Você está na página 1de 23

Análise de Sistemas de Potência (ASP)

O estudo do fluxo de carga


• Fluxo de carga → ferramenta de análise de redes (regime permanente)
• Utilização → operação em tempo real e planejamento da operação e expansão
• Informações determinadas
− Carregamento de LTs, TRs, geradores e equipamentos de compensação (var)
− Tensão nas barras (magnitude)
− Perdas de transmissão
• Permite definir propostas de alterações para tornar a operação da rede mais segura e econômica.
− Operação
 Despacho dos geradores
 Dispositivos de controle de tensão (injeções var e taps)
 Intercâmbio com os sistemas vizinhos
 Topologia
− Planejamento da expansão
 Localização plantas de geração
 Seleção LTs e TRs
 Dispositivos de controle do fluxo de potência (FACTS1)
 Interconexão com outros sistemas

1
Flexible AC Transmission System.
Introdução ao estudo do fluxo de carga – Sérgio Haffner Versão: 2/4/2009 Página 1 de 12
Análise de Sistemas de Potência (ASP)
Definição do problema do fluxo de carga
Fluxo de carga (load flow) ou fluxo de potência (power flow) → obter condições de operação
( V k θ k , Pkm + jQkm ) em uma rede em RP com topologia e injeções ( Pk + jQk ) conhecidas.

São associadas quatro variáveis a cada barra da rede (nó elétrico)


V k – Magnitude do fasor tensão nodal da barra k
θ k – Ângulo de fase do fasor tensão nodal da barra k
Pk – Injeção líquida (geração menos carga) de potência ativa da barra k
Qk – Injeção líquida de potência reativa da barra k

Aos ramos da rede (cujos extremos são as barras k e m) associam-se


I km – Fasor da corrente que sai da barra k em direção à barra m
Pkm – Fluxo de potência ativa que sai da barra k em direção à barra m
Q km – Fluxo de potência reativa que sai da barra k em direção à barra m

Tabela – Tipos de barra no fluxo de carga convencional.


Tipo de barra Notação Dados Incógnitas Observação
Barra de carga PQ Pk e Qk Vk e θ k Mais freqüente
Tensão controlada PV Pk e V k θ k e Qk Instalações com controle de tensão
Necessária: referência angular
Referência Vθ Vk e θ k Pk e Qk
balanço de potência
Introdução ao estudo do fluxo de carga – Sérgio Haffner Versão: 2/4/2009 Página 2 de 12
Análise de Sistemas de Potência (ASP)
Exercício 1 – Considere o sistema elétrico composto por duas barras e uma linha de transmissão
ilustrado na Figura a seguir. Para este sistema, são conhecidos o fasor tensão na Barra 1
(utilizada como referência angular pois θ1 = 0 ), V 1 , e a demanda de potência da Barra 2 (que
constitui uma barra de carga), S 2 . Deseja-se determinar o fasor tensão na barra 2, V 2 , e a
injeção líquida de potência da barra 1, S 1 .
V 1 = 1 0 pu V 2 = V2 θ 2

1 I 12 2
Z LT = (0,01 + j 0,1) pu

S1 S 2 = (0,8 + j 0,4 ) pu
Exercício 2 – Refazer o Exercício 1 considerando que a carga na Barra 2 corresponde a uma
impedância igual a Z 2 = (1 + j 0,5 ) pu .

Exercício 3 – Refazer o Exercício 1 considerando que a carga na Barra 2 corresponde a uma


corrente igual a I 2 = ( 0,8 − j 0, 4 ) pu .

Exercício 4 – Determinar os dados e as incógnitas do problema de fluxo de carga convencional


de um sistema composto por 4 barras (Pi , Qi ,Vi ,θ i , i = 1,⋯,4 ) , sabendo que a Barra 1 é a referência
(Vθ), a Barra 3 é de tensão controlada (PV) e as demais barras são de carga (PQ).

Introdução ao estudo do fluxo de carga – Sérgio Haffner Versão: 2/4/2009 Página 3 de 12


• Resultado para as 10 iterações:
1 1.0000 0.00 0.8944 -26.57
2 0.9550 -4.56 0.9365 -31.13
3 0.9466 -4.56 0.9449 -31.13
4 0.9461 -4.61 0.9454 -31.17
5 0.9460 -4.61 0.9454 -31.17
6 0.9460 -4.61 0.9455 -31.17
7 0.9460 -4.61 0.9455 -31.17
8 0.9460 -4.61 0.9455 -31.17
9 0.9460 -4.61 0.9455 -31.17
10 0.9460 -4.61 0.9455 -31.17
Para um Transformador em fase:
Para um Transformador dafasador:
Análise de Sistemas de Potência (ASP)

Com a imposição da Primeira Lei de Kirchhoff (injeção = soma fluxos), tem-se duas equações:

1 2

Pk 2 + jQ k 2
Pk1 + jQ k1
Pk = ∑ P (V ,V
m∈Ω k
km k θ θ
m, k , m )
Pkm + jQ km

k m Qk + Qksh (Vk ) = ∑ Q (V ,V
m∈Ω k
km k θ θ
m, k, m )
jQksh
Pk + jQ k

k = 1,2, ⋯, NB – índice das barras do sistema, sendo NB o número de barras do sistema;


Ωk – conjunto das barras vizinhas da barra k;
Vk , Vm – magnitude dos fasores das tensões terminais do ramo k-m;
θ k ,θ m – ângulo de fase dos fasores das tensões terminais do ramo k-m;
Pkm , Qkm – fluxo de potência ativa e reativa no ramo k-m;
Qksh – injeção de var do elemento em derivação (shunt) da barra k (Qk = bk Vk ).
sh sh 2

Introdução ao estudo do fluxo de carga – Sérgio Haffner Versão: 2/4/2009 Página 4 de 12


Análise de Sistemas de Potência (ASP)

Com a imposição da Segunda Lei de Kirchhoff, os fluxos de potência ativa e reativa nos
ramos (LTs e TRs):

Pkm = (a kmVk ) g km − (a kmVk )Vm [g km cos(θ km + ϕ km ) + bkm sen (θ km + ϕ km )]


2

Qkm = −(a kmVk ) bkm + bkm


sh 2
( )
− (a kmVk )Vm [g km sen (θ km + ϕ km ) − bkm cos(θ km + ϕ km )]

Expressões gerais para os fluxos de corrente nos ramos:


2
(
I km = akm sh
Y km + jbkm ) (
V k + − akm e − jϕ km Y km V m )
I mk = (− a km e
+ jϕ km
Y km)V + (Y
k km )
sh
+ jbkm Vm

Tabela – Parâmetros para os diferentes equipamentos nas expressões gerais dos fluxos.
sh
Equipamento a km ϕ km bkm
Linha de transmissão 1 0
Transformador em fase 0 0
Transformador defasador puro 1 0
Transformador defasador 0

Introdução ao estudo do fluxo de carga – Sérgio Haffner Versão: 2/4/2009 Página 5 de 12

Você também pode gostar