Você está na página 1de 8

Oração em línguas é polêmica, mas é um Dom do Espírito Santo!

O Dom da oração em línguas: é um Dom dado a nós pelo Espírito Santo e o primeiro a
se manifestar. Dom para edificação pessoal, para santificação, pois ele nos abre as
portas do sobrenatural, da vida de oração e da intimidade com Deus.

“Quando chegou o dia de Pentecostes, os discípulos estavam todos reunidos no mesmo


lugar. De repente, veio do céu um ruído como de um vento forte, que encheu toda a
casa em que se encontravam. Então apareceram línguas como de fogo que se
repartiram e pousaram sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e
começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia expressar-se”
(cf. At. 2,1-4).

O primeiro dom que se manifestou foi o de línguas. Em pentecostes, os discípulos, junto


com Maria, ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a orar, a louvar, a cantar
numa língua nova, a língua do Espírito. Alguns interpretaram o acontecimento e
disseram: ”Eles louvam a Deus, estão cantando as glórias de Deus, e nós estamos
entendendo com o coração”. Outros estavam ali como curiosos, brincando, zombando,
dizendo que os discípulos estavam bêbados. Pedro explicou: “Não estamos bêbados;
pelo contrário, está se cumprindo à profecia de Joel”. O primeiro dom criou confusão.

O que é o dom de línguas? Quando nós somos batizados no Espírito Santo, a


primeira coisa da qual nos enchemos é de oração. E por que isso? Porque o Espírito
Santo é a ligação entre o Pai e o Filho. A oração é a comunicação entre o Pai e o Filho;
o Filho que fala ao Pai e o Pai que fala ao Filho. A beleza da intimidade que acontece
dentro da Trindade é feita pelo Espírito Santo. O Espírito Santo é oração.

Além disso, Ele é a ligação entre Deus e nós. A oração que vai e a oração que volta.
Quando somos introduzidos no Espírito Santo, saímos cheios de oração, porque o
Espírito Santo é oração, uma oração de fogo, infalível.

Nós damos o combustível, que é o nosso ar. Movemos nossas cordas vocais, movemos à
boca, a língua, geramos sons; e o que acontece? O Espírito Santo ora, fala e canta em
nós. Fornecemos a expressão palpável, mas quem dá o conteúdo, o fogo e a oração é o
Espírito Santo. Você não imagina o valor dessa oração! Porque não somos nós orando
simplesmente. É o Espírito Santo orando em nós!

Que acontece no dom de línguas? Quem entra em ação não é a nossa inteligência.

Movimentamos as cordas vocais, soltamos o ar, mexemos a língua, a boca, e


produzimos som; mas o conteúdo vem do Espírito Santo. Da minha inteligência? Não!
Da inteligência do Espírito Santo.

São Paulo explica isso na Epístola aos Romanos, 8,26: ”Do mesmo modo, também o
Espírito vem em socorro da nossa fraqueza, pois não sabemos rezar como convém;
mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis”. Portanto é um
Dom para os humildes, que exige a humildade para recebê-lo e dele usufruir de seus
frutos e graças.
Essa explicação é bem simples: ”gemidos inexprimíveis”, quer dizer: gemidos que não
podem ser entendidos, a não ser quando Deus dá a interpretação.

Quando ora por seu filho ou sua filha, você sabe exatamente do que eles precisam? Não.
É por isso que o Espírito Santo vem em nosso auxílio: porque não sabemos o que pedir,
nem sabemos orar como convém. Ele mesmo intercede por nós e em nosso favor, com
gemidos inexprimíveis. Daí as maravilhas acontecem, porque é o Espírito Santo orando
dentro de nós, por nós. São Paulo continua:

“E aquele que perscruta os corações sabe qual é a intenção do Espírito: com efeito, é
segundo Deus que o Espírito intercede pelos santos” (Rm 8,27).

1 – Dom Alberto Taveira fala da oração em línguas: Esclarecimentos solicitados pelo


CONSEP, a pedido de Dom Rafel: Clique AQUI e leia a matéria completa.

1. “Benefícios” da oração em línguas: Os carismas, sejam extraordinários ou


humildes, são graças do Espírito Santo que têm, direta ou indiretamente, uma utilidade
eclesial, ordenados como são à edificação da Igreja, ao bem dos homens e às
necessidades do mundo. Carismas são “manifestações do Espírito para proveito
comum”. São dons úteis, instrumentos de ação, para servir à comunidade.

Conceituação: a) “É um dom de oração cujo valor, enquanto ‘linguagem de louvor’,


não depende do fato de que um lingüista possa ou não identificá-lo como linguagem no
sentido corrente do termo”. É uma linguagem a-conceitual, que se “assemelha” às
línguas conceituais. Não supõe absolutamente um estado de “transe” para praticá-la, não
corresponde a um estado “extático”, e nem a uma exagerada emoção, permanecendo
aquele que a pratica no total domínio de si mesmo e de suas emoções, pois o Espírito
Santo jamais se apossa de alguém de modo a anular-lhe a personalidade.

b) É um dom que leva os fiéis a glorificar a Deus em uma linguagem não convencional,
inspirada pelo Espírito Santo. É uma forma de louvar a Deus e uma real maneira de se
falar e se entreter com Ele. Quando o homem está de tal maneira repleto do amor de
Deus que a própria língua e as demais formas comuns de se expressar se revelam como
que insuficientes, dá plena liberdade à inspiração do Espírito, de modo a “falar uma
língua” que só Deus entende.

2. O “falar em línguas”, consignado nas Escrituras comporta três modalidades:

a) a oração em línguas, de caráter usualmente particular, pessoal, e que portanto não


requer interpretação. Embora de caráter pessoal, ela pode ser exercitada também de
modo coletivo, o que acontece nas assembléias onde todos exercem o “dom particular
de orar em línguas”, ao mesmo tempo; obviamente, não supõe interpretação. No
entanto, Deus – que ouve a oração que milhares de fiéis lhe dirigem concomitantemente
de todos os cantos da Terra – por certo entende. Vale a intenção que está em nosso
coração.

b) Essa oração também pode ser expressa em modalidade de canto, uma oração com
uma melodia que não foi pré-estabelecida. Também essa modalidade não requer
interpretação. A diferença em relação à modalidade anterior, é que aqui se trata de orar
em línguas, mas num ritmo não falado, de expressão e cadência musical, de notas que se
sucedem improvisadamente, numa modulação lírica com que se celebram as maravilhas
de Deus. São cânticos que brotam geralmente nos momentos de louvor e adoração da
assembléia, do grupo de oração, e que pouco tem em comum com os cânticos
eclesiásticos tradicionais, ou também com os cantos de “composição artística”. Santo
Agostinho, comentando as palavras do Salmo “Cantai ao Senhor um Cântico novo”,
adverte que o cântico novo não é coisa “de homens velhos”. “Aprendem-no os homens
novos, renovados da velhice por meio da graça, pertencentes ao Novo Testamento, que
já é o Reino dos Céus. Por ele manifestamos todo o nosso amor e lhe cantamos um
canto novo. Quando podes oferecer-lhe tamanha competência que não desagrade a
ouvidos tão apurados?… Não busques palavras, como se pudesses dar forma a um canto
que agrade a Deus. Canta com júbilo! Que significa cantar com júbilo? Entender sem
poder explicar com palavras o que se canta com o coração. Se não podes dizer com
tuas palavras, tampouco podes calar-te. Então, resta-te cantar com júbilo, se modo
que te entregues a uma alegria sem palavras e a alegria se dilate no júbilo”.

c) Uma terceira modalidade do dom das línguas é aquela de uso essencialmente público,
que quando é acompanhado do seu complemento, o dom da interpretação, tem como seu
propósito a edificação dos fiéis e a convicção dos descrentes. Aqui o falar em línguas
não assume o caráter de oração, mas de uma mensagem em línguas, dirigida à
assembléia e não a Deus, como é o caso da oração, e que portanto requer o exercício do
outro dom apontado por Paulo, o dom da interpretação. O Espírito dá a alguém a
inspiração de “falar em línguas” em alta voz. Suas palavras contém uma mensagem
espiritual para um ou mais ouvintes. A mensagem permanece incompreensível,
enquanto não for interpretada. A mensagem interpretada assume, regularmente, as
características de uma profecia carismática, que, segundo S. Paulo, edifica, exorta e
consola a assembléia. Autores há que, em vista de maior clareza, dão outro nome a esta
forma de falar em línguas. Chamam-na de “mensagem em línguas”, ou ainda de
“profecia em línguas”. Em oposição ao “falar em línguas” durante a oração, este dom
não está livremente à disposição da pessoa. Exige-se uma inspiração peculiar. Muitas
vezes, ela está acompanhada de outra inspiração, a saber, num dos ouvintes que então
“interpreta” a mensagem e a traduz em linguagem comum, para a comunidade. O dom
de “falar mensagem em línguas” é um dom transitório manifestado vez ou outra nas
reuniões de oração; e o Senhor pode servir-se ora deste, ora daquele, enquanto que o
dom da interpretação geralmente é considerado permanente; é dom que pode ser pedido
na oração.

3. Quando se deve orar em línguas? Só em atos próprios da RCC? Na TV para todos?


Pode ser utilizada durante a Santa Missa, como parece ter acontecido na Oração dos
fiéis nas missas de TV?

a) Sendo um dom do Espírito e um dom de oração, ele deveria ser permitido onde
sempre é permitido orar. Nos atos próprios da RCC, o Documento 53, n. 25 da CNBB,
já o levou em consideração.
Esclarecimentos sobre alguns pontos da RCC à CNBB
Em nome da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, sou o Assistente Espiritual do
Conselho Nacional da Renovação Carismática Católica, um dos mais significativos
Movimentos Eclesiais existentes em nosso tempo. Algumas interrogações me foram
feitas por Dom Rafael Llano Cifuentes, Bispo de Nova Friburgo-RJ, proporcionando-
me levar ao Conselho Permanente da CNBB alguns esclarecimentos, que podem servir
a tantos irmãos e irmãos da RCC ou que desejam conhecê-la mais de perto. Eis o texto
escrito que apresentei à 58ª Reunião do Conselho Permanente da CNBB:

Esclarecimentos sobre alguns pontos da RCC

Foi-me pedido para fazer uma breve comunicação a respeito de alguns pontos sobre a
Renovação Carismática Católica. Escolhi dois caminhos, sendo o primeiro uma consulta
feita aos coordenadores nacionais da RCC, aos quais encaminhei as perguntas feitas,
com respostas que me foram apresentadas por Reinaldo Beserra, do Escritório Nacional
da RCC e membro do Conselho Internacional da RCC – (ICCRS). Tais respostas
correspondem e são plenamente assumidas por mim, por corresponderem ao que penso
e às orientações que costumo oferecer à RCC. Em seguida, desejo apresentar algumas
propostas.

I – Esclarecimentos solicitados pelo CONSEP, a pedido de Dom Rafael:

1. “Benefícios” da oração em línguas: Os carismas, sejam extraordinários ou


humildes, são graças do Espírito Santo que têm, direta ou indiretamente, uma utilidade
eclesial, ordenados como são à edificação da Igreja, ao bem dos homens e às
necessidades do mundo. Carismas são “manifestações do Espírito para proveito
comum”. São dons úteis, instrumentos de ação, para servir à comunidade.

Conceituação:

a) “É um dom de oração cujo valor, enquanto ‘linguagem de louvor’, não depende do


fato de que um lingüista possa ou não identificá-lo como linguagem no sentido corrente
do termo”. É uma linguagem a-conceitual, que se “assemelha” às línguas conceituais.
Não supõe absolutamente um estado de “transe” para praticá-la, não corresponde a um
estado “extático”, e nem a uma exagerada emoção, permanecendo aquele que a pratica
no total domínio de si mesmo e de suas emoções, pois o Espírito Santo jamais se apossa
de alguém de modo a anular-lhe a personalidade.

b) É um dom que leva os fiéis a glorificar a Deus em uma linguagem não convencional,
inspirada pelo Espírito Santo. É uma forma de louvar a Deus e uma real maneira de se
falar e se entreter com Ele. Quando o homem está de tal maneira repleto do amor de
Deus que a própria língua e as demais formas comuns de se expressar se revelam como
que insuficientes, dá plena liberdade à inspiração do Espírito, de modo a “falar uma
língua” que só Deus entende.

2. O “falar em línguas”, consignado nas Escrituras comporta três modalidades:

a) a oração em línguas, de caráter usualmente particular, pessoal, e que portanto não


requer interpretação. Embora de caráter pessoal, ela pode ser exercitada também de
modo coletivo, o que acontece nas assembléias onde todos exercem o “dom particular
de orar em línguas”, ao mesmo tempo; obviamente, não supõe interpretação. No
entanto, Deus – que ouve a oração que milhares de fiéis lhe dirigem concomitantemente
de todos os cantos da Terra – por certo entende. Vale a intenção que está em nosso
coração.

b) Essa oração também pode ser expressa em modalidade de canto, uma oração com
uma melodia que não foi pré-estabelecida. Também essa modalidade não requer
interpretação. A diferença em relação à modalidade anterior, é que aqui se trata de orar
em línguas, mas num ritmo não falado, de expressão e cadência musical, de notas que se
sucedem improvisadamente, numa modulação lírica com que se celebra as maravilhas
de Deus. São cânticos que brotam geralmente nos momentos de louvor e adoração da
assembléia, do grupo de oração, e que pouco tem em comum com os cânticos
eclesiásticos tradicionais, ou também com os cantos de “composição artística”. Santo
Agostinho, comentando as palavras do Salmo “Cantai ao Senhor um Cântico novo”,
adverte que o cântico novo não é coisa “de homens velhos”. “Aprendem-no os homens
novos, renovados da velhice por meio da graça, pertencentes ao Novo Testamento, que
já é o Reino dos Céus. Por ele manifestamos todo o nosso amor e lhe cantamos um
canto novo. Quando podes oferecer-lhe tamanha competência que não desagrade a
ouvidos tão apurados?… Não busques palavras, como se pudesses dar forma a um canto
que agrade a Deus. Canta com júbilo! Que significa cantar com júbilo? Entender sem
poder explicar com palavras o que se canta com o coração. Se não podes dizer com
tuas palavras, tampouco podes calar-te. Então, resta-te cantar com júbilo, se modo
que te entregues a uma alegria sem palavras e a alegria se dilate no júbilo” .

c) Uma terceira modalidade do dom das línguas é aquela de uso essencialmente público,
que quando é acompanhado do seu complemento, o dom da interpretação, tem como seu
propósito a edificação dos fiéis e a convicção dos descrentes. Aqui o falar em línguas
não assume o caráter de oração, mas de uma mensagem em línguas, dirigida à
assembléia e não a Deus, como é o caso da oração, e que portanto requer o exercício do
outro dom apontado por Paulo, o dom da interpretação. O Espírito dá a alguém a
inspiração de “falar em línguas” em alta voz. Suas palavras contém uma mensagem
espiritual para um ou mais ouvintes. A mensagem permanece incompreensível,
enquanto não for interpretada. A mensagem interpretada assume, regularmente, as
características de uma profecia carismática, que, segundo S. Paulo, edifica, exorta e
consola a assembléia. Autores há que, em vista de maior clareza, dão outro nome a esta
forma de falar em línguas. Chamam-na de “mensagem em línguas”, ou ainda de
“profecia em línguas”. Em oposição ao “falar em línguas” durante a oração, este dom
não está livremente à disposição da pessoa. Exige-se uma inspiração peculiar. Muitas
vezes, ela está acompanhada de outra inspiração, a saber, num dos ouvintes que então
“interpreta” a mensagem e a traduz em linguagem comum, para a comunidade. O dom
de “falar mensagem em línguas” é um dom transitório manifestado vez ou outra nas
reuniões de oração; e o Senhor pode servir-se ora deste, ora daquele, enquanto que o
dom da interpretação geralmente é considerado permanente; é dom que pode ser pedido
na oração.

3. Quando se deve orar em línguas? Só em atos próprios da RCC? Na TV para todos?


Pode ser utilizada durante a Santa Missa, como parece ter acontecido na Oração dos
fiéis nas missas de TV?
a) Sendo um dom do Espírito e um dom de oração, ele deveria ser permitido onde
sempre é permitido orar. Nos atos próprios da RCC, o Documento 53, n. 25 da CNBB,
já o levou em consideração.

b) Se a TV está transmitindo um ato próprio da RCC, não é possível “encenar” um


comportamento que anule a identidade do Movimento. O exercício do carisma de
orar em línguas é parte constitutiva da RCC. De nossa parte – os “carismáticos” – não
temos de que nos envergonhar dessa prática, e nem temos nada a esconder. Somos
assim. nossos Grupos de Oração estão sempre com as portas abertas, e qualquer um
pode conferir lá o que somos e o que praticamos.

c) Na Santa Missa: Se são missas celebradas em atos específicos da RCC, parece-nos


que sim, desde que se exercite essa oração nos momentos ditados pelo bom senso e pela
orientação do celebrante, de modo respeitoso, profundamente oracional, não exibitório,
especialmente como glorificação a Deus, como expressão de contrição, como petição, e
como ação de graças.

d) A RCC tem clara consciência de que a Igreja, durante muito tempo, não se abriu à
essa forma de se exercitar os carismas. Por isso ela sabe que, esse reavivamento de
perfil pentecostal que se colocou em marcha no último século – especialmente a partir
de Helena Guerra, que motivou Leão XIII a escrever uma Encíclica sobre o Espírito
Santo, passando por João XXIII, que pediu um novo Pentecostes para a Igreja e a
“renovação dos sinais e prodígios da aurora da Igreja”, bem como pelo Concílio
Vaticano II, onde Deus, providencialmente, lançou as bases e os fundamentos que
tornaram possível o surgimento e a fundamentação do Movimento Pentecostal Católico,
até João Paulo II, com sua Dominum et Vivificantem, e a inspirada exortação
pronunciada na celebração de Pentecostes de 29 de maio de 2004, que dizia: “Desejo
que a espiritualidade de Pentecostes se difunda na Igreja como um impulso renovado de
oração, santidade, comunhão e anúncio. […] Abram-se com docilidade aos dons do
Espírito Santo! Recebam com gratidão e obediência os carismas que o Espírito não
cessa de oferecer!” – precisa ser acolhido com abertura de espírito e destemor, mas
também com bom senso, com humildade, com respeito pelas diferentes opções de
engajamento na pastoral orgânica da Igreja, em absoluta adesão à doutrina da Igreja
Católica, não escandalizando por falta de decoro litúrgico ou religioso, dentro da ordem,
mas também não deixando de ser fiel à vocação que Deus nos faz, de, nesses tempos,
contribuir para “revelar à Igreja aquilo que já lhe é próprio: sua dimensão carismática”.

e) No rito do Sacramento da Crisma, ao final da Oração dos fiéis, o Bispo reza: “Ó


Deus, que destes o Espírito Santo a vossos apóstolos e quisestes que eles e seus
sucessores o transmitissem aos outros fiéis, ouvi com bondade a nossa oração e
derramai nos corações de vossos filhos e filhas os dons que distribuístes outrora no
início da pregação apostólica”.

f) É de se esperar que, recebendo tais dons, possamos exercitá-los, pois “da aceitação
desses carismas, mesmo dos mais simples, nasce em favor de cada um dos fiéis o direito
e o dever de exercê-los para o bem dos homens e a edificação da Igreja e do mundo, na
liberdade do Espírito Santo, que ‘sopra onde quer’ e ao mesmo tempo na comunhão
com os irmãos em Cristo, sobretudo com seus pastores, a quem cabe julgar sobre a
autenticidade e o uso dos carismas dentro da ordem, não por certo para extinguirem o
Espírito, mas para provarem tudo e reterem o que é bom”.
g) “Na lógica da originária doação donde derivam, os dons do Espírito Santo exigem
que todos aqueles que os receberam os exerçam para o crescimento de toda a Igreja,
como no-lo recorda o Concílio”.

4 – Repouso no Espírito: O Documento 53, no número 65, aborda o tema e diz a


respeito: “Em Assembléia, grupos de oração, retiros e outros reuniões evite-se a prática
do assim chamado ‘repouso no Espírito’. Essa prática exige maior aprofundamento,
estudo e discernimento”.

a) O Cardeal Suenens, que escreveu muito sobre a RCC e a apoiou, foi muito cauteloso
em relação à prática do repouso no Espírito, recomendando reserva.

b) Pe. Robert De Grandis foi quem muito a divulgou aqui pelo Brasil e tem um livro
sobre o assunto.

c) Pe. Antonello, da Arquidiocese de S. Paulo, pratica-o com bastante freqüência e


também escreveu sobre o assunto.

d) Não há fundamentação bíblica consistente sobre ele, embora sua prática remonte aos
grupos qualificados de entusiastas, especialmente nos grupos de reavivamento nos
Estados Unidos entre os séculos XVII e XIX.

e) “O Espírito Santo, ao confiar à Igreja-Comunhão os diversos ministérios, enriquece-a


com outros dons especiais, chamados carismas. Podem assumir as mais variadas formas,
tanto como expressão da liberdade absoluta do Espírito que os distribui, como em
resposta às múltiplas exigências da história da Igreja” . Em muitas ocasiões –
especialmente quando praticado em atendimentos pessoais, em clima de oração –, de
modo especial em atendimentos de oração por cura interior, essas manifestações se
revelam perceptivelmente legítimas, sem componentes de perfil patológico, gerando em
quem a experimenta profunda paz e bem estar, com conseqüente reavivamento ou novo
compromisso, com os compromissos relativos à fé. Pe. Isaac Isaias Valle, por exemplo,
de Porto Feliz, na Arquidiocese de Sorocaba, sacerdote muito estudioso e preparado
doutrinariamente, atende as pessoas utilizando-se dessa prática.

f) Em muitas ocasiões – especialmente em grandes encontros – há um visível


descontrole emocional da parte de muitos nos quais se manifesta tal fenômeno,
chegando-se mesmo a identificáveis casos de histeria, seja por desequilíbrio de cunho
psicológico. Como diz João Paulo II, “na verdade, a ação do Espírito Santo, que sopra
onde quer, nem sempre é fácil de se descobrir e de se aceitar. Sabemos que Deus atua
em todos os fiéis cristãos e estamos conscientes dos benefícios que provém dos
carismas, tanto para os indivíduos como para toda a comunidade cristã. Todavia,
também temos consciência da força do pecado e as confusões na vida dos fiéis e da
comunidade.”

g) Assim, não é oportuno incentivar tal prática. Mas há vezes em que, sem que ninguém
estimule, ocorre tal manifestação. Então, surge a oportunidade para cumprir o que
determina o Documento 53, buscando aprofundar o entendimento sobre a matéria, pela
observação com um estudo do caso, até perguntando à pessoa como é que ela está se
sentindo, se aquilo lhe gerou paz, se o seu é um histórico sem comprometimentos
outros, etc, para chegar a um discernimento sobre as características que possam nos
ajudar a identificar a legitimidade do repouso.

5 – Sobre as inspirações particulares: Em geral a liderança da RCC tem tido bastante


bom senso no exercício dessas chamadas inspirações, ou moções. Junto com os dons da
Palavra de Ciência e a Palavra de Sabedoria, a RCC se esmera em fazer uso do Dom do
Discernimento Carismático. Podem ocorrer exageros e afoitas condutas? Claro que sim.
Mas a realidade dos fatos logo “traz para a terra” aqueles espíritos mais atabalhoados, e
que agem por impulsos meramente humanos, e de maneira até irresponsável. Na
observância dos resultados práticos e dos frutos produzidos por tais inspirações é que a
RCC busca aprender a deixar-se conduzir pelo Espírito, que – segundo a Apostolicam
Actuositatem – distribui também aos leigos dons e carismas para capacitá-los a anunciar
o Reino, com poder. É possível encontrar-se falsas moedas. Mas não vamos, com
elas, jogar fora as legítimas, as verdadeiras. Em 2003, o Pontifício Conselho para os
Leigos convidou a RCC a dar sua contribuição no Colóquio Internacional sobre a
Oração para pedir de Deus a cura, realizado em Roma, sob os auspícios daquele
Conselho, reconhecendo nela essa prudência.

II – Propostas:

a) Ao acompanhar a RCC, percebo que existe seriedade, busca de maior conhecimento


teológico em suas lideranças e docilidade. Sugiro que a Comissão Episcopal de
Doutrina promova um estudo sobre os Carismas e as práticas da RCC, com seus
representantes. Pode até surgir uma nova e mais atualizada orientação pastoral.

b) Sugiro que os senhores bispos verifiquem em suas Dioceses os eventuais problemas,


proporcionando uma orientação segura, através de um assistente diocesano que possa
acompanhar de perto.

c) Nos Congressos Estaduais da RCC, seria muito oportuno que o Bispo do local em
que o mesmo se realiza se fizesse presente com a apresentação de um tema de formação.
Penso que “adotando a criança”, poderemos orientar melhor e os membros da
RCC não se sentirão marginalizados, mas membros vivos das Igrejas particulares.

Dom Alberto Taveira Corrêa

Dom Alberto Taveira foi Reitor do Seminário Provincial Coração Eucarístico de Jesus
em Belo Horizonte. Na Arquidiocese de Belo Horizonte foi ainda vigário Episcopal
para a Pastoral e Professor de Liturgia na PUC-MG. Em Brasília, assumiu a
coordenação do Vicariato Sul da Arquidiocese, além das diversas atividades de Bispo
Auxiliar, entre outras. No dia 30 de dezembro de 2009, foi nomeado Arcebispo da
Arquidiocese de Belém – PA.

Você também pode gostar