Você está na página 1de 12

Quero Tocar Sax

Por onde começar?

7 dicas para quem quer iniciar seus


estudos

RONALDO MARQUETTI
ESCOLA DE SAXOFONE
Indice

Como escolher o saxofone para iniciar


Qual o melhor sax para Iniciante
Em relação a preços e marcas
Como obter uma boa sonoridade
Por que estudar Escalas?
Como Tocar com mais Expressão
Como começar a improvisar
Sobre o Autor

1
Como Escolher O Saxofone para Iniciar

Uma das maiores dúvidas que o aluno tem antes de iniciar


seus estudos é essa, qual saxofone eu devo comprar?
Existem dois pontos importantes na escolha de um sax para
se iniciar, o primeiro é o tipo de instrumento.
Os saxofones mais usados hoje são

O sax soprano é o mais agudo entre os mais comuns. É um


instrumento leve, tendo a possibilidade de ser reto ou curvo,
ambos possuem a mesma sonoridade, a única diferença é
seu desenho.
Existe uma confusão quando se fala de soprano curso e
sopranino. Algumas pessoas chamam o soprano curso de
sopranino, mas isso não é correto, pois o sax sopranino é
reto também e menor do que o soprano convencional, ou
seja, ele é mais aguado do que o soprano.

2
Como Escolher O Saxofone para Iniciar

O Soprano curvo tem exatamente o mesmo som que o


Soprano Reto, o que difere é a construção que alguns
preferem por ser mais anatômico, porém a afinação no
soprano curvo é um pouco mais complicada.
O Sax Alto é um instrumento mais grave que o soprano,
porém nem tanto quanto o tenor e barítono. É muito usado
no Jazz, Smooth Jazz, Bossa Nova, e música pop. É um
instrumento muito versátil por sua sonoridade.
O Sax Tenor é um pouco mais grave que o Alto, sua
sonoridade é muito agradável e por isso é muito usado
também. Por ele ser maior e um pouco mais pesado, é
importante que o aluno tenha um porte físico compatível
com o instrumento. Para uma criança de 7 anos por
exemplo, tocar um sax tenor fica um pouco pesado e
desconfortável, prejudicando o desenvolvimento musical do
aluno.
O Sax Barítono é o mais grave entre os mais conhecidos,
ele é um instrumento muito interessante atingindo uma
oitava a baixo do sax alto, porém por ser tão grave não é tão
versátil em termos de fazer solo, com isso ele é mais
utilizado em grupos musicais maiores ou quartetos e
quintetos de saxofone onde suas notas graves tem grande
participação nos arranjos.

3
Qual o melhor para um iniciante

Acho que o Sax Alto e o Tenor são bons instrumentos para


iniciantes, pois sua sonoridade está nas regiões médias,
nem tão grave e não muito agudo, com isso é possível tocar
mais músicas sem a necessidade de mudar a tonalidade
para adequar a região do saxofone.
Além disso, o sax soprano por exemplo exige um pouco
mais de estudo para se obter uma afinação satisfatória. O
barítono é um instrumento muito grande e um pouco
desconfortável de se tocar.
Isso não significa que você não deva começar com o
soprano ou o barítono, são instrumentos muito legais que se
você já tem em casa por exemplo, pode iniciar com eles, por
que não?

4
Em relação a preços e marcas

Se você está iniciando e está pesquisando qual instrumento


comprar, eu aconselho que tenha em mente o seu objetivo
na música e é claro, seu orçamento disponível.
De uma maneira geral, quando iniciamos ainda não temos
certeza se vamos gostar, se vamos continuar até o fim ou se
queremos ser músicos profissionais ou semi profissionais.
Se você tem todas essas duvidas e um orçamento não muito
alto, compre um saxofone mais barato, existem muitas
marcas com valores acessíveis como Waldman, Shelter,
Condor, Wing, Eagle entre outras. Esses saxofones
geralmente são chineses, porém eles tem uma qualidade
muito boa e sobre tudo o preço, e é possível iniciar e até
mesmo se profissionalizar com um instrumento desses,
afinal o que importa é seu estudo e o como você vai tocar
nele. Não descarte a possibilidade de comprar um usado
revisado, é muito difícil um instrumento ter algum defeito que
não seja possível conserta-lo, porém cuidado, tenha certeza
de quem está vendendo e garantia de troca ou devolução
caso o instrumento esteja com defeito.

5
Como obter uma boa sonoridade

Para se obter uma boa sonoridade em um instrumento de


sopro, é importante em primeiro lugar ter paciência. Não se
constrói um prédio pelo ultimo andar.
É importante que o aluno entenda que não basta soprar o
instrumento, o músico é que faz o seu som, e para isso é
preciso treino, como em uma academia onde se inicia com
exercícios leves para que os músculos se acostumem com o
peso, comecem a ter mais resistência até o ponto de subir a
carga.
A embocadura no instrumento ( maneira de se embocar a
boquilha ) precisa de treino, os músculos da face precisam
de resistência, os músculos do diafragma precisam de
resistência e condicionamento para trabalhar da maneira
correta.
O estudo de notas longas é o mais indicado em todas as
fases de um músico de sopro, mas não somente assoprar
um nota até acabar o fôlego, não é isso, mas sim um estudo
direcionado, que tenha um objetivo.
Por isso, no meu curso oriento os alunos a praticarem
primeiramente a nota longa com um tempo determinado e
sempre tentar aumentar esse tempo. Depois passamos para
nota longa com dinâmica, nota longa somente com a
boquilha, nota longa em oitavas entre muitos outros
exercícios que ajudam a construir um belo som.
Por isso entenda, uma boa sonoridade leva tempo e
dedicação do aluno no estudo do som.

6
Por que estudar Escalas?

As escalas são base para construção de melodias.


O músico que não domina as escalas sempre terá
dificuldades para tocar, pois ficará preso aos tons que ele
aprendeu, ou simplesmente tocará pela intuição sem saber o
que está fazendo, e isso nada mais é do que falta de
conhecimento.
Para o saxofone é ainda mais importante que o músico
domine todas as escalas por se tratar de um instrumento
transpositor ( instrumento que não está no tom do piano ou
violão )
Os saxofones são afinados em Mib ( Mi bemol ) ou ( Sib Si
bemol), o piano, guitarra, violão, violino entre outros são
afinados em Dó, ou seja a nota dó soa igual para todos eles,
já o saxofone tem que tocar outra nota para soar o mesmo
dó do piano.
Por isso, o saxofonista tem que saber todas as escalas pois
sempre terá que tocar em um tom diferente do piano (
instrumentos em dó ) Por exemplo, se o piano tocar em dó
maior, o sax alto terá que tocar em La maior.
Além disso, o estudo das escalas permite o músico calibrar
seus dedos e ajuda a ter mais agilidade e facilidade na hora
de executar seu instrumento.

7
Como Tocar com mais Expressão

Muitos alunos querem tocar com mais expressão e não


sabem como.
Uma das coisas que ajuda é o estudo de ornamentos, saber
coloca-los no momento certo, sem exagero, isso deixa a
música mais agradável e o aluno começa a ter um pouco
mais de autenticidade no seu som, não estará apenas lendo
um partitura mas sim interpretando.
Além dos ornamento é muito importante o estudo e a
utilização da dinâmica, saber a hora de tocar mais forte ou
mais piano, o ataque mais intenso ou mais suave. São
diversos estudos necessários para se construir uma
sonoridade interessante. Essa é a receita do bolo, porém é
preciso fazer o bolo, e de preferencia com uma boa
orientação de um bom professor.
.

8
Como Começar a improvisar

Existem várias maneiras de se começar a improvisar, muitos


defendem a tese de que é necessário o estudo de harmonia
para começar a improvisar.
Veja bem, a improvisação é uma criação instantânea, para
se construir algo é importante que se tenha a matéria prima.
Como eu disse anteriormente, as escalas maiores e
menores são a base para a construção de melodias,
portanto se você tiver o conhecimento de escalas maiores já
é possível iniciar o estudo da improvisação.
Outro fator importantíssimo para se iniciar o estudo da
improvisação é ter uma boa percepção, porém isso não é
indispensável, mas ajuda muito.
Treine desde sempre tocar e cantar, conseguir reproduzir
aquilo que você canta é muito importante, pois você
conseguirá expressar aquilo que está na sua mente no
instrumento.
Mas e o estudo da harmonia não é importante?
MUITO!!!!!
Isso que falei, é para quem quer iniciar a se arriscar a
improvisar alguma coisa, porém para aquele que pretende
realmente ter domínio sobre a improvisação, tocar como os
grandes saxofonistas, criar frases e melodias que fazem
sentido harmônico, é extremamente necessário o estudo da
harmonia.
.

9
Sobre o Autor

Ronaldo Marquetti
Saxofonista, compositor e arranjador.
Bacharel em Música popular graduado na Faculdade
Mozarteum de São Paulo, formado Saxofone pelo
Conservatório Carlos de Campos de Tatui. Teve aula de
saxofone com Celso Veagnoli e Vinicius Dorin, além
participar dos workshops de Nailor Proveta, Mané Silveira e
Roberto Sion.
Como instrumentista já atuou em diversos grupos
instrumentais como Grupo Comboio, Orquestra Sinfônica
da Unicamp acompanhando o cantor Toquinho, Sinfônica
de Campinas, Big Band Canavial. Participou da gravação
do CD – Fotografia Sonora - Adilson Filho Octeto, onde
pode atuar como músico, compositor e arranjador de 3
faixas. É músico da Campinas Jazz Big Band e Banda
Sinfônica Municipal de Sumaré.
Desde 2006 trabalha com o quarteto de saxofones Sax
Bem Temperado com o qual gravou 2 CDs, realizou 2
apresentações em Nova York em março de 2012 além de
diversos shows pelo estado de São Paulo.
Na área educacional, foi professor e Maestro da Orquestra
Projeto Guri Campinas, Orquestra Jovem da Educação,
Banda Jovem de Várzea Paulista além de ministrar aulas de
saxofone em Campinas e região desde 1997.
.

10
Sobre o Autor

Palestrante para classe de saxofones no 2º Festival de


Inverno de Jaguariuna em julho de 2008. Realizou alguns
workshops para alunos da Escola Municipal de Música de
Hortolândia sobre o tema O saxofone na música brasileira.
Na Escola de Música do Instituto Adventista palestrou sobre
O panorama do Saxofone Brasileiro.

11

Você também pode gostar