Você está na página 1de 3

HP 54200A Digital Storage Oscilloscope

É um osciloscópio bem poderoso das eras antigas (ele custava o preço de um bom carro novo).

Meio grandão e assustador, e nas mãos de quem sabe, apresenta excelentes resultados.

Encontrei esse exemplar a alguns anos, em excelente estado, calibrado e íntegro. Então não
tive dúvida, era meu... E feliz, realmente surpreso com o que pude tirar dele.

Olhando o datasheet até dava para avaliar alguma coisa, os critérios de comparação não
mudam muito ao longo dos anos. Banda passante e sensibilidade, isso sempre permanece.

Mas há algumas funções de trigger, medições digitais, e outros detalhes que não são tão
óbvios.

Há pouco material didático sobre o modelo. Nada em português, infelizmente. Alguns


aficionados de tecnologia na gringa fizeram desmontagem e restauração com seus respectivos
registros em vídeo, mas tudo em inglês, claro.

O que falta, no meu entendimento é uma aplicação prática desse equipamento em tarefas de
laboratório reais, de preferência nos dias de hoje. Algo que estou pensando em providenciar.

O ponto de partida é o que testar, e com o quê comparar - para avaliar as reais possibilidades
desse equipamento em 2020. É difícil afirmar que qualquer técnico de hoje domine o uso de
equipamentos analógicos clássicos, daqueles em que é preciso saber o que se quer obter antes
de ligar o equipamento. Depois do botão de autoajuste muita coisa mudou...

Pois bem, especialmente para esses amigos, neste osciloscópio já existe a tecla AUTO SCALE.
Outra boa surpresa foi o procedimento de auto-teste e auto-calibração. Eu consegui realizar
todos os procedimentos sem buscar o manual, só lendo as instruções do próprio equipamento.
Essa função permite uma avaliação geral bem abrangente sem qualquer intervenção interna.
Bem mais eficaz que aquela fonte ordinária de onda quadrada com 5V.

Especialmente se comparado aos analógicos, o painel de comandos não me é muito intuitivo.


Mas considerando que hoje há muita gente interessada que jamais conheceu um analógico,
tendo de ser treinados do zero, até há casos em que essa interface estilo “computador
industrial” pode facilitar o uso de radioamadores, eletrotécnicos, mecânicos, e outros
usuários.

A qualidade das ponteiras e acessórios originais é muito diferenciada. É pena não poder dispor
mais delas. A bolsa de couro em cima do equipamento é um acessório que dispensaria, e já
havia sido retirada. Para calibração e testes, um cabo BNC-BNC. O cabo de alimentação é
padrão.

Para sinais repetitivos e relativamente estáveis (qualquer portadora de rádio, osciladores de


batimento, controladores de velocidade e abertura, sinais de sincronismo diversos...) ele
oferece ótima performance de medida e visualização. Pode reter e memorizar sinais, comparar
a amostra medida a padrões gravados e armazena parâmetros de medida pré-estabelecidos.

Consegui medir a portadora de meu rádio HT em VHF e até em UHF. Claro que nas frequências
mais altas perde-se toda a resolução e a medição se resume à detecção da presença de sinal.
Acompanhado do antigo analógico de 20MHz duplo traço (que não dispenso), é um excelente
companheiro de bancada. Digo que ocasionalmente obliterando o colega, em diversos
aspectos.

Você também pode gostar