Você está na página 1de 582

Apostila do Treinamento 154

Fundamentos do iFIX

Intellut on ®

 Copyright 2002, Aquarius Automação Industrial Ltda.


Todos Direitos Reservados
Treinamento iFIX ______________________________________________________
Versão 2.6

Copyright
Copyright 2000, Intellution, Inc. Todos os direitos reservados. Este material de treinamento
não pode ser reproduzido ou transmitido, sob qualquer forma ou meio, sem conhecimento prévio
e aprovação por escrito da Intellution, Inc.

Marca Registrada
© 2000 Intellution, Inc. Todos os Direitos Reservados. Intellution é uma marca registrada.
Todos os nomes de produtos são marcas da Intellution, Inc. Todos os outros nomes são
propriedade de seus respectivos fabricantes.
Microsoft® Visual Basic® Technology. © 1996, Microsoft Corporation. Todos os Direitos
Reservados.

Versão da Apostila para Português:


Equipe de Treinamento e Documentação
Aquarius Automação Industrial Ltda.

Versão Fevereiro/2002

Impressa no Brasil.

Intelligent Solutions Automação Industrial


One Edgewater Drive, Norwood, MA 02062 Rua Sílvia, 110 - 6º andar
www.intellution.com CEP 01331-902 - São Paulo – SP
www.automacao.com.br
Apostila de Treinamento

Índice ______________________________________________________

Apostila de Treinamento do Curso 154

Primeiro e Segundo Dias....................................................................... ix


Terceiro e Quarto Dias.......................................................................... x
Introdução ........................................................................................... xi

1. Introdução ao iFIX......................................................................... 1-1


1.1. Características do iFIX........................................................ 1-3
1.2. Perfil do Produto ................................................................. 1-4
1.3. Arquitetura Básica............................................................... 1-6
1.4. Família Intellution Dynamics .............................................. 1-16
1.5. Exercício 1.......................................................................... 1-18
1.6. Questões de Revisão ........................................................... 1-34

2. Introdução aos Objetos Gráficos................................................... 2-1


2.1. WorkSpace .......................................................................... 2-3
2.2. Objetos Gráficos ................................................................. 2-6
2.3. Descrição da Aplicação Exemplo ........................................ 2-12
2.4. Exercício 2.......................................................................... 2-14
2.5. Questões de Revisão ........................................................... 2-23

3. Animação de Objetos ..................................................................... 3-1


3.1. Propriedade dos Objetos (Property Window) ....................... 3-4
3.2. Animações de Objetos......................................................... 3-6
3.2.1. Assistentes de Animação ............................................ 3-8
3.2.2. Expression Builder ..................................................... 3-12
3.2.3. Caixa de Diálogo Animations ..................................... 3-16
3.3. Datalink .............................................................................. 3-20
3.4. Exercício 3.......................................................................... 3-22
3.5. Questões de Revisão ........................................................... 3-32

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. i


iFIX

Índice ______________________________________________________

4. WorkSpace ..................................................................................... 4-1


4.1. WorkSpace em Run Mode ................................................... 4-3
4.2. Personalização do WorkSpace............................................. 4-4
4.3. Tamanho da Tela................................................................. 4-8
4.4. Usando o Sistema de Help................................................... 4-12
4.5. Documentação Eletrônica.................................................... 4-14
4.6. Biblioteca de Objetos (Dynamos) ........................................ 4-18
4.7. Exercício 4.......................................................................... 4-20
4.8. Questões de Revisão ........................................................... 4-27

5. Ferramentas Gráficas Adicionais.................................................. 5-1


5.1. Assistentes de Programação (Experts) ................................. 5-4
5.2. Objetos de Data e Hora ....................................................... 5-6
5.3. Bitmaps............................................................................... 5-8
5.4. Assistente para Entrada de Dados........................................ 5-10
5.5. Variáveis e Tabelas Globais ................................................ 5-12
5.6. Exercício 5.......................................................................... 5-16
5.7. Questões de Revisão ........................................................... 5-26

6. Configuração do Sistema ............................................................... 6-1


6.1. Requisitos Mínimos de Hardware ....................................... 6-3
6.2. Requisitos Mínimos de Software ......................................... 6-4
6.3. Requisitos de Rede.............................................................. 6-5
6.4. Verficação dos Componentes Habilitados na Chave ............ 6-6
6.5. Utilitário de Configuração do Sistema (SCU)...................... 6-8
6.5.1. Configuração de Diretórios......................................... 6-10
6.5.2. Configuração de Alarmes e Mensagens ...................... 6-12
6.5.3. Configuração da Rede ................................................ 6-16
6.5.4. Configuração das Tarefas ........................................... 6-18
6.6. Questões de Revisão ........................................................... 6-20

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. ii


Apostila de Treinamento

Índice ______________________________________________________

7. Drivers de Comunicação................................................................ 7-1


7.1. Revisão sobre o SCU .......................................................... 7-3
7.2. Configuração da Estação SCADA ....................................... 7-4
7.3. Configuração do Driver de Comunicação ............................ 7-6
7.4. Drivers da Versão 6.x.......................................................... 7-8
7.4.1. Configuração do Canal ............................................... 7-12
7.4.2. Configuração do Dispositivo ...................................... 7-14
7.4.3. Configuração do “Poll Record” .................................. 7-16
7.5. Drivers da Versão 7.x (Padrão OPC) ................................... 7-18
7.5.1. Configuração do Canal ............................................... 7-24
7.5.2. Configuração do Dispositivo ...................................... 7-26
7.5.3. Configuração do Bloco de Dado ................................. 7-28
7.6. Ferramentas para Monitorar os Drivers................................ 7-30
7.7. Questões de Revisão ........................................................... 7-34

8. Blocos Digitais da Base de Dados .................................................. 8-1


8.1. Introdução aos Blocos da Base de Dados............................. 8-3
8.2. Bloco de Entrada Digital ..................................................... 8-4
8.3. Bloco de Saída Digital......................................................... 8-12
8.4. Exercício 8.......................................................................... 8-14
8.5. Questões de Revisão ........................................................... 8-24

9. Blocos Analógicos da Base de Dados ............................................. 9-1


9.1. Revisão sobre Blocos da Base de Dados.............................. 9-3
9.2. Bloco de Entrada Analógica ................................................ 9-4
9.3. Bloco de Alarme Analógico ................................................ 9-12
9.4. Bloco de Saída Analógica ................................................... 9-14
9.5. Exercício 9.......................................................................... 9-16
9.6. Questões de Revisão ........................................................... 9-25

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. iii


iFIX

Índice ______________________________________________________

10. Blocos Secundários da Base de Dados ........................................... 10-1


10.1. Revisão sobre Blocos da Base de Dados.............................. 10-3
10.2. Bloco de Cálculo (CA) ........................................................ 10-4
10.3. Bloco de Evento (EV) ......................................................... 10-7
10.4. Bloco de Tendência (ETR).................................................. 10-10
10.5. Configuração do Gráfico ..................................................... 10-12
10.6. Exercício 10........................................................................ 10-18
10.7. Questões de Revisão ........................................................... 10-29

11. Scheduler ....................................................................................... 11-1


11.1. Schedules Baseados em Tempo ........................................... 11-4
11.2. Schedules Baseados em Evento ........................................... 11-8
11.3. Configuração do Scheduler ................................................. 11-10
11.4. Executando os Schedules..................................................... 11-12
11.5. Exercício 11........................................................................ 11-16
11.6. Questões de Revisão ........................................................... 11-24

12. Base de Dados do Processo............................................................. 12-1


12.1. Revisão sobre Blocos da Base de Dados.............................. 12-3
12.2. Gerenciador da Base de Dados (Database Manager)........... 12-8
12.2.1. Assistente para Gerar Blocos ...................................... 12-11
12.2.2. Propriedades do Database Manager ........................... 12-12
12.2.3. Opções do Database Manager.................................... 12-16
12.2.4. Personalização do Database Manager ........................ 12-18
12.2.5. Importando e Exportando a Base de Dados................. 12-20
12.3. Bloco de Programa .............................................................. 12-22
12.4. Questões de Revisão ........................................................... 12-26

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. iv


Apostila de Treinamento

Índice ______________________________________________________

13. Introdução à Programação ............................................................ 13-1


13.1. Conceitos Iniciais sobre VBA.............................................. 13-4
13.2. Usando o VBA no iFIX....................................................... 13-6
13.3. Usando o Editor de VBA..................................................... 13-12
13.4. Ferramentas de Programação............................................... 13-14
13.5. VBA versus Bloco de Programa .......................................... 13-16
13.6. Exercício 13........................................................................ 13-18
13.7. Questões de Revisão ........................................................... 13-31

14. Alarmes........................................................................................... 14-1


14.1. Alarmes e Mensagens.......................................................... 14-3
14.2. Estratégia de Alarme ........................................................... 14-4
14.2.1. Local das Áreas de Alarme ......................................... 14-5
14.2.2. Base de Dados das Áreas de Alarme ........................... 14-6
14.2.3. Formato Padrão de Alarme ......................................... 14-8
14.2.4. Áreas Comuns de Alarme ........................................... 14-10
14.2.5. Configurando os Serviços de Alarmes ........................ 14-12
14.2.6. Configuração de Mensagens ....................................... 14-16
14.3. Reconhecimento de Alarme................................................. 14-18
14.4. Questões de Revisão ........................................................... 14-20

15. Ferramentas Gráficas Adicionais.................................................. 15-1


15.1. Sumário de Alarmes............................................................ 15-4
15.2. Controles ActiveX............................................................... 15-8
15.3. Grupos de Tags ................................................................... 15-12
15.4. Exercício 15........................................................................ 15-18
15.5. Questões de Revisão ........................................................... 15-28

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. v


iFIX

Índice ______________________________________________________

16. Coleta de Dados Históricos ............................................................ 16-1


16.1. Organização dos Arquivos de Dados Históricos .................. 16-4
16.2. Configuração da Coleta de Dados Históricos (HTA) ........... 16-6
16.3. Coletor de Dados Históricos (HTC)..................................... 16-10
16.4. Tendência de Dados Históricos (Gráficos)........................... 16-14
16.5. Exercício 16........................................................................ 16-20
16.6. Questões de Revisão ........................................................... 16-28

17. Blocos de Registro .......................................................................... 17-1


17.1. Revisão sobre Blocos da Base de Dados.............................. 17-3
17.2. Bloco de Registro Analógico............................................... 17-4
17.3. Bloco de Registro Digital.................................................... 17-8
17.4. Questões de Revisão ........................................................... 17-10

18. Programas Adicionais .................................................................... 18-1


18.1. Revisão sobre VBA............................................................. 18-3
18.2. Caixas de Mensagens .......................................................... 18-6
18.3. Personalização das Barras de Ferramentas........................... 18-8
18.4. Usando Formulários VBA................................................... 18-12
18.5. Exercício 18........................................................................ 18-16
18.6. Questões de Revisão ........................................................... 18-23

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. vi


Apostila de Treinamento

Índice ______________________________________________________

19. Ferramentas de Diagnóstico e Otimização do Sistema ................. 19-1


19.1. Intellution na Internet .......................................................... 19-3
19.2. Otimização das Telas .......................................................... 19-4
19.3. Otimização de Driver e Base de Dados................................ 19-8
19.4. Ferramentas de Diagnóstico de Falha para Driver................ 19-12
19.5. Ferramentas de Diagnóstico de Falha para Rede.................. 19-14
19.6. Sugestões para Diagnosticar Falhas ..................................... 19-16

20. Segurança ....................................................................................... 20-1


20.1. Estratégia de Segurança....................................................... 20-3
20.2. Configuração da Segurança ................................................. 20-4
20.3. Áreas de Segurança ............................................................. 20-6
20.4. Grupo de Usuários .............................................................. 20-8
20.5. Conta de Usuário................................................................. 20-10
20.6. Conexão Automática ........................................................... 20-12
20.7. Habilitando a Segurança...................................................... 20-14
20.8. Conectando-se no Sistema de Segurança ............................. 20-16
20.9. Audit Trail .......................................................................... 20-18
20.10. Questões de Revisão ........................................................... 20-20

Apêndices
A. Glossário..................................................................................... A-1
B. Blocos da Base de Dados do Processo........................................ B-1
C. Campos dos Blocos da Base de Dados....................................... C-1

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. vii


iFIX

Índice ______________________________________________________

página em branco

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. viii


Apostila de Treinamento

Primeiro e Segundo Dias ______________________________________

Capítulo 1 Capítulo 6
Visão Geral Configuração do Sistema
Perfil do Produto Requerimentos do Sistema
Arquitetura do Sistema Componentes Disponíveis
SCU

Capítulo 2
Introdução aos Objetos Gráficos Capítulo 7
WorkSpace Drivers de Comunicação
Desenvolvimento de telas Drivers da versão 6.x
Drivers da versão 7.x
Monitorando os drivers
Capítulo 3
Animação de Objetos
Animação de objetos na tela Capítulo 8
Link de dados Blocos Digitais
Bloco de entrada digital
Bloco de saída digital
Capítulo 4
WorkSpace
Configuração do WorkSpace Capítulo 9
Entendendo o tamanho da tela Blocos Analógicos
Sistema de Help Bloco de entrada analógica
Documentação eletrônica Bloco analógico de alarme
Usando os dínamos Bloco de saída analógica

Capítulo 5 Capítulo 10
Ferramentas Gráficas Adicionais Blocos Secundários
Assitentes de programação Bloco de cálculo
Usando bitmaps na tela Bloco ETR
Ferramenta para entrada de dados Bloco de evento
Usando variáveis globais Gráfico na tela

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. ix


iFIX

Terceiro e Quarto Dias ________________________________________

Capítulo 11 Capítulo 16
Schedule Arquivamento de Dados
Baseado em tempo Configurando a coleta histórica
Baseado em evento Visualizando os dados coletados

Capítulo 12 Capítulo 17
Usando a Base de Dados Blocos Adicionais da Base de Dados
Gerenciador da Base de Dados Bloco de Registro Analógico
Bloco de Programa Bloco de Registro Digital

Capítulo 13 Capítulo 18
Introdução à Progamação Programação Avançada
VBA Usando a caixa de mensagens
Exemplos de programas Personalizando barras de ferramentas
Usando o editor de VBA Usando formulários
VBA versus tag de programa

Capítulo 14 Capítulo 19
Alarmes Otimização e Diagnóstico de Falha
Estratégia de alarmes www.intellution.com
Configuração dos serviços de alarme Otimização de telas
Filtragem dos alarmes Otimização de drivers
Reconhecimento de alarmes Otimização da base de dados
Diagnóstico de falha do driver
Diagnóstico de falha de rede
Capítulo 15
Ferramentas Gráficas Adicionais
Sumário de alarmes Capítulo 20
Usando os controles ActiveX Segurança
Grupos de tags Estratégia de segurança
Configuração do sistema de segurança

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. x


Apostila de Treinamento

Introdução __________________________________________________

Descrição do Curso
Este curso oferece um bom nível de conhecimento do iFIX. O curso foi desenvolvido para
novos usuários, ou seja, o material do curso assume que o aluno não tenha nenhum
conhecimento sobre o software da Intellution.
A estrutura do curso conta com a realização de exercícios, os quais farão o desenvolvimento
de uma aplicação usando a maioria dos componentes do software.

Público
Este curso foi desenvolvido para engenheiros de processo, de automação ou instrumentação e
integradores de sistema, os quais irão desenvolver, configurar e usar aplicações com o
sistema iFIX.

Pré-Requisitos
• Familiaridade com computadores e Microsoft Windows NT.
• Conhecimentos de aplicações de controle de processo.
• Familiaridade com outros softwares da Intellution é interessante, entretanto não
necessária.

Duração do Curso
Quatro (4) dias.

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. xi


Apostila de Treinamento

1. Introdução do iFIX _________________________________________

Capítulo 1

Introdução do iFIX

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-1


Fundamentos do iFIX

1. Introdução do iFIX _________________________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo oferece uma visão geral sobre o software de automação iFIX, bem como definição das
estações e arquitetura do sistema.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Funcionalidades do iFIX
• Características do produto
• Arquitetura do sistema

Para maiores informações sobre termos utilizados ao longo do curso, consulte o glossário de termos
localizado no apêndice da apostila.

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-2


Apostila de Treinamento

1.1. Características do iFIX ___________________________________

A. Introdução
• iFIX é um software de automação industrial que fornece dados em tempo real para
monitoração, controle e para outros aplicativos
B. As funções básicas do iFIX são:
• Aquisição de dados
- Comunicação direta com dispositivos de entrada/saída da planta
- Interface com dispositivos de hardware através de pontos de entrada/saída
• Gerenciamento de dados
- Habilidade de processar e manipular dados aquisitados
- Abrange vários componentes, incluindo:
◊ monitoramento do processo (representação gráfica), controle
supervisório, alarmes, relatórios e armazenamento de dados
C. Tipos de Estações (ou Nós)
• Um computador executando o software iFIX é chamado de estação ou nó
• Um servidor SCADA (Supervisory Control And Data Acquisition) é uma estação que
busca dados diretamente do hardware do processo:
- Comunica com o hardware do processo através do software de um driver de
comunicação
- Carrega e atualiza a base de dados do processo
- Um servidor SCADA “cego” (Server Only) não utiliza representação gráfica
deixando livre recursos da máquina para as funções de aquisição de dados e
gerenciamento de rede
• Um iClient é uma estação que não realiza funções de SCADA
- Recebe dados dos Servidores SCADA através da rede
- Possui interface gráfica, mostra dados armazenados e pode gerar relatórios
- Também chamada de estação VISTA ou estação IHM
◊ IHM – Interface Humano-Máquina
• HMI Pak é uma estação que contém as funções do SCADA e iClient
- Comunica com o hardware do processo através de driver de comunicação e
mostra também interfaces gráficas, mostra dados armazenados e gera
relatórios.
- Também pode receber dados de outros Servidor SCADA através da rede.

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-3


Fundamentos do iFIX

1.2. Perfil do Produto _________________________________________

D. Estações da Rede
• Estação Stand-alone
- Qualquer nó que não comunica com outros nós da rede
- A Figura 1-1 mostra um servidor SCADA sem rede (stand alone)
- A Figura 1-2 mostra uma arquitetura distribuída de iFIX
• Estação Local
- Descreve o nó em que se está trabalhando
• Estação Remota
- Em um sistema distribuído, um nó que não seja o nó local
- Pode também referenciar um nó sendo acessado via modem
E. Opções Adicionais de Estações
• Estação Read-only
- nó somente de leitura
- não permite modificações gráficas ou na base de dados do processo
- não permite modificar o processo ou reconhecimento de alarmes
• Estação Run-time
- não permite modificações gráficas ou na base de dados do processo
- arquivos pré-configurados são instalados nestes nós
- não é necessariamente somente de leitura
- nós que não são run-time são referenciados como nós de Desenvolvimento

SCADA Server
Printer
Process Hardware

Figura 1-1: Exemplo de Configuração Stand-alone

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-4


Apostila de Treinamento

1.2. Perfil do Produto ________________________________________

iClient iClient iClient iClient

Printer

SCADA
HMI Pak
Server
Printer

Process Process Process


Hardware Hardware Hardware

Figura 1-2: Exemplo de Configuração Distribuída

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-5


Fundamentos do iFIX

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

A. Dados de Processo
• O iFIX é usado em conjunto com a instrumentação do processo de uma planta
• Os sensores e controladores enviam dados para serem registrados no hardware de
processo
- normalmente este dispositivo de hardware é um CLP® - Controlador Lógico
Programável
• O software iFIX adquire dados do hardware do processo
B. Drivers I/O
• O iFIX se comunica com o CLP através de um driver de comunicação
• Cada driver de comunicação suporta hardwares específicos
• Funções do driver de comunicação:
- leitura (e escrita) de dados do dispositivo de entrada/saída
- transferência de dados de/para endereços na Tabela Imagem do Driver (DIT-
Driver Image Table)
- a DIT é referenciada também como a Poll Table
• Um driver coleta dados no formato de poll records
- os poll records são especificados pelos endereços dos registros do CLP
- um poll record pode ser um ponto simples ou um conjunto de pontos
- um poll record tem, geralmente, um mesmo tipo de dado
- Exemplo: 20 pontos inteiros contínuos podem ser configurados como um poll
record
• A guia I/O Control permite monitorar e controlar os drivers de comunicação
- ele faz parte do Mission Control, o qual será discutido em capítulos futuros
C. DIT (Driver Image Table)
• Área de memória da estação SCADA onde o driver de comunicação armazena os
dados dos poll records
- A taxa com que cada poll record da DIT é atualizada é chamada de Poll Time
• Exemplo:
- A Figura 1-3 mostra dois drivers de comunicação enviando dados para a DIT
(neste exemplo são necessários dois drivers pois existem dois diferentes
vendedores de hardware de processo).

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-6


Apostila de Treinamento

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

Link

DIT (Tabela
Imagem do Driver)
Driver
I/O
(B)

Driver
I/O
(A)

Poll Records

Hardware Hardware
do Processo do Processo
(vendedor A) (vendedor B)

Figura 1-3: Arquitetura Básica (Driver de Comunicação)

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-7


Fundamentos do iFIX

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

D. Funções do SAC (Scan, Alarm & Control)


• As funções do SAC incluem:
- Leitura: buscar dados da DIT (Driver Image Table) e transferi-los para a base
de dados do processo (PDB - Process DataBase). Esta leitura é feita a uma
taxa chamada de Scan Time.
- Alarme: comparar valores da DIT com limites de alarme da base de dados e
gerar alarme se necessário.
- Controle: enviar comandos feitos pelo operador ou por programas para o
processo.
• O SAC pode ser monitorado através do aplicativo Mission Control (o qual será
discutido em capítulos seguintes).
E. Base de Dados do Processo (PDB)
• A representação do processo é feita através de tags (também chamados de blocos)
• Um tag corresponde a uma unidade de instruções que realiza uma função do processo
• Algumas funções de um tag são, por exemplo:
- Definir os limites de alarmes.
- Realizar cálculos baseados em valores específicos do processo.
- Escrever valores no hardware do processo.
• Os tags podem ser conectados para formar cadeias de tags.
- As cadeias de tags podem monitorar o processo, realizar cálculos ou então
malhas de controle.

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-8


Apostila de Treinamento

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

Link

AI CA
DIT (Tabela
Imagem do Driver)
AI TR AO SAC

DI Driver
(Scan,
Alarm, & I/O
DO
PDB Control)
(Base de Dados
do Processo)

Hardware do
Processo

Figura 1-4: Arquitetura Básica (Base de Dados do Processo)

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-9


Fundamentos do iFIX

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

F. Tela de Operador
• Uma vez os valores estando na PDB, estes podem ser mostrados graficamente
• O WorkSpace da Intellution no modo Run oferece a opção IHM
- IHM (Interface Humano-Máquina) é a interface entre operador e máquina, a
qual permite interagir com o processo através da telas gráficas
• Objetos gráficos são usados para mostrar valores da base de dados
• Estes objetos podem mostrar:
- informações sobre alarmes
- informações da base de dados
- informações específicas de um tag
• A Figura 1-5 mostra um exemplo usando um link de dados (Data Link)

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-10


Apostila de Treinamento

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

Link

AI CA
DIT (Tabela
Imagem do
AI TR AO Driver)

DI Driver
SAC
I/O
DO
PDB
(Base de Dados
do Processo)

Hardware do
Processo

Figura 1-5: Arquitetura Básica (Tela Gráfica)

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-11


Fundamentos do iFIX

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

G. Identificando Informações da Base de Dados


• As fontes de dados (Data Sources) possuem um padrão para a identificação das
informações da base de dados
• Sintaxe: SERVIDOR.NÓ.TAG.FIELD
- SERVIDOR Nome do servidor de dados OPC
- NÓ Nome do nó SCADA onde fica a base de dados
- TAG Nome do tag da base de dados
- FIELD Informação específica do tag
• Exemplo: FIX32.SCADA1.TEMP.F_CV
- Mostra o valor atual (F_CV) do tag TEMP
- O tag TEMP reside na base de dados da estação SCADA1
- Os dados da estação SCADA1 vêm do servidor OPC da base de dados do
processo chamado FIX32
• Os dados podem ser mostrados localmente ou a partir de uma estação remota usando
o nome da fonte de dados (veja um exemplo na Figura 1-6)

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-12


Apostila de Treinamento

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

PDB SAC DIT Driver


I/O

Nó SCADA

Hardware do
Processo

Link

Nó Vista

Figura 1-6: Arquitetura Básica de Rede

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-13


Fundamentos do iFIX

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

H. Fluxo dos Dados


• O driver consulta o hardware do processo
- O driver lê os dados dos registros do hardware do processo
- Estes dados são transferidos para uma área da memória chamada DIT (Driver
Image Table), ou seja, local onde contém uma imagem das tabelas do driver
- A taxa com que o driver faz esta leitura é chamada Poll Time
• O SAC faz a leitura da DIT
- O SAC lê os dados da DIT
- Estes dados são transferidos para a base de dados do processo (PDB-Process
DataBase)
- A taxa de leitura do SAC é chamada de Scan Time
• O WorkSpace busca informações da base de dados do processo
- Os objetos gráficos da tela mostram valores da base de dados do processo
- Outros aplicativos também podem buscam dados da base de dados
I. Ordem Inversa do Fluxo de Dados
• Os dados também podem ser enviados para o hardware do processo
- Isto é feito executando os passos acima na ordem inversa
- Os dados são enviados da tela para a base de dados e então para a DIT
- O driver busca os valores da DIT e os envia para o CLP
• Veja a Figura 1-7

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-14


Apostila de Treinamento

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

Driver
PDB SAC DIT
I/O

Nó SCADA

Hardware
do Processo

Link

Nó Vista

Figura 1-7: Arquitetura Completa nos “Dois Sentidos”

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-15


Fundamentos do iFIX

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

Explicar tipos de estações iFIX:

SCADA
iClient
iclient Read Only
Iclient TS
iWebServer

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-16


Apostila de Treinamento

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

Figura da Arquitetura

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-17


Fundamentos do iFIX

1.4. Família Intellution Dynamics _______________________________

A. Família Intellution Dynamics


• Família de softwares de automação que possui tecnologia aberta baseada em
componentes.
• Integra dados de chão de fábrica com outros componentes da família, sistemas
gerenciais ou aplicativos de terceiros.

B. Componentes da Família Intellution Dynamics


• Componentes família Intellution Dynamics podem ser conectados para alcançar as
necessidades de sua aplicação e incluem:
- iFIX: software HMI/SCADA.
- iWebServer: acesso das telas iFIX via Internet.
- iLogic: SoftLogic da Intellution.
- iBatch: software de gerenciamento de processos batelada.
- iWorkInstruction: instruções eletrônicas para processos batelada.
- iHistorian: coletor de histórico de dados.
- iDownTime: analisador de paradas de equipamentos.
- infoAgent: analisador de histórico de produção via web.
• Estes componentes são unidos por um núcleo chamado iCore
- Este núcleo é construído com tecnologias industriais padrão que oferecem
uma fácil integração com aplicações de terceiros em rede e/ou Internet
- O iCore contém os seguintes componentes:
◊ Intellution WorkSpace
◊ Rede
◊ Segurança
◊ Cliente OPC (OLE for Process Control)
◊ VBA (Visual Basic for Application)

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-18


Apostila de Treinamento

0. 1.3. Arquitetura Básica __________________________________

Explicar tipos de estações iFIX:

SCADA
iClient
iclient Read Only
Iclient TS
iWebServer

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-19


Fundamentos do iFIX

1.3. Arquitetura Básica _______________________________________

Figura da Arquitetura

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-20


Apostila de Treinamento

Família Intellution Dynamics ___________________________________

Figura 1-8: Componentes da Família Intellution Dynamics

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-21


Fundamentos do iFIX

1.5. ______________________________________________ Exercício 1

Construindo uma Aplicação

Exercício 1

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-22


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 1

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para:

1. Criar novos tags na base de dados.


2. Criar uma cadeia na base de dados.
3. Usar dynamos para mostrar informações gráficas sobre uma bomba.
4. Adicionar um datalink na tela.

Introdução:

A fim de entender o software iFIX, este exercício destaca algumas características básicas. Você
irá projetar criar uma tela simples para monitorar e operar uma bomba de água. No final do
exercício, sua tela deverá se parecer com:

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-23


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 1

A. Inicie o desenvolvimento de uma aplicação usando o WorkSpace.

1. A partir do grupo de ícones da Intellution, inicie o Intellution WorkSpace.


O WorkSpace abre uma tela branca sem título:

Adicione um bloco
na base de dados

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-24


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 1

B. Crie um tag na base de dados para ligar e desligar a bomba.

1. A partir da barra de ferramentas do WorkSpace, selecione o botão:


Add Database Block.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

2. Digite o seguinte texto no campo em branco:


PUMP_SWITCH
3. Selecione o botão Add para adicionar o novo bloco na base de dados.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-25


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 1

C. Configure o novo tag da base de dados.

1. Selecione a opção DI – Digital Input e então OK.


A seguinte caixa de diálogo aparece:

2. Configure as seguintes opções com os valores mostrados a direta:


Description: Bomba de Água
I/O Address: 10:0
3. Selecione a guia Advanced na caixa de diálogo.
4. Selecione a opção Enable Output.
Isto permitirá o monitoramento e controle da bomba.
5. Selecione o botão Add quando terminar.
Uma caixa de diálogo aparece perguntando se deseja colocar o novo bloco para
varrudura (on scan).
6. Selecione o botão Yes para iniciar a varredura do novo bloco.
Você estará de volta ao WorkSpace.

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-26


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 1

D. Adicione um objeto na tela que representa a bomba.

1. Na árvore do sistema (System Tree), abra a guia Dynamo Sets.


2. Dê um duplo clique no conjunto chamado Class
A seguinte tela aparece:

3. Selecione e arraste o objeto Pump1 para a tela.


A caixa de diálogo Pump Dynamo aparece.
4. Digite o seguinte nome no campo Data Source:
PUMP_SWITCH
5. Selecione OK quando terminar.
Você estará de volta ao WorkSpace.

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-27


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 1

E. Adicione um interruptor na tela.

1. A partir do menu Window, selecione Class para mostrar o conjunto de dynamos.


2. Selecione e arraste o objeto Switch1 do conjunto de dynamos Class para a tela.
A caixa de diálogo do dynamo aparece:

3. Digite o seguinte nome no campo Data Source:


PUMP_SWITCH
4. Selecione OK quando terminar.
Você estará de volta ao WorkSpace.

F. Adicione um banner na tela.

1. A partir do menu Window, selecione Class para mostrar o conjunto de dynamos.


2. Selecione e arraste o objeto Banner1 do conjunto de dynamos Class para a tela.
A caixa de diálogo do dynamo aparece.
3. Entre com o seguinte nome no campo Picture Title:
Water Pump
4. Selecione OK quando terminar
Você estará de volta ao WorkSpace.
5. Feche a janela do conjunto de dynamos Class.

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-28


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 1

G. Visualize a tela.

1. A partir do menu WorkSpace, selecione a opção Switch to Run.


O WorkSpace alterna do modo de configuração para o modo de execução.
A tela deve agora se parecer com a seguinte figura:

2. Pressione o botão do interruptor.


A bomba e o interruptor devem refletir a mudança do tag na base de dados.
3. A partir do menu WorkSpace, selecione Switch to Configure.
O WorkSpace retorna para o modo de configuração.

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-29


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 1

H. Adicione um tag na base de dados para regular a velocidade da bomba.

1. A partir da barra de ferramentas do WorkSpace, selecione o botão:


Add Database Block.
A caixa de diálogo para a adição de um bloco aparece.
2. Digite o seguinte nome no campo Database Block:
WATER_RATE
3. Selecione Add para adicionar o novo bloco na base de dados.
A caixa de diálogo com os tipos de blocos aparece.
4. Selecione AI – Analog Input e então OK.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

5. Defina os seguintes campos usando as informações à direita:


Description: Water Supply Pump Rate
I/O Address: RG
Low Limit: 0.00
High Limit: 300.00
Units: GPM
6. NÃO clique ainda o botão Add! Vá para a página seguinte para obter mais instruções…

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-30


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 1

I. Modifique um tag da base de dados e crie uma cadeia.

1. Digite o seguinte nome no campo Next:


CALC_RATE
2. Selecione o botão com uma flecha localizado à direita do campo Next.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

3. Selecione Yes.
A caixa de diálogo com os tipos de blocos aparece.
4. Selecione CA – Calculation e então OK.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-31


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 1

I. Modifique um tag da base de dados e crie uma cadeia (continuação).

5. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Description: Calculate Water Rate
Input B: PUMP_SWITCH
Output Calculation: A*B
Low Limit: 0.00
High Limit: 300.00
Units: GPM
6. Quando terminar, selecione Add.
Uma caixa de diálogo aparece perguntando se deseja colocar o novo bloco em varredura.
7. Selecione Yes para iniciar a varredura do bloco.
Você estará de volta ao WorkSpace.

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-32


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 1

J. Adicione um link de dados na tela para mostrar a velocidade da bomba.

1. A partir do menu Insert, selecione Data Link.


O cursor muda para o formato de uma cruz.
2. Desenhe um retângulo para especificar a localização do link de dado.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

3. Entre com o seguinte nome no campo Source:


CALC_RATE
4. Quando terminar, selecione OK.
O link de dado aparece na tela da seguinte forma:
#####.##

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-33


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 1

K. Adicione um objeto para mostrar a velocidade da bomba.

1. A partir do menu Insert, selecione Chart.


O cursor muda para o formato de uma cruz.
2. Desenhe um retângulo para representar a localização do gráfico.
Quando terminar, um gráfico padrão aparece na tela:

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-34


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 1

L. Configure o gráfico.

1. Clique duas vezes no gráfico.


A caixa de diálogo de configuração do gráfico aparece.
2. Selecione a guia Chart:
A caixa de diálogo muda para a seguinte:

3. Selecione a pena padrão e altere-a para:


CALC_RATE
4. Selecione a guia Time.
5. Altere o tempo de duração (Duration Time) para:
00:02:00
6. Quando terminar, selecione OK.

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-35


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 1

M. Salve a tela.

1. No menu File, selecione Save.


A caixa de diálogo para salvar aparece.
2. Digite o seguinte nome de arquivo:
WaterPump
3. Selecione o botão Save para salvar a nova tela.
A barra de título da tela contém agora o nome do arquivo.
4. Retorne para o modo de execução para ver as novas mudanças na tela.
5. Mude o estado da bomba através de um clique no interruptor.
Note que o valor do link de dado é alterado refletindo o estado atual da bomba.

Fim do Exercício

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-36


Apostila de Treinamento

1.6. Questões de Revisão_____________________________________

1. Qual é a diferença entre um servidor SCADA e um iClient?

2. O que é o iCore? O que é a família Intellution Dynamics?

3. Qual nó do iFIX pode ser usado como stand alone?

4. Qual é a função da Tabela Imagem do Driver?

5. Qual é a função do SAC?

Copyright (c) 2002, Intellution, Inc. 1-37


Apostila de Treinamento

2. Introdução ao Desenvolvimento Gráfico _______________________

Capítulo 2

Introdução ao Desenvolvimento Gráfico

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-1


Fundamentos do iFIX

2. Introdução ao Desenvolvimento Gráfico ______________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo traz uma introdução sobre o desenvolvimento da interface gráfica do iFIX. Serão
vistos os objetos gráficos nativos do iFIX e como trabalhar com a área de desenvolvimento gráfico
do iFIX, o Intellution WorkSpace. O WorkSpace consiste de uma área de projeto que contém
textos, animações e ferramentas que permitem criar telas de fácil entendimento para o operador.
Também oferece comandos e modos de interação com a tela através de ações de operador como
reconhecimento de alarmes ou mudança de setpoints do processo.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Introdução ao WorkSpace da Intellution


• Objetos gráficos e suas propriedades
• Construção de telas

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-2


Apostila de Treinamento

2.1. WorkSpace _____________________________________________

File Object Format


New Fill Style Bring to Front
Open Edge Style Send to Back
Close Background Style Group / Ungroup
Save Align
Save As View Flip
Save All Zoom Space Evenly
Print Default View Make Same Size
Exit Full View Snap to Grid
Fit Picture to Window Grid Settings
Edit Fit Window to Picture Snap Objects to Grid
Undo Update Window Location
Cut Refresh Window
Copy Color Selections Cascade
Copy as Bitmap Property Window Tile Horizontal
Paste Screen Regions Tile Vertical
Paste Special Close All
Delete Insert
Duplicate OLE Object Help
Select All Rectangle WorkSpace Help
Find and Replace Rounded Rectangle iFIX Picture Server Help
Animations Oval
Picture Line
Polyline
WorkSpace Polygon
Switch to Run Arc
System Tree Chord
Status Bar Pie
Visual Basic Editor Text
User Preferences Chart
Toolbars Bitmap
Full Screen Datalink
Current Time
Current Date
Alarm Summary
Push Button

Figura 2-1: Menu de Comandos do WorkSpace (em Configure Mode)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-3


Fundamentos do iFIX

2.1. WorkSpace ______________________________________________

A. WorkSpace
• O aplicativo WorkSpace consiste da área de desenvolvimento de uma aplicação iFIX
• Une os aplicatoivos da Intellution
• Todas as configurações do projeto são feitas no WorkSpace
• Modos de trabalho do WorkSpace:
- Modo de Configuração (Configure Mode)
- Modo de Execução (Run Mode)
• Os componentes do WorkSpace são:
- Árvore do sistema (System Tree)
- Área de desenvolvimento das telas
- Barra de menu
- Barras de ferramentas

B. Árvore do Sistema
• Mostra os arquivos associados ao projeto
• Mostra os objetos associados a cada arquivo
• Oferece acesso a algumas aplicações
• Pode ser redimensionada, movimentada ou simplesmente não mostrada
• As guias são caminhos configurados no System Configuration Utility
- isto será visto mais tarde neste curso

C. Área de desenvolvimento das telas


• Contém o documento ativo
- um documento é uma aplicação baseada em Windows envolta por um
browser
- oferece um método de acesso das funcionalidades das aplicações a partir da
interface do browser
• Os documentos são editados no modo de configuração
• Os documentos são mostrados no modo de execução

D. Barra de Menu
• Varia de acordo com o tipo de documento ativo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-4


Apostila de Treinamento

2.1. WorkSpace _____________________________________________

Figura 2-2: Workspace do iFIX (Configure Mode)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-5


Fundamentos do iFIX

2.2. Telas ___________________________________________________

A. Telas
• As telas do iFIX são documentos com extensão *.GRF (Graphics Resource File)
• Suas propriedades podems er alteradas a partir de uma caixa de diálogo Edit Picture
que é acessada selecionando Picture no menu Edit
- veja a Figura 2-3

B. Objetos da Tela
• Os objetos das telas devem possuir nomes exclusivos (não repetidos)
• Os nomes dos objetos devem começar com uma letra e podem conter no máximo 40
caracteres, incluindo letras, números e sub-traços (_)
• Cada objeto pode conter códigos de programa (scripts) associados a ele.
• Os objetos podem ser animados de acordo com valores de variáveis ou informações
vindas do hardware do processo através de um driver de comunicação
• Para inserir um objeto na tela:
- Selecione o objeto a partir do menu Insert ou através da caixa de ferramenta
Tollbox e desenhe os cantos da figura (siga as instruções da Figura 2-4).

Figura 2-3: Caixa de Diálogo para Configuração da Tela

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-6


Apostila de Treinamento

2.2. Telas __________________________________________________

Tipo de Objeto Ferramenta Para criar...

Clique uma vez e arraste.


Rectangle
Solte o mouse quando estiver com o tamanho desejado.

Rounded Clique uma vez e arraste.


Rectangle Solte o mouse quando estiver com o tamanho desejado.

Clique uma vez e arraste.


Oval
Solte o mouse quando estiver com o tamanho desejado.

Clique uma vez e arraste.


Line
Pare no tamanho desejado e solte o mouse.

Clique uma vez para cada ponto.


Polyline
Dê um duplo clique para terminar.

Clique uma vez para cada ponto e dê um duplo clique


Polygon
para terminar. Ele fecha sozinho, sem necessidade de
unir o início com o final do objeto.

Clique uma vez para cada ponto e clique uma terceira


Arc
vez para criar a curvatura do arco.

Clique uma vez para cada ponto e clique uma terceira


Chord
vez para criar a curvatura do semicírculo.

Clique uma vez para cada canto do objeto. O primeiro e


Pie
o último ponto são conectados para formar o lado
curvado.
Figura 2-4: Objetos Gráficos

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-7


Fundamentos do iFIX

2.2. Telas __________________________________________________

C. Configuração das Cores


• A caixa de cores é uma ferramenta para manipular as propriedades de cor dos
objetos.
• Contém as ferramentas necessárias para colorir objetos e criar conjuntos
personalizados de cores.
• A caixa de cores pode ser acessada a partir de qualquer parte da área de trabalho.
- Veja a Figura 2-5.
• Existem duas caixas de cores:
- Uma acessada a partir do botão direito do mouse ao selecionar um objeto
◊ com esta caixa pode-se configurar as cores do objeto selecionado
- Outra acessada a partir de Color Selections do menu View
◊ esta caixa permite a configuração de cores de diferentes objetos da tela
• Cores Personalizadas
- Pode-se personalizar até 16 milhões de opções de cores, combinando-se as
cores primárias vermelho, verde e azul, além de variar as propriedades de
saturação, matiz e luminosidade.
- Veja a Figura 2-6.

D. Estilos de Preenchimento (Fill), de Contorno (Edge) e de Fundo (Background)


• As cores são modificadas a partir da caixa de diálogo de seleção de cores
• Uma vez selecionado o objeto, os estilos são alterados a partir do menu Object

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-8


Apostila de Treinamento

2.2. Telas __________________________________________________

Selecione aqui
cor de frente, de Selecione aqui o
fundo ou de conjunto de cores
contorno (default, shades
of gray, etc.)

Selecione aqui
para criar cores
personalizadas

Figura 2-5: Caixa de Diálogo de Seleção de Cores

Figura 2-6: Caixa de Diálogo de Cores Personalizadas

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-9


Fundamentos do iFIX

2.2. Telas __________________________________________________

E. Barra de Menu
• Gerenciamento de arquivos
- Open (abrir um arquivo), Close (fechar um arquivo), Save (salvar um
arquivo), Save As (salvar um arquivo com outro nome) e Save All (salvar
todos os arquivos abertos).
• Ferramentas padrões de impressão
- Print Setup (configuração da impressora configurada do sistema operacional)
e Print (imprimir arquivo ativo).
• Ferramentas padrões de edição do Windows
- Cut (recortar um ou vários objetos selecionados), Copy (copiar um ou vários
objetos selecionados), Paste (colar os objetos copiados ou recortados) e Paste
Especial (colar os objetos de forma especial).
- Delete (apagar um ou mais objetos selecionados), Duplicate (duplicar um ou
mais objetos selecionados) e Select All (selecionar todos os objetos da tela
ativa).

F. Ferramentas Adicionais da Barra de Menu


• Copy as Bitmap (copiar um ou mais objetos selecionados como um objeto do tipo
bitmap).
• Bring to Front (trazer o objeto selecionado para frente dos outros objetos na tela),
Send to Back (enviar o objeto selecionado para trás dos outros objetos na tela).
• Align (alinhar os objetos selecionados), Flip (inverter o objeto), Space Evenly
(distribuir os objetos com o mesmo espaçamento na tela), Make Same Size (tornar as
dimensões dos objetos idênticas).
• Snap to Grid (alinhar conforme a grade) e Grid Settings (configurações da grade).

G. Alterando Objetos Gráficos


• Uma vez adicionados à tela, a maioria dos objetos pode ser re-editado utilizando os
seguintes comandos: Reshape (redesenhar o objeto), Resize (redimensionar o
tamanho do objeto) e Rotate (rotacionar o objeto na tela).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-10


Apostila de Treinamento

2.2. Telas __________________________________________________

Figura 2-7: Exemplo de Tela

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-11


Fundamentos do iFIX

2.3. Processo Utilizado nos Exercícios __________________________

A. Descrição de um Processo de Fabricação de Cerveja


• Cozimento do Malte (Mash Mixer)
- O tanque Mash Mixer realiza a mistura de água com malte triturado. A
mistura é realizada à uma temperatura ótima para conversão total do amido
em açúcares simples
• Tina de Filtração (Lauter Tun)
- Onde o líquido vindo do Mash Mixer é misturado com água quente e filtrado
para a remoção de grãos. O líquido resultante, claro e adocicado, é chamado
de mosto e os grãos úmidos são aproveitados para ração animal.
• Cozimento do Mosto (Brew Kettle)
- O mosto é fervido por aproximadamente uma hora e nesta etapa é adicionado
lúpulo durante os últimos 15 minutos da operação.
• Filtração (Whirlpool Filter)
- O mosto fervido com o lúpulo é enviado para um filtro onde o lúpulo e outros
sólidos são removidos.
• Fermentação (Fermentation Tank)
- Levedura é adicionada ao mosto e permanece no tanque de fermentação de 5
a 20 dias, com temperatura entre 5°C e 10°C. A levedura consome o açúcar,
produzindo álcool e dióxido de carbono. Durante este processo, o mosto é
transformado em cerveja.
• Maturação (Aging Tank)
- A cerveja é gradualmente maturada em tanques de armazenagem por 2 a 24
semanas. As proteínas são retiradas da cerveja, ou seja, são “digeridas”
através de ação enzimática. O resíduo da reação que ocorre durante a
fermentação é extraído e retornado para a caldeira durante o engarrafamento.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-12


Apostila de Treinamento

2.3. Processo Utilizado nos Exercícios _________________________

Figura 2-8: Fluxograma de um Processo de Fabricação de Cerveja

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-13


Fundamentos do iFIX

2.4. ______________________________________________ Exercício 2

Conceitos Básicos do WorkSpace

Exercício 2

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-14


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 2

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para:

1. Criar uma nova tela no WorkSpace.


2. Adicionar objetos básicos à tela.

Introdução:

A finalidade deste exercício é apresentar o WorkSpace da Intellution. O WorkSpace é o


aplicativo que pode ser usado para acessar todos os outros aplicativos do iFIX. Este exercício
irá ajudá-lo a se familiarizar com o Workspace, abordando os métodos básicos para a criação de
uma tela.

Informações sobre o exercício:

Ao longo do curso, iremos criar uma aplicação para monitoração e controle da fabricação de
cerveja. O primeiro passo do processo é adicionar malte à um misturador ( Mash Mixer). O
malte é misturado com água para dissolver os grãos sólidos e aquecido lentamente. Este
processo transforma os grãos em açúcares através de ação enzimática. O líquido permanece no
misturador por uma ou duas horas.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-15


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 2

Neste exercício, iremos monitorar o misturador. O misturador possui uma alimentação de água,
outra de malte e uma saída da mistura. Isto será mostrado através de um tanque com duas
tubulações de entradas e uma tubulação de saída. Ao final deste exercício, sua tela deverá se
parecer com figura abaixo. Use esta figura como um guia para a disposição dos objetos em sua
tela.

Quando terminar este exercício, vá para a seção seguinte e responda as questões de revisão.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-16


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 2

A. Crie uma nova tela.


Crie uma nova tela e inicie o desenvolvimento gráfico.
1. A partir do menu File, selecione New –Picture.
Uma nova tela sem nome aparecerá.
2. A partir do menu Insert, selecione Text.
O cursor muda para o formato de uma barra I.
3. Selecione com o cursor no topo da tela e digite o seguinte texto:
Mash Mixer
4. Selecione qualquer área em branco da tela.
O cursor retorna para a seta padrão.
5. Selecione o título que você acabou de criar.
Um guia aparece ao redor do objeto indicando que ele é o objeto ativo.
6. A partir do menu Object, selecione Font.
A caixa de diálogo de configuração de fonte aparece:

7. Configure as seguintes opções com os valores listados a direta:


Font: Arial
Font Style: Bold
Font Size: 16
8. Selecione OK quando terminar.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-17


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 2

B. Crie o Misturador.
Use um retângulo e um semicírculo para criar o tanque.
1. A partir do menu Insert, selecione Rectangle.
O cursor muda para o formato de uma cruz.
2. Desenhe um retângulo baixo e achatado.
3. A partir do menu Insert, selecione Chord.
O cursor muda para o formato de uma cruz.
4. Desenhe um semicírculo no topo do retângulo.
A tela deve-se parecer agora com:

5. Selecione o retângulo e o semicírculo ao mesmo tempo.


Os objetos são limitados por guias.
6. A partir do menu Object, selecione Color – Foreground.
A caixa de diálogo de cores aparece.
7. Selecione um cinza claro (Gray75) e selecione OK.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-18


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 2

C. Adicione Tubulações à tela.


Utilize retângulos para adicionar tubulações ao misturador.
1. A partir do menu Insert, selecione Rectangle.
O cursor muda para o formato de uma cruz.
2. Desenhe um retângulo fino e comprido para representar uma tubulação alimentando o
misturador.
3. A partir do menu Format, selecione Send to Back.
4. Adicione duas tubulações adicionais à tela .
A tela deve-se parecer agora com:

5. Usando a caixa de diálogo de cores, altere a cor das tubulações para cinza escuro
(Gray50).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-19


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 2

D. Adicione válvulas à tela.


Use polígonos para adicionar válvulas ao misturador.
1. A partir do menu Insert, selecione Polygon.
O cursor muda para o formato de uma cruz.
2. Usando a figura abaixo como referência, crie um polígono para representar uma válvula.
3. Crie duas válvulas adicionais usando a mesma técnica.
4. A partir do menu Insert, selecione Text.
5. Adicione os objetos de texto mostrados ns figura abaixo.
A tela deve-se parecer agora com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-20


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 2

E. Adicione um agitador ao tanque.


Use um polígono para adicionar um agitador ao tanque.
1. A partir do menu Insert, selecione Polygon.
O cursor muda para o formato de uma cruz.
2. Desenhe uma “pá de agitador” como mostrado na figura abaixo.
3. Use a caixa de diálogo para alterar a cor do misturados para cinza escuro (Gray50).
4. A partir do menu Insert, selecione Line.
O cursor muda para o formato de uma cruz.
5. Desenhe uma linha para unir a pá do agitador ao topo do tanque.
A tela deve-se parecer agora com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-21


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 2

F. Salve a tela.

1. A partir do menu File, selecione Save.


A seguinte caixa de diálogo aparece:

2. Digite o seguinte nome no campo File Name:


MashMixer
Na barra de título da tela aparece agora o nome do novo arquivo.

Fim do Exercício

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-22


Apostila de Treinamento

2.5. Questões de Revisão_____________________________________

1. Para que serve a árvore do sistema (System Tree) no Workspace?

2. Como se criam cores personalizadas?

3. Para que serve a grade (Grid) no WorkSpace?

4. Que opções de estilo de fundo (Background Style) existem para um objeto na tela?

5. Descreva como o Exercício 2 se encaixa na aplicação de Fabricação de Cerveja.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-23


Fundamentos do iFIX

2.5. Questões de Revisão _____________________________________

página em branco

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 2-24


Apostila de Treinamento

3. Animação de Objetos _______________________________________

Capítulo 3

Animação de Objetos

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-1


Fundamentos do iFIX

3. Animação de Objetos _____________________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo introduz ferramentas adicionais para o desenvolvimento gráfico no iFIX, como as
ferramentas para animação dos objetos na tela. Alguns conceitos adicionais sobre o WorkSpace
também serão discutidos.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Property Window
• Animação de objetos
• Uso dos “Experts”
• Uso do “Expression Builder”
• Datalinks

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-2


Apostila de Treinamento

3. Animação de Objetos______________________________________

A. Revisão
• As telas do iFIX são criadas no aplicativo WorkSpace.
• Existem várias ferramentas disponíveis para criação de objetos gráficos:
- Retângulo
- Retângulo com bordas arredondadas
- Oval
- Linha
- Poli linha
- Polígono
- Arco
- Semicírculo
- Setor circular (pizza)
- Texto
• Os objetos podem ser formatados usando as opções do menu Format

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-3


Fundamentos do iFIX

3.1. Property Window_________________________________________

A. Introdução
• A Property Window é uma janela de configuração das propriedades estáticas de um
objeto.
- Altura do objeto, cor de fundo, estilo de preenchimento, etc.
• Mostra as propriedades do objeto que permitem modificação
- os valores das propriedades localizam-se na coluna da direita da janela
- algumas propriedades contêm uma lista de opções para seleção
- as propriedades somente de leitura não aparecem na janela
• A janela pode ser moldada
- ela fica na tela enquanto os valores das propriedades são alterados

B. Usando a Janela de Propriedades:


1. Selecione o objeto a ser modificado com o botão direito do mouse a partir da árvore
do sistema e selecione Property Window no menu.
Ver Figura 3-1
2. Localize a propriedade a ser modificada na coluna da esquerda da janela e selecione
seus valores na coluna da direita.
3. Digite o novo valor para a propriedade.
Assim que digitar o valor, o objeto muda para refletir a nova entrada.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-4


Apostila de Treinamento

3.1. Property Window ________________________________________

Figura 3-1: Janela de Propriedades

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-5


Fundamentos do iFIX

3.2. Animação de Objetos _____________________________________

A. Notas
• Animações realizam mudanças dinâmicas em uma propriedade, baseada em uma
variação na fonte de dados, que pode ser:
- um tag da base de dados do iFIX
- um dado em tempo real de um endereço I/O
- um valor de uma tela ou propriedade de um objeto
- uma variável global
- uma expressão pré-definida
- um evento VBA
- servidores OPC

B. Como as animações funcionam


• Animações são na realidade objetos
- quando um objeto é animado, um objeto de animação é adicionado às suas
propriedades originais
◊ o usuário vê um objeto realizando uma ação funcional visível
◊ na realidade, quem é animado é a propriedade do objeto e não
propriamente o objeto
• A fonte do dado é o valor usado para a animação
• Como as animações alteram as propriedades do objeto, uma propriedade só pode ser
usada para uma animação se esta propriedade aceitar dados
- propriedades somente de leitura não podem ser usadas
- as propriedades disponíveis podem ser vistas na janela de propriedades
• A Figura 3-2 traz um resumo das animações mais usadas

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-6


Apostila de Treinamento

3.2. Animação de Objetos_____________________________________

Animando a propriedade… Permite que você …


Horizontal Fill Percentage Preencha horizontalmente um objeto baseado em uma
(porcentagem de preenchimento porcentagem. Por exemplo, se o valor da propriedade for
horizontal) 50, o objeto será 50% preenchido.
Vertical Fill Percentage Preencha verticalmente um objeto baseado em uma
(porcentagem de preenchimento porcentagem. Por exemplo, se o valor da propriedade for
vertical) 50, o objeto será 50% preenchido.
Horizontal Fill Direction Preencha horizontalmente um objeto a partir da esquerda,
(direção de preenchimento horizontal) da direita ou do centro
Vertical Fill Direction Preencha verticalmente um objeto a partir do topo, da
(direção de preenchimento horizontal) base ou do centro
Horizontal Position Mova um objeto horizontalmente através da tela
(posição horizontal)
Vertical Position Mova um objeto verticalmente através da tela
(posição horizontal)
Rotation Angle Defina a quantidade para rotacionar um objeto. Ovais,
(ângulo de rotação) retângulos com bordas arredondadas e gráficos não
possuem propriedade de rotação
Uniform Scale (escala uniforme) Amplie ou reduza um objeto de forma proporcional
Height (altura) Amplie ou reduza a altura de um objeto. A largura
permanece inalterada
Width (largura) Amplie ou reduza a largura de um objeto. A altura
permanece inalterada
Horizontal Scale Percentage Escala um objeto horizontalmente baseando-se em uma
(porcentagem de escala horizontal) porcentagem. Por exemplo, se o valor da propriedade for
50, o objeto será escalado 50%
Vertical Scale Percentage Escala um objeto verticalmente baseado-se em uma
(porcentagem de escala horizontal) porcentagem. Por exemplo, se o valor da propriedade for
50, o objeto será escalado 50%
Foreground Color Muda a cor de frente de um objeto. Linhas, poli-linhas e
(cor de frente) bitmaps não possuem propriedade de cor de frente
Visible (visibilidade) Faça o objeto ficar visível ou invisível
Caption (título) Mude o texto mostrado por um objeto de texto
Obs: apenas para objetos texto
Figura 3-2: Animações Comuns

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-7


Fundamentos do iFIX

3.2.1. Assistentes de Animação _______________________________

A. Notas
• Modelos usados para animar propriedades selecionadas de objetos
- Preenchimento (fill)
- Rotação (rotate)
- Posição (position)
- Visibilidade (visibility)
- Cores de frente (foreground), de fundo (background) e de contorno (edge)
• A Figura 3-3 contém uma lista de alguns Animation Experts

B. Preenchimento Animado
• Usado para preencher um objeto de baixo para cima, de cima para baixo ou uma
combinação dos dois modos anteriores
• Botão “Get Data From New Selection”
- selecione outro objeto da área de trabalho enquanto a caixa de diálogo do
“Expert” ainda é exibida
- selecionando este botão, os parâmetros de animação de cor do objeto
aparecem na caixa de diálogo do “Expert”
- configure os parâmetros desta nova seleção
• Para buscar ajuda sobre os outros campos, use o botão Help
- será falado mais sobre o Help em capítulos seguintes
• A Figura 3-4 mostra a caixa de diálogo do “Expert” de Preenchimento

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-8


Apostila de Treinamento

3.2.1.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-9


Fundamentos do iFIX

Assistentes de Animação ______________________________________

Preenchimento (Fill Expert)


Rotação (Rotate Expert)
Posição (Position Expert)
Escala (Scale Expert)
Visibilidade (Visibility Expert)
Contorno (Edge Color Expert)
Cor de Frente (Foreground Color Expert)
Cor de Fundo (Background Color Expert)

Figura 3-3: “Experts” de Animação

Figura 3-4: “Expert” de Preenchimento

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-10


Apostila de Treinamento

3.2.1.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-11


Fundamentos do iFIX

Assistentes de Animação ______________________________________

C. Opções da Caixa de Diálogo de Animação de Cor


• Color by – escolhas para mudança de cores:
- Current Value (valor atual)
◊ usa o valor atual F_CV da fonte de dado
- Current Alarm (alarme atual)
◊ usa o tag com o alarme mais recente não reconhecido
- Latched Alarm (alarme mais severo)
◊ usa o tag com o alarme mais severo não reconhecido
• Color Thresholds (tabela de limites de cores)
- Range
◊ realiza a mudança baseada nos valores mínimo e máximo
- Exact Match
◊ realiza a mudança baseada no valor exato
◊ pode-se estabelecer uma tolerância ao redor do valor no campo
Tolerance
• Seleção de cores baseada em alarme
- utilizada para tags de entrada analógica
• Shared Threshold Table (tabela compartilhada de limite de cores)
- usa uma tabela de cores definida como global ou de algum outro objeto da
tela
- será falado mais sobre tabelas compartilhadas nos capítulos seguintes

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-12


Apostila de Treinamento

3.2.1.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-13


Fundamentos do iFIX

Assistentes de Animação ______________________________________

Figura 3-5: “Expert” de Animação de Cor de Frente

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-14


Apostila de Treinamento

3.2.2. Expression Builder ____________________________________

A. Notas
• Usado para estabelecer valores para as animações
- Estes valores são referenciados como Fontes de Dados (Data Sources)
• Aparece em vários lugares dentro do iFIX
- Normalmente acessadas através do botão “Browse” .
- Também referenciado às vezes como botão “Ellipses”.
- Veja a Figura 3-6.

B. Caixa de Diálogo do “Expression Builder”


• Permite acesso às fontes de dados do sistema iFIX
• Existem várias fontes de dados que podem ser usadas para animar as propriedades de
um objeto
• Pode-se também construir expressões
- uma expressão é um valor de dados ou vários valores de dados conectados
com um ou mais operadores
- use o “Expression Builder” para criar expressões específicas para acessar
dados de uma única fonte
• Os valores de dados em uma expressão podem ser os seguintes:
- Constantes numéricas
- Textos entre aspas (“ ”).
- Tags do iFIX
- Endereços I/O de um servidor OPC.
- Propriedades de telas
- Propriedades de objetos
• A Figura 3-7 mostra um exemplo de um tag do iFIX

Figura 3-6: Atribuição da Fonte de Dados

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-15


Fundamentos do iFIX

3.2.2. Expression Builder _____________________________________

Figura 3-7: Caixa de Diálogo do “Expression Builder”

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-16


Apostila de Treinamento

3.2.2. Expression Builder ____________________________________

C. Usando o “Expression Builder”


• Filtragem
- filtra a fonte de dados por nó, tag, etc.
- entre com o dado no campo de filtro e selecione o botão Filter (ou F)
• Telas
- selecione os valores das propriedades de outros objetos de uma tela
- Recomenda-se que os objetos de outras telas NÃO sejam usados
◊ se a outra tela não estiver aberta, o objeto não será atualizado
◊ use um objeto Global – mais informações sobre as variáveis globais
serão vistas nos capítulos seguintes

D. Expressões Matemáticas
• Contêm um conjunto de teclas com funções matemáticas e booleanas básicas
• Exemplo:
- suponha que uma cor será alterada somente se dois tags digitais estiverem
fechados
Fix32.NODE8.DI1.F_CV = 1 AND Fix32.NODE8.DI2.F_CV = 1
• Isto é útil para reduzir a quantidade necessária de programas em uma tela
- será falado mais sobre programação nos capítulos seguintes

E. Notas Adicionais sobre o “Expression Builder”


• Tolerance (Tolerância)
- especifica o fator de arredondamento da conexão atual
- o iFIX usa este valor quando a expressão é de comparação
- Exemplo:
Fix32.NODE8.AI1.F_CV = Fix32.NODE8.AI2.F_CV
• Deadband (Banda Morta)
- especifica a flutuação máxima desejada para a conexão atual antes do iFIX
atualizá-la
- isto cria uma zona +/- ao redor do valor atual
- enquanto o valor estiver neste limite, o iFIX não atualiza o valor
• Refresh Rate (Taxa de Atualização)
- especifica a taxa com que o iFIX atualiza o valor da conexão

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-17


Fundamentos do iFIX

3.2.2. Expression Builder _____________________________________

Figura 3-8: Caixa de Diálogo do “Expression Builder” (mostrando as funções matemáticas)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-18


Apostila de Treinamento

3.2.3. Caixa de Diálogo de Animações _________________________

A. Introdução
• Usada para editar as propriedades (estáticas ou dinâmicas) de um objeto.

B. Usando a Caixa de Diálogo de Animação


• Abra a caixa de diálogo Animation clicando duas vezes sobre o objeto na tela.
- Para objetos OCXs, sumários de alarmes, data links e gráficos esta caixa de
diálogo deve ser acessada clicando com o botão direito do mouse e
selecionando Animations a partir do menu que aparece.
• A Figura 3-9 mostra a guia General da caixa de diálogo Animation
- A maioria dos objetos possui esta guia inicial e é utilizada para alterar
algumas propriedades padrões do objeto como nome, descrição, etc.

C. Propriedades Estáticas
• Use esta caixa de diálogo para editar as propriedades estáticas.
• Possui a mesma função da Property Window.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-19


Fundamentos do iFIX

3.2.3. Caixa de Diálogo de Animações __________________________

Figura 3-9: Caixa de Diálogo Animations (Guia General)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-20


Apostila de Treinamento

3.2.3. Caixa de Diálogo de Animações _________________________

D. Propriedades de Animação
• Para animar uma propriedade, clique na caixa de seleção ao lado da propriedade a ser
animada.
- A Figura 3-10 mostra um exemplo.
• Os campos são similares àqueles dos Animation Experts
- Eles usam as mesmas propriedades de objetos.
- Na verdade, todas as animações podem ser feitas via programa em VBA.
◊ Programação em VBA será vista mais tarde.

E. Data Conversion – conversão do valor a partir da fonte de dados.


• Conversão do tipo Range
- Converte linearmente os valores recebidos para a escala configurada nos
campos Minimun Output e Maximun Output.
• Conversão do tipo Table
- Altera os valores recebidos de acordo com valores especificados na tabela.
- O uso de uma tabela de conversão é idêntico ao uso de uma planilha (a Figura
3-10 mostra um exemplo).
- Quando o valor de entrada coincidir com uma entrada da tabela, a propriedade
é alterada de acordo com o valor de conversão.
• Conversão do tipo Format
- Altera a formatação dos valores recebidos da base de dados.
- Pode-se especificar:
◊ Como os valores serão alinhados na tela.
◊ Quantas linhas serão mostradas.
◊ Quantos caracteres irão aparecer em cada linha.
◊ Se a entrada de dados está habilitada.
• Conversão do tipo Object
- Não ocorre conversão dos valores recebidos.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-21


Fundamentos do iFIX

3.2.3. Caixa de Diálogo de Animações __________________________

Figura 3-10: Caixa de Diálogo de Animação (Guia Color)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-22


Apostila de Treinamento

3.3. Datalink ________________________________________________

A. Introdução
• Mostra informações ASCII ou numérica de uma fonte de dados.
• Um dos objetos gráficos mais usados em uma tela.
• A partir do menu Insert, selecione Data Link.

B. Caixa de Diálogo do Datalink


• Formatting (Tipo de Formatação)
- Numeric (Numérica)
◊ Configure o número de casas depois do ponto decimal (whole digits) o
número de casas decimais (decimal).
- Alpha-Numeric (Alfa-Numérica)
◊ Configure o número de linhas (lines) e a quantidade de caracteres por
linha (characters per line).
• Data Entry (Tipo de Entrada de Dados)
- None
◊ Cria um link somente para visualização, não permite entrada de dados.
- In-Place
◊ Permite entrar com dados a partir do datalink para modificar o valor
do dado.
◊ A opção Confirm faz com que apareça uma caixa de diálogo de
confirmação ao digitar um novo valor.

C. Observações
• O datalink se comporta como um objeto com a propriedade de texto (caption)
animada.
• Adicione outras animações no datalink usando a caixa de diálogo de animações
- Exemplos:
◊ Animar a cor do texto.
◊ Possibilitar a visibilidade do texto.
◊ Animar o tamanho do texto: altura (height) e largura (width).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-23


Fundamentos do iFIX

3.3. Datalink_________________________________________________

Figura 3-11: Datalink

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-24


Apostila de Treinamento

3.4. ______________________________________________Exercício 3

Animando Objetos
Exercício 3

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-25


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 3

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para:

1. Usar os “Experts” para animar objetos gráficos


2. Usar a caixa de diálogo de animação para animar objetos gráficos
3. Adicionar links de dados na tela

Introdução:

Este exercício trabalha com a animação dos objetos na tela. As animações permitem mostrar
graficamente as mudanças do processo, tornando a tela mais compreensiva e de fácil uso.

Neste exercício, continuaremos a trabalhar com a tela MashMixer. Iremos adicionar animações
para representar o estado das válvulas através de cores, representar o nível do tanque através de
preenchimento vertical e representar a temperatura do tanque também através de cores. Quando
terminar, sua tela deverá se parecer com:

Quando terminar este exercício, vá para a próxima seção e responda as questões de revisão.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-26


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 3

A. Abra uma tela já existente.


Abra a tela “MashMixer” e a barra de ferramentas “Expert Tollbar”.
1. A partir do menu File, selecione Open.
A caixa de diálogo abrir uma tela aparece.
2. Selecione MashMixer e então selecione Open.
A tela “MashMixer” é aberta.
3. Certifique-se de que a barra de ferramentas Expert esteja visível. Para mostrar esta
barra, selecione Toolbars a partir do menu WorkSpace.
A caixa de diálogo de ferramentas aparece.
4. Na seção Owner, selecione Picture.
A caixa de diálogo deve ser parecer agora com:

5. Selecione a opção Experts e selecione então Close.


A barra de ferramentas “Expert” aparece na área de trabalho.
6. Você pode ancorar a barra de ferramentas acima da tela arrastando-a para a área acima da
barra de título da tela.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-27


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 3

B. Adicione uma animação de cor de fundo.


Anime as válvulas para mudarem de cor de acordo com seu estado.
1. Selecione a válvula da tubulação de entrada de malte.
2. Com a válvula selecionada, selecione o botão Foreground Color Expert.
A caixa de diálogo para configuração da cor de fundo aparece.
3. Configure as seguintes opções com os valores da direta:
Data Source: MALT_SWITCH
Color By: Current Value
Color Threshold: Exact Match
Quando a opção Exact Match (valor exato) estiver selecionada, os limites e cores da
tabela modificam.
4. Crie dois novos limites de cores usando a figura abaixo como referência.
A caixa de diálogo deve-se parecer agora com:

5. Quando terminar, selecione OK.


6. Repita esta seqüência para as outras duas válvulas usando as informações abaixo:
Válvula “Water In”: WATER_SWITCH
Válvula “Mash Out”: MASH_SWITCH

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-28


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 3

C. Adicione uma animação de rotação.


Anime a rotação do agitador de acordo com seu estado.
1. Selecione o agitador.
Um guia aparecerá ao redor do objeto.
2. Com o agitador selecionado, selecione o botão Rotate Expert.
A caixa de diálogo de diálogo do “expert” de rotação aparece:

3. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Data Source: ROTATE_CALC
Fetch Limits from Data: Habilitado
Minimum Angle: 0
Maximum Angle: 360
4. Quando terminar, selecione OK.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-29


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 3

D. Adicione e anime um retângulo.


Crie um retângulo para mostrar o nível e a temperatura do tanque.
1. A partir do menu Insert, selecione Rectangle.
2. Desenhe um retângulo alto e fino, usando a figura abaixo como referência.
A tela deve-se parecer agora com:

3. Dê um duplo clique no novo retângulo.


A caixa de diálogo de animações aparece.
4. Selecione a guia Fill.
A caixa de diálogo muda para mostrar as propriedades de preenchimento.
5. Selecione a caixa de opção “Animate” ao lado da propriedade Vertical Fill Percentage.
A caixa de diálogo mostra os campos de configuração.
6. Configure as seguintes opções com os valores da direta:
Data Source: MASH_LEVEL
Minimum Input: 0.00
Maximum Input: 1000.00

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-30


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 3

D. Adicione e anime um retângulo (continuação).


7. Quando terminar, selecione a guia Color.
A caixa de diálogo mostra agora as propriedades de cor.
8. Selecione a caixa de opção “Animate” ao lado da propriedade Foreground Color.
A caixa de diálogo mostra os campos de configuração:

9. Configure as seguintes opções com os valores listados à direta:


Data Source: MASH_TEMP
Range Comparison: Habilitado
10. Adicione os seguintes limites e cores e selecione OK quando terminar:
LOW HIGH: COLOR
-150 50 Blue
50 100 BrightBlue
100 150 BrightYellow
150 200 Orange
200 250 BrightRed
250 700 Red

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-31


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 3

E. Adicione um link de dado na tela.


Crie um link para mostrar o nível do tanque.
1. A partir do menu Insert, selecione Data Link.
O cursor muda para o formato de uma cruz.
2. Desenhe um retângulo à direita do texto “Tank Level”.
A caixa de diálogo do datalink aparece.
3. Configure as seguintes opções com os valores da direta e selecione OK quando terminar:
Data Source: MASH_LEVEL
Data Entry Type: None
A tela deve-se parecer agora com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-32


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 3

F. Adicione outros links de dados na tela.

1. Adicione outros links na tela. Use a figura e a tabela abaixo como referência.

Link 1 Link 5

Link 6
Link 2
Link 3
Link 4

Link Data Source Data Entry


Link 1 MALT_SWITCH.A_CV In Place
Link 2 MASH_MIXER.F_CV In Place
Link 3 MASH_TEMP.F_CV None
Link 4 MASH_TEMP_SP.F_CV In Place
Link 5 WATER_SWITCH.A_CV In Place
Link 6 MASH_SWITCH.A_CV In Place

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-33


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 3

G. Salve e veja a tela.

1. A partir do menu File, selecione Save.


A tela é salva.
2. A partir do menu WorkSpace, selecione Switch to Run.
A área de trabalho altera para o modo de execução.
3. Altere o valor do estado do misturador. O que acontece?

4. Mude os valores das válvulas de entrada e saída. O que acontece?

5. Mude o valor do setpoint da temperatura. O que acontece?

Fim do Exercício

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-34


Apostila de Treinamento

3.5. Questões de Revisão_____________________________________

1. Cite algumas formas de se alterar as propriedades estáticas de um objeto?

2. Qual a finalidade da janela de propriedade?

3. Explique a seguinte frase: uma animação é na realidade um objeto.

4. Qual a finalidade dos “Animation Experts”?

5. Para que serve um link de dado (Datalink)?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 3-35


Apostila de Treinamento

4. WorkSpace ______________________________________________

Capítulo 4

WorkSpace

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-1


Fundamentos do iFIX

4. WorkSpace _______________________________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo mostra como trabalhar com o aplicativo WorkSpace (personalizar, atribuir segurança,
etc), como aproveitar todas as propriedades de configuração de uma tela e como trabalhar com as
bibliotecas de objetos reutilizáveis chamada Dynamos. Além disso, também mostra como encontrar
informações detalhadas sobre o iFIX no sistema de Help do produto.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• WorkSpace em Run Mode


• Configuração do WorkSpace
• Tamanho da Tela
• Usando o Help
• Documentação Eletrônica
• Biblioteca de Dynamos

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-2


Apostila de Treinamento

4.1. WorkSpace no Modo de Execução _________________________

File Window
Open Cascade
Close Tile Horizontal
Print Tile Vertical
Exit Close All

WorkSpace Help
Switch to Configure WorkSpace Help
Status Bar iFIX Picture Help
Visual Basic Editor
Toolbars
Full Screen

Figura 4-1: Comandos do Menu WorkSpace (no Modo Run)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-3


Fundamentos do iFIX

4.2. Configuração do WorkSpace _______________________________

A. Introdução
• O aplicativo WorkSpace é o ponto inicial para a utilização do iFIX.
• O WorkSpace permite:
- Adicionar telas, criar Schedules e alterar programas.
- Integrar documentos ActiveX de outros programas.
- Visualizar a hierarquia dos dados da aplicação.
• As configurações padrões do WorkSpace podem ser alteradas na janela User
Preferences, acessada a partir do menu WorkSpace.

B. Guia Shapes Preferences


• Especifica as preferências de formato dos objetos.
• Usado para determinar as propriedades de um novo objeto adicionado à tela.

C. Guia Environment Protection


• Configura a proteção do ambiente.
• Usado para proteger o modo de execução do WorkSpace.
• Enquanto estiver desenvolvendo um sistema, sugere-se não habilitar a opção “Enable
Run Time Environment Protection”.
• Ver Figura 4-2

D. Guia Startup Pictures


• Configura as telas a serem abertas no modo de execução, independente se o
WorkSpace é iniciado neste modo.

E. Guia Background Startup


• Configura os schedules a serem executados (como tarefas de segundo plano),
independente do modo de execução do WorkSpace.
• Outras informações sobre schedules serão vistas mais tarde neste curso.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-4


Apostila de Treinamento

4.2. Configuração do WorkSpace ______________________________

Figura 4-2: Preferências do Usuário (Guia Environment Protection)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-5


Fundamentos do iFIX

4.2. Configuração do WorkSpace _______________________________

F. Animation Data Error Defaults


- Especifica o formato padrão para os erros de animação de dados.
- Veja a Figura 4-3.
• Linear Animation Object Defaults
- Padrões dos valores numéricos a serem exibidos quando houver um erro de
escalonamento de um valor (animação linear).
• Format Animation Object Defaults
- Padrões dos textos a serem mostradas em um link quando houver um erro de
animação de formato.
• Numeric Table Entries e String Table Entries
- Padrões dos valores a serem usados quando houver um erro em uma tabela.
• Color Table Entries
- Padrões de cores a serem utilizadas quando houver um erro em uma tabela.

G. Picture Preferences
• Configura os padrões das propriedades de uma nova tela.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-6


Apostila de Treinamento

4.2. Configuração do WorkSpace ______________________________

Figura 4-3: Preferências do Usuário (Guia Animation Data Error Defaults)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-7


Fundamentos do iFIX

4.3. Caching de Tela __________________________________________

A. Caching de Tela
• A função Picture Caching permite:
- Pré-carregar tela que ficarão sempre em memória cache.
- O número de telas que devem ser armazenadas em cache deve ser
configurado.

B. Tipos de Telas Armazenadas em Cache


• Existem dois tipos de telas que podem ser armazenadas em cache: telas que estão
sendo executadas e as telas pré-carregadas durante a inicialização do sistema.
• Telas em Execução
- Carregadas em cache quando elas são fechadas.
- Quando o número de telas em cache excederem o tamanho do cache, a tela
mais antiga que foi carregada é substituída pela tela mais recente fechada.
• Telas Pré-Carregadas
- As telas são pré-carregadas quando o WorkSpace é aberto em modo de
execução (Run Mode).
- Possuem a propriedade de AlwaysLoaded
- Elas nunca são retiradas da memória cache enquanto estiverem em Run Mode.

C. Como Pré-Carregar Telas


• Para configurar uma tela para ser pré-carregada quando o WorkSpace é aberto, o
arquivo FixUserPreferences.ini, localizado no diretório \Dynamics\LOCAL, deve ser
configurado.
- Use o Notepad ou um editor de texto para editar ou modificar este arquivo
(Figura 4-4).
• TotalPreloadPicturePath
- indica o número de telas que deverão ser pré-carregadas em cache.
• PicturePath#N
- indica o nome do arquivo de cada tela que será pré-carregada.
• O WorkSpace somente pré-carrega telas quando a opção Picture Caching estiver
habilitada na janela User Preference do WorkSpace e quando o WorkSpace estiver
configurado para iniciar em Run Mode
- O WorkSpace não pré-carrega telas quando estiver alternando do modo de
configuração para o modo de execução.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-8


Apostila de Treinamento

4.3. Caching de Tela _________________________________________

[AppPreloadPicturePreferences]
; To add a picture to be preloaded increment the count and
; add the name of the picture to be preloaded. For Example:
TotalPreloadPicturePath=2
PicturePath#0=Picture1.grf
PicturePath#1=Picture2.grf

Figura 4-4: Configurando o Arquivo FixUserPreferences.ini

D. Observações
• Quando a opção Picture Caching estiver habilitada, algumas alteraçõs feitas em run-
time são preservadas enquanto a tela permanecer em cache
• Agumas alterações serão vistas quando a tela for fechada e reaberta a partir do cache,
incluindo:
- propriedades de objetos (por exemplo sua cor) são alteras a partir do VBA
- alterações no gráfico feitas a partir de sua janela de configuração em Run
Mode
• Estas alterações não são armazenadas em arquivo e quando as telas saem de cache, as
alterações são perdidas
• A opção de carregar em cache uma tela pode ser desabilitada selecionando a opção
Disable Caching For This Picture na janela Edit Picture da tela.
• A lista das telas que estão carregadas em cache pode ser vista em modo Run
pressionando as teclas <Ctrl><Shft>C

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-9


Fundamentos do iFIX

4.4. Tamanho da Tela _________________________________________

A. Introdução
• Quando uma nova tela é criada, são criados um documento e uma janela dentro deste
documento.
- O documento é um ActiveX Container para a tela do iFIX.
- A janela é a área disponível do documento que estabelece os limites que
podem ser vistos no monitor.

B. Tamanho da Tela
• O documento trabalha com o sistema de coordenadas lógicas.
• Isto significa que o documento se baseia em unidades lógicas, não em pixels.
- O iFIX calcula a relação ponto a ponto entre a resolução em pixels do monitor
e as unidades lógicas do documento.
- Exemplo:
◊ Um monitor padrão VGA possui resolução 640x480 pixels.
◊ O tamanho padrão da tela mostrada neste monitor não é 640x480
pixels.
◊ Ao invés disso, o tamanho é 100x75 (unidade lógica).
• Se o tamanho do documento for configurado para ser metade da altura do monitor, a
largura do documento continua igual a 100 mas sua altura é ajustada para 37.5.

C. Dimensões da Tela
• WindowHeight/WidthPercentage
- Altura e largura da janela em porcentagem.
- Espaço onde os objetos contidos em um documento são mostrados.
- Medidas em porcentagem do documento.
• DocumentHeight/Width
- Altura e largura do documento.
- Tela onde os objetos serão desenhados com a finalidade de serem mostrados.
- Medidas em unidades lógicas.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-10


Apostila de Treinamento

4.5. 4.3. ______________________________________ Caching de Tela

A. Caching de Tela
• A função Picture Caching permite:
- Pré-carregar tela que ficarão sempre em memória cache.
- O número de telas que devem ser armazenadas em cache deve ser
configurado.

B. Tipos de Telas Armazenadas em Cache


• Existem dois tipos de telas que podem ser armazenadas em cache: telas que estão
sendo executadas e as telas pré-carregadas durante a inicialização do sistema.
• Telas em Execução
- Carregadas em cache quando elas são fechadas.
- Quando o número de telas em cache excederem o tamanho do cache, a tela
mais antiga que foi carregada é substituída pela tela mais recente fechada.
• Telas Pré-Carregadas
- As telas são pré-carregadas quando o WorkSpace é aberto em modo de
execução (Run Mode).
- Possuem a propriedade de AlwaysLoaded
- Elas nunca são retiradas da memória cache enquanto estiverem em Run Mode.

C. Como Pré-Carregar Telas


• Para configurar uma tela para ser pré-carregada quando o WorkSpace é aberto, o
arquivo FixUserPreferences.ini, localizado no diretório \Dynamics\LOCAL, deve ser
configurado.
- Use o Notepad ou um editor de texto para editar ou modificar este arquivo
(Figura 4-4).
• TotalPreloadPicturePath
- indica o número de telas que deverão ser pré-carregadas em cache.
• PicturePath#N
- indica o nome do arquivo de cada tela que será pré-carregada.
• O WorkSpace somente pré-carrega telas quando a opção Picture Caching estiver
habilitada na janela User Preference do WorkSpace e quando o WorkSpace estiver
configurado para iniciar em Run Mode

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-11


Fundamentos do iFIX

- O WorkSpace não pré-carrega telas quando estiver alternando do modo de


configuração para o modo de execução.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-12


Apostila de Treinamento

4.3. Caching de Tela _________________________________________

[AppPreloadPicturePreferences]
; To add a picture to be preloaded increment the count and
; add the name of the picture to be preloaded. For Example:
TotalPreloadPicturePath=2
PicturePath#0=Picture1.grf
PicturePath#1=Picture2.grf

Figura 4-4: Configurando o Arquivo FixUserPreferences.ini

D. Observações
• Quando a opção Picture Caching estiver habilitada, algumas alteraçõs feitas em run-
time são preservadas enquanto a tela permanecer em cache
• Agumas alterações serão vistas quando a tela for fechada e reaberta a partir do cache,
incluindo:
- propriedades de objetos (por exemplo sua cor) são alteras a partir do VBA
- alterações no gráfico feitas a partir de sua janela de configuração em Run
Mode
• Estas alterações não são armazenadas em arquivo e quando as telas saem de cache, as
alterações são perdidas
• A opção de carregar em cache uma tela pode ser desabilitada selecionando a opção
Disable Caching For This Picture na janela Edit Picture da tela.
• A lista das telas que estão carregadas em cache pode ser vista em modo Run
pressionando as teclas <Ctrl><Shft>C

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-13


Fundamentos do iFIX

Tamanho da Tela _____________________________________________

Largura da Janela
Porcentagem

Janela
Porcentagem
Altura

75 unidades

Largura Documento
100 unidades

Figura 4-5: Tamanho da Tela

Figura 4-6: Caixa de Diálogo de Edição da Tela

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-14


Apostila de Treinamento

4.6. 4.3. ______________________________________ Caching de Tela

A. Caching de Tela
• A função Picture Caching permite:
- Pré-carregar tela que ficarão sempre em memória cache.
- O número de telas que devem ser armazenadas em cache deve ser
configurado.

B. Tipos de Telas Armazenadas em Cache


• Existem dois tipos de telas que podem ser armazenadas em cache: telas que estão
sendo executadas e as telas pré-carregadas durante a inicialização do sistema.
• Telas em Execução
- Carregadas em cache quando elas são fechadas.
- Quando o número de telas em cache excederem o tamanho do cache, a tela
mais antiga que foi carregada é substituída pela tela mais recente fechada.
• Telas Pré-Carregadas
- As telas são pré-carregadas quando o WorkSpace é aberto em modo de
execução (Run Mode).
- Possuem a propriedade de AlwaysLoaded
- Elas nunca são retiradas da memória cache enquanto estiverem em Run Mode.

C. Como Pré-Carregar Telas


• Para configurar uma tela para ser pré-carregada quando o WorkSpace é aberto, o
arquivo FixUserPreferences.ini, localizado no diretório \Dynamics\LOCAL, deve ser
configurado.
- Use o Notepad ou um editor de texto para editar ou modificar este arquivo
(Figura 4-4).
• TotalPreloadPicturePath
- indica o número de telas que deverão ser pré-carregadas em cache.
• PicturePath#N
- indica o nome do arquivo de cada tela que será pré-carregada.
• O WorkSpace somente pré-carrega telas quando a opção Picture Caching estiver
habilitada na janela User Preference do WorkSpace e quando o WorkSpace estiver
configurado para iniciar em Run Mode

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-15


Fundamentos do iFIX

- O WorkSpace não pré-carrega telas quando estiver alternando do modo de


configuração para o modo de execução.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-16


Apostila de Treinamento

4.3. Caching de Tela _________________________________________

[AppPreloadPicturePreferences]
; To add a picture to be preloaded increment the count and
; add the name of the picture to be preloaded. For Example:
TotalPreloadPicturePath=2
PicturePath#0=Picture1.grf
PicturePath#1=Picture2.grf

Figura 4-4: Configurando o Arquivo FixUserPreferences.ini

D. Observações
• Quando a opção Picture Caching estiver habilitada, algumas alteraçõs feitas em run-
time são preservadas enquanto a tela permanecer em cache
• Agumas alterações serão vistas quando a tela for fechada e reaberta a partir do cache,
incluindo:
- propriedades de objetos (por exemplo sua cor) são alteras a partir do VBA
- alterações no gráfico feitas a partir de sua janela de configuração em Run
Mode
• Estas alterações não são armazenadas em arquivo e quando as telas saem de cache, as
alterações são perdidas
• A opção de carregar em cache uma tela pode ser desabilitada selecionando a opção
Disable Caching For This Picture na janela Edit Picture da tela.
• A lista das telas que estão carregadas em cache pode ser vista em modo Run
pressionando as teclas <Ctrl><Shft>C

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-17


Fundamentos do iFIX

Tamanho da Tela _____________________________________________

C. Alterando o Tamanho da Janela


• Uma tela é definida pelo tamanho da janela de um documento.
• Para alterar o tamanho de uma tela, altere o tamanho da janela.
• Quando uma nova tela é aberta, as propriedades da janela e do documento são
mostradas na caixa de diálogo Picture Preferences.
- Especifique qualquer unidade lógica para representar o tamanho da tela.

D. Para Alterar o Tamanho da Janela Usando as Preferências do Usuário


1. A partir do menu WorkSpace, selecione User Preferences e então selecione a guia
Picture Preferences.
- Veja a Figura 4-7.
2. Especifique o tamanho da janela no campo Window Size.
- Use o menu para fazer sua seleção.
- O tamanho da janela é ajustado automaticamente.
3. Se desejar, especifique o tamanho do documento (em unidades lógicas) nos campos
Document Width/Height.

E. Para Alterar o Tamanho da Janela Usando Unidades Lógicas


1. A partir do menu Edit, selecione Picture.
- Veja a Figura 4-6.
2. Especifique a largura da janela (em unidades lógicas) no campo Window Width.
3. Especifique a altura da janela (em unidades lógicas) no campo Window Height.

F. Convertendo Telas Para Serem Vistas em Outra Resolução


• Telas criadas e vistas em uma resolução podem ser facilmente vistas em qualquer
outra resolução de monitor.
• Durante a conversão, as unidades são arredondadas e o sistema de coordenadas
lógicas é mantido.
• Mesmo que o documento seja maior que a área visível, o iFIX re-escala a tela
fazendo que se pareça como na resolução inferior.
- Mesmo que um objeto esteja fora da área visível, ele ainda faz parte do
documento.
- O objeto pode ser selecionado na árvore do sistema.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-18


Apostila de Treinamento

4.7. 4.3. ______________________________________ Caching de Tela

A. Caching de Tela
• A função Picture Caching permite:
- Pré-carregar tela que ficarão sempre em memória cache.
- O número de telas que devem ser armazenadas em cache deve ser
configurado.

B. Tipos de Telas Armazenadas em Cache


• Existem dois tipos de telas que podem ser armazenadas em cache: telas que estão
sendo executadas e as telas pré-carregadas durante a inicialização do sistema.
• Telas em Execução
- Carregadas em cache quando elas são fechadas.
- Quando o número de telas em cache excederem o tamanho do cache, a tela
mais antiga que foi carregada é substituída pela tela mais recente fechada.
• Telas Pré-Carregadas
- As telas são pré-carregadas quando o WorkSpace é aberto em modo de
execução (Run Mode).
- Possuem a propriedade de AlwaysLoaded
- Elas nunca são retiradas da memória cache enquanto estiverem em Run Mode.

C. Como Pré-Carregar Telas


• Para configurar uma tela para ser pré-carregada quando o WorkSpace é aberto, o
arquivo FixUserPreferences.ini, localizado no diretório \Dynamics\LOCAL, deve ser
configurado.
- Use o Notepad ou um editor de texto para editar ou modificar este arquivo
(Figura 4-4).
• TotalPreloadPicturePath
- indica o número de telas que deverão ser pré-carregadas em cache.
• PicturePath#N
- indica o nome do arquivo de cada tela que será pré-carregada.
• O WorkSpace somente pré-carrega telas quando a opção Picture Caching estiver
habilitada na janela User Preference do WorkSpace e quando o WorkSpace estiver
configurado para iniciar em Run Mode

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-19


Fundamentos do iFIX

- O WorkSpace não pré-carrega telas quando estiver alternando do modo de


configuração para o modo de execução.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-20


Apostila de Treinamento

4.3. Caching de Tela _________________________________________

[AppPreloadPicturePreferences]
; To add a picture to be preloaded increment the count and
; add the name of the picture to be preloaded. For Example:
TotalPreloadPicturePath=2
PicturePath#0=Picture1.grf
PicturePath#1=Picture2.grf

Figura 4-4: Configurando o Arquivo FixUserPreferences.ini

D. Observações
• Quando a opção Picture Caching estiver habilitada, algumas alteraçõs feitas em run-
time são preservadas enquanto a tela permanecer em cache
• Agumas alterações serão vistas quando a tela for fechada e reaberta a partir do cache,
incluindo:
- propriedades de objetos (por exemplo sua cor) são alteras a partir do VBA
- alterações no gráfico feitas a partir de sua janela de configuração em Run
Mode
• Estas alterações não são armazenadas em arquivo e quando as telas saem de cache, as
alterações são perdidas
• A opção de carregar em cache uma tela pode ser desabilitada selecionando a opção
Disable Caching For This Picture na janela Edit Picture da tela.
• A lista das telas que estão carregadas em cache pode ser vista em modo Run
pressionando as teclas <Ctrl><Shft>C

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-21


Fundamentos do iFIX

Tamanho da Tela _____________________________________________

Figura 4-7: Preferências do Usuário (Guia Picture Preferences)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-22


Apostila de Treinamento

4.8. Usando o Help __________________________________________

A. Introdução
• Usado como fonte rápida de informações e procedimentos.
• Corresponde a um subconjunto das informações mais importantes do manual.
• A Figura 4-8 mostras as diversas formas de acessar o sistema de Help do iFIX.

B. Help “What’s This?”


• Usado para obter informações sobre um campo de uma janela.
• Pode-se acessar o help “What's This?” das seguintes formas:
- Para se ter ajuda sobre um determinado campo, selecione o campo e clique
com o botão direito do mouse.
- Para se ter ajuda sobre um campo da caixa de diálogo, selecione o botão
“What's This?” da caixa de diálogo (<Shift><F1>) e em seguida clique sobre
o campo que deseja obter informação.

C. Usando o Help em Outras Aplicações


• Informações do Help podem ser copiadas para outras aplicações
- Selecione o tópico do Help a ser copiado.
- Selecione a opção Copy a partir do menu Edit.
- Isto faz com que o texto seja copiado para a área de transferência.
• Informações também podem ser adicionadas de outras aplicações.
- Veja a seção que trata de adição de anotações.
• Pode ser usado para copiar informações de uma área do Help para outra.

D. Adicionando Anotações ao Help


• As anotações podem ser usadas para adicionar comentários ao Help.
• A partir do Help, selecione o botão Options e escolha Annotate.
• Um clipe aparece próximo ao título da informação anotada.
- selecione o clipe para ver a anotação, como mostra a Figura 4-8.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-23


Fundamentos do iFIX

4.8. Usando o Help ___________________________________________

Selecione… Para acessar...


Help Topics a partir do menu Help. tabela de conteúdo, índice ou
busca por palavra
Botão Help da caixa de diálogo ajuda específica sobre uma caixa
de diálogo
<SHFT><F1> ou somente <F1> ajuda sobre um campo específico
o botão com o sinal de interrogação ajuda do tipo What's This? para o
no canto superior direito da caixa de campo ou controle da caixa de
diálogo e em seguida o campo ou diálogo
controle que deseja ajuda

Figura 4-8: Usando o Help

Figura 4-9: Anotação do Help

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-24


Apostila de Treinamento

4.9. Documentação Eletrônica _________________________________

A. Introdução
• A documentação técnica do iFIX vem em formato eletrônico e é referenciado por
Electronic Books
• Ele pode ser acessado a partir da pasta Help and Information na árvore do sistema
do WorkSpace (Veja a Figura 4-10).
• O Electronic Books tem a mesama organização que o WorkSpace:
- Ao lado esquerdo ficam conteúdo, índice e ferramentas de busca por
navegação.
- Ao lado direito ficam os textos e gráficos do manual.

B. Botões do “Electronic Books”


• Botões Hide/Show
- Alterna entre mostrar ou não as guias de conteúdo, índice e botões de busca.
• Botão Back
- Mostra o último tópico acessado pelo usuário.
• Botão Forward
- Mostra o próximo tópico seguindo a seqüência a partir do tópico atual.
• Botão Stop
- Quando estiver vendo páginas de Internet, pára o download de dados.
• Botão Refresh
- Quando estiver vendo páginas de Internet, busca novamente o arquivo atual.
• Botão Print
- Se a guia Contents estiver sendo mostrada, fornece opções para imprimir
páginas, cabeçalhos, sub-tópicos ou a tabela inteira de conteúdos.
- Se a guia Index ou Search estiver sendo mostrada, imprime o tópico atual.
• Botão Options
- Mostra um menu com os comandos “Back”, “Forward”, “Stop”, “Refresh”,
“Hide/Show” e “Print”.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-25


Fundamentos do iFIX

4.9. Documentação Eletrônica _________________________________

Figura 4-10: Exemplo do “Electronic Books”

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-26


Apostila de Treinamento

4.9. Documentação Eletrônica _________________________________

C. Busca
• Busca por tópicos usando a guia de índice ou a guia de pesquisa
- A partir da guia Index/Índice, entre com uma palavra-chave
◊ Se a palavra-chave existir, serão mostrados todos os tópicos
relacionados
- A partir da guia Search/Pesquisar, entre com uma palavra
◊ Uma lista de todos os tópicos que contém aquela palavra será
mostrada (Figura 4-11).
• Sugestões de Busca
- Faça a busca por uma palavra e obtenha uma lista de todos os tópicos do
Electronic Books que aparece a palavra da busca
- Se digitar mais de uma palavra:
◊ Aparecerão na lista todos os tópicos que incluem todas as palavras
digitadas.
◊ Colocando as palavras entre aspas, é mostrada uma lista de tópicos da
frase digitada.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-27


Fundamentos do iFIX

4.9. Documentação Eletrônica _________________________________

Figura 4-11: Exemplo de Busca no “Electronic Books”

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-28


Apostila de Treinamento

4.10. Conjuntos de Dynamos ___________________________________

A. Introdução
• Existem objetos que são mais utilizados durante o desenvolvimento da aplicação.
• O iFIX oferece um modo conveniente de salvar objetos personalizados e programas
de aplicações em um conjunto de alto nível de objetos reutilizáveis.
- Estes objetos são chamados de dynamos.
- Os dynamos ajudam a criar um projeto consistente.
• O iFIX oferece uma vasta opção de dynamos pré-construídos.

B. Usando os Dynamos
• Para abrir um conjunto de dynamos, abra a guia Dynamo Sets a partir da árvore do
sistema ou dê um duplo clique no conjunto desejado.
- Veja a Figura 4-12 para um exemplo.
- Arraste o objeto do conjunto de dynamos para a tela.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-29


Fundamentos do iFIX

4.10. Conjuntos de Dynamos ___________________________________

Figura 4-12: Área de Trabalho com um Conjunto de Dynamos

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-30


Apostila de Treinamento

4.11. Exercício 4______________________________________________

Ferramentas Gráficas Adicionais

Exercício 4

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-31


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 4

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para:

1. Adicionar dynamos a uma nova tela

Introdução:

Neste exercício, iremos continuar a desenvolver a aplicação de produção de cerveja, criando


uma nova tela para monitorar a tina de filtração (Lauter Tun). Na tina de filtração o malte é
misturado com água quente. Ele então é filtrado para remover os grãos do líquido. O grão
úmido é normalmente vendido para ração animal. O líquido resultante é chamado de mosto e
será fermentado para produzir cerveja.

Nos exercícios anteriores criamos telas a partir da combinação de objetos. Agora, iremos usar
objetos de conjuntos de dynamos pré-construídos. Iremos adicionar um dynamo para representar
a tina de filtração bem como dynamos para as tubulações de entrada e saída do tanque. Quando
terminar, sua tela deverá se parecer com:

Quando terminar este exercício, vá para a próxima seção e responda as questões.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-32


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 4

A. Crie uma nova tela.


Crie uma nova tela e adicione um dynamo de tanque.
1. A partir do menu File, selecione New –Picture.
Uma nova tela sem título aparecerá.
2. A partir da árvore do sistema, dê um clique duplo na guia Dynamo Sets.
A lista de conjuntos de dynamos disponíveis aparecerá.
3. Dê um clique duplo no conjunto TanksAnim1.
A lista de tanques fica disponível e o conjunto de dynamos aparece no WorkSpace.
4. Arraste o seguinte dynamo à tela:
TankPressurizedD1
A seguinte caixa de diálogo aparece:

5. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Tagname for Tank Level: LAUTER_LEVEL
Fetch Limits from Data Source: Habilitado
6. Quando terminar, selecione OK.
7. Feche o conjunto de dynamos.
Você estará de volta à figura.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-33


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 4

B. Adicione dynamos extras.


Adicione dynamos de tubulação no clarificador.
1. Dê um duplo clique no conjunto de dynamos Pipes a partir da árvore do sistema.
A lista de conjuntos de dynamos disponíveis aparecerá.
2. Arraste o seguinte dynamo à tela:
PipeHorz1
Uma caixa de diálogo aparece para selecionar a cor da tubulação.
3. Selecione OK para manter a cor cinza da tubulação.
4. Adicione três tubulações extras para a tela usando a figura abaixo como um guia.
5. Quando terminar, feche o conjunto de dynamos de tubulações
A tela deve-se parecer agora com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-34


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 4

C. Adicione válvulas à tela.


Adicione dynamos de válvula no clarificador.
1. Dê um duplo clique no conjunto de dynamos ValvesAnim a partir da árvore do sistema.
2. Arraste o seguinte dynamo à tela:
ValveHorizontalControlE1
A seguinte caixa de diálogo aparece:

3. Selecione o botão Animate Valve Color.


A seguinte tela aparece:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-35


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 4

C. Adicione válvulas à tela (continuação).

4. Configure as seguintes opções com os valores listados a direita:


Data Source: MASH_SWITCH
Color Threshold Exact Match: Habilitado
5. Adicione os seguintes limites de cores:
VALOR COR
0.00 BrightRed
1.00 BrightGreen
6. Quando terminar, selecione OK.
Você estará de volta na caixa de diálogo do dynamo.
7. Selecione OK para retornar à tela.
8. Adicione válvulas extras na tela usando as fontes de dados listadas na figura abaixo e
feche o conjunto de dynamos quando terminar.

MASH_SWITCH
Válvula 1

Válvula 2

Válvula Data Source


Válvula 1 WATER_SWITCH
Válvula 2 LAUTER_SWITCH

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-36


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 4

D. Adicione textos à tela.


Adicione cabeçalhos e títulos à tela.
1. Usando o objeto de texto, adicione título à tela. Use a figura abaixo como guia.
Quando terminar, a tela deverá se parecer com:

2. A partir do menu File, selecione Save.


A caixa de diálogo para salvar aparece.
3. Entre com o seguinte no campo File Name:
LauterTun
4. Selecione Save para salvar a figura.

Fim do Exercício

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-37


Fundamentos do iFIX

4.12. Questões de Revisão _____________________________________

1. Para que serve uma anotação no Help?

2. Que versão do Microsoft Internet Explorer deve ser instalada para usar o e-books do iFIX?

3. Para que serve a seção “Animation Data Error” nas preferências do usuário do WorkSpace?

4. Como você pode mudar o tamanho padrão de fonte para um novo texto em uma figura?

5. Em relação a uma tela do iFIX, qual é a diferença entre a altura de um documento e a altura de
uma janela?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-38


Apostila de Treinamento

4.8. Questões de Revisão_____________________________________

página em branco

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 4-39


Apostila de Treinamento

5. Ferramentas Gráficas Adicionais _____________________________

Capítulo 5

Ferramentas Gráficas Adicionais

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-1


Fundamentos do iFIX

5. Ferramentas Gráficas Adicionais ____________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo introduz os assistentes de animação dos objetos da tela, bem como novos objetos
gráficos como os objetos de data e hora e a inserção de figuras do tipo bitmap na tela. Além disso,
mostra como trabalhar com objetos globais como tabelas e variáveis globais.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Assistentes de Tela
• Objetos de Data e Hora
• Usando Bitmaps
• Assistentes para Entrada de Dados
• Tabelas e Variáveis Globais

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-2


Apostila de Treinamento

5. Ferramentas Gráficas Adicionais ____________________________

A. Revisão
• Os “Experts” permitem o usuário animar objetos sem o uso da caixa de diálogo de
animação
• Os “Experts” usados em capítulos anteriores incluem:
- Preenchimento
- Rotação
- Posição
- Escala
- Visibilidade
- Cor
• A área de trabalho também contém “Experts” adicionais
- O usuário pode adicionar outros “Experts” usando programação em VBA
◊ isto será discutido em capítulos posteriores

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-3


Fundamentos do iFIX

5.1. Assistentes de Tela_______________________________________

A. Open Picture
• Atribui a abertura de uma tela a um objeto
• Quando o objeto é selecionado no modo de execução, uma nova tela é aberta
• Ver Figura 5-1

B. Replace Picture
• Atribui a mudança de tela a um objeto
• Quando o objeto é selecionado no modo de execução, uma tela é fechada e outra é
aberta em seu lugar
- o objeto não precisa estar contido em nenhuma das telas de troca
• Ver Figura 5-2

C. Close Picture
• Atribui o fechamento de uma tela a um objeto
• Quando o objeto é selecionado no modo de execução, uma tela é fechada
- o objeto não precisa estar contido na tela que será fechada
• Ver Figura 5-3

D. Generate Picture
• Especifica a localização da janela e outras informações para criar uma nova tela na
área de trabalho
• Ver Figura 5-4

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-4


Apostila de Treinamento

5.1. Assistentes de Tela ______________________________________

Figura 5-2: “Expert” para Trocar de Tela


Figura 5-1: “Expert” para Abrir uma Tela

Figura 5-3: “Expert” para Fechar uma Tela

Figura 5-4: “Expert” para Gerar uma Tela

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-5


Fundamentos do iFIX

5.2. Objetos de Data e Hora____________________________________

A. Objeto Hora
• A partir do menu Insert, selecione Current Time
• As propriedades do objeto podem ser editadas como qualquer outro objeto texto
- ver Figura 5-5
- Exemplos:
◊ animar a cor do texto
◊ animar sua altura e largura
◊ animar sua localização

B. Objeto Data
• A partir do menu Insert, selecione Current Date
• As propriedades do objeto podem ser editadas como qualquer outro objeto texto
- similar ao objeto hora

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-6


Apostila de Treinamento

5.2. Objetos de Data e Hora ___________________________________

Figura 5-5: Propriedades do Objeto Hora

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-7


Fundamentos do iFIX

5.3. Bitmaps ________________________________________________

A. Adicionando um Bitmap à Tela


• A partir do menu Insert, selecione Bitmap. A caixa de diálogo para abrir um arquivo
aparece. Selecione o arquivo de imagem desejado e selecione Open.
• Pode-se trabalhar com vários tipos de arquivos de imagem, como por exemplo: bmp,
msp, jpg, ico, wmf, pcx, etc.

B. Trabalhando com Bitmaps


• O bitmap pode ser tratado como qualquer objeto da área de trabalho
- existem algumas opções extras para um bitmap
• Load Image Primary/Secondary
- uma segunda imagem pode ser configurada para aparecer enquanto o mouse
estiver pressionado
- isto é configurado no “load image: secondary” a partir do menu do botão
direito do mouse do bitmap
- também pode ser configurado usando a caixa de diálogo de animação
◊ ver Figura 5-6
• Transparent Color
- permite que uma cor do bitmap fique transparente
◊ isto significa que você pode eliminar o fundo do bitmap
- primeiro, selecione a cor de transparência, configurando “transparency color”
a partir do menu do botão direito do mouse do bitmap
- habilite então a transparência para o objeto (enable transparency)
◊ estas duas funções também podem ser feitas a partir da janela de
propriedades ou da caixa de diálogo de animação
◊ ver Figura 5-7

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-8


Apostila de Treinamento

5.3. Bitmaps ________________________________________________

Figura 5-6: Aminações do Bitmap

Figura 5-7: Propriedades de Cor do Bitmap

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-9


Fundamentos do iFIX

5.4. Assistente para Entrada de Dados __________________________

A. Notas:
• Usado para enviar valores de uma figura de volta para uma fonte de dados
• normalmente associado a um link de dados, mas também pode ser usado com quase
todos os objetos da tela

B. Data Entry Expert - Métodos de Entrada de Dados


• Numeric/Alphanumeric Entry
- permite mudar o valor do tag através de digitação no modo de execução
• Slider Entry
- permite mudar o valor do tag através da movimentação de um controlador
deslizante no modo de execução
• Pushbutton Entry
- permite configurar o valor de um tag para 0 ou 1
- usado principalmente para tags digitais
- o usuário terá dois botões no modo de execução, cujos títulos podem ser
configurados:
◊ um botão que, quando selecionado, envia o valor 0 para o tag
◊ outro que envia o valor 1
- os títulos podem ter até 12 caracteres de tamanho
• Ramp Entry
- permite estabelecer uma rampa ascendente ou descendente no tag com os
valores em porcentagem no modo de execução
- isto é feito pelo usuário enquanto estiver no modo de execução

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-10


Apostila de Treinamento

5.4. Assistente para Entrada de Dados__________________________

Figura 5-8: Ferramenta “Data Entry Expert”

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-11


Fundamentos do iFIX

5.5. Objetos Globais __________________________________________

A. Introdução
• A pasta Globals da árvore do sistema do WorkSpace contém alguns objetos globais
que podem ser acessados a partir de qualquer tela do sistema.
• Esta pasta contém duas sub-pastas: User e Plug and Solve
- Plug and Solve: usada para criar objetos globais com outros programas com
característica plug and solve da Intellution.
- User: usada para criar objetos globais definidos pelo usuário que ficarão
disponíveis para todas as telas (este capítulo irá focar o uso desta pasta).
• Para adicionar objetos globais na pasta User, clique com o botão direito do mouse na
árvore do sistema sobre a pasta User.
• Estes objetos globais podem ser acessados a partir de qualquer tela do iFIX.
• Exemplos de objetos globais:
- Procedimentos globais
- Formulários globais (serão vistos no capítulo 18 sobre VBA)
- Variáveis globais
- Tabelas globais (threshold table)

B. Procedimentos Globais
• Pode-se criar sub-rotinas e funções globais que podem ser acessadas a partir de
qualquer projeto (tela) do iFIX.
• Os procedimentos globais serão vistos no capítulo sobre programação VBA.

C. Formulários Globais
• Um formulário global pode ser acessado a partir de qualquer tela do iFIX,
possibilitando que exista apenas uma cópia do formulário no sistema.
- Com isso fica mais fácil atualizar o formulário e minimiza o tamanho dos
arquivos de tela do iFIX.
• Os formulários globais serão vistos no capítulo sobre programação VBA.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-12


Apostila de Treinamento

5.6. Variáveis Globais ________________________________________

A. Entendendo o Uso de Variáveis


• A vantagem de se usar variáveis é que seus valores são preservados enquanto a
aplicação estiver sendo executada.
- Normalmente, quando um procedimento é executado, suas variáveis são
iniciadas e qualquer mudança em seus valores é conservada até a finalização
do procedimento.
- Na próxima vez que o procedimento for executado, as variáveis são iniciadas
novamente.
• Variáveis globais são carregadas quando a aplicação é iniciada e permanece
disponível até que a aplicação seja finalizada.
• Recomenda-se utilizar variáveis globais somente quando for absolutamente
necessárias pois a performance do sistema pode ser afetada.

B. Adicionando Variáveis Globais


• Existe duas formas de adicionar uma variável global:
- Clique com o botão direito do mouse sobre a pasta User e selecione Create
Variable.
- Use o botão Variable da Toolbox.
• Observação:
- O botão da Toolbox permite criar uma variável global ou uma variável local
(estas ficam disponíveis somente para a tela atual).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-13


Fundamentos do iFIX

5.6. Variáveis Globais_________________________________________

Figura 5-9: Criando uma Variável Global

Figura 5-10: Criando uma Variável Global

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-14


Apostila de Treinamento

5.6. Variáveis Globais ________________________________________

C. Usando Variáveis Globais


• O valor de uma variável global pode ser acessada usando a seguinte sintaxe:
- User.NomeVariavel.CurrentValue
• Outras propriedades da varável podem ser vistas e configuradas na Property Window
ou na caixa de diálogo Animations

Figura 5-11: Propriedades das Variáveis Globais

Figura 5-12: Propriedades das Variáveis Globais

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-15


Fundamentos do iFIX

5.6. Variáveis Globais_________________________________________

Figura 5-13: Variáveis Globais no Expression Builder

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-16


Apostila de Treinamento

5.7. Tabelas Globais _________________________________________

A. Tabelas Globais
• As tabelas globais são chamadas de Threshold Table e também são conhecidas por
Shared Tables ou Lookup Tables
• Permite criar um conjunto de tabelas mais usadas no sistema.
• Podem ser usadas para criar tabelas de:
- limites de cores (Figura XX)
- valores string (texto) ou faixas de valores (Figura XX)
• Exemplos:
- valores digitais vermelho e verde para válvulas
- faixas de temperaturas
- faixa de valores numéricos para serem convertidos em texto

B. Criando uma Tabela Global


• Clique sobre a pasta User com o botão direito do mouse e selecione Create
Threshold Table
• Para nomear a tabela, clique com o botão direito do mouse sobre a nova tabela e
selecione Property Window
- altere a propriedade Name da nova tabela

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-17


Fundamentos do iFIX

5.7. Tabelas Globais __________________________________________

Figura 5-14: Criando uma Tabela Global de Cores (Threshold Table)

Figura 5-15: Criando uma Tabela Global tipo String (Threshold Table)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-18


Apostila de Treinamento

5.7. Tabelas Globais _________________________________________

A. Usando as Tabelas Globais


• O valor de uma tabela global pode ser encontrado usando a seguinte sintaxe:
- User.NomeTabela
- Não é necessário referenciar nenhuma propriedade em especial da tabela.
• Para usar a tabela global, selecione o botão Advanced da janela Animations quando
estiver animando um objeto (veja a Figura XX) e então configure a tabela na área
Shared Lookup Object da janela que aparece (veja a Figura XX).

Figura 5-16: Using a Global Threshold Table

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-19


Fundamentos do iFIX

5.7. Tabelas Globais __________________________________________

Figura 5-17: Configurando a Tabela Global

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-20


Apostila de Treinamento

5.8. ______________________________________________Exercício 5

Ferramentas Gráficas Adicionais

Exercício 5

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-21


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 5

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para:

1. Usar os “Experts” para criar a navegação de telas.


2. Adicionar objetos de data e hora na tela.
3. Usar a ferramenta “Data Entry Expert” com link de dados.
4. Adicionar um bitmap na tela.
5. Usar uma tabela threshold.

Informações sobre o exercício:

Neste exercício, iremos continuar a desenvolver aplicação da produção de cerveja criando uma
tela para monitorar o tanque de cozimento de mosto (Brew Kettle). Neste tanque o mosto vindo
da tina de filtração é fervido por mais ou menos uma hora. Nos últimos 15 minutos de
cozimento, adiciona-se lúpulo ao mosto fervente.

Nos exercícios anteriores, criamos telas combinando vários tipos de formas e objetos ou usando
dínamos. Neste exercício, iremos usar uma imagem bitmap de um tanque, além de outros
objetos. Quando terminar, a tela deverá se parecer com:

Quando terminar este exercício, vá para a próxima seção e responda as questões de revisão.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-22


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 5

A. Crie uma nova tela.


Faça uma nova tela e adicione um dínamo de tanque.
1. A partir do menu File, selecione New –Picture.
Uma nova tela sem nome aparece.
2. A partir do menu Insert, selecione Bitmap.
A caixa de diálogo de abertura de arquivo aparece.
3. Selecione o seguinte arquivo e selecione o botão Open.
C:\Dynamics\App\BrewKettle.bmp
O bitmap do tanque de infusão aparece na tela.
4. Usando o botão direito do mouse, selecione o bitmap “Brew Kettle” e selecine
Transparent Color.
A caixa de diálogo de configuração da cor transparente aparece.
5. Selecione na caixa a cor Bright Cyan (fica no canto direito superior) e então OK.
6. Usando o botão direito do mouse, selecione o bitmap “Brew Kettle” e selecione Enable
Transparency.
A tela deve-se parecer agora com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-23


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 5

B. Adicione outros objetos gráficos.


Adicione tubulações à tela usando dínamos de tubulação, bem como títulos e objetos texto.
1. Usando o conjunto de dínamos Pipes, adicione tubulações ao tanque de infusão. Use a
figura abaixo como referência.
2. Adicione um título na tela.
3. Insira um objeto de data na tela.
4. Insira um objeto de hora na tela.
5. Insira objetos de texto na tela.
Quando terminar, a tela deverá se parecer com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-24


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 5

C. Crie uma tela de navegação.


Crie um botão seta para retornar para a tela do clarificador.
1. Certifique-se de que a barra de ferramentas dos “Experts” esteja aberta. Para abri-la,
selecione Toolbars a partir do menu WorkSpace, e selecione então a barra de
ferramentas Picture Expert.
2. A partir do menu Insert, selecione Polygon.
O cursor muda para o formato de uma cruz.
3. Use a figura abaixo como guia para criar uma seta a partir de um polígono:

4. Certifique-se de que o objeto selecionado é a seta.


A seta terá guias ao seu redor indicando que está selecionada.
5. A partir da barra de ferramentas Expert, selecione Replace Picture Expert.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

6. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Replace Current Picture in Run Mode Habilitado
New Picture: LauterTun
7. Quando terminar, selecione OK.
Quando este polígono for selecionado no modo de execução, esta tela será fechada e a
tela do clarificador será aberta.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-25


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 5

D. Adicione links de dados.


Adicione links de dados para controlar a temperatura do tanque.
1. Adicione dois links de dados na tela. Use a figura e a tabela abaixo como referência.

Link 1

Link 2

Link Data Source Data Entry


Link 1 BREW_TEMP None
Link 2 BREW_TEMP_SP None

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-26


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 5

D. Adicione links de dados (continuação).

2. Selecione o link inferior.


Guias aparecem ao redor do link.
3. A partir da barra de ferramentas “Expert”, selecione Data Entry Expert.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

4. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Slider Entry: Habilitado
Fetch Limits from the Data Source: Habilitado
5. Quando terminar, selecione OK para retornar à tela.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-27


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 5

E. Crie uma tabela global.


Crie uma tabela global com duas cores: vermelho e verde.
1. A partir da árvore do sistema, clique duas vezes na pasta Globals.
A pasta “User”, dos globais de usuário, aparece.
2. Selecione com o botão direito do mouse na pasta User e selecione Create Threshold
Table
A seguinte caixa de diálogo aparece:

3. Mude o tipo de propriedade no campo Source Property Type para Boolean.


4. Selecione o botão Exact Match para buscar o valor exato do tag.
5. Crie dois limites de cores usando as informações abaixo:
Value Color
False BrightRed
True BrigthGreen
6. Quando terminar, selecione OK.
7. A partir da árvore do sistema, selecione a nova tabela de cores com o botão direito e
selecione Property Window.
8. Mude o nome desta tabela para:
RedGreen
9. Quando terminar, feche a janela de propriedades.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-28


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 5

F. Adicione uma válvula.


Adicione um dínamo de válvula na tela.
1. Abra o conjunto de dínamos ValveAnim.
2. Arraste o seguinte dínamo à tela:
ValveHorizontalOnOff1
A caixa de diálogo do dínamo da válvula aparece.
3. Clique na caixa de seleção Animate Valve Color.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

4. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Data Source: LAUTER_SWITCH
Use Shared Threshold Table: Habilitado
5. Selecione o botão “Browse” para selecionar uma tabela compartilhada (Shared Table).
A caixa de diálogo do “Expression Editor” aparece.
6. Selecione a pasta Global e então RedGreen a partir de User.
7. Selecione OK para voltar à caixa de diálogo de animação de cor da válvula.
8. Selecione OK para voltar à caixa de diálogo do dínamo da válvula.
9. Selecione OK para voltar à tela.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-29


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 5

G. Adicione outra válvula e salve.

1. Adicione um outro dínamo de válvula, ValveHorizontalOnOff1, à tela. Use a tabela


RedGreen com a seguinte fonte de dado:
BREW_SWITCH
2. Quando terminar, a tela deverá se parecer com:

3. Salve a tela com o seguinte nome:


BrewKettle
4. Alterne para o modo de execução e explore as características desta tela.

Fim do Exercício

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-30


Apostila de Treinamento

5.9. Questões de Revisão_____________________________________

1. Qual é o objetivo de se ter uma imagem secundária para um objeto bitmap?

2. Para que serve a ferramenta de entrada de dados (data entry expert)?

3. Quais são as vantagens e desvantagens do “Data Entry Expert” ao invés de usar apenas a opção
In-Place em um link de dado?

4. Como as propriedades estáticas de um objeto podem ser alteradas?

5. Para que serve uma tabela global de limites (Threshold Table)?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 5-31


Apostila de Treinamento

6. Configuração do Sistema____________________________________

Capítulo 6

Configuração do Sistema

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-1


Fundamentos do iFIX

6. Configuração do Sistema ___________________________________

Objetivos do Capítulo

Quando o iFIX é iniciado, ele faz a leitura de um arquivo de configuração para determinar as
configurações para a estação local. Este arquivo contém informações sobre programas e opções
específicas para a estação local. Este capítulo examina detalhes de configuração destas informações
através do uso do aplicativo SCU (System Configuration Utility).

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Configuração dos Diretórios do Projeto


• Configuração de Alarmes e Mensagens
• Configuração da Rede
• Configuração das Tarefas Automáticas

Antes de iniciar a configuração do SCU, o capítulo analisa os requisitos de hardware, de software e


de rede necessários para rodar o iFIX. Além disso, mostra também como verificar os componentes
disponíveis na chave (security key) do iFIX.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-2


Apostila de Treinamento

6.1. Requisitos de Hardware para iFIX v.2.6______________________

A. Computador
• Mínimo: Pentium II 266 MHz, compatível com padrão IBM.
• Recomendado: Pentium II 300 MHz ou superior.

B. Memória RAM e Espaço em Disco


• Mínimo: 96 MB RAM para estações SCADA e clientes.
• Recomendado: 128 MB RAM

C. Espaço em Disco
• 120 MB de espaço livre em disco para realizar uma instalação típica do iFIX
(incluindo telas, base de dados, arquivos de alarme e outros arquivos de dados).
- Para aplicações que necessitam de arquivos grandes de alarme e de dados
histórico, deve-se considerar um disco maior.
• Driver de CD-ROM para instalação do produto

D. Outros Requisitos de Hardware


• Monitores SVGA ou superiores, compatível com IBM, capacidade de 24 bits,
resolução mínima de 800 x 600 e pelo menos 65.535 cores.
• Uma porta paralela ou porta USB para a chave de segurança (security key)

E. Opcionais de Hardware
• Alguns drivers e touch screens requerem portas seriais
• Para obter um número maior de portas seriais podem ser obtidas usando digiboards

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-3


Fundamentos do iFIX

6.2. Requisitos de Software para iFIX v.2.6 _______________________

A. Requisitos de Software
• Sistema Operacional:
- Windows NT v.4.0 com Service Pack 5 instalado ou Windows 2000 com
Service Pack 1.
- Obs: os sistemas operacionais Windows 95, 98/Me NÃO são compatíveis.
• Se estiver em rede, pode-se usar NetBIOS ou TCP/IP.
• Driver de comunicação para as estações SCADA
- Alguns drivers com cartão residente necessitam de software de configuração.
- Consulte o capítulo Getting Started with iFIX do Electronic Books do iFIX.
• Driver de vídeo
- A Intellution descobriu que alguns drivers possuem problemas específicos, os
quais são apenas aparentes para quem estiver usando estes drivers.
- Além disso, a Intellution descobriu que vários problemas com drivers de
vídeo ocorrem tanto em aplicações do iFIX como em outras aplicações.
- Se ocorrer este tipo de problema, deve-se testar outra aplicação para descobrir
se o problema é característico apenas da configuração do iFIX.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-4


Apostila de Treinamento

6.3. Requisitos de Rede ______________________________________

A. Observações
• O acesso à rede é opcional.
• As estações que não usam a rede são chamadas de estações stand alone.

B. Hardware de Rede
• A Intellution recomenda o uso de cartões Ethernet 3COM.

C. Software de Rede
• NetBIOS
- A interface NetBIOS é suportada com o protocolo Microsoft NetBEUI.
• TCP/IP
- Antes de instalar o iFIX:
◊ Configure os endereços IP com os nomes dos nós (o uso de um
arquivo HOST é a maneira mais fácil de se fazer isso).
- Habilite o protocolo TCP/IP no SCU.
• As características de rede serão discutidas com mais detalhes ainda neste capítulo.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-5


Fundamentos do iFIX

6.4. Componentes Disponíveis na Chave ________________________

A. Notas
• O aplicativo KeyDiag.EXE do iFIX pode ser usado para verificar os componentes
que estão habilitados na chave (security key).
- A maioria dos componentes de software vem no CD de instalação do iFIX e
são habilitados pela chave.
- O iFIX roda por duas horas em modo demo sem a chave, com acesso a todos
os opcionais de software menos a capacidade de comunicação de estações
iFIX em rede.
• Alguns destes componentes são referentes a opções de versões anteriores de
softwares da Intellution, como:
- Pixel Graphics, Gearbox, Remote FIX, Data Transfer Utility, etc.
• Componentes iBatch são referentes ao software batelada da Intellution.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-6


Apostila de Treinamento

6.4. Componentes Disponíveis na Chave________________________

Figura 6-1: Utilitário para Diagnóstico de Chave (“KeyDiag”)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-7


Fundamentos do iFIX

6.5. Utilitário de Configuração do Sistema _______________________

A. Introdução
• O SCU (System Configuration Utility) é usado para configurar a estação local.
• Este aplicativo cria um arquivo de configuração com extensão *.SCU.
- Todas as informações sobre esta estação são armazenadas neste arquivo.
- Veja as Figura 6-2 e Figura 6-3.

Configuração dos Diretórios


(Menu Configuration à Paths)
Configuração de Alarmes e Mensagens
(Menu Configuration à Alarms)
Configuração da Rede
(Menu Configuration à Network)
Configuração dos Drivers (SCADA)
(Menu Configuration à SCADA)
Configuração de Tarefas
(Menu Configuration à Tasks)
Configuração de Segurança
(Menu Configuration à Security)
Configuração SQL
(Menu Configuration à SQL)
Configuração da Base de Dados de Áreas
de Alarmes
(Menu Configuration à Alarm Area
Database)
Figura 6-2: Barra de Ferramentas do SCU

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-8


Apostila de Treinamento

6.5. Utilitário de Configuração do Sistema_______________________

Figura 6-3: Utilitário de Configuração do Sistema (SCU)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-9


Fundamentos do iFIX

6.5. Utilitário de Configuração do Sistema _______________________

A. Configuração do Nome da Estação


• Para configurar o nome da estação local, selecione, no SCU, a opção Local Startup
do menu Configuration ou então clique duas vezes sobre a primeira linha no desenho
do monitor da estação.
• Cada estação possui duas configurações de nome:
- Local Node Name: nome físico da estação iFIX.
- Logical Node Name: nome com que outras estações em rede referenciam esta
estação iFIX.
• Os nomes lógicos são usados para agrupar servidores SCADA redundantes (primário
e backup) para formarem um par lógico. Para maiores informações sobre redundância
de estações, consulte o capítulo Mastering iFIX à Redundancy do Electronic Books
(este tópico é abordado no curso avançado do iFIX).
• Recomendamos configurar o nome da estação iFIX igual ao nome do computador.
- Lembre-se de que o iFIX suporta somente nomes com até 8 caracteres.

B. Local Node Alias


• Esta opção habilita o apelido THISNODE para a estação local, podendo usar este
apelido para referenciar a estação local: FIX32.THISNODE.TAG.FIELD.
• A substituição do nome físico por THISNODE amplia a portabilidade das telas,
receitas e schedules e elimina a necessidade de alterar a referência do nome da
estação em diferentes estações.
• A árvore do sistema do WorkSpace sempre substitui o nome físico da estação por
THISNODE.

C. Service
• O iFIX pode ser rodado como serviço do Windows NT e Windows 2000 permitindo
que o usuário se conecte e desconecte do sistema operacional sem afetar a execução
do iFIX.
• Quando esta opção estiver habilitada, é possível fechar qualquer aplicativo do iFIX
rodando em primeiro plano e desconectar o usuário do sistema operacional sem
fechar os aplicativos principais do iFIX como:
- Drivers de comunicação
- Coleta de dados históricos
- Comunicação com bancos de dados relacionais
- Serviço de rede
- SAC
- Alarmes e mensagens

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-10


Apostila de Treinamento

6.5. Utilitário de Configuração do Sistema_______________________

Figura 6-4: Configuração do Nome da Estação

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-11


Fundamentos do iFIX

6.5.1. Configuração dos Diretórios do Projeto______________________

A. Introdução
• A configuração dos diretórios especifica o nome e o local dos diretórios de um
projeto do iFIX.
• Observe que quando a configuração de um diretório é alterada usando esta janela de
configuração:
- O SCU cria novos diretórios automaticamente caso sejam configurados;
- Os arquivos dos diretórios antigos NÃO são copiados para o novo diretório.
• A tabela a seguir apresenta uma descrição de cada um dos diretórios.

Diretório Usado para os ...


Base Arquivos executáveis.
Local Arquivos de configuração da estação local. Isto inclui
arquivos do SCU e de segurança.
Database Arquivos referentes a base de dados do processo
como arquivos de configuração da base de dados e
dos drivers de comunicação.
Language Arquivos de mensagens das caixas de diálogo,
arquivos de Help e manual eletrônico.
Picture Arquivos relativos às telas gráficas.
Application Diretório reservado para armazenar arquivos criados
por outros aplicativos.
Historical Arquivos de configuração para dados históricos.
Historical Data Arquivos de dados históricos. Cria um subdiretório
para cada estação de onde os dados estão sendo
coletados.
Alarms Arquivos de alarmes, mensagens, logs de segurança e
de evento.
Master Recipe Arquivos de receitas principais, erro e de relatório.
Control Recipe Arquivos de receitas de controle, erro e de relatório.
Alarm Areas (AAD) Localização da base de dados das áreas de alarme.

Figura 6-5: Descrições dos Caminhos

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-12


Apostila de Treinamento

6.5.1. Configuração dos Diretórios do Projeto ____________________

Figura 6-6: Configuração dos Diretórios de um Projeto

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-13


Fundamentos do iFIX

6.5.2. Configuração de Alarmes e Mensagens ___________________

A. Introdução
• Usada para habilitar os serviços de alarme da estação, como:
- Habilitar ou desabilitar os serviços de alarme.
- Especificar a distribuição dos alarmes e mensagens na rede.
- Configurar o tamanho da fila de alarme para a rede.
- Habilitar o envio de alarmes para bancos de dados relacionais.
• A Figura 6-7 contém um descritivos dos diversos serviços de alarme.
• Os arquivos de alarme são eliminados automaticamente da máquina e o número de
dias que eles permanecerão na máquina são configurados no arquivo ALARM.INI
- O padrão é de 30 dias, mas pode ser configurado entre 1 a 365 dias.

Serviço de alarme Usado para ...


Impressoras de Alarme Enviar alarmes e mensagens para impressoras.
Sumário de Alarme Visualizar e reconhecer os alarmes na tela do
WorkSpace em modo de execução.
Arquivos de Alarme Armazenar alarmes e mensagens em arquivos do tipo
texto, cujo padrão de nomes é YYMMDD.ALM.
Histórico dos Alarmes Mostrar alarmes e mensagens em tempo real.
Envio de Alarmes via Enviar alarmes para um banco de dados relacional
ODBC via driver ODBC.
Serviço de Alarme em Enviar e receber alarmes de outras estações da rede.
Rede
Serviço de Inicialização Enviar para uma estação cliente os últimos alarmes e
da Fila de Alarme mensagens gerados pela estação SCADA quando
esta estação cliente é iniciada.

Figura 6-7: Descrição dos Serviços de Alarme

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-14


Apostila de Treinamento

6.5.2. Configuração de Alarmes e Mensagens ___________________

Figura 6-8: Tela para Configuração dos Serviços de Alarme no SCU

Figura 6-9: Configuração Avançada dos Alarmes

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-15


Fundamentos do iFIX

6.5.2. Configuração de Alarmes e Mensagens ___________________

B. Base de Dados das Áreas de Alarme (AAD-Alarm Area Database)


• A base de dados das áreas de alarme é um arquivo com extensão *.AAD localizado
por default no diretório PDB que armazena informações sobre as áreas de alarme.
- As áreas de alarme são armazenadas em ordem alfabética.
• Para configurar as áreas de alarme, o iFIX deve estar rodando e somente pode ser
editada a partir de um nó SCADA.
• Quando estiver em rede, recomenda-se salvar o arquivo AAD em um diretório
compartilhado da rede e o seu backup em um diretório da máquina local.

C. Áreas de Alarmes
• O nome das área de alarme pode ser definido pelo usuário.
• Existe um número ilimitado de áreas de alarme.
• Os nomes das áreas de alarme podem conter até 30 caracteres, não podendo conter
caracteres do tipo *, ?, ou /.
• Se estiver comunicando estações iFIX com FIX32, mantenha os nomes padrões A-P
para as áreas de alarme.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-16


Apostila de Treinamento

6.5.2. Configuração de Alarmes e Mensagens ___________________

Figura 6-10: Configuração da Base de Dados de Alarmes

Figura 6-11: Exemplo de Filtragem de Alarmes por Área de Alarme

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-17


Fundamentos do iFIX

6.5.3. Configuração de Rede __________________________________

A. Introdução
• Usada para configurar a comunicação em rede de estações FIX (Figura 6-12).
• As estações que não possuem habilitada a configuração de rede são chamadas de
estações stand alone.

B. Habilitando a Rede
• Para habilitar a rede, selecione as opções NetBIOS ou TCP/IP na área de
configuração Network, dependendo do protocolo de rede que estiver usando.

C. Configurando as Estações Remotas


• Uma estação cliente deve especificar o nome das estações servidoras SCADA das
quais deseja visualizar dados
• Configure o nome da estação SCADA no campo Remote Node Name e selecione o
botão Add.
• Se estiver trabalhando com redundância de estações SCADA, adicione o nome lógico
das estações e então selecione o botão Configure para informar que é o nome
corresponde a um nome lógico de estações (habilite a opção Enable Logical Node
Names) e configure o nome das estações primária e backup.

D. Dynamic Connections
• Esta opção faz com que a conexão com uma estação SCADA seja automaticamente
feita quando um objeto precisa ser atualizado.
• Se a conexão com a estação for somente eventualmente,então use esta opção. Caso
contrário, desabilite esta opção e configure o nome da estação remota conforme
explicado no item anterior.

E. Botão Advanced
• Usado para habilitar redundância de LAN entre as estações.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-18


Apostila de Treinamento

6.5.3. Configuração de Rede _________________________________

Figura 6-12: Configuração de Rede

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-19


Fundamentos do iFIX

6.5.4. Configuração das Tarefas Automáticas ___________________

A. Introdução
• Usada para especificar as tarefas (programas) que deverão ser iniciadas
automaticamente quando o iFIX é iniciado.
• Estas tarefas podem ser qualquer programa executável da máquina, não apenas
aplicativos do iFIX.

B. Modos de Execução das Tarefas


• Minimized: a tarefa é iniciada com sua janela minimizada, e aparece como um ícone
na barra de tarefas do sistema operacional (indicado pelo símbolo *).
• Normal: a tarefa é iniciada com sua janela aberta de forma normal.
• Background: a tarefa é iniciada em segundo plano (indicado pelo símbolo %).
- Neste caso, não aparece nenhuma janela ou ícone na tela.
- Usado para executar a tarefa como serviço do iFIX.
- Pode-se também habilitar o iFIX como um serviço do Windows.
◊ Veja a seção de configuração do nome da estação (Local Startup)

C. Linha de Comando
• O campo Command Line pode receber um argumento para modificar o modo de
execução do programa.
• A tabela da Figura 6-14 mostra os possíveis argumentos dos programas SAC e
IOCNTRL.
• Para obter os parâmetros da linha de comando de outros aplicativos do iFIX, consulte
no Electronic Books. Para obter os parâmetros de aplicativos de terceiros, consulte o
manual técnico do aplicativo.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-20


Apostila de Treinamento

6.5.4. Configuração das Tarefas Automáticas ___________________

Figura 6-13: Configuração de Tarefas a Serem Iniciadas Automaticamente

Programa Comando Parâmetro Descrição


Adicional
SAC S Sincroniza o SAC com o relógio do sistema
operacional.
D segundos Atrasa a inicialização do SAC por um
número específico de segundos.
Q tamanho Configura o tamanho da fila de alarmes do
aplicativo Alarm Queue Status do iFIX.
IOCNTRL /A Inicia todos os drivers configurados.
/S xxx Inicia apenas o driver especificado (xxx =
código do driver)

Figura 6-14: Parâmetros SAC e IOCNTRL

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-21


Fundamentos do iFIX

6.6. Questões de Revisão _____________________________________

1. Qual é a diferença entre TCP/IP e NetBIOS?

2. Como várias estações podem compartilhar os mesmos dados históricos?

3. Para que serve o serviço de alarme em rede (Alarm Network Service)?

4. Para que servem as áreas de alarme?

5. Qual é a diferença entre tarefas normais, minimizadas e de segundo plano (background)?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 6-22


Apostila de Treinamento

7. Drivers I/O ________________________________________________

Capítulo 7

Drivers I/O

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-1


Fundamentos do iFIX

7. Drivers I/O _______________________________________________

Objetivos do Capítulo

Os drivers de comunicação são de importância fundamental para o iFIX. Estes componentes de


software permitem a comunicação do iFIX com o hardware do processo. Existem vários drivers
para serem usados com o iFIX, e este capítulo discute com detalhe os drivers de comunicação.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Configuração de uma estação SCADA


• Tipos de drivers de comunicação
• Configuração dos drivers
• Monitorando o funcionamento do driver

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-2


Apostila de Treinamento

7.1. Utilitário de Configuração do Sistema_______________________

A. Revisão
• O programa SCU é usado para a configuração do nó local
• Ele cria um arquivo de configuração chamado arquivo SCU
• O arquivo SCU contém:
- Configuração de caminhos
- Configuração de rede
- Configuração de serviço de alarmes
- Configuração de tarefas

B. Outra Configuração do SCU


• Configuração SCADA
- Base de dados do processo (PDB)
- Configuração do driver I/O

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-3


Fundamentos do iFIX

7.2. Configuração SCADA _____________________________________

A. iClient versus Servidor SCADA


• iClient
- oferece uma interface do processo para o operador
- contém telas gráficas, relatórios, etc.
• Servidor SCADA
- adquire dados a partir do hardware do processo
◊ através do driver I/O
- gerencia os dados do processo
◊ através da base de dados do processo
- também realiza qualquer uma das funções de um iClient

B. Configuração do Driver I/O


• Para que o servidor SCADA se comunique com o hardware do processo, é necessário
definir e configurar pelo menos um driver I/O
- o iFIX pode carregar até oito drivers I/O enquanto inicia
• Alguns drivers utilizam um cartão de interface para se comunicarem com o hardware
do processo
- neste caso, o cartão de interface deverá ser configurado para usar o driver

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-4


Apostila de Treinamento

7.2. Configuração SCADA ____________________________________

Figura 7-1: Caixa de Diálogo de Configuração SCADA

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-5


Fundamentos do iFIX

7.3. Entendendo os Drivers de Comunicação_____________________

A. Tipos de I/O Drivers


• Existem diferentes formas de um I/O Driver comunicar com um dispositivo de
hardware
- porta serial – Driver COM
◊ somente duas portas seriais podem ser usadas
◊ adaptadores tipo digiboard podem ser usados se precisar mais que
duas portas
- cartão residente fornecido pelo vendedor – Driver RES
- Ethernet – Driver ETH
- outros
• É possível ter drivers de diferentes tipos em uma estação SCADA
• A Figura 7-2 mostra alguns exemplos
B. Diferenças entre drivers da versão 6.x e 7.x
• Sistema Operacional
- drivers 7.x rodam somente em Windows NT e Windows 2000
- drivers 6.x rodam em Windows 95/98, Windows NT e Windows 2000
• Comunicação
- os drivers 7.x podem:
◊ comunicam com o SAC
◊ comunicam com o hardware do processo
◊ funcionam como servidores OPC permitindo compartilhar dados com
outros clientes OPC na rede
- os drivers 6.x comunicam somente com o SAC e seu hardware do processo
◊ estes drivers não podem compartilhar dados com outros clientes
• Que versão usar?
- a Intellution recomenda o uso do driver 7.x com o iFIX pois oferece mais
características e é mais fácil de usar
- note que os drivers 7.x não sào disponíveis para todos os tipos de hardware do
processo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-6


Apostila de Treinamento

7.3. Entendendo os Drivers de Comunicação ____________________

Sigla do Driver Versão Tipo de Comunicação


ABH 6.x Serial (COM)
ABC 7.x Cartão residente
GE9 7.x Ethernet
MB1 7.x Serial (COM)
MBE 6.x Ethernet
SIE 6.x Serial (COM)
S_7 6.x Cartão residente ou Ethernet
SL4 7.x Ethernet
ROC 6.x Rádio ou Modem

Figura 7-2: Exemplos de Drivers de Comunicação

Tipo de Vantagens Desvantagens


Driver
• Trabalha com qualquer PC • Comunicação lenta
Serial que tem uma porta serial • Não tem boa performance
(COM) • Funciona com um modem em longas distâncias
• Geralmente mais barato
• Geralmente a comunicação • Pode ficar sobrecarregado
Ethernet é mais rápida dependendo do tráfico em
(ETH) • Geralmente mais barato rede (especialmente se não
• Muito flexível houver uma LAN separada
para o chão de fábrica)
Cartão • Geralmente a comunicação • Geralmente caro
Residente é mais rápida • Requer configuração
(RES) • Projetado para chão de adicional de software do
fábrica cartão
Figura 7-3: Tipos de Drivers de Comunicação

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-7


Fundamentos do iFIX

7.4. Driver de Simulação (SIM) _________________________________

A. Notas
• SIM – Driver de simulação do iFIX
• Funções básicas do driver SIM:
- armazena valores temporários (até 2000 registros de 16 bits)
- gera valores simulados (14 geradores de números)
- oferece informações sobre o sistema (contadores de alarme e de sistema)

B. Matriz de Endereços do Driver SIM


• Blocos da base de dados lêem e escrevem valores nestes endereços.
• Se um bloco escrever em um determinado endereço, outros blocos podem ler o valor
deste mesmo endereço.
• O iFIX remove estes valores da memória quando o SAC inicia ou quando a base de
dados é recarregada.
• Para usar:
- para valores analógicos, o registro varia de 0 a 2000
◊ o bit não é usado
- para valores digitais, o registro varia de 0 a 2000
◊ o bit varia de 0 a 15
• Observações
- Possui somente cinco dígitos de precisão ao invés de sete (padrão).
- Usado somente com processamento por tempo.

C. Geradores de Sinal
• Os registros SIM geram um padrão repetido de valores randômicos ou valores pré-
definidos.
• Para selecionar um registro, digite as duas letras de sua sigla no campo I/O Device.
- Veja a Figura 7-4

D. Contadores de Alarme e do Sistema


• Serão vistos mais adiante neste curso.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-8


Apostila de Treinamento

7.5. Entendendo os Drivers ___________________________________

A. Tipos de I/O Drivers


• Existem diferentes formas de um I/O Driver comunicar com um dispositivo de
hardware.
- Porta serial: Driver COM
◊ Somente duas portas seriais podem ser usadas. Adaptadores como os
digiboards podem ser usados se precisar mais que duas portas.
- Cartão residente fornecido pelo fabricante do hardware – Driver RES
- Ethernet – Driver ETH
- Outros
• É possível ter drivers de diferentes tipos em uma estação SCADA.
• A Figura 7-2 mostra alguns exemplos.

B. Diferenças entre drivers da versão 6.x e 7.x


• Sistema Operacional
- Drivers das versões 7.x rodam somente em Windows NT e Windows 2000.
- Drivers das versões 6.x rodam em Windows 95/98, Windows NT e Windows
2000.
• Comunicação
- Os drivers das versões 7.x podem:
◊ Comunicar com o SAC;
◊ Comunicar com o hardware do processo;
◊ Atuar como servidores OPC permitindo compartilhar dados com
outros clientes OPC na rede.
- Os drivers 6.x comunicam somente com o SAC e seu hardware do processo
◊ Estes drivers não podem compartilhar dados com outros clientes.
• Que versão usar?
- A Intellution recomenda o uso do driver 7.x com o iFIX pois oferece mais
características e é mais fácil de usar.
- Note que os drivers 7.x não são disponíveis para todos os tipos de hardware
do processo.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-9


Fundamentos do iFIX

7.3. Entendendo os Drivers de Comunicação_____________________

Registro Descrição Entrada Válida


RA Gera uma rampa entre 0 a 100% da faixa de engenharia (EGU) à uma Somente leitura
velocidade controlada pelo registro RY.
RB Conta de 0 a 65535 à uma velocidade de 20 contadores por segundo. Somente leitura
RC Altera um bit através de uma Word de 16-bit à uma velocidade controlada Somente leitura
pelo registro RZ.
RD Gera uma onda senoidal entre 0 a 100% da faixa EGU à uma velocidade Somente leitura
controlada pelo registro RY.
RE Gera uma onda senoidal entre 0 a 100% da faixa EGU à uma velocidade Somente leitura
controlada pelo registro RY. A onda senoidal é defasada de 90 graus em
relação ao registro RD.
RF Gera uma onda senoidal entre 0 a 100% da faixa EGU à uma velocidade Somente leitura
controlada pelo registro RY. A onda senoidal é defasada de 180 graus em
relação ao registro RD.
RG Gera valores randômicos entre 25% e 75% da faixa EGU. Somente leitura
RH Realiza uma rampa para cima até 100% do faixa EGU e então realiza uma Somente leitura
rampa para baixo até 0% à uma velocidade controlada pelo registro RJ.
RI Controla a direção da rampa do valor do registro RH. Quando zero, o Valor numérico
registro RH realiza uma rampa para baixo, quando um o RH realiza uma (0 ou 1)
rampa para cima. O valor altera automaticamente quando o RH alcança 0
ou 100% de seu valor EGU.
RJ Controla a velocidade da rampa (em ciclos por hora) para o valor do Valor numérico
registro RH. O valor padrão é 60 (1 ciclo por minuto). (2 a 3600)
RK Habilita ou desabilita a geração de valores do registro RH. Digite zero Valor numérico
para congelar (desabilitar) a rampa e um para habilitá-la. (0 ou 1)
RX Habilita ou desabilita a geração de valores dos outros registros. Digite Valor numérico
zero para congelar (desabilitar) e um para habilitar todos os registros. (0 ou 1)
RY Controla a velocidade (em ciclos por hora) na qual novos valores são Valor numérico
gerados para os registros RA, RD, RE e RF. O valor padrão é 60 (1 ciclo (2 a 3600)
por minuto).
RZ Controla a velocidade (em bits por minuto) na qual o registro RC altera Valor numérico
seu valor. O valor padrão é 180 (3 trocas de bit por segundo). (2 a 1200)

Figura 7-4: Registros Geradores de Sinais do Driver SIM

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-10


Apostila de Treinamento

7.6. Instalando os Drivers_____________________________________

A. Instalação de um Driver
• Durante a instalação do iFIX, ela pergunta se deseja instalar algum I/O Driver
- Selecione No neste momento.
- Complete a instalação do iFIX e instale os drivers posteriormente.
• Os drivers podem ser instalados a partir do CD de I/O Drivers e Servidores OPC
- Os drivers da versão 7 possuem seu próprio programação de instalação.
• Insira o CD de drivers e servidores OPC
- Clique no botão Install Driver e selecione o driver a partir da lista.
- Veja a Figura 7-5

B. Atualização dos Drivers


• As páginas a seguir mostram os passos necessários para atualizar um I/O driver para
uma nova versão.
• Existem três tipos de atualizações:
- versão 6.x para versão 6.x
- versão 7.x para versão 7.x
- versão 6.x para versão 7.x
• Use os mesmos procedimentos para instalar um módulo adicional de software SIM
(Software Improvement Module)
- Os SIMs para drivers podem ser descarregados a partir do web site da
Intellution.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-11


Fundamentos do iFIX

7.6. Instalando os Drivers _____________________________________

Figura 7-5: Instalação do I/O Driver

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-12


Apostila de Treinamento

7.6. Atualizando v.6 para v.6_________________________________

A. Antes de Iniciar
• Crie um subdiretório fora do diretório \PDB e copie os seguintes arquivos:
- Arquivo da base de dados do processo (NomeBaseDados.PDB)
- Arquivo de configuração do driver (NomeNó.DRV onde DRV corresponde às
três letras da sigla do driver)
• Salve a configuração existente do driver como arquivo CSV da seguinte forma:
- selecione Save As a partir do menu File no programa de configuração do
driver
- selecione Text Files (*.CSV) no campo Save File as Type
• Exporte a base de dados do processo
• Renomeie os arquivos NomeDoNó.DRV e Default.DRV do diretório \PDB para
NomeDoNó.OLD e Default.OLD

B. Instalando o Driver
• Crie um diretório temporário, por exemplo, C:\atualizacao
• Se estiver instalando uma nova versão contida no CD de Drivers, clique no botão
Install Driver, selecione o driver desejado e clique o botão Install Now
• Se um SIM foi baixado do web site da Intellution , extraia os arquivos do driver em
um diretório temporário:
- se o arquivo for um *.EXE, copie-o para o diretório temporário e clique duas
vezes sobre ele para extrair os arquivos
- se o arquivo for um *.ZIP file, rode o WinZip e extraia os arquuivos no
diretório
- se tiver arquivos individuais de driver, copie-os para o diretório temporário
• Rode o setup da Intellution e selecione Custom Install.
- A mensagem “SCU file found, do you want to use its information” irá
aparecer
• Clique o botão Yes
• A partir da caixa de opções do FIX, selecione somente Install I/O Drivers; limpe
todas as outras opções
• Entre com o diretório onde estão os arquivos do driver e pressione Enter
• Quando o programa de instalação da Installation perguntar se deseja recriar o grupo
de programas, clique OK

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-13


Fundamentos do iFIX

7.6. Atualizando v.6 para v.6_________________________________

C. Após Instalar o Driver


• Inicie o novo programa de configuração do driver
• Selecione Open a partir do menu File
• Selecione Text Files (*.CSV) no campo List Files of Type
- o arquivo CSV salvo anteriormente aparece na lista de arquivos
• Clique duas vezes sobre o arquivo CSV para ler a configuração antiga de volta para o
programa de configuração
• Selecione Save As a partir do menu File
• Entre com NomeDoNó.DRV como o nome do arquivo, onde DRV corresponde às
três letras da sigla do driver
• Clique OK e inicie o iFIX
• Recarregue o driver

D. Após importar a configuração do driver, importe a base de dados do processo


• Salve e recarregue a configuração do driver
• Inicie o Database Manager e selecione Reload a partir do menu Database
• Selecione o nó local e clique duas vezes sobre o arquivo EMPTY.PDB
• Selecione Import a partir do menu Database
• Selecione o arquivo GDB, CSV ou TXT que foi salvo antes da atualização
- após completar a importação, uma janela aparece para informar se houve
algum erro de importação
- se houverem erros, eles ficam registrados no arquivo chamado IMPORT.ERR
- este arquivo reside no diretório \PDB
• Selecione Save As a aprtir do menu Database
• Salve a base de dados com o nome especificado no SCU
• Selecione Reload a partir do menu Database
• Selecione o nó local e clique duas vezes na base de dados que acabou de ser salva

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-14


Apostila de Treinamento

7.6. Atualizando v.7 para v.7_________________________________

A. Antes de Iniciar
• Crie um subdiretório fora do diretório \PDB e copie o arquivo da base de dados do
processo e o arquivo de configuração do driver
• Salve a configuração existente do driver em formato CSV
• Exporte a base de dados do processo
• Renomeie os arquivos NomeDoNó.DRV e Default.DRV do diretório \PDB para
NomeDoNó.OLD e Default.OLD

B. Instalando o Driver
• Crie um diretório temporário, por exemplo, C:\atualizacao
• Desinstale o driver 7.x existente
- Clique duas vezes em Adicionar/Remover Programas no Painel de Controles
- Selecione o driver 7.x e clique o botão Adicionar/Remover
• Se estiver instalando uma nova versão contida no CD de Drivers, clique no botão
Install Driver, selecione o driver desejado e clique o botão Install Now
• Se um SIM foi baixado do web site da Intellution , extraia os arquivos do driver em
um diretório temporário:
- se o arquivo for um *.EXE, copie-o para o diretório temporário e clique duas
vezes sobre ele para extrair os arquivos
- se o arquivo for um *.ZIP file, rode o WinZip e extraia os arquuivos no
diretório
- se tiver arquivos individuais de driver, copie-os para o diretório temporário
• Instale a nova versão do driver 7.x localizada no diretório temporário que você criou
- Clique duas vezes sobre o ícone Setup.exe.
- Clique Next até aparecer uma mesnagem perguntando sobre o diretório do
iFIX
- Entre a localização do iFIX e clique Next
- Selecione Server como Node Type
- Entre o nome do nó FIX do computador local conforme especificado no SCU
- Entre o nome da pasta no menu Start do Windows NT que deseja colocar o
driver 7.x
- Clique Finish para instalar o driver 7.x

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-15


Fundamentos do iFIX

7.6. Atualizando v.7 para v.7_________________________________

C. Após Instalar o Driver


• Inicie a nova versão da Power Tool
• Entre com o nome padrão do arquivo de configuração e verifique o diretório padrão
(default):
- clique o botão Setup na barra de ferramentas Run-time
- selecione a pasta Default Path
- entre com o nome padrão do arquivo no campo adequado
- confirm the default path is correct - if it is not, change it
• Selecione Open a partir do menu File.
• Selecione Text Files (*.CSV) no campo List Files of Type
- o arquivo CSV salvo anteriormente deve aparecer na lista
• Clique duas vezes sobre o CSV para ler de volta a configuração anterior na Power
Tool
• Selecione Save As a partir do menu File
• Digite NomeArquivo.DRV como nome do arquivo
• Feche a Power Tool e inicie o iFIX

D. Após importar a configuração do driver, importe a base de dados do processo


• Salve e recarregue a configuração do driver
• Inicie o Database Manager e selecione Reload a partir do menu Database
• Selecione o nó local e clique duas vezes sobre o arquivo EMPTY.PDB
• Selecione Import a partir do menu Database
• Selecione o arquivo GDB, CSV ou TXT que foi salvo antes da atualização
- após completar a importação, uma janela aparece para informar se houve
algum erro de importação
- se houverem erros, eles ficam registrados no arquivo chamado IMPORT.ERR
- este arquivo reside no diretório \PDB
• Selecione Save As a aprtir do menu Database
• Salve a base de dados com o nome especificado no SCU
• Selecione Reload a partir do menu Database
• Selecione o nó local e clique duas vezes na base de dados que acabou de ser salva

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-16


Apostila de Treinamento

7.6. Atualizando v.6 para v.7__________________________________

A. Antes de Iniciar
• Desinstale a versão anterior do driver
- não instale a versão nova sobre a versão anterior

B. Instalando o Driver
• Usando o CD de Drivers, clique o botão Install Driver, selecione o driver desejado e
clique o botão Install Now

C. Após Instalar o Driver


• Adicione o driver na configuração SCADA e na lista de tarefas do SCU
- isto fará com que o SCU inicie o driver automaticamente quando o iFIX for
iniciado

D. Base de Dados do Processo


• Existem três possibilidades para trabalhar com a base de dados após fazer a
atualização do driver:
- não existe base de dados para ser importada
- existe uma base de dados para ser importada e você quer que o Database
Manager crie os datablocks automaticamente
- existe uma base de dados para ser importada e você não quer que o Database
Manager crie os datablocks automaticamente

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-17


Fundamentos do iFIX

7.6. Atualizando v.6 para v.7_________________________________

E. Não Existe Base de Dados para ser Improtada


• Use a opção Auto Create para criar datablocks automaticamente
- this will be discussed in more detail later in the course

F. Existe Base de Dados para ser Improtada e o Database Manager irá criar Automaticamente
os datablocks
• Configure o driver usando a opção Auto Create
• Normalmente esta opção é usada quando os datablocks a serem criado são similares
• Não import uma versão CSV de sua configuração antiga
- crie uma nova com a Power Tool

G. Existe Base de Dados para ser Improtada e o Database Manager não irá criar
Automaticamente os datablocks
• Crie os datablocks com a Power Tool
• Normalmente os datablocks são criados manualmente quando sua configuração de
driver usa dados de diferentes tipos
• Exemplo
- existem dados sem sinal (unsigned) para endereços de 101 até 200 e com sinal
(signed) para endereços de 0 a 100 e 201 a 300
- a opção Auto Create não deve ser usada pois ela cria os datablocks com um
único tipo de dado, de acordo com os padrões selecionados para o datablock
• Mais detalhes sobre este assunto serão vistos mais adiante neste curso

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-18


Apostila de Treinamento

7.7. Configuração do Driver I/O _______________________________

A. Diferenças entre os Drivers 6.x e 7.x


• Sistema Operacional
- Drivers 7.x são disponíveis somente para Windows NT
- Drivers 6.x são disponíveis para Windows 95/98 e Windows NT
• Comunicação
- Drivers 7.x podem:
◊ se comunicar com o HMI
◊ se comunicar com o hardware do processo
◊ funcionar como servidores OPC permitindo o compartilhamento de
dados para outros clientes remotos OPC
- Drivers 6.x somente se comunicam com o software HMI e o hardware do
processo
◊ estes drivers não podem compartilhar dados com outros clientes

B. Qual versão usar?


• A Intellution recomenda usar um driver 7.x com o iFIX pois oferece mais recursos e
é mais fácil de usar
• Entretanto, não existem drivers 7.x disponíveis para todos os tipos de hardware

C. Notas:
• “Channel”
- caminho de comunicação entre servidor SCADA e hardware do processo
- define as taxas de transmissão (baud rates) e outros ajustes para a rede do
hardware
• “Device”
- define um dispositivo individual de hardware
- define o tipo de hardware e outra configuração específica de um dispositivo
• “Poll Record”
- define parâmetros específicos para um bloco de dados de um dispositivo
- isto inclui o endereço inicial e o tipo de dado

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-19


Fundamentos do iFIX

7.8. 7.3.__________________Entendendo os Drivers de Comunicação

A. Tipos de I/O Drivers


• Existem diferentes formas de um I/O Driver comunicar com um dispositivo de
hardware
- porta serial – Driver COM
◊ somente duas portas seriais podem ser usadas
◊ adaptadores tipo digiboard podem ser usados se precisar mais que
duas portas
- cartão residente fornecido pelo vendedor – Driver RES
- Ethernet – Driver ETH
- outros
• É possível ter drivers de diferentes tipos em uma estação SCADA
• A Figura 7-2 mostra alguns exemplos
B. Diferenças entre drivers da versão 6.x e 7.x
• Sistema Operacional
- drivers 7.x rodam somente em Windows NT e Windows 2000
- drivers 6.x rodam em Windows 95/98, Windows NT e Windows 2000
• Comunicação
- os drivers 7.x podem:
◊ comunicam com o SAC
◊ comunicam com o hardware do processo
◊ funcionam como servidores OPC permitindo compartilhar dados com
outros clientes OPC na rede
- os drivers 6.x comunicam somente com o SAC e seu hardware do processo
◊ estes drivers não podem compartilhar dados com outros clientes
• Que versão usar?
- a Intellution recomenda o uso do driver 7.x com o iFIX pois oferece mais
características e é mais fácil de usar
- note que os drivers 7.x não sào disponíveis para todos os tipos de hardware do
processo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-20


Apostila de Treinamento

7.3. Entendendo os Drivers de Comunicação ____________________

Sigla do Driver Versão Tipo de Comunicação


ABH 6.x Serial (COM)
ABC 7.x Cartão residente
GE9 7.x Ethernet
MB1 7.x Serial (COM)
MBE 6.x Ethernet
SIE 6.x Serial (COM)
S_7 6.x Cartão residente ou Ethernet
SL4 7.x Ethernet
ROC 6.x Rádio ou Modem

Figura 7-2: Exemplos de Drivers de Comunicação

Tipo de Vantagens Desvantagens


Driver
• Trabalha com qualquer PC • Comunicação lenta
Serial que tem uma porta serial • Não tem boa performance
(COM) • Funciona com um modem em longas distâncias
• Geralmente mais barato
• Geralmente a comunicação • Pode ficar sobrecarregado
Ethernet é mais rápida dependendo do tráfico em
(ETH) • Geralmente mais barato rede (especialmente se não
• Muito flexível houver uma LAN separada
para o chão de fábrica)
Cartão • Geralmente a comunicação • Geralmente caro
Residente é mais rápida • Requer configuração
(RES) • Projetado para chão de adicional de software do
fábrica cartão
Figura 7-3: Tipos de Drivers de Comunicação

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-21


Fundamentos do iFIX

7.9. Driver de Simulação (SIM) _________________________________

A. Notas
• SIM – Driver de simulação do iFIX
• Funções básicas do driver SIM:
- armazena valores temporários (até 2000 registros de 16 bits)
- gera valores simulados (14 geradores de números)
- oferece informações sobre o sistema (contadores de alarme e de sistema)

B. Matriz de Endereços do Driver SIM


• Blocos da base de dados lêem e escrevem valores nestes endereços.
• Se um bloco escrever em um determinado endereço, outros blocos podem ler o valor
deste mesmo endereço.
• O iFIX remove estes valores da memória quando o SAC inicia ou quando a base de
dados é recarregada.
• Para usar:
- para valores analógicos, o registro varia de 0 a 2000
◊ o bit não é usado
- para valores digitais, o registro varia de 0 a 2000
◊ o bit varia de 0 a 15
• Observações
- Possui somente cinco dígitos de precisão ao invés de sete (padrão).
- Usado somente com processamento por tempo.

C. Geradores de Sinal
• Os registros SIM geram um padrão repetido de valores randômicos ou valores pré-
definidos.
• Para selecionar um registro, digite as duas letras de sua sigla no campo I/O Device.
- Veja a Figura 7-4

D. Contadores de Alarme e do Sistema


• Serão vistos mais adiante neste curso.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-22


Apostila de Treinamento

7.10. Entendendo os Drivers ___________________________________

C. Tipos de I/O Drivers


• Existem diferentes formas de um I/O Driver comunicar com um dispositivo de
hardware.
- Porta serial: Driver COM
◊ Somente duas portas seriais podem ser usadas. Adaptadores como os
digiboards podem ser usados se precisar mais que duas portas.
- Cartão residente fornecido pelo fabricante do hardware – Driver RES
- Ethernet – Driver ETH
- Outros
• É possível ter drivers de diferentes tipos em uma estação SCADA.
• A Figura 7-2 mostra alguns exemplos.

D. Diferenças entre drivers da versão 6.x e 7.x


• Sistema Operacional
- Drivers das versões 7.x rodam somente em Windows NT e Windows 2000.
- Drivers das versões 6.x rodam em Windows 95/98, Windows NT e Windows
2000.
• Comunicação
- Os drivers das versões 7.x podem:
◊ Comunicar com o SAC;
◊ Comunicar com o hardware do processo;
◊ Atuar como servidores OPC permitindo compartilhar dados com
outros clientes OPC na rede.
- Os drivers 6.x comunicam somente com o SAC e seu hardware do processo
◊ Estes drivers não podem compartilhar dados com outros clientes.
• Que versão usar?
- A Intellution recomenda o uso do driver 7.x com o iFIX pois oferece mais
características e é mais fácil de usar.
- Note que os drivers 7.x não são disponíveis para todos os tipos de hardware
do processo.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-23


Fundamentos do iFIX

7.3. Entendendo os Drivers de Comunicação_____________________

Registro Descrição Entrada Válida


RA Gera uma rampa entre 0 a 100% da faixa de engenharia (EGU) à uma Somente leitura
velocidade controlada pelo registro RY.
RB Conta de 0 a 65535 à uma velocidade de 20 contadores por segundo. Somente leitura
RC Altera um bit através de uma Word de 16-bit à uma velocidade controlada Somente leitura
pelo registro RZ.
RD Gera uma onda senoidal entre 0 a 100% da faixa EGU à uma velocidade Somente leitura
controlada pelo registro RY.
RE Gera uma onda senoidal entre 0 a 100% da faixa EGU à uma velocidade Somente leitura
controlada pelo registro RY. A onda senoidal é defasada de 90 graus em
relação ao registro RD.
RF Gera uma onda senoidal entre 0 a 100% da faixa EGU à uma velocidade Somente leitura
controlada pelo registro RY. A onda senoidal é defasada de 180 graus em
relação ao registro RD.
RG Gera valores randômicos entre 25% e 75% da faixa EGU. Somente leitura
RH Realiza uma rampa para cima até 100% do faixa EGU e então realiza uma Somente leitura
rampa para baixo até 0% à uma velocidade controlada pelo registro RJ.
RI Controla a direção da rampa do valor do registro RH. Quando zero, o Valor numérico
registro RH realiza uma rampa para baixo, quando um o RH realiza uma (0 ou 1)
rampa para cima. O valor altera automaticamente quando o RH alcança 0
ou 100% de seu valor EGU.
RJ Controla a velocidade da rampa (em ciclos por hora) para o valor do Valor numérico
registro RH. O valor padrão é 60 (1 ciclo por minuto). (2 a 3600)
RK Habilita ou desabilita a geração de valores do registro RH. Digite zero Valor numérico
para congelar (desabilitar) a rampa e um para habilitá-la. (0 ou 1)
RX Habilita ou desabilita a geração de valores dos outros registros. Digite Valor numérico
zero para congelar (desabilitar) e um para habilitar todos os registros. (0 ou 1)
RY Controla a velocidade (em ciclos por hora) na qual novos valores são Valor numérico
gerados para os registros RA, RD, RE e RF. O valor padrão é 60 (1 ciclo (2 a 3600)
por minuto).
RZ Controla a velocidade (em bits por minuto) na qual o registro RC altera Valor numérico
seu valor. O valor padrão é 180 (3 trocas de bit por segundo). (2 a 1200)

Figura 7-4: Registros Geradores de Sinais do Driver SIM

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-24


Apostila de Treinamento

7.11. Instalando os Drivers_____________________________________

A. Instalação de um Driver
• Durante a instalação do iFIX, ela pergunta se deseja instalar algum I/O Driver
- Selecione No neste momento.
- Complete a instalação do iFIX e instale os drivers posteriormente.
• Os drivers podem ser instalados a partir do CD de I/O Drivers e Servidores OPC
- Os drivers da versão 7 possuem seu próprio programação de instalação.
• Insira o CD de drivers e servidores OPC
- Clique no botão Install Driver e selecione o driver a partir da lista.
- Veja a Figura 7-5

B. Atualização dos Drivers


• As páginas a seguir mostram os passos necessários para atualizar um I/O driver para
uma nova versão.
• Existem três tipos de atualizações:
- versão 6.x para versão 6.x
- versão 7.x para versão 7.x
- versão 6.x para versão 7.x
• Use os mesmos procedimentos para instalar um módulo adicional de software SIM
(Software Improvement Module)
- Os SIMs para drivers podem ser descarregados a partir do web site da
Intellution.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-25


Fundamentos do iFIX

7.6. Instalando os Drivers _____________________________________

Figura 7-5: Instalação do I/O Driver

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-26


Apostila de Treinamento

7.11. Atualizando v.6 para v.6_________________________________

A. Antes de Iniciar
• Crie um subdiretório fora do diretório \PDB e copie os seguintes arquivos:
- Arquivo da base de dados do processo (NomeBaseDados.PDB)
- Arquivo de configuração do driver (NomeNó.DRV onde DRV corresponde às
três letras da sigla do driver)
• Salve a configuração existente do driver como arquivo CSV da seguinte forma:
- selecione Save As a partir do menu File no programa de configuração do
driver
- selecione Text Files (*.CSV) no campo Save File as Type
• Exporte a base de dados do processo
• Renomeie os arquivos NomeDoNó.DRV e Default.DRV do diretório \PDB para
NomeDoNó.OLD e Default.OLD

B. Instalando o Driver
• Crie um diretório temporário, por exemplo, C:\atualizacao
• Se estiver instalando uma nova versão contida no CD de Drivers, clique no botão
Install Driver, selecione o driver desejado e clique o botão Install Now
• Se um SIM foi baixado do web site da Intellution , extraia os arquivos do driver em
um diretório temporário:
- se o arquivo for um *.EXE, copie-o para o diretório temporário e clique duas
vezes sobre ele para extrair os arquivos
- se o arquivo for um *.ZIP file, rode o WinZip e extraia os arquuivos no
diretório
- se tiver arquivos individuais de driver, copie-os para o diretório temporário
• Rode o setup da Intellution e selecione Custom Install.
- A mensagem “SCU file found, do you want to use its information” irá
aparecer
• Clique o botão Yes
• A partir da caixa de opções do FIX, selecione somente Install I/O Drivers; limpe
todas as outras opções
• Entre com o diretório onde estão os arquivos do driver e pressione Enter
• Quando o programa de instalação da Installation perguntar se deseja recriar o grupo
de programas, clique OK

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-27


Fundamentos do iFIX

7.6. Atualizando v.6 para v.6_________________________________

C. Após Instalar o Driver


• Inicie o novo programa de configuração do driver
• Selecione Open a partir do menu File
• Selecione Text Files (*.CSV) no campo List Files of Type
- o arquivo CSV salvo anteriormente aparece na lista de arquivos
• Clique duas vezes sobre o arquivo CSV para ler a configuração antiga de volta para o
programa de configuração
• Selecione Save As a partir do menu File
• Entre com NomeDoNó.DRV como o nome do arquivo, onde DRV corresponde às
três letras da sigla do driver
• Clique OK e inicie o iFIX
• Recarregue o driver

D. Após importar a configuração do driver, importe a base de dados do processo


• Salve e recarregue a configuração do driver
• Inicie o Database Manager e selecione Reload a partir do menu Database
• Selecione o nó local e clique duas vezes sobre o arquivo EMPTY.PDB
• Selecione Import a partir do menu Database
• Selecione o arquivo GDB, CSV ou TXT que foi salvo antes da atualização
- após completar a importação, uma janela aparece para informar se houve
algum erro de importação
- se houverem erros, eles ficam registrados no arquivo chamado IMPORT.ERR
- este arquivo reside no diretório \PDB
• Selecione Save As a aprtir do menu Database
• Salve a base de dados com o nome especificado no SCU
• Selecione Reload a partir do menu Database
• Selecione o nó local e clique duas vezes na base de dados que acabou de ser salva

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-28


Apostila de Treinamento

7.11. Atualizando v.7 para v.7_________________________________

A. Antes de Iniciar
• Crie um subdiretório fora do diretório \PDB e copie o arquivo da base de dados do
processo e o arquivo de configuração do driver
• Salve a configuração existente do driver em formato CSV
• Exporte a base de dados do processo
• Renomeie os arquivos NomeDoNó.DRV e Default.DRV do diretório \PDB para
NomeDoNó.OLD e Default.OLD

B. Instalando o Driver
• Crie um diretório temporário, por exemplo, C:\atualizacao
• Desinstale o driver 7.x existente
- Clique duas vezes em Adicionar/Remover Programas no Painel de Controles
- Selecione o driver 7.x e clique o botão Adicionar/Remover
• Se estiver instalando uma nova versão contida no CD de Drivers, clique no botão
Install Driver, selecione o driver desejado e clique o botão Install Now
• Se um SIM foi baixado do web site da Intellution , extraia os arquivos do driver em
um diretório temporário:
- se o arquivo for um *.EXE, copie-o para o diretório temporário e clique duas
vezes sobre ele para extrair os arquivos
- se o arquivo for um *.ZIP file, rode o WinZip e extraia os arquuivos no
diretório
- se tiver arquivos individuais de driver, copie-os para o diretório temporário
• Instale a nova versão do driver 7.x localizada no diretório temporário que você criou
- Clique duas vezes sobre o ícone Setup.exe.
- Clique Next até aparecer uma mesnagem perguntando sobre o diretório do
iFIX
- Entre a localização do iFIX e clique Next
- Selecione Server como Node Type
- Entre o nome do nó FIX do computador local conforme especificado no SCU
- Entre o nome da pasta no menu Start do Windows NT que deseja colocar o
driver 7.x
- Clique Finish para instalar o driver 7.x

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-29


Fundamentos do iFIX

7.6. Atualizando v.7 para v.7_________________________________

C. Após Instalar o Driver


• Inicie a nova versão da Power Tool
• Entre com o nome padrão do arquivo de configuração e verifique o diretório padrão
(default):
- clique o botão Setup na barra de ferramentas Run-time
- selecione a pasta Default Path
- entre com o nome padrão do arquivo no campo adequado
- confirm the default path is correct - if it is not, change it
• Selecione Open a partir do menu File.
• Selecione Text Files (*.CSV) no campo List Files of Type
- o arquivo CSV salvo anteriormente deve aparecer na lista
• Clique duas vezes sobre o CSV para ler de volta a configuração anterior na Power
Tool
• Selecione Save As a partir do menu File
• Digite NomeArquivo.DRV como nome do arquivo
• Feche a Power Tool e inicie o iFIX

D. Após importar a configuração do driver, importe a base de dados do processo


• Salve e recarregue a configuração do driver
• Inicie o Database Manager e selecione Reload a partir do menu Database
• Selecione o nó local e clique duas vezes sobre o arquivo EMPTY.PDB
• Selecione Import a partir do menu Database
• Selecione o arquivo GDB, CSV ou TXT que foi salvo antes da atualização
- após completar a importação, uma janela aparece para informar se houve
algum erro de importação
- se houverem erros, eles ficam registrados no arquivo chamado IMPORT.ERR
- este arquivo reside no diretório \PDB
• Selecione Save As a aprtir do menu Database
• Salve a base de dados com o nome especificado no SCU
• Selecione Reload a partir do menu Database
• Selecione o nó local e clique duas vezes na base de dados que acabou de ser salva

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-30


Apostila de Treinamento

7.11. Atualizando v.6 para v.7__________________________________

A. Antes de Iniciar
• Desinstale a versão anterior do driver
- não instale a versão nova sobre a versão anterior

B. Instalando o Driver
• Usando o CD de Drivers, clique o botão Install Driver, selecione o driver desejado e
clique o botão Install Now

C. Após Instalar o Driver


• Adicione o driver na configuração SCADA e na lista de tarefas do SCU
- isto fará com que o SCU inicie o driver automaticamente quando o iFIX for
iniciado

D. Base de Dados do Processo


• Existem três possibilidades para trabalhar com a base de dados após fazer a
atualização do driver:
- não existe base de dados para ser importada
- existe uma base de dados para ser importada e você quer que o Database
Manager crie os datablocks automaticamente
- existe uma base de dados para ser importada e você não quer que o Database
Manager crie os datablocks automaticamente

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-31


Fundamentos do iFIX

7.6. Atualizando v.6 para v.7_________________________________

E. Não Existe Base de Dados para ser Improtada


• Use a opção Auto Create para criar datablocks automaticamente
- this will be discussed in more detail later in the course

F. Existe Base de Dados para ser Improtada e o Database Manager irá criar Automaticamente
os datablocks
• Configure o driver usando a opção Auto Create
• Normalmente esta opção é usada quando os datablocks a serem criado são similares
• Não import uma versão CSV de sua configuração antiga
- crie uma nova com a Power Tool

H. Existe Base de Dados para ser Improtada e o Database Manager não irá criar
Automaticamente os datablocks
• Crie os datablocks com a Power Tool
• Normalmente os datablocks são criados manualmente quando sua configuração de
driver usa dados de diferentes tipos
• Exemplo
- existem dados sem sinal (unsigned) para endereços de 101 até 200 e com sinal
(signed) para endereços de 0 a 100 e 201 a 300
- a opção Auto Create não deve ser usada pois ela cria os datablocks com um
único tipo de dado, de acordo com os padrões selecionados para o datablock
• Mais detalhes sobre este assunto serão vistos mais adiante neste curso

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-32


Apostila de Treinamento

Configuração do Driver I/O ____________________________________

Definição do Servidor
Canal SCADA

Definição do
Dispositivo

Hardware do
Processo
Definição do
Poll Record
Poll Records

Figura 7-6: Configuração do Driver I/O

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-33


Fundamentos do iFIX

7.12. Drivers Versão 6.x ________________________________________

A. Notas
• Existe uma parte de consulta (polling) e uma de configuração do driver
- A parte de consulta faz somente consulta
- A parte de configuração pode carregar, manipular e salvar configurações
• A parte de configuração pode carregar configurações com o iFIX sendo executado
sem afetar a configuração que está sendo usada pela parte de “polling”
• O re-carregamento faz com que a configuração na parte de “polling” seja substituída
pela configuração carregada pela parte de configuração

B. Arquitetura do Driver 6.x


• Programa de Configuração (xxxDIDW.EXE)
- ferramenta que estabelece os parâmetros de configuração e outros parâmetros
de hardware usados pela tarefa de “polling” e pela interface de software
- oferece uma interface gráfica para o usuário (GUI-Graphical User Interface) e
um help on-line para orienta-lo na configuração
• Tarefa de “Polling” (xxxSPOLL.EXE)
- código de execução responsável pela leitura e escrita de dados para o
hardware do processo
- armazena os dados na Tabela de Imagem do Driver (DIT - Driver Image
Table)
- a DIT contém as configurações necessárias para o processamento de cada
“poll record”
• Interação de Software (xxxSTSR.DLL)
- responsável pela interação do driver I/O com as aplicações iFIX, tais como a
base de dados e as telas do iFIX

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-34


Apostila de Treinamento

7.12. Drivers Versão 6.x _______________________________________

Figura 7-7: Arquitetura do Driver I/O Versão 6.x

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-35


Fundamentos do iFIX

7.12. Drivers Versão 6.x ________________________________________

C. Configurando Drivers 6.x


• O programa de configuração do driver I/O contém campos para entrada de canal
(channel), de dispositivo (device) e de parâmetros do “poll record” para cada driver
• Ele atualiza o arquivo de configuração do driver para ser usado com o iFIX quando
este é reiniciado
• Para configurar um driver:
1. Selecione o canal que deseja configurar a partir dos botões “Channel” na
parte superior do programa de configuração do driver I/O
2. Selecione o botão “Setup”
3. Digite os parâmetros do canal nos campos de configuração de comunicação
4. Selecione e adicione um dispositivo na caixa “Device”
5. Digite os parâmetros do dispositivo nos campos de definição do canal (Device
Name, Primary Station, etc.)
6. Na planilha do “poll record”, clique duas vezes na célula que deseja
configurar
7. Entre com os parâmetros do “poll record” nos campos da caixa de diálogo de
edição que aparece
• Repita o processo para todos os canais, dispositivos e “poll records” para a
configuração do driver

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-36


Apostila de Treinamento

7.12. Drivers Versão 6.x _______________________________________

Figura 7-8: Configuração do Driver I/O

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-37


Fundamentos do iFIX

7.12. Definição do Canal _____________________________________

A. Notas
• Usado para definir a comunicação entre o SCADA e o hardware do processo
• Pode ser para um único dispositivo de hardware ou para uma rede de dispositivos
• A maioria das configurações pode ser encontrada na documentação do dispositivo
- Baud Rate, Data Bits, etc.

B. Campos de Definição do Canal


• “Reply Time-out”
- tempo de espera por uma resposta do dispositivo de hardware
- após este tempo, outras tentativas são realizadas
◊ o número de tentativas é especificado no campo “Retries”
- se ainda não obtiver sucesso, o “poll record” recebe um sinal de falha e o
driver alterna para a porta de backup
◊ o driver alterna a comunicação para a porta backup após esperar por
um tempo determinado
◊ este tempo é especificado no campo “Delay”
- se nenhuma porta de backup estiver configurada, o driver tenta novamente
estabelecer comunicação com a porta primária
• “Delay”
- tempo de espera antes de reiniciar a seqüência de tentativas de comunicação
com o dispositivo de hardware após ocorrer um erro
- se estiver definida uma porta de backup, o driver alterna para a outra porta e
reinicia a seqüência de tentativa
- caso contrário, ele reinicia a seqüência de tentativas com a porta primária
• “Retries”
- número de vezes que o driver envia novamente uma mensagem antes de
marcar a comunicação como falha
- se for especificado zero, o driver não envia novamente a mensagem
• “Reconnect Time”
- tempo de espera, em segundos, antes de tentar restabelecer a sessão após a
perda de comunicação com o hardware do processo
- em geral, é usado apenas com canais Ethernet

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-38


Apostila de Treinamento

7.12. Definição do Canal ____________________________________

Figura 7-9: Exemplo de Definião do Canal

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-39


Fundamentos do iFIX

7.12. Definição do Dispositivo ________________________________

A. Notas
• Usado para configurar um dispositivo particular do hardware
• Precisa-se configurar cada dispositivo do hardware dentro de um canal

B. Campos de Definição do Dispositivo


• “Device Name”
- nome do dispositivo (com até 7 caracteres) para ser usado no campo de
endereçamento I/O dos tags
- este nome será usado para referenciar este dispositivo na base de dados do
processo
• “Hardware Type”
- especifica o modelo usado do hardware
• “Primary Address”
- endereço da estação do dispositivo (endereço da rede ou endereço TCP/IP)
para o canal primário
- o número da estação deve ser único para cada dispositivo
- por padrão, se o driver falhar na comunicação com o dispositivo primário, ele
tenta se comunicar com o dispositivo de backup automaticamente.
• “Backup Address”
- endereço da estação do dispositivo (endereço da rede ou endereço TCP/IP)
quando a estação primária não estiver comunicando
- este campo de configuração é opcional

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-40


Apostila de Treinamento

7.12. Definição do Dispositivo________________________________

Figura 7-10: Exemplo de Definição do Dispositivo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-41


Fundamentos do iFIX

7.12. Definição do “Poll Record” ______________________________

A. Notas
• Usado para configurar os “poll records” de um dispositivo
• Um “poll record” é um conjunto de valores de dados que são lidos/escritos no
hardware do processo
- cada “poll record” é armazenado na Tabela Imagem do Driver (DIT)
• A DIT é uma tabela de dados armazenada na memória do PC e usada pelo driver I/O
para armazenar valores do processo
- estes valores podem ser lidos pelo programa (SAC- Scan, Alarm and Control)
- as aplicações também podem escrever dados nesta tabela, para que sejam
enviados para o hardware do processo

B. Campos do “Poll Record”


• “Poll Time”
- intervalo de tempo com que I/O Driver busca dados de um determinado “poll
record” no hardware do processo
- recomendada-se utilizar um “poll time” duas vezes mais rápido que o “scan
time” correspondente
• “Access Time”
- valor que especifica por quanto tempo o I/O Driver continua atualizando um
“poll record” quando não existe nenhuma atividade de leitura e escrita
naqueles registros
- a linha do “poll record” sai de varredura se dados não forem solicitadas dentro
deste tempo
• “Exception”
- a linha do “poll record” é atualizada quando ocorre mudança nos dados I/O
maior que a banda morta especificada
• “Dead Band”
- para blocos analógicos, se uma “palavra” no “poll record” variar mais que a
banda morta, o “poll record” inteiro será atualizado
- na base de dados, apenas o bloco que foi alterado é atualizado
• “I/O Address”
- cada tipo de dispositivo usa diferentes formatos de endereçamento
- empacota o máximo de “palavras” em cada linha para que o desempenho do
driver seja otimizado
- o número máximo de “palavras” por linha (“poll record”) depende do
dispositivo e do tipo de dados
• Exemplo:
- A Figura 7-12 representa informação do manual de endereçamento do “poll
record” do driver I/O da Allen Bradley (ABR) para o modelo PLC5

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-42


Apostila de Treinamento

7.12. Definição do “Poll Record ______________________________

Figura 7-11: Exemplo de Definição do “Poll Record”

Section File File Start Value DB Mngr


Name Type Number Word Length Bit Range Example
INTEGER N 0 to 9999 0 to 1 to 120 0 to -32767 to MIX1:N10:52
9999 15 +32767
DECIMAL D 0 to 9999 0 to 1 to 120 0 to 0 to 9999 MIX1:D10:52/7
9999 15
BINARY B 0 to 9999 0 to 1 to 120 0 to 0 - 65535 MIX1:B10:52/7
9999 15
STATUS N/A 0 to 9999 0 to 1 to 120 0 to non-numeric MIX1:S:52/7
9999 15
FLOAT F 0 to 9999 0 to 1 to 60 0 to -2.147483E9 MIX1:F10:52/7
9999 15 to
+2.147483E9
ASCII A 0 to 9999 0 to 1 to 120 N/A N/A MIX1:A10:52
9999

Figura 7-12: Endereçamento do “Poll Record” do Driver ABH para PLC5

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-43


Fundamentos do iFIX

7.13. Drivers Versão 7.x ________________________________________

A. Notas
• Possui um servidor e uma ferramenta de fácil uso chamada “power tool” para
configuração do driver
- O servidor faz a consulta do “poll record”, bem como carrega, manipula e
salva as configurações
- O “power tool” constitui simplesmente de uma interface gráfica que informa
ao servidor quando carregar, manipular, salvar, executar, etc.
• O driver 7.x somente pode trabalhar com uma configuração por vez
- quando o “power tool” carrega uma nova configuração, ele faz com que a
configuração do servidor seja substituída pela configuração recém carregada
- isto significa que os tags da base de dados podem se tornar inválidas.

B. Os drivers 7.x incorporam:


• Tecnologia de Automação OLE
- O driver 7.x pode expor suas características para ferramentas de programação
e outras aplicações
- objetos expostos no servidor I/O podem ser criados e manipulados a partir de
outra aplicação
• Integração com o iFIX
- Os drivers 7.x permitem adicionar automaticamente endereços na
configuração do driver enquanto estiver configurando a base de dados do
iFIX
- quando um bloco é adicionado na base de dados para acessar um ponto que
ainda não tenha sido configurado, o ponto é automaticamente adicionado e
“polled” por dados
• Arquitetura Baseada em Exceção
- Os drivers 7.x são baseados em evento ao invés de serem baseados em tempo,
reduzindo o tempo ocioso e aumentando o desempenho
• Compatível com OPC
- Os drivers 7.x também são compatíveis com o novo padrão OLE for Process
Control (OPC) v1.0a
- Qualquer aplicação cliente OPC pode acessar dados do hardware do processo
através do servidor I/O

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-44


Apostila de Treinamento

7.13. Drivers Versão 7.x _______________________________________

C. Arquitetura do Driver 7.x (ver Figura 7-13)


• 1. Servidor I/O
- o núcleo do driver I/O
- contém objetos e interfaces que realizam as seguintes tarefas:
◊ mantém a configuração do driver I/O
◊ lê e escreve dados do hardware do processo
◊ expõem a funcionalidade do driver para o OLE Automation
• 2. Objetos do Servidor
- “Driver”
◊ gerencia os canais e o estado geral do driver
- “Channel”
◊ contém as propriedades e os métodos que indicam o caminho para a
comunicação com o driver I/O
- “Device”
◊ contém as propriedades e os métodos que indicam o comportamento
de um dispositivo (ou estação de hardware) existente em um canal
- “Datablock”
◊ contém as propriedades e métodos que controlam o comportamento de
uma parte endereçável de um dispositivo
◊ Os blocos de dados na memória local do servidor correspondem às
áreas de dados na DLL “Common Memory”
◊ Quando se adicionam novos blocos de dados na memória do servidor
local, deve-se adicionar também novas áreas de dados à DLL
“Common Memory”
• 3. Interfaces OLE
- expõe os dados e as funcionalidades do servidor para outras aplicações
• 4. DLL de I/O
- fornece as funções para enviar e receber dados do software de comunicação
de hardware, se tal software for necessário

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-45


Fundamentos do iFIX

7.13. Drivers Versão 7.x ________________________________________

C. Arquitetura do Driver 7.x (continuação)


• 5. DLL “Common Memory”
- constrói áreas de memória comuns para o driver de comunicação, expõe suas
funcionalidades para o Servidor e para a DLL NIO, e armazena e mantém os
dados de processo
• 6. DLL NIO
- contém as bibliotecas de acesso (API-Application Program Interface) do
driver
• 7. DLL para Condicionamento de Sinal
- contém a API que escala os dados para as unidades de engenharia
especificada
• 8. Ferramenta “Power Tool” do Driver I/O
- funciona como um cliente para o servidor I/O com uma interface gráfica de
usuário para configurar e monitorar o driver
• 9. DLL do OPC Server
- Acessa os dados configurados através das Interfaces OLE e lê/escreve dados
através da DLL NIO
- a DLL do OPC Server é compatível com OLE for Process Control v1.0a ou
posterior
• 10. Aplicações FIX
- comunica com o driver através da DLL NIO
- lê e escreve dados em aplicações FIX de forma rápida e eficiente
• 11. Aplicações OPC Client
- comunica com o driver através da DLL do OPC Server
- aplicações OPC Client podem ter alta capacidade de leitura e escrita fornecida
pela DLL NIO
• 12. Objetos “Automation Controller” e Aplicações COM Client
- comunicam-se com o driver I/O através das interfaces OLE
- pode-se projetar aplicações com programação compatíveis com COM/OLE
tais como Visual Basic ou Visual C++.
• 13. Hardware do Processo
- qualquer tipo de dispositivo I/O que controla um processo
• 14. Software de Comunicação com o Hardware (se necessário)
- fornece comunicação com o hardware do processo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-46


Apostila de Treinamento

7.13. Drivers Versão 7.x _______________________________________

Figura 7-13: Arquitetura do Driver I/O Versão 7.x

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-47


Fundamentos do iFIX

7.13. Drivers Versão 7.x ________________________________________

D. Usando a Ferramenta “Power Tool”


• A ferramenta “Power Tool” é o utilitário principal para configuração e manutenção
de um driver 7.x
• Características da Ferramenta “Power Tool”:
- A opção “Templates” serve para a especificação dos padrões dos canais,
dispositivos e blocos de dados
- A opção “Setup” serve para a definição do nome e caminho padrão dos
arquivos de configuração
- A opção “OLE Server” serve para conexão com um servidor I/O remoto ou
local
- A “Tree Browser” fornece um resumo da configuração do seu sistema
- A tela “Statistics” mostra todas as estatísticas do driver I/O quando está sendo
executado
◊ as estatísticas são fornecidas para todos os níveis: driver, canal,
dispositivo e bloco de dado
- A tela “Configuration” mostra e modifica as propriedades de driver, canal,
dispositivo e bloco de dado
• Quando a “Power Tool” é iniciada, a caixa de diálogo “Server Connection” aparece
- esta caixa de diálogo permite escolher o servidor para a comunicação coma a
ferramenta “Power Tool”
- pode-se escolher tanto “Local Server” (computador local) como “Remote
Server” (outro computador da rede)
• Uma vez escolhido o servidor, a ferramenta “Power Tool” inicia a tentativa de
comunicação
- se conseguir a conexão, aparece uma mensagem dizendo que a conexão está
estabelecida
- aparece então a janela principal da “Power Tool”

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-48


Apostila de Treinamento

7.13. Drivers Versão 7.x _______________________________________

Figura 7-14: “Power Tool” – Nível de Configuração do Driver

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-49


Fundamentos do iFIX

7.13. Configuração do Canal _________________________________

A. Para adicionar um novo canal


• Selecione o botão “Add Channel” na barra de ferramentas de configuração
- o novo canal aparece na “Tree Browser” e os campos de configuração das
propriedades do canal aparecem na janela da direita
• Digite as propriedades do novo canal
• Selecione a caixa de opção “Enable” para habilitar a comunicação do novo canal.

B. Campos de Configuração do Canal


• “Enable”
- habilita o driver para consulta do canal
- se não selecionar esta opção, o driver não consulta o canal selecionado ou
qualquer um dos dispositivos ou blocos de dados do canal
• “Port Sharing”
- permite compartilhar o canal selecionado com um ou mais drivers adicionais
- pode ser útil quando estiver usando um rádio como modo de transmissão e
tiver disponível apenas um transmissor de rádio e/ou freqüência
- o compartilhamento da porta pode ser usado apenas para canais no modo
“master”
• “Mode”
- especifica o modo da operação
- o modo do canal selecionado deve ser diferente do modo do hardware do
processo
- por exemplo, se você configurar o hardware como “Slave”, configure o driver
como “Master”
- O modo “Master” é típico para operações mais normais
• “Protocol”
- usado para selecionar o formato que o driver usa para enviar e receber dados
- o formato selecionado para o canal deve ser o mesmo usado pelo hardware do
processo
- use o protocolo RTU sempre que possível
- o protocolo ASCII usa duas vezes mais caracteres, sendo portanto
inerentemente mais lento

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-50


Apostila de Treinamento

7.13. Configuração do Canal _________________________________

Figura 7-15: Exemplo de Configuração do Canal

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-51


Fundamentos do iFIX

7.13. Configuração do Dispositivo_____________________________

A. Notas
• Deve-se configurar cada dispositivo (device) de hardware dentro de um canal

B. Campos de Configuração do Dispositivo


• “Device Name”
- nome do dispositivo selecionado
- qualquer aplicação que busca dados do driver usa este nome para acessar
pontos na memória do dispositivo
- cada dispositivo com que o driver comunica deve ter um nome único
independente do canal do dispositivo
• “Primary Station”
- endereço da estação primária do dispositivo selecionado
• “Reply Timeout”
- quanto tempo o driver espera por uma resposta do dispositivo selecionado
- aceita o seguinte formato de tempo: dias:horas:minutos:segundos
• “Retries”
- quantas vezes o driver envia mensagens de falha para o dispositivo, antes de
considerar o bloco como falho e iniciar a contagem do tempo de atraso
(delay)
• “Delay Time”
- tempo de atraso que especifica por quanto tempo o driver espera após as
tentativas especificadas no campo “Retries” terem falhado
- aceita o seguinte formato de tempo: dias:horas:minutos:segundos

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-52


Apostila de Treinamento

7.13. Configuração do Dispositivo ____________________________

Figura 7-16: Exemplo de Configuração do Dispositivo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-53


Fundamentos do iFIX

7.13. Definição do Bloco de Dado _____________________________

A. Campos do Bloco de Dado


• “Block Name”
- o nome do bloco de dado selecionado que serve basicamente para referência
- cada bloco de dados deve ser único dentro de toda a configuração do driver
• “Primary Poll Rate”
- taxa com que o driver I/O inicia a busca dados
- aceita o formato de tempo: dias:horas:minutos:segundos até 6:23:59:59.
- não confunda esta taxa com o tempo de varredura (scan time) dos blocos da
base de dados
• “Secondary Poll Rate”
- taxa com que o driver consulta um bloco de dados após o tempo de acesso
(access time) expirar
- o driver mantém esta taxa de consulta até que ocorra nova requisição do dado
- a taxa secundária de consulta executa em conjunto com a taxa primária de
consulta
- configure a taxa secundária maior que a taxa primária para ajudar a minimizar
o processamento de CPU, o qual garante que o bloco seja sempre consultado
• “Phase”
- tempo de atraso para iniciar a consulta do bloco
- quando este tempo expira, o driver inicia a leitura do bloco com a taxa
primária ou secundária
- aceita o formato de tempo: dias:horas:minutos:segundos.
• “Access Time”
- por quanto tempo o driver I/O varre um bloco com sua taxa primária quando
o SCADA não estiver mais solicitando dados daquele bloco
- sempre que o SCADA solicitar dados de um bloco, o driver limpa o “access
time” daquele bloco
- se a taxa de consulta secundária estiver desabilitada, o processo de “polling”
daquele bloco é finalizado até que exista uma nova solicitação de dados
- certifique-se de tenha especificado um “access time” maior que o “scan time”
para o bloco correspondente na base de dados
- aceita o formato de tempo: dias:horas:minutos:segundos
- pode-se exigir que o driver I/O sempre varra um bloco sempre com a taxa
primária desabilitando este campo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-54


Apostila de Treinamento

7.13. Definição do Bloco de Dado_____________________________

Figura 7-17: Exemplo de Configuração do Datablock

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-55


Fundamentos do iFIX

7.14. Monitoramento dos Drivers I/O _____________________________

A. Mission Control
• O Mission Control pode ser usado para monitorar tanto os drivers 6.x como os 7.x
• Constitui uma interface para monitorar programas do iFIX
• Fornece uma janela dentro do sistema, ajudando diagnosticar problemas
• O Mission Control monitora as seguintes tarefas do iFIX:
- Controle I/O
- Coleta Histórica
- Tarefa SQL
- Processamento do SAC
- Gerenciador de Alarme Automático
- Sincronismo de Alarme
- Serviços ODBC de Alarme
• Iniciando e Parando os Drivers I/O Manualmente
1. Na guia “I/O Control” do “Mission Control”, selecione um nome de driver na
caixa de lista de drivers
2. Selecione o botão “Start”
Note que se o driver selecionado já estiver iniciado, o botão “Start” aparece
como um botão “Stop”
3. Para parar um driver I/O, selecione o driver desejado da lista e clique no
botão “Stop”

B. Aplicativo “Alarm History”


• Pode ser usados para monitorar tanto os driver 6.x como os 7.x
• Como os drivers enviam mensagens de evento para o aplicativo Alarm History, pode-
se usar este programa para monitorar a atividade do driver
• São gerados eventos quando o driver:
- Inicia e finaliza
- Conecta e desconecta
- Altera os canais e dispositivos
- Falha a comunicação e quando retorna

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-56


Apostila de Treinamento

7.14. Monitoramento dos Drivers I/O_____________________________

Figura 7-18: Mission Control (guia I/O Control)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-57


Fundamentos do iFIX

7.14. Monitoramento dos Drivers I/O _____________________________

C. “Power Tool”
• A ferramenta “Power Tool” pode ser usada para monitorar somente os drivers 7.x
• “Statistics View” (ver Figura 7-20)
- estatísticas de comunicação para cada bloco de dado, dispositivo, canal e do
driver inteiro
- mostrar estas estatísticas é útil para descobrir qual parte do driver não está
funcionando
• A Mensagem de Log no programa “I/O Server” (ver Figura 7-19)
- A mensagem de log no programa I/O Server traz as seguintes informações
◊ data e hora que o arquivo de configuração é carregado
◊ qual arquivo de configuração é carregado
◊ data e hora que outros aplicativos se comunicam com o servidor
◊ CSV import errors
- Para visualizar o programa “I/O Server”
◊ Abra a ferramenta “Power Tool”
◊ Selecione um item do “Tree Browser”
◊ Pressione <Alt>-<Shift>-<S>

Figura 7-19: Programa “I/O Server”

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-58


Apostila de Treinamento

7.14. Monitoramento dos Drivers I/O_____________________________

Figura 7-20: “Statistics View” da Ferramenta “Power Tool”

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-59


Fundamentos do iFIX

7.15. Questões de Revisão _____________________________________

1. Quais são as diferenças entre um driver versão 6.x e um driver versão 7.x?

2. Qual é a diferença entre um driver COM e um driver RES? Que outras opções de driver
existem?

3. Explique o que acontece quando a comunicação entre o driver e o hardware do processo é


cortada.

4. Explique como funciona o “Access Time” de um driver.

5. Para que serve a ferramenta “Power Tool”?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 7-60


Apostila de Treinamento

8. Tags Digitais da Base de Dados ______________________________

Capítulo 8

Tags Digitais da Base de Dados

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-1


Fundamentos do iFIX

8. Tags Digitais da Base de Dados _____________________________

Objetivos do Capítulo

A base de dados do processo é um dos aplicativos mais importantes do sistema iFIX. Através dela
passam todos os dados enviados ou recebidos pelo hardware do processo.

A base de dados é constituída por estruturas chamadas tags ou tags. Este capítulo do curso faz uma
introdução aos tags da base de dados, descrevendo um dos tags mais usados, os tags digitais. Estes
tags podem ser um tag de entrada (DI - Digital Input) ou um tag de saída (DO - Digital Output).

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Tipos de Tags da Base de Dados


• Tag de Entrada Digital
• Tag de Saída Digital

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-2


Apostila de Treinamento

8.1. Tags da Base de Dados___________________________________

A. Introdução
• Os blocos (ou tags) são unidades individuais de instrução que podem receber,
verificar, manipular e enviar valores de processo.
• Existem dois tipos de tags:
- Tags Primários
- Tags Secundários
• Podem ser agrupados em uma cadeia para realizarem funções adicionais.

B. Tags Primários
• A maioria recebe dados da Tabela de Imagem do Driver
• A maioria possui tempo de varredura (scan time)
• Normalmente são associadas com um I/O do hardware

C. Tags Secundários
• A maioria envia ou recebe dados de um tag anterior de uma cadeia de tags
• Realizam uma função específica com a entrada
• Podem realizar cálculos ou armazenar as entradas
• NÃO podem ser o primeiro tag de uma cadeia

D. Exemplo:
• A Figura 8-1 mostra um exemplo de uma cadeia da base de dados do processo

EntradaFluxo Tot_Fluxo Tend_Fluxo

Ent. Analógica Cálculo Tendência

Figura 8-1: Exemplo de Cadeia da Base de Dados do Processo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-3


Fundamentos do iFIX

8.2. Tag de Entrada Digital ____________________________________

A. Introdução
• DI = Digital Input
• Usado para ler dados digitais do hardware como válvulas, motores, bombas, etc, ou
qualquer valor do processo que possua dois estados (aberto/fechado,
ligado/desligado, etc).

B. Nome do Tag
• O campo Tagname corresponde ao nome do tag, que deve ser exclusivo na base de
dados.
• O nome do tag pode conter até 30 caracteres e deve conter pelo menos um caractere
não numérico.
- Obs: o nome pode iniciar com um número.
• Caracteres válidos:
- (traço) / (barra)
_ (sub-traço) \ (contra-barra)
! (exclamação) | (barra vertical)
# (sustenido) [ (abertura de colchete)
% (porcentagem) ] (fechamento de colchete)
$ (dólar)
• Não é permitido espaço entre os caracteres.

C. Descrição do tag
• O campo Description é opcional e pode conter até 40 caracteres.
• Esta descrição é mostrada no sumário de alarmes, gráficos, datalinks, etc.

D. Encadeamento de Tags
• Os campos Previous e Next definem o nome do tag anterior e posterior na cadeia de
tags.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-4


Apostila de Treinamento

8.2. Tag de Entrada Digital ____________________________________

Figura 8-2: Tag de Entrada Digital (guia Basic)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-5


Fundamentos do iFIX

8.2. Tag de Entrada Digital ____________________________________

F. Endereçamento do Tag
• Selecione o driver de comunicação que está sendo utilizado para o tag no campo
Driver.
- Obs: a Intellution possui uma lista com mais de 300 drivers disponíveis.
• Especifique o endereço configurado no driver referente ao tag no campo I/O Address.
• O manual eletrônico de cada driver oferece detalhes de configuração deste campo.
• A Figura 8-3 mostra exemplos de endereçamento para alguns drivers.
• Obs: não atribua o mesmo endereço para tags com processamento por tempo e por
exceção.

H. Hardware Option
• Este campo de configuração é normalmente deixado em branco, e serve para
especificar um informação adicional para alguns drivers.
• Consulte o manual eletrônico do driver para saber se esta configuração é necessária.

I. Atualização do Valor do Tag


• O campo Scan Time especifica a freqüência com que o SAC varre e processa o tag.
• Existem três formas de configurar o tempo de varredura:
- Scan time baseado em tempo
◊ O tag é processado em intervalo fixo de tempo.
◊ A Figura 8-4 mostra as opções desta configuração.
- Scan time baseado em exceção
◊ O tag somente é atualizado quando sua variação for maior que a banda
morta especificada em seu poll record do driver.
- Scan time com apenas uma leitura (one-shot)
◊ O SAC processa o tag apenas quando é iniciado ou recarregado.
◊ Para configurar o scan time para apenas uma leitura, digite zero (0)
neste campo.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-6


Apostila de Treinamento

8.2. Tag de Entrada Digital ____________________________________

Tipo de Driver Endereços para Endereços para


Entradas/Saídas Entradas/Saídas
Digitais Analógicas
Entrada Genérica Dispositivo:Endereço Dispositivo:Endereço
Allen Bradley Dev1:I:52/7 Dev2:N7:52
GE Dev1:I:1 Dev2:R:1
Modicon Dev1:10001 Dev2:30001
Opto 22 Dev1:0 Dev2:1
Siemens Dev1:17:0 Dev2:13
Texas Instruments Dev1:X1 Dev2:V1

Figura 8-3: Exemplos de Endereçamento de Drivers

Incremento Faixa
Milisegundos 0.05 - 0.95
Segundos 1 - 59
Minutos 1M - 59M
Horas 1H - 24H

Figura 8-4: Opções de Scan Time Baseado em Tempo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-7


Fundamentos do iFIX

8.2. Tag de Entrada Digital ____________________________________

J. Legenda do Tag
• O campo Labels permite configurar legendas com até 16 caracteres.
- Se o field de um datalink na tela for F_CV, então são mostrados valores
numéricos 0 ou 1.
- Se o field de um datalink na tela for A_CV, então são mostradas as legendas
configuradas neste campo.
• Legendas padrões: Open para valor 0 e Close para valor 1.

K. Alarmes
• O processamento de alarme e mensagem do tag é habilitado na opção Enable Alarm.
• Permite que datalinks mostrem as condições de alarme na tela e que outros tags
detectem um alarme deste tag.
• Quando o alarme estiver desabilitado para um dos tags da cadeia, a cadeia inteira
pode ser afetada.

L. Mensagens
• O processamento de alarme e mensagem do tag é habilitado na opção Enable Event
Messaging.
• Mensagens de evento não necessitam de reconhecimento, e gera uma mensagem toda
vez que entra em estado de alarme.
• Deve-se habilitar as opções Enable Alarming e Enable Event Message.
• As mensagens de evento são enviadas para os mesmos serviços de alarme
configurados no SCU, somente não aparecendo no sumário de alarmes.

M. Tipo de Alarme
• O alarme do tipo Open gera um alarme quando o valor do tag for zero (0), enquanto
que o tipo Close gera um alarme quando seu valor for um (1).
• O alarme do tipo Change of State gera um alarme a cada transição de estado do tag.
Este alarme existe para um período de scan e deve ser especificado somente para tags
DI baseados em tempo.

N. Prioridade do Alarme
• A prioridade do alarme é usada para filtrar os alarmes enviados para os serviços de
alarme (veremos melhor este assunto em capítulos seguintes).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-8


Apostila de Treinamento

8.2. Tag de Entrada Digital ____________________________________

Figura 8-5: Tag de Entrada Digital (guia Alarms)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-9


Fundamentos do iFIX

8.2. Tag de Entrada Digital ____________________________________

O. Alarm Extension Fields


• São campos que podem ser usados para descrições adicionais definidas pelo usuário e
suportam até 80 caracteres cada um.

P. Áreas de Segurança dos Tags


• As áreas de segurança protegem os tags de escrita. O usuário deve ter acesso a uma
das áreas de segurança para alterar o valor do tag protegido.
• Cada tag pode ter definido até três áreas de segurança.

Q. Enable Output
• Esta opção habilita a escrita de valores em tags tipicamente de entrada (veremos
melhor este assunto em capítulos seguintes).

R. Modo de Inicialização do Tag (Startup)


• Define o modo de inicialização do tag quando a base de dados é carregada ou quando
o tag é colocado em on scan.
ü Modo Automárico: recebe dados da DIT.
ü Modo Manual: aceita dados de teclado, de outro tag, receitas e programas.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-10


Apostila de Treinamento

8.2. Tag de Entrada Digital ____________________________________

Figura 8-6: Tag de Entrada Digital (guia Advanced)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-11


Fundamentos do iFIX

8.3. Tag de Saída Digital ______________________________________

A. Introdução
• DO = Digital Output
• Usado para enviar dados digitais da base de dados para um endereço da DIT para
qualquer valor de processo que tenha dois estados (aberto/fechado, ligado/desligado,
etc).
• O valor é enviado cada vez que o SAC processa o tag.
• Se for um tag stand alone (fora de uma cadeia de tags), o valor é enviado somente
quando o tag sofre alguma alteração.

B. Invert Output
• Inverte o valor atual antes de enviá-lo para a DIT.

C. Initial Value
• Este campo corresponde ao valor inicial do tag que é enviado para a DIT quando o
SAC é iniciado ou quando a base de dados do processo é recarregada.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-12


Apostila de Treinamento

8.3. Tag de Saída Digital ______________________________________

Figura 8-7: Tag de Saída Digital (guia Basic)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-13


Fundamentos do iFIX

8.4. Exercício 8 ______________________________________________

Tags Digitais

Exercício 8

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-14


Apostila de Treinamento

Exercício 8 __________________________________________________

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para:

1. Adicionar um tag de entrada digital na base de dados do processo.


2. Adicionar um tag de saída digital na base de dados do processo.
3. Adicionar datalinks na tela.
4. Criar animações básicas usando tag digitais.

Informações sobre o exercício:

Neste exercício, iremos continuar com o desenvolvimento da aplicação de produção de cerveja


criando uma tela para monitorar o processo de filtragem através de um filtro chamado
Whirlpool. O filtro é usado para remover o lúpulo fervido do mosto que vem do tanque de
cozimento de mosto (Brew Kettle). O mosto com o lúpulo são centrifugados no filtro, fazendo
com que o lúpulo e outros sólidos remanescentes sejam separados do mosto.

Antes de criar uma tela, iremos criar tags digitais para monitorar e controlar as válvulas e o
motor do filtro. Então, iremos usar dynamos para criar os objetos gráficos. No final, sua tela
deverá se parecer com:

Quando terminar este exercício, vá para a próxima seção e responda as questões.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-15


Fundamentos do iFIX

Exercício 8 ___________________________________________________

A. Cria uma nova tela.


Faz uma nova tela e adiciona tags na base de dados.
1. A partir do menu File, selecione New –Picture.
Uma nova tela sem título aparece.
2. A partir da barra de ferramentas do WorkSpace, selecione o botão Add Database Block.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

3. Digite o seguinte nome no campo Database Block:


FILTER_SWITCH
4. Selecione Add
A caixa de diálogo para selecionar o tipo de tag aparece.
5. Selecione DI – Digital Input a partir da lista de tags disponíveis e então OK.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-16


Apostila de Treinamento

Exercício 8 __________________________________________________

A. Cria uma nova tela (continuação).

6. Configure as seguintes opções com os valores mostrados à direita:


Description: Válvula de Drenagem do Whirlpool
I/O Address: 80:0
7. Selecione a guia Advanced da caixa de diálogo.
8. Selecione a opção Enable Output.
9. Selecione Add quando terminar.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

10. Selecione Yes para colocar o novo tag para varredura (on scan).
Você estará de volta para a nova tela vazia.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-17


Fundamentos do iFIX

Exercício 8 ___________________________________________________

B. Adiciona tags adicionais.


Cria mais tags digitais.
1. Usando o mesmo procedimento descrito nas páginas anteriores, adicione um novo tag na
base de dados. Configure as opções a seguir com os valores listados a direita:
Tag Type: Digital Input
Tag Name: FILTER_STAT
Description: Status do Filtro Whirlpool
I/O Address: 80:1
Open Label: Parado
Close Label: Rodando
Enable Output: Desabilitado
Nota: Este tag será usado para monitorar o estado do filtro. Ou seja, ele irá
determinar se o Whirlpool está ou não ativado no momento.
2. Adicione um outro tag na base de dados e configure as opções a seguir com os valores
listado a direita:
Tag Type: Digital Output
Tag Name: FILTER_CONTROL
Description: Controle do Filtro Whirlpool
I/O Address: 80:1
Initial Value: 0
Open Label: Desligar
Close Label: Ligar
Obs.: Este tag será usado para controlar o filtro.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-18


Apostila de Treinamento

Exercício 8 __________________________________________________

C. Adiciona dynamos.
Cria objetos gráficos para representar o filtro.
1. A partir da árvore do sistema, clique duas vezes na pasta Dynamo Sets.
A lista de conjuntos de dynamos disponíveis aparece.
2. Clique duas vezes no conjunto Tanks.
A lista de tanques fica disponível e o conjunto de dynamos aparece no WorkSpace.
3. Arraste o seguinte dynamo para a tela sem título:
TankWDoorB1
Uma caixa de diálogo para mudar a cor do tanque aparece.
4. Deixe a cor sugerida e selecione OK.
5. Feche o conjunto de dynamos.
A tela deve-se parecer agora com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-19


Fundamentos do iFIX

Exercício 8 ___________________________________________________

C. Adiciona dynamos (continuação).

6. Usando conjuntos adicionais de dynamos, adicione outros objetos na tela. Use a figura
abaixo como referência.
7. Adicione objetos texto na tela.
Quando terminar, sua tela deverá se parecer com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-20


Apostila de Treinamento

Exercício 8 __________________________________________________

D. Adiciona dynamo de válvula.

1. Clique duas vezes no conjunto de dynamos ValvesAnim.


A lista de válvulas disponíveis e o conjunto de dynamos aparecem no WorkSpace.
2. Arraste o seguinte dynamo à tela sem título:
ValveHorizontalControlAnimB1
A seguinte caixa de diálogo aparece:

3. Configure as seguintes opções com os valores listados a direita:


Tagname: FILTER_SWITCH
Normally Open Valve: Habilitado
Open Position Color: Verde
Close Position Color: Vermelho
4. Quando terminado, selecione OK.
5. Feche o conjunto de dynamos.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-21


Fundamentos do iFIX

Exercício 8 ___________________________________________________

E. Adiciona links de dados.


Adiciona links de dados para monitorar e controlar o estado do filtro.

1. Adicione três links de dados na tela. Use a figura e a tabela abaixo como referência.

Link 1

Link 2

Link 3

Link Data Source Data Entry


Link 1 FILTER_SWITCH.A_CV In Place
Link 2 FILTER_STAT.A_CV None
Link 3 FILTER_CONTROL.A_CV In Place

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-22


Apostila de Treinamento

Exercício 8 __________________________________________________

F. Salva e executa.

1. A partir do menu File, selecione Save.


A caixa de diálogo para salvar o documento aparece.
2. Entre com o seguinte nome no campo File Name:
Filter
3. Selecione Save para salvar a tela.
4. A partir do menu WorkSpace, selecione Switch to Run.
A tela abre no modo de execução.
5. Aparece sinais de interrogação (????) na tela indicando valores desconhecidos. Por quê?

6. Altere os valores dos datalinks e observe o comportamento da tela.

Fim do Exercício

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-23


Fundamentos do iFIX

8.5. Questões de Revisão _____________________________________

1. Qual é a diferença entre um tag primário e um tag secundário?

2. Quais são os três tipos de varredura (scan time) de um tag?

3. Qual é a diferença entre um alarme e uma mensagem?

4. Para que serve a campo Labels em um tag digital?

5. Para que serve o campo Initial Value em um tag de saída digital?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 8-24


Apostila de Treinamento

9. Blocos Analógicos da Base de Dados _________________________

Capítulo 9

Blocos Analógicos da Base de Dados

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-1


Fundamentos do iFIX

9. Blocos Analógicos da Base de Dados ________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo continua a introdução de tags da base de dados do iFIX. Serão apresentados os tags
analógicos, tanto o tag de entrada analógica (AI – Analog Input), tag de alarme analógico (AA –
Analog Alarm), como o tag de saída analógica (AO – Analog Output).

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Revisão das Características dos Tags


• Tag de Entrada Analógica
• Tag de Alarme Analógico
• Tag de Saída Analógica

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-2


Apostila de Treinamento

9.1. Características dos Blocos ________________________________

A. Tipos de Blocos
• Blocos Primários
• Blocos Secundários

B. Nome do Bloco

C. Descrição

D. Bloco Anterior e Posterior

E. Endereçamento
• Driver I/O
• Endereço

F. Tipo de Processamento (Varredura)


• Baseado em tempo
• Baseado em exceção
• “One Shot” (apenas um disparo)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-3


Fundamentos do iFIX

9.2. Bloco de Entrada Analógica _______________________________

A. Notas:
• AI - Analog Input
• Usado para ler valores numéricos do processo e armazená-los na base de dados
- temperaturas, pressões, velocidade, etc.
- normalmente, estes valores se encontram dentro de uma faixa definida por um
limite superior e inferior

B. Campo “Engineering Units”


• Campo “Low Limit”
- define o menor valor que este bloco poderá mostrar
- o número de dígitos decimais define os dígitos significativos
• Campo “High Limit”
- define o maior valor que este bloco poderá mostrar
- o número de dígitos decimais define os dígitos significativos
• Campo “Units”
- campo definido pelo usuário que estabelece as unidades de engenharia
- pode ter até 32 caracteres

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-4


Apostila de Treinamento

9.2. Bloco de Entrada Analógica _______________________________

Figura 9-1: Bloco de Entrada Analógica (guia Basic)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-5


Fundamentos do iFIX

9.2. Bloco de Entrada Analógica _______________________________

C. Campo “Signal Conditioning”


• Indica ao driver como condicionar os dados do dispositivo
• Calibra o sinal entre o dispositivo de controle e o iFIX
• O hardware do processo deve ter condicionamento de sinal específico para aquele
dispositivo
• Ver Figura 9-4 para exemplos de opções de condicionamento de sinal

Campo Faixa do Sensor Valor do CLP PDB


EGU Inferior 4 mA 0 -150
EGU Superior 20 mA 32767 700
Condicionamento de Sinal 15AL
Exemplo 12 mA 16383 275

Figura 9-2: Com Escala na PDB

Campo Faixa do Sensor Valor do CLP PDB


EGU Inferior 4 mA -150 -150
EGU Superior 20 mA 700 700
Condicionamento de Sinal NONE
Exemplo 12 mA 275 275

Figura 9-3: Sem Escala na PDB

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-6


Apostila de Treinamento

9.2. Bloco de Entrada Analógica _______________________________

Se o dado (Data Type) for: O “Signal Conditioning” deve ser:


UNSIGNED Qualquer opção da tabela abaixo.
SIGNED NONE ou LIN
FLOAT, LONG, DIGITAL Vazio (qualquer entrada será ignorada).
ou ASCII

Opção Escala Notas

8AL 0 - 255 Ajusta o sinal do hardware com a faixa EGU


no bloco na base de dados. Verifica alarmes.
12AL 0 - 4095 Ajusta o sinal do hardware com a faixa EGU
no bloco na base de dados. Verifica alarmes.
15AL 0 - 32767 Ajusta o sinal do hardware com a faixa EGU
no bloco na base de dados. Verifica alarmes.
3BCD 0 - 999 Ajusta o sinal do hardware com a faixa EGU
no bloco na base de dados. Verifica alarmes.
Ignora os 4 primeiro bits.
4BCD 0 - 9999 Ajusta o sinal do hardware com a faixa EGU
no bloco na base de dados. Verifica alarmes.
8BN 0 - 255 Ajusta o sinal do hardware com a faixa EGU
no bloco na base de dados. Não Verifica
alarmes.
12BN 0 - 4095 Ajusta o sinal do hardware com a faixa EGU
no bloco na base de dados. Não verifica
alarmes.
15BN 0 - 32767 Ajusta o sinal do hardware com a faixa EGU
no bloco na base de dados. Não verifica
alarmes.
LIN 0 - 65535 Ajusta o sinal do hardware com a faixa EGU
(unsigned) no bloco na base de dados.
LIN -32768 to 32767 Ajusta o sinal do hardware com a faixa EGU
(signed) no bloco na base de dados.
NONE sem escala Ignora a faixa EGU no bloco da base de dados.
Não verifica alarmes.

Figura 9-4: Seleções de Condicionamento de Sinal

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-7


Fundamentos do iFIX

9.2. Bloco de Entrada Analógica _______________________________

D. Campo “Alarm Limits”


• Alarmes LO e LOLO
- valores abaixo destes limites geram um alarme
• Alarmes HIHI e HI
- valores acima destes limites geram um alarme
• Alarme “ROC - Rate Of Change”
- variação máxima possível da faixa EGU entre uma varredura e outra

E. Campo “Dead Band”


• Valor de banda morta que impede que mais de um alarme seja gerado quando o valor
fica variando dentro desta faixa
• Esta banda morta serve para todos os alarmes do bloco

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-8


Apostila de Treinamento

9.2. Bloco de Entrada Analógica _______________________________

Figura 9-5: Bloco de Entrada Analógica (guia Alarm)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-9


Fundamentos do iFIX

9.2. Bloco de Entrada Analógica _______________________________

F. Campo “Smoothing”
• Filtro digital de primeira ordem que reduz o ruído dos sinais de entrada
• Usado para reduzir a variação de um sinal
• Calcula a saída do bloco através da soma de uma parcela do valor anterior e uma
parcela do novo valor de entrada do dispositivo
- a nova saída é então enviada para o próximo bloco da cadeia
• Valores válidos para este campo vão 0 a 15
• O algoritmo deste filtro é baseado na seguinte equação:
x 16 − x
Saída = (Valor Anterior) + (Valor Atual)
16 16

em que:
◊ x = fator de suavização (smoothing), definido no bloco

G. Campo “Enable Output”


• Habilita este bloco para escrever valores de volta para a DIT
• Isto pode ser usado para gerar alarmes e enviar valores de set point

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-10


Apostila de Treinamento

9.2. Bloco de Entrada Analógica _______________________________

Figura 9-6: Bloco de Entrada Analógica (guia Advanced)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-11


Fundamentos do iFIX

9.3. Bloco de Alarme Analógico ________________________________

A. Notas:
• AA - Analog Alarm
• Usado para ler valores numéricos do processo e envia-los para a base de dados
• O bloco AA tem capacidade de alarme maior que o bloco AI
- fora o alarme, ele possui as mesmas características que o AI

B. Campo “Remote Ack”


• Define um bloco e campo (tag.field) a ser usado para reconhecimento remoto
• O alarme é reconhecido quando o valor deste bloco remoto variar de zero para um
valor maior que zero

C. Campo “Alarm Supression”


• Define um bloco e campo (tag.field) a ser usado para controlar o processamento de
alarme
- quando o valor deste bloco for zero, o alarme é processado
- quando o valor deste bloco for maior que zero, o processamento de alarme é
suspenso
• Enquanto estiver suspenso, o contato associado com cada tipo de alarme é aberto

D. Campo “DEV”
• Alarme baseado em um desvio do valor

E. Campo “Contact”
• Nome de um bloco digital que transita para o estado 1 quando o bloco AA estiver em
estado de alarme

F. Campo “Out Mode”


• Define quando o bloco de contato irá retornar para o estado zero
• Ver Figura 9-8 mostra as opções de ação deste campo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-12


Apostila de Treinamento

9.3. Bloco de Alarme Analógico _______________________________

Figura 9-7: Bloco de Alarme Analógico (guia Alarm)

Out Mode Ação Tomada


Acknowledge Abre o bloco digital quando o operador reconhece o
alarme.
Return Abre o bloco digital quando o alarme é apagado.
All Clear Abre o bloco digital quando o alarme é reconhecido e
apagado.
Never Não abre o bloco digital.

Figura 9-8: Ações do Campo “Out Mode”

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-13


Fundamentos do iFIX

9.4. Bloco de Saída Analógica _________________________________

A. Notas:
• AO - Analog Output
• Usada para escrever valores numéricos de set points a partir da base de dados
• O valor é enviado:
- toda vez que recebe um valor de outro bloco
- toda vez que um operador entra com um novo valor
- na inicialização, baseando-se no valor do campo “Initial Value”

B. Campo “Initial Value”


• Valor enviado para o I/O na inicialização ou quando a base de dados é carregada
• Deve estar dentro do limite do operador e da faixa EGU

C. Campo “Invert Output”


• Inverte o valor de saída do bloco

D. Campo “Low Operator Limits”e High Operator Limits”


• Estabelece a faixa de valores que o bloco aceita de uma entrada de operador (a aprtir
do teclado) ou de programas em VBA
• Se o valor digitado estiver acima ou abaixo deste limite, ele será automaticamente
ajustado para o limite configurado

E. Campo “Rate Limit”


• Mudança máxima da faixa EGU permitida entre uma varredura e outra
• Este limite é aplicável se o bloco fizer parte de uma cadeia ou se estiver isolado

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-14


Apostila de Treinamento

9.4. Bloco de Saída Analógica _________________________________

Figura 9-9: Bloco de Saída Analógica (guia Basic)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-15


Fundamentos do iFIX

9.5. ______________________________________________ Exercício 9

Blocos Analógicos

Exercício 9

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-16


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 9

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para:

1. Adicionar um bloco de entrada analógica na base de dados do processo


2. Adicionar um bloco de saída analógica na base de dados do processo
3. Adicionar links de dados na tela
4. Criar animações básicas usando blocos analógicos

Informações sobre o exercício:

Neste exercício, iremos continuar com o desenvolvimento da aplicação de produção de cerveja


criando uma tela para monitorar o tanque de fermentação. Neste tanque, levedura é adicionada
para consumir os açúcares e produzir álcool e dióxido de carbono. A mistura permanece no
tanque de 5 a 20 dias, com temperatura aproximadamente de 41°F a 50°F (5°C a 10°C). É
durante este processo que o mosto é convertido em cerveja.

Antes de criar os objetos, iremos criar blocos analógicos para monitorar e controlar a
temperatura e o nível do tanque de fermentação. Iremos usar dínamos para criar objetos
gráficos. Quando terminar, sua tela deverá se parecer com:

Quando terminar este exercício, vá para a próxima seção e responda as questões.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-17


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 9

A. Cria uma nova tela.


Faz uma nova tela e começa a adicionar blocos na base de dados.
1. A partir do menu File, selecione New –Picture.
Uma nova tela sem título aparece.
2. A partir da barra de ferramentas do WorkSpace, selecione o botão Add Database Block.
A caixa de diálogo de adição de um bloco aparece.
3. Digite o seguinte nome no campo Database Block:
FERM_TEMP
4. Selecione Add
A caixa de diálogo para seleção do tipo do bloco aparece.
5. Selecione AI – Analog Input da lista de tipos disponíveis de blocos e selecione OK.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-18


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 9

A. Cria uma nova tela (continuação).

6. Configure as seguintes opções com os valores mostrados à direita:


Description: Fermentation Tank Temperature
I/O Address: 90
Low Limit: -150.00
High Limit: 700.00
Units: Degrees
7. Selecione a guia Advanced da caixa de diálogo.
8. Selecione a caixa de opção Enable Output.
9. Selecione Add quando terminar.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

10. Selecione Yes para colocar o novo bloco em varredura.


Você irá retornar para a nova tela vazia.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-19


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 9

B. Adiciona novos blocos.


Cria mais blocos na base de dados.
1. Usando o mesmo procedimento descrito nas páginas anteriores, adicione um novo bloco
na base de dados. Configure as seguintes opções com os valores listados a direita:
Tag Type: Analog Input
Tag Name: FERM_LEVEL
Description: Fermentation Tank Level
I/O Address: 91
Low Limit: 0.00
High Limit: 1000.00
Units: Gallons
Low Low Alarm: 50.00
Low Alarm: 150.00
High Alarm: 800.00
High High Alarm: 900.00
Dead Band: 10.00
Nota: Este tag será usada para monitorar o nível do tanque de fermentação.
2. Adicione um novo bloco na base de dados e configure as seguintes opções com os
valores listados a direita:
Tag Type: Analog Output
Tag Name: FERM_LEVEL_SP
Description: Fermentation Tank Setpoint
I/O Address: 91
Low Limit: 0.00
High Limit: 1000.00
Units: Gallons
Operator Low Limit: 200.00
Operator High Limit: 800.00
Rate Limit: 200.00
Nota: Este tag será usada para controlar o nível do tanque de fermentação.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-20


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 9

C. Adiciona Dínamos.
Cria objetos para representar o tanque de fermentação.
1. A partir da árvore do sistema, clique duas vezes na pasta Dynamo Sets.
A lista de conjunto de dínamos aparece.
2. Dê um duplo clique no conjunto TanksAnim2.
A lista de tanques fica disponível e o conjunto de dínamos aparece na área de trabalho.
3. Arraste o seguinte dínamo à tela sem título:
TankBatchC1
A seguinte caixa de diálogo aparece:

4. Entre com o seguinte nome no campo Tagname:


FERM_LEVEL
5. Selecione a caixa Fetch Limits from Data Source e selecione então OK.
6. Feche o conjunto de dínamos de tanques.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-21


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 9

C. Adiciona Dínamos (continuação).

7. Usando outros conjuntos de dínamos, adicione novos objetos na tela. Use a figura
abaixo como referência.
8. Adicione objetos texto na tela.
Quando terminar, sua tela deverá se parecer com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-22


Apostila de Treinamento

___________________________________________________Exercício 9

D. Adiciona Links de Dados.


Adiciona links de dados para monitorar e controlar o estado do filtro.

1. Adicione três links de dados na tela. Use a figura e a tabela abaixo como guia.

Link 1

Link 2

Link 3

Link Data Source Data Entry


Link 1 FERM_LEVEL.F_CV None
Link 2 FERM_LEVEL_SP.F_CV In Place
Link 3 FERM_TEMP.F_CV In Place

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-23


Fundamentos do iFIX

__________________________________________________ Exercício 9

E. Salva e Executa.

1. A partir do menu File, selecione Save.


A caixa de diálogo para salvar o documento aparece.
2. Entre com o seguinte nome no campo File Name:
FermTank
3. Selecione o botão Save para salvar a tela.
4. A partir do menu WorkSpace, selecione Switch to Run.
A tela abre no modo de execução.
5. Aparece uma mensagem dizendo que um dos valores não é conhecido. Por quê?

6. Altere os valores dos links de dados para ver o comportamento da tela.

Fim do Exercício

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-24


Apostila de Treinamento

9.6. Questões de Revisão_____________________________________

1. Qual é a diferença entre um bloco AI e um bloco AA?

2. O que é o condicionamento de sinal?

3. Para que serve a banda morta de alarme?

4. Para que serve o contato em um bloco AA?

5. Para que serve os limites de operador em um bloco AO?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-25


Fundamentos do iFIX

9.6 Questões de Revisão _____________________________________

página em branco

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 9-26


Apostila de Treinamento

10. Blocos Secundários da Base de Dados _____________________

Capítulo 10

Blocos Secundários da Base de Dados

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-1


Fundamentos do iFIX

10. Blocos Secundários da Base de Dados _______________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo continua a introdução de tags da base de dados do iFIX. Será visto um novo tipo de
tag, o tag secundário.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Tags de Cálculo
• Tag de Tendência (Extended Trend)
• Tag de Evento

Este capítulo também inclui informações de como utilizar um gráfico na tela. O gráfico é
normalmente usado com o tag “Extended Trend” (ETR).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-2


Apostila de Treinamento

10.1. Revisão da Base de Dados ________________________________

A. Tipos de Blocos
• Blocos Primários
• Blocos Secundários

B. Nome do Bloco

C. Descrição

D. Bloco Anterior e Posterior

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-3


Fundamentos do iFIX

10.2. Bloco de Cálculo _________________________________________

A. Notas:
• CA - Calculation
• Realiza cálculos matemáticos simples
• A precisão dos cálculos é de seis dígitos
- arredondamento ocorre na sétima casa decimal

B. Campo “Inputs”
• Especifica as entradas a serem usadas no campo “Output Calculation”
• A entrada A é o valor do bloco anterior da cadeia
- Entrada A não precisa ser usada necessariamente no campo de cálculo
• Entradas podem ser constantes ou nome de outros blocos

C. Campo “Output Calculation”


• Equação que pode ter até oito termos
• Utiliza as letras de A – H, as quais correspondem aos campos de entrada
• Constantes não podem ser usadas no campo “Output Calculation”
- liste as constantes em um dos oito campos de entrada

D. Campo “Next”
• O resultado do cálculo é passado para o bloco especificado neste campo

E. Campo “Enable Alarming”


• Se habilitar esta opção, um alarme é gerado se o resultado do cálculo se encontrar
fora da faixa EGU definida no bloco

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-4


Apostila de Treinamento

10.2. Bloco de Cálculo _______________________________________

Figura 10-1: Bloco de Cálculo (guia Basic)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-5


Fundamentos do iFIX

10.2. Bloco de Cálculo ________________________________________

Sintaxe Operação Prioridade

( ) Parênteses 1
ABS Valor absoluto 2
SQRT Raiz quadrada 2
EXP Exponencial 2
LOG Logaritmo natural 2
LOG10 Logaritmo na base 10 2
INT Trunca para inteiro 2
- Inversão de Sinal 2
(exemplo, -A)
^ Exponencial 3
* Multiplicação 4
/ Divisão 4
+ Adição 5
- Subtração 5
(exemplo, A-B)
< Menor que 6
> Maior que 6

Figura 10-2: Equações do Bloco de Cálculo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-6


Apostila de Treinamento

10.3. Bloco de Evento _________________________________________

A. Notas:
• Bloco que verifica o valor ou a condição de alarme do bloco anterior
• Usat a lógica IF-THEN-ELSE
• Baseando-se no resultado da condição, ele pode:
- abrir ou fechar um ponto digital
- colocar ou tirar um bloco de varredura

B. Condição IF
• Determina a condição para a execução da expressão THEN ou ELSE
• O comando é mantido até que esta condição seja alterada
• Expressões válidas possuem o seguinte formato:
(valor ou alarme) operador (constante ou bloco)
• Exemplos:
VALUE >= AA1
ALARM > HI
• A Figura 10-4 contém uma lista com as constantes de alarme

C. Instrução THEN/ELSE
• THEN: é executado se a condição for verdadeira
• ELSE: é executado se a condição for falsa
• Os comandos válidos (RUN, STOP, OPEN, CLOSE) devem utilizar o formato:
Comando Nome_do_Bloco
• Exemplos:
RUN AI1
CLOSE DO1

D. Campo “Next”
• O bloco EV é um bloco de passagem
• O valor atual do bloco anterior é passado para o próximo bloco

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-7


Fundamentos do iFIX

10.3. Bloco de Evento ________________________________________

Figura 10-3: Bloco de Evento (guia Basic)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-8


Apostila de Treinamento

10.3. Bloco de Evento________________________________________

Severidade Tipo de Alarme Descrição


Maior COMM Erro de Comunicação
(Communication)
COS Mudança do estado de alarme (apenas blocos
(Change Of State) digitais)
CFN Mudança do estado normal (apenas blocos
(Change From Normal) digitais)
ERROR Erro gerado por bloco de dados estatístico
HIHI O bloco está no estado de alarme HIHI
LOLO O bloco está no estado de alarme LOLO
RATE Valor excedeu a configuração do campo
(Rate Of Change) “rate-of-change” desde o último período de
varredura
HI O bloco está no estado de alarme HI
LO O bloco está no estado de alarme LO
DEV Desvio do set point
(Deviation)
Menor OK O bloco está no estado normal

Figura 10-4: Tipos de Alarme e Severidade Relativa

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-9


Fundamentos do iFIX

10.4. Bloco “Extended Trend”___________________________________

A. Notas:
• ETR - Extended Trend
• Armazena até 600 valores de dados para serem usados em um gráfico
• A velocidade da varredura do bloco é baseada no bloco anterior da cadeia

B. Campo “Clear Buffer on Startup”


• Se esta opção estiver habilitada, os valores serão limpos quando a cadeia voltar para
o modo de varredura
• Se esta opção estiver desabilitada, os valores serão mantidos quando o bloco sair de
varredura

C. Campo “Input Tag”


• Habilita o bloco ETR a utilizar dados de qualquer bloco da PDB
- na maioria das vezes, este campo é deixado em branco
- quando este campo estiver vazio, o ETR usa os dados do bloco anterior
• Também usado se os blocos ETR estiverem sendo encadeados
- entre com o campo F_INP do bloco ETR anterior
- Exemplo: entre com ETR1.F_INP no campo “Input Tag” do bloco ETR2
- ver Figura 10-6

D. Campo “Average Compress”


• Número de amostras a serem coletadas para o cálculo de uma média
• Os valores médios serão armazenados no buffer

E. Gráfico
• Um gráfico na tela mostra os valores armazenados deste bloco
• Utilize o campo T_DATA em um link de dados históricos

F. Campo “Next Block”


• O bloco ETR é um bloco apenas de passagem
• O valor atual do bloco anterior é passado para o bloco especificado neste campo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-10


Apostila de Treinamento

10.4. Bloco “Extended Trend” _________________________________

Figura 10-5: Bloco “Extended Trend”

AI1 ETR1 ETR2

Figura 10-6: Blocos ETR Encadeados

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-11


Fundamentos do iFIX

10.5. Gráfico _________________________________________________

A. Notas
• Usado para mostrar dados em tempo real e históricos na tela
• A partir do menu “Insert”, selecione a opção “Chart” para adicionar um gráfico na
tela
- ver Figura 10-7
• Dê um duplo clique no gráfico para definir suas propriedades

B. Dados em Tempo-Real
• Para mostrar dados em tempo real, use uma fonte de dados OPC, seja ela a base de
dados do iFIX ou outro servidor OPC
- os dados são configurados na seção “Pen List” da guia “Chart”
◊ ver Figura 10-9
- use o formato DataServer.NODE.TAG.FIELD
- selecione o botão browse para mostrar o “Expression Builder”
• Uma vez definida a fonte de dados em tempo real, a pena é automaticamente
designada para o modo em tempo real
- Dados históricos serão discutidos mais tarde neste curso

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-12


Apostila de Treinamento

10.5. Gráfico________________________________________________

Figura 10-7: Gráfico

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-13


Fundamentos do iFIX

10.5. Gráfico ________________________________________________

C. Propriedades Gerais do Gráfico


• Campo “Name”
- Nome do gráfico que pode ser usado na programação VBA
• Campo “Scroll Direction”
- Direção de rolagem do gráfico. Esquerda para direita (left to right) permite ter
dados em tempo real seguir uma curva ideal ou histórica
• Campo “Zoom”
- Horizontal
- Vertical
- Horizontal e vertical (both)
• Campo “Refresh Rate”
- Taxa de atualização do gráfico, ou seja, quantas vezes o gráfico será
redesenhado

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-14


Apostila de Treinamento

10.5. Gráfico________________________________________________

Figura 10-8: Configuração do Gráfico

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-15


Fundamentos do iFIX

10.5. Gráfico ________________________________________________

D. Configurando o Gráfico
• Para definir como os dados das penas configuradas serão apresentados, defina as
propriedades da guia “Chart”
• A caixa de diálogo de configuração do gráfico permite configurar diferentes
propriedades, incluindo:
- Campo “Style”
◊ define o estilo de linha, sua cor e o estilo do marcador
◊ ver Figura 10-9
- Guia “Time”
◊ especifique um período de tempo global para todas as penas
(habilitando a opção “Apply to All Pens”) ou selecione um período de
tempo diferente para cada pena
- Configuração dos Eixos X e Y
◊ personalize os eixos X e Y no gráfico
- Campo “Grid”
◊ controla a grade dos eixos horizontal e vertical

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-16


Apostila de Treinamento

10.5. Gráfico________________________________________________

Figura 10-9: Configuração da Pena

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-17


Fundamentos do iFIX

10.6. _____________________________________________ Exercício 10

Blocos Secundários

Exercício 10

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-18


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 10

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para:

1. Adicionar um bloco de cálculo na base de dados do processo


2. Adicionar um bloco de evento na base de dados do processo
3. Adicionar um bloco de tendência estendida na base de dados do processo
4. Adicionar um gráfico à tela

Informações sobre o exercício:

Neste exercício, iremos continuar com o desenvolvimento da aplicação de produção de cerveja


modificando telas já existentes e adicionando novos blocos na base de dados. No filtro
“Whirlpool”, iremos adicionar um bloco de evento tal que toda vez que o filtro estiver
habilitado, a válvula de saída será fechada. Iremos então adicionar um bloco de cálculo para
determinar o nível do filtro.

Iremos criar também um bloco ETR para mostrar em um gráfico histórico a temperatura do
tanque de fermentação. Quando terminar, o tanque de fermentação deverá se parecer com:

Quando terminar este exercício, vá para a seção seguinte e responda as questões.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-19


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 10

A. Adiciona um bloco de Evento.

1. A partir do menu File, selecione Open.


A caixa de diálogo de abertura de arquivo aparece.
2. Selecione a seguinte tela e então Open:
Filter
3. A partir da barra de ferramenta do WorkSpace, selecione o botão Modify Database
Block.
A caixa de diálogo para modificar um bloco aparece.
4. Entre com o seguinte nome no campo Database Block:
FILTER_STAT
5. Selecione Modify
A seguinte caixa de diálogo aparece.

6. No campo Next, entre com:


EV_FILTER
7. Selecione o botão seta ao lado deste campo.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-20


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 10

A. Adiciona um Bloco de Evento (continuação).

8. Uma mensagem perguntando se você quer salvar as alterações e adicionar o bloco


aparece. Selecione Yes.
A caixa de diálogo para selecionar um tipo de bloco aparece.
9. Selecione EV – Event Action da lista de tipos de blocos disponíveis e selecione OK.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

10. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Description: Filter Outlet Valve Control
Event 1 If: VALUE = 1
Event 1 Then: CLOSE FILTER_SWITCH
Event 1 Else: OPEN FILTER_SWITCH
Nota: Isto diz que se o tanque estiver filtrando (Value = 1), então feche a válvula de
saída (Close Filter_switch). Caso contrário, abra a válvula de saída.
11. Quando terminado, selecione o botão Add.
12. Selecione Yes para colocar o bloco para varredura.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-21


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 10

B. Adiciona um Bloco de Cálculo.

1. A partir da barra de ferramenta do WorkSpace, selecione o botão Modify Database


Block.
A caixa de diálogo para modificar um bloco aparece.
2. Entre com o seguinte nome no campo Database Block:
FILTER_SWITCH
3. Selecione Modify
A seguinte caixa de diálogo aparece.

4. No campo Next, entre com:


CA_FILTER_LEVEL
5. Selecione o botão com uma seta para cima, ao lado deste campo.
6. Uma mensagem para salvar as alterações e adicionar o bloco aparece. Selecione Yes.
A caixa de diálogo para selecionar um bloco aparece.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-22


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 10

B. Adiciona um Bloco de Cálculo (continuação).

7. Selecione CA – Calculation a partir da lista de tipos de blocos disponíveis e selecione


OK.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

8. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Description: Calculate Filter Tank Level
Input B: 5.00
Input C: CA_FILTER_LEVEL.F_CV
Input D: BREW_SWITCH.F_CV
Output Calculation: C+(B*A)-(B*D)
Nota: Este tag adiciona 5.00 ao próprio valor (o qual é o C) quando o interruptor do
filtro estiver fechado e subtrai 5.00 quando o interruptor do Brew estiver fechado
9. Quando terminado, selecione o botão Add.
Uma mensagem aparece perguntando se deseja colocar o bloco para varredura.
10. Selecione Yes.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-23


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 10

C. Adiciona um Bloco “Extended Trend”.

1. A partir da barra de ferramenta do WorkSpace, selecione o botão Modify Database


Block.
A caixa de diálogo para modificar um bloco aparece.
2. Entre com o seguinte nome no campo Database Block:
FERM_TEMP
3. Selecione Modify
A seguinte caixa de diálogo aparece:

4. No campo Next, entre com:


ETR_FERM_TEMP
5. Selecione o botão seta ao lado deste campo.
6. Uma mensagem para salvar as alterações e adicionar o bloco aparece. Selecione Yes.
A caixa de diálogo para selecionar um bloco aparece.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-24


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 10

C. Adiciona um Bloco “Extended Trend” (continuação).

7. Selecione ETR – Extended Trend a partir da lista de tipos de blocos disponíveis e


selecione OK.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

8. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Description: Trend Fermentation Temperature
Low Limit: -150.00
High Limit: 700.00
Units: DEGREES
9. Quando terminado, selecione o botão Add.
Uma mensagem aparece perguntando se deseja colocar o bloco para varredura.
10. Selecione Yes.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-25


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 10

D. Adiciona Links de Dados.


Cria links para mostrar o estado do tanque.
1. Adicione links e cabeçalho para a tela do filtro. Use a figura e a tabela abaixo como
referência.

Link 1

Link 2

Link Source Data Entry


Link 1 BREW_SWITCH.A_CV In Place
Link 2 CA_FILTER_LEVEL.F_CV None

2. Salve e feche a tela quando terminar.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-26


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 10

E. Adiciona um Gráfico.
Cria um gráfico para mostrar dados do nível do tanque de fermentação.
1. Abra a tela FermTank.
2. A partir do menu Insert, selecione Chart.
O cursor altera para uma cruz.
3. Desenhe um retângulo para adicionar o gráfico usando a figura abaixo como guia.
A tela deve agora se parecer com:

4. Dê um duplo clique no novo gráfico.


A caixa de diálogo de configuração do gráfico aparece.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-27


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 10

E. Adiciona um Gráfico (continuação).

5. Adicione uma pena configurando as seguintes opções com os valores da direita:


Pen: ETR_FERM_TEMP.T_DATA
Fetch Limits: Habilitado
PenLine Color: BrightRed
Time Duration: 00:03:00
X Axis Title: Tempo
Y Axis Title: Grau F
Legend Description: Desabilitado
6. Adicione uma outra pena configurando as seguintes opções com os valores da direita:
Pen: FERM_LEVEL.F_CV
Fetch Limits: Habilitado
PenLine Color: BrightBlue
Time Duration: 00:05:00
X Axis Title: Tempo
Y Axis Title: Galões
Legend Description: Desabilitado
7. Quando terminar, selecione o botão OK.
8. Salve a tela.
9. Abra a tela do Filter e a FermTank no modo de execução e explore as mudanças feitas
neste exercício.

Fim do Exercício

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-28


Apostila de Treinamento

10.7. Questões de Revisão_____________________________________

1. Qual é diferença entre um bloco primário e um bloco secundário?

2. O que acontece se um bloco CA realizar uma divisão por zero?

3. Para que seve a unidade de engenharia do bloco CA?

4. Exemplifique como um bloco EV pode ser usado em uma aplicação.

5. Para que serve o uso do campo T_DATA com o bloco ETR no gráfico?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-29


Fundamentos do iFIX

10.7 Questões de Revisão _____________________________________

página em branco

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 10-30


Apostila de Treinamento

11. Scheduler ______________________________________________

Capítulo 11

Scheduler

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-1


Fundamentos do iFIX

11. Scheduler ________________________________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo aborda as funcionalidades do aplicativo Scheduler do iFIX, capaz de agendar


comandos para serem executados de tempo em tempo ou de acordo com um evento. Além disso,
também faz uma comparação do aplicativo Scheduler com outras funcionalidades similares no iFIX.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Características do Scheduler
• Entradas Baseadas em Tempo
• Entradas Baseadas em Evento
• Executando Schedules

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-2


Apostila de Treinamento

11. Características do Scheduler _______________________________

A. Notas
• O Scheduler é usado para disparar ações
• Estas ações (ou operações) são programas em VBA
• Configure operações para serem disparadas quando:
- Baseada em um tempo específico (Time Based)
- Baseada em valores ou expressões (Event Based)

B. Funcionalidades do Scheduler
• O Scheduler faz parte do WorkSpace
- usa a árvore do sistema para mostrar os schedules existentes
- a partir do menu “File”, selecione a opção “New” para criar novos schedules
• Schedules são objetos com propriedades expostas
- similar às propriedades expostas das telas
• Existem assistentes para as operações mais usadas, como por exemplo:
- executar um relatório
- abrir uma tela
- escrever um valor em um bloco da base de dados
• Pode-se adicionar várias operações em um mesmo schedule e pode-se ter vários
arquivos de schedule sendo executados ao mesmo tempo

C. Modos de Execução do Scheduler


• Execução em “Foreground”
- é executado quando o WorkSpace está no modo de execução
• Execução em “Background”
- é executado independente do modo do WorkSpace (modo de configuração ou
de execução)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-3


Fundamentos do iFIX

11.1. Entrada Baseada em Tempo _______________________________

A. Notas
• Uma operação é executada na hora inicial
• O tempo pode ser como “one shot” ou recorrente

B. Tipo de Disparo
• “One Shot”
- executa uma vez na hora especificada pelo usuário
• “Continuous”
- executa repetidamente no intervalo definido pelo usuário
• “Daily”
- executa na hora inicial nos dias da semana escolhidos
- habilite a opção “Enable End Time/Interval” para disparar entradas
continuamente
• “Monthly”
- executa na hora inicial nos dias do mês selecionados
- opção de executar no final do mês (end of month)
- habilite a opção “Enable End Time/Interval” para disparar entradas
continuamente

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-4


Apostila de Treinamento

11.1. Entrada Baseada em Tempo______________________________

Figura 11-1: Scheduler

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-5


Fundamentos do iFIX

11.1. Entrada Baseada em Tempo ______________________________

C. Informação da Ação
• Escolha uma operação da lista
- As operações mais comuns são:
◊ reconhecer alarmes
◊ abrir tela
◊ alterar valor de um bloco digital
◊ escrever em um bloco da base de dados
◊ executar um programa personalizado
• Selecione o botão “Run Expert”
- entre com as informações apropriadas
ou
- selecione o botão “VB Editor” para escrever operações personalizadas

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-6


Apostila de Treinamento

11.1. Entrada Baseada em Tempo______________________________

Figura 11-2: Entrada Baseada em Tempo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-7


Fundamentos do iFIX

11.2. Entrada Baseada em Evento _______________________________

A. Notas
• Uma operação é executada de acordo com uma expressão
• Pode ser baseada, por exemplo:
- na mudança de um valor
- em uma expressão (“True/False”)
- no acionamento de uma tecla

B. Tipos de Evento
• “On Change”: quando houver mudança do valor
• “On True”: quando for verdadeiro
• “On False”: quando for falso
• “While True”: enquanto verdadeiro
- configure o intervalo para disparar a entrada continuamente
• “While False”: enquanto falso
- configure o intervalo para disparar a entrada continuamente

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-8


Apostila de Treinamento

11.2. Entrada Baseada em Evento _____________________________

Figura 11-3: Entrada Baseada em Evento

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-9


Fundamentos do iFIX

11.3. Configuração ____________________________________________

A. Propriedades do Scheduler (a partir do menu “Edit” no WorkSpace)


• Configuração do Modo de Execução:
- “Background” ou “Foreground”
• Configuração da Janela
- Altura (height) e largura (width)
- Barra de título (title bar), menu do sistema (system menu), redimensionável
(resizable), sempre acima das outras janelas (always on top)
• Taxa de Atualização (refresh rate)
• Tarefas em “Background”

B. Preferências do Usuário
• Configurando para Execução do Schedule em “Background”
- O Schedule será executado como um serviço
- Selecione a guia “Background Startup” da caixa de diálogo “User
Preferences”
◊ ver Figura 11-5
- Adicione o Schedule à janela de Startup
- Inicie o servidor de “background” do iFIX (FixBackgroundServer.exe)
• Alterando um Schedule
- Abra o schedule
- Faça as alterações
- Uma mensagem aparece pedindo que reinicie o Schedule

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-10


Apostila de Treinamento

11.3. Configuração __________________________________________

Figura 11-4: Propriedades do Scheduler

Figura 11-5: Preferências do Usuário (guia Background StartUp)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-11


Fundamentos do iFIX

11.4. Executando Schedules____________________________________

A. Operando um Schedule no Modo de Execução


• Coluna “Status”
- “Active” (ativo) ou “Stopped” (parado)
• Coluna “Number of Times Fired”
- número total de vezes que a entrada foi executada
• Coluna “Last Fired At”
- hora que a entrada foi executada pela última vez
• Coluna “Next Time to Fire”
- próxima hora que a entrada baseada em tempo será executada
• Coluna “Start/Stop”
- mostra o estado atual de cada entrada
- inicia ou pára a execução de cada entrada
• Coluna “Reset”
- limpa as estatísticas da linha específica do schedule
• Coluna “Fire Now”
- executa o programa de operação para uma entrada
- uma boa maneira de se testar os schedules

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-12


Apostila de Treinamento

11.4. Executando Schedules __________________________________

Figura 11-6: Scheduler no Modo de Execução

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-13


Fundamentos do iFIX

11.4. Executando Schedules___________________________________

B. Executando Schedules como um Serviço


• Siga os seguintes passos para executar o “iFIX Background Server” como um serviço
do NT:
1. No SCU, selecione “Local Startup” do menu “Configure”.
2. Selecione a opção “Continue Running After Logoff” e selecione OK.
3. Selecione o botão “Task Configuration” na barra de ferramentas.
4. Digite o caminho e o nome do arquivo da aplicação FixBackgroundServer no
campo “Filename”. O caminho padrão é:
C:\DYNAMICS\FIXBACKGROUNDSERVER.EXE
5. Entre com o seguinte parâmetro no campo “Command Line”:
\SERVICE
6. Selecione o botão de opção “Background”.
7. Selecione “Add” para adicionar FixBackgroundServer à lista de tarefas
configuradas (“Configured Tasks”)
◊ Figura 11-7
8. Selecione OK.
• Observação:
- Se o parâmetro \SERVICE não for incluído na linha de comando, o serviço
FixBackgroundServer será iniciado junto com o iFIX
- Da mesma forma, o serviço FixBackgroundServer será finalizado junto com o
iFIX
- Incluindo o parâmetro \SERVICE na linha de comando, o serviço
FixBackgroundServer será executado como um serviço do Windows NT

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-14


Apostila de Treinamento

11.4. Executando Schedules __________________________________

Figura 11-7: Configurando o “iFIX Background Server” para ser Executado como Serviço

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-15


Fundamentos do iFIX

11.5. _____________________________________________ Exercício 11

Scheduler

Exercício 11

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-16


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 11

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para:

1. Criar um Schedule baseado em tempo usando o Scheduler


2. Criar um Schedule baseado em evento usando o Scheduler
3. Monitorar o aplicativo Scheduler

Informações sobre o exercício:

Neste exercício, iremos continuar com o desenvolvimento da aplicação de produção de cerveja


através da criação de Schedules. Isto inclui entradas que iniciam e páram automaticamente o
agitador do tanque “Mash Mixer” de acordo com o seu nível, além de criar ajustes periódicos de
set points.

Quando terminar este exercício, vá para a próxima seção e responda as questões.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-17


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 11

A. Cria um schedule.
Cria um novo schedule no WorkSpace.

1. A partir do menu File, selecione New - Schedule.


Um schedule sem título aparece e deve-se parecer com:

2. A partir do menu File, selecione Save As.


A caixa de diálogo para salvar o documento aparece.
3. Entre com o seguinte nome no campo File Name:
BeerSchedules
4. Quando terminar, selecione o botão Save.
O Scheduler é mudado para refletir o novo nome da figura.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-18


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 11

B. Adiciona uma Entrada Baseada em Evento


Cria uma entrada baseada em evento no Schedule.

1. Selecione a guia Event Based Entries no Scheduler.


As entradas baseadas em evento vêm para frente.
2. Dê um duplo clique na primeira linha em branco.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

3. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Name: LigaAgitadorMashMixer
Description: Liga o agitador do misturador quando o nível > 75%
Data Source: MASH_LEVEL.F_CV > MASH_LEVEL.F_EHI * .75
Event Type: On True
Operation: Close Digital Tag

Fix Database Tag: MASH_MIXER.F_CV


Obs.: Se o tanque estiver 75% cheio, então o agitador do tanque será ligado.
4. Selecione OK quando terminar.
A entrada é adicionada no Schedule.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-19


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 11

C. Adiciona Novas Entradas Baseadas em Evento

1. Crie uma nova entrada baseada em evento configurando as seguintes opções com os
valores da direta:
Name: DesligaAgitadorMashMixer
Description: Desliga o agitador quando o nível for < 25%
Data Source: MASH_LEVEL.F_CV < MASH_LEVEL.F_EHI * .25
Event Type: On True
Operation: Open Digital Tag
Fix Database Tag: MASH_MIXER.F_CV
2. Crie uma nova entrada baseada em evento configurando as seguintes opções com os
valores da direta:
Name: TempAltaFerm
Description: Temperatura alta no tanque de fermentação
Data Source: FERM_TEMP.F_CV > FERM_TEMP.F_HI
Event Type: On True
Operation: Enable Alarm
Fix Database Tag: FERM_TEMP.F_CV

Após terminar, a tela do Schedule deve-se parecer com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-20


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 11

D. Adiciona uma Entrada Baseada em Tempo


Cria uma entrada baseada em tempo no Schedule.

1. Selecione a guia Time Based Entries no Scheduler.


As entradas baseadas em tempo aparecem na frente.
2. Dê um duplo clique na primeira linha em branco.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

3. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Name: EncheTanqueFerm
Description: Enche o tanque de fermentação em 10% a cada 5 min.
Trigger: Continuous
Start Time: Configure para 15 minutos a partir de agora
Interval: 00:05:00
Operation: Ramp Value
Ramp Attributes: Ramp by Percentage
Ramp Value: 10
FIX Database Tag: FERM_LEVEL_SP.F_CV
Obs.: Isto significa que a cada 5 minutos o nível do tanque é incrementado de 10%.
4. Selecione OK quando terminar.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-21


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 11

E. Adiciona Entradas Adicionais Baseadas em Tempo

1. Crie uma nova entrada baseada em tempo configurando as seguintes opções com os
valores mostrados à direta:
Name: TempMash
Description: Configura a temp. do Mash Mixer para 50 ºF a cada 5 min.
Trigger: Daily
Start Time: 09:00:00 am
Enable End Time: Habilitado
End Time: 05:00:00 pm
Interval: 00:05:00
Operation: Write Value
FIX Database Tag: MASH_TEMP_SP.F_CV
Value: 50
Após terminar, a tela do Schedule deve-se parecer com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-22


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 11

F. Salva e Executa

1. Salve o novo schedule.


2. Alterne para o modo de execução e explore as mudanças que ocorrem com a criação
destas 5 novas entradas no Scheduler.
Descreva as entradas e como cada uma age na aplicação de produção de cerveja.

Fim do Exercício

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-23


Fundamentos do iFIX

11.6. Questões de Revisão _____________________________________

1. Explique a diferença de executar um scheduler em “Foreground” ou em “Background”.

2. Como um schedule baseado em tempo pode ser configurado para executar ao final do mês?

3. Explique o que significa executar um schedule como um serviço.

4. Explique a finalidade da coluna “Fire Now” no Scheduler.

5. Explique a diferença entre usar um bloco de evento e um schedule baseado em evento.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 11-24


Apostila de Treinamento

12. Base de Dados do Processo_______________________________

Capítulo 12

Base de Dados do Processo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-1


Fundamentos do iFIX

12. Base de Dados do Processo ________________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo continua trabalhando com a base de dados do processo (PDB – Process DataBase),
apresentando agora a ferramenta para criar e manipular a base de dados do processo, o Database
Manager.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Revisão dos Tipos de Tags


• Database Manager
• Tag de Programação

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-2


Apostila de Treinamento

12.1. Tags da Base de Dados___________________________________

A. Revisão
• Tags (ou blocos) são unidades individuais de instruções
• Os tags podem receber, verificar, manipular e enviar valores para o processo
• Existem dois tipos de tags:
- Tags primários
- Tags secundários
• Tags são normalmente combinados em cadeia para realizar funções adicionais

B. Tags Primários
• Normalmente associados a pontos I/O do hardware
• A maioria possui tempo de varredura

C. Tags Secundários
• Vários enviam ou recebem entradas de um tag anterior (antes dele na cadeia)
• Realizam uma função específica com a entrada
• Podem realizar um cálculo ou armazenar entradas

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-3


Fundamentos do iFIX

12.1. Tags da Base de Dados __________________________________

A. Tipos de Tags
• O iFIX possui mais de 30 tipos de tags com funções específicas e são classificados da
seguinte forma:

Tags Padrões
AA-Analog Alarm AI-Analog Input AO-Analog Output AR-Analog Register
BL-Boolean CA-Calculation DA-Digital Alarm DI-Digital Input
DO-Digital Output DR-Digital Register EV-Event Action FN-Fanout
SS-Signal Select TX-Text TM-Timer TT-Totalizer
TR-Trend ETR-Extended Trend MDI-Multistate Digital Input

Tags Batelada Tags SQL


DC-Device Control SQT-SQL Trigger
PG-Program SQD-SQL Data

Tags de Controle Tags de Controle


DT-Dead Time Estatístico do Processo
LL-Lead Lag HS-Histogram
PID PA-Pareto
BB-On-Off Control SC-Statistical Control
RM-Ramp SD-Statistical Data
RB-Ratio / Bias

Figura 12-1: Classificação dos Tags Disponíveis da Base de Dados do Processo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-4


Apostila de Treinamento

12.1. Tags da Base de Dados _________________________________

Analog Alarm (AA) – recebe/envia dados analógicos de um endereço de entrada/saída da DIT a


cada vez que o tag é varrido pelo SAC e oferece várias configurações de alarmes.

Analog Input (AI) – recebe/envia dados analógicos de um endereço de entrada/saída da DIT a


cada vez que o tag é varrido pelo SAC.

Analog Output (AO) – envia sinal analógico para um endereço de entrada/saída da DIT cada
vez que o tag recebe um valor.

Analog Register (AR) – recebe/envia dados de endereço de entrada/saída da DIT usando


quantidade mínima de memória.

Boolean (BL) – realiza cálculos de lógica booleana.

Calculation (CA) – realiza cálculos matemáticos até 8 valores.

Dead Time (DT) – atrasa a transferência de um valor de entrada para o próximo tag na cadeia de
1 - 255 segundos.

Device Control (DC) – coordena a abertura de dispositivos digitais no chão de fábrica baseado
nas condições definidas pelo usuário.

Digital Alarm (DA) – recebe/envia dados digitais (0 ou 1) de um endereço de entrada/saída da


DIT a cada vez que o tag é varrido pelo SAC e oferece várias configurações de alarmes.

Digital Input (DI) – recebe/envia dados digitais (0 ou 1) de um endereço de entrada/saída da


DIT a cada vez que o tag é varrido pelo SAC.

Digital Register (DR) – recebe/envia dados digitais de um endereço de entrada/saída da DIT


usando uma quantidade mínima de memória.

Digital Output (DO) – envia sinal digital para um endereço de entrada/saída da DIT cada vez
que o tag recebe um valor.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-5


Fundamentos do iFIX

12.1. Tags da Base de Dados __________________________________

Event Action (EV) – verifica o valor ou a condição de alarme do tag anterior usando a lógica
If-Then-Else e pode ser usado para abrir ou fechar um ponto digital ou colocar ou retirar um
tag de varredura (on/off scan).

Extended Trend (ETR) – permite visualizar até 600 valores em um gráfico.

Fanout (FN) – passa o valor que recebe para até 4 outros tags.

Histogram (HS) – grava quantas vezes o valor ocorreu e pode então ser mostrado em um
gráfico de histograma em uma tela.

Lead Lag (LL) – permite simulação dinâmica usando as vantagens da compensação Lead / Lag.

Multistate Digital Input (MDI) – monitora o estado de um, dois ou três entradas digitais e
produz um valor (0-7) de acordo com a combinação dos valores digitais recebidos.

On-Off Control (BB) – envia até duas saídas digitais baseado em um valor de entrada analógica
ou em uma entrada feita pelo operador.

Pareto (PA) – aceita até oito entradas, calcula porcentagens para elas e então são mostrados
como gráfico de barra.

PID (PID) – mantém equilíbrio em uma malha fechada mudando a variável controlada de
acordo com o desvio de um valor set point pré-definido pelo usuário.

Program (PG) – executa pequenos programas para aumentar o grau de automação do processo
ou monitorar um controle batelada.

Ramp (RM) – executa uma função rampa com até três níveis diferentes.

Ratio / Bias (RB) – adiciona uma constante (bias) e/ou multiplica por uma constante (ratio)
depois de subtrair o offset de um sinal.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-6


Apostila de Treinamento

12.1. Tags da Base de Dados _________________________________

Signal Select (SS) – realiza a amostragem de até seis sinais, manipulando as entradas de acordo
com uma seleção pré-definida pelo usuário e envia o resultado para o tag seguinte.

SQL Data (SQD) – identifica os dados da base de dados do processo do iFIX que serão
enviados ou recebidos de um banco de dados relacional.

SQL Trigger (SQT) – define como o iFIX interage com um banco de dados relacional,
definindo o disparo da coleta ou da inserção de dados do processo no banco de dados
relacional.

Statistical Data (SD) – recebe valores de outros tags e efetua cálculos estatísticos.

Statistical Control (SC) – oferece um ajuste na variável de processo, baseado no cálculo da


média do offset e na taxa de desvio da média.

Text (TX) – lê ou escreve valores do tipo texto de um dispositivo.

Timer (TM) – contador de tempo a partir do incremento ou decréscimo de seu valor.

Totalizer (TT) – armazena a soma dos valores transmitidos de tags anteriores.

Trend (TR) – permite visualizar até 80 valores em um gráfico.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-7


Fundamentos do iFIX

12.2. Gerenciador da Base de Dados _____________________________

A. Introdução
• O programa Database Manager é o gerenciador da base de dados, usado para criar e
editar tags na base de dados do processo.
• A base de dados do processo aparece no formato de uma planilha:
- cada linha corresponde a um tag
- cada coluna corresponde a um campo de informação do tag
• O Database Manager permite abrir a base de dados de qualquer estação SCADA
configurada na lista de estações remotas no SCU.

B. Características do Database Manager


• Importa e exporta arquivos em formato CSV (Comma Separated Value) ou GDB
(formato proprietário do FIX).
• Possui um assistente (wizard) para gerar vários tags automaticamente.
• Pode ter sua barra de menu personalizada pelo usuário.
• Possui opção de atualizar os valores da planilha automaticamente.
• Pode duplicar ou apagar várias linhas em uma única operação.
• É possível congelar as colunas para ficarem sempre visíveis na tela.
- A coluna Tag Name já fica congelada na tela por padrão (fica sempre na área
de visão da tela).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-8


Apostila de Treinamento

12.2. Gerenciador da Base de Dados ___________________________

Figura 12-2: Programa Database Manager para Gerenciar a Base de Dados

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-9


Fundamentos do iFIX

12.2. Gerenciador da Base de Dados____________________________

Database Blocks
New Add
Open Modify
Close Delete
Reload Show
Save Duplicate
Save As Generate
Verify
Summary
Print Drivers
Print Setup
Import
Export Tools
Exit Customize
Options
Save Settings
Edit
Cut
Copy Help
Paste Help Topics
Find Electronic Books
Replace Glossary
Go To Using Help
About iFIX Database Manager

View
Freeze Columns
Re-sort
Refresh
Pause
Properties
Toolbar
Status Bar

Figura 12-3: Menu de Comandos do Database Manager

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-10


Apostila de Treinamento

12.2.1. Assistente para Gerar Tags _____________________________

A. Introdução
• O Database Manager possui um assistente para gerar automaticamente tags,
chamado Generate Wizard. Este assistente possui três passos de configuração:
ü Passo 1: Selecione a primeira opção para gerar tags baseando-se em um tag já
existente na base de dados ou então selecione somente o tipo dos tags a serem
gerados (Figura 12-5: Assistente para Gerar Tags na Base de Dados (Passo 2)

ü Figura 12-).
ü Passo 2: Configure o nome dos tags que serão gerados, usando prefixos, valores a
serem incrementados e sufixos (Figura 12-5).
ü Passo 3 (opcional): Adicione até 5 campos de configuração adicionais, como
descrição, endereçamento, etc (Figura 12-6).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-11


Fundamentos do iFIX

Figura 12-4: Assistente para Gerar Tags na Base de Dados (Passo 1)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-12


Apostila de Treinamento

12.2.1. Assistente para Gerar Tags______________________________

Figura 12-5: Assistente para Gerar Tags na Base de Dados (Passo 2)

Figura 12-6: Assistente para Gerar Tags na Base de Dados (Passo 3)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-13


Fundamentos do iFIX

12.2.2. Propriedades ________________________________________

Figura 12-7: Propriedades do Gerenciador da Base de Dados (guia Column)

A. Guia Column
• Usada para adicionar ou remover colunas na planilha.
• Útil quando se quer mostrar apenas os valores atuais, o estado de varredura ou o
endereço de cada tag.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-14


Apostila de Treinamento

12.2.2. Propriedades _________________________________________

Figura 12-8: Propriedades do Gerenciador da Base de Dados (guia Sort)

B. Guia Sort
• Usada para definir a ordem de seleção dos tags do arquivo da base de dados.
• Salve e carregue novamente a ordem de seleção através dos botões Save e Load.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-15


Fundamentos do iFIX

12.2.2. Propriedades__________________________________________

C. Guia Query
• Usada para buscar informações específicas na base de dados.
• Crie ou modifique a consulta usando operadores relacionados com o nome das
colunas, operadores booleanos ou caracteres do tipo wildcard.
• Exemplo:
{TAGNAME} = "A*" AND {I/O ADDR} = "0"

D. Guia Color
• Usada para mudar a cor dos textos e células da planilha.
• Pode-se configurar os seguintes itens:
- Border: cor da borda.
- Border Text: cor do texto da borda.
- Cell Background: cor do fundo da célula.
- Grid: cor da grade.
- Normal Cell Text: cor do texto da célula.

E. Guia Font
• Usada para mudar a fonte do texto utilizado na planilha (tipo de fonte, tamanho, etc).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-16


Apostila de Treinamento

12.2.2. Propriedades _________________________________________

Figura 12-9: Propriedades do Gerenciador da Base de Dados (guia Query)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-17


Fundamentos do iFIX

12.2.3. Opções _____________________________________________

A. Opções Gerais
• Save Setting on Exit: salva as configurações ao sair do Database Manager.
• Save Database on Exit: salva a base de dados ao sair do Database Manager.
• Recently Used Node List: mostra no menu File a lista das estações acessadas
recentemente.
• Print in Background: imprime a base de dados como tarefa de segundo plano
permitindo o usuário continuar a trabalhar com a base de dados enquanto estiver
imprimindo.

B. Opções de Visualização
• Enable Spreadsheet Auto Refresh: habilita e configura a atualização automática da
base de dados.
• Row Number: mostra o número de linhas da planilha.
• Status Bar: mostra a barra de Status na planilha.
• Toolbar: mostra a barra de ferramentas.

C. Opções de Edição
• Automatically Put Blocks On Scan after Modify: os tags são automaticamente
colocados para varredura após serem editados.
• Configure Mouse Double Click: configura o modo de aparência dos tags ao serem
selecionados com duplo clique do mouse.
- Modify Mode: modo de modificação.
◊ abre a caixa de configuração do tag para edição.
- Show Mode: modo de visualização.
◊ abre a caixa de configuração do tag somente para leitura.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-18


Apostila de Treinamento

12.2.3. Opções ______________________________________________

Figura 12-10: Caixa de Diálogo de Opções do Database Manager

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-19


Fundamentos do iFIX

12.2.4. Personalização _______________________________________

A. Barras de Ferramentas
• Adiciona ou remove botões da barra de ferramentas.

B. Ferramentas
• Adiciona executáveis no menu Tools (Figura 12-11).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-20


Apostila de Treinamento

12.2.4. Personalização________________________________________

Figura 12-11: Personalização do Database Manager (guia Tools)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-21


Fundamentos do iFIX

12.2.5. Importando/Exportando a Base de Dados ________________

A. Introdução
• Para exportar a base de dados, selecione a opção Export do menu Database. Os tags
que estão sendo mostrados na planilha da base de dados são exportados para formato
CSV, GDB ou TXT.
• Estes arquivos podem ser abertos em um editor de texto ou um aplicativo tipo Excel
para complementar tarefas de configuração da base de dados, ou então importados
em um banco de dados relacional para uma análise posterior.
• Quando a base de dados é exportada e importada novamente, a base de dados de
áreas de alarme (*.AAD) é atualizada.

B. Opções de Importação/Exportação
• Arquivo do tipo GDB: formato proprietário do FIX apropriado para importar base de
dados já existentes do FIX32.
• Arquivo do tipo CSV: formato útil para edição dos tags em uma planilha como o
Excel por exemplo.
• Arquivo do tipo TXT: arquivo delimitado por tabulações que pode ser aberto em
qualquer editor de texto como o Notepad por exemplo.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-22


Apostila de Treinamento

12.2.5. Importando/Exportando a Base de Dados _________________

Figura 12-12: Base de Dados Exportada em CSV e Visualizada no Excel.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-23


Fundamentos do iFIX

12.3. Tag de Programa _________________________________________

A. Introdução
• O tag de Programa (PG) é usado para executar pequenos programas dentro da base de
dados do processo.
• O programa é executado sempre que é colocado em on scan.

B. Modo Automático versus Modo Manual


• O modo automático executa todos os comandos sem interrupção.
• O modo manual suspende execução até que seja retornado para o modo automático.
Quando voltar para o modo automático, o tag PG continua a execução do ponto onde
parou.

C. SAC e Tag de Programa


• Geralmente executa todos os comandos em um intervalo de varredura (scan time).
• Após a varredura do PG, ele não é mais varrido a não ser quando:
- for colocado em on scan por outro tag;
- for colocado em on scan pelo operador;
- a base de dados do processo for recarregada;
- encontrar um comando de verificação ou espera;
- tiver um comando como o GOTO para fechar uma malha.

D. Dica de Programação
• O comando SETLIM é muito usado na primeira linha de um tag PG. Ele é usado para
estabelecer uma banda morta para comparações.
• Por padrão, a banda morta é igual a um (1), mas muitos usuários configuram a banda
morta igual a zero (0).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-24


Apostila de Treinamento

12.3. Tag de Programa _______________________________________

Figura 12-13: Tag de Programa

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-25


Fundamentos do iFIX

12.3. Tag de Programa________________________________________

Controle de Execução
NUL Linha nula.
CALL Chama a execução um outro tag de programa.
RUN Coloca um tag primário em on scan.
STOP Coloca um tag primário em off scan.
SETAUTO/SETMAN Configura um tag para modo automático ou manual.
WAITSTAT Espera um tag alcançar um determinado estado.
END Finaliza o programa.
SETERROR/CLRERROR Gera e limpa um erro para o tag de programa.
SETDEBUG/CLRDEBUG Executa passo a passo (em a cada scan do tag) permitindo
a depuração do programa.

Mudança de Parâmetro
OPEN Estabelece o valor atual de um tag digital para 0.
CLOSE Estabelece o valor atual de um tag digital para 1.
SETOUT Estabelece o valor atual de um tag.
ADDOUT Adiciona a quantidade especificada ao valor atual de um
tag.
SUBOUT Subtrai a quantidade especificada do valor atual de um
tag.
SETSEL Configura o modo de seleção de um tag SS (Signal
Select).
SETTARG Configura o campo setpoint de um tag PID ou o primeiro
estágio de um tag rampa.
SETTARG2 Configura o segundo estágio de um tag rampa.
SETTARG3 Configura o terceiro estágio de um tag rampa.
SETTIME Configura o tempo de espera do primeiro estágio de um
tag rampa.
SETTIME2 Configura o tempo de espera do segundo estágio de um
tag rampa.
ADDTAR Aumenta o set point de um tag PID ou o valor de um tag
rampa.
ADDTAR2 Aumenta o segundo estágio de um tag rampa.
ADDTAR3 Aumenta o terceiro estágio de um tag rampa.
SUBTAR Diminui o set point do PID ou valor da rampa.
SUBTAR2 Diminui o segundo estágio de um tag rampa.
SUBTAR3 Diminui o terceiro estágio de um tag rampa.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-26


Apostila de Treinamento

12.3. Tag de Programa _______________________________________

Declarações de Espera
DELAY Pausa o programa pelo número especificado de
segundos.
MAXWAIT Define o tempo máximo de espera.
WAITFOR <expressão> Pausa o programa até que uma expressão se torne
verdadeira.

Declarações de Teste e Prosseguimento


SETLIM Define uma banda morta para expressões de
comparação.
IFTIME GOTO Segue para próxima linha na hora especificada.
GOTO Ramifica ou retorna para alguma linha do programa.
IF <exp> GOTO Verifica uma expressão e segue para próxima linha.
(Hora, Dia, Data)

Variados
RUNTASK Executa um programa *.EXE.
PLAYSOUND Executa um arquivo *.WAV.
MSG Envia uma mensagem para os serviços de alarme
habilitados no SCU.

• onde <expressão> tem a seguinte sintaxe:


operando1 [operador relacional] operando2

Onde: Pode ser:


operando 1 nome do tag, hora, dia, data
operador relacional > < >= <= = !=
operando 2 constante ou nome do tag

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-27


Fundamentos do iFIX

12.4. Questões de Revisão _____________________________________

1. Para que serve o número de série (SN-Serial Number) da base de dados?

2. Para que serve o congelamento de colunas no gerenciador da base de dados?

3. Explique para que serve o comando “Verify” no gerenciador da base de dados.

4. Quais são as vantagens e desvantagens de se atualizar a planilha automaticamente?

5. Explique para que serve o comando SETLIM no tag de programa.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 12-28


Apostila de Treinamento

13. Introdução à Programação ________________________________

Capítulo 13

Introdução à Programação

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-1


Fundamentos do iFIX

13. Introdução à Programação _________________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo introduz a linguagem de programação VBA (Visual Basic for Application) que vem
embutida no iFIX, a qual permite personalizar e automatizar a aplicação.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Introdução ao VBA
• Diferenças entre Visual Basic e VBA
• Como usar o VBA no iFIX
• Programação versus Tag de Programação

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-2


Apostila de Treinamento

13. Introdução à Programação ________________________________

A. Terminologia:
• VB - Visual Basic
- normalmente se refere ao Microsoft® Visual Basic® 5.0 ou 6.0
- isto é externo ao iFIX e VBA
• VBA - Microsoft® Visual Basic® for Applications
- ambiente de desenvolvimento orientado a objetos e baseado em eventos que
suporta formulários Microsoft e ActiveX
- normalmente referenciado como parte integrada do iFIX
- usado com os produtos da Microsoft para personalização
◊ adicionar uma barra de ferramentas no Excel
◊ criar um formulário no Access
• VBE - Visual Basic Editor
- parte do VBA
- acessível a partir do WorkSpace

B. Diferenças entre Visual Basic for Applications e Visual Basic


• O Visual Basic usa o Visual Basic for Applications como seu código central
• O VB permite criar executáveis e controladores ActiveX
• O VBA permite personalizar e aumentar as capacidades de um produto
• Existem algumas variações nos nomes de alguns eventos e propriedades

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-3


Fundamentos do iFIX

13.1. Visual Basic for Applications_______________________________

A. No iFIX, o VBA pode ser usado para:


• Animar objetos;
• Gerar telas e objetos automaticamente;
• Ler ou escrever em blocos da base de dados;
• Executar outros programas automaticamente;
• Incorporar características personalizadas de segurança;
• Criar caixas de diálogo e mensagens personalizadas para o operador;
• Acessar as fontes de dados ODBC;
• Inserir controles ActiveX personalizados ou de terceiros;
• Criar assistentes (wizards) personalizados para tarefas realizadas com freqüência; etc.

B. Visão Geral
• O código de programação no iFIX permite acessar propriedades, métodos e eventos
de componentes padrões do VBA e objetos do iFIX.
• A Figura 13-1 traz uma tabela com definição dos termos usados em VBA.
• As propriedades, métodos e eventos de um determinado objeto são baseados na
classe do objeto. Exemplo: um retângulo não possui as mesmas propriedades de
fontes de um texto.
• Os objetos respondem aos eventos de acordo com um código de programação escrito
para cada evento. É possível escrever códigos de programa para um ou para vários os
eventos, conforme a necessidade.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-4


Apostila de Treinamento

13.1. Visual Basic for Applications _____________________________

Terminologia VBA
Objetos Conjunto de dados e procedimentos tratados como unidades.
Cada objeto possui propriedades, métodos e eventos que podem
ser usados para escrever programas.
Exemplos: retângulo, objeto timer, evento de schedule.
Propriedades Características de um objeto.
Exemplos: cor, tamanho, posição na tela.
Métodos Sub-rotinas que afetam o comportamento do objeto.
Exemplos: scale, refresh.
Eventos Ações que objetos reconhecem, tais como clicar sobre o objeto
com o mouse ou alterar o seu tamanho.
Se tiver um código de programação associado ao evento, então o
código será executado quando o evento for disparado.
Eventos podem ocorrer como resultado de uma ação do usuário,
de um código de programa ou outras ocorrências no iFIX (um
schedule por exemplo).
Exemplos: clique do mouse, quando alcança um valor de uma
tabela de limites.

Figura 13-1: Terminologia VBA

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-5


Fundamentos do iFIX

13.2. Programando no iFIX _____________________________________

A. Associando código de programação a objetos


• Existem duas maneiras de associar códigos VBA a objetos:
- Através dos assistentes de comandos;
- Usando o editor de VBA.

B. Usando os Assistentes de Comandos


• Os assistentes de comandos podem ser acessados na barra de ferramentas Experts.
Para habilitar esta barra de ferramentas na tela:
- Selecione a opção Toolbars do menu WorkSpace.
- Selecione Picture no campo Owner.
- Habilite a barra de ferramentas Experts.
• Esta barra de ferramentas possui botões que inserem código das ações mais usadas,
como:
- Abrir ou fechar uma tela;
- Escrever um valor em um tag;
- Reconhecer um alarme.
• Para usar um assistente de comando (experts):
- Selecione o objeto na tela que deseja associar um comando.
- Selecione o botão com o comando desejado da barra Experts.
• Existem outros assistentes de comandos disponíveis no iFIX. Para adicionar mais
botões na barra de ferramentas Experts, consulte o Capítulo 18 sobre como
personalizar as barras de ferramentas.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-6


Apostila de Treinamento

13.2. Programando no iFIX____________________________________

Botão Nome do Botão Descrição


Data Entry Expert Entrada de valores.
OpenPicture Expert Abrir uma tela.
Close Picture Expert Fechar uma tela.
Replace Picture Expert Substituir
Open Digital Tag Expert Abrir um tag digital.
Close Digital Tag Expert Fechar um tag digital.
Toggle Digital Tag Expert Alternar o estado de um tag digital.
Acknowledge Alarm Expert Reconhecer um alarme.

Figura 13-2: Assistentes de Comandos

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-7


Fundamentos do iFIX

13.2. Programando no iFIX ____________________________________

C. Usando o Editor de VBA


• O código de programação pode ser inserido usando o editor de VBA. Para acessar o
editor de VBA, clique com o botão direito do mouse sobre o objeto na tela e
selecione Edit Script.
• A Figura 13-3 mostra um exemplo simples de código VBA associado ao evento de
clique sobre o objeto da tela chamado Rect5:
- Linha 1 – cria o procedimento (ou sub-rotina) chamado Rect5_Click(). Note
que o código:
◊ está associado a um objeto chamado Rect5.
◊ será executado quando o objeto Rect5 for clicado.
- Linha 2 – executa a função (ou comando) CloseDigitalPoint
◊ envia o valor 1 para o tag especificado.
- Linha 3 – finaliza a execução do procedimento.
• As páginas 13-10 e 13-11 mostram outros exemplos de códigos de programa.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-8


Apostila de Treinamento

13.2. Programando no iFIX____________________________________

Figura 13-3: Exemplo de Programa

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-9


Fundamentos do iFIX

13.2. Programando no iFIX ____________________________________

Private Sub RoundRect1_Click()

OpenPicture "NomeTela"

End Sub

Figura 13-4: Exemplo 1 de Programa

Private Sub Rect1_Click()

WriteValue 30, "Fix32.SCADA.TEMP_SP.F_CV"

End Sub

Figura 13-5: Exemplo 2 de Programa

Private Sub Oval1_DblClick()

AcknowledgeAllAlarms "NomeTela"

End Sub

Figura 13-6: Exemplo 3 de Programa

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-10


Apostila de Treinamento

13.2. Programando no iFIX____________________________________

Private Sub Rect2_Click()

Rect2.RotationAngle = Rect2.RotationAngle + 20

End Sub

Figura 13-7: Exemplo 4 de Programa

Private Sub Rect3_Click()

Dim iValue As Integer

iValue = ReadValue("Fix32.SCADA.AO_TEMP.F_CV")

If iValue < 50 Then


RampValue "50", False, "AO_TEMP"
Else
MsgBox "Valor acima de 50."
End If

End Sub

Figura 13-8: Exemplo 5 de Programa

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-11


Fundamentos do iFIX

13.3. Usando o Editor de VBA___________________________________

A. Abrindo o Editor de VBA


• A partir do menu WorkSpace, selecione Visual Basic Editor
ou
• Selecione com o botão direto do mouse o objeto que irá conter o programa.
• Veja a Figura 13-9.

B. Componentes do Editor de VBA


• Project Explorer (Árvore do Sistema)
- Em geral, fica localizado na janela esquerda do editor.
- Cada tela é listada como um projeto.
• Property Windows (Janela de Propriedades)
- Mesmo tipo de informação do WorkSpace.
• Code Window (Janela de Código)
- Em geral a maior janela no editor.
- Esta seção contém o programa atual.
- A Figura 13-9 mostra um exemplo.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-12


Apostila de Treinamento

13.3. Usando o Editor de VBA _________________________________

Figura 13-9: Editor do VBA

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-13


Fundamentos do iFIX

13.4. Ferramentas de Programação ______________________________

A. Como Obter Ajuda sobre o VBA


• O Help do VBA é chamado iFIX Automation Reference e pode ser usado para buscar
ajuda sobre programação no iFIX.
• Este Help contém ajuda sobre todos objetos, propriedades, métodos, eventos e sub-
rotinas disponíveis.
• A Figura 13-10 mostra uma lista de todos os tópicos disponíveis do Automation
Interface Help
• A Figura 13-11 mostra uma lista das sub-rotinas mais usadas.

Figura 13-10: Automation Interface Help

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-14


Apostila de Treinamento

13.4. Ferramentas de Programação ____________________________

Sub-rotina Descrição
AcknowledgeAllAlarms Reconhece todos os alarmes da tela.
AcknowledgeAnAlarm Reconhece o alarme de um bloco.
DisableAlarm Desabilita a verificação do limite de alarme do bloco.
EnableAlarm Habilita a verificação do limite de alarme do bloco.
CloseDigitalPoint Fecha o bloco digital (envia o valor 1).
OpenDigitalPoint Abre o bloco digital (envia o valor 0).
ToggleDigitalPoint Alterna o estado de um bloco digital entre aberto e fechado.
ClosePicture Fecha a tela.
OpenPicture Abre a tela.
ReplacePicture Fecha a tela e abre outra em seu lugar.
OffScan Coloca o bloco fora de varredura.
OnScan Coloca o bloco para varredura.
ToggleScan Altera o estado de varredura do bloco.
SetAuto Estabelece o bloco para o modo automático.
SetManual Estabelece o bloco para o modo manual.
ToggleManual Altera o modo do bloco entre automático e manual.
ReadValue Lê o valor do bloco.
WriteValue Estabelece um valor para o bloco.
RampValue Aumenta ou diminui o valor do bloco através de uma
porcentagem da faixa da unidade de engenharia (EGU).
LocateObject Busca uma tela para o objeto e o seleciona.
LogIn Executa o programa de conexão.
PictureAlias Estabelece um apelido (alias) para a tela.

Figura 13-11: Sub-Rotinas Mais Usadas do iFIX

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-15


Fundamentos do iFIX

13.5. VBA versus Tag de Programa ______________________________

A. Introdução
• O uso de programação durante o desenvolvimento de uma aplicação é quase que
indispensável, e pode ser usada em vários lugares do iFIX.
• Em geral, pode-se programar de duas formas:
- Usando o VBA.
- Usando tags da base de dados do processo.

B. Programação via VBA


• Disponível dentro do ambiente gráfico do WorkSpace e do Scheduler.
• Oferece uma vasta quantidade de comandos e propriedades.
• O programa é executado de acordo com o disparo de eventos.

C. Programação via Base de Dados do Processo


• Disponível em vários tags da base de dados:
- Programa (PG)
- Evento (EV)
- Tempo (TM)
- Cálculo (CA), etc.
• Oferece uma quantidade restrita de comandos.
• O programa é executado de acordo com o scan time do tag.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-16


Apostila de Treinamento

13.5. VBA versus Tag de Programa ____________________________

VBA Tag de Programa (PG)

Executado apenas no modo Run. Executado enquanto o SAC estiver


atuando.

Número ilimitado de linhas de código. Até 20 linhas de código (cada PG pode


chamar outro bloco PG para aumentar as
linhas do código).

A velocidade do programa depende da As linhas de código do PG são


velocidade do PC. executadas dentro de um ciclo do SAC
(1/20ésimo de segundo).

Possui uma lista extensa de funções Não possui funções matemáticas (pode
matemáticas (funções trigonométricas, realizar alguns cálculos via bloco de
logarítmicas, etc.). cálculo).

Pode usar variáveis. Não pode usar variáveis (pode usar


blocos da base de dados como variáveis).

Faz manipulação de texto. Não realiza manipulação de texto (pode


usar blocos de texto para fazer
manipulações limitadas de texto).

Figura 13-12: VBA versus Tag de Programa

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-17


Fundamentos do iFIX

13.6. _____________________________________________ Exercício 13

Programando em VBA

Exercício 13

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-18


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 13

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para elaborar programas que realizam tarefas
simples como:

1. Manipular a navegação de tela.


2. Criar uma caixa de diálogo para executar um comando.

Informações sobre o exercício:

Neste exercício, iremos continuar com o desenvolvimento da aplicação de produção de cerveja.


Iremos criar agora alguns programas básicos para realizar tarefas simples. Na primeira parte
deste exercício, iremos criar uma nova tela para atuar como tela inicial de navegação
(Overview). A partir desta tela, será possível abrir as outras telas da aplicação. Entretanto, o
modo com que cada tela é aberta será diferente. Quando terminar, sua tela deverá se parecer
com:

Na segunda parte deste exercício, iremos criar uma caixa de diálogo para o operador para
confirmar uma ação em uma válvula.

Quando terminar este exercício, vá para a próxima seção e responda as questões.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-19


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 13

A. Cria uma nova tela.


Faz uma nova tela e adiciona objetos gráficos.
1. A partir do menu File, selecione New –Picture.
Uma nova tela sem título aparece.
2. Adicione objetos texto à nova tela usando a figura abaixo como referência.
Quando terminar, sua tela deverá se parecer com:

Obs.: Esta tela será usada como uma tela principal de navegação entre as telas da
aplicação de produção de cerveja. Neste exercício, iremos adicionar botões para
alterar a partir desta tela para outras telas que você desenvolveu.
3. Salve esta nova tela usando o seguinte nome:
Overview

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-20


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 13

B. Adiciona um retângulo.
Cria um retângulo para atuar como um push button.
1. Certifique-se de que a barra de ferramentas dos “Experts” esteja aberta
2. A partir do menu Insert, selecione Rectangle.
O cursor muda para o formato de uma cruz.
3. Desenhe um retângulo ao lado do texto “Mash Mixer”.
Um novo retângulo aparece.
4. Selecione o retângulo e clique o botão Replace Picture Expert
A seguinte caixa de diálogo aparece:

5. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Replace Current Picture in Run Mode: Habilitado
New Picture: MashMixer
6. Quando terminar, selecione OK.
Você irá retornar para a tela “Overview”.
7. Salve as alterações feitas na tela “Overview”.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-21


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 13

C. Adiciona um bitmap.
Cria um bitmap para atuar como um push button.
1. Abra a tela “FermTank”.
2. A partir do menu Edit, selecione Select All.
Todos os objetos da tela ficarão rodeados por cruzes.
3. Mantendo selecionada a tecla <CRTL>, selecione o gráfico para retirá-lo da seleção
4. A partir do menu Edit, selecione Copy As Bitmap.
5. Feche a tela “FermTank” para retornar para a tela “Overview”.
6. A partir do menu Edit, selecione Paste.
Os objetos do tanque de fermentação são colados na tela “Overview” como uma figura
grande.
7. Usando a Janela de Propriedades, configure as seguintes propriedades do bitmap com os
valores listados a direita:
Width: 6
Height: 5
ButtonStyle: BitmapButtonPush
Name: bmpFermTank
8. Mova o bitmap para o lado esquerdo do texto “Fermentation Tank”.
A tela deve-se parecer agora com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-22


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 13

C. Adiciona um bitmap (continuação).

9. Usando o botão direito do mouse, clique no bitmap e selecione Edit Script.


O editor de Visual Basic abre.
10. Digite o seguinte programa no evento “Click” do bmpFermTank:
ReplacePicture "C:\Dynamics\PIC\FermTank.grf”
A tela deve-se parecer agora com:

11. A partir do menu File selecione Close and Return to WorkSpace Application
12. Salve as alterações feitas na tela “Overview”.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-23


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 13

D. Adiciona um Bitmap.
Adiciona um bitmap para atuar como push button.
1. A partir do menu Insert, selecione Bitmap.
A caixa de diálogo para selecionar um arquivo aparece.
2. Selecione o seguinte arquivo e selecione o botão Open quando terminar.
C:\Dynamics\App\BrewKettle.bmp
O bitmap “Brew Kettle” é inserido na tela “Overview”.
3. Usando o botão direito do mouse, selecione o bitmap “Brew Kettle” e selecione
Transparent Color.
A caixa de diálogo para selecionar uma cor aparece.
4. A partir da caixa de cor, selecione Bright Cyan (fica na linha superior) e selecione então
OK.
5. Usando o botão direito do mouse, clique no bitmap “Brew Kettle” e selecione Enable
Transparency.
6. Redimensione o bitmap tal que caiba no lado esquerdo do texto “Brew Kettle”.
A tela deve-se parecer com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-24


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 13

D. Adiciona um Bitmap (continuação).

7. Usando a Janela de Propriedades, altere o nome do bitmap para:


bmpBrewKettle
8. Usando o botão direito do mouse, selecione o novo bitmap e selecione Edit Script.
O editor de Visual Basic abre.
9. Entre com o seguinte programa no evento “Click” do bmpBrewKettle:
ReplacePicture "C:\Dynamics\PIC\BrewKettle.grf”
A tela deve-se parecer agora com:

10. A partir do menu File selecione Close and Return to WorkSpace Application
11. Salve as alterações feitas na tela “Overview”.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-25


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 13

E. Adiciona um push button.


Cria um push button para trocar uma tela.
1. A partir do menu Insert, selecione Push Button.
Um botão é adicionado no centro da tela.
2. Mova o push button para o lado esquerdo do texto “Lauter Tun”.
3. Usando a Janela de Propriedades, configure as seguintes propriedades do botão com os
valores da direta:
Caption: Lauter Tun
Name: cmdLauterTun
4. Com o botão direito do mouse, selecione o push button e selecione Edit Script.
O VBE é aberto.
5. Digite o seguinte programa no evento “Click” do cmdLauterTun:
ReplacePicture "C:\Dynamics\PIC\LauterTun.grf”
6. A partir do menu File selecione Close and Return to WorkSpace Application
A tela deve-se parecer agora com:

7. Salve as alterações feitas na tela “Overview”.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-26


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 13

F. Adiciona um outro push button.

1. A partir do menu Insert, selecione Push Button.


Um botão é adicionado no centro da tela.
2. Mova o botão para a esquerda do texto “Whirlpool Filter”.
3. Com o novo botão selecionado, abra a Janela de Propriedades.
4. Configure as seguintes propriedades com os valores da direta:
Name: cmdFilter
Height: 7
Width: 6
Picture: C:\Dynamics\App\WhirlpoolTank.bmp
A tela deve-se parecer agora com:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-27


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 13

F. Adiciona um outro push button (continuação).

5. Usando o botão direito do mouse, clique no novo botão e selecione Edit Script.
O editor do Visual Basic é aberto.
6. Entre com o seguinte programa no evento “Click” do cmdFilter:
ReplacePicture "C:\Dynamics\PIC\Filter.grf”
A tela deve-se parecer agora com:

7. A partir do menu File selecione Close and Return to WorkSpace Application


8. Salve e feche a tela “Overview”.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-28


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 13

G. Adiciona um novo programa.

1. Abra a tela “BrewKettle”.


2. Usando o botão direito do mouse, selecione a válvula de saída e selecione Edit Script.
O editor de VBA abre.
3. Digite o seguinte programa no evento “Click” da ValveHorizontalOnOff2:
Obs.: Certifique-se de estar usando o evento Click. O comando Edit é o padrão!

Private Sub ValveHorizontalOnOff2_Click()


Dim Resposta
Resposta = MsgBox("Alterna o switch?", vbYesNo, "Confirma")
If Resposta = vbYes Then
ToggleDigitalPoint "Fix32.LAB#.BREW_SWITCH.F_CV"
Else
MsgBox "Nenhuma Alteração "
End If
End Sub

Use o nome do
seu nó aqui.

4. A partir do menu File selecione Close and Return to WorkSpace Application


5. Salve e feche a tela.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-29


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 13

H. Altera para o modo de execução.

1. Altere para o modo de execução e abra a tela “Overview”.


2. Explore os cinco botões diferentes desta tela. Qual é a diferença entre eles?

3. A partir da tela “BrewKettle”, clique na válvula de saída. Descreva o comportamento


deste objeto.

4. Que objeto pode ser adicionado à tela “Brew Kettle” para mostrar o estado da válvula de
saída? Se houver tempo, adicione esta funcionalidade a tela.

Fim do Exercício

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-30


Apostila de Treinamento

13.7. Questões de Revisão_____________________________________

1. Quais são as diferenças entre VB e VBA?

2. Dê exemplos de objetos, propriedades, métodos e eventos usados no exercício deste capítulo.

3. Descreva alguns lugares no iFIX onde se pode utilizar programação.

4. Explique algumas das vantagens e desvantagens dos cinco diferentes modos que o comando
ReplacePicture foi usado na tela “Overview”.

5. Explique algumas considerações necessárias a serem feitas entre usar um bloco de programa e
um programa em VBA.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-31


Fundamentos do iFIX

13.7 Questões de Revisão _____________________________________

página em branco

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 13-32


Apostila de Treinamento

14. Alarmes e Mensagens ____________________________________

Capítulo 14

Alarmes e Mensagens

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-1


Fundamentos do iFIX

14. Alarmes e Mensagens_____________________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo aborda questões relativas aos alarmes e mensagens do sistema. Mostra como
configurar os diversos serviços de alarmes, como personalizar as áreas de alarme e criar filtros para
a distribuição dos alarmes para os serviços e para a rede.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Alarmes e mensagens
• Estratégias de alarme
• Configuração dos serviços de alarme
• Filtragem de alarmes

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-2


Apostila de Treinamento

14.1. Alarmes e Mensagens ____________________________________

A. Alarmes
• Indicam que os valores do processo ultrapassaram um limite pré-definido. Por
exemplo, o nível do tanque muito alto está em condição de alarme à qual o operador
deve tomar conhecimento.
• Portanto, os alarmes precisam ser reconhecidos pelo operador.

B. Mensagens
• Mensagens são informações não críticas que não requerem um resposta. Por
exemplo: quando a válvula de entrada do tanque é aberta ou fechada, o iFIX envia
uma mensagem para o operador que o estado da válvula foi alterado.
• O iFIX envia mensagens quando:
- Um operador entra com um valor;
- Ocorre um evento na base de dados do processo;
- Ocorre um evento de sistema, como quando o iFIX completa seu processo de
inicialização.
• Podemos definir três tipos de mensagens:
- Mensagens de Evento: grava eventos ocorridos na base de dados do
processo. São similares ao alarme, mas não precisam de reconhecimento e
estão disponíveis nos seguintes tags: DI (Digital Input), DO (Digital Output),
AO (Analog Output), DR (Digital Register), AR (Analog Register) e TX
(Text).
- Mensagens de Aplicação: descreve atividades relacionadas a base de dados
do processo geradas por um aplicativo do iFIX ou uma entrada de operador.
Exemplo: download/upload de receita, mensagens gerada por um tag de
programa ou por código VBA, etc.
- Mensagens de Sistema: oferece informações sobre erros, mensagens de
alerta do sistema, eventos a nível de sistema (como tarefas finalizadas).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-3


Fundamentos do iFIX

14.2. Estratégia de Alarme______________________________________

A. Introdução
• O objetivo principal de criar uma estratégia de alarme é criar um sistema flexível de
alarmes que disponibiliza informações necessárias. Com uma boa estratégia de
alarmes implementada, é possível criar telas que mostram, filtram e organizam
alarmes em qualquer combinação.

B. Implementando uma Estratégia de Alarme


• Para implementar uma boa estratégia de alarme, é necessário:
- Identificar as áreas de alarme do processo.
- Configurar o nome das áreas de alarme da base de dados de áreas de alarme.
- Identificar os tags mais críticos do processo e associe as áreas de alarme aos
tags.
- Desenvolver um esquema de filtragem de alarmes associando filtros por áreas
de alarme nos serviços de alarme do SCU.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-4


Apostila de Treinamento

14.2.1. Base de Dados das Áreas de Alarme _____________________

Figura 14-1: Configuração dos Diretórios no SCU

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-5


Fundamentos do iFIX

14.2.2. Base de Dados de Áreas de Alarme _______________________

A. Introdução
• Uma área de alarme é uma divisão física ou funcional da planta
• Uma vez habilitado um alarme, as áreas de alarmes podem ser especificadas

B. Identificando Áreas Físicas de Alarme


• A forma mais fácil de identificar as áreas de alarme do processo é criar uma área e
alarme para cada divisão física da planta. Atribua um nome que indique o que a área
produz e que seja fácil de ser lembrado. Por exemplo: se uma área produz cerveja
normal e outra produz cerveja light, defina as áreas CERV_NORMAL e
CERV_LIGHT.

C. Identificando as Áreas Funcionais de Alarme


• Além de criar áreas de alarme por linha de produção (divisões físicas), é uma boa
idéia criar também áreas funcionais de alarme tais como temperatura de um forno ou
velocidade de um agitador.
• Por exemplo, suponha que queira gerar um alarme sempre que os agitadores das
linhas de produção estejam com rotação abaixo de 500 rotações por minuto (RPM).
Uma forma de criar uma área de alarme funcional é chamá-la de AGITADORES e
associá-las aos tags que monitoram cada agitador, como mostra a figura abaixo.

D. Base de Dados das Áreas de Alarme


• O iFIX cria um arquivo que armazena a base de dados das áreas de alarme
ALARMAREAS.AAD.
• As áreas de alarme do iFIX são por padrão de A até P, mas podem ser renomeadas e
conter um número ilimitado de áreas de alarme (Figura 14-2).
• Este arquivo fica armazenado no diretório reservado para Alarm Áreas (AAD) no
SCU.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-6


Apostila de Treinamento

14.2.2. Base de Dados de Áreas de Alarme______________________

Figura 14-2: Configuração da Base de Dados das Áreas de Alarme

Figura 14-3: Exemplo de Filtragem de Alarmes por Área

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-7


Fundamentos do iFIX

14.2.3. Formato Padrão dos Alarmes ____________________________

A. Introdução
• O formato padrão dos alarmes define que informações sobre alarmes e mensagens os
serviços de alarme irão receber, como por exemplo: data, hora, nome da estação, etc.
• O formato padrão dos alarmes pode ser definido para os seguintes serviços de alarme:
arquivos, impressoras e histórico de alarmes.

B. Para configurar o formato padrão dos alarmes


1. Selecione o botão Alarms na caixa de ferramentas do SCU.
2. Selecione o botão Advanced (Figura 14-4).
3. Selecione o botão Common Format (Figura 14-5).

C. Configurando o Formato Padrão dos Alarmes


• Columns
- Date e Time: data e hora que foram gerados os alarmes.
- Node e Tagname: nome da estação SCADA que gerou o alarme e nome do
tag em estado de alarme.
- Value, Unit, Description: valor do tag que gerou o alarme, unidade de
engenharia (EGU) e descrição configurados no tag
- Alarm Type: tipo de alarme gerado (HIHI, HI, LO, LOLO, COS, COMM, etc)
• Length
- Tamanho reservado para receber a informação. Se o tamanho configurado não
for suficiente, o iFIX corta o texto.
• Column Order
◊ A ordem das colunas de informações que serão para os serviços de
alarme podem ser alteradas. As colunas no topo da lista aparecem em
primeiro.
◊ Para isso, selecione a coluna desejada e então configure a ordem
usando os botões com as setas à direita.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-8


Apostila de Treinamento

14.2.3. Formato Padrão dos Alarmes ___________________________

Figura 14-4: Configuração Avançada de Alarmes

Figura 14-5: Formato Comum para Alarmes e Mensagens

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-9


Fundamentos do iFIX

14.2.4. Áreas de Alarmes Comuns a Todos Serviços_______________

A. Introdução
• Um área de alarme que tiver que ser configurada para todos os serviços de alarme do
computador local. Configurando uma área de alarme comum, o processo de
configuração é simplificado.
• Por exemplo, considere que uma estação cliente ESTACAO1 tenha os serviços
Alarm Printer, Alarm File e Alarm History habilitados. Compartilhando todas as
áreas de alarme da ESTACAO1, você elimina a necessidade de atribuir manualmente
as áreas de alarme para todos estes serviços. Ao invés disto, o SCU atribui
automaticamente as áreas de alarmes comuns a todos os serviços habilitados.

B. Áreas de Alarme fora da Base de Dados das Áreas de Alarme


• Geralmente, áreas comuns de alarme são selecionadas a partir da base de dados
das áreas de alarme
• Entretanto, uma área de alarme não listada na base de dados pode ser incluída
• Esta situação pode ocorrer se o computador local não tiver acesso à base de
dados necessária das áreas de alarme
- Exemplo:
◊ se a base de dados de áreas de alarme estiver em um servidor de
arquivos e o servidor não estiver disponível

C. Para selecionar áreas comuns de alarme:


1. Selecione o botão “Alarms” na caixa de ferramentas do SCU
2. Selecione o botão “Advanced”
- ver Figura 14-6
3. Selecione o botão “Common Areas”
- ver Figura 14-7
4. Selecione a opção “Select from Alarm Area Database”
5. Clique duas vezes nas áreas de alarme que deseja tornar comum.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-10


Apostila de Treinamento

14.2.4. Áreas de Alarmes Comuns a Todos Serviços _____________

Figura 14-6: Configuração Avançada de Alarmes

Figura 14-7: Áreas Comuns de Alarme

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-11


Fundamentos do iFIX

14.2.5. Configurando os Serviços de Alarme _____________________

A. Introdução
• O iFIX pode enviar alarmes e mensagens para diferentes tipos de serviços de alarme.
A maioria dos serviços possuem uma ou mais opções para serem configuradas no
SCU. Por exemplo, configurar a porta de uma impressora de alarme ou então sua
descrição.

B. Alarm Printer
• É possível configurar até 4 impressoras de alarme por estação. Para habilitar uma
impressora de alarme, selecione a linha da impressora desejada e selecione a opção
Enable. Selecione então o botão Modify à direita desta janela.
• Para cada impressora é necessário configurar sua porta de comunicação e uma
descrição (opcional). Pode-se configurar também uma filtragem por área de alarme e
o formato com que os alarmes serão impressos (vide itens anteriores).

C. Alarm Summary
• Oferece filtragem primária de área de alarme para o objeto Sumário de Alarme
da estação local.
• Permite apagar alarmes manualmente

D. Alarm File
• Permite a criação de arquivos diários de alarme [YYMMDD.ALM]
• O arquivo ALARM.INI define quando estes arquivos serão apagados

E. Alarm History
• Habilita uma lista de alarmes locais ou recebidos de um nó remoto
• Pode ser vista na tarefa de histórico de alarme, ALMHIS.EXE

F. Alarm ODBC
• Permite o envio de informações de alarme para uma fonte de dados ODBC

G. Alarm Network
• Permite a distribuição de alarmes para nós com comunicação estabelecida

H. Alarm Startup Queue


• Permite que um nó Vista receba de um nó SCADA uma lista de alarmes ocorridos
antes de ser iniciado

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-12


Apostila de Treinamento

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-13


Fundamentos do iFIX

14.2.5. Configurando os Serviços de Alarme _____________________

Figura 14-8: Configuração de Alarmes no SCU

Figura 14-9: Áreas de Alarme do Serviço de Sumário de Alarme

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-14


Apostila de Treinamento

14.2.5. Configurando os Serviços de Alarme ____________________

[FILE]
;
; file_live_days : the number of days to pass before an alarm file
; is automatically purged can be set through this.
;
; The valid range is from 1 to 365 days. Any other
; value would default to 30 days.
;
; Fractional numbers will be rounded down.
;
file_live_days=30

[SUMMARY]
; UpdateTimeInOnAck (6.15 change)
; When TRUE indicates to the Alarm Summary that the time-in field
; in the alarm should be updated on re-alarm if any existing alarms
; have been acknowledged. This is new behavior in V6.15.
; When FALSE (default) indicates to the Alarm Summary that the
; time-in field in the alarm should be left alone on re-alarm.
; This is the way it the original behavior.
UpdateTimeInOnAck=FALSE

Figura 14-10: Exemplo do Arquivo ALARM.INI

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-15


Fundamentos do iFIX

14.2.5. Configurando os Serviços de Alarme _____________________

7/19/99 14:21:24.0 iFIX Software is running!

7/19/99 14:21:38.4 Connection NOT established with node NODE4

7/19/99 14:21:43.9 [NODE8 ] SAC - Cold Start

7/19/99 14:21:43.9 [NODE8 ] SAC - Initialization Complete

7/19/99 14:21:44.0 [NODE8 ] LAUTER_LEVEL LOLO 3.33 GALL


Lauter Tun Level

7/19/99 14:21:44.2 [NODE8 ] CALC_RATE Field's value not known


PUMP_SWITCH.F_CV

7/19/99 14:21:44.0 [NODE8 ] FERM_LEVEL LOLO 0.00 GALL


Fermentation Tank Level

7/19/99 14:21:44.0 [NODE8 ] FILTER_SWITCH COS OPEN


Whirlpool Filter Drain Valve

7/19/99 14:21:44.0 [NODE8 ] FILTER_STAT COS IDLE


Whirlpool Filter Status

7/19/99 14:21:49.0 [NODE8 ] LAUTER_LEVEL LO 168.32 GALL


Lauter Tun Level

7/19/99 14:21:52.0 [NODE8 ] LAUTER_LEVEL OK 268.33 GALL


Lauter Tun Level

7/19/99 14:22:08.0 [NODE8 ] LAUTER_LEVEL HI 801.66 GALL


Lauter Tun Level

Figura 14-11: Exemplo de Arquivo Diário de Alarme

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-16


Apostila de Treinamento

14.2.6. Configuração de Mensagem ____________________________

A. Introdução
• As mensagens de aplicação descrevem as atividades relativas à base de dados geradas
pela aplicação iFIX ou digitadas por um operador
• As mensagens de sistema oferecem informações sobre tarefas completadas e erros

B. Mensagens de Aplicação
• Mensagens de Operador
- O iFIX monitora todas as mudanças da base de dados e cria mensagem de
operador sempre que o operador:
◊ altera um valor de processo
◊ carrega a base de dados
◊ conecta-se no iFIX
• Mensagens de Receita
- o “Recipe Builder” pode armazenar uma lista (audit trail) das atividades de
receitas
- esta lista informa quando uma receita foi carregada, descarregada ou salva
- quando uma destas atividades ocorre uma mensagem de receita é gerada
• Mensagens de Bloco de Programa
- configure um bloco de programa para enviar mensagens usando o comando
MSG
- quando este comando é executado, o bloco de programa envia uma mensagem
para todos os destinos de alarme das áreas de alarme do bloco
• Mensagens de Programa
- use um programa em VBA para gravar informação que o operador quiser
salvar
- quando um operador usa um programa através do método SendOperatorMsg,
o iFIX envia a informação para todos os destinos de alarme habilitados

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-17


Fundamentos do iFIX

14.2.6. Configuração de Mensagem ____________________________

C. Distribuição das Mensagens de Aplicação


• Configure o iFIX para enviar mensagens para os destinos de alarme configurados
• Use o SCU para associar áreas de alarme para mensagens de operador e de receita
• O iFIX envia automaticamente mensagens de programas em VBA e de blocos de
programas para as áreas de alarme de mensagens de operador
• Para estabelecer áreas de alarme para mensagens de aplicação:
1. Selecione o botão “Alarms” na caixa de ferramenta do SCU
2. Selecione o botão “Advanced”
3. Selecione “Recipe Messages” para configurar as áreas de alarme das
mensagens de receita ou “Operator Messages” para configurar as áreas de
alarme para qualquer outro tipo de mensagens de aplicação
4. Clique duas vezes nas áreas de alarme da lista “Available Áreas”

D. Mensagens de Sistema
• As mensagens de sistema fornecem informações sobre tarefas finalizadas ou de erros
• O iFIX gera uma mensagem de sistema quando:
- uma base de dados é carregada
- ocorre uma falha de comunicação de rede
- um driver I/O detecta um erro
- o SAC envia uma mensagem quando ele é:
◊ iniciado
◊ completa uma tarefa
◊ encontra erros em um bloco ou em uma cadeia da base de dados
◊ encontra erros de execução ou sistema

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-18


Apostila de Treinamento

14.3. Reconhecimento de Alarme _______________________________

A. Introdução
• Durante a execução, os alarmes realizam ações visuais nas telas do iFIX
- estas ações podem ser textos coloridos ou piscantes no objeto Sumário de
Alarme, em links de dados ou em objetos com animações disparadas por
alarmes
- ações visuais baseadas em alarme permanecem na tela até que haja o
reconhecimento do alarme pelo operador e que o bloco volte para seu estado
normal

B. Latched e Current Alarms


• Current Alarm: alarme atual do tag.
• Latched Alarm: alarme mais severo do tag ainda não reconhecido.
• Exemplo:
- Se um bloco gerar um alarme HIHI, o alarme mais severo e o alarme atual
correspondem ao mesmo alarme: HIHI.
- Se um bloco gerar um alarme HI, o alarme atual agora é o HI mas o alarme
mais severo continua sendo o alarme HIHI.

C. Alarmes em Datalinks
• Os alarmes em datalinks respondem ao reconhecimento de forma diferente.
• Exemplo:
- Um link mostra o alarme atual até que um novo alarme ocorra ou que o valor
do tag retorne para o estado normal.
- Da mesma forma, um link mostra o alarme mais severo até que o operador
reconheça o alarme.
◊ O link passa então a mostrar o alarme mais severo ainda não
reconhecido.
• Os alarmes usados para animação de objetos tratam o reconhecimento de alarme de
forma similar aos datalinks.
• Exemplo:
- Quando um objeto é animado com base no alarme atual, o objeto pára a
animação quando o alarme atual retorna para o estado normal.
- Da mesma forma, quando um objeto é animado com base no alarme mais
severo, o objeto pára a animação quando o operador reconhece o alarme.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-19


Fundamentos do iFIX

14.3. Reconhecimento de Alarme ______________________________

D. Alarmes no Objeto Sumário de Alarmes


• Os alarmes no objeto Sumário de Alarmes respondem da mesma forma com os
alarmes mais severos
• O alarme mais severo não reconhecido aparece na planilha do objeto
- quando um operador reconhece um alarme, o próximo alarme mais severo
aparece
- além disso, os textos param de piscar e os textos coloridos retornam para a
sua cor original quando um operador reconhece o alarme no Sumário de
Alarmes
- então, o Serviço de Sumário de Alarmes espera o valor do bloco retornar para
o estado normal
- quando isso acontece, o serviço automaticamente apaga o alarme

E. Reconhecimento de Alarmes
• Os operadores podem apenas reconhecer alarmes se for fornecido um método para tal
operação
- Exemplo:
◊ seleção de um botão ou um objeto piscante na tela
- isto pode ser feito adicionando-se um objeto na tela e associando-se um
programa a ele
• Objeto Sumário de Alarme
- este objeto permite o operador reconhecer um alarme através de duplo clique
no alarme
- além disso, selecione o sumário de alarmes com o botão direito do mouse e
escolha um dos seguintes comandos:
◊ Acknowledge: para reconhecer apenas um alarme
◊ Acknowledge Page: para reconhecer todos os alarmes da tela
◊ Acknowledge All: para reconhecer todos os alarme do sumário
• O iFIX também oferece dois botões para reconhecimento de alarmes na barra de
ferramentas Experts
- Um destes botões reconhece apenas um alarme para o objeto selecionado ou a
fonte de dados específica.
- O outro botão reconhece todos os alarmes dos destinos de alarme
configurados.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-20


Apostila de Treinamento

14.4. Contadores de Alarmes___________________________________

A. Contadores de Alarme
• Provides a way to determine the general alarm state of a single SCADA server, or
areas within that server
• Indicate how many tags are in alarm, how many of these alarms are high, medium,
and low priority, and how many are acknowledged or unacknowledged
• Use alarm counters to animate and color picture objects

B. Accessing Alarm Counter Information


• iFIX provides two ways to access alarm counter information:
- use a database block to access a counter through the SIM driver
- use a tag field (SYSTEM tag, ALARMCOUNTERS tag, or area name) within
the WorkSpace
• Examples:
- the database can react based on one or more of the alarm counters by
assigning one or more blocks to the SIM driver
◊ the database logic processes alarms even when the WorkSpace is not
running
- to display a count of alarms in the WorkSpace, access the counter directly
from a tag field

C. Note:
• iFIX has a collision detection program that detects when a tag name and an alarm
area name are identical
- when this happens, the alarm counter is unavailable
- the system always attempts to read data from the process database tag and not
the alarm counter tag

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-21


Fundamentos do iFIX

14.4. Contadores de Alarmes ___________________________________

Figura 14-12: Contadores de Alarmes

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-22


Apostila de Treinamento

14.5. Questões de Revisão_____________________________________

1. Explique a diferença entre alarme e mensagem.

2. Para que servem as áreas de alarme?

3. Quais são os tipos existentes de mensagens e onde elas aparecem?

4. Para que serve o reconhecimento de um alarme?

5. Para que serve as áreas comuns de alarmes?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 14-23


Apostila de Treinamento

15. Ferramentas Gráficas Adicionais___________________________

Capítulo 15

Ferramentas Gráficas Adicionais

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-1


Fundamentos do iFIX

15. Ferramentas Gráficas Adicionais ____________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo mostra alguns componentes gráficos adicionais que podem ser utilizados no iFIX,
como a utilização dos controles ActiveX e ferramentas avançadas de desenvlvimento como os Tag
Groups.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Sumário de alarmes
• Controles ActiveX
• Editor de Tag Group

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-2


Apostila de Treinamento

15. Ferramentas Gráficas Adicionais ___________________________

A. Revisão:
• Alarmes
- condição do bloco indicando que um valor ultrapassou um limite pré-definido
- necessita reconhecimento
• Mensagens
- são apenas informativas
- tipos:
◊ mensagens de sistema
◊ mensagens de aplicação
◊ mensagens de evento
• “Latched Alarm” e “Current Alarm”
- “Current Alarm”: estado atual de alarme do bloco
- “Latched Alarm”: alarme mais severo do bloco

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-3


Fundamentos do iFIX

15.1. Sumário de Alarmes ______________________________________

A. Notas
• O fornecimento de ações visuais para os operadores é a chave para o
desenvolvimento de uma boa aplicação
• Uma forma de se fazer isso é adicionando um sumário de alarmes na tela
- este objeto permite monitorar, reconhecer, ordenar e filtrar alarmes
- também pode ser usado para colorir alarmes de acordo com seu estado e
prioridade a fim de fornecer variações visuais
• Por padrão, o sumário de alarmes mostra os alarmes reconhecidos e não reconhecidos
- o serviço de sumário de alarmes apaga automaticamente o alarme quando:
◊ o bloco retorna para seu valor normal
◊ o alarme é reconhecido pelo operador

B. Adicionando um objeto Sumário de Alarme


• A partir do menu “Insert”, selecione “Alarm Summary”
• Ver Figura 15-1 para um exemplo no modo de execução

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-4


Apostila de Treinamento

15.1. Sumário de Alarmes ____________________________________

Figura 15-1: Objeto Sumário de Alarmes

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-5


Fundamentos do iFIX

15.1. Sumário de Alarmes ____________________________________

C. Configurando o Sumário de Alarmes


• Clique duas vezes sobre o sumário para abrir sua janela de configuração (veja a
Figura 15-2)
• Guia “Operator”
- “Allow Alarm Acknowledgement”: permite reconhecimento de alarme
- “Allow Alarm Deletion”: permite apagar alarme
- “Run Time Configuration”: permite configuração no modo de execução
- “Enable Column Quick Sort”: permite ordenar rapidamente as colunas
- “Display Right Mouse Menu”: mostra o menu do botão direito do mouse
• Guia “Filter”
- Cria filtros, como por exemplo, filtragem de alarmes por prioridade:
◊ Priority = “High”
- Ou então por área de alarme:
◊ Area In “A, B, E, F”
• Guia “Sort”
- Cria a organização dos alarmes na tela, como por exemplo, organizar por tipo
de alarme, por prioridade, por estação, etc.
• Guia “Color”
- Configura a cor do texto de acordo com o tipo de alarme.
- A cor de fundo do sumário de alarmes é baseada na prioridade do alarme.
• Guia “Column”
- Seleciona as colunas que estarão visíveis no sumário de alarmes. É possível
alterar a ordem das colunas selecionando a coluna desejada e clicando sobre
as setas a direita (para cima ou para baixo).
• Guia “Display”
- Área Dysplay Settings: configura opções como: mostrar cabeçalhos
(Headers), barra de rolagem (Scroll Bar), número das linhas (Row Numbers),
barra de estado (Status Bar), grade (Grid Lines), piscar alarmes que não
foram reconhecidos (Blink Unacknowledged Alarms).
- Área Refresh Settings: configura o intervalo de atualização dos alarmes
(Alarm Refresh Interval), intervalo de atualização de dados (Data Refresh
Interval), velocidade da piscagem (Blink Rate) e freqüência com que uma
linha permanece selecionada no modo de execução (Selection Timeout).

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-6


Apostila de Treinamento

15.1. Sumário de Alarmes ____________________________________

Figura 15-2: Configuração do Sumário de Alarme (guia Filter)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-7


Fundamentos do iFIX

15.2. Controles ActiveX ________________________________________

A. ActiveX
• Conjunto de tecnologias de programação criado pela Microsoft
• Permite que componentes de software criados em diferentes linguagens possam se
interagir em um ambiente de rede
• Criado a partir do padrão de desenvolvimento OLE (OLE para Internet)
• Baseado no modelo de programação COM (Component Object Model)

B. Documento ActiveX
• Arquivo que pode ser editado a partir de qualquer aplicativo compatível com
ActiveX
• Documentos ActiveX criados pelo FIX Dynamics:
- Tela do FIX Dynamics
- Schedule de evento

C. Controle ActiveX
• Um objeto que pode ser manipulado pelo usuário para realizar uma ação (um
controle) que pode ser usado com qualquer aplictivo compatível com ActiveX
• A Figura 15-4 compara os termos usados pelo ActiveX e pelo OLE

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-8


Apostila de Treinamento

15.2. Controles ActiveX _______________________________________

Terminologia Active X
ActiveX Nome da tecnologia da Microsoft que permite interoperabilidade
através do modelo de componentes COM
Componente Arquivo (por exemplo, .EXE, .DLL, .OCX) que contém classes
ActiveX de definições de objetos
Controle Objeto que pode ser inserido em um formulário por exemplo para
ActiveX habilitar ou melhorar a interação entre o usuário e a aplicação.
Estes controles possuem extensão .OCX
Documento Aplicação compatível com os controles ActiveX
ActiveX
COM Component Object Model
DCOM Distributed Component Object Model
OLE Object Linking and Embedding

Figura 15-3: Terminologia ActiveX

Novo termo ActiveX Antigo termo OLE


Componente de código ActiveX Servidor OLE, servidor de automação OLE
Componente ActiveX (termo que Servidor de automação OLE, componente
engloba documento, controle e OLE, controle OLE, controle padrão,
componente de código ActiveX) servidor OLE
Controle ActiveX Controle OLE, controle padrão
Documento ActiveX Não possui termo correspondente
Programa ActiveX Não possui termo correspondente
Automação Automação OLE

Figura 15-4: Comparação entre os termos ActiveX e OLE

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-9


Fundamentos do iFIX

15.2. Controles ActiveX _______________________________________

C. Documentos e Controles
• Um documento ActiveX é um arquivo que pode ser configurado a partir de qualquer
aplicação compatível com ActiveX (chamada de “ActiveX Container”)
- Um documento iFIX pode ser aberto em qualquer “ActiveX Container”
- Os documentos ActiveX criados pelo iFIX são:
◊ telas
◊ schedules de evento
- Qualquer documento ActiveX pode ser aberto no WorkSpace da Intellution
- Exemplos de documentos ActiveX criados fora do iFIX:
◊ documentos Microsoft Word
◊ documentos Microsoft Excel
• Um controle Active X é um objeto que pode ser manipulado pelo usuário para
realizar uma ação que pode ser usada em qualquer aplicação que suporte ActiveX
- Controles ActiveX criados pelo iFIX:
◊ objeto sumário de alarmes
◊ objeto “Expression Builder” (primeiro objeto da Figura 15-5)
- Controles ActiveX criados fora do iFIX:
◊ Controle calendário (segundo objeto da Figura 15-5)
◊ Botão de comando de formulário VBA (terceiro objeto da Figura 15-
5)
◊ Controle para visulação de vídeo (quarto objeto da Figura 15-5)
• A partir do menu “Insert”, selecione “OLE Object” para inserir um controle ActiveX
- veja a Figura 15-6

D. “Secure Containment”
• Para proteger o sistema de possíveis problemas com controles ActiveX, o iFIX possui
“Secure Containment”
• Isto significa que se um controle ActiveX falhar enquanto o iFIX estiver sendo
executado, o controle ActiveX é isolado e o sistema continua sendo executado
normalmente
• Com “Secure Containment”, não existe perda de dados ou interrupção para o resto do
sistema

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-10


Apostila de Treinamento

15.2. Controles ActiveX _______________________________________

Figura 15-5: Controles ActiveX

Figura 15-6: Inserindo um Objeto ActiveX

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-11


Fundamentos do iFIX

15.3. Grupos de Tags __________________________________________

A. Introdução:
• Os grupos de tags (ou Tag Groups) permitem criar uma única tela para representar as
diferentes áreas do processo, economizando assim tempo de desenvolvimento.
• Por exemplo, uma mesma tela pode ser usada para representar linhas similares do
processo.
• Um grupo de tag é composto por um symbol (símbolo), uma substitution
(substituição) correspondente e um campo de descrição opcional
- os símbolos (“symbols”) representam as fontes de dados ou texto em uma tela
- a substituição (“substitution”) é uma seqüência de caracteres alfa-numéricos
que substituem os símbolos contidos na tela

B. Arquivos de Grupos de Tags


• Utilize símbolos nas áreas da tela onde deseja representar valores do processo
• Crie diferentes arquivos de grupos de tag que associam os símbolos usados na tela
com as substituições (as quais serão feitas durante a execução da tela)
- um arquivo de grupo de tags é um arquivo binário que contém os símbolos, as
substituições e as descrições para cada grupo de tag

C. Editor de Grupo de Tag


• “Symbol” (campo obrigatório)
- texto que será substituído pelo campo de substituição
- pode conter até 60 caracteres alfa-numéricos
◊ o primeiro caractere deve ser uma letra
• “Substitution” (campo obrigatório)
- texto que substitui o símbolo
- pode conter até 60 caracteres alfa-numéricos
◊ o primeiro caractere deve ser uma letra
• “Description” (campo opcional)
- texto que descreve a função do grupo de tag
- pode conter até 60 caracteres alfa-numéricos, incluindo caracteres especiais,
tais como - (*) & + % e espaços

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-12


Apostila de Treinamento

15.3. Grupos de Tag__________________________________________

Figura 15-7: Editor de Grupo de Tag

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-13


Fundamentos do iFIX

15.3. Grupos de Tag __________________________________________

D. Definindo um Símbolo
• Ao adicionar um símbolo na tela, digite o sinal arroba (@) no início e final do nome
do símbolo
- com isso o iFIX diferencia os símbolos de grupo de tag dos textos normais
• Quando definir símbolos na coluna “Symbol” do editor de grupo de tags, digite
somente o nome do símbolo
• Exemplo:
- você quer inserir um link na tela tela para mostrar o valor de temperatura de
um bloco de saída
- esta tela será usada para monitorar três processos similares
- utilize um símbolo na tela chamado “temperatura” (por exemplo), digitando o
seguinte texto no campo “Data Source” do link
@temperatura@
- quando o iFIX faz a leitura de textos neste formato, ele identifica o texto
como um símbolo de grupo de tag
- quando a tela é aberta no modo de execução, o símbolo é substituído pelo
texto configurado na coluna “Substitution” do editor de grupos de tags

E. Substituições Parciais
• Pode-se substituir apenas uma parte específica de um tag ou de um texto
• Isto é conhecido como substituição parcial
• O editor de grupo de tags pode realizar substituições parciais; entretanto deve-se
certificar de que exista um sinal arroba, @, delimitando o nome do símbolo
• Para realizar uma substituição parcial de um tag, siga o guia da Figura 15-8

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-14


Apostila de Treinamento

15.3. Grupos de Tag__________________________________________

Símbolo Correto Símbolo Incorreto Razão


Os elementos devem ser separados
Node.@tag1@.f_cv Node@tag1@f_cv por pontos. Neste exemplo, deve
existir um ponto entre o nome do
nó (node) e o tag e entre o tag e o
field.
Cada símbolo deve iniciar e
@tag1@.@field@ @tag1@.@field terminar com um sinal de arroba
(@). Neste exemplo, uma
substituição não irá ocorrer para o
field porque o símbolo deve
terminar com um sinal de arroba
(@).
Elementos separados com pontos.
Node.@tag1@.@field@ Node.@tag1@field@ Além disso, sinais de arroba (@)
não podem ser compartilhados.
Texto começando e terminando
com um sinal de arroba (@)
denota um símbolo a ser
substituído. Neste exemplo, uma
substituição irá ocorrer para o tag1
mas não para o field.
Não se pode compartilhar sinais de
Node.@unit@@device@ Node.@unit@device@. arroba (@). Neste exemplo, uma
.f_cv f_cv substituição irá ocorrer para unit
mas não para device.
Deve-se digitar um espaço antes e
@tag1@ + @tag2@ @tag1@+@tag2@ depois do operador matemático (o
sinal mais (+) neste exemplo).

Figura 15-8: Símbolos nas telas: o que pode e o que não pode ser feito

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-15


Fundamentos do iFIX

15.3. Grupos de Tag __________________________________________

F. Associando um Arquivo de Grupo de Tag à uma Evento da Tela


• O arquivo de grupo de tags deve ser configurado para ser carregado durante a
abertura da tela
• Use os assitentes de programação “Open Picture” ou “Replace Picture” e adicione
um arquivo de grupo de tag
- veja a Figura 15-9
• Observações:
- se quiser escolher a tela que será aberta somente durante a execução,
selecione a opção “Select picture to open in Run Mode”
◊ a caixa de diálogo para abertura de um arquivo aparece no modo de
execução para a seleção do arquivo de tela
- se quiser escolher o arquivo de grupo de tag a ser carregado somente durante
a execução, selecione a opção “Select Tag Group File in Run Mode”
◊ a caixa de diálogo para seleção de um arquivo de grupo de tag aparece
no modo de execução

G. Otimizando o Carregamento da Tela no Ambiente de Execução


• Após ter completado o arquivo de grupo de tag, otimize o desempenho de abertura da
tela usando o comando “Resolve Tags” (encontrado no menu “File”)
- este comando faz com que a tela substitua os símbolos pelas “substituições” e
estabelece conexões entre a tela e as fontes verdadeiras de dados
• O editor de grupo de tags salva esta informação no arquivo de armazenamento de
grupos de tags (.TGS)
- este arquivo armazena também o número da versão da tela, o arquivo de
grupo de tag e os textos de identificação após a substituição
- o iFIX cria apenas um arquivo de armazenamento de grupos de tags para cada
estação

H. Habilitando a mensagem que avisa quando o comando “Resolve Tags” não foi usado:
• Uma mensagem pode avisar que a tela não foi otimizada pelo comando “resolve
Tags” durante sua abertura no modo de execução
• Para habilitar esta mensagem de aviso, edite o arquivo FILTEREDERRORS.INI
localizado no diretório DYNAMICS\LOCAL
• Consulte o manual eletrônico para obter maiores informações

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-16


Apostila de Treinamento

15.3. Grupos de Tag__________________________________________

Figura 15-9: Assistente de programação “Open Picture Expert”


(mostrando um arquivo de Grupo de Tag)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-17


Fundamentos do iFIX

15.4. _____________________________________________ Exercício 15

Ferramentas Gráficas Adicionais

Exercício 15

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-18


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 15

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para:

1. Adicionar um objeto Sumário de Alarme na tela


2. Adicionar outros controles ActiveX na tela

Introdução:

Neste exercício, iremos criar duas novas telas. A primeira tela será uma tela simples de alarme
que irá conter um Sumário de Alarmes além de objetos data e hora. Quando terminar, a tela de
alarme deverá de parecer com:

A segunda tela irá conter o controle Calendário. Este controle será usado mais tarde no capítulo
sobre coleta de dados históricos. Quando terminar este exercício, vá para a próxima seção e
responda as questões.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-19


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 15

A. Cria uma nova tela.


Faz uma nova tela e adiciona um objeto sumário de alarme.
1. A partir do menu File, selecione New –Picture.
Uma nova tela sem título aparece.
2. A partir do menu Insert, selecione Alarm Summary.
O sumário de alarme é adicionado na nova tela.
3. Adicione os objetos Text, Time e Date usando a figura abaixo como referência.
A tela deve-se parecer agora com:

4. Salve a tela usando o seguinte nome:


AlarmSummary

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-20


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 15

B. Configura o objeto sumário de alarme.


Edita a configuração do objeto sumário de alarme.
1. Clique duas vezes no objeto sumário de alarme.
A caixa de diálogo de propriedades aparece.
2. Na guia Sort, altere a ordem dos alarmes, organizando-os por nó (node).
3. Na guia Filter, altere o filtro para mostrar apenas os alarmes que foram gerados hoje.
4. Na guia Columns, altere a ordem das colunas para mostrar o estado do alarme em
primeiro lugar.
5. Na guia Display, faça mostrar o número das linhas.
A tela deve-se parecer agora com:

6. Vá para o Run Mode e observe.


7. No modo de execução, altere a lista Sort para organizar os alarmes por nome do tag.
Como você impede que o operador altere a ordem dos alarmes no modo de execução?

8. Quando terminar, volte para o modo Configure.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-21


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 15

C. Cria uma nova tela.


Faz uma nova tela e adiciona um controle ActiveX.
1. A partir do menu File, selecione New –Picture.
2. A partir do menu Insert, selecione OLE Object.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

3. A partir da lista de objetos, selecione Calendar Control e selecione OK.


Um objeto calendário é adicionado a tela:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-22


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 15

D. Configura o controle ActiveX.


Edita a configuração do controle calendário.
1. Usando o botão direito do mouse, selecione o calendário.
2. Selecione a opção Properties Calendar Object a partir do menu do botão direito.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

3. Configure as seguintes opções com os valores da direta:


Day Length: Short
Month Length: Short
Month/Year Title: Desabilitado
4. Quando terminar, selecione OK.
5. Salve a nova tela usando o seguinte nome:
Archive

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-23


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 15

E. Anima um objeto texto.


Adiciona um objeto texto mostrando os dados selecionados no controle calendário.
1. A partir do menu Insert, selecione Text.
O cursor muda para o formato de uma barra I.
2. Selecione uma área abaixo do calendário e digite o seguinte texto:
Date
3. Clique duas vezes no novo objeto texto.
A caixa de diálogo de animação aparece.
4. Selecione a opção Enable Select a partir da guia General.
5. Selecione a guia Text da caixa de diálogo.
As opções de texto aparecem.
6. Selecione a caixa de opção para animar a propriedade Caption.
A caixa de configuração de animação aparece:

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-24


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 15

E. Anima um objeto texto (continuação).

7. Selecione o botão Browse para selecionar a fonte de dado (data source).


O Expression Builder aparece.
8. Selecione a guia Picture.
As telas abertas serão listadas.
9. A partir da lista, selecione:
Archive.Calendar1.Value
A caixa de diálogo deverá se parecer agora com:

10. Selecione OK para retornar para a caixa de diálogo de animações.


11. Selecione OK para retornar para a tela “Archive”

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-25


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 15

F. Adiciona uma barra de título e salva.

1. A partir do menu Insert, selecione Text.


O cursor muda para o formato de uma barra I.
2. Selecione uma área no centro superior da página e digite o seguinte texto:
Historical Data
A tela deverá se parecer agora com:

3. Salve a tela.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-26


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 15

G. Altera para o modo de execução.

1. Altere para o modo de execução.


2. Selecione uma nova data no objeto Calendar Control. O que acontece?

Obs.: Esta tela receberá novos objetos em outro exercício. Você irá adicionar um
gráfico para ver dados históricos. Este controle de calendário permitirá selecionar
rapidamente a data que desejar ver os dados históricos.

Fim do Exercício

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-27


Fundamentos do iFIX

15.5. Questões de Revisão _____________________________________

1. Para que serve o objeto Sumário de Alarme?

2. Em que lugares do iFIX pode-se ver os dados de alarme?

3. O que é um ActiveX?

4. O que é um “ActiveX container”?

5. O que significa conter segurança em relação aos controles ActiveX (Secure Containment)?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 15-28


Apostila de Treinamento

16. Coleta de Dados Históricos _______________________________

Capítulo 16

Coleta de Dados Históricos

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-1


Fundamentos do iFIX

16. Coleta de Dados Históricos ________________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo mostra o armazenamento de dados históricos, o qual é usado para obter uma cópia da
base de dados e armazenar estes valores para serem analisados posteriormente.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Configuração dos dados a serem coletados


• Coleta histórica
• Configuração do gráfico na tela

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-2


Apostila de Treinamento

16. Coleta de Dados Históricos _______________________________

Configuração
da Coleta
(HTA)

Arquivo de
Configuração

C:\Dynamics\HTR\HTRGRP01.DAT
Coleta
Histórica
(HTC)

Arquivos
de Coleta

C:\Dynamics\HTRDATA\node8\98051220.H04
Gráfico
C:\Dynamics\HTRDATA\node8\98051300.H04
(no WorkSpace)
C:\Dynamics\HTRDATA\node8\98051304.H04

Figura 16-1: Componentes da Coleta de Dados Históricos

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-3


Fundamentos do iFIX

16.1. Arquivo de Dados Históricos ___________________________________

A. Introdução
• Os dados coletados pelo aplicativo HTC (Historical Trend Collect) do iFIX são
armazenados no diretório definido no SCU
• Um subdiretório é criado para cada estação configurada para coleta no aplicativo
HTA (Historical Trend Assign)

B. Localização dos Arquivos de Configuração


• O aplicativo HTA cria um arquivo para cada grupo de coleta no diretório de
configuração dos dados históricos. Exemplo utilizando o diretório padrão de
instalação:
- C:\DYNAMICS\HTR\HTRGRP01.DAT

C. Localização dos Arquivos de Dados Históricos


• Os arquivos contendo os dados coletados para histórico são salvos no diretório dos
dados históricos. Exemplo utilizando o diretório padrão de instalação:
- C:\Dynamics\HTRDATA\NomeDoNó\YYMMDDHH.H04

D. Usando Servidores de Arquivos


• Para utilizar um servidor de arquivos na rede para armazenar os arquivos de dados
históricos são necessários alguns ajustes:
- As estações que rodam o aplicativo HTC devem ter nomes exclusivos.
◊ Estações com nomes diferentes evitam que os arquivos de dados de
uma estação sejam sobrescritos por arquivos de outra estação.
- Para uma estação visualizar dados históricos na tela, esta deve especificar o
diretório do servidor de arquivos no SCU (diretório Historical Data).
• O acesso ao servidor de arquivos é opcional, não sendo necessário para que a coleta
de dados históricos funcione.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-4


Apostila de Treinamento

16.1. Arquivo de Dados Históricos______________________________

Figura 16-2: Configuração dos Dados Históricos no SCU

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-5


Fundamentos do iFIX

16.2. Configuração dos Dados Históricos ____________________________

A. Introdução
• A configuração de dados históricos é feita pelo aplicativo HTA (Historical Trend
Assign), o qual define a estratégia do arquivamento dos dados coletados.
• No HTA deve ser definido:
- Tags da base de dados que devem ser coletados;
- Taxas com que os tags serão coletados;
- Tags digitais que disparam a coleta dos grupos históricos (opcional);
- Duração em horas dos arquivos de dados históricos;
- Número de dias que os arquivos são armazenados no hard disk (opcional).
• Pode-se definir até 64 grupos de coleta histórica, cada grupo com até 80 tags.

B. Duração dos Arquivos Históricos


• Os arquivos podem ser configurados para terem duração de 4, 8 ou 24 horas.
• Os arquivos são criados à meia-noite e incrementados de acordo com sua duração:
- Arquivos de 4 horas: 00:00, 04:00, 08:00, 12:00, 16:00 e 20:00
- Arquivos de 8 horas: 00:00, 08:00 e 16:00
- Arquivos de 24 horas: 00:00
• Exemplos:
- 99020100.h04 – 01 de Fevereiro de 1999 das 00:00 às 04:00
- 02051308.h08 – 13 de Maio de 2002 das 08:00 às 16:00

C. Opção “Automatically Purge Data Files”


• Esta opção apaga os arquivos de dados automaticamente após determinado número
de dias.
• Digite o número de dias (entre 2 e 200) que os dados ficarão salvos no computador.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-6


Apostila de Treinamento

16.2. Configuração dos Dados Históricos________________________

Figura 16-3: Configuração da Coleta Histórica (aplicativo HTA)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-7


Fundamentos do iFIX

16.2. Configuração dos Dados Históricos ________________________

D. Configuração dos Grupos de Coleta


• Campo “Node”
- Indica o nome do servidor SCADA de onde os dados serão coletados.
- Todos os tags deste grupo devem pertencer à mesma estação.
• Campo “Rate”
- Taxa com que os tags deste grupo serão coletados (1s, 2s, 10s, 20s, 30s, 1m,
2m, 10m, 20m e 30m).
• Campo “Phase”
- Tempo de atraso do início da coleta deste grupo para otimizar o coletor de
dados distribuindo automaticamente a coleta de dados no tempo.
• Campo “Qualifier”
- Nome de um tag digital que indica quando os tags um grupo devem ser
coletados.
- Os dados são coletados quando o tag digital estiver no estado 1 (Close).
- O uso deste campo é opcional.
• Campo “Tagname”
- Digite Tag.Field que devem ser coletados.
- Somente valores numéricos (F_*) podem ser coletados.
• Campo “Limit”
- Banda morta que estabelece a mudança mínima do valor gravado
anteriormente (no EGU) para escrita de um novo valor no arquivo de dado
histórico.
- Diminui o tempo de processamento do coletor e economiza espaço no disco
eliminando variações insignificantes dos valores.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-8


Apostila de Treinamento

16.2. Configuração dos Dados Históricos________________________

Figura 16-4: Configuração de Grupos de Coleta Histórica

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-9


Fundamentos do iFIX

16.3. Coleta dos Dados ________________________________________

A. Introdução
• A coleta de dados históricos é feita pelo aplicativo HTC (Historical Trend Collect), o
qual obedece as configurações definidas no aplicativo HTA (vide tópico anterior).

B. Iniciando a Coleta Histórica de Dados


• O aplicativo HTC é manipulado a partir do aplicativo Mission Control, e pode ser
iniciado usando o botão Start.
• O HTC pode ser adicionado à lista de tarefas do SCU (<driver>:\Dynamics\HTC.EXE)
para iniciar a coleta de dados históricos automaticamente quando o iFIX é iniciado.
• A guia HTC do Mission Control mostra o número de falhas ocorridas na coleta de
dados desde seu início (overruns)

C. Parando a Coleta Histórica de Dados


• Use o botão Stop na guia HTC do Mission Control para parar a coleta de todos os
grupos configurados no HTA
• Quando o iFIX é fechado, a coleta de dados históricos também é finalizada.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-10


Apostila de Treinamento

16.3. Coleta dos Dados _______________________________________

Figura 16-5: Janela de “Status” do HTC no Mission Control

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-11


Fundamentos do iFIX

16.3. Coleta dos Dados________________________________________

D. Parâmetros da Linha de Comando do HTC


• Quando o HTC é iniciado a partir do Mission Control, uma caixa de diálogo aparece
para o usuário entrar com parâmetros opcionais na linha de comando.
• Estes parâmetros permitem a monitoração das aplicações do HTC e podem ser:
- /T
◊ Este parâmetro envia o valor “1” para um tag digital especificado
quando a coleta pára devido a um erro ocorrido no HTC.
◊ Na Figura 16-6, htc_t é o nome de um tag do tipo DO.
- /A
◊ Este parâmetro envia o valor “1” para um tag digital especificado a
cada 60 segundos enquanto o HTC estiver rodando.
◊ A freqüência da escrita (60 segundos) pode ser alterada usando o
parâmetro /D.
◊ Na Figura 16-7, o tag htc_a é o nome de um tag do tipo DO.
- /D
◊ Este parâmetro deve ser usado em conjunto com o parâmetro /A.
◊ O valor configurado após o parâmetro /D corresponde a freqüência
com que o valor “1” é escrito no tag do parâmetro /A.
◊ O valor mínimo é de 15 segundos (qualquer valor inferior a 15 será
ignorado e o valor 15 será assumido).
◊ Na Figura 16-8, o tag htc_a recebe um novo valor a cada 20 segundos.
• Observação:
- Não use os parâmetros /A e /T em conjunto. Se isto ocorrer, o parâmetro /T
terá preferência.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-12


Apostila de Treinamento

16.3. Coleta dos Dados _______________________________________

Figura 16-6: Exemplo do Parâmetro /T do HTC

Figura 16-7: Exemplo do Parâmetro /A do HTC

Figura 16-8: Exemplo dos Parâmetros /A e /D do HTC

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-13


Fundamentos do iFIX

16.4. Gráfico _________________________________________________

A. Revisão
• Os gráficos são usados para mostrar dados em tempo real e dados históricos na tela.
• A partir do menu “Insert”, selecione “Chart” para adicionar um gráfico na tela.
• Clique duas vezes sobre o gráfico para definir suas propriedades.

B. Configurando os Dados a Serem Mostrados no Gráfico


• Os gráficos do iFIX podem ser criados de dois modos diferentes: gráfico histórico e
em tempo real.
• Algumas propriedades do gráfico não ficam disponíveis dependendo de seu modo.
- Se o modo em tempo real for selecionado, os campos do modo histórico
ficam desabilitados
- Se um gráfico for configurado para modo histórico, a taxa de atualização fica
desabilitada
- A Figura 16-9 lista as propriedades mais comuns dos gráficos e sua
disponibilidade em cada modo
• O modo do gráfico é selecionado na caixa de diálogo de configuração do gráfico.
- Este capítulo mostra como usar as propriedades do gráfico e como visualizar
dados históricos previamente coletados.
- Informações sobre a visualização em um gráfico de dados em tempo real
estão disponíveis em capítulos anteriores.

Propriedade Gráfico Histórico Gráfico Tempo Real


Fixed Date Habilitada Desabilitada
Fixed Time Habilitada Desabilitada
Days Before Now Habilitada Desabilitada
Duration Before Now Habilitada Desabilitada
Duration Habilitada Habilitada
Interval Habilitada Desabilitada
Refresh Rate Desabilitada Habilitada

Figura 16-9: Propriedades de Gráfico no Modo Histórico versus Tempo Real

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-14


Apostila de Treinamento

16.4. Gráfico _________________________________________________

Figura 16-10: Janela do Expression Builder (guia Historical)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-15


Fundamentos do iFIX

16.4. Gráfico _________________________________________________

C. Configurando o Gráfico
• Para definir como os dados serão apresentados pelas penas configuradas, defina as
propriedades dos dados usando a guia Chart da janela de configuração do gráfico.
• Guia Time
- Campo Date
◊ Data inicial a ser mostrada no gráfico, que pode ser uma:
§ data fixa (MM/DD/YYYY).
§ data relativa à data atual.
- Campo Time
◊ hora inicial a ser mostrada - entre com uma das opções abaixo:
§ hora fixa (HH:MM:SS).
§ hora relativa à hora atual.
- Campo Span
◊ Duration: tempo total a ser mostrado no gráfico.
◊ Interval: intervalo entre os pontos mostrados (HH:MM:SS). Não pode
ser inferior que a metade da duração. Se for igual a 0, o intervalo é
determinado automaticamente
• Guia Pen
- A maioria das informações é similar às propriedades do gráfico em tempo
real.
- Historical Mode
◊ Usado para determinar como os dados serão mostrados
§ Sample: último valor válido do intervalo
§ Average: média dos valores do intervalo
§ High: maior valor válido do intervalo
§ Low: menor valor válido do intervalo
◊ Diretamente relacionado com os parâmetros Interval da guia Time.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-16


Apostila de Treinamento

16.4. Gráfico _________________________________________________

Figura 16-11: Configuração da Guia Time

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-17


Fundamentos do iFIX

16.4. Gráfico _________________________________________________

D. Propriedades Adicionais do Gráfico


• Uma das características mais dinâmicas dos gráficos é a integração de dados em
tempo real com dados históricos no mesmo gráfico
- isto permite visualizar todos os tipos de dados no WorkSpace
• Para fazer isso, defina duas penas: uma que mostre dados históricos e outra que
mostre dados em tempo real
- quando as fontes de dados das penas forem definidas, a pena automaticamente
associa o modo da pena baseado com a fonte de dados

E. Propriedades dos Dados


• Para controlar como os dados serão apresentados pelas penas configuradas, defina as
propriedades dos dados na guia Chart
- especifique propriedades como limites superior e inferior, buscar limites da
base de dados, número máximo de pontos a serem mostrados ou se deve
mostrar uma linha de tendência
• Exemplo:
- para especificar os limites superior e inferior, entre com os valores nos
campos Low Limit e High Limit, respectivamente
- para buscar os limites do tag configurados na base de dados, selecione a
opção Fetch Limits

F. Eixo de Tempo
• Quando estiver no modo de execução, o eixo do tempo no gráfico fica ativado
• Os gráficos do iFIX usam o padrão UTC (Universal Time Coordinate).
- os dados são inseridos independente das zonas específicas de tempo,
significando que os dados podem ser vistos em qualquer zona de tempo
- Exemplo:
◊ suponha que o Gráfico A seja configurado para mostrar dados de
12:00 a 1:00 no tempo padrão oriental (EST- Eastern Standard Time)
◊ além disso, o mesmo gráfico é mostrado das 11:00 a 12:00 no tempo
padrão central (CST- Central Standard Time)
◊ os dados inseridos em CST serão de 12:00 a 1:00 EST

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-18


Apostila de Treinamento

16.4. Gráfico _________________________________________________

Figura 16-12: Exemplo de Gráfico

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-19


Fundamentos do iFIX

16.5. _____________________________________________ Exercício 16

Histórico

Exercício 16

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-20


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 16

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para:

1. Especificar blocos da base de dados para serem mostrados no gráfico


2. Iniciar e parar a coleta de dados históricos
3. Usar o gráfico para mostrar dados históricos

Informações sobre o exercício:

Neste exercício, iremos continuar com o desenvolvimento da tela “Archive”. Iremos criar um
gráfico e adicionar vários blocos da base de dados para serem mostrados na tela. Quando
terminar, a tela de alarme deverá se parecer com:

Quando terminar este exercício, vá para a próxima seção e responda as questões.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-21


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 16

A. Configura a coleta de dados históricos.


Configura os dados a serem coletados no HTA.
1. A partir da árvore do sistema, dê um duplo clique na opção Historical Assignment.
O editor HTA é aberto.
2. Selecione duas vezes a primeira linha da planilha e adicione os seguintes blocos para
serem coletados:
FERM_LEVEL.F_CV
FERM_TEMP.F_CV
LAUTER_LEVEL.F_CV
MASH_LEVEL.F_CV
MASH_TEMP.F_CV
CA_FILTER_LEVEL.F_CV
3. Digite o nome do seu nó no campo “Node” e configure para 10s a taxa de atualização no
campo “Rate”.
Sua tela deverá se parecer com:

4. Selecione o botão Save Changes e feche o editor HTA.


5. No Mission Control inicie a coleta de dados históricos na guia HTC.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-22


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 16

B. Abre uma tela e adiciona um gráfico.


Adiciona um dínamo de gráfico em uma tela existente.
1. A partir do menu File, selecione Open.
A caixa de diálogo para abertura de um arquivo aparece.
2. A partir da lista, selecione:
Archive
3. A partir da árvore do sistema, abra o conjunto de dínamos Historical.
4. Selecione e arraste o gráfico do conjunto de dínamo para a tela.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

5. No campo Name, digite BeerChart

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-23


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 16

C. Configura o gráfico.

1. Selecione a guia Chart.


2. Selecione a pena padrão da lista de penas e selecione o botão Browse.
O editor de expressões abre.
3. Selecione a guia Historical.
Os blocos disponíveis são listados.
4. A partir da lista, selecione:
Hist.nodename.CA_FILTER_LEVEL.F_CV
A caixa de diálogo deverá se parecer com:

5. Selecione OK para retornar para a caixa de diálogo de configuração do gráfico.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-24


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 16

C. Configura o gráfico (continuação).

6. Adicione à lista os outros blocos disponíveis, escolhendo diferentes cores para cada pena.
A caixa de diálogo deverá se parecer agora com:

7. Quando terminar, selecione OK.


8. Feche o conjunto de dínamos Historical.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-25


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 16

D. Configura o calendário de controle.

1. Usando o botão direito do mouse, clique no calendário e selecione Edit Script.


O VBE abre.
2. Entre com o seguinte script para o evento Click do objeto Calendar:

BeerChart.StartTime = Calendar1.Value
BeerChart.Duration = 86400
BeerChart.RefreshChartData

A tela deverá se parecer agora com:

3. A partir do menu File selecione Close and Return to WorkSpace Application


Você retornará para o WorkSpace.
4. Salve a tela “Archive”.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-26


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 16

E. Altera para o modo de execução.

1. Altere para o Run Mode.


2. Altere a data no calendário. Como o gráfico é alterado? Por quê?

3. Como se pode alterar a tela tal que a data escolhida no gráfico seja refletida no
calendário?

Fim do Exercício

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-27


Fundamentos do iFIX

16.6. Questões de Revisão _____________________________________

1. Explique para que serve o HTA e o HTC.

2. Qual a finalidade de dividir o “Historical Assign” em grupos?

3. Como o HTC pode ser iniciado e parado manualmente? Além disso, como o HTC pode ser
configurado para iniciar automaticamente junto com o iFIX?

4. Como se pode configurar um gráfico para mostrar tanto dados em tempo real como dados
históricos?

5. Para que serve o campo “Interval” no gráfico?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 16-28


Apostila de Treinamento

17. Tags de Registro ________________________________________

Capítulo 17

Tags de Registro

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 17-1


Fundamentos do iFIX

17. Tags de Registro __________________________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo introduz dois novos tags primários, que possuem um método especial de comunicação
com a DIT, chamados tags de registro. Mostra como trabalhar com estes tags e apresenta suas
vantagens e desvantagens de uso.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Tag de Registro Analógico


• Tag de Registro Digital

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 17-2


Apostila de Treinamento

17.1. Blocos da Base de Dados _________________________________

A. Revisão:
• Tags (ou blocos) são unidades individuais de instrução que podem receber, verificar,
manipular e enviar valores para o processo.
• Existem dois tipos de tags:
- Primários: comunicam com pontos de entrada/saída.
- Secundários: realizam uma função com os valores de tags primários.
• Os tags são normalmente agrupados em cadeias para realizarem funções adicionais.

B. Tags Primários
• Recebem dados da DIT (Driver Image Table)
• A maioria possui tempo de varredura (Scan Time)
• Normalmente associados a pontos de entrada/saída do hardware

C. Tags Secundários
• Recebem seus valores de entrada de um tag anterior de uma cadeia
• Realizam funções específicas com o valor recebido do tag anterior
• Podem realizar cálculos ou armazenar suas entradas

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 17-3


Fundamentos do iFIX

17.2. Tag de Registro Analógico_________________________________

A. Introdução
• AR - Analog Register
• Usado para ler e/ou escrever valores no processo, como temperaturas, pressões,
velocidades, etc.
• Geralmente os dados se encontram dentro de uma faixa definida por um limite
superior e inferior.

B. Notas Adicionais
• Diferente de outros blocos da base de dados, o tag AR não é processado pelo SAC,
ou seja, não utiliza o SAC para receber e enviar valores para o processo
• Trabalha diretamente entre o WorkSpace e a DIT

C. Vantagens do Tag AR:


• Reduz o trabalho do SAC e reduzir o tamanho da base de dados
• Otimiza a consulta da DIT (polling)
• Lê e escreve valores no processo

D. Desvantagens do Tag AR:


• Não gera alarmes
• Não pode ser encadeado com outros tags da base de dados
• Não coleta dados históricos

E. Configurando um tag AR:


• No driver de comunicação:
- O Poll Record deve ser definido normalmente.
- O parâmetro Access Time deve ser configurado e determina por quanto tempo
o Poll Record continua a ser atualizado pelo driver quando o WorkSpace não
requisita mais informações dos endereços configurados no Poll Record
• Na base de dados do processo:
- O campo I/O Address do tag deve referenciar o primeiro endereço
configurado no Poll Record
• Na tela:
- Cada objeto da tela pode referenciar um registro do tag, onde as entradas
correspondem a um “offset” de 0.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 17-4


Apostila de Treinamento

17.2. Tag de Registro Analógico ______________________________

Link 1 Link 2 Link 3 Link 4

AI CA

AI TR AO SAC Driver
I/O
DI
PDB
(Base de Dados DIT (Tabela
do Processo) Imagem Driver)

Hardware
do Processo

Figura 17-1: Arquitetura de Tag de Registro

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 17-5


Fundamentos do iFIX

17.2. Tag de Registro Analógico _______________________________

Configuração do
Exemplo
Poll Record
I/O Address N10:50:11
Poll Time 0.1
Access Time 300.0
Data Type Unsigned
Exception Disabled
Dead Band -

Figura 17-2: Definição do Poll Record

Figura 17-3: Tag de Registro Analógico (guia Basic)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 17-6


Apostila de Treinamento

17.2. Tag de Registro Analógico ______________________________

Figura 17-4: Tag de Registro Analógico (guia Advanced)

Datalink na Tela Endereço acessado


SCADA1:AR1.F_0 MIX1:N10:50
SCADA1:AR1.F_1 MIX1:N10:51
SCADA1:AR1.F_2 MIX1:N10:52
SCADA1:AR1.F_3 MIX1:N10:53
SCADA1:AR1.F_4 MIX1:N10:54
SCADA1:AR1.F_5 MIX1:N10:55
SCADA1:AR1.F_6 MIX1:N10:56

Figura 17-5: Definições do Link

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 17-7


Fundamentos do iFIX

17.3. Tag de Registro Digital ____________________________________

A. Introdução:
• DR - Digital Register
• Usado para ler e/ou escrever valores no processo, como válvulas, motores, bombas,
etc. (qualquer processo que tem dois estados como abrir/fechar, ligar/desligar, etc.).
• Pode ler e escrever no mesmo endereço.
• Usa quantidade mínima de memória.
• Possui as mesmas funcionalidades que o tag AR.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 17-8


Apostila de Treinamento

17.3. Tag de Registro Digital ___________________________________

Figura 17-6: Tag de Registro Analógico (guia Basic)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 17-9


Fundamentos do iFIX

17.4. Questões de Revisão _____________________________________

1. Qual é a diferença entre um tag DI e um tag DR?

2. Com que freqüência os blocos são atualizados com novos valores do hardware do processo?

3. Para que serve o campo Address Type em um tag AR?

4. Por que se usa o endereçamento do tipo (F_0, F_1, etc.) com tags de registro?

5. Dê alguns exemplos de quando NÃO se deve usar tags de registro.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 17-10


Apostila de Treinamento

18. Programas Adicionais ____________________________________

Capítulo 18

Programas Adicionais

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-1


Fundamentos do iFIX

18. Programas Adicionais ____________________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo mostra novos recursos de programação com o VBA (Visual Basic for Application)
como referenciar biblioteca de aplicativos externos, utilizar as caixas de mensagens e os
foirmulários em VBA. Mostra também como personalizar as barras de ferramentas do WokSpace.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Usando as caixas de mensagem


• Personalizando as barras de ferramentas
• Trabalhando com formulários VBA

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-2


Apostila de Treinamento

18.1. Revisão ________________________________________________

A. Terminologia:
• VB: Visual Basic
- normalmente se refere ao Visual Basic 5.0 ou 6.0 da Microsoft
- aplicativo independente do iFIX e do VBA
• VBA: Microsoft Visual Basic for Applications
- ambiente de desenvolvimento orientado a objetos e baseado em eventos que
suporta formulários Microsoft e ActiveX
- normalmente referenciado como parte integrada do iFIX
- usado para personalizar os produtos da Microsoft:
◊ adicionar uma barra de ferramentas no Excel
◊ criar um formulário no Access
• VBE: Visual Basic Editor
- editor de VBA do iFIX
- pode ser acessado a partir do WorkSpace

B. Revisão:
• O uso de programação no iFIX permite acesso à:
- componentes padrões do VBA
- todos os objetos do iFIX com suas propriedades, métodos e eventos
• As propriedades, métodos e eventos disponíveis de um objeto depende da classe de
objetos à qual o objeto pertence
• Os objetos respondem aos eventos de acordo com os programas (scripts) escritos para
cada evento
- pode-se associar programas para um evento, alguns eventos ou todos os
eventos do objeto, de acordo com a necessidade

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-3


Fundamentos do iFIX

18.1. Revisão _______________________________________________

C. Exemplo de E-mail
• O iFIX pode ser usado para gerar mensagens de e-mail, por exemplo:
- quando uma determinada condição de alarme é alcançada
- acaba um turno, dia, semana, mês, etc.
• Use os seguintes passos para enviar uma mensagem usando o Microsoft Outlook:
1. Use um schedule do iFIX para executar um programa personalizado
2. No editor de VBA, selecione o item “References Microsoft Outlook 8.0
Object Library” a partir do menu “Tools”
3. Digite o programa mostrado na Figura 18-1
• O corpo da mensagem pode ser qualquer coisa, como por exemplo:
- a descrição de um alarme com a data e hora do evento
- um relatório de valores e descrições construído antes da declaração
“NewMessage.Body” ser executada
• Este programa coloca a mensagem na fila de mensagens do “Outbox”
- para que esta mensagem seja enviada, configure o Outlook para verificar
novas mensagens com freqüência ou adicione um código para disparar o
comando de envio de mensagens

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-4


Apostila de Treinamento

18.1. Revisão _______________________________________________

Sub CriaNovaMensagemOutlook()

Dim ol As Object
Dim NovaMensagem As Object

Set ol = New Outlook.Application


Set NovaMensagem = ol.CreateItem(olMailItem)

' Você pode enviar a mensagem para uma pessoa do seu


' “address book” ou digitar o endereço do email

NovaMensagem.To = "Treinamento; treinamento@aquarius.com.br"


NovaMensagem.Subject = "Usando o iFIX para enviar E-mail"
NovaMensagem.Body = “A mensagem é escrita aqui!"

NovaMensagem.Send

End Sub

Figura 18-1: Exemplo de Programa para E-mail

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-5


Fundamentos do iFIX

18.2. Usando a Caixa de Mensagem______________________________

A. Nota
• A caixa de mensagem mostra uma mensagem na tela, espera o usuário selecionar um
botão da caixa e retorna um número inteiro que indica que botão foi selecionado

B. Sintaxe
MsgBox (prompt[, buttons] [, title] [, helpfile, context])
• A função MsgBox possui os seguintes argumentos:
- prompt (argumento obrigatório)
◊ texto mostrado como mensagem na caixa de diálogo
- buttons (argumento opcional)
◊ expressão numérica especificando a quantidade e o tipo dos botões da
caixa, o estilo do ícone, a identificação do botão padrão e a
modalidade da caixa de diálogo
- title (argumento opcional)
◊ texto mostrado na barra de título da caixa de diálogo
◊ se o título não for especificado, então o nome da aplicação é colocado
como título da caixa de diálogo
- helpfile (argumento opcional)
◊ texto que identifica o um arquivo de help que fornece ajuda sobre a
caixa de diálogo
- context (usado se for especificado um arquivo de help)
◊ número associado ao tópico apropriado de help

C. Exemplo
• Veja a Figura 18-2
• Este exemplo usa a função MsgBox para mostrar uma mensagem crítica de erro na
caixa de diálogo com botões Yes e No
• O botão No é especificado como botão padrão de resposta

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-6


Apostila de Treinamento

18.2. Usando a Caixa de Mensagem ____________________________

Dim Mensagem, Estilo, Titulo, Resposta


Mesnagem = "Deseja continuar?" ' Define a mensagem
Estilo = vbYesNo + vbCritical + vbDefaultButton2
Titulo = "Caixa de Confirmação" ' Define o título

' Mostra mensagem


Resposta = MsgBox(Mensagem, Estilo, Titulo)
If Resposta = vbYes Then ' Operador escolhe Yes
MsgBox “Você selecionou Yes!” ' Realiza alguma ação
Else ' Operador escolhe No
MsgBox “Você selecionou No!” ' Realiza alguma ação
End If

Figura 18-2: Exemplo da Função MsgBox

Tópico Constante Descrição


Botões vbOKOnly Mostra apenas o botão OK
vbOKCancel Mostra os botões OK e Cancel
vbAbortRetryIgnore Mostra os botões Abort, Retry e Ignore
vbYesNoCancel Mostra os botões Yes, No e Cancel
vbYesNo Mostra os botões Yes e No
vbRetryCancel Mostra os botões Retry e Cancel
Ícone vbCritical Mostra o ícone de mensagem crítica
vbQuestion Mostra o ícone de mensagem de pergunta
vbExclamation Mostra o ícone de mensagem de aviso
vbInformation Mostra o ícone de mensagem de informação

Figura 18-3: Valores das Constantes da Função MsgBox

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-7


Fundamentos do iFIX

18.3. Personalizando as Barras de Ferramentas ___________________

A. Configurando as Barras de Ferramentas


• A partir do menu “Workspace”, selecione a opção “Toolbars”
• O campo “Owner” indica o proprietário (aplicação) da barra de ferramenta:
- “WorkSpace”: a barra de ferramentas fica sempre disponível
- “Picture”: a barra de ferramentas fica disponível somente quando uma tela
estiver aberta
- “Schedule”: a barra de ferramentas fica disponível somente quando um
schedule estiver aberto

B. Botão de Personalicação
• “Button”
- realiza uma ação definida
- é um objeto com um código Visual Basic associado a ele
- possui nome, descrição e dicas que são exclusivos
• “Category”
- agrupamento lógico de botões
• “Toolbar”
- agrupamento físico de botões
- pode pertencer às telas, schedules ou ao Workspace
- podem conter botões de qualquer categoria

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-8


Apostila de Treinamento

18.3. Personalizando as Barras de Ferramentas__________________

Figura 18-4: Configuração das Barras de Ferramentas

Figura 18-5: Configuração dos Botões

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-9


Fundamentos do iFIX

18.3. Personalizando as Barras de Ferramentas __________________

C. Barras de Ferramentas
• Servem para auxiliar o ciclo de desenvolvimento, inserir objetos básicos e realizar
tarefas complexas repetidas com freqüência
• Selecione o botão “Add Toolbar”
- uma barra de ferramentas sem nenhum botão aparece na tela
• Arraste botões de diferentes categorias de botões à nova barra de ferramentas

D. Criando Novas Categorias


• Para adicionar botões personalizados à lista de botões disponíveis
• Selecione o botão “Add Category”
- uma caixa de diálogo aparece perguntando pelo nome da categoria
• Selecione o botão “Add Button”
- ver Figura 18-6
• Selecione o botão “Edit Script” para criar o programa que este botão irá executar
quando for selecionado

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-10


Apostila de Treinamento

18.3. Personalizando as Barras de Ferramentas__________________

Figura 18-6: Criando Novos Botões

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-11


Fundamentos do iFIX

18.4. Usando os Formulários ___________________________________

A. Notas
• Um formulário (objeto UserForm) é uma janela ou caixa de diálogo que faz parte da
interface de aplicação do usuário
• No editor de VBA, selecione a opção “UserForm” a partir do menu “Insert”
- veja a Figura 18-7

B. Janela do Formulário
• Permite criar janelas ou caixas de diálogos no projeto
- é possível desenhar e visualizar controles em um formulário
• Durante o desenvolvimento de um formulário:
- cada janela de formulário pode ter um botão de maximização, minimização e
de fechamento
- a grade do formulário ajuda no posicionamento dos objetos: determine o
tamanho das linhas de grade na guia “General” da caixa de diálogo “Options”
- os controles são inseridos no formulário usando os botões da caixa de
controles (“Toolbox”)

C. “Toolbox”
• Contém os controles disponíveis para serem adicionados no formulário
- para adicionar outros controles, clique com o botão direito do mouse e
selecione a opção “Additional Controls”
• Arraste os controles da barra de ferramentas para o formulário
- configure as propriedades dos controles da mesma forma que os objetos são
configurados no WorkSpace

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-12


Apostila de Treinamento

18.4. Usando os Formulários__________________________________

Figura 18-7: Novo Formulário de Usuário: UserForm

Figura 18-8: Barra de Ferramentas do Formulário

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-13


Fundamentos do iFIX

18.5. Guia de Programação ____________________________________

A. Use convenções de nomenclatura consistentes


• Nomeie objetos similares com os mesmos três caracteres iniciais, por exemplo,
“btnLigaBomba1” para os botões
• Isto torna a depuração do código mais fácil (veja a Figura 19-2)

B. Criando “Looping” (malhas fechadas) em VBA


• Não utilize looping nos programas em VBA
• Se um programa estiver em looping, o restante do código VBA não é executado
• Use um schedule baseado em evento para associar tarefas ao invés de usar um
looping
• Use o obejto Timer (ou o objeto Timer da Microsoft)
- Exemplo: use o evento “OnTimeOut” para atualizar consultas SQL na tela
• Se precisar utilizar um looping no programa, então utilize a função DoEvents

C. DoEvents
• A função DoEvents passa o controle para o sistema operacional
• O controle é retornado retorna para o iFIX após o sistema operacional terminar o
processamento dos eventos que lhe foram passados
• É um comando VBA, não uma sub-rotina da Intellution
• A função DoEvents é muito útil para tarefas simples como permitir que o usuário
cancele um processo após sua inicialização como por exemplo a busca de um
arquivo. Para processos com execução mais longa, é recomendada a utilização do
sistema operacional através da utilização de um objeto Timer ou da atribuição da
tarefa através de um ActiveX ou de um componente EXE

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-14


Apostila de Treinamento

18.5. Guia de Programação___________________________________

Sigla Descrição
arc Arc
bmp Bitmap
btn Button
cht Chart
chk CheckBox
cmd CommandButton
crd Chord
dlnk Datalink
exed Expression Editor Control
frm Form
lin Line
mnu Menu
ovl Oval
pie Pie
pgon Polygon
plin PolyLine
rct Rectangle
rdrct RoundedRectangle
tmr Timer
txt TextBox

Figura 18-1: Convenção Sugerida para Nomeação de Obejtos

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-15


Fundamentos do iFIX

18.6. _____________________________________________ Exercício 18

Programação Adicional

Exercício 18

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-16


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 18

Objetivos:

Após a realização deste exercício, o aluno estará apto para:

1. Criar uma nova barra de ferramentas


2. Adicionar botões na barra de ferramentas
3. Criar novos botões na barra de ferramentas
4. Criar formulários
5. Adicionar uma caixa de diálogo

Informações sobre o exercício:

Neste exercício, iremos explorar alguns programas adicionais do iFIX. Quando terminar este
exercício, vá para a próxima seção e responda as questões.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-17


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 18

A. Cria uma nova barra de ferramentas.


Faz uma nova barra de ferramentas para objetos de tela.
1. A partir do menu File, selecione New – Picture.
Uma nova tela sem título aparece.
2. A partir do menu WorkSpace, selecione Toolbars
A caixa de diálogo da barra de ferramentas aparece.
3. A partir da lista Owner, selecione Picture.
A caixa de diálogo muda para mostrar as barras de ferramentas de tela disponíveis.
4. Selecione o botão Customize.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

5. Selecione o botão Add Toolbar.


A caixa de diálogo para adicionar uma nova barra de ferramentas aparece.
6. Digite o seguinte nome no campo Toolbar name:
MyToolbar
7. Certifique-se de que a opção de proprietário Picture está selecionada e selecione OK.
Uma barra de ferramentas pequena e vazia aparece junto com os botões disponíveis.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-18


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 18

B. Adiciona botões na barra de ferramentas.


Insere botões na nova barra de ferramentas.
1. A partir da categoria Standard, arraste os seguintes botões para a nova barra de
ferramentas:
Task Wizard
Visual Basic Editor
Switch to Run
2. Selecione o botão Add Category para criar uma nova categoria.
3. Entre com o seguinte nome no campo Category name:
Class
4. Com a categoria Class selecionada, selecione Add Button.
A seguinte caixa de diálogo aparece:

5. Selecione o seguinte bitmap:


c:\Dynamics\APP\SquareButton.bmp
6. Configure as seguintes opções com os valores da direta:
Name: Square
Description: Insert a Square
Screen Tip: Square

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-19


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 18

B. Adiciona botões na barra de ferramentas (continuação).

7. Selecione o botão Edit Script.


O VBE abre
8. Digite o seguinte código de programa para o evento Click do objeto Square:

Private Sub Square_Click()


' make a square

Dim pic As Object


Dim shape As Object

Set pic = Application.ActiveDocument.Page


Set shape = pic.BuildObject("rect")

With shape
.HorizontalPosition = 10
.VerticalPosition = 11
.Height = 20
.Width = 20
.UniformScale = "true"
.Commit
End With

End Sub

9. A partir do menu File selecione Close and Return to WorkSpace Application


Você retornará para a caixa de diálogo de propriedades do botão.
10. Selecione OK para adicionar o botão Square.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-20


Apostila de Treinamento

__________________________________________________Exercício 18

C. Adiciona um novo botão.

1. Crie um botão adicional usando as seguintes informações:


Bitmap: c:\dynamics\app\CircleButton.bmp
Name: Circle
Description: Insert a Circle
Screen Tip: Circle
2. Entre com o seguinte código de programa para o evento Click do objeto Circle:

Private Sub Circle_Click()


' make a circle

Dim pic As Object


Dim shape As Object

Set pic = Application.ActiveDocument.Page


Set shape = pic.BuildObject("oval")

With shape
.HorizontalPosition = 15
.VerticalPosition = 5
.Height = 20
.Width = 20
.UniformScale = "true"
.Commit
End With

End Sub

3. Arraste os dois novos botões para a barra de ferramentas criada anteriormente neste
exercício.
4. Selecione o botão Close na caixa de diálogo de personalização da barra de ferramentas
5. Salve a tela usando o seguinte nome:
ScriptExamples

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-21


Fundamentos do iFIX

_________________________________________________ Exercício 18

D. Usa os novos botões.

1. Usando os novos botões, adicione um quadrado e um círculo na tela.


A tela deverá se parecer agora com:

2. Agora, edite o programa que faz o círculo. Antes de adicionar o objeto à tela, abra uma
caixa de mensagem perguntando ao operador se deseja adicionar o círculo ou cancelar a
operação.
3. Edite o programa que faz o quadrado. Através de uma caixa de mensagem, peça ao
operador para entrar com a altura do quadrado (de 1 a 20). Use o valor escolhido para a
largura do quadrado também.

Fim do Exercício

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-22


Apostila de Treinamento

18.7. Questões de Revisão_____________________________________

1. Para que serve a caixa de mensagem?

2. Porque o proprietário “Scheduler” não fica sempre disponível durante a personalização das
barras de ferramentas?

3. Como é possível criar um formulário e fazê-lo aparecer sempre que uma tela é aberta?

4. Como é possível adicionar o objeto “Expression Builder” à um formulário?

5. Como é possível criar um formulário que fique disponível para todas as telas?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-23


Fundamentos do iFIX

18.7 Questões de Revisão _____________________________________

página em branco

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 18-24


Apostila de Treinamento

19. Otimização e Diagnóstico de Falhas ________________________

Capítulo 19

Otimização e Diagnóstico de Falhas

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-1


Fundamentos do iFIX

19. Otimização e Diagnóstico de Falhas_________________________

Objetivos do Capítulo

Este capítulo mostra como otimizar o sistema iFIX e como diagnosticar falhas no sistema. Existem
várias ferramentas para diagnosticar falhas e solucionar problemas no iFIX, sendo que este capítulo
aborda principalmente o diagnóstico de falhas de rede e problemas com drivers de comunicação.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Otimização da memória virtual do computador


• Otimização das telas
• Otimização da base de dados do processo
• Otimização do driver de comunicação
• Diagnóstico de falha dos drivers
• Diagnóstico de falha de rede

Além disso, será mostrado como encontrar informações extras no web site da Intellution e como
acessar o suporte técnico da Intellution e da Aquarius Automação Industrial Ltda.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-2


Apostila de Treinamento

19.1. Intellution na Internet_____________________________________

A. O que fazer com o web site da Intellution?


• Comunicar com a Intellution
• Comunicar com outros usuários do software da Intellution
• Receber respostas de questões técnicas
• Encontrar dicas técnicas e sugestões para aplicação
• Receber as últimas informações da Intellution
• Contribuir com sugestões e idéias para produtos futuros

B. Como encontrar estas informações?


• http://www.intellution.com

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-3


Fundamentos do iFIX

19.2. Otimização da Memória Virtual do Computador _______________

Through the use of paging files, Windows allocates space on your hard drive for use as if it were
actually memory. This space is known as virtual memory. After you install Windows NT or
Windows 2000, be sure to optimize the virtual memory for use with the iFIX. The following list
describes how to optimize virtual memory in Windows to achieve maximum performance from
iFIX.
To optimize the virtual memory paging file for iFIX in Windows NT and Windows 2000:

1. Double-click the System icon in the Windows NT or Windows 2000 Control Panel.

2. Click on the Performance tab in the Windows NT System Properties dialog box.

In the Windows 2000 System Properties dialog box, click on the Advanced tab, then click on
the Performance Options button.

3. Click the Change button in the Virtual Memory group box.

4. Enter a value equal to three times your physical memory in the Initial Size field.

5. Enter a value equal to two times your physical memory in the Maximum Size field.

6. Click the Set button.

7. Click OK to save the changes and exit the dialog box.

NOTE: If the paging file is set to grow dynamically, your system may experience severe
performance problems during runtime. To ensure optimal performance, be sure that the Initial Size
and Maximum Size of the paging file are the same so that the paging file does not grow
dynamically.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-4


Apostila de Treinamento

19.3. Otimização de Telas______________________________________

A. Notas
• Lembre-se de que o iFIX é um sistema baseado em evento
- ele não aloca memória nem utiliza o processamento da CPU quando não se
faz necessário
- o sistema acessa a CPU apenas quando ocorre um evento
- com isso, o ambiente gráfico do iFIX se torna eficiente

B. Entendendo a Atualização de Objetos


• “Tolerance”
- fator de arredondamento que o iFIX usa quando compara valores
- se os valores estiverem dentro desta tolerância, o iFIX assume que os valores
são iguais
- por exemplo, se os dois blocos da Figura 19-1 estiverem dentro de 15
unidades de engenharia, os valores são considerados iguais
• “Deadband”
- valor que indica a flutuação máxima antes do iFIX atualizar os valores
- a banda morta significa uma faixa mais ou menos ao redor do valor atual
- enquanto o valor se encontrar dentro desta faixa, o iFIX não o atualiza
- o valor só é atualizado quando o valor sai da banda morta
- por exemplo, se os valores da Figura 19-1 estiverem dentro de 5 unidades de
engenharia da última atualização, os valores não são atualizados
• “Refresh Rate”
- taxa com que o iFIX atualiza os valores da tela
- o iFIX não ultrapassa o valor desta taxa para atualizar os dados
- por exemplo, os valores da Figura 19-1 não são atualizados mais rápido do
que uma vez por segundo

C. Bitmaps
• Em geral, quanto mais objetos existirem na tela, o trabalho de atualização será maior
• Se existem vários objetos estáticos (sem animações) na tela, agrupe estes objetos e os
converta em apenas um bitmap

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-5


Fundamentos do iFIX

19.2. Otimização da Memória Virtual do Computador _______________

Through the use of paging files, Windows allocates space on your hard drive for use as if it were
actually memory. This space is known as virtual memory. After you install Windows NT or
Windows 2000, be sure to optimize the virtual memory for use with the iFIX. The following list
describes how to optimize virtual memory in Windows to achieve maximum performance from
iFIX.
To optimize the virtual memory paging file for iFIX in Windows NT and Windows 2000:

8. Double-click the System icon in the Windows NT or Windows 2000 Control Panel.

9. Click on the Performance tab in the Windows NT System Properties dialog box.

In the Windows 2000 System Properties dialog box, click on the Advanced tab, then click on
the Performance Options button.

10. Click the Change button in the Virtual Memory group box.

11. Enter a value equal to three times your physical memory in the Initial Size field.

12. Enter a value equal to two times your physical memory in the Maximum Size field.

13. Click the Set button.

14. Click OK to save the changes and exit the dialog box.

NOTE: If the paging file is set to grow dynamically, your system may experience severe
performance problems during runtime. To ensure optimal performance, be sure that the Initial Size
and Maximum Size of the paging file are the same so that the paging file does not grow
dynamically.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-6


Apostila de Treinamento

Otimização de Telas __________________________________________

Figura 19-1: Exemplo mostrando Tolerância, Banda Morta e Taxa de Atualização

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-7


Fundamentos do iFIX

19.2. Otimização da Memória Virtual do Computador _______________

Through the use of paging files, Windows allocates space on your hard drive for use as if it were
actually memory. This space is known as virtual memory. After you install Windows NT or
Windows 2000, be sure to optimize the virtual memory for use with the iFIX. The following list
describes how to optimize virtual memory in Windows to achieve maximum performance from
iFIX.
To optimize the virtual memory paging file for iFIX in Windows NT and Windows 2000:

15. Double-click the System icon in the Windows NT or Windows 2000 Control Panel.

16. Click on the Performance tab in the Windows NT System Properties dialog box.

In the Windows 2000 System Properties dialog box, click on the Advanced tab, then click on
the Performance Options button.

17. Click the Change button in the Virtual Memory group box.

18. Enter a value equal to three times your physical memory in the Initial Size field.

19. Enter a value equal to two times your physical memory in the Maximum Size field.

20. Click the Set button.

21. Click OK to save the changes and exit the dialog box.

NOTE: If the paging file is set to grow dynamically, your system may experience severe
performance problems during runtime. To ensure optimal performance, be sure that the Initial Size
and Maximum Size of the paging file are the same so that the paging file does not grow
dynamically.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-8


Apostila de Treinamento

Otimização de Telas __________________________________________

D. Alarmes Piscando na Tela


• Ao invés de piscar alarmes, crie uma estratégia de cores baseada no valor ou no
estado do alarme
• A operação de piscar gasta tempo e processamento
- o objeto que pisca e os objetos ao seu redor precisam ser redesenhados cada
vez que a tela é atualizada (dependendo da taxa de atualização)
- o objeto é redesenhado mesmo se as informações não tenham sido alteradas

E. Comando “Resolve Files”


• Informações da tela associadas à base de dados são salvas como parte do arquivo da
tela
• Quando uma tela é mostrada no modo de execução e a informação sobre a base de
dados não está atualizada, o iFIX consulta a base de dados e verifica a definição do
tag
- isto consume tempo e atrasa a abertura da tela
• Usando o comando “Resolve Files”, o iFIX não tem mais a necessidade de consultar
a base de dados
- após o uso deste comando, as telas são abertas mais rapidamente no modo de
execução
• O comando “Resolve Files” funciona para arquivos de tela e de schedule e pode ser
acessado no WorkSpace através da barra de ferramentas “Utilities”
- veja a Figura 19-2

F. Outras Considerações
• Utilize cores somente quando necessário
- o uso de muitas cores ou uma estratégia ineficiente de cores pode prejudicar o
projeto da tela
• Ao invés de criar telas para monitorar pontos, use o Scheduler
- o uso de telas para monitorar o valor de um ponto pode ser ineficiente
◊ estes programas são executados continuamente e nunca terminam
- ao invés de executar uma malha em VBA, o Scheduler espera um evento
ocorrer antes de disparar um ponto

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-9


Fundamentos do iFIX

19.2. Otimização da Memória Virtual do Computador _______________

Through the use of paging files, Windows allocates space on your hard drive for use as if it were
actually memory. This space is known as virtual memory. After you install Windows NT or
Windows 2000, be sure to optimize the virtual memory for use with the iFIX. The following list
describes how to optimize virtual memory in Windows to achieve maximum performance from
iFIX.
To optimize the virtual memory paging file for iFIX in Windows NT and Windows 2000:

22. Double-click the System icon in the Windows NT or Windows 2000 Control Panel.

23. Click on the Performance tab in the Windows NT System Properties dialog box.

In the Windows 2000 System Properties dialog box, click on the Advanced tab, then click on
the Performance Options button.

24. Click the Change button in the Virtual Memory group box.

25. Enter a value equal to three times your physical memory in the Initial Size field.

26. Enter a value equal to two times your physical memory in the Maximum Size field.

27. Click the Set button.

28. Click OK to save the changes and exit the dialog box.

NOTE: If the paging file is set to grow dynamically, your system may experience severe
performance problems during runtime. To ensure optimal performance, be sure that the Initial Size
and Maximum Size of the paging file are the same so that the paging file does not grow
dynamically.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-10


Apostila de Treinamento

Otimização de Telas __________________________________________

Figura 19-2: Usando o Comando “Resolve Files”

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-11


Fundamentos do iFIX

19.4. Driver e Otimização da Base de Dados ______________________

A. Endereçamento do “Poll Record”


• Configure um endereçamento contínuo nos “poll records”
• Maximize o número de registros por linha
• O manual de cada driver traz o tamanho máximo que cada “poll record” suporta
• Em geral, a consulta ao driver (polling) deve ser duas vezes mais rápida que o tempo
de varredura do bloco da base de dados (scan time)
• Consulte o “poll record” apenas quando for realmente necessário

B. Base de Dados do Processo


• Reduza o trabalho do programa SAC (Scan, Alarm & Control)
• Se o driver suportar, utilize sempre que possível o processamento por exceção
• Configure os tempos de varredura (scan times) o maior possível
• Utilize processamento do tipo “on shot”
• Utilize a defasagem no tempo de varredura (phasing)
• Use quando possível os tags de registro analógico e digital (AR e DR) ao invés de
tags de entrada analógica e digital (AI e DI)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-12


Apostila de Treinamento

19.4. Driver e Otimização da Base de Dados _____________________

Link

AI CA
DIT (Tabela
Imagem do Driver)
AI TR AO

Driver
DI SAC I/O
DO
PDB
(Base de Dados
do Processo)

Hardware
do Processo

Figura 19-3: Arquitetura do Sistema FIX

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-13


Fundamentos do iFIX

19.4. Driver e Otimização da Base de Dados _____________________

C. Defasagem do Tempo de Varredura (“Phasing”)


• Defasa o processamento do bloco a partir da definição do seu tempo de varredura
• Ferramenta muito útil de otimização
• Usado com varredura baseada em tempo (ver Figura 19-4)

“Scan Time” “Phase Time” pode ser....


Horas Horas:Minutos
Minutos Minutos:Segundos
Segundos Segundos
Sub-segundos Sub-segundos

Figura 19-4: Formatos do Tempo de Defasagem

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-14


Apostila de Treinamento

19.4. Driver e Otimização da Base de Dados _____________________

Uso da CPU

0 2 4 6 8 10 12 14 16 18
Tempo do Sistema
Bloco 1 Scan Time = 5

Bloco 2 Scan Time = 5

Bloco 3 Scan Time = 5

Figura 19-5: Blocos Sem Defasagem (“Phasing”)


Uso da CPU

0 2 4 6 8 10 12 14 16 18
Tempo do Sistema
Bloco 1 Scan Time = 5 Phase At = 0

Bloco 2 Scan Time = 5 Phase At = 1

Bloco 3 Scan Time = 5 Phase At = 2

Figura 19-6: Blocos Com Defasagem (“Phasing”)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-15


Fundamentos do iFIX

19.5. Diagnóstico de Falha de Driver _____________________________

A. “Mission Control”
• Aplicação usada para monitorar as seguintes tarefas do FIX:
- Controle I/O - Gerenciador de Alarme Automático
- Coleta Histórica - Sincronismos de Alarmes
- Tarefa SQL - Alarmes via ODBC
- Processamento do SAC

B. Guia “I/O Control”


• Utilitário que mostra o estado do driver
• Mostra as estatísticas e erros de comunicação do(s) driver(s)
• Visão geral dos campos do controle I/O:
- “Transmitted” – número de mensagens enviadas ao hardware
- “Received” – número de respostas recebidas do hardware
- “Timed Out” – número de falhas ocorridas
- “Retried” – número de mensagens de tentativas que o driver envia
- “Protocol” – número erros de protocolo
◊ mensagem não está de acordo com a linguagem do hardware
- “Break” – número de erros de parada
◊ os dados são retidos por um tempo maior que o de transmissão
- “Frame” – número de erros de “framing”
◊ mensagem de entrada não tem o bit de parada correto
- “Parity” – número de erros de paridade
◊ bit de paridade da mensagem é diferente que o do hardware
- “Overrun” – número de erros de falha
◊ o caractere do buffer é sobrescrito antes de poder ser removido
- “General” – número de erros que não estão nas categorias anteriores
- “DRVSTA - DRVSTH” – código específico de erro do driver

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-16


Apostila de Treinamento

19.5. Diagnóstico de Falha de Driver ___________________________

Figura 19-7: Mission Control – I/O Control

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-17


Fundamentos do iFIX

19.6. Diagnóstico de Falha de Rede ______________________________

A. Tela “Network Status Display”


• Tela padrão que vem com o iFIX
• Usada para testar as conexões entre todos os nós listados no SCU
- veja a Figura 19-8

B. NBTEST
• Ferramenta que testa a comunicação entre dois nós FIX via NetBIOS
• O iFIX não precisa estar rodando para executar o teste
• Um nó funciona como servidor de dados e outro como cliente
• Sintaxe:
- Cliente: NBTEST /C
- Servidor: NBTEST /S
• Se estiver usando o protocolo de rede TCP/IP, use o teste TCPTEST ao invés deste

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-18


Apostila de Treinamento

19.6. Diagnóstico de Falha de Rede ____________________________

Figura 19-8: Tela “Network Status Display”

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-19


Fundamentos do iFIX

19.7. Sugestões para Diagnóstico de Falhas ______________________

A. Histórico de Alarme
• O objeto Sumário de Alarmes mostra uma lista em tempo real do alarmes ativos, mas
não mantém um histórico dos alarmes ocorridos
• Uma forma de visualizar um pequeno histórico dos alarmes recebidos é através do
programa Alarm History (ALMHIS.EXE)
- a Figura 19-9 mostra um exemplo
• Este programa mostra um histórico dos últimos 200 alarmes e mensagens ocorridos
no nó local
- configure o número de alarmes no SCU

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-20


Apostila de Treinamento

19.7. Sugestões para Diagnóstico de Falhas_____________________

Figura 19-9: Programa ALMHIS.EXE (Alarm History)

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-21


Fundamentos do iFIX

19.7. Sugestões para Diagnóstico de Falhas _____________________

1. As falhas de driver são muito comuns por causa de falha de conexão dos cabos de rede.

2. Existe um fórum de Suporte Técnico na Internet que permite a troca de informações com
técnicos da Intellution e com usuários de iFIX do mundo inteiro 24 horas por dia. Um
engenheiro de suporte acompanha este fórum a cada 15 minutos durante sua jornada
normal de trabalho.

3. Utilize a tecla <F1> para obter ajuda geral sobre determinado tópico ou a combinação
das teclas <Shift><F1> para obter ajuda mais específica sobre o campo específico.

4. Não esqueça de ler o Release Note da versão do seu iFIX. Ele oferece informações
adicionais sobre a versão do seu iFIX que não são disponíveis no Eletronic Books.

5. Use o comando Verify do Database Manager para verificar se existem erros nas cadeias
de blocos na base de dados.

6. Escolha um tipo de fonte de leitura fácil, tal como a “Times New Roman” ou a
“Courier”. Evite utilizar um estilo de fonte de difícil leitura, tais como fontes grifadas ou
em itálico.

7. O iFIX vem com uma base de dados padrão chamada EMPTY.PDB. Esta base de dados
é vazia e somente para leitura. Carregando esta base de dados e salvando-a com um
nome diferente, pode-se criar uma nova base de dados de trabalho.

8. O “Startup Log” contém uma lista das tarefas inicializadas com sucesso durante a
inicialização do iFIX (C:\DYNAMICS\LOCAL\STARTUP.LOG).

9. Pode-se adicionar pastas na árvore do sistema através da edição do arquivo


SystemTree.CSV. Consulte o Eletronic Books para maiores informações.

10. Consulte também o Eletronic Books para obter a lista de códigos de erros do iFIX.

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 19-22


Apostila de Treinamento

20. Segurança ______________________________________________

Capítulo 20

Segurança

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-1


Fundamentos do iFIX

20. Segurança ______________________________________________

Objetivos do Capítulo

Antes de instalar o iFIX, deve-se estabelecer o nível de segurança necessário para proteger o
processo. O sistema de segurança é um sistema baseado em usuário. Este capítulo examina o
programa de configuração de segurança e as etapas necessárias para habilitar o sistema de
segurança.

O capítulo está organizado nos seguintes tópicos:

• Personalizando as áreas de segurança


• Contas de grupos
• Contas de usuário
• Conexão automática de usuários
• Habilitando a segurança
• Métodos de conexão e desconexão

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-2


Apostila de Treinamento

20.1. Estratégia de Segurança __________________________________

A. Para implementar a estratégia de segurança:


1. Nomeie as áreas de segurança
2. Crie as contas de grupos e de usuários
3. Defina a configuração de conexão automática
- apenas se desejar que um operador seja conectado automaticamente no iFIX
4. Copie os arquivos de segurança para todos os nós
- se estiver usando um servidor de arquivos, copie os arquivos de segurança
para o servidor de arquivos
5. Especifique um caminho local e de backup para segurança em cada nó
- se estiver usando um servidor de arquivos, entre com o caminho do servidor
de arquivos como caminho de segurança e entre com um caminho local como
caminho de backup
6. Habilite segurança em todos os nós e salve a configuração de segurança
7. Se habilitar a proteção do ambiente, inicie o WorkSpace e configure as preferências
do ambiente de execução (run-time environment preferences) para cada cliente Vista

B. Notas Adicionais
• Quando terminar, teste a configuração de cada usuário verificando seus acessos às
características da aplicação e às áreas de segurança
• Além disso, tente acessar as características e áreas de segurança não disponíveis para
o usuário para verificar realmente se o acesso é negado

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-3


Fundamentos do iFIX

20.2. Configuração da Segurança _______________________________

A. Notas
• Toda configuração de segurança é feita pelo programa “Security Configuration”
- Este programa é localizado dentro do SCU
- ver Figura 20-2
• O iFIX deve estar sendo executado para configurar a segurança do sistema

B. Através do programa “Security Configuration” pode-se:


• Habilitar e desabilitar o sistema de segurança
• Criar e modificar contas de usuários
• Restringir o acesso do usuário a programas, ações com programas e telas
• Fornecer proteção de escrita nos tags

User Configuration (configuração do usuário)

Group Configuration (configuração do grupo)

Security Configuration (configuração da segurança)

Auto Login Configuration (configuração de conexão automática)

Security Area Configuration (configuração das áreas de segurança)

Figura 20-1: Barra de Ferramentas do Programa de Configuração de Segurança

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-4


Apostila de Treinamento

20.2. Configuração da Segurança _____________________________

Figura 20-2: Programa de Configuração de Segurança

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-5


Fundamentos do iFIX

20.3. Áreas de Segurança ______________________________________

A. Notas
• Uma área de segurança é uma divisão física ou funcional da planta
• As áreas de segurança podem ser:
- hardware do processo (tal como bombas ou fornos)
- utilidades (tal como óleo, água ou vapor)
- funções de manutenção
• Os nomes podem ter até 20 caracteres alfa-numéricos
• As 16 primeiras áreas são pré-definidas de A-P, mas podem ser alteradas
• Pode-se definir até 254 áreas de segurança

B. Restrição de Segurança
• As áreas de segurança restringem acesso a:
- blocos da base de dados
- telas
- receitas
• Ver Figura 20-4

C. Mensagens de Segurança
• Se algum usuário tentar acessar um bloco ilegalmente, a segurança gera uma
mensagem
• Esta mensagem contém o login do usuário que está tentando modificar o bloco
• O iFIX envia esta mensagem para o audit trail de segurança e para todos os destinos
de alarme habilitados, exceto para o Sumário de Alarme
- será visto mais sobre esse assunto ainda neste capítulo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-6


Apostila de Treinamento

20.3. Áreas de Segurança___________________________________

Figura 20-3: Nomeando as Áreas de Segurança

Quando uma área de Ela restringe…


segurança é
associada a…
Bloco da base de Acesso à escrita. O acesso de leitura dos blocos
dados continua disponível na tela.
Tela Acesso à leitura do arquivo.
Receita Acesso à leitura do arquivo.

Figura 20-4: Restrições das Áreas de Segurança

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-7


Fundamentos do iFIX

20.4. Perfis de Grupo __________________________________________

A. Notas
• Uma conta de grupo especifica o acesso às tarefas mais usadas para serem
compartilhadas entre dois ou mais usuários
• Defina uma conta de grupo para cada usuário na tela de configuração do usuário
• Os usuários definidos para um grupo terão acesso a todas as características e áreas de
segurança definidas para o grupo

B. Implementando Contas de Grupo


• Use contas de grupos para atribuir a maioria dos privilégios para os usuários
• Utilize as contas de grupos já pré-definidas caso não queira elaborar uma estratégia
mais elaborada
- estas contas oferecem uma aproximação simples de implementação de
segurança
- estas contas de grupo definem regras funcionais em uma área de produção
• Use o exemplo da Figura 20-5 como modelo

Para criar uma conta Especifique as aplicações…


de grupo para…
Projetistas de base de Database Manager, Database Reload, Database Save, e
dados Database Add/Delete.
Projetistas de telas WorkSpace Configure, WorkSpace, Exit from Run
mode, Operator Task Switching, Database Manager,
Database Save, Database Reload e Database Add/Delete.
Projetistas de receitas GUI Recipe Builder Development Window, GUI Recipe
Download, GUI Recipe Save, GUI Recipe Upload e GUI
Recipe Text Output.
Supervisores WorkSpace, Exit from Run mode e Operator Task
Switching.

Figura 20-5: Exemplos de Perfis de Grupo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-8


Apostila de Treinamento

20.4. Perfis de Grupo________________________________________

Figura 20-6: Contas de Grupos

Figura 20-7: Perfil do Grupo

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-9


Fundamentos do iFIX

20.5. Contas de Usuário________________________________________

A. Notas
• Uma conta de usuário define os privilégios para uma pessoa
• A identificação de cada conta de usuário é feita por um nome de login e uma senha
opcional
• Ao projetar uma conta de usuário, inclua o nome completo do usuário, nome de login
e senha
- se usar a segurança do Windows NT, inclua os domínios da rede

B. Especificando os Direitos para as Contas de Grupo


• Atribua privilégios para contas de grupos sempre que possível
• Se um operador precisar de privilégios adicionais, a característica específica e as
áreas de segurança podem ser adicionadas na conta de usuário
• Se vários operadores precisarem dos mesmos privilégios, crie outra conta de grupo e
associe a estes operadores

C. Login Timeout (Tempo de Conexão)


• Limita o tempo de conexão de um operador configurando o login timeout na conta do
usuário
- quando um operador tenta acessar uma área após o tempo ter expirado, o iFIX
desconecta o operador
- se o intervalo de tempo expirar enquanto um operador estiver executando uma
operação, o iFIX desabilita o comando de salvar a alteração
• Com esta característica, o iFIX pode automaticamente desconectar operadores que
esquecem de se desconectar no final do seu turno
- por exemplo se o login timeout for igual a 8:00:00, o operador se mantém
conectado por apenas oito horas
- quando o próximo turno começar e um novo operador executar um programa,
o iFIX desconecta o operador anterior
- isto força o novo operador a se conectar com sua própria conta
- isto evita acesso não autorizado a aplicações e áreas de segurança disponíveis
para o operador do turno anterior

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-10


Apostila de Treinamento

20.5. Contas de Usuário _____________________________________

Figura 20-8: Contas de Usuário

Figura 20-9: Perfil do Usuário

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-11


Fundamentos do iFIX

20.6. Conexão Automática______________________________________

A. Notas
• O “Auto Login” especifica um usuário para se conectar automaticamente quando o
sistema iniciar
• Se um servidor de arquivos NÃO estiver sendo usado, apenas os nós locais poderão
ser configurados
• Esta informação é armazenada no arquivo de auto login chamado <nome do nó>.aut
• Observação:
- o campo System User não é usado – qualquer entrada será ignorada

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-12


Apostila de Treinamento

20.6. Conexão Automática ___________________________________

Figura 20-10: Caixa de Diálogo de Conexão Automática (Auto Login)

Figura 20-11: Configuração de Conexão Automática

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-13


Fundamentos do iFIX

20.7. Configuração da Segurança _______________________________

A. Diretório da Segurança
• Os arquivos de segurança residem em um diretório especificado pelo security path.
Por padrão, o programa “Security Configuration” configura este caminho para o
diretório “Local”, mas pode ser alterado para qualquer outro diretório da máquina ou
da rede

B. Usando Segurança Sem um Servidor de Arquivos


• Todos os arquivos de segurança e o programa “Security Configuration” são
armazenados em cada computador local
• Uma cópia backup dos arquivos de segurança é armazenada no diretório especificado
pelo backup path
- este caminho é usado quando o iFIX não encontra o security path
• Uma vez configurada a segurança e habilitada em um computador, a configuração da
segurança deve ser copiada para todos os nós
- a forma mais simples de se fazer isso é copiar os arquivos de segurança para
todos os computadores da rede
• Certifique-se também de habilitar a segurança em todos os nós

C. Usando Segurança Com um Servidor de Arquivos


• Use um servidor de arquivo para compartilhar os arquivos de segurança
- isto elimina a necessidade de copiá-los para vários computadores
- a forma mais simples de compartilhar seus arquivos de segurança é digitar um
caminho de servidor de arquivo no security path do nó local
- quando isto é feito, o programa “Security Configuration” copia os arquivos de
segurança para o servidor de arquivos
• A configuração da segurança também pode ser compartilhada executando a aplicação
a partir do servidor de arquivos
- compartilhando este programa, elimina-se a possibilidade de alguns
computadores terem sua segurança habilitada e outros não
- uma vez habilitada segurança, ela estará habilitada para todos os
computadores
• Para compartilhar o programa “Security Configuration”, digite o caminho do servidor
de arquivos como caminho “Base” do nó local
• Uma vez feito isso, toda aplicação iFIX poderá ser executada no servidor de arquivo
a partir do seu nó local

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-14


Apostila de Treinamento

20.7. Configuração da Segurança ______________________________

Figura 20-12: Configuração de Segurança

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-15


Fundamentos do iFIX

20.8. Conectando-se na Segurança ______________________________

A. Notas
• O operador pode se conectar no iFIX de forma manual ou automática
• Ao se conectar, o operador se identifica como usuário do iFIX e ganha acesso a telas,
receitas e aplicações que lhe são autorizadas

B. Conexão e Desconexão Manual


• O operador pode se conectar no iFIX manualmente usando o programa “Login”
• Quando o programa “Login” inicia, ele permite o operador a entrar com o seu nome
de login e sua senha
- ver Figura 20-13
• O programa “Login” oferece ao operador três chances para entrar com login e senha
corretamente
- após a terceira tentativa, o programa “Login” é fechado
- o operador pode tentar se conectar novamente através do programa “Login”
• Se a segurança do Windows NT estiver habilitada, o operador pode alterar sua senha
enquanto estiver conectado
- as senhas do Windows NT são sensíveis a letras maiúsculas e minúsculas
• NOTA:
- qualquer tentativa de conexão sem sucesso gera alarme para os destinos de
alarmes configurados no computador local
- a tentativa de conexão também é gravada no audit trail da segurança

C. Desconexão Manual
• O operador pode se desconectar do iFIX saindo de todas as aplicações protegidas,
iniciando o programa de “Login” e selecionando o botão Logout

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-16


Apostila de Treinamento

20.8. Conectando-se na Segurança _____________________________

Figura 20-13: Caixa de Diálogo de Conexão

D. Trabalhando com o Visual Basic for Applications


• Programas podem ser escritos em VBA para fornecerem acesso e informações de
segurança
• Exemplos:
- um programa para mostrar o operador atualmente conectado e seus direitos de
segurança
- um programa que permite o operador se conectar e desconectar do iFIX
• Para aprender sobre métodos específicos do VBA de acesso ao sistema de segurança,
refira-se ao help online “iFIX Automation Interface”

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-17


Fundamentos do iFIX

20.9. “Audit Trail” _____________________________________________

A. Notas
• O sistema de segurança cria um arquivo texto com as atividades de conexão
• Este arquivo fica localizado no subdiretório de alarme
• A convenção de seu nome é YYMMDD.LOG
- este arquivo reside no alarm path
• O programa “Login” registra cada tentativa de conexão no “audit trail”
• Analisando-se o “audit trail”, pode-se obter as seguintes informações:
- quem se conectou ou desconectou
- se houve alguma falha de conexão
- se algum operador tentou acessar uma área de segurança ou uma aplicação da
qual não possui direito de acesso
- usuário que excedeu seu tempo máximo de conexão

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-18


Apostila de Treinamento

20.9. “Audit Trail_____________________________________________

7/19/99 19:33:37 NODE8 SECURITY VIOLATION: access to APPLICATION FEATURE


7/19/99 19:33:38 NODE8 security configuration updated
7/19/99 19:33:39 NODE8 SECURITY VIOLATION: access to APPLICATION FEATURE
System User Login
7/19/99 19:34:19 NODE8 SECURITY VIOLATION: access to APPLICATION FEATURE
Database Manager
7/19/99 19:34:27 NODE8 SECURITY VIOLATION: access to APPLICATION FEATURE
System User Login
7/19/99 19:34:31 CHUCK SMITH logged in as Application User
7/19/99 19:34:35 NODE8 SECURITY VIOLATION: CHUCK SMITH access to
APPLICATION FEATURE Database Manager
7/19/99 19:34:40 NODE8 SECURITY VIOLATION: CHUCK SMITH access to
APPLICATION FEATURE System User Login
7/19/99 19:34:42 CHUCK SMITH logged out as Application User
7/19/99 19:34:46 SYSTEM ADMINISTRATOR logged in as Application User
7/19/99 19:35:21 SYSTEM ADMINISTRATOR logged out as Application User
7/19/99 19:35:26 GUEST logged in as Application User
7/19/99 19:35:29 NODE8 SECURITY VIOLATION: GUEST access to APPLICATION
FEATURE Database Manager
7/19/99 19:35:33 NODE8 SECURITY VIOLATION: GUEST access to APPLICATION
FEATURE Historical Trend Assign
7/19/99 19:36:10 NODE8 SECURITY VIOLATION: GUEST access to APPLICATION
FEATURE Security Configuration
7/19/99 19:36:17 GUEST logged out as Application User
7/19/99 19:36:20 SYSTEM ADMINISTRATOR logged in as Application User

Figura 20-14: Exemplo de Arquivo de Conexão de Segurança

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-19


Fundamentos do iFIX

20.10. Questões de Revisão ___________________________________

1. Para que serve as contas de grupo?

2. Quais são as vantagens/desvantagens de usar um servidor de arquivos de segurança?

3. Para que serve o tempo de conexão (login timeout)?

4. Como as áreas de segurança são usadas no iFIX?

5. Para que serve a conexão automática (automatic login)?

Copyright © 2002, Intellution, Inc. 20-20