Você está na página 1de 47

1 Plano de Aula

Objetivo desta aula

Apresentar os conceitos associados a determinação da orientação e


comprimento de pistas de aeródromos, sua relevância dentro do
projetos de aeródromos e sua estrutura de cálculo.

Bibliografia
HORONJEFF, R.; MCKELVEY, F. X.; SPROULE, W. J.; YOUNG, S. B. Planning and Design of Airports,
5 ed., Mc Graw-Hill, New York, 2010.

INTERNATIONAL CIVIL AVIATION ORGAIZATION, Aerodrome Design Manual – Part I Runways, 3 ed.
Montreal, 2006

SORIA, M. H. Notas de Aulas de Aeroportos: Orientação de pistas. Escola de Engenharia de São


Carlos, 2003.

UNITED STATES, Department of Transportation - Federal Aviation Administration – Advisory Circular


no. 150/5325-4C , Washington DC, 2013.
2 Considerações iniciais

Qual é a infraestrutura necessária para a operação de um avião


em solo?

São Carlos - BR Atlanta - EUA


2 Considerações iniciais

Atividade complexa

Restrições espaciais: terra e ar

Equilíbrio entre Demanda e Oferta

Propósito das instalações

Tecnologia
2 Considerações iniciais
2 Considerações iniciais

Principal elemento a ser considerado no Projeto


3 Orientação de Pistas

Aeronave é um equipamento que depende da velocidade do vento


para manter a sua elevação do solo.

A direção e velocidade do vento possuem grande efeito no


desempenho das aeronaves.
3 Orientação de Pistas

Aeronave é um equipamento que depende da velocidade do vento


para manter a sua elevação do solo.

A direção e velocidade do vento possuem grande efeito no


desempenho das aeronaves.

Vc = velocidade do vento
transversal ao eixo da
pista [knots]

Vh = velocidade
verdadeira da aeronave

Vh = velocidade
verdadeira na direção do
eixo da pista

x = crab angle
Figura 1 – Efeitos do vento na aproximação de uma pista. Horonjeff et al (2010)
3 Orientação de Pistas

Vc = velocidade do vento
transversal ao eixo da
pista [knots]

Vh = velocidade
verdadeira da aeronave

Vh = velocidade
verdadeira na direção do
eixo da pista

x = crab angle (é um
Figura 1 – Efeitos do vento na aproximação de uma pista. Horonjeff et al (2010) ângulo horizontal!!)

𝑉𝑐
𝑠𝑒𝑛 𝑥 = (Equação 1)
𝑉ℎ
3 Orientação de Pistas

Requisito Principal: Operação Segura

Minimizar o efeito do Vento Transversal (Crosswind).

Operação de pouso da aeronave sob condições de vento cruzado


é limitada à:

Peso da aeronave

Velocidade de pouso

Presença de ventos

Limite do Vento Transversal. Em geral, 17% da Velocidade de


Pouso.
3 Orientação de Pistas

Estabelecimento de critérios para orientação da pista.

FAA = orientação da pista para que 95% de cobertura de ventos


sejam abaixo do limite permitido.

Método Gráfico da Rosa dos Ventos.

Dados meteorológicos de ventos (direção e velocidade)

Mínimo 5 anos de recorrência (recomendado)

Exemplo: Araraquara-SP
3 Orientação de Pistas

Figura 2 – Coleta de dados meteorológicos para o Aeroporto Bartolomeu Gusmão em Araraquara -SP. DAESP (2013)
3 Orientação de Pistas

Exercício 01

- 16 divisões
- Limite de 15 knots
- 3 retas paralelas
3 Orientação de Pistas

Exercício 01
90,8%

97,0%

Numeração das Cabeceiras –


Diferenças entre Norte Magnético,
Norte Verdadeiro
+ 6,2% (Próxima Aula)
3 Orientação de Pistas

Laboratório (Próxima Aula)


3 Orientação de Pistas

Laboratório (Próxima Aula)


3 Orientação de Pistas

Laboratório (Próxima Aula)

Locais de coleta de dados: INMET (Agricultura) e IPMET


(UNESP)

WINDROSE PRO3
4 Comprimento de Pista

Aeronave de Projeto
4 Comprimento de Pista

Aeronave de Projeto

São Carlos - BR Atlanta - EUA


4 Comprimento de Pista

Aeronave de Projeto

São Carlos - BR
4 Comprimento de Pista

Aeronave de Projeto

Atlanta - EUA
4 Comprimento de Pistas

Principais Fatores:

Capacidade física da aeronave sobre determinadas


condições ambientais

Requisitos do Governo para operações em segurança

Figura 3 – Túnel de Ventos


Comprimento de Pistas

Dia padrão (standard day)

- Temperatura 15ºC;
- 29,92inHg (nível do mar);
- Fornecido pelos fabricantes.

- Aula passada:
- Tipos de pesos de uma
aeronave
- Payload x Range
4 Comprimento de Pistas

Declinação longitudinal:
- A cada 1% de inclinação: +/- 7 a 10%

Pista molhada ou neve:


- Catálogo do fabricante.

Altitude:
- 0 a 5000 ft + 7% a cada 1000 ft.

Ventos:
- Vento Frontal – 3% a cada 5 knots
- Vento de Cauda + 7% a cada 7 knots .
4 Comprimento de Pistas
4 Comprimento de Pistas

Distâncias declaradas, três situações de operação:

Decolagem normal;

Decolagem com falha de motor (em geral, a situação mais


adversa/crítica);

Pouso.
4 Comprimento de Pistas

Velocidades:

Velocidade de Decisão (V1) = é a velocidade escolhida e pelo

operador à qual admite-se que, ao ser reconhecida pelo piloto uma

perda súbita e total de potência de uma unidade motor-

propulsora, é possível continuar a decolagem sem o motor critico.

Se a falha for reconhecida pouco antes de V1, a decolagem deve

ser abortada (Consideração de Horonjeff , 2010)


4 Comprimento de Pistas

Velocidades:

Velocidade de Rotação (Vr) = é a velocidade à qual o piloto inicia a

rotação da aeronave (em torno do eixo transversal), isto é, levanta

o nariz ou "roda", tirando do chão as rodas do nariz.


4 Comprimento de Pistas

Velocidades:

Velocidade para deixar o solo ou de decolagem (Vlof) = é a

velocidade à qual se tira o avião da pista, isto e, inicia o vôo

propriamente dito sustentando-se no ar. Em inglês, "Lift-off Speed”.


4 Comprimento de Pistas

Velocidades:

Velocidade de início de subida (V2) = é a velocidade mínima com

a qual o piloto pode dar inicio à subida depois de ter passado a

10,7 m (35 ft) de altura sobre a superfície da pista durante uma

decolagem com um motor inoperante. A velocidade V2 deve ser

mantida até que o avião chegue a uma altura de 122m (400 ft).
4 Comprimento de Pistas

Todos os motores funcionando


Distância de Decolagem

Freios
Liberados

Distância Demonstrada

Distância de Decolagem (LD): 115% da distância que o avião utiliza para atingir 35 ft (10,5
m)
4 Comprimento de Pistas

Todos os motores funcionando


Pista de Decolagem

Freios Liberados

Distância Demonstrada
CLEARWAY: área retangular sobre o solo ou a água, sob controle de autoridade
competente, sobre a qual uma aeronave possa efetuar parte de sua subida, até a altura de
35 ft (10,5 m). Largura até 500 ft (152,4 m) e Comprimento até 1.000ft (348 m).
4 Comprimento de Pistas

Todos os motores funcionando


Pista de Decolagem

Freios Liberados

Distância Demonstrada

O clearway pode ser até igual a metade da diferença entre 115% da distância para atingir o
ponto em que a aeronave deixa o solo e a distância de decolagem.
4 Comprimento de Pistas

Decolagem com Falha de Motor


Distância de Decolagem

Freios
Liberados
4 Comprimento de Pistas

Distância de Decolagem

Distância de Decolagem Disponível


(TODA)
TODA Distância disponível para decolagem: comprimento da TORA, somada ao
comprimento livre de obstáculos (CLEARWAY), se existente.
4 Comprimento de Pistas

TODA - Distância disponível para decolagem: comprimento da TORA, somada ao


comprimento livre de obstáculos (CLEARWAY), se existente.

TORA Pista disponível para decolagem: comprimento declarado da pista, disponível para
corrida no solo de uma aeronave.
4 Comprimento de Pistas

Decolagem com Falha de Motor


Pista de Decolagem

Freios Liberados
4 Comprimento de Pistas

Pista de Decolagem

Pista Disponível para Decolagem (TORA)


4 Comprimento de Pistas

Pista de Decolagem

Pista Disponível para Decolagem

Distância Disponível para Decolagem


4 Comprimento de Pistas

Distância para Pouso


4 Comprimento de Pistas

Distância para Pouso (LD)

Distância Disponível para Pouso (LDA)


STOPWAY não é considerado para pouso.
4 Comprimento de Pistas

Distância para Aceleração e Parada


4 Comprimento de Pistas

Distância para Aceleração e Parada

Distância Disponível para Aceleração e


Parada
ASDA: comprimento da TORA, somado ao comprimento da zona de parada (STOPWAY),
se existir.
4 Comprimento de Pistas

Figura 4 – Resumo das distâncias declaradas e a operação de decolagem. Horonjeff (1963).


Avisos

Visita Técnica à TAM

Relatório de Visita
Exercícios

Lista de Exercício 31/01/2014


Universidade De São Paulo
Escola de Engenharia de São Carlos
Departamento de Transportes
STT0403 – Aeroportos, Portos e Vias Navegáveis

Determinação da orientação e do comprimento de


pistas de aeródromos

Parte 1/2

Prof. Mateus Araújo e Silva


Aula 31/01/2014