Você está na página 1de 9

REDUTORES

MEMORIAL MACOPEMA CÓDIGO N^. 1 3 . 0 1 . 0 1 . 1 3 1 . 0 . 0 0


Redutor a rosca s e m f i m Macopema: R6.

SENAI CÓDIGO m.050775 I


R E D U T O R E S M A C O P E M A INDÚSTRIA E COMÉRCIO L T D A
REDUTORES D EVELOCIDADE
F O N E / F A X : (0XX16) 3244-0707
C N P J : 54.614.813/0001-09 / I.E.:461.013.755.111

ÍNDICE:

1 - C E R T I F I C A D O S ISO 9 0 0 1 E ISO 1 4 0 0 1

2 - L I S T A D E PEÇAS

3 - D E S E N H O D I M E N S I O N A L : R E D U T O R R 6 FC 3 2 B

4 - D E S E N H O E M C O R T E : R E D U T O R R 6 FC 3 2 B

5 - M A N U A L D E MANUTENÇÃO D E R E D U T O R E S À R O S C A S E M F I M

Av.: Wilson Folador, 1973 - Distrito Industrial


CEP.: 15910-000 - Monte Alto /S P
e-mail: vendas@macopema.com.br
REDUTORES MACOPEMA INDUSTRIA E COMERCIO LTDA
REDUTORES DE VELOCIDADE
FONE/FAX: (0XX16) 3244-0707
CNPJ: 54.614.813/0001-09 / I.E.:461.013.755.111

Cerlifcado B R W i T S S I
SI
M a c o p e m a Indústria e Comércio Ltda.
Av Wilson Foiadof, 1973-Distrito Induslnai
Monte Alto - S P -15910-000 - BR

180 9001:2008
^3^3 3a s&ju!!-»? âfivídaíles

• Desenvolvimwito, F*i1csçâo e Comwcializaçâo de Redutores e Motorredufores


de Velocidade para o Mercado em gera.'
fmofTTíaçfles 3ífea«>ãffi a fespw» do e s e « » e aa apítc^âo dos r e q u i s ^
I S O 9 0 0 ! ms p M e m s « aMKlQS o s m o t e m » a organiiaçío

Este certificado è válido de 3 de junho ae 2016 até 14 de setembro de 2018


8 manièm-se vàMo sujeito a auditorias de acompanhamento satisfatórias,
A u d a w a d e Recenifcaçâo devida antes de 14 de agosto de 2018
Revisão 2 Certificado desde 2S de abril de 2013

Vanda Nunes

CÓPIA
Oiretora
S G S iCS Ceni^aifôfa usiía
A v e n t d s ^ ô f n e d a 8 3 2 ~ 6" a n o
m?>m - Sarueri - S P • Sras*!

OCS ÍK>09 I
Pagina s a e '

Av.: Wilson Folador, 1973 - Distrito Industrial


CEP.: 15910-000 - Monte Alto / SP
e-mail: vendas@macoDema.com.br
MACOPEMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA
REDUTORES DE VELOCIDADE
FONE/FAX: (0XX16) 3244-0707
CNPJ: 54.614.813/0001-09 / I.E.:461.013.755.111

Certificacio BR10/5477

C ãsieiTiíi lie gs^fáo %

M a c o p e m a Indústria e Comércio Ltda.


Av Wiison Foiâdor. 1973 - Distrito industrial
Monte A l t o - S P - 1 5 9 1 0 - 0 0 0 - B R

180 14001:2004
P a t a <isss9ua^ieíí m^iosii^

' DMênvolvimento. F^ric^ão e C o m e r c i a l i z a ^ de Radutorss e Molorroiutores

de V a i d a d e para o Mercado m geral.'


Este certificado è válido de 3 de lunno de 2016atè i í de setembro de 2018
e mamém-se válido suieito a auditorias de acompanhamento satisfatórias
Auditona de Recertificaçâo devida antes de 14 de agosto de 2018
Revisão 3 Certificado desde 4 de junho de 2010

«wfe-anM^IKd. f ^ í w f i t N e i A l t t Ç t e ^ ^ m i devw» M õaàK eÍOTc«Bí n i i t i v o * i s

OtPRawíBÉ-^l^ítiififtKHwi-DMS^íwS a í p » í ^ ^ q u e r sheíaçiei n J e i ^ i i a d » , C t í s â o M o . t e a w w f w t J o

Av.: Wilson Folador, 1973 - Distrito Industrial


CEP.: 15910-000-MonteAlto/ SP
e-mail: vendas@macopema.com.br
IREDUTORES MACOPEMA INDUSTRIA E COMERCIO LTDA
REDUTORES DE VELOCIDADE
FONE/FAX: (0XX16) 3244-0707
CNPJ: 54.614.813/0001-09 / I.E.:461.013.755.111

CONJUNTO: 13.01.01.131.0.00

CÓDIGO D O P R O D U T O : R e d u t o r a r o s c a S e m f i m M a c o p e m a : R 6 Redução 1 1 F o r m a
C o n s t r u t i v a 3 2 B carcaça e m F e r r o F u n d i d o .
PTDE. UNIDADE CÓDIGO DESCRIÇÃO

02 PÇ 52.01.18.001.207 ROLAMENTO 6207 DDU


02 PÇ 52.01.18.001.257 ROLAMENTO 6209 DDU
01 PÇ 52.02.18.001.130 RETENTOR DIAM.35XDIAM.52X10
01 pç 52.02.18.001.277 RETENTOR DIAM.45XDIAM.62X8
01 pç 52.03.03.001.164 CHAVETA 12X08X70
01 pç 52.03.03.001.313 CHAVETA 08X07X52
01 pç 52.03.03.001.335 CHAVETA 14X09X40
24 pç 52.03.16.002.021 PARAFUSO SEXTAVADO ZINCADO 8X20
04 pç 52.03.16.005.015 P A R A F U S O A L L E N C/C T E M P E R A D O 1 2 X 2 5
02 pç 52.03.16.041.002 PAR.BUJAO ALL.1/2" CONIC. 3/4" T E L L E P
01 pç 52.03.18.001.001 RESPIRO DE 1/2" BSP
02 pç 52.03.18.002.001 REBITE DE A L U M . 2,4X6 AD-320-S
1,6 LT 52.06.15.001.007 OLEO VISCOSIDADE 680 MINERAL
0,06 GR 52.06.19.003.002 SILICONE INCOLOR
0,10 LT 52.06.20.002.123 TINTA ESMALTE SINTÉTICO AZUL FRANCA
01 PÇ 52.07.05.001.001 ETIQ. DE IDENT. DE 4 0 X 2 5 M M AZUL
01 PÇ 54.01.03.001.068 COROA R6/llDiam 45
01 PÇ 54.01.03.006.005 C A R C A Ç A D E FoFo R 6
01 PÇ 54.01.05.001.009 EIXO SAÍDA R 6 S A E 1045
01 PÇ 54.01.16.002.004 P E R 6 FoFo
01 PÇ 54.01.19.001.142 SEM FI M NORMAL R6/11 ACABAMENTO
01 PÇ 54.01.20.001.006 TAM PA ENTRADA ABERTA R6 ALUMÍNIO
01 PÇ 54.01.20.003.006 TAM PA ENTRADA FECHADA R6 ALUMÍNIO
01 PÇ 54.01.20.005.006 TAM PA SAÍDA ABERTA R6 ALUMÍNIO
01 PÇ 54.01.20.007.006 TAM PA SAÍDA FECHADA R6 ALUMÍNIO

Av.: Wilson Folador, 1973 - Distrito Industrial


CEP,: 15910-000-MonteAlto / SP
e-mail: vendas(â),macopema.com.br
REV. POS. DESCRIÇÃO ^ODIEICADO POR DATA
01 — EMISSÃO INICIAL JOSÉ LUIZ 0 1 / 1 1/17

173 1 13

o EIXO
028

ENTRADA

12

7lN
OBSERVAÇÃO:
175 CÓDIGO MATERIAL SENAI 050775
k6
040 REDUTOR DE V E L O C I D A D E À COROA E ROSCA SEM FIM
MARCA: M A C O P E M A
1 1
MODELO: R6
EIXO SAÍDA
CARCAÇA EM FERRO F U N D I D O
O 00
n CO 00 REDUÇÃO: 1:11
ROTAÇÃO: 1750RPM
POTÊNCIA DE ENTRADA: 9CV

o te
1 ! 1 MOM. TORÇÃO
CARGA RADIAL SAÍDA
PESO: 2 5 , 7 K g
SAÍDA: 34,44kgfm
420kgf

FORMA CONSTRUTIVA: 32B


013(4x) LUBRIFICAÇÃO CONFORME ISO-VG680
o

32B 0 ^ \. Da Camada: TRATAMENTO TÉRMICO DUREZA


CÓDIGO PRODUTO CÓDIGO MAT. PRIMA

;IHi9
S Q ti PROJ JOSÉ L U I Z 0 1 / 1 1 / 1 7 MATERIAL
DIMENSÕES SEM TOLERÂNCIA DES. JOSÉ LUIZ 0 1 / 1 1 / 1 7
Qs <
M y CO + DE 0.5 3 30 1 2 0 400 1000 APR. PAULO R. 0 1 / 1 1/17 DESENHO N°
ATÉ 30 120 400 1000 2000 ESC.
R6 FC 32B
u j cr a . ( n u j TOL. ±0,1 ±0,1 ±0,2 ± 0 , 3 ± Q , 5 ± 0 , 8 ± 1 , 2 S / E
T 1 T
ESTE DESENHO NAO PODERÁ SER
REPRODUZIDO EM TODO OU
PARTE, NEM CEDIDO A
EM
HERCEIROS
O
SEM NOSSA AUTORIZAÇÃO POR
ESCRITO

CD

05 o

o
<
m o o
o
1
00
o o o o o o o o o o

CJI
m
om
O (J) CO U)
o >'
m o o
m o
m
o z
m o
CO >
o
o
> >í -
O -q o
O O.
CO o
o
Tl

m n
m >
> o
Lf)
oo
O "D
O
m

1
o
m

7K CD
S i s t e m a d e Gestão
f 1
Integrado
REDUTORES E
Certificação
N B R I S O 9001:2008
NBR 130 14001:2004
bUMER
Redutores de Velocidade

MACOPEMÂ I t i t l u s t r r n c Cdméfcio U d a .

> AvuafMiíX» Min bf

1 . INDICAÇÕES G E R A I S
1 . 1 . T o d o s o s r e d u t o r e s a n t e s d e s e r e m d e s p a c t i a d o s são s u b m e t i d o s a u m t e s t e d e f u n c i o n a m e n t o s e m c a r g a .
1.2. A s p o n t a s d e e i x o são p r o t e g i d a s p o r u m a f i n a c a m a d a d e g r a x a o u p i n t a d a s c o m v e r n i z a n t i - o x i d a n t e .
1.3. T o d o s o s r e d u t o r e s são f o r n e c i d o s c o m c a r g a d e óleo l u b r i f i c a n t e .
1 . 3 . 1 . R e d u t o r e s c o m carcaça d e alumínio são f o r n e c i d o s c o m óleo p e r m a n e n t e .
1.3.2. R e d u t o r e s c o m carcaça d e f e r r o são f o r n e c i d o s c o m óleo m i n e r a l o u a p e d i d o c o m óleo p e r m a n e n t e .
1.4. O l e v a n t a m e n t o c o r r e t o d o s r e d u t o r e s deverá s e r f e i t o através d e o l h a i s d e sustentação a s e r e m f i x a d a s n a s r o s c a s d a s carcaças.

2. INSTALAÇÃO

2 . 1 . R e d u t o r e s c o m pés d e v e m s e r i n s t a l a d o s s o b r e u m a b a s e p l a n a e rígida. Q u a n d o o r e d u t o r e s t i v e r s u j e i t o a forças e x t e r n a s será c o n v e n i e n t e p o s i c i o n a


l o p o r m e i o d e p i n o s o u réguas l a t e r a i s .
2 . 2 . O a p e r t o d o s p a r a f u s o s d e fixação d a carcaça deverá s e r concluído s o m e n t e após u m c r i t e r i o s o n i v e l a m e n t o e a l i n h a m e n t o d o r e d u t o r . E v e n t u a i
d e s n i v e l a m e n t o s e x i s t e n t e s n a s fundações d e v e m s e r c o m p e n s a d a s p o r m e i o s d o s calços. O e x a t o a l i n h a m e n t o d a s p o n t a s d e e i x o , t a n t o e m relação
máquina a c i o n a d a q u a n t o a máquina d e a c i o n a m e n t o , é i m p o r t a n t e m e s m o q u a n d o são u t i l i z a d o s a c o p l a m e n t o s elásticos. P o n t a s d e e i x o s e n c o m p r i d a d a s
a p o i a d a s p o r u m m a n c a i a u x i l i a r e x t e r n o r e q u e r e m u m a l i n h a m e n t o d e máxima precisão.
2 . 3 . O s r e d u t o r e s e m e i x o d e s a l d a v a z a d o n o r m a l m e n t e são m o n t a d o s s o b r e o e i x o a c i o n a d o e são p o s i c i o n a d o s p o r u m braço d e torção q u e t r a n s m i t e
m o m e n t o d e reação d a carcaça a u m p o n t o d e a p o i o , através d e u m e l e m e n t o a m o r t e c e d o r . O braço d e torção é i n d i c a d o p a r a e s t a s aplicações e d e v e s e
m o n t a d o n o l a d o m a i s próximo a o m a n c a i d o e i x o a c i o n a d o . A fixação rígida d a carcaça p o d e r e s u l t a r e m c a r g a s a d i c i o n a i s s o b r e o s e i x o s e m a n c a i s e p o r t a n t
d e v e s e r e v i t a d a , a não s e r n o s c a s o s e m q u e o r e d u t o r t r a b a l h e c o m o u m m a n c a i d o e i x o a c i o n a d o e a s c a r g a s t e n h a m s i d o v e r i f i c a d a s .
2 . 4 . A instalação d o s r e d u t o r e s e m posição i n c l i n a d a é s o m e n t e admissível q u a n d o a c o r d a d o p r e v i a m e n t e .
2 . 5 . P r e v e r l i v r e a c e s s o a o r e d u t o r , e s p e c i a l m e n t e a o bujão d e inspeção e a o nível d e óleo, b e m c o m o a o bujão d e d r e n a g e m d e óleo. A circulação d o a r
p a r a a dissipação d e c a l o r d o r e d u t o r não d e v e s e r i m p e d i d a p o r d i s p o s i t i v o s d e proteção o u o u t r o s .
2 . 6 . É d a r e s p o n s a b i l i d a d e d o c l i e n t e a proteção d a s p a r t e s g i r a n t e s c o n t r a c o n t a t o involuntário.

3. M O N T A G E M D E A C O P L A M E N T O S , P O L I A S , ENGRENAGENS
3 . 1 . A m o n t a g e m d e a c o p l a m e n t o s , p o l i a s , e n g r e n a g e n s e e t c , deverá s e r f e i t a , s e m p r e q u e possível, p o r a q u e c i m e n t o d o s e l e m e n t o s a s e r e m c o l o c a d o s . O
f u r o s d e a c o p l a m e n t o s , r o d a s d e n t a d a s e p o l i a s d e v e m s e r e x e c u t a d o s n o r m a l m e n t e c o m tolerância H 7 e o s r a s g o s d e c h a v e t a c o n f o r m e n o r m a D I N 6 8 8
f o l h a 1 . D e v e - s e o b s e r v a r u m a fixação a d e q u a d a d e s t e s e l e m e n t o s p a r a q u e não h a j a d e s l o c a m e n t o a x i a l d o s m e s m o s , q u a n d o e m f u n c i o n a m e n t o .
3 . 2 . A m o n t a g e m forçada p o r m e i o d e g o l p e s é i n a d e q u a d a p o r c a u s a r d a n o s a o s r o l a m e n t o s e a o u t r o s e l e m e n t o s i n t e r n o s d o r e d u t o r .
3 . 3 . P o l i a s , r o d a s d e n t a d a s e t c . q u a n d o m o n t a d a s e m p o n t a s d e e i x o s l i v r e s , d e v e m s e r p o s i c i o n a d a s o m a i s próximo possível d a carcaça d o r e d u t o r .

4. M O N T A G E M C O M P A C T A D E M O T O R E S
4 . 1 . P a r a e s s a m o n t a g e m v e r i f i c a r a a l t u r a d a c h a v e t a d o m o t o r e a j u s t a r s e necessário. P a s s a r g r a x a n o e i x o d o m o t o r p a r a f a c i l i t a r a m o n t a g e m . ( U s a r
g r a x a i n i b i d o r a d e corrosão p a r a f a c i l i t a r a d e s m o n t a g e m ) .

5 . INÍCIO D E F U N C I O N A M E N T O
5.1. A n t e s d o início d e f u n c i o n a m e n t o , d e v e - s e v e r i f i c a r s e o r e d u t o r f o i f i x a d o c o r r e t a m e n t e , e s e a s instruções c o n s t a n t e s n o s i t e n s 1 a o 3 f o r a m o b s e r v a d a s
5.2. P a r a c a s o s e m q u e h o u v e r r e s p i r o n a carcaça, v e r i f i c a r s e o s m e s m o s estão obstruídos o u l a c r a d o s , e m c a s o a f i r m a t i v o , r e t i r a r o l a c r e . O v o l u m e e x a t
d e óleo é i n d i c a d o p e l o bujão d e nível d e óleo. A verificação d o nível d e óleo deverá s e r f e i t a s e m p r e c o m o r e d u t o r p a r a d o . A q u a n t i d a d e d e óleo i n d i c a d a n
catálogo, s e r v e s o m e n t e c o m o v a l o r o r i e n t a t i v o .
5.3. C o l o c a d o o r e d u t o r e m f u n c i o n a m e n t o convém operá-lo s e m c a r g a p o r a l g u m a s h o r a s , o a m a c i a m e n t o c o r r e t o p r o p o r c i o n a u m a p r i m o r a m e n t o d
q u a l i d a d e d a superfície d o s d e n t e s e a u m e n t a a área d e c o n t a t o n o s f l a n c o s d o s m e s m o s , p r o l o n g a n d o a s s i m a v i d a d o r e d u t o r . Não h a v e n d o a n o m a l i a s
p o d e - s e i n i c i a r a operação a p l e n a c a r g a d e serviço.
5.4. O a q u e c i m e n t o d o r e d u t o r v a r i a e m função d a rotação, d a c a r g a e d a s condições a m b i e n t a i s . T e m p e r a t u r a s d e óleo até 100° C não c o m p r o m e t e m i
f u n c i o n a m e n t o d o redutor. T e m p e r a t u r a s m a i s altas p o d e m s e r admitidas q u a n d o previstas, utilizando-se lubrificantes especiais.
5.5. R e d u t o r e s q u e f i c a m p a r a d o s p o r u m período p r o l o n g a d o d e v e m s e r p o s t o s e m f u n c i o n a m e n t o ( c o m o u s e m c a r g a ) p o r a l g u m t e m p o a c a d a três m e s e s
Não h a v e n d o e s t a p o s s i b i l i d a d e , d e v e - s e p r o v i d e n c i a r u m a n o v a conservação d o r e d u t o r .

6. MANUTENÇÃO E T R O C A D O L U B R I F I C A N T E S
6 . 1 . R e d u t o r e s c o m lubrificação a óleo mineral.
6 . 1 . 1 . C o n t r o l a r r e g u l a r m e n t e o n í v e l e a t e m p e r a t u r a d o ó l e o ( T e m p e r a t u r a s m e d i d a s n a s u p e r f i c i e d a c a r c a ç a s ã o e m m é d i a 10° C m a i s b a i x a s d o q u e a
t e m p e r a t u r a d o óleo).
6 . 1 . 2 . E f e t u a r a p r i m e i r a t r o c a d e óleo m i n e r a l após a p r o x i m a d a m e n t e 5 0 0 h o r a s d e serviço. O s i n t e r v a l o s d a s d e m a i s t r o c a s d e óleo d e p e n d e m d a s condições
d e operação d o r e d u t o r (solicitação e t e m p e r a t u r a s d e serviço, frequência d e p a r t i d a s , t i p o d e óleo e condições a m b i e n t a i s ) . A t a b e l a 1 , i n d i c a v a l o r e s médios
d e referência p a r a o s i n t e r v a l o s d e t r o c a . ( V e r t a b e l a a b a i x o ) .
6 . 1 . 3 . A s d r e n a g e n s d e óleo deverão s e r f e i t a s e n q u a n t o o r e d u t o r a i n d a e s t i v e r q u e n t e .
6 . 1 . 4 . A n t e s d a colocação d o óleo n o v o n o r e d u t o r é r e c o m e n d á v e l e f e t u a r u m a l a v a g e m prévia c o m óleo f i n o d a m e s m a f o r m u l a ç ã o d o ó l e o l u b r i f i c a n t e , o u
água r a z .
6 . 1 . 5 . N a t r o c a d e óleo d e v e - s e o b s e r v a r q u e o l u b r i f i c a n t e s e j a substituído p e l o m e s m o t i p o a n t e r i o n n e n t e u s a d o . N ã o m i s t u r a r t i p o s d e óleos e m a r c a s
diferentes.
6 . 1 . 6 . O s m a n c a i s d e r o l a m e n t o e vedações q u e r e q u e r e m relubrificações p o r g r a x a , d e v e m s e r a b a s t e c i d o s através d o s n i p l e s d e lubrificação. U t i l i z e s o m e n t e
g r a x a s a b a s e d e s a b ã o d e lítio, a p r o p r i a d o p a r a r o l a m e n t o s . R e l u b r i f i c a r c o m a p r o x i m a d a m e n t e 1 0 a 2 0 c m ' d e g r a x a e m i n t e r v a l o s d e t r ê s m e s e s ( s o l i c i t e
instruções específicas).
6 . 1 . 7 . O t i p o d e l u b r i f i c a n t e , a v i s c o s i d a d e e a l g u n s f a b r i c a n t e s estão i n d i c a d o s n a t a b e l a 2 . ( V e r t a b e l a a b a i x o ) .
6.2. R e d u t o r e s c o ml u b r i f i c a n t e s p e r m a n e n t e s .
6.2.1. E f e t u a r a troca d ea c o r d o c o m a tabela 1 . R e t i r a n d o a t a m p a c e g a d a c o r o a .
. 6 . 2 . 2 . C a s o n e c e s s i t a r a d i c i o n a r óleo p e m a n e n t e p o r c a u s a d e v a z a m e n t o s , p r o c e d e r d a s e g u i n t e f o r m a :
- R e t i r e o p a r a f u s o n° 1 e o p a r a f u s o n° 2 d e q u a l q u e r d a s t a m p a s d a c o r o a i n d i c a d a n a f i g u r a 1 a b a i x o .
- A t r a v é s d e u m a s e r i n g a , i n j e t e o ó l e o p e l o orifício rf 1 a t é c o m e ç a r a v a z a r p e l o orifício n° 2 , c o m o r e d u t o r n a p o s i ç ã o i n d i c a d a n a f i g u r a 2 a b a i x o .
- Coloque novamente o sparafusos c o m vedarosca.

CORREIO ERRADO

FIG. 1 FIG.2

Intervalos d e Trocas Viscosidade


Temperatura RPM da Temperatura
d e Óleo e m H o r a s I S O a 40°C Castrol Esso •piranga Petrobrás Shell Texaco '
d o Óleo Entrada Ambiente
( V a l o r e s Médios d e Referência) DIN 51519
T em C T
A Óleo M i n e r a l Óleo P e r m a n e n t e A -10°C a lio S P Spartan Ipiranga Lubrax Omala Meropa
460
B B lOX 460 EP 460 SP 460 Gerr 460 460 460
70 6000 18000 Até 1 7 5 0
E E
ICC a Mo S P Spartan Ipiranga Lubrax Omala Meropa
L 85 3000 9000 L 680
50°C 680 EP 680 S P 680 Gear 680 680 680 '
A A

- - - -
100 1500 4500 Optgear Tivela S
2 Óleo P e r m a n e n t e
1 BM68a 680

1 8 m e s e s máximo 4 8 m e s e s máximo Castrol L M Beacon Lubrax Retinax Marfak i


Graxas para Rolamentos Ipiflex 2
Grease 2 Autolith 2 WB2 MP2

TERMO D E GARANTIA

O s p r o d u t o s f a b r i c a d o s p e l a M a c o p e m a , são g a r a n t i d o s c o n t r a d e f e i t o s d e fabricação e mão-de-obra, c o n f o r m e o s i t e n s a b a i x o : -

1-) P r a z o d e v a l i d a d e :
- O p r a z o d e v a l i d a d e d a g a r a n t i a é d e 1 2 ( d o z e ) m e s e s , c o n t a d o s a p a r t i r d a emissão d a n o s s a n o t a f i s c a l d e e n t r e g a d o p r o d u t o a o c o m p r a d o r .
- A reparação, modificação o u substituição d e peças o u c o m p o n e n t e s , d u r a n t e o p r a z o d e g a r a n t i a , não prorrogará o s e u p r a z o o r i g i n a l .
2- ) C o b e r t u r a d a g a r a n t i a :
- D u r a n t e o p r a z o d e g a r a n t i a , a M a c o p e m a s u b s t i t u i r á o u c o n s e r t a r á , a s e u critério e x c l u s i v o , o s i t e n s q u e c o m p r o v a d a m e n t e a p r e s e n t a r e m
d e f e i t o s d e fabricação.
- A garantia é dada para o produto posto n a fabrica d aM a c o p e m a (Monte Alto / S P )
3- ) A g a r a n t i a não c o b r e :
- P r o d u t o s f o r n e c i d o s p o r t e r c e i r o s , c o m o , r o l a m e n t o s , r e t e n t o r e s , m o t o r e s , l u b r i f i c a n t e s , e t c . q u e terão o s l i m i t e s d e g a r a n t i a d e s e u s f a b r i c a n t e s ;
- Defeitos originados por quedas, batidas e etc;
- D e s g a s t e p o r f a l t a d e m a n u t e n ç ã o d e lubrificação;
- D e s p e s a s c o m assistência técnica p r e s t a d a p o r p e s s o a s não a u t o r i z a d a s ;
- D e s p e s a s d etransportes d a mercadoria;
- D e s p e s a s d e locomoção e e s t a d i a s d e técnicos e m c a s o d e assistência n o l o c a l .
4 - ) Haverá extinção d a g a r a n t i a e m c a s o s d e :
- P r o d u t o s s e m a p l a q u e t a d e identificação o u c o m o número d e série d a n i f i c a d o ;
- P r o d u t o s q u e t e n h a m sido alterados, c o n s e r t a d o s o ud e s m o n t a d o s pelo c o m p r a d o r ;
- P r o d u t o s s u b d i m e n s i o n a d o s , d e a c o r d o c o m o catálogo técnico M a c o p e m a (potência, f a t o r d e serviço e f a t o r d e v e l o c i d a d e ) ;
- P r o d u t o s c o m alterações s o l i c i t a d a s p e l o c o m p r a d o r (diâmetro d e e i x o s , c o m p r i m e n t o d e e i x o s , f u r o s n a carcaça, isenção d e l u b r i f i c a n t e , e t c ) ;
- F a l t a d e p a g a m e n t o t o t a l o u p a r c i a l , d e v i d o p e l a aquisição d o p r o d u t o .
5- ) Observações:
- A s peças substituídas e m c a s o g a r a n t i a , serão d e p r o p r i e d a d e d a M a c o p e m a .
- E m c a s o d e assistência técnica n o l o c a l , o c o m p r a d o r deverá:
- I n f o r m a r a M a c o p e m a p o r e s c r i t o , o p r o b l e m a a p r e s e n t a d o , o n u m e r o d e s é r i e d o p r o d u t o , e d a d o s d a a p l i c a ç ã o d o p r o d u t o (potência,
rotação d e e n t r a d a , h o r a s / d i a , t i p o d e e q u i p a m e n t o e t c ) ;
- A u t o r i z a r p o r e s c r i t o o l i v r e a c e s s o d o p e s s o a l t é c n i c o a o p r o d u t o , a fim d e q u e o t r a b a l h o s e j a i n i c i a d o imediatamente;
- Disponibilizar recursos, tais c o m o : tornos, guinchos, pontes rolantes, lubrificantes etc.

* Informações s u j e i t a s a alterações s e m prévio a v i s o . \1