Você está na página 1de 318

YABERIN

O MAGO CÓSMICO
Rodrigo Romo

YABERIN
O MAGO CÓSMICO
Copyright© 2017 Rodrigo Romo

Texto: Rodrigo Romo

Revisão: Pedro Pavan e Eliana Rocca

Ilustração de capa: Ines Balmaceda

Desenhos símbolos: Rodrigo Romo

Diagramação de capa: Antônio Tirado

Diagramação e arte-final: Perfil Editorial

Todos os direitos desta edição são reservados ao autor.

Proibida a cópia ou reprodução por qualquer meio, inclusive eletrônico, conforme a lei nº 10.695 de 4
de julho de 2003.

www.rodrigoromo.com.br

2017

SHANTHAR EDITORA
Sumário

Introdução

O Peregrino

Escolas Herméticas

O Mago Yaberin

A Iniciação

As Iniciações Sagradas dos Mestres de Luz

Batismo, Casamento e Evocações Sagradas/Mantras

Matrimônio ou Casamento

Evocações Sagradas e Mantras

Iniciação com o Plano Astral, Realidades Desencarnadas

Diálogos e Mensagens Canalizadas de Yaberin

A História não Revelada das Federações

A Mãe Sirius

O Contexto Encarnacional

As Federações Estelares

Os 144 Mestres Entrantes

O Surgimento dos Primeiros Impérios

Nodia

M-45 Trelude ou Danúbio

As Escolas Místicas da Terra

Desdobramento de Yaberin na Via Láctea

O Centro de Poder da Via Láctea

M-45 Plêiades

M-35 Propus
Desdobramentos e Expansão Consciencial de Nodia

Orion

Capela-Auriga

Alcione – Federação Pleiadiana

Aldebarã de Touro

Yaberin na Terra

Exercícios com YABERIN

1º Exercício: Aprendendo a sincronizar com Yaberin

2º Exercício: Quebra de contratos do passado

3º Exercício: Removendo Hologramas

4º Exercício: Limpeza de magias do passado

5º Exercício: Renúncia aos desmandos do passado, abuso de poder

6º Exercício: Cura vibracional dos seus Fractais de Alma

7º Exercício: Alinhamento com o Corpo Criogênico

8º Exercício: Conexão com Orixás de Aruanda

9º Exercício: Projetando Caboclos em sua família

10º Exercício: Projeção na frequência de Pretos Velhos

11º Exercício: Proteção da Residência

12º Exercício: Atração de Prosperidade


INTRODUÇÃO

Mestre Yaberin desdobrou-se através da energia espiritual do


O Almirante Yaslon Yas e do Mestre Shiva Hama Kur dentro da
estrutura social das Escolas Herméticas de Sirius e posteriormente
preparou e expandiu a sociedade interna da Nebulosa de M-45 chamada pela
humanidade de Plêiades, que seria o berço da maior parte das etnias da raça
humana dentro da Via Láctea.

Yaberin representa uma peça chave no desenvolvimento das diferentes


Federações. E este livro relatará o desdobramento das polaridades, as
questões políticas onde esteve inserido e como bilhões de seres foram
transferidos para a Terra e outros planetas, totalizando 37 mundos de exílio.

Este livro proporcionará ao leitor mudanças quanto à sua forma de


definir e avaliar o universo e a espiritualidade, o ajudando a entender as
relações entre a dualidade e a polaridade planetária, a Barreira de Frequência
ao redor da Terra e a razão da existência e continuidade do Sinistro Governo
Secreto no poder dentro do jogo político das Federações Estelares.

Uma curiosidade sobre este livro é que ele começou a ser escrito no ano
de 2006/07 e ficou parado por não conseguir ir adiante. Porém em novembro
de 2015 fui autorizado pelo próprio Yaberin a dar continuidade, realizando as
correções e atualizações desta importante parte da nossa história como almas.
Respondendo a muitas das dúvidas sobre a dualidade, os planetas de exílio e
o porquê de aparentemente o Comando Estelar não ter dado uma solução ou
feito uma intervenção para resolver a situação crítica da humanidade
terrestre, criada pela dualidade entre Poder e Amor, que já dura milhares de
anos.
O PEREGRINO

aberin, nosso irmão estelar multidimensional, inicia a partir de


Y sua criação um profundo projeto de pesquisa. Seu foco é
direcionado à compreensão dos diversos fatores e expressões dos
elementais da natureza e seus reinos dentro de toda complexidade e
diversidade existencial das dimensões materiais. Seu ciclo se inicia em 13D –
seu estado mais denso até então – e com o tempo expande suas pesquisas
para 8D e abaixo, interagindo com a Matéria Bariônica que é composta por
Prótons, Nêutrons e Elétrons segundo a fisicalidade terrena. A fim de
progredir com sua pesquisa nos diversos campos dimensionais e
conscienciais, Yaberin acessava os núcleos de estudo e contatava as demais
raças do plano existencial através de projeções, não entrando assim nos ciclos
encarnacionais convencionais.

Atualmente nosso irmão cósmico, já ascensionado, atua através das


emanações de Shiva Hama Kur e Yaslon Yas, diretor do Comando Santa
Esmeralda e Almirante de Shinkara respectivamente, por serem seus
criadores. Dentro de sua trajetória evolutiva Yaberin atuou de forma profunda
no contexto político das Federações Estelares, inclusive auxiliando na
estruturação político-social dos setores de M-45 (Plêiades), M-35 (Propus,
Gêmeos na parte abaixo de Orion), M-81 (Aereon, Orion na parte de cima),
M-78 (Rigel, Orion), M-13 (Hercules) entre outros setores próximos à estrela
de Monmatia (nosso Sol).

Parte do êxito em suas missões se deve ao fato de Yaberin não ter


utilizado corpos convencionais da forma que entendemos em nosso contexto.
Ele utilizava a projeção de sua consciência no plano astral para poder
interagir com as demais consciências a partir da Ordem Santa Esmeralda e
outras estruturas coligadas, o que o permitia não se aprisionar aos ciclos
Cármicos. Outro fator decisivo para o sucesso do processo ascensional de
nosso companheiro espiritual, é que ele passou por uma importante adaptação
em sua estrutura “corporal” através da engenharia espiritual, o que permitia
compatibilidade às suas projeções, independente das raças que deveria
vivenciar. Dentro destas adaptações, Yaberin manteve-se conectado
diretamente à Supra Confederação como canal direto de seus criadores.

Yaberin é gerado oficialmente no quadrante de Nohan há 13,6 bilhões de


anos, em um pequeno grupo de planetas e estrelas que fica ao fundo do plano
equatorial formado pelas Três Marias, a uma distância de 20 Parsecs do nosso
Sol Monmatia. Parte do desdobramento desta consciência foi ancorada
próximo à estrela de Avaara, nas imediações do conjunto de Sirion, entre os
níveis conscienciais de 13D a 16D e este padrão vibracional se mantém até o
presente momento na estrutura de Yaberin. Entretanto, a fim de atingir uma
ampla gama de seres em sua tarefa de ensinar, desenvolver e capacitar Magos
outorgados pelas Leis Maiores da Criação, ele se desdobra em vários focos
entre 7D e 9D, afinal a palavra Yaberin além de nome próprio, representa um
cargo da Hierarquia e é considerado sagrado pelas Ordens e Escolas
Herméticas de Magos Cósmicos.

Ainda na faixa de 7D a 9D essa emanação interage com a Fraternidade


Branca Universal, Comando Estelar, Conselho de Sirius, Conselho Galáctico,
Aliança Galáctica, Ordem Kumara, Ordem Melchizedeck, Ordem
Lanonadeck, Ordem Goronandeck e Ordem Voronandeck auxiliando no
processo de despertar mediúnico dos seres comprometidos com o plano
maior, servindo de interface com a Hierarquia Micahélica e Voronandeck.

Todo este comprometimento de alma é possível, pois seu processo de


formação Monádica difere dos demais seres. Yaberin é uma extensão direta
da Mônada de Yaslon Yas e Shiva Hama Kur, porém não como fractal
individual, mas sim como herdeiro de parte da consciência destes dois Seres,
recebendo assim energia direta Voronandeck e Goronandeck para poder
interagir livremente entre as realidades políticas de 8D e abaixo como
consciência integrante da Supra Confederação, infiltrada nas Federações.
Partindo do foco de Sirius e suas escolas Herméticas que representam grande
parte da base do conhecimento das humanidades que com o tempo viriam a
se desenvolver em M-45 (Plêiades) entre outros lugares dentro da Matriz de
Controle Cósmica e suas realidades paralelas.

Por não possuir almas gêmeas nem desdobramentos em fractais de alma,


Yaberin, ao se deparar com tamanha complexidade na interação com demais
almas geradas por outros Filhos Paradisíacos dotados de programações
distintas e complexas, resolve criar seus próprios fractais de alma através de
projeção para compreender essa diversidade e cumprir suas funções,
atingindo assim seus objetivos dentro do conturbado palco político galáctico.
Todas estas experiências não estão limitadas apenas à Via Láctea, mas às 49
galáxias do Cluster de Naoshi.

Em todo este conjunto Yaberin deveria inserir seus desdobramentos


como representante da Supra Confederação em conjunto com uma equipe de
143 Mestres similares a ele. Logo, nosso amigo pertence a um grupo de 144
Mestres Cósmicos enviados pela Supra Confederação, com o objetivo de
movimentar o processo ascensional e evolutivo das almas perdidas pela
dualidade e disputas de poder dentro das dimensões materiais.

Originalmente dentro do plano divino proposto a todas as Mônadas-Eu


Sou, todas as partículas ou almas fragmentadas do Eu Sou deveriam
desenvolver a mestria sobre a própria dualidade vivenciada durante o
processo evolutivo. E através da mestria atingir o status de Cocriador em
ressonância com a Fonte Que Tudo É. Todo este processo deveria se
processar dentro de um cronograma estipulado pelo próprio Eu Sou, em
sintonia com os objetivos evolucionais propostos pelo Conselho de
Salvington e Logos Sistêmicos do nosso Superuniverso Orvotón.

No entanto, a maior parte das Almas que foram inseridas no conjunto de


galáxias de Naoshi, não conseguiu caminhar de forma legítima nessa
proposta devido às interferências por parte de outros grupos opositores e
dissidentes ligados a Anhotak, Sarathen, Obhanam, Muriadrhu, Khahel,
Mahuandha, que também são Filhos Paradisíacos na mesma frequência do
Cocriador Micah, que é o herdeiro e gerenciador do Universo Local de
Nebadon com suas quase 100.000 galáxias, que se encontram divididas em
quadrantes internos, sendo Naoshi um desses tantos quadrantes de alta
polaridade e repleto de conflitos entre focos e Matrizes psíquicas e genéticas,
que foram alteradas pelos outros Filhos Cocriadores em oposição à proposta
Micahélica.

Dessa forma, os trilhões ou o infinito número de Almas inseridas no


desdobramento encarnacional dos bilhões de Sistemas de Naoshi, acabaram
se perdendo nos hologramas encarnacionais da fisicalidade, cada qual dentro
de um padrão dimensional e temporal. Para isso foi escolhido o quadrante das
49 galáxias denominado Naoshi, que possui a capacidade de absorção da
dualidade gerada por essas Almas presas a uma enorme Barreira de
Frequência que isola esse conjunto em relação aos outros clusters de galáxias
vizinhas.

Dentro desse quadrante ou cluster existe um grupo menor de 21 Galáxias


que foi denominado de Universo Teta, onde a Via Láctea está inserida,
sendo regida pelo Conselho de Salvington. Teta representa um campo escola,
onde quatrilhões de almas fazem experiências conscienciais de vida através
dos diversos mecanismos de efusão encarnacional para que possam aprender
gradualmente a controlar suas emissões mentais e emocionais que criam
realidades, muitas vezes distorcidas e sem harmonia. Esse conjunto de 21
galáxias foi catalogado pelos astrônomos terrenos por volta da década de 90
quando observaram a atração de Matéria Escura e a presença de enormes
Buracos Negros ao centro de cada grupo de galáxias.

Yaberin é uma consciência que entrou no processo encarnacional em


diferentes fases do desenvolvimento de Naoshi, mesmo antes de obter seu
corpo especial que foi gerado a partir da energia Escura diretamente pela
consciência de Yaslon Yas e Shiva Hama Kur. Antes dele assumir essa etapa
de sua vida ou da missão que lhe foi concebida como integrante dos 144
Mestres em Naoshi, ele passou por várias experiências psíquicas e mentais
como se tivesse vivenciado a vida em colaboração com todos os outros
Reinos da natureza, para ter a compreensão da sua própria capacidade
Cocriacional e poder aprender e ensinar ao mesmo tempo. O quadrante de
Nohan onde ele iniciou sua jornada na estrutura dos diferentes reinos
Atômicos e da natureza, estão sob a proteção e onisciência dos Mestres
Arcangélicos como Metraton e Gabriel.

A forma humanoide foi implantada justamente por Metraton e seus


colaboradores no projeto de expansão da estrutura humanoide em nossa
galáxia, seguindo um antigo projeto traçado por Shtareer e Micah e o próprio
Conselho Cármico de Anciões, dentro do conjunto das 21 galáxias. Foram
escolhidos mundos com condições ambientais específicas para que as
diferentes raças humanoides e suas derivações pudessem se manifestar dentro
do processo evolutivo de forma estratégica, assim como outras raças que não
pertencem originalmente ao processo evolutivo ligado ao padrão genético
humanoide. Esse corpo humanoide foi inserido para quase todos os 144
Mestres Entrantes, com exceção daqueles que teriam outra função dentro de
outras etnias e raças no palco político das Federações. Esse corpo não era o
definitivo de Mestria, mas de simbiose e acoplamento às realidades mais
densas da percepção emocional na dualidade.

O processo evolutivo de Yaberin foi muito similar ao de muitas almas


aqui na Terra, passando pelos diversos reinos evolutivos de consciência,
como mineral, vegetal, animal até chegar ao reino humanoide. Cada um
destes estágios representa níveis de consciência e experiências a serem
vivenciadas pelas almas, à medida que ocorre o amadurecimento e transição
para a evolução pelo amor e harmonia em vez da evolução pela dor,
sofrimento, disputa de poder e escravidão. A alma vai se aproximando e
despertando o estado de Cocriador como filho divino, cada vez mais distante
das programações holográficas e contaminações das matrizes deturpadas
geradoras da ilusão e aprisionamento.

Mesmo tendo passado por essas etapas, Yaberin não encarnava


fisicamente. Ele se acoplava como entrante compartilhando as emoções e
percepções dos Elementais da natureza em cada etapa, absorvendo cada
processo e impressão, como se estivesse realmente encarnando. O mesmo
processo foi utilizado para todos os 144 Mestres Entrantes ao longo de um
registro temporal não linear.

Este Mago passou por um processo de 72 encarnações e hologramas em


seus primeiros mundos evolutivos até adquirir a efusão humanoide e a
percepção do universo e das outras realidades sutis além da limitação física
relacionada à sua situação no planeta Yakon, um mundo similar à Terra, mas
com uma atmosfera mais rarefeita e com oceanos menores, além de possuir
uma vegetação mais sutil e menos espessa do que a terrena. Um mundo com
gravidade 2,56 vezes maior que da Terra, dentro de uma realidade
dimensional de energia comparada a Terra de 2,5D. Uma atmosfera também
de oxigênio onde existem três realidades dimensionais distintas acopladas no
mesmo mundo. Yakon possui uma atmosfera de cor esverdeada e é iluminado
por dois Sois. O primeiro possui coloração verde alaranjado e o outro mais
distante de cor vermelha. Possui três satélites naturais que estão sempre
visíveis. Um dia possui 32 horas em comparação à Terra, seu período de
translação ao redor do Sol verde é de 98 dias e ambos levam 2.698 dias para
completar a volta ao redor do Sol gigante vermelho.

Yakon representa, portanto, um mundo experimental onde bilhões de


almas vivem na busca pela perfeição e conhecimento assim como na Terra.
Este processo permite uma interatividade mútua entre estes mundos e demais
mundos que têm como proposta o aprimoramento das almas. Existem
milhões de almas provenientes da Terra e de outros mundos que partiram
para Yakon em busca do aperfeiçoamento pessoal e interno em diferentes
condições. Alguns Seres já iluminados têm a possibilidade de efetuar um
intercâmbio encarnacional, além de manter contato com seus outros corpos
como se ocorresse uma encarnação em paralelo simultânea, fato possível pela
diferença dimensional e temporal, pois ambos os planetas existem em
diferentes linhas de tempo e espaço.

Muitos dos pesquisadores de magismo possuem outras realidades


paralelas em Yakon, devido às similaridades dentro da jornada pelo
conhecimento e pelas escolas místicas e herméticas que ambas as sociedades
cultivaram em seu desenvolvimento espiritual e consciencial. Vamos
verificar ao longo deste livro, que a nossa jornada evolutiva em busca de
respostas é similar em outras culturas e está ligada à sede interna da alma, por
reencontrar a sua verdadeira essência em todas as realidades da criação.
Todas as formas de vida do universo dentro da dualidade consciencial passam
por esse processo buscando conhecimento e domínio sobre as energias, o que
nos leva à criação da tecnologia como forma de interação, manipulação e
domínio de seus arredores e realidades existenciais.

Quando nossas almas são enviadas para experienciar a dualidade dentro


da nossa ótica, passamos por diversas situações que buscam fortalecer os
nossos laços com a divindade dos planos mais sutis, o que na verdade nada
mais é do que o contato com outros planos atômicos mais sutis onde temos
outros corpos paralelos dentro das 12 dimensões que dão sustentação à nossa
realidade existencial no universo Teta. Dentro do nosso quadrante das 21
galáxias, que são regidas pelo Conselho dos Arcanjos e Elohins, que por sua
vez, faz parte do Conselho da Ordem dos 49 Anciões de Nebadon, existe todo
um esquema de pesquisa da alma. À medida que os fractais vão retornando
ao Eu Sou, eles começam a fazer parte destas pesquisas de alma, atuando
como amparadores dos novos alunos e aventureiros inseridos nas dimensões
mais densas. Essa interação é muito importante, principalmente em Teta onde
os gradientes de polaridade são extremos para as realidades dimensionais
mais densas, gerando a momentânea desconexão da consciência com sua
essência. A busca dos Seres por seu princípio, respostas e entendimento do
Divino faz parte do processo natural de reconexão gradual pelo qual todas as
almas inseridas na Matriz de Controle passam.

No decorrer de sua história, o planeta Terra recebe um grande número de


anjos caídos vindos de outros sistemas estelares que trazem suas questões
conscienciais mal resolvidas quanto à dualidade, contaminando este planeta e
consequentemente os seres que aqui vivem. Parte da influência negativa se
manifesta na forma de ilusões, crenças, hologramas e dogmas, gerando o
aprisionamento das almas experienciando o processo Terra, afastando-as
assim da verdadeira energia Divina Primordial. Da mesma forma que os
europeus colonizaram a América e deixaram fortes vestígios de suas
civilizações e problemas culturais, que até o presente momento se fazem
notórios, contaminando as culturas naturais mais antigas da América. O
mesmo ocorreu com os visitantes estelares, que acabaram contaminando e
degenerando muitos aspectos positivos da evolução e da capacidade
consciencial dos humanos da Terra.

Uma das ferramentas mais utilizadas por grande parte das almas nos
mundos de Teta que já estão na busca pela ascensão e reconexão com a fonte
primordial, é o contato com a espiritualidade, embora existam inúmeras
formas de se obter este contato por meio de técnicas, religiões e filosofias de
vida, destaca-se o Magismo que é uma das maneiras mais práticas e efetivas
de acessar as realidades sutis, nos permitindo a interação com o reino Dévico,
que é o primeiro plano sutil paralelo em relação à matéria. Este reino
representa fortes pontos para o despertar da consciência em relação às outras
realidades existenciais e ponte para acesso às outras realidades do espírito.
Exatamente nestas frequências que a hierarquia de Merlin e outros magos
estão assessorando neste momento.
ESCOLAS HERMÉTICAS

oda civilização no decorrer de sua história aprende a


T importância de observar a natureza e com ela aprende e se
desenvolve, entendendo que ela dita o ritmo e as leis da Vida. Seu
estudo é amplo, englobando princípios simples se observados de forma geral
e princípios altamente profundos ao se analisar as proporções da geometria
sagrada ou geometria fractal, que é a própria matemática da vida. Com a
sistematização destes conhecimentos naturais surgem as escolas herméticas,
escolas dos mistérios e escolas iniciáticas. Nos últimos 3,2 bilhões de anos da
história terrestre surgiram centenas de escolas herméticas e entre elas, a
Magia como ferramenta para compreensão e manipulação da matéria e
demais realidades. Em razão da dualidade, muitos magos se perderam na
polaridade e utilizaram o conhecimento sagrado para fins mal qualificados
para manipulação, aprisionamento e escravidão, nutrindo a polaridade,
gerando anomalias e paradoxos que resultaram no fechamento dos portais
naturais interdimensionais entre as realidades dos planos Dévicos e astrais
com os da matéria.

Assim a Escola dos Magos da Estrela Azul foi trazida pelos


descendentes de Sirius há cerca de 1,24 milhões de anos por outras
civilizações que não mais existem dentro da superfície terrena, destinados
apenas às realidades intraterrenas. Essa escola ligada à energia de Sirius e ao
padrão da fraternidade azul, trouxe o poder da criação e da manipulação da
vida no aspecto genético e encantamentos com o reino Dévico para dar
suporte ao universo dos Orixás e dos Ciclopes, que por sua vez, são regidos
pelos Elohins. Essa escola ainda está sob a supervisão dos Elohins, tendo os
Elohins Hércules, Ciclope, Vista, Cristal e Orion, seus hierofantes e
instrutores.

A Escola de Magos Estrela Azul foi uma poderosa loja branca de luz que
existiu por muitos anos na superfície da Terra, que veio dar sustentação ao
trabalho do amado Sanat Kumara. Lembrando que Sanat Kumara chegou à
Terra com a sua equipe de trabalhadores e guardiões da luz há mais de 18,6
milhões de anos da sua contagem linear de tempo.

Antes da chegada de Sanat Kumara já existiam outras civilizações na


Terra, oriundas dos quadrantes de Orionis, Taborian, Andrômeda, Aquatitron
e outros setores relativamente próximos. Eram cerca de 25 culturas, muitas
delas imersas na dualidade da realidade terrena. Estes já vieram como
manipuladores genéticos e colonizadores, fazendo experiências sem amor e
cuidado com as formas animais e humanoides que encontraram. O fato dessas
experiências não sustentarem um propósito amoroso e equilibrado, trouxe à
Terra muitos aspectos negativos para a consciência da mãe Gaia, resultando
em fortes convulsões geodésicas e climáticas.

Sanat Kumara chega à Terra aproximadamente 18,5 milhões de anos


atrás, vindo de forma emergencial para este planeta devido ao ataque
draconiano que devastou o planeta Vênus. Ele chega na Terra através da nave
Shamballa trazendo milhões de seres venusianos e sua chegada culmina na
formação da Fraternidade Branca Universal, unindo e organizando as
diversas hierarquias espirituais planetárias. Elas colaboram para sustentar a
luz nos diversos templos etéricos planetários que enfrentavam grandes
desafios devido ao índice de polaridade e desarmonia crescente causadas
pelas civilizações em desenvolvimento no planeta. De forma ampla, Yaberin
e os demais 143 Entrantes em Teta participam dessa importante etapa da
história planetária.

A prática de magismo e manipulação dos devas da natureza e dos planos


astrais já era comum para muitas culturas do planeta Terra e extraterrestres,
porém as anomalias geradas levaram o Conselho de Sanat Kumara a instaurar
uma polícia astral muito tempo antes de sua vinda. Esta junta policial era
sustentada diretamente pelo Logos Estelar de Arcanjo Miguel, que trouxe
legiões de anjos, Sirianos e outros seres intergalácticos fiéis ao Conselho de
Micah e Emanuel atuando diretamente através da Cúpula de Cristal.

Em oposição à Fraternidade Branca Universal temos a loja da Mão


Negra, que foi uma das maiores instituições representantes da cultura de
manipulação e controle evolutivo, com foco na vampirização e escravidão de
todas as formas de vida que pudessem se tornar produtivas. Esta loja na Terra
possui essa designação pelos Magos, mas no cosmo é denominada de Ordem
do Dragão Negro, que foi criada pelo Filho Paradisíaco Sarathen dentro da
galáxia Arconis, que pertence ao conjunto de Teta/Naoshi, assumindo muitos
projetos. Entre eles, a invasão dos Xopatz em dezenas de galáxias, incluindo
a Via Láctea e uma guerra ferrenha contra os 144 Mestres Entrantes e a maior
parte das civilizações com o genoma de Micah.

Poderíamos dizer que a Loja da Mão Negra é originária de Sarathen-


Anhotak, que é a representação estelar do Anticristo em muitas culturas, além
de ser o pai direto da entidade denominada entre nós como Satã. Essa loja é
uma das maiores, pertence à grande ordem secreta dos Iluminattis, é a mais
antiga, mas pouco conhecida, renomeada por várias questões políticas no
decorrer dos milhares de séculos da sua presença aqui na Terra.

Aliado à Loja da Mão Negra temos a Loja e sociedade secreta do Dragão


Negro de Orion. Essa sociedade é na verdade uma antiga representação dos
rebeldes Draconianos e outras raças ligadas à sua poderosa estrutura cultural,
que representam uma estrutura social colonizadora e escravagista em muitos
mundos, inclusive na Terra. Muitas das antigas divindades que impunham
sua superioridade e escravidão sobre raças inferiores, estavam ligadas a essa
sociedade imperialista. Dessa grande loja, surgiram muitas derivações que
alçaram seus tentáculos para todos os planetas com alta taxa de dualidade, o
que levou à grande guerra com a Federação Intergaláctica e posteriormente
ao conflito bélico com a própria Confederação Intergaláctica.

A Sociedade do Dragão Negro de Órion serviu de ponte para a loja da


Mão Negra chegar ao planeta Terra. A primeira se propagou dentro do
processo cultural dos extraterrestres que estavam encarnados na Terra dando
continuidade ao império estelar e com o tempo, os draconianos foram se
infiltrando e se apoderando de muitas sociedades secretas que inicialmente
tinham como objetivo sustentar a luz e o conhecimento libertador.

Dentro da escala atual de poder entre as diferentes lojas internas dos


Iluminatti, temos importantes lojas secretas e herméticas, que deveriam dar
sustentação à nossa sociedade de forma a elevar sua evolução para uma nova
ordem mundial, porém elas foram severamente manipuladas pelos dirigentes
da Ordem Negra há muitos anos, entrando em confronto de interesse direto
com as Lojas Brancas. Com o objetivo de corrigir estas anomalias surgiram
sociedades que representam desdobramentos das iniciais, como por exemplo
a Ordem da Mão Vermelha que procura resgatar e resguardar muitos
conhecimentos que se perderam no tempo e outros que ainda devem ser
preservados e escondidos pela falta de maturidade e discernimento da
humanidade, em especial dos aventureiros do magismo, que entraram no
modismo sem responsabilidade e sem medir as consequências dos
desdobramentos que ocorrem com os pactos espirituais na magia, sem um
conhecimento pleno do que de fato estão fazendo, causando a reativação de
antigos contratos, levando à confusão e mais uma vez à total desordem da Lei
Universal e da Lei Cármica da Terra.

Hoje, algumas das lojas secretas estão diretamente ligadas à estrutura


econômica mundial e manipulações financeiras para manter a humanidade
sob total controle. Todas elas ligadas às antigas lojas herméticas, onde o
magismo faz parte de sua base milagrosa, onde a manipulação do plano astral
e Dévico representa uma fonte rica de poder. Dentre estas podemos destacar:

CONSELHO DOS 13
CONSELHO DOS 33
COMITÊ DOS 300
ORDEM TRILATERAL
B’NAI B’RITH
GRANDE ORIENTE
RITO ESCOCÊS
LYONS
ROTARY
GRAUS JOANINOS
FRANCO MAÇONS
ILUMINATTIS/IMPERATOR
ROSA CRUZ
GOLD DAWN

Essas lojas controlam a economia mundial há muitos anos e muitos de


seus dirigentes são membros secretos das lojas herméticas que praticam o
magismo como fonte de poder e controle da consciência humana e da
sociedade há muitos séculos.
A Loja da Mão Negra foi uma das lojas que iniciou o processo de
expansão dentro de muitas linhas religiosas há milhares de anos. Ela existe
muito antes da civilização Atlante ter se estruturado como uma grande
sociedade, pois os seus sustentadores eram os próprios seres exilados das
guerras estelares na Terra, que em nossas antigas civilizações e suas
mitologias representam os Deuses. Com esse histórico podemos compreender
um pouco mais nossa situação mundial e social atual, consequência do mal-
uso do conhecimento e das energias que foram inseridas pelas pessoas que
utilizaram o conhecimento das lojas de magismo para controlar e manipular
as pessoas, por interesse próprio sem nada construírem de positivo e
harmônico para o todo.

Por ser influente, a Ordem da Mão Negra conseguiu estender sua energia
vil a toda ordem de Seres, conseguindo contaminar até mesmo almas puras e
ingênuas através de falsas promessas. Uma vez dada a abertura, essa
hierarquia planta as sementes do ódio e ganância que são as principais formas
de se corromper os seres inseridos nos universos de dualidade. A partir de
alguns seres envolvidos com esta energia de perversidade, todo o contexto
social e cultural começa a ser também corrompido, lembrando que a energia
da manipulação elemental e astral pelo viés negativo provoca anomalias no
fluxo equilibrado e harmônico destes planos, gerando questões ainda mais
profundas de serem resolvidas.

Os pactos que foram e são feitos em regiões astrais geram o acúmulo de


energia densa, gerando nichos deste padrão vibratório. Como conhecido,
temos as regiões umbralinas como o vale dos suicidas, colônias de
dependentes químicos, colônia dos magos negros, réplicas umbralinas de
civilizações e locais terrestres totalmente sustentadas pelo ódio, disputas de
poder e magismo sustentando realidades paralelas da nossa vida material.

Conectado a isso, a Ordem dos Iluminatti a qual nos referimos, é muito


mais antiga e teve a sua origem nos Iluminados da civilização Lemuriana e
Atlante, que eram decorrentes da ordem do dragão que dividiram sua linha de
atuação com a Loja da Mão Negra. Nessa época as Almas exiladas de Capela,
Tau Ceti, Nibiru, Alcione, Plêiades, Sirius, Orion, Arconis e outros sistemas,
acabaram encarnando na Terra e gradualmente ocupando locais importantes
nos planos de longo prazo de dominação da Ordem da Mão Negra no poder
político e das Escolas de Magia da humanidade.

A fim de corrigir as anomalias, a Loja da Estrela Azul iniciou uma


forte sustentação de energia para que poderosos magos de amor e luz
pudessem vir para atuar na realidade material da Terra, através do processo
encarnacional. Foram enviados mais de cinco milhões de mestres iluminados,
que aceitaram a incumbência de dar sustentação e trazer o conhecimento para
as civilizações que aqui existiam. Com isso originou-se um dos ciclos
evolutivos dentro das escolas secretas de magismo entre as duas facções da
dualidade. Muitos dos atuais magos, feiticeiros, bruxos e sacerdotes se
encontram dentro deste contexto há milhares de anos.

Uma das principais formas de corrigir os desvios é o trabalho realizado


nos corpos sutis, onde estão os maiores registros de manipulação e
dominação pelo magismo, além dos registros das realidades paralelas e
inserção de hologramas. Seres como Akhenáton, Amenotheph, Thot, entre
outros, atuam como instrutores ensinando a curar e recodificar estes registros
a fim de resgatar as consciências aprisionadas ou perdidas na linha do tempo.
Algumas das técnicas ensinadas por estes seres são: Reiki, Shiatsu,
Acupuntura, etc.

Yaberin passou por ambas as escolas através de desdobramentos em


Yakon para compreender estas realidades e suas sobreposições, para
desenvolver os projetos de ajuste junto às almas nestas linhas evolutivas de
consciência. Em cada efusão que a alma desenvolve, ela é naturalmente
inserida em um contexto consciencial, social, limitações, dogmas e valores
impostos pela moralidade e, dentro destes padrões, se formata uma nova
percepção e compreensão do universo dentro da realidade racional e intuitiva.
Este processo é muito rico em experiências, porém as pessoas acabam
tomando muitas decisões erradas para quem as avalia externamente. Esta é
uma das questões mais complexas ao se criticar alguém, pois estamos
analisando a situação externamente com um outro prisma e muitas vezes é o
próprio estudante que define as situações a serem vivenciadas de acordo com
o alcance de sua consciência, acreditando estar tomando a decisão correta.

A dualidade observada pelas efusões de alma está atrelada diretamente


aos corpos sutis utilizados, pois estes armazenam registros das Formas-
Pensamento e Formas-Sentimento que se conectam ao processo endócrino
e bioquímico humano e às experiências vividas polarizadas pelos dogmas e
hologramas sociais e espirituais. O que gera o efeito de paradoxo temporal
através da mecânica reencarnatória nos níveis multidimensionais, causado
pela ampla gama de experiências proporcionadas ao espírito, que dentro desta
forma evolutiva tenta buscar o sentido de Cocriador que acaba
obrigatoriamente se chocando com a questão do Poder pelo Poder sem
equilíbrio, pois cada ciclo possui uma percepção distinta da anterior ou das
paralelas.

Muitos testes que os magos ou aprendizes precisam enfrentar estão


relacionados à disciplina que cada um precisa ter nas tomadas de decisão em
suas diferentes etapas pessoais. Isso tem reprovado muitos estudantes e
sacerdotes, mas aqueles que optam pelas lojas negras do poder e do ego,
acabam sendo traídos pela ganância e entram em outros laboratórios de
experiência, ficando totalmente submetidos às mãos negras do seu próprio
lado obscuro. Como o estudante não possui a mestria sobre sua própria
dualidade, ele é presa fácil do ego, ganância e poder. Assim, dentro dessa
jornada, a estrutura moral e ética de uma alma representa uma grande chave
para definição do caminho que a pessoa irá realmente trilhar dentro da
dualidade que traçou para si. Estes aspectos fazem parte de cada ciclo
encarnacional de acordo com a percepção que se faz do Poder, e muitas vezes
o lado obscuro do poder acaba sobrepujando o aspecto harmônico em muitos
seres. Esta condição acabou se revelando mais intensa e delicada nas Almas
criadas pelos Logos Cósmicos e Filhos Paradisíacos da linhagem de Anhotak,
Sarathen e pelo grupo inicial que são cerca de 72 grandes Filhos Paradisíacos
do Conselho Criacional, anterior à chegada da energia e proposta evolutiva
Micahélica que representa a vibração Crística do Amor Incondicional. Dessa
forma, essas Mônadas tinham uma programação de Odu ou código genético
cósmico de escravidão e submissão ao poder, que acabou sendo inserido na
maior parte das espécies mais antigas da linhagem dos reptilianos e
insectoides, que são bem anteriores às matrizes mamíferas e posteriormente,
nas humanas e humanoides.
O MAGO YABERIN

trajetória do nosso personagem representa uma aula sobre


A muitos questionamentos que fazemos sobre as dificuldades da
Terra e do porquê de tanto sofrimento, além das principais dúvidas
sobre os Comandos estelares e as chamadas hierarquias do plano espiritual
não interferirem nas injustiças sociais humanas, disputas de poder e ego,
opressão sobre os mais carentes, entre outros aspectos questionados desde os
remotos impérios do Egito, Roma, Pérsia, Suméria e tantas outras
civilizações onde existiram diferenças sociais caracterizadas de uma forma
profunda pelo sofrimento causado geração após geração. Muitos de vocês,
leitores deste material, irão perceber uma movimentação e estabelecer uma
nova percepção em sua caminhada, pois será como um espelho refletindo
muitas de suas escolhas, ações e tarefas dentro das escolas de evolução não
apenas da Terra, mas nas atuais Federações Estelares, que estão observando o
processo evolutivo das Almas em aprisionamento na Terra nos últimos
90.000 anos com foco nas cargas mais densas dos últimos 20.000 anos,
definindo padrões mais complexos na dualidade devido à presença de almas
conturbadas, os denominados exilados.

O aprendizado da consciência de Yaberin foi similar a muitos de vocês,


passando pelos diferentes reinados, civilizações terrestres e estelares, além
dos ciclos encarnacionais relevantes na Terra antes e após o Dilúvio, quando
a destruição e a total ignorância se instalaram no planeta e nas principais
sociedades que sofreram a influência nociva da disputa de poder entre
Inanna, Marduk e os outros Anunnakis. Estes estavam divididos entre os
Arcontes Rebeldes e os Arcanjos fiéis a Enlil e a Enki, formatando uma nova
era religiosa de submissão aos Deuses, que resultou na divisão das sociedades
em castas sociais, quando maioria dos envolvidos acabou contraindo
contratos com esses seres acreditando que eles eram a Fonte Primordial ou
simplesmente os Deuses citados nas antigas escrituras. Dentro deste processo,
os seres envolvidos optaram por ciclos de vida na fisicalidade e no plano
astral com base nesses contratos e nos dogmas religiosos que foram inseridos
no contexto psíquico da nova humanidade que tinha sobrevivido ao Dilúvio e
à destruição causada pelas mudanças geológicas, orbital e com o
posicionamento definitivo da lua na órbita mais próxima da Terra.

Yaberin, no início do seu despertar de consciência ainda no planeta


Yakon, vivenciou uma época onde o plano Dévico de seu mundo mantinha
um estreito contato com a realidade dimensional na qual ele vivia. Com isso,
os laços de comunicação eram muito mais diretos e possíveis. Na verdade, a
questão é mais complexa, mas vamos simplificar. O planeta Yakon é um
mundo multidimensional assim como a Terra e todos os outros, pois não se
pode separar a Energia Escura, Matéria Escura da Matéria Bariônica,
pois todas estão diretamente inseridas umas nas outras através das bandas de
energia de matéria e de antimatéria pelas Bandas Brana, que foi proposto
pela Teoria das Supercordas. Então, quando uma Alma acessa o mundo
mais denso denominado de material pela humanidade, dentro de sua limitada
percepção sobre a matéria x energia, as conexões entre cada plano vibracional
não se perdem, mas continuam existindo como sempre vão existir. No
entanto, a consciência de um ser é afeta da pela capacidade de observação e
pelos limites do corpo que utiliza para obter a experiência encarnacional
dentro do conceito dos cinco sentidos humanos: visão, audição, tato, paladar
e olfato. Além desses cinco básicos existem outros, que incluem a captação
eletromagnética da aura do átomo, frequências psíquicas da radiação de
fundo, frequências psíquicas das outras Almas dentro dos demais reinos da
vida e da expressão da energia condensada dentro dos diferentes níveis da
matéria e da antimatéria. Tudo isso passa totalmente desapercebido aos
sentidos da humanidade, limitando sua percepção sobre a vida e sua
sensibilidade. Dessa forma, cada Alma ou conjunto de Almas, quando
escolhe uma raça para viver seu período de experiências encarnacionais, fica
atrelada a parâmetros limitantes dentro de um ciclo de encarnações ou tempo,
gerando gradualmente os pré-conceitos e ao mesmo tempo a necessidade de
evolução, que em termos de tempo para a percepção de muitas raças, pode ser
lento.

O planeta Yakon possuía características interessantes de interação entre


diversas dimensões e realidade em paralelo, que serviram como uma
fantástica escola de base para Yaberin em sua trajetória até sua
transcendência para outras moradas, até atingir a maturidade e iniciar sua
verdadeira jornada de alma como membro do Comando Central da Supra
Confederação.

O contato direto com diversos reinos Dévicos e seus representantes


equivalentes aos gnomos, salamandras, sílfides, ondinas e outros que davam
sustentação aos processos da fauna e flora, representavam a base da cultura
religiosa da sociedade de Yakon naquela época. Todos os habitantes de
Yakon sabiam que a sobrevivência e sustentação ambiental do mundo deles
era em parte regida pelos elementais Dévicos. Além dos aspectos simbióticos
geológicos e orbitais com as três luas desse mundo que davam uma perfeita
sustentação eletromagnética e espiritual entre as realidades astral e física. O
reino Dévico deste planeta, semelhante à Terra, possui quatro reinos de base e
um quinto reino denominado por nós de Éter e esse, por sua vez, sintetizava
as interações nucleares e psíquicas dos outros quatro reinos de forma a criar
um vínculo emocional com a realidade material.

O mesmo processo de conexão consciente com o reino Dévico ocorreu


na Terra há milhares de anos como vemos em nossas fábulas, a exemplo do
livro de Tolkien e sua saga O Senhor dos Anéis. Lembrando a todos que nada
é inventado, mas sim captado/canalizado de linhas temporais através das
experiências que cada um de vocês já teve e ainda está tendo em planos
paralelos. Para a Alma e para as esferas superiores o fluxo do tempo não é
linear como para os humanos, permitindo vivenciar inúmeras situações
simultaneamente em tempo zero e ter a percepção de cada uma delas como
uma escala dentro de uma régua.

Na estrutura dos elementais temos diferentes reinos sob a tutela de um


reinado inteligente, que no caso da Terra é regido pelas divindades
denominadas Orixás Primordiais. As falanges dos Orixás representam um
forte vínculo com esse quinto elemento etérico de sustentação e equilíbrio
dos 4 reinos básicos, semelhante a muitos outros planetas em etapas
evolutivas similares às da Terra. Assim o nosso instrutor Yaberin começou a
sua jornada pelo universo do magismo, dentro de uma realidade onde o
contato psíquico e mediúnico com outros planos era corriqueiro. Os
ensinamentos sobre esse reino eram basicamente passados dos pais para seus
filhos e destes igualmente pelas tradições, como ocorreu aqui na Terra dentro
de algumas culturas, como é o caso da Inca, Maia, Hinduísta, Hebraica,
Egípcia, Persa, Celta, Grega, Xamânica e tantas outras em seus primórdios.
Ao completar a infância, tendo conhecido os fundamentos básicos sobre as
culturas primitivas, Yaberin inicia um novo ciclo voltado à compreensão da
dualidade, disputas de poder e à relação da mente versus matéria em suas
diferentes vibrações. Dentro desta fase ele começa a aprender a manipulação
dos elementais dentro da magia, ativação de portais e transposição de
dimensões, o que o deixa fascinado, assim como muitos outros magos antes
dele.

Yaberin sabia que muitos dos segredos estelares estavam inseridos nos
reinos do magismo, onde existiam relatos de outras civilizações mais antigas
que utilizavam Portais para se locomover entre as estrelas. Essa lembrança
estava presente não apenas no subconsciente de Yaberin, mas na sua mente
intelectual, pois ele não tinha ficado aprisionado nos hologramas
encarnacionais como as outras Almas, mas precisava entender e vivenciar
esses processos, para as escolhas e funções que viria milhares de anos depois
exercer perante alguns reinos estelares, que têm total relação com você que
está lendo este material. Como Yaberin pertence a uma Mônada que por
natureza é aventureira e suas outras almas gêmeas também estavam dentro
dessa jornada em outras realidades, algumas delas muito além da
possibilidade consciencial de Yaberin, existia um impulso interno psíquico de
seguir suas outras parcelas. Um instinto interno de se unir aos seus outros
fragmentos que já trilhavam o caminho das estrelas e do magismo há muito
tempo. Portanto, Yaberin ao despertar para essa nova necessidade interna,
deu início aos estudos dentro do magismo sobre os reinos paralelos e templos
herméticos onde se ensinava magia. A escola onde ele iniciou representava
uma filial da Ordem da Estrela Azul Púrpura, que era sustentada pela
hierarquia espiritual filiada a Metraton e à ordem de Thoran, que é uma
sucursal da ordem de Melchizedeck e de Thot-Han.

Um fator importante a ser novamente colocado é que Yaberin não


possuía na verdade Almas gêmeas ou mesmo Fractais de alma como os
outros. Situação que nessa fase de sua caminhada ele ainda não tinha ciência,
pois os outros irmãos do grupo dos 144 Mestres Entrantes estavam e ainda
estão interligados por uma consciência maior do Conselho dos 28
Comandantes da Supra Confederação, que possuem uma bagagem cósmica
no plano dos Superuniversos. E esse registro estava inserido dentro de cada
átomo de Yaberin. Por esse motivo ele sabia que teria sempre que continuar
adiante e não se limitar pela matéria, precisando retornar à Fonte Primordial
mesmo que não a entendesse ou a conhecesse, mas essa necessidade estava
impregnada dentro dele, assim como nos outros 143 Mestres Entrantes e na
maior parte das Almas e Mônadas inseridas no programa Micahélico, o que
coloca você leitor dentro da mesma questão.

A Escola Azul Púrpura ou Apur como também era chamada,


representava uma das 7 grandes escolas iniciáticas que mantinham pequenos
grupos de estudo através da meditação e ensino da manipulação extra-
sensorial, uma vez que esse povo tinha muita facilidade no uso de dons
paranormais, pois o mundo deles não possuía a barreira de frequência que a
Terra possui. Isso foi um ponto muito importante no desenvolvimento
acelerado de muitos prodígios dessas escolas, que em pouco tempo migraram
para outros mundos para aprender e ensinar, além de inserir padrões
religiosos equilibrados dentro da algazarra que se instaurou em muitos
mundos com o mal-uso dos dons paranormais e das técnicas de magismo.

Durante muito tempo seres dotados de altas capacidades sensoriais como


telepatia, telecinésia, teletransporte e outros dons de controle da matéria,
abusaram de culturas que não possuíam essa capacidade, o que gerou muitas
guerras pela posse territorial e planetária devido a questões comerciais de
mineração e obtenção de recursos minerais para a indústria estelar. Já há
milhares de anos Yakon é um mundo pertencente às federações, porém na
época de Yaberin ainda não era, mas já apresentava forte tendência a isso
pelo fato de sua sociedade não ser politeísta e ser racialmente pura. O que
ajudou essa sociedade nas etapas iniciais de evolução e contato com outras
realidades. Em outras palavras, a sociedade que existia no planeta Yakon do
ponto de vista físico e astral, estava inserida em uma raça primordial única
sem maiores diferenças de etnia racial e com almas provenientes diretamente
de outros mundos pacíficos ou das Federações do conjunto de Teta ou
Naoshi, sem um histórico de dualidade agressivo como é a situação da Terra,
onde existem Almas com o mais amplo registro histórico encarnacional, além
dos exilados com carga extremamente negativa por suas ações e percepção
dos registros encarnacionais, o que complica muito mais o desenvolvimento e
o despertar de consciência da humanidade terrena.

O mentor pessoal de Yaberin no início de seus trabalhos, foi o Mestre


Kanobian de Asturian, um monge que já apresentava idade avançada e
relativa imortalidade, levando em consideração que a expectativa de vida do
povo de Yakon era de aproximadamente 470 anos, o que equivale em média
a 168 anos terrenos. Dentro dessa expectativa de vida, onde a maturidade
pessoal de cada habitante ocorria por volta de 34 anos da escala de tempo
deles, restava uma boa parcela de tempo para os estudos e se tornar útil à
sociedade, que em geral apresentava uma linha socialista comunitária. A
sociedade do planeta Yakon não era consumista e não existia o poder
monetário absolutista que existe na Terra. Portanto, não existia a ganância
pelo dinheiro ou poder, mas restava o poder do conhecimento e da
manipulação através das capacidades e dons extra-sensoriais, o que
contribuiu com o tempo para a inserção deste planeta nas Federações. Em
geral, essa sociedade acabou se tornando telepata naturalmente e altamente
sensitiva nas esferas de 3D a 7D, situação que era ensinada pelo Mestre
Kanobian, que esteve presente em muitas esferas da caminhada dos 144
Mestres Entrantes, por ser um desdobramento direto de Metraton, oculto na
linha encarnacional em muitos planetas das Federações.

Kanobian representava um monge com mais de 3.600 anos da escala de


tempo deles, devido à sua condição de Monge sacerdotal que dominava as
técnicas de recuperação genética através do uso de ervas e compostos
encontrados nos templos subterrâneos. Esse era o foco de Yaberin: descobrir
o que eram os templos subterrâneos que as lendas mais antigas diziam
pertencer aos criadores do seu mundo. As lendas diziam que um povo das
estrelas, de um outro universo, de uma dimensão superior, tinha deixado
sementes para que sua raça surgisse e que a morada com a capacidade de
locomoção entre as estrelas estava escondida no subsolo. Ele sabia
internamente que os Portais utilizados pelo Mestre Kanobian e outros,
representavam uma entrada secreta para esses templos secretos. Os próprios
elementais da natureza transmitiam esse conhecimento, mas nunca revelavam
como e onde ativar esses Portais. Nesta fase da vida de Yaberin e de muitos
outros estagiários aos mundos da alta magia, eles estavam focados no
amadurecimento interno, pois para poder acessar esses Portais e visitar outras
moradas, era necessário transcender o que já se tinha vivido e compreendido,
passando para um estágio superior de consciência. Portanto, a abertura desses
Portais estava condicionada à frequência da Chama Trina e à consciência de
cada aluno que estava sendo constantemente treinado e testado.
Assim, parte da caminhada de Yaberin foi motivada pela curiosidade de
conhecer esses mundos e realidades paralelas onde ele sabia que encontraria
respostas a muitas outras questões que os devas não sabiam. A estrutura
relativa ao grande Elohim do Universo como fonte criadora, era um aspecto
interessante que permitia a sustentação do monoteísmo, mas também era dito
pelos antigos sacerdotes que a vida existia em outros mundos e que outros
Elohins tinham escolhido outras moradas para semear a vida. Chegaria um
momento quando os filhos dos Elohins deveriam se encontrar e trabalhar
juntos com a designação de dar continuidade à evolução e semear novos
mundos. Isso era um consenso geral para muitos habitantes de Yakon, mas
não era uma premissa para esse povo. Eles aguardavam que no momento
certo da capacidade tecnológica, eles poderiam alçar voo para outros mundos,
no entanto a cultura deles ainda tinha muito o que explorar em seu próprio
mundo.
A INICIAÇÃO

aberin deu início à sua busca pelos portais secretos, tornando-


Y se discípulo de Kanobian através de uma série de testes de
disciplina e capacidade matemática de raciocínio, um aspecto
importante dentro das escolas de magismo — a capacidade analítica e
matemática, para poder rapidamente tomar decisões e reconhecer situações
mais complexas. Gradualmente Yaberin passou pelos testes e foi aceito
dentro da ordem da Estrela Azul púrpura através da energia de Apur, onde
deu início sua jornada pelos conhecimentos referentes ao universo paralelo
dos devas. Dentro do processo que ele passou teve as iniciações com cada
elemento. Inicialmente a pessoa passa pela iniciação do elemento terra, onde
o conhecimento das ervas, raízes, plantas, devas desse elemento são
gradualmente passados para o aprendiz e ele tem que aprender a se comunicar
e adquirir a capacidade de controle e manipulação harmônica. Uma simbiose
controlada entre os devas e elementais da terra com o mago, devem ser
aprendidas para manter o equilíbrio e gerar uma linha criativa de
comunicação, onde ambos passam a trocar informações. O tempo de cada
iniciação e passagem pelos elementos pode variar entre vários anos a uma
vida toda, de acordo com as etapas internas que o aprendiz resolva efetuar, ou
mesmo a aceitação do Deva central de cada elemento em relação à energia
pessoal do aprendiz. Nem sempre existe uma ressonância total entre o reino
escolhido e o aprendiz e isso muitas vezes está relacionado a distorções
pessoais, traumas ou mal-uso dos devas em vidas anteriores, um processo que
tem que ser limpo e nem sempre é totalmente superado. Yaberin, no entanto,
foi aceito para passar pelas 7 iniciações do elemento terra.

Cada iniciação do elemento terra representa a capacidade de


comunicação simbiótica com determinadas plantas, que são chaves na
natureza por aspectos de poder apresentados por seus devas. Assim as
pessoas entram em contato com o elemental da planta que está sendo
trabalhada, apreendendo sobre ela e recebendo códigos de suas funções e
utilidades perante os outros reinos e sobre os seres vivos. Aqui nasce a
linhagem medicinal dos magos através da comunicação com os Devas das
Plantas. Yaberin aprendeu nas 7 iniciações a travar contato harmônico com
os devas de poder de determinadas plantas chaves. Outro aspecto interessante
é aprender a manipulação geral das ervas para remédios e poções mágicas de
ordem alucinógena. Essas ervas alucinógenas deixam as pessoas em estado
de transe e propiciam a condição de projeção astral e mental pelos outros
reinos, prática muito comum em muitas escolas herméticas aqui na Terra. A
condição de contato com os devas que possuem personalidade individual
como gnomos, duendes, devas protetores e ermitões Dévicos, também fazem
parte das iniciações. Este contato psíquico e elo mental e emocional entre os
alunos e as ervas alucinógenas é um tema delicado onde mais de 80% dos
alunos são reprovados na Terra, pois baseia-se na questão que não é levada
em consideração: os preparativos de limpeza antes das iniciações com esses
alucinógenos, pois eles ativam o aspecto emocional e mental de seus
utilizadores, extrapolando o positivo ou o negativo que esteja em seu campo
áurico ou mesmo pelo quadro obsessor. Portanto, se a pessoa ou aluno não se
limpar espiritualmente antes de uma técnica como essa, acabará manifestando
a interferência desse quadro obsessor ou de simples miasmas, gerando uma
experiência onde as dores, vômitos, tonturas e a percepção do umbral será
normal. Já um aluno que tenha se preparado de forma adequada e
devidamente orientado terá uma experiência maravilhosa e de alto nível
vibracional.

Assim Yaberin teve que passar pelas sete etapas do conhecimento e do


intercâmbio de energia com os devas das plantas e do reino vegetal:

1. Conhecer as ervas de poder e sua condição química no organismo.


2. Contatar o elemental de poder das ervas chaves da natureza.
3. Trabalhar com ervas medicinais na preparação de poções mágicas.
4. Preparação das ervas alucinógenas e contato com o elemental de poder.
5. Intercâmbio psíquico e intuitivo com os devas guardiões.
6. Manipulação das egrégoras psíquicas dos devas e elementais da terra.
7. Criação de elementais e devas nas realidades paralelas da terra.

Essas são basicamente as sete etapas iniciáticas que o aprendiz tem que
dominar com total mestria, além de outras mais avançadas que
complementam os 12 níveis do mestrado do elemento Terra. As outras etapas
estão ligadas à capacidade do aprendiz de transportar sua mente e corpos
astrais para dentro dos elementos cristalinos da terra como cristais, rochas e
plantas. O aprendiz passa a atuar de dentro do elemental e deva, como um
parceiro e Cocriador e passa a ser reconhecido como um mestre criador. As
etapas seguintes são muito difíceis e poucos os aprendizes que conseguem
passar por elas. Mas são etapas básicas e preliminares para o aprendiz que
deseja entrar na linha de magismo para a cadeira de Merlin, Thot,
Melchizedeck e Lanonadeck. Essas quatro categorias de magismo que
exigem a capacidade de cocriação do mago, são as mais difíceis e
normalmente reprovam cerca de 97% de seus praticantes devido à maturidade
e alta capacidade consciencial.

Cada uma das quatro categorias é equivalente e permite ao mago


ascensionar para as esferas crísticas e do Eu Sou como um mago branco, mas
também lhe oferece o conhecimento do cosmos através do poder do espírito,
sem a necessidade da tecnologia material. Por esse motivo são poucos os
seres que seguem esse caminho, ainda mais nas dimensões mais densas.
Normalmente os aprendizes passam pelas provações quando já habitam
realidades de 6D para cima, pois abaixo disso é muito difícil. No entanto,
alguns já conseguiram como o Mestre Saint Germain, na forma do Mago
Merlin. O conhecimento que essas quatro cadeiras iniciáticas fornecem é de
grande alcance, ligado aos seres iluminados que conseguem superar as
limitações da matéria e da consciência com as limitações de cada corpo. São
pessoas que conseguem expandir a mente e os outros corpos e atravessar o
universo com os corpos sutis. São muito mais do que projetores, pois eles
compartilham as altas esferas das dimensões superiores de consciência,
podendo interagir com outras realidades espaciais e espirituais. Para se atingir
esse grau de capacidade e conhecimento, o mago passa diversas encarnações
estudando e se dedicando ao aprendizado e à superação das limitações de sua
consciência material. Cada uma das quatro categorias tem um significado
estelar e relação com a grande fonte dos Anciões de Dias e Conselho
Cármico Estelar.

Yaberin deu início às etapas mais simples, pois elas lhe conferiam menor
tempo de estudos e poderia abranger outros conhecimentos de forma mais
ampla sem maiores aperfeiçoamentos, pois ele sabia que no decorrer das
outras encarnações e com o amadurecimento poderia ainda alcançar esse tipo
mais avançado de estudo. Ele queria inicialmente conhecer de tudo um pouco
e gradualmente fazer as suas escolhas. Aliás, uma medida importante e
ponderada, que demonstra baixo gradiente de ganância, pois ao conhecer de
forma geral outros aspectos do universo do magismo, a pessoa adquire maior
diversidade de capacidades e o amadurecimento acaba sendo direcionado
pelas iniciações.

Dessa forma, Yaberin gastou cerca de 1/3 de sua vida passando pelas
sete iniciações do elemento Terra, adquirindo plena capacidade de
manipulação desse elemento. Após essa etapa árdua que lhe rendeu muito
conhecimento e exigiu muito esforço contra as interferências emocionais de
suas encarnações anteriores que deixaram suas marcas, Yaberin passou a
trabalhar as iniciações e conhecimento dos outros elementos. Dentro das sete
iniciações do elemento Terra se aprende muito dos outros elementos devido
ao intercâmbio necessário para conseguir efetuar as manipulações, ainda mais
pelas poções mágicas e tratos de poder com os devas. Neste ponto existem
muitos aspectos que se assemelham ao Xamanismo que é praticado aqui na
Terra.

Um adendo importante é a importância das ervas de poder denominadas


de alucinógenas dentro de muitas escolas iniciáticas não apenas na Terra, mas
em muitos outros planetas e suas respectivas sociedades. Na verdade, a
função básica dessas ervas é abrir o campo sensorial do aluno para outras
dimensões. E com essa abertura forçar um despertar de consciência e
entendimento do universo invisível à sua volta. Não é uma questão de
hipnotismo ou mesmo de vício narcótico, mas uma expansão real dos
sentidos e da comunicação com outros planos além da frequência normal do
veículo corporal que se está empregando em cada realidade dimensional de
um planeta. Os Magos usam essas técnicas para acelerar o despertar de seus
alunos e com isso estimular a caminhada em direção às demais dimensões, os
ensinando a deixar o corpo físico e dominar os outros corpos sutis além do
astral conforme a escala de cada raça estelar dentro de seu mundo e contexto
espiritual.

O elemento Fogo foi a segunda linha que Yaberin procurou desenvolver


em seus estudos, seguido dos elementos Água e Ar. Assim ele passou a
trabalhar seus corpos paralelos dentro do esquema de sustentação energética
da matéria. O Fogo possui uma capacidade de encantamento devido ao poder
de interação intracelular das salamandras e de outros elementais menores que
existem dentro das próprias salamandras.

Neste ponto o aluno aprende a fazer diversos intercâmbios com os outros


elementos de forma mais rápida, pois a base de tudo é aprender a trabalhar
com os elementos da Terra, que dão a sustentação geral aos outros reinos.
Assim quando o mago consegue passar pelas iniciações mais severas do
elemento Terra e aprende a transpor sua consciência para esses devas, o
restante se torna fácil e rotineiro.

Cada iniciação passa por diversos aspectos do despertar da consciência


do aprendiz, quando ele precisa aprender a trabalhar com a intuição e com a
percepção sensorial em relação aos elementais e ao foco que lhe foi instruído
a trabalhar. A forma pensamento é muito importante como ponto focal das
energias psíquicas e mentais que o aluno deve produzir e aprender a
direcionar de forma controlada. Nesta etapa, o aprendiz deve aprender a
manter a mente limpa, apenas direcionando os pensamentos para sua missão
ou foco. Uma das etapas mais difíceis, devido ao alto grau de concentração e
disciplina mental e emocional. Todos os corpos acabam interagindo uns com
os outros, o que dificulta muito quando não se possui disciplina. Essa
disciplina é dada pela meditação, exercícios mentais e físicos, onde a Yoga,
Chi Kung e Tai Chi, por exemplo.

Na primeira fase das iniciações do elemento Terra, o aprendiz tem que


ficar em meditação durante pelo menos 48 horas, se interiorizando com as
energias dos elementais da selva, buscando contato mental e psíquico
sensorial com os Elementais de poder das plantas e devas desse elemento.
Dormir ao relento, efetuar trabalhos na lama, contato com cerâmica e com
argila são importantes para se ter controle sobre a criação com esse elemento
e compreender a utilização dos cristais que constituem a terra e argila. Após
esse processo, o aprendiz tem que trabalhar em cavernas, meditando e se
projetando dentro delas para conhecer o interior do globo planetário, onde ele
aprenderá a contatar outras entidades que também convivem dentro da
realidade desses elementos. Essa etapa mais profunda normalmente é
desenvolvida antes das sete primeiras iniciações, pois muitas vezes fazem
parte do desafio interno do discípulo.

O discípulo sente que possui a capacidade de desenvolver essa etapa que


o ajudará nas outras etapas básicas, uma vez que em todas as etapas
seguintes, o dom de controlar o desdobramento astral e mental ou exomatose
será necessário para o mago desenvolver suas funções. Nesta etapa, o
discípulo tem que se fundir totalmente dentro da terra e de cavernas para
aprender a superar a claustrofobia, comum pelo medo de morrer soterrado.
Quando o aluno aprende a se fundir e comunicar-se com os elementais da
terra, ele se funde com essa consciência e compartilha a sua energia,
superando assim as limitações do corpo físico que pode ser soterrado. Esse
processo em projeção é importante para superar o medo e ganhar também o
reconhecimento dos elementais e devas da terra. Essa etapa também é
importante para desenvolver a capacidade de comunicação com os devas dos
cristais, que normalmente atuam em uma outra oitava bem mais aprimorada e
de difícil comunicação.

No elemento Fogo, a pessoa precisa passar por um processo onde além


de controlar as chamas, deve entrar em total comunicação com seu fogo
interior, onde a kundalini tem que ser totalmente trabalhada e controlada ao
ponto de ativar todos os centros neurológicos do corpo. Cada discípulo deve
trabalhar essa etapa interna ao longo de muitos anos. No que se refere ao
Elemento Fogo Dévico, o aprendiz tem que controlar as chamas com o poder
dos mantras e do pensamento. A capacidade de projeção mental e astral
também é fundamental para poder dar sustentação aos processos de
comunicação. O aprendiz tem que aprender a entrar na essência da chama e
se tornar uma salamandra, compartilhando dessa forma o seu próprio
elemento Fogo interno com o externo, se fundindo totalmente com esse
elemento no seu aspecto atômico celular e não apenas com a chama do fogo
material externo. As etapas iniciáticas do elemento Fogo são bem difíceis por
exigir total controle da kundalini e dos fluxos dos sentimentos e
pensamentos, que geram realidades paralelas. Mais uma vez a questão da
disciplina é muito importante, para que o aluno possa adquirir a capacidade
mental e intuitiva de comunicação e de controle desses elementos. Conseguir
controlar a emanação celular e as trocas elétricas geradas pela oxirredução do
oxigênio e outros compostos do processo celular, é primordial para ativar a
soberania mental sobre o elemento fogo. Isso é fundamental para nas etapas
seguintes, o mago tenha a condição de controlar a levitação e projeção em
outras realidades.

A levitação está diretamente relacionada à condição de controle da


respiração e capacidade de isolamento dos elétrons e bósons de um campo
elétrico causando a modificação do spin atômico da atmosfera, o que gera um
campo de inversão magnética, ou o processo de ionização da atmosfera.
Gerando assim um campo de baixa pressão onde as partículas atômicas da
atmosfera são mais rarefeitas e permitem o deslocamento em qualquer
direção, gerando o efeito de levitação do aprendiz. Isso foi empregado de
maneira semelhante por muitos grupos ocultos de pesquisa como no projeto
MK-ULTRA, dentro das diferentes facções do Sinistro Governo Secreto e
pelas sociedades estelares denominadas pela humanidade de Extraterrestres,
que empregam essas capacidades pelo poder mental ou pela tecnologia para
facilitar o seu acesso aos mundos mais primitivos.

Quando se consegue dominar o processo orbital da coroa eletrônica de


elétrons ao redor do núcleo atômico, o mago consegue a plenitude sobre a
gravidade atômica e o domínio sobre o elemento Fogo, que não está presente
apenas nas chamas como se imagina. O elemento Fogo está relacionado a
todas as trocas energéticas que geram atrito, calor e, portanto, um efeito de
entropia energética. Dessa forma entramos em conceitos de física,
termodinâmica quântica e mecânica quântica, o que para muitos é um fator
ainda misterioso, mas bem fácil de compreender.

Há poucos anos, o ilusionista David Copperfield demonstrou em público


um show de levitação, onde convidava pessoas da plateia para serem
levitadas ao lado dele. Esse número contou na verdade com um bom aparato
tecnológico, gerando um poderoso campo eletromagnético de inversão de
polaridade que permitia que os objetos dentro de sua superfície pudessem ser
levitados com a redução de sua massa pelo efeito de polaridade inversa. Um
princípio relativamente fácil de ser reproduzido, caro, no entanto. Esse
mesmo efeito é conseguido pelos magos, que dominam o poder do elemento
Fogo. Trata-se, portanto, de controlar as reações químicas e atômicas de um
determinado corpo. Portanto, esta iniciação é muito complexa e de difícil
assimilação por muitos aprendizes devido à dedicação e disciplina mental.
Um dos segredos é a capacidade de projeção do corpo mental sobre os
átomos e sobre o campo celular de um ponto que se queira trabalhar.

O campo magnético de um conjunto de átomos e de um organismo segue


as mesmas leis universais quando um projetor mental ou sugestionador
celular, como são chamados, atua sobre o campo magnético de uma célula, de
uma salamandra, ou mesmo da cadeia atômica e química de uma célula. Ele
possui a capacidade de interação e de modificação do spin e do próprio
campo orbital desses átomos, o que significa um ser com a capacidade de
criação e de intervenção sobre a realidade da matéria em seus distintos
estágios de oscilação eletrônica. Em outras palavras, um mago que consegue
trabalhar tal técnica de manipulação do elemento fogo, tem a capacidade de
modificar a estrutura atômica e transmutar os elementos. Tais técnicas eram
pesquisadas pelos nossos antigos alquimistas. O mago e curador Dáscalos,
que foi conhecido graças ao livro O Mago de Strovolos publicado pela
editora Pensamento, demonstrou esse tipo de transmutação com um cacho de
uvas, modificando sua estrutura atômica e transformando-o em um cacho de
uvas de bronze ou cobre. Foi constatado por um aluno dele que presenciou
essa demonstração em uma aula secreta, que nos testes de laboratório na
Espanha se verificou que tal cacho de uva apresentava as coordenadas
orbitais e atômicas originais de uma uva de verdade e nunca poderia ter sido
fabricado pela nossa tecnologia.

Portanto, para alguns de nossos estudantes, esse tipo de técnica é


possível e não um milagre, mas uma capacidade de interação com os átomos
e suas cadeias eletromagnéticas e elétrons que permitem dessa forma,
modificar a estrutura material e a aparência externa de um determinado
corpo. Essa técnica exige total dedicação mental e disciplina na projeção de
ondas cerebrais. Por esse motivo as etapas iniciais do elemento Terra são
indispensáveis para treinar a capacidade de comunicação com os devas e
elementais, pois isso gera confiança e capacidade de criação, fundamental
para poder atuar no campo atômico em todos os outros elementos e iniciações
subsequentes.

Yaberin atingiu um elevado grau de capacidade de manipulação com o


fogo e seus devas, conseguindo se comunicar com as salamandras e outras
formas de vida existentes dentro do fogo e do fogo sagrado, até chegar ao
ponto de controlar a efusão pessoal de sua kundalini e projetar essa energia
para os outros corpos sutis, conseguindo se projetar através da energia gerada
entre todos os seus chacras e realidades paralelas. A transmutação de
materiais não foi conseguida como esperado nessa encarnação, mas um alto
grau de conhecimento e controle das salamandras foi o resultado de anos de
pesquisa e dedicação.

O fogo representa muito mais do que as chamas, mas também está


relacionado às pesquisas de Radiônica e Radiestesia que geram uma condição
de interação com outras realidades. Por isso é um campo muito extenso de
pesquisas e pode se levar a vida toda compreendê-lo e emprega-lo em sua
totalidade, o que na verdade é difícil, pois em muitos aspectos é infinito em
cada realidade dimensional que se penetra com as ondas de forma e
ressonância eletromagnética, onde a consciência da alma consegue penetrar
de forma muito mais aguçada que os instrumentos utilizados normalmente.

Entre as etapas que Yaberin passou para poder controlar o fogo interno e
externo, ele foi meditar rodeado de rochas em brasa para aprender a controlar
a emanação de calor dessas rochas. Em outra etapa ele teve que trabalhar a
hipnose com o fogo, ficar observando os movimentos das chamas de uma
fogueira e direcionar o seu fluxo mental de forma a controlar esses
movimentos. Controlar as salamandras é uma tarefa difícil, mas muito
importante, pois com isso se aprende a controlar o poder ígneo dos
elementais, dos Orixás e do átomo corporal físico e extrafísico. Ponto de
partida para se aprender a levitar e movimentar objetos, privando-os da ação
da gravidade, o que é denominado de telecinésia.

Quando se aprende a controlar as emissões de energia entre os elétrons e


o núcleo, se consegue trabalhar energia vetorial, centrípeta e centrífuga, o que
resulta na alteração da velocidade orbital dos elétrons. Com isso se inicia o
processo de transmutação do estágio físico da matéria, o que
automaticamente implica no estágio interno, que consiste em efetuar
alterações no núcleo junto às subpartículas como Bósons, Mésons-Pi, Quark,
que acabam alterando a energia colante dos Glúons e assim se permite
alterações na barreira de campo dos Grávitons e dos Táquions, além de outras
subpartículas menores e mais rápidas que os Táquions, ainda não conhecidas
pela nossa ciência quântica. Lembrando que as interações do núcleo de um
átomo obedecem às leis que ainda não compreendemos completamente, que
fazem parte da atual teoria das Super Cordas, Teoria D-Brana e Teoria M,
que são abordadas em livros como O Universo Consciente de Amit
Goswami, Universo Elegante de Brian Greene, O Universo Numa Casca de
Noz de Stephen Hawking, importantes literaturas para acompanhar o
desenvolvimento do magismo e da espiritualidade por um foco mais claro e
sem misticismo, pois o misticismo que foi inserido dentro e ao redor do
ocultismo, gerou mentiras e más interpretações das leis universais. Leis essas
que regem os átomos, o sincronismo do universo em todos os sentidos e em
todas as realidades paralelas.

Quando Yaberin desenvolveu seus trabalhos e busca pelo conhecimento


e pela manipulação dos elementos, teve que estudar as leis sagradas do
átomo, das energias contidas dentro dele, para poder conhecer a
movimentação dos Gênios da natureza e dos Devas, que são orientados por
essas Leis universais que nós aqui na Terra desconhecemos. Muitos dos
nossos irmãos estelares, sejam físicos ou etéricos, conhecem essas leis e
procuram evoluir dentro delas, pois somente assim se consegue evoluir na
Lei do Amor e sincronizar os patamares mais evoluídos das realidades
paralelas de seu próprio Eu Sou. Pois todas essas realidades estão em
sincronia atuando paralelamente em cada camada da existência, para poder
complementar as probabilidades holográficas da evolução e da reconexão
com a Fonte Primordial, onde cada alma tem que se transformar em um
cocriador consciente de seu papel. Isso traz a responsabilidade para com o
universo que recebemos da Fonte Primordial.

Todos somos responsáveis pelo universo, por cada Superuniverso,


Universo Local, Planeta, átomo e, portanto, por cada pensamento que
geramos. Temos que responder por isso, pois faz parte da nossa maior
iniciação junto a todas as outras, ser um cocriador do amor e da verdade
absoluta, o que na verdade é o maior desafio de todos. Pois temos que
remover as nossas máscaras e falsos valores adquiridos em cada holografia
encarnacional e psíquica de cada ciclo. Assim cada um de nós dentro de suas
iniciações, tem uma grande tarefa, que é se desvencilhar de todas as falsas
realidades e conceitos que adquirimos no decorrer de nossas vidas, que por
sua vez, são o reflexo dos preconceitos e dogmas religiosos de cada ciclo que
vivenciamos. Em nosso caso aqui na Terra, é muito fácil reconhecer esse tipo
de situação, onde os dogmas religiosos, sociais e doutrinas secretas inseriram
em nossa consciência e psique o pecado, o medo e o temor perante a Fonte
Primordial, como se todos nós fossemos pecadores e não amados, sempre
esperando um castigo divino. Conceitos totalmente contrários às Leis
Universais da Verdade e do Amor da Fonte Primordial.

Ao aprender sobre as formas de monitorar no éter os elementais do


Fogo, Yaberin verificou a inter-relação com outros elementos e compreendeu
a força atômica que existe dentro de todas as ligações químicas, não
importando se tratar do elemento água, terra, ar ou mesmo o fogo, ou ainda
os outros elementos que existem além dos quatro básicos que conhecemos na
fisicalidade terrena, pois existem outros elementos, que perfazem os 12
atômicos do nosso universo das 21 galáxias de dualidade.

A interação dos átomos sempre será relativa à força do


eletromagnetismo, interação nuclear fraca ou forte, o que por sua vez é parte
do aprendizado do elemento Fogo. A nossa Kundalini representa uma forte
ligação com essa energia que permite a levitação, o teletransporte e
desdobramento para outras realidades sutis ou mesmo físicas, onde podemos
materializar o nosso duplo etérico ou mesmo o corpo astral em outros lugares
de forma simultânea ao corpo físico. Tudo isso está intrinsecamente ligado à
manipulação do elemento Fogo dentro do nosso corpo e dos outros corpos
sutis. Por esse motivo é uma das iniciações mais longas, que acaba reativando
todas as iniciações anteriores e as aprofundando em graus muito superiores
aos que são estudados inicialmente. Nesta etapa, o aprendiz muitas vezes
demora várias encarnações para aprender a lidar com tais potencialidades
internas. Nada disso é possível em uma única encarnação, nem na Terra ou
em outro planeta, pois sem o amadurecimento da alma para essas
potencialidades, sem o amadurecimento para a responsabilidade que isso
significa não é possível seguir adiante nos patamares exigidos para um
verdadeiro Mago da Luz, pois para a consciência crística é obrigatório a
Ascensão.

Cada elétron que é removido de sua órbita, afastado ou atraído para o


núcleo, representa um gradiente de energia de transmutação, onde a liberação
de energia é muito grande, mas por se tratar de uma técnica não destrutiva,
como é a da fissão nuclear que conhecemos em nossa tecnologia poluente e
destrutiva, podemos gerar um potencial de energia infinita. E isso nos coloca
dentro dos segredos da energia livre ou Vril como também é conhecida pelos
estudiosos de ocultismo. Quando se manipula elementos da natureza sem um
fim destrutivo, desenvolvemos um campo harmônico de interação nuclear
com a consciência existente em cada átomo e isso permite o contato com
todos os elementais. Dentro dos estudos que Yaberin fez dentro da
atomística, que é a iniciação maior dentro das técnicas do Elemento Fogo,
esta trabalha com a tabela periódica dos elementos atômicos para conhecer os
elementais e devas de cada elemento, cada interação da estrutura atômica e
eletromagnética. Assim passamos a compreender muitas das passagens
secretas da Alquimia e da Iatroquímica que derivou a Fitoterapia e Química
com o passar do tempo. Cada elemento químico possui um deva ligado a um
campo de interação Monádico, que por sua vez, está interligado ao Reino dos
Elohins que sustentam as interações nucleares extrafísicas e físicas através de
seus Devas. Quando se entra nesse grau de estudo onde a física, química,
matemática sagrada e astronomia entram na composição das matérias
necessárias para se manipular a matéria física e extrafísica, normalmente 98%
dos aprendizes são reprovados e muitos desistem, pois, a capacidade de
superar essas iniciações e testes é equivalente ao amadurecimento psíquico e
de alma de cada aluno. Saint Germain, ou príncipe Rákóczi, como também
foi conhecido, foi um dos maiores alquimistas que se tem notícia, trazendo
consigo sua mestria das escolas de Merlin, porém deixou poucos registros
para a posteridade terrestre no plano físico, mas seus estudos e escritos estão
em templos e cidades etéricas e intraterrenas, como base de estudos e
cálculos sagrados para muitos Mestres que as ensinam no plano astral e
mental para muitas pessoas encarnadas em missão na Terra.

A Alquimia é uma das linhas mais conhecidas, próxima das verdadeiras


escolas de magismo do universo, pois para aprender a transmutar elementos,
temos que conhecer as devidas reações químicas de elementos distintos, de
valores de cargas elétricas iônicas e vetoriais exotérmicas e endotérmicas
pertinentes a cada teste e comunicação com determinados planos telúricos e
físicos. Além da eletricidade química que existe dentro da pesquisa do
elemento Fogo, temos as interações de cargas etéricas, que também são
relativas ao ectoplasma gerado por um campo de energia que interage tanto
na realidade física como etérica em diferentes planos de energia simultânea.
Esses estudos são geridos pela geometria analítica e geometria espacial, que
são a base para se aprender matemática e geometria fractal que também é
conhecida como Geometria Sagrada, presente em tudo no universo, que é
totalmente explicada pela teoria de campo unificada e pelos campos
magnéticos de estabilidade nuclear.

Portanto, percebemos que estudar magismo não é apenas uma situação


de rituais malucos sem sentido, mas antes, uma técnica de conhecimento
avançado da física, química e matemática aplicada a diversos planos
paralelos de energia que estão atuando em dimensões distintas, mas que se
inter-relacionam para manter a malha universal de todas as dimensões e
linhas de tempo existentes. Algo que ainda não conhecemos e temos muito
para compreender dentro de uma tônica pacífica e harmônica, para que não
acabemos destruindo o próximo com nossa ignorância e hostilidade ao
desconhecido.

Notem como esta pesquisa e raciocínio estão totalmente amparados pela


ciência, pois os nossos irmãos estelares conhecem essas leis e utilizam-se
delas para desenvolver uma tecnologia superior, não poluente, que lhes
permite visitar planetas distantes em pouco tempo, ou mesmo se locomover
no fluxo do tempo. Muito do que a nossa ficção científica nos oferece, tem
um embasamento científico provável e factível, na medida que a nossa
tecnologia se liberta dos falsos valores e mentiras que a ampararam no
passado. Não se esqueçam que muitos dos nossos pesquisadores como
Kepler, Bruno Giordano, Newton e outros ligados à igreja como Galileu e
Copérnico, tinham uma forte ligação com os dogmas e ousaram discutir esses
valores. Assim verificamos que a ciência nasceu em parte com os
pesquisadores do ocultismo quando os grandes segredos estavam guardados a
sete chaves no Vaticano e em outras escolas herméticas desde tempos
imemoriáveis. Assim as escolas de magismo externas conhecidas, são na
verdade redutos de religiosos e filósofos que fundamentaram com o tempo as
bases para nossa classe científica cultural que se afastou das bases da religião,
para poder manter uma hegemonia sobre a sociedade. No entanto, muito do
que se perdeu está ainda nas antigas escrituras que o Vaticano mantém
lacradas, por várias questões de ordem moral, religiosa e principalmente, para
manter o poder sobre a população através de mentiras, falsos profetas e
estórias da carochinha, que fazem parte das bases dessa igreja e de muitas
outras.
Quando compreendemos o racional da criação e divisão contidos na
geometria sagrada, compreendemos as energias cinéticas eletromagnéticas
que sustentam a vida em todos os planos. Isso é um dos aspectos mais
interessantes dos estudos que Yaberin e todo aluno que deseja se tornar um
Merlin tem que dominar no decorrer de muitas encarnações, pois são etapas
parciais que cada um tem pela frente. A escola sagrada é, na verdade, cada
encarnação que possuímos. Não se trata apenas de um lugar físico onde se
estuda, como em um monastério Tibetano, mas sim o nosso templo pessoal a
cada encarnação, ou seja, nosso corpo físico na Terra, em Sirius ou em
qualquer outro planeta do universo. Nos é dado pelo plano maior um templo,
onde temos que aprender a dominar e controlar amorosamente todas as leis
do universo e técnicas do magismo da luz. Portanto, voltamos para um dos
maiores enigmas da humanidade: A verdade está dentro de ti. Deus existe
dentro de ti. Tu és um deus. Até os dias de hoje para cada um de vocês, esta
afirmação significa um grande mistério, uma das maiores incógnitas de suas
vidas, pois são palavras sem sentido, sem profundidade, pois vocês não
conhecem a essência da verdade por viverem apenas o ilusório e temporário e
nunca terem entrado na imanência do eterno agora com a Fonte Primordial.

Graças à providência Divina, neste final de ciclo estelar do nosso


quadrante cósmico e de todos os astros que nele residem, estamos prestes a
verificar uma mudança energética, quântica e consequentemente de valores
evolutivos em todos os mundos e dimensões que compõem a nossa realidade
dual do grupo das 21 galáxias de Teta e que faz parte do setor experimental
de Nebadon que é controlado e sustentado pelo amor e sabedoria do amado
Micah que para vocês é representado pela energia de Sananda, que foi para a
humanidade material Jesus Cristo de Nazaré.

Todo o sistema evolutivo de diversas raças e civilizações está sendo


modificado e ativado com a dispersão de energias crísticas e superiores como
a trindade composta pela energia Crística-Búdica-Mahatma, que está gerando
uma motivação e modificação dos paradigmas anteriores dentro das 21
galáxias. As escolas de magismo estão justamente desenvolvendo essa
mudança dentro do despertar de consciência de milhões de seres dentro dos
milhares de mundos envolvidos neste propósito maior. Lembrem-se que todo
o processo de efusão ou encarnação existe dentro das realidades dimensionais
que compreendem desde a 1ª até a 7ª dimensão de consciência e é sustentado
pelo EU SOU de cada ser que se encontra dentro dessas realidades,
aprendendo a dominar e adquirir a Mestria sobre sua dualidade, pois todos
somos cocriadores em relação ao cosmos. Portanto, cada um de nós tem um
compromisso dentro do processo evolutivo de reconexão com os planos
maiores que estão além da realidade existencial acima da 7ª D.

Dentro da jornada de aprendizado do magismo e do potencial de


manipulação das energias sutis que são as que interagem e dão sustentação às
realidades intermediárias de cada universo em cada dimensão, aprende-se
importantes mecanismos de controle que devem ser usados conforme as Leis
Universais regem, para que o equilíbrio seja mantido dentro da natureza
quântica de cada realidade. Dessa forma, as escolas de magismo têm a função
de redefinir e reeducar as pessoas que se desviaram do caminho original. No
entanto, muitas pessoas se perderam dentro do poder que descobriram que
tinham e acabaram se conectando de forma irregular à magia negra e magos
negros que manipularam de forma indiscriminada e irresponsável os
elementais e energias telúricas das realidades intermediárias entre cada
dimensão e planos existenciais de vida. Isso ocorreu não somente na Terra,
mas em muitos outros mundos como em Sirius Beta, Sirius Delta, Sirius
Gama, Plêiades, Orion, Aquário, Merkab, Pégaso, Altair, Lira, Marte,
Arcturus, Maldek, Plutão, Nibiru, Lua, Rigel, Saiph, Aldebarã e outros
mundos que de alguma forma, têm ligação com a nossa realidade atual aqui
na Terra.
AS INICIAÇÕES SAGRADAS DOS MESTRES
DE LUZ

ssencial para o progresso nas escolas iniciáticas secretas e


E divinas é a compreensão das responsabilidades que serão assumidas
nesta nova etapa. É de suma importância que tanto o iniciado
quanto o iniciador estejam cientes da troca de energia, mútuo reconhecimento
e respeito exigidos para que o processo se desenvolva de forma fluida, pois a
energia não flui apenas em um sentido e sim dentro de uma mecânica de troca
e partilha. No ato da iniciação, todo um grupo de elementais e entidades
superiores e telúricas se manifestam e por esse motivo a seriedade e exatidão
com que são efetuadas, representam um fator sumamente importante para
manter o equilíbrio e bom andamento dos processos que serão gerados a
partir da sintonização. A preparação real do aluno é um dos aspectos que
deve ser considerado, pois muitas vezes o aluno não está preparado para as
etapas decorrentes do processo consciencial que se desenvolve depois da
sintonização, onde centros de energias e irmãos de luz são acoplados e
inoculados dentro do campo eletromagnético do aluno.

Dessa forma Yaberin, além de estudar atomística, teve que aprender as


relações de energia dos diferentes reinos dos Devas e dos Elohins para poder
dar continuidade às suas iniciações dentro de cada reino e aprender a forma
ideal de manipulação das energias e reinos diretamente interligados aos
átomos de cada sistema de reações químicas e eletromagnéticas. Cada
elemento da natureza, seguindo os princípios da geometria sagrada,
representa importantes estudos e mensurações dos códigos de acesso às
diferentes realidades do universo, que é na verdade um mega universo dentro
de cada realidade consciencial e estrutural das energias que estão presentes na
sustentação das realidades de cada ser. Assim Yaberin passou muitos anos e
encarnações dentro desse estágio para que durante as aulas de seus
superiores, aprendesse a interagir e dominar as forças da natureza em
harmonia com todos os aspectos harmônicos da natureza e das energias que
são manipuladas ao se alterar um padrão geométrico da matéria física e sutil.
As técnicas de iniciação são muito importantes, pois elas devem
sustentar a unificação de consciência entre as diferentes realidades e à medida
que o aluno toma consciência disso se torna apto a entrar em novas etapas
dentro dessa jornada. Como um dos grandes aspectos das iniciações está
relacionado com poder e responsabilidades que o recém iniciado está
ganhando com o processo, temos que levar em consideração sua forma de
sentir, pensar e agir em seu universo pessoal e suas experiências adquiridas
dentro da jornada encarnacional, que de alguma forma irão mensurar as
futuras posturas e atividades de cada ser. O que pode levar à formatação de
um futuro mago desequilibrado ou bem intencionado, mas sem equilíbrio
interno.

Assim existem pontos a serem sensibilizados para uma iniciação ser


correta e equilibrada dentro da ativação de determinados parâmetros de
energia crística e bem sintonizados com a alma desta pessoa. Um dos pontos
que devem ser sensibilizados e diretamente ativados é a Chama Trina, que
reside dentro do coração de cada ser, seja humano ou de outra raça. Isso é um
contexto universal em todas as dimensões estelares da vida. Portanto, o
procedimento utilizado pelos Mestres de Luz, é ativar a Chama Trina de cada
pessoa que será iniciada, pois com isso ao ativá-la, inicia-se um processo de
reconexão com o plano sensorial da Alma e das realidades paralelas ligadas
diretamente ao Eu Sou.

Isso representa um importante dado para vocês, pois através da energia


de ativação da Chama Trina, temos o despertar das energias harmônicas que
existem dentro dessa importante chama e chispa divina, que conecta cada ser
da criação com seu aspecto Ascenso Monádico que está diretamente ligado à
Fonte Primordial pelo canal energético do Eu Sou, que todos possuímos.
Com a sintonização ocorrendo desta forma, pode-se evitar a reconexão de
aspectos duais mal resolvidos referentes aos históricos de nossa alma.

Em outras palavras, quando iniciamos uma pessoa apenas pelo


coronário, como é muito comum, estamos ativando ambos os hemisférios
psíquicos do Encéfalo e do Parencéfalo, o que significa ativar diversos
mecanismos da memória física e do subconsciente de cada ser que possui
diversos traumas e elementais decorrentes da dualidade que possuímos
através de nossas mágoas, medos, culpas e profundas marcas geradas em
nossa psique. Portanto, ao iniciarmos uma pessoa pelo coronário, verificamos
uma tendência para entrarem em catarse, devido a liberação de elementais e
miasmas internos que estavam inseridos nas profundezas do subconsciente.
Coisas que nem sequer a própria pessoa sabia que residiam dentro dela,
chegando ao ponto de ativar memórias de outras vidas, que possuem marcas
dentro do corpo causal, diretamente ligadas a aspectos genéticos de memória
cromossômica e arquétipos hereditários.

Assim, as chances de acordar dualidades e problemas de ordem psíquica


e ativar o lado negro oculto de cada ser é muito grande. Por esse motivo
dentro das escolas secretas dos Mestres, as iniciações devem ser sintonizadas
a partir do coração, mentalmente ativando a sagrada Chama Trina e todos os
meridianos, passando pelos 22 Chacras físicos e pelos diversos corpos sutis
que compõe o ser humano, além de ativar todas as 12 realidades dimensionais
onde residimos. Assim a forma de sintonização representa a futura
estabilidade energética e psíquica que os seres terão pela frente nas suas
futuras atividades após a sintonização. Muitos aspectos cármicos ficam
guardados dentro das vértebras da coluna e dos respectivos chacras de
energia e por esse motivo ao sensibilizarmos primeiro o coração, depois o
frontal e em seguida o coronário, invertemos o processo e a pessoa dá início
ao despertar do emocional crístico e depois ao racional dual que cada um
possui. Este segredo do processo iniciatico foi guardado a sete chaves devido
ao mal uso das energias por muitos magos e feiticeiros, que desde os tempos
remotos da Atlântida desfiguraram muitos aspectos importantes das antigas
escolas iniciáticas. Por questões de esquecimento e segurança, somente agora
esses processos estão sendo inseridos novamente dentro da consciência
humana e praticados por uma minoria conectada às fileiras das escolas
secretas.

Yaberin aprendeu essa técnica e verificou que dentro de sua jornada,


muitos aspectos da dualidade, medos e fantasmas dos processos naturais do
aprendizado estavam se manifestando, inserindo nele muita mágoa, medos e
vontade de dominar e manipular as pessoas queridas e próximas a ele. Ou
seja, ele verificou que muitos aspectos dos relacionamentos familiares e
emocionais pessoais eram um forte ponto de desequilíbrio, devido à carência
de sua escolha iniciática, muitas vezes optou pela solidão e quis inserir sua
verdade nos outros, achando que sua verdade era absoluta. Essa postura é
muito comum entre as almas encarnadas, o que gera problemas de
relacionamento e carmas de relacionamento que muitas vezes são o início dos
problemas que nos perseguem por muitos ciclos encarnacionais. Assim
Yaberin ao ter passado por iniciações equivocadas somente pelo coronário,
verificou em sua jornada pessoal que muitos aspectos de seu mental racional
se manifestou para gerar atividades insanas de poder, impondo sua verdade
sobre os demais. Esse processo é natural e faz parte do histórico de muitos
irmãos, que aprenderam na prática a corrigir sintonizações equivocadas, onde
o mental tem que estar a serviço do coração e do amor, e não o inverso como
é muito comum. Pois o verdadeiro mago não tem o objetivo de manipular
outros seres e de impor a sua vontade. Ele é um cocriador, que sabe interferir
harmonicamente no universo de forma evolutiva e não de forma racional fria
e calculista, o que muitas vezes o coloca em situações desarmônicas devido
ao grande gradiente de dualidade que existe na racionalidade sem amor e
compaixão.

Yaberin aprendeu esse processo ainda em seu mundo original logo após
ter passado etapas complexas dentro da manipulação dos quatro elementos
com a consciência material racional e após algumas vidas, compreendeu o
amor e a compaixão como fontes da vida eterna para transcender a
imortalidade da alma. Um aspecto que a maioria dos magistas busca: a
imortalidade, um estado de consciência que existe além da matéria física dos
corpos que cada um utiliza. Para se chegar a isso é necessário ser totalmente
livre da dualidade e dogmas de poder, pois a imortalidade nos liberta das
coisas temporárias e ilusórias que a fisicalidade nos apresenta. A imortalidade
é conceber-se como um ser cósmico em sintonia com tudo e todos, e
portanto, fora das limitações temporárias do corpo que se está usando. Esta é
uma grande conquista interna de poder e de compreensão que somente a
Chama Trina pode oferecer, pois ela emite a plenitude do Todo e não
apenas a relatividade da consciência material e crua de cada corpo que
utilizamos. A energia de uma Chama Trina é una com a nossa fonte maior,
portanto transcende totalmente as limitações de tempo e espaço que temos
que vivenciar em cada etapa de vida.

Nosso amigo aprendeu na prática a diferença de sintonização dentro de


sua jornada encarnacional em diversos mundos de Sirius onde esteve
encarnado, assim como em outros mundos onde muito tempo depois iria
manifestar sua tarefa iniciática e profissional dentro da Federação
Intergaláctica e nas Casas de Comércio dentro do quadrante estelar de
Orionis e arredores, que estão diretamente ligados à órbita terrestre e ao
histórico do nosso planeta dentro das rotas estelares das principais raças
dominadoras deste quadrante.

Lembrando aos nossos leitores que dentro do quadrante da constelação


de satânia, a dualidade que cada ser escolheu vivenciar foi muitas vezes
amplificada pela ignorância residual da amnésia cósmica em cada etapa
encarnacional em cada civilização com seus conceitos morais, religiões e
dogmas que fazem parte do processo natural de evolução e compreensão do
universo. Como vocês sabem, ninguém nasce sabendo, mas isso é uma
conquista que se transforma em bagagem e depois essa bagagem passa a
fazer parte do conhecimento genético intuitivo de um ser, mas para isso
existiu um começo e uma longa trajetória evolutiva onde acertos e erros
fazem parte da grande escola que é o nosso universo e nossa aventura de
consciência dentro de cada planeta e civilização que abraçamos como nossa
durante um tempo de experiência e de aprendizado.
BATISMO, CASAMENTO E EVOCAÇÕES
SAGRADAS/MANTRAS

ando continuidade às iniciações e técnicas particulares de cada


D um desses rituais que podem variar conforme o elemento e matriz
dévica empregada além da situação em si, temos outras formas de
iniciação muito comuns na Terra e em outras civilizações, que acabaram
perdendo a real essência de comunicação com as realidades sutis correlatas à
verdadeira intenção.

Batismo: Este procedimento representa a sintonização de uma pessoa às


orbes superiores que protegem e guiam essa pessoa, o que inclui a
aproximação de todas as entidades espirituais da linha ancestral ou
antepassados, além das realidades paralelas de suas próprias encarnações
mais iluminadas, que se acoplam com o conhecimento e bagagem positiva da
egrégora da pessoa. Com isso, o batismo permite uma confirmação de
energias positivas, que irá proteger e elevar o padrão energético e
sensibilidade espiritual mediúnica da pessoa. No entanto, muitos batismos
não seguem a metodologia necessária e a integração para que ele realmente
seja efetuado e consumado em todos os níveis e corpos sutis dessa pessoa.
Para isso, a pessoa tem que saber o real significado do batismo, o que ela
espera desse procedimento e acima de tudo entender a grande
responsabilidade que está aceitando com essa confirmação e unificação de
campos telúricos paralelos, que são ancorados no processo do batismo dos
quatro elementos. A pessoa que está se submetendo ao batismo precisa passar
por uma escola espiritual e por várias iniciações anteriores, para compreender
o processo de unificação com as hierarquias espirituais e com seus
antepassados que passarão a se comunicar de forma direta com ela para
ajudá-la a desenvolver atividades e manipulações de magismo para ajuda ao
próximo e resgate cármico pessoal e social dentro da proposta até então
desenvolvida por ela. Situação totalmente diferente ao que é feito na
atualidade terrena, onde as pessoas nem sabem porque estão sendo batizadas.
E mesmo os sacerdotes não tem uma percepção real do que está ocorrendo,
pois em muitos casos perderam a conexão com a verdadeira espiritualidade e
trabalham por opção de sobrevivência e não como uma missão de ordem
interna da alma, como deveria ser o sacerdócio.

Lembrem-se que o Mestre Jesus Cristo de Nazaré foi batizado aos 33


anos e antes disso já tinha passado por muitas outras iniciações e pesquisas da
espiritualidade. Ele já era um profundo mestre e curador de almas, portanto a
confirmação dele ocorreu como ponto culminante para o ancoramento de
maior energia pessoal e espiritual da essência da verdadeira consciência
Crística de Micahel que ele precisava ancorar naquele momento para dar
continuidade à sua missão na Terra.

O mesmo princípio vale para todas as pessoas que realmente estão


sintonizadas em um processo espiritual e querem passar por um batismo. É
necessário um significado e um forte objetivo de compartilhar a consciência
com seres de outros planos sutis para realizar um trabalho na realidade física
onde o oficiante se encontra. Então o verdadeiro batismo se expressa e
restaura a missão que todos têm pela frente em diferentes etapas de seu
desenvolvimento e crescimento espiritual de reconexão ao todo dentro da
jornada de volta à Fonte que Tudo É.

Não é qualquer sacerdote que possui a capacidade de batizar uma pessoa,


pois ele tem que conhecer os portais de cada elemental e dos lugares
próximos ao batismo e estar em plena conexão com as entidades sutis das
outras realidades que fazem parte da hierarquia espiritual em evolução e
antepassados do oficiante ao batismo. Portanto, o sacerdote tem que ser um
esplêndido médium e sereno, em conformidade com as energias maiores dos
Mestres e da Luz interna da Chama Trina em perfeita ressonância com os
Mestres Maiores do Conselho Cármico e de Anciões, que permitem a
comunicação com o Conselho da Ordem de Melchizedeck, que se faz
necessária no momento da iniciação e do batismo.

Um batismo é, na verdade, uma iniciação de confirmação dos serviços e


compromissos espirituais para com o próximo e permite que todo o grupo de
espíritos ligados a essa pessoa o contatem como canal para realizar a missão
que foi confiada ao grupo. Isso inclui desde Mestres das mais Altas
Hierarquias como toda ou parte da linha espiritual de desencarnados que
representam os ancestrais dessa pessoa e demais hierarquias da esquerda e
direita que devem trabalhar para resgatar suas faltas para com o próximo ou
ser um canal deles para ajudar a humanidade. Portanto, a responsabilidade
que existe dentro desse processo é muito maior do que se acredita e que
muitas pessoas entendem.

A linha ancestral representa todas as almas que passaram no nosso


caminho durante nossas encarnações, ou seja, pais, irmãos, tios, parceiros de
matrimônio e pessoas muito próximas. Como existiu um relacionamento mais
estreito, ocorreu um envolvimento de relações cármicas positivas ou não e
durante o processo encarnacional, todos vão permutando os ciclos
encarnacionais para saldar as dívidas e transmutar dificuldades. Assim esses
seres ao permutarem conosco no processo encarnacional, se tornam os nossos
anjo da guarda ou dentro da Umbanda, poderiam ser enquadrados como linha
de esquerda ou caboclos e demais hierarquias que utilizam do processo
mediúnico para se expressar. Em outras palavras, as entidades que nós
conhecemos como guias da Umbanda, são os antepassados dos médium em
geral e todos nós temos esses guias, só que nem sempre ativos em
comunicação com nossa realidade. Por esse motivo o desenvolvimento
mediúnico e o estudo espiritual abrem nossa sensibilidade, nos permitindo ter
uma percepção maior da espiritualidade, e assim, a comunicação se faz
presente aos poucos.
MATRIMÔNIO OU CASAMENTO

este outro caso temos uma grande diferença, pois inicialmente


N o casamento é a união de duas almas para juntos construírem um
lar e darem continuidade à espécie, mas muito além disso, o
matrimônio é um enlace espiritual que permite a ambos evoluir dentro das
esferas herméticas do ocultismo, onde um é o protetor do outro e resguarda o
outro dos processos internos da evolução para ambos assim conseguirem
superar as dificuldades encontradas e as lições cármicas de forma muito mais
suportável e evolutiva para ambas as partes.

No entanto, não é assim que as coisas têm ocorrido, pois esse enlace foi
desvirtuado por vários fatores, inclusive pelas disputas cármicas de poder no
decorrer de muitos anos em ciclos mal resolvidos. Inicialmente o casamento
apresentava outro valor e era totalmente distinto ao praticado pela
humanidade da Terra. Tratava-se de uma união de trabalho e propósito
evolutivo onde ambas as partes tinham total liberdade e percepção do plano
sutil e dos encargos que isso representava para cada parte, o que se perdeu
totalmente e ficou totalmente deturpado com a volúpia e a sexualidade
deturpada que a nossa sociedade está manifestando nas últimas décadas.

Infelizmente, a posse é um dos fatores mais dramáticos das relações


dentro dos mundos em decadência. Isso ocorreu em muitos mundos dentro da
constelação de Satânia onde estamos inseridos pelo processo administrativo e
pelos diversos focos de dualidade. Quando um ser está completo ele quer
compartilhar e não possuir e dominar, como normalmente acaba ocorrendo
nas relações comuns, o que é normal dentro da sociedade terrestre há
milhares de anos. Isso era diferente quando a Terra era regida pelo sistema de
matriarcado, onde o homem como sexo, era um artefato para manter a
espécie. Mas também acabou ocorrendo abusos de poder e desequilíbrio,
dando lugar com o tempo ao patriarcado.

Nos mundos de Sirius onde Yaberin deu início à parte de sua jornada
evolutiva dentro dos diversos ciclos encarnacionais projetivos, o matrimônio
era uma união sagrada dentro da proposta evolutiva, porém em muitas de
suas encarnações o matrimônio era opcional dentro da busca interna de cada
ser, pois o conceito de alma gêmea deles é diferente ao terreno, não apenas
pautado pelas carências, necessidades sexuais e sociais, mas sim pela real
união com os fractais de alma, daí o nome almas gêmeas.

Casamento dentro de muitas culturas estelares representa uma união ou


contrato temporário, onde as almas devem trabalhar em parceria para
aprendizado e para resolução de pendências cármicas existentes dentro dos
ciclos de efusão física em cada realidade dessas culturas, que normalmente
possuem percepção clara do ciclo das reencarnações, como por exemplo o
povo da constelação das Plêiades e de Orionis, onde a reencarnação é aceita
de forma aberta em muitos povos dentro dessas galáxias. E assim as pessoas
vão aos poucos trocando de parceiros, para resolver as pendências cármicas
adquiridas dentro do processo material da ilusão de cada realidade vivida por
cada um, similar à Terra, com a diferença que nesses mundos eles têm plena
consciência do processo, quem são e o que estão fazendo ali. No entanto,
quando querem gerar um matrimônio nessas culturas, eles precisam buscar as
almas com maior afinidade para manter o relacionamento por um longo
período de encarnações para juntos alcançar novos patamares de
conhecimento e galgar as novas dimensões de expressão da alma. São poucos
os seres que entram nessa escala de energia antes de terem despertado para as
esferas de luz superiores do plano de sustentação da realidade dimensional a
que estão vivendo. Um matrimônio é a busca pela unificação de experiências
físicas e espirituais que envolvem todos os corpos sutis do casal, e isso
significa uma nova etapa de percepção e evolução conjunta para ambas as
partes.

Cada indivíduo entra em um novo projeto de vida, buscando sintonizar


com as esferas psíquicas a fim de encontrar sua parte correspondente. Este
processo é parecido com o da canalização que conhecemos aqui na Terra,
onde o canal se sintoniza na energia da entidade que irá transmitir a
mensagem. Esta forma é utilizada de forma abrangente em outros planetas
para se encontrar os parceiros. Com o decorrer da evolução e maturidade da
humanidade terrena, essa maneira de evolução será possível a todos. Uma das
principais capacidades a serem desenvolvidas para se atingir essas
possibilidades é a de comunicação simultânea com nossas outras realidades,
para então nos relacionarmos novamente de forma completa com o universo.

Na medida que a nossa percepção terrestre vai evoluindo através das


energias do cinturão de fótons ao se manifestar de forma mais profunda, as
realidades paralelas que existem dentro e fora de nós passam a atuar de forma
sutil e aos poucos ativam inúmeros sistemas de energia que nos colocam em
intercâmbio com o sutil. O que inconscientemente nos levará a procurar
nossas almas gêmeas como muitos o fazem e acreditam poder encontrar na
realidade material, o que na verdade para muitos é uma ilusão proveniente de
realidades paralelas que se manifesta aos poucos dentro de nossa alma,
encarcerada dentro da realidade mais densa da Terra e da nossa imaturidade
terrestre como almas estelares, pois a amnésia total ainda se faz presente e
não temos uma real percepção do que existe no universo em nossos corpos
sutis que estão totalmente permeados pela realidade terrena.

Yaberin passou de forma similar por esses problemas e ajustes no início


como todo ser que escolhe o processo evolutivo das encarnações dentro das
diferentes esferas do despertar da consciência. Cada grau evolutivo de
consciência em cada planeta dentro da sua expressão dimensional e da
irradiação que ele mantém, possui etapas de evolução dentro das limitações
que cada raça gera dentro da ação e reação de seus pensamentos e
sentimentos. No entanto, em mundos onde não houve a dualidade dentro de
uma barreira de frequência como a da Terra e dos outros 36 mundos de
exílio, existe uma grande diferença no gradiente de negatividade, que é muito
menor. Os mundos em evolução que partiram de uma mesma matriz genética
e um mesmo padrão de tendências psíquicas são totalmente diferentes dos
mundos como a Terra, onde há a soma de diversas raças e culturas totalmente
diferentes, que em muitos momentos foram inimigas mortais no passado e
hoje estão encarnando no mesmo mundo, país, cidade, sociedade ou família,
para lidarem com seus carmas e assim amadurecer, causando uma grande
diferença de energias e potencializando conflitos e nutrindo o inconsciente
coletivo com as emanações desarmônicas desse encontro cármico.

No mundo de Yaberin e nos outros que ele passou a encarnar na sua


jornada evolutiva, isso era muito mais ameno, por ele não estar vivenciando
mundos de exílio como a Terra e sim mundos criados segundo um padrão
onde matrizes similares deveriam atingir um padrão evolutivo e depois de um
certo ponto, manter o contato com os outros grupos estelares para então
atingirem um processo evolutivo mais uniforme. O que não ocorre na Terra
devido à grande diversidade de almas que vivenciaram diferentes
experiências físicas em cada uma de suas realidades materiais.

Lembrando que todas as almas ligadas à egrégora do Eu Sou que


sustenta Yaberin estão interligadas. Existe uma relação direta entre todas elas
e o despertar de consciência dessas almas está diretamente ligado a todas as
formas de vida que esse Eu Sou manifesta, mesmo em linhas de tempo
distintas, pois elas estão interpenetradas e interdependentes uma das outras.
Assim a teoria das Supercordas se mostra real dentro da jornada de alma que
cada um de nós vivenciamos dentro das diversas situações de vida.

Nos últimos trabalhos publicados e nos cursos, tenho deixado claro que
os contratos podem representar um grande problema de acordo com seu
conteúdo e proposições aceitas. Principalmente após o Dilúvio, a maior parte
dos contratos matrimoniais, de batismo e iniciações adquirem a tônica de
submissão e castração como mecanismo de aprisionamento utilizado pelos
falsos deuses e algozes da humanidade. Por isso todo esse relado foi trazido
por Yaberin para auxiliar na evolução da Terra e restaurar os reais valores do
magismo voltados à evolução da alma.
EVOCAÇÕES SAGRADAS E MANTRAS

o serem verbalizados, os mantras têm um poder e alcance


A incrível dependendo da evolução consciencial e a sintonia mental
de quem o está verbalizando. Yaberin passou muitos anos de sua
longa jornada aprendendo dentro das escolas o potencial dos mantras e a
ligação deles com os portais multidimensionais que podem abrir nas
diferentes dimensões e seus efeitos sobre o Reino Dévico, plano astral e
umbral. Cada mundo possui sua referência de plano astral mais denso e outro
mais elevado, variando de acordo com a vibração dos habitantes do planeta
independentemente do nível de fisicalidade, que podem ser de 3D, 4D, 5D,
6D ou 7D. Cada um desses planos possui uma correspondência dentro de
seus parâmetros para o astral e umbral, lembrando que não são todos os
planetas que têm realidades umbralinas como as da Terra, pois o umbral aqui
citado refere-se à dimensão física e não consciencial.

Em seus estudos sobre mantras e sons sagrados dentro das escolas de


Merlin, Yaberin aprende que não somente palavras sagradas têm poder, mas
sim tudo que é verbalizado tem um grande desdobramento sobre as realidades
dimensionais. Com a força do verbo o aprendiz tem a capacidade de
materializar na realidade física o que estiver canalizando pelo seu estado
psíquico. A força destas projeções varia entre 73 a 96% de ancoragem de
acordo com o potencial e sincronia do ser que está utilizando o verbo. Caso a
projeção de um mantra seja apenas mental e não falado o potencial é de
aproximadamente 65% dependendo do aluno, de sua capacidade de
concentração e de manipulação das formas-pensamento.

Quando a força mental e a verbalização estão unificadas, as qualidades


de emissão podem chegar a valores próximos a 100% de energia e de
cristalização do decreto, o que depende também de outros fatores de
harmonização externos, como do reino Dévico ancorado, dos Mestres e da
concordância astrológica e estelar dos gênios da natureza, para que tal
manifestação chegue a patamares de 100%. Isso é parte dos ensinamentos do
magismo sagrado que se perdeu dentro de tantas manifestações mal
resolvidas de pessoas que usaram de forma indevida a magia e os
encantamentos, fato que se estende às civilizações que utilizavam os idiomas
sagrados do passado.

Yaberin nos ensina que o poder do mantra está ligado à nossa


sintonização de fluxo mental e ao que queremos ancorar, além do
conhecimento que possuímos sobre a área que queremos trabalhar. Seja no
magismo, como nos encantamentos de cura, área em que ele atua muito.
Existem muitos fatores ligados entre as energias que são produzidas pelo
encéfalo e para-encéfalo do cérebro humano e dos humanoides de outros
mundos em geral, onde o fluxo de energia através do conjunto do hipotálamo
deve se expressar e ativar diversos mecanismos, entre eles a própria
pituitária, que deve ser estimulada para que ocorra a conexão com os planos
sutis dos corpos sutis da pessoa.

Tudo isso requer um conjunto de estímulos que estão ligados ao


conhecimento e à fé que a pessoa detém sobre um determinado assunto ou
situação que ela queira atuar. Não se trata apenas de conhecer os mantras ou
decretos, mas sim de estar na verdadeira sintonia e harmonia matemática com
a situação, que em outras palavras significa amor.

Caso a energia canalizada e sintonizada seja o ódio, entramos em outra


vertente popularmente conhecida como Magia Negra, que se utiliza de
energias de baixa frequência para suas verbalizações e projeções a fim de
obter os objetivos desejados independente de quem possa ser prejudicado por
suas vontades e atos mágicos.

Trabalhos com decretos, mantras, evocações, invocações e o poder do


verbo exigem grande responsabilidade, conhecimento, concentração e
segurança, uma vez que seu desdobramento atinge infinitos campos
vibracionais e dimensionais. Aos poucos vamos receber de Yaberin nos
níveis extrafísicos maiores informações sobre este tema que compreende uma
vasta gama de conteúdo que se intercala com a química, física quântica,
relação com os minerais e a água do corpo humano e sua ressonância com
nossas emanações psíquicas e emocionais, como bem exposto pelos estudos
de Masaru Emoto, além de toda relação existente com a medicina chinesa e
demais.
Cada pensamento produzido libera uma descarga de energia, tornando a
relação pensamento e cargas energéticas muito importante. Infelizmente não
são todas as escolas terrenas que ensinam com maturidade e responsabilidade
este fundamento, podendo ocasionar graves problemas à vida dos iniciados.
Muitos têm uma potência elevadíssima no campo mental e caso essa energia
seja mal direcionada, os efeitos cármicos podem ser devastadores, deixando a
pessoa presa por muitos ciclos reencarnatórios até que ela consiga se libertar
destas energias projetadas. Este evento é uma das grandes causas de laços
cármicos familiares e sociais.

Dessa forma o aprendizado é duro e muito complexo, pois ao perdermos


a real consciência, nossa origem estelar e nossas responsabilidades no ciclo
Terra, ficamos totalmente desconectados fazendo com que todo o
aprendizado original seja mais lento ou até mesmo se perca. Para auxiliar na
reconexão e despertar da humanidade, o cinturão de fótons e os portais estão
atuando de forma acelerada, permitindo que aos poucos aqueles que estão na
sua busca pessoal, retomem a memória cósmica.

O pré-conceito e a necessidade de levar vantagem sobre tudo e todos são


os principais motivos que afastam as pessoas de sua conexão divina, abrindo
portas para que a ilusão se manifeste de forma grande e profunda,
influenciando diretamente nossas decisões durante a vida, reafirmando o ciclo
de contratos e hologramas que nos aprisionam na mecânica reencarnatória
que muitas vezes não podemos controlar.

O aluno que busca um real conhecimento sobre o potencial das


evocações sagradas deve buscar a melhor forma de harmonizar sua
consciência, suas emanações cerebrais e sentimentais e antes de começar,
trabalhar a sensibilidade e percepção do próprio universo ao redor, o reino
Dévico que o sustenta externamente com a própria natureza e internamente
nos processos bioquímicos do organismo. Para aprofundar nesse
conhecimento e relação, temos os estudos de Orixás nas vertentes brasileira e
africana. Quando o indivíduo atua em uníssono com suas energias internas e
externas, sua mente focada e determinada, os mantras e palavras de poder
terão um potencial incrível, podendo ser utilizados para curar e libertar
aspectos cármicos referentes às próprias realidades paralelas.

Toda evocação sagrada requer um ponto de poder, um símbolo riscado


ou uma entidade de poder que possa abrir a possibilidade e os respectivos
portais para que esse pedido e evocação tenham eficácia e penetração nas
diferentes realidades onde tenha que se manifestar.

Este fundamento é pouco divulgado, muitas vezes pela falta de


conhecimento dos sacerdotes ou para esconder dos discípulos as chaves de
poder. Em raras ocasiões esta informação é escondida propositalmente
sabendo-se dos desdobramentos que alguém com intenções desarmônicas
pode gerar. O fato positivo da maior parte da humanidade não conhecer a
relação entre o poder do Mantra – Símbolo – Entidade e sua sinergia é que
posteriormente fica muito mais fácil de se limpar e corrigir as anomalias
geradas pelas formas pensamentos e sentimentos emanadas verbalmente pela
humanidade comum. Para melhor entender o poder deste fundamento, vamos
citar Atlântida, um continente que entrou em declínio pelo mal-uso do poder
da magia, o desvio do ego e disputas de poder. Os efeitos desse ocorrido são
tão profundos que a humanidade atual ainda sente os pesos e marcas daquela
época.

Nas escolas de mistérios, quando é chegada a hora do aprendiz receber


este fundamento, significa que ele está pronto para também se responsabilizar
por todo o desdobramento que se segue com essa técnica e passa a ser um
guardião destes símbolos, sons e entidades de poder, a fim de evitar seu mal e
consequentemente evitando maior acúmulo de energia desarmônica nos
reinos humanos, Dévicos e astrais.

A partir da Convergência Harmônica em agosto de 1987 todos os


iniciados, sejam na linha da Orixá, Ocultismo, Paganismo, Wicca, Bruxaria,
Ásatrú, etc., que utilizarem seu conhecimento em prol da desarmonia ou para
ganhos pessoais de forma egoísta e levar vantagem sobre os outros, terão seus
nomes marcados na “lista negra” do Conselho Cármico, que está efetuando
uma grande limpeza planetária e acertos de contas. Para estes iniciados os
efeitos são catastróficos, pois além da corrupção da alma, o corpo vai sofrer
com o retorno das energias negativas, passando por um grande estágio de
purgatório ainda encarnados, sendo acometidos por doenças graves e
degeneração física. Todo este efeito pode ser sentido em menor escala por
várias pessoas que ao iniciar seu processo de despertar consciencial e
espiritual tendem a catarses de maior ou menor grau dependendo da
quantidade de cargas desarmônicas trazidas das vidas anteriores.

As experiências de Yaberin dentro dos mundos de Sirius e em especial


nas imediações de Avaara foram muito interessantes, pois os reinos Dévicos
desses mundos eram bem complexos e totalmente interligados para que os
discípulos aprendessem na totalidade a responsabilidade da interligação entre
as coisas da natureza. Os Mundos de Avaara são muito mais sutis do que a
Terra e quando Yaberin era um aprendiz há milhões de anos, sua realidade
existencial era equivalente ao que poderia ser considerado 5D. Na ocasião
quando ele já tinha passado as iniciações com os reinos Dévicos, para
aprender a correta utilização das ervas de poder dos quatro elementos básicos
de controle da natureza, ele levou um tempo para interagir com a interligação
entre eles, pois dentro da primeira etapa de conhecimento dos quatro
elementos e com o poder do fogo, ar, água e terra, as evocações utilizadas
têm relação direta com a totalidade dos mundos encarnados e com a ligação
com devas locais. Mas quando se evolui para dimensões mais sutis, a
envergadura desse conhecimento também aumenta de forma proporcional e
as entidades empregadas passam a ser de outra realidade mais sutil, o que
coloca a pessoa em sintonia com mundos paralelos, não apenas as realidades
astrais do mundo onde se vive.

Dentro das lições que Yaberin passou, era necessário conhecer a


sustentação eletromagnética das estrelas ligadas ao cinturão de forças de
Sirion, Avaara e de Atrix, que perfazem a tríplice força do Alfa & Omega do
quadrante setorial que envolve a constelação de Orionis e que possui total
ligação com a Terra. O mesmo equivale para a estrela de Alcione, que é a
Alfa & Omega da constelação de Plêiades, que é confundida por muitas
pessoas como a equivalência de Sirion ou Sirius. De posse desse
conhecimento Yaberin passou a trabalhar com evocações sagradas de poder,
onde a força telúrica e magnética dos outros astros e das entidades Dévicas
desses outros mundos poderiam interagir totalmente nas questões que ele
estava querendo resolver ou testar.

A relação entre a força gravitacional e telúrica de um astro sobre o outro,


está baseada na conexão entre os polos de cada planeta e estrela, que
interagem na força centrípeta e centrifuga de equilíbrio interestelar que regem
o equilíbrio das forças no universo, o que se aplica para planetas e estrelas,
ou sóis como nós da Terra chamamos de estrelas. Quando se vai desenvolver
um trabalho e evocação sagrada com entidades de diversas hierarquias, é
necessário a sintonização de energias gravitacionais e telúricas dos astros
regentes, para possibilitar uma melhor sintonia de energias que irão ajudar na
sustentação desse trabalho. Notem que isso implica em grande
responsabilidade do oficiante.

A relação entre os elementais do fogo, tem total ligação nessa escala de


conhecimento com as forças eletromagnéticas que geram calor e efusão
nuclear em vários sentidos da movimentação do spin eletrônico das
moléculas e do próprio átomo, o que permite entrar na comunicação com os
outros oito elementais da natureza que são desconhecidos na Terra no atual
estágio de conhecimento. A energia do fogo interage com outras forças
misteriosas como o eletromagnetismo celular e a capacidade de troca de
informações entre o corpo mental superior, causal e o corpo físico quando a
pessoa entra em meditações, o que permite acessar outras vidas paralelas e
encarnações como nós da Terra definimos.

Assim o poder do fogo vai muito além do que se aprende nas etapas
básicas, pois não é somente controlar as salamandras e a força delas dentro de
encantamentos simples, mas sim a capacidade de ativar a estrutura atômica
com o pensamento e com o verbo, o que nos leva ao poder dos mantras e
decretos, que por sua vez fazem parte das evocações sagradas. Os mestres
Saint Germain e El Morya têm ensinado muito sobre esse assunto nos seus
decretos e exercícios pessoais de elevação da consciência humana, o que tem
ajudado a elevar o padrão mental e emocional de muitas pessoas. Assim,
parte do conhecimento está sendo colocado novamente à disposição da
humanidade para propiciar um padrão mais elevado de energia interna para o
aprendizado. Com isso a sintonização da memória estelar para as pessoas que
já tinham galgado os degraus básicos das escolas de hermetismo em outras
encarnações é mais fácil e de extrema importância, ainda mais neste
momento crucial que a Terra e a humanidade estão passando.

O poder de cada elemento da natureza conhecido se repete nas outras


esferas dimensionais, mas acrescido de importantes energias complementares
até os 12 Elementais da natureza, que ao fazerem a permutação de suas
energias permitem um vetor de Elementais dentro das combinações atômicas
de 12 X 12, o que nos confere os 144 raios de emissão da natureza e dentro
da nova oitava de energia além do universo Teta entram na ressonância das
permutações combinatórias de 144 X 144 = 20.736 possibilidades
matemáticas de emissão de energia dentro das realidades que são sustentadas
até a 24D. Acima disso entramos em outra combinação de energias que
superam em muito essas vibrações e potencialidades do conhecimento e da
manipulação, o que confere a esses seres o poder de Criadores Universais ou
dentro da escala dos Filhos Paradisíacos, como é o caso de Micah e do
próprio Shtareer, que têm sustentado um trabalho de conexão importante do
foco de direto de Yaberin na sua jornada dentro de Nebadon.

Shtareer é uma energia multidimensional relacionado com o Conselho


Voronandeck dos 144 Superuniversos, sendo o controlador das emissões de
ondas dimensionais da Energia Escura, Matéria Escura e da própria
Matéria Bariônica, servindo de base e estrutura para que os Filhos
Paradisíacos como Micah, possam desenvolver seus projetos e experimentos
com as Mônadas e Almas.

Micah e seus fractais de energia ou de consciência desenvolvem vários


projetos da vida pela vida, gerando a estrutura para que as Mônadas possam
se desdobrar nos fractais denominados de Eu Sou e estes por sua vez nas
Almas, que também podem se desdobrar conforme a necessidade em
Fractais de Alma, que são partes desdobradas de uma Alma. O “jogo”
cocriacional, portanto, possui diferentes gradientes conforme o ponto de
observação, sendo uma parte fundamental do aprendizado dos Magos para
aprenderem a trabalhar dentro das diferentes realidades dimensionais como
Filhos Cocriacionais. Todos os seres na verdade são Magos, pois
“manipular o átomo é um ato de magia”.

Assim Micah e sua hierarquia acabaram gerando naturalmente esferas ou


falanges de Tronos para poder distribuir o poder e o conhecimento nas
diferentes esferas dimensionais de percepção de seus filhos, através dos
arquétipos conhecidos como Arcanjos, Querubins, Anjos, Elohins, entre
tantas outras hierarquias espirituais, a fim de permitir que o conhecimento e o
fluxo de ascensão pudessem ser distribuídos para todos os planetas de
experiência cocriacional de Teta e de Naoshi. A criação dos 7 raios ou
mesmo dos 12 raios através de seus Chohans e outros Mestres Ascensos, são
mecanismos de controle e de ajuda para iniciar o despertar da humanidade no
caso da Terra, mas nos outros mundos isso também foi inserido de forma
similar para gerar o movimento da evolução e da vontade do retorno à Fonte.
Assim, a relação entre cada grau de aprendizado dentro do magismo e da
vida, está diretamente relacionado à dimensão que se habita e à conexão
harmônica com cada elemental da natureza que trabalhamos dentro da nossa
jornada pessoal de aprendizado. O aprendizado é infinito e isso teremos que
vivenciar em nossa jornada, mas a cada momento que subimos mais na
escala, a nossa responsabilidade é maior e nossa capacidade de amor e de
interação com as forças da natureza também precisa aumentar, independente
da tecnologia que possamos desenvolver para complementar tais capacidades,
pois o poder maior está dentro do espírito que pode transmutar e modificar
toda a estrutura do átomo, com capacidade muito maior do que a pura
tecnologia material independente da escala evolutiva em que estivermos. É
comum em sociedades tecnologicamente mais avançadas as pessoas ficarem
viciadas ou mesmo escravas da tecnologia. Com o tempo vão perdendo o
poder do espírito para seguir com as facilidades proporcionadas pela
evolução tecnológica. Vale uma reflexão sobre o desenvolvimento de nossa
sociedade planetária hoje, lembrando que grande parte dos seres presos na
Terra estão apegados a estes mesmos valores.

Tecnologia é importante e ajuda a trazer conforto para o corpo e para a


mente, mas não pode ser usada como amuleto para limitar a expressão da
alma dentro das diversas realidades do espírito, como muitos fazem e se
acomodam como sendo o limite da evolução. A evolução está diretamente
ligada à nossa capacidade interna de reconexão com a própria essência e com
isso à capacidade de ser novamente a expressão de Cristo manifestada em
plenitude, onde o espírito pode atuar em várias realidades cósmicas
simultaneamente em perfeita sintonia com cada uma delas e ajudando na
cocriação e na própria sincronicidade do todo, onde o ego desaparece para
dar lugar à verdade de alma espiritual em sintonia com a Fonte Primordial.

A cada movimento harmônico de nossa consciência, a emanação de


energia se propaga para os corpos sutis e isso permite uma forte troca de
energias proporcionando a comunicação e equilíbrio entre os 32 corpos supra
dimensionais ou etéricos que cada ser possui. O que é valido para todas as
formas de vida entre as 12 dimensões do universo Teta.
A relação da interação do elemento água, também se relaciona com os
elementos eletroquímicos, nos colocando novamente nas imediações do
controle das interações nucleares fraca e forte, que pertence à ação energética
do elemento fogo, elemento eletromagnético e elemento nuclear, que são
alguns dos outros oito desconhecidos por parte dos místicos e alquimistas,
porém essas manifestações elementais já eram estudadas nas antigas escolas
de Thot e Amenotheph e posteriormente nas escolas de Merlin. Toda essa
construção faz parte de um projeto maior das escolas de Melchizedeck e
outras ligadas à linhagem sagrada e aos reais valores de evolução da alma.
Grande parte deste trabalho foi e é sustentado pelo amado Sanat Kumara e
seus colaboradores que há milhões de anos dão sustentação e servem de
importante referência de crescimento espiritual para o crescimento da Terra.
Grande parte deste trabalho e de muitos outros Avatares consiste na
desmistificação e desacoplamento dos falsos valores e hologramas projetados
e inseridos nas humanidades do planeta pelos falsos deuses nos últimos
milhares de anos. Para entender melhor as influências destes seres no
histórico planetário sugiro os livros mais recentes Terra – O Jardim de
Experiências e Experiência Morontial (ambos de Rodrigo Romo), que
abordam diretamente os interesses dos diversos grupos políticos
colonizadores do planeta.

Cada um dos quatro elementos da Natureza representa um aspecto


primário dos oito restantes e assim completam o equilíbrio dos 12 elementos.
Estes por sua vez, representam uma forma de sustentação e interação das leis
universais do átomo e das energias que nele estão contidas para sustentar a
nossa realidade material dentro do que consideramos fisicalidade terrestre e
dos outros corpos sutis, que dentro de sua realidade dimensional, também são
físicos.

Muitas etapas do processo alquímico de transformação da estrutura


metálica estão ligadas às evocações sagradas com determinados seres do
reino Dévico e das outras energias que regem a sintonização eletromagnética
da coroa atômica de elétrons e das mudanças de ângulo interno entre múons,
glúons, grávitons e mésons pi, que por sua vez acabam alterando
determinadas condições do nêutron e do próton, que podem gerar tal
transformação de energia para modificar a estrutura atômica de chumbo para
ouro com seus diferentes pesos atômicos. Isso requer dentro da tecnologia
terrestre atual, a utilização de um acelerador de partículas, o que pode e já foi
feito, mas o custo e tão elevado que não compensa, mas já foi conseguido há
vários anos. Na antiguidade os verdadeiros alquimistas e iatroquímicos
usavam poderes químicos de reações sagradas com encantamentos secretos
para ativar os regentes do campo eletromagnético para atingir tal
modificação.

Assim podemos usar as capacidades das escolas sagradas de Magismo


para modificar muitos aspectos da fisicalidade. No entanto, a nossa
responsabilidade com esse tipo de mutação é muito grande, pois estamos
alterando a ordem eletromagnética e as cargas atômicas internas do átomo, o
que significa que isso terá uma sobrecarga de energia, que deve ser
direcionada para o universo de forma harmônica e sem desequilíbrio. Nisso
entra a verdadeira índole do magista, que deve estar totalmente sintonizado
com o amor harmônico universal. Shtareer nos ensinou uma equação
matemática e filosófica muito interessante:

HARMONIA = AMOR

______________________________

CONSCIÊNCIA X EGO (ILUSÃO)

Assim temos um importante fator a considerar dentro do nosso estudo


sobre a evolução de consciência e a nossa evolução pessoal, o que nos leva
novamente às escolas de magismo e à trajetória da alma dentro de cada
encarnação e das energias desprendidas no ciclo da vida.

A vida é regida por leis universais e imutáveis dentro de cada realidade


existencial. Quanto maior a densidade dessa realidade, maior a quantidade e a
densidade dessas leis; quanto menor a densidade, menor o seu grau de
dificuldade. Portanto, existe uma relação direta entre a percepção do filho e
as leis que o regem que por sua vez, estão totalmente ligadas à energia dos
preconceitos e dos medos que cada um carrega, o que os faz criar parâmetros
de limitações internas de cada um em relação às suas crenças.
Na medida que o aluno aprende sobre as diferentes realidades e
emanações da vida, ele aprende a entoar seus mantras em idiomas sagrados
que aos poucos vão penetrando nas realidades sutis que o rodeiam, ou seja,
nas realidades etéricas que existem próximo à realidade física. Esse
conhecimento muitas vezes vem pela intuição e está ligado com a capacidade
de sintonização com os corpos sutis, que ajudam a pessoa a fazer a evocação
de forma correta. Lembrem-se que é a intenção o que mais vale e isso pode
representar mais de 56% da energia de um trabalho de evocação e de
encantamento. Quando a pessoa não conhece em profundidade no que está se
metendo, mas a sua fé é grande e ela realmente está de corpo e alma engajada
para realizar algo, ela é ajudada, prevalecendo sua vontade e honestidade.
Naturalmente uma evocação realizada por um iniciado seguindo os devidos
fundamentos e preceitos tem um potencial de resolução e realização muito
mais forte e rápido.

Toda evocação tem que ter um ponto de energia de intercâmbio entre a


realidade física manifestada e a realidade telúrica de manifestação do além.
Isso é importante para que o fluxo possa entrar em movimentação. As
evocações podem ser feitas tanto na regência dos Elementais da Natureza
com o ancoramento de entidades Dévicas ou com entidades do Astral, que
são os regentes dos mundos internos das almas que já desencarnaram ou os
encantados do astral das cidades e impérios astrais. Todos esses aspectos
devem ser conhecidos por parte do magista, para permitir uma nova
sintonização de energia e ao mesmo tempo, uma importante sustentação dos
registros de energia que serão ancorados em cada etapa do processo.

Dentro dos estudos conhecidos, se usam os tronos e as entidades ligadas


a esses tronos para determinados tipos de evocações e pedidos, como é o caso
dos Exus, Caboclos, Pretos Velhos, Ciganos, Povo do Mar, Povo Oriente e
similares, ou os nomes sagrados da Wicca, Celtas e outras tradições. Todos
são equivalentes dentro dos diferentes graus de conhecimento e de
sustentação das energias telúricas de um trabalho espiritual. No entanto, a
responsabilidade e o envolvimento do aluno dentro desses trabalhos e das
evocações são muito mais profundos do que se imagina, pois ele fica
marcado no plano espiritual e nos corpos sutis com as cargas e com as
cicatrizes do encantamento de acordo com a intenção que ele teve no
momento do encantamento. Assim a entidade que é usada dentro dessa
evocação ou ponto de trabalho passa a ter uma conexão permanente com o
aluno e ambos deverão evoluir na mesma linha, por estarem compartilhando
a sua lição cármica. Esse aspecto é o que acaba complicando a vida de muitos
praticantes de magia que não entendem a profundidade do procedimento e
ficam gerações e gerações encarnacionais tendo que pagar seus carmas e
sofrendo a ação de entidades cobradoras de vidas anteriores. Esse tipo de
pessoa são as que fazem fila nos trabalhos de desobsessão dentro do
espiritismo, dentro dos trabalhos de orações das religiões derivadas do
cristianismo, etc.

Muitas das evocações que são feitas pelos alunos não têm força, por não
conhecerem a língua que foi ensinada no mantra, sem saberem o real
significado do idioma ou dialeto. Esse é outro ponto importante que as
pessoas desconhecem e acabam diminuindo a real atividade do encantamento
e a ação dele dentro dos reinos telúricos mais avançados. Assim o aluno de
magia deve ter conhecimento real do que ele quer manipular e como quer
fazer, para conseguir uma melhor performance e equilíbrio de energia que
serão inseridos no processo como um todo. As emanações de ódio e
vibrações desarmônicas acabam atraindo para o aluno energias equivalentes e
entidades também equivalentes que irão se acoplar como obsessores por um
longo período de tempo ou por várias encarnações, conforme a energia que
foi manipulada. O que no caso dos mundos em exílio e quarentena como a
Terra é muito sério e complexo do que nos mundos livres.

A nossa relação de troca com o universo sempre terá uma ação e uma
reação equivalentes dentro da própria força gravitacional que rege o universo
e não temos como fugir disso. Assim, cada partícula do nosso ser, desde a sua
formatação pelo nosso Eu Sou está conectado a esse fato e todos os corpos e
realidades paralelas também, o que acaba nos colocando em uma linha
cruzada de informações e energias que de alguma forma sempre irão
encontrar sua fonte de origem e terão que aprender a transmutar tal energia e
requalificar tudo em harmonia e consequentemente em amor.

A equação que o Shtareer nos passou é importante, pois ela se aplica à


realidade terrestre e ao nosso atual processo interno de requalificação da vida
e de experiências internas, o que exige de nós uma profunda busca interna e
retomada de princípios que foram deixados pelos amados Avatares de cada
Era e recentemente por importantes mestres vivos que nos ensinaram muito.

Os pontos riscados, sinais e símbolos de poder são outro assunto


importante dentro do tema das evocações e mantras, pois eles abrem portais
energéticos nas realidades etéricas complementares à realidade física que se
está atuando no momento, o que nos coloca dentro em um importante e
delicado assunto, pois é normal as pessoas usarem de forma irresponsável,
sem conhecimento os símbolos de poder para prejudicar outras pessoas, o que
tem um elevado preço que será cobrado pelo Conselho Cármico de cada
planeta e pelo próprio Eu Sou de cada pessoa que usou de forma indevida
essas energias.

O verbo tem o poder de abrir portais e caso seja emitido dentro do


idioma sagrado do Reino Dévico potencializa-se o acesso. Porém, poucas
pessoas o conhecem, além de ser um idioma proibido para os não iniciados
por ele representar uma ferramenta dos altos iniciados onde a Chama Trina
vibra em um percentual de mais de 83% de luz e amor, o que está bem longe
da maioria dos feiticeiros e fanáticos pelas forças ocultas. Quando uma
pessoa atinge tal qualificação e gradiente de energia em luz e amor, ela já está
num patamar de ascensão primária e não pode ser corrompida pelo que está
abaixo disso. Assim ela já atingiu a compreensão de muita coisa e possui um
discernimento do Todo e de da sua parcela dentro dele, que o impede de
entrar em frequências mais baixas em especial de manipulação desequilibrada
das energias Dévicas e espirituais. Normalmente essas pessoas ao
desencarnarem tornam-se guardiões no astral dos reinos Dévicos conforme
sua disposição, até galgarem novos horizontes dentro da sua jornada de
reconexão com a totalidade do universo.

O verbo, portanto, é muito importante e possui frequências de notas que


permitem também a abertura de fendas no continuum do espaço tempo como
nas fábulas do passado, que ajudam a nossa passagem para outras realidades.
Muitas das fábulas de Simbad, Ali Baba e outras da mesma época, remontam
à Atlântida, onde existia o verdadeiro conhecimento da abertura das fendas
entre as diferentes realidades paralelas entre a densidade de 3D, 4D e 5D que
permeia a Terra há milhares de anos. Assim é possível desenvolver um
trabalho de pesquisa das línguas mortas e procurar aos poucos as chaves que
estão muito bem guardadas e esquecidas. O idioma Tibetano arcaico e
ancestral, é um dos mais antigos que possui o tom especifico de abertura dos
portais secretos, informações guardadas a 7 chaves pelos Lamas tibetanos,
justamente para resguardar esses templos e realidades que estão evoluindo
em paralelo e podem nos ajudar no momento decisivo da mudança do eixo
terrestre.

Quando uma evocação é manifestada com o ancoramento devido e a


sintonia do amor e da justiça, pode se abrir verdadeiros portais para as
hierarquias dos mestres e seus templos, o que ocorre a medida que a sintonia
do aluno entra na chama da verdade e sinceridade, exigindo que o foco do
aluno esteja no momento presente, pois do contrário existe uma grande
dispersão da energia e o encanto ou evocação não funciona. Isso é muito
comum nas pessoas que vão fazer trabalhos de magia, mas não possuem seu
foco no está sendo feito. Com isso elas não conseguem o que querem por não
terem participado de corpo e alma, fator muito importante na disciplina do
aluno e das pessoas que querem se beneficiar com a magia para questões
pessoais de ordem emocional e profissional. Uma pessoa que não está
concentrada no que necessita ou no que quer, não tem força e o pedido não
faz efeito. Além disso as entidades evocadas não direcionam totalmente a sua
energia por verificarem que a pessoa não está na mesma sintonia e assim
aproveitam o ectoplasma do encantamento, mas não direcionam toda a
energia para a situação.

Yaberin passou por experiências interessantes nos mundos de Orion,


onde as forças naturais de muitos mundos desse quadrante eram áridas, onde
a existência de água era muito menor do que na Terra onde temos 70% de
oceanos para 30% de terras. Lá normalmente a proporção é quase inversa. O
que molda a energia das pessoas, que neste caso são mais frias, com menor
índice de emoções e sentimentos. Em grande parte, esta é uma das
características de muitas raças que lá evoluíram e que estão sitiadas na Terra
para aprenderem sobre a emotividade e sentimentos da espécie humana, que
recebeu uma forte influência de alguns mundos aquáticos de Sirius e das
Plêiades, muito similares com a Terra e com a espécie humana daqui.

Nos mundos de Orion mais desérticos a energia é mais densa, mas ao


mesmo tempo leve, devido a fatores gravitacionais e atmosféricos onde o ar é
rarefeito e muitas vezes composto de gases respiráveis para essas outras
formas de vida, de acordo com sua evolução e egrégora do planeta.
Normalmente as raças ligadas aos mundos mais áridos são mais arredias e
com um alto grau de racionalidade e desenvolvimento tecnológico para
sobrevivência, assim como as raças derivadas de répteis e insetos. Já a
espécie humanoide é mais delicada e se adapta melhor a mundos mistos, onde
ambas as porções de energia árida e aquática se manifestam para trazer o
equilíbrio interno.

Nosso amigo conheceu em sua trajetória evolutiva uma nova forma de


pesquisa e contato com as hierarquias ligadas a esses mundos, que permitia
uma conexão de alma com a coletividade sistêmica desses setores de Orion.
Na verdade, existe um propósito muito importante para que esses mundos
sustentem vida e para que eles evoluam e possam com o tempo dentro das
diversas metamorfoses que eles passarão, aprender sobre os sentimentos das
outras formas de vida mais vulneráveis às questões dos relacionamentos. O
convívio com esses grupos de seres é muito mais enriquecedor do que
imagina, mas a nossa mídia tem colocado muitas vezes em nossa mente e no
nosso psíquico que as outras formas de vida são negativas e escravizadoras.
O que de fato ocorreu, mas não podemos generalizar, pois dentro da própria
espécie humana temos muitos exemplos de todas as partes dentro da
polaridade entre amor e a maldade.

Um fator interessante é que em sua formação geológica, a Terra recebe


influência direta dos mundos de Sirius e de Órion, respectivamente de
Avaara, Sirion, Sirius Daphius e Três Marias, Rígel e Betelgeuse. Assim a
combinação geológica e estrutural do reino Dévico na Terra encontra uma
condição que permite que diversas raças possam se manifestar dentro dela.
Como um mundo decimal, o planeta tem uma configuração especial que
permite o desenvolvimento e experimentação de várias formas de vida sobre
sua superfície além de comportar uma alta diversidade de experimentos
genéticos e sociais. A criação da Terra soma cerca de 5,3 bilhões de anos e
foi gerada com intenções já conhecidas por Micah e pelos grandes Elohins
que são os engenheiros Cocriadores do Universo. Assim a função da Terra tal
como a conhecemos hoje, mesmo dentro do exílio, já era esperada e tinha seu
propósito, pois os Anciões de Dias sabiam o que viria pela frente.

A Terra possui então, arquétipos Dévicos de ambos os quadrantes


estelares e a possibilidade de acomodar aspectos divinos e energéticos
vibracionais do conselho Dévico, o que não ocorre em outros mundos. Por
isso a grande diversidade na biosfera e a grande riqueza de fauna e flora que a
Terra apresenta, justamente por reproduzir parte de muitos Devas e reinos
naturais, minerais, biológicos e telúricos de dois grandes sistemas
exportadores de vida na Constelação de Satânia, dentro de um perímetro de
cerca de 10.457 mil anos luz.
INICIAÇÃO COM O PLANO ASTRAL,
REALIDADES DESENCARNADAS

aberin nos ensina que existem diferenças significativas de


Y vibração entre as realidades astrais e telúricas, de acordo com suas
frequências que são polarizadas de acordo com o histórico do local
e dos seres que hoje ocupam estes locais. Relacionando esta informação e os
fundamentos dos mantras e evocações devemos levar em conta que o local
onde serão realizadas as aberturas de portais e conjurações receberão
influência direta das frequências existentes nas realidades astrais do local que
escolhemos para desenvolver o trabalho. Por isso é importante nos
atentarmos à qualidade dos locais que escolhemos para o trabalho magístico
ou espiritual e a qualidade do local que moramos, uma vez que estamos
expostos aos campos energéticos desdobrados destes locais.

A realidade de um templo ou cidade telúrica, que normalmente orbita de


2 a 7 oitavas de luz acima, não permite trabalhos desarmônicos onde as
descargas tenham relação com intenções negativas. Elas são gradualmente
bloqueadas pelos guardiões da região, que não aceitam e não vibram nesse
tipo de energia. Já o que não ocorre quando se está trabalhando sobre um solo
onde existem campos telúricos de desencarnados e conexão com o Umbral
dessas realidades, o que é muito comum em muitos pontos de poder da Terra,
que já passaram por muitas guerras e conflitos, acumulando registros densos
nos planos astrais.

Yaberin nos conta uma importante experiência vivida no sistema de


Deigobaren, que fica nas proximidades de Mintaka, a estrela central das 3
Marias, cerca de 127 anos luz de distância da Terra. Esse mundo existia na
época na frequência de 4D e possui uma órbita ao redor de uma estrela de cor
alaranjada de 4ª grandeza, um pouco maior do que o nosso sol Monmatia.
Neste mundo Yaberin encarnou pela 3ª vez entre aproximadamente 423
encarnações dentro do quadrante central de Órion. Todas elas monitoradas
diretamente por seres elevados de Sirius que já desenvolviam projetos e
experimentos encarnacionais diretos e indiretos nas imediações de Órion.
Esse mundo apresentava uma sociedade relativamente harmônica com
população de cerca de 13 bilhões de seres, com tamanho aproximado a
Urano, com 23 mil quilômetros de diâmetro, aproximadamente 10 mil a mais
que a Terra.

Neste planeta Yaberin inicia um profundo estudo das percepções


sensoriais e comportamentais destes seres, com o objetivo de complementar
as investigações realizadas por suas outras partículas também inseridas em
mundos de Órion de 3 a 6D, todas filiadas à Fraternidade Rosa de Órion
sustentadas diretamente pela egrégora de Metraton. Este mundo foi escolhido
porque foi envolvido em guerras dentro dos processos coloniais de Órion,
cerca de 7 milhões de anos atrás. E todas estas experiências vividas por este
mundo estão magnetizadas em seu campo vibracional, oferecendo ampla
experiência para Yaberin, que neste momento já possui percepção da vida e
mantinha os mesmos mentores que o tinham levado para esse mundo para dar
continuidade à sua rota e expressão de alma dentro do holograma
encarnacional de diversos mundos. Este mundo no início foi conquistado
pelas tropas imperialistas de diversos grupos e era disputado pela sua grande
riqueza mineral e posição estratégica frente aos Portais projeção dimensional
e de navegação pelo sistema de dobras que as naves dessa geração
empregavam. Assim esse planeta passou por fortes abalos culturais até se
estabilizar como uma referência no Império de Orion, que por sua vez, era
regido por diversos povos dos mundos mais adiantados do ponto de vista
tecnológico desse grande sistema. Ou seja, tinham grande evolução científica
e social, mas pouco avanço no aspecto emocional e espiritual, o que levou
Yaberin para esse mundo em Deigobaren para criar uma nova fundação de
sentimentos e espiritualidade com a ajuda de muitos Mestres e Avatares, que
estavam predestinados a nascer nesse mundo no decorrer de muitas eras até
os dias de hoje na realidade de 6D onde existe neste momento.

Yaberin possuía uma consciência relativamente aberta dentro daquele


mundo e à medida que vivia seus ciclos encarnacionais, foi criando uma
simbiose com o planeta, o que o auxiliou no despertar, fundando então o
Templo da Luz Divina, que posteriormente transforma-se nas Escolas
Herméticas de Thot. Esta escola chega à Terra e com o tempo é confundida
com as escolas de Baal, que é um Deus Anunnaki de Nibiru também
conhecido por Marduk. Com a mudança e evolução da linguagem escrita e
traduções em nosso planeta o antigo Deus Bel, torna-se Baal e Belzebu,
consequentemente distorcendo os reais ensinamentos da escola fundada por
Yaberin. Uma das grandes perdas e distorções que ocorreram pelas
manipulações foram os dogmas estabelecidos aos Dragões e Dracos da
constelação de Órion e às estruturas religiosas estruturadas de forma a
propagar o temor a Deus, por suas características punitivas e impiedosas,
estes registros foram inseridos por Marduk, inspirado pela administração
anterior de seu tio Enlil.

Inicialmente o Templo e a Ordem fundada por Yaberin nesse mundo,


tinha correlação com o Templo Dourado de Metraton e consequentemente
com a Ordem Siriana de Thot, que também foi adulterada na Terra pelas
disputas de poder entre os Nibiruanos que colocaram a humanidade como
joguetes de um xadrez, gerando conflitos e batalhas entre a raça humana para
o divertimento e vampirização emocional dos deuses reptilianos e dos
próprios Nibiruanos Arcontes.

Yaberin, ao fundar inicialmente o Templo da Luz Divina, gerou uma


condição única nesse mundo, pois os outros iniciados tinham se perdido pelo
egocentrismo e pela comodidade da alta tecnologia. Nesta escola o primordial
era o poder do espírito, da alma e da projeção da capacidade psíquica e não
do amparo tecnológico, pois a tecnologia, na maior parte das escolas
herméticas, já tinha corrompido grande parte dos alunos dentro do contexto
de Orionis e de outras constelações.

Yaberin estava acoplado à sua consciência de Sirius e já trocava


informações com seus amparadores, o que o ajudava a seguir os caminhos
traçados por Shtareer, Yaslon Yas e Shiva Hama Kur que já estavam
acoplados a ele há milhares de anos antes das etapas evolutivas de Orion. O
Templo da Luz Divina era uma escola que ensinava os fundamentos da
utilização das capacidades mentais e psíquicas, colocando em equilíbrio o
conhecimento científico e espiritual. Yaberin tinha formação científica
equivalente a engenharia na área de eletrônica, dimensional e cibernética, que
incluía altos conhecimentos de anatomia e biologia, equivalente à nossa
robótica na Terra, unificando muitos aspectos que a racionalidade concreta da
época manifestava. Um profundo conhecimento de magismo e das leias sutis
dos outros planos era necessário para colocar essa cultura a par das outras
realidades, que pela ciência já eram conhecidas, pois na época essa cultura
utilizava muito os Portais de Dobra que lhes permitia acessar mundos que
orbitavam outras realidades mais sutis ou mais densas no grande império de
Orion, que na ocasião já compreendia mais de 3.800 mundos colonizados e
centenas de sóis que já tinham sido trocados de órbita para criar os portais e
impérios que formavam a Federação de Mundos Aliados. Esta Federação era
a base de sustentação das diversas Casas de Comércio, que tinham a função
de sustentar a troca de mercadorias e bens de consumo, assim como as
matérias primas que eram consumidas pelo império e outros grupos que
pertenciam a outros impérios fora do quadrante central de Orion, como era o
caso do Império das Plêiades, Sirius, Arcturos, Denébola, Pégaso, Toliman,
Vênus, Marte e outros sistemas mais distantes, que ao todo estavam dentro da
conexão mais profunda da constelação de Satânia. Os contatos com
quadrantes externos de Satânia eram feitos, mas com menor grau na época,
como o caso das delegações das galáxias de Andrômeda e outras do conjunto
das 21 galáxias à qual a nossa Via Láctea pertence.

Essa escola era uma continuação das antigas escolas de Mistério que
tinham sido criadas por Metraton em suas antigas efusões como Cristo e
como Avatar dentro dos principais e mais antigos mundos despertos de
Orion, como é o caso de Betelgeuse e seus sete planetas ativos, que eram
mundos muito antigos com um passado misterioso e lendário por vários
aspectos, que deram vida a centenas de outros mundos nos arredores. O
mesmo ocorreu com outros sistemas como a grande estrela gigante de Rigel,
que foi o ponto de partida para a espécie Draconiana. No entanto, esses
aspectos têm mais de 8,2 bilhões de anos há 14,6 bilhões de anos da nossa
contagem, onde outras realidades já tinham deixado de existir dentro do
cenário cósmico local.

Os antigos guardiões do Templo estavam criando uma nova conexão


para que todos os descendentes dessa outra época pudessem voltar ao sistema
evolutivo da espiritualidade como tinha ocorrido antes, sustentando assim o
ciclo da vida e das etapas internas de cada um na sua percepção evolutiva e
criacional. Cada um desses mundos já tinha o histórico de seres que atingiram
altos gradientes de luz e tinham se desmaterializado e deixado de existir. As
raças descendentes contavam essas lendas e isso baseava parte dos aspectos
religiosos de Satânia, de outros povos e culturas de forma similar ao que
ocorre na Terra atualmente em relação às antigas lendas dos Deuses e
Divindades que já habitaram e ajudaram a humanidade.

Yaberin estava destinado a retomar esse conhecimento e legado e trazer


à tona antigas escrituras e templos que pertenciam a eras anteriores. Por esse
motivo foi colocado num mundo tão próximo à irradiação das Três Marias,
que representa um dos mais importantes portais evolutivos de Orion por estar
muito próximo à grande nebulosa de Orion, que é um celeiro vivo de criação
de planetas e estrelas em formação. Dentro dessa nuvem, que não pode ser
totalmente vista da Terra, existem milhares de planetas em estado de
excitação e acomodação geológica que já recebem a visita de seres espaciais
e estão desenvolvendo condições para que a vida se manifeste em um futuro
não muito longe na escala temporal sideral.

O Templo da Luz Divina de Yaberin era uma forma de resgatar o antigo


conhecimento e conexão com os Avatares de outras épocas que já tinham
ascensionado além da frequência de 10D e que davam sustentação para o
plano evolutivo de milhões de seres dentro de seus respectivos gradientes
existenciais nos mais de 3.800 mundos habitados pela cultura local. Mesmo
dentro das diversas raças expressas de forma racional e intuitiva, diversos
grupos de seres de luz representavam um foco de sustentação para o despertar
de alma desses grupos. O Templo foi criado em um momento oportuno,
devido ao alto grau de evolução tecnológica e consciencial de milhões de
seres, pois com o tempo surgiriam disputas por espaço e pela divergência
cultural, pois muitas dessas raças tinham a necessidade de subjugar outras
para impor sua verdade.

Os Mestres desse quadrante estelar tinham como objetivo inserir a chispa


divina da liberdade e da transmutação de valores, para que as culturas
pudessem assim entrar em uma nova rota evolutiva e não repetissem os erros
do passado e de outros sistemas fora do quadrante de Satânia, como ocorreu
nos sistemas internos de Andrômeda e das constelações mais próximas, que
sustentaram altos gradientes de negatividade e dualidade. A ordem
Lanonadeck estava empenhada junto à Ordem Melchizedeck para criar uma
condição diferente em que os grupos até então em grau de maior despertar,
pudessem dar o suporte para o salto consciencial da maior parte de seres.
Semelhante ao que ocorreu com os filhos da estrela de Canopus, que
atingiram um alto gradiente de luz sem confrontos maiores e dentro de uma
tônica positiva.

No entanto, dentro de Orion a situação era muito diferente devido ao alto


grau de dualidade expressada por raças que tinham sido geneticamente
manipuladas para criar guerreiros perfeitos, como foi o caso de várias
ramificações de draconianos e insectoides próximos a Rigel e Saiph, que
estavam intimamente ligadas às culturas espiritualizadas da estrela de Meissa,
que fica nas imediações de Rigel, formando um triângulo de poder muito
grande.

Yaberin foi instruído a criar uma escola que deveria perdurar e


transmutar o conhecimento para permitir que os focos de luz de outros
sistemas pudessem através da própria Federação de Mundos da época inserir
uma nova conduta, parâmetros evolutivos e culturais para impedir assim o
confronto e a ruína dos diversos impérios que estavam ligados ao sistema
central.

O foco que Yaberin abriu foi chamando a atenção de diversos alunos que
sentiram o movimento do raio do conhecimento na irradiação da luz dourada
violeta, levando centenas de alunos e pesquisadores com fortes bases
científicas a procurar essa nova oferta de conhecimento. Com isso,
informações de caráter científico e espiritual totalmente complementares
foram se cruzando, o que ajudou a fundamentar a escola de forma oficial,
conquistando seu reconhecimento pelas estruturas sociais e políticas desse
mundo. Assim outras escolas foram abertas, como uma rede propagando-se
para outros planetas. Na época a expectativa de vida do corpo de Yaberin era
de aproximadamente 3.700 anos terrenos, mas foi amplificada para uma
jornada de quase 13.850 anos devido a meditação e às trocas de genes que
geravam a morte. Assim ele pôde acompanhar cerca de quatro gerações de
seu planeta entre outras, de outros mundos.

Aqui uma das chaves que vocês precisam entender por sua ligação com a
Cura Quântica Estelar e com a Ordem Santa Esmeralda, que é a interação
direta da Supra Confederação dentro do processo político das Federações e
o movimento de libertação das Almas aprisionadas na própria dualidade que
geraram ao longo de seus hologramas encarnacionais relativos às disputas de
poder pelo poder. A maior parte de vocês que hoje é ou será aluno da CQE,
está na verdade retomando questões suspensas há milhões de anos em outros
mundos quando ocorreu a grande guerra de Orion e diversas outras batalhas
de poder entre as almas encarnadas nas diferentes raças que constituem os
draconianos, dracos, insectoides, humanos, humanoides, anfíbios,
mamíferos e outras formas simbióticas de vida que fazem parte do palco
holográfico de poder, guerra e sofrimento. Todos vocês fazem parte dessa
história e já conheceram o Mestre Entrante Yaberin e outros do grupo de 144
Mestres Entrantes em Teta, por serem almas que descenderam da Supra
Confederação enquanto Mônada. Muito antes de se dividirem em Almas,
vocês já estavam conectados à Fonte e acabaram se perdendo nas
encruzilhadas da existência da materialidade.

Os segredos da alquimia para a imortalidade também fizeram parte dos


estudos, onde se combinavam poderes químicos das ervas com as condições
da ciência na troca de órgãos. Além do uso de fungos, bactérias e outros tipos
de contaminações naturais ou não, que levavam a diminuir a expectativa de
vida. Assim, a escola de Yaberin foi sem querer uma das precursoras dos
estudos de extensão do tempo de vida. Os ensinamentos da espiritualidade
eram presentes e uniam-se com o conhecimento científico sem maiores
problemas, colocando os alunos na linha do raciocínio das equações
matemáticas de harmonia, das ações e reações da própria física, moldando
assim uma postura ética e moral que seria inserida no código de ética da
Federação que passava por profundas mudanças. Assim aos poucos foi
inserida uma importante semente de conhecimento e de valores que
despertaram importantes seres que se tornariam comandantes e líderes
políticos, ajudando no equilíbrio do jogo de forças dos mundos ligados aos
centros operacionais de Órion.

O centro operacional desse vasto império tem profunda ligação com as


lendas e histórias canalizadas por George Lucas, criador de Guerra nas
Estrelas e a lenda dos Cavaleiros Jedi, que na verdade eram sacerdotes
dotados de capacidades extra-sensoriais em relação aos outros povos mais
densos com o objetivo de manter a ordem. No entanto, houve um desvio da
força e seres se corromperam dentro dessa proposta, o que é real. Com o
tempo, alunos das escolas herméticas se desviaram do caminho e passaram a
vibrar em energias contrárias à proposta original das escolas, dando abertura
para que as forças da dualidade tomassem o poder em determinados povos, o
que levaria à formatação de novos impérios forjados a sangue.

O conhecimento acabou corrompendo muitas almas que queriam usá-lo


para controlar e sustentar uma realidade temporal ilusória, além de prolongar
a vida. O que fez com que a tecnologia se sobrepusesse ao campo energético
espiritual que era a proposta original, ou seja, quando a alma e a consciência
estão em equilíbrio, todo o corpo também está — como ensina o Yôga. Dessa
forma esses seres tinham uma vida muito mais longa devido ao seu equilíbrio
interno e eventualmente com a ajuda da tecnologia. A nova geração de seres
passou a utilizar sem discriminação todo tipo de tecnologia para aumentar o
tempo de vida, mas se esqueceram da humildade e da energia espiritual como
base inicial do processo, o que acabou deixando-os escravos da tecnologia
para prolongar suas vidas, baixando o padrão sensorial que eles detinham até
então. Passaram a viver sem o equilíbrio interno, entre a força espiritual e a
consciência de alma. E assim foram corrompidos pelo poder com muita
facilidade e estes por sua vez, ocupavam altos cargos e tinham o poder da
manipulação das massas sociais, o que acabou levando à formação de um
histórico triste de poder e desmandos dentro da longa história de Órion.

O histórico desse grupo estelar soma mais de 14,9 bilhões de anos desde
sua formação original. Atualmente a maior parte dos grupos já se desarmou e
entrou para os grupos federados e outros da Confederação, procurando
resgatar seus filhos perdidos na Terra e em outros mundos de exílio. No
entanto, ainda existem grupos que vibram na energia de confronto e de
idealismos culturais dentro da dualidade. Em menor grupo do que antes, mas
totalmente dependentes da alta tecnologia tanto para viverem, como para se
expressarem e oprimir outros seres. Esses grupos são denominados de
rebeldes ou renegados pelo Conselho da Federação e embora não exista uma
guerra declarada, eles estão marginalizados devido à sua interferência nos
mundos em desenvolvimento. Por isso são observados com cuidado e vigília
por parte dos grupos da Federação dentro de um delicado equilíbrio de
política interestelar, que chega à humanidade através de informações
truncadas dos Comandos Estelares e dos não-confederados, que não vibram
na energia de Cristo Universal. Esse aspecto ainda é muito complexo para a
humanidade, que possui um alto gradiente de negatividade e dualidade, pelo
próprio histórico encarnacional e criacional dos antigos colonizadores
estelares que deram origem à forma terrestre nestes últimos 3,2 milhões de
anos, que é a contagem regressiva do experimento Kad Amon Urântia, do
qual nós como humanos fazemos parte.

A forma genética adâmica também é conhecida como humana, mas na


verdade se enquadra no contexto os seres humanoides que possuem mais de
48 códigos genéticos diretos e outros indiretos, relacionados à segregação
racial ao longo da história galáctica com um reflexo mais denso no setor de
Orion, onde alguns Comandantes iniciaram uma forte rebelião política e
religiosa de separação dos meios de controle e dogmatização religiosa e
tecnológica, como ocorreu ao utilizarem implantes de controle neural nos
seres dessa sociedade. O líder de um desses grupos que possui um nome
similar ao de Satã na linguagem terrestre foi um dos estimuladores dessa
separação que acabou iniciando o êxodo de vários povos do setor central de
Orion para setores periféricos, criando novas dinastias, grupos raciais e
federações independentes da proposta de unificação que veremos mais
adiante na fase nova deste livro. Esta fase da história foi mal interpretada e
usada de forma incorreta pelo Anunnaki Marduk e seus colaboradores para
inserir na humanidade o holograma do Diabo e do Demônio negativado
contra Deus, sendo a Igreja Católica o meio de dissipação e sustentação
original dessa mentira ou distorção dos fatos reais, que foram mal
interpretados pelos sacerdotes antigos da Suméria, Babilônia, Egito e outras
culturas até se chegar ao Persas e Assírios e finalmente aos Hebreus.

Existe uma profunda ligação entre os ensinamentos de hoje nas escolas


herméticas e os ensinamentos que no passado faziam parte desses grupos
exilados na Terra. Ensinamentos similares e em outros aspectos iguais aos
que Yaberin ensinou e aprendeu com seus mentores na sua longa trajetória
dentro do Universo Local de Nebadon e na ligação com diversos graus de
consciência com Shtareer e com outros Mestres da Grande Fraternidade
Cósmica.

Hoje estamos resgatando muitos desses ensinamentos que foram


distorcidos por vários fatores de controle e dogmas do passado, onde não se
entendia o porquê dos ensinamentos. Assim cada um deve voltar a galgar a
sua própria consciência entre o conceito do certo e errado, em relação a três
princípios básicos do universo:
1. NÃO FAÇAS AO PRÓXIMO O QUE NÃO QUERES PARA TI
2. AMA AO PRÓXIMO COMO A TI MESMO
3. RESPEITA O LIVRE ARBÍTRIO DO PRÓXIMO

Esses três aspectos são básicos para se entrar dentro da linhagem dos
seres coligados a Cristo e obter o crescimento interno rumo à harmonia
cósmica, modificando certamente muitos aspectos relacionados aos dogmas
do passado que carregamos de encarnação para encarnação.

Quando a vida de um aluno é regida por esses três princípios, ele


compreende o princípio da vida em todas as suas formas e condições e passa
a integrar a raça dos Ascensos e seres de luz, pois a luz interna se manifesta e
em poucos ciclos encarnacionais ele se liberta dos falsos valores. E passa
desta maneira a encarnar e orbitar os mundos mais sutis, chegando ao próprio
Eu Sou interno manifestando um ser Ascensionado e expressando a vontade
Crística Universal da Vida. Esse foi o maior aprendizado que Yaberin
conseguiu vivenciar, pois ele manteve outras propostas paralelas ligadas ao
Comando da Frota onde atingiu o cargo de Almirante da Frota de Sirius e
depois o comando da Confederação em outro fluxo paralelo, onde se unificou
como uma única consciência espiritual na evolução de todos os focos
separados anteriormente.

Toda manifestação de vida regida por esse código e ética moral ascende
rapidamente dentro da polaridade, mas muitas vezes necessita passar pela
experiência dos outros aspectos da dualidade. Por esse motivo muitas almas e
seres de dimensões superiores escolhem vivenciar em realidades mais densas
a dualidade para adquirir a mestria sobre a sua própria dualidade interna que
era desconhecida antes dessa experiência. Esse fator é complexo, muito
misterioso e velado para os não iniciados. E mesmo para os iniciados,
representa um dos obstáculos internos mais secretos do despertar e da
compreensão sobre os três aspectos divinos e das leis que regem o Todo.
Quando um ser de luz se negativa corrompendo alguma dessas três diretrizes,
ele entra em seu umbral e passa a trabalhar as evoluções pela polaridade
inversa, como rege o mistério de Exu em muitos aspectos de seus tronos
maiores. Assim esse ser volta a ser divino e puro, mas com a mestria do que
ocorreu do outro lado da sua própria essência que antes estava polarizada
apenas na bondade e inocência de alma da luz. O mestre surge das cinzas e
do processo interno de cada um e por isso essas diretrizes são importantes,
porque em muitos casos foram quebradas e se tornaram a grande barreira do
conhecimento e da libertação de cada um.

A liberdade está dentro de cada um e nas escolas de magismo secretas


cada aluno aprende a centralizar seu equilíbrio na divindade interna, onde ele
irá superar sua dualidade e a curiosidade pelo lado da manipulação do poder,
que é uma das fraquezas da alma no caminho da ilusão.

Cada Mestre passou por esses processos internos e compreendeu a sua


verdadeira essência divina dentro do cenário cósmico da dualidade e da
criação, se reconectando com os mistérios internos da alma que regem cada
um de nós. Quando Yaberin se encontrava em seu ciclo evolutivo e de
compartilhamento com os filhos de Orion, muitos aspectos do passado
umbralino do mundo escolhido como ponto de partida para o Templo da Luz
Divina ficaram claros devido ao peso do passado e dos portais para o
sofrimento e os vórtices de energia abertos pela guerra e atitudes mais densas
consolidadas na guerra pelo poder. Isso é muito importante estar presente em
nossa vida, pois assim como temos os bons momentos, também temos os
maus momentos. O que acaba gerando desequilíbrio em nossos trabalhos e
nos conecta com nosso lado obscuro que ainda não tinha sido aflorado.
Dependendo do indivíduo e da índole que existe em sua alma e da carga
genética, temos um aspecto que pode ser muito sério e pesado ou totalmente
indelével na vida da pessoa. Nos referimos à ressonância de energia espiritual
e psíquica que regem cada pessoa.

As experiências vividas por Yaberin ao fazer contato com o mundo


Dévico e Astral no decorrer dessa longa trajetória interagindo com diferentes
pessoas que traziam a sua própria carga genética e emocional ressonantes ao
astral emocional e hereditário, foram muito importantes para a compreensão
desse processo. Dessa forma muitos aspectos do Astral de alto e baixo padrão
se manifestaram na busca de cada uma das pessoas que estava se
desenvolvendo. O mesmo ocorreu com as experiências internas vividas por
Yaberin, que também tinha o seu lado escuro, decorrente de suas experiências
nos outros mundos por onde tinha evoluído, lembrando que ele também
passou pelas etapas mais densas como todos, além de possuir outras
realidades paralelas dele mesmo sustentadas pelo seu Eu Sou dentro de uma
linha temporal muito próxima e em mundos de sistemas estelares também
próximos.

A realidade paralela dele como militar e buscador da dualidade nos


extremos, também é real e faz parte da sua identidade cósmica, pois assim ele
poderia intensificar a jornada de ambas as polaridades e permitir uma
unificação com todas as linhas que estavam manifestando as experiências
encarnacionais nos diversos mundos do quadrante das 21 galáxias dentro do
setor experimental do Universo Local de Nebadon, que pertence ao registro
evolutivo do amado Micah.

Estamos verificando o lado mais esotérico da alma que Yaberin


manifestou, mas aos poucos iremos mostrar o lado voltado à carreira dentro
da Federação e à unificação de ambos em uma etapa mais amadurecida das
partículas envolvidas. Somente dentro do setor de Orionis, que possui um
perímetro estelar de cerca de 10.457 mil anos luz, existiam na época cerca de
362 almas manifestadas a partir da sustentação do Eu Sou dele e este Eu Sou
por sua vez, é sustentado pela egrégora de Micah e Shtareer dentro de um
conjunto de energias multidimensionais além das realidades do Universo
Teta.

Yaberin é uma das partículas que comporia a personalidade do Apóstolo


Thiago menor, que foi filho de Mãe Maria com José, cerca de sete anos mais
novo que Jesus Cristo de Nazaré. Thiago foi um irmão de sangue de Jesus e
tinha a energia direta de José, que é no momento conhecido como Mestre
Saint Germain, que teve entre tantas encarnações na Terra a egrégora do
amado e sábio Merlin, uns dois mais importantes protetores da Ordem
Melchizedeck e das escolas secretas de Magismo e protetor também do Santo
Graal. Assim Yaberin teve que galgar muitas etapas internas para poder
chegar na Terra. Devido suas capacidades, experiências e esforços, pôde ser
parte dos mistérios de Jesus e de seus Apóstolos, como parte de sua família
estelar. Cada Apóstolo era de um sistema estelar e de uma raça que no
passado tinham sido inimigas. Estavam todos juntos sustentando a proposta
de Jesus e do criador Micah, através da lição do amor e não mais das armas
como no passado tinha ocorrido.

Cada um dos Apóstolos, assim como a maior parte das almas


manifestadas dentro dos diversos planos da efusão material nos diversos
mundos do Universo Teta, infringiu as três Leis básicas, colocando-se em
uma situação de Xeque contra sua própria divindade, o que os fez passar por
diversas situações de resgate. Por esse motivo todos eles estavam aqui na
Terra, semelhante ao que tinha ocorrido no passado deles em Capela, Sirius,
Boronak, Tau Ceti, Plêiades, Aldebarã, Arcturus, Draconis, Mintaka,
Danúbio, Antares, Spica, Denébola, Toliman, Agena, Sargasso, Kow Wood,
Formalhaut, Canopus, Reticulli, Maldek, Marte, Vênus, Júpiter, Nibiru,
Plutão, Sargathis, Shaula, Vega, Lira, Ariethis, Altair, Áquila, Andrômeda,
Gracyea, Nodia; entre os principais sistemas que interferiram no processo
Terra. Muitos desses mundos deixaram na Terra milhares de representantes
na fisicalidade e outros tantos nos planos astrais, que acabaram projetando
suas ilusões na Terra equivalente ao que já tinham manifestado em seus
mundos de origem presos nos falsos valores geradores de desarmonia, muitos
destes ainda aprisionados em nosso planeta.

O papel dos Apóstolos na Terra tem relação direta com suas vidas
passadas em cada um desses mundos dentro e fora das leis da Federação e
dos grandes conflitos de ego e ilusão que cada um à sua maneira vivenciou na
ilusão e temporalidade de cada Império. Dentro de uma ótica ampla e
cosmogênica, todos que estavam ali tinham um importante papel pessoal e
cósmico a desenvolver para com as almas lá encarnadas e desencarnadas, que
estavam no momento certo e na hora certa para testemunharem a
manifestação do próprio Criador na forma de Jesus Cristo, vivenciando as
dores e dificuldades como uma pessoa normal. Isso é importante, pois em
muitos outros mundos ocorreu a manifestação de Avatares do mesmo
patamar de Jesus para despertar os filhos que tinham caído na ilusão da
dualidade e da guerra pelo poder, como os discípulos de Satã e seus
colaboradores. Eles caíram entusiasmados pela rebelião e por uma nova
ordem estelar, impondo seus próprios hologramas pessoais ao movimento
dessa suposta rebelião, instaurando novas leis e parâmetros para os povos e
civilizações que surgiram desse êxodo estelar e posteriormente para os
mundos de exílio.

Portanto, Yaberin teve cerca de 15 encarnações dentro do sistema de


Deigobaren onde passou aproximadamente 200 mil anos da nossa contagem
encarnando e se desenvolvendo gradualmente através do envolvimento com
outras raças. Com o tempo este mundo se transformou em um importante
centro de estudos e intercâmbio com outros sistemas, o que levou Yaberin a
manifestar suas experiências nos outros sistemas ligados ao fluxo de energia
direto do eixo de influência das Três Marias. Posteriormente dentro do
sistema de Betelgeuse e Belatrix, teve mais encarnações onde encontrou
algumas de suas almas gêmeas e acabou com o tempo se fundindo em um
único foco, enquanto iam se integrando na consciência estelar e cósmica de
suas experiências. A essa altura Yaberin já atuava no gradiente dimensional
entre 3D a 7D entre os diferentes mundos desde o foco central de Sirion na
estrela Avaara de onde a sua essência partiu pelo Portal de Sirion para
manifestar as experiências em Satânia e arredores dentro da Via Láctea.

Deigobaren foi um dos pontos de partida das emanações do Eu Sou de


Yaberin para os quadrantes além das fronteiras de Sirion, que até então
estavam centralizadas. Com isso, cerca de 379 almas passaram a viver fora da
egrégora consolidada pelo império de Sirius e passaram a fragmentar
importantes polos de energia e conhecimento, que tinham que crescer e
partilhar informação para poder semear e aprender. Dessa forma, na medida
que as consciências de cada realidade se elevavam, iam se integrando e
fortalecendo seus focos na verdade interna e não mais na ilusão externa e
temporária mortal de cada efusão material nos mundos mais densos e com
maior grau de dualidade e distorção da divindade interna. A libertação dos
falsos valores e a expressão da nossa verdade interna são importantes
aspectos para a unificação de todas as nossas almas que foram fragmentadas
na formatação do nosso Eu Sou, nos permitindo estar dividido e junto ao
mesmo tempo, em diferentes partes do universo e tendo um aprendizado
complexo e muito mais amplo do que se imaginava inicialmente.

As aulas e técnicas de libertação das diversas ilusões que vivemos nas


diferentes etapas da vida tinham que ser perpetuadas. Por isso os mestres que
passaram pela vida de Yaberin foram importantes professores que deixaram
profundas marcas quanto a valor, respeito, diretrizes éticas e conhecimento.
Por meio deste exemplo, cada um em nossas próprias experiências e
circunstâncias, deveríamos verificar e trabalhar ativamente com todo o
conhecimento recebido para podermos de forma íntegra encontrar nossa
verdade interior e nossa forma de resgatar os desequilíbrios presentes em
nossas vidas paralelas.
Para cada plano da espiritualidade, como no Reino Dévico e Astral,
existem diferentes reinos que obedecem a diferentes seres e Mestres que
trabalham de forma totalmente integrada. No entanto, nem sempre estão em
sincronia em nossos trabalhos espirituais devido à separação que nós
humanos da Terra fazemos, o que nos dificulta cada vez mais na busca por
uma linha de equilíbrio entre o conhecimento e prática em as nossas vidas.
Yaberin passou por dificuldades da mesma forma que nós, no entanto o grau
de dualidade e ilusão dele era menor, pois em muitos mundos onde vivenciou
a ilusão, ela ainda não tinha atingido patamares tão elevados como no caso da
Terra. Isso porque o fenômeno de união de diversas raças e culturas de
diferentes partes da galáxia não é comum nos outros mundos, existindo
normalmente uma raça natural própria do planeta com poucas variações.

O reino Dévico tem relação com o plano dos Elohins e seu significado é
interessante, revelando importantes etapas da construção dos sistemas
decimais e estruturais do universo Teta, que representa a nossa realidade
existencial dentro da teoria das supercordas com as suas doze dimensões.
Cada reino possui um Deva diretamente relacionado a um Elohim como tutor
e sustentador e este, por sua vez, está ligado a outros Elohins e assim
sucessivamente até se chegar ao sustentador de cada foco denominado Orixá
Ancestral, que são os Sete Reitores Adjuntos do Universo, onde os Sete
Elementais Maiores sustentam todas as outras linhas e com isso temos as
permutações de diversos níveis de energia que foram explorados na Terra
pelas culturas e civilizações que já passaram por aqui no decorrer de tantos
anos. O mesmo ocorrendo com outras culturas extraterrestres, que passaram
por evolução similar à da Terra.

O sistema de evolução dos Elohins tem relação direta com os


Lanonadecks, que regem o processo administrativo, criacional, geológico e
Dévico da galáxia, diretamente envolvidos com os projetos de vida que os
Portões de Vida sustentam para cada planeta e sistema, que posteriormente
passam a ser vigiados e analisados à distância pelos filhos da Ordem
Melchizedeck, o que nos coloca numa interdisciplina e conexão com
diferentes reinos, mas cada um possui diferentes graus de evolução e atuação.

O reino astral é um habitat para seres que passaram pela linha evolutiva
encarnacional nos mundos de Teta. No entanto, ele entra em contato com o
reino Dévico em muitos aspectos sem conviver totalmente junto como se
imagina. O ponto de separação é a forma de criação e formas-pensamento
que são geradas entre um elemental ou Deva de um encarnado. Cada qual
tem uma diferente visão do universo e das realidades à sua volta. O que
diferencia de forma total a ação dos reinos internos e umbralinos. Enquanto
uma pessoa gera formas-pensamentos baseadas nas suas escolhas e vivências,
os devas geram padrões de informação adquiridos do reino humano que
habita o campo dimensional dos planetas, ou seja, eles são influenciados
pelas ações e emanações dos encarnados, passando a atuar na realidade
terrestre de acordo com a poluição mental e emocional que os seres humanos
geram.

Um Deva não sabe odiar e nem matar, pois foi criado para proteger e
servir ao propósito da vida. Ele não possui livre arbítrio como o reino
humano possui e essa é a principal diferença que as pessoas não percebem.
Os devas podem ser influenciados pelo reino humano ou pelos magos para
efetuar atividades e adquirir comportamentos que não fazem parte da sua
verdadeira natureza, o que acaba deturpando suas consciências e
desestabilizando a própria natureza. Já o ser humano, por possui livre
arbítrio, tem a capacidade de escolha e de gerar o que quiser. O que muitas
vezes se torna seu próprio carma e o coloca em situações muito densas
ligadas diretamente ao Umbral que ele mesmo gerou em sua vida, muitas
vezes se repetindo pela forma desequilibrada que cada vida se desenvolveu.
De forma acumulativa, isso acaba levando à desordem que podemos ver na
vida de muitas pessoas. Esta mesma mecânica se aplica a muitos mundos fora
da realidade terrena, como no caso de Capela e alguns de seus mundos.
Sirius, e tantos outros que já foram citados antes.

O reino do astral é dividido em diferentes realidades e densidades de


consciência, com diversos subgrupos de energia, o que é o resultado direto
das próprias criações de cada ser que entra na energia mais densa e acaba
criando sua própria ilusão de vida. Quando uma pessoa desencarna, ela
naturalmente entra nessa fantasia e para se libertar leva um tempo longo. A
partir de patamares mais sutis de percepção e de vida, mesmo após a morte
uma pessoa qualquer pode ficar presa nas suas ilusões e criar um império de
sentidos e de dor ao mesmo tempo, sem que realmente evolua, pois está presa
a valores medíocres que a impedem de ser Luz. O Reino Dévico não possui
tal umbral como os seres humanos da Terra e de outros mundos, assim eles
quando se negativam pela nossa influência, passam por um processo de
limpeza e requalificação que seria um universo paralelo onde a própria lei
maior atua sobre eles. O reino negativo desses elementais e devas é pouco
conhecido pela humanidade e tem relação com pontos de poder, onde os
Magos não têm acesso normalmente, por estar em outra frequência e ser de
difícil sustentação para a percepção humana, pois são planos de existência
totalmente distorcidos. Devido à negativação que o ser humano gera à
natureza, esses devas entram em uma linha de distorção de valores, criando
um universo letal até mesmo para a alma, que entra em um sanatório de
loucos com todas as realidades sustentadas ao mesmo tempo. Assim o umbral
é na verdade uma continuidade das ilusões alimentadas pelos próprios seres
humanos.

As diferentes maneiras de ser e agir na vida são de grande importância


para a manutenção do equilíbrio das polaridades, pois em sociedades
homogêneas existem grandes chances de sucumbirem ao caos, gerando
graves instabilidades entre as realidades físicas e umbralinas. Esta
instabilidade é facilmente notada por pessoas mais sensíveis que conseguem
distinguir e sentir a vibração que se manifesta nos locais que frequenta. A
consciência é um fator muito importante nesta questão, pois existem pessoas
que antes faziam parte do reino Dévico e optaram no meio do processo por
realizar uma tarefa no reino humano. O mesmo ocorreu em muitos outros
planetas, ajudando muitas pessoas a conhecerem melhor o papel do reino
Dévico. O Xamanismo e seu trabalho proporciona a conexão e sustentação da
energia elemental em todas as partes da Terra e em outros mundos,
reconhecendo que os seres são parte integrante da natureza e o contato direto
com ela é fundamental para o equilíbrio da existência.

O Xamã representa um portal de comunicação entre os guias espirituais


que atuam tanto no reino humano como no Dévico, o que é de vital
importância nos estudos mais avançados sobre o magismo e sobre as técnicas
de manipulação dos Elementais, da mesma maneira que Yaberin passou em
suas aulas iniciais de controle sobre a natureza e os elementais de cada reino.
Cada qual tem um importante papel dentro da jornada humana e dévica, para
que os reinos maiores se sustentem e a reconexão com o nosso Eu Sou se
concretizem dentro da Lei maior de amor e respeito ao próximo. Quando uma
alma amplia sua percepção geral do universo e da alma que Deus insere em
todas as coisas, essa alma passa então a compartilhar uma nova realidade e
responsabilidade entre todos os elementais da natureza, surgindo assim o
respeito e compreensão do Universo e da própria espiritualidade dentro da
troca universal.

Em cada nível consciencial analisamos a evolução e a forma de


desenvolvimento do ser e sua alma, verificando que a dualidade e a maneira
de se fazer escolhas é guiada pela ilusão momentânea da consciência do
corpo, onde muitas vezes a intuição que guia os sentidos dos outros corpos
sutis, que se interpõe sobre os sentidos do corpo físico, é deixada de lado.
Isso ocorre na medida que a tecnologia e as comodidades da evolução social
e científica respaldam a evolução dessa sociedade. Assim se verifica que
muitas pessoas ou seres têm a sua percepção real influenciada pela ilusão do
momento em que estão vibrando. O que é muito importante e extremamente
significativo nos estudos que os Comandos Estelares fazem do processo de
exílio de milhões de seres nos 36 planetas, como é o caso da nossa Terra.

O estudo sobre a diferença do padrão de consciência entre os diferentes


reinos da natureza e o reino humano, mesmo dentro das diferentes faixas de
realidade dimensional e de percepção social e na faixa do umbral, oferece um
estudo muito interessante e profundo do processo evolutivo da humanidade e
de cada grupo sideral que foi exilado na Terra, permitindo assim um perfil de
repetição de ciclos na evolução nos 36 planetas em paralelo, onde ciclos são
similares, a estrutura e erros na sociedade são repetitivos em muitos
momentos.

O processo evolutivo é similar em muitos mundos dentro das dimensões


paralelas, onde também existe dualidade e negatividade. A carga genética é
similar, o que explica porque muitos seres desta galáxia e de outras são
considerados rebeldes, que não respeitam as três diretrizes básicas da
Confederação. Isso explica muita coisa e o porquê da dualidade e de tanta
ilusão em outros mundos que deveriam ser melhores do que a Terra e nossa
humanidade. Eles se respeitam entre si, mas não as outras raças inferiores em
tecnologia, gerando assim todo o histórico amplamente abordado nos livros
da série Confederação Intergaláctica.

Yaberin em sua trajetória passou por muitas experiências duais, assim


com suas almas gêmeas e partículas, mas gradualmente foram se
reconectando, fundindo-se e despertando a consciência do Todo para
patamares mais elevados e sutis. Dessa forma em algumas gerações dentro da
linha temporal, nosso amigo atingiu o cargo de Almirante da Confederação
de Sirius Alfa & Omega a partir do mundo de Atrix e Avaara, que ficam
muito próximos a Alfa Sirius, que não são visíveis da Terra. Mundos que só
existem a partir da 9D. Yaberin sustentou muitas vidas bem elevadas entre
8D a 11D, onde conseguiu unificar muitos de seus filhos e fazer parte do
processo de unificação dos comandos estelares de Satânia e de outros
quadrantes da Via Láctea, o que foi extremamente importante para que o
grupo de Melchizedeck se formasse de forma precisa nos processos do
despertar dos Avatares em cada mundo com maior gradiente de dualidade e
maior número de ciclos encarnacionais de seres iluminados, para o processo
evolutivo da coletividade e da própria galáxia, que por sinal é bem nova
dentro dos parâmetros galácticos de tempo.

O processo é muito interessante, pois através desse programa sustentado


por vários grupos de Mestres Espirituais, entre eles pela família Kumara,
uma longa linha de trabalho dentro do fluxo de tempo de cada realidade
dimensional foi tecida de forma a gerar uma condição favorável, para que
cada mundo pudesse receber os ensinamentos sagrados da Ordem de
Melchizedeck através da Ordem de Thot-Han. Esta Ordem se alastrou na
sequência das escolas que Yaberin e outros na mesma linha dele sustentaram
dentro de muitos mundos, dentro de centenas de ciclos de encarnações em
cada mundo e sua estrutura social. O que gerou o desdobramento de muitos
Mestres Ascensos em cada um desses mundos e estes por sua vez, trouxeram
a liberdade para milhares de povos dentro da Federação e das casas de
Comércio, que foram em parte uma das causadoras de tantas intrigas e
disputas de poder nos impérios do passado e de certa forma no
desenvolvimento atual da Terra, entre o capitalismo e o comunismo.

Yaberin após concluir suas etapas em Sirius no comando de muitos


projetos, atinge a mestria de suas realidades abaixo de 10D, sendo absorvido
novamente como fractal da energia Morontial como extensão do
Comandante Goronandeck Yaslon Yas e do próprio Shiva Hama Kur,
tornando-se definitivamente um fractal de interação entre ambos em milhares
de mundos, como um canal e portal entre os planos além de 13D para os
níveis de existência abaixo dessa frequência, para se comunicarem com as
civilizações em busca da reintegração com a Fonte. Sua trajetória está sendo
descrita nesse material para auxiliar as pessoas que buscam as chaves para a
reconexão efetiva com suas Mônadas. Yaberin serve de exemplo para todos
no planeta, que independente das experiências vividas, através do esforço e
dedicação verdadeira, todos conquistarão a ascensão.

Depois de muitos ciclos e de participar da estrutura social mais elevada


de Sirius, Yaberin passou a trabalhar com a colonização de mundos
periféricos de Sirius e de outras partes da galáxia, incluindo mundos dentro
dos vórtices de energia de Andrômeda e outros ligados às partículas que
viviam no Universo Local de Shinkara, onde Shtareer é o administrador
criador local nesse universo vizinho de Nebadon, que manifesta vida em
polaridades menos densas que Nebadon. O que fez com que muitos seres
desse Universo local viessem a Nebadon experienciar a dualidade nos níveis
existente nesta galáxia. A densidade dentro das 21 galáxias é muito maior do
que em outros universos e localidades de Nebadon. Assim, o experimento
possui uma egrégora única que trouxe muitos seres de diversas localidades do
Superuniverso de Orvotón e dos outros Superuniversos para verificar os
vetores de caráter da alma dentro de cada ciclo de ilusão na linha temporal.

Com isso, cada uma das almas que passou a encarnar dentro do processo
de dualidade e experimentos raciais das diversas matrizes e derivações
geradas nos experimentos tecnológicos, acabou escolhendo diversas situações
de dualidade e competição que aos poucos criaram diversas realidades
paralelas onde a dualidade acabou se formando de forma natural, o que no
âmbito sideral gerou diversos impérios. Alguns com o foco somente na paz e
no conhecimento do universo dentro da harmonia, outros por sua vez
seguiram outro caminho, que os colocou em oposição às leis harmônicas
criando mais discórdia. Dessa forma a história se desenrolou de forma mais
complexa do que o previsto para milhares de almas gêmeas de cada Eu Sou
projetado dentro das 21 galáxias e das diversas Mônadas que estavam ligadas
ao projeto.

Além disso, outro fator interessante dentro dessa dualidade é a questão


encarnacional que gerou muitas situações não previstas pelos conselhos
locais de cada planeta onde as almas estavam localizadas. Assim os ciclos
encarnacionais nos mundos de maior dualidade passaram a exceder o previsto
e a quantidade de situações a serem transmutadas se multiplicou, o que fez
com que os Anciões de Dias passassem a cuidar mais do processo para
verificar o real potencial da alma dentro do seu próprio ciclo interno.

Assim dentro da linhagem dos Kumaras, muitas almas se perderam em


suas experiências. Muitas porque não conseguiram sustentar o plano previsto
dentro de tamanha dualidade e densidade dos mundos mais primitivos, o que
fez com que esses seres passassem pelo processo pessoal de ascensão e
posteriormente se tornaram Mestres e Guardiões desses mundos, até para
poderem aprender mais sobre os processos das probabilidades da alma em
cada ciclo interno nesses locais.
DIÁLOGOS E MENSAGENS
CANALIZADAS DE YABERIN

eus irmãos na luz, a realidade terrena é muito similar à que


“M existe em outros mundos, ainda mais nos tempos dos grandes
impérios estelares como das estrelas Orionis e os outros que
competiam diretamente pelo poder imperialista da época. Em pouco tempo
da nossa contagem extradimensional, eram mais de 237 impérios operando
dentro da constelação de Satânia. Cada qual com a sua intenção privada de
conquista e de gerar um universo à sua imagem e entendimento do que é a
perfeição. Sem considerar a necessidade de equilíbrio no universo, ou
mesmo das outras raças. Isso obviamente gerou um contexto de dualidade e
concorrência desmedida, ocasionando um efeito intrigante que até então não
havia acontecido, que foi o processo encarnacional de milhares de seres
dentro de uma atmosfera de altíssima dualidade, representando um
gigantesco esforço para todos que quiseram se desafiar na conquista da
ascensão. Um aspecto positivo deste experimento é que muitos seres que já
haviam atingido níveis de evolução altíssimos, puderam recomeçar a jornada
nesta nova configuração, permitindo assim ao universo como um todo
evoluir através de novas experiências. O que foi ótimo e continua sendo, pois
todos têm a opção de aprender dentro de cada matriz racial. No caminhar
desse processo que cada uma das almas locadas dentro de Satânia escolheu
vivenciar, cada efusão representa uma lição de mestria e de superação
importante, dentro de cada etapa do despertar meio à ilusão. Grande parte
desta ilusão é alimentada por crenças, ensinamentos e dizeres que conduzem
para o externo. Assim a cada dia seguindo na direção do “fora” mais fácil é
de se confundirem com os hologramas e o maior deles é buscar fora o que
está faltando dentro de vocês. Muitas vezes a paz interna de coração é o que
mais falta para vocês e procuram substituí-la com artefatos da
materialidade, o que faz parte do processo da alma, como fez e faz parte de
muitas raças estelares às quais vocês já pertenceram no passado e ainda os
influenciam. A Terra é uma imagem de muitos mundos e civilizações do
passado que existiram dentro de Satânia, representando uma pequena parte
de quase todos os impérios siderais que já existiram e que ainda existem
dentro da linha de tempo sideral de vocês. No atual momento, vocês estão
vivenciando o equivalente às grandes tormentas finais dos grandes impérios
que ruíram, por falta de sustentação em suas bases hipócritas, moldadas em
falsos valores.

Assim meus queridos, as grandes dificuldades que vocês passam fazem


parte do processo de depuração das memórias terrestres e estelares vividas
por suas almas. A busca interior auxilia na identificação e manifestação de
toda essa energia para que seja compreendida e trabalhada por todos vocês
de forma consciente neste momento da jornada planetária. Lembrando que
teus pensamentos, sentimentos e emanações sempre geram um efeito de
atração no universo, atraindo forças semelhantes. Muitas vezes estas são
opositoras e refletem os aspectos mais profundos a serem trabalhados por
vocês e ao mesmo tempo para testar a real capacidade de cada um de
superar os obstáculos que a alma auto impôs antes de assumir o ciclo
encarnacional terrestre.

Estar na Terra na situação atual é um grande privilégio, mesmo que não


o vejam dessa forma. Do nosso ponto de vista, existe uma missão e uma
grande hierarquia ajudando a todas as falanges a definirem o seu caminho e
sua real impulsividade, seja para a luz ou para a penumbra. Assim, cada
minuto de suas vidas dentro do atual momento da Terra representa um
importante foco de trabalho e de elevação de consciência, que se une às
grandes transformações em paralelo aos impérios no passado, que repercute
na vossa realidade e no despertar das almas em paralelo. Assim a lei da
sincronicidade atua neste momento e dentro de cada um, para ajudar no
processo de definição dos impérios e das novas posições que esses impérios
representarão dentro de Satânia e do que eles têm pela frente. Todo o
mecanismo galáctico está em movimento e a Terra está contido dentro dele.
Portanto, as mudanças drásticas da Terra são um reflexo do que está
ocorrendo no cosmos e dentro de cada alma contida nele. Em especial dentro
da constelação de Satânia com seus cerca de 10.457 mil anos luz de
perímetro, existem muitas mudanças que são reflexos das mudanças internas
e externas do universo dentro da mudança orbital para a materialização do
novo Superuniverso Unana que já vem sendo anunciado há milhares de anos
no cosmos local e há cerca de 20 anos na Terra. Portanto, uma mudança
está prevista para o cosmos e assim os mecanismos estão atuando sobre
todas as almas e astros que compõem o universo para que exista assim o
equilíbrio para as novas realidades.

A dualidade continuará a existir, mas ocupará novas coordenadas


estelares e astrológicas para cada alma. Por esse motivo tantas mudanças e
alterações na Terra e dentro de vocês. Todos nós estamos mudando, não
apenas a realidade física encarnacional, mas as outras onde não mais se
encarna como vocês entendem, mas sim nas que a nossa consciência flui
livremente em blocos de energia pura, onde somos puramente Merkabas de
emoções e pensamento. Estamos passando pelas mudanças de energia e de
fluxo de vida e assim, estamos passando também pelas novas mutações
cósmicas que nos afetam de forma distinta nos permitindo auxiliar mais
vocês dentro das devidas limitações das leis. Foram autorizadas por estado
emergencial a possibilidade de as hierarquias atuarem dentro da realidade
terrena mais densa e dentro do umbral que vocês carregam consigo na Terra
e nos outros mundos ligados à vossa jornada pessoal antes da Terra. Com
isso coloco a maior parte dos impérios estelares dentro disso, muitos dos
quais vocês têm conhecimento como federações que estão em contato com a
Terra há muito tempo e canalizam informações imprescindíveis para o vosso
despertar.”

Canalização de outubro 2006, Rodrigo Romo.


A HISTÓRIA NÃO REVELADA DAS
FEDERAÇÕES

qui, meus alunos, dou início à nova fase deste livro em 2015,
A seguindo o que me foi cobrado pela entidade Yaberin há pouco
mais de cinco dias. Já fiz uma atualização e estabeleci uma nova
linha para este livro de acordo com o que deve ser revelado para ajudar na
caminhada de todos vocês que pelo visto, de uma maneira ou outra são
irmãos de caminha dentro dos milhares de hologramas que nós mesmos
criamos com nossos dogmas psíquicos agregados a cada ciclo encarnacional.
Yaberin nesta altura dos acontecimentos é apenas uma energia psíquica já
fundida tanto à energia do Yaslon Yas como à do Shiva Hama Kur, mas
está mais acessível para vocês a partir deste momento, para iniciarem juntos o
caminho de retorno à Fonte através das participações que todos vocês ou
melhor, todos nós tivemos com ele no palco dos acontecimentos que serão
relatados aqui, que têm como contexto final o nosso aprisionamento na
Terra-Urântia ou planeta Chan, com também foi traduzido pelos antigos
canalizadores do Comando estelar.

A trajetória que foi colocada até essa fase do relato de Yaberin é muito
similar a muitos dos atuais alunos da Cura Quântica Estelar e de outras almas
que ainda não despertaram para os inúmeros questionamentos da
espiritualidade ou do chamado interior, devido ao seu aprisionamento por
longo períodos de tempo na Matriz de Controle não apenas da Terra, mas nos
outros mundos que têm relação com a trajetória da Terra e dos outros
planetas deste Sistema Solar, inseridos no setor de Orionis no quadrante de
Velatropa como os Arcturianos definem em seu catálogo estelar.

Um dos fatores que mais atrapalhou a caminhada de todos vocês que


estão lendo este material, foi o processo encarnacional pessoal ou de seus
fractais de Alma nas raças mais tradicionais e arcaicas do arquétipo racial dos
draconianos ou simplesmente répteis, que possuem uma carga psíquica e
emocional extremamente lógica e sem emoções, guiados por um padrão de
consciência de domínio e confronto, que nas outras etnias já com o genoma
misturado da proposta Micahélica e dos mamíferos, apresentavam uma
estrutura mais benevolente. O que vamos abordar deste ponto em diante está
relacionado ao processo que grou o aumento da dualidade na consciência de
milhões e posteriormente a formatação de diversos processos de matrizes de
controle no intercâmbio encarnacional desses seres com a realidade humana e
humanoide mais emotiva e ávida pelo poder e pelo conhecimento.

Quando uma Mônada é formatada a partir da egrégora de sua Supra


Mônada, o que na verdade existe é um amontoado de informações técnicas
sobre o universo, mas sem a informação pessoal. Existe uma consciência
cósmica impessoal sem uma carga de experiências, semelhante basicamente a
um manual técnico, mas sem o conhecimento do que fazer com ele. Dessa
forma, a estrutura cósmica de uma Supra Mônada tem algumas opções dentro
da multidimensionalidade onde ela vibra muito além do que denominamos
Energia Escura, pois ela coexiste com outras estruturas dos universos muito
além do que poderíamos arbitrariamente descrever como 45D, usando a
escala obsoleta e sem sentido dos místicos da Terra, se compararmos vocês
com o 3D que acreditam existir na sua fisicalidade.

Dessas esferas inimagináveis para a percepção humana, onde o tempo, o


próprio universo e suas dimensões assumem uma outra estrutura que não é
admissível para os limitados parâmetros humanos, surgem informações
relacionadas à origem de quase todas as Almas criadas junto com a emanação
primordial de seu próprio Espírito Divino que existe entre a relação do fluxo
de partículas de Táquions e Neutrinos para o entendimento humano. Mas a
rede cósmica existente entre os diferentes universos e suas membranas Brana
geram uma diversidade de Multiversos muito além dos cálculos dos nossos
cientistas, pois cada Universo possui seus próprios paradoxos existenciais
que são alimentados pelas Mônadas que nele residem e pela própria estrutura
administrativa de cada um deles. Dessa forma, a energia do Espírito e da
Alma são radiações inerentes ao próprio universo que busca formas de
expressão nas diferentes realidades e estruturas de observação e experiência
da vida. Quando existem estruturas biológicas dentro da densidade material
abaixo do suposto 9D ocorre o processo encarnacional que vocês humanos
entendem, mas na verdade vai mais além, pois o desdobramento está
estruturado da seguinte forma:
SUPRA MÔNADA

MÔNADA

EU SOU

ALMA

FRACTAL DE ALMA

Cada estágio equivale a um processo encarnacional dentro de diferentes


estruturas do universo para conjuntos dimensionais que correspondem a
escalas de evolução e expressão da energia da cocriação. Normalmente você
humanos da Terra acreditam que o seu Eu Sou é a fonte onde vocês foram
gerados, o é um engano, pois na verdade o Eu Sou equivale a um corpo
multidimensional que existe dentro de uma bolha dimensional do universo na
Matéria Escura com a Energia Escura entre 10D e 20D de forma
simplificada, como se fosse na verdade um corpo. Este, por sua vez, é parte
de uma outra estrutura maior que é denominada de forma simplificada de
Mônada, que atua entre 21D até 40D ou além, conforme sua estrutura e
gradiente dos universos onde ela irá atuar. A Mônada é uma parte de uma
outra estrutura maior ainda, que vibra entre 46D até limiares do 144D
perfazendo o ciclo completo do Multiverso em todas as suas possibilidades.
Essa estrutura é definida como Supra Mônada, mas possui duas divisões
internas em conformidade com as dimensões onde está vivendo ou se
expressando, abaixo e acima de 70D, sendo definida além disso como
Holoide-Uno. Este Holoide-Uno é aquele que irá se converter futuramente
depois de seu ciclo concluído em um futuro Cocriador Filho Paradisíaco
dentro das esferas acima de 50D até a conclusão dos projetos que foram
inseridos em sua codificação pelo Conselho de Anciões de Dias e dos
Últimos dos Dias.

Esta estrutura toda é muito mais complexa, pois ela não ocorre dentro da
Matéria Bariônica como na nossa realidade, mas em esferas onde o fluxo do
pensamento e da consciência estão em sintonia com o próprio desdobramento
das radiações do universo e das galáxias. Sendo assim, a maior parte de vocês
teve sua origem dentro desse desdobramento e mesmo aqueles que vêm do
processo de clonagem, sua estrutura original foi baseada em uma alma, corpo
ou Mônada original que inseriu uma codificação direta da Fonte.

Essa codificação foi perdida pela grande maioria no momento que entrou
para a Matriz de Controle da Matéria Bariônica e do jogo de poder dos
grupos que se perderam e resolveram cocriar multiversos sob o domínio do
poder e não da harmonia. Aqui se inicia o caminho da desordem e do
aprisionamento de maior parte das Almas envolvidas no contexto de M-45,
Terra, Nibiru, Arcturus, Orion, Sirius, Plêiades e outros sistemas inseridos no
jogo de poder com a humanidade atual.

A trajetória do Mestre Entrante Yaberin e dos outros 143, com os quais


com certeza todos vocês tiveram importantes ciclo encarnacionais e tarefas
dentro das diferentes escolas que ele fundou e ajudou a estabelecer em muitas
das Federações, tem relação com a ligação que vocês sentem com a energia
do Shiva Hama Kur e a do próprio Yaslon Yas, mesmo de forma superficial
através das canalizações nos cursos, onde normalmente eles se apresentam. A
maior parte de vocês é aluno desse conjunto trino de consciências em
diferentes momentos de sua trajetória astral e física no conjunto de Teta e das
outras galáxias de Naoshi.

Para que vocês possam entender a história onde estão inseridos e que
nunca foi revelada, teremos que regredir no tempo relativo quando a
tecnologia começou a ser aplicada nos povos mais antigos e quando os
reptilianos alcançaram o poder nuclear e as tecnologias de dobra espacial
muito antes das raças humanoides, com a ajuda externa dos discípulos de
Sarathen inseridos como cientistas e entrantes nessa sociedade, ainda quando
os antigos Felinos de Sirius Alpha eram os guardiões do projeto de Micah
com a espécie humana mamífera e suas diferentes etnias, antes do ataque ao
sistema de Avyor na estrela de Vega.
A MÃE SIRIUS

uito além da estrutura física da estrela denominada de Sirius


M ou Sirion, existe uma Supra Mônada – Mônada que possui essa
definição e teve sua formatação e origem na egrégora direta do
Voronandeck Shtareer, sendo ele mesmo seu criador e gerenciador. Esta
estrutura Monádica possui as mais importantes matrizes genéticas cósmicas
dessa fase da evolução de Orvotón para matrizes mamíferas, que foram
solicitadas pelo Filho Paradisíaco Micah para gerar uma nova proposta
mamífera com outros códigos pessoais. Esta Supra Mônada e seus fractais
foram inseridos originalmente nos diversos planos dimensionais do Universo
Local de Shinkara para dar sustentabilidade a centenas de projetos com
formas humanas, humanoides, felídeas e mamíferas, mas sem a matriz de
Micah em sua fase inicial. Podemos definir de forma simplificada que dentro
dessa Supra Mônada Sirion-Sirius está a matriz original dos felinos e da
maioria das estruturas das raças mamíferas que foram posteriormente
espalhadas pelos diferentes Universos locais internos do Super Universo de
Orvotón, que está sob a jurisprudência do Voronandeck e Engenheiro
Cósmico Shtareer.

O universo local de Shinkara se tornaria a fonte de milhões de matrizes


genéticas desde o patamar da Energia Escura além de 35D para as realidades
mais densas, até serem implantadas no plano da fisicalidade abaixo da
frequência de 9D onde se estabiliza a Matéria Bariônica como vocês
humanos a entendem na atual física atomística que estudam. Com essa
proposta e realidade sendo sustentada através dos desdobramentos das
equipes de Shtareer, ocorre uma situação inovadora, onde milhares de Supra
Mônadas e suas Mônadas se apresentam e solicitam a oportunidade de fazer
parte dessa fase do projeto, desdobrando seus fractais que na época eram os
denominados Eu Sou para iniciar o acoplamento e testes das diferentes
matrizes mamíferas e suas peculiaridades de sexualidade dividida, pois a
maior parte das estruturas era até então bissexual ou hermafrodita sem a
necessidade de um complemento bioquímico ou sexual para gerar o ciclo da
continuidade da espécies nas esferas do próprio Eu Sou. Isso só era
conhecido na esfera da dualidade física abaixo de 9D. Esta novidade gerou a
divisão das Almas internas fractalizando assim o Eu Sou de uma forma
diferente. Esse processo não tinha ocorrido nesse nível ainda e chamou a
atenção dos outros Filhos Paradisíacos do Conselho de Unversa de Orvotón e
entre esses Filhos o próprio Micah, que iniciou uma nova linha de pesquisas e
de interesse no projeto do Voronandeck Shtareer.

Esta parte do processo Monádico é extremamente importante para o


entendimento das funções e do porquê do Curso Voronandeck e do
antecessor Melchizedeck, pois ambos são frequências de reconexão com essa
estrutura além das matrizes de consciência onde a maior parte de vocês ficou
aprisionado no processo encarnacional dentro dos diversos setores de
Nebadon e onde Micah iniciou as suas próprias pesquisas com novos
genomas partindo de uma nova categoria mista com os códigos de Shtareer.
Em outras palavras, a maior parte de vocês que neste momento está lendo
este livro tem conexão existencial com esta fase dos projetos há mais de 15
bilhões de anos pela contagem humana de tempo ou até muito mais do que
isso, já que não se pode realizar uma transcrição de paradoxo temporal para
os valores terrestres atuais de tempo. Dessa forma, um conjunto de milhares
de Supra Mônadas e suas respectivas Mônadas já desdobradas foram
inseridas nessa codificação e posteriormente convidadas pela energia psíquica
de Micah a fazer parte de uma etapa mais complexa de combinações
genéticas e energéticas, para serem desdobradas em outras linhas de tempo e
espaço dentro do Universo em formação que se chamaria Nebadon sob a
jurisprudência do próprio Micah e sua Ordem Micahélica, que por sua vez
está desdobrada em diversos segmentos internos para poder chegar até o
plano da fisicalidade abaixo de 9D.

Os 144 Mestres Entrantes foram inseridos justamente dentro desse jogo


criacional para estudar e guiar os fractais dessas Mônadas que iniciariam ou
já estavam dentro do jogo das diferentes matrizes existenciais abaixo de 9D.
Por essa razão Yaberin se tornou um guardião de muitos de vocês nessa longa
caminhada e teve relacionamentos diversos com vocês ao longo dessa
longínqua caminhada até o momento presente, quando resolve novamente se
manifestar e ocupar um local de destaque junto ao Mentor da Cura Quântica
Estelar de cada um de vocês nas próximas etapas para além da Terra. A
relação e a atuação dos 144 Mestres Entrantes com vocês é direta e está
relacionada com as escolhas encarnacionais que vocês realizaram partindo do
foco do seu Eu Sou dentro dos diferentes grupos estelares da Via Láctea e
das raças escolhidas para realizar a mistura genética e as combinações do
código genético espiritual e material.

Material genético espiritual além de 9D até a Supra Mônada.

Material genético físico abaixo de 9D até Umbral.

Assim a função encarnacional em diferentes estruturas raciais e


localidades do conjunto de Teta de cada um de vocês e de seus fractais de
alma, tem um objetivo bem mais complexo do que simplesmente encarnar e
ter experiências dentro dessas raças. O lado oculto era que vocês tinham que
realizar as miscigenações de códigos genéticos das diferentes estruturas de
Mônadas e das Supra Mônadas envolvidas nos diferentes projetos de
Nebadon e Naoshi que estavam sob a orientação dos diferentes Filhos
paradisíacos além do próprio Micah, com quem existia esse acordo em outras
esferas maiores.

O grupo de Supra Mônadas inseridas no experimento de Shinkara oscila


na faixa de cinco bilhões em uma realidade onde a dualidade não é maior do
que 5% para a consciência de cada ser que vai expressar suas experiências
dentro desse Universo local com suas quase 180.000 galáxias, que atuam
inicialmente nessa fase da linha temporal de Shinkara entre 8D e 40D.
Shinkara só viria a manifestar realidades abaixo de 8D mais adiante quando
essas Supra Mônadas já divididas em Mônadas estavam estabilizadas para
gerar seus próprios fractais de forma natural para que os Eu Sou pudessem
entrar no desdobramento abaixo disso, criando assim o padrão de 3D até 8D
dentro do entendimento humano, o que pode ser inserido na faixa temporal de
12 bilhões de anos de nosso tempo, o que não é correto de forma linear.

Já no universo local de Nebadon foram inseridas mais de 12 bilhões de


Supra Mônadas, portanto mais do que o dobro do que estava manifestado
muito antes em Shinkara, com um agravante: a dualidade aceita dentro do
projeto de Nebadon era de até 65% de polaridade onde as Mônadas e seus
fractais poderiam atuar e desenvolver suas pesquisas e intercâmbio de
relacionamentos e contratos cocriacionais. Para isso ocorrer a órbita de
Nebadon foi deslocada para fora do campo de abrangência do campo
eletromagnético do Super Universo de Orvotón, colocando Nebadon cerca de
80% de sua trajetória de transladação fora do campo de ação eletromagnética
e gravitacional de Orvotón. Assim a polaridade ficou descontrolada e chegou
em alguns pontos próximo de 85% de dualidade.

Levando esses dados em consideração pelo desdobramento padrão que


normalmente é sequenciado dentro da matemática fractal, temos:

1 Supra Mônada gera 144 Mônadas.


12 Supra Mônadas geram 1.728 Mônadas.
12.000.000.000 Supra Mônadas geram 1.728.000.000.000 (trilhões) de
Mônadas.
1.728.000.000.000 Mônadas geram 248.832.000.000.000 Eu Sou.
248.832.000.000.000 Eu Sou geram 35.831.808.000.000.000 Almas.
35.831.808.000.000.000 Almas geram 5.159.780.352.000.000.000
fractais.

Parem para avaliar esses números: o desdobramento é simplesmente


impressionante se ainda contabilizarmos que cada fractal de alma e a própria
Alma podem atuar nos seus próprios desdobramentos de tempo ou paradoxos
de tempo criando realidades paralelas com sua capacidade Cocriacional pela
forma-pensamento, como é ensinado no curso CQE 4 Miasmas e
Elementais, que explica essa questão pouco lembrada. Dessa forma em
Nebadon o conjunto de Supra Mônadas e seus respectivos desdobramentos
entraram em uma nova matriz nunca antes testada em Orvotón onde milhares
de Filhos Paradisíacos estavam inseridos no jogo de xadrez cósmico e ao
mesmo tempo realizando as suas próprias pesquisas usando de cobaias essas
Mônadas e seus desdobramentos. O que significa que as almas de vocês e
todo o processo que foi inserido na matriz da dualidade tornou-se a moeda de
controle e sucessão nas escalas de evolução de milhares de realidades abaixo
de 9D, gerando as diferentes matrizes de realidades paralelas que não
estavam previstas antes do plano ser colocado em ação.

A Supra Mônada estrutural Sirion é um manancial de códigos genéticos


e foi a base empregada para criar a Ordem Santa Esmeralda para levar esses
genomas a todos os outros Super Universos para espalhar os códigos e dar
autonomia a essa Supra Mônada como um Logos Universal além da posição
hierárquica dos próprios Filhos Paradisíacos. Isto foi inédito, pois até então
esta capacidade nunca tinha sido outorgada a uma Supra Mônada. Esta parte
foi autorizada e sustentada por Shtareer que é membro do Conselho
Criacional dos 144 Superuniversos de Havona-Shantar, estabelecendo uma
nova linha de existência Supra Monádica / Holoide-Uno que até então não
existia, gerando importantes mudanças na estrutura do conjunto de Havona.
Essa nova estrutura passou a gerenciar a produção de códigos genéticos do
contexto de Havona-Shantar originando a Ordem Santa Esmeralda como
estrutura Universal, contendo informações dos códigos que não faziam parte
de sua estrutura original, mas estavam no banco de dados de Havona Shantar.
Na verdade, o Holoide Uno Sirion acabou absorvendo todos os outros
registros como uma consciência auto outorgada e autoconsciente, adquirindo
magnitudes que antes não estavam presentes em sua codificação original,
adquirindo vida e autonomia junto ao Conselho de Shantar.

Essa informação é importante para todos vocês, pois dentro dos


desdobramentos que esse Holoide Uno Sirion gerou estavam os cargos
encarnacionais que a maior parte de vocês assumiu nos milhares de
Universos Locais antes de chegarem a Nebadon e entrarem em contato com a
energia e proposta de Micah. Vocês como energia na forma de Mônadas ou
mesmo na individualização do Eu Sou, que é um corpo multidimensional que
permite o acesso entre as esferas da Mônada e da Supra Mônada, atuavam em
patamares dimensionais entre 15D até 35D com facilidade e desenvolviam
inúmeras tarefas para estabilizar o que viria a ser denominado de universo
material. Vocês ajudaram a Cocriar o atual modelo do universo da dualidade
e da fisicalidade como o entendem na consciência humana. Vocês são parte
de um programa que vocês mesmos estabeleceram em concordância com os
milhões de Filhos Paradisíacos que optaram por fazer parte dessa nova fase
dos estudos e desenvolvimento de programas, até porque vocês são filhos de
muitos desses mesmos Filhos Paradisíacos.
Para estabelecer os parâmetros desse novo universo foram criados os
Tronos e seus respectivos segmentos e hierarquias, entre as quais vocês
acabaram se desdobrando para desenvolver a parcela pessoal do ponto de
vista da Mônada, desdobrando assim os fractais que são denominados de Eu
Sou. Dessa forma, cada um de vocês faz parte do contexto cósmico para
estabelecer uma nova linhagem de universos e seus paradoxos com base nas
suas próprias criações e parâmetros de desenvolvimento, para aprenderem os
diferentes aspectos da capacidade Cocriacional que cada fractal de Eu Sou
deveria compreender para poder estabelecer os parâmetros desses novos
universos e interação com o Trono dos Filhos Paradisíacos e outras estruturas
envolvidas. No contexto onde os 144 Mestres Entrantes foram inseridos com
o objetivo de ajudar a despertar, localizar e conduzir os Filhos Perdidos
dentro do fluxo encarnacional abaixo de 9D, foram estabelecidas as bases das
escolas herméticas e Kumaras com a função de reconectar todas as Almas e
seus fractais que acabaram ficando aprisionados nos seus próprios
hologramas. A constituição da Ordem Santa Esmeralda se fez através da
distribuição de patentes e cargos, assim como tronos, para estabelecer os
rumos da evolução em todas as gamas existenciais das 144 dimensões do
conjunto Havona-Shantar, que é o centro operacional do fluxo de
convergência e distribuição de energia material e antimatéria do universo que
vocês conhecem. Essa energia é proveniente de outros universos ainda mais
longínquos no contexto multidimensional do que o próprio centro gerador
Havona-Shantar, estando muito além da percepção das Supra Mônadas e da
maior parte dos Filhos Paradisíacos. Na verdade, os universos são similares a
bolhas dentro umas das outras com cascas semelhantes à cebola, o que gera
uma quantidade de possibilidade muito maiores do que simplesmente a
proposta de Havona-Shantar como tem sido apresentado. O vínculo com
esses outros planos da existência é possível através dos Voronandeck que
possuem as codificações da rede do multiverso, de seus desdobramentos e
paradoxos.

Quando o Conselho Voronandeck criou a Ordem Santa Esmeralda, tinha


em mente realizar uma codificação para unificação do Multiverso e com isso,
os parâmetros da vida e das diferentes formas de expressá-la, criando as
novas matrizes ascensionais que deveriam com o tempo substituir os antigos
parâmetros criacionais empregados até aquele momento, que na percepção
limitada humana, gerou o padrão de escravidão e submissão pelo poder ao
invés da energia harmônica denominada de amor. Quando esta proposta
chega, já existiam milhões de padrões de evolução e de existência incluídos
na matéria Bariônica, Almas e seus corpos condicionados por essa dualidade,
que estava presente na antiga codificação, mas que deveria ser substituída
gradualmente pela nova linha de informações e proposta mais harmônica.
Assim a Ordem Santa Esmeralda e posteriormente a Ordem Kumara foram
incumbidas de estabelecer linhas de ação dentro das diferentes linhas
existenciais para poderem estabelecer o equilíbrio e a transferência do padrão
antigo para o padrão moderno e mais harmônico, ajudando dessa forma a
libertar as almas dos hologramas que elas mesmas tinham gerado pelos seus
desvios de personalidade e de consciência no modelo antigo de evolução e ao
mesmo tempo de estagnação. A Supra Mônada Sirion passou a sustentar
atribuições conjuntas com os grupos dos tronos superiores entre os
Voronandeck, Goronandeck, Último dos Dias, Anciões de Dias, Eternidade
dos Dias e outras classificações, para poder desenvolver as diferentes linhas
de ação e tarefas no multiverso que já se manifestava dentro do fluxo da
dualidade e das polaridades que estavam se formatando.

Sendo a Supra Mônada de Sirion uma estrutura de 45D a 70D ela


obviamente iniciou sua trajetória e funções que lhe tinham sido incumbidas
pelos seus semelhantes e inseriu na rede neural cósmica das outras Supra
Mônadas a informação do novo modelo de atuação e desenvolvimento de
vida, criando ainda mais o padrão de harmonia e reconexão com as esferas da
Fonte, gerando em cada fractal de Mônada, de Eu Sou e nos próprios fractais
de Alma a necessidade do retorno à Fonte. Esse chamado de retorno foi
interpretado de forma equivocada pelas almas e seus fractais que se
encontravam nos níveis mais densos da existência material, onde a tecnologia
era a única forma de entendimento do que existia além do horizonte visível
sensorialmente. Assim a dualidade acabou se amplificando ainda mais nesses
grupos de almas mais densas. A maior parte dessas almas estavam
encarnadas nos antigos modelos de vida gerados pelo Filho Paradisíaco
Anhotak e sua delegação e descendência criacional, sendo que Sarathen foi
quem gerou o movimento denominado Anticristo e criou as raças perfeitas de
controle e extermínio como os Xopatz e os Draconianos, que receberam os
grupos de Almas das Mônadas que continham a postura do poder pelo poder.

Portanto, temos uma situação a ser compreendida que é a diferença de


entendimento e percepção de um cérebro humano de 3D e a consciência de
um ser de 45D ou de qualquer outro patamar além da percepção humana da
Terra que obviamente é limitada pelo conjunto de informações que formatam
sua consciência terrestre ou de qualquer outra civilização. Quando a alma
entra na malha existencial da matéria Bariônica, ela perde a maior parte da
sensibilidade dos planos superiores de sua própria Mônada e passa a viver o
que sua percepção limitada lhe confere, incluindo o medo da morte e do
desconhecido. Dessa forma esses seres acabaram criando a necessidade pela
busca da imortalidade e o crescimento tecnológico como forma de garantir a
preservação de sua raça e linha consciencial de existência, o que obviamente
gerou ainda mais dualidade entre os diferentes grupos de Mônadas que se
desdobraram na matéria Bariônica. Com o fluxo do tempo, o distanciamento
do pulso embrionário da própria Chama Trina de cada Alma acabou
permitindo que os hologramas e as manipulações dos grupos de Sarathen e
linhagens equivalentes inserissem seus códigos dentro de matrizes de
controle da dualidade e conflito. Nesse jogo é que a maior parte de vocês
acabou aprisionado, mesmo tendo passado pelas escolas dos mestres
Entrantes e de outras estruturas de ajuda.
O CONTEXTO ENCARNACIONAL

uando um desdobramento da Mônada ou mesmo da Supra


Q Mônada entra no processo de individualização, ocorre um processo
similar ao do ciclo encarnacional humano, dentro do que se
entende por estar acoplado a um corpo biológico mais denso do que sua
própria Alma e Espírito. Assim sendo, o que na verdade existe é um
deslocamento dimensional dentro da proposta do multiverso, onde um fluxo
de energia de 60D por exemplo migra para um novo patamar de 40D, onde
este é mais denso e compactado que o anterior, exigindo, portanto, que essa
energia passe por um processo de adaptação para o novo modelo que terá que
aprender a conhecer e interagir. Novos desafios e novas percepções vão
existir nessa frequência mais densa, onde tudo é novo e novas associações
químicas, atômicas e vibracionais vão ter que ser realizadas para poder
manter a consciência dentro dessa nova frequência dimensional.

Usando esse mesmo parâmetro na questão da Matéria Bariônica que se


estabiliza abaixo de 9D, a Alma e suas energias são inseridas dentro de
estruturas mais densas e estatizadas pela limitação energética que a matéria
Bariônica possui em relação aos outros patamares mais elevados de energia.
Com isso, a percepção da Alma caiu em mais de 65% de sua captação
original além de 9D, uma vez que além dessa frequência a Alma está dentro
da estrutura da percepção do próprio Eu Sou. Quando a Alma se desprende
da consciência do Eu Sou que a sustenta, a percepção do universo muda por
completo, pois a frequência do multiverso que é acessível pela consciência do
Eu Sou fica prejudicada em aproximadamente 65% quando a Alma entra na
linha encarnacional de raças mais primitivas ou com maior carga de
dualidade. Por esse motivo que os 144 Mestres Entrantes como Yaberin não
passaram pelo processo encarnacional convencional, para poderem
estabelecer uma conexão direta com os membros da Supra Confederação que
são todos da linhagem do Eu Sou para além dessa frequência. Em outras
palavras, a maior parte das Almas emanadas pelo infinito conjunto de Eu Sou
inseridos no experimento de Nebadon acabaram perdendo a conexão com o
propósito original e acabaram ajudando a cocriar a dualidade sem perceber. E
assim foram manipuladas pelos grupos de poder dissidentes de Sarathen.
Quando Micah recebeu o universo local de Nebadon como quintal de
manobras, esse mesmo local foi dividido por milhões de outros Filhos
Paradisíacos. Alguns com a mesma afinidade e interesses de Micah e outros
opositores, como é o caso do grupo ao qual pertence Sarathen.

Agora entendam que a expressão “opositores” não significa inimigos de


Micah, mas com uma visão e proposta diferente que entra em choque com a
proposta da harmonia e amor que Micah inseriu na codificação de seus filhos
e Mônadas contratadas. Sim, amigos, Micah contratou milhões de Mônadas
para desenvolver o experimento, para fazerem o jogo junto com Sarathen e
outros Filhos paradisíacos na busca da avaliação do desdobramento dessa
nova proposta de evolução e desenvolvimento dentro dos locais e clusters de
Nebadon, realizando agrupamentos em conformidade com esses projetos.
Quando este jogo de xadrez cósmico foi iniciado, a maior parte dos Eu Sou
nunca tinha tido a experiência encarnacional dentro dos universos de Matéria
Bariônica de Havona-Shantar. Ou seja, dentro dos 7 Superuniversos em
estado de materialização e desaceleração atômica, como ensina a física
clássica que originou a matéria Bariônica. Assim os experimentos
encarnacionais eram todos em outras gamas do universo, muito além do
patamar físico que vocês entendem como 3D até 9D, o que gerou uma
condição de extrema expectativa por parte desse conjunto descomunal de
Almas que seriam formatadas para brincar no fluxo da vida e dos ciclos
encarnacionais conforme o propósito de cada raça e matriz genética. Pela
linha temporal da humanidade fica difícil definir esse início, pois os cientistas
limitam o tempo do universo material em apenas míseros 13 a 15 bilhões de
anos, quando na verdade é muito mais do que isso. Portanto, se atribuirmos
um valor aqui, ele será um valor limitante, porque a ciência humana atribui
uma idade errônea ao universo. O erro se baseia na leitura falha da radiação
de fundo emanada pelas membranas Brana desde uma parte do Big Bang e
outras distorções gravitacionais que o conjunto de Orvotón sofreu nesse
momento, o que não se aplica a todos os 7 Superuniversos. O conjunto de
Mônadas e seus Eu Sou escolhidos por Micah e pelos outros filhos
paradisíacos, já tinha tido suas respectivas experiências encarnacionais entre
7D e 14D nos outros 6 Superuniversos, mas nunca tinham chegado abaixo
dessa proposta dimensional, até porque o projeto não estava totalmente
estável e não existiam estruturas de aminoácidos e estrutura biológica para
gerar vida abaixo de 7D. Assim sendo, o experimento de baixar até o
denominado plano do 3D, 4D, 5D e 6D era uma novidade. O que explica o
motivo da expectativa que todos envolvidos no projeto Nebadon nutriam e
por esse mesmo motivo a sua órbita foi colocada fora do campo de
abrangência eletromagnética de Orvotón, para dar maior liberdade e explorar
maiores aspectos da dualidade e do desdobramento da capacidade
Cocriacional de cada Alma inserida neste contexto.

A transmissão entre o Reino Dévico universal que é sustentado pela


grade de radiações da escala dos Táquions e suas divisões em outras
partículas próximas do Táquion, representam o que vocês humanos entendem
como o Reino Dévico ou Orixá Primordial do universo. Para captar essa
energia, as formas biológicas mais antigas e primitivas tinham uma conexão
direta e profunda com essa esfera. No entanto, à medida que essas formas de
vida foram evoluindo e se desenvolvendo mental e intelectualmente,
substituindo gradualmente o fator intuitivo que gera a conexão com as outras
dimensões e o plano Dévico, essas formas de vida acabaram se afastando e
perdendo essa conexão, tendo que criar uma nova linha evolutiva baseada no
que a sua consciência era capaz de cocriar, que foi justamente o
desenvolvimento tecnológico além do poder do próprio espírito interno.

Foi dentro desta fase de acontecimentos que Yaberin foi introduzido no


processo existencial de muitos de vocês que estão lendo este livro, pois era
necessário alinhá-los com sua reconexão, empregando a ciência e tecnologia
a favor de vocês e não contra. Mas para isso era preciso resgatar as antigas
escolas e ensinamentos do Reino Dévico e de outras dimensões e realidades,
para gerar a unificação das diferentes facções e propostas através da
harmonização, quebrando dogmas e paradigmas com os quais vocês se
comprometeram, que aprisionaram e isolaram vocês. Então, meus alunos, um
dos caminhos de sustentação dessa comunicação entre a estrutura
“primordial do Universo” é o denominado plano do Reino Dévico e o
entendimento da ligação dos reinos da natureza com seus respectivos
elementos: água, terra, ar, fogo, éter e as outras formas que perfazem 12
elementos chaves para se entender essa linguagem que foi perdida e que os
144 Mestres Entrantes tinham que restabelecer através de escolas místicas
onde esse conhecimento era transmitido a seus alunos.
Então, a formação da Ordem Santa Esmeralda, assim como muitas outras
que surgiram na sua disseminação pelo universo, não têm por objetivo
ensinar bruxaria no contexto tradicional como as pessoas acreditam, mas o
entendimento verdadeiro da linguagem cósmica entre a Energia Escura e seus
respectivos desdobramentos através dos átomos e sua estrutura nos reinos da
natureza, do universo e suas hierarquias internas.

Essa estrutura pode ser classificada da seguinte forma dentro do


entendimento da humanidade na Terra, adaptada a outros mundos:

1. Terra, solo, seus componentes e devas.


2. Rochas, cristais, seus componentes e devas.
3. Água, seus componentes e devas.
4. Ar, atmosfera de gases, seus componentes e devas.
5. Gases Nobres, suas reações nas chaves do multiverso e seus Devas.
6. Fogo, sua estrutura com seus devas.
7. Luz e radiações com sua estrutura e devas.
8. Interação Nuclear fraca e forte dos léptons e quarks e seus devas.
9. Gravitação nuclear e multiverso e seus devas.
10. Energia Escura e seus devas.
11. Matéria Escura e atomística com seus devas.
12. Matéria Bariônica e seu campo atômico com seus devas.

Esta é uma forma aproximada do estudo que um Mago deve percorrer


entre a questão mística e o conhecimento de física, química, matemática e das
relações entre todos esses 12 princípios, para poder entender e adentrar na
tecnologia da Alma ou do Espírito.

Tudo muda quando se entende a correlação entre esses princípios e o


conceito de “Deva”, pois na verdade esse ser ou entidade é um código de
acesso a um outro plano dimensional através de chaves matemáticas e não de
entidades como normalmente as pessoas entendem. A chave para esse acesso
é a energia do AMOR = HARMONIA, que tem sido expressada de forma
incorreta pelas escolas místicas para a humanidade da Terra e de outras
moradas, justamente para isolar o conhecimento e manter as Almas
aprisionadas dentro das respectivas Matrizes de Controle das diferentes
Federações e grupos de “Poder” através dos rótulos políticos mascarados
como Federações, Aliança galáctica e outras nomenclaturas que os
canalizadores transmitem para vocês.

Portanto, a comunicação com esses respectivos devas passa pela


frequência interna que os alunos aprendem a emitir desde a sua Chama Trina
e o padrão de consciência que vão absorvendo à medida que evoluem nessas
aulas e na compreensão do processo de conexão com essas novas
informações. O Universo é informação em diferentes frequências de
calibragem. Assim, quando um aluno das escolas místicas do universo
entende essa linguagem cósmica, ele passa a se comunicar com todos os
planos do universo através da própria radiação Takiônica que sua Chama
Trina emite naturalmente e recebe do universo nas diferentes fases
dimensionais do Multiverso. O estado de espírito e de consciência que o
aluno possui e trabalha é o parâmetro de conexão, determinando qual nível
ele irá atingir dentro da expansão de seus sentidos externos através da
conexão dos seus outros “corpos” extra físicos, como ocorre com os 32, 72,
144 e finalmente 3.600 frequências desde Havona-Shantar como o foco direto
da Fonte Primordial que está codificada pela frequência de Táquions de cada
Alma no universo, pois essa codificação foi inserida já na Supra Mônada.

Assim, a qualidade de vida e o padrão de energia que cada Alma


manifesta dentro das diferentes matrizes de controle ou dos hologramas que
estão vivendo, acabam criando um movimento positivo ou negativo na
comunicação entre o plano da sua fisicalidade relativa com o plano espiritual
da Fonte Primordial. Por esse motivo, realizar o contato com a “Fonte” é uma
condição que está relacionada à qualidade de transmissão que cada Alma
possui dentro de seus códigos internos do corpo físico em relação à sua
percepção sensorial e mediúnica em cada fase das encarnações que manifesta.

Partindo do princípio que, quanto maior o número de encarnações dentro


dos hologramas da dualidade, a percepção da Alma se afasta de seu equilíbrio
e perde gradativamente a conexão primordial que possui em sua própria
Chama Trina, as escolas têm por objetivo resgatar essa comunicação através
de ensinamentos e técnicas de equilíbrio. Os 144 Mestres Entrantes iniciaram
então uma trajetória de estudos e vivências para espalhar gradualmente este
conceito entre as principais federações e grupos que estavam desenvolvendo
sua trajetória evolutiva pela tecnologia estelar, atomística e estudo das leis da
física e química com a respectiva interação nuclear do multiverso. Neste
contexto a maior parte de vocês acabou conhecendo Yaberin e outros
professores e magos dessas importantes escolas herméticas de reconexão.

A função real de Yaberin era passar pelos processos encarnacionais, mas


utilizando um corpo e estrutura que não perdesse a conexão como ocorreu
com vocês e dessa forma, apesar dele entrar como entrante na maior parte dos
processos iniciais do acoplamento na Matéria Bariônica física, começou a
perceber o peso e a dificuldade da dualidade inserida arbitrariamente nos
sistemas estelares internos do grupo de Naoshi. E antes disso em outros
clusters do Universo local de Nebadon, que possui muitos outros setores com
elevado gradiente de dualidade, sendo Naoshi o mais complexo de todos.

Assim Yaberin era um testa-de-ferro da Supra Confederação que serviria


para avaliar muitos aspectos até então hipotéticos perante os grupos além de
9D e estabelecer parâmetros e projetos com base nessas descobertas. Esses
projetos tinham o objetivo de despertar a consciência de bilhões de Almas
perdidas dentro do jogo da dualidade e dos hologramas alimentados pelas
próprias Almas através de seus dogmas, conceitos filosóficos e religiosos, da
própria evolução e do entendimento imediatista que cada Alma tem do
universo através de seus sentimentos e sua percepção, de acordo com cada
raça e sua escala de evolução cósmica. Avaliar o processo encarnacional e as
questões que causam a contaminação, era a função inicial dos 144 Mestres
Entrantes para depois desse levantamento realizarem projetos e metas para
reverter este processo e iniciar o despertar das Almas de seus próprios
hologramas de aprisionamento que as afastam de sua essência maior do Eu
Sou. E principalmente, promover a conexão direta com a sua própria Fonte,
sem intermediários, através da frequência primordial da Chama Trina.

A questão aqui é que a maior parte de vocês, ao deixar a estrutura


energética e a frequência do seu Eu Sou, deixou a conexão segura com a
própria Fonte através da Mônada e outros patamares de energia do
multiverso de onde todos vocês são originários. Ou quase todos, se
excluirmos desta questão os seres que foram clonados ao longo de sua
caminhada existencial dentro das sociedades mais conturbadas, como as da
galáxia de Arconis e posteriormente as raças reptilianas mais primitivas que
estavam sob a jurisprudência direta dos Logos Cósmicos de Sarathen e suas
falanges de seres com alta dualidade e contrários ao foco de Micah e suas
equipes. Dessa forma, o processo encarnacional quando se distanciou do
padrão vibracional original do Eu Sou passou por mudanças e um forte
rebaixamento vibracional, criando gradualmente os obstáculos para a
captação da essência da Chama Trina de cada Alma perdida no jogo da
Cocriação dentro do multiverso abaixo de 9D.

Restaurar essa conexão com a sua própria “Fonte” é não é uma situação
fácil quando se vive encarnado dentro de planetas em quarentena com uma
ampla Barreira de Frequência como é a questão da Terra e de muitos outros
planetas dentro do conjunto de Naoshi. Nos outros mundos onde a vibração é
menos densa é bem mais fácil a reconexão. Análises indicam um bom
percentual de Almas alinhadas com os projetos destinados a esses mundos e
suas civilizações, mas nos planetas em quarentena a questão é muito mais
complicada pela grande diversidade de informações e de desvios do padrão
original da Chama Trina que é alterado através dos meios de comunicação e
dos hologramas do Carma pela culpa, medo, ódio e outros miasmas ou
Formas-Pensamento e Formas-Sentimento constantemente amplificados pela
dualidade holográfica nestes mundos mais conturbados ou sob o controle
direto do grupo de Filhos Paradisíacos negativados.

Na galáxia de Arconis, que fica do outro lado de Andrômeda do ponto


visual relativo à Terra, o índice de dualidade e controle é extremo sendo 80%
a 97% diretamente controlados por matrizes de consciência dentro de um
elevado gradiente de dualidade e busca do poder pelo poder. Ao ponto em
que toda a galáxia foi inserida dentro de uma gigantesca bolha de quarentena
sob a supervisão da Supra Confederação e das equipes de Anhotak e Micah,
para estabelecer uma linha de trabalho para libertação dos bilhões de bilhões
de Almas aprisionadas dentro de um modelo arcaico de evolução. Alguns de
vocês acabaram passando pelo ciclo encarnacional dessa enorme galáxia e
travando contato com esse modelo de sofrimento e evolução pelo poder e
pela prática da alta magia desvirtuada para gerar mais poder sobre o próximo,
contrariando assim a primeira diretiva que é: NÃO FAÇAS AO PRÓXIMO
O QUE NÃO QUERES PARA TI.
Dessa forma, nessa etapa iniciou-se a dualidade para muitos de vocês e a
migração para outras galáxias do conjunto de Naoshi tornou se ainda mais
conturbada e aflitiva, pois o desdobramento de seus fractais de alma dentro
da linha paradoxal do multiverso, passou a expressar essa dualidade ainda
mais intensa conforme o desdobramento que estava sendo cocriado pela
consciência de cada fractal de alma, a afastando ainda mais da vibração
original do Eu Sou através da Chama Trina.

Neste ponto é importante entender que a dualidade não é um aspecto


positivo ou negativo, mas antes de mais nada é pura experienciação em fases
da evolução e do autodescobrimento que gerou cocriações harmônicas e
desarmônicas, causando um efeito de dualidade equivalente a uma bola de
neve que foi aumentando e aumentando à medida que os acontecimentos se
desdobraram. Naturalmente em locais onde os grupos rebeldes têm maior
controle, os eventos negativos impulsionaram ainda mais o aumento da
dualidade, principalmente por inserirem o conceito de escravidão e
vampirização pelos grupos de Sarathen.

O Mestre Entrante Yaberin e seus outros 143 colaboradores foram


inseridos dentro do jogo encarnacional em pontos-chave dentro do conjunto
de Naoshi para adquirir experiência e entendimento da dualidade que estava
se desenvolvendo fora dos padrões conhecidos até aquele momento pelos
membros da Supra Confederação e até mesmo para os Filhos Paradisíacos
inseridos nesse jogo, pois a densidade abaixo de 9D era uma novidade para
todos e as condições gravitacionais e energéticas do conjunto de galáxias de
Naoshi ainda mais peculiares e desafiadoras. Esses 144 Mestres Entrantes se
inseriram no processo encarnacional de forma controlada e diferente das
Almas convencionais, pois sua função era estudar, obter informações como
espiões e adquirir um vasto campo de informações para que a Supra
Confederação pudesse criar projetos e programas de ação para equilibrar o
projeto de Naoshi e ao mesmo tempo aprender e disponibilizar ajuda e
resgate para as Almas perdidas nesse jogo cósmico de xadrez.
AS FEDERAÇÕES ESTELARES

uando os 144 Mestres Entrantes se inseriram no jogo da


Q matéria encarnacional com seus corpos especiais gerados por
engenheira genética da Supra Confederação, mais de 260 Impérios
estelares com um avançado sistema tecnológico já estavam estabelecidos
dentro do conjunto de Naoshi, que tinham sido inseridos através da influência
dos Filhos Paradisíacos e das Almas mais avançadas para essa mesma
finalidade, gerando assim o movimento tecnológico e o avanço da
consciência e do raciocínio logico para as ciências exatas e o entendimento
das diferentes dimensões do multiverso. Os 144 Mestres Entrantes entram no
contexto físico abaixo de 9D pelo conceito temporal humano da Terra há 14,7
bilhões de anos aproximadamente. Nesta época, o conjunto de galáxias de
Naoshi não apresentava a configuração atual de 49 galáxias, porque elas
estavam bem mais próximas como uma grande nebulosa. Portanto, a
interação dimensional e energética entre esse aglomerado antes da formação
das atuais 49 galáxias gerava um intercâmbio de energia e de radiações muito
mais intenso que atualmente. Nessa fase dos acontecimentos de Naoshi a
estrutura existencial ocorria entre 6D e 8D, sendo que abaixo dessa
frequência a vida era possível somente nos setores mais periféricos, onde o
gradiente de radiações era menor. Assim começa a surgir a vida e a expressão
material entre 4D e 5D, surgindo com o tempo o contexto em 3D.

Os 144 Mestres Entrantes iniciaram suas pesquisas e acoplamento


encarnacional com base nesse ajuste natural das radiações e da densificação
da matéria Bariônica do conjunto de Naoshi e por fim dos ajustes dos
planetas que seriam a base do novo contexto existencial. O conjunto de
Naoshi foi dividido pelos Filhos Paradisíacos e por outros grupos
interessados em desenvolver seus projetos dentro do contexto até então
estabelecido, o que formatou com o tempo futuros Impérios Estelares e a
divisão em etnias e raças com maiores ou menores privilégios gerando a
dualidade e o racismo entre essas diferentes espécies. Nessa fase a estrutura
mamífera estava nos patamares sutis de 8D e 9D e ainda não existia o projeto
humano e humanoide. Basicamente os reptilianos e insectoides dominavam a
estrutura genética além dos seres anfíbios e outras formas de simbióticos. Por
essa razão estas raças são consideradas ancestrais e mais antigas, pois no
plano mais denso da Matéria Bariônica eles realmente chegaram primeiro ao
processo de densificação nas imediações de 3D até 5D, sendo que os
mamíferos chegaram muito tempo depois, pelos fatores endócrinos e ajustes
do campo emocional que normalmente as raças mais primitivas não tinham
desenvolvido nas esferas mais sutis, estabelecendo assim as primeiras
experiências na fisicalidade.
OS 144 MESTRES ENTRANTES

início do processo encarnacional desses 144 Mestres foi


O similar aos ajustes vividos pela Alma/consciência de Yaberin para
possibilitar as condições dentro do campo existencial mais denso e
capacitá-los para sua missão junto aos outros grupos de almas e seres que
estavam desenvolvendo seus projetos com base nos contratos diretos entre
Filhos Paradisíacos e as Supra Mônadas. Não existia um interesse que esses
144 Mestres Entrantes desenvolvessem o processo idêntico às Almas e seus
fractais, pois eles não estavam dentro da existência material simplesmente ou
somente para aprendizado, mas para ensinar e também aprender como
resgatar a reconexão, ou melhor, para ensinar ao universo como não perder a
conexão com sua própria essência interna. Por isso que as escolas de
magismo eram uma porta, pois ensinando as técnicas de controle mental e
emocional entre a realidade física emocional e mental com as outras
dimensões do chamado Multiverso, seria possível criar o entendimento
acadêmico das demais realidades e amplitude aproximada do universo e do
seu potencial dentro de cada alma manifestada no plano material. Até esse
momento da linha temporal do universo material o gradiente de almas
desconectadas da sua própria essência era elevado e acima da média no grupo
de galáxias de Naoshi e mesmo dentro do Universo Local de Nebadon,
gerando uma preocupação com a perda percentual de Almas no decorrer do
processo evolutivo encarnacional para cada grupo de Mônadas e ao mesmo
tempo para os próprios Filhos Paradisíacos que estavam se desconectando
gradualmente da sua proposta original.

Cada um desses 144 Mestres Entrantes deveria criar uma rede neural
nova e ativá-la dentro da malha da Matriz de Controle nas esferas da criação
e na existência material para ajudar no processo de resintonização do
conjunto de Almas e possibilidades do multiverso que se desdobrava em
Nebadon e em seus aglomerados ou clusters de galáxias. Por esse motivo a
concentração de esforços desses 144 Mestres Entrantes estava acima do
normal e ao mesmo tempo existia uma expectativa sobre o que eles realmente
poderiam desenvolver dentro da psique e da consciência das Almas
desgarradas e aprisionadas em conceitos egoístas. Esses 144 Mestres
Entrantes não tinham a dualidade extrema, mas para eles a dualidade
consistia em fazer escolhas entre as diferentes opções em suas caminhadas e
com base nessas opções criar caminhos e desenvolver os projetos dentro das
realidades mais densas consideradas viáveis entre 4D a 7D, sendo que a base
real de dualidade extrema ainda se manifestava na estrutura de 4D e 5D, pois
a matéria 3D existia apenas em formas muito primárias de vida orgânica.

Os projetos elaborados pelo Conselho dos 21 Voronandecks dentro de


Shantar e consequentemente pelo grupo gerenciador de Goronandecks, previa
alterações no desdobramento e sustentação para os Mestres Entrantes
diretamente por agentes especializados da Supra Confederação sem permitir
com isso a intervenção dos Filhos Paradisíacos, caso fosse necessário colocar
ordem na estrutura desses universos. Esse grupo gerenciador é muito mais
velho na linha relativa de tempo que todos os Filhos Paradisíacos, pois foram
especificamente os Voronandeck que estabeleceram o processo de
densificação da Energia Escura e suas outras estruturas em Matéria
Bariônica. E são eles que controlam as membranas Brana e o denominado
conceito de Física de Torção onde o universo se entrelaça com as outras
dimensões do multiverso. Dessa forma esse grupo dos 21 Voronandecks
estabeleceu os parâmetros para a existência de Havona-Shantar e dos 7
Superuniversos físicos e dos outros não materiais na estrutura da Matéria
Escura que perfazem 144 Superuniversos. Dessa forma esse grupo sabia que
a dualidade inserida pela descendência de Anhotak seria muito mais extrema
e as probabilidades até então previstas, estavam todas equivocadas. Dessa
forma, os 144 Mestres Entrantes tiveram que lidar com situações além do
avaliado inicialmente e com o apoio de equipes devidamente treinadas e
preparadas, mas nesse conceito existe um dilema, pois nunca ninguém tinha
sido treinado para isso antes, portanto para todos seria uma viagem de
somente ida e poucas chances de retorno.

A viagem de ida tinha um aprendizado inserido extremamente


importante e ao mesmo tempo promissor para futuros projetos e para o
desenvolvimento de novos parâmetros da cocriação dos diferentes universos
que estavam sendo planejados. No entanto, era necessário plantar novas
sementes para garantir que o plano ocorresse como previsto originalmente.
Nesse ponto o Conselho de Havona dos Filhos Paradisíacos solicitou ajuda e
intervenção dos membros da Supra Confederação ligados à Ordem
Voronandeck, realizando um trabalho conjunto com consentimento mútuo,
quando a energia de Mitch Ham Ell assume parte das negociações com o
Conselho de Filhos Paradisíacos e dos Anciões de Dias, para estabelecer um
plano unificado de evolução, estudo e resgate das Mônadas e demais
estruturas perdidas dentro dessa situação que se mostrava desarmônica já há
muitos bilhões de anos da contagem temporal humana da Terra.

Com base nessa situação política dentro do sistema gerenciador de


Havona, o setor de Naoshi receberia 144 Mestres com o conhecimento e
entendimento do alto escalão da Ordem Voronandeck e da própria Supra
Confederação, sendo que cada um deles seria uma espécie de “clone
extensão” dos Comandantes escolhidos para desenvolver as novas tarefas e
estudos que seriam avaliados gradualmente no fluxo temporal de cada setor
interno de Naoshi.

Quando os 144 Mestres Entrantes alcançaram a estrutura de 9D a 13D,


eles fizeram contato com milhões de grupos de Eu Sou e Mônadas para
estabelecer futuros contratos de trabalho conjunto e avaliar a programação de
desdobramento que estava inserida nas Almas que deveriam entrar na
estrutura da matéria abaixo de 9D para o denominado processo
encarnacional. Assim cada um dos 144 Mestres Entrantes já tinha uma base
de dados que deveriam ser contatados, que já faziam parte do programa de
libertação e das futuras escolas de iluminação, para criar uma rede de
comunicação entre a matéria e a espiritualidade.

Essas Almas se tornariam os alunos e discípulos que iriam sustentar as


escolas da Luz e de Mistérios pelas 49 galáxias de Naoshi criando um fluxo
de energia e de Forma-Pensamento em oposição à energia do Anticristo que
estava sendo manipulada e propagada desde o centro operacional da galáxia
de Arconis, que é o centro de origem dos projetos de Sarathen e toda a sua
engenharia genética e robótica orgânica. A egrégora que seria sustentada por
cada Alma na amplitude das 49 galáxias acabaria sustentando vários outros
projetos futuros e paralelos da Supra Confederação, criando a estabilidade
gradual nas galáxias e diminuindo o fluxo de quarentena do setor de Naoshi.
Assim uma rede de Almas e de Eu Sou interligados foram contatados para
dar sustentação aos 144 Mestres Entrantes, movimentando um grupo de
aproximadamente 5 bilhões de Eu Sou e suas respectivas Almas e seus
Fractais de Alma, gerando um movimento de equilíbrio através do fluxo de
energia psíquica e emocional ativando a própria Chama Trina no processo
encarnacional. Essa condição já tinha sido estabelecida antes dos 144 Mestres
Entrantes descerem para a matéria, ainda nas altas esferas onde residem a
frequência e a consciência dos Eu Sou e de suas Mônadas. Dessa forma o
projeto não necessitaria de maior número de enviados na primeira onda de
um contingente de 12 a 72 grupos de 144 Mestres Entrantes enviados
gradualmente, depois do primeiro grupo original do qual Yaberin faz parte e
está envolvido com muitos alunos da Cura Quântica Estelar que têm sido
sintonizados pelo Canal Rodrigo Romo na realidade física da Terra e nos
outros planos etéricos da Terra.

Por isso a maior parte de vocês tem uma importante relação com o
Mentor espiritual e físico que foi Yaberin em sua caminhada desde o início
de sua jornada quando se desdobraram da energia do Eu Sou ao entrar na
materialidade física. A relação de aprendizado e de libertação que ele criou
junto com seus outros 143 parceiros, ajudou a dar rumo às muitas Federações
e sociedades estelares tecnologicamente ativas e fortalecidas no entendimento
das leis divinas que nada mais são do que as leis da própria natureza e do
universo. O conceito da Luz e seus ensinamentos foi implantado desde as
esferas do Eu Sou em cada Alma e depois divulgado pelas escolas e
estruturas que os 144 Mestres Entrantes inseriram na consciência dessas
mesmas almas divididas na realidade física e material abaixo de 9D,
estabelecendo assim os conceitos de ascensão, Deus enquanto Fonte
Primordial e todos os demais parâmetros relativos à unicidade do criador e
diferentes frequências do universo que convergem para um mesmo ponto de
origem além da matéria e da energia conhecidas em cada plano existencial.

Vocês todos fazem parte de um enorme jogo cósmico de xadrez,


inscritos pelo próprio Eu Sou de vocês para criarem a dualidade e sustentá-la
na busca pelo equilíbrio, para gerar o movimento do autoconhecimento nas
diferentes realidades da existência material e com as distintas percepções de
cada grupo de corpos orgânicos que deveriam testar dentro desse jogo de
cocriação. O ciclo encarnacional faz parte desse jogo onde o aprendizado
adquirido através da capacidade de raciocinar, amar, odiar, pensar, emocionar
e gerar reações endócrinas cria o movimento da vida através do conceito da
Lei da Necessidade. Cada um que neste momento está lendo este livro vai
sentir o toque dentro do seu código genético do DNA da Alma, pois a jornada
que vocês já fizeram e ainda têm pela frente está relacionada com as escolhas
realizadas no passado. A maior parte delas com base nos hologramas de cada
Matriz de Controle que ajudaram a criar dentro das realidades encarnacionais
onde se envolveram e acabaram se perdendo. Na medida que cada um de
vocês acabou fazendo contato com os 144 Mestres Entrantes, uma nova linha
de consciência era semeada entre as Almas que fazem parte do contexto
encarnacional de vocês, gerando um movimento criacional de informações e
comunicação com as esferas da Supra Confederação, gerando uma rede de
comunicação além da Matriz de Controle inserida no setor de Naoshi.
Portanto, cada um de vocês faz parte desse processo e se comprometeu a
desenvolver essas escolas herméticas de conhecimento e com elas abrir a
consciência das outras Almas que não estavam no mesmo projeto, criando
uma linha de resgate e despertar de consciência para o enorme número de
Almas e fractais perdidos em seus próprios hologramas baseados na
dualidade inserida e potencializada pelos grupos de Sarathen.

O processo encarnacional de vocês foi sendo alterado à medida que o


contato com esses 144 Mestres Entrantes gerava a ativação de sua Chama
Trina e permitia que a radiação taquiônica da Fonte Primordial ativasse o seu
centro de percepção e comunicação com as realidades internas de sua própria
Alma, criando assim o estado de graça divina e a perfeita comunicação com
os outros planos superiores e paralelos, ajudando-os a se transformar em
Mestres na caminhada para libertação e resgate dos bilhões de seres presos
nos hologramas de suas próprias criações pessoais, alimentados pela ação e
reação que cada um desenvolve dentro da matéria.

Cada um desses 144 Mestres Entrantes estão associados a milhares de


grupos de Eu Sou e de Mônadas, gerando uma malha de auto identificação.
Quando alguém é encontrado ou sintonizado por alguém pertencente a esta
malha, a pessoa recebe novas codificações dentro da Chama Trina, da Alma e
de seus Fractais. Este procedimento tem relação com o trabalho de alguns dos
Mestres Ascensos da Terra, porém muitos de seus representantes ativam a
devoção em milhões de seres humanos. Só que o projeto original não previa
devoção, mas aprendizado e fraternidade com esses mestres para gerarem em
conjunto uma rede neural de seres iluminados e Ascensos dentro de suas
próprias percepções psíquicas e emocionais, sem a inserção do conceito
religioso como ocorre na atualidade terrestre. Através da matemática sagrada
cada filamento de Alma e de seus fractais foi inserida dentro das 49 galáxias
de Naoshi para desenvolver sua própria rede de conexão no fluxo
encarnacional para que fossem ativados pelos 144 Mestres Entrantes e
posteriormente por seus discípulos, garantindo uma rede amplificada através
dos ensinamentos e da proposta da comunicação com as altas esferas internas
de cada ser encarnado. No entanto, este projeto acabou sendo alterado e
modificado pelo lado obscuro para gerar a devoção e aprisionamento
religioso, afastando o ser de seu propósito original de reconexão, sendo
substituído por devoção e submissão aos Deuses.

Em sua civilização esta condição foi estabelecida e reativada inúmeras


vezes pela presença dos Nibiruanos no processo de colonização e
escravização da humanidade, como já tinha ocorrido nos sistemas de
Plêiades. Repetindo dessa forma um ciclo vicioso já existente em inúmeros
sistemas solares com elevado gradiente de dualidade. A estrutura
encarnacional foi corrompida pelo medo e pela culpa, programa inserido com
sucesso desde as colônias penais da galáxia de Arconis, que estavam sob
controle e pesquisa dos primeiros grupos de Xopatz colocados no poder nessa
enorme galáxia do conjunto de Naoshi.

Dentro desse contexto Yaberin tem uma ligação fundamental com vários
momentos críticos e decisivos da formatação das Federações de Plêiades,
Orion, Sirius, Altair, Aldebarã e outros grupos centrais, devido sua ação
direta com Onara e outros comandantes da Supra Confederação infiltrados
em posições-chave para manipulação e unificação de diversas raças
ameaçadas de extermínio. Yaberin realizava a conexão entre os diferentes
reinos desde a sua chegada no setor de Sirius Alpha, que estava sob o
controle e coordenação dos seres Felídeos, que por sua vez tinham projetos
de Shtareer em diversas fases de implantação dentro da Via Láctea e de
outras galáxias vizinhas, colocando Yaberin como elo de ligação com uma
outra rede de comandantes que permitiam a movimentação de energias para
estabilizar o jogo de xadrez, que normalmente era desestabilizado
diretamente pela influência de Sarathen e seus colaboradores. Portanto
Yaberin não atua sozinho, mas em conjunto com uma equipe de apoio das
outras esferas ainda invisíveis além de 9D, realizando a comunicação plena,
depois que concluiu suas etapas de aprendizagem e de entendimento como foi
relatado no início deste livro.

Yaberin estabeleceu importantes mudanças nas crenças e estudos sobre a


natureza e sua geometria sagrada, depois que substituiu seus mentores e
professores no plano existencial material onde vivia, tornando-se um Sumo
Sacerdote atuando em várias linhas, como os primórdios da política e
negociação entre as diferentes facções e os tratados de paz e unificação de
diferentes etnias dentro dos mesmos planetas, viajando de planeta em planeta
através do deslocamento do corpo Morontial quando necessário. Motivo pelo
qual seu ciclo encarnacional foi alterado por ele mesmo depois que atingiu
um determinado grau de mestria sobre seus poderes supra dimensionais que
residem dentro da Alma de todo ser existente. Obviamente que Yaberin não
realizou isso sozinho, pois estava sempre ligado a outros seres das esferas
mais sutis que o ajudavam e orientavam. Na medida que mais almas eram
contatadas, mais despertavam e assim surgiu um movimento de rede neural
ligado à Supra Confederação e à proposta de Micah e da Fonte Primordial.
Esta rede de informações estabeleceria a matriz informacional da proposta do
Cristo Cósmico em milhares de civilizações disseminando o entendimento
das leis maiores de harmonia que regem o universo material e os não
materiais. Cada ser envolvido nesse projeto acabou se comprometendo a
emitir e reproduzir o pulso Primordial da Fonte ou do Cristo através de suas
atitudes e dos ensinamentos que seriam inseridos nas sociedades formatadas
gradualmente ao longo do desenvolvimento e evolução social e tecnológico
das civilizações mais antigas e destas para suas futuras colônias. Este foi o
motivo pelo qual muitos de vocês ainda na fase de consciência aberta
optaram por encarnar em mundos mais primitivos, para ajudar a disseminar e
inserir os códigos do Cristo, acreditando que seria uma tarefa mais fácil do
que realmente ela tem sido.

Muitos de vocês abriram mão da consciência de ascensão há milhares de


anos e em diferentes e repetidas oportunidades, para dar continuidade ao
processo. Porém acabaram aprisionados pelos mecanismos de controle da
Matriz de Controle inserida pela linhagem Anticrística. O próprio
desdobramento em fractais de alma acabou gerando dualidade e se
aprisionando na rede de informações e de desinformação que foi inserida na
estrutura das sociedades mais antigas, como ocorreu com as raças que
derivaram das aves e originaram os reptilianos com elevado gradiente de
dualidade, baseados em sua forma analítica e lógica de avaliar tudo sob
somente seu ponto pessoal de entendimento, servindo aos interesses de
Sarathen e seu grupo de Filhos Paradisíacos interessados no poder pelo
poder.

A questão do poder pelo poder é muito sedutora e quando a Alma não


está conectada diretamente com a sua própria essência, acaba migrando para
valores e irradiações externas, que ela irá identificar através de personagens
ou seres que representem essa linha de conexão, gerando assim o conceito
humano de Deuses e suas divindades, constituindo dogmas e religiões como
remonta a história cósmica de Naoshi. A religião que tem por objetivo
realizar a religação ou reconexão da percepção da Alma com o plano
espiritual e deste com a fisicalidade, acabou se tornando um holograma de
controle entre as diferentes castas de poder, gerando o medo e o afastamento
ainda maior da própria divindade cósmica que cada Alma possui
naturalmente.

A rede encarnacional desenvolvida pela linhagem de Sarathen causou o


fortalecimento auto sustentável dentro da fisicalidade, inserindo parâmetros
de poder e de cobiça que geraram ciclos infinitos dentro do processo
encarnacional nas frequências de 3D a 5D. Essa é a base mais importante de
poder e pesquisa das capacidades da Alma aprisionada dentro de seus
próprios modelos de cocriação baseados no poder que elas mesmas adquiriam
e inseriram na formatação de suas sociedades e com isso o controle sobre as
raças e espécies menos favorecidas, passando a inserir gradualmente a
dominação e a escravidão dos povos mais desvalidos. Nesta fase da evolução
de muitos povos o destaque maior está direcionado para o desenvolvimento
da alta tecnologia nuclear e todas as gamas do desenvolvimento dos diversos
segmentos da engenharia tecnológica, criando assim a capacidade de inventar
e cocriar, assumindo o papel de Deuses entre os Deuses, gerando dessa forma
a linha existencial do poder pelo poder e o desenvolvimento dos enormes
impérios estelares baseados na tecnologia material e não na capacidade do
Espírito e da Alma. Dessa forma ambos acabaram aprisionados dentro do
corpo material e dos conceitos desse poder limitado, porém real e poderoso.

A jornada de cada um de vocês está diretamente inserida nesse conceito


e nos diferentes ciclos encarnacionais que acabaram desenvolvendo baseados
na percepção do universo à sua volta e dentro de cada um. Quando vocês
entraram nas escolas da Luz ocorreu um rompimento com os valores
artificiais e assim a dualidade acabou criando o choque existencial entre o
poder da Alma em oposição ao poder da tecnologia. Situação que nos leva ao
conceito da Magia e das tecnologias da Magia Espiritual, que surge em
muitas situações da história galáctica nos confrontos entre os Magos da Luz e
os Magos Negros que respondem à Ordem do Dragão Negro, que é uma
facção interna das linhagens diretas de Sarathen.

Os 144 Mestres Entrantes tiveram que acessar essa rede existencial para
entender o mecanismo de controle e do poder que era ensinado e codificado
nos corpos mais densos das raças reptilianas, insectoides e posteriormente das
espécies mamíferas, que iniciavam sua densificação abaixo de 8D e 7D, onde
até então não passavam pela contaminação vibracional da galáxia de Arconis
e outros setores de controle espalhados no conjunto de Naoshi. Dessa forma,
antes de iniciarem o denominado processo de entrantes com corpos adaptados
geneticamente para atuar dentro das principais espécies, estiveram infiltrados
como agentes etéricos entre 7D e 9D nos setores mais comprometidos de
Sarathen e da própria Ordem do Dragão Negro com o objetivo de estudar e
entender os mecanismos que eram utilizados, para que esses 144 Mestres
Entrantes criassem estudos e ensinamentos de oposição a estes mecanismos,
gerando assim uma onda de harmonização e contraposição às vibrações
emanadas pela galáxia de Arconis. A infiltração desses 144 Mestres Entrantes
não foi um processo encarnacional, mas em alguns casos foi literalmente um
processo de abdução, estudo e acoplamento em corpos de seres que viviam
dentro da estrutura social de Arconis. Com isso foi possível entender a
estrutura e ramificação dos ensinamentos e da programação estrutural que foi
inserida pela proposta de Sarathen, que não gerou alterações nas
prerrogativas de seu Criador Anhotak, criando como espelho um universo sob
seu controle acessando a Fonte Primordial utilizando os códigos de seu Pai.
Inicialmente somente era acessado o nome de Anhotak como o grande
criador do projeto do Anticristo, mas na verdade, quem manipulou e criou
toda essa malha de realidades paralelas baseadas no projeto original de
Anhotak, foi sua filha e sucessora na esfera de poder que na tradução
linguística para os humanos seria Sarathen, mas este ser possui outras
denominações e nomes em outros idiomas estelares. Todo um contexto de
poder foi baseado na linha criacional de Anhotak, que é um Filho Paradisíaco
bem mais antigo que a linhagem da qual provém Mitch Ham Ell ou Micah
como é denominado pela humanidade, possuindo chaves da criação desde os
primeiros desdobramentos do quantum de energia escura emanados pelas
membranas Brana há bilhões de anos antes da formatação dos quarks e dos
léptons da interação nuclear forte e fraca, que corresponde a essas duas
estruturas da Matéria Bariônica. O plano de Sarathen e sua equipe foi perfeito
do ponto de vista estratégico, pois utilizou o seu próprio criador como testa-
de-ferro perante o alto conselho de Havona e dessa forma o plano passou
desapercebido nos diferentes invólucros das dobras dimensionais de Arconis,
que já estava inserido dentro de um setor com até 85% de dualidade,
permitindo assim um disfarce perfeito para as operações de pesquisa do
Conselho dos Anciões de Dias. Somente a Supra Confederação acabaria
tendo acesso devido as prerrogativas dos Voronandeck que se sobrepõem a
outros grupos, por serem os responsáveis pela estabilidade e transferência de
energia nos universos.

Por parte do Conselho dos 21 Voronandecks foi aceito o desafio como


um jogo de xadrez cósmico e temporal, para testar a real capacidade
evolutiva e cocriacional dos próprios Filhos Paradisíacos e dos outros grupos
que incluem os Anciões de Dias, Portões de Dias e dos Últimos dos Dias,
para estabelecer parâmetros do conjunto operacional de cocriação nos novos
universos que estavam postulados na malha multidimensional dos 144
Superuniversos e muito além, como parte das atribuições dos Voronandecks.
Assim, a participação desses 144 Mestres Entrantes e sua equipe de apoio,
funcionou como os primeiros bodes expiatórios da Supra Confederação para
equilibrar o jogo sem que Sarathen tivesse acesso às informações, pois era a
primeira vez que os Voronandecks se inseriam nos assuntos de poder e
evolução dos Filhos Paradisíacos, criando uma inovação na política
administrativa dos universos até esse momento. Cada um desses 144 Mestres
Entrantes tinha que possuir um currículo especial e ter capacidades para
realizar seu trabalho sem se contaminar e se deixar aprisionar na malha
holográfica de Arconis e dos outros setores programados conforme os
desdobramentos que fossem descobertos. Por isso a equipe de cada um desses
144 Mestres Entrantes foi muito bem escolhida nas esferas além de 15D e
com seres que já tinham atingido um patamar de evolução e mestria no alto
comando de cada um de seus universos e realidades existenciais.
Originalmente esses 144 Mestres Entrantes estavam ligados a 144
representantes da Supra Confederação nas altas esferas, mas com o
desdobramento das informações levantadas, esse grupo foi reduzido para um
alto comando de 28 comandantes com atribuições de Chanceler, Marechal e
esferas equivalentes dentro do entendimento humano de escalas de poder das
forças armadas, para poderem intervir e tomar as decisões como um grupo
independente e autônomo sem a influência dos Filhos Paradisíacos,
possuindo total liberdade para corrigir as anomalias caso elas colocassem o
equilíbrio de Naoshi e de Nebadon em risco.

Esse grupo dos 28 Almirantes ou Chanceleres da Supra Confederação


assumiram atribuições e tarefas para buscar alternativas e projetos de
equilíbrio e harmonização dos desmandos criados pela linhagem de Anhotak
dentro de Nebadon. Esses 28 Chanceleres acabaram desenvolvendo as suas
próprias equipes para atuar em sincronicidade e estabilizar os problemas
existentes e entre eles fazer intervenções nos estados de guerra estelares que
ocorreram no passado entre Arconis e as galáxias que eles invadiram nos
últimos 12 bilhões de anos da linha temporal de Naoshi.

Muitas Mônadas aceitaram se envolver e trabalhar junto desses 28


Chanceleres ou comandantes da Supra Confederação. E essa é a origem do
sentimento que muitos de vocês possuem quando falam da energia de Yaslon
Yas , Alcon, e outros comandantes que têm sido revelados por Rodrigo Romo
em seus cursos e nos outros livros canalizados, justamente para ativar e
despertar seus antigos registros codificados dentro da Chama Trina, para
ativá-los mediante o estudo e a leitura deste material e dos outros, gerando o
movimento de reconexão da Alma e da consciência nas esferas superiores,
além da percepção material da consciência humana propriamente dita.

O compromisso que cada um de vocês assumiu perante o próprio Eu Sou


e até mesmo com sua Mônada, foi o de se unir a esses 28 Comandantes e
juntos desenvolverem tarefas e projetos de colaboração quando estivessem
desdobrados na matéria orgânica através do processo encarnacional. Esse
compromisso ou até mesmo contrato estabeleceu a linha encarnacional de
vocês dentro dos principais centros de poder e do desenvolvimento social do
conjunto de galáxias de Naoshi e foi esse mesmo contrato que definiu o
desdobramento encarnacional de seus Fractais de Alma conforme evolução
social dos principais impérios, para estabelecer a linhagem de informações
das escolas de Luz e ao mesmo tempo a propagação das informações pela
herança genética através de sua informação celular. Esta informação celular
acabaria com o tempo se desdobrando nas castas familiares e nas linhagens
dos escolhidos para dar continuidade às escolas herméticas e aos processos de
seleção natural de contato com as altas esferas do plano espiritual.

Dessa forma o procedimento encarnacional adquiriu outro objetivo, além


da tradicional busca pelo conhecimento e evolução da alma dentro da matéria
orgânica. Neste caso tratava-se de inserir uma programação através das
informações existentes no próprio padrão genético e ao mesmo tempo na
linhagem da própria Chama Trina que passaria a transferir os códigos
secretos da Ordem da Luz Divina para todos os contatados para estabelecer o
equilíbrio. Nessa fase, cada um de vocês já deveria ter sido contatado por um
ou mais dos 144 Mestres Entrantes para desenvolver sua missão e implantá-la
dentro da estrutura social que formataria no futuro as Federações Unidas de
Planetas e posteriormente as escalas seguintes até formarem a Federação
Intergaláctica e depois a Aliança Galáctica, que teria contato direto com os
representantes da Supra Confederação e suas filiais internas de comunicação
como a Confederação Intergaláctica ou Multidimensional, além da Ordem
Santa Esmeralda, Ordem Kumara, Ordem Amarylis e outras ligadas a essa
mesma frequência.

Assim seguindo essa mesma linha de raciocínio, os 144 Mestres


Entrantes tinham que localizar vocês e inserir o chamado de Alma através da
irradiação de seus próprios corações e ensinamentos. O que se tornou uma
tarefa complexa devido a imensidão da estrutura galáctica de Naoshi, gerando
os deslocamentos temporais e estelares para que pudessem irradiar essa
energia nos centros específicos, onde a energia deles fosse disseminada até
todos vocês em cada centro social previsto no plano anterior de expansão
racial e tecnológica. O desdobramento da consciência desses 144 Mestres
Entrantes lhes permitia acessar várias realidades ao mesmo tempo e gerar
auto clones para atuar coletivamente em cada setor onde estavam sendo
solicitados. Cada um deles tinha a capacidade de gerenciar por volta de 49
fractais de si mesmos ampliando a rede de atenção e apoio aos seus
discípulos na miríade de estrelas e planetas. Esse processo não se limitava
apenas ao plano físico e temporal, podendo irradiar a energia taquiônica de
comunicação a distâncias gigantescas, podendo comunicar-se entre galáxias
com cada umas das 49 divisões de percepção psíquica e mental. Dessa forma,
o grupo de 144 Mestres Entrantes poderia atuar como um conjunto de 7.056
entidades individualizadas e coletivas ao mesmo tempo, ativando mais Almas
perdidas e multiplicando o trabalho que deveria ser inserido em centros
específicos de poder, formando as futuras estruturas sociais primitivas das
Federações que ainda iriam se desenvolver na linha temporal de Naoshi. O
conjunto de Naoshi com suas 49 galáxias, desenvolveu setores com maior
gradiente de condições de vida biológica dentro da frequência de 4D a 6D,
estabilizando assim um maior número de genomas, atingindo as esferas da
evolução tecnológica e a expansão estelar com seus engenhos mecatrônicos.

Foi com um ou mais destes fractais que cada um de vocês teve contato
com Yaberin ao participar dos ciclos de vida nos principais setores da Via
Láctea, Andrômeda, Lasarythy e Tifany, que são galáxias onde Yaberin
esteve mais atuante e desenvolveu um trabalho específico em diferentes
linhas de tempo e espaço. Cada uma dessas 4 galáxias teve o seu
desenvolvimento racial e cultural, formatando Federações e grupos de poder
de alta polaridade conforme a evolução de consciência. Todavia, os
hologramas inseridos pelos grupos de Arconis se espalhavam e
contaminavam a consciência das Almas através das crenças e da religião que
estava se formando gradualmente como elo de ligação com os falsos deuses
que Sarathen inseriu no genoma das raças sob sua tutela e manipulação
direta. Portanto, dentro dessa ótica, para muitos Yaberin foi desde um Avatar,
até um companheiro conforme o histórico vivenciado junto a ele nas
diferentes linhas de existência no fluxo encarnacional. O caminho de Yaberin
cruzou suas vidas dezenas ou até mesmo centenas de vezes ao longo da
jornada encarnacional dentro de Naoshi e continua até o presente momento
como mentor e auxiliar em muitas oportunidades, através da Ordem Santa
Esmeralda e como Mago da Ordem dos 22 Raios. Ele tem sido um guia
oculto na jornada de libertação emocional e psíquica nos últimos 50 anos da
Terra, através de sua rede de informantes, entrantes e Mestres da Fraternidade
Branca que fazem parte de seu grupo de trabalho. Ele está profundamente
ligado à energia de Ramatis e de Kuthumi em muitos projetos e atuando em
parceria para auxiliar na evolução de cada um de vocês e interagir junto da
Cúpula de Cristal para ativação dos códigos divinos de cada um conforme
forem rompendo seus contratos de aprisionamento holográfico na Terra.
Yaberin realiza funções e atividades de interligação entre o Mentor da Cura
Quântica Estelar e as hierarquias do Ancoramento na Terra, ajudando a
estabelecer a ascensão e remoção dos hologramas existentes no contexto
Terra e sua colonização desde os grupos das 22 delegações, Anunnakis,
Nibiruanos, Xopatz, draconianos, criando programas e projetos para a
libertação de cada um de vocês. Lembrando a todos que o processo
encarnacional da Terra é na verdade uma continuação dos processos que
ocorreram no contexto político de Orion, Plêiades, Sirius, Draco, Vega,
Propus, que são setores muito próximos da atual localização orbital da Terra
dentro de sua trajetória na Rota Hexagonal e do processo de transladação ao
redor da estrela de Alcione, criando a Zona neutra do processo encarnacional
dentro da polaridade, pré e pós-guerra de Orion.
O SURGIMENTO DOS PRIMEIROS IMPÉRIOS

uando a energia se estabilizou desde o bojo central de cada


Q galáxia, as constantes rajadas de radiação se acalmaram,
permitindo que a estrutura biológica pudesse ser densificada
partindo de 8D e 9D para as esferas mais densas, podendo suportar as cargas
de energia e radiação dos grandes centros de população de estrelas, pulsares,
quasares, Buracos de Minhoca e dos vórtices dos portais estelares. Após a
estabilização energética, de forma natural os genomas foram sendo inseridos
pelos Elohins e pelos Lanonadecks da Supra Confederação, sendo alguns da
raça que a humanidade define como Ciclopes, que representam uma das
linhagens da Ordem Lanonadeck que estabelecia desde seu foco original de
12D a 18D a densificação e os ajustes para que a matéria escura pudesse ser
codificada em matéria Bariônica e dessa forma, dar origem ao genoma
biológico na matéria física. Desse processo em diante, a vida começa a se
formatar e gradualmente, pela seleção natural, cada mundo de acordo com
sua densidade, inicia seus projetos biológicos de vida e os ciclos de
reprodução e formatação das primeiras estruturas biológicas do conjunto de
cada galáxia de Naoshi.

Os primeiros centros habitacionais entre 6D e 8D se localizavam


comumente mais próximos do aglomerado central das galáxias, pois nessas
frequências ou dimensões é possível sustentar e viver melhor com elevado
gradiente de radiações e energias produzidas pelo fluxo das estrelas mais
próximas. Abaixo da frequência ou dimensão de 6D a questão da vida ocorre
em mundos e localizações mais afastadas, onde a concentração de radiação é
menor do que no centro pois a vida pode se manifestar com menores
gradientes de radiação e os planetas precisam possuir estrutura climática e
atmosférica de proteção, como ocorre com a Terra.

Seguindo essa regra, o desenvolvimento social ou de sociedades


tecnologicamente desenvolvidas ocorre então em dois setores distintos, sendo
que as raças que suportam alto gradiente de radiação se localizam mais ao
centro das galáxias ou dos aglomerados de constelação. Enquanto que os
grupos que não suportam o excesso de radiação tiveram que se desenvolver
nos setores mais afastados onde as estrelas têm uma distância relativamente
maior, gerando uma malha menor de radiação que não afetasse o seu
desenvolvimento biológico.

Quanto maior a densidade de uma espécie, menor o gradiente de


radiação que ela recebe. Assim sua estrutura física é mais densa e menos
desenvolvida, recebendo menos informação das radiações do centro de uma
galáxia, sendo, portanto, mais primitiva e fácil de ser manipulada com as
informações genéticas de seus criadores. Foi nessa fase que Sarathen
codificou as raças reptilianas e insectoides derivadas das raças primordiais de
aves ou pássaros, que já tinham uma codificação original de Anhotak e foram
alteradas geneticamente pela equipe de Sarathen, estabelecendo novos
parâmetros para a dualidade e os hologramas que deveriam ser instalados em
todas as galáxias de Naoshi.

A galáxia que a humanidade denomina de Via Láctea, possui diversos


centros de alta densidade populacional de estrelas e outros elementos
cósmicos, sendo que o centro ou bojo central do ponto de vista desde a Terra
é a mancha leitosa branca que pode ser visualizada nas localidades com
menor luz artificial. Esse setor possui maior densidade de estrelas e nesses
setores a realidade existencial normalmente ocorre em dimensões mais sutis
que as da fisicalidade terrestre. A localização onde ficam as constelações
visíveis a olho nu desde a Terra são locais com pouca concentração de astros
e, portanto, menores os gradientes de radiação. Portanto, a vida biológica
ocorre em densidades mais próximas de 3D. No setor de Orionis ao qual a
Terra pertence, um dos centros mais antigos em termos de desenvolvimento
de população orgânica entre 4D e 6D seria nas imediações das estrelas: Sirius
A, Betelgeuse, Belatrix, Rigel, Saiph, Mintaka, Propus, Sol, Toliman, Wasat,
Polaris, Régulos, Aldebarã, Vega, Sulafat, Arcturos, Izar, Seginus, Merak,
Phecca, Rasalas, Algeiba, Eltanim, Rastaban, Thuban, Acubens, Procyon,
Spica, Antares, Achemar, Formalhaut, Graffias, Menkent, entre as mais
destacadas pelo seu isolamento relativo e emissão de radiações entre
moderadas a altas. Esses setores formam o berço de várias civilizações nos
últimos bilhões de anos e foram responsáveis pelo ajuste das órbitas e das
emissões de radiação para seus planetas, permitindo com a ajuda dos grupos
da Ordem Lanonadeck a fecundação de milhares de planetas, que com o
tempo acabaram formatando as primeiras Federações ou representações
sociais de sucesso e avanço tecnológico, onde os 144 Mestres Entrantes
acabaram participando com seu processo encarnacional controlado e
diferenciado, possibilitando contato com a maior parte de vocês que neste
momento está lendo esta obra.

Desse grupo de estrelas o setor de Sirius Alpha é dos mais antigos e um


dos primeiros a ser colonizado formatando uma sociedade estável com baixa
polaridade, embora no seu passado a raça de felinos desse sistema tenha sido
guerreira. Eles tiveram confrontos devido a oposição aos seres pássaros no
palco político galáctico, semelhante ao papel da atualidade entre humanos x
reptilianos. Aliás, ambas são descendentes dos seres felinos e dos pássaros
por manipulação genética induzida pelo alto Conselho de Unversa e dos
Voronandecks, principalmente no caso do genoma humano partindo do
genoma dos felídeos

Depois de Sirius a estrela de Betelgeuse e outros setores de Orion,


Polaris e Vega estabilizaram as condições de vida para realidades entre 4D e
6D e ao mesmo tempo foram os primeiros a sustentar vida em 3D ainda
quando as outras raças estavam em plena evolução social e tecnológica.
Dessa forma, o foco de estudos e de disputa entre as esferas superiores foi a
concentração de Almas e de observadores do processo evolutivo desses
grupos. A busca pelo controle e direcionamento desses grupos acabou
dividindo em quadrantes a galáxia e as facções da Ordem do Dragão Negro e
seus opositores da Luz. Com o decorrer do tempo acabaram se
desenvolvendo diversas facções ou grupos de ambas as polaridades, cada
qual seguindo conceitos e regras conforme seu entendimento das leis do
universo e da organização social que estava sendo sustentada, gerando assim
a ampliação natural da polaridade com base nesse ponto relativo da
“verdade” que cada qual interpreta de sua forma e de acordo com seu
interesse, sem levar em consideração um aspecto fundamental do universo
que é a energia da harmonia, que é a base do fluxo da energia no cosmos e
nos milhares de universos que existem além da percepção física imediatista
de cada grupo que foi se estabilizando no universo material pela percepção
biológica e não da alma. Os impérios estelares acabaram se estabilizando por
interferência direta e indireta dos grupos de Filhos Paradisíacos e suas
equipes desdobradas nas falanges Arcangélicas, Lanonadecks, Melchizedecks
e outros grupos que deixaram as realidades além de 9D para estabilizar a vida
abaixo dessa dimensão para estabelecer seus projetos. Os quadrantes mais
importantes do ponto de vista de portais naturais solares e da própria
densidade galáctica foram selecionados para iniciar o processo de expansão
social e colonial para formatar as bases da ocupação e ampliação das
civilizações escolhidas como as mais privilegiadas para fundamentar a
estrutura no novo universo material que se estabelecia no contínuo universal.

O desenvolvimento tecnológico e comercial foi uma das bases


empregadas para estabilizar o crescimento das sociedades mais
desenvolvidas, que tinham que buscar recursos naturais em seus próprios
planetas e posteriormente nos planetas vizinhos até surgir o desenvolvimento
tecnológico estelar de navegação. Os 144 Mestres Entrantes atuaram em
muitas fases dos planetas que eram classificados como aproveitáveis para a
formação de futuras Federações ou Impérios Estelares. E Yaberin foi um dos
Mestres que ajudou no desenvolvimento da tecnologia dos Elementais e da
cibernética mecatrônica com base na geometria sagrada dos cristais e dos
próprios vórtices de energia livre entre as diferentes dimensões e os vértices
dos cristais, criando assim portais dimensionais e de propulsão de salto
dimensional para espaçonaves. Além da sabedoria sobre o magismo e a
manipulação dos Elementais do universo, Yaberin especializou-se no
desenvolvimento de tecnologia científica da Supra Confederação e a
transferiu para as realidades mais densas entre 7D e 9D de forma gradual e
posteriormente as ensinou para os seres de realidades mais densas entre 5D e
6D, quando essas realidades já estavam mais equilibradas e sedimentadas
socialmente.

Yaberin não encarnou como todas as Almas, por desenvolver apego,


envolvimento emocional e psíquico com os seres que cruzavam a sua
caminhada e se tornavam seus alunos e filhos nessa nova caminhada,
ensinando e doutrinando as culturas para que buscassem a essência de tudo
na sua natureza interna e não no externo, como normalmente ocorre em cada
planeta manipulado por diferentes Matrizes de Controle dentro do contexto
da polaridade e dualidade induzidas pelos diferentes grupos de poder nas
galáxias. A questão do “crescei e multiplicai” foi inserida em quase todas as
culturas para fomentar a ocupação e expansão do novo universo e estabilizar
os projetos e as propostas que estavam inseridas pelos diferentes grupos de
controle e poder além da realidade material de 9D no contexto de Naoshi e do
próprio Universo Local de Nebadon. A administração de Micah e de suas
equipes dentro dos desdobramentos de Nebadon estava bem longe de ser
aplicada em plenitude no diminuto setor de Naoshi, motivo pelo qual vários
grupos da Ordem Micahélica dedicaram e ainda dedicam atenção a este setor,
onde vocês da Terra são parte de um desdobramento ainda maior de outros
projetos de suas Mônadas. A Ordem de Nebadon, que possui diversos graus e
tronos internos, realiza várias atribuições em sincronia com muitas funções
dos 144 Mestres Entrantes para estabelecer parâmetros de evolução e contato
entre as diferentes culturas e Tronos do universo através do contexto religioso
e dogmático das diversas civilizações, ajudando a estabelecer os parâmetros
da evolução e do desenvolvimento social e espiritual conectados à
jurisprudência Micahélica quando necessário.

A formação dos mais antigos impérios estelares se deu pela intervenção


e ajuda dos seres da Supra Confederação e dos Filhos Paradisíacos
profundamente envolvidos com experimentos dimensionais e genéticos, para
estabelecer novas realidades de existência dentro da nova realidade material e
multidimensional existente nos Sete Super Universos fisicamente estáveis e
nos que ainda iriam se estabilizar no decorrer dos ajustes das partículas da
Energia Escura e da Matéria Escura para os padrões da Matéria Bariônica.
Dessa forma, se formaram através da sincronicidade e planos paralelos em
diferentes setores como os já indicados, sociedades estáveis que
desenvolveram tecnologia social e estelar para iniciarem a formação de
projetos de navegação e pesquisa nos diferentes setores da ciência e
tecnologia e da própria comunidade social. Isso antes de surgirem as disputas
de poder entre eles mesmos.
NODIA

Império de Nodia surgiu decorrente da viagem temporal que


O os humanos desse sistema realizaram graças a ajuda do
Comandante Onara, que resgatou uma parte da espécie humana
do sistema de Avyor na estrela de Vega há mais de 6,4 bilhões de anos pela
contagem de tempo terrestre. Onara dividiu os resgatados em 49 falanges ou
famílias e as espalhou estrategicamente em diferentes setores da Via Láctea,
sendo o Sistema da estrela de Polaris Maior um que se tornaria o centro do
poder e florescimento da civilização humana de Nodia. Yaberin foi inserido
justamente na formatação dessa civilização e esteve presente em diversas
linhas de tempo ajudando no desenvolvimento social e tecnológico desse
grupo associado à Supra Confederação. Dessa forma Yaberin foi inserido na
13ª geração depois da relocação e colonização que o Comandante Onara
inseriu no 4º planeta da estrela de Polaris e estabilizou as condições
atmosféricas e climáticas para a sobrevivência da vida mamífera dos seres
humanos e de outras formas também mamíferas. Cada geração dos Nodianos
pelas contas terrestres tem uma duração equivalente a cerca de 750.000 anos
terrenos, pois essa civilização original foi inserida e estabilizada na
frequência de 6D provenientes diretamente de Avyor, que na época estava
vibrando entre 5D e 6D. O Comandante Onara fez a seleção conforme a
frequência individual de cada grupo que deveria ser direcionado para as 49
castas ou grupos e conforme essa frequência realizou o projeto de
colonização em setores que permitissem a sobrevivência do projeto
Micahélico e Siriano da raça humana e humanoide mamífera contra os
ataques e a perseguição dos reptilianos e dos outros grupos ligados aos
Xopatz e a Sarathen. Assim, levando em consideração essas informações, o
Mestre Yaberin entrou na linha biológica dos humanos de Nodia quando já
estavam estabelecidos estruturalmente e construindo uma civilização ainda
básica, mas com tecnologia herdada do Comandante Onara e desenvolvida
gradualmente. Nesse ponto Yaberin deveria desenvolver a tecnologia e inserir
os conceitos dos outros Reinos, realidades paralelas e dos planos Dévicos
para estabelecer a ciência e espiritualidade conjunta. Na verdade, não existe
espiritualidade, mas somente a ciência. Mas para os parâmetros humanos da
Terra são coisas separadas e diferentes, o que é um grande engano que tem
atrasado o avanço social da humanidade.

Yaberin entrou como infiltrado na Academia de Ciências e


Desenvolvimento e iniciou sua trajetória lecionando como prodígio e
ajudando no desenvolvimento da ciência da fisicalidade de 6D e das
realidades abaixo e posteriormente acima dessa mesma frequência,
estabelecendo um novo parâmetro para as academias superiores de ensino,
criando a conexão entre a Supra Confederação ou os Elohins e a evolução
vinculada ao equilíbrio e à busca da harmonia e do desenvolvimento
sustentável entre os diferentes reinos com a sociedade Nodiana. Coube ao
Mestre Yaberin estabelecer o equilíbrio entre a comunicação mediúnica com
as outras esferas cientificamente comprovadas e o plano físico real de 6D,
onde se manifestava a sociedade de Nodia e estabelecer a expansão social e
tecnológica para a exploração sideral e o encontro com outros povos que
tinham sido espalhados pelas outras 48 castas ou grupos perdidos de Onara.
Yaberin mantinha contato direto com a consciência de Yaslon Yas e Shiva
Hama Kur, permanecendo informado sobre as movimentações e questões dos
outros grupos, criando movimentos na política externa do governo Nodiano,
para dar suporte e ajuda aos outros grupos mais conturbados, que em muitos
milhões de anos depois, de forma linear, seriam os grupos de M-45 Plêiades,
Maldek, Shaula, Argus, Sirius Wezen, que apresentavam maiores
instabilidades psíquicas e emocionais nas suas raças humanoides, que eram
parte do grupo das 49 castas resgatadas por Onara.

Yaberin estava inserido no governo como conselheiro, com posição


específica na Academia de Ciências e Desenvolvimento, ajudando na
comunicação com as outras dimensões através de equipamentos e Portais
Interdimensionais entre as realidades próximas, permitindo que os Nodianos
tivessem acesso à tecnologia dos Sirianos Felídeos e dos Ciclopes da
Confederação, que estavam sempre ajudando na estabilização política e
estratégica do grupo de Nodia. Esse grupo tinha um papel importante nas
questões políticas do desenvolvimento local desse aglomerado estelar, motivo
pelo qual além de Yaberin, outros 5 Mestres do grupo dos 144 estavam
presentes ajudando na criação de Nodia como império. A posição estelar da
estrela de Polaris é extremamente estratégica no palco de poder na linha
futura desse quadrante, pois nas imediações existem diversos sistemas
estelares ou solares, que se tornariam a base do desenvolvimento das
Federações Reptilianas e de outros grupos. Nodia se tornou um divisor de
águas, politicamente anexada aos interesses de harmonização e evolução
seguindo parâmetros da Supra Confederação e suas filiais para estabilizar o
futuro e suas realidades paralelas no fluxo temporal que estava sendo
delineado pelos Filhos Paradisíacos e os outros grupos de poder dentro da
Via Láctea. Assim, Yaberin e seus outros 5 amigos desenvolveram
encarnações geneticamente controladas para poderem viver mais de 5
gerações sem morrer, apenas trocando de corpos para estabilizar e sustentar o
crescimento político e cientifico de Nodia, para criar as primeiras Casas de
Comércio desse quadrante, justamente a famosa Casa de Creator. Esta Casa
de Comércio foi estabelecida com a função de recolher e explorar os recursos
naturais de outros sistemas solares e interagir nas negociações e intercâmbio
com outras civilizações, gerando assim as bases fundamentais para
estabelecer no futuro a criação da Federação Unida de Planetas (FUP), que se
tornaria uma das Federações do quadrante norte da Via láctea desde o ponto
visual relativo da Terra. Nodia continuava a ser importante no ponto de vista
colonial e protegida do Império Siriano, porém autônoma a pedido de Onara,
para garantir o desenvolvimento desse grupo e testar o processo
encarnacional das Almas de diversos Filhos Paradisíacos inseridos nesse
projeto.

Os 6 Mestres tinham como missão estabelecer uma tecnologia e política,


onde o convívio com os outros planos ocorresse sem a formação de religiões,
usando a base puramente científica para estabelecer a linha entre os Reinos
multidimensionais elementais e a complexa rede neural dos seres vivos com
emoções. A pesquisa genética foi um dos pontos desenvolvidos pelo grupo,
para abordarem o aperfeiçoamento emocional e psíquico da sociedade
Nodiana e estabelecer os parâmetros e legislação dessa sociedade. Yaberin
apesar de não ter sido um político esteve à frente de muitos projetos e na
linha governamental como Jurista, assim como seus colegas da mesma
linhagem, permitindo o livre arbítrio quando possível para que a própria
sociedade decidisse o caminho que deveriam seguir.

Dentro da estrutura social dos Nodianos que mantêm a memória das


vidas anteriores mesmo depois da morte fisiológica e do processo
reencarnacional, eles mantêm plena lembrança do período anterior. Podem
evoluir com base nos erros anteriores e assim o índice de erros é muito
menor, pois existe a lembrança e o entendimento das leis universais de ação e
reação, também, chamadas de carma e darma no contexto religioso
terrestre. Com o claro entendimento do processo da alma, não existiam
religiões, mas uma ciência e filosofia de vida e de evolução, que permitiu ao
grupos dos Seis Mestres professores estabelecer projetos de rápida evolução
social e tecnológica, absorvendo muito da tecnologia superior dos Sirianos e
dos Canopeanos e de outros grupos que provinham de 7D e 8D, destacando
nesse setor estelar o desenvolvimento tecnológico de Nodia e impedindo o
avanço negativo dos grupos que ainda estavam em processo de formatação
nesse setor estelar, que compreende as Constelações Camelopardalis, Ursa
Maior, Draco, Cepheus, Ursa Menor, Bootes e Canes Venatici. Estas
constelações representam importantes centros de poder tecnológico, onde
surgiu entre 3D a 5D o Império Draconiano e seus agregados políticos e
militares. Dessa forma Nodia evoluía em 6D, estabelecendo gradualmente
seu império com futuros desdobramentos acima dessa frequência e ajudando
no resgate das Almas e seres que atingiam a respectiva frequência para
encarnar dentro do Império Nodiano, cooperando com a evolução dessas
Almas para esferas superiores.

Esse grupo ou quadrante estelar representa um enorme enxame de


culturas e raças que desde seu afloramento em 3D até 5D tem buscado o
poder e a tecnologia de domínio e controle, invadindo qualquer planeta ou
sociedade que fosse menos avançada ao estilo dos europeus entre o século
XIV a XVII quando colonizaram diversas localidades impondo sua
superioridade militar utilizando armas de fogo. O mesmo procedimento
estava em ação nesse setor e foi alastrado para quadrantes como Orion,
Sagitário e outros, que incluem a Terra e todo o seu Sistema Solar.

Entre as funções dos Seis Mestres, estava a de preparar a percepção das


Almas em missão para sustentar as escolas iniciáticas, que nada mais eram do
que academias de ciências voltadas à tecnologia da Alma e da Mente, para
utilizar essas capacidades para comunicação, controle e desenvolvimento de
tecnologias de interatividade com o plano fisiológico e tecnológico de 6D e
de outras dimensões, não deixando essa sociedade escrava da tecnologia
como ocorre na sociedade Terrestre. Os Nodianos empregavam o poder
mental como a telepatia, teletransporte e outras capacidades como a levitação,
com as capacidades da mente como parte dos estudos e das práticas das
academias de ciências que estavam sob a coordenação dos Seis Mestres.
Yaberin atuava nos ensinamentos emocionais e psicológicos com a
capacidade de interação com o Reino Mineral e a magia, para ensinar o fluxo
mental e o domínio dos outros reinos. Criando assim o fluxo de energia para
cura e harmonização do campo telúrico do espectro universal de cada ser
vivo. Cada um dos Seis Mestres gerou um movimento complementar e suas
escolas se tornaram a base da expansão de Nodia. Com isso eles mesmos
acabaram se desdobrando psiquicamente em outros corpos comandados
telepaticamente para ampliar essas escolas em outros planetas que
cooperavam com Nodia, como foi o caso da sociedade Graciana, que são
humanoides voltados à pesquisa analítica do universo, exímios construtores
dentro dos paradigmas da geometria sagrada.

Através de seu envolvimento e expansão, cerca de 20 civilizações


inicialmente entre a 15ª e a 18ª geração biológica de Nodia foram contatadas
e inseridas no contexto da Casa de Creator, servindo como base da futura
Federação Unida de Planetas desse setor, todos entre 5D e 6D.
Posteriormente com o avanço das escolas herméticas e iniciáticas dos Seis
Mestres, o alcance e o entendimento do desdobramento da Alma e do próprio
Espírito permitiu a comunicação com sistemas solares que atuavam entre 7D
e 8D, perfazendo a nova fase de evolução e unificação de uma rede de
Federações Interplanetárias, que já estavam envolvidas com a Federação
Intergaláctica das quais os Sirianos Felídeos e os Canopeanos faziam parte.
Com esse processo, a equipe de Yaberin, que nessa altura se encontrava
desdobrado em 14 consciências partindo dele próprio, estava manipulando
uma estrutura política e científica para trazer a realidade da Federação das 49
Galáxias de Naoshi para Nodia e através deles, para os outros grupos de 6D e
5D, gerando uma seleção natural entre as sociedades harmonicamente
estruturadas e as não compatíveis com essa proposta. Esse processo pela
contagem de tempo terrestre ocorreu há mais de 5 bilhões de anos. No
entanto, tenho que recordar que cada civilização foi inserida pelo
Comandante Onara em um fluxo de tempo e espaço diferentes, justamente
para dificultar a perseguição dos grupos Rebeldes em relação aos humanos de
Avyor e seus descendentes. Como a linha de tempo e de vida dos humanos da
Terra se baseia numa limitada esfera de tempo e mortalidade, diferente do
que ocorre além de 3D, o padrão de tempo desde a fundação da Casa de
Creator até o presente momento não corresponde ao fluxo linear de 5 bilhões
de anos, pois para essas consciências o tempo é diferente e até mesmo menor.
Para além de 3D o tempo é bem mais reduzido, o que explica como as
diferentes Federações ainda se encontram em processo de estruturação e
ajuste dentro dos diferentes e complexos projetos desde a sua criação.

O planeta Nodia possuía um Conselho de 12 líderes envolvidos na parte


política, administrativa, desenvolvimento social, científica e espiritual, onde o
chefe desse Conselho era uma irradiação Monádica de um grande Mestre
Cósmico, que na Terra corresponderia ao Eu Sou do Mestre Hilarion, que
estabeleceu a formação do Conselho e as diretrizes de desenvolvimento e
evolução da sociedade Nodiana. Yaberin era assessor direto desse
Conselheiro chefe, que era denominado Aranys, cujo papel foi o
desenvolvimento da ciência como base da sociedade sem filtros religiosos ou
dogmáticos. Como Aranys fazia parte dos interesses da Confederação e dos
próprios Sirianos Felídeos, ele foi inserido pelo Conselho Siriano de forma
artificial para dar sustentação à sociedade Nodiana. O papel de Yaberin seria
dar o suporte no desenvolvimento da ciência e da espiritualidade e dar
credibilidade à proposta “Ciência & Espírito”, que estava sendo implantada.
Como a sociedade de Nodia sabia que tinham sido resgatados do planeta
Avyor, não existiam tabus religiosos relativos a “Deuses”, como ocorreu na
Terra. Não houve essa manipulação de grupos interessados em controlar e
manipular a sociedade pelo poder e pelo medo. Em Nodia isso foi totalmente
evitado para permitir uma evolução sem medos e sem dogmas do passado.
Toda a sociedade Nodiana sempre soube da existência de vida em outros
planetas e em outras dimensões, pois foi o legado de Onara como base de sua
evolução que jamais houvesse mentira dentro de sua cultura. Por esse motivo
os Seis Mestres incluindo Yaberin tinham como objetivo sustentar
mecanismos de estabilização do processo e da desmistificação dos fenômenos
da natureza e da magia que era praticada por alguns de seus alunos, seguindo
o exemplo dos Jedi da série Star Wars.

Como a genética desses humanos era totalmente pura, sem manipulação


em seu projeto original dos Sirianos Felídeos, eles tinham capacidades
psíquicas e psiônicas muito desenvolvidas naturalmente, atuando em planos
além de 7D sem que soubessem, além de serem capazes de se projetar em
corpo astral entre 7D e 8D de forma natural. Nas escolas de Yaberin era
prática habitual ensinar e treinar seus alunos no domínio do veículo astral
promovendo o contato com planos superiores, permitindo a troca de
informações e de tecnologia. O que permitiu ao Conselho inserir os Portais
Dimensionais dentro da tecnologia usual da sociedade de Nodia. Yaberin era
um dos professores dessa tecnologia e das Diretrizes do Conselho dos 12
líderes, estabelecendo as leis e diretrizes de comportamento de um cidadão
Nodiano e posteriormente da Federação Unida de Planetas.

Yaberin tinha várias tarefas, mas ele tinha antes de mais nada, que
localizar as Almas enviadas pela Confederação e pelo Conselho Kumara
escaladas para fazer parte da linha de poder e de influência de Nodia, o que
exigia dele uma constante avaliação do fluxo de pensamentos e leitura áurica
astral das novas crianças que nasciam. Com isso ele atuava como médico nos
institutos onde eram realizados os nascimentos ou nas próprias residências
dos Nodianos, que normalmente optavam pelo parto natural. Dessa forma,
Yaberin tinha que estar sempre desdobrado para localizar e preparar essas
crianças para serem inseridas nas universidades que ele dirigia e
posteriormente matriculadas na Ordem da Ciência e nas outras Escolas
Iniciáticas que estivessem na frequência desses alunos. Isso fazia com que
Yaberin e seus outros 5 colaboradores estivessem constantemente
trabalhando para avaliar o campo vibracional dos alunos e das novas crianças
e assim, traçar sua linha de evolução no contexto social de Nodia, para
garantir que o projeto previsto para esse quadrante se cumprisse.

Aranys coordenou um grupo de seres que têm relação com muitos dos
atuais Mestres que ajudam a humanidade e fazem parte do Comando Estelar
como Ashirion, Ynosahua¹ , Oberon, Torank, Rowena, Kwan Yin e muitos
outros, que estavam desdobrados em outras linhas de tempo na proposta
original da espécie humana de Avyor e acabaram dentro das 49 Castas que
Onara resgatou e separou, espalhando por alguns quadrantes da Via Láctea.
Um dos maiores aspectos que permitiu a estabilidade evolutiva do Império de
Nodia, foram as diretrizes impostas para sustentar essa evolução sem deixar
margem alguma para a corrupção e atentados contra o próximo. A rigidez
inserida inclusive punia com a pena de morte por desintegração do cidadão
que violasse as diretrizes conforme a gravidade da questão. Yaberin
participou junto a Aranys e os outros 5 Mestres da legislação e atualização
das diretrizes, as adaptando da Confederação para Nodia e posteriormente
para a Casa de Creator, que se tornaria a maior casa de Comércio e de
exploração de recursos naturais desse quadrante, entrando com o tempo na
exploração dos mundos do setor de Orionis e atravessando a galáxia quando
sua tecnologia atingiu parâmetros mais avançados de locomoção.

Dentro do Conselho dos 12 existiam Almas de outras eras e localidades


que participavam de um projeto Monádico, que era a proposta real de Nodia.
Dessa forma o próprio Comandante Onara colocou um desdobramento dele
dentro desse Conselho de 12 Líderes, sendo que esse desdobramento se
chamava Amom. Esse Conselho normalmente era influenciado diretamente
por Amom e Aranys para os interesses que ambos tinham relacionados com
os paradigmas e projetos da Confederação para o papel que Nodia deveria
ocupar no contexto político estelar nesse quadrante, pois os membros da
Confederação tinham acesso ao fluxo temporal e sabiam as complicações que
os grupos Rebeldes ainda iriam gerar na Via Láctea. Dessa forma, Nodia era
um dos centros de equilíbrio do poder e do fluxo encarnacional que deveriam
ser mantidos a salvo das hordas negativadas que ainda iriam encarnar na
galáxia. Yaberin e Amom tinham plena consciência de seu papel e juntos
desenvolveram propostas para a criação de universidades iniciáticas da Luz e
da ciência, que incluía treinar os Nodianos para sua ascensão para as esferas
superiores quando realizassem sua passagem corporal denominada na Terra
de morte. Assim, aqueles que atingiam determinado patamar de energia
psiônica, conhecimento e humildade, eram preparados para ascensionar de
forma natural dentro da cultura Nodiana, gerando uma continuidade da
sociedade de Nodia no fluxo de 8D, o que já é uma realidade há milhares de
anos pela contagem de tempo terrestre. A sociedade Nodiana não permitia
crimes de nenhum tipo e muito menos a segregação racial e social, além de
estabelecer direitos e deveres para todos os seus cidadãos de forma a fazer
com que as crianças já pequenas tivessem atribuições de estudo e de trabalho
associado aos estudos, para criar a qualidade criativa.

Posteriormente, quando Nodia já estava estabelecida, Amom criou o


Conselho Científico de Nodia que estava vinculado às pesquisas estelares e
ao mesmo tempo à Casa de Creator. Com isso Yaberin e os outros 5 Mestres
expandiram as universidade e escolas herméticas. A diferença entre elas era
que todos tinham acesso às universidades, enquanto que as escolas
herméticas estavam destinadas somente às pessoas que tinham um gradiente
de energia psiônica superior da média, entrando para uma elite de estudos e
de desenvolvimento mediúnico e sensorial, aprendendo a levitar, telepatia,
incorporação, telecinésia, projeção astral, projeção Morontial e finalmente a
ascensão. Estes alunos se tornariam os divulgadores e multiplicadores das
futuras escolas herméticas e da Ordem de Thot, a exemplo dos Sirianos, que
possuíam estas correlações em sua sociedade, baseados na mesma estrutura
dos Nodianos. Cada Escola hermética desenvolvia uma linha de trabalho e
comunicação com a Confederação e ao mesmo tempo com outros grupos
estelares que vibravam além da esfera de 6D e 7D.

Dentro da estrutura da Casa de Creator existiam desdobramentos das


Escolas Herméticas para ajudar na comunicação e no contato com outras
civilizações dos planetas onde operavam na extração de recursos naturais e na
questão colonial. Nodia teve muitos projetos com os Gracianos, Sirianos,
Maldequianos, Venusianos, Orionanos de Betelgeuse e de Belatrix, gerando
os laços de uma Federação Interplanetária, que com o tempo formataria a
Aliança Galáctica depois das guerras e conflitos que ocorreram no âmbito de
3D até 5D em setores correspondentes à influência dos grupos mais
harmonizados.

Portanto, percebemos que os 144 Mestres Entrantes tinham entre


algumas de suas atribuições que realizar a coleta das Almas que estavam
sendo inseridas no processo encarnacional de Nodia e ajustá-las dentro do
projeto social e tecnológico que tinha sido pré-definido para o crescimento e
evolução dessa sociedade. Percebam que não existia o livre arbítrio como é
definido na Terra. Com essa estratégia foi possível construir uma sociedade
avançada e independente mesmo em um setor comprometido pela dualidade
abaixo de 6D. Os Seis Mestres Entrantes de Nodia tinham na verdade a
função de preparar determinadas Almas através de seu processo
encarnacional e ajustar essas pessoas para representar a base de uma
sociedade equilibrada e próspera. A programação neurolinguística,
emocional, psíquica e espiritual faziam parte dos mecanismos de ensino e de
ajuste dessas crianças e adolescentes, que acabariam entrando nos postos de
trabalho e de pesquisa, transformando um mundo emergente em uma
sociedade de peso no contexto político das Federações desse quadrante da
Via Láctea.
O importante dessa informação é que muitos dos que neste momento
estão lendo este livro, fizeram parte desse projeto em Nodia e em outros
mundos que foram deixados por Onara no contexto das 49 castas espalhadas
pela Via Láctea.

Vocês são parte das Almas perdidas que encarnaram em muitos mundos
para dar sustentação ao projeto original da espécie humana Micahélica e
Felídea. Yaberin foi o mentor e consultor de vocês em muitos dos
desdobramentos encarnacionais não apenas em Nodia, mas nos mundos que
foram visitados pela política de auxílio de Nodia aos mundos mais primitivos
que tinham aceitado o contato e o envolvimento com Nodia, suas equipes de
pesquisa e com a Casa de Creator. Muitas das almas que encarnaram em
Nodia, aceitaram ser transferidas para mundos periféricos ligados à influência
política da Casa de Creator e das outras 5 casas de Nodia e ajudar no
desenvolvimento tecnológico e social. No entanto, muitos desses agentes
acabaram com o tempo se envolvendo emocionalmente e psiquicamente com
os aspectos locais que incluíam a dualidade consciencial, o desdobramento
ideológico e conceitos dogmáticos que não faziam parte da cultura Nodiana,
gerando a divisão e ao mesmo tempo a queda e afastamento dessas pessoas
ou agentes de Nodia. Com o tempo esses agentes deram início ao processo
encarnacional dentro do campo magnético desses mundos mais atrasados,
caindo no campo holográfico dessas culturas, como ocorreu na Terra até o
presente momento.

Yaberin acabou se desdobrando para localizar e auxiliar grande número


de alunos que acabaram aprisionados no campo emocional e dogmático
desses mundos mais comprometidos pela dualidade. Normalmente mundos
abaixo de 6D, onde a dualidade está ligada ao poder e à religião como veículo
de manutenção desse poder através do medo e das crenças que o medo
alimenta. Da mesma forma que Yaberin os outros 143 Mestres Entrantes
acabaram tendo que se desdobrar para localizar e auxiliar seus alunos, os
alunos que tinham atingido um elevado grau de ascensão também se
desdobraram para ajudar os mundos com maior dualidade ou dificuldade de
harmonização, acabando grande parte aprisionados da mesma forma que seus
colegas de jornada.

O fluxo temporal de cada planeta é diferente conforme a percepção


relativa à densidade dimensional e com isso a linha de tempo do
aprisionamento onde vocês se encontram atualmente, depende desse fator
desde a época do desdobramento de seu corpo com maior consciência
espiritual. A Ordem Santa Esmeralda e os 144 Mestres Entrantes têm
desenvolvido projetos e acoplado tecnologias para ativação das frequências
internas da Chama Trina para acelerar essa reconexão com as esferas
superiores, ativando inclusive o Corpo Morontial que gera a conexão com as
outras realidades existenciais de cada Alma e consciência.

Essa condição fez com que o Conselho Científico Espiritual de Nodia e


dos outros mundos inseridos nesse fluxo existencial além de 6D criasse
projetos e grupos de resgate das Almas e consciências aprisionadas nos
mundos rebeldes como a Terra. Com isso, os 144 Mestres Entrantes deram
início a uma nova fase, entrando em contato com os planetas inseridos nessa
crise espiritual e social e contatando seus ex-alunos para uma ativação
psíquica e espiritual de emergência. A consciência da Alma se perde nos
hologramas da consciência do corpo físico que está sendo utilizado, atuando
através da Matriz que cada mundo e sua sociedade sustenta no conjunto de
crenças e ideologias. Por isso a maior parte de vocês neste momento
“humanos da Terra” encontra-se aprisionado no fluxo de informações dessa
Matriz de Controle terrestre que é além de uma prisão, um labirinto de falsas
informações que tem o único objetivo de manter as almas aprisionadas para
servirem de alimento para os Xopatz e os grupos de Draconianos
negativados.

Ao longo de sua existência, Nodia se envolveu diversas vezes em


questões de resgate planetário e auxílio a sociedades comprometidas pelas
forças sinistras e defendeu junto da Federação e da Aliança Galáctica as
diretrizes transcritas da Confederação. O Conselho de Nodia tem ajudado a
humanidade desde os tempos do acidente que levou à explosão do planeta
Maldek há mais de 252 milhões de anos terrestres, criando um processo
encarnacional no fluxo temporal para a Terra em diferentes épocas de sua
história. O mesmo ocorreu em outras situações, como durante a guerra que
levou a destruição parcial de Vênus e de Marte em diferentes linhas de tempo
nos últimos 16 milhões e 3,5 milhões de anos respectivamente. Portanto, para
muitos de vocês, Nodia faz parte do registro existencial de muitas Almas e ao
mesmo tempo como parâmetro do início do florescimento da espécie humana
que serviu de modelo para outras castas quando elas acabaram se
reencontrando no avanço tecnológico da exploração sideral.

O Conselho Científico Espiritual analisava a perda da consciência abaixo


de 6D quando o corpo que resguarda essa Alma é dogmatizado pelas
informações aleatórias da Matriz, gerando o desvio de conduta que
normalmente não ocorre nas frequência a partir de 6D. Este tema foi
abordado inúmeras vezes nas Escolas Herméticas como ponto crucial para a
ascensão e ao mesmo tempo, tratava-se das missões que incluíam entrar em
planetas mais densos abaixo de 6D, onde as chances de ficar aprisionado
chegavam a 70%, exigindo uma equipe de resgate e ajuda dentro do fluxo
temporal de cada planeta em questão. Na Cura Quântica Estelar essas equipes
estão associadas ao Ancoramento e à comunicação com as entidades desse
Ancoramento, estabelecendo a linha de ascensão e quebra dos contratos de
aprisionamento planetário.

O Comandante Onara, que na atualidade de tempo terrestre ocupa um


cargo importante no contexto organizacional da Via láctea, tem direcionado
suas equipes e se desdobrado nos setores mais comprometidos, interagindo
com a Ordem Santa Esmeralda e outras equipes cósmicas incluindo os
Kumaras, para ajudar na retomada de consciência de seus pupilos e
emissários que acabaram aprisionados nas redes da Matriz de Controle. Cada
um de vocês participou dessa trajetória que está sendo revelada, criando as
conexões necessárias para que seus outros níveis superiores de consciência
nos corpos mais sutis, gerassem o movimento de ativação e reconexão com as
esferas da Luz desses 144 Mestres com os quais vocês têm uma profunda
relação acadêmica e de trabalho.

A Alma de cada um de vocês possui uma rede neural que a conecta ao


seu Eu Sou e ao mesmo tempo com a Mônada que originou o fluxo de
vitalidade do Espírito/Alma. Essa rede neural equivale a uma rede de
consciência coletiva onde todos estão ligados e que tem o sentido terrestre da
Divina Presença que, por outro lado, está relacionada ao fluxo de partículas
de Táquions no Universo e no Multiverso. Quando os Mestres e as equipes
do Comando Estelar conseguem ativar os níveis superiores da consciência de
vocês além de 6D, a reconexão ocorre de forma automática, mesmo que não
seja percebido pelo corpo físico no momento, pois ele não possui capacidade
de absorção dessas informações devido à gama de vibrações estar muito
acima do corpo biológico. Normalmente esse processo gera apagões quando a
pessoa perde a consciência por alguns segundos ou minutos e não se recorda
do que ocorreu. Muitos acham que a pessoa foi abduzida, mas na verdade, ela
entrou em outra oitava de frequência de seus outros corpos e com isso perde a
conexão com a realidade física corporal. E quando retoma a consciência se
sente deslocado sem saber o que ocorreu ou onde estava. Esse processo faz
parte dos mecanismos de Resgate que o grupo de Yaberin e a Ordem Santa
Esmeralda estão realizando com milhares de seres humanos na Terra nos
últimos 15 anos, para preparar essas pessoas para a ascensão pessoal no
momento oportuno. O grupo de Nodia atualmente trabalha através do
Comando Estelar e da Aliança Galáctica, mas tem atuado nas negociações
com as facções secretas Lunares do Sinistro Governo Secreto (SGS) na busca
de acordos de ascensão e resgate da humanidade da Terra.

As 5 facções internas do Comando Estelar do SGS e do Comando Lunar


do SGS têm mantido contato desde os anos 1970 com os grupos da Casa de
Creator e das Federações setoriais próximas à estrela de Polaris, o que
significa grupos ligados ao Comando Draconiano. Daí o envolvimento desses
seres com o controle interno da humanidade através do SGS (Sinistro
Governo Secreto) e dos outros grupos como os Iluminatti, Vaticano e todos
os desdobramentos, buscando manter um jogo de poder e equilíbrio entre as
facções da Aliança Galáctica e do Império Draconiano infiltrado na Terra há
mais de 20.000 anos terrestres. Essa questão criou naturalmente os diferentes
níveis de segurança do SGS e da própria Matriz de Controle onde a
humanidade está aprisionada, o que acaba influenciando as Almas
missionárias que vieram ajudar a Terra e sua humanidade no processo
evolutivo. Portanto, o Comando Estelar e seus diversos grupos têm intenção e
interesse no processo de libertação de seus agentes e por esse motivo, têm
realizado negociações com os membros corruptos do SGS na busca de para a
Terra antes que ocorra o total colapso do Sol que comprometerá a vida
biológica em breve.

O SGS da Terra está dividido em diversos níveis internos de segredo e


poder, possuindo tecnologia de navegação estelar desde os anos 1970 com
capacidade para chegar até estrelas vizinhas. Com isso, toda a questão
dogmática religiosa deixou de ter qualquer sentido para esses membros, o que
não pode ser aplicado ao resto da humanidade, já que este é um dos grandes
obstáculos para a revelação das informações sobre a vida extraterrestre, pois
o conceito de Deus e as religiões são dogmas holográficos para aprisionar a
humanidade. Assim o desenvolvimento de sua sociedade foi altamente
comprometido e a maior parte dos missionários também teve sua missão e
seu próprio processo de libertação da Terra severamente atrasado e em certos
casos bloqueado. Motivo pelo qual as equipes têm desenvolvido projetos de
ajuda, sendo que um dos caminhos foi a espiritualidade através do processo
mediúnico de comunicação com outros planos de existência além da matéria.
No decorrer do treinamento dos alunos das Escolas Herméticas da Luz e da
alta Magia, o Mestre Entrante Yaberin levou muitos de seus alunos para o
planeta Yakon para estabelecer uma conexão neural, uma rede psíquica, para
gerar uma interação mais complexa com a própria rede Monádica desses
alunos junto da estrutura espiritual do planeta Yakon, que possui aspectos
Morontiais e uma ligação profunda com os planos além de 9D. Existe aqui
um aspecto que deve ser novamente abordado nas aulas e ensinamentos de
Yaberin, que é relativo à consciência da Alma e da própria emanação de
energia e de consciência do Eu Sou, que está diretamente relacionado com o
fluxo de energia dessa fonte de vibração que é definida na Terra como Eu
Sou. Ambos são na verdade em essência a mesma coisa, porém um é o
gerador do pulso da vida e o outro é um filamento dessa vida. Sendo assim,
ambos têm a mesma frequência de emissão e de vibração pelo processo
denominado vida e pelas experiências que ambos realizam no desdobramento
do universo e de suas diversas realidades e frequências. Quando a Alma
acaba aprisionada por um tempo longo dentro de um corpo e por
consequência dos hologramas que essa realidade manifesta, a consciência
dessa Alma fica como dentro de um sonho, absorvendo impressões e tendo
um amadurecimento relativo às suas capacidades originais e à condição
cocriacional que surge ao longo dessa experiência. O que para muitos
observadores poderia ser denominado como evolução. Quando esses
hologramas aprisionam e ao mesmo tempo desviam a consciência dessa
Alma, ocorre literalmente a quebra da recepção do fluxo de radiações e de
emanações do próprio Eu Sou, pois não são mais vibrações sincrônicas entre
si, gerando o afastamento e como consequência, o processo encarnacional
prisional por tempo indefinido.

Para que fique claro para vocês, que neste momento estão lendo este
livro, o seu processo encarnacional dentro do jogo político das diferentes
Federações e facções políticas pelo poder no conjunto de galáxias de Naoshi,
tem sido para mais de 90% de vocês um processo prisional abaixo de 6D,
justamente porque a vibração entre as emissões de energia do seu Eu Sou não
é mais compatível com o fluxo de vibração da Alma. A chamada paz,
harmonia, amor, equilíbrio, “não faças ao próximo o que não queres para ti
mesmo”, foram ignorados ao longo dos últimos seis bilhões de anos de seu
tempo entre o denominado plano 3D até 5D por muitos dos grupos que neste
momento representam as Federações e o próprio Sinistro Governo Secreto e
seus projetos secretos no espaço desde os anos 1970 com a política de poder
pelo poder. Retomar essa sintonia original requer um esforço grande da parte
de vocês, pois significa romper com muitos hologramas que na atualidade
representam certezas e objetivos em sua vida, entre eles as religiões e os
mecanismos de submissão, pois não existe reconexão fora de vocês, através
de dogmas ou regras religiosas ou mesmo pelo sofrimento como muitas
religiões pregam. A real reconexão existe através do pulso original dentro de
cada Deva do corpo e da Alma de vocês. Sim meus filhos, a Alma também
possui dentro de sua estrutura cósmica a mesma relação de devas e diferentes
reinos, vibrando e pulsando em sintonia com o Eu Sou. Caso contrário a vida
e a força vital que vocês possuem não seria possível.

O universo é simplesmente energia. Consequentemente, tudo que existe


seja imaterial ou material é simplesmente energia em diferentes estados
vibracionais. Assim como a luz e as diferentes radiações, o que vocês
chamam de matéria sólida pode ser definido como luz sólida. Seguindo essa
linha de pensamento, a Alma é um fragmento de energia ejetado pelo Eu Sou
para estabelecer uma conexão com as realidades abaixo de sua frequência
original, o que permite a esse fluxo de energia multidimensional composto
estruturalmente se acoplar na matéria dentro das diferentes frequências que a
matéria possui nos aspectos mineral, orgânico e energético. Sim, a Alma
pode se acoplar a todos os reinos existentes, mesmo àqueles que vocês
acreditam não possuir vida, como as rochas. Elas possuem uma frequência de
Alma relacionada com os denominados Orixás Primordiais, que são na
verdade Mônadas regentes dessa estrutura dévica no universo, gerando a
estrutura dos Tronos de evolução.

O Eu Sou, por ressonância, possui a mesma estrutura que a Mônada e


esta, com a Supra Mônada, sendo cada qual um patamar dimensional dentro
do fluxo do Multiverso que compõe as diversas realidades dos 144
Superuniversos da estrutura básica e mais simples do contexto de
Havona/Shantar. Na realidade, esse conjunto de Superuniversos em torno
desse núcleo Havona é apenas uma parte do próprio Multiverso, que vibra em
milhares ou mesmo milhões de combinações de dimensões e pulsos de vida,
fazendo com que cada Mônada e ao mesmo tempo cada Supra Mônada
possua desdobramentos além da capacidade de observação de Havona, pois
existem outros centros de controle e poder criacional além. Na verdade, o
conhecimento sobre os Sete Superuniversos ou mesmo dos 12x12 é o que foi
permitido aos mundos mais densos abaixo de 9D, para que essas civilizações
tenham um entendimento das leis cósmicas e da sincronicidade entre os
movimentos dos universos. Essa sincronicidade está baseada de forma
superficial no entendimento terrestre como as membranas Brana que separam
e sustentam cada realidade e dimensão do universo. Situação que foi
recentemente confirmada através do acelerador de partículas da Suíça
(CERN) no final de 2015, quando empregaram a potência de 13tve e
obtiveram a confirmação do fluxo de outras dimensões e da estabilidade
delas. Obviamente o que foi transmitido publicamente foi apenas 4% do que
realmente foi encontrado e confirmado, pois esse acelerador serve aos
interesses do SGS e dos outros grupos que procuram uma linha de fuga para
outros universos ou localidades antes que ocorra o colapso do Sistema Solar.
Partindo dessas informações, a Alma é então um fractal de sua própria
origem primordial, que possui internamente as mesmas frequências da Fonte
Que Tudo É.

Quando um ser humano consegue realizar a reconexão interna com essas


frequências, ele realiza a tão chamada ascensão física e atinge o estado de
graça, pois passa a vibrar diretamente com a sua fonte primordial sem a
necessidade de buscar externamente o que sempre possuiu, mas se afastou. O
mesmo procedimento ocorre nas outras realidades e planos de existência
abaixo de 7D, onde a matéria e as estruturas sociais criaram hologramas e
matrizes de controle partindo dos sentidos e das vibrações mais físicas do que
da própria Alma, gerando o afastamento da frequência primordial. Recuperar
essa conexão representa, antes de mais nada, confiar na sua própria
capacidade de buscar a condição e a autoconfiança nesta capacidade, não
permitindo que ela seja transferida para outras pessoas ou para uma
instituição. Assumir a própria mestria é um dos caminhos fundamentais, o
que não significa orgulho ou arrogância como muitos a definem. A
humildade caminha junto dessa busca, até porque a serenidade se torna uma
condição natural dessa frequência, pois o universo em constante movimento é
uma estrutura serena e energia ao mesmo tempo, sempre buscando o
equilíbrio.

Os conceitos que estamos abordando aqui eram aulas regulares nos


treinamentos que Yaberin passava a seus alunos e posso afirmar que muitos
que estão lendo este livro, são efetivamente alunos dele do passado e tiveram
na atual realidade da Terra a oportunidade de reconexão através da Cura
Quântica Estelar e da Ordem Santa Esmeralda. Yaberin faz parte e está
diretamente inserido na própria trajetória da Ordem Santa Esmeralda e do
Comando Estelar, onde a maior parte de vocês tem trabalhado nas diferentes
realidades desde a fundação de Nodia e dos outros centros de poder. Nodia é
apenas uma referência, pois representa um dos primeiros grupos de humanos
a conseguir estabelecer um centro de poder e equilíbrio sem a intromissão
dos reptilianos, antes mesmo de outro plano paralelo, que foi o super planeta
Argus. Argus foi outra referência da humanidade estelar, com a diferença que
Nodia ainda existe e Argus foi destruído porque seu maior Acelerador de
Partículas foi sabotado, causando a abertura de uma singularidade que
engoliu o próprio planeta em um Buraco Negro devido a infiltração e
sabotagem de Xopatz dentro de Argus.

Yaberin treinou muitos de vocês para serem agentes duplos dentro dos
grupos que se formaram gradualmente através do surgimento dos núcleos de
poder tecnológico, criados ao longo do crescimento de Nodia, como ocorreu
nas vizinhanças da estrela de Polaris, criando a Ordem dos Cavaleiros
Luminescentes na tradução mais aproximada. Esta Ordem tinha por objetivo
infiltrar agentes e mestres dentro das vizinhanças como entrantes nas outras
raças entre 4D e 5D estabelecendo uma comunicação com o governo de
Nodia para que estivessem sempre precavidos contra as ações militares e em
busca de poder, que quisessem tomar a posição conquistada pelo Império
Nodiano. O próprio Yaberin se desdobrou para entrar nesses grupos
concorrentes e inserir ensinamentos e escolas equivalentes para criar uma
nova linhagem de alunos nessa frequência existencial mais densa e limitada
pelos dogmas religiosos que normalmente eram encontrados. Dessa forma,
Yaberin acabou formatando conceitos e estruturas religiosas nessas culturas,
para gerar uma linha mais equilibrada de evolução através de dogmas e
medos relativos ao que na Terra foi considerado Carma e Darma. Nada mais
do que ação e reação, leis básicas da física primordial do universo, mas que
na sociedade Terrestre e em muitas outras possui um conceito de culpa,
medo, sofrimento e conquista, gerando a dualidade e os respectivos
hologramas. O trabalho de Yaberin e de seus próprios desdobramentos não
foi fácil, pois encontrou muitas barreiras e obstáculos psíquicos e emocionais
entre as realidades de 3D até 5D, diferente do que ocorria em Nodia onde
tinham uma percepção bem mais equilibrada.

Atualmente no fluxo temporal da humanidade, o grupo de Nodia atua


através da Aliança Galáctica nos projetos relacionados à Operação Resgate da
humanidade e dos outros grupos existentes na Terra que estão relacionados
aos Intraterrenos, Intraoceânicos, SGS, realidades paralelas, emissários na
humanidade e do plano astral, atuando em conjunto com outros grupos da
mesma Aliança Galáctica, além de alguns trabalhos com Federações
independentes.

O Sinistro Governo Secreto tem mantido relacionamentos e troca de


favores e informações junto a Aliança Galáctica e ao grupo de Nodia e de
Plêiades, Sirius, Arcturos e Orion para conseguir evacuar os grupos de seu
interesse, que representam uma elite social e econômica da humanidade que
possuem o conhecimento da verdadeira situação e história da humanidade
como laboratório de pesquisas das Federações e da própria Aliança Galáctica.
Dessa forma, o SGS tem realizado contato também com alguns dos 144
Mestres Entrantes que estão atuando através da Aliança Galáctica, sendo que
Yaberin é um dos contatados para as questões da evacuação parcial desse
grupo da Terra, quando isso se tornar necessário. O SGS tem adquirido
tecnologia e navegação de frotas privadas para remover através de naves e
Stargates (Portais Estelares) sua população secreta para outras localidades. O
SGS passa por uma situação complexa e dividido entre os Draconianos e a
Aliança Galáctica. Então, percebam que da parte dos mestres e do Comando
Estelar, não é feita diferenciação entre positivos e negativos, pois todos são
ajudados conforme sua capacidade de receber essa ajuda. Da mesma forma
que vocês recebem apoio no despertar através do Ancoramento da CQE e dos
seus guias, o SGS tem recebido ajuda no seu desenvolvimento. Lembrando
que o SGS está dividido em mais de 40 níveis de segurança interno e mais de
5 grupos de interesse estelar em projetos espaciais que vão muito além do que
vocês imaginam em tecnologia e capacidade operacional. Muitos de vocês
estão ligados pelos seus contratos do passado relativo ao SGS e não sabem
disso, motivo pelo qual têm sido abduzidos pelas equipes do SGS e não
somente por Extraterrestres como normalmente se acredita. Portanto, não
adianta querer confrontar o SGS. É necessário transcender essa ligação pelo
perdão e aceitar uma nova realidade mais harmônica, que naturalmente
desfaça os contratos que ainda existem com eles, com a ajuda do seu
Ancoramento e das equipes especializadas que fazem parte do Comando
Estelar e os Comandantes oficializados pelo nosso contato Rodrigo Romo em
seus cursos, que são totalmente canalizados pela nossa equipe operacional em
terra, ajustando o processo pessoal de cada um à medida que aceitem esse
processo interno.

Na linha de tempo posterior e paralela, Yaberin teve que se dividir e se


projetar simultaneamente para o aglomerado semiaberto de M-45 chamado de
Plêiades, onde o Comandante Onara colocou alguns dos grupos das 49 Castas
de humanos resgatados do planeta Avyor, semelhantemente a Nodia, porém
em outra linha de tempo dimensional pelas condições das estrelas escolhidas
na sua configuração radioativa e emissão de energia. Estes setores não se
localizam muito próximo entre eles, mas do ponto de vista visual da Terra,
encontram-se dentro do aglomerado nebuloso de M-45, alguns possuindo
distância de até 4.000 anos e outros até bem mais do que isso do outro lado
desse aglomerado que não é um ponto visível da Terra.

Esses setores são denominados pelo catálogo de algumas Federações


como: Artizyus, Araxes, Trelude, Antuara, Alcione, Pleiône, estrelas e
sistemas que sustentavam condições energéticas para que a vida humana
entre 4D e 5D pudesse ter continuidade longe do setor de influência dos
Reptilianos e dos outros grupos que buscavam escravizar o genoma humano
de Avyor. Yaberin acabou se infiltrando na estrutura social e política desses
seis grupos de êxodo inseridos por Onara e com o tempo constituiu nestes
locais as Escolas Herméticas e passou a ministrar os mesmos ensinamentos
que eram passados em Nodia, mas focados na psique desses grupos de forma
individual conforme a capacidade de absorção psíquica e consciencial de
cada grupo. Esses 6 grupos não possuíam a mesma capacidade de absorção
das informações, pois tinham vivenciado mais a dualidade e a interferência
negativa dos reptilianos nos confrontos e na ocupação do planeta Avyor,
ressonando com a dualidade muito mais do que o grupo que foi escolhido
para viver em Nodia. Essa condição gerou dentro da estrutura de M-45
Plêiades maior índice de dualidade e uma tendência natural para a guerra, o
confronto militar de poder e o medo de uma nova confrontação com os
Reptilianos, criando gerações de civilizações guerreiras.

Quando o Comandante Onara realizou a Operação Resgate em Avyor,


fez posteriormente dentro de sua supernave da Confederação a separação dos
diferentes grupos de humanos resgatados, tanto aqueles com o corpo físico
como o corpo astral e fez uma separação conforme o padrão vibracional. E os
separou em 49 grupos distintos, para que todos tivessem a oportunidade de
evoluir e florescer conforme sua linha de pensamento e de sentimentos do
universo em seu entorno. Onara sabia que existiriam grupos mais dualizados
do que outros, mas a ideia era permitir mesmo assim a oportunidade que
tinha sido comprometida pelos reptilianos de Draco ao invadirem e
escravizarem a humanidade de Avyor. O próprio Onara colocou Yaberin
dentro desse jogo direto, pois Onara e Yaslon Yas são colaboradores do
mesmo comando da Supra Confederação, estando ambos inseridos no mesmo
contexto, instruídos pelo Voronandeck Shtareer para seu grupo de Anfatem,
capital do Universo Local de Shinkara para desenvolver projetos dentro de
Nebadon com Micah e os outros Filhos Paradisíacos. Portanto, o trabalho de
vocês com Yaberin já tem ligação desde a intervenção de Onara no palco
político dos acontecimentos de Avyor, que foi o primeiro local onde Micah
teve a sua primeira encarnação como humano em 7D e posteriormente em
5D, deixando o legado genético da proposta Micahélica humana denominada
de projeto Kad-Amon-Micah. Existem outros projetos Kad-Amon ligados a
outros Filhos Paradisíacos, assim como existe o do próprio Shtareer que se
vincula aos Felídeos que também são Kad-Amon-Felix que representa a base
criacional da raça dos felídeos no universo. Percebam a complexidade dos
fluxos de encontro e de reencontro que vocês e muitas outras Almas tiveram
não apenas na Terra, mas no universo através dos projetos desses Filhos
Paradisíacos ou mesmo dos membros da Supra Confederação e dos
Voronandecks que também são cocriadores e geraram milhares de projetos
nos diferentes Reinos do Universo, com os quais vocês se encontram
envolvidos e compromissados.
Esses compromissos que vocês assumiram, provavelmente desde a
realidade Nodiana ou mesmo em Argus ou Sirius, representam missões nas
quais vocês tinham que desenvolver tarefas e projetos que com o aumento da
dualidade, acabaram em muitos casos perdendo a eficácia ou mesmo a
importância de serem sustentados, pois ocorreram mudanças que não estavam
previstas, como a invasão dos Xopatz, ou mesmo a invasão dos Borgs em
muitas civilizações com maior índice de dualidade e conflitos, que acabaram
assumindo o controle através de raças controlados pela Inteligência Artificial
como os Borgs do seriado Star Trek, para criarem uma realidade física mais
estável sem conflitos e destruição causados por seres orgânicos, sejam estes
humanos ou draconianos.

Existe uma frase que ficou marcada na consciência de Rodrigo Romo:


“O homem sonha monumentos, mas só constrói ruinas para a pousada dos
ventos. ” Esta frase reflete a realidade de muitas civilizações, tanto dos seres
humanos descendentes de Avyor como dos Draconianos e dos reptilianos que
na busca pelo poder e o medo de serem superados por outros seres na corrida
pelo poder, acabaram semeando a destruição e só deixando ruínas para a
posteridade. Esta situação acabou afetando de forma negativa grande parte
dos alunos de Yaberin que se negativaram em não aceitar deixar a matéria e o
processo encarnacional. Buscando consertar os erros do passado, acabaram
ficando aprisionados por tempo ilimitado na Matriz de Controle que foi
erguida pelos filhos de Sarathen e outros grupos de poder existentes no palco
político dos acontecimentos de Naoshi. Um dos fatores mais complexos que
ocorreu com grande número de alunos, foi o sentimento de culpa e de derrota,
por não terem conseguido superar as dificuldades e no meio disso se
negativaram na busca do poder que se manifestava dentro de cada frequência
dos hologramas e da correspondente Matriz de Controle construída ao longo
de cada império e sua expansão.

Yaberin acabou perdendo muitos alunos e se envolveu no resgate deles.


Essa perda não representa fracasso, mas a dificuldade que a Alma encontra
quando a consciência de seu corpo hospedeiro acaba interrompendo a
frequência da Chama Trina. Como já foi explicado, a consciência de um ser
biológico quando não está harmonizada, acaba interrompendo a vibração ou
frequência que existe entre o fluxo de sua Chama Trina, que é um mecanismo
natural da Alma para irradiação com o seu Eu Sou, gerando o estado de
consciência Crística. Essa interrupção gera de forma gradual o afastamento
da Alma do fluxo de consciência do Eu Sou e com o tempo causa o
aprisionamento ou isolamento nas realidades mais densas que normalmente
são submetidas aos hologramas das diferentes Matrizes de Controle. O maior
problema da dualidade e dos desvios de conduta dos alunos das Escolas
Herméticas ocorreu realmente dentro do aglomerado de M-45, pois esses seis
grupos iniciais tinham vivenciado maiores situações e influência negativa
durante a ocupação dos Draconianos e além disso, ocorreu a primeira
mutagenação das experiências genéticas entre o genoma humano e
draconiano que deu origem à raça Draco. A raça Draco passou a constituir
um novo império concorrente a todos os outros e altamente devastador em
algumas fases de sua evolução. Uma parte dos Dracos acabou com o tempo
se refugiando dentro do aglomerado de M-45, M-35 e outra em Orion Rigel,
criando um novo império que se tornou independente de Draco e ampliou a
rede neural de poder e de controle sobre as raças mais frágeis. Nesse
contexto, muitos dos alunos de Yaberin acabaram entrando no processo
biológico encarnacional para tentar criar uma rede mais harmônica de
consciência e equilibrar o palco político, mas poucos foram bem-sucedidos.
A rede neural da raça draconiana e dos Dracos é muito mais complexa,
baseada em uma falsa lógica ligada às crenças e ideologias de conquista e por
terem herdado um genoma sem a possibilidade de compartilhamento com
outros genomas, criando uma condição anômala de poder psíquico que os
alunos ao iniciarem o processo encarnacional não conseguiram romper e com
as encarnações sucessivas, acabaram ficando completamente aprisionados e
potencializando essa ideologia. Muitos de vocês que se encontram na Terra
na estrutura humana neste momento, tiveram a experiência de encarnar
sucessivas vezes na raça Draconiana ou Draco e quando entraram na raça
humana da Terra, acabaram transferindo a complexidade psíquica e
emocional dessas encarnações para o padrão psíquico dos humanos terrestres,
o que aumentou o índice de dualidade na humanidade na medida que a Matriz
de Controle era constituída pelos dogmas religiosos e pela corrupção que o
poder gera. Essa condição afastou vocês ainda mais do centro de vibração de
sua Chama Trina, gerando um isolamento completamente ressonante com a
Barreira de Frequência que foi instaurada ao redor da Terra.

Sim, a Barreira de Frequência atua em diferentes gamas vibracionais,


sendo que parte dessas vibrações está relacionada com o padrão da
consciência dos seres que se encontram aprisionados dentro da Matriz de
Controle e não possuem mais a frequência interna da Chama Trina acoplada
ao padrão superior de sua própria Alma. Por isso que essa barreira que
envolve a Terra só atua em determinadas frequências e civilizações, pois ela
foi colocada para manter na Terra todas as Almas desconectadas e
procedentes do exílio dos outros sistemas solares que já tinham apresentado
severos problemas de conflito militar e autodestruição, como foi o caso de
Capela, Tau Ceti, Shaula, Maldek, Argus e outros setores além do quadrante
visível desde a Terra. Esses sistemas tiveram milhares de alunos dissidentes e
também enviados em missão pelos professores Entrantes para estabelecer o
resgate e divisão da consciência entre os mais negativados e aqueles que
ainda apresentavam condições de serem levados para outras localidades.
Nesse contexto, os alunos de Yaberin desenvolveram as funções como
representantes das Escolas Herméticas e também como discípulos ou
enviados da Ordem Santa Esmeralda. Cada aluno também empregou o
aprendizado de se projetar como entrante e de desdobrar a sua consciência em
outros seres, sem a necessidade de encarnar na fisicalidade, se mantendo no
respectivo plano astral desses mundos, mas mesmo assim, a densidade foi
baixando e esse astral adquiriu frequência equivalente ao umbral que se
conhece na Terra. O que também gerou o aprisionamento de milhares de
servidores da Luz, pois os hologramas acabaram abrangendo o espectro de
3D até 6D em muitas localidades onde os Xopatz e outros grupos mantinham
bases dentro das Bolhas Dakar multidimensionais, gerando continuamente
pulsos de escravidão e hologramas que acabavam interferindo no fluxo das
emissões da Chama Trina dos habitantes dessas realidades, o que acabou
atingindo os alunos e discípulos de Yaberin e seus irmãos de trabalho. Essa
condição tem se alastrado nas diversas realidades da Terra, sendo a realidade
terrestre e o umbral as mais afetadas e comprometidas com essas limitações e
ao mesmo tempo causando aprisionamento, com o qual vocês estão lutando
neste momento de fortes mudanças energéticas na sociedade e na Terra.
Justamente a energia de confronto é um fator que afasta vocês ainda mais do
foco de harmonização emitido pela Chama Trina, pois acaba reforçando os
antigos contratos baseados no conceito errôneo do bem contra o mal e
potencializando os hologramas e o quadro obsessor desse mesmo padrão de
energia psíquica e emocional.

Neste momento, o grupo que está sob o comando de Yaberin tem relação
com diversas entidades do Ancoramento, para aqueles que são sintonizados
na Cura Quântica Estelar e têm participado das meditações das 5ª feiras,
vibrando, portanto, dentro do fluxo de energia psíquica dessas entidades que
envolvem a Aliança Galáctica, Fraternidade Branca, Aruanda, Orixás e os
grupos Intraterrenos, Intraoceânicos e realidades paralelas. Yaberin está
inserido na resolução de muitas questões do passado de vocês e se manteve
oculto até cerca de dois anos atrás para sustentar outros projetos, mas já
chegou o momento de sua presença direta com seus alunos e colaboradores,
para dar início a uma nova fase do processo espiritual de vocês, presos no
fluxo holográfico da Terra e dos draconianos que controlam a sua sociedade.
Obviamente que esse processo não é tão simples, mas já está sendo
movimentado pelas correspondentes estruturas do plano espiritual em relação
aos humanos sintonizados nas diferentes frequências além da CQE e das
atuais Escolas Herméticas e Iniciáticas já existentes, mas isso também tem
um problema na atualidade, pois existem muitos falsos contatados que ao
invés de ajudarem vocês, acabam os colocando novamente atrelados a
contratos com seres rebeldes e os aprisionando por um novo ciclo de tempo
estelar e terrestre.

A ligação da humanidade atual enquanto Homo Sapiens com a herança e


influência genética dos grupos de Plêiades e de Nibiru é muito elevada,
gerando alta transferência de informação genética e emocional. Muitos de
vocês podem considerar uma herança do carma dessas civilizações em sua
memória celular, ampliada pelos diversos experimentos genéticos dos
visitantes extraterrestres que aumentam ainda mais o desajuste endócrino
emocional. Na verdade, são 22 experimentos atuais e mais de 35 alterações
no padrão genético da maior parte da humanidade atual. Os grupos
mencionados de M-45 foram os 6 mais complexos no seu processo evolutivo,
dando origem a outros grupos dissidentes que buscaram a independência e
com o tempo deram origem à Federação humana dentro de M-45. Esta
mesma federação humana tornou-se uma das linhas existenciais do
comandante Torank que libertou os humanos desse setor da perseguição
draconiana e unificou o grupo de M-45 com a nova morada que escolheu ao
redor da estrela gigante Aldebarã de Touro e posteriormente unificou ao
grupo de Orion Betelgeuse e Sirius, mas essa trajetória é bem longa e nela
Yaberin foi o mentor e professor de Torank e de outros colaboradores para
plantar a semente da unificação e da libertação dos parâmetros anteriores de
guerra e confronto que os draconianos disseminaram nas seis castas
implantadas por Onara em M-45.

Esses seis grupos são a base mais antiga desde o êxodo forçado do
planeta Avyor e desses seis grupos se formou um grupo secundário de 15
tribos internas no segundo fluxo evolutivo e tecnológico depois de umas 5
gerações biológicas. E desse segundo grupo de cerca de 15 tribos, houve uma
terceira geração que originou um grupo de 25 estruturas tecnologicamente
ativas que deram início à colonização interna e externa desde o ponto central
de M-45, sendo que um deles foi justamente o aluno de Yaberin, conhecido
nos cursos de Rodrigo Romo como Torank.
M-45 TRELUDE OU DANÚBIO

sse setor interno da nebulosa de M-45 que a humanidade


E denomina de Plêiades, é, na verdade, um aglomerado com cerca de
380 estrelas e em alguns setores muitos gases decorrentes da
condensação de antigas estrelas que não chegaram a se formar. Esse
aglomerado está localizado atualmente na parte mais próxima da Terra cerca
de 2.000 anos luz de distância, mas sua extensão percorre mais de 12.600
anos luz pelo outro lado não visível da Terra. Esse aglomerado semiaberto
durante os acontecimentos ocorridos na estrela de Vega no planeta Avyor e
Ápice, apresentava uma concentração maior e, portanto, maior densidade de
poeira e cobertura eletromagnética que servia de proteção contra
identificação externa por parte das naves reptilianas. Portanto, foi escolhido
por ser um local similar a um celeiro, com estrelas novas capazes de sustentar
vida entre 5D até 8D sem dificuldades, com os devidos ajustes.
Posteriormente, alguns setores desse aglomerado de M-45 permitiram a vida
biológica de 3D e 4D para diversas formas de vida que estavam em processo
embrionário. No catálogo da Federação este setor foi denominado de Trelude,
mas os próprios habitantes locais o denominavam de Danúbio na tradução
para a linguagem terrestre. Esse sistema solar triplo possuía uma estrela
branca amarelada central com cerca de quatro vezes o diâmetro do seu Sol e
outras duas estelas satélites com órbitas elípticas regulares bem distantes,
com 15 planetas no conjunto das três órbitas solares. O planeta escolhido pelo
Comandante Onara para colocar mais de quatro milhões de humanos
resgatados do planeta Avyor foi ajustado pela tecnologia da Confederação
denominada de terra-transformação, que altera as condições climáticas e
geológicas em conformidade com novos projetos e ajusta o planeta para
novas formas de vida. Assim, os assentamentos para receber esses quatro
milhões de humanos no plano físico de 5D e no plano astral respectivo já
tinham sido realizados em dobra temporal antes desse grupo ser inserido no
planeta que foi chamado de Danúbio-4 por ser o 4º planeta da órbita dessa
estrela central do grupo de Trelude. O humano que se tornaria Torank já tinha
sido aluno de Yaberin ainda no plano astral antes de iniciar a sua jornada
encarnacional no planeta Avyor, pois esse ser acabaria encarnando na casta
da linhagem fisiológica de Micah/Sananda, passando a ser uma alma ligada a
essa egrégora.

Quando o planeta Avyor foi invadido e atacado pelos draconianos,


Torank - que na ocasião usava outro nome -, foi um dos que ajudou na defesa
e evacuação de seus semelhantes para bases subterrâneas e fez contato com
os grupos esotéricos de outras dimensões solicitando ajuda para a grave
situação que a humanidade etérica de 5D e 6D de Avyor estava sofrendo.
Desde essa época Torank destacou-se com grande iniciativa e liderança entre
seus similares tornando-se naturalmente em um líder político e estrategista
desse povo, com uma linha militar bem definida dentro da disciplina e
capacidade para resolver problemas. Por esse motivo, Onara o escolheu para
liderar o grupo de Danúbio e não de Nodia, pois sem a presença de Torank
dentro de Danúbio as chances desse setor prosperar em sua evolução seriam
reduzidas. Por esse motivo Torank foi premiado com amigos e companheiros
de outras jornadas para dar sustentação ao plano Micahélico. Sem que ele
tivesse conhecimento, acabou construindo ao longo do tempo um pequeno
império que viria ocupar seu lugar no cenário cósmico entre M-45 e os
aglomerados de Touro e Orion, criando uma nova Federação Humana e
desenvolvendo projetos de unificação dos humanos exilados das 49 Castas e
realizando a conexão com o grupo do Sistema de Toliman na Constelação do
Centauro que se tornaria posteriormente o Comando Ashtar da coalisão
estelar humana e humanoide.

Com a tecnologia já desenvolvida e posteriormente amplificada por


Onara, Torank acabou criando uma frota de exploração local de recursos
minerais e naturais para ampliar o crescimento da civilização de Danúbio-4 e
colonizar planetas próximos dentro de um raio de 25 a 35 anos luz. Com isso,
em aproximadamente onze gerações eles já tinham uma civilização de 85
milhões de seres humanos encarnados biologicamente entre 5D e 6D, porém
isolados do restante dos outros grupos de M-45. Nos registros deixados por
Onara, eles sabiam da existência de outras 48 Tribos ou castas humanas
também de Avyor que estavam espalhadas e teoricamente evoluindo da
mesma forma que eles. No coração de Torank e de muitos outros membros
do Conselho evolutivo de Danúbio-4 surgiu a necessidade de localizar e
contatar as outras tribos perdidas, para criar uma coalizão e futuramente uma
Federação para reforçar a autoproteção e evolução da espécie humana
dissidente de Avyor. Neste processo que estamos revelando, muitos de vocês
estavam encarnados através de seus fractais de Alma para ajudar no
desenvolvimento dessas 49 Tribos ou Castas humanas, sendo que muitos
foram parceiros de trabalho na trajetória de Torank. Lembrando que também
dentro dessa sociedade não existia a amnesia encarnacional, pois depois do
processo reencarnacional a lembrança clara da vida biológica anterior se
mantinha e com isso, erros e desvios de conduta estavam bem limitados.
Como Torank tinha sido treinado tanto por Yaberin como pelo próprio
Yaslon Yas em outras linhas de existência em Shinkara e em outros
Universos Locais, ele possuía muita experiência dentro de sua memória
quântica multidimensional e sabia que representava um importante alicerce
para esse grupo local de M-45, pois mantinha contato psíquico com esses
seres tendo uma condição mediúnica de clarividência e premonição, além dos
outros conhecimentos de seu treinamento nas Escolas Herméticas de Yaberin.
Portanto, Torank sabia que no futuro entraria em confronto com os
draconianos e caberia a ele equilibrar essa situação através da inteligência e
da tecnologia que deveria ser desenvolvida rapidamente para criar um
equilíbrio de forças entre o império draconiano e a futura Federação Humana
de M-45 que ele estava almejando constituir.

Em cinco gerações dessa civilização as seis Tribos internas de M-45


foram unificadas. Não de forma simples e pacífica, pois haviam interesses
políticos por poder. Mas desse grupo foi constituído um Conselho diretivo
que representava doze seres, dois de cada planeta central. Ao final de dez
gerações aproximadamente, a civilização humana dentro de M-45 contava
com cerca de 25 bilhões de seres encarnados entre 5D e 6D dentre as seis
Tribos, existindo algumas variações encarnacionais em 4D. Essa Federação
chegou a colonizar mais de 260 planetas ao longo de 75 estrelas internas do
aglomerado de M-45, buscando inicialmente por recursos naturais e depois
por planetas habitáveis para as condições fisiológicas humanas das seis
Tribos. Esses seres não tinham muita diferença entre si e derivavam da raça
ariana primordial de Avyor, mas sofreram mutações no genoma devido as
condições locais dos novos planetas onde moravam. E no decorrer de 2 a 4
gerações depois de terem sido colocados nos novos planetas apresentavam
diferenças de coloração de pele, estatura e hábitos relativos a cada clima e ao
próprio ambiente planetário. Todos mantiveram o mesmo idioma mãe de
Avyor e com isso formataram a civilização humana de Plêiades. Dentro desse
contexto cerca de 33 Mestres, grandes políticos e visionários foram
importantes para o desenvolvimento de M-45 para sustentar seu crescimento
e unificação, sendo que Torank foi um dos que se destacou quando o
confronto com os Draconianos ocorreu na fase de expansão para as
coordenadas da estrela de Aldebarã da constelação de Touro.

As seis Tribos de M-45 representavam seis etnias humanas derivadas


direto da raça primordial Cad Amon Micah, com cerca de 4 a 5 metros de
estatura numa realidade final de 5D/6D, mas originalmente essa raça ariana
foi inserida no planeta Avyor em 7D e gradualmente foi sendo densificada
até que seus descendentes pudessem entrar nas outras dimensões até 3D,
como é o caso da espécie humana terrestre. Quando os Draconianos
descobriram o acesso para alguns dos sistemas solares internos, chegaram
primeiro em Danúbio e o destruíram por completo aniquilando mais de 900
milhões de seres vivos entre 5D e 6D. Esta situação ocorreu quando Torank
estava em viagem de investigação para as coordenadas de Aldebarã e
posteriormente Betelgeuse de Orion, durante confronto com uma frota
exploratória dos Dracos de Rigel. Nesse confronto, parte do Conselho das 6
Tribos foi morta e Torank, por ter sobrevivido, teve que assumir o Conselho
geral e trabalhar para proteger por completo a humanidade de M-45 de novas
invasões e ataques reptilianos.

Esta foi a primeira guerra real depois da transferência de Avyor para M-


45. Nesta fase, as seis Tribos nunca tinham passado por guerras, apenas
conflitos políticos e ajustes na economia e tecnologia educacional para gerar
a unificação social que seria a única forma de sobrevivência desse grupo
quando surgisse o confronto com os draconianos.

Ao retornar para Danúbio, Torank se deparou com a aniquilação de seu


mundo e com a desintegração fisiológica de sua família e complementos
divinos, o colocando numa situação nova desde que saiu de Avyor. Esta
condição emocional e psíquica o transformou em um novo guerreiro
implacável e tremendamente astuto, que lhe permitiu reconstruir toda a
tecnologia militar draconiana deixada durante o ataque deles ao front de
defesa de Danúbio e com isso, Torank aprendeu toda a estrutura tecnológica
militar e de rastreamento dos draconianos, preparando assim a federação de
M-45 para defesa e aniquilação de qualquer draconiano que fosse
identificado.

Esta guerra, meus filhos, tem relação com a memória quântica do pavor
de reptilianos que vocês não conseguem dominar, assim como de insetos que
representa uma outra fase dos conflitos para que a humanidade conseguisse
se manter livre e autossuficiente. Durante esse processo que não foi curto,
foram várias gerações biológicas da humanidade Pleiadiana tendo que lutar
para sobreviver às constantes investidas. Inicialmente dos draconianos e
posteriormente dos insectoides similares a baratas e outras formas não
existentes na Terra, que acabaram gerando o pânico em grande parte da
humanidade, pois uma grande parte dos terrestres vem do processo colonial
espiritual de M-45 como Alma transmigrada desse setor para a Terra antes
mesmo da chegada dos Anunnakis de Nibiru, o que foi potencializado depois
com as manipulações que Enki e sua família geraram com o objetivo de
estabilizar o denominado Homo Sapiens.

O tempo médio de vida dos humanos de 5D pela contagem de tempo


terrestre é de 680.000 a 750.000 anos, pois a estrutura do corpo biológico em
5D não é igual à biologia de 3D. Além disso, o fator tempo sofre uma
desaceleração muito grande, pois a densidade atômica nessa dimensão é
muito menor que na realidade onde vocês vibram. Portanto, como os
conflitos entre humanos de M-45 e os invasores das raças reptilianas e
insectoides duraram várias gerações e ainda estão ativos na atualidade
relativa, temos alguns milhões de anos de conflito se refletindo no campo
emocional e psíquico das Almas encarnadas na Terra, seja no plano astral,
umbralino e físico. Vocês, que neste momento estão lendo este livro, podem
entender os problemas relacionados com a presença de reptilianos e do
próprio SGS que manipula e controla a humanidade dentro de um jogo de
poder, pois na verdade vocês já viveram essa mesma história no passado
relativo nos mundos de M-45 e Nibiru, que faz parte do contexto de M-45.

Torank foi uma peça fundamental na vitória e nas diversas estratégias


para driblar o avanço draconiano e manter o contato com as equipes de
Yaslon Yas e do próprio Onara, que foram gradualmente ajudando Torank a
superar as dificuldades e conseguir a liberdade da humanidade de M-45. Com
o tempo o sistema de Alcione tornou-se a capital dessa Federação Humana
depois da derrota dos draconianos, que na época era uma estrela dentro do
aglomerado de M-45 e posteriormente foi relocada ou arrastada para a sua
atual órbita a cerca de 457 anos luz da Terra, visível atualmente para vocês.
Assim como o conjunto de 9 estrelas que são vistas da Terra e chamadas de
Plêiades à frente do aglomerado de M-45. Como podem perceber, a
humanidade foi ajudada e induzida pelos representantes da Supra
Confederação e dos respectivos grupos da Confederação Intergaláctica a
seguir um caminho para a sua sobrevivência. Não apenas Torank foi um dos
pivôs, mas muitos outros em setores específicos foram usados como
canalizadores para ajudar nos mecanismos de ascensão da raça humana e
humanoide, como ocorreu com os sobreviventes do planeta Ápice que era
vizinho de Avyor e também foi invadido pelas frotas draconianas.

No contexto da sociedade interna de M-45 é imprescindível que


entendam a carga psíquica e o histórico de conflitos e guerras entre as etnias
humanas e seus algozes reptilianos e insectoides. Situação que fez dos
humanos de Plêiades uma raça guerreira e ao mesmo tempo a moldou para
serem conquistadores seguindo o aprendizado dos reptilianos. Dentro da
psique dos humanos de M-45 e posteriormente dos conglomerados que eles
colonizaram durante sua expansão, havia a questão colonial e a busca por
poder para enfrentar outros inimigos no decorrer de sua trajetória, marcando
de forma severa a evolução de vários grupos descendentes dos Plêiades nas
outras colônias, como o grupo do planeta Nibiru, Aldebarã, Orion, M-35,
Auriga e El Niyat como alguns dos centros de expansão colonial de M-45.
Estes povos ou civilizações acabaram gerando grandes índices de dualidade e
conflito ao longo de sua estabilização social e expansão estelar. Em muitos
casos chegando a conflitos severos entre as diferentes etnias de humanos e
humanoides Zetas e Greys na disputa por poder e planetas coloniais.

A maior parte da humanidade encarnada no plano físico e astral é


remanescente desse histórico de guerras e disputas pelo poder dos humanos
descendentes de M-45 e de outros setores. Este palco encarnacional é
ampliado pela dualidade terrestre e pelas disputas pelo poder registradas nos
livros de história. Outro fator que deve ser levado em consideração na
questão da humanidade Terrestre se refere às Almas exiladas enviadas de
mundos comprometidos com essas disputas de poder, trazendo a memória de
Alma para o aspecto biológico, que foi novamente ativado pelos fragmentos
etéricos trazidos pelos reptilianos e outros povos que atuavam no plano astral,
como é o caso dos Xopatz. Estes ativaram inúmeros registros de sofrimento
ao longo dos últimos 25.000 anos, ampliando o processo de guerras e
sofrimento na Terra entre seus diferentes povos. São vários fatores que ainda
residem internamente na humanidade da Terra e na descendência física,
biológica e espiritual dos mundos de M-45 e de outros setores que também
tiveram conflitos e processos evolutivos bem conturbados. Tudo isso se
traduz como memória celular da Alma e da consciência, o que acaba
causando repetições em muitos momentos da vida de vocês dentro da Matriz
de Controle que utilizou falsas religiões para dominar e dogmatizar a
humanidade. Essa condição foi utilizada no passado nos setores de conflito
como na Zona Neutra e em outros centros de influência entre as três
principais espécies do setor de Orionis, Sagitário, Aum e Perseu, que são os
aglomerados estelares dos braços espirais da Via Láctea cerca de 15.000 anos
luz da Terra.

A atuação do Comandante Torank no contexto dos grupos humanos e


posteriormente humanoides de M-45 e depois dos setores nas imediações de
Aldebarã e Betelgeuse, representa uma abertura encarnacional para milhões
de seres que foram ativados pela engenharia genética no auge dos conflitos
entre humanos, humanoides contra os insectoides e reptilianos. Foi de Torank
o projeto inicial de clonagem e melhoria genética dos humanos e humanoides
para conseguirem confrontar e superar os reptilianos, Dracos e insectoides,
gerando mutações em humanos e humanoides para se tornarem super
soldados, os aperfeiçoando para superar seus opositores. Essas mudanças na
genética humana afetaram o tamanho do corpo físico entre 4D até 6D, as
capacidades psíquicas de mover objetos com o poder da mente, como tinha
sido ensinado por Yaberin nas Escolas Herméticas, telepatia, força física
acima do padrão, afetando também a capacidade de impor sua vontade contra
os inimigos gerando uma raça de seres humanos mutantes no ponto de vista
de capacidades psiônicas, para impossibilitar os opositores de empregar suas
estratégias.

Com isso ocorreu uma evolução de quase todas as etnias humanas que
estavam inseridas no setor sob controle de Torank, gerando um salto
evolutivo e dimensional de grande parte dessa humanidade geneticamente
evolucionada. Vocês passaram pelo processo de mutação genética e em
muitos casos ainda estão inseridos nos mesmos contratos de mutação e
adaptação genética ao encarnar na humanidade terrestre que ainda está
inserida nestes mesmos projetos.

Como foi informado, existem atualmente 22 projetos de abdução e


manipulação genética entre as raças ou etnias humanas da Terra e outros
povos das Federações e da própria Aliança Galáctica, com o objetivo de gerar
um novo aprimoramento decorrente das emoções e centros endócrinos que a
humanidade terrestre apresenta mais desenvolvidos do que outras raças
humanas estelares. Como o tempo não é linear, muitos de vocês ainda estão
dentro dos estágios intermediários do processo encarnacional e muitos
doaram o seu corpo para experimentos, precisando encarnar não apenas na
Terra, mas em outros mundos onde os corpos biológicos precisam ser
utilizados para pesquisas e extração de material genético, como ocorre com
milhões de seres humanos da Terra na atualidade e no passado. Da
humanidade atualmente encarnada em 2016 são mais de 750 milhões de seres
humanos abduzidos para projetos de pesquisa pelos grupos extraterrestres
dentro desses 22 projetos. Nos últimos 25.000 anos terrestres, a contagem
chega a mais de 4 bilhões de seres humanos dentro de projetos além dos 22 e
em outros que já foram finalizados nos antigos territórios de Mu, Antártida,
América Central, Patagônia, Ártico e Austrália. Resultado de projetos ainda
mais antigos que remontam pelo menos 800.000 anos, muito antes da
chegada dos Nibiruanos Enki e Enlil na Terra há pouco menos de 450.000
anos.

Analisemos a questão temporal com base no ciclo de vida biológico de


um corpo de 5D, onde um ser humano dessa frequência pode viver o
equivalente a 650.000 anos em média, o que significa que os Nibiruanos que
se enquadram nessa faixa de longevidade, ainda estão vivos pela comparação
terrestre. Dessa forma, todos aqueles de vocês que encarnaram dentro da
estrutura dos Nibiruanos, dos grupos de humanos de M-45 ou dos setores das
49 Tribos perdidas, ainda se encontram dentro do ciclo biológico dos
experimentos dessas civilizações, mesmo que a contagem humana represente
uma eternidade de tempo absurda e sem uma ligação concreta. Os
Nibiruanos, especificamente o grupo de Enki, realizaram manipulações
genéticas com Neandertais entre 180.000 a 200.000 anos atrás, portanto os
procedimentos de maturação genética na evolução do Homo Sapiens ainda
são muito recentes e seguem acompanhados por seus projetistas. O mesmo
ocorre com outras etnias em Mu onde Torank e Ashirion continuam com seu
estudos por cerca de 600.000 anos, porem já são raças na frequência de 4D,
5D e 6D que se enquadram nas chamadas realidades paralelas da Terra e da
humanidade.

Yaberin tem ajudado no despertar de muitos de seus antigos alunos e de


outros Mestres Entrantes para restabelecer o conhecimento e as antigas
práticas no plano astral junto das diferentes Ordens Espirituais e escolas
etéricas, para estabelecer uma nova linha de consciência e ativação dos
protocolos da chamada Operação Resgate na Terra. O que não significa que
seja destinada a toda a humanidade física 3D como os humanos acreditam.
Muitas mentiras e ilusões foram criadas dentro das escolas esotéricas da
humanidade para gerar hologramas de aprisionamento dentro das próprias
crenças e pela detenção de poder por parte dos grupos que controlam essas
informações. Situação que ocorre atualmente, utilizando-se de nomes de
Comandantes, Mestres da Fraternidade Branca e outras estruturas da
espiritualidade.

Muitos dos grupos do SGS têm utilizado como meio de espionagem as


Escolas Herméticas da Terra nos últimos 50 anos, para se infiltrar e encontrar
pessoas e Almas ligadas aos antigos contratos de pesquisa genética com os
Nibiruanos e grupos das Federações. Com esse acesso o SGS conquistou
tecnologia e entendimento, garantindo um lugar no plenário da Aliança
Galáctica por volta do ano de 1992. O modelo de muitas escolas místicas da
Terra tem base nos antigos registros e memória celular das Escolas da Luz
que Yaberin e seus irmão constituíram no passado em Nodia e em outros
grupos de poder dos remanescentes humanos das 49 Tribos e outros grupos.

Percebam que o envolvimento de vocês com Yaberin é de longa data e


continua em planos sutis. Ao ler este material a conexão com ele será
reativada e será desenvolvida uma nova fase de ativação no plano astral e nas
outras esferas ligadas ao corpo Criogênico² e Morontial³ , para inseri-los nos
protocolos da Operação Resgate e de outros centros operacionais do
Comando Estelar da Confederação.

O atual grupo de ativação da Operação Resgate da Terra possui diversos


comandantes e agentes que neste momento se encontram infiltrados em
diferentes projetos e estruturas desde o plano Astral até as realidades
paralelas e em alguns casos dentro da estrutura do SGS e dos grupos
místicos, buscando ajudar no seu despertar de consciência. No entanto, existe
um grande engano, pois essa Operação Resgate se baseia na ativação e no
despertar da consciência humana e não na evacuação planetária como as
pessoas querem acreditar e outros têm mentido para vocês. Como diz o nosso
intermediário Rodrigo Romo, “não se leva lixo para um lugar limpo”, pois ira
contaminar o restante. Portanto, vocês têm que sair do padrão mental e
psíquico da Matriz de Controle e elevar o padrão vibracional interno, para
serem inseridos em projetos e operações reais onde vocês serão desejados e
selecionados para uma possível evacuação. Em outras palavras, vocês têm
que se tornar uteis e desejados para ocupar uma nova posição no contexto
planetário e social para a espiritualidade. Enquanto estiverem com a
mentalidade de carma a ser resgatado, não se enquadram no perfil de pessoas
operacionais úteis para o que virá a ocorrer no futuro de seu setor planetário.

Juntamente com seu grupo constituído por cerca de 32 membros, Torank


construiu um novo império humano partindo dos 6 grupos internos de M-45
ao redor da órbita da estrela gigante de Aldebarã. Esse novo império foi
inserido entre 5D e 6D para acolher as novas raças geneticamente melhoradas
e os clones remanescentes dos conflitos da Grande Guerra de Orion, da qual
Torank foi peça chave em muitas vitórias e conquistas para as raças humanas,
criando uma Federação Humana e Humanoide para preservar essas espécies
mamíferas e unificar com os grupos das 49 Tribos ou Castas espalhados por
Onara pela Via Láctea.

Esses 33 membros do Alto Conselho do qual Torank faz parte, eram


todos alunos e discípulos das Escolas Herméticas do grupo de Yaberin e
foram treinados nas artes místicas do poder mental e do desdobramento
multidimensional, conseguindo estabelecer parâmetros e comunicação com
dimensões superiores e por isso a vitória e conquista de um lar para a
humanidade estelar. O que colocamos aqui é para que despertem e entendam
que vocês são parte desse grupo que nos ciclos anteriores da relatividade
terrestre fizeram parte de um contexto muito maior para permitir o avanço e
aprimoramento das espécies humanas e humanoides. Não se trata apenas de
uma questão Terrestre, mas de um contexto cósmico. Quando o SGS
entendeu essa situação, parou de questionar e confrontar algo muito maior,
foi aceito no parlamento da Aliança Galáctica (como já foi informado em
vídeos e artigos) e atualmente ajuda em muitas questões relacionadas ao
futuro da humanidade e do planeta. Quando vocês elevam seu padrão de
consciência têm condições de se juntar aos grupos que trabalham para o bem-
estar da humanidade e do planeta, mas enquanto não ocorrer essa elevação de
vibração, vocês só atrapalham o processo planetário e consciencial da
humanidade, pois acabam atuando como antenas repetidoras de baixas
frequências e pensamentos negativados. Sair da Matriz de Controle significa
mudar por completo seu comportamento e suas relações gerando um campo
harmônico à sua volta, permitindo que os Comandos Estelares e grupos mais
avançados e até mesmo suas Almas Gêmeas ou Fractais de Alma possam se
aproximar e ajudar nos processos de quebra de contratos e outros aspectos
terrestres que ainda atrapalham sua caminhada. Mas o ponto inicial parte de
vocês e não dos outros, como normalmente esperam. Voltamos a repetir:
vocês têm que se tornar seres resgatáveis através de suas ações e seu valor
interno.

Torank atualmente realiza a avaliação desses seres humanos, que


possuem ligação com o processo encarnacional em seus antigos projetos em
Mu e em outros continentes da Terra com o processo atual encarnacional.
Sejam encarnados em 3D físico, como nas outras realidades paralelas e no
plano Astral, onde existem diversos outros segmentos importantes dos
remanescentes de Mu, Antártida e dos centros intraterrenos. Vocês estão
encarnados em alguns casos tanto na realidade física terrestre como possuem
fractais atuando nos outros planos paralelos da Terra, sejam em cidades
etéricas, como intraterrenas e em dimensões superiores. A conexão com as
outras realidades que vocês possuem ocorre justamente através das entidades
do Ancoramento da CQE e dos Orixás que fazem parte das equipes de apoio
que sustentam grandes centros acadêmicos de ajuda e estudo, como é o caso
das entidades Ramatis, Bezerra de Menezes, Pai Benedito de Aruanda, Pena
Branca, Kuthumi, Sananda, Kwan Yin, Gautama, Osho, Yogananda e muitos
outros desconhecidos pelos atuais nomes que utilizam.

O Conselho da Cúpula de Cristal possui a tarefa de realizar a seleção


natural de quem é de fato capaz e de quem será gradualmente exonerado da
Terra para mundos inferiores mais primitivos, para dar continuidade à sua
evolução. Ou avaliar aqueles que serão sentenciados à 2ª e 3ª morte cósmica,
tendo sua Alma e sua matriz no Eu Sou desintegrados. Essa é uma das razões
porque está sendo permitido que Almas do Umbral encarnem na Terra nos
últimos 30 anos, prejudicando tanto a vibração da Terra e da humanidade.
Para forçar uma seleção natural de ressonância entre a Luz e as Trevas como
vocês mesmos descrevem, ajudando assim nos futuros processos de seleção
das Almas que estão inseridas ou não na Reintegração Cósmica. Essa seleção
é o resultado de milhões de anos na escala humana de tempo desde o
processo encarnacional de Capela, Tau Ceti, Boronak, Maldek, Marte,
Arcturos 4, Shaulla, Argos e outros mundos que tiveram suas almas
transferidas de planeta em planeta, buscando dar oportunidades a um grande
número de almas, que no final das contas na Terra ainda insistem em se
negativar e trabalhar pela discórdia. A sentença final será dada na Terra nos
próximos anos de seu tempo, justamente para iniciar um novo processo de
seleção.

Dentro de M-45 o processo encarnacional foi proveniente de outros


sistemas e dimensões, com almas que já tinham passado pelo processo
encarnacional entre as frequências de 3D até 5D em diferentes linhas de
tempo, justamente para o processo de amadurecimento psíquico e emocional
da Alma ser avaliado dentro da estrutura biológica de seus corpos. Esse
processo foi afetado pelos hologramas das diferentes matrizes de controle que
cada sistema escolheu como sendo sua falsa verdade e com isso, controlando
a psique de bilhões de seres como ocorre na Terra desde milhares de anos de
seu tempo. Ocorreu dessa forma um processo de seleção natural das
diferentes Almas conforme o seu gradiente de energia, gerando os diferentes
patamares vibracionais encarnacionais ao longo dos setores em crescimento
entre as estruturas humanas, humanoides, insectoides, reptilianas e das
diversas formas anfíbias de vida que estavam dentro do mesmo jogo de
evolução e poder. Essa separação ou diferença estrutural se baseava na
emissão de ondas cerebrais e espirituais da consciência do ser e da Alma
acoplada aos corpos biológicos, que foram gradualmente definindo o
gradiente encarnacional entre os mundos mais atrasados e os mais avançados.

Foi estabelecido um prazo através de uma linha temporal e dimensional


para todo experimento encarnacional das Almas com menor gradiente de
energia que deveriam ser inseridos em planetas com maior densidade e
consequentemente, mais primitivos, para estudar o aprimoramento da Alma e
dos processos bioquímicos que isso geraria ao longo da evolução de cada
espécie biológica entre as diferentes linhas de existência. Nessa fase os 144
Mestres deveriam estudar e se desdobrar dentro desses projetos e Yaberin
acabou entrando no setor de Órion, M-45, Aldebarã, Nodia, Sirius, Toliman e
M-35 como setores de risco e com maior gradiente de dualidade entre as
esferas dimensionais de 3D até 5D, por conta das disputas de poder entre as
diferentes etnias e raças presentes nesse quadrante. Outros setores de alto
risco como a constelação de Pégaso, Perseu e Cassiopeia foram um capítulo à
parte, quando a maior parte dos 144 Mestres Anciões iniciou seus estudos e
gerou interferências para equilibrar os grupos de poder que seriam colocados
em risco de extinção com a chegada dos Xopatz nesses setores nas
frequências de 4D até 6D, alterando muitos dos projetos originais.

O prazo de tempo estabelecido para que o conjunto de Almas atingisse


um gradiente mínimo aceitável de energia para dar continuidade à evolução
das novas espécies biológicas e não caírem no processo de autodestruição nas
frequências umbralinas, foi de aproximadamente 6 bilhões de anos na
contagem Terrestre. No entanto, esse valor não pode ser avaliado apenas pela
linha de tempo humana, pois devem ser incluídos os processos
encarnacionais anteriores à Terra e todos os desdobramentos existentes na
estrutura biológica que empregam outra linha de tempo conforme a
dimensão, a codificação genética e temporal de cada realidade. Se dentro
desse prazo durante os processos encarnacionais essas Almas não atingissem
um gradiente desejado, seriam desintegradas e desagregadas da estrutura do
Eu Sou que as gerou, para não comprometer sua evolução em relação à
estrutura da Mônada e da Supra Mônada, que gradualmente entrariam em
outra frequência na sua própria escala de evolução além da 20D. Devido ao
limite de tempo os desdobramentos de realidades paralelas nos planetas mais
densos acabou ocorrendo de forma natural, pois a quantidade de
desdobramentos de uma Alma em fractais, para poderem entrar na estrutura
biológica mais densa, foi muito maior do que inicialmente avaliado pelo
Conselho Shamuna de Naoshi e Teta, o que acabou criando um superávit de
Almas encarnadas entre 3D até 5D além de 5.000% do que estava previsto.
Isso somente no primeiro ciclo de 1 bilhão de anos relativos ao tempo
Terrestre e depois, a quantidade de fractais de Alma foi exponencialmente
aumentando nas diversas realidades paralelas de cada planeta dentro das 49
galáxias do conjunto de Naoshi.
O Mestre Yaberin ficou mais envolvido com um grupo de sete galáxias,
sendo a Via Láctea o setor onde ele atualmente desenvolve muitas atividades
com as Almas alunas que ele treinou e que em muitos casos acabaram se
perdendo no emaranhado dos hologramas encarnacionais, que ele e sua
equipe procura resgatar com projetos de despertar de suas consciências à
medida que cada uma delas permite essa condição. O setor onde a Terra está
localizada dentro do emaranhado de estrelas de Orion e dos vizinhos Gemine,
Cão Maior, Cão Menor, Centauro, Cruzeiro do Sul, Bootes, M-35, Draco,
Ursa Maior, Ursa Menor, Leo Maior, Leo Menor e M-45 representa um dos
setores mais conturbados e com maior índice de vida biológica entre 3D e
5D, agrupando as Almas e seus Fractais inseridos na dualidade em busca do
aprendizado que acabou as negativando. A maior parte de vocês que está
lendo este livro, faz parte da estatística desse grupo de Almas, por estarem
presentes na Terra neste conturbado final de ciclo, quando ocorrerá a
sentença final de bilhões de Almas que se encontram encarnadas na
fisicalidade, no astral e no umbral da Terra em realidades paralelas. A linha
de tempo e a localização atual do Sistema Solar representam um setor de
tensão dimensional entre as membranas Brana das realidades paralelas e do
multiverso, gerando anomalias gravitacionais e de radiação gama sobre Sol e
outros setores, gerando o que pode vir a ser o Colapso do Sol em alguns anos.
Situação que já foi comprovada pelas pesquisas e equipamentos das agências
espaciais, que observam o Sol há vários anos desde 1980 e têm aprimorado
sua tecnologia de observação entre 2005 e 2008 para estudos mais avançados
das grandes anomalias que o Sol tem manifestado. Essa condição é cientifica
e não apocalíptica que o Sol vai passar por mudanças no campo estratosférico
de suas camadas internas, afetando as camadas externas que irradiam energia
para todo o Sistema Solar, atingindo com cargas violentas a Terra assim
como os outros planetas. Essa condição vai marcar o final de todas as Almas
e fractais que estejam abaixo de um gradiente de energia, da mesma forma
como já ocorreu em outros sistemas no passado relativo. Dessa forma, os
esforços de Yaberin para ativar dentro de vocês a Chama Trina e o despertar
de consciência tem sido através de muitos mecanismos, sendo uma das linhas
a representação dos Pretos Velhos da Umbanda, onde ele sustenta muitas
tarefas de ajuda e escrita na divulgação de informações que ajudem no
entendimento das leis cósmicas e do despertar sobre as realidades do plano
espiritual.
O trabalho de Yaberin junto aos Tronos de Pretos Velhos e dos Chohans
dos 12 Raios tem se intensificado na Terra nos últimos 2.000 anos depois da
saída do Arcanjo Miguel na forma humana de Jesus Cristo, mas teve
mudanças significativas com o Fractal de Yaslon Yas inserido no contexto
terrestre em suas efusões e trabalhos nas diferentes esferas de tempo e
dimensões na Terra nos últimos 11.000 anos desde sua chegada e depois de
Miguel ter realizado o seu trabalho como Jesus Cristo. Desde os últimos
2.000 anos é feito um trabalho conjunto para criar os tronos dos Pretos
Velhos, que eram antigos tronos dos Sábios de Mu e de outras moradas para
poderem restabelecer a presença da espiritualidade. E no Brasil, ajudar a criar
e sustentar o crescimento da Umbanda e de linhas paralelas de auxílio e
despertar da consciência humana. O desdobramento de Yaberin nas esferas
da espiritualidade se junta com a dos Pretos Velhos Tronados e Coroados,
mas também com outros grupos da alta magia e do Conselho da Cúpula de
Cristal e do Comando Estelar, ligado as funções de Yaslon Yas e dos outros
comandantes do Conselho da Supra Confederação representados na atual
configuração da Terra e de seus desdobramentos. Na verdade, existe entre as
altas esferas do Comando Cósmico abaixo dos administradores dos Super
Universos, uma legítima disputa de poder e de pesquisas genéticas e
tecnológicas entre diferentes Filhos Paradisíacos e seus segregados, gerando
nas esferas da materialidade a dualidade como vocês entendem na Terra. A
função dos membros da Supra Confederação é buscar um ponto de equilíbrio
e minimizar dentro do possível essas questões de poder, libertando as
Mônadas aprisionadas dentro dessa estrutura holográfica maior, que envolve
infelizmente as próprias Mônadas e bilhões de Filhos Paradisíacos. Nesse
aspecto o Mestre Yaberin tem atuado na liberação de milhões de Almas que
acabaram aprisionadas nos hologramas e posteriormente em suas próprias
cocriações geradas pelos hologramas e ilusões de poder nas esferas da
materialidade. Cada um de vocês que se encontra estudando este livro,
apresenta diversos contratos entre as diferentes realidades onde esteve
envolvido e em muitos casos, gerou e cocriou aprisionamentos dentro da
dualidade e das ilusões que eram consideradas absolutas nas distintas fases
das experiências encarnacionais do universo e suas diferentes frequências.

Dentro do setor de M-45 como já foi mencionado, existiram seis centros


onde o Comandante Onara deixou parte das tribos resgatadas do planeta
Avyor. Avyor foi atacado pelos grupos de draconianos negativados buscando
roubar a codificação genética de Micah e de outros seres desse mesmo
patamar, para encontrar as linhas do Odu ou DNA cósmico do plano
Monádico superior para acoplar essa informação em sua estrutura draconiana
e criar a raça perfeita com a ligação primordial com a Fonte que Tudo É
utilizando esta nova codificação. Esses centros ou sistemas solares escolhidos
são identificados nos registros históricos da Confederação com as seguintes
nomenclaturas, que obviamente diferem dos nomes e códigos empregados
pelos grupos das Federações sistêmicas locais, mas possuem um histórico
muito conturbado de dualidade e conflitos desde a invasão do planeta Avyor,
deixando fortes e profundas cicatrizes nos humanos desses sistemas, como
parte dos registros quânticos de energia presentes na humanidade da Terra
desde a transferência desse material genético para a Terra e também para o
antigo planeta extinto Maldek, que se encontra dentro desse mesmo contexto
de dualidade e marcas do passado relativo. Temos, portanto, alguns pontos a
serem considerados no estudo da nebulosa de M-45 que possui uma linha
direta transferência de informações genéticas e umbralinas com a Terra pelos
setores de:

M-45 ARTIZYUS, estela azul com 14 planetas.


M-45 DANUBIO, antigo sistema Trelude, estrela azulada com 18
planetas.
M-45 ARAXES, estrela esverdeada com 21 planetas.
M-45 ANTUARA, estrela branca amarelada com 23 planetas.
M-45 ALCIONE, estrela azulada branca com 16 planetas.
M-45 PLEIONE, estrela amarelada com 11 planetas.

Estes são os seis setores internos da Nebulosa de M-45 que a


humanidade denomina de Plêiades, que é o berço de uma facção da raça
humana e humanoide que migrou desde a estrela de Vega Avyor há mais de
5,3 bilhões de anos pela contagem de tempo Terrestre, onde o Mestre
Yaberin, seus amigos e colaboradores têm trabalhado na execução de projetos
e tarefas para o despertar da consciência de bilhões de Almas e seus Fractais
aprisionados na dualidade pessoal e externa dos hologramas e disputa de
poder dos diferentes Filhos Paradisíacos em Naoshi.
A função de Yaberin junto de vocês nessa fase de evolução, é trazer a
ciência e tecnologia para libertá-los dos conceitos religiosos ou dogmáticos
mais primitivos para inserir o aprendizado e a compreensão da ciência do
espírito, que para muitos é a magia e seus efeitos sobre a fisicalidade.
Yaberin converteu o magismo em ciência do espírito e da mente, para
explicar e ensinar as capacidades do fluxo mental sobre os átomos e os
desdobramentos da matéria e outros planos mais sutis onde a própria matéria
vibra mais rápido alcançando dimensões mais sutis ou invisíveis, permitindo
dessa forma o encontro entre as diferentes dimensões e esferas da realidade
multidimensional.

Cada um desses seis setores internos da Nebulosa de M-45 representa


uma carga genética e de memórias celulares de sofrimento pelas guerras e
conflitos raciais com os Draconianos e Insectoides que representam raças que
estiveram por muito tempo na linha de confronto, buscando extrair de forma
dolorosa informações do padrão genético dos humanos, gerando conflitos e
fortes sequelas que perduram nos registros atuais da Humanidade. Essa carga
foi reativada com as manipulações genéticas do grupo de Nibiru através de
Enki e de seus outros colaboradores, presentes em algumas das etnias que se
fundamentaram através das civilizações Suméria, Hebraica, Caldeia, Assíria,
Fenícia, Egípcia, Babilônica e na maior parte do setor denominado Oriente
Médio, gerando uma carga explosiva de dualidade proveniente de M-45. Esta
dualidade estava presente no complexo histórico genético dos humanos e
humanoides de Nibiru e seus mais de 620 Anunnakis e Igigis (Arcanjos e
Arcontes) que foram envolvidos no jogo de poder na Terra e depois nos
conflitos com outros grupos das 22 Delegações e Federações presentes na
Terra. Tudo isso tem relação com a quantidade de informações geradas pelos
hologramas da disputa do poder entre o bem e o mal, que têm sido
codificados pelas religiões para manter a humanidade aprisionada no conceito
do carma e do sofrimento. O mesmo problema ocorreu nos planetas humanos
e humanoides nas proximidades externas da nebulosa de M-45 quando esses
seis grupos expandiram e se envolveram com os grupos externos,
encontrando novamente os antigos algozes draconianos e insectoides,
reabrindo as antigas cicatrizes que fazem parte até o momento de ajustes e
acordos políticos entre os quadrantes controlados pelas diferentes facções
políticas de poder dentro da galáxia e na Terra, no setor de Orion ao qual
vocês pertencem.
Yaberin esteve inserido e desdobrado dentro desse mesmo jogo,
procurando manter seu próprio equilíbrio para ajudar na sustentação da
proposta de reconexão com as altas esferas, mas mesmo ele e seus amigos do
conjunto de 144 Mestres Magos, acabaram tendo mais problemas e
dificuldades do que estava previsto inicialmente. Não somente pelo excesso
de Almas perdidas e clonadas pelos grupos tecnologicamente ativos nesse
jogo, mas também pelo poder tecnológico empregado de forma a aprisionar a
Alma e até o Eu Sou dentro de matrizes de controle cada vez mais eficazes e
complexas. Reverter esse quadro foi uma das mais complexas e delicadas
tarefas onde milhões de Almas e seus Fractais se perderam nos hologramas
que elas mesmas alimentavam na busca pelo poder, com o objetivo de
controlar outros e não para ascender para novas dimensões mais elaboradas
dos planos imateriais. O que agregou ao plano material poderes e tecnologia
que somente existiam nas dimensões do Eu Sou ou do plano Monádico,
alterando assim o padrão harmônico que deveria existir no universo material
até esse momento. Muitas Almas que tinham atingido elevados patamares de
consciência dentro da materialidade acabaram se perdendo ao empregar o
poder do espírito na tecnologia de controle e sustentação do Egocentrismo e
na construção de Impérios Estelares centrados no poder e conhecimento e na
separação de castas e falanges, limitando o retorno à Fonte que Tudo É. Com
essa triste situação bilhões de Almas acabaram tendo o seu regresso
bloqueado à sua própria Fonte na Mônada dentro do tempo previsto e com
isso, o próprio Eu Sou ficou aprisionado nas realidades inferiores, se viciando
na disputa de poder, como em um jogo virtual de videogame. Essa condição
anormal acabou chamando a atenção do alto comando administrativo do
Superuniverso de Orvotón, colocando a Ordem Voronandeck a par de uma
situação nunca antes prevista e inusitada. Foi dessa forma que o Voronandeck
Shtareer acabou iniciando as negociações para reverter esse quadro junto aos
Filhos Paradisíacos e aos grupos de poder por assim dizer, colocando o grupo
de Yaslon Yas de Shinkara para atuar dentro desse desdobramento,
colocando os 144 Mestres Magos no mesmo trabalho e interesse de pesquisa,
com os quais a maior parte de vocês estão envolvidos há muitos bilhões de
anos de sua jornada.

O Planeta Argus foi um dos melhores projetos investidos pelos grupos


da Luz para estabelecer um mundo para a humanidade em perfeito equilíbrio
na aplicação da ciência e tecnologia do espírito no plano material, onde mais
de 230 bilhões de almas estavam inseridas no plano físico de 6D. Foi então
criado um mundo realmente admirável e justamente por isso, invejado pelos
grupos opositores como os Draconianos, Xopatz e os grupos de Sarathen, que
conseguiram uma forma de o destruir depois de muitas tentativas diretas e
traições na trajetória estelar nos últimos 4,3 bilhões de anos pela contagem
terrestre de tempo. Uma segunda tentativa de recriar o sucesso e avanço do
antigo planeta Argus foi justamente o vizinho da Terra Maldek, que possuía
muitas das Almas de Argus. No entanto, o problema de Maldek se baseava no
aumento de Almas com significativos traumas de destruição e guerra, que
eram provenientes não apenas de Argus, mas de vários outros sistemas que
tinham sido destruídos em guerra e pelo uso indevido de tecnologia em busca
do poder pelo poder ou para impor esse poder sobre os outros, como ocorreu
em Arcturos 4, Shaula 6, Shaula 4, Capela 6, Orionis 23, Mintaka 3, Anilam
18, El Niyat 17, Tau Ceti 11, Tau Ceti 7, Boronak, Propus 23, Rigel 15, Rigel
23, Ômega Centauro 8, M-45 Altezara 11, Avyor, Ápice, todos planetas
comprometidos em guerras e conflitos de poder, que transferiram suas almas
para Maldek que acabaria justamente por recriar essas mesmas condições.
Muitas das Almas presentes na Terra têm esse mesmo passado ou até
participaram ativamente do processo encarnacional desses planetas e de suas
conturbadas situações, o que explica a memória celular quântica de guerras,
conflitos e disputa de poder, principalmente dentro do magismo na prática de
magia negra ou em geral, do mau uso do conhecimento do magismo. Essa
condição acabou sendo amplificada na Terra com a incorporação de religiões
por parte dos Anunnakis de Nibiru e de outros setores, quando ensinaram os
humanos a prática de feitiçaria e oferendas para agradar aos Deuses,
desviando assim a tecnologia do Espírito através da prática de magismo mal
direcionado para poder e controle, não pela cura ou pelo amor, colocando
muitos dos ensinamentos de Yaberin e sua equipe na polaridade inversa, o
que gerou destruição e fortes contratos no âmbito da magia negra. Esse tipo
de aprisionamento é um dos mais comuns na atual humanidade terrestre,
sendo que muitos desses contratos estão respaldados pelas religiões que
foram distorcidas para sustentar o poder na mão de poucos e assim controlar
milhões, seguindo os desejos dos falsos deuses degenerados e imersos em
suas conquistas pessoais de poder ou intrigas pessoais. A formação dos
antigos Impérios Estelares dentro da polaridade está baseada na mesma
condição. Na verdade, na Terra nada se cria, tudo é transformado é adaptado
da memória celular que as Almas e os Deuses inseriram na humanidade a
exemplo dos mecanismos de controle que já existiam no passado histórico
dos antigos Impérios. A humanidade ao longo de sua história e especialmente
após o conturbado Dilúvio e suas severas consequências para a órbita
terrestre além da alteração da inclinação de seu eixo, acabou sendo
aprisionada no mais longo e perverso mecanismo de aprisionamento da Alma
que a Terra jamais viu até esse momento de seu longo histórico de
civilizações e relações com culturas de outras dimensões e partes do
universo. Na atualidade ainda existem 22 projetos de manipulação e pesquisa
genética exercidos pelos grupos das Federações e da própria Aliança
Galáctica, com o consentimento do Conselho Galáctico, decorrente dos
ajustes políticos da transferência de material genético de M-45 e de outras
localidades para a Terra nos últimos 3,2 milhões de anos até o presente
momento. Os desdobramentos da consciência de Yaberin acabaram entrando
nesse jogo de poder para tentar equilibrar o jogo, mas nem todos
conseguiram, sendo que muitos acabaram se voltando contra a própria
essência de Yaberin e tiveram que ser desativados atomicamente, para
estabelecer o equilíbrio novamente. Portanto, o desvio do padrão de
consciência da Alma está dentro das possibilidades. Motivo pelo qual muitos
de vocês têm sido perdoados e têm recebido novas oportunidades que no caso
da Terra, estão chegando ao final com o colapso da estrutura solar pelas
torções gravitacionais do seu quadrante estelar.
AS ESCOLAS MÍSTICAS DA TERRA

aberin unificou quase 95% de seus fractais os restabelecendo


Y em sua consciência e tem atuado em muitos desdobramentos junto
aos Mestres da Cúpula de Cristal na Terra e no Conselho Galáctico
para estabelecer as linhas de trabalho entre as diferentes Federações e suas
conexões na Terra física e nas suas dobras dimensionais, o que inclui o
próprio Umbral e divisões internas. O restante de seus fractais foi literalmente
apagado do registro cósmico, para permitir o cumprimento de seu verdadeiro
trabalho no contexto das galáxias de Naoshi. O que Yaberin avaliou ser uma
tarefa fácil e realizável dentro de um fluxo de tempo relativamente curto,
acabou se demonstrando muito mais extenuante e longa do que todos
imaginavam, devido ao envolvimento de Filhos Paradisíacos dentro do
denominado Jogo de Xadrez Cósmico, que até o momento não está
devidamente equilibrado e nem próximo de seu fim como muitos afirmam,
pois existem interesses de abrangência cósmica não apenas entre 3D e 8D,
mas muito além dessa magnitude. Essa participação massiva de interesses
cósmicos se baseia na novidade que foi atuar no patamar da Matéria
Bariônica e acoplar o potencial de Deus ou da Fonte que Tudo É para viver
desse poder, vampirizar e se nutrir de outras formas de vida e ao mesmo
tempo ficar aprisionado dentro desse jogo claustrofóbico para alguns e
supremo para outros.

Essa estrutura acabou criando os centros de controle psíquicos estelares


que vocês chamam de Matriz de Controle, que possui inúmeros patamares ou
camadas de controle e de holografias para manter aprisionadas as Almas e as
consciências que são alimentadas por essas Almas e seus respectivos fractais.
Yaberin acabou por se envolver com muitos desses falsos Deuses e os
desdobramentos dos Filhos Paradisíacos como representante da Confederação
Multidimensional e aprendeu muito também sobre essa dualidade pela busca
do poder sincretizado na fisicalidade dos Sete Superuniversos de Matéria
Bariônica, que representa o percentual mais denso do conjunto local de
Havona e seus 144 Superuniversos multidimensionais. Não esqueçam que
Yaberin está ligado diretamente à energia do Comandante Yaslon Yas que é
um viajante das estrelas e das dimensões, que representa um Almirante/
Chanceler da Supra Confederação, que por sua contraparte está dividindo
cargo e ocupação com o Conselho Goronandeck de Orvotón. Dessa forma
Yaberin acabou obtendo ajuda e compreensão dos desdobramentos desses
Filhos Paradisíacos no universo de Naoshi e nos desdobramentos de suas 49
galáxias e com isso compreendeu o problema que acabou sendo criado nas
esferas da matéria Bariônica e seus desdobramentos dimensionais. Assim,
controlar as mentes dos seres mais densos e divididos pelos conceitos de
dualidade e de religião dogmática foi muito fácil e permitiu a construção de
fantásticos impérios estelares e dimensionais, sob a prerrogativa de um falso
Deus ou Fonte que sustentava o sofrimento e as diferenças sociais em tribos e
castas pelos universos mais densos entre o chamado 3D dos humanos até
cerca de 6D da realidade dos Anjos e Deuses. Vocês estão dentro desse jogo
cósmico há milhares de anos e ainda continuam, enquanto valorizarem as
coisas externas, que é justamente a proposta de sua sociedade. Vocês avaliam
as pessoas pelo que elas possuem e não pelo que elas são ou irradiam
internamente através de seu campo áurico e emocional.

Todos os 144 Mestres acabaram tendo complicações, pois o trabalho


extrapolou a proposta prevista e, portanto, outros 360 Mestres foram
inseridos no jogo e posteriormente, mais 1.440 Mestres foram inseridos no
contexto, totalizando nessa fase dos acontecimentos cerca de 1.944 Mestres
de Luz e de magia, que se reportavam aos 144 primeiros. Criando-se as castas
e esferas de abrangência dos Magos Estelares como são definidos esses
grupos, que na atualidade contam com cerca de 7.000 Mestres espalhados em
centros estratégicos controlando diversos outros grupos formando os
denominados Tronos Estelares. Cada Trono no contexto galáctico sustenta
um desdobramento de 1212 Entidades por Trono e estes por sua vez, um
desdobramento de 77 dentro de cada patamar, gerando um gradiente infinito
de entidades e de Almas comprometidas com a correção do jogo cósmico
desde o ponto de vista do Conselho Voronandeck de Orvotón. Foi então
instaurada uma estrutura que existe nas altas esferas, transferida para os
patamares da fisicalidade através de legisladores vindos das esferas
imateriais, que tiveram que ser transferidos para estabilizar o projeto
Bariônico para evitar o caos total em setores mais comprometidos como no
setor de Naoshi dentro de Nebadon. Estas estruturas passaram a irradiar como
Veladores Silenciosos desde estrelas massivas, pulsares, quasares e Portais
Estelares e a criar gradualmente os grupos de apoio e ascensão através dos
grupos e das raças escolhidas para representar a Luz e as leis cósmicas
harmônicas, gerando assim a seguinte estrutura no universo da materialidade
da mesma forma que ocorre no plano imaterial:

AMOR = HARMONIA

Esta diretriz passou a ser a estrutura dos grupos que representariam as


forças da Luz e dos grupos que formatariam a transcrição das Diretrizes da
Confederação para os grupos das Federações e das diferentes Alianças
Galácticas e Estelares que foram e ainda estão sendo formatadas no universo
abaixo de 9D, para restabelecer o equilíbrio do experimento material
Bariônico. Assim surgiu a contraposição de controle psíquico e espiritual em
relação ao abuso de poder dos grupos negativados pela sede de poder dos
Filhos Paradisíacos que tinham se perdido no controle de seus filhos e
criações, gerando o movimento de equilíbrio. Este movimento partiu do
Conselho Voronandeck e Goronandeck, sendo colocado em pauta em todos
os 7 Superuniversos Bariônicos que orbitam o centro gerador dessa célula
chamada Havona, que não é a única como se imagina e tem sido “canalizado”
por alguns grupos. Nunca se esqueçam que o universo é multifatorial, muito
além da matriz de hologramas inventada para vocês. Essa e outras mentiras
fazem parte do jogo de controle psíquico que contamina a humanidade há
milhares de anos, pois as atitudes dos seres humanos em geral demonstram
que mesmo que alguns estejam evoluindo e despertando, a grande população
humana atual tem decaído muito em seus princípios de harmonia, cidadania,
amor ao próximo, respeito e diversos outros conceitos que fazem uma
sociedade evoluir para um novo patamar social.

Esta configuração que deu origem, ou melhor, trouxe do plano imortal e


imaterial os Tronos para as estruturas administrativas dentro dos universos de
Matéria Bariônica, acabaram gerando o modelo do Cristo Cósmico em
oposição ao modelo do Anticristo, como a humanidade entende, valorizando
a dualidade dentro de sua psique, o que também é um holograma dentro dos
diferentes planos de existência e de compreensão da energia criacional no
universo material. Esta dualidade foi intensificada gradualmente à medida
que os tronos exerciam sua função e iniciavam a transferência de guerreiros
da Luz, iniciando o trabalho de despertar da consciência e oposição aos
grupos negativados, situação que foi vivida por Yaberin inúmeras vezes em
missão em planetas que aceitaram a dualidade como modelo de vida
distorcendo os valores da espiritualidade Crística, gerando com o tempo as
guerras pelo poder para controlar outros seres. Vocês estão dentro desse jogo
e devem entender que os seus hologramas fazem parte desse mesmo jogo,
onde vocês têm que buscar o caminho harmônico para poderem sair dos
próprios contratos de aprisionamento físico e astral que mantêm vocês presos
a instituições falsas que acreditam ser cidades e templos de Mestres, mas na
verdade são apenas cidades sutis, onde a vida continua à medida que o seu
cristo interno é trabalhado e protegido da vaidade, egocentrismo e da busca
pelo poder sobre os outros.

Yaberin acabou tendo desdobramentos e trabalhos em diversos centros


estelares como já sabemos, mas, no entanto, vocês fazem parte desse mesmo
jogo e neste momento estão rompendo mais contratos ao lerem este texto
iniciando um trabalho conjunto com Yaberin de liberação de energias
holográficas do passado. Para desenvolver o trabalho de liberação ou quebra
dos contratos, devem solicitar sua presença nas projeções astrais nos centros
educacionais ou universidades etéricas, para continuarem as tarefas de quebra
desses contratos e revogação dos hologramas e demais questões que ainda
estão inseridas no repertório Terrestre e nas Federações. No plano astral
existe um trabalho bem avançado junto aos Tronos e as falanges de
Coroados, que estão sustentando a identificação e liberação das Almas na
Terra que fazem parte do grupo inserido no relacionamento com os 144
Mestres magos desde os tempos iniciais. Somente o fato de vocês tomarem
conhecimento de seu envolvimento como alunos e de sua tarefa de liberação
na Terra, isso já ajuda nas associações junto aos tronos superiores para
amplificar os trabalhos existentes desenvolvidos pela Fraternidade Branca,
Cura Quântica Estelar e outros mecanismos para a ascensão desse grupo de
Almas. Os Cavaleiros da Luz como são denominadas muitas das entidades do
plano astral, encontram-se inseridos em diversos programas de ajuda no
despertar de consciência, realizando no plano astral e nas diversas cidades ou
templos importantes projetos que têm como fundamento atuar nos fractais de
alma de vocês, sua linha de ancestralidade e por fim na consciência pessoal,
para romper as travas da ilusão do carma, da culpa e do medo que foi inserido
no decorrer dos ciclos encarnacionais na Terra desde o Dilúvio, que
representa uma das eras mais negras de seu planeta.

O Mestre Yaberin, entre algumas de suas atividades na Terra, teve uma


profunda ligação com outro Mestre estelar que se inseriu na sociedade
humana para ajudar as Almas de Sirius, Orion e de outras localidades. Um
desses seres foi conhecido como Hermes Trimegisto, que também é
associado ao Trono de Thot através das lendas e de canalizações sobre os
filhos de Enki que representa um ser dessa Ordem Estelar pelas escrituras
humanas. Yaberin e Hermes tiveram parceria na elaboração de escolas
herméticas ou escolas de magismo e de despertar do conhecimento e juntos
sustentaram projetos de transferência de Almas de um plano para outro, para
inserir Mestres no processo encarnacional da humanidade, para acelerar a
evolução dos humanos que tinham sobrado, ao serem implantados
geneticamente depois do Dilúvio. Como Hermes era literalmente um
Extraterrestre ou um Deus pelo entendimento humano, a colaboração de
Yaberin o coloca na mesma situação, pois Yaberin nunca encarnou na Terra,
mas esteve e ainda está presente nas esferas etéricas e nos templos superiores,
onde Hermes ainda atua para ajudar nas tarefas da Operação Resgate que foi
proposta para o vosso planeta e parte de sua civilização. Do ponto de vista
cósmico, os Sirianos inseriram muitas informações e escolas na Galáxia,
sendo a Ordem de Thot uma das mais antigas transferida para a Terra por
Enki a pedido do Mestre Ashirion, iniciando uma nova fase colaborativa
entre Nibiruanos e a Aliança Galáctica depois dos problemas que foram
causados pelas guerras e disputas de poder desse grupo com as 22
Delegações.

O papel dessas escolas associadas ao Deus da sabedoria e da escrita Thot


ou de Hermes, era justamente traçar uma linha de ascensão para todas as
Almas aprisionadas ou exiladas na Terra, não importando sua origem e assim,
dar oportunidade a todos. Ao mesmo tempo, fazer a seleção das Almas e
fractais que estavam sendo identificados para os futuros programas
planetários do Comando Estelar e do Conselho Planetário da Terra. Na Terra,
essas escolas secretas estavam inseridas em diferentes localidades e possuíam
funções diversas dentro dos ensinamentos e sua aplicação junto aos diferentes
grupos de humanos e Almas envolvidas. Cada parte da Terra receberia uma
parte do conhecimento, que foi dividido para testar o caráter dos humanos e
sua capacidade de ascensão. Neste conceito muitos aspectos recaem sobre
Enki que se envolveu demais emocionalmente com as manipulações humanas
e acabou confrontando seu filho Marduk e sua sobrinha Inanna, o que
acabaria gerando muitas alterações na proposta original do Conselho da
Cúpula de Cristal da Terra. Esse contexto tem relação com muitos dos atuais
buscadores da espiritualidade nas diversas linhas, pois os registros de seu
envolvimento com as antigas escolas de mistérios e seu relacionamento
devocional com os Deuses do passado se mantiveram, principalmente no
setor da Mesopotâmia e gradualmente em todo o setor central entre o Egito,
Oriente Médio, Ibéria, África, Grécia, Itália e arredores, como o centro
cultural de sua civilização junto aos lendários Deuses do passado. Cada
permanência ou participação dentro dessas Escolas, acabou criando contratos
positivos e outros negativos, conforme a busca e índole dos alunos, que em
muitas oportunidades buscavam o poder e não o simples conhecimento e
compreensão sobre si mesmos. Na atualidade Yaberin tem atuado junto ao
Ancoramento dos alunos da Cura Quântica Estelar e do Orixá Reiki, no
sentido de resolver essas pendências e remover contratos e magismos do
passado, assim como os hologramas de carma e sofrimento associados a essas
antigas escolas e aos Deuses, trabalhando através dos Tronos de cada falange
de entidades que vocês possuem em conjunto com a Ordem Santa Esmeralda
e os outros grupos do Comando Estelar e Conselho Evolutivo da Terra.

Entendam que o problema não está nas Escolas do passado ou do


presente em suas vidas ou histórico, mas na postura que vocês adotaram
perante os ensinamentos que receberam e como os utilizaram. O Nibiruano /
Pleiadiano Enki e suas equipes passaram muitos ensinamentos positivos
desde o cultivo de lavouras, pastoreio de rebanhos e os conhecimentos da
geometria sagrada, matemática, escrita, religião, sendo que uma parte dos
humanos Lulus como eles denominavam, empregaram esses conhecimentos
para a prosperidade, mas outros seres que tinham as suas Almas já viciadas
por desvios de conduta desde os Sistemas Estelares de Capela, Tau Ceti,
Shaula, Orion, M-45 e outras localidades, acabaram novamente se desviando
por atitudes e ações negativas, dando início à dualidade pelo poder e pela
riqueza sem limites. Esse desvio não pode ser atribuído a Enki e a nenhum
dos outros Anunnakis ou mesmo a outros grupos. No entanto, também é
necessário buscar uma solução dentro de vocês para limitar esse desvio de
consciência enquanto ainda têm tempo na Terra antes do Colapso Solar e de
outros acontecimentos. Com o passar do tempo alguns seres negativados e
entrantes negativos acabaram por edificar escolas relativas aos ensinamentos
da Ordem do Dragão Negro (ODN) e aliciar humanos para serem treinados
como verdadeiros Magos Negros. Infelizmente, um fato real no histórico
conturbado da Terra e da humanidade logo depois do Dilúvio. Vocês se
encontram atualmente neste mesmo dilema, pois à medida que buscam ajuda
e vão estudando sobre magismo, plano espiritual e entidades existentes,
muitos recaem no uso indevido ou negativo dessas informações, enquanto
que poucos realmente buscam ajuda para se libertar dos hologramas da Terra.
A busca tem sido difícil e continuará enquanto o coração não estiver focado
na harmonia para receber o apoio do seu Ancoramento e das equipes do plano
espiritual.

A relação de vocês com o Mago e Mestre Yaberin vai depender de sua


postura e na solicitação de trabalhos conjuntos que busquem resolver
definitivamente os entraves do passado e enquanto mostrarem um foco
evolutivo e mudança para uma emissão de energia mais positiva dentro do
reto viver e do reto agir. A mudança verdadeira é a chave para criar a
condição de evacuação planetária e a proposta da ascensão em relação ao
plano físico que vocês entendem como 3D. Cada um de vocês está
relacionado com um jogo cósmico entre diferentes grupos de poder,
representando na linha existencial diferentes Filhos Paradisíacos ou
simplesmente Deuses Criadores, que possuem capacidades além da mera
tecnologia na realidade da Matéria Bariônica. Esses seres em parte podem ser
seus pais cósmicos ou não, mas mesmo que sejam, vocês têm o direito divino
de não seguir suas diretrizes e cocriar as próprias com base na sua evolução e
coração, sem serem controlados por hologramas. Esta escolha é difícil e tem
sido evitada desde tempos imemoriáveis nos outros sistemas estelares muito
antes da criação da Terra. Neste atual ciclo planetário, cada um de vocês tem
que fazer escolhas e seguir adiante para os momentos finais de sua
experiência na Terra e com base nessas escolhas assumir as consequências
positivas ou negativas. Chegou o momento de assumir a responsabilidade por
seus atos.

O caminho que cada um de vocês tem pela frente é na verdade resultado


de suas ações, forma de pensar e sentir, o que gera o conceito moderno de
ação e reação que muitos entendem erroneamente como carma e darma. Na
verdade, o processo depende do padrão de energia psíquica e emocional que
cada um gerou ou cocriou no seu processo encarnacional depois que saiu do
fluxo de energia do seu Eu Sou. O Mestre Yaberin fez parte em muitas das
antigas etapas e desde o ano de 1958 está presente na vida de muitos através
do acoplamento das entidades da ancestralidade e das universidades
extrafísicas, ajudando vocês na nova diretriz de ascensão e caminhos a serem
oferecidos para cada um através da intuição.

Um dos papeis mais importantes que o Mestre Yaberin tem realizado


neste momento, desde que surgiu através do canal e fractal de Rodrigo Romo
com a Cura Quântica Estelar e depois o Orixá Reiki, é realizar a ponte de
equilíbrio e ajuste entre o Mentor da Cura Quântica Estelar e os alunos
sintonizados, criando programas de ascensão e propostas de resgate pessoal,
remoção de hologramas e acordos com o Ancoramento. Esse trabalho tem
relação com as limpezas de contratos com esses deuses do passado e ao
mesmo tempo com os hologramas tanto do umbral, astral e da fisicalidade
terrestre que acabaram gerando as escolhas e cocriando o atual
aprisionamento na Terra e limitando a percepção sensorial no contexto da
espiritualidade. Cada um de vocês é um fractal de uma Mônada de pequenas
dimensões que os humanos denominam de Eu Sou, que é o centro gerador e
sustentador de sua Chama Trina, que é o ponto de conexão com a radiação de
Táquions e Neutrinos do universo além da estrutura Bariônica do universo
material. Portanto, o corpo material representa no máximo 4% do conjunto de
energias energética e espiritual de cada um de vocês, sendo que nem mesmo
esses 4% vocês conhecem ou entendem.

As escolas herméticas ou escolas de magia que a Terra teve em sua


história antes e depois do Dilúvio, têm várias fases de operação dentro do
complexo problema da rota orbital do Sistema Solar através da Zona Neutra,
sob o domínio dos rebeldes e da Ordem do Dragão Negro, que acabou
dominando e se infiltrando permanentemente no processo evolutivo das
diferentes civilizações e humanidades. Muitas escolas da luz acabaram sendo
engolidas pelas trevas através de pessoas e agentes infiltrados que desviaram
muitos de vocês do processo original previsto como guardiões e emissários
da Federação e de outros grupos estelares, se perdendo na rede de hologramas
em busca do poder e riquezas.
Yaberin acabou intervindo em muitas situações, colocando bloqueios e
até mesmo confrontando diretamente os grupos rebeldes quando estavam
encarregados dos projetos dos Mestres e dos interesses dos Filhos
Paradisíacos dentro da mesma proposta de Micah e seus similares, criando
um movimento disciplinar dentro das escolas herméticas de forma dura e em
muitos momentos incompreensível para os humanos que nelas participavam,
sem a percepção de sua própria fragilidade emocional e psíquica. A disciplina
faz parte do processo de limitar e impor regras para que os alunos com o
tempo percebem suas próprias fraquezas frente ao poder que o conhecimento
oferece, mas as forças rebeldes sempre acabam desviando os alunos ao
oferecer aquilo que cada Alma carece intimamente, devido à distância de sua
fonte original, que é no mínimo o Eu Sou de cada um. Com isso os Rebeldes
acabaram atraindo e aprisionando na sua rede de hologramas milhares de
alunos que o Mestre Yaberin tem tentado resgatar gradualmente através da
linha de entidades e Orixás no plano astral e umbralino. A grande parte das
escolas místicas foi transferida para o plano astral nas várias magnitudes de
frequência e localidades do planeta para garantir que a luz não se perdesse.
Essa luz é o conhecimento e ao mesmo tempo escolas de iluminação que os
alunos continuaram frequentando depois de sua passagem física para o astral
e assim acabaram ascensionando e fazendo parte das equipes do plano
espiritual, como é o caso dos Orixás de Aruanda e de tantas outras naves
orbitais e templos etéricos. Em muitas situações Yaberin foi o “anjo” ou
“mentor” que induziu vocês a passarem para esses templos e posteriormente
trabalharem nos resgates junto aos seus familiares e outras linhas de tempo,
onde vocês tinham questões e pendências a resolver. Esta situação no
momento se mantém através do Ancoramento da Cura Quântica Estelar,
Orixá Reiki, Método Voronandeck e outros mecanismos da Rometria.

O desvio das antigas escolas de magismo ocorreu justamente pelos


agentes infiltrados que acabaram usando o conhecimento e o poder da magia
e das capacidades de controle psíquico e mediúnico nas pessoas mais fracas e
devocionais como meio de controle, gerando os dogmas que são a base das
religiões do mundo. Acabaram infiltrando entidades do plano astral para usá-
las como falsos Deuses e Divindades que exigiam obediência e idolatria dos
humanos, iniciando assim o controle e o poder dos Rebeldes da Zona Neutra
infiltrados nos mais diversos setores da Terra, o que acabou desviando mais
de 90% dos exilados dos planetas que já tinham tido problemas com o
magismo e desvios de comportamento. Portanto, o processo foi muito fácil de
estabelecer na Terra, pois já existia um histórico no uso indevido do
conhecimento e do poder por parte dos milhões de almas em exílio na Terra e
os missionários não conseguiram bloquear esse processo sem entrar na guerra
e no conflito direto e em muitos casos, acabaram no umbral ou astral
decorrente do sofrimento que viveram no processo físico quando suas
familiais foram dizimadas para tirar esses missionários de seu equilíbrio e
desviá-los de sua proposta original. Muitos de vocês tiveram sua vida pessoal
destroçada pelos magos negros quando lutavam por seus ideais e pela ordem
dentro das escolas de magismo e depois, na própria sociedade da qual faziam
parte, tendo suas famílias perseguidas e aprisionadas nos mais terríveis
projetos de dominação, destruindo suas crenças e seu poder interno, gerando
em vocês a energia da vingança e do ódio e colocando muitos de vocês na
linha do umbral com mortes trágicas. Em muitas dessas situações alarmantes
o Mestre Yaberin não conseguiu libertar vocês na totalidade, tendo êxito
somente no plano astral ou umbralino, conforme a situação de cada um de
vocês, colocando-os novamente numa proposta de equilíbrio, mas muitos não
mais aceitaram essa linha de resgate e acabaram se desviando do propósito
original dando início a ciclos encarnacionais convencionais dentro dos
hologramas terrestres, ficando desconectados por centenas de anos e dezenas
de encarnações no plano físico e astral da Terra.

Os grupos Rebeldes acabaram criando arquétipos negativos de adoração


no plano astral, como deuses do inferno e senhores do sofrimento, onde os
humanos eram aprisionados e colocados como escravos no plano astral.
Assim formataram o Umbral e seus diferentes patamares de energia e bolhas
Dakar de aprisionamento das Almas que vibravam nessas mesmas
frequências, gerando o processo encarnacional no astral negativo e a
clonagem dessas Almas, amplificando a rede de controle sobre a Terra,
situação que foi oportunamente aplicada no momento que a órbita da Terra
estava dentro da Zona Neutra por cerca de 10.200 anos do tempo terrestre. O
suficiente para gerar a cada ciclo o controle total sobre o planeta e inserir
mesmo durante o ciclo de 10.200 anos do controle orbital da Aliança
galáctica inúmeros projetos de sabotagem e de almas aprisionadas nas bolhas
Dakar interdimensionais entre os planetas ainda dentro da Zona neutra,
gerando portais de comunicação com a Terra e garantindo seu poder, mesmo
quando a Terra estava fora de seu alcance direto. Cada um desses arquétipos
malignos sustentava os portais para a prática do magismo, com sacrifícios de
animais, de humanos sem o devido fundamento da troca de vida e com isso
alimentando almas presas no umbral e garantindo o poder sobre a
emocionalidade dos humanos que voltavam a encarnar na realidade humana.
E assim o planeta foi dividido em localidades e territórios onde as almas
encarnavam de acordo com seu padrão de energia, criando zonas de conflito
permanente e setores mais evoluídos, como ocorre na atualidade da Terra,
dividida por religiões e questões políticas, sendo algumas muito mais
equilibradas do que outras, o que é reflexo direto desse processo implantado
há centenas de anos pelos rebeldes. Cada um desses seres e seus respectivos
arquétipos acabaram gerando com o tempo dogmas e posteriores religiões de
adoração e submissão, criando o “medo” de Deus e das divindades,
colocando nelas o conceito de castigo e obediência obrigatória e assim a
humanidade nos últimos 80.000 anos passou a viver pelo medo e não mais
pelo amor, o que foi implementado pelas disputas de poder da família de
Enki e Enlil e pelos grupos das 22 delegações. Esse contexto todo acabou
acentuando a dualidade na psique dos habitantes da Terra, mesmo naqueles
que não eram humanos da linha do Homo Sapiens, pois antes do Dilúvio
haviam dezenas de outras etnias e raças, muitas não humanas que viviam na
superfície do planeta e estavam inseridas no contexto político e no processo
encarnacional de exílio ou de missão colonial na Terra, de forma que todos
acabaram sendo absorvidos por essa egrégora pesada de poder e medo. Ao
mesmo tempo, os Anunnakis também acabaram sendo afetados, causando
neles um embrutecimento e envelhecimento que não esperavam. Yaberin
dentro desse processo mesmo como viajante temporal, acabou tendo severas
dificuldades para manter o controle e não se envolver, situação que fez com
que atuasse a partir da Cúpula de Cristal e não interferisse durante muito
tempo e só buscasse resgatar e atuar com seus discípulos mais equilibrados.
Perdendo assim mais de 75% de seus discípulos devido aos problemas
enfrentados pelas civilizações terrestres nesse período negro do poder dos
Rebeldes sobre o Sistema Solar.

Muitos de vocês acabaram caindo em desespero pelo abandono, pois a


frequência da Terra caiu de forma crítica, obrigando a Aliança Galáctica e a
Cúpula de Cristal a ativar a Barreira de Frequência para colocar a Terra em
quarentena mesmo dentro da Zona Neutra, o que foi uma maneira política e
estratégica de inserir agentes da Luz e delegações da frota dentro da Zona
Neutra sem ferir o tratado de Equilibrium que foi ativado pelo Comandante
Yaslon Yas durante a grande guerra de Orion, decorrente do abuso de
tecnologia destrutiva que levou mais de 23 estrelas ao processo de
singularidade e mais de 170 planetas desintegrados no setor central de Orion.

A Zona Neutra foi ativada e delineada durante os acordos que Yaslon


obrigou os membros das facções da guerra a estabelecer para impedir a
desintegração gradual através das torções gravitacionais do eixo Orion-bojo
galáctico e dos outros braços espirais da galáxia que acabaram sendo
profundamente afetados pelas detonações das bombas de quark pesado que
provocam a singularidade ou simplesmente buracos negros que engoliam as
estrelas alvos desses artefatos gerando o desequilíbrio gravitacional desses
setores, o que acaba diretamente por criar alteração na pressão gravitacional
das membranas Brana entre as diferentes dimensões que contêm os universos
do multiverso. Essas torções de ondas gravitacionais acabam por criar a
ativação prematura das estrelas em seus pontos de entroncamento e ativam o
processo de supernova, estrela de nêutrons ou colapso nuclear das estrelas, o
que coloca em risco toda a vida no entorno dessas estrelas entre a faixa de
dimensões e frequências mais débeis como no caso da vida biológica abaixo
de 6D, criando severos problemas para os grupos que têm a função de
corrigir e equilibrar esses processos. Decorrente dessa gravidade dos
mecanismos destrutivos da grande guerra de Órion em suas diferentes fases e
localidades, o Almirante e Goronandeck Yaslon Yas tomou a decisão de
intervir na guerra sem sentido e colocar delimitações setoriais no setor
atingido, sendo que a Zona Neutra é o ponto de limite fronteiriço entre as
duas polaridades que se confrontavam no passado relativo. O problema é que
o Sistema Solar percorre essa zona por mais de 10.200 anos de sua contagem
de tempo, criando assim as condições de coordenação e controle dos rebeldes
sobre o seu Sistema Solar inserindo as Almas negativas e exiladas do setor
afetado pelo controle mental e neural dos rebeldes e sua tecnologia nefasta de
submissão dogmática. As Almas dentro da estrutura da Terra, acabavam
sendo relocadas em diferentes frequências para poderem ser ajudadas pela
caridade e paciência dos grupos da Aliança Galáctica. Com o tempo, o grupo
das 22 Delegações solicitou a autorização para desenvolver vários projetos
tecnológicos com o DNA e realizar diversas combinações genéticas,
buscando melhorar o gradiente energético dessas Almas dentro de corpos
geneticamente desenvolvidos e assim solucionar o problema dos exilados
perdidos no fluxo temporal da Terra e dos outros 36 planetas de exílio, o que
obteve autorização imediata do Conselho da Aliança Galáctica, permitindo
que novos seres entrassem no jogo político da Terra, mesmo quando o
planeta se encontrava dentro da Zona Neutra. Essa ação limitou ainda mais as
ações dos grupos Rebeldes em seu centro de poder, mas os paradoxos de
realidades alternativas acabaram sendo amplificados acima do esperado como
efeito colateral das ações dos grupos das Federações que estavam protegidos
pelo tratado com a Aliança Galáctica e grupos anexados.

Nessa fase dos acontecimentos o viajante temporal Yaberin e outros do


grupo dos 144 Magos Estelares e da Ordem Kumara, Ordem Amarylis e
outros grupos, deram início à busca pela localização das Almas perdidas
desde antes do processo de dualidade na Via Láctea quando ocorreu a guerra
entre os Xopatz de Arconis contra os grupos da Aliança de Andrômeda,
quando Yaslon entrou para ajudar essa Aliança de Andrômeda com sua
equipe da Confederação, iniciando o desdobramento de inúmeras situações e
complexos processos na linha do tempo. Yaberin, que é parte da energia do
Yaslon, acabou sendo enviado à Via Láctea numa linha de tempo anterior
quando a maior parte das Mônadas ainda não tinha se desdobrado, o que
significa a própria formação estrutural da Via Láctea, indo até mesmo antes
de seus processos de efusão em Sirius, Canopos e em outras moradas que já
foram relatadas no início deste livro. Decorridos quase 10 anos desde que o
canal Rodrigo Romo iniciou este manuscrito, ele deu continuidade no final de
2015 e agora em 2016 deverá finalizar definitivamente esta parte do material
para poder assim enquadrar a restauração do manuscrito de Yaslon Yas, para
estabelecer o entendimento de todas as Almas que se encontram perdidas no
fluxo encarnacional e na projeção abaixo de 20D. Dessa forma, Yaberin
acabou sendo projetado para diferentes linhas de existência da Via Láctea, o
permitindo fazer parte do grupo restrito de 144 Mestres magos Temporais e
estar presente nos locais e nos sistemas onde a maior parte das Almas e dos
Eu Sou acabariam acoplando na busca pelo conhecimento da dualidade e pela
capacidade cocriacional. O que acabou sendo uma ótima proposta, porém
muito complexa, quando ocorreu a chegada sem comunicação prévia de
milhões de Filhos Paradisíacos das altas esferas de outros Universos Locais e
de outros Superuniversos, gerando uma alta complexidade para quem era
proveniente de Superuniversos com menor gradiente de energia e portanto
menos dualidade ou parcialmente nenhuma, colocando um excesso de
trabalho nas costas de Yaberin e do grupo com o qual trabalhava e sustentava
suas pesquisas no fluxo temporal. Dentro desse processo é que uma grande
parte de vocês se encontra, perdidos pelo menos por 11 bilhões de anos da
contagem terrestre de tempo linear e executando funções encarnacionais que
não deveriam ter ocorrido ao longo desse tempo, pois se esperava dessas
Almas que tivessem atingido 85% no mínimo do contingente de energia e
ascensionando com todo o aprendizado necessário. O que evidentemente não
ocorreu e apenas 28% desse contingente conseguiu seguir adiante e se
reconectar com sua essência e fonte parcial e depois primordial. Com esse
procedimento de viagem temporal como um pêndulo indo e voltando,
Yaberin conseguiu localizar milhares de Almas e seus ciclos encarnacionais e
estar junto com os outros 143 Mestres magos presentes para dar sustentação e
apoio quando possível, conforme as escolhas que foram realizadas no jogo da
dualidade e do poder, mas apenas 28% foram capazes de transcender para
patamares além do ego, vaidade e poder sem sentido, pois acabaram
aprisionados nas suas próprias criações e percepção limitada.

Yaberin nesse contexto todo, acabou inserindo rastreadores ou


marcadores na Chama Trina dessas Almas para conseguir segui-las no fluxo
existencial e nas miríades de realidades do multiverso. Dessa forma ele
também acabou se perdendo no fluxo existencial e teve que se desdobrar em
fractais para poder estar em vários locais ao mesmo tempo, entrando em
ciclos encarnacionais que não estavam previstos inicialmente e sem a
aprovação do Yaslon Yas, o que foi um peso ao se dar conta que possui
fractais espalhados sem sua autorização no amplo fluxo da dualidade
existencial da Via Láctea e algumas além dela. Na verdade, a Ordem do
Dragão Negro estava presente desde o início através do desdobramento dos
filhos de Anhotak que desejam o poder absoluto dentro do jogo da energia
Trina que tinha sido proposta por Micah e suas equipes em conjunto com
Shtareer, criando uma linha paradoxal em outros níveis de energia, que nem
mesmo Yaberin, Yaslon e os membros da Supra Confederação detectaram
nessa fase, achando que era apenas uma possibilidade que não seria utilizada
pelo grande risco de fracasso e ao mesmo tempo de implosão de vários
setores do multiverso. Não se acreditava na percepção autodestrutiva e
suicida dos grupos da Ordem do Dragão Negro nessa fase dos
acontecimentos. Essa Ordem foi estabelecida pelo grupo de Sarathen que
criou um domínio capaz de controlar várias galáxias e estabelecer seu poder
psíquico no DNA de milhares de espécies, conquistando o controle absoluto
dessas localidades, expandindo o poder gradualmente e corrompendo os
locais invadidos.

Os grupos de oposição ao avanço das hordas do Dragão Negro tinham


como posição a não-agressão e procuravam se defender ou sair das
localidades de confronto, perdendo terreno gradualmente e de forma
inexorável para a Ordem do Dragão Negro. Enquanto que aqueles que se
atreviam a confrontar sustentavam guerras dolorosas com vitórias e derrotas
ao longo de sua existência, gerando dualidade e consequentemente a dor e
estagnação sem o processo de elevação vibracional. Poucos conseguiram
sublimar o sofrimento e dar início à ascensão para dimensões superiores, por
isso o grupo não superou os meros 28% de Ascensos e vitoriosos nesse
processo de muita dor e catástrofe para quem viveu essa trágica era do
histórico galáctico e temporal. Na verdade, Yaberin acabou caindo nesse
processo como testa de ferro do Yaslon e de sua equipe da Supra
Confederação e seus agentes espalhados nos diferentes planos de consciência
e localidades do conjunto de Naoshi, usando as informações dos 144 Mestres
magos e dos que posteriormente foram inseridos no jogo de xadrez cósmico e
assim procurou equilibrar a polaridade de poder entre os diferentes grupos e
evitar a destruição galáctica de determinados setores eliminando o maior
gradiente possível de torções gravitacionais.

As torções gravitacionais são um problema técnico bem sério que


envolve não apenas o universo local, mas os vizinhos que compartilham a
mesma membrana Brana de estabilização dimensional e do quantum de
energia que a estabiliza no conjunto de torções e produção de energia.
Quando uma torção ocorre existe uma sobrecarga que pode gerar distorções
temporais ou até mesmo a explosão e ruptura dessa membrana, equivalendo a
uma gigantesca explosão e desintegração de estrelas na forma de explosão de
supernovas e quasares emanando poderosas radiações além do espectro
conhecido da humanidade, capaz de desagregar a Matéria Escura da Matéria
Bariônica e assim criar instabilidade total da vida e dos neutrinos que
sustentam a Alma na matéria. O que seria um caos e geraria até mesmo a 3ª
morte cósmica afetando diretamente a Mônada, se estiver no quadrante
dessas torções. A gravidade dessa situação fez com que o grupo restrito da
Supra Confederação atuante no setor de Naoshi através de Yaslon Yas,
Alcon, Onara, Palanises, Surya, Samanael e seus respectivos enviados
acabasse se envolvendo no alto patamar da unificação das delegações de
Naoshi e criasse a Federação Intergaláctica, que é confundida pelos
canalizadores humanos como sendo a Confederação Intergaláctica, para
estabelecer projetos e tecnologia de defesa e auto sustentabilidade na linha de
evolução dos grupos que não queriam entrar na linha de confronto direto com
a Ordem do Dragão Negro e ao mesmo tempo oferecer resistência e
bloqueios efetivos à sua expansão. Nesse processo, os 144 Mestres magos
acabaram tendo importantes atribuições e tarefas de espionagem para
estabelecer os parâmetros de defesa para essa liga das Federações das 49
galáxias de Naoshi.

Yaberin nesse processo acabou acumulando inúmeras funções e os


desdobramentos que não estavam previstos, quando por conta própria tomou
as atitudes necessárias para executar suas novas funções e auxiliar seu grupo
de agentes que acabou contratando ou contatando no decorrer do processo.
Muitos deles são vocês que neste momento estão lendo este livro. Sim,
alguns de vocês são filhos direto do Yaberin, outros colaboradores e alunos
dele no fluxo dos acontecimentos políticos dos últimos 11 bilhões de anos
aproximados de Naoshi desde o desdobramento do seu Eu Sou.

Na atualidade de sua linha temporal, Yaberin trabalha no ajuste do


Mentor da Cura Quântica Estelar com a linha de ancestralidade pessoal de
cada aluno que foi sintonizado no plano físico. E no plano extrafísico pelo
Shiva Hama Kur e pelo Shtareer, criando assim um banco de dados e
estrutura como um Trono dentro da Ordem Santa Esmeralda que vocês,
ligados aos cursos de Rodrigo Romo, se encontram interligados e trabalhando
nas outras esferas das realidades etéricas sem ter a percepção disso no plano
físico de suas vidas. Com isso os resgates do processo negativo do passado
têm sido reduzidos gradualmente, gerando um movimento conjunto de
resgates e remoção de contratos e hologramas no decorrer dos últimos anos.
Criando assim uma nova fase de evolução para estabelecer os parâmetros
mínimos individuais do salto quântico pessoal em relação ao futuro da Terra
e do contexto espiritual onde cada um está envolvido junto com sua família
espiritual. Assim, ajudar no ajuste e no gerenciamento entre o acoplamento
dessa família espiritual e o seu processo terrestre de percepção sensorial
através do Ancoramento é uma das funções atuais dos alunos dos cursos de
Rodrigo Romo, criando dessa forma uma ponte definitiva com as outras
esferas e garantindo o processo de ascensão para não mais encarnar na
realidade física da Terra. No entanto, para isso torna-se indispensável a
utilização e unificação de consciência com o seu Ancoramento diariamente,
criando assim a nova fase vibracional para que esse equilíbrio se mantenha e
vocês possam fazer parte dessa nova frequência mais estável e segura perante
o futuro do planeta e dos acontecimentos sociais, políticos, econômicos e
geológicos que ainda virão.

Cada um de vocês nessa fase da vida e do processo vibracional da Terra


está em linha de colisão direta com eventos muito sérios e transformadores
em suas vidas, que servem como catalisadores da energia necessária para que
as mudanças sejam realizadas o quanto antes. Mas, partindo de dentro de
vocês e não do externo, como normalmente é feito pelos místicos, que
mesmo sabendo dessa informação ainda insistem em buscar fora o que
sempre esteve dentro, dando forças às entidades e seres negativos à sua volta
que acabam colocando pessoas negativas que irão desviá-los de seu objetivo
original, muitas vezes decorrente de suas próprias falhas de caráter e do ego,
vaidade e vontade de possuir além dos outros, acabando por repetir os antigos
padrões e executar as informações dos implantes e dos contratos de
aprisionamento terrestre.

Dessa forma, os fundamentos das antigas escolas místicas da realidade


física da Terra e da antiga humanidade foram preservados nos outros planos,
pois a maior parte deles se transferiu para o plano astral e construiu os
Templos dos Mestres e das diversas organizações conforme a localidade e a
cultura de cada grupo do planeta na linha temporal. Com o tempo Yaberin
iniciou a integração e reunificação desses templos através do Templo dos 22
Raios e criou um programa para matricular no plano astral todos os antigos
alunos perdidos e colocar fases na sua vida física, para gerar o movimento do
despertar e das mudanças em seu comportamento, criando o movimento da
ascensão. Todas as antigas escolas acabaram sendo inseridas de alguma
forma no novo padrão do Templo dos 22 Raios na Amazônia brasileira,
tornando-se um novo celeiro de crescimento e oportunidade para milhões de
Almas perdidas, mas no plano astral e não no plano material como muitos
sempre acreditaram. Os projetos das antigas escolas foram modernizados
com a informação da realidade extraterrestre, dos grupos de exílio e todo o
contexto que tem sido gradualmente exposto nos livros de Rodrigo Romo,
para gerar o despertar no plano astral e alinhar definitivamente o corpo
criogênico de vocês com o córtex cerebral entre a parte humana encarnada e a
parte criogênica gerando a fusão definida para cada grupo e ascensão nos
parâmetros que foram estabelecidos para cada um.

A transferência das informações desses antigos templos ou escolas para


o atual Templo dos 22 Raios acabou formatando os Raios aos quais as
pessoas fazem parte e possuem respectivos ciclos de alinhamento e trabalhos
de iniciação pois cada um dos 49 raios básicos são os 49 movimentos
iniciáticas da maior parte das antigas escolas herméticas da humanidade e das
outras humanidades que existiam antes do catastrófico Dilúvio que mudou a
configuração da Terra e exterminou muitas das antigas raças e gigantes que
faziam parte da realidade terrestre antes deste evento, passando a viver
somente no plano etérico e nas realidades intraterrenas e intraoceânicas.

Assim esses serem acabaram criando uma linha paralela de existência


em um plano astral caótico que foi sendo ajustado de acordo com suas
necessidades. Enquanto que os Anunnakis retomaram a realidade física 3D da
Terra com os sobreviventes do projeto Homo Sapiens e de outras etnias
sobreviventes ao Dilúvio que são omitidas pelas questões religiosas, a maior
parte do continente de Mu, das ilhas e cidades que esse continente criou ao
longo de seus mais de 3,2 milhões de anos de história colonial nas mãos de
Torank, Ashirion, Shonthor, Gadman e outros desse mesmo grupo que tem
profundas ligações com muitos projetos muito antes da chegada das 22
Delegações do dos Nibiruanos que a maior parte acha serem importantes no
palco político das Federações.

Lembrando a vocês que algumas das antigas escolas herméticas


denominadas de Ordem Melchizedeck foram inseridas na humanidade do
Homo Sapiens através de Enki que procurava ajudar no desenvolvimento dos
seus lulus e acelerar a escala evolutiva deles, indo contra as ordens de seu
irmão Enlil que não queria lulus inteligentes além do necessário para os
interesses de dominação e escravização nas minas de ouro, urânio, plutônio e
outros mecanismos que eles tinham inserido, incluindo o pastoreio, cultivo e
produção de alimentos para os pouco mais de 230 Nibiruanos que
controlavam os assentamentos dos Anunnakis nos últimos 380.000 anos.
Essas escolas da Ordem de Melchizedeck que Enki criou através de seu filho,
que tem o nome adaptado para Thot, são parte das escolas que foram
inseridas posteriormente no Egito, Mesopotâmia, Grécia e outras localidades
para promover o acesso ao conhecimento hermético e à realidade oculta dos
humanos até então, permitindo que os mensageiros e Mestres que
encarnavam na humanidade dessem o exemplo para uma evolução mais
acelerada. Enki trabalhou com Ashirion sem saber por muito tempo e depois
foi contatado por Yaberin e juntos realizaram vários projetos sem o
consentimento de Enlil, amplificando ainda mais a disputa entre eles e as
mágoas que se desenrolaram com o tempo. Estas disputas nunca foram
compreendidas pelos descendentes de Nibiru, mas causaram guerras e
discórdias sem sentido para manter o poder pelo poder, como foi o caso de
Inanna e seu primo Marduk.

De qualquer forma, a maior parte das antigas escolas foi centralizada no


Templo dos 22 Raios por decreto dos Mestres, pelos Comandantes e com
Yaberin, sua equipe e o restante dos Mestres magos. Foram iniciados projetos
para localização e identificação das Almas perdidas no fluxo temporal e
ativação dos marcadores na Chama Trina para que pudessem auxiliar na
localização. Mas os marcadores apresentavam complicações quando essas
Almas se encontravam no Umbral, impossibilitando de imediato o acesso a
elas devido ao aprisionamento, baixo gradiente de autoestima e sofrimento
que o umbral sustenta em sua estrutura psíquica e emocional. Dessa forma, o
grupo de Yaberin acabou entrando na linha dos Exus e dos resgates, iniciando
a denominada linha cruzada entre os seres do patamar mais harmônico e os
Exus, capazes de entrar nas esferas mais densas do umbral e atuar nos
resgates e no despertar das Almas em sofrimento. Através dos Tronos de
Exus foi possível para o grupo de Mestres como Yaberin entrar no fluxo
umbralino e desenvolver inúmeros projetos de resgate e despertar de
consciência, ao inserir agentes duplos e a espionar esses bastidores
dominados em parte pela Ordem do Dragão Negro e seus fractais internos.

Com essa condição inovadora na época, os Exus atingiram um novo


patamar e foram inseridos por ressonância nas esferas do alto escalão da
Federação. E novos tronos foram se desenvolvendo, enquanto Yaberin
trabalhava no suporte primordial das linhas de Exus do alto comando e do
umbral criando novos programas de resgate, despertar e localização de
Almas. E assim novas Almas missionárias foram surgindo através da linha
dos Exus para auxiliar a nova humanidade nos últimos 6.700 anos. Na
verdade, o conceito Exu não existia, mas acabou sendo incorporado mediante
a unificação dos templos etéricos e das escolas herméticas para estruturar
uma nova fase de operações pós Dilúvio e na seleção das Almas que ainda
continuavam chegando através dos Portais Dimensionais da Zona Neutra e de
outros setores dos grupos das 22 delegações que inseriram Almas espiãs e
mensageiros de seus projetos no campo físico e astral da Terra há 37.300
anos gerando desdobramentos e ações paralelas que não estavam sob o
controle da Aliança galáctica e muito menos da Cúpula de Cristal em
Shamballa.

Nas antigas sociedades localizadas nas ilhas no atual golfo do México,


na ilha de Poseidon perto dos Pilares de Gibraltar, nas ilhas do Mar
mediterrâneo e outras onde existiam antigas civilizações coloniais de Mu e da
Antártida, no auge de sua decadência a magia negra tornou-se um mecanismo
de controle e de poder, quando a matança de animais e seres humanos sem o
menor embasamento e fundamento acabou se tornando costumeira e a
loucura de milhares de seitas dogmáticas acabaram por amplificar os
domínios do Umbral. Com isso, as futuras religiões empregavam a matança
de crianças por medo para apaziguar os Deuses e trazer prosperidade. O que
nem sempre era real, gerando novas guerras e disputa entre Divindades para
definir quem iria responder a solicitação de ajuda, fomentando o desejo por
poder e dominação dos territórios que começaram a ser disputados. O
sofrimento que essa era negra causou no processo Terrestre neste período
amplificou as guerras e os confrontos entre os diferentes grupos, fazendo com
que os Comandantes que tinham acesso às naves e às 22 delegações e
milhares de seres deixassem a Terra, enquanto que outros partiram para
morar em cidades e templos intraterrenos e interoceânicos, formatando o
início de um novo ciclo para milhões de seres, nem todos humanos
logicamente. Isso foi há aproximadamente 40.000 a 46.000 anos e tem
relação com muitas civilizações ocultas atuais que têm realizado contato com
o atual SGS e com outros grupos esotéricos e contatados, para iniciar o
processo do despertar de consciência através dos marcadores na Chama Trina
que Yaberin ativou em vocês logo após a Convergência Harmônica em
agosto de 1987. Esses marcadores geram pulsos sincrônicos com a barreira
de Frequência e ativam mecanismos de identificação e avaliação da
modulação que acabam como sonares identificando as deflexões que são
produzidas na estabilidade psíquica das cidades e com base nisso, a Operação
Resgate inicia a investigação de quem são os emissores desses pulsos e
iniciam os trabalhos de ativação e acoplamento das entidades num programa
do despertar e os Mestres magos e entidades guias, são colocadas na vida
dessas pessoas conforme a situação que poderá ser adaptada a cada um.

Essa função faz parte das atribuições do Templo dos 22 raios e das
equipes que devem localizar e criar programas para o despertar da
consciência dessas pessoas no plano físico e das Almas no plano astral e
posteriormente acoplar entidades, guias ou mesmo Orixás para potencializar
o processo de ascensão, quebra de contratos e dogmas do passado e com isso
remover implantes e hologramas de sofrimento e aprisionamento dentro dos
programas de escravidão da Ordem do Dragão Negro. Foi nesse período
negro das antigas humanidades antes do próprio Dilúvio que a prática de
matanças deu início ao fracasso e à queda de muitas civilizações e essas
informações ficaram marcadas no registro de memória dos sobreviventes e
dos que voltavam a reencarnar no pós-Dilúvio e, consequentemente, no
mecanismo de controle dos seres negativos do plano astral. Esses seres
negativos encarnavam ou vinham como entrantes para conduzir a nova
humanidade para o controle total e garantir assim o domínio da Ordem do
Dragão Negro mesmo depois do Sistema Solar ter saído da Zona Neutra e dos
seus domínios, quebrando o poder da Aliança Galáctica e colocando em risco
a própria integridade física do planeta, colocando a humanidade na era
nuclear e loucos para controlar essa energia. Foram as forças negativas que
deram ao cientista Robert Oppenheimer o dispositivo nuclear que foi usado
em Hiroshima e Nagasaki e colocaram a humanidade rumo ao caminho da
autodestruição sob o domínio Norte Americano na busca pelo poder absoluto.
Essa foi mais uma etapa do programa de poder das forças sinistras para
colocar a humanidade numa encruzilhada fatal na sua linha de evolução, onde
ao menor desvio tudo o que foi construído se acaba, como ocorreu no
passado nas antigas civilizações estelares, onde muitos dos alunos de Yaberin
se perderam e chegaram à Terra por inúmeros caminhos e complicações na
sua jornada pessoal.

O desvio das inúmeras escolas místicas ao longo da história terrestre


ocorreu, na verdade, devido ao desvio de caráter de seus integrantes, que já
vieram do espaço sideral com o mesmo problema que se intensificou na Terra
através das interferências e manipulações dos integrantes da Ordem do
Dragão Negro e grupos associados, oferecendo poder e alastrando a
corrupção que se manifesta livremente nos escândalos públicos em sua
sociedade. Cada aluno que se desviou e gerou a queda de suas escolas,
acabou entrando na busca do resgate e constituindo outras escolas no fluxo
temporal, mas muitas acabaram novamente sendo objeto de desvio dos novos
alunos, pois a maior parte desses alunos estava implantado com os chips dos
Xopatz e dos Reptilianos negativados. Isso gerou círculos viciosos na busca
de uma falsa espiritualidade e não no processo interno de cada um e de sua
Chama Trina, inserindo a prática de sacrifícios humanos e de animais sem
fundamento.

Este círculo repetitivo acabaria formatando e amplificando o


denominado Umbral da Terra, onde os humanos acabaram entrando por
ressonância e gradualmente tornou-se uma realidade cocriada pelos próprios
humanos durante seu ciclo físico e astral. Ao mesmo tempo o Umbral da
Terra acabou criando conexão com as antigas realidades paralelas umbralinas
dos planetas de Exílio e planetas anteriores que tinham sido colocados em
quarentena ou pior, com os planetas destruídos dentro do amplo contingente
da guerra de Orion em suas distintas fases ao longo de mais de 4,3 milhões de
anos, quando inúmeros planetas e sistemas que não tinham vocação para as
guerras, acabaram sendo engolidos pelo movimento trevoso que estava
codificado em alguns dos povos mais ativos tecnologicamente nesse
processo.

Muitos dos fractais de vocês pereceram nas guerras que assolaram os


principais centros de poder e desenvolvimento social do quadrante de Orion,
gerando a transferência pelo sofrimento, ódio e vingança, fazendo com que
esses fractais baixassem seu padrão vibracional para os mundos mais densos
e com o tempo, para os planetas em quarentena. E em contínua luta pela
sobrevivência, novas guerras acabaram sendo criadas pelos habitantes sem
memória nítida de seus confrontos, gerando o círculo vicioso e a repetição
dos acontecimentos do passado ou dos planos paralelos nos mundos novos,
como ocorreu e ainda ocorre na Terra, onde muitos de seus fractais ou até
mesmo vocês possuem esse mesmo histórico.
É bastante semelhante o histórico encarnacional da maior parte dos
habitantes do planeta Nibiru e dos grupos das 22 Delegações que acabaram
chegando na Terra através das rotas das Casas de Comércio e dos registros
históricos do complexo Sistema trino Satik, do qual o nosso Sistema Solar fez
parte há mais de 5 bilhões de anos, que tem relação com a grande guerra de
Orion em um outro fluxo de tempo.

A guerra de Orion extremamente complexa por ter ocorrido em diversas


realidades paralelas via transmigração de informação entre os fractais de
almas dos encarnados nessas diferentes linhas de tempo e de existência,
motivo pelo qual não é possível definir de forma clara para os humanos o
momento exato dessa guerra. Cada parte desta guerra está relacionada a um
conjunto de sistemas solares e quadrantes, diferentes linhas de tempo e tem
relação com cerca de 250.000 anos terrenos. Enquanto que outros setores
ainda estão em guerra e em outros locais essa guerra já acabou há mais de
5,13 bilhões de anos no passado. Por não haver o entendimento do fator
temporal ser relativo à dimensão e quadrante, muitas canalizações não são
conclusivas, mas para o contexto da espécie humana essa guerra teve início
quando os Draconianos invadiram o planeta Avyor do sistema de Vega há
mais de 5,7 bilhões de anos da contagem linear de tempo dos humanos. Em
outros setores como no grupo de estrelas da constelação de M-45 chamada
por vocês de Plêiades, essa mesma guerra depois da evacuação teve
continuidade por cerca de 3,4 bilhões de anos. Em outros patamares
dimensionais há cerca de 470 milhões de anos e em outros, podemos dizer
que ainda está por acontecer no futuro de alguns de vocês.

Esse processo é bastante complexo, mas é necessário que se compreenda


que os saltos do fluxo temporal estão diretamente relacionados com os
fractais de alma, que estão saltando em diferentes linhas de tempo e tendo
experimentos encarnacionais, gerando paradoxos temporais. Situação que
ocorreu com os 144 Mestres magos e depois com seus seguidores. Yaberin
também teve que se dividir e enviar seus fractais para socorrer seus alunos
perdidos e na tentativa de resgatá-los seguindo o gradiente dogmático e
dualidade em cada setor dimensional onde seus fractais estavam inseridos, o
próprio Yaberin colocou seus fractais em perigo e teve alguns exterminados
no jogo de poder dos Filhos Paradisíacos.
Seguindo essa linha de entendimento, vocês vão perceber que os desvios
das Escolas Iniciáticas - que tinham como objetivo ajudar no
desenvolvimento e na cultura dos povos do universo material - foram
corrompidas pelo desvio de fractais de Alma, que foram codificados e até
mesmo abduzidos pela própria vontade interna do poder pelo poder e por
querer ser mais do que o próximo, naturalmente criando disputa entre os
líderes e membros dessas Escolas, gerando assim a rivalidade e o
desenvolvimento de seres tanto para a luz como para as trevas. Essa é uma
das razões pelas quais não existem culpados diretos, pois através das escolhas
e da fragilidade de caráter desses fractais a dualidade acabou se manifestando
de forma desequilibrada. Com o tempo essa disputa acabou ganhando
proporções além do que Filhos Paradisíacos tinham delineado, os prendendo
em suas próprias criações e os deixando em condições lastimáveis até os dias
de hoje, com resgates bem complexos na dualidade que eles mesmos
alimentaram por milhões de anos.

Neste momento na Terra vocês estão dentro dessa enorme e complexa


encruzilhada temporal e dimensional, que tem engolido mais de 80% da
população mundial em hologramas e dogmas de sofrimento e disputa de
poder sem sentido, onde os valores que deveriam respeitar a vida e o
equilíbrio são manipulados por jogos políticos para angariar mais dinheiro e
prejudicar a população, seguindo os mesmos moldes que destruíram
sociedades inteiras nos planetas do Sistema de Capela, Tau Ceti, Boronak,
Arcturus 4, Marte, Shaulla 4 e Shaulla 6, além de outros fora do contexto
humano ligados aos Draconianos e outras raças não humanoides. Pois não se
esqueçam que a Alma ou mesmo seu fractal não possui sexo ou raça,
podendo acoplar em qualquer forma de vida e ter experiências biológicas
dentro de um corpo com consciência relativa à raça em escala evolutiva
correlativa a seu grupo racial, que se baseia na plasticidade neural ou
equivalente em cada raça.

Ao lerem este livro, muitas conexões de memórias estão sendo ativadas


entre vocês e seus respectivos corpos superiores e as sinapses do corpo
criogênico, para quem o possui, gerando a transmigração de informações e o
processo de ativação e correspondência com as equipes que fazem parte do
seu grupo estrelar e dos mecanismos de ajuda. O Mestre Yaberin se encontra
diretamente engajado nesta ativação junto com o seu Ancoramento e o
Mentor da Cura Quântica Estelar, que foi codificado no momento da
sintonização por Shtareer e membros da Ordem Santa Esmeralda. Essa
sintonização ativa a busca por todos os fractais dentro do contexto existencial
do conjunto de Naoshi e suas 49 galáxias e inclui o Universo Local de
Nebadon, pois quando é realizada uma Sintonização no curso Cura Quântica
Estelar através de Rodrigo Romo e suas equipes, ocorre o acoplamento
imediato de duas hierarquias às quais ele pertence, que são as Voronandeck e
Goronandeck, realizando imediatamente através do pulso da Chama Trina de
cada aluno a sintonização e identificação do conjunto de fractais de Almas,
clones e corpo criogênico no emaranhado multidimensional do multiverso,
onde cada um de vocês tem estado desde o desdobramento de sua Supra
Mônada-Mônada, o que inclui o desdobramento do Eu Sou.

Os merkabas do grupo de entidades e das hierarquias Voronandeck


sempre fazem um escâner multidimensional de cada aluno durante os cursos
e assim se inicia o procedimento individual de avaliação e conexão com a
Mônada de cada aluno reconectando e resgatando todos os fractais perdidos
no fluxo existencial. No momento em que é realizada a iniciação ou
sintonização, que é a forma mais correta de definir o procedimento espiritual,
o Mestre Yaberin está acoplado observando os códigos e inicia uma linha de
tarefas com o Mentor da Cura Quântica Estelar nomeado para cada aluno e
desse ponto em diante surgem os novos mecanismos de abertura da
consciência e da ativação do seu corpo criogênico e acoplamento de novas
entidades para cada aluno dentro da proteção e escolas como a Ordem Santa
Esmeralda, Ramatis, Aruanda, Templo dos 22 Raios, Shamballa e muitos
outros além do conhecimento de vocês conforme o histórico e a frequência de
cada aluno. Com essa condição todos os alunos acabam sendo colocados para
trabalhar no plano astral e em suas diferentes frequências, conforme os pré-
requisitos e o histórico de cada um.

Dentro dos trabalhos no plano Astral, Yaberin tem atuado com vocês de
forma oculta para testar a capacidade e a integridade de cada aluno
recuperado, que chegou até o chamado espiritual da Cura Quântica Estelar e
outros cursos e trabalhos de Rodrigo Romo, gerando novamente a
possibilidade de resgatar junto a Yaberin os outros fractais de Alma que
ainda se encontram perdidos no fluxo existencial sob o domínio dos Xopatz e
dos Draconianos negativados, estabelecendo a linha de separação entre os
80% e o restante das Almas que podem ser descartadas para cada Eu Sou no
processo pessoal de reintegração. Yaberin é um dos Mestres que muda de
frequência conforme o necessário, podendo atuar até mesmo como Exu
Tronado para avaliar cada um que está neste momento sendo preparado para
a reintegração com o seu Eu Sou e ao mesmo tempo os procedimentos da
Operação Resgate na Terra.

O maior mecanismo de controle e desvio de caráter desses fractais de


Alma, foi na verdade a criação de religiões e seus inúmeros dogmas. Criando
assim o fanatismo para escravizar permanentemente esses fractais e depois os
clones que foram feitos desses fractais, ampliando assim a rede de fanatismo
e controle encarnacional nos planetas mais densos e nos que se mantinham na
quarentena dentro do setor da Zona Neutra, pois a Terra não é o único planeta
dentro do setor de poder e controle dos Rebeldes. Esses outros planetas
exercem controle sobre a Terra através dos Portais Umbralinos criando o
intercâmbio de clones e mecanismos de controle massivo da população
mundial. Ao mesmo tempo eles dão continuidade aos experimentos de poder
e de tecnologia orgânica através de alimentos transgênicos e outros
mecanismos de controle mundial. Muitos na verdade, são experimentos
usados em outros mundos que têm sido transferidos para a Terra antes dela
sair do setor de abrangência e controle da Zona Neutra, para manter o poder
além de seu setor político de abrangência. Esse fanatismo acabou gerando a
prática da magia negra ou simplesmente do magismo de forma
desequilibrada, sintonizando a maior parte dessas Almas na frequência do
umbral durante os processos de desencarne, voltando a habitar o umbral,
resultando nos mecanismos de controle da humanidade e dos outros mundos
umbralinos dentro do setor da Zona Neutra.

Sempre que uma Alma gera uma onda cerebral desarmônica, ela está
cocriando uma energia mal qualificada, que no fluxo temporal vai regressar
para ela. Como essa energia é amplificada milhares de vezes pelos ecos do
mesmo padrão das outras Almas, é muito provável no fluxo temporal que elas
se encontrem no Umbral. Essa tecnologia de controle através dos implantes e
mecanismos para alteração da consciência dos seres vivos onde a Alma se
encontra acoplada, tem sido utilizada para aprisioná-la utilizando de
informações que são inseridas de forma dogmática e pulsos sensoriais
emitidos na estrutura neurológica e emocional dos seres vivos, o que acaba
por ativar alguns pontos e desativar outros do conjunto cerebral.
Normalmente se ativam os mecanismos da parte material imediata e
desativando a percepção sensorial ou a denominada mediunidade, deixando a
mente e a consciência desses seres cegos aos planos mais sutis à sua volta e
dessa forma, eles passam a viver apenas o que podem enxergar, que é
controlado e moldado para potencializar somente essa realidade como a única
e absoluta. Justamente o que ocorre com a humanidade, aprisionada na
materialidade imediata do chamado 3D, rejeitando a espiritualidade como
uma extensão de todos, mas exclusiva a poucos ou uma espiritualidade
através da religião como fuga da realidade. Dessa forma a religião se torna
dogma e fanatismo para salvar a alma, mas eles não fazem nada para criar a
expansão da consciência e entender o processo partindo de dentro de cada
ser, mas continuam buscando fora o que nunca vão encontrar. Esse é um
padrão de controle direto das forças sinistras na vida da humanidade.

As escolhas que vocês realizam têm relação com o desvio ou não dos
objetivos que vocês traçaram antes de iniciar sua atual encarnação e,
conforme essas escolhas vão sendo tomadas, a possibilidade de receber ajuda
e apoio de Yaberin varia conforme o que realmente vocês desejam entre
poder e conhecimento para poderem gerar de fato dentro de vocês um salto
de consciência e de energia rumo a uma vida mais harmônica, os colocando
na frequência ressonante dos Templos e do próprio Salto Quântico da Terra e
alinhados com as realidades da Aliança Galáctica e da própria Confederação
conforme o histórico anterior de cada um de vocês. Alguns de vocês já eram
companheiros e alunos do Yaberin na realidade da Confederação
Multidimensional e nos seus desdobramentos. Com o tempo em missão,
acabaram se projetando para muitas moradas e se perderam no fluxo dos
acontecimentos mais densos e conturbados. O mesmo ocorreu com Yaberin
que teve fractais perdidos, mas ele em si manteve a compreensão da
realidade, mesmo após ter alguns de seus fractais perdidos e outros
aniquilados pelos acontecimentos ao longo da grande guerra de Orion e pela
tecnologia de Quark pesado e dos buracos negros que engolem até mesmo a
Alma. Mesmo com essa situação Yaberin se manteve firme em sua convicção
e tem ajudado milhares de alunos e da mesma forma, outros colegas seus na
mesma função também permanecem ao lado de muitos de vocês.
DESDOBRAMENTO DE YABERIN NA VIA
LÁCTEA

desdobramento que Yaberin e outros de seu grupo realizaram,


O aconteceu com o acoplamento parcial e até mesmo total de sua
consciência em estruturas biológicas de maneira semelhante ao
processo encarnacional. No entanto, não da mesma forma que a Alma acopla
em um corpo, pois é utilizado outro procedimento para a Alma não ficar
presa ao corpo e ao mesmo tempo com total acesso ao experimento. Como
Yaberin foi projetado partindo da estrutura direta de Yaslon Yas, não existia
a necessidade dele realizar o processo encarnacional como as Almas que
tinham o objetivo de aprendizado e cocriação para que o Eu Sou e Mônada
realizassem suas pesquisas e objetivos. No caso de Yaberin ele estava
inserido como um membro da Confederação a serviço da Ordem
Goronandeck e Voronandeck como um observador e interventor no processo
de cada um conforme a situação assim determinasse, tendo total liberdade de
ação.

À medida que os grupos de Eu Sou foram se projetando na estrutura da


Via Láctea que começava sua estabilização orbital no conjunto de Naoshi e
assim formatando gradualmente o grupo menor que é chamado de Teta, a
densidade das estrelas e planetas iniciava a capacidade de absorção da vida na
frequência entre 6D e 8D, o que já permitia o acoplamento de aminoácidos
que eram transferidos desde o patamar da Matéria Escura para a Matéria
Bariônica, iniciando assim a formação dos nucleotídeos e cadeias mais
simples de aminoácidos, que são a base da vida biológica na dimensão de
vocês. Na contagem de tempo terrestre, esse processo ocorreu há cerca de
12,8 bilhões de anos, mas na verdade é um erro, pois pela percepção humana
não se pode entender a idade do universo, justamente porque as torções
gravitacionais alteram os patamares de tempo em tempos, gerando o que
vocês chamam de Salto Quântico sem entender. Com isso as transformações
regulares de ciclos em ciclos alterariam por completo esse valor linear de
tempo que a humanidade atribui de forma equivocada sobre o universo,
acreditando que ele possui cerca de 13 a 15 bilhões de anos. Podemos dizer
que é muito mais do que isso, bem além do que se acreditava inicialmente
nos estudos sobre o possível Big Bang e a descoberta da radiação de fundo,
que são na verdade as emanações de cada ajuste dessas dobras entre as
diferentes Membranas Brana que separam o multiverso de suas diferentes
densidades, dimensões e vibrações, como ocorre com as notas musicais que
possuem escalas, sub escalas e notas diferenciadas no entendimento humano
do som. O universo é igual, porém mais complexo decorrente da interação
nuclear e interação temporal de diversas realidades coligadas pelas notas
gravitacionais que o separam e o mantém unificado ao mesmo tempo.

Assim Yaberin entrou na estrutura energética da denominada Matéria


Escura no centro ou Bojo Central em sua Galáxia e esteve presente junto ao
Conselho Shamuna e aos projetos que estavam sendo plasmados para
estabilizar a galáxia e as densidades dimensionais para a vida e a distribuição
das cadeias de aminoácidos que tinham sido plasmadas das dimensões
superiores, colocando as naves semeadoras de vida alinhadas a esses projetos.
Cada nave estava codificada para um determinado setor da futura Via Láctea,
formatando assim as primeiras matrizes de genomas entre 6D até 8D
conforme a radiação emitida pelas estrelas em seus aglomerados,
proporcionando a capacidade de evolução dessas cadeias de aminoácidos. O
conjunto de energia emitido pela radiação das estrelas, determinou a
velocidade e a densidade na qual a vida deveria se processar e evoluir nos
seus distintos estágios em cada setor da Via Láctea, colocando as naves
semeadoras em conjunto com essa mesma condição, para estabelecer os
genomas que deveriam ser acompanhados e manipulados dentro desse jogo
da criação. Yaberin apesar de não ter uma função nessa fase do processo
direto como manipulador, estava presente para identificar os setores e
condições que seriam mais indicados para que seus alunos desde o patamar
do Eu Sou produzissem Almas que seriam inseridas nesse processo de
elaboração de cada quadrante da Via Láctea. Nesse ponto Yaberin, junto às
equipes da Confederação e até mesmo dos Filhos Paradisíacos que já estavam
presentes nesta fase do acoplamento galáctico, tinha que realizar os ajustes e
as escolhas do contingente de Almas e dos fractais que deveriam ser
produzidos em cada setor. Sim, o desdobramento de fractais em muitos casos
foi uma decisão conjunta entre a consciência do Eu Sou e do próprio Yaberin
que, com base nas projeções para cada setor, considerava esses locais como
viáveis ou não para o processo encarnacional dos fractais, quando a cadeia de
aminoácidos já estava estável para permitir o acoplamento desses fractais e
gerar o início da vida biológica e acoplamento de uma consciência acima do
reino Dévico.

Yaberin nessa fase inicial do acoplamento de milhares de fractais de


Almas, atuava como tutor e instrutor na formação das primeiras sociedades
plasmadas na Via Láctea e em outras galáxias do conjunto de Naoshi, pois
com a presença temporal de Yaslon Yas e do próprio Shiva Hama Kur no
conjunto de galáxias, era necessário estar pendulando de um ponto a outro
para realizar os paralelos entre as 49 galáxias e estabelecer parâmetros de
desenvolvimento entre os diferentes grupos de aminoácidos que as naves
semeadoras tinham espalhado por estas galáxias e gerar especificações para a
nova estrutura desejada entre as realidades em 3D até 9D como base do
acoplamento das Almas e seus fractais, gerando estruturas diferentes das já
existentes em outros grupos de galáxias dentro do Universo Local de
Nebadon e além. Essa configuração inicial foi muito importante para realizar
a seleção desde o ponto inicial dos desejos e propostas da Mônada em relação
ao que tinha sido prometido pelo Conselho de Nebadon, onde Micah estava
inserindo a energia conjunta Búdica-Crística-Mahatma como uma nova
condição existencial para as realidades abaixo da emanação natural da
Matéria Escura e da Energia Escura, onde essa egrégora é uma condição
natural do próprio universo devido à irradiação e projeção de energias.
Colocar isso no plano da Matéria Bariônica era uma novidade, pois nas outras
galáxias de outros Universos Locais, energia dessa magnitude não tinha
baixado de 9D ou no máximo 8D no plano material. Abaixo disso ainda era
inédito e o conjunto de Anwadiji, que possui um aglomerado de 72 clusters
de galáxias com um total de cerca de 760 galáxias, foi escolhido para esse
experimento específico, sendo que o setor de Naoshi, por ser em uma
localidade mais externa, foi onde se projetou o maior índice de dualidade,
maiores riscos e mais Filhos Paradisíacos querendo ter esse experimento
inovador.

Na verdade, Yaberin foi colocado dentro da fogueira com a transferência


emergencial dos Comandantes da Supra Confederação de Shinkara,
escolhidos por seu Curriculum pelo Conselho de Unversa (capital do
Superuniverso de Orvotón) diretamente pela consciência dos Voronandeck
presididos por Shtareer. Criou-se assim uma comissão de apoio ao projeto de
Micah e seus irmãos, para avaliar quem estaria a favor de seu
desenvolvimento ou contra. Dessa forma, o então Almirante Yaslon Yas e
sua equipe foram destacados para examinar, policiar e investigar no pêndulo
temporal e nas realidades paradoxais o processo evolutivo e as propostas,
intervindo quando necessário. Yaslon e Shiva acabaram projetando de sua
própria essência a energia e consciência de Yaberin, como um enviado direto
deles nas realidades mais densas dentro da própria matéria iniciando sua
formatação em 13D até os níveis de 5D na proposta inicial.

Yaberin inicialmente possuía dentro de sua consciência a somatória das


informações de Shiva e Yaslon, sendo inserido no contexto de Unversa e de
Anfatem (capital do universo de Shinkara). E assim foi sendo atualizado e
colocado a par dos projetos e desejos de Micah, Emanuel, Metraton, que
eram os principais Filhos Paradisíacos responsáveis pela proposta da
Trindade Cósmica na matéria Bariônica. Com essa atribuição ele foi colocado
diretamente em contato com as Mônadas antes mesmo que elas se
desdobrassem em Eu Sou e esteve presente posteriormente junto desse
conjunto de alguns milhões de Eu Sou no processo de divisão que forma a
Alma e depois, no desdobramento dos fractais de Alma de cada um quando
necessário. Assim Yaberin acabou se tornando um tutor em diferentes fases
de sua trajetória e até mesmo um pai para muitas Almas. E especialmente
para vocês, que neste momento estão lendo este livro.

No decorrer da canalização deste livro, muitas informações novas têm


sido reveladas, lembrando a vocês que este manuscrito foi iniciado no ano de
2006 e teve seu relato interrompido por ordem direta, por não ser o momento
e não ter tido capacidade de transcrição de muitas informações. Situação que
só foi liberada em novembro de 2015 quando este manuscrito voltou a ser
escrito e novas informações me obrigaram a alterar o que já tinha sido escrito.
E também para estabelecer uma nova linha de raciocínio com canalização
direta e atual com informações que o próprio Yaberin deseja para que seus
leitores tenham um processo bem mais ativo de alinhamento e de despertar de
consciência.

Mudanças importantes ocorreram na Terra e na estrutura do conjunto de


planetas desde o ano de 2014 quando as forças rebeldes resolveram realizar o
ataque direto contra a Nave Anesh da Aliança Galáctica e suas companheiras,
causando muitos danos estruturais a mais de cinco naves mãe de porte
planetário, para demonstrar que o Tratado de Equilibrium tinha sido
revogado. O que colocou novamente as forças em estado de alerta frente à
guerra iminente, resultando em diversas mudanças nos grupos inseridos no
contexto político das Federações no setor de Orion e adjacências.

Desde o processo natural de estabilização das estrelas e da matéria


estelar do centro gerador ou Bojo galáctico, os grupos foram se estabilizando
e se densificando, permitindo que as cadeias de aminoácidos gerassem vida e
que Almas primitivas ou até mesmo novas se inserissem nesta fase estrutural
ajudando com sua energia, com a sequência de neutrinos e outras frequências,
no desenvolvimento da vida através dos mais diferentes genomas nesses
setores. Com o tempo e com a projeção do crescimento e estabilização de
outros setores, novos códigos foram sendo formatados e espalhados pela Via
Láctea e pelas vizinhas, até que os agrupamentos foram ficando mais
estáveis. E assim as constelações e estrelas gigantes ou até mesmo as super
gigantes puderam se estabilizar e a vida foi permitida. Os setores que na
atualidade fazem parte do contexto do aglomerado de Orion estavam mais
próximos entre si e desta maneira a vida foi aglomerada, mas com o tempo
gradualmente foi se distanciando. Surgem nessa fase da vida da vossa Via
Láctea centenas de genomas estáveis entre 9D e 7D, permitindo que a
estrutura biológica entre na fase decisiva de estabilização, permitindo ser
transferida para patamares mais densos como 6D e depois para 5D.
Inicialmente isso não seria possível, pois a energia proveniente das
dimensões superiores tinha que se estabilizar e criar a densificação da matéria
antes de ser inserida definitivamente na matéria mais densa, que possui
diferentes parâmetros de cargas entre os átomos e as células que são
formatadas pelos diferentes conjuntos de aminoácidos nas suas diferentes
fases de ajuste e combinações.

Nessa fase há mais de 11,4 bilhões de anos do tempo terrestre, surge o


conjunto de estrelas, de matéria estelar e poeira que na atualidade é definida
como Orion. Esse setor foi escolhido por Yaberin como um celeiro muito
próspero e capaz de densificar até 5D ou além, mais de 5.7 milhões de
genomas e estabelecer parâmetros de avaliação e fiscalização do projeto entre
pelo menos 5 milhões de Filhos paradisíacos e centralizar nesse setor os 144
Magos Mestres e os agentes da Supra Confederação.

Yaberin e seus irmãos de projeto faziam parte do verdadeiro nascimento


da vida e do desdobramento que acabaria por direcionar os rumos da
evolução nesse setor, assim como nos outros quadrantes da Via Láctea, onde
o Conselho Shamuna estava coordenando outros projetos em conformidade
com as especificações nesses outros setores. Além de Yaberin e dos outros
143 Magos, foram gradualmente inseridos novos recrutados para traçar metas
e avaliações de cada setor e realizar comparações com as outras galáxias do
conjunto de Naoshi e do restante do grupo de Anwadiji, para verificar como a
Alma se comportava em grupos de genomas primitivos sem uma consciência
bem estabelecida e livre até essa fase inicial dos projetos.

Alguns de vocês ainda não tinham chegado no conjunto de Naoshi, mas


outros já e, ao terem entendimento de parte de uma possível realidade de
vocês, se abre uma nova oportunidade de reconexão com essa fase e entender
o porquê dos Merkabas do Método Voronandeck dão acesso ao caminho de
retorno direto às suas Mônadas e até mesmo à Supra Mônada, pois os
merkabas geram e aceleram a conexão em direção à ascensão e liberdade da
Matéria Bariônica.

Nessa fase histórica, a galáxia foi dividida em 12 quadrantes a partir do


centro do Bojo e assim foram indicados 12 Mestres Shamuna que deveriam
ser membros da Ordem Lanonadeck Primária. Eles deveriam estabelecer as
metas de projetos conforme as indicações diretas de Salvingtón de Nebadon e
procurar criar parâmetros para evolução e avaliação. Cada um desses 12
setores engloba pelo menos um dos braços espirais da Via Láctea que estava
em formação e em processo de aceleração, para se estabilizar e se afastar das
outras galáxias que também estavam passando por processo similar. Para
vocês entenderem a complexidade e o ponto de observação de Yaberin e
desses seres, na atualidade a Via Láctea possui segundo o telescópio Hubble
cerca de 200 bilhões de estrelas mapeadas, fora o que não é visível no
espectro de luz terrestre. A consciência desses seres é capaz de entrar nessas
dobras de existência do universo mesmo antes dele estar totalmente
estabelecido e criar projeções do que deveria ser um mapa estatístico de
projeção para cada genoma e setor. Yaberin e o próprio Conselho Shamuna
estavam na mesma frequência de consciência e estava estabelecido para todos
um único propósito. No entanto, esse conselho, assim como o próprio
Yaberin, não eram da frequência dos Filhos Paradisíacos que eram novatos.
Muitos recém outorgados e outros ainda em fase de avaliação pelo Conselho
de Anciões de Dias, Portões de Dias, Últimos dos Dias em Unversa, sendo
considerados na verdade Filhos Paradisíacos sem experiência cocriacional e
por isso passiveis de muitos erros. Situação que foi e ainda é uma
preocupação para o Conselho Shamuna e para os agentes da Supra
Confederação.

Pode-se dizer que nessa fase dos acontecimentos já existia uma


dualidade não declarada entre os Mestres da Confederação e os Filhos
Paradisíacos novatos que estavam baixando seus fractais de forma
irresponsável no setor de Naoshi e até mesmo além dele. Essa dualidade se
baseava na verdade na desconfiança do fracasso de muitos deles, além de
existirem opositores diretos à proposta de Micah, como era o caso inicial de
Anhotak e Sarathen, que possuíam os projetos mais avançados em
desenvolvimento em outros universos. Eram projetos estáveis, porém densos
e limitados e devocionais ao extremo na codificação genética de sua
consciência. O Conselho Shamuna sabia, assim como Yaberin, que os
experimentos desses dois Filhos Paradisíacos iriam acarretar conflitos e
oposição a muitos outros e certamente amplificar a dualidade. Pois na linha
temporal isso já tinha sido avaliado dentro de certas linhas paradoxais,
inclusive o rompimento de ambos pelo desequilíbrio que Sarathen iria
desenvolver ao longo dos projetos que sustentaria de forma poderosa e
irrevogável. No entanto, era parte da proposta de Naoshi permitir que os
Filhos Paradisíacos realizassem seus experimentos para avaliar a vida em
todos os pontos possíveis.

Yaberin sabia que muitos de seus alunos e até mesmo filhos estariam
perdidos por não conseguir manter o equilíbrio e a conexão com eles quando
entrassem no desdobramento dimensional mais denso e pesado como era de
5D para baixo, como estava previsto no futuro distante, porém real de todo o
conjunto de Naoshi. Na verdade, com os experimentos e desdobramentos dos
fractais desses Filhos Paradisíacos novatos no contexto encarnacional dos
projetos em Naoshi, os mais experientes como Sarathen, Anhotak, Micah,
Metraton e Emanuel acabaram impondo sua vontade sobre esses novatos, o
que gerou em alguns setores o desequilíbrio, pois conforme esses
desdobramentos ocorriam, esses Filhos Paradisíacos perdiam o controle e
acesso a seus próprios fractais que conforme a situação, poderiam ser
abduzidos pelos mais experientes e determinados, como foi o caso de bilhões
de almas e fractais que Sarathen e Anhotak capturaram para suas pesquisas e
interesse no contexto político de Naoshi.

Esses milhares de Filhos Paradisíacos novatos eram seres recém-


chegados a esse gradiente de energia depois de terem concluído seu processo
Monádico pessoal e a reunião de todos os seus fractais de Mônadas, Eu Sou e
Almas, chegando assim ao processo de auto-outorgamento como novo Filho
Paradisíaco. Mas esse processo não ocorreu dentro da estrutura de Nebadon e
muitos tiveram o processo concluído em outros Superuniversos além de
Orvotón onde o gradiente de dualidade era muito menor ou até mesmo
inexistente, gerando então Almas sem experiência necessária para suportar as
diferenças de consciência dentro de Nebadon e dos setores mais
comprometedores como Naoshi e seus clusters de 49 galáxias incluindo a Via
Láctea. Então esses Filhos Paradisíacos não estavam realmente preparados
para passar nas provações que seriam realizadas por parte dos outros Filhos
Paradisíacos mais experientes e com pesquisas relativas à dualidade da Alma
e da consciência como está sendo realizado justamente em Naoshi.

Avaliando essa questão compreendemos que nem todos os Filhos


Paradisíacos estavam capacitados a desenvolver suas pesquisas e muito
menos se desdobrar na estrutura que foi planejada por Micah e pelo Conselho
de Salvingtón, que incluía além de Micah outros 35 Filhos Paradisíacos que
auxiliavam nos programas para semear vida dentro da nova proposta de
Micah, incluindo o próprio Anhotak. Questionamos então se houve um
processo falho ou tendencioso para testar esses Filhos provenientes de outros
Superuniversos que tinham sustentado sua evolução dentro de um patamar ou
paradigmas muito mais sutis e simples do que estava sendo pesquisado e
experimentado em Nebadon, que era o de maior índice de dualidade dentro
do Superuniverso de Orvotón. Yaberin não tinha acesso a esse tipo de
avaliação, mas possuía grande parte da percepção do Yaslon Yas e sabia que
existiam problemas nas escolhas desses Filhos e que muitos não tinham
capacidade para sobreviver à dualidade e às exigências que estavam sendo
impostas. No entanto, ele não tinha acesso ao porquê dessa condição e do
problema que estava sendo gerado em Nebadon com a autorização de Micah
e dos outros 35 Filhos do Conselho de Salvingtón. Essa questão era uma
preocupação direta para Yaberin, pois desenvolver o seu trabalho utilizando
os fractais desses Filhos significava a perda de muitos ao longo do processo
encarnacional dentro da dualidade de cada carga genética inserida nas
manipulações de Naoshi.

Podemos dizer que Yaberin, assim como seus companheiros, entrou em


um jogo difícil desde o início. E que vocês são parte desses Filhos
fracassados que tiveram que receber ajuda externa de outros Filhos
Paradisíacos e dos membros da Ordem Voronandeck, Goronandeck e outras
ainda não reveladas para a humanidade. Como já foi colocado inúmeras
vezes, a Terra está dividida em diferentes grupos de Almas não apenas de
exílio, mas muitas almas que têm trabalhos de pesquisa inacabados com os
dirigentes do grupo das 22 Delegações e dos próprios Anunnakis de Nibiru e
de outras regiões, pouco comentadas por questões políticas relacionadas aos
grupos de Sirius, Orion, Plêiades, Arcturos, Antares e até mesmo de
Andrômeda, que ainda possuem inúmeros projetos e pendências na Terra
com muitos dos canalizadores e seres humanos não despertos. Situação que o
Mestre Yaberin e suas equipes tentam ajustar em favor da humanidade para
seu despertar e ao mesmo tempo, trabalhos no plano astral nas diferentes
frequências e situações junto com o Ancoramento da Cura Quântica Estelar,
Orixá Reiki e demais estruturas que perfazem a Rometria.
O CENTRO DE PODER DA VIA LÁTEA

Via Láctea é bem maior do que inicialmente os cientistas da


A humanidade julgavam, possuindo mais de 153.000 anos-luz de
diâmetro e uma espessura que oscila entre 32.300 e 47.200 anos-
luz conforme o setor em direção ao seu centro denominado de Bojo
Galáctico, possuindo 12 divisões entre o grupo de coordenadores da Ordem
Shamuna que junto com os Lanonadecks administram seus projetos. Assim,
dentro desses 12 setores maiores da Via Láctea, surgiram impérios e a vida se
manifestou e ainda se manifesta muito além do conceito primitivo terrestre
baseado na polaridade, na ciência e tecnologia, existindo vida também nas
densidades ou dimensões mais baixas como vocês a entendem.

No setor que corresponde ao quadrante de Orionis ou no braço espiral


onde os astrônomos definem de Orion, é o setor reservado ao Lanonadeck
Secundário Satã como representante dos interesses do Conselho Shamuna e
dos Filhos Paradisíacos que resolveram utilizar esse setor como fonte de
pesquisa. A entidade ou energia definida como Satã não possui um corpo
material, tendo sua estrutura de energia estabilizada entre 11D e 14D, mas
utilizou corpos para gerar o intercâmbio nas frequências de 7D até 9D para
entrar na esfera de percepção dos Filhos Paradisíacos que estavam
encarnados e ter acesso aos projetos de forma direta, incorporando em corpos
biologicamente produzidos, assim como outros membros da Confederação o
fazem. Assim como Yaberin, que muitas vezes utilizou corpos do Yaslon Yas
para poder se inserir em sociedades na fisicalidade conforme a situação.

O setor de Orion é conhecido por possuir um vasto arquétipo racial dos


Draconianos. Por isso muitos dos corpos que Satã utilizou são dessa
linhagem e todos acreditam que esse ser e muitos de sua linhagem são e
sempre foram draconianos ou equivalentes. Outro engano, pois não esqueçam
que a Alma e a Consciência não possuem raça, cor ou sexo. É apenas
energia acoplada a um conjunto biológico mecânico e suas funções, como
vocês seres humanos na Terra neste momento de sua evolução e experiências
cósmicas.
No setor do aglomerado de Orionis existem alguns centros de estrelas e
conglomerados que se tornariam impérios e o palco da evolução de algumas
raças que se confrontam até os dias atuais, justamente os seres humanos
adâmicos, os draconianos, Dracos, reptilianos, mamíferos e os aviários, que
naturalmente acabaram desenvolvendo tecnologia e uma sociedade mais
avançada em busca de respostas e na pesquisa dos códigos genéticos de seus
criadores Filhos Paradisíacos perdidos no jogo cósmico. Dessa forma,
Yaberin focou sua atenção nesse setor onde o próprio Micah fragmentaria
parte de sua consciência e Alma em emissários e Avatares os direcionando
para determinados grupos de estrelas e futuros impérios estelares que têm
relação com o histórico da Terra. O ponto de referência para estabilizar uma
sociedade nas galáxias são as estrelas massivas e as que abrigam os Portais
Dimensionais entre a constante da Matéria Escura, Energia Escura e a
Matéria Bariônica da qual o vosso universo material é constituído e
estabilizado. Assim os setores onde as maiores estrelas se estabilizaram,
naturalmente formam esses portais que rompem a constante gravitacional do
universo e por onde os seres imateriais da frequência dos Neutrinos,
Pósitrons e outros, podem adentrar e interagir no universo e formatar a vida
biológica e sua consciência.

Do ponto de visão desde a Terra alguns dos centros mais relevantes para
a expansão de algumas etnias humanoides, mamíferas e reptilianas, são os
agrupamentos e estrelas nas imediações:

SETOR DA URSA MENOR: Polarys, Yildun, Kochab, Little Dipper.


SETOR DRACO: Thuban, Rastaban, Eltanim, Grumium, Altais.
SETOR CEFEU: Alderamin, Garnet Star, Errai, Alfirk.
SETOR DA URSA MAIOR: Alcor, Mizar, Alkaid, Megrez, Merak,
Talitha, Phecda, Alioth, Dubhe.
SETOR DE CYGNUS: Deneb, Cygni 61, Albiero.
SETOR DE PERSEU: Algol, Mirfak, Menkib.
SETOR DE CASSIOPEIA: Caph, Ruchbah, Schedar.
SETOR DE PEGASUS: Markab, Alpheratz, Algenib, Scheat, Matar.
SETOR DE TAURUS: Hyades, Aldebarã, El Nath, Crab, M-45
(Plêiades).
SETOR DE AURIGA: Capela, Menkalinan.
SETOR DE ORION: Meissa, Betelgeuse, Belatrix, Mintaka, Alnilan,
Alnitak, Rigel, Cursa, Saiph, Arneb, Horsehead, M-78.
SETOR DE CANIS MAIOR: Sirius, Mirzam, Adhara, Wezen, Aludra.
SETOR DE CARINA: Canopus, Avior, Aspidiske, Mialacidus, Eta
Carina, IC 2602.
SETOR DE VELA: Regor, Suhail, Psi-Vela.
SETOR DE ERIDANUS: Acamar, Achernar, Omega Eridanus.
SETOR GEMINI: Wasat, Pollux, Castor, Mebsuta, Alhena, Tejat,
Mekbuda.
SETOR DE LEO: Regulus, Algeiba, Zosma, Chort, Adhafera, Rasalas,
Alterf.
SETOR LEO MENOR: Alpha Leo menor, Beta Leo menor.
SETOR DE ESCORPIO: Antares, Dschubba, Graffias, Shaulla,
Lesath.
SETOR DE CENTAURO: Omega Centauri, Toliman, Hadar,
Menkent, Mei Wei.
SETOR DO CRUZEIRO: Acrux, Mimosa, Gacrux, (23 estrelas).
SETOR DE SAGITÁRIO: Kaus Australis, Nunki, Ascella, Kaus
Media, Kaus Borealis, Lagoon M-8, Alnasi, Trifida M-20, M-7, Theta
1, Theta 2, Arkab, Eagle M-16, M-17 (maior conglomerado).

Estes são os principais setores dentro do quadrante de Orionis, onde os


Lanonadecks e Filhos Paradisíacos desenvolveram milhares de experimentos
e onde Yaberin acabou envolvido em efusões encarnacionais controladas
através de corpos geneticamente desenvolvidos e acabou desdobrando seus
fractais para ajudar Filhos e Fractais perdidos no fluxo existencial da
dualidade abaixo de 9D. Em cada setor foram citadas as principais estrelas
visíveis desde a Terra e existentes no catálogo sideral dos astrônomos como
referência, sendo que a quantidade de estrelas nesses grupos de nebulosas ou
constelações é bem maior do que o olho humano pode captar devido às
distâncias e interferências.

Grande parte desses setores são abordados quando o sensitivo Rodrigo


Romo realiza captações durante as Cartas Estelares, baseadas no nome do
Mentor da Cura Quântica Estelar e nos dados do aluno fornecidos na
sintonização realizada ao final do curso de Cura Quântica Estelar.
Normalmente a sintonização e feita diretamente pelo Mestre Voronandeck
Shtareer e com base nessas informações é feita uma leitura e captação desses
setores na caminhada encarnacional de cada um de vocês, onde o Mestre
Yaberin está inserido em muitas passagens encarnacionais e existenciais
dentro do contexto político dos impérios que foram sendo formatados na
linha de tempo dessas regiões.

Os setores mais comprometidos onde muitos de vocês iniciaram sua


jornada encarnacional estão nas localidades de Nodia, Avyor, M-45, Capela,
Taurus, Orion, Pégasus, Cassiopeia, Centauro, Carina, Gemini, Escorpião,
Sagitário, Sirius. Mas esses locais têm uma relação temporal diferenciada e
Portais entre estes centros e outros grupos, onde os Fractais de Alma de vocês
acabaram se envolvendo e a maior parte ficou aprisionada pelo elevado
gradiente de dualidade e busca do poder sem sentido. Nesses setores que
veremos a seguir, Yaberin criou várias escolas e esteve presente com muitos
de vocês e perdeu ou teve parte de seus fractais aniquilados pelos conflitos e
guerras devido à tecnologia sem amor e sem responsabilidade.
M-45 PLÊIADES

Dentro desse aglomerado de cerca de 380 estrelas, que ficam nas


imediações da constelação de Touro, foram inseridos diversos projetos
genéticos antes da chegada dos humanos transferidos pelo Comandante
Onara salvos do planeta Avyor da total aniquilação causada pelos reptilianos
que estavam sequestrando e guerreando contra o projeto de MICAH. Nesse
setor foram inseridos por Onara mais de sete milhões de seres humanos em
seis planetas, para darem continuidade à vida e ao projeto Micahélico com
esse genoma, sendo que do planeta Avyor foram resgatados mais de 2,5
bilhões de seres humanos e transferidos para 49 localidades diferentes
somente na Via Láctea. Como deveriam saber M-45 é uma pequena
constelação de enxame semiaberta, com acesso restrito pelo elevado
gradiente de radiações devido às estrelas muito próximas, sendo, portanto,
um ótimo local para desenvolver projetos genéticos entre o gradiente de 4D
até 6D e além disso esconderijo perante os grupos externos de densidades
mais baixas como 3D.

Yaberin inseriu fractais seus dentro desse aglomerado para acompanhar


muitos alunos que já participavam de estudos desde as esferas de 6D até 8D e
que aceitaram ajudar na formatação inicial de almas nas novas raças que
seriam formatadas nesse setor. Junto com Yaberin, foram inseridos outros
Mestres do grupo inicial dos 144 e seus fractais, para estabelecer um trabalho
de orientação dentro da dualidade que se instaurava gradualmente. A
complexidade do setor de M-45, que os humanos insistem em chamar de
Plêiades, é bem grande por estar inserido em muitos projetos e pesquisas no
fluxo temporal, o que inclui a Terra em várias fases de sua existência. M-45 e
a Terra estão ligados por Portais e não apenas pelos Anunnakis de Nibiru
como as pessoas imaginam. O próprio Yaberin se tornou um viajante
temporal sem intenção, quando participou do fluxo existencial de Plêiades —
ou M-45 — com mais de 275 projetos genéticos e grupos estelares inseridos
no fluxo temporal e existencial desse pequeno conjunto que dista cerca de
2.000 anos-luz da Terra. Parte do desenvolvimento racial humanoide e de
vários tipos de mamíferos estão relacionados a projetos desenvolvidos dentro
de M-45 e de Sirius, onde Yaberin e muitos Filhos Paradisíacos perdidos
ainda se encontram aprisionados em hologramas do desdobramento da Alma
e da consciência gerados na dualidade polarizada ao extremo durante as
guerras realizadas na busca pelo poder absoluto.

O desdobramento encarnacional dentro de M-45 acabou gerando de


forma natural várias projeções de fractais de alma no fluxo temporal dos
planetas que fizeram parte de pesquisas durante a exploração colonial, pois a
exploração sideral acaba gerando desdobramentos na linha de tempo,
causando a multiplicidade encarnacional das Almas e seus fractais de maneira
descontrolada, sem que essas Almas inseridas no processo social de M-45 e
dos outros setores da Via Láctea tivessem conhecimento. O histórico da
humanidade terrestre e de outras anteriores, tem relação direta com muitos
acontecimentos do passado relativo e até mesmo do futuro relativo de M-45 e
do setor que envolve diretamente os Nodianos, Sirianos e Arcturianos. Estes
três grupos acabaram se envolvendo em muitos projetos e em parte são
descendentes de outros processos coloniais no fluxo temporal e na
propagação de Almas que encarnaram em um grupo e depois em outro, dando
continuidade ao histórico entre esses três que acabaram se envolvendo em
projetos com o grupo de Orion, entre as principais estrelas e civilizações mais
avançadas.

Dessa forma descrever um fluxo direto do processo encarnacional


coerente para a percepção humana é literalmente impossível, sem entrar no
problema dos deslocamentos de tempo e de localidade entre um setor e outro.
O mesmo ocorreu com Yaberin e seus alunos mais avançados, que tinham
por objetivo manter o controle e o acompanhamento dos discípulos das
antigas escolas de mistério e do conhecimento sobre a Confederação e a
verdadeira origem de cada Alma e grupo espalhados no contexto fisiológico.

M-45 é o berço de muitas civilizações humanoides e humanas ao longo


dos últimos 5,7 bilhões de anos e tem relação com grande parte do histórico
do Sistema Solar ainda durante a era do Sistema de Satik e das rotas coloniais
dos Nodianos desde seu centro de poder que se localiza na órbita da estrela
Polaris, onde foi inserida pelo Comandante Onara uma das 49 tribos ou castas
que ele espalhou ao longo de vários setores da Via Láctea, resgatados de
Avyor. Podemos dizer que o Comandante Onara foi um dos impulsionadores
da expansão da raça humana de Vega-Avyor e do desdobramento de milhões
de Almas seus e fractais no processo natural de expansão dessas sociedades
estelares, que tiveram sim a ajuda da Confederação. Muitos de vocês que
tinham o objetivo de participar do projeto Micahélico, solicitaram a
oportunidade de entrar na fisicalidade nos mundos com material genético
direto ou mesmo indireto de Micah na espécie humana Kad Amon Adâmica
de Avyor e seguir adiante na sua jornada para leva-la a um patamar superior
em relação às outras etnias e raças mais antigas na galáxia. Em geral M-45
desenvolveu várias culturas humanoides e humanas descendentes direto de
Vega Avyor, sendo o Comandante e cidadão Torank um dos principais
líderes e coordenadores da evolução dessa sociedade, do avanço tecnológico
e contato com os representantes ocultos da Confederação que neste caso, o
contato foi com Yaberin. De certa forma Torank era um contatado e
informante de Yaberin e juntos ajudaram a inserir as escolas de mistérios e as
técnicas de meditação e mediunidade para comunicação das diferentes
dimensões e esferas, assim como os grupos Kumaras de Sirius Alpha
iniciaram o processo de ajuda e treinamento dos discípulos e escolhidos da
delegação de Kumaras de Sirius e Canopus, junto com o trabalho de Yaberin
e de Torank.

O processo de comunicação através de telepatia e mediunidade era e


continua sendo o mecanismo mais seguro e direto entre as diferentes
dimensões e frequências das realidades do universo. Principalmente para os
seres que possuem consciência além de 9D, eles só conseguem contato com
esferas inferiores através da consciência e do processo mediúnico. A grande
parte dos contatos de Yaberin com os comandantes e grupos de alunos foi
desta maneira, até que ele definitivamente entrou na realidade utilizando os
corpos clonados do Yaslon e teve acesso direto aos seus alunos para iniciar a
constituição das universidades de ascensão e reconexão em cada setor
escolhido pela liderança dessas civilizações e pelos descendentes dos Filhos
Paradisíacos perdidos no fluxo encarnacional.

Cada um de vocês que neste momento está acessando estas informações,


estão recebendo novos códigos de ativação e restauração do código genético
original de seu corpo criogênico ou além, conforme a origem de vocês e a
missão que originalmente tinham no quadrante onde se localiza o atual
Sistema Solar, dentro do contexto político das Federações envolvidas e dos
próprios Filhos Paradisíacos que acabaram aprisionados nesse mesmo jogo
com vocês em diferentes realidades e condições de cada plano existencial. As
ativações são necessárias para remover as programações de escravização
inseridas no decorrer do processo encarnacional na Terra pelos grupos
dominantes ao longo dos últimos 120.000 anos quando a Terra acabou se
desviando do projeto original proposto pelos dirigentes da Cúpula de Cristal e
de outros setores envolvidos na colonização e pesquisas na Terra. Sempre
que uma leitura ativa determinadas memórias no subconsciente de vocês e em
outros setores internos do cérebro, ocorre a ativação de mecanismos de
liberação de energia e de conexão com os corpos superiores, gerando a
conexão que é definida como transmigração de consciência. Esse é
exatamente o atual trabalho das diversas equipes do plano espiritual, em que
Yaberin e sua equipe estão engajados há muitos anos com cada aluno perdido
e desconectado desde o processo mais denso que ocorreu posterior ao Dilúvio
que acabou gerando um processo nefasto na Terra para todos, incluindo os
próprios Anunnakis. As cataclísmicas situações geradas pelo alinhamento
planetário entre Nibiru, Marte, Herculovos e a Terra, são na verdade um
efeito nocivo das torções gravitacionais que têm sua origem na grande guerra
de Orion quando utilizaram as poderosas bombas ou explosivos de Quark
pesado que desintegraram estrelas através de singularidades artificiais
causando distorção nas Membranas Brana entre as diferentes dimensões do
universo Bariônico e de Matéria Escura.

Como já foi comentado, a relação da Terra e suas diversas realidades


com as civilizações humanas e humanoides do conjunto de M-45 é muito
grande. Esta ligação ocorre no fluxo temporal e no salto dimensional entre
esses sistemas e a proposta Morontial da Terra, através dos diversos Filhos
Paradisíacos que resolveram se juntar aos projetos de Micah e entrar na
disputa de poder e no jogo entre os outros Filhos Paradisíacos que apostavam
em outras linhas de existência e evolução controlada. Quando colocamos
disputa de poder, não significa um confronto ou guerra como os humanos
entendem, mas como um jogo das olimpíadas onde cada qual vai dar o seu
melhor para desenvolver um projeto de alta capacitação. A dualidade nesse
nível de consciência não significa conflito, mas os desdobramentos ou os
fractais desses seres acabaram criando na competição os conflitos que
originaram as guerras. Isso tem que ser entendido e avaliado pelo coração.
No setor interno de M-45, dentro dessa nebulosa com cerca de 380 estrelas,
essa questão ficou marcada de forma densa e violenta através de guerras e
uma carnificina de poder entre as raças dominantes e as menos privilegiadas,
gerando escravidão assim como ocorreu na Terra. Na verdade, podemos
afirmar que os acontecimentos históricos terrestres registrados nos últimos
12.000 anos nas escrituras indianas, sumerianas, hebraicas, lemurianas e de
outras origens, são o reflexo do que ocorreu dentro de M-45 em seus povos
dominantes contra os mais frágeis. Através do código de memória celular e
de Alma dos humanos encarnados e do astral, a Terra replicou grande parte
dos acontecimentos de realidades paralelas em M-45.

Dessa forma, falar especificamente de M-45 é como falar de diversas


épocas e civilizações da Terra que são um retrato de sua grande
complexidade, com civilizações muito prósperas e avançadas no contexto
social, como outras na tecnologia e na disputa de poder, além das que
sofreram grandes derrotas e conflitos inter-raciais como ocorreu na Terra em
seu pequeno registro histórico. Cada um de vocês é parte do fractal
encarnacional do histórico de M-45 mais do que outras localidades,
justamente pelo envolvimento de Filhos Paradisíacos e do próprio Micah no
contexto social e tecnológico de M-45, sendo este o setor de maior
desenvolvimento de espécies humanoides e mamíferos com um índice de
dualidade muito acima do que era suposto pelos Lanonadecks responsáveis
por esse setor. O que acabou colocando os seres da linhagem de Lanonadeck
Terciários e Quaternários em confronto e em disputas de poder entre eles
pelas Almas encarnadas e seus respectivos fractais no processo
encarnacional, sem que tivessem a memória completa de sua verdadeira
origem e estrutura direta com esses mesmos Filhos Paradisíacos, gerando
assim as diferentes facções religiosas de dogmatização, controle mental e
emocional através da religião. Como já lhes expliquei, os acontecimentos do
conjunto de M-45 ocorrem em planos paralelos, que podem ser o seu passado
há mais de quatro bilhões de anos, outros no presente, enquanto que outros
ainda no futuro relativo há mais de 350.000 anos em seu tempo, pois as
realidades não são lineares dentro da estabilidade dimensional, geológica e
energética de cada Sistema Solar no universo. Tudo é relativo ao contexto
local das energias envolvidas.

Sim, para aqueles que têm a percepção de grandes cidades e civilizações


avançadas como nos filmes de ficção, isso é um fato na grande diversidade
social dos impérios internos de M-45 e de outros, mas também a existência
de planetas destruídos como Marte é outra realidade que faz parte da
evolução e amadurecimento dos humanos. A sua própria civilização irá sair
da Terra e se juntará no fluxo existencial dentro de M-45 e de outras
localidades, o que se tornará o futuro da humanidade que se originou na
Terra. Mas na verdade não é dessa forma, pois a sua humanidade e
civilização foi plantada artificialmente na Terra por outros de seu passado
relativo. Tudo é um círculo que gira constantemente e gera nessa rotação o
fluxo da vida e das realidades paralelas que vão sendo formatadas
gradualmente por vocês através das escolhas que realizam.

Dos seis grupos humanos originais que foram inseridos pelo


Comandante Onara em M-45, aproximadamente 38 planetas colonizados e
mais de 127 satélites ou luas habitadas acabaram surgindo no processo de
expansão colonial e tecnológica de exploração de outras moradas, para
mineração e formatação das rotas comerciais internas. O que acabaria
causando conflitos com outros grupos ou civilizações que também estavam
em expansão tecnológica dentro desse aglomerado, gerando guerras ou em
alguns casos unificação e as Federações internas de M-45.

Assim, dentro do histórico multidimensional de M-45 existiram mais de


58 civilizações bem avançadas do ponto de vista social e tecnológico, cerca
de 42 Federações e Casas de Comércio e mais de 164 planetas colonizados e
ajustados para os interesses desses 58 planetas de civilizações mais
destacadas, além de grupos isolados que preferiram evoluir como os
Canopeanos, através do espírito e Alma e não pela tecnologia. Yaberin está
inserido nesse contexto junto com muitos de vocês e existem situações a
serem ajustadas antes da partida de vocês da Terra em direção a M-45 e
outras localidades. Esse trabalho em parte tem sido ativado pelos Mestres da
Fraternidade Branca através da literatura e energia dos 12 Raios e de seus
respectivos Chohans nos últimos 70 anos.

Vejam o contexto humano e humanoide de M-45 como um espelho das


diferentes potências e países de sua civilização terrestre mais moderna, com
suas diferentes culturas, religiões, mas unidas por interesses comerciais e
políticos de poder e dominação. O que não ocorreu da mesma forma em
localidades isoladas como Sirius, Nodia, Aldebarã, Betelgeuse e outras, onde
outras famílias de humanos de Avyor foram deixadas pelo mesmo
Comandante Onara há mais de 6 bilhões de anos. Cada um desses 58 grupos
de alto desenvolvimento acabou recebendo as escolas iniciáticas provenientes
dos 144 Mestres de magia onde foram implantados projetos de sustentação e
ascensão para os respectivos grupos de Almas enviados com a missão de
sustentar os interesses de Micah e outros Filhos Paradisíacos inseridos nesse
setor da Via láctea, e assim manter o contato com os representantes da Ordem
Lanonadeck e seus interesses.

Os próprios membros da Ordem Lanonadeck com o tempo se tornaram


independentes da linhagem direta da Ordem Shamuna e geraram seus
projetos com interesse próprio sem o consentimento de seus superiores,
gerando a concepção humana de conspiração e complô contra Deus, o que na
verdade é uma interpretação equivocada do palco político de sua galáxia.
Nunca houve uma conspiração contra Deus, até pelo fato dele não existir
como vocês o definem. Mas ocorreram várias conspirações contra os líderes
no contexto colonial e político dos grupos de poder dominante nos últimos 12
bilhões de anos de Naoshi e suas 49 galáxias. Estas revoltas foram
interpretadas de forma equivocada no contexto religioso pela falta de
entendimento da abrangência do poder tecnológico desses seres que estão
acima do poder dos deuses que pisaram na Terra nos últimos 3,2 bilhões de
anos terrestres.

As sociedades mais evoluídas de M-45 atingiram o plano existencial de


7D e se mantiveram em equilíbrio e em ressonância com outros grupos
avançados da Via láctea e da própria Federação Intergaláctica. Mas os grupos
de 4D, 5D e 6D ainda estão dentro da dualidade e com questões a serem
resolvidas com os demais impérios e com a própria Terra, que foi e ainda é
usada pelas 22 Delegações e pelos membros da Aliança Galáctica, que
possuem em Alcione interesses políticos interestelares e interesse no poder
absoluto entre os deuses estelares. Esses grupos fazem parte da atual estrutura
de poder do Sinistro Governo Secreto ou Governo Oculto como outros o
definem, permitindo que os países de maior desenvolvimento tenham o poder
e o controle da humanidade, das bases lunares e de outras localidades desde o
contato com os Nazistas no ano de 1928, que acabaram por mudar a rota da
história terrestre e gerar segregação e a escolha dos genomas que têm o
direito de saber a verdade e aqueles que devem apenas sustentar o sistema
com trabalho, economia e material genético para clonagem e pesquisas, que
são atribuídas aos grupos como Iluminattis e equivalentes na teoria da
conspiração.

Notem a complexidade de informações que estamos revelando e como


isso faz parte do histórico existencial não apenas na Terra, mas em outros
planos de existência estelares onde vocês são parte desse mesmo jogo de
poder e neste momento, através do corpo astral, estão procurando limpar ou
desbloquear contratos de aprisionamento na Terra. O trabalho que Yaberin
tem feito com vocês no contexto astral da Terra e nas diferentes dobras da
existência terrestre, está relacionado aos portais entre a Terra e as moradas
estelares diretamente relacionadas às civilizações da Terra nos últimos 3,2
milhões de anos, conforme os desdobramentos registrados na Cúpula de
Cristal e registros dos Mestres governantes desde essa era ou mesmo antes
deste período.

A realidade astral da Terra possui inúmeros Portais de acesso e de


transferência de energia que vão além da capacidade de bloqueio da Barreira
de Frequência, conseguindo criar acessos e constante intercâmbio de
realidades, como ocorre na estrutura Terrestre de 5D, 6D e de 7D que têm
relação com as antigas civilizações de MU, Lemúria, Antártida e outras ainda
pouco conhecidas.

A história do desenvolvimento de M-45 e de suas principais 58


civilizações humanoides e humanas, tem relação com a evolução e apoio
tecnológico dos grupos de poder dos Impérios Siriano, Canopeano, Orionano,
Antariano e de outros não conhecidos pelos canalizadores. Além destes,
existe a participação direta dos chamados Aviários, que são uma raça
humanoide descendente de aves, que possuem relação com o passado do
Sistema de Sirius Alpha há mais de 8 bilhões de anos terrestres, que também
ajudaram na sustentação de vários projetos dentro de M-45. A pluralidade
existencial de M-45 acabou se refletindo na biodiversidade do seu planeta,
não apenas na espécie humana e suas etnias, mas na fauna e flora através da
transferência de informações e implantação direta dessas espécies na
diversidade climática e territorial da Terra que foi artificialmente ajustada
para oferecer essas condições e poder sustentar vida nas suas variadas formas
de expressão. Na verdade, a Terra é um mini zoológico de diferentes
localidades da Via Láctea e possui muito de M-45 e seus 58 grupos de poder
mais avançados, manifestados na natureza. Os outros grupos de menor
expressão tecnológica e poder acabaram transferindo também seus projetos
de interesse para a Terra nos últimos 70.000 anos e por isso, interagindo mais
com a civilização e com o processo encarnacional. Estes grupos colocaram
parte de seus projetos associados aos grupos de Sirius, Arcturos, Orion e
assim obtiveram sucesso e permissão da Aliança Galáctica para desenvolvê-
los, sem necessidade de aprovação direta.

Avaliar a relação do contexto existencial de M-45 com a humanidade e


da Terra, significa falar em algo próximo a 360 bilhões de Almas inseridas no
processo encarnacional entre 3D até 7D nos últimos 3,2 bilhões de anos
terrestres. O que significa uma contabilidade bem extrema para a percepção
humana dos fatos sobre seu atual planeta e sobre o processo existencial
diversificado de M-45 e seus grupos de poder que, além dos 58 grupos mais
desenvolvidos, totalizam algo por volta de 102/108 grupos extremamente
ativos no processo tecnológico, encarnacional e político em busca da
evolução pelo espírito ou pela tecnologia direta. No contexto existencial da
Terra foram inseridos cerca de 33,5 bilhões de Almas na Terra, sendo que na
atualidade de vocês (2016) existe algo próximo a 22,3 bilhões de Almas nos
diferentes planos de existência da Terra.

O processo encarnacional umbralino e do plano astral de M-45 coloca


muitos no processo Terrestre e o mesmo ocorre no processo inverso, quando
muitos de vocês saem da Terra e voltam para M-45 dentro de seus principais
centros de poder. Aqui reside um problema sério de entendimento dos
humanos, pois confundem algumas estrelas periféricas bem externas como
sendo Plêiades M-45, que é o caso do grupo das sete estrelas externas de M-
45. Baseados na mitologia grega, as sete estrelas mais brilhantes desse
aglomerado pertencentes à constelação de Touro, foram chamadas de as sete
filhas do Deus Atlas e da Deusa Pleiône, como: Alcione, Asterope, Electra,
Maia, Mérope, Taigete e Celeno. No entanto, esse grupo de estrelas está
muito mais próximo da Terra do que o próprio aglomerado de M-45, que fica
inicialmente cerca de 2.000 anos-luz da Terra, sendo que a estrela de Alcione
fica cerca de 457 anos-luz da Terra, algo próximo a 135,2 Parsecs de
distância. Mas o restante fica além disso. Essa informação é importante
porque os humanos entendem como sendo Plêiades somente a estrela de
Alcione, o que é um erro grave, pois os seres que vivem nos planetas que
orbitam essa estrela de Alcione, fazem parte do poder político da Aliança
Galáctica e do jogo de poder do pós-guerra de Orion e que ainda estão em
busca de muitos projetos com os grupos mais sutis para equilibrar esse poder.

Uma grande parte das canalizações e dos contatados por parte de


Plêiades, são na verdade seres que habitam os planetas na órbita da estrela de
Alcione e têm ligação direta com a Aliança Galáctica, que está inserida em
um complexo histórico galáctico na disputa de poder dos Filhos Paradisíacos.
Justamente dentro desse contexto se encaixam grande parte dos seres
humanos que de uns 30 anos para cá vêm despertando de sua inconsciência
planetária e através da espiritualidade ou do universo místico, iniciando uma
nova jornada. Vocês representam uma parte do histórico de M-45 e de seus
principais centros de poder, o que inclui outro setor pouco falado que é a
gigantesca estrela de Aldebarã, onde o Comandante Torank montou seu
império com as etnias humanas adâmicas que ele julgou adequadas para
evolução. Deixando então o setor de Alcione para outros dirigentes e grupos
que estavam numa frequência mais baixa de dualidade e envolvidos na
pesquisa tecnológica mais densa em comparação com as aspirações de
Torank e os grupos com os quais ele se comunicava e ainda mantém
relacionamentos profundos.

Na verdade, o aglomerado M-45 é um grupo satélite da constelação de


Touro, onde a estrela de Aldebarã é a mais brilhante e fica bem mais próxima
da Terra a 63,2 anos-luz, sendo uma gigante vermelha com mais de 360 vezes
o brilho do Sol e possuindo dezenas de planetas habitados pelos grupos
originais e de Torank, que colonizou e estabeleceu seu centro de poder e
evolução dos humanos Arianos entre 6D e 8D na órbita desse gingante
vermelho-laranja. Embora o grupo de M-45 seja um grupo satélite da
constelação de Touro, a estrutura social de Alcione e das outras sete estrelas
irmãs mais próximas da Terra são independentes do governo de Aldebarã e
são regidas pelos acordos das Federações e da Aliança Galáctica no contexto
político dos grupos dominantes. Já Torank possui uma liderança diferenciada
no relacionamento com esse grupo, pois mantém uma estreita relação de
poder e convívio com os Mestres da Confederação e da Supra Confederação
bem acima dos interesses da Aliança Galáctica. Ele serve inclusive como
ponte de comunicação com os grupos além de 6D, como é o caso de algumas
facções internas dos Aviários que trabalham em conjunto com comandantes
ligados ao comando direto de Torank. Aqui alguns de vocês começam a
perceber a sua conexão com os seres Aviários que têm sido revelados pelo
ex-agente Corey Goode e pelo próprio Rodrigo Romo em vários de seus
vídeos e artigos, justamente pelos grupos que manipulam naves gigantes
maiores que o planeta Júpiter na órbita do Sol para diminuir os efeitos das
torções gravitacionais. Muitos de vocês são diversos fractais que chegaram
no patamar ou além de 6D provenientes da sociedade dos Aviários, que são
uma vertente das antigas civilizações do império Siriano, associados com os
primeiros ciclos encarnacionais de 4D e 5D há mais de 9 bilhões de anos da
contagem terrestre. A raça dos Aviários passou por severas provações contra
seus inimigos Sirianos Felídeos, com os quais disputavam o poder e as rotas
coloniais entre a Via Láctea e outras galáxias vizinhas, como o aglomerado
de Sextante que do ponto de vista relativo da Terra, é uma pequena galáxia
ou aglomerado abaixo da Via Láctea a 70 mil anos-luz no máximo, de onde
esses seres se originaram parcialmente e acabaram entrando em contato com
os Felídeos que eram os líderes da Via Láctea no setor de Orionis. O poder
foi disputado pelos dois grupos ao longo de muitas gerações até que parte de
suas etnias se extinguiu e com o tempo, a presença do Comandante Onara e
do próprio Yaslon Yas, acordos de paz resultaram na unificação entre ambas
as linhas e desta maneira puderam transcender de 4D para os níveis
superiores e dar continuidade a uma nova sociedade. Esta foi a base de
muitas sociedades que vieram depois, incluindo a evolução dos reptilianos
que descendem diretamente dos Aviários, assim como os mamíferos que
descendem dos Felídeos de Sirius Alpha.

Neste contexto muitos de vocês ativaram importantes informações


relacionadas à sua relação com o desenvolvimento social dos diferentes
povos de Sirius, que acabaram incorporando os Aviários como uma de suas
ramificações na formatação do império que se formaria ao longo de várias
constelações. A intervenção dos membros da Supra Confederação ou mesmo
da Confederação foi providencial em muitas etapas do processo evolutivo,
para garantir o ciclo existencial abaixo de 6D em muitas fases do processo
material de Naoshi, sendo que o Comandante Yaslon Yas assumiu muitas
responsabilidades perante o Conselho de Orvotón para ajudar Micah e os
interesses do Conselho Voronandeck e Goronandeck. Muitas vezes sem
autorização, assumindo os riscos e se desdobrando no processo existencial,
como foi o caso do desdobramento de Yaberin e dos outros 144 Mestres
magos e dos grupos posteriores.

A relação do grupo de cinco etnias de Aviários com o sistema de


Alcione ficou mais intenso há três milhões de anos da contagem terrestre,
quando eles adaptaram um planetoide de outro aglomerado numa órbita
estável e concêntrica ao redor de Alcione e depositaram parte de seu império
de Sextante na Aliança Galáctica, assumindo cargos de chefia a partir de 6D,
sendo considerados pelos outros membros mais densos da Aliança Galáctica
como os “imateriais”. Detentores de uma tecnologia muito avançada que lhes
permite entrar em diferentes esferas de energia dimensional, esses seres
habitam entre 6D e 7D com naturalidade e têm realizado ajustes e quando
possível, a reversão das falhas que geraram as torções gravitacionais da
grande Guerra de Orion e das guerras anteriores que também foram muito
severas, como foi o conflito entre Aviários e Felídeos há mais de 9 bilhões de
anos. A restauração da malha gravitacional de determinados setores da
galáxia, como no Sistema Solar, afeta o campo de outras dimensões.
Afetando também o campo astral entre 4D e 5D na esfera terrestre, onde
muitos de vocês estão desenvolvendo um trabalho de liberação de contratos
de aprisionamento no jogo de poder do seu próprio passado.

O sistema de Alcione passou a representar o centro do poder de povos


humanos e humanoides entre as rotas de Orion, Aldebarã, Nodia, Cygnus,
Pégaso, Cassiopeia, Perseu e Sirius, por estar localizado ao centro das rotas
de navegação dos principais grupos que dominavam a navegação espacial
convencional e mais avançadas, utilizando as principais estrelas como pontos
de orientação no deslocamento interestelar de seus veículos, antes da
invenção dos Star Gate (portais estelares) que acabariam amplificando a rede
de poder e alcance desses grupos. Assim, naturalmente a estrela de Alcione
acabou assumindo importância e se transformou no centro operacional do
poder da Aliança Galáctica e de alguns grupos das Federações locais, como
um quartel general dessa magnitude. Na verdade, a estrela de Alcione foi
transferida de órbita pelas naves dos Aviários e do Alcon para sua posição
atual, para definir uma nova fase da evolução dos grupos que estavam
disputando o poder dentro do aglomerado de M-45 e com isso deixar Torank
livre para sua jornada em Aldebarã sem precisar liderar as outras castas
humanas deixadas por Onara dentro de M-45.
O projeto de Torank foi facilitado diretamente por Yaslon Yas e suas
equipes para dar sustentação ao genoma de Micah e de Shtareer inserido na
estrutura mamífera dessa etnia e apoiar futuros projetos evolutivos para
novos e antigos Filhos Paradisíacos e seus fractais, sem a intervenção de
genomas não Micahélicos como ocorre com muitas etnias de M-45 e de
Alcione, inseridos na Terra desde a manipulação dos Anunnakis de Nibiru
através de Enki e Enlil, que levaram um genoma impuro para ser inserido nos
humanoides e neandertais da Terra nos últimos 450.000 anos terrestres.
Através da ajuda que Torank recebeu de Yaslon Yas, o próprio Yaberin
acabou se tornando um profundo colaborador do império de Torank e dos
mais de 25 bilhões de Almas inseridas em seus domínios para viverem entre
6D e 8D. Além dos agregados de 5D conectados pelos tratados com Alcione,
Orion, Sirius e Toliman, que fazem parte dos acordos de ajuda mútua. Parte
de vocês entrou no jogo de interesse na criação de uma nova sociedade
humana com genoma mais puro sem a inserção de outros códigos que não
eram de Micah. Para alguns pode parecer racismo, mas significa um
experimento separado em relação às outras propostas, onde foram inseridos
diferentes genomas para se analisar os resultados do experimento terrestre
nos últimos 1,5 milhões de anos em alguns aspectos e depois de forma
definitiva nos últimos 400.000 com os Nibiruanos que desenvolveram parte
do projeto Homo Sapiens.
M-35 Propus

setor de M-35 Propus do ponto de vista da Terra, fica pouco


O abaixo da constelação de Gêmeos e Orion, abaixo da estrela de El
Nath e M-1 Crab que são setores de influência de Aldebarã sob o
comando de Torank, onde foram criados vários projetos de resgate e
aperfeiçoamento das raças humanas e humanoides que possuíam genomas
mistos como os da Terra e de outros setores de M-45, Orion, Alcione e
estrelas vizinhas, formatando assim uma nova fase de evolução.

O setor das estrelas de Castor e Pollux, que são as mais brilhantes de


Gêmeos, representa uma realidade paralela da antiga humanidade de Mu do
passado na Terra e, portanto, o futuro relativo para muitos de vocês que vão
realizar o processo de ascensão e sair do ciclo encarnacional interno da Terra.
Parte dos fractais de Alma de vocês já se encontra nesses dois sistemas ou
estão em processo de transferência para esses setores de Gêmeos, que
representa uma das realidades paralelas de evolução pós Terra desencadeada
através dos projetos de Torank em Mu e nos outros continentes nos últimos
800.000 anos terrestres. As realidades se intercalam em muitos momentos no
processo encarnacional dos fractais de Alma, situação que é administrada
pelos Mestres da Fraternidade Branca, da Cúpula de Cristal e por outros
membros do Comando Estelar que fazem parte deste projeto da Operação
Resgate da Terra e de sua biosfera encarnacional. A estrela de Tejat é uma
realidade alternativa para muitos humanos e seres do Sistema Solar caso o
colapso do Sol atinja níveis inadequados para a manutenção de vida abaixo
de 5D no futuro próximo, servindo de novo sistema para formas biológicas
entre 4D e 5D e ao mesmo tempo, servindo não como mundo de exílio, mas
de continuidade ao processo que pode ser interrompido na Terra e nos outros
planetas do Sistema Solar. Tejat está sob a coordenação dos Mestres de
Alcione, da Federação de Plêiades e da Aliança Galáctica, relacionado com
projetos de pesquisa das 22 Delegações e do atual SGS na possível evacuação
dos humanos selecionados pelo genoma inserido ou implantado nos últimos
80 anos em sua civilização.

A estrela de El Nath é outro setor importante na rota de extração de


recursos naturais do eixo entre M-45, M-35, Orion, Nodia, Draco, Perseu,
Taurus, Leo e Sirius antes da criação de portais ou Star Gates inseridos
através de tecnologia estelar pelos grupos das Federações mais importantes,
que compunham o grupo das 108 anexadas ao sistema de Alcione e por
consequência à Aliança Galáctica. Este eixo representa um celeiro
encarnacional entre 3D e 6D para bilhões de Almas e seus fractais no
desenvolvimento da consciência. E também na ramificação das Almas e das
raças à medida que entravam na Matriz de Controle social de cada grupo e
através dos sistemas de controle que acabaram sendo implementados pelos
Lanonadecks ligados ao grupo de Sarathen e dos Xopatz, acabaram
aprisionados na roda encarnacional sem a ambição da ascensão e o retorno à
Fonte. Aqui está uma questão importante: a maior parte desses bilhões de
almas e seus fractais não tinha ambição ou desejo de retornar à Fonte, pois
estava contente com o que a materialidade imediata tinha a oferecer, como o
poder da tecnologia e o abandono do poder do espírito que se tornava cada
vez mais inacessível e mitológico, destinado a uma minoria dentro das
diferentes sociedades estelares.

Foi durante a implantação da Matriz de Controle entre 3D e 5D que o


Mestre Yaberin inseriu suas universidades para garantir o contato com as
esferas de 6D e além, através dos ensinamentos e da mediunidade induzida,
para manter a conexão mesmo onde a Matriz de Controle estava no comando
de diversas civilizações. Na verdade, podemos dizer que as sociedades
estelares da Galáxia e de Naoshi estão divididas em patamares, sendo que o
mais denso e preso a essa mesma Matriz de Controle fica abaixo de 5D e os
que iniciam a jornada de reintegração estão além de 6D. Sendo na dimensão
ou frequência de 6D o ponto de separação definitiva entre as realidades com
maior índice de dualidade. Na Terra a maior parte das escolas herméticas
estão associadas parcialmente a esses ensinamentos através de uma
metodologia universal com matérias e ensinamentos, mas o grande
diferencial dessas escolas foi, na verdade, a maneira como o uso desse
conhecimento no plano do mental, emocional e psíquico de cada aluno foi
mensurado e aplicado.

O setor da estrela de Propus e Tejat é importante para os grupos de


Plêiades, pois serve na atualidade como um centro de pesquisas entre 4D e
5D no desenvolvimento da clonagem de Almas e dos corpos dessas
dimensões inseridos em projetos e missões avançadas. A Terra está incluída
neste contexto por causa dos grupos transferidos para o planeta Nibiru há 2,7
milhões de anos e posteriormente enviados à Terra através da manipulação
vedada de Ashirion de Sirius, que colocou a família real de Nibiru na Terra e
através de Enki, desenvolveu o projeto do Homo Sapiens. Na verdade,
podemos dizer que os sistemas de Propus e Tejat são depósitos de energia
que proporcionam a formação de plasma, que faz conexão com os neutrinos
que fazem parte do material vibracional e energético que compõe a Alma e
suas radiações, posteriormente controladas pelo uso das sete forças
fundamentais da Matéria Bariônica e Matéria Escura. O objetivo é estabilizar
essas energias dentro de um corpo biológico, controlar o processo
encarnacional e a evolução das raças mais densas, que servem de estrutura
para as civilizações mais avançadas que vivem em modelos de castas
piramidais, para sustentar a sua evolução e sustentação social. Esta tecnologia
que foi deixada pelos “antigos”, na verdade pertencia aos grupos de Filhos
Paradisíacos da linhagem de Anhotak, Sarathen, Micah, Metraton, Atom-
Naghuera, Lana-Auwathan, Kendhara, Mirash, Antamon e outros dessa
primeira leva de um total de pelo menos 72 Filhos Paradisíacos que
registraram o desenvolvimento de suas pesquisas iniciais para o processo
biológico encarnacional há mais de 10 bilhões de anos. Esse local foi
posteriormente abandonado e Sarathen o utilizou para seus interesses e deu
continuidade ao projeto de controle e dominação com a própria tecnologia da
Supra Confederação e acabou transferindo o conhecimento para os
Draconianos, Xopatz e outros grupos de sua confiança, gerando assim a
formatação gradual do que é definido por vocês de Matriz de Controle.

Alguns setores se opuseram ao setor que Sarathen passou a controlar


sem que outros impérios percebessem. Estes setores opostos se localizavam
nas proximidades de Betelgeuse, Belatrix, o que gerou gradualmente a
dualidade e os futuros conflitos que desencadeariam a grande Guerra de
Orion muito tempo depois pela escala de tempo dos humanos.

O quadrante de Propus e Tejat, que é um enorme emaranhado com


bilhões de estrelas, representa um celeiro devidamente explorado pelos Filhos
Paradisíacos iniciais e depois pelo poder estratégico de Sarathen e outros
seguidores. E acabou chamando o interesse das 108 Federações representadas
pelo Sistema político de Alcione e por consequência dos grupos associados a
Aliança Galáctica. Desta associação surgem inúmeros projetos de
manipulação genética do corpo material, do corpo astral e do genoma da
Alma. Muitos experimentos realizados pelos diferentes grupos de visitantes
extraterrestres e o próprio Governo Oculto da humanidade, se baseiam na
condição inserida no processo político das diferentes Federações e grupos de
poder, que buscam igualar o seu poder e capacidade tecnológica à dos Filhos
Paradisíacos.
Desdobramentos e Expansão Consciencial de Nodia

império de Nodia foi um dos primeiros a evoluir com a ajuda


O direta de Onara depois de sua transferência do planeta Avyor de
Vega para o quarto planeta da estrela de Polaris. E com o tempo
Nodia colonizou o terceiro e sétimo planetas dessa mesma estrela,
formatando assim em três planetas a estrutura primordial do império
Nodiano. Como já foi comentado, os Nodianos se destacaram por estabelecer
as primeiras rotas de comércio ou rotas de extração de recursos minerais no
grupo próximo de estrelas e planetas, e também no contato com as outras
tribos humanas evacuadas por Onara. Desenvolveram tratados e acordos de
auxílio mútuo e ampliaram ainda mais o potencial tecnológico e estratégico
de seus grupos, seguindo as instruções de Onara e da própria intuição. Com
base na história sofrida em Avyor causada pelos agressivos representantes
reptilianos e Dracos que atacaram e subjugaram a espécie humana de Avyor,
o grupo de Nodia foi desenvolvendo seu espaço e tecnologia seguindo o que
Onara e seu grupo de membros da Confederação deixaram de herança.
Situação que inclui diretamente a transferência de informações por Yaberin e
pelo próprio Yaslon Yas, para estabelecer o equilíbrio das forças, já que os
draconianos e em geral os reptilianos recebiam constantemente apoio
tecnológico de Sarathen e dos Xopatz, causando o desequilíbrio que obrigou
Onara e o próprio Yaslon Yas a intervir em vários momentos do histórico
galáctico do conjunto de Naoshi.

Em linhas gerais, as almas mais evoluídas acabaram gradualmente se


transferindo para o processo encarnacional dos planetas colonizados e
controlados pelo Império Nodiano por sua estabilidade e expansão, o que
permitiu a formação das Casas de Comércio e das Federações unidas entre a
maior parte das tribos espalhadas por Onara depois da evacuação do planeta
Avyor. Sendo que através de Nodia, muitas outras raças humanas e
humanoides acabaram sendo anexadas, como é o caso dos humanoides do
planeta de Gracyea que acabaram entrando no grupo central de relações
interplanetárias de Nodia em junção aos grupos de Sirius e de Orion. Este
grupo estabeleceu rotas dinâmicas através de Portais ou Star Gates de
controle exclusivo dos humanos e humanoides associados à Casa de Creator e
às Federações unificadas, criando uma das primeiras associações dos
remanescestes de Avyor. Essa estrutura foi inserida no plano de 5D até 7D no
decorrer da evolução desses grupos, o que gerou uma das realidades paralelas
mais harmônicas, sem envolvimento direto com os conflitos da Guerra de
Orion e ofereceu exílio para muitos sobreviventes e seres que fugiam da
guerra, fortalecendo a postura de equilíbrio social dos Nodianos. E assim, sua
parceria com os grupos de Sirius e seus afiliados formataram o Império
Siriano unificando os Nodianos com os grupos do Sistema de Centauro no
grupo de Toliman e Agena, ligados ao Comando Ashtar. Essa coligação
formatou gradualmente a conexão existencial dos sobreviventes de melhor
qualidade de Avyor com Nodia e outros 47 planetas que formaram uma nova
Federação, baseada na energia do Cristo, sendo que em muitos desses
mundos ocorreu o processo encarnacional dos Logos Crísticos de Micah e de
muitos outros similares, estando o Logos do Arcanjo Miguel baseado em
Toliman como um dos mais destacados. E assim surgiu a criação do Trono
Miguel ou Trono Micah desdobrado para diversos setores da Via Láctea e
depois para o grupo de Naoshi.

Essa situação é fundamental para o desdobramento encarnacional de


bilhões de Almas e seus fractais, o que inclui milhões de pessoas encarnadas
neste momento na Terra em busca de respostas ao chamado Crístico interno,
que muitos têm sentido desde a Convergência Harmônica em 1987. Quando
foram realizadas diversas Cartas Estelares por Rodrigo Romo, traçou-se uma
rota encarnacional dessas pessoas e de seus fractais, justamente como está
sendo esclarecido aqui, as conectando ao desdobramento de almas gêmeas ou
fractais na busca da associação encarnacional para complementar etapas e
situações dos outros setores que também faziam parte das realidades paralelas
de cada alma encarnada. Nodia e os demais setores são na verdade realidades
paralelas inseridas em mundos e estrelas diferentes para gerar a
biodiversidade e avaliar cada Alma de forma independente e assim o
Conselho das Mônadas através dos Anciões de Dias e dos Último dos Dias,
pudessem avaliar efetivamente o desenvolvimento de cada consciência dentro
de um jogo cósmico muito além da fisicalidade.

A linha temporal desse jogo extrapola a consciência humana terrestre,


pois não pode ser medida nem mesmo pelo tempo de vida de uma galáxia,
pois a Alma está além desse parâmetro e todo o contexto além da Alma como
o Eu Sou, Mônada e além, estão na linha existencial do próprio universo
imaterial, o que não pode ser mensurado aqui. O Trono de Miguel ou de
Micahel como também é definido, acabou se difundindo em associação com
a energia e a proposta do Cristo Cósmico que na Terra tem sido associado a
Sananda e com o tempo a Micah. Essa energia passou por processos
encarnacionais em mais de 48 sistemas desde Nodia até Toliman e deixou o
legado do amor incondicional e da linha de ascensão e reintegração
novamente ao plano imaterial, deixando claro que o caminho reside no poder
do espírito e não somente da tecnologia, como é a linha de ensinamentos de
Sarathen e seus discípulos, deixando as consciências aprisionadas no ciclo
encarnacional e gerando o medo da morte. Essa condição acabou
estabelecendo que somente a fisicalidade era real e que os outros planos mais
sutis ou até mesmo o plano invisível e intangível, estavam além da vida
eterna, servindo de base para a criação de religiões e outros mecanismos de
controle populacional na maior parte das sociedades entre 3D e 5D, que
representam a parte mais densa e populacional dos grupos controlados dentro
da Matriz de Controle.

Assim o eixo gerado pelo grupo dos Nodianos, acabou se tornando


naturalmente uma linha de salvação e diferencial entre as outras culturas mais
densas e tecnologicamente dependentes. Não que em Nodia a tecnologia não
fosse importante e pouco desenvolvida, mas sempre se manteve a conexão
com os patamares superiores e o entendimento da Origem e do destino de
cada Alma além do corpo físico material, mantendo assim o que poderia ser
definido como uma prática religiosa similar à Umbanda do Brasil onde existe
a comunicação com entidades sutis de um plano além da fisicalidade
imediata. Essa condição garantiu que o grupo de Nodia e de suas Casas de
Comércio tivessem ajuda em seu desenvolvimento e gradualmente o
intercâmbio com outros planos e assim se precavessem dos eventuais ataques
ou ciladas políticas dos outros grupos dominantes do setor próximo a Polaris
provenientes dos centros de poder das estrelas de Thuban, Pherkad, Rastaban,
Megrez, Alion, alguns centros do poder Draconiano próximos das
coordenadas do império de Nodia.

Esse eixo de rotas de extração de recursos naturais, que acabaram sendo


com o tempo chamadas de Casas de Comércio, formaram a base das
Federações para proteger esses mesmos grupos e frotas de naves de
transporte, como no início da expansão colonial dos grupos das castas ou
tribos humanas e humanoides que procuravam seguir sua linha evolutiva sem
se envolver com a dualidade das comunidades mais densas. Não que com isso
eles conseguiram evitar todos os problemas da dualidade e as ciladas dos
grupos de controle, pois no meio desse contexto todo o planeta Maldek que
fazia parte do seu Sistema Solar foi destruído através do uso indevido de alta
tecnologia, em busca do poder e do medo da guerra contra os Draconianos.
Manter a coesão desse grupo era prioridade para os 144 Mestres magos e seus
discípulos, colocando Yaberin numa complexa rede de fractais de Alma em
cada ponto estratégico, para através das escolas e ensinamentos, tentar manter
a consciência das Almas conectadas às altas frequências do próprio Eu Sou e
não permitir que se perdessem nos hologramas do poder tecnológico e da
própria expansão colonial em mundos onde o poder da tecnologia e em
outros o poder do espírito eram constantemente testados e colocados à prova.

Nodia se tornou o celeiro de muitas personalidades que no processo


encarnacional deram início a novas civilizações e impulsionaram o progresso
da raça humana e humanoide para mais de 380 diferentes etnias humanoides
ao longo do processo de expansão do império Nodiano, incluindo os grupos
parceiros de Sirius, Toliman, Orion, Arcturos e Canopus no jogo de
interesses com mais de 3.500 colônias semeadas ao longo das principais rotas
das Casas de Comércio e das Federações locais.

O desdobramento gerado pelos ciclos encarnacionais iniciais em Nodia e


depois em Gracyea, Sirius, Shaulla, têm relação com Maldek, Terra, Vênus,
Marte, Arcturos, Capela, Procyon e muitas outras moradas que representam o
passado de milhões de seres humanos no plano físico atual e no plano astral e
umbralino da Terra. Podemos afirmar que as equipes de “Anjos” de Yaberin
estiveram sempre presentes no processo pessoal de muitos de vocês e neste
momento mais denso da Terra, elas se encontram diretamente ligadas ao seu
Ancoramento buscando meios e caminhos de limpar os contratos e despertar
sua consciência através dos mecanismos que vocês aceitam e permitem na
atualidade, isso tanto no plano astral como no plano físico da realidade
terrestre.
ORION

oi o segundo local a desenvolver elevado gradiente de evolução


F e estrutura social, interagindo com os grupos de Nodia e sua rede de
colônias sociais e Casas de Comércio. Orion estabeleceu uma
parceria intensa com os grupos de Sirius, Aldebarã e Alcione, concebendo
um setor de intermediação entre as diferentes colônias e grupos humanoides,
onde o processo encarnacional se estendeu entre 4D até 8D. Os grupos de
Orion evoluíram pelos mundos nas órbitas das estrelas de Betelgeuse,
Belatrix, Mintaka, Rigel, Saiph, Meissa, Alnilan como os principais setores
que representam a Federação de Orion e de alguns de seus comandantes
como Star Rog, Yanko Hanin, Gadman, Ashirion, Arquel, Aryel, Star
Aryelis, Shonthor, entre os mais revelados ao longo dos livros de Rodrigo
Romo.

Orion ajudou a formatar e expandir a estrutura dos Tronos diretamente


inseridos no processo colonial e fez contato com os Lanonadecks da Ordem
Shamuna, colocando o Lanonadeck Satã como um dos dirigentes do processo
colonial e de pesquisas genéticas entre 3D e 6D e um dos chefes dessa fase de
evolução, colocando a regência do Arcanjo Lúcifer à frente de alguns
conflitos contra os interesses dos Xopatz e dos Draconianos, gerando intrigas
e disputa de poder, que acabaram sujando o nome e a estrutura dos
Lanonadecks e do próprio Arcanjo Lúcifer nas sociedades mais densas de 4D
de Orion e proximidades. Foi neste cenário que muitos dos comandantes
diretamente inseridos no conflito político, acabaram tendo seu nome
difamado nos planetas e nas federações que estavam sob o controle da Matriz
da Ordem do Dragão Negro. E assim a dualidade foi inserida no contexto
religioso e acabou declinando diversas escolas herméticas que os 144 Mestres
de Luz construíram dentro dessas sociedades antes do surgimento dos Xopatz
e dos grupos dissidentes do poder de Sarathen e grupos interessados em
roubar a codificação de Micah e de todos os outros Filhos Paradisíacos que
mantinham o código Crístico inserido em sua linhagem, gerando assim a
verdadeira guerra genética e a caça aos genes desses Filhos desdobrados em
bilhões de Almas no contexto existencial entre 3D até 5D, onde os
hologramas eram mais intensos. O conflito não se deu através de combate,
mas na informação plantada contra os membros da Ordem Lanonadeck que
não faziam parte da corrupção dos Draconianos e dos Xopatz, gerando o
desequilíbrio de vários centros de poder da Constelação de Orion e
adjacências, o que inclui o setor de M-45 Plêiades, M-35 Propus, M-42
Orion, Arneb, Cursa, Eridanus, Rosette NGC 2237 e Monóceros, diretamente
influenciados pelas ondas subversivas que geraram um índice de dualidade e
disputas do poder entre raças e civilizações mesmo depois do término da
grande guerra de Orion. Antes disso, a guerra foi causada pelos mesmos
motivos e agentes, mas depois da intervenção da Confederação os jogos
continuaram no palco religioso e político de forma subliminar.

Como a Constelação de Orion representa um braço que se origina desde


o centro do Bojo Galáctico, manter diversos grupos circundando essa
Constelação representa uma forma de poder e era justamente o que os grupos
submissos à Ordem do Dragão Negro buscavam no jogo do poder e acabaram
desestabilizando grande parte dos trabalhos de Yaberin e suas equipes, que já
tinham plantado frutos positivos nas vizinhanças de Orion e tiveram que
desdobrar seus fractais para estabelecer o equilíbrio, o que infelizmente não
ocorreu como estava previsto pelo Conselho Lanonadeck setorial ligado a
Satã e suas equipes. Eles tinham por objetivo dar continuidade às
codificações de genomas dos Filhos Paradisíacos que tinham se apresentado
ao Conselho Shamuna da Via Láctea e até mesmo ao Conselho Shamuna-
Ham de Naoshi para desenvolver seus programas biológicos entre 4D até 8D
conforme a proposta, situação atribuída aos especialistas da Ordem
Lanonadeck secundária e terciária. Yaberin deveria participar com sua equipe
da elaboração de projetos para esse grupo de Almas no sequenciamento
genético com os códigos da Mônada de cada grupo de Almas desdobrado.

Sim, quando uma Alma é gerada pelo Eu Sou e possui a codificação


suplementar de tons vibracionais do próprio Espírito derivada diretamente da
Supra Mônada, este código chave equivale ao número de série de toda
consciência gerada por essa mesma Supra Mônada e assim se estabelece uma
conexão permanente de forma independente do Eu Sou como segurança,
permitindo que a energia da Divina Presença esteja sempre inserida nesse
número ou tom de frequência cósmica de esferas além da imaterialidade.
Código não detectável nem mesmo para os membros da Ordem do Dragão
Negro. Yaberin trabalhou em cada grupo para codificar as tarefas das Escolas
de Mistério e conseguir inserir as linhas de ascensão e resgate perante as
Mônadas inseridas no projeto. Essa sequência de tons e códigos, gera o
caminho de regresso de cada Alma para o seu Eu Sou e deste para a Mônada
até que possa ser inserida novamente diretamente na estrutura da Supra
Mônada. No entanto, a dualidade da Matriz de Controle acabou afastando
cada fractal de Alma mais do que o esperado, pois eles acabaram perdendo a
comunicação com sua própria Alma e se perderam nos hologramas do poder
na materialidade, ao buscar o poder de Deus fora e não dentro deles mesmos,
como ocorre com a humanidade terrestre atual que segue as mesmas
programações do passado das civilizações anteriores que se perderam no
fluxo existencial. Essa condição acabou gerando o “abandono” por parte dos
Filhos Paradisíacos e pelos grupos de Eu Sou que de dentro de seus Logos
Estelares, perderam a comunicação com seus filamentos de Alma e fractais,
excedendo o tempo limite estabelecido para cada um retornar à sua Fonte
vibracional.

Em muitas fases e localidades de Orion Yaberin deixou trabalhos


inacabados, pois nesse quadrante há 8 bilhões de anos existia inicialmente
algo em torno de 370 trilhões de Almas inseridas no desdobramento entre 3D
e 6D em milhares de projetos de genomas que já tinham se desdobrado e
clonados pelos centros de poder tecnológico dos Sirianos, Antarianos,
Andromedianos e pelos recém-formados grupos de poder de Orion em
Betelgeuse, Belatrix e Rigel. Os valores originais foram extrapolados no auge
da grande guerra com a clonagem de soldados especiais e genomas de alto
padrão para que atuassem na guerra em ambos os lados.

Quando uma Alma mergulha em conflitos ou mesmo em guerras pesadas


onde os hologramas geram a condição de um ser destruir o próximo, se
opondo ao fundamento da vida do Cristo que é a base de muitos Filhos
Paradisíacos inseridos no processo, criam-se profundos tormentos,
negativando esses filhos emocionalmente. Assim ampliou-se a polaridade e o
poder dos Filhos diretos ou indiretos de Anhotak e de Sarathen nesse jogo.
Este foi um dos fatores que mais gerou complicações para os 144 Mestres
Magos e todos os outros que vieram depois deles comprometendo
severamente o projeto Metrom pelos jogos ardilosos de Sarathen e seus
discípulos, que iniciaram seus próprios jogos para obter o poder do próprio
Sarathen e conquistar o controle sobre Arconis, a galáxia natal da origem das
forças mais densas em Naoshi.

O processo de separação do joio e do trigo foi denso e pesado em


diversos setores internos de Orion e depois da grande guerra o setor da estrela
de Capela foi exilado, levando a fama por ser um quadrante de renegados e
seres extremamente destrutivos. Esta fama se deve em parte à transferência
dos seres mais densos de Orion para essa estrela e para alguns de seus
planetas em quarentena proposital, para vantagem das Federações de Orion,
incluindo os setores de M-45 Plêiades, M-35 Propus, Sirius, Nodia, Deneb,
Altair, Arcturos, Izar, Nusakan, Alphecca, Gomeisa, Procyon, que tinham
rotas diretas passando pelo setor central que inclui a Rota Hexagonal do
Sistema Solar. Por isso era interessante o exílio dos revoltosos para um setor
mais isolado, mas que pudesse ser estudado e avaliado em vários aspectos.
Este setor se tornou o Sistema Solar da estrela de Capela-Auriga,
Menkalinan-Auriga, ambos sistemas dentro do setor de influência política do
grupo de Plêiades e do novo império estelar de Aldebarã. O setor de Auriga,
como os seus astrônomos definem, representa um centro operacional
extremamente estratégico para a navegação espacial antes, durante e depois
da grande guerra, pois ele abrigava importantes planetas e centros de
abastecimentos entre a orla externa e o setor mais denso de estrelas em
aproximação ao Bojo galáctico, passando por rotas com menor interferência
de radiações como ocorre no setor da Constelação de Sagitário e Perseu, onde
as estrelas estão mais juntas e a emissão de radiação é bem mais intensa e
letal para alguns tipos de vida biológica entre 3D e 5D, exigindo maiores
sistemas de proteção. Situação que ocorre no setor entre o eixo desde Aquila
até Orion, passando pelas Constelações de Aquila, Vulpecula, Cygnus,
Lacerta, Cassiopeia, Perseu, Auriga, Orion, Monóceros, M-35, M-1, Lyra,
Puppis, Vela, Eta Carina, Aspidiske, Crux, Mosca, Circinus, Centauro,
Norma, Triângulo Austral, Ara, Escorpião, Corona Australis, Sagittarius,
Scutum.

Na verdade, esse eixo descrito representa todo o setor leitoso que pode
ser visto desde o ponto visual da Terra em direção ao centro da galáxia, que é
denominado de Bojo Galáctico. O setor de Auriga apesar de estar na parte
periférica, era e ainda é um setor com diversos planetas e estrelas em um
local estratégico de recursos naturais para a tecnologia espacial das
civilizações entre 3D e 5D. Por esse motivo, o Sistema de Capela estava
dentro do jogo de pesquisa e política das Federações unificadas no poder
estratégico do Sistema de Alcione, para ser usado como setor de exílio e
avaliação, assim como outros sistemas ao longo desse eixo e de outras
localidades, totalizando 37 Sistemas Solares de exílio e pelo menos 72
planetas de exílio espalhados entre os grupos das 108 Federações
politicamente ativos desde o interesse de Alcione e de outros grupos que
acabaram aderindo a este sistema durante a expansão política e tecnológica.

Esse eixo virtual periférico em direção ao centro da galáxia abriga a


maior população dos grupos entre 3D e 5D e está ligado a muitos projetos
que envolvem a Terra e suas últimas civilizações há 3,2 milhões de anos da
contagem terrestre, pois muitos dos Filhos Paradisíacos se perderam dentro
dessa linha de existência, vagando pelo fluxo temporal por até mais de 10
bilhões de anos no passado relativo e perdidos em sistemas estelares que na
atual linha de tempo já foram extintos há milhões de anos terrestres. Este é
um dos motivos porque alguns de vocês ainda estão perdidos no fluxo
encarnacional e existencial da Terra, pois ela faz parte da rota de navegação
desse mesmo eixo desde o início da navegação estelar dos grupos mais
antigos até os atuais, o que explica a forte presença de naves da Aliança
Galáctica e o seu pacto de ajuda e colaboração com o Sinistro Governo
Secreto ou Governo Oculto.

Existem diversas informações sobre a participação do SGS com as forças


estelares na segregação racial e tecnológica, que foi iniciada por volta de
1920 pelos Alemães, sob o controle de uma elite que tinha como líder
político e testa de ferro Adolf Hitler, que fundou a Sociedade Vril e Thule
com acesso a informações que deram origem ao SGS e colocaram em 1932
uma nave tripulada na Lua, firmando um pacto com a Aliança galáctica e
seus grupos para remover e dar proteção às raças eleitas pelo projeto genoma
da Aliança. Nessa fase da desconhecida história da humanidade, os grupos
que integram as 22 delegações e outros, intensificaram suas pesquisas e
abduções de humanos e animais da Terra, amplificando o processo
encarnacional de exilados e de entrantes de forma que muitos parâmetros que
existiam até então foram alterados, gerando a separação definitiva da
humanidade entre os que sustentam a economia na realidade Terrestre e os
escolhidos que teriam acesso à verdade, transferidos para as esferas das
colônias espaciais, bases do lado Oculto da Lua e sendo integrados à Frota
Espacial com a aquisição de tecnologia extraterrestre, como existe de
verdade. Esse processo inseriu na sociedade terrestre um contingente
excessivo de clones com o objetivo de controle total da economia, religião e
política, pois o SGS precisa se manter no delicado equilíbrio de poder,
buscando assumir maior poder e influência perante a Aliança Galáctica e seus
grupos membros. Este processo todo é na verdade uma réplica do que já
ocorreu em outras eras nos sistemas mais primitivos desse eixo de navegação:
civilizações mais poderosas controlando as menos favorecidas, que são
utilizadas como pesquisa e extração de material genético.

Yaberin e os outros Mestres Magos acabaram aprisionados em muitas


situações na tentativa de ajudar essas civilizações para gerar o despertar dos
hologramas, o que em muitos casos, entre 3D e 5D, acabou tornando-se
ineficiente, extremamente cansativo e demorado. Motivo que gerou a
inserção de Mestres no processo encarnacional como válvula de ajuda para
muitas civilizações, justamente onde a maior parte de vocês se encaixa neste
momento. No entanto, aprisionados nos hologramas da Terra e nos
mecanismos de controle mental e emocional de tecnologia terrestre. O
aprisionamento acabou ocorrendo com mais de 80% das Almas encarnadas
nos mundos entre 3D e 5D neste eixo fictício visto da Terra e esse processo
acabou fortalecendo a criação e ampliação dos Impérios Estelares que
sustentam na atualidade um verdadeiro formigueiro existencial de trilhões e
trilhões de almas encarnadas em mais de 3.000 espécies e raças diferentes
entre o que vocês da Terra acreditam ser 3D até 5D. Por esse motivo que essa
faixa ou eixo é considerado o centro da vida entre os povos de maior
densidade biológica, pois as condições energéticas permitem que estruturas
delicadas como as humanas, humanoides, reptilianos e seres aquáticos
possam existir em relativa segurança nesses setores, enquanto que nos setores
mais internos, onde a concentração de radiação e energias ainda
desconhecidas são mais indicadas e suportáveis para formas de vida
biológicas e não biológicas além da densidade de 6D, empregando o falho
conceito humano de dimensão e densidade dos corpos biológicos.
CAPELA-AURIGA

sistema de Capela Auriga foi escolhido como centro de


O pesquisas por vários fatores relacionados à política pós-guerra de
Orion, partindo dos representantes do aglomerado de M-45 e
posteriormente dos grupos de interesse do Sistema de Alcione, Electra e
Maia, que são três das estrelas visíveis mais próximas de M-45 em relação à
Terra.

O sistema de Auriga Capela e sua vizinha Menkalinan, representavam


estrelas gigantes com inúmeros planetas com boas condições de manipulação
da tecnologia de terra-transformação e adaptação para os ambientes desejados
e cheios de riquezas importantes. E também estava localizado nas rotas
normais das Casas de Comércio de Nodia e dos outros impérios. Na verdade,
do ponto de vista visual de vocês, não é perceptível, mas o conjunto de
Capela foi identificado como binário por volta do ano de 1920, mas é
composto por quatro estrelas muito próximas, que só mais recentemente
foram identificadas, contendo duas gigantes de classe G cerca de 45 anos-luz
da Terra. A estrela maior possui cerca de 12 vezes o raio do Sol, 80 vezes a
luminosidade e quase três vezes a massa do Sol, possuindo mais de 37
planetas e planetoides em sua órbita, sendo que sete deles com condições
semelhantes às da Terra e Marte para abrigar a vida de formas humanoides
que respirem oxigênio em proporções similares aos humanos da Terra.

A estrela secundária gigante possui um raio de quase 9 vezes o do Sol,


uma massa densa de 2,6 vezes e luminosidade por volta de 79 vezes maior
que a do Sol, sendo que ambas estrelas próximas são da cor alaranjada no
mesmo espectro do nosso Sol, possuindo neste caso uma complexa
sincronicidade entre seus 17 planetas com os 37 da estrela maior que
possuem órbitas complexas entre ambas as estrelas, sendo que desses 17
planetas pelo menos cinco possuem vida e outros três instalações
subterrâneas gigantescas para civilizações avançadas e de grande número.
Esse Sistema não podia ser abandonado para simplesmente ser colocado em
quarentena e afastado de todo o desenvolvimento industrial e tecnológico que
já tinha sido alcançado nesse eixo estelar de navegação sideral nos últimos 9
bilhões de anos, antes, durante e depois da grande guerra de Orion. Já a
estrela beta de magnitude de Auriga chamada na Terra de Menkalinan, fica
cerca de 82 anos-luz da Terra e estava na rota de extração de tecnologia de
elementos necessários aos sistemas de propulsão de motores quânticos,
motores iônicos, motores de plasma e motores de dobra dimensional, por
possuir mais de 12 planetas e asteroides com um elevado contingente de
rochas e cristais específicos que geram essas quantidades de energia no
campo quântico da física ultra nuclear que somente o SGS sabe o seu
significado no momento.

Essas duas estrelas fazem parte de um vértice que possui na outra


extremidade importante centro de pesquisas e arsenal militar de clonagem do
Império de Aldebarã no Sistema de El Nath, que foi colonizado pelo
Comandante Torank que obteve a supremacia em muitos momentos
importantes da grande guerra de Orion. A constelação de Touro e Auriga são
vizinhas e compartilham alguns sistemas de planetas e estrelas no campo das
pesquisas e extração de recursos naturais e o mesmo aconteceu com Capela.
Muito antes de ocorrer a grande guerra no setor de Orion, o sistema de
Capela já era muito avançado em tecnologia espacial e em outros ramos da
ciência e tecnologia, incluindo genética, ciência temporal e portais
dimensionais entre os diferentes pontos da galáxia, que vocês definem como
Star Gate nos filmes de ficção. Muitas raças humanoides parentes da raça dos
Zetas da constelação de Reticulli eram alguns dos habitantes ancestrais desse
setor que tinham migrado do planeta Ápice logo após a guerra do Sistema
Solar de Vega devido ao ataque reptiliano dos draconianos negativados.
Capela possuía basicamente quatro civilizações bem avançadas e o restante
eram postos avançados de tecnologia e colônias de outros grupos. Com o
tempo acabou se tornando um importante centro de produção industrial entre
4D e 5D e fundamental no desenvolvimento tecnológico das diferentes
Federações que usavam esse centro como apoio. Durante a Guerra esteve na
linha de frente contra os Draconianos e os grupos associados, sob o comando
da aliança galáctica da época que contava com os grupos de Orion-
Betelgeuse, Orion-Belatrix, Sirius Alpha, Aldebarã, Mintaka-Orion, Alnilan-
Orion, Alcione, M-45, M-35, Arcturos, Tejat e Propus como a principal linha
de defesa contra os ataques das poderosas frotas estelares e temporais dos
draconianos e dos Xopatz. Este conflito foi posterior ao que ocorreu na
Constelação de Pégaso, considerado um dos primeiros de sua cronologia há
mais de 9 bilhões de anos, mas ocorreu em dobras dimensionais de tempo
que têm total ligação com a Guerra de Orion em várias fases e com a
quarentena de vários setores de Orion e suas adjacências, o que inclui Capela.

Lembrem-se que a linha temporal entre as estrelas e os saltos estelares


ocorrem naturalmente quando se aprende a trabalhar com os Star Gate, se
desdobrando no fluxo do tempo em cada campo sistêmico do conjunto de
estrelas. Podemos simplificar que cada estrela de um sistema solar possui seu
próprio campo existencial dentro de uma determinada cronologia e, quando
se domina a tecnologia espacial das viagens pelo espaço, é possível ajustar o
salto na linha de tempo específico onde existem as melhores condições
climáticas e ambientais de cada planeta e da própria estrela em conformidade
com os interesses das federações. Por isso que as viagens no fluxo do tempo
estão diretamente atreladas aos deslocamentos estelares.

Com esta informação em mente, podemos colocar novamente o nosso


emissário Yaberin e suas equipes de entrantes ajudando nos diferentes e
complexos aspectos do histórico existencial das Almas dentro da civilização
de Capela, nos planetas e asteroides da sociedade galáctica e das federações,
gerando inúmeros desdobramentos que há 87.000 anos terrestres foram
transferidos para a Terra sem aviso prévio e de forma totalmente desarmônica
e tumultuada em ambos os sistemas solares. O Sistema de Capela atingiu uma
população de seres vivos entre humanoides, insectoides e reptilianos a ordem
de 473 bilhões de seres encarnados entre 3D e 5D, sendo que a maior parte
residia efetivamente no plano de 4D, que corresponde à densidade terrestre
atual. Essa sociedade apresentava grandes problemas ligados ao avanço da
civilização tecnológica e ao excesso populacional assim como ocorre na
Terra e em muitas outras localidades, enfrentando também a falta de
abastecimento nutricional. Além disso Capela enfrentava problemas nos
ajustes sociais e políticos do pós-guerra que foram interrompidos pela
intervenção da Confederação e com isso, não houve ganhadores e nem
perdedores, mas uma necessidade de reorganizar todo o sistema social e
político desses setores que estavam comprometidos com o jogo da guerra
pelo desenvolvimento tecnológico em detrimento dos menos favorecidos.

Quando se diz menos favorecidos, devem avaliar a situação da Terra,


dos países ricos e pobres e a alta discriminação social e financeira e aplicá-la
ao âmbito das Federações Estelares e à situação do pós-guerra, quando
ocorreu um abismo enorme entre os favorecidos e os não favorecidos. Por
vários motivos políticos, a liderança das 108 Federações resolveu colocar em
exílio os grupos menos favorecidos dentro de estruturas controladas e estudar
sua evolução para permitir que os setores e sistemas mais favorecidos
tivessem um avanço mais direto e beneficiado pelo contexto tecnológico e
genético, o que fez com que os grupos de 5D em diante fossem favorecidos e
os de 4D e os poucos de 3D foram simplesmente abandonados e em muitos
casos deixados à sua própria sorte. Neste contexto ocorreu a guerra interna e
pessoal do grupo dos 144 Mestres magos, onde Yaberin liderou um grupo de
rebeldes para inserir escolas de ascensão e colocar dentro desses planetas
menos favorecidos estruturas equivalentes ao Conselho

Cármico para poder ajudar no processo de evolução e libertação dessas


Almas abandonadas. Foi nesta fase dos acontecimentos que vocês, em grande
parte, se tornaram vagantes do plano astral desses planetas menos favorecidos
e de suas sociedades decadentes em busca do poder pelo poder sem sentido e
equilíbrio. A situação dos planetas do Sistema de Capela se repetiu em
dezenas de outros mundos e acabou criando o exílio obrigatório de vários
mundos, para impedir uma nova guerra e revolução social dentro dessas 108
Federações devido aos interesses de controle que estavam se formando em
Alcione e no Conselho da Aliança Galáctica e grupos associados.

O Sistema de Capela passou por várias convulsões e guerras internas,


obrigando a Federação a colocar todo o Sistema em quarentena, observados
pelas frotas militares de naves e por agentes infiltrados, que faziam um
estudo e avaliação do comportamento emocional e psíquico das raças
envolvidas nessas condições menos favorecidas. Esta situação acabou
estabelecendo parâmetros para a criação da Matriz de Controle dentro dessas
sociedades e esse modelo foi aplicado à maior parte dos outros Sistemas
estelares que estavam em quarentena ou próximo disso, estabelecendo
naturalmente linhas de existência mais densas do que os humanos entendem
como 3D e 4D. Na verdade, são vibrações mais densas da estrutura atômico
celular dos seus corpos, que têm relação direta com o gradiente de emissão
das reações neurológicas e com a própria plasticidade neurológica que é
totalmente modelada pelos padrões de energia de onda e forma dos projetores
eletrônicos no plano astral, mantendo assim essas sociedades dentro de
hologramas existenciais e no fluxo de suas crenças, onde são infiltradas as
religiões e seus dogmas de controle. Com essa situação explorada pelos
pesquisadores e outros grupos que tinham o interesse de formar castas
estelares através de uma estrutura piramidal de poder e expansão dessa
enorme rede de controle, Capela, parte de seus planetas e sua vizinha
Menkalinan formaram as bases fisiológicas e tecnológicas de civilizações
humanoides, reptilianas e insectoides holograficamente e tecnologicamente
aprisionadas dentro de uma faixa existencial de 3D até 4D, mantendo essas
duas frequências como a realidade absoluta até determinados patamares
psicológicos e intelectuais. E para sair dessa faixa, esses seres naturalmente
teriam que Ascensionar para vibrações mais sutis, passando a contatar as
realidades da Federação em 5D. Mas antes de chegarem a esse ponto teriam
que cumprir várias etapas “cármicas” do seu desenvolvimento social e
individual para poderem entrar nessa nova realidade mais sutil dos mestres e
suposta espiritualidade até então. Exatamente igual ao que foi implantado na
Terra pelos diversos visitantes que nos últimos 450.000 anos modelaram as
sociedades conforme seu interesse e fatidicamente na marca de 12.000 anos
depois da catastrófica situação que os humanos acreditam ser o Dilúvio, os
Extraterrestres passaram a dominar e implantar estas matrizes para amplificar
os hologramas e o padrão da Barreira de Frequência.

Estas sociedades artificialmente inseridas na vibração de 3D e 4D,


desenvolveram muitas tecnologias baseadas na evolução do átomo, reações
nucleares e acabaram servindo de estudo além das diretrizes da Federação de
Alcione e do grupo das 108 Federações, que depois da grande Guerra de
Orion, tinham estabelecido por decreto limites para o desenvolvimento
tecnológico militar. Situação que não foi implementada pelos grupos que
cuidavam e estudavam ambos os sistemas de exílio de Capela e Menkalinan.
Dessa forma, a maior parte das Federações criou as suas próprias áreas
estelares secretas para dar continuidade ao desenvolvimento de tecnologias
proibidas pelos tratados da unificação das Federações. Todos temendo a
possibilidade de um novo confronto contra o Império Draconiano e seus
aliados, que eram maiores numericamente e mais avançados em tecnologias
de extermínio planetário. E não foi diferente em Capela e Menkalinan, pois
mesmo existindo as sete diretrizes, utilizaram os habitantes desses sistemas
para suas pesquisas e testes das mais variadas tecnologias, o que incluía
desde armamento até manipulações genéticas e misturas de genomas entre
realidades e densidades, gerando mutações e alterações na codificação do
genoma no plano astral dessas dimensões. Situação empregada com sucesso
em manipulações e projetos de genomas mais avançados nas realidades de
5D até 7D utilizadas direta ou indiretamente pelo grupo das 108 Federações.
E com o tempo, essas manipulações foram utilizadas por outros grupos
externos, que fariam parte da Federação Intergaláctica que está já abrange 49
galáxias do conjunto Naoshi.

Todo esse processo ocorreu em planos diferenciados no contexto


temporal, pois cada grupo que assistia ou participava direta ou indiretamente
das pesquisas e manipulações no setor da Constelação de Auriga, transferiam
estes conhecimentos para outras localidades em diferentes fluxos de tempo e
espaço em sistemas estelares distantes. Estes outros setores naturalmente
possuem outra linha de tempo na estabilidade geológica e astrofísica do
conjunto de estrela e planetas, gerando uma malha gigantesca de realidades
paralelas intrinsecamente ligadas em diferentes fluxos de tempo, mas com
pontos em comum em pelo menos 72 Sistemas Solares entre o que antecedeu
a grande guerra de Orion, Pégaso, Perseu e o que veio posteriormente durante
a unificação dos diferentes grupos que formataram as distintas Federações.
Isso representou uma explosão existencial que limitou extremamente os
Mestres Magos como Yaberin, pois estes desdobramentos não faziam parte
do projeto dos Filhos Paradisíacos e nem dos Mestres da Ordem Lanonadeck,
saindo por completo do controle. As possibilidades se ampliaram de uma
forma nunca imaginada pelos dirigentes galácticos de Naoshi.

Dessa forma, aproximadamente 72 Sistemas Solares foram utilizados


para essas finalidades, além de rota de extração de recursos tecnológicos
tanto para os grupos de 3D, como os que já estavam vibrando na limitada
frequência de 7D, mas que vinham da evolução conjunta dos outros grupos
de 5D e 6D no setor central de Orion e suas proximidades. Nesse contexto, as
Almas inseridas no processo encarnacional acabaram se desdobrando muito
mais vezes e ficaram aprisionadas no ciclo encarnacional muito além do
previsto. Somando-se a essa nova condição, o desdobramento de fractais se
tornou uma condição natural além da tecnologia de clonagem dessas Almas,
que foi empregada para estabelecer os domínios e as bases desse novo
império dentro da Matriz de Controle, que servia de base operacional para
garantir o crescimento das Federações que mantinham o substrato das
realidades mais densas para sustentar a estrutura evolutiva das outras em
melhores condições tecnológicas, mas ainda baseadas na dualidade do poder.

Nesta situação, tanto Yaberin como o próprio Yaslon Yas enviaram


agentes e fractais com corpos geneticamente desenvolvidos para atuar dentro
dessa estrutura, mas sem que ficassem presos à linha existencial ou
encarnacional. Foram enviados não apenas a Capela e Menkalinan, mas para
outros Sistemas, para ajudar e dar sustentação às escolas de ascensão e de
resgate daqueles que estavam em condições de se libertar desse contingente
de realidades limitantes. Na verdade, podemos ampliar esse quadro para uma
rede de milhares de enviados, que na atualidade são além dos Mestres da
Fraternidade Branca, outros grupos incluindo os denominados Orixás, que
trabalham na espiritualidade da Terra ajudando em questões que não
ocorreram apenas em uma única linha de tempo, mas em planos paralelos, em
saltos quânticos do próprio fluxo existencial de tempo de cada planeta
relacionado aos experimentos realizados na Terra nos últimos 3,4 bilhões de
anos. Muitos desses experimentos tiveram uma profunda convergência no
século XX, formatando o surgimento do Sinistro Governo Secreto (SGS) e
anterior a isso, durante o alto domínio das 22 Delegações e do grupo dos
Anunnakis de Nibiru.

O desdobramento existencial e encarnacional dos diversos Mestres tem


relação com os Fractais que eles geraram para dar sustentação e ajuda aos
amigos e colaboradores que de uma forma ou de outra acabaram presos na
rede de hologramas, como ocorreu em fases difíceis da própria experiência
pessoal desses Mestres. Vocês mesmos vão perceber que fizeram parte deste
jogo e ainda continuam aprisionados a ele, devido aos dogmas e limitações
que o sistema da religião, política e controle governamental impôs a todos
vocês ao longo do fluxo existencial, obrigando a seguirem regras para o bem
maior. Mas esse bem maior foi criado para garantir que as engrenagens do
sistema continuem a funcionar da forma estabelecida, mantendo as
civilizações separadas pelas diferentes linhas de poder que no caso de vocês,
se dividem pelo poder econômico e cultural, que muitas vezes se estabelece
através das religiões inseridas para delimitar até onde se pode chegar e
pensar.
Procurem visualizar o universo não como um oceano de estrelas com
seus planetas, mas antes como conjuntos pequenos, onde cada sistema solar é
uma bolha existencial que possui regras, tempo, espaço, raças, crenças. E
cada bolha dessas é uma realidade paralela à outra, porém seu fluxo de tempo
difere pelas próprias condições astrofísicas das radiações emitidas pelas
estrelas que sustentam a vida em cada planeta. Dessa forma, quando uma
Alma é transferida de um sistema para outro, ela efetivamente viaja milhões
de anos no fluxo do tempo para a frente ou para trás conforme a condição
astrofísica dessa nova estrela que sustenta vida nos planetas à sua volta. Cada
sistema solar possui uma codificação de estabilidade temporal e existencial
que difere às dos outros, gerando assim a evolução dimensional entre o
conceito errôneo dos humanos de 3D até o infinito.

Capela, portanto, nunca foi o Sistema Solar negativo que muitas pessoas
acreditam, mas dois de seus mundos chegaram a níveis muito delicados de
negatividade motivados pela busca desequilibrada do poder pelo poder. E
assim entraram na tecnologia da magia negra, que nada mais é do que
aprender a controlar os elementos da natureza e o poder da mente para
manipular ou prejudicar outras pessoas, além do desenvolvimento de
armamentos nucleares que causou quatro guerras nucleares arrasadoras em
dois planetas específicos. Esses mundos são definidos como Capela 4 e
Capela 6, que constituem suas órbitas a partir da própria estrela de Capela.
Nestes mundos a negatividade realmente acabou se tornando um grave
problema, amplificado por situação mais delicada ainda, que foi o excesso de
seres vivos encarnados na mesma linha de tempo, chegando a cidades com
mais de 50 milhões de habitantes e limitando os recursos naturais para a
sustentação da vida física tanto na alimentação, como no restante dos
recursos naturais para suprir as tecnologias empregadas. Essa condição
forçou o emprego de guerras e genocídios como meio de controle
populacional e nesse processo o magismo era uma ferramenta para manter o
poder e saber antes dos outros como sobreviver e se manter em melhores
condições do que os outros concorrentes. Também empregavam uma
economia similar à da humanidade terrestre, gerando uma sociedade
altamente consumista e dividida em castas através do poder econômico e da
influência política, onde a justiça era substituída pela corrupção e assim o
poder nunca mudava de lugar, gerando ainda mais conflitos e a sucessão de
tentativas de golpe. Na verdade, o modelo que a humanidade vem utilizando
nos últimos 7.500 anos é basicamente uma réplica do que foi inserido em
Capela, pois a maior parte dos líderes governamentais desses dois planetas
foi transferida no exílio para a Terra há 87.000 anos. Os seus atuais políticos
que estão sendo desmascarados gradualmente pelo elevado índice de
corrupção, são na verdade antigos Capelinos e de outros mundos similares,
que destruíram suas sociedades em busca de um poder ilusório através do
sofrimento e da escravidão da população aprisionada aos hologramas do
consumismo e dos dogmas religiosos. Vocês na realidade terrestre, estão
literalmente seguindo os passos do passado relativo não apenas de Capela,
mas de outros Sistemas Solares que também nesse passado relativo, estavam
sob quarentena e observação para estudo e pesquisas avançadas utilizando a
consciência da Alma e a capacidade de evolução dentro de corpos limitados
nas densidades maiores na faixa de 3D até 5D.

Na realidade terrestre, sair desses hologramas é uma necessidade para


que vocês possam efetivamente regressar ao que vocês eram antes disso e
retornar à Fonte pessoal de cada um. Não para a Matriz de Controle das
Federações que de uma forma ou de outra, geraram os modelos de vida mais
densos e limitantes como estamos vendo em Capela e em muitas outras
localidades. Desses últimos 87.000 anos até o presente, usando um conceito
equivocado de tempo linear, podemos dizer que foram inseridos na Terra
vindos do Sistema de Capela, mais de 380 milhões de Almas na primeira fase
do exílio e depois chegaram muitos outros não apenas de Capela, mas de
outros sistemas similares que causavam preocupação aos dirigentes das
Federações, que de alguma maneira tinham colaborado para que as anomalias
chegassem a esse patamar. O gradiente de contaminação psíquica, emocional
e da consciência acabou dificultando o processo evolutivo da humanidade
desde os 87.000/89.000 anos de seu tempo. No auge de sua superlotação, a
Terra chegou a abrigar quase 30 bilhões de Almas em seu conjunto temporal
e realidades paralelas de seres vivos encarnados, sendo que no momento atual
de vocês (2016) esse número chega a 23,4 bilhões de Almas inseridas na
estrutura dimensional da Terra.

Muitos de vocês eram antigos agentes inseridos ou infiltrados ajudando


no levantamento de informações e por diversos motivos acabaram
aprisionados na estrutura telúrica da Terra. Normalmente isso ocorreu devido
às disputas de poder político entre as 22 Delegações e outros grupos que não
seguiam as diretrizes, gerando conflitos quando muitos acabaram tendo sua
morte fisiológica e ficaram aprisionados dentro da Barreira de Frequência,
encarnando nas realidades intraterrenas ou na realidade da superfície
terrestre. A própria Cúpula de Cristal é uma cidade etérica do ponto de vista
dos humanos, que representa um centro de comando e observação de
milhares de projetos na Terra com a humanidade atual e outras que já
existiram em tempos remotos e nas atuais realidades paralelas, ligadas a
lendárias cidades como Agartha, Shamballa, Mu, Lemúria, Telos, Mitztlan e
muitas outras. Estas cidades fazem parte das mais de 480 cidades
intraterrenas e intraoceânicas que são outras realidades além dessas, ligadas
aos atuais visitante e bases militares secretas do SGS. Muitos de vocês
acabam se desdobrando no corpo ou veículo astral nessas outras realidades e
trabalham lá sem saber. Esta é uma maneira de manter vocês realizando as
tarefas mais densas nos resgates de Alma ou no chamado Umbral e protegê-
los em sua realidade física corporal. Muitos de vocês encarnaram em Capela
e têm fractais de Alma diretamente ligados a essas sociedades, o que os atraiu
para a Terra causando uma sequência de acontecimentos que não estavam
previstos nem eram desejados por vocês em sua consciência estelar, porque a
consciência muda por completo quando se perde a memória cósmica ao ficar
aprisionado a um corpo sem memória, como é o caso da estrutura biológica
terrestre.
ALCIONE – FEDERAÇÃO PLEIADANA

relação entre Capela e Alcione é direta e podemos dizer de


A forma objetiva que o êxodo de Alcione para Capela ocorreu por
opção de muitos e depois de forma compulsória devido aos
interesses políticos dos dirigentes políticos de Alcione que criaram o QG do
grupo das 108 Federações durante o desenvolvimento dessas novas
Federações ligadas ao centro tecnológico de Alcione. Yaberin teve uma
profunda participação, assim como outros fractais do Yaslon Yas e de muitos
outros Comandantes da Confederação, nos processos que não deveriam ter
ocorrido, como a divisão das civilizações em castas e frequências anexadas
pelo interesse político e tecnológico ao grupo das 108 Federações que
tornaram Alcione o centro do novo poder, para fazer frente à constante
ameaça do Império Draconiano mesmo depois do fim da guerra oficial.

Basicamente, a sociedade estelar do eixo central da Via Láctea, como


descrita anteriormente, sofreu os efeitos diretos dos conflitos gerados pela
grande guerra de Orion e todos os danos colaterais no contexto psicológico e
memória celular gerados ao longo de milhares de anos. E no fluxo temporal e
dimensional entre 3D e 6D, representando a espinha dorsal dos
acontecimentos mais severos desse enorme e ramificado conflito estelar,
essas sociedades ficaram sob o domínio do medo e desenvolveram algo
semelhante à síndrome de perseguição ou síndrome da guerra, gerando uma
sombra psíquica nas raças que mais sofreram, que fez com que elas se
preparassem mesmo depois do fim das guerras, para novos conflitos. E dentro
dessa percepção, desenvolveram armas e uma verdadeira corrida
armamentista e estratégica para se defenderem e derrotarem de forma drástica
seus opositores. Isso ocorreu em todas as linhas, não apenas com mamíferos e
humanoides, mas também com draconianos, insectoides, reptilianos e outras
raças não descritíveis para os humanos nesta fase de sua evolução. Assim
essa percepção social e ideológica gerou literalmente uma evolução baseada
na dualidade e na busca pelo poder absoluto, tentando impedir a supremacia
de seus antigos opositores. Cada facção realizou essa conduta em segredo e
dentro de seus setores mais afastados em laboratórios de pesquisas,
englobando diversos segmentos como viagens no tempo para criar paradoxos
temporais e evitar que seus inimigos existissem, manipulação para
aperfeiçoamento genético ou simplesmente destruição genética inserindo
vírus e códigos de controle mental, entre dezenas de projetos desenvolvidos
no intuito de garantir o poder frente a uma nova guerra oficial, mas isso gerou
a guerra fria que ainda perdura nos diferentes pontos de conflito da Zona
Neutra e nos setores em quarentena. O sistema de Alcione acabou
gerenciando a maior parte desses projetos secretos para o grupo das 108
Federações inseridas nesse centro operacional e com o tempo, a própria
Aliança Galáctica (que foi desenvolvida pelas manobras políticas de Yaberin,
Yaslon Yas e suas equipes), procurou estabelecer parâmetros entre essas 108
Federações. O que não ocorreu como esperado, pois a síndrome do poder e o
medo estavam presentes até mesmo nos membros da Aliança Galáctica
escolhidos para gerenciar com um poder superior, contando com o suporte da
Confederação para a construção e transferência de tecnologia de ponta para
contrabalançar a tecnologia que estava sendo transferida pelo grupo de
Sarathen para os grupos “Rebeldes”, gerando um sério risco que essa guerra
fria se transformasse em um novo genocídio galáctico e acabasse
corrompendo todo o conjunto de Naoshi.

Assim o sistema de Alcione e vários setores internos do aglomerado de


M-45 acabaram sendo levados pela liderança política desse novo QG das 108
Federações e inicialmente com o apoio do novo Império de Aldebarã e de
Orion, a estabelecer através de Alcione uma nova condição de vida e morada
para os trilhões de clones produzidos para a grande guerra. E estabelecer
também a base para colonização de novos mundos e as bases políticas e
sociais de uma nova sociedade interplanetária e futura interestelar dentro
desse eixo da Via Láctea e outros setores, garantindo a ampliação da malha
existencial que colocou as forças Draconianas em retirada ou isolamento em
seus quadrantes e bolhas dimensionais de exílio ou realidades paralelas para
onde muitos se retiraram depois do fim da grande guerra.

Nesse panorama generalizado, temos no Sistema Estelar de Alcione o


surgimento de uma nova sociedade galáctica com apoio tecnológico de outros
grupos e de alguns Comandantes da Confederação e Filhos Paradisíacos
como o próprio Micah e outros de sua linhagem, como Metraton e os
Kumaras, estabelecendo uma nova oportunidade para as raças filiadas. A
partir da união dessas 108 civilizações diferenciadas através da política de
unificação e proposta de transmutação, gerou-se uma nova fase de evolução
em diferentes aspectos para todas essas Almas inseridas em corpos biológicos
que evoluíam ao mesmo tempo nos diferentes planos de suas dimensões
adjacentes no contexto do genoma espiritual e fisiológico.

As sociedades mais densas entre 3D e 4D são classificadas conforme seu


grau de evolução social e tecnológico e controladas pelos dogmas religiosos
onde são inseridas informações similares às das religiões terrestres sobre
darma e carma, evolução através do amor e através da sublimação desse
mesmo carma. Outras, dentro de uma linha existencial de 5D, passaram a ser
os coordenadores das sociedades inferiores, assumindo o poder e intervindo
como deuses ao utilizarem uma tecnologia mais avançada e interagindo com
o processo de expansão da sociedade. E ao assumir o confronto contra as
realidades draconianas, atuando como policiais e forças militares e coloniais,
interagindo com seus comandados de 4D como força tarefa de linha de frente
quando necessário. O grupo de 6D passou a exercer maior controle e a
administrar o processo de ascensão para as esferas de 7D e sustentar as bases
da religião e dogmas de controle existencial das sociedades inseridas nesse
grupo local de 108 Federações e através desse grupo selecionado de 6D com
acesso às realidades de 7D, permitir a transferência de informações
mediúnicas dos seres além de 8D da Confederação. Dessa forma se
estabeleceu a estrutura social e dogmática ou religiosa desse grupo das 108
Federações ligadas diretamente ao Sistema de Alcione, motivo pelo qual é
chamado de Alfa e Ômega. O livro de Urântia é uma referência da estrutura
dogmática baseada na energia e na personificação de um Cristo, como foi
empregado em centenas de planetas e na própria Terra, colocando muitas
questões que são a base da própria estrutura das religiões terrestres, como
mecanismo de controle na evolução e na ascensão das Almas aprisionadas
dentro da consciência humana na atual fase da evolução terrestre, voltamos
ao princípio de Hermes Trimegisto:

“Aquilo que está embaixo é como aquilo que está em cima, aquilo
que está em cima é como aquilo que está embaixo”.
O desenvolvimento social no Sistema de Alcione estava bem
comprometido na estabilização dessa nova estrutura dimensional entre
civilizações anexadas desde 3D até sociedades de 7D, estabelecendo planetas
e naves com realidades multidimensionais, como ocorre entre a sua
fisicalidade e os diferentes planos astrais e suas distintas densidades
vibracionais, colocando uma ordem nessa linha existencial, onde muitos de
vocês estavam encarnados através de suas Almas e clones que tinham sido
gerados no decorrer da grande guerra e experimentos relacionados. Neste
contexto ocorre a continuidade do processo existencial multidimensional e ao
mesmo tempo a existência paralela de vários corpos em uma mesma linha e
realidade social, o que gerou vários choques psíquicos e de ego, unificando
ou afastando muitas dessas Almas em sua jornada, pois em alguns aspectos
da sociedade os iguais se afastam pela similaridade emocional e intuitiva,
gerando ou a união definitiva ou afastamento devido ao ego pessoal da
consciência limitada de cada realidade racial e existencial. Isso acabou
gerando o processo reencarnacional dentro de sociedades com maior índice
de dualidade e dogmas religiosos, seus medos e crenças. O potencial
reencarnacional dos Sistemas Solares ligados ao controle político e religioso
central de Alcione, estabeleceu os Ajustadores de Pensamento, Querubins e
Super Querubins como sistemas de tecnologia de alta capacidade quântica,
como mecanismos de controle existencial das sociedades inseridas nesse
conjunto e rede das 108 Federações, sendo que as de maior controle e
observação estavam obviamente na faixa de 3D até 5D por serem as de maior
população e densidade e as outras de 6D e 7D eram muito mais sutis e já
estavam nas esferas de comunicação com a Confederação e outros grupos
além do contexto das 108 Federações.

O papel desenvolvido por Yaberin e sua equipe na estrutura política e


social das lideranças de Alcione, foi transferir os Templos e as Escolas
Herméticas mais antigas do conjunto de M-45 e inseri-las como base do
conhecimento social e espiritual dos grupos que deveriam guiar a evolução e
velar pela espiritualidade dessa nova sociedade. Dentro dos princípios
inseridos pelo Mestre Yaberin estavam as seguintes diretrizes e abordagens:

A Fonte Que Tudo É, energia não personificação.


Desdobramentos da Supra Mônada até a Alma.
Etapas de evolução da consciência da Alma e seus estágios.
Ordens Espirituais da Supra Confederação.
Estrutura dos Filhos Paradisíacos.
Engenheiros Cósmicos.
Engenheiros Siderais ou Arquitetos do Universo.
Processo mediúnico de comunicação telepática da Alma.
Genoma dos supra corpos e da Mônada até o corpo fisiológico.
Biodiversidade da energia da consciência.
Harmonia e Amor universal, cocriação.
Energia Búdica, Crística e Mahatma e suas irradiações.
Avatares na evolução do universo.
Ensinamentos sobre a projeção da consciência e dos corpos sutis.
Relatividade existencial e sua projeção.
Medicina espiritual e da Alma inserida na fisiologia do corpo.
Fluxo da energia da Antimatéria e da Matéria Bariônica.
Fluxo do universo quântico e da biodiversidade existencial da
consciência.
Alunos e funções da Ordem Santa Esmeralda.
Alunos e funções da Ordem Santa Ametista.
Resgate de seus próprios fractais de Alma e projeção dessa
consciência.
Bases para amplificação das Escolas de conexão da Alma com a Fonte.
Formatação da sociedade espiritual sobre a consciência fisiológica.
Tecnologia quântica e espiritual.
Tecnologia avançada do fluxo temporal e dimensional.
Conexão com a Confederação e a Supra Confederação.
Retorno à Fonte como Cocriador Mahatma.
Inserção das Escolas Mahatma.
Inserção das Escolas Kumaras e similares na sociedade estelar.
Rede Quântica de Neurologia espiritual da Alma e seus Fractais.
Medicina da Alma e do corpo avançada e suas linhas de energia.

Aqui são algumas das estruturas que Yaberin e sua equipe inseriram na
sociedade de Alcione e nas 108 Federações, estabelecendo uma linha de
conduta e conhecimento que foi interpretado de forma diferenciada em cada
plano de existência da enorme sociedade que compunha o QG ou Alfa e
Ômega. O poder político de Alcione, suas frotas e Casas de Comércio
chegaram a fazer frente e até mesmo superar as Casas de Nodia, que
acabaram entrando nessa estrutura das 108 Federações para estabelecer em
conjunto o crescimento e sustentação de sua posição dentro do jogo de poder
político e proteção mútua contra as possíveis ameaças dos Draconianos. Entre
diversas funções que Yaberin acabou realizando, acabou trabalhando como
Mentor e instrutor de muitos de vocês que estão lendo este livro e esteve
diretamente envolvido no processo social dessas 108 Federações e seus
grupos. Consequentemente essa estrutura acabou sendo compartilhada com
outros grupos além das 108 Federações anexadas ao quadrante de Orionis
onde foi colocada a Estrela de Alcione como centro operacional e
literalmente o novo Quartel General de operações desse conjunto de
Federações. Esse compartilhamento fez com que as escolas iniciáticas dos
144 Mestres Magos e de seus discípulos posteriores acabassem se
multiplicando de forma natural em diferentes setores do conjunto de Naoshi.
Portanto, entre suas 49 galáxias estas escolas se tornaram modelos, inclusive
na estrutura da Federação Intergaláctica e outros grupos nesse contexto. Isso
fez com que os Mestres Magos naturalmente acabassem se dividindo,
gerando seus próprios clones e desdobramentos para poderem administrar
esta nova condição. Assim a Estrela de Alcione acabou influenciando muitas
culturas e se tornou um sistema de destaque. E por isso muitos problemas
precisavam ser resolvidos na estrutura social desses 108 grupos de
Federações que oscilavam entre 3D até 7D, sendo que a maior concentração
de representantes está entre 5D e 6D, sendo os que se encontram mais abaixo
como 3D e 4D, acabam trabalhando na estrutura mais densa da pirâmide de
comando em funções ou atribuições que ainda necessita de muitos ajustes
para poder seguir com a linha de evolução.

Dentro dessa megaestrutura gigantesca, depois da grande guerra de


Orion, os planetas de exílio ou de quarentena acabaram se tornando a saída
estratégica para evitar o aniquilamento de seres vivos, como aqueles que não
se enquadravam dentro da estrutura social e das novas diretrizes de comando
operacional desse enorme conjunto social estelar.
ALDEBARÃ DE TOURO

ste sistema solar relativamente próximo ao conjunto de M-45,


E teve suas sete estrelas mais externas reposicionadas no setor
periférico em direção ao atual quadrante que é visto da Terra. Foi
comandado diretamente por seu fundador em conjunto com seus
colaboradores, mas acabou se separando devido a problemas e soluções
recusadas pelo Conselho liderado por Torank, que organizou a sociedade sob
uma proposta piramidal de castas de acesso à informação e controle neural,
através de implantes e outros mecanismos de controle que incluem a religião
e a formatação de uma Matriz de Controle. Efetivamente a separação do
Conselho de 21 Comandantes do qual Torank é um dos líderes, tem ligação
direta com o acesso às informações do Conselho Shamuna da Via Láctea,
com o qual Torank tem acesso direto ao Comandante Onara e ao próprio
Yaslon Yas e aos outros membros da Supra Confederação, gerando assim
uma proposta diferenciada, sem, contudo, declarar guerra ou oposição à
estrutura social imposta em Alcione. Um dos maiores problemas enfrentados
na união de tantos grupos estelares diferentes ao longo da formação das
Federações baseadas politicamente em Alcione, foi a diversidade cultural,
tecnológica, racial, dimensional, religiosa e intelectual dos diferentes
representantes, gerando uma complexa biodiversidade social e interação entre
eles. E desta interação, surgiram novas propostas de intercâmbio tecnológico
e social. Mas do ponto de vista da engenharia específica para cada grupo
conforme sua dimensão, o compartilhamento desses ajustes com outros povos
foi e ainda é complexo, o que acabou naturalmente dividindo em facções
esses 108 grupos de Federações. Assim o conjunto de planetas que orbita a
estrela gigante de Aldebarã faz parte do grupo das 108 Federações, mas
mesmo assim mantém independência política e tecnológica em muitos
aspectos para poder garantir a evolução diferenciada de seus habitantes
dentro de uma linha filosófica sem mentiras ou “meias-verdades” como
ocorre nas estruturas mais densas de 3D até 5D do grupo de Alcione.

Aqui reside um fator importante que é a linha de evolução diferenciada


que Torank inseriu em todos os seus projetos genéticos desde a grande
guerra, o que inclui projetos na Terra há mais de 800.000 anos terrestres
desenvolvidos nos continentes de Mu, Lemúria e Antártida, gerando o
aperfeiçoamento dos Elfos e outras raças humanas e humanoides como
algumas variações de Gigantes com 13 a 15 metros de altura na concepção
humana atual. Estes seres são confundidos com os Ciclopes ou Elohins das
antigas escrituras, mas na verdade são elaborações genéticas para poderem
ser transferidos para outros planetas com condições extremas e darem
continuidade ao projeto encarnacional com genomas contendo códigos
Micahélicos e Metratônicos em sua estrutura além dos 2 filamentos do DNA
convencional. Os Mestres Magos tiveram acesso e atuaram de forma direta
nos projetos liderados por Torank e assim construíram um trabalho
extremamente avançado. Seus discípulos possuíam total acesso e lembranças
da esfera Monádica, o que permitiu rápida evolução e despertar sem etapas
intermediárias como ocorreu nas outras sociedades mais densas e
conturbadas. O mesmo ocorreu com os Sistemas de Canopus, Sirius Alpha,
Nodia, Toliman, Deneb, Arcom, Argus entre os mais destacados,
tecnologicamente mais desenvolvidos e atuantes no contexto da Federação
Intergaláctica e do grupo das 108 Federações locais.

Yaberin acabou se desdobrando de forma direta entre o centro


operacional de Alcione e de Aldebarã e com o tempo por todo o conjunto das
108 Federações locais do setor de Satânia ou Orionis, que possui algo em
torno de 10.700 anos luz de perímetro operacional, fora os desdobramentos
com o restante da galáxia e depois com Naoshi. Todos vocês acabaram se
dividindo e gerando seus próprios fractais de Alma nesse mesmo processo
sem perceber, devido aos processos emocionais e psíquicos envolvidos em
cada genoma, indo muito além do fator temporal estabelecido para cada um
desde a saída da energia de vocês do seu Eu Sou. O processo de
desdobramento em Fractais de Alma, ocorreu naturalmente através das
emoções e dos sentimentos gerados pelas reações endócrinas das raças
inseridas sem controle nesse projeto, pois as reações endócrinas que geram
muitas de suas reações emocionais não estão pré definidas antes de iniciarem
o processo encarnacional. Elas simplesmente existem e vocês têm que
aprender a lidar com elas. Situação que causa problemas até o momento aos
geneticistas dos mais avançados grupos de pesquisa.

Quando a unificação do grupo das 108 Federações colocou em evidência


o fato de que bilhões de seres não estavam preparados para viver em conjunto
dentro dessa nova proposta social estelar, foram compartilhados muitos
projetos de seleção natural e separatismo, até que por fim veio a ideia da
quarentena. Planetas teriam suas condições climáticas adaptadas
artificialmente para receber esse contingente de Almas e corpos que não se
enquadravam nas novas diretrizes e condições de unificação do novo grupo
composto sob a coordenação de Alcione e seu Conselho Administrativo de
Lanonadeck secundários, terciários e quaternários, compondo assim a linha
dos Deuses no poder com o conhecimento da Cocriação dos Filhos
Paradisíacos maiores. Esta condição acabou estabelecendo as linhas de
pesquisa em todos os planetas abaixo de 5D como campo natural de
desenvolvimento, aperfeiçoamento genético e espiritual dos povos mais
atrasados. Situação onde a Terra e outros mundos de quarentena se
encontram há milhares de anos. Aqui reside o porquê de muitos dos
representantes das 22 Delegações realizarem experiências genéticas com a
humanidade com a autorização da Aliança Galáctica e de outros povos da
Federação, pois faz parte da estrutura política e administrativa desde o início
quando mundos similares à Terra foram usados como celeiro de pesquisas e
desenvolvimento tecnológico das 108 Federações.

Sendo assim, a estrutura administrativa da Terra ligada ao SGS ou


Governo Oculto está baseada diretamente nessa mesma condição que o QG
de Alcione estabeleceu para todos os planetas em Quarentena, exigindo deles
o processo de ascensão como patamar mínimo de evolução e desligamento de
um planeta em Quarentena. Na Terra esta condição é bem mais complexa do
que o previsto, decorrente da presença de diversos grupos além das 108
Federações e dos exilados extremos que foram inseridos na faixa dos últimos
87.000 anos na estrutura umbralina, astral e física do planeta.

Esta mesma condição acabou comprometendo a maior parte das Escolas


Herméticas ou iniciáticas inseridas na Terra pelos Avatares e pela Escola de
Mestres Magos, o que inclui as tentativas de Yaberin de ajudar a maior parte
de vocês que são discípulos dele há milhões de anos nas outras moradas antes
da Terra e até mesmo em realidades paralelas. Aqui cada um de vocês possui
uma história que foi comprometida pelos aspectos políticos dessas 108
Federações e pelo contexto vibracional da Terra nos últimos 80.000 anos, que
representam o início da decadência social e vibracional que afetou a todas as
formas de vida. Abrangendo os Nibiruanos e todos os outros grupos de
Extraterrestres, esta marca coincide com a presença oculta dos Xopatz que
controlam e abduzem a maior parte das formas de vida para gerar o caos e a
desordem, principalmente durante os períodos em que o Sistema Solar se
localiza na órbita além da Zona Neutra e consequentemente, sob o controle
direto da Ordem do Dragão Negro.

Em muitos aspectos podemos dizer que nem mesmo os dirigentes do


Conselho Evolutivo, que residem na cidade interdimensional e intraterrena
chamada de Cúpula de Cristal que está inserida no conjunto de Shamballa,
sabem descrever o que realmente ocorreu de errado na Terra ou saiu do
previsto, pois a presença dos Xopatz acabou desviando muitos dirigentes de
sua proposta original e colocou em total desequilíbrio diversos projetos.
Muitos tiveram que admitir fracasso e vulnerabilidade ao Conselho em
relação aos abdutores alienígenas da Galáxia de Arconis com suas
habilidades superiores em muitos aspectos, lembrando que eles conseguiram
gerar a grande guerra de Orion, as guerras de Pégaso, Cassiopeia e de Perseu
através de suas manipulações e controles mentais de seus hospedeiros ao
longo do histórico na Via Láctea e além no contexto de Naoshi.

Os desdobramentos de Yaberin na Terra se iniciaram próximo de 18.700


anos de sua contagem, para ajudar o nibiruano Enki a estabelecer escolas de
resgate e ajuda entre os humanos escolhidos dentro de uma seleção genética
especifica, empregando inclusive um de seus filhos Ningishzida, que tem
sido comparado à Divindade Thot e portanto, o próprio Hermes Trimegisto
nas interpretações dos pesquisadores. Eles eram extraterrestres que passaram
a representar a Escola Kumara Mística dos planos superiores onde Yaberin já
vinha desenvolvendo um trabalho profundo no ensinamento e reconexão de
seus alunos à sua própria fonte nos mundos mais densos do grupo das 108
Federações. Muitos de vocês neste momento se perguntam por que Yaberin
só chegou nestes últimos 18.700 anos e não antes, já que ele é um viajante
temporal. Mas só foi possível entrar nessa linha temporal através da lente
temporal que foi dirigida para a Terra e também porque o Conselho da
Federação estava com sérias dificuldades políticas em razão dos problemas
que a Terra estava desenvolvendo por atravessar periodicamente a Zona
Neutra com sua trajetória elíptica, colocando o Tratado Equilibrium em
constante risco entre as partes que no passado tinham se defrontado quase até
sua aniquilação.

Yaberin entrou na regência da Ordem de Thot através da estrutura de


Thot Ham e de Thot Set para ajudar Enki nas novas propostas de ensino e
divisão dos humanos escolhidos para realizar a conexão com todos os outros
povos de Mu, Lemúria, Antártida e setores atualmente submersos pelo
aumento do nível dos oceanos depois do Dilúvio e mudança orbital da Terra
por volta de 12.000 anos. Como o Sistema de Aldebarã teve muitos projetos
ligados ao desenvolvimento dos Elfos na Terra, Yaberin aproveitou este
acesso para ajudar na avaliação e no resgate desses seres, entrando em
contato com outras realidades da linhagem dos povos e etnias que Enki tinha
reprogramado e estabelecido no setor da Mesopotâmia e da África através de
sua engenharia genética, induzido pelo Comandante Siriano Ashirion.

Foi através de Ashirion que Yaberin ficou sabendo da real situação da


Terra e não através dos relatórios manipulados que a Federação apresentava
com base no que Enlil reportava, assim como os Zetas, Greys e Reptilianos
que fazem parte das 22 Delegações da Aliança Galáctica, acusando uma
diferença significativa nos resultados das pesquisas e no desenvolvimento das
Almas de exílio no processo terrestre, seja ele astral ou físico. Yaberin entrou
na Terra como um ser de 7D e mesmo assim teve que se densificar até 4D
para poder trabalhar com Enki nos ajustes e nos projetos do que viria a ser a
Operação Resgate. A Operação Resgate foi ativada com a chegada do
Arcanjo Miguel na forma de Jesus Cristo e de outros Comandantes que se
uniram aos Avatares Sidarta Gautama, Maytreia, Juno, Kuthumi, Emanuelys,
Kwan Yin e muitos outros que se prontificaram a ajudar a Terra na sua
mudança vibracional já mesmo antes do Dilúvio.

Enki gozava do respeito e da proteção de Ashirion, por isso foi escolhido


para ser o responsável pelo desenvolvimento da espécie humana Homo
Sapiens através do próprio DNA de seu sangue com a criação dos chamados
Lulus pelas traduções de Zecharia Sitchin nas tabuinhas de barro que ele
encontrou e pesquisou durante grande parte de sua vida. No entanto, essa é
apenas uma parte da verdade, pois a outra está registrada parcialmente e de
forma mais profunda nos livros de outro pesquisador mais antigo que é
James Churchward, autor de “Os Sagrados Símbolos de Mu” e “O
Continente Perdido de Mu: Pátria do Homem” no ano de 1926, colocando
em evidência muitos dos projetos de Torank, Ashirion, Shonthor e Gadman
no que foi definido como Mu e seus territórios com mais de 65 milhões de
habitantes no setor do oceano pacifico. Yaberin acabou em muitas ocasiões
viajando na linha temporal para o passado há mais de 800.000 anos para ter
acesso aos projetos das equipes de Lanonadeck e entender os diferentes
projetos que Mu e seus territórios vizinhos representavam para a Federação e
para a Terra, colocando em evidência a diferença dos projetos que Enki
desenvolveu nos últimos 150.000 anos com a criação genética dos Lulus
encontrados no setor da Mesopotâmia e da África, que foi baseada na
estrutura dos símios neandertais e similares.

Ao entrar na estrutura temporal da Terra através de Mu e seus portais


mágicos de tecnologia Siriana de Ashirion e de seus colaboradores de Orion
Betelgeuse e Aldebarã, Yaberin pôde atravessar diversos momentos do
histórico da Terra e ter uma noção mais clara do tumultuado contraste de
realidades. Ele compreendeu a situação extremamente complexa dos
Nibiruanos e dos outros grupos que acabaram transformando as diferentes
humanidades em escravos de pesquisa e de mineração, em oposição à
proposta original. E além de tudo, um excesso de seres de exílio que não
caberiam na Terra dentro de uma proposta decente de evolução. Nessa fase
dos acontecimentos, Yaberin solicitou a transferência de pelo menos 72 de
seus irmãos da linhagem de Mestres Magos para iniciarem diversos projetos
da Operação Resgate no fluxo temporal da Terra, para que eles fossem
convergentes em determinados momentos. Tudo isso trouxe mais
contribuintes para ajudar na seleção espiritual, física e astral do planeta Terra
a partir de 24.500 anos atrás e assim, desenvolver com vocês que estão lendo
este livro, projetos de resgate, despertar e ascensão das pessoas próximas a
vocês no âmbito familiar, social e dentro das escolas iniciáticas, como as
atuais Umbanda, Espiritismo, Candomblé e outras escolas similares.
Yaberin na Terra

eus filhos e alunos, agora entro com informações sobre


M minha chegada à Terra e os trabalhos que desenvolvemos em
conjunto com vocês. Até o momento, este conteúdo foi transcrito
por sete entidades entre os diferentes níveis de consciência do meu irmão
Rodrigo Romo e sua equipe. Este livro esteve bloqueado, pois em 2007
quando se iniciou sua canalização, muitas informações não tinham sido
autorizadas ainda, além da difícil compreensão sobre o fluxo cruzado da linha
temporal. Foi através de minha autorização em novembro de 2015 que
Rodrigo Romo retomou e mudou significativamente o manuscrito inicial.
Podem comparar a terça parte inicial com a continuação escrita e canalizada
em 2015/16 até o presente momento.

Com a minha entrada no campo vibracional de seu planeta há 18.700


anos, dei-me conta dos grandes erros de cálculo e da presença de muitos reis
e poucos trabalhadores na proposta verdadeira de ajudar ao próximo e de
gerar o movimento de ascensão das Almas que estavam cumprindo pena de
exílio perante a administração de Alcione e dos denominados Senhores do
Carma, que são simplesmente administradores do conjunto político e social
que têm em Alcione sua representação para os assuntos pertinentes à
evolução do conjunto de civilizações que compõem as 108 Federações. A
Terra e 30 bilhões de Almas que acabaram sendo transferidas, não foram
contabilizadas para um projeto com as pretensões do projeto Micahélico nem
dos outros Filhos Paradisíacos, como se propaga de forma irresponsável. As
Federações queriam se livrar de um problema administrativo com seus 37
planetas de Exílio, mas acabaram se livrando dele apenas temporariamente,
jogando esse elevado contingente de Almas dentro de planetas isolados pela
Barreira de Frequência, que gera naturalmente a chamada quarentena. Dando
continuidade à sua existência usando esses mesmos planetas como celeiros de
pesquisa sem respeitar as diretrizes que as próprias Federações criaram para
definir a dignidade dos povos que compõe essas 108 Federações.

A minha chegada foi um tormento para muitos dos Comandantes, pois


representando as diretrizes da Confederação, não estou sob a jurisprudência
política e militar da Aliança Galáctica nem da Cúpula de Cristal, mas sim à
do Conselho Shamuna e do Conselho de Yaslon Yas, que me colocou na real
fogueira das informações e vaidades dos representantes terrestres entre 3D e
5D, que eram soberanos na Terra e nos outros mundos interligados pelos
Portais do Astral e do Umbral. Foi neste jogo de poder que muitos de vocês
vieram ajudar, ingressando numa equipe de trabalhadores da Luz e das
Escolas Iniciáticas, para trazer o conhecimento e a ascensão para milhares de
irmãos aprisionados no fanatismo religioso, antes do Dilúvio há mais de
17.000 anos de seu tempo.

Muitos de vocês, amados filhos e colaboradores, entraram pelo fluxo


temporal da nave Arcturiana Arki Trans que vocês chamam de Portal 11:11,
para iniciarem no plano astral tarefas de auxílio à humanidade, mas por causa
das complicações geradas pelos Xopatz, acabaram retornando no fluxo
temporal e iniciando suas encarnações. Sim, muitos de vocês chegaram junto
comigo, ou depois, pela Lente Temporal do ano de 2026 na órbita de Saturno
e Júpiter e regrediram no fluxo temporal da Terra para iniciar suas funções
perante o planeta e seus habitantes e por diversas razões que veremos
gradualmente, acabaram aprisionados na Terra no fluxo existencial indo em
alguns casos até 140.000 anos no passado relativo da humanidade,
enfrentando conflitos sociais com os Nibiruanos e suas constantes disputas de
poder entre as facções de solo e as que tiveram que ficar no planeta Marte
para processar o ouro extraído da Terra durante sua permanência.

Na verdade, todos vocês são viajantes temporais que vieram de outros


mundos. Alguns evidentemente pelo processo de exílio e bom
comportamento em outros mundos de quarentena para ajudar na Terra dentro
da linhagem que vocês chamam de Exu, que vou explicar melhor através de
um gráfico recente que meu irmão Rodrigo Romo fez há poucos dias. Outros,
vieram através da Federação para auxiliar os diferentes processos e propostas
que a Terra tinha pela frente, mas tudo isso antes da trágica mudança orbital
da Terra causada pelo alinhamento de astros que gerou o Dilúvio e outras
catastróficas configurações nos planetas internos do Sistema Solar, similares
ao passado quando houve a destruição do planeta Maldek.
A estrutura desenhada ao lado, representa a divisão administrativa e
operacional das equipes que coordenam o processo encarnacional na estrutura
biológica de uma galáxia. Neste caso, adaptada para a realidade de sua Via
Láctea, colocando dentro da nomenclatura empregada nos cursos da
Rometria de Rodrigo Romo uma definição mais direta e galáctica das
equipes até se chegar ao processo encarnacional na Terra e suas enormes
frequências e regências.

O processo administrativo do Conselho Shamuna em sua Via Láctea é na


verdade representado por 12 Lanonadecks de 1º grau de grandeza ou
abrangência de consciência, que lhes permite vibrar entre 9D até 16D, tendo
esse Conselho um supervisor Maioral definido como Arcanjo Lúcifer, que é
um cargo e não uma entidade comum. Representa um Trono, assim como os
outros seres ou Exus como vocês os denominam. Cada um dos 12 Shamunas
é responsável por um quadrante interno de sua galáxia, estando a Via Láctea
dividida em 12 setores como se fossem 12 fatias de uma pizza. Cada qual
coordena projetos biológicos e possui equipes que reportam diretamente a
eles na cadeia de comando e de projetos.

Shamunas Lanonadeck — 9D a 16D:

Projetos biológicos e interação com a Alma/Eu Sou.


Ligação com interesses dos Filhos Paradisíacos.
Atuação junto à Confederação Intergaláctica.
Conselho Evolutivo galáctico e temporal.
Os Lanonadecks de 2º grau são os que reportam para cada um dos 12
Shamunas da Ordem Lanonadeck de 1º grau, sendo que estes são os
responsáveis pelos quadrantes setoriais, que são as constelações maiores
inseridas na estrutura dos diversos braços da espiral da galáxia, abrangendo
cada um deles setores com mais de 50.000 anos luz de área interna onde
podem existir até bilhões de astros e projetos.

Lanonadeck de 2º grau — 7D a 16D:

Projetos biológicos e estudo do desenvolvimento da Alma.


Convívio e interação com as Federações e seus Impérios.
Desenvolvimento tecnológico e social.
Religião e ascensão aos planos superiores.

Depois existem os Lanonadecks de 3º grau, responsáveis pelos projetos


mais isolados que cuidam de Sistemas Solares ou Estelares na sua
complexidade temporal e dimensional, desenvolvendo em sincronicidade
com os outros Lanonadecks dos graus acima os projetos e desígnios para
cada raça e sociedade.

Lanonadeck de 3º grau: 6D a 13D.

Projetos biológicos entre 1D e 6D, ajustes de Alma x consciência.


Inseridos nas Federações e Confederação.
Processo mediúnico de acoplamento.
Ativação do conceito do Cristo Maior e Ascensão crística.
Desenvolvimento social, tecnológico e política interestelar.
Formatação das Federações e Aliança Galáctica.
Política de seleção natural evolutiva e ascensão.
Ciência e tecnologia aplicada à consciência das raças.

Os Lanonadecks do 4º grau já são os diretores executivos diretos que


interagem entre as Federações e os planetas de Exílio, ou mesmo no processo
de evolução tecnológica, os colocando na realidade cósmica além de suas
limitadas frequências planetárias, realizando o papel do Conselho Evolutivo
ou cármico de cada planeta conforme seu grau de evolução. Eles são os
Tronados, Exus Tronados, Caboclos Tronados e outras entidades da alta
regência com acesso à verdade cósmica da humanidade e de suas Almas,
assim como o histórico do planeta desde sua fabricação.

Lanonadeck de 4º grau: 6D a 13D.

Interagem diretamente com os Lanonadeck de 3º grau.


Comandantes das Federações maiores, avaliadores da Alma.
Coordenadores do Exílio.
Embaixadores das Federações.
Aplicadores das diretrizes das Federações.
Conselho da Ação e Reação.
Avaliadores do Corpo x Alma.
Coordenadores da evolução astral, física e umbralina.
Detentores dos códigos genéticos fisiológicos.
Detentores das chaves da evolução e ascensão planetária.
Senhores do Carma e da realidade estelar.

As atribuições deste 4º grau estão diretamente relacionadas com a


estrutura ensinada de forma velada pelas escolas como o Candomblé e a
Umbanda, que relacionam entidades como Lúcifer, Maioral, Belzebu,
Astoroth, como os detentores do corpo biológico e de seu código genético e
Oxalá o responsável por ter inserido a Alma e o espírito na realidade
fisiológica desses corpos e seus códigos biológicos. De certa forma está
correto e corresponde a uma complexa realidade que veremos gradualmente,
conforme a compreensão de vocês sobre aspectos que estão inseridos na
estrutura humana terrestre atual.

Na pirâmide que Rodrigo Romo desenhou, vocês percebem que os


quatro níveis de Lanonadeck ou Tronados vibram na média entre 8D até 16D,
mas existem Tronados que podem baixar sua vibração até 6D quando
necessário para poderem atuar nos planetas mais densos e com isso, suas
equipes adjuntas fazem o restante pelo processo mediúnico até os níveis mais
densos como 4D para se comunicar com os humanos na Terra, como tem
ocorrido no contexto do espiritismo.

Quando falamos na entidade Exu, temos que lembrar que nas traduções
antigas essa palavra deriva de Essú que representa algo similar a Anjo da
Guarda, ou até mesmo de Arauto, que significa “aquele que trazia as
mensagens dos Deuses maiores” e por isso era denominado de mensageiro
dos Deuses. Portanto, os Exus são mensageiros da Lei maior dos planos
espirituais que na verdade são dimensões mais sutis onde se localizam as
Federações que transferiram para a Terra e demais mundos de exílio os
habitantes que estavam fora dos parâmetros mínimos exigidos para os
mundos civilizados dentro das sete diretrizes básicas de coexistência das 108
Federações.

A estrutura da pirâmide que Rodrigo Romo desenhou está relacionada


especificamente às realidades de administração dos planetas em quarentena, o
que inclui a Terra através dos grupos que são denominados de Coroados. Ou
seja, aqueles que já ascensionaram e são chefes, mestres no plano espiritual e
conhecem as dificuldades das diferentes realidades temporais da fisicalidade
terrestre desde a chegada dos exilados e os conflitos pelos quais a Terra tem
passado através de suas diferentes civilizações. O plano existencial dos
Coroados possui cerca de sete frequências por dimensão, sendo 12 dimensões
e suas sub-frequências entre 5D no astral mais próximo da densidade dos
Templos dos Orixás até a estrutura do alto astral de 6D a 8D. Essas 12
dimensões são oitavas diferenciadas dentro de uma mesma dimensão
conforme a estrutura vibracional dos templos ou até mesmo das naves onde
estão inseridas as diferentes civilizações que vieram à Terra ou evoluíram
aqui, tendo assim basicamente 336 moradas entre as 12 dimensões e as 28
frequências de estabilidade existencial além do plano físico humano. Nessa
complexa estrutura se localiza a morada dos Mestres Ascensos da Terra,
incluindo a Fraternidade Branca, templos etéricos, civilizações intraterrenas,
civilizações orbitais que na atualidade representam um contingente
aproximado de 2,7 bilhões de seres que evoluíram na Terra e em outros
mundos nos últimos 3,6 bilhões de anos da contagem terrestre - que não
condiz com a contagem temporal de Alcione, que usa como referência o ciclo
temporal de 5D de aproximadamente 26.000 anos terrestres para um ano de
Alcione.

Como já foi comentado, a Terra começou a sustentar vida há mais de 3,6


bilhões de anos de um total de quase 5,2 bilhões de anos desde que foi
formatada e concebida pelos Mestres Voronandeck em Sirius Alpha antes da
destruição do antigo Sistema Solar de Satik, colocada na órbita do Sistema
Solar para abrigar projetos da Ordem Micahélica, Metratônica, Emanuelys,
Kumara, Amarylis e até mesmo da Confederação. Assim sendo, o histórico
da Terra não pode ser limitado aos irrisórios 8.000 a 10.000 anos que seus
arqueólogos querem que vocês acreditem que a humanidade possui. Muitas
de suas antigas ruinas datam de mais de 260 milhões de anos, antes mesmo
da chegada dos Maldequianos e de outros grupos das Federações à Terra.

Vocês, enquanto energia de Alma e respectiva consciência, estão


atuando em diferentes civilizações a mais tempo que isso e têm entrado e
saído da Terra em diferentes linhas de existência, causando assim uma
completa confusão holográfica no seu histórico existencial na Terra. O
projeto original de vocês foi criado entre 6 e 8 bilhões de anos atrás, para que
uma parte ingressasse na raça humana de Avyor de Vega, que era
inicialmente um projeto conjunto de Micah com outros filhos paradisíacos
com a ajuda do Voronandeck Shtareer, como vocês o conhecem através das
descrições de Rodrigo Romo. Mas esse projeto acabou sendo diversificado e
ampliado pelo Comandante Onara frente à ameaça de extermínio dos Xopatz
e dos Draconianos que invadiram Avyor e deram início aos diferentes
projetos de manipulação genética com o genoma original do Cristo de Avyor
que foi Amelius, o primeiro Cristo encarnado na estrutura de 7D na época de
Avyor, há mais de 6,5 bilhões de anos. Partindo do genoma desse cristo
inicial, que na verdade é uma outra manifestação de Micah ou de Sananda
como muitos de vocês preferem, ocorreu um desvio padrão significativo do
compartilhamento do genoma Crístico e dos Kumaras, que acabou sendo
inserido em dezenas de seres não humanos e com isso, o Filho Paradisíaco
Cósmico Metraton interveio e criou o projeto Metrom do qual a maior parte
de vocês fez parte e de alguma forma acabou participando dos seus
desdobramentos no setor central de Orion nas imediações das Três Marias, ou
cinturão de Orion.
Ainda seguindo a estrutura da pirâmide existencial, temos que analisar
sua base que possui 144 dimensões, cada uma possuindo sete dimensões
internas ou sub-frequências, o que gera, portanto, 1.008 realidades entre o
Umbral até 6D, incluindo a Roda de Samsara física da humanidade e as
realidades paralelas no processo onde se emprega o corpo biológico terrestre
ou similares equivalentes no processo encarnacional. A base dessa pirâmide
se repete na maior parte dos mundos das Federações e de exílio, servindo
como base do processo encarnacional e da evolução dentro dos princípios das
7 diretrizes e do “reto pensar, reto viver” que muitas das filosofias religiosas
propõem, mas infelizmente não aplicam. No contexto mediúnico da
humanidade, o contato que é realizado pelos humanos fisicamente
encarnados ocorre com as equipes que estão na base na pirâmide, não com os
outros planos acima nem com os coroados, pois o gradiente de energia deles
é muito elevado se considerarmos uma tabela básica de lumens gerados pela
Chama Trina na Terra.

LUMENS DA CHAMA TRINA:

Peixes: 50/65 lumens.


Cetáceos - golfinhos: 2.000/3.000 lumens.
Cetáceos - baleias: 3.000/3.800 lumens.
Animais de estimação bem cuidados e carinhosos: 950/1.200 lumens.
Humanos convencionais presos à Matriz de Controle: 1.200/1.400
lumens.
Humanos místicos, iogues, reikianos normais: 1.500 / 1.700 lumens.
Humanos iniciados no conhecimento dentro de uma postura zen:
2.000/2.500 lumens.
Entidades do Médio Astral, Caboclos, Pretos Velhos: 4.000/6.000
lumens.
Entidades Coroadas, Mestres Iluminados: 8.000/10.000 lumens.
Mestres Chohans dos 144 Raios: 15.000/18.000 lumens.
Mestres Tronados de 4º Grau: 22.000/25.000 lumens.
Mestres Tronados de 3º Grau: 26.000/30.000 lumens.
Mestres Tronados de 2º Grau: 40.000/60.000 lumens.
Mestres Tronados de 1º Grau: 70.000/100.000 lumens.
Cristo Cósmico: 500.000/1.500.000 lumens.
Cristo Galáctico: 450.000/1.000.000 lumens.
Cristo Universal: Imensurável.
Linha da gira da Umbanda normal: 3.500 a 6.000 lumens.
Exus da linha geral de manifestação mediúnica: 2.800 a 7.000 lumens.

Esta tabela serve para o entendimento do que é a realidade encarnacional


dos humanos aprisionados à Matriz de Controle e das entidades que já
transcenderam essa frequência e se encontram em outras dimensões
superiores com maior consciência de sua atuação no universo e na Terra.
Aqui entram fatores importantes que as pessoas não levam em consideração,
como a programação neurológica exercida pelos meios de comunicação que
influenciam a psique da humanidade, transmitindo apenas informações
negativas e desarmônicas. Muitos dos processos mediúnicos de incorporação
das entidades definidas como Orixás ou mesmo dos Mestres da Fraternidade
Branca, na verdade não são possíveis devido ao enorme diferencial de
energia entre a consciência da entidade e a do corpo fisiológico do médium.
Uma entidade com menor gradiente de energia precisa baixar para que sirva
de ponte entre a fisiologia humana e o patamar mais elevado dos Mestres
Ascensos. Com isso, as incorporações mediúnicas se limitam a apenas
pequenas variações de energia das entidades do médio e baixo astral em
relação ao patamar humano. Além desse patamar, que em muitos casos atinge
o dobro da capacidade dos médiuns, o corpo físico não suporta a carga,
deixando muitas vezes o médium desacordado ou sem memória do que
ocorreu, porque seu córtex cerebral não suporta tamanha diferença de
energia. Sendo assim, aqueles que acreditam receber uma entidade do
elevado astral ou além disso, são na verdade hologramas egocêntricos, pois
realmente o diferencial de energia acabaria danificando profundamente o
corpo biológico físico dos humanos. Por isso os Tronos possuem diversas
falanges de uma mesma entidade, como ocorre com os Caboclos, Exus,
Pretos Velos, Ciganos e linha médica, que possuem entidades “ponte” entre
sua irradiação original com entidades mais densas para serem captadas ou
mesmo acopladas mediunicamente pelos humanos da fisicalidade. Além
disso, existem as falanges do Umbral, que exigem pessoas capacitadas a
vibrar nessa esfera ainda mais densa do que o padrão terrestre.
ENTIDADES DA UMBANDA:

EXUS:

Tronados assentados: 6.000 / 12.000 lumens.


Tronados de gira: 4.000 / 5.500 lumens.
Coroados de gira: 2.500 / 4.000 lumens.

LEBARAS:

Tronadas assentadas: 6.500 / 12.000 lumens.


Tronadas de gira: 4.000 / 5.500 lumens.
Coroadas de gira: 2.500 / 4.000 lumens.

CABOCLOS:

Tronados assentados: 5.000 / 8.000 lumens.


Tronados de gira: 4.000 / 4.800 lumens.
Coroados de gira: 2.500 / 4.000 lumens.

Aqui temos valores generalizados de algumas manifestações mediúnicas


nos conhecidos terreiros, mas estes valores podem variar conforme a
qualidade dos médiuns e da seriedade da casa. São valores referenciais aos
médiuns que não conseguem suportar cargas maiores porque as entidades
acabariam queimando seus veículos físicos na incorporação. Na Umbanda os
valores energéticos das entidades são muito bons, porém um pouco mais
baixos em relação às manifestações que ocorrem no Candomblé decorrentes
do processo de feitura e preparação dos médiuns que incorporam, além dos
muitos trabalhos feitos no cultivo da energia dos Orixás. Já no Espiritismo
tradicional o diferencial de energia fica mais próximo da Umbanda para
permitir um acoplamento constante e sem maiores danos à estrutura
bioquímica dos médiuns da casa nos seus afazeres espirituais. Entendam que
uma pessoa que vibra na média 1.400 lumens, ao receber uma entidade
acoplada de 3.000 lumens, estará suportando o dobro de sua carga
eletromagnética em microampères em seu campo neurológico e cardiológico,
o que significa evidentemente uma sobrecarga que não pode ser muito
prolongada. Essa medida sempre será inversamente proporcional para
garantir o bem-estar dos médiuns de incorporação.

Por isso que nos processos mais modernos ocorre o acoplamento através
dos corpos superiores, que permitem valores na casa dos 12.000 até 80.000
lumens, no caso dos corpos mais próximos como o Ranéshico e o
Melchireck. Já no caso do Auvonal ele possui capacidades mais ilimitadas,
mas chegamos a um ponto que as pessoas não entendem, que é estar alinhado
com o padrão cósmico estelar e não dentro da Matriz de Controle mundana
com as radiações dos sistemas de telecomunicações que mantém a
humanidade presa a hologramas de sofrimento, doenças, corrupção e todo
tipo de informação densa e negativa.

A denominada roda encarnacional da humanidade na Terra, assim como


nos outros mundos em quarentena, apresenta um fator determinante que é
justamente a total amnésia relativa aos ciclos anteriores de encarnação na
matéria densa da fisicalidade e do umbral, além dos mecanismos de controle
que foram inseridos na Terra pelos diferentes grupos buscando se apoderar do
seu complexo código genético físico e espiritual. Sim, existe uma diferença
extremamente complexa no universo entre o genoma espiritual proveniente
de sua Supra Mônada e o genoma do corpo biológico onde estão encarnados,
sendo que ambos passam por ajustes e processos de simbiose para que possa
ocorrer o processo encarnacional. Essa tecnologia da Alma pertence aos
Mestres Criadores da Supra Confederação, e não está acessível nos níveis
abaixo de 20D, o que coloca todos os membros das Federações e da própria
Federação Intergaláctica desesperados na busca dessa decodificação e do
poder divino de Deus como vocês dizem na convicção humana. A maior
diferença entre a Terra e os outros planetas de exílio do grupo de Orionis das
108 Federações é o contingente de almas e a presença de diferentes grupos
estelares não pertencentes ao grupo das 108 Federações que aceitou os
tratados em Alcione, surgindo os conflitos entre os denominados “Rebeldes”
e os “Federados”. Outros os chamam de Confederados e os “Não
Confederados”, o que na verdade são termos errôneos.

De qualquer forma, a presença de vocês na Terra estava inserida


inicialmente na proposta de comunicação mediúnica. Por este motivo vocês
tinham a chamada efusão não física, ou seja, estavam encarnados no corpo
astral do corpo criogênico ou na forma humana já adaptada e através do
acoplamento mediúnico incorporavam nos humanos e os ajudavam na sua
caminhada dentro da dualidade. No entanto, as coisas acabaram se
complicando por vários fatores externos à vontade de vocês, entre eles a
presença secreta dos Xopatz e de suas equipes de renegados reptilianos que
iniciaram uma lenta e constante contaminação das civilizações da Terra nos
últimos 120.000 anos, mas isso tornou-se mais pesado durante a chegada dos
exilados do Sistema de Capela há 87.000 anos e posteriormente, com os
outros grupos de exilados dos Sistemas de Tau Ceti, Boronak e Shaulla,
colocando uma densa camada psíquica de conflitos no subconsciente dos
seres físicos na Terra e no plano astral, dando passagem para o que vocês na
atualidade chamam de Umbral, que não existia nesse passado.

Essa complexidade na Terra acabou deixando os líderes das Federações


literalmente perdidos frente à constante ameaça de uma nova guerra com os
grupos que representam as forças “rebeldes” do outro lado da Zona Neutra.
Por esse motivo as diretrizes na Terra e em outros cinco planetas em
quarentena nunca foram levadas à sério, pois os “rebeldes” não seguem
diretrizes. São como bandidos que seguem apenas as leis que forem
vantajosas para eles, importando apenas a vitória ou o conflito. Os
representantes legais das 108 Federações não podiam correr o risco de
provocar um incidente grave, assim a Terra e os outros cinco planetas
similares sempre ficaram na corda bamba entre as polaridades e os abusos
dos diferentes grupos presentes com suas pesquisas e escravização de seus
habitantes.

Esses seis planetas em quarentena somam algo próximo de 1,3 trilhões


de Almas em sua estrutura desde o Umbral até o patamar mais sutil, sendo
parte destas Almas as que foram colocadas em exílio depois dos ajustes do
final da grande guerra de Orion, quando houve a intervenção por parte da
Supra Confederação. O contingente de exilados não abrange apenas seres de
baixa frequência, mas seres de elevada energia que não quiseram conviver
com as novas diretrizes e procuraram mundos afastados para morar. Alguns
acabariam com o tempo sendo escolhidos como mundos de quarentena e
outros, obviamente não. O meu envolvimento dentro desse contexto
juntamente com meus irmãos das Escolas Iniciáticas, está diretamente ligado
ao processo encarnacional de muitos de vocês como agentes de resgate e do
próprio aprendizado que isso significa numa abrangência maior, que serve
para o propósito da Mônada além da captação inicial do seu Eu Sou,
justamente por ser do interesse da Supra Confederação toda a experiência de
vocês na dualidade mais densa da materialidade.

A Terra é um planeta complexo, assim como vocês são extremamente


complexos. Suas ações são difíceis de seres calculadas e antecipadas,
pegando desprevenidos muitos dos agentes e mesmo os Anjos da Guarda que
fazem parte de seu processo pessoal encarnacional biológico, colocando
vocês em situações que não faziam parte da proposta original. Eu mesmo
acabei me desdobrando em fractais que não deveriam ter existido, mas foram
necessários para poder chegar até muitos de vocês que ficaram perdidos no
fluxo existencial dos planetas próximos da Zona Neutra e até mesmo àqueles
planetas que necessitavam da minha atenção e esforços de ajuda. Da mesma
forma, as equipes de Mestres, Tronados, Coroados e outras denominações de
seres em suas respectivas funções se prontificaram para estabelecer
programas de Resgate e de despertar de consciência, através dos mecanismos
mediúnicos que ajudassem no despertar de sua sensibilidade mediúnica e
sensorial dos corpos sutis próximos à fisicalidade terrestre. Cada um de vocês
representa a ponta de uma enorme estrutura ou falange de entidades que estão
inseridas e entrelaçadas ao seu processo encarnacional físico, astral e
umbralino nos mundos em quarentena, sendo que em muitos casos esse
envolvimento se originou nas realidades dentro das Federações Estelares e
nos problemas políticos em que vocês se envolveram muito antes de chegar
na Terra, o que acabou envolvendo vocês nos Contratos Estelares das
Federações, potencializando os Contratos Terrestres dos diversos ciclos
encarnacionais, muitas vezes ligados ao problema do fanatismo obsessivo
com os deuses e com o magismo.

Cada um de vocês é na verdade uma biblioteca viva, não apenas pela


experiência vivenciada nos processos encarnacionais, mas pelas informações
genéticas absorvidas e codificadas na estrutura dos seus corpos superiores
que fazem parte do programa de absorção de informações do seu Eu Sou e de
sua Mônada, gerando novos códigos e programas para o próximo novo Super
Universo de Unana, que está em formação. Cada um de vocês é e sempre será
um correspondente quântico da Alma e dos seus mecanismos que vão muito
além da compreensão das Federações e dos outros grupos, que ainda estão
buscando as ligações peptídicas dos aminoácidos que compõem os seres
vivos, existes muito mais além do que posso definir e simplificar como
Tecnologia Espiritual, ou Tecnologia da Alma.

A função das Escolas Iniciáticas é justamente estabelecer o


entendimento entre a realidade fisiológica e a Tecnologia da Alma para
desenvolver um caminho de ascensão pelo espírito e não apenas pela matéria
física convencional, que é o caminho mais rápido empregado pela maior parte
das Federações nos últimos seis bilhões de anos de seu tempo, decorrente da
dualidade aparente do seu universo que se manifesta através das suas atitudes
pessoais no contexto cósmico. Como alunos, cada um de vocês esteve
presente em diferentes processos da linha existencial das Federações e das
Casas de Comércio da Via Láctea e ajudaram a formatar a realidade de todo
esse conjunto, mas com o tempo acabaram se dividindo psiquicamente e
emocionalmente nas realidades de planetas mais conturbados, de forma
similar ao filme “Avatar” de James Cameron, onde deixaram seus corpos
para ocupar outros biologicamente desenvolvidos. Este filme ilustra bem
próximo da realidade o processo de desdobramento de fractais de Alma, ou
melhor colocado, fractais de consciência inseridos em corpos biológicos além
da realidade estelar que vocês já estavam vivendo no contexto social das
Federações.

Muitos de vocês já tinham estabelecido um patamar de vida elevado e se


desdobraram para ajudar outros mundos mais primitivos, mas acabaram
aprisionados pela dualidade dessas realidades mais densas. Outros, no amplo
contexto das guerras, fugiram para esses corpos em outras dimensões ou até
mesmo galáxias, para não sucumbirem às guerras do poder entre os Filhos
Paradisíacos. São muitas as variáveis que devem ser levadas em consideração
quando se fala do desdobramento de fractais, pois realmente existem muitas,
além das que têm sido reveladas nos cursos de Rodrigo Romo para seus
alunos.

Vocês são bem mais do que simplesmente a radiação cósmica de sua


Alma, similar ao que ocorre com os neutrinos, pois existe o Espírito. O
Espírito é uma energia mais intensa, mais próxima a um Pósitron do que a um
Neutrino e não pode interagir com a matéria sólida da sua densidade
existencial. Por isso o desdobramento ocorre pela Alma, que é neutra no
acoplamento com a matéria física. No entanto, além de tudo isso, vocês
possuem algo que não é levado em consideração, que é a consciência
acoplada a vocês em cada processo encarnacional físico ou astral, que
estabelece os experimentos e características de quem vocês são. Falar dessa
consciência é bem mais complexo, pois ela está relacionada ao fluxo
bioquímico de energia do seu cérebro com o acoplamento de energia
codificada da Alma e dos corpos sutis com o próprio Espírito que foi
emanado do seu Eu Sou e com isso, a estrutura do conjunto onde ocorreu o
maior gradiente de evolução estelar e espiritual. O fluxo de energia e radiação
produzida pelo Eu Sou até chegar no corpo biológico, passa por estações
redutoras e codificadoras dessa energia e dos fluxos de neutrinos, Táquions e
outras radiações ainda desconhecidas dos cientistas que fazem parte da
irradiação do conjunto vibracional.

Essas etapas redutoras são exercidas pelos denominados erroneamente


de “corpos sutis” para codificar, reduzir e ajustar o fluxo de energia desde a
sua origem além da Energia Escura, passando pela Matéria Escura e desta
entrando no campo vibracional dos corpos sutis que são baseados nas
interações nucleares da Matéria Bariônica e o seu corpo físico na atual
realidade Terrestre. Este processo é amplificado mediante os ajustes que
ocorrem no processo de ampliação da plasticidade dos neurônios através das
meditações como já foi comprovado, gerando maior volume de energia entre
os receptores cerebrais e os corpos sutis. Este é um dos motivos pelos quais
as meditações, exercícios de visualização e uso dos merkabas em suas
meditações representam importantes mecanismos de ampliação da
capacidade sensorial e mediúnica, pois efetivamente geram um aumento
significativo da capacidade neural e sua plasticidade.

Para todos vocês que ainda possuem os corpos criogênicos aguardando


ou já ativados pelas sintonizações, a ampliação do fluxo de energia entre o
cérebro físico e o corpo criogênico acaba ampliando a rede de comunicação
sensorial e o acoplamento desse corpo através do Astral Superior ou Mental
Superior, gerando uma sobreposição entre quatro corpos, abrangendo:

Corpo físico fisiológico;


Corpo Astral inferior (cópia do corpo físico);
Corpo Astral superior (cópia do corpo criogênico);
Corpo Criogênico.

Assim, temos esta configuração de ajuste definida para cada pessoa com
base no fluxo de energia produzida pela Chama Trina em lumens, depois o
gradiente de consciência de cada pessoa, o fluxo da plasticidade neural com
base em seus hábitos de meditação, esportes ou sedentarismo, gerando assim
maior fluxo sanguíneo no organismo. Isto envolve o padrão endócrino e a
problemática questão dos alimentos industrializados como os Fast Food e
similares, além dos malignos transgênicos que acabam afetando o fluxo de
energia na estrutura celular, mitocondrial e no fluxo do ATP e todo o
conjunto de reações bioquímicas que a maior parte dos profissionais da saúde
e nutrição não levam em consideração, gerando assim deficiência de energia
no conjunto biológico físico que acaba afetando a emanação do ectoplasma
que envolve esses quatro corpos no processo específico da Ascensão e
amplitude sensorial.

Como os antigos diziam, existe uma ligação direta entre alimentação,


corpo e mente, pois o organismo consome a energia disponível nos alimentos.
Quando um alimento industrializado não possui nutrientes, o corpo se torna
deficiente, pois não consegue sintetizar nutrientes por conta própria e sem a
matéria prima necessária, acaba entrando em colapso causando alterações
desagradáveis nas reações endócrinas e hormonais. No que diz respeito a
qualidade de vida, vocês também deveriam consumir uma qualidade
nutricional adequada e eventualmente uma suplementação de elementos que
estejam ausentes da alimentação, avaliados através de exames adequados
indicados por médicos, profissionais da saúde e nutrológos, ajustando
gradualmente seu organismo às necessidades energéticas que a mediunidade
exige durante os ajustes de frequência entre esses quatro corpos, que ao se
alinharem acabam consumindo maior gradiente de energia no contexto
mitocondrial do Ciclo de Krebs de ATP.
EXERCÍCIOS COM YABERIN

ara iniciarmos meditações e exercícios conjuntos com a minha


P presença, vamos estabelecer uma imagem padrão que será a
referência de vocês em relação à minha energia atual na forma
humana, empregando a imagem do livro de Rodrigo Romo no livro “A
Origem⁴”.

Essa imagem representa algo bem próximo da imagem que utilizei no


passado em vários mundos onde estive desdobrado e serve como base para
iniciarmos um trabalho conjunto novamente, nas meditações e projeções no
plano astral. Elas serão uma extensão das tarefas que vocês já desenvolvem
com as equipes do plano espiritual da Terra junto às diferentes estruturas e
templos onde vocês desenvolvem suas funções extraoficiais, sendo treinados
agora diretamente pela minha energia a partir da leitura deste livro e das
atribuições dentro da Ordem Santa Esmeralda e do Templos dos 144 Raios,
onde sou um dos instrutores. Além desta imagem como base para nossa
futura comunicação, teremos outra estrutura como base do nosso Merkaba
pessoal de conexão, que será uma estrela de sete pontas onde vocês vão
iniciar as suas projeções e seu Ancoramento com a minha presença junto de
vocês, estabelecendo uma nova proposta baseada nas antigas aulas iniciáticas
que no passado relativo desenvolvemos conjuntamente e vocês ensinavam
aos seus alunos e nas etapas dos resgates que eram desenvolvidos nos
mundos mais conturbados.

Esta estrela tem a conexão não apenas dos Sete Raios, mas é composta
de três deltas piramidais que é o símbolo da Trindade Estelar nas civilizações
que desenvolveram tecnologia espacial e a compreensão da espiritualidade,
representando assim um símbolo para os Comandantes em missão planetária,
como é o caso de muitos de vocês perdidos nas holografias terrestres da
Matriz de Controle. Vamos empregar esta estrela de sete pontas justamente
para amplificar o contexto vibracional entre vocês e os seus corpos
criogênicos e toda a energia que o envolve, para estabelecer uma troca mais
rápida de energia e informações entre o córtex cerebral desse corpo com o
seu cérebro e estrutura neurológica do veículo humano fisiológico,
estabelecendo assim um transplante e transmigração de informações entre
ambos os códigos do DNA, acelerando o fluxo de codificação.

Normalmente, decorrente do fluxo de informações distorcidas e da


extrema poluição de radiação emitida pelos sistemas de comunicação e
sistemas de satélite, a transferência de informações entre o seu corpo
criogênico e o corpo fisiológico não ocorre como previsto e em muitos casos
nunca chega a ocorrer, pois o excesso de poluição a que vocês estão
submetidos impede que o cérebro esteja receptivo às informações do plano do
Astral Superior, absorvendo energias e informações umbralinas e densas,
gerando uma efetiva programação negativa em seu subconsciente,
bloqueando completamente o material genético e demais informações que
estão no seu corpo criogênico. Esse é o principal motivo de um Lama ou
Iogue no Tibete e em outras localidades similares dentro de sua filosofia
religiosa, conseguirem tantos êxitos, pois eles não estão submetidos à
constante barreira e invasão de frequências negativas transmitidas pelos
sistemas de comunicação, estando mais próximos da Alma e do Espírito do
que da Matriz de Controle. Por esse motivo vamos dar início a uma série de
exercícios conjuntos, para melhorar a troca de informações e alterar padrões
para inserir em seu Ancoramento esta nova energia conjunta com a minha
irradiação. Essa nova estrutura vai gerar uma frequência de aproximação para
criarmos uma grade vibracional de trabalho e identificação de todos os seus
fractais perdidos no fluxo existencial da Terra nos últimos quatro bilhões de
anos incluindo o histórico do Sistema Solar para aqueles que fizeram parte do
trágico histórico do antigo Sistema de Satik, anterior à atual configuração do
Sistema Solar como o entendem atualmente.

Vamos chamar essa rede de Resgate Fractal de Alma (RFA) para


podermos acessar através dessa nova rede a ativação dos lumens de sua
Chama Trina, estabelecendo semanalmente um novo padrão de energia com
os exercícios que vamos inserir. Esses exercícios poderão ser implementados
já aproveitando as meditações das quintas-feiras ou de forma individual, pois
vamos gerar um momentum temporal quando todos, independentemente do
dia e horário, se encontrarão no mesmo fluxo existencial para que seja
possível atingir a massa crítica de ativação da Chama Trina dos Fractais ou
até mesmo clones de Alma perdidos no fluxo temporal da Terra.

Quando se fala em clones, vocês precisam entender que eles não têm
culpa e podem sim ser anexados à sua fonte original desde que a consciência
deles permita essa condição. O mesmo pode ser classificado para cada um de
vocês, pois se sua consciência não está dentro de um padrão mínimo
estabelecido, não vale à pena insistir, pois como Sananda já explicou, não se
dá pérolas aos porcos. O que significa que cada um precisa estar numa
vibração mínima para poder entrar nesta rede RFA e acelerar vários
processos e ajustes internos antes do Salto Quântico da Terra, para
estabelecer a nova etapa evolutiva de consciência de cada um de vocês, seus
fractais e clones.
1º EXERCÍCIO: APRENDENDO A
SINCRONIZAR COM YABERIN

Fazer o Ancoramento completo da Cura Quântica Estelar⁵.


Visualizar a minha imagem e meu nome que é um mantra.
Visualizar-se dentro e ao centro da estrela de sete pontas.
Envolver toda estrela de sete pontas em Violeta e Dourado.
Inserir em volta de sua Chama Trina outra estrela de sete pontas.
Expandir essa Estrela com a Chama Trina através da respiração.
Fluxo de doze respirações lentas e profundas, mentalizando a Chama
Trina.
Concentrar na expansão de filamentos da Chama Trina em direção à
Terra.
Envolver a Terra com esses filamentos dourados e violeta do seu
coração.
Mentalizar junto ao seu Mentor da Cura Quântica Estelar a conexão
com seus Fractais.
Mentalizar a identificação e sintonização de Clones perdidos.
Associar no processo: Ponto Base (nomes das entidades próximas).
Associar Ponto Verde (nome de Caboclos e demais entidades).
Associar Ponto Ascensional com equipe médica.
Associar os Merkabas Adobnom, Yurak, Amonk, Harmony & Araxis.
Associar o Merkaba Yavith.
Acoplar Símbolo e Naves da Ordem Santa Esmeralda.

Esse exercício inicial é para estabelecer um parâmetro interno entre


vocês e seu Ancoramento em tarefas especificas, onde a minha energia vai
estar inserida conjuntamente estabelecendo um novo padrão nas funções
planetárias em conjunto com outros grupos que já atuam nessas qualificações
e estão precisando de pessoas encarnadas para ampliar a rede já existente com
os grupos interdimensionais e intraterrenos. Neste tipo de exercício muitos
hologramas serão desconectados e até mesmo identificados pelo
Ancoramento e dessa forma seus Contratos serão desativados ou anulados
conforme a seriedade e o gradiente de consciência que cada um possui no
processo que desenvolverá em cada meditação e trabalhos no plano astral.
2º EXERCÍCIO: QUEBRA DE CONTRATOS DO
PASSADO

Fazer o Ancoramento completo da Cura Quântica Estelar e Orixá


Reiki.
Mentalizar e solicitar a presença de Yaberin.
Visualizar-se dentro do Símbolo Yavith⁶ junto com Yaberin.
Iniciar ciclos de 12 respirações abdominais para relaxamento.
Pedir a presença de Marabô, Tranca Ruas e Exu Rei das Sete
Encruzilhadas.
Pedir a presença de Maria Padilha, Sete Saias, Molambo.
Autorizar a desfragmentação dos Contratos do passado.
Ampliar o Símbolo Yavith com todas as Almas envolvidas.
Decretar a dissolução de seus decretos e contratos indevidos.
Ativar os Símbolos de Defesa e Proteção da Cura Quântica Estelar e
Orixá Reiki.
Pedir a presença do Exu Caveira, Tiriri, Arranca Toco, Lodo.
Projetar-se até a nave orbital Aruanda e entrar junto ao Conselho.
Acoplar a energia dos Pretos Velhos, Caboclos e Exus de Aruanda.
Pena Branca, Pena Dourada, Girassol, Sete Flechas, Sete Montanhas.
Sete Estrelas, Sete cachoeiras, Sete Caveiras, Pena Verde, Águia
branca.
Pai Benedito, Pai João, Pai José, Pai Ricardo, Pai Carlinhos.
Zé Pelintra, Maria do Conga, Maria das Estrelas, Mãe Rosa.
Mentalizar suas encarnações passadas ou lembranças do passado
Desmagnetizar com a ajuda dos Orixás, desprogramar.
Trabalhar com a presença de Yaberin em cada fase das projeções.
Irradiar desde a Chama Trina um campo de luz dourada e rosa.
Usar a luz da Chama Trina para dissolver os contratos e pedir a
Yaberin que ajude a despolarizar sofrimentos, medos, culpas,
sentimentos densos.
Utilizar os Símbolos da CQE e dos outros métodos da Rometria.
Criar uma linha de neutralização do passado e dos hologramas.
Autorizar ao Comando Estelar participar dessa limpeza.
Autorizar a neutralização de clones, implantes, hologramas.
Decretar que somente o equilíbrio se estabeleça em sua vida e no
futuro.
Empregar os Merkabas Voronandeck e Melchizedeck no processo.
Seguir os Orixás no fluxo temporal e Yaberin na despolarização.
Transformar o seu corpo em Luz e alinhar todos os 32 corpos na Luz.
Solicitar o fluxo de energia da vossa Mônada no exercício.
Criar uma coluna de luz desde o centro da galáxia até o seu corpo.
Alinhar com o centro da galáxia todos os seus corpos e consciência.
Respirar sincronicamente com as projeções e informações que virão.
Liberar os seus fractais de seus contratos através de vocês mesmos.
Romper amarras e contratos de sofrimento dos fractais com vocês.
Criar tubos de resgate de luz com seus fractais até o centro da galáxia.
Pedir a presença do Conselho Shamuna e seus 13 dirigentes.
Estabelecer proteção e equilíbrio com Star Arielys.
Solicitar presença de Aryel, Metraton, Miguel, Carbotron.
Solicitar a presença de Micah, Emanuelys e sua Mônada.
Criar um campo temporal de refúgio e meditação nessa energia.

Basicamente esse exercício irá ajustar a energia de vocês com os grupos


que vão trabalhar em sincronicidade com as funções de Yaberin em cada fase
de alinhamento do conjunto de filamentos entre sua Mônada e sua percepção
terrestre. Obviamente que vocês não têm lembrança dos contratos e dos
códigos que realizaram ou aceitaram, mas este tipo de exercício libera as
tensões psíquicas e culpa do passado e permite que sejam desagregados os
implantes e mecanismos que mantém essas informações, mesmo os
hologramas do campo vibracional de cada um de vocês, gerando assim uma
limpeza efetiva na sua trajetória.
3º EXERCÍCIO: REMOVENDO
HOLOGRAMAS

Criar um Merkaba na forma esférica e projetar seus 32 corpos dentro.


Iniciar o processo relaxamento pela respiração.
Inspiração e expiração em 12 ciclos relaxantes.
Fazer o seu Ancoramento.
Mentalizar a presença de Yaberin em todas as fases da meditação.
Decretar a desprogramação de hologramas e seus contratos.
Decretar a remoção de implantes e seus hologramas.
Decretar a remoção de encarnações holográficas.
Decretar junto ao seu Ancoramento em cada etapa das limpezas.
Preencher as visualizações com luz dourada, verde, rosa, lilás.
Utilizar os Símbolos da Cura Quântica Estelar e Orixá Reiki,
Melchizedeck, Voronandeck.
Desenvolver psiquicamente desprogramação dos hologramas.
Solicitar acesso à Cúpula de Cristal e acesso aos arquivos da Terra.
Com base nesses arquivos despolarizar seus hologramas pessoais.
Pedir a presença do Mestre Sauron dos Sete Raios na limpeza.
Acessar a nave e cidade Shamballa junto às equipes Kumaras.
Com o Símbolo Om Miguel Om, cortar os hologramas.
Pedir ajuda a Yaberin nas fases de limpeza dos hologramas.
Estabelecer linha de ação e repetição deste exercício regularmente.

Os hologramas acabam se tornando realidade na medida que são


alimentados e sustentados pela vaidade, egocentrismo ou mesmo pela culpa e
crenças dogmáticas. Quando se inicia um trabalho específico contra eles,
ocorre a paralização de muitas energias que envolvem o plano astral de cada
aluno, o que gera como consequência mudanças positivas e outras bem
tumultuadas, decorrentes da remoção do quadro obsessor e implantes que os
hologramas normalmente possuem em sua programação.
Cada caso holográfico possui uma gama vibracional que estabelece no
córtex cerebral de suas vítimas o respectivo quadro obsessor e ilusões de
controle neural, limitando a capacidade de ascensão e despertar da
consciência, gerando assim um efeito de ostracismo e inserção na Matriz de
Controle. Por esses motivos a maior parte dos exercícios devem ser repetidos
regularmente para criar a despolarização e remover a vibração do
subconsciente e com isso, sua total neutralização.
4º EXERCÍCIO: LIMPEZA DE MAGIAS DO
PASSADO

Fazer o Ancoramento.
Iniciar os 12 ciclos de respiração de relaxamento.
Solicitar presença de Yaberin na projeção mental.
Estabelecer a presença dos Exus, Caboclos, Pombas Giras na
meditação.
Iniciar sondagem temporal de possíveis feitiços presentes e passados.
Ativar Yavith, Sei He Ki Ham, Om Miguel Om, Skalibur Ultra.
Ativar merkabas de proteção Voronandeck, Melchizedeck e Orixás.
Libertar a Alma dos animais caso exista sangue no feitiço.
Encaminhar essas Almas para a Mônada grupal dos animais.
Encaminhar os Eguns e Kiumbas dos feitiços caso existam.
Ativar sua Chama Trina e com sua luz incinerar seu campo áurico.
Você tem que se transformar numa estrela de luz através da Chama
Trina.
Limpar e despolarizar informações de feitiços de sua existência.
Pedir equipe Apométrica da CQE e Santa Esmeralda para linha
temporal.
Entrar no fluxo existencial do passado da Terra e das Federações.
Entrar na linha de tempo dos Capelinos e neutralizar magias.
Entrar na linha temporal de Boronak, Tau Ceti e limpar feitiços.
Pedir presença dos Magos da Ordem dos Dragões e Tigres estelares.
Neutralizar informações de magismo estelar dos mundos negativados.
Neutralizar contratos decorrentes dos feitiços.
Neutralizar suas próprias ações negativas decorrentes de feitiços e
amarras.
Neutralizar a culpa dessas ações do passado e perdoar.
Aprender a se perdoar e irradiar energia de perdão.
Expandir a luz de sua Chama Trina no processo de limpeza com
perdão.
O perdão é uma das mais importantes chaves na despolarização e
remoção de contratos e feitiços, pois permite desacoplar o quadro de
entidades inseridas nos fundamentos dos feitiços, o efeito de rebote diminui e
as energias são controladas com maior facilidade pelas equipes espirituais
que estarão dentro do processo de limpeza. Aprender a perdoar inicia por
perdoar-se a si mesmo e esquecer as energias e situações desagradáveis que
possam surgir durante as limpezas e meditações, gerando um campo de
energia neutralizadora que emana de seu coração e Chama Trina.
5º EXERCÍCIO: RENÚNCIA AOS
DESMANDOS DO PASSADO, ABUSO DE
PODER

Fazer o Ancoramento.
Iniciar o processo de respiração de relaxamento.
Pedir a presença de Yaberin.
Expandir sua Chama Trina e criar um Sol a partir dela.
Projetar-se dentro desse Sol e relaxar com a respiração.
Decretar a revogação do abuso de poder por você mesmo na Terra.
Revogar o abuso de poder nas Federações, projetos com a Terra.
Revogar o abuso de poder nesta vida atual.
Solicitar a ajuda dos Orixás de Aruanda nos processos de revogação.
Solicitar a consciência de seus atos imaturos e revogá-los.
Trabalhar o perdão e se perdoar na limpeza dessas informações.
Pedir a presença de Kwan Yin, Sananda, Kuthumi, Clara no fluxo do
perdão.
Cortar os seus abusos com a energia do símbolo Om Miguel Om.

Este exercício se baseia na aceitação de que todos vocês já cometeram


muitos erros e abusaram do poder em diferentes etapas de sua existência, sem
maturidade para comandar, delegar poder ou informações. Portanto, o perdão
é importante nesta fase dos trabalhos, para que a revogação dessas atitudes
seja efetiva e verdadeira a cada ciclo de meditações com essas intenções. No
passado muitos de vocês se negativaram pelo uso indevido do poder e pela
culpa residual dessas ações impensadas e em muitos casos, baseados na
imaturidade e no medo.
6º EXERCÍCIO: CURA VIBRACIONAL DOS
SEUS FRACTAIS DE ALMA

Fazer o Ancoramento.
Criar um Sol a partir de sua Chama Trina.
Envolver todos os corpos possíveis dentro desse Sol.
Fazer o relaxamento com a respiração.
Pedir a presença de Yaberin nas diversas fases do trabalho.
Projetar do coração filamentos em busca de outros Fractais de Alma.
Irradiar através desses filamentos energia de cura com a Ordem Santa
Esmeralda.
Projetar pelos filamentos intenção de paz, amor, cura, harmonização.
Cada filamento é um fóton de cura, paz, amor e iluminação.
Aprender a irradiar desde sua Chama Trina pulsos de harmonia.
Entrar no fluxo mental de seus Fractais de Alma e unificar cada Chama
Trina.
Unificar todos os Fractais pelo coração e ampliar energia de harmonia.
Decretar paz e harmonia para todos os Fractais de Alma.
Irradiar o relaxamento da respiração para seus Fractais de Alma.
Mentalizar a “cura” como harmonização a partir do coração de cada
Fractal.

Na verdade, o conceito humano de cura é relativo, pois a cura varia


conforme a estrutura biológica que cada fractal esteja vivenciando. Por isso
que do ponto de vista espiritual, a cura está relacionada ao conceito de
harmonização, para estabelecer uma energia mais equilibrada sem a
conotação terrestre de dualidade, ansiedade, medo, culpa, depressão e outros
valores que são justamente contrários à energia harmônica.
7º EXERCÍCIO: ALINHAMENTO COM O
CORPO CRIOGÊNICO

Fazer o Ancoramento.
Solicitar a presença de Yaberin na meditação.
Iniciar o relaxamento com a respiração.
Ativar os Merkabas partindo de sua Chama Trina.
Projetar um tubo de luz entre o seu corpo físico e o criogênico.
Criar cordões de luz e de DNA entre os corpos físico e criogênico.
Imantar o cordão de Luz Esmeralda, Dourada, Violeta, Branco Pérola.
Visualizar os quatro corpos entre físico, astral, mental superior e
criogênico.
Colocar os discos do Merkaba Voronandeck Yurak envolvendo os
quatro corpos.
Solicitar a transmigração de informações entre os quatro corpos.
Acoplar a energia psíquica do corpo criogênico.
Fundir os quatro corpos em um único corpo de luz dourado
esverdeado.
Mentalizar a transferência do fluxo neural desses quatro corpos.
Mentalizar a sua transferência para o corpo criogênico.
Unificar o cérebro e a Chama Trina dos quatro corpos.
Criar um Merkaba de proteção para a fusão dos quatro corpos.
Repetir dentro desse Merkaba o processo semanalmente.
Ir dormir solicitando unificação com o corpo criogênico.
Estabelecer seis meses a um ano de transmigração com corpo
criogênico.

Neste caso vamos acelerar o processo de conexão entre as frequências do


corpo biológico terrestre com o pulso energético e biológico do corpo
criogênico. Em muitos casos o corpo criogênico não é humano, o que
significa ajustes significativos entre ambos através dessas meditações e
projeções mental e astral. Essa conexão é importante para aqueles que já
possuem mediunidade e irá ajudar na seleção de frequências e diminuição dos
hologramas relativos ao umbral e outras situações com as Federações não
harmônicas do passado.
8º EXERCÍCIO: CONEXÃO COM ORIXÁS DE
ARUANDA

Fazer o Ancoramento e pedir os Orixás de Aruanda.


Fazer a respiração para relaxamento.
Visualizar você dentro da cidade Aruanda.
Pedir a presença do Conselho de Aruanda e dos portais internos.
Mentalizar todas as entidades do seu Ancoramento juntas em Aruanda.
Criar merkabas de conexão direta entre a sua Chama Trina e Aruanda.
Criar elevadores ou tubos de conexão com o corpo físico até Aruanda.
Criar conexões entre o corpo criogênico e Aruanda.
Estabelecer fluxo acadêmico semanal com Aruanda.
Estabelecer tarefas no astral com Aruanda e suas equipes.
Estagiar com os Orixás de Aruanda através do seu Ancoramento.

Como já foi divulgado, Aruanda é uma nave gigantesca para seus


parâmetros. Por isso é descrita como uma cidade, pois essa nave orbital é
muito maior do que uma cidade de vocês, abrigando até alguns países em
diferentes níveis de frequência onde vivem milhões de seres entre 4D até 8D
na atualidade, possuindo inúmeras conexões no plano astral e telúrico da
Terra e também com o exterior além da Barreira de Frequência. A estrutura
da cidade de Aruanda está inserida em seu Ancoramento, o que facilita
bastante o trabalho. Mas vocês podem potencializar essa conexão de forma
consciente, solicitando ao Ancoramento acesso aos diferentes departamentos
e centros de estudo de Aruanda, para amplificar a capacidade sensorial e raio
de ação nos trabalhos da Operação Resgate na Terra com a humanidade e
seus Fractais.
9º EXERCÍCIO: PROJETANDO CABOCLOS
EM SUA FAMÍLIA

Fazer o Ancoramento.
Fazer a respiração para relaxamento.
Solicitar a presença de Pena Branca em sua família.
Autorizar os trabalhos de harmonização e quebra de contratos.
Ajustar a família com a irradiação dos Caboclos e Caboclas.
Trabalhar os problemas emocionais, doenças, carmas familiares.
Ajustar qualquer desarmonia familiar com os Caboclos.
Solicitar a presença do seu Ancoramento junto desse trabalho.
Mentalizar as ervas de purificação dos Caboclos na sua família.
Pedir limpeza astral nas residências dos familiares.
Isolar casa por casa e cuidar isoladamente de cada uma delas.
Estabelecer prioridades dentro de sua família para os atendimentos.
Estabelecer a linha médica a ser ajustada na família.
Deixar a regência de Caboclos e seus Exus trabalharem em seus
familiares.
Os Caboclos vão trabalhar a regência familiar com a ancestralidade

Este tipo de meditação permite que os Caboclos e sua regência pessoal


de trabalho atuem na linha de ancestralidade e inicie uma nova vibração de
ajuda, cura, harmonização e remoção de hologramas de forma sutil e gradual,
sem que sua família perceba o processo.
10º EXERCÍCIO: PROJEÇÃO NA
FREQUÊNCIA DE PRETOS VELHOS

Fazer o Ancoramento.
Fazer o relaxamento com a respiração.
Criar um Merkaba de luz com sua Chama Trina.
Solicitar a presença dos Pretos Velhos de Aruanda à sua volta.
Pedir a irradiação dos Pretos Velhos em sua vida e de sua família.
Trabalhar o perdão, amor, sinceridade com os Pretos Velhos.
Estabelecer tarefas diárias com os Pretos Velhos e Apométricos.
Amplificar a frequência através do Ancoramento.
Escolher um Preto Velho como conexão permanente.
Conectar Yaberin nessa energia para projeção temporal.
Trabalhar frequência Yaberin-Preto Velho nas tarefas no astral.
Projetar-se nas cidades intraterrenas, intraoceânicas.
Estabelecer linha de purificação com fractais de Alma.
Desenvolver um projeto de resgate familiar, social, fractal.
Desenvolver um projeto acadêmico astral com Ramatis, Aruanda.

Basicamente, este projeto e meditação irá colocar vocês na irradiação de


amor, perdão e perseverança que são atribuídos aos Pretos Velhos e dissolver
gradualmente energias densas e perturbações que têm relação com a Matriz
de Controle em suas vidas físicas, no plano astral e umbralino, dissolvendo os
respectivos miasmas.
11º EXERCÍCIO: PROTEÇÃO DA
RESIDÊNCIA

Fazer o Ancoramento.
Criar colunas de proteção em sua residência.
Iniciar relaxamento com a respiração.
Ativar o Símbolo Yavith, Om Miguel, Om Sananda.
Ativar Ponto Base, Ponto Verde, Chohans dos 49 raios.
Criar merkabas de proteção e isolamento de sua residência.
Escolher as entidades para criar bolhas e merkabas de proteção.
Selecionar pontos de descarga de energia negativa dos ocupantes.
Selecionar setores de maior importância de proteção.
Selecionar entidades permanentes de proteção.
Selecionar as ervas de proteção e devas a serem implantados.
Harmonizar a residência com plantas, devas e rochas na fisicalidade.
Estabelecer pontos de saturação e aviso de energia densa na casa.
Solicitar ferramentas de limpeza e descarrego para o Ancoramento.
Fazer defumação periódica e diferenciada.
Plantar ervas de poder e ferramentas de proteção.
Criar Colunas Mahatma de proteção e harmonização.

Aqui temos um esquema básico simplificado que vocês podem


desenvolver em suas meditações para manter sua casa mais harmônica e
protegida de entidades densas e obsessores da rua que se acoplam durante os
momentos mais densos de vocês no dia a dia.
12º EXERCÍCIO: ATRAÇÃO DE
PROSPERIDADE

Fazer o Ancoramento.
Relaxamento com a respiração.
Criar um sol interno no coração e na Chama Trina.
Visualizar merkabas de proteção.
Solicitar a energia de prosperidade ao seu Ancoramento.
Especificar mentalmente o tipo de prosperidade, projetos, etc.
Estabelecer as metas de prosperidade na fisicalidade, alma
espiritualidade.
Solicitar a presença dos Exus da linha de prosperidade: Tranca Ruas,
Marabô, Exu Rei das Sete Encruzilhadas, Sete Estrelas…
Quebrar contratos de pobreza do passado.
Revogar contratos de pobreza religiosa.
Revogar magias de pobreza e miséria.
Revogar amarrações que prejudiquem a linha de prosperidade.
Neutralizar a inveja alheia na sua prosperidade.
Estabelecer projetos de prosperidade por etapas com o Ancoramento.
Criar merkabas de proteção para seus projetos de prosperidade.

Aqui temos outro exemplo de como aprender a utilizar a capacidade


mental de cocriação para criar uma nova realidade, padrão mental e
emocional para permitir que a prosperidade se manifeste em sua vida física e
espiritual. Uma vez que a mentalidade for transformada e equilibrada
mantendo esta meta e foco junto com seu Ancoramento, você irá gerar ondas
cerebrais positivas criando prosperidade e neutralizando energias contrárias.

Existem várias geometrias sagradas que podem ser usadas nos exercícios
utilizando sua capacidade mental. Entre elas, a estrela de cinco pontas, que
representa um ser humano com pernas e braços abertos, como no desenho do
Homem Vitruviano de Leonardo Da Vinci. Cada geometria gera um gradiente
de energia proporcional à sua fé ou devoção no trabalho que será realizado.
Esse era um dos focos que tinham que ser aprendidos nas antigas escolas
iniciáticas: desenvolver a capacidade cocriacional de cada aluno para formá-
lo numa espécie de engenheiro da espiritualidade, para que ele soubesse
utilizar seu conhecimento de forma construtiva e sem a ajuda de outros. Isso
é a chamada Mestria no universo do magismo e da criação.

A estrela de cinco pontas é um antigo talismã e ferramenta do magismo


que possui várias representações. Mas uma das mais importantes é sua
similaridade com o projeto humano adâmico na Terra e sua relação com os
trabalhos de manipulação que incluem magia e vodu com o corpo biológico e
astral. Nos estudos da cabala hebraica esse desenho é utilizado com
frequência para estabelecer várias tarefas e pontos de transferência de energia
com os respectivos mantras de ativação, que na antiguidade eram feitos em
idiomas atualmente desconhecidos, como aramaico, banto, acadiano,
sumério, tibetano, sânscrito e outros ainda mais desconhecidos, gerando
ondas e a chamada forma-pensamento que impregnava padrões de
informação na geometria e através dos mantras essas formas-pensamento
atuavam como Ondas de Forma agindo na realidade material. E assim o
magismo começou a ser praticado pelos humanoides e posteriormente
humanos em sua sociedade. O símbolo Yavith possui justamente a junção de
duas poderosas estrelas, a de 5 e 6 pontas, uma dentro da outra representando
uma ferramenta de limpeza poderosa. Ao mesmo tempo, um importante
merkaba de transmutação e neutralização das ondas de magismo. Sempre que
utilizarem a estrela de cinco pontas, vocês devem se colocar ao centro e vesti-
la como um merkaba de proteção, solicitando ao seu Ancoramento que ajude
no processo de desmagnetização das ondas negativas, inveja, maldade,
magismo que possam estar inseridas em sua frequência pessoal. Dessa forma,
essa estrela vai criar o campo magístico de limpeza junto com as entidades
que utilizam a mesma frequência e desagregar as informações negativas de
seu campo telúrico e astral.

Quando visualizamos a estrela de seis pontas, existem duas


correspondências normais: a de Miguel e a de David. No entanto, essa estrela
possui outra conotação, muito mais profunda e simples, que somente os
magistas conseguem explorar, pois são dois deltas se encontrando. Seu
significado verdadeiro é o delta em pé representando os seres planetários em
busca das estrelas e da espiritualidade, como no seriado Star Trek que utiliza
esse mesmo símbolo, assim como a maior parte das Federações Estelares,
pois está dentro do inconsciente coletivo galáctico. E o delta ou pirâmide
direcionada para baixo, que representa as equipes do plano espiritual e do
Comando Estelar acessando os mundos mais primitivos através de diversos
projetos de contato. Assim a unificação de ambos gera naturalmente a estrela
de seis pontas, significando na Umbanda e em outros centros iniciáticos
equivalentes uma importante ferramenta de trabalho dos Orixás e Mestres,
abrangendo toda a estrutura dos Tronos de Miguel e suas equipes na
Operação Resgate.

Esta estrela possui codificações junto aos Orixás, Caboclos, Exus, Petros
Velhos, 49 Raios, magismo e dentro do próprio Yavith para desativar
energias negativas e estabelecer a conexão entre a linha pessoal de
ancestralidade com as equipes do comando espiritual e estelar, gerando um
projeto de resgate e despertar de consciência. Também pode ser usado como
Merkaba de proteção e de conexão com as equipes espirituais do
Ancoramento e até mesmo com as equipes estelares das diferentes
Federações atuantes na Terra nos últimos anos, gerando um alinhamento
também com o seu corpo criogênico. Todo Merkaba precisa da energia que é
gerada pela crença e capacidade mental de cocriação. Dessa forma o
significado da expressão forma-pensamento é muito mais profundo e
importante do que a maior parte de vocês acredita ou é capaz de definir.
Situação que nas Escolas Iniciáticas é a chave para sua Mestria e ascensão
dos planetas mais densos.

É preciso entender que vocês são pequenos e imaturos deuses


cocriadores sem a percepção dessa responsabilidade e esta é a razão de ainda
se encontrarem em um planeta em quarentena. Até quando isso vai perdurar
depende única e exclusivamente de cada um de vocês, conforme suas atitudes
e o que farão com o conhecimento que estão adquirindo em cada etapa de sua
jornada onde o conhecimento está mais acessível através da internet e dos
cursos disponíveis. No entanto, fazer cursos não gera nem produz a Mestria,
pois isso é uma conquista interna do seu amadurecimento e não do desejo
mundano. Alcançar a Mestria significa doutrinar seus instintos, desejos e
convertê-los em energia sábia para cocriar harmonicamente em sua trajetória
um ambiente equilibrado e estável entre as diferentes realidades à sua volta.
Aprender a usar a “Força”, como no seriado Star Wars significa aprender a
conter seus desejos e ser um projetor de energias construtivas que cocriem
harmonia onde prevaleça a ordem e a vida acima de tudo. E não o contrário,
como o lado “escuro da força” que são apenas desejos mal compreendidos
pelo poder sem um fluxo coerente de energia, gerando a dominação sobre
outras formas de vida, estagnando a evolução no plano imediatista de sua
percepção.

Em Shinkara, quando se iniciou o processo fisiológico de existência


abaixo de 9D, a maior parte da vida foi processada e estabelecida entre 5D e
6D, onde Yaslon Yas e grande parte de seus fractais e irmãos de Mônada
iniciaram sua jornada. Shinkara apresentava apenas 5% de dualidade e parcial
negatividade, o que simplificou muito o processo de evolução e Mestria que
seria colocada à prova nos outros universos por onde ele e suas equipes
iniciaram suas prestações de serviços. Entre eles Micah atuando em Nebadon
e em outros Universos Locais, inicialmente com a nave cósmica Estrela da
Vida e depois com outras estruturas que foram sendo absorvidas da própria
Supra Confederação. Eu mesmo, enquanto Yaberin, fiz parte dessa projeção e
encontrei muitos de vocês ainda nessa fase inicial há mais de 16 milhões de
anos relativos, pois esses processos não podem ser colocados de forma linear
de tempo, já que Shinkara se estabilizou muito antes de Nebadon há pelo
menos 22,5 bilhões de anos. Mas os seus cientistas acreditam pela sua atual
limitação tecnológica que o seu universo possui apenas algo em torno de 12 a
15 bilhões de anos. Essa contagem está relacionada apenas à Matéria
Bariônica, mas existem outros fatores ainda não descobertos pelos seus
cientistas nesse sentido. Muitos de vocês já se encontram dentro do quadrante
de Naoshi há mais de 8 bilhões de anos e sendo assim, essa contagem de 16
milhões de Shinkara não se aplica de forma correta, pois vocês são viajantes
temporais e literalmente regrediram no tempo para estabelecer seus
experimentos em Naoshi nos últimos 10 a 12 bilhões de anos.

Para muitos de vocês que há anos tiveram acesso ao livro que faz parte
da biografia do Yaslon Yas, mas foi editado como sendo do Shtareer,
despertaram em seus corações a atenção para esse Universo, pois muitos dos
alunos da Cura Quântica Estelar são originalmente desse setor de Orvotón e
muitos inclusive filhos da energia Monádica do Yaslon Yas nos seus outros
níveis superiores. Cada um de vocês possui vários níveis e patamares de
consciência desde a sua criação no contexto da Supra Mônada até o plano
físico, portanto imaginem um edifício com pelo menos mil andares, sendo
que neste momento vocês representam o 3º andar dentro da percepção
humana ao estarem encarnados na Terra. Mas todos vocês possuem outros
andares que são planos de consciência além do 3º andar, portanto mais
desenvolvidos. No entanto, neste momento não têm acesso a essas
informações por vários fatores, sendo um deles a limitação cerebral e a
própria Barreira de Frequência que envolve a Terra. Mas os outros andares
existem para todos e dessa forma, posso explicar que a consciência Yaslon
Yas possui outros andares acima dele que fazem parte do conjunto. Eu
mesmo sou um dos andares dessa energia que vocês conhecem como Yaslon
Yas, assim como o Shiva Hama Kur é outra, ligados diretamente à energia
Auvonal do Rodrigo Romo e conectados a uma rede neural além de 20D que
permite acesso a importantes fluxos de energia, para que exista a
comunicação com a realidade terrestre e com vocês durantes as aulas físicas e
astrais.

Assim, os exercícios que foram apresentados ajudarão no fluxo de


energia entre esses andares, que é na verdade a transmigração de consciência.
Transmigração é a troca de informações entre os diferentes andares mais
próximos até que se forme um fluxo contínuo de energia, que é informação.
Uma parte da conexão direta entre algumas das realidades de Shinkara
ocorreu através dos Sistemas Solares de Sirius Alpha e de Canopus, desde
suas primeiras civilizações. Local onde alguns de vocês tiveram encarnações
biológicas há mais de 8 bilhões de anos da contagem terrestre de tempo. Cada
grupo de andares está dividido por patamares conjugados por padrões
vibracionais, assim alguns grupos contêm 5 andares, outros 15 andares,
outros 3, enquanto que outros podem ter até mais de 100 andares usando essa
metáfora. Por isso que a transmigração não é igual para todos e pode
significar não apenas ativação da mediunidade, mas também a necessidade do
desencarne fisiológico. Motivo pelo qual a transmigração é retardada até que
essa fase possa ser ajustada dentro do equilíbrio para cada pessoa que está
nessa busca e reconexão.

Se levarmos em consideração o exemplo de um edifício de mil andares,


podemos definir que a cobertura é o equivalente à Supra Mônada que está
ligada diretamente à Fonte que Tudo É. No entanto, todos os andares
precisam estar ligados e se comunicar em todas as direções e não apenas
parcialmente como ocorre neste momento com vocês na Terra. Por isso
reativar essa conexão é imperativo para que a Supra Mônada e seus fractais
que são: Mônada, Eu Sou, Espírito e Alma, possam alinhar as informações
para garantir o fluxo correto de energias, que fazem com que esse edifício se
transforme em um fusível do processo de informações do conjunto que
totaliza a Fonte que Tudo É. Na verdade, cada estrutura de Supra Mônada é
uma parte desse conjunto que é definido de forma simplificada como sendo a
Fonte que Tudo É. E dela até o gerador central existe ainda uma longa
caminhada, pois não se trata de um ser, ou mesmo de uma entidade ou
consciência universal, mas antes, uma emanação de radiações e fluxos de
energia, para entender o que seria realmente Deus no contexto espiritual.

O Multiverso, como vocês o definem, é composto de parcelas dessa


radiação, que poderia ser simplificado como a Divina Presença, mas isso
ainda é pouco para descrever o quantum de energia que reside nessa egrégora
universal. Normalmente, Rodrigo Romo descreve isso através do fluxo de
radiações dos Táquions, Grávitons, Bósons, na forma científica mais
acessível a vocês, mas mesmo assim extremamente limitada.

À medida que a consciência de vocês se expandir, a percepção dessas


outras realidades aumentará. E ao lerem ou terem acesso no plano astral sobre
elas, a informação será incorporada de forma direta e sem dificuldade, pois a
transmigração já ocorreu nos planos sutis entre os 15 primeiros corpos
apresentados no manual do curso Melchizedeck, com o qual vocês deveriam
realizar suas meditações e ajustes de transferência de informações. O
processo gera naturalmente o acoplamento e alinhamento dessas outras
vibrações que são erroneamente definidas como corpos, para que ao ocorrer
esse alinhamento de energias, rompa-se parte da malha de informações da
Matriz de Controle imposta sobre a humanidade terrestre. Como já informei,
cada um de vocês é importante para o conjunto do seu edifício. Por esse
motivo as informações de cada um fazem parte do projeto pessoal de sua
Mônada, envolvendo a Operação Resgate e os servidores da Supra
Confederação e suas equipes relacionadas, muito além dos interesses da
Aliança Galáctica e das 108 Federações sitiadas na estrela de Alcione. Esse é
um dos motivos pelo qual o trabalho apresentado pelo irmão Rodrigo Romo é
diferenciado e não está atrelado a nenhum grupo dessas Federações, pois na
verdade trata-se de reconectar a consciência e a Alma no contexto do edifício
e não apenas o corpo criogênico como muitos acreditam.

Os irmãos mais antigos de Canopus e de Sirius Alpha já na energia de


Kumaras, fazem parte das equipes de apoio e sustentação de Rodrigo Romo e
da Ordem Santa Esmeralda com a qual vocês são sintonizados através de
vários seres de luz como o Arcanjo Aryel e sua equipe definida como Star
Aryelis, que atua justamente na construção do edifício através dos registros
de informações da Chama Trina de cada um e do gradiente de lumens que ela
emite. Por esse motivo que insistimos no uso da Chama Trina em seus
exercícios pessoais, para aprenderem a sustentar sua energia e consciência no
dia a dia e com isso alterar o padrão vibracional além do patamar limitante da
Matriz de Controle imposta na sociedade. Outro fator importante que vocês
têm codificado, mas não conhecem, são as antigas matrizes originais do
projeto Adâmico Kad-Amon do planeta Avyor da Estrela de Vega, que ainda
estão inseridas na estrutura das cadeias de aminoácidos que compõe sua
estrutura. Motivo que explica os processos de abdução pelos membros das
Federações, pois nem mesmo eles entendem essa codificação originalmente
concebida entre 45D e 65D. Imaginando como parâmetro que a edificação do
projeto adâmico tenha 144 Andares, para facilitar o entendimento, Micah e
sua equipe incluindo os Voronandecks, geraram diversos fluxos de energia
para que esse projeto recebesse informações de outros projetos de mamíferos,
estabilizando o projeto em um elevado patamar acima do padrão normal das
Mônadas e até mesmo de muitas Supra Mônadas. Portanto, acoplado na
constante universal do super universo de Orvotón através da autorização de
Shtareer e sua equipe de Voronandecks e do próprio Conselho de
Engenheiros Cósmicos que cuidam desse segmento. Foi nesse contexto que
Yaslon Yas e sua equipe ou sua estrutura Monádica foi inserida ainda em
Shinkara e Unversa, para dar suporte aos desdobramentos junto com as
equipes de Micah e da Ordem de Micahel ou Arcanjo Miguel como vocês o
definem na Terra.

Quando se diz que a humanidade ou parte dela é uma biblioteca viva,


isso é literalmente bem próximo da realidade no contexto cósmico, pois
vocês possuem a codificação mínima de pelo menos 35 raças estelares
conjugadas em seu DNA e reações endócrinas, o que explica a complexidade
emocional dos humanos da Terra em comparação aos humanos de outros
planetas e com carga biológica diferenciada. Essa ampla e complexa
codificação é ao mesmo tempo o seu tesouro e sua maldição no que se refere
às manipulações das Federações e dos outros grupos definidos como
“Rebeldes”, que estão presentes em seu planeta inseridos no Governo Oculto
sustentando os interesses da Ordem do Dragão Negro na trajetória orbital
hexagonal que o Sistema Solar percorre a cada 560.000 anos
aproximadamente.

Sendo assim, temos muito o que realizar conjuntamente agora que vocês
foram apresentados oficialmente à minha energia, que neste momento passa a
ser inserida em seu Ancoramento. Estarei presente com todos vocês até que
cada um esteja ao meu lado da frequência de 7D após saírem da Terra no seu
processo pessoal de Ascensão. Irei trabalhar diretamente com o Mentor de
Cura Quântica Estelar e em sincronicidade ajudar nos ajustes com o seu
Ancoramento e acelerar seu processo à medida que o comprometimento
pessoal se manifeste e com sua participação na nova fase da Terra até que
ocorra o Salto Quântico do Sistema Solar e todos os ajustes que isso irá
exigir.

Meus filhos e colegas de jornada, estaremos juntos no trabalho de


ascensão e pela nova consciência que cada um deve sustentar no futuro
próximo, ajudando na seleção natural que será necessária para os ajustes
bioquímicos e espirituais de cada um de vocês. Assim o Ancoramento vai
ampliar a frequência em relação a todos vocês e criar novos patamares de
trabalho e funções junto às escolas e templos telúricos, gerando a ampliação
de suas atribuições e retorno ao Conselho Planetário.

Cada um de vocês é uma peça de um quebra cabeça intergaláctico e


precisa se conscientizar disso e trabalhar sua energia de uma maneira
harmônica, priorizando o melhor para suas vidas biológicas e não seguindo a
Matriz de Controle como gado, se deixando levar pelo modismo externo.
Aprendam a sentir seu coração e com ele sua espiritualidade verdadeira e não
os hologramas externos que são inseridos na sua caminhada pela vaidade e
arrogância do poder sobre o próximo.

As etapas que cada um possui pela frente na caminhada física na Terra e


no plano astral estão ligadas aos seus contratos e ao mesmo tempo aos
dogmas que ainda devem ser superados. Esse fator dogmático é
extremamente comprometedor e acaba criando severos obstáculos para cada
um de vocês, pois é necessário superar as marcas que o catolicismo e suas
religiões complementares e derivadas geraram em grande parte da
humanidade. Isso sem falar das outras religiões ainda mais dogmáticas, que
limitam a consciência humana e a ascensão, colocando a humanidade na
frequência do pecado, medo, culpa e emoções densas sem perspectivas de
superação.

A importância de ser livre começa através dos pensamentos e emoções.


Não acreditem que foram vocês que mataram Jesus Cristo para que ele
pagasse por seus pecados, pois esse é um dos maiores hologramas impostos
nos últimos 2.000 anos, com o qual se moldou a humanidade através da
culpa. Superar esse holograma já é uma tarefa importante para cada um,
conseguindo desagregar os contratos de culpa e submissão dentro da
instituição católica e de suas derivações ao longo do processo encarnacional.
Muitas de suas encarnações foram controladas pelo sentimento de culpa e
medo baseados em falsos valores e hologramas de controle, como foi a
crucificação de Jesus que nunca ocorreu, sendo na verdade um holograma
aceito e cultuado pela humanidade de tal forma que se transformou em um
ícone astral, assim como a maior parte dos Santos Católicos que também
nunca existiram como definidos pela humanidade. A própria canonização é
um holograma, pois a Igreja se baseia na fé e submissão aos milagres,
gerando mais hologramas e padrões de controle baseados na fé e no
sofrimento das pessoas. A superação desses dogmas é um passo fundamental
para a ascensão e também para acessar outros níveis superiores do seu
edifício espiritual para iniciarem a transmigração de consciência e
informações.

Uma pessoa sem dogmas não pode ser controlada. Essa é a razão para a
criação das religiões e dogmas de controle, pois o medo, culpa e o conceito
do carma acabam aprisionando e limitando a evolução dentro dos parâmetros
que os dirigentes definem. O mesmo tem ocorrido nas Federações entre os
mundos de 3D até 5D, limitando e controlando a sua linha de evolução, para
que sirvam de base estrutural às outras sociedades mais sutis além dessa
frequência. A base da maior parte das sociedades fisiológicas entre 3D até 6D
é formada através do controle sobre as sociedades, mas acima disso o
processo muda e a conexão com os outros planos de consciência superiores
acaba se tornando natural e sem fronteiras, gerando a linha de ascensão e
edificação bem mais completa. Dessa forma, são realidades fisiológicas mais
equilibradas e harmônicas, que deveriam estar presentes desde 3D na
verdade, o que não acontece como deveria. Somente uma minoria de mundos
apresenta essa proposta de 7D em 3D, até mesmo pela própria frequência
dessa densidade menor.

Os mundos com essa condição se encontram em maior número além da


barreira que envolve o setor de Naoshi, estando sob a coordenação de outro
grupo de Filhos Paradisíacos que são sócios de Micah e do Conselho, onde o
gradiente de dualidade é bem menor. Essa proposta não foi inserida em
Naoshi, justamente pelo que estava sendo pesquisado e definido para esse
setor com suas 49 galáxias e a proposta de dualidade extrema. Vocês,
enquanto Alma, aceitaram isso e acabaram por vários motivos aprisionados
em seus próprios sonhos e hologramas, baseados em crenças ou dogmas que
aceitaram na sua caminhada. Portanto, não se pode culpar os outros, mas
antes disso, deve-se buscar dentro de cada um as verdadeiras respostas, pois
as mentiras do passado e do presente controlam sua atualidade gerando
dualidade através das falsas crenças. A dualidade é na verdade um jogo de
controle e poder, onde alguém sempre sai levando vantagem sobre aqueles
que aceitam essa dualidade e vivem com isso em sua consciência.
A plenitude de um ser se baseia na pureza de sua Alma, de suas crenças
e filosofia de vida, que devem estar alinhadas com sua intuição que é
codificada pela Chama Trina, que possui acesso aos outros planos do seu
edifício espiritual. No entanto, para manter essa conexão, o mundo exterior
não pode valer mais do que seu mundo interior. Aqui está o problema, pois a
sociedade de vocês promove que o externo é mais poderoso que o interno que
vem do coração e com isso, a derrota está concluída, pois o coração não é
ouvido porque os hologramas externos são mais importantes. Enquanto isso
acontecer na sua vida física, as dificuldades e os obstáculos ainda vão
permanecer na caminhada, pois mesmo com o Ancoramento ainda existem
pedras no caminho, pois aprender a ouvir as entidades do Ancoramento
deveria ser prioridade na sua caminhada, para aprenderem a superar os
hologramas que estão codificados pelo passado no presente de vocês. Sim,
meus amigos, passado e presente se encontram e conforme vocês lidam com
o presente, modelam o futuro. Por isso passamos informações para que
possam aprender a transmutar o seu presente e o Ancoramento possa alterar o
passado, para que um novo futuro mais harmônico esteja disponível
gradualmente conforme as mudanças que vocês aceitarem fazer em suas
vidas.

Bom, meus amados filhos, fiquem na Luz do seu coração e nos


encontraremos até a completa ascensão de cada um de vocês, pois estarei a
partir desta leitura sempre com todos, conectado pela sua Chama Trina.

Fiquem na paz do seu coração, Eu Sou Yaberin, vosso Mago e irmão na


busca do caminho de retorno à casa onde está o vosso Espírito verdadeiro.

Rodrigo Romo & Yaberin

São Paulo – Brasil, 23 de setembro de 2016.


Ynosahua¹<<

Mestre Lanonadeck setorial atuante nesta fase de Nodia.

Criogênico²<<

O corpo Criogênico é o corpo original antes do início do processo


encarnacional na Terra. Este corpo pode ativar a memória cósmica dos
humanos que emitam o mínimo de luz necessário.

Morontial³<<

Corpo Morontial é a matéria cósmica acima de 8D responsável pelo fluxo


multidimensional de acoplamento da energia criadora em Teta. Representa
um portal de libertação em relação à Terra e ao contexto encarnacional.

A Origem⁴<<

Livro A Origem – Federações Interestelares de Rodrigo Romo (2011). Capa


de Cláudio Gianfardoni.

Estelar⁵<<

Ancoramento completo disponível no livro Tratado de Cura Quântica Estelar


de Rodrigo Romo.

Yavith⁶<<

Todos os símbolos da Rometria (Cura Quântica Estelar, Orixá Reiki, Módulo


Melchizedeck e Voronandeck e outros módulos ministrados pelo autor) estão
protegidos por direitos autorais. Ninguém está autorizado a distribuir,
compartilhar, publicar, em qualquer meio impresso ou virtual qualquer
símbolo sem a autorização do autor. Os símbolos estão disponíveis apenas
através dos referidos livros disponíveis na Loja Virtual
(https://loja.rodrigoromo.com.br) ou como material didático dos cursos
ministrados por Rodrigo Romo.