Você está na página 1de 3

RESUMO DO TEXTO: EXCERTO DO “DIREITO SOCIETÁRIO I – FUNDAMENTOS”

I – Introdução

 O conceito de “empresa” pode ser analisado sob diversos perfis: o perfil


subjetivo (a empresa como empresário), o objetivo ou patrimonial (a empresa
como patrimônio e como estabelecimento), o funcional (a empresa como
atividade) e o corporativo (a empresa como instituição).

II – Objeto e desenvolvimento

 O direito societário regula a comunidade de pessoas que se associaram para


atingir um fim comum.
 Sua tarefa, para as associações privadas, é a de desenvolver regras de
conduta justas e adequadas.
 Há 3 áreas para as quais o legislador deve se atentar: a determinação da
finalidade (objeto – ou atividade – + objetivos), a organização e o status socii.
Essas áreas podem ser reguladas em parte pelo legislador, ou projetadas
pelos próprios fundadores e sócios.
 A cláusula da finalidade é a “estrela polar” do direito societário. Ela delimita a
esfera coletiva da vida societária perante os membros e perante terceiros,
porque os sócios coletivizaram seus interesses nos exatos limites desse
objetivo.
 É mediante à organização que a formação da vontade interna e a sua
manifestação externa são disciplinadas. Quando os sócios não chegam a
uma unanimidade, deve ser estabelecido quem será competente para
determinadas questões, como se realização as deliberações e por quem elas
serão executadas.
 O status socii diz respeito à disciplina de direitos e deveres dos sócios
perante a organização societária e perante os outros sócios. Exemplos de
direitos: direito de participação (voto, gestão social), direitos patrimoniais
(lucros, fruição), direitos de informação e fiscalização e o direito de se retirar
da organização societária. Exemplos de deveres: dever de contribuir, dever
de colaborar para a gestão social e o dever de lealdade.
 O direito societário é como um “pequeno Estado de Direito”: possui a
organização do poder coletivo (maioria) e os direitos e deveres dos “cidadãos
societários”.

 No ordenamento patrimonial devem ser tomadas medidas acautelatórias com


relação à competência para o exercício de direitos e sua execução, à
transferência do patrimônio entre a organização societária e os sócios e à
responsabilidade nas relações internas e externas.
 Do ordenamento do patrimônio especial resulta, por fim, a quem os credores
devem voltar-se quando eles querem ajuizar e executar dívidas da
sociedade.
 No tocante à responsabilidade, a sociedade é responsável por todas as
obrigações que ela mesma contraiu, bem como pela conduta de seus órgãos.
Se toda a responsabilidade dos sócios for excluída, a proteção dos credores
deve ser assegurada de outra forma, por meio de exigências para a entrada e
manutenção do capital.

 O direto das sociedades comerciais, uma vez que estas exploram uma
empresa, compreende determinar por quem e segundo quais diretrizes o
planejamento, a direção e a fiscalização da empresa devem ser executados,
e, portanto, de que forma a unidade econômica “empresa” deve ser
organizada.
 O ordenamento interno da empresa não necessariamente está assentado no
direito societário. Como a empresa identifica-se com seu titular, pela
distribuição de poder entre vários titulares formou-se o direito (interno) da
empresa. Pode haver um direito de empresa abrangente e independente,
todavia, encontram-se poucos sinais nesse sentido.
 Entre as áreas que hão de ser ordenadas pelo direito societário, coloca-se em
primeiro plano a direção (como a administração deve ser organizada, se uma
ou mais instâncias são competentes, quem pode nomear e destituir os
administradores, segundo quais princípios eles devem agir, etc).
 Uma área não exclui a outra. Muitas questões societárias dizem respeito tanto
à esfera da sociedade, quanto ao ordenamento do patrimônio e da empresa.
A adequação e legitimidade de uma regulamentação deve, assim, ser
analisada sob diversos aspectos.
 Cada uma das leis societárias ultrapassa, de um lado, as áreas nomeadas; de
outro, o próprio direito societário é influenciado mediata ou imediatamente por
outras disciplinas jurídicas.

Você também pode gostar