Você está na página 1de 8

FÍSICA

Frente: Física III


EAD – ITA/IME
Professor(a): Marcos Haroldo

AULAS 1 A 3

Assunto: Carga elétrica

Conservação da carga
Resumo Teórico Percebe-se na natureza que as cargas não se reproduzem
nem somem. Elas podem mudar de endereço ou de roupa, mas a
soma total sempre é a mesma. O número total de cargas no universo
CARGA ELÉTRICA é constante. As cargas podem aparecer de duas formas: positivas ou
negativas (como foi visto na tabela anterior). Essa nomenclatura surge
Introdução do fato de uma anular o efeito da outra. Se você tem uma carga +q e
uma carga –q no mesmo lugar, eletricamente é como se não houvesse
Eletrostática é o estudo dos fenômenos de natureza elétrica carga ali. Portanto, uma carga positiva pode aniquilar uma negativa,
quando as cargas estão em repouso em relação a um referencial mas não pode se suicidar! Não pode se aniquilar sozinha.
inercial. Se o sistema está isolado eletricamente (não deixa trocar cargas
com o meio externo), a carga local deve ser conservada.
Carga Elétrica Tomemos o seguinte exemplo:
Carga elétrica é uma propriedade associada a algumas
partículas elementares, por exemplo, o elétron, o próton (no âmbito O sistema a seguir contém N corpos carregados com suas
da Física Clássica1). respectivas cargas. A carga do i-ésimo corpo é Qi.
Um dos aspectos importantes que devemos deixar bem claro é
que a carga elétrica não aparece na natureza em qualquer quantidade,
mas sim como um múltiplo de uma unidade fundamental, a carga Q3 QN – 1
1 3 N–
elementar. 1
Q1
Apesar de ter existido vários experimentos para tentar calcular
tal carga, o mais clássico foi do físico americano Robert A. Millikan
(1869-1953): experimento da gota de óleo. Este experimento, que
discutiremos nos próximos capítulos, dá-nos a informação de que a Q4
4 N
carga elementar possui o valor de: 2
Q2 QN

e = 1,6021⋅10–19 C
Acontece alguma interação entre eles e o resultado é uma
Sendo assim, a carga é quantizada! nova configuração de cargas. Cada corpo adquire uma nova carga
Um segundo aspecto importante é que a carga elementar Q’i (carga final do i-ésimo corpo).
está sempre atrelada a uma massa. A razão carga massa é também
determinada através de alguns experimentos (também serão vistos
adiante). Portanto, se calcularmos a carga, a massa poderá ser Q’1 Q’3 Q’N – 1
1 3 N
determinada. –
1

Partícula Massa Carga


Q’4
Elétron 9,1091⋅10 –31
kg –e Q’2 Q’N
4 N
Próton 1,6725⋅10 –27
kg +e 2

Nêutron 1,6748⋅10–27 kg 0

De certo modo, a quantização da carga é interessante, mas Devido à conservação da carga local (sistema isolado), podemos
em algumas situações é melhor não olharmos tão a fundo para isso. escrever que:
É viável fazer vista grossa para algumas situações e para resolver
N N
algumas questões (Maxwell não sabia da existência de cargas
elementares. Ele devia imaginar cargas como uma geleia).
∑ Qi = ∑ Q’i = Qtot
i=1 i=1

1 Os quarks têm carga elétrica –1/3 ou 2/3, em que a unidade é a carga elementar.

F B O NLINE.COM.BR 001.061-127582/18

//////////////////
Módulo de Estudo

A priori, um corpo eletricamente neutro poderia ficar eletrizado Materiais condutores e isolantes
ganhando ou perdendo prótons ou elétrons.
O que acontece, porém, é que os prótons são partículas bem
mais pesadas (sua massa é cerca de 1836 vezes maior que a dos Condutores
elétrons) e que estão fortemente ligadas ao núcleo, através de forças São meios em que as cargas elétricas se deslocam com
muito intensas e de curto alcance que ocorrem entre próton e próton, facilidade, permitindo facilmente a passagem de corrente elétrica.
próton e nêutron, ou nêutron e nêutron. Assim, na maioria das vezes, Isto se deve à presença de portadores de carga com liberdade de
a troca de carga é dada pela passagem de elétrons. movimento. Dentre vários exemplos, destacamos os metais, a grafite,
os gases ionizados, as soluções iônicas eletrolíticas (como as soluções
aquosas de ácidos, bases e sais), o plasma, o corpo humano e a Terra.
Unidades Nos gases ionizados e nas soluções eletrolíticas, os portadores
Iremos trabalhar com o Sistema Internacional de medidas de carga são íons, e a eficiência na condução de corrente elétrica
(SI). A unidade de carga elétrica é o coulomb (C). Alguns livros depende do número de portadores. Nos metais, verifica-se que são
e alguns países ainda usam a unidade do sistema Gaussicano. as cargas negativas que se movem. Isto pode ser verificado a partir da
A unidade de carga em tal sistema é o esu (statcoulomb). O sistema configuração eletrônica destes elementos. Quase todos eles têm um ou
Gaussiano se baseia na seguinte convenção: dois elétrons na última camada que são ligados fracamente ao átomo.
Imagine que vários átomos de Sódio se unam formando um
∈0 = 1/4π cristal. Os elétrons se comportam como uma nuvem livre sobre o cristal.
Veja a figura seguinte:

Onde ∈0 é a permissividade elétrica do vácuo (estudaremos – –– – – –


isso adiante). Assim, pode-se mostrar que o fator de conversão de íons Na+

coulomb para statcoulomb é de 3⋅109. – – –– – – – – – – elétrons
É comum utilizar outras ordens de grandeza para expressar – – – ––
– – –
cargas, chamadas de submúltiplos de carga: –

Observação:
SUBMÚLTIPLO SÍMBOLO VALOR A Terra é um condutor especial, que devido às suas dimensões
tende a descarregar todos os corpos condutores que à ela forem
miliCoulomb mC 10–3 C ligados.
microCoulomb µC 10–6 C Se um corpo está carregado negativamente, ao ligá-lo à Terra,
nanoCoulomb nC 10–9 C as cargas negativas excedentes escoam e deixam o corpo Neutro. O
picoCoulomb pC 10–12 C equilíbrio eletrostático ocorre quando os corpos adquirem o mesmo
potencial2.


–– –––
Princípio de atração e repulsão –– – – – – –

–––
––
–– ––
– –– –– –
Um dos motivos da gravitação, que é uma força muito menor –– – –– –

do que a força elétrica, ter sido estudado de maneira mais satisfatória – – – – –– – – – ––– –
muito antes da eletricidade é que a força elétrica pode atuar de duas
formas: atrativa ou repulsiva. Assim, muitas vezes esse efeito era
anulado em geral e ninguém observava com facilidade. Já a força Se um condutor eletrizado negativamente é ligado à Terra,
gravitacional é sempre atrativa e seus efeitos nunca se cancelam. os seus elétrons excedentes escoam para a Terra, descarregando-o.
É percebido na natureza que cargas elétricas (em repouso) de O mesmo ocorre quando um corpo está carregado
mesmos sinais se repelem e de sinais opostos se atraem. positivamente. Ao ligá-lo à Terra, elétrons migram para o corpo até
que o descarregue.

+++
+ + Repulsão
+
+ ++
+ ++
++ + + + + + + ++
++ + +
++
+ +
+
+ +–+ ++ +
+
+ + + + ++ + + + ++
– – Repulsão –

Se um condutor eletrizado positivamente é ligado à Terra,


+ – Atração
elétrons livres escoam da Terra, descarregando-o.
Atente sempre ao símbolo de aterramento. Pode ser um ponto
crucial para resolver um problema.

2 Trataremos de potencial mais à frente.

F B O NLINE.COM.BR 2 001.061-127582/18

//////////////////
Módulo de Estudo

Isolantes Série triboelétrica


São meios em que, em condições usuais, não há passagem Pele de coelho
de corrente elétrica. Evidentemente, isto se deve à ausência de
Vidro polido +
liberdade de movimento dos portadores de carga. São exemplos de
isolantes o vidro, a ebonite, os plásticos usuais, a água destilada, os Mica
óleos minerais. Apenas em condições especiais, sujeitos à ação de Marfim
intensos campos elétricos, por exemplo, um dielétrico pode conduzir
corrente elétrica. Lã
Pele de gato
Semicondutores Penas
Semicondutores são sólidos geralmente cristalinos de Seda
condutividade elétrica intermediária entre condutores e isolantes. Os
Algodão
semicondutores são, quando puros e cristalinos, a temperaturas muito
baixas, excelentes isolantes. Âmbar
Aumentando a temperatura e acrescentando uma impureza Ebonite –
(dopando o material), consegue-se a condução de cargas. Isto, Celuloide
evidentemente, só se dá, graças à existência de portadores de cargas
livres. Estes portadores podem ser de dois tipos: Observe a posição da seda e do vidro como visto anteriormente.
• Elétrons livres: neste caso, o semicondutor é dito de tipo
n (de negativo). Eletrização por contato
• “Buracos”: um buraco é uma ausência de elétrons, que É o processo que ocorre quando um corpo neutro é colocado
pode “passar” por um semicondutor. Neste caso, ele é dito de tipo-p em contato com um corpo eletrizado, havendo uma redistribuição de
(de positivo). carga elétrica entre eles. Se um ou ambos os corpos são isolantes, a
troca de cargas se dá apenas em uma pequena região em torno do
O número de portadores (elétrons livres ou buracos) em um contato. Se ambos os corpos forem condutores, a troca de cargas
semicondutor é sempre muito menor do que em um condutor. afeta a totalidade dos mesmos.
Existem outras classificações de materiais, por exemplo, os
supercondutores, mas não nos preocupemos tanto nesse momento. + + + +
+
+ + +
+ + + + + + a
+
+ + + + + +

Processos de eletrização –
– – –





– –




– b
– – – – –
Chamamos de processos de eletrização as possíveis formas de
eletrizar um material inicialmente neutro. Tal material pode se eletrizar
Eletrização por contato entre dois condutores, sendo um
positivamente (perdendo elétrons) ou negativamente (recebendo inicialmente carregado com carga positiva a e negativa b.
elétrons). No caso bastante particular de condutores esféricos idênticos, a
redistribuição de cargas se faz meio a meio. Estudaremos alguns casos
Eletrização por atrito mais diferentes ao definirmos potencial elétrico. Veja um exemplo de
Consiste em atritar dois materiais até que elétrons de um contato entre dois condutores esféricos:
deles migrem para o outro. Nesta situação, as cargas sempre possuem
+ +
mesmo módulo e sinais opostos. + +
Façamos o seguinte experimento: esfreguemos um bastão de + + a
vidro em um pedaço de seda. A seda por sua vez consegue extrair + +
elétrons do bastão, ficando assim com carga negativa. O bastão por + +
Q1 = Q Q2 = Q
sua vez, fica carregado positivamente. + +
+ +
+
+ e–
++ +
++
+
– +
– –– + +
+
a b c + + + +

b
Um bastão de vidro e um pedaço de seda, inicialmente neutros +
+ +
(a) são atritados, havendo passagem de elétrons do vidro para a seda +
Q Q
(b), que ficam, ao final do processo, com cargas positiva e negativa, Q =
'
1 Q2' =
2 2
respectivamente (c).
Depois de fazer tal experiência inúmeras vezes, cientistas
montaram a seguinte tabela, indicando qual material deve ceder Eletrização por contato de duas esferas condutoras idênticas.
elétrons em relação a outros. Essa série de valores foi batizada como Inicialmente uma está carregada e a outra está neutra (a). Após o
série triboelétrica. contato (b), a carga se distribui pela metade entre as duas esferas (c).

001.061-127582/18
3 F B O N L I NE .C O M . B R
//////////////////
Módulo de Estudo

A distribuição de cargas depende de vários fatores. Mesmo


sendo condutores, as cargas não fluem indefinidamente. A forma
Exercícios
do objeto também tem influência sobre a carga final obtida através
do contato.

Eletrização por indução 01. Na ausência da gravidade e no vácuo, encontram-se três esferas
condutoras alinhadas, A, B e C, de mesmo raios r,r e 2r e de
Quando aproximamos um corpo eletrizado de um condutor, massas respectivamente iguais a m, m e 2m. Inicialmente B e C
inicialmente neutro, as cargas migram de tal maneira que as positivas encontram-se descarregadas e em repouso, e a esfera A, com
fiquem próximas das negativas e vice-versa. carga elétrica Q, é lançada contra a intermediária B com uma
Por exemplo: Tomemos um bastão carregado negativamente certa velocidade ν. Supondo que todos os movimentos ocorram
e aproximemos de um condutor neutro. Os elétrons deste condutor ao longo de uma mesma reta, que as massas sejam grandes o
migram para a extremidade oposta, mantendo-se distantes do bastão suficiente para se desprezar as forças colombianas e ainda que
carregado também de elétrons. Cuidado para não sair por aí dizendo todas as colisões sejam elásticas, determine a carga elétrica de
que os prótons migram para regiões próximas a do bastão. Isso é um cada esfera após todas as colisões possíveis.
erro grave! Os prótons estão presos à estrutura e somente elétrons
estão livres para se mover. 02. Um condutor isolado perde elétrons. Podemos afirmar:
A) O condutor fica carregado positivamente.
B) O condutor fica carregado negativamente.
– – – – – – – – – + – C) O condutor fica neutro.
– – + –
A + B – a D) O condutor fica neutro ou carregado positivamente.
– – ++ –
– – – – – – – – – – E) Nada se pode afirmar.

03. Após atritarmos um bastão de ebonite com um pedaço de lã,


Indução Eletrostática em um condutor devido à aproximação medimos o valor da carga adquirida por aquele. Um possível valor
de um corpo carregado negativamente. para esta medida é:
Ao induzir cargas no material condutor, podemos ligá-lo à Terra. A) +8,0 × 10–19 C
Dessa forma, a carga de mesmo sinal do corpo carregado é anulada B) –7,2 × 10–19 C
pela Terra. Por exemplo, se o corpo for carregado positivamente, os C) +5,4 × 10–19 C
elétrons sobem da Terra para o condutor neutralizando a carga positiva D) –4,8 × 10–19 C
do condutor. Após isso, podemos cessar o aterramento (mantendo o E) Os valores dos itens b e d são possíveis.
condutor próximo ao corpo carregado) e em seguida afastá-lo. Assim,
04. Seja A uma esfera condutora de carga elétrica Q. Tomam-se
o condutor ficará carregado negativamente.
N neutras idênticas à A e isoladas umas das outras e realiza-se
a seguinte operação: toca-se A com a 1ª esfera neutra, depois
++ + + + – – – + ++ +++ ++ – –– toca-se A com a segunda e assim sucessivamente. Se, ao final da
+ + – + + – a
+ A + – B + + A + – B operação, a carga da esfera A é 2(18 – 4N) vezes a carga inicial de A,
+ + – – – ++ + + ––
+ ++ + ++ – quantas esferas foram tocadas por A?
–– – – – ++ – –– ––– –– ++
– – + – – – +
– A – + B – – A – + B b 05. Um aluno das turmas especiais realizou a seguinte experiência:
– – ++ – – – –– – ++
– – – – – I. Eletrizou uma pequena esfera condutora A com uma carga Q;
II. Tomou uma esfera neutra idêntica à primeira e provocou um
contato entre elas;
Ao ligarmos o corpo neutro à Terra, as cargas de mesmo sinal
III. Tomou duas esferas neutras idênticas à A e provocou um
que o corpo eletrizado se neutralizam. contato simultâneo entre elas e a esfera A;
Temos aqui um experimento bastante interessante: o IV. Tomou três esferas neutras idênticas à A e provocou um contato
eletroscópio de folhas. simultâneo entre elas e a esfera A; e assim por diante.
++ +
+ + Sabe-se que o número total de esferas na experiência (inclusive
– – – + +
––– ––– + A) é 56. Daí, a razão entre a carga contida na esfera A, após a
++ experiência, e Q é, aproximadamente:
1
A)
+
+ +
+
9!
+ +
B) 1
10!
Eletroscópio de folhas. 1
C)
11!
Ao aproximarmos uma esfera carregada positivamente,
os elétrons são atraídos para a parte superior do eletroscópio 1
D)
(carga total nula) e a região inferior (folhas) ficam carregadas 12!
positivamente. Como as cargas de mesmos sinais se repelem, as folhas E) N.D.A.
se abrem. A mesma coisa acontece quando a esfera é carregada
negativamente.

F B O NLINE.COM.BR 4 001.061-127582/18

//////////////////
Módulo de Estudo

06. (Fundação Carlos Chagas) Um bastão de vidro é atritado em 10. Considere uma caixa de paredes finas no vácuo, exposta a raios
certo tipo de tecido. O bastão, a seguir, é encostado em um gama, conforme mostra a figura.
eletroscópio previamente descarregado, de forma que as folhas Fóton
do mesmo sofrem uma pequena deflexão. Atrita-se a seguir
o bastão novamente com o mesmo tecido, aproximando-o do
mesmo eletroscópio, evitando o contato entre ambos. As folhas
do eletroscópio deverão:
A) manter-se com a mesma deflexão, independente da polaridade
da carga do bastão.
B) abrir-se mais, somente se a carga do bastão for negativa.
C) abrir-se mais, independentemente da polaridade da carga do A) O fóton pode criar cargas, variando, portanto, a carga total,
bastão. dentro e fora da caixa.
D) abrir-se mais, somente se a carga do bastão for positiva. B) O fóton jamais pode criar carga, assim, a variação da carga
E) fechar-se mais ou abrir-se mais, dependendo da polaridade da total, dentro e fora da caixa, é nula.
carga do bastão. C) A caixa pode tornar-se o palco de uma “criação de par”, mas
de tal forma que a variação de carga total, dentro e fora da
07. A bola 1 pode carregar-se até certa carga Q mediante um caixa, é nula.
D) O fóton pode criar uma estrutura chamada positrônio, formada
gerador. Em seguida, mediante o contato com a bola 2, a
de elétron e pósitron, razão pela qual proporcionará a violação
primeira pode transmitir para a segunda bola parte da carga. da Lei da Conservação da carga total, dentro e fora da caixa.
No primeiro contato, a bola 2 passou a ter uma carga q. E) A Lei da Conservação da carga não está de acordo com a
(A bola 2, antes dos processos, está neutra). Determine que carga exigência da invariância relativística, isto é, a Lei acima não
pode adquirir a bola 2 repetindo-se reiteradamente o processo. prevalece em qualquer sistema de referência inercial, ou
no sentido mais forte de que observadores localizados em
referenciais diferentes, ao medirem a carga, obtêm resultados
diferentes.

11. Considere n esferas condutoras idênticas neutras. Toma-se 1/3 das


1
1 esferas e eletriza-se uma delas com carga Q. Depois, realizam-
2
Gerador se contatos sucessivos da esfera inicialmente eletrizada com as
demais esferas do terço inicialmente separado. Finalmente realiza-
se um contato simultâneo desta esfera com os 2/3 restantes de
esferas. Determine a carga final da esfera inicialmente eletrizada.
08. (UFLA/2003) Uma vela acesa é colocada entre duas placas próximas 3 Q 3 Q
A) ⋅ n B) ⋅ n− 3
e eletrizadas com cargas elétricas de sinais contrários, conforme 2n + 3 3 2n + 3
2 23
a figura.
3 Q 3 Q
C) ⋅ D) ⋅
+ – 2n n−33 2n n3
2 2
+ –
+ –
– 12. Temos inicialmente um conjunto de N esferas metálicas idênticas,
+ –
+ – todas inicialmente neutras. Dividimos este conjunto em quatro
+ – subconjuntos com igual número de esferas. Do primeiro
+ – subconjunto, retiramos uma esfera e a eletrizamos com carga q.

+ – Esta esfera é colocada em contato sucessivo com cada uma das
+ – demais esferas do primeiro subconjunto e em seguida novamente
+ – separada. Esta esfera é então colocada em contato simultâneo
com as esferas do segundo subconjunto e em seguida novamente
separada. Pegamos então a esfera e realizamos contatos sucessivos
Supondo o sistema isolado de forças externas, pode-se afirmar
com as esferas do terceiro grupo e a separamos novamente.
que a chama da vela: Por último, realizamos um contato simultâneo desta esfera com
A) será atraída pela placa eletrizada positivamente. as esferas do quarto subconjunto. Determine a carga final desta
B) não será atraída por nenhuma das duas placas. esfera.
C) sofrerá um alongamento vertical. q q
D) sofrerá uma diminuição do seu tamanho. A) 2 N
D) 2 N 
N  2  N   2 −1
E) será atraída pela placa eletrizada negativamente.  4 + 1 2  4 + 1 2
   
q 16 ⋅ q
09. Um cubo metálico é carregado ao entrar em contato com B) 2 N 
E) N
uma placa metálica carregada. Após cada contato, a placa é  N   2 +1 N2 ⋅ 2 2
4 + 1 2
recarregada ficando sempre com uma carga Q. Sabe-se que, após  
o primeiro contato, a carga adquirida pelo cubo é Q/6. Encontre q
C) 2 N 
a máxima carga do cubo.  N   Z −1

4  21
 
001.061-127582/18
5 F B O N L I NE .C O M . B R
//////////////////
Módulo de Estudo

13. Considere um eletroscópio de folhas inicialmente neutro. Então, Devemos utilizar


seda é atritada com ebonite, que eletriza o eletroscópio por indução.
Na série triboelétrica a seguir, quanto mais na parte superior da
tabela, maior a tendência de perder elétrons na eletrização por
atrito.

Pele de coelho
Vidro
Mica
Lã A) o esquema I e ligar necessariamente F em C, pois as cargas
Pele de gato positivas aí induzidas atrairão elétrons da Terra, enquanto
Seda que se ligarmos em A, os elétrons aí induzidos pela repulsão
eletrostática, irão impedir a passagem de elétrons para a região
Algodão
C.
Madeira
B) o esquema II e ligar necessariamente F em A, pois as cargas
Âmbar positivas aí induzidas atrairão elétrons da Terra, enquanto
Ebonite que se ligarmos em C, os elétrons aí induzidos pela repulsão
Cobre eletrostática, irão impedir a passagem de elétrons para a região
Enxofre A.
Celuloide C) qualquer dos esquemas I ou II, desde que liguemos F
respectivamente em C, e em A.
D) o esquema I, no qual a ligação de F com o condutor poderá
Em seguida, aproxima-se do eletroscópio um condutor ser efetuada em qualquer ponto do condutor, pois os elétrons
negativamente carregado, cuja carga é, em módulo, igual à carga fluirão da Terra ao condutor até que o mesmo atinja o potencial
do eletroscópio. Nesse caso, considere as seguintes afirmações: da Terra.
I. Através do processo de eletrização por indução, o eletroscópio E) o esquema II, no qual a ligação de F com o condutor poderá ser
ficou positivamente carregado; efetuada em qualquer ponto do condutor, pois os elétrons fluirão
II. Ao aproximarmos o condutor carregado do eletroscópio, da Terra ao condutor, até que o mesmo atinja o potencial da Terra.
observa-se que as folhas tendem a se fechar;
III. Se tocarmos o condutor carregado no eletroscópio, as folhas Gabarito
tendem a se abrir;
IV. Se tivéssemos utilizado a seda para eletrizar o eletroscópio por
01 02 03 04 05
indução, ao aproximarmos o corpo condutor do eletroscópio
as folhas tenderiam a se fechar; * E D 06 C
V. Durante a aproximação do corpo condutor, há um fluxo de 06 07 08 09 10
elétrons no eletroscópio da parte superior para a inferior.
C * E * C
Podemos concluir que 11 12 13 14 15
A) todas são corretas. B D D A D
B) não há afirmação correta.
– Demonstração.
C) II e III, apenas, são corretas.
D) I, II e V, apenas, são corretas.
01.
E) somente II está errada. A B C
R V R 2R
Q
14. Na eletrização por indução, ao conectarmos um eletroscópio de
folhas à Terra, podemos afirmar que m m 2m
A) as folhas se fecham.
B) as folhas se abrem se o indutor é positivo, pois os elétrons Todas as cargas são iguais a q/3
sobem da terra.
1° Colisão:
C) as folhas ficam nas mesmas posições, pois os elétrons só irão
neutralizar as cargas induzidas. Como as massas são iguais e a colisão é elástica, após a colisão
D) somente se a carga do eletroscópio for negativa as folhas se a esfera A possui velocidade nula e a esfera B adquire velocidade ν.
fecham, pois os elétrons irão se escoar para a Terra. Além disso, as duas ficam com cargas iguais a Q/2.
E) somente se a carga do eletroscópio for positiva as folhas se
fecham, pois os elétrons irão subir da Terra, neutralizando-a. 2° Colisão:
Podemos utilizar a conservação do momento e que o coeficiente
15. Deseja-se carregar negativamente um condutor metálico pelo de restituição é igual a 1. Logo:
processo de indução eletrostática. Nos esquemas I e II, o condutor I) pB(antes) + pC(antes) = p(depois)
B
+ pC(depois)
foi fixado na haste isolante, F é um fio condutor que nos permite mν = mV’B + 2mV’C
fazer o contato com a Terra nos pontos A, B e C do condutor.
V’C – V’B
II) e = ν =1

F B O NLINE.COM.BR 6 001.061-127582/18

//////////////////
Módulo de Estudo

É óbvio que a partícula C irá ganhar velocidade para a esquerda. N = 10.


Resta saber a velocidade final da partícula B para saber se haverá
outra colisão com A. Assim, calculemos apenas V’B. Q
Daí, QA ( final) = .
11!
v = V’B + 2(V’B + ν)
Reposta: C
v
V’B = −
3 06. Neste caso, o bastão tem a mesma carga do eletroscópio. Assim
sendo, provocará mais repulsão de cargas para as folhas, e
Ou seja, retorna e colide com A. Além disso, as cargas após a portanto eles irão se abrir mais.
segunda colisão são:
Reposta: C
q q
= Q’B + Q’C = q’ + 2q’ → q’ =
2 6 07. Seja r o raio da bola 1 e R da bola 2.
I) Após o primeiro contato da bola 1 com a bola 2, esta adquire
Logo: Q’B = q/6 e Q’C = q/3. carga q.

3º Colisão: q + q = Q q1 = Q − q
Daí: 
1

As partículas A e B se chocam novamente passando a ter mesma  q1 q2 q1 q q


carga no final, pois possuem o mesmo raio.  r = R → r = R → q1 = r R

q q 2 Q−q r
Q”A + Q”B = + = q = 2Q” ou =
2 6 3 q R

q
Q”A = Q”B = II. Quando a 2 adquire sua carga máxima q2 (máx), então a 1 não
3
passará mais carga para 2.
No final, todas as cargas serão iguais a q/3. q2 (máx ) q1 = Q RQ
= ⇒ q2 (máx ) =
R r r
02. Como não sabemos a situação inicial do condutor, então nada se
pode afirmar. Qq
q2 (máx ) =
Q−q
Reposta: E

03. Consultando a série triboelétricas, veremos que a carga deve 08. A chama da vela provoca o efeito “termiônico”, e assim o ar perde
ser negativa. Além do mais, ele deve ser um múltiplo da carga elétrons (próximo à chama). Portanto, naquela região, uma massa
elementar. de ar positiva e assim a chama da vela será inclinada para a placa
positiva.
Reposta: D
Reposta: E
04.
09. Sejam:
Q0
qf = = 2(18 − 4N) Q0 C1 = capacitância do cubo.
2N C2 = capacitância da placa.
2(18 − 4N) = 2−N ⇒ − N = 18 − 4 N ⇒ 3 N = 18 ⇒ N = 6.
I) Após o contato, a relação carga/capacitância adquire o mesmo
Reposta: 06 valor.
Então: após o primeiro contato, teremos:
05. Q
I) A → Q 6 = q2 e q + Q = Q
2
, Q C1 C2 6
II) QA = Q, após contado com uma neutra → QA = .
2 Q 5Q
q2 = Q − =
, Q 6 6
III) QA = com duas neutras.
2 Q
Q ,
Q Q C1 6 C 1
Daí, QA = = = . Daí: = ⇒ 1 = .
6 2 ⋅ 3 3! C2 Q C2 5
5
,,Q 6
QA = com 3 neutros
3!
,, Q II) Seja Qmáx a carga máxima adquirida pelo cubo. Neste caso,
QA = e assim por diante. após o contato, a placa continuará com sua carga Q.
4!
Qmáx C1 Q
Esferas neutras → 55. Daí: = ⇒ Qmáx = .
Q C2 5
1 + 2 + 3 + ... + N = 55

F B O NLINE.COM.BR 7 001.061-127582/18

//////////////////
Módulo de Estudo

10. Os raios gama podem criar um par “matéria-antimatéria”. Assim, Daí:


teremos sempre o “sagrado” princípio da conservação da carga.
q3 =
q2
=
4 q (N − 4)
2
N
4
(N + 4) N
2 ·2
4
4
N
I. − 1 neutras e uma carga q = 1º conjunto.
4 N
Carga final da esfera de carga q após contato − 1 . 4 q
4 q3 =
q N+ 4 N 
 −1
q1 =  N  2 2
 −1
2 4 N
4º conjunto → esferas neutras.
4
II. contato simultaneo com as esferas do segundo grupo. N
q N  A esfera com carga q3 em contato simultâneo com neutra.
q’’ =  − 1 4
N   4  q3
q4 = qfinal =
 + 1 N
4 +1
2
4
 N q
III. Contato sucessivos com as esferas do terceiro grupo   .
 4 qfinal = 2 N 
 N   2 −1
q
N  N  + 1 2
 −1 4
q"’ = − 2 4 ⋅ 24
N 
 + 1 13. Seda e ebante atritados.
4
q N  Seda → Positivo.
IV. Finalmente q,(f) = 2  − 1
N  2 Ebante → Negativo.
 + 1 2
4
Análise os itens a seguir:
Reposta: C
I. Como o corpo apenas foi aproximado, então o eletroscópio
continua com sua carga positiva (Verdadeiro).
N
11. esferas.
3
1 delas com carga Q.
II. desceu (fluxo da partes superior para inferior)
n
I. Fazendo contatos sucessivos com − 1 esferas neutras.
Q Q 3
Carga final → q = n =
 n − 3
23−1 2 
 3  O corpo carregado negativamente tende a repelir elétrons
para as folhas e, assim, haverá diminuição das cargas que se
2n
II. Contatos simultâneos com restantes. representem e as folhas tendem a se fechar. (Verdadeiro);
3
(n − 3 )
Q 3 III. Ao trocar o corpo negativo no eletroscópio haverá fluxo de
3 Q elétrons para ele. Assim, a carga positiva diminuirá devida
Qfinal = q = 22 = .
neutralização e por conseguinte as folhas tendem a se fechar
3
n +1 2n − 3 2(n− 3) 3
(Falso);
12. 1º conjunto IV. Neste caso seria, o contrário do item II. Daí é sendo falso;
1 esfera → carga q. V. Verdadeiro, conforme esquema mostrado no item II.
N q
Após contatos sucessivos com − 1 → q1 = (N − 4 )
4 14. Quando se liga o eletroscópio à Terra, sempre haverá a “neutralização”
2 4
das folhas, assim eles se fecham, na posição normal.
N
2º conjunto → esferas neutras. A esfera com carga q, colocada
4 N Reposta: A
em contato simultâneo com neutras.
4
15. Conceitos básicos de eletrização por indução. Se o objetivo é
q1 1 q carregar o induzido negativamente, então o indutor deve ser
Daí: q2 = = ( N− 4 )
N
+1 N + 4 2 4 positivo. Quanto à ligação de F, poderá ser feita em qualquer
4 posição, pois o importante é a d.d.p. entre Terra e o sistema
N indutor + induzido.
3º conjunto → esferas neutras.
4
Reposta: D
N
A esfera com carga q2 em contatos sucessivos com neutras.
4
SUPERVISOR(A)/DIRETOR(A): MARCELO PENA – AUTOR(A): MARCOS HAROLDO
DIG.: Aníbal/ REV.: Kelly

F B O NLINE.COM.BR 8 001.061-127582/18

//////////////////