Você está na página 1de 9

@vetstudy_

12% superfícies oculares secas,


mucosas levemente
cianóticas, tremores
musculares, enoftalmia
severa, TPC muito
aumentada e anúria.
Choque 12- Estupor, taquicardia e pulso
15% filiforme+ sinais acima.

Tempo de vômito após a refeição:


define onde está o problema gástrico. Comum em cães

Perda de peso: ocorre pela não  Intoxicação alimentar


absorção dos alimentos e pela intensa (lixo/alimentos estragados);
perda de água e eletrólitos;  Toxinas (metais pesados, produtos
de limpeza, plantas);
Hematêmese: sugere ulcerações
 Medicamentos (corticoides,
gástricas.
antibióticos, AINEs);
 Corpos estranhos / bolas de pelos /
obstruções;
 Doenças sistêmicas (uremia,
 Mucosas;
hepatopatias, distúrbios
o Geralmente ressecada e
endócrinos);
pegajosa;
 Parasitas do TGI;
o Vômito crônico= palidez.
 Viroses.
 TPC;
o Acima de 3 segundos. Sinais Clínicos:
 Temperatura retal;
o Aumento ou diminuição.  Vômitos súbitos;
 Hidratação;  Hematêmese e/ou melena;
 Palpação abdominal;  Desidratação;
o Dor na região epigástrica  Icterícia / palidez;
 Ausculta Cardio Pulmonar;  Salivação(náusea)/defecação
o Sinais de pneumonia (diarreia em viroses/obstrução
(aspiração do vômito). quando houver corpo estranho);
 Ulcerações orais;
 Algia.

Severidade % Sinais Clínicos Diagnóstico:


Muito suave <5% Não detectável
Suave 5-6% Perda sutil da elasticidade  Exame clínico + Exames
da pele (2s), leve
enoftalmia
complementares Anamnese e
Moderada 6-8% Inelasticidade da pele (3s), exame físico;
mucosas pegajosas e  Exame complementares:
levemente ressecadas,
TPC>3, enoftalmia e o Hemograma (origem
oligúria. viral/bacteriana);
Severa 10- Inelasticidade da pele,
o Bioquímicos  Dennis (Sedimentação- cestódios);
(fígado/rim/eletrólitos-  Centrifugação- Giardia.
K,Na,Mg,Cl);
o Exame Parasitológico de Tratamento:
Fezes;  Fluidoterapia (RLS; Glicose 5%);
o Diagnóstico por imagem  Restrição alimentar;
(raioX/ultrassom/ o Jejum alimentar (12 a 24
endoscopia). horas);
OBS: Exame Parasitológico de Fezes: o Reintrodução de alimento
líquido a pastoso restrito em
 OPG-Willis-Mollay(Filtração- gordura (2 a 3 dias);
nematódeos); o Reintrodução do alimento
 Dennis (Sedimentação- cestódios); normal gradualmente.
 Centrifugação- Giardia.
 Antieméticos:
o Metroclopramida;
Região Epigástrica:
o Maropitan (ação central);
o Ondazentrona (ação
central).
 Protetores gástricos e adsorventes
de toxinas:
o Kaolin-pectina;
o Soluções orais com
magnésio, alumínio e bário;
o Sucralfato.
 Anti-ácidos:
Diagnóstico: o Omeprazol (ação nos
receptores de H);
 Exame clínico + Exames
o Ranitidina (ação nos
complementares Anamnese e
receptores de H2)
exame físico;
 Exame complementares: Apenas quando houver hematêmese ou
o Hemograma (origem melena- bloqueiam a produção do suco
viral/bacteriana); gástrico.
o Bioquímicos
(fígado/rim/eletrólitos- Prognóstico é favorável.
K,Na,Mg,Cl);
Complicações:
o Exame Parasitológico de
Fezes;  Úlcera gástrica que poderá evoluir
o Diagnóstico por imagem para uma peritonite.
(raioX/ultrassom/
endoscopia).

 OPG-Willis-Mollay(Filtração-
nematódeos);
o Gasometria (HCO3; pH);
o Funções renal / hepática;
o Função pancreática;
 Dosagem de gastrina sérica
(neoplasias gástricas).

Tratamento:

 Fluidoterapia (RLS + KCl);


 Colóides (gelatina, hetamilo,
Causas: dextrano...) -choque;
 Transfusão sanguínea;
 Mesmos da gastrite aguda- tempo
 Anti-ácidos: omeprazol, ranitidina;
mais prolongado (evolução da
gastrite aguda);
 Protetores de mucosa: sucralfato;

 Hipotensão (choque, sepse);  Antieméticos: metoclopramida


/ondasentrona/maropitant;
 Idiopático (estresse, cirurgias de
coluna, exercícios severos);
 Antibióticos: cefalosporina ou
ampicilina + gentamicina ou
 Neoplasias gástricas.
enrofloxacina;
Sinais Clínicos:  Analgésico: buprenorfina (muita
dor);
 Vômitos crônicos
 Acidose metabólica: bicarbonato
 Hematêmese;
de sódio;
 Melena;
 Alcalose metabólica: NaCl 0,9% +
 Mucosas pálidas;
KCl.
 Dor abdominal;
 Fraqueza; OBS: Verificar os níveis de Lactato sérico:
 Inapetência;
 Aumento= Acidose;
 Hipersalivação (esofagite);  Diminuído= Alcalose
 Hipotensão.

Diagnóstico:

 Exame clínico;
 Radiografia (simples-presença de
gás/contrastada- irregularidade
da mucosa);
 Hemograma (anemia microcítica);
 Bioquímica sérica (conforme a
suspeita da causa):
o Potássio, sódio, cloro
(sempre);
o Lactato sérico;
Principais causas: Tratamento:
 Intolerância ou alergia alimentar; Detecção e tratamento de:
 Parasitismo oculto;
 Desordens metabólicas (causa?);
 Antígenos bacterianos
 Corpos estranhos-remoção.
(Helicobacter spp.);
 Fármacos;
 Antígenos fúngicos (Pythium spp.).
 Toxinas
Sinais clínicos: o Ranitidina e/ou Omeprazol +
Sulfactante (30-90 dias).
 Vômito com alimento ou bile;  Parasitas (Physalloptera,
 Diminuição do apetite; Spirocerca) -febendazole +
 Perda de peso; ressecção cirúrgica dos nódulos).
 Melena ou hematêmese;  Infecções Fungicas: (ressecção
cirúrgica dos nódulos + itraconazol
 Dermatopatias alérgicas
e terbinafina- 2 a 3 meses) +
 (sensibilidade alimentar);
monitoramento hepático.
 Anemia;
 Infecções bacterianas- H. pylori:
 Icterícia; amoxicilina + metronidazol-14 dias
 Sinais de retardo no esvaziamento + famotidina (cães ou gatos) ou
gástrico (8 a 10 hs após a Amoxicilina + metronidazol +
refeição); claritromicina- 14 dias (gatos).
 Distensão abdominal;  Infecções Bacterianas- H.
 Dor abdominal; heilmannii: azitromicina + tinidazol-
 Massas abdominais, 4 dias + famotidina(ou raminidina).
linfoadenomegalia, lesões
oculares-infecções fúngicas
(épocas úmidas).

Diagnóstico:
 Sinais clínicos;
Gastrite crônica.
 Hemograma;
o Anemia;
o Eosinofilia- mastocitoma;
o Parasitose;
o Hipersensibilidade
alimentar);
 Perfil bioquímico;
 Hiperglobulinemia e
hipoalbuminemia;
 Testes de sensibilidade alimentar;
 Perfil endócrino;
 Perfil metabólico;
 Radiografia simples e contrastada;
Sinais Clínicos:
 Endoscopia (+ biópsia gástrica).
 Vômitos (pelo menos 8 a 10 hs
após a refeição);
 Dor abdominal;
 Desconforto abdominal;
 Abaulamento;
 Flatulência;
 Anorexia;
 Perda de peso;
 Melena;
 Desidratação.

Diagnóstico:
 Sinais clínicos;
 Perfil endócrino (tireóide-felinos);
 Perfil hepático;
 Perfil renal;
 Hemograma;
 Sorologia (parvovirose, FeLV);
 Radiografia contrastada (8, 12 a
16h pós-refeição- permanece no  Alteração da consistência das
estômago alimento + contraste) o fezes:
certo seria esvaziar em 2h; o Pastosa – líquida –
 Ultrassonografia (espessamentos). endurecida.
 Vômitos;
Tratamento:
 Desidratação;
 Dieta de fácil digestão ( baixa  Mucosas pálidas;
gordura e proteína de alta  Perda de peso;
digestibilidade);  Apatia / inapetência;
 Pró-cinéticos:  Algia abdominal;
o Metoclopramida +  CE x obstruções
ranitidina;
o Cisaprida;
o Domperid;
 Eritromicina ou metronidazol.

Abordagem do vômito:
Tratamento:
 Sintomático;
 Reposição hídrico-eletrolítica
(RLS);
 Antieméticos centrais
 Antidiarreicos (NÃO UTILIZA-SE,
pois acumula toxinas!);
Vômito  Alimentação frequente e
pequenas porções.
Inapetência letargia

Desidratação ocasional CAUSA


Febre e dor abdominal
(severos)

 Parvovirose/
Coronavirose;
 Cinomose;
 Panleucopenia;
 FIV/ FeLV.

Diagnóstico:
 Sinais clínicos
 Exames complementares
o Hemograma:

Leucopenia por linfopenia (vírus)-


inicialmente e após, em uma infecção
secundária terá leucocitose por
neutrofilia e linfopenia.
 Ingestão de ingredientes de baixa
 Sorologia (ELISA)- SNAP
qualidade (gordura rançosa)-
ração estocada erroneamente; Tratamento:
 Contaminação por enterotoxinas
ou micotoxinas;  Fluidoterapia;
 Alergia ou intolerância alimentar;  Reposição de eletrólitos (Na+; K+);
 Adaptação à nova dieta (filhotes  ATB (cefalotina ou ampicilina +
principalmente); gentamicina ou amicacina –
 Falta de enzimas (lactase); casos graves);
 Associado ao início de nova dieta  Restrição dietética oral + Nutrição
(final de semana- crianças e parenteral (até 5 dias);
idosos).  Antieméticos: metoclopramida-
ondasentrona-maropitant;
 Antiácido (omeprazol ou  Anorexia;
ranitidina).  Letargia;
 Dor abdominal.
Trato até a melhora do paciente.
A febre é um fator de risco importante,
Transfusão sanguínea inicia-se com o valor de 40°C, mas
Quando há presença de sangue nas quanto maior a absorção de toxinas,
feses e hematócrito abaixo de 21, maior o risco de o animal entrar em
sempre observando se não há um falso sepse e consequente choque e
aumento pela desidratação, por isso, hipotermia (33°C).
primeiro se estabelece o animal e
Diagnóstico:
depois obeserva-se o hematócrito.
 Hemograma (neutropenia
Imunoterapia: degenerativa + neutrófilos
 Soro hiperimune( apenas funciona tóxicos);
como preventivo para outros  Bioquímica sérica (azotemia,
animeis que tiveram contato com desequilíbrios eletrolíticos,
o animal doente); hipoglicemia, hipoproteinemia-
Interferon  em felinos(preventivo diminuição da albumina e pode
e tratamento). haver aumento da globulina);
 Testes de coagulação (aumento
nos tempos dos testes) toxinas são
hepatopatas, podendo haver CID
 Salmonella spp; e hemorragia por falta de fatores
 Campylobacter jejuni (pouco de coagulação;
comum);  Isolamento nas fezes.
 Clostridium spp. (lixo e fezes de
OBS: no hemograma, a neutrofilia é
outros animais, mais comum).
breve e no inicio da infecção, após
Fatores de risco: ocorre neutropenia por desgaste (quase
sepse).
 Exposição conhecida ou provável;
 Jovens; Tratamento:
 Imunodeficiência;
 Antibioticoterapia: baseado no
 Enfermidades debilitantes;
isolamento bacteriano + TSA)-7 a
 Criações em superlotações ou
10 dias;
falta de higiene.
o Enrofloxacina;
Sinais Clínicos: o Trimetoprima + Sulfa.

 Vômitos; Usar estes antes do resultado do teste de


 Diarreia aquosa ou mucoide resistência (empírico).
(fétida /sangue);  Analgésico-ex: dipirona +
 Tenesmo; escopolamina;
 Desidratação severa;  Reposição hidroeletrolítica;
 Febre;  Higiene.
Protozoários:
 Isospora sp – sulfametoxazol +
Nematódeos
trimetoprima ( no mínimo 5 dias)
Hematoquesia e enteropatia com perda  Giardia sp-
de proteína. o Metronidazol;
o Furazolidona;
 Thricuris vulpis = fezes com muco e o Febantel //Febendazole;
estrias de sangue; o Nitazoxanida (gatos).
 Toxocara sp = filhotes com
crescimento retardado, abdome (No mínimo 10 dias)
exuberante, diarreia com sangue;
Uma semana de intervalo, repete-se o
 Ancylostoma sp = Hematoquezia,
exame de fezes (centrifugação) caso
melena e anemia.
positivo, utilizar por mais 5 dias.
Sempre realizar o exame de fezes.

Tratamento:

Vermífugos de amplo espectro:


Origem autoimune.
 Pamoato de pirantel;
 Febantel; Diminuição da absorção dos alimentos-
 Ivermectina; pedaços de alimentos inteiros.
 Pamoato de oxantel;
Sinais clínicos:
 Selamectina;
 Milbemicina (não utilizar em Colie  Vômitos crônicos;
e Shipdog)  Diarreia crônica
o Líquida x pastosa;
Repetir após 15 dias
o Intermitente.
Como medida profilática, utilizar a cada
Paciente diagnosticado jovem (1-3 ano).
4 meses.
Não há cura, mas há tratamento de
Para Thricuris vulpis, usar mais tempo o
suporte.
vermífugo, pois este se hospeda na
submucosa intestinal, e somente quando Diagnóstico Diferencial:
se alimenta vai até a luz (local onde o
antiparasitário age).  Diarreia induzida pela dieta
(hipersensibilidade)- aumento da
Cestódeos espessura intestinal;
 Enterites bacterianas- linfonodos
Dipylidium caninum = Irritação anal;
mesentéricos aumentados de
Cão arrasta o ânus no chão; tamanho;
 Enterites parasitárias- linfonodos
Transmitido por pulgas.
mesentéricos aumentados de
Tratamento: praziquantel repetir após 21 tamanho;
dias + eliminação das pulgas.
 Linfoma intestinal (gato)-vários
linfonodos com aumento de
tamanho.

Realizar os seguintes testes:


 Ultrassonografia;
Histopatológico; outros exames;
 Tratamento com dieta de
exclusão e antimicrobianos;
 Imunossupressores:
o Azatioprina;
o Corticosteróides.
Diagnóstico:
Biópsia por endoscopia garante o
 Anamnese e sinais clínicos;
diagnóstico.
 Radiografias abdominais.
Tratamento de Suporte:
Tratamento:
Inicialmente utilizar glicocorticoides;
 Primeiramente utilizar um
Após, manter com: analgésico potente-
morfina/butorfanol/metadona
 Azatioprina ou Ciclosporina;
 Esvaziamento do cólon.
 Antiácido (ranitidina/ omeprazol +
o Enema de limpeza
sucralfato);
(manitol, glicose 5%,
 Domperidona ou Cisaprida
soluções de fosfato
(aumentar a motilidade).
dibásico monobásico)
o Enema de retenção
(lactulose).
 Óleo mineral;
 Dieta rica em fibras;
 Tratamento da causa primária ex:

FÍSTULAS PERINEAIS:

o Azatioprina ou ciclosporina;
o Antimicrobianos tópicos;
o Cirurgia.

Estabiliza e vai para cirurgia.

Você também pode gostar