Você está na página 1de 32

Guia de cultivo de cogumelo

Psilocybe cubensis
Mundo dos Cubensis

/mundodoscubensis
/mundodoscubensis_
1. Índice
1. Índice
2. História
3. Introdução ao Cultivo
4. Nomenclatura
5. Como ter sucesso no Cultivo
6. Preparando a Solução de Esporos
7. Preparando a Cultura Líquida
8. Preparando o bolo - PFTEK
9. Preparando o spawn – Grãos
1. Milho de Pipoca
2. Trigo
10. Inoculação
1. Inoculação com Solução de Esporos ou Cultura Líquida
2. Transferindo Grãos Colonizados (GTG)
11. Incubação e Colonização
12. Montando o Terrário
13. Frutificação
1. Bolos PFTEK - Aniversário
2. Bolos PFTEK - In vitro
3. Casings
4. Monotube
14. Colheita e Desidratação
1. Colheita
2. Desidratação
15. Carimbo de Esporos
16. Como estender vida útil das Colônias(DUNK/Hidratação)
17. Contaminações
2. História

Os cogumelos alucinógenos, conhecidos também como


cogumelos mágicos ou sagrados, são utilizados em cerimônias e
rituais religiosos a milhares de anos por diversos povos e
culturas, como os Maias, Astecas e Mazatecas. Pinturas
rupestres que datam de 5000 a.c. foram descobertas e sugerem
que os cogumelos já eram utilizados em rituais xamânicos.
Os fungos dos gêneros Psilocybe, Panaeolus e
Conocybe contém mais de 180 espécies. Entre eles, um dos
mais comuns na América do Sul e Central é o Psilocybe
cubensis.
A popularidade dos cogumelos mágicos teve uma grande
explosão nos anos 60, principalmente entre o movimento hippie
na américa do norte.
Estudos recentes revelam que os cogumelos Psilocybe
cubensis podem auxiliar no tratamento de depressão, ansiedade,
TOC, traumas psicológicos, enxaqueca aguda, TDA, TDAH e
dependência química como o alcoolismo e o tabagismo.
3. Introdução ao Cultivo
Os cogumelos Psilocybe cubensis são
Resumo das etapas de cultivo:
cultivados em grãos ou substratos enriquecidos como por
exemplo o PFTEK (Psilocybe fanaticus tek). O processo se
1. PREPARAÇÃO DO SUBSTRATO: Siga a receita PFTEK ou
resume em criar uma colônia do fungo em um grão rico em
cozinhe o grão escolhido;
amido(arroz integral, milho, trigo, cevada, centeio, etc e
2. ESTERILIZAÇÃO: Distribua o substrato em copos de PP ou vidro.
frutifica-la em uma câmara úmida para obter os frutos
Tape os copos com papel alumínio. Cozinhe esses copos na
(cogumelos).
panela de pressão com água por 50 minutos. Após a panela esfriar
a totalmente, você deve retirar os copos e lacrar com fita adesiva;
3. INOCULAÇÃO: Em seguida, utilize uma solução de esporos ou
uma cultura do fungo para criar sua nova colônia;
4. INCUBAÇÃO: Leve os copos recém inoculados para uma caixa
térmica totalmente escura, sob temperatura de 25-30°C e
recebendo alguns segundos de luz diariamente para direcionar o
crescimento micelial;
5. COLONIZAÇÃO: Entre 10 e 40 dias, os bolos vão estar
completamente tomados pelo fungo;
6. INDUÇÃO A FRUTIFICAÇÃO: Leve a colônia ao terrário (câmara
úmida) com temperatura média de 25°C;
7. FRUTIFICAÇÃO E COLHEITA: Os primeiros cogumelos surgem
em 7-10 dias e amadurecem em até 5 dias;
8. DESIDRATAÇÃO E ARMAZENAMENTO: Recomenda-se que
após a colheita os cogumelos sejam desidratados para serem
conservados por mais tempo. Você pode utilizar um ventilador ou
um túnel de vento nessa etapa;
4. Nomenclatura
Bolo: É o termo utilizado para descrever a receita de cultivo onde posteriormente será desenvolvida a colônia do fungo. Geralmente são feitos
com a receita clássica PFTEK (arroz integral + vermiculita);

Terrário: É o termo utilizado para descrever o local onde se cultiva o cogumelo, seguindo o princípio de câmara úmida.

Aniversário: É o ato de colocar o bolo no terrário sob vermiculita levemente úmida para frutifica-lo;

Spawn: É o termo utilizado para descrever a colônia que foi desenvolvida em algum grão, geralmente milho ou trigo.

Casing: É uma estratégia de cultivo. Consiste em preparar e distribuir as colônias em bandejas. Seu objetivo é proteger o fungo e fornecer uma
reserva de água para a colônia frutificar com melhor desempenho. Geralmente são confeccionados a partir de grãos colonizados e vermiculita
expandida.

Cultura líquida: É o exemplo de micélio vivo desenvolvido em uma solução nutritiva (água destilada + dextrose). Elas são amplamente utilizadas
para acelerar o processo de colonização do fungo no substrato, uma vez que o micélio do fungo já está desenvolvido, o tempo de colonização é
menor.

Inoculação: Ato de inserir esporos ou cultura em um substrato estéril, a fim de iniciar um novo ciclo de cultivo(Nova colônia).

Incubação: Processo no qual o fungo é induzido ao crescimento no substrato, em local escuro sob temperatura de 25 a 30°C.

Colonização: É o processo do desenvolvimento do fungo no substrato.


4. Nomenclatura
Frutificação: Processo no qual a colônia gera os frutos (cogumelos).

Corpo frutífero: Referência ao fruto do fungo, o cogumelo.

Carimbo de esporos: São os esporos do fungo que são coletados no papel alumínio.

Solução de esporos: É confeccionada a partir de um carimbo de esporos + água destilada. São utilizadas para iniciar o desenvolvimento do
fungo no substrato ao qual deseja iniciar o cultivo.

Micélio: Consiste de uma massa de ramificação formada por um conjunto de hifas emaranhadas.

Contaminação: é o termo utilizado para descrever a presença de outros microrganismos competidores ao substrato onde se cultiva o fungo. Os
mais comuns no cultivo de cogumelos são o trichoderma sp(duende verde) e o cobweb.

Hidratação/ Dunk: Técnica utilizada para hidratar as colônias após frutificação.

Monotube: É uma estratégia de cultivo. Consiste em preparar e distribuir a colônia utilizando todo o terrário. Seu objetivo é proteger o fungo e
fornecer uma reserva de água para a colônia frutificar com melhor desempenho. Geralmente são confeccionados a partir de grãos colonizados e
vermiculita expandida.

Flush: É o termo utilizado para descrever as levas de cogumelos que nascem no bolo/casing. Exemplo: O casing está no segundo flush.
5. Como ter sucesso no Cultivo
No que diz respeito a cultivar um fungo em um meio de cultura estéril, pode-se dizer
que o fator determinante no cultivo é a higiene durante os processos (DESINFECÇÃO E
ESTERILIZAÇÃO).

Em todos os procedimentos descritos neste manual, nós recomendamos:

● a desinfecção das mãos com álcool 70% de 8 em 8 minutos;


● a desinfecção e limpeza prévia dos materiais e do local com água sanitária;
● impedir a circulação de ar no local onde irá fazer os procedimentos;
● fazer os procedimentos próximo a uma chama (barreira de calor);

As dicas acima devem ser seguidas a risca ou o processo de


cultivo será comprometido.
6. Preparando a Solução de Esporos
A solução de esporos é confeccionada com água (estéril) e esporos (carimbo). Ela é utilizada para iniciar o cultivo.

Materiais:

● Água mineral ou destilada lacrada;


● Carimbo de esporos;
● Colher ou espátula;
● Copo;
● Recipiente para misturar a solução;
● Seringa estéril(5,10 ou 20ml);
● Álcool 70%;

Métodos:

● Limpe todos os equipamentos com álcool 70%;


● Adicione 30ml de água no copo;
● Abra o papel alumínio onde está o carimbo e raspe os esporos para dentro do copo com a colher ou espátula;
● Com a seringa, puxe a solução e insira no copo novamente, criando agitação para misturar os esporos;
● Puxe a solução com a seringa. Remova todo o ar restante dentro da seringa;
● Agora sua seringa está pronta para uso e deve ser armazenada em geladeira.

OBS: As soluções de esporos duram em média um ano após serem confeccionadas.


7. Preparando a Cultura Líquida
Cultura líquida é o termo utilizado para se referir a uma solução de micélio vivo
suspenso. É conhecida por sua rapidez no processo de colonização.

Materiais:

● Água mineral ou destilada;


● Dextrose;
● Recipiente de vidro com tampa, de preferência 500ml;
● Solução de esporos ou placa de petri colonizada;
● Seringa estéril(5,10 ou 20ml) com agulha de calibre grosso;
● Álcool 70%;
● Fita microporosa;
● Seringa estéril;

Métodos:

● Em um recipiente, misture 250ml de água e 2 gramas de dextrose;


● Distribua a solução nos recipientes, ocupando no máximo ⅓ do do seu espaço;
● Tampe o recipiente. Faça um furo de 1cm em sua tampa e tape-o com fita
microporosa;
7. Preparando a Cultura Líquida
Métodos:

● Coloque os recipientes com a solução dentro da panela de pressão com água até a metade dos
copos, tampe e leve ao fogo. Assim que a panela iniciar a pressão, regule para fogo baixo e aguarde
40 minutos. Após esse tempo, desligue a panela e espere esfriar totalmente (cerca de 8 horas);
● Após esfriar, abra a panela, retire os copos e lacre-os imediatamente com fita adesiva;
● Agite a solução em círculos por 1 minuto. Isso irá aumentar a oxigenação da cultura;
● Agora sua que sua cultura líquida está estéril, basta inocular com uma seringa de solução de esporos
ou com uma placa de BDA colonizada;
● Leve sua cultura para incubação,em uma caixa térmica, sob temperatura de 25-30°C;
● Abra a caixa 1 vez por dia verificando os estágios de colonização da sua cultura. Em 4 dias é
possível observar o desenvolvimento micelial. Leva cerca de 12 dias até a cultura estar e apta ao
uso;
● Então você deve agitar a solução para quebrar o micélio desenvolvido na cultura, logo, puxar a
solução com a seringa. Remova todo o ar restante dentro da seringa;
● Agora sua cultura líquida está pronta para uso e deve ser armazenada em geladeira.

OBS: As culturas líquidas duram em média um ano após serem confeccionadas e sempre devem ser
armazenadas em geladeira.

.
8. Preparando o bolo - PFTEK
PFTEK significa Psilocybe fanaticus tek, foi criado por Robert
McPherson como uma receita prática de cultivo.

Materiais:

● Vermiculita expandida;
● Arroz integral;
● Copos de PP ou de vidro;
● Papel alumínio;
● Panela de pressão;

Métodos:

● Triture o arroz integral no liquidificador até virar farinha;


● Em um recipiente, coloque 2 partes de vermiculita expandida,1 parte de farinha de arroz integral e 1 parte de água. Misture bem
até a mistura ficar homogênea;
● Coloque a receita em um copo de PP ou de vidro deixando dois dedos de folga. Tampe com duas folhas de papel alumínio. Aperte bem
para que o papel alumínio não solte durante o cozimento;
● Coloque os bolos dentro da panela de pressão com água até a metade dos copos, tampe e leve ao fogo.
● Assim que a panela iniciar a pressão, regule para fogo baixo e aguarde 50 minutos. Após esse tempo, desligue a panela e espere
esfriar totalmente (+-12 horas);
● Após esfriar, abra a panela, retire os copos e lacre-os imediatamente;
● Agora seu bolo PFTEK está estéril e pronto para ser inoculado!
9. Preparando o spawn - Grãos
9.1. Milho de Pipoca

Materiais:

● Milho de pipoca;
● Panela (6x o volume do milho);
● Papel alumínio;
● Panela de pressão;
● Copos de PP ou de vidro;
● Escorredor ou peneira;

Métodos:

● Coloque 500g de milho em uma panela e adicione 3 litros de água;


● Coloque a panela no fogo até a água iniciar a ferver e desligue;
● Repita esse processo por 3 dias, com pausa de 24h entre cada fervimento;
● Após os cozimentos, coloque o milho em um escorredor ou peneira e deixe escorrer completamente o excesso de água ( 8 horas).
Coloque o milho na geladeira por 6 horas;
● Agora que o grão já está hidratado, você pode colocar em um recipiente de PP ou de vidro deixando 1/4 do seu espaço vazio. Cubra o
copo com duas folhas de papel alumínio;
● Leve os recipientes a panela de pressão com água até a metade dos copos, tampe e leve ao fogo. Assim que a panela iniciar a pressão,
regule para fogo baixo e aguarde 1 hora. Após esse tempo, desligue a panela e espere esfriar totalmente (+-12 horas);
● Após a panela esfriar, retire os copos da panela e lacre-os imediatamente;
● Agora seu milho está estéril e pronto para ser inoculado!
9. Preparando o spawn - Grãos
9.2. Trigo

Materiais:

● Trigo em grão;
● Papel alumínio;
● Panela de pressão ou panela (6x volume do trigo);
● Copos de PP ou de vidro;
● Escorredor ou peneira;

Métodos:

● Escolha a técnica:

Técnica 1: Coloque 500g de trigo em uma panela e adicione 3 litros de água. Coloque a panela no fogo (baixo). Cozinhe até que o interior
(miolo) do grão fique totalmente transparente. Após o cozimento, coloque o trigo em uma peneira ou escorredor até sair completamente o
excesso de água.
9. Preparando o spawn - Grãos

Técnica 2 (Titia Cris Tek): Em uma panela de pressão, coloque o trigo e água suficiente para cobrir o trigo, tampe e leve ao fogo. Quando
iniciar a pressão, aguarde 1 minuto e desligue o fogo. Após a panela perder a pressão, coloque o trigo em uma peneira ou escorredor até sair
completamente o excesso de água.

Métodos:

● Agora que o grão já está hidratado, você pode colocar em um recipiente de PP ou


de vidro deixando 1/4 do seu espaço vazio. Cubra o copo com duas folhas de papel
alumínio;
● Leve os recipientes a panela de pressão com água até a metade dos copos, tampe e
leve ao fogo. Assim que a panela iniciar a pressão, regule para fogo baixo e aguarde
1 hora. Após esse tempo, desligue a panela e espere esfriar totalmente (+-12 horas);
● Após a panela esfriar, retire os copos da panela e lacre-os imediatamente;
● Agora seu trigo está estéril e pronto para ser inoculado!
10. Inoculação
Inoculação é o processo de introduzir o fungo na cultura através da solução de esporos, cultura líquida ou substrato colonizado (GTG). A
quantidade de inóculo varia de acordo com o volume do substrato a ser colonizado. A inoculação pode ser feita através da solução de esporos,
da cultura líquida ou transferindo grãos já colonizados (GRAIN TO GRAIN).

10.1. Inoculação com Solução de Esporos ou Cultura Líquida

Materiais:

● Seringa de solução de esporos ou cultura líquida;


● Fita Microporosa;
● Álcool 70%;
● Substrato estéril;

Métodos:

● Retire da geladeira sua solução de esporos ou cultura líquida 24 horas antes dos procedimentos
seguintes;
● Em um ambiente limpo e com pouca circulação de ar, agite a seringa para misturar a solução ou partir o
micélio;
● Aqueça a agulha da seringa até ficar totalmente alaranjada (+/- 5 segundos). Aguarde de 6 a 10
segundos;
● Introduza 1 ml de solução para cada 100ml de substrato a ser colonizado;
● Tape o furo com fita microporosa imediatamente após remover a seringa;
● Repita o primeiro passo para introduzir a solução em outros recipientes;
11. Inoculação
10.2. Transferindo Grãos Colonizados (GTG)

Consiste em transferir grãos já vivos para um substrato estéril, a fim de


colonizar de obter novos substratos colonizados rapidamente.

Materiais:

● Bolo ou spawn colonizado;


● Bolo ou spawn estéril;
● Barreira de calor (fogão ou velas);
● Álcool 70%;
● Luvas;
● Fita adesiva;

Métodos:

● Em um ambiente limpo e com pouca circulação de ar, monte uma barreira de calor;
● Solte o spawn batendo suavemente o copo;
● Com a mão higienizada quebre o bolo em partes pequenas(utilize uma colher desinfetada se necessário);
● Coloque o substrato a ser colonizado no meio da barreira de calor;
● Abra e transfira rapidamente a proporção de 1:5 de substrato colonizado para substrato estéril. Feche
imediatamente os potes com fita adesiva. (É muito importante que essa etapa seja feita com rapidez, pois o
tempo de exposição define a eficiência do processo);
● Leve os copos inoculados para incubação;
11. Incubação e Colonização
O processo de incubação é o estágio onde se inicia o desenvolvimento micelial do fungo. Através da
solução de esporos a colonização se inicia entre 6 e 10 dias após a inoculação, com a cultura líquida
o tempo é reduzido para 4 dias. Neste estágio as culturas NÃO devem receber luz e nem ventilação,
uma vez que atrapalham o desenvolvimento do micélio.

Materiais:

● Recipiente térmico (isopor ou cooler);


● Aquecedor de aquário com termostato (se sua região tiver temperatura média inferior a
20°C);
● Garrafa pet 2L higienizada;
● Fita isolante;

Métodos:

● Desinfete e seque totalmente o recipiente térmico;


● Regule a temperatura do termostato para 28-30°;
● Coloque o aquecedor dentro da garrafa pet e preencha a com água. Lacre a boca da garrafa
com fita isolante (para impedir a evaporação da água) e leve ao recipiente térmico;
● Coloque as culturas a serem colonizadas dentro da caixa;
● Abra a caixa 1 vez por dia verificando os estágios de colonização e assim que estiverem
completamente colonizados, as colônias podem ser frutificadas.
12. Montando o Terrário
Terrário é o termo utilizado para descrever o local de frutificação das colônias.
Seu princípio é de câmara úmida. Funciona em qualquer recipiente plástico
fechado, com filtros de TNT e água em seu interior. Esta é o coração do cultivo,
tenha muito cuidado e atenção durante a montagem. Utilize uma faca quente ou
uma serra copo para facilitar o corte no recipiente onde será o terrário.

Materiais:

● Caixa Plástica transparente 40L ou balde 20L (mínimo de 25cm de


altura);
● Argila expandida ou perlita, suficiente para forrar o fundo da caixa;
● TNT ou máscara cirúrgica;
● Aquecedor de aquário com termostato (se em sua região a temperatura
média for abaixo de 20°C);
● Borbulhador ou bombinha de aquário (auxilia na oxigenação do
terrário/opcional);
● Termômetro ou termohigrômetro (monitoramento de temperatura e
umidade);
● Água sanitária;
12. Montando o Terrário
Métodos:

● Se usar argila: Coloque a argila de molho por 24h em um recipiente com água
sanitária. Higienize com água corrente a fim de remover o excesso de água sanitária;
Se usar perlita: não é necessário a pré desinfecção.
● Faça entre 4 e 6 furos de 4x4cm na caixa e tape com TNT ou máscara cirúrgica.
Utilize fita microporosa ou fita adesiva para fixar;
● Lave a caixa plástica com água sanitária. Posteriormente, higienize com álcool 70%;
● Adicione a argila ou perlita no fundo da caixa. Coloque uma colher de chá(pequena)
de água sanitária no seu recipiente, em seguida cubra com água;
● Coloque o aquecedor dentro da garrafa pet e preencha a com água. Lacre a boca da
garrafa com fita isolante (para impedir a evaporação da água) e leve a caixa. Regule
a temperatura do termostato para 25°C;
● Coloque o borbulhador ou a bombinha de água em um copo. Preencha o copo com
água e coloque na caixa (opcional);
● Agora você pode levar seus bolos ou casings para frutificar no terrário! Não se
esqueça de abrir o terrário de uma a três vez ao dia para efetuar a troca gasosa,
e se estiver pouco úmido, você deve borrifar água mineral suavemente pelas
laterais.

OBS: *Caso sua região tenha temperatura média abaixo de 20°C, indicamos o uso de
um aquecedor de aquário.**O borbulhador ou a bombinha automatiza o sistema de
troca gasosa, reduzindo o manejo.***O termo-higrômetro facilita no monitoramento de
umidade e temperatura, facilitando o cultivo.****Não deixe as colônias entrarem em
contato com a água do terrário.
13. Frutificação
13.1. Bolos PFTEK - Aniversário

O aniversário dos bolos PFTEK são feitos colocando-os sob um prato forrado com uma camada de
vermiculita levemente umedecida. Você também pode induzir os bolos com choque térmico e
hidratação antes de frutifica-los.

Materiais:

● Terrário;
● Vermiculita estéril;
● Água mineral(lacrada);
● Borrifador;
● Prato;
● Álcool 70%

Métodos:

● Limpe o prato com álcool 70%;


● Coloque vermiculita no prato e umedeça levemente com água mineral;
● Coloque o bolo em cima da vermiculita úmida;
● Leve o prato com o bolo ao terrário. Entre 6 e 10 dias os cogumelos iniciarão o
desenvolvimento;
13. Frutificação
13.2. Bolos PFTEK - In vitro

A técnica é bem simples, consiste em frutificar os bolos colonizados apenas usando a


luz, sem necessidade de um terrário. É muito utilizada por cultivadores que buscam uma
forma de obter cogumelos extremamente concentrados em principio ativo, apesar de seu
baixo rendimento.

Materiais:

● Bolo colonizado;

Métodos:

● Coloque os bolos colonizados em um local que receba luz indiretamente do dia;


● Entre 7 e 14 dias os bolos iniciarão a frutificação, podem ser colhidos e levados
a frutificação clássica(aniversário);

OBS: é recomendado hidratar os bolos a cada flush, uma vez que esses bolos
ressecam mais rapidamente que os demais.
13. Frutificação
13.3. Casings

Os casings são utilizados para aumentar o rendimento do cultivo. A técnica constitui em proteger a colônia
de ressecamento e fornecer uma reserva de água para o fungo durante o estágio de frutificação. Podem
ser preparados com bolos PFTEK ou grãos colonizados(spawn). Geralmente, o substrato utilizado na
bandeja constitui vermiculita e fibra de coco em pó na proporção de 1:1, podendo variar de acordo com a
escolha do cultivador. Se morar em regiões quentes, o cultivador deve optar pelo uso somente da
vermiculita, pois a fibra de coco sob altas temperaturas certamente irá atrair contaminantes.

Materiais:

● Terrário;
● Vermiculita;
● Fibra de coco em pó(opcional);
● Água mineral (lacrada);
● Borrifador;
● Bandeja escura (mínimo 8cm de altura);
● Papel alumínio;
● Bolos ou spawn colonizado;

Métodos:

● Em um recipiente, misture 1 parte de fibra de coco em pó(OPCIONAL) e 1 parte de vermiculita e 2


partes de água. Mexa até que o substrato fique homogêneo obs: se não utilizar o coco, utilize 2
medidas de vermiculita;
13. Frutificação
● Coloque o substrato em recipientes de vidro ou Plástico (PP) e tape
com duas folhas de papel alumínio;
● Coloque os recipientes com o substrato dentro da panela de pressão
com água até a metade dos copos, tampe e leve ao fogo. Assim que a
panela iniciar a pressão, regule para fogo baixo e aguarde 40 minutos.
Após esse tempo, desligue a panela e espere esfriar totalmente (cerca
de 12 horas);
● Limpe a bandeja com álcool 70%;
● Coloque uma camada espessa(+-4cm) do substrato estéril na bandeja,
umedeça levemente com água mineral;
● Quebre os bolos em partes pequenas ou espalhe os grãos colonizados
pela bandeja;
● Cubra o material colonizado com uma camada fina do substrato estéril;
● Cubra a bandeja com uma folha de papel alumínio;
● Faça pequenos furos (inferior a 1cm) no papel alumínio e tape com fita
micropore;
● Leve a bandeja ao terrário/incubadora de 28-30°C por 8 dias;
● Após o término da colonização, leve o casing ao terrário e retire sua
tampa. Se a superfície do casing estiver totalmente colonizada, você
deverá cobri-lo com uma camada fina de vermiculita estéril;
● Borrife água mineral nas laterais do terrário se apresentar pouca
umidade;
● Entre 6-10 dias os cogumelos irão iniciar o desenvolvimento e em 4
dias estarão no ponto para serem colhidos.
13. Frutificação
13.4. Monotube

A técnica consiste em utilizar todo o recipiente como base para preparo do substrato. São
formulados como os casings, com a intenção de proteger a colônia de ressecamento e fornecer uma
reserva de água para o fungo durante o estágio de frutificação, só que desta vez, utilizando um
único tubo(todo seu terrário). Podem ser preparados com bolos PFTEK ou grãos
colonizados(spawn). Geralmente, o substrato utilizado no monotube constitui vermiculita e fibra de
coco, podendo variar de acordo com a escolha do cultivador. Se morar em regiões quentes, o
cultivador deve optar pelo uso somente da vermiculita, pois a fibra de coco sob altas temperaturas
certamente irá atrair contaminantes.

Materiais:

● Terrário(balde 20L ou caixa 40L);


● Vermiculita(2 a 6L);
● Fibra de coco em pó(opcional);
● Água mineral (lacrada);
● Borrifador;
● Saco de lixo;
● 5 Bolos ou spawn colonizado;

Métodos:

● Em um recipiente, misture 1 parte de fibra de coco em pó(OPCIONAL) e 1 parte de


vermiculita e 2 partes de água. Mexa até que o substrato fique homogêneo obs: se não
13. Frutificação
● Coloque o substrato em recipientes de vidro ou Plástico (PP) e tape
com duas folhas de papel alumínio;
● Coloque os recipientes com o substrato dentro da panela de pressão
com água até a metade dos copos, tampe e leve ao fogo. Assim que a
panela iniciar a pressão, regule para fogo baixo e aguarde 40 minutos.
Após esse tempo, desligue a panela e espere esfriar totalmente (cerca
de 12 horas);
● Limpe o terrário e o saco de lixo com álcool 70%;
● Acomode o saco de lixo a fim de formar uma bolsa de proteção no
fundo do terrário(isso irá impedir que os cogumelos de cresçam para
baixo);
● Coloque uma camada espessa(+-4cm) do substrato estéril no fundo da
caixa, umedeça levemente com água mineral;
● Quebre os bolos em partes pequenas ou espalhe os grãos colonizado
de maneira uniforme pela superfície do substrato;
● Cubra o material colonizado com uma camada fina do substrato estéril;
● Leve o monotube para incubadora(sem receber luz) de 26-30°C por
8 dias;
● Após o término da colonização, leve o monotube para frutificação(sob
luminosidade e temperatura média de 25°C). Se a superfície do
Monotube estiver totalmente colonizada, você deverá cobri-lo com uma
camada fina de vermiculita estéril;
● Borrife água mineral nas laterais do Monotube se apresentar pouca
umidade;
● Entre 6-10 dias os cogumelos irão iniciar o desenvolvimento e em 4
14. Colheita e Desidratação
Enfim chegou a hora tão esperada: A COLHEITA! O ponto ideal para colheita é quando o véu
dos cogumelos inicia seu rompimento. Os cogumelos devem ser colhidos em um local limpo e
com pouca circulação de ar, e quando removidos dos casings ou bolos, devem ser removidos
por completos. A desidratação dos cogumelos é recomendada para armazená-los por um longo
período de tempo e para preservar o princípio ativo do cogumelo. O processo de desidratação
pode demorar de 1 a 8 dias. Quanto mais rápida a desidratação, mais preservado será o
princípio ativo do cogumelo.

14.1. Colheita

Materiais:

● Álcool 70%;
● Luvas de borracha;

Métodos:

● Com as mãos previamente limpas com álcool 70%, remova os cogumelos do casing ou
bolo sem deixar partes restantes do cogumelo no bolo. Qualquer parte do cogumelo
que restar no bolo ou casing inicia sua decomposição atraindo contaminantes;
● Higienize o cogumelo com água corrente, se preciso, use uma faca para remover a
vermiculita restante;
14. Colheita e Desidratação
14.2. Desidratação

Materiais:

● Ventilador ou Cooler alta rotação;


● Cano de PVC;
● Tela ou peneira;
● Sílica atóxica ou antimofo sem odor (natural);

Métodos:

● Coloque os cogumelos em uma tela ou peneira;


● Túnel de vento:
Técnica 1: Coloque o cooler de alta rotação na ponta de um cano de PVC,
direcionando ar para tubulação. Coloque os cogumelos em uma tela dentro do cano.
Técnica 2: Posicione a tela ou peneira em frente do ventilador ou cooler, para que o
mesmo retire a umidade dos cogumelos.
● Os cogumelos estão desidratados quando estiverem quebradiços, neste ponto, eles
podem ser levados a um pote hermético ou saco plástico contendo sílica atóxica ou um
antimofo natural. É imprescindível que este pote não tenha contato com o ar. Se os
cogumelos forem armazenados corretamente (lugar seco e escuro) podem durar anos.
15. Carimbos de Esporos
Os carimbos de esporos são retirados após o amadurecimento dos corpos frutíferos (cogumelos).
Em geral, o melhor momento para colher os carimbos é quando o chapéu abre completamente,
podendo variar de entre genéticas. As variedades Mexican Dutch King e Ecuador são conhecidas
pela sua produção de esporos em abundância.

Materiais:

● Papel alumínio;
● Uma pinça ou clips;
● Pote plástico com tampa;
● Papel toalha;
● Estilete;
● Cogumelos em sua maturidade (após o rompimento do véu);
● Álcool 70%;

Métodos:

● Corte o papel alumínio em tiras de 10 x 10cm, limpe com álcool 70%;


● Higienize o recipiente plástico, a pinça/clips e o estilete;
● Coloque o papel alumínio no recipiente plástico;
15. Carimbos de Esporos
Métodos:

● Com a pinça/clips, segure o chapéu do cogumelo a ser retirado o


carimbo, corte a haste do cogumelo com o estilete;
● Coloque o chapéu imediatamente no papel alumínio, cubra com
papel toalha da e tampe o recipiente;
● Após 6-8 horas, o carimbo estará fixado no papel aluminio. Então
você deve abrir o recipiente e tirar o chapéu do cogumelo
carimbado, fechando o papel alumínio instantaneamente;
● Agora você deverá armazenar o carimbo em um pote hermético ou
saco ziplock em local escuro. Se bem armazenados, eles podem
durar anos!
16. Como estender a vida útil das Colônias(DUNK/Hidratação)
As técnicas de hidratação e a rolagem, também conhecidas como dunk and roll, são técnicas para
preservar, melhorar produtividade e induzir a colônia a frutificar por um mais tempo. Ela consiste em
submergir a colônia em água por 12h em geladeira.

Materiais:

● Água mineral ou destilada lacrada;


● Recipiente plástico;
● Vermiculita estéril;
● Álcool 70%;
● Colônia a ser hidratada;

Métodos:

● Em um pote previamente limpo com álcool 70%, coloque os bolos ou casings em submersão
na água mineral ou destilada (se necessário, utilize um objeto previamente limpo com álcool
70% para manter a colônia submersa) ;
● Leve o recipiente para geladeira;
● Após 12 horas, retire o recipiente da geladeira. Escorra totalmente a água, se precisar, retire
o excesso de água com papel toalha(normalmente o micélio fica com a coloração azulada
após esse processo);
● Rolagem: Para bolos: Role o bolo na vermiculita estéril. Para casings: Cubra a bandeja com
uma fina camada de vermiculita estéril;
● Coloque a colônia no terrário e aguarde o novo ciclo;
17. Contaminações
São considerados contaminantes ou contaminações os microorganismos indesejáveis que
infestam e se proliferam no cultivo. Geralmente, as contaminações aparecem por falta de
higiene, falha no processo de esterilização,temperatura fora do parâmetro de cultivo (alta ou
baixa), pouca umidade ou ressecamento. Também é comum que os contaminantes ataquem
bolos após alguns flushs, pois as colônias mais velhas tendem ficarem vulneráveis a outros
microorganismos.

Não existe nenhuma técnica efetiva para remover contaminações do seu cultivo. Se tiver outras
colônias no mesmo terrário, recomendamos que você retire imediatamente após a
identificação, pois eles podem transferir os contaminantes para bolos sadios.

Se esta é sua única colônia, você pode tentar remover a parte contaminada com uma colher
desinfetada ou enterrá-la em algum vaso ou jardim para conseguir mais um flush.

Nunca retire carimbos de colônias com indícios de contaminantes. Colônias infestadas


devem ser descartadas em locais distantes do local de produção.
Agradecimentos
Agradecemos a todos aqueles que contribuíram de alguma forma com esse manual.

Que a santa Psila vos abençoe!

https://www.mundodoscubensis.com /