Você está na página 1de 40

FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS

NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Possibilitar aos educadores aquisições de conhecimento, desenvolvendo habilidades como resolver

problemas e mudanças na prática de valores e atitudes ambientais.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 1


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Introdução: Filosofia da Natureza, Ecologia e Crise Ambiental

Segundo dados atualizados do Relatório Planeta Vivo, 2012 (WWF):

“Estamos vivendo como se tivéssemos mais de um planeta à nossa disposição. Estamos usando 50% mais
recursos do que a Terra é capaz de oferecer e, a não ser que mudemos de rumo, esse número irá disparar. Até
2030, mesmo dois planetas não serão suficientes. Temos, sim, capacidade para criar um futuro próspero que
forneça alimentos, água e energia para as 9 ou 10 bilhões de pessoas que deverão compartilhar o planeta em
2050, mas somente se todos nós – governos, empresas, comunidades, cidadãos – assumirmos responsabilidade
por esse desafio.”(p.1)

“...Porém, apesar do Protocolo [de Kyoto] e das manchetes, as emissões de CO2 continuam subindo. Hoje, estão
40% acima dos níveis de 1992 (PNUMA, 2011). Talvez o mais alarmante de tudo seja o fato de dois
terços desse aumento terem ocorrido na segunda década (PNUMA, 2011). Em decorrência disso, os níveis de
CO2 na atmosfera avançaram 9% desde a Rio 92, e as temperaturas médias subiram cerca de
0,4oC (PNUMA, 2011). A quantidade de gelo marinho no Ártico ao fi m de cada verão caiu 35%, com os anos de
2007 e 2011 registrando as mínimas mais expressivas (PNUMA, 2011).”(p. 7)

“Desde a década de 1970, a demanda anual da humanidade imposta sobre a natureza excede a capacidade de
renovação anual da Terra. Assim como o saque acima do saldo de uma conta bancária, cedo ou tarde os
recursos se esgotam. No ritmo atual de consumo, alguns ecossistemas entrarão em colapso antes mesmo do
esgotamento completo do recurso. Já são visíveis as consequências do excesso de gases de efeito estufa que
não pode ser absorvido pelos “sumidouros naturais”, com a escalada dos níveis do CO2 atmosférico causando a
elevação das temperaturas globais, mudança do clima e acidificação dos oceanos. Esses impactos, por sua vez,
ampliam as pressões sobre a biodiversidade e os ecossistemas, e sobre os mesmíssimos recursos dos quais os
seres humanos dependem.”(p. 20)

Como entender as origens dessa situação crítica delineada? Povos e comunidades


tradicionais, como, por exemplo, os diferentes grupos indígenas da América, às vezes
considerados “selvagens” e “inferiores” no lastro da ideologia colonialista (e que acabou por
exterminar inúmeros nativos e suas respectivas culturas), conseguiram criar um modo de vida
sustentável, com uma relação equilibrada e simbiótica com a natureza, capaz de absorver os
impactos da atuação antrópica sobre esta última. Já no mundo ocidental, dito civilizado e

FCE – Faculdade Campos Elíseos 2


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

desenvolvido, se nota uma tensão e impasse crescentes nesta relação, como os dados supra-
citados revelados. É preciso, antes de mais nada, vasculhar as origens e premissas
ideológicas do modo de vida do homem “civilizado” e moderno, para entender parte da atual
crise ecológica.

Segundo o filósofo alemão Max Scheler (COSTA, 1996), podemos encontrar no


antropocentrismo judaico o antepassado remoto da crise ecológica atual, favorecendo uma
concepção de cisão entre o homem e a natureza, sendo esta serva legítima daquele, em que
pese as concepções judaicas como a Sabedoria divina (sua presença ou imanência),
reiterando que este mundo também é um espaço de expressão e manifestação de Deus.

Já no âmbito da filosofia pagã, em contrapartida, encontramos visões como a do filósofo


estóico Marco Aurélio (121-180 EC), próximas do que chamaríamos, hoje, de uma concepção
ecológica e sustentável: "Penso sempre no liame que une todas as coisas no Universo e em
sua mútua dependência. Todas as coisas estão interligadas umas como as outras, e por esta
razão vinculam-se por laços de amizade, pois elas estão em relação umas com as outras
devido à unidade de todas as substâncias. Harmoniza-te com as coisas que te foram dadas e
ama sinceramente as pessoas que o destino te deu por companheiras."

O cristianismo, herdeiro do judaísmo, e que acabou por incorporar e suplantar o pensamento


pagão, apesar de ter uma concepção essencialmente antropocêntrica, concebendo que o
homem tem um lugar central e privilegiado dentro da ordem cósmica ou natural, pois foi feito à
imagem e semelhança do Deus cristão, o qual criou o mundo e natureza para servir aos
interesses humanos, concepção esta que é ainda influente hoje (MAGNAVITA, 2012), não
deixou de conter, em contrapartida, uma filosofia da natureza genuína. Isso é nítido, por
exemplo, em movimentos religiosos medievais no seio da Igreja cristã, como o franciscanismo,
cultando o sol, os elementos e os seres vivos:

FCE – Faculdade Campos Elíseos 3


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Cântico do irmão Sol (São Francisco de Assis)

Altíssimo, omnipotente, bom Senhor,


Teus são o louvor, a glória, a honra e toda a bênção.
Só a ti, Altíssimo, são devidos; e homem algum é digno de te mencionar.
Louvado sejas, meu Senhor, com todas as tuas criaturas,
Especialmente o Senhor Irmão Sol, que clareia o dia, e com sua luz nos alumia
E ele é belo e radiante com grande esplendor: de ti, Altíssimo, é a imagem.
Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã Lua e as Estrelas,
Que no céu formaste claras e preciosas e belas.
Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão Vento,
Pelo ar, ou nublado ou sereno, e todo o tempo pelo qual às tuas criaturas dás sustento.
Louvado sejas, meu Senhor pela irmã Água, que é mui útil e humilde e preciosa e casta.
Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão Fogo pelo qual iluminas a noite.
E ele é belo e jucundo e vigoroso e forte.
Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã nossa mãe Terra, que nos sustenta e governa, e produz frutos diversos com coloridas
flores e ervas.
Louvado sejas, meu Senhor, pelos que perdoam por teu amor, e suportam enfermidades e tribulações.
Bem-aventurados os que sustentam a paz, que por ti, Altíssimo, serão coroados.
Louvado sejas, meu Senhor, por nossa irmã Morte corporal, da qual homem algum pode escapar: Ai dos que morrerem em
pecado mortal.
Felizes os que ela achar conformes à tua santíssima vontade, porque a morte segunda não lhes fará mal.
Louvai e bendizei a meu Senhor, e dai-lhe graças, e servi-o com grande humildade.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 4


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

(São Francisco de Assis e os animais)

Ademais, poderia ser citada a filosofia-da-natureza medieval e cristã, que concebeu a


Natureza como sagrada, uma forma de expressão divina, merecendo reverência humana
(NASR, 1977), aproximando-se, de certo modo, de tradições não-ocidentais (por exemplo, o
xamanismo indígena), entendendo o homem como parte do todo natural, do qual dependia e
com o qual necessitava se harmonizar.

O pensamento científico e filosófico moderno se afastaria paulatinamente dessa concepção do


sagrado-natural, dado seu caráter, amiúde, reducionista e instrumental, a despeito do
progresso que significou. A ciência moderna, inspirada no matematismo e platonismo
galilaicos, acabaria por criar uma concepção “desencantada” da natureza e do mundo,
cindindo sujeito e objeto, quantificando e tornando abstrata as noções de movimento, espaço e
tempo, por oposição à física clássica, aristotélica, a qual, a despeito das suas incorreções e
equívocos, continha uma visão qualitativa do cosmos. Como afirmou o filósofo e educador G.
Gusdorf, o problema é que os homens concretos e não-especialistas em ciência, não vivem no
espaço matematizado da ciência abstrata, mas num espaço apropriado subjetivamente, com

FCE – Faculdade Campos Elíseos 5


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

base no qual constrói o eixo de referência da sua vida, e por isso cada vez mais a ciência se
distancia deste homem e o separa da natureza, um modelo matemático de fórmulas e
abstrações.

O filósofo Francis Bacon (1561-1626), com sua concepção de que “saber é poder”, acabaria
por inaugurar a ideia de que o homem, através da ciência e da técnica, deve se assenhorar da
natureza, dominando-a em função dos seus interesses. Já o filósofo Descartes, como seu
dualismo entre extensão e pensamento, corpo e espírito, não veria na natureza e nos animais
mais do que uma espécie de mecanismo artificial, explicado pela causa e efeito (GRÜN,
2005). Não é difícil ver aí, no plano teórico, o começo da crise ambiental, em termos práticos,
abrindo a porta para um modelo de desenvolvimento civilizatório baseado relação destrutiva e
possesiva com a natureza, com uma apropriação irresponsável e imediatista dos recursos
naturais, com a poluição desenfreada, a urbanização caótica, o consumismo, etc.

Não sem reações, com tendências contrárias à hegemônica. Nos alquimistas e hermetistas do
Renascimento (Paracelso, J. Boehme e outros), assim como, mais tarde, nos poetas e
filósofos românticos (Rousseau, Novalis, Goethe, Schelling, von Baader), encontramos uma
filosofia da natureza orgânica, em reação ao mecanicismo e ao fisicalismo, não opondo sujeito
e objeto, e pressentindo os excessos e riscos da modernização, tentando, assim, manter uma
visão “nostálgica” da unidade primordial entre homem e natureza.

Mesmo em G. Hegel (1770-1831), que estava longe de ser um romântico, conquanto se


aproveitou da filosofia da natureza (como J.. Boehme), podemos extrair uma concepção
“holística” e “sistêmica” da realidade, como um totalidade formado de partes interconexas, uma
rede de relações, que se estrutura e reestrutura através de um processo e de uma lógica
dialéticas, ecoando hoje na teoria de sistema e de auto-organização (CIRNE-LIMA, s/d).

FCE – Faculdade Campos Elíseos 6


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

No filósofo francês Rousseau (1712-1778), oscilando entre romantismo e iluminismo,


encontramos uma valorização do homem natural, cuja vida, não marcada ainda pelos artifícios
e limitações da sociedade, era plena de harmonia e liberdade com a natureza e de um homem
para com o outro, inexistindo a noção de propriedade privada. Em Rousseau se trata menos
de um “retorno ao passado” do que a percepção de que o homem, apesar da sociedade
procurar corrompê-lo e aliená-lo, mantém intacta sua “bondade natural”.

Escreveu o poeta alemão F. Hölderlin (1770-1843), no poema “Hipérion”:

"(...)Mas tu brilhas ainda, sol do céu! Tu ainda verdejas, sagrada terra! Os rios ainda vão dar ao mar e as árvores
frondosas dão sombra ao meio-dia. O prazenteiro canto da primavera abarca os meus mortais pensamentos. A
plenitude do mundo infinitamente vivo nutre e sacia com embriagues o meu indigente ser.
Feliz natureza! Não sei o que se passa comigo quando elevo os olhos perante a tua beleza, mas nas lágrimas
que choro perante ti, a bem amada das bem amadas, está toda a alegria do céu.

Todo o meu ser cala e escuta quando as doces ondas do ar brincam à volta do meu peito. Perdido no imenso
azul, levanto frequentemente os olhos ao Éter e inclino-os para o sagrado mar, e é como se um espírito familiar
me abrisse os braços, como se se dissolvesse a dor da sociedade na vida da divindade. Estar unido a tudo, essa
é a vida da divindade, esse é o céu do homem.

Estar unido com tudo o que vive, voltar, num feliz esquecimento de si mesmo, ao todo da Natureza, este é o
cume dos pensamentos e das alegrias, este é o sagrado cume da montanha, o lugar do repouso eterno onde a
melodia perde o seu calor sufocante e o trono a sua voz, e o fervente mar se assemelha aos trigais ondulantes.
Estar unido com tudo o que vive!"

FCE – Faculdade Campos Elíseos 7


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

No poeta romântico inglês William Blake (1757-1827), para o qual “tudo o que vive é sagrado”,
encontramos um protesto veemente contra os efeitos nocivos da Revolução Industrial e da
urbanização caótica, tendo a cidade de Londres como um dos seus polos iniciais:

LONDRES

Nas ruas por que passo, escrituradas,


Onde o Tâmisa corre, escriturado,
Vou reparando as faces maceradas,
Que a aflição e a moléstia têm marcado.
Em cada grito de Homem ou no grito
Do Infante que de medo se lamente,
Em cada voz ou em cada interdito,
Ouço os grilhões forjados pela mente.
Se grita o Limpador de chaminés,
Se assusta cada Igreja em seus escuros;
Quando suspira o Soldado, infeliz,
O sangue tinge do Palácio os muros.
Mas o que à meia-noite escuto mais
É a meretriz lançar praga funesta,
Que do Recém-Nascido estanca os ais
E os funerais do Casamento empesta.
(In: “Canções da experiência”, trad. Renato Sutanna)

FCE – Faculdade Campos Elíseos 8


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

No século 20, nas diferentes filosofias de M. Heidegger (1889-1976) e de T. W. Adorno (1903-


1969), que, porém, têm em comum inegáveis contornos românticos, encontramos elementos
para uma crítica da crescente instrumentalização da razão, da ciência e da técnica,
separando-alienando o homem da natureza, sobre a qual exerce sua vontade de poder cegar
e irrefreável, não separável da lógica do mercado capitalista.

Temos aí precursores menos ou mais distantes do pensamento ecológico e que ainda podem
inspirar reflexões a respeito, pensamento este se desenvolveria e tomaria delineamentos mais
a partir de meados do século 20 e começo do século 21, assim como ganharia maior adesão e
respeito entre instituições internacionais, governos e sociedade civil e divulgação dentro do
espaço midiático. Naturalmente, não faz sentido a pretensão de querer voltar às formas
primitivas, pré-capitalistas ou pré-modernas, de modelo de desenvolvimento, defendida ainda
por alguns ecologistas puramente românticos e nostálgicos, estimagtizando o progresso
tecnológico, científico e econômico pela destruição e degradação que tem provocado. Ora, a
complexidade e interdependência das relações sociais, econômicas, políticas, culturais no
mundo atual não permitem isso; o desafio atual é, então, conciliar modernização e
preservação ambiental. Hoje muito se fala em “desenvolvimento sustentável”, o qual se
fundaria em um tripé, a saber: eficiência econômica, conservação ambiental e equidade social
(NASCIMENTO&VIANNA, 2007).

A grande dificuldade reside em viabilizar, hoje, a junção satisfatória desses três elementos.
Como conseguir a conservação ambiental mantendo-se intacto o modelo de alto consumo,

FCE – Faculdade Campos Elíseos 9


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

com seus impactos ambientais, dos países capitalistas desenvolvidos? Como promover um
consumo sustentável e responsável? Como reduzir a emissão de poluentes e gases de
carbono, sem prejudicar o crescimento econômico? Por outro lado, como ignorar as imensas
desigualdades econômicas e sociais existentes entre os países do Norte e do Sul, e, por sua
vez, dentro de cada país? Mas ainda que isto fosse possível, não será suicídio conjecturar
que os países do Sul deveriam tentar conquistar um nível desenvolvimento dos países
desenvolvidos?

Para alguns, como o sociólogo Michael Löwy, de inspiração marxista, não haveria outra
alternativa a não ser uma ruptura radical com o sistema capitalista e sua lógica de acumulação
infinita e cega, a qual ele denomina de “ecossocialismo”:

“O ecossocialismo é uma crítica, por um lado, do socialismo não ecológico, que foi a experiência fracassada
soviética e de outros países, que do ponto de vista ecológico não representou nenhuma alternativa ao modelo
ocidental. Pelo contrário, tratou de copiar o modelo produtivo do capitalismo ocidental. Ecossocialismo é uma
crítica desse socialismo — ou pseudossocialismo — não ecológico, soviético, etc. Por outro lado, é uma crítica à
ecologia não socialista, que acha que podemos ter um modelo alternativo de desenvolvimento nos quadros do
capitalismo, do mercado capitalista. Do ponto de vista ecossocialista, achamos que isso é uma ilusão, pela
própria dinâmica de expansão necessária ao capitalismo, de crescimento, que leva necessariamente a uma
colisão com a natureza e com os equilíbrios ecológicos. O capitalismo sem crescimento, sem competição feroz
entre empresas e países pelos mercados, é impossível e inimaginável. Temos no ecossocialismo, desse modo,
uma crítica ao ecologismo de mercado. É uma crítica também, ou autocrítica, a certas concepções tradicionais
na esquerda em geral, e no marxismo em particular, sobre o que é uma transformação socialista. Há uma visão
clássica de que é preciso mudar as relações de produção — propriedade coletiva, em vez da privada — para
permitir que as forças produtivas se desenvolvam, já que as relações de produção são um obstáculo ao livre
desenvolvimento das forças produtivas. Mas não passa por aí. Primeiro, porque não é possível o
desenvolvimento ilimitado das forças produtivas. E, em segundo lugar, porque pensar em uma transformação e
em um modelo alternativo de desenvolvimento implica questionar não só as formas de propriedade e as relações
de produção, mas as próprias forças produtivas, o próprio aparelho produtivo.

Esse aparelho produtivo, criado pelo capitalismo ocidental, industrial, moderno, é incompatível com a preservação
do meio ambiente, por sua matriz energética e por sua forma de funcionamento, que inclui o agronegócio, o uso
de pesticidas, entre toda uma série de características que mostram que esse aparelho produtivo não serve.
Temos que pensar em uma profunda transformação, não só das relações de produção, mas do aparelho

FCE – Faculdade Campos Elíseos 10


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

produtivo.

Mas não é só isso: precisamos pensar em uma transformação do padrão de consumo. É insustentável o padrão
de consumo do capitalismo moderno. Isso significa que seria necessária uma redução do consumo, mas para
quem? Nem todo mundo tem que apertar o cinto, não é bem assim. Primeiro, é uma questão de desigualdade
social. O consumo é dez ou cem vezes maior nos países avançados. Eles são os primeiros que têm que começar
essa mudança. Segundo, há uma diferença enorme entre o consumo ostentatório das elites dominantes e o
consumo das classes populares: uns comem feijão e milho e outros compram iates enormes, helicópteros, etc.
Não é a mesma coisa. Não é o que come milho que vai ter que comer menos milho. É o que compra palácios de
luxo que vai ter que reduzir drasticamente seu consumo ostentatório.

Além disso, existe no capitalismo algo que se chama obsolescência planificada dos objetos de consumo. Dentro
do capitalismo, os objetos de consumo já têm, em sua própria concepção, sua obsolescência prevista para o mais
rápido possível. Todo mundo sabe que a geladeira de quarenta anos atrás durava quarenta anos, e as geladeiras
de agora duram três anos. Isso é necessário: para o capital vender mais e mais geladeiras, produzir mais e mais,
precisa ter uma duração muito menor. É parte do padrão produtivista e consumista, e também precisa ser
modificado.

Precisamos, portanto, de mudanças nas formas de propriedade, no aparelho produtivo, no padrão de consumo,
no padrão de transporte. O atual modelo, baseado no carro individual para as pessoas e no caminhão para as
mercadorias, é insustentável, até porque depende do petróleo. Por isso, precisamos pensar no desenvolvimento
do transporte coletivo, no trem em vez do caminhão, entre outras medidas. Tudo isso vai configurando uma
mudança bastante radical no padrão de civilização. Na verdade, a proposta ecossocialista, de um novo modelo
de desenvolvimento mais além do produtivismo e do consumismo, coloca em questão o paradigma da civilização
capitalista ocidental, industrial, moderna. É uma proposta bastante profunda. Precisamos pensar em um novo
padrão de civilização, baseado em outras formas de produzir, consumir e viver. Essa é a discussão que está
colocada.”(LÖWY, 2012)

Apesar das polêmicas e incertezas, e da variedade de interpretações e leituras possíveis,


parece pouco controverso que uma mudança – maior ou menor, mais ou menos radical- no
nosso modo de vida e de relação com a natureza se faz urgente e imprescindível, e nesse
sentido, a educação ambiental, com seu lastro ético e cidadão, é um elemento crucial dentro
deste cenário.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 11


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Bibliografia
CIRNE-LIMA, Carlos Roberto Velho. Causalidade e auto-organização. In:
http://www.cirnelima.org/beyond%20hegel-cirne-lima-causalidade.htm

COSTA, José Silveira. Marx Scheler: o personalismo ético. SP: Moderna, 1996.

DUBOS, René Jules. O Despertar da Razão: por uma ciência mais humana. SP:
Melhoramentos/Edusp, 1972)

GRÜN, Mauro. O conceito de holismo em ética ambiental e educação ambiental, pp. 45-50. In:
Educação ambiental: pesquisa e desafios, Michèle Sato & Isabel Carvalho (orgs.). Porto
Alegre: Artmed, 2005.

LÖWY, Michael. Razões e estratégias do ecossocialismo, 2012.. In:


http://www.outubrovermelho.com.br/2012/11/01/razoes-e-estrategias-do-ecossocialismo-michael-lowy/)

MAGNAVITA, Alexey Dodsworth-. A filosofia para questões urgentes. In: Revista Filosofia:
ciência & vida, Ano VI, edição 72, julho de 2002.

NASR, Seyyed Houssein. O Homem e Natureza. RJ: Zahar, 1977.

NASCIMENTO, Elimar Pinheiro do & VIANNA, João Nildo. Dilemas e Desafios do


Desenvolvimento Sustentável na Brasil. RJ: Garamond, 2007.

Relatório Planeta Vivo 2012, WWF (Fundo Mundial para a Natureza), In:
http://d3nehc6yl9qzo4.cloudfront.net/downloads/relatorio_planeta_vivo_sumario_rio20_final.pdf

FCE – Faculdade Campos Elíseos 12


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Módulo I:
Educação Ambiental e Cidadania

1. O que é educação ambiental?

O filósofo e educador Edgar Morin formulou os saberes necessários para uma educação do
futuro (MORIN, s/d), os quais se dividem nestes aspectos, sem deixarem de se entrelaçar e
interpenetrar:
1- conhecimento
2- conhecimento pertinente;
3- identidade humana;
4- compreensão humana;
5- incerteza;
6- condição planetária;
7- antropo-ético.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 13


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Recortando aqui os aspectos 6 e 7, os quais, na realidade, não se separam dos demais:

“O sexto aspecto é a condição planetária, sobretudo na era da globalização no século XX, que começou, na
verdade no século XVI com a colonização da América e a interligação de toda a humanidade, esse fenômeno que
estamos vivendo hoje em que tudo está conectado, é um outro aspecto que o ensino ainda não tocou, assim
como o planeta e seus problemas, a aceleração histórica, a quantidade de informação que não conseguimos
processar e organizar.
Este ponto é importante porque estamos num momento em que existe um destino comum para todos os seres
humanos, pois o crescimento da ameaça letal como a ameaça nuclear se expande em vez de diminuir, a ameaça
ecológica, a degradação da vida planetária. Ainda que haja uma tomada de consciência de todos esses
problemas, ela é tímida e não conduziu a nenhuma decisão efetiva, por isso, devemos construir uma consciência
planetária.

Conhecer o nosso planeta é difícil: os processos de todas as ordens, econômicos, ideológicos, sociais estão de
tal maneira imbricados e são tão complexos que é um verdadeiro desafio para o conhecimento. Já é difícil saber
o que acontece no plano imediato. Ortega y Gasset dizia: “Não sabemos o que acontece, isto é o que acontece”,
é necessário uma certa distância em relação ao imediato para poder compreende-lo e atualmente em que tudo é
acelerado e tu tudo é complexo, é quase impossível. Mas, é preciso mostrar, é esta a dificuldade; é necessário
ensinar que não é suficiente reduzir a um só a complexidade dos problemas importantes do planeta como a
demografia, ou a escassez de alimentos, ou a bomba atômica ou a ecologia.(...) Por outro lado, está se
desenvolvendo a ética do ser humano com as associações não-governamentais, como os Médicos Sem
Fronteiras, o Greenpeace, a Aliança pelo Mundo Solidário e tantas outras que trabalham acima de denominações
religiosas, políticas ou de Estados nacionais assistindo aos países ou às nações que estão sendo ameaçadas ou
em graves conflitos. Devemos conscientizar todos dessas causas tão importantes, pois estamos falando do
destino da humanidade.

Seremos capazes de civilizar a terra e fazer com que ela se torne uma verdadeira pátria?... Na minha opinião não
temos que destruir disciplinas, mas temos que integrá-las, reuni-las uma as outras em uma ciência como as
ciências estão reunidas, como, por exemplo, as ciências da terra, a sismologia, a vulcanologia, a meteorologia,
todas elas, articuladas em uma concepção sistêmica da terra. Penso que tudo deve estar integrado, para permitir
uma mudança de pensamento que concebe tudo de uma maneira fragmentada e dividida e impede de ver a
realidade. Essas visão fragmentada faz com que os problemas permaneçam invisíveis para muitos,
principalmente para muitos governantes. E, hoje, que o planeta já está ao mesmo tempo unido e fragmentado

FCE – Faculdade Campos Elíseos 14


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

começa a se desenvolver um ética do gênero humano para que possamos superar esse estado de caos e iniciar,
talvez, a civilizar a terra.”

A educação do futuro, assim tem, segundo Morin, entre outros aspectos, a necessidade de
abarcar a condição planetária, a orientação ética (em escala universal), e a integração/reunião
das disciplinas e saberes, superando a fragmentação e divisão. Nesse sentido, ela vai de
encontro à educação ambiental, que, por assim dizer, será quase uma “metadisciplina”,
perpassando e interligando as deamsi, de fundamental importância para o futuro. Mas o que, é
afinal, a “educação ambiental”?

É importante frisar: inexiste uma definição única e categórica de “educação ambiental”,


encarada em seu viés tanto teórico quanto prático, conceito que foi sendo aprimorado ao longo
do tempo e das discussões internacionais. Segundo MARCATTO (2002), vejamos:

“...O Congresso de Belgrado, promovido pela UNESCO em 1975, definiu a Educação Ambiental como sendo um
processo que visa:
‘(...) formar uma população mundial consciente e preocupada com o ambiente e com os problemas que lhe dizem
respeito, uma população que tenha os conhecimentos, as competências, o estado de espírito, as motivações e o
sentido de participação e engajamento que lhe permita trabalhar individualmente e coletivamente para resolver os
problemas atuais e impedir que se repitam’.

No Capítulo 36 da Agenda 21, a Educação Ambiental é definida como o processo que busca:
‘(...) desenvolver uma população que seja consciente e preocupada com o meio ambiente e com os problemas
que lhes são associados. Uma população que tenha conhecimentos, habilidades, atitudes, motivações e
compromissos para trabalhar, individual e coletivamente, na busca de soluções para os problemas existentes e
para a prevenção dos novos (...)’

‘A educação, seja formal, informal, familiar ou ambiental, só é completa quando a pessoa pode chegar nos
principais momentos de sua vida a pensar por si próprio, agir conforme os seus princípios, viver segundo seus
critérios’ (Reigota, 1997).

De acordo com a Conferência de Tbilisi, ocorrida em 1977, na ex-União Soviética, Educação Ambiental tem como
principais características ser um processo:

FCE – Faculdade Campos Elíseos 15


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

- Dinâmico integrativo: é um processo permanente no qual os indivíduos e a comunidade tomam consciência do


seu meio ambiente e adquirem o conhecimento, os valores, as habilidades, as experiências e a determinação que
os tornam aptos a agir, individual e coletivamente e resolver os problemas ambientais.

- Transformador - possibilita a aquisição de conhecimentos e habilidades capazes de induzir mudanças de


atitudes. Objetiva a construção de uma nova visão das relações do ser humano com o seu meio e a adoção de
novas posturas individuais e coletivas em relação ao meio ambiente. A consolidação de novos valores,
conhecimentos, competências, habilidades e atitudes refletirá na implantação de uma nova ordem
ambientalmente sustentável.

- Participativo: atua na sensibilização e na conscientização do cidadão, estimulando-o a participar dos processos


coletivos.

- Abrangente: extrapola as atividades internas da escola tradicional, deve ser oferecida continuamente em todas
as fases do ensino formal, envolvendo a família e toda a coletividade. A eficácia virá na medida em que sua
abrangência atingir a totalidade dos grupos sociais.

- Globalizador: considera o ambiente em seus múltiplos aspectos: natural, tecnológico, social, econômico, político,
histórico, cultural, moral, ético e estético. Deve atuar com visão ampla de alcance local, regional e global.

- Permanente: tem um caráter permanente, pois a evolução do senso crítico e a compreensão da complexidade
dos aspectos que envolvem as questões ambientais se dão de um modo crescente e contínuo, não se
justificando sua interrupção. Despertada a consciência, ganha-se um aliado para a melhoria das condições de
vida do planeta.

- Contextualizador: atua diretamente na realidade de cada comunidade, sem perder de vista a sua dimensão
planetária (baseado no documento Educação Ambiental da Coordenação Ambiental do Ministério da Educação e
Cultura, citado por Czapski, 1998).”

Sobretudo no contexto brasileiro e latino-americano, quando falamos de “educação ambiental”,


devemos pensar na “transversalidade” e também na “inter e transdisciplinaridade”, pois não se
trata de uma disciplina específica e isolada (exceto no âmbito “ad hoc” de alguns cursos
superiores e técnicos específicos), mas antes uma “dimensão” perpassando e atravessando
as diversas disciplinas e áreas:

FCE – Faculdade Campos Elíseos 16


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

“Além dessas sete características da Educação Ambiental definidas pela Conferência de Tbilisi, existe uma
oitava, recentemente incorporada entre as características que a educação ambiental formal deve ter no Brasil:

- Transversal: propõe-se que as questões ambientais não sejam tratadas como uma disciplina específica, mas
sim que permeie os conteúdos, objetivos e orientações didáticas em todas as disciplinas. A educação ambiental é
um dos temas transversais dos Parâmetros Curriculares Nacionais do Ministério da Educação e Cultura.”
(MARCATTO, 2002)

Aspectos da Educação Ambiental


(Quadro)

1- Dinâmico e Integrativo

2- Transformador

3- Participativo

4- Abrangente

5- Globalizador

6- Permanente

7- Contextualizador

8- Transversal

1.1. Breve histórico da Educação Ambiental e alguns fatos relevantes ligados ao meio
ambiente

Algumas das datas e eventos mais importantes sobre meio ambiente e educação a ambiental,
no Brasil e no mundo (FERREIRA, 2013, pp. 17-25):

1965: a expressão “Educação Ambiental” (Enviromental Education) foi usada na Conferência

FCE – Faculdade Campos Elíseos 17


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

de Educação da Universidade de Keele, Gra-Bretanha.

1972: realizada a Conferência de Estocolmo, estabelecendo alguns princípios norteadores


para um programa internacional e planejado, sendo a Educação Ambiental, doravante,
considerada um campo de educação pedagógica com relevância mundial.

1974: Seminário de Educação Ambiental em Jammi (Finlândia), no qual a EA foi reconhecida


com educação integral e permanente

1975: Congresso de Belgrado, estabelecendo as metas e princípios da EA; no Brasil, é criada


a Sema (Secretaria Especial de Meio Ambiente), a qual, entre outras atividades, abarcava a
EA

1977: Conferência Intergovernamental sobre EA, em Tbilisi (ex-URSS), definindo os objetivos


e estratégias, em âmbitos nacional e internacional, enfatizando-se o caráter interdisciplinar,
ético e transformativo da EA, colocando-a como elemento crucial na educação global, em vista
da resolução de problemas e do bem-estar humano.

1981: no Brasil, definida a Lei n. 6938/81, situando a EA como um dos princípios que
garantiria a preservação e recuperação da qualidade ambiental favorável à vida, e que ela
deveria ser oferecida em todos os níveis de ensino e em programadas voltados para a
comunidade.

1987: Congresso Internacional sobre Educação e Formação relativas ao Meio Ambiente, em


Moscou-Rússia, promovido pela Unesco, no qual foi frisada a urgência de formação prioritária
de recursos humanos em EA formal e não-formal, afora a dimensão ambiental nos currículos
nos vários níveis de ensino; no Brasil, o parecer 226/87 determinou a necessidade da inclusão
da EA nos currículos de Primeiro e Segundo graus, além de recomendar a integração dos
temas ambientais à realidade local e a biunivocidade escola-comunidade como opção
estratégica para a aprendizagem.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 18


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

1988: em Toronto, Canadá, é realizada a primeiro Conferência Mundial sobre Clima, reunindo
a comunidade científica, alertando a necessidade de redução dos gases-estufa, e a ONU cria
o Painel Intergivernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), para avaliação dos riscos das
mudanças climáticas em função das ações antrópicas; no Brasil, a Constituição Federal
estabeleceu a EA como competência do poder público e sua promoção em todos os níveis de
ensino, afora a conscientização pública para a preservação ambiental.

1989: criação do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais
Renováveis), no qual começou a funcionar a área de Educação Ambiental.

1992: no Brasil, a Conferência sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (RIO-92), da qual


resultou documentos importantes, como o Tratado de Educação Ambiental para as
Sociedades Sustentáveis, a Carta Brasileira de Educação Ambiental e a Agenda 21, formando
um compromisso da sociedade civil em função de um desenvolvimento mais equilibrado e
humano, além de enfatizada a necessidade de capacitação em recursos humanos para a EA e
um rol de propostas e ações para os anos subsequentes; neste ano também se deu a criação
do Ministério do Meio Ambiente (MMA), iniciando-se um o desenvolvimento de políticas
públicas.

1994: aprovação do ProNEA (Programa Nacional em Educação Ambiental), prevendo ações


no âmbito de EA formal e não-formal, cumprindo recomendações da Agenda 21; sua
reorganização e reformulação ocorreria em 2004.

1997: Conferência das Partes 3 (COP-3), onde a comunidade internacional afirmou, a despeito
das divergências dos EUA (que abandonaria em definitivo o Protocolo no ano de 2000) e
União Europeia, o Protocolo de Kyoto, sugerindo a redução dos gases-estufa pelos países
signatários, com metas para essa redução; em 2005, no COP11, seria negociado um novo
acordo pós-Kyoto, se coadunando com a nova realidade mundial, e considerando-se que
China, Índia e Brasil se tornaram grandes emissores de CO2.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 19


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

1997-1998: no Brasil, edição dos PCN’s (Parametros Curriculres Nacionais) para o Ensino
Fundamental, tendo o Meio Ambiente como um dos temas transversais; em Brasília, a I
Conferência Nacional de Educação Ambiental.

1998: Conferência Internacional sobre Meio Ambiente e Sociedade: Educação e


Conscientização Pública para a Sustentabilidade, em Tessaloniki, Grécia, onde que se
reconheceu que, após cinco anos da Rio-92, as ações em EA foram deficitárias.

1999: Lei n. 9.795/99, que dispôs sobre a EA, insistiu a Política Nacional de Educação
Ambiental e definiu as diretrizes para a inclusão dessa temática no ensino formal.

2000: Cúpula do Milênio, organizada pela ONU, em que os chefes de Estado e de governo
presentes firmavam metas para enfrentarem, juntos, aos vários problemas concernentes ao
Terceiro Mundo (guerras, direitos humanos violados, degradação ambiental, epidemias, fome,
concentração de renda, crimes, etc.), formulando a “Declaração do Milênio”, com metas para
serem atigindas até 2015.

2002: criação do Decreto n. 4281, regulamentando a Lei n. 9.795/99 e instituindo a Política


Nacional de Educação Ambiental, a ser executada pelos órgãos do Sisnama (Sistema
Nacional de Meio Ambiente), afora instituições educacionais privadas e públicas e pelas
entidades públicas, ONG’s, meios de comunicação, etc.; o artigo Vo desse Decreto incluía a
EA em todos níveis e formas de ensino, e sugeria os PCN’s como referencial, propondo a
integração disciplinar da EA de maneira transversal e contínua.

2003/2005/2006/2009: no Brasil, pelas iniciativas do MEC e do MMA, foram realizadas as


Conferências Nacionais Infanto-Juvenis pelo Meio Ambiente (CNIJMA), envolvendo milhares
de escolas e milhões pessoas pelo país; a II Conferência redigiu e entregou às autoridades
“Carta das Responsabilidades Vamos Cuidar do Brasil”.
2009: a Cúpula da ONU sobre Mudança Climática (COP-15) termina sem um acordo unânime

FCE – Faculdade Campos Elíseos 20


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

e mais claro a respeito dos problemas ambientais e as mudanças climáticas, frustrando as


expectativas; o Brasil lança o Plano Nacional de Mudança do Clima (PNMC), com metas para
redução do desmatamento, e também apresenta o Fundo Amazônia, buscando recursos para
projetos de combate ao desmatamento e para a sustentabilidade amazônica.

1.2. Concepções e Correntes da Educação Ambiental

Segundo Claudia Elisa A. Ferreira (FERREIRA, 2013, p. 15), temos três concepções básicas
da Educação Ambiental, refletidas em cursos, materiais e linhas de ação, as quais,
naturalmente, não têm delineamentos tão claros entre si:

(A) Conservadora: parte de um ideário romântico, inspirador do movimento preservacionista


do século 19, no qual os liames afeitos de união com a natureza implicariam em bem-estar e
equilíbrio emocional, valorização e proteção ambientais. Remetendo a certo retorno ao
primitivo, teria uma abordagem limitada, enfocando apenas o homem como destruidor do
ambiente, e pouco as questões sociais e políticas intra-humanas (ecologia social).

(B) Pragmática: focada na ação, na resolução de problemas e na formulação de normas,


busca formas de equilíbrio entre desenvolvimento econômico e manejo sustentável dos
recursos naturais, enfatizando a dimensão individual e (ao menos no discurso) cidadã na
mudança comportamental, vendo a urgência, a curto prazo, em atitudes práticas e efetivas.

(C) Crítica: encara de modo complexo a relação homem-natureza, postulando que aquele
pertence à rede de relações da vida social, natural e cultural e interage com ela, privilegiando
a dimensão política da questão ambiental, criticando o modelo econômico vigente e insistindo
no papel da sociedade civil na busca coletiva de mudanças sociais.

No aspecto teórico e epistemológico, por sua vez, é preciso reconhecer que temos uma gama
enorme de tendências ou “correntes” dentro da Educação Ambiental, em sentido lato. Adiante
um quadro sintético elaborado por Lucie Sauvé, o qual, evidentemente, não esgota o assunto:

FCE – Faculdade Campos Elíseos 21


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Correntes Concepções de Objetivos da EA Enfoques Exemplos de estratégias


meio ambiente Dominantes
Naturalista Natureza Reconstruir uma Sensorial Imersão
ligação com a Experiencial Interpretação
natureza Afetivo Jogos sensoriais
Cognitivo Atividades de descoberta
Criativo/Estético
Conservacionista/ Recurso Adotar Cognitivo Guia ou código de
Recursionista comportamentos de Pragmático comportamentos;
conservação. “Auditoria” ambiental
Desenvolver Projeto de gestão e
habilidades relativas conservação
à gestão ambiental.
Resolutiva Problema Desenvolver Cognitivo Estudos de casos: análise de
habilidades de Pragmático situações problema
resolução de Experiência de RP associada
problemas (RP): do a um projeto
diagnóstico à ação
Sistêmica Sistema Desenvolver o Cognitivo Estudo de casos: análise de
pensamento sistemas ambientais.
sistêmico: análise e
síntese para uma
visão global.
Compreender as
realidades
ambientais, tendo em
vista decisões
apropriadas.
Científica Objeto de estudos Adquirir Cognitivo Estudo de fenômenos
conhecimentos em Experimental Observação
ciências ambientais. Demonstração
Desenvolver Experimentação
habilidades relativas Atividade de pesquisa
à experiência hipotético-dedutiva
científica
Humanista Meio de vida Conhecer seu meio Sensorial Estudo do meio
de vida e conhecer- Cognitivo Itinerário ambiental
se melhor em relação Afetivo Leitura da paisagem

FCE – Faculdade Campos Elíseos 22


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

a ele Experimental
Criativo/Estético
Moral/Ética Objeto de valores Dar prova de Cognitivo Análise de valores
ecocivismo. Afetivo Definição de valores
Desenvolver um Moral Crítica de valores sociais
sistema ético.
Holística Total Desenvolver as Holístico Exploração livre
Todo múltiplas dimensões Orgânico Visualização
Ser de seu ser em Intuitivo Oficinas de criação
interação com o junto Criativo Integração de estratégias
de dimensões do complementares
meio ambiente.
Desenvolver um
conhecimento
‘orgânico’ do mundo
e um atuar
participativo em e
com o meio ambiente
Biorregionalista Lugar de pertença Desenvolver Cognitivo Exploração do meio
Projeto comunitário competências em Afetivo Projeto comunitário
ecodesenvolvimento Experiencial Criação de ecoempresas
comunitário, local ou Pragmático
regional Criativo
Práxica Cadinho de ação- Aprender em, para e Práxico Pesquisa-ação
reflexão pela ação.
Desenvolver
competências de
reflexão.
Crítica Objeto de Desconstruir as Práxico Análise de discurso
transformação, realidades Reflexivo Estudo de casos
Lugar de socioambientais Dialogístico Debates
emancipação visando transformar o Pesquisa-ação
que causa problemas
Integrar os valores
Feminista Objeto de solicitude feministas à relação Intuitivo Estudos de caso
com o meio ambiente Afetivo Imersão
Simbólico Oficinas de criação
Espiritual Atividades de intercâmbio, de
Criativo/Estético comunicação
Etnográfica Território Reconhecer a Experiencial Contos, narrações e lendas

FCE – Faculdade Campos Elíseos 23


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Lugar de estreita ligação entre Intuitivo Estudos de casos


identidade natureza e cultura. Afetivo Imersão
Natureza/Cultura Aclarar sua própria Simbólico Modelização
cosmologia. Espiritual
Valorizar a dimensão Criativo/Estético
cultural de sua
relação com o meio
ambiente.
Ecoeducação Polo de interação Experimentar o meio Experiencial Relato de vida
para a formação ambiente para Sensorial Imersão
pessoal experimentar-se e Intuitivo Exploração
Cadinho de formar-se em e pelo Afetivo Introspecção
identidade meio ambiente. Simbólico Escuta sensível
Construir uma melhor Criativo Alternância subjetiva/objetiva
relação com o Brincadeiras
mundo.
Projeto de Recursos para o Promover um Pragmático Estudos de casos
desenvolvimento desenvolvimento desenvolvimento Cognitivo Experiência de resolução de
sustentável econômico. econômico problemas
Recursos respeitoso dos Projeto de desenvolvimento
compartilhados aspectos sociais e do de sustentação e
meio ambiente. sustentável.
Contribuir para esse
desenvolvimento.

(SAUVÉ, 2005, pp. 40-42)

2.2. Ações Ambientais e Cidadãs no âmbito escolar

Afora temas mais clássicos, como passeios e projetos ecológicos (visita a reservas ecológicas,
estações, quilombolas, reservas indígenas, etc.) e a revitalização do ambiente escolar (plantio
de árvores, etc.), vamos aqui algumas atividades que conjugam educação ambiental e
cidadania.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 24


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

A- Reciclagem nas escolas

“Atividades. 1. Elabore com a classe um projeto de disposição de lixo para a sua cidade.
Divida o trabalho em etapas. Primeiro, levante na prefeitura os seguintes dados locais:
composição dos detritos (proporção de matéria orgânica, papel, vidro, plástico, metal etc.),
produção por habitante, população total, número de casas atendidas pela coleta, formas de
disposição de lixo e custos do poder público para realizar o processo. De posse dessas
informações, peça aos estudantes que avaliem os riscos ambientais apresentados pela
situação atual e que proponham soluções para o problema. Atente para as idéias simplistas,
imediatistas e/ou inviáveis. Mostre à turma que certas estratégias ultrapassam o âmbito
técnico, envolvendo aspectos políticos e financeiros. Após as fases de elaboração e correção,
exponha os projetos para as outras turmas e - por que não? - para a comunidade.

2. Incentive os alunos a criar um plano de coleta seletiva do lixo na escola, visando à


reciclagem. O exercício inclui a criação de uma campanha para conscientizar os colegas da
importância de se jogar papéis na lata azul, plásticos na vermelha, metais na amarela e vidros
na verde. Recipientes diferenciados devem comportar o material orgânico. A classe perceberá
como é difícil mudar hábitos coletivos, mas terá uma oportunidade sem igual de exercer sua
cidadania.”(MARTINS, s/d)

B- Mediação Ambiental (níveis de poluição)

Algumas escolas em São Paulo, Porto Alegre, Baixada Fluminense etc., já têm realizado
medições ambientais nas suas localidades. Os alunos, com equipamentos como decibilímetro
(medidor de ruídos), o medidor de monóxido de carbono (CO) e o papel de tornassol (medidor
da acidez da água), têm quantificado a poluição sonora, a emissão de poluentes dos carros e
a chuva ácida em seus bairros. Esta atividade pode contribuir não só para um aprendizado
muito mais efetivo e prático sobre a poluição, mas inclusive pode contribuir com a
comunidade, na medida em que os alunos podem notificar os órgãos e autoridades a respeito
da poluição, e participarem de campanhas a respeito.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 25


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

C- Moradia, saneamento básico, transporte (coletivo) etc.

O Brasil, sabidamente, tem graves problemas na área de moradia, saneamento básico e


transporte, sobretudo nas grandes cidades. Conforme a realidade e a demanda locais, os
alunos podem não só participarem de aulas e discussões teóricas a respeito desses
problemas, e sim contribuir concretamente na sua solução ou busca de solução, se aliando
com a comunidade, em prol de notificar e pressionar as autoridades públicas a respeito.

(Laerte Coutinho)

Em várias cidades do país, vimos em junho de 2013 várias mobilizações políticas e sociais,
com grande presença de estudantes do ensino médio e superior, das mais diversas classes
sociais, e muitos desses atos tinham como demanda a questão do serviço público de
transporte. Na cidade de São Paulo, através da articulação do Movimento Passe Livre (MPL),
a prefeitura foi pressionada, após várias manifestações e protestos dentro desse ciclo de
manifestações, a baixar a tarifa do transporte coletivo de ônibus, após uma tentativa de
aumento. O preço elevado não se coaduna com a qualidade do serviço oferecido por
empresas privadas e subsidiadas pelo governo, segundo os cidadãos mobilizados.

Quem mora na cidade de São Paulo, pode, por exemplo, discutir o recente projeto da
prefeitura paulista, que, em 2013, instalou uma faixa de ônibus específica nas vias, tentando

FCE – Faculdade Campos Elíseos 26


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

desafogar o trânsito e privilegiar o transporte público. Conforme notícia do Jornal “O Estado de


São Paulo” (06/09/2013):

“SÃO PAULO - A cidade de São Paulo deve alcançar, na semana que vem, a marca de 150
km de faixas exclusivas de ônibus à direita, uma meta de campanha do prefeito Fernando
Haddad (PT), informou nesta sexta-feira, 6, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).
Com a inauguração desse mecanismo em mais sete avenidas das zonas leste, norte e sul,
mais 9,9 quilômetros de faixas só para os coletivos começam a funcionar na segunda-feira, 9.

Desse lote, a Avenida Ragueb Chohfi, na zona leste, terá, proporcionalmente, a maior
quantidade de quilômetros de faixas exclusivas. Serão 3,5 km, entre a Avenida Aricanduva e a
Rua Bento Guelfi. Segundo a CET, nessa via só poderão trafegar ônibus na faixa da direito
dos dois sentidos de segunda a sexta-feira das 6h às 9h e das 17h às 20h.

Outra avenida da região, a Amador Bueno da Veiga, na Penha, ganhará faixas exclusivas
totalizando 1,3 km. No sentido centro, elas vigorarão das 6h às 9h. Ela vai da Avenida São
Miguel até a Rua Enéas de Barros. No sentido bairro, o mecanismo valerá das 17h às 20h,
entre a Praça Dona Micaela Vieira e a Rua Francisco Coimbra. Outro trecho nesse sentido
icará entre as Ruas Embiruçu e Evans.

Na Avenida Nordestina, serão, no total, 1,2 km de faixas exclusivas. Elas ficarão em trechos
de 600 metros cada um. O primeiro, entre a Avenida Marechal Tito e a Praça do Forró. O
outro, da Rua Coleirinha à Manuel da Silva Leão. Os dois vão funcionar entre 17h e 20h, de
segunda a sexta-feira.

A zona sul de São Paulo também receberá novas faixas a partir de segunda-feira. Na Rua
Pedro de Toledo, na Vila Mariana, serão 500 metros do dispositivo entre a Rua dos Otonis e a
Avenida Professor Ascendino Reis. Essa faixa vai operar, de segunda a sexta-feira, entre 6h e
22h.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 27


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

No Ipiranga, a Avenida Dom Pedro 1.º terá faixa exclusiva de 900 metros de extensão, entre
as Ruas da Independência e Mariano Procopio. No sentido centro, ela vai ser ativada das 6h
às 9h e, no contrário, entre 17h e 20h, somente em dias úteis.

Ali perto, a Rua Clímaco Barbosa, no Cambuci, terá 1,1 km de faixa exclusiva de ônibus à
direita entre a Rua Independência e o Largo do Cambuci. A faixa estará ativa das 6h às 9h, de
segunda a sexta-feira.

Motoristas na Avenida Imirim, na zona norte da capital, passarão a ter que respeitar a faixa de
ônibus à direita em 1,4 km da via entre a Rua Quirinópolis ea Praça Lions Clube. No sentido
centro, o mecanismo funcionará entre 6h e 9h. E das 17h às 20h, no rumo oposto, ao bairro.
Em ambos os casos, a proibição irá de segunda a sexta-feira.

Meta. Agora, a Prefeitura planeja abrir mais 70 km de faixas, totalizando 220 km desse
mecanismo por toda a cidade até o fim de 2013. O objetivo inicial era que os 150 km originais
fossem abertos até o fim da gestão Haddad, em 2016.

Especialistas em transportes sustentam que as faixas exclusivas são uma opção paliativa para
resolver o problema do deslocamento dos ônibus em São Paulo. Para eles, a velocidade e a
pontualidade dos coletivos só irá melhorar de fato com a abertura de corredores de ônibus à
esquerda e totalmente segregados dos automóveis.

Assim, o deslocamento dos ônibus se tornará mais eficiente, diminuindo a superlotação


extrema nos horários de pico. A gestão do petista promete construir 150 km desses corredores
de ônibus até 2016. Atualmente, existem 130 km de corredores nas vias paulistanas.

Multa. Quem invade a faixa de ônibus comete infração leve, segundo o Código de Trânsito
Brasileiro (CTB), e corre o risco de pagar multa de R$ 53,20 e perder três pontos na carteira
de habilitação. A CET não informou, contudo, se a fiscalização nessas faixas começará na
própria segunda-feira.”

FCE – Faculdade Campos Elíseos 28


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Será que é algo que irá funcionar e ajudar o trânsito paulistano? Esta é uma discussão
atual e muito pertinente a ser feita com os alunos, tendo em si vários desdobramentos,
como a questão do mercado e consumo privado de automóveis.

4- Agrotóxicos e Consumo sustentável

Como pontapé para um trabalho escolar a respeito destes temas, vamos sugerir alguns
documentários – que revelam um posicionamento ideológico anticapitalista-, os quais podem
ser assistidos e discutidos pelos alunos (sobretudo os do Ensino Médio) em seus prós e
contras, antes do planejamento eventual de alguma ação ou projeto temáticos.

Documentário I: O Veneno está na Mesa.

Origem: Campanha permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida.


Direção: Sílvio Tendler.
Sinopse: “O Brasil é o país do mundo que mais consome agrotóxicos: 5,2 litros/ano por
habitante. Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos
em quase todo mundo pelo risco que representam à saúde pública. O perigo é tanto para os
trabalhadores, que manipulam os venenos, quanto para os cidadãos, que consumem os
produtos agrícolas. Só quem lucra são as transnacionais que fabricam os agrotóxicos. A ideia
do filme é mostrar à população como estamos nos alimentando mal e perigosamente, por
conta de um modelo agrário perverso, baseado no agronegócio.”

Link no Youtube: http://www.youtube.com/watch?v=8RVAgD44AGg

Documentário II: Surplus


Direção: Erik Gandini

FCE – Faculdade Campos Elíseos 29


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Sinopse: “Documentário mostra o lado obscuro dos regimes capitalista e socialista. Surplus,
uma produção de 2003 do diretor Erik Gandini, mostra uma realidade cada vez mais
aterrorizante que está totalmente banalizada nos dias de hoje. A de que o homem
transformou-se em uma máquina de consumo e ganância que está destruindo o mundo e o
tornando cada vez mais afásico e amoral.
Erik Gandini nos apresenta um filme bastante intrigante no qual ele usa de uma estética
diferente e moderna, com imagens e sons que praticamente transformam o filme em um vídeo-
clipe, tornando-o visualmente interessante o que prende a atenção das pessoas,
principalmente o público jovem, para que a mensagem seja apresentada de uma forma
objetiva e clara desta situação da sociedade contemporânea.”
Link no youtube: http://www.youtube.com/watch?v=lqeXYsv1Wyw

Documentário III: Paredes de Vidro (*cenas fortes)

Sinopse: No vídeo "Glass Walls" (Paredes de Vidro), produzido pela PETA, [o músico] Paul
McCartney expõe de forma detalhada e contundente a indústria de carnes, ovos e leite.
Link no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=9KndhCqrIdc

Bibliografia

FERREIRA, Claudia Elisa Alves Ferreira. O meio ambiente na prática de escolas públicas da

FCE – Faculdade Campos Elíseos 30


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

rede estadual de São Paulo: intenções e possibilidades. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

JACOBI, Pedro. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. In: Cadernos de Pesquisa,


n. 118, pp. 189-205, março de 2003. Disponível in: http://www.scielo.br/pdf/cp/n118/16834.pdf

MARCATTO, Celso. Educação Ambiental: conceitos e princípios. Belo Horizonte: Feam, 2002.
In: http://www.feam.br/images/stories/arquivos/Educacao_Ambiental_Conceitos_Principios.pdf

MARTINS, Jose Manoel. Lixo reciclado, planeta bem tratado. Revista Nova Escola, s/d.
Disponível in: http://revistaescola.abril.com.br/ensino-medio/lixo-bem-tratado-planeta-reciclado-
427421.shtml

MINC, Carlos. Ecologia e cidadania. São Paulo: Moderna, 2005.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro, s/d, In:


http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/EdgarMorin.pdf

SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes em educação ambiental, In: Educação
Ambiental: pesquisa e desafios, Michèle Sato & Isabel Carvalho. Porto Alegre: Artmed, 2005,
pp. 17-44.

SOMMERMAN, Américo. Inter ou transdisciplinaridade?. São Paulo: Paulus, 2006

ANEXO (CARTA DA TERRA)

“A Carta da Terra é uma declaração de princípios éticos fundamentais para a construção, no século 21, de uma
sociedade global justa, sustentável e pacífica. Busca inspirar todos os povos a um novo sentido de

FCE – Faculdade Campos Elíseos 31


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

interdependência global e responsabilidade compartilhada voltado para o bem-estar de toda a família humana, da
grande comunidade da vida e das futuras gerações. É uma visão de esperança e um chamado à ação.

A Carta da Terra se preocupa com a transição para maneiras sustentáveis de vida e desenvolvimento humano
sustentável. Integridade ecológica é um tema maior. Entretanto, a Carta da Terra reconhece que os objetivos de
proteção ecológica, erradicação da pobreza, desenvolvimento econômico equitativo, respeito aos direitos
humanos, democracia e paz são interdependentes e indivisíveis. Consequentemente oferece um novo marco,
inclusivo e integralmente ético para guiar a transição para um futuro sustentável.

A Carta da Terra é resultado de uma década de diálogo intercultural, em torno de objetivos comuns e valores
compartilhados. O projeto da Carta da Terra começou como uma iniciativa das Nações Unidas, mas se
desenvolveu e finalizou como uma iniciativa global da sociedade civil. Em 2000 a Comissão da Carta da Terra,
uma entidade internacional independente, concluiu e divulgou o documento como a carta dos povos.

A redação da Carta da Terra envolveu o mais inclusivo e participativo processo associado à criação de uma
declaração internacional. Esse processo é a fonte básica de sua legitimidade como um marco de guia ético. A
legitimidade do documento foi fortalecida pela adesão de mais de 4.500 organizações, incluindo vários
organismos governamentais e organizações internacionais.

À luz desta legitimidade, um crescente número de juristas internacionais reconhece que a Carta da Terra está
adquirindo um status de lei branca (soft law). Leis brancas, como a Declaração Universal dos Direitos Humanos
são consideradas como moralmente, mas não juridicamente obrigatórias para os Governos de Estado, que
aceitam subscrevê-las e adotá-las, e muitas vezes servem de base para o desenvolvimento de uma lei stritu
senso (hard law).

Neste momento em que é urgentemente necessário mudar a maneira como pensamos e vivemos, a Carta da
Terra nos desafia a examinar nossos valores e a escolher um melhor caminho. Alianças internacionais são cada
vez mais necessárias, a Carta da Terra nos encoraja a buscar aspectos em comum em meio à nossa diversidade
e adotar uma nova ética global, partilhada por um número crescente de pessoas por todo o mundo. Num
momento onde educação para o desenvolvimento sustentável tornou-se essencial, a Carta da Terra oferece um
instrumento educacional muito valioso.”

“O texto da Carta da Terra


PREÂMBULO

Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o

FCE – Faculdade Campos Elíseos 32


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada vez mais interdependente e frágil, o futuro reserva, ao mesmo
tempo, grande perigo e grande esperança. Para seguir adiante, devemos reconhecer que, no meio de uma
magnífica diversidade de culturas e formas de vida, somos uma família humana e uma comunidade terrestre com
um destino comum. Devemos nos juntar para gerar uma sociedade sustentável global fundada no respeito pela
natureza, nos direitos humanos universais, na justiça econômica e numa cultura da paz. Para chegar a este
propósito, é imperativo que nós, os povos da Terra, declaremos nossa responsabilidade uns para com os outros,
com a grande comunidade de vida e com as futuras gerações.

TERRA, NOSSO LAR

A humanidade é parte de um vasto universo em evolução. A Terra, nosso lar, é viva como uma comunidade de
vida incomparável. As forças da natureza fazem da existência uma aventura exigente e incerta, mas a Terra
providenciou as condições essenciais para a evolução da vida. A capacidade de recuperação da comunidade de
vida e o bem-estar da humanidade dependem da preservação de uma biosfera saudável com todos seus
sistemas ecológicos, uma rica variedade de plantas e animais, solos férteis, águas puras e ar limpo. O meio
ambiente global com seus recursos finitos é uma preocupação comum de todos os povos. A proteção da
vitalidade, diversidade e beleza da Terra é um dever sagrado.

A SITUAÇÃO GLOBAL
Os padrões dominantes de produção e consumo estão causando devastação ambiental, esgotamento dos
recursos e uma massiva extinção de espécies. Comunidades estão sendo arruinadas. Os benefícios do
desenvolvimento não estão sendo divididos eqüitativamente e a diferença entre ricos e pobres está aumentando.
A injustiça, a pobreza, a ignorância e os conflitos violentos têm aumentado e são causas de grande sofrimento. O
crescimento sem precedentes da população humana tem sobrecarregado os sistemas ecológico e social. As
bases da segurança global estão ameaçadas. Essas tendências são perigosas, mas não inevitáveis.

DESAFIOS FUTUROS

A escolha é nossa: formar uma aliança global para cuidar da Terra e uns dos outros ou arriscar a nossa
destruição e a da diversidade da vida. São necessárias mudanças fundamentais em nossos valores, instituições e
modos de vida. Devemos entender que, quando as necessidades básicas forem supridas, o desenvolvimento
humano será primariamente voltado a ser mais e não a ter mais. Temos o conhecimento e a tecnologia
necessários para abastecer a todos e reduzir nossos impactos no meio ambiente. O surgimento de uma
sociedade civil global está criando novas oportunidades para construir um mundo democrático e humano. Nossos
desafios ambientais, econômicos, políticos, sociais e espirituais estão interligados e juntos podemos forjar
soluções inclusivas.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 33


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

RESPONSABILIDADE UNIVERSAL

Para realizar estas aspirações, devemos decidir viver com um sentido de responsabilidade universal,
identificando-nos com a comunidade terrestre como um todo, bem como com nossas comunidades locais.
Somos, ao mesmo tempo, cidadãos de nações diferentes e de um mundo no qual as dimensões local e global
estão ligadas. Cada um compartilha responsabilidade pelo presente e pelo futuro bem-estar da família humana e
de todo o mundo dos seres vivos. O espírito de solidariedade humana e de parentesco com toda a vida é
fortalecido quando vivemos com reverência o mistério da existência, com gratidão pelo dom da vida e com
humildade em relação ao lugar que o ser humano ocupa na natureza.

Necessitamos com urgência de uma visão compartilhada de valores básicos para proporcionar um fundamento
ético à comunidade mundial emergente. Portanto, juntos na esperança, afirmamos os seguintes princípios,
interdependentes, visando a um modo de vida sustentável como padrão comum, através dos quais a conduta de
todos os indivíduos, organizações, empresas, governos e instituições transnacionais será dirigida e avaliada.

PRINCÍPIOS

I. RESPEITAR E CUIDAR DA COMUNIDADE DE VIDA

1. Respeitar a Terra e a vida em toda sua diversidade.

Reconhecer que todos os seres são interdependentes e cada forma de vida tem valor, independentemente de
sua utilidade para os seres humanos.
Afirmar a fé na dignidade inerente de todos os seres humanos e no potencial intelectual, artístico, ético e
espiritual da humanidade.

2. Cuidar da comunidade da vida com compreensão, compaixão e amor.

Aceitar que, com o direito de possuir, administrar e usar os recursos naturais, vem o dever de prevenir os danos
ao meio ambiente e de proteger os direitos das pessoas.
Assumir que, com o aumento da liberdade, dos conhecimentos e do poder, vem a
maior responsabilidade de promover o bem comum.

3. Construir sociedades democráticas que sejam justas, participativas, sustentáveis e pacíficas.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 34


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Assegurar que as comunidades em todos os níveis garantam os direitos humanos e as liberdades fundamentais e
proporcionem a cada pessoa a oportunidade de realizar seu pleno potencial.
Promover a justiça econômica e social, propiciando a todos a obtenção de uma condição de vida significativa e
segura, que seja ecologicamente responsável.

4. Assegurar a generosidade e a beleza da Terra para as atuais e às futuras gerações.

Reconhecer que a liberdade de ação de cada geração é condicionada pelas necessidades das gerações futuras.
Transmitir às futuras gerações valores, tradições e instituições que apóiem a prosperidade das comunidades
humanas e ecológicas da Terra a longo prazo.
II. INTEGRIDADE ECOLÓGICA

5. Proteger e restaurar a integridade dos sistemas ecológicos da Terra, com especial atenção à diversidade
biológica e aos processos naturais que sustentam a vida.

Adotar, em todos os níveis, planos e regulamentações de desenvolvimento sustentável que façam com que a
conservação e a reabilitação ambiental sejam parte integral de todas as iniciativas de desenvolvimento.
Estabelecer e proteger reservas naturais e da biosfera viáveis, incluindo terras selvagens e áreas marinhas, para
proteger os sistemas de sustento à vida da Terra, manter a biodiversidade e preservar nossa herança natural.
Promover a recuperação de espécies e ecossistemas ameaçados.
Controlar e erradicar organismos não-nativos ou modificados geneticamente que causem dano às espécies
nativas e ao meio ambiente e impedir a introdução desses organismos prejudiciais.
Administrar o uso de recursos renováveis como água, solo, produtos florestais e vida marinha de forma que não
excedam às taxas de regeneração e que protejam a saúde dos ecossistemas.
Administrar a extração e o uso de recursos não-renováveis, como minerais e combustíveis fósseis de forma que
minimizem o esgotamento e não causem dano ambiental grave.

6. Prevenir o dano ao ambiente como o melhor método de proteção ambiental e, quando o conhecimento for
limitado, assumir uma postura de precaução.

Agir para evitar a possibilidade de danos ambientais sérios ou irreversíveis, mesmo quando o conhecimento
científico for incompleto ou não-conclusivo. Impor o ônus da prova naqueles que afirmarem que a atividade
proposta não causará dano significativo e fazer com que as partes interessadas sejam responsabilizadas pelo
dano ambiental.
Assegurar que as tomadas de decisão considerem as consequências cumulativas, a longo prazo, indiretas, de
longo alcance e globais das atividades humanas.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 35


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Impedir a poluição de qualquer parte do meio ambiente e não permitir o aumento de substâncias radioativas,
tóxicas ou outras substâncias perigosas.
Evitar atividades militares que causem dano ao meio ambiente.

7. Adotar padrões de produção, consumo e reprodução que protejam as capacidades regenerativas da Terra, os
direitos humanos e o bem-estar comunitário.
Reduzir, reutilizar e reciclar materiais usados nos sistemas de produção e consumo e garantir que os resíduos
possam ser assimilados pelos sistemas ecológicos.
Atuar com moderação e eficiência no uso de energia e contar cada vez mais com fontes energéticas renováveis,
como a energia solar e do vento.
Promover o desenvolvimento, a adoção e a transferência eqüitativa de tecnologias ambientais seguras.
Incluir totalmente os custos ambientais e sociais de bens e serviços no preço de venda e habilitar os
consumidores a identificar produtos que satisfaçam às mais altas normas sociais e ambientais.
Garantir acesso universal à assistência de saúde que fomente a saúde reprodutiva e a reprodução responsável.
Adotar estilos de vida que acentuem a qualidade de vida e subsistência material num mundo finito.

8. Avançar o estudo da sustentabilidade ecológica e promover o intercâmbio aberto e aplicação ampla do


conhecimento adquirido.

Apoiar a cooperação científica e técnica internacional relacionada à sustentabilidade, com especial atenção às
necessidades das nações em desenvolvimento.
Reconhecer e preservar os conhecimentos tradicionais e a sabedoria espiritual em todas as culturas que
contribuem para a proteção ambiental e o bem-estar humano.
Garantir que informações de vital importância para a saúde humana e para a proteção ambiental, incluindo
informação genética, permaneçam disponíveis ao domínio público.
III. JUSTIÇA SOCIAL E ECONÔMICA

9. Erradicar a pobreza como um imperativo ético, social e ambiental.

Garantir o direito à água potável, ao ar puro, à segurança alimentar, aos solos não contaminados, ao abrigo e
saneamento seguro, alocando os recursos nacionais e internacionais demandados.
Prover cada ser humano de educação e recursos para assegurar uma condição de vida sustentável e
proporcionar seguro social e segurança coletiva aos que não são capazes de se manter por conta própria.
Reconhecer os ignorados, proteger os vulneráveis, servir àqueles que sofrem e habilitá-los a desenvolverem suas
capacidades e alcançarem suas aspirações.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 36


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

10. Garantir que as atividades e instituições econômicas em todos os níveis promovam o desenvolvimento
humano de forma eqüitativa e sustentável.

Promover a distribuição eqüitativa da riqueza dentro das e entre as nações.


Incrementar os recursos intelectuais, financeiros, técnicos e sociais das nações em desenvolvimento e liberá-las
de dívidas internacionais onerosas.
Assegurar que todas as transações comerciais apóiem o uso de recursos sustentáveis, a proteção ambiental e
normas trabalhistas progressistas.
Exigir que corporações multinacionais e organizações financeiras internacionais
atuem com transparência em benefício do bem comum e responsabilizá-las pelas
conseqüências de suas atividades.

11. Afirmar a igualdade e a eqüidade dos gêneros como pré-requisitos para o desenvolvimento sustentável e
assegurar o acesso universal à educação, assistência de saúde e às oportunidades econômicas.

Assegurar os direitos humanos das mulheres e das meninas e acabar com toda violência contra elas.
Promover a participação ativa das mulheres em todos os aspectos da vida econômica, política, civil, social e
cultural como parceiras plenas e paritárias, tomadoras de decisão, líderes e beneficiárias.
Fortalecer as famílias e garantir a segurança e o carinho de todos os membros da
família.

12. Defender, sem discriminação, os direitos de todas as pessoas a um ambiente natural e social capaz de
assegurar a dignidade humana, a saúde corporal e o bem-estar espiritual, com especial atenção aos direitos dos
povos indígenas e minorias.

Eliminar a discriminação em todas as suas formas, como as baseadas em raça, cor, gênero, orientação sexual,
religião, idioma e origem nacional, étnica ou social.
Afirmar o direito dos povos indígenas à sua espiritualidade, conhecimentos, terras e recursos, assim como às
suas práticas relacionadas com condições de vida sustentáveis.
Honrar e apoiar os jovens das nossas comunidades, habilitando-os a cumprir seu
papel essencial na criação de sociedades sustentáveis.
Proteger e restaurar lugares notáveis pelo significado cultural e espiritual.
IV. DEMOCRACIA, NÃO-VIOLÊNCIA E PAZ

13. Fortalecer as instituições democráticas em todos os níveis e prover transparência e responsabilização no


exercício do governo, participação inclusiva na tomada de decisões e acesso à justiça.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 37


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Defender o direito de todas as pessoas receberem informação clara e oportuna sobre assuntos ambientais e
todos os planos de desenvolvimento e atividades que possam afetá-las ou nos quais tenham interesse.
Apoiar sociedades civis locais, regionais e globais e promover a participação significativa de todos os indivíduos e
organizações interessados na tomada de decisões.
Proteger os direitos à liberdade de opinião, de expressão, de reunião pacífica, de associação e de oposição.
Instituir o acesso efetivo e eficiente a procedimentos judiciais administrativos e independentes, incluindo
retificação e compensação por danos ambientais e pela ameaça de tais danos.
Eliminar a corrupção em todas as instituições públicas e privadas.
Fortalecer as comunidades locais, habilitando-as a cuidar dos seus próprios ambientes, e atribuir
responsabilidades ambientais aos níveis governamentais onde possam ser cumpridas mais efetivamente.

14. Integrar, na educação formal e na aprendizagem ao longo da vida, os conhecimentos, valores e habilidades
necessárias para um modo de vida sustentável.

Prover a todos, especialmente a crianças e jovens, oportunidades educativas que lhes permitam contribuir
ativamente para o desenvolvimento sustentável.
Promover a contribuição das artes e humanidades, assim como das ciências, na educação para sustentabilidade.
Intensificar o papel dos meios de comunicação de massa no aumento da conscientização sobre os desafios
ecológicos e sociais.
Reconhecer a importância da educação moral e espiritual para uma condição de vida sustentável.

15. Tratar todos os seres vivos com respeito e consideração.

Impedir crueldades aos animais mantidos em sociedades humanas e protegê-los de sofrimento.


Proteger animais selvagens de métodos de caça, armadilhas e pesca que causem sofrimento extremo,
prolongado ou evitável.
Evitar ou eliminar ao máximo possível a captura ou destruição de espécies não visadas.

16. Promover uma cultura de tolerância, não-violência e paz.

Estimular e apoiar o entendimento mútuo, a solidariedade e a cooperação entre todas as pessoas, dentro das e
entre as nações.
Implementar estratégias amplas para prevenir conflitos violentos e usar a colaboração na resolução de problemas
para administrar e resolver conflitos ambientais e outras disputas.

FCE – Faculdade Campos Elíseos 38


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Desmilitarizar os sistemas de segurança nacional até o nível de uma postura defensiva não-provocativa e
converter os recursos militares para propósitos pacíficos, incluindo restauração ecológica.
Eliminar armas nucleares, biológicas e tóxicas e outras armas de destruição em massa.
Assegurar que o uso do espaço orbital e cósmico ajude a proteção ambiental e a paz.
Reconhecer que a paz é a plenitude criada por relações corretas consigo mesmo, com outras pessoas, outras
culturas, outras vidas, com a Terra e com a totalidade maior da qual somos parte.

O CAMINHO ADIANTE

Como nunca antes na História, o destino comum nos conclama a buscar um novo começo. Tal renovação é a
promessa destes princípios da Carta da Terra. Para cumprir esta promessa, temos que nos comprometer a
adotar e promover os valores e objetivos da Carta.

Isto requer uma mudança na mente e no coração. Requer um novo sentido de interdependência global e de
responsabilidade universal. Devemos desenvolver e aplicar com imaginação a visão de um modo de vida
sustentável nos níveis local, nacional, regional e global. Nossa diversidade cultural é uma herança preciosa e
diferentes culturas encontrarão suas próprias e distintas formas de realizar esta visão. Devemos aprofundar e
expandir o diálogo global que gerou a Carta da Terra, porque temos muito que aprender a partir da busca
conjunta em andamento por verdade e sabedoria.

A vida muitas vezes envolve tensões entre valores importantes. Isto pode significar escolhas difíceis. Entretanto,
necessitamos encontrar caminhos para harmonizar a diversidade com a unidade, o exercício da liberdade com o
bem comum, objetivos de curto prazo com metas de longo prazo. Todo indivíduo, família, organização e
comunidade tem um papel vital a desempenhar. As artes, as ciências, as religiões, as instituições educativas, os
meios de comunicação, as empresas, as organizações não-governamentais e os governos são todos chamados a
oferecer uma liderança criativa. A parceria entre governo, sociedade civil e empresas é essencial para uma
governabilidade efetiva.

Para construir uma comunidade global sustentável, as nações do mundo devem renovar seu compromisso com
as Nações Unidas, cumprir com suas obrigações respeitando os acordos internacionais existentes e apoiar a
implementação dos princípios da Carta da Terra com um instrumento internacionalmente legalizado e contratual
sobre o ambiente e o desenvolvimento.

Que o nosso tempo seja lembrado pelo despertar de uma nova reverência face à vida, pelo compromisso firme de

FCE – Faculdade Campos Elíseos 39


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400
FCE – FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

alcançar a sustentabilidade, a intensificação dos esforços pela justiça e pela paz e a alegre celebração da vida.”
(Fonte: http://www.cartadaterrabrasil.org/prt/text.html)

Apostila Elaborada por: Daniel Rodrigues Plácido


Editada por: Cláudia R. Esteves

FCE – Faculdade Campos Elíseos 40


Núcleo de Pós Graduação em Educação
Rua Vitorino Carmilo, 644 – Bairro de Campos Elíseos
São Paulo / SP - CEP. 01153-000
Telefones: 11-3661-5400