Você está na página 1de 2

30/12/2019 Tratar-se de - Gramatigalhas

página inicial Gramatigalhas Tratar-se de

CADASTRE-SE FALE CONOSCO

Segunda-feira, 30 de dezembro de 2019


ISSN 1983-392X

mais migalhas colunas correspondentes catálogo de escritórios apoiadores fomentadores

quentes Toffoli determina que União transfira aos Estados 50% de valor arrecadado com loterias

Gramatigalhas
por José Maria da Costa

Tratar-se de
quarta-feira, 2 de junho de 2010

Recomendar 0 Tweetar

dúvida do leitor envie sua dúvida


A leitora Cláudia de Araujo Assumpção envia a seguinte mensagem ao Gramatigalhas:

"O correto é dizer 'Trata-se de embargos de declaração' ou 'Tratam-se de embargos de


declaração'? Grata."

Tratar-se de
1) Geraldo Amaral Arruda esclarece que o verbo tratar pode ter sujeito, como na frase: "O autor,
nesta ação, trata de seus direitos hereditários".

2) Continua afirmando, todavia, que, em outro contexto, pode-se preferir omitir o sujeito da oração,
dizendo-se: "Nesta ação, trata-se de direitos hereditários".

3) E extrai ele as seguintes fiações: "O verbo continua na voz ativa e continua a reger objeto indireto;
somente desapareceu o agente, que ficou indeterminado, servindo a partícula se precisamente como
índice de indeterminação do sujeito".

4) Exatamente porque o sujeito é indeterminado com um direito ou com vários direitos, é que a flexão
de tal substantivo para o plural não influi na concordância verbal: a) "Trata-se de um direito
hereditário"; b) "Trata-se de direitos hereditários".

5) Em mesmo sentido, na lição de Domingos Paschoal Cegaila, o verbo tratar concorda


obrigatoriamente na terceira pessoa do singular, mesmo que o termo ou expressão seguinte esteja
no plural: a) "Trata-se de tarefas que exigem habilidade"; b) "Na verdade, tratava-se de fenômenos
pouco conhecidos na época"; c) "Durante o encontro dos dois líderes políticos, tratou-se de
problemas que afligem as populações pobres"; d) "Não se trata de advogados, minha senhora;
trata-se de provas".

6) Reitere-se, com Laudelino Freire, que, quando usado na terceira pessoa com o pronome se, não
vai para b plural tal verbo na passiva, "ainda que o objeto no plural esteja".

7) Assim, o plural de "Trata-se de um bom negócio" há de ser "Trata-se de bons negócios", e não
"Tratam-se de bons negócios".

8) Francisco Fernandes até mesmo se refere à expressão tratar-se de, para que tal estrutura fique
mais apartada das demais.

9) E Celso Pedro Luft é ainda mais didático, para lecionar que, com esse significado, "o verbo fica
sempre na terceira pessoa do singular": Trata-se de obras, Tratar- se-á de símbolos, Talvez se trate
https://www.migalhas.com.br/Gramatigalhas/10,MI108478,81042-Tratarse+de 1/2
30/12/2019 Tratar-se de - Gramatigalhas
de exceções, Quando se tratar de leis.

10) Em oportuna observação, anota AdalbertoJ. Kaspary por primeiro, exemplos de uso correto do
verbo tratar-se usado pronominalmente: a) "Trata-se de meros casos de alçada policial"; b) "Trata-se
de pessoas falsas, insinceras"; c) "Tratava-se de questões que fugiam à nossa competência"; d)
"Talvez se trate de casos isolados"; e) "Trata-se, agora, de evitar prejuízos maiores aos
condôminos".

11) Em sequência, realça tal autor que, com o verbo tratar-se, usado pronominalmente, "são
incorretas construções pessoais (com sujeito expresso)", alinhando ele próprio exemplos errôneos:
a) "A presente lide trata-se de ação possessória"; b) "É indiscutível tratarem-se de entorpecentes as
substâncias supramencionadas"; c) "O autor trata-se de trabalhador rural"; d) "O caso trata-se de
falsidade ideológica".

12) Por fim, manda que se corrijam tais exemplos da seguinte forma: a) "Cuida-se, na presente lide,
de ação possessória"; b) "É indiscutível serem entorpecentes as substâncias supramencionadas"; c)
"O autor é trabalhador rural"; d) "O caso é de falsidade ideológica" (ou "Trata-se, no caso, de
falsidade ideológica", ou "O caso constitui falsidade ideológica").

______
Tweetar

Comentar Enviar por e-mail voltar para o topo

« anterior índice próximo »

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro


colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e
Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do
Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de
Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da
OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-
fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de
Advogados.

mais migalhas

migalhas amanhecidas migalhas quentes migalhas de peso colunas migalhas dos leitores eventos mercado de trabalho dr. Pintassilgo fachadas
vazamentos lava jato apoiadores fomentadores central do migalheiro fale conosco

serviços

correspondentes precatórios catálogo de escritórios livraria

https://www.migalhas.com.br/Gramatigalhas/10,MI108478,81042-Tratarse+de 2/2