Você está na página 1de 1

 

                                 Os  Valores:  Análise  da  Experiência  Valorativa  


 

DIFERENÇA  ENTRE  FACTO  E  VALOR  

«As   coisas   são   boas   e   más,   melhores   e   piores,   atractivas   e   repelentes,   e   nós,   ao  
preferirmos  umas  às  outras,  percebemos  essa  bondade  ou  maldade  e  atrás  delas  lançamo-­‐
nos.  Achamos  prazer?  Bem  está.  Achamos  dor?  Sofremo-­‐la  da  melhor  ou  pior  vontade  (…)    
Esta   faculdade   de   preferir,   isto   é,   de   perceber   em   todas   as   coisas   uma   auréola   que   as  
qualifica   de   boas,   más,   melhores,   piores,   atractivas,   repelentes   é,   talvez,   uma   função  
universal  de  todo  o  ser  vivo.  (…)  
O  homem  (…)  percebe  em  torno  de  si  um  sem-­‐número  de  coisas  boas  e  más,  um  sem  
número   de   objectos   belos   e   feios,   grandiosos   e   mesquinhos,   nobres   e   vulgares.   O   nosso  
mundo   não   consta   apenas   (…)   de   coisas,   mas   dessas   atracções   e   repulsas,   que   à   nossa  
volta   não   param   de   afectar   o   nosso   espírito.   O   mundo   real   e   concreto,   o   mundo   em   que  
efectivamente  vivemos.  Não  é  o  que  a  física,  a  química,  a  matemática  nos  descrevem,  mas  
um  imenso  arsenal  de  bens  e  de  males,  com  os  quais  edificamos  a  vida.  (…)»  
     
MORENTE,  M.  G.,  (1936)  Ensaios  Sobre  o  Progresso.  Trad.  Joaquim  de  Carvalho.  Lisboa:  Seara  Nova.  
 
 
É  NA  RELAÇÃO  COM  O  HOMEM  QUE  OS  OBJECTOS  ADQUIREM  VALOR  
 
«No  sentido  de  esclarecer  a  sua  essência  vejamos  como  o  valor  existe  nas  coisas  (…)»  
através  do  seguinte  exemplo:  
«(…)   A   prata   adquire   (…)   um   valor   para   nós   na   medida   em   que   o   seu   modo   de  
existência  se  humaniza,  assumindo  propriedades  que  não  existem  no  objecto  em  si,  isto  é,  
à  margem  da  relação  com  o  homem.  Temos,  assim,  certas  propriedades  naturais  do  objecto  
–  como  a  brancura,  o  brilho,  a  ductilidade  ou  a  maleabilidade  –  ao  lado  das  outras,  valiosas,  
que   nela   existem   enquanto   objecto   belo,   útil   ou   económico.   As   primeiras   –   i.   e.   a   naturais   –  
existem   nelas   independentemente   das   segundas.   Ou   seja,   existe   na   prata,   por   exemplo,  
ainda   que   o   homem   não   a   contemple,   trabalhe   ou   utilize;   isto   é   independente   de   uma  
relação   propriamente   humana   com   ela.   As   propriedades   que   consideramos   valiosas,   ao  
contrário,   existem   somente   baseadas   nas   naturais   que   constituem   –   com   o   seu   brilho,  
brancura,   maleabilidade   e   ductilidade   –   suporte   necessário   delas,   ou   seja,   da   beleza,   da  
utilidade  ou  do  valor  económico.    
Mas   estas   propriedades   também   podem   ser   chamadas   de   humanas,   porque   o   objecto  
que  as  possui  só  existe  como  tal  em  relação  ao  homem  (i.  e.  se  é  contemplado,  utilizado  ou  
trocado   por   ele).   Vale   não   como   objecto   em   si,   mas   para   o   homem.   Em   suma:   o   objecto  
valioso   não   pode   existir   sem   certa   relação   com   o   sujeito,   nem   independentemente   das  
propriedades  naturais,  sensíveis  e  físicas  que  sustentam  o  seu  valor.  
VAZQUEZ,  A.  S.(1969),  Ética.  México:  Grijalbo.  

Prof.ª Joana Inês Pontes