Você está na página 1de 3

MINISTÉRIO DE GRUPOS FAMILIARES DE ORAÇÃO

MIG / 2019

1. A Grande Comissão de Jesus foi dada a todos – Mt.28:18-20.


♦ Missão: Para Igreja: Clérigos e leigos. Que devem cumprir e não esperar por
ninguém, para fazer o que tem que ser feito.
♦ Visão: Através do MIG, edificarmos uma Igreja abençoada através de grupos
familiares, fazendo de cada crente um ganhador de almas e dos lares uma
extensão da Igreja, para assim, silenciosamente, impactarmos nossa
cidade.

2. Porque Grupos Familiares de Oração?


♦ Porque a Igreja é um corpo e todos os seus membros precisam estar
funcionando com saúde (manifestar a realidade de Deus onde estivermos);
♦ Porque a Igreja precisa ser uma grande família (envolvimento integral –
tudo quanto temos para o bem do corpo: tempo – habilidades - bens, etc);
♦ Porque para um crente crescer saudável ele precisa ouvir, falar e praticar;
♦ Porque precisamos, como Igreja, crescer e multiplicar, impactando nossa
comunidade (estabelecer o Reino de Deus);
♦ Porque fazer discípulos é mandamento dado à Igreja e todo ser humano
precisa de salvação e cuidado.

3. O que é um GFO?
♦ É um grupo de irmãos que estão ligados e vinculados, preferencialmente de
forma geográfica, com propósitos claros de encontros para:
✓ 1) Ministrar a Deus – Adoração;
✓ 2) Ao próximo – Comunhão e
✓ 3) Ao mundo - Evangelização.
♦ O GFO promoverá através de seus integrantes:
✓ Edificação espiritual (comunhão, oração, aconselhamentos e
oportunidades);
✓ Evangelização (hospedeiros e convidados);
✓ Discipulado (juntamente com departamento aos novos convertidos);
✓ Consolidação (novos membros – cartas e batismos).
♦ Por questão de espaço e logística nas residências hospedeiras, o GFO deve
ser constituído de um número restrito de no máximo 81, pessoas
reunindo-se:
✓ Quatro meses no segundo semestre/19: Agosto a Novembro;

1 Números aproximados para maior conveniência de encontro nos lares.


1
✓ Semanalmente (durante 16 semanas), às QUINTA-FEIRAS (fora deste dia
não é GFO);
✓ Das 20h00min às 21h00min;
✓ Em lares de evangélicos ou amigos, previamente agendados para tal.
♦ O GFO deve tornar-se uma família espiritual, tendo como objetivo crescer e
alcançar um número razoável que possibilite sua multiplicação ao
completar um total de 14 pessoas;
♦ Meta: No mínimo 01 multiplicação no período (Agosto a Novembro);
♦ Não convém que convide pregadores de fora da Igreja e que não estejam
integrados na visão do MIG;
♦ O líder do grupo será corresponsável com o líder de departamento da Igreja
pelo discipulado, acompanhamento e apresentação do candidato ao
batismo;
♦ Não serão permitidas atividades que concorram com as reuniões do GFO,
nas quintas-feiras;
♦ Será repassada uma lista de obreiros do altar (pastores, evangelistas e
presbíteros) que estarão a disposição dos grupos para ministrações, caso
seja necessário;
♦ Para preservar a unidade e a identidade entre os grupos, todos serão
supervisionados pela liderança do MIG e pelos pastores da Igreja.

4. Benefícios dos Grupos Familiares


♦ Facilita o envolvimento e a mobilização da Igreja;
♦ Produz crescimento qualitativo e quantitativo;
♦ Leva cada membro a funcionar no Corpo, deixando de ser um assistente
“consumidor” e passando a ser um servo “produtor”, útil e frutífero;
♦ Gera comprometimento. O membro do GFO se comprometerá com o Reino
e com a Igreja, pois receberá um acompanhamento não geral e sim
individual;
♦ Propicia assistência social e espiritual mais eficiente. Há um conhecimento
próximo das necessidades dos irmãos;
♦ Estabelece vínculos de comunhão.

5. Inimigos da Visão
♦ Falta de cultivar a visão. Cultivar é cuidar, dedicar, guardar e investir.
♦ Medo: Fé é correr riscos com Deus. Não podemos ficar presos a uma
tradição religiosa, vazia e sem práticas nem frutos. Precisamos ousar em
Deus;
♦ Falta de líderes: o líder é fundamentar neste projeto e para tal precisa
demonstrar as seguintes características:
✓ Amoroso;
✓ Submisso;
✓ Ensinavel;
✓ Fiel e
✓ Tolerante.
♦ Falta de visão de crescimento: Sem visão não há projeto, sem projeto não
há alvo, sem alvo não há rumo a seguir, nem lugar onde se chegar!
♦ Falta de unidade: um exército dividido não ganha batalha nenhuma!
2
♦ Imediatismo: Nada duradouro, permanente e consistente é construído da
noite para o dia. É preciso a consciência de que o fruto demora um tempo
para ser colhido! Alvos imediatistas e muito elevados podem gerar
frustração, ao invés de estímulo.
♦ Falta de disciplina: Especialmente nas agendas, horários, pregadores, etc.;
♦ Competição: O ambiente a ser desenvolvido deve ser o de unidade,
crescimento e equipe e não de competição, se assim não for o grupo tende
a morrer.

ATENÇÃO LÍDER DO GRUPO FAMILIAR:


1. Suas principais funções:
♦ Escolher secretários para o GFO (relatórios mensais conforme modelo);
♦ Escolher, ou delegar para a escolha do anfitrião (agenda antecipada);
♦ Planejar, dirigir e controlar a reunião do GFO;
♦ Participar das reuniões mensais de obreiros;
♦ Planejar e facilitar a multiplicação;
♦ Treinar e indicar novos líderes.

2. Dedique tempo para a liturgia no GFO


Chegar antes para recepcionar com alegria e amor os membros e visitantes.
1. Iniciar, pontualmente a reunião e sem formalidades - Quebra gelo;
2. Momento de oração (breve);
3. Momento de adoração – Cânticos fáceis e conhecidos;
4. Estimule os membros a participar, mas sempre que possível, avise
antecipadamente quem vai falar (testemunhos de benção) e cantar;
5. Momento da mensagem – 15 a 20 minutos;
6. Oração pelos hospedeiros e pelo GFO – Caderno de oração;
7. Avisos: onde será o próximo culto e convite para reuniões no templo.

Pr. Benjamim Martins de Assunção Filho


Coordenador da Regional 20