Você está na página 1de 2

TRIBUNAL CONSTITUCIONAL

NÚCLEO DE APOIO DOCUMENTAL E INFORMAÇÃO JURÍDICA

Temas de Direito Tributário


Jurisprudência Constitucional relacionada

[Tema: Contraordenações tributárias]

 As contraordenações tributárias

[Contra-ordenação fiscal]:
Acórdão 389/2013
Não julga inconstitucionais as normas das alíneas a) e b) do n.º 1 do artigo 8.º do Regime Geral
das Infrações Tributárias, na parte em que se refere à responsabilidade civil subsidiária dos
administradores e gerentes por coimas aplicadas a pessoas coletivas em processo de
contraordenação. [v. também Acórdãos 698/2013, 561/2011, 437/2011, 35/2011, 26/2011,
24/2011 481/2010].

Acórdão 146/2011
Não julga inconstitucional a norma do artigo 105.º, n.º 7, do Regime Geral das Infracções
Tributárias, aprovado pela Lei n.º 15/2001, de 5 de Junho (tipo legal; obrigação declarativa).

Acórdão 29/2007
Não julga inconstitucionais as normas do artigo 96.º, n.º 1, alíneas a) e b), do Regime Geral das
Infracções Tributárias (RGIT), aprovado pela Lei n.º 15/2001, de 5 de Junho, na parte em que
remete para "as formalidades legalmente exigidas", do artigo 96.º, n.º 1, do RGIT, na parte em
que estabelece como condição da punição a circunstância de "o valor da prestação tributária em
falta [ser] superior a € 7500", originando os casos em que o valor é igual ou inferior
responsabilidade contra-ordenacional, do artigo 14.º, n.º 1, do RGIT, na parte em que
condiciona a suspensão da execução da pena de prisão ao pagamento pelo arguido do imposto
em dívida e respectivos acréscimos legais, e do artigo 14.º, n.º 1, do RGIT, conjugada com a do
artigo 9.º do mesmo diploma, na medida em que possibilita o cumprimento da sanção aplicada,
por um lado, e a condenação no pagamento do imposto em dívida e respectivos acréscimos
legais, por outro.

Acórdão 244/1999
Não julga inconstitucionais os n.ºs 1 e 2 do artigo 26.º do Regime Jurídico das Infracções
Fiscais Não Aduaneiras (RJIFNA), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 29-A/90, de 15 de Janeiro, na
redacção anterior à que lhes foi dada pelo Decreto-Lei n.º 394/93, de 24 de Novembro, e
interpreta a norma constante do artigo 14.º do RJIFNA como apenas permitindo a pronúncia,
em alternativa, pelo crime de fraude fiscal ou pelas contra-ordenações referidas no despacho
respectivo, previstas e punidas pelos artigos do mesmo RJIFNA que indica, na medida em que
correspondam aos mesmos factos.

Acórdão 302/1997
Não julga inconstitucional a norma do artigo 35.º, n.º 1, do Código de Processo Tributário
(prazo prescricional para as contra-ordenações fiscais). [v. também Acórdão 213/1998]
TRIBUNAL CONSTITUCIONAL

NÚCLEO DE APOIO DOCUMENTAL E INFORMAÇÃO JURÍDICA

 A decisão administrativa de aplicação de coima e a prova em


sede de recurso judicial daquela decisão

[Processo tributário / Contencioso tributário / Prova]:


Acórdão 753/2014
Não julga inconstitucional a artigo 23.º, n.º 7, do Código do Imposto sobre o Rendimento das
Pessoas Coletivas (CIRC), na redação da Lei n.º 32-B/2002, de 30 de dezembro, na medida em
que exclui a dedutibilidade da variação patrimonial negativa decorrente da alienação de ações
próprias, entre entidades com relações especiais, em qualquer circunstância e sem
consideração da situação concreta do sujeito passivo.

Acórdão 340/2013
Não julga inconstitucional a norma resultante da interpretação do disposto nos artigos 61.º, n.º
1, alínea d), e 125.º do Código de Processo Penal, com o sentido de que os documentos obtidos
por uma inspeção tributária, ao abrigo do dever de cooperação imposto nos artigos 9.º, n.º 1,
28.º, n.ºs 1 e 2, 29.º e 30.º do Decreto-Lei n.º 413/98, de 31 de dezembro, e nos artigos 31.º, n.º
2, e 59.º, n.º 4, da Lei Geral Tributária, podem posteriormente vir a ser usados como prova em
processo criminal pela prática do crime de fraude fiscal movido contra o contribuinte.

Acórdão 518/2011
Não julga inconstitucional a norma constante do artigo 112.º, n.º 1, alínea b), da Lei Geral
Tributária (na redacção do Decreto-Lei n.º 398/98, de 17 de Dezembro), que faz recair sobre os
responsáveis subsidiários o ónus da prova de que a falta de pagamento de multas ou coimas
vencidas no período do seu mandato lhes não foi imputável.

Acórdão 452/2003
Não julga inconstitucionais as normas dos n.ºs 4 e 5 do artigo 7.º do Código do Imposto sobre o
Rendimento das Pessoas Singulares, na redacção anterior à Lei n.º 30-G/2000, de 29 de
Dezembro, interpretadas no sentido de, no âmbito de um processo de impugnação da
liquidação tributária, vedarem o recurso a meios de prova diversos dos que aí se deixam
taxativamente elencados.

Acórdão 269/2003
Não julga inconstitucionais as normas dos artigos 82º e 84º do Código do Imposto sobre o Valor
Acrescentado, na versão originária (procedimento administrativo de liquidação do imposto).