Você está na página 1de 19

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

Infobibos - Informações Tecnológicas - www.infobibos.com

Infobibos - Informações Tecnológicas - www.infobibos.com

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmina de corte na força máxima de cisalhamento Warner Bratzler, no Longissimus dorsi e, determinação de um modelo matemático que correlacione estes parâmetros com a força máxima de cisalhamento.

(Comparison of cooking temperature and shearing blades thickness effects in the Warner Bratzler shear force on the Longissimus dorsi and, measurement a math model which correlates these parameters with the highest shearing force.)

 

por Priscila da Silva Souza

1- INTRODUÇÃO

Dentre as qualidades demandadas pelos principais mercados consumidores de carne bovina in natura, a maciez - juntamente a cor, suculência e sabor - é preponderante na tomada e retomada de decisão pela aquisição do produto (CIA & CORTE, 1978); fato este refletido na diferenciação de preço entre as carnes notadamente consideradas macias e aquelas obtidas dos quartos traseiros (SMITH et al., 1978; KOOMARAIE et al., 1990; MORGAN et al., 1991; DRANSFIELD, 1994 BOLEMAN, 1997).

FELÍCIO (1995), ao conduzir uma pesquisa de mercado realizada no Brasil, em diversos estabelecimentos varejistas de carne, detectou que 64,4% dos consumidores prezam por sua maciez, considerando esta como principal atributo da carne grelhada; embora somente 40,8% tenham seus anseios plenamente atendidos, com relação ao mesmo atributo, diante da aquisição de diferentes cortes cárneos.

Estudos desenvolvidos nos Estados Unidos - os maiores importadores de carne bovina do mundo - verificaram que o norte americano considera a textura da carne como sua principal característica (FELÍCIO, 1994), havendo reflexo direto entre a demanda do produto e a uniformidade deste com relação a sua maciez.

Dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC) mostram que no início dos anos 90, 40% das exportações brasileiras de carne bovina corresponderam às vendas do produto in natura (carne fresca, congelada ou resfriada), em 2005 esse valor foi igual a 74%, 77% em 2006 e 80% no acumulado de janeiro-novembro de 2007.

Ao considerar a composição do rebanho bovino brasileiro - 80% de animais azebuinados, dos quais 90% anelorados -, a relação entre a atividade da enzima calpastatina com a depleção na maciez da carne (WHIPPLE et al., 1990; SHACKELFORD et al., 1991) e a alta correlação entre a atividade dessa enzima nos animais zebuínos, é imprescindível que os agentes da cadeia -

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

pecuaristas, indústria processadora, distribuidores e varejo - trabalhem no sentido de melhorar essa característica no produto brasileiro.

Diante do exposto, este trabalho teve como objetivo comparar a força máxima de cisalhamento em texturômetro TAXT 2i equipado com célula de Warner Bratzler, em cortes de contrafilé de costela, submetidos a diferentes temperaturas de cocção e cortados por lâminas de diferentes espessuras, de acordo com o protocolo padronizado; além de determinar uma equação de regressão que correlacione a espessura das lâminas empregadas e temperaturas de cocção com a força máxima de cisalhamento do músculo Longissimus dorsi.

2- OBJETIVOS

2.1- Objetivo geral

Ø Comparar a força máxima de cisalhamento no músculo Longissimus dorsi, cozido a 71 e 74°C e cortado por lâminas de 1,016 cm e 3,050 cm de espessura, segundo protocolo padronizado e construir, de acordo com os resultados da avaliação de textura, uma equação de regressão que correlacione a espessura das lâminas empregadas e da temperatura de cocção com a força máxima de cisalhamento do contrafilé.

2.2- Objetivos específicos

Ø

Em uma mesma

peça, avaliar

as variações na

força

de cisalhamento em função da

diferença de espessura das lâminas empregadas;

 

Ø

Em uma mesma

peça, avaliar

as variações na

força

de cisalhamento em função da

Ø

diferença da temperatura de cocção empregada; Determinar e comparar as perdas por cocção, em função da temperatura empregada;

Ø

Avaliar

o

efeito da

temperatura de cocção nos valores da

força de cisalhamento do

contrafilé.

3- REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

De acordo com WARRIS, P.D. (2000), a qualidade da carne bovina é determinada por um conjunto de atributos extrínsecos e intrínsecos a mesma. Dentre os atributos que lhe são inerentes, tem - se como destaques as características relacionadas ao tecido gordo, tais como cor e textura; capacidade de retenção de água, rendimento e tamanho dos cortes considerados nobres; proporção entre tecido gordo e magro; qualidade nutritiva, química e histoquímica dos músculos; grau de marmoreio, inocuidade biológica, assim como maciez, suculência, sabor e aroma.

A propósito, é notadamente sabido que o consumo de carne é pré-determinado pelas suas

propriedades dietéticas (qualidade nutritiva) e organolépticas (SAVELL et al., 1987; ALCALDE e NEGUERUELA, 2001), as quais determinam a qualidade atrativa do produto, e por conseguinte, a tomada de decisão pela

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

compra, por parte do consumidor (FELÍCIO, 1998).

Tão importante quanto as outras características intrínsecas, a composição histoquímica do músculo é um condicionante à qualidade da carne bovina, principalmente por sua fração de proteínas miofibrilares e do tecido conjuntivo e (BAILEY, 1985).

Estudadas por inúmeros cientistas (CROSS et al., 1973; BAILEY, 1985; POWELL et al, 2000; TORRESCANO et al, 2003) as proteínas do tecido conjuntivo, em especial o colágeno, têm efeito negativo na textura da carne. BAILEY (1972) ressaltou que a quantidade de colágeno envolvendo o músculo é fator preponderante para a maciez da carne.

No entanto, outros pesquisadores acrescentam que os aspectos qualitativos do colágeno também são fatores preponderantes no que diz respeito à maciez. Assim, as características bioquímicas (DUANCE et al., 1977); o grau de polimerização (GOLL et al., 1964) e de reticulação; as características morfo-anatômicas (LEPETIT e CULIOLI, 1994) e, a natureza, número e distância das ligações entre as moléculas de colágeno (ETHERINGTON, 1987) também definem a textura e a maciez da carne.

No mais, MONIN e OUALI (1991), KLONT et al. (1998) e VESTERGAARD et al. (2000) afirmaram que existe uma variação de textura entre os diferentes cortes comerciais, haja vista que a localização anatômica destes define a quantidade e qualidade do colágeno que envolve a fibra muscular. Até mesmo dentro de um mesmo corte, como no Longissimus dorsi , há tal diferença, por motivos semelhantes.

Segundo HILL (1966), modificações físicas do colágeno - devido seu aquecimento -contribuem para a melhoria da textura da carne, em função do aumento da solubilidade da referida proteína. BEILKEN et al. (1990) afirmaram que a contribuição do tecido conjuntivo para a maciez da carne aumenta numa faixa de temperatura compreendida entre 50 – 60°C.

Ainda de acordo com HILL, por volta de 56 - 62°C, ocorre encurtamento fibrilar, hidratação e hidrólise do colágeno. Neste ponto, sua gelatinização contribui para o aumento da capacidade de retenção de água do músculo e para o surgimento de espaços que outrora ocupados pelo próprio colágeno, o são pela gordura. Esta, emulsificada junto às proteínas solúveis, torna a carne mais palatável e macia.

Em

“The

effect

of

heating

time

and

temperature

on

the

shear

of

beef

Semitendinosus muscle” (MACHLIK e DRAUDT, 1963), são feitas considerações sobre a influência do tempo e da temperatura de cocção sobre a textura e, por conseguinte, na qualidade da carne bovina. Dependendo do modo como ambos parâmetros forem trabalhados, pode haver solubilização do colágeno e o aumento da maciez da carne ou, o aumento da sua dureza decorrente da coagulação das proteínas miofibrilares.

Assim, tão importante quanto o grau de contração das fibras musculares no pós - morte (MARSH e LEET, 1966; HERRING et al.,1967), a exposição das proteínas musculares a temperaturas elevadas de cocção, durante um longo período de tempo, ocasiona mudanças na sua configuração

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

estrutural, perdas de função (desnaturação) e por fim, agregação molecular, tornando-as insolúveis.

MARTENS et al. (1982), estudando os perfis da desnaturação térmica das proteínas miofibrilares de diferentes grupos musculares, pré e pós-rigor, avaliaram que temperaturas de cocção entre 60 - 70°C, correspondem ao melhor grau de desnaturação protéica miofibrilar e da contração do colágeno.

Embora os estudos a respeito dos efeitos do tempo e da temperatura de cocção na maciez da carne sejam um tanto quanto contraditórios (BOUTON e HARRYS, 1972, BAILEY, 1985), VISSER et al. (1960) e LAWRIE (1966) concluíram que a cocção atua na estrutura da carne, convertendo o tecido conjuntivo - mais especificamente o colágeno - em gelatina solúvel, enquanto que o seu aumento promove a coagulação das proteínas miofibrilares, favorecendo o endurecimento da carne. Temperaturas entre 57 – 60°C favorecem a solubilização do colágeno, sem ocasionar a coagulação das proteínas das miofibrilas.

PAUL et al. (1973), PENFIELD e MEYER (1975) demonstraram que o grau de penetração do calor nas fibras musculares resulta em transformações significativas na estrutura protéica da carne. Assim, a partir das observações feitas, os autores concluíram que baixas temperaturas de cocção permitem um maior período de cozimento da carne, enquanto que elevadas temperaturas exigem tempos de cocção mais estreitos.

Outros fatores extrínsecos à carne e relacionados à sua textura são citados por diferentes estudiosos para a determinação da sua qualidade: i) manejo pré e pós abate (PEIXOTO et al, 1997, SOUZA et al., 1998, VELARDE et al.,2000), ii) técnicas de suspensão da carcaça (HOSTETLER et al., 1972, QUARRIER et al., 1972) iii) técnicas de resfriamento (KLONT et al.,1998; RENAND et al., 2001), iv) alimentação (SOLOMON et al., 1986), v) maturação (HUFF e PARRISH, 1993), vi) estimulação elétrica (SHORTHOSE et al., 1986, SMULDERS, 1989, DRANSFIELD et al, 1992, PAYNE et al, 1997), dentre outros.

Considerando a maciez

como principal

atributo na qualidade

da

carne

bovina, a

sua

determinação - através da avaliação das propriedades mecânicas inerentes à textura, ou seja,

dureza, coesividade, elasticidade, mastigabilidade e adesividade - é fator relevante para o atendimento dos anseios e para a fidelização dos mercados consumidores.

KRAMER (1973) definiu textura como união das propriedades reológicas e estruturais dos alimentos, sujeitas a percepções mecânicas, táteis, visuais e auditivas, condicionando assim, a apetibilidade do produto. Portanto, a textura da carne pode ser quase que imediatamente remetida as suas características organolépticas.

Os métodos objetivos empregados na avaliação da maciez determinam as medidas físicas da resistência da carne cozida à compressão ou ao cisalhamento, enquanto que os métodos subjetivos determinam a resistência da carne à mastigação; resistência esta detectada por uma equipe de avaliadores previamente treinados para a condução da análise.

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

Embora os métodos objetivos sejam mais precisos que os subjetivos e proporcionarem resultados num curto período de tempo, eles não predizem a percepção organoléptica da maciez. Diante disso, PALMER et al. (1965), SMITH e FLETCHER (1988), LYON e LYON (1990a, 1998), assim como tantos outros pesquisadores, realizaram avaliações da maciez da carne, correlacionando os resultados obtidos da análise sensorial e dos métodos instrumentais; resultados que têm demonstrado altas correlações.

Dos instrumentos utilizados na determinação da maciez da carne, a célula de Warner

Bratzler tem sido a mais empregada (CULIOLI, 1995), apesar das críticas que lhe são feitas, uma

vez

que

tal

aparelho mede somente a força de cisalhamento da carne, enquanto outros

texturômetros permitem a mensuração de outras propriedades físicas da amostra, tal como compressão (Allo- Kramer e Volodkevich) e extensibilidade (aparelho de Swift e Ellis) (CHAIB,

1973).

No entanto, SZCZESNIAK e TORGESON (1965) afirmaram que o Warner Bratzler é o instrumento de maior acurácia dentre os desenvolvidos para a determinação da maciez, por apresentar, dentre outras vantagens, alto coeficiente de determinação entre as análises sensoriais procedidas.

Mesmo havendo um trabalho criterioso do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, para aptidão, habilitação técnica e certificação de instituições de pesquisas na avaliação da maciez de cortes bovinos, WHEELER, SHACKELFORD e KOOHMARAIE (1994) demonstraram que são muitos os fatores que podem afetar os valores da força de cisalhamento Warner Bratzler: tamanho, formato e uniformidade da amostra cisalhada, assim como a direção de sua obtenção em relação à orientação das fibras musculares, temperatura das amostras no momento do cisalhamento, velocidade de corte, metodologia de cocção, dentre outros.

Assim como o USDA-Agricultural Research Service e U.S. Meat Animal Research Center, que certificam as instituições que obtiverem repetibilidade nos valores da força de corte Warner Bratzler iguais ou superiores a 0.65, para duplicatas de bifes de um mesmo animal (WHEELER et al., 1994), sugerindo a adoção de procedimentos de cocção, muitos dos quais específicos a cada instituição, que resultem em valores da força de corte Warner Bratzler com elevada repetibilidade.

Além da metodologia de cocção padrão, o USDA-Agricultural Research Service e U.S. Meat Animal Research Center formulou um protocolo o qual especifica condições de uso da célula Warner Bratzler, assim dos procedimentos de análise para a avaliação da maciez da carne.

4- MATERIAL E MÉTODOS

4.1- Animais

Fêmeas adultas Nelore foram abatidas na planta do frigorífico Independência, de forma

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

humanitária. As carcaças obtidas foram estimuladas eletricamente e levadas à câmara fria, a temperatura de 0°C, por 24 horas.

Após esse período, foram obtidas seis peças do Longissimus dorsi (contrafilé de costela), os quais foram acondicionadas em embalagens a vácuo e levadas à maturação. Posteriormente, foram congeladas e transportadas a uma temperatura de 0 °C.

As peças fornecidas ao Centro de Tecnologia da Carne, do Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL), foram mantidas em câmara fria até o início do experimento. O descongelamento se deu em geladeira (temperatura de 5°C), por 24 horas. Todas as peças foram mantidas nessas condições até a obtenção dos bifes.

4.2- Obtenção dos bifes

De acordo com o protocolo padrão USDA-Agricultural Research Service e U.S. Meat Animal Research Center, os bifes do contrafilé de costela foram cortados para apresentarem 2,54 cm de espessura. Das 6 peças de contrafilé, 3 foram identificadas para serem cozidas a 71° C e as demais, a 74°C. De cada peça foram obtidos 10 bifes em média. Desses bifes, i) metade foi identificada para a análise de força de cisalhamento em lâmina fina (1,016 cm) e ii) a outra metade, identificada para análise em lâmina grossa (3,05 cm).

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin ... http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm humanitária. As carcaças

Foto 1. Obtenção dos bifes com 2,54 cm de espessura.

Cada bife foi separado dos demais e pesado em balança semi-analítica (fabricante Santorius, modelo BP 4100, série 61203103), com incerteza de 0,1 gramas. A balança foi previamente tarada. Todos os pesos foram coletados e anotados, para os cálculos posteriores de perdas por cocção.

4.3- Método de cocção

Os bifes obtidos foram levados à chapa de aquecimento elétrico (fabricante Sirman, modelo PDL Snack, TC 065), pré-aquecida a 150°C. A temperatura interna dos bifes foi monitorada com o auxílio de termopares de cobre constantan, inseridos no centro geométrico de cada um deles. As temperaturas foram registradas pelo equipamento Remote Squirrel meter/logger.

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin ... http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm Foto 2. Termopar

Foto 2. Termopar utilizado para monitoramento da temperatura interna dos bifes.

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin ... http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm Foto 2. Termopar

Foto 3., Bife com termopar inserido no centro geométrico.

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin ... http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm Foto 2. Termopar

Foto 4. Bife na chapa pré aquecida a 150°C.

Os bifes, virados ao atingir temperatura interna de 40°C, foram mantidos sob cocção até a temperatura de 71°C ou 74°C, dependendo do tratamento. Após o cozimento, tiveram a temperatura superficial monitorada por termo sensor infravermelho. Atingida a temperatura superficial de 40°C, foram novamente pesados, para a determinação das perdas por cocção.

4.4- Determinação das perdas por cocção

As perdas por cocção foram calculadas pelo simples cálculo:

Perdas (g) = Peso inicial (g) – Peso final

Sendo que:

  • - peso inicial: peso do bife antes da cocção.

  • - peso final: peso do bife após a cocção (temperatura superficial de 40° C)

4.5- Obtenção das amostras (cilindros)

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

Após a determinação das perdas por cocção, os bifes foram acondicionados em embalagens plásticas, levados à geladeira e mantidos a 4°C, por 24 horas, para a obtenção dos cilindros de ½ polegada de diâmetro.

Os cilindros foram removidos de cada bife, paralelamente à orientação longitudinal das fibras musculares, conforme o protocolo Warner Bratzler. O equipamento utilizado foi o Amostrador de Carne (modelo Double Insulated, fabricante Craftsman/Somar, TC 226).

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin ... http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm Após a determinação

Foto 5. Amostrador de Carne

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin ... http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm Após a determinação

Foto 6. Cilindros com 1,27 cm (1/2 polegada), de acordo com protocolo Warner Bratzler

Foram utilizados somente cilindros uniformes em diâmetro. Amostrados contendo tecido conjuntivo foram descartados. Os cilindros foram acondicionados em plásticos, identificados e levados à geladeira (temperatura de 5° C), até que fosse determinada a força de cisalhamento.

4.6- Força de cisalhamento Warner Bratzler

O texturômetro utilizado, modelo TA-XT 2i, foi previamente calibrado. Os cilindros (amostras) só foram retirados da geladeira no momento das determinações no texturômetro. Metade dos cilindros de cada saco plástico foi cortada com a lâmina fina (1,016 cm) e a outra, com a lâmina grossa (3,05 cm).

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin ... http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm Foto 7. À

Foto 7. À esquerda, lâmina de corte com 1,016 cm de espessura. À direita, lâmina com 3,05 cm de espessura.

Seguindo o protocolo Warner Bratzler, os cilindros foram cortados pela lâmina em seu centro geométrico, na direção das fibras musculares. Os valores de força de cisalhamento (kg) corresponderam à força máxima necessária para cortar a amostras.

4.7- Análise estatística

A diferença entre as médias dos tratamentos foi analisada pelo teste de Tukey (Steel e Torrie, 1980). ANOVA foi utilizado para avaliar o efeito do tratamento sobre a força de cisalhamento, pelo procedimento Univariate do software SAS (SAS, 1988).

5- RESULTADOS E DISCUSSÃO

Na tabela 1, estão os dados sobre o efeito da temperatura sobre as perdas por cocção e força de cisalhamento Warner Bratzler. A perda por cocção foi maior para as amostras tratadas a 74°C. O mesmo ocorreu com relação à força de cisalhamento: quanto maior a temperatura de cocção, maior a força máxima para o corte das amostras.

Esses resultados concordam com MARTENS et al. (1982), BOUTON e HARRYS, (1972), BAILEY (1985), VISSER et al. (1960) e LAWRIE (1966). Sucintamente, esses pesquisadores concluíram que temperaturas de cocção entre 60-70°C beneficiam a solubilização do colágeno - sem causar a coagulação protéica – favorecendo dessa força a maciez da carne. Temperaturas fora dessa faixa aumentam a força necessária para o corte.

Tabela 1. Média entre tratamentos, com relação à temperatura de cocção.

Parâmetros

70°C

n

74°C

n

Peso inicial (g)

194,0 ± 37

 
  • 35 210,5 ± 28

31

Peso final (g)

160,3 ± 32

 
  • 35 165,4 ± 27

31

Perdas por cocção (g)

33,7 ± 12,2 a

 

45,1 ± 13,5 b

  • 35 31

 

Perdas percentuais (%)

17,4 ± 5,2

 
  • 35 21,5 ± 6,1

31

Força de cisalhamento (kg)

5,6 ± 0,9 c

 
  • 28 6,3 ± 0,7 d

26

a, b, c, d Letras diferentes na mesma linha indicam diferença significativa entre as médias

0.05).

(p <

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin ... http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm A tabela 2

A tabela 2 mostra a média entre os tratamentos, de acordo com a espessura da lâmina de corte. Os resultados mostram que não houve diferença entre os tratamentos. Assim, a espessura das lâminas de corte (1,016 cm e 3,05 cm) não influenciou a força máxima de cisalhamento das amostras.

Tabela 2. Efeito da espessura da lâmina de corte na força de cisalhamento Warner Bratzler.

   

n

Lâmina

n

Parâmetros

 

Lâmina fina

Grossa

Força

de

cisalhamento

5,8 ± 0,9

30

6,4 ± 1,0

26

(kg)

(P > 0,05).

 
Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin ... http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm A tabela 2

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin ... http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm 6- CONCLUSÕES A

6- CONCLUSÕES

A temperatura de cocção mostrou-se fator

influente na determinação da

força de

cisalhamento das amostras do Longissimus dorsi. A espessura da lâmina de corte não apresentou efeito sobre esse parâmetro.

7- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALCALDE, M.J.; NEGUERUELA A.I. The influence of final conditions on meat colour in light lamb carcasses. In: Meat Science, v. 57, n. 2, pp. 117-123(7), 2001.

AMBIENTE

BRASIL.

Artigo

sobre

Mal

da

vaca

louca.

Disponível

em

http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./agropecuario/index.html&conteudo=.

/agropecuario/doencas/vacalouca.html . Acesso em 12/2006.

APPLE, J. K.; RAKES, L. K.; WATSON, H. B. Cooking and shearing methodology effects on Warner- Bratzler shear force values of pork. Journal of Muscles Foods, Trumbull, v. 10, p. 269-277, 1999

BAILEY, A.J. The basis of meat texture. Journal of Science of Food and Agriculture, Chichester, v.23, p.995-1107, 1972.

BAILEY, A.J. The role of collagen in the development of muscle and relationship to eating quality. J. Anim. Sci., Savoy, v. 60, n. 6, p. 1580-1587, 1985.

BAILEY,

G.

D.,

B.

A. VANSELOW, et

al.

(2003). "A

study

of

the

food borne pathogens:

Campylobacter, Listeria and Yersinia, in faeces from slaughter-age cattle and sheep in Australia."

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

Commun Dis Intell 27(2): 249-57

BANKUTI, F.I. O SAG da carne bovina e o sub sistema das carnes especiais. In: Trabalho de conclusão do curso de graduação em zootecnia –USP/FZEA, Pirassununga, 1999.

BEEF POINT. USDA: previsões para o mercado mundial de carne bovina. Disponível em http://www.beefpoint.com.br/. Acesso em 04/2007.

BOAKYE, K; MITTAL, G.S. Changes in pH and water holding propoerties of Longissimus dorsi muscle during beef ageing. Meat Sci.,34: 335-349, 1993.

BOLEMAN, S.J.; BOLEMAN, S.L.; MILLER, R. K.; TAYLOR, J.F.; CROSS, H.R.; WHEELER, T.L.; KOOHMARAIE, M.; SHACKELFORD, S.D.; MILLER, M.F.; WEST, R.L.; JOHNSON, D.D.; SAVELL, J.W. Consumer evaluation of beef of know categories of tenderness. Journal of Animal Science, v.75, p.1521-1524, 1997.

BOUTON, P. E.; HARRIS, P. V. A comparison of some objective methods used to assess meat tenderness. J. Food Sci. 37: 218-221, 1972.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC). Disponível em http://www.desenvolvimento.gov.br. Acesso em 04/2007.

CIA, G.; CORTE, O. O. A influência da velocidade de resfriamento na maciez da carne bovina. In:

SEMINÁRIO NACIONAL DE ARMAZENAMENTO, 3., 1978, Curitiba. Proceedings. Curitiba, 1978.

CROSS, H.R. et. al. Effects of intramuscular collagen and elastin on bovine muscle tenderness. J. Food Sci., Chicago, v. 38, p. 998-1003, 1973.

CULLER, R.D.; PARRISH JUNIOR, F.C.; SMITH, G.C.; CROSS, H.R. Relationship of myifibril fragmentation index to certain chemical, physical and sensory characteristics of bovine longissimus muscle. Journal of Food Science, Champaign, v. 43, p. 1177-1180, 1978.

CULIOLI, J. Meat tenderness: Mechanical assessment. In: A.Ouali, D. I. DeMeyer, and F.J.M. Smulders (Ed.) Expression of Tissue Proteinases and Regulation of Protein Degradation as Related to Meat Quality. pp 239-263. ECCEAMST, Utrecht, The Netherlands, 1995.

DRANSFIELD, E., ETHERINGTON, D. J., TAYLOR, A. J. Modelling post mortem tenderization - II:

enzyme changes during storage of electrically stimulated and non-stimulated beef. Meat Science, v. 31, n. 1, p. 75-84, 1992.

DRANSFIELD, E. Optimization of tenderization, ageing and tenderness. Meat Science , Barking, v. 36, p. 105-121, 1994.

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

DUANCE, V.C.; RESTALL D.J.; BEARD, H.; BOURNE, F.J.; BAILEY, A.J. The location of three collagen types in skeletal muscle. FEBS Lett 79: 248-252, 1977.

ETHERINGTON, D. J. Collagen and Meat Quality: Effects of conditioning and growth rate. In:

PEARSON ,A. M., DUTSON, T. R., BAILEY , A. J. (ed.) Advances in Meat Research. Vol. 4. pp, 352-361. AVI, New York, 1987.

EUROPEAN COMMISSION. Prospects for Agricultural Markets and Income 2004 - 2011. Brussels, 2004.

FAPRI. World Agricultural Outlook. Iowa State University - University of Missouri-Columbia,

2004.

FAPRI- Food and Agricultural Policy Research Institute. World Agricultural Outlook. Iowa State University - University of Missouri-Columbia, 2005.

FELÍCIO, P.E. de In: I Congresso Brasileiro das Raças Zebuínas. de Criadores de Zebu. p.63-71, Uberaba-MG, 1994

Anais...Associação

Brasileira

FELÍCIO, P.E. Pesquisa sobre preferências dos gerentes quanto ao padrão da carne bovina para desossa. In: Seminário manah: “nelore para carne”, 5. Fazenda Mundo Novo, Brotas, p. Anais. 1995.

FELÍCIO, P. E. Produção e qualidade de carne bovina. Revista Nacional da Carne, n. 232, p. 52 - 59, 1996.

FELÍCIO, P.E. de. In: Simpósio sobre Produção Intensiva de Gado de Corte, 1998, Campinas. Anais. São Paulo: Colégio Brasileiro de Nutrição Animal (CBNA), 1998, p.92-99, 1998.

GOLL, D.E.; HOEKSTRA, W.G.; BRAY, R.W. Age associated changes in bovine muscle connective tissue. I. Rate of hydrolysis by collagenase. Journal of Food Science, v.29, p. 608-614, 1964.

HERRING, H. K., CASSENS, R.G., BRISKEY, E.J. Factors Affeting Collagen Solubility in Bovine Muscles. Journal of Food Science, v. 32, p.534-538, 1967.

HILL, F. Solubility of intramuscular 31:161. 1966.

collagen

in

meat

animals of various ages. J.

of Food

Sci.

HOSTETLER, R.L.; LINK, B.A.; LANDMANN, W.A.; FITZHUGH JR., H.A. Effect of carcass suspension on sarcomere length and shear force of some major bovine muscles. Journal of Food Science, v.37, p.132-135, 1972.

HUFF, E.J.; PARRISH JR., F.C. Bovine longissimus muscle tenderness as affected by postmortem

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

aging time, animal age and sex. J. Food Sci., v. 58, n. 4, p. 713-716, 1993.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Efetivo do rebanho bovino do Brasil. Disponível em www.sidra.ibge.gov.br/bda/pecua/default.asp? Acesso em 04/2007.

IGC - International Grains Council. Grain Market Report N. 345. 26th May 2005 OECD, 2005. The OECD Agricultural Outlook, 2005-2014. Paris.

JONSSON, M.E. et al. "Persistence of Verocytotoxin-Producing Escherichia Coli 0157:H7 in Calves Kept on Pasture and in Calves Kept Indoors" Int. J Food Microbiol 66, 1-2 (2001): 55-61.

KLONT, R.E., EIKELENBROOM G., BROCKS, L. Muscle fiber type and meat quality. In: Proceedings of the 44 th International Congress of Meat Science and Technology. Barcelona 2004, p. 98-105, 1998.

KOCH, R.M.; CROUSE, J.D.; DIKEMAN, M.E.; CUNDIFF, L.V.; GREGORY, K.E. Effect of marbling on variation and change in beef tenderness in Bos taurus and Bos indicus crosses. Beef Research Progress Report, v.71, p.63-68, 1993.

KOOHMARAIE, M.; WHIPPLE, G.; CROUSE, J.D. Acceleration of postmortem tenderization in lamb and Brahman-cross beef carcasses through infusion of calcium chloride. Journal Animal Science, v. 68, n.5, p.1278-1283, 1990.

KOOHMARAIE, M.; WHEELER, T.L.; SHACKELFORD, S.D. Beef tenderness: regulation and prediction. Disponível em: <http:// meats.marc.usda.gov/mru_tendrev/tendrev.htm Acesso em

07/2006.

KRAMER, A. Food texture-definition, measurement and relationto other food quality attributes. Ch. 1 In: Texture Measurements of Food A. Kramer and A.S. Szczesniak (ed.) p. 1-9, D. Reidel Publishing Co., Dordrecht, Holland, 1973.

LAWRIE, R.A. Meat Science. Ed. Pergamon Press Ltd. Oxford. England, 1966.

LEPETIT, J.; CULIOLI, J. Mechanical properties of meat. Meat Sci. 36, 203-237, 1994.

LUCHIARI FILHO, A. Produção de carne bovina no Brasil: qualidade, quantidade ou ambas? In: II SIMBOI - Simpósio sobre Desafios e Novas Tecnologias na Bovinocultura de Corte, 29 a

30.04.2006, Brasília.

Disponível

em http://www.upis.br/simboi/anais/Produ

%E7%E3o%20de%20Carne%20Bovina%20no%20Brasil%20-%20Albino%20Luchiari%20Filho.pdf.

Acesso em 07/2006.

LYON, C.E.; LYON, B.G. The relationship of objective shear values and sensory tests to change in tenderness of broiler breast meat. Poult Sci, 69: 1420-7, 1990.

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

LYON, B.G.; LYON, C.E Assessment of three devices used in shear tests of cooked breast meat. Poult Sci, 77:1585-90, 1998.

MACHLIK, S.M; DRAUDT, H.N. The effect of heating time and temperature on the shear of beef Semitendinosus muscle”, J.Food Sci., 28, 711, 1963.

MARSH, B.B.; LEET, N.G. Studies in meat tenderness. III. The effects of cold shortening on tenderness, J. Food Sci. 31, 450-458, 1966.

MARTENS, H.; STABURVIK, E.; MARTENS, M. Texture and colour changes in meat during cooking related to thermal denaturation of muscle proteins. J. Text. Stud. 13, 291-309, 1982.

MILLER, R.K. Avaliação Instrumental da Qualidade da Carne. 1º Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Carnes. In: Carne: Qualidade e Segurança para os consumidores do Novo Milênio, p.26, 2001.

MONIN, G.; OUALI, A. Muscle differentiation and meat quality. In: Developments in Meat Science, vol. 5, R.A. Lawrie, Ed., Elsevier Applied Science, London, p. 253, 1991.

MORGAN, J.B.; MILLER, R.K.; MENDEZ, F.M.; HALE, D.S.; SAVELL, J.W. Using calcium chloride injection to improve tenderness of beef from mature cows. Journal Animal Science, v.69, n.11, p.4469-4476, 1991.

O’CONNOR, S.F. et al. Genetic effects on beef tenderness in Bos indicus composite and Bos taurus cattle. Journal of Animal Science, v. 75, p. 1822 -1830, 1997.

OECD- Organisation for Economic Co-operation and Development. The OECD Agricultural Outlook, 2004-2013. Paris, 2004.

PALMER, H.H; KLOSE, A.A; SMITH, S.; CAMPBELL, A.A. Evaluation of thougness differences in chickens in terms of consumer reaction. Food Technol, 18:898-902, 1965.

PAUL, P.C. et. al. Heat – induced changes in extractibility of beef muscle collagen. Journal Food Sience, v. 38, p. 66 – 68, 1973.

PAYNE, S. R.; DURHAM, S. M.; SCOTT, S. M.; PENNEY, N.; BELL, R.G.;DEVINE, C.F. The effects of rigor temperature, electrical stimulation, storage duration and packaging systems on drip loss in beef. In: INTERNATIONAL CONGRESS OF MEAT SCIENCE

RUSSELL, J. B., F. DIEZ-GONZALEZ,

G.

N. JARVIS.

"Potential

Effect

of Cattle

Diets on

the

Transmission of Pathogenic Escherichia Coli to Humans" In: Microbes Infect 2, no. 1 (2000): 45-53.

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

TECHNOLOGY, 43, Ockland, 1997. Proceedings. Ockland: New Zealand Pastoral Agriculture Reserch Institute, p. 784, 1997.

PEIXOTO, A.M.; MOURA, J.C. de; FARIA, V.P. Produção do Novilho de Corte. FEALQ-USP, Piracicaba SP, p.79-97, 1997.

PENFIELD, M.P.; MEYER, B.H. Changes in tenderness and collagen of beef semitendinosus muscle heated at two rates. J. Food Sci., Tennessee, v. 40, p. 150-154, 1975.

PRADO, C.S. Influência do método de resfriamento de carcaças bovinas nas variações de peso e nas medidas físico-químicas, sensoriais e microbiológicas do contrafilé (m. Longissimus dorsi). Tese de doutorado.

POWELL, T.H. et al. Enzymatic assay to determine collagen thermal denaturation and solubilization. Meat Sci., Barking, v. 54, p. 307-311, 2000.

QUARRIER, E.; CARPENTER Z. L.; SMITH, G. C. A physical method to increase tenderness in lamb carcasses. J. Food Sci. 37:130–131, 1972.

RENAND, G. et al. Relationship between muscle characteristics and meat quality traits of young Charolais bulls. Meat Sci., Jouy-en-Josas Cedex, France, v. 59, p. 49-60, 2001.

RÜBENSAM, J. M., FELÍCIO, P. E., TERMIGNONI, C. Influência do genótipo Bos indicus na atividade de calpastatina e na textura da carne de novilhos abatidos no Sul do Brasil. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.18, n.4, p.405-409, 1998

SAVELL, J.W. et al. National consumer retail beef study: palatability evaluations of beef loin steaks that differed in marbling. J. Food Sci., v.52, n.3, p.517-519, 1987

SHACKELFORD, S.D. et al. An evaluation of tenderness of the longissimus muscle of Angus by Hereford versus Brahman crossbred heifers. Journal of Animal Science, v. 69, p. 171 - 177, 1991

SHACKELFORD, S.D.; KOOHMARAIE, M.; CUNDIFF, L.V. Heritabilities and phenotypic and genetic correlations for bovine post rigor calpastatin activity, intramuscular fat content, Warner- Brastzler shear force, retail product yield, and growth rate. Journal of Animal Science, v. 72, n. 4, p. 857- 863, 1994

SHACKELFORD, S.D.; WHEELER, T.L; KOOHMARAIE, M. Evaluation of sampling cookery, and shear force protocols for objective evaluation of lamb longissimus tenderness. J. Anim. Sci. 82:802-807, 2004.

SHORTHOSE, W.R.; POWELL, V.H.; HARRIS, P.V. Influence of electrical stimulation, cooling rates

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

and aging on shear force values of chilled lambs. J. Food Sci. 51, 889-892, 1986.

SMITH, G. C.; CULP, G. R.; CARPENTER, Z. L. Post mortem aging of beef carcasses. Journal Food Science, v.43, n.3, p. 823-826, 1978.

SMITH, D. P.; FLETCHER, D. L. Chicken breast muscle fiber type and diameter as influenced by age and intramuscular location. Poult. Sci. 67:908-913, 1988.

SMULDERS, F.J.M., EIKELENBOOM, G., LAMBOOY, E., et al. Electrical stimulation during exsanguination, effects on the prevalence of blood splash and sensory quality characteristics in veal. Meat Science, Oxon, v. 26, n. 2, p. 89-99, 1989.

SOLOMON, M.B.; LYNCH, G.P.; BERRY, B.W. Influence of animal

diet and carcass electrical

stimulation on the quality of meat from youthful ram lambs. Journal of Animal Science, v.62,

p.139-146, 1986.

SOUZA, N.D.; WARNER, F. R.; DUNSHEA, R.F.; LEURY, B.J. Effect of on- farm and pre-slaughter handling of pigs on meat quality. Australian Journal Agricultural Research, Collingwood, n.49, p.1021-25, 1998

SZCZESNIAK, A. S.; K. W. TORGESON. Methods of meat texture measurement viewed from the background of factors affecting tenderness. Adv. Food Res. 14:33-165, 1965.

TORRESCANO, G. et al. Shear values of raw samples of 14 bovine muscles and their relation to muscle collagen characteristics. Meat Sci., Barking, v. 64, p. 85-91, 2003.

USDA- Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. Agricultural Baseline Projections to 2014. Washington D.C., 2005.

VELARDE, A.; GISPERT, M.; FAUCITANO, L.; MANTECA, X.; DIESTRE, A. The efect of stunning method on the incidence of PSE meat and haemorrhages in pork carcasses. Meat Science, Barking, v.55, p.309-314, 2000.

VESTERGAARD, M.; HERKILDSEN, T.; HENCKEL , M.; JENSEN, P.; ANDERSEN, L.R; SEJRSEN, H.R. K. Influence of feeding intensity, grazing and finishing feeding on meat and eating quality of young bulls and the relationship between muscle fibre characteristics, fibre fragmentation and meat tenderness. Meat Sci. 54:187-195, 2000.

VISSER, R.Y.; HARRISON, D.; GOERTZ, G.; BUNYAN, M.; SKELTON, M.M.; MACKINTOSH, D.L. The effect of degree of doneness on the tenderness and juiciness of beef cooked in the oven and in deep fat. Food Technol. 14:193, 1960.

WARRIS, P.D. Animal welfare. In: Meat Science. An Introductory Text. CABI Publishing: London. P 209-228, 2000.

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

WHEELER, T.L.; SAVELL, J.W.; CROOS, H.R. Mechanisms associated with the variation in tenderness of meat from Brahman and Hereford cattle. Journal of Animal Science,v.68, n. 12, p. 4206-4220, 1990

WHEELER, T. L., KOOHMARAIE, M.; CUNDIFF, L. V.; DIKEMAMAN, M. E. Effects of cooking and shearing methodology on variation in Warner-Bratzler shear force values in beef. J. Anim. Sci. 72:2325-2330, 1994.

WHEELER, T. L.; KOOHMARAIE, M.; LANSDELL, J.L.; SIRAGUSA,G.R.; MILLER, M.F. Effects of postmortem injection time, injection level, and concentration of calcium chloride on beef quality traits. Journal of Animal Science, vol.71, n.11, p.2965-2974. 1993.

WHEELER, T.L.; KOOHMARAIE, M.; SHACKELFORD, S.D. Standardized Warner-Bratzler shear force procedures for meat tenderness measurement. Clay Center: Roman L. Hruska U. S. MARC. USDA, 1995. 7p.

WHIPPLE, G. et al. Evaluation of attributes that affect longissimus muscle tenderness in Bos taurus and Bos indicus cattle. Journal of Animal Science, v. 68, p. 2716 - 2728, 1990.

SUMÁRIO

O referido trabalho teve por objetivo avaliar as diferenças nos valores da força de cisalhamento do Longissimus dorsi em função da temperatura de cocção (71° e 74°C) e do emprego de lâminas de corte de diferentes espessuras (1,016 e 3,05 mm) e, a partir destas análises, determinar uma equação de regressão que correlacione os efeitos de temperatura e do instrumento empregado para a mensuração da força de cisalhamento. Todas as avaliações, inclusive as de perdas por cocção, foram procedidas de acordo com protocolo padrão USDA-Agricultural Research Service e U.S. Meat Animal Research Center. Os cortes do Longissimus dorsi, do frigorífico Independência Alimentos, foram obtidos de animais de igual idade, sexo e composição racial, minimizando assim os efeitos animais. A maciez foi determinada instrumentalmente em texturômetro TAXT 2i equipado com célula de Warner Bratzler, sendo expressa

em força máxima de cisalhamento, em kilogramas, a uma velocidade de corte igual a 200 mm/min. Os resultados obtidos demonstraram que a força de cisalhamento foi maior para as amostras cuja temperatura de cocção foi igual a 74°C. Os bifes cozidos a esta temperatura tiveram maiores perdas por cocção que os bifes cozidos a 71°C. Não houve diferença significativa na força de cisalhamento para as amostras cortadas com as lâminas com 1,016 cm e 3,05 cm de espessura.

Palavras chaves: qualidade da carne bovina, maciez, metodologia, Warner Bratzler.

ABSTRACT

This work had an objective to evaluate differences Warner Bratzler shear force

Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmin

...

http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm

 

values on the Longissimus dorsi due to cooking time (70° and 74°C) and using different shearing blades thickness (1,016 and 3,05 mm) and according these analyses, to determine a math model which correlates the temperature and instrumental effects over shearing force measure. All evaluates, including cooking losses, were conducted to according USDA-Agricultural Research Service and U.S. Meat Animal Research Center standardized protocol. Strip loins from Independence cold storage plant were obtained of animals the same age, sex and breed composition, decreasing the animal effects. Tenderness was determined instrumentally in TAXT 2i texturemeter equipped with Warner

 

Bratzler cell, being showed in highest shear force, in kilograms, at shearing speed of 200 mm/min. The results demonstrated which Warner Bratzler shear force was higher in samples whose cooking temperature was 74°C. Cooked beef in this temperature had higher cooking loss than cooked beef at 71°C. There wasn’t significant difference in shear force to samples according shearing blades with 1,016 cm e 3,05 cm thickness.

Key words: beef quality, tenderness, methodology, Warner Bratzler.

Priscila da Silva Souza é Técnica em Bioquímica pela Escola Técnica Estadual “Conselheiro

 

Antônio Prado” - ETECAP (2002). Possui Paulo/USP (2007). Contato: prisisouza@gmail.com

graduação em Zootecnia, pela Universidade de São

Reprodução autorizada desde que citado o autor e a fonte

 

Dados para citação bibliográfica(ABNT):

 

SOUZA, P.S. Comparação dos efeitos da temperatura de cocção e espessura da lâmina de corte na força máxima de cisalhamento Warner Bratzler, no Longissimus dorsi e, determinação de um modelo matemático que correlacione estes parâmetros com a força máxima de cisalhamento. 2008. Artigo em Hypertexto. Disponível em: <http://www.infobibos.com /Artigos/2008_1/Cisalhamento/index.htm>. Acesso em: 4/1/2011

 
 

Publicado no Infobibos em 20/01/2008

 
Envie para um amigo

imprimir

Envie para um amigo

Envie para um amigo

 

Veja Também ...

 
values on the Longissimus dorsi due to cooking time (70° and 74°C) and using different shearing