda para essa atividade? Você percebeu
que as datas que escolheu caem no fim da
Semana Santa? Sem o equilíbrio dos
Perfeitos Melancólicos, muitos comitês
ficariam loucos de entusiasmo sem levarem
em consideração o custo.

Ordeiro e Organizado
Enquanto o Popular Sanguíneo procura
diversão na vida, o Perfeito Melancólico está
perseguindo a organização. O Popular
Sanguíneo pode funcionar numa cozinha
desarrumada ou trabalhar numa mesa cheia
de papéis, mas o Perfeito Melancólico precisa
ter as coisas organizadas ou não consegue
funcionar.
Uma mocinha contou-me que estava
ajudando uma senhora, na limpeza da casa,
depois das aulas. Ela terminou o trabalho e
colocou todos os produtos de limpeza no
armário. Quando ela se virou para sair, a
mulher chamou-a de volta para dizer que ela
não havia guardado as coisas corretamente. A
mocinha ficou de queixo caído quando a
mulher lhe mostrou os desenhos no papel da
prateleira para indicar exatamente onde cada
produto de limpeza deveria ficar — redondo
para o limpador de vidros, retangular para o
sabão em pó, e assim por diante. Ela colocou
cada recipiente no seu devido lugar e disse:
“Quando você mantém todos em ordem, pode
pegá-los sempre sem demora.”
Os Perfeitos Melancólicos adoram guarda-
roupas organizados. O Fred separa as camisas
de manga comprida das de manga curta e das
camisas de malha. Cada calça tem o seu
próprio cabide e vai acompanhada do cinto
para que ele nunca puxe duas calças em vez
de uma, ou precise procurar o cinto que
combina com certa calça. Seus paletós e
calças são colocados em ordem rotativa.
Quando ele os tira à noite, pendura à
esquerda da seção, e cada manhã ele escolhe
do lado direito. Esse sistema garante
variedade de estilo e equilíbrio no uso. Os
sapatos ficam em fileiras no chão do guarda-
roupa e ele os lustra bem uma vez por mês.
Quando éramos recém-casados, eu dobrava
a roupa do Fred do meu jeito Popular
Sanguíneo e achava que, se tudo coubesse na
gaveta e depois pudesse fechá-la, seria uma
vitória. Um dia, Fred me disse: “Aprecio que
você lave a minha roupa, mas prefiro que
você deixe tudo em cima da cômoda para que
eu possa guardar.” Quando fiz a minha
pergunta de sempre, “O que estou fazendo de
errado?”, ele me mostrou que eu não dobrava
as camisetas de malha uniformemente, numa
pilha, e que enrolava as meias de qualquer
jeito e jogava-as na gaveta. Ele dobrou cada
meia ao meio com todos os calcanhares na
mesma direção. Quando terminou, o
conteúdo da gaveta se encaixava como as
peças de um quebra-cabeças.
Depois de quarenta anos, ainda não
consegui a arte Perfeita Melancólica de
dobrar roupa perfeitamente. Gosto de
vasculhar uma gaveta cheia à procura de algo.
A alegria da descoberta é metade da diversão!
A esposa Perfeita Melancólica de um
médico desenvolveu um sistema de
arquivamento para as obrigações sociais. Um
arquivo tinha tudo arrolado conforme a
ocasião, assim como: NATAL, 1975;
PASCOA, 1980 — com a lista de todos que
compareceram e o cardápio. Um outro
arquivo continha cartões, com o nome de
cada convidado em ordem alfabética. Cada
cartão continha a data de cada ocasião em que
a pessoa comparecera, a reação do convidado
ao cardápio (se houvera comentários) e uma
coluna para registrar se o convidado mandara
um cartão de agradecimento. No verso havia
um registro das datas em que fora convidada
para ir à casa daquela pessoa. Sabia cada
pormenor de cada jantar, num período de
quatorze anos.
Para nós, que não somos desse
temperamento, e necessário que entendamos
quão importante é essa organização e ordem
para o Perfeito Melancólico e quanto nos
ajudaria se pelo menos tentássemos ser mais
ordeiros.
Asseado e Arrumado
O Perfeito Melancólico geralmente se veste
bem e se arruma meticulosamente. O homem
parece eficiente, e a mulher tem cada fio de
cabelo no lugar. Querem que os seus
ambientes sejam limpos e arrumados, e tem a
mania de apanhar as coisas que outros
deixam. Quando eu e Fred visitamos a
Europa há quinze anos, havia no nosso grupo
duas mulheres Populares Sanguíneas que
falavam alto. O seu único interesse nos
museus e catedrais que visitamos era tirar
fotos na frente deles. Tinham uma mala de
filmes polaroide e, enquanto o guia nos
preparava para ver o Partenon, posavam perto
dos pilares no pórtico. A medida que tiravam,
deixavam cair a pane preta de cada retrato e
iam a outro lugar. O senso de ordem de Fred
não permitia que essas americanas feias
deixassem uma trilha de papel preto
preguento pela Europa, então ele as seguiu
por duas semanas, limpando os lugares
visitados. Numa ocasião, tentou mostrar-lhes
o erro quando entregou a uma delas o lixo
recolhido.
— Perdoe-me, mas você deixou cair isto
— disse a uma delas.
Ela replicou:
— Ah, tudo bem. Não vale nada.
Nosso filho Fred tem exibido traços
Perfeitos Melancólicos desde a infância
quando nos analisava de seu “chiqueirinho”.
Ainda pequeno, brincava sem espalhar os
brinquedos e sempre colocava os caminhões
numa fila antes de tirar uma soneca. Logo
que começou a arrumar a própria cama, fazia
de tal jeito que as listras da colcha ficavam
em linhas perfeitas com a borda. Colocava
cada animal de pelúcia no mesmo lugar do
travesseiro todos os dias e, se alguém
mexesse em algo, ele sabia.
Um rapaz Perfeito Melancólico contou-me
que tinha um encontro marcado com uma
moça Popular Sanguínea. Ele foi ao escritório
onde ela trabalhava para encontrar-se com ela
na hora exata. Ficou horrorizado com o
estado de sua mesa de trabalho e também
com o fato de que ela havia saído sem se
lembrar do encontro deles. Enquanto
esperava, notou que a mesa próxima à dela
estava impecável. No calendário de mesa
havia anotações organizadas; os lápis
estavam alinhados com todas as pontas na
mesma direção e o trabalho parecia estar em
dia. A moça da mesa premiada entrou e ele
começou a falar com ela. Estava bem vestida
e parecia saber o que estava fazendo.
“De repente vi que estava atrás da moça
errada”, ele disse. “A primeira moça nunca
apareceu, e levei a segunda para almoçar.
Desde então estamos saindo.”

Perfeccionista — Altos Padrões


O lema do Perfeito Melancólico é Se vale a
pena fazer, vale a pena fazer o melhor.
Nunca leva em conta o tempo que vai levar,
mas que ripo de trabalho vai ser feito. A
qualidade é sempre mais importante que a
quantidade e, quando um Perfeito
Melancólico está no comando, você sabe que
o trabalho será feito corretamente e no prazo
estabelecido.
Cindy disse-me que o seu marido Perfeito
Melancólico, Phil, queria a casa pintada, mas
sabia que só ele podia fazê-lo direito.
Começou por lixar cada veneziana à mão.
Levou um ano inteiro para fazer isso e,
durante esse tempo, a casa parecia
abandonada. Ao fim do ano, ele havia pintado
a casa meticulosamente, mas foi transferido e
eles venderam-na. Ela admitiu que
conseguiram um preço melhor por causa da
pintura perfeita.
Um jornaleiro Perfeito Melancólico
mostrou-me um maço de cédulas amarrotadas
dizendo que nunca as entrega antes de passar
a ferro, porque tem horror a dinheiro
amassado. Somente um Perfeito Melancólico
desamassaria seu dinheiro com um ferro a
vapor.
Enquanto acho que sou boa dona de casa,
meu filho Perfeito Melancólico, Fred, não
acha que eu esteja á sua altura. Uma vez
quando eu e Marita viajamos, Fred suspirou
com alívio e disse ao pai: “Agora que as
mulheres viajaram, posso arrumar esta casa e
mantê-la.” Na primeira noite, ele passou o
aspirador de pó nos pisos, poliu os móveis da
sala e ajeitou todos os bibelôs em filas nas
prateleiras.
Numa época em que o medíocre é
classificado como acima da média, o Perfeito
Melancólico brilha como uma candeia de
altos padrões para os demais seguirem.

Econômico
A natureza do Perfeito Melancólico não pode
desperdiçar e adora uma oferta. Fred recorta
meticulosamente os cupons de ofertas de
comida dos jornais e guarda-os para o
momento oportuno. Se eu faço, rasgo o papel
e chego ao supermercado com a mão cheia de
papel rasgado. O ponto alto na vida de Fred
ocorre quando ele tem um cupom que vale
um dólar por meio quilo de café, e o
supermercado está oferecendo cupons duplos
naquele dia. Uma vez ainda havia um cupom
duplo na lata, e ele ficou eufórico, porque
recebeu de troco 37 centavos. Pessoas
Populares Sanguíneas nunca enviam esses
cupons aos fabricantes, mas Perfeitos
Melancólicos garantem que vão receber tudo
o que acreditam merecer.
Fred sempre procura ofertas e também
fiscaliza o lixo para verificar se não joguei
fora algo de valor. Decide que o vidro de
maionese vazio poderia ser usado se eu o
lavasse; que as bananas que joguei fora
poderiam ser aproveitadas num bolo e que a
vassoura ainda iria durar um pouco mais. Se
eu não quiser que ele encontre alguma coisa,
preciso levá-la à casa vizinha para escondê-la
no lixo de lá.
A minha avó guardava barbantes e tinha
um frasco com o rótulo PEDAÇOS CURTOS
DEMAIS PARA SEREM UTILIZADOS.
Uma senhora de temperamento Perfeito
Melancólico, que conheço, guarda todas as
sobras de comida num plástico, na geladeira.
Escreve na tampa o conteúdo e a data em que
guardou. Coloca o plástico de hoje atrás,
trazendo os outros para a frente. Assim ela
aproveita as sobras em ordem e nada se
estraga.
Interesse Profundo e
Compaixão
O Perfeito Melancólico tem um interesse
profundo por outras pessoas e é sensível às
suas necessidades. Enquanto o Popular
Sanguíneo está tentando captar rodas as
atenções, o Perfeito Melancólico está
observando os outros e sente compaixão por
seus problemas. Uma amiga minha muito
meiga, Perfeita Melancólica, disse-me que
chorou ao ver na televisão um avião cheio de
órfãos vietnamitas. Enquanto o seu coração
se desmanchava por eles, seu marido Forte
Colérico perguntou: “Por que você está
chorando? Você nem os conhece!”
Quando assistimos a um desfile, Fred
emociona-se ao ver a bandeira americana e
fica lembrando 05 americanos que perderam
a vida por nossa pátria. Ao mesmo tempo, eu
estou procurando conhecidos na multidão,
esperando poder juntar uma turma para
depois do desfile.
Os Perfeitos Melancólicos são excelentes
conselheiros porque tem a profunda
habilidade de ver o que se passa no coração
dos outros. Dispõem-se a escutar os
problemas das pessoas, analisá-los, e chegar a
soluções viáveis. Os Populares Sanguíneos
não conseguem se aquietar o suficiente para
ouvirem os problemas de quem quer que seja,
pois não gostam de se envolver em coisas
negativas, mas o Perfeito Melancólico tem
compaixão sincera pelos outros e realmente
se importa com eles.

Procura o Par Ideal


Como o Perfeito Melancólico é
perfeccionista, procura um par ideal. Faz
amizades com cuidado, para ver se as pessoas
chegam à altura do seu ideal, e prefere ter
poucos amigos sinceros que muitos
conhecidos como tem o Popular Sanguíneo.
Antes de me pedir em casamento, Fred fez
uma tabela de todos os atributos que queria
numa esposa. Ele comparou os meus
atributos com os da tabela e viu que eu
preenchia 90% das características que ele
queria. Achava que tinha o resto da vida para
moldar os outros 10%. Mas o que aconteceu
depois de casarmos? As pequenas falhas se
ampliaram e as qualidades ausentes se
tomaram necessidades.
Depois de certo tempo, Fred ficou
deprimido com o meu fraco desempenho.
Quando me contou sobre a tabela, fiquei
abismada por ter me comparado com dados
numa tabela, e aborrecida porque achava que
eu fracassara. Se tivéssemos conhecido os
temperamentos, na época, poderia ter
compreendido as tabelas e o seu desejo de
perfeição, e ele poderia ter percebido que o
seu padrão era alto demais para um Popular
Sanguíneo. Poderíamos ter nos poupado esse
e muitos outros problemas.
Quando compartilhamos essa história
numa certa ocasião, uma moça belíssima veio
falar conosco. Há alguns anos ela havia feito
uma lista de doze características que queria
num marido e usava-a para analisar os
namorados. O rapaz mais cotado tinha nove e
haviam ficado noivos, por sete anos,
enquanto ela esperava que ele melhorasse.
Sugerimos que ela deveria aprender a aceitá-
lo como era ou romper o noivado para que ele
pudesse encontrar uma moça com uma lista
de nove características ou menos. Ela nos
contou, mais tarde, que havia rompido o
noivado. Procurar ideais é um alvo positivo,
mas precisamos perceber que nunca vamos
achar pessoas perfeitas.
O Perfeito Melancólico é idealista,
organizado e cheio de propósitos.

O prudente vê o mal e esconde-se; mas os insensatos


passam adiante e sofrem a pena.

Provérbios 27:12
CAPÍTULO 5

Vamos Examinar
Nossas Emoções

Corta! (Vamos refletir por alguns momentos.)

Até aqui acredito que todos tenham uma


compreensão melhor do Popular Sanguíneo
superficial e do Perfeito Melancólico
profundo, analítico. Ambos os
temperamentos, embora extremamente
opostos em propósitos e reações,
compartilham um traço em comum. Ambos
são emotivos e influenciados por
circunstâncias. O Popular Sanguíneo vive
pelas emoções, e a sua vida é uma série de
altos e baixos, um atrás do outro. Um Popular
Sanguíneo típico poderia ter seis crises
emocionais antes do meio-dia. Ou tudo e
maravilhoso ou horrível — não há meio-
termo. Uma mãe Popular Sanguínea pode
estar conversando alegremente ao telefone
quando seu filho cai da cadeira. Ela grita:
“Ele se matou!” e deixa cair o telefone. Ela
pega a criança e corre com ela pela casa
gritando, enquanto procura esparadrapo. A
campainha toca — o pastor veio fazer uma
visita. Ela o convida para entrar, leva a
criança depressa ao berço, joga-lhe uma
toalha para estancar o sangue e diz: “Não se
atreva a chorar, é o pastor.” E entra na sala
com um sorriso: “Não está um lindo dia?”
Você pode imaginar o desgaste emocional
que este tipo de vida tem num Popular
Sanguíneo? Se fosse tabelar as emoções de
qualquer Popular Sanguíneo num gráfico,
subiria e desceria, subiria e desceria...

O Perfeito Melancólico afasta-se e observa


esta vida corrida, julgando e criticando. “Se
ela se acalmasse.” “Se ela se organizasse.”

Padrões Prolongados
O que o Perfeito Melancólico não percebe é
que ele também é emotivo, só que os seus
altos são mais altos, seus baixos mais baixos
e o padrão todo se estende. Vamos supor que
o Perfeito Melancólico esteja no meio-fio —
nada aconteceu para aborrecê-lo ainda. Ele
vai pegar o seu lanche, e sua esposa Popular
Sanguínea se esqueceu de fazer o sanduíche.
Ele a chama e observa enquanto ela corre
para fazê-lo. Ela lambe o dedo e depois
coloca a alface no pão. Ele pensa: “Que coisa
nojenta!”, mas não é emotivo como ela e se
mantém calado. Ela puxa a gaveta à procura
de um saco plástico para guardar o sanduíche.
A gaveta prende e ela puxa com força. A
gaveta abre de repente, jogando-a para trás e
ela derruba o sanduíche. Ele ainda observa
enquanto ela junta tudo e recompõe o
sanduíche dizendo: “Um pouco de sujeira
nunca matou ninguém.” Nessa altura, o
estômago do Perfeito Melancólico está dando
um nó, e ele se vê pensando em ir ao
McDonald’s.
Ele sai aborrecido, mas calmo. No dia
seguinte, ela se esquece novamente, ele a
chama e começa a preparar o sanduíche
sozinho. O salame está mofado e o pão seco,
porque ela não o guardou da maneira certa.
Ele mostra isso a ela e ela chora. Ela é tão
emotiva e instável!...
No terceiro dia, ele mesmo prepara o
sanduíche. Trouxe os ingredientes certos e
resmunga consigo, quando ouve o riso dela
numa conversa telefônica, enquanto ela
deveria estar pensando nele. Ele sai sem se
despedir — e bate à porta. Ela precisa ser
acordada. Quando ele chega a casa naquela
noite, quase não fala e ela pergunta por quê.
Ele não diz, e o jogo continua.
Depois de uma semana de depressão, ele
finalmente confessa: é porque ela sempre se
esquece de fazer o sanduíche dele. Ela grita:
“Você não fala comigo por uma semana por
causa de uma fatia de salame?”
Ele fica mais deprimido e pondera por que
ela precisa ser tão emotiva. Passam-se
semanas com ela fazendo os sanduíches antes
de ele voltar ao normal. Vê o padrão? Ambos
são emotivos e influenciados pelas
circunstâncias. O Popular Sanguíneo tem
altos e baixos momentâneos, mas os altos e
baixos do Perfeito Melancólico podem durar
um mês.

Muito em Comum
Cada um vê o outro como emotivo. O
Perfeito Melancólico pode provar que o
Popular Sanguíneo é um neurótico. O Popular
Sanguíneo não pode acreditar que alguém
possa ficar tão deprimido por nada. A medida
que esses dois começam a entender os seus
padrões emocionais, veem que têm muito em
comum. Ambos são emotivos — mas a
passos diferentes. Quando podem revelar os
seus problemas, podem relaxar a tensão. O
Perfeito Melancólico pode ajudar a aliviar
algumas das crises diárias do Popular
Sanguíneo, e o Popular Sanguíneo, ao
planejar melhor e ter mais sensibilidade, pode
evitar as depressões do Perfeito Melancólico.

Como Lidar Com o Forte


Colérico
e o Sereno Fleugmático
Nas áreas em que o Popular Sanguíneo e o
Perfeito Melancólico são emotivos e
influenciados por circunstâncias, o Forte
Colérico e o Sereno Fleugmático não são tão
complexos. O Forte Colérico e uma pessoa
direta, clara, ativa, com um único objetivo:
fazer tudo do meu jeito — AGORA!
O Sereno Fleugmático é uma pessoa
acomodada, maleável, prestes a ajudar em
tudo e, acima de tudo, quer evitar
controvérsia e conflito.
O Forte Colérico pode explodir
momentaneamente, quando alguém não faz
algo do jeito certo, mas depois de colocar
todo mundo nos seus devidos lugares,
considera tudo acabado e volta ao seu padrão
normal. O Sereno Fleugmático pode ter uma
pequena alteração do seu baixo nível normal
quando não consegue se manter afastado de
um problema, resolvido ou não, mas é
possível que ninguém note. O Sereno
Fleugmático orgulha-se da sua estabilidade e
diz: “Nunca deixo transparecer como me
sinto a respeito de qualquer coisa.”
Pode-se saber como o Popular Sanguíneo
se sente porque as suas emoções acendem e
apagam, como se fossem comandadas por um
interruptor de luz.
Pode-se saber o ânimo do Perfeito
Melancólico, ao verificarmos se ele trouxe a
sua nuvem negra consigo quando entrou na
sala.
Mas o Forte Colérico sempre mantém um
curso dinâmico, e o Sereno Fleugmático
aguenta firme, sem muita alteração.
Enquanto o Popular Sanguíneo caprichoso
é atraído pelo Perfeito Melancólico profundo,
e o Perfeito Melancólico introvertido é
atraído pelo Popular Sanguíneo extrovertido,
o líder Forte Colérico adora o seguidor
Sereno Fleugmático, e o Sereno Fleugmático
de natureza insegura procura, uma pessoa de
decisão.
Assim como o Popular Sanguíneo e o
Perfeito Melancólico podem preencher o que
falta um no outro, assim também o Forte
Colérico e o Sereno Fleugmático podem se
completar quando começam a entender e a
aceitar o temperamento um do outro. À
medida que continuarmos o estudo dos
temperamentos do Forte Colérico e do Sereno
Fleugmático, você vai ver o que quero dizer.

Quem ama a disciplina ama o


conhecimento...
Provérbios 12:1
CAPÍTULO 6

Vamos nos Mexer


com o Forte Colérico

Ah, como o mundo precisa da Forte


Colérico!

O controle firme quando os outros estão


perdendo o seu.
A rapidez de decisão para mentes
distraídas.
A liderança para nos dirigir bem.
A disposição de se arriscar numa situação
duvidosa.
A confiança de se manter firme ao
enfrentar zombaria.
A independência para ficar só.
A correção de que precisamos quando
erramos.
A vontade de enfrentar um mar de
dificuldades e,
ao confrontá-las, vencê-las.

O Forte Colérico e uma pessoa dinâmica que


sonha com o impossível e almeja alcançar a
estrela mais longe de seu alcance. Ele acha,
como Robert Browning (um poeta inglês),
que “A distância deve ultrapassar o alcance,
ou para que serve o céu?” O Forte Colérico
está sempre almejando, buscando,
conseguindo. Enquanto o Popular Sanguíneo
está falando e o Perfeito Melancólico está
pensando, o Forte Colérico está fazendo. Ele
tem o temperamento mais fácil de entender e
aguentar, é só viver pela regra de ouro dele:
“Faça do meu jeito — AGORA!”
Os Fortes Coléricos são semelhantes aos
Populares Sanguíneos porque ambos são
extrovertidos e otimistas. O Forte Colérico
pode comunicar-se abertamente com as
pessoas, e sabe que tudo vai terminar bem —
SE ele estiver no comando. Ele consegue
mais que outros temperamentos, e dá
claramente as suas opiniões. Como o Forte
Colérico se baseia em alvos e tem qualidades
inatas de liderança, geralmente chega ao topo
de qualquer carreira que escolhe. A maioria
dos líderes políticos mundiais são
principalmente Fortes Coléricos. Nos anos
oitenta, vimos dois exemplos excelentes, o de
um homem e o de uma mulher: O Secretário
de Estado, Alexander Haig, e a Primeira-
Ministra britânica Margaret Thatcher. Na
revista Time de 16 de março de 1981, havia
um artigo com a manchete “O vigário fica no
comando”.
O jornalista George J. Church escreveu:

...Com raras exceções, um novo Secretário de


Estado tem-se apressado tanto para assumir o
controle do programa externo quanto Alexander
Meigs Haig Jr., de 56 anos — ex-Chefe de Gabinete
da Casa Branca durante o escândalo de Watergate,
ex-comandante da NATO, soldado-burocrata-
diplomata cuja autoconfiança só se iguala à sua
vontade férrea. Disse o Senador Paul Tsongas de
Massachusetts, antes de Haig ser confirmado para o
posto: “Ele usará esse talento para dominar esta
Administração.”
Se não o fizer, não será por não tentar. Logo
após a sua nomeação, Haig demonstrou a
determinação em assumir, ao demitir membros da
equipe de transição que estudavam o programa de
política externa; mandou destruir os relatórios.
Algumas horas depois de Reagan assumir a
Presidência, Haig entregou ao Conselheiro
Presidencial, Edwin Meese, uma proposta pedindo a
reorganização do sistema de tomada de decisões
acerca do programa de política externa dos EUA,
dando autoridade suprema ao Secretário de Estado.
Há quinze dias, o Presidente Reagan aprovou uma
diretriz dando-lhe quase toda a autoridade que Haig
queria. Mais rápido que qualquer outro membro do
ministério, Haig escolheu a maioria dos seus
auxiliares...

Notam-se aqui algumas palavras que


descrevem o típico Forte Colérico, tais como:
“apressado, controle, comandante,
autoconfiança, vontade férrea, dominar,
determinação em assumir, mandou,
reorganização, sistema de tomada de
decisões, suprema, diretriz, autoridade, mais
rápido, completo”.
A medida que você começa a entender os
temperamentos e a utilizá-los na vida
cotidiana, até a leitura da revista Time se
tornará mais agradável e a sua habilidade de
compreender outras pessoas e de antecipar as
suas reações aumentará rapidamente.
Num artigo sobre Margaret Thatcher
também foram usados muitos termos próprios
das atitudes dos Fortes Coléricos:
“distinguiu-se, dominou, talentosa,
habilidosa, majestosa, decidida, intensamente
competitiva, “garra”, mais direta, desafiou,
táticas agressivas, mortal, cheia de
sugestões”. Por essas palavras, é fácil ver-se
que a ex-primeira-ministra é um líder Forte
Colérico. Dizem que ela “se veste de modo
austero em cores fortes e fala com
persuasão”. Eis uma mulher dinâmica que
ocupou uma posição de liderança,
demonstrando confiança e controle.

Líder Nato
O Forte Colérico exibirá uma atitude de
controle desde muito cedo na vida. É um líder
nato, vai olhar petas grades do “chiqueirinho”
e planejar quanto tempo vai levar para
assumir o controle sobre sua mãe. Com ele
não é questão de será que ele assume o
controle, mas quando. Tornará conhecido aos
pais o que espera da vida, exigirá os direitos
desde cedo e usará de voz alta ou excesso de
raiva para garantir o controle.
Às vezes quando converso com mães que
não entendem os temperamentos, elas me
contam dessas crianças cheias de vontade que
não obedecem a nada; que tomam decisões
pela família inteira e que, desde cedo,
controlam a casa.
Nossa filha casada, Lauren, é Forte
Colérica. Desde a época em que aprendeu a
andar, tinha maturidade e podia gerenciar a
casa. Quando Marita nasceu, Lauren, então
com quatro anos, tornou-se uma segunda
mãe, competente. Podia-se confiar nela para
amornar a mamadeira, e ela ensinava as baby-
sitters. Quando frequentava o maternal, a
professora me contou: “Nunca me preocupo
quando me ausento porque sei que a Lauren
pode controlar a classe inteira sem ajuda.” E
tinha razão. A Lauren foi líder durante a vida
escolar e colou grau em Letras, em Psicologia
e em Administração de Empresas.
Recentemente visitei uma casa onde Jenny,
de oito anos, era a rainha residente. Tinha
quatro irmãos mais velhos que se mexiam
quando ela queria. A mãe Forte Colérica
cuidava do negócio da família, mas quando
chegava em casa submetia-se a Jenny. “É
mais fácil do que lutar contra ela”, dizia.
Uma noite, ás seis horas, a mãe anunciou:
“Vamos levar a Sra. Littauer à churrascaria
para o jantar.”
Jenny declarou enfaticamente: “Eu quero
pizza!”
Jenny e eu sabíamos que íamos comer
pizza, mas a mãe queria mostrar-se forte para
mim. Então repetiu, apertando o braço da
Jenny para enfatizar: “Vamos comer carne.”
Jenny soltou-se da mãe dizendo: “Não me
belisque. Eu quero pizza.” Os seus olhos
soltavam faíscas na direção da mãe e estava
clara a vitória final.
Jenny jogou-se no chão e começou a
chorar. Os irmãos e irmãs entraram correndo,
perguntando:
— Por que a Jenny está chorando?
— Porque ela quer comer pizza.
— Então, por que não vamos para fazê-la
feliz?
— Está bem. Vamos comer pizza.
Nesse momento, Jenny levantou-se
depressa, piscou para mim, e saímos para
comer pizza.
No dia seguinte perguntei à mãe: “Quando
foi que a Jenny começou a assumir o controle
da família?” A mãe suspirou: “Quando tinha
uns três meses, acho. Aprendeu logo que,
quando gritava, todo mundo corria e, desde
então, domina todo mundo.”
Numa viagem do Canadá para casa,
Marita, que mistura muito o temperamento
Forte Colérico ao Popular Sanguíneo, tinha
uma parada em Spokane (Washington) para
pegar o voo a Seattle a caminho de Los
Angeles. Quando o voo chegou a Spokane,
descobriu que o voo para Seattle fora
cancelado (sem explicação). Ela foi ao
portão, encontrou um grupo de passageiros
agitados e nenhum representante da
companhia aérea. Dirigiu-se ao próximo
portão e recebeu toda a informação possível
do balconista. Ao retornar, sentou-se no
balcão e começou a contar o que sabia aos
que perguntavam. Logo as pessoas estavam
se dirigindo a ela para tudo, até para saber a
localização dos banheiros.
Quando se tornou evidente que o voo iria
atrasar várias horas, e que começava um
motim, Marita foi ao balcão da Hertz (aluguel
de carros) e pesquisou quanto custava para
alugar carros para Seattle. Com os fatos em
mãos, voltou ao seu lugar no balcão e pediu a
atenção de todos. Todo mundo escutou,
enquanto ela explicava o plano auxiliar.
Pediu que quantos quisessem alugar carros
levantassem as mãos. Então dividiu-os em
grupos de seis, nomeou um líder (e motorista)
para cada grupo, e um tesoureiro para
recolher o dinheiro. Enquanto ela guiava o
grupo à Hertz, uma mulher disse: “Foi tão
bom a companhia aérea mandar uma moça
linda para cuidar de nós!”
Em horas de crise, o Forte Colérico assume
o controle.
Obsessão por Mudança
O Forte Colérico é uma pessoa compulsiva e
precisa mudar tudo o que vê fora do lugar, e
corrigir todos os erros cometidos contra os
desamparados. O Forte Colérico abraça
rapidamente causas e campanhas por justiça.
Nunca é indiferente ou apático, mas
interessado e confiante.
O Forte Colérico endireita quadros nas
casas dos outros e limpa a prataria nos
restaurantes. Um dia, quando estava na casa
de uma amiga Popular Sanguínea ajudando-a
a lavar a louça, notei que a gaveta dos
talheres estava cheia de farelos, e os talheres
misturados. Sem pensar, tirei todos os
talheres, limpei a gaveta, e coloquei-os de
acordo com os seus compartimentos. Quando
minha amiga viu todos os garfos em um
espaço e as colheres em outro, piscou e disse:
“Agora vejo por que estes porta-talheres têm
estas seções. Nunca entendi antes.”
Durante um seminário sobre as
personalidades em Phoenix, Arizona, eu e
minha amiga Forte Colérica Marilyn
estávamos no meio de uma conversa intensa
quando a irmã dela, Mary Sue, parou entre
nós. Nenhuma de nós parou, mas eu notei que
a gola da Mary Sue estava virada e
automaticamente levantei a mão para ajeitá-
la. Com a minha mão no ombro dela, notei a
mão da Marilyn no outro ombro, tirando um
fiapo do seu blazer. Sem perceber o que
estávamos fazendo, nós duas, Fortes
Coléricas, estávamos compulsivamente
corrigindo pequenos defeitos.

Vontade Forte e Decisiva


Todos os negócios, organizações e famílias
precisam da força de vontade e habilidade em
tomar decisões que vêm empacotadas no
Forte Colérico. Em questões que outros não
conseguem decidir, o Forte Colérico decide
imediatamente. Os Fortes Coléricos resolvem
problemas e ganham tempo, embora nem
todo mundo aprecie a sua habilidade de
decisão.
Helen veio falar comigo após um
seminário e disse: “Agora sei o que aconteceu
na minha viagem à Europa. Não sabia sobre
os temperamentos na época, mas obviamente
viajei com três amigas Serenas
Fleugmáticas.” Então me contou como eram
indecisas, e como da tinha de assumir o
comando. “Cada noite dizia a hora para nos
reunirmos no hotel e o que vestir. ‘Esteja no
saguão às 7h30m em ponto e calce os seus
tênis porque vamos visitar o Castelo de
Windsor.’ Não se animavam com nada e
tinha de arrastá-las do ônibus para ver as
coisas. Uma se recusou a entrar na Catedral
de Notre Dame porque achava que todas as
catedrais fossem iguais. Queriam tirar
sonecas à tarde depois de retornar ao hotel e
eu tinha de lembrar-lhes: ‘Não durmam
demais ou vão perder o passeio noturno.’ Se
não fosse por mim, ainda estariam no meio da
Praça Picadilly! A coisa mais difícil de
aceitar é que ninguém me ligou desde a nossa
volta.”
Os Fortes Coléricos têm uma missão difícil
na vida. Têm as respostas; sabem o que fazer;
tomam decisões rápidas; ajudam os outras —
mas raramente são populares porque a sua
segurança e positividade abala a segurança
dos outros, e a sua habilidade em liderança
faz com que pareçam “mandões” aos outros.
Ao entender os temperamentos, os Fortes
Coléricos deveriam contemporizar as suas
ações para que os outros aceitem as
habilidades óbvias sem serem ofendidos por
elas.

Podem Dirigir Qualquer Coisa


Os Fortes Coléricos podem dirigir qualquer
coisa, mesmo sem conhecer os pormenores.
De fato, nunca me afiliei a qualquer
organização em que não vi a possibilidade de
me tornar presidente dentro de um ano. Uma
vez me tornei presidente da Associação de
Oratória e Drama de Connecticut na primeira
reunião a que assisti — antes de me afiliar. O
Forte Colérico tem a habilidade nata de
chegar ao topo e assumir o comando.
Uma das áreas em que tive de me
disciplinar mais duramente foi a de não tentar
resolver os problemas dos outros. Isso pode
parecer fácil para vocês, exceto para os Fortes
Coléricos, que automaticamente comandam
tudo, mesmo que não conheçam o assunto. A
esposa Forte Colérica do prefeito e eu fomos
a um banque te para quinhentas mulheres.
Haviam colocado as mesas com a comida em
formato de “V”, com resultados desastrosos.
Várias mulheres chocaram-se, derrubaram a
comida; outras deixaram cair os pratos, que
se espatifaram no piso de cerâmica. A fila
andava lentamente e faltou comida antes que
o nosso grupo chegasse perto das mesas.
Enquanto esperava, fiz uma análise Forte
Colérica da situação e notei que Penny
também estava pensando. Perguntei o que
estava pensando, e ela me contou o plano
dela — o mesmo que o meu. Podíamos ver
que as mesas deveriam ter sido colocadas em
formate de “X”, permitindo que quatro filas
funcionassem ao mesmo tempo, sem
encontrões desastrosos.
Ambas rimos quando percebemos como as
nossas mentes Fortes Coléricos estavam
ocupadas consertando os erros dos outros, até
mesmo quando a situação estava totalmente
fora do nosso controle. Fortes Coléricos
naturalmente veem as respostas práticas para
os problemas da vida e não conseguem
imaginar por que ninguém teve a ideia correta
antes.

Orientado por Metas


O Forte Colérico está sempre mais
interessado em atingir alvos do que em
agradar as pessoas. Isso tem o lado positivo e
o lado negativo, porque os Fortes Coléricos
tendem a chegar ao topo sozinhos. Uma
presidente de um clube de mulheres que
conheço visou a alvos inacreditáveis para o
seu grupo atingir durante o ano. Ela motivou
as equipes e ficou atrás de todo mundo para
assegurar-se de que estavam caminhando em
grupo. No fim do ano, seu clube ganhou mais
prêmios no distrito que qualquer outro, mas
ela confessou: “Não fiz uma amiga sequer no
grupo.”
Quando era presidente do Clube de
Mulheres de San Bernardino, pedi a uma
senhora Forte Colérica para ser líder de uma
comissão, e ela respondeu: “Aceito com
prazer ser líder, se não precisar ter comissão.
Essas mulheres me atrapalham.”
Os Fortes Coléricos sempre podem fazer
melhor o trabalho se puderem manter outras
pessoas fora do caminho. Frequentemente se
tornam solitários, não de propósito, mas
porque ninguém consegue acompanhá-los, e
eles reclamam que os outros atrapalham o
progresso.

Organiza Bem
Como tenho a oportunidade de visitar muitos
lares, observo como temperamentos
diferentes de mães criam os filhos. A minha
amiga Connie é uma Forte Colérica perfeita
que mantém a casa funcionando com
eficiência por causa da sua habilidade de
organizar e a vontade de seguir de perto as
instruções. Seus dois filhos, Andy, Forte
Colérico, Jay, Sereno Fleugmático, foram tão
bem treinados que podem cuidar da casa,
mesmo quando ela está ausente. Uma noite,
eu e Marita chegamos mais tarde do que o
esperado, e Connie havia saído para uma
reunião. Andy nos recebeu e disse: “Mamãe
teve de sair, mas eu e Jay vamos preparar o
seu jantar.” Enquanto eles levavam adiante os
preparativos, notei um bilhete na mesa com
estas instruções simples:

ANDY: Preparar salada: folha de alface,


salada de frutas em cima.
Servir a sopa.
JAY: Servir a água gelada.
Esquentar o pão.

Sobremesa na geladeira. Servir com


cobertura de menta.

Dentro de minutos cada qual havia cumprido


as suas tarefas, e juntos fizemos uma refeição
agradável. Poucos meninos de dez e doze
anos poderiam ter agido tão eficientemente,
mas foram treinados por uma mãe organizada
e coerente.
Ao olhar ao redor, vi que Connie havia
posto lembretes simples aos meninos em
pontos estratégicos. Na televisão havia um
aviso, UMA HORA DE TELEVISÃO CADA NOITE
DURANTE A SEMANA, SE TERMINAREM SEUS
AFAZERES. NO FIM DE SEMANA, COM PERMISSÃO.
No piano, um lembrete de 5cm x 7cm
dizia: CONTE EM VOZ ALTA. No banheiro,
afixado no espelho: MANTER PIA E ESPELHOS
LIMPOS. Na cozinha: R$10,00 SE NÃO
LEVAREM A LOUÇA À PIA..
Mães de outros temperamentos veem essa
organização como muito trabalho, mas sei
por experiência que leva a um lar feliz e
eficiente. Desde que os meus filhos eram
pequenos, treinei-os a ajudar e a manter uma
tabela de tarefas que riscavam quando
atingiam as metas. Creio que quando a mãe
para, todos param. Quando a mãe trabalha,
todos trabalham.
Porque organizei e treinei bem os meus
filhos, cresceram e tornaram-se trabalhadores
disciplinados, mesmo que sejam diferentes
nos seus temperamentos. Em qualquer
negócio ou situação familiar, a organização é
essencial para atingir metas. A pessoa que
não sabe aonde vai, não chega a lugar algum.
O Forte Colérico é mestre em organização
rápida e prática.

Delega Trabalho
O recurso maior do Forte Colérico é a sua
habilidade em fazer mais que qualquer outro,
ajudado por seu dom de organização. Quando
ele olha qualquer tarefa, instantaneamente vê
como deve ser feita, e mentalmente divide o
projeto em blocos de trabalho. Sabe a
assistência que lhe está disponível e
rapidamente delega as tarefas ao grupo. E até
capaz de dar responsabilidades a
observadores (porque presume que eles
prefiram trabalhar a ficar sentados).
À medida que os nossos filhos cresceram,
Fred e eu, ambos Fortes Coléricos em parte,
fizemos Tabelas de Trabalho para eles,
designando as tarefas de cada um para cada
dia. Quando eles chegavam em casa, olhavam
a tabela e faziam as tarefas determinadas
antes de saírem para brincar, se uma criança
se hospedasse por mais de três dias em nossa
casa, colocávamos o seu nome na tabela e
designávamos tarefas. Ouvi um menino dizer
a meu filho Fred; “Sua mão deve gostar de
mim. colocou o meu nome na Tabela de
Trabalhos. ”
Acho que muitas mães ignoram o potencial
de ajuda gratuita no lar porque acham
trabalho demais formular um sistema simples
para delegar responsabilidades.
Alguns Fortes Coléricos anseiam tanto por
manter rígido controle que delegam somente
as tarefas mais simples — braçais — e
guardam para si o plano maior. Levada ao
extremo, essa proteção de controle impede-os
de alcançar tanto quanto poderiam ter feito se
tivessem aprendido a lidar com pessoas e
delegado com mais sabedoria.

Floresce sob Oposição


Os Fortes Coléricos não só gostam de atingir
metas, mas florescem sob oposição. Se os
Populares Sanguíneos começam a fazer algo
e alguém diz que não pode ser feito,
agradecem profundamente à pessoa — e
abandonam o trabalho. Os Perfeitos
Melancólicos arrependem-se do tempo que
gastaram em planejamento e análise da
situação, e os Serenos Fleugmáticos ficam
agradecidos porque parecia como se fosse
trabalho demais, de qualquer modo. Mas
dizer ao Forte Colérico que não pode ser feito
é como agitar bandeira vermelha na frente do
touro.
Lorna me contou que, quando seu marido
ignorava certa tarefa doméstica, ela conseguia
instigá-lo a fazer ao dizer: “Sua mãe esteve
aqui hoje e eu disse que você iria pendurar as
Cortinas. Ela me disse: ‘Mas o Joe não tem a
mínima ideia de como colocar cortinas!’”.
Ele se levantava do sofá e fazia na mesma
hora.
Uma das razões pela qual muitos Fortes
Coléricos se tornam atletas profissionais é
que gostam do desafio de vencer a oposição.
Enquanto outros temperamentos poderiam
fraquejar ao enfrentar onze homens enormes
num campo de futebol americano, o Forte
Colérico fica eufórico no calor da batalha.
Homem ou mulher, o Forte Colérico tem o
instinto de caçador, o desejo de vencer, que o
joga ao topo no mundo profissional atual.
Não se desanima com críticas nem com
apatia. Ergue os olhos para o alvo e floresce
sob oposição.

Pouca Necessidade de
Amizades
Enquanto o Popular Sanguíneo precisa de
amigos pela audiência e o Perfeito
Melancólico precisa de amigos pelo apoio, o
Forte Colérico não precisa de amigos, ponto.
Tem os seus projetos e considera a vida social
como uma perda de tempo porque não produz
nada. O Forte Colérico se empenhará numa
atividade de grupo quando tiver propósito, e
alegremente irá organizar a sua campanha de
doações, mas não precisa perder tempo com
bate-papos.
Geralmente está Certo
O Forte Colérico tem uma antena embutida
para analisar situações, e só vai pronunciar-se
se souber que está certo. Enquanto esse traço
é uma grande vantagem, os outros que lidam
com o Forte Colérico nem sempre apreciam
esse desempenho. Uma vez Missy me disse
que o seu marido Forte Colérico nunca errava
e isso a chateava. Sempre esperava que ele
tropeçasse para mostrar que era humano. Um
dia pensou: se fosse empregar um
administrador para a sua família, iria querer
alguém que não errasse. Ela tinha essa pessoa
à disposição de graça e, daquele dia em
diante, olhou-o com outros olhos.

Sobressai-se em emergências
O Forte Colérico em mim adora emergências.
Um dia, quando ia dar uma palestra num
clube de senhoras, houve uma pane de
eletricidade naquele lado da cidade. Mulheres
gritaram e resmungaram, tentando encontrar
os seus copos de água na escuridão. Qualquer
outra oradora que não fosse Forte Colérica
teria decidido por cancelar a reunião e voltar
para casa, mas a minha mente imediatamente
começou a funcionar em ritmo acelerado,
planejando uma nova introdução sobre como
falar na escuridão. Pensei em frases como:

“Cheguei à idade em que pareço melhor em


lugares mal iluminados.”
“Quando não se pode ver, o jeito é escutar”

Enquanto preparava essa nova introdução, as


luzes voltaram e essas mulheres não ouviram
o meu prelúdio sobre as alegrias da escuridão.
Outra vez, enquanto estava no meio de
uma palestra num auditório em Indianapolis,
uma banda de trinta gaitas de fole começou a
ensaiar bem atrás do palco. Fui totalmente
vencida e, enquanto o presidente corria para
calar as gaitas de fole, criei um novo ângulo
para a palestra. Logo a música parou como ar
escapando de um pneu, e o presidente
anunciou que a Banda de Marcha do clube
havia começado a ensaiar para uma
apresentação no domingo sem saber que
estávamos no outro lado da parede. Na hora
comentei como fora apropriado ter uma
banda escocesa como interlúdio musical,
enquanto dissertava como a minha mãe, Katie
MacDougall, tocava a gaita de fole e
marchava de saiote. Terminei a minha
biografia com uma novidade étnica
relacionada às minhas raízes escocesas.
Os Fortes Coléricos adoram emergências
para se mostrarem à altura de situações
inesperadas e prosseguirem em direções
novas, especialmente acompanhados por uma
banda de música.

Não havendo sábia direção, cai o povo; mas na


multidão de conselheiros há segurança.
Provérbios 11:14
CAPÍTULO 7

Vamos Relaxar com o


Sereno Fleugmático

Oh, como o mundo precisa do Pacífico


Fleugmático!

A estabilidade para se manter no rumo.


A paciência para aturar provocação.
A habilidade para escutar enquanto os
outros dizem tudo o que querem.
O dom da mediação, unindo forças
opostas.
O propósito de paz, sem medir esforços.
A compaixão para confortar os aflitos.
A determinação para manter a cabeça fria,
quando os outros ao redor estão perdendo as
suas.
A vontade de viver de tal maneira que
mesmo seus inimigos não consigam encontrar
nada contra ele.

Entender os temperamentos é o primeiro


passo para entender as pessoas. Se não
conseguirmos ver as diferenças dos outros
nem aceitá-los como são, vamos pensar que
existe algo errado em todos os que não são
iguais a nós.
Quando entendemos os temperamentos,
começamos a ver por que os opostos se
atraem. Aprendemos que a variedade de
traços temperamentais numa família leva a
uma variedade de atividades e interesses.
Deus não quis que todos fossem Populares
Sanguíneos. Seria muito divertido, mas nunca
haveria organização. E Deus não fez todos
líderes Fortes Coléricos. Se assim fosse, não
haveria ninguém para segui-los.
Deus não quis que todos fôssemos
Perfeitos Melancólicos porque, se alguma
coisa desse errado, ficaríamos deprimidos.
Deus criou os Serenos Fleugmáticos como
pessoas especiais para serem os
amortecedores das emoções dos outros três,
para darem estabilidade e equilíbrio.
O Sereno Fleugmático ameniza os
esquemas impensados do popular sanguíneo.
O Sereno Fleugmático recusa-se a se
impressionar demais com as decisões
brilhantes do Forte Colérico. O Sereno
Fleugmático não leva tão a sério os planos
minuciosos do Perfeito Melancólico.
O Sereno Fleugmático é o grande nivelador
de todos nós, e mostra-nos que “realmente
nada é tão importante, afinal”. E, no final das
contas, não é! Todos nós fazemos parte de
um plano complexo em que cada
temperamento, funcionando corretamente,
encaixa-se no lugar certo e une-se a outro
para formar um quadro emocionante e
equilibrado.
Para Toda Obra
O Sereno Fleugmático é o temperamento
mais fácil de se lidar. Um nenê Sereno
Fleugmático é uma benção para seus pais
desde o início. É um prazer tê-lo na casa;
tolera horários flexíveis, fica contente onde
estiver. Gosta de amigos, mas também está
contente sozinho. Gosta de olhar as pessoas
passarem e nada parece aborrecê-lo.
Meu genro, Randy, e seu pai conversaram
comigo sobre a infância Serena Fleugmática
do Randy. Sempre foi bem-humorado e
amoldável a qualquer situação. Sempre foi
um estudante sério e em parte o seu
passatempo de colecionar moedas veio de
suas muitas leituras enquanto seus pais
jogavam cartas várias noites por semana.
Aonde fossem, levavam seu filho único e
alguns livros. Randy adaptava-se a qualquer
lugar que lhe fosse indicado e lia sem causar
transtornos. Sua disposição agradável e sede
de conhecimento trouxeram-lhe honras como
perito em moedas de ouro e a presidência da
Associação Numismática do condado onde
mora. Ele se adapta a qualquer situação e
pode ou conversar brilhantemente, ou ficar
calado, conforme o contexto. Minha mãe diz:
“Esse Randy é um santo?”.
O Sereno Fleugmático é o tipo mais
próximo da pessoa perfeita: alguém que não
se coloca nos extremos ou excessos da vida,
mas caminha firme no meio, evitando
conflito e decisão de um lado ou de outro. A
pessoa Serena Fleugmática não ofende, não
chama atenção para si e calmamente faz o
que se espera dela sem procurar o crédito.
Enquanto o Forte Colérico é o “líder nato”, o
Sereno Fleugmático é o “líder ensinado” e
com motivação apropriada pode chegar ao
topo, devido à sua habilidade extraordinária
em se relacionar com todo mundo. Enquanto
o Forte Colérico quer dirigir tudo, o Sereno
Fleugmático tende a hesitar até em receber
um convite e nunca se intromete em coisa
alguma.
Um dia estava falando ao telefone no
orelhão de um shopping e uma jovem senhora
reconheceu minha voz porque havia escutado
fitas minhas sobre os temperamentos.
Durante a conversa, Burdetta, do tipo Popular
Sanguíneo, disse-me que precisava ligar para
seu marido Sereno Fleugmático. Iria pedir-lhe
para passar em casa e desligar a secadora para
que ela não se atrasasse para uma partida de
tênis. Eu não tinha certeza se o Fred acharia
isso uma desculpa válida, mas ela me
assegurou que o seu marido iria deixar tudo
para desligar a secadora com o alarme
defeituoso, para que as roupas não
queimassem. Achando uma boa oportunidade
para ouvir sobre as glórias do perfeito marido
Sereno Fleugmático, pedi que ela escrevesse
alguma coisa e eis aqui a resposta.

Querida Florence,
Na segunda-feira, 14 de dezembro, em frente a
um Orelhão no shopping, uma senhora com roupa
esporte reconheceu a sua voz e a cumprimentou; fui
eu! Em nossa conversa, você me pediu que
escrevesse sobre alguns pontos positivos dos Serenos
Fleugmáticos e eu lhe disse que iria mandar alguns,
pois sou casada há vinte anos com um deles.
Sendo Popular Sanguínea/Forte Colérica, sou
levada a pensar que só os Populares Sanguíneos se
divertem e só os Fortes Coléricos têm valor. Popular
Sanguínea/ Forte Colérica típica, sempre penso que
minha maneira é a única maneira.
Quando comecei a pensar sobre os pontos
positivos dos Serenos Fleugmáticos, Deus me
rebaixou. A força da minha vida e a estabilidade do
meu casamento são o meu marido Sereno
Fleugmático.
Sempre calmo, longânimo (Provérbios 14:29),
controlado sob estresse, nunca impulsivo, lógico, de
confiança, leal e paciente (Eclesiastes 7:8). Não
impõe alvos aos Outros; não insiste em cursos de
melhoramento para a esposa e filhos, porque
realmente aceita os outros como são.
Serenos Fleugmáticos são ótimos pais, embora
fracos na disciplina. Sua maneira despreocupada
produz crianças contentes. O meu filho de dez anos
adora beisebol e atua na Liga juvenil. Ganhar ou
perder nunca preocupam seu pai que continua
incentivando-o.
São ótimos chefes. As pessoas gostam de
trabalhar para eles. Devido à ausência de pressão ou
críticas, as secretárias parecem motivadas a dar um
pouco de tempo extra; sua autoestima é elevada
devido ao ambiente e a produtividade aumenta.
São árbitros ideais. Devido à sua calma, lógica
inalterada, conseguem reduzir uma situação tensa
com poucas palavras brandas.
Mulheres Serenas Fleugmáticas têm um porte
natural que os Populares Sanguíneos admiram de
longe. Mantêm uma atitude calma e feminina que as
destaca. Seu espírito manso e quieto (I Pe 3:4) é
muito agradável para se ter por perto.
Meu marido Sereno Fleugmático tem um fino
senso de humor que vem do não levar a vida muito a
sério. Quando encontrei você, estava ligando para u
escritório dele em Santa Ana para dizer-lhe que havia
deixado a secadora ligada e pedir que, se ele fosse ao
escritório de Beverly Hills, passasse em casa para
desligá-la. Ele respondeu que eu não me preocupasse
com aquilo; se a casa se incendiasse, compraríamos
outra. Aí, acrescentou uma frase ao desligar —
sabendo muito bem que eu nunca pagaria uma conta
de seguro, ou mesmo saberia que tinha um seguro:
“Tenho certeza de que você pagou aquele seguro
contra incêndio que chegou na semana passada” Seu
senso de humor inesperado pode me tirar de um
eventual aborrecimento.
Serenos Fleugmáticos têm realmente qualidades
vantajosas, e acho que devemos mantê-los por perto.
Sinceramente,
BURDETTA HONESCKO

Personalidade Despretensiosa
O Sereno Fleugmático é tão agradável e
inofensivo no meio familiar que cada família
deveria importar alguns, se não nascesse
nenhum. A Brenda veio ficar com nossos
filhos por uma semana e todos nós nos
apaixonamos por ela. No meio da tensão da
nossa família Forte Colérica, a personalidade
despretensiosa de Brenda parecia-nos colocar
em perspectiva. Ela concordava com qualquer
ideia proposta — um traço muito apreciado
por Fortes Coléricos, que estão sempre
projetando planos — e se ajustava a qualquer
lugar. Ninguém queria que ela partisse e ela
se tornou parte da nossa família. Depois de
seis anos ela disse, com seu humor Sereno
Fleugmático: “A razão pela qual eu não parti
era que dava trabalho demais para fazer as
malas.”
O jovem Tim foi eleito presidente de sua
classe no científico e foi influenciado a
liderar um grupo de protesto à capital do
Estado. Sua mãe Popular Sanguínea ficou
eufórica com o seu comportamento agressivo,
pouco comum nele, e reuniu suas amigas para
assistirem ao noticiário das seis quando o
grupo do Tim seria visto. Quando o desfile
apareceu, Tim não estava lá, até que a câmera
o mostrou aos espectadores: sentado na
calçada com a cabeça entre as mãos. Sua mãe
sentiu-se decepcionada e furiosa e, quando
ele voltou para casa, perguntou por que ele
não estava à frente do grupo. Ele respondeu:
“Não queria me fazer de bobo.”
Mesmo que o Sereno Fleugmático assuma
a liderança, muitas vezes ele desiste antes de
ser visto. Ele não precisa do crédito e
certamente não quer fazer-se de bobo.
Perguntei a um adolescente sobre sua
namorada Serena Fleugmática: “O que você
mais aprecia nela?”
Ele pensou um momento e disse: “Acho
que tudo, porque nela nada de modo especial
se destaca.” Essa declaração simples descreve
os Serenos Fleugmáticos; não têm nada
especial que neles se destaque, mas são
pessoas muito agradáveis e equilibradas para
com elas se conviver. Um homem Sereno
Fleugmático disse: “Acho que sou uma
pessoa normal.” E outro suspirou descrente:
“Fico tão admirado quando as pessoas gostam
de mim.” A humildade e mansidão do Sereno
Fleugmático são muito agradáveis para a
convivência e demonstram às demais
personalidades qualidades positivas como
alvos em nossa caminhada em busca da
santidade.
Despreocupado
O Sereno Fleugmático gosta de estágios em
passos de tartaruga. Não quer planejar muito
adiante. Um amigo do meu filho Fred estava
nos visitando e eu perguntei se ele gostaria de
jantar conosco. Ele respondeu: “Vou pensar.
Vou ver quando chegar a hora.” Coloquei seu
lugar à mesa e ele ficou.
Depois do jantar, eu liguei a televisão para
ele e perguntei: “Você tem alguma
preferência?”
Respondeu: “O que estiver passando””
Mais tarde, durante a propaganda, ele
cochichou: “Na verdade, eu queria assistir ao
jogo dos Dodgers (beisebol).”
Perguntei: “Por que você não disse?”
“Fiquei com medo de que a senhora não
gostasse.” O Sereno Fleugmático nunca quer
causar problemas e aceita calmamente
qualquer situação antes de pedir mudanças.
Meu filho Fred tem outro amigo Sereno
Fleugmático que é tão à vontade que quase
não se mexe. Um dia ele estava deitado no
meu sofá vestido com um jeans rasgado, uma
camiseta, também rasgada, cabelo comprido
desgrenhado, e pés descalços.
Comentei: “Mike, parece que você não
passou muito tempo se arrumando hoje?
Um rapaz Popular Sanguíneo deitado no
outro sofá disse: “Mike acredita no perfil de
pouca manutenção.” Que expressão perfeita
para descrever o Sereno Fleugmático.

Calmo, Cabeça Fria


Um dos traços mais admiráveis do Sereno
Fleugmático é sua habilidade em se manter
calmo no centro de um furacão. Quando o
Popular Sanguíneo grita, o Forte Colérico
chuta, o Perfeito Melancólico desfalece e o
Sereno Fleugmático mantém a calma. Ele
recua por um momento, depois vai silenciosa
mente na direção certa. As emoções não o
dominam; a raiva não o aflige. “Não vale a
pena me alterar por causa disso”, ele pondera.
Como meus irmãos e eu fomos criados por
uma calma mãe Serena Fleugmática, sei que
devemos ter-lhe causado muitos momentos
de ansiedade. Quando ficávamos traquinas
demais, ela nos fechava na sala pequena e
dizia: “Não me importo com o que fizerem lá
dentro, mas precisam permanecer calmos e
manter a cabeça fria.”

Paciente — Equilibrado
O Sereno Fleugmático nunca tem pressa e
não se preocupa com situações que irritam
outras pessoas. Gladys Forte Colérica me
contou esta história.

Depois de passar o dia visitando parentes, estava


ansiosa para chegar em casa. Ao nos aproximarmos
da estrada, Don disse calmamente: “Precisamos
abastecer o carro.” Eu pensava que desse para
chegarem casa, mas ele não queria se arriscar, então
paramos num posto. Levei a minha filha pequena ao
banheiro e saí, esperando vê-lo já pronto para irmos
embora. Em vez disso, estava ao lado do carro com o
dinheiro na mão. “Por que você não pagou?”, gritei.
“Estou tom pressa.” Ele explicou que não sabia a
quem pagar.
Avistei um homem que parecia uniformizado e
Don foi pagar a de. Mas foi um engano. O homem
também era cliente, oficial da aeronáutica. Um
atendente apareceu, mas se recusou a receber a nota
de vinte reais porque a regra ali era só aceitar a
quantia exata. Não tínhamos essa quantia e fiquei
furiosa com o atendente. Don sugeriu calmamente
que andássemos até o supermercado ali pertinho para
trocar a nota de vinte reais. Eu não queria demorar
mais, porém não havia escolha. Queria pedir troco ao
caixa, mas Don disse que não seria correto.
Precisávamos comprar algo.
“Não precisamos de nada”, respondi. Ele não
concordou e foi ao balcão dos laticínios onde
escolheu três sabores de iogurte e comprou-os com a
sua nota de vinte reais.
Caminhamos de volta ao carro, e ele esperou com
calma enquanto o atendente trocava um pneu.
Quando finalmente pagou a conta, agradeceu ao
homem por sua compreensão e sorriu simpaticamente
antes de entrar no carro. Durante o triste episódio,
nunca demonstrou ira, nunca se irritou com a minha
falta de paciência e cantou baixinho durante todo o
trajeto até nossa casa.

Você vê como os temperamentos reagem


diferentemente às situações? O Popular
Sanguíneo não teria notado que o tanque
estava quase vazio e, mesmo que tivesse,
teria ficado nervoso sobre como conseguir o
troco correto. O Forte Colérico teria exigido
que o atendente desse o troco e provocado
uma cena. O Perfeito Melancólico teria tido o
troco certo, mas, se não tivesse, teria ficado
irritado consigo mesmo pela falta de
planejamento e teria pensado no caso até
chegar em casa.
Na maioria das situações pode-se depender
do Sereno Fleugmático para guardar a língua
e demonstrar paciência, até sob provocação.

Adaptado e Feliz com a Vida


O Sereno Fleugmático não começa com
grandes expectativas, por isso se adapta mais
facilmente às mudanças da vida. Tem uma
natureza basicamente pessimista que não o
deprime como faz ao Perfeito Melancólico,
mas que o mantém “realista”.
A minha avó Serena Fleugmática dizia-nos
a cada noite: “Vejo vocês pela manhã, se
Deus quiser.” Como jovem impetuosa,
tentava fazê-la alegrar mais os seus “boas-
noites”, mas ela esclareceu para mim: “Uma
manhã não me levantarei.” E tinha razão.
Quando pergunto à minha mãe Serena
Fleugmática como está hoje, ela responde:
“Mais ou menos” ou “Melhor que ontem”.
Embora não sejam respostas entusiastas,
fazem com que ela não espere demais e se
desiluda depois.
Quando cursava a faculdade, perguntei à
minha mãe por que ela nunca elogiava nós
três. Respondeu: “Se você nunca disser nada
muito positivo, nunca vai ter de engolir as
palavras.”
O Sereno Fleugmático não espera o sol
brilhar todos os dias, nem um pote de ouro no
fim de cada arco-íris. Então, quando chove
em sua passeata, ele continua marchando.
Quanto a nós, podemos aprender com essa
atitude a aceitar a vida como ela é e nos
adaptarmos à realidade.

Tem Habilidade Administrativa


Como o Forte Colérico se destaca como
típico executivo, muitas vezes nós ignoramos
o Sereno Fleugmático como um funcionário
competente e estável — alguém que se dá
com todo mundo e tem habilidade
administrativa.
O ex-presidente dos Estados Unidos,
Gerald Ford, é o mais evidente Sereno
Fleugmático da história recente, e descrições
dele parecem ter sido tiradas deste livro.
O repórter Bob Pierpoint da CBS disse:
“Gerald Ford é decente, amigável,
compassivo. Não teve um pensamento novo
ou progressista durante vinte e cinco anos,
mas é um homem bom, genuíno.” A autora
Doris Goodwin chamou-o “agradável,
modesto, descansado, sereno, equilibrado,
normal, decente, honesto, regular”. O Senhor
Limpo da Seleção!
Foi essa atitude inofensiva de meio-termo
de Ford que pesou em sua escolha no
momento histórico em que os Estados Unidos
não precisavam de um incógnito
espalhafatoso, mas de um homem simples,
sólido, em quem confiar. Ford foi escolhido
por sua personalidade Serena Fleugmática,
embora as pessoas que o escolheram
provavelmente não conhecessem nenhum
conceito sobre temperamentos.
Muito depois da sua derrota na eleição, o
Wall Street Journal publicou um artigo
intitulado: “Obrigado por Nada.”

Conta-se que os líderes cívicos de Michigan hesitam


em começar uma campanha para angariar fundos
para o tipo comum de museu comemorativo do
governo do ex-presidente Gerald Ford. Uma razão,
conforme o líder Republicano do seu antigo distrito
eleitoral, é que a Presidência Ford foi “uma
Presidência passiva em vez de ativa. Foi
extremamente importante como um período de cura.
Mas como é que se constrói um monumento para
algo que não aconteceu?”
O líder tem razão. Por algum tempo, durante
esses anos, houve uma diminuição notável nos
esquemas domésticos grandiosos, nos erros externos
e no violento partidarismo que providenciaram a
maior parte do drama da política americana por mais
de uma década. Que isso possa fazer de Gerald Ford
o candidato favorito para o maior e melhor memorial
de todos.

Que honra única ser elogiado pelo que não


fez e louvado pelo que ficou de fora. Créditos
perfeitos para o Sereno Fleugmático. Um
comentarista disse: “Parecia mais importante
saber quem Gerald Ford não era do que saber
quem era.”
A habilidade administrativa do Sereno
Fleugmático baseia-se no seu desejo de se dar
bem sem tumultuar, tanto quanto a sua visão
objetiva das pessoas, sem se envolver. Há
muitas pessoas Serenas Fleugmáticas como
supervisores nos colégios porque conseguem
se dar bem tanto com os alunos quanto com
os professores. Frequentemente oficiais
militares são Serenos Fleugmáticos porque
podem seguir ordens, esperar com paciência
as promoções e manter a calma sob pressão,
sem precisarem ser criativos ou fazerem tudo
a seu modo.
Uma estatística recente diz que 80% das
pessoas demitidas dos seus empregos o são
mais pela falta de entrosamento com outras
do que por incompetência. Lembrando isto,
fica claro por que o Sereno Fleugmático
mantém uma vantagem sobre os demais
temperamentos em emprego fixo,
competente.

Mediador de Problemas
Em qualquer área da vida atual há algum tipo
de conflito: pai/filho, professor/aluno,
patrão/empregado, amigo/amigo. Enquanto
os outros três temperamentos brigam e se
chocam, o Sereno Fleugmático tenta manter a
paz na fila. Enquanto outros lutam em águas
conturbadas, o Sereno Fleugmático levanta a
cabeça e acalma o mar. Enquanto outros
lutam para ter as coisas do seu jeito, o Sereno
Fleugmático descansa e dá uma opinião
objetiva. Todo lar e negócio precisam de pelo
menos um Sereno Fleugmático para ver
ambos os lados, e oferecer uma resposta
calma, fria e serena.
Sentei ao lado de um psicólogo Sereno
Fleugmático que me disse estar na profissão
ideal. “Que outro temperamento poderia
sentar calmamente o dia todo, escutar os
problemas dos outros e dar uma receita
imparcial?”
Warren Christopher, o negociador-chefe
americano na crise dos reféns no Irã, foi
elogiado num artigo por Robert Jackson no
Los Angeles Times Termos típicos do Sereno
Fleugmático foram usados, tais como: frio,
disciplinado, lábios comprimidos, sem
expressão, diplomático, humilde, estilo
manso, discreto, voz baixa, tranquilo. Era “o
homem ideal para o jogo de cartas das
negociações sobre os reféns”. Nunca se
irritou, mas amansou as relações.
A Bíblia nos diz que devemos ser
“irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus
inculpáveis...” (Filipenses 2:15) e os Serenos
Fleugmáticos chegam mais perto dessa
requisição. Não provocam contendas; dão-se
bem com os outros, e não têm inimigos. O
ex-presidente americano Gerald Ford chegou
ao topo, não por causa dos programas
brilhantes, mas porque nunca fez inimigos no
caminho. Uma vez disse de si mesmo:
“Tenho muitos adversários, mas nenhum
inimigo de que possa me lembrar.”
A revista Time diz do ex-presidente
americano, George Bush: “Ele não tem
nenhum seguidor fanático, mas muitos
amigos, pouquíssimos inimigos, e um
currículo impecável de serviço público.”
Outros temperamentos podem trabalhar
muito para ganhar amigos e influenciar
pessoas, mas esta habilidade única é o
principal dom do Sereno Fleugmático.
Frequentemente tenho algum Forte Colérico
que se aproxima de mim após um seminário
para perguntar porque ele foi ignorado para
uma promoção depois de todo o trabalho
criativo que prestou na firma. Geralmente o
homem promovido era um “babaca” que ele
nunca notara e que nem tinha credenciais.
Depois de investigar um pouquinho, geral
mente descubro que o “babaca” era um
Sereno Fleugmático estável que
desempenhava bem a sua função, dava-se
bem com todos e não provocava problemas.
O Forte Colérico tinha ideias dinâmicas,
avançara, mas arranjara muitos inimigos no
caminho. Quando chega a hora de escolher o
novo líder, a administração geralmente
aponta alguém que não tenha inimigos.

De Fácil Convivência
O Sereno Fleugmático tem muitos amigos
porque de se relaciona com todo mundo e
todos os outros temperamentos precisam de
alguém assim. Quando crianças e jovens, os
Serenos Fleugmáticos são aqueles que
raramente dão trabalho à mãe e são uma
alegria tê-los por perto. Recentemente a
minha amiga, Barbara Beuler, mostrou-me a
cópia de uma carta que escrevera a sua filha.
Expressou tão bem as qualidades positivas
do Sereno Fleugmático que a estou incluindo
aqui.

Querida Shara,
A medida que reflito sobre nossos dezoito anos
juntas, percebo quanto temos de agradecer a Deus
por ter-nos abençoado com uma filha do tipo Sereno
Fleugmático. Você providencia o equilíbrio
importante na família que inclui um pai Forte
Colérico, uma mãe Perfeita Melancólica e um irmão
Popular Sanguíneo. Quando você ainda era um bebê,
brincava tão feliz no seu “chiqueirinho” com os seus
brinquedos! Mal havíamos começado o nosso
próprio negócio em casa e você se encaixava tão
bem com a contabilidade!
Seu irmão, dois anos mais velho, planejava as
reinações e a diversão. Sua frase famosa, sobre a qual
ainda brincamos com você, era: “Eu também.”
No último Natal, você estava tentando
desesperadamente dizer alguma coisa, mas o resto da
família falava em alto e bom som. Com o seu espírito
calmo, você disse: “Vou gravar a mensagem e vocês
podem escutá-la depois.” Chamou a nossa atenção e
como rimos!
Fico muito feliz, como mãe, por ter alguma
compreensão dos temperamentos. Quando a
professora dizia: “Shara sempre está atrasada, mas
sempre fiel”, podia receber a declaração com humor.
Lembro-me de quando uma amiga sua
confidenciou a você que queria fugir de casa e você
conseguiu fazê-la se acalmar e tentar ver o ponto de
vista dos pais.
Você se aceita com felicidade e entende sua
própria personalidade tão bem que me disse: “Uma
coisa boa em ter amigas Serenas Fleugmáticas é que
quase nunca se mudam e você sempre sabe seus
números de telefone.”
A gerente da firma onde você trabalha vai mantê-
la, mesmo quando os negócios estiverem fracos,
porque, nas palavras dela, "Shara é uma funcionária
boa, firme e muito agradável com os clientes. Ela
trabalha muito bem com os outros funcionários e
embora leve tempo demais para limpar os
equipamentos, ela os limpa com perfeição”.
Shara, gostei dos nossos agradáveis dezoito anos
juntas. Mal posso esperar para ver como você vai
deixar acontecer o seu futuro. Mas sei que em tudo o
que você resolver será consagrada e feliz.
Beijos,
MAMÃE

Tem Muitos Amigos


O Sereno Fleugmático é o maior amigo de
todos porque todos seus recursos pessoais
resultam em relacionamentos humanos
positivos. Ele é despreocupado, relaxado,
calmo, sereno, equilibrado, paciente,
constante, pacífico, inofensivo e agradável.
Que mais se poderia pedir num amigo? O
amigo Sereno Fleugmático sempre tem tempo
para você. Quando você visita uma amiga
Forte Colérica, ela está sempre limpando,
arrumando ou dobrando roupa enquanto
vocês conversam, deixando você com a
impressão que o tempo dela é valioso demais
para gastar somente com você. A amiga
Serena Fleugmática deixará tudo para sentar-
se e conversar.
Tive uma amiga Serena Fleugmática que
era uma esplêndida mãe de família, mas o
trabalho doméstico não era uma prioridade.
Se eu passasse lá no meio da manhã, a mesa
da cozinha ainda estaria repleta com os restos
do café da manhã, as caixas de cereal abertas,
o leite fora da geladeira. Nós nos sentávamos,
empurrando os restos para os lados,
encostávamos os cotovelos na mesa, gozando
a companhia uma da outra. Como ela não se
preocupava com a desarrumação, eu também
não deixava que isso me incomodasse.

Bom Ouvinte
Outra razão pela qual os Serenos
Fleugmáticos tem muitos amigos é que são
bons ouvintes. Eles preferem ouvir a falar. O
Sereno Fleugmático pode ficar calado. Ele
não precisa dizer uma palavra e os outros
temperamentos adoram ter pessoas com quem
desabafar em tempos de aflição. Os Populares
Sanguíneos, em particular, precisam de
amigos Serenos Fleugmáticos que vão deixá-
los falar e proporcionar uma plateia
atenciosa. Quando eu era presidente do Clube
Feminino de São Bernardino, tinha uma
amiga Serena Fleugmática, Lucy, minha
vizinha. Toda quarta-feira, após a reunião, eu
passava em sua casa, para contar todas as
histórias frustrantes e engraçadas do dia. Ela
ouvia, sorria, solidarizava- se, balançava a
cabeça e, quando eu tinha dito tudo, ela me
agradecia a visita e eu saía.
Todos os Populares Sanguíneos precisam
de bons amigos calmos, Serenos
Fleugmáticos!

A língua serena é árvore de vida, mas a


perversa quebranta o espírito.
Provérbios 15:4
PARTE III

Plano para a
Personalidade

Um modo de superar
nossas fraquezas
Pessoais
INTRODUÇÃO

Os Pontos Positivos Levados


ao Extremo Tornam-se
Negativos

Em cada um de nós há o lado bom e o ruim


— apresentamos traços positivos e traços que
produzem reações negativas nos outros.
Muitas vezes as mesmas características
podem ser positivas e negativas para mais ou
para menos em diferentes graus e muitos
pontos positivos levados ao extremo tornam-
se negativos.
A grande habilidade do Popular Sanguíneo
em conversar animadamente, seja onde for, é
um ponto forte invejável, mas, levado ao
extremo, o Popular Sanguíneo estará sempre
falando, dominando e interrompendo.
A profundidade do pensamento analítico
do Perfeito Melancólico é um traço de gênio,
muito respeitada pelas pessoas mais
superficiais, mas, levada ao extremo, torna-o
pensativo e deprimido.
O dom de liderança rápida e unia
necessidade desesperada em cada fase da
vida, hoje em dia, mas, levado ao extremo, o
Forte Colérico torna-se um tirano,
controlando e manipulando.
A natureza pacífica do Sereno Fleugmático
é uma combinação admirável que o torna o
favorito de qualquer grupo, mas, levado ao
extremo, o Sereno Fleugmático não se
preocupa com nada, é indiferente e indeciso.
A medida que examinamos cada
temperamento com o propósito de nos
avaliar, devemos notar esses atributos que
provocam reações positivas nos outros e
elevam a nossa autoimagem. Precisamos
refletir sobre eles. Em seguida, prestar
atenção àqueles extremos de comportamento
que são ofensivos aos outros e, finalmente,
prometer a nós mesmos que dedicaremos os
nossos recursos, tanto físicos quanto
espirituais, à derrota dessas áreas
problemáticas.
Lembra-se de todos os grandes heróis que
estudamos em Shakespeare: Hamlet,
Macbeth, Rei Lear e os Henriques da
Inglaterra? Todos foram grandes homens que
fizeram muito, mas todos tiveram uma “falha
trágica” que provocou sua queda.
Todos nós temos sangue de herói nas veias
e como é excitante descobrir as nossas forças
e usá-las com sabedoria! Mas, da mesma
forma que esses homens da antiguidade,
todos nós temos uma “falha trágica” que,
ignorada, pode resultar em nossa queda.
Vamos nos examinar honestamente e
encontrar as nossas falhas antes que seja tarde
demais.

Pobreza e afronta sobrevêm ao que rejeita a


instrução,
mas o que guarda a repreensão será honrado.
Provérbios 13:18
CAPÍTULO 8

Vamos Organizar o Popular


Sanguíneo

Os Populares Sanguíneos são os mais


dispostos a mudanças, porque adoram ideias
e projetos novos e porque se comprometem
sinceramente a serem benquistos e
inofensivos. Porém há dois grandes
problemas que impedem os Populares
Sanguíneos de fazerem os acertos necessários
para melhorarem.

Sem Perseverança
Primeiro, embora estejam cheios de boas
intenções, raramente completam qualquer
projeto. Depois que eu explico a um Popular
Sanguíneo o que precisa fazer para superar
suas fraquezas, pergunto: “Quando você vai
iniciar essas melhorias?” Geralmente a
pessoa diz: “Não posso começar hoje, estarei
fora da cidade amanhã e temos visitas no fim
de semana.” Naquele momento, já perdeu a
batalha.

Pessoas Sem Culpa


Segundo, são um grupo tão divertido, com
personalidades tão agradáveis, que realmente
não acreditam que tenham grandes falhas.
Realmente não se levam a sério.
Quando trato das fraquezas dos Populares
Sanguíneos num seminário, eles riem, mas
não as acham tão horríveis a ponto de
precisarem de cuidados. Posso entender,
porque sentia a mesma coisa. Antes de me
casar, eu era maravilhosa e a alma da festa,
mas da noite para o dia, fiquei burra. Fred
fez-me saber que eu poderia ter sido
engraçada em Haverhill (Massachussetts,
Estados Unidos), mas não o era em Nova
Iorque. Nunca me ocorreu que ele tivesse
razão; achava-o sério demais e sem senso de
humor. Então, eu desempenhava o papel que
ele esperava de mim quando estávamos
juntos e era eu mesma com as outras pessoas.
Só quando comecei a estudar os
temperamentos é que me dei conta de que o
Fred não estava sozinho nas suas opiniões.
A medida que percebi que as minhas
fraquezas não estavam só na cabeça do Fred,
desenvolvi algumas sugestões para mim e
outros Populares Sanguíneos.

PROBLEMA: Populares
Sanguíneos falam demais
Solução 1: Fale só a metade do
que falava antes
Como Populares Sanguíneos não prestam
atenção a números, seria um desperdício
sugerir cortar a conversa em 22%, mas eles
têm uma noção sobre cortar algo no meio.
Para vocês, Populares Sanguíneos, uma meta
muito boa a seguir seria falar a metade do que
falavam antes. Uma maneira simples de se
controlar é deixar de contar pela segunda vez
a mesma história que você se sente
compelido a contar. Vai sentir pena deles por
não o terem ouvido, mas nunca vão sentir
falta do que nunca ouviram e é para melhor.
É melhor o grupo gostar do que você contou
do que ser abafado por seu controle total da
conversa — apesar da genialidade das suas
histórias.

Você Pode Fazer Melhor?


Fred e eu fomos à uma reunião de família
pela morte da avó dele de noventa e sete
anos. No primeiro dia, a reunião mais parecia
um programa de televisão chamado “Você
pode fazer melhor?” Cada parente achava
necessário contar as glórias da sua carreira,
até ser torpedeado pelo brilho do próximo
irmão. Naquela noite, no nosso quarto, Fred
lançou o que eu achei uma ideia terrível: “Por
que nós não nos calamos amanhã para ver
quanto tempo leva até que alguém nos
pergunte algo ou nos introduza na conversa?”
Não gostei do plano, mas achei que poderia
aguentar por algumas horas.
Começamos o nosso programa de silencio
logo após o café da manhã, continuamos
durante o almoço, o jantar e até nós recolher.
Quando chegamos ao quarto os meus olhos
estavam esbugalhados de tanta pressão e
pensava que fosse explodir.
— Isso é ridículo! — gritei. Não aguento
nem um minuto a mais.
Fred sorriu:
— Gostei de cada instante e vamos fazer o
mesmo amanhã.
— Outro dia de histórias reprimidas? Terei
uma crise nervosa.
Passamos mais um dia repleto de histórias
reprimidas e não tive uma crise de nervos.
Cheguei perto — mas sobrevivi.
No dia seguinte, antes de sairmos para o
aeroporto, a mãe de Fred disse:
— Você não disse nada na última hora,
Fred. Alguma coisa errada?
Ele lhe assegurou que estava bem, ela lhe
deu um tapinha e disse:
— Ótimo, querido, ótimo.
O maior insulto foi constatar que nem ela
nem outra pessoa haviam notado que eu não
dissera nada durante dois dias. Aqui estava eu
com um recorde vitalício e nem havia
ganhado um troféu! Mas aprendi uma lição
dolorosa: o mundo pode sobreviver — até
ficar feliz — mesmo que eu não abra a boca.
Portanto o meu novo modelo de falar
somente a metade do que falava antes parece
um alívio.
Por que vocês, Populares Sanguíneos, não
experimentam ver quanto tempo podem ficar
calados antes de alguém notar?

Solução 2: Observe Sinais de


Tédio
Os outros três temperamentos nem
precisam de uma definição de “sinais de
tédio”, mas os Populares Sanguíneos nunca
se acham chatos e precisam se convencer de
que, quando uma pessoa tenta afastar-se
deles, significa que perderam o interesse em
sua história. Quando os seus ouvintes ficam
na ponta dos pés, procurando alguém na
multidão, querem escapar. Quando se
desculpam para ir ao banheiro e não
retornam, você deve entender porquê. Os
sinais não são difíceis de notar, uma vez que
você aceite a possibilidade.

Solução 3 - Diminua os
Comentários
“Vá ao ponto” é uma frase que Fred tem
repetido para mim por quarenta anos, talvez
porque eu nunca tenha achado tão essencial o
ponto. Sempre aceitei o ditado “contar a
história é a metade do prazer”. Assim,
raramente faço uma declaração simples.
Exagero. Sinto-me encabulada ao expor uma
história nua e crua.
Embora sempre tenha pensado que o dom
de contar histórias fosse positivo, agora sei
que, levado ao extremo, torna-se negativo.
Aprendi que nem todo mundo tem o tempo
ou interesse para ouvir um conto Popular
Sanguíneo. Embora julgue ser o pano de
fundo histórico, completo, essencial ao
entendimento de um fato, descobri que
ninguém parece sofrer se não ouvir um
detalhe (ou uma dúzia deles).
Um dia tive uma ideia genial. Fiz um trato
comigo mesma: se estivesse no meio de uma
história encantadora que fosse interrompida,
não iria continuar, a menos que alguém me
pedisse. O meu primeiro teste veio numa
viagem de compras com um grupo de amigas.
Eu estava no meio de uma boa história
quando, num ponto crítico, com a heroína à
beira do precipício, a motorista pediu para ver
o mapa e verificar se estava no caminho
certo. Segurei o fôlego, esperando para
alguém perguntar “E o que aconteceu, mas
ninguém perguntou. Fiquei na ponta do
banco, pronta para entrar em ação, mas
ninguém olhou em minha direção. Será que
não ligam com o que aconteceu a Harriet?
Queria sacudi-las e dizer: “Lembram-se da
Harriet? Estava pendurada num precipício.
Não querem ouvir o resto?” Lembrei-me do
meu voto: Não termine, a menos que lhe
perguntem. E ninguém perguntou.
Essa rejeição foi uma resposta
inacreditável à minha prova. Às vezes as
pessoas ficam tão cansadas com uma história
detalhada que nem ligam para o final —
mesmo quando sou eu que a esteja contando.
A minha amiga Popular Sanguínea, Nancy,
concordou em testara mesma teoria. Obteve
os mesmos resultados. Fizemos um pacto
entre nós: quando isso acontecesse a qualquer
uma de nós, a outra diria com entusiasmo:
“Continue, continue! Mal posso esperar para
ouvir o resto!” Ah, como amo a Nancy!

Solução 4: Pare de exagerar


Quando comecei a dar o meu testemunho
em público, meu marido disse: “Agora que
você é uma preletora cristã, não acha que está
na hora de parar de mentir?” Eu sabia que
não mentia e perguntei-lhe o que queria dizer.
Como Perfeito Melancólico, ele achava que,
se eu não contasse a história exata, estaria
mentindo. Eu achava que estava colorindo a
história, então concordamos com a palavra
“exagerando”. Mais tarde ouvi Lauren dizer a
uma amiguinha: “Quando você escuta a
minha mãe, você tem de cortar tudo ao
meio.”
Um dia fui à casa nova de Patti, uma
Popular Sanguínea e, quando entrei, ela me
cumprimentou com estas palavras: “Todos os
cachorros e gatos desta rua estão morrendo de
sarna.” A minha mente Popular Sanguínea
visualizou instantaneamente dúzias de cães e
gatos dando os últimos suspiros nas ruas.
Enquanto captava essa cena, notei sua filha
Perfeita Melancólica sacudindo a cabeça em
desespero.
— Qual é o problema? — perguntei e ela
replicou:
— O gato da vizinha está doente.
Ninguém iria interessar-se muito por um
gato doente, mas ouvir que “Todos os
cachorros e gatos da rua estão morrendo de
sarna” realmente desperta interesse!
Uma vez Fred e eu estávamos muna festa
onde uma mulher Popular Sanguínea,
chamada Bonnie, havia cativado o grupo com
a sua descrição detalhada de uma viagem de
navio de Los Angeles à Ilha de Catalina. Ela
descreveu a diversão, descreveu o cardápio,
mencionou quem ficou enjoado e nos segurou
a atenção durante vinte minutos. Quando ela
concluiu sua história engraçadíssima sobre a
viagem, seu marido Perfeito Melancólico
respirou fundo e disse duas palavras em voz
calma, mas firme: “Nós voamos.”
Todo mundo ficou estarrecido enquanto
Bonnie refletiu por um momento e depois
concordou: “Está certo, voamos.”
Só um Popular Sanguíneo poderia passar
vinte minutos descrevendo com detalhes uma
viagem que nunca fez, num navio em que
nunca subiu a bordo.
Embora as histórias dos Populares
Sanguíneos sejam engraçadas, eu nunca vou
esquecer-me desse incidente porque Bonnie
fora longe demais no seu exagero e estava
mentindo. Uma amiga me contou uma
situação semelhante esta manhã e concluiu:
“Claro, ela é Popular Sanguínea. Você não
pode confiar em uma palavra que diz.” Que
vergonha! Não é triste que não se possa
confiar nos Populares Sanguíneos, para
contar a verdade? Pense sobre isso e faça uma
avaliação pessoal.

LEMBRE-SE

Exagero levado ao extremo torna-se mentira.

PROBLEMA: Populares
Sanguíneos são egoístas
Solução 1: Seja sensível aos
interesses de outras pessoas
Os Populares Sanguíneas são os menos
sensíveis em relação aos outros porque estão
por demais empolgados consigo mesmos.
Ficam tão satisfeitos com as próprias histórias
que não notam quando outros estão perdendo
o interesse, e falam muito além do interesse
do grupo. Raramente notam as necessidades
dos outros porque, por natureza, evitam
problemas e situações negativas. Os
Populares Sanguíneos não são bons
conselheiras porque preferem falar a escutar e
tendem a dar respostas rápidas, simples, que
poderiam ser inapropriadas.
Desenvolver nossa empatia em relação aos
outros começa com ouvir e observar.
Comecei a participar, tranquilamente, de
grupos, ouvindo até pegar o fio da conversa
em vez de lançar logo a minha história nova.
Muitas vezes senti-me agradecida porque
hesitei primeiro, antes de colocar o meu pé
em minha boca aberta. Tenho-me esforçado
para ver as pessoas como indivíduos e não
como uma possível plateia.
A medida que me interessei pelos outros,
descobri muitas pessoas sofredoras que antes
eu ignorava; tantas senhoras solitárias que os
Populares Sanguíneos tendem a evitar; tantos
corações quebrantados que precisam de
ânimo; tantos corpos carregados de fardos
que precisam do toque leve de um Popular
Sanguíneo.
Desde já, Populares Sanguíneos, escutem e
vejam cada pessoa como alguém especial e
vocês se tornarão sensíveis às necessidades
de outros.
Solução 2: Aprenda a ouvir
A razão pela qual os Populares Sanguíneos
não escutam não é por terem um problema
genético, mas por se interessarem apenas por
si próprios. Ouvir é um gesto simpático e os
Populares Sanguíneos não se preocupam
bastante em se esforçar para se interessarem
pelos outros. Acham que a vida e um teatro,
com eles no palco e os demais na plateia. Os
melhores Populares Sanguíneos podem obter
a imagem de artistas, mas quando mantêm a
atenção de todos, a maioria passa por egoísta.

LEMBRE-SE

Seja sensível às necessidades dos outros


e ouça o que eles têm a dizer.

PROBLEMA: Populares
Sanguíneos têm memórias
pouco desenvolvidas
Solução 1: Preste atenção a
nomes
Como já disse, os Populares Sanguíneos
não se lembram de nomes porque: não ouvem
e não se interessam. Ambos os problemas se
baseiam em sua natureza egoísta e em sua
falta de sensibilidade com os outros. Podem
ser engraçados num grupo, mas as pessoas
percebem que não ligam para eles quando se
esquecem de seus nomes em poucos minutos.
Dale Carnegie disse: “O som mais doce no
mundo é o nome da pessoa.” No seu livro
Como fazer amigos e influenciar pessoas ele
dá muitos exemplos de pessoas cujo sucesso
se deveu à concentração delas em aprender os
nomes das pessoas.
Os Populares Sanguíneos não são menos
inteligentes que os outros temperamentos e
podem se lembrar de nomes, uma vez que
decidem ser isso importante, O Forte
Colérico sabe como é crucial chamar as
pessoas pelo nome. O Perfeito Melancólico
tem boa cabeça para detalhes e o Sereno
Fleugmático gosta de observar e ouvir, mas o
Popular Sanguíneo é deficiente em todas
essas áreas. Não acham nada suficientemente
importante para se darem ao trabalho; não “se
importam” com detalhes e preferem falar a
ouvir. Será que existe esperança?
Durante toda a minha vida de casada
sempre achei mais fácil perguntar a Fred os
nomes das pessoas em vez de aprendê-los —
e era. Quando comecei a estudar os
temperamentos, percebi que esta dependência
de Fred mostrava que não confiava em minha
própria memória. Perguntei-me: “Você é tão
estúpida que precise alugar um cérebro? Você
não pode aprender sozinha?” Essa pergunta
me fez perceber que nunca realmente havia
tentado me lembrar de nomes e resolvi iniciar
um novo passatempo. Populares Sanguíneos
tem de levar tudo na brincadeira. Primeiro,
comecei a ouvir os nomes das pessoas, um
passo tão simples que qualquer um pode dar e
sem o qual há pouca esperança de melhoria.
Jamais podemos repetir algo que nunca
ouvimos. A medida que forcei minha mente a
se concentrar enquanto as pessoas falavam,
aprendi que todo mundo tem nome e gosta de
ser chamado por ele.
Como fico feliz e impressionada quando
alguém consegue dizer Littauer em vez de
Littenouer, Littoner, Littaver, Littenhauser ou
Latouer. Como os outros ficarão contentes
comigo se eu puder dizer os nomes deles! Há
uma grande motivação para o Popular
Sanguíneo: os outros vão gostar mais de nós.
Não e isso que realmente queremos? Uma
chave para ser benquisto e saber os nomes
das pessoas.
Segundo, comecei a me preocupar com os
outros. Comecei a olhá-los quando diziam os
seus nomes, a perguntar-lhes sobre suas
vidas, até que senti que os conhecia. Como as
pessoas ficaram mais interessantes desde que
aprendi a tirar os olhos de mim e a fixá-los
nelas!

Solução 2: Anote coisas


Enquanto a memória do Popular Sanguíneo
guarda cores e trivialidades mais do que
fatos; para lembrar nomes, datas e lugares a
memória do Popular Sanguíneo quase não
existe. Essa divisão da mente é
compreensível quando percebemos que o
temperamento Popular Sanguíneo se interessa
muito mais pelas pessoas que por estatísticas
e mais por ficção do que pelos fatos tais quais
são. O Perfeito Melancólico adora detalhes e
lembra-se das coisas essenciais da vida,
portanto, se olhássemos os pontos positivos,
sempre combinaríamos os dois; o Perfeito
Melancólico para acertar e o Popular
Sanguíneo para torná-lo interessante.
Fred tem uma habilidade fantástica para
nomes, ajudada por seu método de anotar o
nome de cada pessoa num cartão, com um
fato pertinente a ela. Quando morávamos em
Connecticut, tivemos um pastor Popular
Sanguíneo que não conseguia distinguir os
congregados uns dos outros. Fred ajudava-o,
ficando junto dele à porta cada domingo após
o culto e dando-lhe biografias instantâneas
“ao pé do ouvido” à medida que cada pessoa
desconhecida se aproximava.
— Esta senhora de vestido cor-de-rosa
chama-se Walda Worry. Ela tem seis filhos e
o marido dela está no hospital, com
problemas de coluna.
— Walda, minha querida, você fica linda
de rosa! Como vão seus filhos adoráveis? E
como vai o seu marido com o problema de
coluna?
Fred dava os fatos; Don enfeitava-os.
Depois que nos mudamos de Connecticut,
a memória de Don sofreu uma recaída e todo
mundo se perguntava por que o seu interesse
tão encantador havia-se tornado uma busca
desesperada por nomes. Um dia, ele
perguntou pelo marido de uma senhora
quando, de fato, ele estivera no enterro do
pobre homem dois dias antes.
Temos um amigo Popular Sanguíneo,
Tommy. Por incrível que pareça, ministra
cursos sobre memória. Ele faz um trabalho
interessante ao transmitir os princípios para
se obter uma boa memória — e as pessoas
realmente aprendem — mas isso não o ajuda
no seu dia-a-dia. Um dia passei na casa dele e
encontrei-o vasculhando freneticamente sua
garagem. Havia perdido duas caixas de livros
sobre “memória” dos quais precisava para
ministrar um curso naquela noite e não
conseguia lembrar-se onde as colocara.
Como os Populares Sanguíneos têm
memória muito fraca, precisam anotar as
tarefas e manter as listas onde não possam
esquece-las. Devem anotar os nomes das
pessoas que encontram e recordá-los antes de
visitar o mesmo grupo novamente. Antes de
fazer telefonemas de negócios, devem-se
assegurar de que têm todos os dados à mão.
Uma memória boa pode parecer lenta quando
falha por falta da informação que deveria ter.

Solução 3: Não se esqueça das


crianças
Já encontrei muitas mulheres Populares
Sanguíneas que esqueceram um filho, pelo
menos, em algum lugar, em algum momento.
Uma mãe dirigiu por uma hora deserto
adentro, conversando despreocupadamente
com a sua amiga Popular Sanguínea, antes de
perceber que o seu filho de quatro anos não
estava no assento de trás. Voltou ao posto
onde havia parado e lá estava o seu pequeno
ajudando o frentista. O frentista ficou
aliviado quando a viu, porque já estava no
fim do expediente e não sabia o que fazer
com o seu novo assistente.
Uma senhora me contou que havia se
esquecido de buscar o filho na escola e só
percebeu quando a família estava sentada ao
redor da mesa para o jantar e o lugar dele
estava vazio.
Em um de nossos seminários com um
grupo de Populares Sanguíneos, a líder deles
declarou: “Fizemos uma pesquisa, entre nós,
e descobrimos que havíamos perdido
quatrocentas e trinta e sete coisas esta
semana, inclusive sete crianças e uma avó,
abandonada tristemente numa loja de
departamentos.”
Eu e minha amiga Popular Sanguínea,
Carol, nos revezávamos para levar os nossos
filhos Perfeitos Melancólicos ao colégio
durante os primeiros anos escolares deles.
Ambas nos atrasávamos frequentemente e
enquanto nos compreendíamos por esses
atrasos, os meninos ficavam constantemente
deprimidos. Às vezes, quando eu ia buscar
James Júnior para levá-lo à escola, ele saía
com um olhar triste, carregando um prato de
mingau.
— A mamãe está ao telefone de novo e
tive de me virar.
Fred Júnior chegaria à casa na hora em que
Carol se lembrasse de buscá-lo e sempre
tinha histórias de como ela se esquecera dele,
ou como ela quase entrara na traseira de um
caminhão. Eu e Carol nos encontramos
recentemente em Dallas (Texas) e rimos dos
nossos anos de esquecimento no
revezamento. Chegamos à conclusão de que a
nossa inconsistência fez bem aos meninos
porque lhes ensinou a ter “jogo de cintura”.
Os Populares Sanguíneos têm a habilidade
criativa de olhar as suas fraquezas óbvias e de
encontrar meios de transformá-las em pontos
forres.

LEMBRE-SE

Mesmo que você possa racionalizar o porquê


de ter uma
memória fraca, ninguém quer ouvir sobre
isso. Preste
atenção aos nomes de pessoas, anote coisas e
tente
lembrar-se do lugar onde deixou seu carro e
seus filhos.

PROBLEMA: Populares
Sanguíneos são amigos
inconstantes e esquecidos
Solução 1: Leia The
Friendship Factor (O Fator
Amizade)
Embora os Populares Sanguíneos tenham
muitos amigos porque mantêm a vida
interessante, geralmente não são “bons
amigos”. Gostam de companheirismo, mas
saem de “mansinho” quando surgem
necessidades ou problemas. Poderiam ser
chamados de “amigos de sol”. Eu tinha uma
amiga Popular Sanguínea que era uma
“amiga de chuva”, porque só ligava para mim
quando estava chovendo e ela não podia jogar
golfe.
Os Populares Sanguíneos tendem a ter fãs
ou admiradores mais do que amigos
verdadeiros. Eles cercam-se de pessoas que
os admiram, que os amam e que (felizmente)
os adoram. Gostam de pessoas doadoras, mas
olham para outro lado quando surgem
necessidades. Estão ocupados demais com a
agitação e o encantamento para perder tempo
com problemas.
Quando li The Friendship Factor (O Fator
Amizade) de Alan L. McGinnis (Augsburg
Press), percebi pela primeira vez que não fora
uma boa amiga até então, embora tivesse
muitos conhecidos. O Dr. McGinnis
desafiou-me a examinar minha vida na área
de relacionamentos duradouros e vi que
estava perdendo alguns amigos queridos
porque não era fácil nos encontrarmos.
Em 1980, convidei quarenta mulheres do
país inteiro para virem a Redlands,
Califórnia, participar de um Seminário de
Treinamento para Preletoras. Vieram trinta e
seis e em uma semana juntas, tornamo-nos
amigas. Compartilhamos confidências umas
com as outras e não queríamos nos separar.
Para manter essas amizades, enviei uma carta,
repassando o que cada uma me havia escrito e
contando o que cada uma estava fazendo.
Também iniciei uma reunião semanal, às
quartas-feiras de manhã, para as que
moravam perto de minha casa. Concordamos
que, se não nos tivéssemos disciplinado a
encontrar-nos semanalmente, teríamos nos
distanciado.

Solução 2: Coloque as
necessidades dos outros em
primeiro lugar
Raramente Populares Sanguíneos se dão ao
trabalho de serem amigos verdadeiros, de
cuidarem dos necessitados e visitarem os
enfermos. Quando eu era presidente do Clube
de Mulheres de São Bernardino, esperava-se
que eu visitasse no hospital qualquer pessoa,
membro do Clube, enferma. Isso era tão
estranho para minha natureza, que achava
difícil poder cumprir. Desculpava-me por
isso, até o dia em que fui visitar o marido de
uma delas para descobrir que ele falecera no
dia anterior. Tive de me convencer que as
necessidades dos outros eram importantes e
então, me disciplinar para agir de acordo.
Muitas vezes, quando tive de me forçar a
fazer uma visita, o Senhor me abençoou com
uma rica experiência.

LEMBRE-SE

Populares Sanguíneos: não é fácil ser um


“bom amigo",
mas o esforço vale a pena. Não se contente
em ter uma plateia; torne-se amigo.

PROBLEMA: Populares
Sanguíneos interrompem e
respondem por outros
Solução: Não Pense que Você
Precisa Preencher Todas as
Lacunas
Costumava achar que Deus tinha me
nomeado o “Tapa Buracos Oficial da Vida”.
Como eu sempre tinha o que dizer e não
aguentava o silencio, entrava rapidinho com
uma história enquanto alguém tomava fôlego.
Nunca senti que estivesse interrompendo,
mas, salvando a plateia de uma experiência
monótona. Assumia o papel do menino
holandês com o dedo no buraco do dique,
impedindo que a cidade inteira fosse
inundada pela água. Via a conversa como um
grande muro protetor que não admitia
buracos e, à medida que um deles surgia, eu
corria para preencher a lacuna para o grupo
não ser inundado de tédio.
Fred achava excessiva essa atividade
frenética de “Tapa Buraco” e tentava me
dizer que “O silêncio vale ouro” e que não há
nada de errado em ter um instante calmo de
vez em quando. Ignorei o seu apelo até que
compreendi o meu temperamento e percebi
que Populares Sanguíneos têm essa
compulsão para tapar todos os buracos das
conversas. A medida que eu comecei a
morder a minha língua e a manter os lábios
fechados à força, notei que Fred começou a
falar. A atenção transferiu-se de mim para ele
e vi que ele tinha de que falar.
Uma encantadora moça Popular
Sanguínea, Sharon, contou-me que estava
doente na época da festa natalina de sua
igreja e não pôde comparecer. Mais tarde,
amigos lhe disseram que, na festa, seu marido
havia sido encantador e que nunca pensaram
que ele tivesse tanto carisma. Ela refletiu e
percebeu que nunca dera a ele oportunidade
de brilhar. Daquele dia em diante, ela tratou
de deixar algumas brechas para ele preencher
e ficou admirada ao ver que era capaz de
fazê-lo.

Phil não-fleugmático
Um dia, liguei a televisão e peguei “O show
de Phil Donahue”. Phil estava entrevistando o
economista Adam Smith e fiquei admirada
com o perfeito estudo de temperamentos que
proporcionavam: Phil, o extrovertido Popular
Sanguíneo/Forte Colérico, focalizava toda a
atenção nele próprio; Adam, profundo
Perfeito Melancólico (com mente de gênio) e
Sereno Fleugmático (muito calmo, bem-
humorado), não se perturbava diante das
perguntas.
Os comentários de Phil demonstravam sua
falta de conhecimento dos temperamentos e a
presunção de que Adam fosse um pouco
vagaroso, só porque a personalidade deste
não era tão vibrante quanto a de Phil:

PHIL — Acho que você não está muito entusiasmado


com este assunto.
ADAM — Estou muito entusiasmado. Só não tenho a
sua energia.
PHIL — Acho que você está entediado.
ADAM — Não estou entediado. É o rosto com que
nasci.

Quando a plateia perguntava a Adam, Phil


interrompia com as respostas. Em certo
ponto, após ter dado uma resposta completa
por Adam, Phil virou-se para ele e perguntou:

— É isso que você acha, não é, Adam?

E Adam respondeu:

— Por que me pergunta?


Não havia necessidade de perguntar-lhe
porque Phil se divertia dizendo tudo o que
achava que Adam diria. O Popular Sanguíneo
sempre acha que deve responder pelos outros
porque pode falar melhor.
Em nossa casa, eu e Marita sempre damos
respostas rápidas às perguntas dos outros.
Uma noite, ao jantar, Fred perguntou ao
nosso filho como iam as coisas no colégio.
Marita respondeu imediatamente:
— Ele teve de sentar no banco perto da
porta do diretor, portanto, na certa, fez algo
errado.
Ela nem frequentava o mesmo colégio,
mas havia passado de carro e visto seu irmão
em frente ao escritório do diretor. Ele não
gostou do relatório dela e Fred instituiu uma
nova regra da qual eu e Marita nunca
gostamos: Só responde quem for interrogado.
Essa disciplina diminui a marcha da
conversa e, às vezes, provoca silêncio total,
enquanto um membro do tipo mais quieto
reúne os seus pensamentos para uma resposta
simples.
À medida que você se familiariza com os
temperamentos, nota a rapidez com que os
Populares Sanguíneos respondem pelos
outros e nem percebem que estão fazendo
isto.

LEMBRE-SE

Quem interrompe e responde pelos outros é


grosseiro,
não tem consideração, e logo não é mais
bem-vindo.

PROBLEMA: O Popular
Sanguíneo é desorganizado e
imaturo
Solução 1: Organize sua vida
Embora os Populares Sanguíneos
frequentemente sejam considerados “mais
propensos ao sucesso”, na maioria das vezes
não são bem-sucedidos. Têm ideias,
personalidade, criatividade, mas raramente
conseguem juntar tudo. Se, por acaso, fazem
sucesso instantâneo, voam, mas se tiverem de
levar anos de planejamento e esforço,
desistem para irem outra direção. Muitos
Populares Sanguíneos trocam de empregos,
até de carreiras, de tempos em tempos porque
veem que a coroa não está fácil nesse reino,
portanto devem mudar.
Muitos Populares Sanguíneos tornam-se
pastores porque gostam do púlpito, e adoram
ter todos os olhos voltados para si durante
pelo menos uma hora por semana. Embora
sejam encantadores e divertidos,
frequentemente lhes falta preparo e tentam
improvisar.
Assisti a um casamento conduzido por um
pastor muito bonito. Ele entrou para dar
início à cerimônia, ajeitou o microfone de
lapela anunciou a primeira música. De
repente, uma expressão de pânico atravessou
o seu rosto; ele tirou o microfone e correu de
um púlpito para outro remexendo os papéis.
Ele havia esquecido o livro em que estava
escrito o nome do casal e não tinha a mínima
ideia de quem eram eles. Começou a marcha
nupcial e ele voltou às pressas à sua posição,
ajeitou novamente o microfone e deu um
largo sorriso aos convidados. O culto foi
encantador e personalizado, mas com votos
diferentes: sem menção de nomes. Num dado
momento, ele teve uma ideia genial. Parou e
pediu ao casal para se ajoelhar por um
momento, em oração silenciosa. Instruiu os
presentes a curvarem suas cabeças e a
fecharem os olhos em meditação. Enquanto
todos faziam isso, ele tirou o microfone, saiu
da igreja correndo, atravessou o pátio e
desapareceu em seu escritório. Reapareceu
instantes depois com um livro. Voltou, tomou
o seu lugar, rejeitou o microfone, respirou
fundo e disse: “Amém.” Abriu o livro e
prosseguiu com o resto da cerimônia
corretamente. (A oração silenciosa manteve a
maioria das cabeças abaixadas, mas natural
mente eu olhei e Fred marcou o tempo da
corrida em quarenta e sete segundos.)
Embora as histórias sobre Populares
Sanguíneos sejam engraçadas, mostram que
eles tem bom coração mas raramente
alcançam o seu potencial. Não querem se
esforçar hoje. Sempre acontece alguma coisa.
O prazer sobrepuja o trabalho.
Nas experiências de aconselhamento,
encontro o Popular Sanguíneo disposto a
concordar que precisa esforçar-se e se
organizar. Ele admite que não atingiu as
metas para a sua vida e quer melhorar. Passo
tempo mostrando-lhe o que fazer e o envio
para começar. Ele tem boa vontade, mas
acontecem imprevistos e ele acaba não
chegando lá. Quando se lembra de que ia
fazer algumas modificações, já perdeu a lista
e aí acha que provavelmente não fossem
funcionar.
Isso parece com algum de vocês? Vocês,
Populares Sanguíneos, têm o maior potencial
dentre todos. É possível um Popular
Sanguíneo alcançar o topo em qualquer área,
mas é preciso começar hoje a disciplinar sua
vida. Se esperar até amanhã, alguma coisa
certamente acontecerá.

Solução 2: Cresça
Você, Jovem!
Você, Popular Sanguíneo, menino com o coração na
superficialidade das coisas.

Shakespeare conhecia os temperamentos e, ao


escrever sobre os Populares Sanguíneos,
referiu-se a uma das suas maiores fraquezas
— o seu desejo de nunca crescer. Os
Populares Sanguíneos vivem como Peter Pan
e querem voar até a Terra do Nunca em vez
de enfrentar as duras realidades da vida.
Nenhum negócio ou casamento pode
funcionar bem quando um, ou ambos os
Sócios se negam a amadurecer. A maturidade
não depende da idade; depende da nossa
vontade de encarar as nossas
responsabilidades e fazer planos realistas para
enfrentá-los.
LEMBRE-SE

O Popular Sanguíneo precisa de um Salvador.


Sem ajuda divina como poderá ele:
frear sua língua;
controlar seu ego;
não pensar somente em si;
cultivar sua memória
(o Espírito Santo dá lembrança);
preocupar-se com outros;
cuidar dos outros antes de cuidar de si;
avaliar os custos.

Tudo posso nAquele que me fortalece.


Filipenses 4:13
CAPÍTULO 9

Vamos Alegrar
o Perfeito Melancólico

O Perfeito Melancólico é um estudo de


contrastes. Tem as maiores alturas e as
maiores profundezas. Ele adora o estudo dos
temperamentos porque lhe dá ferramentas
analíticas para uso em sua busca constante de
introspecção — mas resiste aos
temperamentos porque teme que a teoria seja
simples demais, fácil demais para entender e
insuficientemente profunda para ser
significante. Recusa-se a ser catalogado,
porque sente ser diferente dos outros
temperamentos, um ser único, complexo,
incompreendido por si mesmo e certamente
incapaz de ser agrupado com outros.
Único?
A realidade admirável do verdadeiro Perfeito
Melancólico é sua crença em que não há
outro igual a ele. Sempre foi capaz de provar
a si mesmo que estava certo e o mundo
errado. Sabe que poderia ser feliz se os outros
fossem iguais a ele.
Um dos benefícios mais valiosos que
prestamos em nossos seminários é o de
mostrar aos Perfeitos Melancólicos que não
são únicos. Há outros que pensam, veem e
agem como eles. Quando dividimos a plateia
em grupos de acordo com os resultados do
seu Perfil de Personalidade, os Perfeitos
Melancólicos saem do auditório relutantes.
Eles não querem “brincar” e ai daquele que
sugira relaxar ou se divertir! Quando se
reúnem, portanto, é como se o véu fosse
tirado. Todos se sentam corretamente à mesa;
todos estão meticulosamente vestidos; todos
têm canetas nas mãos e todos desconfiam dos
outros.
A medida que olham ao redor e começam a
analisar o grupo, a luz se acende e descobrem
que são semelhantes. Enquanto cada um
estuda silenciosamente os outros, vê que há
validade no estudo dos temperamentos. Às
vezes um sorriso ou outro aparece quando
reconhecem a evidente união no grupo.
Um homem me disse que esse momento de
verdade foi o ponto de virada no seu
casamento. Viera a nosso seminário por
insistência de sua esposa Popular Sanguínea,
que já havia se separado dele duas vezes e
estava prestes a fazê-lo novamente. Aos olhos
dele, todos os seus problemas provinham
dela. Ela não levava a vida a sério; havia
criado todos os filhos pendendo para o lado
dela, provavelmente subornando-os e sequer
conseguia desempenhar a contento as tarefas
domésticas depois de vinte e oito anos de
casada. Ele vivia só, numa casa com oito
filhos, fechado física, mental e
emocionalmente — deixando que ela
assumisse tudo.
Quando saiu com o grupo de Perfeitos
Melancólicos naquele dia em Phoenix
(Arizona), saiu sem desejo de aprender coisa
alguma; ele me disse que ficou pasmado
quando se sentou, olhou ao redor da mesa e
viu cópias de si mesmo. Disse:
— Naquele momento podia ver o que a
minha esposa havia olhado todos aqueles
anos. Podia ver nos rostos dos outros o meu
reflexo. Podia ver a profundeza e a seriedade
de propósito, mas também a atitude de
superioridade e a total falta de humor.
Quando voltei para casa naquela noite, pedi
desculpas à minha esposa por ter sido um
duro juiz durante vinte e oito anos. Ela
chorou e disse: “Nunca pensei que você
conseguisse se ver como os outros o veem.
Graças a Deus.”
— Quando eu a abracei com calor e
aceitação que nunca antes demonstrara, sabia
que o nosso casamento fora salvo.
Quanto podemos aprender se examinarmos
os traços que se aplicam ao nosso
temperamento básico e tirarmos proveito
deles!

PROBLEMA: Os Perfeitos
Melancólicos ficam facilmente
deprimidos
Solução 1: Perceba que
ninguém gosta de pessoas
tristes
Uma charge de Colman intitulada
“Homens e Mulheres” (Men and Women)
mostra um homem e uma mulher frente a
frente. Ele parece deprimido e ela diz: “Se
isso é estar FELIZ, como você fica quando
está TRISTE?” Com Perfeitos Melancólicos é
difícil distinguir felicidade de tristeza, porque
nunca querem exaltar-se demais, e na maior
parte da vida estão sérios — se não estiverem
verdadeiramente deprimidos. Enquanto o
Perfeito Melancólico se ofende com o Forte
Colérico barulhento e manipulador, não
percebe como ele próprio controla os outros
com seu gênio. A medida que as pessoas
tomam conhecimento daquilo que o ofende,
tentam evitar engatilhar uma depressão. Este
relacionamento delicado é, no mínimo, difícil
e, se possível, as pessoas tentam evitar
contato com ele.
Uma vez que vocês, Perfeitos
Melancólicos, percebam o que estão fazendo
com o seu gênio, podem começar a melhorar.
Do mesmo modo que o Popular Sanguíneo
tem de se esforçar para organizar-se, vocês
têm de se esforçar para animar-se. Quando
expliquei esse princípio a meu filho, ele
refutou: “Mas eu não me sinto animado.”
“Você não precisa se sentir animado, seja
animado. Prefiro ter alegria falsa a depressão
genuína.”
Entenda que ninguém gosta de gente triste.
Mesmo que você tenha todas as razões no
mundo para se enforcar, ninguém quer ouvir
sobre isso. A medida que os Perfeitos
Melancólicos envelhecem, tendem a ficar
mais pesarosos. Decidem que ninguém mais
os ama e depois tentam provar que estão
certos. A viuvinha fica em casa sentindo-se
solitária. Uma simpática senhora da igreja
faz-lhe uma visita e pergunta: “Como está a
senhora?”
Como leva tudo a sério, o Perfeito
Melancólico conta todos os problemas
ocorridos durante o mês todinho. Conta todos
os detalhes tristes e termina com: “E ninguém
vem visitar-me.”
A visitante simpática arrasta-se para fora
da casa e resolve nunca mais visitar aquela
senhora. Seu nome é acrescentado à lista
mental daqueles que nunca mais a visitam e o
Perfeito Melancólico acaba, assim,
perpetuando suas próprias crenças negativas.
Ah, se os Perfeitos Melancólicos pudessem
perceber que ninguém gosta de gente triste,
poderiam esforçar-se para ter uma visão
menos pessimista da vida!

Solução 2: Não procure


problemas
Perfeitos Melancólicos tendem a levar tudo
para o campo pessoal e frequentemente
procuram problemas. Uma jovem casada me
disse: “O meu marido é tão negativo que, se
formos ver um filme ruim, ele me faz sentir
que fui eu quem o produziu.”
Os Perfeitos Melancólicos têm dificuldades
especiais com Populares Sanguíneos/Fortes
Coléricos porque esses falam tudo que lhes
passa pela cabeça sem medir as
consequências. O Perfeito Melancólico
planeja de antemão tudo o que diz e presume
que os outros também fazem isso, portanto
vê, em cada frase trivial, um significado
profundo e escondido.
A medida que vocês, Perfeitos
Melancólicos, começarem a entender os
diferentes temperamentos, deixarão de
carregar um peso enorme. Perceberão, talvez
pela primeira vez, que os Populares
Sanguíneos/Fortes Coléricos não estão
tentando destruir vocês. Nem pensaram muito
em você e certamente não planejaram nada de
antemão. Ao aprenderem a avaliar os outros
pelos seus traços de temperamento (e não
pelos seus próprios) ganharão uma visão
totalmente nova das pessoas. Poderão sorrir
para as pessoas ao redor e parar de procurar
problemas.
Muitas vezes os Perfeitos Melancólicos se
sentem evitados e perguntam por que não são
convidados para eventos sociais; mas, ao
receberem convites, frequentemente afastam
as pessoas com as suas respostas negativas.
Um dia, convidamos uma senhora para uma
festa em nossa casa. Em vez de demonstrar
entusiasmo, ela replicou: “Bem, vou sair o
dia todo e não vou conseguir fazer nada,
então acho que posso desperdiçar a noite
também.”
Às vezes um Perfeito Melancólico
consegue tomar uma situação positiva e
transformá-la em algo negativo. A última vez
em que fui ao cabeleireiro, ele suspirou,
assim que eu me sentei na cadeira, e disse:
“Sua filha está-me dando trabalho.” Presumi
que Marita se atrasara para uma visita e
perguntei: “O que ela fez de errado?” Ele
respondeu: “Ela fica me mandando novos
fregueses. Já me mandou dez novos este mês
e o pior é que eles voltam sempre!”
Certa amiga me deu esta lista que
encontrou na cômoda da sua avó:

JJEAN NÃO ME MANDOU UM CARTÃO DE NATAL NOS


ÚLTIMOS DOIS ANOS.
SUE NÃO ME BEIJOU QUANDO SAIU.
EVELYN ESTAVA NO QUINTAL E NÃO ME
CUMPRIMENTOU.
RUTH NÃO ME LEVOU HOJE DE CARRO QUANDO PEDI.
HAZEL NÃO QUERVIR VISITAR A AVÓ E DIZ QUE ELE
NÃO É RESPONSABILIDADE DELA

Ninguém sabe como a avó planejava usar


essas informações, mas estava anotando-as
para não se esquecer.
Para testar a teoria de que Perfeitos
Melancólicos realmente se lembram das
coisas negativas, perguntei a um grupo de
músicos com quem eu trabalhava se algum
deles podia lembrar-se de qualquer situação
em seus primeiros anos de escola, em que
uma professora os houvesse magoado.
Imediatamente todas as mãos se levantaram e
durante trinta minutos ouvimos a narração
detalhada das mágoas.
Um deles contou que a professora do
jardim de infância não o deixava tomar leite
com bolachas; outro lembrou-se de que fora
acusado de puxar a trança da menina à sua
frente quando quem o fizera tinha sido o
menino de camisa verde; outro estava ainda
magoado com a professora que havia pregado
um recado com um alfinete na camisa dele
porque não o achava bastante esperto para
levar esse recado para casa.
Fred pôde lembrar-se de muitos incidentes
de sua juventude nos quais se sentiu
injustiçado. Ele era o terceiro filho de cinco
irmãos e achava que não fosse
suficientemente adulto para gozar de certos
privilégios, porém velho demais para ser
paparicado. Nos filmes de família,
geralmente ele estava chorando e os irmãos
chamavam-no de “buá, buá” — o chorão.
Embora agora saiba que os seus problemas
eram acentuados pelo seu temperamento
Perfeito Melancólico, ainda pode se lembrar
vivamente de incidentes negativos.
Meu filho Perfeito Melancólico, Fred,
anima-se todo quando uma ala do colégio se
incendeia, ou quando há uma blitz e metade
da oitava série é presa com drogas. Só uma
tragédia o comove e ele gosta de focalizar os
pontos negativos.
E fácil deduzir-se que alguém que gasta
tanta energia mental pensando em pontos
negativos facilmente caia em depressão. O
Perfeito Melancólico precisa manter os seus
pensamentos em coisas positivas e, no
primeiro momento em que se encontrar
focalizando o aspecto negativo de qualquer
coisa, deve recusar esses pensamentos logo
de início. “Tu, Senhor, conservarás em
perfeita paz aquele cujo propósito é firme;
porque ele confia em Ti” (Isaías 26:3). “...se
alguma virtude há e se algum louvor existe,
seja isso o que ocupe o vosso pensamento”
(Filipenses 4:8).

Solução 3: Não se magoe com


tanta facilidade
Os Perfeitos Melancólicos gostam
realmente de ficar magoados e isso faz com
que se voltem só para si e levam a pior.
Quando meu marido Fred era adolescente, era
profundamente Perfeito Melancólico e
percebia que não estava ganhando sua parcela
de pontas do assado das refeições de
domingo. Como todo mundo na família
gostava dos mesmos pedaços, Fred se achava
passado para trás e, por isso, resolveu fazer a
“Tabela do Assado”. Durante dezesseis
semanas ele anotou cada domingo: 12 de
Janeiro, TIA EDIE E TIO DICK; 19 de Janeiro,
STEVE E VOVÔ. . . . Um dia, sua mãe estava
limpando o quarto dele e levantou o “risque e
rabisque” da sua escrivaninha. Lá estava a
lista esquisita com todas as datas e nomes.
Quando ele chegou em casa, ela lhe
perguntou de que se tratava e ele, decidido,
disse-lhe: “Essa é a tabela de quem ganhou as
pontas do assado. A senhora vai notar que
durante dezesseis semanas o meu nome não
aparece. Agora eu tenho provas de como sou
desconsiderado.”
Sua mãe Forte Colérica mal podia acreditar
que ele perdesse tempo para fazer uma lista
assim, mas ele se vangloriava de verdades
negativas.
Muitos Perfeitos Melancólicos se esforçam
para serem magoados. Desde crianças os
Perfeitos Melancólicos se sentem ignorados
ou negligenciados. Eis um exemplo:

No Natal, Joshua, de seis anos, já previa um dia


frustrante. Para começar, ele fez um balanço entre os
brinquedos que ele e sua prima Laura haviam
ganhado. Descobriu que ela recebera mais
brinquedos. Embora Joshua tivesse recebida roupas
novas e lençóis decorativos de “Guerra nas Estrelas”
chorou copiosamente dizendo: "Papai Noel gosta
mais da Laura!”

Solução 4: Procure coisas


positivas
Perfeitos Melancólicos ouvem críticas que
ninguém fez. Se escutam seu nome
mencionado do outro lado da sala, saberão
que alguém está falando mal deles. Os
Populares Sanguíneos, entretanto, acham que,
se alguém está falando deles, está falando
bem. Acreditam no velho ditado; “Não existe
publicidade ruim.”
A mente Perfeita Melancólica é como um
rádio cujo botão está sempre desajustado,
mas muito pode ser mudado quando o
Perfeito Melancólico decide procurar o lado
positivo das coisas. Procure o melhor nas
pessoas e, quando as coisas derem errado,
agradeça a Deus pela experiência e pergunte
a Ele que lição positiva você deveria aprender
com isso, “...o que confia no Senhor, esse é
feliz” (Provérbios 16:20).

Solução 5: Leia Blow Away the


Black Clouds
No meu livro Blow Away the Black Clouds
(Sopre as Nuvens Negras), Editora Harvest
House, exploro os sintomas da depressão e as
áreas de autoajuda, ajuda profissional e ajuda
espiritual. Esse estudo simples trará maior
compreensão a todos os temperamentos
quanto à depressão e será especialmente
benéfico aos Perfeitos Melancólicos.

LEMBRE-SE

Enfatizar os positivos.
Eliminar os negativos.

PROBLEMA: Os Perfeitos
Melancólicos tem uma baixa
autoimagem
Solução 1: Pesquise a fonte
das suas inseguranças
Devida às suas tendências negativistas
inatas, os Perfeitos Melancólicos julgam-se
mais duramente. Tendem a sentir-se
inseguros em situações sociais. Geralmente
são atraídos por cônjuges Populares
Sanguíneos que podem conversar por eles. Já
encontrei Perfeitos Melancólicos brilhantes,
reconhecidos nacionalmente em seus campos,
que pareciam aterrorizados com a perspectiva
de ter de dizer poucas palavras em uma festa.
Muitas vezes a baixa autoimagem do Perfeito
Melancólico vem de críticas feitas por pais ou
professores quando eram crianças. Como o
Perfeito Melancólico absorve pensamentos
negativos, as pessoas tendem a provocá-los.
Notei, em meus trabalhos em clubes
femininos, que as presidentes angustiadas
com críticas são o alvo preferido. Aquelas
que não se importam são deixadas em paz.
Fiz uma tabela de autoimagem para
mulheres. Nela se pergunta a opinião pessoal
sobre o cabelo, peso, olhos, talento,
espiritualidade e muitos outros fatores. Após
cada mulher anotar sua imediata opinião de si
própria, peço-lhe para reler a lista e anotar de
onde ela tirou tal opinião. Foi a mãe que lhe
disse que tinha cabelo horrível? Seu pai lhe
disse que não era muito inteligente?
Percepção surpreendente vem às mulheres
quando fazem esse exercício simples.
Começam a entender por que têm uma baixa
autoimagem. Depois eu lhes peço para avaliar
se a sua opinião é atualmente válida, ou se é
uma sobra do passado. Se for válida,
desenvolvemos um programa de
melhoramento. Se for fantasia, pedem a Deus
para remover tais imagens negativas de suas
mentes. “Ouve, Senhor, a minha súplica, e
cheguem a ti os meus clamores” (Salmo
102:1).

Solução 2: Esteja alerta a


evidências de “falsa
humildade”
Pelo fato de os Perfeitos Melancólicos
terem uma baixa autoimagem tendem a atrair
elogios de um modo tão sutil que nem eles
percebem. Dizem coisas como: “Nunca faço
nada certo; o meu cabelo está sempre
desarrumado; nunca sei o que vestir.” Ao
dizer coisas assim, pensam que estão sendo
humildes, mas realmente cada frase se
assemelha a uma bandeira vermelha sendo
balançada e que diz: “Sou inseguro.” O que o
Perfeito Melancólico está realmente fazendo
é: pedindo para aumentarmos sua imagem e
forçando-nos a fazer-lhe um elogio que talvez
venha a rejeitar posteriormente.

LEMBRE-SE

O Perfeito Melancólico tem um enorme


potencial
para o sucesso. Não seja o seu pior inimigo.
PROBLEMA: Perfeitos
Melancólicos deixam tudo para
depois
Solução 1: Tenha “as coisas
certas” em mãos antes de
começar
Como os Melancólicos são perfeccionistas,
muitas vezes deixam de realizar certos
projetos porque temem não poder
desenvolvê-los corretamente. Enquanto o
Sereno Fleugmático adia as coisas na
esperança de não ter de fazê-las, o Perfeito
Melancólico delonga porque precisa fazê-las
perfeitamente.
Quando morávamos em Connecticut Fred
decidiu instalar um sistema de som Perfeito
Melancólico. Para começar, abriu um grande
buraco na parede da sala e instalou ali uma
caixa de som, O toca-discos ficava escondido
no armário, mas a caixa era o ponto central da
sala e estragava a decoração. Tentei persuadi-
lo a colocar alguma coisa — qualquer coisa
— sobre aquele buraco negro, mas ele tinha
de esperar até encontrar a “coisa certa”.
Encontrei um quadro que poderia ser
pendurado lá, mas o reboco desigual aparecia
dos lados — e Fred não me deixava fixá-lo
no lugar porque distorcia o som. Cada
solução que sugeria não estava “certa”.
Coloquei o piano em frente ao buraco com
pilhas de binários em cima, mas não
funcionou. Tentei arranjos enormes de flores,
mas só atraíam a atenção para o buraco preto
por trás. O Natal foi a melhor época do ano,
porque uma árvore enorme escondia o
buraco, e as pessoas ficavam admiradas com
a música saindo por trás dos enfeites. Dois
anos depois, quando Fred admitiu que talvez
nunca encontrasse a “coisa certa “, chamei
um marceneiro para construir um armário
para cobrir o buraco. Discuti o problema com
Fred durante vários meses antes que ele
dissesse: “Acho que é a coisa certa.” Perfeitos
Melancólicos não nos prejudicam com seus
projetos brilhantes até que tenham as “coisas
certas” para terminá-los rapidamente.
Solução 2: Não gaste tanto
tempo planejando
Uma senhora me contou que seu marido
juntou todas “as coisas certas” antes de
começar a construir um novo terraço. Sacos
de cimento depositaram-se na grama,
matando-a, e um carrinho de mão antigo
ficou encostado ao lado da porta principal
durante meses. Todas as vezes que ela
reclamava, ele dizia que não podia fazer o
terraço até ter um plano-mestre para o jardim
inteiro. Ele ainda está desenhando o plano e
ela plantou gerânios no carrinho de mão.
Arlene pediu ao marido que fizesse uma
estante. Ele passou três meses fazendo o
esboço. O marido de Jackie fez uma mesinha
para o aquário do filho. Ela me mostrou
quatro folhas de desenhos profissionais que
ele fizera antes de começar a construção.
Se eu pedir ao Fred para pendurar um
quadro, ele tem de analisar a parede.
Invariavelmente está torta e a simples
constatação deprime-o. Ele tem de medir a
altura e comprimento da parede e as
dimensões do quadro. Precisa do tipo exato
de prego e um martelo pequeno, que
geralmente não temos. Aprendi que, se eu
quiser um quadro colocado rapidamente,
pego o primeiro prego que encontrar e um
sapato velho, e enfio o prego na parede onde
acho que o quadro deva estar. Se não ficar
bem, tiro o prego e mudo alguns centímetros.
Depois de umas tentativas rápidas, tenho o
ponto certo. Quando nos mudamos a última
vez, Fred tirou os quadros e ficou irritado ao
ver que atrás de cada quadro havia uma série
de furinhos que ele precisou fechar antes de
podermos vender a casa.

LEMBRE-SE

Se os Perfeitos Melancólicos não gastassem


tanto tempo
com planos, não obrigariam a nós,
incompetentes, a ir em frente sem preparo
e a estragar obras delicadas.
PROBLEMA: Os Perfeitos
Melancólicos impõem
exigências irreais aos outros
Solução 1: Relaxe os seus
padrões
Perfeitos Melancólicos têm padrões
elevados, fazem tudo com perfeição, mas
quando impõem esses padrões aos outros,
esse traço se torna uma fraqueza.
Num seminário, uma senhora Popular
Sanguínea declarou: “Desde que me casei,
nunca fiz uma coisa sequer que meu marido
Perfeito Melancólico não corrigisse. Quando
eu morrer, terei de voltar e morrer de novo,
porque nunca vou acertar da primeira vez?
Quando ministrei um seminário em Palm
Springs (Califórnia), uma senhora Perfeita
Melancólica muito elegante veio falar
comigo: “Nunca ouvi falar dos
temperamentos antes e fico pensando se isso
explica o que há de errado com meu filho?”
Então, ela me contou sobre os padrões
“normais” no seu lar. Ela, o marido e um
filho eram Perfeitos Melancólicos e
mantinham tudo direitinho. Ela colocava as
revistas na mesinha da sala, em fila perfeita,
de tal maneira que se podiam ver os títulos.
Ficavam a cinco centímetros da beirada da
mesa e sempre eram atualizadas. Ninguém
poderia ler uma revista até que o próximo
exemplar chegasse para que sempre
parecessem novas. Um dia seu filho
“esquisito” (de dez anos) entrou na sala,
jogou todas as revistas no chão, pegou uma,
arrancou a capa, rasgou-a, e a jogou aos seus
pés. Ela ficou tão angustiada com esse
comportamento anormal que marcou uma
consulta com um psicólogo infantil para ele.
Ao discutir o problema, compartilhei com
ela que, enquanto o Perfeito Melancólico
achava que ter tudo perfeito fosse normal,
esse tipo de pressão constante era suficiente
para enlouquecer uma criança Popular
Sanguínea. O menino não aguentava essa
existência de “casa de bonecas” por mais
tempo. Conhecer os temperamentos é uma
grande ajuda para lidar com outras pessoas. A
mulher tinha padrões altos que serviam para
ela e para os outros dois Perfeitos
Melancólicos, mas impostos a um Popular
Sanguíneo, eram impraticáveis. Quando
entendeu isso, ela disse: “Pensei que ele fosse
um caso de patologia mental.”
— Será, se continuar com isso— respondi.

Solução 2: Seja grato porque


entende o seu temperamento
O estudo dos temperamentos é de grande
valor para os Perfeitos Melancólicos. A
medida que começam a entender por que os
outros se comportam e reagem diferente
mente deles, podem começar a trabalhar nos
seus relacionamentos com a família e os
amigos de modo positivo.
Muitos Perfeitos Melancólicos acham que
há algo de errado com eles porque não são
animados e joviais como os outros parecem
ser. As pessoas pedem que se alegrem e
relaxem e, em vez disso, eles se retraem.
Muitos Perfeitos Melancólicos têm-me dito
que tiraram um grande peso de cima deles
próprios, quando perceberam que não eram
doentes mentais, mas eram apenas um dos
quatro temperamentos básicos.
Linda Schreiber escreveu-me de Laguna
(Califórnia):

Será difícil pôr em palavras quão valiosa foi para


mim a sessão sobre os temperamentos. Acho difícil
crer que isso seja tão velho quanto Hipócrates, mas é
a primeira vez que me expus a eles. Sou uma
verdadeira Perfeita Melancólica e conhecer os
temperamentos resolveu muitos problemas em
minha cabeça. Não posso lhe dizer quantas vezes fui
realmente magoada por amigas. Agora vejo que a
maioria delas são Populares Sanguíneas. Fazem sem
querer, mas eu é que sou sensível demais para o jeito
delas. Fico admirada que seja tão simples, agora que
vejo o quadro total. Não acho que tenha nenhuma
amiga ou parente que seja Perfeito Melancólico. Os
meus sentimentos foram sempre tão fortes
comparados aos outros, que comecei a pensar que
sofresse de sérios problemas emocionais! Foi como
se eu tivesse tirado um peso ao aprender que não sou
tão diferente, mas somente um dos quatro
temperamentos básicos.

LEMBRE-SE
Nem tudo na vida é perfeito, portanto, relaxe.

Entretanto, a Palavra de Deus nos avisa:

... Aperfeiçoai-vos, consolai-vos; sede do mesmo


parecer:
vivei em paz...
2 Coríntios 13:11
CAPÍTULO 10

Vamos Abrandar
o Forte Colérico

Do mesmo modo que os Populares


Sanguíneos veem suas fraquezas como
triviais e os Perfeitos Melancólicos as veem
como reais e incorrigíveis, os Fortes
Coléricos se recusam a crer que haja neles
algo que possa ser considerado ofensivo.
Devido à pressuposição de que estejam
sempre certos, naturalmente não conseguem
ver que talvez possam estar errados.
Desde pequenos os Fortes Coléricos
precisam vencer em todas as ocasiões e
encontrarão uma maneira de não ser
humilhado.
Bryan, um Forte Colérico de 5 anos de
idade, apareceu pronto para ir a uma festa de
aniversário usando seus tênis velhos. Sua mãe
instruiu-o a voltar a seu quarto e colocar seus
sapatos de festa.
— Eu odeio aqueles sapatos — disse ele
decididamente.
Sua mãe, Forte Colérica, respondeu:
— Não me importo se você gosta deles ou
não, simplesmente vista-os.
— Eu não usarei os sapatos marrons, disse
Bryan.
— Então você não irá à festa!
Bryan defrontou-se com um problema. Ele
queria ir à festa, mas não queria usar os
sapatos marrons. Sua natureza Forte Colérica
não permitiria que ele desistisse, mas, apesar
disso, ele sabia que sua mãe — que iria levá-
lo — não mudaria de opinião.
Ele ficou desconcertado por alguns
momentos e, então, apareceu com uma
solução Forte Colérica que permitiu que ele
se saísse bem. “Eu colocarei os sapatos
marrons, mas quando voltar para casa os
jogarei no lixo e nunca mais os usarei
novamente!”
Bryan sabia que tinha vencido!
Senhor sem culpa
Uma noite, durante o intervalo em um
seminário cujo tema era o casamento, um
homem Forte Colérico andou entre os bancos,
balançando a sua avaliação dos
temperamentos no ar.
— Tenho todos estes pontos fortes e
nenhum dos fracos”, gritou. Atrás dele estava
sua pequena esposa Serena Fleugmática,
sacudindo a cabeça de forma negativa, mas
sem se atrever a falar uma palavra sequer.
— E mais — ele disse — essas coisas nem
são fraquezas.
— O que o senhor quer dizer? - perguntei.
— Bem, olhe esta palavra impaciência. Eu
nunca ficaria impaciente se todo mundo
fizesse o que mandei, quando mandei fazê-
lo!” Ele batia na mesa com ênfase Forte
Colérica e concluiu, com palavras que só um
Forte Colérico pode dizer com seriedade:
“Impaciência não é uma fraqueza em mim; é
uma falha nos outros.
Eis aí a cerne do problema dos Fortes
Coléricos e a razão pela qual não tentam
melhorar. Sempre são capazes de
racionalizar, porque a fraqueza não é deles,
mas uma falha nos outros. Se o Forte
Colérico puder se convencer da sua natureza
agressiva, será o primeiro a melhorar, porque
ele é motivado por alvos e tem de provar para
si mesmo que pode conquistar qualquer coisa,
se quiser.

PROBLEMA: Os Fortes
Coléricos são trabalhadores
compulsivos
Solução 1: Aprenda a relaxar
O Forte Colérico é um excelente
trabalhador e pode realizar mais que qualquer
outro temperamento realizaria, mas
simplesmente não consegue relaxar.
Ele trabalha, a todo vapor, por tanto tempo
que não consegue desligar o interruptor e
parar. Por Fred e eu sermos meio Fortes
Coléricos, você pode imaginar a atividade
que geramos. Se nos sentamos, sentimo-nos
culpados. A vida foi feita para realizações e
constante produção.

Todas as casas foram feitas para serem


modificadas.
Cada refeição poderia ser melhorada.
Cada gaveta poderia ser mais arrumada.
Toda tarefa poderia ser terminada com mais
rapidez.

O Forte Colérico em nós nos impulsiona a


correr, correr, correr. Nunca senta se houver
alguma coisa que possa fazer em pé!
Uma vez estava contando a uma amiga
Serena Fleugmática que tenho de me esforçar
para repousar e o único jeito para tirar uma
soneca é considerar o sono como um passo no
alvo da boa saúde.
— Todo tempo em que estou descansando.
— disse — fico planejando o que vou fazer
logo que me levantar.
— Engraçado — ela disse — Todo o
tempo em que você está deitada, queria estar
em pé. Comigo é o oposto. Todo o tempo em
que estou de pé, queria estar deitada.
No ano passado, Fred e eu decidimos que
precisávamos de um bom descanso. O meu
irmão Ron sugeriu uma ilha nas Bahamas, tão
distante que seríamos forçados a relaxar.
Voamos até essa ilha onde programamos não
fazer outra coisa a não ser repousar.
Faltamos ao café da manhã no primeiro
dia. (Quando chegamos, os empregados
haviam partido!) Depois do café, no segundo
dia, saímos para investigar a ilha comprida e
estreita. Estávamos bem no meio e
descobrimos que só havia duas coisas para
fazer: caminhar para a direita ou para a
esquerda. Até a hora do almoço já havíamos
caminhado nas duas direções.
Depois do almoço, Fred e eu fomos para
nosso quarto e sentamo-nos na beirada das
camas de solteiro. Fred pegou um bloco de
papel e disse: “Acho que devemos organizar
estas férias. Precisamos descer para o café
antes de os empregados irem embora.
Podemos demorar bastante e colocara roupa
de banho às 9h30m. Depois caminharemos
para a esquerda. Como precisamos nos
bronzear, deitaremos na praia até as 11h,
quando voltaremos ao quarto para trocar de
roupa para o almoço.”
Eu estive concordando com Fred, enquanto
ele anotava o nosso roteiro e planejava cada
minuto, incluindo uma caminhada para a
direita às 15h.
Quando chegamos a esse ponto, percebi o
que estávamos fazendo. Os Fortes Coléricos,
muito necessitados de férias, estavam
planejando cada dia para não desperdiçar nem
um momento. Embora soubéssemos por que
havíamos escolhido um lugar tranquilo, ficar
ali sem fazer nada era tão contrário às nossas
naturezas que estávamos planejando como
aproveitar ao máximo o nosso tempo!
Os Fortes Coléricos devem perceber que
são candidatos a ataques cardíacos e precisam
aprender a relaxar. Eu me forço a repousar e
me disciplino a deitarem uma hora
conveniente, quando viajo. Mesmo que as
festas continuem, eu me despeço e me retiro.
O Forte Colérico nunca será preguiçoso,
mas deve perceber que não precisa trabalhar
o tempo todo.

Solução 2: Leia When I Relax I


Feel Guilty
Relaxar é difícil para o Forte Colérico. Tim
Hansel escreveu um livro dirigido aos Fortes
Coléricos: When I Relax I Feel Guilty
(Quando Eu Relaxo, Sinto-me Culpado),
Editora David C. Cook. Ele diz: “Sempre foi
difícil incorporar o lazer à minha vida.
Raramente me acusaram de trabalhar pouco.
O meu problema é exatamente o oposto.
Achava que, se fosse bom trabalhar dez
horas, seria ainda melhor trabalhar quatorze.”
Ele desafia outros Workaholics. “Será que
seus dias estão passando tão rápido que você
não pode mais usufruí-los? As palavras
brincar e repousar são estranhas ao seu
vocabulário atual? Quando foi a última vez
que brincou com pipa, andou de bicicleta ou
fez um trabalho manual? Quando foi a última
vez que se viu tão satisfeito que não
conseguia parar de sorrir? Aposto que faz
muito tempo.”
Tim falou direto a Fred e a mim. Ele nos
mostrou que não precisamos organizar as
nossas férias ou pressionar nossos filhos.
Podemos relaxar e não nos sentir culpados. A
medida que Fred e eu tomamos consciência
dessa fraqueza, começamos a nos divertir
juntos. Parei de pressioná-lo a trabalhar no
jardim de casa todos os fins de semana e não
sinto mais que é um pecado se a minha casa
não estiver impecável o tempo todo.
Os Fortes Coléricos precisam aprender a
relaxar. Tente — você pode até gostar!

Solução 3: Tire a pressão dos


outros
A simplicidade de propósitos do Forte
Colérico, que não deixa nada interferir, faz
com que ele realize muito mais que outros
temperamentos, mas esse impulso pude ser
desgastante aos outros.
Dorothy Shula comenta sobre o marido,
Don, técnico dos Miami Dolphins (time de
futebol americano): “Estou quase certa de
que, se eu morresse amanhã, o Don
encontraria um meio de me preservar até o
fim da temporada quando ele teria tempo para
um enterro bonito.”
Eu prefiro trabalhar a fazer qualquer outra
coisa. Recentemente, numa viagem que eu e
Marita fizemos a Phoenix (Arizona), um pneu
do carro dela estourou e precisamos dirigir o
carro, assim mesmo, até um posto. Eu tinha
estado trabalhando no esboço e fazendo
anotações para meu Seminário de
Treinamento de Preletores durante a viagem e
estava concentrada no trabalho. Saí do carro
com todas as pastas nos meus braços e
coloquei-as em ordem numérica na capota do
carro, enquanto levantavam a parte traseira
para a troca do pneu, de repente, notei o que
estava fazendo. Estava tão envolvida na
minha organização que não podia parar e ali,
num posto desconhecido, fiquei espalhando
pastas em cima do carro, enquanto as pessoas
ao meu redor entravam e saíam. Não
conseguia descansar; tinha compulsão para
trabalhar.
Os Fortes Coléricos têm de perceber que,
mesmo tendo trabalho, sua compulsão por
realização impõe pressões terríveis sobre os
outros ao redor, fazendo-os sentir que são
cidadãos de segunda classe se não se
esforçarem a todo momento. Dorothy Shula
deve-se sentir como menos que um membro
do time dos Dolphins. Eu exerço pressão
sobre as pessoas ao meu redor. Os Fortes
Coléricos precisam se esforçar para não se
tornarem workaholics, para que as pessoas
possam apreciar a sua presença e não tenham
de fugir deles para evitar uma crise de nervos.

Solução 4: Programe
atividades de lazer
Como os Fortes Coléricos gostam de
trabalhar mesmo durante as férias, outros
Fortes Coléricos inventaram uma ocupação
nova — ser “conselheiros do lazer”. Faz
sentido para nós, Fortes Coléricos, tornar um
negócio o nosso lazer e empregarmos alguém
para se divertir por nós! No artigo “Eles
ajudam a organizar o seu tempo de lazer”
(They’ll help organize your leisure time —
Parade, 25/02/79), o Dr. Chester McDowell,
“conselheiro do lazer”, foi mencionado,
afirmando sobre nós, os workaholics: “Os
Fortes Coléricos erguem todo tipo de barreira
para não gozar a vida e se sentem culpados
sobre o lazer. Nós ajudamos a romper as
barreiras.”
Uma pesquisa feita sobre workaholics
mostra que eles adoram o seu trabalho e não
precisam de diversão como outros
temperamentos necessitam. Parecem não ter
problemas psicológicos mais que os outros —
um fato que parece surpreender os
pesquisadores que são, sem dúvida, Perfeitos
Melancólicos procurando neuroses profundas
e escondidas.
Os Fortes Coléricos simplesmente gostam
de trabalhar.
Num artigo “A sua diversão é trabalho
demais?” (Is your fun too much work? —
Parade, 11/10/81), Madelyn Carlisle
pergunta: “Você está sendo destruído pelo
seu lazer? Está entediado quando precisa de
estímulo? Está provocando estresse quando
procura relaxar?” Ela destaca, em seguida,
como é importante todo mundo ter momentos
de tranquilidade se o seu trabalho for ativo,
ou um tipo de exercício se o seu trabalho for
sedentário. Os Fortes Coléricos deveriam
programar seu lazer.

LEMBRE-SE

Você pode relaxar e não se sentir culpado.

PROBLEMA: Os Fortes
Coléricos precisam estar no
comando
Solução 1: Corresponda à
liderança de outra pessoa
Ao tratar Fortes Coléricos extremos,
descobri que só se sentem confortáveis
quando estão em posições de comando.
Marita namorou um jovem extremamente
Forte Colérico que era liberal e encantador.
Quando nos encontrávamos com ele em sua
casa, ele nos tratava como rainhas: dando
canetas caras como presentes e gordas
gorjetas às garçonetes por serviços extras.
Quando estava em nossa casa, ficava sem
jeito e menos simpático. Ao analisar esse
contraste de comportamento, percebemos que
ele se sentia inseguro quando não estava no
comando.
O Forte Colérico precisa aprender a se
adaptar às situações sociais e tentar relaxar
quando não está no comando. Precisa deixar
os outros tomarem decisões e organizar
eventos. Deve participar de eventos que ele
não planejou e acender a lideranças contrárias
à sua escolha.

Solução 2: Não despreza os


“tolos”
Uma das maiores fraquezas do Forte
Colérico é a sua firme convicção de que ele
está certo e os outros, que não veem as coisas
como ele é que estão errados. Ele sempre
sabe como fazer tudo da maneira mais rápida
e melhor e diz: “se você não concordar, você
está errado” O Forte Colérico passa muito do
seu tempo no topo do mundo, desprezando
aqueles que ele chama de “os bobos da vida”.
Essa atitude de superioridade pode
traumatizar psicologicamente aqueles sob seu
domínio.
Pelo fato de valorizar a sua própria força, o
Forte Colérico despreza sem dó nem piedade
as fraquezas dos outros. Não tolera pessoas
doentes. Como uma amiga me contou, certa
vez, do seu marido Forte Colérico; “Quando
estou doente, ele me põe na cama e diz: ‘Saia
quando estiver melhor.’ e fecha a porta.”
Um preletor Forte Colérico disse-me
recentemente: “Odeio gente insegura;
gostaria de sacudi-las?” A principal fraqueza
do Forte Colérico é não conseguir tolerar as
fraquezas alheias. Os Fortes Coléricos não
entendem os que não são como eles e pensam
que todos são fracos ou tolos. É difícil para o
Forte Colérico compreender que nem todos
irão corresponder à sua forte liderança. Ele
espera que todo mundo seja motivado pelos
programas dele e inspirado pelas suas ideias.
Quando um Forte Colérico entende os
temperamentos, pode moldar a sua liderança
para comportar uma variedade de indivíduos.
Quando ele não entende os temperamentos,
motiva outros Fortes Coléricos aos seus
princípios e deixa “os tolos” se perderem pelo
caminho.

Solução 3: Pare de manipular


O Forte Colérico tem um jeito
impressionante de fazer com que os outros
realizem coisas sem perceber que foram
manipulados. Enquanto o Popular Sanguíneo
encanta os outros para servi-lo, o Forte
Colérico manipula-os. Naturalmente a
combinação Popular Sanguíneo/Forte
Colérico manipula de uma maneira, tão
encantadora que você pensa que inventou a
ideia.
Quando Marita tinha doze anos, queria
participar de uma “Marcha para Jesus” que
durava o dia inteiro e eu estava resistindo a
seu pedido, até receber este bilhete:

Como podemos opor-nos à vontade de


Deus?
A Lauren, temperamento mais Forte
Colérico que Marita, é mestra em
manipulação. Um dia ela me fez uma
pergunta hipotética. Sua cadela, da raça
Schnauzer, cujo nome é Monie, estava no cio
e Lauren me perguntou: “Se a senhora fosse
criar um filhote da próxima ninhada da
Monie, preferiria que eu a cruzasse com este
campeão que encontrei em Palm Springs, ou
com o Schnauzer comum aqui da rua? Hesitei
em responder à pergunta porque não queria,
em hipótese alguma, nada que precisasse de
cuidados — como dar de comer ou limpar
xixi. “Se fosse criar um (o que não vou
fazer), preferiria de um campeão em vez do
cachorro comum da rua.”
Lauren concordou rapidamente. “Sabia que
a senhora entenderia o meu ponto de vista.
Agora, na quarta-feira, quando ela precisar
ser cruzada, vou precisar de trezentos e
cinquenta reais e você poderá pagar em uma
dessas maneiras: ou pode me dar o dinheiro;
ou eu posso pagar agora, do meu bolso, e fico
com o direito de cruzar seu cão, o que sairia a
mesma coisa daqui há alguns anos.”
Fiquei pasmada. Em dois minutos, tinha
progredido de não querer nenhum
cachorrinho, a cruzar Schnauzers sem nem
mesmo receber a taxa pelo cruzamento!
Quando voltei a mim, minha natureza
Forte Colérica recusou com firmeza a oferta
promissora e achei que havia ganho. Mas o
Forte Colérico nunca se dá por vencido.
Lauren cruzou a Monie com o cachorro
comum da rua e me deu um cachorrinho
dentro de uma caixa no Natal.
Enquanto essas duas histórias de família
são engraçadas, a maioria das maquinações
do Forte Colérico não são tão engraçadas.
Mesmo que o Forte Colérico pareça, no
momento, vencer com as suas manipulações,
as pessoas se ressentem ao refletir sobre o
que aconteceu. Para manter amigos e sócios
de negócios por mais tempo, os Fortes
Coléricos precisam parar de manipular e
tornar-se francos com os outros. Os Fortes
Coléricos resistem a essa ideia, porque a
maior parte da alegria de vencer baseia-se
nessas conquistas manipuladas. Se os Fortes
Coléricos pudessem ver que a manipulação é
um traço muito feio, considerariam a
mudança.

LEMBRE-SE

Pare de manipular os outros e desprezar os


“tolos”.
PROBLEMA: Os Fortes
Coléricos não sabem como
lidar com as pessoas
Solução 1: Pratique a
paciência
Aprecio a mensagem em Tiago 1:2,3: “...
tende por motivo de grande alegria o
passardes por várias provações, sabendo que
a aprovação da vossa fé produz a
perseverança.” Que palavra importante para
os Fortes Coléricos que querem tudo feito do
seu jeito agora, e que tentam se esquivar de
qualquer coisa que não seja positiva. Os
Fortes Coléricos são impacientes por
natureza, mas essa fraqueza pode ser
superada, uma vez que a percebam como
problema.
Como os Fortes Coléricos podem realizar
mais em menos tempo que os outros
temperamentos, é muito difícil para eles
entender por que os outros não conseguem
acompanhá-los. Acham que pessoas quietas
devem ser lentas e pessoas pacíficas devem
ser fracas. De uma posição de força e
autoconfiança, julgam os outros de alguma
forma como sendo de uma raça inferior.
A lição mais valiosa que o Forte Colérico
pode receber deste estudo dos temperamentos
é perceber que a sua habilidade de cumprir e
alcançar metas é muitas vezes um obstáculo
em relacionamentos pessoais. Ninguém gosta
de uma pessoa mandona, impaciente e que o
faça sentir-se inseguro. Se o Forte Colérico
refletisse, só por um momento, na
possibilidade de ser rude com os outros,
poderia modificar rapidamente o seu
comportamento e ser realmente o grande líder
que pensa ser.

Solução 2: Guarde o conselho


até ser solicitado
Como o Forte Colérico tem a compulsão
para consertar erros, julga que todo mundo
com um problema adoraria ouvira sua
solução. Sente-se impelido a dar orientações
a qualquer um que precise de ajuda, mesmo
sem ter sido solicitado. Nosso amigo John
estava dirigindo seu carro, montanha abaixo,
quando viu que o caminhão à sua frente
estava andando de lado. Vendo que o
caminhão parecia novo, John achou que o
proprietário houvesse comprado o caminhão
defeituoso e agradeceria o seu aviso. Ele
acelerou e começou a acenar com a mão para
que o motorista parasse. O motorista olhou-o
e decidiu ignorá-lo. John insistiu, tocou a
buzina e apontou o acostamento. Finalmente
o homem desistiu e parou, John explicou ao
perplexo motorista: “O seu caminhão está
com o chassi torto, andando de lado.”
— Está o quê?”
— Está andando de lado. Quer dizer que o
chassi está torto. Deve ter sido derrubado
durante o transporte. Leve esse caminhão de
volta ao concessionário. Eles não podem
deixar isso ficar assim!”
Dito isso, ele deixou o homem em pé,
desanimado, ao lado do seu caminhão. John
foi embora satisfeito com a grande ajuda que
havia prestado. Nem todo mundo responde
com alegria às sugestões do Forte Colérico.

Solução 3: Abrande sua forma


de aproximar-se das pessoas
Numa pesquisa que fiz em um seminário
sobre os temperamentos, perguntei quais os
traços que as pessoas menos gostavam nos
outros. O ganhador foi mandão. Ninguém
gostava de pessoas mandonas. Pedi-lhes para
fazer uma segunda lista dos próprios traços
negativos e ninguém era mandão. É incrível
como nós não gostamos de pessoas mandonas
e também não nos consideramos mandões. A
conclusão óbvia é que pessoas mandonas não
se veem como os outros as veem. Acham que
estão ajudando e que os outros deveriam
agradecer as suas instruções.
Como o Forte Colérico tem raciocínio
rápido e sabe o que está certo, ele diz o que
pensa, sem se preocupar com as reações dos
outros. Preocupa-se mais com as realizações
do que com os sentimentos alheios. Ele acha
que está ajudando a realizar coisas, mas os
outros, no caminho dele, podem vê-lo como
mandão.
Os Fortes Coléricos não só mandam
oralmente; mas também são exímios em
mandar bilhetes de instruções. Um dia, minha
amiga Popular Sanguínea, Peggy, chegou a
minha casa com um maço de papéis na mão.
Estava obviamente perturbada. Entregou-os a
mim e disse: “Olha o que a minha mãe me
escreveu! Fiquei na casa de minha mãe
enquanto ela estava viajando; eu estava
mudando de casa e olhe estes bilhetes!”
O primeiro bilhete dizia:

Peggy, devolva o meu


vaso de porcelana vermelho!

(O Forte Colérico adora enfatizar


sublinhando e usa pontos de exclamação para
mostrar que não está brincando.)
No segundo bilhete estava escrito:

Peg, por favor,


lembre-se
de desligar o aquecedor antes de sair, porque eleva a
CONTA DE GÁS!!
O terceiro fora pregado na máquina de
lavar, com dois pedaços de esparadrapo:

Peg, feche as duas torneiras depois de lavara roupa.


Se forem deixadas meio abertas, molharão a salinha.
Retire, também, os fiapos da secadora
cada vez que usá-la
!

Como Peggy é Popular Sanguínea, não deu


atenção aos bilhetes. Um dia, a mãe voltou de
surpresa e encontrou a casa bagunçada.
Deixou o bilhete final:

Peg,
não
gostei do jeito como encontrei minha casa quando
voltei.

Você não encontrou minha churrasqueira suja (eu a


deixei limpa), nem encontrou o alarme à prova de
ladrões desligado — é para isso que o temos, para
proteger nossa propriedade.

Estou muito aborrecida, como você pode ver!

Se
usar nossa casa novamente, deixe-a como a
encontrou.
Te amo, sua Mãe

Enquanto Peggy estava aborrecida, fiquei


encantada com os bilhetes e perguntei se
poderia ficar com eles. São exemplos
perfeitos das instruções do Forte Colérico,
que as acham justificadas (e os outros acham
mandonas).

Solução 4: Pare de discutir e


provocar encrencas
Como o Forte Colérico sabe que está certo,
gosta de incitar o público, inseguro e confuso,
à batalha com ele — para ele vencer
triunfalmente. Incitar “os tolos” e provar-lhes
que estão errados torna-se para o Forte
Colérico um passatempo estimulante.
Steve, irmão de Fred, gostava de ler, na
revista “Seleções”, um artigo mensal sobre as
palavras comumente mal pronunciadas, de
arrancar as folhas, guardá-las na carteira e de
esperar que alguma alma inocente errasse.
Mais cedo ou mais tarde, alguém cairia na
arapuca e ele daria o bote em cima da pessoa,
dizendo exultante: “Acho que você não
pronunciou essa palavra corretamente.” A
vítima gaguejava enquanto Steve tirava a
prova da carteira, apontava a correção e
deixava a pessoa destruída. Somente o Forte
Colérico gosta desse jogo duro de “atirar nos
pombos”.
Os Fortes Coléricos adoram controvérsias
e discussões e, por diversão ou por
convicção, esse assanhamento de ânimos é
uma característica extremamente negativa.

LEMBRE-SE

Ninguém gosta de um encrenqueiro mandão e


impaciente.

PROBLEMA: Os Fortes
Coléricos têm razão, mas são
impopulares
Solução 1: Deixe outra pessoa
ter razão
É muito difícil aconselhar o Forte Colérico,
porque ele sempre pode provar que o que fez
estava certo. Como ele é perfeito, se o que fez
não estivesse correto, não o teria feito. O
Forte Colérico simplesmente não pode errar.
Não admite para si mesmo que fosse possível
errar. Às vezes, essa opinião rígida torna
difícil um diálogo com o Forte Colérico.
O meu irmão Ron contou-me sobre uma
aventura que teve com um optometrista Forte
Colérico. Ele queria mandar fazer uns óculos
de sol bifocais para a esposa dele. Foi até o
optometrista com a receita e pediu-lhe para
faze-los da maneira que ele tinha em mente.
O homem disse: “É impossível.” Meu irmão,
também Forte Colérico, não cedeu e
continuou.
“O senhor não entende o que estou
dizendo: quero óculos de sol com esse grau
na parte inferior, para que ela possa ler
quando vai à piscina.”
O homem insistiu: “E impossível.”
Não se deixando vencer, o homem gritou
atrás do Ron: “Se levar essa receita a outro
lugar e eles fizerem do jeito que o senhor
quer, estão errados!”
É o clássico exemplo do Forte Colérico
que sabe que está certo.

Solução 2: Aprenda a pedir


desculpas
Como o Forte Colérico sabe tudo e está
convencido de sempre estar certo, não
consegue imaginar ter de pedir desculpas. Ele
vê “Sinto muito” como sinal de fraqueza e
evita este som como se fosse uma praga. Um
jovem Forte Colérico morou conosco durante
um ano e, durante esse tempo, ele se sentia
livre para nos criticar, mas nunca percebeu
que ele era um problema. Uma manhã, ele se
atrasou para o café e procurou uma caixa de
cereal. Encontrou a única caixa que tinha e
me disse: “A senhora sabe que não gosto
desta marca de cereal. Nunca tem nada de
que eu goste!” Jogou a caixa no balcão e saiu
furioso sem comer. Mais tarde, meu filho
Fred, que tinha doze anos na época e
presenciou a rejeição do cereal, veio para
mim com toda a sua sensibilidade de Perfeito
Melancólico e disse: “Quero pedir desculpas
pelo Robert. Ele a destratou por causa do
cereal e sei que ele nunca pedirá desculpas.”
Fred tinha razão. Robert nunca pediu
desculpas e, quando se referiu à situação,
chamou-a “o triste mal-entendido que
tivemos sobre o cereal”. O Forte Colérico
simplesmente não consegue encarar os fatos e
dizer: “Sinto muito.”
Embarquei num avião em Palm Springs
(Califórnia), e um homem Forte Colérico
irado sentou-se ao meu lado. “Esses idiotas
me fizeram passar pelo portão eletrônico duas
vezes, quando tudo o que fiz foi sair para
comprar uma revista. Disse-lhes que se passei
uma vez não havia razão para passar
novamente, mas insistiram de qualquer
maneira.” Ele estava furioso; então, eu nem
tentei me opor. É muito difícil aconselhar ou
raciocinar com Fortes Coléricos porque eles
sabem tudo, sempre conseguem culpar os
outros e podem se eximir de qualquer falha.
Solução 3: Admita que tem
algumas falhas
Como o Forte Colérico tem o maior
potencial como líder nas grandes causas,
poderia aproveitar mais do estudo dos
temperamentos. Deveria poder apropriar-se
das suas forças dinâmicas de ação rápida e
decisiva e fazer alguma coisa para erradicar
seus pecados de egoísmo e impaciência.
Mas o Forte Colérico é o pior inimigo de si
mesmo. Faz tatuagem escrevendo “força” em
seu braço direito e acha que a palavra
fraqueza se refere somente aos outros. É esta
recusa de encarar uma possível falha na
própria personalidade que impede o Forte
Colérico de alcançar as alturas possíveis para
ele.
Shakespeare escreveu muito sobre um
grande herói, desfigurado por uma falha
trágica. No Forte Colérico, a falha trágica é a
sua inabilidade de ver que tem alguma.
Interessa-lhe mais ter razão do que ser
popular e, quando assume uma posição, é
inflexível.

LEMBRE-SE

Se o Forte Colérico pudesse abrir a sua mente


para
examinar as próprias fraquezas e admitir que
tem algumas,
tornar-se-ia a pessoa perfeita que imagina ser.

E não se esqueça, Forte Colérico:

Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo


para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda
injustiça.
1 João 1:9
CAPÍTULO 11

Vamos Motivar
o Sereno Fleugmático

Assim como nos temperamentos, os tipos de


forças têm suas fraquezas correspondentes.
Os Serenos Fleugmáticos têm forças
insignificantes, portanto tem fraquezas
insignificantes. Enquanto o Forte Colérico
demonstra as suas forças perante todos e as
suas falhas são óbvias, a céu aberto, o Sereno
Fleugmático mantém tanto o seu melhor
quanto o seu pior, “sob os panos”. Muitos
Serenos Fleugmáticos nem imaginam que
possam ser ofensivos porque são muito
quietos e bondosos. A comunicação com eles,
num seminário, torna-se difícil porque
geralmente estão com sono quando eu chego
à seção sobre eles.
Um dia, enquanto pesquisava preços para
comprar cadeiras Serenas Fleugmáticas — o
tipo que é calmo, discreto e combina com
qualquer decoração — veio-me o
pensamento: o principal ponto forte do
Sereno Fleugmático é a sua falta de
fraquezas óbvias. O Sereno Fleugmático não
explode de raiva, nem cai na depressão ou faz
muito barulho. Ele se mantém desinteressado,
preocupa-se em silêncio e não consegue
tomar decisões. Não são exatamente falhas
bastante óbvias para exigir correção.

PROBLEMA: Serenos
Fleumáticos não são animados
Solução: Tente se animar
Uma das fraquezas mais chatas do Sereno
Fleugmático é a sua incapacidade de se
animar. Um dia perguntei a Don Força Aérea
(um dos namorados de Lauren) se ele alguma
vez se animara com alguma coisa. Após
pensar alguns segundos, ele respondeu: “Não
me lembro de nada na vida sobre a qual
valesse a pena me animar.”
Embora essa fraqueza não seja gritante ou
notável, é extremamente decepcionante para
um cônjuge ter um par que não se anima com
os seus planos dinâmicos. Um deles entra em
casa cheio de grandes planos para o fim de
semana e o outro, Sereno Fleugmático, diz:
“Isso não me parece uma boa ideia. Nem
adianta ir. Prefiro ficar em casa.” Isso puxa o
tapete do cônjuge criativo e, aconteça o que
acontecer, no fim de semana, um deles não
estará feliz.
A mulher Forte Colérica é atraída pelo
homem Sereno Fleugmático porque ele tem
aquele olhar frio e desligado que é atraente,
mas tranquilo. O homem Forte Colérico
escolhe a mulher Serena Fleugmática porque
ela possui um espírito suave e gentil que
precisa ser protegido do mundo duro e cruel.
Após o casamento, o Forte Colérico
mapeia os seus alvos e lança os seus
programas, esperando entusiasmo
instantâneo. Quando o Sereno Fleugmático
responde: “Não me importo”, o Forte
Colérico fica decepcionado e tenta apresentar
outras ideias mais dinâmicas que exigirão
reação. Ele nem sonha que, quanto mais
extravagante o plano, mais medroso e menos
entusiasta ficará o Sereno Fleugmático.
Tenho passado a maior parte da minha vida
tentando interessar minha mãe em algumas
das minhas realizações. Quando escrevi o
meu primeiro livro, pensei: Agora fiz algo
que vai deixá-la animada. Nem todas as
filhas escrevem um livro. Ela vai adorar! Vou
dedicá-lo a ela. Não posso falhar!
Entreguei-lhe o livro e lhe mostrei a
dedicatória. Então, esperei para ela ver o seu
nome impresso e encher-se de alegria.
Nenhuma reação. Ela virou a página.
Observei. Ela nem mudou de expressão
durante a leitura e, quando terminou, fechou
o livro e olhou para fora da janela. Mal pude
esperar por seus comentários, mas não
vieram. Finalmente pedi a Lauren: “Pergunte
à vovó se ela gostou do meu livro.” Ela o fez
e a minha mãe respondeu: “É um livro.”
Quando Serenos Fleugmáticos descobrem
que podem perturbar os outros com a sua
recusa em se animar, usam esta habilidade
como uma forma silenciosa de controle e
riem baixinho com as manobras que nós
fazemos na tentativa de extrair-lhes
animação. Depois de um retiro num fim de
semana, onde havia vários preletores, o
presidente perguntou a uma senhora Serena
Fleugmática de qual preletor ela mais gostara.
Ela meditou um momento e disse: “Acho que
vai levar algum tempo para saber.”
Perguntaram a outra: “Você assistiria
novamente?” A resposta Serena Fleugmática
foi: “Possivelmente, ou mais, recomendaria a
outros.”
Uma jovem senhora Popular Sanguínea
revelou, num seminário: “O meu marido é tão
Sereno Fleugmático que até dorme durante
debates.”
Linda disse: “Conviver com o meu marido
é como ser apresentadora num programa de
entrevistas. Ele chega em casa e senta-se em
silêncio. Eu me viro para ele e digo: ‘E como
é o seu nome, querido?’ Se puder tirar-lhe
uma palavra, dou-me por feliz.” Os Serenos
Fleugmáticos não se animam com nada.
O casamento de dois Serenos Fleugmáticos
é a maneira certa de evitar problemas e
agitação. Os casais que tenho conhecido com
esta combinação se dão bem e mantêm a vida
naquele “prumo” Sereno Fleugmático, mas
frequentemente têm se queixado: “Para
sermos bem honestos, estamos entediados.”
Uma jovem me disse: “Estamos casados há
um ano e esgotamos as possibilidades do que
dizer ou fazer.” Outra disse: “Toda noite eu
pergunto a ele: ‘O que você quer fazer?’ Ele
responde: ‘Qualquer coisa, o que você quer
fazer?’ Como ninguém consegue decidir, não
fazemos muita coisa.”
Outra senhora explicou: “Nós nos damos
bem. Peço-lhe para pendurar um quadro; ele
diz que sim e se esquece. Eu sou tão Serena
Fleugmática que nem me importo.” Um
homem, escutando esse comentário,
acrescentou: “Espalhamos quadros no chão
da nossa sala de jantar quando nos mudamos
há um ano. Ainda vamos pendurá-los algum
dia, mas nunca parece urgente.”
O diretor Sereno Fleugmático de um dos
nossos seminários disse: “A minha esposa e
eu somos Serenos Fleugmáticos e toda noite,
quando chego em casa, ela pergunta: ‘O que
você quer comer?' E eu respondo: ‘O que há
para comer?’ Ela diz: ‘Não muita coisa! Que
tal refeições congeladas?’ Eu concordo,
vamos ao congelador e passamos um tempão
com a porta aberta tentando resolver o que
escolher.”

LEMBRE-SE

Anime-se. Tente fazer isso uma vez por mês


e comece daí

PROBLEMA: Serenos
Fleugmáticos resistem a
mudanças
Solução: Tente algo novo
Uma noite Pete, o marido Sereno
Fleugmático de Lee, chegou em casa e disse:
“Arrume-se, vamos sair.” Ela ficou muito
animada e começou a pensar no que vestir e
Perguntou: “Aonde você vai me levar?” Pete
respondeu: “Nas Lojas Americanas para
comprar latas de lixo.” Perguntei como ela
havia reagido a isso e ela respondeu: “Eu me
arrumei e fui. Foi a coisa mais interessante
que ele havia pensado em fazer durante
meses.”
Infelizmente, essa tem sido a norma para
muitos Serenos Fleugmáticos. Não veem
necessidade de entretenimento e presumem
que ninguém mais necessita. Certa vez, vi um
quadrinho que mostrava um homem Sereno
Fleugmático deitado no chão perto de um
buraco feito no rodapé, por camundongos.
Estava segurando um martelo no ar, pronto
para bater no primeiro ratinho que pusesse a
cabeça para fora. A sua esposa olhava para
ele e suspirava: “Outra noite de sábado
animada com Harry.”
Um homem Sereno Fleugmático pediu o
meu conselho sobre o seu tedioso casamento.
Quando lhe dei umas ideias novas, ele reagiu:
“Acho que vou fazer de conta que tudo está
bem — uma mudança poderia ser pior.”
LEMBRE-SE

Tente pensar ao máximo em alguma coisa


nova pelo menos
uma vez por semana. Seu cônjuge merece
uma mudança.

PROBLEMA: Serenos
Fleugmáticos parecem
preguiçosos
Solução 1: Aprenda a aceitar a
responsabilidade por sua vida
O Sereno Fleugmático mais radical é muito
preguiçoso e procura evitar qualquer trabalho
através da procrastinação. Escolhi uma
senhora para ser uma das diretoras do Clube
de Senhoras, e ela perguntou: “Terei de fazer
algo?” Ela não se preocupava com o título
desde que não envolvesse trabalho.
Jill estava para mudar de casa e o simples
pensamento de mudar-se deixava-a
apavorada. Ela pediu às amigas para virem
ajudar a embalar as coisas e, durante três
meses, todas planejaram o dia em que
deveriam vir. No dia marcado, suas amigas
Fortes Coléricos chegaram prontas para
trabalhar. Jill estava arrumada, de vestido,
meias finas e sapatos altos, dando
imediatamente a impressão de que não
pretendia fazer qualquer trabalho pesado.
Embora fosse véspera da mudança, Jill não
tinha recolhido nenhuma caixa vazia ou
sacola; não havia embalado nada; os quadros
ainda estavam nas paredes, a pia cheia de
louça suja, e havia montes de roupa por lavar.
Uma amiga me disse: “Ela esperava que
nós fizéssemos tudo!”
Se você deseja que os outros façam o seu
trabalho, pelo menos seja esperto o suficiente
para que eles não percebam.
Phil, Sereno Fleugmático, sentou-se
confortavelmente numa cadeira enquanto sua
esposa Forte Colérica carregava o carro com
a bagagem de sua viagem. Num determinado
momento ele olhou e comentou: “Se você
carregar mais coisas a cada ida até o carro,
levará menos tempo para carregá-lo.” Ele
ficou tentando entender por que ela bateu na
sua cabeça com os esquis.
Nos nossos seminários, quando chega a
hora de se dividirem em grupos, os Serenos
Fleugmáticos nunca sabem para onde ir e se
viram perplexos para os seus cônjuges. O
cônjuge (geralmente Forte Colérico) diz (com
afeição) “Você é um Sereno Fleugmático,
bobinho!” e a pessoa arrasta-se para encontrar
onde o grupo dos Serenos Fleugmáticos está
reunido.
Um dentista Sereno Fleugmático, ao ser
escolhido líder do grupo, sugeriu: “Por que
não fechamos os olhos e meditamos até
acabar o tempo?”
Outro homem concordou, dizendo: “Não
há nada melhor que o silêncio.”

Solução 2: Não deixe para


amanhã o que pode fazer hoje
O problema da procrastinação é visível
tanto nos Perfeitos Melancólicos quanto nos
Serenos Fleugmáticos, mas por razões
diferentes. O Perfeito Melancólico não pode
começar nada até ter o equipamento certo e
sentir que pode fazer um trabalho perfeito; o
Sereno Fleugmático procrastina porque no
fundo não quer fazer. Tende a ser preguiçoso
e adiamentos impedem que ele tome a
decisão de começar a trabalhar. O Sereno
Fleugmático tem complexo de “deixe pra
depois”: nunca faça hoje o que pode adiar
para amanhã.
No recente chá de bebê de minha filha
Lauren, as Serenas Fleugmáticas trouxeram
presentes que ainda não haviam terminado. O
primeiro foi uma roupinha azul, fechada com
botões de pressão, mas, ao olhar,
descobrimos alfinetes onde os botões
deveriam estar. Se o pobre nenê tivesse
juntado as pernas, iria espetar-se! O segundo
foi o bordado de um unicórnio, com o pano
de fundo inacabado. Ambas as mulheres
manifestaram o seu desejo sincero em
terminar os projetos e saíram do chá com os
seus presentes nas mãos.
As duas mulheres, com os seus presentes
por terminar, fizeram melhor que o Popular
Sanguíneo que se esqueceu do dia e não
compareceu!

Solução 3: Motive-se
A mente de Sharon era como um jogo de
sinuca. As bolas coloridas só rolavam quando
empurradas. Durante anos, haviam ficado
juntinhas num saco de pano, penduradas num
canto.
Não era que ela não conseguisse se mover;
era trabalho demais. Quando motivada
corretamente, tirava algumas bolas do saco e
as rolava no tapete verde, de acordo com o
que a ocasião exigisse. Quando a pressão
relaxava, ela limpava a mesa e retirava-se
para seu canto, até que alguém, em desespero,
pegasse as bolas coloridas e as jogasse na
mesa, gritando: “Mexa-se!”
Essa simples parábola é típica do Sereno
Fleugmático. Não é que não possam fazer o
trabalho; é que não querem fazê-lo. Uma
senhora disse-me que cortara pelo menos
quatro vestidos para fazer, mas era trabalho
demais costurá-los. “Se precisar de um para
uma ocasião especial, então o farei.”
Ao mesmo tempo em que os Serenos
Fleugmáticos precisam da motivação direta
dos outros, ressentem-se ao serem
empurrados. Esse problema contraditório é
um conflito em muitos lares onde o Sereno
Fleugmático evita fazer as tarefas
necessárias; o Forte Colérico diz-lhe o que
fazer e ele se ressente da pressão.
Na cozinha de Ruthee, há uma janela que
dá para oeste e o sol da Califórnia invade-a
todas as tardes, tornando o lugar quente
demais para o trabalho. Ela pediu a Howard
para instalar uma veneziana para ela, mas
como não era ele quem ficava no sol, não se
sentiu motivado. Finalmente, Ruthee pregou
uma toalha de praia no lugar; resolveu o
problema do calor, mas estragava a vista. Um
dia, numa feirinha, Ruthee encontrou uma
veneziana do tamanho de sua janela. Levou-a
para casa, mas havia um problema imediato:
a veneziana não tinha acabamento, Howard
entusiasmou-se um pouco com a veneziana e
prometeu a Ruthee que a pintaria para
combinar com os armários.
Isso foi há quatro anos e a veneziana ainda
está na garagem. Quando Ruthee lhe pergunta
sobre o progresso da pintura, ele se ofende e
diz que está “trabalhando nela”. A solução
de Ruthee foi esquecer que comprara a
veneziana e, desde então, troca a toalha a
cada estação.

LEMBRE-SE

Vocês, serenos Fleugmáticos, merecem ser


dominados se
não conseguirem se motivar para agir
responsavelmente.

PROBLEMA: Serenos
Fleugmáticos têm uma vontade
férrea, mas tranquila
Solução: Aprenda a
comunicar os seus sentimentos
Como o Sereno Fleugmático parece seguir
a turma, as pessoas se surpreendem ao
encontrar uma quieta vontade de ferro por
baixo de um exterior calmo. Como exemplo
genérico de muitas esposas Fortes Coléricas,
a situação é a seguinte: Charlotte, segunda-
feira de manhã, avisa ao Charlie: “Vamos à
casa da Sally no sábado à noite.”
Charlie dá a típica resposta Serena
Fleugmática: “Humm.”
Charlotte, por ser Forte Colérica, toma
qualquer resposta que não seja “de jeito
algum” como um “sim”, e presume que ela e
Charlie concordaram sobre sábado à noite.
Todas as noites nessa semana, Charlotte
lembra a Charlie: “Não se esqueça! A casa de
Sally, sábado à noite.”
Charlie resmunga outros “Humm”.
Chega o sábado à noite. Charlotte arruma-
se e Charlie fica de camiseta em sua cadeira.
Quando ele parece não se mexer, Charlotte
diz claramente: “Apresse-se para se arrumar.
Vamos à casa da Sally.”
Charlie diz, então, a primeira frase
completa da semana: “Não vou.”
“Você concordou comigo a semana toda!”
“Não concordei; simplesmente não
discordei”. E Charlie não vai. Quando o
geralmente amável Sereno Fleugmático se
decide, você não consegue fazê-lo mudar de
opinião.
Aprendi muito nas inúmeras horas que
passei em aconselhamentos com Serenos
Fleugmáticos que parecem estar contentes
nos seus casamentos. Pergunto-lhes se tem
qualquer reclamação e dizem: “Está tudo
bem.” O cônjuge pode estar histérico e
prestes a se suicidar, mas o Sereno
Fleugmático não sabe qual o problema. Fica
com cara de inocente e não se comunica. O
casamento pode manquejar durante anos sem
linhas de comunicação abertas, até o dia em
que o Sereno Fleugmático decide dar um
basta na mulher tola e vai embora. Ele não
procura discutir o assunto; simplesmente
arruma suas coisas e vai embora. Uma vez
que o Sereno Fleugmático decide agir, há
pouca chance de vir a mudar de opinião.
Um deles disse certa vez: “Levou vinte
anos para eu criar coragem para tomar esta
decisão e não vou mudar agora.”
O problema básico debaixo desta veia de
teimosia é que o Sereno Fleugmático não
quer comunicar-se. Como ele geralmente
toma o caminho de menor resistência e foge
da controvérsia, acha mais fácil calar-se sobre
os seus sentimentos em vez de dizer o que
sente e arriscar-se ao conflito.
Ao manter a boca fechada, o Sereno
Fleugmático se mantém longe de dificuldades
na maior parte do tempo, mas, ao esconder os
sentimentos e recusar a se comunicar, ele
abafa qualquer relacionamento significativo
com outras pessoas.

LEMBRE-SE

Abra-se antes que seja tarde.


Não esconda seus talentos.

PROBLEMA: Serenos
Fleugmáticos parecem
indecisos
Solução 1: Pratique o ato de
tomar decisões
O maior defeito do Sereno Fleugmático é a
sua aparente inabilidade de tomar decisões. O
Forte Colérico fica na sua frente com a
chaleira de água fervendo e pergunta
depressa: “Você quer café ou chá?” A
resposta automática é; “Tanto faz.” O Sereno
Fleugmático acha que está sendo amável e
não entende por que o Forte Colérico tem
vontade de derramar a água na sua cabeça?
“Estava tentando facilitar as coisas para
ela...”
Num voo de Norfolk (Virgínia), a
comissária anunciou pelo microfone que
teríamos três opções para o almoço: “Vocês
podem optar por camarão, carne ou lasanha.
Não temos suficiente de cada para todos,
portanto os passageiros que estão na parte
traseira do avião deveriam pensar em uma
segunda escolha.”
Logo em seguida virou-se para o homem
Sereno Fleugmático ao meu lado na primeira
fila e perguntou: “De que o senhor
gostaria?”’ E ele respondeu: “Do que estiver
sobrando.” A comissária, como Forte
Colérica, disse: “Não está sobrando nada! O
senhor é a primeira pessoa a quem
perguntei.” E ficou olhando-o, esperando
uma decisão. Eu então, falei: “Eu aceito o
camarão.” Ele olhou para ela e disse: “Aceito
o mesmo.”
O problema de não tomar decisões que
afeta o Sereno Fleugmático não está em ele
ser incompetente, mas em que já tomou a
grande decisão de nunca tomar decisões.
Afinal, se você não tomar a decisão, não pode
ser culpado pelo resultado.
O Sereno Fleugmático precisa praticar o
ato de tomar decisões e aceitar
responsabilidades. Seus amigos, empregados
e cônjuge ficarão felizes ao vê-lo fincar o pé
e ser resolvido. Diga adeus à depressão da
indecisão.
Solução 2: Aprenda a dizer
“Não!”
Serenos Fleugmáticos nunca querem
magoar ninguém e compram coisas que não
querem só para não dizer não. Uma Forte
Colérica me disse: “Entre as forças do Sereno
Fleugmático estão a sua amabilidade e a sua
vontade de ajudar. Para ele, não há pessoas
estranhas. Ao longo do tempo, meu marido
amabilíssimo, tem trazido para casa
vendedores de Lâmpadas, de aspiradores de
pó, de revistas e muitos outros, que meu
coração Colérico viu com olhos suspeitos. O
Sereno Fleugmático simplesmente não pode
dizer “Não! Não! Não!”
Embora os Serenos Fleugmáticos não se
empolguem com o conceito de
temperamentos, eles aprendem e.
gradualmente, o aplicam. Como tem
fraquezas: menos graves, podem-se modificar
rapidamente para o melhor — se estiverem
com vontade. Motivado corretamente, o
Sereno Fleugmático pode-se esforçar para ter
entusiasmo com poucas coisas durante a
semana e isso vai agradar aqueles que vivem
ou trabalham com ele. Como ele é capaz de
tomar decisões (mas escolhe não o fazer),
pode facilmente se tornar decidido e perder a
sua imagem de indeciso, quando vir como
isso ajudará em seus relacionamentos.

LEMBRE-SE

Aprenda a dizer “Não!” e pratique o ato de


tomar decisões.
Comece com uma escolha entre chocolate e
baunilha, se trinta
e um sabores forem demais para enfrentar de
uma só vez!

Quando você teme tomar uma decisão,


lembre-se de que há ALGUÉM que poderá
ajudá-lo.

Parque o Senhor dá a sabedoria... então entenderás


a retidão, a justiça,
a equidade e todas as boas veredas.
Provérbios 2:6,9
PARTE IV

Princípios da
Personalidade

Um caminho
para melhorar
o relacionamento
com os outros
CAPÍTULO 12

Cada Pessoa
É um Conjunto Único

Depois que você fez o seu próprio Perfil de


Personalidade, descobriu que é único.
Provavelmente mais ninguém obteve como
resultado o exato conjunto de forças e
fraquezas que você, A maioria das pessoas
tem alta pontuação em um temperamento,
demonstram um temperamento secundário e
apresentam outros traços isolados. Umas
pessoas têm traços equilibrados. Geralmente
são Serenos Fleugmáticos porque são pessoas
para toda obra, com mais dificuldade em
avaliar os seus traços.
Vamos examinar alguns dos possíveis
conjuntos.
Conjuntos naturais
Ao olhar o gráfico, você poderá ver que a
combinação Popular Sanguíneo/Forte
Colérico é um conjunto natural. Ambos são
extrovertidos, otimistas e francos. O Popular
Sanguíneo fala por prazer, o Forte Colérico
por negócios, mas ambos são pessoas de
“fala”. Se você obtiver esse conjunto, tem
maior potencial de liderança. Se combinar as
forças, obterá uma pessoa que pode dirigir
outros e fazê-los gostar do serviço; uma
pessoa divertida, mas realizada; uma pessoa
esforçada e determinada, mas não compulsiva
sobre realizações. Esse conjunto pega os
extremos de trabalho e diversão e produz uma
pessoa que os coloca na perspectiva correta.
Do ponto de vista negativo, tal combinação,
porém pode produzir uma pessoa mandona
que não avalia o que está falando; uma pessoa
impulsiva que corre em círculos; ou uma
alma impaciente que está sempre
interrompendo e dominando conversas.
O outro conjunto natural é o Perfeito
Melancólico/Sereno Fleugmático. Ambos são
introvertidos, pessimistas e de voz baixa. São
mais sérios, examinam em profundidade as
situações e não querem ser estrelas. Seguem a
meta de Teddy Roosevelt (ex-presidente dos
Estados Unidos): “Fale baixo e carregue um
grande porrete.” O Sereno Fleugmático
ilumina a profundidade do Perfeito
Melancólico e o Perfeito Melancólico tira da
lassidão o Sereno Fleugmático. Essa
combinação produz os melhores educadores,
porque o gosto do Perfeito Melancólico pelo
estudo e pesquisa é abrilhantado pela
habilidade do Sereno Fleugmático de se dar
bem com pessoas e apresentar material de um
modo agradável. Pode ter dificuldade em
tomar decisões porque ambos são lentos nesta
área e ambos procrastinam. A melhor
combinação é aquela em que o equilíbrio do
Sereno Fleugmático impede o Perfeito
Melancólico de despencar na depressão e o
desejo de perfeição do Perfeito Melancólico
motiva o Sereno Fleugmático a agir.
O Popular Sanguíneo/Forte Colérico e o
Perfeito Melancólico/Sereno Fleugmático são
conjuntos naturais. São irmãos de sangue.

Conjuntos complementares
O temperamento Forte Colérico/Perfeito
Melancólico é um conjunto complementar,
uma combinação que se encaixa bem e
completa as lacunas nas suas respectivas
naturezas. O Forte Colérico/Perfeito
Melancólico produz uma excelente pessoa de
negócios porque a combinação da liderança,
esforço e alvos do Forte Colérico com a
mente analítica, detalhada e organizada do
Perfeito Melancólico e imbatível. Nada
escapa ao alcance dessa combinação e essas
pessoas serão bem-sucedidas, não importando
quanto tempo levar. Se resolverem modificar
um cônjuge, continuarão a fazê-lo até
obterem um produto perfeito.
Uma senhora, chamada Louise, estava
confusa sobre o próprio temperamento e, à
medida que eu lhe perguntava como era na
faculdade, o rosto dela se transformava. Ela
mudou de reservada a radiante enquanto me
contava sobre ser uma das garotas que
liderava a torcida e ter sido eleita a garota
mais cotada para o sucesso. Percebeu que
começou a se modificar sob a influência do
namorado, com quem se casou. Ele, um Forte
Colérico/Perfeito Melancólico, se prontificara
a aperfeiçoá-la. Quando ela lhe escrevia, na
época em que ele fazia o mestrado, ele
marcava as palavras incorretas e devolvia-as
para ela estudar os erros. Quando chegava em
casa, ele fazia-lhe provas de soletragem. Com
boas intenções e perseverança interminável,
ele transformara uma garota cheia de vida em
uma atriz séria, digna, que não se reconhecia.
O outro conjunto complementar é o
Popular Sanguíneo/Sereno Fleugmático.
Enquanto o Forte Colérico/Perfeito
Melancólico é direcionado para o trabalho, o
Popular Sanguíneo/Sereno Fleugmático
prefere descansar e se divertir. A combinação
de duplas porções de humor com as naturezas
leves faz dos Populares Sanguíneos/Serenos
Fleugmáticos os melhores amigos. Sua
natureza alegre e despreocupada é agradável
e as pessoas gostam de estar com eles. O
Sereno Fleugmático nivela os altos e baixos
do Popular Sanguíneo, enquanto a
personalidade Popular Sanguínea alegra o
Sereno Fleugmático. Essa combinação é a
melhor de todas para tratar e trabalhar com as
pessoas. São bons pais. São bons em
liderança cívica, porque têm o humor e a
personalidade encantadora do Popular
Sanguíneo e a estabilidade do Sereno
Fleugmático. Infelizmente, o outro lado dos
Populares Sanguíneos/Serenos Fleugmáticos
mostra os preguiçosos, sem vontade ou
direção para produzir o que pode ser evitado,
e pessoas inexperientes para lidar com
dinheiro. Como nos outros conjuntos de
temperamentos, há forças fantásticas e
fraquezas correspondentes.

Opostos
Já vimos conjuntos naturais e conjuntos
complementares. Agora vamos analisar os
opostos. Há conflitos internos óbvios que os
conjuntos Popular Sanguíneo/Perfeito
Melancólico e o Forte Colérico/Sereno
Fleugmático podem criar em uma pessoa —
as naturezas introvertida e extrovertida com
perspectivas otimista/pessimista. O Popular
Sanguíneo/Perfeito Melancólico é o mais
emotivo dos dois, à medida que um corpo
tenta acomodar os pequenos altos e baixos do
Popular Sanguíneo com os traumas profundos
e mais prolongados do Perfeito Melancólico.
Essa personalidade dividida pode levar a
problemas emocionais. A natureza Popular
Sanguínea diz “Vamos nos divertir!” e, no
caminho, a natureza Perfeita Melancólica
interrompe o progresso.
Uma senhora desse tipo contou-me sobre a
festa de aniversário de casamento que
planejou para seus pais. A sua parte Popular
Sanguínea teve grandes ideias, incluindo
convites elegantes, um jantar fornecido num
hotel e uma orquestra. Dois dias antes da
festa, o lado Perfeito Melancólico assumiu a
dianteira e questionou: “O que você pensa
que está fazendo, tentando organizar essa
festança? Sai dessa já!” Ela cancelou a festa e
depois ficou deprimida durante semanas
pensando em como havia decepcionado os
pais.

Trabalhar ou não trabalhar?


Após vários estudos intensivos sobre as
pessoas que possuem temperamentos opostos,
descobrimos que geralmente suas atitudes são
respostas para as mágoas do passado. Nós
chamamos isso de “máscara de
sobrevivência”. As crianças perfeitas
melancólicas, a fim de conseguir a atenção
dos pais, vestem a máscara de popularidade
dos Populares Sanguíneos; e as Crianças
Populares Sanguíneas, devido a abusos ou
rejeições, tornam-se deprimidas e vestem a
máscara de dor dos Perfeitos Melancólicos.
Muitas crianças que são criadas em lares
problemáticos vestem a máscara de perfeição
do Perfeito Melancólico. “Se eu
simplesmente fosse perfeito, o papai não me
magoaria e a mamãe não gritaria comigo.”
Todos os problemas de alcoolismo, drogas,
rejeição, abuso sexual ou emocional e
extrema devoção religiosa fazem com que as
crianças desses lares problemáticos vistam
diferentes máscaras de personalidade. Elas
não sabem como lutar contra isso, então
tendem a se tornar qualquer tipo de pessoa
que as ajude a sobreviver.
Quando adultas parecem ter personalidades
divididas e não entendem as variações de
humor que sofrem, trabalhar ou não
trabalhar... se elas estão motivadas ou não
para trabalhar. Enquanto as naturezas opostas
Forte Colérico/Sereno Fleugmático não
sentem os mesmos estresses emocionais,
sentem um grande conflito entre “trabalhar ou
não trabalhar”. O Sereno Fleugmático quer
descansar e o Forte Colérico sente-se culpado
quando não está produzindo. Essa questão
geralmente se resolve por dividir a vida em
dois segmentos — trabalhar duro no emprego
e relaxar e descansar em casa.
Muitas vezes um Forte Colérico dá tudo de
si no emprego e, ou está exausto demais para
levantar um dedo em casa, ou não acha o lar
bastante importante para merecer os seus
esforços. O Sereno Fleugmático pode
trabalhar bem no emprego, onde pode até
parecer Forte Colérico devido à sua
motivação e depois relaxar completamente no
fim do dia.
Se você parece pertencer a esse conjunto,
pergunte-se se você é um Forte Colérico e
procura não se mostrar nem se exibir em
casa, ou um Sereno Fleugmático muito
motivado no emprego.
Se essas perguntas não parecem trazer
respostas satisfatórias, talvez você esteja
usando uma máscara de sobrevivência e não
percebe que alguns de seus sofrimentos da
infância continuam afetando sua vida. A
criança Forte Colérica criada num lar em que
seus pais brigam e discutem, percebe
rapidamente que a melhor coisa que ela pode
fazer é esconder seu desejo de controle e
permanecer calada. A criança Forte Colérica
que não tem permissão para participar das
tomadas de decisões familiares quanto às suas
roupas, ao seu quarto, ao seu animal de
estimação, às matérias que deseja estudar, à
sua carreira e/ou à sua escolha de amizades
aprende que: ou tem de lutar para conseguir
algum controle e é considerada uma “criança
má”, ou tem de desistir e aceitar a autoridade
até que possa sair de casa. A criança Forte
Colérica que sofre abuso diz para si mesma:
“Ficarei em silêncio sobre isso agora; mas
quando sair daqui ninguém jamais me
controlará.” Qualquer uma dessas situações
ou uma combinação delas faz com que a
criança Forte Colérica vista a máscara Serena
Fleugmática. Quando adulto, essa pessoa
oscila entre estar no controle ou ficar
submisso e não entende o por quê.
A criança Serena Fleugmática não busca o
controle e geralmente é mais comportada. Por
que essa criança vestiria a máscara de poder e
assumiria o controle? Somente se ela olhar a
situação de sua família, perceber que é uma
família desorganizada e disser: “Alguém tem
de fazer algo para arrumar essa
desorganização.” Em famílias de pais
separados a responsabilidade pela pessoa
ausente é frequentemente depositada sobre
uma das crianças. Se essa criança for Serena
Fleugmática e de repente perceber que é “o
homem da casa” ela colocará a máscara do
Forte Colérico e irá fortalecer sua natureza
fraca e assumirá o controle. Assim que se
torna adulta, ela assume o controle quando
tem de assumi-lo e descansa sempre que
pode. Ela se sente sempre exausta e não sabe
porque se sente dilacerada internamente.
Se você achar que se encaixa em alguma
dessas combinações de opostos, lembre-se de
seus sentimentos quando criança e veja se
essas explicações fazem sentido para você.
Para se aprofundar leia Your Personality,
principalmente o capítulo que fala sobre as
máscaras e o livro Freeing Your Mind from
Memories That Bind. Se você achar que se
encaixa em um pouco de tudo há várias
respostas para isso: fez o teste de maneira
errada; não entendeu as palavras (veja as
definições na página 195); é um Sereno
Fleugmático e tem dificuldade para tomar
decisões; é perfeito e prestes a melhorar ou
foi tão direcionado e oprimido quando
criança que não consegue chegar a verdadeira
definição de quem realmente é.
Qualquer que seja sua conclusão no Perfil
de Personalidade, lembre-se de que não é o
trabalho, mas a compreensão de suas forças e
fraquezas que são importantes.
. . . porque de um modo tão admirável e maravilhoso
fui formado. . . .
Salmos 139:14
CAPÍTULO 13

Não Gostamos
de Ser Encaixotados

Quando ensino o conceito dos temperamentos


em seminários, às vezes me perguntam: “A
senhora está tentando nos fechar em caixas?”
Tenho pensado sobre isso e naturalmente
cheguei à conclusão de que já somos
naturalmente colocados nelas. Ao
enfrentarmos qualquer situação na vida,
trazemos a nossa própria estrutura;
avançamos só até onde nos sentimos
confortáveis. Não escalamos as paredes
portáteis, nem espiamos pelas frestas antes de
abrir a portinhola.

Caixas desde o início


Quando nascemos, somos imediatamente
colocados em nossas próprias caixas.
Colocam-nos entre quatro paredes e próximo
a janelas através das quais nossos parentes
podem olhar para dentro das caixinhas
(bercinhos) e ver nossos corpinhos indefesos.
Somos embrulhados para a viagem até nosso
lar e deitados em nossa nova caixinha, um
novo berço, com grades ao redor, para nossa
proteção. Para os passeios, colocam-nos em
carrinhos ou assentos portáteis — mesmo no
supermercado somos, por segurança,
colocados nos carrinhos. A medida que
crescemos, somos promovidos para um
“chiqueirinho”, que nos cerca e nos mantém
em um só lugar; mais tarde permitem que
exploremos o quarto, mas com uma grade na
porta. Ao ficarmos mais ousados, ganhamos a
liberdade do quintal cercado. Cada série
escolar tem a sua sala e ali nos instalamos por
um ano, limitados num espaço protegido por
uma professora.
Crescemos dentro das caixas do nosso
próprio mundo e, mesmo alcançando o
mundo lá fora, levamos junto nossas caixas.
Quando tive minha primeira colega de quarto,
ficamos as duas em uma caixa, mas em
questão de dias havíamos erguido um muro
invisível entre nós. Como não conseguíamos
concordar sobre colchas, pôsteres ou tarefas
domesticas, colamos uma fita adesiva no
chão dividindo o quarto em dois e cada uma
cuidava de sua metade, virando as costas para
a outra e, assim, cada uma criando sua
própria caixa onde se sentiria segura.
O conceito dos temperamentos não nos
prende, fixando nossos pés em concreto, mas
nos ajuda a ver que tipo de caixa ocupamos e
como sair dela. A medida que percebemos
como somos aprisionados pelas nossas
fraquezas básicas, podemos esforçar-nos para
abrir o portão e ousar passear no jardim
vizinho. O comentário que ouvimos com
mais frequência sobre as personalidades é:
“Acho que isso me libertou para tornar-me a
pessoa que realmente sou.” A medida que
compreendermos nossas diferenças, temos
mais tolerância com a pessoa que quer viver
num estilo contrário aos nossos desejos.
Casamento
Quando pensamos nos longos anos que cada
um de nós gasta construindo sua própria
caixa e enfeitando-a com seus troféus
pessoais, não é de admirar que, quando
casamos com alguém com uma caixa
diferente, não nos encaixemos
imediatamente.
Chegamos ao casamento, vindos de
espaços diferentes e, mesmo na lua-de- mel,
começamos a imaginar quanto tempo vai
levar para o outro se adaptar à nossa
estrutura. Dormimos na mesma cama, mas
mantemos nossas cercas ao redor.
Uma jovem que aconselhei me contou esta
história: Sylvia era uma Perfeita Melancólica
elegante. Tudo nela era perfeito: o cabelo, a
maquiagem, as unhas. Era uma comissária de
bordo e encontrara o seu encantador marido,
Bud, num voo doméstico. Ele a arrebatara
com a sua personalidade e poder de persuasão
Populares Sanguíneos; em poucos meses já
estavam casados. Como ela já possuía um
apartamento mobiliado e decorado, achava
natural mantê-lo. Bud concordou, já que ele
morava em um apartamento com outros três
rapazes e não tinha muitos móveis.
No primeiro dia de trabalho de Sylvia após
a lua-de-mel, Bud explicou que ia até seu
apartamento apanhar algumas coisas. Quando
ela voltou para casa naquela noite, não podia
acreditar no que estava vendo. Bud tinha
apanhado “algumas coisas”. Havia cartazes
de esqui pregados ao lado dos seus quadros
de Picasso; uma almofada gigante, parecendo
mais um elefante morto, estava jogada ao
lado do sofá Queen Anne e, acima do balcão,
na cozinha, havia uma luz em “néon”
anunciando os méritos da cerveja Budweiser.
Sylvia amava Bud, mas não sabia que ele
iria trazer a sua “caixa” com ele.

Entender nosso temperamento


básico não nos prende
Entender nosso temperamento básico não nos
prende, abre um portão em nosso muro
protetor; leva-nos a nos aceitar e aos outros
com realismo e nos mostra como prever
problemas e lidar com eles antes de
acontecerem. Pense na dor que poderíamos
ter-nos poupado se tivéssemos cuidado das
trivialidades antes de elas se amontoarem
numa crise! Entender o nosso próprio
temperamento e os temperamentos dos outros
habilita-nos a lidar com situações no futuro,
como lidamos com o passado. Ao conhecer o
temperamento de um indivíduo, podemos
prever suas reações a diferentes situações e
ter em mãos as ferramentas apropriadas para
reparar danos antes de acontecerem.

Admita suas fraquezas


O primeiro passo a ser tomado em qualquer
programa de auto melhoramento é encontrar
suas áreas de fraqueza e admitir que as tem.
A recusa em examinar nossas próprias falhas
impede-nos de fazer qualquer coisa positiva
com elas. É humilhante admitir que fizemos
algo errado, durante anos, mas é o primeiro
passo para o amadurecimento. Pessoas
imaturas culpam os pais, os cônjuges, os
filhos, os amigos, as circunstâncias, pelo fato
de não terem se tornado o que almejavam ser.
Uma pessoa madura examina-se, aponta suas
próprias fraquezas e trabalha em cima delas.
É importante olharmos para o sofrimento e
rejeição que vivenciamos durante a infância a
fim de descobrir por que nos comportamos da
maneira como nos comportamos, mas a busca
dessa resposta não é para culpar, mas sim
para proporcionar conhecimento que fará
com que iniciemos um processo de cura.
Na Associação dos Alcoólatras Anônimos,
cada pessoa precisa ficar de pé, dar o seu
nome e dizer: “Eu sou alcoólatra.” Até que a
pessoa possa verbalizar essa confissão, não
pode haver cura. Não podemos curar-nos de
algo que não aceitamos como um problema.
Se existisse uma Personalidade Anônima,
iríamos ter de ficar de pé e dizer:

Sou um Popular Sanguíneo encantador,


mas
um conversador compulsivo.
Sou um Perfeito Melancólico sensível, mas
fico facilmente deprimido.
Sou um Forte Colérico dinâmico, mas
mandão e impaciente.
Sou um Sereno Fleugmático tranquilo, mas
não tenho entusiasmo.

Se chegarmos à confissão, estaremos


caminhando na direção certa.

Vamos elaborar um plano


pessoal
Agora que você entende os quatro
temperamentos básicos e avaliou-se para
descobrir seu próprio conjunto de traços, está
pronto a dar passos para acentuar suas forças
e eliminar suas fraquezas. Reveja o seu Perfil
de Personalidade.

Avalie suas forças


Tanto o Popular Sanguíneo quanto o Forte
Colérico veem rapidamente suas forças e
identificam-se imediatamente com elas, mas
Perfeitos Melancólicos e Serenos
Fleugmáticos, devido a suas naturezas
pessimistas, precisam às vezes pensar muito
antes de aceitarem as qualidades positivas.
Seja qual for seu temperamento, examine
realisticamente seu Perfil de Personalidade e
decida quais as três forças mais importantes
no seu relacionamento com os outros. Liste-
as aqui.

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

(Se estiver fazendo esse estudo com a família


ou em grupo, tire um tempo para um debate
sobre as forças de cada um e encorajem-se
uns aos outros com elogios sinceros.)
Ao olhar suas forças, agradeça a Deus
pelas habilidades que Ele lhe deu e aceite-as.
Os que tendem a se menosprezar, dizendo
“Não há nada de bom em mim”, precisam
mudar imediatamente de atitude. Há coisas
muito boas em você! A sua falsa humildade
não é bonita e força os outros a levantarem
seu moral constantemente. Isso cansa e tende
a fazer com que eles o evitem, porque é uma
muleta desnecessária para uma baixa
autoimagem. Nunca mais você precisará
sentir-se inútil, pois recebeu ambos, forças e
fraquezas. Deus criou você “menor que os
anjos” e Ele não pretendia que você
desperdiçasse tempo em autocompaixão.
Olhe as três forças que escolheu. Agradeça
a Deus por elas e nunca se esqueça de que
você tem valor. Você está usando estas
habilidades ao máximo? A medida que ensino
sobre personalidade e cada pessoa anota os
seus talentos, os participantes sempre ficam
impressionados com os recursos de suas
forças que não estão utilizando. Quantos
deles têm habilidades dormentes e talentos
sem uso!
Alguns ainda estão engatinhando nessa
caminhada porque quando eram crianças
diziam a eles: “Você nunca conseguirá, não
tem nenhum talento, estraga tudo que toca.”
Jogue fora essas mágoas do passado e
comece a usar todas as suas forças.
Avalie as fraquezas
Enquanto os Perfeitos Melancólicos e
Serenos Fleugmáticos podem ter dificuldade
em se relacionar com as suas forças, os
Populares Sanguíneos e os Fortes Coléricos
mal aguentam avaliar as suas fraquezas. Um
de seus maiores erros é pensarem que não
cometem erros. Qualquer que seja o seu
padrão pessoal de temperamento, pense
bastante e honestamente sobre seus pontos
fracos e anote três que mais precisam ser
melhorados.

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

Se realmente anseia ter uma personalidade


mais agradável, esteja disposto a pedir a
ajuda dos outros.

Ouça as opiniões de outros


Atreva-se a perguntar: “Se eu fosse trabalhar
em cima de uma área de minha
personalidade, por onde você acha que eu
deveria começar?” Depois faça a coisa mais
difícil que já fez: Escute!
Não diga que os outros são loucos. Não
seja defensivo dizendo: “Pois você está pior.”
Seja o que for que a pessoa diga, agradeça-
lhe e pense sobre isso. Muitas vezes recebi
com gratidão conselhos, bilhetes de crítica
em amor cristão. Apesar de não ficar muito
feliz com tais sugestões, aprendi a pensar
sobre elas, a tirar alguma verdade, a mudar o
que pudesse e a jogar fora o resto.
Geralmente há algum elemento básico de
verdade no menos positivo dos comentários e
crescemos quando aceitamos com dignidade
e gratidão o que parece ser crítica.

Planeje os passos para seu


crescimento pessoal
À medida que estuda as três fraquezas
sobre as quais vai trabalhar, anote o que pode
fazer para modificar essas áreas.

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

Admitir que as tem é o primeiro passo, mas


não é o suficiente.
O que você pode fazer para desenvolver
seus relacionamentos humanos? Populares
Sanguíneos podem morder a língua até
aprender a falar só a metade do que falavam
antes. Perfeitos Melancólicos podem parar
cada vez que se ouvirem falar com
pessimismo, e Fortes Coléricos podem-se
forçar a ouvir as opiniões dos outros. Serenos
Fleugmáticos podem fingir entusiasmo até
isso se tornar natural. Mudança dói, mas sem
ela não nos desenvolvemos.

Peça ajuda à família


Não há nada mais cativante que um
espírito amoldável — um que pede correção e
a aceita com gratidão. A medida que tenho
treinado Marita para ser uma preletora, sinto-
me encorajada por sua disposição em
aprender o que tenho a lhe ensinar e pela sua
falta de autodefesa. Faço-lhe sugestões, ela
me agradece e as põe em prática. Um espírito
amolável é um raro e belo atributo.
Se você tiver esse espírito, o passo de pedir
ajuda aos familiares será fácil; se não o tiver,
precisa pedir a Deus um espírito correto antes
de pedir ajuda. Perceba que sua família pode
não o levar a sério no começo. Se perceber
ceticismo por parte dela, provavelmente é
porque não acreditam na sua decisão. Pode
ser que, no passado, você tenha construído
muros entre si e os outros, e eles agora não se
atrevem a dizer a verdade.
Se você for predominantemente Popular
Sanguíneo, sua família sabe que sua
resolução para seguir qualquer ação corretiva
não leva mais que o dia de hoje. Só quer
ouvir coisas boas e foge dos problemas ou
críticas. Sua família sabe que você realmente
não quer tratar de suas falhas e ela pode até
dizer: “Você está bem do jeito que está.” Se
for um Popular Sanguíneo típico, dirá:
“Ótimo! Então não preciso me modificar.” O
que fazer? Precisará demonstrar verdadeira
dedicação a seu crescimento pessoal antes
que eles creiam.
Se for Perfeito Melancólico, já manipulou
a família por meio do mau humor por tanto
tempo que eles não se atrevem a dizer nada
ruim sobre você com medo de provocar uma
depressão. Preferem conviver com suas falhas
em vez de se arriscarem a lhe falar sobre elas
e ver o seu rosto ruir com uma expressão de
mágoa e pesar. Para conseguir cooperação,
terá de sorrir durante circunstâncias difíceis e
mostrar-se bem-humorado com qualquer
tempo.
Se for Forte Colérico, provavelmente tem
controlado a família com uma mão de ferro e
ninguém se atreve a discutir com você, com
medo de uma explosão de raiva. Terá de
antecipar suas perguntas com a frase:
“Prometo que não vou ficar zangado, se você
me der uma opinião honesta. Quero mudar
para melhor.” (Repare na expressão de
choque e descrença nos olhos deles!)
Se for Sereno Fleugmático, tem
dificuldade em decidir fraquezas sobre as
quais vai trabalhar, e pode lançar a lista
inteira ao grupo e deixá-lo escolher as falhas.
Podem não levar muito a sério esse projeto
porque seus projetos anteriores foram adiados
— morreram na praia. Precisará demonstrar
determinação decisiva para solicitar
cooperação.

Encoraje opinião honesta


Quando tiramos tempo para pensar sobre
nosso relacionamento com os outros,
percebemos quão pouca opinião honesta
encorajamos. Construímos nossas caixas ao
redor de nós, as pessoas aprendem até onde
ousam chegar perto do nosso muro e
desenvolvem um relacionamento funcional
conosco que pode ser totalmente falso. A sua
família precisa mimar você para manter a
paz? Seus colegas sabem até onde podem
chegar antes que você se zangue ou fique de
mau humor? Se as pessoas precisam tratar
você com luvas de pelica, talvez seja a hora
de ser honesto com eles e permitir que eles
sejam honestos com você.
Muitos casais nos disseram que, quando se
sentaram juntos para estudar as tabelas,
tiveram a primeira discussão significante em
anos. Uma mulher observou: “Quando
apareciam problemas, sempre ficávamos na
defensiva; então ambos vivíamos atrás de
máscaras. Quando nos sentamos para discutir
as tabelas, foi a primeira vez que
verbalizamos nossas falhas. Foi como se a
página estivesse falando e nós não nos
zangamos um com o outro. A ferramenta dos
temperamentos mudou-nos para uma
comunicação aberta e honesta.”
Várias pessoas constroem seus muros tão
espessos que ninguém jamais penetra para
conhecer a pessoa verdadeira lá dentro. Eis a
provável razão pela qual fazem isso: “Se você
soubesse como realmente sou, não iria gostar
de mim.” Vamos parar de nos esconder atrás
das máscaras e nos atrever a mudar. Não
precisamos ficar presos pelos fracassos do
passado; precisamos avançar para os campos
de potencial futuro.
Quem ama a correção ama o conhecimento; mas
quem se aborrece com a repreensão é insensato.
Provérbios 12:1
CAPÍTULO 14

Os Opostos se Atraem

Já ouvimos dizer que os opostos se atraem.


Fred e eu somos um exemplo perfeito dessa
declaração e, durante os anos em que
trabalhamos com os temperamentos,
raramente encontramos pessoas com o
mesmo temperamento casadas. Quando
olhamos as forças dos indivíduos, há um
grande valor na união dos opostos. O alegre
Popular Sanguíneo anima o Perfeito
Melancólico. O organizado Perfeito
Melancólico organiza o Popular Sanguíneo.
Quando olhamos para nossos casamentos e
percebemos que as forças de um dos
companheiros preenchem as fraquezas do
outro, ficamos gratos por essas diferenças e
paramos de tentar mudar a outra pessoa.
Relacionamento entre
Populares
Sanguíneos e Perfeitos
Melancólicos
Antes do casamento, tendemos a ver as boas
qualidades do outro. Sabemos que as poucas
fraquezas vão desaparecer quando essa
pessoa tiver a oportunidade de conviver com
alguém tão especial quanto nós nos achamos.
Como eu e Fred aprendemos, essa
transformação automática raramente
acontece.
Logo que nos conhecemos, Fred sentiu-se
atraído por minha personalidade Popular
Sanguínea. Como ele não gostava da
conversa trivial das ocasiões sociais, achava
que, se casasse comigo, eu falaria por ele — e
eu falava? Eu via em Fred a profundidade e a
estabilidade Perfeitas Melancólicas. Sabia
que ele poderia endireitar a minha vida e me
organizar — e o fez!
Fomos atraídos pelas forças do outro, que
eram opostas e, embora não soubéssemos isso
na hora, estávamos procurando preencher as
lacunas de nossas próprias personalidades.
Como fôssemos duas pessoas perfeitas,
encarando o que automaticamente seria um
casamento perfeito, nunca consideramos a
possibilidade de surgirem problemas; porém
esse pensamento esperançoso provou ser
mera ilusão.
Vamos examinar somente uma área em que
tivemos um conflito imediato: como
programar o nosso tempo. Antes de nos
casarmos, eu conseguia ensinar cinco
matérias diferentes de segundo grau, todos os
dias, e dirigir todas as atividades dramáticas
sem a presença de Fred. Achava que fosse
organizada, mas, no momento em que
chegamos a Bermudas em nossa lua-de-mel,
Fred começou a programar nosso tempo para
não desperdiçarmos as férias. Ele resolveu
que visitar fortes antigos seria produtivo e,
após ler vários folhetos sobre a história da
ilha, planejou nossas excursões.
Para cobrir eficientemente o roteiro, ele
alugou motos. Enquanto ele lia as instruções
que acompanhavam as motos, liguei a minha
e, sem saber como parar, bati num muro de
pedras que surgiu como uma barricada
instantânea, na minha frente. O dono veio
gritando e me viu caída, com a roda dianteira
de sua moto deitada em cima da roda traseira.
Fred ficou humilhado ao se ver em
companhia de alguém tão tonto que
começava coisas sem delinear um plano. Ele
fez um sermão que começou com a frase que
mais tarde eu viria a odiar: “Todo mundo
sabe que...” Depois de fazer-me sentir como
uma idiota, por minha viagem impulsiva
contra o muro, pagou os danos, ajudou-me a
montar numa outra moto, onde tive de me
sentar calada enquanto ele explicava as peças
da moto em termos que uma criança de
primeiro grau entenderia.
Nesse incidente eu aprendi que:

Fred era inteligente — eu era


estúpida;
Fred era forte — eu era fraca;
Fred estava certo — eu estava
errada.
Eu não gostava dessas conclusões, mas
convivi com lembranças constantes da sua
validade durante quinze anos, até que
aprendemos sobre os temperamentos. Então,
cada um descobriu que, só porque o outro é
diferente, não quer dizer que esteja errado.

Miséria gosta de
companheirismo
Em nossa viagem a Bermudas, no navio
Monarca Oceânico, Fred enjoou antes de
deixarmos o porto. Ele se deitou, gemendo:
“Queria estar morto.” Eu sempre me aborreci
com pessoas doentes e fugi da cena de
doença. Nenhum de nós sabia nada sobre os
temperamentos, na época. Fred ficou arrasado
porque eu não fiquei na cabine, nem coloquei
panos frios em sua cabeça, nem demonstrei
pena dele. Perfeitos Melancólicos adoram a
comiseração, atendem os doentes e presumem
que qualquer pessoa decente faria a mesma
coisa.
Eu estava chateada porque Fred estava
arruinando meu prazer no Navio do Amor e,
após umas palavras de alento (para aplacara
minha consciência), saí atrás de diversão.
Fred não sabia que Populares Sanguíneos
odeiam doença, evitam coisas desagradáveis
e procuram ação e diversão.

Agenda? Que agenda?


Uma semana depois de voltarmos de nossa
lua-de-mel, fomos ao cinema e, ao sair,
sugeri: “Por que não vamos tomar um
sorvete?” Pensei que tivera uma boa ideia,
mas Fred argumentou: “Não está na minha
agenda.”
— Que agenda?
— Eu faço uma agenda todas as manhãs às
sete horas. Se você quiser tomar um sorvete
às onze horas da noite, precisa me dizer às
sete horas da manhã para que eu possa
colocar na minha agenda.
— As sete da manhã eu não sabia que iria
querer um sorvete às onze da noite.
Fomos direto para casa. Eu, sabendo que
esse casamento nunca seria muito divertido.
Desde o começo tivemos problemas com a
pasta de dentes. Fred achava necessário
enrolar o tubo. Eu pegava e espremia. Ele
agitava o tubo e limpava a tampa e eu nem
notava o que ele fazia. Um dos conflitos entre
os parceiros Populares Sanguíneos/Perfeitos
Melancólicos casados é que o Popular
Sanguíneo não percebe que está fazendo algo
de errado e o Perfeito Melancólico calado não
quer declarar o problema abertamente. Ele
simplesmente repara os danos, presumindo
que, mais cedo ou mais tarde, o Popular
Sanguíneo aprenderá por observação. Mas o
Popular Sanguíneo não percebe e certamente
não há solução. Quando o Perfeito
Melancólico finalmente acha que deve falar
sobre o assunto, suas emoções estão tensas a
tal ponto, que o assunto se torna uma grande
briga. Ao compreender os temperamentos,
esses problemas podem ser evitados. O
Perfeito Melancólico decide se é bastante
importante para falar e depois fala antes de se
irritar. O Popular Sanguíneo tenta fazer o que
é certo e o Perfeito Melancólico tenta ignorar
os erros.
Fred resolveu nosso problema com a pasta
de dentes ao comprar outro tubo para mim,
deixando-me espremê-lo de qualquer jeito.
Opostos se atraem e ao focalizarmos as
forças, ajustamo-nos bem, mas, quando não
entendemos nossas personalidades, tendemos
a focalizar as fraquezas e a sentir que se
“alguém é diferente de mim” deve estar
errado.
Um casal a quem aconselhei tinha o
problema típico da combinação Popular
Sanguíneo/Perfeito Melancólico. Chuck era o
tipo “alma da festa”, um vendedor, que
sempre tinha algo engraçado a dizer. Miriam,
uma Perfeita Melancólica, contou-me que se
sentiu atraída instantaneamente por Chuck
porque ele tinha muita autoconfiança,
enquanto ela era insegura, socialmente
inibida e fugia de multidões. Miriam
descreveu Chuck como extrovertido, bonito,
encantador, falante e engraçado; essas eram
as qualidades que faltavam a ela e que
pensava que ele fosse suprir.
Quando Miriam veio visitar-me, estava
muito deprimida. Queria um casamento
perfeito, mas Chuck não fazia as coisas
direito. Estava frequentemente atrasado para
o jantar, que ela sempre preparava na hora, e
ela tomava isso como um insulto pessoal. O
pior era que, quando ele chegava, nem
percebia que estava atrasado. Ela não
acreditava que ele não fosse regido pelo
relógio, como ela, portanto achava que Chuck
se atrasava de propósito. Miriam não discutia
o problema com ele, porque não queria
provocar atrito.
Ela notou como o marido era
desorganizado e perdia as chaves inúmeras
vezes. Comprou-lhe, então, um claviculário e
pendurou-o perto da porta de entrada.
Esperou que ele o notasse. Como isso não
aconteceu, ficou chateada e ele não sabia o
porquê. Quando ela finalmente contou que
estava aborrecida porque ele não vira o
claviculário que comprara por causa dele e
para ele, Chuck lhe disse que estava sendo
ridícula. Ela ficou mais chateada ainda.
Após frequentar algumas festas com o
marido, ela percebeu que ele repetia as
mesmas piadas. Ela nunca apreciara
leviandade e certamente não gostava de ouvir
a mesma piada ridícula repetidas vezes. Uma
noite, ele contou uma história que não estava
totalmente correta e ela ficou chocada ao
perceber que o seu marido era um mentiroso.
Ela mencionou que não dissera a verdade e
ele respondeu: “Que diferença faz? Eles
riram, não foi?”
Quando conversei com Chuck, ele contou
o lado dele. Ele era um homem encantador e
eu podia ver por que ela se apaixonara por
ele. Eram tão opostos quanto a maioria dos
casais, mas ele achava que tudo ficaria bem
se ela se animasse.
— Miriam é uma mulher doce, suave e
tímida e amo essa parle — mas ela tem
estado deprimida a metade do tempo desde
que nos casamos. Ela me achava engraçado
— como todo mundo — mas agora me chama
de mentiroso e quer que todas as minhas
histórias sejam fatos reais.
Ela é uma boa dona-de-casa; de fato é
quase fanática. Se eu soltar o meu copo, ela
corre com ele à cozinha. Temos móveis
novos na sala e ela cobriu tudo com lençóis
para não ficarem gastos. Sinto-me como se
estivesse sentado num necrotério. É
assombroso.
Se eu chegar em casa com dez minutos de
atraso, ela fica deprimida. Parece não
entender que sou vendedor e que preciso
esperar até fechar o negócio. É como se eu
tivesse casado com uma mãe e fosse o
menino levado.
O que iríamos fazer com Chuck e Miriam?
Muitos problemas são auto curáveis, uma vez
que os participantes podem refletir, voltar-se
para seus problemas e olhar mais
objetivamente para si mesmos. Dei-lhes um
jogo de fitas sobre os temperamentos e disse-
lhes que não iria vê-los até que eles as
ouvissem juntos. Minam ligou depois de uma
semana e parecia ser uma nova pessoa.
“Posso visitá-la? Temos escutado as fitas.”
Ela me contou isto:

Sinto-me tão tola por não poder decifrar os nossos


problemas sozinha! Ouvir as fitas juntos foi
esclarecedor, pois ouvimos sobre nós mesmos. Chuck
começou a perceber que eu não estava tentando ser a
mãe dele; sou uma Perfeita Melancólica que quer
tudo perfeito. Começamos a conversar abertamente
pela primeira vez e percebi que nunca lhe tinha
contado como me sentia. Queria que ele lesse a
minha mente e, como ele não o fazia, ficava
deprimida. Começamos a examinar as nossas
diferenças. Eu sempre planejava o jantar para as seis
horas, o que achava ser a hora normal. Ele nunca
chegava a casa antes das seis e meia e eu ficava
aborrecida. Mudei o horário para as sete horas, e
agora temos tempo até para relaxar antes do jantar.
Aprendi que não existe uma grande recompensa por
jantar na hora exata.
Chuck usa o claviculário agora que sabe para que
serve. Arrependo-me do tempo que gastei esperando
que ele notasse a minha boa ação. Ao escutaras fitas
sobre os Populares Sanguíneos contando histórias,
entendi que eles estão mais interessados na reação
dos outros que na veracidade. Percebi que ele não
estava mentindo e que ninguém mais parecia se
importar. O que gostava nele era coma ele conseguia
divertir todo mundo e concluí que ele pode contar as
histórias do jeito que quiser. Não vou corrigi-lo a
menos que ele faça uma declaração inflamada que
possa iniciar a Terceira Guerra Mundial.
Após escutar as fitas, Chuck perguntou se
poderíamos tirar os lençóis dos móveis porque nossa
casa tinha uma aparência de funerária. Antes, eu teria
ficado magoada pensando que ele estivesse criticando
meu zelo doméstico, mas até sorri e ajudei a arrancá-
los. Se as cadeiras desbotarem daqui a dez anos,
compraremos novas.
Obrigada por nos convencer a escutar as fitas
sobre os temperamentos. Elas me mostraram que eu
era séria e enjoada e como não era divertido para
Chuck estar comigo. Agora podemos discutir as
diferenças e rir sobre elas.

É impressionante como outras pessoas


melhoram quando entendemos os
temperamentos e não tentamos forçá-las a se
tornarem como nós. Que bênção quando
aprendemos a aceitar as pessoas “pouco
irregulares” assim como são!
Provavelmente já ouviram casos verídicos
iguais a esses. A sua própria vida pode até ser
mais interessante que essa, e você pode estar
dizendo consigo: Se ela acha que esse casal
tem problemas, deveria ouvir a minha
história! Todo mundo acha que a própria
história é a pior, porque é pessoal e
onipresente, mas compreender os
temperamentos dos indivíduos pode ajudar a
resolver situações antes que elas saiam de
controle.

Relações entre Fortes Coléricos


e Serenos Fleugmáticos
Os Serenos Fleugmáticos não gostam de ser
forçados, mas, deixados à própria sorte, não
conseguem fazer o que prometeram. Dotty,
uma amiga Forte Colérica, que está tentando
evitar manejar tudo no lar, ofereceu ao
marido Sereno Fleugmático, Lewis, uma
decisão difícil de tomar. Ao discutir planos
para as férias, ele escolheu um certo hotel na
praia, Lewis iria fazer as reservas. Cada vez
que Dotty perguntava se ele já as havia feito,
ele respondia que iria fazê-las quando
estivesse pronto e ela deveria parar de
aborrecê-lo. No dia em que iam viajar, Dotty
conseguiu um sorriso de esperança e
perguntou docemente: “Presumo que você fez
as reservas.” Seu comentário foi: “Eles
sempre têm cancelamentos.” Ela ficou furiosa
e eles viajaram em silêncio até San Diego.
Quando pediram uma vaga ao
recepcionista, ele riu na cara deles: “Esperam
entrar num hotel de praia em agosto e
encontrar uma vaga? Devem estar brincando.
Não há vagas na cidade toda.”
“Se não bastasse”, Dotty prosseguiu,
“Lewis virou-se para mim e disse: ‘Você
deveria ter-me lembrado de ligar’.” Perdi as
estribeiras com aquilo, caí em prantos e corri
ao carro onde bati com os punhos na lataria.
Jurei que nunca mais contaria com ele para
nada.”
Finalmente encontraram um quarto num
velho motel ao lado de uma lanchonete 24-
horas. Lewis logo dormiu no colchão cheio
de altos e baixos enquanto Dotty ficou
acordada a noite inteira.
No dia seguinte, Lewis afirmou: “Isto pode
não ser um motel de luxo, mas pense no
dinheiro que poupamos?”
Infelizmente, essa cena é típica do círculo
vicioso em que lutam a esposa Forte Colérica
e o marido Sereno Fleugmático. Ele não quer
ser importunado e reclama. Ela recua e tenta
não o acuar. Ele negligencia as
responsabilidades e tudo dá errado. Ela se
aborrece e sabe que não pode confiar nele.
Ele reassume o controle e conta a todos que
ela “pega no pé dele”. Ela parece a vilã e ele,
um “coitado subjugado”.
Consertar os danos
Para consertar esses tipos de problemas, em
primeiro lugar os casais precisam entender
seus temperamentos conflitantes e juntos
jurar trabalhar dos extremos para o centro.
Independente do sexo, o Popular Sanguíneo
precisa organizar a sua vida, enquanto o
Perfeito Melancólico percebe como isso é
difícil para ele. O Perfeito Melancólico
precisa baixar os seus padrões e não ficar
deprimido se descobrir que casou com uma
pessoa imperfeita.
O Forte Colérico precisa deixar o Sereno
Fleugmático tomar decisões e ser
responsável, e o Sereno Fleugmático precisa
executar, para que o Forte Colérico não
reassuma as rédeas. O Sereno Fleugmático
precisa se forçar a programar atividades
interessantes e o Forte Colérico deveria tirar
tempo do trabalho para gozá-las.
Tudo isso exige esforço, mas a alternativa
seriam duas pessoas casadas viverem duas
vidas separadas, até o dia em que uma delas
resolva partir.
Há esperança! Fred e eu fizemos o esforço
supremo de transformar o nosso casamento.
Tive de aprender a me organizar e ele teve de
aprender a se descontrair, mas trabalhamos
bastante para isso, e conseguimos. Muitos
que frequentaram os nossos cursos
escreveram contando sobre o quanto o
conhecimento dos temperamentos os tem
ajudado.

As personalidades fundem-se no casamento e “você


só alcança sua nova identidade, quando se fundir
com uma outra pessoa... O amor é a entrega de uma
personalidade em perfeita comunhão com outra
personalidade”.
Oswald Chambers
CAPÍTULO 15

Podemos Reconhecer
Diferenças nos Outros

Uma vez de posse de uma compreensão de


nós mesmos pelo estudo dos temperamentos,
podemos abrir um novo mundo completo de
relacionamentos humanos positivos. Podemos
usar os princípios que aprendemos e aplicá-
los à nossa vida diária.
Sabemos que:

Os Populares Sanguíneos são melhores


em:
• tratar as pessoas com entusiasmo
• expressar animadamente os
pensamentos
• ocupar posições em que chamem a
atenção

Os Perfeitos Melancólicos são melhores


em:
• prender-se a detalhes e ponderar
• manter em ordem a contabilidade,
preparar tabelas e gráficos
• analisar problemas difíceis demais para
os outros.

Os Fortes Coléricos são melhores em:


• tomar decisões rápidas
• participar de atividades que precisam de
ação instantânea e realizações
• dirigir áreas que exigem controle forte e
autoridade

Os Serenos Fleugmáticos são melhores


em:
• mediar e unir pessoas
• acalmar conflitos
• cumprir rotinas que podem parecer
tediosas a outras

À medida que ler os Princípios da


Personalidade, comece a planejar o uso desse
conhecimento para aprimorar sua habilidade
em lidar com os outros. Cada temperamento
tem seu próprio estilo de linguagem corporal,
de falar e de comportamento social. Quando
começarmos a entender os temperamentos e a
observar as pessoas, veremos que muitas
vezes podemos reconhecer o temperamento
de uma pessoa ao vê-la entrar numa sala.
Nunca devemos utilizar esse conhecimento
para julgar ou estigmatizar alguém, mas
simplesmente para que ele nos ajude em
nossos relacionamentos com os outros.

Popular Sanguíneo
O Popular Sanguíneo chega à festa de boca
aberta, procurando uma plateia. Enquanto ele
fala alto para chamar a atenção para sua
chegada, suas mãos estão sempre
gesticulando. Se o Popular Sanguíneo precisa
se sentar, fica se mexendo, bate o pé, faz
batucada com os dedos — qualquer coisa
para não ficar quieto.
Ele simplesmente não pode ficar quieto e
relaxar. Sempre está à procura de sua
próxima plateia e pode deixar você, no meio
de sua melhor história, para correr ao
encontro de um amigo novo que acabou de
chegar. Nem vai perceber que foi descortês
porque não estava ouvindo, nem notou que
você ainda estava falando. Durante uma festa,
o Popular Sanguíneo passa de grupo em
grupo e o nível de som subirá onde ele
estiver. A mulher Popular Sanguínea entra
com abraços, beijos, exclamações e risos e,
enquanto fala, segura bem a sua audiência
para que não escape. Quando vir uma pessoa
barulhenta, falante, exuberante se jogar sala
adentro, provavelmente estará observando um
Popular Sanguíneo.
O Popular Sanguíneo fala em extremos
coloridos, sem qualquer relacionamento
necessário com a verdade. O Popular
Sanguíneo acha que deve repassar qualquer
história medíocre que ouviu. Lógico que vai
enfeitá-la para que você a ouça em melhor
estado do que a forma em que ele a recebeu.
O que o Popular Sanguíneo disser será
exagerado e exuberante e ninguém terá
problemas em ouvi-lo. Ao perceber o Popular
Sanguíneo, você pode tomar uma decisão
rápida. Se quiser se entreter, fique. Se quiser
realmente conversar, fuja depressa para outra
sala e encontre um ouvinte Sereno
Fleugmático sedentário.

Forte Colérico
Assim como o Popular Sanguíneo, o Forte
Colérico acha difícil relaxar e tende a sentar-
se na borda da cadeira, esperando alguma
ação. Conversa trivial é geralmente uma
perda de tempo para o Forte Colérico e se a
conversa não for sobre negócios ou algo que
ele possa endireitar, prefere nem falar.
Quando o Forte Colérico vê algo que deseja,
tende a estender o braço para alcançar em vez
de pedir e, pode, no processo, derrubar o que
encontrar no meio do caminho.
O Forte Colérico sabe tudo sobre qualquer
assunto e ficará feliz em dizer mais do que
você queria saber sobre qualquer coisa. Ele
fala em absolutos e tende a olhar os outros
como se fossem tolos premiados. É melhor
não discutir com ele numa situação social
porque ele adora argumentar e insistirá em
provar que vocês estão errados mesmo
estando certos. Você encontrará dificuldade
em escapar dos argumentos dele que poderá
segui-lo até o carro, expondo sua lógica até
você concordar que preto é branco. Ouvem-se
do Forte Colérico declarações tais como:

— Eu não disse?
— Cuidado, fique esperto.
— Não, em absoluto.
— Obviamente.
— Só um idiota diria uma coisa dessas.
— O que é que você tem?
— Você nunca aprendeu nada?
— Se você tivesse a metade de um cérebro,
veria que estou certo.

Uma vez que aprenda a reconhecer um


Forte Colérico, saberá como tratá-lo numa
situação social. Faça-lhe perguntas difíceis e
fique impressionado com as respostas.
Balance a cabeça inteligentemente em
resposta às principais verdades de vida dele e
ele se lembrará de você sempre como um
brilhante conversador.

Perfeito Melancólico
Ao contrário da entrada forte e barulhenta
do Popular Sanguíneo e do Forte Colérico, o
Perfeito Melancólico entra calado e sem
alarde.
O homem espera que ninguém o note e a
mulher tem certeza de que vestiu a roupa
errada. O homem Perfeito Melancólico não
gosta de festas e preferiria não ter ido. O
Perfeito Melancólico tende a ficar em pé na
periferia do grupo com as mãos nos bolsos e
não se senta a menos que alguém o convide.
Nunca quer ofender ninguém e jamais quer
dar à anfitriã a oportunidade de o criticar
mais tarde. Ele comumente ouve o
comentário trivial de um Popular Sanguíneo
que falou impensadamente, e o leva a sério,
podendo entrar em depressão e se recusar a
falar pelo resto da noite. Na primeira
oportunidade, arrastará sua esposa porta afora
e chegará à segurança de sua própria casa,
perguntando-se por que saiu para tal festa.
O Perfeito Melancólico acha difícil aceitar
elogios e geralmente responde com
comentários como:

— Gosta desse trapo?


— Sempre odiei meu cabelo.
— Você só diz isso! É horrível!
— Realmente não sou bom nisso.

Como o Perfeito Melancólico muitas vezes


sofre de uma autoimagem negativa, tende a
dizer:

— Este projeto tem poucas chances de


sucesso.
— Com minha sorte, vai cair aos pedaços.
— Eu nunca poderia ser o presidente.
— Sabia desde o começo que tudo estava
errado.
— Provavelmente estragarei a refeição
inteira.
— Não acho que eles realmente me
queiram na comissão.
— Sabia que vestiria a coisa errada.
— Nunca sei o que dizer.
— Queria ter ficado em casa.

Uma vez reconhecido um Perfeito


Melancólico, sabemos que você poderá ter
uma conversa profunda e significativa e que
apreciará uma abordagem séria e sincera. O
Perfeito Melancólico não aprecia comentários
barulhentos e não vai gostar se você chamar
atenção para ele. Ele prefere ter uma conversa
inteligente com alguém a pular de pessoa em
pessoa como faz o Popular Sanguíneo.

Sereno Fleugmático
O Sereno Fleugmático entra devagar, com um
meio-sorriso, achando graça por tanta gente
ter vindo a uma reunião tão sem importância.
Ele dá uma olhada superficial no grupo e
espera conseguir manter-se acordado.
Acreditando que ninguém deveria ficar em pé
quando pode sentar, e que nunca deveria
sentar-se quando se pode deitar, ele procura,
de praxe, a cadeira mais macia a seu alcance.
Ele cai no sofá e, ante seus olhos, quase se
desdobra como uma espreguiçadeira. Ele
passa a noite calmo e relaxado, boceja
bastante e pode até cochilar. Se o Sereno
Fleugmático se envolver involuntariamente
na conversa da noite, lança uns poucos
comentários meio jocosos na hora certa.
Esses lances de humor muitas vezes passam
despercebidos porque são inseridos de
maneira tão discreta que é preciso estar atento
para apreciar sua sutileza.
Como o Sereno Fleugmático prefere
relaxar a gastar um pingo de energia e não
está promovendo qualquer cruzada, tende a
falar com expressões indiferentes:

— Que importa?
— Bem, é assim que as coisas andam.
— Agora, não vamos nos exaltar sobre
nada.
— Sempre foi assim e por que deveríamos
começar a mudar as coisas agora?
— Por que se importar?
— Parece trabalho demais.
Os Serenos Fleugmáticos tendem a se
agrupar nas festas e a ficar sentados em
silêncio. Há um certo conforto em saber que
não esperam nada uns dos outros e que
podem aquecer-se mutuamente na aceitação
da situação. Se você estiver procurando uma
plateia ou alguém que não vai discutir com
você, experimente um Sereno Fleugmático.
Você vai gostar dele.
Da próxima vez em que estiver numa
reunião, olhe ao redor e veja a mulher
Popular Sanguínea segurando as mãos de
cada homem disponível, contando-lhes
histórias adoráveis. Observe o homem Forte
Colérico explicando firmemente aos outros
homens como resgatar seus negócios para que
possam ser bem-sucedidos como ele. Veja a
mulher Perfeita Melancólica sentada
corretamente e insegura, enquanto os homens
são atraídos pelo seu espírito doce e gentil (e
ela espera que eles não estejam dizendo
coisas bonitas só para fazê-la feliz). Depois
localize o Sereno Fleugmático relaxado na
sala de televisão, esperando que ninguém o
encontre. Não se surpreenda se os seus olhos
estiverem entreabertos e ele estiver dizendo
consigo mesmo: Esta festa não está tão ruim,
afinal.
O conhecimento dos temperamentos pode
nos ajudar a trabalhar melhor em situações
sociais; a conversar de maneira apropriada e
agradável aos presentes; a entender os pontos
positivos e os negativos de outras pessoas. De
agora em diante, você se divertirá mais ao
localizar o falador, o feitor, o pensador e o
observador. Não é maravilhoso sermos
diferentes?

Dá instrução ao sábio, e ele se fará mais sábio


ainda; ensina ao justo, e ele crescerá em prudência.
Provérbios 9:9
CAPÍTULO 16

Como nos Relacionarmos


Bem com os Outros

Agora que analisamos nossas forças e


fraquezas e começamos um programa para
trabalhar com sinceridade para melhorar,
como podemos usar esse conhecimento para
nos ajudar a nos relacionarmos com os
outros?
Um dia meu filho Fred estava se queixando
de Marita para mim. Do seu jeito Perfeito
Melancólico, disse-me que ela era barulhenta
demais, não era séria nem organizada.
“Tenho de apanhar as coisas dela o tempo
todo e estou farto disso.” Eu me virei para ele
e disse: “Sabe por que Deus lhe deu Marita
como irmã? Ele queria lhe dar anos de prática
em conviver com um Popular Sanguíneo,
porque Ele sabe que você vai se casar com
uma moça igualzinha à Marita.”
“Nunca me casarei com alguém como
Marita”, declarou em alto e bom som e saiu
da sala.
Dias depois, quando minha cabeça Popular
Sanguínea havia esquecido totalmente a
conversa, ele entrou na cozinha e disse: “A
senhora tem razão.”
Eu não tinha a menor ideia do que se
tratava, mas vibrei em pensar que estivesse
pelo menos com a razão.
“A senhora tem razão. Provavelmente me
casarei com alguém como Marita. A semana
toda observei as moças de quem gosto e todas
são iguais a ela. Acho melhor eu aprender a
me dar com ela.”
Eu não mencionei a conversa à Marita e na
semana seguinte ela perguntou:
— Fred está querendo alguma coisa?
— Porquê?
— Ele tem sido tão gentil comigo e até me
ajudou a tirar algumas coisas do carro.
Eu expliquei:
— Ele concordou comigo que
provavelmente se casará com uma Popular
Sanguínea e está treinando com você.
A compreensão das diferenças entre nossos
temperamentos básicos alivia a pressão dos
nossos relacionamentos humanos. Podemos
ver as diferenças dos outros de maneira
positiva e não tentar sempre tornar os outros
iguais a nós.

Personalidade Popular
Sanguínea
Reconheça sua dificuldade em
realizar tarefas
Mesmo querendo que todos os Populares
Sanguíneos melhorem, isso é pouco provável.
Portanto, devemos ser realistas. Os Populares
Sanguíneos adoram novas ideias e projetos,
mas têm pouca perseverança. Essa fraqueza é
especialmente difícil para Perfeitos
Melancólicos entenderem, porque eles têm
tanta necessidade de terminar o que
começaram que acham que toda pessoa
inteligente pensaria igual. Crianças pequenas
Populares Sanguíneas precisam de supervisão
constante para controlar as tarefas que lhes
são atribuídas. Distraem-se facilmente, mas
tem verdadeira boa vontade, portanto não
desista. Muitas mães acham mais fácil elas
mesmas fazerem as coisas, mas isso encoraja
as fraquezas dos Populares Sanguíneos. Logo
aprendem que, se fizerem mal, não serão
mais requisitados.
Como os adultos Populares Sanguíneos são
apenas crianças maiores, vale o mesmo
princípio. Se você estiver supervisionando
um Popular Sanguíneo, precisa esclarecer-lhe
bem as instruções, enfatizando até urgência
no desempenho da tarefa e depois
acompanhá-lo, até que possa confiar nele
para terminar o projeto. É sempre melhor
empregar Populares Sanguíneos em áreas em
que se destaquem e evitar a sua ajuda em
tarefas detalhadas que exijam precisão
milimétrica.
Perceba que eles falam sem
pensar
Os Perfeitos Melancólicos não entendem que
qualquer pessoa abriria a boca sem antes
pensar no que vai dizer. Os Populares
Sanguíneos abrem sua boca para descobrir o
que vão dizer. Não é que eles não tentem
pensar antes de falar, simplesmente acontece.
Uma Popular Sanguínea me disse: “Meu
marido diz que minha mente é igual àquelas
máquinas antigas de chiclete — todos os
meus pensamentos coloridos movendo-se
desordenadamente e quando você pressiona
um botão um grande punhado cai, de uma só
vez, em sua mão.”

Reconheça que gostam de


variedade e flexibilidade
Os Populares Sanguíneos sempre querem
novidades e saem-se melhor quando uma
certa diversão é aceitável. Designando-lhes
tarefas rotineiras, enfadonhas, você não
valorizará as suas habilidades. Uma mulher
Popular Sanguínea quer muita roupa,
dinheiro, festas, amigos e não quer se
acomodar no lado prosaico da vida. Homens
Populares Sanguíneos tendem a se
entusiasmar por um novo emprego e a fazer
bem suas tarefas até a novidade acabar. Se
quiser um marido conservador, seguro e
estável, é melhor não se arriscar com um
Popular Sanguíneo. Se quiser excitação,
variedade e nenhum tédio, o Popular
Sanguíneo é seu homem.

Ajude-os a evitar que aceitem


mais do que podem cumprir
Frequentemente os Populares Sanguíneos
aceitam compromissos demais e concordam
até em se filiar (ou ser presidente de algum
clube ou associação) porque se entusiasmam
com cada projeto ou ideia nova. Também
sentem dificuldade em dizer não. Os
Populares Sanguíneos têm boa vontade, mas
fogem quando se sentem pressionados.
Ajude-os a analisar o seu tempo disponível e
a assumir somente aquilo que podem
cumprir. Os cônjuges de Populares
Sanguíneos tendem a esperar o dia do colapso
nervoso para fazê-los largarem tudo para
sempre. Tente tratar racionalmente esse
problema com antecedência, sabendo que os
Populares Sanguíneos precisam de atividades
externas, mas não conseguem dizer não a
ninguém. Impressione-se com o fato de
alguém ter pedido algo a eles; elogie seu
carisma e ajude-os a recusarem algumas
oportunidades de ser o centro das atenções,
mas não corte todas as suas atividades extras.

Não espere que se lembrem de


horas marcadas nem que
cumpram horários
Embora já tenha implorado aos Populares
Sanguíneos para organizarem suas vidas e se
manterem no horário, não conte com isso.
Mesmo quando planejam chegar cedo,
acontece algum empecilho. E, se saem na
hora, tem de voltar para pegar alguma coisa
que esqueceram.
É um milagre que Marita e Fred tenham
conseguido endireitar os dentes com o
número de consultas ao ortodontista de que
me esqueci de levá-los. Felizmente, o
ortodontista estava enclausurado em um
santuário interno, protegido por um bando de
mocinhas com minissaias, assim nunca tive
de enfrentá-lo. Tenho certeza de que, se lhe
perguntassem sobre mim, ele diria que devo
ser uma pobre mulher confusa com doze
filhos, Q.I. baixo e sem relógio.
Não importa o quanto tentem, os Populares
Sanguíneos não conseguem juntar tudo ao
mesmo tempo.

Elogie-os por tudo o que


realizam
Como é difícil para os Populares
Sanguíneos chegarem ao fim de qualquer
projeto, precisam de elogios constantes para
manter o ritmo. Outros temperamentos que
não precisam de reforço tão frequente não
entendem que os elogios são alimento para os
Populares Sanguíneos e que não conseguem
viver sem ser elogiados.
Quando Fred e eu éramos recém-casados e
eu limpava todos os farelos da gaveta das
facas, pedia elogios:
— Fred, limpei a gaveta das facas.
— Já era tempo. Estava precisando.
Com esse tipo de reação, desisti de limpar
gavetas. A medida que Fred aprendeu a se
relacionar comigo por entender o meu
temperamento, percebeu quão importante
para mim era o encorajamento. Agora quando
eu limpo a gaveta das facas e aviso, ele larga
tudo para olhar e dizer: “Puxa, que gaveta
bonita!” Assim eu posso até limpar outra,
algum dia.
Com crianças Populares Sanguíneas, é
mais importante reconhecermos o que
executaram, do que apontarmos a maneira
falha como foi feita. Elogie umas poucas
coisas hoje e talvez façam mais alguma coisa
amanhã.

Lembre-se de que são pessoas


controladas pelas
circunstâncias
Mais que qualquer outro temperamento, os
Populares Sanguíneos são controlados pelas
circunstâncias. Suas emoções sobem e
descem conforme o que está acontecendo ao
seu redor. Se você perceber a rapidez com
que suas emoções mudam, não reagirá à sua
histeria. É uma infelicidade para os Populares
Sanguíneos que eles deem frequentemente
alarmes falsos. Uma mulher me disse que se
debruçou sobre o fogão a gás e a manga de
sua blusa pegou fogo. Ela gritou por seu
marido, que estava na outra sala: “Socorro,
socorro! Estou pegando fogo!” Sem sair do
lugar, ele respondeu: “Tem razão, querida.
Você e um fogo ardente!”

Traga-lhes presentes; eles


gostam de brinquedos novos
Oh, como o Popular Sanguíneo gosta de
receber presentes! Não importa a beleza do
presente, se trouxer qualquer coisa, ele ficará
animado. Fred observou como eu gosto de
surpresas e, se ele compra um pão de fôrma a
caminho de casa, me chama para recebê-lo
como um presente. Eu abro o saco e fico
muito agradecida que tenha percebido que
estava faltando pão, quando eu nem havia
notado. Numa Páscoa, ele me trouxe uma
dúzia de cabides verdes que encontrara numa
promoção. Fiquei muito feliz, porque temos
um ladrão de cabides, em casa, e nunca há
um disponível para mim. Agora que tenho os
cabides verdes, posso vasculhar outros
guarda-roupas e encontrar facilmente os
cabides roubados.
Como os Populares Sanguíneos mantêm as
qualidades juvenis para sempre, estão
frequentemente procurando um brinquedo
novo para alegrar seu dia.
Aceite que eles riam de
situações que poderiam ser
embaraçosas para outros
Os Populares Sanguíneos adoram contar
histórias sobre seus erros, então ouça-as e não
tente lhes dizer como eles poderiam ter
evitado o problema. Uma senhora me contou
que estava parada em uma esquina na hora do
almoço. O trânsito congestionado fazia com
que todos os carros estivessem parados, e um
policial estava mantendo todos os pedestres
fora da rua. Sendo uma Forte Colérica e por
não gostar de perder tempo, ela decidiu
arrumar sua bolsa enquanto esperava. Ela
esvaziou sua bolsa no capô de um carro que
estava próximo a ela. Enquanto ela remexia
seus pertences, o trânsito melhorou, o guarda
fez sinal para os carros se moverem e esse
carro que ela estava usando como mesa
arremessou seus pertences ao chão. Ela saiu
correndo atrás de suas coisas e logo todos os
pedestres estavam desviando dos carros e
recolhendo os papéis, garrafas, batons,
escovas e dinheiro dela. Ela conseguiu todos
os pertences de volta — ela acha — e nem
pode esperar para me contar essa história que
seria humilhante para uma personalidade
Perfeita Melancólica.

Perceba que eles têm boa


vontade
Talvez o conselho mais importante sobre
como se dar com os Populares Sanguíneos
seja perceber que eles realmente têm boa
vontade. Muitos Perfeitos Melancólicos me
disseram que foi de grande ajuda saber que o
Popular Sanguíneo não os está perseguindo.
Os Populares Sanguíneos querem tanto ser
benquistos, que tentam ser agradáveis e não
querem causar problemas a ninguém. Quando
aceitar esse fato, terá muito menos conflitos
com eles.
Aprecie seu senso de humor.

Personalidade Perfeita
Melancólica
Saiba que são muito sensíveis e
se magoam facilmente
Um dos maiores benefícios do aprendizado
sobre os temperamentos é o alívio que
sentimos quando conseguimos entender por
que outra pessoa reage de certa maneira. Para
os Populares Sanguíneos e Fortes Coléricos,
que tendem a dizer o que estão pensando sem
medir consequências, é muito importante
saber que os Perfeitos Melancólicos são
muito sensíveis e se magoam facilmente.
Esse mesmo traço de sensibilidade é a
qualidade que dá aos Perfeitos Melancólicos
uma natureza rica, profunda e emocional.
Todavia, quando exagerados, esses
sentimentos os levam a se magoarem
facilmente. Logo que saiba que alguém é de
temperamento Perfeito Melancólico, meça as
palavras e o volume da voz e evitará ter nas
mãos uma pessoa triste.
Se vir uma nuvem negra descer sobre a
cabeça deles, desculpe-se sinceramente e
explique que tem uma tendência a falar
depressa demais e sem pensar.

Perceba que eles são


programados
com uma atitude pessimista
Até entender o Perfeito Melancólico, não vai
perceber que eles já vêm embalados com um
ponto de vista pessimista da vida. Esse traço
é positivo, porque eles são capazes de olhar
adiante e ver problemas que outros
temperamentos não notam, mas quando
levado ao extremo, eles nunca parecem viver
um momento de felicidade.

Aprenda a lidar com a


depressão
Para quem vive com um Perfeito Melancólico
que fica muito deprimido, sugiro novamente
a leitura do meu livro Blow Away the Clouds.
É um livro para leigos, sobre os sintomas da
depressão, com sugestões para vencê-la. Será
muito útil o capítulo “Como viver com uma
pessoa deprimida”.
Eis aqui uns pontos básicos:

1. Esteja atento aos sinais de depressão:


perda de interesse pela vida
sentimentos de pessimismo e falta de
esperança
fuga de outras pessoas
comida demais ou de menos
insônia ou inabilidade em ficar acordado
menção a suicídio

2. Entenda que precisam de ajuda. Se a sua


preocupação e conselho forem rejeitados,
tente convencer a pessoa deprimida a falar
sobre seus sentimentos com alguém que
respeite.

3. Não tente animá-los. Antes de entender a


depressão, eu costumava tratar os períodos
baixos de Fred com palavras animadoras:
“Vamos, fique alegre como eu.” Logo
compreendi que minha alegria só fazia
afundá-lo mais no poço em que já estava.
Temos de entrar no poço com eles, dizer que
entendemos como estão se sentindo (não
culpá-los) e subir juntos passo a passo.

4. Encoraje-os a expressarem seus


sentimentos. Os Populares Sanguíneos e os
Fortes Coléricos tratam a depressão como
algo que pode ser desligado. Sua resposta é:
“Anime-se, pare com isso.” Se a pessoa não
responde instantaneamente, eles tendem a
partir, deixando-a com seus problemas. A
pessoa deprimida precisa de tempo para
externar seus sentimentos, para examinar a
causa com alguém e analisar as possíveis
soluções.

5. Nunca lhes diga que seus problemas são


tolos. A pessoa deprimida sabe que seus
problemas, embora reais, podem ser tolos.
Ela se zanga consigo por sua melancolia e
sabe que todo mundo vai achar que suas
preocupações são ridículas. Por causa disso,
ela não conta a ninguém o que a está
aborrecendo. Se insistirem, finalmente
compartilhará. Imagine o que acontece à sua
psique quando ela ousar compartilhar e você
declarar: “É a coisa mais idiota que já ouvi!”

Elogie-os sincera e
amorosamente
Como os Perfeitos Melancólicos se sentem
inseguros quanto ao amor dos outros, ouvem
com desconfiança os elogios que recebem. O
Popular Sanguíneo deseja a tal ponto boas
palavras que, quando recebe um insulto,
transforma-o em elogio; o Perfeito
Melancólico muitas vezes recebe um elogio e
torna-o um insulto! Outra razão para sua
desconfiança com palavras de encorajamento
é que analisam tudo e duvidam das pessoas,
especialmente das alegres. Acham que deve
haver um motivo oculto atrás de cada elogio,
mas ainda assim querem ser apreciados. Esse
conflito torna difícil elogiar um Perfeito
Melancólico e dificulta que esse elogio seja
recebido como tal. Entender esse problema
deve ajudar você a fazer elogios sinceros,
calmos e amáveis, e a não se perturbar se a
resposta for “O que você realmente quer dizer
com isso?”

Aceite o fato de que eles gostam


de sossego
Antes de me casar com Fred, eu não sabia
que fosse possível ser quieta e alegre.
Pensava que estar só, por dez minutos,
durante o dia igualava-se a ser impopular. Eu
estudara Comunicação Radiofônica e você
poderia ser despedido se houvesse cinco
segundos de silencio numa transmissão ao
vivo. Eu via a vida do mesmo jeito. Alguém
tinha de estar falando o tempo todo e o
silêncio igualava-se ao tédio. Imagine o meu
espanto quando, depois de eu ter falado o
tempo todo durante a lua-de-mel, Fred
anunciou: “Gosto mais da vida quando há
silêncio.”

Gostar de sossego?
Uma ideia revolucionária! Se você é um
Popular Sanguíneo, pode não saber que o
Perfeito Melancólico gosta realmente de
momentos de silêncio. Gostam de fixar o
espaço, inalar a brisa fresquinha, meditar ao
luar. Se puder entender esse princípio, será
apreciado pelo sensível Perfeito Melancólico.

Tente manter uma agenda


razoável
A parte mais importante da vida para
qualquer Perfeito Melancólico é a sua
agenda. Ele precisa saber aonde vai, quando e
por quê. Um dia sem direção é um caso de
insurreição. Se você aceitar esse fato, poderá
melhorar seu relacionamento com seu
Perfeito Melancólico ao se esforçar em
programar sua vida. Não tente arrastar o
Perfeito Melancólico para seu estilo de vida
descontraído. Ele tem razão. Todos nós
devemos saber aonde vamos.
Perceba que a limpeza e a
organização são uma
necessidade
A maneira mais rápida de levar o Perfeito
Melancólico à depressão é espalhar coisas
pela casa e nunca saber onde estão. Mesmo se
você for um Popular Sanguíneo, tente
estabelecer algum senso de ordem,
recolhendo as coisas ao invés de passar por
cima delas, colocando-as no devido lugar
depois de usá-las.
Perfeitos Melancólicos frequentemente
levam seu desejo de perfeição ao extremo,
assim como o homem que disse à sua noiva
Popular Sanguínea: “Se você não aprender a
dormir em uma casa arrumada, dormiremos
em camas separadas.”

Ajude-os a não se tornarem


escravos da família
(um aviso especial aos homens
com esposas Perfeitas
Melancólicas!)
Como os Perfeitos Melancólicos são
perfeccionistas, é difícil aceitarem trabalho
abaixo do seu padrão. Consequentemente,
mães perfeitas melancólicas tendem a fazer
todo o serviço doméstico e tornam-se
escravas da família. Quando os filhos
notarem a devoção da mãe com a limpeza,
desempenharão suas tarefas mal o bastante
para ela dizer: “Não quero que você faça mais
nada nesta casa” Irão sorrir de satisfação e
sair para brincar. Embora as crianças fiquem
aliviadas, pouco aprenderão sobre as tarefas
domésticas e terão uma visão distorcida das
responsabilidades da vida. Assim encoraje
sua esposa a treinar os filhos para ajudá-la e a
baixar seus padrões até o nível das
habilidades deles.

Seja grato por um cônjuge profundamente


sensível e emotivo.
Personalidade Forte Colérica
Reconheça que são líderes
natos
A primeira coisa a se compreender ao tratar
com Fortes Coléricos é que são líderes natos,
e a sua natureza impele-os a posições de
controle. Não são Serenos Fleugmáticos que
um dia tomaram uma decisão maior para
conquistar o mundo. Não são Perfeitos
Melancólicos que fizeram planos e se
determinaram a colocá-los em ação. Não são
Populares Sanguíneos que finalmente
resolveram criar juízo. São pessoas nascidas
com o desejo de dirigir e a paixão pela
liderança. Uma criança Forte Colérica
observou seu pai Forte Colérico gritar para
sua mãe Serena Fleugmática. Embora a
criança não conhecesse as diferenças de
personalidade, ela confortou sua mãe que
chorava dizendo: “Quando ele gritar com a
senhora, grite com ele também!” Uma vez
que entenda essa natureza, cheia de traços
positivos, às vezes levada ao extremo, não se
surpreenderá ou se magoará quando
assumirem a liderança.

Insista em comunicação
bilateral
A natureza controladora do Forte Colérico
dificulta a afirmação da vontade do cônjuge
nas atividades ou no planejamento
domésticos. Devido a esse problema, o
esposo ou esposa do Forte Colérico deve
insistir na comunicação bilateral. Insistir é
uma palavra forte, mas é necessária para
conversar com o Forte Colérico, porque ele
zombará da sua necessidade de discutir as
coisas e simplesmente lhe dará as respostas.
Já sugeri a mulheres de maridos Fortes
Coléricos que escutem, agradeçam pela
opinião, e peçam três minutos para a réplica.
Geralmente ele prestará atenção se você for
clara e concisa, firme e amigável.

Entenda que eles não querem


magoar
O fato de os Fortes Coléricos dizerem
subitamente o que pensam, sem se preocupar
com os sentimentos dos outros, faz com que
quase sempre magoem as pessoas. Se
percebermos que o Forte Colérico não quer
magoar, que simplesmente diz as coisas,
poderemos aceitar com mais facilidade seus
breves comentários e não ficar aborrecidos.
Quando uma Forte Colérica chegou para
mim e comentou, “gosto do seu vestido e
gostei de todas as vezes em que você o usou”,
eu não fui para casa queimar o vestido. Ela
não estava tentando me magoar; só disse o
que estava passando em sua cabeça na ordem
em que os pensamentos passaram.

Não brinque com sua sorte


Se o seu relacionamento com um Forte
Colérico está calmo, não procure problemas e
nem faça algo que possa ter uma reação
negativa. As crianças aprendem desde cedo
na vida a não pressionar um pai Forte
Colérico nem se arriscar.
Certo dia estava conversando ao telefone
com meu neto Jonathan, Popular Sanguíneo,
quando ouvi uma discussão no quintal.
— O que está acontecendo Jonathan? —
perguntei.
— Minha mãe está gritando com Bryan.
— Ela está muito zangada?
— Não comigo. Com o Bryan.
— Como estão os outros?
Então veio a sábia resposta de seus dez
anos de idade.
— Nós estamos bem, e eu não estou
disposto a me intrometer para ver o que vai
acontecer.

Tente dividir as áreas de


responsabilidade
Para você não se encrencar (e ainda para não
desistir de sua personalidade), você precisa
convencer o Forte Colérico a discutir quais
responsabilidades familiares ele deseja
assumir e quais são as suas. Fred e eu
discordamos numa coisa simples: onde
pendurar os utensílios da cozinha. Eu achava
que a cozinha fosse minha responsabilidade e
os queria onde ficassem bonitos. Fred os
queria onde fossem mais práticos. Ao
discutirmos esse pequeno problema, lembrei-
me de que ele prepara o café da manhã para
mim toda as manhãs e, se eu não o deixasse
colocar a espátula onde pudesse pegá-la, ele
poderia desistir de fritar os ovos.
Agora que viajo muito, tivemos de mudar
algumas das áreas de responsabilidade
anteriormente acertadas. Fred faz todas as
compras e mantém abastecida a geladeira e os
armários, a fim de ter comida disponível
quando eu chegar. Os Fortes Coléricos
geralmente querem o plano mais prático e
não temem o trabalho, mas se as tarefas não
forem definidas haverá conflito.

Perceba que não são


compassivos
Como o Forte Colérico lida com a
realidade e a prática, ele não está disposto a
se compadecer dos doentes ou fracos, a amar
os desagradáveis, ou a ter tempo para visitas
em hospitais. Fortes Coléricos tendem a olhar
para o outro lado, quando há necessidades
emocionais a serem supridas. Não são
desprezíveis ou cruéis; simplesmente não têm
compaixão com os que estão sofrendo.
Enquanto o Forte Colérico deveria empenhar-
se em aprimorar os seus sentimentos pelas
pessoas, você vai lidar melhor com ele se não
esperar milagres.
Um pastor Forte Colérico me disse que ele
esclareceu à sua comunidade que se eles
ficassem doentes ele faria uma visita ao
hospital. “Depois disso, vocês estão por sua
conta”

Saiba que eles estão sempre


certos
Desde sua infância, os Fortes Coléricos
sabem que estão certos. Nosso neto Bryan,
Forte Colérico, estava jogando com Fred.
Bryan tinha quase três anos naquela época e
não estava jogando respeitando as regras.
Fred, Perfeito Melancólico, achou que até
mesmo as crianças deveriam jogar
respeitando as regras e ele chamou a atenção:
“Bryan, você está errado.”
Bryan respondeu imediatamente: “Não
estou errado. Estou certo.”
Surpreendentemente, o Forte Colérico é a
pessoa mais apta para fazer julgamentos
instintivamente. Então, se você está inseguro
de qual caminho tomar, siga a personalidade
mais forte.

Seja grato parque tem um líder que


“sempre está certo”.

Personalidade Serena
Fleugmática
Perceba que precisam de
motivação direta
É extremamente difícil para o pai Forte
Colérico entender o filho Sereno
Fleugmático. Como o Forte Colérico é muito
motivado e vê tudo como passos para um
alvo, ele não compreende que uma criança
possa ter um baixo nível de motivação, e
ainda assim não ser estúpida. Acredita que ser
inteligente é pensar igual a ele, e pode até
fazer murchar o ânimo do Sereno
Fleugmático, tornando-o um perdedor.
Um cirurgião famoso me falou sobre seu
“filho retraído, preguiçoso, sem
personalidade”. Ao discutir o problema, eu
podia ver que a natureza convencida e
arrogante daquele homem provocaria a
retração de qualquer criança, fazendo-a
parecer preguiçosa. Ele disse: “Tento motivar
o menino. Toda vez em que o vejo sentado,
digo; ‘Levante, seu vagabundo, e vá
trabalhar’.”
Você consegue imaginar quanto essa
ordem pode inspirar o filho?
Os Serenos Fleugmáticos são as pessoas
mais agradáveis e tranquilas do mundo, mas
precisam de motivação positiva. Necessitam
de pais ou cônjuges que os encorajem e os
ajudem a fixar metas. Quando entendemos o
temperamento do Sereno Fleugmático,
sabemos que precisam de muita motivação
direta e não importa se estamos falando de
um adulto, uma criança ou um colega de
trabalho, podemos erguer, encorajar e
direcionar em vez de desprezar, julgar ou
aniquilar seu incentivo.

Ajude-os a fixarem alvos e


prêmios
Quando estava no primeiro grau, nossa
professora nos dava estrelinhas douradas
quando fazíamos bem as nossas tarefas. Eu
gostava de ver as estrelinhas lá na parede e
trabalhava bastante para receber uma fileira
daqueles prêmios.
Ao crescer, ainda precisamos de algum
tipo de reforço. O Sereno Fleugmático, mais
ainda, precisa de ajuda para fixar metas, e de
prêmios para fazer valer o esforço. A criança
Serena Fleugmática trabalhará bem melhor se
tiver uma tabela de tarefas para riscar. A
esposa Serena Fleugmática fará os trabalhos
domésticos melhor, se a família notar o que
fez, e o marido Sereno Fleugmático poderia
até limpar a garagem se lhe prometessem
torta de maçã para a sobremesa.
Serenos Fleugmáticos podem fixar metas,
mas sua natureza os impede de querer
cumpri-las — se puderem evitar pensar tanto
no futuro é o que farão. Ao aprender a
conviver com Serenos Fleugmáticos,
perceberá quanto poderão executar se você
primeiro reservar um tempo para ajudá-los a
fixar metas e explicar-lhes o valor da
realização.
Uma luz no fim do túnel compensa o
caminho escuro.

Não espere entusiasmo


Os Populares Sanguíneos e os Fortes
Coléricos querem que os outros respondam
com entusiasmo a tudo que sugerem e,
quando os Serenos Fleugmáticos não
parecem interessados, ficam ou magoados ou
irritados. Se entendermos que a natureza
Serena Fleugmática não é entusiasmada,
poderemos aceitar mais facilmente o fato de
que as pessoas desse temperamento não
pulam de alegria com ideias novas.
Uma das maiores vantagens que nos traz o
conhecimento dos temperamentos é livrar-nos
da pressão de nossa expectativa em relação
aos outros. Carlos Sereno Fleugmático
começou o dia dizendo: “Já sei que este vai
ser outro péssimo dia” Raquel Forte Colérica
respondeu: “Acho que você deve realmente
acreditar nisso. Tenho certeza de que não vai
decepcionar-se.”

Perceba que adiar as coisas


é sua maneira de manter o
controle
Como os Serenos Fleugmáticos geralmente se
sentem dominados por seus cônjuges Fortes
Coléricos, eles se utilizam da procrastinação
como arma de defesa.
Paul confessou-me que era um
procrastinador “Eu espero até o último
minuto e então termino rapidamente” Sua
esposa Jean, Forte Colérica, rapidamente
retrucou: “Você está certo sobre esperar até o
último momento, mas você nunca finalizou
nada rapidamente em sua vida!” Ali mesmo,
diante de meus olhos, eles discutiram
fervorosamente sobre o porão cheio de
madeiras, esperando para serem
transformadas em parede, a cobertura da
piscina que nunca foi tirada da caixa e as
plantas que morreram na garagem sem nunca
terem visto a luz do dia.
Como Jean estava ficando furiosa, Paul
falou sarcasticamente: “Não resmungue ou
você nunca terá nenhuma dessas coisas
feitas.”

Force-os a tomar decisões


Serenos Fleugmáticos são capazes de tomar
decisões, mas geralmente seguem o caminho
que dá menos trabalho, ao deixarem os outros
escolherem o que fazer e onde fazê-lo. Desde
que evitem qualquer coisa que possa levar a
uma controvérsia, preferem não sair do lugar.
Num relacionamento social, esta
aproximação mediana é inofensiva e, de fato,
muitas vezes bem-vinda. Na convivência
diária, porém, é importante que o Sereno
Fleugmático tome pelo menos algumas das
decisões.
Quando se trata de crianças pequenas, não
aceite delas a curta resposta: “Não me
importo.” Force-as a examinarem ambos os
lados de uma questão e a tomarem uma
decisão, mesmo que eles não se importem.
Explique quão importante será para elas, mais
tarde, poderem avaliar claramente e tomar
decisões.
Numa situação conjugal, o Sereno
Fleugmático deve ser forçado pelo menos a
entrar nas discussões de família e ajudar a
solucionar problemas. Se você for uma
pessoa com opiniões fortes, deve dar ao
Sereno Fleugmático áreas de domínio e
manter-se longe delas. Muitas vezes a razão
pela qual Serenos Fleugmáticos não decidem
é que sabem que outra pessoa fará do seu
jeito de qualquer modo. Para incentivá-los à
resolução, precisamos dar as rédeas à outra
pessoa e conviver com as consequências.
Fazer isso e muito difícil para o Forte
Colérico, porque ele vê instantaneamente o
que está errado e vai querer se intrometer
para corrigir a situação. Depois que ele salva
os destroços algumas vezes, o cônjuge
desistirá e se absterá de qualquer liderança
familiar.

Não lance toda a culpa neles


Como os Serenos Fleugmáticos são muito
quietos e aceitam o inevitável, são alvos
fáceis para esses temperamentos mais
ousados que querem descarregar sua culpa
em outra pessoa. Já observei situações em
que o Forte Colérico, tomou uma decisão
precipitada, com resultados desastrosos, e
jogou a culpa no Sereno Fleugmático
disponível. Examine-se nessa área para ver
se, por acaso, você passa a culpa para outros.
Uma senhora Serena Fleugmática me disse
que seu marido a fez escolher o tipo de
cachorro que a família deveria ter, e depois,
toda vez que o cão fazia algo errado, punha
toda a culpa nela.
Mesmo que os Serenos Fleugmáticos
aceitem o que lhes for imposto, essa tática
baixa ainda mais sua autoestima, provoca sua
retração de relacionamentos com você e os
desvia de qualquer responsabilidade futura.

Se usar o Sereno Fleugmático como


depósito de lixo hoje, poderá ter uma lata de
lixo em suas mãos no futuro.

Encoraje-os a aceitar
responsabilidades
Os Populares Sanguíneos precisam desistir de
aceitar cargos de presidência porque são
exagerados em assumir mais e mais
responsabilidades. Os Fortes Coléricos
precisam se esforçar para não dirigir tudo o
que chega até eles. Os Serenos Fleugmáticos,
entretanto, evitam qualquer responsabilidade,
mesmo quando têm habilidade administrativa
e se dão bem com todo mundo. Por Causa dos
seus dons de liderança conciliatória, deveriam
ser encorajados a aceitar responsabilidades.
São excelentes executivos, mas tendem a
recusar promoções porque alguém os fez se
sentirem inadequados. Não querem que
sempre “sobre para eles”.
Não aceite seu primeiro não, mas continue
a mostrar-lhes a confiança que deposita nas
suas habilidades em liderar. Que melhor
diretor, presidente, ou rei você poderia ter do
que aquele com quem é fácil lidar— um que
não toma decisões precipitadas, e que sabe
lidar eficazmente com problemas de
personalidade?
Quer se relacionar bem com os outros?
Nada é tão eficaz como a amabilidade.
Palavras agradáveis são como favo de mel, doces
para a alma, e medicina para o corpo.

Provérbios 16:24
PARTE V

Poder da
Personalidade

Uma fonte de poder


para conquistar
nosso potencial
CAPÍTULO 17

O Poder da Personalidade
Plena
Produz Pessoas Positivas!

No começo deste livro, perguntamos por que


muitos cursos de auto aperfeiçoamento não
parecem funcionar; por que as mudanças são
temporárias. A primeira resposta a esse
problema é que a maioria dos programas não
leva em conta as diferenças de tempera
mento. São cursos ministrados por Fortes
Coléricos para Fortes Coléricos. Agora que
entendemos os temperamentos, sabemos que
Fortes Coléricos adoram liderar, que
assimilam rapidamente novos propósitos e
planos e que avançam furiosamente para
demonstrar, para si mesmos, que podem
alcançar o alvo. São motivados
instantaneamente para a ação enquanto veem
algum benefício para si.
O conjunto Forte Colérico/Perfeito
Melancólico terá habilidade para prosseguir
para o alvo e mapear as específicas etapas de
execução, mas o que acontece com os outros
temperamentos ao receber o material inicial
do curso?
O Popular Sanguíneo entusiasma-se com a
possibilidade de organizara sua vida. Ele tem
visões de grandeza e quer se aperfeiçoar mas
parece nunca encontrar tempo para começar
e, quando começa, já perdeu o material do
curso.
O Perfeito Melancólico com tendências
Serenas Fleugmáticas tomará nota e analisará
tudo o que for oferecido. Pode até estudar os
conceitos e avaliar os méritos. Pode até tirar
algum proveito prático do programa, mas
encarar uma modificação radical causaria
depressão nele.
O Sereno Flegmático, caso veja poucos
passos fáceis que lhe possam ser úteis, talvez
caminhe numa direção positiva, mas é
provável que a totalidade do seminário lhe
pareça esmagadora e “trabalhosa demais”.

Liberto de Culpa
A medida que venho ensinando os
temperamentos, durante anos, tenho visto
muitas pessoas libertas da culpa de não terem
reagido da maneira chamada “normal” a
materiais motivacionais. O Popular
Sanguíneo precisa organizar- se, mas não se
sentir culpado porque não pode arquivar a
vida toda em grandes envelopes. O Perfeito
Melancólico precisa animar-se e ser mais
natural, mas não se sentir culpado quando não
se torna um Chico Anysio da noite para o dia.
O Sereno Fleugmático deveria aumentar a sua
motivação e se mexer, mas não se sentir
culpado quando não tem impulsos frenéticos.
O Forte Colérico escolherá, sem culpa, o que
é proveitoso e jogará fora o resto, mas deve
perceber as diferenças de temperamento e não
zombar daqueles que não seguem sua
liderança.
A segunda razão pela qual não
conseguimos resultados duradouros da
instrução é que não temos em nós o poder de
efetuar transformações sobrenaturais.
Precisamos de energia espiritual, e a maioria
de nós não sabe onde buscá-la. Podemos
rezar, orar, colocar imagens de santos nos
nichos, doar dinheiro aos menos afortunados,
costurar para os pobres e fazer viagens ao
Himalaia, mas mesmo assim não nos
sentiremos muito diferentes por dentro.

Encontrar energia espiritual


Após perder dois filhos com deficiências
neurológicas cerebrais, meu marido e eu
estávamos buscando algo. Conquistávamos,
aparentemente, algumas coisas, mas
sofríamos por dentro. Começamos a procurar
respostas para a vida. Fred foi à biblioteca,
retirou livros sobre religião e tentamos
encontrar uma denominação aceitável. Pouco
sabíamos, na época, que religião e
denominações não transformam vidas.
Felizmente, cada um de nós, no período de
um ano, em diferentes lugares e em diferentes
momentos, fomos apresentados às
reivindicações de Cristo como catalisadoras
de mudança. “Mas a todos quantos o
receberam, deu-lhes o poder de se tornarem
filhos de Deus, até mesmo aos que creram no
seu nome” (João 1:12).
Necessitávamos de poder, acreditávamos
no Senhor Jesus; recebemo-Lo em nossos
corações. Romanos 12:1,2 nos deu uma
direção:

...apresentai os vossos corpos como um sacrifício


vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto
racional.
E não vos conformeis com este mundo, mas
transformai-vos pela renovação da vossa mente, para
que experimenteis qual seja a boa, agradável e
perfeita vontade de Deus.

Apresentar seus corpos


Ser completo em tempo, mente, alma,
temperamento, forças e fraquezas. Diga:
“Aqui está, Senhor; é todo Seu. Faça comigo
o que quiser?”

Não se conformar com este


mundo
Não deixe os meus olhos se fixarem nos
prazeres terrestres. Ajude-me a perceber quão
temporários são os bens materiais e o
prestígio.

Transformar-se pela renovação


de sua mente
Aqui está a esperança. É possível para o
Espírito do Senhor transformar minha vida,
clarear e refrescar minha mente. Então (uma
palavra de conexão) — então, depois de tu ter
apresentado minha vida inteira ao Senhor;
transferido meu alvo (da carne para o
Espírito); permitido ao Senhor renovar minha
mente cansada — então saberei... Que
palavra forte: saber! Há pouca coisa na vida
de que podemos ter certeza. Supor ou
esperar, sim, mas saber? Sim, “Então
sabereis qual seja a boa, agradável e perfeita
vontade de Deus”.
“Quer dizer que eu posso saber o que Deus
quer para a minha vida?”
Sim, você pode saber a perfeita vontade de
Deus. Fred e eu começamos a estudar a
Bíblia e os temperamentos ao mesmo tempo,
e ficamos maravilhados com a maneira como
se encaixavam. A medida que começamos a
estudar nossos próprios padrões de
personalidade, em vez de tentar moldar um ao
outro (como tentamos por quinze anos),
encontramos passagens das Escrituras para
nos encorajarem. Em nenhum lugar, a Bíblia
disse que eu era a responsável pelo
comportamento de Fred, nem ele o juiz de
minhas ações. Em vez disso, descobrimos
instruções para auto avaliação, não para
julgar outros.
Começamos a sondar nossos corações e a
nos analisar, usando a ferramenta dos
temperamentos. A medida que convidamos
casais ao nosso lar e compartilhamos o pouco
que sabíamos, vimos modificações em nós
mesmos e nos outros.

Nossa singularidade
Aprendemos que Deus não fez todos iguais.
Cada um é singular. Paulo nos diz que
devemos nos examinar e descobrir os dons
que Deus nos deu e as fraquezas que Ele quer
que nós superemos com a nossa boa vontade
e o Seu poder. Paulo nos compara com um
corpo do qual Cristo é a cabeça e nós os
membros:

De quem [de Cristo] todo o corpo, bem


ajustado e consolidado pelo auxílio de
todas as juntas, segundo a justa
cooperação de cada parte, efetua o seu
crescimento para a edificação de si
mesmo em amor. (Efésios 4:16)

Deus fez cada um de nós diferente para que


possamos funcionar em nosso próprio papel.
Ele criou alguns de nós para sermos pés —
para se movimentarem, para administrarem,
para realizarem, como o Forte Colérico. Ele
criou alguns de nós para sermos mentes —
para ponderarem, para sentirem, para
escreverem, como o Perfeito Melancólico.
Ele criou ainda alguns de nós para sermos
mãos — para servirem, para suavizarem, para
acalmarem, como o Sereno Fleugmático. Ele
criou alguns de nós para sermos bocas —
para falarem, para ensinarem, para
encorajarem, como o Popular Sanguíneo.
Mas agora Deus colocou os membros no
corpo, cada um deles como quis. (1 Coríntios
12:18)
Deus poderia ter-nos feito todos nós
Populares Sanguíneos. Nós nos divertiríamos
bastante, mas realizaríamos pouco.
Ele poderia ter-nos feito a todos Perfeitos
Melancólicos. Seríamos organizados e
programados, mas não seríamos muito
alegres.
Ele poderia ter-nos feito todos Fortes
Coléricos. Estaríamos ansiosos para liderar,
mas impacientes porque ninguém iria querer-
nos seguir.
Ele poderia ter-nos feito todos Serenos
Fleugmáticos. Teríamos um mundo
sossegado, mas com pouco entusiasmo pela
vida.
Precisamos de cada temperamento para a
função completa do corpo. Cada membro
deve fazer a sua parte para unificar a ação e
produzir resultados harmoniosos.

Membros isolados não são


suficientes
O que aconteceria se nós tivéssemos todos
esses membros disponíveis — cada um
fazendo a sua parte — mas Cristo não
estivesse no controle? E se os Populares
Sanguíneos estivessem falando, os Perfeitos
Melancólicos pensando, os Fortes Coléricos
agindo e os Serenos Fleugmáticos mediando,
mas estivessem funcionando sem
profundidade espiritual? Não haverá unidade
de propósito. Faltará a coordenação de
resultados. Para os membros funcionarem
como deveriam, precisamos de Cristo em
nossas vidas.
Eu aprendi esse princípio pessoalmente,
pela experiência com meus dois filhos
deficientes mentais. Os dois eram lindos aos
olhos. Tinham olhinhos azuis vivos, cabelos
louros, narizinhos afiladinhos, queixos com
covinhas. Tinham braços normais e pernas
que se movimentavam, mas não tinham
cérebros normais. Possuíam todos os
membros, mas não havia o controle-mestre.
Tinham olhos, mas vão viam; ouvidos, mas
não escutavam; mãos, mas não seguravam
nada; pés, mas não andavam. Pareciam
normais por fora, mas sem o cérebro, nada
funcionava.
Muitos de nós são como meus filhos —
parecemos normais por fora, mas sem Cristo
como nossa cabeça, pouca coisa funciona.
Paulo diz: Para O conhecer e o poder da sua
ressurreição e a comunhão dos seus
sofrimentos, conformando-me com Ele...”
(Filipenses 3:10).

Seu melhor amigo


Você já teve um amigo a quem amasse tanto,
que queria estar com ele o tempo todo e
conhecê-lo melhor a cada dia, cuja presença
iluminasse sua vida de modo que você se
sentisse fortificado, simplesmente por estar
perto dele?
Você gostaria tanto dele que se disporia a
carregar seus fardos e a substituí-lo em
períodos de dificuldade? Você já o observou
tão de perto e o seguiu tanto que ficou quase
parecido com ele? Jesus quer esse tipo de
relacionamento com você. Ele quer que você
O conheça melhor pela leitura de Sua palavra
e da conversa com Ele. Ele quer que você
sinta o Seu poder na sua vida, para que você
vença suas fraquezas. Quer que você perceba
que Ele sofreu, assim como você, e também
quer que os dois passem tanto tempo juntos
que você se torne semelhante a Ele.
Se você quiser ser como Ele, vai-se
esforçar para ampliar as suas forças e
eliminar as suas fraquezas, porque Jesus tinha
o melhor de cada temperamento. Ele tinha:
— do Popular Sanguíneo, o dom de contar
histórias;
— do Perfeito Melancólico, a profundidade
e sensibilidade;
— do Forte Colérico, a habilidade
administrativa; e
— do Sereno Fleugmático a natureza
calma e pacífica.

Jesus vive hoje nos corações de todos os


crentes. A medida que você colocar em
prática seu plano de auto aperfeiçoamento,
certifique-se de que ele esteja ligado à fonte
do Poder que tudo possibilita. “Grandes
coisas fez o Senhor por nós...” (Salmo 126:3).

O Poder da Personalidade Plena produz


pessoas positivas.
APÊNDICE

Definições das Palavras do


Teste de Personalidade

Adaptado de Personality Patterns de Lana


Bateman, publicado pela Editora Huntington
House, Inc., Lafayette, L.A.

FORÇAS
1

Aventureiro. É a pessoa que participará de


novos e audaciosos empreendimentos com a
determinação de controla-los.
Adaptável. Facilmente de adapta e se sente
confortável em qualquer situação.
Animado. Cheio de vida, movimenta
vigorosamente as mãos e os braços.
Analítico. Gosta de examinar as partes para
ter relacionamentos lógicos e apropriados.

Persistente. Visualiza um projeto realizado


antes de começar outro.
Brincalhão. Cheio de alegria e bom humor.
Persuasivo. Convence mais através da lógica
e fatos do que de charme ou poder.
Sereno. Parece calmo e tranquilo e se afasta
de qualquer forma de discussão.

Submisso. Aceita facilmente o ponto de vista


ou os desejos dos outros e tem pouca
necessidade de afirmar sua própria opinião.
Abnegado. Quer desistir de sua própria vida,
pelo bem dos outros ou para encontrar as
necessidades dos outros.
Sociável. Alguém que acha que estar com
outras pessoas é muito mais uma
oportunidade de ser atraente e animado do
que um simples desafio ou oportunidade de
negócios.
Enérgico. Alguém que está determinado a
fazer da sua própria maneira.

Atencioso. Importa-se com as necessidades e


sentimentos dos outros.
Controlado. Tem sentimentos, mas raramente
os demonstra.
Competitivo. Transforma toda situação,
acontecimento ou jogo numa competição e
sempre joga para vencer!
Convincente. Pode vencer você de qualquer
coisa através do absoluto charme de sua
personalidade.

Refrescante. Renova e estimula, ou faz com


que os outros se sintam bem.
Respeitoso. Trata os outros com respeito,
honra e estima.
Reservado. Impede a si mesmo de expressar
emoções e entusiasmo.
Habilidoso. Capaz de agir rápida e
eficazmente em qualquer situação.

Satisfeito. A pessoa que facilmente aceita


qualquer situação ou circunstância.
Sensível. Preocupa-se intensamente com os
outros e com o que acontece.
Autossuficiente. Uma pessoa independente
que pode contar plenamente com suas
próprias capacidades, julgamento e recursos.
Espirituoso. Cheio de vida e entusiasmo.

Planejador. Prefere trabalhar um plano


detalhado com antecedência, para a
realização de um projeto ou objetivo, e
prefere envolver-se com os estágios de
planejamento e com o produto final mais do
que na execução da tarefa.
Paciente. Inabalável por alguma demora;
permanece calmo e tolerante.
Positivo. Sabe que tudo dará certo, se ele
estiver no comando.
Estimulador. Impulsiona ou obriga outros a
se unirem, investirem e participarem
utilizando-se do charme de sua própria
personalidade.

Seguro. Confiante, raramente hesita ou fica


indeciso.
Espontâneo. Prefere que tudo na vida seja
impulsivo, atividade não-premeditada, não
restrito por planos.
Organizado. Age e vive de acordo com um
plano diário e não gosta que seu plano seja
interrompido.
Tímido. Quieto, não instiga facilmente uma
conversa.

Ordeiro. Uma pessoa que tem um plano


metódico e sistemático para as coisas.
Serviçal. Acomodado. Alguém que
rapidamente faz como a outra pessoa quer.
Franco. Fala francamente e sem restrição.
Otimista. Radiante disposição para convencer
a ele mesmo e aos outros de que tudo dará
certo.

10

Amigável. Gosta mais de responder do que


perguntar, raramente inicia uma conversa.
Fiel. Sempre confiável, imutável, leal e
muitas vezes devotado além da razão.
Engraçado. Brilhante senso de humor que
pode transformar virtualmente qualquer
história em um evento hilariante.
Vigoroso. Uma personalidade de comando
que os outros hesitariam em contrariar.

11

Audacioso. Gosta de se arriscar; sem medo,


audaz.
Encantador. Uma pessoa feliz; é bom estar
em sua companhia.
Diplomático. Lida com as pessoas com tato,
de forma sensível e paciente.
Minucioso. Faz tudo na ordem correta, tem
boa memória para tudo que acontece.

12

Alegre. Constantemente de bom humor e


promove a alegria nos outros.
Consistente. Emocionalmente constante,
reage da maneira que esperamos.
Culto. Uma pessoa que se interessa tanto por
atividades intelectuais quanto artísticas, tais
como teatro, sinfonias, bale.
Confiante. Seguro por natureza; tem certeza
de sua própria habilidade e sucesso.

13

Idealista. Visualiza coisas como se fossem


perfeitas; tem uma necessidade de estar à
altura de seu próprio padrão.
Independente. Autossuficiente; apoia a si
mesmo, autoconfiante e parece ter pouca
necessidade de ajuda.
Inofensivo. A pessoa que nunca diz ou causa
algo desagradável ou censurável.
Inspirado. Encoraja os outros a trabalhar, a
participar ou estar envolvidos, e faz tudo ser
divertido.

14

Demonstrativo. Expressa emoções


abertamente, especialmente sua afeição; não
hesita em tocar os outros enquanto fala com
eles.
Decidido. Uma pessoa com uma habilidade
para fazer avaliações de forma rápida e
conclusiva.
Irônico. Demonstra ironia; pode ser
sarcástico por natureza.
Profundo. Intenso e frequentemente
introspectivo com aversão a conversas e
atividades superficiais.

15

Mediador. Consistentemente se vê na
situação de reconciliar diferenças a fim de
evitar conflitos.
Musical. Participa de ou tem profunda
apreciação por música; mais comprometido
com a música como uma forma de arte do
que com a alegria da performance.
Ativo. Dirigido pela necessidade de ser
produtivo, é um líder que os outros seguem,
acha difícil ficar quieto.
Desembaraçado. Adora uma festa e mal pode
esperar para encontrar alguém no salão.
Sempre encontra alguém conhecido.

16

Pensativo. Uma pessoa ponderada que se


lembra de ocasiões especiais e está pronta a
fazer um gesto amável.
Tenaz. Agarra-se firmemente,
obstinadamente, e não desistirá até que o
objetivo seja alcançado.
Convervador. Fala constantemente,
geralmente contando histórias engraçadas e
divertindo a todos à sua volta; sente
necessidade de preencher o silêncio a fim de
fazer os outros ficarem confortáveis.
Tolerante. Aceita facilmente os pensamentos
e ideias dos outros sem a necessidade de
discordar deles ou mudá-los.

17

Ouvinte. Parece estar sempre querendo ouvir


o que você tem a dizer.
Leal. Fiel a uma pessoa, um ideal, ou um
trabalho, muitas vezes além da razão.
Líder. Um dirigente nato, levado a comandar,
e frequentemente acha difícil acreditar que
outra pessoa possa fazer isso tão bem.
Vivo. Cheio de vida, vigoroso, energético.

18

Contente. Fica satisfeito facilmente com o


que tem, raramente sente inveja.
Chefe. Comanda e espera que todos os sigam.
Detalhista. Organiza a vida, as atividades e
soluções de problemas através de listas,
formulários e gráficos.
Atraente. Estimado, adorável, centro das
atenções.
19

Perfeccionista. Estipula altos padrões para ele


mesmo e frequentemente para os outros
também; deseja que tudo esteja em perfeita
ordem o tempo todo.
Agradável. Desembaraçado, companhia
agradável, fácil de conversar.
Produtivo. Necessita estar constantemente
trabalhando ou realizando algo,
frequentemente acha difícil descansar.
Popular. Alma da festa e consequentemente
um convidado muito requisitado.

20

Vivaz. Uma personalidade cheia de vida,


efervescente, cheia de energia.
Valente. Sem medo, audacioso, avança sem
medo de arriscar.
Comportada. Deseja constantemente
comportar-se dentro dos padrões que acha
serem apropriados.
Equilibrado. Estável personalidade meio-
termo, não sujeito a altos e baixos.
FRAQUEZAS
21

Vazio. Uma pessoa que demonstra pouca


expressão ou emoção facial.
Acanhado. Evita chamar a atenção, resultado
de sua auto percepção.
“Metido”. Pomposo, espalhafatoso,
exagerado, barulhento.
Mandão. Que comanda, dominador, às vezes
oprime os outros em relacionamentos adultos.

22

Indisciplinado. Uma pessoa cuja falta de


ordem permeia a maior parte das áreas de sua
vida.
Insensível. Acha difícil relacionar-se com os
problemas ou mágoas dos outros.
Desinteressado. Tende a não se animar,
frequentemente acha que não funcionaria de
maneira nenhuma.
Rancoroso. Alguém que acha difícil perdoar
ou esquecer uma mágoa ou injustiça feita a
ele, se agarra ao rancor.

23

Relutante. Evita ou luta para não ser


envolvido, especialmente quando é algo com-
plexo.
Ressentido. Frequentemente carrega
sentimentos doentios como resultado de
ofensas reais ou ilusórias.
Inflexível. Empenha-se e trabalha contra;
hesita em aceitar uma ideia que não seja a
sua.
Repetitivo. Conta novamente histórias e
acontecimentos para entreter você, sem
perceber que já contou essa história várias
vezes; constantemente precisa estar falando.

24

Complicado. Insiste em assuntos e detalhes


insignificantes, dando muita atenção a
detalhes triviais.
Medroso. Frequentemente vivência
sentimentos de profunda preocupação,
apreensão ou ansiedade.
Esquecido. Falta de memória que geralmente
está ligada a uma falta de disciplina e não
preocupação em gravar coisas que não são
engraçadas.
Esquecido. Falta de memória que geralmente
está ligada a uma falta de disciplina e não
preocupação em gravar coisas que não são
engraçadas.
Franco. Honesto, comunicativo, e não se
importa em contar exatamente o que pensa.

25

Impaciente. Uma pessoa que acha difícil


tolerar a irritação ou esperar pelos outros.
Inseguro. Alguém apreensivo ou que tem
falta de confiança.
Indeciso. Uma pessoa que acha difícil tomar
qualquer decisão. (Não uma personalidade
que trabalha duro até chegar na decisão
perfeita.)
Inoportuno. Uma pessoa que fala mais do que
ouve, que começa a falar sem mesmo
perceber que alguém já estava falando.

26

Impopular. Uma pessoa cuja intensidade e


busca pela perfeição afasta os outros.
“Desligado”. Alguém que não gosta de ouvir
ou se interessar por nenhuma atividade,
convívio social ou até mesmo a vida de outras
pessoas.
Imprevisível. Deseja ajudar, mas em seguida
desaparece: promete vir mas esquece de
aparecer.
Frio. Acha difícil demonstrar verbal ou
fisicamente carinho sincero.

27

Cabeçudo. Insiste em sua forma de pensar.


Casual. Tem uma forma inconsistente de
fazer as coisas.
Insatisfeito. Uma pessoa cujos padrões são
tão altos que é praticamente impossível
agradá-la.
Hesitante. Lento para entrar em ação e difícil
de se envolver.

28

Simples. Uma personalidade meio-termo sem


altos e baixos e que demonstra pouca, se
alguma, emoção.
Pessimista. Apesar de esperar o melhor, essa
pessoa geralmente vê o lado pior da situação.
Orgulhoso. Alguém com grande autoestima
que se vê como a pessoa que está sempre
certa e a melhor pessoa para o emprego.
Permissivo. Permite aos outros (incluindo as
crianças) fazerem o que desejam para que não
deixem de gostar deles.

29

Esquentado. Alguém que tem um


temperamento facilmente irritável, que se
expressa de forma furiosa e quando tudo
acaba esquece quase instantaneamente.
Incerto. Uma pessoa que não estabelece
objetivos e não se importa com isso.
Combativo. Incita discussões geralmente
porque está certo, não importa qual seja a
situação.
Alienado. Geralmente fica afastado dos
outros, frequentemente por causa de
insegurança ou medo de que os outros não
gostem de sua companhia.

30

Ingênuo. Visão simples e infantil, falta de


sofisticação ou compreensão sobre quais
sejam os profundos níveis da vida.
Negativo. Alguém cuja atitude é raramente
positiva e frequentemente vê o lado triste ou
negativo de cada situação.
Corajoso. Cheio de confiança, coragem,
frequentemente em sentido negativo.
Indiferente. Alienado, despreocupado,
desinteressado.

31

Preocupado. Sente-se frequentemente


indeciso, preocupado ou ansioso.
Retraído. Uma pessoa voltada para si mesma
que necessita de muito tempo sozinha ou
isolada.
Workaholic. Um enérgico trabalhador que
precisa estar constantemente produzindo e se
sente culpado quando descansa; pão é guiado
por uma necessidade de perfeição ou
conclusão, mas por unia necessidade de
realização e recompensa.
Egoísta. Luta pelo crédito ou aprovação dos
outros. Quando artista, essa pessoa se
alimenta do aplauso, riso e/ou da aceitação do
público.

32

Sensível demais. Muito introspectivo e se


ofende facilmente quando mal compreendido.
Indelicado. As vezes expressa-se de maneira
ofensiva e imprudente.
Tímido. Recua diante de situações difíceis.
Tagarela. Um falante alegre, compulsivo que
acha difícil ouvir.
33

Confuso. Suas características são a incerteza


e a falta de confiança de que as coisas vão
funcionar.
Desorganizado. Falta de habilidade de
colocar sua vida em ordem.
Imperioso. Compulsivamente toma o controle
das situações ou pessoas, geralmente dizendo
aos outros o que fazer.
Deprimido. Uma pessoa que se sente
desanimada a maior parte do tempo.

34

Inconstante. Irregular, contraditório, com


ações e emoções não baseadas na lógica.
Introvertido. Uma pessoa cujos pensamentos
e interesses são direcionados para seu íntimo,
vive voltado para si.
Intolerante. Parece incapaz de aceitar as
atitudes, pontos de vista ou maneiras de fazer
as coisas provenientes dos outros.
Apático. Uma pessoa para quem não importa
se as coisas são feitas de uma maneira ou
outra.

35

Desordenado. Vive na desordem e é incapaz


de encontrar as coisas.
Triste. Não fica emocionado, mas facilmente
entra em depressão quando sente que não é
apreciado.
Resmungão. Fala baixo e entre os dentes
quando pressionado; não faz questão de falar
claramente.
Manipulador. Influencia e dirige de forma
astuta ou tortuosa a fim de tirar vantagem
para si mesmo; fará isso a qualquer custo.

36

Lento. Geralmente não age nem pensa


rapidamente, seria muito incômodo.
Obstinado. Determinado a exercer sua
própria vontade; difícil de persuadir.
Convencido. Precisa ser o centro das
atenções, gosta de ser observado.
Cético. Descrente, questiona o porquê das
palavras.

37

Solitário. Precisa de muito tempo sozinho e


tende a evitar as pessoas.
Tirânico. Não hesita em informar que está
certo ou que está no comando.
Preguiçoso. Avalia trabalhos ou atividades
em termos de quanta energia irá necessitar.
Barulhento. Uma pessoa cuja risada ou voz
pode ser ouvida por todos na sala.

38

Vagaroso. Lento para agir, precisa ser


motivado.
Desconfiada. Tende a suspeitar dos outros ou
de suas ideias.
Irritável. Tem uma raiva causada pela
impaciência e exigência; além de possuir
“pavio curto”. A raiva é expressada quando
os outros não estão se movendo rápido o
suficiente ou não completaram o que foi
solicitado por ele.
Distraído. Falta de poder de concentração ou
atenção, aleatório.

39

Vingativo. Carrega ódio e pune as pessoas


que o ofendem; muitas vezes sonegando
sutilmente sua amizade ou seu afeto.
Agitado. Gosta de constantes atividades
novas porque não é divertido fazer as mesmas
coisas o tempo todo.
Relutante. Não deseja ou luta para não ser
envolvido.
Imprudente. Pode agir precipitadamente sem
pensar direito nas coisas, geralmente por
causa da impaciência.

40

Acomodado. Frequentemente não sustentará


sua opinião, mesmo quando estiver certo, a
fim de evitar conflitos.
Crítico. Constantemente está avaliando e
fazendo julgamentos; frequentemente está
pensando ou tendo reações negativas.
Astuto. Inteligente, alguém que sempre pode
encontrar uma maneira de alcançar o que
deseja.
Instável. Infantil, que precisa de muita
mudança e variedade para não ficar
aborrecido.