Você está na página 1de 39

III - Momento Angular

Baseado no Cap III do Sakurai

Mário Ernesto Giroldo Valerio


LabsProfMario@gmail.com
2020.1
III.1- Rotações e Momento Angular –
Relações de Comutação
• Resumo da física Clássica:
– Rotações em torno de um mesmo eixo comutam
• Rodar de 20º em torno do eixo z e depois de 40º em
torno do mesmo eixo é igual a rodar 40º e depois 20º.
– Rotações em torno de eixos diferentes não
comutam!

( 2 ) R ( 2 )  R ( 2 ) R ( 2 )
Rz  x x z

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 2


• Primeira tarefas é descobrir
quantitativamente as relações entre rotações
e as regras de comutação
• No mundo clássico, uma rotação em 3D
significa transformar uma determinada
função V(x) da seguinte forma:
 Vx   Vx 
   
 Vy   = R  Vy  R RT = RT R = 1
V  V 
 z   z
• 𝐑 é dita uma transformação ortogonal e a
seguinte propriedade se aplica:
Vx2 + Vy2 + Vz2 = Vx2 + Vy2 + Vz2

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 3


• Convenções:
– Operações de rotação afetam o sistema físico e
não o sistema de eixos coordenados que
permanece inalterado.
– Numa rotação de um ângulo  em torno do eixo
z, o ângulo é tomado como positivo se a rotação
for contrária aos ponteiros do relógio no plano
XY, qdo a rotação é vista do lado positivo do eixo
z.
z z=z’

y
x >0

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 4


y

𝒓2

𝒓1

−𝑦1 𝑠𝑒𝑛𝜃 𝑖Ƹ + 𝑦1 𝑐𝑜𝑠𝜃 𝑗Ƹ = 𝒚2 𝒙2 = 𝑥1 𝑐𝑜𝑠𝜃𝑖Ƹ + 𝑥1 𝑠𝑒𝑛𝜃 𝑗Ƹ

x

𝒓2 = 𝑥1 𝑐𝑜𝑠𝜃 −𝑦1 𝑠𝑒𝑛𝜃 𝑖Ƹ + 𝑥1 𝑠𝑒𝑛𝜃 + 𝑦1 𝑐𝑜𝑠𝜃 𝑗Ƹ

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 5


• Seguindo estas convenções, a matriz que
promove uma rotação  em torno do eixo z é
dada por:
 cos -sen 0 
 
R z (  ) =  sen cos 0  e R RT = RT R = 1
 0 
 0 1 
• A matriz de uma rotação infinitesimal  em
torno do eixo z pode ser obtida de Rz()
expandido =  em torno de zero e mantendo
até a 2ª ordem em  :
1 −  2 - 0
 2 
 
R z () =    2
1− 0
2
 
 0 0 1
 
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 6
• Rotações infinitesimais em torno de x e y
podem ser igualmente obtidas e teremos:
1  1 −  2 
 0 0  0 
 2 
 
R x () =  0 1−  R y () =  0 0 
2
-  1
2  
   − 0 1−  
2
0  1−  2

 2  2

• Calculemos agora as seguintes situações:


R x () R y () = R y () R x () =
1   2  1 −  2 1 
 0 0  1 − 2 0 
  2
0 

0 0 
   
=  0 1−  -   0 0  = 0 0  0 1− 
2 2
1 1 - 
2     2
   − 0 1−  
2
 − 0 1 −    0
2 
1−    
2 2
0  2  2   1 − 
 2 2

1 −  2 0   1 −  2 2  
 2   2 
  2    2 
=  2
1− -  = 0 1− - 
2 2
 2  2
 -   1 −    -   1 −  
2020-1  
MEGV – TQI–Capitulo 
III - NPGFI  7
1 −  2 0   1 −  2 2  
 2   2 
   
R x (  ) R y (  ) =  2 1−  R y () R x () =  0 1− 
2 2
-  - 
2 2
 2  2
 -   1 −    -   1 −  
   

• Então, se considerarmos termos só até 1ª ordem


em , rotações infinitesimais comutam!
• Se preservamos os termos até 2 teremos:
𝐑𝑥 𝜀 𝐑𝑦 𝜀 − 𝐑𝑦 𝜀 𝐑𝑥 𝜀
𝜀2 𝜀2
1− 0 𝜀 1− 𝜀2 𝜀
2 2 1 0 0
=
2
𝜀2 − 𝜀2 𝟏= 0 1 0
𝜀 1− −𝜀 0 1− −𝜀
2 2 0 0 1
−𝜀 𝜀 1 − 𝜀2 −𝜀 𝜀 1 − 𝜀2
0 −𝜀 2 0 1 −  2 - 0
 2 
𝐑𝑥 𝜀 𝐑𝑦 𝜀 − 𝐑𝑦 𝜀 𝐑𝑥 𝜀 = 𝜀 2 0 0  
R z () =   1− 
2
0
0 0 0 2
2  
𝐑𝑥 𝜀 𝐑𝑦 𝜀 − 𝐑𝑦 𝜀 𝐑𝑥 𝜀 = 𝐑𝑧 𝜀 − 𝟏  0 0 1
 

Relação de R x () R y () − R y () R x () = R ( ) −1 z


2

comutação
de rotações!
2020-1
R x (  ) R MEGV
y (  ) − R (  ) R
– TQI–Capitulo
y (  ) =
x - NPGFI z
III
R (  2
) − R any ( 0 ) 8
Rotações infinitesimais na Mec Quântica
• Na nossa convenção, rotações no espaço de três
dimensões alteram o estado físico do sistema.
• Então o estado (inicialmente em t=0!) descrito pelo ket
| deve ser alterado.
• Consideremos o exemplo das rotações em 3D dados
pela matriz R, vamos associar um operador D(R) de
forma que:
Estado Rodado:  R
= D ( R) 
• Notar que apesar da matriz R ser uma matriz 3x3 que
modifica as coordenadas das grandezas físicas, D(R)
é um operador que atua no espaço dos kets
transformando um ket em outro.
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 9
• Para construir o operador D(R) começaremos
analisando o caso das rotações infinitesimais.
• Usando o exemplo do operador translação
infinitesimal e do operador evolução temporal
infinitesimal, e lembrando que na mec clássica o
operador gerador de rotação é o momento angular
...
• Definiremos: que o operador que produz uma
rotação infinitesimal de um ângulo d em torno de
um eixo definido por um vetor unitário 𝒏 ෝ é dado
por:
 J .n 
D ( n, d  ) = 1 −   d
 
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 10
• Uma rotação finita pode ser obtida por
aplicações sucessivas de rotações
infinitesimais: N
  J .n   
D ( n,  ) = lim 1 −  N
N →
   
 J .n 
D ( n,  ) = exp  −i 
 
• Em particular, para uma rotação em torno de
um dos eixos coordenados, ou seja, qdo 𝒏ෝé
um dos versores dos eixos:
 Jk 
Dk (  ) = exp  −i 
 
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 11
• Vamos POSTULAR ainda que as
propriedades do operador D(R) são as
mesmas das matrizes das rotações 3D,
ou, em linguagem de Teoria de Grupos, R
e D(R) pertencem ao mesmo grupo!
Rotações na Mec
Rotações na Quântica
Clássica

Elemento Neutro R•1=1•R=R D(R) •1=1•D(R)=D(R)

Fechamento R1R2=R3 D(R1)D(R2)=D(R3)

Inversa RR-1=1 D(R)D-1(R)=1

D(R1)D(R2)D(R3)=
R1R2R3=(R1R2)R3=
Associativa [D(R1)D(R2)]D(R3)=
R1(R2R3)
D(R1)[D(R2)D(R3)]

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 12


• Voltando agora ao caso das relações de
comutação para operações infinitesimais:
R x (  ) R y (  ) − R y (  ) R x (  ) = R z ( 2 ) − 1

• Esta relação também deve valer para


operador D(R) já que os R e D(R) tem as
mesmas propriedades.
• Então:

( )
Dx (  ) Dy (  ) − Dy (  ) Dx (  ) = Dz  − 1
2

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 13


( )
Dx (  ) Dy (  ) − Dy (  ) Dx (  ) = Dz  2 − 1

 J x   J y   J y   J x   J z 2 
exp  −i  exp  −i  − exp  −i  exp  −i  = exp  −i  −1
         

  
2
J y 1  J y 
2
J x 1  J x 
1 − i −   +  1 − i −   + −
 2   2   
  
 J y 1  J y 
2
  J x 1  J x 
2

1 − i −   +  1 − i −   + 
 2   2   
  
 J z 1  J x 
2 2 2 
= 1 − i −   +  −1
 2  
 

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 14


• Preservando somente termos até 2:
2 
  1 y  
2
J x 1  J x  J  J 
1 − i −   1 − i −  −
y
   
 2    2  
 J y 1  J y   
2
J x 1  J x   
2
J z 2 
1 − i −    1 − i −    = 1 − i  −1
 2    2 
   
  
2 2
J x J y J y J x 1 J   1
2
 J   1  J   1 J  
2

−i −i +i +i −  x  −  y  +  y  +  x 
2  2  2  2 
2 J z 2
− 2 ( J x J y − J y J x ) = −i

2 J z 2
− 2
 J x ,J y  = −i   J x ,J y  = i J z

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 15


• Repetindo as mesmas contas para outros
pares de rotações infinitesimais podemos
obter:
 J i ,J j  = i ijk J k
• Que é conhecida como as relações principais
de comutação do momento angular.
• Note que:
– O momento angular J foi definido não como xp
mas como gerador de rotação na Mec Quântica.
– A componente de J , Jk, é o gerador de rotação
em torno do eixo k.
– Diferentemente do momento linear p que era o
gerador das translações, as componentes de J
não comutam.
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 16
III.2 – Sistema de Spin ½ de novo ...

• Nos capítulos anteriores ...


Sx =
2
( + − + − + )
Sy = (− + − + − + )
i
2
Sz =
2
( + + − − − )
• Foi demonstrado em um dos exercícios do
capítulo que as componentes do Spin num
sistema de spin ½ satisfazem as relações de
comutação do momento angular (com S →J):
 Si ,S j  = i ijk Sk
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 17
• Consideremos uma rotação de um ângulo
 em torno do eixo z, em sistema de spin 1/2.
• O estado do sistema vai modificar de
forma que:
 Sz 
 = Dz (  )  = exp  −i 
 
R

• Para mostrar que realmente o estado do


sistema é rotacionado em torno do eixo z,
vamos calcular Sx e Sy.

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 18


Sx =  Sx  =  Dz† (  ) S x Dz (  ) 
• Sx:
R R R
 Sz    Sz  
i   −i 
Sx R
= e  
S xe  

 Sz    Sz    Sz    Sz 
Sx =
2
( + − + − + )
 −i  −i
(+ − + − + )e
i   i  
e  
Sxe  
= e    
=
2
  Sz  
i 
 Sz  
 −i 
 Sz  
i   −i 
 Sz 

= e 
+ −e  
+ e  
− +e  

2  
  i 2   
i 2 
 
 −i 2   −i 2  
 
 Sz    Sz  
= e  
+ −e  
+ e  
− + e   i   −i 
   
2   e Sxe
=  e( ) + − + e( ) − + 
i − i

2  = S x cos − S y sen
= ( cos + isen ) + − + ( cos − isen ) − + 
2
Sy =
i
(− + − + − + )
= cos ( + − + − + ) + isen ( + − − − + )  2
2 

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 19


• Então: Sx R
= R
 Sx  R
=  Dz† (  ) S x Dz (  ) 
Sx R
=  ( S x cos − S y sen ) 
Sx R
= S x cos − S y sen
• Repetindo para o Sy (exercício):
Sy = S y cos + S x sen
R

• Para Sz (exercício):


Sz R
= Sz
• Estas 3 relações mostram que realmente
o operador Dz() ´roda´ os valores
esperados para as componentes de S de
um ângulo  em torno do eixo z.

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 20


• Mas e o estado do sistema como um todo?
• Ou, o que acontece com um estado |
qquer? S  
 −i
z

 R
=e  
 e  = + + + − −
 S z 
 −i 
 R
=e  

 S z   S z 
 −i   −i 
 R
=e  
+ + + e  
− −
   
 −i  i 
 R
=e  2
+ + + e  2
− −
• Se consideramos uma rotação de 2:
 Rz ( 2 )
=− + +  + − − − 
 Rz ( 2 )
=− 
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 21
• Ou seja, uma rotação de 2 muda o sinal
do estado do sistema!
• Precisaremos de uma rotação de 4 para
que o sistema volte ao estado inicial!
• Note que o sinal negativo é indiferente nos
valores esperados de qquer grandeza
porque ele some no produto |?|

• Será possível medir esta diferença de um


sinal negativo na função de onda?

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 22


• Antes de responder esta pergunta vamos
explorar um pouco mais o efeito das
rotações no sistema de spin ½.
• Relembrando do exemplo da precessão
do Spin na presença de um campo
magnético constante na direção z:
– A Hamiltoniana do problema é:
 eB  eB
H = −  Sz =  Sz =
 me c  me c

– O operador evolução temporal é então:


 Ht   S z t 
U ( t,0 ) = exp  −i  = exp  −i 
   
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 23
• Comparando o op evolução temporal e o op
de rotação em torno do eixo z:
 Sz   S zt 
Dz (  ) = exp  −i  U ( t,0 ) = exp  −i 
   
• Vemos que o operador evolução temporal
nada mais é do que um operador rotação em
torno do eixo z com =t !
• Então não é surpresa que o efeito do campo
magnético sobre os spins seja de produzir
precessão.
• Podemos então fazer a seguinte associação:
Sx = S x cos − S y sen Sx = Sx cost − S y sent
R t t =0 t =0

Sy = S y cos + S x sen Sy = Sy cost + S x sent


R t t =0 t =0

Sz = Sz Sz = Sz
R t t =0
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 24
• Então o spin do sistema retorna ao seu
valor esperado inicial após um período
precessão=2/.
• No entanto, o ket estado do sistema,
´roda´ de forma que:
 t   t 
 −i  i 
 t =e  2 
+ + 0
+ e  2 
− − 0

• E o estado só retorna a sua configuração


inicial após um período estado=4/!

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 25


Interferômetro de nêutrons para medir a rotação
do estado
• Feixe monoenergético de nêutrons é dividido em dois
que seguem caminhos diferentes de mesmo
comprimento.
• Um deles passa por uma pequena região com campo
magnético constante (cujo módulo do campo pode ser
variado!).
• Os dois feixes são então re-combinados na região de
interferência.
H. Rauch, A. Zeilinger, G. Badurek, A.
S. A. Werner, R. Colella, A. W. Overhauser Wilfing, W. Bauspiess and U. Bonse;
and C. F. Eagen; Phys. Rev. Lett. 35, 1053 Physics Letters A, 54, 425-427 (1975);
- 1055 (1975). Observation of the Phase Verification of coherent spinor rotation
Shift of a Neutron Due to Precession in of fermions
a Magnetic Field. Abstract: The perfect crystal neutron
Abstract: We have directly observed the interferometer was used to test the spinor
sign reversal of the wave function of a rotation of spin-1/2-systems. Coherently
fermion produced by its precession of 2π splitted unpolarized slow neutrons
radians in a magnetic field using a neutron exposed partially to a variable magnetic
interferometer. field show interference oscillations which
2020-1 are
MEGV – TQI–Capitulo III consistent
- NPGFI with the predicted 4π-value.
26
A região com campo B tem
tamanho .
Então o tempo T que o feixe de
 neutrons passa dentro do
campo é dado por:

T= e pn = mn vn =
Para os nêutrons que seguem o caminho B, vn
haverá uma diferença de fase dada por: mn
 T 
T =
 −i 2  gn e B
e  
, com:  =
mn c g n e B mn gn e
T = = B
mn c c
Para um determinado valor de campo a Então a variação de campo que
diferença de fase é fixa. Mas se variarmos o provoca está mudança é dada por:
campo, a diferença de fase vai mudar e se as
gn e
previsões forem corretas, deveremos ter um T = 4 = B
ciclo de interferência destrutiva em seguida c
interferência construtiva qdo o produto T 4 c
variar de 4 B =
gn e

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 27


S. A. Werner, R. Colella, A. W. Overhauser
and C. F. Eagen; Phys. Rev. Lett. 35, 1053
- 1055 (1975). Observation of the Phase
Shift of a Neutron Due to Precession in
a Magnetic Field.

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 28


Matrizes de Pauli
• No Capítulo 1 obtivemos para o sistema
de spin ½, as matrizes que representam
os autoestados com Sz=/2:
1
.
+ =    + .
0 + = (1 0 ) =  +†

. 0 .

− =    − − = ( 0 1) =  −†
1
• Para um estado qualquer |:
 +  .
 = + +  + − −  = 
 − 
 =(  +  − ) = †
.

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 29


• A matriz  é chamada de matriz dos
spinores e vale a relação:
+𝛼 𝑐+ 1 0
𝜒= = 𝑐 = 𝑐+ + 𝑐− = 𝑐+ 𝜒+ + 𝑐− 𝜒−
−𝛼 − 0 1
• Usando agora a forma dos operadores Sx,
Sy e Sz podemos deduzir os seus
elementos de matriz:
Sx =
2
( + − + − + )
Sy = (− + − + − + )
i
2
Sz =
2
( + + − − − )
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 30
• Matriz que representa Sx:
Sx =
2
( + − + − + )
0 1
.
Sx =  
+ Sx + = 0 + Sx − = 2 1 0
2
− Sx + = − Sx − = 0
2
• Matriz que representa Sy:
.  0 −i 
Sy = (− + − + − + )
i Sy =  
2 2i 0 

• Matriz que representa Sz:


1 0 
.
Sz =  
Sz =
2
( + + − − − ) 2  0 −1
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 31
• As três componentes podem ser racionalizadas da
seguinte forma: .
Si =  i
2
0 1  0 −i  1 0 
x =  y =  z = 
 1 0   i 0   0 −1 
• Estas matrizes i são as chamadas matrizes de
Pauli, propostas por Pauli em 1926.
• As matrizes i tem as seguintes propriedades:
 i2 = 1
 i j +  j i = 0 (i  j )
  ,  = 2
i j ij

 i ,  j  = 2i ijk k


 i† =  i
det ( i ) = −1 Tr ( i ) = 0
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 32
• Exercício:
– Dado um vetor a:
• Calcular: 𝛔 = 𝜎𝑥 𝜎𝑦 𝜎𝑧
σ.a
• Provar :

( σ.a )( σ.b ) = a.b + iσ. ( a  b )


• Provar:

( σ.a )
2 2
=a
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 33
• Vamos considerar agora uma rotação
qquer no sistema de spin ½, na
representação da base de Sz:
 S.n  .  σ.n 
D ( n,  ) = exp  −i   = exp  −i 
   2 
• Usando:
• Obtemos:

.
 σ.n   
D ( n,  ) = exp  −i   = 1cos − iσ.n sen
 2  2 2
2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 34
• Escrevendo explicitamente a matriz que representa o
operador de rotação:

• Então, da mesma forma que o operador D(n,) atua


no ket | transformando-o, a matriz do operador
transforma o spinor  que representa o estado:
 S.n 
 R = D ( n,  )  = exp  −i  
 

 .n   .n   +  
 R =exp  −i    = exp  −i  
 2   2  −  

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 35


• Mostramos que sob rotação de 2 o ket
estado | transforma-se em -|.
• O equivalente tem que acontecer na
nossa representação matricial 2x2:


𝛔. 𝐧 𝜙 𝜙
exp −𝑖 𝜙 อ ෝsen อ
= 𝟏cos − 𝑖𝛔. 𝐧 = −𝟏
2 2 2
𝜙=2𝜋 𝜙=2𝜋

 .n 
 R = exp  −i   = −
 2  = 2 

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 36


• Para aplicar estes conceitos, vamos obter os
autovetor do operador 𝑺. 𝒏ෝ (componente do Spin
numa direção qquer do espaço definido pelo
ෝ !) com autovalor /2.
versor 𝒏
• Ou seja, queremos resolver a seguinte equação
de autovalores:
ˆ + =
S.nˆ S.n, ˆ +
S.n,
2
• Que corresponde a seguinte equação matricial:
.nˆ  = 1
• Este problema já foi resolvido na lista de
exercícios, mas vamos deduzir a solução de
forma alternativa...

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 37


• Comecemos imaginando que podemos
obter o estado  a partir do + por rotações
convenientes.
– Suponha que a direção 𝒏 ෝ seja representada na
figura pela seta vermelha.
– Podemos então obter o
estado  rotacionando o
estado + de um ângulo

𝒏
 em torno do eixo y e
depois rodando de um
ângulo  em torno de z.

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 38


• Podemos então aplicar esta seqüência de
rotações em + e obter :
 3    2   3    2   1 
 = exp  −i  exp  −i   + = exp  −i  exp  −i 0
 2   2   2   2  

.
 σ.n   
D ( n,  ) = exp  −i   = 1cos − iσ.n sen
 2  2 2

2020-1 MEGV – TQI–Capitulo III - NPGFI 39