Você está na página 1de 5

DESALINHAMENTO DE EIXOS E SUA

CONTRIBUIÇÃO NAS FALHAS MECÂNICAS


O desalinhamento de eixos é considerado a segunda fonte de
vibração mais prevalente após o desbalanceamento, o qual ocorre
devido ao mau alinhamento entre peças correspondentes, como
metades de acoplamento, embreagens, eixos, polias e etc. De
maneira mais técnica o desalinhamento de eixos e acoplamentos
podem ser definidos como a condição na qual a linha central
geométrica de dois eixos acoplados não coincidem ao longo do
eixo de rotação.

Esses desvios podem apresentar-se de três forma distintas:

• Desalinhamento paralelo ou radial;


• Desalinhamento angular ou axial;
• Desalinhamento combinado;

O desalinhamento paralelo ou radial, acontece quando as linhas


de centro dos eixos estão paralelamente afastadas. Por outro lado,
no caso de desalinhamentos angulares ou axiais esse desvio é
observado pelo ângulo formado entre as linhas de centro em um
plano no espaço. E o desalinhamento combinado, é a mais comum
das situações, ocorre justamente quando existem desvios paralelos
e angulares em um mesmo conjunto de linhas de centro.

No caso de alinhamento de eixo, em geral, acoplamentos rígidos e


flexíveis podem ser empregados. Embora os acoplamentos flexíveis
sejam preferíveis por compensarem parte do desalinhamento,
existem padrões geralmente aceitos para o desalinhamento do
eixo com vários tipos de acoplamentos.

SINTOMAS TÍPICOS DO DESALINHAMENTO:

• Falha prematura de rolamento, vedação, eixo ou


acoplamento;
• Vibração radial e axial excessiva;
• Alta temperatura da carcaça próxima aos rolamentos ou
alta temperatura do óleo de descarga;
• Quantidade excessiva de vazamento de óleo nas vedações
do mancal;
• Parafusos da fundação soltos (“falso apoio”);

ALINHAMENTO DE EIXOS E SUA IMPORTÂNCIA

Segundo pesquisa realizada com participantes (em sua maioria


profissionais de manutenção e confiabilidade) da International
Maintenance Conference IMC-2012 sobre falhas mais recorrentes
em máquinas, o desalinhamento se destaca em primeiro lugar.
Falhas em Máquinas:
Gráfico sobre as falhas mais recorrentes em máquinas industriais
Enquanto isso, alguns estudos apontam que as paradas de máquinas
nas indústrias brasileiras causadas por problemas relacionados
ao alinhamento inadequado dos eixos chegam a mais de 50%.
Além disso, acredita-se que 90% das máquinas funcionam fora
das tolerâncias recomendadas de alinhamento, o que pode levar
a uma série de problemas de performance da máquina, custo e
degradação de outros componentes.

PROBLEMAS OCASIONADOS PELO DESALINHAMENTO

• Com relação a performance:


Na condição de desalinhamento o aumento de temperatura, ruído
e vibração dissipam parte da energia que deveria ser convertida em
trabalho, o que leva em uma redução da eficiência real da máquina
desalinhada.

• Com relação ao custo:


Existe um custo para produzir tal energia dissipada, que impacta
diretamente na energia consumida por um motor elétrico, por
exemplo. Durante a sua partida, o motor elétrico consome mais
energia (devido seu estado de inércia) e o desalinhamento dificulta
a entrada em regime de operação, aumentando o consumo de
corrente e gerando problemas no dimensionamento dos dispositivos
de proteção. Além disso, o motor passa a consumir mais energia
para realizar seu trabalho gerando um gasto maior na conta de
energia elétrica. O correto alinhamento pode reduzir o consumo
de energia em até 15% (talvez até mais). Numa estimativa rápida,
considerando que consumo de potência de um motor elétrico AC
trifásico é dado por:

Considerando agora um motor de 25 HP nas condições: volts= 380 V,


efi=90% e PF=0.9, com consumo de corrente antes do alinhamento
de 36 A e após o alinhamento de 32 A operando 350 dias/ano (o
que representa 8400 h), logo 2.13 kW são consumidos devido ao
desalinhamento.

Assumindo o preço do kWh igual a R$ 0,10, a economia anual gerada


pela correção deste desalinhamento é de R$ 1.790,00.

• Com relação a degradação de outros componentes:

Infelizmente, os custos não são restritivo somente ao consumo


de energia, a degradação em outros componentes gerada pelo
desalinhamento pode levar a uma troca prematura de componentes:

• Rolamentos:
elemento da máquina que mais sofre com o desalinhamento de um
eixo, qual recebe um esforço muito acima para o qual foi projetado.
Além do surgimento de cargas axiais que danificam, por exemplo,
rolamentos de esferas, os quais normalmente não são projetado
para receber cargas axiais.

• Vedações:
os elementos vedantes não conseguem o contato ideal com o eixo
levando a vazamentos e contaminações. Isto é causado por um
desgaste excessivo à uma determinada parte do elemento vedante
o que faz com que ele deixe de exercer sua função. É observado que
um eixo desalinhado pode causar uma redução de até 70% da vida
útil de um retentor, por exemplo.

• Acoplamentos:
o desalinhamento pode causar superaquecimento nos acoplamentos,
levando ao ressecamento das partes de borracha (comumente
utilizadas nestes elementos).
A figura abaixo representa uma distribuição qualitativa das
consequências mais recorrentes em componentes mecânicos
devido a condição de desalinhamento de máquinas.

Gráfico da distribuição quantitativa das consequências mais recorrentes em


componentes mecânicos

CONHEÇA A ABORDAGEM DA DYNAMOX PARA MONITORAR E


IDENTIFICAR O DESALINHAMENTOS DE EIXOS

Sensores de vibração e temperatura são comumente usados ​​para


identificar as alterações no funcionamento da máquina e podem
auxiliar no monitoramento e identificação do desalinhamento. Essa
é a proposta de valor do DynaPredict, data logger Bluetooth com
sensores de aceleração triaxial e temperatura, sem fio que realiza
análise espectral e permite a interpretação dos dados no conforto
de uma sala afastada do chão de fábrica.

Clique aqui e saiba mais sobre a solução DynaPredict!

Você também pode gostar