Você está na página 1de 1

Sociedade Brasileira de Química (SBQ)

Hidrólise de derivados da quinizarina catalisada por lipase monitorada


por espectroscopia de fluorescência
Carolina Aparecida Sabatini (PG), Denis Massucatto (PG), Marcelo Henrique Gehlen (PQ)*
Grupo de Fluorescência Molecular – Departamento de Físico-Química – Instituto de Química de São Carlos –
Universidade de São Paulo – São Carlos/SP.
*e-mail: marcelog@iqsc.usp.br

Palavras Chave: lipase, espectroscopia de fluorescência, quinizarina.

Intensidade de Fluorescência
1200
140
Introdução 1000
120
Experimental
Teórico
a= 0,00408 ± 0.00007
800
s =1,71339 ± 0,03501
100
As lipases têm aplicações em diversas áreas, tendo 600 R^2 = 0.99905

Integrais
80
funções digestivas, catalisam quebra de ligações do 400

200 60
tipo éster podendo acomodar diversos tipos de 0 40
1 435
substratos, alifáticos, aromáticos e alicíclicos . A 360
285 20

in)
210
quinizarina é um fluoróforo que quando esterificado

(m
135 0
60

po
0 100 200 300 400 500

m
em seu grupo hidroxila, perde ligação de hidrogênio, 500 520 540 560 580 600 620 640 660 680 700

te
λ (nm) tempo (min)
tornando-se uma molécula não fluorescente, como
ilustrado na figura 1. Figura 3: Acompanhamento da hidrólise do dibutil em n-
1,0 4000
hexano e simulação teórica dos resultados experimentais.
3500 O
0,8
3000
OH O CH3 OH OH
Intensidade

OH OH
Absorção

0,6 2500
2000 E E
0,4
1500
1000 OH O CH3 OH O CH3
0,2 OH OH
500
O O
0,0 0
300 350 400 450 500 400 450 500 550 600 650 700
λ (nm) λ (nm) S2 (diéster) S1 (monoéster) S0 (quinizarina)

k2
Figura 1: Espectros de absorção e fluorescência da kc2
quinizarina (--) e de seu derivado dibutil (-).
S2 + E (ES2) S1 + E
k
O
H
R O O O O k1 kc1

O
S1 + E (ES1) S0 + E
lipase k
+ 2 H2O +2R Figura 4: Modelo cinético para a reação de hidrólise.
OH

R O O O
H
O Considerando o estado estacionário para as
O
espécies (ES2) e (ES1), obtém-se uma solução
I II
analítica, da qual é possível estimar as constantes
cinéticas envolvidas na reação.
Figura 2: Esquema de reação catalisada pela lipase. (I)
derivado; (II) quinizarina. k −2
S 0 (t ) = S 20 (1 − e − α Et (α Et + 1)) α = −k 2 +
Resultados e Discussão KM2
A reação de hidrólise é monitorada por Conclusões
fluorescência, após a adição da lipase suportada
®
Novozyme 435 na solução do derivado O método mostrou-se eficiente para avaliar a
diesterificado, em n-hexano. A formação da cinética enzimática. Os valores estimados para as
quinizarina pode ser detectada pelo aumento da constantes dos derivados dibutil e diacetil foram
intensidade de fluorescência com o tempo. -1 -1 -1 -1
3,83 Lmol s e 30,3 Lmol s , respectivamente.
Integrando cada espectro e traçando os valores Esta diferença se deve, provavelmente, pela
obtidos em função do tempo, observa-se um
diferença no volume hidrodinâmico dos derivados.
comportamento sigmoidal da curva representativa
da cinética enzimática. Isto se deve ao fato de que a Mas para generalizar esta tendência ainda é
enzima acomoda somente um éster por ciclo necessário estudar derivados de cadeias mais
catalítico. Foram realizadas medidas com os longas.
derivados dibutil e diacetil, porém somente
resultados com o dibutil estão sendo ilustrados. Para Agradecimentos
o derivado diacetil os dados obtidos são FAPESP, CNPq, CAPES e Novozymes.
semelhantes. 1
Sharma, R. et al. Bioch. Adv. 2001, 19, 627.
32a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química