Você está na página 1de 61

| ENGENHARIA CIVIL | PREF.

GOIÂNIA/GO

PREFEITURA DE GOIÂNIA/GO - 2020


LÍNGUA PORTUGUESA
COLETÂNEA DE QUESTÕES DA UFG
VOLUME I
Esta edição integra o curso pós edital focado no concurso da Prefeitura Municipal de
Goiânia/GO, cargo Analista em Obras e Urbanismo/Engenheiro Civil.

RESUMO DO EDITAL
Banca: CS UFG
Concurso: Prefeitura Municipal de Goiânia/2020
Edital: https://centrodeselecao.ufg.br/2020/concurso-goiania/

LÍNGUA PORTUGUESA: 1. Leitura e análise de textos de diferentes gêneros textuais. 1.1. Linguagem verbal e
não-verbal. 1.2. Mecanismos de produção de sentidos nos textos: polissemia, ironia, comparação, ambiguidade,
citação, inferência, pressuposto. 1.3. Significados contextuais das expressões linguísticas. 2. Organização do
texto: Fatores de textualidade (coesão, coerência, intertextualidade, informatividade, intencionalidade,
aceitabilidade, situacionalidade). 2.1. Progressão temática. 2.2. Sequências textuais: descritiva, narrativa,
argumentativa, injuntiva, dialogal. 2.3. Tipos de argumento. 2.4. Funcionalidade e características dos gêneros
textuais oficiais: ofício, memorando, e-mail, carta comercial, aviso, e-mail etc. 2.5. Uso dos pronomes. 2.6.
Pontuação. 2.7. Características dos diferentes discursos (jornalístico, político, acadêmico, publicitário, literário,
científico, etc.). 3. Organização da frase: Processos de coordenação e de subordinação. 3.1. Verbos que
constituem predicado e verbos que não constituem predicado. 3.2. Tempos e modos verbais. 3.3. Concordância
verbal e nominal. 3.4. Regência dos nomes e dos verbos. 3.5. Constituição e funcionalidade do Sujeito. 4.
Classes de palavras. 4.1. Formação das palavras. 4.2. Composição, derivação. 4.5. Ortografia oficial. 4.6.
Fonemas. 4.7. Acentuação gráfica. 5. Variação linguística: estilística, sociocultural, geográfica, histórica. 5.1.
Variação entre modalidades da língua (fala e escrita). 5.2. Norma e uso.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 1
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

IF GOIANO 2013
Leia o Texto 1 para responder às questões A média do desemprego do ano passado,
de 01 a 10 medido pelo IBGE em 5,5%, colocou o
Bom conflito de indicadores Tem gente se Brasil entre os melhores países da América
perguntando: como é que o Brasil Latina, inclusive entre países que
conseguiu registrar um de seus maiores cresceram mais do que o nosso em 2012.
índices de desemprego em décadas (4,6% Exemplo? O México teve 5,8% de
em janeiro) e, ao mesmo tempo, lamentar o desemprego e cresceu 4%, quatro vezes
“pibinho” de 2012? Não seriam fatos mais que o Brasil. O Peru, por sua vez,
excludentes? Este debate tem se dado nos registrou 7% de desemprego e continuou
últimos meses sem que se chegue a uma na marcha dos últimos anos, aumentando o
conclusão. PIB em 6%. Somente tiveram taxas
menores de desemprego no ano passado,
Entretanto, há quem justifique o fenômeno em comparação com o Brasil, a Guatemala
por meio de dois fatores: a proporção de (2,7%), o Panamá (4,8%) e o Equador
pessoas dispostas a trabalhar vem (4,8%).
diminuindo por causa da queda da taxa de
natalidade; e os jovens estão entrando E nos Estados Unidos? Apesar da
mais tarde no mercado. Esses dois retomada da economia, o desemprego está
movimentos estariam sustentando os bons na casa dos 7,8%. Na Espanha, o índice
índices de emprego. Delfim Neto, ex- gira em torno de absurdos 26%. Quem
ministro e renomado economista é um dos diria, o Brasil tão bem nessa foto.
que pensam assim. Agora, se essa
mecânica irá se manter, e por quanto QUESTÃO 01 - Ao longo do texto, a autora
tempo, são outros quinhentos. responde à sua pergunta inicial, justificando
a contradição socioeconômica brasileira, ao
Já o crescimento estaria baixo pois, por um
afirmar que
lado, os investimentos em infraestrutura
ainda não aceleraram, e, por outro, a (A) a média de desemprego medido no ano
indústria brasileira vem perdendo passado posicionou o Brasil entre os
competitividade, apesar dos esforços do melhores países da América Latina.
governo. A boa notícia é que o fraco (B) o crescimento do comércio e dos
crescimento industrial está sendo serviços compensa prejuízos financeiros e
compensado pela força do comércio e dos patrimoniais do setor secundário.
serviços. Ambos vão bem, graças ao
(C) o panorama econômico brasileiro é
aumento da massa salarial, que leva muitas
atual, divide a opinião dos especialistas e
pessoas a consumir.
está longe de ter um desfecho.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 2
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

(D) a baixa procura por emprego, a falta de (A) o trabalho em cooperativas organizadas
investimento em infraestrutura e de em torno de patriarcas.
competitividade industrial motivam esse (B) a opção dos casais contemporâneos
quadro. em ter poucos filhos.
QUESTÃO 02 - A opção pelo uso de (C) a disposição dos jovens em assumir
“gente” para fazer referência a quem se fala grandes negócios.
(A) indica falta de conhecimento das (D) o crescimento no país de oferta de
estruturas formais exigidas num texto serviços domésticos.
escrito.
QUESTÃO 05 - No texto, o uso do termo
(B) é reveladora do pensamento da autora “Agora” está a serviço da
acerca dos níveis socioeconômicos de seus
possíveis leitores. (A) expressão de temporalidade.

(C) demonstra a preocupação em tratar (B) sequenciação temática.


temas considerados áridos sem (C) representação de imediatismo.
rebuscamentos linguísticos. (D) marcação da subjetividade do leitor.
(D) mostra o conflito dos indicadores QUESTÃO 06 - Considerando-se os
econômicos como alvo de questionamento argumentos da autora, a expressão “outros
das pessoas em geral. quinhentos” é usada para
QUESTÃO 03 - A palavra “pibinho” é (A) destacar os valores relativos ao saldo
formada com base em regras gerais de do produto interno bruto brasileiro nos
formação de palavras em português. No últimos anos.
entanto, essa formação é inusitada porque
(B) mostrar a impossibilidade de um quadro
(A) ocorre a partir da aplicação de econômico positivo vir a acontecer
princípios de derivação a uma sigla. futuramente no Brasil.
(B) recorre ao uso de diminutivo para (C) demonstrar a problemática envolvendo
formar uma palavra masculina. a balança comercial brasileira como um
(C) produz ambiguidade ao significado tema de grande relevância.
original da raiz do vocábulo. (D) realçar a dúvida quanto à duração do
(D) atribui sentido pejorativo ao valor quadro econômico favorável ao Brasil.
contextual desse termo. QUESTÃO 07 - Ao usar a palavra “marcha”
QUESTÃO 04 - Segundo o texto, um fator para qualificar a economia do Peru, a
familiar que tem influenciado a dinâmica autora
econômica brasileira é

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 3
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

(A) apresenta esse país como uma QUESTÃO 10 - Ao dizer “Quem diria, o
economia em ascendência contínua e Brasil tão bem nessa foto”, a autora recorre
veloz. a uma expressão metafórica para
(B) caracteriza uma democracia nova, (A) rejeitar ideias pessimistas a respeito da
integrante da fila dos países emergentes, economia brasileira e reforçar o quadro
com os menores índices de desemprego do econômico atual.
mundo. (B) desaprovar os contrastes sociais
(C) descreve uma economia seguidora da demonstrados na comparação entre o
cartilha dos bancos internacionais, sob Brasil e os Estados Unidos.
pena de sair da linha do crescimento (C) introduzir uma avaliação sobre a
industrial. superação da alienação política e social do
(D) avalia os investimentos acelerados da Brasil.
nação em infraestrutura e serviços. (D) comprovar a saída da economia
QUESTÃO 08 - O aspecto da constituição brasileira da crise epidêmica instaurada no
linguística do texto que recupera uma voz continente latino-americano.
de autoridade para reafirmar os
argumentos da autora é a Leia o Texto 2 para responder às
(A) referência às ideias de um economista questões de 11 a 18.
brasileiro de prestígio. Uso exagerado de e-mail deve evoluir
(B) marca pessoal de autoria por meio de para uma 'etiqueta'
enunciados interrogativos. Jenna Wortham
(C) explicação pormenorizada dos dados Certa manhã da semana passada,
estatísticos apresentados. acomodei-me diante do computador e olhei
(D) utilização de expressões idiomáticas para minhas caixas de entrada de e-mails:
típicas da oralidade. 40 mil mensagens não lidas. (O número
enorme se relaciona à minha vida como
QUESTÃO 09 - No encadeamento do texto,
jornalista, e às cinco contas diferentes,
a palavra “Ambos” faz uma referência
pessoais e profissionais, que mantenho no
anafórica a
serviço). Porque estava me sentindo
(A) mercado e bons índices de emprego. estranhamente animada, decidi atacar a
(B) indústria e governo. montanha de mensagens, jogando fora
sem ler as mensagens de fóruns e os
(C) média de emprego e países em
alertas de rede social.
crescimento.
Confirmei diversas reuniões por meio de
(D) comércio e serviços.
mensagens breves, respondi a convites

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 4
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

que estavam há muito esperando respostas depois passam. O modelo atual do e-mail
e retribuí mensagens carinhosas de alguns ficou obsoleto".
amigos. Trabalhei durante cerca de uma Enquanto as soluções não vêm, ainda
hora, e reduzi a pilha de mensagens não preciso ficar de olho em minha caixa de
lidas em 100 e-mails. entrada ao longo do dia e faço – em papel
Satisfeita com o desempenho matinal, saí – uma lista de pessoas a quem preciso
cedo para o almoço. Mas quando voltei à responder antes de dormir. É um método
minha mesa, uma hora mais tarde, era arcaico, na melhor das hipóteses, e
como se eu não tivesse apagado coisa raramente consigo responder a todos antes
alguma. Dezenas de mensagens novas que o dia acabe.
esperavam respostas ou decisões. SOLUÇÕES
Frustrada, fechei minha tela de e-mail e
não consegui retornar a ela pelo resto do Eu comecei a pensar na hipótese de
dia. declarar falência de e-mail – fechar minha
conta e começar do zero com uma nova –
Nem sempre foi assim. O e-mail um dia foi mas descobri uma nova opção nas guerras
uma ótima ferramenta de comunicação, do e-mail, um aplicativo chamado Mailbox,
menos intrusiva que o telefone e mais para o Apple iOS, que promete mudar a
rápida que os correios. Agora, mesmo maneira pela qual administramos nossos e-
quando funciona como desejado, se tornou mails.
um pesadelo virtual – e, em certos casos,
um pesadelo real. Já tive muitos sonhos O Mailbox de certa forma reproduz um
ruins sobre perder mensagens importantes sistema mais antigo e simples para lidar
enviadas pelo meu chefe. com a correspondência – correspondência
física –, que costumávamos separar logo
O QUE DEU ERRADO que recebíamos. As cartas mais
Parte do problema está em o formato do e- importantes eram lidas primeiro, as
mail ter se estagnado enquanto os demais mensagens indesejadas iam para o lixo e
recursos de comunicação e redes sociais algumas das correspondências eram
disparavam e o deixavam muito para trás, guardadas para leitura posterior. O app faz
diz Susan Etlinger, analista do Altimeter mais ou menos a mesma coisa, ao permitir
Group, que estuda como as pessoas usam que os usuários separem sua caixa de
e interagem com a tecnologia e a internet. entrada em três colunas claramente
O e-mail se organiza em larga medida por demarcadas.
uma cronologia linear, com pouca atenção O e-mail tradicional é apenas uma parte
a tópicos e a questões contextuais. das comunicações eletrônicas que
"É como qualquer outra timeline ou feed", recebemos e requerem constante atenção.
ela diz. "As coisas têm seu momento e

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 5
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

Muitos de nós precisamos encarar um um almoço não requeira a troca de 10


número cada vez maior de caixas de mensagens.
entrada – entre as quais as do Twitter, "Ensinamos às pessoas como usar a
Facebook, SNS, Skype, serviços de internet, nos últimos 20 anos", diz Lyman.
encontros on-line, LinkedIn e Snapchat. "Basta descobrir como interagir com o e-
É possível que uma solução técnica não mail para que ele nos cause menos
baste. problemas".
ETIQUETA
QUESTÃO 11 - No desenvolvimento
Joshua Lyman, consultor de tecnologia e
temático do texto “Uso exagerado de e-mail
blogueiro que recentemente completou seu
deve evoluir para uma 'etiqueta'”, a autora
mestrado em sistemas de informação pela
Universidade Brigham Young, diz que o (A) enfatiza o lado ruim do uso do e-mail,
principal problema do e-mail é social e como o grande volume de spams e de
cultural. Etiqueta e expectativa precisam mensagens de desconhecidos e de
ser estabelecidas, da mesma forma que a propagandas diversas.

etiqueta telefônica evoluiu até que surgisse (B) mostra, ao longo do o texto, que
um entendimento comum quanto a evitar mantém um contato próximo e pessoal com
telefonemas tardios ou no horário das o mundo virtual, especialmente quando se
refeições. coloca entre os primeiros jornalistas a usar
e-mails para fazer pautas.
"Não é a quantidade de e-mails que é o
problema", diz Lyman. "Mas sim as (C) faz duras críticas ao mau uso da rede,
mensagens que requerem que percamos principalmente no que tange às mensagens
tempo, procuremos arquivos, com grande volume de informações, apesar
componhamos uma resposta bacana. Os de assinalar alguns benefícios do uso de e-
seres humanos só conseguem processar mail.
dado volume de informações. Ficamos (D) utiliza exemplos do seu cotidiano,
sobrecarregados". visando mostrar aversão aos anúncios
E ele diz que isso é um sinal de esperança. publicitários enviados diariamente à sua
Lyman acha que poderemos resolver o caixa de e-mails.
problema, desde que assim desejemos. Por QUESTÃO 12 - Quanto à organização
exemplo, podemos tentar manter nossos e- textual, o texto é caracterizado por
mails de trabalho curtos, inspirando-nos
(A) apresentar um assunto com o
nos 140 caracteres que limitam os posts do
predomínio de marcas pessoais, indício
Twitter. E podemos encontrar maneiras
forte de subjetividade na temática
melhores de colaborar, para que organizar
explorada.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 6
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

(B) relatar acontecimentos, em determinada (A) mostrar um estado de espírito


sequência, decorrentes de uma relação de permanente do locutor em relação ao uso
causa e efeito. dos recursos tecnológicos.
(C) pormenorizar o espaço, com (B) estabelecer uma rede de sentidos,
características do ser e do objeto, retomando e fazendo progredir as ideias no
acentuando a história da tecnologia. texto.
(D) particularizar a construção de (C) chamar a atenção do leitor para os
argumentos em terceira pessoa, traçando conflitos pessoais motivados pelo tema
discussões e análise de dados da abordado.
realidade. (D) criar um eufemismo para amenizar as
QUESTÃO 13 - A expressão linguística que contradições entre os problemas virtuais e
evidencia o ponto de vista da autora a os problemas reais.
respeito do uso do e-mail é o QUESTÃO 16 - As aspas usadas em “ É
(A) advérbio “sempre”. como qualquer outra timelime ou feed”
(B) pronome possessivo “meu”. (A) sinalizam o discurso da analista digital
(C) adjetivo “ótima”. com quem a autora quer se identificar.

(D) verbo “funcionar”. (B) mostram avaliações da autora sobre os


recursos gráficos usados pelos internautas.
QUESTÃO 14 - Em “Saí cedo para o
almoço. Mas quando voltei à minha (C) enfatizam um repertório significativo de
mesa...”, o termo “mas” ajuda a construir uso restrito na língua portuguesa.
uma (D) servem para ressaltar as modificações
(A) justificativa do que foi dito no enunciado da escrita alfabética na internet.
anterior. QUESTÃO 17 - A exemplificação, usada
(B) relação de conclusão entre como estratégia argumentativa no texto,
pensamentos similares. tem a função principal de

(C) oposição semântica das ideias (A) utilizar a ficção para convencer o leitor.
presentes no enunciado. (B) deixar consistente a tese defendida.
(D) rede de opiniões convergentes em (C) evidenciar estatisticamente o tema
torno da ideia defendida pela autora. tratado.
QUESTÃO 15 - No texto, a palavra (D) ignorar outro ponto de vista.
“Frustrada” tem a seguinte função: QUESTÃO 18 - O uso da palavra “até”, em
“A etiqueta telefônica evoluiu até que
surgisse um entendimento comum”,

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 7
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

pressupõe que os eventos relativos ao uso (D) mostrar falhas dos avanços da
de instrumentos de comunicação tecnologia.
(A) transformam-se dentro de uma limitada QUESTÃO 20 - O efeito de humor do Texto
gama de ações humanas. 3 consiste em
(B) podem ser determinados por norma ao (A) destacar a necessidade do lúdico no
atingir o limite do processo de mudança. ambiente de trabalho.
(C) estão implicados no dilema digital do (B) elogiar o comportamento dos
acesso limitado dos navegadores. funcionários das empresas.
(D) relacionam-se para promover atividades (C) apontar a indissociabilidade entre
interativas virtuais. trabalho e novas tecnologias.
(D) demonstrar o cotidiano de uma
Leia o texto 3 para responder às questões empresa de comunicação e publicidade.
19 e 20.

QUESTÃO 19 - Um dos objetivos do Texto



(A) abordar eventos corriqueiros de uma
empresa.
(B) informar defeitos nos aparelhos
eletrônicos.
(C) descrever a interação virtual entre as
pessoas.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 8
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

GABARITO OFICIAL – IF GOIANO 2013


01. D 05. B 09. D 13. C 17. B
02. D 06. D 10. A 14. C 18. A
03. A 07. A 11. C 15. B 19. D
04. B 08. A 12. A 16. A 20. C

ANOTAÇÕES

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 9
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

CELG/D 2014
Leia o Texto 1 para responder às automóvel, não existiriam estradas
questões de 01 a 08. asfaltadas, estacionamentos, a
Qual foi a maior invenção do milênio? Organização dos Países Exportadores de
Petróleo e provavelmente nem os Estados
Luis Fernando Verissimo Unidos, o que se notaria em seguida.
Minha opinião mudou com o tempo. Já É possível ter uma sociedade não literária,
pensei que foi o sorvete, que foi a corrente mas é impossível ter uma civilização do
elétrica, que foi o antibiótico, que foi o petróleo e uma cultura do automóvel sem o
sufrágio universal, mas hoje ― mais velho automóvel. Ou seja: nós e o mundo
e mais vivido ― sei que foi a escada seríamos totalmente outros com o
rolante. Gutemberg e sem o automóvel, mas
Para muitas pessoas, no entanto, a seríamos os mesmos, só mais burros, com
invenção mais importante dos últimos mil o automóvel e sem o Gutemberg.
anos foi o tipo móvel de Gutemberg. Nada É claro que esse tipo de raciocínio ― que
influenciou tão radicalmente tanta coisa, invenções fariam mais falta, não num
inclusive a religião (a popularização e a sentido mais nobre, mas num sentido mais
circulação da Bíblia e de panfletos prático ― pode ser levado ao exagero. Não
doutrinários ajudaram na expansão do seria difícil argumentar que, por este
protestantismo), quanto a prensa e o critério, as maiores invenções do milênio
impresso em série. Mas há os que dizem foram o cinto e o suspensório, pois o que
que a prensa não é deste milênio, já que os teriam realizado Gutemberg e o restante da
chineses tiveram a ideia de blocos móveis humanidade se tivessem de segurar as
antes de Gutemberg, e antes do ano 1001, calças por mil anos? Já ouvi alguém dizer
e que ― se formos julgar pelo impacto que que nada inventado pelo homem desde o
tiveram sobre a paisagem e sobre os estilingue é mais valioso do que o cortador
hábitos humanos ― o automóvel foi muito de unhas, que possibilitou às pessoas que
mais importante do que a tipografia. moram sozinhas cortar as unhas das duas
O melhor teste talvez seja imaginar o mãos satisfatoriamente, o que era
tempo comparativo que levaríamos para impossível com a tesourinha.
notar os efeitos da ausência do livro e do Tem gente que não consegue imaginar
automóvel no mundo. Sem o livro e outros como o homem pôde viver tanto tempo sem
impressos seríamos todos ignorantes, uma a TV e uma geração que não concebe o
condição que leva algum tempo para mundo sem o controle remoto. E custa
detectar, ainda mais se quem está acreditar que nossos antepassados não
detectando também é ignorante. Sem o tinham nada parecido com tele-entrega de

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 10
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

pizza. Minha opinião é que as grandes (A) pelo tempo, que permite a acumulação
invenções não são as que saem do nada, de diferentes expectativas.
mas as que trazem maneiras novas de usar (B) pela imaginação, que permite levantar
o que já havia. Já existia o vento, faltavam hipóteses sobre os efeitos da ausência de
inventar a vela. Já existia o bolor do queijo, um ou outro invento.
faltava transformá-lo em penicilina.
(C) pelo impacto tecnológico, que permite a
E já existia a escada, bastava pô-la em outros pesquisadores darem saltos na
movimento. escala evolutiva.
Tenho certeza que se algum viajante no (D) pela Bíblia, que permite a comparação
tempo viesse da antiguidade para nos entre o passado e o presente da
visitar, se maravilharia com duas coisas: o humanidade.
zíper e a escada rolante. Certo, se
espantaria com o avião, babaria com o (E) pelo sufrágio universal, que permite a
biquíni, admiraria a televisão, mesmo avaliação do grau de aprovação recebido
fazendo restrições à programação, teria por uma inovação.
dúvidas sobre o micro-ondas e o celular, QUESTÃO 02 - Ao transferir a invenção da
mas adoraria o caixa automático, mas, de prensa para os chineses, o locutor
aproveitável mesmo, apontaria o zíper e a (A) retifica a veracidade das informações
escada rolante, principalmente esta. veiculadas.
Escadas em que você não subia de degrau
em degrau, o degrau levava você! Nada (B) cria uma distância temporal do impacto
mais prático na antiguidade, onde causado pelos chineses.
escadaria era o que não faltava. Com o (C) alija da invenção da prensa o caráter de
zíper substituindo ganchos e presilhas, inovação de impacto.
diminuindo o tempo de tirar e botar a roupa (D) atribui maior importância à impressão
e o risco de flagrantes de adultério e da Bíblia.
escadas rolantes facilitando o trânsito nos
palácios, a antiguidade teria passado mais (E) assume a influência da religião
depressa, a Idade Moderna teria chegado protestante sobre seu pensamento.
antes, o Brasil teria sido descoberto há QUESTÃO 03 - A estratégia argumentativa
muito mais tempo e todos os nossos do autor para destacar o valor da invenção
problemas já estariam resolvidos ―faltando do automóvel é centrada
só, provavelmente, a reforma agrária. (A) na enumeração, que consiste no
inventário de coisas relacionadas entre si,
QUESTÃO 01 - Na concepção do locutor cuja ligação se faz pela sucessão de
do texto, o critério de definição para se palavras ou de orações marcadas tanto
chegar ao conceito de inovação dá-se

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 11
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

pela vírgula quanto pelo uso de conjunções (D) transforma o interlocutor em leitor ideal
coordenativas. porque supõe uma informação
(B) no paralelismo, que instaura uma compartilhada com o autor do texto.
relação de equivalência, por semelhança (E) quebra a expectativa do interlocutor em
ou por contraste, entre dois ou mais relação à progressão textual porque a
elementos. invenção do país subordina-se à invenção
(C) na epanáfora, que se identifica pela do automóvel.
repetição inicial da mesma palavra num QUESTÃO 05 - O locutor defende a ideia
mesmo enunciado. de que uma invenção necessariamente não
(D) na metábole, que se caracteriza pela exclui outra, contudo
acumulação de palavras ou expressões de (A) nós e o mundo seríamos
valor semântico próximo, registradas de completamente diferentes em uma
forma gradual num discurso, sem provocar civilização do petróleo.
a alteração da ideia central, mantendo (B) uma civilização do petróleo dentro de
progressivamente o assunto abordado. uma sociedade literária alcançaria o ápice
(E) na redundância, que se define pela do conhecimento científico.
repetição de informações, cuja função é a (C) uma sociedade não literária sem uma
de proteger as mensagens de qualquer cultura do automóvel não poderia progredir.
texto contra possíveis falhas.
(D) uma cultura do automóvel dentro de
QUESTÃO 04 - A inclusão dos Estados uma sociedade não literária seria mais
Unidos, no rol das invenções apresentadas burra.
no parágrafo 3, causa um efeito de sentido
que (E) nós e o mundo seríamos perfeitamente
os mesmos em uma sociedade não
(A) satiriza a imagem de interlocutor literária.
construída pelo locutor porque não conclui
o raciocínio iniciado. QUESTÃO 06 - O trecho “Minha opinião é
que as grandes invenções não são as que
(B) deixa o texto aberto à livre interpretação saem do nada, mas as que trazem
do interlocutor porque não possui maneiras novas de usar o que já havia”
articulação semântica com o enunciado (parágrafo 6) desencadeia uma sequência
anterior. de paralelismo em que o uso do “já”
(C) cria entre locutor e interlocutor o pacto (A) enfatiza a real dimensão da
da verossimilhança, porque o uso de um anterioridade da existência da natureza.
país real atribui credibilidade ao texto.
(B) introduz uma lista de inventos de antiga
tradição na sociedade humana.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 12
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

(C) critica a impossibilidade de Leia o Texto 2 para responder às


aperfeiçoamento das invenções da questões de 09 a 13. Texto 2
natureza.
(D) reconstitui a história das grandes
invenções da humanidade.
(E) reduz à ideia de invenção a complexa
relação entre natureza e cultura.
QUESTÃO 07 - Ao tratar da inovação, o
autor considera que as invenções atuam
nas sociedades
(A) criando modismos que aceleram a
evolução social e individual.
(B) alterando o comportamento social e
individual ao ponto de construir novas
culturas. QUESTÃO 09 - Há no Texto 2 uma crítica
(C) interferindo nas escolhas individuais ao modo de produção de entretenimento
sem transformar as práticas coletivas. nas diversas modalidades de mídia digitais.
Essa crítica centra-se
(D) moralizando os costumes da vida
privada e modernizando as práticas de (A) na crença instaurada pelas novas
relações sociais. mídias de que não há inovação na criação,
mas cópias de um mesmo invento.
(E) impedindo as transformações
individuais e consequentemente o (B) no senso comum da cultura popular que
progresso social. considera nova apenas a criação elaborada
com base na tradição.
QUESTÃO 08 - O gênero crônica é, por
definição, indefinido. Seu caráter híbrido (C) na concepção científica de inovação
permite ao autor aproximar-se de diferentes que reconhece a contribuição de
gêneros. Nessa crônica, as estratégias pesquisadores anteriores.
textuais utilizadas por Luis Fernando (D) na ideia vanguardista dos movimentos
Verissimo a aproximam do gênero artísticos que consideram novidade todo
(A) conto. (B) artigo científico. tipo de ruptura.

(C) diário. (D) ensaio. (E) no ideal antropofágico dos modernistas


de que todos os erros contribuem para a
(E) poema.
inovação.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 13
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

QUESTÃO 10 - No programa a ser (A) o entretenimento televiso não exibe


televisionado, há uma explicação sobre o programas dependentes dos registros das
processo de criação que redes sociais.
(A) aguça o olhar do expectador para (B) as transformações produzidas pela
diferentes definições de novidade. internet não atingem toda a população.
(B) generaliza o público telespectador ao (C) o entretenimento na era digital não
apresentar repetidamente o mesmo exige adaptações cognitivas.
musical. (D) as invenções tecnológicas não são
(C) cria no expectador um modo de aceitas pelas classes economicamente
recepção do que será apresentado. desfavorecidas.
(D) horizontaliza as relações de poder entre (E) as novas tecnologias não produzem
o criador da novidade e o telespectador. necessariamente ideias novas.
(E) estende o significado de interação e
fruição no século XXI.
QUESTÃO 11 - O uso repetido do particípio
verbal no enunciado do Texto 2 confere à
ideia de invenção apresentada um caráter
de
(A) inércia, revelada no apagamento dos
sujeitos de cada criação.
(B) dependência, revelada na subordinação
de uma criação à outra.
(C) esterilidade, revelada na incapacidade
de romper com a cadeia do plágio.
(D) passividade, revelada na rede de
interferências que cada obra produz sobre
a outra.
(E) improdutividade, revelada na
descontinuidade do processo de criação a
partir do último produto alcançado.
QUESTÃO 12 - O contraste instaurado
entre a dimensão verbal e a não verbal do
Texto 2 sugere que

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 14
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

GABARITO OFICIAL – CELG/D 2014


01. B 03. A 05. D 07. B 09. A 11. B
02. C 04. E 06. A 08. D 10. C 12. E

ANOTAÇÕES

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 15
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

CELG/GT 2014
Leia o texto que segue. As questões de Paquistão ou da Venezuela, aumentaria de
01 a 11 referem-se a ele. 180 milhões hoje para 910 milhões, e
(ℓ.1) DE VOLTA À ORIGEM (ℓ.35)registraria um em cada 12
nascimentos no mundo.
Até 2100, metade dos jovens com menos
de 18 anos será africana “O futuro da humanidade é cada vez mais
africano”, diz o relatório da Unicef, que
Quando se olha da nova estrada de mostra “uma mudança maciça na
(ℓ.5)contorno a serpentear pelos morros (ℓ.40)população infantil mundial em direção
verdes na borda sudoeste de Nairóbi, os à África”. O número de africanos com
telhados da Favela de Kibera parecem menos de 18 anos poderá inchar em dois
milhares de barracos amarrados uns aos terços e alcançar quase 1 bilhão em 2050,
outros em um agitado porto da era colonial. mesmo se as taxas de mortalidade infantil
(ℓ.10)Os barracos são tão próximos uns dos (ℓ.45)continuarem relativamente altas. Os
outros que os telhados finos quase se novos números assumem uma redução das
tocam sobre os becos, escondendo o taxas de fertilidade ao longo do tempo,
denso fluxo de moradores. enquanto a prosperidade aumenta.
Centenas se espremem sob cada folha de Mas a África parece incomum pelo fato de
(ℓ.15)lata. As escolas estão abarrotadas. Os (ℓ.50)o crescimento econômico na última
morros circundantes talvez não fiquem década não ter cortado a fertilidade como
verdes por muito tempo. Nairóbi devora fez em outros lugares. Os índices de
terras. Um novo estudo da Unicef, a fertilidade em alguns países africanos
agência da ONU dedicada à infância, indica estagnaram, em vez de cair
(ℓ.20)que, até 2100, pelo ritmo atual, quase (ℓ.55)constantemente, como aconteceu em
a metade das crianças com menos de 18 toda a Ásia Oriental e a América Latina.
anos do mundo será de africanos. No
momento, a porcentagem é de apenas [...] O índice total de fertilidade da África, o
25%. número de filhos que uma mulher pode
esperar ter durante sua vida, é 4,7. Nos
(ℓ.25)Essa seria uma das mudanças (ℓ.60)Estados Unidos é 2. Na Ásia Oriental,
demográficas mais drásticas da história. 1,7.
Até o fim deste século, se os atuais
padrões demográficos se mantiverem por A geração de riqueza pode acompanhar o
mais 85 anos (o que talvez não aconteça), crescimento da população? Um novo
(ℓ.30)a África teria 4,2 bilhões de estudo, desenvolvido na África do Sul,
habitantes, ante 1,1 bilhão atual. A Nigéria, (ℓ.65)pretende medir o tamanho da classe
cuja massa de terra é semelhante à do

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 16
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

média africana, definida como quem ganha (B) prepara a palavra para receber outras
ao menos 450 dólares por mês. bases lexicais indicativas de origem.
Esse grupo triplicou nas 11 maiores (C) integra o fenômeno da derivação,
economias do continente, de menos de 5 porque designa lugar de origem.
(ℓ.70)milhões em 2000 para 15 milhões (D) constitui uma incorreção, porque
hoje. Nos próximos 15 anos, seus números deveria concordar com a palavra jovens.
poderão aumentar mais 25 milhões. O PIB
(E) concorda com o núcleo do sintagma
das maiores economias também cresceu
nominal metade dos jovens.
mais depressa. A ascensão demográfica da
(ℓ.75)África é excepcional, mas há certa QUESTÃO 03 - Da frase “Nairóbi devora
esperança de que o continente consiga terras”, depreende-se que
enfrentá-la. (A) o espaço tem ainda características
rurais.
QUESTÃO 01 - O título “De volta à origem” (B) o continente africano é regido pela lei
faz uma alusão do mais forte.
(A) à faixa etária da infância em que se (C) a cidade de Nairóbi está se expandindo
baseia o estudo realizado pela agência da pelos campos.
ONU.
(D) a economia da capital do Quênia se
(B) à máxima bíblica de crescimento e de assemelha à dos tigres asiáticos.
multiplicação dos homens registrada no
(E) a atividade agrícola do lugar ajuda a
livro do Gênesis.
amenizar o problema da fome.
(C) ao lugar onde hipoteticamente surgiu o
QUESTÃO 05 - A construção que relaciona,
primeiro homem na Terra, do ponto de vista
de maneira explícita, o primeiro parágrafo
da ciência.
com as ideias desenvolvidas nos próximos
(D) à crise demográfica vivida pelos povos parágrafos é a seguinte:
das primeiras civilizações existentes no
(A) nova estrada de contorno.
planeta.
(B) morros verdes na borda sudoeste de
(E) ao retrocesso vivido
Nairóbi.
contemporaneamente pela humanidade,
por perder o controle da natalidade. (C) telhados finos quase se tocam.
QUESTÃO 02 - No lead do texto, a flexão (D) denso fluxo de moradores.
da palavra africana, no feminino, (E) porto da era colonial.
(A) acumula a função de indicar projeção QUESTÃO 06 - Predomina no texto uma
futura de um evento. visão negativa do crescimento

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 17
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

populacional. Essa visão é marcada QUESTÃO 08 - No trecho “O número de


linguisticamente africanos com menos de 18 anos poderá
(A) pelo uso de verbos como inchar, cair, inchar em dois terços e alcançar quase 1
enfrentar, os quais denotam que a explosão bilhão em 2050, mesmo se as taxas de
demográfica é um problema. mortalidade infantil continuarem
relativamente altas”, a palavra mesmo tem
(B) pelo emprego de metáforas, como a função de
serpentear, para se fazer analogia entre o
perigo representado por uma serpente e a (A) retomar por meio da referência um
população em excesso. elemento linguístico citado anteriormente.

(C) pelo uso de expressões comparativas (B) introduzir a possibilidade de


semelhante à, como que contribuem para amenização do problema, mas sem prever
estabelecer semelhanças entre a África e efeito positivo.
outros lugares. (C) apresentar o argumento mais forte da
(D) pelo emprego de aspas duplas para se sequência enunciativa à qual se contrapõe.
fazer referência ao relatório produzido pela (D) expressar a convicção do enunciador
Unicef. de que aquilo que enuncia tem efetivo valor
(E) a taxa de fertilidade na África se de verdade.
equipara à taxa de fertilidade dos Estados (E) marcar o desejo do enunciador de que
Unidos e da Ásia Oriental. haja redução do número de crianças e
QUESTÃO 07 - Em relação ao sentido do jovens.
texto e aos seus aspectos linguísticos, QUESTÃO 09 - No trecho ʻ“O futuro da
considera-se que humanidade é cada vez mais africano’, diz
(A) a palavra “centenas” (linha 14) retoma o relatório da Unicef, que mostra ‘uma
“telhados” (linha 7). mudança maciça na população infantil
mundial em direção à África”ʼ, a palavra
(B) o verbo “inchar” (linha 42) pode ser que tem uma função coesiva porque se
substituído por estancar sem prejuízo de refere à expressão:
sentido.
(A) futuro da humanidade.
(C) o sujeito de “parecem” (linha 8) refere-
se a “morros verdes” (linhas 5 e 6). (B) mudança maciça.

(D) o pronome “-la” (linha 77) refere-se à (C) relatório da Unicef.


palavra “esperança” (linha 76). (D) população infantil.
(E) a palavra “maciça” (linha 39) tem o (E) direção à África.
mesmo sentido de “densa”. QUESTÃO 10 - No trecho “A Nigéria, cuja
massa de terra é semelhante à do

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 18
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

Paquistão ou da Venezuela, aumentaria de


180 milhões hoje para 910 milhões [...]”, o
uso da vírgula tem como função
(A) isolar uma oração subordinada adjetiva.
(B) separar o adjunto adverbial.
(C) separar uma oração coordenada
assindética.
(D) isolar o vocativo.
(E) separar uma oração coordenada
sindética.
QUESTÃO 11 - A argumentação do texto
está organizada em torno da seguinte
relação de condicionalidade: QUESTÃO 12 - Na charge, a atitude do
“flanelinha” ilustra uma situação comum
(A) se as taxas de mortalidade infantil nos principais centros urbanos brasileiros.
continuarem altas, a África não correrá o
risco de concentrar a maior população de O argumento do motorista introduzido pela
crianças do mundo. palavra mas indica:

(B) o aumento da prosperidade resultará no (A) indignação. (B) preocupação.


aumento da taxa de fertilidade. (C) compaixão. (D) satisfação.
(C) se o número de crianças aumentar, a (E) obstinação.
taxa de mortalidade também aumentará. QUESTÃO 13 - No texto, a palavra aí tem a
(D) se os padrões demográficos atuais função de
mantiverem-se por mais alguns anos, a (A) propor correção de falhas na
África será o continente de maior comunicação.
população jovem do mundo.
(B) abrandar o conteúdo do enunciado.
(E) o aumento da quantidade de crianças
tornará a África um continente ainda mais (C) demarcar o início de uma interação
pobre. verbal.

Leia a charge para responder às (D) conectar unidades comunicativas.


questões de 12 a 14 (E) indicar mudança de tópico.
QUESTÃO 14 - O aspecto que contribui
para que o texto seja humorístico é:
(A) a expressão pacata do flanelinha.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 19
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

(B) o uso metafórico do verbo olhar.


(C) a hierarquia estabelecida pela palavra
chefia.
(D) a negociação entre o motorista e o
flanelinha.
(E) o olhar de indignação do motorista.
Leia a tira a seguir.

QUESTÃO 15 - Nos quadrinhos, o humor é


gerado pela
(A) ambiguidade categorial da palavra um,
que pode ser numeral e artigo indefinido.
(B) ausência de uma interpretação
metonímica da expressão cabeças de gado
pelo personagem Chico Bento.
(C) relatividade que deve ser aplicada aos
conceitos de riqueza e pobreza.
(D) concorrência entre os dois personagens
para ver quem é o melhor.
(E) diferença de significado existente entre
as palavras gado e boi.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 20
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

GABARITO OFICIAL – CELG/GT 2014


01. C 04. D 07. E 10. A 13. C
02. E 05. A 08. B 11. D 14. D
03. C 06. B 09. C 12. A 15. B

ANOTAÇÕES

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 21
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

DEMAE / CALDAS NOVAS - 2017


O fantasma do Inferno Azul trabalhos, inclusive no depósito de lixo
1 Bira, Jair Careca, Rodneyre e Elpídio não radioativo de Abadia, cidade a 20
se conheciam, mas tinham em comum uma quilômetros de Goiânia, para onde foram
rápida passagem pelos bancos escolares e transferidos após a limpeza das áreas
o jeitinho brasileiro de driblar o “quentes” (de alto grau de radiação). A
desemprego: viver de bico. Foi em contratação de “chapas” e a convocação de
setembro de 1987 que uma oferta militares e civis do Consórcio Rodoviário
tentadora os uniu. Na ocasião, correu por Intermunicipal (Crisa), da Companhia de
toda Goiânia a necessidade de se Limpeza Urbana e até da empreiteira
contratarem “chapas” para quebrar Andrade Gutierrez marcavam o início de
paredes, asfalto, derrubar casas e remover uma guerra surda para salvar Goiânia do
objetos. Em troca, receberiam salário e brilho azul fluorescente, que encantou a
mais diárias que, ao fim de uma semana, família de Leide das Neves Ferreira. [...]
representavam o que conseguiam ganhar 3 Quinze anos depois, Bira, Jair, Rodneyre
no mês. Jair José Pereira, pedreiro, e Elpídio continuam “chapas” em todos os
recebeu a proposta na praça A, no bairro sentidos. Mas não é só a camaradagem
de Campinas, ponto de braçais. Aceitou e que os une. Eles já apresentam sintomas
na mesma hora foi posto em uma Kombi da radiação que tomaram durante o tempo
branca, sem logotipo. Ubirajara Rosa de que trabalharam diretamente no acidente.
Souza fez o mesmo. Elpídio Evangelista da Até 1993, apenas os quatro eram os
Silva e Rodneyre Ferreira souberam por encarregados pelo depósito provisório e
amigos das contratações e apresentaram- trabalhavam das 8 às 18h. Em depoimento,
se no escritório da Comissão Nacional de contaram que viajaram junto com tambores
Energia Nuclear (CNEN) em busca de uma de lixo radioativo, além de colocá-los e
vaga. Os quatro começaram a trabalhar na retirá-los de caminhões e kombis,
rua 57, no centro de Goiânia, foco inicial do principalmente quando as empilhadeiras
maior acidente radiológico do mundo: o quebravam. De serventes, conforme os
vazamento de pouco mais de 17 g de contratos, foram alçados a técnicos da
cloreto de césio-137, que se encontrava em CNEN. A imprensa registrou inúmeras
um aparelho abandonado no Instituto vezes os braçais vestidos de macacões e
Goiano de Radioterapia. contadores Geiger à mão passeando entre
2 Os quatro não tinham noção do que era as 13,4 toneladas de lixo radioativo.
radiação e muito menos do que era césio. Segundo eles, uma farsa. “Ninguém sabia
Tampouco foram informados dos cuidados que não éramos técnicos. Durante muito
necessários para a execução dos tempo, não havia restrição para nós.
Permanecíamos em áreas controladas sem

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 22
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

saber ao certo o tempo permitido. As casas humildes na periferia da capital e


canetas dosimétricas estouravam com continuam vivendo de bicos. Elpídio pediu
frequência”, ou seja: atingiam a carga demissão do hotel em que trabalhava como
máxima de radiação, revelou Elpídio, que copeiro para cuidar da saúde. Eles evitam
chegou a chefiar os companheiros em contar que atuaram no acidente. “Se a
Abadia. Munido de fotos suas e de Bira no gente fala, tá lascado. Aí é que não arruma
depósito, publicadas na revista Manchete, nada mesmo. O pessoal acha que, se a
ele acusou os técnicos da CNEN de não gente adoece, pode passar pra eles”, diz
terem informado quais os locais de maior Jair, que leva a vida “sem pensar muito
radiação ou como utilizar os aparelhos nessas coisas”. Jair só lembra do césio
medidores. quando se dá conta de que não consegue
4 O fato mais grave revelado por Elpídio e mais exercer seu ofício de pedreiro. “Não
confirmado pelos outros três está posso me abaixar para assentar um piso.
relacionado à deterioração dos tambores Sinto muitas dores no corpo. Dente, perdi
de lixo. “Tirávamos os rejeitos do tambor um monte. Não sou mais o mesmo.
furado ou enferrujado e passávamos para Naquele dia, eu ainda brinquei dizendo que
outro, manualmente. O danificado era não voltava para casa sem o feijão. Se eles
amassado a marretadas e colocado em tivessem contado o que era, eu não ia.”
uma caixa metálica”, afirma Elpídio em seu […]
depoimento. Rodneyre faz coro e acusa o
físico Walter Mendes Ferreira de QUESTÃO 01 - O título da reportagem,
negligência. Segundo os “chapas”, ele só publicada em 2002 na revista Isto é, faz
comparecia ao depósito provisório para referência:
receber equipes de reportagem ou técnicos
(A) ao aspecto azulado do pó liberado pelo
internacionais. Fora isso, tratava os
material radioativo denominado Césio 137
problemas que lá ocorriam pelo rádio. A
no acidente de 1987.
ordem, em dia de visita, era virar os
tambores enferrujados, remendá-los e (B) à dor causada pela morte de Leide das
pintá-los com spray amarelo ou cobri-los Neves que teve contato direto com o pó
com lona para que as câmeras não radioativo do Césio 137.
pudessem filmá-los ou fotografá-los, (C) ao preconceito e descaso vividos pelos
contaram eles ao MP. [...] quatro “chapas” que aceitaram o trabalho
5 Elpídio está no grupo III de tratamento, da Comissão Nacional de Energia Nuclear
Rodneyre e Jair não se enquadram em (CNEN).
lugar algum. Bira disse que chegou a ficar (D) à atitude negligente do físico
um mês afastado por ter sofrido forte dose responsável pela Comissão Nacional de
de radiação. Rodneyre e Jair moram em

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 23
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

Energia Nuclear (CNEN) em relação aos trabalhadores mobilizados no acidente do


trabalhadores contratados. césio 137.
QUESTÃO 02 - O texto contém tanto QUESTÃO 04 - No último parágrafo,
palavras do registro informal do trabalhador encontra-se esta afirmação de Jair:
braçal quanto palavras do registro formal “Naquele dia, eu ainda brinquei dizendo
do conhecimento científico. Há palavras que não voltava para casa sem o feijão.”
desses dois registros em: Nesse caso, o emprego da palavra “feijão”
(A) chapa; lascado; cloreto de césio 137; em lugar do vocabulário “alimento” é um
canetas dosimétricas. recurso de linguagem denominado

(B) Kombi; empilhadeira; lixo radioativo; (A) silepse. (B) metonímia.


cloreto de césio 137. (C) catáfora. (D) elipse.
(C) lascado; viver de bico; CNEN; Crisa. QUESTÃO 05 - No quarto parágrafo lê-se:
(D) viver de bico; marretadas; tambores “A ordem, em dia de visita, era virar os
enferrujados; spray amarelo. tambores enferrujados, remendá-los e
pintá-los com spray amarelo ou cobri-los
QUESTÃO 03 - No terceiro parágrafo lê-se com lona para que as câmeras não
que, “Quinze anos depois, Bira, Jair, pudessem filmá-los ou fotografá-los”. A
Rodneyre e Elpídio continuam “chapas” em sequencia sublinhada indica
todos os sentidos”. Quais são esses
sentidos? (A) finalidade. (B) proximidade.

(A) Trabalhadores braçais sem contrato (C) capacidade. (D) conformidade.


oficial; amigos de longa data que QUESTÃO 06 - A reportagem da Isto é,
compartilham gostos e hobbys. além de informar sobre as consequências
(B) Trabalhadores informais; amigos unidos do acidente radiológico em Goiânia,
pela especialização em manuseio e estrutura-se sobre a
fabricação de peças usadas para revestir (A) argumentação, pois busca convencer o
ou reforçar dejetos do acidente radioativo. leitor de que o césio 137 é tema tabu.
(C) Colegas de trabalho informal; amigos (B) descrição, já que caracteriza de forma
que compartilham as consequências de detalhada e pessoal os fatos ocorridos.
terem trabalhado diretamente com o (C) injunção, estabelecendo contato com o
manuseio dos tambores do lixo radioativo. leitor e convocando-o a participar do texto.
(D) Colegas sem trabalho formal; amigos (D) exposição, uma vez que informa e
que se reuniram para denunciar a esclarece o tema tratado sem transparecer
negligência das autoridades com os opinião.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 24
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

Ou coisa que os valha

Ópios, édens, analgésicos


Não me toquem nessa dor
Ela é tudo o que me sobra
Sofrer vai ser a minha última obra
QUESTÃO 07 - O cartum acima explora e
amplia a metáfora “estrada da vida” com
QUESTÃO 08 - Os versos “É” muito mais
base na
elegante” e “Chegasse mais adiante” rimam
(D) elipse. (A) contradição instaurada entre entre si e constituem a chamada rima rica,
“estrada” e “obras”. formada por classes gramaticais diferentes.
(B) aliteração presente na sequência São elas:
“estrada”/”obras”. (A) substantivo e adjetivo.
(C) retomada por elipse de “estrada” em (B) adjetivo e advérbio.
“obras”.
(C) advérbio e pronome.
(D) da justaposição entre “estrada da vida”
(D) pronome e adjetivo.
e “em obras”.
QUESTÃO 09 - Na segunda estrofe, omite-
Leia o Texto que segue para responder se a seguinte expressão do início do
às questões de 08 a 10. terceiro verso:

Dor elegante (A) como se portasse.

Paulo Leminski (B) um homem com uma dor.

Um homem com uma dor (C) um homem recusa.

É muito mais elegante (D) a vida nos trata como.

Caminha assim de lado QUESTÃO 10 - O poema trata a dor


individual como
Como se chegando atrasado
(A) um trabalho forçado.
Chegasse mais adiante
(B) um produto do mercado.
(C) uma obra de arte.
Carrega o peso da dor
(D) uma obra de engenharia.
Como se portasse medalhas
Uma coroa, um milhão de dólares

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 25
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

GABARITO OFICIAL – DEMAE 2017


01. C 03. C 05. A 07. D 09. A
02. A 04. B 06. B 08. B 10. C

ANOTAÇÕES

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 26
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

PREFEITURA DE CALDAS NOVAS - 2014


TEXTO 1: Felicidade clandestina Uns quinze minutos. Esse foi o tempo
Menalton Braff necessário para que o bando chegasse,
olhasse, visse e saísse. Em seu rastro,
A gente tenta resistir, se esforça, mas a sinal de destruição nenhum. Além dos
literatura é um grande diálogo em que se vendedores, consegui focalizar um dos
tem de enfrentar vozes, muitas vozes, meninos que acabavam de chegar. Foi
remotas ou recentes, um emaranhado de direto a uma prateleira, não levou mais de
vozes onde tentamos distinguir alguns dos quinze segundos para escolher um livro,
interlocutores. Os temas nos chegam da sentou-se ali mesmo, no chão, pois não
vida e dos livros. Capitulamos para acabar dava mais para esperar. Abriu o livro, com
refazendo o que está feito. Não é a primeira aquelas duas mãozinhas quase
vez que a realidade me traz de volta a impossíveis, e se pôs a ler a história, a ver
ficção como se fora esta cópia daquela. A as figuras, não sei. De onde estava, apenas
Clarice Lispector tomava muito cuidado via que seus lábios se moviam e que seus
com as palavras porque ela sabia que as olhos brilhavam. Um brilho tão intenso que
palavras engendram vidas. Mas a Clarice tudo em volta começou a flutuar ao ritmo de
era maga, ela fabricava coisas. uma sinfonia ilimitada. O rostinho terroso,
Confesso que a princípio me assustei. então, começou a se transfigurar,
Chegou aquele bando em revoada, assumindo uma expressão gloriosa.
invadindo tudo, tomando conta do espaço, Eu estava com pressa, pois havia uma
expulsando-nos dali. Um dos meninos era multidão de umas duas ou três pessoas à
da cor da terra, trajava uma camiseta parda espera de um autógrafo alguns estandes
e usava uma bermudinha sem cor. Me adiante. Quem disse que eu conseguia sair
parece que era meio igual aos outros todos. do lugar? Naquele instante, o mundo em
Escolhi um ponto estratégico, de onde pude volta perdeu inteiramente o significado: só
observar aquela batalha, que, apesar do aquele menino e seu livro pulsavam em
susto, me interessava. De onde me meus sentidos. Ele ria, me parece que
abriguei, pude ver os vendedores do falava, não sei se lambia ou cheirava o
estande, o cabelo de alguns literalmente de livro. De repente ele o fechou e olhou para
pé (que agora é moda), o cabelo de todos cima, cismarento. Tentei acompanhar seu
eletrizado, assim como seus olhos. Tinham olhar. Para onde estaria ele viajando
ordens para não interferir, a não ser que o agora?
prejuízo se tornasse iminente. Durante uns Quando o menino reabriu o livro, percebi
quinze minutos não tiveram sossego. em seu rosto sinais de concentração.
Voltou à leitura com o cuidado de um

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 27
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

soldado estudando o terreno. Acho que torno da identificação do livro lido pelo
havia, finalmente, resolvido algum mistério menino.
ou, pelo menos, havia-se deparado com TEXTO 2: O primeiro beijo
algum, que era preciso desvendar.
Clarice Lispector
Seus colegas dispersaram-se pelos
estandes vizinhos, onde outros vendedores No dia seguinte fui à sua casa, literalmente
puseram cabelos e olhos de pé, mas sem correndo. Ela não morava num sobrado
interferir, como lhes fora ensinado. como eu, e sim numa casa. Não me
Relanceei o olhar pelo recinto da feira e mandou entrar. Olhando bem para meus
imaginei o Brasil todo ali dentro e achei que olhos, disse-me que havia emprestado o
aquilo era uma luz... vá que seja... no fim livro a outra menina, e que eu voltasse no
do túnel. dia seguinte para buscá-lo. Boquiaberta,
saí devagar, mas em breve a esperança de
Olhei de volta para onde estivera o menino novo me tomava toda e eu recomeçava na
e vi apenas um livro aberto com as folhas rua a andar pulando, que era o meu modo
movendo-se. Se não me engano, ouvi uma estranho de andar pelas ruas de Recife.
voz de criança, que vinha lá de dentro. O Dessa vez nem caí: guiava-me a promessa
menino resolvera penetrar em seu mistério. do livro, o dia seguinte viria, os dias
seguintes seriam mais tarde a minha vida
QUESTÃO 01 - Considerando os aspectos inteira, o amor pelo mundo me esperava,
formais e os mecanismos de produção de andei pulando pelas ruas como sempre e
sentido presentes no texto 1, não caí nenhuma vez. [...] Peguei o livro.
(A) o primeiro parágrafo apresenta uma Não, não saí pulando como sempre. Saí
preparação para o posterior andando bem devagar. Sei que segurava o
desenvolvimento do tema em forma de livro grosso com as duas mãos,
narrativa. comprimindo-o contra o peito. Quanto
tempo levei até chegar em casa, também
(B) o 2o e o 3o parágrafos iniciam a
pouco importa. Meu peito estava quente,
sequência narrativa com destaque para a
meu coração pensativo. Chegando em
temporalização do momento em que a
casa, não comecei a ler. Fingia que não o
história se passa.
tinha, só para depois ter o susto de o ter.
(C) o 5o parágrafo encerra o clímax da Horas depois abri-o, li algumas linhas
história juntamente com a elucidação feita maravilhosas, fechei-o de novo, fui passear
pelo narrador em relação à viagem pela casa, adiei ainda mais indo comer pão
empreendida pela personagem. com manteiga, fingi que não sabia onde
(D) o último parágrafo traz uma revelação guardara o livro, achava-o, abria-o por
do narrador para elucidar o mistério em alguns instantes. Criava as mais falsas
dificuldades para aquela coisa clandestina

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 28
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

que era a felicidade. A felicidade sempre Com relação a esses mecanismos, no


iria ser clandestina para mim. Parece que trecho
eu já pressentia. Como demorei! Eu vivia (A) “Naquele instante, o mundo em volta
no ar... Havia orgulho e pudor em mim. Eu perdeu inteiramente o significado” (texto 1),
era uma rainha delicada. a expressão em negrito se refere a um
marco temporal que localiza o momento em
QUESTÃO 02 - Ao tomar posse do livro que um dos garotos chega ao estande de
que tanto desejava, a personagem do texto livros.
2 demonstra um tipo de relação com esse
(B) “De repente ele o fechou e olhou para
objeto que pode ser explicitada por meio do
cima” (texto 1), o elemento gramatical em
seguinte trecho da letra de uma música:
destaque faz uma retomada do sintagma
(A) Um dia frio/ Um bom lugar pra ler um nominal “livro” e evita a repetição deste
livro/ E o pensamento lá em você,/ Eu sem termo.
você não vivo/ Um dia triste/ Toda
(C) “Criava as mais falsas dificuldades para
fragilidade incide/ E o pensamento lá em
aquela coisa clandestina que era a
você,/ E tudo me divide. (DJAVAN. “Nem
felicidade” (texto 2), a expressão em negrito
um dia”).
é um elemento que retoma o termo
(B) Aceite uma ajuda do seu futuro amor/ “felicidade” e lhe confere um valor de
Pro aluguel/ Devolva o Neruda que você assertividade.
me tomou/ E nunca leu. (BUARQUE, Chico.
(D) “No dia seguinte fui a sua casa” (texto
“Trocando em miúdos”).
2), a expressão destacada se refere a uma
(C) Sou eu que vou seguir você/ Do marca temporal mencionada
primeiro rabisco/ Até o be-a-bá./ Em todos posteriormente no texto, demonstrando ser
os desenhos/ Coloridos vou estar/ A casa, a esta a passagem inicial do texto.
montanha/ Duas nuvens no céu/ E um sol a
Considere o texto 3 para responder às
sorrir no papel. (TOQUINHO. “Caderno”).
questões 04, 05 e 06 .
(D) Os livros são objetos transcendentes/
Mas podemos amá-los do amor táctil/ Que
votamos aos maços de cigarro/ Domá-los,
cultivá-los em aquários. (VELOSO,
Caetano. “Livros”).
QUESTÃO 03 - Nas atividades discursivas
que se dão entre sujeitos por meio de
textos, ganha destaque o uso de certos
mecanismos com vistas à referenciação.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 29
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

(C) as falas de Jon e de Garfield revelam


um discurso anacrônico por expressar
valores e dogmas contrários aos referentes
à época na qual as personagens se situam.
(D) o lema “aprimorar a mente” é uma
característica marcante da contracultura
típica do momento histórico em que as
personagens se encontram.
QUESTÃO 05 - Em termos linguísticos, a
ambiguidade presente na tira se
deve
(A) ao uso do pronome demonstrativo
“isso”, que indica tanto o manuseio quanto
a leitura de livros.
(B) à utilização do advérbio “também”, que
incide sobre o elemento extralinguístico
livro.
(C) à utilização do pronome possessivo
“minha”, que se refere tanto à mente de Jon
QUESTÃO 04 - Levando em consideração quanto à de Garfield.
que os textos são permeados pelos (D) ao uso da primeira pessoa “eu”, que
discursos efetivamente produzidos em cada substitui o nome de Jon no primeiro quadro
época, refletindo-os ou distorcendo-os, na e de Garfield no terceiro.
tira, QUESTÃO 06 - A duplicidade de sentido
(A) a filosofia de vida livre e pueril de confere à tira um efeito de humor, que é
Garfield se contrapõe ao estilo de vida obtido
preocupado e sério de seu dono, Jon (A) pela utilização de catáfora nas falas das
Arbuckle. personagens, já que esse mecanismo tem
(B) a quebra de valores e dogmas, como a a função de antecipar seu referente.
afirmação da personagem Jon sobre a (B) por motivos extralinguísticos, pois há
necessidade de pensar, é algo referência a determinado comportamento
característico das sociedades pós- não pertencente aos animais.
modernas.
(C) pela quebra de expectativa, uma vez
que se esperava de Garfield um

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 30
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

entendimento diferente daquele (B) a repetição de cenas como marcação


demonstrado no último quadro de tempo.
(D) pelo contexto da história, porque as (C) a utilização de balões como indicação
falas de Jon e Garfield ocorrem em cenas de monólogo.
sem localização espacial e temporal. (D) o uso da personificação como
Considere os textos 3 e 4 para caracterização de personagens.
responder à questão 07. Considere os textos 1, 2, 3 e 4 para
TEXTO 4 responder às questões 08, 09 e 10.
QUESTÃO 08 - Entre os elementos que
caracterizam os gêneros discursivos,
destaca-se o modo como se organiza a
própria composição textual, com vistas a
narrar, descrever, argumentar, explicar,
instruir. Com base nisso,
(A) no texto 1, há predominância de
sequências injuntivas com a finalidade de
construir um texto jornalístico.
(B) no texto 2, destacam-se sequências
narrativas com o objetivo de se configurar
um conto.
(C) no texto 3, ganham destaque as
sequências descritivas com vistas à
construção de uma tirinha.
(D) no texto 4, predominam sequências
explicativas com o propósito de criação de
uma micronarrativa.
QUESTÃO 09 - A temática comum aos
quatro textos indica a concepção de que a
leitura
(A) transforma as práticas, os desejos e as
QUESTÃO 07 - Comparando os aspectos percepções dos seres humanos.
verbais e não verbais presentes nos textos (B) elitiza o conhecimento ao se dirigir a um
3 e 4, constata-se grupo específico.
(A) o emprego reiterado de onomatopeias.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 31
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

(C) acentua a diferença existente entre as


diversas classes sociais.
(D) representa o mundo tal qual ele se
mostra para os leitores.
QUESTÃO 10 - Uma característica
fundamental de alguns textos é a de que
são marcadamente heterogêneos, isto é,
são atravessados, ocupados, habitados por
ditos presentes em outros textos. Essa
propriedade relaciona-se a qual das
passagens abaixo?
(A) “Estou aprimorando a minha mente”.
(Texto 4)
(B) “Enquanto você fica lendo esse livro
chato, eu vou fazer algo divertido!”. (Texto
3)
(C) “fingi que não sabia onde guardara o
livro, achava-o, abria-o por alguns
instantes”. (Texto 2)
(D) “A gente tenta resistir, se esforça, mas a
literatura é um grande diálogo”. (Texto 1)

GABARITO OFICIAL – PREF. CALDAS NOVAS 2014


01. A 03. B 05. C 07. D 09. A
02. D 04. A 06. C 08. B 10. D

ANOTAÇÕES

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 32
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

UFG - TAE - 2018


Leia o Texto 1 para responder às (C) a divisão e a classificação da ciência
questões de 01 a 05. para dar lugar à arte de fazer política na
TEXTO 1 ciência.

[1]ESTRANGEIRO: – Pois bem: nas (D) o agrupamento dos animais em


ciências teóricas nós começamos por rebanhos e o domínio dos rebanhos pela
distinguir uma parte diretiva, e nesta, uma separação.
divisão a que chamamos, por analogia, QUESTÃO 02 - Dado seu tema central, o
[5]autodirigente. A criação dos animais foi, recurso linguístico utilizado para promover
por sua vez, considerada como uma das a progressão temática do texto é a
divisões da ciência autodiretiva, da qual é (A) exposição linear das ideias, com o
um gênero e certamente não o menor; a auxílio de articuladores argumentativos.
criação de animais nos deu a espécie da
[10]criação em rebanho, e a criação em (B) disposição aleatória dos marcadores
rebanho, por sua vez, deu-nos a arte de discursivos nas sentenças.
criar os animais pedestres; e a seguir, esta (C) retomada textual explicitada pelo uso
arte de criar os animais pedestres nos deu, de pronomes pessoais.
como seção principal, a arte que cria raça (D) articulação oracional por conjunções
[15]de animais sem chifres; e, ainda, esta subordinativas.
raça de animais sem chifres inclui uma
parte que só poderá ser compreendida por QUESTÃO 03 - Visto que o excerto citado
um único termo pela adição necessária de faz parte de um diálogo, nas duas últimas
três nomes; ela se chamará: “a arte de criar linhas do texto infere-se que
[20]raças que não se cruzam”. Por fim, a (A) por ser a arte de dirigir os homens, esta
última subdivisão restante, nos rebanhos é a subdivisão prioritária da ciência.
bípedes, será a arte de dirigir os homens. É (B) o animal homem é uma subclasse
precisamente o que procuramos; a arte que menor do rebanho dos bípedes.
se honra por dois nomes: política e real.
(C) por ser um animal, o homem deve ser
dirigido com firmeza.
QUESTÃO 01 - O excerto citado do
Diálogo “Político”, de Platão, tem como (D) o homem é um ser político, organizado
tema central: em sociedade.
(A) a arte de criar e de cuidar dos animais QUESTÃO 04 - Por sua estrutura
de diferentes espécies e gêneros. discursiva e progressão temática, o excerto
apresentado se caracteriza por uma
(B) o direito de nomear os animais e suas
sequência textual
respectivas artes de criação e cuidados.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 33
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

(A) descritiva, com abundância de detalhes E ter que demonstrar sua coragem
da ciência animal. À margem do que possa parecer
(B) argumentativa, em defesa da função da E ver que toda essa engrenagem
ciência política. Já sente a ferrugem lhe comer
(C) narrativa, relatando o evento de Êh, ôô, vida de gado
classificação das artes. Povo marcado
(D) injuntiva, determinando a forma de Êh, povo feliz!
direção dos animais.
Lá fora faz um tempo confortável
QUESTÃO 05 - A vinculação do texto ao A vigilância cuida do normal
gênero diálogo é evidenciada por recursos
Os automóveis ouvem a notícia
linguísticos e discursivos, tais como:
Os homens a publicam no jornal
(A) a repetição de “por sua vez”, ao longo
E correm através da madrugada
do texto, e expressões próximas da
oralidade, como “a arte de criar raças que A única velhice que chegou
não se cruzam” (nas linhas 11 e 12). Demoram-se na beira da estrada
(B) o emprego da analogia como forma de E passam a contar o que sobrou!
garantir credibilidade à argumentação do Êh, ôô, vida de gado
discurso para convencer o interlocutor Povo marcado
ausente.
Êh, povo feliz!
(C) a utilização recorrente da função fática O povo foge da ignorância
da linguagem, presente em todo o texto,
Apesar de viver tão perto dela
para prender a atenção do interlocutor.
E sonham com melhores tempos idos
(D) o uso de “Pois bem” (na linha 1), “Por
Contemplam esta vida numa cela
fim” (na linha 20), e o emprego da primeira
pessoa do plural dos verbos. Esperam nova possibilidade
De verem esse mundo se acabar
Releia o Texto 1 e leia o Texto 2 para A arca de Noé, o dirigível,
responder às questões de 06 a 10. Não voam, nem se pode flutuar
Admirável gado novo Êh, ôô, vida de gado
Vocês que fazem parte dessa massa Povo marcado
Que passa nos projetos do futuro Êh, povo feliz!
É duro tanto ter que caminhar
QUESTÃO 06 - No Texto 2, os termos
E dar muito mais do que receber
“massa” e “gado” adquirem um sentido

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 34
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

semelhante a “rebanho”, no Texto 1. Essa (C) a pressa das pessoas nas ruas em
semelhança de sentido deve-se saber dos acontecimentos diários
(A) à percepção generalizante do ser divulgados pelas mídias.
humano como um animal passível de (D) o favorecimento de quem tem carro no
pacificação e de condução. acesso às informações privilegiadas antes
(B) ao grande número de substantivos de sua publicação.
disponíveis no léxico das línguas, em todos QUESTÃO 09 - No Texto 2, em “A arca de
os tempos. Noé, o dirigível/ Não voam, nem se pode
(C) ao conceito biológico de homem flutuar”, a expressão “o dirigível” tem função
classificado como um animal doméstico, (A) propositiva, incluída para relacionar os
pedestre, bípede e sem chifres. dois períodos da sentença e garantir seu
(D) à sinonímia entre as palavras, valor de verdade.
promovida pelos empréstimos do grego ao (B) vocativa, introduzida para evocar o
latim e do latim à língua portuguesa. momento celebratório de desintegração do
QUESTÃO 07 - A articulação entre os mundo.
enunciados, no refrão do Texto 2 ,“[...] vida (C) ilustrativa, inserida como acessório
de gado/ Povo marcado”, evoca o sentido discursivo para repetir o sentido construído
de “criação de animais em rebanho” e de e apresentado.
“criação de animais pedestres”, no Texto 1. (D) apositiva, mobilizada para construir o
Os mecanismos utilizados para a produção efeito metafórico de sentido e completar a
de sentidos, nesses enunciados, no Texto intertextualidade.
2, é a
QUESTÃO 10 - Na última estrofe do Texto
(A) pressuposição. (B) ambiguidade. 2, a retomada do sujeito “o povo”,
(C) comparação. (D) inferência. verbalizado no primeiro verso, é feita por
QUESTÃO 08 - No Texto 2, os versos “Os silepse com os verbos no plural. Trata-se
automóveis ouvem a notícia/ Os homens a de
publicam no jornal” pressupõem (A) concordância semântica, porque o
(A) a veiculação das notícias no rádio dos sujeito é coletivo.
carros antes de sua divulgação nos jornais (B) erro de concordância, porque o sujeito
impressos. está no singular.
(B) o anacronismo das notícias da (C) concordância ideológica, porque o
imprensa para quem está nas ruas sujeito está implicado.
assistindo às cenas da vida real. (D) opção de concordância, porque a
aplicação da regra é facultativa.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 35
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

Releia os Textos 1 e 2 e leia os Textos 3 (C) reconfiguração da essência da


e 4 para responder às questões de 11 a animalidade do ser, resultando em um novo
15. ser humano.
Texto 3 (D) destituição da capacidade humana de
autogestão, demonstrada na definição de
ciência.
QUESTÃO 12 - Os Textos 3 e 4
intertextualizam com os Textos 1 e 2, por
sintetizarem as noções de
(A) “bípede” e de “dirigível”, em
consideração ao conceito de povo.
(B) “animal” e de “humano”, em relação à
coletividade humana.
(C) “raça” e de “pedestre”, comparativo à
raça de animais sem chifres.
(D) “massa” e de “rebanho”, relativo ao
Texto 4 agrupamento do animal homem.
QUESTÃO 13 - As ações sociais e políticas
do homem, sugeridas nos Textos 1 e 2 e
evidenciadas nos Textos 3 e 4, na
contemporaneidade, resumem-se
(A) aos relacionamentos amorosos e
afetivos entre duas pessoas.
(B) à atuação nos meios educacionais e na
vivência sociocultural.
QUESTÃO 11 - Considerados como (C) ao comportamento de consumidor e à
sequência temporal dos Textos 1 e 2, os participação eleitoral.
Textos 3 e 4 são a (D) à intervenção nas decisões e à atuação
(A) concepção do humano como um nas redes sociais.
rebanho atualizado pelo conceito de QUESTÃO 14 - O Texto 3 representa a
teledirigíveis midiáticos. imagem da sociedade, ao passo que o
(B) decomposição da humanidade do ser Texto 4 representa a imagem de uma
humano em favor da prioridade de sua parcela da sociedade, o eleitorado. Há uma
animalidade.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 36
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

distinção substancial entre as duas


imagens. Essa distinção é dada
(A) pelo enquadramento disforme da
imagem da sociedade em relação ao
enquadramento uniforme do eleitorado.
(B) pela monovalência da imagem da
sociedade em comparação com a
ambivalência da imagem do eleitorado.
(C) pelo caráter humorístico da imagem da
sociedade e pelo caráter disfórico da
imagem do eleitorado.
(D) pela presença de um arquétipo
destoante na sociedade e pela total
ausência de marca destoante entre o
eleitorado.
QUESTÃO 15 - A síntese dos quatro textos,
com base na última divisão da ciência, na
classificação de Platão, pode ser assim
expressa:
(A) a política é uma forma de modificar a
realidade.
(B) a política é o único modo de promover a
justiça social.
(C) a política é a arena onde o homem é o
lobo do próprio homem.
(D) a política é a arte de governar, e
governar significa dirigir os homens.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 37
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

GABARITO OFICIAL – UFG – TAE - 2018


01. C 04. B 07. C 10. C 13. C
02. A 05. D 08. B 11. A 14. A
03. D 06. A 09. D 12. D 15. D

ANOTAÇÕES

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 38
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

IF GOIANO - 2019
Leia o Texto 1 para responder às necessária ao lançamento. Seus cálculos
questões de 01 a 11. demonstrariam que construir uma tal nave
TEXTO 1 e lançá-la ao espaço estava
completamente fora do alcance da
Uma breve história da conquista espacial tecnologia então disponível. De fato, não é
Na imaginação humana, a conquista do nada fácil acelerar um objeto às enormes
espaço exterior deve ter começado na pré- velocidades que possibilitam iniciar um voo
história, com a contemplação do céu. espacial a partir da superfície da Terra. A
Dezenas de milhares de anos mais tarde, já propósito, naquela época só faria sentido
na antiguidade histórica, alguns povos explorar o espaço com naves tripuladas, as
civilizados aprenderam a descrever e quais pesariam toneladas e teriam de ser
prever com admirável precisão o capazes de trazer os astronautas, vivos, de
movimento aparente dos astros na volta para casa. Não havia outra forma de
abóbada celeste. Entretanto, até a Idade tirar proveito da experiência. As
Moderna o Universo permaneceu comunicações pelo rádio só seriam
inteiramente misterioso. Os bandeirantes já inventadas duzentos anos mais tarde, no
tinham desbravado o interior do Brasil fim do século XIX, e equipamentos
quando, finalmente, na Europa, foram automáticos capazes de substituir o ser
descobertas leis físicas capazes de explicar humano na exploração do espaço só se
os movimentos dos corpos celestes (entre tornariam realidade em pleno século XX.
os quais a própria Terra). Ficou Por tudo isso, até 1957 as viagens
demonstrado que os objetos materiais com espaciais foram apenas um sonho, que se
que convivemos na superfície da Terra expressava na ficção literária. Entre os
estão sujeitos a essas mesmas leis. A partir pioneiros de estudos e experimentos em
dessa época o conhecimento científico da astronáutica merecem destaque Konstantin
Natureza vem se acumulando. O espaço E. Tsiolkovsky, Robert H. Goddard e
exterior deixou de ser inacessível. Todavia Hermann Oberth. Trabalhando
a cada nova descoberta a humanidade independentemente, quase sempre com
constata que o mistério do Universo é poucos recursos, eles resolveram
maior e mais fascinante do que antes se problemas de engenharia e demonstraram
imaginava. Há trezentos anos, no fim do que foguetes de propulsão química
século XVII, um hipotético discípulo de poderiam um dia levar cargas úteis ao
Isaac Newton já teria conhecimentos de espaço. Em geral seus trabalhos foram mal
física suficientes para analisar a dinâmica compreendidos e receberam pouco apoio.
de voo de uma nave espacial. Poderia até A possibilidade concreta de uso militar dos
fazer uma estimativa da propulsão foguetes é que levou os governos da

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 39
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

Alemanha, da URSS e dos EUA, a partir de passivo de comunicações (Echo 1). Este
um dado momento, a apreciar e aproveitar último era um enorme balão esférico inflado
os resultados obtidos por esses pioneiros. no espaço para refletir as ondas de rádio.
Durante a Segunda Guerra Mundial, a Ao findar aquele ano já tinham entrado em
Alemanha investiu no desenvolvimento de órbita 44 satélites. Impulsionada pela
foguetes de propelentes líquidos para Guerra Fria, a corrida espacial entre as
transportar “bombas voadoras”. Até o fim duas superpotências começava a gerar
da guerra, Oberth trabalhou com Wernher resultados científicos importantes, como a
Von Braun e uma equipe de especialistas descoberta dos cinturões de radiação que
na base de Peenemünde. Depois da circundam nosso planeta. Por alguns anos
guerra, os EUA e a URSS aproveitaram a a URSS e os EUA foram os únicos países
experiência dos alemães em seus capazes de explorar o espaço. Aos demais
programas de armamentos, cujos foguetes faltava a capacidade de lan- çamento. O
oportunamente também se prestariam à desenvolvimento de grandes foguetes
exploração do espaço. O lançamento do guiados, custoso e incerto, estava então
primeiro satélite artificial da Terra, o Sputnik intimamente ligado à necessidade de
1, a 4 de outubro de 1957, marca o início produzir mísseis balísticos de longo
da Era Espacial. Era uma esfera de alcance. A URSS, por esforço próprio,
alumínio de 58 cm de diâmetro e 84 kg de inspirada na tradição de parcerias
massa, com instrumentos rudimentares e estratégicas e aproveitando alguns técnicos
um transmissor de rádio. Entrou em órbita e materiais capturados da Alemanha em
elíptica entre 230 e 942 km de altura. Um 1945, foi a primeira a produzir foguetes de
mês depois a URSS pôs em órbita o grande empuxo, que lhe deram clara
segundo Sputnik, de meia tonelada, com vantagem até meados da década de
uma cadela a bordo, usando um foguete sessenta. Os EUA dispunham de amplos
com empuxo de centenas de toneladas. O recursos econômicos e tecnológicos,
primeiro satélite lançado pelos EUA com tinham experiência própria graças ao
sucesso foi o pequeno Explorer 1, de 8 kg, trabalho de Goddard, e contavam com os
em 31 de janeiro de 1958. A vida útil melhores especialistas de Peenemünde.
desses primeiros satélites em geral não Entretanto, em boa parte devido a
passava de poucas semanas. A URSS problemas organizacionais, ficaram a
atingiu a Lua com uma sonda de impacto reboque da URSS no início da corrida
(Luna 2) em setembro de 1959. No mês espacial. Até o lançamento do Sputnik 1 a
seguinte, com a Luna 3, obteve imagens da perspectiva da exploração do espaço não
face da Lua que nunca é vista da Terra. Em empolgara a opinião pública nos EUA, onde
1960 os EUA lançaram um satélite o assunto era visto em setores do governo
meteorológico (Tiros 1), um satélite de como uma disputa entre grupos rivais do
navegação (Transit 1B) e um satélite Exército, Marinha e Força Aérea. O impacto

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 40
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

causado pelo sucesso dos soviéticos levou (A) A descoberta das leis físicas
os EUA a uma reação rápida e exemplar: explicativas dos movimentos dos corpos
houve uma autocrítica implacável, cresceu celestes é posterior ao movimento de
a demanda popular por resultados ocupação do interior do Brasil.
imediatos e o governo entendeu que (B) A constatação de que a matéria
precisava se reorganizar. O “efeito Sputnik”, existente na superfície da Terra está sujeita
além de diligenciar a criação da NASA, às mesmas leis naturais impulsionadoras
agência espacial constituída com base nos dos movimentos dos corpos celestes.
centros de pesquisa e equipes técnicas já
disponíveis, desencadeou um processo de (C) A capacidade científica de descrição fiel
mudanças no sistema educacional. Em do material, do diâmetro e da massa
todo o país houve um esforço para ampliar estrutural do Sputnik 1.
e melhorar o ensino de matemática e (D) A realização de pesquisa em
ciências nas escolas. A corrida espacial engenharia, química e carga espacial por
marcou presença até nos jardins de autores como Hermann Oberth.
infância norte-americanos, onde muitas QUESTÃO 03 - Considerando-se o
crianças aprenderam primeiro a contar na processo coesivo do texto, a expressão “a
ordem regressiva, como nos lançamentos: propósito”, no trecho “A propósito, naquela
10, 9, 8, … época só faria sentido explorar o espaço
com naves tripuladas”,
QUESTÃO 01 - No título do texto, a
(A) nega a finalidade dos experimentos
expressão “breve história” remete ao fato
espaciais da época.
de que
(B) apresenta uma nova abordagem sobre
(A) as viagens espaciais são características
o tema desenvolvido.
da era atual.
(C) introduz um conteúdo reforçador das
(B) o conteúdo do texto constitui uma visão
informações anteriores.
panorâmica do tema.
(D) demonstra as verdadeiras intenções
(C) o texto apresenta fatos científicos sem
dos cientistas espaciais.
comprovação.
QUESTÃO 04 - Considerando-se a
(D) as temáticas da astronomia são pouco
funcionalidade para a organização
abordadas nos meios científicos
gramatical do texto, qual trecho constitui um
QUESTÃO 02 - Qual fato comprova o fato?
argumento de que estudos sistematizados
(A) “a conquista do espaço exterior deve ter
do espaço exterior à Terra são
começado na pré-história, com a
relativamente tardios?
contemplação do céu”.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 41
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

(B) “alguns povos civilizados aprenderam a QUESTÃO 07 - Qual informação pressupõe


descrever e prever com admirável precisão uma ação extremada na política interna
o movimento aparente dos astros na americana voltada para a corrida espacial?
abóbada celeste”. (A) “No mês seguinte, com a Luna 3,
(C) “um hipotético discípulo de Isaac obteve imagens da face da Lua que nunca
Newton já teria conhecimentos de física é vista da Terra”.
suficientes para analisar a dinâmica de voo (B) “O primeiro satélite lançado pelos EUA
de uma nave espacial”. com sucesso foi o pequeno Explorer 1, de 8
(D) “naquela época só faria sentido explorar kg, em 31 de janeiro de 1958”.
o espaço com naves tripuladas, as quais (C) “Impulsionada pela Guerra Fria, a
pesariam toneladas e teriam de ser corrida espacial entre as duas
capazes de trazer os astronautas, vivos, de superpotências começava a gerar
volta para casa”. resultados científicos importantes”.
QUESTÃO 05 - Infere-se do texto que uma (D) “A corrida espacial marcou presença
importante estratégia americana para até nos jardins de infância norte-
incentivar a corrida espacial envolveu americanos, onde muitas crianças
(A) a adesão da opinião pública. aprenderam primeiro a contar na ordem
(B) o reforço nas parcerias estratégicas. regressiva”.

(C) o investimento em infraestrutura. QUESTÃO 08 - Na configuração estrutural


do texto, predominam sequências
(D) a reconciliação com inimigos históricos.
(A) injuntivas, que cooperam para a
QUESTÃO 06 - Quanto à sua função social promoção do envolvimento do leitor com a
e discursiva, o Texto 1 objetiva temática abordada.
(A) promover atividades governamentais (B) narrativas, cuja funcionalidade está
sistematizadas voltadas para as conquistas voltada para representação dos fatos em
espaciais e científicas. uma linha cronológica.
(B) orientar cientistas espaciais a respeito (C) descritivas, que apresentam
de estratégias operacionais viáveis à detalhadamente a configuração do espaço
produção de conhecimento relevante. físico a fim de atribuir veracidade ao
(C) contrapor ideias a respeito da conteúdo.
viabilidade de determinados programas (D) argumentativas, que expressam a
governamentais internacionais. opinião do autor a respeito da temática com
(D) divulgar para a comunidade em geral base em um jogo de contraposição de
informações a respeito de uma ideias.
determinada área de estudos e pesquisas.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 42
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

QUESTÃO 09 - Em qual organização (D) um processo de impessoalização dos


oracional o uso do “que” está a serviço da agentes europeus envolvidos nas
constituição pragmática do texto e não pesquisas espaciais
auxilia na representação do evento QUESTÃO 11 - O “efeito Sputinik” constitui
descrito?
(A) a possibilidade de serem registradas e
(A) “A cada nova descoberta a humanidade catalogadas imagens do espaço sideral.
constata que o mistério do Universo é
maior e mais fascinante do que antes se (B) a busca por parcerias estratégicas
imaginava”. produtivas na corrida espacial.

(B) “A possibilidade concreta de uso militar (C) a reação americana ao ineditismo russo
dos foguetes é que levou os governos da ao lançar no espaço o primeiro satélite
Alemanha, da URSS e dos EUA a apreciar artificial.
e aproveitar os resultados obtidos por (D) a constatação de que espaço é
esses pioneiros”. infinitamente misterioso e fascinante
(C) “Seus cálculos demonstrariam que
construir uma tal nave e lançá-la ao espaço Releia o Texto 1 e leia o Texto 2 para
estava completamente fora do alcance da responder às questões 12 e 13.
tecnologia então disponível”. TEXTO 2
(D) “Houve uma autocrítica implacável, China faz história ao pousar sonda pela
cresceu a demanda popular por resultados primeira vez do lado oculto da Lua Lançada
imediatos e o governo entendeu que em dezembro de 2018, a sonda lunar
precisava se reorganizar”. Chang'e-4 fez um "pouso suave" às 2h26
QUESTÃO 10 - Quanto à constituição e (horário de Greenwich) do dia 3 de janeiro
funcionalidade do sujeito, na frase “Ficou de 2019, e transmitiu a primeira imagem
demonstrado que os objetos materiais com em "close" do lado oculto da Lua, informou
que convivemos na superfície da Terra a Agência Nacional de Administração
estão sujeitos a essas mesmas leis”, há Espacial da China.

(A) uma recuperação resumida de todos os A Lua está ligada à Terra pelas marés,
referentes já mencionados no texto. girando na mesma velocidade enquanto
orbita nosso planeta, por isso seu lado
(B) a necessidade do estabelecimento de
oculto – ou "lado negro" – jamais é visível
um agente específico nas frases
para nós. Espaçonaves anteriores viram o
subsequentes.
lado oculto, mas nenhuma havia pousado
(C) a impossibilidade de recuperação do nele.
referente humano responsável pela
O pouso "ergue o véu de mistério" do lado
contemplação do universo.
oculto da lua e "iniciou um novo capítulo na

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 43
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

exploração lunar humana", disse a agência Agora que a competição está se


em um comunicado publicado em seu site, acelerando no espaço, o presidente dos
que incluiu uma foto colorida que mostra EUA, Donald Trump, pretende criar uma
um grande ângulo de uma cratera da nova "Força Espacial" que seria uma sexta
superfície da lua. divisão dos militares até 2020.
A sonda, que tem um módulo de Mas a corrida espacial também acelera no
aterrissagem e um jipe, desceu em uma setor privado, já que várias empresas
área escolhida na Cratera Von Karman, almejam comercializar as viagens espaciais
próxima do polo sul da lua, depois de entrar – como a californiana SpaceX, que agitou a
na órbita lunar em meados de dezembro. indústria com seus foguetes reutilizáveis e
Entre as tarefas da Chang'e-4 estão de baixo custo Falcon 9.
observações astronômicas, análises do
terreno lunar, da forma do solo e da QUESTÃO 12 - Os Textos 1 e 2 se
composição mineral e a medição da aproximam quanto à temática, mas se
radiação de nêutrons e os átomos neutros distinguem quanto à função social e
para estudar o meio ambiente do lado discursiva porque o Texto 2
oculto. (A) noticia um importante feito de cientistas
O pouso é um marco para a China, que espaciais contemporâneos.
corre para alcançar a Rússia e os Estados (B) faz uma promoção oficial dos feitos do
Unidos e se tornar uma grande potência governo da China.
espacial até 2030. Pequim planeja iniciar a
(C) tenta convencer o leitor de que a China
construção de sua própria estação espacial
alcançou o topo da corrida espacial.
tripulada no ano que vem. Embora a China
tenha insistido que suas ambições são (D) oferece informações técnicas para um
totalmente pacíficas, o Departamento de leitor especializado
Defesa dos EUA a acusou de desenvolver QUESTÃO 13 - Considerando-se as
atividades para impedir outras nações de informações do Texto 1, o feito chinês
usarem recursos situados no espaço apresentado no Texto 2 é histórico porque
durante uma crise.
(A) reedita estratégias de exploração da
À parte suas ambições civis, a China já cratera lunar usadas anteriormente pelos
testou mísseis antissatélite, e o Congresso russos.
norte-americano proibiu a agência espacial
(B) decorre de um acordo de cooperação
dos EUA de cooperar com sua equivalente
entre potenciais inimigos internacionais.
chinesa devido a preocupações de
segurança. (C) registra pela primeira vez imagens do
lado negro, oculto e desconhecido da lua.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 44
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

(D) decorre da exploração inédita da forma, (D) apresenta informações de


estrutura e composição do espaço oculto conhecimento restrito ao governo chinês.
do ambiente lunar. QUESTÃO 17 - Na composição
Releia o Texto 2 para responder às argumentativa do texto, a oração “Embora
questões de 14 a 18. a China tenha insistido que suas ambições
QUESTÃO 14 - O significado e a classe da são totalmente pacíficas” instaura uma
palavra “orbita” são contextualmente sequência discursiva que
distintos com base (A) envolve quebra de expectativa em
(A) na posição do acento tônico. relação às tradicionais consequências da
corrida espacial.
(B) na concordância com “marés”.
(B) acrescenta informações comprovadoras
(C) no número de sílabas. de que o feito chinês coopera para o
(D) no tipo de derivação prefixal. crescimento econômico mundial.
QUESTÃO 15 - Na organização semântica (C) enumera novos investimentos
do texto, em qual uso das aspas há uma americanos decorrentes das últimas
estratégia metafórica para valorizar o feito conquistas da corrida espacial
chinês? internacional.
(A) "lado negro" (D) demonstra as estratégias chinesas para
(B) "força Espacial" se firmar como um dos líderes da
exploração espacial.
(C) "close"
QUESTÃO 18 - Qual estratégia é decisiva
(D) "ergue o véu de mistério" para levar a China ao topo do ranking da
QUESTÃO 16 - Quanto ao seu papel para corrida espacial internacional?
a progressão textual, o trecho “A Lua está (A) O projeto de construção de sua própria
ligada à Terra pelas marés, girando na estação espacial tripulada.
mesma velocidade enquanto orbita nosso
planeta” (B) O emprego de automóveis em uma
expedição espacial.
(A) reforça a importância do pouso feito
pela sonda espacial. (C) A comercialização de viagens espaciais
por empresas privadas.
(B) justifica a existência do lado oculto da
lua a partir da ótica terrestre. (D) A análise detalhada do solo da
superfície lunar.
(C) exemplifica um dos mistérios lunares
jamais revelados. Leia o Texto 3 para responder às
questões 19 e 20.
TEXTO 3

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 45
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

QUESTÃO 19 - O texto inova ao abordar a


questão da exploração espacial pelo viés
(A) da conquista científica.
(B) da urbanização lunar.
(C) do comércio turístico.
(D) do desenvolvimento tecnológico.
QUESTÃO 20 - Considerando-se a
pergunta da personagem, as informações
não verbais produzidas no penúltimo
quadrinho sugerem
(A) reflexão. (B) espanto.
(C) certeza. (D) admiração.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 46
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

GABARITO OFICIAL – IF GOIANO - 2019


01. B 05. A 09. B 13. D 17. A
02. A 06. D 10. D 14. A 18. A
03. C 07. D 11. C 15. D 19. B
04. B 08. B 12. A 16. B

ANOTAÇÕES

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 47
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

PREF. GOIANIRA - 2019


Leia o Texto 1 para responder às uma hipótese. Faz-se uma lei, executa-se,
questões de 01 a 07. não produz efeito, subsiste o mal. Eis aí
TEXTO 1 [35]uma questão que pode aguçar as
curiosidades vadias, dar ensejo a um
[1]– Isto é o diabo! Não poder adornar o inquérito pedantesco, a uma coleta
estilo, de quando em quando... fastidiosa de documentos e observações,
– Podes; podes empregar umas quantas análise das causas prováveis, causas
figuras expressivas, a hidra de Lerna, por [40]certas, causas possíveis, um estudo
[5]exemplo, a cabeça de Medusa, o tonel infinito das aptidões do sujeito reformado,
das Danaides, as asas de Ícaro, e outras, da natureza do mal, da manipulação do
que românticos, clássicos e realistas remédio, das circunstâncias da aplicação;
empregam sem afrontar, quando precisam matéria, enfim, para todo um andaime de
delas. Sentenças latinas, ditos históricos, [45]palavras, conceitos, e desvarios. Tu
[10]versos célebres, brocardos jurídicos, poupas aos teus semelhantes todo esse
máximas, é de bom aviso trazê-los contigo imenso aranzel, tu dizes simplesmente:
para os discursos de sobremesa, de Antes das leis, reformemos os costumes! –
felicitação ou de agradecimento. Caveant E esta frase sintética, transparente, límpida,
consules é um excelente fecho de artigo [50]tirada ao pecúlio comum, resolve mais
[15]político; o mesmo direi do Si vis pacem depressa o problema, entra pelos espíritos
para bellum. Alguns costumam renovar o como um jorro súbito de sol.
sabor de uma citação intercalando-a numa
frase nova, original e bela, mas não te QUESTÃO 01 - O mecanismo de produção
aconselho esse artifício: seria de sentido, caracterizador do discurso, no
[20]desnaturalizar-lhe as graças vetustas. texto, é a
Melhor do que tudo isso, porém, que afinal
(A) citação, exemplificada pelas expressões
não passa de mero adorno, são as frases
latina e francesa.
feitas, as locuções convencionais, as
fórmulas consagradas pelos anos, (B) comparação, construída no confronto
[25]incrustadas na memória individual e entre o locutor e seus interlocutores.
pública. Essas fórmulas têm a vantagem de (C) ironia, percebida na adjetivação de
não obrigar os outros a um esforço inútil. desprezo pela elite intelectual da época.
Não as relaciono agora, mas fá-lo-ei por
(D) ambiguidade, produzida pela relação
escrito. De resto, o mesmo ofício te irá
entre os sentidos denotativo e conotativo.
[30]ensinando os elementos dessa arte
difícil de pensar o pensado. Quanto à QUESTÃO 02 - A expressão “discursos de
utilidade de um tal sistema, basta figurar sobremesa”, em “os discursos de

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 48
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

sobremesa, de felicitação ou de (D) refere-se a algumas “locuções


agradecimento”, no contexto do enunciado convencionais”, acrescidas de todas as
nas linhas 12 e 13, tem o sentido de fórmulas.
discursos QUESTÃO 05 - A sentença “Antes das leis,
(A) inúteis. reformemos os costumes!”, no contexto
(B) adocicados. dado na linha 48, é uma estratégia para

(C) melancólicos. (A) impressionar a plateia com frase de


efeito e obter atenção.
(D) entendíveis.
(B) acalmar os ânimos populares para que
QUESTÃO 03 - As sequências textuais tudo continue como está.
criam no texto uma tonalidade discursiva
que o torna (C) chamar a atenção das pessoas para a
necessidade de mudanças.
(A) uma denúncia, suavizada pelo diálogo.
(D) convencer a população de que as leis
(B) uma reclamação, ancorada na são boas e os costumes são ruins.
descrição.
QUESTÃO 06 - Do enunciado “De resto, o
(C) um protesto, disfarçado pela mesmo ofício te irá ensinando os
argumentação. elementos dessa arte difícil de pensar o
(D) um aconselhamento, reforçado pela pensado”, nas linhas 29 até 31, infere-se
injunção. que a dificuldade do ofício de Medalhão é
QUESTÃO 04 - A expressão “essas (A) abrir picadas nas matas virgens.
fórmulas”, em “Essas fórmulas têm a (B) perceber o cotidiano vivido sem
vantagem de não obrigar os outros a um surpresa.
esforço inútil”, nas linhas 26 e 27,
(C) aprender com a própria vida como pisar
(A) retoma a sentença “as fórmulas o chão pisado.
consagradas pelos anos”, que sintetiza o
conjunto citado. (D) viver a juventude com responsabilidade
para enfrentar o desconhecido.
(B) reúne as locuções convencionais e as
expressões cristalizadas, subtraindo as QUESTÃO 07 - A expressão “de quando
fórmulas. em quando...”, no enunciado “Isto é o
diabo! Não poder adornar o estilo, de
(C) toma ao mesmo tempo o todo pelas quando em quando...”, nas linhas 1 e 2 do
partes e as partes pelo todo, sendo texto, tem a função de
portanto ambígua.
(A) operador argumentativo de
intencionalidade.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 49
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

(B) introdutor de uma oração subordinada QUESTÃO 09 - O emprego do advérbio


adverbial. “só”, em “Só o Renato manteve a cabeça
(C) marcador adverbial de um intervalo fresca”, no terceiro quadrinho,
temporal indefinido. (A) destaca um elemento dentre vários
(D) articulador das ideias entrelaçadas no elementos de um conjunto.
texto. (B) denuncia o comportamento excludente
Leia o Texto 2 para responder às da equipe da repartição.
questões de 8 a 10. (C) mostra a dificuldade de integração de
TEXTO 2 um dos funcionários.
(D) indica o isolamento de uma pessoa na
empresa.
QUESTÃO 10 - A locução “por isso”, em
“Por isso foi despedido”, tem a função de
introduzir a
(A) localização das ações expostas na
situação comunicativa dada.
(B) finalidade do conjunto de ações
expostas nos quadrinhos precedentes.
(C) veracidade das afirmações
apresentadas nos quadrinhos
antecedentes.
(D) conclusão da situação comunicativa
com o efeito das ações apresentadas.

QUESTÃO 08 - O texto está organizado de


forma
(A) argumentativo-injuntiva.
(B) narrativo-argumentativa.
(C) injuntivo-dialogal.
(D) dialogal-descritiva.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 50
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

GABARITO OFICIAL – PREF. GOIANIRA - 2019


01. C 03. D 05. B 07. C 09. A
02. A 04. A 06. C 08. B 10. D

ANOTAÇÕES

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 51
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

UFG - 2019
Leia o texto a seguir para responder às ou em Buenos Aires, sob os céus mais
questões de 01 a 05. diversos, nos mais variados climas, a rua é
TEXTO 1 - A rua a agasalhadora da misé- ria. Os
desgraçados não se sentem de todo sem o
Eu amo a rua. Esse sentimento de natureza auxílio dos deuses enquanto diante dos
toda íntima não vos seria revelado por mim seus olhos uma rua abre para outra rua. A
se não julgasse, e razões não tivesse para rua é o aplauso dos medíocres, dos
julgar, que este amor assim absoluto e infelizes, dos miseráveis da arte. [...] A rua é
assim exagerado é partilhado por todos generosa. O crime, o delírio, a miséria não
vós. Nós somos irmãos, nós nos sentimos os denuncia ela. A rua é a transformadora
parecidos e iguais; nas cidades, nas das línguas. [...] A rua continua matando
aldeias, nos povoados, não porque substantivos, transformando a significação
soframos, com a dor e os desprazeres, a lei dos termos, impondo aos dicionários as
e a polícia, mas porque nos une, nivela e palavras que inventa, criando o calão que é
agremia o amor da rua. É este mesmo o o patrimônio clássico dos léxicons futuros.
sentimento imperturbável e indissolú- vel, o [...]
único que, como a própria vida, resiste às
idades e às épocas. Tudo se transforma, A rua nasce, como o homem, do soluço, do
tudo varia o amor, o ódio, o ego- ísmo. Hoje espasmo. Há suor humano na argamassa
é mais amargo o riso, mais dolorosa a do seu calçamento. Cada casa que se
ironia. Os séculos passam, deslizam, ergue é feita do esforço exaustivo de
levando as coisas fúteis e os muitos seres, e haveis de ter visto pedreiros
acontecimentos notáveis. Só persiste e fica, e canteiros, ao erguer as pedras para as
legado das gerações cada vez maior, o frontarias, cantarem, cobertos de suor, uma
amor da rua. [...] melopeia tão triste que pelo ar parece um
arquejante soluço. A rua sente nos nervos
Os dicionários só são considerados fontes essa miséria da criação, e por isso é a mais
fáceis de completo saber pelos que nunca igualitária, a mais socialista, a mais
os folhearam. Abri o primeiro, abri o niveladora das obras humanas. [...]
segundo, abri dez, vinte enciclopédias,
manuseei infólios especiais de curiosidade. Essas qualidades nós as conhecemos
A rua era para eles apenas um alinhado de vagamente. Para compreender a psicologia
fachadas, por onde se anda nas da rua não basta gozar-lhe as delícias
povoações... como se goza o calor do sol e o lirismo do
luar. É preciso ter espírito vagabundo, cheio
Ora, a rua é mais do que isso, a rua é um de curiosidades malsãs e os nervos com
fator da vida das cidades, a rua tem alma! um perpétuo desejo incompreensível; é
Em Benarès ou em Amsterdã, em Londres

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 52
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

preciso ser aquele que chamamos flâneur e (C) intimista, já que o prosador o declara
praticar o mais interessante dos esportes – “absoluto” e “exagerado” e firmando-se no
a arte de flanar: É fatigante o exercício? âmbito de sua individualidade.
Para os iniciados sempre foi grande regalo. (D) transitório, posto que o autor diz que
A musa de Horácio, a pé, não fez outra “tudo varia o amor, o ódio, o egoísmo”,
coisa nos quarteirões de Roma. Sterne e posicionando-se em favor dessa variação e
Hoffmann proclamavam-lhe a profunda transitoriedade.
virtude, e Balzac fez todos os seus QUESTÃO 02 - O enunciador discorda
preciosos achados flanando. Flanar! [...] parcialmente da definição dada à palavra
Que significa flanar? Flanar é ser “rua” pelos dicionários e enciclopédias
vagabundo e refletir, é ser basbaque e porque esses compêndios
comentar, ter o vírus da observação ligado
ao da vadiagem. Flanar é ir por aí, de (A) consideram exclusivamente a natureza
manhã, de dia, à noite, meter-se nas rodas material da rua.
da populaça, admirar o menino da gaitinha (B) tratam dos conhecimentos populares
ali à esquina, seguir com os garotos o advindos da rua.
lutador do Cassino vestido de turco [...]; é (C) constituem para os ignorantes fontes de
ver os bonecos pintados a giz nos muros completo saber.
das casas, após ter acompanhado um
pintor afamado até a sua grande tela paga (D) hesitam em reconhecer a validade de
pelo Estado […] infólios de curiosidade.
QUESTÃO 03 - Em relação ao trecho “A
QUESTÃO 01 - A crônica de João do Rio rua é generosa. O crime, o delírio, a miséria
foi publicada no início do século XX e trata não os denuncia ela.”, interpreta-se que
das ruas do Rio de Janeiro, iluminada pelas (A) a relação semântica implícita entre a
primeiras luzes da modernidade. No texto, primeira e a segunda sentença é de
o amor revelado pela rua caracteriza-se por finalidade.
ser
(B) a palavra “os” tem a função de
(A) idealizado, visto que o enunciador substantivar o verbo que aparece em
considera que o gozo do “calor do sol” e do seguida.
“lirismo do luar” são ainda pouco suficientes
(C) o verbo da segunda sentença exige o
para se chegar à essência da psicologia da
uso do plural na norma padrão, por
rua.
apresentar sujeito composto.
(B) crítico, dado que o cronista define a rua
(D) o pronome “ela” atua na sentença como
como “agasalhadora da miséria” e descreve
sujeito gramatical do verbo “denunciar”.
paisagens sociais que compõem o seu
cenário.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 53
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

QUESTÃO 04 - No texto, a justificativa Canção do exílio


dada para fundamentar a ideia de que “a Minha terra tem palmeiras,
rua nasce, como o homem, do soluço e do
Onde canta o Sabiá;
espasmo” é a seguinte:
As aves, que aqui gorjeiam,
(A) a rua acolhe a tristeza dos
Não gorjeiam como lá.
desempregados que por ela perambulam
sem sucesso em busca de trabalho.
(B) os miseráveis são os responsáveis pela Nosso céu tem mais estrelas,
destruição do trabalho de pessoas de bem, Nossas várzeas têm mais flores,
como os pedreiros. Nossos bosques têm mais vida,
(C) a rua surge do suor e do esforço Nossa vida mais amores.
humanos que trabalham e cantam tristes
cantilenas. Em cismar, sozinho, à noite,
(D) os seres humanos nascem iguais e Mais prazer eu encontro lá;
depois os interesses econômicos provocam
Minha terra tem palmeiras,
desigualdade.
Onde canta o Sabiá.
QUESTÃO 05 - No texto, o enunciador
defende a necessidade de praticar o
exercício de “flanar”. Com base nas Minha terra tem primores,
informações do texto, a definição mais Que tais não encontro eu cá;
próxima do dicionário para o verbo “flanar” Em cismar sozinho, à noite
é: Mais prazer eu encontro lá;
(A) praticar exercícios físicos para garantir Minha terra tem palmeiras,
saúde física e mental. Onde canta o Sabiá.
(B) andar ociosamente nas ruas sem rumo
e sem destino certo.
Não permita Deus que eu morra,
(C) interagir com vizinhos para atualizar-se Sem que eu volte para lá;
das novidades na cidade.
Sem que desfrute os primores
(D) praticar atos ilícitos como forma de Que não encontro por cá;
romper com o padrão moral estabelecido
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
socialmente.
Onde canta o Sabiá.
Leia os textos a seguir para responder
às questões 06 e 07. Poema de Gonçalves Dias, exilado em
Portugal.
TEXTO 2

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 54
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

TEXTO 3 (A) o exílio de Gonçalves Dias foi motivado


Minha terra é a Penha, pela violência encontrada no Brasil à
semelhança da que ocorre no bairro da
o medo mora aqui.
Penha.
Todo dia chega a notícia
(B) o enunciador do texto 2 revela o desejo
que morreu mais um ali.
de exilar-se voluntariamente em Portugal,
tal como fez o poeta Gonçalves Dias.
Nossas casas perfuradas (C) o texto 2 nega a visão ufanista presente
pelas balas que atingiu (sic). no texto 1 com o qual estabelece uma
Corações cheios de medo relação de intertextualidade.
do polícia que surgiu. (D) o sabiá simboliza, em ambos os textos,
a representação de um país livre de todo
Se cismar em sair à noite, tipo de colonização política e ideológica.

já não posso mais. QUESTÃO 07 - No trecho “a falta de


segurança é tão grande, /que mal posso
Pelo risco de morrer
relaxar”, retirado do texto 2, há uma relação
e não voltar para os meus pais.
de
(A) causa e consequência.
Minha terra tem horrores
(B) proporcionalidade.
que não encontro em outro lugar.
(C) parte e todo.
A falta de segurança é tão grande,
que mal posso relaxar. (D) concessividade.
Leia o texto a seguir para responder à
'Não permita Deus que eu morra', questão 08.

antes de sair deste lugar. Campanha 2019 da Prefeitura de São


Paulo contra o frio
Me leve para um lugar tranquilo,
onde canta o sabiá
Texto produzido por dois estudantes da
Penha, na Zona Norte do Rio de Janeiro e
divulgado nas redes sociais e em notícias.

QUESTÃO 06 - Uma análise dos textos 1 e


2 conduz à inferência de que:

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 55
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

QUESTÃO 08 - Um dos problemas das (C) um possível sentido do verbo “acabar”


grandes cidades é o frio que os moradores está relacionado à ideia de terminar
de rua enfrentam. Na campanha publicitária provisoriamente.
da Prefeitura de São Paulo, o jogo de (D) um dos personagens relata a notícia
palavras criado para provocar efeito de lida no jornal de modo ambíguo.
sentido manifesta-se por meio do
QUESTÃO 10 - O aspecto que torna o
(A) emprego da palavra “inverno” para complemento do verbo “dizer” diferente do
indicar espaço abstrato num determinado complemento do verbo “matar” é o
período do ano. seguinte:
(B) contraponto entre o texto verbal e o (A) o verbo “matar” apresenta como
texto não verbal. complemento o locativo “lá em Goiânia”.
(C) uso reiterado de verbos no imperativo. (B) a indeterminação do sujeito altera a
(D) contraste entre o sentido literal e o especificação do objeto direto.
sentido figurado da palavra “frio”. (C) o complemento de “dizer” é oracional,
Leia o texto a seguir para responder às enquanto o complemento de “matar” não é.
questões 09 e 10. (D) a polissemia de um dos verbos
possibilita alterar seus complementos.

QUESTÃO 09 - Na charge, a construção do


humor foi possibilitada pelo fato de que
(A) um sentido inesperado foi atribuído à
expressão “acabar com a miséria”.
(B) um dos mendigos revela habilidade de
estabelecer diálogo com outros discursos.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 56
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

GABARITO OFICIAL – UFG - 2019


01. B 03. D 05. B 07. A 09. A
02. A 04. C 06. C 08. D 10. C

ANOTAÇÕES

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 57
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

APARECIDAPREV - 2018
Leia o texto 1 para responder às arregalados nos camponeses locais,
questões de 01 a 08. levavam uma muda de pereira para plantar
TEXTO 1 - O muro de Berlin visto de na cidade. E como a provar que sua
baixo generosidade não se destinava, como a do
velho nobre da balada de Fontane, só ao
Uma balada do poeta alemão Theodor futuro, levavam também, para consumo
Fontane (1819-1898) narra a história de um imediato, centenas de litros de cerveja e
velho e generoso nobre, o sr. von Ribbeck. sopa de ervilhas, quilos de salsichas,
No pomar de von Ribbeck, na cidade de centenas de canetas esferográficas, e – por
Ribbeck, havia uma pereira frondosa, cujos que não? – caixas e mais caixas de
frutos maduros ele distribuía às crianças aguardente de pera, para distribuir aos
pobres, no outono. Dizem os versos de camponeses pobres do Leste.
Fontane que o previdente velho, cujo
herdeiro era um avaro, antes de morrer O momento de encontro entre os
pediu para ser enterrado junto com uma generosos e consumistas ocidentais e os
pera. orientais endurecidos pelas décadas de
opressão do regime comunista é o pretexto
O filho, conforme o velho von Ribbeck para o escritor alemão Friedrich Christian
imaginara, deixou de distribuir as frutas do Delius colocar-se na pele de um camponês
pomar, mas três anos depois da sua morte, de Ribbeck.
a pera que com ele descera ao túmulo
germinou para se transformar numa árvore, “As Peras de Ribbeck'', que acaba de ser
em meio ao cemitério. Os meninos e as lançado em versão portuguesa, é um longo
meninas pobres, então, passaram a colher monólogo anônimo. À maneira do poema
as frutas desta pereira mítica, ouvindo os de Fontane (que está na primeira página do
sussurros fantasmagóricos do finado. livro), é também uma longa balada – só que
em prosa. De um só fôlego vão se
A balada de Fontane foi o pretexto para o desenrolando, como numa anamnese
surgimento de um verdadeiro culto às psicanalítica, os infindáveis ciclos de
pereiras em Ribbeck, a 40 km de distância opressão e de sofrimento a que este
de Berlim, no território da ex-Alemanha personagem anônimo, seus familiares,
Oriental. Em 1990, depois da queda do vizinhos e antepassados foram sujeitos ao
Muro de Berlim, uma caravana de longo dos últimos séculos.
abastados alemães-ocidentais pôs-se a
caminho da cidadezinha. O texto tem a monotonia das liturgias e o
poder sugestivo do discurso oral. Da
A bordo de seus reluzentes e possantes opressão feudal à guerra franco-prussiana;
automóveis, que provocavam olhares da invasão sueca à ascensão de Hitler; da

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 58
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

vitória dos russos sobre o nazismo à (B) uma peça musical escrita que alterna
implantação do comunismo alemãooriental, partes declamadas lentamente.
e deste à chegada dos abastados irmãos (C) um espaço dramático ambientado à
do Oeste, são gerações de vítimas que noite, relacionado à dança e ao consumo
desfilam, num dramático, porém sincero, rio de bebida alcoólica.
de lamúrias.
(D) um relatório científico a respeito do
Com tal passado nas costas, não espanta comportamento humano em situação de
que as generosas oferendas dos ocidentais vulnerabilidade.
e as benesses prometidas pela sociedade
de consumo sejam recebidas com grande QUESTÃO 02 - Que fato confirma a
desconfiança. E não surpreende que o qualificação de o sr. von Ribbeck como um
personagem anônimo não possa conceber homem previdente?
seu futuro senão como uma continuação da (A) A distribuição de peras durante o
desastrosa sequência de sofrimentos das outono.
gerações passadas. Ao colocar monólogo (B) A colheita das peras do cemitério por
na boca de um ''eu'' coletivo, polifônico, pessoas carentes.
Delius retoma um recurso já usado pelos
trágicos gregos: o coro, que (C) A queda do Muro de Berlin.
tradicionalmente representa a voz do bom (D) A associação de seu nome à filantropia.
senso, da moderação, a vox populi. QUESTÃO 03 - No trecho, “Da opressão
O livro chega ao leitor brasileiro com feudal à guerra franco-prussiana; da
atraso, quando muito do impacto dos invasão sueca à ascensão de Hitler; da
acontecimentos nele registrados já se vitória dos russos sobre o nazismo à
perdeu. Mas é uma obra literária que se implantação do comunismo alemão-
autossustenta e não depende de “reforços'' oriental”, no sétimo parágrafo, o emprego
externos. Vem numa tradução de primeira da crase está relacionado à delimitação
qualidade, que proporciona ao leitor de (A) de fatos históricos.
língua portuguesa um excelente contato
com a nova literatura alemã. (B) dos espaços físicos.
(C) de modos de realização.
QUESTÃO 01 - Com base nas ideias (D) do tempo cronológico.
desenvolvidas ao longo do texto, a palavra
QUESTÃO 04 - A intertextualidade é um
“balada” no primeiro parágrafo se refere
importante recurso de progressão temática
contextualmente a
do texto de Krausz e se estabelece através
(A) uma poesia narrativa de caráter épico da
que também apresenta traços da oralidade.
(A) citação. (B) metonímia.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 59
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

(C) tradução. (D) paráfrase. (C) A reunificação alemã do ponto de vista


QUESTÃO 05 - Quanto ao sentido, o dos oprimidos.
enunciado “passaram a colher as frutas (D) A repetição dos fatos históricos ao
desta pereira mítica, ouvindo os sussurros longo do tempo.
fantasmagóricos do finado”, no segundo Leia o texto 2 para responder à questão
parágrafo, auxilia na produção do efeito de 09.
(A) denúncia social. TEXTO 2
(B) desabafo político.
(C) mistério.
(D) alerta.
QUESTÃO 06 - Segundo o texto 1, o texto
de Delius se diferencia formalmente do
texto de Fontane porque “As Peras de
Ribbeck''
(A) é uma espécie de sermão religioso.
(B) foi escrito em prosa.
(C) apresenta diálogos sem identificação.
(D) foi escrito originalmente em língua QUESTÃO 09 - Quanto à imagem
portuguesa. retratada, o texto 2 apresenta a queda do
QUESTÃO 07 - Na sequenciação das muro de Berlin como uma
ideias no texto, a construção “e - por que (A) ação política, irresponsável e sem
não?” limites.
(A) introduz uma contraexpectactiva. (B) ação histórica decorrente da força
(B) recupera literalmente uma ideia anterior. física.

(C) nega a informação seguinte. (C) pequena fenda cuja transposição é


impossível.
(D) resume todas as ideias do parágrafo.
(D) grande vitória, sem distinção de vencido
QUESTÃO 08 - Qual é a temática do texto
ou vencedor.
de Delius?
Releia os textos 1 e 2 e responda à
(A) A pronta generosidade dos alemães do
questão 10.
Oeste.
QUESTÃO 10 - Qual importante
(B) A necessidade de se esquecer um
consequência da queda do Muro de Berlin,
passado de opressão.

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 60
| ENGENHARIA CIVIL | PREF. GOIÂNIA/GO

tratada no texto 1, é enfatizada na imagem


representada no texto 2?
(A) A disseminação do capitalismo em toda
a Alemanha.
(B) A livre circulação de pessoas entre as
áreas ocidental e oriental da capital alemã.
(C) O conhecimento do passado de
opressão vivido pelos alemães.
(D) O predomínio da sociedade de
consumo.

GABARITO OFICIAL – APARECIDAPREV - 2018


01. A 03. A 05. C 07. A 09. D
02. B 04. D 06. B 08. C 10. B

ANOTAÇÕES

Pref. Goiânia | Coletânea de Português – Vol 1 | www.cneconcursos.com.br


Página: 61