Você está na página 1de 35

16 A 18

NOVEMBRO
2018

PROGRAMAÇÃO COMPLETA
#FestivalWOWRio
FOTO: GABI CARRERA

MULHERES
MULHERES MULHERES MULHERES
DAS ARTES
EM DIÁLOGOS EMPREENDEDORAS ATIVISTAS
E CULTURAS

#FestivalWOWRio
Jude Kelly Eliana Sousa e Silva
cbe, fundadora do wow - Women of the World diretora da redes da maré e curadora do
festivals e diretora da fundação wow festival mulheres do mundo no rio de janeiro

IGUALDADE,
O Festival Mulheres do Mundo chega Esse silenciamento, sem dúvida, edição na América Latina, a partir
ao Brasil, ao Rio de Janeiro. Criado perpetua a ideia e o fato de, nós, de uma parceria com a instituição da
pela diretora artística Jude Kelly, em mulheres, precisarmos, de forma infinita sociedade civil Redes da Maré, que tem
NUNCA TIVEMOS. Londres, na Inglaterra, no marco do
centenário do Dia Internacional da
e perversa, provarmos em todas as
circunstâncias as nossas capacidades.
como um de seus projetos de atuação,
no eixo de trabalho denominado
CHEGOU A HORA... Mulher, no ano de 2010, o WOW, sigla
do nome em inglês, tem como um de Por isso, entendemos ser urgente
Desenvolvimento Territorial, a Casa
das Mulheres da Maré.
seus principais objetivos celebrar as a necessidade de se trabalhar, no
presente, o enfrentamento de todas O WOW é um Festival; não foi pensado
conquistas históricas das mulheres
as injustiças e desigualdades que para acontecer a partir de um formato
na luta pela equidade de gênero.
impedem a garantia de direitos iguais de conferência ou simpósio. Isso
Nessa perspectiva, o WOW foi entre os gêneros, reconhecendo-se, porque queremos atrair mulheres e
pensado, desde a sua origem, como com isso, as devidas interseções meninas de todas as esferas da vida.
uma plataforma global para agregar que precisam ser feitas para se efetivar Sabemos da gravidade e seriedade dos
mulheres de todo os cantos do mundo. a potência e o protagonismo das problemas vivenciados pelas mulheres,
O pressuposto é que não houve o mulheres no seu direito à vida e, por isso, o nosso desejo maior de
devido registro sobre a atuação e à liberdade. construir um lugar aconchegante,
de meninas e mulheres em muitos de respeito, de compartilhamento
momentos da história da humanidade Nos oito anos de sua existência, e alegria, num momento no qual
e, portanto, constatamos a falta de o Festival já ocorreu em países precisamos unir forças e reconhecer
reconhecimento de suas conquistas da Europa, Ásia e África, chegando a potência e o papel estratégico das
e contribuições nesses processos. ao Rio de Janeiro na sua primeira mulheres para mudar o mundo.

4 5
INGRESSOS ONDE ACONTECE
COMO FUNCIONARÁ

• O Festival Mulheres do Mundo • Com essa pré-inscrição, você retira


é totalmente gratuito. os ingressos no dia do evento,
na bilheteria, uma hora antes do
Museu do Amanhã
• Você pode se inscrever para início de cada mesa.
fazer parte dos eventos no site Armazém 1
festivalmulheresdomundo.com.br
• Os demais ingressos serão
• Metade das vagas de cada distribuídos a partir de duas horas Praça Mauá
mesa estará disponível para antes do evento na bilheteria do
pré-inscrição online. festival. Museu de Arte do Rio – MAR

* Para eventuais alterações na programação, fique de olho no site do Festival

Acessibilidade
O Museu do Amanhã dispõe de pisos e maquetes táteis, rampas, cadeira de rodas,
festivalmulheresdomundo.com.br elevadores, fraldários, banheiros adaptados e sinalização universal. Os espaços do Museu
de Arte do Rio - Pavilhão de Exposições (Edifício Dom João VI) e a Escola do Olhar - estão
/festivalwowrio adaptados à visita de cadeirantes e pessoas com baixa mobilidade. No quinto andar da
redesdamare.org.br Escola do Olhar, ainda há uma maquete tátil do museu e seu entorno. Além das estruturas
/festivalwowrio físicas, ambos os Museus promovem ações educativas acessíveis para todos os públicos.
/redesdamare O Armazém 1 possui rampa de acesso e banheiros acessíveis.
/festivalwowrio thewowfoundation.com
/redesdamare MULHERES EM DIÁLOGOS
/womenoftheworldfestival PT Português EN Inglês ES Espanhol
/redesdamare MULHERES DAS ARTES E CULTURAS
Programação Programação
/WOWtweetUK disponível com
MULHERES ATIVISTAS disponível com
linguagem de streaming ao
/wowglobal MULHERES EMPREENDEDORAS sinais vivo pela internet

6 7
Festival WOW Rio 2018 16.11 | SEXTA-FEIRA

10h00 – 18h00 10h00 – 10h45 10h00 – 20h00


intervenção mesa de abertura Feira DELAS
As mulheres que fizeram Boas vindas ao WOW Praça Mauá
o Amanhã Museu do Amanhã | Auditório
Museu do Amanhã |
A Feira DELAS não é
Salas expositivas
Mesa de abertura do apenas um mercado ou
festival para desejar uma exposição. É, sim,
As mulheres que fizeram as boas vindas aos um modo de divulgar a
o Amanhã, na exposição participantes e apresentar o inventividade das mulheres
principal do Museu do WOW Rio. a partir do seu jeito de fazer
Amanhã cultura, viver sua cidadania
com: e de empreender, numa
Eliana Sousa Silva perspectiva de fortalecer
10h30, 13h30 e 15h30
e Jude Kelly a criação, produção,
visitas mediadas
foto: ANNA MARIA MAIOLINO | Entrevidas, da série

MULHERES
O Amanhã pelo olhar distribuição e consumo
abertura: 16 de novembro, às 16h00 de produtos, negócios;
das mulheres
temporada: até abril de 2019 divulgação de campanhas
Fotopoemação, 1981 | Museu de Arte do Rio

Museu do Amanhã |
entrada gratuita apenas durante o festival
mulheres do mundo: 16 a 18 de novembro Salas expositivas e iniciativas de ativistas e

NA COLEÇÃO MAR
organizações. Tudo isso,
Grupos de 20 pessoas. por mulheres organizadas
responsável: em redes que atuam com
Equipe Educativa do Museu temas transversais como
do Amanhã gênero, feminismo e
10h30 – 11h30 jornalistas, designers — participaram de direitos. Espaço dedicado
14h30 – 15h30 laboratórios onde trocaram experiências 10h00 – 18h00 ao empreendedorismo,
Sábado e domingo de vida e conversaram sobre o universo exposição gastronomia, ativismo,
visitas mediadas feminino e as múltiplas representações Arte Democracia Utopia – causas sociais,
Ponto de encontro ao lado da bilheteria da mulher na arte, nos espaços culturais, na Quem não luta tá morto organizaçõs, com a
O Rio do samba: resistência presença de 200 iniciativas
Grupos de 20 pessoas. família e na sociedade como um todo.
e reinvenção lideradas por mulheres.
responsável: Realizados ao longo de dois meses, esses Confira a lista completa de
MAR | Pavilhão
Equipe Educativa MAR encontros mapearam desejos e conceitos empreendedoras e ativistas
O Museu de Arte do Rio, sob a gestão que acabaram norteando a curadoria da na página do WOW Rio.
do Instituto Odeon, abre ao público no dia exposição. Assim, “Mulheres na Coleção
16 de novembro a exposição “Mulheres MAR” está dividida em seis núcleos
na Coleção MAR”. Inspirada pelo Festival significativos: Retrato/Representação, Corpo
Mulheres do Mundo (Women of the World), Político, Geografias Transversais, Cidade e
do qual o MAR é parceiro estratégico. A Paisagem, Abstração e Poéticas. E reúne
mostra apresenta um recorte de obras obras de artistas como Beatriz Milhazes,
de artistas históricas e contemporâneas, Tarsila do Amaral, Tomie Ohtake, Güler Ates e
brasileiras e estrangeiras, que integram Marie Nivouliès de Pierrefort.
o acervo do museu. Giselle Beiguelman participa com
A curadoria é assinada pela equipe de “Odiolândia”, instalação doada ao MAR
conteúdo e, pela primeira vez na história pela própria artista, que compila reações
do MAR, foi realizada a partir de um de populares à violenta operação realizada
processo coletivo que envolveu mulheres na cracolândia de São Paulo em 2017.
de todos os setores da instituição. Cerca O título do trabalho, presente no núcleo
de 30 funcionárias e colaboradoras — entre Corpo Político, reflete o teor dos comentários
seguranças, recepcionistas, produtoras, postados na Internet por pessoas que
auxiliares administrativas, advogadas, elogiaram a ação.

8 9
16.11 | SEXTA-FEIRA Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 16.11 | SEXTA-FEIRA

10h00 – 20h00 10h00 – 11h00 |11h30 – 12h30 | 10h00 – 12h30 10h00 – 11h30 10h00 – 12h30 10h00 – 12h00
instalação 14h00 – 15h00 | 15h30 – 16h30 | oficina OF oficina OF oficina OF oficina OF
Mesas de ping pong 17h00 – 18h00 Memórias e EscreVivências Mulheres, agroecologia Formação feminista e de Dança intuitiva
Praça Mauá arte e cultura Museu do Amanhã | Observatório e trabalho combate à violência contra para mulheres
Race Cards MAR | Arquibancada (pilotis) meninas e mulheres Armazém | Espaço Márcia X
A artista plástica Priscila MAR | Sala 3.2
A celebração da memória Armazém | Espaço Dandara
Fiszman projeta uma dos povos diaspóricos, As mulheres encontram Esta imersão direcionada
instalação com três Race Cards é uma antes de tudo, é o diariamente situações A oficina, proposta pelo a mulheres, objetiva
Mesas de Ping-Pong na instalação participativa reconhecimento do consideradas naturais mas, coletivo Oitava Feminista, criar um espaço onde
Praça Mauá. As mesas que convida o público a poder da oralidade. na verdade, são construídas se propõe a trabalhar seja permitido cuidar e
ficarão abertas para uso, repensar sobre as tensões Entretanto, em sociedades pela sociedade. Uma para emancipação e reverenciar corpos que
e poderão ser utilizadas raciais, violências e fudamentadas no registro delas é a divisão sexual do autonomia de meninas foram e continuam sendo
por todas e todos durante discriminações presentes escrito, coletividades que trabalho, quando se atribui e mulheres, a partir de subjugados, objetificados e
a programação do festival em nosso cotidiano. tiveram suas memórias a homens e mulheres a formação feminista, reprimidos dentro da nossa
WOW – Festival Mulheres Durante a imersão criada agredidas podem retomá- responsabilidade sobre no tema do combate história em sociedade, e
do Mundo. As três pela artista inglesa las a partir da escrita tarefas diferentes. A à violência masculina. seguem tentando transpor
mesas são três trabalhos Selina Thompson, somos como gestos afirmativos Campanha Pela Divisão Pode servir tanto para a barreiras em busca de suas
inéditos feitos em parceria convidados em pequenos de suas identidades. Justa do Trabalho integração de feministas liberdades. Da memória
com a Redes da Maré grupos a elaborar respostas A escritora Conceição Doméstico nasceu da e mulheres em processo para o gesto, pulsante,
especialmente para o para perguntas tão Evaristo, com objetos e um pergunta de mulheres de despertar crítico, e rítmico e compartilhado,
Festival. As mesas ganham delicadas quanto difíceis: vídeo, convoca a memória agricultoras: por que há também como ferramenta trabalhando por meio de
os títulos “King-Pong”, Qual o impacto psicológico cultural e a produção tanta dificuldade de as para a realização de outras energias dinâmicas, com
“Reconfiguração Ideológica” a longo prazo a supremacia textual. Recomendada para mulheres acessarem as oficinas. O objetivo é consciência através da
e “Mesa das Crianças”. branca tem sobre pessoas professores da rede pública políticas públicas, até que as mulheres saiam respiração. A caminho
negras? Por que as pessoas de ensino. as voltadas para elas? da atividade com a de uma dança não
acreditam que o racismo De forma geral, essa certeza de que vivemos coreografada, por isso
vai acabar por conta própria com: jornada de trabalho violências comuns, mas, chamada de “intuitiva”.
com o passar do tempo? Conceição Evaristo exercida pelas mulheres e principalmente, alinhadas
Radicada em Leeds, na meninas compromete seu aos propósitos de combater com:
Inglaterra, Selina Thompson desenvolvimento humano: as violências, e confiar na Inae Moreira
tem uma obra de caráter substituindo, por exemplo, luta feminista.
lúdico, participativo e as brincadeiras, os estudos
intimista, que lança um e a sociabilidade como com:
olhar sobre questões de um todo. Através de Natália Kleinsorgen
identidade e seus reflexos dinâmicas e materiais e Thais Rodrigues — Oitava
em nossos corpos, vidas lúdicos, queremos pensar Feminista
e espaços. nas estratégias de diminuir
nossas sobrecargas e de
concepção: fortalecer e valorizar nosso
Selina Thompson trabalho, rural ou urbano.
performance:
Priscila Rezende com:
Ingrid Farias
e Ana Paula Ferreira —
ActionAid

CONCEIÇÃO EVARISTO

10 11
16.11 | SEXTA-FEIRA Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 16.11 | SEXTA-FEIRA

11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 10h00 – 12h00 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30
território de partilha TP mentorias: vidas em conexão VC oficina OF fórum de vivências FV trocas de experiências TE fórum de vivências FV
O ser humano que nós, Museu do Amanhã | Lounge Mulheres negras pautam O poder/lugar de fala Você tem fome de quê: Artivistas:
mulheres, pensamos e o futuro: impressão 3D contra o silenciamento consciência e sáude arte como luta social
queremos e a educação A mentoria é um encontro aplicada à produção de das vozes das mulheres na alimentação MAR | Sala 3.1
que precisamos para isso entre duas mulheres no vestuário MAR | Auditório MAR | Sala 3.3
Museu do Amanhã | Auditório
qual se estabelecem trocas Museu do Amanhã | LAA
Em um mundo cada vez
criativas e inspiradoras Existem muitas maneiras Pensar a alimentação mais em conflito e com
Além de garantir que sobre variados temas. O Olabi/Pretalab propõe de silenciar a voz das nos dias de hoje significa os grupos conservadores
as crianças e os jovens 8 oficinas voltadas mulheres. São formas sutis não apenas aprimorar o cada vez mais fortalecidos,
possam estar na escola, com: para as relações entre presentes no cotidiano cuidado com a própria as lutas pelos direitos
precisamos refletir sobre Erica Monteiro: gestão tecnologia e as artes, a e, ao mesmo tempo, saúde mas, também, sociais devem estar
como deve ser essa escola. empresarial. partir de múltiplos olhares, sofisticadas na forma como ampliar a consciência sobre presentes em todos os
A questão da permanência Alba Acioly: gestão de onde a diversidade e os a sociedade se estrutura. a produção de alimentos campos sociais. Não há
hoje deve ser pensada não pessoas. direitos humanos estão Refletir e revelar sobre em nossa sociedade. neutralidade possível.
só em termos de condições Valderlene de Souza: no centro do processo. como o colonialismo, o Alimentos industrializados Artivistas são artistas que,
físicas, estruturais e direitos e deveres do Os principais temas patriarcado e a opressão e processados causam sozinhas ou em coletivos,
materiais, mas também em microempreendedor abordados são cosméticos são mecanismos que mais danos do que fazem uso da criação
novas formas de acolher individual. naturais, segurança digital, forjam o silenciamento benefícios à saúde, além artística como forma de
o interesse das pessoas pensamento computacional das mulheres é urgente. de serem produzidos pela ativismo. Elas materializam
em espaços dentro e Verônica Marques: e impressão 3D aplicada à Muitas lutas, nesse sentido, indústria da monocultura, ações sociais e políticas
fora da escola, como as inovação produção de vestuário vêm acontecendo como transgênicos e agrotóxicos, que problematizam e
bibliotecas. Marcia Mori: planejamento e ancestralidade. resposta a tal contexto. São excluindo o pequeno desnaturalizam a realidade.
estratégico. Ao apresentar os expressões que se fazem produtor. Mulheres que Para isso, as artivistas
PT EN princípios do pensamento presentes a partir da arte, se contrapõem a esse utilizam as mais diversas
Cristhiane Malungo:
empreendedorismo e computacional e da da comunicação e de novas modelo vão nos ajudar linguagens artísticas, a fim
tradução empoderamento feminino. segurança digital, conecta narrativas que abordam a pensar os benefícios de agirem no mundo. Venha
português-inglês as mulheres com a questões em torno do individuais e sociais de conhecer algumas delas!
Suzana Mattos: tecnologia e a inovação. feminismo e da luta compreendermos a saúde
com: empreendedorismo afro. PT EN
Angela Dannemann, antirracista, por exemplo. de uma forma integral.
Nayse López: curadoria de com:
Ana Paula Moura, dança e artes performativas Olabi/Pretalab PT EN PT EN tradução
Ednéia Gonçalves, do Festival Panorama. português-inglês
Natacha Costa tradução tradução
e Adele Patrick Adriana Barbosa: criação e com:
empreendimento a partir da português-inglês português-inglês
Cristiane Sobral,
Feira Preta. com: com: Jarid Arraes, Lia Rodrigues,
Djamila Ribeiro, Mariana Aleixo, Diane Lima e Silvia Soter
Dríade Aguiar, Elisa Lucinda Regina Tchelly
e Joana Gorjão Henriques e Sonia Hirsch

DJAMILA RIBEIRO JARID ARRAES

12 13
16.11 | SEXTA-FEIRA Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 16.11 | SEXTA-FEIRA

11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 12h00 - 14h00 13h00 – 13h30 14h00 – 15h30
roda de conversa RC roda de conversa RC oficina OF oficina OF arte e cultura território de partilha TP
A conversa aqui é eles O tipo de família que quero O poder das ervas Bateria para garotas! Mulheres ao vento Ciência é uma palavra
com elas pela igualdade e posso ter apenas a mim Armazém | Espaço Nise da Silveira MAR | Arquibancada Praça Mauá feminina e feita
de gênero cabe resolver por muitas de nós
MAR | Sala 2.2 MAR | Sala 2.1
A oficina de ervas irá O propósito da oficina A performance é fragmento Museu do Amanhã | Auditório
apresentar para os é estimular o interesse do espetáculo “Obinrin:
A discussão da A imagem de uma participantes do WOW de mulheres e crianças Ventos da Maré”, estreado São muitas as mulheres
masculinidade pela família formada por pai, diversas formas de pela bateria, ao mesmo em 2016 no Centro de que, ao longo da
igualdade de gênero tem mãe e filhos e filhas autoproteção e cuidado tempo em que será Artes da Maré, pelas alunas história, se destacaram
se tornado uma importante não corresponde mais utilizando produtos que desmistificada a ideia de do projeto. Ventos da nas áreas científicas e
forma de pensar o mundo à realidade. Os ventos a natureza oferece. Mãe que este é um instrumento Maré discute o poder do tecnológicas. Quatro delas
onde homens e mulheres positivos da mudança Celina de Xangô foi majoritariamente encontro das narrativas estarão partilhando suas
partilham desejos e trazem o afeto e o cuidado criada pela bisavó, avó e “masculino”. Serão de mulheres diversas, aventuras nesse campo,
vida comuns, a partir da como a base das novas mãe, buscando ervas no compartilhados que nos re-conectam historicamente, masculino.
compreensão de que não famílias. É família com quintal de casa para fazer conhecimentos básicos a um poder ancestral.
é possível aceitar nenhum padrasto, madrasta, filhos xaropes, chás e banhos. sobre o instrumento, além Mulheres ao Vento é um PT EN
tipo de hierarquização e do primeiro, segundo ou No candomblé aprimorou de oferecer a oportunidade projeto de dança que
opressão entre gêneros. terceiro casamento de um e seus conhecimentos, das participantes do WOW percorre a afro-brasilidade tradução
Essa é uma abordagem que outro, com duas mães, dois práticas, e descobriu que a terem sua primeira atrelada ao feminismo português-inglês
considera fundamental a pais, com filhos adotados, deveria transmitir esses experiência prática na negro, com intuito de com:
participação dos homens criados... As possibilidades ensinamentos, enquanto bateria. A oficina faz parte disseminar a cultura de Duília de Mello,
na construção de uma são muitas. Não cabe ao parte da sua missão como do projeto desenvolvido matriz africana através Gabi Agustini,
sociedade que supere Estado querer normatizar a mãe de Santo. desde 2016 pela Hi Hat da arte, principalmente Joana D’Arc Félix
o histórico machismo quem devemos amar e com Girls Magazine, coletivo as artes cênicas, aliando e Mariéme Jamme
e o patriarcado como quem casar e constituir com: independente de mulheres a discussão de temas
determinantes nas relações uma família. Essa luta é Mãe Celina de Xangô bateristas, responsável transversais pertinentes
entre homens e mulheres. central para a afirmação pela primeira revista sobre para a promoção da
dos direitos individuais mulheres bateristas da diversidade, igualdade de
PT EN e ponto fundamental no América Latina. gênero e do respeito.
enfrentamento da agenda
tradução conservadora. Assim, com: direção:
português-inglês temos muito a falar sobre Julie Sousa Andreza Jorge e Simonne
isso. e Ge Vasconcelos Alves
com: DUÍLIA DE MELLO
Avanildo Silva, PT EN
intperpretes:
Henrique Gomes, Adriana da Silva, Ana Lucia,
Daniel Lima, Jude Kelly Alexandra Correa, Anália
tradução Melo, Beatriz Oliveira, Carla
e Sandra Vale português-inglês Maria, Edna Santos, Eliane
com: Martins, Irenilda da Silva,
Luiza Valentim, Josefa Cardoso, Leila Silva,
Vivian Fiorio, Lenice Pequeno, Luiza dos
Ana Amélia Macedo Santos, Mãe Nani, Maria de
e Stella Gigante Lourdes, Maria de Fátima e
Rosimere Gomes
direção musical:
Simonne Alves

14 15
16.11 | SEXTA-FEIRA Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 16.11 | SEXTA-FEIRA

14h00 – 15h30 14h00 – 16h00 14h00 – 15h30 14h00 – 15h30 14h00 – 15h30 14h00 – 15h30
mentorias: vidas em conexão VC oficina OF fórum de vivências FV trocas de experiências TE trocas de experiências TE roda de conversa RC
Converse com Que história você está A revolução já está Funk you: o lugar de mulher Sou artista e um dos meus As dores das mortes
uma cientista construindo? acontecendo e ela é onde ela quiser fazeres é empreender violentas presentes no
Museu do Amanhã | Lounge Museu do Amanhã | Observatório é digital: o impacto MAR | Sala 3.3 MAR | Sala 3.1 cotidiano das mulheres
social das blogueiras e MAR | Sala 2.2
A mentoria é um encontro A oficina “Que história você O funk é um espaço ocupado, Mulheres do campo
influenciadoras digitais
entre duas mulheres no está construindo?” estimula de maneira significativa, artístico-cultural Mortes e ferimentos
MAR | Auditório
qual se estabelecem trocas jovens a reconhecerem por homens. Mas não que que refletem, criam, provocados por ações
criativas e inspiradoras sua marca pessoal, seu A tecnologia digital elas não tenham o seu experimentam, vivenciam, violentas costumam ser
sobre variados temas. propósito e autoestima transformou a forma de lugar de reconhecimento. trocam e se organizam narrados e justificados
para realizarem seus produção, circulação São vozes potentes que em processos políticos. a partir do ponto de
com: sonhos e propósitos. Uma e consumo de ideias, ecoam das periferias e A possibilidade de um vista masculino. No
Marília Zaluar Guimarães: oficina para as meninas produtos culturais, favelas brasileiras, trazendo diálogo fundado na entanto, mães, filhas são
biofísica, especializada em se reconhecerem como cidadania e participação o sentido maior de um lugar inovação, na empatia e na diretamente afetadas por
Farmacologia molecular. potências e para estimulá- política. A juventude, nesse de fala que impõe respeito capacidade de criação. essas tragédias, tendo de
las a gostarem de quem sentido, vem tendo um e representatividade. Um Mulheres que inventam lidar diariamente com a
Irina Nasteva: pesquisa de são, independentemente papel central na utilização estilo musical que apresenta, suas próprias formas dor das perdas de entes
Física de partículas. de estereótipos e padrões, dessa tecnologia. De fato, muitas vezes, controvérsias de empreender. queridos.Buscar caminho
Karín Menéndez-Delmestre: e a criarem planos e se os espaços criados a pelas músicas que alguns para romper com o ethos
colocarem em primeiro partir de novas formas de Mc’s homens compõem, PT EN masculino violento e
pesquisa em Astronomia,
na área de formação e lugar. comunicação são cada colocando as mulheres encontrar caminhos a partir
transformação de galáxias. vez mais ocupados pela num lugar de objetificação tradução das mulheres para lidar
recomendada para português-inglês
juventude. Venha conhecer e, ao mesmo tempo, com com a violência é o objetivo
Leinimar Pires: Filosofia, jovens mulheres de
o que pensam e fazem mulheres Mc’s que escrevem com: desta roda de conversa.
Arte, Literartura e Cultura 13 a 24 anos.
algumas dessas jovens letras que apresentam na Giordana Moreira,
brasileiras. com: influenciadoras digitais! essência recomendada para
Gabi Monteiro
Gabriela Nestal: Viviane Duarte o poder da mulher negra e Constança Scofield maiores de 18 anos
desenvolvimento de e Beatriz Magalhães — PT EN e da periferia.
terapias contra o câncer Plano de Meninas PT EN
tradução PT EN
de mama. português-inglês tradução
tradução português-inglês
com: português-inglês
Ana Paula Xongani, Maíra com:
Azevedo, Angélica Ferrarez, com: Ludmila Curi, Deborah
Carla Fernandes Adriana Facina, Valesca Coles, Scholastique
Popozuda e Tati Quebra- Mukasonga, Silvia Ramos,
Barraco Sônia Oliveira.

ANA PAULA XONGANI VALESCA

16 17
16.11 | SEXTA-FEIRA Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 16.11 | SEXTA-FEIRA

14h00 – 15h30 14h00 – 15h00 14h00 – 15h30 14h00 – 16h00 14h30 – 15h30 16h00 – 17h30
roda de conversa RC roda de conversa RC oficina OF oficina OF oficina OF território de partilha TP
Agroecologia e mulher, A Mulher - A Matriarca A palavra através do Mulheres negras Diálogo em jogo: Só há desenvolvimento
tudo a ver Afrocentrada e a espelho pautam o futuro: segurança feminismos e novos sustentável com
MAR | Sala 2.1 Circularidade Armazém | Espaço Nise da Silveira digital mundos possíveis o protagonismo
Armazém | Espaço Dandara Museu do Amanhã | LAA MAR | Arquibancada (pilotis) das mulheres
A ligação das mulheres Roda de saberes voltada Museu do Amanhã | Auditório
com a energia da terra, As vivências quilombolas para mulheres com o O Olabi/Pretalab propõe A oficina se desenvolve
da natureza faz parte de de Pituka Nirobe serão objetivo de provocar 8 oficinas voltadas a partir de ferramentas Entre 1995 e 2015,
nossa caminhada como compartilhadas na roda reflexões e trocas sobre para as relações entre visuais e materiais para o número de lares chefiados
espécie. Nesse processo, de conversa “A Mulher - A o “ser mulher” diante as tecnologia e as artes, a troca de conhecimento por mulheres no Brasil
as mulheres se revelam Matriarca Afrocentrada e a opressões estéticas vividas partir de múltiplos olhares, e fala/escuta ativa em aumentou de 23% para
lideranças fundamentais Circularidade”. nesta sociedade, apontando onde a diversidade e os grupo. Por meio de um 40%, segundo o Instituto
na defesa de direitos, na para a necessidade de direitos humanos estão jogo, busca-se explorar de Pesquisa Econômica
construção de processos com: nos cuidarmos a partir do no centro do processo. os feminismos e nossas Aplicada (Ipea). Naquele
coletivos, formulação e Pituka Nirobe legado da ancestralidade. Os principais temas trajetórias enquanto último ano, as Nações
materialização de lutas pela Trata-se de uma experiência abordados são cosméticos mulheres na luta por Unidas publicaram a Agenda
defesa da natureza e de 15h00 – 16h00 política que nos remete às naturais, segurança digital, direitos e visibilidade. O 2030 – os Objetivos de
seu uso de forma racional e Cortejo em forma de metodologias das rodas pensamento computacional principal objetivo é mediar Desenvolvimento Sustentável
sensível, em sua condição mandala: Todas as circulares que estimulam e impressão 3D aplicada o debate e a coexistência (ODS). Eles constituem
de bem comum. Não mulheres pela paz a conexão com o sagrado à produção de vestuário de subjetividades distintas, um conjunto de 17 metas
poderia ser diferente quando Praça Mauá | Palco Principal (ponto feminino por meio da e ancestralidade. Ao convergentes e divergentes, para um mundo mais justo,
pensamos na agroecologia, de encontro) palavra. O propósito apresentar os princípios do tornando-as tangíveis. Ao sem fome e sem miséria.
um modelo alternativo desta vivência é de que pensamento computacional fim da experiência do jogo Interessa-nos, em particular,
de desenvolvimento Cortejo e apresentação as mulheres passem a e da segurança digital, dialógico, o resultado é uma o ODS 05, que destaca que o
rural sustentável, que de dança meditativa em se perceber como parte conecta as mulheres com peça totalmente única que combate à desigualdade de
respeita a diversidade de forma de mandala com a de uma rede em que é a tecnologia e a inovação. materializa a diversidade gênero é fundamental para o
meios e modos de vidas participação do público possível se associar e dos nossos desejos e alcance do desenvolvimento
locais, como a agricultura do Festival Mulheres do mobilizar outras mulheres, com: percepções feministas. sustentável de qualquer país.
orgânica, a permacultura, Mundo - WOW, no entorno utilizando a fala como um Olabi / Pretalab Discutiremos os caminhos
dentre outras práticas. Há do Museu do Amanhã e do instrumento viabilizador de com: para isso nesta mesa,
muito o que aprendermos MAR. Bibiana Oliveira Serpa enfatizando, dentre outras
lutas em prol de direitos e
nessa conversa coletiva. e Larissa Silveira Munck questões, a contribuição que
com: de outro “vir a ser”.
e teremos mulheres com Machado — Agora Juntas os meios de comunicação
Maria Lalla Cy Aché e com: podem dar para a
energias lindas para tratar mulheres da Maré
dessa relação nossa com Janete Santos Ribeiro disseminação de informações
a natureza e da forma de e Dácia Cristina Teles Costa e para a mudança de
produzir respeitando-a como comportamentos, a fim de
fonte de vida. se atingir este e os outros
objetivos.
PT EN
PT EN
tradução
português-inglês tradução
português-inglês
com:
Beth Cardoso, com:
Francisca Nascimento, Sônia Bridi, Rachel
Verônica Santana Biderman, Mônica Guerra
e Maria Emília Pacheco Rocha e Denise Hills

18 19
16.11 | SEXTA-FEIRA Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 16.11 | SEXTA-FEIRA

16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h00 – 17h30
wow bites: compartilhando fórum de vivências FV trocas de experiências TE trocas de experiências TE roda de conversa RC roda de conversa RC
CT
trajetórias A literatura das mulheres Sem fronteiras: Vozes de mulheres online: Pode haver democracia Saúde Mental
Museu do Amanhã | Lounge MAR | Auditório mulheres que se aventuram o que elas vem dizendo? sem acessibilidade? MAR | Sala 2.1
a pesquisar fora do Brasil MAR | Sala 3.1 O que saber, o que fazer A Organização Mundial
com: Gloria Anzaldúa, em sua MAR | Sala 3.3 a respeito
carta para as mulheres São muitos os espaços de Saúde (OMS) vem há
Jarid Arraes é escritora, escritoras do terceiro Muitas mulheres virtuais que as mulheres
MAR | Sala 2.2
muito alertando sobre os
cordelista, poeta e autora mundo, afirma que no ato pesquisadoras brasileiras vem trazendo suas ideias O incentivo e o contato, impactos dos determinantes
de livros. Até o momento, de escrever “reside nossa estiveram fora do país, e posições. A tecnologia desde cedo, com uma econômicos, culturais,
tem mais de 60 títulos sobreVivências, porque nos últimos anos. Nessas tem sido um recurso cultura inclusiva no étnicos/raciais, psicológicos
publicados em literatura de uma mulher que escreve andanças vivenciaram troca importante utilizado para campo da acessibilidade e comportamentais
Cordel. tem poder, e uma mulher de experiências, fizeram promover os direitos das contribuem para que que influenciam no
Jacqueline Pitanguy com poder é temida”. colaborações científicas e mulheres, compartilhar se efetivem políticas adoecimento da população.
é atuante fundamental Esse poder de comunicar, alargaram seu olhar sobre suas experiências e refletir públicas democráticas, A desigualdade de gênero,
para que os direitos todavia, não vem da suas existências e as sobre desafios históricos que garantam os direitos o machismo, a violência
das mulheres fossem retórica, mas do “sangue, diferentes perspectivas que que as essas enfrentam. de cidadãos e cidadãs doméstica e sexual e tantas
incorporados na pus e suor”. É sobre essa marcam o Brasil e outros São muitas frentes de que demandam o outras violências contra
Constituição Brasileira. escrita telúrica, intensa e países. Quando retornam, batalhas como: o combate reconhecimento pelo direito a mulher agravam esse
viva que queremos refletir não poderia ser diferente, à violência contra a mulher, de ir e vir, independente da adoecimento. Muitas vezes,
Irene Nagashima: criadora junto com você neste a bagagem vem recheada ao feminícidio, ao sexismo, deficiência que possuam. elas ficam responsáveis
do CineMaterna, uma espaço. de novos conhecimentos ao machismo, dentre Acessibilidade quer dizer pelo cuidado dos doentes
proposta de cinema para e repertórios que vamos outras. garantia concreta de da família, dos idosos
mães, pais e bebês. PT EN conhecer numa conversa existência de espaços e, principalmente, das
cheia de histórias para PT EN públicos seguros, nos crianças. Os trabalhos
Yvonne Bezerra
é fundadora do Projeto tradução contar. quais a pessoa com doméstico e profissional
Uerê, uma escola português-inglês tradução deficiência possa circular acabam gerando fadiga e
PT EN português-inglês com autonomia, utilizando exaustão. Nesse sentido,
alternativa para crianças com:
e adolescentes com equipamentos apropriados pensar o cuidado das
Scholastique Mukasonga, tradução com: mulheres perpassa pelo
bloqueios cognitivos e Noemi Jaffe, Aparna Hegde, a suas demandas. Nesta
emocionais relacionados à português-inglês roda, você poderá conhecer olhar integral em relação
Tania de Montaigne, Juliana de Faria, às suas condições de vida
conVivências diária com a Taiye Selasi e Jude Kelly com: Lulú Barrera e Erika Smith a trajetória inspiradora
violência. de mulheres ativistas e aos aspectos de cada
Enoe de Moraes ciclo e deve se pautar pelo
e Ana Cláudia Gonçalves com deficiência ou que
trabalham com esse fortalecimento do feminino,
Vilma Guimarães Rosa por meio da educação
público.
é escritora, filha de sobre seus corpos e
Guimarães Rosa, autora de PT EN sua sexualidade, e pelo
diversos livros aclamados autocuidado, com a oferta
pela crítica tradução de práticas integrativas já
PT EN
português-inglês disponibilizadas pelo SUS.
com: PT EN
tradução Leila Scaf,
português-inglês Maria Antonia Goulart , tradução
Patrícia Luiza Rezende português-inglês
e Tanzila Kahn
com:
Gladys Schincariol e
Maria Rita Kehl

20 21
16.11 | SEXTA-FEIRA Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 16.11 | SEXTA-FEIRA

16h00 – 17h30 16h00 – 17h00 16h00 – 19h00 17h00 – 19h00 17h00 – 18h00 | 20h00 – 21h00 18h00 – 19h30
oficina OF oficina OF oficina OF oficina OF arte e cultura território de partilha TP
Afrofunk Artesãs da Maré: O Rolé das faveladas: ABC do prazer feminino Slap & Tickle Regras iguais para o mundo
UniverCidade da Ousadia a sobrevivência está a real revitalização da zona Museu do Amanhã | Observatório Armazém | Espaço Márcia X do trabalho
MAR | Arquibancada (pilotis) em nossas mãos portuária Museu do Amanhã | Auditório
Armazém | Espaço Dandara Armazém | Espaço Dandara
O workshop oferecido Provocadora, anárquica e
A Oficina de Afrofunk (ponto de encontro)
pela Libera.te segue os sem pudores: assim é Slap Vivenciamos um mundo
mistura diversos ritmos afro A oficina “A sobrevivência princípios da educação de and Tickle, performance onde há clara separação
contemporâneos e suas está em nossas mãos” O Rolé dos Favelados adultos, como motivação, onde a artista multimídia de tarefas consideradas
essências ancestrais. Em irá replicar a metodologia é um tour criado pelo compreensão e pertinência britânica Liz Aggiss adequadas aos homens e
busca da descolonização de trabalho coletiva e a guia turístico Cosme dos conteúdos por meio de convida o público para às mulheres. É fato que, em
do corpo feminino, a arte do crochê feita pelas Felippsen que acontece, envolvimento emocional uma mergulho profundo muitas situações, o trabalho
oficina une dança e artesãs da Maré. O grupo em geral, no Morro da (pertencimento) e nos tabus, contradições realizado por homens é
história promovendo uma foi fundado em 1998 e é Providência e em parceria interatividade, assim como e representações sociais mais bem remunerado e
conexão entre mente, composto por mulheres com ativistas da favela. é trabalhada a necessidade sobre o que é ser mulher valorado. Isso estampa a
corpo e espírito enquanto hipertensas, diabéticas e O objetivo deste projeto é social de autoafirmação e seus inúmeros papéis: desigualdade de gênero
pesquisa a ciência do algumas com sindrome desafiar os estereótipos positiva, com a discussão de mães a filhas, meninas no campo da atividade
rebolado. A ideia é lançar do pânico em função da negativos associados de tabus e quebra de e velhas, loucas e santas. profissional e coloca, para
um novo olhar sobre o violência social e policial às favelas, mostrando a preconceitos. O conteúdo é O espetáculo é um as mulheres, desafios
corpo feminino usando a nas comunidades da comunidade do ponto de focado na anatomia sexual deleite visual, que se quanto à urgência de se
dança como ferramenta de Maré. Todas sabiam fazer vista dos moradores. Nesta e o gozo feminino; mitos e debruça sobre diversas lutar pelo fim da divisão
empoderamento corporal e crochê e passaram a fazer edição, o tour será com as empoderamento feminino técnicas de dança, poesia, sexual do trabalho e pela
intelectual. vestidos de crochê que faveladas Cintia Sant’Anna por meio do orgasmo. manipulação de objetos e valorização e dignidade do
pudessem ser feitos por e Elen Ferreira, que música para desorientar trabalho humano sem as
com: todas ao mesmo tempo. descem com o Rolé para recomendada para mulheres os espectadores em usuais hierarquias.
Taísa Machado Fazem parte do movimento o asfalto, para questionar a partir de 18 anos. uma irreverente epopeia
de economia solidaria até onde a revitalização feminista. PT EN
com:
e comércio justo; e hoje atingiu o objetivo proposto Juliana Marques
vendem sua arte em crochê inicialmente. O tour recomendado para tradução
nas feiras do Circuito irá atravessar a região maiores de 14 anos. português-inglês
17h00 – 19h00
Carioca de Economia portuária, mostrando os PT EN com:
Solidária, garantindo uma locais que não foram oficina OF
Mulheres negras Eblin Farage, Mércia Silva,
renda mensal a cada uma revitalizados, tão pouco tradução Nalu Faria, Theo Sowa
delas. receberam investimentos. pautam o futuro: português-inglês
cosméticos naturais e Jude Kelly
com: com: Museu do Amanhã | LAA com:
Clarice Teixeira Cintia Sant’Anna Liz Aggiss
e Elen Ferreira — Coletivo O Olabi/Pretalab propõe 8
Entre o céu e a favela oficinas voltadas para as
relações entre tecnologia
e as artes, a partir de
múltiplos olhares, onde a
diversidade e os direitos
humanos estão no centro
do processo.
com:
Olabi / Pretalab

22 23
16.11 | SEXTA-FEIRA Festival WOW Rio 2018

18h00 – 19h00 18h00 — 19h00


fórum de vivências FV arte e cultura
O Brasil de hoje para Cortejo Bloco Ilú Obá de Min
as mulheres: perspectivas Praça Mauá | Palco Principal
MAR | Auditório (ponto de encontro)

A presença massiva Ilú Obá de Min (mulheres que ficaram esquecidas


das mulheres nas lutas que tocam tambor para na formação da identidade
populares, a visibilidade e a xangô) foi criado em brasileira, enfrentando
força da agenda feminista 2004 como uma forma de o racismo, o sexismo,
são marcos do período aumentar a participação a discriminação e a
recente das resistências das mulheres no toque do LGBTfobia através da arte.
e mobilizações em todo tambor. O grupo se propõe
o mundo. Vivemos uma a inserir nos espaços com:
ofensiva neoliberal, que urbanos antigas tradições Ilú Obá de Min
ataca a democracia e dá um
novo impulso aos processos
de mercantilização e 19h00 – 23h30
militarização, que atacam arte e cultura
os corpos, os territórios e os Shows e festa
modos de vida das mulheres. Praça Mauá | Palco Principal
Na construção cotidiana Anelis Assumpção funk e eletrônica de São
da auto-organização, apresenta músicas de seu Paulo. Transita também
da agroecologia, da mais recente trabalho, pela cena house e tecno.
comunicação e da economia Taurina. As canções Por onde passa, dissemina
feminista e solidária; de simbolizam o poder do o fortalecimento e a
estratégias para garantir as feminimo e a sexualidade possibilidade de mulheres e
condições de sobrevivência que, para a artista, refletem pessoas periféricas atuarem
e para construir autonomia a própria capacidade das na música.
sobre o corpo, sobre a mulheres re(e)xistirem.
sexualidade que desafia “Deus é mulher” é o último
a heteronormatividade A escritora, cantora, disco de Elza Soares, e
e sobre uma vida livre compositora, poeta e atriz o segundo, depois de
de violência racista e Letícia Novaes, a Letrux, “Mulher do fim do mundo”,
patriarcal, as mulheres apresenta no WOW seu abertamente feminista.
expandem as fronteiras primeiro disco solo, Em “Deus é Mulher” se entrega
do possível, enfrentam as noite de climão. Nas ao rock não apenas na
contradições, constroem as músicas, há altas doses estrutura musical, mas na
condições para transformar de disco music e new age, postura punk e anárquica.
concretamente suas vidas, elementos adicionados com
Um desvendar da alma
ao passo que exercitam e a colaboração da guitarrista
feminina, debates sobre
apontam os caminhos de Natália Carrera, coprodutora
religião, o florescer da
mudança do modelo. do disco.
sexualidade e violência
PT EN Badsista é mulher periférica, urbana. Neste show, Elza
DJ e produtora musical, conta com a participação do
envolvida com a cena bloco afro Ilu Obá de Min.
com:
Luciene Lacerda, Bel Juruna
e Clarisse Paradis

24 25
17.11 | SÁBADO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 17.11 | SÁBADO

10h00 – 18h00 10h00 – 10h45 10h00 – 16h00 10h00 – 20h00 10h00 – 20h00 10h00 – 11h00 | 11h30 – 12h30 |
exposição mesa de abertura arte e cultura Feira DELAS instalação 14h00 – 15h00 | 15h30 – 16h30 |
As mulheres que fizeram A EscreVivências no centro #AfroGrafiteiras Praça Mauá Mesas de ping pong 17h00 – 18h00
o Amanhã do debate: Conceição Praça Mauá Praça Mauá arte e cultura
Museu do Amanhã | Evaristo em partilha A Feira DELAS não é Race Cards
Salas expositivas com Carla Fernandes Na Praça Mauá, em frente apenas um mercado ou A artista-plástica Priscila MAR | Sala 3.2
Museu do Amanhã | Auditório
ao Armazém 1B será uma exposição. É, sim, Fiszman projeta uma
As mulheres que fizeram realizada de 10 às 16h, uma um modo de divulgar a instalação com três Mesas Race Cards é um projeto de
o Amanhã, na exposição Um encontro luso- ação de grafitagem por 50 inventividade das mulheres de Ping-Pong na Praça instalação e fórum público,
principal do Museu do brasileiro conectado na participantes do projeto a partir do seu jeito de fazer Mauá. As mesas ficarão que expõe e desafia a
Amanhã frequência entre literatura, #AfroGrafiteiras, idealizado cultura, viver sua cidadania abertas para uso, e poderão presença de tensão racial,
herança cultural, racial, e realizado pela Rede NAMI. e de empreender, numa ser utilizadas por todes violência e discriminação
educação e gênero: O mural irá representar perspectiva de fortalecer durante a programação do em nossas vidas cotidianas,
10h30, 13h30, e 15h30
um dos nomes mais questões que perpassam a criação, produção, festival WOW – Festival questionando situações do
visitas mediadas importantes da literatura a vida de mulheres negras distribuição e consumo Mulheres do Mundo. As três dia a dia nos detalhes mais
O Amanhã pelo olhar brasileira, a escritora e a resistência cultural que de produtos, negócios; mesas são três trabalhos íntimos.
das mulheres Conceição Evaristo realizam em seu cotidiano. divulgação de campanhas inéditos comissionados em
conversa com a jornalista, e iniciativas de ativistas e colaboração com o Redes Trata-se de arquivo em
Museu do Amanhã | Ponto de
blogueira e ativista com: organizações. Tudo isso, da Maré especialmente constante expansão,
encontro ao lado da bilheteria
cultural luso-angolana Rede Nami por mulheres organizadas para o Festival. As mesas realizados em prol da
Por ordem de chegada. Carla Fernandes, autora em redes que atuam com ganham os títulos “King- pesquisa de Selina
Grupos de 20 pessoas. do recém lançado livro temas transversais como Pong”, “Reconfiguração intitulada “Tão Vasto e
de poesia Dijidiu — Uma gênero, feminismo e Ideológica” e “Mesa das Profundo como o Mar”. As
responsável: herança do Ouvido. Uma direitos. Espaço dedicado Crianças”. diferentes versões nunca
Equipe Educativa do Museu conversa de duas gerações ao empreendedorismo, repetem a mesma forma.
do Amanhã de comunicadoras e gastronomia, ativismo, com: A obra já teve a forma de
ativistas sobre carreira causas sociais, Priscila Fiszman um jogo de cartões, uma
10h00 – 18h00 e pertencimento racial e organizações, com a performance duracional e
exposição cultural na relação entre presença de 200 iniciativas de sessões individuais ao
As mulheres na Coleção Brasil, África e Portugal. lideradas por mulheres. longo de 18 horas.
MAR Imperdível. Confira a lista completa de No Brasil, Race Cards é
Arte Democracia Utopia — empreendedoras e ativistas apresentada enquanto
com: na página do WOW Rio.
Quem não luta tá morto instalação e conta com
O Rio do samba — a tradução e adaptação
Conceição Evaristo contextual da artista
resistência e invenção e Carla Fernandes
MAR | Pavilhão
Priscila Rezende.
Ao final do dia, às 18h00,
Priscila Rezende conversa
com o público sobre o
processo de trabalho
concepção:
Selina Thompson
performance:
Priscila Rezende

26 27
17.11 | SÁBADO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 17.11 | SÁBADO

10h00 – 11h00 | 16h00 – 17h00 10h00 – 11h30 10h00 – 12h00 10h00 – 11h00 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30
oficina OF oficina OF oficina OF oficina OF território de partilha TP mentorias: vidas em conexão VC
Brincando e criando pela Como desenvolver Mulheres negras pautam Aulão de Yoga Saúde: poder masculino, Museu do Amanhã | Lounge
igualdade de gênero e utilizar ferramentas o futuro: pensamento Praça Mauá sabedoria feminina
Museu do Amanhã | Terreiro de comunicação de computacional Museu do Amanhã | Auditório
A mentoria é um encontro
impacto, voltadas para Museu do Amanhã | LAA
Aulão de yoga, incluindo entre duas mulheres no
Você está educando a paz uma meditação inicial, A abordagem tradicional qual se estabelecem trocas
uma criança feministas? Museu do Amanhã | Observatório
O Olabi/Pretalab propõe exercícios respiratórios, com foco em modelos criativas e inspiradoras
Feminismo não é só para 8 oficinas voltadas prática de posturas físicas biomédicos sobre a saúde sobre variados temas.
adultos e jovens. Se você Neste workshop para as relações entre e relaxamento final. e o corpo, de modo geral
acredita que meninas participativo, liderado tecnologia e as artes, a impõe diagnósticos e com:
deveriam ter as mesmas pela consultora francesa partir de múltiplos olhares, levar canga ou tapete de tratamentos que nem
yoga Viviane Duarte: Plano
oportunidades na vida que Servane Mouazan, os onde a diversidade e os sempre correspondem às Feminino, autoestima,
os meninos, nós temos a participantes vão aprender direitos humanos estão com: verdadeiras demandas e educação financeira e
atividade perfeita pra você. como desenvolver e utilizar no centro do processo. Ana Olívia Figueiredo particularidades da saúde empreendedorismo de
A partir de brincadeiras, ferramentas de comunicação Os principais temas das mulheres. Debater meninas e mulheres.
jogos e criações artísticas, efetivas para causar impacto abordados são cosméticos alternativas às concepções
a oficina tem por objetivo voltados para a paz, que naturais, segurança digital, dominantes a respeito Clarisse Linke: políticas
refletir com meninas de 6 permitam às mulheres gerar pensamento computacional de saúde, medicalização, e programas sociais
a 7 anos e de 8 a 10 anos, consenso e incentivar ações e impressão 3D aplicada direitos reprodutivos, de transporte urbano e
sobre igualdade de gênero, no âmbito local e engajar à produção de vestuário sexuais e ao bem-estar de mobilidade.
o que significa ser uma efetivamente em discussões e ancestralidade. Ao modo mais amplo é não Silvana Andrade:
menina e o que elas podem com entidades tomadoras apresentar os princípios do somente necessário, mas desenvolvendo uma carreira
fazer para ajudar a construir de decisões. Também pensamento computacional urgente. sustentável.
mais igualdade para o visa ajudá-las a influenciar e da segurança digital,
futuro. positivamente a colaboração conecta as mulheres com a PT EN
entre organizações diversas. tecnologia e a inovação.
10h00 – 11h00 tradução
Essas ferramentas são
atividade exclusiva para inspiradas em potentes com: português-inglês
meninas de 6 a 7 anos. técnicas de coaching, Olabi/Pretalab
com:
16h00 – 17h00 desenvolvidas ao longo de Edna Ismail,
atividade exclusiva para anos de prática atuando Sonia Hirsch,
meninas de 8 a 10 anos. junto a mulheres em Sonia Fleury
empresas e ONGs. e Vitória Lourenço
com:
Redes da Maré PT EN

tradução
português-inglês.
com:
Servane Mouazan

SONIA FLEURY
SERVANE MOUAZAN

28 29
17.11 | SÁBADO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 17.11 | SÁBADO

11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30
fórum de vivências FV trocas de experiências TE trocas de experiências TE roda de conversa RC roda de conversa RC oficina OF
Nossa energia vem Mulheres e crianças Entrando em cena: Consciência de si e formas Respostas à militarização Papo de minas & manas
da ancestralidade e negligenciadas: o mulheres que fazem de sustentabilidade da vida: gerações que MAR | Arquibancada (pilotis)
sobreviveu à diáspora fenômeno Zika vírus cinema contando histórias MAR | Sala 2.2 enfrentam as pressões
MAR | Auditório MAR | Sala 3.3 MAR | Sala 3.1 policiais O encontro entre as
Os assuntos relacionados MAR | Sala 2.1
“minas” (em referência às
O doloroso passado de No ano de 2016, o Brasil Na arte de fazer cinema, à questão ambiental estão mulheres mais novas) e as
diáspora das populações se viu às voltas com uma as mulheres ocupam na ordem do dia. Cada vez Muitas mulheres passaram “manas” (em referência às
negras ao redor do doença pouco conhecida: diferentes posições, mais é preciso pensar sobre por experiências de contato mulheres mais experientes)
mundo criou um sistema o zika vírus. Transmitida assumem distintos lugares os efeitos da ação humana com forças militares que proporcionará uma troca de
de vínculos globais por mosquito, a zika de fala, de poder, de fazer no meio ambiente. Seja na violam a dignidade da saberes afetivos e técnicos,
marcados por fluxos causou uma epidemia de e de criar. O que essas proteção dos animais, nas pessoa humana – seja proposto pelo coletivo
e trocas de variadas nascimentos de bebês mulheres tem a dizer formas como consumimos, na ditadura militar, seja Quase na Lua. Neste
ordens, especialmente com microcefalia. As sobre igualdade de gênero seja como lidamos com nas as atuais incursões encontro, serão abordados
culturais. Nesse quadro mulheres e bebês mais num espaço ocupado nosso lixo de cada dia, as militares nas favelas. Essas os temas relacionados às
complexo, o contato atingidos fazem parte de de maneira histórica por mulheres têm feito história mulheres nunca se calaram mulheres na cultura, na arte
com a ancestralidade é uma parcela da população homens? O que muda na sobre como construir um diante do problema. Assim, e no empreendedorismo.
fundamental, sobretudo brasileira que muitas hora de contar a hstória? modo de vida sustentável. realizar este diálogo As minas e manas
para as mulheres negras: vezes não tem direitos Vamos refletir sobre isso? geracional nos permite convidadas a fazerem
ele nos permite aprender básicos reconhecidos. É PT EN compartilhar estratégias, parte desta atividade
sobre o passado e construir um contingente que não PT EN impressões e análises são influenciadoras e
o futuro, preservando a tem acesso a rede de tradução sobre os tempos políticos transformadoras, oriundas
memória e as conquistas esgoto sanitário, água português-inglês tradução brasileiros e a permanência principalmente de
do nosso povo negro. O potável, sistema de saúde, português-inglês de um Estado que ainda territórios periféricos, como
com:
presente painel irá partilhar dentre outras demandas. Diana Andringa e Helena com: carrega em sua estrutura a Mc Martina (Slam Laje),
essa energia e visibilizar os O que sabemos sobre Celestino Maria do Carmo Oliveira, central uma perspectiva Victória Santanna
caminhos de nossas lutas. essas questões que ainda Georgia Pessoa, Luciana autoritária e violenta. (A Baixada Grita Arte),
convivemos no Brasil do Freitas, Vera Maria Ferreira Priscila Rooxo (Grafiteira),
PT EN século XXI? PT EN ES Ara Nogueira (Artista
da Silva e Sonia Guajajara
Urbana), entre outras.
tradução PT EN tradução
português-inglês espanhol-português-inglês com:
tradução Juliana de Almeida,
com: português-inglês com: Marcielly Vanucci
Gracy Mary Moreira, Lilian Celiberti, e Karen Rocha — Quase na
Juliana Luna, com: Ivanir Mendes, Lua
Mãe Celina de Xangô Luciana Sepúlveda, Leila Renata Trajano
e Sandra Maria da Silva Araújo e Silvana Cristina e Raquel Willadino
Andrade dos Santos DIANA ANDRINGA
SONIA GUAJAJARA

30 31
17.11 | SÁBADO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 17.11 | SÁBADO

11h00 – 12h30 11h30 – 12h30 12h30 – 13h30 14h00 – 15h30 14h00 – 15h30
oficina OF oficina OF show e festa território de partilha TP wow bites: compartilhando
CT
Reflexões sobre Bebê Abayomi: identidade Som de Preta Como enfrentar os abusos trajetórias
autocuidado entre ativistas afrobrasileira — ação MAR | Arquibancada (pilotis) da imagem das mulheres Museu do Amanhã | Lounge
Armazém | Espaço Nise da Silveira poética afetiva na mídia? Mulheres incríveis
Armazém | Espaço Dandara
O grupo Som de Preta foi Museu do Amanhã | Auditório
A oficina visa apresentar, criado com a proposta compartilham suas
através de dinâmicas A oficina, conduzida pela de valorizar a cultura Refletir sobre os efeitos e trajetórias, e em seguida
de acolhida, exercícios artesã Lena Martins, afrobrasileira, em especial a significados gerados pelas batem um papo com o
integrativos e reflexivos, promove o fortalecimento arte produzida por mulheres imagens conformadas para público.
a importância do cuidado da autoestima e o negras. O ponto de partida a mulher na e pela mídia. com:
consigo e com as outras reconhecimento da do trabalho é o resgate da Buscar sentidos e novas
mulheres. Nesta atividade, identidade afro brasileira. contribuição artística de representações que pautam Moon Ribas participou
serão compartilhadas as Através de brincadeiras e compositoras e poetisas a vida de muitas mulheres. da criação da Cyborg
emoções, as aprendizagens músicas, cada participante negras. Politizadas e Foundation e da
na luta e as dores vividas, confeccionará um bebê conscientes da importância PT EN Transpecies Society, que
a partir da ideia de que negro, sem usar cola ou da arte como instrumento unem tecnologia e corpo
o político é também costura, utilizando retalhos de comunicação, as tradução para explorar os limites da
pessoal. O autocuidado e o de malha, tecidos e ervas integrantes do grupo farão português-inglês percepção e do movimento.
cuidado entre as ativistas aromáticas. A boneca negra no WOW um show como com: Marina Marçal, advogada
é capaz de gerar nas Abayomi foi criada no Rio veículo de militância pela Donalda Mckinnon, e feminista negra, é
mulheres a possibilidade de Janeiro em 1987 e esta superação do racismo. Beatriz Azeredo, Estela coordenadora do grupo
de lidar com elementos que oficina já foi realizada com Renner e Maju Coutinho de trabalho de mulheres EDNA ISMAIL
bloqueiam sua trajetória mais de vinte e seis mil com:
negras da Organização dos atua no empoderamento
de transformação no pessoas desde então. Natana Magalhães, Advogados do Brasil (OAB) de jovens.
campo subjetivo, sendo Rachel Barros, Ana Miria do Rio de Janeiro.
um caminho para enfrentar com: Edna Ismail é fundadora
Lena Martins Carinhanha e Raphaela
o sexismo, o racismo, o Tanzila Khan é cadeirante e diretora do Hospital
Yves
individualismo e outras desde a primeira Maternidade Edna Adan
formas de opressão. infância; desde muito Ismail e uma ativista
O movimento grupal cedo, buscou converter reconhecida por sua longa
e afetivo de cuidado suas adversidades em dedicação à saúde pública
perpassa a construção oportunidades. Fundou a e aos direitos das mulheres
de uma proposta do ONG Creative Alley, que na África.
DONALDA MCKINNON
``Bem Viver Feminista``
Nilcemar Nogueira é neta
para o fortalecimento do
de Dona Zica e do mestre
feminismo como sujeito
Cartola, sua trajetória
político.
profissional está ligada
com: intimamente ao samba e
Tania Muri especialmente à Mangueira,
da qual foi diretora de
Carnaval. Atualmente,
Secretaria de Cultura
do Rio de Janeiro.

PT EN

tradução
TANZILA KHAN português-inglês

32 33
17.11 | SÁBADO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 17.11 | SÁBADO

14h00 – 15h00 14h00 – 16h00 14h00 – 16h00 14h00 – 15h30 14h00 – 15h30 14h00 – 15h30
oficina OF oficina OF oficina OF fórum de vivências FV trocas de experiências TE trocas de experiências TE
Brincando e criando pela Intervenção urbana — Mulheres negras pautam Jude Kelly entrevista Mulheres indígenas Mulheres de ouro:
igualdade de gênero Feminicidade o futuro: impressão 3D Reni Eddo-Lodge e quilombolas: lutas o que mulheres atletas
Museu do Amanhã | Terreiro Museu do Amanhã | Observatório aplicada à produção de MAR | Auditório identitárias e resistências e comunicadoras
vestuárioMuseu do Amanhã | no Brasil esportivas tem a nos dizer
Vocês estão educando seus A oficina Feminicidade LAA
Fundadora do Movimento MAR | Sala 3.3 MAR | Sala 3.1
filhos para a igualdade? — Intervenção Urbana irá WOW — Women of the
Você acha que as meninas trabalhar o uso do lambe- O Olabi/Pretalab propõe World (Mulheres do Mundo) As lutas indígenas e Você sabia que foi apenas
devem ter as mesmas lambe como ferramenta 8 oficinas voltadas e reconhecida como um quilombolas permanecem nos Jogos Olímpicos de
oportunidades que os de expressão de ideias, para as relações entre dos maiores nomes das centrais para a promoção 2012 que pela primeira
meninos? Se você acha diálogos e forma de tecnologia e as artes, a artes e cultura na Europa, a da justiça social para os vez as mulheres puderam
que sim, essa atividade é interação com o cenário partir de múltiplos olhares, diretora britânica Jude Kelly povos tradicionais que competir em todas as
perfeita para você. A partir urbano. A oficina trará um onde a diversidade e os conversa sobre carreira, formam a cultura originária modalidades? E que os
de brincadeiras, jogos pouco sobre a história do direitos humanos estão literatura e ativismo com do país. A história de Jogos do Rio contaram
e criações artísticas, a lambe-lambe como meio no centro do processo. um dos nomes mais violência e extermínio dos com a maior participação
oficina tem por objetivo de intervenção artística Os principais temas comentados na literatura povos, suas identidades feminina na história
refletir com meninos de 8 e política em diferentes abordados são cosméticos na atualidade: a escritora e sua memória deixou olímpica? Esses dados
a 10 anos, sobre igualdade partes do mundo e seu naturais, segurança digital, e jornalista inglesa Reni marcas profundas e indicam uma importante
de gênero, o que significa alcance como ferramenta pensamento computacional Eddo-Lodge — autora do irreversíveis que apenas a mudança na participação
ser uma menina e o que de ativismo. Nesta oficina e impressão 3D aplicada bestseller internacional luta permanente por direitos feminina no mundo dos
meninos podem fazer para iremos promover a criação à produção de vestuário “Why I’m not longer talking e políticas de proteção esportes, com muitas
ajudar a construir mais coletiva de uma intervenção e ancestralidade. Ao to white people about race” poderão conter. As lutas conquistas e desafios.
igualdade para o futuro. urbana que dialogue com a apresentar os princípios do (Porque eu não falo mais das mulheres indígenas e Venha dialogar com as
realidade das mulheres que pensamento computacional sobre raça com pessoas quilombolas representam a atletas e comunicadoras
atividade exclusiva para estarão participando e com e da segurança digital, brancas). Reni é aquela máxima resistência contra esportivas que estão
meninos de 8 a 10 anos. o que acreditamos serem conecta as mulheres com pessoa que não se pode a opressão social, aliada fazendo essa história
PT
desafios enfrentados pelas a tecnologia e a inovação. perder a oportunidade de à preservação ambiental acontecer!
mulheres como um todo no ouvir, especialmente nos e desenvolvimento
com: espaço público. Na parte com: tempos que hoje vivemos. sustentável, demarcação PT EN
Redes da Maré prática da oficina iremos Olabi/Pretalab de terras e patrimônio
demonstrar o processo PT EN imaterial. tradução
de criação de lambes. Em português-inglês
seguida iremos arregaçar tradução PT EN
com:
as mangas e vivenciar a inglês-português Jackie Silva,
experiência da intervenção tradução
com: português-inglês Joanna Maranhão, Karine
urbana através da colagem Alves, Aline Silva
de lambes no espaço do Reni Eddo-Lodge
e Jude Kelly com: e Tuany Siqueira
festival. Bel Juruna, Selma Dealdina
PT e Sônia Guajajara
com:
Cássia Sousa, Júlia
Schuback, Júlia Kubrusly,
Clarice Bueno e Carolina
Canellas
RENI EDDO-LODGE

34 35
17.11 | SÁBADO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 17.11 | SÁBADO

14h00 – 15h30 14h00 – 15h30 14h00 – 15h30 14h30 – 15h30 14h00 – 15h00 16h00 – 17h00
roda de conversa RC roda de conversa RC performance oficina OF arte e cultura arte e cultura
Meu corpo, minhas regras: Maternidade e paternidade Trabalhos de Parto Instagram para iniciantes: Grupo de música Fúrias
padrões e aparências MAR | Sala 2.1 Armazém | Espaço Márcia X conhecendo a ferramenta. tradicional Caixeiras Praça Mauá
MAR | Sala 2.2 Como ela pode impulsionar do Divino
Nesse diálogo, colocamos A autora Marcia Zanelatto o meu empreendimento? Praça Mauá
A Grande Companhia
Desde criança, as mulheres mulheres e homens apresenta através de uma Armazém | Espaço Nise da Silveira
Brasileira de Mysterios
aprendem a se enquadrar juntos para debater o performance seu processo As Caixeiras do Divino e Novidades é parte de
em um determinado compartilhamento dos de trabalho sobre a peça A oficina propõe apresentar Espírito Santo são uma parte um movimento cultural
modelo de comportamento cuidados das crianças escrita sob encomenda como o Instagram pode importante da manifestação que trabalha no risco e
e padrão de beleza e adolescentes. As para o Birth Debate e Royal ser útil para a divulgação da cultura popular tradicional na busca do essencial do
imposto por determinadas transformações pelas quais Exchange Theatre, no Reino de um empreendimento, e religiosa chamada Festa teatro. Formada por artistas
instituições – grande mídia, a família vai passar ao Unido, em que faz uma desde o planejamento do Espírito Santo. As que desenvolvem um
mundo da moda. Em geral, longo do desenvolvimento documentação poética do até o monitoramento dos caixeiras são responsáveis trabalho contemporâneo,
o corpo, nessas condições, das crianças parecem parto em 5 gerações de sua resultados, apresentando por conhecer e transmitir a serviço da evolução
é visto como mercadoria, ser fundamentais para própria família. Trata-se de as suas principais oralmente toda a tradição do ser humano e da
objetificado e ignorado em o entendimento da uma colaboração artística funções e possibilidades. relacionada à organização, sociedade, afirma o Teatro
sua integralidade. Assim, parentalidade como um entre a autora e a diretora O objetivo é aprofundar história, memória e de Rua como importante
muitas mulheres estão processo dinâmico e Bianca Ramoneda. sobre como esta mídia preservação desta cultura veículo de intervenção
refletindo sobre o corpo e bidirecional entre pais e funciona e de que forma as para as novas gerações. No urbana e transformação.
afirmando que não existe filhos. com: empreendedoras podem Rio de Janeiro, as Caixeiras Seu espetáculo, com
um modelo ao qual elas Marcia Zanelatto usá-la a seu favor. tocam desde 1967, ano de coreografias em pernas de
devam se conformar. PT EN fundação da Comunidade pau e música ao vivo, busca
Afirmar novos padrões PT Maranhense e da realização inspiração na linguagem dos
de feminilidade – que tradução da primeira festa do Divino antigos atores e músicos
respeitem a diversidade português-inglês com: na cidade. populares, e afirmando
do corpo e a dignidade Júlia Trindade a arte de rua como arte
com: com:
feminina – é um ato Ana Pacheco, Rodrigo pública, arte para todos.
político, que reforça a Caixeiras do Divino Sob a tônica do imaginário
Bueno, Shirley Oliveira e
compreensão e os direitos Patrícia Nascimento 15h00 – 16h30
cultural das tradições e
no campo da subjetividade. Bate papo sobre o livro raízes brasileiras, contribui
A razão neoliberal: para a preservação e
PT EN
economias barrocas e valorização da memória
pragmática popular cultural do país, integrando
tradução teatro e vida, tradição e
Armazém | Espaço Dandara
português-inglês contemporaneidade.
com: O bate-papo sobre o livro “A
Razão neoliberal: economias com:
Bianca Santana, Preta Rara Cia de Mysterios
e Dríade Aguiar barrocas e pragmática
popular” será entre a autora e Novidades
Verônica Gago, integrante do
coletivo argentino “Ni Una
Menos” e Graciela Rodriguez,
coordenadora do Instituto
EQUIT – Gênero, Economia e
Cidadania Global
com:
Verónica Gago e
CIA DE MYSTERIOS E NOVIDADES
Graciela Rodriguez

36 37
17.11 | SÁBADO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 17.11 | SÁBADO

16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h00 – 17h30
território de partilha TP Wow bites: compartilhando fórum de vivências FV trocas de experiências TE trocas de experiências TE roda de conversa RC
CT
O racismo é do indivíduo trajetórias As mulheres precisam O céu é o limite? Mulheres no comando: Mulheres no samba:
e da instituição Museu do Amanhã | Lounge conquistar o campo Trajetória de mulheres o mundo corporativo resistência e paixão à
Museu do Amanhã | Auditório da comunicação na ciência espacial sob a ótica feminina cadência - Uma homenagem
Mulheres incríveis MAR | Auditório MAR | Sala 3.3 MAR | Sala 3.1 a Done Ivone Lara
O racismo se faz presente compartilham suas MAR | Sala 2.2
no nosso cotidiano trajetórias, e em seguida A comunicação Algumas mulheres Liderar equipes, gerir
a partir de diferentes batem um papo com o é importantíssima para fazem história atuando projetos, estar a frente de O samba é uma das
camadas. Origina-se na público. o relacionamento entre na produção de grandes coorporacões, são principais expressões
formação da sociedade as pessoas e para a conhecimentos da ciência cada vez mais, espaços culturais carioca e nacional.
brasileira e estrutura o com: construção das narrativas espacial. São mulheres ocupados pelas mulheres. A presença feminina, desde
pensamento, a cultura e Angelica Moreira: que dominam o mundo que se colocam em Além do desafio de atuar o início desse gênero
a forma de as relações a memória da diáspora social. Quem se comunica desafios e caminhos profissionalmente num musical, foi determinante
sociais se estabelecerem negra resgatada por meio tem poder. E esse poder pouco conhecidos e, ainda, ambiente muitas vezes para a relevância que ele
historicamente. Caracteriza, da comida, no restaurante específico, no Brasil, a serem desbravados. masculino e opressor, ganhou. De musa inspiradora
ainda, o processo de Ajeum da Diáspora ainda é majoritariamente Sendo este um contexto, as mulheres que se de muitas letras à produtora
desigualdade social que Ana Clara Schindler: masculino. O intuito desta majoritariamente, tornam líderes no mundo de sambas refinados e
impõe e hierarquiza a audiovisual com produção mesa é celebrar os espaços masculino, é fundamental coorporativo contribuem consagrados, a mulher
vida, definindo a morte de de animações 2D e 3D, em que as mulheres de reconhecer o que as para a criação de novas se tornou importante
uma parte significativa da motion graphics e edição diferentes contextos e mulheres vem produzindo formas de gestão protagonista na cena
população. Enfrentar as de vídeo. vivências estão atuando, quando se lançam nesse empresarial que combinam desse estilo que, sem
desigualdades raciais e a falar sobre suas trajetórias espaço. produtividade e eficiência dúvida, é síntese de luta,
negação da democracia é Kit Redstone é um e pensar sobre os caminhos com diversidade e inclusão. reconhecimento e resistência
urgente para o Brasil. premiado escritor, diretor que ainda precisam ser PT EN das negras no fazer artístico.
e performer teatral percorridos neste campo PT EN Será um diálogo que dará
PT EN ES radicado em Londres. para ampliar nossa força. tradução passagem às mulheres
Indicado ao prêmio português-inglês tradução ritmistas, carnavalescas,
tradução Liberdade de Expressão PT EN português-inglês cantoras e compositoras.
português-espanhol-inglês com:
da Anistia Internacional,
tradução Duília de Mello, com:
seu espetáculo teatral de PT EN
com: português-inglês Libby Jackson Ana Paula Pessoa,
inspiração autobiográfica
Andreza Jorge, Lúcia e Sue Nelson Elena Martinis, tradução
“Testosterone” aborda
Xavier, Sueli Carneiro, com: Renata Malheiros e português-inglês
os questionamentos de
Yuderkys Miñoso e Joana Ana Paula Lisboa, Servane Mouazan
um homem trans sobre a
Gurjão Henriques Fernanda Honorato, com:
formação da identidade
Flávia Oliveira Nilcemar Nogueira, Selma
masculina.
e Minna Salami Candeia, Selminha Sorriso,
Monique Prada é uma das Tia Surica e Daniela Name
fundadoras da Central
Única de Trabalhadoras
e Trabalhadores Sexuais
(CUTS) e, atual, presidente.
LIBBY JACKSON
Paulina Chiziane é primeira
SERVANE MOUAZAN
mulher moçambicana
a publicar um romance,
Balada de amor ao vento. MINNA SALAMI

SUELI CARNEIRO TIA SURICA

38 39
17.11 | SÁBADO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 17.11 | SÁBADO

16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h30 – 18h00 17h00 – 19h00 17h00 – 19h00 17h00 – 19h00
roda de conversa RC oficina itinerante OF oficina OF oficina OF oficina OF arte e cultura
Mulheres refugiadas Quão seguras são as ruas Mulheres em movimento Construindo Mulheres negras pautam Rap Party UK e Rap Slam
e imigrantes em busca da cidade para mulheres? mudam o mundo: novas narrativas — o futuro: segurança MAR | Arquibancada (pilotis)
do seu território Armazém | Espaço Nise da Silveira não à mercantilização Chega de Fiu Fiu computacional
MAR | Sala 2.1 dos nossos corpos, vidas Museu do Amanhã | Observatório Museu do Amanhã | LAA
The RAP Party é uma noite
Quão segura uma mulher e territórios de hip-hop e poesia (RAP
As razões são muitas para se sente nas ruas da Praça Mauá
A oficina propõe apresentar O Olabi/Pretalab propõe = Rhythm And Poetry|
que as pessoas migrem: a cidade do Rio de Janeiro? como criar uma story 8 oficinas voltadas Ritmo e poesia) dirigida
busca por oportunidades O SafetiPin é um aplicativo A Batucada Feminista é um telling e desenvolver uma para as relações entre pelos poetas Inua Ellams
sociais, econômicas e móvel desenvolvido em instrumento político de luta campanha, desde sua tecnologia e as artes, a e Theresa Lola. Ocorre em
culturais, a fuga de guerras Delhi (Índia) que utiliza um que expressa nossa ação causa e idealização até de partir de múltiplos olhares, vários locais em Londres
e outras violências, a sistema de mapeamento feminista. Com a batucada, sua concretização. A Think onde a diversidade e os e no Reino Unido e o
busca por viver os direitos para tornar comunidades buscamos democratizar Olga contará a história direitos humanos estão objetivo é criar mais uma
individuais. São muitas, e cidades mais seguras nossas vozes nas ruas. da campanha Chega de no centro do processo. atmosfera de festa, além
portanto, as razões para o com base em informações O ritmo ajuda a gerar Fiu Fiu, tendo como fio Os principais temas que uma noite tradicional
fluxo migratório. Ouvir suas coletadas por usuários e concentração, unidade e condutor seus processos abordados são cosméticos de poesia. No Festival WOW
vivências e buscar nossos fotografias noturnas, com força nos momentos de de investigação do tema, a naturais, segurança digital, Rio, elas estarão com três
pontos comuns é central base em nove parâmetros ação coletiva. Batucar é uma concepção de ferramentas pensamento computacional multi artistas, juntas pela
para o reconhecimento dos – iluminação, acesso, forma direta de ação política, como mapas digitais e e impressão 3D aplicada primeira vez numa versão
direitos femininos em todos caminho a pé, segurança, de levar o feminismo para pesquisas, até a realização à produção de vestuário Slam e Rap. Trazendo a
os âmbitos. Vamos falar transporte público, os olhares e ouvidos da rua, de um documentário e ancestralidade. Ao principal vertente de seus
sobre isso? quantidade de público, expressando nossas lutas fundamentado em apresentar os princípios do encontros: uma batalha
diversidade de gênero, e ocupando plenamente narrativas feministas. A pensamento computacional de poesia autoral com a
PT EN visibilidade e sensação de o espaço público. Latas, proposta é apresentar e da segurança digital, sonoridade do Rap. Mc
segurança, todos utilizando mulheres, tambores e como estas ferramentas conecta as mulheres com Martina, do complexo do
tradução uma escala de pontuação baquetas em ritmo contra o são utilizadas para a a tecnologia e a inovação. Alemão; Brenda Lima, do
português-inglês para cada caso. Neste machismo. Os instrumentos criação de novas políticas Buraco do Sapo, favela de
workshop, além de debater da batucada são feitos públicas e estratégias de com: Petrópolis, região serrana
com: prioritariamente de materiais Olabi/Pretalab
Jeane Xaud, a questão de direito da prevenção da violência do Rio; e Mc Dall Farra, de
mulher à cidade feminina, reciclados ou que fazem contra mulheres e meninas. Duque de Caxias, baixada
Marijana Savic e parte do nosso cotidiano.
Diana Andringa será realizado treinamento Fluminense. As três fazem
com Safetipin para conduzir Quando tocamos na com: parte do Poetas Favelados,
uma auditoria de segurança batucada estamos dizendo Amanda Kamanchek, e coletivo que declama
nas ruas da região portuária que queremos outras Juliana de Faria - Think Olga poesias marginais em
do Rio de Janeiro e após as práticas e que não aceitamos transportes e espaços
auditorias, nos reuniremos a cultura musical machista e públicos pelo Rio.
para discutir o processo. preconceituosa que ouvimos
todos os dias. Estamos com:
é necessário smartphone denunciando o machismo Theresa Lola, Monica
para particiar da Atagana, Mc Martina, Brnda
e afirmando nossas
atividade Lima e Mc Dall Farra
alternativas coletivas.
PT EN recomendada
para mulheres de todas
tradução as idades.
português-inglês
com: JULIANA DE FARIA
com: Marcha Mundial
Kalpana Viswanath das Mulheres

40 41
17.11 | SÁBADO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 17.11 | SÁBADO

18h00 – 19h00 18h00 – 19h00 | 20h00 – 21h00 ficha técnica 18h00 – 19h30 18h00 – 20h00 18h00 – 23h00
arte e cultura arte e cultura território de partilha TP arte e cultura arte e cultura
Percussão sísmica Revolta Lilith direção: Na violência contra Slap & Tickle Shows e festa
MAR | Audiório Armazém | Espaço Márcia X Martha Kiss Perrone a mulher, a gente mete Museu do Amanhã | Terreiro Praça Mauá | Palco principal
atrizes autoras: a colher Tiê apresenta seu quarto
Moon Ribas é conhecida Revolta Lilith é um Ariane Facchineto Museu do Amanhã | Auditório
Provocadora, anárquica
por desenvolver um sensor espetáculo que celebra e sem pudores: assim é disco, Gaya, mesclado
Carolina Bianchi com grandes sucessos de
sísmico on-line implantado a desobediência das Lowri Evans As mulheres são vítimas oficina Slap and Tickle,
em seus pés que permite mulheres em diferentes de várias formas de onde a artista multimídia seus três primeiros discos,
Martha Kiss Perrone Esmeraldas (2014), A Coruja
que ela perceba ocorrendo tempos e espaços. A Mayara Baptista violência em todo o mundo. britânica Liz Aggiss
em qualquer lugar do peça parte do mito pouco Por isso, existem diversas convida o público para e o cração (2011) e Sweet
planeta através de vibrações conhecido de Lilith, performance e direção iniciativas voltadas para uma mergulho profundo Jardim (2009).
em tempo real. Para considerada a primeira músical e trilha sonora: reduzir tal violência e os nos tabus, contradições Tássia Reis traz voz para
compartilhar sua experiência, mulher que viveu no Anelena Toku danos causados às vítimas, e representações questões, constantemente,
ela traduz seu senso sísmico Paraíso. Para alguns, ela Carla Boregas sejam legais, como a sociais sobre o que é ser silenciadas. No WOW,
no palco. Ribas transpõe teria sido expulsa e se (Fronte Violeta) Lei Maria da Penha, ou mulher e seus inúmeros Tássia Reis irá se apresentar
os terremotos em qualquer tornado uma “demônia”. corpo câmera e vídeo: de conscientização, com papéis: de mães a filhas, acompanhada por DJ 3D,
som, em sua obra Percussão Nesta peça, Lilith foge do Alicia Esteves políticas, campanhas e meninas e velhas, loucas bateria, baixo, sax e flauta.
Sísmica; ou dance, em Paraíso, parte em exílio e dramaturgia: manifestações públicas e santas. A oficina se Flora Matos apresenta no
Waiting For Earthquakes. organiza uma revolta.“Eu Martha Kiss Perrone de enfrentamento da debruça sobre diversas WOW canções de seu disco
Nessa performance, a não estou nos livros. Eu agressão às mulheres. técnicas de dança, poesia, Eletrocardiograma, que
Terra é o compositor e não estou nos espetáculos. dramaturgista / Qual tem sido a efetividade manipulação de objetos e
tradução: Leda Cartum mescla trap, soul, disco,
o coreógrafo; e Ribas, a A minha língua nunca é dessas políticas? Temos música para desorientar e uma faixa acústica.
intérprete. Moon conversa a deles.” Revolta Lilith é iluminação: outras respostas para dar? os espectadores em
com o público sobre o seu o encontro entre quinze Alessandra Domingues uma irreverente epopeia A DJ Elisa Amaral tem um
trabalho e a experimentação mulheres multi-artistas PT EN feminista. repertório eclético e não tem
direção de arte: medo de misturar estilos,
da união entre a tecnologia de diferentes áreas, da Ana Mazzei tradução
e seu corpo para explorar dramaturgia à direção, PT EN indo do pop até o deep
preparação corporal: português-inglês house e electro swing.
os limites da percepção e passando pela música, Manoela Rangel tradução
experimentar o movimento vídeo, dança, luz, figurino e com: As DJs Tasha e Tracie
assistência de direção / português-inglês Okereke são irmãs gêmeas,
de uma forma mais artes visuais. O espetáculo Jaqueline Jesus,
profunda e apresenta uma se concentra na fronteira cenotécnico: com: paulistanas de 23 anos.
Jaya Baptista Marijana Savic,
performance de percussão entre a performance, Roberta Eugênio Liz Aggiss Além de agitar a pista
baseada em abalos sísmicos o teatro e o cinema. textos: e Jude Kelly de dança, são estilistas,
que ocorreram no Brasil nos Carolina Bianchi diretoras de arte, produtoras
últimos 20 anos. Martha Kiss culturais, blogueiras,
Leda Cartum ativistas da periferia.
PT EN Lowri Evans No WOW, Karol Conka irá
tradução produção: apresentar seu novo disco,
português-inglês Veridiana Mott Ambulante, lançado no dia
8 de novembro, com dez
com: músicas inéditas. Seu último
Moon Ribas MARIJANA SAVIC single “Kaça” está em todas
as plataformas digitais.

42 43
18.11 | DOMINGO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 18.11 | DOMINGO

10h00 – 18h00 10h00 – 10h45 10h00 – 20h00 Mesas de ping pong 10h00 – 11h00 | 11h30 – 12h30 | 10h00 – 11h00 | 14h00 – 15h00 |
intervenção mesa de abertura Feira DELAS Praça Mauá 14h00 – 15h00 | 15h30 – 16h30 | 16h00 – 17h00
As mulheres que fizeram Reni Eddo-Lodge e Djamila Praça Mauá 17h00 – 18h00 oficina OF
o Amanhã Ribeiro: uma conversa A artista plástica Priscila arte e cultura Brincando e criando pela
Museu do Amanhã | Ponto de aberta sobre gênero, raça e A Feira DELAS não é só Fiszman projeta uma Race Cards igualdade de gênero
encontro ao lado da bilheteria feminismo um mercado ou uma instalação com três MAR | Sala 3.2 Museu do Amanhã | Terreiro
Museu do Amanhã | Auditório
exposição. É, sim, um modo Mesas de Ping-Pong na
As mulheres que fizeram de divulgar a inventividade Praça Mauá. As mesas Race Cards é um projeto de Você está educando
o Amanhã, na exposição Abrindo o último dia do das mulheres a partir do ficarão abertas para uso, instalação e fórum público, criando uma criança
principal do Museu do WOW Rio de Janeiro, seu jeito de fazer cultura, e poderão ser utilizadas que expõe e desafia a feminista? Feminismo não é
Amanhã um encontro que vai viver sua cidadania e por todas e todos durante presença de tensão racial, só para adultos e jovens. Se
permanecer em você de empreender, numa a programação do festival violência e discriminação você acredita que meninas
por um longo tempo: em perspectiva de fortalecer WOW – Festival Mulheres em nossas vidas cotidianas, deveriam ter as mesmas
10h00 – 18h00
uma cadeira, a escritora a criação, produção, do Mundo. As três mesas questionando situações do oportunidades na vida que
exposições e jornalista britânica Reni distribuição e consumo são três trabalhos inéditos dia a dia nos detalhes mais os meninos, nós temos a
Eddo-Lodge — autora do de produtos, negócios; comissionados em íntimos. atividade perfeita pra você.
10h30, 13h30 e 15h30 bestseller internacional divulgação de campanhas colaboração com o Redes Trata-se de arquivo em A partir de brincadeiras,
visitas mediadas “Why I’m not longer talking e iniciativas de ativistas e da Maré especialmente constante expansão, jogos e criações artísticas,
O Amanhã pelo olhar to white people about race” organizações. Tudo isso, para o Festival. As mesas realizados em prol da a oficina tem por objetivo
das mulheres (Porque eu não falo mais por mulheres organizadas ganham os títulos “King- pesquisa de Selina refletir com meninos e
Museu do Amanhã | Ponto de sobre raça com pessoas em redes que atuam com Pong”, “Reconfiguração intitulada “Tão Vasto e meninas sobre igualdade de
encontro ao lado da bilheteria brancas). Reni, que faz sua temas transversais como Ideológica” e “Mesa das Profundo como o Mar”. As gênero e o que elas e eles
primeira visita ao Brasil, gênero, feminismo e Crianças”. diferentes versões nunca podem fazer para ajudar a
Por ordem de chegada. foi apontada pelo jornal
Grupos de 20 pessoas. direitos. Espaço dedicado repetem a mesma forma. construir mais igualdade
The Guardian como uma ao empreendedorismo, com: A obra já teve a forma de para o futuro.
responsável: das “30 pessoas mais gastronomia, ativismo, Priscila Fiszman um jogo de cartões, uma
Equipe Educativa do Museu interessantes com menos causas sociais, performance duracional e 10h00 – 11h00

do Amanhã de 30 anos no mundo organizaçõs, com a de sessões individuais ao atividade exclusiva para
digital” e uma das “100 presença de 200 iniciativas longo de 18 horas. meninas de 6 a 7 anos.
mulheres mais inspiradoras” lideradas por mulheres. No Brasil, Race Cards é 14h00 – 15h00
10h00 – 18h00 pela revista Elle. Ela vai
exposições Confira a lista completa de apresentada enquanto atividade exclusiva para
partilhar sua densa e
empreendedoras e ativistas instalação e conta com meninos de 8 a 10 anos.
engajada reflexão com
As mulheres na Coleção na página do WOW Rio. a tradução e adaptação
uma importante pensadora 16h00 – 17h00
MAR contextual da artista
brasileira da atualidade, a atividade exclusiva para
filósofa Djamila Ribeiro. Em Priscila Rezende.
Arte Democracia Utopia — 10h00 – 20h00 meninas de 8 a 10 anos.
Quem não luta tá morto uma conversa aberta com instalação com:
você e todas mais, elas Selina Thompson com:
O Rio do samba — tratarão sobre sociedade Redes da Maré
e Priscila Rezende
resistência e invenção contemporânea, raça, lugar
MAR | Pavilhão de fala e feminismo. Sinta-
se acolhida.
PT ES

tradução
português-inglês

com:
Djamila Ribeiro
e Reni Eddo-Lodge

44 45
18.11 | DOMINGO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 18.11 | DOMINGO

10h00 – 12h00 10h00 – 12h00 10h00 – 11h00 10h00 – 12h00 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30
oficina OF oficina OF oficina OF oficina OF território de partilha TP mentorias: vidas em conexão VC
Man Box Mulheres negras pautam o Aulão de Yoga Teatro e autoestima Uma flor rompe o asfalto: Museu do Amanhã | Lounge
Museu do Amanhã | Observatório futuro: cosméticos naturais Praça Mauá feminino plural mulheres que fazem
Museu do Amanhã | LAA Armazém | Espaço Márcia X História na política. A mentoria é um encontro
A oficina busca Aulão de yoga, incluindo Uma homenagem entre duas mulheres no
desconstruir os lugares O Olabi/Pretalab propõe uma meditação inicial, A oficina de teatro e à Marielle Franco qual se estabelecem trocas
sociais em que os homens 8 oficinas voltadas exercícios respiratórios, autoestima feminino Museu do Amanhã | Auditório
criativas e inspiradoras
são encaixados desde para as relações entre prática de posturas físicas plural propõe trazer sobre variados temas.
crianças e acabam por se tecnologia e as artes, a e relaxamento final. uma discussão sobre a No mundo atual, cada
partir de múltiplos olhares, condição social da mulher vez mais mulheres fazem com:
consolidar na fase adulta. levar canga ou tapete de Joana D’arc Felix:
Através de dinâmicas e onde a diversidade e os evidenciando o que se parte da vida política do
direitos humanos estão yoga transformou e o que se país, assumindo cargos ciência voltada para o
atividades participativas os reaproveitamento de
homens serão convidados no centro do processo. com: manteve, ao longo da legislativos e executivos.
Os principais temas história. A proposta é Desafios e perspectivas do resíduos que se tornam
a refletir sobre esses Ana Olívia Figueiredo produtos sustentáveis.
lugares e perceberão como abordados são cosméticos promover o debate, por exercício dessa atividade,
as caixinhas das normas naturais, segurança digital, meio do teatro, contribuindo ainda, majoritariamente, Isabella Rosado
de gênero e do que é ser pensamento computacional para a formação de uma ocupada por homens, serão Nunes: comunicação,
homem afetam as suas e impressão 3D aplicada à sociedade mais igualitária partilhados por mulheres educação e arte para
dinâmicas sociais, de saúde produção de vestuário e para o fortalecimento da nessas posições de poder. o desenvolvimento e
e auto cuidado. e ancestralidade. cidadania. Esta vivência formação de pessoas.
Ao apresentar os vai trazer à tona reflexões PT EN
recomendada para princípios do pensamento sobre a violência contra Luiza Mello:
homens a partir computacional e da mulher, abordando tradução desenvolvimento de
de 19 anos. segurança digital, conecta questões relacionadas à português-inglês propostas culturais com
as mulheres com a promoção da igualdade de a produtora Automatica.
com: com:
tecnologia e a inovação. gênero e a valorização da Talíria Petrone, Manoela Miklos: ativista
Luciano França
identidade. Benedita da Silva feminista idealizadora da
e Linda Cerdeira — com:
Instituto Promundo Olabi/Pretalab com: e Korto Williams campanha “Agora é que
Monica Saturnino são elas”.
e Cintia Santanna — Shirley Villela: a Casa
Coletivo Entre o Céu e a das Mulheres da Maré, local
Favela e Bando Teatro de acolhimento, invenção
Favela e mudança de atitute.
Ana Inês Sousa:
investimento e promoção
da saúde de mulheres
idosas.
Silvana Andrarde:
diversidade no mundo
corporativo.

PT EN

tradução
português-inglês

46 47
18.11 | DOMINGO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 18.11 | DOMINGO

11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 11h00 – 12h30
fórum de vivências FV trocas de experiências TE trocas de experiências TE roda de conversa RC roda de conversa RC oficina OF
Meu corpo, meu desejo: Parto: o direito Mulheres na ciência É possível e necessária Pensar fases da vida Origamizes: origami
liberdade sexual das mulheres e a potência do trabalho uma cidade segura e da mulher como parte das raízes do Brasil
MAR | Auditório de protagonizarem realizado em rede humana para as mulheres de sua essência Armazém | Espaço Dandara
seu próprio corpo MAR | Sala 3.1 MAR | Sala 2.2 MAR | Sala 2.1
A liberdade em relação à MAR | Sala 3.3
Na oficina Origamízes
orientação sexual é um De que maneira a atuação As cidades são seus O corpo fala, o corpo diz — origami das raízes
direito fundamental que o O crescimento do das mulheres em redes equipamentos, serviços e sobre as fases da vida do Brasil, a partir do
Estado, historicamente, não movimento pelo parto de cientistas pode as relações estabelecidas das mulheres. Infância, compartilhamento
reconheceu ou respeitou. natural no país é expressivo contribuir não só para pelas pessoas. Ela é o adolescência, juventude, da história de seus
Foi contra essa violência da necessidade de as mulheres serem mais espaço do encontro e maturidade, velhice, antepassados, os
que a luta LGBTQI nasceu, discutirmos o formato respeitadas, tanto em sua da colaboração na sua menstruação e menopausa. participantes irão
cresceu e se amplia, a fim cirúrgico e interventor competência, quanto em diversidade. Para outros, São ciclos que marcam e confeccionar origamis afro
de garantir a visibilidade e com o qual a medicina suas particularidades, todavia, a cidade é espaço caracterizam nosso viver. para montagem de um
os direitos dessa população tradicional tem conduzido quanto para o avanço hostil, do medo, da painel onde os arquétipos
tão agredida. Nesse painel, o assunto. Cada vez do conhecimento,que se eliminação da diferença. PT EN ancestrais representarão as
vamos discutir os caminhos mais mulheres optam constrói em bases mais Há, então, dois projetos de raízes brasileiras. Os relatos
a serem trilhados para por experimentar o humanistas e sustentáveis. cidade em disputa. Você tradução individuais irão formar uma
que o Brasil deixe de ser protagonismo de conduzir tem clareza do seu? Essa português-inglês poesia coletiva que revela a
um dos países que mais seu próprio processo de PT EN questão é fundamental importância e influência da
mata lésbicas, travestis e parturiente, com benéficos para a qualidade de vida com: ancestralidade na vida das
pessoas trans no mundo. comprovados para sua tradução de todos as pessoas da Cris Dos Prazeres, mulheres.
saúde e de seus bebês. português-inglês cidade. O morar e o se Kareemi, Laís Perazo
PT EN Reconhecer o protagonismo movimentar, tanta física e Ana Paula Santos com:
com: Joana Darc Lage
da mulher durante o Vera Maria Ferreira, como simbolicamente,
tradução processo gestação e o que pela cidade constituem o
português-inglês Márcia Barbosa,
isso tem de crescimento e Priscilla Sousa Silva coração dos problemas e
com: afirmação da subjetividade e Timandra Harkness soluções das cidades, que
Rosangela Castro, feminina pode ser um bom impactam a vida cotidiana
Yone Lindgren, papo. das pessoas. Vamos falar
Fátima Lima, Kamilla sobre isso?
PT EN
Valentin e Michele Seixas PT EN
KAREEMI
tradução
português-inglês tradução
português-inglês
com: com:
Morgana Eneile, Cristina Buarque,
Marcia Zanelatto, Kalpana Viswanath,
Bernadette Bousada, Denise Dora
Camila Habdallah e e Isabela Souza
Fernanda Magno

48 49
18.11 | DOMINGO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 18.11 | DOMINGO

11h00 – 12h30 11h00 – 12h30 12h45 – 14h00 14h00 – 15h30 14h00 – 15h30 14h00 -16h00
roda de conversa RC oficina OF oficina OF território de partilha TP wow bites: compartilhando oficina OF
CT
Empoderamento Cidades seguras para AfroSambaCoco Política de drogas: o que as trajetórias Profissionais do sexo:
de meninas — Saia as mulheres MAR | Arquibancada (pilotis) mulheres têm a propor? Museu do Amanhã | Lounge prazer e trabalho
Empoderada MAR | Arquibancada (pilots) Museu do Amanhã | Auditório Museu do Amanhã | Observatório
Armazém | Espaço Nise da Silveira
Esta vivência mistura Mulheres incríveis
Quais são as dificuldades dança com as técnicas Construir uma nova política compartilham suas A oficina “Profissionais do
O projeto “Saia que enfrentamos por de perna de pau, com o de drogas é imprescindível trajetórias, e em seguida sexo: prazer e trabalho” será
Empoderada” propõe simplesmente sermos objetivo de estimular a para reverter o quadro atual batem um papo com o conduzida por ativistas da
conduzir vivências e mulheres? Nesta criação artística. Cada de violência que atinge público. Rede Brasileira de Prostitutas
em uma metodologia de
dinâmicas no Festival oficina, fazemos uso da participante descobre as juventudes no país. A interação com o público que
WOW, estimulando Cartografia Social como seu ritmo de aprendizado, população jovem sofre as com:
Cristiane Sobral, escritora, visa tornar visível algumas
práticas de consciência, metodologia, construindo observa e redesenha os mais sérias consequências imagens que compõem
aprofundamento e juntas um mapa da região próprios limites e potências, da repressão, da proibição, atriz e professora de teatro,
o imaginário acerca da
relaxamento para refletir focal, apontando áreas de maneira lúdica e repressão e criminalização foi a primeira atriz negra prostituição. A Oficina
sobre o autocuidado como importantes e críticas consciente. Através da do uso de drogas. Venha formada em interpretação está organizada em dois
forma de empoderamento em que sofrem ou vivem dança é possível ensinar dialogar com uma visão teatral pela UNB momentos. No primeiro, o
das mulheres. “A revolução dificuldades, impedimentos noções de cidadania, humanizada sobre o público será convidado a
Tereza Onã é pesquisadora
começa dentro de você!”. e violências. Durante o autoestima e direito à assunto, preocupada com imaginar as muitas dimensões
e coordenadora do Núcleo do trabalho sexual, compondo
mapeamento, conduzimos cidade. Além do ganho de o tratamento e cuidado dos de Memória e Identidade da uma categoria profissional,
com: todas à reflexão sobre a maior consciência corporal, usuários.
Andressa Jordão Redes de Desenvolvimento tal como faz o Ministério do
falta do olhar das mulheres a perna de pau tem a da Maré. É também Trabalho e Emprego para
no planejamento urbano. capacidade de empoderar PT EN
cantora. inclusão de uma categoria na
O objetivo é construir quem a veste, deste modo, sua Classificação Brasileira
ferramentas que podem ser estimula a interação social tradução Eleutéria Amora: fundadora de Ocupações (CBO). A
reproduzidas em conversas entre os participantes para português-inglês da Casa da Mulher partir dos quadros que o
com amigas, vizinhas e os pensamentos e ações Trabalhadora e lutadora público irá compor, poderão
com: pelo direito das mulheres surgir contextos, valores,
outras mulheres do nosso coletivas. Ingrid Farias, estereótipos, recortes etários,
dia-a-dia, em seus bairros Julita Lemgruber Mariana Xavier: uma de gênero, raça etc, e serão
e regiões de circulação, com:
Conceição Carlos - Coletivo e Nathália Oliveira das criadoras do pré- esses, então, os objetos a
tendo informação em mãos vestibular social Santa Cruz serem trabalhados pelas
para denunciar problemas Danças Culminantes
Universitário, voltado para proponentes, no segundo
e violências e demandar a ampliação do acesso momento da oficina.
direitos. à universidade entre a Nesta parte final, haverá
então uma apresentação
com: população oriunda de da categorização da
Livia Salles e Carolina favelas e periferias. prostituição tal como figura
Coelho — Action Aid na CBO e a apresentação
PT EN
e Rachel Barros — FASE dos desdobramentos desse
reconhecimento do trabalho
tradução sexual pelo MTE, através das
português-inglês variadas ações de incidência
política Daspu, PutaDei,
Mulheres Seresteiras, Zona
Legal, Oficina do Palavrão etc.
recomendada para
maiores de 18 anos.
com:
Daspu

50 51
18.11 | DOMINGO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 18.11 | DOMINGO

14h00 – 15h30 14h00 – 15h30 14h00 – 15h30 14h00 – 15h30 14h00 – 15h30 14h00-16h00
fórum de vivências FV roda de conversa RC trocas de experiências TE roda de conversa RC roda de conversa RC oficina OF
Ativismo transgênero Violência de gênero Pé na estrada: mulheres O direito de escolha da Moradia e mobilidade Mulheres negras pautam
MAR | Auditório MAR | Sala 3.3 andarilhas construindo seu mulher: o que estamos plenas na cidade plural o futuro: pensamento
próprio caminho aprendendo com outros MAR | Sala 2.1 computacional
Em nosso país, muitas Uma recente pesquisa MAR | Sala 3.1 países sobre a interrupção Museu do Amanhã | LAA
vezes a diversidade ainda realizada no Brasil expôs da gravidez? As cidades são provas
não é um valor, mas um em números o tamanho da Mulheres colocam o pé MAR | Sala 2.2
vivas da diversidade das O Olabi/Pretalab propõe
incômodo. Superar esse ferida aberta pela violência na estrada e buscam a pessoas. Espaços de 8 oficinas voltadas
preconceito é um dos de gênero no país: 503 liberdade de viver suas O procedimento do aborto encontro, descobertas, para as relações entre
maiores desafios das mulheres são vítimas de próprias experiências. É é encarado de diferentes mas também, de medo, tecnologia e as artes, a
pessoas trans. E elas não agressão física a cada hora, cada vez mais comum maneiras ao redor do hostilidade e tensões. partir de múltiplos olhares,
podem fazer isso sozinhas. cometidas por parceiros, cruzarmos com mulheres mundo. Novas políticas têm e nada expressa mais onde a diversidade e os
Assim, venha ouvir neste ex-parceiros, conhecidos que viajam sozinhas pelo sido dadas, em diferentes essa complexidade que direitos humanos estão
painel as vivências e até estranhos. Venha Brasil e pelo mundo. Qual o países, para garantir os as questões da moradia no centro do processo.
de pessoas que, com dialogar sobre as muitas melhor destino? Qualquer direitos das mulheres nesse e da mobilidade. Ela Os principais temas
extraordinária coragem, faces da violência de um, basta você se preparar. campo. Venha conhecer as vai além da dimensão abordados são cosméticos
desafiam os padrões e gênero com mulheres que Se você não experimentou experiências de lutas das física, da circulação. Ela naturais, segurança digital,
lutam de forma incessante romperam as barreiras de ainda, venha conhecer os mulheres e a legislação também é cultural, social, pensamento computacional
para terem o devido silêncio que envolvem o desafios e delícias dessas do Uruguai, Brasil, Reino educacional, e, acima de e impressão 3D aplicada
reconhecimento. tema. mulheres que optaram por Unido e Argentina. Ter uma tudo, simbólica já que à produção de vestuário
viajar na melhor companhia compreensão global das passa pelo sentimento e ancestralidade. Ao
PT EN com: do mundo: a sua! lutas neste campo é crucial de pertencimento a toda apresentar os princípios do
Miriam Krenzinger, para que avancemos na luta cidade e o direito de nela pensamento computacional
tradução Kamila Camillo, Francisca PT EN pela democracia e pelos poder circular de forma e da segurança digital,
português-inglês Nascimento e Maria Alice direitos individuais em plena. Vamos, então, refletir conecta as mulheres com
Vieira tradução nossos tempos. sobre a complexidade e a tecnologia e a inovação.
com: português-inglês
Gilmara Cunha, os limites de se viver nas
PT EN ES cidades. com:
Kit Redstone, com: Olabi/Pretalab
Luiza Valentim Tamy Rosele Penz, Renata recomendada para PT EN
e Agrippina Manhattan Peppl e Thaís Pinheiro maiores de 18 anos.
tradução
tradução português-inglês
português-espanhol
com:
com: Mércia Ribeiro, Juliana
Lilián Celiberti, Tatiana Vitorino, Tanzila Kahn e
Moura e Verônica Gago Kalpana Viswanath

52 53
18.11 | DOMINGO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 18.11 | DOMINGO

14h00 – 17h00 14h00 – 17h00 15h00 – 16h30 16h00 – 16h30 16h45 – 17h15 16h00 – 17h30
oficina OF oficina OF roda de Conversa RC arte e cultura arte e cultura território de partilha TP
Karaokê Corpos insurgentes Cuidado alternativo de Bloco de carnaval — Tempestuosa Depressagem Juventude e participação
Praça Mauá Armazém | Espaço Márcia X doenças - mães que Mulheres Rodadas Praça Mauá | Em frente ao Palco política
usam plantas com fins Praça Mauá | Em frente ao Palco principal Museu do Amanhã | Auditório
Como parte da preparação As criadora do espetáculo terapêuticos principal
para o Festival, foram Revolta Lilith propõem Armazém | Espaço Nise da Silveira
O Afrolaje é um grupo A juventude tem se
realizados seis grupos de nessa oficina um Mulheres Rodadas é o composto por pessoas de apropriado da tecnologia
reflexão, um deles com desdobramento do A oficina propõe apresentar primeiro bloco feminista vários lugares, crianças, e da internet com
jovens. A proposta de processo de criação tratamentos medicinais do carnaval carioca. jovens, adultos e idosos, criatividade. Os jovens,
realizar um karaokê durante do trabalho delas que, alternativos para fins Subvertendo a ordem e que têm a pretensão em especial mulheres,
o Festival foi pensada desde de Rózà em 2014, terapêuticos: mães e aproveitando o carnaval, de difundir a cultura de estão propondo mudanças
coletivamente pelas continua a ativar-se mulheres que fazem desse o bloco perguntava: ainda matriz africana com para o mundo por meio
participantes da atividade, através do diálogo com cultivo uma forma de cabe hoje algum rótulo apresentações artísticas. de iniciativas que buscam
que também refletiu sobre acontecimentos políticos, cuidar/ tratar de seus filhos dado às mulheres por conta Tempestuosa Depressagem reconstruir tanto a forma
as questões de gênero feminismo e corpos ou de si mesmas, com de suas escolhas? No seu é uma performance com que as mulheres e
e o lugar de homens e insurgentes. Vamos respaldo e amparo legal da primeiro ano, participou da que nasce a partir das negras são representadas
mulheres no mundo. explorar desobediência Organização Mundial de campanha “O Valentenão experiências pessoais quanto a maneira de
feminina, um dos grandes Saúde. Serão apresentados é violento”. Em 2016, da atriz e coreógrafa do interferir politicamente nos
temas da Revolta Lilith os resultados e benefícios integrou o movimento grupo Afrolaje Flavia Souza rumos da sociedade.
e vamos andar pelo desse tratamento, a partir #carnavalsemassedio. Nos acerca da depressão e
deserto, um lugar ficcional, da história de mulheres anos seguintes, o bloco da síndrome do pânico. A PT EN
inventado pela gente. que integram a Associação voltou a levar milhares de performance, composta
Vamos deixar pra atrás o de Apoio à Pesquisa e pessoas às ruas com uma por intervenções de vídeos tradução
mundo velho, maneiras Pacientes de Cannabis. banda majoritariamente com depoimentos sobre português-inglês
cansadas, e reinventar formada por mulheres, com o tema e música propõe com:
tudo. Usando performance, recomendada para repercussão nacional e um encontro corporal e
maiores de 18 anos. Cristina Buarque,
corpos, movimentos, internacional. cênico, difundindo a dança Mariéme Jamme,
palavras, histórias com: como elemento de cura Mikayla Jones,
verdadeiras, poesia, na sala Margarete Santos de Brito através das movimentações Sil Bahia e
e na rua; nós criaremos e conteúdos históricos Thamyra Thâmara
uma Babilônia, um lugar das manifestações Lola Werneck
no futuro construído por afrobrasileiras. Impulsiona
mulheres. a reflexão acerca da
saúde mental, focando na
PT EN
população negra.
tradução com:
português-inglês Afrolaje
com:
Martha Kiss Perrone,
Lowri Evans,
Mayara Baptista,
Alicia Esteves,
Carolina Bianchi,
Ariane Fachinetto
e Fronte Violeta

54 55
18.11 | DOMINGO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 18.11 | DOMINGO

16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h00 – 17h30 16h00 – 17h30
wow bites: compartilhando CT fórum de vivências FV trocas de experiências TE trocas de experiências TE roda de conversa RC roda de conversa RC
trajetórias A invenção da região Mulheres que se apoiam Nossa arma é nossa Sexualidade e prazer. O que Contra o encarceramento
Museu do Amanhã | Lounge portuária do Rio de Janeiro para garantir seus direitos voz: a produção artística isso fala sobre mim? de mulheres e caminhos
pelas mulheres MAR | Sala 3.3 contemporânea pela MAR | Sala 2.2 para enfrentá-lo por meio
Mulheres incríveis MAR | Auditório promoção da igualdade do acesso à justiça
compartilham suas Mulheres de diferentes de gênero A sexualidade é parte MAR | Sala 2.1
trajetórias, e em seguida A região portuária pode organizações voltadas MAR | Sala 3.1
importante da vida.
batem um papo com o ser considerada a primeira para os direitos das Independente do sexo, do Nos últimos 16
público. periferia do Brasil. Abriga mulheres reúnem-se para Um diálogo entre gênero ou da orientação anos, a população
o maior porto escravagista compartilhar sobre seus diferentes experiências sexual, somos seres feminina brasileira
com: da história – o Cais do trabalhos, desafios e que relacionam a atravessados pela encarcerada aumentou
Denise Criola criou o Valongo – e bem perto dele conquistas. Um momento criação artística e o sexualidade. Explorar aproximadamente 700%, a
projeto Mãos que Criam, está o Morro da Providência para refletir sobre o questionamento de formas e valorizar os próprios maioria de reús primárias,
que ensina técnicas de – onde nasceu a primeira impacto de iniciativas tradicionais desses fazeres. desejos é fundamental sem sentença condenatória
artesanato e reciclagem e favela do país. Na região do sociais lideradas mulheres Temos hoje produção para que as mulheres e tendo cometido crimes
apoia adultos a investir na porto, entre o preconceito que tem como principal relevante em linguagens aliem cada vez mais a não violentos. A forma
educação. e a resistência à dura objetivo efetivar mudanças como o grafite, o RAP, sexualidade ao prazer. pela qual se está punindo
Rayanne Soares trabalha realidade social, surgiram e fomentar processos que a fotografia, o slam e Dizem que as brasileiras em nosso país não é
na prevenção de violência o samba e tantas outras contribuam para melhorar a outras que estimulam e os brasileiros gostam eficaz e só reproduz
na ONG Luta pela Paz, manifestações culturais, vida de outras mulheres. questionamentos ao muito de sexo, mas violências. Achar caminhos
onde iniciou sua trajetória com forte presença das machismo, à LGBTfobia e o será que é isso o que as alternativos que preservem
como aluna aos 10 anos, e mulheres. Visibilizar essa PT EN racismo no cotidiano. pessoas estão buscando direitos e a dignidade das
aos 12 anos foi integrante presença e essa história em uma relação? mulheres que vivem nessa
são os objetivos deste tradução PT EN condição é fundamental.
do conselho jovem da
organização. fórum de Vivências. português-inglês PT EN Será um bom momento
tradução para refletir e pensar como
Selma Moreira é diretora do com: português-inglês tradução
PT EN
Amália Fischer, engajar a sociedade nesse
fundo Baobá, para equidade português-inglês tema, considerado, muitas
racial. tradução Marie Sophie Pawlak, com:
Rafia Qureshi, Ana Paula Gualberto, com: vezes, tabu.
Antonia Pellegrino é português-inglês
Lebo Ramafoko Andreza Jorge, Carol Teixeira, PT EN
cientista social, escritora e com: e Jude Kelly Marta Fernandez Kareemi e
roteirista premiada. Dirigiu Mãe Celina de Xangô, e Quitta Pinheiro Mirian Goldenberg
o documentário Primavera tradução
Cintia Sant’Anna, português-inglês
das Mulheres e é curadora Elen Ferreira
do blog Agora é que são e Laura Taves com:
Elas. Deborah Coles,
Monica Benicio, arquiteta, Luciana Boiteux,
militante pelos direitos e Juliana Borges
humanos e companheira de
Marielle por 14 anos
CAROL TEIXEIRA
PT EN ANDREZA JORGE

tradução
português-inglês

56 57
18.11 | DOMINGO Festival WOW Rio 2018 Festival WOW Rio 2018 18.11 | DOMINGO

16h00 – 17h30 17h00 – 18h30 17h30 – 18h30 18h00 – 19h00 18h00 – 19h30 18h00 – 19h30
roda de conversa RC oficina OF performances arte e cultura territórios de partilha TP fórum de vivências FV
Envelhecimento lésbico — Viva Pelve Consciência do cabelo Uma Ode à Sororidade? Feminismos reinventados Economia feminista
Articulação Brasileira Armazém | Espaço Nise da Silveira aos pés MAR | Arquibancada (pilotis) no tempo e no espaço circular e solidária
de Lésbicas Praça Mauá Museu do Amanhã | Auditório MAR | Auditório
MAR | Arquibancada (Pilotis)
Essa é uma oficina As atrizes Flavia Reis
tem a potência de O que é ser um corpo- e Patrícia Pinho realizam Nos últimos anos, um A economia é parte da
Com o objetivo de resgatar movimentos mulher-negra em nossa um performance interativa número cada vez maior de nossa experiência cotidiana
promover um espaço de básicos relacionados sociedade? Nesse conjunto para celebrar a liberdade mulheres se identifica com de produção do viver e
acolhida sapatão, o tema às formas cíclicas e de performances, intitulado da mulher moderna, suas o pensamento e com a ação inclui não só o trabalho
do envelhecimento lésbico espirais, presentes em “Consciência do Cabelo aos conquistas, escolhas e feministas. As mulheres remunerado, mas todo o
e suas complexidades toda a natureza, e em pés”, o Coletivo Madalena desejos. têm sido fundamentais trabalho doméstico e de
será debatido com praticamente todas as Anastácia expõe o racismo na construção de uma cuidados – realizado quase
profundidade. Esta também danças ancestrais e rituais e sexismo naturalizados em com agenda feminista para sempre pelas mulheres.
será uma atividade para ao redor do mundo. As nossa sociedade e propõe Flávia Reis e Patrícia Pinho o campo democrático, A economia com recorte
fortalecer as iniciativas técnicas de movimento caminhos de reflexão na busca pela igualdade feminista procura olhar
lésbicas que organizam as a serem trabalhadas e ação conjunta para a e liberdade de viver, a para toda a produção do
mulheres em torno da luta estão relacionadas à transformação. partir de suas próprias viver de forma solidária
pelo direito de liberdade ancestralidade, ao resgate regras. Nesse percurso, o e circular, buscando criar
das suas escolhas e pelo de nossas raízes, a cura com: diálogo sobre feminismo outros paradigmas para
amparo do Estado. de memórias limitantes, Coletivo Madalena abarca diferentes visões e o processo produtivo que
a práticas de resistência Anastácia movimentos que convivem e não se reduza à lógica
com: e principalmente auto se somam na luta histórica, do mercado e sua busca
Michele Seixas, conhecimento. Trabalhando independente de qual seja o irracional apenas pelo
Yone Lindgren com o entendimento dos contexto político, financeiro, lucro. Vamos avançar
e Dayana Gusmão chakras, esse movimento econômico e ecológico em nesse caminho central
potencializa o corpo a se que vivemos. para a humanidade
movimentar livremente, contemporânea.
estimulando o acesso PT EN
à kundalini – a grande PT EN
tradução
serpente adormecida na português-inglês
base da coluna vertebral, tradução
além de trabalhar as com: português-inglês
noções de bem estar, Shameem Dastagir, com:
saúde física, mérito, prazer, Heloísa Buarque Graciete Santos,
produtividade e criatividade. de Hollanda, Cris dos Prazeres
Schuma Schumaher, e Marinalva Alves
com: Jude Kelly e Tainá de Paula
Dora Selva

HELOISA BUARQUE DE HOLLANDA

58 59
18.11 | DOMINGO Festival WOW Rio 2018
MUITO OBRIGADA!
18h00 – 19h00 19h30 – 20h30
arte e cultura arte e cultura
Apresentação circense Desfile DASPU
Zabelinha Armazém | Espaço Márcia X
Armazém | Espaço Márcia X
Um puta encontro entre Moda da FUMEC/MG e
Zabelinha é uma adaptação moda, performance e peças da última coleção da
de um conto popular, da resistência para ampliarmos grife criada em parceria com A materialização do Festival Mulheres diretamente no processo do WOW/RJ.
tradição oral brasileira, e celebrarmos outrxs os estilistas Ale Marques e do Mundo (WOW), no Rio de Janeiro, Também agradecemos muito a equipe do
compilado por Laerte paradigmas sexuais, de Marcita com desenhos da acontece num processo coletivo de Southbank Centre, especialmente Claudia
Vargas. Trata-se da história gênero e corpo. Putas e Laerte estarão na passarela. reunir diferentes vozes femininas. De Merhej e Domino Pateman.
de uma heroína que espera ativistas da Rede Brasileira Essa coleção foi inspirada maneira direta, atingimos, em encontros
marido, “moça casadoira, de Prostitutas (RBP), O WOW Rio de Janeiro não seria possível
nos corpos sem gênero preparatórios, durante os 18 meses
cheia de sonhos...”, um CasaNem e Transrevolução definido que se reinventam sem o trabalho e encorajamento direto de:
de organização do WOW, em torno de Maira Gabriel, Geisa Lino, Shirley Villela,
enredo que surpreende se juntam nesse desfile para na relação com a cidade.
pelo final que não é feliz dar corpo à memória viva 200 mulheres. Esse rico processo foi Andreza Jorge, Gisele Martins, Isabella
Peças inspiradas na cultura
ao inverso das histórias e história do movimento e energia paraenses criadas determinante para o que conseguimos Porto, Lidiane Malanquine, Nubia Alves,
tradicionais dos contos brasileiro de prostitutas. por um grupo de alunos do produzir e reunir neste catálogo que Claudia Bezerril, Tereza Onã, Maira Spilak,
de fada. As Marias da Peças icônicas do acervo Curso de Moda da UNAMA/ apresenta a programação do WOW. Inês di Mari, Ayla P. Gomes, Dani Moura,
Graça são mulheres desenvolvidas em parceria Belém também farão parte Considero importante ressaltar como Viviane Linhares, Raphael Agacho, Douglas
que se organizaram e com alunos do Curso de dessa puta ocupação. ocorreu o processo de captação de recursos Lopes, Carlos André, Amapola Rios, Silvia
desenvolvem um fazer
humanos e materiais para efetivarmos o Chile, Daniela de Sá, Adriana Barbosa,
artístico que historicamente
foi marcado pela presença
18h30 – 22h30 WOW no Rio de Janeiro. Empreendemos Jéssica Pires, Miriam Krenzinger, Renata
arte e cultura uma lógica de buscar reunir distintas Peppl, Ana Claudia Britto, Livia Salles,
masculina, produzindo
Shows e festa instituições e pessoas que, de algum modo, Carolina Coelho, Flávia Constant, Aparecida
culturalmente uma leitura
Praça Mauá | Palco Principal Lacerda, Marisa S. Mello, Mariana Mello,
da impossibilidade da trabalham com as agendas pela garantia
existência do ser ”palhaça”. com: dos direitos de meninas e mulheres no Luiza Mello, Ayla Gomes, Gabrielle Moreira,
Sua existência através país e, ainda, que, de diferentes formas, Ana Pimenta, Leticia Libanio, Luisa
dos tempos torna-se Maria Beraldo, cantora, Nascida no bairro
já possuíam parceria com a Redes da Hardman, Sol Miranda, Aliny Ulbricht, Taissa
também um instrumento de compositora e clarinetista, do Cabula, em Salvador, a
apresenta no WOW seu cantora e compositora Luedji Maré. Seremos eternamente gratas aos Zin, Mariana Beltrão e Rita Vilhena.
resistência e de promoção parceiros e parceiras da primeira edição
de mudanças nas relações álbum de estreia Cavala. Luna impõe a existência Não poderia deixar de lembrar e agradecer,
sociais de gênero. As músicas, de base e voz de mulheres negras do Festival Mulheres do Mundo no Brasil também, a Paul Heritage. A parceria
instrumental e intimista, tantas vezes silenciadas. por acreditarem na força, legitimidade, entre o People’s Palace Projects e a
com: dialogam com o jazz e Seu álbum de estreia, “Um engajamento e competência com que temos Redes da Maré nos levou a Jude Kelly.
Coletivo As Marias da Graça ruídos eletrônicos. corpo no mundo”, contém realizado o nosso trabalho pelo direitos da Muito obrigada.
uma sonoridade única que população de favelas no Rio de Janeiro.
Tamyris Reis, conhecida une ritmos afrobrasileiros, Obrigada a todas as pessoas de todos os
como DJ Tamy, teve jazz e blues. É importante frisar aqui o apoio do gêneros que ajudaram a efetivar o WOW/RJ.
contato com música desde Conselho Britânico no Brasil, desde o O WOW Rio não seria possível sem o apoio
pequena. Estudou piano, A paraense Dona Onete primeiro momento da definição sobre a generoso de uma série de parceiros, e, em
flauta, violão, percussão, gravou seu primeiro
realização do WOW no Rio de Janeiro, especial, o Southbank Centre. Sem dúvida,
canto e teoria musical. disco em 2012, com 73
Na sua adolescência, anos. Desde então, vem tendo se tornado, no processo, um parceiro WOW/RJ não seria possível sem
por influência de alguns conquistando multidões essencial na sua concretização. o apoio e generosidade das instituições
amigos começou a estudar, com seu carimbo Muito Obrigada, Martin Dowle, Nina Best, e empresas que se juntaram no propósito
aprimorando as técnicas chamegado. No WOW, Dona Cristina Becker, Liliane Rebelo, Diana Daste, de tornar possível esse momento de
para se profissionalizar Onete irá apresentar seus Luciana Raele e Juliana Ferreira, pessoas celebração das mulheres
AS MARIA DA GRAÇA como DJ. maiores sucessos.
do Conselho Britânico que se envolveram Um grande muito obrigada.

60
ARRECADAÇÃO DE ALIMENTOS WOW/SESC FAZENDA CULINÁRIA RECEBE A CHEF BAIANA
Toda a programação do WOW será o desperdício e, de outro, reduz a ANGÉLICA MOREIRA DURANTE FESTIVAL
gratuita. Como contrapartida social, va-
mos trocar o conjunto de ingressos de
condição de insegurança alimentar de
crianças, jovens, adultos e idosos. MULHERES DO MUNDO
sua escolha para cada dia do Festival
por um 1kg de alimento não perecível. No Rio de Janeiro desde o ano 2000, Numa semana dedicada às mulheres, Mulheres do Mundo (Women of the
Sua doação será destinada a projetos o Mesa Brasil Sesc RJ já distribuiu, aos seus desafios e à sua diversidade, World - WOW), que acontece de 16 a 18.
que atendem apenas mulheres, como aproximadamente, 18 mil toneladas de o restaurante Fazenda Culinária, no O cardápio consiste em um prato
a Casa das Mulheres da Maré, o Abrigo alimentos em 80 municípios do estado, Museu do Amanhã, recebe a chef baiana principal – Efó com peixe – e três
Santa Luzia e a Associação Santa Rita. beneficiando cerca de 70 mil pesso- Angélica Moreira para um almoço entradas: bolsinha de madagascar, dudu
Seja solidária, participe. as em mais de 850 instituições. Seu totalmente voltado às raízes brasileiras. de coco e maxixé.
conjunto de ações e resultados fazem
Os projetos contemplados com as doa- Fundadora do restaurante Ajeum da “O efó é um prato afro-baiano cuja
do programa uma referência nacional
ções integram o programa Mesa Brasil Diáspora – dedicado a criar e servir tradição está se perdendo. É uma
como rede de solidariedade na área de
Sesc, uma rede nacional de banco de pratos de origem africana – em Salvador, espécie de caruru de folhas. Pode ser
segurança alimentar e nutricional.
alimentos nacional que busca alimen- Angélica traz um pouco do tempero afro- feito com diversos vegetais, mas este
tos onde sobra e entrega onde falta. Tudo isso para alimentar a solidariedade, brasileiro para a Cidade Maravilhosa. O será com espinafre”, explica a chef. O
De um lado, contribui para minimizar a cidadania e o desenvolvimento social. menu será servido no Fazenda Culinária prato leva ainda castanhas, amendoim,
<http://www.sesc .com.br/portal/site/ dia 18 de novembro, durante o Festival leite de coco e gengibre.
<http://www.sescrio.org.br/mesa-brasil>
mesabrasilsesc/home/>

BIBLIOSESC WOWSERS!
Aliando leitura e conhecimento, o aventuras, ficções e histórias de O festival conta também com a criativo para celebrar e homenagear
SESC traz ao WOW a BiblioSesc, mulheres incríveis chegam chegam participação das WOWsers, um grupo de trajetórias de cinco mulheres da Maré
biblioteca volante com cerca de três às mãos de leitores de todas as 15 meninas entre 15 e 18 anos oriundas que participaram na construção e para
mil obras. Clássicos da literatura, idades. da Maré, envolvidas em um processo melhoria de qualidade de vida na Maré.

16 DIAS DE ATIVISMO PELO FIM DA


VIOLÊNCIA DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER
WOW - Visões sobre como podemos efetivar uma FUNDAÇÃO WOW
agenda que é crucial para avançarmos
O papel dos homens para a equidade de na nossa democracia e, também, no
gênero | Instituto Promundo | Consulado enfrentamento da desigualdade social. A Fundação WOW está em processo educação, advocacia e celebrações.
Geral dos Estados Unidos da América Nos três dias do WOW teremos uma de se tornar uma ONG, e irá fomentar Você pode obter mais informações
O diálogo sobre o papel dos homens iniciativa qual registará e produzirá o movimento global do WOW, acerca sobre a Fundação no endereço
para a equidade de gênero objetiva trazer conteúdos que potencializem as vozes da igualdade de gênero através de
vozes masculinas para uma reflexão das mulheres participantes do Festival. festivais, programas de liderança e <thewowfoundation.com>
UK
WOW London
WOW Bradford
WOW Cambridge
WOW Cardiff
WOW Chester
WOW Derry-Londonderry
WOW Exeter
WOW Folkestone
WOW Hull
WOW Norwich
WOW Perth

WOW Finland

WOW Apollo WOW Beijing, China


WOW Baltimore WOW Karachi, Pakistan

WOW Alexandria, Egypt WOW Kathmandu, Nepal

WOW Dhaka, Bangladesh

WOW Ake, Nigeria WOW Colombo, Sri Lanka

WOW 2018 Celebrating Women


WOW Hargeysa, Somaliland of the Commonwealth

WOW Katherine

WOW Rio, Brazil WOW Brisbane

WOW Sydney
WOW Melbourne

O WOW é um festival global


que já
WOW is aaconteceu em cincos
global festival, having
continentes
taken place indesde seu
five continents
lançamento
since em in
it launched 2010.
2010.
Cada WOW é desenvolvido em
Each
umaWOW esferais rooted
local, einseitstorna
local
area
partebutdebecomes
uma rede part of the
global,
WOW global network,
permitindo allowing
aos festivais de
festivals to feed into
conectarem-se, apoiarem- each
other, swap stories,
se, trocarem support
histórias e
and inspire each other,
inspirarem uns aos outros, while
creating a network of people
enquanto criam uma rede de
and ideas.
pessoas e ideias.
DESIGN: MÓRULA_OFICINA DE IDEIAS
festivalmulheresdomundo.com.br redesdamare.org.br

/festivalwowrio /redesdamare

/festivalwowrio /redesdamare

/festivalwowrio /redesdamare

Você também pode gostar