Você está na página 1de 4

O QUE É ADMINSTRAÇÃO?

O ato de administrar envolve quatro atividades de maneira interativa onde nenhuma


se sobrepõe a outra: Planejamento, organização, direção e controle. É também chamado
de processo administrativo ou processo gerencial.
Por que administrar? A atividade deve ser direcionada no sentido de coordenar os
recursos existentes nas empresas ou no ambiente que essas empresas estiverem
inseridas. A administração envolve várias outras áreas de conhecimento como direito,
economia, psicologia, política entre outros. Assim a administração ocorre em um ambiente
onde várias outros elementos podem interferir, podemos imaginar que a medida que você
compreende o processo gerencial e correlaciona com toda a sua visão de mundo das
diversas áreas você terá as melhores condições de obter um gerenciamento exitoso.
É importante saber que eficácia é a capacidade de atingir determinados objetivos, já
eficiência é a capacidade de atingir esses objetivos otimizando os recursos disponíveis.

MODELOS DE GESTÃO

A Escola clássica reconhece o trabalhador como homo economicus, ou seja, que


trabalha em função do dinheiro, também vê o homem como um ser preguiçoso. Uma
evolução da escola clássica e a escola das relações humanas, onde o homem além de
buscar o dinheiro interage com seu meio social, deve ser bem recebido, valorizado, ter
autoestima entre outros.
Na escola clássica o funcionário é visto como uma máquina, mão de obra
especializada e chefes para quase todas as funções. Esse modelo considera que o
trabalhador deve ser monitorado constantemente. No modelo clássico frases como “eu
faço mais rápido”, “sou mais ágil”, “quanto mais trabalho, mais eu ganho”, “sou
especialista”, “quero ser chefe”, são mais comuns, o trabalhador aqui é reconhecido pelo
que faz e não pelo que é.
Já nas relações humanas o trabalhar e visto como um ser social, onde tem que estar
dentro do grupo, sendo aceito, tendo autoestima e interação com o ambiente, frases
como: “quero ser promovido”, “quero ser reconhecido”, “quero ser feliz”, “quero poder
fazer o que eu quiser”, são mais comuns e aqui seus desejos pessoais e motivações são
diferentes.
Alguns pontos que valem ser comentados são sobre administração científica que
tem como principal autor Frederich Taylor que buscava tornar a administração uma
ciência e a partir disso tinha como características a racionalização do trabalho (divisão);
centralização do poder; impessoalidade nas decisões; seleção científica do trabalhador
(onde o gerente deve conhecer sua equipe e o perfil de cada um); padronização e
treinamento do trabalho; divisão de tarefas e aumento de produtividade.
E falando sobre a teoria neoclássica é identificada como um tipo que trás novos
elementos a teoria clássica, surgiu das necessidades pós-guerra, as empresas reviram
sua maneira de funcionar devido à evolução do conhecimento, houve uma estruturação
das instituições nos níveis de responsabilidade, hierarquia e descentralização do poder.

MODELOS DE GESTÃO II

Os modelos de gestão inovativos são compostos por duas principais teorias, a teoria
geral dos sistemas que considera o trabalhador como homo funcional que tem uma
interação entre o ambiente organizacional e o ambiente externo, a outra teoria e a teoria
da contingência que considera o trabalhador como homo complexus, ou seja, a relação
entre o trabalhador e a organização é mais complexa.
A teoria geral dos sistemas pode ser observada onde o trabalhador desempenha
diversos papéis e os conflitos internos e externos na organização interagem entre si como
seus valores pessoais, sua estrutura familiar e seu ambiente social fora da empresa que
se relaciona com o ambiente de trabalho. De alguma forma essa interação tende a
enriquecer a organização.
Por outro lado, a teoria contingencial prevê que não existe um modelo ideal a ser
implantado nas organizações, mas sim, uma contribuição entre os diversos modelos e
teorias propostas, por exemplo, em uma situação um gerente pode buscar soluções nas
teorias clássica, das relações humanas e na teoria dos sistemas, ao mesmo tempo.
Temos ainda a teoria sociotécnica que foca na integração de pessoas e tecnologias
e mostra que o ser humano é quem atribui sentido a ferramenta, de acordo com seus
padrões cognitivos, seus objetivos pessoais e seus elementos de identidade social.
Segundo essa abordagem a organização, nesse modelo, se divide em dois subsistemas,
o técnico e o social.
ADMINISTRANDO PESSOAS

Administrar pessoas é resolver e apontar possíveis conflitos que possam estar


impedindo o desenvolvimento dentro da organização. Administrar pessoas envolve
trabalhar o capital humano dentro da empresa. Cada pessoa possui características
diferentes. Dentro da administração de pessoas podemos citar aspectos positivos que
contribuem para o desenvolvimento como o recrutamento e seleção, processo de
orientação e integração de colaboradores, comunicação, avaliação, treinamento e
desenvolvimento. Também há fatores que prejudicam o desenvolvimento das pessoas,
como em empresas que enxergam o setor de pessoas apenas para assuntos
burocráticos, faltam de comunicação, de crescimento, incentivo, quando não ocorrem
participação e criatividade participativa, condições e qualidade de vida negativa, entre
outros. A gestão de pessoas deve trabalhar com pessoas e não para as pessoas.
A medida que os aspectos básicos que formam a qualidade de vida são
preenchidos, podem deslocar seu desejo para aspirações cada vez mais elevadas -
Maslow. Segundo a pirâmide de Maslow temos a seguinte hierarquia de necessidades, da
base para o topo: necessidades fisiológicas (comer, dormir); necessidades de segurança
(proteção, estabilidade); Necessidades sociais (amizades, família), necessidades de
autoestima (reconhecimento profissional, carreira, posição) e necessidades de
autorrealização.

MODELOS DE AVALIAÇÃO

Qual o melhor tipo de avaliação para minha empresa? O modelo que utilizamos é o
mais adequado? Essas respostas dependem de outros fatores como a cultura da
organização, perfil dos funcionários entre outros.
A avaliação por indicadores chave (KPI’s) ajuda a empresa a medir a evolução dos
resultados e se os objetivos estipulados foram atingidos, normalmente são estabelecidos
em períodos anuais, mas com ações intermediarias e acompanhamento mensal. Vale
ressaltar que á diversas categorias de indicadores como os quantitativos, qualitativos,
financeiros, de processos entre outros.
Outro modelo é a avaliação por métodos (SMART) onde são planejadas metas
coerentes e realistas onde as pessoas se sentem motivadas em alcança-las.
O método de avaliação por competências e cargo busca maximizar o resultado dos
profissionais, nesse modelo, a empresa conhece qual o tipo de funcionário é necessário
em cada cargo e em um modelo de substituição é mais fácil de conseguir um substituto.
A avaliação por perímetro pode ser utilizada para avaliar desde o nível individual ou
de grupo até mesmo toda uma empresa.
A avaliação 360º utiliza critérios a partir de pontos de vistas de diferentes níveis para
avaliar o desempenho e vem desde os subordinados, aos pares, chefias, clientes e a
própria autoavaliação. Vale ressaltar que para avaliar esse modelo são necessários
profissionais bem preparados para evitar percepções errôneas.
Por fim, a avaliação 180º, é uma intermediaria, onde a avaliação não é feita pelos
subordinados, mas sim pelos gestores e trabalha forte na cobrança de resultados, mas
abre oportunidades para o avaliado mostrar resultados e cobrar recursos dos superiores.

EMOÇÃO NO TRABALHO

A emoção é o contrário do raciocínio lógico. Ela esta muito presente no ambiente de


trabalho. As emoções são episódios fisiológicos, comportamentais e psicológicos que são
experimentados em relação a um objeto, pessoa ou evento que criam um estado de
prontidão.
As pessoas sentem muitas emoções e também diversas combinações delas, mas
todas possuem invariavelmente duas características. Primeiro elas geram uma avaliação
global de que algo é bom ou ruim. Segundo todas produzem algum nível de ativação, ou
seja, um nível de energia ou força motivacional.
Para compreender como as emoções influenciam nossos pensamentos e
comportamento no local de trabalho, é necessário saber sobre as atitudes. As atitudes
representam um conjunto de crenças, sentimentos e intenções comportamentais em
relação a algo ou alguém. As emoções desempenham papel fundamental na formação e
nas mudanças de atitudes dos funcionários.
A dissonância (experiência ou conflito entre pensamentos) cognitiva ocorre quando
percebemos uma inconsistência entre nossas crenças, sentimentos e a atividade que
exercemos. Já a dissonância emocional faz com que o funcionário oculte suas
verdadeiras emoções no ambiente de trabalho.
Por fim a inteligência emocional inclui um conjunto de habilidade para perceber e
expressar emoções e nos outros