Você está na página 1de 7

Exercícios de fixação – Direito Processual Civil II

Profª: Renata Maia

Em caso de dúvidas durante a resolução dos exercícios, entrar em contato pelo e-mail:
monitoriaprocessocivil2.2018@gmail.com ou WhatsApp: (31) 9 9489-7041 (Natália)

1) José compareceu à secretaria da 2ª Vara de Família de Belo Horizonte informando que possuía interesse
jurídico (não era parte) em uma Ação de Divórcio sentenciada há uma semana. Após explicar os motivos
pelo qual possuía interesse naquela demanda ao escrivão, este fez constar dos autos a justificativa de José,
permitiu que ele tivesse vista dos autos e posteriormente certificou que o interessado teve vista do processo
naquela data. O escrivão da secretaria da 2ª Vara de Família de Belo Horizonte agiu conforme postula o
CPC/15? Caso não, qual seria o procedimento correto?

2) Ana ajuizou ação possessória contra Inácio, alegando que este estaria invadindo terras de sua propriedade
na área rural de Divinópolis/MG. Durante o trâmite do processo, as partes convencionaram que ficaria a
cargo de Inácio comprovar que não havia cometido o ilícito alegado por Ana. De ofício, o juiz recusou a
aplicação desta distribuição do ônus da prova fundamentando que Ana deveria comprova a ocorrência da
invasão, pois o ônus da prova cabe a quem alega. Considerando que as partes são plenamente capazes, é
possível dizer que o juiz agiu corretamente?

3) Durante o trâmite de uma Ação Indenização por Danos Materiais, ficou acordado entre as partes e o juízo
que seria realizada uma audiência de conciliação no dia 24/10/18, às 15h. A parte ré não compareceu à
audiência e foi penalizada por conta disto, conforme dispõe o CPC/15. Assim, o advogado do réu alegou
que não poderia ser punido em razão do não comparecimento, pois não havia sido devidamente intimado
para comparecer à audiência. Procede a alegação do advogado do réu? Por quê?

4) Marcos foi citado para comparecer como réu em uma Ação de Usucapião, bem como para apresentar
contestação em um prazo de 15 dias.

a) Considerando que a juntada aos autos do aviso de recebimento da citação ocorreu em 12 de dezembro
de 2017, qual é o último dia do prazo para que Marcos apresente a contestação? (Considerar o feriado de
Carnaval nos dias 12, 13 e 14 de fevereiro)
b) Considere que juntada aos autos do aviso de recebimento da citação ocorreu em 24 de janeiro de 2018 e
que Marcos apresentou a contestação em 20 de fevereiro de 2018. Qual o último dia do prazo para
apresentação da resposta neste caso? A contestação pode ser considerada tempestiva? (Considerar o
feriado de Carnaval nos dias 12, 13 e 14 de fevereiro)
5) Nos autos de uma Ação Anulatória que tramita em autos físicos, o juiz intimou a parte autora para
apresentar um determinado documento em um prazo de 10 dias. A disponibilização do despacho no Diário
Judicial Eletrônico ocorreu em 17 de janeiro de 2018. Qual é o prazo final para apresentação do documento
pelo autor? (Considerar o feriado de Carnaval nos dias 12, 13 e 14 de fevereiro)

6) Nos autos de uma Ação de Imissão na Posse que tramita em autos eletrônicos em uma das varas cíveis
de Belo Horizonte/MG, o autor foi intimado para apresentar matrícula atualizada do imóvel litigioso em
um prazo de 5 dias. A intimação saiu no sistema eletrônico no dia 6 de agosto de 2018.
a) Considerando que o advogado só visualizou a intimação no dia 12 de agosto de 2018, qual é último dia
para que o documento seja apresentado? (Considerar como feriado municipal o dia 15 de agosto)
b) Considerando que o advogado não visualizou a intimação no prazo estabelecido em lei, qual é o último
dia para apresentação do documento? (Considerar como feriado municipal o dia 15 de agosto)

7) Carla foi qualificada como ré em uma Ação de Indenização movida contra seus vizinhos em razão de
uma infiltração causada por seu apartamento no apartamento deles. Foi expedida carta com aviso de
recebimento (AR) para citação de Carla. Contudo, quem recebeu a citação em nome de Carla foi o porteiro
de seu condomínio. Posteriormente, o porteiro comunicou Carla sobre a citação. Carla não apresentou
contestação no prazo estipulado e o juiz decretou os efeitos da revelia. No curso do processo, verificou-se
que apesar de a ação ter sido interposta na Comarca de Belo Horizonte/MG, a competência seria da
Comarca de Santa Luzia/MG. Assim, o juízo de BH declinou da competência e remeteu os autos para o
juízo de Santa Luzia. Qual a atitude correta a ser tomada pelo novo juiz:

a) Anular a citação de Carla, tendo em vista que esta não ocorreu de forma pessoal, como dispõe o CPC, e
citá-la novamente.
b) Anular os atos praticados pelo juiz da Comarca de Belo Horizonte, vista que este era incompetente para
julgar a causa.
c) Deve receber o processo e dar o devido seguimento ao seu trâmite.
d) Anular os efeitos da revelia, pois levando em consideração que o AR foi recebido pelo porteiro, Carla
deve ser intimada para ter ciência deste fato e do início da contagem de prazo para contestação.

8) Marcelo foi qualificado como réu para comparecer a uma Ação de Reconhecimento de Paternidade
movida por Clara e seu filho menor, Samuel. Ao chegar ao domicílio do réu para efetuar a citação, o oficial
de justiça foi recebido pela mãe de Marcelo que lhe informou que Marcelo encontrava-se de luto em razão
do falecimento de seu avô paterno há 4 dias, e não iria receber a citação. O oficial de justiça entendeu que
Marcelo estava se ocultando e, assim, realizou citação por hora certa nos moldes do CPC. Ao verificar o
ocorrido o juiz:

a) Deverá decretar os efeitos da revelia de imediato, visto que a citação por hora certa foi devidamente
efetivada.
b) Deverá despachar, ordenando à secretaria que envie à Marcelo carta dando-lhe ciência de que sua citação
ocorreu por hora certa em determinada data.
c) Deverá anular a citação por hora certa, pois o réu tinha direito de recusar a citação
d) Deverá nomear curador especial para Marcelo, visto que este foi citado de forma ficta.

9) Laura ajuizou Ação de Indenização de Danos Materiais contra Sérgio, pois este bateu em seu carro no
dia 8 de julho de 2018 ao avançar uma parada obrigatória. A autora informou ao juízo no momento de
interposição da ação o endereço que Sérgio havia lhe fornecido no dia do acidente. Contudo, Sérgio não foi
localizado para ser citado no referido endereço. Desta forma, o juiz determinou a citação por edital de
Sérgio, visto que este se encontrava em local incerto e não sabido. Agiu corretamente o juiz? Se não, qual
seria o procedimento correto?

10) Nos autos de uma Ação de Cobrança movida por Rebecca e João em face de Milton, o juiz verificou a
existência de prescrição em relação ao direito alegado pelos autores e julgou o pleito improcedente
liminarmente. Assim, é correto afirmar:

a) Caso os autores não apelem, o réu deverá ser citado sobre a sentença após seu trânsito em julgado.
b) Interposta a apelação e não havendo retratação por parte do juiz, o réu deve ser citado para apresentar
contrarrazões no prazo legal.
c) Considerando que a demanda foi julgada antes da composição da relação processual, não há necessidade
de comunicação do réu sobre a sentença.
d) Caso haja retratação por parte do juiz, este determinará a intimação do réu para apresentar contestação
no prazo legal.

11) Foi determinada a citação de Marina, ré em uma ação possessória, por meio de carta com AR. O AR
retornou ao juízo assinado pelo marido de Marina. Este comunicou a sua esposa sobre a referida citação.
Marina, querendo se escusar de suas obrigações indenizatórias, resolveu quedar-se inerte quanto à notícia
da citação. Assim:

a) Nesta situação, cabe ao autor requerer que a ré seja citada por oficial de justiça.
b) Tendo em vista que o AR retornou assinado por terceiro diverso à ré, esta deve ser considerada em local
incerto e não sabido, devendo ser citada por edital, haja vista a necessidade de duração razoável do processo.
c) Caso Marina resolva comparecer em juízo, a citação por AR será convalidada e o prazo para contestar
retroagirá à data que o AR foi juntado aos autos.
d) Considerando que o AR retornou assinado, presume-se que Marina foi comunicada sobre ação movida
contra ela e, assim, começa a contar o prazo para apresentação de contestação a partir da juntada do AR aos
autos.

12) Rafael, Vitor e Antônio, réus em uma ação indenizatória, foram intimados para apresentar suas
considerações ao laudo pericial apresentado pelo perito em um prazo de 10 dias. A intimação foi
disponibilizada no PJE (Processo Judicial Eletrônico) no dia 2 de julho de 2018. O advogado de Rafael,
pertencente ao escritório X, efetuou leitura da intimação no dia 2 de julho de 2018. O advogado de Vitor,
pertencente ao escritório Y, efetuou leitura da intimação no dia 8 de julho de 2018. O núcleo de prática
jurídica da faculdade Z, como representante de Antônio, não efetuou leitura da intimação. Qual o último
dia para que Rafael, Vitor e Antônio, respectivamente, apresentem suas considerações sobre o laudo
pericial?

a) 16 de julho de 2018, 20 de julho de 2018 e 25 de julho de 2018.


b) 30 de julho de 2018, 3 de agosto de 2018 e 25 de julho de 2018.
c) 16 de julho de 2018, 20 de julho de 2018 e 8 de agosto de 2018.
d) 30 de julho de 2018, 3 de agosto de 2018 e 8 de agosto de 2018.

13) Duas ações foram distribuídas em juízos diversos na Comarca de Belo Horizonte/MG, contudo
possuíam o mesmo pedido. A primeira ação foi ajuizada em 16 de julho de 2018 e distribuída na 5ª Vara
Cível. Já a segunda ação foi ajuizada em 8 de agosto de 2018 e distribuída na 12ª Vara Cível. A segunda
ação foi despachada em 14 de agosto de 2018, enquanto a primeira só foi despachada em 3 de setembro de
2018. Houve juntada do aviso de recebimento a carta que validamente citou o réu na segunda ação em 28
de agosto de 2018. Em preliminar de apelação, o réu alegou a necessidade de reunião dos dois processos
no juízo da 12 Vara Cível. Em sua alegação o réu está:

a) correto, pois a segunda ação foi despacha primeiro.


b) correto, pois no segundo processo já há citação válida e a relação processual formada.
c) incorreto, pois para fins de prevenção o único critério utilizado é a data da distribuição da ação.
d) incorreto, pois cabe ao autor escolher o juízo em que tramitará a ação proposta.

14) Em uma ação declaratória entre Alice e o Estado de Minas Gerais que tramita em autos físicos, o juiz
proferiu despacho intimando as partes a apresentarem alegações finais no prazo de 15 dias. Antes que
houvesse publicação deste despacho, a Advocacia Pública retirou os autos em carga. Desta forma:

a) começa o correr o prazo de 15 dias para que a Advocacia Pública apresente as alegações finais a partir
da retirada dos autos da secretaria.
b) começa a correr o prazo de 15 dias em dobro para que a Advocacia Pública apresente alegações finais a
partir da devolução dos autos à secretaria.
c) começa a correr o prazo de 15 dias para que a Advocacia Pública apresente alegações finais a partir da
devolução dos autos à secretaria.
d) começa a correr o prazo de 15 dias em dobro para que a Advocacia Pública apresente as alegações finais
a partir da retirada dos autos da secretaria.

15) Em uma ação indenizatória, a autora Raquel tinha interesse que a ação tramitasse de forma mais célere.
Assim, verificando a mora do juízo para expedir intimação para que o réu cumprisse a determinação do
juiz, resolveu intimá-lo por meio de carta. Raquel:

a) pode promover a intimação, caso tenha permissão do juízo.


b) não pode intimar a outra parte, pois este ato cabe tão somente ao juízo.
c) pode promover a intimação, juntando aos autos a cópia do ofício de intimação e o AR.
d) pode promover a intimação, contudo o prazo para a outra parte só começa a ser contado a partir o
momento que ela comparece em juízo, validando a intimação.
Considere o enunciado abaixo para responder as questões de 16 a 19 (todas as respostas devem ser
fundamentadas)

Aristides, pedreiro idoso que trabalhava na construção de um edifício, veio a sofrer um acidente de trabalho,
que resultou na amputação de suas duas pernas. Por ser segurado da previdência social, e entendendo que
se encontrava, desde a data do acidente, permanentemente incapacitado para o desempenho de qualquer
atividade laborativa, requereu administrativamente, perante o INSS, a concessão da aposentadoria por
invalidez. A autarquia previdenciária, contudo, indeferiu o seu pedido. Inconformado, Aristides procurou
um advogado, que ajuizou, na Comarca de Belo Horizonte, ação de concessão de benefício previdenciário
c/c indenização por danos morais, em face do INSS e da MRV Engenharia, sua antiga empregadora.

16) Considerando que Aristides pretende a condenação da MRV Engenharia ao pagamento de indenização
por danos morais, no valor de R$50.000 (cinquenta mil reais), e a condenação do INSS à concessão da
aposentadoria por invalidez, desde a data do acidente, no valor mensal de R$1.000,00 (mil reais), qual deve
ser o valor atribuído à causa? (Considere que o acidente ocorreu em 05/05/2018 e a ação foi distribuída em
05/08/2018)

17) Imagine que o advogado de Aristides, em evidente descompasso com o proveito econômico que se
pretende obter na demanda, atribuiu à causa o valor de R$100,00 (cem reais). Diante deste cenário, o que
pode ser feito pelo juiz? E pelos réus?

18) Considere que a citação da MRV Engenharia foi feita pelo correio e que o aviso de recebimento foi
juntado aos autos em 21/08/2018. Já a citação do INSS se deu por meio de oficial de justiça, tendo o
mandado, devidamente cumprido, sido juntado aos autos em 05/09/2018. Neste contexto, considerando que
se trata de processo eletrônico, qual será o prazo final para cada um dos réus oferecer contestação?

19) Após os réus oferecerem contestação, o juiz observou que o mandado de citação dirigido ao INSS não
continha o nome do autor e seu respectivo domicílio, violando, assim, o disposto no art. 250, inciso I, do
CPC. Logo, por considerar nula a citação feita sem observância das prescrições legais (art. 280, do CPC),
o juiz determinou a repetição deste ato processual (art. 282, do CPC), determinando a expedição de um
novo mandado citatório. Considerando o regime de nulidades previsto no CPC, disserte brevemente acerca
da atitude do juiz.

20) Roberto ajuizou, em face de Fernanda, ação de cobrança, alegando ter sido contratado para pintar o
quarto de uma de suas filhas. Todavia, após o serviço ser finalizado, a ré deixou de efetuar o pagamento,
alegando não ter gostado da nova cor das paredes. Roberto atribuiu à causa o valor de R$800,00 (oitocentos
reais) e, na petição inicial, informou ter interesse na realização da audiência de conciliação, prevista no art.
334, do CPC, que foi designada pelo juiz. A ré, embora citada, deixou de comparecer, injustificadamente,
à audiência. Foi correta a postura da ré? Explique. Além disso, informe qual deve ser a atitude do juiz diante
desta situação.

Considere a intimação abaixo, disponibilizada no DJe, para responder as questões 21 e 22 (todas as


respostas devem ser fundamentadas)

Processo nº. 1122341.14.2014.8.13.0024


Autor: Liliane Madureira Ribeiro; Réu: Breno
Tadeu de Melo Silveira. Julgado parcialmente
procedente o pedido inicial, para condenar o réu ao
pagamento da quantia de R$10.000,00 (dez mil
reais), a título de danos morais. Adv - Henrique José
A. Perret, Marina Buck Carvalho Sampaio, Nilton
Antônio de Miranda, Jair Teixeira, Luana Leonardo
Lucas Pereira
21) O réu, representado pela Defensoria Pública, interpôs recurso de apelação no dia 25/09/2018, que, em
decisão monocrática do relator, não foi conhecido, por intempestividade. A decisão do relator está correta?
(Considere que a intimação pessoal da Defensoria Pública ocorreu no dia 31/08/2018)

22) O nome do advogado da autora é “Henrique José Aquino Perret”. Na intimação disponibilizada no DJe,
contudo, seu nome foi abreviado para “Henrique José A. Perret”. Somente quando foi intimada para
apresentar contrarrazões à apelação do réu é que a autora constatou este equívoco, que, inclusive, a impediu
de tomar ciência da sentença e interpor, tempestivamente, o seu recurso de apelação. Qual deve ser a atitude
da autora, considerando que ela ainda pretende recorrer?

23) Em um processo que tramita na Comarca de Belo Horizonte, pelo procedimento comum, o juiz
determinou que a citação fosse realizada por oficial de justiça. De posse do mandado, o oficial precisa
cumprir a ordem. Nesse cenário, é CORRETO afirmar que:

a) o oficial de justiça não poderá, em hipótese alguma, efetuar a citação se o réu estiver participando de ato
de culto religioso.
b) essa modalidade de citação pode ser utilizada quando frustrada a citação pelo correio.
c) somente com autorização judicial a citação poderá ser realizada antes das 06:00 (seis horas) ou após as
20:00 (vinte horas), em dias não úteis.
d) somente após o oficial de justiça, por três vezes, procurar o réu, sem sucesso, em sua residência ou
domicilio, e desde que haja suspeita de ocultação, poderá intimar qualquer pessoa da família ou, na falta,
um vizinho, informando que no próximo dia útil retornará para efetuar a citação, na hora que designar.
e) a citação não pode ser realizada durante o período de férias forenses, por expressa determinação legal de
suspensão de todos os atos processuais.

24) Sobre o ato de citação, é CORRETO afirmar:

a) O gerente de filial ou agência não se presume autorizado pela pessoa jurídica estrangeira a receber citação
para qualquer processo.
b) A citação válida, somente quando ordenada por juízo competente, induz litispendência, torna litigiosa a
coisa e constitui em mora o devedor.
c) O comparecimento espontâneo do réu supre a falta ou a nulidade da citação, fluindo a partir desta data o
prazo para apresentação de contestação.
d) A procuração geral para o foro, outorgada por instrumento público ou particular assinado pela parte,
habilita o advogado a praticar todos os atos do processo, inclusive receber citação.
e) A interrupção da prescrição, operada pelo despacho que ordena a citação, retroagirá à data de propositura
da ação, desde que proferido por juízo competente.

25) Com base no CPC, é CORRETO afirmar que o valor da causa:

a) na ação de alimentos, corresponde à soma de 12 (doze) prestações mensais pedidas pelo autor.
b) é um requisito legal da petição inicial, mas não da reconvenção.
c) não poderá ser corrigido de ofício pelo juiz, mesmo se verificado que o montante indicado não
corresponde ao conteúdo patrimonial em discussão.
d) a impugnação ao valor da causa, pelo réu, não se sujeita à preclusão temporal.
e) corresponderá, quando se pedirem prestações vencidas e vincendas, somente ao valor das prestações
vencidas.

26) De acordo com o Código de Processo Civil em vigor, é CORRETO afirmar, no tocante aos prazos
processuais, que:

a) devem eles ser contados em dias corridos.


b) o ato processual praticado antes de seu termo inicial deve ser reputado intempestivo.
c) ficam eles suspensos entre os dias 24 de dezembro e 07 de janeiro, inclusive.
d) não havendo regra legal ou prazo fixado pelo juiz, será de cinco dias o prazo para a prática do ato a cargo
da parte.
e) salvo disposição em contrário, são eles contados incluindo-se o dia do começo e o do vencimento.

27) Acerca dos atos processuais e sua disciplina no Código de Processo Civil:

I. Os atos das partes consistentes em declarações unilaterais ou bilaterais de vontade produzem


imediatamente a constituição, modificação ou extinção de direitos processuais, excetuada a desistência da
ação, que só produzirá efeitos após homologação judicial.
II. Os atos das partes consistentes em declarações unilaterais ou bilaterais de vontade produzem
imediatamente a constituição, modificação ou extinção de direitos processuais, inclusive a desistência da
ação, que produz efeitos independentemente de homologação judicial.
III. Os atos processuais serão realizados em dias úteis, das 6 (seis) às 20 (vinte) horas.

É CORRETO o que se afirma em:

a) II e III.
b) I e III.
c) I e II.
d) I, II e III.
e) nenhuma das anteriores

28) Processam-se durante as férias forenses, onde as houver, e não se suspendem pela superveniência delas:

a) os procedimentos de jurisdição voluntária e os necessários à conservação de direitos, quando puderem


ser prejudicados pelo adiamento.
b) a homologação de desistência de ação.
c) os processos que versem sobre arbitragem, inclusive sobre cumprimento de carta arbitral.
d) o registro de ato processual eletrônico e a respectiva intimação eletrônica da parte.
e) a realização de audiência cujas datas tiverem sido designadas.

29) Sobre as nulidades processuais, assinale a alternativa CORRETA:

a) Quando a lei prescrever determinada forma sob pena de nulidade, a decretação desta pode ser requerida
também pela parte que lhe deu causa.
b) As nulidades processuais não se sujeitam ao regime das preclusões, podendo a parte alegá-las a qualquer
momento, desde que o faça antes da prolação da sentença.
c) O erro de forma do processo acarreta a nulidade dos atos que já foram praticados, sem qualquer
aproveitamento.
d) As citações e as intimações serão nulas quando feitas sem observância das prescrições legais.
e) A nulidade de uma parte do ato prejudicará as outras, mesmo que delas seja independente.

30) O regime de nulidades do novo Código de Processo Civil prevê que:

a) a não intimação de membro do Ministério Público para acompanhar processo no qual deva intervir gera
nulidade processual, independentemente da manifestação deste acerca de prejuízo.
b) o juiz declarará, ao pronunciar a nulidade, quais atos são atingidos e ordenará as providências necessárias
a fim de que sejam repetidos ou retificados.
c) a alegação de nulidade deve ocorrer na primeira oportunidade que a parte tenha de falar nos autos, sob
pena de preclusão, incluindo as hipóteses em que o juiz deveria decretar de ofício.
d) o juiz, ao reconhecer a nulidade, mesmo que possa decidir a favor de quem a aproveite, deve pronunciá-
la, mandar repetir o ato ou suprir-lhe a falta.
e) Ainda que inexista prejuízo à parte, deve o juiz determinar a repetição do ato processual cuja nulidade
foi decretada.

Você também pode gostar