Você está na página 1de 16

Técnicas em

Gestalt-Terapia
LAÍS NADAI TAVARES

01
Técnicas em
Gestalt-Terapia
Objetivos
O PROPÓSITO DA TERAPIA GESTÁLTICA É,
PRIMEIRAMENTE, DESENVOLVER A AWARENESS. É A
PARTIR DELA QUE AS OBSTRUÇÕES NO PROCESSO DE
FORMAÇÃO DE FIGURA-FUNDO SÃO SUPERADAS,
POSSIBILITANDO O REESTABELECIMENTO DOS
AJUSTAMENTOS
AUTORREGULAÇÃO
CRIATIVOS PELOS
ORGANÍSMICA SE
QUAIS
ATUALIZA
A
02
(FIGUEROA, 2015,P.111)
Técnicas em
Gestalt-Terapia

O que são?
AS TÉCNICAS ENVOLVEM OS RECURSOS
METODOLÓGICOS UTILIZADOS PELO PSICÓLOGO
PARA ATINGIR DETERMINADOS OBJETIVOS, QUE
PODEM SER DIAGNÓSTICOS, INTERVENTIVOS E DE
ENCERRAMENTO.
03
Exercícios
É A UTILIZAÇÃO DA TÉCNICA DE MANEIRA
PREVIAMENTE DEFINIDA, QUANDO O PSICÓLOGO QUER
TRABALHAR DETERMINADA QUESTÃO QUE PERCEBER
SER IMPORTANTE PARA O PROCESSO TERAPÊUTICO E

04
ORGANIZA A ATIVIDADE PREVIAMENTE. É MUITO
COMUM NO MANEJO DE GRUPOS, NA PSICOTERAPIA
INFANTIL, TRABALHO COM FAMÍLIA, ETC.
Exercícios
CUIDADOS NO USO: O EXERCÍCIO DEVE SER UTILIZADO
QUANDO O TERAPEUTA PERCEBE QUE SERÁ BENÉFICO PARA
O PROCESSO E NÃO POR SE SENTIR MAIS SEGURO AO
UTILIZAR ATIVIDADES ESTRUTURADAS. O TERAPEUTA
PRECISA SABER LIDAR COM O SILÊNCIO, COMO O "NADA",
COM O LIMBO DO CLIENTE E ENCHER O CLIENTE DE
ATIVIDADES PARA TER A SENSAÇÃO DE QUE ESTÁ
FAZENDO ALGO PODE IR CONTRA AQUILO QUE O CLIENTE
05
PRECISA.
Experimento
O EXPERIMENTO É A UTILIZAÇÃO DA TÉCNICA (QUE VOCÊ JÁ
CONHECE E DOMINA, AQUELAS DENTRO DA SUA MALETINHA)
MAS DE UMA MANEIRA QUE NÃO É PRÉ-PROGRAMADA. OU
SEJA, VOCÊ NÃO DECIDE PREVIAMENTE QUE ESSA OU AQUELA
TÉCNICA SERÁ USADA, MAS VIVENCIA A RELAÇÃO COM
QUALIDADE PRESENÇA E OBSERVA FENOMENOLOGICAMENTE
UM FENÔMENO QUE PODE SER MELHOR EXPLORADO COM
UMA DAS FERRAMENTAS DA SUA MALETINHA. E ENTÃO 06
PROPÕE AO CLIENTE.
Experimento
COMO AFIRMA PERLS (1969) "ASSIM, QUALQUER COISA PODE
ACONTECER. ENQUANTO VOCÊ NÃO PLANEJA, ENQUANTO
VOCÊ TRABALHA COM SUA INTUIÇÃO,   SEUS OLHOS E
OUVIDOS, ALGUMA COISA ESTÁ PRESTES A ACONTECER".

07
Experimento
CUIDADOS NO USO: SÓ PROPONHA TÉCNICA QUE VOCÊ
CONHECE E DOMINA, POIS PODE ABRIR CONTEÚDOS E NÃO
FECHAR SE SUA FERRAMENTA ESTIVER ENFERRUJADINHA.

SEMPRE PERGUNTE AO CLIENTE SE ELE ACEITA FAZER A


ATIVIDADE, ELE TEM TOTAL DIREITO DE SE RECUSAR E TUDO BEM.
08
Experimento
CUIDADOS NO USO: PODE SER QUE VOCÊ NÃO CHEGUE
APARENTEMENTE A LUGAR NENHUM, QUE O CLIENTE TRAVE OU
MESMO PAREÇA QUE A ATIVIDADE NÃO DEU CERTO. TUDO BEM
TAMBÉM. MUITAS VEZES AO NÃO CONSEGUIR ENTRAR EM UM
PERSONAGEM, FALAR OU ESCREVER ALGO, A AMPLIAÇÃO DE
AWARENESS QUE ACONTECE PODE SER DE QUE O CLIENTE TEM MAIS
DIFICULDADE DE ACESSAR AQUELE LUGAR QUE ELE IMAGINAVA, OU
QUE ELE ACEITOU FAZER A ATIVIDADE QUE NÃO QUERIA FAZER PARA 09
TE AGRADAR, E MUITAS OUTRAS QUESTÕES PODEM SURGIR DAÍ.
Experimento
CUIDADOS NO USO: SE A VIVÊNCIA FICAR TRAVADA
DEMAIS E MUITO ANGUSTIANTE, PODE SER UM SINAL
DE ENCERRAR POR ALI E DAR CONTINUIDADE POR
OUTROS CAMINHOS, OU ATÉ TENTAR NOVAMENTE
EM OUTRO MOMENTO. NESTE CASO PERGUNTE PARA
O CLIENTE, VOCÊ GOSTARIA DE PARAR AGORA?
10
Cadeira Vazia
NESSA TÉCNICA, UMA CADEIRA OU UMA ALMOFADA SÃO
DESTINADAS A SER OCUPADAS POR UMA REPRESENTAÇÃO. PODEM
SER PERSONAGENS DE ALGUMA SITUAÇÃO INACABADA, ASPECTOS
POLARES DA PERSONALIDADE, ASPECTOS PROJETADOS OU
QUALQUER OUTRA POSSIBILIDADE DE DISSOCIAÇÃO E CONFLITO.
TAL REPRESENTAÇÃO SE DÁ NA FORMA DE UM DIÁLOGO QUE O
CLIENTE ESTABELECE COM A OUTRA PARTE, INTERCAMBIANDO OS
PAPÉIS, MUDANDO DE LUGAR. PARA QUE ESSE RECURSO GANHE
POTÊNCIA, É FUNDAMENTAL O ACOMPANHAMENTO DO TERAPEUTA
11
NO QUE DIZ RESPEITO AO ENVOLVIMENTO DO CLIENTE COM O PAPEL
REPRESENTADO (FIGUEROA, 2015,P.121 E 122)
Cadeira Vazia
TAMBÉM É IMPORTANTE RESERVAR UM TEMPO PARA
QUE AO FINAL DA ATIVIDADE O CLIENTE POSSA
ASSIMILAR E INTEGRAR O QUE FOI TRABALHADO,
MESMO QUANDO ACONTECE A INTERRUPÇÃO DA
ATIVIDADE (JOYCE E SILLS, 2016.)
12
Personificação/Identificação
A TÉCNICA DE IDENTIFICAÇÃO CONSISTE EM SE APRESENTAR
COMO OBJETO, SENTIMENTO, SENSAÇÃO, IMAGEM OU
MESMO OUTRA PESSOA, SEMPRE ARTICULANDO NA PRIMEIRA
PESSOA, FALANDO DE SUAS CARACTERÍSTICAS, SUAS
QUALIDADES, SUA ESTÉTICA, SUAS FUNÇÕES, SUA EXISTÊNCIA
ETC. (FIGUEROA, 2015,P.1213). 13
Referências Bibliográficas
FIGUEROA, MAURO. AS TÉCNICAS EM GESTALT-TERAPIA. IN.
FRAZÃO, LILIAN MEYER; FUKUMITSU, KARINA OKAJIMA. A
CLÍNICA, A RELAÇÃO PSICOTERAPÊUTICA E O MANEJO EM
GESTALT-TERAPIA. SÃO PAULO: SUMMUS, 2015.

JOYCE, PHIL; SILLS, CHARLOTTE. TÉCNICAS EM GESTALT:


ACONSELHAMENTO E PSICOTERAPIA. 2016.

PERLS, FREDERICK S.  GESTALT-TERAPIA EXPLICADA. SUMMUS


EDITORIAL, 1969.
ESSA OBRA NÃO DEVE SER REPRODUZIDA SEM CITAÇÃO,
DEVIDO A LEI QUE PRESERVA OS DIREITOS AUTORAIS.

LAÍS NADAI TAVARES

É PSICÓLOGA CLÍNICA CRP 08/21107, MESTRE EM PSICOLOGIA PELA


UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM) COM ÊNFASE EM
EXISTENCIALISMO E FENOMENOLOGIA, GESTALT-TERAPEUTA PELA
ESCOLA PARANAENSE DE GESTALT-TERAPIA COM FORMAÇÃO
AVANÇADA EM GESTALT-TERAPIA, ESPECIALISTA EM DOCÊNCIA NO
ENSINO SUPERIOR. POSSUI TREINAMENTO EM TRABALHO COM
CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO MODELO VIOLET OAKLANDER. PÓS-
GRADUANDA EM EAD E AS NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS.
PROFESSORA E SUPERVISORA UNIVERSITÁRIA.
WWW.GESTALTPARANA.COM.BR