Você está na página 1de 9

Composição Química das Células

A matéria é feita de combinações de elementos, tais como substâncias de


hidrogênio ou de carbono que não pode ser quebrada ou convertida em outras
substâncias por meios químicos.

A menor partícula de um elemento que ainda mantém suas propriedades químicas


distintas é um átomo.

No entanto, as características dos outros do que os elementos puros incluindo-os


materiais a partir dos quais as células vivas são substâncias feitas-dependerá da
forma como os seus átomos estão ligados entre si em grupos para formar
moléculas.

Para entender como os organismos vivos são construídos a partir de matéria


inanimada, portanto, é crucial saber como todas as ligações químicas que mantêm
os átomos unidos nas moléculas são formadas.

A estrutura da célula resulta da combinação de moléculas organizadas em uma


ordem muito precisa.

Composição Química das Células

Os componentes químicos da célula são classificados:


Inorgânicos (água e minerais) e
Orgânicos (ácidos nucléicos, carboidratos, lípides e proteínas).
Deste total, 75 a 85% corresponde a água, 2 a 3% sais inorgânicos e o restante são
compostos orgânicos, que representam as moléculas da vida.

Uma grande parte das estruturas celulares contêm lípides e moléculas grande
denominadas macromoléculas ou polímeros, formado a partir de monômeros ou
unidades integradas (micromoléculas), que se prendem entre si por ligações
covalentes.

ÁGUA
A água é um dos compostos mais importantes, bem como o mais abundante,
sendo vital para os organismos vivos. Fora da célula os nutrientes estão dissolvidos
em água, que facilita a passagem através da membrana celular e , dentro da célula,
é o meio onde ocorre a maioria das reações químicas.
Ela tem propriedades estruturais e químicas que a tornam adequada para o
seu papel nas células vivas como:
A água é um a molécula polar, pois tem distribuição desigual das cargas, capaz de
formar quatro pontes de hidrogênio com as moléculas de água vizinhas e por isso
necessita de uma grande quantidade de calor para a separação das moléculas
(100o C).

É um excelente meio de dissolução ou solvente .

A polaridade facilita a separação e a recombinação dos íons de hidrogênio (H+) e


íons hidróxido (OH-), é o reagente essencial nos processos digestivos , onde as
moléculas maiores são degradadas em menores e faz parte de várias reações de
síntese nos organismos vivos

As pontes de hidrogênio relativamente fortes a tornam um excelente tampão de


temperatura.

Estrutura de uma molécula de água


Percentagem
Element
de Peso Uso
o
Corporal

Este elemento é, obviamente, o elemento mais


importante do corpo humano. Os átomos de oxigénio
estão presentes na água, que é o composto mais comum
65% Oxigênio
no corpo, e outros compostos que formam tecidos.
Também se encontram no sangue e nos pulmões devido
à respiração.

18,6% Carbono O carbono é encontrado em cada molécula orgânica no


corpo, bem como o produto residual de respiração
(dióxido de carbono). Ele é normalmente ingerida em
alimentos que se come.

O hidrogénio é encontrado em todas as moléculas de


Hidrogêni
9,7% água no organismo, bem como de muitos outros
o
compostos que constituem os vários tecidos.

O azoto é muito comum em proteínas e compostos


3,2% Azoto orgânicos. Também está presente nos pulmões, devido à
sua abundância na atmosfera.

O cálcio é um componente primário do sistema do


1,8% Cálcio esqueleto, incluindo os dentes. Encontra-se também no
sistema nervoso, músculos, e o sangue.

Este elemento é comum nos ossos e dentes, bem como


1,0% Fósforo
ácidos nucleicos.

O potássio é encontrado nos músculos, nervos, e certos


0,4% Potássio
tecidos.

Sódio é excretada no suor, mas também é encontrado


0,2% Sódio
nos músculos e nervos.

O cloro está presente na pele e facilita a absorção de


0,2% Cloro
água pelas células.

Magnésio serve como um cofactor para várias enzimas no


0,06% Magnésio
corpo.

O enxofre está presente em muitos aminoácidos e


0,04% Enxofre
proteínas.

O ferro é encontrado principalmente no sangue, uma vez


0,007% Ferro
que facilita o transporte de oxigênio.

0,0002% Iodo iodo é encontrado em certos hormônios na glândula


tireóide.

A Importância de compostos orgânicos no celular


1. Os hidratos de carbono
Fornecimento de energia para os processos celulares
Um meio de armazenamento de energia
Dar apoio estrutural para as paredes celulares
2. Lipídeos
Armazenar grandes quantidades de energia durante longos períodos de tempo
Agir como uma fonte de energia
Desempenham um papel importante na estrutura das membranas celulares
Agir como uma fonte de água metabólica
Reduzir a perda de água por evaporação
3. Proteínas
Ato como blocos de construção de muitos componentes estruturais da célula;
necessários para o crescimento
Formulário de enzimas que catalisam reações químicas
Formulário de hormônios que controlam o crescimento eo metabolismo
4. Os ácidos nucleicos
Contêm a informação genética de células
Desempenham um papel vital na síntese de proteínas
A importância da água na célula
A água é importante para toda a vida, porque as suas propriedades químicas e
físicas lhe permitem sustentar a vida.
A água é uma molécula polar que consiste de 2 átomos de hidrogénio e um átomo
de oxigénio. Uma molécula polar é uma molécula com uma distribuição desigual de
cargas. Cada molécula tem uma carga positiva e uma extremidade de carga
negativa. Moléculas polares se atraem, bem como íons. Devido a esta propriedade,
a água é considerada o solvente de vida.
É o meio de transporte no sangue
Ele atua como um meio de reações bioquímicas.
A água ajuda na manutenção de um ambiente interno estável dentro de um
organismo vivo. A concentração de água e sais inorgânicos que se dissolvem em
água é importante na manutenção do equilíbrio osmótico entre o sangue e do
fluido intersticial.
Ele ajuda na lubrificação.
As moléculas de água têm muito alta coesão. As moléculas de água tendem a ficar
uns aos outros e se movem em colunas longo ininterrupta através dos tecidos
vasculares em plantas.
ÁCIDOS, BASES E SAIS
Quando substâncias dissolvem-se na água e liberam íons hidrogênio (H+) e íons
negativos (ânions) são denominados ácidos. Uma base se dissocia em íons
positivos (cátions) ou íons hidróxido (OH-). E, um sal é uma substância que na água
dissocia-se em cátions e ânions nenhum dos quais é o H+ ou OH-.

As reações bioquímicas são extremamente sensíveis a alterações na acidez ou


alcalinidade dos ambientes em que ocorrem por isso, é conveniente medir a
quantidade de H+ em uma solução.

A concentração de H+ é expressa por uma escala logarítmica de pH, que varia de 0


a 14 (esquema abaixo). Quando a solução contém mais H+ que OH-, possuem um
pH inferior a 7. se uma solução tem mais OH- que H+, o pH é maior que 7 e a
solução é básica ou alcalina. E quando os níveis são iguais, a solução é neutra.

Níveis de pH
 

MICROMOLÉCULAS
São moléculas de peso molecular entre 100 e 1000 e contém até trinta ou mais
átomos de carbono. Normalmente são encontradas livres em solução, onde
algumas delas formam um conjunto de intermediárias a partir das quais as
macromoléculas são formadas.

As quatro micromoléculas principais são: os açúcares simples, os ácidos graxos,


os aminoácidos e os nucleotídeos.
AÇUCARES
São as mais abundantes moléculas orgânicas na natureza e são primariamente
moléculas que reservam energias na maioria dos organismos vivos. Os açúcares
mais simples são chamados de monossacarídeos tais como ribose, glicose, frutose,
que são formados com uma molécula de açúcar e possuem fórmula geral (CH2O)n,
onde o n pode variar de 3 a 7. Por ex. a glicose possui fórmula C6h62O6.

Os dissacarídeos são formados por dois açúcares ligados covalentemente, por ex. a
maltose (açúcar da cana) e a lactose (açúcar do leite). Os polissacarídeos são
grandes moléculas formadas por unidades de monossacarídeos, como por ex. o
glicogênio, em células animais, e o amido, nos vegetais, são compostos somente de
glicose.

E os oligossacarídeos que não estão livres e sim unidos a lipídeos e proteínas, de


modo que são partes de glicolipídeos e de glicoproteínas, que estão na membrana
plasmática.

ÁCIDOS GRAXOS
São a gorduras, óleos, fosfolipídios, cutina, suberina, ceras e esteróides. É um
composto que possui um ácido carboxílico ligado a uma longa cadeia de
hidrocarbonetos. São fontes valiosas de alimento, uma vez que eles podem ser
quebrados para produzir o dobro de energia utilizável. Eles são estocados no
citoplasma de muitas células na forma de gotas de moléculas de triglicérides
(gorduras animais conhecidas da experiência diária).

A função mais importante dos ácidos graxos está na construção das membranas
celulares, que envolvem as células suas organelas, que são compostas de
fosfolipídios.

Membrana Celular

Bicamada lipídica das membranas celulares


A cutina, suberina e as ceras formam barreiras contra perda de água. A superfície
das células dos caules e folhas é coberta com uma cutícula, composta de cera e
cutina, que protege e previne a perda de água. Os esteróides são moléculas que
apresentam quatro anéis hidrocarbônicos interligados, o mais comum é o
colesterol. São funcionalmente deferentes de acordo com os grupos químicos que
estão unidos a sua estrutura básicos, por ex. vários hormônios importantes como
estrogênio, testosterona e a vitamina A.

NUCLEOTÍDEOS
São moléculas complexas, consistindo em um grupo fosfato, uma base nitrogenada
e um açúcar de cinco átomos de carbono – pentose (Figura1). Eles são blocos
constitutivos dos ácidos nucléicos, o ácido desoxirribonucléico (DNA) e o ácido
ribonucléico (RNA), que transmitem e traduzem a informação genética.

Algumas moléculas de RNA funcionam como catalisadores.

Os nucleotídeos podem atuar como moléculas carregadoras de energia química,


como por ex. o éster trifosfato e adenina (ATP), que participa das transferências de
energia em centenas de reações celulares individuais. Eles combinam com outros
para formar enzimas como a coenzima A. E são utilizadas como moléculas de
sinalização específica na célula.

Nucleotídeos
MACROMOLÉCULAS
Apresentam peso molecular entre 10.000 e 1 milhão, são construídas a partir de
subunidades de baixo peso molecular (micromoléculas), que são repetidamente
adicionadas para formar um longo polímero em cadeia. Como por ex. os
aminoácidos ligados a outros aminoácidos para formar as proteínas.

A sua formação é mantida por ligações covalentes, as quais são fortes o suficiente
para preservar a seqüência de subunidades por longos períodos de tempo. Para
realizar a sua função , as macromoléculas dependem de ligação não-covalente,
muito mais fraca, que se formam entre as partes distintas da mesma e entre
diferentes macromoléculas. Exercendo um importante papel na determinação da
estrutura tridimensional de cadeias macromoleculares e a interação com outras.

As macromoléculas são: os ácidos nucléicos e as proteínas.


PROTEÍNAS
É um polímero linear de aminoácidos unidos por ligações peptídicas. Sua estrutura
é formada por uma variedade de 20 aminoácidos diferentes, chamados de
essenciais, que permite à proteína uma variedade de formas e funções na célula.

A estrutura da proteína é descrita em quatro níveis hierárquicos de organização. A


estrutura primária é a seqüência de aminoácidos dispostos linearmente,
constituindo a cadeia polipeptídica. A estrutura secundária refere-se a
conformação espacial que a proteína toma, que depende da posição de certos
aminoácidos, a qual é estabilizada por pontes de hidrogênio.

No entanto, quando as pontes de hidrogênio estabelecem-se entre certos


aminoácidos, o esqueleto se dobra dispondo-as em formas geométrica: a a-
hélice, a lâmina b pregueadas, os folhetos e o giro.
A estrutura terciária resulta de interações – hidrofóbicas, ligações dissulfeto, forças
de van der Waal e interações iônicas – que estabilizam a estrutura secundária,
dando uma compactação ou conformação a proteína (fibrosas ou globulares). A
estrutura quartenária resulta da combinação de dois ou mais polipeptídicos,
chamados de subunidades, que originam moléculas com grande complexidade que
se mantêm unidas e interagem, como por exemplo à hemoglobina.

A função da proteína é determinada por sua estrutura tridimensional e da


capacidade de ligarem-se covalentemente à outras moléculas (ligantes). O local de
fixação dos ligantes nas proteínas e os ligantes correspondentes possuem alto grau
de especificidade, ou seja, são complementares. As proteínas controlam o fluxo de
íons através da membrana, regulam a concentração dos metabólicos, confere
rigidez a célula, catalisam uma infinidade de reações químicas, atuam como
sensores e chaves, produzem movimento e controlam a função genética.

ENZIMAS: são proteínas catalisadoras que permitem a aceleração das reações


celulares aumentando a velocidade desta. São altamente específicas para seus
substratos, onde estes se ligam ao sítio ativo, ocorre a catálise formando um
complexo enzima-substrato.
NUCLEICOS
São polímeros lineares de nucleotídeos especializados no armazenamento, na
transmissão e no uso da informação, por isso são macromoléculas de grande
importância biológica.

Existem dois tipos de ácidos nucléicos: DNA e RNA, que serão dispostos
comparativamente no quadro abaixo:
  DNA RNA

Açúcar (Pentose) Desoxirribose Ribose

Bases pirimidínicas citosina (C), timina (T) citosina (C), uracil (U)

Bases purínicas adenina (A), guanina (G) Adenina (A), guanina (G)

Localização Principalmente no núcleo Principalmente no


das células, também nas citoplasma, mas também
mitocôndrias e no núcleo
cloroplastos.

Função Transmissão de informação Síntese de proteínas


genética

Forma Formada por duas fitas Fita simples , que contém


antiparalelas que são pequenas regiões de
complementares na pareamento de bases
seqüência de nucleotídeos. complementares. (Figura)
Pareadas em dupla-hélice
(figura)

Fonte: www.ncbi.nlm.nih.gov/cgi.ufmt.br