Você está na página 1de 2

A ORDEM DAS NOBRES VERDADES

O Buda ensinou as quatro nobres verdades numa ordem muito específica, e isso nada tem a ver com
a ordem em que as coisas surgem na realidade. Na realidade, a causa deve vir naturalmente primeiro
e ser seguida pelo resultado; não pode ser o contrário. Há uma causa que produz sofrimento e há um
caminho que nos leva ao fim do sofrimento. No entanto, em ambos os conjuntos de causa e efeito
que compõem as quatro nobres verdades, a ordem é invertida - o resultado do sofrimento é
apresentado primeiro, seguido pela causa da origem do sofrimento. O segundo conjunto apresenta o
resultado da cessação e, em seguida, a causa do caminho.

Na sua obra as Grandes Etapas do Caminho (Lamrim Chenmo), o mestre tibetano Lama
Tsongkhapa explica que, apesar de não seguir a sequência natural, essa é a ordem particular em que
devemos aprender, porque representa a maneira como cada verdade é estabelecida psicologicamente
dentro de nós. Por exemplo, quando começamos a trabalhar com as duas primeiras nobres verdades,
é natural que primeiro percebamos que há sofrimento. Essa percepção nos levará a procurar as
causas desse sofrimento. É o mesmo com o segundo conjunto. Quando vemos que há sofrimento e
que ele tem uma origem, o próximo passo é perguntar se existe alguma maneira do sofrimento
cessar. Ao fazer isso, estabelecemos que a cessação é possível e depois procuramos métodos que
possam levar a ela.

Quando descobrimos um problema, voltamos e tentamos encontrar sua origem. Esse é o processo
natural. Quando vemos o resultado, naturalmente procuramos a causa, então o resultado da
identificação de um problema é a motivação que nos leva à solução. Nossas mentes operam
naturalmente dessa maneira, e é por isso que o Buda ensinou as quatro nobres verdades nesta
sequência única. Portanto, para o praticante budista que quer seguir o caminho espiritual, a
compreensão dessa sequência particular é psicologicamente muito natural e útil. O Sublime
Continuum de Maitreya (Uttaratantra) compara esses quatro estágios para superar uma doença.

Assim como uma doença precisa ser diagnosticada, sua causa eliminada, um estado saudável
alcançado e o remédio implementado, também o sofrimento, suas causas, sua cessação e seu
caminho devem ser conhecidos, removidos, alcançados e realizados.

Só quando notamos que estamos doentes é que começamos a procurar a fonte de nossa doença e,
vendo que existe uma cura, tentamos obtê-la. Isso é sofrimento, origem, cessação e caminho.

A ETIMOLOGIA DO TERMO NOBRE

Pode ser útil esclarecer o que é uma nobre verdade, porque a verdade tem diferentes significados
em diferentes contextos. No Budismo existem muitas verdades - as duas verdades, as quatro nobres
verdades e assim por diante - e precisamos ser muito cuidadosos e não assumir que a verdade
sempre significa a mesma coisa. O modificador nobre significa a verdade como percebida pelos
seres arya, aqueles seres que tiveram uma percepção direta do vazio ou do altruísmo. Nobre
significa algo visto pelos seres arya como ele realmente é, e neste caso são quatro reconhecimentos
- sofrimento, origem, cessação e caminho. Os seres de Arya veem todos os tipos de sofrimento -
físico e mental, densos e sutis - exatamente como são, como sofrimento. Para pessoas como nós,
que não têm a percepção direta do vazio, embora possamos compreender certos níveis de
experiências físicas e mentais como sofrimento, é impossível para nós vermos todos os níveis de
sofrimento pelo que eles são. Em vez disso, podemos ver algumas coisas como desejáveis quando,
na verdade, elas estão sofrendo. Isso pode parecer incomum, mas se você examinar a sociedade é
bem fácil entender o que quero dizer. O que a maioria de nós persegue depois de pensar que é
felicidade, na verdade, tem o potencial de trazer exatamente o oposto.

OS BENEFÍCIOS DE ESTUDAR AS NOBRES VERDADES

A vantagem mínima que obteremos ao estudar as Quatro Nobres Verdades é que desenvolveremos
alguma confiança de que os problemas e as dificuldades de nossa vida podem ser interrompidos. No
presente a nossa vida é completamente condicionada por fatores fora de nosso controle, mas ao ver
claramente as coisas que realmente causam nossos problemas e que podem ser eliminadas, podemos
determinar que existe um remédio para essa vida "condicionada". Se pudermos desenvolver
confiança na possibilidade de cessação - através da leitura de livros, contemplando e meditando -
então acho que definitivamente teremos bons resultados.

Além disso, se vemos que, seguindo os ensinamentos do Buda, podemos lentamente aprender a
subjugar nossas mentes e finalmente cessar completamente nossa existência condicionada,
estaremos, de fato, nos refugiando no Dharma - os ensinamentos do Buda e o segundo dos Três
Refúgios. Isso levará naturalmente a um respeito pelo próprio Buda e depois pela Sangha, aqueles
seres realizados que seguem seu caminho, e assim estabelecemos nosso refúgio no Buda e na
Sangha, os outros dois objetos de refúgio. Tudo isso surgirá com base nas Quatro Nobres Verdades.
Por certo, a melhor maneira de nos refugiarmos no Dharma é colocando o caminho em prática, e
assim passamos do mero refúgio na Sangha para nos tornarmos a própria Sangha - não
necessariamente como um monge ou monja ordenada, mas ao tornar o Dharma uma coisa viva, uma
realidade cotidiana. Este é o benefício intermediário de estudar as Quatro Nobres Verdades.

Finalmente, chegaremos a compreensão da verdadeira natureza de nosso próprio sofrimento e ver


como todos os seres são exatamente os mesmos quanta a essa condição aflitiva, e, assim, nossa
prática naturalmente passará de uma preocupação primordial com nosso próprio bem-estar para nos
concentrarmos no bem-estar dos outros. À medida que progredimos, nossos preconceitos e
interesses pessoais desaparecerão, e nossas atividades se tornarão mais altruístas. Isso só pode ser
alcançado através da compreensão e prática das Quatro Nobres Verdades, num nível muito
profundo. O maior benefício de estudá-las é alcançar a mente da iluminação, ou bodhichitta, ponto
em que somos completamente motivados pelo desejo de libertar todos os seres do sofrimento e,
portanto, trabalhar em prol da nossa própria iluminação para poder fazer isso.

A cessação do sofrimento não é algo que alguém pode nos dar, mas deve emergir através da prática
dos ensinamentos budistas. À medida que progredimos, a lacuna entre a vida condicionada e
descontrolada que agora conduzimos e o núcleo que é a paz pura e perfeita se estreitará.
Desenvolvendo a compreensão e praticando consistentemente os ensinamentos das Quatro Nobres
Verdades em nossas vidas diárias, nos tornaremos grandemente benéficos para todos os outros seres
sencientes, pois além de ajudá-los a dar um fim aos seus sofrimentos, também poderemos eliminar
o nosso.