Você está na página 1de 7

Doenças que fungos acometem as pessoas e como tratá-las

Introdução: os fungos fazem parte do reino fungi, e são divididos


em 5 filos, são esses: ​quitridiomicetos, ascomicetos,
basidiomicetos, zigomicetos e os deuteromicetos. Estes seres
vivos são eucariotas (contém núcleo celular), heterótrofos,
podem ser macro, ou microscópicos e também podem ser tanto
unicelulares como pluricelulares.
Existem cerca de 1,5 milão de espécies pelo mundo e podem ser
utilizados em culinária, medicina e produtos domésticos. Porém
uma parte dessas espécies pode causar grande risco a saúde de
alguns animais e até plantas, transmitindo doenças e afins.
Em locais que são úmidos e quentes no corpo humano, há
grande chance de fungos se instalarem para se desenvolver.
Geralmente, esses fungos se instalam na pele, no couro cabeludo
e nas unhas das mãos e principalmente pés, por ser menos
arejado.
O que são fungos? – (EDITA ISSO AQUI) ​Os ​fungos são​ seres
macroscópicos ou microscópicos, unicelulares ou pluricelulares,
eucariotas (com um núcleo celular), heterótrofos. Na biologia,
eles fazem parte do Reino Fungi, dividido em cinco Filos:
quitridiomicetos, ascomicetos, basidiomicetos, zigomicetos e os
deuteromicetos.
Especialistas afirmam que cerca de ​1,5 milhão de espécies​ de
fungos habitam o planeta Terra, como os cogumelos, as
leveduras, os bolores, os mofos, sendo utilizados para diversos
fins: culinária, medicina, produtos domésticos. Por outro lado,
muitos fungos são considerados parasitas e transmitem doenças
aos animais e as plantas. ​https://www.todamateria.com.br/fungos/

Candidíase​ - ​As regiões do corpo mais afetadas são dobras da


pele, como virilhas, axilas e entre os dedos das mãos e dos pés,
as unhas, e também pode atingir mucosas, como boca, esôfago,
vagina e reto.
Fatores de risco

– Relação sexual sem preservativo


– Roupa íntima apertada e de material sintético
– Ficar muito tempo com maiô e biquíni molhado
– ​Diabetes
– Obesidade
– Gravidez
– Deficiência imunológica causada por doenças como aids e
câncer
– Tratamento corrente com antibióticos
Epidemiologia: ​Existente em todo o mundo. As leveduras se
aproveitam de debilidade ou imunodeficiência para se
multiplicar e disseminar além dos níveis normais.
Tratamento: O tratamento das infecções sistêmicas pode ser
realizado com medicações endovenosas ou orais
com ​antifúngico​ como ​anfotericina B​, ​caspofungina​ ou com
derivados de ​azol​, como ​fluconazol​ e ​itraconazol​, enquanto o das
infecções superficiais é feito pela aplicação
de ​antimicóticos​ tópicos como ​nistatina​, ​clotrimazol​, ​miconazol​,
tinidazol+nitrato de miconazol, entre outros.

Histoplasmose​ - ​Os sinais e sintomas que podem ocorrer são


tosse, dor do peito, falta de ar, suor, febre e perda de peso.
Fatores de risco:

● Agricultores
● Trabalhadores de controle de pragas
● Avicultores
● Trabalhadores da construção
● Paisagistas e jardineiros
● Trabalhadores de demolição.

Epidemiologia: ​O H. capsulatum tem distribuição mundial,


embora seja mais comum em climas temperados e tropicais.
Algumas áreas são consideradas endêmicas devido a uma maior
concentração de casos, entre elas estão os Estados Unidos,
especialmente o meio-leste nos vales dos rios Ohio e Mississippi,
América Central (México, Guatemala, Honduras, Nicarágua,
Panamá, Jamaica, Cuba, Porto Rico e Martinica) e do Sul (Peru,
Colômbia, Venezuela, Guiana Francesa, Brasil e Argentina).
Outras áreas afetadas em menor concentração incluem África,
Índia e leste da Ásia. Na África, o H. capsulatum coexiste com
uma segunda espécie, o ​Histoplasma duboisii​, que ocorre
principalmente na região equatorial entre o deserto do Saara e
o rio Zambeze, e que afeta principalmente a pele, os ossos e os
linfonodos, mas raramente os pulmões.

Tratamento: ​A maioria dos pacientes que desenvolve a


histoplasmose aguda se recupera em 4 a 6 semanas apenas com
tratamento para os sintomas, não necessitando, portanto, de
uma terapia específica. Entretanto, as formas aguda grave e
crônica requerem tratamento com drogas ​antifúngicas​. Os
principais medicamentos empregados são o ​itraconazol​ e
a ​anfotericina B​ (administrada por ​via endovenosa​, sendo a
molécula ​lipossomal​ mais bem tolerada pelos pacientes). A
associação de ​corticosteroides​,
como ​prednisona​ ou ​metilprednisolona​, está indicada em muitos
desses casos. Na forma crônica, o tratamento é mais prolongado,
podendo durar até 24 meses, e ​recidivas​ da doença podem
ocorrer em 10 a 15% dos casos após o término da medicação,
devendo ser monitoradas por exames laboratoriais e de imagem
por pelo menos um ano.

Esporotricose​ – doença fúngica pulmonar, ​Esta micose pode


ultrapassar a pele e atingir também a região subcutânea e os
gânglios.
Fatores de risco:
​Alcoolismo
​Diabetes melito
​Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)
​Vírus da imunodeficiência adquirida (HIV)
Epidemiologia: ​É comum em Ásia, África, Oceania e Américas,
mas é rara na Europa. Geralmente afeta a pele das mãos ou
antebraços de pessoas que trabalham com planta ou com terra
ou de crianças que se ferem brincando em jardins ou parques.

Tratamento: Iodeto de potássio (comprimidos de 3-6g por dia


em adultos) é o medicamento de primeira escolha, além
de antimicóticos como itraconazol (100-200mg por dia) por via
oral por 3 a 6 meses. Em caso de infecção disseminada ou
sistêmica o tratamento com itraconazol ou anfotericina B dura
12 meses.

Pano branco​ - ​provoca manchas arredondadas na pele.


Geralmente, as manchas são de cor branca, pois o fungo impede
a produção de melanina quando a pele é exposta ao sol, e são
mais comuns no tronco, abdômen, face, pescoço ou braços.
Fatores de risco
- ​Excesso de sudorese​;
- Imunodepressão;
- Excesso de oleosidade;
- Má higiene da pele
- Predisposição para a doença de pele
Epidemiologia: É muito comum, afetando até 40% da população
dos países tropicais, mas também é comum nas áreas
temperadas. Afeta ambos os sexos e em todas as raças, e
apresenta distribuição variável segundo a faixa etária,
verificando-se a maioria dos casos em adultos jovens com pele
oleosa e que suam muito. Não é contagiosa e que hábitos de
higiene não são o fator desencadeante dessa infecção.

Tratamento: ​Pode ser tratado com pomadas à base de ​zinco​,


piritiona, sulfito de ​selênio​, ​miconazol​, ​clotrimazol​ e não
precisam de receita. Recomenda-se evitar exposição ao sol até
terminar o tratamento para evitar manchas mais destacadas

Tinha (dermatofitose) ​- pode atingir diversos locais do corpo,


como pele, cabelos e unhas
● Tinha corpórea​, também chamada de impingem e surge em
qualquer área da pele;
● Tinha dos pés​, também chamada de frieira ou pé-de-atleta,
que é localizada entre os dedos dos pés;
● Tinha cruris​, que se desenvolve na virilha;
● Tinha capitis​, ou do couro cabeludo, que é mais comum em
crianças e pode provocar a queda do cabelo no local;
● Tinha das unhas​, que torna a unha espessa e sem brilho.

Fatores de risco:
● Clima quente;
● Pessoas que suam demais;
● Pessoas que praticam esportes;
● Fatores genéticos;
● Doenças sistêmicas, como diabetes;
● Umidade;
● Idade;
● Características genéticas;
● Condição de higiene inadequadas;
● Imunodeficiência;
● Contato com um objeto utilizado por um indivíduo infectado.
Epidemiologia: ​Em todo o mundo, cerca de 20% da população
encontra-se infetada com dermatofitose em qualquer dado
momento. As infeções das virilhas são mais comuns em homens,
enquanto as infeções do corpo e do couro cabeludo afetam
ambos os sexos de igual forma. As infeções do couro cabeludo
são mais comuns em crianças, enquanto as infeções das virilhas
são mais comuns entre idosos. As descrições da doença
remontam à ​Antiguidade​.
Tratamento: ​A prevenção consiste em manter a pele seca, não
caminhar descalço em locais públicos e não partilhar objetos de
uso pessoal. O tratamento geralmente consiste na aplicação
de ​pomadas antifúngicas​ como
o ​clotrimazol​ ou ​miconazol​. Quando a doença afeta o couro
cabeludo, pode ser necessária a administração de antifúngicos
por via oral, como o ​fluconazol​. A prevenção consiste em manter
a pele seca, não caminhar descalço em locais públicos e não
partilhar objetos de uso pessoal. O tratamento geralmente
consiste na aplicação de ​pomadas antifúngicas​ como
o ​clotrimazol​ ou ​miconazol​. Quando a doença afeta o couro
cabeludo, pode ser necessária a administração de antifúngicos
por via oral, como o ​fluconazol​.
http://www.medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/7469/esporotricose.htm

https://saude.abril.com.br/medicina/candidiase-tratamento-sintomas-e-prevencao/

https://minutosaudavel.com.br/dermatofitose/

https://minutosaudavel.com.br/dermatofitose/

https://www.tuasaude.com/doencas-causadas-por-fungos/

https://www.minhavida.com.br/saude/temas/histoplasmose

Você também pode gostar