Você está na página 1de 22

EXTENSÕES DOS MÓDULOS DA COMPONENTE DE FÍSICA

APRENDIZAGENS ESSENCIAIS - ARTICULAÇÃO COM O PERFIL DOS ALUNOS

Módulo F1 – Forças e Movimentos


EXTENSÃO E1.F1 – ESTÁTICA

ÁREAS DE COMPETÊNCIAS - PERFIL DOS ALUNOS (ACPA)


Raciocínio e resolução de Pensamento crítico e pensamento
Linguagens e textos (A) Informação e comunicação (B)
Áreas de problemas (C) criativo (D)
Competências
Saber científico,
do PA (ACPA) Relacionamento Desenvolvimento pessoal Bem-estar, saúde Sensibilidade estética
técnico e
Consciência e domínio
interpessoal (E) e autonomia (F) e ambiente (G) e artística (H) do corpo (J)
tecnologias (I)

OPERACIONALIZAÇÃO DAS APRENDIZAGENS ESSENCIAIS (AE)

Conceitos-chave| Ideias-chave

Sistema de partículas| Corpo rígido| Forças interiores| Forças exteriores| Centro de massa| Momento de uma força| Equilíbrio estático

1
ORGANIZADOR AE: CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E AÇÕES ESTRATÉGICAS DE ENSINO ORIENTADAS PARA O PERFIL DOS DESCRITORES
Tema/subtema; ATITUDES ALUNOS DO PERFIL DOS
Domínio; Área O aluno deve ser capaz de: (Exemplos de ações a desenvolver na disciplina) ALUNOS

Proporcionar atividades formativas que possibilitem ao aluno:

Determinar a posição do centro de massa de - selecionar, analisar, organizar e sistematizar informação pertinente em Conhecedor|
SISTEMA DE Sabedor| Culto|
um sistema de partículas e caracterizar a fontes diversas (artigos e livros de divulgação científica, notícias);
PARTÍCULAS Informado
velocidade do centro de massa conhecida a - analisar situações concretas do dia a dia (um acidente entre veículos de (A, B, G, I)
diferentes massas, um jogo de bilhar, um jogo de bowling, entre outros)
sua posição em função do tempo e a
com base em modelos e leis;
aceleração do centro de massa conhecida a Criativo|
sua velocidade em função do tempo. - criar representações variadas face a um desafio: diagramas, tabelas, Expressivo
gráficos, equações, textos, relatórios, posters, maquetes, recorrendo às (A, C, D, J)
Relacionar o movimento de translação de um TIC, quando pertinente;
sistema com a resultante das forças Crítico| Analítico
(A, B, C, D, G)
exteriores e o movimento de rotação com a - identificar os objetos de um sistema e analisar como varia o momento
resultante dos momentos das forças linear do sistema relacionado essa variação com as forças aplicadas no
exteriores, com base na análise de situações sistema;
- debater temas que requeiram sustentação ou refutação de afirmações
concretas.
sobre situações reais ou fictícias, apresentando argumentos e contra-
Determinar, experimentalmente ou argumentos baseados em conhecimento científico; Indagador|
Investigador
recorrendo a simulações, o centro de (A, C, D, F, G, H,
- mobilizar conhecimentos para questionar uma situação que os incentive à
gravidade de um corpo rígido, identificando- procura de informação e ao aprofundamento do conhecimento; I, J)
o, para um campo gravítico uniforme, com o - concluir, numa atividade experimental, que o momento linear de um
centro de massa . sistema, constituído por dois objetos, em que a resultante das forças é
desprezável, permanece constante (as variações dos momento lineares dos
objetos do sistema são simétricas);
- pesquisar, a partir de questões-problema e com base em guiões de Sistematizador|
trabalho, integrando saberes prévios, para construir novos conhecimentos, Organizador
com autonomia progressiva; (A, B, C, I)

- selecionar, registar e organizar a informação (por exemplo, construção de


Comunicador|
sumários, registos de observações, relatórios de atividades laboratoriais e Interventor
de visitas de estudo); (A, B, D, E, G, H,
- desenvolver tarefas de planificação, de implementação, de revisão e de I)

2
ORGANIZADOR AE: CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E AÇÕES ESTRATÉGICAS DE ENSINO ORIENTADAS PARA O PERFIL DOS DESCRITORES
Tema/subtema; ATITUDES ALUNOS DO PERFIL DOS
Domínio; Área O aluno deve ser capaz de: (Exemplos de ações a desenvolver na disciplina) ALUNOS

monitorização, designadamente nas atividades experimentais; Responsável|


Autónomo
- apresentar ideias, questões e respostas, resultados de trabalhos práticos, (C, D, E, F, G, I)
de forma organizada e clara, utilizando diversas tecnologias;

- assumir responsabilidades adequadas ao que lhe for solicitado e


contratualizar tarefas, apresentando resultados.

AVALIAÇÃO (sugestões)
Apresentam-se algumas sugestões de avaliação, centradas em metodologias promotoras de conhecimentos, capacidades e atitudes a desenvolver ao longo do
módulo:
- grelha de avaliação de trabalhos práticos (relatório, poster, portefólio, diário de aprendizagem, caderno de laboratório, entre outros), de acordo com um guião
orientador para a pesquisa, organização e sistematização de informação pertinente para a realização de trabalho de pares ou em grupo, traduzido em documento
escrito ou apresentação oral na aula (determinação experimental do centro de massa de corpos de espessura uniforme);
- grelha de avaliação de organizadores gráficos (quadros ou mapas de conceitos) em diários de aprendizagem ou cadernos digitais que, no contexto de uma
situação concreta, relacionem conceitos estruturantes (forças interiores e forças exteriores, centro de massa, momento de uma força, equilíbrio estático);
- grelha de avaliação da participação, responsabilidade e empenho nos períodos de partilha de experiências, debate de ideias e colocação de questões em que se
analisem equilíbrio de corpos em situações concretas (ligadas a diferentes desportos);
- questões de aula e fichas de avaliação escritas relativas a cada domínio abordado no módulo;
- grelha de avaliação de trabalhos de investigação - identificação e descrição do fenómeno a ser investigado, conceção e desenvolvimento de um plano de
investigação, recolha de dados com base em pesquisa ou no contexto de uma experiência ou de uma simulação/modelo computacional, avaliação dos resultados
e, se necessário, reajuste do plano de investigação (pesquisa sobre a força mínima a aplicar a um corpo rígido para o fazer rodar em torno de um eixo fixo,
interpretando os resultados com base no momento de uma força).

3
Módulo F1 – Forças e Movimentos
EXTENSÃO E2.F1 – TRABALHO E ENERGIA

ÁREAS DE COMPETÊNCIAS - PERFIL DOS ALUNOS (ACPA)


Raciocínio e resolução de Pensamento crítico e pensamento
Linguagens e textos (A) Informação e comunicação (B)
Áreas de problemas (C) criativo (D)
Competências
Saber científico,
do PA (ACPA) Relacionamento Desenvolvimento pessoal Bem-estar, saúde Sensibilidade estética
técnico e
Consciência e domínio
interpessoal (E) e autonomia (F) e ambiente (G) e artística (H) do corpo (J)
tecnologias (I)

OPERACIONALIZAÇÃO DAS APRENDIZAGENS ESSENCIAIS (AE)

Conceitos-chave| Ideias-chave
Trabalho de uma força| Energia cinética| Força conservativa| Energia potencial| Energia mecânica| Conservação da energia mecânica

4
ORGANIZADOR AE: CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E DESCRITORES
AÇÕES ESTRATÉGICAS DE ENSINO ORIENTADAS PARA O PERFIL DOS ALUNOS
Tema/subtema; ATITUDES DO PERFIL
(Exemplos de ações a desenvolver na disciplina)
Domínio; Área O aluno deve ser capaz de: DOS ALUNOS

Proporcionar atividades formativas que possibilitem ao aluno:


TRABALHO E Estabelecer, experimentalmente, a relação - selecionar, analisar, organizar e sistematizar informação pertinente em fontes Conhecedor|
ENERGIA entre a variação de energia cinética e a diversas (artigos e livros de divulgação científica, notícias); Sabedor|
CINÉTICA - analisar situações concretas do dia a dia (montanhas russas construídas com Culto|
distância percorrida por um corpo, sujeito
materiais de uso comum ou virtuais, máquinas de Rube Goldberg, entre outras) com Informado
a um sistema de forças de resultante (A, B, G, I)
base em modelos e leis;
constante, usando processos de medição e - mobilizar diferentes fontes de informação científica na resolução de problemas,
de tratamento estatístico de dados e incluindo gráficos, tabelas, esquemas, diagramas e modelos.
comunicando os resultados.
- criar representações variadas face a um desafio: diagramas, tabelas, gráficos, Criativo|
equações, textos, relatórios, posters, maquetes, recorrendo às TIC, quando Expressivo
pertinente; (A, C, D, J)
Interpretar as transferências de energia
- desenvolver um modelo em que se mostre que a posição relativa de objetos
como trabalho em sistemas mecânicos, e os influencia a energia potencial de um sistema;
conceitos de força conservativa (aplicando
ENERGIA o conceito de energia potencial gravítica) e - analisar e interpretar dados, construindo e interpretando gráficos de dados para Crítico|
MECÂNICA, de força não conservativa (aplicando o identificar relações lineares e não lineares; Analítico
FORÇAS conceito de energia mecânica). - identificar e descrever (por escrito, com um texto ou um esquema, ou oralmente) os (A, B, C, D, G)
CONSERVATIVAS principais componentes numa montanha russa ou numa máquina de Rube Goldberg,
E FORÇAS NÃO Investigar situações do quotidiano sob o analisando o modo como as energias potencial, cinética e mecânica do sistema variam
CONSERVATIVAS ponto de vista da conservação ou da no tempo (estados inicial e final), recorrendo a uma folha de cálculo ou software de
simulação;
variação da energia mecânica,
- discutir os limites do modelo utilizado na análise de uma situação concreta
identificando transformações de energia e baseando-se nos pressupostos que foram feitos para as transformações e
transferências de energia, avaliando os transferências de energia;
fenómenos tendo em conta as previsões do Indagador|
modelo teórico e comunicando as - planear e desenvolver uma investigação em equipa (identificar variáveis Investigador
independente e dependente e ferramentas necessárias para a recolha de dados, (A, C, D, F, G,
conclusões-
decidir como registar as medidas e quantas medidas são necessárias para responder à H, I, J)
questão problema);
- construir, explorar e apresentar argumentos para apoiar a alegação de que quando a
energia cinética de um corpo muda, ocorrem transferências de energia, identificando
o sentido em que essa transferência ocorre;

5
ORGANIZADOR AE: CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E DESCRITORES
AÇÕES ESTRATÉGICAS DE ENSINO ORIENTADAS PARA O PERFIL DOS ALUNOS
Tema/subtema; ATITUDES DO PERFIL
(Exemplos de ações a desenvolver na disciplina)
Domínio; Área O aluno deve ser capaz de: DOS ALUNOS

- construir, recorrendo a materiais de uso comum, montanhas russas, para responder


à questão “Qual a energia necessária para um determinado objeto, numa montanha
russa, fazer um loop?” .
Sistematizador
- desenvolver tarefas de planificação, de implementação, de revisão e de | Organizador
monitorização, designadamente nas atividades experimentais; (A, B, C, I)

- realizar ações de comunicação, nomeadamente no contexto de atividades Comunicador|


laboratoriais e de pesquisa, ou outras, oralmente e por escrito, usando vocabulário Interventor
científico próprio da disciplina, recorrendo a diversos suportes; (A, B, D, E, G,
- tomar decisões para uma intervenção individual e coletiva em prol da H, I)
sustentabilidade ecológica;
Responsável|
Autónomo
- assumir responsabilidades adequadas ao que lhe for solicitado e contratualizar
(C, D, E, F, G,
tarefas, apresentando resultados. I)

AVALIAÇÃO (sugestões)
Apresentam-se algumas sugestões de avaliação, centradas em metodologias promotoras de conhecimentos, capacidades e atitudes a desenvolver ao longo do módulo:
- grelha de observação de atitudes ao nível do cumprimento das normas de segurança pessoal, da utilização correta de material e equipamentos;
- grelha de avaliação de trabalhos práticos (relatório, poster, portefólio, diário de aprendizagem, caderno de laboratório, entre outros), de acordo com um guião
orientador para a pesquisa, organização e sistematização de informação pertinente para a realização de trabalho de pares ou em grupo, traduzido em documento escrito
ou apresentação oral na aula (análise energética de sistemas mecânicos do dia a dia, incluindo movimentos pendulares e planos inclinados);
- grelha de avaliação de organizadores gráficos (quadros ou mapas de conceitos) em diários de aprendizagem ou cadernos digitais que, no contexto de uma situação
concreta, relacionem conceitos estruturantes (trabalho de uma força, energia cinética, força conservativa, energia potencial, energia mecânica, conservação da energia
mecânica);
- grelha de avaliação da participação, responsabilidade e empenho nos períodos de partilha de experiências, debate de ideias e colocação de questões em que se
analisem movimentos em situações concretas (exemplos de contextos: montanhas russas, desportos com bolas, desportos de inverno);
- questões de aula e fichas de avaliação escritas relativas a cada domínio abordado no módulo;
- grelha de avaliação de trabalhos de investigação - identificação e descrição do fenómeno a ser investigado, conceção e desenvolvimento de um plano de investigação,
recolha de dados com base em pesquisa ou no contexto de uma experiência ou de uma simulação/modelo computacional, avaliação dos resultados e, se necessário,

6
reajuste do plano de investigação (projeto de construção de uma montanha russa com base em determinado objetivo: um carrinho fazer um looping ou atingir uma
determinada velocidade no ponto mais baixo e segundo critérios pré-estabelecidos, entre outros).

7
Módulo F1 – Forças e Movimentos
EXTENSÃO E3.F1 – MÁQUINAS SIMPLES

ÁREAS DE COMPETÊNCIAS - PERFIL DOS ALUNOS (ACPA)


Raciocínio e resolução de Pensamento crítico e pensamento
Linguagens e textos (A) Informação e comunicação (B)
Áreas de problemas (C) criativo (D)
Competências
Saber científico,
do PA (ACPA) Relacionamento Desenvolvimento pessoal Bem-estar, saúde Sensibilidade estética
técnico e
Consciência e domínio
interpessoal (E) e autonomia (F) e ambiente (G) e artística (H) do corpo (J)
tecnologias (I)

OPERACIONALIZAÇÃO DAS APRENDIZAGENS ESSENCIAIS (AE)

Conceitos-chave| Ideias-chave

Alavancas inter-resistentes, interpotentes e interfixas| Roldanas fixas e móveis |Plano inclinado| Vantagem mecânica| Rendimento

8
ORGANIZADOR AE: CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E DESCRITORES
AÇÕES ESTRATÉGICAS DE ENSINO ORIENTADAS PARA O PERFIL DOS ALUNOS
Tema/subtema; ATITUDES DO PERFIL
(Exemplos de ações a desenvolver na disciplina)
Domínio; Área O aluno deve ser capaz de: DOS ALUNOS

Proporcionar atividades formativas que possibilitem ao aluno:

- selecionar, analisar, organizar e sistematizar informação sobre máquinas Conhecedor|


EQUILÍBRIO Investigar, experimentalmente ou recorrendo Sabedor|
ESTÁTICO a simulações, as condições de equilíbrio simples no contexto de uma visita de estudo a um museu de ciência;
Culto|
- mobilizar diferentes fontes de informação científica na resolução de Informado
estático de roldanas fixas e móveis, e de problemas, incluindo gráficos, tabelas, esquemas, diagramas e modelos; (A, B, G, I)
alavancas interfixas, interesistentes e
interpotentes, formulando hipóteses, - criar representações variadas face a um desafio: diagramas, tabelas, Criativo|
avaliando os procedimentos, interpretando os gráficos, equações, textos, relatórios, posters, maquetes, recorrendo às TIC, Expressivo
quando pertinente; (A, C, D, J)
resultados e comunicando as conclusões.
- realizar projetos interdisciplinares, identificando problemas e colocando
questões-chave, articulando a ciência e a tecnologia em contextos relevantes
Investigar, experimentalmente ou recorrendo a nível económico, cultural, histórico e ambiental;
VANTAGEM
MECÂNICA a simulações, a vantagem mecânica de Crítico|
- debater temas que requeiram sustentação ou refutação de afirmações sobre
máquinas simples, comunicando as Analítico
situações reais ou fictícias, apresentando argumentos e contra-argumentos (A, B, C, D, G)
conclusões. baseados em conhecimento científico;
- testar as soluções de design mais promissoras, modificando-os com base nos
resultados dos testes, aproximando-se de uma melhor solução;
RENDIMENTO Determinar, experimentalmente ou
- investigar os componentes de uma máquina simples, identificando-os e Indagador|
recorrendo a simulações, o rendimento de
descrevendo-os (por escrito, num texto ou num esquema, oralmente, ou de Investigador
máquinas simples pela razão entre o trabalho (A, C, D, F, G,
outra forma), e determinar a vantagem mecânica a partir da medição das
da força resistente e o trabalho da força H, I, J)
forças envolvidas e os trabalhos realizados pelas forças potente e resistente
potente. num determinado processo;

- desenhar e construir um dispositivo que lance bolas (catapultas), o mais Sistematizador|


longe possível, e construir outro dispositivo que apanhe as bolas lançadas, Organizador
organizando um jogo de competição entre grupos de alunos; (A, B, C, I)
- desenvolver tarefas de planificação, de implementação, de revisão e de
monitorização, designadamente nas atividades experimentais;
Comunicador|
- envolver-se em argumentos a partir de evidências, avaliando soluções de

9
ORGANIZADOR AE: CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E DESCRITORES
AÇÕES ESTRATÉGICAS DE ENSINO ORIENTADAS PARA O PERFIL DOS ALUNOS
Tema/subtema; ATITUDES DO PERFIL
(Exemplos de ações a desenvolver na disciplina)
Domínio; Área O aluno deve ser capaz de: DOS ALUNOS

design concorrentes, com base em critérios desenvolvidos em conjunto e Interventor


acordados por todos; (A, B, D, E, G,
H, I)
- assumir responsabilidades adequadas ao que lhe for solicitado e
Responsável|
contratualizar tarefas, apresentando resultados; Autónomo
(C, D, E, F, G,
- ações solidárias para com outros nas tarefas de aprendizagem ou na sua I)
organização (atividades de entreajuda).

AVALIAÇÃO (sugestões)
Apresentam-se algumas sugestões de avaliação, centradas em metodologias promotoras de conhecimentos, capacidades e atitudes a desenvolver ao longo do
módulo:
- grelha de avaliação de trabalhos práticos (relatório, poster, portefólio, diário de aprendizagem, caderno de laboratório, entre outros), de acordo com um guião
orientador para a pesquisa, organização e sistematização de informação pertinente para a realização de trabalho de pares ou em grupo, traduzido em documento
escrito ou apresentação oral na aula (alavancas, roldanas e planos inclinados em situações do dia a dia);
- grelha de avaliação de organizadores gráficos (quadros ou mapas de conceitos) em diários de aprendizagem ou cadernos digitais que, no contexto de uma
situação concreta, relacionem conceitos estruturantes (alavancas inter-resistentes, interpotentes e interfixas, roldanas fixas e móveis, plano inclinado, vantagem
mecânica e rendimento);
- grelha de avaliação da participação, responsabilidade e empenho nos períodos de partilha de experiências, debate de ideias e colocação de questões em que se
analisem máquinas simples em situações concretas;
- questões de aula e fichas de avaliação escritas relativas a cada domínio abordado no módulo;
- grelha de avaliação de trabalhos de investigação: identificação e descrição do fenómeno a ser investigado, conceção e desenvolvimento de um plano de
investigação, recolha de dados com base em pesquisa ou no contexto de uma experiência ou de uma simulação/modelo computacional, avaliação dos resultados
e, se necessário, reajuste do plano de investigação.

10
Módulo F3 – Luz e Fontes de Luz
EXTENSÃO E1.F3 – ÓTICA GEOMÉTRICA

ÁREAS DE COMPETÊNCIAS - PERFIL DOS ALUNOS (ACPA)


Raciocínio e resolução de Pensamento crítico e pensamento
Linguagens e textos (A) Informação e comunicação (B)
Áreas de problemas (C) criativo (D)
Competências
Saber científico,
do PA (ACPA) Relacionamento Desenvolvimento pessoal Bem-estar, saúde Sensibilidade estética
técnico e
Consciência e domínio
interpessoal (E) e autonomia (F) e ambiente (G) e artística (H) do corpo (J)
tecnologias (I)

OPERACIONALIZAÇÃO DAS APRENDIZAGENS ESSENCIAIS (AE)

Conceitos-chave| Ideias-chave
Reflexão| Refração| Dispersão| Espelhos| Lentes| Instrumentos óticos

11
ORGANIZADOR AE: CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E DESCRITORES
AÇÕES ESTRATÉGICAS DE ENSINO ORIENTADAS PARA O PERFIL DOS ALUNOS
Tema/subtema; ATITUDES DO PERFIL
(Exemplos de ações a desenvolver na disciplina)
Domínio; Área O aluno deve ser capaz de: DOS ALUNOS

Proporcionar atividades formativas que possibilitem ao aluno:


REFLEXÃO, Conhecedor|
Investigar, experimentalmente, os - selecionar, analisar, organizar e sistematizar informação pertinente em fontes Sabedor|
REFRAÇÃO E Culto|
REFLEXÃO fenómenos de reflexão, refração e diversas (artigos e livros de divulgação científica, notícias);
Informado
reflexão total, determinando o índice - analisar fenómenos da natureza e situações concretas do dia a dia com base em
TOTAL (A, B, G, I)
modelos e leis;
de refração de um meio.

Concluir, através de atividades - criar representações variadas face a um desafio: diagramas, tabelas, gráficos, Criativo|
experimentais, sobre as características equações, textos, relatórios, posters, maquetes, recorrendo às TIC, quando Expressivo
pertinente; (A, C, D, J)
das imagens em espelhos planos,
- realizar projetos interdisciplinares (evolução da tecnologia associada à correção
côncavos e convexos e com lentes dos defeitos de visão), identificando problemas e colocando questões-chave,
convergentes e divergentes, analisando articulando a ciência e a tecnologia em contextos relevantes a nível económico,
os procedimentos e comunicando as cultural, histórico e ambiental;
conclusões.
DISPERSÃO Crítico|
- debater temas que requeiram sustentação ou refutação de afirmações sobre Analítico
situações reais ou fictícias, apresentando argumentos e contra-argumentos (A, B, C, D, G)
Distinguir, experimentalmente, luz baseados em conhecimento científico;
monocromática de policromática,
- pesquisar, a partir de questões-problema e com base em guiões de trabalho, Indagador|
associando o arco‐íris à dispersão da luz
integrando saberes prévios, para construir novos conhecimentos, com autonomia Investigador
e justificar o fenómeno da dispersão progressiva; (A, C, D, F, G,
num prisma de vidro com base na H, I, J)
Sistematizador|
refração. - selecionar, registar e organizar a informação (construção de sumários, registos Organizador
de observações, relatórios de atividades laboratoriais e de visitas de estudo, entre (A, B, C, I)
outros);
INSTRUMENTOS - desenvolver tarefas de planificação, de implementação, de revisão e de
ÓTICOS Investigar algumas aplicações dos
monitorização, designadamente nas atividades experimentais;
fenómenos óticos, nomeadamente
objetos e instrumentos que incluam - apresentar ideias, questões e respostas, resultados de trabalhos práticos, de Comunicador|
espelhos e lentes, apresentando as Interventor
forma organizada e clara, utilizando diversas tecnologias; (A, B, D, E, G,
conclusões com recurso às tecnologias - participar em ações cívicas relacionadas com o papel central da Física e da H, I)

12
de informação e comunicação. Química no desenvolvimento tecnológico e suas consequências socioambientais;
Responsável|
Explicar a formação de imagens no olho - assumir responsabilidades adequadas ao que lhe for solicitado e contratualizar Autónomo
humano e a utilização de lentes na tarefas, apresentando resultados. (C, D, E, F, G,
I)
correção de defeitos de visão.

AVALIAÇÃO (sugestões)
Apresentam-se algumas sugestões de avaliação, centradas em metodologias promotoras de conhecimentos, capacidades e atitudes a desenvolver ao longo do
módulo:
- grelha de avaliação de trabalhos práticos (relatório, poster, portefólio, diário de aprendizagem, caderno de laboratório, entre outros), de acordo com um guião
orientador para a pesquisa, organização e sistematização de informação pertinente para a realização de trabalho de pares ou em grupo, traduzido em documento
escrito ou apresentação oral na aula (aplicações dos fenómenos óticos: máquina fotográfica, projetor, microscópio, binóculos, telescópios, fibras óticas);
- grelha de avaliação de organizadores gráficos (quadros ou mapas de conceitos) em diários de aprendizagem ou cadernos digitais que, no contexto de uma
situação concreta, relacionem conceitos estruturantes (reflexão, espelhos, refração, lentes, dispersão, prismas, reflexão total, ângulo limite);
- grelha de avaliação da participação, responsabilidade e empenho nos períodos de partilha de experiências, debate de ideias e colocação de questões em que se
analise fenómenos óticos de reflexão e de refração em situações concretas;
- grelha de avaliação de trabalhos de investigação - identificação e descrição do fenómeno a ser investigado, conceção e desenvolvimento de um plano de
investigação, recolha de dados com base em pesquisa ou no contexto de uma experiência ou de uma simulação/modelo computacional, avaliação dos resultados
e, se necessário, reajuste do plano de investigação (evolução da tecnologia associada à correção dos defeitos de visão, fotografia digital);
- ficha de autoavaliação, que traduza o processo de aprendizagem dos alunos (pontos fortes e pontos fracos, oportunidades e ameaças).

13
Módulo F3 – Luz e Fontes de Luz
EXTENSÃO E2.F3 – ÓTICA ONDULATÓRIA E ÓTICA QUÂNTICA

ÁREAS DE COMPETÊNCIAS - PERFIL DOS ALUNOS (ACPA)


Raciocínio e resolução de Pensamento crítico e pensamento
Linguagens e textos (A) Informação e comunicação (B)
Áreas de problemas (C) criativo (D)
Competências
Saber científico,
do PA (ACPA) Relacionamento Desenvolvimento pessoal Bem-estar, saúde Sensibilidade estética
técnico e
Consciência e domínio
interpessoal (E) e autonomia (F) e ambiente (G) e artística (H) do corpo (J)
tecnologias (I)

OPERACIONALIZAÇÃO DAS APRENDIZAGENS ESSENCIAIS (AE)

Conceitos-chave| Ideias-chave
Polarização| Interferência| Difração| Efeito fotoelétrico

14
ORGANIZADOR AE: CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E DESCRITORES
AÇÕES ESTRATÉGICAS DE ENSINO ORIENTADAS PARA O PERFIL DOS ALUNOS
Tema/subtema; ATITUDES DO PERFIL
(Exemplos de ações a desenvolver na disciplina)
Domínio; Área O aluno deve ser capaz de: DOS ALUNOS

Proporcionar atividades formativas que possibilitem ao aluno:


NATUREZA
Investigar, experimentalmente ou recorrendo a - selecionar, analisar, organizar e sistematizar informação pertinente em fontes Conhecedor|
ONDULATÓRIA Sabedor|
simulações, o fenómeno da interferência da luz diversas (artigos e livros de divulgação científica, notícias);
DA LUZ Culto|
utilizando uma lente de vidro plano-convexa - utilizar o conhecimento para participar de forma adequada e resolver problemas Informado
assente pela face convexa sobre uma placa de em contextos diferenciados; (A, B, G, I)
vidro plana (anéis de Newton) ou recorrendo à
- realizar projetos interdisciplinares, identificando problemas e colocando questões- Criativo|
experiência de dupla fenda, analisando os Expressivo
resultados e comunicando as conclusões. chave, articulando a ciência e a tecnologia em contextos relevantes a nível (A, C, D, J)
económico, cultural, histórico e ambiental;
Investigar, experimentalmente, a difração da
luz, determinando o comprimento de onda da Crítico|
- debater temas que requeiram sustentação ou refutação de afirmações sobre
Analítico
luz num laser, analisando os resultados e situações reais ou fictícias, apresentando argumentos e contra-argumentos baseados (A, B, C, D, G)
comunicando as conclusões. em conhecimento científico;

- pesquisar o funcionamento de um dispositivo (células fotovoltaicas, disco rígido de Indagador|


NATUREZA Investigador
um computador, cartões de memória, sensores de imagens – CCD e CMOS -, etc.),
QUÂNTICA DA Explicar o efeito fotoelétrico, relacionando a (A, C, D, F, G,
descrevendo qualitativamente como os princípios básicos da física foram utilizados
LUZ energia da radiação incidente com a energia para a funcionalidade desse dispositivo; H, I, J)
de remoção e a energia cinética máxima,
Comunicador|
relacionando-o com o desenvolvimento de - apresentar ideias, questões e respostas, resultados de trabalhos práticos, de forma Interventor
produtos tecnológicos, e interpretar a natureza organizada e clara, utilizando diversas tecnologias; (A, B, D, E, G,
corpuscular da luz. H, I)
- assumir responsabilidades adequadas ao que lhe for solicitado e contratualizar
Responsável|
tarefas, apresentando resultados; Autónomo
- conhecer e aplicar regras de preservação dos recursos materiais e do ambiente. (C, D, E, F, G,
I)

15
AVALIAÇÃO (sugestões)
Apresentam-se algumas sugestões de avaliação, centradas em metodologias promotoras de conhecimentos, capacidades e atitudes a desenvolver ao longo do módulo:
- grelha de avaliação de trabalhos práticos (relatório, poster, portefólio, diário de aprendizagem, caderno de laboratório, entre outros), de acordo com um guião
orientador para a pesquisa, organização e sistematização de informação pertinente para a realização de trabalho de pares ou em grupo, traduzido em documento escrito
ou apresentação oral na aula (aplicações da interferência, da difração, do efeito fotoelétrico e da luz laser);
- grelha de avaliação de organizadores gráficos (quadros ou mapas de conceitos) em diários de aprendizagem ou cadernos digitais que, no contexto de uma situação
concreta, relacionem conceitos estruturantes (ondas, interferência construtiva, interferência destrutiva, difração, onda transversal, polarização, fotão, efeito
fotoelétrico);
- grelha de avaliação da participação, responsabilidade e empenho nos períodos de partilha de experiências, debate de ideias e colocação de questões em que se analise
fenómenos óticos de interferência e difração em situações concretas;
- grelha de avaliação de trabalhos de investigação - identificação e descrição do fenómeno a ser investigado, conceção e desenvolvimento de um plano de investigação,
recolha de dados com base em pesquisa ou no contexto de uma experiência ou de uma simulação/modelo computacional, avaliação dos resultados e, se necessário,
reajuste do plano de investigação (tecnologia que utiliza o efeito fotoelétrico).

16
Módulo F4 – Circuitos Elétricos
EXTENSÃO E.F4 – CIRCUITOS ELÉTRICOS DE CORRENTE ALTERNADA

ÁREAS DE COMPETÊNCIAS - PERFIL DOS ALUNOS (ACPA)


Raciocínio e resolução de Pensamento crítico e pensamento
Linguagens e textos (A) Informação e comunicação (B)
Áreas de problemas (C) criativo (D)
Competências
Saber científico,
do PA (ACPA) Relacionamento Desenvolvimento pessoal Bem-estar, saúde Sensibilidade estética
técnico e
Consciência e domínio
interpessoal (E) e autonomia (F) e ambiente (G) e artística (H) do corpo (J)
tecnologias (I)

OPERACIONALIZAÇÃO DAS APRENDIZAGENS ESSENCIAIS (AE)

Conceitos-chave| Ideias-chave
Corrente alternada| Resistência| Indutor| Condensador| Reatância| Impedância| Circuitos em série e em paralelo (RC, RL, LC e RLC)| Corrente
trifásica

17
ORGANIZADOR AE: CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E DESCRITORES
AÇÕES ESTRATÉGICAS DE ENSINO ORIENTADAS PARA O PERFIL DOS ALUNOS
Tema/subtema; ATITUDES DO PERFIL
(Exemplos de ações a desenvolver na disciplina)
Domínio; Área O aluno deve ser capaz de: DOS ALUNOS

Proporcionar atividades formativas que possibilitem ao aluno:


CORRENTE
Determinar, experimentalmente, utilizando - selecionar, analisar, organizar e sistematizar informação pertinente em Conhecedor|
ALTERNADA Sabedor|
um osciloscópio, um gerador de sinais e um fontes diversas (artigos e livros de divulgação científica, notícias);
MONOFÁSICA Culto|
circuito elétrico, as grandezas características - analisar fenómenos da natureza e situações concretas do dia a dia com base Informado
da corrente alternada (sinal harmónico, em modelos e leis; (A, B, G, I)
- mobilizar diferentes fontes de informação científica na resolução de
amplitude, frequência, frequência angular,
problemas, incluindo gráficos, tabelas, esquemas, diagramas e modelos;
fase, constante de fase, valor eficaz, valor de
pico). - criar representações variadas face a um desafio: diagramas, tabelas, Criativo|
gráficos, equações, textos, relatórios, posters, maquetes, recorrendo às TIC, Expressivo
Compreender a função e as características de (A, C, D, J)
quando pertinente;
geradores de corrente alternada. - analisar textos, esquemas, simulações, vídeos com diferentes perspetivas,
concebendo e sustentando um ponto de vista próprio;

Investigar (utilizando as leis de Kirchoff, a - problematizar situações reais próximas dos interesses dos alunos, incluindo Crítico|
CIRCUITOS EM definição de reatância, a lei de Ohm e a lei aplicações da ciência e tecnologia e o seu impacto na sociedade e no Analítico
ambiente; (A, B, C, D, G)
SÉRIE E EM de Joule) em circuitos série e paralelo de
PARALELO resistências, RL, RC, LC e RLC prevendo e - planear, construir e testar colunas de som de três-vias (investigar o Indagador|
medindo as grandezas físicas envolvidas nos Investigador
funcionamento dos filtros passa alto e passa baixo; decidir sobre a
(A, C, D, F, G,
diferentes ramos do circuito, avaliando os capacidade dos condensadores e a impedância das bobinas a utilizar; H, I, J)
procedimentos e comunicando os resultados. determinar as gamas de frequências previstas para cada um dos filtros;
desenhar os circuitos elétricos das colunas de som, com os componentes
eletrónicos necessários; construir as colunas de som de acordo com o plano
de investigação; medir tensões e frequências em diferentes ramos dos
Pesquisar sobre situações reais da utilização circuitos; propor melhorias);
de ligações em estrela e em triângulo, Sistematizador|
- desenvolver tarefas de planificação, de implementação, de revisão e de Organizador
discutindo as vantagens e inconvenientes (A, B, C, I)
dessas ligações nas situações encontradas e monitorização, designadamente nas atividades experimentais;
CORRENTE
ALTERNADA comunicando as conclusões.
- realizar ações de comunicação, nomeadamente no contexto de atividades Comunicador|
TRIFÁSICA laboratoriais e de pesquisa, ou outras, oralmente e por escrito, usando Interventor

18
vocabulário científico próprio da disciplina, recorrendo a diversos suportes; (A, B, D, E, G,
H, I)
- participar em ações cívicas relacionadas com o papel central da Física no Responsável|
desenvolvimento tecnológico e suas consequências socioambientais. Autónomo
- assumir responsabilidades adequadas ao que lhe for solicitado e (C, D, E, F, G,
contratualizar tarefas, apresentando resultados; I)
- conhecer e aplicar regras de preservação dos recursos materiais e do
ambiente.

AVALIAÇÃO (sugestões)
Apresentam-se algumas sugestões de avaliação, centradas em metodologias promotoras de conhecimentos, capacidades e atitudes a desenvolver ao longo do
módulo:
- grelha de observação de atitudes ao nível do cumprimento das normas de segurança pessoal, da utilização correta de material e equipamentos;
- grelha de avaliação de trabalhos práticos (relatório, poster, portefólio, diário de aprendizagem, caderno de laboratório, entre outros), de acordo com um guião
orientador para a pesquisa, organização e sistematização de informação pertinente para a realização de trabalho de pares ou em grupo, traduzido em documento
escrito ou apresentação oral na aula (exemplos de aplicação de circuitos elétricos - RL, RC, LC e RLC - no dia a a dia);
- grelha de avaliação de organizadores gráficos (quadros ou mapas de conceitos) em diários de aprendizagem ou cadernos digitais que, no contexto de uma
situação concreta, relacionem conceitos estruturantes (corrente alternada, frequência, amplitude, resistência, indutância, capacidade, reatância, impedância,
circuitos em série e em paralelo RC, RL, LC e RLC, potência real e potência aparente);
- questões de aula e fichas de avaliação escritas relativas a cada domínio abordado no módulo;
- grelha de avaliação de trabalhos de investigação - identificação e descrição do fenómeno a ser investigado, conceção e desenvolvimento de um plano de
investigação, recolha de dados com base em pesquisa ou no contexto de uma experiência ou de uma simulação/modelo computacional, avaliação dos resultados
e, se necessário, reajuste do plano de investigação (por exemplo, construção de um pequeno gerador de tensão alternada).

19
Módulo F6 – Som
EXTENSÃO E.F6 – SOM E MÚSICA

ÁREAS DE COMPETÊNCIAS - PERFIL DOS ALUNOS (ACPA)


Raciocínio e resolução de Pensamento crítico e pensamento
Linguagens e textos (A) Informação e comunicação (B)
Áreas de problemas (C) criativo (D)
Competências
Saber científico,
do PA (ACPA) Relacionamento Desenvolvimento pessoal Bem-estar, saúde Sensibilidade estética
técnico e
Consciência e domínio
interpessoal (E) e autonomia (F) e ambiente (G) e artística (H) do corpo (J)
tecnologias (I)

OPERACIONALIZAÇÃO DAS APRENDIZAGENS ESSENCIAIS (AE)

Conceitos-chave| Ideias-chave
Perceção do som| Nível de intensidade sonora| Onda estacionária| Frequência fundamental| Harmónicos| Timbre| Intervalo musical| Escala
musical

20
ORGANIZADOR AE: CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E DESCRITORES
AÇÕES ESTRATÉGICAS DE ENSINO ORIENTADAS PARA O PERFIL DOS ALUNOS
Tema/subtema; ATITUDES DO PERFIL
(Exemplos de ações a desenvolver na disciplina)
Domínio; Área O aluno deve ser capaz de: DOS ALUNOS

Proporcionar atividades formativas que possibilitem ao aluno:


PERCEÇÃO DO
Investigar sobre fontes sonoras cuja - analisar fenómenos da natureza e situações concretas do dia a dia com base Conhecedor|
SOM Sabedor|
intensidade é nociva para a saúde e os em modelos e leis;
Culto|
métodos para fazer diminuir essa intensidade, - mobilizar diferentes fontes de informação científica na resolução de Informado
problemas, incluindo gráficos, tabelas, esquemas, diagramas e modelos; (A, B, G, I)
comunicando as conclusões. - utilizar o conhecimento para participar de forma adequada e resolver
problemas em contextos diferenciados;

Investigar os processos utilizados em


- projetar, construir (ou imprimir em 3D) e testar um instrumento musical Criativo|
diferentes instrumentos musicais para a (“constrói o teu instrumento”), tendo por objetivo a produção de um Expressivo
produção e transmissão do som. determinado conjunto de notas musicais (escolher o instrumento musical a (A, C, D, J)
CORDAS E ser construído, identificar os processos físicos utilizados para a produção e
COLUNAS DE transmissão do som, determinar as notas musicais produzidas, utilizando um
AR VIBRANTES Comparar sons correspondentes à mesma microfone e software de gravação áudio, comparando-as com os sons
produzidas por diapasões, pianos, entre outros, ajustar e afinar o
frequência fundamental produzidos por instrumento construído);
instrumentos diferentes, recorrendo a
Crítico|
aplicações informáticas para identificar o - analisar conceitos, factos, situações com diferentes pontos de vista numa Analítico
timbre de cada um desses instrumentos, e perspetiva disciplinar e interdisciplinar; (A, B, C, D, G)
comunicar as conclusões. - debater temas que requeiram sustentação ou refutação de afirmações sobre
situações reais ou fictícias, apresentando argumentos e contra-argumentos
baseados em conhecimento científico;
Analisar, com base em aplicações - mobilizar conhecimentos para questionar uma situação que os incentive à Indagador|
informáticas, intervalos e escalas musicais, Investigador
procura de informação e ao aprofundamento do conhecimento; (A, C, D, F, G,
utilizando um instrumento musical, como um - pesquisar, a partir de questões-problema e com base em guiões de H, I, J)
piano ou um órgão eletrónico, tirar trabalho, integrando saberes prévios, para construir novos conhecimentos,
com autonomia progressiva;
conclusões e comunicá-las.
Sistematizador|
- desenvolver tarefas de planificação, de implementação, de revisão e de Organizador
monitorização, designadamente nas atividades experimentais; (A, B, C, I)

21
INTERVALOS E - realizar ações de comunicação, nomeadamente no contexto do desafio Comunicador|
ESCALAS “constrói o teu instrumento”, usando vocabulário científico próprio da Interventor
(A, B, D, E, G,
MUSICAIS disciplina, recorrendo a diversos suportes; H, I)

- assumir responsabilidades adequadas ao que lhe for solicitado e Responsável|


contratualizar tarefas, apresentando resultados. Autónomo
(C, D, E, F, G,
I)

AVALIAÇÃO (sugestões)
Apresentam-se algumas sugestões de avaliação, centradas em metodologias promotoras de conhecimentos, capacidades e atitudes a desenvolver ao longo do
módulo:
- grelha de avaliação de trabalhos práticos (relatório, poster, portefólio, diário de aprendizagem, caderno de laboratório, entre outros), de acordo com um guião
orientador para a pesquisa, organização e sistematização de informação pertinente para a realização de trabalho de pares ou em grupo, traduzido em documento
escrito ou apresentação oral na aula (audiogramas, produção e transmissão do som em diversos instrumentos musicais);
- grelha de avaliação de organizadores gráficos (quadros ou mapas de conceitos) em diários de aprendizagem ou cadernos digitais que, no contexto de uma
situação concreta, relacionem conceitos estruturantes (acuidade auditiva, onda estacionária, frequência fundamental, harmónicas, intervalo musical e escala
musical);
- grelha de avaliação de trabalhos de investigação - identificação e descrição do fenómeno a ser investigado, conceção e desenvolvimento de um plano de
investigação, recolha de dados com base em pesquisa ou no contexto de uma experiência ou de uma simulação/modelo computacional, avaliação dos resultados
e, se necessário, reajuste do plano de investigação (por exemplo, utilização de aplicações informáticas para gerar diferentes intervalos musicais e escalas
musicais - escalas pitagórica, diatónica, cromática e temperada).

22