Você está na página 1de 15

Índice

I. Lista de figuras..........................................................................................................2

1. Introdução..................................................................................................................3

2. Objectivos:.................................................................................................................4

2.1. Geral....................................................................................................................4

2.2. Específicos..........................................................................................................4

4. OSCILADOR CONTROLADO POR TENSÃO (VCO)..........................................5

4.1. Diagrama de Blocos............................................................................................5

4.2. Princípio de Funcionamento...............................................................................5

4.3. Aplicações dos Osciladores Controlados por Tensão.........................................6

4.4. Diagrama Funcional (usando o T555)................................................................6

4.4.1. Princípio de Funcionamento........................................................................7

5.1. Comparador de Fase...............................................................................................8

5.2. Filtro Passa-Baixa...................................................................................................9

5.3. VCO......................................................................................................................10

5.4. Divisor por N........................................................................................................10

5.5. Aplicações.........................................................................................................11

5.6. Principio de funcionamento..............................................................................12

5.7. Modos de Operação..........................................................................................12

5.7.1. Modo de aquisição.....................................................................................12

5.7.2. Modo de rastreamento...............................................................................12

6. Conclusão................................................................................................................14

7. Referências bibliográficas.......................................................................................15

1
I. Lista de figuras
Figura 1. Diagrama de Blocos do VCO.............................................................................5
Figura 2. Circuito interno do VCO....................................................................................6
Figura 3. Diagrama Funcional Usando T555....................................................................6
Figura 4. Forma de onda....................................................................................................7
Figura 5-Diagrama em blocos de um PLL básico.............................................................8
Figura 6-Curva característica do comparador por fase......................................................9
Figura 7-Curva característica do filtro passa-baixa...........................................................9
Figura 8-Curva característica do VCO............................................................................10

2
1. Introdução
Para a recepção de rádio AM é necessário um oscilador local (receptor) com a mesma
frequência do sinal emitido. A mistura (produto) do oscilador local com o sinal recebido
permite a extracção do sinal modulado.Contudo, pequenas alterações do oscilador local
causam degradação significativa do sinal demodulado.

Portanto, para que essa e outras condições que seram tratadas no trabalho se verifiquem,
é preciso que haja uma malha de fase síncrona ou seja, um sistema PLL. Dai que neste
presente trabalho, falaremos do sistema PLL no seu todo, frisando o diagrama em
blocos, principio de funcionamento, aplicações e modos de oscilação.

Este trabalho é dirigido ao público em geral, mas tomando especial atenção aos
estudantes de eletrônica e áreas afins.

3
2. Objectivos:
2.1. Geral

 Analisar e versar sobre o PLL e o VCO

2.2. Específicos

 Apresentar conceitos concerne ao VCO e ao PLL;

 Identificar aspectos técnicos competentes a cada um deles;

 Ilustrar por meio de gráficos o seu comportamento;

 Avaliar o nível de relação existente entre o VCO e o PLL.

3. Metodologia

O trabalho presente foi elaborado com base no método investigativo analítico, através
da recolha, consulta e análise de vários materiais (bibliografias) concerne ao tema em
questão, dentre os quais a internet foi de grande ajuda como meio de obtenção de
bibliografias em formato electrónico para execução do trabalho.

4
4. OSCILADOR CONTROLADO POR TENSÃO (VCO)
Voltage Controlled Oscillator, ou seja, Oscilador controlado por tensão em português, é
um circuito que fornece na saída um sinal variável, tipicamente ondas quadrada e
triangular, cuja frequência de saída é controlada por uma tensão DC de entrada.
Muitos osciladores precisam ser sintonizáveis, isto é, sua frequência de saída deve ser
função de um controle de entrada, tensão ou corrente.

4.1. Diagrama de Blocos

Figura 1. Diagrama de Blocos do VCO

4.2. Princípio de Funcionamento


O circuito oscilador controlado por tensão é formado por um amplificador de ganho 1
que promove um sinal quadrado em sua saída a partir do sinal de entrada constante
(Vcont) e de um circuito de controle formado por um interruptor (JFET). O sinal de
saída do amplificador de ganho 1 é aplicado a entrada de um circuito integrador, de
forma a se obter na saída deste um sinal em rampa (onda triangular). O sinal de saída do
integrador é aplicado a um comparador com histerese fornecendo o sinal de saída Vout
que é limitado pela tensão dos diodos zener dispostos na saída da estrutura. O circuito
VCO analisado é um circuito discreto que utiliza amplificadores operacionais para
montagem dos blocos citados. O diagrama em blocos é visto na Fig.2.

5
Figura 2. Circuito interno do VCO

4.3. Aplicações dos Osciladores Controlados por Tensão


Os osciladores controlados por tensão podem ter aplicações em:

Implementação de equipamentos de transmissão/recepção uma vez que


dependem da frequência.
Geradores de função.
Sintetizadores de frequência utilizados em equipamentos de comunicação.
Outra aplicação dos VCO’s é nos circuitos PLL ou Phase Lock Loop.

4.4. Diagrama Funcional (usando o T555)

Figura 3. Diagrama Funcional Usando T555

6
4.4.1. Princípio de Funcionamento
Na figura acima está ilustrado um Oscilador controlado por tensão que é na verdade
uma aplicação do temporizador 555. O circuito as vezas é chamado de conversor
tensão-frequência porque uma tensão de entrada pode variar a frequência da saída.

Vejamos o funcionamento deste circuito. Lembrando que o pino 5 (controle) esta


conectado á entrada inversora do comparador superior. Normalmente, a tensão de
controlo é 2Vcc/3 devido ao divisor de tensão interno. No entanto, a tensão de um
potenciómetro externo ultrapassa a tensão interna. Em outras palavras, ajustando o
potenciómetro, podemos variar a tensão de controlo.

A figura abaixo ilustra a tensão através do capacitor de temporização. É possível


observar que ele varia entre Vcon/2 + Vcon. Se aumentarmos Vcon, o capacitor leva
mais tempo para carregar e descarregar; portanto a frequência diminui. Como resultado,
podemos variar a frequência do circuito variando a tensão de controlo. A propósito, a
tensão de controlo pode vir de um potenciómetro ou pode ser a saída de um circuito
transistorizado, de um ampop, ou de um outro dispositivo qualquer:

Figura 4. Forma de onda

7
5. Conceito

A sigla PLL, de PhaseLockedLoop, significa elo (de realimentação) fechado por


fase.Uma malha de captura de fase (PLL), é uma combinação de um sistema de
realimentação (feedback) do oscilador controlado por tensão (VCO) e um comparador
de fase, de modo que o oscilador ligado mantém um ângulo de fase constante em
relação a um sinal de referência. As PLL podem ser utilizadas, por exemplo, para gerar
sinais de alta frequência de saída estável a partir de um sinal de baixa frequência fixa.
O objectivo do sistema é ter na saida um sinal cuja frequência seja proporcional a
frequência do sinal de entrada.
Neste sistema, a variável de controlo é a FASE, não a frequencia. Portanto, para que o
sistema funcione, é preciso que nela haja uma realimentacao negativa.
Um PLL é composto por diversos blocos, sendo o diagrama mostrado abaixo uma das
suas versões mais actualizadas.

Figura 5-Diagrama em blocos de um PLL básico

5.1. Comparador de Fase


Fornece na saída uma tensão que é proporcional à diferença de fase existente entre os
sinais aplicados em suas entradas, ou seja, entre o sinal externo, f s, e o sinal produzido
pelo VCO, f o.

8
Figura 6-Curva característica do comparador por fase

5.2. Filtro Passa-Baixa


Atenua os sinais de alta frequência presentes na saída do comparador de fase,
reduzindo, dessa maneira, a modulação em frequência do sinal gerado pelo VCO.
Determina, também, as principais características de um PLL.

Figura 7-Curva característica do filtro passa-baixa

9
5.3. VCO
É um oscilador controlado por tensão, cuja frequência de saída é proporcional à tensão
aplicada em sua entrada de controlo.

Figura 8-Curva característica do VCO

5.4. Divisor por N


Divide por N a frequência do sinal produzido pelo VCO, permitindo que o PLL actue
como multiplicador de frequência.

Nem todos os PLLs são construídos exactamente de acordo com o diagrama em blocos
mostrado na figura acima, sendo possível destacar-se as seguintes modificações:

A supressão do divisor por N (N igual à unidade).


A inclusão de um estágio amplificador entre a saída do filtro passa baixa e a
entrada de controlo VCO. Esse amplificador é necessário quando a tensão
produzida pelo comparador de fase não é suficiente para controlar directamente
a entrada do VCO.
A inclusão de um filtro passa-baixa no caminho da tensão de saída, com a
finalidade de atenuar mais fortemente a componente de corrente alternada
produzida pelo comparador de fase. Esse procedimento é adoptado,
principalmente, quando o PLL é utilizado como demodulador de frequência.

Um PLL tem como finalidade:

10
1) Para sinais de entrada de frequência variável: fazer com que o VCO siga a
frequência do sinal aplicado, produzindo um sinal de saída, f o, com a mesma
frequência do sinal de entrada, f s, ou no caso de N ser maior do que a unidade, a
frequência de saída será N vezes a frequência do sinal de entrada.

2) Para sinais de entrada de frequência fixa: manter constante a diferença de fase


entre o sinal produzido pelo VCO e o sinal aplicado na entrada do PLL.

5.5. Aplicações
Os PLLs podem ser utilizados nas seguintes aplicações:

Controle Automático de Frequência (CAF): pode ser utilizado para assegurar a


sintonia correcta dos receptores na frequência do sinal recebido, evitando, dessa
forma, a deriva de frequência do oscilador local, que é mais acentuado nos
receptores que operam em frequências elevadas, como os de FM e TV.
Controlo Automático de Fase;
Regeneração de portadora: Utilizada na recepção sincródina, que depende, para
seu funcionamento, da geração de uma portadora local que esteja em fase com o
sinal recebido;
Demoduladores para sinais FM ou FSK: o PLL deve fornecer um sinal de saída
que seja uma réplica do sinal modulante. O sinal demodulado é obtido pela
filtragem do sinal fornecido pelo comparador de fase;
Sintetizadores de frequência: o VCO do PLL é posto a operar numa frequência
múltipla da frequência do sinal de entrada, f s, que passa a actuar como uma
referencia para a frequência gerada pelo VCO;
Pode ser usado para o controle de velocidade;
Sincronização de sinais em sistemas digitais.

11
5.6. Principio de funcionamento
Uma malha de captura de fase (PLL) é um circuito realimentado projetado para permitir
uma placa de circuito sincronizar de seu clock interno com um sinal externo de
temporização.  Circuitos PLL operam comparando a fase de um sinal externo com a
fase de um sinal de clock produzido por um cristal oscilador controlado por tensão
(VCO). O circuito então ajusta a fase do oscilador do sinal de clock para coincidir com
a fase do sinal de referência.  Assim, o sinal de referência original e o novo sinal estão
precisamente em fase um com outro.  

5.7. Modos de Operação


O sistema PLL tem dois distintos modos de operação:

5.7.1. Modo de aquisição


Este modo está directamente relacionado ao alcance de um estado síncrono a partir de
certa condição inicial.

5.7.2. Modo de rastreamento


Corresponde a ajustes automáticos realizados pelo PLL para manter o estado síncrono,
sob certas perturbações. Este modo é um caso particular do modo de aquisição.

Encontramos neste modo:

5.7.2.1. Faixa de retenção


A faixa de retenção é a faixa de frequências, associada ao modo de rastreamento, em
que deve se situar o sinal externo, de modo a não tirar o PLL de um dado estado
síncrono

5.7.2.2. Faixa de captura


A faixa de captura é a faixa de frequências do sinal externo associada ao modo de
aquisição que determina se há a possibilidade de obtenção de um estado síncrono. A
faixa de captura tem por centro a frequência de livre curso do VCO. É dentro dessa
faixa que o PLL pode entrar em sincronismo com o sinal de entrada.

A faixa de captura está directamente relacionada com a selectividade do filtro passa


baixa, usado no circuito do PLL. Se o filtro tiver uma constante de tempo muito grande,
o circuito demora mais para reconhecer o sinal de entrada. É necessário mais tempo
para que surja na saída, a tensão de erro do detector (que corresponda à diferença entre
12
este sinal e o gerado pelo VCO). Por outro lado, uma constante de tempo maior para o
filtro significa uma imunidade maior a ruídos. Com pouca selectividade, alguns pulsos
de ruído poderiam ser "confundidos" com o sinal, levando o PLL a tentar sincronizar-se
com eles. Normalmente os ruídos têm curta duração, não havendo tempo para que seja
gerada a tensão de erro que leva o VCO a mudar sua frequência. Outro problema
causado por uma constante de tempo maior é que a faixa de captura fica reduzida, o que
pode significar uma limitação no uso do PLL. O projectista deve encontrar uma
constante de tempo para o filtro passa-baixa que lhe dê o melhor compromisso entre a
faixa de captura conveniente e a imunidade aos ruídos.

13
6. Conclusão
Após repetidas leituras e de uma exaustiva avaliação sobre o tema em análise, pode-se
constatar que o a níveis de relação, o VCO que é um oscilador controlado por tensão ou
seja um conversor tensão-frequência é parte preponderante na malha de realimentação
do PLL a medida que este é responsável juntamente com um comparador por pela
geração de altas freqüências e a característica de alta estabilidade do PPL.

Este circuito diferente do VCO, A variável de controlo é a fase e não a tensão sendo
que para o corecto funcionamento do mesmo é necessário que haja uma realimentação
negativa.

Pode-se também concluir que a eficiência do PLL é na sua maioria determinada pelo
filtro passa-baixa instalado logo a saída do mesmo, sendo este elemento chave para o
sincronismo.

A geração de altas freqüências que é uma das principais características do PLL, faz-se
possível ao divisor por N, que gera múltiplos da freqüência oferecida pelo VCO, pelo
que este bloco é também de extrema importância ao funcionamento e execução da
tarefas do circuito PLL.

De modo particular, na qualidade de grupo podemos dizer que o Estudo do PLL é de


extrema importância para nós na qualidade de estudantes de electrónica a medida que é
aplicado em diversas áreas de interesse.

14
7. Referências bibliográficas
 R. Boylestad, L. Nashelsky, Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos.
5a Ed., Prentice-Hall do Brasil, 1992;
 J. Millman. e C. C. Halkias, Eletrônica. Mc Graw Hill, 1981, volume 2. P.R.
 http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfAeEAD/malhas-captura-fase,
visitado a 25 de abril de 2016 pelas 22:30h.

15