Você está na página 1de 3

Escola Cidadã Integral Neir Alves Porto Disciplina: Língua Portuguesa

Professora: Valdinete de Queiroz Ribeiro. Série:


Aluno(a):

Atividade
1- Observe a notícia divulgada pelo site do Jornal Extra e responda as questões 1 e 2.

"É um paraquedas ou uma barraca pra se proteger do sol de Jequié?", escreveu um


usuário do Twitter diante da repercussão das mochilas "gigantes" entregues a estudantes
de escolas municipais de Jequié, na Bahia. Imagens de crianças pequenas com as bolsas
vermelhas nas costas, sendo quase do mesmo tamanho que elas próprias, viralizaram
nas redes sociais.
A distribuição dos kits de material escolar, iniciada na última sexta-feira, pela
Prefeitura, repercutiu tanto que o nome da cidade de Jequié, a 365km de Salvador,
configurou entre os assuntos mais comentados do Twitter na manhã desta terça-feira.
Com isso, internautas aproveitaram a cômica situação e diversos memes foram
compartilhados na rede social.

A notícia é um gênero textual jornalístico e não literário que está presente em nosso dia-
a-dia, sendo encontrada principalmente nos meios de comunicação. Podemos classificar
o texto como pertencente ao gênero notícia porque

a) se trata de um texto informativo sobre um tema da atualidade, mas com conteúdo


satírico.

b) se trata de um texto expositivo sobre um tema da atualidade, escrito em 3ª pessoa e


que expõe um fato.

c) se trata de um texto descritivo sobre um tema da atualidade, escrito em 3ª pessoa e


que expõe um fato.

d) se trata de um texto descritivo sobre um tema da atualidade, mas com conteúdo


satírico.

2- As aspas, na primeira linha do primeiro parágrafo, servem para


a) marcar o uso do discurso direto.
b) marcar o uso do discurso indireto.

c) marcar o uso do discurso indireto livre

d) expor a declaração do prefeito da cidade.

3- Médico debocha de paciente na internet: 'Não existe peleumonia'

Um médico plantonista no Hospital Santa Rosa de Lima, em Serra Negra (Links para
um site externo.) (SP), foi afastado do trabalho após ter uma foto sua publicada numa
rede social com o título “Uma imagem fala mais que mil palavras”. Na foto, Guilherme
Capel Pasqua mostra o receituário médico com o seguinte dizer: “Não existe
peleumonia e nem raôxis”.
Vinte minutos antes da postagem, na quarta-feira (27), o médico havia atendido o
mecânico José Mauro de Oliveira Lima, 42 anos, que estudou até o segundo ano do
ensino fundamental e não sabe como falar corretamente algumas palavras.
Seu enteado, o eletricista Claudemir Thomaz Maciel da Silva, de 25 anos, o
acompanhava na consulta e revela que, assim que souberam o diagnóstico, o mecânico
perguntou sobre o tratamento para a "peleumonia". A reação do médico não foi muito
profissional, afirma Claudemir.
"Quando meu padrasto falou pneumonia e raios X de forma errada, ele deu risada. Na
hora, não desconfiamos que ele iria debochar depois na internet. O que ele fez foi
absurdo. O procurei e escrevi para ele na rede social que, independente dele ser doutor,
não existe faculdade para formar caráter. Assim que ele viu minha postagem, apagou a
foto. Ele não quis conversar com a gente", diz Claudemir.
Formado pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), o médico disse à EPTV que
não teve intenção de ofender e pediu desculpas aos que falam “peleumonia” ou
“raôxis”. Ele acredita que é o contexto social que define as regras do português.

http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2016/07/medico-debocha-de-paciente-
na-internet-nao-existe-peleumonia.html

Sobre o gênero notícia, é incorreto afirmar que

a) apresenta sua estrutura por parágrafos, organizados pela tipologia da ordem da


injunção (comando) e estilo de linguagem com alto grau de formalidade.

b) a notícia é um gênero textual jornalístico e não literário.

c) se trata de um texto informativo sobre um tema atual ou algum acontecimento real,


veiculada pelos principais meios de comunicação.

d) é um texto informativo e impessoal, sem teor opinativo.

4- (Enem) A última edição deste periódico apresenta mais uma vez tema relacionado ao
tratamento dado ao lixo caseiro, aquele que produzimos no dia a dia. A informação
agora passa pelo problema do material jogado na estrada vicinal que liga o município de
Rio Claro ao distrito de Ajapi. Infelizmente, no local em questão, a reportagem
encontrou mais uma forma errada de destinação do lixo: material atirado ao lado da
pista como se isso fosse o ideal. Muitos moradores, por exemplo, retiram o lixo de suas
residências e, em vez de um destino correto, procuram dispensá-lo em outras regiões.
Uma situação no mínimo incômoda. Se você sai de casa para jogar o lixo em outra
localidade, por que não o fazer no local ideal? É muita falta de educação achar que
aquilo que não é correto para sua região possa ser para outra. A reciclagem do lixo
doméstico é um passo inteligente e de consciência. Olha o exemplo que passamos aos
mais jovens! Quem aprende errado coloca em prática o errado. Um perigo!

Disponível em: http://jornaldacidade.uol.com.br. Acesso em: 10 ago. 2012 (adaptado).

Esse editorial faz uma leitura diferenciada de uma notícia veiculada no jornal. Tal
diferença traz à tona uma das funções sociais desse gênero textual, que é

a) apresentar fatos que tenham sido noticiados pelo próprio veículo.

b) chamar a atenção do leitor para temas raramente abordados no jornal.

c) provocar a indignação dos cidadãos por força dos argumentos apresentados.

d) interpretar criticamente fatos noticiados e considerados relevantes para a opinião


pública.

5- (Enem)

Essa propaganda defende a transformação social e a diminuição da violência por meio


da palavra. Isso se evidencia pela

a) predominância de tons claros na composição da peça publicitária.

b) associação entre uma arma de fogo e um megafone.

c) grafia com inicial maiúscula da palavra “voz” no slogan.

d) imagem de uma mão segurando um megafone.

Você também pode gostar