Você está na página 1de 8

PROJETO INTEGRADOR IV PARA PEDAGOGIA; ELABORAÇÃO

CONCEITUAL DO RESUMO E CONSIDERAÇÕES FINAIS

Vagner Sérgio Custódio


Univesp

INTRODUÇÃO

O Projeto Integrador (PI), enquanto atividade de ensino, pesquisa e


extensão, necessita ser sistematizado em formato de relatório. No momento final
deste processo, é necessária a gravação de dois vídeos para apresenta-lo e ficar
como legado para os futuros educadores.

Nesse contexto, para finalizarmos o relatório são necessárias duas ações


fundamentais: o resumo e as considerações finais.

Dessa forma, este texto visa orienta-los nessas atividades dentro da


proposta do Projeto Integrador IV, que objetiva o ensino de Geografia e História
para o 5º ano do Ensino Fundamental na perspectiva de tempo, espaço e povos
e culturas.

RESUMO

O resumo dentro do relatório é algo importantíssimo, primeiro porque


instiga o leitor a ler o restante do trabalho, e segundo porque é o texto que
influencia os motores de busca da internet para poder identificar o seu tema,
problema, solução, dentre outros aspectos, possibilitando a difusão do
conhecimento para outras pessoas.

Nesse contexto, o resumo apesar de ser o primeiro item que se apresenta


no projeto, deve ser o ultimo a ser confeccionado, porque nele devem constar
todos os itens do relatório que só estarão disponíveis ao final do mesmo.

A Univesp preconiza um resumo de no máximo 250 caracteres, isso faz


com que os autores necessitem ser sucintos e precisos na redação.
Para exemplificarmos essa ação iremos utilizar um resumo de relatório de
um PI IV já apresentado para o curso de Pedagogia e intitulado “A evolução
urbana de Ourinhos”.

Conforme o exemplo acima, a primeira parte do resumo é a apresentação


do tema, que nesse caso é a discussão do uso das tecnologias para o ensino de
História e Geografia no Ensino Fundamental, algo muito relevante para a atual
conjuntura da educação brasileira que ainda carece de incluir as tecnologias de
informação em sua didática e metodologia de ensino, principalmente na
Geografia, que tem evoluído muito devido às novas ferramentas georreferenciais
cada vez mais presentes no cotidiano das pessoas.

Após redigir o tema, o resumo supracitado apresenta o objetivo, que é


um dos itens principais do relatório. No caso desse exemplo, o objetivo geral está
coerente com a concepção do PI IV, que é a idealização e gravação de uma
videoaula para alunos do Ensino Fundamental, nesse caso, o objetivo é
desenvolver noções de paisagem da cidade de Ourinhos e as transformações
ao longo do tempo. Observem que de uma maneira muito coesa o objetivo se
funde ao tema, trabalhando interdisciplinarmente os conteúdos de História, pois
desenvolve a evolução temporal urbana do município, aliado a Geografia, pois
enfatiza a percepção da paisagem que é um dos conteúdos preconizados para
serem desenvolvidos no 5º ano do Ensino Fundamental, conforme a Base
Nacional Comum Curricular (2017).

Na sequencia os autores apresentam a justificativa do projeto, que é o


porquê esse tema deve ser abordado, atribuindo relevância ao trabalho. Nesse
exemplo, eles optaram por apresentar o problema e suas consequências para a
educação, pois a visão retrógada e as didáticas baseadas na memorização e
repetição por meio de atividades mecanizadas têm sido um dos fatores de
insucesso e evasão escolar, e as disciplinas de Geografia e História são
exemplos dessas situações negativas que necessitam ser amenizadas para a
melhoria da educação no Brasil. Portanto, esse relatório apresenta um bom
problema, e isso é um fator de suma importância para se ter um bom projeto.

Após a justificativa, os alunos de Ourinhos apresentam de forma objetiva


o método que foi empregado. Que consiste em como conseguiram chegar ao
objetivo proposto. Neste caso foram realizadas duas observações em escolas
publicas, talvez necessitasse detalhar um pouco mais o método para um melhor
entendimento das etapas, como o protótipo inicial e o planejamento da aula
virtual, enfatizando procedimentos, material utilizado, duração e avaliação, pois
quanto mais detalhado (resumidamente) o método, mais atraente e
compreensível será o resumo.

Na etapa final, é necessária a apresentação do protótipo, que é o produto


final do projeto. Nesse caso, os autores resumiram somente com o nome da
videoaula “A evolução urbana de Ourinhos”, talvez pudessem ser mais
assertivos se neste momento fosse apresentada a experiência da confecção do
protótipo e as futuras implicações desse produto, o que equivale às
considerações finais do projeto.
De forma sintetizada, no resumo é necessário utilizar aproximadamente
um paragrafo referente a cada tópico de seu projeto, numa redação coerente e
precisa, e escolher três palavras chaves que irão facilitar a busca pelos motores
de internet. Após concluído, ele deve ser traduzido para o inglês, e caso os
autores não tenham proficiência na língua inglesa, pode ser utilizado, numa fase
inicial, o Google Tradutor (https://translate.google.com.br/?hl=pt-
BR#view=home&op=translate&sl=pt&tl=en), mas depois e necessário revisar a
tradução para diminuir traduções literais inócuas e falsos cognatos que podem
ocorrer na tradução eletrônica.

CONSIDERAÇÕES FINAIS...

As considerações finais é o último momento do projeto, no qual deve


constar a aplicabilidade e a replicabilidade do protótipo em outros contextos
diferentes.

É também um bom momento para compartilhar as experiências


vivenciadas na elaboração e desenvolvimento do projeto, os insights, as
dificuldades, as potencialidades, as forças, as fraquezas, as oportunidades e as
ameaças, dentre outras situações que podem ser analisadas pelos autores.

Como este é o último momento, o grupo pode estar cansado pelo esforço
feito nas etapas anteriores, e acabar realizando as considerações finais de forma
muito sucinta ou simplista.

É importante entender que a ultima impressão muitas vezes é a que fica


na memoria do leitor, portanto sugere-se que se dê uma atenção especial para
essa etapa do relatório.

Para exemplificar e auxilia-los conceitualmente, neste momento


utilizaremos as considerações finais de um trabalho apresentado em 2019,
intitulado “Minha Escola Através dos Tempos”, dos alunos do polo de
Guarujá.
Para entendermos essas considerações finais, é necessário
compreendermos que esse projeto trouxe uma proposta de resgate histórico das
mudanças que as escolas podem sofrer no decorrer dos tempos, mudanças que
modificaram o lugar e os espaços e acompanharam as alterações culturais da
comunidade na qual a escola está inserida.

Esse projeto, de uma maneira pratica, envolve os temas do Projeto


Integrador IV, utilizando uma proposta didática dinâmica e investigativa, que vai
de encontro ao que diz João Batista Freire (1991) em seu livro Educação de
corpo inteiro, que afirma que a concretude de conceitos depende de atitudes
práticas que lhes deem significado; e também ao que diz Ana Maria Radaelli da
Silva (2002) em seu artigo Trabalho de Campo: prática "andante" de fazer
Geografia, que valoriza o trabalho de campo como instrumento fundamental para
a construção do conhecimento geográfico na perspectiva da consolidação da
prática como condição para a compreensão teórica.

Nesse contexto, talvez fosse necessário nesse relatório considerações


finais mais detalhadas e precisas, que concluíssem “em grande estilo” o
excelente trabalho desenvolvido.

Por exemplo, no primeiro paragrafo, o texto diz que o projeto contribuiu


para o ensino da Geografia e História no Ensino Fundamental, talvez fosse mais
interessante escrever como especificamente ocorreu essa contribuição, por meio
de uma redação objetiva que não repita os dizeres de etapas anteriores, esse é
o grande desafio das considerações finais.

No segundo parágrafo, no qual é abordado o método, se fez uma análise


qualitativa integrada ao objetivo da proposta. Talvez fosse mais adequado, além
dessas ações, detalhar também a experiência do método e as suas futuras
aplicabilidades, pois essa proposta pode ser replicada não somente no ensino
de Geografia e História, mas também enquanto atividades interdisciplinares com
a Língua Portuguesa, Educação Física, Artes, Ciências, dentre outras áreas do
conhecimento.

Por fim, no último parágrafo o grupo fala de maneira muito resumida sobre
a experiência da produção da videoaula, e talvez fosse interessante fazer uma
reflexão mais elaborada sobre o projeto inteiro.

Uma proposta que em nível de sugestão pode ser utilizada pelo grupo
para a avaliação e, consequentemente, a produção das considerações finais do
relatório é a analise SWOT, que é uma técnica da administração oriunda dos
termos em inglês strengths, weaknesses, opportunities e threats, que traduzida
pode ser chamada de FOFA (Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças),
sendo uma ferramenta de planejamento estratégico que proporciona uma
análise do ambiente interno e externo, e que pode ser adaptada a situação
educacional do PI.

Para isso, o grupo pode se reunir e discutir o projeto, o protótipo e a


videoaula, e aplicar a seguinte analise, conforme exemplo da professora Andrea
Garcia (2018):

Fonte: <https://profandreagarcia.com/2018/04/12/matriz-swot/>.

Por meio da técnica de Brainstorming preconizada pela Univesp como


forma de elaboração do Projeto Integrador, a análise SWOT pode auxiliar na
sistematização das discussões na fase final do relatório.

Para quem quiser se aprofundar no tema, seguem anexos alguns


materiais:

https://www.heflo.com/pt-br/swot/o-que-e-analise-swot/

http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/ic/article/view/1411/1185

https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos11/26714255.pdf

Referências Bibliográficas
FREIRE, João Batista. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação
física. São Paulo: Scipione, 1991.

SEVERO, Carolina da Silva; SILVA, Lauraci Dondé da. Autoavaliação


institucional na educação infantil: utilizando a matriz swot como ferramenta de
avaliação, Revista de Iniciação Científica da ULBRA, 2015, v. 1, n. 13.

SILVA, Ana Maria Radaelli da. Trabalho de Campo: prática" andante" de fazer
Geografia, Geo UERJ, 2002, v. 11, n. 61.

SILVA, Andréia Aparecida et al. A utilização da matriz Swot como ferramenta


estratégica: um estudo de caso em uma escola de idioma de São Paulo. In:
Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, 8., 2011, Resende. Anais...
Rezende: [s.i]., [s.i.]. p 1-11.