Você está na página 1de 5

AÇÃO APRENDIZAGEM

Flora Lovato
INSTITUTO FONTE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL
São Paulo, 5 de setembro de 2003

Aproveitando a própria experiência: ciclo de ação-aprendizagem

Tenho enfatizado durante todo o livro que um plano nunca é perfeito, que precisa ser aprimorado
pelo confronto com a prática, que experiências devem ser aproveitadas e que avaliação é
fundamental para o desenvolvimento de uma equipe e da organização. Um conceito bastante
simples e útil para ajudar nesta direção é o de ação-aprendizagem1.

"Ação-aprendizagem" põe forte ênfase no aperfeiçoamento prático e pressupõe que o principal


objetivo de aprender das nossas ações (prática, experiências) é melhorar nossas futuras ações. É
uma aplicação específica da aprendizagem experiencial.

"Ação-aprendizagem" é um processo. Ao passarmos, repetida e conscientemente, por este


processo podemos tanto constatar o quanto não sabemos e fazer importantes descobertas para a
vida prática. O processo de ação-aprendizagem aproveita-se de ações, tentativas passadas para
extrair aprendizados - diz-se que não terá havido aprendizagem se não houver mudanças práticas
ou de comportamento.

"Ação-aprendizagem" é definida, portanto, como o processo de aprender conscientemente da


experiência, de forma a aprimorar ações futuras. Implica aprender fazendo e criar oportunidades
para acelerar isso. Baseia-se na premissa que não há aprendizagem sem ação, nem ação
intencional sem aprendizado. É aprender da experiência concreta, através da discussão em grupo,
tentativa e erro, descoberta e aprendizado do e com o outro. Trabalha-se sobre questões reais,
assumindo responsabilidade real em condições reais.

O processo de ação-aprendizagem baseia-se num modelo cíclico, com quatro passos bem
simples:

Fonte: TAYLOR, James, MARAIS, Dirk e KAPLAN, Allan. Action learning for development. Use your
experience to improve your effectiveness. Cape Town : JUTA/CDRA, 1999.
Ação: ninguém conhece sua experiência melhor do que você próprio. Quanto
mais você estiver consciente da própria "experiência" enquanto age, maior
pode ser o impacto no próximo passo.
Reflexão: reexaminar e repensar eventos e ações significa torná-los mais
conscientes, analisá-los, avaliá-los, entendê-los melhor ou mais
profundamente. Normalmente fazemos isso bem em momentos de crise, o
desafio é tornar isso natural. Constitui um momento para olhar o que
aconteceu sob os mais diferentes pontos de vista.
Aprendizagem: reflexão não garante que aprendizagem aconteça; reflexão é diferente de
aprendizagem: muita gente reflete muito, mas continua cometendo os
mesmos erros. Aprendizagem é o processo de extrair lições essenciais,
capazes de influenciar ações futuras de maneira positiva.
Planejamento: faz a ponte entre aprendizados passados e futuras ações. As "luzes"
geradas na etapa anterior precisam ser traduzidas agora em decisões que
vão garantir melhores ações - e estas decisões devem ser parte de um
plano. Planejamento que não tem nada a ver com o que aprendemos no
passado costuma ser desperdício de tempo.

Sobre o ciclo de ação-aprendizagem é importante dizer:

♦ Nenhuma etapa do ciclo é mais importante do que outra. Todos os passos devem ser
conduzidos conscientemente e com cuidado. O resultado é uma espiral positiva de
aprendizagem e melhoria das ações. Estagnação e pobreza de conteúdo acontecem quando
pula-se uma parte do ciclo ou ela é tratada superficialmente.
♦ Poucas pessoas são boas nos quatro segmentos do ciclo. Por isso é importante
trabalhá-lo em grupos. Uma pessoa sempre pode ajudar outra a aprofundar-se naquelas
áreas em que não é tão boa. Por outro lado, o grupo pode mapear onde estão suas maiores
competências - na ação, na reflexão, na aprendizagem ou no planejamento - e buscar
desenvolvê-las nas áreas mais fracas. Quando um grupo concentra-se somente naquele
passo em que é melhor o processo vai tornando-se capenga e perdendo a qualidade (p.ex.:
um grupo ativista ou analista).
♦ Podem surgir resistências à aprendizagem. Algumas pessoas dão mais valor a uns ou
outros passos do ciclo, considerando os outros como "perda de tempo". Isso pode indicar
resistência à aprendizagem. Aprender não é fácil, exigindo disciplina, abertura e
compromisso.
♦ É importante fazer perguntas. Nem sempre as descobertas, reflexões, lições e decisões
têm a qualidade que esperamos. Quando houver insatisfação com a qualidade do conteúdo
produzido, procure fazer novas perguntas, perguntas que ainda não foram feitas, examinar a
situação, os fatos e a si próprio a partir de outros referenciais.

O roteiro das próximas páginas pode ajudá-lo a utilizar o ciclo de ação-aprendizagem com sua
equipe, tanto na avaliação do planejamento, como na prática do dia-a-dia.
AÇÃO
Contextualização, levantamento de dados e composição do quadro geral
Princípios: Perguntas:
Pode-se aprender muito das nossas próprias ações O que aconteceu?
- capacidades se desenvolvem naturalmente a partir Quais foram os eventos importantes?
da experiência; Quais foram as ações e atividades?
Aprendizados podem ser tirados de situações Quais foram os processos desencadeados? Quais
positivas e negativas; foram as interpretações?
São as pessoas que conhecem bem suas próprias Quais são os dados e informações?
experiências; Quem mais está (esteve) envolvido?
Ações, sentimentos e interpretações são O que aconteceu antes?
informações tão essenciais quanto "fatos reais e O que aconteceu depois?
objetivos"; A que resultados se chegou?
A visão, os sentimentos e a memória das pessoas Quais foram os sentimentos? ...as reações? Que
influenciam suas ações, assim como seus valores, imagens a situação gera?
princípios e hábitos; Procurar atentar (e, se necessário, esclarecer)
Sentimentos e percepções são tão importantes para o que são fatos e o que são interpretações.
quanto simples fatos objetivos para a aprendizagem.

REFLEXÃO
Reflexão e exploração da experiência
Princípios: Perguntas:
Reflexão significa reexaminar e repensar um evento; O que contribuiu para dificultar/agravar o processo?
o propósito é ampliar a consciência do que O que contribuiu para facilitar/atenuar o processo?
aconteceu e acontece, ajudando o participante a
explorar a sua experiência;
Perguntas bem formuladas são absolutamente Quais foram os principais fatores que levaram aos
críticas para uma boa reflexão, desafiando resultados?
percepções passadas, ajudando a romper formas Que causas podem ser atribuídas aos
habituais de pensamento e vendo as coisas sob problemas/dificuldades?
diferentes pontos de vista; Que pressupostos foram adotados na situação?
A discussão com outros membros do grupo
melhora a reflexão; Que guias/referenciais foram adotados?
Reflexões checam o que você vê, entende e Quem tinha poder? Quem tinha influência? Quais
assume como realidade com o que os outros vêem; foram as ameaças/riscos neste processo?
O processo de reflexão deve procurar ver o conjunto Quais foram as oportunidades neste processo? O
todo de fatores que podem estar contribuindo para o que acontece se continuarem repetindo estes tipos
problema, não apenas uma causa. de comportamento?
APRENDIZAGEM
Generalização e síntese da aprendizagem
Princípios: Perguntas:
Nem sempre reflexões geram aprendizados, porque O que vocês fariam diferente numa situação
nem sempre afetam nossas ações; parecida no futuro?
O maior problema de extrair aprendizados de uma Que "sacadas" podem ser tiradas das discussões
experiência é que você pode nunca mais viver uma até aqui que podem ser usadas em situações
situação semelhante; o aprendizado de uma futuras?
situação nem sempre pode ser aplicável a outra; Que princípios ou atitudes poderiam ter gerado
resultados melhores?
Generalizar o aprendizado exige distanciar-se do Que conceitos ou modelos referenciais ajudam a
que aconteceu: é preciso olhar através e além do atuar em situações deste tipo?
ocorrido, para extrair lições gerais;
Generalizar significa identificar padrões que ocorrem
em mais de uma situação, deixando de perguntar "o
que aconteceu?" para perguntar "o que tende a
acontecer?";
O desafio é desenvolver conceitos que possam ser
aplicados a novas situações, a ações futuras;
É importante sintetizar conscientemente o
aprendizado para então passar-se para o plano de
ação;
A única forma de verificar se ocorreu ou não
aprendizagem é verificar a qualidade das ações
futuras.

PLANEJAMENTO
Definição de passos para colocar os aprendizados em prática
Princípios: Perguntas:
O Plano faz a ligação entre aprendizagem passada O que você vai começar a fazer diferente como
e futura; resultado desta aprendizagem?
Um Plano sintetiza o conjunto de aprendizados e O que você vai fazer para garantir que alguns erros
experiências anteriores; não se repitam no futuro?
Um Plano que não se relaciona aos aprendizados Quais destes aprendizados você vai incorporar em
anteriores é um desperdício de tempo; sua prática?
Qual é o seu Plano de Ação? Como você
O Plano é produto de um processo de elaboração, utilizou os aprendizados?
podendo ser modificado ou alterado continuamente;
Planejar é pensar sobre o futuro e decidir como
mover-se a ele;
Todo Plano tem um grau de imprevisibilidade, pois é
impossível controlar todas as variáveis;
A imprevisibilidade abre espaço para novas
aprendizagens.
Os ciclos podem ser...

Ascendentes: quando consideramos os aprendizados obtidos para apoiar a melhoria da


ação futura;
Estacionários: quando os aprendizados não implicam na melhoria da efetividade da ação;
Descendentes: quando não incorporamos nenhum novo aprendizado à nossa prática.

Tudo começa com a ação...


Podemos aprender muito a partir de nossas experiências de ação.
Cada pessoa conhece suas próprias ações.
Cada experiência é carregada de sentimentos, crenças, atitudes e aprendizados de
experiências anteriores.
Se cada ação implica no risco de falhar, somos muito corajosos quando agimos.

Podemos refletir sobre cada ação que realizamos...


Podemos ser corajosos também para refletir sobre o que fazemos.
Refletir envolve formular perguntas através das quais possamos explorar a experiência.
Feita em conjunto com outras pessoas, a reflexão fica mais rica.
A reflexão procura identificar o conjunto de fatores que contribuíram para que algo tenha
acontecido.
A reflexão não resulta automaticamente em aprendizados.

E os aprendizados?
Cada experiência e reflexão sobre ela pode nos trazer aprendizados específicos que
melhorem nossa ação futura.
Podemos fazer muitas vezes as mesmas coisas antes de aprender a causa de um
problema e mudar a forma de fazê-la para alcançar melhores resultados.
Para compreender lições gerais precisamos nos distanciar das experiências específicas e
encontrar padrões que nos levem a ver o que tende a acontecer quando agimos de
uma determinada forma.

O planejamento une o aprendizado passado com a ação futura...


Planejar nos ajuda a ser mais proativos.
Todo plano que é posto em prática requer adaptações e atualizações.
A diferença entre o planejado e o realizado nos ajuda a aprender.
Planos que resultam em falhas são mais valiosos para aprender.
A avaliação deve ser incluída em todos os planos.
Completando o ciclo...
Para que ação tenha mais qualidade, um novo ciclo precisa incluir os aprendizados
passados.
Cada pessoa pode lidar melhor com uma das etapas do ciclo.
As melhores equipes incluem pessoas com mais talentos para as diferentes etapas do
ciclo.