Você está na página 1de 86

Vı́ctor Manuel dos Santos

Tópicos em Introdução à Lógica

MAPUTO, 2018
Ficha técnica

Autor:
Vı́ctor Manuel dos Santos
Revisores:
Digite o nome aqui
Revisão Linguı́stica:
Digite o nome aqui
Apoio Técnico:
Digite o nome aqui
Designer Gráfico:
Digite o nome aqui

i
Agradecimentos

À minha famı́lia ”Mariza e Andrés”, meus colegas do Departemento pelo apoio


prestado em todo o processo.

(Elton John) "I put down in words


How wonderfull life is while you´re in the world."

ii
Índice

Ficha técnica i

Agradecimentos ii

Nota de apresentação 2

Autor(es) 3

I Noção e Operações com Conjuntos 4

1 Noção de Conjunto e Subconjunto 6


1.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.2 Noção de Conjunto e subconjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

2 Métodos de Representação de Conjuntos, Partes e Operações 9


2.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.2 Métodos de representação de conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.3 Conjuntos equivalentes e conjunto de partes . . . . . . . . . . . . . . 10
2.4 Operações com conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.4.1 Diagrama de Venn . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.4.2 Reunião de conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.4.3 Propriedades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

3 Operações com Conjuntos 13


3.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.2 Operações com Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

iii
Tópicos em Introdução à Lógica

3.2.1 Intersecção de conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13


3.2.2 Propriedades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3.2.3 Complemento (Diferença) de conjuntos . . . . . . . . . . . . . 14
3.2.4 Propriedades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
3.2.5 Diferença simétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
3.2.6 Propriedades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3.2.7 Algumas propriedades importantes . . . . . . . . . . . . . . . 17
3.2.8 Produto de conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3.3 Exercı́cios Resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

Actividades de Auto-avaliação 18

II Introdução à Lógica 21

4 Proposição, Conectivos e Operações sobre Proposições 23


4.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4.2 Proposições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4.3 Operações sobre proposições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

5 Operações sobre Proposições (disjunção, condicional e


bicondicional) 26
5.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
5.2 Operações sobre proposições (cont· · · ) . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
5.2.1 Teoremas a partir do condicional . . . . . . . . . . . . . . . . 28

6 Funções proposicionais: Tautologia, Contradição, Silogismo e


Equivalência 30
6.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
6.2 Funções proposicionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
6.2.1 Tautologia e Contradição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
6.2.2 Lei de Silogismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

Vı́ctor Santos iv
Tópicos em Introdução à Lógica

6.2.3 Proposições equivalentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32


6.3 Leis da lógica matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

7 Actividades de Auto-avaliação 34
7.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
7.2 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

III Álgebra das Proposições 36

8 Predicados: Relação entre Conjunto e Predicado, Conjunto de Ver-


dade. 38
8.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
8.2 Predicados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
8.3 Relação entre conjunto e predicado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

9 Quantificadores. 41
9.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
9.2 Quantificadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
9.2.1 Quantificador universal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
9.2.2 Quantificador existêncial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
9.2.3 Negação - Leis de Morgan . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

10 Formulação de teoremas 43
10.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
10.2 Formulação de teoremas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
10.2.1 Teorema: Prova directa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
10.2.2 Teorema recı́proco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
10.2.3 Teorema: Prova indirecta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
10.2.4 Teorema: Desaprova (contraexemplo) . . . . . . . . . . . . . . 45

Actividades de Auto-avaliação 46

IV Relações Binárias e de Equivalência. Àlgebra

Vı́ctor Santos v
Tópicos em Introdução à Lógica

Booleana 50

11 Relações: Relação e Relação Binária 53


11.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
11.2 Relações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
11.3 Relação binária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
11.4 Representação da relação binária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
11.4.1 Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
11.4.2 Diagramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

12 Relação Binária (cont), Relação Inversa e Composição de


Relações 57
12.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
12.2 Representação da relação binária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
12.2.1 Grafos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
12.2.2 Matriz de Adjacência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
12.3 Relação binária inversa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
12.4 Composição (Produto) de relações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

13 Tipos de Relações Binárias 60


13.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
13.2 Relações reflexivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
13.3 Relações simétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
13.4 Relações Transitivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
13.5 Relação de Equivalência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
13.6 Relações Anti-Simétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

14 Fechamento das Relações 63


14.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
14.2 Fechamento das Relações Binárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
14.2.1 Fechamento reflexivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
14.2.2 Fechamento simétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

Vı́ctor Santos vi
14.2.3 Fechamento transitivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

15 Funções 66
15.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
15.2 Aplicações e funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
15.2.1 Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
15.2.2 Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
15.2.3 Composição de funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
15.2.4 Funções injectivas, sobrejectivas e bijectivas . . . . . . . . . . 68
15.2.5 Função inversa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69

Actividades de Auto-avaliação 70

16 Álgebra Booleana 73
16.1 Objectivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
16.2 Álgebra de Boole . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
16.3 Funções booleanas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
16.3.1 Igualdade das expressões booleanas . . . . . . . . . . . . . . . 77

Bibliografia 78
Nota de Apresentação

Estimado(a) estudante Este Guia do manual de Tópicos em Introdução à lógica foi


especialmente preparado para si. Os conteúdos programáticos nele contidos fazem
parte do Programa de Licenciatura para todos os ramos das ciências que têm In-
trodução à Lógica .
Tópicos em Introdução à Lógica é uma ferramenta básica que se apresenta em pra-
ticamente todos os campos da matemática. Ela traz consigo uma nova forma de
pensar que, de certa maneira, pode ser vista como pensamento lógico.
Utilize também este material para servir de base para a sua interacção sincrónica e
anacrónica com outros estudantes e docentes, de modo a gerar situações de maior
abertura ao debate e discussão em prol da aprendizagem pretendida. Leia-o sempre,
discuta todas as questões que lhe parecerem interessantes, levante questões, apro-
funde permanentemente a sua reflexão, encoraje todos os colegas do grupo a fazerem
o mesmo.

Boas vindas e votos de bom trabalho!

2
Autor

Vı́ctor Manuel dos Santos é Mestre em Matemática Aplicada pela Universidade


Estadual de Campinas, São Paulo, (Brasil), Licenciado em Matemática Pura pela
Universidade Eduardo Mondlane. Atualmente é professor no Departamento de Ma-
temática e Informática na Universidade Eduardo Mondlane.

3
UNIDADE TEMÁTICA I

Noção e Operações com Conjuntos

4
Introdução Geral

A noção de conjunto e operações nele fazem parte dos conceitos mais básicos da
matemática sendo o conjunto o elemento principal da teoria dos conjuntos. Nesta
unidade teremos:

• Definição de conjunto e subconjunto

• Formas de representar um conjunto

• Igualdade de conjuntos, subconjuntos de conjunto (inclusão)

• Conjuntos finitos e infinitos, conjuntos equivalentes

• Conjunto de todos os subconjuntos de um conjunto

• Cardinalidade de conjunto

• Listagem de um conjunto;

• Operações básicas de conjuntos(união, interseção, diferença e diferença simétrica);

• Representação gráfica (diagrama de Venn);

• Propriedades (Teorema de Morgan)

• Produto de conjuntos.

Esta unidade irá precisar de um pouco do seu tempo de 12 horas no total. Ela
contém 3 aulas, a compreensão desta unidade temática é expressamente importante
para as unidades posteriores.

5
Aula 1

Noção de Conjunto e Subconjunto

1.1 Objectivos
Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-
dizagem:

• Ter conhecimento de conjunto e subconjunto

• Representar conjunto vazio, identificar conjuntos e comparar, sua inclusão ou


não;

• Conhecer cardinalidade de conjunto

1.2 Noção de Conjunto e subconjunto


Definição 1.1. (Conjunto)
Um conjunto é qualquer colecção, dentro de um todo de objectos definidos e des-
tinguı́veis, chamados elementos, de nossa intuição ou pensamento (Georg Cantor
(1945-1918)).

O conjunto é composto de objectos que vamos chamar elementos do conjunto.

Exemplo 1.1. São exemplos de conjunto os seguintes:

(a) O conjunto de todas as cadeiras na sala de aula;

(b) O conjunto de todos os conjuntos da sala;

6
Tópicos em Introdução à Lógica

(c) O conjunto das letras a, b, c, d e e;

(d) O conjunto de todos os números naturais multiplos de 2;

(e) O conjunto de todos os números reais de −2 à 2;

Definição 1.2. (Conjunto finito e infinito)


Um conjunto finito é aquele que contém apenas um número finito de elementos. E
um conjunto infinito é um conjunto que não é finito.

Exemplo 1.2. São conjuntos infinitos e finitos respectivamente os seguintes:

(a) O conjunto de todos os números naturais é conjunto infinito.

(b) A alı́nea (a) do exemplo 1.1 é conjunto finito.

Representamos um conjunto pela letra maúscula, usando chavetas, parenteses rectos


ou curvos.
A = {a, b, c, d}, B = {1, 2, 3, 4, · · · }, C = [1, 4], D =]1, 20[, E = (1, 20). De referir
que os conjuntos D e E são iguais.

Definição 1.3. (Conjunto vazio)


Um conjunto vazio é aquele que não contém elementos. Representamos por {} ou
∅.

Exemplo 1.3. O conjunto de todos os números naturais cujo o quadrado é 3.


A = {x ∈ N : x2 = 3}. Este conjunto não tem elementos, assim A = ∅.

Definição 1.4. (Elemento dos conjunto)


Diremos que o elemento pertence (∈) ao conjunto se este elemento faz parte desse
conjunto.

Exemplo 1.4. Seja o conjunto A = {2, 3, 4, 5}. Temos 3 ∈ A e 7 ∈


/ A. (7 não
faz parte do conjunto A ou não é elemento do conjunto A ou 7 não pertence a A,
designamos por ( ∈)
/ o sı́mbolo não pertence).

Definição 1.5. (Subconjunto de um conjunto)


Se a cada elemento do conjunto A é ao mesmo tempo um elemento do conjunto
B, então o conjunto A é chamado subconjunto do B e denota-se por A ⊆ B ou
B ⊇ A.

Vı́ctor Santos 7
Tópicos em Introdução à Lógica

Lê-se: A está contido em B (A ⊆ B) ou B contém A (B ⊇ A). O conjunto B


neste caso é chamado superconjunto de A.

Definição 1.6. (Subconjunto próprio)


Um subconjunto A de B chama-se subconjunto próprio se existirem elementos de
B que não são os elementos de A o que se denota por A ⊂ B ou B ⊃ A.

Exemplo 1.5. Sejam o conjuntos A = {2, 3, 4, 5} e B = {1, 2, 3, 4, 5, 6}. O con-


junto A é subconjunto prório do conjunto B, assim, A ⊂ B.

Definição 1.7. (Igualdade de conjuntos)


Se A ⊂ B e B ⊂ A, então diremos que os conjuntos A e B contém os mesmos
elementos e A = B.

Glossário 1

Os sinais ⊂, ⊃, ⊆ e ⊇ determinam inclusão de conjuntos.


A ordem em que aparecem os elementos num conjunto não tem importância. Assim,
o conjunto {b, c, a} é o mesmo que {a, b, c}.

Teorema 1.1. O conjunto vazio é subconjunto de qualquer conjunto.

Teorema 1.2. Se A ⊂ B e B ⊂ C então A ⊂ C.

Definição 1.8. (Cardinalidade de conjunto)


Define-se a cardinalidade de um conjunto A como sendo o número de elementos que
pertencem ao conjunto A.

Denotamos por n(A) ou card(A) ou o(A).

Exemplo 1.6. São exemplos os seguintes:

• Seja o conjunto A = {1, 2, 3} então n(A) = 3.

• Seja o conjunto B = {−1, 0, 1, 2, 3} então n(B) = 5.

• Seja C = {} então n(C) = 0.

• Seja D = {∅} então n(D) = 1.

Vı́ctor Santos 8
Aula 2

Métodos de Representação de
Conjuntos, Partes e Operações

2.1 Objectivos

Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-


dizagem:

• Conhecer métodos de representação de conjuntos,

• Identificar conjuntos equivalentes,

• Identificar partes do conjunto.

• Operar com a reunião de conjuntos

2.2 Métodos de representação de conjuntos

O primeiro método para determinar um conjunto é formar uma lista de todas os


elementos (ou listar os elementos).

Exemplo 2.1. Representamos os conjuntos na forma de listagem:


A = {2; 4; 6; 8}, B = {a, b, c} e C = {(1, 2), (5, −1), (30, 0), (0, 0)}.

O segundo método para determinar um conjunto é através de uma propriedade caracterı́stica.

9
Tópicos em Introdução à Lógica

Exemplo 2.2. A seguir temos um exemplo que representamos o conjunto de forma


caracterı́stica
D = {n : n é natural e é par}, temos uma varável, todos os valores da variável
que formam um conjunto. A variável é seguida pelo sı́mbolo ” : ”. A segunda
parte contém uma ou várias condições necessárias e suficientes para verificar se um
elemento pertence ao conjunto.
Em forma de listagem escrevemos: D = {2, 4, 6, 8, · · · }.

2.3 Conjuntos equivalentes e conjunto de partes

Definição 2.1. (Conjuntos equivalentes)


Diz-se que dois conjuntos são equivalentes se é possı́vel estabelecer uma corres-
pondência biunı́voca. Então podemos dizer que dois conjuntos finitos A e B têm o
mesmo número dos elementos se A e B são equivalentes.

Exemplo 2.3. O conjunto P = {2, 4, 6. · · · } é equivalente ao conjunto N.

Definição 2.2. (Conjunto de partes)


O conjunto de todos os subconjuntos de um conjunto M é chamado de conjunto de partes
ou (conjunto de potência) ou (conjunto de todos os subconjuntos) denotado por
P(M ).

Nota 2.1. O número de elementos do conjunto de partes de M é sempre maior


que o número de elementos de M, mesmo no caso de M ter um número infinito de
elementos. Se M tem n elementos, pode-se provar que P(M ) tem 2n elementos.

Exemplo 2.4. Seja M = {a, b, c}. O conjunto P(M ) contém 8 elementos, isto é,
P(M ) = {∅, {a}, {b}, {c}, {a, b}, {a, c}, {b, c}, {a, b, c}}

Exemplo 2.5. Seja N = {} = ∅. O conjunto P(N ) contém 1 elemento, isto é,


P(N ) = {∅}.

A operação P pode ser aplicada duas vezes:


P(P({1})) = P({∅, {1}}) = {∅, {∅}, {{1}}, {∅, {1}}}

Vı́ctor Santos 10
Tópicos em Introdução à Lógica

2.4 Operações com conjuntos

2.4.1 Diagrama de Venn

Para ilustrar denições, resultados e demonstrações da teoria de conjuntos, é muito co-


mum usar uma representação gráca por curvas fechadas simples, tais como cı́rculos,
ovais ou poligonais. Tal representação recebe o nome de diagrama de Venn.
Num diagrama de Venn, os elementos do conjunto são indicados por pontos internos
a região delimitada por essas curvas e os elementos que não pertencem ao conjunto
são representados por pontos externos a essa região, como no exemplo abaixo.

Exemplo 2.6. O diagrama de Venn abaixo auxilia na identicação de quais elementos


estão em cada um dos conjuntos A = {a, b, d} e B = {b, c, e}, enquanto que o
elemento f não pertence a nenhum desses conjuntos.

O estilo usado no diagrama de Venn acima é o mais comum, o universo U foi


representado por um retângulo e os demais conjuntos por cı́rculos contidos nesse
retângulo. Note que neste modelo de visualização nenhum elemento pode ser repre-
sentado por pontos exatamente em cima de uma curva fechada que delimita uma
região (nas fronteiras).

Glossário 2

Diagramas de Venn são uma excelente ferramenta para nos ajuda a visualizar um
problema, principalmente para gerar exemplos e contra-exemplos. Entretanto argu-
mentos e raciocı́nios baseados em diagramas de Venn não servem como demonstração
da validade de uma proposição.

Vı́ctor Santos 11
Tópicos em Introdução à Lógica

2.4.2 Reunião de conjuntos

Definição 2.3. (Reunião de conjuntos)


Chama-se reunião de dois conjuntos A e B ao conjunto C = A ∪ B cujos os
elementos são de A ou de B ou ambos os conjuntos.

A mesma definição pode ser dada na forma de

A ∪ B = {x : x ∈ A ou x ∈ B}. (2.1)

Na base desta definição podemos escrever que R = Q ∪ I.

Exemplo 2.7. Vejamos a seguir alguns exemplos de reunião (união) de conjuntos.

1. Para A = {1, 2, 3, 4} e B = {1, 3, 5, 7} temos A ∪ B = {1, 2, 3, 4, 5, 7}

2. Considere A = {1, 3, 5}, B = {2, 4}, C = {1, 2, 3, 4, 5} e D = {4, 6} então

(a) A ∪ B = C (b) A ∪ C = C (c) B ∪ C = {2, 4, 6}.

3. [0, 2) ∪ (1, 4] = [0, 4]; (−∞, 0] ∪ [0, +∞) = R e N ∪ {−n : n ∈ N} = Z.

4. Se A = {2, 4, 6, 8, · · · } e B = {3, 6, 9, 12, · · · } teremos


A ∪ B = {2, 3, 4, 6, 8, 9, 10, 12, · · · } = {n ∈ N; n é múltiplo de 2 ou de 3}.

2.4.3 Propriedades

1. A ∪ B = B ∪ A → lei comutativa

2. A ∪ (B ∪ C) = (A ∪ B) ∪ C → lei associativa

3. A ∪ A = A → lei idempotência

Actividade Formativa 1

Represente a união de dois conjuntos A ∪ B no diagrama de Venn.

Vı́ctor Santos 12
Aula 3

Operações com Conjuntos

3.1 Objectivos

Para o alcance do objectivo da aula é definido o seguinte objectivo de aprendizagem:

• Operar com conjuntos (interseção, diferença, diferença simétrica e produto).

3.2 Operações com Conjuntos

3.2.1 Intersecção de conjuntos

Definição 3.1. (Intersecção de conjuntos)


Chama-se intersecção de dois conjuntos A e B ao conjunto C = A ∩ B constituido
de elementos comuns de A e B.

A mesma definição pode ser dada na forma de

A ∩ B = {x : x ∈ A e x ∈ B}. (3.1)

Exemplo 3.1. Vejamos a seguir alguns exemplos de intersecção de conjuntos.

1. Para A = {1, 2, 3, 4} e B = {1, 3, 5, 7} temos A ∩ B = {1, 3}.

2. Considere A = {1, 3, 5, 7, 9}, B = {2, 4, 6, 8}, C = {1, 2, 3, 4} e D = {2, 4}


então

13
Tópicos em Introdução à Lógica

(a) A ∩ B = ∅, (b) A ∩ C = {1, 3} (c) B ∩ C = D (d) B ∩ D = D.

3. [0; 3) ∩ (1; 5] = (1; 3), [−1; 0] ∩ [0; 1] = {0}, e [−1; 0) ∩ [0; 1] = ∅.

4. Se P = {2, 4, 6 · · · } = {n ∈ N : n é par } e B = {3, 6, 9, 12, · · · } = {n ∈ N : n


é múltiplo de 3} teremos
A ∩ B = {6, 12, 18, · · · } = {2 ∈ N : n é par e múltiplo de 3}.

Definição 3.2. (Conjuntos disjuntos)


Dois conjuntos cuja a intersecção é vazia são chamados disjuntos.

Os conjuntos A = {1, 2, 3, 4} e B = {1, 3, 5, 7} são disjuntos pois A ∩ B = ∅.

3.2.2 Propriedades

1. A ∩ B = B ∪ A → lei comutativa

2. A ∩ (B ∩ C) = (A ∩ B) ∩ C → lei associativa

3. A ∩ A = A → lei idempotência
Actividade Formativa 2

Represente a intersecção de dois conjuntos A ∩ B no diagrama de Venn.

3.2.3 Complemento (Diferença) de conjuntos

Definição 3.3. (Diferença de conjuntos)


A diferença entre dois conjuntos A e B é o conjunto de todos os elementos de A
que não pertencem a B.

Esse conjunto é denotado C = A − B ou A \ B , que se lê: A menos B ou diferença


entre A e B. Assim
A − B = {x : x ∈ A e x ∈
/ B}. (3.2)

Exemplo 3.2. Vejamos a seguir alguns exemplos de diferença de conjuntos.

1. Sejam A = {1, 2, 3, 4}, B = {1, 3}, C = {2, 4} e D = {3, 4}. Então


A − B = C, A − C = B, A − D = {1, 2}, B − C = B, B − A = ∅, C − A = ∅,
B − D = {1}, C − D = {2}.

Vı́ctor Santos 14
Tópicos em Introdução à Lógica

2. Z∗ = Z − {0}, R∗ = R − {0} e R∗+ = R − (−∞, 0).

Outro sı́mbolo usado para o complento do conjunto A dado o conjunto universal U


é Ac . Assim, Ac = U − A.

3.2.4 Propriedades

1. (Ac )c = A

2. ∅c = U e U c = ∅

3. A ∩ Ac = ∅ e A ∪ Ac = U

4. A − ∅ = A

5. U − A = Ac

6. A − A = ∅

7. (A − B)c = Ac − B

8. A − B = B c − Ac

9. (A − B) − C = A − (B ∪ C)

10. A − (B − C) = (A − B) ∪ (A ∩ C).

Actividade Formativa 3

Represente A − B no diagrama de Venn.

3.2.5 Diferença simétrica

Definição 3.4. (Diferença simétrica)


A diferença simétrica de dois conjuntos A e B é o conjunto formado por todos os
elementos que pertencem a um e somente a um dos conjuntos A e B.

Esse conjunto é denotado A4B ou A ⊕ B que se lê: diferença simétrica de A e B.


Assim

Vı́ctor Santos 15
Tópicos em Introdução à Lógica

A4B = {x : (x ∈ A e x ∈
/ B) ou (x ∈ B e x ∈
/ A)}

ou seja
A4B = (A − B) ∪ (B − A) (3.3)

Também pode ser escrita da forma

A4B = (A ∪ B) − (B ∩ A) (3.4)

Actividade Formativa 4

1. Represente A4B no diagrama de Venn.

2. Prove a equivalência das igualdades (3.3) e (3.4).

3.2.6 Propriedades

1. A4B = B4A

2. (A4B)c = (A ∩ B) ∪ (Ac ∩ B c )

3. (A4B)4C = A4(B4C)

4. A ∩ (B4C) = (A ∩ B)4(A ∩ C)

5. A ∪ (B4C) = (A ∪ B ∪ C) − (Ac ∩ B c ∩ C c )

Exemplo 3.3. Dado os conjuntos A = {1, 3, 4} e B = {1, 2, 5} temos


A4B = (A ∪ B) − (A ∩ B) = {1, 2, 3, 4, 5} − {1} = {2, 3, 4, 5} ou
A4B = (A − B) ∪ (B − A) = {3, 4} ∪ {2, 5} = {2, 3, 4, 5}.

Teorema 3.1. (Leis de Morgan)


Para quaisquer dois conjuntos A e B

(a) (A ∪ B)c = Ac ∩ B c

(b) (A ∩ B)c = Ac ∪ B c

Vı́ctor Santos 16
Tópicos em Introdução à Lógica

3.2.7 Algumas propriedades importantes

1. A ∪ B(B ∩ C) = (A ∪ B) ∩ (A ∪ B)

2. A ∩ (B ∪ C) = (A ∩ B) ∪ (A ∩ C)

3.2.8 Produto de conjuntos

Definição 3.5. (Produto de conjuntos)


Seja x um elemento do conjunto A e y um elemento do conjunto B. Chamaremos
produto de conjuntos (produto cartesiano de conjuntos) A e B ao conjunto C =
A × B de pares ordenados P = (x, y), P ∈ C.

Temos assim, que

C = A × B = {(x, y) : x ∈ A ∧ y ∈ B} (3.5)

Exemplo 3.4. Dado os conjuntos A = {1, 3, 5} e B = {2, 4} temos


A × B = {(1, 2); (1, 4); (3, 2); (3, 4); (5, 2); (5, 4)}.

Nota 3.1. A definição do produto cartesiano pode ser generalizada para caso de
três ou mais conjuntos.

Exemplo 3.5. Sejam os conjuntos A = {1, 2, 3}, B = {2, 4} e C = {3, 4}.


Para facilitar compor os termos do conjunto A × B × C usamos assim chamado
diagrama de árvore percorrendo os caminhos da árvore do primeiro conjunto até ao
último.
A × B × C = {(1, 2, 3); (1, 2, 4); (1, 4, 3); (1, 4, 4); (2, 2, 3); (2, 2, 4); (2, 4, 3); (2, 4, 4);
(3, 2, 3); (3, 2, 4); (3, 4, 3); (3, 4, 4)}

3.3 Exercı́cios Resolvidos


1. Dado os conjuntos A = {a, b, c, d} e B = {a, e, f }. Determine a cardinalidade
da união de A e B.
Resolução
A cardinalidade da união de 2 conjuntos é dada pela fórmula

Vı́ctor Santos 17
Tópicos em Introdução à Lógica

n(A ∪ B) = n(A) + n(B) − n(A ∩ B).

Sendo assim, como A ∩ B = {a} então n(A ∪ B) = 4 + 3 − 1 = 6.


Verdade, pois A ∪ B = {a, b, c, d, e, f } tem 6 elementos.

2. Em uma escola que tem 415 alunos, 221 estudam inglês, 163 estudam francês
e 52 estudam ambas as linguas. Quantos alunos estudam inglês ou francês?
Quantos alunos não estudam nenhuma das linguas?
Resolução
Sejam I - disciplina de imglês. F - disciplina de francês. O número de alunos
que estudam inglês ou francês representa se por n(I ∪ F ), n(I) alunos que
estudam inglês, n(F ) alunos que estudam francês e o número de alunos que
estudam ambas as linguas por n(I ∩ F ). Assim:

n(I ∪ F ) = n(I) + n(F ) − n(I ∩ F ) = 221 + 163 − 52 = 332.

Seja n(U ) = 415 sendo U - universo.

n(U ) − n(I ∪ F ) = 415 − 332 = 83.

Assim, temos 83 alunos não estudam nenhuma das linguas.

Vı́ctor Santos 18
Actividades de Auto-avaliação

Das afirmaç~
oes a seguir selecionar a alternativa correcta para cada quest~
ao.

1. Para os conjuntos A = {(a, b) ∈ N : a < b ∧ b ≤ 3};


B = {(a, b) : a ∈ {2, 3} ∧ b ∈ T ; T = {1, 2}}. Listando o conjunto
C = {(a, b) ∈ (A ∪ B) : a ≤ b} temos

a) {(1, 2); (1, 3); (3, 3); (2; 2)}

b) {(1, 2); (1, 3); (2, 3); (2, 2)}

c) {(1, 3); (2, 3); (3, 1); (3, 2)}

d) {(1, 2); (1, 3); (2, 3)}

e) Nenhuma das alternativas anteriores

2. Dado os conjuntos A = {1, 2, 3}; B = {3, 4} e C = {1, 2, 4}.


Para X ∪ B = A ∪ C e X ∩ B = ∅. O conjunto X é:

a) X = {1, 3}

b) X = {1, 4}

c) X = {1, 2, 3}

d) X = {1, 2}

e) Nenhuma das alternativas anteriores

3. Dado os conjuntos A = {a, b, f }; B = {d, e}; C = {a, b, d, f } e D = {f, g, h}.


Para Y − B = A ∩ C e Y ∩ D = {f }. O conjunto Y é:

a) Y = {a, b}

b) Y = {a, f }

19
Tópicos em Introdução à Lógica

c) Y = {a, b, f }

d) Y = {a, b, d}

4. Para os conjuntos A = {a, b, c} e B = {∅, {a}, {b}, {c}, {f }, {a, b}, {a, c}}.
O conjunto P(A) M B é igual:

a) {{f }, {a, c}, {a, b, c}}

b) {{f }, {b, c}, {a, b, c}}

c) {{a}, {b, c}, {a, b, c}}

d) {{b}, {a, c}, {a, b, c}}

e) Nenhuma das alternativas anteriores

5. Todos os conjuntos de A que satisfazem as condições: {1, 2} ⊂ A e A ∪


{1, 2, 4} ⊆ {1, 2, 4, 8} são:

a) A = {1, 2, 4}; A = {1, 2, 8}; A = {1, 2, 4, 8}

b) A = {1, 2}; A = {1, 2, 4}; A = {1, 2, 4, 8}

c) A = {1, 2, 4}; A = {1, 2, 8}; A = {1, 4, 8}

d) A = {1, 2, 4}; A = {2, 4, 8}; A = {1, 2, 4, 8}

6. Dado U = R, A = [2, 5], B = (6, 10], C = {1, 2, 3} e D = {1, 3, 4}. O


resultado das operações (B̄ ∩ (A ∪ B)) − (D M C) é:

a) (2, 4) ∪ (4, 5]

b) [2, 4] ∪ (4, 5)

c) [2, 4) ∪ (4, 5]

d) (2, 4) ∪ (4, 5)

e) Nenhuma das alternativas anteriores

Vı́ctor Santos 20
UNIDADE TEMÁTICA II

Introdução à Lógica

21
Introdução Geral

Nesta unidade temática apresentamos algumas definições de proposições e conecti-


vos, as tabelas de verdade usando proposições ligadas através de conectivos. Estes
conceitos estimulam o pensamento criativo, lógico e serão mais úteis para interpretar
melhor a próxima unidade temática. Nesta unidade teremos:

• Definição de proposição;

• Definição de conectivos;

• Negação de uma proposição

• Tabelas de verdade para (conjunção, disjunção, condicional, bicondicional)

• Funções Proposicionais(definição de variável,)

• Polinômio de Boole(função proposicional ou proposição aberta);

• Definição de Tautologia e contradição

• Lei de silogismo;

• Proposições equivalentes

• Leis da lógica matemática(leis de idempotência; leis associativas; leis comuta-


tiva; leis distributiva; leis de identidade.)

Esta unidade irá precisar do seu tempo de 16 horas no total. Ela contém 4 aulas.

22
Aula 4

Proposição, Conectivos e
Operações sobre Proposições

4.1 Objectivos
Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-
dizagem:

• Ter conhecimento de Proposição, conectivos.

• Ter conhecimento de conectivos e obter novas proposições

• Operar com proposições usando (conjunção)

4.2 Proposições
Definição 4.1. (Proposição)
Uma proposição é uma afirmação que é verdadeira ou falsa, mas não ambos. (Não
pode ser verdadeira e falsa simultaneamente).

Assim, a cada proposição corresponde um dos valores de verdade: verdadeiro ou


falso.

Exemplo 4.1. Vejamos os exemplos a seguir:

(a) ”O conjunto A contém 3 elementos”. Apesar de ser uma frase afirmativa, não
é uma proposição, porque é impossı́vel determinar o seu valor de verdade.

23
Tópicos em Introdução à Lógica

(b) ”O conjunto A = {a, b, c} contém três elementos”. É uma proposição verda-


deira.

(c) ”O conjunto A = {a, b, c} contém dois elementos”. É uma proposição falsa.

Glossário 3

Propriedades primitivas de noções matemáticas que não exigem a prova, como sa-
bemos, são chamadas axiomas e aceitam-se como proposições verdadeiras.
Proposições que não são axiomas devem ser provadas para determinar a sua veraci-
dade.

Definição 4.2. (Teorema)


Teorema é uma proposição matemática cujo o valor de verdade deve ser provado.

Definição 4.3. (Conjuctura)


Conjuctura é uma proposição matemática cujo o valor de verdade não está provado.

Nota 4.1. Uma combinação de duas ou mais proposições é uma proposição com-
posta.

4.3 Operações sobre proposições


Definição 4.4. (Conectivos ou operadores lógicos)
Conectivos (operadores lógicos) são sı́mbolos ou palavras usados para unir duas ou
mais proposições dando-lhes valores lógicos.

Definição 4.5. (Negação)


Seja dada uma proposição P. Então chamaremos negação de P a proposição não P.

Designa-se por
. .
p0 = não P ou ∼ P =não P.

P ∼P
Vejamos a tabela de verdade V F
F V

Vı́ctor Santos 24
Tópicos em Introdução à Lógica

Em vez de escrever a letra V em caso da proposição


ser verdadeira e F em caso de falsa, usa-se frequen-
P ∼P
temente número 1 em vez de letra V e 0 em vez de
1 0
F. Nestas notações a tabela de verdade da negação
0 1
assume a forma ao lado:

Definição 4.6. (Conjunção)


Quaisquer duas proposições podem ser combinadas por palavra ”e” formando uma
proposição composta que se chama conjunção de proposições.

Simbolicamente, a conjunção de proposições p e q denota-se por p ∧ q.

p q p∧ q p q p∧ q

V V V 1 1 1
V F F ou 1 0 0
F V F 0 1 0
F F F 0 0 0

Nota 4.2. A conjunção p ∧ q só é verdadeira só em caso de ambas as proposições


p e q forem verdadeiras.

Vı́ctor Santos 25
Aula 5

Operações sobre Proposições


(disjunção, condicional e
bicondicional)

5.1 Objectivos

Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-


dizagem:

• Operar com proposições usando (disjunção, condicional e bicondicional)

5.2 Operações sobre proposições (cont· · · )

Definição 5.1. (Disjunção)


Quaisquer duas proposições podem ser combinadas por palavra ”ou” formando uma
proposição composta que se chama disjunção de proposições.

Simbolicamente, a disjunção de proposições p e q denota-se por p ∨ q.


O valor de verdade da conjunção p ∨ q determina-se a partir de valores de verdade
das proposições elementares p e q segundo as tabelas:

26
Tópicos em Introdução à Lógica

p q p∨q p q p∨q

V V V 1 1 1
V F V ou 1 0 1
F V V 0 1 1
F F F 0 0 0

Nota 5.1. Como vimos, a disjunção de p ∨ q é verdadeira em caso de pelo menos


uma das proposições p ou q for verdadeira.

Definição 5.2. (Condicional)


A proposição composta ”se p então q ”chama-se condicional.

Simbolicamente, o condicional de proposições p e q denota-se p → q. E a sua


tabela de verdade é:

p q p→q p q p→q

V V V 1 1 1
V F F ou 1 0 1
F V V 0 1 0
F F V 0 0 1

Nota 5.2. Analisando a tabela de verdade, vimo que, condicional exclui a única pos-
sibilidade: da suposição verdadeira receber a conclusão falsa, todos os outros casos
são possı́veis.

Esta propriedade do condicional, como iremos ver a seguir, é posta na prova dos
teoremas matemáticos.

Glossário 4

O condicional p → q lê-se:
(a) p implica q; (b) p apenas quando q

(c) p é suficiente para q; (d) q é necessário para q.

Definição 5.3. (bicondicional)


A proposição composta da forma ”p se e só se q ”chamaremos bicondicional.

Vı́ctor Santos 27
Tópicos em Introdução à Lógica

Simbolicamente, o bicondicional de proposições p e q denota-se p ↔ q. E a sua


tabela de verdade é:

p q p↔q p q p↔q

V V V 1 1 1
V F F ou 1 0 0
F V F 0 1 0
F F V 0 0 1

Nota 5.3. Como vimo, o bicondicional p ↔ q é verdadeiro só em caso de p e q


terem mesmos valores de verdade.

Exemplo 5.1. Determine os valores de verdade das proposições a, b, c, d se:

(a) a ↔ (2 < 3) − V. Como a proposição (2 < 3) é verdadeira, da tabela de


verdade do bicondicional podemos concluir que a proposição a é veradeira.

(b) b ↔ (2 > 3) − V. Podemos concluir que a proposição b é falsa uma vez que a
proposição (2 > 3) é falsa.

(c) A proposição c é falsa para a proposição composta c ↔ (2 < 3) falsa.

(d) A proposição d é verdadeira para a proposição composta d ↔ (2 > 3) falsa.

5.2.1 Teoremas a partir do condicional

Dado o condicional p → q podemos formular outros condicionais que são importan-


tes na formulação de teroremas.

1. q → p chamaremos reciproco ou converso.

2. ∼ p →∼ q chamaremos contrário (inverso).

3. ∼ q →∼ p chamaremos contrarecı́proco (contrapositivo).

Exemplo 5.2. O condicional tem a mesma tabela de verdade com o seu contra-
recı́proco. Vide a 5a coluna e a 8a coluna da tabela abaixo:

Vı́ctor Santos 28
Tópicos em Introdução à Lógica

p q ∼p ∼q p→q q→p ∼ p →∼ q ∼ q →∼ p

V V F F V V V V
V F F V F V V F
F V V F V F F V
F F V V V V V V

Vı́ctor Santos 29
Aula 6

Funções proposicionais:
Tautologia, Contradição, Silogismo
e Equivalência

6.1 Objectivos
Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-
dizagem:

• Ter conhecimento de função proposicional;

• Definir e dar exemplos de tautologia e contradição;

• Conhecer e aplicar as leis de silogismo em exercı́cios concretos;

• Conhecer e aplicar as leis da lógica matemática em exercı́cios concretos.

6.2 Funções proposicionais


Seja p, q · · · que designemos por proposições, agora sao indeterminadas ou variáveis.
Combinando estas variáveis por sinais de operações (∧, ∨, →, ↔), construimos a ex-
pressão que chamaremos Função proposicional ou (Polinómio de Boole) ou Proposição aberta
f (p, q, · · · ).
Suponhamos que as variáveis p, q · · · na função proposicional são substituidos por

30
Tópicos em Introdução à Lógica

proposições dadas que denotamos por p0 , q0 , · · · . Então a expressão f (p0 , q0 , · · · )


torna-se proposição e o seu valor de verdade pode ser obtido a partir de valores de
verdade p0 , q0 , · · · .

6.2.1 Tautologia e Contradição

Definição 6.1. (Tautologia)


Uma proposição f (p, q, · · · ) verdadeira para quaisquer proposições p0 , q0 , · · · cha-
maremos Tautologia.

Definição 6.2. (Tautologia)


Uma proposição f (p, q, · · · ) chamaremos tautologia quando é verdadeira em cada
uma de todas as possibilidades lógicas.

Exemplo 6.1. Mostrar que f (p, q) = p∨ ∼ p é tautologia.


Vejamos a tabela de verdade:

p ∼p p∨ ∼ p

V F V
F V V

Reparamos que, a proposição f (p, q) = p∨ ∼ p é verdadeira em todos os casos, isto


é, em todas as possibilidades lógicas.

Definição 6.3. (Contradição)


Uma proposição f (p, q, · · · ) chamaremos contradição quando é falsa em cada uma
de todas as possibilidades lógicas.

Exemplo 6.2. Mostrar que f (p, q) = p∧ ∼ p é contradição.


Vejamos a tabela de verdade:

p ∼p p∧ ∼ p

V F F
F V F

Reparamos que, a proposição f (p, q) = p∧ ∼ p é falsa em todos os casos, isto é, em


todas as possibilidades lógicas.

Vı́ctor Santos 31
Tópicos em Introdução à Lógica

6.2.2 Lei de Silogismo

Um dos princı́pios fundamentais de raciocı́nio lógico, afirma:

”Se p implica q e q implica r, então p implica r ”.

Simbolicamente, representamos a lei do silogismo da forma:

((p → q) ∧ (q → r)) → (p → r) (6.1)

6.2.3 Proposições equivalentes

Definição 6.4. (Proposições equivalentes)


Duas proposições f1 (p, q, · · · ) e f2 (p, q, · · · ) são chamadas equivalentes

f1 (p, q, · · · ) ≡ f2 (p, q, · · · ) (6.2)

se suas tabelas de verdade são as mesmas.

Glossário 5

(a) ≡ é o mesmo que ↔

(b) A equação (6.2) lê-se f1 (p, q, · · · ) é equivalente a f2 (p, q, · · · ).

Exemplo 6.3. Mostrar que (p → q) ≡∼ p ∨ q..


Resolução:
Seja f1 (p, q) = p → q e f2 (p, q) =∼ p ∨ q.

p q p→q p q ∼p ∼p∨q

V V V V V F V
V F F V F F F
F V V F V V V
F F V F F V V

Reparamos que as últimas colunas das duas tabelas têm as linhas com mesmos
valores lógicos, então (p → q) ≡∼ p ∨ q.

Vı́ctor Santos 32
Tópicos em Introdução à Lógica

6.3 Leis da lógica matemática


1. Leis da idempotência: (a) p ∨ p ≡ p; (b) p ∧ p ≡ p.

2. Leis associativas: (a) (p∨q)∧r ≡ p∨(q ∨r); (b) (p∧q)∧r ≡ p∧(q ∧r).

3. Leis comutativas: (a) p ∨ q ≡ q ∨ p; (b) p ∧ q ≡ q ∧ p.

4. Leis distribuitivas: (a) p ∧ (q ∨ r) ≡ (p ∧ q) ∨ (p ∧ r);


. (b) p ∨ (q ∧ r) ≡ (p ∨ q) ∧ (p ∨ r).

5. Leis de identidade: Sendo T uma tautologia e C uma contradição temos:


 
 p∨C ≡p  p∧T ≡p
(a) (b)
 p∨T ≡T  p∧C ≡C

Nota 6.1. As afirmações a seguir são verdadeiras.

1. Se T é tautologia, então ∼ T é uma contradição.

2. Se C é contradição, então ∼ C é uma Tautologia.

Actividade Formativa 4

Mostre que ((p → q) ∧ (q → p)) ≡ (p ↔ q).

Vı́ctor Santos 33
Aula 7

Actividades de Auto-avaliação

7.1 Objectivos
Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-
dizagem:

• Conhecer e aplicar todos os conteúdos aprendidos nestas primeiras 6 aulas em


exercı́cios concretos.

7.2 Exercı́cios
1. Dada as frases seguintes:
A−’Se o preço de combustı́vel aumentar e o preço de chapa aumentar,
haverá greve.’
B−’Se o preço de combustı́vel aumentar e o preço de chapa n~
ao aumentar,
n~
ao haverá greve.’

(a) Formule as funções proposicionais das duas frases usando a lógica simbólica.

(b) Mostre se as funções proposicionais formuladas são equivalentes.

2. Verifique, por meio das tabelas de verdade, a validade das equivalências abaixo,
onde p, q e r são proposições quaisquer, v é uma tautologia e f uma pro-
posição logicamente falsa (contradição).

(a) p ∧ q ⇔ q ∧ p

34
Tópicos em Introdução à Lógica

(b) (p ∧ q) ∧ r ⇔ p ∧ (q ∧ r)

(c) p ∧ p ↔ p

(d) p ∧ v ⇔ p

(e) p ∧ f ⇔ f

(f) p ∨ q ⇔ q ∨ p

(g) (p ∨ q) ∨ r ⇔ p ∨ (q ∨ r)

(h) p ∨ p ⇔ p

(i) p ∨ v ⇔ v

(j) p ∨ f ⇔ p

(k) p ∧ (q ∨ r) ⇔ (p ∧ q) ∨ (p ∧ r)

(l) p ∨ (q ∧ r) ⇔ (p ∨ q) ∧ (p ∨ r)

(m) p ∧ (p ∨ q) ⇔ p

(n) p ∨ (p ∧ q) ⇔ p

(o) ∼ (∼ p) ⇔ p

(p) ∼ (p ∧ q) ⇔∼ p∨ ∼ q

(q) ∼ (p ∨ q) ⇔∼ p∧ ∼ q

(r) (p → q) ⇔ (∼ q →∼ p)

(s) (p → q) ⇔ (∼ p ∨ q)

(t) ∼ (p → q) ⇔ p∧ ∼ q

Vı́ctor Santos 35
UNIDADE TEMÁTICA III

Álgebra das Proposições

36
Introdução Geral

Nesta unidade temática apresentamos algumas estratégias que estimulem o desen-


volvimento do raciocı́nio lógico matemático, lógico quantitativo, lógico numérico,
lógico analı́tico e crı́tico, a partir de atividades que envolvem conceitos básicos de
lógica e matemática, a fim de levar os alunos a interpretar as informações, buscarem
as relações existentes entre o que foi apresentado e os conhecimentos adquiridos para
solucionar problemas e estruturar os seus pensamentos.
Nesta unidade teremos:

• Predicados (proposições que contém variáveis)

• Relação entre conjuntos e predicados

• Definição de conjunto verdade de um predicado

• Quantificadores(existêncial e univeral)

• Leis de Morgan(Negação ds quantificadores)

• Teoremas. Prova directa;

• Definição de premissa e conclusão

• Teorema recipoco

• Teorema. Prova indirecta

• Teorma. Desaprova(contraexemplo)

Esta unidade irá precisar do seu tempo de 12 horas no total. Ela contém 3 aulas.

37
Aula 8

Predicados: Relação entre


Conjunto e Predicado, Conjunto
de Verdade.

8.1 Objectivos
Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-
dizagem:

• Ter conhecimento de Predicados;

• Conhecer as relações de conjuntos e predicados;

8.2 Predicados
Definição 8.1. (Predicado)
Predicados são proposições que contém variáveis.

Essas afirmações podem ser verdadeiras ou falsas quando os valores das variáveis
são especı́ficas.

Exemplo 8.1. A afirmação ”x é menor que 2” tem duas partes: sujeito e predicado.

1. A variável x é o sujeito da afirmação.

38
Tópicos em Introdução à Lógica

2. Predicado ”é o menor que 2” refere a propriedade que o sujeito pode tomar.

Denotamos P (x) = { x é menor que 2 } onde P denota o predicado e x a variável.


A afirmação P (x) é também conhecida como função proposicional de P em x. Uma
vez conhecido o valor da variável x, a afirmação P (x) torna-se uma proposição e
tem um valor lógico.

Exemplo 8.2. Seja P (x) = {x ∈ R : x < 2}. Qual o valor lógico de P (1) e P (4).
Resolução:
P (1) = {1 < 2} é uma proposição com valor lógico verdade.
P (4) = {4 < 2} é uma proposição com valor lógico falso.

Vejamos as afirmações que envolvem mais de uma variável.

Exemplo 8.3. x = 10 + y podemos denotar por Q(x, y). Nesta afirmação x e y


são variáveis e Q é predicado. Quando são conhecidas as variáveis x e y a afirmação
Q(x, y) = {(x, y) ∈ R : x = 10 + y} tem um valor lógico.

Actividade Formativa 5

No exemplo 8.3 qual o valor lógico das proposições Q(9, 4) e Q(12, 2)

Vejamos, agora um exemplo quando a afirmação é inserida num programa.

Exemplo 8.4. if x < 2 then x := x − 1.


Consideremos P (x) = {x < 2} e Q(x) = {x := x − 1}.
Se P (x) é verdade para uma variável x, a afrimação Q(x) é executada. Assim,
o valor de x em Q(x) diminui uma unidade. Se P (x) é falso para algum x, a
afirmação Q(x) não é executada e o valor x em Q(x) não é alterado.

8.3 Relação entre conjunto e predicado


Definição 8.2. (Conjunto de verdade de um predicado)
Chamaremos conjunto de verdade de um predicado P (x) o conjunto de todos os
valores de x para os quais a proposição é verdadeira.

Vı́ctor Santos 39
Tópicos em Introdução à Lógica

O conjunto VP = {x : P (x)} diz-se conjunto de verdade do predicado P (x).


Por outro lado, cada conjunto A corresponde um predicado P (x) = {x : x ∈ A} tal
que o conjunto de verdade de P (x) coincide com A. Então podemos concluir que
existe uma relação entre conjuntos e predicados.

Sejam P (x) e Q(x) dois predicados sobre o mesmo conjunto U o seu domı́nio.
Então:

1. O conjunto de verdade do predicado P (x) ∨ Q(x) é


Vp∨Q = {x : P (x) ∨ Q(x)} = {x : P (x)} ∪ {x : Q(x)} = Vp ∪ VQ .

2. O conjunto de verdade do predicado P (x) ∧ Q(x) é


Vp∧Q = {x : P (x) ∧ Q(x)} = {x : P (x)} ∩ {x : Q(x)} = Vp ∩ VQ .

3. O conjunto de verdade do predicado ∼ P (x) é


V∼p = {x :∼ P (x)} = U − {x : P (x)} = U − VP .

Vı́ctor Santos 40
Aula 9

Quantificadores.

9.1 Objectivos
Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-
dizagem:

• Ter conhecimento de quantificadores e aplicar em exercı́cios concretos;

9.2 Quantificadores

9.2.1 Quantificador universal

Para expressar simbolicamente que um predicado P (x) é verdadeiro para todos os


valores de x do conjunto universal, usamos o sı́mbolo ∀, que é chamado quantificador universal
que significa: ”para todos”, ”qualquer”. Assim,

∀ x P (x) (9.1)

é uma proposição verdadeira se e somente se P (x) é verdadeiro para todos os valores


de x. Se P (x) é falso para pelo menos um dos valores de x, então a proposição (9.1)
é falsa.

Exemplo 9.1. Expresse a afirmação ”O estudante desta classe estuda introdução à


lógica”como uma quantificação universal.
Resolução:

41
Tópicos em Introdução à Lógica

Seja P (x) a afirmação: ”x estuda introdução à lògica”onde x é a variável que é


estudante. Assim, a afirmação acima pode ser escrito da forma ∀x P (x). Onde o
universo do discurso consiste do ”todo o estudante desta classe.”

Esta afirmação pode ser dado de outra forma como:

∀x (S(x) → P (x))

onde S(x) é a afrimação ”x desta classe” e o universo é o conjunto de todos os


estudantes.

9.2.2 Quantificador existêncial

O quantificador existêncial e abreviador por ∃.


Este respresenta o conceito ”existe pelo menos um.” Pode-se também dizer ”existe
um”, ”pelo menos um”. Assim,
∃x P (x) (9.2)

tem valor lógico verdade se pelo menos um x torna P (x) verdadeiro.

Exemplo 9.2. Represente a frase ”a equação ax2 + x = b tem pelo menos uma
raiz”usando quantificador existêncial.
Resolução: ∃x (ax2 + x = b).

9.2.3 Negação - Leis de Morgan

1. ∼ ∃x P (x) ≡ ∀x ∼ P (x)

2. ∼ ∀x P (x) ≡ ∃x ∼ P (x)

Exemplo 9.3. A proposição (∀x : x2 > 4) terá como negação a proposição (∃x :
x2 ≤ 4).

Vı́ctor Santos 42
Aula 10

Formulação de teoremas

10.1 Objectivos
Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-
dizagem:

• - Ter conhecimento para formular e demonstrar teoremas nas suas diferentes


formas.

10.2 Formulação de teoremas

10.2.1 Teorema: Prova directa

Podemos encontrar deferentes formas de formular teoremas, mas, qualquer teorema


pode ser representada na forma:

”Se p então q ”

onde p e q são proposições ou proposições abertas especı́ficas para cada teorema:



”x = 3 é um número irracional. ”

Este teorema pode ser escrito da forma:



”Se x = 3, então x é um número irracional.”

Onde p(x) = {x = 3} chamaremos de premissa e q(x) = {x é número irracional
} chamaremos conclusão.

43
Tópicos em Introdução à Lógica

10.2.2 Teorema recı́proco

Depois de formular o teorema directo p → q surge uma questão natural se é válido


o teorema recı́proco q → p.

Exemplo 10.1. Vejamos a afirmação que é o teorema directo: p → q.

”Se uma obliqua ao plano é perpendicular a uma recta do plano, então a sua
projeção sobre o plano é perpendicular a mesma rcta.”

Agora vejamos a formulação do teorema recı́proco: q → p.

”Se a projeção duma obliqua sobre o plano é perpendicular a uma recta no plano,
então a própria obliqua é perpendicular a mesma recta.”

Estes dois teoremas podem ser formuladas na forma bicondicional cuja a sua for-
mulação simbólica é

p ↔ q ≡ (p → q) ∧ (q → p).

”Para que uma obliqua seja perpendicular a uma recta no plano é necessário e
suficiente que a sua projecção sobre o plano seja perpendicular a mesma recta.”

10.2.3 Teorema: Prova indirecta

O condicional ∼ q →∼ p chamaremos contrapositivo para o condicional p → q. Da-


qui resulta um método produtivo da prova dos teoremas que se chama redução ao absurdo,
ou prova por contradição.
A ideia consiste em supor o contrário a conclusão do teorema e daqui deduzir a
negação da premissa. Uma vez que (p → q) ≡ (∼ q →∼ p).

Exemplo 10.2. Use prova indirecta para provar o teorema directo:

”Se x é um número par, então x2 também é par”

Resolução:
Seja a premissa, p- ”x é número par” e a conclusão, q - ”x2 também é par”
Supomhamos o contrário a conclusão do teorema:
Seja ∼ q - ”x2 não é par” e duduzimos a negação da premissa ∼ p- ”x não é número
par” e vejamos a frase:

Vı́ctor Santos 44
Tópicos em Introdução à Lógica

”Se x2 não é par então x não é número par.”

Assim a contradição com a premissa prova o teorema acima.

10.2.4 Teorema: Desaprova (contraexemplo)

Um teorema sempre é uma proposição verdadeira para certo conjunto (classe) de


objectos matemáticos.

Exemplo 10.3. Teorema de pitágoras é verdadeiro para o conjunto de triângulos


rectângulos. Teorema sobre a propriedade de altura (mediana e bissetriz) é verda-
deiro para conjunto de triângulos isósceles.

Se um teorma for falso, o método usado para desaprova-lo consiste em dar um


contraexemplo.

Exemplo 10.4. Teorema: A ∩ (B ∪ C) = (A ∩ B) ∪ C.


Demosntração:
Construimos um contraexemplo:
Seja A = {3, 6}, B{1, 2, 3}, C = {4, 5, 6}. Então:
B ∪ C = {1, 2, 3, 4, 5, 6}, A ∩ (B ∪ C) = {3, 6}.
A ∩ B = {3}, e (A ∩ B) ∪ C = {3, 4, 5, 6}

Vimos que A ∩ (B ∪ C) 6= (A ∩ B) ∪ C o que desaprova o teorema.


A base lógica deste método consiste em propriedade dos predicados.

∼ (∀x, P (x)) ≡ (∃x, ∼ P (x)). (10.1)

Glossário 6

Para mostrar que uma proposição da forma (∀x ∈ A, P (x)) é falsa, basta mostrar
que a sua negação (∃x ∈ A, ∼ P (x)) é verdadeira, ou seja, tem-se que mostrar que
existe pelo menos um elemento x0 ∈ A tal que P (x0 ) é uma proposição falsa. O
elemento x0 diz-se contraexemplo para a proposição (∀x ∈ A, P (x)).

Vı́ctor Santos 45
Tópicos em Introdução à Lógica

Actividade Formativa 6

Verificar se as proposições seguintes são verdadeiras ou falsas. Em caso da


proposição for falsa, justificar construindo um contraexemplo.
1. (A ∪ B) ⊆ (A ∩ B) implica A = B.

2. (B ∩ ∅) ∪ B = B

3. (A ∩ ∅) ∩ B = A se A ⊆ B.

4. A ∩ B = Ā ∪ B̄.

Vı́ctor Santos 46
Actividades de Auto-avaliação

1. Transforme as seguintes sentenças abertas em proposições verdadeiras usando


quantificadores:
y y y
(a) x2 − 5x + 4 = 0 (b) (a + 1)(a − 1) = a2 − 1 (c) 6
+ =
3 4 7

(d) m2 + 9 6= m + 3 (e) −(−x) = x (f) 5a + 4 ≤ 11 (g)

x2 = x
a2 − a
(h) = a − 1.
a
2. Diga qual é a negação de cada proposição abaixo:

a) mdc(2, 3) = 1 ou mmc(2, 3) 6= 6.
3 6
b) = ou 3.10 6= 6.5
5 10
3
c) ≥ 1 e −3 ≥ −7
7

d) 22 = 4 4 = 2

e) (−3)2 = 9 9 6= −3

f) 2 ≤ 532 ≤ 52

g) (∀x) (x > 23x > 32 )



h) (∃x) ( x < 0)

i) Todo número inteiro primo é impar.

j) Todo triângulo isósceles é equilátero.

k) Existe um losango que não é quadrado.

l) Existe um número cuja a raiz quadrada é zero.

m) Todo triângulo que tem três ângulos congruentes tem três lados congru-
entes.

47
Tópicos em Introdução à Lógica

3. Um crime foi cometido por uma pessoa de um grupo de cinco suspeitos: André,
Bernardo, Caio, Daniel e Edu. Perguntados sobre quem era o culpado cada
um deles afirmou:

• André: sou inocente

• Bernardo: Caio é o culpado

• Caio: Edu é o culpado

• Daniel: André disse verdade

• Edu: Bernardo mentiu

Sabendo-se que apenas um dos suspeitos mentiu e que todos os outros disseram
a verdade, podes concluir que o culpado é?

4. Se a Iara não fala italiano, então Ana fala alemão. Se a Iara fala italiano, então
ou Ching fala chinês ou Débora fala dinamarquês. Se Débora fala dinamarquês,
Elton fala espanhol. Mas Elton se e somente se não for verdade que Francisco
não fala francês. Ora, Francisco não fala francês e Ching não fala chinês. Logo:

(a) Iara não fala italiano e Débora não fala dinamarquês.

(b) Ching não fala chinês e Débora fala dinamarquês.

(c) Francisco não fala francês e Elton fala espanhol

(d) Ana não fala alemão ou Iara fala italiano

(e) Ana fala alemão e Débora fala dinamarquês

5. Ou lógica é fácil, ou Artur não gosta de lógica. Por outro lado, se geografia
não é difı́cil, então lógica é difı́cil. Daı́ segue que, se Artur gosta de lógica,
então:

(a) Se geografia é difı́cil, então lógica é difı́cil

(b) Lógica é fácil e geografia é difı́cil

(c) Lógica é fácil e geografia é fácil

(d) Lógica é difı́cil e geografia é difı́cil

(e) Lógica é difı́cil ou geografia é fácil

Vı́ctor Santos 48
Tópicos em Introdução à Lógica

6. Três suspeitos num roubo de colar na sala de aula foram levados á presença de
um sábio professor de lógica. Um dos suspeitos estava de camisa azul, outro
de camisa branca e o outro de camisa preta. Sabe-se que um e apenas um dos
suspeitos é culpado e que o culpado às vezes fala a verdade e às vezes mente.
Sabe-se, também, que dos outros dois (isto é, dos suspeitos que são inocentes),
um sempre diz a verdade e outro sempre mente. Sábio professor perguntou a
cada um dos suspeitos, qual entre eles terá roubado o colar, ou qual entre eles
era o culpado. Disse o de camisa azul: ”eu sou o culpado”. Disse o de camisa
branca, apontando para o de camisa azul: ”sim, ele é o culpado”. Disse por
fim o de camisa preta: ”eu roubei o colar, o culpado sou eu”. O sábio professor
de lógica, então, sorriu e concluiu corretamente que:

(a) O culpado é de camisa azul e o de camisa preta sempre mente

(b) O culpado é o de camisa branca e o de camisa preta sempre mente

(c) O culpado é o de camisa preta e o de camisa azul sempre mente

(d) O culpado é o de camisa preta e o de camisa azul sempre diz a verdade

(e) O culpado é o de camisa azul e o de camisa azul sempre diz a verdade

Vı́ctor Santos 49
UNIDADE TEMÁTICA IV

Relações Binárias e de
Equivalência. Àlgebra Booleana

50
Introdução Geral

Nesta unidade temática apresentamos dois conceitos matemáticos essenciais e de


grande aplicação em muitas áreas de saber e, naturalmente em computação (exem-
plo: a importância de relação em Base de Dados)- relação e função- se podem repre-
sentar em termos de conjuntos. Particular atenção será dada às relações binárias.
E mais adiante falaremos da àlgebra de Boole, uma introdução das leis e operações
em funções Booleanas.
Nesta unidade teremos:

• Definição de relação

• Definição de relação binária

• Produto cartesiano de conjuntos

• Construção de Diagramas para representação de relações binárias

• Lista de todos os elementos (pares) de uma relação binária através de matrizes

• Definição de relação inversa.

• Composição de produto de relações

• Domı́nio e imagem de relações

• Tipos de relações ( relações reflexivas, simétricas, ant-simétricas, transitivas e


de equivalência)

• Classes de equivalência

• Fechamentos

51
Tópicos em Introdução à Lógica

• Fechamento reflexivo

• Fechamento sométrico

• Fechamento transitivo

• Funções, aplicações (definição, composição e funções injectivas, sobrejectiva e


bijectiva)

• Definição de àlgebra Booleana

• Operações básicas de àlgebra booleana(operação OU,( adição lógica); operação


E (multiplicação lógica);

• Avaliação de expressões Booleanas

• Leis fundamentais e propriedades da àlgebra booleana (adição, multiplicação


e complementação lógica, comutatividade, associatividade e distributiviva).

Esta unidade irá precisar do seu tempo de 24 horas no total. Ela contém 6 aulas.

Vı́ctor Santos 52
Aula 11

Relações: Relação e Relação


Binária

11.1 Objectivos

Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-


dizagem:

• Ter conhecimento das relações e relações binárias

• Reprentar um produto cartesiano de conjuntos

• Construir diagramas para relações binárias

• Listar os elementos em uma relação binária através de matrizes

11.2 Relações

Definição 11.1. (Relação)


O conceito de relação é definido como sendo um conjunto de pares ordenados.

Dados dois objectos ”a” e ”b”, podemos formar um novo objecto (a; b) chamado
par ordenado a e b.

53
Tópicos em Introdução à Lógica

Nota 11.1. A notação (a, b) aqui é usada para um par ordenado, não para um
intervalo aberto o qual é desigando por ]a; b[ onde a, b ∈ R. O par ordenado (a; b)
não é o mesmo que o conjunto {a; b}.

Definição 11.2. (Pares ordenados iguais)


Dois pares ordenados (a; b) e (c; d) são considerados iguais se e somente se a = c
e b = d.

Exemplo 11.1. (x; y) = (2; 5) se e somente se x = 2 e y = 5.

Definição 11.3. (Produto cartesiano de conjuntos)


Sejam A e B dois conjuntos quaisquer. O conjunto de todos os pares ordenados
(x; y), com x ∈ A e y ∈ B é chamado produto cartesiano de A e B e é denotado
por
A × B = {(x; y) : x ∈ A ∧ y ∈ B} (11.1)

Nota 11.2. Para o par ordenado (a; b) ”a” é chamdo primeira coordenada e ”b”
segunda coordenada.

Exemplo 11.2. Sejam A = {a, b, c} e B = {2, 5}. Encontre os produtos cartesianos


A × B e B × A.
Resolução:
A × B = {(a, 2); (a, 5); (b, 2); (b, 5); (c, 2); (c, 5)} e
B × A = {(2, a); (2, b); (2, c); (5, a); (5, b); (5, c)}. Notemos que A × B 6= B × A.

11.3 Relação binária

Definição 11.4. (Relação binária)


Uma relação binária R de A para B (ou A em B ) é um subconjunto do produto
cartesiano A × B. Denota-se (a; b) ∈ R por aRb.

Nota 11.3. O sı́mbolo aRb é lido ”a está relacionado a b”ou ”a está relacionado
com b.”Quando A e B são iguais, digamos X, diremos que a relação R é uma
relação binária em X em vez de ”de X para X.”

Vı́ctor Santos 54
Tópicos em Introdução à Lógica

Definição 11.5. (Domı́nio da relação binária)


Conjunto da primeiras coordenadas ”a” dos elementos da relação binária é chamado
domı́nio. Designamos por

Dom(R) = {a ∈ A : ∃b ∈ B ((a; b) ∈ R)} (11.2)

Definição 11.6. (Contradomı́nio da relação binária)


Conjunto da segundas coordenadas ”b” dos elementos da relação binária é chamado
contradomı́nio. Designamos

Im(R) = {b ∈ B : ∃a ∈ A ((a; b) ∈ R)} (11.3)

Exemplo 11.3. Seja A = {1, 2, 3}, B = {2, 3, 4}. Então:


A × B = {(1, 2); (1, 3); (1, 4); (2, 2); (2, 3); (2, 4); (3, 2); (3, 3); (3, 4)}. O conjunto
R1 = {(1, 2); (1, 3); (1, 4); (2, 3); (2, 4); (3, 4)} determina uma relação binária: ”x é
menor que y.”Onde o Dom(R1 ) = {1, 2, 3} e Im(R1 ) = {2, 3, 4}.

11.4 Representação da relação binária

11.4.1 Matrizes

Para listar todos os elementos (pares) de uma relação binária em caso de conjuntos
finitos é cómodo usar tabelas chamadas matrizes. Por meio de matrizes é fácil en-
contrar todos os pares do produto A×B e destacar entre eles aqueles que pertencem
a relação binária dada.

Exemplo 11.4. Para A = {1; 3; 5} e B = {2; 4; 6} representemos por meio de uma


matriz a relação binária R2 = {(a, b) ∈ A × B : b − a = 1}.
A primeira coluna da matriz são elementos de A, a primeira linha são elementos de
B, outras linhas e colunas são elementos de A × B.

Vı́ctor Santos 55
Tópicos em Introdução à Lógica

A\B 2 4 6
1 (1,2) (1, 4) (1, 6)
3 (3, 2) (3,4) (3, 6)
5 (5, 2) (5, 4) (5,6)

Assim, a relação binária R2 tem como elementos representados a negrito.


R2 = {(1, 2); (3, 4); (5, 6)}.

11.4.2 Diagramas

Além da listagem dos elementos de R usa-se outros meios para representar as


relações binárias como por meio de diagramas.

Exemplo 11.5. Dados os conjuntos A = {2, 4, 6, 8} e B = {1, 3, 5, 7, 9}.


A × B = {(2, 1); (2, 3); (2, 3); (2, 5); (2, 7); (2, 9); (4, 1); (4, 3); (4, 5); (4, 7); (4, 9); (6, 1);
(6, 3); (6, 5); (6, 7); (6, 9); (8, 1); (8, 3); (8, 5); (8, 7); (8, 9)}.
Determinamos a relação binária R1 como R1 = {(4, 1); (6, 1); (6, 3); (8, 1); (8, 3); (8, 5)}.
Esta relação binária R1 podemos representa-la por meio de diagramas.

Figura 11.1: Relação binária R1

Vı́ctor Santos 56
Aula 12

Relação Binária (cont), Relação


Inversa e Composição de Relações

12.1 Objectivos

Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-


dizagem:

• Listar os elementos em uma relação binária através de grafos e matriz de


adjacência.

• Ter conhecimento de uma relação inversa

• Ter conhecimento de produto de relações;

12.2 Representação da relação binária

12.2.1 Grafos

Por meio de de grafos orientados é cómodo representar as relações de A para A.

Definição 12.1. (Grafo orientado)


Um grafo orientado é um conjunto de pontos correspondentes aos elementos de A
(vértices) e setas que unem o primeiro elemento da relação com o segundo (arestas).

57
Tópicos em Introdução à Lógica

Se um dos elementos de A está relacionado a si próprio, a seta transforma-se à um


arco que sai e volta para o mesmo ponto.

Exemplo 12.1. Dada a relação R = {(1, 1); (1, 2); (2, 1); (2, 2); (2, 3); (2, 4); (3, 4); (4, 1)}
de A para A onde A = {1, 2, 3, 4}. A relação R acima é representada através do
digrafo.

12.2.2 Matriz de Adjacência

Uma das formas mais utilizadas para representar relação binária R é por via da
matriz de adjacência. É mais fácil construir depois de obter o dı́grafo.
Seja MR = [rij ] uma matriz n × n onde n é o número de vértices de um dı́grafo
ou a partir da relação dada, n é o número de elementos do domı́nio da relação. A
matriz 
 1 se (xi , xj ) ∈ R
MR = (12.1)
 0 se (xi , xj ) ∈
/R

onde os pares (xi , xj ) pertencem a relação.

Exemplo 12.2. Vejamos a relação binária dada no eexemplo 12.1. A matriz de


adjacência é dada por:
 
1 1 0 0
 
 
1 1 1 1
MR = 



0 0 0 1
 
1 0 0 0

Vı́ctor Santos 58
Tópicos em Introdução à Lógica

12.3 Relação binária inversa


Definição 12.2. (Relação inversa)
Sejam A e B dois conjuntos, não necessariamente distintos, e seja R uma relação
binária de A para B. Então a relação inversa R−1 da relação R é a relação de B
para A tal que bR−1 a se e somente se aRb ou seja

R−1 = {(b, a) ∈ B × A : (a, b) ∈ R} (12.2)

Exemplo 12.3. Vejamos os seguintes exemplos:

(a) Sejam A = {a, b} e B = {x, y, z} e seja R ⊂ A × B dada por


R = {(a, x); (b, y)}. Então R−1 = {(x, a); (y, b)} ⊂ B × A.

(b) Seja R = {(y, x) ∈ N × N : x divide y}. Então


R−1 = {(y, x) ∈ N × N : y é múltiplo de x}.

12.4 Composição (Produto) de relações


Definição 12.3. (Composição ou produto de relação)
Se xR1 y é uma relação binária de A para B e yR2 z é uma relação binária
de B para C, então xRz é uma relação binária de A para C que se chama
composição ou produto de relações e designa-se por R = R2 ◦ R1 .

R2 ◦ R1 = {(a, c) ∈ A × C : ∃b ∈ B (((a, b) ∈ R1 ) ∧ ((b, c) ∈ R2 ))} (12.3)

Exemplo 12.4. Sejam A = {1, 2, 3}, R = {(1, 1); (2, 3); (3, 1)} e T = {(1, 2); (2, 2); (3, 2)}.
Então R ◦ T = {(1, 3); (2, 3); (3, 3)} e T ◦ R = {(1, 2); (2, 2); (3, 2)}.

Vı́ctor Santos 59
Aula 13

Tipos de Relações Binárias

13.1 Objectivos
Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-
dizagem:

• Identificar diferentes tipos de relações e aplicar em exercı́cios concretos

13.2 Relações reflexivas


Definição 13.1. (Relação reflexiva)
Dado o conjunto A. Uma relação binária R é reflexiva se e somente se ∀x ∈ A
(x, x) ∈ R ou ∀x ∈ A xRx.

Exemplo 13.1. Sejam V = {1, 2, 3, 4} e R = {(1, 1); (2, 4); (3, 3); (4, 1); (4, 4)}.
A relação R não é reflexiva porque o par (2, 2) ∈
/ R.

13.3 Relações simétricas


Exemplo 13.2. (Relação simétrica)
Dado o conjunto A. Uma relação R é simétrica se e somente se ∀x ∈ A e ∀y ∈ A
(xRy → yRx).

Exemplo 13.3. Seja a relação R de conjuntos de todos os números naturais por


função proposicional: ”x divide y”. Então a relação R não é simétrica, porque por

60
Tópicos em Introdução à Lógica

exemplo: 2 divide 4 mas 4 não divide 2. Ou, (2, 4) ∈ R mas (4, 2) ∈


/ R.

13.4 Relações Transitivas

Definição 13.2. (Relação transitiva)


Dado o conjunto A. Uma relação binária R é transitiva se e somente se
∀x ∈ A, ∀y ∈ A e ∀z ∈ A ((xRy ∧ yRz) → xRz).

Exemplo 13.4. Seja A um conjunto de todos os indivı́duos do planeta. Seja R


uma relação binária definida por uma função proposicional "x gosta de y ." Se
"Se a gosta de b" e "b gosta de c," daqui não necessariamente que "a gosta
de c." Logo R neste caso não é uma relação transitiva.

Exemplo 13.5. Seja R uma relação de conjuntos R de números reais definida por
uma função proposicional "x é menor que y."Então, R é transitiva porque se
a < b e b < c implica a < c.

Exemplo 13.6. Sejam A = {a, b, c} e R = {(a, b); (c, b); (b, a); (a, c)}.
R não é transitiva porque (c, b) ∈ R, (b, a) ∈ R, mas (c, a) ∈
/ R.

13.5 Relação de Equivalência

Definição 13.3. (Relação de equivalência)


Dado o conjunto A. Uma relação R é uma relação de equivalência se e somente se
R é reflexiva, simétrica e transitiva.

Exemplo 13.7. Dada a relação R definida sobre o conjunto dos números naturais
como: R = {(x, y) : |x − y|mod2 = 0|}(resto da divisão por 2 é zero).
Podemos observar alguns dos pares ordenados desta relção:
R = {· · · , (1, 3); (1, 1); (3, 1); (1, 5); (5, 1); (3, 3); (5, 5); (0, 0); (0, 2); (2, 4); (4, 2), (2, 2) · · · }.
Esta relação é refelexiva, simétrica e transitiva.

Vı́ctor Santos 61
Tópicos em Introdução à Lógica

13.6 Relações Anti-Simétrica


Definição 13.4. (Relação anti-simétrica)
Dado o conjunto A. Uma relação R é ant-simétrica, se e somente se xRy e yRx
verifica-se simultaneamente só em caso de x = y. Ou
∀x ∈ A, ∀y ∈ A ((xRy) ∧ (yRx) → y = x).

Exemplo 13.8. Seja R a relação de conjuntos de números naturais definida por


função proposicional "x divide y." Esta relação é anti-simétrica porque se "a
divide b" e "b divide a" implica a = b.

Exemplo 13.9. Sejam A = {1, 2, 3, 4} e R = {(1, 3); (4, 2); (2, 4); (4, 4)}. Então R
não é anti-simétrica porque (4, 2) ∈ R e (2, 4) ∈ R.

Nota 13.1. Uma relação não anti-simética, não significa necessariamente simétrica.
A relação dada no último exemplo acima, não é anti-simétrica nem simétrica pois
temos o par (1, 3) mas não temos o par (3, 1).

Vı́ctor Santos 62
Aula 14

Fechamento das Relações

14.1 Objectivos
Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-
dizagem:

• Ter conhecimento, identificar os fechamentos ( reflexivo, simétrico e transitivo)


e aplicar em exercı́cios concretos.

14.2 Fechamento das Relações Binárias


Seja R uma relação sobre o conjunto A. Pode acontecer que R não possua algumas
propriedades importantes, tais como refelxividade, simétria e transitividade.
Se R não possui uma propriedade particular pode-se querer adicionar os pares
rlacionados em R até que ela adquira a propriedade desejada.
naturalmente, deseja-se adicionar o menor número de pares possı́vel, de modo a
obter a menor relação R1 sobre A que possui a propriedade desejada.
eventualmente, R1 pode não existir, então se a relação R1 existe, ela é chamada de
Fechamento com a respeita propriedade em questão.

14.2.1 Fechamento reflexivo

O fechamento reflexivo de uma relação binária R num conjunto dado A é a menor


relação reflexiva em A que contém R. Ou seja, dada uma relação de R em A, o

63
Tópicos em Introdução à Lógica

fechamento reflexivo obtém-se acrescentando a R o mı́nimo de elementos necessários


para a tornar reflexiva. Designemos por Rr o fechamento é

Rr = R ∪ {(x, x) : x ∈ A} (14.1)

Exemplo 14.1. Dado o conjunto A = {1, 2, 3} e seja R uma relação definida em


A, R = {(1, 1); (1, 2); (2, 3)}. O fechamento reflexivo Rr = R ∪ {(1, 1); (2, 2); (3, 3)}
ou seja Rr = {(1, 1); (1, 2); (2, 2); (2, 3); (3, 3)}.

14.2.2 Fechamento simétrico

O fechamento simétrico Rs de uma relação R em um conjunto A é dado por

Rs = R ∪ {(x, y) : (y, x) ∈ R} (14.2)

ou seja, o fechamento simétrico de R é a união de R com sua relação inversa R−1 .

Exemplo 14.2. Seja R = {(1, 1); (1, 2); (1, 3); (3, 1); (2, 3)} uma relação em A =
{1, 2, 3}. O fechamento simétrico é
Rs = R∪R−1 = {(1, 1); (1, 2); (1, 3); (3, 1); (2, 3)}∪{(1, 1); (2, 1); (3, 1); (1, 3); (3, 2)}
Isto é, Rs = {(1, 1); (1, 2); (2, 1); (1, 3); (3, 1); (2, 3); (3, 2)}.

14.2.3 Fechamento transitivo

O fechamento transitivo depende de algorı́tmos especiais (não usamos os métodos


como reflexivo e simétrico para determinar o fechamento transitivo).
Suponhamos que R é uma relação sobre um conjunto A e que R não é transitiva.
O fechamento transitivo de R é simplesmente a relação de conectividade R∞ .
Vejamos o seguinte exemplo.

Exemplo 14.3. Sejam A = {1, 2, 3, 4} e R = {(1, 2); (2, 3); (3, 4); (2, 1)}. Achar o
fechamento transitivo de R. Para tal usamdo dois métodos.

Método 1: Geométrico

Vı́ctor Santos 64
Tópicos em Introdução à Lógica

Esbocemos o dı́grafo da relação dada R. (Esboce!) E, computamos todos os cami-


nhos:

• A patir do vértice 1, temos caminhos para 2, 3, 4, e 1.

• a partir do vértice 2, temos os caminhos para 2, 1, 3 e 4.

• O único outro caminho é aquele que vai do vértice 3 para o vértice 4.

Assim: R∞ = {(1, 1); (1, 2); (1, 3); (1, 4); (2, 1); (2, 2); (2, 3); (2, 4); (3, 4)}.

Método 2: Algébrico
Computamos potências da matriz de R sobre A.
Primeiro escrevemos na forma da matriz de adjacência a relação dada, isto é
     
0 1 0 0 0 1 0 1 0 1 0 1
     
     
1 0 1 0 1 0 1 0 1 0 1 0
MR =   ; (MR )2 =   ; (MR )3 =  ;
     
0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0
     
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
 
1 0 1 0
  

0 1 0 1
  (M )2 se n é par
R
(MR )4 =   . Notemos que (MR )n =

0 0 0 0
  (M )3 se n é ı́mpar
R
 
0 0 0 0
Portanto:  
1 1 1 1
 
 
2 3
1 1 1 1
MR∞ = MR ∧ (MR ) ∧ (MR ) =  
 . Ou

0 0 0 1
 
0 0 0 0

R∞ = {(1, 1); (1, 2); (1, 3); (1, 4); (2, 1); (2, 2); (2, 3); (2, 4); (3, 4)}.

Nota 14.1. Para conjuntos e relações grandes usa-se outros métodos como al-
gorı́timo de Warshall. (Fora do nosso escopo!.)

Vı́ctor Santos 65
Aula 15

Funções

15.1 Objectivos

Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-


dizagem:

• Ter conehecimento de função ou aplicação

• Conhecer diferentes tipos de funções

15.2 Aplicações e funções

15.2.1 Aplicação

Definição 15.1. (Aplicação)


Aplicação é um subconjunto do conjunto R de relações, tal que dois pares diferentes
não possuem a mesma primeira coordenada.

A segunda coordenada y de um par (x, y) da aplicação T é chamada imagem


de x. y = T (x).
A primeira coordenada x de um par (x, y) da aplicação T é chamada argumento.
A aplicação define de facto uma correspondência entre dois conjuntos X e Y,
T : X → Y.

66
Tópicos em Introdução à Lógica

15.2.2 Funções

Definição 15.2. (Função)


A aplicação f chama-se função de X para Y se para cada x ∈ X existe exactamente
um y ∈ Y tal que (x, y) ∈ f.

Em outras palavras, f é uma função de X para Y significa

∀x ∈ X ∃!y ∈ Y : (x, y) ∈ f. (15.1)

Nota 15.1. A definição da função f : X → Y é idêntica à definição de aplicação,


mas o termo função como regra usa-se para aplicações definidas nos conjuntos
numéricos

Definição 15.3. Um elemento arbitrário x ∈ X (argumento) é chamado variável


e um elemento particular a ∈ X é um valor da variável
A imagem b de a é chamada valor da função para o valor a da variável.
X é chamado domı́nio de f e Y é chamdo contradomı́nio de f.

Exemplo 15.1. Sejam A = {1, 2, 3, 4} e B = {4, 5, 6, 7}. A função dada da forma


de relações de pares f = {(1, 4); (2, 7); (3, 5); (4, 7)}. Esta relação é uma função
porque não temos dois pares diferentes com a mesma primeira coordenada.

Actividade Formativa 7

1- Represente o diagrama de relações da função dada no exemplo 15.1


2- Sejam A = {1, 2, 3} e B = {x, y, z}. Das relações abaixo dadas pelos seus
diagramas, indique as que são funções e justifique.

Vı́ctor Santos 67
Tópicos em Introdução à Lógica

15.2.3 Composição de funções

Sejam A, B e C três conjuntos quaisquer, f uma relação de A em B e g uma


relação de B em C. A partir da definição 12.3 a relação composta g ◦ f de A em C
é dada da seguinte forma

g ◦ f = {(a, c) ∈ A × C : ∃b ∈ B (((a, b) ∈ f ) ∧ ((b, c) ∈ g))} (15.2)

Falta garantir que a relação g ◦ f é de facto uma função, mas com:

1. Dom(g ◦ f ) = Dom(f ) = A.

2. Se (a, c) ∈ g ◦ f e (a, d) ∈ g ◦ f precisamos mostrar que c = d.


Como f é função, para cada a ∈ A existe um único b ∈ B tal que (a, b) ∈ f
e como g é uma função, para este b = f (a) ∈ B, existe um único c ∈ C tal
que (f (a), c) ∈ g, ou seja, (f (a), g(f (a))) ∈ g. Esta unicidade de existência
garante que d = c. logo

c = g(b) = g(f (a)).

Exemplo 15.2. Considere as funções f : R → R e g : R → R definidas por


f (x) = x + 1 e g(x) = x2 então

(g ◦ f )(x) = g(f (x)) = g(x + 1) = (x + 1)2 = x2 + 2x + 1


(f ◦ g)(x) = f (g(x)) = f (x2 ) = x2 + 1.

Este resultado mostra o teorema a seguir

Teorema 15.1. Se f : A → B e g : B → C são funções então a relação composta


g ◦ f é uma funcão de A em C.

15.2.4 Funções injectivas, sobrejectivas e bijectivas

Definição 15.4. (Função injectiva)


Diremos que a função f : A → B é injectiva se ela associar imagens diferentes a
cada par de argumentos (pré-imagens) diferentes. Em sı́mbolos,

f : A → B é injectiva ⇔ ∀a1 , a2 ∈ A, a1 6= a2 ⇒ f (a1 ) 6= f (a2 )

Vı́ctor Santos 68
Tópicos em Introdução à Lógica

Alternativamente, podemos expressar esta condição usando a forma contrapositiva:

f : A → B é injectiva ⇔ ∀a1 , a2 ∈ A, f (a1 ) = f (a2 ) ⇒ a1 = a2 .

Definição 15.5. (Função sobrejectiva)


Dizemos que a função f : A → B é sobrejectiva se o seu contradomı́nio for igual a
sua imagem, ou seja, B = Im(f ). Em sı́mbolos,

f : A → B é sobrejectiva, ⇔ ∀b ∈ B, ∃a ∈ A : f (a) = b.

Definição 15.6. (Função bijectiva)


Dizemos que a função f : A → B é bijectiva se ela for ao mesmo tempo injectiva e
bijectiva.

15.2.5 Função inversa

Recordemos que se R é uma relação de A em B, então a relação inversa

R−1 = {(b, a) ∈ B × A : (a, b) ∈ R} é uma relação de B em A.

Como toda a função f : A → B é também uma relação de A em B, então, podemos


sempre considerar a relação inversa f −1 de B para A. A pergunta naturalmente que
surge é: quando é que essa relação inversa é uma função? Esta questão é considerada
no próximo resultado:

Teorema 15.2. Dada a função f : A → B, considere a relação inversa f −1 ⊂


B × A. Então f −1 é uma função de B em A se e somente se f é bijectora.

Daqui podemos obter a definição a seguir

Definição 15.7. (Função inversa)


A função inversa de uma função bijetora f : A → B é a função f −1 : B → A que
satisfaz a seguinte condição para a ∈ A e b ∈ B :

f −1 (b) = a ⇔ f (a) = b.

Exemplo 15.3. Sejam os conjuntos A = {1, 2, 3}, B = {x, y, z, w}, C = {4, 5, 6}


e D = {a, b, c}. Definimos as funções f : A → B, g : B → C, h : C → D pelos
diagramas:

Vı́ctor Santos 69
Tópicos em Introdução à Lógica

(i) A aplicação f : A → B que definimos a relação f = {(1, y); (2, w); (3, x)} é
injectora, pois cada elemento de A tem imagem distinta. E, não é sobrejectora,
pois z ∈ B não é imagem de nenhum elemento de A.

(ii) A aplicação g : B → C que definimos a relação g = {(x, 4); (y, 5); (z, 4); (w, 6).}
não é uma função injectora, pois x e z estão associado ao mesmo elemento 4.
Esta aplicação g : B → C é sobrejectora pois cada elemento de C é imagem
de algum elemento de B.

(iii) A aplicação h : C → D que definimos a aplicação h = {(4, b); (5, c); (6, a)} é
uma função injectora e sobrejectora por isso é uma função bijectora. Logo h
tem uma função inversa.

Vı́ctor Santos 70
Actividades de Auto-avaliação

1. Dados os conjuntos: A = {2, 4}, B = {3, 5}, C = {5, 6, 7}, D = {1, 2, 3} e


E = {13}, determine:

(a) A × B (b) B × C (c) C × D (d) A × D (e) E × D (f ) B 2


(g) E 2 .

2. Sejam A = {1, 4, 9} e B = {−2, 2, 3}, listar as relações binárias e construir


no plano cartesiano.

(a) R1 = {(x, y) ∈ A × B : x + y ≤ 6}

(b) R2 = {(x, y) ∈ A × B : y 2 = x}

(c) R3 = {(x, y) ∈ A × B : x − y > 3}

(d) R4 = {(x, y) ∈ B × A : x = y}

(e) R5 = {(x, y) ∈ B × A : x < 3}

(f) R6 = {(x, y) ∈ B × A : y + x = 4}

(g) R7 = {(x, y) ∈ B 2 : x < 0 ∧ y < 0}

(h) R8 = {(x, y) ∈ A2 : x + y > 4}

3. Obtenha o domı́nio e o contradomı́nio das relações em 2).

4. Construa as relações em 2) no diagrama A × B, B × A, A2 e B 2 conforme a


relação.

5. Construa o grafo orientado para cada relação binária dada em 2).

6. Obtenha a matriz de adjacência para cada relação binária em 2).

71
Tópicos em Introdução à Lógica

7. Determine se as relações abaixo são reflexivas, simétricas, transitivas ou anti-


simétricas.

a) R = {(1, 3), (1, 1), (3, 1), (1, 2), (3, 3), (4, 4)}

b) R = {(1, 1), (1, 2), (2, 1), (2, 2), (3, 3), (3, 4), (4, 3), (4, 4)}.

8. Identifique as relações determinadas pelos grafos orientados (dı́grafos) abaixo


e ache suas matrizes de adjacência:

Figura 15.1: Relação R1 Figura 15.2: Relação R2

Figura 15.4: Relação R4


Figura 15.3: Relação R3

Figura 15.5: Relação R5 Figura 15.6: Relação R6

9. Considere a relação R = {(1, 3), (1, 4), (2, 1), (3, 2)} sobre o conjunto A =
{1, 2, 3, 4}. Encontre o fechamento reflexivo, simétrico e transitivo de R.

Vı́ctor Santos 72
Aula 16

Álgebra Booleana

16.1 Objectivos
Para o alcance do objectivo da aula são definidos os seguintes objectivos de apren-
dizagem:

• Avaliar expressões Booleanas.

• Ter conhecimento das leis e propriedades da álgebra booleana.

16.2 Álgebra de Boole


Em 1854, George Boole introduziu o formalismo que até hoje se usa para o trata-
mento sistemático da lógica, que é a chamada Álgebra Booleana. Em 1938, C. E.
Shannon aplicou esta álgebra para mostrar que as propriedades de circuitos elétricos
de chaveamento podem ser representadas por uma álgebra Booleana com dois valo-
res.
Uma álgebra booleana consiste em um conjunto não-vazio B contendo dois ele-
0
mentos distintos 0 e 1, dois operadores binários + e ·, e um operador inverso
satisfazendo as seguintes condições para todos os x, y e z ∈ B tal que:

1. lei comutativa

• x + y = y + x, • x·y =y·x

2. lei associativa

73
Tópicos em Introdução à Lógica

• x + (y + z) = (x + y) + z, • x · (y · z) = (x · y) · z

3. lei distribuitiva

• x · (y + z) = (x · y) + (x · z), • x + (y · z) = (x + y) · (x + z)

4. lei identidade

• x+0=x • x.1 = x

5. lei de complemento

• x + x0 = 1 • x.x0 = 0.

Em sı́mbolos, a àlgebra booleana é denotada por (B, +, ·,0 , 0, 1).


As operações +, · e 0 são chamados soma, (adição lógica), produto, (multiplicação lógica)
e complementação, (negação lógica) respectivamente.
Estes operadores são sı́mbolos genéricos. O operador + não significa adição nem o
operador · significa multiplicação.
Desde que + e · são operadores binários, ambos x + y e x.y pertencem a B para
0
todo x, y ∈ B. Desde que seja um operador, x0 ∈ B para todo x ∈ B.
Os elementos 0 e 1 são elemento zero e o elemento unitário respectivamente. Estes
são elementos genéricos, não precisam ser familiarizados com zero e um.
0
Exemplo 16.1. Seja B = {0, 1}. Define-se os operadores +, · e em B como se
segue

• 0+0=0 • 0+1=1 • 1+0=1 • 1 + 1 = 1.

• 0·0=0 • 0·1=1 • 1·0=1 • 1 · 1 = 1.

• 00 = 1, • 10 = 0.

A partir do exemplo acima podemos definir:

Definição 16.1. (Operador OU adição lógica ”+”)


A operação OU resulta 1 se pelo menos uma das variáveis de entrada vale 1.

Note que a operação OU só pode ser definida se houver, pelo menos, duas variáveis
envolvidas. Ou seja, não é possı́vel realizar a operação sobre somente uma variável.
Devido a isso, o operador ”+”(OU ) é dito binário.

Vı́ctor Santos 74
Tópicos em Introdução à Lógica

Definição 16.2. (Operador E multiplicação lógica ” · ”)


A operação E resulta 0 se pelo menos uma das variáveis de entrada vale 0.

Pela definição dada, pode-se deduzir que o resultado da operação E será 1 se, e
somente se, todas as entradas valerem 1.
Assim como a operação OU, a operação E só pode ser definida entre, pelo menos
duas variáveis. Ou seja, o operador ” · ” (E) também é binário.

A operação complementação dispensa uma definição. É a operação cujo resultado


é simplesmente o valor complementar ao que a variável apresenta. Também devido
ao fato de uma variável Booleana poder assumir um entre somente dois valores, o
valor complementar será 1 se a variável vale 0 e será 0 se a variável vale 1.

Teorema 16.1. Sejam x e y elementos arbitrários numa álgebra booleana hB, +, ·,’, 0, 1i.
Então:

1. leis idempotência

• x+x=x • xx = x

2. leis de limitação

• x+1=1 • x0 = 0

3. leis de involução

• (x0 )0 = x • 00 = 1 • 10 = 0

4. leis de absorção

• x + xy = x • x(x + y) = x

5. leis de Morgan

• (x + y)0 = x0 y 0 • (xy)0 = x0 + y 0 .

Provemos a primeira lei de idempotência no exemplo a seguir:

Vı́ctor Santos 75
Tópicos em Introdução à Lógica

Exemplo 16.2. Prove que x + x = x.


Resolução:
x + x = (x + x)1 lei de identidade(x · 1 = x)
= (x + x)(x + x0 ) lei de complemento(x + x0 = 1)
= xx + xx0 + xx + xx0 lei distribuitiva
= x + xx0 lei de idempotência(x + x = x, xx = x)
= x + 0 lei de complemento(xx0 = 0)
= x.

Actividade Formativa 8

Prove as restantes leis dadas no teorema 16.1.

16.3 Funções booleanas

Uma variável booleana assume o valor 0 ou 1.

Definição 16.3. (função booleana)


A função booleana é uma função f : B n → B, onde B n = B × B × · · · × B, é o
produto de B consigo mesmo para n factores.

Seja (x1 , x2 , · · · , xn ) ∈ B n . Então o valor da função booleana f em (x1 , x2 , · · · , xn )


é denotado por f (x1 , x2 , · · · , xn ).
Desde que codom(f ) = B, o valor da função booleana para qualquer valor da en-
trada (x1 , x2 , · · · , xn ) é 0 ou 1. (codom(f ) denota o cotradomı́nio da função).
Funções booleanas podem ser definidas por tabelas lógicas. As Tabelas 1 e 2 defi-
nem duas funções booleanas de B 2 a B. O valor f (x, y) é dado por uma combinação
dos valores de x e y. (Nota a similaridade entre estas tabelas e as tabelas de verdade
para a disjunção e conjunção de duas proposições.)

Vı́ctor Santos 76
Tópicos em Introdução à Lógica

x y f (x, y) x y f (x, y)

0 0 0 0 0 0
0 1 1 Tabela 1: Adição. 0 1 0 Tabela 2: Multiplicação.

1 0 1 1 0 0
1 1 1 1 1 1

Funções booleanas também podem ser definidas por expressões booleanas compostas
de variáveis e operadores booleanos.

Exemplo 16.3. Se x, y e z são variáveis, então xy, (xy)0 , x + yz e x + (xy)0 são


expressões booleanas.

Exemplo 16.4. Avalie a expressao booleana x + (yz)0 dos tripletes (0, 1, 0) e


(0, 1, 1).
Resolução:
Quando x = 0, y = 1 e z = 1 temos x + (yz)0 = 0 + (1 · 0)0 = 0 + 00 = 0 + 1 = 1.
Quando x = 0, y = 1 = z temos x + (yz)0 = 0 + (1 · 1)0 = 0 + 10 = 0 + 0 = 0.

16.3.1 Igualdade das expressões booleanas

Duas expressões booleanas E1 (x1 , x2 , · · · , xn ) e E2 (x1 , x2 , · · · , xn ) são iguais deno-


tado por E1 (x1 , x2 , · · · , xn ) = E2 (x1 , x2 , · · · , xn ) se eles produzem o mesmo valor
para todos (x1 , x2 , · · · , xn ) ∈ B n .
Quando as expressões booleanas são simples, tabelas lógicas podem determinar se
elas são iguais.

Exemplo 16.5. Usando a tabela lógica, verifique que (x + y)0 = x0 y 0 .


Solução:

x y x+y (x + y)0 x0 y0 x0 y 0

0 0 0 1 1 1 1
0 1 1 0 1 0 0
1 0 1 0 0 1 0
1 1 1 0 0 0 0

Vı́ctor Santos 77
Tópicos em Introdução à Lógica

A expressão booleana x + (yz)0 define a função booleana f : B 3 → B onde


f (x, y, z) = x + (yz)0 . Então:
f (0, 0, 0) = 0+(0·0)0 = 0+00 = 0+1 = 1 e f (1, 1, 1) = 1+(1·1)0 = 1+10 = 1+0 = 1.
Os valores da saida da função para vários valores de entrada (x, y, z) são mostrados
na tabea a seguir:

x y z xy (yz)0 f (x, y, z) = x + (yz)0

0 0 0 0 1 1
0 0 1 0 1 1
0 1 0 0 1 1
0 1 1 1 0 0
1 0 0 0 1 1
1 0 1 0 1 1
1 1 0 0 1 1
1 1 1 1 0 1

Actividade Formativa 9

Construa a tabela lógica da função booleana f (x, y, z) = (x + y + z) · (xyz)0 .

Vı́ctor Santos 78
Bibliografia

1. Hoan N.Cong, Lógica e Teoria de Conjuntos, DMI, UEM, 2008.

2. Labóvskiy Sergey, Introdução a lógica e teoria de conjuntos. Junho 2010.

3. Gorban Anatoli, Elementos de lógica e teoria de conjuntos, Mputo 1997.

4. Gelson Iezzi e Carlos Murakani, Fundamentos de Matemática 1 Elementar.


8a Edição, São Paulo. Brasil.

5. Abe. J. M; Scalzitti. A; Filho. J. I da S. Introdução à lògica para a ciência


da Computação. 2a Edição. Editora: Arte e Ciência.São Paulo.2002

6. Tomas Koshy, Discrete Mathematics with Aplications. 1st Edition. Decem-


ber 2003

7. Alexandre Kirilov, Introdução à Teoria de Conjuntos, para estudantes que


estão ingressando na matemática. Novembro de 2017.

79

Você também pode gostar