Você está na página 1de 19

1

Universidade de Brasília
FACE – Faculdade de Economia, Contabilidade, Administração e Ciências da Informação
ADM – Departamento de Administração

EIXO TEMÁTICO: ESTUDOS ORGANIZACIONAIS E GESTÃO DE PESSOAS


Referências Indicadas para Consulta

Gestão de Pessoas

DESSLER, G. Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Prentice Hall,


2003.
DUTRA, J. S. (org). Gestão por Competências: um modelo avançado para o
gerenciamento de pessoas. 5. ed. São Paulo: Editora Gente, 2001.
LEGGE, K. Human resource management: rhetorics and realities. London:
Macmillan, 1995.
MASCARENHAS, A. O. Gestão estratégica de pessoas. São Paulo: Cengage
Learning, 2008.
SIQUEIRA, M. M. M. et al. (Org.). Medidas do comportamento
organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre:
Artmed, p. 49-95, p. 265-275, 2008.
ULRICH, D. Os campeões de recursos humanos. São Paulo: Futura, 2001.

Cultura Organizacional

Cooper, C. R. & Denner, J. (1998) Theories linking culture and psychology:


Universal and community – specific processes. Annual Review of Psychology,
49, 139-151.
Dobni, D., Ritchie, J.R. B. & Zerbe, W. (2000). Organizational values: the inside
view of service productivity. Journal of Business Research, 47, 91-107.
Dupuis, J-P.(1996). Antropologia, cultura e organização: proposta de um
modelo construtivista. Em: J-F Chanlat. O indivíduo na organização.
Dimensões esquecidas. V. III. São Paulo: Atlas
Gertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora
Guanabara.
2

Goodman, E., Zammuto, R. e Gilford, B. D. (2001). The competing values


framework: understanding the impact of organizational culture on quality of
work life. Organization Development Journal, 19 (3), 58-70.
Goodman, E., Zammuto, R. e Gilford, B. D. (2001). The competing values
framework: understanding the impact of organizational culture on quality of
work life. Organization Development Journal, 19 (3), 58-70.
Harrison, J. R., & Carroll, G. R. (1991) Keeping the faith: A model of cultural
transmission in formal organizations, Administrative Science Quarterly, 36, 552-
582.
Hendry, J. (1999). Cultural theory and contemporary management
organization. Human Relations, 52 (5), 557-578.
Hinnings, C.R.; Thibault, L.; Slack, T. & Kikukis, L.M. (1996). Values and
Organizational Structure. Human Relations, vol. 49 (7), 885-905.
Hofstede, G. (2003). Cultura e organizações - compreender a nossa
programação mental (1ª ed.). Lisboa: Edições Sílabo, Ltda.
LAGAN-FOX, J. & TAN, P. (1997). Images of a culture in transition: Personal
constructs of organizational stability and change. Journal of Occupational and
Organizational Psychology. Vol 70(3), 273-293.
McCLENNEN, J.C.; INGERSOLL, D. M. (1997). Cultural change through quality
process management. College Student Journal, 31(1), 51-68.
Motta, F. P. (1997). Cultura e organizações no Brasil. Em: Motta, F. P. Caldas,
M. Cultura organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo: Editora Atlas, cap. 1,
25-37.
Oliveira, A. F. (1997). Valores e Ritos Organizacionais como antecedentes do
Vínculo Afetivo do Indivíduo com a Organização. Dissertação de Mestrado,
Universidade de Brasília, D.F.
Oliveira, A. F. (2004). Confiança do empregado na organização: impacto dos
valores pessoais, organizacionais e da justiça organizacional. Tese de
Doutorado, Universidade de Brasília. Cap. 5.
Paz, M. G. T. e Tamayo, A. Perfil Cultural das Organizações. Em Tamayo e
cols. Cultura e Saúde nas Organizações. Porto Alegre: Artmed, Cap. 1,19-38.
Schein, E. (2004). Corporate culture and leadership. 3 edição, San Francisco:
John Wiley Profession Inc. Publishers.
Schein, E. H. (1996). Cultura Corporativa. São Paulo: Editora Atlas.
Schein, E. H. Culture: The missing concept in organization studies.
Administrative Science Quarterly. 41(2), 229-241.
3

SILVESTER, J.; ANDERSON, N. & PATTERSON, F. (1999). Organizational


culture change: An inter-group attributional analysis. Journal of Occupational
and Organizational Psychology, 72 (1), 1-23.
Strati, A. (1998). (Mis) understanding cognition in organization studies.
Scandinavian Management Journal, 14 (4), 309-329.
Tamayo, A. (1998). Valores organizacionais: sua relação com satisfação no
trabalho, cidadania organizacional e comprometimento afetivo. Revista de
Administração, 33, 56-63.
Tamayo, A. (2004). Cultura e saúde nas organizações. Porto Alegre: Artmed.
Tamayo, A. e Borges, L. (2001). Valores del trabalho e Valores de las
Organizaciones. Em M. Ros e V. V. Gouveia (Eds.). Psicologia Social de los
Valores Humanos: Desarrolos Teóricos, Metodológicos y Aplicados. Madri:
Biblioteca Nueva.
Tamayo, A.(1999). Valores e Clima Organizacionais. Em: Paz, M.G.T. &
Tamayo, A . Escola, Saúde e Trabalho: Estudos psicológicos. Brasília, Editora
UnB.
Tamayo, A., & Porto, J. B. (2005). Valores e Comportamento nas
Organizações. Rio de Janeiro: Vozes.
Trice, H. M. & Beyer, J. M. (1993). The cultures of work organizations. New
Jersey: Prentice Hall Inc.
Weick, K. Karlene, H. (1993). Collective mind in organizations: Heedful
interrelating on flights decks. Administrative Science Quarterly, 38, 357-593.

Mudança Organizacional

Allmendinger, J., & Hackman, J. R. (1996). Organizations in changing


environment: The case of East German symphony orchestras. Administrative
Science Quarterly, 41, (3), 337-369.
Amis, J., Slack, T., & Hinings, C. R. (2002). Values and organizational change.
The Journal of Applied Behavior Science, 38, (4), 436-465.
Armenakis, A. A., & Bedeian, A. G. (1999). Organizational change: A review of
theory and research. Journal of Management, 25, (3), 293-315.
Arndt, M., & Bigelow, B. (2000). Presenting structural innovation in an
institutional environment: hospitals’ use of impression management.
Administrative Science Quarterly, 45, 494-522.
4

Barnett, W. P., & Carroll, G. R. (1995). Modeling internal organizational change.


Annual Review of Sociology, 21, 217-236.
Brito, M. J. M., Melo, M. L., Monteiro, P. R., & Costa, J. O. (2004). Interfaces
das mudanças hospitalares na ótica da enfermeira gerente. Revista de
Administração de Empresas, 44.
Bruch, H., Gerber, P., & Maier V. (2005). Strategic change decisions: Doing the
right change right. Journal of Change Management, 5, (1), 97-107.
Burke, W., & Litwin, G. (1992). A causal model of organizational performance
and change. Journal of Management, 18, 523-545.
Castellanio, M. R., & Zwicker, R. (2000). Informatizando a comunicação na
universidade: Uma análise cultural. Revista de Administração da Universidade
de São Paulo, 35, (2).
Coelho Jr, F. A. (2002). Gestão estratégica: Um estudo de caso de percepção
de mudança de cultura organizacional. Psico-USF, 8, (1), 81-89.
Coyle-Shapiro, J. A-M. (2002). Changing employee attitudes: The independent
effects of TQM and profit sharing on continuous improvement orientation. The
Journal of Applied Behavioral Science, 38, (1), 57-77.
Cunningham, G. B. (2006). The relationships among commitment to change,
coping with change and turnover intentions. European Journal of Work and
Organizational Psychology, 15, (1), 29-45.
Cummings, T., & Worley, C. (1993). Diagnosing organizations, groups and jobs.
Em T. Cummings, & C. Worley (Eds.), Essentials of organization development
and change. Saint Paul: West Publishing.
D’Aunno, T., Sutton, R. I., & Price, R. H. (1991). Isomorphism and external
support in conflicting institutional environments: A study of drug abuse
treatment units. Academy of Management Journal, 34, 636-661.
Devos, G., Buelens, M., & Bouckenooghe, D. (2007). Contribution of content,
context and process to understanding openness to organizational change: Two
experimental simulation studies. The Journal of Social Psychology, 147, (6),
607-629.
Dias, D. S. (2000). Motivação e resistência ao uso da tecnologia da informação:
Um estudo entre gerentes. Revista de Administração Contemporânea, 4, (2),
51-66.
Feuersclütter, S. G. (1997). Cultura organizacional e dependências de poder: A
mudança estrutural em uma organização do ramo de informática. Revista de
Administração Contemporânea, 1, (2), 73-95.
5

Fischer, H. C. R., & Lima, S. M. V. (2005). Validação de instrumento para


diagnóstico de condições facilitadoras de mudança organizacional. Psicologia:
Organizações e Trabalho, 5, (1).
Glick, W. H., Huber, G. P., Miller, C. C., Doty, D. H., & Sutcliffe, K. M. (1990).
Studying changes in organizational design and effectiveness: retrospect event
histories and periodic assessments. Em G. P. Huber, & A. H. Van de Ven
(Eds.), Longitudinal field research methods: studying processes of
organizational change (126-154). London: Sage Publications.
Greve, H. R., & Taylor, A. (2000) Innovations as catalysts for organizational
change shifts in organizational cognition and search. Administrative Science
Quarterly, 45, 54-80.
Grisci, C. L. I. (2003). Dos corpos em rede às máquinas em rede:
Reestruturação do trabalho bancário e constituição do sujeito. Revista de
Administração Contemporânea, 7, (1).
Greenwood, R., & Hinings, C. R. (1993). Understanding strategic change: The
contribution of archetypes. Academy of Management Journal, 36, 1052-1081.
Greenwood, R., & Hinings, C. R. (1996). Understanding radical organizational
change:
Bringing together the old and the new institutionalism. Academy of
Management, 21, (4), 1022-1054.
Gutierrez, L. H. S. (1996). Recursos humanos em um contexto de
reestruturação. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 31,
(1).
Hannan, M. T., & Freeman, J. (1984). Structural inertia and organizational
change. American Sociological Review, 49, 149-164.
Haak, M. K. (2000). Programa de qualidade e a motivação para o trabalho: um
estudo exploratório no setor de serviços. Revista de Administração da
Universidade de São Paulo, 35, (3).
Ichikawa, E. Y. (2004) O Laboratório e o pomar: Um estudo qualitativo sobre a
relação pesquisa-produção. Revista de Administração Pública, 38, (5).
Isabella, L. A. (1990) Evolving interpretations as a change unfolds: How
managers construe key organizational events. Academy of Management
Journal, 33, (1), 7-41.
Júnior, M. W. DE L. (2005). Redes sociais informais intraorganizacionais e os
processos de mudanças organizacionais: Estudo em uma empresa de
6

tecnologia da informação. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da


Bahia.
Junquilho, G. S. (2004). Nem "burocrata" nem "novo-gerente": o "caboclo" e os
desafios do plano diretor de reforma do estado no Brasil do real. Revista de
Administração Pública, 38, (1).
Kline, R. B. (1998). Principles and practices of structural equation modeling.
New York: Guilford Press.
Lima Filho, D. O., Sproesser, R. L., & Hoffmann, C. H. (2005). Reforma
administrativa e resistências externas: Um estudo de caso. Revista de
Administração Pública, 39, (1).
Lima, M. C. R., & Queiroz, S. S. (2003). Organizações que mudam, vidas que
se transformam: a posição dos sujeitos diante de processos de reestruturação
organizacional na administração pública. Psicologia: Organizações e Trabalho,
3, (1).
Lima, S. M. V., & Bressan, C. L. (2003). Mudança organizacional: Uma
introdução. Em S. M. V. Lima, (Ed.) Mudança Organizacional. Teoria e Gestão
(pp. 17-63). Rio de Janeiro: Editora FGV.
Lima, S. M. V., & Machado, M. S. (1997). Avaliação Organizacional. Manuscrito
não publicado. EMBRAPA: Brasília.
Mintzberg, H., & Westley, F. (1992) Cycles of Organizational Change. Strategic
Management Journal, 13, 39-59.
Nadler, D. A., Shaw, R. B., & Walton, A. E. (1994). Discontinuous change:
leading organizational transformation. San Francisco: The Jossey-Bass
Management Series.
Nadler, D. A., & Tushman, M. L. (1992). Designing organizations that have
good fit: A framework for understanding new architectures. Em D. A. Nadler, M.
S. Gerstein, & R. B. Shaw (Eds.), Organizational architecture: Designs for
changing organizations. San Francisco: Jossey-Bass.
Narayan, A., Steele-Johnson, D., Delgado, K. M., & Cole, P. A. (2007)
Differential effects of pretraining influences on readiness to change. The
Journal of Psychology, 141, (1), 47-60.
Neiva, E. R. (1999). Estudo da influencia pessoal nas organizações:
Comparação entre a autopercepção e a percepção do outro no contexto do
poder organizacional. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília,
Brasília, DF.
7

Neiva, E. R. (2003). Metodologia para avaliação da mudança organizacional.


Em S. M. V. Lima, (Ed.) Mudança Organizacional. Teoria e Gestão. Rio de
Janeiro: Editora FGV.
Neiva, E. R. (2004). Percepção de mudança individual e organizacional: O
papel das atitudes e das características organizacionais. Tese de Doutorado,
Universidade de Brasília, Brasília, DF.
NEIVA, E. R. ; PAZ, M. G. T. Construção de Instrumento de Avaliação da
Mudança Organizacional. RPA Brasil (Maringá), Londrina, v. 2, p. 33-44, 2006.
Neiva, E. R., Ros, M., & Paz, M. G. T. (2005) Attitudes towards organizational
change: Validation of a scale. Psychology in Spain, 9, (1), 81-90.
Neiva, E. R. & Pantoja, M. J. (2006) Redes sociais e mudança numa
associação de produtores rurais. In: Congresso da Sociedade Brasileira de
Psicologia Organizacional e do Trabalho. Anais Congresso da Sociedade
Brasileira de Psicologia Organizacional e do Trabalho (v. 1. pp. 1-15), Brasília.
Neiva, E. R. & Paz, M.G.T. (2007). Percepção de Mudança Organizacional: um
Estudo em uma Organização Pública Brasileira, Revista de Administração
Contemporânea, 11 (1), 31-52.
Neiva, E. R. & Pantoja, M. J. (2008). Redes Sociais e Mudança em um Grupo
de Produtores Rurais do Planalto Central. Psicologia (Florianópolis), 8, 5-24.
Oliver, C. (1991) Strategic responses to institutional processes. The Academy
of Management Review, 16, (1), 145-179.
Oltramari, A. P., & Paccinini, V. C. (2006). Restruturação produtiva e formas de
flexibilização do trabalho. Revista Organizações e Sociedade, 36, (13).
Oreg, S. (2006) Personality, context and resistance to organizational change.
European Journal of Work and Organizational Psychology, 15, (1), 73-101.
Pettigrew, A. (1995). Longitudinal field of research on change: Theory and
practice. Em P. G. Huber, & A. H. Van de Ven (Eds.), Longitudinal field
research methods: studying processes of organizational change, (pp. 91-125).
London: Sage Publications.
Pfeffer, J. (1982) Organizations and Organizations Theory. Boston: Pitman
Porras, J. I., & Robertson, P. J. (1992). Organizational development: theory,
practice, research. Em: M. D. Dunnette, & L. M. Hough (Eds.), Handbook of
Organizational
Psychology, (pp. 719-822). Palo Alto: Consultant Psychology Press.
Powell, T. C. (1995). Total quality management as a competitive advantage: A
review and empirical study. Strategic Management Journal, 16, 15-37.
8

Seabra, S. N. (2001). A nova administração pública e mudanças


organizacionais. Revista de Administração Pública, 35, (4).
Santos, M. & Bastos, A. B. (2007). Redes sociais informais e compartilhamento
de significados sobre a mudança organizacional. RAE. Revista de
Administração de Empresas, 47, 15-30.
Santos, M. V. (2004). Redes sociais informais & compartilhamento de
significados sobre mudança organizacional: Estudo numa empresa
petroquímica da Bahia. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da
Bahia.
Silva, C. M., & Fernandes, B. R. (1998). Mudança ambiental e reorientação
estratégica: estudo de caso em instituição bancária. Revista de Administração
de Empresas, 38, (4), 46-56.
Silva, J. R. G., & Vergara, S. C. (2000). O significado da mudança: as
percepções dos funcionários de uma empresa brasileira diante da expectativa
de privatização. Revista de Administração Pública, 34, (1).
Silva, J. S. (2003). A mudança de época e o contexto global cambiante:
implicações para a mudança institucional em organizações de
desenvolvimento. Em: S. M. V. Lima, (Eds.), Mudança Organizacional. Teoria e
Gestão. Rio de Janeiro: Editora FGV.
Stanley, J. D., Meyer, J. P., & Topolnytsky, L. (2005). Employee cynicism and
resistance to organizational change. Journal of Business and Psychology, 19,
(4), 429-459.
Stensaker, I., & Falkenberg, J. (2007). Making sense of different responses to
corporate change. Human Relations, 60, (1), 137-177.
Tabachnick, B. G., & Fidell, L. S. (2000). Using Multivariate Statistics. Harper
Collings College Publishers.
Van de Ven, A. H., & Poole, M. S. (1995). Explaining development and change
in organizations. Academy of Management Review, 20, (3), 510-540.
Weick, K. E. & Quinn, R. E. (1999). Organizational change and development.
Annual Review of Psychology, 50, 361-387.
Westphal, D. J., Gulati, R., & Shortell, S. M. (1997) Customization or
conformity? An institutional and network perspective on the content and
consequences of TQM adoption. Administrative Science Quarterly, 42, 366-
394.
9

Wischnevsky, J. D., & Damanpour, F. (2006). Organizational transformation and


performance: An examination of three perspectives. Journal of Managerial
Issues, 18, (1), 104-128.
Xavier, R. O., & Dornelas, J. S. (2006). O papel do gerente num contexto de
mudança baseada no uso da tecnologia CRM. Revista de Administração
Contemporânea, 10, (1).

Avaliação e Gestão do Desempenho

ABBAD, G. A., LIMA, G.C. & VEIGA, M.R. (1996). Implantação de um Sistema
de Avaliação de Desempenho: Métodos e Estratégias. Revista de
Administração da USP, vol. 31 (03), 38-52.
ABBAD, G.(1994). Avaliação de Desempenho: Uma revisão de literatura.
Revista Psicologia: Teoria Pesquisa, vol. 10, 1-15.
BANKS, C. e MAY, K. (1999). Performance management: The real glue in
organizations. In: KRAT, A. & KORMAN, A. (ed.). Evolving practices in Human
Resource Management. San Francisco: Jossey Bass editors. Cap. 6.
BARBOSA, Lívia. Meritocracia à brasileira: o que é desempenho no Brasil.
Revista do serviço público. Ano 47, volume 120, n. 3, set-dez, 1996.
BRANDÃO, Hugo Pena ; ZIMMER, Marco Vinicio ; GUARÇONI, Carolina
Pereira ; MARQUES, Fernanda ; VIANA, Helder ; CARBONE, Pedro Paulo ;
ALMADA, Valéria Ferreira de . Gestão de desempenho por competências:
integrando a gestão por competências, o balanced scorecard e a avaliação 360
graus. RAP. Revista Brasileira de Administração Pública, v. 42, p. 875-898,
2008.
Brandão, H.P. & Guimarães, T. A. – Gestão de Competências e Gestão de
Desempenho: Tecnologias Distintas ou Instrumentos de um Mesmo Construto?
Revista de Administração de Empresas, 2001.
BRANDÃO, Hugo Pena . O que é gestão por competências?. In: Alexandre
Kalil. (Org.). Gestão por competências em organizações de governo. 1 ed.
Brasília: Ed. Escola Nacional de Administração Pública - ENAP, 2005, v. 1, p.
13-22.
CAETANO, A. (1996). Avaliação de Desempenho: Metáforas, conceitos e
práticas. Ed. RH, Lisboa, 11-91. Cap. 2.
10

CAETANO, A. (2008). Avaliação de Desempenho: O essencial que avaliadores


e avaliados precisam saber. Lisboa: Livros Horizonte.
CARBONE, Pedro Paulo; BRANDÃO, Hugo Pena; LEITE, João Batista Diniz;
VILHENA, Rosa Maria. Gestão por competências e gestão do conhecimento.
Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas – FGV, Série Gestão de
Pessoas, 2005.
GEORGESEN, J. C. & HARRIS, M. (1998). Why my boss always holding me
down? A meta-analysis of power effects on performance evaluations.
Personality and Social Psychology Review, 2(3), 184-195.
GUIMARÃES, T. LEITÃO, J., LOURENÇO, R.L. (1999). Avaliação de
desempenho baseada em resultados em uma organização de pesquisa e
desenvolvimento: a percepção de pesquisadores sobre sua finalidade,
objetivos e limitações. Revista de Administração da USP, v. 34 (3), 83-94.
LUCENA, M.D.S. (2004). Planejamento Estratégico e Gestão do Desempenho
para Resultados, São Paulo: Atlas.
NURSE, L. (2005). Performance appraisal, employee development and
organizational justice: exploring the linkages. International Journal of Human
Resource Management, 16 (7), 1176-1194.
PAZ, M. G. T. (1995). Avaliação de Desempenho: Uma revisão de literatura.
Temas em Psicologia, Número 3, 73-88.
PONTES, Benedito Rodrigues. Avaliação de Desempenho: Nova Abordagem.
São Paulo: LTR, 2002.
RYNES, S. L.; GERHART, B.; PARKS, L.. Personnel Psychology: Performance:
Evaluation and Pay for Performance, Annual Review of Psychology, 2005, 56
(1), 571-600.
SIQUEIRA, Wagner. Avaliação de Desempenho, Rio de Janeiro: Reichmann e
Affonso Ed.,2002.
SONNENTAG, S. (2002). Psychological Management of Individual
Performance. London: John Wiley & Sons. Ltda, Part. I e II, 3-200.
TORO, Fernando. Desempeño y Productividad. Medellín: Cincel ED., 1996.,
Cap. 1 e 9.
SOUZA, Vera Lúcia de, et al. Gestão de Desempenho. Publicações FGV. 2ª
edição. São Paulo: FGV, 2009
UBEDA, C. L. (2003). Gestão por Competência em uma Empresa de Pesquisa
e Desenvolvimento. Dissertação de Mestrado, São Carlos: Universidade de
São Paulo.
11

Redes Sociais

ACKROYD, Stephen. Connecting Organization and Societies: a realist analysis


of structures. In: ACKROYD, Stephen; FLEETWOOD, Steve. Realist
Perspectives on Management and Organizations. London: Routledge, 2000.
AMARAL, L. A. N.; SCALA, A.; BARTHÉLÉMY, M.; STANLEY, H. E. Classes of
Small-World Networks, Proceedings of the National of Academic Sciences, v.
97, n. 21, p. 11149- 11152, Oct. 2000.
BALKUNDI, P. & KILDUFF, M. (2006). The ties that lead: A social network
approach to leadership. The Leadership Quarterly, 17(4), 419-439.
BARABASI, Albert-László. Network Theory – The Emergence of the Creative
Enterprise, Science, v. 308, p. 639-641, April 2005.
BARABASI, Albert-László; ALBERT, Réka. Emergence of Scaling in Random
Networks, Science, v. 286, p. 509-512, October 1999.
BARABASI, Albert-László; JEONG, H.; NÉDA, Z.; RAVASZ, E.; SCHUBERT,
A.; VIESEK, T. Evolution of The Social Network of Scientific Collaborations,
Physica A, v. 311, p. 590-614, 2002.
BATAGELJ, Vladimir; MRVAR, Andrej. PAJEK - Program for Analysis and
Visualization of Large Networks. Ljubljana, Slovenia: University of Ljubljana,
2005.
Bond III, E. U., Houston, M. B., & Tang, Y. E. (2008). Establishing a high-
technology knowledge transfer network: The practical and symbolic roles of
identification. Industrial Marketing Management, 37(6), 641-652.
BORGATTI, S. P.; EVERETT, M. G.; SHIREY, P.R. LS Sets, Lambda Sets, and
Other Cohesive Subsets, Social Networks, v. 12, p. 337-358, 1990.
BORGATTI, S.; EVERET, M.; FREEMAN, L (2000). UCINET 6 for Windows:
Software for Social Network Analysis. User's Guide.
BORGATTI, S.P.; EVERETT, M. G. The Notion of Position in Social Network
Analysis, Sociological Methodology, v. 22, 1992.
BORGATTI, S.P.; EVERETT, M.G.; FREEMAN, L.C. UCINET for Windows:
Software for Social Nework Analysis. Boston: Harvard Analytic Technologies,
2002.
BURKHARDT, M. E. (1994) Social interaction effects following a technological
change: a longitudinal investigation. Academy of Management Journal, 37(4),
869-897.
12

BURKHARDT, M. E., & BRASS, D. J. (1990) Changing patterns or patterns of


change: The effects of a change in technology on social network structure and
power. (Technology, Organizations, and Innovation). Administrative Science
Quarterly, 35(1), 104-124.
CROSS, R. L., & PARKER, A. (2004). The Hidden Power of Social Networks:
Understanding How Work Really Gets Done in Organizations. Harvard
Business School Publishing Corporation.
CROSS, R. L., & PRUSSAK, L. (2002). The people who make organizations go
- or stop. Harvard Business Review, 80(6), 104-112.
DIMAGGIO, J., & POWELL, W.W. (1983). The iron cage revisited: Institutional
isomorphism and collective rationality in organizational fields. American
Sociological Review, 48, 147-160.
GLENN, S. S., & MALOTT, M. E. (2004). Complexity and selection: Implications
for organizational change1. Behavior and Social Issues, 13(2), 89-105.
GRANOVETTER, Mark S. Economic Action and Social Structure: The Problem
of Embeddedness, American Journal of Sociology, v. 91, p. 481-510, 1985.
GRANOVETTER, Mark S. The Strength of Weak Ties, American Journal of
Sociology, v. 78, n. 6, p. 1361-1380, 1973.
GRANOVETTER, Mark. Network Samplim: Some Firsts Steps, American
Journal of Sociology, v. 81, n. 6, p. 1287-1303, 1976.
GULATI, R. (1995). Social structure and alliance formation patterns: a
longitudinal analysis. Administrative Science Quarterly, 40(4), 619-634
HANNEMAN, R. A., & MARK R. (2005). Introduction to social network methods.
Riverside, CA: University of California, Riverside (published in digital form at
http://faculty.ucr.edu/~hanneman/)
JÚNIOR, M. W. DE L. (2005). Redes sociais informais intraorganizacionais e os
processos de mudanças organizacionais: Estudo em uma empresa de
tecnologia da informação. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da
Bahia.
KILDUFF, M., & TSAI, W. (2003). Social Networks and Organizations.
Newberry Park: Sage.
KRAATZ, M. S. (1998) Learning by association? Interorganizational networks
and adaptation to environmental change. Academy of Management Journal;
41(6), 621-643.
KRACKHARDT, D., & HANSON, J. R. (1993). Informal networks: the agency
behind the chart. Harvard Business Review, 71(4), 104-111.
13

KRUGLANSKI, A., PIERRO, A., HIGGINS, E., & CAPOZZA, D. (2007). “On the
move” or “staying put”: Locomotion, need for closure, and reactions to
organizational change. Journal of Applied Social Psychology, 37(6), 1305-1340.
LIMA, S.M., & BRESSAN, C. L. (2003). Mudança Organizacional: uma
introdução. Em: Lima, S. M. (org.). Mudança Organizacional: Teoria & Gestão.
São Paulo: Editora FGV, 17-61.
LIU, B.S.-C., MADHAVAN, R., & SUDHARSHAN, D. (2005), DiffuNET: The
impact of network structure on diffusion of innovation, European Journal of
Innovation Management, 8(2), 240-262.
LOPES, F. D., & BALDI, M. (2005). Laços Sociais e Formação de Arranjos
Organizacionais Cooperativos – Proposição de um Modelo de Análise. RAC ,
81-101.
MARQUES, E. C. (1999) Redes sociais e instituições na construção do Estado
e da sua permeabilidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 14, 45-66.
MARQUES, E. C. (2003). Redes sociais, instituições e atores políticos no
governo da cidade de São Paulo. São Paulo: Annanblume/FAPESP.
MCGRATH, C., & KRACKHARDT, D. (2003). Network Conditions for
Organizational Change. The Journal of Applied Behavioral Science, 39(3), 324-
335.
MINHOTO, L.D., & MARTINS, C.E. (2001). As redes e o desenvolvimento
social. Cadernos FUNDAP, 22, 81-101.
MOYNIHAN, D. P., & PANDEY, S. K. (2008). The ties that bind: Social
networks, personorganization value fit, and turnover intention. Journal of Public
Administration Research and Theory, 18(2), 205-226.
NADLER, D.A., SHAW, R.B., & WALTON, A.E. (1994). Discontinuous Change:
leading organizational transformation. San Francisco: The Jossey-Bass
Management Series.
NEIVA, E. R. & PANTOJA, M. J. (2006) Redes sociais e mudança numa
associação de produtores rurais. In: Congresso da Sociedade Brasileira de
Psicologia Organizacional e do Trabalho. Anais Congresso da Sociedade
Brasileira de Psicologia Organizacional e do Trabalho (v. 1. pp. 1-15), Brasília.
NEIVA, E. R. & PANTOJA, M. J. (2008). Redes Sociais e Mudança em um
Grupo de Produtores Rurais do Planalto Central. Psicologia (Florianópolis), 8,
5-24.
14

NEIVA, E. R. (2004). Percepção da mudança organizacional: O papel das


atitudes e das características organizacionais. Tese de Doutorado,
Universidade de Brasília.
ORLIKOWSKI, W. J. (1996). Improvising organizational transformation over
time: A situated change perspective. Information Systems Research, 7(1), 63-
92.
PAPER, D., & SIMON, S. (2005). Change Research: The Search for a
Theoretical Construct. Information Resources Management Journal, 18(3), 1-1.
SANTOS, M. DOS, & BASTOS, A. B. (2007). Redes sociais informais e
compartilhamento de significados sobre a mudança organizacional. RAE.
Revista de Administração de Empresas, 47, 15-30.
SANTOS, M. V. DOS. (2004). Redes sociais informais & compartilhamento de
significados sobre mudança organizacional: Estudo numa empresa
petroquímica da Bahia. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da
Bahia.
SCOTT, J. (2000). Social Network Analysis: A Handbook. (2. ed.) Newberry
Park: Sage.
SHAH, P. P. (2000). Network destruction: The structural implications of
downsizing. Academy of Management Journal; 43(1), 101-112.
SILVA, M. C. M. (2003). Redes Sociais Intra-organizacionais Informais e
Gestão: Um estudo nas áreas de manutenção e operação da planta Hyco – 7.
Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia.
SUSSKIND, A. M. (2007). Downsizing survivors' communication networks and
reactions: A longitudinal examination of information flow and turnover
intentions. Communication Research, 34(2), 156-184.
SUSSKIND, A. M., MILLER, V. D., & JOHNSON, J. D. (1998). Downsizing and
structural holes: their impact on layoff survivors' perceptions of organizational
chaos and openness to change. Communication Research, 25(1), 30-34.
TENKASI, R., & CHESMORE, M. C. (2003). Social networks and planned
organizational change: The impact of strong ties on effective change
implementation and use. The journal of applied behavioral science, 39(3), 281-
300.
TORRES, C. V., & ZANCAN, C. (2008). Desdobramentos conceituais da cultura
brasileira: A cultura empreendedora. Manuscrito submetido à publicação.
VIEIRA, S. R. (2008). Redes Sociais no Contexto de Mudança Organizacional.
Dissertação de Mestrado: Brasília.
15

Wasserman, S., & Faust, K. (2006). Social network analysis: methods and
applications. (14. ed.) New York: Cambridge University Press.
WEICK, K. E., & QUINN, R. E. (1999). Organizational Change and
Development. Annual Review of Psychology, 50, 361-385.
WOODMAN, R. (1989). Evaluation Research on Organizational Change:
Arguments for a “Combined Paradigm” Approach. Research in Organizational
Change and Development, 3, 161-180.

Treinamento, Desenvolvimento e Educação

Abbad, G..; Borges-Andrade, J.E. (2004). Aprendizagem Humana em


Organizações de Trabalho. In J.C. Zanelli; J.E. Borges-Andrade; A.V.B. Bastos
(Orgs.), Psicologia, Organizações e Trabalho (pp. 237-275). São Paulo:
Artmed.
Abbad, G.; Carvalho, R.S.; Zerbini, T. (2006). Evasão em curso via internet:
explorando variáveis explicativas. Revista de administração de empresas
eletrônica, 5(2), art. 17, jul./dez.
Abbad, G.; Gama, A.L.G.; Borges-Andrade, J.E. (2000). Treinamento: Análise
do relacionamento da avaliação nos níveis de reação, aprendizagem e impacto
do treinamento no trabalho. Revista de Administração Contemporânea - RAC,
4(3), 25-45.
Abbad, G., Pilati, R. & Borges-Andrade, J. E. (1999). Percepção de suporte
organizacional: desenvolvimento e validação de um questionário. Revista de
Administração Contemporânea, 3(2), 29-51.
Abbad, G.; Pilati, R.; Pantoja, M.J. (2003). Avaliação de treinamento: análise da
literatura e agenda de pesquisa. Revista de Administração da USP, 38(3), 205-
218.
Abbad, G. & Sallorenzo, L.H. (2001). Desenvolvimento e validação de escalas
de suporte à transferência. Revista de Administração, 36(2), 33-45.
Alliger, G.M.; Janak, E.A. (1989). Kirkpatrick's levels of training criteria: Thirty
years later. Personnel Psychology, 42(2), 331-342.
Baldwin, T.T. & Ford, J.K. (1988). Transfer of training: A review and directions
for future research. Personnel Psychology, 41(1), 63-105.
Bloom, B.S.; Krathwohl, D.R.; Masia, B.B. (1972). Taxonomia de objetivos
educacionais: compêndio primeiro: domínio cognitivo. Porto Alegre: Globo.
16

Borges-Andrade, J.E. (1982). Avaliação somativa de sistemas instrucionais:


integração de três propostas. Tecnologia Educacional, 11(46), 29-39
Borges-Andrade, J.E. (1997). Treinamento de pessoal: em busca de
conhecimento e tecnologia relevantes para as organizações brasileiras. In A.
Tamayo; J.E. Borges-Andrade; W. Codo (Orgs.), Trabalho, Organizações e
Cultura (pp.129-149). São Paulo: Cooperativa de Autores Associados.
Borges-Andrade, J. E. (2006). Avaliação integrada e somativa em TD&E. In
J.E. Borges-Andrade; G. Abbad; L. Mourão (Orgs.), Treinamento,
desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a
gestão de pessoas (pp. 343 – 358). Porto Alegre: Artmed.
Borges-Andrade, J. E.; Abbad, G.S. (1996). Treinamento e desenvolvimento:
reflexões sobre suas pesquisas científicas. Revista de Administração, 31(2),
112–125.
Borges-Andrade, J.E.; Lima, S.M.V. (1983). Avaliação de necessidades de
treinamento: um método de análise do papel ocupacional. Tecnologia
Educacional, 12(54), 6-22.
Borges-Andrade, J.E.; Pereira, M.H.G.; Puente-Palacios, K.; Morandini, D.C.
(2002). Impactos individual e organizacional de treinamento: Uma análise com
base num modelo de avaliação institucional e na teoria multinível. In Anais do
26º Encontro da ANPAD.
Borges-Ferreira, M. F. (2004). Avaliação de Reações e Aprendizagem em
disciplinas de curso técnico profissionalizante oferecidas a distância.
Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.
Brauer, S. (2005). Avaliação de um curso a distância: valor instrumental do
treinamento, barreiras pessoais à conclusão e evasão. Dissertação de
Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.
Carvalho, R.S. (2003). Avaliação de Treinamento a Distância via Internet:
Reação, Suporte à Transferência e Impacto do Treinamento no Trabalho.
Dissertação de Mestrado não publicada. Universidade de Brasília, Brasília.
Carvalho, R. S. & Abbad, G. S. (2006). Avaliação de treinamento a distância:
reação, suporte à transferência e impactos no trabalho. Revista de
Administração Contemporânea, 10(1), 95-116.
Carvalho, R. S., Zerbini, T., & Abbad, G. (2005). Competências
empreendedoras de pequenos empresários: construção e validação de uma
escala. In E. C. L. Souza & Guimarães, T. A. (Orgs.), Empreendedorismo além
do Plano de Negócio (pp. 217 – 240). São Paulo: Atlas.
17

Cheung, D. (1998). Developing a student evaluation instrument for distance


teaching. Distance Education, 19 (1), 23-34.
Cheung, D. (2000). Evidence of a single second-order factor in student ratings
of teaching effectiveness. Structural Equation Modeling, 7(3), 442-460.
Coelho Jr., F.A. (2004). Avaliação de Treinamento a Distância: Suporte à
Aprendizagem e Impacto do Treinamento no Trabalho. Dissertação de
Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.
De Paula e Silva, A. (2004). Avaliação de uma disciplina semipresencial de
graduação ofertada por meio da internet pela Universidade de Brasília.
Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.
Freitas, I.A.; Borges-Andrade, J.E. (2004). Efeitos de treinamentos nos
desempenhos individual e organizacional. Revista de Administração de
Empresas, 44(3), pp. 44–56.
Gagné, R.M. (1970). The condition of learning (2nd ed). New York: Holt,
Rinehart & Winston.
Goldstein, I.L. (1991). Training in work organizations. In Dunnette & Hough
(Orgs.), Handbook of Industrial and Organizational Psychology (pp. 507-619).
Palo Alto, California: Consulting Psych.
Hamblin, A.C. (1978). Avaliação e controle do treinamento. São Paulo:
McGraw-Hill do Brasil.
Jegede, O. (1999). Differences between low and high achieving distance
learners in locus of control and metacognition. Distance Education. 20(2), 255-
263.
Kenney, J.; Reid, M. (1986). Training interventions. IPM, London.
Kirkpatrick, D.L. (1976). Evaluation of training. In R. L. Craig (Org), Training and
Development Handbook (pp. 18.1-18.27). New York: Mc Graw-Hill.
Lacerda, E. (2002). Avaliação de Impacto do Treinamento no Trabalho:
Investigando variáveis motivacionais e organizacionais como suas preditoras.
Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.
Latham, G.P. (1988). Human resource training and development. Annual
Review of Psychology, 39, 545-582.
Meira, M. (2004). Disseminação de Informações sobre Treinamento:
Construção e Validação de um Instrumento de Medida. Dissertação de
Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.
18

Meneses, P.P.M. (2002). Auto-eficácia, locus e controle, suporte à


transferência e impacto do treinamento no trabalho. Dissertação de Mestrado,
Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.
Meneses, P.P.M (2007) Avaliação de um Curso de Desenvolvimento Regional
Sustentável no Nível de Resultados: A Contribuição dos Modelos Lógicos e do
Método Quase-Experimental. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia,
Universidade de Brasília.
McGehee, W.; Thayer, P.W. (1961). Training in Business and Industry. New
York: Wiley
Mourão, L. (2004). Avaliação de Programas Públicos de Treinamento: um
estudo sobre o Impacto no Trabalho e na Geração de Emprego. Tese de
Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília
Nadler, L. (1984). The Handbook of Human Resources Development. New
York: Wiley.
Pantoja, M.J.; Borges-Andrade, J.E. (2002). Uma abordagem multinível para o
estudo da aprendizagem e transferência nas organizações. In Anais do XXVI
ENANPAD. Salvador: ANPAD.
Pilati, R. (2004). Modelo de efetividade do treinamento no trabalho: aspectos
dos treinandos e moderação do tipo de treinamento. Tese de Doutorado,
Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.
Pilati, R. (2006). História e importância de TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G.
Abbad, & L. Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em
organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 159 -
176). Porto Alegre: Artmed.
Pilati, R.; Borges-Andrade, J. E. (2005). Estratégias para Aplicação no Trabalho
do Aprendido em Treinamento: Proposição Conceitual e Desenvolvimento de
uma Medida Psicologia. Reflexão e Crítica, 18(2), pp.207-214.
Rosenberg, M.J. (2002). E-Learning – Estratégias para a Transmissão do
Conhecimento na Era Digital. São Paulo: Makron Books.
Salas, E.; Cannon-Bowers, A. (2001) The science of training: a decade of
progress. Annual Review of Psychology, 52, 471-499.
Sallorenzo, L.H. (2000). Avaliação de impacto de treinamento no trabalho:
analisando e comparando modelos de predição. Dissertação de Mestrado,
Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.
Tannenbaum, S.I.; Yukl, G. (1992). Training and development in work
organizations. Annual Review of Psychology, 43, 399-441.
19

Varanda, R. S.; Zerbini, T.; Abbad, G. (no prelo). Construção e validação da


escala de Reações à Interface Gráfica para cursos a distância. Psicologia:
Teoria e Pesquisa.
Vargas, M.R.M. (2004). Barreiras à implantação de programas de educação e
treinamento a distância. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia,
Universidade de Brasília.
Vargas, M.R.M.; Abbad, G.S. (2006). Bases conceituais em treinamento,
desenvolvimento e educação – TD&E. In J.E. Borges-Andrade; G. Abbad,; L.
Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e
trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 137–158). Porto Alegre:
Artmed.
Zerbini, T. (2003). Estratégias de aprendizagem, reações aos procedimentos
de um curso via internet, reações ao tutor e impacto do treinamento no
trabalho. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília.
Zerbini, T. (2007). Avaliação da Transferência de Treinamento em Curso a
Distância. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de
Brasília. Brasília.
Zerbini, T. & Abbad, G. (2008). Estratégias de Aprendizagem em Curso a
Distância: Validação de uma Escala. Psico-USF, 13(2).
Zerbini, T. & Abbad, G. (2008). Qualificação profissional: Ambiente de estudo e
Procedimentos de Interação – Validação de uma Escala. Análise, 19(1), 148-
172.
Warr, P.; Bunce, D. (1995). Trainee characteristics and outcomes of open
learning. Personnel Psychology, 48, 347-375.
Warr, P.; Birdi, M.; Rackham, N. (1970). Evaluation of management training.
Gower, Famborough, 6. ed.