Você está na página 1de 15

CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO

Apostila 8
MATERIAIS DE TRATAMENTO
PARA LENTES

I N D Ú S T R I A Ó T I C A
Curso de Excelência do Atendimento - Super A Novo Milênio

MATERIAIS DE TRATAMENTO PAR A LENTE


Índice

Introdução ................................................................................................................ 02

O que é Marketing ................................................................................................... 03

Do Cliente ............................................................................................................... 03

Mas, afinal o que é Marketing ................................................................................... 03

No papel do vendedor na Óptica: Orientador ............................................................. 04

Códigos de apresentação pessoal .............................................................................. 05

Reconhecendo os Clientes: Qual é mesmo o estilo dele? .............................................. 06

Só bons profissionais de óptica podem mudar isso ...................................................... 06

Existem sete estilos diferentes de se vestir. Agora, vamos conhecê-los ....................... 06

E a estética ............................................................................................................ 07

Meu rosto é oval ou redondo ....................................................................... 07

Regra máxima ....................................................................................................... 07

Evite sobreposição de formas! ..................................................................... 07

Rosto oval ........................................................................................ 08

Rosto triangular ............................................................................... 08

Rosto redondo ................................................................................. 08

Rosto quadrado ............................................................................... 08

Dúvidas?
1
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Apostila 9 - Marketing aplicado à óptica

José Manuel Luís

Coordenador Técnico da Carl Zeiss Vision


Brasil.

Ingressou na empresa em agosto de 1992


na produção de moldes e laboratório de
surfaçagem de lentes.

Posteriormente trabalhou no Marketing,


cuidando da área técnica e também
desenvolvimento de materiais de
marketing.

Passou a Instrutor Técnico em março de


1998, e a Coordenador Técnico em agosto
de 2004, coordenando as áreas de
treinamento e desenvolvimento de equipes
de divulgação da própria empresa e
clientes.

Formado em Optometria pela Universidade


Estácio de Sá em julho de 2004

Dúvidas?
2
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Curso de Excelência do Atendimento - Super A Novo Milênio

Anatomia do Olho e Defeitos de Refração

Breve Resumo

É importante conhecer a anatomia básica do


olho e o funcionamento de algumas de suas
estruturas para compreender os defeitos de
refração ou ametropias.

Na figura podemos observar córnea, cristalino,


íris, retina e nervo ótico. As duas primeiras
funcionam como lentes que focalizam a imagem
sobre a retina. A íris regula a quantidade de luz
que entra no olho - com pouca luz ela se dilata
e com muita luz ela se contrai. A retina é
responsável por transformar a luz recebida em impulsos elétricos e químicos que serão enviados ao
cérebro através do nervo óptico. No cérebro, estes sinais serão interpretados, formando a imagem.

Normalmente os defeitos de refração são de origem física, embora esta também possa ser patológica.
Nas causas de origem física, uma das estruturas é diferente do normal ou o comprimento do olho é
maior ou menor. Veremos a seguir como se processa a visão nas ametropias e como corrigi-las.

Miopia

Na miopia, a imagem forma-se antes da


retina, normalmente devido à maior
curvatura da córnea ou maior
comprimento do olho. O míope enxerga
mal ao longe, mas sua acomodação
permite enxergar de perto. Franzir os
olhos para enxergar ao longe ou
aproximar muito os objetos podem ser
sintomas de miopia.
A miopia corrige-se com lentes
negativas, também chamadas de
divergentes ou côncavas. Estas lentes
são finas no centro e espessas nas
bordas. Ao atravessa-las a luz diverge,
fazendo com que o ângulo de entrada no
olho seja maior que o normal.

Dúvidas?
3
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Apostila 9 - Marketing aplicado à óptica

Hipermetropia

Na hipermetropia, a imagem forma-se após a


retina, geralmente devido à curvatura mais plana
da córnea ou ao menor comprimento do olho. O
hipermétrope enxerga mal ao longe, e necessita
do esforço de acomodação para faze-lo. Fadiga
ocular e dores de cabeça devido ao esforço de
acomodação podem ser sinais de hipermetropia.
A hipermetropia corrige-se com lentes positivas,
também chamadas de convergentes ou convexas.
Estas lentes são espessas no centro e finas nas
bordas. Ao atravessa-las a luz converge, fazendo
com que o ângulo de entrada no olho seja menor
que o normal..

Astigmatismo

No astigmatismo, um ou mais eixos visuais


não se focalizam sobre a retina, geralmente
devido à córnea ser mais ovalada que o
normal
O astigmata tem visão desfocada ao longe e
perto, sem percepção nítida dos contrastes
entre linhas horizontais, verticais e obliquas e
confunde símbolos próximos como o H, N e
M ou ainda 8 e 0. É tam-bém comum a
dificuldade para seguir uma linha de texto.
Normalmente também possui bastante
sensibilidade à luz, especialmente quando
seu grau é forte.
Combinado com miopia ou hipermetropia
pode provocar fadiga ocular e dor de cabeça.
A correção do astigmatismo é feita com
lentes cilíndricas, que pos-suem três curvas
distintas, duas delas na mesma superfície,
geralmente a posterior.

Dúvidas?
4
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Curso de Excelência do Atendimento - Super A Novo Milênio

Presbiopia

A presbiopia, conhecida popularmente como "vista cansada", caracteriza-se por dificuldade para
enxergar ao perto, especialmente na leitura, e acontece devido à perda da capacidade de acomodação
do cristalino.
O que é a perda da capacidade de acomodação do cristalino? Esta estrutura do olho pode alterar sua
forma para aumentar o poder de focalização aumento de grau. Este aumento no poder de focalização
é usado quando a pessoa necessita enxergar de perto, especialmente na leitura e necessita ser
compensado quando começa a diminuir, devido ao envelhecimento do indivíduo. Surge então a
necessidade de óculos de leitura ou do uso de progressivos ou bifocais quando a pessoa já tem
alguma ametropia anterior.
A presbiopia é compensada com potência (dioptria, grau) positiva. Vejamos alguns exemplos:

1)Usuário míope com correção -2.00D para longe, necessidade para correção
da presbiopia +1.50 Add.
Longe -2.00D
Perto -0.50D

2)Usuário hipermétrope com correção +1.50D para longe, necessidade para


correção da presbiopia +2.00 Add.
Longe +1.50D
Perto +3.50D

3)Usuário astigmata com correção 0.00 -1.50 x 180O para longe, necessidade
para correção da presbiopia +2.00 Add.
Longe +0.00 -1.50 x 180O
Perto +2.00 -1.50 x 180º

4)Usuário emétrope sem necessidade de correção para longe, necessidade


para correção da presbiopia +1.75 Add.
Longe +0.00
Perto +1.75D

Dúvidas?
5
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Apostila 9 - Marketing aplicado à óptica

Materiais para lentes

Características e indicações

Podemos dividir as características dos materiais em três categorias - Físicas, Mecânicas e Químicas.

Para o estudo básico de lentes oftálmicas interessam principalmente as seguintes características:

Físicas- Índice de Refração, Dispersão Cromática (valor Abbe), Transmissão e Reflexão da Luz e
Proteção UV;

Mecânicas- Resistência a Impactos e Peso (ou Densidade)

Materiais para lentes

Índice de Refração

Caracteriza o material quanto à velocidade com que a luz o atravessa. Quanto maior o índice do
material, menor a velocidade da luz e maior o seu poder de vergência - capacidade para desviar a luz.
O efeito do poder de vergência (capacidade para desviar a luz) pode ser visualizado na figura, que
representa um lápis dentro de um copo de água. A imagem que vemos dá a sensação que o lápis se
entorta ao entrar na água. Se o conteúdo do copo for, por exemplo, óleo de cozinha, a imagem do
lápis ficará ainda mais torta, pois o índice de refração do óleo é maior que o da água.
Como aplicar isto a lentes? Vimos que quanto maior o índice, maior o desvio provocado na luz e maior
capacidade para direciona-la, logo lentes alto índice têm maior capacidade para desviar a luz para o
ponto correto.
Porque razão as lentes alto índice podem ter espessura menor? Como sua capacidade para desviar a
luz é maior que nas lentes em resina comum, necessitam de menos material para provocar o mesmo
desvio e direcionar a luz para o ponto correto.

Dúvidas?
6
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Curso de Excelência do Atendimento - Super A Novo Milênio

Índice de Refração

No desenho podemos comparar lentes positivas e


negativas com o mesmo grau, mas de índices
diferentes. Ao montar as lentes na armação, esta
diferença de espessuras será mais visível no lado
nasal para lentes positivas e no lado temporal para
lentes negativas.
Além disso, materiais alto índice permitem fabricar
lentes com curvas mais planas, contribuindo para a
estética final. Como?

Podemos fazer uma comparação através do desenho ao lado. Lentes alto índice (à esquerda) e lentes em
resina comum (à direita), apesar de terem o mesmo grau
têm curvas diferentes. Como a diferença entre a curva da
frente (anterior) e a de trás (posterior) nas lentes em resina
convencional é mais acentuada, a imagem produzida por
elas faz com que os olhos do usuário pareçam maiores. Esta
diferença entre as curvas é menor nas lentes alto índice, logo
efeito de aumento da imagem também é menor, dando uma
aparência mais natural ao olho. Este efeito que modifica o
tamanho da imagem apresenta-se de forma diferente nas lentes negativas, onde a imagem fará com que
os olhos do usuário pareçam menores.

Vimos dois benefícios que materiais alto índice trazem para as lentes -menor espessura final e
também lentes mais planas, o que contribui para a estética do usuário, pois a imagem dos seus olhos
aparecerá menos aumentada nas lentes positivas e menos diminuída nas lentes negativas. Além
disso, geralmente os materiais alto índice também são mais leves, contribuindo para óculos menos
pesados e mais confortáveis.
Outro aspecto importante dos materiais para lentes é a proteção que proporcionam contra raios
ultravioleta, uma vez que este tipo de radiação pode afetar várias estruturas do olho e provocar ou
ajudar no surgimento de doenças que afetam a capacidade visual e podem mesmo levar a cegueira
como, por exemplo, catarata, aumentar o risco de glaucoma, degeneração macular, entre outras.
Abaixo encontramos uma tabela que relaciona o índice, proteção UVA e peso de alguns materiais.
Podemos observar que quanto maior o índice maior a proteção UVA oferecida e também menor o
peso do material.

Material índice proteção UVA peso


Finalite 1,600 100% 1,22 g/cm3
3
Policarbonato 1,586 100% 1,20 g/cm
Spectralite 1,537 98% 1,21 g/cm3
3
CR-39 1,499 91% 1,32 g/cm
Transitions 1,497 100% 1,27 g/cm3

Dúvidas?
7
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Apostila 9 - Marketing aplicado à óptica

Outra característica que deve ser referida quanto aos materiais alto índice é sua maior resistência a
impactos quando comparada a lentes em resina convencional ou cristal. Em casos como, por exemplo,
policarbonato, essa resistência a impactos chega a ser 10 vezes maior que aquela de lentes em resina
convencional CR-39.
Sempre que se tratar de usuários como crianças ou pessoas que desempenham tarefas de alguma
forma mais propensas a acidentes, como trabalhos manuais, marcenaria, mecânicos, etc., a maior
resistência a impactos dos materiais alto índice, especialmente policarbonato, oferece maior proteção
para os olhos.

No entanto, alterações no índice de refração das lentes produzem efeitos em outras características dos
materiais que necessitam ser levados em consideração para uma perfeita adaptação do usuário.

Dispersão Cromática (valor Abbe)

Caracteriza o material quanto à capacidade para separar a luz nas cores que a compõem. Quanto
maior a dispersão cromática, menor a eficiência refrativa -
quanto maior a dispersão cromática menor o valor Abbe.
Mas o que é eficiência refrativa, dispersão cromática e
separação das cores?
Na figura podemos ver uma representação da luz ao
atravessar um prisma e sendo separada em várias cores
(as cores do arco íris). O prisma representado tem baixa
eficiência refrativa e alta dispersão cromática (baixo valor
Abbe), e por isso ele separa a luz nas cores que a
compõem.
Como isto se aplica às lentes para óculos? Ao atravessar
uma lente cujo material possui baixa eficiência refrativa, a luz pode separar-se em várias cores,
provocando a formação de várias imagens sobre a retina. A sensação do usuário será a de uma
imagem com pouca nitidez como se, por exemplo, ele estivesse vendo televisão e a imagem se
apresentasse com um "fantasma". Em casos extremos, o usuário poderá ver uma "sombra" alaranjada
em torno dos objetos.
A possibilidade deste efeito se fazer notar é maior em lentes com baixo valor Abbe, especialmente
naquelas que combinam esta característica com graus fortes (altas dioptrias). Míopes e astigmatas,
especialmente aqueles com graus fortes, parecem ser mais suscetíveis a alterações de valor Abbe no
material de suas lentes.
No entanto, em grande parte dos casos, a
re-adaptação às lentes requer apenas
alguns dias, até que o cérebro se adapte à
formação das imagens com estas lentes. Se
após alguns dias o usuário continuar
mencionando a visualização de uma
imagem com baixa nitidez, deve-se
procurar refazer as lentes em um material
que reúna valor Abbe maior e também um
índice que possibilite lentes mais finas,
mantendo a estética final.

Dúvidas?
8
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Curso de Excelência do Atendimento - Super A Novo Milênio

Transmissão e Reflexão da Luz

Ao atravessar um meio (material) transparente


a luz sofre três efeitos diferentes -reflexão,
absorção e transmissão. Para nosso estudo
básico, interessam especialmente a reflexão e
a transmissão, pois os efeitos da absorção são
mínimos e, portanto, desprezíveis, uma vez
que nossa capacidade visual não é
suficientemente sen-sível para notá-los. Mas
como a transmissão e a reflexão da luz afetam
nossa visão?
Sabemos que superfícies transparentes
refletem luz, provocando uma situação a que
poderíamos chamar de "efeito espelho".
Para visualizar facilmente este efeito basta
olhar a foto lado onde se pode ver o reflexo da luz na
água, impedindo-nos de ver claramente o fundo.
Podemos lembrar também que num dia de Sol,
qualquer vidro se transforma em um espelho. Por
exemplo, o que fazemos quando queremos olhar
dentro do carro ou numa vitrine? Encostamos o rosto
ao vidro e colocamos as mãos em volta dos olhos, de
forma a eliminar os reflexos que atrapalham nossa
visão e nos impedem de enxergar através do vidro.
Porquê a água, o vidro e outras superfícies
transparentes refletem a luz? Porque têm índice
superior ao do ar e a velocidade da luz é menor dentro
delas, sofrendo uma brusca redução quando passa do
ar para o meio, o que faz com que uma parte da luz
seja refletida.
Como aplicar isto às lentes para óculos? Vimos
anteriormente que todos os materiais para lentes
possuem índices superiores ao do ar, logo também
provocam este "efeito espelho" refletindo a luz.
Quanto maior o percentual de luz refletido, maior o
esforço para enxergarmos com nossas lentes e, em
longos períodos de uso, este esforço adicional
provocará maior cansaço visual.
A quantidade de luz refletida será tanto maior quanto
maior for o índice de refração do material, como
mostra o gráfico ao lado. Para anular este efeito,
deve-se aplicar tratamento anti-reflexo nas lentes.
Este tratamento será tanto mais benéfico quanto
maior for o índice de refração da lente, pela razão
exposta anteriormente.

Dúvidas?
9
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Apostila 9 - Marketing aplicado à óptica

Porque tratamento anti-reflexo? Podemos comparar a visão através


de lentes com e sem tratamento anti-reflexo nas fotos a seguir.

Na primeira, vemos a luz dos faróis e lanternas dos carros se


dispersando devido aos reflexos, o que cria imagens difusas que
dificultam a visão e exigem maior esforço para enxergar.

Na foto abaixo, a mesma imagem, mas vista através de uma lente


com tratamento anti-reflexo. Vemos que agora a luz em volta dos
faróis não aparece mais dispersa, fazendo com que se obtenha
uma imagem de melhor qualidade, além de diminuir o esforço para
enxergar com clareza e proporcionar maior conforto.

Todos os materiais refletem luz em maior ou menor porcentagem, logo


recomendar tratamento anti-reflexo torna-se benéfico em qualquer situação. As
considerações acima levam-nos ainda a constatar que ao recomendarmos a
nosso cliente lentes em material alto índice para melhorar espessura, estética e
conforto também aumentamos o percentual de reflexos de suas lentes e por
conseguinte, aquilo a que chamamos "efeito espelho". Ou seja, melhoramos
alguns aspectos quanto á estética, mas aumentamos a dificuldade para ver
claramente e também o cansaço visual em longos períodos de uso. Além disso,
ao aumentarmos o "efeito espelho" também pioramos um fator estético, pois
quanto maior este efeito maior a dificuldade para observar os olhos do usuário.

Dúvidas?
10
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Curso de Excelência do Atendimento - Super A Novo Milênio

Lentes Oftálmicas

Embora de forma básica, vimos as principais características dos materiais e como elas podem influir na
visão e estética das lentes e óculos dos usuários. A seguir falaremos de algumas características das lentes
e daremos algumas dicas sobre a sua escolha e adaptação, bem como a escolha de armações em função
de medidas de montagem e graus do cliente.
Uma das características mais faladas em lentes oftálmicas é asfericidade ou superfície asférica. O que é
isto?

Na figura podemos comparar os dois tipos de lentes,


esféricas (não confundir com grau esférico) e asféricas.
Uma superfície esférica é aquela que tem a mesma
curvatura de um extremo ao outro, ou seja, ela é
redonda como uma bola ou esfera, daí seu nome
esférica. Uma superfície asférica tem curvatura
diferente ao longo da sua superfície, ficando mais plana
nos seus extremos, ou seja, ela não é redonda como
uma esfera e sim forma uma elipse.

Para comparação, podemos dizer que a superfície


destas lentes parece uma bola de futebol americano que
é oval. Qual a vantagem deste tipo superfície?
Proporciona melhor qualidade de imagem periférica,
pois reduz as distorções que são comuns em lentes
esféricas. Além disso, permitem também bordas mais
finas, contribuindo também para lentes mais estéticas.

Devemos mencionar também lentes polarizadas,


benéficas em situações com a presença de luz muito brilhante - não confundir com reflexo. O que é
luz polarizada? Quando os raios de luz são refletidos por superfícies como água, vidro, gelo, asfalto,
etc., parte da luz é refletida causando brilho intenso, que incomoda e dificulta a visão. As lentes
polarizadas incorporam um filtro que elimina este tipo de luz muito brilhante, o que permite maior
conforto e também visão em profundidade, conforme podemos ver na foto ao lado, em que a metade
esquerda exemplifica a visão através de lentes polarizadas.

Até agora debruçamo-nos sobre as


características dos materiais e como elas
influem em vários aspectos da lente, desde
os estéticos até aqueles que podem interferir
na adaptação ou melhorar o conforto do
usuário.
Também é importante entender as medidas
de montagem e outros aspectos que podem
auxiliar na escolha da armação mais indicada
em função da prescrição e necessidade visual
do cliente, medidas de montagem, material e
tipo de armação, etc. A seguir, alguns pontos
a considerar.

Dúvidas?
11
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Apostila 9 - Marketing aplicado à óptica

Medidas de Montagem

São fundamentais para a perfeita adaptação dos óculos e conforto do usuário, e quando incorretas
podem significar desconforto e qualidade de visão inferior ao desejado. Porquê? Estas medidas
posicionam corretamente a lente sobre a pupila do usuário, proporcionando bons campos de visão.
Estas medidas de montagem devem ser obrigatoriamente tomadas para todos os tipos de lentes. São
elas;

DNP (Distância Naso Pupilar) é a distância entre a linha central do nariz e a pupila. Por vezes
usa-se DP (Distância Pupilar), que é a distância total entre as pupilas do usuário, mas este não é um
procedimento correto, pois embora a DP seja igual à soma das DNP, em grande parte das pessoas a
medida de DNP apresenta diferenças entre os olhos, logo deve ser tomada separadamente.

Altura de Montagem é a distância entre a pupila e o bordo inferior da lente, e posiciona a altura
correta do ponto de montagem na direção vertical. Geralmente esta medida é tomada somente para
lentes multifocais (progressivas) ou bifocais, mas é importante também em lentes monofocais (visão
simples). Porquê? Ela posicionará corretamente o centro óptico da lente, evitando efeitos de distorção
na visão - efeitos prismáticos indesejáveis.

Diâmetro e espessura final das Lentes

Um dos fatores que influencia a espessura final das lentes é o seu diâmetro, embora isto aconteça de
formas diferentes para lentes positivas e negativas.
Vimos anteriormente que lentes negativas são finas no centro e espessas nas bordas, e esta
espessura diminui ao nos aproximarmos do centro. Então, quanto menor for o aro da armação, menor
será a espessura final das lentes negativas. Também vimos anteriormente que as lentes positivas são
espessas no centro e finas nas bordas, então se diminuirmos o tamanho do aro a espessura
aumentará, tornando-se mais visível. No entanto, especialmente nas lentes positivas, se pudermos
trabalhar as lentes no laboratório de surfaçagem já com o diâmetro ideal, a espessura final das lentes
será menor.
Como calcular o tamanho ideal para o aro? Precisamos conhecer os seguintes dados;
A distância naso pupilar do usuário, o tamanho do aro e da ponte da armação e também a medida de
sua maior diagonal - a medida entre o bordo inferior nasal e o superior temporal, geralmente tomada
a 450.
Os fabricantes colocam nas armações os dados referentes ao tamanho do aro e ponte, geralmente na
haste esquerda, separados por um quadrado ou traço. A fórmula é:

Aro + ponte = total


Total - DNP = x
Diagonal maior + x = diâmetro necessário
OBS: No caso de aros fechados de acetato ou metal adicionar 2 a 3 milímetros para o friso da
armação.

Quanto maior for o valor de x, maior será a descentração necessária para a lente. Quanto maior a
descentração, maior a espessura final das lentes. Nas lentes positivas essa espessura será maior no
lado nasal da lente e nas negativas no lado temporal.

Dúvidas?
12
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Curso de Excelência do Atendimento - Super A Novo Milênio

Escolha da armação em função do usuário

1) Graus fortes: Evitar armações fio-de-nylon e ball griff (3 peças, flutuantes), pois mesmo com
lentes alto índice a espessura se fará notar. O ideal para graus fortes é aro fechado, de metal ou
acetato. Em graus muito fortes, o ideal é mesmo aro fechado de acetato, pois ajuda a esconder a
espessura das lentes. Evitar também aros que sejam muito largos, de acordo com o cálculo do
diâmetro ideal.

2) Segurança: Lentes em policarbonato, sempre que houver necessidade de maior proteção para os
olhos como, por exemplo, crianças ou usuários que exerçam atividades que possam colocar os olhos
em risco.

3) Óculos solares esporte: Evitar óculos com lentes muito curvadas em casos de miopia ou de
hipermetropia forte. No caso das miopias, a curva base necessária não é indicada para estes usuários
e também devido ao diâmetro será necessária uma descentração muito grande, aumentando a
espessura na borda temporal. No caso de hipermetropias fortes, a descentração necessária fará
aumentar muito a borda nasal. Também não é recomendável o de lentes progressivas neste tipo de
armação.

Existem outras recomendações que poderiam ser feitas quanto á escolha das armações, mas as três
situações acima são as mais freqüentes a dificultar a adaptação do usuário.

Dúvidas?
13
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO
Apostila 9 - Marketing aplicado à óptica

Termos e abreviações usados em Óptica

AO Ambos os olhos
am A medir medidas de montagem
alt Altura refere-se a altura de montagem
Add ou Ad Adição, para lentes progressivas ou bifocais
AV Acuidade visual
BN Base Nasal
BT Base Temporal
BS Base Superior
BI Base Inferior
Bif bifocal
C Abreviatura para velocidade da luz no ar
Cil ou Cyl Cilindro
CO Centro Ótico
Cx Convexo
Cc Côncavo
Curva base Curvatura externa da lente, que varia em função do grau desejado
D ou di Dioptria, nome correto para o que geralmente chamamos de grau da lente.
DP Distância Pupilar
DNP Distância Naso Pupilar
Dv Distância Vértice
Esf Esférico
Eixo Orientação da dioptria cilíndrica da lente
Inf inferior
L Longe
LC Lentes de Contato
mm Milímetros
N Nasal
n Símbolo para índice de refração
nm Nanômetro, unidade de medida de comprimento de onda
OD Olho direito
OE Olho esquerdo
Optotipo Quadro usado para medir a acuidade visual
P Perto
pl Plano
Rx Receita, prescrição.
Sup Superior
T Temporal

Dúvidas?
14
supera@optisol.com.br
CURSO DE EXCELÊNCIA DO ATENDIMENTO