Você está na página 1de 2

FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO - Atividade Contextualizada

De que modo a filosofia pode ser importante para compreendermos a educação


brasileira?

A filosofia é necessária para entendermos com clareza os conceitos, problemas e


desafios da educação. Trata-se de uma linguagem fundamental para aprender a pensar
de forma crítica, ou seja, para entender o que é tido como inútil e perceber com clareza
o que é útil na educação. A própria escolha de teorias e métodos que fundamentam o
trabalho pedagógico da escola advém de constantes ações de pensar e repensar os
processos educativos, ou seja, de uma prática filosófica. Assim, a filosofia seria um
veículo importante de análise e postura crítica perante todas as situações complexas e
difíceis que envolve o contexto educacional, portanto, merece grande estímulo,
aplicabilidade e desenvolvimento crescente no âmbito da educação.

Quais perguntas podemos elaborar acerca da educação brasileira?

Aquilo que nos é ensinado na escola tem relevância social? Alguma coisa poderia ser
modificada?
Que conteúdos poderiam ser abordados que se relacionam com a vida do estudante?
O que é mais importante, o processo ou o resultado da aprendizagem escolar?
Qual é o papel dos professores da educação básica nesse novo contexto de ensino a
distância, em tempo de pandemia?

REFERÊNCIA
SILVA, Vantielen da Silva; ILIVINSKI, Dirlei. O filosofar na escola: uma prática
possível? VOOS – Revista Polidisciplinar Eletrônica da Faculdade Guairacá, v. 2,
n. 1, p. 83-103, 2010.

São questões muito pertinentes essas que você levantou. Com tantas discussões,
estudos científicos baseados nas neurociências, avanços com a formação de
professores, ainda assim muitos alunos ficam para trás, mesmo não apresentando
nenhuma condição neurobiológica que justifique (em parte) esse déficit de
aprendizagem. Acredito que a escola fracassa ao valorizar alguns conhecimentos mais
do que outros e a exigir que todos deem conta dos diversos conteúdos abordados
pelo professor. Refletindo criticamente, entendo que um caminho seria valorizar mais
os eixos de interesse onde comumente se encontram os potenciais de aprendizado
dos estudantes e a partir deles trabalhar todas as áreas do conhecimento de modo
que a aprendizagem se tornasse algo muito mais prazeroso.

A filosofia é necessária para entendermos com clareza, inclusive, os problemas e os


desafios da educação. Refletindo sobre a primeira pergunta que você apresentou, de
fato a educação não é uma prioridade no nosso país, apesar de termos abundância de
diagnósticos e evidências que apontam os caminhos mais eficazes e exemplos de
quem melhorou dentro e fora do país, tais como: investir na primeira infância, nos
professores, na gestão, em mais tempo dos alunos na escola, em estruturas escolares
mais dignas, sobretudo, investir mais e melhor nos alunos mais pobres. Sem tratar a
educação como prioridade, não conseguiremos observar um impacto positivo na sala
de aula, as ações pontuais fracassam. Claro que a Educação, sozinha, não resolve
todos os problemas, mas nunca vamos melhorar de verdade enquanto não
investirmos nela e nas pessoas. 

Foi exatamente um dos questionamentos que levantei, essa grade curricular extensa,
com conteúdos pouco interessantes, que muitas vezes não se aplicam à vida dos alunos
está ultrapassada. O que estou ensinando em sala de aula deve ser útil, deve aumentar a
competência dos meus alunos para que possam viver em sociedade. Acredito que a
escola fracassa ao valorizar alguns conhecimentos mais do que outros e a exigir que
todos deem conta dos diversos conteúdos abordados pelo professor. Devia ser mais
valorizado os eixos de interesse onde comumente se encontram os potenciais de
aprendizado dos estudantes e a partir deles trabalhar todas as áreas do conhecimento de
modo que a aprendizagem se tornasse algo muito mais prazeroso e significativo.

Você também pode gostar