Você está na página 1de 340

Impresso no Brasil, janeiro de 

Copyrght orginal© 199 by Louisana Sate Unversity Press


Copyrigh ©  by The Curaors of th University ofMissour
Unversiy ofMssour Press Coumba,MO 

Os direitos desta edção pertencem a


 Realzações Edora, Lvraria e Dstribuidora Ltda.
Caxa Postal:  ·  9 ·São Paulo SP
elex: (11)  
e@ereazacoescom.br · w.ereaizacoes.com.br

Reservados odos os dreos desta obra.


Probida oda e qualquer reprodução desta edição
por quaquer meo ou forma sea ela eletrônca ou mecânca,
fotocópia, gravação ou quaquer ouro meio de reprodução,
sm permssão expressa do edior
REFLEXÕS

AUTOBIOGiÁIC

ÇÃ  Ã  X


IS SOZ
R/DÇA
 Ê  V

 VQU  U
I cosdao cauaum o s aa  pua
cuosas xcda sd gadus ad mmoaa  smp
maafacdus
No eo o ere  criço no evemo exercer
no v e rnióri crioie m cener à coi
imor e ermene
Sno Agoinho D Va Rgo
Sumário
uçã p El Sz ... . . ... .       . . 
 

 ii   i  . . .. . . . .


       

2 l i .. .  .
   ... .7
   

3. x  ... ........... .. .. .. 


     

4    . ...........


  

 Sf g   l   ........ ..7 

6  i    ii  lgi


i ................ .. .     

7 l li  . ..  . .   .  


        

8 S ih i ......... ... 

9 xf  1921  1922 .. .. . . .  . 


        

10. li i .............. .... 

11.      ... .. .. . . . .... .


      

2  l  i .  . ..................


3 scuss  ig ... ....... ....7  

4 lgi   li  li ..... 7


15 ig  1938 ..... .... .. .        

16  i  i   à i i .. .. 

17  ii  li   l   xi i 

19. lf
18. Sh z 
    i   i
.... .. .  .
. ...i ...
  7    

20  ig  d  ta .........


21 xii  ...... ..... ..  

22    l f?   g  li! ..


23 il  hii ......... .. .. . .    

24 l   i li  ili


  . .. . . .... ....
     

25. i i  ii    l f i 


26. Rl i    iii ....7
27 lgi  l   i   . .7
 

Í Rv.............. . ..7  


NTROÇO
por l andoz
 Rxõ autobogca r ri gi m
rnidd d xminr  inrrr m  gin
 v r  rdzi  93 qd  Rxõ frm
did  rri.  livr fr  mlhr inrd
ívl à vid   m d  fi m nvl
 lvz  mir lf d n m i gli xli
 glin nm rl igr nd r lr
lz r  r ri  il  hriz m
ml d 
rfd nmn
 Rxõ rir
rvlm  iniiv lgn
 miv 
d m-
mrvl rlh dêmi d glin m vri gi
d dd d 920 m di q m  d hmm
fvl  mhmrd rj  rm m  ri
d grd ridd  mrl  dri   r
r d r fmilir  q  n hrm m  li
 d Rxõ autobogcad ri gi  m
nimn inll d mir imrni
Um ird mi rmrizd  m livr  r
 ívl ri did m lvz m rv rm d
igr d gli   d rig d Rxõ m m
dmn  r rinn  úil  li r
Eich He ilhe oegeli ce e oôi 
leh e 3 e jeio e 90  e ece e Sto 
Clió e 19 e jeio e 1985. E lho e Otto Ste
e Elieth Rehl Voegeli e e i e egeheo ciil O
Voegei
i teii e Colôi
1910 qo e e igwite
e tei  Re
 Vie 
Eic eqeto  ecol e eoi  ieie e Vie
tooe o  oeo ocio e cici olític 
 cle e ieito eo o Anhlu1 e 1938, o
otee eitio elo zit eio à  ooio
 Htle (exe eecilete e qto o lic
ete 1933 e 1938) Co  g   Sí eco o
oco  eeo el Geto. ogo eoi eigo 
o Eto io co  eo ( ie etty iy" Oe
3 e eteo e1906-8 e oto e1996] e e oe
e oltei e e c e 30 e jlho e 1932)ó 
 o lecioo o eteto e Cic olític 
ieie H e eeeeo eqee ige o
logo o ego eete  lecio  egto Co
lege e Veot Voegeli iito  co e i 
ieie Nohwee e Eto lioi. eoi o
Voegel ti eqe  e Wcoi te  
   ieie o l o ooo e 939,
oe eece o oi o e eio.

E jeio e 1942, Voegeli igeo o co o ocete


o eteto e Cici olític  ie ie Et
l  oii (S eece e to Roge t
jeio e 958 e oi oeo  o  ieio od
Poo S te ee ezeei o ecee e
ico  o e ig qe etelece  et
o Th Nw Sn o Polt  o cici  oltic]
1 eaão a Áia à emaa N. .)
 A Bo dPooh o ma alto g e ão oeio pea Uiveae
Etaal a Loiaa a membo e e opo oee em eoemeto
à eelêia e oiçõe o ampo o eo e a peia A omeação
ooe apó m goomo poeo e eeão Dee a tão o tto
em 953 apea 65 poeoe, io too oapa LU, egaam
a eebêlo N T)

0 I ReexõeAtbgrá
( )  co ase nas algreen ectres roferidas no ano
nterior e os três rieiros voles de Order and Hto
rde e Histria] vole  Irael and Revelaton Israel
e a eveaão] vole  The World o the Pol [O ndo
da
leslis]
(196 e vole  Plato
97). Eic e ssyand
seArtotle [laãomercanos
ntralizrm e ristte-
e 19 e aniverm sa cidadania a rtir de enão. Mes
o ssi oegelin ace ito em 98 ma indicão ara o
cago de rofessor de iência olíica na Universidade 
wigMaxmilin e  Mnie onde fndo o nstitto de
iência olítica Sa rincial licaão nesse eríodo foi
namne (966) e resentava agora de fora direa
 loso da consciência e j estva sentendida na ora
e inglês. E 1969, dez anos deoi s os oegelin retornarm
denitivente ara os Estados Unidos No nstito Hoover
ara o Estdo da Gerra Revoão e az d Universidade
Stnford oco or cnco nos consecivos (19691974) a
cedr Henry Salvatori como istingished Scholar" Estas
Reexõe autobográca fora ditadas nesse eríodo Logo
deois o aro volme de Order and Hto foi nalmente
lcdo  s m hto de dezessete nos  co o ttlo
he Ecumenc Age [ era ecmênic] {97) osentados
ric e Lissy coninaram a residir em Sanford onde amos
estão setados. O csl não teve lhos.

goslm dos ivros


e ensaios mencionoegelin
do rofessor ados aroximadmene
fora licadoscem ari
drante
 vid do ator. oegelin m deixo ito material em
mnscitos inditos inclsve a mior ate de m estdo
de tro mi ginas intitlado The History of olitica
deas" [Hisria das idis oticas] lgas ares dessa
3 Or dpoíve e Th Cd Wk    gn vo. 
Uvety o Mor Pe) Todo o voe etdçã ã ctados
dorvnte pen coo  Th Nw Sn  t fo reediado omo
vo 5 d CW N. E.)
4 A tduão de  8 pr o ngê fo edd peUnvy   �
e 10 U verão revt o pucd eCW vo  6 (N E
5 C vo  N E

tã 1  
r frm irrs  Ode and Ho e ze e ses
íls frm ligis eis r Jh H. Hlwel e
lis m  íl Fom Enlghenmen o Revoluon
[D lmiism à Revl] (195) O qi vlme e O-
de and
l In Ho mm
Seach o fi li
Ode m smmee
s  rem m 
(98) r
se  er gr  revliri s  líi 
hisri e  sii e ri egeli.
Em me livr he Voegelnan Revoluon: A ogaph-
cal Inoducon [ revl vegelii: m ir
igrj8 eei exlir em qe sei ems eeer
 r e egeli m reviri.  aon d'e s
Reexõe auobogáca  rlh rerri qe z r
esse es. m 193 egeli esv lge e se rer
m  re e m igr  m ivr e mem
ris r smrse  re s exerimes msis
qe zi em 1943 li smee em 1966  livr

Anamne Esses esies


m exeriis ess
ifi qe e sier
egei reresfrm-
r
rs e s si i m ser hm Cmem m s
rimeirs remi isis s qrze meses e vi e v
 s ez s e ie rximmee. m 197 e 973
egeli esv rh iligeemee  liz 
msri e he Ecumenc Age li   segi
e. O livr qe e esv esreve exigi  heime

 TheHisto oJPolicalI compreende os volumes 96 das C pblicados


entr 99 e 999. São ees, om seus resptvos edtores: I, Helnism, Rome
and Ear Christiani [Helensmo Roma e Crstansmo] por Athansos
Moaks;  heMiAges toAquina [A dade Méda até Tomás de Aquno]
por Pter von Svers I The Laer Mi Ages A Baxa Idade Méda por
Davd Walsh V, Renaissance and Rrmaion Renasment  Reforma por
Davd L Morse e Wam M Thompson V Relion and the Re ofMoi
[Relgão e a asensão da moderndade, por James L. Wser V Revoluion and
the New Science [Revoção e a nova êna], por Bary Cooper V, heNew
Orr and Lat Orientaon [A nova ordem e a orenação na], por üren
Gebhard e Thomas A Hollwek V Crisis and theApocapse ofMan [Crse
e o apocpse do homem, por Davd Wash. N T.)
 Reedado em C vo 1 8. N E 
8 LSU Press 9 2. ed. ransaton Pblshers 2000 N. E.

  ReexõeAtbgrc
e os eahes borác q  esava spoíves
à poca e eo coece a grvr c ele erevsas sobre
eas relevaes para o e eso e se pesaeo. ssas
palesras percorram assos varaos e fo somee o vero
e 93 qao
e comece esve
 ear em Safor
esabelecer para colheroformes
m croolog esevol-
vmeo eleca e oegel qe ecmos o qe fzer
ps mos pssos em flso srg a a e cozr ma
sre e erevsas com base os mes qesomeos. les
serm respoos em ma arrva oral a por oege
l. ra grr a elae a rscro sa secrera
eseve sempre presee pr aqgrafar o qe era o. o
sso fo feo ere26 e jho e  e jlho (comemormos o 
e jlho  claro o gabee e rbalho e oegel em sa
resêc o Sooma errace em meo a ves e fmaa
os chros g wr qe ele cosm aramee o
lao feroz e perssee e os cezhos peqeses  qe
a espeo os esforos a esposa e oegel para calos
repelm qalqer pergo por hpoco qe fosse  o zr
e r o coraor e gramas o rgr o aspraor e p e
o som meco e esree o elefoe (ess amosfer es
see o exo mas como esce ovmee as ve e see
horas e gravao ao preparar o prmero mscro pr p-
blco esav vv em mha memra eqao escreva
e o sso fo evmee pre ess experêca" e
ra e m aos ars .  rascro fo eo a e corrga
por oege epos regaa em empo hbl para formar o
ocmeo revsao qe cabe lo Autobographcal
Mmor [Memra aobogrca] e rc oegel e ce n
xtno em me vro m 989 o lvro recebe ovo ílo
par pblcao em seprao
No poemos saber coo era so a obograa e rc
oegel vesse ele seo pra escevêl po cv
prpra. s resposas qe srgra a prr  h v
go eso ese vro s pergas q    u
pem formaes bscas e po fcl r   m
pareceram mas mporaes pr ma copree rl 

nrdç 1  
ri  mril q  r m gi  
róri r q  m  r q hi r 
irmi    m m  grç  
 950 q l zi  qi  LSU O gr

 mr
  mi
Vgi r qi
mlx  xr
f mr qqr
 mir 
lr
úi  xriv. i  l q iv  ri
 frr  rvi q  rm m fi
m miri riv  r q qiz i
m r    r hr   mh qi q
mç m m xríi m  p oma  i-
  m r im q  i m m mir 
r   qim ri   ivrr  m
rgr q mçv rr m v ir
 m rç à r"   mi m vi i
r Vgli fi  q m  . mç
 v  lg rri i rig  r
m f m m g rrv à r" mm  q
  fi  r m  mi  ri
  ri Vgi j hióri  v   mhr
mm  ir miiv   l. i q
fri  fh imr  rl  m   r r
m r r 
 m hj h  imr  q  Reexõe auo
bioáca  mhr   ri r  
q  m fmiliri m  ri  Vgli. É m
mih vli r rq  Reexõe m  mri
  xlrr m iggm im  ir  múil
x  igr  m r hm r r 
ili  mrr rxivm  rli lm
 ri  ql  m ivivi rii
m r hm. Qr fizr  conceude  vi 
 m  m r hm í m  m  
ii  ri Vgli.
Rmi  m  vgz  xrr qõ
r r x r lç m  i

!4  tbigca
ocedieos hoticos Aui aos co as eiis-
cêcias de u hoe ue coseguu ea setido de sua
óa eegiaço essoal e itelecual ee o osis
o oiae o acoalsocialismo eal e a eisêca li
e e aea do osofa com a ajda ee oas foes os
clssicos dos escolscos e mscos cisos e dos ofeas
de Isael e aósolos do Noo Tesameo Um eemeo m-
oae da eegaço de Voegel  sa usca agíel e
gaa descoea  e eome acace  de m luga ode
ecoa auo e socoo em meio  cofso o coaso
as isiçes o emoameo ielecal e a coço
essoal Como ee fez sso  o asso dese eeo lo
ceo e um elao como ese acaa sedo alm sso
ma maea ideal e eede a sosa eleca" a a
o eso e o eeco aa o amadecmeo da esoa
ade hmaa. Ele caega sa óa aeicdade como
m elao sga em mea essoa e  e aos faos ho
esocomeçamos
ho ieligeeaemhmoado
ecee e oseolemas
eaoado.eEsas
elooges
ca
oeaas comem m mosaco os coeos" e es
esee em mao o meo ga a a e cada m de
ós e e fcoa em gade mea como ma amaha
Na ca o efeo  aeco com o e se om ao e

as Conõ
oco de gosho
losofa o a Apologa
aa ecea de ao
a ealade em m Voegel
mo
omado o segas ealidades sem fala as ealdaes
as m asso e como oseo cea ez cose
aa e al moca ao aa s ao aa os oos
Nese eeo lo emos ma amosa e como Voegel
emeea essa sca o como em moa m ea-
caeça
so maselecal
como em oe
omama
aeida
em aí
m jogo
me s ezeseseca
aeço ego
o ese o E o u o eu julgameo o fao de e ee

 No eáo  rae and Reveation [ 1956], eútmo páfo CW


vol 14. (N )

trd 1  
me contou essas cosas estando nós sentados frente a frente
um dante do outro de pessoa para pessoa
Talvez o letor tenha nteresse em consutar o resumo feto
por Voegeln aproxmadamente uma dcada depos ue este
texto fo dtado nttulado utoographcal Statement at
ge EghtyTwo" [Depomento autoográco aos otenta e
dos anos de dade 
Numerosas resenhas do vro orgna foram pulcadas
Em gera todas concordam ue este vro  uma excelente
ntroduço  ora [de Voegeln pos oferece um contex-
to hstórco e ográco esclarecedor no só das motvaçes
mas tamm das fontes de seu autor e traça o desenvolv
mento de mutas de suas das centras sore polítca hstó
ra a natureza da conscênca e a presença dvna"  Houve
porm uem se dssesse nsatsfeto porue as oservaçes
de Voegen sore pensadores de uem dscorda so com fre-
ênca exasperantes e por vezes estúpdas a ponto de nos
fazer estremecer" Outro resenhsta mas elogoso lamentou
ue o edtor no tenha escrto uma ntroduço mas longa fe-
to mas anotaçes e oferecdo um ndce na prmera edço. 
Estas decêncas foram ao menos em parte suprdas nesta
edço e para a verso em rochura da SU Press puca
da em 996, um ndce já hava sdo complado Ian Crowther
comenta mutos assuntos mas especalmente a exposço das
experncaue so a chave para compreender a revota ego-
fânca" da moderndade Ele conclu ue emora possaos
no ter vsto a útma das segundas readades" dos deólogos

0  vol 33, pp 4356. (. E)



á ua relao dela e eorey L. Prce e Eerhard reherr von Lochner
ed.) Eic Voelin nonal Bibliogap 191- Munque
Wlhel Fnk Verlag 000 pp 0001  ( E)
 e Mtcherlng, n Hito fo uopean dea 1 no 5   0) p
05 ( E)
 d (. E)
 Maen Walter Poer  Moden Age34 no 3 pravera de 1 p.
6. ( E)

  1 ReexõeA
podemo anal, com a aja de oegen e e nrpree
(   ver aav dea  homa velyn ecreve qe a
mpressã qe em  er [cm as xõ abi-
gráa é de ecaame e dóc cmpreesã. Em
seus aaques a aeecalsm e aamercas-
m d pesame de esquerda, Vegel pde lembrar
Aa Bm. Mas há ma grade derea O ar de
 Cig f  mria id [O decí da c
ra cdea] será embrad mas pea mpesdade
e pe rhasm de se aaqe Vege será em
brad pr seu ( . ) resgae da "grade descbera ds
óss clásscs de que  hmem, ge de ser m
'mra é um ser que parcpa de m mvme em
dreã  mradade( ..) A cempar suas bras
redas  qe vems ã é m arc de r mes
e relee mas m arcírs16
odemo, or m menconar a facinane reenhaenaio
de al G. nz, qe exra do lvro qaro novo declogo"
andameno eoógco andameno oa, anda-
meno loóco e andameno cadmco, como o
chama , e concl, exrevo:
de amah mdes  vme rasme a mpressã
de m ggae de grade pder rmav A mehr
maera que ecre de dê  raad m pa
rael ere Vege e Msés e apresead sas
ábas da e Em ma vda acadêmca que bem pde
ser caracerada cm vlúve já qe sfre pr ds
s ads a pressã de grups vceraes Vege 
qem eve mar carea qa  ecessdade de ace
arms quar ps de mperavs17
5  Cwher The Orde Rely alb RetJiw   (maço d  ?'
p 43. . E)
6Ths D'vey,  WrdCHiian Fnds Or byon 1ior",
Chritian cinc Montor 8 1 (6 de vem d  ? p  N 
7 Paul G Kn, n ntrcolat Rviw 26 no.  ouoo d 0 p �0
(. E)

nrdç 1  7
or m gms lrs sor  riso l   rs
o  rir o lo   os ors  os s  mh
rsosi os s os  isrs r ohs
so o or ms siis  mor imori fo
rm fsrim
lrs siliosm fls
omo  hio s ms
o xo fz m rss
s 
gro fom rsrs apas os so m  s
rim mlhor o  s r izr oos os ilios r
s  fs form sros o or O msrio 
orgm m m l jo rosio ii r srr 
sor  m so ioliogro. or sso Vog o
s roo m fzr s miloss ms  ro
r fio so o msrio foss s   o iss om
ho     s lo.   om o io
o r hr ss l
   tbgrc
 NIVRIA  INA
 lo  l  Do  U  
  99   ol o  m oo o m 922. N
o o m    fom mo
o olo o mo oH úgo o m  m
G Ml . M m  omoo    
  l o mo    mof
omoo m   m   o o
ofo. m m mo    o logo  o
   920 o mmo  q  zm  o
fo o ololmo o o o o 30 
o m ozo l mo   

olm
o omoo
H momo o
mo lgm o
m 

o Do   H    lo o 
 o m úmo  z mo  jo fomo o l
m lf o o  olf Ml. m 
go lg   ol   Ul Mg
g mw j l m ool o W

l   o o
o l
oôm. 
o m
oomo m
o jo

 wg o M oo o  o o  
o o   Sm   m Gz  o m 
o  o    o m omo
   q  mmm m m jom
 époc h  escol e físc eóc que emon 
Ens Mch eno epesen po Moz Schlck Lug
Wgensen e nuênc mpone nesse cculo menos
po su pesenç que po su ob Deo mencon n o
Ausn
co Insu
e Esuos f Geschchsfoschung
Hsócos [ Insuo
epeseo po Alfons Ausí
Dopsch
que àquel u j conqus fm encon l com su
ob sobe  hsó   ecoom cong
Ene os ms joens h  uêc cescene e Oo
unne epos fmoso po sus eos sobe o feulsmo

meel
époc e Ou gló
hsó  Unese
 e e Ven
epesen po nquele
Mx Dok
Josef Szgosk Quno ene n unese Dok j
e fleco ms Szgosk n lecon. Com ele z
cusos e hsó  e enscens Especlmene 
ene e seu neesse pel e o ese Euopeu que su ob
e os olumes sobe  Amên o bem ocumenou. Ao
mesmo empo
Insuo oesc
e Esuos em Ven o Isu
 éHsó . f Ugeschche

Ms à mgem o meos e meu pono e s h


ceos fmosos como o Isuo e Ms znn 
go po Egon Wellesz que ms e m  conhece pes
solmene Após  ocupço nconlsocls Egon Wellesz
fo p Oxfo Tmbém muo poeos e neel e 
nuênc os pscólogos Cuse scplns com Hemnn
Sobo enuss  eo os mos e Ens Kes; ese
po su ez e mgo ínmo e Sgmun Feu N pscolo
g e Sobo su ng mze com Oo Wen nge en
 como pno e funo. As obs e Wennge em ls
po oos nquele peíoo A gu ms nuene no cmpo

cuopscolog
e Feue Feuseque
e unc eeemee. Noms
o encone peec o cí
e coo
com muos joens po ele fomos. ene os que conhe
c os ms mpones à époc e m Henz Hmn que

 ecalmene confome ulcadas em u Hecha [erra e


domíno4.  5. (. E)

0 I RefexõeAuobiogr
epos eo p No o; obe Wee que epos se
esbeleceu n Flé; e Kes que fo p  Ausl
N Fcule e Deo os neecus que ms ím
os esunes nque époc em Hns Kelsen ogo e
eo  Consuço usíc e Ohm Spnn economs
 e socólogo. Spnn lém e elbo um eo o une
slsmo conuz um nlse esuul  econom e um
poo que em seu coneo  muo lém o eso elenco
e ems boos pelos eócos  ule mgnl. Um
ece gu e gne mgnesmo ene os esunes e
Cl Guenbegppul
 subeço um bue
com que
soclemocc
o Impéo e N ese
nsu
ço  Repbc em1918, sceneu o o Socemo
c em que oe n pme eleço e que pcpe n
. Um gu mpone onse o pncpl eólogo
os soclemocs Mx Ale. H mbém um gupo
e excelenes juss com o qu eu no nh muo cono
com Ssoe em eo nenconl; Schey que conuz
 efom o Cógo Cl; e Hupk em pocesso cl.
Insceeme como esune n pósguço que me
le o Docto um poltcaum [Douoo em Cênc
olíc] A ecso e cus esse ouoo em cênc polí-
c fo em pe econômc e em pe queso e pncípos
No que se efee o speco econômco eu e muo pobe e
um ouoo  se concluío em ês nos me pec e
nmene o O ouoo em eo po su ez e -
 quo nos. A queso e pncípos e um nebulos
ms j eno pujne nuço e que eu embc em um
ce ceníc. O ouoo em eo b p quem
no se onsse ogo nepenene  eno possb
le e ngess no sevço pblco; ms eu no que se
funcono pbco. A escolh  cênc políc ems
fo eemn pel qule o copo ocene que ncluí
gus e enome como Kelsen e Spnn. Um len
semene conse po meu p que e engenheo c
 e mbém po mm se  e e físc e memc.

J sidad dVia 1 2 
Ms  políc me  ms Mesmo ssm epos e con
cu o ouoo em cênc políc mcueme em cu
sos e memc n Fcule e Floso especlmene
com hlpp Fuenge sobe Funktonentheore eo
s funções] Ms cbe esuno esses ssunos pens
supeclmene pos smpesmene no consegu me enu
ssm po poblems memcos
Ao longo esses ês nos z mze com esunes 
mh e um ou os nos ms elhos que po con es
s sul feenç e esm olno o seço ml
A(que
expeênc
escphes e um
o seço mue
ml que pessos
n juenue) como eu
consem
fscnne Conhecos nos csos que zemos em comm es
peclmene os semnos Tês esses semnos fom mu
o mpones p  poseo uno o gupo e joens e
que fe ms ne Flo pmeo o semno e Ohm
Spnn no po e so o ms mpone sob esse speco ms
poque í conhec pessos que epos se em po compleo
e mnh  O clm gel o gupo e Spnn e os joens
po ele os e o o omnsmo e o elsmo lemo
sem spens um foe oque e nconlsmo Alguns eles
em o nconlsoclsmo; oos chegm mesmo 
se  momenos nconlss ms cs oposoes
o nconlsocsmo Quno  ulênc e Hle omou
con Áus o cono com esss pessos esmoeceu e no
fo ms eomo Ms é mpone fl sobe ess fse pos
é  Spnn e o blho nesse semno qe eo mnh fm
le com os ósofos clsscos (lo e Asóees) e com
os ssems elss lemes e Johnn Goleb Fche G W
F Hege e F W J on Schelng Ms os semnos e Kelsen e
Mses lez po concem ms com os meus neesses fo-
m ms ecsos p  mnh fomço e  poseo o
meo o semno e Kelsen  e mbém nese cso especl
mene no semno po  fommse elções com seus
membos ms ngos pculmene Veoss em eo
nenconl e Mekl em eo mnso Ene os ms
póxmos  mnh e esm Alfe Schz qe epos se

 I RfxõsAuobioas
oou ofeo e ocolog  Ne School fo Socl e
ech em No ok; muel Wez ue eo o exlo
e oo ó o He umu  cuo  coleço e 
umeo muc o Meoo Mueum o A em No
Yok; Felx Kufm óoo o eo que e oou o
feo  Ne School fo Socl eech e Fz Schee que
o   o o Uo ooue emeo  e e
uce  h o m o emo o e Lug o
Me ue eee o o  o é o m e mh e
 u oe ecoe Fech Augu o Hyek Oc
Mogee Fz Mchlu e Gofe o Hele.

 A V  vv E Vgl  m m  m fê ltl
q mt   htó D l  él XIX té s pms
tt   él  V f  bç  Sgm F h
Shtzl Hg v Hfmhl wg Wgt Gtv l
 A-Slmé Gtv lmt  M lk t t.  
  pf tlt m  m;  tçã  ms fm 
     pblm ló  pm gz tm
 ml p t íl  "hm píg m  El d
hg  té mm  El  Fkt m bm v m  
pg m fm  t Sf Zwg 92 "Em qs
hm   Ep  mpl p  tl f tã p qt
m V. Extmt pq  Át h él ã tv mbçõ plít
m btv g  m  çõ mlt  glh  pt 
vlt m mt p  pmí  rtít. A mi mptt
  prví tl  lmã mg  vlõ h mt hvm
p  vlh   Hbbg q m  m  Ep  ptl
 mth
ml  vlh
O m blh
hvm pm
g t p  mm
p   tçã
m
pt vç  p ptg  vlzçã lt t  bb  m
 m  p  tq  tm t  Ot f t
 mlh.  blhm  bg   ttl mt  m
blh b  m Glk Hy  t thv Shbt hm
 h St p l ím   t  lt pé.
N t  bz  pv  lmã lg pl g  lv 
hg  phl  tl  fê   mg   v gê
   m f l hmmt   tt m
g v  g  tí  v ptv  m m  p
 mlçã   tí  fç m pt tí  lh
 fl vv  tmf  lçã tlt  tmt
 ã    tv m ã pl mplt
m ã  m 0 nd q  v  J  
pp 9. Sb  p ltl v l tmbém   d Shnt
 P Gy Sã P mph  t  tgntn   
 gên  y Mk (Sã P mph   997 q ã
çõ b  tlh      btt

 Uda d Va 1 

A p esses gupos, eemnos pe nsuço os
semnáos e pes mzes pessos e eções en e esss e
ous pessos, cslzouse po m um nsuço que, no
sem um oque e on, fo chm e Geistkreis [Cculo
Espul
que ou menslmene;
se eun Inelecul Tse
oo mês,eumum
osgupo e joens
membos 
um pes sobe em e su escolh  enquno os ouos
fzm pcnho ee Po se  e um comune c-
lz, h  eg e que o no o encono no po
se o plesne, pos e pemo à on  cs pcp
(em ouos csos no pemímos  pes enç e mulhees),
e no se n coês fze pcnho e um clheo n
pesenç e su espos. A esse gupo, que se expnu g
umene, com lgums esões espoács, peenceu, em
neos nemenes,  mo pe s pessos menco-
ns, especlmene Afe Schz, Emnuel Wnenz,
Hbele, Hebe Fueh, ohnnes Wle (hsoo
 e), Robe Wee (pscns), Felx Kufmnn,
Fech on Engenos (hsoo) e Geog Sch Um
ccesc mpone o gupo é que nós oos esámos
unos peo esuo e um ou ou cênc, ms áos os
membos no nhm ncuos pens com  unese,
ocupnose mbém e um sée e es comecs
e nnces Um homem como Ale Schz, po exemplo,
fo seceáo e um ssocço e bncos e epos enou
p o seo nnceo Posseguu nesse mo quno eo
p No ok, e ee  fnásc eneg e conuz com
sucesso su  posso nl e, pemene, escee los
que go se onm célebes com  publcço e sus obs
euns Emnuel Wnenz e ogo, lgo especl
mene  socees e céo mobáo Us bo pe e
seus enmenos
longs comoe cul
gens à á posson bemsuceo
seu neesse p fze
pe hsó  
e Es fo  bse com que poseomene se esbeeceu
nos Esos Unos, o que cbou esulno em seu cgo

 o oiginal Baparksbancos ou associaõs qu nancam moadias


/ou consuõs cis m gal ( 

24 1 Reex Auob
no Meopoln M useum o  A Su gne elzço o 
ognzço quel exposço pemnene e nsumenos
muscs que em meeco  enço os snes o museu
ese 92.
Os economss sofem com o encohmeno  Une
se e Ven sob s conções  Repblc. Um une-
se no po bsoe nos economss e pme
lnh quno os que sugm nquele peoo Os nomes e
Hyek Hbele Mogensen e Mchlup conqusm no
oee n Ingle e nos Esos Un os. Anes mesmo

e Hle ees
nus  quem fo
nepenene ex
um Ven. Mchup
os lmos po se
 ex um
o pís.
Engelnos lém e excelene hsoo nh um fbc
e ssolhos (ms eo ze que o êxo e seu negóco e
fuo em gne me o noel no empesl e su
espos Clee) Um ou cule e o nsem smo
ue com  nsuç o  epblc onouse nescpel

 O etr  rv que,   d ve Vege e  tvdde
eel ã exlu  vdde r que sse eete
lurv A d de que td eetu deve es se rer  ssuts
etvs" e   es ds (r eel,  srevvê
er)  u te dg de e vve  trre de O rr
Vege dr  exe e ses  de trdde, re ret  
Tl her Vegel ev  d r vt ds t d hã. N
hr qe se seg ee gv   e vesv g se  e hv
esd e est  e ssd e ele   seu esr, e etre
ve e dez hs d hã; se v e s, ssv hrs tes d 
qe r  vl·d u d de  zed uts gões eeôs
 etã led lgs vezes ee z dge (e v tesee
e vã, s guels  gr) U ds eees s rttes d
hã gerete e  vers   rretr de ões d Mer Lyh
 e Vege z su r e ved de ões  erd e ss
de vres er Ps  se des,  he erdt t se
v   he de egs   ele r se hu e u de
sss verss e utur de 1980 qud s ets e le
Nqele d, regv sg u  dnteonal Hera bune e 
er s e dsus qud s evs er s vddes
 ed de ões U vez sus teões e eser  ls de vres
r esds els segues s Vê leu sre  dee  
vã kheed? O vlr ds ões d kheed  drstete st  
he de r-s! Cr e v r ões d Lkheed  rtr de
gr. (l her, Er Vegels Wrksh ext d  t
Au d  Vegel ety e 2004.

 Uisia Va  25

n Unesdde de Ven Qundo l ene como esudne
muos dos pofessoes ules em judeus o que ee 
políc lbe d monu. Depos de  98 com o esbe
lecmeno d Repblc nenhum judeu fo desgndo pofes
so ulpespec
qulque Com sso osdejoens quecondço
s d em judeus no nhm
de Privatdozent
Em pe fo ess lmço que obgou homens excelenes
como ex Kufmnn e Alfed Schz  se ocup de negó
cos comecs e nnceos Schz como mencone e
bnqueo elx Kufmnn e deo d Angloesn O
Copoon Muos desses joens com o deno de Hle 
demsso e  necessdde do exílo fom dos em ce
s empess. As mzdes fomds dune esses nos
pedum Os membos do Geistkreis se dspesm sc
mene ms  s elções pessos pemnecem ncs. 

5 A amizade ente Eic Voegei n e Afred Schütz durou mais d e tinta nos, até
a moe deste último em . Schz era considerado po Voegein como "o
parceiro secreo na concepção de minha losoa da consciência matrada
e desenvovda depois no livo Anmnei (66) sas pesqisa sobre a
enomenoogia da consciência e sua relaão com uma sociedade sadia e justa
também inuenciaam Voegein na concepão de A nov iên  poli
(14) A amostra dessa amizade prodtiva está na correspondência entre os
dois guadada nos aquivos d Hoove nstitution dento do espólio dedicado
à obra de Voegen. Sobe a relaão Schüt-Voeg elin ver tambm o capíto  8
dest Rexõe uoio.

2 1 Rfxõs Auobios
2 scoLA CNRIA
A el  evu s meus esus unvess cbe
cescen um eex sbe  fm ne qu
 n escl secun eqene um Realmnaum 
que sgnc que ve  ns e lm ses ns e nglês e
cm mé pcnl
ps cum s ns eum
e me ppcn ln  ss
nsu meus
elemen
em fncês Ns ns  gue ene 94 e 98  escl se
ccezv ém ss pel ecumen m e ce
nme e pfesses egues e m que lguns cuss
fm ssums p pesss spenss  sev ml
e que n em cenes egules ses lms cbm
execen
mencn ms nuêncO
especmene sbe nósKus
n lescenes
que peev
que
se u cm nls n Ingle nes e seu en
à us n nc  gue qun se nu pfess e
nglês E um neecu mu cul e se neessv espe
cmene p pscnlse n bgem e Afe Ae Um
s pns ls  mnh euc secun f  esu
e Hamlet une um semese nepe segun  ps
clg  eltung e Alfe Ale

  ba e ehemet amaã peg Na plga e


Ale ea p pt a mplex e eae. (N. T)
Um os pofessoes egules e Phlp Feu, exceene
fsco e memáco Ee ensnv o bem que, o n o
gnáso ( ov sée) , eu e um mgo, Robe Me, émos
cpze s e nos neess pe Teo  Re ve, que se
on cél ee hv pouc o empo. A pesenço  eo-
 po Albe Ensen em 191 que cb e conece,
é n um s mnhs posse s ms vloss No nco e
nosso esuo no  puemos compeene, ms eno nos
emos con e que o quel cule nc l se ev
à smpce  eo. Acbmos po enenêl muss-
mo bem, m s  á no pomos ce que l go o sm -
pes fosse cpz e susc mnho fuo e fm e eo
complc O po memáco, é co, esv à noss
ne sposço Quno epávmos com esss p
enes cules e compeens o, consulávmos Feu,
nosso pofesso e fsc, esolvmos nossos poblems e
ecebmos ms nfomções.

embome especmene e um esss eunões com


Feu, em que ele chmou noss enço p o fo e que,
e coo com  nov eo os áomos, quno você se
um peço e me, esá sepno esuus ômcs A
possbe e sep esuus ômcs com um se
e mo e p ele  cos ms ngne e o  esuu
 ele fsc. Feu v l o poblem  euço e 
uonom os váos esos  ele o se
A escço  ele nos ev  ouo epsóo
esse peodo Um os ómos pofessoes ene esses
que vem de fo e um qumco  Poécnc e V en,
Sebnge Fu convoco p um pov o pós e fl-
o  um ul em que se scu  composço o áco
cco. Eu nh esuo o ssuno em cs e sb uo
sobe áco cco, ms no consegu espone à pegun
sobe como oêo pensv se e um complexo po-
cesso qumco Eno  pocmo um sno egégo, po
no sbe que o áco cco se obém espemeno lmões.
Te um no um nesse semese.

28 I RxAb
Ou gu mpone  oécnc e opschek o
memáco. m memác epos e cnç o nel e
queo em cálculo feencl possegumos enussmos
com  eo s mzes e lgums noções e eo os gu
pos ss mpl ee e neesses epesenos po
pofessoes e excelene que explc mnh ue
ecep quno chegue à unese. Ms nes sso
ns fés ene o Abiurium2 e o níco e meus esuos un
esos no ouono esue O capial, e Mx nuzo
omene pel on e neesse pel Reoluço Russ. Sen
o um compleo ngênuo nesses ssunos eu ce em
uo o que l e eo ee que e goso  quse ezemo
e  99  mxs Peo o N eu já es cnso o
ssuno pos cus nesse meoempo scpns e eo
econômc e hsó  eo econômc e pene o que
es eo em Mx Depos o mxsmo nunc ms fo
um poem p mm.
2 spéce de e estbua com a deea de se teado com o coléo.
 ua poa qe o a no az no tmo ao  o eso médo cuja apoaão o
encamnha detamete à esdade. (N. )

2 Esa sa I 2

3AWR
E oblm  ct um olog  o cbêl
fvl ctcmt fo cot  o. Mu
to mot   fomço  mh ttu m lção
à cêc fo o cotto coc com  ob  Mx b,

cujo
fomvolum
lçoSocooga
 éoc  Economa
daego
tulmt e ocedade
voo o
ó tu. A uêc uou  Mx b o
 um o gut cto. mo u o
ob o mxmo u motm  904905, coom m
h jço o mxmo como olog fvl c
tcmt jço t u j hv o  uo
cu coom
lug  ltm l
htó o
Wbcoômc. Em guo
m Wencha und
Potk Cêc  olíc u vocçõ xm clo u 
oog o o chmo vlo" u to ço v
uo m u m  mmo o o ooçõ c
íc. A uo  oou cíc com  tço  Wb
 ennungethk  Ventotungethk uulmt
tuzo o étc  tço  étc   ob.
Wb tv o lo  éc  obl to é 
um  ob l coêc o ó o
to. Am o xmlo  um ujto tbc um gov
o u xo o xoo é l o o vl l
mé u cuou à o xo. É moívl
esculp s conseqüncs mlécs e tos mos pel
mole ou nobez s nenções o gente. A nenção
molzo não justc  moe  ção.
Mnte como me lego esse isigh funmentl, em
bo o pópo Webe não tenh nlso sus mplcções
po compeo. Ieoog não é cnc, e os es não subs 
tuem  étc Depos escob que esss stn ções estm
ntmmente lgs à metoolog neokntn s cncs
hsócs, esenol pel chm Esco Alemã o Su
oese e Hench Rcke e Whelm Wnebn. No con
texto e Webe, cou clo que s cncs socs, p seem
cnc, pecsm fst os loes.  ele, sso sgnc
 nesg elções e cus e efeo no pocesso socl Os
valors que o socólogo us p selecon seus mtes
em nsuscetíes e tmeno ceníco; os juízos e lo,
ponto, estm necessmene excluíos  cnc. Isso
exou Webe com  cule e que s pemsss  seleção
os mtes,
nhm bem como
e pemnece s e um
ocus. étc
Webe nãopôe
esponsble
nls esss
es. O sntom exteno ess cun em su teo é o fto e
que su socolog  egão, estuo e esto tão bngente,
não ofeece nenhum tmento o csnsmo pmo ou
 loso clssc. Ou sej, s expencs que fonecem
os ctéos p embs  oem exstencl e  ção espon
sel nunc meecem su tenção. Se, no entnto, Webe
não eneeou po lgum tpo e etsmo ou nqusmo,
fo poque, mesmo sem te conuzo ess nlse, e um
homem e gne soez mol e, e fo (como eeou 
bog esct po seu sobnho, Eu umgen), um
mísco. Ass m, sb o que est ceto mesmo esconhecen
o o poqu. Ms é co que, centcmen te, est é um po
sção muto pec. Anl, os estuntes fzem quesão e
sbe po que zões eem g est ou quel mne; e
quno s zões  sto é,  oem conl  exstnc  são
exs e lo, s emoções poem pecp  pesso num
espl e entus elsts e eológcs em que os ns se
onem ms fscnntes que os meos. Es é  cun n ob

32 1 Rfxõs Autbigrcas
e ebe e f  gne pblem c ue le p cnüen
 n ee que me fmlze cm u  é.
m tece ug nte e nç ne quet e
lent que u mtnte nuênc e Mx Webe f 
bngênc e eu etu cmp N que me z e
pet Webe cmpu e um ez  t que n cmp
 cênc  c e tc n e e e um cêmc
qulc em cnhece funmente  unt  I g
nc qu  cnhecment cm  clzçõe 
n pen  clzç men m tmbém  mee

l e óxm
Oente ntg ee n en 
 Extem Ocente
Oente  e m tmbémc m
em cntt 
 e eeclzçõe centíc mnte tulz ee
cnhecment Quem m n pcee n tem  et e
zee um centt empíc e ecet ex  eej cm
cêmc  e

 A iêi de Mx Weer  vid e  or de Voege fo es As


iores rovs disso estão o tlo itrodutório de  nva cincia 
píica e s úts gs de Hite e  aemãe(168) ão Po 
Reizões 2008). No reiro ivro Voegei esreve que Weer foi 
esdor qe vu  terr roetid s ão foi ertid  s etrd
A orão o Moiss ão  letóri odese dier que todo o trlho
de Voegeli sore s relões etre  orde d l e  orde d soedde
 o roogeto efetivo d or de Weer, e ese d rte dedid
à soiolog ds religões O role de Weer er o se oto etre 
etodolog ositvist que trsforv os ses estudos e registros do
esforo deseserdo de retrr qquer vor setivo ds ises e seus
lsos stos, qe v tdos s extess esqiss sore s reigiões
orietis e oidetis Weer queri eotrr u setido rol o urso
d histór u setido d doido eo ito do rogresso que etv
 soolog do soXX Voegeli resove o roe o tir e deois
rovr) qe  hstór ão te  eid essêi) dedo qe e est e
u estrtr ert detro do uxo d eteridde Ee trsforr ess
desoe o exo de seu trtdo Ode and Hi . Ms tvez  oege
is oovete qe o dislo
de Hite e  aemãehdoVoege fz ode
A grdez estre
Mx este o tulo
Weer. 
Nesse texto,
Weer  desrto oo u iteet sto terretão hote r
egoos vidos s rsões deológs, e o dr de ão ter eitdo 
ersetiv etsi e seus estudos se trsfor  trgdi exelr do
itele do slo   de igr se o róio Voegeli ão se vi
oo o h qe ir o qe Weer es sro,  ve qe
ssuu  der dee o Istituto de Cê o e Mqe etre os
os de 1958 e 1969.

 M W  

4. TO COMPARAO
And sobe o pobem do conhecmeno compdo, é
co que M Webe no fo o pmeo  d esse exemplo. O
nddo d socolog, Auguse Come, mbém consdeou
fundmen  qusço de um mpl gm de conhecmen
os. Desde eno, odos os gndes censs socs êm ess
mplude po ndspensvel Esse speco c obscuecdo
com lgums denções ecenes, muo esvs de soco
log; hoje, pensdoes como Come so vsos como lósofos
d hsó ou socóogos d hsó ms esse po de cls
scço no elmn  esuu d eldde. O necesso
lcnce empíco do conhecmeno nd é  bse de od e
quque cênc soc dgn do nome
N edde, nd esudne no níco dos nos 20, qundo
comece  me dedc  esses ssunos, eu  sb que o domí
no do conhecmeno hsóco compdo e bsolumene
necesso. Aí, o modelo ebeno fo efoçdo peloDeclí-
nio do Ocidene de Osld Spengle que no devemos ulg
pens po seus specos duvdosos como  clsscço ds
cvlzções e s nlogs ogncs, ms sobeudo po se 
ob de um homem que bsoveu o conhecmeno hsóco
que o possível o esudo compdo ds cvlzções. odo
o efeencl d ob de Spengle j esv, como se sbe, n
gnde Hisória da Anigüidade de Edud Meye, que cons
uu mbém  bse p  ob de Anold J oynbee ns
écs segunes Se epmos no exo e oynbee espe
clmene n pe ec às czções ngs eemos
que Meye é   uoe c com mo feqênc
Em  92223 quno moe e esue em elm po um
semese e  opoune e compnh um cuso e
hsó  Géc com Eu Meye E um pesonle
mpessonn e En n s  um gu esgu leemen-
e cu po con  e cbelos emnhos  sub
poscons e no l e os ços ce os olhos
e eno fl po um ho ne sem neupções em
lngugem mpece jms comeeno um eo gmcl
ou esísco e no se connno em um nc senenç
Quno o snl oc conclu  ples b os olhos e se
e Pcumene mpessonne em Eu Meye
e  mne como  s suções hsócs o pono e
s os hoens engjos n ço An me lembo e su
mgs encenço e emísoces às éspes  lh e

Slmn
ó sopesno
Goso s possbles
e ce que  écncque poem
e Meye le à
e compe-
ene um suço hsóc pel fom como os níuos
nel eneos  pensm fo ncopo o meu blho
como um fo pemnene
Esse leque e conhecmenos epeseno po Eu
Meye ee  compnho  memó e um homem
que embo com menos peso nos elhes cícos po ssuí
semelhne so comp Reome  Alfe Webe
e  soe e pss um semese em Heeleg em  929
quno mnsou pe  pme  ez seu cuso soe  soc o-
og  culu Iso me ouxe ms um ez  concço
e que um shlar, se ese fl sobe s esuus socs
em seu conexo
compo hsóco
e es eeno
à one omn esse conhecmeno
n clzço bblônc
quno n gênese  c lzço ocenl no  empo os me
oíngos e colíngo s

6 I Rfxõstobigcas
5 STFAN ORG  ARL RA
.

 mpo o esuo ompo s zções ão


e um smples ppo meoológo Como eelm ess
memós eu e fo bsov um onseel opo e o-
hemeos p s ompos om o esuo s obs
e Mx Webe e epos e Alfe Webe Eu Meye
Spenge e Toynbee  nuên o hmo Stefan George
Kres íulo e Sef Geoge foeeu esmee esse
pezo Hoje Sef Geoge é ms lembo omo o
gne poe o smbolsmo lemão e omo poe mou
me mbém sem  Com ele onhe  lí smbols
e omee  esu om e eção poes feses omo

Séphe Mllmé e epos Pul Vléy'


Ms m e uo  mpo e Geoge quele empo
es lg à su uê sobe um íulo elmene
gne e pessos omposo no po seus epos quo po
mgos ímos esípuos que epos se om êmos
po méo pópo e eemm o lm s ueses
emãs p os oens ms neleulzos Dene os uoes
 tefan Geoge (1868-33 o u dos oetas exeaes do oveno
sbolsa eão e o cado doStn G Kr ua confaa de joens
nelecuas que se acedaa nsados" e que caa ua noa oa
aleã O ojeo naufagou, e are o causa do eeaeno ado
e etcuoso de Geoge o ucada no Bas ua coetânea de oeas
de efan Geoge,rpú (aduão e oganzaão de duado de Caos
Vldaes ão Pulo, unuas 2000)
e os que eoe n époc e cus pmes eções n
enho em mnh bloec mencono Fech Gunolf espe
clmene      [Cés hsó 
su fm] e      [ Shkespee e
osu
espo emo
ob sobe ssm como
 leu 
clssc e Mx
e omnc Kommeell
n Alemnh e
Oescocomoleegu];eEs
em;  e Wem Sen; e    e
Ens Knoocz E h mém é clo o lho os css-
css peencenes o cculo e Sefn Geoge que se esene
po o  éc e 920 começno com  obsoe Plo
e Hench Feemnn moo n Pme Gue Munl.
O esuo e ul Felne e Ku Hlen connuço
 o e Feemnn fo nmenl p s mnhs pes-
quss que possegum no mesmo espo.
Ou nuênc e pme gnez começou  om
copo em no nco os no s 20, e fo muo nens  pós m
nh
noo
é os Esos
moe Unos
e K Kuse 
em Fnç em 927
1937 Kus fo opeu
gne
pulcs e   A och pucço e peoc-
e egu que ssm como sus ems os les
e l po oos os oens que eu conhec. E o subso
nelecu e  que nos   oos um compeenso
cc  polc e especmene o ppel  mpens n
esnegço s socees lem e usc pepno o
eeno p o nconsoclsmo A posço funmenl e
K Kus e  o gne s  ngugem que efen
 nom cu con su coupço pelos mosmos leos
e especmene pelos onlss.

2 Ou de uêc  b  de Veei  em pcu um ds sus


ccescs epuc
peslidde lsds
s escis  dKus
de Kl hum scsc eSs
(84-36) spd 
 es 
melh
dã de Jh Sw Kus   ed epcmee  c js
d pubcã idepede e D FakSeus ess e sms deucm
 hpcsi d scedde eese e ee ees pdems ecr ps
dese p: Cm  mud  cmdd cm cmem s ues? Os
diplms cm mes s jss e eã cedm  que êem
u Meu cscee sbe ms sbe  cscêc d pscó d que 
cscêc  sbe sbe   cscee um ed cee em

8 I RxõsAutobogá
Sa obra como a de Sefa George deve ser eedda o
coeo da espaosa desrção da líga alemã drane o
período mpera depos de 870 Não hava à época fenôme
os comparáves a Igaerra na raça nem mesmo nos
Esados Udos.
depeda Era precso
de m esforço resgaar
conscene porapare
nguagem
da novaegeração
a arefa
A uênca do eslo do Stefan George reis em mnha forma
ção anda pode ser dencada por qem ver neresse o
assuno em meus prmeros lvros Über die Form des ameri-
kanischen Geistes [Sobre a forma do espro amercano] e Die
Rassenidee in der Geistesgeschichte von Ray bis Carus Hsóra
da déa de raça de Ray a Carus, prncpalmene ese ú
mo Resgaar a lgagem sgncava recuperar o objeo a ser
por ea expresso o que por sua vez sgncava sar do que
hoe se chamara a falsa conscêca da brgesa ordára
(a nclundo os posvsas e marxsas cjos represeaes
leráros eram as vozes domanes o meo cural Daí qe
essa preocupação com a nguagem zesse pare da ressê
ca conra as deologas As deologas desroem a lguagem
uma vez que endo perddo o conao com a realdade o pe
sador deoógco passa a consrur símboos não mas para
expressála mas para expressar sua alenação em relação a
ela ranspor esse smuacro de lnguagem e resarar a real
dade por meo da resauração da nguagem era o rabalho não
só de Kar Kras mas ambém o de Sefan George e dos que
negravam seu crculo a época

Feud. Kaus ambém poda se eemamene bua: A esupidez é uma


foça ndamenal e nenum eemoo pode ombaêla  uma opinião
ompaihada po Voegelin em sua anáse do ambiene ineeua alemão em
Htr e  amãem que Kaus é iado omo um dos modelos de eidão
mol ue pevim a ouua ue seia o nazsmo Foam publiados em
íngua pouguesa os segunes lvos de sua auoiaDt e t(São aulo,
Basense, 1988) e O últm a  hmane isboa Anígona, 200)
uma  eaa que em eze os de duação
  aduções em inglês desas obasOn the F fthe Amercan Mn  The
Htfthe ceIa Frm y t a 
esão, espeimene, nos olumes
 e 3 das C (N. E)
 A peoupação de Voegelin om a linguagem usada no oidano  uma
linguagem que se omunica om a ensão a da exisênia humana  ea
ambém objeo de esudos de um dos maioes lósofos do séulo  o lemão

5 Sean Geoge e Ka Kaus j 9



Vm escro parclarmeeee de Karl Kras fo o se
grade drama sobre a Prmera Gerra MdalDe Lezen
Tae der Menschhe[Os úlmos das da hmadade] com
sa exraordára sesbldade para recrar a meloda e o vo
cabláro do gmeo a polca do parosmo de gerra
da dfamação do mgo e do lgajar sloso ípco da
oclocraca A obra crca de Kras qe eve se prmero clí
max em De Lezen Tae der Menschhee coo os aos
20 com a crca da lgage lerára ejoralísca da Repú
blca de Wemar a Alemaha e aÁsra gaho mpor
ca com a ascesão gradal do acoasocalsmo aé o domí
o absolo da cea púbca Sa ora grade obra sobre as
caásrofes do séclo  fo Dre Walpurnach[ A ercera
oe de Valpúrgs] sobre o feômeo de Hler e do acoal
socalsmo Uma versão edzda desse rabalho fo plcada
em se úlmo ao de vda o De Fackel Kras edo o exo
por recear qe ma exposção complea daqela caásrofe br
al prejdcasse vmas poecas do homem eão o poder.
O exo compeo de Dre Wapursnach,sem cores só fo
pblcado após a gerra pela KselVerlag de Mqe como
volme I das Werke Obras] qe chegaram a deesses vol

Egen Roentock-Hey. E e fndaentaA gm  ngugm


Ro de anero Record, 2002} RoentockHey dene ato doença
gu rs ruçã
da ngage qe caacterza a perda de vtaldade:
 e toda tena na ana poltca e eprtal. Paa ee a

gnrã
ngage nnca eá a exterorzação de penaento o d" e 
ane de tdo a poção de orden gada à necedade do cotdano
Ao coena o pe epdo e qe  jeto pede eprego e ecee
a epoa negatva Roenoc tocadreto na ferda do proea: U
deepregado  alg qe poca orden e não enconta nng qe a
d Po e a pocra? Poe orden cprda ão dreo. Se aço por
conta prpra a age de aro não poo exgr e e de dneo
por o Ma ando receo orden para azer agen de ao etaeeço
a revndcação. A repota à oden nda deo O lõe de
deepgado do ano30 epeava alg qe le dee o qe aze.
Na gea dá-e exaaene a dcepânca opoa. Nela não ecao o
ngo. Na ce, não encontrao qe no dga o e faze. Na gerra á
o poca vontade de ecar na cre poía peo qee da
orden faar ndada no poder orgna da ngage no pode de deção"
(p. 0} A ea dee eco nof agnar o que aconcea e Voegeln
e Roentoc-Hey e enconae  da e eaorae a looa da
lngage, nnada apena no ecto do preo e preente e exo
dpeo na ora do egndo

40 I RefexõesAuobiogr
mes evo dze que é mpossve empeede um estudo séo
do acoalsocalsmo sem ecoe a Dre Wapurgnache
aos aos de cítca deDe Fackel pos é aí que se evdeca a
mséa telectua que toou possíve a ascesão de Hte
O feômeo de Hte ão se esgota em sua pessoa Seu
sucesso deve se stuado o quado geal de uma socedade
auada telectual ou moalmete o qual guas que em
outos tempos seam gotescas e magas poem ascede
ao pode púlco po epesetaem fomdavelmete o povo
que as adma. Essa destução tea de uma socedade ão
temou
a Segudacom a vtóa
Guea dos alados
Mudal soe os exéctos
mas cotua alemães
até hoje. Devo d
ze que a destução da vda telectual a Alemaha em gea
e as uvesdades em patcula é futo da destução que
pôs Hte o pode e da destução pepetada so seu eg
me O pocesso ada está em cuso e ão é possvel eteve
seu m de sort e que coseqüêcas supeedetes são pos
sves. O estudo dess e peíodo po Kal Kaus e especamete
sua aguta aálse do detalhe sujo (aqulo que Haah Aedt
chamou de aadade do mal) tem gade mpotca
paa ós hoje pos é possve ecota feômeos coelatos
a socedade ocdetal emoa ão ada felzmete com os
efetos destutvos que esultaam a catástofe alemã

5 Vogin xpad ss aioínio aé as úlimas onsqüênias mHt e s


alemãesum dos sudos mas ompos sobr a insanidad qu fo o nazismo na
Almana, juno om Ecnn , d Hana And (ão aulo,
Compania das as000) A nlc  s d Aai Bsançon (Rio
d Janiro, Band Basl,001  Em busca  sed Vko F (Rio
d Jairo Vozs, 1). A s d Vogi é muio smpls  xrmam
pubadoa não is ulpa olia paa o sugimno do nazismo; ada
um dos almãs foi spons po Hir , m spia a li joalísia
 inual do país. O lio é o sulado d pasas qu foam minisadas
por Vogli ao púio unsiio almão  ausaram polêmia do iíio
ao m O moio é bio Vogli dsfia golps os nos jos  nos
mais los om fass omo Não xis dsupa para sr súpdo ou
amando H d um sujio goso dspoido d iho iual".
A dspio disso (ou jusamn po ausa dsso o lo é um xmplo da
oragm mor d Voglin qu, omo mos, u aquls mpos  j saba
qu a fanasmo mnaia m xmno

5 Sean George el Kra I 4



6  EORA uRA o DRETo:
MTOOLOGA NEOKANTANA
Passo agora aos estos qe me eressavam mas
retamete como estate ve rstáro e à mha apro 

mação
sar o qeameeora
levora o Dreto
a cosera e Kelse.
r Has Kelse Não se pre
m professor
mas teressate qe Othmar Spa  O horz ote hstórco
e losóco e Spa era sem úva to mas amplo
qe o o tralho e Kelse O qe me atraía em Kelse
ao qe me lemro era o gor c om qe coza sas aá
lses típco o s graes jrstas O scesso a eora Pra
o Dreto e os
o reto a mportca e se
levam por vezes legao para
a esqecer qeaKelse
losoa
ão
ao somet e a eora mas tamém a práca jríca 
eleo a Cost tção astríaca e 1 920 e fo mem ro o
Verfassgsger chtshof [ral Costtcoal]  Se co
meár o à Costtç ão revela o melhor e sa persp cáca
jríca O qe apre com Kelse sea em sa ora e
város volmes seja as scssões em se semáro fo
a aálse coscecosa e resposável os etos Natral-
mete ses escrtos eram separáves a própa eora
Pra o Dre to cjo cotr to fo a aplcaçã o e ma a á
lse lógca a m sst ema jríco . Essa aálse o sstea fe
ta por Kelse qe clma em se coceto e ruorm
(orma fudametal  é válda até hoje Fo aprmorada em
úmeros detalhes como por Merl a elaboração da Dele-
gatiszusammehag, e por erdross  que expadu o ss
tem a para alé m da Grudrm costtucoal aplcadoo
à orma fudametal do dreto teracoal Outros as
pectos foram aperfeç oados com os estudos de joves como
Felx Kaufma Frtz Schreer e Emauel Wter tz mas
o geal a aálse de Kese estava competa e só podera
ser melhorada em um ou outro detalhe. Esse fato explca
por que ão houve ehum gra de desevolvmeto após
a eora Pura do Dreto ela fo a mas glor osa realzação
de um aalsta brlha te tão bem sucedda que dcl me
te podera ser aperf eçoada  O que Kel se fez es se set do
ada é o úcleo de qualquer teora aa lítca do dreto Esse
úcleo eu mesmo vm a utlzálo depos com algumas mo
dfcações de própro pu ho os cursos de jursprudêca
que mste a Faculdade d e Dreto da LS U Gostara d e
efatzar que uca dverg de Kelse quato à valdade
fudametal da eor a Pura do D reto
Mhas dvergêcas com sua teora se desevolveram
gradatvamet e Qu e eu uca fu um smples adepto po 
dese perceber pela escolh a dos dos  Spa e Kelse como
oretadores de meu doutora do  uma façaha bastate
admrada po meus oves colegas a época já que o u 
versalsmo de Spa e o eoatsmo de Kelse eram co
sderados compatíves. As dvergêcas tveram orgem
em compoetes deológcos da eora Pura do Dreto
que se sobrepõem à lógca do própro s stema jurídco sem
o etato comprometer sua valdade Pode se muto bem
removêlos o úcleo da teora permaecerá tacto Essa
deologa sobreposta era a metodologa eoataa que
dea cada cêca com base em seu respectvo método
de vestga ção  e este caso o métod o era a ógca do
sstema jurídco  Como de acordo com a termologa da

 Esss pess sobe urispuênci no Brsil este ero é oneio oo
loo o eo fo publio no volue The Natue fthe w an
d egal Wtn ue es e  vol 27

«  Reexões Autobos
época a área qe else represeaa coo pr ofessor era
a Saasehre (eo ra polí ca e a ez qe a eod ologa
eoaaa crcscrea coo se éodo a lógca do
ssea rídco a Saasehre precsava s e rasforar e
Rehsehre (eora rídca e do o qe esvesse alé
da Rehsehre ão as poda fazer pare da Saasehre
Essa era se dúda a posç ão defesável Na é po
ca e ada ão  ha a copreesão egral dos jo
gos se cos cosder aelee pr vos evoldos
e fórlas eg aosas c oo essa ebora á fosse capaz
de decá los Era obvaee po ssível ldar co os
probleas do Saa  e da políca e geral  odo
do eos a lógca da s oras rídc as Mha der
gêca co Kelse se deseolve porao a parr de
e eresse pelas foes de a cê ca polí ca qe fora
ecída da Saasehre eedda coo Rehsehre. E
1924 pblqe e prero esao de ddosa qal
dade ceíca ado R ee Rechslehre d Saas
lehre" [Teora P ra do Dreo e Teora do Esado]  ode
cofroava a Reine Rehsehre co as foes rabalhadas
pela Saasehre aleã da prer a eade do sécl o 
Já a qel e epo chege a coce ber a arefa á a do
cesa políco o fro qe sera recosrr odas as
desões da cêca políca após se coaeo ao

úcleo da Normogik.
Cabe aq  coeáro sobre a ha percepção
do eoaso qado era esdae a década de 920
Haa as escolas eoaaas A prcpal delas re
preseada po r Kelse era a chaada Marbrger Schle de
Hera Cohe E sa erpre ação da Críia da Razão
Pura, de Ka Cohe deevese a cosção da cêca
pelas caegoras de epo espa ço e sbsca  iênia sg
cado a físca eoa a a coo Ka a eeda Esse
padrão de cosção de a cêca a parr das caego
ras aplcadas a  coo de foes fo o odelo sado

2 rdução p o gês dponíve emCW vol 7 p 2 (N E

6  A Teora Pura do Dreo  45


a costrção da Teor a Pra do Dreto. O qe ão cobesse
as categoras da Normlogikão mas podera ser cosdera
do cêca Haa etretato otra s escolas eoataas
sobretdo a chamada Escola Alemã do Sdoeste repre
setada
cêcas por
hstóWdelba
rcas era d e Rcertpor
costtído paraaores
qem o objeto das
Essa er
tete metodológca remota à década de 1870 qado o
teólogo protest ate Albrecht Rtschl fez pela prmera ez
a dstção tre Tatsachenwissenschaen (cêcas de fa
tos) e Wertwissenschaen (cêcas de alores). Os termos
escolhdos reelam qe a orgem do probema está o atgo
predomío das cêcas atras como modeo da cêca
em geral. Cotra o prestígo das cêcas atras o s pobres
teólogos hstoradores e cetstas socas cpetes pre
csaam dexar claro qe ses campos de estdo também
eram aa de cot as cetícos
E fo assm qe se earam os alores . No eteder
de Rcert
acma os aloressspeta
de qalqer são forças
tascltras
como o cja exstêc
Estado a artea eestá
a
relgão Os materas selecoados referetes a tas alores
seram os objetos de e stdo das cêc as da arte da regão e
do Estado. Essa técca de recosttção das cêcas socas
e hstórcas pelo chamado wertbeiehende Methode (sto é
por referêca a m aor) padeca de grae scêca por
ão perceber qe os alores são símbolos altamete comple
xos codcoados por se sgcado a cltra estabe
lecda da socedade lberal ocdetal. Poderíamos mto bem
assmr o Staat como m alor determate da seleção do
cmetal mas a seeção efretara toda sorte de dcl
dades pos  modelo do Staat era o Estadoação ocdeta 
Sera dfícl adaptar a póls grega a esse mode o e ada mas
ardloso fazer caber ele m mpéro egípco por exemplo
Ademas os alores precsaam ser acetos E qe fazer se
agém os rejetasse co mo fazam certos deól ogos qe de
sejaam fdar ma cêca relacoado as fotes já ão
mas ao alor do Estad o mas ao alor de sa destrção Os
sohos apocalípcos e metastátcos da deologa marxsta

 j Reexões Autobogrs
por eepo que reoa à cocepão de ce da dsso-
lução do Esado, sp esee ão se eca aa e ua
cêca polca ergda so o alor do Esa do"

3 A obseções de oegelin evelm não só  imitção metodoógi dos


vlo" neoninos ms mbém  limiçãoeencaComo patem
de um eo gnosiológio  esqueem o fo evidente de que um sueito é
o mesmo empo um obeo n experiêni do oneer  os neoninos
seguem o pinípio de Kan o elativiza qulqueato
f dento d irunsni
espeí, peindo no o ndivíduo num gio isó que
dilog pens om um uro deline ou um pssdo nostálgio, nuna
om
ponoumpopesene
pono adeno do oloneoaniana
meodologi d eendde
em Osuapóprio
losoaVoegeln ati
d mtuidade
espeialmene emAnamnesobe a qesão da oso da onsiêni n
qul  priipção do omem n eadde do e é tmbém um aiude de
uoonsiêni e Orr an Hssobe o ao de que os smbolos isóios
êm gus de ompção e aiuação e que o o vem deno de um
 isói que é pens uma pequena ae d esso do Todo obre
o ompimeno de Voegelin om os neokats ve também o pulo
dess &esautbác

6 A Teora Pura do Direito 1 47



 TMLO POLTICO
N époc em que me epe com esses poblems 
o th  meo oço e su mgtue. Apes  gu
coqust e um hozote ms mplo  qu fe go
me pemtu sce su tuez

 estmulo
tecmetos p pofu
polítcos  Quo semeus estuos
e em ptumc
um époc e co
peo eto ecete  eoluço comust  ss é
eete que o mxsmo  bem como su ogem  ob e
x  se to um tem mpotte p um cetst poí
tco. Comece  me teess pelo poblem s eoogs.
Ntulmete o seguo ge estímulo o  sceso o
fscsmo e o cosoclsmo stue esses os mo
metos o ecuso e su eoluço e o cso o col
socs mo eque me às questões e teo boógc e
ols em su cocepço  e ç eus los Rae ud
Saa [ç e sto  e De Raedee  de eegechche
A é e ç  hstó o espí to  mbos publcos
em 33 so poutos ess  peocupço com  teo bo
ógc  teesse po bolog  ssm como  qusço e
cetos cohecmetos téccos  e geétc  começou com
meus estuos em No Yok ete  924 e 925 quo 
gus os meus mgos em bólogos. Um ees Kut Ste

 Trd  ê  C  2  , r  E


faza psqusas sb a gnétca da dsóla n labató
d Thmas u nt Mgan na Unvsdad d Clumba As
mutas tad s qu pass na cmpanha dsss vns c-
gas, as fqünts vstas a abató  a famadad
qu adqu cm  dsnvlvnt  das mtaçõs gnétcas
ppc naamm uma bas nstmávl paa cmpn-
d s pbmas bógcs nvlvds na qustã da aça
É cla qu  sultad ds mus st uds nã f xatamnt
cmpatív cm as déas d nac nas ca s O sgun-
d ds vs mncnads, Die Rassenidee in der Geistesge-
schichte qu apsntava a gêns da déa d aça dsd
sus pmóds, n sécu VII, f tad d ccuaçã
pl dt,  s xmpas manscnts dstuíds E
p ss ss stud, qu cnsd uma d as mnhas psqu -
sas mas bm sucddas, cu patca mnt dsc nhcd,
mba pudss s d gand péstm paa s dbats
cntmpâs, um tant dtants, nt vlucnstas
 cacnstas A ta bógca cntnuu snd uma das
mnhas pncpas áas d ntss, assm cm a físca,
qu m ata dsd s ltms an s da sca scundáa
Out vas cnunt d fnts qu até ntã m scapaa
s mpôs gualmnt p um stímul plítc Após 1933 a
sstênca da Á usta a nacalscas vu à stuaçã
d gua cvl d 1934  à nstauaçã d chamad Estad au
ttá Cm a cncpçã da Cnsttuçã auttáa stava
ntmant acnada às déas da ncíclca Quadragesim
Ann [ 93   bm cm a ncíclcas papas ants sb
qustõs scas, pcs cnsulta ss matal, m cu s
tud nã cnsg m apnda sm ants cpnd su
quad d fêncas na sa tmsta Ent 933  1936
mu ntss pl ntmsm cmçu a tma cp L as
bas d A  Stangs, Jacqus Matan  Étnn Gsn,
 qu anda mas fascnad cm s suítas, nã tant t-
mstas, mas mas agstnan s, cm ans Us vn athasa
 n d Lbac A ss stud, qu s stnd p muts
ans, dv mus cnhcmnts sb a lsa mdval 
sus pbmas

50 I RefexõesAuoioas
8 SOBRE MA ERTAÇÃO
Su ma ra Wehselirkung und Gezeiung Inraçã 
Cmundad Esprua  Wehselirkung ra  rmchav
da sclga d Grg Smml qu du as ass paa 
psrr dsnvlvmn da Beziehungslehre na cênca s-
ca amã Gezeiung ra  rm favr da scga d
Ohmar Spann A dfrnça nr s ds ra nógca Ou a
radad sca  cnsruda cm bas nas raçõs nr n
dvdus auônms u, pl cnrár, há um  sprual
prxsn nr s srs humans qu s  aualza m suas
raçõs npssas Mu fc ra a dfrnça nr a cns-
ruçã ndvdualsa d Smml  a unvrsasa d Spann
A
mdssraçã
mrar dnnca f publcada
sus prmnr s  agra lamn pr mal
nractn an Sprtua/
1 A disseao, aduzida e inglês o o ulo de
mmun A Meth®ca/ nvetgatn  publiada e  ol. 32
pp 19-140 ( E
9 FO M 92  O 922
o mo  lgun ontto t  ot  ongu um
ol  tuo p um uo  é m Oxo O oj
to ol  gm  pn nglê  m lmo  um
xlnt jom tno  nom Alxn qu z too o
pol p og mu o  ponn. O nl l
tmnt pmto m qu mu nglê n  nont
po  lmnt pno  xpên  um t
quno u n pl . A t ltu p om um
oo qu u pnt um uên p n
 qu t zno popgn  lgum tpo  qujo
[cheeses]  mo lgum tmpo p ntn qu n 

 l t


to m pgno;
mpotnt   u
m [Jesus]oqu
m Oxo uml.
lo O
plt om Glt uy. A mpo o lo
 o mu pmo ontto om o tlo êmo nglê m
u mlho xpo
 lbt  66957 f m pq  plmt tl
tlz btâ S t b  mt gg lém  
tõ  tgé m Agamenn  era tm- m m
fê ml S mt tb m L  Hw
t tã élb  Iglt q g  Shw  t 
p Majr Bárbara
10. NFLNCA AMERCANA
Já mc   q pss m Nv Yk, qd c
b mptt êc ds jvs m tr d Thms Ht
Mg ss  m Nv Yk f pssvl prq, ss
pd, s cmsttíds L Splm Rckflr
Fllshps, blss d psqs d Fdçã Rckflr f
m stdds  stdts ps F m ds pms
stds    pm stc, t d s   cb
ss bls, q mtv p ês s O pm dls pss
m Nv Y k,  Uvrsdd d Cmb;  sgd, m
smst m Hvd   t m W scs;  tc 
tm, q m Prs

sss ds s s stds Uds prvcm  g


d pt d mh fmçã tlct Ms trsss,
psr d mt bgts, d rm pvcs, ps
 p Ctl ã r xtmt m lg ppíc pr
td  vst md q xst lm d ctt N
Uvrsdd d Cmb, crs dscpls cm  scól
g Fk H Gddgs cm h   dm,
cm  cms h Wsl, lm d dmstçã p
blc cm Ath Whtt Mcmh Fq mpssd
cm m v md d cj stêc  sq sspt
v t tã F  bbtc q c s êcs ms
mptts N prm , m v  pss  m
cpr d hstór d ls gls  d s êc 
pensament american. Meus estus fram frtemente m-
tivas e auxilias pr ewe e Eman escri a sa
 sens cmum s inges es e americans Um livr e im-
pact mais imeiat fi  entã recente Human Nature and
[Natureza humana e cnuta] , e ewe, asea na
Cnduct ingesa
traiçã  sens cmum aí, parti para  estu e
Thmas Rei e Sir Wiliam Hamiltn Essa cncepçã inglesa e
esccesa  sens mum cm atiue humana ue incp-
ra uma pstura lsóca iante a via sem recrrer a apa-
rat técnic  lósf  e, inversamente, a cmpreensã as
sas cássica e estóica cm earaçã técnica e anatica
a atitue  sens cmum  persistiu cm inuência ura-
ura em minha cmpreensã uer  sens cmum, uer a
sa clássica Fi nesse perí ue tive  primeir inci
 ue a cntinuiae a traiçã a lsa cássica n nível
 sens cmum, sem a necessiae  aparat técnic e um
Aristóteles pia signicar para a atmsfera intelectual e para
a cesã e uma scieae. 
Percei, entã, ue ustamente essa traiçã  sens c-
mum estava e t ausente a scieae alemã e era, tam-
ém, mens esenvvia na França  ue na Ingaterra e

 Temos de faze ma dsião dametal a lga potgesa ete o qe


seia o seso omm cmmn ene qe Voegel omea e o seso omm
qe a opão ahea ato defede omo m meo apaeemee azoável de
se at g metas de sesso a vda avez o meho temo paa esapamos do
mpasse seja bom seso o aso ocmmn ene qe Voege deede  a
apeesão oeta da eadade aaeísa maane do ameiano q e po
isso  odda om pagmatismo deto de ma isâia espea
qe ão tem oa esoão exeto ma aão objeva e pesa  attdes
deeddas po homas Pae e Wam James. Isso ão sg a qe e e ese
o mme a qestão da otempaão osóa  o qe sea totamete
otáo a toda osoa ta de Voege. Se patmos do pípio da
tesão desevolvido em Anamnee em Orr aHomo o ppio
do me  ve os apítlos 18,  20 e 24 desas Re)o homem vve
enrea aão e a oemplaão e fa ze ma sese desses dois mpsos da ama é
jstamete a ão da osiêia. Com iss o a aa po exemplo a ítia
posteo qe Voegel aos homes qe ooaam ma oana exessva
o cmmn eneqe ee asso omo atosóa e sobetdo omo
geme de taões evooas  edo exempos eaados em Maqiave
e Maho Lteo Ve   Ii Plc De Erm  Neche
tadão de Medo Casto Heqes Lsboa Áta 16) ma seeão de
esaos etiada do masto aabado qe o HfPlcala

56 1 Reex Autobog
nos Estaos Unios. Em retrospecto, eu iria que a inexistên
cia e insituiçes polticas enraizaas em uma traição in
tacta e senso comum é um efeito funamental a esruura
políica alemã que aina não foi superao Quano olho para
a Alemanha contemporânea, com seus eates frenéticos en
tre positiistas neomarxistas e neohegelianos eo a mesma
Aemanha que conheci nos anos 2 quano estuante na
Replica e Wema o níe intelectua porém esce a um
patama anomamente meíocre. s granes ultos empe
nhaos pró e conta nas análises os polemas losócos
na écaa e 2  homens como Max Scheler, Karl aspers
Martin Heiegger Alfre Weer Karl Mannheim  saíram
enitiamente e cena e não foram sustituíos por pessoas
e estatura ou competência comparáeis. No ano que passei
em Noa Yor comecei a peceer que a socieae america
na tinha uma ase osóca gea mto supeor  tanto em
alcance cientíco quanto em sustânca existencial emora
nem sempre em articuação eral  a quaque coisa que eu
tenha isto representaa no amiente metooógico em que
recei minha eucação
No ano que passei em Columia, z os cursos e Giings
e Dewe, li suas oras e ie meu primeiro contato com as ca
tegorias e sustância socal no muno e língua inglesa. A
categora e Dewe era a emdede que epois escoi
se o temo usao na Bía o Rei }ames para tauzir o ter
mo grego homooa o Noo estamento. Foi quano me e
parei pela prmeiraez com o prolema a homooa assn
to que conhec ia muito pouco na época, uma ez que poss ua
conhecimentos escassos e losoa clássica e quase nenhum
os prolemas cristãos. Só epois quano apreni grego e fui
capaz e ler os textos no srcinal é que me ei conta a impor
tânca funamenta essas categoras paa inca com pe
cisão a eaea sustância a soceae  teo e G
ings era cocoue ofd consciência e espécie. Não
saia muito sore o histórico esses prolemas mas me lem
ro nitiamente e ter reparao que Giings estaa liano
com o mesmo prolema que Dewe, mas preferia usar m

O · c rc I 5
terminologia ue não expicitasse seu víncuo esteito com a
traição cistã e a losoa clssica Ee tentava tansforma a
homonoia, no sentio e comunhão espiitua, em ago inócuo
como uma comunhão e espécie no sentio ioógico
Esse primeiro ano em Columia foi complementao peo
seguno, em ue a sensação o momento em Harvar era
o ecémchegao Afre North Whitehea É claro ue eu só
conseguia entene uma peuena parte o ue Whitehea
izia em suas paestras, e precisei e muito empenho para
compreener o panorama histórico e cutua e seu livro
maisasrecente
ras iéias]naMas
época,
issoThe
meAdventures ue[As
of Ideas
levou a perceer aventu-
havia esse
panorama, e ue eu precisava estuo mais intensamente se
uisesse mesmo compreener a civilização anglosaxônica
A oportuniae e ampiar meus conhecimentos nessa rea
sugiu no seguno semestre o ano etivo e 1 92627, uano
i a Wisconsin ravara contato com a oa e John R. Com-
mons em Coumia,
 Natureza humanaporue seu Human
e proprieae] foraNature and nauele
puicao Proper
ano. homas Ree Powell, ue aina estava em Coumia
(mas iria para Havar no ano seguinte, havia comentao o
taalho e Commons Em Wisconsin, emauei paa o ue,
na época, com meus aina imitaos conhecimentos, ulgava
se a Améica autêntica e veaeira Ea epresentaa po
John R. Commons, ue assuiu para mim a foma e uma
gura linconesca, fotemente ligao a proemas poíticos e
econômicos, tanto em níve estaual uanto naciona, com
ênfase particular no prolema o traaho Nesse amiente e
Wisconsin, unto com Seig Perman, historiao o traaho,
e os ovens ue traalhavam com Commons e Pelman, a-
uii meus primeios conhecimentos mais sóios sore a im-
portância a Supema Corte noteamericana e seus pareceres
como fonte e cultua poítica nos Estaos Unios. Essa expe-
riência em Wisconsin foi um maco importante para a minha
caeia posterior. E m 1938, uano me estaeeci enitiva-
mente nos Estaos Unios, ueria ar auas sore as institui-
çes poíticas ameicanas, tomano o tema como chave paa

8  ReexesAutobogas
a cmpreensã a cutura ptica  pas. Mas imigrante
recémchega eu nã seria aceit cm prfessr essa is-
cipina em uma universiae  este e i entã para  su
ne pr agum mtiv as resevas eram menres
Esse reat a minha experiência americana caria incm
plet sem uma alusã à frte inuência ue sre mim exerceu
a gura e Gerge Santaana Nunca  encntrei pessalmente
mas travei cntat cm sua ra em Nva rk em pate pr
sugestã e in Eman Estueia atentamente e aina te
nh em minha iiteca s livs ue cmprei em Nva rk
nauee annaSantaana
à ue tive fi uma
mesma épca revelaçã
cm  estulsóca cmparável
a lsa  sen
s cmum Era um hmem e frmaçã lsóca vastssima
e sensvel as prlemas  esprit sem ue iss implicasse
a aceitaçã e gmas tamém nã tinha uauer interesse
pea metgia nekantiana. Graualmente i perceen
ue a experiência  materiaism lucrecian era uma frça
mtivara e seu pensament e iss fi muit imprtante
para entener epis em Paris  peta francês Paul Valée
sua inspiraçã ucreciana Santaana e Vaé caram sen
para mim s is maires representantes e um ceticism
uase mstic ue na verae nã é materialism e maneira
nenhuma Fi tã fte e uraur  impact emcina essa
esceta ue na écaa e 960 uan tive aptuniae
e viaar para  su a França i visitar  Cimetire Mari em
Ste ne Vaér etá sepulta às margens  Meiterrâne.
A experiência esses is ans ns Estas Unis pre-
cipitu meu livr ber die Fom des amerikanischen Geises
Seus captuls crrespnem às iversas áreas a história e
a iteratura e ue eu me cupara ns últims ans O cap-
tul Time an Existence" [O temp e a existência é reex
s meus estus sre a lsa inglesa a cnsciência e sua
cmparaçã cm a teria alemã a cnsciência representaa
pr Emun Husserl O captul sre Gerge Santaana re
sume minha cmpreensã à épca a ra e a persnaia-
e lsóca e Santaana. Puritan Msticism" [Misticism

 O  êci ic  9
puritan] é  resulta e meus estus sre nathan
Ewars  mesm em retrspect, ev izer ue é um m
ensai  capítul seguinte, AngAmerican Anatica he
ry f Law" Teria analítica anglamericana  ireit] , e
aprximaamente
s nessa rea ue,cinüenta páginas,
nas civilizações é frut
ingesa e meus estu
e americana, cr-
respne à Normlogke Kelsen na teria uríica a Eurpa
Cntinental.  últim capítul, hn R. Cmmns", reete
minha interpretaçã a ra e a persnaliae e hn R.
Cmmns e a grane amiraçã ue lhe vtava.

2 Üb ie F  amikanchenGete(tadzdo paa o ingês como On the


F f the Amecan Minem  vol  o o pimeo tabao pblicado
de Ec Voege qado o auto tha27 anos de dade e deseava toa-se
Patzntpaa ecioa cência polítca e sociologa na Faculdade de Dieito e
na Escola écica Supeo de Viena. bom lemba que se umaznt
em Viea ão signicava uma meloia em temos econômcos. Voegein poda
eciona cusos lves na Univesidade, mas ecebia apenas as somas pags pelos
aluos maticulados Segdo Mendo Casto eniq tata-se de um
conto de ensaios sobe temas apaentemete tão díspaes quato os concetos
de tempoaldade
misticismo puiaoe exstêcia
e dogmátcaa poesa losóca
cavista, de Satayaa,
as doutias a elação
amecanas ete
de ciênca
ídca e admnstação, temas ecoômcos como a estabildade do dóa a
potcad edea Resee Boad sdcasmo e a coc a dota de oh
Commons Mas apesa desta divesdade Voegeli considea qe todos estes
smbolismos são potadoes de nteligibidade pópaSelbtbeinnno que se
dstguem adcalmente de ciações aísticas msicas iteáas e tecnológicas
qe não lam  s (  . Em sua pmea gade síntese o ovemrá
demonstava os pimeios passos do que seiam as suas análises uas a ob
tem um pel que se toaá milia paa os leitoes de oegeli.
V atase de
m estudo da odem, po oa camada , pesete a istóia na socedade
e a conscêca. A metcuosa atenção a detaes concetos é acompanada
pela omação de m pcípio básico: Qe cnçã intecal qe
e nm  al e aç   a em na aaComo o gpo
socia é, po se tuno, ma copoalização de esttas intelectuas uidas
pea oma comum, os enômenos sociais não devem se intepetados como
obetos exteioes. Os métodos de aáise soci e stóica devem exta dos
mateis as conexões ente enômenos qe podem esta sepaados po séculos
e po cotient,  tempeametos de auo e  ceísti acionais.
ma paava,
poquato paada
decoem Voegelin
aáise deaseemetos
egas detepetados.
tepetaçãossete
não sãoeste
vádas,
a p
pcípio
conclui que os conceitos uídicos poíticos econômicos e osócos de ogem
ameicana possem pes distntos dos conceios da aiz euopéa. Enqanto
a Selbtbeinnn eopéa coe no sco doe haqe petede uga
o mdo a pat da costção da sbtvdade, Selbtbeinnn
a ameicana
centa-se naa a m , e  lç  intim lque
se maniesta na atitude dopen e/ C. Medo Casto eiquesA 
ciil Ec Velin(isboa, Uvesidade Católica Editoa199, pp 12)

 \ ReexõesAutobogá
Essa a ensastca ue ene s resutas s s ans
passas ns Estas Uns nã frnece, cntu, uma cm
peensã gal a mptânca ue esses ans tveam na mi
nha va  mais marcante para mm fi  fat e ter si at
a a um mun
neantians, ue em
eu ue s granes
cnsierava a eates
mais atametógcs
imprtância
ntelectual, nã tinham elevância nenhuma N lugar iss,
havia a memóra a impnente funaçã plítica e 1776 e
1 789 e  esament esse at funar pr uma cultura
plítca e uica representaa sretu pela asscaçã s
avgas e pela Supema Cte. Havia ana  pers le
ga  cristianism e a cultura cássica, ue a lhs vists
se esvanecia, u mesm á sumia, ns eates metlógi
cs e ue eu paticipaa cm estuante. Em suma, existia
um mun para  ual esse utr mun em ue eu cresce
a era intelectual, mal e espitualmente irelevante  fat
e ue puesse exst tamanha puaae e muns tev
sre mm um impact evasta. A expeiência rmpeu
para sempre (a mens assim esper meu pvncianism
centeurpeu, u geneicamente eupeu, sem permitir ue
eu caísse n prvincianism amecan. Nesses ans, ganhei a
expeiência vvia, xpérnc vécu a pluraiae as pss-
liaes humanas realizaas em várias civilizaçes, alg ue
até auela atua só me fra acessve pel estu cmpaa
as civilzaçes em Max Weer, Spenge e eps Tnee.
 resulta meiat iss fi ue, uan vltei à Eupa,
certs fenômens  cntext intelectual e ieógic a Eu-
pa Central ue antes se revesam a mai imprtância,
cm a ra e Martin Heegge, cu fams Sn und Zt
Ser e temp eu era em 1928 nã pruzam mas nenhum
efeit se mm. Eu fa vacna cntra t esse amente
sóc urante
especialmente mnha permanência
em Wiscnsin ns eEstas
As piiaes relaçesUns,
e im
ptância entre várias terias muaram namentalmente 
e, aé ne ve, para melr.

  êci ic 1 6
1 1. UM ANO NA RANÇA
Pasas is ans ns Estas Unis a Funaç Rce
feller teve a gentieza e estener a Laura Spellman Rcefeller
Memrial Fellwship pr mais um an para ue eu cnti
nuasse meus estus na França Aceitei a prtuniae cm a

eintenç e ampliar
escrin meus hrizntes
em primeira viven
m uais umelements
eram s an n país
a
cultura ancesa relevantes para um cientista plític  camp
e estus ea vastíssim Fiz curss na Faculae e Direit
especialmente cm um ecnmista francês chama Alert
Aalin e assisti a palestras  fams Lén Brnschvicg es
tuis e Pascal N cmeç meus estus fram um puc
preuicas pel meu francês ue era suciente para leitu
ra mas n para liar cm um vcaulári mais cmplica
Lemr ue ler s Trois contes e Gustave Flaert fi uma
iculae is  vcaulár e Flauert é enrme e eu pre
cisava recrrer a icinári praticamente a caa frase Mas
ler autres ue empregam um vcaulári extens é a única
maneira e cnsliar a prciência em uma língua
Atraç irresstíve na Pars a épca era  grane aux e
regias russs Acaei cnhecen alguns eles e percei a
necessiae e aprener russ para er acess as cumen
ts plítics Cmecei ent a estuar  iia c s prfes
sres Knstantn V . Mchuls e G insi  traah c
esses is excelentes lólgs uru praticaete u an
inteir e apren  sucente para ler stési n rigna
Infelizmente, esueci a mair parte  que apreni, ps qua
se nã encntrei prtuniae  ar cm fntes russas em
meu raah pserr
Mas as principais áreas e estu eram, é car, a literatura
francesa e a sa. Bns guias para me intruzir as pr
emas essas áreas fram as ras e Alert Thiauet, sre
Malarmé e Vaér, e René al, sre a hisóriaa iteratra
francesa em gera e a história  rmance em paricular. A
uiri, nesse an em Paris, ma ceçã praicamene cmplea
as ras mais imprtantes a literatura francesa em prsa,
ese La Prncee de Cle,e Maame e a Faette, até
s lirs e Mare Prus, cus úms lumes e la re
cherche du emp perdu estaam sen lanças nauele pe
rí A leiura e Mare Prust, assm cm e Flauert,
fi um mei asíssm e enriuecer meu caulári. 
lir De Decare à Prou, e René alu, fi essencia para
afrancesa
minha cmpreensã a cntinuiae
Fi aí ue escri a históra a históriaaintelectual
francesa cnsciên
cia, que crre paralela à história a cnsciência nas lsas
americana e inglesa,  sécul XV até  presente.
Pr inerméi as ras e Thiaet e au, minha
atençã luse especialmente para Malarmé e Vaér.
Nessa épca, reuni minha cleçã uase cmpleta as ras
e Paul Vaér, muitas as uas em primeiras eiçes ue
he se trnaram precisas Tie a prtuniae e er Va
ér uan prferiu uma palestra após  antar em algum
encntr asscia à iga as Naçes Além  fat e ser um
grane artista,  ue mais me interessu nee à épca fi sua
lsa lcreciana, qe eneni cm m fenômen parae
a lucrecianism
qis e Gerge
particuarmene fi Sanaana.
CimeireMarin"
pema que me cn

1 O poea L Cmetre Man" o taddo da vee para a líga


porgea a prmera por Jorge Wadrly  a gda por Brnooleno.
T
A tradção de oeno o pblada    mndo como idéa (São Pao
Globo, 2002

 I RefexõesAuobiogrs
� cla que apveitei a ptuniae e passa um an
em ais paa, na meia  pssvel cnhecer as cercanias.
emrme a minha pimeia impressã e Chartres e e
uma viagem e verã às unas s msteis a Nmania.
Naturalmente na ase e tu estavam s meus estus e
teria urica, em especia e Lén uguit. Nessa épca tive
meu prmeir cntat cm o prlema francês a soldaré É
cuis que eu nã tenha me interessa pela a e Henri
Bergsn, apesar e á cnhecer seus livrs Mare e mémore
Matéria e memóra e Essa sur les doées mmédaes de la
coscece
Meu inteesse[Ensai se s só
pr Bergsn as imeiats
cresceu e fatacm
cnsciência
a puica-].
çã e Les deux sources de la morale e de la relo [As uas
fntes a mra e a religiã]  em 1932 Uma áea e especia
interesse fi a liteatua ancesa e mémores Lemme
e te li cm fascni as memórias  careal e Retz, que
fram para mim cm uma intruçã à ptica  sécul
XVI á as memórias e SaintSimn me interessaram em
mens talvez pr seu tamanh. As memórias e Retz fram
especialmente imprtantes para mim pis escreviam uma
as granes cnspiraçes caractersticas  sécul XV Es
tuei s cass paralels as cnspiraçes e Wallenstein, e
Fiesc em Gênva e s espanhóis em Veneza Out livr e
mémores que li na épca fi   uque e La Rchefucau,
que me frneceu uma tansiçã para  estu a sa
s moralses Aém e La Rchefucau, li a maquesa e
Vauvenargues e escri a linha e inuência que vai s mo
ralses franceses a Nietzsche.
Estive nvamente em Paris em 934, e lá permaneci pr vá-
rias semanas. essa vez meu principal interesse era  sécul
XV francês, e mais especialmente a ra e ean Bin. Cle
tei material para um estu arangente sre Bin. Cheguei
epis a reigil para cmpr aHso ofPolcal eas, mas
esta nunca fi pulicaa. Na épca cnsultei  caág e p-
ltica e história  sécul XVI a Biithque Natinale. Até
ne me lemr pss armar que tive em mãs, a mens

  U o   1 65

m ez c m  ten  ctlg. F ne épc e
me e cnt  enrme nênc e  ne mngó e
 cntecment  écl XV epeclmente  tór tem
prr e Tmerl re Byez  exercerm cm me
l  prce
tre plítc
mprtnte n écl
zem menXV. rtcmente t 
ee cntecment
e etm cmpetmente r  experênc plítc me
t  cente Ele ngrrm m rm nexplcel
e cen  per e cm m element ncrt n h
tór nerl et  extênc mem  clz c
ent. E experênc  me trctmn em cm
 nterrp temprr pel tór e Tmer  per
ce pel hmnt e cpt n cncep  Pínp
e Me  hmem cpz e lre  per pr mért
pel rte  m mterl e reclh n épc 
pc em 1937 em m rtg nttl D Tmrl
er Hmnten" A mgem e Tmr n hmnm]  e-
p reprz em me Anamn e 1966 A nênc
ee cntecment re Mel epecmente em
 gr ccn e Ctrcc Ctrcn nle em
me rtg re  cntext htórc e Mel plc
 em 19 51 n Rw Pl M m prte cnerel
e mprtnte ee mterl e  cmpr cm  r e
Bn nnc chegrm  er plc

 mem n e 934 pe lgm emn em Ln


re explrn  recr  Wrrg nttte e  e
trnerr e Hmrg pr . F me prmer cntt
cm  lm  trlg e  cmpc mlm gnó
tc  Rencment  mterl cet ne c 
ncrpr  cpít Atrlgc tc" eH 
2 Trdã r  ê C    E
3 O  br  Bd r dt   bd tt
 tâ E ia Pia D m  Nih trdzd r
Md Ctr Hr E í   bd  C  23
    td br M   bd 9 b 
tt Mhl  Pr Brd  t  Rviw fPii
 9  12  rrd m CW  22     d t d
rdzd r Ctr  r  �   tâ rtd

66  xõ obiogc
Political deas, que cm sse nã f puicaa Essa pri-
meira aprximaçã f crucial para  interesse que muit e
ps vtei a ter pr astrlgia e alquimia  que me auxilu
na cmpreensã e certas cntinuiaes na história ntelec-
tual  ciente
ment até s asese a ae Méia passan pel Renasci
atuas
  ss tto ve  vol. 23cap  (N. .

l i U ano na rana I 67

12. DE VOLTA A IENA
Depis e três ans pesuisan cm uma lsa a Fun
açã Rcefeler, regressei a Viena e passei a me cncentrar
na reaçã e artigs acaêmcs ue me permiissem ar
auas e, futuramente, cupar uma cátera universitária. A pri
meira cisa ue cncluí fi  livr ber de Form des amerka-
sche Gestes pulica em 1928 Deps, prcure uras
ativiaes Cmecei a esenvver um sistema etaatslehre
e cheguei a escrever algumas ntas sre a teria  ireit e
a tera  per.   estu evera cnter uma terceira parte
sre iéias plíticas, mas, uan cheguei a ela, escri ue
naa saia sre  assunt e precisei esistir  pret e
earar uma taatslehre. Cmece a pririar  cneciment
e iéias especícas, para per anaisar  prlema as ca
maas iéias cm  aterial cncret em mãs
 resulta esse traalh fram meus estus sre a ues

tã a raça.  mviment nacinalscialista estava em anca
ascensã, e, emra aina nã fsse pssível antever sua che-
gaa a per,  eate sre as raças,  prlema s ueus
e utras uestes ans estavam muit presentes.  materia se
ferecia naturalmente à análise,e aí surgiram meus is vlu
mes sre a uestã a raça. A esses vlumes incrprei tam-
ém cnheciments recémauiris, e agra aprimras, e

 du aa  ngl   vl 32 a s 4  5 (N. E


tera ógca F entã ue escr ue uma tera pítca,
sretu uancncea para servr à análse as egas,
precsava ter cm ase as sas clássca e crstã Cm f
t n prmer capítu e Rasse und Staat2 ate na épca a
antrpa
lvr lsóca
Die Steung e M Scheler
des Menschen taAcm
im Kosmos expsta
psçã em seu
 hmem
n csms] A tera se mstru aeuaa para a análse pr-
lema a raça seusefets nã tinham mprtânca para  cas
em uestã, emra eu s tenha escert eps uanc
mece a earar meu próprtraalh sre a lsa clássca

A ar me
se usesse cmtrnar
a uestã a raçaplítc
um centsta ue cnvenc
cmpetenteetnha
ue
e er s autres clásscs, st é Patã e Arstóteles Cmece
a aprener greg cm  aux e um vem mas u mens
a mnha ae, ermann ek um memr mens es-
taca  Stefan George Kreise excelente lólg ek me
apresentu as segres a gramátca grega e a etura e
texts lsócs
te s ses cmplexs.
meses em Lemrme
ue tve auas cm ee,emnhas
ter fet, uran-
prmeras

2 s un Sat[Raa e Estado] vol 2 das  ea a pimeia pate de um


estudo sobe a raa como foça motiz de intepetaão do mundo poítico
alemão; foi seguida poDie enie in r Getesgeschich:vn y b as
[istóia da idéia de aa de Ray a Caus vol. 3   e ambas fom
publicadas em 1 933 Seiam obs pemonitóias queapontavamo judeu como
poado de males innsecos (segundo a visão lemã) e que denunciavam a
tua odem de exemínio em massa como soluão nal "Uma ve que o
movimeno nazi tinha de pucarpo todos os meios a raa i"expi
Mendo Csto eniques num esumo da oba em A Fis civil  Ec
Vegelin"atibuíalhe uma áea de opeacionaidade que ultapassava as
à ia
fonteias nacionais aagandoa aos pases que se deveiam subodina
nórica.Algo de semehante acontecea na Alemnha: paa ma o idea
acista o nacionalsocialismo ivea de deota a nacionaidade
 apegoado
racmnão ea uma idéia nacionl ciada pela casse média a m de epesent
as genes alems Como mais de uma vez sublinhou Voegelin ea um canco
político-espiiua sugido no inteio da culua gemânica A utilizaão pelos
nazis da antiidéia de  sugida noutas paagens histócas e geogcs
peenchia a necessidade de um simolsmo ecaz paa supea o sentimento
de infeioidade poltcaO ea smplesmente a aníese do ial nóric
uma imagem meamene instumenal sem oos de vedade nem ndamento
na elidade Ficava assim denstad de que modo uma foa polítca sem
escúpulos convetia e ita nç pseudocientc de aa paa alcna
pela violência a cnuido od" (.4).

70  Reexõesuobogras
tauçes s pemas e amnes.  cet esse apen
za f funamenta paa  meu taalh pste nã
smente paa cnhece meh a sa gega mas tamém
paa cmpeene ue nã é psve la cm fntes sem se
capaz e êas n gna ss paece tva mas cm vm
a esc eps é uma veae nã smente esenhaa
mas cntestaa cm fev p mutas as pessas empe
gaas em nssas unvesaes ue scem cm a ma
esenvtua se Patã e Astóteles Tmás e Agstnh
Dante e Cevantes Raelas u Gethe sem se capazes e le
uma só nha s autes se s uas pnt cam
s ans ue passe na Áusta a pat e 933 fam
macas emcnalmente pels acntecments ptcs a
épca Eu me tnaa Pvatzet em  929 e eceea  títul
e pfess aunt em 936 mas nenhuma essas hna-
as me ppcn u uma stuaçã nancea mas côma
Nesses ans  mnt e et cnsttucnal e amns
tatv na Facuae e Det taalhan pme cm
Kesen e eps cm Me  ue me ppcava enm ents
astante mests Lem ue cmece eceen  00 xelns
p mês Em 938 uan exe  pas ecea 20 xelns 
ue euvala a apxmaamente 0 ólaes Mesm mult
pcan essa uanta p  uat p cnta a esvalza-
çã  óa  tta nã passava e 20 óaes p mês sem
cnta s mpsts  estante e ue pecsava paa vve
tnha e ganhál sceven lecnan etc Pese ze
ue sempe  um autônm em meu taalh
A stuaçã em Vena cu ana mas tensa cm s acn-
tecments a guea cv em 934 Fcu evente a tágca
esntegaçã ue a sceae centeupéa vnha sfen
p efet e elas Hava naÁusta um gven ue ess
ta avamente a uaue avanç  nacnascasm mas
tnha seu êxt ameaçapela psçã ps  at Scal
emcata el à sua elga maxsta nã quea amt que
um país cm a Repúca Austaca f sse ga a cee a
pesses ptcas cnuntuas Apaentement a gunaa a

 2    Vie 1  

Áustia em fav e Mussini cm pteçã cnta  ma
mai epesenta p Hite estava muit aém a cmpeen
sã s maxistas fevss, ue naa cnseguiam faze senã
aa, em tm acusativ Fascism"
Na veae, uan estuante na écaa e 920 eu ea,
apesa e nã petence ciamente a pati, um scial-
emcata p incinaçã, assim cm a mai pate s
meus amigs E, nas eeiçes e 920 vtei n Pati Scia-
emcata. Qan as tenses envven a cnstuçã e
um nacinaism austíac ue zesse face tant a nacinal-
sciaism uant
visã  pv a cmunism
austíac agavuse.cmeçaam
Mas iss anã
cesce, a i
patcipei,
pis ente 1924 e 927 s ans mais cítics, eu nã estava
na Áustia Aina me lem e ue  gane cnit p-
vca pel incêni  Paláci a Justiça em 1927 ceu
ustamente uan eu estava sain e Pais em viagem à
Nmania, acmpanha e aguns amigs ameicans Fi
smente auan
cmecei etneipea
me inteessa à Áustia, n utn e 1927 ue
plítica austíaca
Minha tenência ea ve cm mais simpatia  gven s-
ciaista cistã, e iss p is mtivs. Em pimei luga,
s sciaistas cistãs epesentavam as taiçes a cutua
eupéia,  ue s maxistas, a mens aetamente, nã

faziam.
mesm sDig a mens
maxistas maisaetamente
inamas pue,
viviam nem u mal,
ntei e
uma taiçã austíaca, eminentemente emcática e fma-
a e háits Mas ea inevitáve ue a iegia maxista
impusesse icaes, á ue  pgama  Pati Scal
emcata amava expicitamente, em ceta passagem, ue
 pati sevaia s pceiments emcátics até 
mment ema ue
cnuistaa cnuistasse
maiia, a maiia
teia iníci eleital
a evluçã Uma vezaí,
scialista
nã se amitiia etn à pevesiae e uma emcacia
capitaista Esta seia cmatia pela fça
 ue mais e intigu nessa épca fi a estupiez s
ieólgs, n cas epesentas pels líees  Pati

2  Refexões uobiogras
Sciaemcrata. mra eu estivesse e acr cm suas
plticas ecnômicas e sciais, a imeciliae e seu snh
apcalíptic em face  apcalipse iminente e Hitler era
simpesmente inigervel. Minha atitue perante a scia-
emcracia a épca pe ser ientica a cm as psiçes
e Karl Kraus Até he, s ieólgs ue sreviveram a
esastre nã peram Kraus p r ter si inteigente emais
para simpatizar cm suas tices. E é car ue tampuc
peraram a mim.
O resutaesses ans e tensã apartir e 1933 fi meu es-
tu
1936 Die arire
Trause Saa Oprimeira
e minha Esta autrtármais
tentativa , puica
séria eem
estu
ar a n  paped ieas, e ireita e e esuera, na
situaçã cntemprânea, e e entener ue um Esta autri
tári capaz e manter as ielas raicais s cn tre seria a
melhr frma pssvel e efener a emcracia. Minha pstura
teórca nessas uestesà épca nãera mut iferente a atitue
expressa pe uiz a Suprema Crte Rert H.Jacsn n cas
Teiiee 1949 (epis ue, cm memr Triunal e
Nuremerg, ele se famiiarizu cm as ielas raicais eur-
péias), para uem a emcracia nã é um pact suicia".

3 Di au
r St é um rspos  V oglin  oris  ns sn 
Crl Smi Sobr s rõs nr oVglin  Klsn o prmro s pi
n
qu juno om Mno Wbr
pulo 6 ss
 Klsn l sr oQ
Rõe. uno msr
io Sm pos
 qum i
Vog i
prisv supr  sombr inuêni Os rêshopourvm  un
m sus blhos  sj nos vlors objivos (Wbr) n irqui bsou
s ls (sn) ou no Esonão omo mpo vil  soi (Shmi) 
 s squm  qu  usvo ppodama onão hum
o qu Voglin jis squu  qu ponou m o  su obr Como
pli Mno Csro nqus Apsr  upn problmião  
vão o á ãon  sfr uiosl Shm onu
obo pl uniomo prinípio  snsiní  m rimno 
li políi onr O oimno s més prmih igr o
nv  impião nr rprsão  v ms não  prmi rr s
onsqüêns vsP nonrro úlo loso  polí flmlh
mnos qu pns porão povir  são omâmbos  ropologi 
 oogi l omo Vogn os nuá   v os mis r m
A nova ên  poa" A oa v  ogn pp 30 Sobr
O  autv mbém os omros o prprio ogln V ns
págins 87  0 o píuo 14 ss Rõ toboáa A ruão 
obr pr o ngêsTh Athoian  t pvl mC vol 4

2  De vola a ena  73
13. E EMGÇÃO
NSCLUSS
Experimentei um intens chue emcinal ns mmen-
ts crtics a estruiçã a Á ustria Eu teria aanna
Viena muit antes e 1 938 se nã acreitasse ue a Á ustria
estava livre  perig  nacinascialism Mas, cm ase
em meus cnheciments
cnsierava plítics
impssve um alicerças
cnsentiment asnaemcracias
história, eu
cientais cm a anexaçã a Áustria pr Hitler, pis ist se-
ria  primeir pass e uma escalaa ue cuminaria em uma
guerra munia A situaçã estratégica criaa pela cupaçã
aemã a Áustria trnaria pssve a cnuista a Checs-
váuia Essa psiçã, epis e cnsiaa, ariria caminh
para uma campanha vitrisa cntra as ptências cientais
Fi cm surpresa ue recei a ntícia e ue as ptências
cientais naa zeram para impeir esse prcess De um
amig ue na épca traalhava em Rma e tinha cnhecis
n Ministéri as Relaçes Exterires italian, eu sue ue,
na nite a invasã, Musslini cu hras n telefne, em fre-
nétics iálgs cm  gvern ingês, impran pr uma
açã cmum, ue nã stante lhe fi recusaa Tais acn-
teciments prvcaram em mim um esta e fria incn
trláve Assim ue Hiter cupu a Á ustria, cheguei a ertar
pr um instante cm a iéia e apiar s nacinascialistas
Se eram mesm capazes e tã criminsa insaniae, auees
prcs esprezíveis ue se iziam emcratas (entenase
a emcracia cientai ecert mereciam a errta Ma
minha frmaçã mra nã me permitir ia tamanh exce.
Depi e muita hra nauele eta e fúria, a razã en
ceu e cuiei e preparar minha emigraçã.   era neceá-
ri, pi eu nunca zera egre e minha atitue cntrária a
nacinalcialim e, cm á era preiíel, i prntamente
emiti  meu carg na unieriae
 preparati para a emigraçã fram acmpanha
e etalhe inólit, caracterític ee tip e emprei-
taa Ante e tu, eu preciaa cneguir algum inheir
fra a Áutria,
Cminei cm um pi remea
amig, e inheir
um rnalita uíçeram
ue priia.
traalhaa
cm crrepnente em Viena, e pagarlhe  alári ali na
Áutria enuant ee eixaa, cm eu aga em Zuriue,
 euialente em franc uíç.  inheir fi e acumulan
 e ele tirei meu utent urante  mee ue paei em
Zuriue, até cneguir  it e imigraçã  cnula
nrteamerican
 plan e emigraçã uae fracau Eu era muit ir
releante pliticamente e a priã  mai releante tinha
pririae, ma minha hra haia chega. Bem uan
cuiáam  últim preparati e meu paaprte eta-
a cm a pícia para ter  it e aía, a Getap fi a
meucaa,
em apartament para cncál
e minha epa rVegelin
[Li nen rte, eu tee
nã etaa
 pra-
zer e infrmál ue meu paaprte etaa cm a plícia
para a priência  it e aía. It atifez a Geta-
p. Cm  auxíli e amig, fm capaze e reaer cm
a plícia  paaprte, trazen á  it e aía, ante ue
fe apreeni pela Getap. Tu i em um ia Na tar-
e  mem ia, cm ua mala na mã, peguei um trem
para Zuriue, recean ue a Getap enm ecrie meu
paraeir e me prenee na frnteira. Ma, a ue parece,
nem a Getap é mai eciente ue eu e minha epa nee
aunt, e alcancei  etin em er pre . i cu cm
 pai, cm um guara a Getap em frente a apartament

76  eexõe ubgc
me esperan vltar. Ea sue que eu haviaescapa quan
  guara fi remvi Vinte minuts epis, chegu meu
telegrama avisan que chegara em a Zurique.
Mas iss fi só  cmeç s fats insólits Em Zurique,
precisei esperar pr um vis e imigraçã especial cncei-
 a acamics cm ferta e empreg ns Estas Unis
Meus amigs em Harvar  Haerler Schumpeter e Arthur
Hlcme, este últim esempenhan um papel namen
tal cm chefe  Departament e Cincia lítica  haviam
me fereci uma cnca auxiliar em regimeparcial mas eu

ainapara
r nã ter
receera  fíci
 vist a insituiçã,
american. Na esperae era
pelprecis espe
vist, tratei
cm  icecônsu s Estas Uns em Zurique um ótim
rapaz e Harvar em quem eu inspirava graves suspeitas Ele
me explicu que pr nã ser cmunisa, nem católic, nem u
eu, eu nã tinha nenhum mtiv para me pr a nacnal
scialism. Lg, se eu estava viaan, a causa só pia ser
uma cha criminal, e ee nã queria emiir meu vist antes
e tirar  assunt a limp Felizmente, a carta e Hcme
an a cnhecer minha nmeaçã cm prfessr auxiliar
chegu a temp. Sua assinatura na carta cnvenceu, enm, 
rapaz e Harvar e que eu amém fazia parte  clue, e
cnsegui meu vist

A relatar
cônsul esse cas,
essa gente nã ser
csuma quer atacar
muit a pessa
incene em  vice
matéria
plíica e humana Vu narrar, entã, um cas ang que
se passu ns ans 60 mais e vine ans epis A casiã
fi um encnr em Salzurg ne eu e Ernst Blch  ló
sf marxisa, fms cnvias a paestrar. Nssas espsas
tamém esavam presentes Num antar frmal, as uas c
meçaram a cnersar. A cera altura a sra Blch perguntu
cautesamene à sra Vegelin pr que taé nhams
emigra para s Estas Unis. Anal nã éras ueus
e quis saer se eu nã tinha si cunista. Mina uler
respneu que nã E a sra Blch lhe isse e enã pr
que ele nã pôe car na Áusria? Que alué uesse ser

 nhle eigção  77

annazsa sem ser ueu u pssur mvaçã elógca é
cm ensna mnha experênca ag ncnceve a uase -
s s acaêmcs ue cnheç
78 1 Reex Autoboga
14 EOLOGA, PO TRA POLÍTCA
E PBLCAÇÕE
Cm evienciam as anetas ue aca e cntar, minha
pstura em relaçã à plítica, e especialmente a nacinals
cialism, é cm freüência mal cmpreenia Ist acntece
prue as pessas ue participam  eate púlic sã, em
sua grane mairia, incapazes e cnceer ue a resistência
a nacinalscialism pssa ter mtivs nã partiáris.
Minhas razes para iar  nacinalscialism  e iss es
e  primeir cntat ue tive cm ee, na écaa e 920 
pem ser reuzias a reaçes muit elementares De saía,

havia a inuência
cnsierava e Max Weer
inispensáveis em umUmahmemas e
virtues
ciênciaue
era ele
a
"ntllktull Rchtschanhtue pems trauzir pr
hnestiae intelectual. Nã cnsig ver nenhuma razã para
a esclha as ciências sciais  u as ciências humanas em
geral  cm área e atuaçã se nã existe a intençã hnes
ta e examinar a estrutura a realiae. As ielgias, sea
 psitivism,
trem eifícisintelectualmente
marxism u  insustentáves.
nacinalscialism, cns
st ns leva
a ingaar pr ue pessas ue sã e rest inteligentes, além
e hnestas em seus afazeres iáris, ceem à esnestia
e intelectual tã lg entrem em g uestes cientícas.
De ue a ielgia é uma manifestaçã e esnestiae
intelectua nã resta a menr úvia tas as várias ie-
gias, anal, á fram sumetias a rigrs exame crtic
asta er a iligraa pertinente para saer pr ue sã in
sustentáveis. Se, mesm assim, um inivíu pta pr aerir
anestiae
uma elas, impeseOefenômen
inteectual. imeiatpatente
a supsiçã e sua es-
a esnestiae
intelectual suscita utra uestã:  ue leva um hmem a a-
tar esse tip e atitue? Este é um prlema geral ue mtivu
a cmplexa pesuisa e ue tenh me cupa ns útims
ans, tentan eterminar a natureza, as causas e a persis
tência s estas e aienaçã. N pan  mais imeiat ue
se impunha, ist evu à minha psiçã a ta e ualuer
iegia  marxism, fascism, nacinalsciaism, sea
ual fr tas se mstraram igualmente incmpatíveis cm
a ciência, entenia n senti racinal e análisecrtica Re
met aina a Max Weer,  grane pensar ue truxe esse
prema à minha atençã Até he sustent ue nã se pe,
em hipótese alguma, ser a mesm temp um ieólg e um
cientista scial cmpetente
Pr cnseguinte, s premas partiáris nã têm impr-
tância nenhuma pertencem à esfera as rixas internas entre
s ieólgs. Mas, a cntrári  ue se pssa pensar,  fe-
nômen nã é inteiramente nv Quan estuei as isputas
intelectuais na Refrma  sécu XVI, tive e servar ue
 mesm prlema estava presente nauele cntext Resu-
mi a uestã a seguinte maneira: existem situaçes intelec-
tuais em ue ts estã tã erras ue asta estar cntra  e
manterse cntra  para ter a mens alguma razã. O estu
essas estruturas ns aua a cmpreener melhr  fenô-
men a piniã púica, mas é eviente ue as estruturas
mesmas naa têm e cientc
Pr causa essa atitue, fui chama, pr partiáris esta
u auea iegia, e ts s nmes pssíveis e imagi-
náveis enh em meus aruivs cuments tachanme
e cmunista, fascista, nacinascialista, liera, neie-
ral, ueu, catóic, prtestante, platônic neagstinian,

80  ReexAutob
misa e é cla hegeian egisese aina ue eu ea su-
psamene mui inuencia p Hue Lng u gane
impância a essa lisa pis s váis óuls pemem ien-
ica a bêe nor  especiv cíic eã assim um ea
asane el acnempâne.
s acaêmic cupçã inelecual ue caaceiza
Enenese p ue eu unive-
nunca
espni a cíicas esse ip seus aues pem se es
e esu mas amais inecues em uma scussã
Uma seguna usicaiva paa  meu ói  nacin a
scialism e e uas iegias é asane pimiva Te-
nh epusa a micni e sees humans p ivesã
Na épca eu nã e nenia mui  em ual ea a gaça mas
e lá paa cá an s e ampla nvesigaçã lançaam alguma
luz se  assun  A incaeia é cnuisa uma pseu-
eniae cm a amaçã  póp pe  ue se faz
pefeenciamene maan aguém e esa pseuienia
e passa a sevi e susiua a eg human ue s e peeu
Aguns
Eclipseesses pemas
f Reai" fam
[Eclipse aas em
a ealiae] meu esu
puca em
190 Um m exempl esse p e eg ue pecisa maa
uas pessas paa eave em Ersaorm ue f pei

 Hy Pi Lng (8931935) fi gvad  snad da Lsiaa n


s ans d 1 928  1935   fams pls ss disss pplistas  p m
stil d gvna mit próxim d fasism d Mssini  assassina
m 1935 tmin ma aiaplítia q  vaa nà psidênia
ds EUA A inêna d Hy Lng na lta amiana fi tamanha q
sa prsnaidad inn_i rmas m A The Kng Men (946 d
Rrt Pnn Wan transfrmad m lm p Rt Rssn m 949,
m Bdr Crawfrd n pap pinpa  rmad m 200 p n
Zailian m an Pnn
 O nsai Th Elps f Rality pliad mWhat  Hto and othr
npbhed Wrtn  v 28 ap 3 é m ds mas imprtans paa
s nnd a a d Vglin apa d nna tr sid pliad m vida
Partind d
gndas psspst
Ralidads qd q ma m
adam at daaimagina
sprar prardad hmm ia
da Primira
Ralidad smp pmada pla tns ntr vida  mrt   rvas fé
 dsspr Vgin analisa as ramaçõs dssa dfrmaç d ral nas
lsas d Hg  atr  na psia rnti  lr  rsltad
 lar  lps da dignidad d sr hm a rasrm s 
ma ma máqna prna para sr xrmaa raças a  asa r
st ass v tamém s nsais d alla vns s s vtgns da
imagina m he nesa Ange(N Yrk  ks 6).

4  doogia, potua polítia  pubiaçõ  8


 é  fams SaintJuste autr a armaçã e ue ru-
tus precisa u matar utras pessas  u cmeter suicíi O
tema fi explra pr Alert Camus e a iniferença assas-
sina s intel ectuais ue a perer seu própri eg tentam
reavêl transfrmanse em prxenetas a serviç este
u auee per ttaitári é iustraa e frma exemplar
pr Maurice MereauPnt em Humanisme et terreur [Hu-
manism e terrr] (947) Nunca nutri nenhuma simpatia
pr esse tip  e gura Tampuc hesit em enils cm
prcs assassin s

traOasterceir mtiv
ielgias ueum
é  e pss precisar
hmem paraagraa
a uem  meuusar
óiacn
lin-
guagem caramente Se há ag característic as ielgias
e s ieólgs é a estruiçã a linguagem ra n nve 
argã inteectual e alt grau e cmplexiae, ra n nível
vulgar Minha própria experiência cm várias elgias e
tip hegelian u marxista inica ue uma prçã e hmens
tas e cnsieráve energia inteectual ue e utra fr-
ma seriam marxistas acaam ptan pel hegelianism pr
causa a iculae seutra s escrits e Hegel Nã se
trata e uma iferença prfuna e cnvicçes mas sim 
ue eu cmpararia a gst e um hmem ue prefere xa
rez a um vugar g e cartas Hege é mais cmplica e
é pssve passar uma via explran as pssiiliaes e
interpretaçã a reaiae a partir este u auele ângu
e seu sistema sem nunca tcar é clar nas premissas ue
estã erraas  e talvez sem seuer escrir ue existem pre-
missas ue estã erraas Cnversan cm hegelians pue
servar em várias casies ue tã g alguém tcasse nas
premissas e Hegel  hegelian se recusava a argumentar e
assegurava ue nã se pe entener Hegel sem aceitar suas
premissas Clar ist é perfeitamente veraeir A uestã
é ue se as premissas estã erraas tu  ue eas se se-
gue tamém está erra e é pr iss ue um m ieóg
precisa impeir ue seam iscutias N cas e Hege iss
é relativamente fácil prue ele era um pensar e primeira
classe e cnhecia muit em a história a lsa Entã para

82 I RefexõeAutbgá
ataca as pemissas de Hegel, é peciso conhece seus ante-
cedentes em Plotino e no misticismo neoplatônico do sécu
lo XVII Uma vez que dente os que ponticam sobe Hegel,
apenas uma minoia possui tais conhecimentos acaba sendo
fácil mante
peciso ocultaspois
ocutáas, as pemissas Poquaque
já estão, de vezes nãofoma,
é nemaloadas
mesmo
nas tevas da ignoncia daquees que discoem sobe ele.
No caso maxista, a fasidade das pemissas é mais eviden
te. Quando ax esceve sobe Hege, a distoção é tão gave
que seus honestos editoes não podem evita apecebese

do fato escitos
schr expessáo cautelosamente.
de uventude] de KalOs editoes
ax dos Früh-
Kne, 9),
especialmente Siegied Landshut, dizem o seguinte sobe o
estudo feito po ax da Flosoa do dreto de Hegel: Ao
equivocase delibeadamente sobe Hegel, se nos é dado faa
dessa maneia, ax tansfoma todos os conceitos que Hegel
concebeu como pedicados da idéia em enunciados sobe fa-
tos pp. gosta
que não xxvxxvi) Com pessoas
de mata este meupaa
jeitodiveti
selvagem de homem
a intelectuali
dade, amo categoicamente que ax ea um chalatão
intelectual delibeado. Com isso, petendia sstenta uma
ideologia que lhe pemitisse apoa a volncia conta sees
humanos afetando indignação moal Fomule o poblema
de foma claa em minha paesta inauga em unique em
98 Scece Poltcs ad Gostcsm4 e exploei, na ocasião,
 Em egel: a Stdy i Socey" [ege: m etdo de feitçaia] C ol.
2 pp. 23-) Voegeli implemete f ma d demotaçe mai
aaado da htóia da ooa. Ele poa po meio de ma áie detlada
da nomenoga epo,e ege era m mticoman'  óofo
brihate diidido em ária peoalidade e ão poto a precariedade do
real e po io io ma Segda Reaidade a foma de m itema loóco
paa
comoatigir
únae objetivo
aação de mio: a bca
a pobe peloEe
alma pode iceate
eaio é m do cohecimeto
complemeto ao
teto e Ecipe of Reiy" em epecil porqe Voegeli apofda áio
tema apea eboçado e he dá a cocretde a aa ddida de ege.
Sobre ee to, e tmbé nodço a de ege de eade
Koje Rio de Jaeio, Cotapoto 200  e The dvdSe an xen
Sdy ofSan and Madne,de R D. aig ode in , 6
4 Eric Voegei Weha  Po nd noMun l erag
; SenePoand Gnom Two ayd Will ia J. patrc

4  deoogaposuas poa e publiações 1 8


a confusão mental que está por trás dessa atitude Marx po-
rém, conduzu seus argumentos com um nível intelectual
bastante elevado, e o escndalo que provoquei ao dizer que
praticara charatanismo intelectual  o que teve inclusive re
percussãomecanismo
mesmo na imprensa
da ocultação
pode ser facilmente explicado
das premissas pelo
de Hegel
O charlatanismo marxista reside na terminante recusa em
dalogar com o argumento etioógico de Aristóteles, sto é
com o problema de que a existncia do homem não provém
dele mesmo, mas do plano divino da realidade Assim como
Hegel e ao contrário de nossos contemporneos que ponti
cam a seu respeito, o próprio Marx teve uma excelente for-
mação osóca le sabia que o problema da etiologia na
existncia humana era central para uma losoa do homem
e que se qusesse destrur a humanidade do homem fazendo
dele um homem socialista, precisava repelir a todo custo o
problema etológico Nesse ponto é preciso admitir que Marx
era consideravelmente mais honesto que Hegel pois este nun-
ca fez menção ao debate de que se recusava a participar Mas
o efeito é o mesmo em ambos os casos, pois é evidente que os
intérpretes contemporneos sabem tanto sobre Arstóteles e

(Washngon, Heny Regney Pubs.,7 epbiado om inodço de


s Sando em7 edço de ls Sando Wmngon e., neolegae
Stdes nsute Boos 200 Repodido em  vo 5. O livo Scnc
Plcs and Gnstm [Ciênia polta e gnostsmo o esmo das pesqusas
de Voegein iniiadas omA na cênca  plca.  ambm a palava nal
do meste de Colôna sobe o assno do gnostsmo ema qe e vae
nmeas as de ses oponenes ve pgs.  0 a  0 do apto  7 destas
Rõs) Mas o que mpoa nesse livo  o ataqe peiso de Voegeln a
Hegel e Max os dois aiees do pensamento ideológo modeno. le mosta
que a eusa de ambos em dialoga om qalqe pessoa que negasse as sas
pemssas exisenas dsoidas  pemssas qe mpavam anes de do,
a iaço de uma Segunda Readade  ea o pimeo indio de que no eam
sujetos sios paa paipa de um debae inteetual sadio e que, po isso,
deviam se onsideados
A expesso oo muosomo halatões
dispuos inteetuais
egeianos em (nlcual
asas o qeswnd rs.
povoo
o onseqüente osaismo de Voegein no mansramunivesitáo e nada
adiantou: Voegelin ontinuo om suas pesquisas e povo em Th Ecumnc
Ag (a quaa pae deOrr and H, as azes do pensamento egeliano
nos mios de iaço gnósia e nas epsolas de So alo Ve ambm o
esdo qe Voegen e sobe Ka Max naHt fPlcal a, pubiado
em línguapouguesa no ivoEsus plc D Erm a Nch
taduido po Mendo Casto Heniques

 1 Refexõe Auobiogáa
o agumento etiológico quanto sobe os antecedentes neopla-
tônicos de Hegel  isto é absolutamente nada de nenhum dos
dois A degradação cultural do universo acadmico e intelec-
tual fonece o contexto paa a predominncia na civilização
ocidental de opinies que seriam objeto de idculo na aixa
dade Média ou no Renascimento.
Quando passamos de Marx aos epgonos ideoógicos no
nal do século XIX e incio do  encontramos um nvel in-
telectual já muito inferior ao que marcou a formação de gu-
ras como o próprio Max.  eis o principal motivo para o meu

eódio das ideooias


conferem elas pblico
ao debate vulgarizam
umaascoloração
discussesnitidamente
intelectuais
oclocrática, tanto que hoje se chega ao ponto de considerar
fascista ou autoritária uma simples referncia a fatos da his-
tória poltica e intelectual cujo conhecimento é absolutamente
necessário para discutir os problemas que surgem no debate
poltico. A condenação adical do conhecimento histórico e
losóco deve serpolticosocial,
nosso ambiente identicada como umaqueles
porque fator importante em
que a ditam
não podem sequer ser chamados de impostores intelectuais 
seu horizonte de conscincia é por demais limitado para que
estejam conscientes de sua desonestidade objetiva. Devem
potanto se caacteizados como analfabetos funcionais com
uma forte nsia de autopromoção
Com essas obsevaçes descemos ao nvel do nacional
socialismo. É exteamente difcil discutir citicamente as
idéias do nacionalsocialismo o que descobri quando minis
trei meu curs o de um semestre sobre Hitler e os alemães em
Munique em 964Nos documentos do nacionalsocialismo
e em fontes corelatas estamos ainda mais distantes que no
caso de Hegel
possvel e Max
Paa lidar comdoessenvel
tipoem que o debate
de etóica acional
é peciso antesé
desenvolver uma losoa da linuagem e abordar problemas
como o da simboização que está na base da expericia que

5 Taduço aa o inglê emC vo  (N   pr H 
aãeSo aulo  Realizaçõe 2008

4  deologa, potua poltca e pbaçõe j 8


o lsofo e da huandade e o da pevesão desses sbo
los no nvel vulga po pessoas oalene ncapazes de le
ua oba losca Ua pessoa nesse nvel  que caacezo
coo nvel vulga e quando se ona socalene elevane
coo nvel oclocáco  não é adssvel coo nelocuo
e u debae pode apenas se objeo de pesqusa cenca
Não podeos encaa co leveza esses pobleas elavos à
vulgadade e à oclocaca Não podeos splesene n
g que não exse São poblemas sessmos de vda ou
oe pos os vulgaes consoe e dona uma aos-
fea nelecual e que a ascensão ao pode de guas coo
Hle se ona possvel Enão eu da que no caso aleão os
desudoes da lngua aleã nos nves leáo e jonalsco
caacezados e analsados po Kal Kaus duane as de
na anos nos volues de Die ackel, foa os vedadeos
culpados pelas aocdades do naconalsocalso Esas po
sua vez s se onaa possves quando o abene socal já
esava e ão gande edda desudo que u dgnoepe-
senane desse nvel vulga poda agoa ascende ao pode
Essas ovaçes esava pefeaene claas paa  à
época as a claeza sobe seu sendo não sgnca claeza e
dealhe sobe suas plcaçes Anda não exsa u apaao
nelecual paa aa de fenôenos nelecuas ão cople-
xos  a defoação a pevesão o chalaanso e a vulga
zação a pecso pocede a esudos paa cálo. A esse
conexo peence os esudos que publque sob o ulo Die
plitischen Religinen As elges polcas] e 938 Ao e
pega o eo plitischen Religinen, segu a convenção dos
auoes que nepeava os ovenos deolgcos coo
elges U auo epesenavo dessa coene ea o fao
so ous Rouge e seu enomado Les mystiques plitiques
As scas polcas A nepeação não é de odo eada
as eu não usaa as o eo religies, po se uo vago
e já defoa o poblea eal da expeênca suandoo

6 Tradop o ins   o  q ab con The N Scnce


flcs Scen l and Gnscm
(N E)

8  Re Auobo
co ouo, que é o da douna ou do doga E Die poi-
tischen Reigionenadeas, eu anda aava conjunaene
de pobleas coo o ovento esptual de Ahenaton/ as
eoas edevas do pode epoal e esptua, as aboda-
gens do apocapse, o U
naconasocasas. Leitã de Hobbes
taaeno e ceos
as sbolsos
adequado exga
dfeencaçes de gande acance ene esses váos fenôe-
nos O vo al saía do pelo quando aconteceu, e aço
de 1 938, a ocupação da Áusa pelos naconalsocastas A
casa edoal de eanFsche ea u avo ceto das foças
de ocupação Toda a edção fo conscada na edoa e nunca
chegou às ãos do pbco Depos, descob que alguas có-
pas foa coecazadas apaeneene, váas agncas
naconalsocastas ecebea cópas da Gestapo, que coe-
çaa a ccula depos da Segunda Guea undal.
Der utoritre Stt O Esado autoáo] , pubcado e
1 936 e Vena, fo, de anea gea, ua peça de abaho
foçado. 9 Habtado coo Pritdozent e socologa, eu que-
a expand nha eni egendi10paa cnca políca Paa
tanto, pecsava esceve u vo cujo tea estvesse ndub-
aveente gado à cnca políca e, de pefenca, à poítca
austíaca aea ea o que não falava, pos 1930 fo a década

 Fró gpo d  dinsti  mên  371354 C); lho  sussor
d Amnhotp
8 Die pliischenII.Rel
. )
igine
n ( The pliicalReligin, o. 5 fo nçdo m
138  é o grm dos studos sgunts d ogn dt fPlitical dea
té Or and Hpssndo plosnoosinsighsd A na cncia plica.
A prpço d qu  d do spírito   id polti sto intimmnt ligd
o   zr rçõs initds ntrLeia
o d Thoms obbs, o "ino
o Ri Sol d hnton  s rvlçõs poptis, qu mostrm porém
qu  substituiço d grj plo Estdo proo u mudnç rdl no ixo
d onsiêni humn  um mudnç qu orginr  iço d rldds
ltrnts ndmntds somnt  b dg  oio dss
dstorço n lm é  rzo d ut d ri oglin p rstur  ordm do
sprito n d m soidd o d qu o misté do ma nunca sr solido,
s p idologi políti sj por u di it lçã ntr hom
 Dus smpr sr no m,  bus nssn d u rdem que  i pss
por ibniz por mio d du prgunts: p qu xist  rc á o d? 
"por qu s oiss so omo so?
 rduço pr o ingês m C ol 4 (N. .
10 biitço pr lonr m udd N )

4  deooga tua pota pubiaçõe  87


d reitni gerl ontr o nionloilimo, d guerr
ivil de 934 do into de ngelbert Dollfu e enm, d
rição de um Contituição orportiv. A nov Contituição
utoritári e eu nteedente erm um objeto proprido,
poi ninguém dv tenção o tem nue épo
 livro é um pouo heterogneo N primeir prte, trtei
do ímbolo tot e utoritário. Gotri de ientr no
vmente ue nuee período ninguém mi trtv de pro
blem de nturez e nenhum prto inteletul pr
lidr om ee termo tópio hvi ido rido lborei n

oião  ditinção
fundmentl pr umentre opo e deudo
trtmento oneitodo
probem
ditinçãodé
ingugem em poíti rdiionmente o ue uer ue p
reç omo ímboo de lingugem em poíti é implemente
eito omo tl e inorpordo o vgo domínio d idéi po
líti  primeiro po pr onferir um ordem rion l 
ee impreio mágm é ter bem lro o ue ontitui um
teori  uetão já motivr meu etudo obre  loo po
íti lái) e em ue entido o oneito teório diferem
de outro ímbolo de lingugem ue não exprem  ordem
d exitni m vári deorden e deformçe oneitui
entendid omente em prte pelo ietrdo no nível vugr
É  e le de ímbolo polítio ue denitivmente não
ão oneito teório ue pertenem ímbolo omo tot
e utoritário
Minh interpretção do tdo utoritário utrío deve
btnte o intituionlimo de Murie Huriou. Aém di
o, meu interee já etvm e rmindo por diver
áre d hitóri d loo. Fui pz de identir n on
epção de um entidde oletiv ue juti o trtmento de
eu membro omo ubordindo e impe u onformção
om  idéi de uem repreente  entidde oetiv prle
lo om  onepção verroít do cu uu unidde
d ul  mente humn não é enão um peuen fguh
Não etou erto de ue à épo tivee plen onini d
importni de deobert É erto ue eu já entendi

88  xõsbigcs
qe a tansfeênca a concepção e m nellecus unus paa
ma entae nvesalmanente nttlaa nação o aça e
ses epesentantes ea eta paa a hmanae o homem
 eceto também saba a seíssma fena qe se aba na
ae Méa,
sobe qano
a pscooga eveos e Toms
stóteles e qno
 peneno vegam
mnha pefe
ênca paa a ntepetação este ltmo Uma peqena pate
o qe escev na época fo pblcaa epos em me esto
Sgéo e Babante", em 1944 
 eação a essa mnha escobeta eve m efeto coatea
veto Uma vez qe veos ea abe, os abes são sem
tas e os semtas são, anal jes, agns ntelectas lgaos
ao egme naconasocasa, como al Schmt, chegaam
a escona seamente qe o coletvsmo naconasocalsta
tvesse algo a ve com essas maclaas ogens semítcas Um
eemento mpoante nessa pmea pae fo ambém mnha
pmea compeensão caa a vaação osseanana o co

co com Àmas


letvsmo época não leve
pocas mto
pgnas, masaante es sa anlse,
o poblema qe
é o mesmo
qe, epos, fo tatao com blhantsmo po J   Talmon em
se Ogns ofToln Democc Ogens a emocaca
totalta] {1952 )
 segna pate o lvo foneca, em pespectva hstóca,
m evantamento os pobemas j enfentaos pea Ása,
ese 1848, na fomlação e consttções a a opotn
ae qe e tnha e apene mas sobe os anteceentes os
pobemas consttconas a monaqa asohngaa e a
contnae ente as solções encontaas na época o Im-
péo e os poblemas a Repblca astíaca após 1918
Na tecea pate, qe tatava a nova onsttção, z ma
anlse abangente a Teoa Pa o eto e esen e se
vínco com ma eoa polítca especcamene astíaca

 O esdosobe Sgo de Braate o bad na revista 'hsop and


Phnomnogcal sarch vo. 4,  4 h de44   S erão
ognal, sem co est no segndo tomo de Hio fo 'oliil!as (CW vol
2  7826) Ver abm El SandTe Volii Revoluon,  6.

4 - dologa, postuas poltcas  publcaçõs 1 89


 anlse tem aproxmaamente cnqüenta pgnas o esta a
parte qe pôs em cheqe mnha relação com elsen  O qe
e reetava não era, obvamente, a Teora Pra o Dreto em
s, mas sa pretensão e sbsttr a teora polítca  prec
sava enfatzar
preener a nscênca
problemas polítcosee as
ma teora ríca
rstcas para com
conseqüêncas e
armar qe não é esejvel  o nem mesmo possível  abor
ar problemas polítcos e manera centíca nha relação
com elsen nnca volto a ser a mesma epos sso nos
epos, nos Estaos Unos, após o lançamento a Nova ciên
cia dapolítica em 952 ele reg ma crítca aprmoraa, o
tamanho e m lvro, acabano comgo De too moo, sa
crtca, qe ele fo gentl o bastante para me exar ler ana
em forma e manscrto, nnca fo pblcaa, e talvez o mot
vo tenha so mnha avertênca  exposta e forma come
a em ma carta a ele e mas abertamente, em conversas com
amgos em comm  e qe sa compreensão os problemas
hstórcos e losócos envolvos no assnto era naeqa
a, e e a pblcação a crítca comprometera não a mnha
reptação, mas a ele Dese sa pblcação em 936 Der
autoritre Staat ca venagem fo sspensa em 938 com a
ocpação a Ástra pelos nazstas não recebe mta aten
ção Nem na época nem epos, porqe, rante a conqsta
e Vena pelos rssos, ma as bombas ca jstamente sobre
a etora Sprnger, e toos os exemplares recémmpressos se
eszeram em chamas no porão

 O relconenoee Kese e Voeeli se de espeio úo pesds


leves esocds que  dv no ouro sepe qe se econ e pesrs
ou dees cdêicos U eeplo es o coóqio rl Lw i Poc
eoy pucdo(CW
Pap199-198 no vo
volTh Drama
33 pp f Voeei
 1 24) Humandscord
and Othr
deseMu
nio
esre  quesão d nre sendose nropoloi plônico
rsoc Kese se ope co s vsão  do oe endo se
polido co se N my stmdlagu that  nt t. Thr  a  al
mk n tha'o esido coe isso ão  correo H u erro lóico
e se cocíno Eeno Voeei c clene poo por pono
do cocio de Kesen e osr qe s vees ser não snic
necessriee es t.

90 I RefexõeAuobiogá
15. IGÇÃO E 1938
omo acabo e explcar, por muto pouco consegu escapar
a Áustra  Gestapo sava prsts a conscar meu passa
porte, o que tera sgncao o m e qualquer possbla
e emgraço entro a legalae Mas ssa lgênca a

Gestapogeral
vstora também teve seu laoaengraçao
os nconros Porum
unversae, exemplo, na
agente a
Gestapo veo à nossa casa e revstou mnha escrvannha, as
gavetas e as stantes e lvros para escobrr o que eu faza
ra um jovem e seus vnte e tantos anos e, quano assum-
mos um tom coral, contoum que anes fora avogao em
Hamburgo Prmero, nspeconou mnha escrvannha para
ver
fora serecentmente
encontrava emo
algum matera ncrmnatóro
e no nha omoalém
muto qu fazr eu
e preparar mnha emgraço, spunha e bastante tempo
para me ecar ao estuo e problmas fces Na ocaso,
eu estava estuano os problemas o mpéro, e hava sobre a
mnha escrvannha phas e trataos sobr Bzânco, mutos
em francês e nglês O agente lho ssa ltratra sobre o
mpéro bzantno Obsrvou qe embora fosse rsponsvel
por fazer a vstora e toos os profssrs a acuae 
reto, estava pela prmera vez   m scrvannha
que pareca e fato pertencer a um sholar  nso o am
bente se sspou e precsava levar lm mtral ncr
mnatóro os meus nteresss pltcs t clr  ava
em mnhas estantes fontes polítcas essencas: ein Kamp
e Htler; Dreimal sterreich e urt von Schuschngg; a
Dottrina de[ Fascismo, e Mussoln; o anesto comnista
e Marx le optou por evar Schuschngg e Marx ssevere
que sto ara um retrato nel e meus nteresses potcos,
que eram estrtamente mparcas, e suger que evasse Mein
Kampe Hter Mas ee se recusou, e fo assm que mantve
em mnha bbloteca uma eção muto antga a obra  essa
altura, porém, j assumíramos um tom ana mas coral
omo ele também precsava colher exempares e alguns e
meus vros, como Über die Form des amerikanishen Geistes e
aqueles sobre a questão a raça, observe que sera nelcao
e sua parte conscar as boas eções encaernaas, e que ele
poera levar as provas e mpressão le teve boa vontae e
cou satsfeo com as provas e mpressão; graças a esse ep
sóo, possuo até hoje as eções encaernaas
ssm que ee enrou, mnha esposa, ncrvelmente or
ganzaa, fez menção e pegar sua jaqueta, que ele exara
jogaa sobre uma caera, e penurla em um cabe os
berros, ele então exclamou, Não encoste! Meu revóver
est aí entro" 
Mas, e moo gera, aqulo que a partr os estatutos então
vgenes se compreena como evo processo ega fo obe

eco, e, embora
esposa não eu fosse um
o era emas, avo efualgum
quano nteresse,
embora ea pôemnha
car
com os pas, que eram naconalsocalstas e tnham um enor
me retrato e Htler penurao na paree a saa u con
segura escapar no a em que o homem a Gestapo tentou
conscar meu passaporte, à note Por óbvo ele não emorou
a voltar para perguntar one estvamos eu e o ocumento, o
que fez logo
sconao empela
frentemanhã
à casaoosapas
segunte Umone
e Lssy, guara fo po
ela resa

1 O dpoe ow  m inío q d do dio nomno q


n  odo  o diio m osso d qiio Consiio
Fd do Bsi d 88  dzido o ddo osso   °
nso L  T

9 1 RfxõAutobiográ
povsoamente Mas epos que cegue a Zuque e enve
um telegama o guaa sumu vne mnuos epos o tele-
gama chegou Obvamene ele saba que eu abanonaa o pas
paa sempe Uma semana epos mnha esposa junouse a
mm em Zuque É clao que pecsamos exa uase tuo
paa ts mas ana fo possve ecupea pate a mobla
além o mas mpoante a bbloeca Mesmo assm tvemos
e abanona alguns tens e também neste caso os etalhes
são mas ou menos vetos Po exemplo pecse exa
paa s a coleção e selos que euna uante a nfânca
seno ese um objeto e valo Os lvos apaenemene não o
eam Po meo e outas pessoas que sabeno que apesa
a scalzação bastante goosa ea possve eva mutas co-
sas Soube o caso e uma jovem atsta ue aua alguns
ognas e ü omo paa expota objetos e ate ea
pecso obte uma autozação especal ela msuou as obas
e üe com suas pópas pntuas O agene que examnou
seu porolioolhou esses quaos um po um  za ao epa-
a com uma oba e üe aqu e al Bem muo bem! Seus
pogessos ascos são notves!"  cava po sso mesmo
5  Eigã  9 8 1 9
16  VA NA MÉRCA:
E ARVAR À OANA
Qano hege aos staos Unos em  938 vm empre-
gao em empo paral o mo proessor axlar em Harvar
 nação e me nome o eta por W.  Bll) llot
Gottre von Haberler e Joseph von Shmpeter e apro
vaa por rthr Holombe então hee o epartamento
Mas o ontrato tnha lmtes estrtos e ana me lemb ro e
mnha prmera onversa om Holombe qano hege a
Harvar e  me apresentar sseme om presão rsta -
lna qe Harvar estava onente em o ereerme essa opor-
tnae por m
oportnae ano e qe no
 onseqüêna maso ano naraatambém
mportante ams a
são nesse emprego o ter onsego o  menona o vsto
espeal Sem sso e era presao agarar por tempo
netermnao o vsto e mgação onvenon al  hava é
laro a grane vanagem e omeçar em Harvar m bom
enereço para ostentar no rrlo e prorar otro em-
prego m Harvar
no prmero semestreomee a prora
Para sso m emprego
esrev mas logo
e qarenta
ongas aras a vras nversaes e pessoas mportantes
expano mnha ntenção e onsegr m trabalho re-
onheo no país O prmero retorn qe tve o ma
proposa para aar omo proessor aa na Bennngton
ollege em Vermont no prmero semestre e  939 o qe
envolva vagens e a e volta a ambrge]
 experênca qe Bennngton me proporcono era com
pletamente nova mas na época não pe esfrtar ela ao
mxmo porqe mes conhecmenos prévos sobre a soce
ae amercana ana eram bastante lmta os na assm
perceb qe não qera car al apesar a tentaora proposta
e m cago e pofessor assstente com salo e US$ 5 ml
para o ano segnte O motvo para recsar a proposta e pro
crar otra cosa era o ambente a costa leste m Bennng
on
comespec
algnsccomnstas
amente note o fortíssmo
eclaraos elemento
no corpo esqersta
ocente e mas
ana entre os estantes sse ambente não me era mas
aprazível qe o o naconalsocalsmo qe h poco exa
a paa trs e moo mas geral perceb qe as nsttções
a costa leste estavam abarrotaas e refgaos a ropa
entral; se e al casse me status sera o e m membro o
grpo e efgaos sso ambém não me agraava pos e j
esava rmemente eco ma vez explso a Á stra pe
los naconalsocalstas a completar a rptra e me tornar m
amercano arregano o esgma e refgao clmente
atngra esse objetvo emas qera tonarme m cen
tsta polítco e para tanto precsava famlarzarme com as
nsttções polítcas amercanas ano alas sobre o assnto;
paa m esangero era mpossível consegr ma vaga nes
sa scplna em qalqer as maores nversaes o leste
cete então ma proposta a Unversae o labama
 ngressara em m meo envamente lvre e efga
os e a apresentação e aaptação à soceae amercana não
seram ao menos lmtaas por fatores externos logo no níco
lém sso al tve a chance e leconar sobre as nsttções
polítcas amercanas e o epartamento sob a chea e Roscoe
Martn fo mas qe scente para me manter ocpao por
m bom tempo aqrno novos conhecmentos sobre o as
snto  emneração não ea boa: US$ 2 5 ml por ano apro
xmaamente metae o qe Bennngton me oferecera Mas o

96  xõ bigc
efeto geral e aaptação ao novo ambente fo e fato obto
graças à aolha veraeramente afve os slstas qe
por agm motvo oneseneram em proteger m noente
vno a ropa Gostara e lembrar espeamente Mlre
Martn esposa o hefe o epartamento a onsttu ma
perfeta amzae om mnha esposa e ses mtos e varaos
onselhos ns poparam e ferr senslaes om omen
tros nonvenentes
rante os os anos e meo omo professor assstente no
labama eqeme ao eso as nsttções plías
ameranas a onsttçãotve
ção pbla Paraleamente e ateemnstrar
m pooumeurso
amnstra
sobre a
hstóra as as poítas omo a essa altra assoarame
à Sohern Polal Sene ssoaton e freqüentava os ses
enontros algns os mes novos olegas tomaram onhe
mento as mnhas atvaes e o professor Robert J Harrs
então hefe o epartamento e êna Políta a Unvers
ae saal a Lsana trxeme para a Losana em
194 omo professor assoao ete e boa vontae pos
sso avava m poo a nossa stação nanera alm e
representar ma lara melhra e ambente
ssa ana era a poa  grp qe organzo o prme
ro nmero a Southern Review Quano hege Robert B
Helman
glês e leanth
e Robert PennBroos
arrenestavam
ana no
 eparta
a pormento
m ane n
 an
es e r para Mnnesta Tambm me lemr  e ao menos
ma vez ter enontrao atherne nne Porter em ma fes
ta sse ambente fora o epartament e ên a Políta
f mt mp rtante pos e agr a nha aess às neres
santes atvaes a r íta terra e nq ste a amzae
e atoraes em línga e lteratra nglesas Gostara e
menonar espealmente a aja e Robert B Heman
qe me apresent erts segreos a hsóra a lerat
ra amerana e fo mto gentl no aío qe presto para
qe e sperasse mnhas laes om a aqsção e
m ngês vernaar na me reoro  m oasão as

 ·  id  éic j 97
mas mportantes, quano ee revsou um manuscrto meu
e aproxmaamente vnte pgnas e fo marcano, um por
um, caa erro omtco, e moo que eu puess e ter uma
boa sta os esvos m as comuns a corrgr Devo zer que
acmento
anse a
e ngua
Heman fo oeponto
ngesa e vraa
me auou o meugraua-
a aqurr, conhe-
mente, um omíno moera o o oma'
ém o mas, a amzae com Broos e Heman favore-
ceu a aqusção e certo conhecmento sobre a estratcação
o ngês amercano em grupos socas o chegar aos sta-
os Unos, o estrangero é eventemente assoberbao pea
íngua que too tpo e gente faa ao seu reor, uns usano
o ngês correto, outros varantes ocas e outros, ana, um
vocaburo vugar mpregnao e toa sorte e erros e você
 o mehor e s para se aaptar ao novo ambente sem ter
senso crítco ara scernr a que nve ee pertence, poe fac
mente car em extremos e vugarae É caro que Heman
eaBroos estavam
nguagem e mebem conscentes
auaram essa suspetas
a conrmar estratcação soca
anterores
em reação ao que ouva em ferentes meos
Uma conversa com eanth Broos ustra bem a natureza
o probema erta vez, atravessano o campus, encontreo
absorto e meancóco e pergunte o que o estava aborrecen-
o ontoume que precsava preparar um capítuo sobre er-
ros comuns para um manua e esto que ee e Rober Penn
arren estavam reetano, e que encontrar erros comuns
era uma tarefa muto fíc que um pouco surpreso e,
nocente, sse: Bem, é muto fc encontrar erros típcos
Basta pegar quaquer vro e eucação e você encontrar
uma mea za por pgna" ntão ee me expcou que não
 C Robe Heman and E Voegen: A Fenhp n Lee944-984ed
Chres R Embr Combi Uniersi of Missori Press2004). Pr mis
dehes sobre  esão deVoeein dÁsri e s chedos Esdos Unidos
er Brr Cooer Voegn and he Fonons fMo o oa/ S
Combi Uniersi of Missori Press 1999) c.I  Pr s ção n
LSU qe dro ezesseis nos er Monik Ph  Voegen n Baton Rouge,
Perioe series Mniqe Wihem Fink Ve2004) ( E.

98 1 Reexões Atoográcas
poa aplca esse métoo, pos os peagogos estavam mto
abaxo a méa em temos e afabetzação, o qe mpea
qe ses eos fossem conseaos típcos o anglofaante
méo m vez sso, estava sano manas e socologa, e
às vezes pecsava
eamente le vnte
sgncatvo págnasassm
 mesmo paaamentava,
exta m poqe
exemploo
ngês escto pelos centstas socas não poa se consea
o típco; estava abaxo a méa, ana qe não tanto qanto
o os peagogos
o esse o tpo e estatcação e qe gaamente tome
conscênca aa aq m ngês toeáve, ve e jagões
eoógcos e as ossncasas os estatos vgaes a co
mnae acaêmca
Natamente, o cento e mnhas atvaes ea o e
patamento e ênca Poítca, one e pecsava econa
os móos sobe nsttções poítcas amecanas  Assm,
atng me obetvo e f pofesso esse ema po ezesses
anos  vnte, se conseamos os anos o Aabama A aa
e Robet ]. Has, qe se tono também m gane amgo,
fo mto t paa esenvove mes conhecmentos sobe
as nsttçõs amecanas a exmo conheceo as ec
sões a Spema ote e pôe expcame ma sée e co
sas qe, e ota foma, e tea emoao m bom tempo
paa escob evo às nossas convesas o econhecmento
a enome mpotânca o eto pocessa paa as ecsões
a Spema ote ém e nsttções poítcas amecanas,
pecse mnsta ma vez m cso e poítca comaaa, e
mesmo m e hstóa plomátca, aém o me cso pn
cpa, Hstóa as éas Poítcas", qe me acompanho po
toos esses anos
6  i  éic 1 99

17. DA ÉA POLTCA
A EXPERÊNCAAO MBOLO

Isso me traz ao problema a hstóra as éas m


Harar e enontrara rz MorsenMarx enão eor
e ma sére e manas pblaa pela MGrawHll e
fo mo gentl ao nmbrme e m mana e tamanho
méo algo enre 200 e 250 pgnas) para essa sére  as
sm passe o ensno a hstóra as éas polítas para a
reaão e ma omee om o materal sano prmero
omo moelo  o qe se ea nlr o exlr a Hio of
oliial Tory 1937  e George H Sabne qe na époa
era a obra parão Mas qano omee a earme mas
a fno ao materal esobr qe o tratamento qe até então
se he era era nsasfatóro e qe os mes própros onhe
mentos não eram sentes para tratlo e moo mas ae
qao Prese na reaae perorrer toa a bblograa a
Gréa antga ao tempo presente e fo o qe z ao longo os
anos Mas esse moo e proeer aabo frstrano o proe
to e m peqeno manal para a sére e MorsenMarx 
não onseg mprr os prazos pos ana estaa tomano
onhemento as fones e qanto mas arena mas gros
so aa o mansrto
Isso não fo to No eorrer o trabalo fo ano e
ente qe a lmtaão qe se mpõe a a hstóra as éas 
a convenção e star se prncípo na losoa grega clssca e
fazla termnar com certas eologas contemporâneas  era
nefensvel   me eparara com algns esses problemas
no labama L, escobrra qe não se poe versar correta
mente sobre
conhecer a Iae
mto masMéa
o qeee
a polítca
conhecameeval
à época, sem antes
as orgens
o crstansmo; perceb também qe a compreensão os pr
meros séclos o crstansmo não é completa sem m apro
fnamento e se astro aco o então no labama qe
comece a estar hebraco com m rabno local qe também
ava aas e hebraco na nversae Os prmeros passos
foram fíces, mas aos pocos aqr m conhecmento sa
tsfatóro e gramtca e vocablro para poer avalar tra
ções e, nalmente fazer as mnhas própras a partr os
textos orgnas om esses estos sobre o contexto sraelta,
o moelo e ma hstóra as éas qe começa com a lo
soa grega  vera abaxo Para complcar ana mas, tome
conhecmento as esplnas reazações e pesqsas con
zas por membros o nsttto Orental a Unversae
e hcago sobre as cvlzações o ntgo Orente Próxmo O
qaro hstórco  se expanra para abarcar os mpéros o
ntgo Orente Próxmo os qas emerg Israel srael por
sa vez, fo o pano e fno o crstansmo e este o pano e
fno as éas a Iae Méa O moelo e m esenvol

vmento lnear
conalsmo as éas
e Patão polítcas,passano
e rstóteles, e m sposto constt
por m voso
consttconalsmo meeval e clmnano no esplno
consttconalsmo a era moerna scmb
ssas escobertas zeram romper o moelo anteror e
conferram novos rmos à nvestgação Mnha iria da
idéia poica  estava escrta até o séclo XIX hege a
concr extensos capítlos sobre Schellng, Bann Marx
e Netzsche nanto preparava o capítlo sobe Schellng
ocorreme e a concepção e ma hstóra as éas era
ma eformação eológca a realae Não havera éas
se antes não hovesse símbolos e experiência meatas
emas era mpossvel tratar por éas" fenômenos como

  xõ igc


um iual de aço egpio ou a eiação do Enuma Elsh
as elebações do o Novo sméio.  aida ão iha
odições de eede ealmee de ode viea o oeio de
idéias e o e ele sigiava. Mio poseiomee desobi
ue a oigem mais povve são os ona ennoa dos esói-
os. ssas opiiões oms o aoevidees seviam de
poo de paida paa a ia de Loe o pimeio aplo
de se Ensao sobe o enendmeno humano  690 ele po
eso oa elas a m de epea as expeiêias em e
as idéias êm sua oigem

iassas vias opoidades


das mihas de peee
oções peoeidas soea isiêia
ma hisóiaeó-
das
idéias ão sgiam odas de ma vez ampoo hove so
ções isaeas. Os io aos e e  945 e  950 e os a-
aeizaia omo m peodo de ideição seão mesmo de
paalisação o aameo de polemas e emboa pee-
besse ão osegia apofda ieleualmee de maeia
saisfaóia.
exame O abalho
das foes ão pao.
e o hoizoe opeisava possegi
aida mais o
amplo du-
ae a gea poe a Chia vio moda e o depaameo
deidi e e om mihas habiidades ligüsias seia es-
olhio paa da m so de isiições polias hiesas.
Tais iusias me aiaam o esudo da hisóia hie-
sa. o se m poo difi faa sobe as idéias hiesas o
empoeas sem eede seu hisóio ssio omeei a
esa hiês e apei o asae paa eede os smolos
dos lssios espeialmee de Cofio e LaoTsé. O oao
om esses sabees failio sobemaeia a ompeesão do
pesameo hiês. ida hoje me é basae poveioso pois
osigo ideia as ópeas evolioias popagadas
po Madame Mao TséTg a esa dos be do peío
do Zho om a suil difeeça de e eqao os auoes do
peodo Zho eleavam a vióia da diasia Zho as ópe
as evolioias modeas eleam a vióia dos exéios

 P o tóo oç d tooga  aa  a a op


ont  

 7 as déias poltias aos símbolos da xpricia 1 



evoluionios. Ainda assim foi de modo geal um peodo
de paalisação eóia om poblemas se aumulando sem
soluções imediaas em visa.

As Walgee
Chiago em 1951 Leues ueuma
popiiaam pofei a Univesidade
upua dessa siuação.de
Fui foçado a fomula de maneia esumida algumas das
idéias ue haviam omeçado a se isaliza Coeneime
o poblema da epesenação e na elação ene a epesen
ação e a vedadeia exisênia pessoal e soial a óbvio
po exemplo ue o goveo da União Soviéia não esava no
pode em
denal; issoviude de eleições
o eano epesenaivas
ão impedia ue osseno seido oi-
epesenaivo
do povo usso mas em viude de uê? Na époa hamei a
isso o poblema da epeseação exisenial Desobi ue
a epesenação exisenial sempe é o nleo eal do go
veo bemsuedido idependenemene dos poedimenos
fomais ue alçam o goveo exiseniamee epesenai
vo à sua posição. m uma soiedade ompaaivamee mais
pimiiva onde o gosso da população é inapaz de debae
aioalmee e ogaiza paidos polios ue deemiem
uais as uesões de ineesse pblio um goveo deia
suas bases sobe foças adiioais ou evoluionias sem
o euso à isiuição eleioal A olenia pela população
de um goveo nesses moldes depede de seu maio ou
meo suesso a oseução dos objeivos ue oienam a
insiuição de ualue goveno a gaania da paz inea a
defesa do eino a adminisação da jusiça e o uidado om o
bemesa da população. Se o goveo desempeha de oma
modeadamene saisfaóia essas funções os poedimeos
ue lhe pemiem hega ao pode são de impoia seun-
dia Desobi depois ue essa epesenação exisenial ea
empiiamene omplemeada em eas soiedades hisó
ias po uma eividiação do ue à époa deominei epe
senação ansendena". Po epesenação ansendeal
eendia a simbolização da fução govenamenal omo e
peseae da odem divina o osmos. É ese o simbolismo
ndamenal ue apaee pel a pimeia vez nos impéios do

  I RefexõesAuobiogrcas
Ango Oene óxmo onde o e epesena o povo peane
o deus e o deus peane o povo Nada mudou nessa esuu-
a fundamenal da odem poía nem mesmo nos mpéos
deológos modenos A na dfeença é que o deus fo
subsuído po uma deologa da hsóa agoa epesenada
peo goveno nvesdo de sua nção evoluonáa
a peso expessa em aegoas eóas a dfeença
ama menonada. Gaças aos meus esudos sobe a hsó
a do sansmo e a Idade Méd a há muos nos eu nha
noía da exsêna de dvesos movmenos seá os des-
os sem Ao
e enças mua aeza
longo no que dz
d as déadas deespeo a suasfu
 940 e 950, audes
gadu-
amene me dando ona de que aém da osoa ássa
e do s ansmo eveado epesenado pea Ige ja pn-
pal hava smbolzações de edos fundamenas que os es-
peasas da áe a assava m omo gnósos. Aé onde
me lembo fo om a leua da nodução de ans Us von
alhasa à sua oba Prometheus, publada em 937, que
pela pmea vez me de ona do pobema do gnoss-
mo e de sua apação a fenômenos deológos modeno s
Desde os a nos 30, a bbogaa sobe o gnossmo vnha
esendo de foma sgnava e ea possível enona
aqu e al obsevações magn as sobe o paaelsmo ene
o gnos smo e as deoogas modenas Desob qu e a on-
nudade do gnossmo da Angdade à ea modena ea
onsenso ene os mehoes esudo sos dos séulos XV III e
nío do XIX. Nese pono gosaa de aud  Die christ
liche Gnosis: oder die christliche Religionsphilosophie in ihrer
geschichtlichen Entwicklung [A gnose sã: ou a losoa
sã da elgão e seu des envolvmeno hsóo  de 835,
a gandedo
hsóa oba de ednand
gnossmo Chsan
desde Baugnose
a pmea  audadesvelou
Angü-a
dade passando pea Idade Méda aé as losoas da egão
de Jakob õhme Sheng Shleemahe e Hegel 
Queo enfaza que o gnossm bem omo sua hsó-
a da Angüdade aé o pesene é objeo de uma êna

 7 a déia poltica ao ímboo da expericia J O



ampamee desevolvida e e a déa de erprear feô
meos oemporeos omo gósios ão é ão srcial
ao possa pareer aos igoraes e me riiaram por
sso. De modo gera gosaria de eslareer e se e ivesse
desoero
os soziho
peos ais odos os prolmas
so riado hisórios
e seria  sem a meoresomra
losó
de dvida o maior lósofo da hsória da hma idade 
es de pliar al er oisa sore a apliailidade d e a
egoras gósas às deoogias moderas oslei ossas
aoridades oemporeas em gosiismo espeiamee
Heri Charles eh em aris  e Gilles Qispel em Ureh.
eh osdero evdee e as ideologias moderas são
espelaões gósias; Qispe roxe à miha aeão o
gosiismo de Jg peo a ele ha espeial ieresse .
Desde mhas primeiras apliaões do gosiismo a fe
ômeos moderos em  ova cca da políca e em me
esdo Cca políca e goscsmo de 1959 preisei r ever
miha ierpreaão
mo às ideoogias  apliaão
moderas da aegoria
se ssea é laro de
magosis
s h o
ros faores a osid erar em ma alise mais omple a. Um
deles é o apoapse measio e deriva direamee dos
rofeas de Israel  via apósolo ao  e ogra ma li
hagem permaee os movimeos serios ris ãos he
gado aé o Reasimeo. Uma exelee exposião dessa
oiidade pode ser eorada a ora The usu of he
lleum [Na seda do milêio  1957  de Norma Coh.
ém disso desori e em a lhage m apoalpa em
a gósi a dão oa por ompleo do proe sso de imaei
zaão sse faor em srces idepe dees a reomada do
eoplaois mo a Forea de s do sélo XV  eaiva
de reperar ma ompreesão da ordem ósmia por meio
de m resgae do eoplaoismo maogro; para resssiar a
ordem divia o osmos o seido aigo sera preiso res
ssiar os deses pagãos e sso ão de ero O e soro
da ordem divia raósma e os eopla ôios earam
resarar oi ma ordem imaee da reaidade  m ima
eismo e preiso se orar searisa ado assim

 J Refexõe Auobogá
m hje deis da exus ds deuses ags  mesm
eu m  Deus is.
an ea eis exa as experêncas ue esulam
em nsuões imanenisas. Cm fenômens hisóis
ais exeiênias n s desnheidas. Tavez a mais imp-
ane ene elas seja a eiada d amor De da esuua agsi-
niana da alma p Hbbes e a edu de sua fa denada
a amor su ssa edu a amor su passu a se pedmi-
nane n séul XV  m a psigia d amourdeso de-
senvlvida pels moralstes faneses. mba a exisênia d
fenômen m al n dê magem a dúvidas sua ineea
 é diulsa pue a eminlgia lsóa nveni-
al fi fmulada mand m vedadeias as pemissas da
nva psi eduinisa e  fa mesm de ue a psi
seja eduinisa n hega a meee ualue nsidea
íia u analíia Apenas eenemene desenvlvi  n-
ei de evla egfnia" paa designa a aude ue faz
da epifania
epifania d eg
de Deus a exeiênia
na esuua fundamenal
da nsiênia eisand
lssia e isa
Na Nova cênca da polítca eu j usaa  em apocalpse do
homem paa abda esse bema. Na asi ueia enfa-
iza a desbea das pssibilidades humanas ue aaeiza
 peíd mden A desbea aneeu sem dvida mas
enfaizla isadamene seia deixa de ad  seu nex
eduinisa
Deus m  Ofenôme
pe da desbea
fi hamaddp
hmem
Hegeea a me deO
e Niezshe
em revolta egoâncaue supõe uma disin ene essa
expeiênia  eg exubeane e a exeiênia da nsiui
efnia da humanidade é a melh slu eminlógia
ue pude enna aé  mmen .
.Oeisei
em apocal se metastátco
desenvlvêl eue
em meu umasbe
esud peuena expia-
s pfeas de
sael. Na pfeia de saías deaamns m  fa esanh
de ue saías ansehu  ei de Jud a n na nas fi-
aões de Jeusalém e na fa de seu exéimas em sua fé em

2 Cf.Eum Age p.  § 2 The Egoh Rv [  o 17  N E)

 7 -  déias políticas aos símbolos da xprcia 1 07


Javé. Se o rei ivesse fé verdadeira Deus se ouparia do reso e
produziria uma epidemia ou um pio ere os iimigos dis
sipado o perigo ue assoava a idade O rei eve om seso o
suiee para ão seguir o oseho do profea e oar peo
orrio
havia as foriações
o posuado do profeaedeoue
aparao miar.
por meio de umAida assim
ao de fé a
esruura da reaidade podia ser efeivamee modiada.
Ao esudar esse proema e ear ompreedêo miha
primeira idéia foi é aro ariuir ao profea um ao mgi
o. sso ão eria sido surpreedee pois a hisória de s
rae era fução dos profeas por exempo guiar a mão do rei
açado uma eha sore o iimigo omo uma operação
mgia ue resuaria em viória O ue aoeeu o aso de
saas foi o ue a psioogia modera Niezshe ou Freud
hamariam de suimação da magia fsia mais primiiva.
Mas aida desoforve em reação a isso osuei sore
o assuo espeiamee Gerhard vo Rad em Heideerg
ue ou horrorizado
ua gradioso om pudesse
omo Isaas a idéia deserue
umum profea
mago espiri
Fiuei ão
impressioado om sua aiude ue z uma oessão. Não
usei o ermo maga para desigar a pria aosehada por
saas mas uhei um ovo ermo para araerizar apeuiar
reça mgia suimada em uma rasguração da reaidade
por meio de um ao de fé.  deihe o ome defé mtastátca 
a reça em uma mesase da reaidade por meio de um ao
de fé Não esou ão ero de ue hoe faria a mesma oes
são. Aa esse ipo de fé é de fao magia emora sea preiso
fazer a disição ere essa modaidade suimada" e uma
operação mgia mais primiiva Se de fao raçssemos uma
iha diisória ere magia e fé measia meu reeio seria
eorir o aspeo ue êm em o mum iso é a eaiva de
produzir um resuado desejado por meios aheios às reações
aurais de ausa e efeio.

3  pgas dste capo osrm a daça adca de exo e Ec


Voegel fez o seu moo e pessa  mudaça ue, a eção de Ells
ado caactrza o e se chaara de a evoção voegaa Drte
uze aos, Voegel luo cosgo mesmo pra epreseta de moo

 08 ! Rxõ Atbigrca
adequado as suas descobeas sobe o que seia a odem coeta da ama em
elação à odem coeta da socieade Inspado nese pincípo anopológco
de Platão descio emA Repúba),ele pate das concusõ de reões
poe ncia o empeendimeno gigantesco deHto of oíta!.
Segundo Mendo Casto Heniques, "Bem se podeia ma que esta oba foi
a 'guea pessoa de Ec Voegein conta a cegueia espiitua  intelectua que
cuminou na vioência efetiva do nacionasociaismo na ameaça potencia do
comunismo sovético e nas insuciêncas do libealismo ocidenal, tal como
compeenddas á cinqüenta anos O obetvo da oba ea compeende de
que modo as idéias políticas se tonam socialmente ecazes, sem deixa que
a invesigação se lmtasse ao inquéo convenciona sobe os símboos,
estutua e modalidades doEstado.  egulaidades da históia pagmátca não
explicam os pocessos espiituais e contaespituais que confeem signicado
à existência em sociedde Inodução ats  eas po  

Ermo Nehepp 0


só seão acompeendidos Os movimentos
adequadamente nusiados
quando daidéas
o véu das vda do espítofo
polcs
ompido em vo das expeiências que as moivaam e em seus espectivos
símboos de linguagem; a pati da Voegeln tila o caminho sinuoso da
epesentação política e da epesentação existenca, e descobe que nem uma
nem outa são sucientes, especiament no mundo modeno Aqu têm início
os fabulososghtsque seiam desenvolvidos emThe New ene of ots
[A nova ciência da poltca]  vo 5 pp. 8321) o fato de que uma
sociedade potica paa te uma epesenação nstiucona saudáve, pecisa
antes de tudo te uma epesentação existencial nada com a odem do
cosmos e, sobetudo, com a odem vna. No pmeo gupo enconamse
os políticos e suas facções paidáas; no segundo gupo, emos os pofetas os
lósofos e, em meno escaa  pncpalmene após as evouções modenas -,
os intelectuais Voegelin é muto cao sobe ese pncípio: se a epesenação
exstencal estive defomada  sto é, se seus itegantes ão compeendeem
coeamente quais são as nomas da odem dva - a epesentação poíica
da sociedade esaá em peigo e com isso a pópa esênca da ciatua
Po sso o aea em eação deoogas pias as bscuecem o homem
sobe o eal que sempe se manteá pelo que lé  em oda a sua luta e em
oda
nas heaesa
suasmoaidade as sogens
gnóstics sugida ess
smuaampm
 m is
conam
aismo -usamente
heesias
que não devem se vistas como feômno   siêca humana e sm
como paes integantes d alma qu muam apas  omes e conceos
mantendo uma aitude constante  vla p  aão Divina. Neste
aspecto, a etua de A noa n   eca     csasmo
e do gnosticismo como pontos centais pa s      aência espiiua
da socedade conempoânea Sobe s a eia  ai e Gospel and
cultue [Evangelho e cultua W vl 2 pp 722).

 7  Das idéias plias as smbls d a xpiênia J 


18LFRE ScHürz E A EORA
A oNCIÊNCIA
Miha orrespodêia om Afred Shüz sore os pro
emas da osiêia oi m passo mpora e a omree
são de esões e j me iieavam a déada de 1940 e
e me aompaharam aé a redação de Orm  sóra As
aras só vieram a ser pliadas em  966, osiido a pri
meira pare de me ivro Anamnss. A orrespodêia om
Shüz foi preipiada pela leira de Krss r uropschn
Wssnschan[A rise das iêias eropéias], de dmd
Hsser O esdo de Hsserl me eresso mo por asa
de se se magío apahado da hisória, e vai de Desar
es à sa próra ora or oro lado era eervae a pres
ção igêa de m ósofo e arediava, om se méodo
feomeológio er aero o e hamava de horizoe apo-
díio da losoa. ara Hsserl de agora em diae, em
isesse orarse m lósofo ompeee deveria ser se dis
íplo ssa arrogia evoava a memória ada agradvel de
oras osoas
a ovição dosalisas, omo as dede
aioalsoasas Hegel
ee eram
Marx,deeores
e amém
da verdade deiiva Repgavame espeialmee a pre-
sção de Hsserl ao falar de si mesmo omo o fiorio
do espírio, pois isso lemravame de experiêias reees
om iorios de oro ipo Levado adiae a alise
da osiêia ue já iiiaa em ber de orm de amer
kanchen Gee eu agoa omeçava a eaboa uma ia
da oepção da osiêia em Hussel ujo poo eal
ea ue em seu modelo osiêia é a peepção sesvel de
objeos do mudo
seu modeo exeio.
da peepção mboa
eveava pudesse
gade ooda
sosiação ue
aai
a a mim me paeia idulo ama ue a osiêia ada
mais é ue a osiêia de objeos do mudo exeio Nessa
époa em 1942, eu já oheia as osoas lássia pa sia
e esolásia o suiee paa sabe ue os lósofos ue emba
saam suas losoas em uma aálise da osiêia esavam
ambém examiado algus ouos feômeos a ela elai
vos além da peepção do mudo exeio. Comeei eão
a ivesiga uais eam de fao as expeiêias fomadoas da
osiêia de um homem z isso om uma anamnee iso
é om uma ememo ação de expeiêias deisivas de miha
ifia Na vedade esevi vie peueos esboços ada
um elaado uma dessas expeiêias emoas euidos e
sulaam em algo omo uma auobiogaa ieeual aé os
dez aos de idade
Os feômeos desios eam deiivamee feômeos
da osiêia pois deseviam miha osiêia duae
a ifia de divesas áeas da ealidade ssas expeiêias
iham muio pouo ue ve om objeos apeesveis pelos
seidos Uma delas ue subsisiu a poo de pemii sua e
embaça uaea aos depois foi a hisóia do Mog e de
Heisebah. Heisebah eam as uas de um moaséio
medieval siuado a egião de igswie paa ode ex
usioávamos om feüêia aos domigos. O Moge de
Heisebah ea um moge mio ue se pedea apeas paa
eoa depois de mil aos e desobi ue paa ele esse mi
lêio asoea omo um só dia. ssas ompessões e abe
viações do empo emboa ão sejam expeiêias sesveis
osiuem pae impoae ao meos da miha osiêia
se ão da de Hussel. Dessa maeia passei po expeiêias
omo a asiedade e a fasiação de esa as foeias do
mudo oheido om Has Chisia Adese em um de

   1 Rfxõs tobiogras
seus conos de fadas, ou de oha paa o noe e ve um mise
ioso hoizone de inniude, ou de seni os movimenos de
ceebação na vida do homem obsevando os navios a vapo a
desliza peo Reno, com suas fesas nounas  Coisas assim
Adera
consciência é feia
consciência de de
umexpeiências desse ipo
homem a menos ue seTalinsisa
é a verda
ue
a minha infância foi compeamene difeene da de ualue
oua ciança na hisóia da humanidade Essas expeiências
de paicipação em divesas eas da eaidade são o hoizone
da nossa exisência no mundo. O ue deve se sublinhado são
as expeiências (no plual) da ealidade, a abeua do homem
a odas elas e seu esfoço de manêas em euibio. sa, en
endi ea a aiude do lósofo e foi esa a aiude ue encon-
ei na exisência abea de odos os gandes lósofos com ue
avaa conao aé enão ecebi ue esaua essa abeua
ea a aefa pincipa da osoa

1 O trmo anamneipod sr aproimadamnt traduido para o português


por rminiscência ou rmmoração Voglin o rcupra d Patão f
uma sínts inusitada com o William ams d Dos consciosnss ist?
(19) ao mostrar qu o horion d consciência d um homm concrto
m uma situaão concrta somnt abrrá para o dvino s  taurar o
osntdo d su passadorstauraão é, na vrdad um mrgulho
nas prons a ama na mhor tradição d ráclito  dos grands
místicos cristãos (por mpo, São João a Cru) para scobrir Úgo o 
o no os dois componnts qu ormam a razão umana m todas as suas
potncialidads. A toria da consciência d Voglin oi dsnvolvida no livro
 é o núclo não só d sua losoa política como também d sua
Anamne
anális dos símbolos d linguagm Tmas ormidávis são plorados m
Anamnea partir d uma lina d raciocínio bastant simpls a consciência
umana é a luz qu gua o omm no drama qu é a sua vida mas é uma luz
disa, qu não rt as coisas do mundo concrto com a n ia clar
O drama do omm é splhado nos símbolos da priência qu l msmo
ngnrou para comprndro sntio da trama qu o prmia  sntido a qu
tntamos dar o nom  istória Contudo, st sntido srá aprndido d
modo rxivo  rtrospctivo - num dsprnimnto (para usarmos o trmo
 Mstr Eckhart m qu a consciência dvrá raptar o objto num procsso
d tnsõs  contratnsõs Como plca o próprio Voglin Na mdida m
qu a conscência do ósoo não é consiência pura mas ants a consciência d
um sr humano losor é um acontcimntona hstória da vida do lósoo 
 ainda um acontcimnto na istória da omunida  da sua linguagm
simbólica bm como na istória da umania  smo na istória do
cosmos (C vol 6 p 8. El toriaão sor os três prinpios da
strutura da ralidad qu surgm o st ssas tnõs o princípio da
omp,m qu s v vr procoo da história a partir a visão do Todo
 das qustõs qu st Todo atiam na ama hmana  priípio da maão

 8 d Shüz  a Tria da Cnsiênia 1   3



A alise das expeiêias pedia m voabio éio.
Felizmee o peisei ilo do zeo mas fi apededo
gadalmee om oos lósofos qe edo passado pelo
mesmo poesso  haviam eoado os emos qe pe
miissem expessa
aço de sas as eapas
pópias aalíias
expeiêias peoidas
Desoi a explo
qe o eo da
osiêia ea a expeiêia da paiipaço o sea a ea
lidade do me oao om a eaidade qe es foa de mim
mesmo ssa idéia de qe a paiipaço é o pobema ea
gaho foça om a oibiço dos pesqisadoes do Isi
o Oieal de Chiago qe em sas alises sobe o mio 
savam a aegoia de osbsaialidade desevolvida
po Hei e Heiee A Fafo e povavelmee eiada
de Lie Lévhl Se o homem o fosse osbsaia
om a eaidade qe expeieia o podeia expeieila.
Dee os lósofos eoei omaço impoae o em
piismo adia de Wiiam James O esdo de James sobe
essa qeso Does Cosiosess xis?" [A osiêia
exise?]  1904), paeeme eo e aida me paee se m
dos domeos losóos mais impoaes do sélo 
Ao desevove se oeio de expeiêia pa }ames ide
io de modo eeio a ealidade da osiêia da pa
iipaço pois o qe ele hama de eperiência pura é aqio
qe pode se siado o oexo sea do xo de osiêia
do seio sea dos obeos do mdo exeio Nesse insight
fdameal de James a expeiêia é o qe es ee o s
eio e o oeo da paiipaço Desoi depois q e a mesma
aise  foa feia em esala mio mais ampa po lao e
qe isso dea oigem a se oeio de metao o Iemédio

e da nãoem que se devem preservar as lnas vercais e oriontais da


conscinca umana, linas qu dão a atura e a pronddade nos ndamentos
de sua razão e po m o prncpo domeo ou ntermdo no qual a
consciênca  ustamente o palco dos pólos simultâneos e opostos que existem
tanto na psique do ndvduo como na própra reaidade em que ele vive. A
sepaação de qualquer desses póos implica o descarriamentoailm)
da razão notica onoU sobre o qual Astóteles reetiu naMea que
permte ao omem vver a vda do esprto com uma ucdez segua mesmo
dante das nceres da existênca umana Sobre este assunto ver tambmllis
Sandoz, he Voelinian R/uon cap. 6 pp4387

  4 1 Refexõe Autobioa
A eperênca não esá nem no sujeo nem no mundo dos ob-
jeos mas no nermédio iso é enre o ólo do homem e o da
readade que ele eperienca
O caráer de Inermédio da experênca revease aricu-
larmene imporane ara compreender as reações humanas
aos movmenos da presença dvina Porue a exerênca
desses movmenos não esá, jusamene, suada no uxo de
conscênca do homem hmem enenddo no sendo ma-

nensa , mas no nermédo enre o dvno e o human o. A


experiência é a readade de ambas as presenças , humana e
dvna, e só deos de aconecer é ue ela pode ser arbuda
seja à conscênca do homem seja ao conexo da dvnda-
de com o nome de reveação Com sso, cava claro que boa
are dos probemas que aormenam a hsóra da osoa
êm srcem na hiósase de um dos  ólos e uma experiê n-
ca pura no sendo de Wam James, o u das experêncas
de metax no sendo de Paão Com o ermo hip6stase re-
rome
de à suos ção
parcpação faacosa deauônomas,
são endades que os pó os da exerênca
encerradas em si
mesmas, que esabelecem um miserioso con ao enre si na
ocasão de u ma experiênca Não há dúvd de que exse a
um mséro , mas mesmo um mséro pode ser claramen e
expresso co m ênfase na realdade arcipava da experên-
ca como o ugar d a conscênca, e enendendo os póos da
exeriênca como ólos, e não como endades auônomas.
Assim, o robema da readade experenciada passa a ser
o probema de um uxo de readade parcipava, em que
a realdade assa a lumnarse a si mesma na conscênca
humana Porano, cnsciência não mas poda sgnicar,
para mm, u ma conscênca humana que esá conscene de
uma realdade exeror à consciênc a do home m; precsava
sgncar a realdade do Inermédo, da eerênca ura
de aricação, que podemos analsar cricamene usando
conceos como o dos pólos da ensão eperencial e o d a re
alidade da ensão experencia no metax.  epressão lu
minsidade da cnsciência que enho emregado com cres-
cene freüência, é uma enava de enazar esse caráer de

 8  ed hütz e a eoria da Consinia 1  5


ntermédio da experiência, contra a noção ianentista da
consciência humana que, como sueito, se opõe a um objeto
da experiência
Essa compreensão do caráter de Intermédio da consciên
cia, bem como de sua luminosidade  que é a luminosidade
não de uma consciência subjetia, mas da realidade que pe
netra na exeriência a artir dos dois póos  permite, ade
mais, uma melhor compreensão do probema dos símboos
Os símbolos são fenômenos de linuaem enendrados peo
processo da experiência de participação Os símbolos de li n

uaem que expressam


uma consciência humana umaimanentista,
experiênciamas
não são
são enendrados
inenções de
no processo mesmo de participação. A inuaem, portanto,
fa parte desse caráter de meto da consciência. Um símbolo
não é nem um sino humano conencional que traduz uma
reaidade exterior à consciência nem, como suerem certas
formuações teolóicas, a palara de Deus transmitida, con
enientemente, em um
Mais propriamente, umasímbolo
inuaem inteliíel
é erado ao receptor
peo encontro entre
o humano e o diino e, como tal, participa tanto da realida
de humana quanto da realidade diina Esta me parece, ao
menos até o momento, a melhor formulação deste roblema
que atormenta tantos lósofos do simboismo: o de que os
símbolos não si nicam sim esmente uma reaidade diina
que está além da consciência, mas são, de auma maneira, a
realidade diina em sua presença mesma Lamento, entretan
to, não ter ainda desenolido os pormenores dessa losoa
particiatia do simbolismo
 6 1 Reexões uobográs
19. ÜREM E EOREM
Frqnmn rgm rgn r  ni  r
m ordem  desordem m minh nl A rli  r
m n é br minh Rrm à rm  r
nhi l gênr hmn  q m   rimir

rgir ri,
rqlóg q n
h vlm
in miíml
m m  q
grv m m
nmn j n lí Ordem é  rr  ri
m xrini  hmm m m  inni nr
 hmm  m rm n fr r l i é  rm
ómi  nsghsr  rr   rblm  j
  , m   inn  j  rn m 
mn lrri
milêni gíi
gíi m  rir
 xr milên
 lirr D mm
 xriêni
 rm m xm  im é  mrgên 
m iim ril m r à rm ómi, m m
mmn mr l xriên i iin  m ngi
nri rm mn n  r  Ilr  fm
Dálogo de um sucd com su lm q nlii m m 
 Immrliy xrin n Syml" [Imrli
xriêni  ml  N xriên  m
il  ómi  rm rz    iniv 
lv nm mm í  r nn  xriên

 Pme ed de 967 repubicad   v  1 2 p  N E)


prodzm stados trmos d alação os qas a mor
t pod aparr omo a lbrtaçã o d ma prsão o omo a
ovalsça da doça mortal q é a vda. Dsd o trro
mlêo a  pratamt ada mdo sss smbol smos
damtas da alação.
 atgorzação dssas prêas otdo é bastat
tarda. té od s o oto d alação (aoto) fo
rado plos stóos  mto sado mas tard por loto
Na psopatologa stóa aoto é m stado d rtrada
do própro  o qal s ostt pla tsão tr o homm

ao lssa
plao dvo da a
qato stêa.
stóa oUma vzdvo
plao q tato a loso
da stêa
é o oo o fot d ordm st mdo a rtrada do 
osttído por ssa força ordadora é m ro da razão
a stêa O rsltado st aso é o so da razão q o
homm vdtmt ota a possr para star sa
stêa o stado d alação Fo até ss poto q h
garam os stóos a psopatologa da alação
s atgoras stóas podm sr apladas a fômos
dológos modros a bas pral para ompr
dr a radad é o stado d alação   ão mas a tsão
tr o hmao  o dvo. Sstmas omo o d Hgl por
mplo são sstmatzaçõs d m stado d alação é

vtvl q lmm


tha morrdo a mort
mas porq hov d Ds
ma ão porq
rção da razãoDs
d
va a rvolta gofa Não é possívl s rvoltar otra
s sm s rvoltar otra a razão  vvrsa. ssas tr
prtaçõs laboradas a partr d ma stêa orrompda 
ão mas abrta à raldad do plao dvo prsam afastar
a prêa dss plao d qalqr osdração sobr a
raldad Dss prodmto rsltam fômos típos
tr ls o mas mportat é a ostrção d tma.
Fômo mtmt modro o sstma tv sa mo
drdad obrta pla op ão domat d q l ra a
forma por lêa do losofar. ssa vsão s razo tato
q aabo por lpsar a raldad da losoa ão sstmta.

  8 I Rxõs tobiogras
alase rouda e rreedamee em um ssema laô
o arsoélo ou omsa a deseo do ao de que esses 
lósoos esremeeram de horror dae da déa de que sua
vesgação emra da realdade udesse resular em um
ssema Se ag o eseve semre laro ara um esador omo
laão que saba dsgur ere as exeras do ser e as
do ãoser e adm a a exsa de ambos os  os era que
ara o bem ou ara o mal, a realdade ão era um ssema.
Se o sujeo osró um ssema, a alsação da readade é
orao, evve Um ema de esqusa que devera ser va
lorzado o amo da oía modera é a eaboração de um
vero ormeorzado das asações ssemas elas
são maesações morassmas da desordem o mudo
oemoreo. Mas é evdee que h uma ressa des
omual à realzação dessas esqusas, oso que quem deve
ra emreedas é jusamee quem resara em rmero
lugar, reoheer em seu róro esameo ssemo
uma sação da realdade, e desarlo Ada assm, ão
vgorosa é a reee exasão do ohemeo hsóro seja
o oae à olía, seja o que dz reseo aos eômeos
eleuas e esruas, que ão é absurdo rever (deso
sderado a ossbdade de asroes soas de maor e
vergadura que alçaram ao oder uma sea oara sse
mazae) que os das dos ssemazadores de aão e suas

alsações desesruuraes esão oados.


      

20 s ORGEN E ORDEM E HisTóRIA
Minh História das idéias polítias pi e ês hipóeses
mplmene eis pimei  e qe exisem iis se
gn,  e qe s iis êm m hisói; e, p m,  e
qe m hisói s iis plíis peisi ensii 

pes qe meç


sene. eis m  plíi
esss hipóeses lssi
blhei e vem  m
hmilemene pe
s fnes Cm  emp, vei à l m mnsi e vis
milhes e pgins. 
in ssim, s ivess inqieçes qe fm sgin
  lng  esi bm p islie em minh
mpeens e qe m hisói s iis plis e m
empeenimen sem seni, inmpíve m  es
l  iêni. Desbi qe s iis em m esenvlvi
men neil seni, qe me m s esóis
gnh fç n  e Mi e se genei  pi 
sl XV. s iis nsfmm s símbls qe exisem
p expess expeiênis em neis s neis s
ens
e qe nm se ivessem
 elie p efeêni
 expeiêni m
 ess 
 eli
elie
qe se peene isin  elie  expeiêni n exis
e. Des fei s iis s espnsveis p efm n 
vee s expeiênis qn s sib iç.


1 The Hoofolialass g pubcd C vl 6. N E


Os potos qu dvrm susctr qutção são vdts.
m prmro lugr ão xst cotudd tr s chm
ds dés dos ósofos grgos tr os séculos VII  IV   o
tor dos txtos rvdos dos profts d Isr  do Novo Ts
tmto s ssdus
d xprc smbolçõs
ão possum tocm
ulqur m árs
vícuo dstts
hstórco tr
s Aém dsso, quto m s dstt o pssdo é o poto m
qu covcomos stur  orgm ds dés, ms cro s
tor qu smbosmos como o mto   rvlção ão podm
sr clsscdos, m msmo com grd sforço mgt
vo, como dés É prcso rcohcr  xstc d um
plurldd d smbolsmos. Um togo d Hsíodo, por
xmplo, smpsmt ão é um loso o stdo rsto
téco, d qu  strutur d rldd xprss plo mto 
pl oso s  msm  um dtdd d strutur qu
Arstóts á rcohcr. orm surgdo probms qu
tt xprssr por mo d coctos como o d  xpriênci
compct ou primári) do cosmos  o ds drnciçsqu
lvm à vrdd d xstc o stdo dos clásscos grgos,
dos profts d srl  do crstsmo prmtvo. Pr crc
trr  trsção dcsv d vrdd compct à vrdd
dfrcd  hstór d coscc, mprgu,  époc,
o trmo slto no sr, mprstdo  pvr slto do prungd
Krkgrd

 A expreão ap n bng(alto no er) é ndamena para e enender odo


o ediio teórico que oegein contruiu para Orr and Ho. Apear de ser
um termo usado para eclarecer um ato que ocorreu com opovo eeto de rael
no enconro enre oié e Deu o "ao no er é ante de tudo a experência
do er dvno como rancendene ao mundo e é ineparável da compeenão
do homem como er humano. as ea experiência de rancendênca não cria
uma verdade que erá pouída como um objeo ea é "o lampejo do eteo
no empo que revolucona a exiência humana ma, onge de aliviáa de ua
ignorância
um vilumbeeenca apronda
do miéro eadomema
abia gnorânca ao permr
er coneqência do "aononohomem
e
no curo da itória erão duradoura como explica oegelin
 no preácio do
egundo volume deOrr and Ho, Th Wor of h o/(  vo ):
O alo no er enquano uma nova verdade obre a ordem, não ganha toda a
verdade e muito meno eabeece uma ordem denitiva da humanidade. A lua
pela verdade da ordem continua num novo níve hórico Repeie do alo
no ser corrigirão o nsghinicial e o compementarão com novas descobertas
e a ordem da exiência humana, mmo aetada prondamente pela nova

22  Rxõsutobogrs
O foco de interesse deiou de incidir sobre as idias pas
sando a concentrarse nas eperiências da realidade cuja arti-
culação tenha engendrado uma grande variedade de símbolos.
Isso não signica que agora o probema das idias simpes -
mente tenhasomente
sente mas desaparecido É caro
aos poucos fuique
me ee estava
dando muto
conta de pre
sua
natureza Um ponto importante  por eempo que se tornou
mais claro ao longo dos anos foi a percepção gradual de que
a transformação das eperiências e simbolzações srcinas
em doutrinas podia conduzir a uma deformação da eistên
cia caso o contato com a realdade tal como eperiencada
fosse perdido e o uso dos símbolos de lnguagem engendra-
dos pelas eperências e simboizações srcnais degenerasse
em um jogo mas ou menos vazio. ó fui descobrir bastante
tarde nas dcadas de 190 e 1 960 aguns dos aspectos mais
óbvos dessa deformação Eu não estava ciente por eempo
de que a srcem do termo metasica não  grega mas sim
rabe ou melhor  uma deformação arbca do títuo grego
da meta ta physica de Aristóteles. O termo foi apropriado por
Toms de Aquino e empregado pela prmeira vez em íngua
ocidentl na introdução ao se ometáio à Metafísia de
Aristteles Desde então passou a estir uma cência sngu-
lar chamada metafísica. A crítica dessa metafísca doutrina
pelos ilumnstas e prmeiros postuantes do postvismo que
não era de todo destituída de propósitos smplesmente não
tocava nos probemas da losoa cssca A osoa cssica
não era tão bem checida naquea poca e ainda hoje o 
pouquíssmo pos o clichê metafísicase transformou na pa-
avra mgica pea qua se pode ter uma ida de toda anis e
losóca no sentdo cssco.
Precse desistr de tomar as idias" por objetos de uma
história e denir que o fenômeno investigado seria a epe
riência da reaidade  pessoal social históri ca cósmca. No

verdde permnee  ordem de m plrl e e onre Com


 deober do pdo,  hmnid n h f m   ióri,
m e ornou onene do horiw e   " p 3 Ve
mbém EUi Sndo h Voliia RJuo pp  7 2 2.

0 - s gnsd Ord  Hisóri1 3


entant, s ea pssível epla essas epeêncas nves
tgand suas atculações p e de síbs A del
taçã d tea e, c ea, d étd a se utlzad nessa
nvestgaçã feze chega a pncíp básc de tda a
nha ba
evidente Os as
henstada: a realidade
vaese da experiência
de síbs é aut-
paa epessa
suas epeêncas, e  s síbs sã a chave paa cpe
ende essas epeêncas Nã há  en sentd e sup,
p eepl, que s sacedtes egípcs que esc evea a
Telgia de Mêns u s sacedtes esp tâcs que de
senvlvea  ivr ds Reis da Suméria fsse ncapazes
de atcula epeêncas de fa caa p tee pbe
as dfeentes ds de u Vtae, u  Cte u u Hege
O que é epeencad e sblzad c ealdade, e u
pcess de pgessva dfeencaçã, é a substânca da hs
ta A elabaçã da Hist6ria das idéias plticas nã fa
e vã, ps cupa a funçã de e faaza c as
fntes hstcas. Aga, pé ua eganzaçã d a
teal sb  aspect da epeênca e da sbl zaçã fazase
necessáa Desst, e ntã, d pjet de edg ua Hist6ria
das iéias líticas e cece a dedcae a eu pp
tabalh e rdem e Histria3
Na épca, paeceue que rdem e Hist6ria pecsava c
eça c s pés esptâc e egípc e sua sb
lzaçã cslgca das dens pessal e scal Cnta esse
pan de fund d sbls cslgc pea, sbe
vé a uptua da eveaçã saeta Nã e cntnudade
c s pfetas pneutcs, as de fa ndependente,
pe  pensaent nétc ns lsfs gegs O estud
das epeêncas d Oente  e de sael até  peíd
da vda de Cst cpletu  vlue  de rdem e Hist6ria O
desenvlvent, ente s gegs, das epeêncas cespn
dentes de passage das gens cslgcas à dfeencaçã
nétca peencheu s vlues  e I De acd c  pan
gnal, aps esses tês pes vlues, devea tese

· O and Hiocompeee os vols 1 4  8 s  (N. E.)

24  Rxõs obiogas


seguid estuds sbre impéri, imperiaism e espirituaism
na Idade Média e s desdbraments da era mderna
Mas auele plan mstruse imprativel M uitas partes
fram de fat esritas, mas a bra nã vingu pr uma uestã
de vume Sempre me deparei m  prbema de preisar,
antes de hegar às frmuações teórias apresentar  mate-
rial de uja anlise as frmulações teórias haviam resultad
Se eu tivesse evad  prgrama adiante, as tês primeirs
vlumes terseiam seguid nã utrs três nfrme  pla-
nejad mas talvez utrs seis u sete Cm a mair parte ds
leitres
ziram a nã tinha familiaridade
determinads m as esses
nsghtsteóris fntesnsghts
ue meteóris
ndu-
nã pdiam ser apresentads sem as fntes
Deidi etã, fazer uma série de estuds pntuais sbre
aguns prblemas:  ristianism primitiv a frma mit-
espeuativa da histrigênese a transiçã da espeulaçã

histrigênia
m à histrigraa
desenvvid  prblema
pr Heródt, Plíbi e da emena tal
s histriadres
hineses erts prblemas teóris mderns, m a fei-
tiçaria envlvida na nstruçã d sistema de Hegel e assim
pr diante Pareeume mais sensat publiar dis vlumes
m esses estuds espes, hegand mais rapidamente
as resultads teóris d ue preenher vris vlumes m
disussões dumentais Essa pçã fazia sentid sbretud
prue, m  passar ds ans, s prblemas ue euj identi
ara nas déadas de· 1940 e 1950 também fram perebids pr
utrs estudiss, e a investigaçã história de uestões m
 gnstiism, s Manusrits d Mar Mrt, s papirs de
Nag Hammadi, a préhistória de PseudDinísi,  ressurgi-
ment d nepatnism n enasient e s inuêna na
história inteletual d Oidente desde essement até Hegel
zera grandes prgresss Agra, eu pdia reeter as estuds
das fntes ndzids pr uma série de estudiss, a pass
ue nas déadas de 940 e 1950 quand elabrei  primeir
pan de Odem e Hsta  pbli ind n tinha aess
a essas fntes Gstaria de salientar e  desenvlviment

20 · A ien de Ord Hisóri 1 25


aima menionado, pois não era possível prevêlo quando o
meei mina obra. Vivemos oje em um período de grande
progresso das iênas stórias e losóas que diilmente
enontra paralelos em toda aistória da umanidade.
Na verdade, boa parte das póteses teórias das quais
part quando omeei a esrever Ordem e istóri toaram
se obsoletas no deorrer desse rpido desenvolvimeno das
iênias stórias, em espeial nas reas da préistóra e da
arqueologia. Quando reigi o primero volume de Ordem e
istóri, o lmite do meu orizonte eram os impéros do An
tigo Oriene róximo.
que enontre ali om odeniquei
smbolismooimperial
simbolismo osmológio
da Mesopotâma
e do gito. om base na expansão de nosso oneimeno
préstóro e arqueológo nos últimos anos, posso agora
dizer que pratiamente odos os smbolos que apareem no
Antigo Oriente róximo têm suas raízes no aleolítio, atra
vessando a préistória por meio do Neolítio, datando por
tanto de aproximadamente
do Antigo Oriente róximovinte milaíanos
Surgiu antesproblema
um novo dos mpérios
era
preiso desvinular a questão geral do simbolismo osmológi
o de sua variante espeiamente imperial; depois, analsar
os simbolismos osmológios no nível ribal, que datam da
dade da edra; e, por m, identiar a derenti specc in
rodzida pela fndaão dos impérios, omo no aso do gito.
olete o materal para realzar esse proeto e espero poder um
dia publiar minas desoberas.
Um outro grande avano da iênia que esteve em forma
ão por muitas déadas enontrou reentemente sustentaão
deisiva om o aperfeioamento da daaão por arbono 14
método que omeou a ser apl ado em 1966. A onepão de
uma istória
ralelsmo linear,  basante
ronológio entre asabal ada pelade
ivilizaões desoberta
Orente do pa
róx
mo, ina, ndia e Hélade, agora ai por terra denitivamen
te. A dataão das ulturas templrias de Malta, por exemplo,
demonstra serem estas muio anteriores à era das pirâmdes

 serança qe infelmente, não se concretiouN E)

6 1 Refexões obioas


egps lções depedetes do eolíto peedem
o tempo  lço mpel s es mesopotm e
egíp Desoets dess ntue eso se olumndo de
me tl que  podemos e que  ntg onepço e
um hstó lne d peome no el ulg so
 fom e onsuções epgôns  este de Condoe
Comte Hegel e Mx est enmene osolet A hstó
 humde se des po seem mplmete dspe
sos os foes e feenço O mpo poe se te
do omo pluls O pogesso  ou nço gel  e um
humnde mgn e s se dssoleu n mul
ple dos tos de feenço ooos em momenos
desos e e fom ndependente em soees e sees hu
mos oeos
Emo esses noos speos d hsó no enhm
elmno  posslde o pogesso onl pel
fuso d ultu go o polem de emo  um
peíodo muo neo Como me dsse et e em um
ones o pofesso Cl Hente se  hsó  expesso
uld s expeês em nqe ml nos qulque
os pode e ontedo no oe de odo esse tempo; o que
que que semos pes e deso çno plelos
ultus soe o peoo hmdo e hstóo  poseo
 3000sos
tos C dos
dee se pelo
nseo no sto
homem essepnom
s peoosdos on
teo
es  d um exemplo hoe dspomos e um exelete
log soe s ulus d olnés  su ultu su
te seu mo O que às ees pss espeeo é o f o e
os polésos o eem odo  e ds póps lhs
polnéss ms eem p l mgdo  pt do ontnete
sto Tl mgço ooeu muo poelmee epos
o séulo III C o que sg que es sso s ulu
s s  que hoe hmmos pol éss em omo ous
ultus ts que esulm  seso  lço
hes peenm à mesm e ulul oo 
segudo Hene no é de supeee ue estm plelos

0   orgns d Ord Hsór  


etremmete iteresses etre doros de srcem polié
si e ormeto s resetes em sos d diti Sg
No eto o fulgurte ço d ciêci em osso tem
o ão dee suscitr epecttis reciitds ue otem
pr  morte ds ideoogis e pr  erd de su ecci
socil As discrepâcis etre ciêci e ideologi são de lo
g durção N relidde certos preceitos ideológicos form
deseoidos em grte cotrdição com fto istóricos
bem coecidos à époc de su formulção sobretudo pelos
ideólogos Qudo por eemlo Mr e gels brem o M
nfest
té foi com
cmunist
o presete  serti
 istóri d lutdedeueclsses
tod roferem
istóri soci
um
tolice isolee Al eles bem sbim desde o colégio ue
outr uts oer  istóri como  Guerrs Médics s
couists de Aledre  Guerr do elooeso s Guer
rs ics e  epsão do mério Romo s uis deci
didmete d tierm de lt de ce Se o ideólogos
podem
or misfzer essséculo
de um ropgd
ão sesem setido
dee e escr
eserr imues
ue  epsão
de osso coecimeto istórico e ciêci progrid o do
d corrpt preseç do egoo ideológico em oso próprio
tempo De uluer form ue ão se depreed dests l
tims cosiderçõe m rofudo essimismo ste é um
setimeto do écuo XV e reiêlo oe seri titude m
tto crôic
8  fõ tiga
2. PERIÊNCIA OCENTE
Alm de me dedca à pesusa cenca na medda de
mnhas foas, abahe po cnüena anos como pofesso
Mnha expeênca docene comeou  na escoa secunda
Como amos pobes, nha de ganha algum dnheo dando
aulasde
gau pacuaes
nelgêncapaa ouos esudanes
e dgênca secundasas
no concda cuo
com a ueza
maea de seus pas Connue com esse po de abaho a
a concluso do segundo gau Quando ene na unvesdade,
ve a soe de consegu um empego de asssene voluno
na HandelsveengungOs, uma empesa ausoucanana
ue hava cescdo com a ocupao da Ucna pelas poên-
cas
meusdaexalunos
Euopa Cenal duane
paculaes ea aho
Pmea Guea Um dos
do seceogeal da
Cmaa de Comco de Vena, e seu pa me gaanu esse em
pego, ue, apesa de muo ma emuneado, pemu ue eu
connuasse meus esudos Pouco empo depos ue conhec
os pofessoes da unvesdade em semnos, sugu a pos
sbldade de lecona, com um sao baxssmo, na Vols-
hochschue WenVolshem Essa nsuo ea um poeo
de educao paa aduos nancado pelo goveno socalsa
da cdade de ena  esudavam os mas nelecualzados
dene os manes do meo sndcal go mas neecu-
alzados poue os cusos de enameo do sndcao ob-
vamene se encaegavam da camada meos eecuazada
os tabalhaoes engajaos no poesso polítio A os
hohshule ea algo omo uma univesiae paa tabalhao
es e jovens e lasse méia baia
oi nesse ambiente que apeni a isuti e ebate Quan
o aeitei essa poposa e empego meus ts meses e
maismo no veão e 1919 já eam águas passaas  agoa
eu tinha iante e mim esses soialistas onsieavelmente
aiais muitos ees talvez omunistas esaaos Como
as isiplinas que peisava leiona eam inia polítia e
históia as iéas não aaam a sugi ebaes aaloaos
aos quais
pea eu não poia
e autoiae enunia
Nesse peoosem
umaonesene om a
elação pemanente
e sauável foi se esenvoveno ente mim e os jovens ai
ais Continuei om tabalhos esse tipo epois e volta os
staos Unios e a ança em 1927 até se nalmente epul
so pelos naionalsoialistas em 1938 mboa fosse nítio o
onio om os jovens maisas nesse momento quano eu
ava meus pimeios passos omo aamio e oientação
ienta as elações pessoais eam as melhoes possíveis Às
nove hoas após as palestas e o semináio o m a tae
o gupo sempe se eunia e ava seqünia às isussões em
algum os inmeos afés as eonezas Aina me lembo
e uma ena nos anos 30 em que após um entusiástio ebate
que eminou em esaoo um esses apazes não muito
mais jovem o que eu elamou om lágimas nos olhos
 quano hegamos ao poe teemos e matá o
Talvez esse pequeno aso  ensejo a uma outa histó
ia que aateiza o ima a soieae austíaa naquele
peoo Após a asensão os soiaemoatas em 1934 al
guns líees o atio Soialemoata foam etios po
um uto peíoo não muito tempo Um eles poém o é
lebe Ma Ale seu póe ieológio não foi peso oi um
teível golpe em sua autoestima Agoa o goveno atestaa o
que já ea sabio po toos  que ele o ponto e vista políti
o ea uma gua absolutamente ieevante Alguns amigos
e Ma Ale  que ana foa meu olega na aulae e

30  õ tgas


Dreo  cosuaramme sobre a ossbidade de omar
aguma rovidêcia, dadas as boas reações que ha com o
ouro ado, ara que Ader fosse dedo or us dias, o que
ajudaria a aazguar seu desamaro e rseza Coversei de
fao com um de meus coegas, que, além de rofessor de ad-
msração a uiversdade, era ambém um alo coro
do govero. Pergueilhe se o govero odia reder Ader
or o mmo quarea e oio horas, emo em que aida
esaria roegdo eas garaias do habeas cus Coversa
mos sobre o assuo; ee fo muo resavo e educado, dsse
que eedia erfeamee a suação de Ader e que, edo
erecido ao mesmo coro docee que Adler, gosaria de
oder fazer algo ara acomodo, mas lameava iformar
que ão sera ossível O govero fara ael de ridículo se o
redesse, os odos sabiam que M Ader ão iha a me
or imorca Não odia mesmo ajudlo
As boas relações com esses oves radicais se maiveram
aé boa are do eríodo azsa Toraramse aé mais ie
sas a década de 1930, os odos sabiam qu e, se eu ão era
comusa, meos ada sera acoasocasa Quado
veo a ocuação, ude ajudar algus dees com caras de re-
comedação ara que se mudassem ara lugares mais segu
ros, como a uécia. Todavia, a Uiversidade de Viea, ode
comecei a auar como Privatdzent em 1929, as relações com
os esudaes esavam evadas de esões Eles rovham de
famas de clas se �éda, ão eram rabahadores, e os mais
avos ieecuamee acabaram sofredo grade iuê-
cia da ascesã o desefreada do acioaismo alemão ere
os membros dessa classe, além do asemiismo O coo
ão chegava a ser abero, mas os laços amouco eram afeu-
osos Emque
ercebi 938,
boaquado veioesudaes
are dos a ocuaçãoque,
acoals ocaisa,
o dia aeror,
eu aida iha como auos em meu semirio, vesiram o
uforme egro da 
Para faar de uma eeriêcia geuna com esudaes
da Euroa Ceral  e ão mais co jovens rabalhadores

2 Expiênia dnt 1 3 

radicais  posso audir ãosomene aos meus anos de docên
cia e unique de 958 a 1969 Como fui chamado para or
ganizar e unique u Insiuo de Ciência Poic a aé enão
ineisene a prieira coisa qe recisei fazer foi arranjar m
par de
eca assisenes
e cuidar para auiiar
dos esudanes nãonapoucos
monagem
que sedeaoumaa
uma biblio
nos seinários e cicos de paesras A parir desses prieiros
passos com árias salas compleamene desocupadas a preen
cher de esanes e as esanes de liros surgiu o insiuo que
durou aé minha parida em 969 Graduamene forouse
um grupo de esudanes que irou ua iporane referên
cia para ouros esudanes ineressados e ciência polica.
Os resulados desses onze anos erecem ser descrios como
u grande sucesso Em prieiro lugar haia o insiuo coo
u esabeecimeno sico com uma biblioeca de alssio
ne  u acero que cobria o desenoimeno das ciências
hisricas não se imiando a obras em aemão mas copos
o sobreudo por obras em inglês e francês Deos aenção
especial a áreas fundaenais para a copreensão da cuura
ocidenal ais coo a losoa cássica o udasmo e o crisia
niso a pare de hisria moderna e idéias policas moder
nas ee de ser auaizada o ais rápido possel e recenes
aanços no esudo da préhisria do anigo Oriene Prio
da China da ndia e da Á frica be como noas descoberas
arqueolgicas precisaram ser incorporados A bibioeca 
cou famosa e era uio eqüenada por joens pesquisadores
de ouras áreas pois possua o melhor e mais aualizado acer
o bibiográco de ciências humanas e sociais
Os joens ambé se saram muio be e começaos a
publicar onograas represenaias do rabaho do insi
uo A ais imporane dessas séries é a Schrienreihe zur
olii und Geschiche érie Poica e Hisria publicada
pela Lis Verlag de unique qe hoje já passa de dez ol
es Denre as obras que reee as preocupações eáicas
dessa série cabe encionar a de Peer Weberchaefer sobre
a ecúena chinesa a de Peer J. Opiz sobre LaoTsé e a de
Pee on iers sore as eorias olicas de bn Khadun

3  Rs Autobogas


aa ana ouros esuos que nham como ea a hsóra
neecua do Ocdene nos séculos XVIII e XIX e as monogra
as de Manfred ennngsen sobre Um estudo de Hist6ia de
Toynbee de Mchael Naumann sobre Karl Kraus de Eckar
Kolberg sobre LaSae de eda eg sobre reud e ung
de Tlo Schaber sobre os sbosmos e naureza e reo-
lução na rança do sécuo XVIII e de Dagmar erg sobre
Rober Mus També dessa época é o lro o professor Ells
Sandoz sobre Dosoésk que nasceu como ese de ouo-
rado em Munque' Ao longo dos dez anos do nsuo os
embros do núceo orgnáro foram cano mas elhos e se
ornaram pesqusadores ndependenes Três dees  Peer .
Opz Manfred ennngsen e ürgen Gebhard  ornaramse
os empenhaíssmos eores e uma sér e em bochura n-
uada Geschchte des politischen Denkens [sóra dos pen
samenos polícos  com onze olues já pubcados Peer
Opz ambé edou uma obra coea sobre a reolução
chnesa co ensaos que cobre desde a meae o sécuo
XIX aé o counsmo Pesqusaores proenenes e our as
áreas que enraram mas arde no nsuo produzram no
os esudos neressanes enre eles gosara de menconar
Klaus Vonung e seu lro Magie und ManipulationMaga e
anpulação] . oe os mas elhos aquee prero grupo
de joens que coeçaram rabalhando comgo á esão leco-

nando
do emno
grupo unersdades ou muo
oo ornouse peromarcane
uma força dsso e anaadade
cena n
elecual alemã  embora eu já não possa dzer que esse grupo
arcuar e sua nuênca são adorados elos eóogos se
ja eles de drea ou de esquerda
reqüeneene sou quesonado sobre mnha experênca
no que concerne às dferenças enre esudanes europeus e
amercanos á dferenças muo acenuadas mas nenhuma é
de naureza a que eu seja capaz de armar que u po é pre
fere ao ouro Eles ê suas ecuardades Nos alemães

 olíica/ Apocapse: A Study ofDotoev  n nqtor2. ed (91;


Wilmingon D ncollgiaeSud nsttut Books 2000 (N. .

  · prêia d j 33


encontrei um atíssimo níve de conhecimentos gerais qe
faciitava o rogresso no trabaho cientíco indeendente As
essoas qe admitia em meus seminrios, e eseciamente os
qe se tornaram assistentes e conduziram ses rórios se-
minrios,
cssica e,tinham conhecimento
caro, eitura uente de
de eo menos
aemão, uma eíngua
francês ingês
Aém disso, agns também tinham o domínio de idiomas i-
gados às suas reas de interesse Os isamistas, or exemo,
recisavam conhecer bem rabe e trco, o que estava revisto
no regamento da niversidade; os estudantes qe se ese-
ciaizavam em assuntos do Extremo Oriente recisavam saber
chinês e jaonês, aém dos idiomas ocidentais Isso contribía
ara  formaão de m gro de jovens exremamente cos,
com grande vivacidade inteectua, cujos integrantes decerto
se ajudavam mutuamente nas acirradas disuas e debates
de robemas Uma de suas brincadeiras referidas era, ob-
viamente, caar desvios técnicos no qe eu dizia, mas infeiz
mente só raras vezes de roorcionarhes ta razer
Os estdantes americanos eram tios cometamente di
ferentes Na Louisiana, havia a boa bagagem cuura forneci-
da eos coégios aroquiais catóicos Agns aunos qe fre-
qüentavam meus crsos sabiam atim e estudavam osoa
tomista com o caeão catóico da Universidade Estada da
Louisiana Isto certamente faciitava Devo dizer que o est-
dante médio não  ossuía a formaão cutura que se eseraria
de um euroe, mas tinha, em contraartida, ago difíci de
encontrar no eroe e, mais ainda, no aemão uma tradião
ctra de senso comm No caso esecíco do Su, o robe
ma da corruão ideoógica entre a s novas geraões era ra-
ticamente inexistente Os estudantes tinham es írito aberto
e ouco contato com movimentos ideoógicos sectrios
J minhas exeriências no Leste foram menos favorveis
A corrão ideoógica da costa este teve rofndo imacto
sobre a mentaidade dos estudantes da região e, or vezes,
ses traos de comortamento traíam c erta semehana com
a agressividade totaitria Gran de arte dos estu dantes sim
esmente nã o toearia ma informaão em desacordo com

  Rfõ iga


ses pecoceitos ideológcos Com feqcia tive diclda
des com esse tpo de alo. Aida assim, de modo geal, as
sobebos com ifomaões basta paa chega a m acodo
mesmo com os estdates dit os adicais, ada qe ão com
os
mmmiitates mais
scete paaitasigetes
sabe qe sasEes aidadéas
pópas tm seso co
pecisam
te algma elaão com a eaidade qe os ccda; ma ve
covecidos de qe sa visão da eaidade est gavemete
distocda, ão se toam covesos fceis, mas ao meos
apedem a pesa das vees O mesmo  ão posso de
dos estdates adcais da Aemaha, qe smpesmete co
meam a gita e ama cosão em epe sia a qaqe
tetativa séia de icopoa à dscssão fatos compatveis
com sas déas pecocebdas.
Date os aos qe passamos a Loisiaa, e e miha
esposa obtivemos ossa cidadaia amecaa Hove m de
talhe divetdo O Depatameto de Jsta, esposve peos
pocedimetos de imigaão, editaa m folheto fomlado
as picipais qestões qe podeiam se fetas a etevsta e
as espostas qe a pessoa devea da ote qe, a despeto de
Roosevet e dagea o Depatameto de stiaaida eabas
tate cosevado  a foma de goveo ameicaa ea a repú-
blica; se voc espodesse democaca, estava eado Acedito
qe hoje esses qestioios j teham sdo modicados
o qe se efee ao me cago aUivesidade da Losaa,
fi pomovido de pofesso associado a pofesso ttla, to
adome po m m dos pimeios yd Pressrsjto
com T Ha Williams, qado a vesidade de icio à
cocessão desse títo paa gaat, po meo de m sao
mao, a eteão de cetos pofessoes o copo docete
Aida assim, a segda metade da década de 190 qado
me ofeeceam ma cadeia em Miqe, ão ecsei Ha
va vias aões paa isso Em pimeio lga  e podeia
ogaia me pópio istitto e teia joves pesqisado
es qe daiam cotiidade ao tabalo po mim iiciado
Em segdo ga, o salio em Miqe ea a época mas

21 piêna dcn  



o que n ou sn. E po m velhos mgos como Aos
Dempf hsodo e ósofo fom muo pesvos n o-
gnção de mnh d  Munque e é clo que eu não nh
obeções o ngesso nesse mbene neecul e espul
ão popdo
co dos Esdos Além dsso
Undos em umsepís
bom e oespo
como democá-
Aemnh
Sob ese úlmo speco o começo fo um pouco dfcl
poque os esudnes lemães não svm cosumdos  f
 com n lbedde quno os mecnos Mesmo os que
s onm meus sssenes pecsm de um belo empu-

ão pdfeene
íssmo ssum um ude desubmss
d condção ndependênc
em quepesso mu-
o pofesso
lemão de eso ngo cosum mne seus ssse nes. Não
menos mpone p mm e o fo de hve no nsuo
esse gupo de jovens cuo compom eno po mm encoj-
do dfe ão vsvemene do po de compomeno pefe-
do em ouos nsuos d Munque. De modo gel poém
cedo que edé
nenconl de nodu
de udes um elemeno
democács de conscênc
n cênc políc
emã cbou po não vng muo fo do cículo de ovens
que eu pod en pessomene. Os dnos do nconl-
soclsmo fom enomes como conse depos o nls
 sução em mn ples sobe  unvesdde lemã 

 A anáise de Voegel in sobe a oupão moal e espiiual das nivesidades


alemãs tá no ensaio The geman univesity and the ode of geman
soiey: a eonsideaion of the nai ea[A univesidade alemã e a odem da
soiedadeaemã um novo exame do peíodo naisa] (Sa pimeia edião em
língua aemã foi piada em  966 a adão paa o inglês  de 1 9  5 e foi
epoduida em C vol 12 ap !) Voegelin não deixa peda sobe peda:
aaa Heidee Wilhelm von Humbodt a lasse jonaísta e at mesmo a
naneia mostando omo a Alemanha estava nma espial de autodestuião
ao s deixa enanta pelos feiios da Segunda Realidade nesse ensaio
tambm que Voegelin temina sua paesta om a itaão do lvo de Eequiel
ma vedadeiapossão de f que ae homem dediado vida do espíito
deveia le e sabe de o: Oa a ti lho do homem te pus omo sentinela
paa a asa de Isael Assim quando ouvies uma palavada minha boa hás de
avisálos de minha pae Quando eu disse ao ímpio mpio eamente hás
de moe e u não o desviaes do seu amnho ímpio o mio moeá 
ausa da sua iniqidade mas o se sange o equeeei de ti Po outa pae,
se pouaes desvia o ímpio do seu aminho paa que se onvea e ele não
se onvee do seu aminho, ee moeá po sua iniqüidade mas tu teás salvo

36 x utobogrs


 ue podeos chaar de estratos superores da unersdade
fo splesente dado, e parte por hocído de fato
de odo ue o tpo de professor ue eu tera e 1929 e
Hedeberg splesente desapareceu se dexar ua ge-
ração de dscípulos
da unversdade Todava, osvgorosos
sobrevvera estratos nferor
São ees eue
édo
hoe
deterna o ca gera das unversdades aeãs, e esse
cla é edíocre e ltado s efetos colateas do nacona
socaso se fae sentr na atual destrução da unversdade
aeã, co ua nvasão das hostes ue vê de baxo a ue os
uadros da unersdade á não pode as oferecer resstên-
ca, ua ve ue a autordade dos grandes vultos acadêcos
desapareceu unto co seus portadores As perspectvas dan-
te desse uadro, a eu ver, são bastante duvdosas
Quando aro  ue as perspectvas são duvdosas, uero
der ue de fato a atvdade das unversdades, especa-
ente nas huandades e cêncas socas, fo apaen-
te destruída
te pela pela afaada
deocraca deocratação,
partc pata, e especalen-
o ue na prátca sgnca
ue nngué as pode faer seu própro trabaho e pa
E u caso coo o de er, por exeplo, os estudan-
tes de esuerda spesent e não perte ue ue não
é arxst abra a boca e ouço der ue há ua stuação
seehante e ocas coo Marburg elente, Munue
fo presevada dos pores efetos desse processo, e parte
porue o nsttuto ue onte a fo ua fortalea da cên-
ca não deológca Eu gostara de saentar esse ponto, pos
as pessoas à s ees subest a o pa cto ue u pro fes-
sor pode ter não sendo u andachua, as educando,
e seus cursos e senáros, duas ou três turas anuas de
estudantes ue passa, então a condur ua eca ação
contra os deólogos dentre os deas estudantes É claro ue
essa conusta tende a desgasta rse, e so ocorerá se ua
postura enérgca não for antda ou perder sua ecáca co

ua a Ezqul, 33:9) Sobre a vedd l c é H


t s aes.

2 - pêa dt 37


uma ápda ampação do opo doene, ando o nsuo
domnado po p essoas medíoes e napazes de ess o
eamene aos esudanes adas em debae.
22. pARA QE FLOOFAR?
pARA REGATAR A REALAE!
s motções e mnh obr que ulmn em um oso
  hstór, são smples. Es tm orgem n stução po-
t Ququer pesso bem nform e ntegente que, omo
eu, tenh testemnho  hstór o séulo  ese o m 
rmer Guerr Munl, se  er e mesmo sx,
pel mré montnte  lngugem eoóg or lngugem
eológ enteno smbolos e lngugem que se pretenem
onetos ms são n ere topo, ou ugresomuns sem
epurção ít ems, quem se  exposto  esse lm

omnnte e opnão
ngugem omo é obrgo
fenômeno sol. or
lrser
ommpossíe
o problem 
reo-
nheer omo ebeores os que se em e um ngugem
eológ, é preso tornlos obeto e nestgção ão
poe her omune lngíst om os próeres s eo-
logs omnntes or sso,  omune lngíst nees-
sr pr rtr os que lnçm mão  ngugem eológ
pres ntes ser esobert e, se neessro r
ão é  prmer ez n hstór em qe  peulr stu -
ção m es rt é  sn o lósofo Ms e um ez, 
lngugem se egenerou e orrompeu  ponto  e não poer
ms ser us pr expressr  ere  exstn. l
er, por exemplo,  stução e Sr ns Bon qno
esreveu seu Novum Organum aon hamou os ugares-
omuns no euraos orrentes em sua éoa e íolos"
os íoos a avena, os íolos o merao, os íol os a ese
uaço seuoteóra. Para resstr à omnaço os íolos 
sto é, os símboos
reaae e lnguagem
, é reso eesobrrqueasereram ontato
exerênas om a
a rea
ae, bem omo uma lnguagem que as ossa exrmr e
moo aequao. A stuaço, hoje, no é muto feente.
Para reonheer a ersstêna o roblema, basta lembra
Alexaer ozhentsyn e seu aítuo sobre os  olos
o merao" em Cancr Ward [Pavlho e anerosos.
olzhentsyn tev e e eorrer a aon e sua  oneço os
íolos ara efene, ontra o mato o ogma omu
nsa, a reaae a Razo em sua róra va. Gosto e
menonar olzhentsyn,  om sua onsêna  o roblema
e a ometêna losóa atenteaa na referêna a aon,
os seu exe mlo, se mtao, oera tran sformar raal
mene a atmosfera nteletual e nossos meos aaêmos.
A stuaço o ósofo nos Estaos Un os em fae o lma
omnante nas ênas soas orresone, em grande me
a, à e olzhentsyn em reaço à Un o os Esrtores
ovéos (om a mortante ferença, é laro, e que nos-
sa Un o os Estores ovétos no oe se vae r a força
oíta o goveno ara surmr um tera to) . No Oente,
h semre enlaves em que o trabalho entío o e ont
nuar, e mesmo oreser, a eseto o terrorsmo nteletua l
exero o nsttuções omo a grane mída, os earta-
mentos unvestros, as funações e as asas etoas 
tuaço omarve à atua ooeu quano Pato  ome-
çou a esrever sua obra. eus ntérretes freqüentemente se
esqueem e que os onetos entras a losoa latôna
so otômos. O termo losoano tem sgnao em s
mesmo, mas ganha sento em oosço a ooxa. Os o-
blemas a justça no se esenvolvem no nível abstrato, mas
or oosço a oneções equvoaas e justça que ree
tem a njustça merante na soedae O arte o róro
lósofo ganha seu sento eseío quando ontrastao om

  Rfõuoigráa
  ssta, q ta a ala aa bt stíg sal
 bfís atas.
É sta staç q  lósf sa ta s
 l  a ad q  tat  
s qat  assad. mba s valça  t
lma d  lóg,  tab, sm m ssa
sda, a amla mdad sta   stss
q  da  tat m  al    sas q,
sb  s  dêl, tta  a ss tat s 
fô tí  sl  s  fça  sít

a m íl


ala tlal
f dda Cass a aa ta
fass fa, a Iga-
ta, a fga d Gg Owll d s abt tlal; a
aça,  abad d lbt Cams ds s sats
asss; a lmaa, a ba mtal d Tmas
Ma  s sfç aa  m as dlgas  í
gl  a Rbla  Wa, q lma  sa
gad
José sa
e seus da sóa, xsa a tç à ttalga
irmãos
 ml fa  ta  at  a alda 
 a sads  assa q aa  a am
d  sava as  la  d
mça  mtas vs a qst d adt bg

m m mas
bgaat Cas da
óx s dsd
t l s ab
t,
 sa aç a Áa  Nt Tab tas
 s a t, b  à vaç salta, a ba 
Tas Ma;  s as, ds s, ada, as s 
taçõs tâas  q  sfç t gm, 
a laç t Ma  Kal Ky' Na sda m q
vvs, as svas
q, mba bastatadas
ala stma sta asd
la êa êas
lma

 K Keréyi (18971973) fo u o gane eioo oeno e


iooga gega. ua oga orreoa o oa a foi biaa
e 1 97 e ee é tabé conheco eaa frfera aae co C G Jng,
co que pubou as n e sen  e s f  e dvne
and e dvneaden.

22 Paa qe la?  4


ideoóico, idam com experiências e simboiações inacas
da reaidade
No ue di respeio à minha experiência, essas áreas são
a osoa cássica e as obras de esudosos com o Pau red-
nder, Werner er,  R odds e rno Sne as osoa s
parísica e escoásica e as obras de erdos como Éienne
Gison e enr de Lubac e, por m, a hsóra do ano Orien-
e Próxmo Já aponei a inênca e receb do Insiuo
Orena de hcao e dos randes avanços da hsóri a ana
nos úmos rna anos. Oura dessas áreas é a reão compa
rada
do Também cheuei
nosicismo a menconar
e, de orma a nuênca
era, da primeira de esudiosos
eração de espe-
casas em reão comparada, como Mircea iade, Puech e
Quspe , mas recenemene, o esdo dos simboismos pr-
mvos, e se esende aé o Paeoíico
á obserei amas vees o crioso enômeno soca de ue

em
emnossas universidades,
o esudo aui edaa,dade
dos simbosmos haada
pesusadores
Pedra o das para
civi-
iações do Neoíco, da nüdade Cássica, da Chna o da
Índa é uma manera de recperar um asro espria inexis-
ene em nossas niversdades e reas O probema socia ue
acabo de indicar ainda esá muio ma exporado, mas posso
aesar sua mporânca com base em minha própria experiên-
cia. Qando e era esdane, a meodooa neokaniana es-
ava por oda pare. Para o círco venense da Teoria Pra do
ireio, ósoo era em baseasse sua meodooia em Kan
á hsoriador era uem esse uauer ivro escro anes de
Kan. ssm meu ineresse pea osoa cássca, u e á enão
era percepíve, o nerpreado peos coeas cmo um ine-
resse hisórco e, oo, como ma enava de r à verda-
dera osoa, represenada peos pensadores neokanianos
Qando aamos em reconsr ma socedade de ue par-
cipem os randes pensadores do passado, é ase ineviáve
embrar a amosa cara de Mauiave de 1O de deembro de
151] em e descreve, para se amo rancesco Veori, os
dias e consmia em ocupações vis na pouco recomendáve

4  xsAutoboá
socedade ua de San Cascano e as noes e que vesdo
e seus aes de coe se ecoha aos esudos na copanha
dos angos em enados coóquos e debaes
Recupea a eadade esgaandoa da defomação a que
fo submeda exge basane abahoÉ pecso econsu
as caegoas fundamenas da exsênca da expeênca da
conscênca e da eadade É pecso ao eso empo nves-
ga a écnca e a esuua das defomações que se acuuam
no daada E é pecso desenvove conceos que pema
agupa e caegoas a defomação exsenca e sua expes-

são smbóca
se não somenePoemm a condução
oposção desse abaho
às deoogas deve da-
defoadas as
ambém à defomação da eadade po neecuas cua ob-
gação sea peseva coo os eóogos
No abno da nguagem coompda a bsca dee
nada de u camnho que eve à eadade e sua adequada
expessão ngüsca desvea ceas egas nem sempe aga-
dves aos neecuas conempoâneos A pea deas
meodoógca ave o mas mpoane peceo de eu a-
baho é eona às expeêncas que engendam os sboos
Auamene nenhu sboo de nguagem po de se aceo
bonade pos a coupção chegou a a pono que udo deve
se vso coo suspeo Ao epenhae nessa busca des-

cob quecado
sboo ea pecso
peosnvesga
ósofos ocsscos
sendo dedeenando
osoacomo um
seu
sgncado com ase nos exos Desocamenos seâncos
como os sofdos po esse sboo ao ongo do empo devem
se esabeecdos com cauea emeendo os smboos ao seu
sendo ogna Soene com esses esudos compaavos
podemos uga se ua mudança de sendo se usca po
ncopoa aspecos
sendo ogna) da po
ou não eadade
excuque esavam
ceos ausenes
eeenos a m do
de
consu um conceo novo e ncopeo)
Essa ega da nvesgação anaca despea com feqüên-
ca a oposção de neecuas coo  pude eseunha em
anos debaes Ees nsse no deo de abu às paavas

22 Paraqe a? 1 4



o sgncado que bem entendam A estênca de m crtéro
baseado no fato hstórco de que as paavras no esto sotas
na íngua, mas so cradas para epressar eperêncas, é fer-
vorosamente contestada referem o que eu chamo de oso-
a
dosHumptyDumpty
de uma paavra éda nguagem:
uma paradoees,
prerrogatva den r osque
nteectua sent-
no
pode ser submetda a crítcas
A observaço desses processos de deformaço peos
grandes romancstas austracos, especamente Abert Pars
Gütersoh, Robert Mus e Hemto von Doderer, audoume

bastante a compreendêos
segunda realidade ssesaautores
para desgnar magemcnharam o termo
da readade cra-
da peos homens quando em estado de aenaço A prncpa
característca desse estado, que se apóa na construço fanta-
sosa de segundas readades em oposço à readade da e-
perênca, é o qe Doderer chamou de recusa de perceber
(Apperzepionsverweigerung.3 O conceto apaece em se

2 Hmpty-Dmpty   persnagem de ma cançã inntil d sclX,


cnhecidíssima n mnd anglófn, qe ca a história de m  qe cai
d mr e nã pde mais ser recnstitíd, nem mesm pr tds s als
e hmens d rei. O persnagem  recperad pr is Carrll n rmance
Aravé  epelhoO dilg de Hmpty-Dmpy cm ice rn-se
ma clssica aegria d prblema da arbitrariedade ds signs. A "lsa
Hmpy-Dmpy da ingagem a qe Vegein se refere pde ser resmida
cm a segine frase de Hmpty "Qand s ma palara, ea signica  qe
e qer qe ela signiqe N T
3 Seria a "recsa de perceber de Heimi n Dderer tiliada pr Vegelin
cm instrment de diagnóstic psicpatlógic, parecida cm  esctma
coo)qe Bernard nergan identica cm jih
om knowde",a ga
d cnhecer reraada emih - a udy ofhuman unrandin Trn,
Trnt Press 1992)? "O esctma  m prcess incnsciene. Ee srge nã
em as cnscienes, mas na censra qe cnra  srgimen de cneúds
psíqics O prcess cmpet nã  clt, ma e qe a mera eclsã
espntnea de inihindeseads nã  igal a leqe de eentalidades.
Srgem tambm iihpsts. Mas eles sã aceits cm crrets, aenas
para depis intensicarem  eclipse criad pela relta qe ecli as qestões
mais releant. Namente eles pdem ser rejeitads cm incrrets cm
idias brilhantes sem ndamen cal e esta reeiçã es cnectada cm
a racinaiaçã d esctma e cm m desej de acmar eidência em se
far. A cnsideraçã de miihps pde nã aingir  ne de ma
cnsciência críica e reeia crre apenas para ser arrida a lad nma
reaçã emcinal de desgst, rglh temr hrrr e replsã E de n,
h  fenômen iners. Osiihqe epandem  esctma pdem ter a

 1 Rx Autoboá
omance e mnen [Os demônos] , e sempe me dvo
com o fao de que ee o eaboou ao dscu ceas abeações
sexuas O conceo foma de Appeeptinseeigeungé
desenvovdo nas obsevações noduóas ao capuo De
dcken
dos poDamen"  godas
um de seus heós.senhoas , pos femnnos pefe-
A ecusa de pecebe onouse paa mm o conceo cen-
a paa a compeenso das abeações e defomações deo-
ógcas Ea se manfesa nas suações mas dvesas A mas
neessane deas, do pono de vsa hsóco, é a pobço

foma dequesonasse
aguém fae pegunas
sua evndcada po Maxevanando
douna deoógca, e Come. Sea
queso do pano dvno da eadade, Come ecomendaa
que no evanasse quesões ocosas quesons oseuses"),
enquano Max he manda a caa a boca e onase um ho
mem socasa"  Denke nch, fage mch nch"  No pen-
se e no me faça pegunas)
Essa aude de pob quaque dúv da sobe as p ems-
sas  o que evaa à medaa mposo do ssema  é mu-
o comum ene deóogos numa dscusso. Em numeosas
convesas com hegeanos, po exempo, sempe se chegava
a um pono em que ea pecso quesona as pemssas da
eadade aenada que so o pono de pada da especuaço
de Hege Quando vnha a peguna, eceba de meuneocu
o hegeano a esposa de que nada enenda de Hege paa
enendêo, sea pcso acea suas pemssas sem queso
náas Poano, se enendemos que a pobço de peguna
é a pncpa áca de odo debaedo deoógco, eno á ds-
pomos de ao menos um mpoane céo paa dagnosca
a pesença de uma deooga O obevo desse dagnósco é
prnc de mplusbldde; seão submetidos o escutínio; e enquto
o sujeto mud constntemete de poo de vst osnghoscrão entre
um prnc denomemee um prci de vedde Assim de difeentes
mnes, o escotom pemece fudmetmee osee pes de
sofer os tques e crses que crm  mete um vo de oscudde e
mrlhmento de suspeição e mção de dúvid e ciolizção de
nseurança e inquetude (p.215)

22  Paa qe la?  45


descobrir que parte da realidade foi suprimida para tornar
possve a edicação de um falso sistema. As supressões po
dem ser de vários tipos, mas um item que é sempre excludo é
a experincia da tensão do homem em direção ao plano divino
de sua existncia.
Se a consci ncia da tensão existencial é a experincia de
cisiva que o ideólogo precisa afastar para imp or seu estado
de alienação a todos os demais, o problema da conscin
cia dessa tensão passa a ser central p ara a reexão losó
ica. Sem conhecer todas as dimensões da conscincia, não

podemos compreender ideológicas


nem as deormações nem as losoas clássica eOcristã
da existncia. traço
distintivo do chamado conceito moderno de conscin
cia é a descrição da conscincia com base no modelo da
percepção sensvel dos obetos da realidade exterior. ssa
restriçã o da conscincia aos objetos da realidade ex terior
tornase o truqe mais o menos escondid o na construçã o
de sistemas
Hegel no sécu o XXpodemos
a enomenooga Mesmo noobservar
núcleo da
qeosoa de
ele come
ça com a percepção s ensvel e a partir da des creve todas
as estrturas mais elevadas da conscincia. sso é notável
porque Hegel era um dos maiore s conhecedores da históri a
da filosoa, e decerto sabia que as experi ncias elementa
res da conscincia, na losoa cássica não se referem à
percepção s ensvel, mas à apreensão das estruturas ( es
truturas matemáticas, por exemplo) e ao voltarse para
o plano divino da existncia motivado por sua força de
atração.  ara substituir as experincias mais imediatas da
realidade por modeos altamente abstratos, e bastante tar
dios historicamente da percepção dos objetos do mundo
exterior Hegel com todo o seu conheciment o histór ico s ó
pode ter ignorado deliber adamente as experincias imedia 
tas da conscincia, para a eas sobrepor u m sistema que ex
pressa sse se estado d e alien ação. Não tenho conhecimento
de nenhu ma passagem de Hege em que ele reita sobre sua
técnica de fraude inteectal, mas a técnica se t ornou expl
cita na obra de Marx nos Manuscrtos de Pars de 1 844.

  ! õ tbgra
Se a eperênca os objetos o muno eteror  tornaa
absoluta e escrta como se fosse a estrutura geral a cons-
cênca, todos os fenômenos esprtuas e nteectuas ga-
os a eperêncas a realae vna so auom atcamente
eclpsaos
esses Porm,
fenômen os  como no seso
que, anal, oea própra
emnarhstóra
or cometo
a hu-
manade , eles precsam ser ef ormaos em roposções a
respeto e uma realae transcen ental ssa eformaço
proposconal os símbolos os lósofos e profetas  um fe-
nômeno mportante na hstóra a humanae la já está
bastante esenvolva na losoa escolástca,  reforçaa
na transço para a metafísca moerna, com Descartes, e
levaa aante pelos eólogos como uma espce e ortoo-
a secunára  A contnuae sstemátca essa metafísca
proposc onal, eformaço a losoa, pela deooga ou-
rnára , no meu entener, uma as mnhas escoberas
mas mportantes

evaentcao o problema,
os seres humanos oura
a entrar nosqueso vem
jogos a à tona opro
metasca que
posconal e e suas ortooas sucessoras, as eoogas pro-
posconas Qual a orgem eperencal as granes ogma-
tomaquas moernas o sculo XV em ante, que agora se
esenem o r mas e quatrocentos anos sem um retorno à
reaae progmátca o isight experencado
sta ergunta nos leva ao problema a alenaço, sto ,
o estao a estênca que se eressa na e formaço os
símbolos em ournas É claro que no se trata e um p ro-
blema novo As eformações tveram níco n a Antg ae
clássca, t o logo o mto a póis esvazouse e sento com
a estruço, pe los mp ros, a soceae que engenrara
4 O  d d     " 
"í d   d Vl  t t  dt
vd l ldx u u  ldd  d u    
 d f x d    . Cf. "Gy
  d   V   (C v. } 
 "Sl d t -lt    ut
d  ll z dívl  //w .l./d/
v_0151/v2d     2007} N .)

  Paa e la?  


aquele smb olsmo  com os esócos e sua observação da
desordem exsencal nsalada na esera das conqusas
meras que em níco a comreensão da alenação, ex
ressa na cração do ermo allotoss. lósofos basane
exerenes, os esócosSe comreendam
nmeno da alenação muo bem
exsr loso camene é erocons
fe
cênca da humandade do home m, consuí da ela ensão
em dreção ao lano dvno, e se al conscênca esá resen
e na rá ca exsenc al da peagogelanca  o volarse
ara o lano dvno , enão a alenação é o afasameno
do lano dv no e a vola a um eu que, embora se magne
humano, não se consu or sua relação com a resença
dvna a descrção dos esados da exsênca humana, a
aroxmação do lano dvno  a epstophe clássca  deve
orano ser comlemenada com a conceção esóca de
apostophe  a rennca ao lano dv no Renuncar ao la
no dvn o e volar se ara ele orna mse as caegoras f un
damenas ara descrever os esados de ordem e desordem
na exsênc a humana
Essas observações ndamenas dos esócos sobre a es
ruura da exsênca esão em consonânca com as á men
conadas observações modernas sobre a recusa de erceber
Renuncar ao lano dvno sgnca recusarse a reconhecer
que sua exsênca é consuva da realdade do homem Essa
rennca delberada à exerênca fundamenal da realdade
fo dagnoscada elos esócos como uma oença do esíro
Desde enão, a cênca da deformação exsencal ela renn
ca ao lano dvno, que mlca uma rennca ao róro eu,
assou a ser o ncleo cenral da scoaologa, e aí ermane
ceu aé o Renascmeno
O assuno volou ao rmero lano no século  orque
os fenmenos de massa da desorenação nelecual e es
rual de nosso emo zeram com que a aenção se volasse
novamene ara o ao fundamenal da apostophe. ós en
conrar as causas da desordem em uma varedade de sno
mas secundáros, como uma ndulgênca ndsclnada das

  fõsuigráas
paiõs ss aga m a psilgia istia u
p ts s sitmas suis st  plma a-
mta a aporoph a ia  hmm à sua pópa

humaia
 sta aima sita ã  um m pu-
a à mia Pms  ta tamm a Gia
ssa ua a svaã a patlgia sial mula
a p Tuíis s tms ms a s a hiptia
tus a as paa a sta p Platã  istóts
a m stia Hj passas s sus  gavs

istõs a istêia
m patlógi  m
 maia ma,aa
muit smila smia
ti
m
u s s  su at patlógi a atã s vlta
vamt paa a qustã a istêia sã  m aa.
5 o o tm d ço do omm   idd dv   
d p  so do Todo l  o d K  s
(opatoga gea
o Plo, Ah 2002 2 )  Vko F (Poeapa e ent  vi
o Plo Qd 2002)

22 aa e lsa? 1 49



23 fiLOOFIA A HITÓRIA
 vári ram êm m ima r  r
ma d uma la da hiória. A la da hiória m
ma d rxã nã é mai aiga qu  éul XVII. Dd
u rimóri  él a v aiaa a uma hió
ria imaginária nruída m  iv  irrar  
rur  u a a  ainaçã m  ímax d da a
hiória rgra. Aé m mui r a la a hi
ória ava iiam ligaa à duraçã a hiória r 
gura qu uavam uma içã aliada,a n a d C
r a   Cm Hgl u Marx. Ea ruçã rígida
a hiória m uma imna faliaçã a raliad rdu
d
Umaumavzxiêni
a ainada
rhida má
al afrmaçã
dingra n éu 
da xiêiaqu
lva à iaçã  ima ilógi a agria axi
êia humana íngra am  riéri ara ulgar a xi
êia rrmida   ima dfrma. Aim d 
róri ima ilógi ram fôm hióri
m um r qu r nr ura ia a ã hu-
mana r a rdm  a drdm a xiêia. Há ríd
 rm a qai  gum rí  igraçã a
quai  gu uma dfrmaçã da ralidad r r huma
 m riaçã Cnra  mvim d digraçã
driaçã  uraçã urgm ramvim q
dvlvm à iênia a liud da ralida
À uz dessa cncepçã de rdem e desrdem é psse n
terpretar certs aspects da chamada mderndade cm ex
pressões da exstênca defrmada n mesm sentd em que
Tucíddes em sua Hstóra da uerra do Peoponeso descre
eu
scal curs da guerra emment
 um cns seus antecedentes cm umae desr
de desntegraçã kness
dem Iss n entant nã sgnca que quand crrem tas
mments  sea n períd narrad pr Tucíddes sea
na kness mderna que se sera desde  sécu XVIII 
a desrdem descntrada cupe sznha  centr d palc
Emra a mdedade n sentd perat sea nega
emente uma caracterstca da épca mderna a resstênca
à desrdem e s esfrçs de recnqustar a realdade que f
perdda u dstrcda sã persstêncas que crrem em para
lel Cm quer que se quera frmuar  cncet de moder-
ndade, ele ter de dar cnta tant da destruçã da realdade
pratcada pr seres humans alenads s deólgs) para
ter seu própr engrandecment quant d cntram
ment empreendd pr lósfs e pesqusadres acadêm
cs que culmna ns das de he n esplêndd aanç das
cêncas hstórcas reeand grtescas as cnstuções de
ógcas anda predmnantes n cenr nteectua e p
dems er pr um ad um frte mment resnsta de
hstradres amercans para reescreer a hstóra da Guerra
ra cm um és marxsta e pr utr a descrçã de tas
atdades cm ufnara paramarxsta" pr um ntelectua
cm Raymnd Arn
Se aplcams s cncets de rdem e desrdem da exs
tênca a cnunt de fntes hstórcas que se auma a cada
da certas nhas estruturas de sentd cmeçam a surgr
sempre cm a resera é clar de que elas pdem ser restas
à luz de ns aançs d cnhecment hstórc. Um ds
resultads mprtantes que ser ncrprad a ume IV
de Ordem e Hstóra, é a descrçã da Era Ecumênca  A Era
Ecumênca é um perd na hstóra da humandade que se

 Publicado em 1974 como h Ecumic g


 vo 1 7. (N 

5 2 1 Refex Auoboá
estende gosso odo da poca de Zooaso e do incio da
conquisa aqueênida a a queda do Ipio Roano Este
foi o peodo e que a copeensão cosoógica da eaidade
foi deniivaente subsituda po u novo odelo de co
peensão centado na difeenciação da vedade da eisência
po eio da losoa heênica e poseioene das epei
ências igadas à eveação cisã Geogacaente a Ea Ecu
ênica se esende do Ocidene pesa  ao qua vê anease
poseioente os desenvolvienos gegos e oanos  aos
desdobaentos siuâneos da consciência ecuênica nas
civiizações do Eeo Oiene especiaente na China U
dos aspectos dessa ea foi captado no conceito de Axistime
[eio tepoa o peodo e que apoiadaente no ano
500 aC Heclito uda e Concio foa conepoâneos
Ouo aspeco dessa Ea Ecuênica  o fenôeno que he deu
seu noe ou sea a epansão ipeial evada a cabo pelos
pesas po Aeande pelos oanos pea dinasia Mauya

na ndia
200 aC enão
pelas dinastias
ais estaosCin
e ue Han na Cina
undo Po volai
de sociedades de
bais ou de pequenas cidades Esado as si no undo dos
ipios ecuênicos que ocupa ua vasta ea do Alântico
ao Pacco Quando e efei a ua consciência ecuênica
tina e ente que os atoes e contepoâneo do eventos
ipeiais intepeaa esses evenos coo ua descobeta
a que chaaa ecúmena, coo o zea Heódoo Pobio
ou os pieios histoiadoes da Cina Ssua Tan e Ss u
a Chien O sboo ecúmena tonase a déeocedesse pe
odo e a pati de então a conquista ecuênica no senido
de doinação sobe a huanidade conepoânea passou a
eece ua inuência ndaenal na hisóia ainda que na
pica a eaização dessa doinação ecuênica  que hoe
teia de se doinação global  nunca ena ido alcançada
A Ea Ecuênica deve pois se caaceizada po ês de seus
fenôenos ais espeacuaes ( 1) os aoubos espiituais
nos quais Jaspes se deeve (2) os aoubos ipeiais de con
cupiscência que sepe caaa a atenção dos hitoiado
es e (3) o coeço da atividade itoiogca que copaa

23 Fla da hsóa   53

a desordem criada pea epansão destrutiva do império com a
ordem estabelecida e avaia a ordem estabeecida com base na
compreensão recémdierenciada da ordem eistencia.
Essa estrutura triádica de arroubo espiritual império e his
toriograa caracteriza um período na história da humanida
de Na minha opinião ea deve substituir outras epicações
da história mesmo as que não têm caráter ideológico como a
concepção de Tonbee de que as civilizações são as unidades
ndamentais do estudo da história É muito dici continuar
sustentando que as civilizações são unidades ndamentais
quando
dos peosdeparamos comgregos
persas peos os impérios multicivilizacionais
sob Aleandre cria
e peos roma
nos e com sua desintegração em subunidades étnicas num
momento em que o ímpeto da epansão imperial enrentara
já uma série de obstácuos Ademais para chegar ao conceito
de civilização como unidade undamenta Tonbee precisou
constituir unidades civiizacionais retrospectivamente a par
tir
sesdas conjunturas
antes imperiaisdeque
de um interregno considerou suas
desintegração. útimas a
Na verdade as
civiizações que cuminam em impérios ecumênicos não
eistiam antes da epansão imperial É certo que eiste algo
como uma continuidade no interior da história chinesa entre
digamos o perodo cássico da dinastia Zhou e os impérios
Han e pósHan mas a civilização chinesa que emerge do ugo
imperial já não é denitivamente o agregado de sociedades
tribais que passaram a integrála no sécuo VIII aC. assim
como aquilo que emerge como uma sociedade grecoromana
a partir das epansões imperiais grega e romana não é deni
tivamente a Atenas de Patão nem a Roma da Primeira Repú
blica As sociedades civilizacionais não são unidad es nda
mentais da história mas produtos de um processo histórico
altamente desagradáve e aterrador Projetar sobre a época
das sociedades preeistentes as sociedades civilizacionais que
surgem somente na este ira dos impérios e retêm a dierencia
ção da consciência ecumênica ainda que no plano político
pragmático tenham precisado reduzir suas ambições) é a
meu ver inadmissvel.

  1 RAuoboá
Podemos, então, armar que a Era Ecumnca fo um pe-
ríodo  históri d humaidade que propicou o surgimeto
de novas sociedades, e nestas ovas sociedades entraram em
ogo outros fatores que não o mpeto da expansão mpera
Quado um mpério romao se frgmeta e se trasform
num mpéro iantio, quando um mpério latio ocidetal
se trasforma num novo império islâmico cua expansão al-
caça o Orete róximo e o orte da África, ão há seido
em faer de conta que a cvlação grecoromana ainda exs-
te O que surgiu foram novs unidades sociais aseadas em
novos movimentos migratórios, recepções cuturais e expan-
sões, que se apoderaram da forma mpera criada no pero-
do ecumnco e agora asorvem, para usticarse, arrouos
esprituas convertidos em doutris, que passam a funco-
nar como teologias poltcas Aos mpé ros ecumncos e sua
grade covulsão, seguiramse os impérios oodoxos  se
a Chia concionsta, na Índia hndusta, no mpéro sl â-
mico, sea o s impérios ortodoxos grego oriental ou r omano
ocidetl ssas ovas civilções mperiais, que , como so-
cedades civiacoas, ão são de forma aguma dtcas às
sociedades goveradas pelos impérios ecumcos, sorevi-
veram de modo geral, até a ova oda de covulsão e ruptura
no chamado perodo modero
No entanto, nenhuma dessas oservações sore as es-
truturas discernveis na história da humanidade deve ser
convertida em doutr na Os mpér os ortodoxos são expo s-
tos à desintegração quado fenômenos relevates, como a
redescoerta moderna d Antigüidade paã e, paraelamen-
te, a expansão das cncas naturais, arem a conscca
do homem para esferas da realdade que as ortodoxi as dos
impéros hvam oscurecido até então Nesse sentido, o
perodo moderno é uma ruptura com a orodoxia mpera
mediante uma ova percepção d  reaidade Mas essa ova
percepção, por seu turno, pode, como de fato aconteceu,
degenerar em uma ortodoxa, desta ve d e tpo deoógco
progressista, pois a ov conscicia da realidde herdou do
perodo mpera ortodoxo a deformação dos símolos em

23 · Fsa da hsóia   55
uma douina Podmos dscrv a dfomação modna
como uma oodoia da alinação qu clui da consciência
a sfra mais imporan da raidad  a rlação do homm
com o plano divino Ess novo limi da alidad, é caro,
não durará mais qu os imis qu caacizaam o po
do imprial oro doo, uma vz qu não s pod rsi sir para
smp à pssão da aidad
Conudo, o fao d a odm isncia s aiada da cons
ciência púbica,  m cos casos p or inrmédio da ação go-
vnamna, não é o único faor qu dsingaá as sup

maciasoidogicas
agora do mundo
pobma qu conmporâno
os fundadors d ambosPrurbanos
os ipos d
impéio, os cumênicos  o s orodoos, á haviam nna-
do o fao d qu isa, na humanidad, uma divrsicação
énica  cuua Po mplo, o império a qu chamamos
romano não a, vidnmn , omano O núco d sua 
pansão imprial a a púbica d Roma, mas foi ncssário
qu ssapara
msmo rpública ranscndss
organiza suasribais
as socidads próprias froniras,
iaianas  m umaaé
confdração,  mais ainda paa conquisar ouros povos qu
dniivamn não prnciam às unidads énicoculurais
da pnnsua iálica, o qu foi o moivo d sua rsisência Em
linhas grais, a dissoução do mpéio Romano foi um po-
csso énicocul ural o, a divsidad énicoculual da
humanidad coninua sndo um fao imporan, a dspio
da mpnhada obra d dsruição social  cuura pprada
plos impéios no curso d sua pansão  auopsvação
É inimagináv, por mplo, qu um império soviéico pos sa
mans pmannmn m sua forma aual, dian das
culuas énicas da população não russa, qu  pfazm mais
d cinqüna por cno da população oal Tmos problmas
similars, m mno scala, nos Esados Unidos; a imigra-
ção énica qu foma o povo amicano não foi ainda ini-
amn absovida m uma civilização uniáia,  a crscn-
 auoconsciência culural d uma séi d grupos énicos ,
qu pod lva um sécuo paa s complar, ansformará
snsivmn a socidad amicana No caso mais óbvio,

6  Rfõsubigrás
 da famsa Ea qe nã este tems  ema de ma
gande qantdade de cutas étncas em demacadas e a
tcnscentes qe emegam d mé td cstã
n Ocdente mas que anda nã se ndam em ma nva
ndade cvacna
dmnante qe hes deucmaáve a stablishmnt
gem O m de tud scstã
anda
nã ve e a cntbçã que um sf de da n e-
sente aa ecda esse cess que anda está em cs
é nvestga s fates qe cnc em aa a ntegaçã e a
desntegaçã das scedades n esít d qe tente fae
e acab de ndca

 Neste captulo, Voeelin faz uma medtação sore o que, na verdade, é um


resmo de suas descoertas em Th Ecunic Ag o qarto voume de Ordr
and Hioplicado pea primeira vez em 194 Mas, aes de tudo, o
leitor do presente devera ouvir se alerta, porqe o que Voeelin descreve
é nada mas, nada menos qe o mecanismo pscoóico e espiritual de uma
noa idéa xa qe nesta o meio nverstrio a do Governo Internacional.
Disfarçada pelos nomes de Oranizações Não Governamentas, Gloalização,
Oranização das Naçes Undas e outras termnoloas que escondem todo
m aparato ideoóico que concide com o ecpse da realdade, a déa de
ecmensmo é apenas mais uma maneira de o homem concretizar alibi
inandisore o se semehante, sem se preocpar com as conseqüências
moais de ses atos. Motivados pelo desejo altrsta de m mundo melor
os mensaeiros do ecumenismo vivem somente de um dirinno
sentido de Pascal, um motivo que oculta o terror da existência perante a
morte eja nas mãos de Alexandre, César, Roespierre, Napoeão, Hiter
ou até mesmododaImpéio
solidicação ONU, e,a Era
alémEcmênica é uma
do mas, para mscarapoder
o iusóro perfeita
quepara
o sera
mano acredita ter para salvar a sa própra alma Nada mas patético  e
nada mais trico ore este assuo, er tamémDu Pouvoirde Bertrand
de Jouvenel em inlês, On owr Th Naural Hio ofi GrowhLie
ress, 1 99 vro fundamna paa se entende e, apesar das mdanças
das instituições e dos reimes poticos mantevese uma única linha constante
na Hstória a de que o Poder sempre aumeto a sa orça e sostcou os
ses meios para escravizar o espírto uman

  ilooa a itria J 


24 CANCE, CONTÂNCA, ECE E
EQVAÊNCA A VERAE
Pereb que um os problems funmens e o e
qulquer loso  só er  onsn  rele ex
peren o longo o proesso e ompço e rnsço
pr  ferenço. A rele experen pelo mo
omem pmvo é  mesm ele que o omem moerno
expeen nre esses peíoos, enre o Neolío e  e
Moern, por exemplo, o que oorre so os fenômenos e 
ferenço. O prmero  omr onsên esse problem e
formur su esruu fo Arsóeles, nos os vos ns
 MetsicArsóeles perebeu que  rele que n
por obeo e su nlse losó er  mesm rele que
os pensores eolognes" que o neeerm vm
expereno e expresso sob  fom e mo; Homero e
Hesoo so os sos espeíos  que lue o lósofo. Qun
o, no mo e Urno e G, os pensores  Gré r
expressm sus experêns  orgem o ser, eso  prou
r o pno
mbém vno eoque
se e, serb
 ujpor
bus o própro
enr Arsóeles
omo Nos O
philomythosé pr ele lgo omo um philosophos m seus úl
mos nos e v, Arsóeles fo no  ve ms fs
no pelo mo omo fone e sbeor pos ess form e ex
presso poe por vees ser ms brngene que s esruurs
da readade dferencadas pelo ósofo. le copreende as
reações entre eperêncas e sboações nos vros níves
de compactação e dferencação qe estão sbenenddas em
e conceto de equvalêca. O conceto de eqvalênca e
pressa a dentdade
smboada reconhecível
em dversos nves dedadferencação'
readade, eerencada e

 conseqênca as portante desse sght é a com


preensão de certos processos na hstóra. Qando ma nova
dferencação ocorre, a parcela darealdade artcuada nesseato
ser entendda como a rea de partclar mortânca E

meo
la ao úbo ode
da realdade da descoberta,
evar à fataa spevaloração dessareas
de nteresse or otras arce
da readade qe, embora contdas naeperênca compactada
anteror, agora são neglgencadas O mas dgno de nota dentre
esses casos de descro acontece com a dferencação das cên
cas natras na época odea O modeo de ma raão qe
tem m pape atvo na cognção do ndo eteror toose o
padrão; co sso,
tdo cssco os aspectos
constttvos daestencas
handadedadoraão e seforam
homem, sen
neggencados e precsaram ser gradatvamente redescobertos
no séclo  com o nome de estencalsmo", o qe, ao nvés
de escarecer, vem dcltar anda mas a comreensão da es
trtra da rão na estênca Por conta dessa dcdade de
redescobrr a ordem estencal, Jaspers,ao erceber os desvos
do estencalsmo  sobretdo no caso de Sartre , fo força
do a abandonar a ngage da ordem estenca,prvegada
em ses prmeros escrtos, para retoar à ngagem da raão
 eu.Mas este não é o únco eemlo
U dos grandes casos de neggênca, e também de ecp
se da readade, acontece com o advento do crstansmo 
dferencação
formose, compnemtca qerevelação,
o nome de devemos anoCrsto e alo
centro mesmotrans
do
pensamento crstão Uma ve qe a revelação a dferencação
da conscênca netca) tnha de ser ago copetaente

1 C Equvaleces f Epeence and Syzatn in Histy [190


eprduzid em v. 12 cap. 5 (N. E)

  s utoogá
noo que marasse uma noa époa na hsóra a presença
de forma ompaada do esrao pneumáo no pensameno
do hmem prm f neglgenada e mesmo nesada A
dourna rsã presmu que sendo a raão do homem nau
ral
se aela é ambém
essa uma fone
raão naural eradendo
onhemeno
ao mundoeapara
noasomar
fone
sobrenaural de onhemeno a reelação Que essem os
gregos a lara onsêna de qe a desobera do Ns omo
ndameno do ser fora ma reelação era fao smplesmene
gnorad Mesmo hoje a base efna da losoa lássa
é praamene desonheda graças a esse elpse da raão
naral prooado pela dourna rsã Daí a eraordnára
esasse de nesgações sobre o paralelsmo enre os fen-
menos da losoa grega e os da reelação daorsã a
despeo de faos releanes omo o de que a palara prfeta
fo olhda na lngagem dos poeas gregos qe se sabam
prfeas dos deuses no mesmo sendo em qe os profeas de
Israel eram os poraoes nb dos deuses o que deera er
ssado algm neresse
Reonheda a presença da reelação em áros níes de
ompaação podemos é laro esabeleer ma ermnologa
para falar desses fenmenos paralelos em ermos adeqados
É possíel falar em eperênas e eenos eofnos ano
no oneo noéo da osoa grega qano no pnemáo
da reelação sraela e rsã  ma e reonhedo o pa
ralelo podemos anda eplorar as dferenças enre a eofana
noéa de um Plao e a eofana pnemáa de m Pauo
Tal nesgação podera ser de grande ao à ompreensão
da esrura da eperêna do lósofo mas ambém obrga-
ra o nesgador a aponar qua é eaamene o oneúdo
espeío da dferenação
as dferenações néas depnemáa rsã qe ransende
Plaã e Arsóeles ssa arefa
nna fo leada a efeo o problema é enobero pela lnga
gem da raão naural e da reelação
A qesão reonheçamos não esá de odo fora do hor
one dos pensadres rsãos Um hmem de mene mas

24 - ,ostâia lips  qialia a va    


egehosa coo Toás e Aqo estaa to coscete
esse probea Ee saba qe se Crsto ea ser a cabeça e
toa a haae Ee eva eto ser as o qe a cabeça
os ebros e a grea crst Ass Toás oro
caraete qe Crsto era e ato a cabeça e toos os ho
es a craço o o ao  os tepos Poeos 
er qe ee era  veraero hasta cete e qe Crsto
vera para toos e o soete para os crstos o tave para
os teóogos. Se insigh evata probeas e qe eh
pesaor crsto até oe se aas oso tocar coo é
possíve cocretaete qe o Crsto sea a cabeça gaos
os babôos o os gregos o tepo as caesEstao
e coo a preseça peátca e Se ogos se expressa as
experêcas e sboações os babôos e egípcos? Es
 vasto capo aberto ao ósoo a hstóra qe se teresse
seraete peas otes
É caro qe e ora secoscete o probea está pre
sete os estos
os síboos e áreas
a hstóra cooe aa rego
o to hstóra coparaa
atga a hstóra
pos a
otvaço o osso teresse por toas essas otes é a preo
cpaço co a preseça va esses síboos atgos A
a ass os hstoraores qe se ebr ça sobre esse a
tera cete osaro coessar a veraera otvaço
e sa pesqsa oraoa e aera cara coo a
preocpaço co o processo e erecaço qe ca
a Era Ecêca as erecações ecsvas a coscê
ca por eo a osoa e Crsto e os apóstoos.
62  õutobogá
25 ONCÊNCA PREENÇA VNA
E O FÓOFO MÍTCO
Um estdo desse crtico erodo qe foi  Er Ecmênic
recisrá encrr o fto de qe o qe contece foi  inst-
ço do rocesso
ndo dedo
consciênci diferenciço
homem  o,nonesrito do homem
terminoogi greg,
s psique ss  ser entendid como o terreno do roces-

so,  simoizço d resenç divin recis se desocr dos


deses intrcósmicos r  siqe do homem, onde gor se
inst  resenç divin A exresso mis rdic dess ex -
eriênci é o smoo cristo d Encrnço
ndo  consciênci, or ser o novo terreno de cooer-
ço entre o hmno e o divino no rocesso histórico de dife-
renciço, tornse  minos or si mesm, no tem gr o
f de tods s coiss, como ensrm gns contemorâ
neos desse grnde contecimento. A Segnd Vind qe o-
iri  estrtr deste mndo no contece, emor Po
etro
otrosróximo.
cristosOdoqerimeiro séco
se sso  eserssem
no gr rcom-
disso foi go m
etmente diferente. Os símoos qe exressvm s exeri-
êncis d siqe, de s consciênci, de s estrtr noétic
e nemátic, form reconhecidos como simoizções d
verdde emergindo no rocesso hstórico, o qe é em rte
m rocesso deste mndo e em rte m rocesso teofânico
Os smbolos em geral passam a ser consderados uma apreen
são secundára do insigh,e, para além desse insighsecundá
ro, entendese que a tensão do homem na dreção do plano
dvno não pode ser adequadamente expressa por nenhuma
smbolzação da verdade neste mundo Essa nova artcula
ção de um estrato da experênca para além da smbolzação
da presença dvna noétca e pneumátca é o que, a partr de
PseudoDoníso veo a ser chamado de misicismo É claro
que esse estrato também está presente antes de sua artculação
no século V pelos pensadores crstãos nuencados pelo neo
platonsmo O própro Platão tem um claro conhecmento das
relações com uma realdade dvna stuada aém da revelação,
o que se expressa em símbolos como o de um Demurgo ou o
do Nos, que sera o tercero deus na hstóra, após Cronos e
Zeus á no tempo dos prmeros regstros escrtos, e em toda
a hstóra subseqüente podemos dentcar manfestações
rudmentares do mstcsmo entenddo como a conscênca
de um estrato da realdade que transcende estruturalmente a
realdade das teofanas hstórcas ou mesmo da teofana em
Crsto A título de exemplo, os paralelos surpreendentes entre
o mstcsmo ocdental e o mstcsmo hndu foram estudados
por Rudolf Otto em seu Mysicism Eas an Wes [Místca do
Orente e místca do Ocdente [ 1932
O mstcsmo tem papel mportante na hstóra ocdental
desde a dade Méda, quando os lmtes da expressão doutr
na da verdade se tornaram vsíves especalmente com a obra
de omás de Aquno Já na geração posteror a Aquno, tem
níco uma csão no pensamento teológco entre o nomnals
mo de Ocham e o mstcsmo de Echart Nomnalsmo e fé
místca passam a ser a partr de então duas mportantes ver
tentes na hstóra ntelectual do Ocdente O nomnalsmo de
um dogma que se separou da experênca não mas podendo
ser controlado por recurso a ela, tornouse a forma predom
nante no Ocdente pos fo adotado no século XV e consa
grado como forma ntelectual da deologzação Nessa stuação
em que as váras verdades doutrnas passam a dsputar umas
com as outras, o mstcsmo se torna uma preocupação para

  õtbiá
os ósofos. o sculo XVI quando houve oto guerras civis
reigosas na rança Jean odin ercebeu que a disuta entre
as váras verdades teoógicas no camo de batalha só ode-
ra ser aaguada com a comreensão de que a imortânca
da
Eeverdade doutrna
quera que  secundária
seu soberano emrança
o re da face dofosse se místico
inight não um
místco ao menos aconsehado or um místco como ele ró-
rio ara que udesse se manter acma da dogmatomaquia
O cuidadoso estudo que condu no nício da dcada de 1930
sobre a obra de odn me ofereceu uma rmeira comreen
são ntegral da nção do mistcismo em temos de desordem
social Anda me recordo da Lettre à Jean Bautru, de odn
um dos documentos que nuencaram meu ensamento de
forma mas decisiva A dogmatomaqua do sculo  que
não se trava mais entre setas teológcas mas entre setas
ideoógicas foi areendida de forma smiar or Henr erg-
son em seu Le deux urce de la m/e et de la religin [As
duas fontes da mora e da regão]  ão me arece que como
lósofo místico ergson estea à atura de Jean odn De
quaquer forma esses dois esirituaistas franceses são ara
mim as referncias fundamentas quando se trata de comre-
ender a ordem em temos de desordem esirtua
 Ver  o 23  6 § 4 T Ltr t  Bur N E)

25 - Cs, prs d   ls mst 1 65


26. VOLÇÃO, OCIA ABRTA
 INTITIÇÕ
No qe diz espeito às ealizações isticioais da odem
existecial, a socieae ameicaa paece te cetas vatages
sobe as otas sociedades acioais do mdo ocideta.
Mas, ates de mais ada, cmpe admiti qe so sspeito
paa faa o assto  aal, pecisei fgi do ambiete po
ltico da opa Cetal paa salva miha vida, e i mito
bem ecebido os stados Uios so geo pecoceitos, é
clao Aia assim, espeo qe as obsevações qe se segem
ão sejam mito ieciaas po eles

Há pimeio qe cosidea os poblemas da evolção oci


etal Oswal Spegle obsevo qe as evolções ateio
es a 1 789 tiha m mete a iglesa e a ameicaa  foam

de tipo cosevado, pois pesevaam a estta cltal


da civilização ocietal. Com a Revolção acesa, em sa
opiião, tem icio m movimeo de destição a cta
ocietal mboa essas fomlações sejam algo abstatas,
delas poemos exai algmas cosieações mais potais.
o óbvio, ma evolção como a ameicaa se distige da
facesa o da ssa, o mesmo da acioalsocialista ae
mã, po te sio capaz e cia com scesso ma sociedae
abeta, laçao mão do míimo e violcia ecessáio
paa sa imposição. odemos dize qe foi a úica, ee as
grandes revoluções, a ober verdadero o.  or causa des-
se sucesso que enconramos, enre os nelecuas ranceses
e alemes, uma consderável anmosdade conra os sados
Undos uma revoluço como a amercana no devera ser

bemsucedda, osnserda
revoluço róra, os nelecuas desejam
na radço emreender
rancesa uma
da desruço
da ordem culural. A anmosdade da revola revoluconára
rancesa em nome da Razo e de um Ser Suremo conra a
ordem crs  esa,  verdade, no esava lá muo bem rere -
senada ela grea e seus clrgos no sculo XV  no en-
conra verdadero aralelo nos sados Undos Temos nese
as uma socedade
que no baseada
anmada ela em uma
hosldade radço
ancrs  hárevoluconára
ouco alud-
da Conudo, ondas de nunca euroas ambm chegam
à Amrca. Nossos nelecuas recebem ore nunca dos
euroeus, sobreudo do o rancs de nelecualsmo e,
mas recenemene, do hegelansmo e do marsmo alemes,
bem como das varanes russas do marsmo.
Tas nuncas eso em cono com a radço amerca-
na. m grande are, o dsrbo esrual de nossa oca  a
amosa socedade dvdda"  devese a uma absorço do o
rancoalemo de revoluço ncomlea, or oosço à revo-
luço amercana bemsucedda. recsamos reconhecer que
grande are dos nelecuas amercanos so anamercanos,
anda
mo queque o neguem; onos
enconramos mesmo ocorre com
nelecuas o anamercans-
euroeus.  sse ana
mercansmo, orm, com a eceço de ceros movmenos
errcos mas radcas, no  um comunsmo sro  quan-
do nada orque, a onde se, os mas acalorados nelecuas
lberas", rando uns oucos acadmcos, no m nsruço
sucene ara ler ensadores da esaura de um Hegel ou
de um Mar. O que emos no  um movmeno comunsa
no  sequer um movmeno marsa , mas sm um groesco
aramarsmo que semre desmorona na ráca, orque os

 C JeFços ReelAnAmenm, td Dmd Cmmel 


Fcsco coe Boos 2003 N 

68 I RfxsAbgrs
problemas conemplados por Marx esão muo além de seu
horzoe de compreesão Anda assm, mesmo possundo
essa forma vulgar, as movmenos são um faor perurbador
para a socedade, ao ue a lguagem da polarzaão co-
usou uma noável populardade Quando penso na esruu-
ra da socedade amercana, eho séras dúvdas sobre se essa
polarzaão ocorreu mesmo O ue de fao houve fo o surg
meno de um movmeo nelecual desorenado, em pare
lerado, ue crou nadverdamene uma polarzaão alhea à
realdade socal amercana, e agora deve pagar o preo por sua
ndferena às cosas como são
Sob cero aspeco, essa polarzaão alhea à realdade em
semelhanas com os desenvolvmeos elecuas cocom
anes na uropa O famoso ao de 1968 com seus mons em
Pars, revela, uando muo, a exsênca de uma suaão
revoluconára Raymond Aro deecou exaamee a naure-
za do problema ao ular sua análse dos acoecmeos a
Révoluion
se basae inrouvable
mpopular porA revoluão mprovável,
essa aálse  sse po orando
de mov-
meo ue afasa a realdade polarzando o debae, só pôde
surgr e provocar ano barulho na mda porue a socedade
amercana esá acossada por uma sére de problemas socas
ue são há muo preerdos, embora peam soluão urgene
Há o problema óbvo d populaão egra e sua codão ru-
o dos condconamen os hsórcos amercanos da mgr aão
e da escravdão, ue desde o nco foram assocados a grupos
de raa ou ea dencáves, a evável condão das clas
ses mas pobres recebe um maz desagradável por essas las
ses mas pobres poderem, ao mesmo empo, ser dencadas
a grupos éncos ou racas Há ambém, ou houve, o problema
da Guerra do Venã Podese uesoar se essa guerra era ne
cessára para defender o neresse acoal, mas, uma vez 
cada, ela precsava er algum desfecho; abadoála smples
mene não era a soluão Ademas, o fao de raarse de uma

2  Rlon inrovab Ron r  révoluon  ma (P Fy


968) é m nv m  Rymd A   
l Aln Dml.

26  Rlç,sdd brt  sttçs 1 69


guerra contra ua potênca totatára troue probeas co
que o goerno aercano á tera de dar no caso de Hter,
as que, na Guerra do Vetnã, fora agraados peo dstan
caento entre os eentos do capo de bataha e o cotdano
do poo aercano O prncpa probea que aponto  que
ua guerra contra ua potênca totatára  co o grupo e
sectáros totatáros re e suas concões e dsposto a sa-
crcar o poo at a úta gota de sangue e benefíco de sua
donaão  só pode ternar co os horrores da destr uão
físca, que be conheceos peo eepo de Hter O eso
probea surgu no Vetnã O goerno do Vetnã do Norte não
hestou por u oento sequer e epor o poo etna ta
à destruão da guerra e, do ado aercano, especaente
por eo dos notcáros teesos, a destruão chegou ao
poo coo ua destruão perpetrada peo ercto aerca-
no Nngu se daa conta do fato de que ua guerra eno-
e dos ados e que, neste caso a destruão fo causaa peo
outro ao, que cahou de ser a íta tar da destruão
O bobardeo de cdades aeãs, transforadas e astos
capos de estroos, e o genocído da popuaão c  coo
no caso do bobardeo e Haburgo, onde se estou as
de 40  ortes e a penas ua note  era encarados
co tranqüdade Se perpetrada e u pas subdesen-
odo, anda que e enor escaa, estruão seehante

despertaa horror Que


deóogos sectáros, e nãoesses
peohorrores
goernofosse pratcados
aercano, por
era objeto
e ndferena
Co essa guerra reeouse o etraornáro poder da gran-
de prensa, controada peo etablihment nteectua Para o
hstorador,  portantísso notar que fo graas à propa-
ganda na grande prensa que a derrota tar dos cou-
nstas na Ofensa o Tet, e 1968, fo conerta e derrota
aercana sso z uto sobre certas tendêncas presentes
na socedade aercana Dstorões correatas ocorrera co
a faosa nasão do Caboja O Caboja fo naddo por
u ercto counsta do Vetnã do Norte, e ua epedão
tar e resposta a ua nasão não , por seu turno, ua

0  Rx
vasão mas ada dsso mpedu os eecuas de fasca
os faos eaado a eveção mla como uma bual
agessão dos amecaos ouve ada deupações meoes
po pae dos eecuas o caso do famoso bombadeo dos
dques o Veã
delbeada do No e oudeaalos
do bombadeo asfomação
maes empoaó
mea
em
um açameo ssemáco de bombas sobe a popuação c
v. Eses exemplos dcam paa o hsoado u m sessmo
pobema a elecualdade amecaa: o dóco delbea
do da ealdade e a apooga da oêca o culvo de seus
sohos uópcos Como a doeça eecua ão se lma aos
edaoes âcoas e demas oalsas mas á coamou
boa pae da academa  e va educação  asmda às ge
ações mas oves  pecsamos ve essas edêcas uma
ameaça ao goeo democáco que depede aa de que o
couo da popuação esea em coao com a eadade
Nada dua paa sempe e a poaação" aual ambm
peeceáamecao
goveo Po equao pom
em dado a codução
à sua acoal
poca esá que o
seamee
compomeda pos a ação goeameal o coo com
as faasas ópcas fo pacamee vabada. A que
poo essa lm ação do ao de ação amecao  que se dee
à peda do coao dos elecuas com a ealdade  epe-
sea um pego eal paa o pas  algo que só o uo pode
á de Seguamee hoe os cofoamos com o pode
soca aasado da desoesdade eecual qe pemea o
mudo acadêmc e ouos seoes da socedade. Esa sua-
ção a oase eamee cca pedá paa se cogda o
devdo empo.
26 Revouço oedade e uções   

2 . scATOLOGA E FLO OFA:
A PRÁTCA A MORTE
Um vz u rts struturs d rldd s dfrnm
 dsrtm n onsên rtud durm vd rór
n hstór m ds onusts ms rlvnts nsss ro
ssos d dfrnção é  rnsão d um movmnto d
rdd m drção  um stdo u s stu  ém d su s
trutur rsnt sso vl tnto r os lósofos unto r
os rofts d Isr ou os rstãos do rmro séulo. No u
s rfr o ndvíduo é lro u ss movmno só od s
onsumr om  mort Os ósofos ássos  st fo su
rnd dsobrt rbrm u o homm lon d sr
um mortl, é um sr u rt d um movmnto m
drção à mortldd O hnzen o to d mortlzr 
-

omo ssên d vd do ósofo é um xrên ntr


tno m ltão unto m rstótls Do msmo modo o
rnd nsghd uo fo  xrên do movmnto d r-
ldd r lém d strutur rsnt d mort r o st
do mrívlouu
 phhrs lh sudrá
mrívl ormovmnto
ss mo d rç
m d Dus 
drção
um stdo u stá lém d strutur rsnt do sr ntroduz
um outr tnsão n ordm xstnl um vz u é rso
orntr  ondut d vd d um modo u nos lv à m
rbldd N m todos ontudo stão dsostos  sntonzr
sua vda om esse movmeno Muos sonam om um aao
paa a peeção au mesmo nesa vda O sono da eadade
ansguado em peeção mpeeve nese mundo onase
uma onsane na hsa ão logo o poblema é deena-
do Os pensadoes udaos apoapos á espeavam ue
a mséa a ue esavam sendo submedos po suessvos
mpéos osse suplanada po uma nevenção dvna ue
podua o esado de gla e o m do mpéo. O ppo
Pauo espea uma Segunda nda anda no empo dos vvos e
s vem a alea seu sonho aps pesena a moe de és em
Cso anes da Segunda nda
A expeava measáa de um novo mun do ue sue 
de ao ango no empo do s vvos onou se uma one pe -
manene de dsúb o na ea dade po a e soa O mo
vmeno o supm do pel a gea domnane  om eavo
suesso ao menos as expeavas apoapas aam
esas a movmenos seáos magnas Mas a pa
da Reoma esses movmenos magnas oam aos pou-
os se desoando paa o en o a esuua do poblem a
não se aeou om a subsução de expeavas sãs
po expea vas seulasas
No peodo modeno  sugu um novo ao mu o mpo-
ane a subsução da expeava de uma nevenção dv
na po uma exoação à ação humana dea ue poduá
o novo mundo Max po exempo espeava ue a ans
omação do homem e m supehomem aoneesse o m o
banho de sangue de uma evoução volena. Quando a es
peada ansomação peo banho de sangue não o oeu em
1848 e um aano paa aomoda em sua eoa um pe-
odo de ans ção a ue deu o nome de dadu a do poea
ado Mas Max ao menos anda saba ue açes exena s
omo a apopação dos meos de podução ndusal peo
goveno não eam suenes paa povoa a ansoma
ção deseada Esse pono anda esá ao paa os pensado-
es maxsas mas séos O esabelemeno de um goveno
omunsa é um ao exeno, e dele se espea ue podua,

74  Reexe Autoboáa


no devido empo, a transgurao esperada para a perfeio
sobrehumana Mas Marx sabia muio bem ue, em si, a ins-
ituio de um gover no comun isa nada mais signica va ue
a eevao dos ma es do capitaismo à sua mxima potência
No pan o mais vulgar dos marxisas secrios de hoe, e es-
peciamene dos uópicos conemporâne os, a compreenso
desse problema simp esmene desaparece u, e foi subsituída
por uma espécie de magia da ao O esado escatológico da
perfeio ser acanado mediane recurso direto à vioên
cia A experi ência de um movimeno na reaidade par a aém
de sua estruura foi ransformada na vulgaridade mgica da
destruio cruenta da ordem social
Mas, ainda ue essa experiência esea exposa às dis
tor ões vugarianes ue acabo de aponar, a experiência é
rea De outra forma no pod eria er esse permanente efeito
moivane, visível mesmo nas deformaões Desse modo,
toda osoa da hisória deve ter em cona ue o proces
so hisórico no é imanene, mas movese no Inermédi o
enre as rea idades deste e do outro mundo Ademais, e sse
carer de Intermédio do processo é experienciado no
como esruura no empo inni o, mas co mo movimeno
ue erminar escatoogicamente em um estado além do
Inter médio e a ém do tempo Nen huma losoa da hisória
pode ser considerada séria no tratamento dos problemas
hisóricos se no reconhece o carer fundamentamene
escaoógico do rocesso
A compreenso dos movimentos escatológicos reuer uma
reviso das deformaões soidas pelos conceitos da losoa
cssica nas mos de inérprees ue preendem faer da na-
urea humana uma enidade esica Os ósofos clssicos
conheciam bem o problema da escaologia Estavam cientes
de ue praicavam o ato de morrer, e sabiam ue a prtica da
moe signicava a prtica da imortaliao Se transpuser-
mos essa experiência para a compreenso da hisória, ca evi-
dene ue conceios como o de naurea humana no podem
ser enendidos como consantes na realidade Mas isto  e aí

27-Esatoo�a e ooa 1 5


resde a duldade de enender esse problema  não sgn
a que a naureza humana possa ser ransgurada no neror
da hsóra No proesso hsóro, a naureza humana nada
mas faz que se ornar lumnosa para seu desno esaológo
Esse proesso em que se orna lumnosa, porém por mas que
enrqueça a ompreensão da naureza humana e de seus pro-
blemas, não a ransmua em sua esêna do aqu e agora, do
espaço e do empo  onsêna da epeava esaológa
é um faor ordenado r da esêna; orna possvel a ompre
ensão da esêna humana omo a esêna do viator no
sendo rsão  o andane, o peregrno que anha para a
perfeção esaológa , mas essa peregrnação anda é uma
marha do peregrno nese mundo
Essa ensão esaológa da humandade do homem, em
suas dmensões de pessoa, soedade e hsóra, é mas que
uma quesão de inighteóro para o lósofo; é uma quesão
práa Como dsse, laão e rsóeles esavam plenamene
onsenes de que o ao de losofar é um proesso de mor-
alzação nese mundo Esse ao não se omplea om laão
e rsóeles; ele onnua em ada suação onrea que se
apresena ao lósofo, em ada prolema que ele enonra em
sua runsâna Se o lósofo lásso presava enfrenar
as duldades susadas por um mo agonzane e por uma
ava nvesda sosa, o lósofo da aualdade presa luar
onra o fenômeno que Whehead hamou de lma de op-
não" demas, nesse raalho onreo, ele presa asorver
os enormes avanços das ênas, nauras e hsóras, e es-
abeleer um elo enre elas e a ompreensão da esêna 
arefa é muo laborosa, om o amulo de fones hsóras
que veram a plo em nossa époa
Um novo quadro da hsóra esá se desenhando  pene-
ração oneual das fones é a arefa do lósofo de hoje os
resulados de sua análse devem ser omunados ao plo
mas amplo e, se vem a ser ele um professor unversáro, am
bém aos esudanes Essas arefas de rona  maner em men
e os problemas, analsar as fones, omunar os resulados 

6 1 Reexões Aubi


são açõs concras dan as uas o ósofo arca do
ovno scaoógco da sóra  s confora na ráca
aôncoarsoéca da or 

1 No esao O the death oato ("Sobe a mote de latão) publcado a


evsta The Ameian hor • 65, pp 40115, summe/1996, e dspovel
[on-ne] em http://wgeogetowedu/cult/schallj/9.htm#1. Arvo
acessado em outubo de 2006), o lósofo James Schall, um dos maoes
especsas em losoa cláss, pae do paágafo al do teceo volume
de Orr and Hso o and Ar paa medta a espeto da Flosoa
como pácacostae da mote. O paágafo em estão  o segute: laão
moe com oteta e um aos Na ote de sua morte hava ao se lado uma
moça da áca ocado a aa paa eleEla ão ecotava o mo do nomo.
Com m movmeo do seu dedo, laão lhe dcou a Medda Schall fz
um paalelo ete a mote seea de laão e a moe volea de se mese
Sócates e se pega se ambos tveam o mesmo desto tágco e se a
tagda
tea A fz pate da
esposta de vda dolósofo,
Schall ue cadasejaum
emmpôs,
Aeas,oseja em ale
mometo al,pae da
a Medda
do dvo sobe o mdo ue os pesegua costatemete, pos a páca
da losoa ee uma peseveaç comm Schl ão hesta em sa
como exemplo mas póxmo os mometos as do pópo Voegel, como
cota este techo comove te: "Um amgo me estava a Capela Stafod, o
velóo feto em homeagem memóa de Ec Voegel. Ele ão coheca
Vgel auela poca, mas gavouem ta o da dese velóo tocate Nessa
vesdade cohecda omudo todo,apeas uaeta pessoas compaeceam
ao lol A losoa se despedu at mesmo da academa. O pópo Voegel
escolhe a msca, e fo de Schubet, e os echos paa letua e medtaão
de Ezeuel at a mea Epsola de João,passado pelo Evagelho deJoão
Em sa cahosa homeagem a Voegel, Ells Sadoz lembo e a ltma
vez e o vu, algs meses ates de moe, ele acabaa de ecomedar uma
ova edção das obas compleas de Shakespeae, pos a ue ele ha já estava
absolutamete gasa Voegel teava le as obas compleas de Shakespeare
todo ao. No da ateo sua moe (1 de jaeo de 195), ele cog
povas de se esao,Quod Deus diur'publcado o vol. 1 2 dos  pp
36394] uma poposção de ue a foma especca como ele bem lembo,
vha
da dede
suaSato Tomás
mote, A ltma
um salmo paava
fo ldo ue Voegel
euato esceveu
ele se ecot avafocosc
laão'.ete.
No
Ea o Salmo 25: Guada-me a vda! Lberame! Que e ão seja evegohado
po abga-me em tQue a tegdade e a etdão me peservem, pos emt eu
espeo Seho' Voegel moeu em paz euato este salmo era ldo Como
sua esposa [Lss Voegel esava muo aca e agustada, osalmo fo ldo a
Voege po sa empegada, uma da amecaa ue se chamava Hawatha
Todos os vedadeos lósofos, uado moem, moem a mesma mote.
Todos os vedadeos lósofos, ado moem, moem a mesma cdade

2 - atoo�a  osoa 1 


ÍNCE REMVO

A Aphh 3
Aler Afre 7 Aole o omem 0 
Aler  1  303 Aole meáo 10608
Adn ofd {Wee) 8 Aolmo 
Aon Abe 63 ApoloPão) 1

Aonon
o 87
no      I  Apooph8
Aen 1
Appponsn
À  Rhh d p pd Aquno Tomá e Ver Tomá e
(Prou) 6 Aquno
Alemn unvere n 3638 Aren nn 
Alenre o rne 1 8   3 1  Aree     1 ; rumeno
Alenção enção e  1 8 ; e eolo e 88; er
eormção  8 6; e eo e hnn 73 6; e
 18 18; e oo  r    ; ferenção noé  6  ; euo
e eun rele  e Voeeln obre  0; e  
Aoo1 8  8 phy13 ; er  o No 1;
Alm 107 er  orem eenl 1;
Alqum 666 er ophloyho
Ao D 107  Obr M13 1
Ao  07 Aon Rymon  6
Ao-d-o 107 Aroo6667
Ann Voeen) e onn Áu elnemeno  onução
1   3 ; oneúo e 66; er e or Kelen   0) n 3; emrção
ublção e 1   1; one e e Voeen  , 778   3;
eerb em    ormulção  Conução n 8;
Aneren n Crn 1 1  13 uerr vl n 0  1  88; oução
Anmernmo  68 lemã   888; Pro ol
An emmo 6  3  emor n    773 1 3031 ;
ao ocalsa são a 72  êca oal Wb aea a 2
Ausia Insu ü Ciêca 5-6
Gescicsfoscung [ Insiuo Cee Mai Valéy) 6
Ausíaco e Esuos sócos] 20 Ciilizações 15-55
thotaan Stte Voegelin) aceca Clia e opinião 17
as ieologas 73 publcação e Clon fo the ecn Mnd
73 87  snopse e 87-9 Boo) 17
Auobiogapical aeen a age Coe eann 5
EigyTwo" Voegelin)  6 Co Noan 0 6
Aeos Ibn Rus) 89  Coentáo Metaca de tótele
x-te !53 Toás e Auio) 12 3
Coons o  R  58 60
B Coe Auguse 35  2 127 15  5 1
Baco i  Facis I 39-0 Couniso 72 96  3   133 168   70
Bakunin Mikal 02 7-75
Balasa ans s on 50 105 Conoce Mauês e 12 7 1 5 1
Baugae Ea 32 ConõeAgosio) 15
Bau Feinan Cisian 105 Coco 103  15 3
Bayezi  Conecieno copaao as
Benngo College I , 95-96 cilizações 3337
Begson ei 65 165 Consciência e espécie 57
Bea Ens 38 Cosciência concepçãooena
Beehnlehe5 1 e 16 egel aceca a 6
Biologia 950 6970 ussel aceca a 1 1 1 - 2 e
Bloc Ens 77 Ieéio    6  aes aceca
Bloc a Es 77 a 1 5 lu iosiae a 1 5 16  e
Bloo Allan 17 pacipação 1 1  e peseça iina
Boek  eann 70 163-65 e síbolos 63 eoa a
Boin Jean 65 165 1 1 1  16 Ve abé uinosiae
Bõ-Bawek Egen 19 Expeiência pua
Bõe Jakob  5 Consâca a ealiae 59
Books Clean 97 9899 Consubsancialiae 11
Bunne o 2 Cisaso e eencação
Busccg Léon 63 peuáca 1606 1  eeos
Bua 53 paalelos ee Filosoia gega e
60-6  e azão 160 -61
c Ciso Ve Jesus Ciso
Caus Albe 82 I  Ctca da aãopa Kan) 5
Cance Wadozesy) I0 Coos 16
Captal OMax 29 Cowe an 16 1 7
Cabono I aaão po 126
Cecosloáuia 75 D
Cina 103 126  32 I 2 I 53 I5 15 5 Donen De oee) 15
Chtlche no De Bau ) 105 Declíno do Ocdente  penge) 35

 8  I RfxsAbgrs
D Dsas Pos (alou) 64 EmnA (Voegeln) esca
D'Eely Toas  7 e publicação e sinopse e
D V  Ron Agosinho) 5 15-55
Deoração e alienação  4748 Ean rwn 55 56 5 
1 56 e eoogia 1 5 1  easica Ewas joaan 6
proposcioa coo eoação Ego 1 1 7 1 6
a osoa 1 4 7  e o a póis Eisei Alber 8
 4748 e ecua e pecebe Eiae Micea 4
4445  uização a osoa paa Eio W Y B) 5
esgaa a reaae a 3-4 Egelaosi Caee 5
Daonssammnhan44 Egeljanosi Friech on 4  5
Deurgo 64 Egels Frrc  8
Deocracia 7 73-74 75-76 137 Ensao sob o nndmno hmano
Dep Aois 1 3 6 ocke) I 3
Desore  1 7-1 8 1  1 48 5  -5  Epsoph48 Ve abPao
54 Euaência 15-6
Deus oe e  1 7  18 Era ecuêica 15-55 16 163
Dx sos d a moa  d a Esafom8 
on Lsegson) 65 165 Escaoogia 17377
Dewey oh 55 56 5 7 Escola Ausaca e Uilae
Dáoo d m sda om sa ama Magina 1
17 Escraão 6 
(Koeell) 38
Dh a Füh D Essa s  donnés mmédas d a
Dasia Zhou 3 54 onsnBergso) 65
Dersae icoculura 56-57 Esaos Uos caaa para
Dos E R 14 Voegeln os 1 1  1 3 5  iesae
Doere eiio on  4445 nico-cuura os  56-57
Dogaoaua 147 165 escraão nos 6 esuaes
Dolss Egebe 88 uniesiários nos % 1 33- 35 e
Dopsch Aons  guea o Venã 1 6-7 1  iigação
Dosoiski Fioor 133 e Voege paa os  76-77 167
Donad Fassmo Musoini)  ineecuais nos  1 68 17 -7 1  negos
Douina  3 147 1 55-56 nos 16 e polarzação 6 - 71 
Dma shchuschnigg )  ação eoucioáao s 6768
D Wapsah Kaus) 4-41 Esoicso e aposoph1484 e
Dugu o 65 aleaço   8 48
Doák Max  Esdo d hsóa Um (Toynbee) 133
Eoogia e Marx 8384
E Europa ersiae nicocuura
Eckha Mese  a 157
Ecpse o Reai Voegein) 8 1 Exsencaso 6
Ecipse  a reaiae  6-61 Expeêca pua 1 4 1 5
Eonoma  soadWebe) 3 1 Expeiêcias e iias 1-3 1 - 3 
Ecena coo síboo 1 53 e sboos  43

Íc rmss 1 8 
F po 0 suo  wig acca
Fake/ De (A oha;Kaus) 38 39  33 acca a subiação 08
0186 Fia iic 38
Fasciso 9 7 80 Fiã Pau 38 1
é fé asáica I 7 8 fé Fom Enlhenmen o Revolon
oialisa essfé ísica Vogli) 
1665 Fu b 
Fooogia 1  1  1  Fnkonenheoe
Fenomenooagl) 16 Fuwagl Piipp 
ic Joha  Goib   67
ilosoa a isóia  alcac G
cosâcia clips  uialêcia Gaia 59
a a 1 596  isia Gba Jüg 13 3
éicoculual 5657  Ea ekesCículo Espiiua ou
Ecuêica 555  scaoogia Icua)  6
 7576  ipéios oooxos en7
 5556  éio 17 5  o Gêo u ao . V Nauza
 so 1 5  5  pióios uaa
a  5  Géica 950
Fosoa do deo  gl) Max Gog fa 37 38 39
acca a 83 eshhe despolschenDenkens33
Filosoa o sso cou 5657 esnnnsehk3 
Fiosoa gga bas ofâica a een5 1
606   scaoogia 173 1 757 7 Giigs aki y 55 5758
os paalos lação Giso  i 50 1 
uaicocisã  166 1  V Gosiciso  apocaips asáico
abé Aisóls aão  ouos  68 isóia o I S
ósofos ggos oehe  Guo 38
Fiosoa  scaoogia 17377 Ga ipsa a Gua o
afísica poposicioal coo Viã 70
foação a 17 sio a Gubg Ca 1
coo sboo 13 uilização a ndnomoa básica) 3
paa sgaaa alia 1 399 Gua Muial gua  1  7 0
iósofos afa os 1 7677 Guolf Fiic 3 8
Faub Gusa 63 6 Güsoh Ab Pais 1
Faça suos  Vogli a 55
6367 guas ciis ligiosas a H
65 oi  Pa is  968)   69  ab Goi o 3  5
Rolução Facsa 167 7795
akfo i 1 alow Joh   
Fakfo i A  1 1  aio i Wiia 56
u Piip 8 ais Rob J 97 
u igu associação  aa iz 0 
Vogi co os foaos auiou Mauic 88

82 1 Reexoboá
Hayk rdrichAugust von 23 25 Kapfd 92; osição d Vogin
Hgl, G W. . : acrca da conscincia, a I O participação dos EA na gurra
143; ducação d Vogin m, 22;  contra, 1697; sucsso d 4   86
losoa da hstóra  5  ;  ilosofia H  o Aã (Vogin ), 85
da rlgão I 5; losoa nalsta Hos omas 87, 17
d 1 1  ; arx acrca d 83; acrca Hocom Arhur 77 95
da mot d Dus 17  1 1 8;  no Hoooa 5758
patonismo 82-83 84-85; prmissas Ha Na ad Cod(Dwy) 56
d 8285 45 Ha Na ad Pop
 Oras: oooa146; (Commons) 58
Ppo daooa do do 83 Ha   (rlau
Hdr artn 5 7 6  Pony) 82
Himan Rort B 97-98 Hupka 2 1
Hnningsn, an&d 3 3 Hussr Edmund 59 1  1 - 12
Hntz Car, 1 2 7
Hráclto 15 3
Hródoto, 125 15 3 n Kadun  32
Hwg Dagmar 1 33 dias, 2-3 2-23
Hrwig, Hdda 33 dologa: crtro para diagnóstco da
Hildrandt Kut 3 8 145-46;  dformação da xistncia
Hinduísmo, 164  5 1 ;  dsonstidad intctua
Hpóstas 1 15 798; discrpâncias ntr cinca
Hstória: avanços n as cincias  128;  dogmatomaquia, 165;
stórcas, 25-28 52  stdans amrcanos, 96
Hóa da Adad (yr) 35  3435;  lnguagm 38-4 82
Historiograa 125 54 86;  moticínio d pssoas, 8  -82;
Ho of Caa'a( Gundo 38 oposição d Vogin  799;
H istoy o f Poitica d as"  ordm  dsordm 1 5 1 -52; 
(Voglin)   proiição d fazr prguntas 4 5;
Ho ofPoada (Vogln):  rcusa d prcr, 4 5; Wr
Astrological Politcs" m 66-67; acrca da, 3  32 8
Bodin m, 65; scrita d  23; manntsmo 06-7 Vr tamm
hpótss suacnts 1 2 1 ; MaxoPartcpação
mportância d a psquisa para mmortaity: Exprnc and Symol"
2 4 insatisfação d Vogin com (Voglin)  1 17
34  2  24; puicação d 1 2n6 mprio omano  28, 1 53, 154  55 1 56
Ho ofPoa ho (an)    mpros  55-56 Vr tamm
Ho of h Rac dao Ra mpros spcícos
o Ca(Voglin)  usca da I Sah(Vogin):
Gstapo na casa d Vogin 92; pulcação d, 1 2
inuncias d 39; proiição pos ndia 126 132 142, 153  1 55
nacona-socialstas, 5;  tora nsttuconasmo 88
oógca d raça 49-5 sttuto d Cnca oltca
Hitr Adof:  Áustria, 22 75;M (unqu)  1   3 1 -38

Índe emssvo 1 8 3
nstituto Ornal d Chiago 102 Krgaard rn 122
 14  142 Knss 52
nlcs ns 88-89 Kona nnoa 103
nacon an Spa Commn Kobrg Eard 133
(Vogln)  n  Kommrll a 38
ntrmédio 1 4 - 1 6 1 75 V r também Kopatsh (matmátio) 29
M axo Kraus Karl 38 4   73 86  33
saías 10708 Kraus Otto Erwin 27
sa anRaon(Vogin)    Kris Est 20 2 1
15n9 Kss  opschn Wssnschan
sraitas  apoalps mtastáto (u ssrl)  1 
06 07-08 Kuntz aul G  7

ason Robr . 73


LLa ayttadam d 64
gr Wrnr 14 2 Lalou Rné 64
ams Wiliam 1 14 1 1 5 Lan n Hcha (Brunnr) 20n
jasprs Karl 57  54 160 Landshut igfrd 83
jan-Pal(Kommrl) 38 LaoTsé 03 32
sus Crsto o mo abça d todos os La Rohfouaud Duqu d  6 5
hom ns  6  62;  difrniação L Jan a(Bodin) 165
pnumáta 160-6 ;  Loos 62  Ln a  Mnschh D
gunda Vnda 163   74; tofania (Kraus) 40
d 6 4 Lvatã (obbs) 87
jung Car 06  33 Lévy-Bruhl Lun 1 14
justiça dos EUA Dpartamnto d  13 5 Lkmnnss57
Lngua ingsa 53 97 99
K Linguagm stratiação soal da
 (Kantorowiz) 38
Kas Fch 98-99; omo fnômno soa
Kant mmanu 45 4 2 Vr também 1 39-40; osoa umpty-Dumpty
Noantismo da  4344;  idoogia 39 82
Kantorowz Ernst 38 85-86 ;  smbolos  6
Kaufmann li 23 24 26 44 Lo ohn 103
Ksn ans:  Consttuição austríaa Loos 1 18 1 62
( 1 920) 43; divrgnias d Vogin Long  u y 8 1
om 44-45  noantsmo 44-46; Lozns G   63
ara d N Scnc ofPolcsd LU Vr Univrsdad Estadual da
Vogin ; ara da nomok Louisiana
60;  Saash(toria poítia) Luba nri d 50 1 42
44-45;  ora ura do Drto Luminosdad da onsna   516
19 43-47 89-90; na Univrsidad
d Vna 9 2 1  22 43 44-4 5; M
Vogln omo assistnt d 7  ah Ernst 20
Krény Kar 141 ahup ritz 23 25

 1 Reeõe Atbá
Mamahn Arhur Whtier  Meyer Eduard 3-36 37
Mágia 18 Mises Ludwig vn 19  22 23
Ma ndManpton(Vndng) 33 Mistsm 163-6
Maier Rert 28 Mi Arisóteles aera d 2 2
Ma: Arendt aera da anadade d 4 1 19-6
Malarm tphane 37 64 Mhuski Knstanin V  63
Mansto onsta(Mar e Enges)  Mdernidade senids da  2
92 2 8 Mrgan Thmas H nt   
Mann Thmas 1 4 1 Mrgensern Osar 2 3 2
Mannheim Ka 7 MrsteinMar z   I
Ma  s-ung Madame 3 Mre d e Deus 17   8
Maquiave N 66 42 -43 Mre e esatlgia 173  776
Martan Jaqes  Murray Giet 3
Martin Mdred 97 Musi Rert 1 33  144
Martin Rse 96 Mssni Benit 72 7 92
Mar Kar esd de Vegen sre Mysts East nd WstO) 64
29 49; e etilgia na eistnia MystqspoltqsLs (Rugier) 86
humana 848; e sa da
história !   ; sa nalista de N
   ; aera de Hegel 83; em Hsto Nab  6 
ofolta/ Iasde Vegelin I 2; Nanasialsm: reve interesse
Mansto onsta de 92 128; e de Vegein n 776; e nepçã
Manusis de aris (  844) 46; e de raça 49 69; dans d
prçã de azer perguntas 14; 36-3 7; e demissã de Vegein
aera da revuçã 7 4 da niversidade de Vena 
Marism: inteesse de Vegeln n 776 13; e Kras 4 1 ; psiçã
e reeiçã d 29 3   49 8 13; de Vegein a 76 77 -8 1 8-86
Wee aera d 3  9-93 96 3; priçã das ras
Mat tMéo (Bergsn) 6 de Vegein pel  87; resstnia
MGrawHl 1 1 austríaa a ; simsms d
Mn Kapf( H iter) 92 87; e niversdade de Viena 22
 literatura de 6 · Nat ofth La and Rlatd Lal
Merkl Adl 9 22 44 7  Wtns(Vegelin) 4 4n
Merea-nty Maurie 82 Naureza hmana 7-76
Mta ta physa 23 Nauma nn Mihae 33
Mtasa(Aristóteles): Conto Negrs  ns Esads nids   69
de Tmás de Aquin 123 ; m em Nekanism 44- 46 14 2
9; Nos em !9 Nepanism 83  8 7 2  6 4
Metafísia meafísia prpsiina Netmism 
m defrmaçã da lsa 147 ; New h r  a Researh 23
rigem d er m 23 N Sn ofolts (Vegeln)
  4 1    1 6. Ve r amm aera d apaipse d hmem
manenism 7; rtia de Kesen a 9; esria e
Metrplian Museum  Art 23 2 puiaçã de  11

de emivo  8 
Niethe(Brtram) 38 Pra Impri, 13, 
Nitz, rdri, 102, 07, 08 Philoytho9
Noloik, 6, 60 Philoopho19
No: Arót ara d, 9 Platã ara d athanatiein 73,
grâa d rã ara d  776 ara d Dmurg  6
 6   Plaã ara d 6. Vr ud dVgl r,22
amm Razã 38,70-7 1  ara da ldia 0
No an(Ba),  39-0 ara da la, 0 ara
d ló veta, 10-1
o ara da utiça, 10  ara
Okam Wlam d, 16  d etaxo 1 1   aturza
n the o of the Aeian Mind dômia d it d,
(Vg)   ua da Gtap 0  ar a d No 16 ara
a aa d Vgl, 92 ara da rdm al, 19 ara da
da pã d Hurl d peiaoe 8 aa d r d
êa  1 1 -  2 úd d ãr   9  a ia,  6 
960 ria  pubiaçã d, 69  Ora Apoloia 
uêia d, 39, 9-60 Plato and Aitot/e(Vg),  1
Ok, ui Bty Vr Vgl, Pt, 83,  18
Lu  By iy" Ok  Pa mita, 37
Opz Pr J 32, 133 Plarzaã, 16971
Ord m dã d, 1  7  la da Pl 2 ,  3
tória, 1   -2  oo 18 Plia uura da ,  27-28
de and Hio (Vgl )  Pól, 6  7-8
aa a êia óra Politial Apoape(adz) 33 
 228  a Era Eumêa m, Politihen Reliionen Die(Vgi)
1 2- ra  pubiaçã d 86-87
0- 1   rig d,  2 1 28 pla Prtr, Kar A, 97
rgazaial para, 12 -2  Pwl, Tma Rd, 8
iin ofotalitaian Deoa Prça dia, 163-6
(alm), 89 Pineede Clve La (a ay) 6
Orwll Grg  Pnipe (aqua) 66
O Rudl, 6 Pra 06 07-08, 1606
Poethe(Balaar) 0
p Pru, ar6
Parmêd, 7071 Pud-Díi 2 16
Partipaã,  1 Vr tambm Pgia xtia 1 89
maim Piqu, 63
Pau  aphthaia 173  apalp Pu H r i Car, 106, 12
mtaá, 1 06  diraçã Pit of the Millenni (C), 106
pumáa  60 6 1  guda
Vda 63 7 Q
Peiaoe18 Vr tamm Epiophe Qadaeio anno 0
Prlma, ig, 8 Qupl Gill  06,  2

  1 Reexões Autobogá
R eneviss e Voegen r 12-14
Rç 49-5 69-7 Snyn Geoge 596 64
Re nd Stt(V oegein) 49 7 92 Se enPu 1
R Geh von  8 Sche Tilo 1 33
Rfe(Sein) 38 Schee  57 7
Rzão 1 6-6 1  Ve mém Noú Schellng . W. j. von 22 2   5
Rele: consânc  59 ecipses Schey 2 
 166 1  fscção sisemáic Sch Geog 24
 1 1 9 segun eie e Scheiemche iech  5
lenção 144  uizção  Schick oi z 2
oso p esg  13949 Schmi C 89
Rechtehe4445 Schee iz 23 44
Reexõe toboc (Voegein): Shenehe z Potknd
esci e puição e  2  3  e echchte132
enevss e Voegein  Snoz Schumpee oseph A 9 7 7 95
2 -1 4 esenhs e 16 - 7 sinopse Schuschn Ku von 92
e 9 8 Schüz Ae 23 24 26 1  1
Refom 8 Scence Potc nd notcm
Rei  Thoms 56 (Voegein) 8384
Rein e Rechsehe un Ssehe Segun eie 1 4 4
(Voegeln) 45 Segun Vin 1 63   74
Relvie eoi  28 Sen ndZet ( Heiee) 6 1
Repesenção nscenenl  4-5 Seilnges A . D . 5
Rez Cel e 65 Shkepee nd de Dethe et
Revel en-nçois 168n (Guno 38
Revelção 16-6 Sigéo e Bne 89
Ree ofPotc Smosmo: oso piipiv
Revo egofânic 1 6 17 1 1 8 o  16 e epesenção
nscenen  -5 Ve
Revolução nces
Revoução Inges  1 6716768 mém Símolos
Revouçes 67-68 174 Smoos: e conscnci 163-64
Ricke Henich 32  enição e 1 16  e epeincis
Rsch Aech 46 123-24 143 ol e uoáo"
Rockefelle unção 55 63 69 como 88. Ve mém Smolsmo
Roosevel nklin D. 1 3 5 Smme Geog 5 
Rouge Louis 86 Ssems 11819
Rousseu Jencques 89 Sives
Snel Buno
Pee von
142  3 2
s Soci-emoc Pio 2   7 1 -73
Sine Geoge H 1  1 Socoo dReão Wee) 3 1
Sn-Juse Lous Anone Leon 8 1 82 Sozhenisyn Aene  4
Slo no se  22 Souhen Polic Scence
Snoz Ells c om o luno e Voegelin Assocon 97
13 - 14  cec e Dosoévsk 3 3 Sothe Ree 97

nd rmvo  8 
Spa, thmar e Gezweiung,5 u
e uiversaismo, 44, 5   a Uiverdad d ca 0 04,
Uiversidade de Vea,   , ,  4  4
43,44 Uiversdade de Coumbia 50 , 55-58
Speger, Oswald, 35 , 37 , 6 , 16  Uiversidade de Oford, 53
Sprn Uiversdade de Viea ati-semtismo
Ssu-ma Ch'e 1 53 a, 56,  3  ; demissão de
Ssu-ma Ta, 1 53 Voegei da, pelos acioa
Staat 46 sociaistas, O 6, 130 Kese a,
Staatslehre4445, 69 19,  1 , , 43, 4445; Spa a,  ,
Stefa George Kreis, 3739, 70 , 43, 44; Voegei como estudate
Ste, Whelm 38 a, 0, 9-6, 44, 4 Voegel
Ste/n des Menschen im Kosmos Die como membro do corpo docete a,
(Scheler), 0 0, 71 , 8, 1 3 1
Ser, Kur, 4950 Uiversidade de Wsco si, 55, 58, 6 
Srebger qumico), 8 Uversdade d o Aabama 0 96-9,
Srisower, Leo,   10
Strzgowsk, ose, 0 Uversdade Estadualda ousaa,
Subimação, 108  O 44, 9-, 134, 13 5
Suprema Corte dos EUA, 58, 6 1, 73, 99 Uiversidade arvard, 1 0 , 5 5 , 58, 7,
Swoboda, erma, 0 95, 0
Uversdade Ludwgamilia,l 
T Uversidade Norhweser, 1 0
Talmo,  L, 89 Uversidade Saford, l  3
Tamerão,  Uiversidades a Aemaha, 13638 ;
en (cêcas de
Tatsahenienha comparaão ere esudaes
aos, 46 europeus e amercaos as,
Teora urdcafracesa, 65 96, 1 33-35, 136 Ver ambém
Teoria Pura do Direito, 1 9, 434, uiversidades especícas
89-90, 4 Urao,  59
TeminieloCaso, 3
Thibaudet, Albert, 64 v
Timurbid der umaiste, as" Vaéry, Pau, 37, 59, 64
(Voegei  , 66 Valores, 46-47
Tomás de Aquo e Aristóteles, 88-89; Vauveargues, arquesa de, 65
acerca de Crso como cabea de Veantotnsethik(éca da
todos os homes,  6 1 6 meafísica resposabdade), 3 1 3
como ermo usado por, 1 3 e Verdross, Afred vo, 9,   , 4 4
misticismo, 164 Veun 
Topoi 88, 139 Vetor, Frcesco,  4
Toybee, Arold, 3536, 3, 61, Viator 16
133, 54 Veã, guerra do , 6 9- 7
Trois Contesauber), 63 Vioêcia, 1 4-75
Tucídides, 14 9 , 1 5 Voegeli, Elsabeth Rueh,  O

88  eeAuoioá
Vogin, Eric Ald Wbr como 53 97-99  a ngua russa, 63-64
rosso d, 36 aosnadoa  marsmo, 29 3   49 8  3
d,    bibioca d, 64 9  -93 como mmbro do coro docn
bolsa d sqisa Rockr ara, da Bnningon Cog,  95-%
55-67 busca da sao na casa como mmbro do coo docn
d, 9 -9 cariraacadêmca d, da Univrsidad d Vina, 
-    95-99  938 casa d, na 7   87  3 1  com o mmbro do
Caia, 13 casamno d,  coo docn da Univrsdad do
cdadania amicana ara,  1   35  Aabama, 1  %-97 1   yr
 comunsmo, 96  3   críicas a, como rossor d, 36 mo d,
8-8  daa d nascimno d,        naci onasocialismo, 1
dmsso d, d a Univrsdad d 5 76 77-8  8586 91 93 96
Vina, 1 76  3 dsnvolvmno 1 3 as d,   m Paris, como
da sória das déias olícas or, sudan, 55  63-67  Pado
  1 -5 acrca das drnas n Socia-dmocraa, 2 1  7  -73
sudans uous  amcanos, 3 - 31   Paido Socialisa Criso,
3335 136 ducao scolar d, 1 72 rsonaldad d, 9 como
27- 9 5 mgao d, da Áusa, osso na Univsdad Esadual
1 75-78 9  -93 nrvisas d, da Lousiana,  44 97-99 como
o Sando 1 2   4 como sudan ossor na UnivsdadHarvad,
na Univsdad dColumbia, 77 95   1  como rossor na
49-5 5558 como sudan a Uvsdad Sanord,    sumo
Univsdad d Ood, 53 como biogáco d, 9-   rono d, ara
sudan na Unvrsidad d Vina, Vina, m 1927 6974 oria Pura
 19-6 44  4 como sudan do Dirio, d lsn, 43-47s d
na Unvrsdad d Wisconsin, douoado d, 44 5   5  n ; os
55 58-59 6   como sudan na d, sumdos, -24569-7
Univsdad avard, 55 58 73-74 9 Wagrn Lcurs or,
sudo da ínga cinsa or, 13   Vr ambé orasscícas
sudo da línga gga or, 7-7  Vogln, Lus Byssy Onkn
sudo da lnga baica o, no Alabama, 97  aosnadoa d
12  sudos comarados das Vogin, 1   busca na casa d, 92
civiias, 33-37 nanas d 7   casa d na Calirnia, 13 casamno
96 13 5-36 ga d, d a sao, d,   cidadania amcana
ara a Sua,   76-77 9   9-93 aa,  1  135  uga d Vogin
mgao d, ara os EUA,   da sao, 76-77 mgao
7677 16 7 nuêncaamicana d, aa os EUA,   77 loca d
sob, 55-6   inuência d raus sulamno d,  
sob, 38-4   nuênca d a Vogn, Oo San,    
Wb sobr, 3 1 33 79 inluência Voee RevotoSando, 12
d Sanog sobr, 37-38 Vondung, aus, 33
 Insuo d Cênca Polca
uniqu),    132-38  a íngua w
rancsa 63 a nga ingsa, Wadr Robr, 2 1  24

nde remissio 1 89


Waug siue, 66
Wae, oe Pe 9 98
Wee, Afed, 36, 3, 
Wee,M: aceca da cêcia social,
32; e esudos compaados das
cilzações, 33, 3 6   aceca da
a da ieção e da ca da
esposaiidade, 3 1 -32 aceca das
ideoogias, 3 1 -32, 9-80 iuêcia
de, soe Voegei, 3  -33, 9 aceca
da egdade ielecual,9, 80
aceca do maismo, 31
Wee-Scaefe, Pee, 3 2
Wehserkun5 1
Weige, o, 20
Welesz, Ego, 20
Werbeehene Mehoe 6
6
Werssenshaen
Wesey, Jo, 55
Wieead, Aled o, 58 6
Wiese, Leopod o , 19
Wilde, Joaes, 2
Wiams, T Hay,  35
Wdelad Wilelm 32 6
Wiez, maue, 2 3, 2 , 
Wsensha un PoWee, 3 1
Wgesei, Ludwig, 20
Wo of he Pos(Voegel ),  

zZeus, 6
9 I Reexe Auobioá
DAOS INTERNACONAS E ATALOGAÇO NA UBCAÇO
( CP)
(C ASLERA D VO, S AS)

Voegelin, Eric, 190 1  1985


Reexões autobiográcasI Eric Voegelin ; introdução e edição de
teto Ellis Sandoz ; tradução Maria Inês de Carvalho ; notas Martim
Vasques da Cunha.  São Paulo : É Realizações, 2007. 
(Coleção Filosoa Atua

SBN 978-8588062504

 Filosoa moderna 2. Filósofos  Biograa 3 Memórias


autobiográcas 4. Voegelin Eric, 190 1  19 85 . Sandoz, Elis  Cunha
Martim Vasques da. III. Título. I Série.

0710176 C-193

fNCES PARA CATÁLOGO SSTEMÁCO:


1 . Flósofos aemães : Biograa e obra 1 9 3

;nha :maáfJíoteca
Este livro foi impresso pela
Geográica Editora para
É Realizações, em janeiro de
2008 Os tipos usados são
Minion Condensed e Adobe
Garamond Regular O papel
do miolo é chamois bulk
dunas 90g, e da capa, curious
metalics bue steel 300g.