Você está na página 1de 12

Definição de Ergonomia

Disciplina científica que compreende um conjunto de conhecimentos baseados nas ciências da


biologia humana, a fim de optimizar o bem-estar humano na concepção de tarefas, dos
instrumentos, das máquinas e dos sistemas de produção.

Conjunto de disciplinas que estuda a organização do trabalho no qual existe interacção entre
seres humanos e máquinas.

Fundamentos da Ergonomia

Matemática – Estatística

Ciências Físicas – Física, Química

Ciências Biológicas – Anatomia, Fisiologia

Ciências Humanas – Sociologia, Antropologia.

Objectivo da Ergonomia

Adaptar o trabalho ao Homem.

Estuda o complexo formado pelo operador humano e seu trabalho.

Áreas afins da Ergonomia

Organização do Trabalho

Medicina do Trabalho e Saúde Ocupacional

Segurança no Trabalho

Início da Ergonomia

Leonardo Da Vinci – início da antropometria e da biomecânica.

Vauban e Belidor (séculos XVII e XVIII) – tentaram medir a carga de trabalho físico nos próprios
locais de trabalho, a fim de elevar o rendimento.

Taylor (séc. XIX) – análise do trabalho para definir as melhores condições de rendimento,
baseando-se na óptica do funcionamento do Homem como uma máquina.

NOTA:

Termo Ergonomia introduzido pela 1ª vez em 1857 por Polaco Jastrzebowski.

Ford (séc. XX) – trabalho em linhas de montagem.


Problemas de Taylor e Ford

- Trabalho exaustivo

- Isolamento do trabalhador

- Especialização levava à redução de possibilidades profissionais do trabalhador.

- Trabalhador não decide nem pode ser criativo.

NOTA:

Termo Ergonomia utilizado pela 1ª vez como campo de saber específico em 1949 por Psicólogo
Inglês Murrel.

Tipos de Ergonomia

Ergonomia de Correcção:

- Modifica o posto de trabalho, alterando elementos.

Ergonomia de Concepção:

- Interfere no projecto do ambiente.

Conceitos Chave de Ergonomia no Trabalho

Processo

- Linha sistemática de acções direccionadas para a construção de uma meta.

- Conjunto de meios para produzir um efeito (um produto) específico.

Tarefa

- Conjunto de actividades distintas realizadas num posto de trabalho, com o objectivo de


cumprir uma função.

- Um conjunto de tarefas constitui um Processo.

- A tarefa responde à pergunta “o que fazer?”.

Actividade

- Acção exercida pelo executor para realizar uma tarefa.

- Um conjunto de actividades constitui uma tarefa.

- Actividade responde à pergunta “como fazer?”.

- Conceito de Actividade permite aprofundar o conceito de trabalho real.


Áreas da Ergonomia Aplicada ao Trabalho

- Ergonomia na organização do trabalho pesado.

- Adequação ergonómica do posto de trabalho.

- Prevenção do erro humano.

- Prevenção da fadiga no trabalho.

- Biomecânica aplicada ao trabalho.

Fundamentos da Ergonomia na Biomecânica do Trabalho

Biomecânica – ciência que estuda as forças internas e externas que actuam no corpo humano
e os efeitos produzidos por essas forças (o efeito pode ser LESÃO).

LMERT – lesões que resultam da acção de factores de risco profissionais (repetitividade,


sobrecarga, postura durante o trabalho).

Aplicação da Biomecânica

Nas actividades quotidianas e trabalho:

- Interface Homem-Máquina e Meio Ambiente.

- Eficiência, Saúde e Seguranças nas tarefas diárias.

- Classificação e Sistematização de Grupos de Movimento por Estações Ergonómicas de


Trabalho.

Nas LMERT:

- Sobrecarga do Aparelho Locomotor.

- Factores Endógenos e Exógenos na Sobrecarga.

- Dependência Terapêutica/Profilática e movimento.

- Dependência entre Lesões e Movimento.

- Propriedades dos Tecidos e Biomateriais.


Princípios Fundamentais da Biomecânica

Tipos de Alavancas

1ª Classe ou Interfixa: R-F-P – AMPLITUDE, EQUILÍBRIO, FORÇA (tesoura, balancé, pedra).

2ª Classe ou Inter-Resistentes: F-R-P – FORÇA (carrinho de mão, pneu, quebra-nozes).

3ª Classe ou Interpotente: F-P-R – VELOCIDADE (remar, pá, bíceps)

Conceito de Trabalho

Trabalho é a aplicação de uma força que provoca um deslocamento.

T=Fxd

Trabalho muscular – positivo, zero, negativo:

Contracção concêntrica – positivo

Contracção isométrica – zero

Contracção excêntrica – negativo

Antropometria

Medidas Antropométricas Dinâmicas

Alcance Óptimo – 35-45.

Alcance Máximo – 55-65.

Efeito da Postura na Pressão Interdiscal de L3

Postura Deitado

Vantagens:

- Não há tensão no corpo.

- Sangue flui livremente.

- Remoção de metabolitos e toxinas dos músculos.

- Gasto energético mínimo.

- Recomendado para repouso e recuperação.

Desvantagens:

- Inadequada para o trabalho.

- Sustentação da cabeça.
Postura em Pé

Vantagens:

- Grande Mobilidade.

- Liberdade dinâmica dos membros.

- Facilidade de alcance.

- Deslocação.

Desvantagens:

- Fadiga em trabalho estático.

- Oscilação corporal.

- Dificulta movimentos de precisão.

- Bombear sangue.

- Alto consumo de energia.

Postura Sentado

Vantagens:

- Membros inferiores pouco solicitados.

- Evita posições forçadas.

- Menor consumo de energia.

- Facilitação da circulação pelos membros inferiores.

Desvantagens:

- Mudanças posturais músculo-esqueléticas.

- Maior pressão nos discos.

- Sedentarismo.

- Más posturas.

Área de Apoio

- Tuberosidade Isquiática – 25 cm2 – peso de 75% do corpo.

- Estofamento Base Rígida – 2 a 3 cm de espessura.

Dimensões do assento

- Altura poplítea = Altura do assento.


Postura Semi-Sentado

- Pouco confortável (para uso temporário).

- Mais estável que em pé.

- Mais movimentos que sentado.

- Rápidas mudanças de postura.

Posturas e Riscos de Dores

Em Pé – pés e pernas (varizes)

Sentado sem encosto – extensores do joelho.

Assento muito alto – parte inferior das pernas, joelhos e pés.

Assento muito baixo – Dorso e pescoço.

Braços esticados – ombros e braços.

Pegas inadequadas em ferramentas – antebraços.


LMERT – O QUE SÃO?

- Inclui um conjunto de doenças inflamatórias e degenerativas do sistema locomotor.

- Resultam da acção de factores de risco profissionais (repetitividade, sobrecarga e/ou postura


adoptada.

- Maior incidência no membro superior e coluna.

SINTOMAS

- Dor.

- Parestesias.

- Sensação de peso.

- Fadiga.

- Perda de força.

AGRUPAR LMERT

- Tendinites ou tenossinovites.

- Síndromes canaliculares.

- Raquialgias.

- Síndromes neurovasculares.

EXEMPLOS DE LMERT

Tendinite da coifa dos rotadores:

- Mais frequente patologia do ombro.

- Ocorre por elevação mantida ou repetida dos membros superiores ao nível dos ombros ou
acima deles.

Por realização de movimentos de circundação com braços elevados.

Síndrome do Túnel do Carpo:

- É uma neuropatia.

- Lesão do nervo periférico por compressão do nervo mediano.

- Por extensão ou flexão excessiva do punho.


Tendinites ou Tenossinovites do Punho:

- Por movimentos repetitivos de flexão/extensão do punho e dedos.

Epicondilite e Epitrocleíte:

- Por sobrecarga do cotovelo por gestos repetitivos.

- Por manipulação de cargas excessivas ou mal distribuídas.

Raquialgias:

- Queixas mais frequentemente associadas ao trabalho.

- Posturas prolongadas em pé ou sentado.

- Frequente flexão e extensão da coluna.

- Manuseamento e transporte de cargas.

CAUSAS

Principal – Sobrecarga:

1. Relacionada com a actividade de trabalho.

2. Individuais (co-factores de risco).

3. Organizacionais/Psicossociais

FACTORES DE RISCO

- Algo que pode provocar um efeito adverso.

- Causam doença ou lesão, dependendo de outros factores (duração, intensidade, frequência).

1. Relacionados com a actividade de trabalho

1.1. Posturas ou Posições Corporais Extremas

- Posição quase no limite das possibilidades articulares = Posição Extrema. Risco aumenta.

1.2. Aplicação de Força

- Força ≠ Esforço.

- Considera-se a carga propriamente dita e forma como é manuseada.

- A Força estática é sempre mais penosa que a dinâmica.


1.3. Repetitividade

- A invariabilidade gestual pode ser um factor de risco de LMERT.

1.4. Exposições a elementos mecânicos

- Contacto do corpo com outros elementos.

- Choque ou impacto.

- Vibração.

2. Factores de Risco Individuais

2.1. Idade.

2.2. Sexo.

2.3. Altura, Peso e outras características antropométricas (afastadas de valores médios).

2.4. Situação de Saúde

3. Factores de Risco Organizacionais/Psicossociais

3.1. Ritmos intensos de trabalho.

3.2. Monotonia das tarefas.

3.3. Insuficiente suporte social.

3.4. Modelo organizacional de produção – horários, turnos, ciclos de produção, etc.

Como a exposição a factores de risco desencadeia as LMERT

- Desequilíbrio entre as solicitações do trabalho e as capacidades individuais.

- Tempo de recuperação insuficiente nas solicitações superiores às capacidades.

Avaliar o Risco de LMERT

a) Listas de verificação e identificação de factores de risco;

b) Métodos de observação:

b1) Aplicados no local de trabalho;

b2) Aplicados em registos de vídeo;

c) Medição com recurso a instrumentação.


PREVENÇÃO DAS LMERT

1. Análise do trabalho

- Aplicações de força

- Frequência dos gestos

- Postura adoptada

- Etc.

2. Avaliação do risco de LMERT

- Utilização de métodos de avaliação de risco em função dos níveis de risco.

- Facilidade de aplicação dos métodos não considera todos os factores de risco.

3. Vigilância médica (ou da saúde) do trabalhador

- Processo de obtenção, análise e interpretação de dados que permitem caracterizar o estado


de saúde do indivíduo.

- É o Médico do Trabalho que está habilitado para a vigilância da saúde do trabalhador.

- Diagnóstico precoce e adopção de outras medidas de prevenção podem travar evolução das
LMERT e prevenir aparecimento de novos casos.

- Perante um caso de LMERT e decisão sobre a sua origem:

a) Verificar se os sintomas começaram, recidivaram ou agravaram após o início do trabalho


actual.

b) Verificar se o trabalhador está exposto a factores profissionais de risco conhecidos como


estando associados a LME localizada.

c) Analisar a possibilidade de origem não ocupacional dos sintomas.

d) Decidir sobre o respectivo nível da relação com o trabalho.

- Uma vez diagnosticada a Doença Profissional, o médico deve declarar ao Centro Nacional de
Protecção Contra os Riscos Profissionais, de modo a que o trabalhador possa ser avaliado e
ressarcido por eventuais danos.

4. Informação e formação dos trabalhadores

- A ausência de informação e formação em saúde dos trabalhadores pode constituir um factor


de risco de LMERT adicional.

- A formação e informação não deve substituir a intervenção prioritária sobre o trabalho.


FORMAS DE PREVENIR AS LMERT

Ginástica Laboral

- Prescrição do exercício antecedida de avaliação da tarefa, do trabalhador e sua inter-relação.

- Incorporar 2,5 horas de exercício por semana.

- Tempo “perdido” com exercício é compensado em produtividade.

Benefícios do exercício no contexto do trabalhador:

Diminui a tensão muscular e risco de lesão

Melhora circulação e qualidade do sono

Melhora a prontidão mental

Reduz ansiedade, stress e fadiga

Aumenta a flexibilidade, forçam ritmo, agilidade e resistência muscular.

Pausas Activas no Trabalho

- Exercícios para compensar as estruturas + utilizadas e activar as que não são requeridas.

- Alongamentos: Mantidos por 10 segundos, 3 a 5 vezes.

Ergonomia no Posto de Trabalho

- Optimizar a eficácia e eficiência entre um operador e as actividades que este desempenha.

- Aumento da segurança, redução de fadiga e aumento do conforto.

- Aplicar uma medida de melhorias de cada vez.

Plano de acção deve incluir:

Melhorias a curto e longo prazo.

Formação para empregados.

Inspecções regulares.

Clarificar a atribuição de responsabilidade.

Priorizar e resolver as principais questões.

Correcta Movimentação De Cargas

- Evitar colocar objectos pesados próximos do solo.

- Altura dos objectos e ferramentas devem ser adaptadas à tarefa desempenhada.


STRAIN ÍNDEX (ÍNDICE LESIVO)

- Intensidade de Esforço (EVA ou Escala de Borg)

- Duração do Esforço

- Esforços por Minuto = Número de Esforços/Tempo de observação (min)

- Postura da Mão-Punho

- Velocidade de Trabalho

- Duração da tarefa por dia (horas)

STARIN INDEX = IE x DE x EPM x PMP x V x DT