Você está na página 1de 12

Professor: WHESLER KARLO REIS NANGINO

Ozonoterapia
História O Ozônio foi descoberto em 1785 pelo Holandês Martin Van Marum. Em 1935
a publicação do resumo “Uber Ozonbehandlung in der Chirurgie” sobre o Tratamento com
Ozônio em Cirurgia, pelo cirurgião austríaco Erwin Payr, com 290 páginas, durante o 59
Congresso da Sociedade Alemã de Cirurgia, em Berlim, é considerado o início da Ozonioterapia
como se conhece nos dias atuais.
Na primeira metade do Século XX, a Ozonioterapia era limitada pela falta de materiais
resistentes à oxidação pelo ozônio. A utilização básica era a Ozonioterapia tópica.
Em 1935 a publicação do resumo “Uber Ozonbehandlung in der Chirurgie” sobre o
Tratamento com Ozônio em Cirurgia, pelo cirurgião austríaco Erwin Payr, com 290 páginas,
durante o 59 Congresso da Sociedade Alemã de Cirurgia, em Berlim, é considerado o início da
Ozonioterapia como se conhece nos dias atuais.
Na 1ª. Grande Guerra Mundial, a Ozonioterapia começou a ganhar status, sendo
utilizada em maior escala principalmente por alemães e ingleses no tratamento de ferimentos
de guerra, infecções e/inclusive gangrenas, evitando amputações tão comuns nessa época.
Foi graças a um grande médico Alemão, Hans H. Wolff (falecido em 1990), que dedicou
sua vida a Ozonioterapia, que essa arte ganhou reconhecimento mundial pelos seus efeitos,
praticidade e economia.
Atualmente na Alemanha são realizados cerca de 8 milhões de tratamentos com Ozônio
anualmente.
No Brasil, ainda é uma técnica bastante desconhecida, não é reconhecida como
profissão, havendo muita discussão para torna-la aceita. Nota que o Conselho Federal de
Odontologia, amparou seu uso por dentistas neste ano, sendo um grande passo para a
regulamentação profissional.

SOBRE A OZONOTERAPIA:
A Ozonioterapia é provavelmente a técnica de tratamento mais segura que existe.
No Brasil não há relatos de acidentes ou aplicações que trouxeram algum tipo de
complicação. No mundo, apenas 2 casos de complicações com o uso do Ozônio (não são
mencionados os problemas – Provavelmente (suponho eu) por administração venal direta ou
inalação.
A Ozonoterapia, tem por finalidade, administrar Oxigênio em sua forma ativada Ozônio
no tratamento de muitas queixas.
Houve a necessidade de produzir protocolos para ganhar respaldo científico/
acadêmico, além de mostrar a Ozonioterapia ao mundo como forma de tratar eficazmente com
Ozônio. Tendo em mente seus fundamentos, terá plena capacidade em realizar tratamentos
com ótimos resultados, funcionais e rápidos.
Mas para falar em inovar, é preciso primeiro aprender sobre a técnica da Ozonioterapia.
As formas de administrar Ozônio tem sido reformuladas constantemente. Os trabalhos
científicos aumentam a cada ano, mas a prática pessoal conta muito no atendimento com
Ozônio.
O Ozônio é um composto alotrópico de oxigênio formado por 3 átomos de O2 ligados
covalentemente com um ângulo de 127º. É encontrado abundantemente na estratosfera
servindo como protetor conta a radiação ultravioleta (UV) emitida pelo sol – Foto protetor.
Apesar de ser abundante e funcionar como barreira contra os raios ultravioleta, a
presença do gás na superfície terrestre é nociva à saúde humana. Seu efeito é extremamente
tóxico aos pulmões, nariz e olhos, pois estes sistemas não tem capacidade em modular ou
absorver corretamente a ação oxidante.
 - Antiviral, antifúngico, antimicrobiano. Inativa os vírus, bactérias, fungos e todas as
células doentes; - Ativa o sistema imunológico e aumenta a proteção através dos
antioxidantes;
 As oportunidades de ser contaminado com hepatite, SIDA|AIDS, sífilis e outras infecções
através da transfusão sanguínea podem ser eliminadas com uso do ozono;
 Altamente eficaz em problemas vasculares periféricos. As pessoas com gangrena ou
úlcera diabética podem livrar-se de amputação do membro afetado;
 Combate problemas cardiovasculares, aterosclerose, alivia a dor da angina e melhora a
circulação sanguínea; - Melhora a diabetes porque normaliza a glicemia;
 Tumores malignos, linfomas e leucemia podem ser tratados em conjunto com a
medicina convencional trazendo grandes benefícios;
 Eficaz em todas as formas de artrite reumatoide;
 Efetivo para todos os tipos de alergia; - Reverte o processo de envelhecimento e
melhora a esclerose múltipla, a perda de função cerebral no Alzheimer, o Mal de
Parkinson, e outras doenças neurológicas;
 O uso tópico e externo é bastante eficaz para a acne, queimaduras, úlcera na perna,
feridas, eczema e outros problemas de pele.
 Acelera a cicatrização;
 A insuflação vaginal trata candidíase e diversas formas de vaginite;
 A insuflação da bexiga é eficaz para a cistite da bexiga e as fístulas;
 É eficaz no tratamento e erradicação dos herpes, hepatite mononucleose, SIDA|AIDS e
cirrose;
 Reduz e até elimina muitos casos de dores crónicas através da ação nos receptores da
dor.
 Quanto ao uso, tendo sido as indicações já bem discutidas e publicadas, são:
 LOCAL: Colite Ulcerativa, Proctite, estados I e II, Prostaltites, Fístula Anal e fissuras.
 SISTÉMICAS: todas as indicações citadas para o uso da Auto-Hemoterapia Maior,
Hepatites B e C e para imunomodulação complementar em tratamentos oncológicos.

MECANISMOS DE AÇÃO:
Ainda não foram elucidados os mecanismos de ação do Ozônio em sua totalidade, para
isso, é necessário e fundamental um completo entendimento citológico e neurológico
principalmente, observar o mecanismo de mediadores químicos que ainda são desconhecidos
em sua totalidade e funcionalidade.
- Temos ampla convicção que o Ozônio possui grande efeito bactericida, antifúngico,
virustático.
Através da destruição de células anaeróbicas, Interferon e modulador imunológico.
- Liberação de Fatores de Crescimento: incremento do processo de reparação tecidual.
Os fatores de crescimento são um conjunto de substâncias, a maioria de natureza
proteica que juntamente com as hormonas e os neurotransmissores, desempenham uma
importante função na comunicação intercelular.
- Induz a modulação de Interferon, Citosinas e Eicosanoides: modulação do sistema
imune.
INTERFERON: É uma proteína produzida pelas células do organismo e dos animais vertebrados
e alguns invertebrados, com a finalidade de defendê-los contra agentes externos, tais como
bactérias, vírus, fungos e células neoplásicas. Esta proteína produz uma resistência antiviral em
células teciduais que não foram infectadas. Em seguida à síntese proteica, a proteína sai da
célula, alcançando a circulação sanguínea, até chegar às células que ainda não foram atacadas
elas partículas virais. Esta proteína, por sua vez, irá se ligar à membrana dessas células,
resultando na ativação do gene que codifica as proteínas antivirais. São produzidas na fase inicial
da infecção, formando a primeira barreira de resistência a diversas viroses.
EICOSANÓIDES - as moléculas que comandam e regulam a inflamação: São moléculas
produzidas pelas células a partir dos ácidos gordos, e que têm como função regular a inflamação
e o funcionamento do nosso sistema imunitário. Cabe aos diferentes eicosanoides um papel
fundamental na modulação da intensidade e duração da resposta inflamatória. Há diferentes
tipos de eicosanoides (prostaglandinas, tromboxenos, leucotrienos, entres outros), e todos com
determinadas funções. Uns chamam mais células do sistema imune para ajudar, outros alteram
a forma como o nosso sangue circula para facilitar a ação do sistema imune, preparando o
terreno para ajudar a batalha. Os eicosanoides têm ainda um papel importante na determinação
do fim da resposta imunitária quando esta já não é necessária, e na coordenação da recuperação
dos tecidos e células afetadas, num verdadeiro controle dos danos colaterais da batalha que
acabou de ocorrer.
CITOCINAS - Mediadoras da imunidade inata: Estimulam a ação dos macrófagos e das células
NK, tipos de linfócitos que têm o papel de combater, principalmente, células tumorais devido à
sua propriedade citotóxica.
Mediadoras da imunidade adquirida: Potencializam o combate e ativam os linfócitos T, que
serão diferenciados depois de reconhecerem o antígeno.
QUIMIOSINAS: Responsáveis pelo deslocamento de leucócitos para zonas de infecção, processo
denominado diapedese.
Estimuladoras de hematopoese (produção de sangue pela medula óssea): Estimulam o
desenvolvimento de precursores hematopoiéticos (em geral, hormônios) e assim, há a produção
de novas células para suprir aquelas usadas durante a resposta imune. Também são
denominadas fatores estimulantes de colônias. No desenrolar das respostas imunes, células de
memória são fabricadas, o que confere ao organismo uma capacidade maior de defesa caso haja
um novo contato com antígenos.
Liberação de Oxido Nítrico (NO) - estimula a neovascularização e neoangiogenese (formação
de novos vasos sanguíneos): Diretamente no relaxamento do músculo liso da parede dos vasos
sanguíneos, dilatando-o. Por esse fator, o fluxo do sangue aumenta, diminuindo a pressão
arterial. O óxido nítrico, produzido pelas células do sistema imunológico, possui a função de
combater bactérias. Age, também, como neurotransmissor das células nervosas para as demais.
O Óxido nítrico possui o poder de produzir a hemodilatação nos músculos, pois, dilatando os
vasos sanguíneos, aumenta o fluxo do sangue. Por esse fator, pode se associar o maior fluxo
sanguíneo com a recuperação muscular, processo que acaba por se tornar mais rápido. O óxido
nítrico, portanto, acelera a recuperação muscular e o ganho de massa magra, força e resistência,
levando os nutrientes de forma mais ágil e eficiente para o tecido muscular.

PUBLICIDADE
Entendendo para que serve o óxido nítrico, fica mais fácil de compreender o porquê de
existir tantos suplementos no mercado com essa substância em sua fórmula. O corpo possui
mecanismos que dissolvem qualquer agente que possua óxido nítrico em sua fórmula, por meio
de um valor específico do pH. Com a ajuda de suplementos, tornou-se possível controlar esse
valor de pH, levando o corpo a aceitar os agentes que liberam óxido nítrico, mantendo essa
substância presente no organismo por mais tempo.
Outros benefícios – curiosidades: O suplemento de óxido nítrico ainda possui outros
benefícios ao corpo humano, como o tratamento da disfunção erétil, por exemplo. Uma das
principais causas desse problema que acomete milhares de homens no mundo é o fenômeno
de atrofiamento dos vasos sanguíneos e, como o NO2 é capaz de melhorar a circulação do
sangue, este suplemento é capaz de levar a uma maior fluidez de sangue aos órgãos sexuais.
Esse papel é fundamental para a saúde sexual e geral. Quer mais Oxido Nítrico? Coma beterrabas
– orgânicas. E pratique exercício físico.
Regulação do sistema antioxidante / pró oxidante. Modula estresse oxidativo.
As defesas antioxidantes protegem os tecidos e líquidos corpóreos da lesão causada
pelos RLs produzidos pelo metabolismo normal, pela resposta à inflamação e às doenças, ou
provenientes de fontes externas. Eles estão em permanente atividade no organismo, visto que
a produção de RLs também é constante. O grupo dos antioxidantes é constituído por ácidos
graxos poli-insaturados de cadeia longa, substâncias hidrossolúveis e enzimas, alguns derivam
principalmente da dieta, como no caso das vitaminas E, C, do beta caroteno, Zn e Se. O
mecanismo de ação dos antioxidantes é bem variado, desde a remoção do oxigênio do meio,
varredura dos RLs, sequestro dos metais catalizadores da formação de RLs, aumento da geração
de antioxidantes endógenos ou mesmo a interação de mais de um mecanismo.
Modula – Equilibra o estresse oxidativo O estresse oxidativo pode ser definido como o
desequilíbrio entre a formação e remoção de agentes oxidantes no organismo, decorrente da
geração excessiva de espécies reativas de oxigênio (EROs) e/ou diminuição de antioxidantes
endógenos. Aumento do ciclo respiratório mitocondrial: incrementa a produção de energia
(ATP) e ativação do metabolismo celular.
Mitocôndria - Toda a atividade celular requer energia, é através da mitocôndria que esta energia
necessária às atividades das células será gerada.

Como funciona a Mitocôndria:


Para obter energia, a célula obrigatoriamente precisa de glicose. A mitocôndria tem a função de
quebrar a glicose introduzindo oxigênio no carbono, o que resta é o gás carbônico, que sairá
através da expiração. Este processo realizado por esta importante organela celular é conhecido
como respiração celular. Para que as células possam desempenhar suas funções normalmente,
elas dependem de várias reações químicas que ocorrem dentro da mitocôndria. Apesar de sua
grande importância, a mitocôndria é uma organela celular bastante pequena. Existem células
que possuem um grande número de mitocôndrias, contudo, a quantidade desta organela
dependerá da função de cada uma.  Quanto mais a célula necessitar de energia para realizar
suas funções vitais, mais mitocôndrias ela produzirá. 
ATP - Cada vez que ocorre a desmontagem da molécula de glicose, a energia não é simplesmente
liberada para o meio. A energia é transferida para outras moléculas (chamadas de ATP -
Adenosina Trifosfato), que servirão de reservatórios temporários de energia, “bateriazinhas”
que poderão liberar “pílulas” de energia nos locais onde estiverem.
No citoplasma das células é comum a existência de uma substância solúvel conhecida como
adenosina difosfato, ADP. É comum também a existência de radicais solúveis livres de fosfato
inorgânico (que vamos simbolizar por Pi), ânions monovalentes do ácido orto-fosfórico. Cada
vez que ocorre a liberação de energia na respiração aeróbica, essa energia liga o fosfato
inorgânico (Pi) ao ADP, gerando ATP. Como o ATP também é solúvel ele se difunde por toda a
célula.

Inibição da liberação de Bradicinina e da síntese de Prostaglandinas inflamatórias: reabsorção


de edema e alívio da dor.
BRADICININA - A bradicinina é um vasodilatador poderoso e permeabilizador da parede dos
vasos. A bradicinina contrai o músculo bronquial em alguns mamíferos, mas, mais lentamente
que a histamina, daí seu nome (Bradi=lentamente) e contrai o tecido muscular liso noutras
localizações também.
Em terminações nervosas sensíveis ela causa ativação das vias da dor, sendo uma das causas da
dor em qualquer processo inflamatório. Este efeito é potenciado por determinadas
prostaglandinas.
Há dois receptores, B1 e B2. O B1 só é expresso após danos tecidulares ou após produção da
citosina interleucina-1 e terá papel principal na dor crónica. O B2 é expresso normalmente em
algumas células, como as do músculo liso, sendo responsável pelo efeito vasodilatador.
PROSTAGLANDINAS: Aumento da percepção da dor – Indiciando febre, rubor, inflamação, perda
de audição – inclusive.
CORREÇÃO DO DNA
Algumas escolas acreditam que o Ozônio adentra nos Cromossomos corrigindo nossa
genética.
INDICAÇÕES:
 Infecções Bacterianas, Fônicas e Viróticas: Hepatites, Herpes
 Feridas e Úlceras Crônicas Diabéticas, Vasculares, Infecciosas
 Doença de Peyronie - Queimaduras - Inflamações Intestinais: Doença de Crohn,
Síndrome do Cólon Irritável
 Doenças Inflamatórias Reumáticas e Osteoarticulares:
 Artrites, Osteoartrose;
 Tendinites, Bursites, Epicondilite;
 Dor Miofascial;
 Contusões Musculares, Entorses;
 Hérnias de Disco.
 Neuropatias Diabética, Neuroma de Morton, Síndrome do Túnel do Carpo
 Coadjuvante em Doenças Metabólicas: Diabetes, Hipotireoidismo
 Doenças Mitocondriais: Fibromialgia
 Insuficiência Vascular, Vasculopatias - Coadjuvante na Depressão - Coadjuvante nas
Doenças Neurodegenerativas: Alzheimer, Parkinson,
 Esclerose Múltipla - Artrite Reumatoide, Lupus Eritematoso, Psoríase
 Coadjuvante em Doenças Imunológicas: SIDA,
 Coadjuvante no tratamento do Câncer.

CONCENTRAÇÕES:
Cada concentração em Ozonoterapia deve respeitar a adequação dos seguintes números de até,
no máximo, no limite de 0,05 – 5% de O3 para 95% de oxigênio puro. Em Ozonoterapia Menos
é mais. As doses de concentração determinam o efeito qual terá o Ozônio. O fator que pode
determinar seu sucesso.
Doses baixas: 5 a 15 MC/ML: efeito imunomodulador – doenças autoimunes.
Dose média: 20 a 30 MC/Ml: são imunomoduladoras e estimuladoras do sistema enzimático de
defesa antioxidante e de grande utilidade nas doenças crônico-degenerativas tais como,
diabetes, arteriosclerose, doença de Parkinson, Alzheimer e demência senil. Dores e doenças
metabólicas.
Doses altas: 30 a 60MC/ML: Utilizada especialmente em úlceras ou feridas infectadas. Também
para ozonizar azeite e água.
Na prática, observar o estado geral do paciente: Como seu paciente respira???
- Vamos chamar de Paciente Yin o indivíduo que se mostra apático, fechado, calado, cabisbaixo,
os casos depressivos.
- Paciente equilibrado – O Indivíduo que sabe ouvir, intervenções precisas, controle emocional
e postura equilibrada.
- Paciente Yang – Ansioso, fala em excesso, não sabe ouvir, dificuldade em ficar parado.

Note que ninguém é totalmente Yin ou Yang, podendo mudar de acordo com a sessão,
geralmente temos pacientes que vão de um extremo à outro durante o tratamento, observando
o paciente em estado mais equilibrado, é sinal de evolução.

Ex. Obeso, diabético, artrose no joelho e portador de doença autoimune.


• Observe, qual a principal queixa?
• O que mais lhe acomete?
• O que é mais importante ser tratado. Assim já tem noção qual dosagem usar, baixa,
média ou alta. Supõe que necessite de uma dose média, o paciente está Yin, equilibrado ou
Yang?
• Yin – Use concentração média maior, mais Ozônio 30mc/ml. • Equilibrado – Use
25mc/ml.
• Yang, use concentração média menor, Menos Ozônio, 20mc/ml.
Utilizando essa forma de observação em suas concentrações, não haverá erro, assiste
ao seu paciente como um todo, holisticamente, observando justamente a integração entre
corpo e mente.

Formas de administração

Retal
O carro chefe da Ozonioterapia, pode ser usado em qualquer patologia ou
afecção, transmite ozônio à corrente sanguínea pela mucosa intestinal, irrigando
todo organismo.

Indicações:
- Condições inflamatórias do intestino, crescente uso nos processo de
revitalização geral, grande efeito imunomodulador agindo em infecções
bacterianas e viroses.
- Hepatite.
- Problemas da próstata.
- Rigidez muscular em Paralisia Cerebral.

 Material:
o Sonda uretral no. 10
o Seringa bico slip de 60ml
o Luvas de procedimento
o Gel Ky ou Procaína gel
o Pinça Hemostática

 Procedimento:
o Preparo ao Paciente:
o Esvaziar o Intestino e ingerir bastante líquido.
o Pós limpeza e assepsia nas mãos, calçar as luvas, retira a sonda,
e lubrifica cerca de 10cm com o gel escolhido.
o Introduz de 10 a 12 cm no reto através do orifício anal.
o Retira com a seringa 60 ml de Ozônio e introduz na sonda
o Tampa a sonda com a própria tampa azul ou prende a pinça.
o Repete o procedimento.

Em Adultos, inicia com 4 seringas, aumentar uma seringa semanalmente em


adultos até 8 seringas e meia seringa em crianças de até 40Kg, até 6 seringas,
no intervalo de um ou dois dias, pós esse procedimento, observando melhora
do quadro.
Porcentagem/KG – Cada 20KG uma seringa de 60Ml.
A aplicação Retal é extremamente segura, higiênica e eficaz.

Nota = pós-aplicação, o paciente deve ingerir um copo d´água e ter seu abdômen
massageado levemente. Estudos recentes comprovam que a aplicação retal é
95% tão eficaz quanto a auto-hemoterapia maior.

Indicações: Este método é indicado primeiramente para condições inflamatórias


do intestino, mas está encontrando uso crescente para processos gerais em
revitalização, em substituição à Grande Auto-hemoterapia, em pacientes com
veias difíceis e crianças. Atua como imunomodulador, agindo como bactericida,
antiviral e ainda estimulante geral. Hepatite, quadros oncológicos e problemas
da próstata.
Pode ser considerada 95% tão eficaz quanto a AHT maior, em distúrbios
metabólicos seu efeito é superior à AHT maior.

Muscular/ Intra-articular/ Ozonopuntura


Indicações:
- Principalmente efeito sobre as dores, tendo grande ação anti-inflamatória e
analgésica, cicatrizante e regenerativa.
- Em pontos de acupuntura, substitui com grande eficácia as agulhas
convencionais, tendo resultado superior mantendo assim, a oportunidade em
ampliar os atendimentos em uma gama enorme de patologias.
 Material:
o Seringa de 20ml
o Agulhas finas para insulina, amarela (mais fina) ou bege.
o Álcool 70%
Para músculos, melhor usar a agulha bege, embora seja um pouco mais grossa
com aplicação pouco mais dolorida, a absorção de Ozônio é melhor, você
percebe que o Ozônio espalha em região, enquanto a agulha amarela, mais fina
tende a fixar o ozônio em um ponto, sendo mais indicada para pontos de
acupuntura.
 Procedimento:
o Pós assepsia das mãos e do local qual será aplicado, com
álcool 70, aplica-se 3 ML de Ozônio diretamente, Pós
aplicação, massageia levemente a região com algodão.
o Toda a aplicação deve seguir 45 graus o ângulo de inserção,
é sabido que nessa direção, forma-se microbolhas de
Ozônio que eleva seu potencial terapêutico. As aplicações
são subcutâneas, leve aplicação local

Indicações:
Analgesia
- Efeito imunomodulador e restaurador, analgesia (alívio de dores agudas e
crônicas, hérnia de disco) e fins estéticos (celulite, gordura localizada, flacidez,
escleroterapia de micro varizes, (usar ângulo proporcional), olheiras, rugas de
expressão, queda de cabelo, manchas de pele, cicatrizes hipertróficas,
quelóides, nódulos de gordura, (lipomas), dermatites, para revitalização facial e
no pós-operatório de cirurgias plásticas reparadoras ou estéticas.
Ouvidos ou auricular
 Material:
o Estetoscópio de silicone ou mangueira de silicone que
encaixe no orifício auricular.
o Creme hidratante, óleo mineral ou algum óleo ozonizado.

 Aplicação:
o Adapta a mangueira ou ponta do estetoscópio (mangueira –
sem o dispositivo de ausculta) nos ouvidos, durante 20
segundos e descansa 30 segundos, durante 5 minutos.
o Pós administração, hidrate o canal do ouvido com o meio
escolhido, evita coceiras e alergia pelo possível
ressecamento da pele.

Indicações: Doenças do ouvido, otites, labirintites, tonturas, dor de ouvido. Age


como revitalisador nervoso, muito usado em pacientes com Paralisia Cerebral e
ação ante estressante.

Auto-hemoterapia menor
 Material:
o Seringa de 20 ml bico slip, agulha 30 x 0,80MM (verde)
o Garrote
o Algodão
o Álcool
o Luvas de procedimento.

 Aplicação:
o Colhe 5ml de Ozônio e com a mesma seringa, retira 10Ml de
plasma venoso, mistura e aplica muscularmente no braço ou
glúteos 5 ml bilateralmente.

Indicações: efeito analgésico, anti-inflamatório, grande ação sobre a acne e


alergias cutâneas, dermatites, psoríase, eczemas. Fortalece o sistema
imunológico sendo muito utilizado no pré-operatório de qualquer procedimento
cirúrgico.
Obs., usando este calibre de agulha e tamanho, evita dores e que o músculo
fique roxo.

Auto-hemoterapia maior
 Material:
o Soro fisiológico para infusão venosa, 250ml.
o Scalp no 19 (branco),
o Equipo azul (Tro BR – Tro- Suluset Br ent air 2 vias – Azul).
o Seringa de 60 Ml bico slip,
o Garrote,
o Seringa bico slip de 20ml,
o Agulha 30x0,80 (verde, a mesma para auto-hemoterapia
menor) 25,
o Álcool 70,
o Algodão.
 Aplicação:
o Colhe 2 seringas de 60 Ml de Ozônio e aplica no soro.
o Colhe com seringa de 20ml sangue venoso com scalp 10 e
aplica no soro lentamente evitando ruptura das hemácias,
mantem o scalp
o Encaixa o equipo na abertura do soro e abre a válvula para
que desça o soro e seu conteúdo, 1 cm próximo ao bico,
encaixa esse no scalp e administra lentamente todo
conteúdo via venosa.

Obs., para evitar entupimento, usar justamente o scalp 19 e pequeno pedaço de


algodão abaixo deste deixando ele levemente inclinado.

Indicações: dores em geral, artrites, artroses, fibromialgia, etc., efeito


imunomodulador, agindo em infecções e viroses, estimulante geral, usado no
tratamento do câncer e em pacientes quimioterápicos, hepatite, sequelas de
AVC.

Uretral.
 Material:
o Soro fisiológico de 100ml,
o Seringa de 60 ml bico slip,
o Seringa de 5ml bico slip,
o Agulha 30 X 0,80,
o Luvas estéreis,
o Polvedine,
o Algodão,
o Sonda uretral no, 12.
o Equipo,
o Lençol (cama-de-gato).
o Xilocaína ou procaína.

 Aplicação:
o Abra a luva estéril e utiliza seu invólucro como campo
cirúrgico, é muito importante um ambiente estéril
evitando infecções.
o Colhe 60ml de ozônio e administra no soro.
o Encaixe o equipo na abertura do soro e abre até
preencher a seringa fecha a válvula do soro.
o Com algodão estéril, limpa a região da uretra com
polvedine, fazendo completa assepsia.
o Colhe com a seringa de 5ml, xilocaína (5ml) e introduz
na uretra. Inicia a introdução da sonda completa, até o
fim.
o Abre a válvula do equipo lentamente e deixa correr todo
conteúdo.
o Após toda administração, o paciente estará com muita
vontade de urinar, deixa a sonda por mais 10 minutos,
retira lentamente, bem lentamente.
o Aguarda mais 5 minutos ou máximo que o paciente
aguentar para depois ir ao banheiro.

Indicações: cistites, uretrites, cálculo renal, câncer.

Aplicação vaginal:
O mesmo procedimento que a uretral, só mudam as indicações e não há
necessidade de esvaziar a bexiga.
 Material:
o Soro fisiológico de 100ml,
o Seringa de 60 ml bico slip,
o Seringa de 5ml bico slip,
o Agulha 30 X 0,80,
o Luvas estéreis,
o Polvedine,
o Algodão,
o Sonda uretral no, 12.
o Equipo,
o Lençol (cama-de-gato).
o Xylocaína ou procaína.

 Aplicação:
o Abra a luva estéril e utiliza seu invólucro como campo
cirúrgico, é muito importante um ambiente estéril
evitando infecções.
o Colhe 60ml de ozônio e administra no soro.
o Encaixe o equipo na abertura do soro e abre até
preencher a seringa fecha a válvula do soro.
o Com algodão estéril, limpa a região da uretra com
polvedine, fazendo completa assepsia.
o Colhe com a seringa de 5ml, xilocaína (5ml) e introduz
na uretra. Inicia a introdução da sonda completa, até o
fim.
o Abre a válvula do equipo lentamente e deixa correr todo
conteúdo.
o Após toda administração, o paciente estará com muita
vontade de urinar, deixa a sonda por mais 10 minutos,
retira lentamente, bem lentamente.
o Aguarda mais 5 minutos ou máximo que o paciente
aguentar para depois ir ao banheiro.

Indicações: infecções ginecológicas, candidíase, leucorréias, mioma uterino,


endometriose e casos ginecológicos em geral.
Óleo ozonizado.
 Material:
o Óleo de côco ou girassol,
o 30ml,
o Mangueira de silicone.

 Aplicação:
o Administra no óleo escolhido através da mangueira
ligada diretamente ao gerador de ozônio em potência
máxima durante 20 minutos.

Indicações: Queimaduras, eczemas, dermatites, úlceras, escaras, feridas, pode


ser feita a inalação diluindo 1ml de óleo ozonizado para 5ml de soro para
inalação.

Nota: O óleo pós consumo deve ser guardado em geladeira mantendo suas
características, lembro que o ozônio é altamente instável.

Jamais usar o Ozônio:


Diretamente na veia, ainda que encontre informações na internet sobre
essa forma de administração, o risco de embolia é extremamente alto. Não
utilizar em hipótese alguma.

Inalação, o Ozônio provoca o destruimento de células do tecido pulmonar,


usar em sala ventilada, com ar condicionado. Destrói os alvéolos pulmonares.